Você está na página 1de 349

~Of.6r R.

Villa-~bbos

.A.
REPUBLICA BRASILEIRA EM 1890 .
ou

Ensaio choro~raphico-historico do Brasil


2~ EDIÇÃO
CON8IDERJ.VELMENTE coaRECTJ. E J.UOJolENTJ.1lA E SEGOIDA DR
UM llíDlCE J.LPHJ.BETICO

2,-

RIO DE JANEIRO
Laexxu:nert &: C. - Editores
66, RUA DO OUVIDOR, 66

1890.. .
llomesmoAlf
A' VENDA NESTA LIVRARIA

A Republica Brasileira em ~ ~90 ou Ens, io


clíorograpbico-historico do Brasil, 2" ediçã.o, 1 vaI.
iu-So 34001
Compendio Elementar de Chorographia do
Brasil, adaptado ao uso das escolas de insll'ucção
primaria da Republica e precedido de algumas noçõe
acerca da geographia em geral, 2 edição, 1 vaI. ln-S'. 2WO
Pontos de Historia do Orasil, coordenados e re-
digidos de conformidade com o programma geral de
preparalorios, 2" ~dição correcta e au~mentada, 1 vaI.
in-S' •.......••.......... o • • • 2$001
• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

Lições de Historia Universal (.lIax C"euser) , se·


gundo o progra1l1ma ({!'ral de prt'pal'atorios, 2 vais.
in-So com 440 pago........ .•......... ...•.•......... no
I 'o"-"s de Astrononlla, ou rudimento d'eslascien-
\t,' alcance de lodos e illdi pen aveis aos candidatos
gta ll'iscipliua aos e:alll!'s geraes d pl'epal'atorioo.
')1I~gllJ mllilar. no G~[fma io .'ad nal, nas e -
y de Mal:<nha, Militar e Normal lla capital Federal,
.., "

1 yol. ln-S" COL') 2: ngnra 2$001


Pbonologia, .precNJida de algumas considerações sohy!'
o alphab!'to p I'tug CZ, 1 vol. ln-8' " . .. ~
BotanicD., de 1. D. Honkel',opusculo elementar adaptado
ao porlugnez, 1 voto 10-16......... 1$2i!
blcclonario Geographlco-Poslal do Brasil,
(em publicação no BRASIL-POSTAL.)
AO GENERALISSIMO

o fundador da Republica Brasileira

E AD GENERAL

lBeryilmm é'onslnal f!3olellzo de cJJ~gnlJuies


o promotor da benefica evolução regeneradora
e
primeiro Ministro de Instrucção Publica

em fiotl1eua~e1ll ao 1llai.s aetry.solado pafrioli.sffio


AO LEITOR

Após o periodo de quatro annos decorrido em um


estudo lucubrativo d'esteinteressantissimo a8sumpto,
quer aperfeiçoando-o em incessante consulta ás fontes
idonel\s, quer divulgando-o quotidiauamente pelo
a
magisteri~, apparece a 2 edição d'este modesto
opnsculo, outro lSiUl, producto consequente dos va-
liosos e excellentes dados que nos foram ministrados
por alg-uns illustrados amigos e collegas, cujos nomes
deixamos de declinar com receio de magoar-lhes em
nas infundadas modestias, mas que se const.Hui-
ram creuOl'es do nosso l'econhecimento pela beni·
gnidade e gentileza com que se dignaram acolher a
nossas solicitações, favorecendo-nos com a. uas
luzes; tambem, mão grado nosso, não podemos calar
o anxilio e animaçã.o que nos dispensaram os Srs.
Laemmert & C. a, publicando e subsidiando este livro
alem do seu valor 1 eal, sem o que permaneceria en-
volto no pó das gavetas, talvez estado compativel
com o seu merito.

Sendo a dynamicidade o caracter definido da


n08Sa actual phase sociologica, o apparecimento
neste perlodo de um trabalho que se propõe consignar
os factos e as cousas do nosso paíz, explica unica·
mente o desencargo de um compromisso por nós con-
trahido de substituirmos a nossa 1.& edição, quando
esgotada, por outra mais augmentada, melhorada e
expurgada. dos erros, incorrecções e senões que ge-
ralmente se encontram em trabalhos nas suas con·
dições e principalmente nos d'esta natureza em que
a materia exposta é de tal modo variavel que mesmo
por occasião da revisão d' esta obra, muitas seri~m
as modificações e accrescimos qne teriamos de fazer.
Si, conseguimos este desidemtum só nos resta a
couvicção intima de que os nossos sacrificios e labores
não fõram infructiferos; e, animados por tão bom
exito ousamos solicitar aos doutos as snas cr,ite-
riosas e sabias indicações com relação ao juizo d' este
livro.

Pretendíamos juntar uma carta chorographica a


cada Estado com o fim de facilitar o estudo e mais
fixar na memoria as localidades, direcções dos rios,
montanhas, etc, e tambem amenisar a aridez do
a.ssumpto com a iuserção de vinhetas; mas, diante do .
caracter provi orio do nosso estado de cousas, fômos
obstados a pôr em pratica todos estes melhoramentos
addiando-os para a primeira opportunidade.
Os dados para as linhas limitrophes entre os di·
versos estados extrahimos do magnifico Atlas Oa?~'
dido Mendes; são alguns defficientes e mesmo incor-
rectos, visto como a bôa vontade do autor não pôde
attenuar a in ufficiencia dos documentos officiaes, ma
p de esperar que o presente regimen politico trate
~eriamente d'esta importantissima questão.
tI

Â1em das innumeras revistas, monogl'aphias, reM


latorios, cartas geographicas e manuscríptos que
consultámos no proseguimento d'este trabalho recor-
remos principalmente á seguinte:

BibliegraphlR
Alcide d' Orbigny - L'homme americain.
Alves Nogueira. - Compendio de gf'ogmphia e
cho?'ograph-ia do Brasil.
Ayres do Casal- Ch01'ogmphia Brazilica.
B. IY>drigue - Relatorios.
Candi~ Mendes - .Atlas do I'I1lperio do Brazil.
Dr. Couto de Magalhães - Ethn010gia se11'agem.
Homem de Mello - Subsidias pa?'a a o?'[}ani-
sação da carta physica do Bmzil.
Dr. J. Rodrigues Peixoto··- Novos f'studos era-
Ileologicos 80[,1'e os Botocuclos.
Lauriano 1\1. Penha, - Cm'ta do III/perio do
B"C/til, 1883.
Dr. Pire de Almeida-L'agl'iclIlture et lf'S iII-
clltsh'ies an B?'ésil,
DI', Pil'e lle AlmeiJa -L'in,~t1'l(ctioll lJl1bliqllp.
UII Brési7.
rI', Tapajós. - O valle do Amazonas.
Wappaens. - C7lOl'ographia physica do Prasil.
Olllubl'O d :s~v
SECCÃO PR~MEIRA

INTRODUCÇÃO

Confill"urayfio porimetrica c relevo do solo. - Pontos extremos.-


Dimensões. - 8upcrficie. - Posiyão ash·onomica.- Linha
linlitrophe.- Temperatura e clima.- Flora braeileira.-
Fauna brasileim.- Geologia brasileira. -

A configl1ra~ão perimetrica dos E tados-Unidos


do Bra il, bem como a da America Meridional é de
um triangnlo irregular; cerca de duas terças parte
de seo solo comprehendem uma elevação variavel
entre 300 e 1000 metros e algumas de suas monta-
nhas attingem a 2000 metros presumíveis. Uma infi-
nidade de rios cortam-no em todas as direcções, indo
todos derramar suas aguas no Atlantico.

Constituem seos pontos extremos: ao N. a serra


de Roruima, vertente do Cotingo; ao S. a barra do
arroio Chuy; aE. a ponta da Pedra; e a O. as cabe-
ceiras do J avary .

A maior extensão de N. aS. entre a barra do


Chuye as cabeceiras do Cotingo, é de 4280 kilometro
1 c. B.
-2-
de E. a O. entre a ponta da Pedra e as nascentes do
Javary mede 4353 ltilometros (1); sendo para notar
apenas uma clifferença de 73 kilometl'os entre estas
dimensões.

A superficie da Republica Brasileira é avaliada


em 8,337,218 kilometros quadrados (2). Este paiz é
quatorze vezes maior que a França e quasi do tamanho
da Europa.

o meridiano da cal1Ítal dos Estallos Federae.


designado por O. divide irregularmente este paiz;
longitucle - para o oriente, abstrahindo-se da ilha
de Fernando de Noronha earchipelago da rrrin<1a.le, o
eo solo se e tende até 8' 19' 26"; e para o occidente
até 3D' 58' 26" ; - latitucle - pa.ra o norte o Brasil
se estende até 5° 10'; e para o sul 33' 45'.

A linha divisaria do Brasil com os demais paizes


limitrophes sul-americano' assignal!'L ao N. as Gl1yana.
Franceza, Rollandeza e Ingleza e a~ republica de
Veneznela e Nova·Granada ou Estados-Unidos da Co-
lambia; com a Guyana Franccza não se acha defini-
tivamente firma{la a linha divisaria" pois, comquanto já
fôssem celebrados com a França tres tratados (3), o
territorio comprehendido entre os rios Oyapock e
Ama,pá acha-se em litigio j baseada s 110S tratados es-
tipuhtdo_, as no sas cartas geo~ raphica assignal q,m
por limite o rio O.Vapock e a serra de TUlllucumaque j
com a Guyana Holl~tll(leza nada existe de l)ositivv ;
no entan to a erra de Tumucu ma que é con~ i.llerada
como limitr phe ; com a Guyana Iugleza não na tra-
tados de limites, si beül que em 1813 fôsse propostll
(1) .egllndo o prol. L. .II. P'11In, organi' a 101' da Carla Grra
d 1883.
(2\ Iiliel. ibid: (' em 8.a:n. 887 I;.m2 gunllo o Dr.PIl'es (LU lIu'i la
L'illl,'lW/iIJ/l pnbliq/Le ali Bl"tfsil.
(3) O tratado de Ulrechl em 11[3; o de VieJ111.L cm 1815 e o do
Pari' em 1817.
-3-
nm pelo governo imperial; por um accôrdo celebrado
com o governo Britannicofoiconsiderado neutro o ter-
ritorio limitrophe deuominado do Pirára e compre-
hendido entre os rios Tacutá e Repunary. A carta
do Imperio de 1883 assignala a fronteira pelas serras
de Essary, Acarahy e Tumucumaque, si bem que a
Inglaterra considere-a pela serra de Paracaima e rios
Surumú e rfacutá.
Com a republica de Venezuela a linha divisoria
está fixada em virtude do tratado de 5 de Maio de
1859 ; eis o art. 2° do referido tratado; « Começará
a linha di visoria naR cabeceiras do tio M:emachy, e
seguindo pelo mais alto do terreno passará pelas cabe-
ceiras do Aquió e Tomó e de Guaynia e Iquiraré ou
I anã, de modo que todas as aguas que vão ao
Aquió e Tomó, fiquem pertencendo á Venezuela, e as
que vão ao Guayuia, Hié e Issaná, ao Brazil j e atra-
vessará o Rio-Negro defronte da ilha de S. José que
está proxima á pedra de Cucuhy.
« Da ilha de S. José seguirá em linha recta
cortando o canal Matluacá na sua metade, ou no ponto
que accordarem o commissarios demarcadores, e que
divida corr,enientemente o dito canal; e d'alli, paR-
sando pelos grupo dos morros Cupy, Imery, Guay e
Urucussiro, atravessará o caminllO que communica por
terra o rio Castan bo com o Marary, e pela serra
Tapirapecó lm,cará os cume da seITa Parimã, de
modo que a: agua' que correm ao Padanary, l\Iarary
e Cababo;-j' fiquem pertencendo ao Brazil j e as que
Ião ao Turnacá ou Idapa ou Hia1)á á Venezuela.
« Seguirá pelo cume da serra Parimá até o angulo
que faz e ta com a erra Pa,l'acaima, de modo que todas
as aguas qlle correm ao rio Branco fiquem peI tencendo
ao Brazil, e a. que vão 3.0 Orínoco, á Venezuela j e
continuará a linha pelos pontos mais elevados da dita
~rra Paracaima, de modo que as agna que vão ao
1'10 Branco fiquem, como se lia dito, pertencendo ao
BraziI, e as que correm ao E. sequibo, Cuyuny e
-4-
Caromy á Venezuela, até onde se estenderem os terri-
torios dos dous E. tados na sua parte oriental. ~
Com os E~tado Unidos da Columbitt ainda não
foram fixado os limites, em razão de ser recu ada 'por
esta republica a vantajosa proposta que lhe fez o
governo imperial a 25 de Jnnho de ) 853 ; entret.anto
a Carta Geral do Imperio de 1883 as.ignala a linha
cli,i "oria começando pela barra elo Apaporis até a con·
finencia do Tarahyras e eguindo por e te até o sua
vertentes na. serra ele Aranl,-coarl1 d'ofille eglle para
le te até o ponto limitrophe com a "Venezuela.
Ao O. do Brasil acham-8e situados o Perú, :lo
Bolívia, o Paraguay e a Republica Argentina.
Com o Perú a linha di vi oria ~e achli fixada pelo
tratado de 23 de Outubro de ] 85], que cliz; «Pam
prevenir duvida ~L l'ecpeito da fronteira alluclida nas
estipulações ela presente con"Venção, concordam as
altas pltrt.e~ contractante em que o, limites do 1m·
perio do Brazil com a Republica do Perú sejam regu'
lado' em confOlmidade do IH'incipio-Hti possicletis; por
con eguinte reconhecem Tespecti "amente, como fron-
teira" a povoação de rrabatinga ; e dali para o ~, em
linha recta a. encontrar o rio Yapurá defronte ela fúz
do A.paporis i e de Tabatinga para o S., o rio Javar"
de de a sua confiuencia com o Amazona .
«Uma commi ão mixta nomeada por ambos o.
governos reconhecerá, conforme o principio - utl
possitletis a fronteira, e proporá a troca dos teni-
torio que julgarem a proposito para fixi1r os limite'
que s jam mai naturaes e conveniente a uma e outra
nação.»
Com a Bolivia o tratado de 27 de Março de 186í
a sentll, a linha divi uria na eguinte dispo~içftO d')
art. 2° :
A fronteira entre o Imperio do Brazil e a R~­
pnblica da Bolivia partirá do rio Paragnay na latI·
ndo 20·,10' onele de agua a bahia_~egra; eguirá pel~
meio desta até o ~~u fundo e dahi em linha recta a
-5-
lagôa de Caceres, cortando-a pelo seu meio; ira d'aqui
â, lagôa Mancliorê e a cortará pelo seu meio, bem como
as lagôas Gahyba e Uberaba, em tantas rectas quantas
fôrem necessesarias, de modo que fiquem do lado do
Brazil as terras altas das Pedras de Amolar e da Issua.
«Do extremo norte dI!. lagôa Uberaba irá em linha
recta ao extremo sul da corixa-Graude, salvando as
povoações brasileiras e bolivianas que ficarão respe·
ctimante do lado do Brasil ou da Bolilia ; do extremo
sul da corixa-Granc1e irá em linhas rectas ao morro da
Bôa-Vista e aos Quatro-Irmãos; destes tambem em
linha recta até ás nascentes do Rio-Verde; lH\,;xará
por este rio até á sua confiuencia com o Guaporé, e
pelo meio de te e elo l\Iamoré, até o Beni onde prin-
cipia o Madeira.
«Deste ril) para o O. seguirá a fronteira por uma
parallela, tirada da sua maIgem esquercla na latitude
8.10 2°:;
0
até encontrar o rio Jayary.
«Se o Javary tiver os suas nascentes ao N. c1'a-
quella linha Leste-oeste, seguirft a fronteira, desde a
mesma latitude por uma recta a bu cal' a origem prin-
cipal do àito Jayary.»
Oom o Paraguay a linha divisoria foi as entada
pelo tratado ele 9 de Janeiro de 1872; e te tratado
no art. 10 dispõ e :
«O territorio do Impedo do Brasil divide-se com
a Republica do Paragnay pelo alveo do rio Paraná
desde onde começam a po sessões brasileiras na foz
do Iguassü até o 'alto grande das Sete-Quedas no
mesmo rio Paraná.
«Do salto grande da Sete-Quedas continua a
linha divi 'oria pelo illai alto ela serra de l\Iaracaj Ú
até onele ella finda.
«Dahi segue em linha recta, ou que mais e lhe
approxime, pelos terrenos ruais eleyado a encontrar a
serra elo Amambahy.
-6-
« Prosegue pelo mais alto desta serra até a nas-
cente principal do rio Apa e baixa pelo alveo deste
fio até a sua foz na margem oriental do rio Paraguay.
«Toda as vertentes que COlTem para N. e E.
pertencem ao Brazil, e as que correm para o S. e O.
pertencem ao Paraguay.
« A ilha do Fecho dos Morros é do dominio do
Brazil ».
Com a Republica Argentina foi celebrallo um tra-
tado a 14 de Dezembro de 1857) o qual por não ter
sido ratificado ficou sem effeitoj ma , ás solicitudes
do gabinete Ootegipe, foi nomeada uma commissão
representada pelo illllstrado Sr. Barão de Capanema
para tratar desta questão.
O tratado de 1857 e pelo qual está regulada a
carta geral do Imperio de 1883, <li põe no art. 10 o
seguinte:
« O territorio do Imperio do Brazil diviUe-se do
da onfederação Ai'gentina pelo rio Urnguay, per-
ten endo toda a margem direita ou occidental á Con-
feúeração, e a esquerda ou oriental ao Brazil desde a
foz do aftluente Quarahim até a elo Peper3T_g·ua._sú.
onde as po sessões brasileiras occllpam a" duas mar-
gens do Urnguay .
« Segue a li.nha divi aria pelas aguas do Pepery-
gua"sú até a sua origem principal; desde e"ta conti-
nua pelo mai. alto do terreno a encontrar a cabeceira
priucipal do Santo Antonio até a sua. entrada no
Igllas Ú ou rio Grande de Coritiba e por este até a
sua conflllellcia com o Paraná.
« O terreno que o rio. Pepery-glla ú, S. An-
toniQ e IlYua~ Ú separam para o lado do oriente per-
tence ao Brazil, e para o lauo do occidente á Confe-
deração rgentina, endo do rlominio commllill da"
dua~ nações as aguas li ditos dou" primeiro rio" em
todo o en cur:so, e a do Iouas,ú óment.e, desde a
onfiuellcia do ~'. Antonio até o Pa.raná » .
-7-
A confederação Argentina reclama como limites
os rios Chapecó e Chapim (1)
A republica Oriental lIa Uruguay acha-se situada
ao S. do Brasil j a linha divisaria deste paiz, com
aquelle Estado foi fixada pelos tratados de 12 de Ou-
tubro de 1851 e 15 de Maio de 1852; o art. 3° daquelle
tratado dispõe o seguinte:
«§ 1°. Da embocadura do Arroyo Chuy no oceano
subirá e linha divisaria pelo dito Arroyo na extensão
de meia légua, e do ponto em que terminar a meia
legua, tirar-se-ha uma recta, que, passando pelo Sul
do forte de S. Miguel, e atravessando o arroyo deste
nome, procure as primeiras pontas do aroyo Palmar.
Das pontas do arroyo Palmar descerá a linha pelo dito
arroyo até encontrar o arroyo que a carta do Vi conde
de S. Leopoldo chama S. Luiz e a carta do coronel
engenheiro José Maria Reys, chama Iudia Muerta, e
por este descerá até a lagõa Mirim e circulará a mar-
gem occidental della na altura das maiores aguas até
a bocca do Jaguarão.
« § 2°. Da bocca do J a?;uarão seguirá a linha pela
margem direita do dito rio, acompauhanuo o galho
mais do Snl, que tem sua origem no valle de Aceguá e
erras do mesmo nome; do ponto de sa orlgem tirar-se-
ha. uma recta que atravesse o rio egro em frente da
embocadura do arroyo S. Luiz, e continuará a linha
divisaria pela arroyo de S. Luiz acima até a ganhar
a cochilha de Sant' Anna; segue por es~a cochilha e
ganha a de Haedo até o ponto em que começa o galho
de Quarahim denominado arroyo da Inyernada pela
carta do Visl',onde de S. Leopoldo, e sem nome na
çarta do Coronel Reys, e de ce pelo dito galho até
encontrar no rio Uruguay; pertencendo ao Brazil
a ilha ou ilhas que !'le acham na embocadura do dito
rio Quarahim llO Uruguay.»
. n E ta que lão, ljllP nl'nhnma solução tey dnranlc a monar-
cllla decahid;,l, ainda não fui resoll'ida pelo aclual G I erno Pro-
YI rio.
-8-
Este tratado foi modificado pelo de 15 de :Maio
que dispõe:
<,Art. la. O § lOdo art. 3° do tratado de limites
fica alterado do seguinte modo:
«Da embocaduradoarroyo Chuy no Oceano subirá
a linha divisoria pelo dito arroyo, e d'ahi passará
pelo pontal de S. Miguel até encontrar a lagõa :Mirim;
e seguirá costeando a sna margem occiclental até á
bocca do Jagllarão, conforme o uti possidetis.»
A linha divisoria das actuaes fronteiras foi assen·
tada, segundo o Relatorio do Ministerio dos Negocios
E trang'eiros de 1861, da seguinte fórma :
«Começará na barra do arroyo tie Chuy no
oceano, aos 33°,45'00" de lattitude meridional e aos
53° 25' 05 ' de longitude occi.clental do meridiano de
Greenwich segue pelo referido arroyo até o sM passo
geral) e de:::te corta em linba recta até ao passo geral
do arroyo de S. Miguel, tomando depaiH por este até
sahir á ]agôa Mirim. Depoi toma a linha di-visoria,
á margem meridional da me ma Lagôa e do rio Ja-
guarão. (Acta de 15 de Junho ele 1853,)
«Pela margem direita do J aguarão acima, prose-
gue a linha divi oria até á barra do Jaguarão Ohico,
e pela me ma margem deste até tomar oarroyo dalUna.
Peloarroyoda:àIina egllealinhaatéá sua mai~ alta
vertentes j e d'alli por uma linha recta pelo Áceguá
á barra do arroJo de S. Lniz no rio egro . eguindo
por este arroyo até proximo á cochilha de ant Auua,
toma a direcçã,o rectilinea entre o.' seos tlous galho
principaes evaiá mesma cochilba pelo monte chamado
do CemHerio. (Acta de 6 ele Ab1'il de 1 56).
« Continuando pelo culminante da Cochilha ue
Sant A.nua: a linha diyj oria pas a junto á no 'It yilla
de ant'Anna do Livramento continua pela, mesma
Cochilha até á de Haedo, por cujo culminante pro_egue
at6 encontrar a Cochilha de Belem.»
-9-
Junto á esta reunião se encontrarão as vertentes
do anoyo dos JUanécos, galho do Invernada e pelas
aguas deste vai sahir ao Quarahim. Finalmenta pelas
aguas do Quarahim abaixo, prosegue até o UruKuay.
(Acta de 28 de AU1'il de 1856).
Na recta que vai de Tabatinga ao Apaporis
acha·se em que. tão o ponto limitrophe entre o Perú e
o Equador; nas mesmas circumstancia acha-se aquelle
llaiz com a Boli"üt para fixar o seu ponto demar-
cador na recta que vai das cabeceiras do Javary á
confluencia do Beni e Mamoré; a Columbia e a Vene·
zuela litigiam a fronteira a O. do rio Memachy.

Os Estados-Unidos da Republica Bra'ileira occn·


pam uma área consideravel na superficie t.errestre e
estendendo- e pela zona torrida em sua totalidarle e
parte da zona temperada au traI a sua temperatura
nos offerece sensivei ~ contraste, como provam a varie·
dade de vegetaes que medram de seu fertilíssimo
solo e propri08 de determinadas latitude .
O illustrado Dr. Uartin'l Costa tira as seguin.
tes conclu ões sobre o clima do Brasil em geral;
&, partindo de tão abalhada autoridade, não trepi-
damos em reproduzil-a .
« 1~. O vasto territorio do BréLsil é em geral sall-
davel;
« 2. llo Das moles tias endemicas, a de natureza
paludosa são as mais espalhadas e as que mais con·
correm para a in alubridaLle de certa regiões; porém
como o saneamento do solo e a pratica de bôa hygiene
conseguem fazer c1esapparecer taes molestias, do que
nos fornece a Esco sia um exemplo, é de esperar llue
no futuro "lenha tambem a desapparecer ele entre nós
semelhante cau. a de insalubridade;
« 3. a A febre amarella que tem assolado epide-
micamente toda a co ta marítima, ó no Rio de Janeiro
se tornou endemica. Aqni mesmo, ha muito a e peral'
no entido de extinguir tiio impertinente elldemia,
-10-
dos esforços da hygiene publica, e das bôas pra.ticas
no tocante á hygiene particular.»

Em seu excellente COlnl1endio de geog?'aphia


e chm'ographia do B?"Ctz-il, o erudito Sr. M. T. Alves
Nogueira divide a flora brazileira em tres secções:
a do littoral, onde de modo uniforme predominam o
calor e a humidade; a do inteTio?', comprehendendo
uma grande região tropical ao norte e outra a menor
subtropical ao sul; e a da vasta planicie equatm"Íal
do .Amazonas. Este plano foi anteriormente exposto
pelo não menos provecto e illustrado Dr. Ramiz
GaIvão no subsidio que ministrou á Geographia Phy.
sica elo Brasil de Wappaeus.
Em razão da cifra (300 a 400.000) elevada que
assignala as especies deste reino nesta uberrima região
e dos estreitos limites em que se acha encerrado este
modesto ensaio é extemporaneo occuparmo-nos deste
assumpto com de. envolvimento; neste proposito
recorremos :'1,0 citado trabalho do conceituado pro-
fessor Alves Nogueira que delle se occupou com admi·
ravel felicidade e irreprehensivel espirita synthetico.
« a) Em consequencia da immensa extensão em
gráos de latitude, apresenta o litoral elo Atlantico typos
di:fferentes de "' egetação. No Maranhão, onde ainda
existe muita humidacle, encontram-se valles ferteis e
expe" as mattas. No Ceará escasseam as florestas. Da
bahia de S. José até á barra da Tutoya (a foz mais
occidental do rio Parnahyba) prolonga-se immensa
restinga, que aLeste se denomina Lenções pequenos e
a oeste Lenções grandes. Da barra da 'l'utoya até á de
Iguarassú (o mais oriental dos seis canaes do delta de
Parnabyba) o terreno é baixo e alagado no tempo das
chuvas, é uma planice de areia e medõe., onde á beira
do mar e dos rios corre longa linha de plantas dos
mangues (Rhizophora l\1angle, Avicennia nitida, Avi-
cennia racemo a), que e multiplicam pelos galhos
debruçados para o solo. Mai::; para leste vão mingoando
-11-

os manguesaes, que não só acompanham a costa até


aqui, como para o norte se estendem da fóz do rio
Pará até Cametá e para oeste até Gurllpá. Cobrindo
a margem oriental dos rios, os medões não deixam
surgir a. I vegetação senão na margem occidentaI. A
causa def:1te pbellomeno é a acçã.o constante do vento
de leste, que varrendo a margem occidental, impelie
as areias a formarem barras na foz dos rios. Os medões
attillgem a altura de 10 a 15 m., apresentando ao
poente face concava e ao nascente face escarpada.
Este caracter monotono tem natural explicação
nas circumstancias geognosticas e meteorologicas em
que se acba a costa de nordeste até ao cabo de S.
Agostinbo ou antes até a provincia das Alagôas. E'
ómente ao sul do grande bojo que começa a zona da
matta virgem. A foz do rio S. Francisco estabelece a
divisa phytologica ele duas regiões marítimas. A zona
ela matta virgem prolonga-se para o sul além de 30°
L. S. e mantém sempre mais ou menos o typo tro-
pical. Nella encontram-se a paineira (Bombax pen-
trandrum, Ceiba L.), a s'1pucaia (Lecythis oliaria,
11arviflora L.), a anda (Auda brasiliensis RadrL), a
barriguda (Pourretia tuberculata Mart.), o jacarandá
(Jacaranda brasiliensis Juss., Dalbergia nigra), o ipé
(Bignollia Chrysantha Jacq.), a embaúba (CeCI'opia
lJeltata L.), as cesalpinias (Gresalpinia brasiliensis,
echinata L.), o cajueiro (Anacardium occidentale L.).
Não menos notaveis são as variadas especies de pal-
meiras, como a jnssará (Ellterpe edulis Mart.), a
inelaiá (Attalea compta M.), a tucumá (Astrocaryum
vulgare M.), a piassaba (Attalea funifera :M.), as
gramineas, p. ex. o milho (Zea mai L.); as liliaceas,
p. ex. o inhame (Dioscorea alata L.); as tubifloras,
nas quaes obre 'abem o tomate (Solanum lycopersicum
L .), a pimenta (Capsicum annllnill L.), o fumo (=pe-
tima. icotiana tabacum L.), as legumino a , p. ex.
o amenrloim (Arachis hypogrea L.).
ão é sómente a exten 'ão longitudinal da costa
12
que influe no caracter da vegetação. Correndo do
norte até ao Rio de Janeiro a cadeia maritima sempre
muito arrerlada do oceano, não é por elIá determinada
a zona da matta-virgem. Esta pelo contrario e. ten-
de·se pelos valies até encontra.r no interior a zona dos
campos, acompanha o Rio Doce e seus affl.nentes até o
centro de Minas-Geraes, Ao sul do Rio de Janeiro a
serra maritima achega-se mais ao atlantico: for-
mando a beim do va to planalto concede apenas es-
treit.a orla para a matta-virgem de serra abaixo, Ao
sul de 30 0 parallelo de latitude é a costa caracterisada
por conrellas olIollgaclas e arenosas que formam no
rumo de N. E. para S, O, as lagôas dos Patos, Mirim,
Mangueira, Em geral taes peninsulas não tem mattas
e qua i nem-uma vegetação, mas a vertente para a
lagôa dos Patos enceri'a florestas; no taboleiro para Q
norte é a região "Vulgarmente denomina(la a matta,
Mais para o interior dá-se a tran ição para a zona
dos campo , Encerrando arvoredos possantes, como as
saponaceas (apindu::; aponaria L ), o páo d'alho
(Cmtreva Tapia L.), amaina (i\Iaina brasiliensis
Ruddi.), os cedros (Cedrela odorata L.), o matto vir-
gem renasce, depois da derrubada, na fórma acanhada
das capoeiras. Em yez dos gigantes lo deserto surgem
as sambalJaias (Pteris ca.udata L.), as melastomaceas
e gramineR.., p, ex, (} capim g"ordura (Melinis miuu-
tiftora L.). A roça. dn.s capoeiras gera o llIatto carras-
quento e ao depois certos mattos brancacentos e muito
ba to , que se chamam catingas.
b) o inte?'i01" do Brasil eis-equatorial ou a secção
dos campos ubelivide- e em duas regiões bem c1istin-
cta : uma muito exten a ao norte e completamente
tropical, outra menor e subtropical ao uI. E8ta se-
[funda ?'c[fião é a dos campo, te Teno qu~, chamado
avannas pelos indig'enas das Antilha foi n Ame-
rica do norte de.ignado pelo. primeiro::> colono fI' n-
cezes com o nome de prail'ies pelo B espanllóes em
Venezuela com o ele llanos e nas regiões platina com
-]3 -

o de pampas. Correspondem os campos ao que os Rus-


sos chamam steppes, são porém no Brasil chão ondu-
loso (em que as cochilhas e as canhadlts interrompem
a monotonia), gozão de clima ameno em granda pa ·te
tem sido coguomina<los o paraiso da America meri·
dional. Começando ao norte da provincia do Paraná
estendem-se, a oeste da Republica do Paraguay, para
o norte (nanos de Manzo, llanos de Chiq uito , llanos
Guarayos, llano de l\Iojo') e para o sul pela província
de S. Cathariua. e do Rio-Grande do Sul até o Es·
tado Oriental. Apparecem no planato de Coritiba com
a elevação lle 1. 065 m. acima <lo mar, ao sul fica o
Campo Largo, a oeste os campo!> de Guarapuava se·
parados elos campos das Palmas (em S. Cat-hal'ina)
pelo rio Iguassú (= Goyo covõ) , Quando os ta1:'olei·
ros e as chapadas soffrem de seccas periodicas e apre·
. entam vegetação amofinada tem o nome de sen.ão.
Mattos isolado, verdadeiros oasis de vegetação,
chamam-se capões, cerradões, ou carrascos. Ahi
encontram-se numerosas gramineas, p. ex. o sapé, o
capim (Panicum jumentol'Llm Pers,), o capim gorr1Llra
(Tl'istegio glutino a Nees, Melinis minulifiora H.).
Até a provincia de S. Paulo chega o pinheiro (Arau-
caria bTasiliensis),que aliásnão apareceemMinas Ge·
raes senão nos pontos elevados das serras. Juntamente
com esta conifel'a encolltrat2-Se differente e pecies
da congonha ou mate (Ilex paraguariensi ) não só nos
mattos de S. Pau]!), como tambem nos das provincias
meridionaes e principalmente no Rio Grande do Sul.
~ão faltam na:; lezírias dos campos as formosas pal-
meiras: a bnriti( 1auritia vinifera), a palmeira de
eque (M:allritia armata Mart.), a camaúba (Coper.
nicia cerifera Arr.). En tre as arvores sobresahem o
joazeiro (ZizyphllS joazeiro l\Iart.), o páo-ferro (Cre-
salpinia ferrea Mart.), o imbuzeiro (Spondia tubero a
Arr.), a mangabeira (Hancornia mangaba, Willugbeia
spciosa Gome~),o 0a.jazeiro (Spondias venulo a L.), o
abacateiro (Persea gratissima 8p.), o jambuzeiro
-14-
(Eugenia iambos L.), o grumixameiro (Eugenia bra-
siliensis Mart.), a jaboticabeira (Eugenia canliflora
L.), a pitangueira (Engenia pitanga L.), o murici
(Byrsonima verbascifolia Kth. ),0 maracujazeiro (Pas-
siflora maliformis L., Tacsonia sanguinea Juss.), o
mamo no (Oarica Papaya Mart.),Nos campos estão as
mattas repletas de parasitas (loranthaceas) e de epi-
phytas, p. ex. bromeJiaces e cacteas (cereas, opun-
cias) .
Nos campos t1'o2Jicaes não medram florestas sem o
concurso de copiosfl.s chuvas em todos os mezes; pelo
menos exigem solo que durante a estação secca se
conserve humido por causa da proximidade de rios ou
lagôas. Em geral, ao norte desta região tropical,
acham-se florestas nos terrenos elevados, ao passo
que os valles só apresent'lm tojos e vejetação rasteira.
Ao sul, pelo contrario, occupam as flore tas terrenos
baixos, emquanto que os montes e revestem de
plantas acanhadas. Nos montes mais altos de lIIinas-
Geraes, no Itacolllmi e no Itambé, assim como nas
ramificações da serra dí\, Mantiqueil'a contrasta a
escassez das arvores flore taes com mimo a vegeta-
ção de gl'amineas. Inteiramellté differentes são as
mattas nas c...'tbeceiras dos rio e em geral nos terre-
nos enchal'c:l.dos, como p. ex. nos valles do Paraguay
e do Guapol'é. Esplendida é a physionomia silvestre
ao long do JaurÚ,do Ollyabá e do Alto-Paragllay e no
grande pantanal de Xaraes (entre os rios Paraguay,
Ouyabá e S. Lourenço). Caracter especial apresenta
a vei!;etação na zona elo Alto-Paraguay acima de Villa
Maria, onde em grande quantidade apparece a poaia
(Oephcelis Ipecacuanha Rich,), proclucto de grande
importancia para a provincia de Matto·Grosso. Nos
alagadiço de Xaraes sobre-'ahem lias mattas as co-
los~ae:> gamelleim (Ficu), cujos densos ramos pro-
tegem myriades de plantas aquatica , p. ex. a pu-
jante al'lludin cea chamada uva (Gyuedum accha-
roides), que em ql1asi todo os rios ela America do sul
- 15-

')rnecia a frecha dos arcos ás tribus indigenas. Nas


argena do Araguaya floresce o pão-jangada (Apeiba.
,l.llgada L.), de cuja casca se fabricava excellente
'ordame. Na região do Araguaya e do Tocantins des-
,ca-se a importante myrtacea chamada castanheiro
o Brasil (Bertholletia excelsa Humb.).
c) a $ona eq1.tato)'ial ou a hyléa do Amazonas é a
vasta planice de largura mMia de cerca de 1000 km.
Ae~de 02° L.N. até o 7° L.S.) que por intermedio
dos innumeros tributarios amazonicos confina ao sul
com a reg'ião dos campos e prende-se ao norte á vasta
região do Orenoco. A vegetação que acompanha as
margens brasileiras elo Amazonas e de seus e teiros
é completamente diversa da que reveste os teJTenos
baixos e inundados pela.s enchentes. As mattas dos
alaga(Uços marg'inaes (caá-igapó, onele florescem o
L; Icáo e a ",alsaparrilha) offerecem notavel contraste

r')m a physionomia vegetal dos terrenos altos (caá-


l é) não só quanto ás especies denclrologicas como
t ,rnbem quanto á disposição dos ramos e gall10s e á
struct·ura da casca. As mattas compoem-se alterna-
tivamente de lindas palmeiras e de arvores robustas.
Entre as palmeiras no tão-se : o nbu sú (JUan5caria
Sd.cifel'a Gaernt.) i a miriti (Iauritia flexuosa L.) i
a jl1 sará (Euterpe euulis i\Iart.), elegante iriartea
provida ele raize aereas i a nobre anajá (Maximi-
liana regia M,), a mamo na ou palma Christi (Ricinu'
communis L.). Arvores immensas são o castanheiro
(Bel'tholletia excel;:;a H.), a seringueira ou borracha
(Syphonia elastica Pers'), utilissima eupborbiaceai o
I'ravo (Persea caryophyllata Mart.), o páo d'alho
(Cratreva Tapia L.), a Sapl1caia (Lecythi), o je-
quetibá (Couratari domestica, legalis); a massaran-
dl1ba (Galactodendron utile M.); o jatobá (Hymenreft
Coul'baril L.), o genipapeiro (Genipa americana L.);
a ncupira (Bowelichia virgilioides Ia.rt.); a andiroba
(C~rapft guianensi:s AubI.)i a apocynea chamada 801'-
Vell'a (Collophora utili) i a leguminosa chamada
-16-
cumarú ou parú (Dipterix odorata WilId, Oumarnna
odorataAubl. A fava é conhecida pelo nome de tonca);
a pitomba (Sapindus esculentus H.). Muitos outros
veg-etaes utilissimos opulentão a zona equatorial: as
gigantesca bombaceas deuomiuadas mungnbá (Bom-
bax mung-nba Mart.) e samaúma (Eriodendron sa-
mauma M.), a copaiba (Oopaifera ol1icinales L.), o
urncú (Bixa Orellana L.), a mandioca (Jatropha Ma-
nihot L.), o arroz selvagem (Oriza subuIata L.), o
cacáo (rIheobroma cacao L.), a baunilha (Vanilla pIa·
nifolia Anrlrew) ; na família das bromeliaceas o
aloe ou pita CAgave americana), o ananaz (Bromelia
ananas L.).
Em geral reiua no immenso covão do Amazonas
grande uniformidade climatologica. lia, porém certas
particularidades, re ultantes da configuração da bacia
fluvial; que não deixam de actuar no caracter zoologico
e botal1ico. Approximando·se das margens amazonicas
ao norte e ao uI do trecho médio, o planato da Gu-
yana e o planalto central cercefw o valle e estreitam !lo
zona da alluvião fluvial. Forma-se por tanto neste
ponto, pela decomposição das rochas crystallinas, solo
magro e meno fertil. Em contraste com a região acima
e abaixo, a terra meno opulenta não g'era mattas
muito espes a . as especies dendrologicas são diYer-
sa ; accentllando- e mai' a clifferença da e tação ecca
e da chuvosa, a frescura da veg'etação está sujeita a
modificaçõe periodica. O trecho snperior e inferior
do Amazonas offerecem mais analogia entre si do que
qualquer delles com o trecho médio. O tre3ho inferior.
soffre a acção da brisa oceanica e da maré, que dia-
riamente aturão de humidade e ta região baixa. O
trecho superior está sob a influencia da enchente e
va ante do rio, qne revezando- e semestralmente ora
aturam o 010 de humidade ora oenxug-am. Além disso
o trecho inferior consi te de terra alta e arena a, ao
pa o que o uperior só eontém argilla e humu . E ta
differenças affectalll o caracter local da flora e da
17 -

fauna. No trecho médio expandem-se em todo o es-


plendor as sensitivas e as laurineas: no grupo das
palmeiras sobrepuja a heliconia. Na vegetação aqua-
tica reina com magestoso brilho a Victoria régia. As
orchideas epiphyticas, as piperaceas e.as aroideas
ornam os tronco amarrados de bignoniaceas e malpi-
ghiaceas. Taquaraes (Arundo saccharoide) emmol-
duram o curso elo Amazonas, alamedas de bambús
(Bambusa arundinacea) acompanham a <lirecção de
seus affluentes. »

Com relação á fauna brasileira o emerito profes-


sor admitte com Pizarro (1) as tres regiões zoologicas
distinctas: Ct dct zonct Qj'iental, a do inte?'iol' e a da
bacia amazonica i e transcrevendo a sua «succinta re-
senha das differentes e pecies de animaes indigenas:
« a) Os mal1l1niferos são como já. dissemo ,relati-
vamente inferiores aos do Mundo' Antigo. O:; Euro-
peos só encoo tral'am como animal domestico na
America meridional o llama, que com a vicnna e a
al,paca são typos característico. da. região audina.
o Brazil os pachydermes comjJoem·se de duas e~pe­
eies de porcos: o do matto (Dicotyles labiatus,
Dicotyles torquatus, Cuv.) e o tapir (Tapiru suillus,
Blumemb.). Os ruminantes são representados por
quatro especies de veados: o galheiro (Cervu pa-
lndosu ), o campeíro (C. campestris), o mateiro (O.
rnfus) , o catiugueiro (C. simplicicorni). O~ eden-
~dos offerecem typo peculiares: os tariligrados,
lllolfensivos herbívoro encontrados a oeste do Andes
ate o tropico, incluindo p. ex. a preguiça grande
(Bradypus torquatus m.), a prequiça pequena
(Bradypus tridll.ctylus CllV')i o tat.ú apparecendo em
eis e pecies differente de de o Guyana até o rio da
Prata, p. ex. o tatú canastra (Da ypu giga~ Cuv.,)
e o tatú verua leiro (D. longicaudu Pr. Max.) i

(l) 1. 1. Pizal'l'o-WappaeIl5. Cap. xm, pago 259 .


.2 c. B.
-18 -

o tamanc1uá ou papa-formigas, comprehendendo


o tamanc1uá-bandeira (Myrmecophaga jubata L.),
que se encontra na região dos campo (tamanduá-
gnassú) e o tamandllá pequeno (Myrmecopha!?,'a te-
traclactyla L.) que é commum em todo oBra iJ. Os
roedores apresentam caractere e peciae : o esquillo
ou barua (na região elo littoral),o coelho (Lepus brasi-
liensis L. Na região dos campos), o caxinguelé
(Sciurus restnans L.), os ratos e camondongos em 26
especies differente'il (Holocbilus Brandt nas proYincias
de :iVIinas Geraes,Babia e S. Paulo; Calom:rs Waterh.;
commum em todo o Brazil; Habrothryx Wat. uu o
leirão muito frequente no snl; Oxymycteras Waterh.);.
o. muriformes, incluindo () rato grande (Oapromydes.
Muito frequente em Minas Geraes e S. Paulo), o é1l'ga-
naz ou tucntuco (Psammoryctide '\"fat. Especial ao
sul do Brasil) ; o ouriço-cacheiro (Oercolabe L.), a
paca (Crelogenys Paca), o aguti (Dasyprocta Aguti
Erxl.) , a capivara (Bydrochoorus Oapybara L.), a
preiá (Oavia aperea Erxl.) o mocõ (Oavia rnpestds
Pr. Max.). Os marsupiae comprehendem o g'enero
Didelphys, elo qual a gambá cOlllmum (Didelphys
marsupialis Pr. Max., D. cancrivora Temm.) é uma
das muita.: especies, e o genero Chironectes, cujo
representante mais vulgar é o jupati (Ohironectes
variegatus Illig.). Os carnívoros, entre os quae
falta a hyena, compreheudem: no genero felino a
onça ou jaguar (Feli onza L.) e a suçuarana. (Felis
concolor L. Puma ou Ouguar) ; no genero canino o
cachorro do matto (Oanis jubatus Desm.), a rapoza
do campo (Oanís Azarre Pr. Max., Oanis bra iliensis
Luud. N a região do littoral desde a Bahia até S.
Paulo); no genero mustelino a lontra ou ariranha.
(Lutra brasiliensis Raj .), o papamel (Galicti bar-
bara Beil.), a cachorrinha do matto (Galicti vittata.
BeIU, a maritacaca ou jacarecaguá (Mephite uifo-
cans Illig. Em Minas Geraes e . Paulo) . entre os
omnivoro figuram o guachini (Procyon canm:ivoru
- 19-

lllig.), o coati do bando (Nasua socialis Pr. Max.)


e o coati-mondeo (Na ua solitaria. Pr. Max.). A fa-
milia dos cmropteros é muito numerosa e não conta
nem-uma especie herbivora: o maior representante
é o vampiro (Pby110 'toma spectrum L.) e além deste
varias especies de morcegos muito communs em todo
o Brasil (Thyroptera tricolor Sp., Prohocides l'ivalis
Sp.). Na orrl.em do' milmmiferos constituem os qua-
drumanos Os mais nl1merosos habitantes das :florestas.
Oontam-se mai. dl3 cincoenta especies ao norte e na
região amazonica, ao passo que no Ulllão se conhe·
cem mai;:; de dez. Pertencem todos á família dos Pla-
tyrrhynre, vivem nas arvores, servem-se da cauda
como quinta mão e tem sei molares em cada mandi-
bula (excepto o genero Hapale, micos, que só tem
cinco). Assim no genero dos estendores encontram:se
o barbado (Mycetes fuscus Geoff. ) e o caraiá (JUycete
caraya Humb'); no dOti monos o buriqmm (AteIe
arachnoides Geoff.), o miriqulm (AteIes bypoxanthus
Pr. Neu-W.), o coa tá (AtelesPaniscus Geoil:'.); o do'
barrigudos (Lagothlix); o dos sapajú incluindo o
caiarará (Cebus gracilis p.), o saLy (Cebus fatnellus
L.), o capuchinho (Cebus xanthosternus Pr. :Max.),
o dos pithecios, p. ex. o saqui (Pithecium israelita
Sp.); o dos nocturnos, comprehendendo o miriquina
(Nyctipithecus Felinus Sp.), o carai (Nyctipithecu
vociferans Sp.), o ..,ahl1Y (Chl'ysothrix entomopLaga
Wagn.); o dos macaquinho., entre os quaes sobre-
sahem o mico (Bapale argentata L.), o sahuy
vermelho (Hapale chrssomelas Pr. Max.), e
muita outras e 'pecie . Finalmente na ordem dos
cetaceos enumeramos o peixe-boi (Manatus australis
Wiegm .), o boto (DeI phinus amazonicus L., Phocaena
.brasilien i' L.), a ba.leia (Balrena My ticetus, Ba-
lrena Physalus. Ontr'ora muito commum).
b) a fauna omitologica do Brasil sobrepuja a
de todas a regiõe tio globo na variedade da
M

fôrma, nos matize da cÔl'es, na multiplicidade do:'


- 20-

individuos e na opnlencia das vozes, sem contudo


attingir a melodia do canto tão apreciado em certos
passaros do Mundo antigo. Oertos generos existem em
commum com outras terras equinoxiaes, muitos porém
são privati vos do Brasil e sobresahem pela originali-
dade das formas, p. ex. o tucano (Rhamphastos,
Ptereglossus), os beija-f1.ôres (Trochilus), o ani (Oro-
tophaga), o jacamaré (Galbula), o pica-páo (Dendro-
colaptes), o saiaçu (Tanagra). Burmeister conta 133
especies de passaros ou aves cantoras. Â maioria.
compõe-se de insectivoros e vermivoros. No modo de
viver dá- e grande uifferença entre as aves sul-ame-
ricanas e as europeas, resultado natural das condi-
ções climathologlcas. E' phenomeno singular que,
dotadas do mais perfeito aparelho de locomoção, não
emigrem ao passo que em cardumes os peixes viajão
em épocas periodicas. As andorinhas, os cucos, as
cegonha não mudão de domicilio; durante o anno in-
teiro entoão os passaros o mesmo canto nas mesmas
localidade . Acarretão de locação apenas as difficul-
dades ele alimentação ou circnmstancias casuaes, p.
ex. grandes inundações. Tem sido observada certa.
-emigração em peqnena. escala de oeste para léste,
qnando as aves deixão a região mais fria do planalto
interno, buscando no inverno o calor do littora1. As
aves de ra.pina comprehendem : dous generos de abu-
tres, o urubú-rei (Oathartes Papa, Pr. :Max.) e o
Ul'ubú-commum (Cathartes brasiliensis Bonap.), 23
generos de açores, entre os quaes figuram o caracará
(Polyborus vulgaris Sp.), o urubitinga (Falco urubi-
tinga L.), o açor (Harpyia destructor Daud.), o uru-
taurama (~,pizaetus ornatus Daud.), o gavião (Nisus
triatus Vieill.), o falcão (Falco sparverius L.); e 8
generos de curujas e gaborés ( trix, Glaucidium).
ão as trepadoras, depois das de rapina, a ordem
mais numerosa das aves voadora : na familia dos
p ittacinos a arára (Macrocercus L.), o papagaio
(Psittacus, do qual contão-se mais de 80 especies),
- 21-

o periquito (Psittacula passerina L.), a maitáca (PiO'-


nus Wagl.); na dos rhamphastides o tucano (Rham-
phastus L.) e o araçari (Pteroglossus Illig.), na dos
zygodactylos e dos cuculides o picapão (Oolaptes cam-
pestris L.), e o aml (Orotophaga) ; na dos bucconinos
o João-doido (Oalurus), o jacamaré (Galbula); na dos-
syndactylos o taQ.uará ou gallo do matto (Prionitis
ruficapillus Illig.); na dos trochilides formo a e-
pecies de beija·tiôre Crrochilus albicollis Licht.,
Trochilus lVIang'o L., Trochilus moschitus L.), na dos-
capl'imulgide o choralua (Oaprimulgus grandis L.),
o bacuráo (Oaprimulgu:, albicollis L.), na dos calo-
pterides o pavão brasileiro (Ooracina scutata Temm.),
a araponga (Ohasmarhynclls nudicolis TemUl.), o
bemtevi (M uscicapa Pitang-ua Pr. Max.), o .] oão de
barro (Furnarius l'ufus GmeI.); na dos subnlirostre&
o sabiá da praiá (Mimu lividus Pr. Max.), na dos
fissirostres a audorinha (HirUlldo chalybaea Pr.
Max.), na dos tenuil'ostres o sahi (Ooereba flaveola
Pr. Max.); na aos curinostres o aiassú (Tanagra
Saiaca Pr. Max.), o cardeal (Fringilla cristata
Gmel.), o papa-capim ou tico-tico-rei (Fringilla pi-
leata Pr. Max.), o ticotico (Fringilla matutina
Licht.), o canario (Fringilla brasiliensis Pr. Max.),.
na dos magnirostres osojfré (Icterus Jamacaii Daud.),
ojapú (Oassicus cristatus Licht.), o japui (Oassicus
persicus Pr. Max.), o guaché (Oassicus hemorrhous
Licht.). Na ordem dos colombinos encontram-se o
pombo commum (Patagioenas loricata Burm.), a
pomba rola (Ohamaepelia Talpacoti Burm.), a jllruti
(Peristera frontalis Burm.), o pombo pariri (Oreo-
pelia montana BUl'm.). A ordem, dos gallinaceo.
inclue: a familia dos cryptorides, á qual pertencem
? ~nhambú (Orypturu~ Tataupa Burm.), o zabelé ou
lyao (Crypturus lloctlvaglls Burm.), o chorão (Ory-
pturus variegat.us Burm.), o macuco (Tracbypelmus
brasiliell is BUTm .), a perdiz (Rhynchotu rllfescens
Burm.), acodorniz (~othura maculosa Burm.), a d08
- 22-

tetraonides, que compret.endem a capoeira (Odonto~


phol'u. dentatu.' B urm.); a dos penelopidas, cujas
especie principaes ão o jacú branco ou jacutinga
(Penelope leucoptera Pr. Max.), o jacú-pema (Pene-
lope superciliaris llling.), o jacu-guas ú (Penelope
cristata Blu-m .), o mutnm (Onn Blumenb·tchi.i Sp.),
o urumutum, (Urax urumutum Burm.). A ordem das
coneàoras encerra a ema ou nhandú (Rhea americana
Bríss .). A orçlem elas macrotarsos comprehende : na.
família da limicola' o qner-quer (Vanellus Oayan-
nensis Gnel.); na das totanidl1s a Ml'ceja. (ScQlopax
frenata IlliO'.) e o ma~,1rico (Oaliclri' arenaria IlUg.);
na l1as pall1dicolas o carão (Ar mu seolopaceus
Burm.), a s-n.racura (Gallinllla Pr. Max.), a pica-
para Oll patinho dagua (Podoa snrinamensis Illig.),
a inlmmn, (Palamedea cornll ta L .); na das arvicolas o
agami (P 'ophia crepitans L.) e a seriema (Dicholo-
phnscristatns Illig. ); na el;1s cegonhas o colhereiro
(Oancroma cochlearia L.), a garça (Ardea Egretta
Pr. Max.), o socó (Ardea pileata. L:tth.), o jaburú
(Oiconia Mictel'ia Illig.). A ordem dos palmípedes
inclue: na família dos anatides o pato do matto (A.m.s
moschata L.), o m:tr:-eco (Auas brasiliensis L.), o
poturí (Anas viduata L,), o mergulhão (Plotus
Anhinga L.); na das larides a g'aivota (Laru ), a ano
dorinha do mar ( terna.).
c) A classe dos wnphibios e obretudo dos reptis
é muito abllUdante em typos especiaes. Na ordem dos
testudinaceoR encontram-se: na família dos chersinos
o jabuti ou cágado do matto (Testudo tabulat3. L.);
na dos chelonios a tartaruga do mar (Oareta escu·
lenta Merr.)· na dos emydes a tartaruO'a grande OU
jurará-a sú do Amazonas (Emys amazonica Sp.), o
tracajá (Emy' tracaxa Sp.'-~ o cigado (Emys de-
pressa Pr. Max.). A ordem dos saureo inclue: na.
família dos loricados o jacaré-guas ú (Oaiman niger
Sp.), o jacaré commum (Alligatorsclerops Pr. Ma.x.);
na dos lagartos o camaleão (Lophyrus, Anolis etc.)t
- 23-
a lagartixa (Hypsibatus). Na ordem dos ophidios
contam-se 38 especies innocuas e 5 venenosas: na
família dos eurystomos a giboia (Bôa constritor L.),
a sucurijú ou cobra d'agua (Bôa aquatica,Pr. Max.),
a caninana (Coluber poecilostoma Pr. :Max.), a cobra
cipó (Coluber bicarinatus Pr. Max.), a cascavel
(Crotalu' horridus L.), a surucucú (Lacllesis rhom-
beata L.), a jararaca (Bothrops leucurus p.), e
muitas especies de vibora". A o 'dem dos batrachios
comprehende, na familia dos ecaudatos, a rã (Rana
esculenta), o sapo (HyJallledu a palmata Burm.).
d) Alalma ichthyologica i':ubdivide-se em dous
grande' grupos : o dos osteacauthos (peixes de o. sos
e espinhas) e o dos chondracantos (ou cartilaginosos).
A ichtbyologia brasileira comprelJende os peixe.
d'agua salgada e os d agua doce. OH primeiros ão
communs a outras regiõe I ao passo que os segundo
contam mnito" generos peculiares á Amarica do Sul.
A A ia, sMe das mais possantes feras da classe do
mammifero I possue innumeras e pecies de peixes
herbivoro ; a America Meridioual, relativamente
pobre em carnivoros ou animaes ele rapina, conta
muitas especies de peixes vora'le . Feição caracteris-
tica dos habitantes das aguas é o habito migratorio,
que não 8e observa no mundo ornithologico do Bra il.
Por occasião das enchentes do Amazona descem
vastos cardume do norte e do uI pelos innumero'
affluentes. No tempo da secca em Minas-Geraes des-
P~ião os tributario do rio S. Fraucisco myriade de
peixes, que viajão até ás cachoeiras de Paulo Afi·onso.
Outro facto curio o na fauna ichthyologica é a cha-
mada piracema. especie de poro roca. entre dous rio'
acarretando pela força da enxurrada prodigioso enca-
lhamento de peixe nas 1 'trgens deixadas a ecco; foi
este phenomeno que determinou em Piratininga a
escolha do local da cidade de S. Paulo. Hoje acham-
se classificadtL cerca de 18.000 e pecies de peixes,
pela. maior parte ma,ritimo. Principalmente na.
- 24-

immensa rêde platino-ámazonica possue o Brasil fabu..-


losa riqueza ichthyologica. Sem contar p. ex. muitas
especies que por falta de tempo não puderam sElr
cl~ssifi.cadas no Brasil, revelou Aga iz nas aguas do
Amazonas 1,143 especies novas, isto é, numero maior
lio que se conhecia no. mundo em principios deste
seculo. No Brasil são os peixes d'agua doce em geral
labroides (da classe cIos acanthopterigios), salmoueos
e silnrides (da classe dos malacoptel'yg'io)o Os mais
conhecidos são: o bagre (Siluru Bagre Sp.), o pacú
(Prochilodus nigrican Agas.), o acará (Mesonauta
N

in igni Guntbo), o orumbim (Platystoma Lima Sp.),


o piau (Leporinl1 L.), o curimatá ( chizodon fas-
ciatu Agas o), a piranha (Serra almo Piranha SP')r
a traira (Erythrinus Gunth.), o pirarucú (Sudis
gigas Cl1V .), a enguia electrica (Gymnotus electricus
Humb.). a raia (Raja Sp.).
e) Composta de mais de 150.000 individuos bem
caracterü a.dos, a fauna entomologica divide- e em
ete ordens, que todas se acham no Bra iI repre-
entadas por muitos generos e especies. Na ordem
do coleopteros ou escarabeos (das quaes já foram
elas ificada mais de 80,000 e pecie ), que são no-
Bra iI pela maior parte herbivoros, :figaram o vaga-
lume (Lamp ri noctiluca L oL o cocnjo (Elater no-
ctill1cu. L.), o brilhante (Entimu Imperiali Sp o), a
esmeraldina (Carabus auratus Fabr.), o serrador
lophaga, Calandra palmarum etc.); na ordem dos
lepidopteros (com mai de 20.000 indi,iduos bem
d6 criminados) muitas e pe ie de borboleta como
N
,

p. ex. a verde (PapiIio LeiIus p.) a e trellada (Do-


riti Apollo Humb.), a dourada (Papilio Machaon
Lo) a nocturna (Noctna trix L.). a maripo a (Cast-
ma Latreillei Perty), o bicho da eda (phalaena Atias
L o), na do~ hymeuoptero a aúva (Oecodoma cepha-
lote Latr.),!lo tanajura (Ponera oigan ea Perty), a.
formiO'a preta (Formica de tructor Fab.) a ve pa.
( e pavnlgaris L.) omari1l1bondo ( hartergu Lep.)"
-25 -
a abelha (o genero Brachygastra Perty e o Trigona.
com as duas especies jatai, Trigona Jati Smith, e
tataira, Trig. tataira Smith); na dos dipteros o pium
(Culex pi;iens Sp.), o maroim (Simulia pertinax Kol),.
o carapana (Culex amazonicus Sp.), a mosca vare-
geira ou moscardo (Cl1terebTa noxialis Gaudot); na
lios neuropteros o cupim domestico (Termes lievastans
Kol.), o cupim do campo (Termes cumulans Rol.) ;
na UOS orthopteros a barata (Blat.ta orientalis L.), o
gafanhoto do matto (Raplopus eucnemis Burm.), o
gafanhoto vermelho (Acridium cristatum L.), o grillo
(Gryllus campestris L.) ; na dos hemipteros a cigarra.
(Cicada tYll1panum L.), etc.
i) .d classe dos amchnides inclue na oruem do .
arthrogastros o escorpião comlllum (Scorpio commn-
ni ); na das aranhas a I1handu-guassú (Mygale
Blondii Latr .). a aral1hél commUlll (Aranea domestica),
a caranguegeira (Aranea diadema L.); na dos acar-
nios o gusano (Acarus farime L.); na dos ixodes o
carrapato (Ixodes amblyomma amel'iCanUlll L.),o car-
rapato miudo (Ixodes crenatum Rol.).
g) Na classe dos cntstaceos achão-se: na ordem
dos malacostracos o carangueijo (Carcinusmaenus L.),
o siri (Platycarcinus pagUl'llS Latr .), o gllaiamú (Ge-
carcinu ruricola Latr.), e na dos arthrostracos a
lacraia ou japuruca (Scolopenilra morsitans L. ).»

E' de nlllaépocarelativamente recente que data o·


e tudo da estructura geologica brasileira, figurando
Hart.t e Derby d'entre o sens principaes inve tiga
dores. Na opinião do referido professor Derby a divisão
paleontologica brasileira é assignalada nas seguintes
e pecies :
a) Terreno A1'cheano-composto de antigas ro-
chas metamorphica. que constituem a maior parte das
montanhas e dividido em duas granues áries. A pri-
~eira foi cla'sificada por Hartt no systema lauren-
Clano e á caracterisada pelo Eozoon canaden e ahi
- 26-

encontrado; esta é a mais antiga e constante de rochas


altamente crystallinas como granito, ~yenito, gneiss e
micascbisto. O maior desenvolvimento deste systema
é observado principalmente nas mais elevadas alti-
tudes das regiões da erra do Mar e da Mantiqueira
e mais raramente nas demais montanhas onde predo-
minam, ora a segunda série, ora formações mais re·
centes, Na serra do Mar os picos principaes desta ca·
deia ao longo da costa do Rio de Janeiro S. Paulo e
Paraná são caracterisaelos pelas fórmas ele zimborios
e agulhas provenientes da estratificação <.lo~ gneiss
graniticos que ahi se encontram em abundancia. Na
erra da Mantiqueira as rochas predominantes são
gneiss schisto os e mica chif'tos apezar da formação
granitoide das gTandes altitude, apparecendo o~
marmores mui raramente nesta forma~ãu. i bem que
Q ferro e o ouro figurem neste sy tema não é com a
mesma abundancia observada na outra série. Naparte
oriental do estado de Minas-Geraes ha desenvolvi-
da exploração de peclras preciosa .
A segunda serie, refericla ao ystema huroniano,
não é tão crystalli ada como a precedente e compõe-se
de quartzito , scbi tos, mineraes de ferro e calcareo
que caracteri am as regiões da serra, <.lo Espinhaço,
da Oanastra, da llfatta da Corda e da' montanhas de
Goyaz. Promiscuamente com o systema precedente
apresenta-se este geralmente em todos o~ pontos em
que as 1'ochas metamorphicas jllndamentaes são ex-
1)0 tas á vista pela clenudação. As regiões deste sys-
tema são as mais ricas do mundo em minereos de
ferro e nelle predominam a, rochas de chisto hydro-
micaceo e chloritico e quartzitos micaceos e schis-
to os. Fazem parte desta erie a tapanhoacanga {I)
que occupa extensão consideravel e o marmore que se
dilata em consideravei jazida . A fórma caracteri .
tica desta serie oíferece ensivel contraste com a do
- 27-

y tema laurenciano j pois os e tratos huronianos re·


ellam-se pela f6rma angular, inclinada e dentada.
As mais importante explorações de ouro que se têm
feito no Brasil fôram realisadas nas minas desta serie.
Os modernos e. tudos de Derby e Gorceix vieram con-
firmar a suo peita da exi tencia de alguma relação
entre as rocha huroniana. e ai allnviões diamanti-
feras de Mina'-Gerae , Goyaz, Matto-Gros o e Bahia;
o que se deve inferiT com algum funuamento para todo
o Bra,jl.
b) Terreno PfI,laeopoicg - composto da rochas
do systema silnrÍano. devoniano e carbonifero.
A. consicleraveis exten, õe de gres, alguma
vezes confundido com o itacolumito do sy'ltema 1m '0-
mano, qne se observam na erra do Espinhaço, regiiio
eptentrional ele Mina;-·Gerae e central da Bahia.
fôram referidas pelo illustrado professo, ao systema
siluriano i e com alguns visos de probabilidaue refere
a este mesmo systema as formações de grés, schistos
argillo 'os e calcareos predominantes na extrema me-
ridional da Mantiqueira, ao uI de S. Paulo e Paraná
em o norte de Sergipe e Bahia. e em algnn: pontos do
planalto continental a lé te da erra do E-pinhaço.
A formações da montanha' situada de ambos o
lados do . Franci co pertencem á época siluriana ou
devouiana, a jnlgar-. e pelos fosseis encontl'ados nos
e trato de gre~ duro e azulado e schisto argillo o.
As camadas horizontaes de gré , schisto argilloso
e calcareo que compoem o chapadão da bacia do Pa-
raná pertencem á época devoniann. e carbonifera.
i bem que o limites de ta dna formaçõe- não se
achem determinado~ de um modo definitivo sabe-"e.
pelo~ fo' ei' que o caJ)}po~ geraes do Paranà ão oc"-
cupados pela formação da primeira i a.o pa so que uma
grande extensã de e E'tado DaTa oe te é coberta dp,
estrato corbonifero ob erv ndil- e facto identico no
ui e centro de . Pa.nlo em a.nta Catharina e no Rio
Grande do ul. O cn.rvão é encontrado em todo o
- 28-
Estados meridionaes do Brasil, contando-se em al-
guns delleR minas já exploradas. Da decomposição dI)
diorito,operada nestas duas formações,resulta o appa-
recimento da terra rôxa, tão notavel pela sua ferti-
lidade.
c) Terreno Carbonife'l·o.-O chapadão amasonico
ê em sua maior parte composto de gres e schisto ar-
gilloso, cuja edade geologica ainda não foi sufficiente-
mente determinada por não terem sido ahi encontrados
fosseis; entretanto, o professor Del'by attribue a
D' Orbigny a classificação desses estratos na edade car-
bonifera, visto como os terrenos circumvizinbos á barra
do Guaporé são semelhantes aos lenções carboniferos
da Bolívia Oriental onde se têm encontrado fosseis.
O referido professor é de opinião que os estratos hori-
zontaes de grês e scbisto argilloso encontrados a
oeste de Minas-Geraes e ela Babia correspondem á
formação carbonifera ou devoniana ela bacia do Pa-
raná, discordando portanto, de algnns autores que
os referem ora á época secundaria, ora á terciaria.
d) Terreno Trias-ico. A semelhança que existe
entre os mineraes encontrados nas rochas daEuropa
e da America do Norte na edade triasica e os estratos
de grês associado a extensos lenções de trape amy-
gdaloide que se encontram em llma sensivel area da
bacia do Paraná ao oeste das zonas devoniana e car-
bonifera, levou o operoso professor a admittir provi-
soriamente idElntica formação a e tes ultimo .
e) Terreno C?'etaceo. A' esta forma~ão ão refe-
ridos os planaltos dominantes no. estado de Pernam-
buco, Bama e Alagoas em razão do apparecimento de
grês e sehi to argilloso no quaes tem- e encontrado
fos ai correspondentes áformação da bacia do Parna-
hyba, repositorio de excellentes specimen~ de peixes
fosseis de edade cretacea. No Ceará ha tambem ves-
tigio de ta formação.
Pertencem com algum fundamento a e ta edade
- 29-

as ca.madas de grés com folhas fosseis que se encon-


tram nas circumvizinhanças da villa de Monte-Alegre.
Esta época revela-se egualmente na região do
alto Amazonas com o apparecimento de reptis fosseis.
j) Terreno Tm'ciario e Quatemario. Os depo-
sitos de agna doce, contendo lignites e encontrados
nos valles do alto Parahyba, do alto Tieté e em
varios pontos de Minas-Geraes, attestam a formação
terciaria, não se podendo, entretanto, concluir da.
mesma fôrma para o grande planalto continental. Nas
-chapadas dos Estados de Sergipe, Alagoas, Pernam-
buco, Pará e Parahyba e que attingem cerca de 100
metros, revella-se tambem a época terciaria e de uma
maneira carecteristica no littora1. Sobrepostos ás
-camadas de origem cretacea existentes nas proximi-
dades da vina de Monte Alegre no Amazonas, encon-
tram-se extensos lençóes no sentido horizontal qne
pelos seus elementos parecem pertencer á formação
terciaria.
Concorrem para confirmar a existencia de uma.
época qnaternaria o apparecimento de depositos :fiu-
viaes e lacustres, bem como o de uma camada terrosa.
que se extende quasi por toda a superficie do planalto
oe resultante da denudação subaeria. A despeito das
affirmações de alguns geologos, tem a nossa geologia.
demonstrado a não existencia de depositos glaciaes em
i} nosso solo. As extensas camadas encontradas nas
terras baixas e alaga.diças da depressão amasonica.
resentem-se de uma formação quaternaria e talvez
de recente origem ternaria. Pertence igualmente a.
estas duas formações a depressão do Paraguay, no-
tavel pelos seu gigantescos mammiferos fosseis.
Terreno de origem vulcanica é apenas encon-
. trado na pequena ilha de Fernando de Noronha; pois,
em nenhum ponto da parte continental já foi obser-
Va.da esta formação.
PI UIEIRA PARTE
Descripção Physica

CA.PITULO I
GeOlnorphograpbia (1)

LIÇÃO I
01'og1'alJhia (2)

A orographia propriamente brasileira e na qual


predominam as montanhas longitudinaes, comprehen-
de a montanhas q ue e acham a léste e no centro do
territorio, constituindo um sy tema de montanhas de
formação verdadeira, não 6 por serem devidas ao so-
l~vamento do, 010, ma~ tambem por constituirem (prin-
CIpalmente a cadeia maritima) o mais poderoso balu-
arte de gnê primitivo em o nos o planeta.
E te conjuncto de montanha foi elas i:ficado pelos
nos o geologo em um grupo triade, segundo a di-
recçã.o das principae cordilheira e a vertente por
ella~ discriminada~.
n) - O sy, t, ma oriental Olt maritimo - é formado
-32-

pela cadeia de montanhas que orla parte da costa ori-


ental, acompanhando-a quasi parallelamente desde
as proximidades do cabo de S. Roque até o Estado do
Rio-Grande do Sul em uma extensão approximada de
2,000 kilometros. Attingindo ao seo maximo de desen-
volvimento noEspirito-Santo, Rio de Janeiro, S. Panlo
e Paraná) atravessa a alguns dos Estados mario
timos com as denominações de Se1'ra da Borba-
rema (na Parahyba e Rio-Grande do Norte), Sm'1'a dos
Gayriris (em Pernambuco), Se'rra da ltabaiana (em
,Sergipe), Serra de ltat'acá e dos Aymorés (na Bahia),
Serff'a-Negra (no Espirito-Santo), Serm do J.1t{a1" e dos
Orgãos (no Rio de Janeiro), Serra de Pclt1'anapiacaba
ott Ct~batão e ainda do Ma1' (em S, Paulo), Sm'1'a dos
Orgãos (no Paraná) e Se1'ra Gm'al (no Rio-Grande do
Sul e Santa Catharina),
As ramificações d'esta cadeia são representadas
ao norte e ao sul por pequenos montes e cabeços iso-
lados; unicamente ao norte de S. Paulo e perto do
tropico do Copricornio, no 21 0 20' é que, elevando-se
consideravelmente, destaca-se a serra da Mantiqneira.
que se prolonga até perto do monte Jaraguá, d'onde
partem os outros dous systemas, Faz tambem parte
deste systema as montanhas ele TalJeS e Herval no Rio-
Grande elo Sul entre as quaes corre para a lagôa dos
Patos o rio Camaqnan.
Quadro summario das principaes altitudes deste
systema

DENOMINAÇÕE ALTITUDES PARTICULAIUDADES

Pincaro do' Orgãos (Liais). 2,015 m uabal1jn doRio de Janeiro


Ser-ra das Almas .... , ..... 1,880 m.
Frade de Macabll........ , 1,'i50m.
~lorro dos Canudo '" 1,410 m. no Rio de Janeiro
Pico da Serraria.. , ..... : : 1,340 m. na ilha de S. Seba lião,
Serra de Itagnahy........ 1,~30 m.

,
- 33-

Perto da região confinante com os Estado do


Rio de Janeiro, S. Paulo e Minas-Geraes é que a
serra da Mantiqlteira se liga á erra do J[w', depois
de apresentar uma solução de continuidade occasio-
nada pelo curso do rio Parahyba que se encaminha na
direcção N. E. tendo o seu valle intercalado por
estas duas cadeias. Os pontos culminantes do systema
orographico brasileiro são encont adas nesta serra,
como se verá do seguinte:

Quadro summario das principaes altitudes da


set'ra da Mantiqueira

DENOMINAÇÕE ALTITUDES I' Ali TICL"LAIUDADI:S


I
1
Pm~aro do Ilaliaya (Gla-'
=wn) ............. ...... 12,7121l1. ua erra da Manliqueira.l
Agulhas Negras (GICL;;iou,). 2,50010.
Sena do caraça (Liais) ... '11,955 m. proxiDlo a Ouro-Prelo.
Pico de ltambó eSpix e v.
ft1a7·lius) ............... '11,817 m. ao .. ul de Diamantina.
Alto da serra ela Piedar!e
(Liais) .. ................ í 1,783 m. juulo a . ahará.

b). O s'ljstema Central OH elo Espinlwço .-Exten-


de-se desde a parte meridional clo Ceará até ligar-secam
aserrada Mantiqueiracorrendo pal'allelamente ácatleia
oriental na direcção septentrional e apresentando
muitas soluções de continuidade llrovocadas pelos
cursos de varias rios que correm para o Atlantico .
na parte occidental deste systema ostenta-se o magni-
fico valie do S. Francisco. De 'uI para norte recebe
as denominações de Serra do Espinhaço, do Chifre,
1no1'1'OS das Trombas e da Cnmdinba Sen'a das Almas,
&I'ra da Chapetda e Se1'Ta da Tiu ba ; no rumo de 11"
L. S. esta ultima selTa bifurca- e e comprimindo mai::;
adiante o curso do S. Francisco para L., no Estado
de Pernambuco, obriga suas aguar:; a precipitarem-se
3 c. B.
- 34-

de uma altura consitleravel, constituindo desta fôrma


a portentosa cachoeira de Paulo Atfon o.
O braço Olieutal extende-se pelos Estados de
Pernambuco, Parahyba e Rio-Grande <lo Norte, mais
ou menos na direcção geral do sy tema, com as deno-
minações de Serm da Agua Branca e Pajehí~ ; O ramo
occidental, conendo quasi parallelamente, atravessa
Pernambuco e Ceará com as denominações ele Serm de
Oricor?), do Â?'aripe., da Carnani e do Apocly, obser-
vando-se nesta ultima uma direcção quasi parallela á
costa que nesta região tem tomado um rumo de S. E.
para NO.
c). O systema occide~tal flU das vertentes, consta
de duas ramificações principaes e di tinctas que se
destacam do chapadão transversalda B1Ta dc~ Canastra
origem do S. Francisco, A primeira toma, geralmente
a direcção septentrional até a ma,rg'em meridional do
Paracatú, affiuente do S. Francisco, com as denomi·
nações da serra da Matta da Corda, do VB1'is8Ímo, do
Pamná, de Tabatinga e do Duro; semelhante á serra
Tiuba, opera-se nesta ultima uma grande bifurcação
entre os 9° e 10° L. S., um ramo, descrevendo para
NE. um enorme semicirculo até á foz do farnahyba
toma os nomes de serra do Piauhy, dos Dou,s I'i"mãos,
do Am?'ipe, Sermnia e Serra Grande j o outro
braço segue o rumo NO, com as denominações de
Sen'a ela Gurgneia e das Mangabâras que (no
Maranhão) correm parallelamente a serra dos Co-
voados; mais para o norte, nos 6° L. S" tomam a
mesma direcção ás serras do Neg?'o e da Cinta. Desta-
cando-se a segunda ramificação da parte occidental da.
en'a da Matta da Corda co'nstitue dous planaltos
que assignalam as linhas divisarias das aguas do Ama.-
sonas e do Prata.
As regiões occupadas por õstes planaltos são
em geral desconhecidas e formadas pelo dorso de
montanhas cuja origens egualmente não se a.chãO
~ 35-

averiguadas si devidas ao solevamento do solo ou á


denudação de estratos horizontaes. Um pouco ao sul
dos 16' L. S. começa a extender-se a Se,'ra Seiacla na
direcção S. E, con~tituinun n tronco principal desta
ramiiicação; com a denomlllac:iio de Espigão 11fe tre
inicia-se elle separando as ag'uas do Par:1nahyba e
Araguaya- e prosegue com os nomes de Est'reito, 8el'ra
das Divisões e do Ca-yapó até ao norte dos 20' L. S,;
do E' ~Jigüo Mestre ramifica-se para léste as 8en as dos
Pyreneos, do RoncadO?" e dos Montes-Claro e para o
norte,um pouco acima elos 17' L. S. correm qua i pa-
rallelamente as 8erms dos Montes-Cla?'os, de anta
Lttiza e Estronelo e do Cayetpó,que mais ao sul toma o
nome de 8erm da Sentinella.
Na opinião de Cunha Mattos,do padre Luiz A. da
Silva e Souza, de Hartt e outros, o ponto mais
elevado do Brasil é encontrado na Serra elos PY?'eneos,
perto da cidade de Goyaz.
A denomina~.ão de Espigão-Mest,'e foi dada pelo
referido padre Luiz Antonio á 8e?Tct Geral de Goyaz,
a grande divisora das aguas dos rios Tocantins e S.
Francisco.
No extremo meridional da Se?-ra ele Cayapó, nos
20' L. S., apresenta-se uma bifurcação da Serra
Seiada, cujos ramo~ extendem-se quasi parallelamente
na direcção S. E. i o primeiro toma as denominações
de Serra do Sangtte, de Maracajít, de Amarnbahy
e dos Dourados e mais ao sul nos 24' L. S. dirige-se
para léste com os nomes de Sel'ra de Apuracana, da
Pitanga e da Esperança i o segundo ramo atravessa
o rio Paraná, tomando do lado da margem direita o
nome de Serra de Santa Barbara e da outra margem,
o de Serra do Diabo e de Apuracana i um pouco mais
para o oriente corre quasi parallela a esta ultima a
Serra dos Agudos, ao norte dos Campos-Geraes do
Paraná.
- 36-
Quadro summario das principaes altitudes deste
systema

DEN01l!:'\AÇÕES ALTrTI.:DE PART1Cl:LARID.WE


I
Serra do Prreneos ...... 2,310 m. (1)
» dos Pareeis ....... 20 m.
",.'imo
Go\az. " ",,,",
na Yllla da Chapada.
"J
» de illaracajú...... 618 UI. em frente a 1 ioac.

No systema Parim.á ou GtLyano predominam as


montanhas tran vel'saes que se extendem pela fron-
teira septentrional do Brasil com as denominações de
L. O de Tnmucwnaque, Acarahu, Essary, Para-
caima, MaJ'itani, Mazuaca, Arivana, Pa?'imá, Ta-
2Jimpecó, UcnmsBí?'o, YmeJ'i, AmciGaní e Cnpaty e
formam um vasto planalto insular, conhecido de um
modo imperfeito e limitan.o de um dos lados pelo
Atlanti<w e dos outros pelo rio Amasona e planicie;'
do Orenoco e Neo'fo. JUontanha~ ha ahi cujos pontos
culminantes attingem a cerca de 2,000 metros de alti·
tude. Entre as serras de Ymeri e Amcnaní existe ()
valle por onele corre o rio Negro.

LIÇÃO II
Ne 'og1'C~phia (2)

.A. ilho do Bra iI on são marítimas ou flnviaes.


A marítima ou ão co teu'as ou e acham afa •
"adas do littoral; estas ultima, que são em menor
llmero, devem na origem ora ao elevame1'/'to de voZ-
..;õ ' l~bmarino (Fernando de oronha, Tri tão da

\1) cgundo Cunha Matlo ; e 2. 32 m. 'egundo Genalle •


(~) De "ripção das ilbas.
- 37.-

Cunha e Trindade ou Ascensão), ora ao tmuctlho dOe


co?'aes (grupo dos Abrolhos).
Diante da costa do Brasil encontra-se o g-rupo
isolado de Fernando de Noronha, descoberto pelo na-
vegante }Jortuguez de quem tomou o nome e situado a
360 kil. ao nordeste do cabo de S. Roque.
Primitivamente esta ilha foi denominada da
S. João por causa do filho do monarcha reinante na
época 1I0 sen de. cobrimento e foi nena que aportou a
segunda esquadrilha exploradora sob o commando de
Christovão Jacques.
Em 1628 foi toma.da pelos hollandezes e pouco
depois desamparada.. A.ctualmente serve de aloja-
mento a degradado::,. E.:ita ilha, é cereada de rochedo
geralmente estereis; ao nordeste encontra-se um
grupo de sei' pequena ilha , cingidas de bancos de
coral, seudo a maior a ilha Rata onde ultimamente foi
encontrado guano; um pouco mais adiante deparam- e
os dons rochedos de S. Pecl?'o e S. Pcwlo, de consti-
tuição vulcanica; e entre este grupo e o continente
fica o perigo o banco de coral denominado das Roca ,
COIU cerca de 1 k. m. 2 e constantemente coberto.
pela maré que de alguma fõrma alimenta uma lagôa
no seo centro muito abundante em pescado.
Cerca de 900 milhas da costa do E pirit.o·Santo
existe a ilha da T'rinclctde ou Ascensão, e ilhotas adja-
centes de Martim Vaz. E ta ilha é uma ma sa rochosa
de origem vulcanica, cujo pico central eleva-se a 650
m. acima do nivel do mar i é coberta de uma vege-
tação ra~;teira, não tem ponto algum abordavel e por-
tanto é deshabitada.
Não menos digno de especial menção é o archipe-
lago do AU?'olho ou de Santa Ba?'ba1'a, distante cerca
de 30 milhas da co ta e formado de cineo ilha das
quae a mais epten trional e a maior é a de S. Ba1'bara
que mede 300 m. de norte a 'uI e 1)50 m. de léste a
oe te; acha-se ltuada sobre um enorme planato sub-
marino que na sua parte mai elevada mede 40 pé
- 38-

de altitude, onele se acLa um pharol; ao N. e ao S.


encontram-se pontos ele abordagem. A ilha Redonda,
a~sim cl1ama(la em razão da , ua. fÓl'ma qua~i circular,
fira-lhe a 300 metros da sua llOnta mai.,; oriental. A
j 'eriba ao uI da precedente, tem cerca de 2:3 metros
<1e altura, A Sneste é a mais meridional do grupo, fi-
cCi.ndo-lhe muito proximo a ela Guarita. Entre este
grupo e o continente ha um canal de 55 metros de lar-
gura e a E. elo grupo estende-se um grande banco (le
coral denominado 11m-cel dos Abrolhos.
Perto do littoral da Bal1ia 00 erva-se o ,-eeife dos
ltacolmnis, que fórma com a costa um canal estreito,
mas navega,el. .
A principaes ilha costeiras, isto é, as deYidas
ao abaixamento da b01'da continental, são de norte
11anl. uI:
no Pará- a de 1.1Iaracá, junto ao C3.00 Orallge: a
<1e Caviana, Gurllpá, do P01'CfJS, ,ZIIexiana, Jipioca e
outras menores na embocadura do Amasonas e tambem
a de Marajá doada a Antonio ele S uza l\Iacedo,
Barão tI JO~lllnes, a qual é a maior elo Bra il e maior
q'le muito" paizes da Emopa;
no Mal'allhii.o - a de S. Llliz S. João, Santa
Anna, JIongllilça, l'anú-Bedonda, da Bocca-Grancle
e outras j
em Pernambuco- a ele ItaJJ1Clmc<Í e •. Aleixo;
na Bahia- a de Itaparica, do Bom Jc'llS, de
C7jahyba e outras;
no Espirito- anto-a do~ Frade. do Boi, dos Pa
('('Ie , do JaclÍ, Glta rapa rim Rasl, li r.wce::a: das·
AneloJ'inh'f. DOII /'alIa e de Jl0nZil,l'fl'.
no Rio de Janeiro - a Gran e, de Sant'Anna,
rIe Jorge Grego da Giúoia JIaramJjfúa do Porcos,
Crmzpr'irla e outra .
na Capital Federaj-encontl"1m-~e fõrn. dô. barra
a Tljucn.~. Re'lond 1, Comprida. da_ Palma', Rasa,
L 1ge, Cotundlloa e do Coqueiros; e l1entro da bahia
de uanabara, a do Governador, Paqlet1, Bo n Jesus,
- 39-

das Couras, (las Enxadas, dos Ratos, da Caguei'mda,


da Sal'ucaia, do Fundão, de S. Ba1'bam, de Ville-
gaignon, do Coqueiros, da FlDres e outras i
em S. Paulo - a de S. Vicente, S. Ama1'o, S.
Seuastião, O(tn(~néa, cIos B/tzios, Ooml"'id(~, da Victo-
?'ia, do. P01'COS, do Monte do Trigo e do Oastello i
no P~ raná-a do Mel e das Peças, á entrada da
bahia de Paranaguá, e a da Ootinga, das Gamellas,
das Oobras, do Teixeim, e outras dentro da referida
bahia e mai a daFi.tJuei1'a,clos Filhõe e de ItacolUlny,
proxima á co ta :
em Santa Catharina - a de S. Fl'ancisco, dos
Tamboretes, dos Remedios. Deserta, do Ál'v01'edo, do
Galé, das Ámn1tas, do Xavier, dos Molequinhos e a
de S, Catlza1'ina;
no Rio-Grande do Sul- a do Bal'ba-Negra, do
OangltSSl~, das Sarangonhas, do Anastacio, dos Mari-
nhei1'os, dos Fal1fa.~, do T'rílWZ)?ho, da ~Manga elo
Frade, do C/wre/;l-Alto e outras na lag;)a dos Patos,
As ilhas fhlJiaes são originarias elo c61'te operado
~Jela irmpçâo clns agnas flnviaes; e rI entre as mais
Importa.ntes notam-se: a de Tupinambamnas, na
contluencia do Madeira com o Amasonas; a ele Santa
.Ánna ou Bananal, em Goyaz, formarIa de dous braços
do rio Aragnaya; a das Sete-Qnedas no ri Paraná
em frente á embocadura do Ivahy; a do Fecho dos
J[orros no fio Paraguay e outras.

LIÇ.~ O III

Acrotél'iogm]Jhia (1)

Os principae~ cabos e ponta do Bra.~il, são:


n? Pará - o de Orange (á margem direita do

I) De ·cri)Il.'~o do cabo c ponta.


-40-

OYl1pock) e o Üo Xo?'te; e as pontas de CassilJ01"é e


Magow"y (na, ilha üe Marajó) ;
no J\1aranhão-a ponta do Tamanclná ;
no Ceará-as pontas dos Patos e JJluclwipe ;
no Rio-Grande do Norte-o de S, Roque e as
rontas Redonda, da Pipa e do Mel j
na Parahyba - o cabo Bmnco e as pontas de
L11cenCt e do lJ1atto ;
em Pernambuco - o cabo de S. Agostinho e as
pontas do Timbabú, dos Coqttei1'os, do Sa1'ramby e da
Ped1'aj
em Alag" as-a' pontas do Picão, Venle, de S.
lJ.figllcl e de Jaraguú ;
na Bahia-as pontas de Ccwajuba. do Itapuan-
zinho, de 8. Antonio, da Caixct clos P?'egos (ao sul
da ilha de Itamal'acá), elo Ga?"çon e ~o Cctlaba1' ;
no ~J 'pirito-Samo - As pontas de Santa-CnG/~,
Jiw, e Cct)?uba;
no Rio de J aneiro- os de S, Thmné e Frio e as
pontas Ne,qm, dos Bltzios, de João Fe?'nancles, Crími-
nosct, de Itaipít, de Guctmtiba e de JJ1ammbaia: no-
tando-se ainda a. dos Castelhct11JOs, G?'ossa, Aeaycí, e
elo D1'ago, na ilha Grande;
em S, Paulo - as pontas ela Cnlz, da Almada e
G1'ossa;
no Paraná -as pontas das Peças e das Conchas;
em Santa Oatharina - os de S, JJfm"tha Grande
e de S. Ma1"tha Pequeno e as pontas de João Dias, do
P01'to Betlo, dos Z,itnbos, dos Ganchos, da ArJnt'tção,
da Pinei1"a, do Onviclm', da Batuba, e mais a do Rapa
e do Afogados, na ilha de Santa Catharina;
no Rio-Grande do Sul - as pontas de 07wístovão
Pel'eím, do Bojlln'<, do Est1"eito, de OalJm'm'oea, e
dos Dese1'to?'es na lagôa do' Patos i e dos Afogados
na lagôa Mirim.
- 41-

CAPITULO II
t i ~. d .. o g I' n p bia

LIÇJO I
Oolpogmphia (1)

As pl'incipaes bahias e portos do Brasil estão


distribuidos pela Rua, costa, cujo comprimento é de
7,920 kilometros e cuja configuração approxima-se á
de um angulo que tem por vertice a ponta dos Touros
e por lados a parte (lo littoral que segue na direcção
noroeste até o cabo Orange; e a Ol\tra que toma o
rumo de sudoe te até o arroio Chuy"
A contar do norte as mais importantes bahias são:
no Pará - a de Belem ou GLbaja?Oá, onde e
acha a Capital; a ele P?-iá-Lmga, a oe 'te do cabo Gu-
rupy e onde se lança o rio de igual nome; a de Caeté,
onde desagua o rio do mesL'''O nome; a do Sol; e os
portos de Vizêo e 1Jfoccbjuba ;
no Maranhão - a de S. Marcos, onde desagua
o Mearim ; a de 8. José, que banha a ilha do Mara·
nhão na sua parte oriental e onde desagua o rio Ita-
picurú, a de Alcantam ; de Cabellos dCb Velha; a de
~umã, ; a en eada tle Tlbry-assü, de aguadouro do
rIo de igual nome; e o porto de '" LLbiz, na parte
occidental da ilha do mesmo nome;
no Piauhy-o porto de Pamahyba, qua i na foz
elo fio do me mo nome·
no --Ceará -- 0:- m~gnificos portos de F01"taleza,

(1) JJéscrip':;LO da. Ilabia c porto.


- 42-

de A?'acaty, de Gmnja, de Camocim, de Acamhú e de


Mucw"ilJe ;
no Rio-Grande do Norte- a de Natal, na embo-
cadura do Rio-Grande do Norte; a Fonnosa; a dos
TOlWOS; a de MOSS01'Ó; e os portos ele lIIacau e Guama1'éj
na Parallyba-a da Tmição ou AcejzLtioiTÓ, de
forma semicircular, á entradél da qual encontram-se
duas pequenas ilhas que formam tl'es boccas, das quaes
a que fica ao norte é a mais frequentada; a do Vam-
clou't"o,onde está situada a capital; a enseada ele Lucena
onde desagua o Meriripe; e o porto de Pa?"ahyua á
embocadura do rio do mesmo nome;
em Pernambuco-as clo Rec~fe, de Tmnandaré
e de Catuamú, á entrada elo canal que separa. a ilha
de Itamaracá do continente;
em Alagôas-a de .McLceió; e os portos de Ja-
'j'aguá, da Ban'a-Grande e de PitubcL;
na Babia-a de Todos os Santos que banha a ca-
pital e que deveu este nome a Christovam Jacques pelo
facto de recebel-o em suas aguas no dia 1. o de No-
vembro; á . ua entrada demora a ilha de Itaparica que
lhe permitte duas entradas, uma entre a referida ilha
e o cabo de S. Antonio com 3 a p milllas de largura, e
outra entre o pauto sul ela ilha e a ponta chamada do
Garcia, a qual é denominada barra do Jaguaripe, por
ahi desaguar o rio de te nome, sendo pouco trans-
itavel; a de Camf;,mú onde desaguam os rio. Aracahye
JUarahú; a dos llhéos fOl'mada de quatro ilhotas, e
nde desagua o rio de ignal nome; a de CannavieTas,
clcsag'uadonro do rio Pardo; a de Belmonte na foz do
Jequitinhouha; a de Santa Cmz ml. foz do rio do
mesmo nome e onde desembarcou Cabral; a de C'11'a-
velids na embocadura do rio do mesmo nome, muito
estreita e com 18 kilometros de comprimento, razão
pela qual foi denominada rio; a de Porto-Seguro OU
enseada. Cauralia, na foz do rio Buranhem e notavel
porque foi nella que Pedro Alvare Cabrallevanton
uma cruz com as arma' de Portugal; e o. portos do
- 43-

][orro (lo Clzapéo á embocadura do rio Una; de OZí-


vença; <te S. José de Porto-Aleg1'e na foz do Mncul'Y;
e o de Alcobaça;
no E 'llll-ito-Santo- a de G-uampari/n onde de-
sagua o rio do mesmo nome; a de Benevente na foz do
rio dl3 igual nome; a de S. lllathells; a da Victoria
que banhrl a capital; a de Santa Cm$ ; e a de Jaca-
mhvpe;
no Rio de Janeiro-[l, esplendida de Gnanabam
ou do Rio ,1e Jrtneiro, cuj;t ba.rra tem 1,500 metros de
largura; \lo la lo esquerdo ele sua entrada ostenta-se
a magnifica. enseada de Botrlfogo, e á direita a de Ji~­
"/ljnba ; a en ·ea.da· ele Se]Jptiba, de Angm dos Reis
com ma.gnific() porto e a ela Barra ele S. João; e os
portos ele li, .To 70 da Bal'l'Q na foz elo rio Parahyba e
o de lIIa,caM, onde desagua o rio de igual nome;
em S, Pauló-as de S. Sebastião; Santos; Toque-
Toque, e 8. Vicentr; e os portos de S. Ama~'o, Ca-
nané(L, Monte do T?·i.rJo Ube~t1Gba e Alcat?'a$es;
no Paraná- a de Pamnagná, uma das mais im-
portantes do Bra il, a qU111 se communica com o ocea-
no por tres ba.rras, a saber: a de Superaguhy entre o
continente e a ilha das Peças, a do Meio entre esta
ilha e a de Mel, e a de Ibopetuba ou do Sul entre
a ilha do Mel e o contineute; os principaes rios que
despejam sua' aguas nesta baliia são; o ~lfttiqnatim'J
Cachoeira, Palmeira" V?1'de, Tiberé e das Ped1'as; a
ele Antoninl1, onde de agua o rio ParantLgl1á' e a de
Guaratuba, ao sul das precedentes e desaguadouro de
alguns Tibeiro , figurando como principal o Cubatão;
em Santcl,-Catharina- a de S. Prancisco ao sul
da ilha do mesmo nome; a de 8anta Catharina; a da
Laguna, onele se lança o rio Tubarão: a das Tijncas ;
a dos Ganchos; a de S. Miguel, onde desagua o Bi-
~uas li, as enslJaelag de Acarangl~á, do B1'ito, de Ita-
Jahy, de Seuda Cruz e de 1mbetiba; e os portos de
Itapacoroy, de Cambriú e do Camac7w.
-4:4-

LIÇl0 II
Potamograpl1ia (1)

o systema potamographico brasileiro póde ser


dividido em tres bacias principaes, a saber: a Amaso-
nica a Platina e as O?'ientaes.
Cb) A bacia amasonica comprehende este rio e
todos os seus tributarias,
O Anwsonas, ou Pamná-cbçú dos selvagens, é ()
maior rio elo mundo; nasce no Perú no lago Lau?'ico-
(:he, na provincia do Pasco, departamento de Junin,
onde tem a denominação de Alto lJicwanhão ou T~tn­
gumgttCb ; com o nome de Mamnlliio, entra no Brasil
(Tabatinga); d'abi até receber o Ne.fJ?'o tem o nome
de Solimões; e Amcbsonas até eutrar no oceano.
E' quasi que impossivel ennumerar-se de um
modo completo toc1os os affiuentes d' este monarcha
dos rios em terl'itorio brasileiro; merecem especial
menção pela ordem em que desaguam por ambas as
margens: o Java?'Y, (dir.), Jundiatiba (d.), Potumayo
ou Içá (esq.), Jntcthy (d.),Jit?'uá (d,) Japu?'á (e.), Teffé
(d.), Coa?'y (d.),Pllnls (d.), Neg1'a (e.), Madeinb (d.),
o furo de Ural"iá ou Tupinambamnas (d.) para o qual
confluem pela margem direita o Canuaman, Abaca-
xi , Â1Jhbquibi1-ó,Apaquitu,ba, ],[cmé-açu, Maué-mi1"im,
Maca?'i, Ancli1'á e T'l.tpinamba?·aná; o Umbít (e), UCb-
tmná (e.),Jamunclá(e.) T?'ombetas ou O?'ixamina (e.),
Tapajós (d.), C'l.l?'llá (e.) Sumbiú (e.), ParÍl (e.) Xill[JlÍ
(d.), e o Tocantin (d.), Communicando-se o Ama-
onas com o Tocantins pelo furo Tagipu?'ít, qne fica um
pouco abaixo de Gurupá, nene lançam-se o rios
Anapll, PacaJá, Jacunclá e Araticú.

(1) De el'ipl;âo do rios.


- 15-

A bacia platina, cujo represent~nte é o m~jesto­


so estllario do Prata, outr'ora fronteira meridional do
Brasil, é formada pelos ríosPamgnay,Paraná e Uru-
gnay.
O rio PARAGU:\.Y, com um curso ele 2078 km. dos
quaes 1406 em territorio brasileiro, desempenha na
America Meridional uma elevada missão geographica
e historica; pois, além das excellentes condições que
ojferece para uma facil e longa navegação (apezar de
ser muito inferior ao Paraná em largura) que estabe-
lece franca communicação interna com o príncipae
estados da America do Sul, (como o Brasil, o Uruguay,
a rep. Argentina, o Paragllay e a Bolivia), ministm
a e tes mesmo paizes dados importanti simos para
as sua coustituiçõe sociologicas. As primeiras ten-
tativa.s para a navegação deste rio foram ensaiada:
em 1531 pelo hespanhóes que, qnaes Orellana e Pe·
dro 1'eixeira no AmaEonas, esforçavam-se por desco-
brirem por eUe um camiuho para chegarem ao paiz
dos Incas; em 15r.O Nufl.o de Cha;ve se pa on do
Jaurú e foi fundar ~ cidade de ~. Cruz de la ierra e
vinte aUllos depois Melgarejo, snbindopelo Mboteteyn
imitamoo, lançando osalicel'ces de Xere~. Oamericano
Thomaz Page foi o primeiro a sulcar as suas agua
em uma embarca~ão a vapor em 185H. Esta magnifi-
ca estlf(tcla 1Jlovel, no <1izer de Pascal, tem a. 11a' oti-
gen no mesmo planalto em que se acham as do rio
Arinos, em um brejal na serra <tas Sete Lagôi1s cer·
ca de 20 km. ao sul da Villa <1e Diamantino; corren-
do a principio na direeção do norte, sua aguas ão pouco
a pouco avolumada' com al;i do ribeiros Qnilombo ou
Negro e do Amolm' e a 2 legnas de curso precipitam-
.e do Morro Vermelho n'uma altura de 7 o m, incli-
nando-se para O ; dua legl1as mais abaixo chega-lhe
pela margem direita o ribeirão Diamantino, que na ce
no Araial Velho e para o qual conflue o rio do Ouro;
dez legua mais abaixo e qua i fronteiros, chegam-lhe
pela e querda o Bmmado e pela direita o Sant' Anna
- 46-

muito encachoeirado e ambos contravel'tentes do Su-


midouTo, tributario do ATinos. Para muitos a deno·
minação de Sant' Annct é dada ao Paraguay d' esse
ponto para cima. Oontinuando o seu percurso na dire·
eção média do sul é subsidiado este rio, á margem
occidental, pelos rios: o Preto, o Sepot~tba o Cabctçal,
o Bug1'es, o Jawt"Ít, o Pilcomayo, o Bermejo, o Salado
e outros muitos de menos importancia dentre os quaes
o Antonio Gomes, o Pa1'y e o TtH:nbaca vão avolumar
as aguas da lagôa denominada Ba/tia Neg1'"a; cor·
rem-lhe pela margem oriental até um pouco abaixo do
18° L. S. na foz do S. Lou1'enço, algum ribeiros de
pouca importancia como o Salobas, Cachoei1'inha,
Anhwnas, Jaricoacoara, Pirap~ttctngas, Rocei1'o, Sei-
xo, Taquml, Flexas, Bacahuva, Rio JVovo e outros;
e dahipor diante oS. LOU1"ençO, Taqua1"y, Miranda,
Branco, Apa, Aqu.idaban, Ipané, Jejui, Manduvirú
e Tebicuary são os que merecem especial menção.
Dos af:fl.uentes occidentaes poucos são os que
correm em territorio brasileiro e dentre estes sobre-
sahem: o Sepotuba, o Cctbaçal, o Bugres, e o Jctur'Új
dos orientaes são mais importantes: o S. Lo~trenço,
o Taguary, o Miranda e o Apa.
O rio PARANÁ, com um curso de 4390 kilometros,
segundo Â. Rebouças (1), é formado pela juncção dos
rios Grande e Paranahyba, d' onde corre na direcção
média de S até o territorio das Mis ões, toma o rumo
de O até a con.fl.uencia com o Paraguay e d'ahi até
o rio da Prata corre con tantemente para o sul;
grande numero de ilhas povoam-no como a do Salto da
Gnayra, Yaciretá e de Apipé e não poucas cachoeiras
ostentam-se durante o seu trajecto como a de Urubu-
punga e das Sete quedas ou Gua.yra, que é uma daa

(1) !nilldo E. Liais é de 3AJO km. e na opinião de .l. rio-


gueira 3.600 km.
- 47-

mfl.is bella do Brasil; a largura do rio de 4 km. re-


duz-se ahi a 70 m. e compriminclo as snas ag'uas em
nm canal de 50 m. de largllra, adquirem extraordi-
narÍa velocülade e precipitam-se de urna altura de 17
m. produzincl0 um estrondo audivel na distancia de
5 km. e lormando vapores que, condensados, desfa-
zem-se em uma chuva que constantemente rega os
arreclllre . Cerca de 113 km. acima do Salto Guayra
este rio offerece naveg'ação franca até o Urubu-pllnga
já ellf dominios brasilicos e na distancia de 225 km.
para baixo, isto é, até a foz do Iguassú onde ha um
!alto de 26 m. de altura, deparam-se numerosos ro-
chedos e corredeira's que obstam a navegação. Se-
gundo o professor A. Nogueira a bacia <leste rio oc-
cupa uma área de 2.876, 500 km2 • a velocidade de
nas aguas attinge a 22 1/2km. por hora e as suas
cheias principiam em Dezembro ou Janeiro e culmi-
nam em Março.
Da jnncçáo de seus dous braços principiaes até
á foz do Igllassú são seus mais notaveis f:ubsidarios :
o Olt1'ul'uhy (d), dos Dou?'aclos (e), o Tieté (e), o Agua-
phy (e), o Ve?'cle (d), o Panlo (u), oS. Anastacio (e), o
Paranapanema (e), o Ivahy (e), o P,qttiry (e) e o
Igltassú (e).
O rio URUGUAY, com um curso de 1650 km. C)
rega uma parte relativamente pequena do nosso solo;
pois, pela margem direita apenas até a foz do Pepiri-
guassít e pela esquerda mais além até a do Quarahim.
Procedente da confl.uencia do rio Ganôas e rio Pelota~,
vindos da vertente occidental da serra do Mar entre
o 27° e o 28° L. S. e engrossado com os subsitlios de
seus af:f1uentes que lhe chegam de ambos os lados,

(0) Segundo o Sr. B. Homem de Mello; A. Nogueira Ibe dá UI.


km., e na opinião de Wappaen~ tem 250 leguall.
- -:iS -

descreye o Uruguay uma enorme curva dmante o seo


trajecto. constituindo-se limite natural entre os Esta-
dos de S. Catharina e S. Pedro do Sul, e entre este
nltimo e o Oriental, os quaes insular-se-íam se não
fôra a selTa do Mar. A sua navegação é feita por gran-
des embarca~ões até o Salto oriental. não 01) tante a'
cachoeiras de S. Gregorio, do Bntnhy, das Mercês e
dos Garruchos ; nas enchentes orclillarias lanchas car-
regadas chegam até á barra do Piratinim; e na'
grandes enchente resultantes das chuvas lia prima-
vera, sobretudo nos mezes de Setembro e Outubro,
as pequenas embarcações coúseg'uem vencer as cacho-
eiras de S. I idoro e de S. Maria e chegam aS. Xa-
vier, um pouco acima da barra do Ijnhy-gl1assú. A
bacia d'este rio tem uma superficie ele 357.500 km. 2;
a sua largura chega em alguns logares (Fray Bentos)
e 1.000 meh'os e o seo leito é povoado por muitas ilhas
d'entre as quaes destaca-se o penedo de Martim Gar-
cia que, como magnifico ponto estrategico domina a
entrada do rios Paraná e Urugl1ay. Na ordem em
que vão apparecendo, chegam-lhe de amba as mar-
gens muitos affluentes sendo os mais notavei : o For-
qui17/a (a.); o Lageado(e.); o Umguay-mi1'im ouI!a,sso
Pundo (e.) j o Ohapecó (d,) admittido como limite pela
rep. Argentina' e o PipÍ1-i-guass(IJ {d) considerado co-
mo fronteira entre aqnelle E tado e o Brl1sil. Dahi
por diante os afflu.entes da marg'em clireita ão insig1Ú-
fieantes em razão da vizinhança do Paraná, apenas ~e
distinguem o Aguapehy e o JIil'i71ay, desaguadouro
da lagõa Iberá; pela margem esquerda os rios mai;
importantes pertencente ao Brasil são: o ebollate ou
Ttl?'vo: o Ijuhy-guassú, cujas vertentes estão muito pro-
:rima ás do caudaloso Jactthy que vae ter á lagôa dos
Pato eom o nome ele GtIJahybcIJ; o Pimtin-im j o Ica-
maCtlam; o Ibicuhy-gnas8ÍIJ, seo maior tributario br~-
ileiro que é principalmente ubsidiado pelo S. Mana
oulbicuhy-grande e lbicuhy do Norte que o formam e
ainda pelo Jaguary(d.), Itt~ (d.) e Ibi?'alntitan (e);
- 49-

e finalmente, da barra do Ibicuhy-guassú apenas é


digno de ~enção o Quamhim por assignalar parte da
fronteira meridional do Brasil com o Estado Oriental.
c) Fazem parté das bacias orientaes todos os rios
que vão directamente desaguar no oceano AtlanticlI o
unico que banha o littoral brasileiro que pôde ser divi-
dido em duas secções geographicas, conforme já tra-
támos e nas quaes predominam os rios transversaes,
isto é, os q~te durante o seu perC'U?·so P?'oCU?'am des-
aguar mais ou menos perpendicular ao eixo do oceano
recebendo em geral de u,m s6 lado os seos affluentes.
A primeira secção comprehende os seguintes
rios principaes, começando pelo norte: - Oyapoc,
cujas vertentes se acham a léste da serra de Tumu-
cumaque e que assignala a fronteira litigiosa entre
o Brasil e a Guyana Franceza ; - o Conani, ao
norte da lagôa de Divini ;-0 Amapá que desagua ao
sul da ilha de Maracái-o Tartarugal que vae morrer
na grande Laguna d'EI-rei;- o Arag~tary, que nasce
na vertente meridional d.a. Serra de Tumucumaque e
com o seo principal contribninte Âporema (e.) é o pre-
tendido limite para a Guyana Franceza; taes são os
rios que fazem parte da região transamasonica; a
outra região littoral que se extende da margem direita
do Amasonas até a ponta dos Touros na direcção SSE
comprehende as bacias dos seguintes rios :-Caeté;-
o Gtlmpy com SOO km. dtl cur o, a oeste do cabo do
mesmo nome, que vae desaguar na babia de Pria-unga.,
separando o Pará do Maranhão e conta por i::eu prin-
cipal tributario o Gurupy-mirim (e.) i- o Tttry-assú,
que nasce nas vertentes da serra da Desordem; - o
Parnahyba, com um curso de 1716 km. (1) que nasce
na serra de Taguatinga e separa o Maranhão do Pi-
auhy; desagna no oceano por seis boccas que são:
Iguarassú, Velha, do Meio, do Cajít, das Canarias e

1) Segundo Á. Nogueira 1400 km.


4 C. n.
- 50-
Tutoya que constituem um grande delta formado de
seis ilhas; seos principaes affl.uentes são : Un~ssuhy.
vermelho (d.) o Medonho (e.),o Urw;suhy-p?'eto (d.),o
das Balsas (e.),o Gurgueia (d.),o Canindé (d.) o Poty
(d.) e o Longá (d.) j as principaes cachoeiras encon·
tradas n' este rio, contando-se dal~ suas nascentes são:
do Urubú, de Canavieiras, da Bôa Esperança entre
ai barras dos rios das Balsas e Gurgueia, do Boqueirão
e da Varzea de Cruz entre as barras dos rios Gt~rgueia
e Itueira;-o Âcarahú,que banha Sobral pela sua ma.r·
gem esquerda j - o Jaguaribe, o mais importante do
Ceará que conta alguns tributarios importantes j -o
Âpody ou Mossoró, originado pelo Apody com o Upa·
",ema que banha a cidade do mesmo nomej-e o Pira.
nhas que na sua foz toma o nome do Assú e que é o
ultimo rio importante desta secção.
Os principaes rios que fazem parte da segunda
secção até á barra do 8. Francisco são: o Parahyba
do Norte, o Capiberibe, o Ipojuca e o Una. 08.
lf'rancisco, o mais importante rio exclusivamente bra·
sileiro cujo curso é avaliado por Liais em 2900 km. (1)
nasce em Minas·Geraes na cachoeira denominada Caso
ca d' Anta a léite da .serra da Canastra a 20° ao' L. S.j
a principio segue de O.para E.até a freguezia de Porto
Real d'onde toma a direcção geral de NNE até o 12°
L.S. seguindo dahi o rumo NE até o 8° ao' L.S. d'on·
de se dirige qnasi em angulo recto a desaguar no
oceano j depois de descrever esta enorme curva q.ue
atravessa os Estados de Minas-Geraes e da Babia,
dividindo este ultimo em parte do de PernambuCO,
prosegue ainda como limitrophe entre Sergipe e
Alagôas, vae fenecer no Atlantico, formando na sua
foz um banco de arêa chamado pelos navegantes Cor·
dão da Barra, em fôrma de llemicircnlo e aberto em
um ponto. O Pará (d.) pa3sando pelo termo de Pitan·

t) Segundo Gerber, 81ftl Im.


-- 51 -
:gUYi O Pamopeba (d.) ; oIndayá (e.)i O Abaeté (e.)i o
candaloso rio das Velhas (d.) ou Guaycuhi, com um
curilO de 1.135 km. que nasce na serra da Cachoeira a
NO de Ouro-Preto e conta por principal affluente o
Para~ma; o Paracatíb (e.), com 627 km. de curso,
cujo principal tributario é o Preto (e.); o Urucuyá
(e) e seu principal tributario o rio Claro; o Vm'de
Urande (d.), com 792 km. de curso, que correndo a
principio na direcção de S para N toma a de NO
depois de receber o Ve?'de Pequeno i o Carunhanha
(e.), o das Rans (d.), o Arrqjaclo ou Corrente (e.), o
Rio (};-ande (e.), o Jacaré (e),e oPajehtb (e) são so mais
notaveis tributarios que concorrem para o augmento
do volume das aguas do S. Francisco. Pouco mais ou
menos a 225 km. da sua foz, despenhando-se as aguas
d'este rio do alto da serra da Agua Branca com a qué-
da de 174m. formam a celebre cachoeira de Paulo
Aft'onso que nas duas Americas disputa o primeiro 10-
gar com a do Niagára; é facto que a cachoeira do ]Via-
gá,ra avantaja-se em ma,gestadei mas, observada de per-
to, a cachoeira de Pat~lo Alfonso excede-ai alem d'e!!ta
encontram-se mais sete das quaes são mais notavei15
a de Pirapóra, do Sobradinho, Angiquinbo e dos Dous
Amores. Duas são as secções navegaveis n'este rio:
a situada entre as cachoeiras do Pirapóra e Sobradi-
nho com] ,584 km.je a que fica de Piranhas á foz com
238 km. de percurso. Em Penedo, que dista 50 km.
da foz, a largura d'este rio é de 1,220 m. (1) j ao passo
qne a sua embocadura mede 1.100 m (2) i suas en·
eentes que começam em Novembro, culminam em
~arço ou Abril.
. Da Barra do S. Francisco para o Sul os demais
n.os apenas merecem especial menção sob o ponto de
,:sta geographico e não pelos seus percursos ou accres-
amode volume de suas aguasj n'estas condições, ob-
servam-se:
I(il Vide Wappaeus, pg. 1190b. cil.
) Alves NOb'Ueira, pg. 96.
- 52-

o Va,za-ban'is ou -Irapiranga, com 530 km. d


curso, que desce da serra Itabaiana com suas cabe·
ceiras na Babia.
O Itapiclwú,com um curso de 790 km., que nasce
nas vertentes da selTa Tiúba.
O Paraguassú, com um curso de 520 km., que
nasce na Chapada Diamantina e lança-se na Babia. de
Todos os Santos, apos um curso extremamente sin·
nuoso; o Jaquipe é o seu principal afiluente á margem
esquerda.
O Rio das Contas, com 550 km. de curso, tam·
bem chamado Jussiapa que nasce na serra da Tromba.
O Rio Pardo ou Patype, com 792 km. de curso,
que nasce na serra das Almas e atravessa os Estados
de Minas-Geraes e Bahia; communica-se com o Jequi'
tinhonha pelo rio Salsa e canal Poassú.
O Jeqttitinhonha ou Belmonte, com 1,082 km.de
curso, que nasce na serra da Pedra Redonda e atl'8'
vessa Minas e Bahia, recebendo varios tributarios;
recebe em Minas-Geraes á margem direita o Arassuhy
e Piabanha e á esquerda o Itacambira-assú, o POlllOO
e o Vaccaria.
O Mucury, com 528 km. de curso que nasce em
Minas-Geraes na serra do Chifre e atravessando a
serra dos Aymorés assignala a divisa entre a Babia
e o Espirito Santo.
O S. Matheus ou Cricaré que nasce na serra daS
Saphiras, em Minas-Geraes, atravessa o Estado d•
E pirito Santo e apresenta apenas uma extensão na·
vegavel de 70 km.
O rio Doce, com 977 km. de curso que é formado
pela juncção dos rios Chapotó e Piranga na serra. do
Espinhaço; atravessando os Estados de Minas-GeraeJ
e Espirito Santo vai lançar-se no oceano, depois de
descrever uma enorme curva forçado pela Serra .de
Ibiturunas e de receber as aguas de alguns tributan05
notaveis como: o Caeté e Manhú-assú á direita aO
S. Antonio e Sassuhy Grande á esquerda; a. sua
- 53-

navegação é feita na extensão de 222km. até o Porto


do Souza, sendo d' ahi por lEante interrompida por ca-
choeiras d'entre as quaes figuram a das Escadinhas,
do Escuro e a do Inferno ou Oachoeirão, d'onde pro-
priamente começa a formar-se o rio Doce.
O Parahyba do &ü, com 7~2 km. de curso (1),
ê o ultimo dos rios importantes participantes das
bacias orielltaes; pois, de Oabo-Frio para o sul os ou-
tros diminuem consideravelmente em volume e exten-
são, não só pelo facto da cadeia marítima se approxi·
mar muito do Atlantico, imprimindo portanto nm
maior percurso fluvial interior ou occidental do que
oriental, mas tamoem em razão de não ser rasgada
por nenhum rio, como se observa com relação ao Mu-
curye rio Doce na serra das Aymorés. Nasce este rio
em S. Paulo no Sé'rra do Mar a 1,500 m. acima do ni-
vel do mar com o nome de Parahytinga até receber o
Parahybuna, tomando d'ahi por diante o de Parahyba
até a sua foz; além do Estado de S. Paulo banha os
de Minas-Geraes e Rio de Janeiro, contando d'entre
os seus principaes aftluentes : o Pirahy, o Eiabanha
e o Dous Rios á margem direita que vêm do Rio de
.Taneiro ; o Pamhybuna, o Pomba e o Muriahé á mar-
gem esquerda que vêm de Minas·Geraes. Os trechos
navegaveis d'este rio são: o que fica entre Oachoeira,
hoje villa da Bocaina, e Quiririm com 150 km. de ex-
tensão; e o situado entre S. Fidelis e o oceano, com
87 km.
. Proseguindo-se de Oabo-Frio para o sul, são mais
notaveis: o Ribeira do Iguape ; o Itajahy; o T1~barão ;
o Mampit~~ba, limite entre S. Oatharína e S. Pedro do
Su~ i o chamado impropriamente Rio-Grande do 8~~l,
~OIS que não é mais que um canal ou sangradouro qne
h~a a lagôa dos Patos ao oceano, a qual é em parte
alimentada com as aguas de alguns rios importantes

A .(11 1.~59 km. de curso lê-se em Wapp"\eus. pg. 125 i e segundo


. , o[ uelra é de 750 km.
-54-
como: o caudaloso GuahybcL, o não menos Ju.cuhy e
Camaquam,. e finalmente o Jaguarão que vae morre
na lagôa :Mirim, assignalando parte da linha diviso-
ria entre o Estado Oriental e o Brasil.

LIÇÃO III

Limneg?'alJhia (1)

As priJJcipaes lagôas e lagos do Brasil são:


Âtn1LGÍL,Âywná, Amaná, Codayaz, Samca e Uantazno
Amasonas ; -SzLruú-hí" Campinas, CUPUCCL, GuaribOl
d' El-Tei e Pacoval no Pará; - jJlatteL, JlIssám; Viana,
elo Capim e da.1V!O?·te no Maranhão; - elo Matto, Par·
nagz6á, Dow'acla, das Palmez"ms e Ibimba no Piauby j
- Papa?'y, PonteL-Grande, Piantó e G,'oe6hY"as no
Rio-Grande do Norte; - Memgz6e6bet, Doce, Bocwica,
COmlJrida, Antonio Mcwtins, Jawrctcicet, Pescoço 8
outras em Alagôn,s ; - Jllpewanc7., elo Âgz6icw, Tapa-
ela, Pão Gigante e Dom'ada no Espirito Santo j -
Â?'a?'uama, MeLricá, Bom Jesus, SaquaTema, Imboa·
cica, Feia e elo Pemlista no Rio de Janeiro; - Rodri·
go ele Freitas, elo Jaca1'é, Mapenely f\ Ceww?'im na Ca-
pital Federal,. - Morro Somb,'io, Gcwapuava, Este-
vam e Uamacho, em Santa Oatharina,. - dos Patos,
11firim e Mangueim como principaes no Estado do Rio-
Grande do Sul, notando-se ainda outraR ao longo da
costa como Itapeva, elos Quacl1'os, ela Pinguella, da
Fortaleza, elo Capão, do Ponche, ela Re m'va, de:
Simão e do Flo?'es; - Santa, a,'ande e S. Fé PoID MI-
nas-Geraes ; - em Goyaz a Grande na ilha do Ba-
nanal j e em Matto-Gro so as de Uberaba, Man-
dio?'é, Cace?'es e Bahia Negm_

(1) Descripção das lagCas.


55

LIÇÃ.O IV

Portmographia (1)

Propriamente no Brasil não ha estreitos; porém


com certo escrupulo, poder-se-á dar esta denominação
ao canal que separa a ilha de Itamacarà da costa de
Pernambuco, o qual foi denominado de Santa Cruz;
- ao de Be1'tioga, que separa a ilha de S. Sebastião
do continente com 25 km. de extensão e 20 a 50 m.
de profundidade; e ao que isola a ilha de S. Catha-
tina da parte continental.
No sentido estricto da palavra (canal) encon-
tram-se alguns no Brasil, mas, em pequeno numero
e de pouca importancia como o que vae de Macahé
a Campos,no Estado do Rio de Janeiro; e o da Laguna
a Porto-Alegre, em S. Catha,rina, e outros.
. O admiravel irrigamento do nosso territorio pela
Infinidade de rios, em geral navegaveis, tem de al-
guma fôrma evitado a realisação d' este meio artificial
de communicação interna, aliás commummente obser-
vado na Europa. Não obstante é forçoso confessar
qUe com um insignificante dispendio material conse-
guir-se-ia estabelecer essas vantajosas communicações
com o rompimento de alguns kilometros de terreno
para a formação de canaes e varadouros que puzessem
em relações directas algumas da.s principaes vertentes
f1uvíaes.

(1) Descripçào dos estreitos e canae .


I

SEGUNDA PARTE
Descripção politica

CAPITULO I
Elhnographia

LIÇÃO I
Raças
Tres são as raças dominantes no Brasil:-a cau-
caseana ou predominante constitui da principalmente
pelos portuguezes, seus primeiros povoadores e des-
cobridores;- a africana ou medio-passiva que, me-
nos numerosa e mais pura que a prececlente, era a
principio composta de individuos escravisados e hoje
de homens livres, mas ainda influenciados pelo re-
cente predominio decahido; - e a americana p1'O-
priamente dita, em vias de extinguir-se, representada
pelos descendentes dos antigos possuidores do terri-
torio, impropriamente chamados indios e suppostos
aborígenes.
Sendo d'esta ultima que surgio o homem amerí-
cano, é natural que digamos duas palavras a respeito:
a denominação de indios dada aos nossos sevicolas
proveio de Colombo denominar de lndias occidentaes
- 58-

ás terras que descobrira a 12 de Outubro de 1792


e que postel'iormente se passaram a chamar America,
em homenagem ao illustre florentino Americo Ves-
pucci que, sem jamais dirigir uma expedição a este
continente tomou parte em muitas na qualidade de
cosmographo, constituindo-se no Velho Mundo fervo-
roso divulgador da llosta oriental sul-americana; e a
hypothese sustentada por muitos em favor da abori-
geneidade do homo americanus tem sido vantajosa-
mente contestada. por outros tambem em delongadas
conjecturas; em todo o caso, até o momento actual o
problema ainda não teve uma solução tal que nos au-
torisasse a aceitaI-o como resolvido ou rejeitaI-o.
A contestação dos ultimos é baseada em uma
provavel transmigração successiva de povos asiaticos
para o torrão americano, quer pelo estreito de Bhering
antes de constituir-se isolador do Antigo e Novo Con-
tinente, quer por estradas maritimas cuja posRibili-
dade é demonstrada pela configuração dos mesmos;
supposição esta confirmada em tradições historicas,
nas observações de illustrados viajantes, nas investi-
gações de notaveis ethnographos e principalmente na
comparação de innumeros factos experimentaes que
approximam admiravelmente os Americanos primiti-
vos dos habitantes da Asia septentrional.
Restringindo as nossas considerações unicamente
á parte da America meridional occupada pelo nosso
territorio e prescindindo do periodo decorrido entre
o primitivo povoamento ela America e a época do des-
cobrimento do Brasil, procuremos condensar as di-
versas opiniões aventadas pelos ethnographos que
mais especialmente se occuparam a respeito, visto a
estreiteza d'este trabalho não admittir delongas so-
bre iste assumpto.
Em Roma, auxiliado pelos jesuítas, o sabio Hervas
chegou a admittir 51 tribus brasileiras não perten-
centes á grande família tupi-guarauí, classificando·as
- 59-

no sen Catalogo de las lenguas, posteriormeRte


modificado.
Segnnno d'Orbigny (1), fi. ethnographia sul-ame-
ricanafoi divirlidtt em tres grandes raças, snb-dividi-
das cada nma em tres ramos: os Indo-peruanos, os
habitantes das pampas e os Guarani-brasilios ou ha-
bitantes das montanhas, da.s planicies e das florestas.
Semelhante classificação, feita de accôrdo com a con-
figuração vertical e horizontal do solo, não tem um
escricto valor scientifico a julgar-se da circumstancia.
essencial de serem nomades os nos:::os autochthones e
portanto, incompativeis com qualquer agrupamento
local, como o que transparece na classificação
acima.
E finalmente o grande viajante bavaro Philippe
von Martius, após uma longa convivencia entre os
nossos indigenas, conseguio agrupaI-os em uma me·
thodica classificação que, admittida como provisoria,
é a que mais serviços tem prestado á edade hodierna.
Admitte ena duas familias ethnog?"aphicas no Brasil,
a dos TttZJis e a elos G'ua?"Ctnis, constituidas segundo a
posição geograpllica em mais de 240 horda, tríbus e
nações, e reunidas em oito grupos de linguas ou
povos: os Tupis, os Gês ou Rrans, os Goytacazes. os
Crens ou Guerens, os Gucks ou CÔCO!3, os Parexis
ou Pareeis, os Gllaycurús ou Lengoas e os Aruaks.
E tuelaelas as regiões occupada pelas plincipaes
familia ethnographicas com o auxilio dos raríssimos
documentns existentes e elas investigações de abo-
riosos enthnographos, na maior parte estrangeiros,
tem-se chegado ao segninte resultado:
a) os Tupis são encontrados na parte septen-
trional do Brasil estabelecidos, em quasi toda a região
do Alto-Amasonas occupada pelos Maynas, visinhos
dos Omagllas, um pouco para o sul até a fronteira

(1) L'lJomme amcricain.


- 60-.

dos Moxos, no valle do Amasonas até a foz do Ma-


deira e pelo littoral até a bahia de Paranaguá ;
b) e os G'uaranis demoram nas áreas occupadas
pelos Moxos, Chiquitos e Chaco septentrional, pelo
littoral do Atlantico que fica entre a bahia de Para-
naguá e o estuario do Prata e mesmo no vasto terri-
torio tl'ansbrasilico até o valle do Orenoco, occupado
pelas Gnyanas e Venezuela.
Quer pela numerosa população que represen-
tavam, pela organização e recursos bellicos, pelo
desenv,ol vimen to intellectual e pelas primitivas lendas,
são os Tupis reputados uma nação invasora que, le-
vando de vencida a dos Guaranis, deslocaram-na para
o sul até o 25° LS., refluindo depois para o norte e
espalhando-se depois para o occidente.
E' certo que no tempo do descobrimento do Brasil
existia uma raça no littoral que movia constante
gnerra contra uma outra localisada no interior, o que
foi de grande vantagem para os conquistadores; mas,
as posteriores investigações de Martius, bem como as
subsequentes e modernas pesquizas de Von den
Steinen, no Xingú, são unanimes em proclamar a iden-
tidade (l' estas tribus pelas estreitas semelhanças
dialectaes.
Taes foram os povos encontrados pelos primeiros
portuguezes como os antigos pos uidores do nosso
solo; mas, dentre todos, os Botocudos e os Bllgres do
Paraná têm mais especialmente attrahido a attenção
de um dos nossos mais distinctos ethnographos (1)
que, pela configuração craneana dos ultimos, descobrio
n'e11es os legitimos representantes dos homens dos
sambaquis, considerados pelo mesmo illustre investi-
gador, inferiores ao homem da Lagôa Santa de Lund,
ao passo que reputa os Botocudos como o ?-esultado elo

(1) Dr. I. Rodrigues PeixoLo. Novos Estudos cmneologicos


sobre os Botocudos, pag. 52.
- fil -

entrecruzamento d' estas duas raças, approximando-os


da primeira pelos caracteres da face, e da. ultima
pelos do craneo cerebral.

LIÇÃO II

Linguas

A língua geralmente faIlada pelos civilisados ê


a portugueza modificada e a tupi-guamni pelos selva-
gens. Nos Estados do Pará e Amasonas esta ultima
é a língua corrente, não s6mente entre os indios ahi
estabelecidos, mas tambem em muitas classes do povo;
é o idioma para o commercio do interior.
O idioma tupi-guarani está classificado como uma
língua polysynthetica, isto é, uma língua em que
todos os elementos analyticos de uma phrase são
partes componentes de uma unica expressão. O voca-
bulo em sentido normal encerra sempre a predicação
e p6de-se dizer que quasi todas as palavras têm a
funcção do verbo.
Como não existe o verbo abstracto ser, as f6rmas
que indicam exi tencia são expressas por simples
agglutinação: che·catu, eu sou bom=eu+bom. N'estes
casos o pronome che deve ser interpretado como o
objectivo ntt e a phrase equivale á latina me bonum
(dicittw) .
Outro caracter importante da língua guarani é
o uso das posposições. Os signaes de relação prepo·
sicional e ás vezes conjunctiv&', são sempre pospostos:
Tupaope=tupã-ó-pe=tupã-oca-pe = na igreja,
isto é, na casa de Deus, Dei mamsione in.
O systema verbal do guarani ou tupí é completa-
mente diverso do das línguas de flexão. Existem
muitissimos modos, porém s6 ha um tempo originario,
- 62-

unico, que serve ao presente, ao passado e até ao


futuro. A-atá, eu ando, andei, andarei, etc. Oomtudo
usam as palavras explicitas para determinar o passado
e especialmente o futuro com. a pospositiva ne.
Os accidentes conhecidos em as nossas linguas
por nU1ne'ro, genero e g1-áo são sempre expressos POl'
)lalavras que indicam emphaticamente a idéa que se
quer exprimir. Assim, o plural se exprime pela pos-
posição do vocabulo retá, hetá <lue significa: muitos.
O feminino é indicado pelo vocabulo posposto:
cumzã, quer dizer: femea, etc.

LIQÃO III
Religiões
Pelo decreto de 7 de Janeiro de 1890 foi pro-
clamada a liberdade de cultos, sendo pelo mesmo impli-
citamente estabelecida a secularisação dos cemiteriosj
entretanto, a religião dominante é a catholica.
No tempo da conquista a religião dos indios con-
sistia em um mixto de crenças e lendas sobre a origem
das cousas e no culto e veneração dos mortos. Esta·
vam no periodo do puro fetichismo. Não tinham noção
de Deus, mas acreditavam na influencia sobrenatural
exercida por pessoas ou por consas. Tudo, para eBes,
representava a vida e o animado: os rios, o sol, os
bosques e as montanhas.
Tinham algumas tribus a tradição de um dilu-
vio, em que s6 um homem, Tamandaré, salvou-se sobre
uma palmeira.
Tinham uma vaga noção da vida futura na im-
possibilidade de explicar a morte de seus semelhantes.
Quando morria um de seus companheiros, punham
o cadaver dentro de uma grande talha de barro, iga-
çaba e enterravam-na, conjuntamente o alimento
- 63

sufticiente para a supposta viagem que o morto devia


fazer. Estes ceremoniaes eram acompanhados de
danças e grandes lamentações.
Si o morto era chefe da tribu, o seu successor
devia ser o mais valente e o que maior numero de
victorias tinha alcançado sobre os inimigos.

CAPITULO II
Geograpbla adlDinistraU"a

LIÇÃO I

População

Em geral a população do Brasil acha-se irregu-


larmente espalhada pelo territorio, occupando de
preferencia a parte do littoral e as margens dos
grandes rios; apenas no Estado de Minas-Geraes é
que o povoamento tem sido feito mais desaggregada-
mente.
A estatistica da população resente-se da falta
de um recenseamento regular e moderno; pois que
o ultimo eifectuado depois da Independencia, além de
defeituoso em seo apuramento, traz a data de 1 de
Agosto de 1872; accusa elle uma população de
9,930,478 almas. (1)
Baseando·se neste censo e levando em linha de
conta os nascimentos e mortes, bem como o desen-
volvimento da immigração, o laborioso Dr. Pires de

(1) Sem Calar nos iodios Independentes calculados em cerca


de Um milMo pelo illustrado Dr. Couto de Magalhães.
- 64-
Almeida (1) elevou a população a 14,662,049 habi-
tantes, calculo adoptado por nós no decorrer deste
trabalho. Entretanto, o actual governo não se tem
descurado de um tão urgente e importante assumpto
e no proposito de melhoraI-o o mais possivel não tem
poupado esforços e sacrificios para conseguil-o.

LIÇÃO II
Instrttcção lntblica e Bellas-Artes

A instrucção publica no Brasil, comprehende:


10. O ensino pnblico ou official, que é minis-
trado por um pessoal docente subsidiado pelo Es-
tado.
2. O ensino pa?·tiCltlar on livre, dado por parti-
0

culares, geralmente habilitados perante o conselho


superior de Instrucção publica, ou por associações
religiol!las e beneficentes.
a) O ensino p~tbl'ico ou official, comprehende 3
grãos:
10. O superío?' que é dado pelas faculdadp.s medi-
cas do Rio de Janeiro e Bahia j pelas faculdades
juridicas de S. Paulo e Pernambuco j pelas escolas
Polytechnica, militares do Rio de Janeiro, S. Pedro
do Sul e Ceará, pela Escola Superior de Guerra, pela
escola de Marinha, pela escola de Minas, em Minas-
Geraes. e pelos 8emina?'ios theologicos nas diversas
dioceses.
20 • O secunda?'io, que é dado pelo Collegio Mili-
tar, Escola Naval, Instituto Nacional de Instrucção
ecundaria (internato e externato-e Nocturno Gra-
tuito para o sexo feminino) e Lycêos Provinciaes.

(1) L'inslruclion publique au Bré iI, pago 1067.


- 65-
3, o O primario, que é dado gratlútamente a
ambos os sexos por escolas esta"belecidaF ·nas diffe·
rentes freguesias.
O ensino profissíonc,l que não se acha incluido
em nenhum dos gráos e.cima especificados, é, entre-
tanto, ministrado pela Escola Normal da Capita.l
FedenJ.l e por outras congeneres nos demais Esta-
dos. (1)
b) O ensino 1,w,tictdar ou lim'e, apenas ~e occupa
dos gráos 1,rima1'io e secunãario ;-0 primario é pres-
tado ora em varias escolas mediante modica remune-
ração,algumas das quaes subvencionadas pelo governo,
ora em estabelecimentos mantidos por associações be·
neficentes e religiosas nos diversos Estados; o sectm-
da1'io é dado geralmente em diversos coilegios.
As Beilas-Artes no Brasil têm por séde a Capital
Federal e por templos o Instituto Nacional de Musica
e a Academia de Bailas Artes, Da natural aptidão
dos brasileiros para a cultura deste importante ramo
de conhecimentos ba provas exuberantes nas magni-
ficas obras-primas puramente nacionaes e verdadeiras
preciosidades, que constituem o thesouro artistico-
nacional da patria de não raras notabilidades, admi-
radas e reverenciadas nos principaes paizes do mundo.
Com a verba-in.strucção publica-despendeo o
Estado durante o exercicio findo de 1889 a somma de
~O.813:552 174, applicavel a todas as ex-provincias,
Inclusive o ex-municipio da Côrte.
Indubitavelmente esta cifra deverá crescer de
um modo sensivel no fim do corrente anno, a julgar-se
pelo grande desenvolvimento que o actual governo

. (1) Esta classificação deve er admillida 'omo provisoria,


VI to achar-se actualmente afJecto á no\'a pa ta de In',rucção
ptLbltca cOrl'eios e telegraphos um projecto de reforma apresen-
tado pelo Inspector geral de in tn,cção primaria e scclmdaria,
6 qual abrange o ensino primario, normal e secnndario.
5 c. B.
-- 66-

tem procurado dar a este primordial ramo adminis-


trativo, que actualmente é quasi expediente exclusivo
de um ministerio particular. (1)

LIÇÃO III
Fórma de gOVlrrno

A direcção politica da Republica dos Estados-


Unidos do Brasil, que foi proclamada a 15 de No-
vembro de 1889, acha-se actualmente confiada a um
Gove?-no Provisorio, que nobre e patrioticamente pro-
move medidas urgentes para dotar o paiz de uma
constituição, ad referendum, de um proximo Congresso
Constituinte.
Pela futura Constituição ha os seguintes po-
deres:
1. o O poder legislativo constituido pelo Congresso
Nacional com a sancção do presidente da Republica.
O Congresso Nacional compo'r-se·á de duas camaras:
a dos Senadores, cujo mandato será de nove annos e
a dos Deputados eleita triennalmente.
2. o O poder executivo tendo por chefe o presi-
dente da Republica dos Estados-Unidos do Brasil
(eleito indirectamente pelo povo), o qual o exercerá
por intermedio de um ministerio, composto de oito
membros denominados ministros, incumbidos da gestão
das seguintes pasta5: do interior, do exterim", da
instrucção publica, da justiça, da fazenda, da agri-
cultura, da marinha e da guerra.

.lI) Associado á gloria de constituir-se o organisadC?r ~o


mOVlmento de 15 de Novembro, o p;tlrllHieo genera1 BenJamlO
ConsLant teve o galardão de ser o primeiro ministro de iustrucçãO
publica.
- 67-

No impedimento do presidente serão suas attri·


buições desempenhadas por um vice-presidente eleito
pelo povo na mesma occasião que aquelle.
3. o O poder judicialivo conferido a um Supremo
Tribunal de Jnstiça, nomeado pelo Senado da União e
a tantos juizes e tribunaes federaes ql).antos o Con-
gresso crear.

LIÇÃO IV
Divisão politica, jndicia"ia, ecciesiastica e policial

a) -A Republica dos Estados-Unidos do Brasil


comprehende um districto federal, capital Rio d~ Ja-
neiro e 20 estados,distribuidos da seguinte fôrma: 16
m~ritimos, a saber: Pará, Maranhão, Piauhy, Ceará,
RIo-Grande do Norte, Parabyba, Pernambuco, Ala-
gôas, Sergipe, Bahia, Espirito Santo, Rio de Janeiro,
S.Paulo, Paraná, Santa Catharina e S. Pedro do Rio-
Grande do SIlI j e quatro centraes,que são; Amasonas~
Matto-Grosso, Goyaz e Minas-Gel'aes.
Os Estados Federaes têm governo proprio e
autonomo, salvo poucas e raras conclições geraes de
subordinação.
De accôrdo com a população de cada Estado
e com a regra dictada pela Constituição que estabelece
1tm delJutado por 70.000 habitantes, ou fracção de
30.000, foi estabelecida a seguinte:
-,68 -

Representação Nacional

ESTADOS DEPUTADOS

Capital Federal.. '" .. la


Pará . 7
?tfaranbão .......................•.....•.... 7
Piauhy..... .....•..• - 4
Ceará ...................•.................. la
Rio-Grande do Norte , .. 4
Parahyba . 5
Pernambuco ...........................•.... 17
Alagôas ..........•..•............•.......• 6
~ih~~~·.:· ::..: : :.. ::::::::::.. :: 4
22
Espirita-Santo ,. 2
Rio de Janeiro ................•.......•..... 17
. Paulo . !3
Paraná . 4,
Santa Calbarina . 4
Rio-Grande do SuL , . 16
Amasonas . 2
Malta-Grosso . 2
Goyaz . 3
1/Iinas-Geraes . 37
TotaL . 205

b) Comprehende: um8up?'emo T1'ibunal deJ~lJStiça


na Capital Federal j 11 Relações a saber: a do Pará,
que comprehende o Pará e o Amasonas; a. do Mara-
nhão, que comprehende o Maranhão e o Piauhy; a do
Ceará, que comprehende o Ceará e o Rio-Grande do
Norte; a de Pernambuco, que comprehende Pernam-
buco, Parahyba. e Alagõas j a da Bahia, que compre-
hende a Bahia e Sergipe; a do Rio de Janeiro, que
comprehende o Rio de Janeiro, a Capital Federal e o
Espirito-Santo;ade S.Paulo,quecomprehende S.Paulo
e Paraná; a de Porto-Alegre, que comprehende o Rio·
Grande do Sule Santa Catharina;ade Ouro-Preto,que
comprehende Minas-Geraes j a de Goyaz, que compre·
- 69-

hende o Estatl0 do mesmo nome; e a de Cuiabá, que


comprehende Matto Grosso;-e quatro Tribunaes do
Corn'lnm'cio no Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia e
Maranhão.
c).-O Bra:;il representa uma provincia eccle-
siastica, tendo um metropolitano, que é o arcebispo
da Bahia, e 11 bispados suffraganeos, que são:
o do Pará, que comprehende o Pará e o Amaso-
nas; o elo Maranhão, que comprehende o Maranhão
e o Piauhy; o do Ceará; o de Pernambuco, que
eomprehende Pernambuco, Rio-Grande do Norte,
Parabyba e Alagôas; o do Rio de Janeiro, que com-
preheude o Rio de Janeiro, Espirita Santo, Santa
Catharina e uma pequena parte de Minas-Geraes; o
de S. Paulo, que comprehende S. Paulo, Paraná e
parte de Minas ,Geraes; o do Rio-Grande do Sul; o
de Marianna, que comprehende a metade meridional
de Minas-Geraes; o de Diamantina, que comprehende
a metade septentrional de Minas-Geraes; o de Goyaz,
que comprehende este Estado eparte de Minas-Geraes
o de Cuiabá, que comprehende Matto-Grosso; e o ar-
cebispado da Bahia, que comprehende este Estado e
o de Sergipe; -conta cerca de 2.000 parochias.
d).-A segurança publica da Oapital Federal e
demais Estados está confiada a um magistrado que,
com a denominação de Chefe de Policia, tem por prin-
cipaes auxiliares subalternos os delegados, os subdele-
guclos e os inspectores de qtutrleirão, e por agentes da.
segurança as praças dos corpos policiaes.

LIÇÃO V

Colonisação e immigração,

Incontestavelmente é o Brasil o primeiro paiz do


mundo que mais vantagens offerece ao immigrante;
- 70-

pois os lucros materiaes que os estrangeiros podem


auferir do seu trabalho são compativeis com o
estado prospero e florescente de um paiz em vÍ3,s de
formação como o nosso; os meios de installação que
o Governo dispõe para a recepção desses operarios
agricolas são regularisados da melhor fórma possivel;
e enfim, a diversidade do clima dos diversos Estados,
adaptando-se ao de quasi todas as nações, offerece-
lhes um asylo seguro e salutar.
A asserção acima é confirmada pelo desenvolvi-
mento que de anno para anno apresenta a estatistica
da corrente immigratoria; é assim que durante o
anno de 1888 entraram no Brasil, pelos portos do Rio
de Janeiro, Santos e Victoria, 131,745 immigrantes,
na maior parte italianos, que tiveram differentes des-
tinos; ao passo que no anno anterior apenas 54,990
buscaram o nosso territorio, havendo portanto uma.
differença de 76,755 para mais.
De preferencia são escolhidos pelos immigrantes
para os seus instal1amentos os Estados situados do
Espirito Santo para u sul. ,
Os principaes estabelecimentos coloniaes do
Brasil são:

N o Estado do Espirita Santo

Quatro colonias emancipadas, a saber :


Rio-Novo, fundada em 1856 e emancipada a 6 de
Março de 1866 com a denominação de freguezia de
Santo Antonio do Rio-Novo; está situada nos muni·
cipios de Itapemirim e Benevente, sobre os rios do
mesmo nome e conta 5,458 habitantes, na maior parte
italianos, allemães, suissos e portuguezes.
Castello, fundada em 1880 e emancipada no anno
seguinte com a denominação de povoação de Alfredo
Chaves; está situada no municipio de Benevente
sobre o rio d'este nome e tem 2,388 habitantes, na
maior parte italianos.
Santa Isabel, fundada em 1847 e emancipada
em 1866; tem uma população de 2,405 habitantes,
na maior parte allemães.
Santa Leopoldina, fundada om 1857 e emanci-
pada em 1882; está situada nos municipios de Vi-
ctoria e Santa Cruz com uma população de 11,846
habitantes, na maior parte allemães e italianos.
Durante o anno de 1888 foram fundados n'este
Estado mais qnatro nncleos com as denominações de
Costa Pereira, Senador Prado, .Accioli e Santa Leo-
cadia.

No Estado do Paraná
.Assungt~Y, fundada em 1860 e emancipada em
1882; fica a 100 km. a léste de Cnrytiba e conta
uma população de 3,000, na maior parte nacionaes.
Ainda no municipio de Curytiba, encontram-se:
Argelina, fundada em 1859 á margem direita da
estrada da Graciosa, a tres kilometros da capital;
tem 138 habitantes, na maior parte italianos e fran-
cezes.
Senador Dantas, fundada em terrenos da muni-
cipalidade da capital j conta 250 habitantes.
Pilarzinho, á margem da estrada Assunguy com
uma população de 347 habitantes, na maior parte
brasileiros.
Santa Candida, á margem esquerda da estrada
Graciosa, a 8 km. da capital; tem 271 habitantes
na maior parte polacos.
.Alfredo Chaves, á margem da estrada que vai
JlRra o «Arraial Queimado»; tem 229 habitantes,
preponderando a nacionalidade italiana.
Abranches, a 6 km. da capital e habitada por
307 individuos, na maior parte polacos e brasileiros.
- 72 -
Santa Gabriela, á margem da estrada Assunguy,
a 6 km. da capital, com uma população de 187
habitantes, na maior parte italianos e brasileiros.
Lamenha, á margem da estrada Assunguy; tem
752 habitantes, geralmente polacos e brasileiros"
S. Vena~wio, á margem esquerda do Rio Bariguy,
a 15 km. da capital e com 90 habitantes, na maior
parte allemães e brasileiros.
Santo Ignacio, proximo á estrada de Matto-
Grosso e com uma população de 344 habitantes, na
maior parte polacos e brasileiros.
Orleans, a 10 km. da capital, proxima ao nucleo
S.Ignacio, com 318 habitantes, na maior parte polacos
e brasileiros.
D. Pedro, á marg"em do rio Paç~-Una, com 225
habitantes, na maior parte polacos e brasileiros.
Riviere, á margem da estrada de Matto-Grosso,
a 16 km. da capital e com 563 habitantes entre
polacos e brasileiros.
D. A~tg~tsto, proxima ao nucleo Thomaz Coelho e
com 232 habitantes entre pola.cos e brasileiros.
Antonio Pmdo, a 18 km. da capital e com 265
immigrantes, entre polacos, italianos e brasileiros.
Presidente Faria, a 20 km. da capital e com 204
habitantes, na maior parte italianos e brasileiros.
Santa Felicidade (particular), a 5 km. da capital
e com 532 habitantes, na maior parte italianos e
brasileiros. '.
No municipio de S. José dos Pinhaes, uotam-se
Zacha't'ias, com 163 habitantes; Muricy, com 398
habitantes; Inspector Carvalho, com 150 habitantes;
Novo Tyrol, com 322 habitantes, e Thomaz Coelho,
com 2.000 habitantes, a 17 km. da capital.
No municipio do Campo-Laot90 : Santa Christina,
com 256 habitantes; Alice, com 38 habitantes;
Mendes de Sá, com 195 habitantes; Antonio Re-
bOltÇas, com 282 habitantes.
No municipio de Porto de Cima, ha os seguintes
- 73-

nucleos de: Ma1-ques, Entre·Rios, Prainhas, Ipi.


?'anga, Ca?-y, GrcLciosa e Palmeira, que contam uma
população de 461 habitantes.
No municipio da Lapa: Joannisdorj e lJ1m'icultal,
com uma população de 189 habitantes.
No municipio do Rio·Neg'fo: S. Lourenço e João
Alf?-edo,com 381 habitantes,entre aust,riaco e polacos.
No municipio da Palme'im: PLLga, Lage, Q?,Le?'O-
Quet·o, Scmta Qnite?"ia e PapagcLios-Novos, todos com
uma população de 684 habitantes, que se dedicam
mais á criação de gado do que á agricultura.
No municipio de Ponta-Grossa todos os nucleos
formam a colonia OctcLvio, com 750 habitantes, na
máior parte russos e brasileiros.
No municipio de Cast?·o apenas prospera o nucleo
Santa Leopoldina, da colonia Bmsilio Machado, o
qual conta 232 habitantes, entre polacos, brasileiros
e italianos.
No municipio de Pa1'anaguá fazem parte da ex-
colonia Alexandra os nucleos Taunay, Visconde de
Nacar e Santa Rita, com 445 habitantes; da ex-
colonia Nova-Italia o nucleo Mm'ia Luiza, com 101
habitantes, e o nucleo Pet-eim (particular) com 189
habitantes.
No municipio de Mm"/'etes a importante ex-colonia
Nova·Italia é formada pelos nucleos Ame?'ica, Ses-
maria, Sitio-Grande, Rio-Pardo e Rio-Sagrado, com
uma população de cerca de 1.500 habitantes de di-
versas nacionalidades.
No municipio do Ãrmial Queimado, além da ex-
colonia Assunguy nota-se o nucleo Euphmsio Corrêa
com uma população de 200 habitantes.

No Estado de Santa Catharina


acham-se emancipadas as seguintes ex-colonias :
Bhbmenau, fundada em 1850 e emancipada em
1880 na cathegoria de vIDa; está situada no valle do
- 74-

rio ltajahy e conta uma população superior a 18.000


almas, constituida. principalmente por allemães.
Itajahy, fundada em 1860 e emancipada em 1881
como villa de S. Luiz Gonzaga; está situada á mar·
gem esqnerda do rio Itajahy-mirim e tem cerca de
8.000 habitantes de diversas nacionalidades, predo-
minando a allemã e italiana.
D. Frctneisca, fundada em 1851 e emancipada.
com a denominação de J oinville; está situada sobre
o rio Cachoeira e actualmente conta uma população su·
perior a 24.000 habitantes, na maior parte allemães.
Azambttja, fundada. em 1877 e emancipada em
1881. Está situada no municipio de N. S. da Piedade
do Tubarão; tem cerca de 2.000 habitantes, na maior
parte italianos. -
Angelina,fundada em186D e emancipada em 1881;
tem cerca de 1. 700 habitantes,na maior parte nacionaes.
A colonia Grão-Pará, nos munieipios de Tubarão
e S. José de Lages, foi fundada em 1882; pertence a
uma empreza particular e conta para cima de 1.000
habitantes, na maior parte allemães e italianos.

No Estaclo do Rio-Grande do Sul


acham-se emancipadas as seg-uintes :
Silveíra Martins, fundada em 1877 e emancipada
em 1882 ; fica a 25 km. da cidade de Sllinta Maria da
Bocca do Monte e conta cerca de 8.000 habitantes,
na maior parte allemães e italianos.
Caxias, fundada em 1875, foi emancipada em
1884; está situada no municipio de S. Sebastião do
Cahy e sua população excede a 17.000 habitantes, na
maior parte italianos.
Conde d' Eu e D. Isabel, á margem esquerda do
rio das Antas e subordinadas a uma s6 administração,
constituem hoje uma freguezia do Estado; contam
uma população superior a 23.000 habitantes, prepon-
derando a nacionalidade italiana.
- 75-

Os ou tros nllcleos coloniaes d' este Estado são:


Alfredo Chaves, Nova Petropolis e Soturno.

Além dos estabelecimentos coloniaes mencio-


nados acima, ainda encontl:am-se outros nos demais
Estados da Republica, como: o ex-nucleo de Porto-
Real, á margem do Parahyba, no ,Estado do Rio de
Janeiro, com tlerca de 1.000 almas.
Em S. Paulo, os nuc1eos de S. Bema"do, S. Cae-
tano, Sant' Anna, Ribei,'ão Pires, Barão de Jnndiahy,
Conselheiro Rod1'igo Silva, Antonio P"ado, Pariquerá-
assíb, Jaca1'ehy, Cabaúna e Quiririm.
Em Minas-Geraes: Roclrigo Silva e S. João
d' El-Rei j - em Pernambuco a de D. Izabel, fundada
em 1875 j - em Goyaz a Blaziana, fundada em 1881
no municipio de Santa Luzia j - e no Ceará a Chris-
tina, fundada em 1880 a 74. km. da capital.
Por ordem do governo varias commissões têm
seguido para alguns Estados do Norte, afim de escolbe-
rem zonas proprias para a installação de immigrantes
e procederem em seguida á demarcação dos lotes.

LIÇãO VI
Catechese civilisação dos indios

A cathechese e civilisação dos indios tem-se ma-


nifestado ultimamente em condições favoraveis, a jul-
gar-se pelas rarissimas correrias dos sevicolas contra
as villas e povoados circumvisinhos aos seus aldea-
mentos, os quaes abi se mantêm em inteira paz e
confiança.
Devido aos acrysolados esforços de desinteres-
sados missionarios ha innumeros aldeamentos e fócos
de civilisação de indios em varios Estados, onde vivem
entregues a trabalhos agrícolas e indnstriaes.
- 76-

No Amasonas encontram-se as missões de Uaupez,


do rio Tiqueá-assú, do S. Francisco do Taraquá, de
S. J eronymo de Ipanoré e a dos Crichanás, a ultima
trazida á civilisação pelo infatigavel botanico Dr. Bar-
bosa Rodrigues; e-em Minas-Geraes, apenas merece
especial menção o aldeamento de Itambacury, com-
posto das tribns Poton, Poté, Norette e outras.
Segnndo o relataria apresentado pelo Visconde
de Maracajú, quando presidente de Matto-Grosso, a
população indígena d'aquelle Estado é calculada em
numero superior a 50.000 selvagens, que, ora agre·
miados nas principaes tribus dos Cainguás e Gua-
ranys, habitam as encostas das cordilheiras de Amam-
bahy e Maracajú, e ora formam a não menos temida
dos Coroados.
O Dr. J. A. Leite Moraes, em seu relataria sobre
a ex-provincia de Goyaz, circumscreve a catechese
dos índios ás margens dos rios Ara:guaya e Tocantins.

CAPITULO III
Geographia militar

LIÇÃO I
Defesa terrest?-e
O exercito brasileiro divide-se em permanente e
de reserva; o exercito permanente consta de 25.109
homens, sem contar os ofticiaes, os quaes fazem parte
da guarnição da Capital Federal e dos demais Es-
tados; e o exercito de reserva é composto dos bata-
lhões chamados dos gttardas nacionaes, que s6 prestam
serviços em circumstancias extraordinarias.
- 77-

os principaes PRESIDIaS E MILITARES COLONIAS


são:
no Amaso nas: Tabatinga, á margem do rio
Amasonas e fronteira do Brasi:l com o Perú ;
no Pará: a de S. João de Araguaya, no rio do
mesmo nome; e a ex·Pedro II, á margem esquerda
do Araguary j
em S. Paulo: a de ItapU'rcb, á margem esquerda
do rio Paraná;
no Paraná: a de Jatahy, á margem do rio Ti-
bagi; a de Chapecó, á margem esquerda do rio do
mesmo nome j e a de Ohopim, á margem direita do rio
do mesmo nome, perto da confiueucia com o Iguassú j
em Santa Oatharina: a de Santa Thereza, á margem
do rio Itajahy, entre as cidades de S. José e Lages j
no Rio Grande do Sul: a do Alto- Ut1.bg?,bay ; e a
do Passo-Grande, á margem esquerda do rio Uruguay,
perto da confiuencia com o Turvo;
em Matto Grosso: a de Miranda, junto ao rio
do mesmo uome j a de Doumdos; a B?"ilhante; a da
Conceição de Albuque?'que; e a de S" Lourenço, a
mais importante do Estado;
em Goyaz: a de Itacayú, nas proximidades do
r~o AraguaJ'a; a de J'/,brltpensen, á margem direita do
fIO Vermelho; a Blasiana, á margem esquerda do
Corumbá j a de S. José dos Martyrios; e a de Santa
Maria do Al'aguaya;
em Minas-Gemes: a de Santo Antonio, á mar·
gem esquerda do S. Marcos, aff1.nente do Paranahyba.
Os principaes FORTES E FORTALEZAS são:
no Pará: a de Macapá, de primeira ordem, á
margem e querda da foz do Amasonas j a da Barra
em. um penhasco a tres milhas de Belem j e o de
Ob'/,dos, na cidade do mesmo nome, a margem esquerda
do Amasonas ,.
- 78-

no Maranhão: o de Santo Antonio da Ba1"ra ;


no Rio-Grande do Norte: o dos Tres-Reis Magos,
construido sobre um recife na foz do Potengy ;
em Pernambuco: o das Cinco·Pontas, Brtb1n e
Buraco;
na Bahia: o de Monte Serrate, o do Mar, o
Gambôa, o de Santa Mw'ia e o de S. MaTcello;
na Capital Federal e Estado do Rio de Janeiro:
as de Villegaignon, Santct CrltZ, Lage, S. João, Gra-
goatá, da Ilha das Cobras e dos morros do Castello,
Conceição e Praia de Fóra, e mais os fortes de
Imbuhy, fóra da barra e os do Pico e S. Luiz, con-
struidos na montanha marginada pelo poderoso ba-
luarte de Santa Cmz. (1)
em S. Paulo: o da Barra-Grande no porto de
Santos, e Bertiogct (abandonada) na entrada do canal
do mesmo nome, que separa a ilha de Santo Amaro do
continente;
no Paraná: a da Barra de Paranagztá;
em Santa Catharina: o de Santa Oruz, onde ha
um pharol, e o de S. João; .
em Matto-Grosso: o de Coimbra, á margem
direita do Paraguay.

o material bellico 8e acha nas melhores condi-


ções possiveis; pois, não só o armamento é completo,
como resente-se do mais adiantado estado de aper-
feiçoamento, e para o que mantém o 'Governo uma
commissão especial na Europa encarregal1a ('esse
mister.

(1) Com relação aos fortes do Pico e S. Lui= ha verdadeiro


eonlra ·te entre as posições que ocr.upam e as suas denominações;
o ultimo occupa o cume da montanha, ao passo que o primeiro
fica-lhe em pObição inferior.
- 79-

LIQÃO II
Defesa maritima
A força naval activa em circumstancias ordi-
narias foi fixada para 1890: em 4.000 pr.aças de pret
do corpo de Marinheiros Nacionaes i em 104 praças
da Companhia de Marinheiros de Matto·Grosso i e em
1.000 praças do Batalhão Naval i-em circumstancias
extraordinarias constará de seis mil praças d' estes
corpos e de marinhagem. As escolas de aprendizes
marinheiros terão 2.000 praças.
O corpo e:ifectivo dos generaes e officiaes da
armada constará de: 1 almirante, 2 vice-almirantes,
10 contra-almirantes, 18 capitães de mar e guerra,30
capitães de fragata, 60 capitães-tenentes, 175 pri-
meiros-tenentes e 160 segundos-tenentes.
NAVIOS.-10 encouraçados, 2 corvetas, 4 pata-
chos, 6 cruzadores, 17 canlloneiras, 5 torpedeiras, 8
lanchas a vapor, 1 vapor de guerra, 1 transporte, 5
auxiliares e 2 rebocadores.

CAPITULO IV
Geographia eeonom.ica

LIÇÃO I
Finanças

Por decreto do Governo Provisorio foi admittido


omesmo orçamento que o votado pela monarchia para
o exercicio de 1890, o qual foi fixado na importancia
- 80-

de 151.219: 720;tP696 dividido pelos seg'uintes mi·


nisterios:
Imperio (1) . 9.226:528 097
Justiça . 7.816:5741,t1808
Estrangeiros . 805:706~666
Marinha ; . 11.495: 0041,t1305
Guerra'" . 14.994:492~691
Agricultura . 44.779:248 278
Fazenda . 62.102:165;tP851

Total. .... 151.219:720~69ô

Segundo a exposição feita pelo primeiro ministro


de fazenda na Republica ao Ohefe do Governo Pro·
visaria, a divid3t passiva dos Estados-Unidos do Brasil
foi assim discriminada: f" -::..:;;;~
Divida fluctuante mais prompta-
mente exigivel. . 7.840:513;tP478
Dita idem, cujo pagamento ou
conversão póde ser demo-
rado . 250.300:769;tP127
Dita fundada externa ao cambio
de 27 d. por 1~ . 270.395:555~565
Dita idem, interna . 543.585:300~OOO

Total. .... 1: 072.122: 138l1P160


ao passo que a divida activa, considerada pelo mesmo
de difficil cobrança, importou em 60.759:566 949;
avantajanclo-se po'rtanto, no dizer do illustrado finan'
ceiro, a wn ?liilhão de contos de réis a somma do de·
bito nacional que nos deixou em herança a monar-
chia.

(1) Esta pa ta, P-"!e com a Republica pas ou-se a chamar do


" Interior ». foi dividIda em dua , a de lnstrucção P·ublica, Cor-
7'eioe 1'l'le(J"aphos, cujo orç.amellto foi fixado em 1l.1'i5:'i87~~50
e a do I1ltel'i07', concernente aos negocios politicoS da naçaO,
com uma erba de 5.6J8:476P500.
- 81

LIÇÃO II
IndtGstria

Sendo a industria o trabalho applicado á trans-


formação de um producto natural, tem elia por ob-
jectivos primordiaes: ou extrahir do solo as materias
mineraes e productos da mesma natureza - indu,stria
e,'ctractiva; ou transformar todas as materias primas
pela mão do homem-indust1'ia manufactureira.

I
Industriay extractivas

A actividade humana applicada a este importan-


tissimo r amo economico encontra no solo brasileiro
extensissimo campo para o seu desenvolvimento, quer
no reino vegetal, quer no reino mineral. Os princi-
pa.es representantes no reino vegetal são: a borracha,
a. herva mate e a castanha do Pará.
A exploração da borracha (Siphonia elastica)
constitue a principal occupação dos habitantes dos
valles dos Estados do Pará e Amasonas, os quaes de
preferencia a ella se applicam em detrimento da agri-
cultura, applícação menos lucrativa, porém de utili-
dade mais pratica. De todos os paizes productores da
gomma elastica é o Brasil o que figura em primeiro
logar; não obstante a sensivel qnantidade extrahida
dos Estados do Pará, Amasonas e Maranhão e mesmo
ao oeste de S. Paulo, tem-se obtido ultimamente este
producto de uma arvore denominada mangabeira.
A herva mate (Ilex paraguariensis) offel'ece
sensivel competencia nos Estados meridionaes com a
e~portação da borracha; a' sua exportação cresce de
dia para dia sem que d'isso resintam-se as extensis-
!limas :fI.orestas. Em razão da falta de braços não é
6 c. D.
- 82-

convenientemente aproveitado o saboroso alimento dos


selvagens denominado nozes do Pará ou castanhas <lo
Maranhão que espont.aneamente medra da uberrima
zona regada pelo valle do Amasonas.
Difiicil, senão impossivel, é enumerar-se os prin·
eipaes representantes no reino mineral, visto como
cada Estado do Brasil representa por si só um va·
riado repositorio de riqueza mineral; no entanto, a
sua exploração está muito longe de ter o incremento
observado no seculo passado.
O O~trO é encontrado em todos os Estados da Re·
publica, ora ligado á platina e ao iridio, ora ao
palladio j em 1885 a sua exportação foi de 13,548 kg.
As minas de ferro, que actualmente se aeham em vias
de exploração são a de S . João de Ipanema, em
S. Paulo e a do Arroio dos Ratos no Rio-Grande do
Sul. O ca'rvâo de pedra e lignite por falta de meios de
conducção, são apenas extrahidos do Arroio dos Ratos
e do Tubarão, em Santa Catharina. Infelizmente a
importação do sal tem algum desenvolvimento no
Brasil, apezar de duas ou tres salinas estabelecidas
em Cabo-Frio, de muitas outras explora,das no interior
e nos Estados do Norte. Os magnificos crystaes ex-
trahidos de Minas-Geraes, Goyaz, S. Paulo e Paraná
já. constituem um ramo do commercio de exportação.
Finalmente, para avaliar-se da riqueza dos nossos
terrenos diamantiferos, basta vêr que só em direitos
de alfandega, subia em 1885 a 600 contos I) valor das
pedras preciosas exportadas, sobresahindo os Estados
de Minas-Geraes e Bahia com o maior contigente.

TI
Indltstrias mlJlnufactltreiras

As industrias manufactureiras correspondem ás


necessidades do homem e pódem ser: textis, agrí-
colas, zootechnicas, alimenta1'es, fabrís, etc.
- 83

Inclnstrias textis.- As principaes materias em-


pregadas no Brasil para a fabricação dos tecidos são: o
algoclão, o linho e a ramie.
O algodão (Gassypium vitifolium) nasce em todos
os Estados e mais especialmente no Maranhão, em
Pernambuco, nos campos de Sorocaba e em outras
localidades de S. Paulo, e a julgar-se do sensivd in-
cremento que assumio a sua exportação (57:681~000)
durante os cinco ánnos decorrÍllos de 1882-1887 era
de prever um proporcional consumo pelas nossas fa-
bricas si fossem ellas em numero sufficiente, o que
infelizmente não acontece; pois, o ultimo documento
"Official que d'ellas se occupou, avaliou-as em numero
de 80 e assignalou as ex-provincias de S. Palllo e
l\Iinas-Geraes como as mais aJiantadas u' este ntmo
industrial, ás qnaes devemos accrescentar o Rio de
Janeiro e a Capital Federal.
O linho (Linum usitali:;simo) produzido no Pa-
raná e Rio·Grande do Sul e superior ao europêo, não
é convenientemente aproveitado i e quanto á ?"amie
apenas ha ensaios satisfactorios.
Industrias agricolas. -São representadas princi-
palmente pelo café, ass~tcar, f~tmo, ce?'eaes e legnmes.
O café (Ooffea arabica) é a principal fonte de ri-
queza agricola do Brasil, que se constituio o prin-
cipal productor dos paizes do globo, absorvendo-lhe só
{) Estados-Unidos da America do NortE: quasi metade
da sua exportação. Todos os Estados do Brasil pro-
duzem café, porém, mais especialmente o do Rio de
Janeiro, de S. Paulo, de Minas-Geraes e do Espirito-
Santo, que abrangem uma zona de cerca de 832,000
km2 ., povoada com cerca de 1,000,000 de pés de café.
Em 1887 a sua exportação elevou-se a 6.000,000 de
saccas.
O assuca?' (Saccharum officinarum) occupa um
dos primeiros planos no quadro estatistico dos prin-
cipaes productos manufactureiros do Brasil, si bem
que o processo de sua fabricação resinta-se de certas
- 84-
velharias coloniaes; pois, só actualmente é que al-
gumas Usinas começaram a adoptar o tão preconisado
processo de diffusão, que, na opinião do competente
Dr. Wiley.- é o melho1' e o mais economico para ex-
tracção do ass~tcar da canna; o seo emprego nas
Usinas tle Barcellos e Bracuhy deo o resultado satis-
fatorio de 11,4 de assucar crystallisado para cannas
%

que continham de 15 a 19 0/ de assucar, sendo por-


tanto a perda equivalente a o5,9 % dos quaes 4,9 D/ à
consistiam em bagaços, aliaz poderosos combustiveis
para eutreter este processo. Na opinião do illastrado
e laborioso Dr. Pires de Almeida, dotado que seja o
Brasil dos mais aperfeiçoados mecanismos, poderá
elle só fornecer a quarta ou terça parte do consumo
total do assucar no globo.
As principaes Usinas Centraes, quer mantidas
por economia de particulares, quer favorecidas pelo
Governo com garantias de j\lros, são:
no Maranhão: 2 no municipio de Monção;
no Rio-Grande do Norte: 1 no Ceará-mirim;
na Parahyba: 1 na capital;
em Pernambuco: 2 em J aboatão e 1 em cada
uma das localidades de S. Lourenço da Matta, Pão
d' Alho, Cabo, Serinhaem, Muribéca, Agua-Preta,
Iguarassú e Gamelleira;
em Alagôas: 3 em differentes municipios;
em Sergipe: uma em Riachuelo e outra em Ja-
paratuba;
na Bahia: 7 na capital, 2 em Santo Amaro e 1
em cada uma das localidades de Alagoinhas, Bom-
Jardim, Barra de Sergipe e Cachoeira;
no Rio de Janeiro: 3 em Campos e 1 em cada
uma das localidades de Angra dos Rei , Macahé, Barra
do Pirahy~ Magé, Paraty, Porto-Real e Rio-Negro j
em S. Paulo: 1 em cada uma das localidades de
Lorena, Piracicaba, Capivary e Porto-Feliz.
O fumo ( icotina tabacum) na ce e::;pontanea-
mente em todo o territorio, sendo mais especialmente
- 85 ...:...

cultivado nos Estados de Minas-Geraes, S. Pau lo,


Bahia e Pará.
Os cereaes e legwnes são cnltivados em todos os
Estados para o consumo dos mesmos, tornando-se em
alguns sensivel fonte de renda como l,roductos de
exportação. O cacao (Theobroma cacao), originario
da America, offerece prosperos lucros aos seus prin-
cipaes cultores no Amasonas .-0 chá (Theachinensis)
é aproveitado em algumas localidades de S. Paulo e
1Ifinas-Geraes.- A vinicultura já tem um inicio por
demais satisfactorio nos Estados de S. Paulo, Paraná
e Rio-Grande do Sul. - A cultura das arvores fructi·
feras não tem sido descurada por parte de laboriosos
brasileiros, que a elIa se têm atirado com extraor·
dinaria felicidade auferindo lucros vantajosos.
Industrias zootechnicas. - O mais importante
ramo d'esta industria é a criação do gado vaccum. e
consequentemente a grande exportação de xarque,
couros, chifres e sebo observada no Rio Grande do
Sul~ onde durante 11 annos, (1878-1888), a ma·
tança regulou ser de 4.221,456 cabeças, o que dá uma
média annual de 383,768 rezes; o Estado de Minas
Geraes, dotado entretanto de pastos mais substan·
ciaes que o precedente, exporta 200,000 cabeças ano
nualmente, na maior parte consumidas na Capital
Federal. São ainda considerados principaes Estados
productores: o Pará que lhe vem pela ilha de Maraj6;
o Ceará, que muito tem soffrido com as sercas; Goyaz,
que exporta para o Maranhão, Bahia e Minas Geraes;
e Matto Grosso, que faz chegar suas boiadas ao Rio de
Janeiro, passando por Goyaz e ~finas Geraes. Ultima-
mente uma companhia ingleza comprou no Estado do
Paraná cerca de 900,000 hectares de terra, que são
destinados a este fim. E' de risonhas esperanças esta
empreza, a julgar-se da inclinação natural d'este povo
para esta industria, e sobretudo da excellencia do
terreno. O mais notavel desenvolvimento na industria
cavallar e muar é observado nas importantissimas
- 86-

fazendas de criação dos Estados de S. Paulo, Paraná,


Rio Grande do Sul e Ceará, onde muito se recom·
mendam os cavallos, como magnificos corredores para;
as campinas. As demais industrias zootechnicas apenas
têm nos Estados um desenvolvimento compativel com
o seu consumo, salientando-se apenas o de Minas
Geraes, onde o gado suino, convenientemente prepa-
rado, constitue um pequeno elemento de exportação
para a Capital Federal, qne em todo o caso dá prefe-
rencia ao importado dos Estados-Unidos da America
do Norte.
lndust1-ias alimenta1'es. - Os productos concer-
nentes a esta industria constituem já um rendoso e
activissimo ramo de commercio interno, porém, o seu
de envolvimento ainda não conseguio influir na esta-
tistica da exportação; pois, na maior parte são ex-
plorados por mode.rnas emprezas e recentes companhias,
que esperam desembaraçar-se d' este periodo iniciativo
para poderem competir com as veteranas do velho
mundo.
btdustrias fabris .-Actualmente o Brasil possue
elementos para se prover dos principaes factores con-
stitutivos d'esta industria, sem ter que recorrer ao
estrangeiro; e a avaliar-se do decidido apoio que o
actual governo parece querer sustentar e do incalcu-
laveI movimento que de dia para dia manife ta-se ns.
Praça do Rio de Janeiro, pMe-se dizer que a Repu-
blica dos Estados Unidos do Brasil iniciou uma nora
phase na sua vida economica, que só terminará, nive-
lando-se com o progresso das mais florescentes po·
tencias européas, a ponto de ofl'erecer-lhes leal e franco
concurso,
As outras industrias nada têm a desejar das pre-
cedentes, e aguardam occa ião propicia para se ma-
nifestarem em todo o seu desenvolvimento.
- 87-

LIÇÃO UI
Comme?'cio
Em uma extensão de 7,920 kilometros de costa,
conta. o Brasil 42 portos espaçosos, sendo de Ia ordem
o do Rio de Janeiro; de 2'" ordem os da Bahia e Per-
nambuco, e de 3", Pará, Santos e Rio Grande do Sul.
O movimento annual de navegação em seus portos
excede a 12,600 embarcações, das quaes 6,400 de
longo curso.
O commercio interno de cabotagem e fluvial é de
170 a 180 mil contos annnaes.
O commercio externo do Brasil é annualmente de
~OO mil contos, dos quaes 224 de exportação e 176 de
Importação.
Exporta: café, algodão, assucar, couros seccos e
salgados, borracha, tabaco, tapioca, mate, ouro e dia-
mante's, madeiras de tinturaria e palissandre, cacáo,
aguardente, plantas medicinaes, etc.
Importa: artigos manufacturados da Europa, te-
ci~os, ferro, machinas (em grande parte da Inglaterra)
objectos de moda, artigos de novidade de Pariz e dos
Estados-Unidos da America do Norte, farinha e pe·
troleo.
Estradas de ferro.-62 linhas em exploração ou
em vias de execução 8.733,632 kilometros.
SECÇÃO SEGUNDA

CAPITULO I
ESTA 00 DO PARA' (1)

Generalidades
I
Posição geogl\aphica.-Ao norte o Atlantico e as
Guyanas ; a leste o Maranhão e Goyaz ; ao sul Matto-
Grosso; e a oeste o Amasonas.
Posição astronomica. - Latitude septentrional
4" 10', e austraIS" :tO' ; longitude occidental 2" 10' e
15" 20' (2).
Linha limitrophe. - Com as Guyanas já foi assi-
gnalada precedentemente na linha geral divisoria;-
COm o Maranhão e Goyaz é considerado como talo rio
Gurupy,seguindo uma recta imaginaria pelo seu galho
,mais septentrional até o rio Tocantins, no ponto da
SUa con:tluencia com o Araguaya, e por este até a ca-
choeira de Santa Maria;-com Matto-Grosilo é incerta,
no entanto as cartas geographicas dão os mon tes Gra-
daús, rios Fresco e Caray, aftluentes do Xingú, e rio

(1) Pard em lingua tupy quer dizer" rio ».


(l) Do meridiano do Rio de Janeiro.
- 90-

das Tres-Barras ou Parauatinga, tributario do Ta·


pajós i-e com o Amasonas, pelo rio Jamundá e por
uma recta que vai do monte Parintins á margem es-
querda do rio Tapajós, em frente á embocadura do rio
das Tres Barras.
Superficie. - 1.149.712 km2i o terceiro Estado
do Brasil em extensão.
Relevo e aspecto do solo.- Em geral o solo faz
parte da grande planicie de alluvião amasonica inter·
rompida ao norte com o relevo do planalto guyano
e ao sul com o declive septentrional do planalto in·
terno.
Temperatura e clima. - A temperatura média
deste Estado é de 27° C e o seu clima, geralmente
quente e humido, é pouco variavel quer para as es·
tações, quer para os dias e as noites, e amenisàdo
durante o verão por uma brisa agradavel de léste e
por chuvas periodicas que cahem quasi regularmente
em todas as tardes; a época das chuvas é de Agosto
a Outubro.

DESCRIPÇÃO PHYSICA
Geoalorphographia

Orographia. - A serra de Tumucumaque per-


corre a fronteira septentrional d'este Estado no seno
tido longitudinal, tomando de E. para O. as denomi-
nações de TwntGcumaque e Acarahy, e constituindo-sEl
as cabeceiras de quasi todos os rios que vão fenecer'
no Amasonal'l i notam-se ainda outras montanhas
como a do Parít, entre os rios Parú e Jary i a dos
Corvados; a da Velha; a dos Gradaús, que se extende
ao sul e outras.
Nesographia. - As ilhas deste Estado geralmente
fazem parte do grande archipelago sedimentar situadO
n a foz do Amasonas i d' entre elias mais sobresahem:
- 91-
-adelllamjó on Yoannes(l)que situada á embocadura
do regefluviomede uma área equivalente a49,500km2
e portanto, maior que a Suissa e outros paizes da Eu-
ropa; sua constituição não é exclusivamente allu-
vianica, pois em varios pontos é rochea ; e, comquanto
situada no Atlantico, é inteiramente cercada de agua
doce. Separada do continente pelo canal Tagipurú
que communica o Amasonas com o Tocantins, é re-
gada por diversos rios como o Mondim, o A,'wná com
um curso de 100 km., o Atuá, o Muaná e outros, e
conta alguns lagos como o Atná e o importante Ara1'y
abundaute em jacarés que ahi são vantajosamente
aproveitados pelos indigenas, e notavel repositorio de
um ate1TO sel'ulchrcd na ilha de Pacoval,acêrca do qual
muitos geologos se têm occl1pado. Ooberta em sua maior
parte de relvas e arbustos torna-se favoravel á cria-
ção de gado, industria de que se aproveita o Es-
tado;
-a de Gaviana ao norte da precedente, com 110
km. de L. a O. e 62 km. de N. ao S. e com varios es-
tabelecimentos agricolas; e muitas outras como: Gtt-
rupá,dos Porcos, Jipioca, Bailique,Mexiana, Uanancít,
Curupary, do Ttmtá, das Flexas, Bragança e das
Peças.
Ao noroeste do cabo do Norte está a de Maracá
com 5 km. de largura e 40 km. de comprimento e com
lagôas abundantes em pescado.
Da ponta Tijoca até o cabo Gurupy encontram-se
tambem ao longo da costa algumas ilhotas.
Perto da confluencia do Capim com o Acará nota-
se um grupo de ilhas das quaes são mais importantes
a de Camapijó, das Onças, Arapiranga, Cotijuba e
Jutuba.
Acroteriographia.- D'entre os cabos e pontas são
mais importantes: o de Orange, que é a ponta mais

~ (I) A ilha te\"e o nome de Yoannes dos indios des e nome ou


~acaeas (Çakakas).
- 9~-

septentrional do Pará, (l do NOTte ao norte da ilha de


Maracá, o Cassiporé á margem direita do rio do mesmo
nome, MagoaTY, ao NO da ilha de Marajó, e a ponta
Tijoca á margem direita do Tocantins.

Vertentes. - A do Amasonas e Atlantico.


Colpographia.- As principaes bahias e' portos
são: a de Belem on Guaiará, onde se acha a capital j
a de Priá-nngá, a oeste do cabo Gurupy e onde se
lança o rio de igual nome; a de Caeté onde desagua
o rio do mesmo nome; a do Sol; e os portos de Vi·
zêo e Mocafuba.
Potamographia.- O A1nasonas, ou Paraná·açú
dos selvagens, é o maior rio do mundo; nasce no
Perú no lago Lau?'icocha, na provincia do PasclJ, de-
partamento de Junin, onde tem a denominação de
Alto Ma?-a1~hc7,o ou Tungur:agua; com o nome de Ma-
mn1tão, entra noBrasil rfabatinga); d'ahi até receber
o Neg?'o tem o nome de Solimões e .dmasonas até en·
trar no oceano. .
Segundo o illustrado Sr. Barão do Ladario o seu
curso é avaliado em cerca de 3,000 milhas geogra·
phicas, das quaes 1,728 são percorridas em territorio
brasileiro.
Em Tabatiriga, perto da confIuencia do Javal-Y, a
sua largura é de 2,775m. ao passo que a sua foz é
avaliada em 300 kilometros; sua profundidade é a do
maior rio do mundo pois, o official de marinha Herndon
não encontrou fundo em Obidos, com uma sonda de
80 metros.
Em alguns logares ainda não foi possivel deter·
minar-se ao certo as suas margens, porque, com às en·
chentes, que são variaveis durante o anno, ficam com-
pletamente submergidas e o rio em alguns pontos
toma largura dupla com a juncção das suas agnas ás
- 93-

dos numerosissimos lagos que geralmente com elle !'e


communicam, ou por meio de furos que vêm dos seos
aftluentes, acontecendo apparecer novas ilhas e desap-
parecer outras.
A altura das aguas, segundo Agassiz, attinge no
maximo a] 7 metros. A enchente, que depende das
chuvas periodicas nas cabeceiras de seos affluentes,
manifesta-se em Manáos nos ultimos dias de Outubro
começando a vasante depois de 24 de Junho. c
O seu alveo é interrompido por uma infinidade
de ilhas, ora situadas no meio do rio na maior parte
baixas e plauas, ora desaggregadas do continente
pela irrupção das aguas. D'entre elias notam-se a de
Tttpinambamnas, que mede 2,453 km. 2 na foz do rio
Madeira e separada do continente pelo braço do mes-
mo nome; a ilha grÇLnde de Sm'11a; a de Marajá,
com 5,328 km.'2 separada do continente pelo canal
',ragip'urú e outras menores como Pa1'icatttba e
Veados.
O Amasonas, cuja bacia é de 7.000,000 km2 .,
despende na época das aguas 243,875 m· a e na con-
traria 17,644 m. a, o que equivale, segundo os calculas
de. SlJix e Ma?,tius, a uma media de 80,000 m. a por
segundo, concorrendo, portanto, para. o oceano com
um pouco mais da 50. parte das aguas que se calcula
que todos os rios a elle levam.
Não se deve, entretanto, inferir que si secco fi-
casse o leito do oceano só com o concurso das aguas
dos rios elle se constituiria como primitivamente, pois,
o tributo que lhe rendem é diminutissimo; no dizer
de E. Levasseur só no fim de cincoenta milhões de
annos é que vel-o-iamos elevar-se ao nivel actual.
As aguas do Amasonas levam normalmente de
vencida as do oceano na distancia de 180 km. onde
as d'este ultimo tornam-se esbranquiçadas e doces.
A sua foz, que vai do cabo do .l arte á
~onta Tijoca, foi descoberta em 1499 por Vicente
anes Pinzon e seu irmão Martin Alonso Pinzon ;
- 94-

conta.-se que chegando Vicente Pinzon á sua foz, fi·


zera a seguinte pergunta a seu irmão: isto é ma,.?
e que elle respondêra ah non ; e que os marinheiros
repetindo estas ultimas palavras: (mar-ah-non) for·
mara.m Maraiíon que os portuguezes modificaram em
Maranhão, nome qUi conservou por muito tempo.
A denominação de Amaso.nas foi-lhe dada por F.
Orellana, capitão da expedição de Gonçalo Pizarro, o
) qual, vindo de Quito, chegou <:1, conflueucia d' este com o
Maranhão em 1540 e descendo por este ultimo foi
sahir no oceano; auteriormente, tendo sustentado
uma luta perto da fóz do J amnnclá com uma tribu de
indios que jnlgou ser composta de mulheres appel·
lidou-as de Amasonas,movido pelo seo espirito ardente
de aventureiro hespanhol e á imitação elas antigas
Amasonas do Thermodonte.
Pertencem á bacia amasonica n'este Estado: o
Jamundá (e), o Trombetas ou Oriximina (e),o Tapajós
(d), o Curuá (e), o Slln~bi?í, (e), o Parú (e), o Xingú
(d), o Ja1'y (e), o AnCt1'c~pl~c7í, (e) e o Tocantins (d)j no
canal Tagipurtí"que communica este ultimo com o Ama.·
sonas, lançam-se os rios AmalJá, Pacajú" Jacnndá 6
Á1·aticíL.
O Jamwndá (1) segue a direcção media de NO
para SE e tem suas cabeceiras na ~erra da Gnyandj
actualmente conserva este nome no seo curso supe-
rior até a foz do PratacíL, d'ahi troca-o pelo de Faro;
e,chegandono sitio denominauo Repartimento, continua
coma denominação de Bom-Jardim e vae lançar-se no
Amasonas, emquanto que com a designação de igar~pé
do Sapucltá vae affl.uir no rio T-rombetas; mai ab~~o
recebe as aguas do Amasonas pelo fl1ro do CaldeJrao
que lhe fica á direita e com este fôrma na sua foz o
delta do Bom-Ja1'dim . Foi á margem esquerda do.A.ml'
sonas e entre a foz d' este rio e a do Trombetas, no logar
chamado Costa do Pa1'ú, que Orellana di se existir as

(1) Nome de um chefe da tl'ibn dús Uuboys.


- 95-

fabulosas Amasonas.Asuanavegação pôde ser feita pela


enchente até a primeira cachoeira e d'ahi para cima
é quasi que impraticavel por causa de outras que se
succedem. No curso inferior tl' este rio existem os
maiores lagos sobre os quaes predomina o de Faro, que
não é mais qne um prolongamento do rio, em fôrma de
um S ás avessas e em cuja volta inferior está assen-
tada a viUa do mesmo nome. Os aflluentes mais impor-
tantes que recebe este rio pela margem esquerda
são: Pamná-pitinga, Caapoam, Umtinchá, Uaiby, e
o Jamary que é o mais importante.
O rio Tromoetas ou OrixÍ1nina tem um curso de
700 km. e resulta da confluencia do Malm e Capú i
conendo este para S. O. e aquelle para S . E. COIl-
flnem approximadamente no equador, começ.ando d'ahi
por diante o Trombetas. O Mahu, tambem chamado
Apiniau, nasce na longitude de 14° a 15° e acha-se
separado das vertentes do Esequibo porum alto monte;
o Capú tem as suas vertentes ao S. da ..erra de Twnu-
cltmaque na longitude approximada de 12°, ao passo
qne nas vertentes N. nascem os riosAranató,Catary e
Cajui?'é, que formam o Cumny, aflluente do Ca?·rentyne.
O Trombetas corre na direcção geral de N. O. para
S. E. e vae lançar-se na margem septentrional do
;Amasonas, a 61/ 2 milhas de Obidos; recebendo pelo
Igarapé Sapltcltá as aguas do Jam1mdá, torna-se este
seo affluente. A parte uuperior d' este rio é muito enca-
choeirada, senJo as suas prlncipaes cachoeiras as da
Fumaça, Inferno e Jascury i e a sua parte infetior tor-
na·se notavel pela grande quantidade de lagos que se
encontram proximo às snas margens j os seos princi-
paes aff1uentes são: o Turu,mú (d.), e Caxon'o (d.),
na região encachoeirada e no Baixo Trombetas é o
mais .notavel o Cuminá que afllue na margem esquerda
depOIS de ter recebido o AripecuTÚ.
O Tapajós apenas banha este Estado da con-
finencia do S. Manoel ou das Tres Barras até a
Sua foz no Amasonas, este é o trecho mais habitado
- 96-

e para o qual concorrem rios de pouca impor-


tancia.
O Curt,ã, com um curso de cerca de 135 milhas
navegaveis nasce nas vertentes meridionaes da serra.
da Guyana e tomando a direcção approximada de
S., lança-se no lago do mesmo nome depois de receber
o Bmnco (e.) e o Mamiá Ctl.). O igarapé do Lago ou
AlemqueT põe em communicação o lago Cu1"ttá com o
Amasonas, desaguando n'este proximo ao lago Pa-
raca1·Y·
O Suntb~ú, com as mesmas origens do C~t1'uá forma
o vasto lago do mesmo nome que se communica com
o Amasonas.
O Pa1'ú nasce nas vertentes merirlionaes das
serras das Guyanas e após um curso de 500 km. ge·
ralmente interrompido por saltos e corredeiras, dos
quaes o principal é o do Panamá, lança-se no Ama-
sonas a oeste da foz do Xingú depois de receber o
Vacarapy.
O Xingít ou Aoripana, com um curso de cerca de
1: 980 km., nasce do lado direito da serra Azul no 15·
L.S. região pouco conhecida e habitada por indios
ferozes; o seo trecho superior é interrompido por in-
numeras corredeiras, ao passo que o inferior, extre-
mamente sifluoso, é mais favoravel á navegação, prin·
cipalmente de Souzel até o Porto de Moz, onde alar-
gando-se consideravelmente, torna-se francamente na-
vegavel pelos vapores da companhia bTasileira doAma-
zonas. Dos seos affiuentes conhecidos são considera-
dos como principaes : o S. Ped1'0 (e.), o Guapindas
(d.), o Alvar (e.), o F1'esco (d.), o Anygttlzy (e.), o C~·
1'inis (e.) o Ca1iahy (d.), o ltauna(d.) o Castanha-pt·
1'anga (d.), e o Tuc~tnthy (e.). Em seu trecho infe-
rior estão situadas as povoações de Veiro~, Pombal,
Antiga, 80u7.el, Barbacena e Tingapuá .
O Jary, com suas vertentes communs as do Pa1'lí,
corre-lhe qllasi parallelamente, contando por seos prin·
cipaes tributarios o Iratapú (e.) e o Apana1'i (d.) j
- 97-

d'entre as suas multiplas cachoeiras distinguem-se a


da Pancada, da Escada Grande e do Desespero.
O Anampltcü é formado pela juncção doS' rios
Uao by e Amaná e quasi completamente desco-
nhecido.
O Tocantins (1) com um curso de 2,640 km., é
formado pela confluencia do Tocantins l"'opr'iamente
dito ou alto Tocantins com o Araguaya que se reunem
junto ao forte de S. João de Araguaya. Pertencem
a este Estado o trecho desde essa confluencia até a
sua f6z, bem como a margem esquerda do Araguaya
desde aquelle ponto até a cachoeira de Santa Maria.
Do forte de S . João de Araguaya, onde a sua lar-
gura é de 1735 metros, até enfrentar-se com a
ilha de Marajó, conta o Tocantins como principal
tributaria o Tacay'/,~ma que lhe vem pela margem
esquerda. O vasto terreno de alluvião situado entre o
Tocantins e o Araguaya é atravessado por uma cordi-
lheira que segue quasi parallelameute o Tocantins
Pequeno, tomando de sul para norte as denominações
de serra dos Chavantes, dos Javaes, do Estrondo e
Grande.
O rio Gt~aja1'á é por alguns illustrados choro-
gragraphos (2) considerado um vasto estuario que de-
pois de banhar a cidade de Belém confunde-se com o
fio Guamá,cujas aguas são engrossadas pelas do Mapi
e ..:l.cará reunidos. O Guamá navegado a vapor até

(1) Acerca da que tão de considerar-se este rio como fazendo


parle .da bacia Ama onica, fazemos nossas as palavras do douto
A.ga.sSl~: «E' impossivel, desde que e tem deixado o Pará, seguindo
fIO aCima, deixar de senLir que se entrou nas aguas do rio A.ma-
sonas.»
M O me mo rio Parnahyb:l., do Piauby, e os rios ela provincia do
aranhão, foram outr'ora, tributarias do rio Amasollas.
Comquanto o illustrado professor A. Nogueira não o con idere
Como fazendo parte do sysLema amasonico enLrelan to n'elle o inel ue.
(2) Geog. e hist. do Brasil. Â Nogueira pago lt3.-0 vatle
do Áma onas - Tapaj6 part. 12.
t (;. n.
- 98 -

S. Miguel seg'JIe a direcção septentrional atéáfi'eguezia


de Porto Grande, d'onde toma para O. até mesclar-se
com oAmasonas, recebendo proximo áfreguezia daBôa
Vista o rio Capim (e.) seu mais importante triblltario e
até mesmo considerado por alguns (1) como obraço prin·
cipal. -O Capim, que é de todos os d' esta bacia o melhor
estudado, é formado pelo Surubijú e o A1"arandeua
e conta d'entre os seos principaes confiuentes o Caui-
chy (d.), o Jittuba (e.) e o ConcliríG-assú que é o seu
maior aftluente. Além do Capim não t:onfiuem para o
Guamá outros rios dignos de menção, a não ser o
Mojú e o Ãcará ambos navegaveis a vapOT, o primeiro
até Cairary e. o segundo até a villa d{) mesmo
nome.
Um facto curioso e interessante que se observa.
n'este rio é o da pOr01"OCa (2), assim chamado pelos
selvagens e ouvido na distancia q.e 12 kilometros ; nos
pleui e novilunios as marés oceanicas, levando de
vencida as aguas do rio, fazem-n'as refluir, forman-
do-se então uma onda de 4 a 5 metros de altura, se-
guida de segunua, terceira e ás vezes quarta que
adquirem enorme velocidade em razão de encontrarem
ahi acanhado o espaço para espraiarem-se; no fim de
poucos momentos, adiante da ilha de Pernambuco dos
Frades onde o leito do rio é eminentemente anfra-
ctuoso, opera-se a primeira formação da pororoca, de-
vida ao arrebentamento das onda nos rochedos. bancoS
e baixios, -
Occupando vasta extensão do estuario Guajará,
tambem chamado 1'io Pará, encontra-se um archi-
pelago, cujas principaes ilhas são a das Onças, Ara-
piranga, Cotijuba e JuttGbá.

(1) Relatorio Rio Capim,-Barb. Rodrigue . .


(2) Por onomalopéa do tupy (poroa-poroa) arrobentar seguI-
dameute.
- 90-

DESCRIPÇÁO POLITICA

Noções historicas. ~ Francisco Caldeira Castello-


Branco, que tinha ido com algum reforço ajudar a
Jeronymo de Albuquerque expulsar os francezes do
Maranhão, foi despachado pelo governador geral da
armada, Alexandre de Moura, com o titulo de ca-
pitão-mór para fundar a capitania do Pará.
Castello Branco partio com uma força de 150 a
200 homens tripolando tres embarcaçõecs, e fundou a
3 de Dezembro de 16] 5 quaai na foz do Amasonas na
bahia de Guajal'á, uma pO\Toação a que deo o nome de
N. S. de Belém; occupou·se em bater o gentio ini-
migo e mandou pelo alferes Pedro Teixeira destruir
dous peqnenos estabelecimentos de hollandezes.
Em 1619 os colonos revoltaram-se por causa de
uma morte praticada pOI' um sobrinho do capitão-mór;
e, .prendendo-o, nomearam a Balthazar Rodrigues de
Mello para substituil-o, o qual deo parte do occor-
rido ao governador-geral que nomeon capitão-mór:1
Jeronymo Fragoso de Albuquerqne e deo a Bento
Maciel Parente o commando de uma expedição (lOntra
os indios. O primeiro estabeleceo a paz e a harmonia
entre os colonos e o segundo desemolveo um sys-
tema de per eguição horrivel contra o gentio, ma-
tando-os sem piedade, reduzindo-os êÍ. e'cr::l.vidão e
ehegando mesmo a desobedecer a.o capitãv·mór que
lhe ordel1ára puzesse termo a essas scenas de sctngue.
Por morte de Jeronymo d' Albuquerque succedeo·
lhe na administração Pedro 'l'eixeira.
Em 1621 ]'ellipe TV de HespanlJa creou um novo
Estado compo to do Ceará, Maranbão e Pará, tendo
um governo independente e empenhou-se em dar im-
pulso ao desenvolvimento das novas capitanias.
Em 1630, os inglezes em numero de 200, tendo-
se alHado aos Tapllias, construíram um forte na ilha
dos Tocl1jás que foi tomarI0 por J acome Raymnndo de
- 100-

Noronha, env.iado por Francisco Coelho ue Carvalho,


governador doEstado do Maranhão. Por morte de Coe-
lho de Carvalho succedeu-Ihe Raymundo de Noronha.
Em 1652 o Pará ficou como capitania indepen-
dente até 1655 em que continuou a fazer parte do Es-
tado do Maranhão.
Em 1780 creou-se o bispado do Pará, ficando
separado uo Maranhão.
A primeira capitania que em 1820 adherio ao
movimento liberal foi o Pará.
Em 1822 o Pará soffreu bastante por occasião da
independencia do Brasil j sendo ahi numeroso o ele·
mento portuguez, tratou elie de formar uma Junta
Provisoria para que governasse em nome do rei de
Portugal, a qual tentou abater o animo dos brasi·
leiros, por meio de medidas crueis e sanguinolentas,
vinuo só a terminar em 1823 com a chegada do almi·
rante Greenfeld. .
Em 1835 deu-se no Pará um cllnflictoque originou
a grande revolução conhecid.a por Cabanage:m e que
s6 terminou em 1845.
O intelligente deputado Aureliano Candido Ta·
vares Bastos, em 1867 conseguia a abertura dos
portos do Amasonas á navegação estrangeira.
Capital - Belem, com 40.000 habitantes, na
margem oriental da esplendida babia de Guajará,
defronte da ilha de Marajó;-seus principaes edificios
são: o ex-palacio do presidente que dizem ter sido edi-
ficado por ordem do marquez de Pombal j o do Con-
gresso de Estado; o theatro da Paz/o melhor do Brasil
e um dos melhores da America do Sul; a cathedral
um dos templos mais vastos do Brasil; a igreja do
Carmo, hoje seminario; os arsenaes de guerra e de
marinha j a bibliotheca i e outros.
A 7 km. da capital acha·s~ o SRnctuario de N. S.
de Nazareth, lagar de festivas romagens e de facil
cond ucção; seu porto é defendido pelos fortes Santo
Antonio e Castello.
- 101-
Cidades.- Braga'Y/,ça, com 10.000 habitantes, á
margem do Caeté, importante estação maritima inter·
mediaria entre Belem e S. Luiz.-Breves, na ma.r-
gem septentrional do parana-mirim Tayapu1'ú e escala
de vapores pelo Amasonas.-Gametá, com 5.000 habi·
tantes, á margem esquerda do Tocantins.-Cintra.-
Glt1"l,tpá, ponto estrategico abaixo da confiuencia do
Xingú com o Amasonas, estação dos vapores da ca.r-
reira do Amasonas.-Macapá, á embocadura do Ama-
sonas e defendida por uma fortaleza. -Monte-Alegre,
á margem esquerda do Rio Gurupatuba a:ffluente do
Amazonas.-Obidos, com 3 .000 habitantes, á margem
septentrional do Amasonas, em estado decadente e de-
fendida por um fortim ao lume d'agua.- Alemque7',
Santarém, com 4.000 habitantes, á margem direita
do Tapajós e antiga villa d'este nome; na igreja de
N. S. da Conceição d' esta cidade existe .um crucifixo
remettido pelo sabio botanico von Martius, como pro·
messa de ter-se salvo de um naufragio proximo á
embocadura do Tapajós. - Vigia, á margem direita
tio furo Guajará-mirim que se lança na bahia do Sol;
primitivamente foi chamada pelos Tupinambás aldeia
.Â.raytú, mas teudo o governador mandado uma guar·'
nição para dar o visto ás embarcações costeiras,
edificaram no porto do Pombal uma guarita onde coI·
locaram uma sentinella para vigiar as ditas embar-
cações, razão pela qual tomou o nome que actualmente
conserva.
Villas principaes.- Ourém, á margem direita do
Guamá.-Faro, á margem esquerda do Jamundá.-
Cachoeira, na ilha de Maraj6, á margem do Arary.-
Chaves, situada na mesma ilha.- Vizeu, á margem
esquerda do Gurupy.-Mazagão. -P01·to de Moz, na
margem direita do rio Chuique.- Sottzel e outras.
População.- 463 .000 habitantes; ou 0,4 para.
um km'.
Instrucção publica. -O ensino secundario é dado
em um Lycêo Provincial, Escola Normal e alguns
102 -

collegios particulares; e quanto ao primario, ha


escolas primarias de ambos os sexos nas cidades, villas
e povoações. Ba 350 estabelecimentos de instrucção
frequentados por cerca de 13,000 all1muos; a verba
consagrada em 1889 a este ramo administrativo
foi de 734:586~000.
Divisão judiciaria. -Tem um tribunal de Rela ção
em Belem com seis desembargadores com jurisdição
no Pará. e no Amasonas, e consta de 15 comarcas.
Divisão ecc1esiastica. - A Dioce,e episcopal do
Pará. está ujeita ao arcebispado da Balia e compre-
hende os Estados do Par2. e Amasonas.
Estrada de ferro.-A que vai da capital a Bra-
gança.
Pharóes.-O das Sal'inas, situado na ponta dI}
Atalaia; a sua luz é visivel na distancia de 15 milhas
em tempo claro. Navio-Pha1'ol·Pa1'á, á entrada da
capital; sua luz alcança 8 milhas em tempo claro.
O pharoleGe da Ponta do Chapéo Vimdo, situado
. na ponta do mesmo nome; sua luz alcança 8 milhas.
Além d'estes ha ainda os seguintes: Gaivota, Pa-
7anaque'l'a, Goyabal, Jutahy, Guyaca e Cotijttba, no
rio Ama onas.
Agricultura, Commercio e Industria. - A agri-
cultura d' este Estado e tá bastante decahida em razão
da extracção da borracha, que ali é em gra.nde escala;
consiste principalmente em canna de assucar, cacáo,
tabaco, salsaparrilha, cravo, urucú,guaranfl., algodãO,
fructos diversos e cereaes. O Pará e acha ligado aos
diversos Estados da Republica por meio de varias com-
panhias de navegação a vapor; os seos principaes
generos de exportação consistem em cacáo, gomma
elastica e castanhas da terra; os outros que eram
outr'ora por elia exportados são agora importados.
A extracção da gomma elastica figura como a prin-
-eipal fonte de riqueza industrial; a distillação da
aguardente, o assucar, o mel, a farinha de mandioca,
etc., são tambem productos industriaes.
- 103-

PRODUCÇÕES
Reino vegetal. - Baena em sua Chorographia
Bmzilica menciona uma grande variedade de vegetaes
medicinaes, toxicos, leitoso!!, para marcenaria, con-
strucções navaes, tinturarias, etc.; ainda encontram-
se: cacáo, salsaparrilha, gomma ela tica, urucú,
pimenta, castanhas, baunilha, cra'10, etc.
Reino mineral .-Poucos ou quasi nenhuns têm
sido os estudos realisados n' este estado, no entanto,
dizem existir em alguns pontos ouro em grande quan-
tidade, minas de ferro, de carvão de pedra, sal mineral,
crystae~, pedra-pomes na embocadura do Amasonas,
etc.
Reino animal. - Os quadrupedes são quasi os
mesmos dos outros Estados limitrophes: entre O!!
reptis notam-se: os jacarés, tartarugas, cobras bas-
tante venenosas, etc.; aves de todas as qualidades,
peixes que povoam abundantemente os seus rios e
lagos; insectos de toda as variedades, e principal-
mente uma especie de moscas (ca?'?-apanás) que per-
seguem os navegantes. .
HOMENS ILLUSTRES. - O Estado do Pará é o
berço do habil politico Bernardo de Souza Franco, de
D. Romualdo Antonio de Seixas (Marquez de Santa
Cruz), do ecclesiastico José Monteiro de Noronha, do
general Gurjão e de outros.
- 104-

OAPITULO II

EST \.DO l?O l\\ARANHÃO (1)

Generalidades

Posição geographica.- Ao N. o oceano Atlan-


tico i a L. o Piauhy i ao S. o Piauhy e Goya:i i e a
O. o Pará e Goyaz.
Posição astronomica.- Acha-se com prehendido
entre 1°5' e 10°40' de lato aust.; e P45' de longo 01'.
e 5°43' da occidental.
Linha limitrophe. - E' assignalada com Q Estado
do Piauhy por todo o curso do rio Parnahyba, tomando
a barra principal, a das Oanarias, até as suas nascen·
tes na serra das Mangabeiras i-com Goyaz pelo rio
Tocantins, seu affluente, o Manoel Alves Grande e
serra das Mangabeiras ;-e com o Pará já foi dito ano
tedormente ..
Superfiicie. - 459,884 kilometros quadrados.
Relevo e aspecto do solo.-O solo rI'este Estado é
geralmente plano no littoral, de igual e montanhoso
para o interior; apresenta a fórma rle um pentago no
irregular e é regado por bastantes rios mais ou menos
caudalosos.
Temperatura e clima.- E' geralmente quente e
humida, porém amenisada pelos ventos do mar e pelas
chuvas abundantes de Dezembro a Junho i é geral·
mente saudavel á excepção do interior, onde em aI·
guns logares reinam febres intermittentes.

(1) Este E lado conserva o nome primitivo do rio Amasona!.


- 105-

DESCRIPÇÃO PHYSIOA
GeolIlorphographia
Orographia.- Algumas das montanhas deste Es-
tado são ramificações do systema Occidental ou das
Vertentes; as principaes são: a das Man,qabeiras que
ao sul liga-se ás serras do Piauhy e Tagttatinga; a
do Penitente ou Parnahyba que se extende entre os
rios das Balsas e Parnahyba; a do Itapicn1"Ít onde
tem origem o rio do mesmo nome; a do Valentim eutre
os rios Parnahyba e Itápicurú; a das AllJe1'catas que
divide as aguas do Itapicurú das do Mearim ; as da
Desordem e de Timcambú que se extendem pela banda
oriental do Gurupy; a da Gintra entre os rios Pin-
l1aré e a Grajahú ; a do Neg1'o entre este ultimo rio e o
Mearim.
Nesographia. - A principal ilha é a de S. Luiz
do Mamnhão, sobre a qual se acha a capital; está si-
tuada entre as bahias de S. Marcos e S . José e é se-
parada do continente pelo canal do Mosquito; tem
elIa r.êrca de 5(1 kilometros na sua maior extensão que
é de NE para 80; algnns braços do mar atravessam-
na em divp.rsas direcções como o Bacanga e o Andi-
'·oba. As outras ilhas são: a de S. João, a Mangwnça,
a de Sant' Anna, e as de Tauá-Redonda, do JJiedo e
Tauá Mirim na bahia de 8. Marcos.
Acroteriographia. - O principal cabo é o de Gu-
1"Upy, á margem direita do rio do mesmo nome e o
ponto mais septentrional do Estado; a ponta lta-
colomi, á entrada da bahia de S. Marcos e a dos
Mangues Verdes.
Hl'drographia.
Vertentes.-As do Atlantico e rio Tocantins.
Colpographia- Entre as pontas de Itacolumi e
d~s Mangues Verdes ostenta-se o vasto estuario con-
stItuido pelas bahias de S. Marcos e de S. José, entre
- 106-

as quaes interpõe-se a ilha de S. Luiz do Maranhão i


a primeira, notavel pela força com que ahi se mani-
festa 11 pororoca, banha a capital e é desaguadouro do
Mearim i e a ultima que se communica com a prece-
dente pelo canal ou rio Mosquito, recebe as aguas do
Itapicurú. Encontram-se ainda pelo littoral a en·
seada de T'm-y-assÍb, onde desagua o rio do mesmo
nome i as bahias de Cabellos da Velha e de Cumã,
accessiveis a pequenas embarcações, e a barra da
Ttltoya, a mais occidental das boccas do Parnahyba e.
accessivel á embarcações de H) pés de calado.
Potamographia.- O G~~rupy já tratado prece-
dentemente,recebe n' este territorio pelamargem direita.
correntes de panca importancia como o Apa e Ubinzal.
O jj[a1'C~cassumé, que nasce nas vertentes da serra
de Tiracambú.
O Turi-assÍb, que nasce nas vértentes da serra
da Desordem.
O Mea1'im, com um curso de 8GO kilometros, que
desagua na bahia de S. Marcos, formando na sua -foz
o delta dos Carangueijos, tem por principaes tribu-
tarios o Cm"da, o Flô1-es, o G1"ajahú e o Pinclcw'é i -
a Corda recebe d'entre outros o Estivc~ G'rande e o
Esteves i - o Flôres reeebe á margem esquerila cor-
rentes de pouca importancia e á direita o Pnlta, o
Côco-Gmnde e o Jacaré i - o Grajahí~, o mais impor-
tante, chega-lhe pela margem esquerda depois de
receber o Tapuyo, o Piscobié e o Primei1-os Morros j
- o Pinclaré, marginante das faldas da serra de
Cintm, recebe d' entre outros o Garí~, o Sapt~caia e o
Desm·dem.
O Itapicurú, com 1,650 km. de curso, é o maior
rio propriamente do Maranhão i nasce na serra do
IDesmo nome e recebe á direita o Gor1'ente e o Pira-
pema j á esquerda o Alpercatas, o Godó e o Pi7"itoroj
o seu curso é obstruido por algumas cachoeiras como a
dos Tres Irmãos, abaixo da barra do C01Tente, e a
Grande, abaixo da villa do Rosario.
- 107-

o ParncGhybcG, com] ,716 km. de curso, <1os quaes


668 navegaveis até á foz do Caninclé, nasce na serra
da Taquatinga e separa este Estado do Piauhy, lan-
çando-se no Oceano ppr seis boccas, que são: I.c;na-
1'assíG, Velha" do )Jleio, do Cajít, das Cana1'ias e
Tutoya; seus principaes af:fiuentes da margem es-
querda são: o Pa1'nahybinha e o das Balsas, que e o
mais importante e que por sua vez recebe á esquerda
o Pínclahyba, o RicGchão, o )Jlfctca2Já e o Neves; á
direita o Balsinhas, o Vm'edas e o Penitente. O alveo
deste rio é obstruido por cachoeiras, das quaes são'as
~ais notaveis: do Urubú, de Canaviei1'as e da Bôa-
Esperança entre as barras dos rios das Balsas e Gur-
.gueia, e as do Boq~Geirão e da Va1'Z'ea dCG CrtGZ entre
as barras do caudaloso ~Grgueia e ribeiro Itucira,
Os seus affinentes da margem direita e que são os
mais importantes pertencem ao Piauhy.
Pertencem ainda á vertente do Atlantico: o
Monin, o ~êriá ou P"iá e o P1'eguiças.
O Tocantins, que separa em parte este Estado
\10 de Goyaz, recebe o Manoel Alves G1'ande e o
Lageado.
Limnegraphia. - As principaes lagôas são: a da
Matta, origens do Cod6, a de J'ussára, de Vicmna, do
Capim, da Mm'te e a elo Pi'ri ou S. Bento.

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções historicas.-O territorio da ex-provincia


do Maranhão foi descoberto em 1500 por Vicente
Yanes Pinzon que, tocando em uma ponta de terra a
que denominou Cabo de Santa Maria de la C0'/1S0-
lacion, velejou depois para o ncrte e aportou á foz \10
ltapicurü.
Quando em 1534 D. João III dividio o Brasil
em capitanias hereditarias, tocou ao illustre chronista
João de Barros terrénos d'este Estado; mas como
- 10S-

o donatario não pudesse sahir da Côrte em razão do


emprego que ahi occupava, associou-se a Ayres da
Cunha, que navegou para o Brasil com 10 navios
tripolados por 1,000 colonos, vindo tambem n'esse
numero dous filhos de João de Barros e um delegado
de Fernão AI vares de Andrade.
Esta frotilba naufragou nos bancos do Maranhão,
morrendo afogados Ayres da Cunha e grande numero
ele companheiros, podendo apenas salvar-se os filhos
de .T oão de Barros e uns 100 colonos, que depois
de muitof; trabalhos con eguiram chegar a Portugal.
Dez annos depois d'estes acontecim"ntos Luiz de
Me110 da Silva, que tambem tentou colonisar este
territorio, teve a mesma sorte que Ayres da Cunha,
sendo mais feliz por poder salvar a vida.
Estes desastres successivos fizeram com que o
Maranhão permanecesse por muito tempo abando-
nado.
Em 1594 um capitão francez chamado Jacques
Riffault equipou tres navios em Dieppe e velejou para
o Brasil; chegando ao Maranha.o, apoderou-se facil-
mente da ilha d'este nome, a que deu o nome de
S. Luiz em honra a Luiz XIII, então rei de França.;
mas lavrando pouco depois a discordia entre os seus,
teve que voltar para a sua patria, substituindo-o Carlos
des Vaux.
Em 1612, La Ravardiêre, fidalgo p;rotestante,
partio de Cancale com nma flotilha composta de sete
navios e com destino ao- Maranhão; ahi chegando,
tratou de levantar um forte que tomou o nome de
S. Luiz.
Em 1612. Jeronymo de Albuquerque foi incum-
bido de atacar e expulsar os francezes; desembarcando
no Maranhão, no logar denominado Guaxinduba com
500 homens, ahi se fortificou e derrotou completa-
mente os que vieram atacal-o.
Tão completa foi esta victoria que La Ravardiêre
se viu obrigado a firmar com Albuquerque um armis-
- 109-

ticio por espaço de um anno, durante o qual consultar-


se-iam as respectivas Côrtes; mas em virtude das
ordens do governo hespanhol, Albuquerque intimou t\
La Ravardiére que se rendesse, ao que este obedeceu
sob certas condições.
Finalmente chegando ao Maranhão em 1615
Alexandre de Moura com patente superior á de Albu-
querque, e tendo assumido o commande> do exercito,
ordenou a Albuquerque que fôsse atacar o forte de
S. Luiz, que se rendeu facilmente e d'ahi por diante
ficou-se chamando S. Felippe, em honra ao monarcha
hespanhol.
No dia imme(liato os francezes deixaram o Ma-
ranhão e retiraram-se para a Europa.
A victoria alcançada por J eronymo de Albuquerque
sobre os francezes valeo-lbe o titulo de capitão-mór
da nova capitania e o nome de Maranhão que juntou
aos de familia, vindo a fallecer a 17 de Fevereiro de
1618.
Em 1621 instituio-se o Estado do Maranhão,
sendo o seu primeiro governador Francisco Coelho de
Carvalho.
Em 1641, por occasião da guerra hollandeza, uma.
esquadra commandada por Koin e Lichthart conquistou
este Estado quasi sem resistencia e occupou-o durante
algum tempo; sendo preso Bento Maciel Parente, que
ahi governava, foi encarcerado em uma fortaleza no
Rio Grande do Norte, onde falleceu.
Em 1684, rebentou no Maranhão uma revolta,
?ujas causas principaes foram uma companhia, que ahi
se orga nisou com o titulo de Companhia Geral de
Commercio do Ma?'anhão e questões com a Companhia
de Jesus.
A' frente d' esta revolta achavam-se d' entre outros
cidadãos o rico fazendeiro 1IfanoelBackmam, seu irmão
~homaz Beckman, Jorge de Sampaio Carvalho, Fran-
CISCO Dias Deiró, Manoel Serrão de Castro e outros.
Com a chegada de Gomes Freire de Andrade,
-110 -

nomeado capitão-general, serenaram-se os animas do


povo e Manoel Beckman, que se havia refugiado em sua
fazenda no Mearim, foi indignamente entregue á jus-
tiça por um seu afilhado e protegid.o, chamado Lazaro
de Mello.
No dia 2 de Novembro de 1685 foram executados,
no lagar denominado Praia do Armazem, l\:íanoel Be-
ckman e Jorge de Sampaio.
Lazaro de Mello, desprezado por todos, suicidou-
se mais tarde em um engenho de sua fazenda.
Em 1838 deu-se tambem n'essa ex-provincia um,t
revolta chamada dos Balaios, sendo suffocada pelo
coronel Luiz Alves de Lima e Silva, depois duque de
Caxias, e posteriormente amnistiados todos os re-
voltosos.
Capital.-S. Lu'Íz, 35,000 habitantes, situada na
extremidade noroeste da ilha do mesmo nome e ba·
nhada pela magestosa bahia de S. l\Iarcos; é cidade
muito commerciante e elegantemente edificada; entre
os seo principaes edificios notam-se: a igreja e con-
vento de l ' assa Senhora do Carmo, os recolhimentos de
Nossa Senllora da Annunciação e dos Remedias, os
seminarios de Santo Antonio e das Mercês, a alfandega
e a cathedral. 'l' em duas fabricas de tecidos; algumas
praças notaveis, como a do Palacio, onde se acha o
palacio elo governador e perto do forte de S. Luiz, a
dos Remedias, onde se acha a enn:ida de Nossa Se-
nhora dos Remedias e a estatua de Gonçal 'ies Dias, a
do Carmo e outras. '
Cidades. - Caxias, 24,000 habitantes, antiga
Aldeias Altas e elepoi Caxias das Aldeias Alta,
á margem direita do Itapicurú, segunda cidaa~ do
E tado, com commercio de gado, productos agricolas,
principalmente algodão e berço de Gonçalves Dias;
tem uma fabrica de tecidos bem montada, e uma
usina para o fabrico da farinha.- Alcanta~'a, 4,000
habitantes, á entrada da bahia de S. Marcos e elll
frente á t:apita.l,com excel1ente porto e grande cultura
111-

e aIgodão.- Brejo, a oeste do rio Parnahyba.-


Ca1'olincb, 10,000 habitantes, á margem direita do
'Tocantins, abaixo da confiuencia do Manoel Alves;
pela sua posição está destinada a ser uma importan-
tissima estação intermediaria entre Goyaz e Ama·
sonas quando se estabelecer a navegação do rio Ara-
guaya. -Itapicuní,-mirim, á margem do Itapicurú.-
Tury-a~sú, á margem esquerda do rio do mesmo
nome. - Vianna, á margem esquerda do Pindaré,
com grande exportação de assucar. - G1'ajahú,
antiga villa da Chapada, á margem direita do
Grajahú.
Villas principaes.- Godó, á margem do Itapi-
curú .- Guima1"ães, no lado norte da bahia de Cumã.
-Ba1'1"e'i1"Ínhas, á margem tIo rio Preguiças .,-Barm
da Cm'da, na confluencia dos' rios rv1earim e Corda.-
Penalvcb, á margem do Cajary.-Rosa1·io, á margem
do Itapicurú, com cummercio de arroz .-Pastos-Bons,
situada entre o Itapicurú e o Parnahyba, com com-
mercio de gado e algodão. - Gtt1'nnl1J7't, á margem
esquerda do rio do mesmo nome. - Riachão, sobre o
rio do mesmo nome . - MÍ1"Ítiba, á margem direita do
Pria.-S. Bento dos Pi1"eS, á margem da lagôa do
Piri, com exportação de gado, assucar e algouão.
População. -457,000 habitantes, ou 0,99 habi-
bitante por km 2 •
Instrucção publica. - A secundaria é dada no
Lycêo Maranhense, nos seminarios e em varios colle-
gios ; e a primaria em diversos collegios estabelecidos
nas cidades, villas e povoações i sobe a 200 o numero
de estabelecimentos de instrucção com uma frequencia
de mais de 8,000 àlumnos. A verba consagrada a
este ramo administrativo foi em 1888 de 194:1l3~OOO.
Divisão judiciaria - Cúnsta de um tribunal de
Relação em S. Luiz com sete desembargadores e tem
24 comarcas.
Divisão ecclesiastica.- O bispado do Maranhão,
creado em 1677,comprehende os estados do 1\faranhão
-1

e do Piauhy, compõe·se dEr du


e consta de 60 parochias.
Estrada de feTro. - A que ha de ir de Caxias a
S. José dos Cajazeiros.
Pharóes.-O de Itacolomy, situado na ponta do
mesmo nome, sua luz é visivel na distancia de 12
milhas ;-0 da ilha de S. João, situado na ilha do
mesmo nome, sua luz aleança 14 milhas ;-0 pharolete
da barra, situado no forte da Ponta da Arêa, á entrada.
do porto de S. Luiz, sua luz alcança 7 milhas ;-0
pharol de Sant' Anna, situado na ilha do mesmo
nome e construido todo de ferro ;-0 pharolete de
Alcantam, situado na ponta de Alcantara, sua luz
alcança 9 milhas i-e mais tres pharoletes, sendo um
na cidade de Alcantara, um na fortaleza da Barra e
outro na de S. Marcos.
Agricultura Commercio e Industria. - A uber·
dade do solo deste Estado faz com que a agricultura
tome ahi grande desenvolvimento; o algodão em pri-
meiro logar, o café, o fumo, a canna de assucar, os
cereaes, d'entre os quaes o milho e o arroz, e diversos
fructos, são os principaes productos agrícolas.
, O commercio d'este Estado, alimentado princi-
palmente com a exportação do algodão e assucar,
apresenta crescente desenvolvimento promovido pelas
companhias de navegação a vapor estabelecidas com
escalas pelos príncipaes portos do Brasil. Os seOi!
productos agrícolas representaram em 1886 o valor
oflicial de cerca de vinte mil contos de réis.
A industria rural e a da creação de gado são as
mais desenvolvidas.
O Maranhão possue bancos, companhias de nave-
gação, de ga.z, fabricas de tecidos, engenhos cen·
traes, e todas e tas emprezas são sustentadas por ca-
pitaes proprio, sem auxilio dos do estrangeiro.
-113 -

PRODUCÇÕES
Reino mineral.- Encontram-se minas de ouro,
prata, platina e ferro; o antimonio, o chumbo, o sali-
tre, o molybdeno, a pedra-hume, crystaes, salgemma,
pedra calcarea, zinco, arsenico., cobre e outros mine-
mas são tatnbem encontrados.
Reino vegetal. - Como em quasi todos os Estados
do Norte, n'este florescem arvores de estimc.tvel valor,
como sejam para todas as especies de construcções,
os cacauseil'os, as mangabeiras, os araribás, a bau-
nilha, o cravo, o benjoim, a jalapa, a ipecacuanha, a
cQpahyba, vastos se:ringaes não explorados, etc.
Reino animal.-Neste reino são encontrados quasi
todos os auimaes proprios aos Estados do Norte.
HOMENS ILLúSTRES. - Preclarissimos filhos tem
produzido este Estado: o mimoso poeta Gonçalves
Dias, o distincto litterato Gentil Homem de Almeida
Braga, o padre Antonio Pereira, o illustre choro-
grapho Candido Mendes de Almeida, Sotero dos Reis,
Odorico Mendes, o benemerito Dr. Antonio Marques
Rodrigues, João Lisboa, Gomes de Souza e outros.

8 c. B.
-114 -

CAPITULO III

ESTADO DO PIAUHY (*)


Generalidades

Posição geographica .-Ao N. o oceano Atlantico


a L. o Ceará e Pernambuco; ao S. Bahia e Goyaz e a
O. o Maranhão.
Posição astronomica.-Fica comprehendi lo entre
2° 45' e 110 40' de latitude austral;e3° 5'de longitude
oriental e 5° 3' de longitude occidental.
Linha limitrophe. - Com o Maranhão já foi dis-
criminada precedentemente,-com o Ceará por uma
linha que partindo da foz do Timonia vae ter á parte
mais septentrional da serra Grande on Ibiapaba, que
segue a direcção de N. para S. com uma exten ão de
cerca de 910 kilometros até a sna ramificação chama-
da serra do Araripe que começa no 7° de L. S. com
Pernambuco e Bahia. pelas serras Vermelha, dos Dous
Irmãos e do Piauhy; e com Goyaz a fronteira. é ad-
mittida pela serra do Duro, grande contraforte que
liga a serra da Ibiapaba á de Taguatinga e Manga-
beiras.
Superficie.- 302,797 kilometros quadrado'.
Relevo e aspecto do solo,-As mais alta monta-
nhas do Piauhy são encontradas nos limites de léste 8
sul, ao passo que para o occidente o terreno vae de-
clinando de nivel até as margens do Parnahyba; é de
todos os Estados o que tem menor exten ão de littoral,
pois apenas couta cerca de 60 kilometros.

. C) De (pia II) peix.e e (hy) agua; o E lado tomou o nome do


fiO Plaul1y que o rega.
- 115-
Temperatura e clima. - A temperatura média é
de 25° 0, e o seu clima é geralment.e salubre, excepto
nas margens ele alguns rios e lagôas onde se mani-
festam as febres denomínadas sezões por occasião da
b~ixa das aguas; são recommenelaveis pela sua ame-
mdade e salubridade os municipios de Campo-Maior e
Livramento e particularmente Pedro II, hoje Matões,
onde não são raros os casos de longevidade. As chuvas
começam em Outubro e vão até Abril.

DESORIPÇÃO PHYSIOA
Geou1orphoga-aphia

Orographia.·- As principaes montauhas do Pi-


auhy pertencem ao systema occiclental ou das Ve1"ten-
tes que nas fronteiras com o Ceará, Pernambuco,
Bahia e Goyaz têm por principal representante a
serra Gmncle que para o sul toma as denominações
de Se1"1'Ctria, A1'aripe, Dous-I'I'1nãos, Piauhy e D~~1"O;
notam-se ain la a dos JJIctttões a)éste da capital e a
da.s Missões.

Hydl-ographia

Vertente. -Â do oceano Atlantico.


Potamographia. - O Pal'llahyba, do qual já nos
Occupámos precedentemente, recebe pela margem di-
reita os seus mais importantes tributarios que ão:
-o U1'ussuhy-vennelho que afflue ao sul deS. Philo-
lDena;
- O UnlssuhY-1J1'eto que allgmenta consideravel-
mente o volume de uas agua;
- o Gtwgueia, com 740 kilom. de curso, que re-
c~be pela margem direita o Parahim e o Macct11~­
blr~ e pela esquerda o PÚ'ÜJi1'Y, o S. Lonrenço e o
stwaj
- 116-

- o Canindé que vem da serra dos Dous Irmf!os


nas extrema.s com Pernambuco na comarca de Jaicós
atravessa as comarcas de J aicós, Picos, Oeiras, Ama-
rante e n'esta cidade entra no Parnahyba depois de
receber: o Guctribas que por sua vez recebe o Riachão
e o Jatobá, o Itahim e o caudaloso Piatthy que tem
suas nascentes na lagóa elo Matto e recebe á margem
direita o ltacoatiam, o Fidalgo e o Tmnqueim e á
esquerda, o S. João, o Bom Jesus e o Fundo;
-o Poty que vindo do Ceará, tem POi' prillcipaes
tributarios neste Estado o Sambito e o Bej"'Zengai
-o Longá que recebe o C(m-eme, o dos lIfattos,
o Pi1"(J,clt1"UCa e o Pirangy á margem direita; e o
Maratatbln o Ininga e o Poções á margem es-
querda.
O Igua1"assÍb tambem se lança no Atlantico, for-
mando na sua foz uma pequena bahia que tem o
mesmo nome.
Limnegraphia.- As principaes lagôas são: a
do Matto, onde tem origem o rio Piauhy, a ele Par-
naguá de extensão de 18 kilometros, e atravessada
pelo Parahim; a das Palmeú"as, a Ibiraba, a das
Pimenteiras, a Dourada Das proximidades da serra de
Curimatam ao sul, a de Nazareth na comarca de
Oeiras, e a do Fidalgo, atraves..ada pelo rio d'este
nome.

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções historicas.-Este Estado foi primitiva-


mente habitado por numerosas tribus de TupinambáS
e Potygiares.
Os primeiros descobridorese conquistadores d'este
territorio foram os portuguezes que, em 1674, ca-
pitaneados pelo paulista Domingos Jorge e pelo
- 117 -

portuguez Domingos Affonso Mafrense, trouxeram


grande numero de selvagens prisioneiros para S.Paulo.
Mais tarde estes mesmos individuos ahi se esta-
beleceram, fundando diversos nucleos coloniaes e fa-
zendas de criação de gado que depois reverteram em
favor dosjesuitas a vista da disposição testamentaria
de Mafrense; conseguindo Domingos Jorge captivar
grande numero de indigenas, retirou-se com elles para
S. Paulo, ao passo que o seu companheiro, dilatando
ahi os seus dominios á custa de mnitas caçadas que
moveo contra os sevicolas, tornou-se possuidor das
vastas regiões que foram denominadas de Sertão.
O Piauhy pertenceo á jurisdicção da Bahia até
1715, época em que passou á do Maranhão.
Em 1718 foi elevada á capitania, ficando sugeita
ao :M aranhão até 1811, que se tornou capitania inde-
pendente, tendo por capital Oeiras (vilIa da Mocha) j
denominação dada em homenagem ao Conde de Oeiras,
posteriormente Marquez de Pombal.
Em 1822 passou a ser provincia do ex-imperio.
Em 1852 a capital de te estado foi transferida
para Therezina, nome dado em honra á ultima im-
peratriz do Bra iI, D. 'l'hereza Christina.
Capital.-The1"e.zina, 12,000 habitantes, antiga
Chapada do Corisco e fundada em 1852 pelo conse-
lheiro Saraiva, então presiclente; cidade interior si-
tU~da á margem direita do Parnallyba e a 6 kilometros
a~l1ma da a.onfiuencia do Poty. Seus prillcipaes edificios
sao: a casa da misericordia, as matrizes de Nossa
Senhora do Amparo e Nossa Senhora das Dôres, a
egreja de S. Benedicto, o quartel, a cadêa, o thesouro,
O.congresso de E>:tado, etc. Entre as suas praças é
dlgn~ de nota a do general Deodoro, onde se aclla
ergulda uma columna de marmore em homenagem
ao conselheiro Saraiva.
Cidades.- Parnallyba, 10,000 habitantes, á mar-
gem direita do rio do mesmo nome e di tante do mar
1 kilometros, é o mais importante porto fluvial do
- 118-

Estado pelo seu commercio.-Âmamnte na foz do Ca·


nindé.- Oeims, situada entre morros e por isso muito
quente no verão, está em decadencia; em seu distrícto
acham-se as fazendas nacionaes.-JaicÓzcom grande
feira de gado.-Jerumenha á margem direita do Gnr·
gueia, na estrada que vai do Piauby a Goyaz.-
CwnlJO-mai01'. - Uniâo á margem direita do Par·
nahyba.- Ba?''l"Cts de 1Jla?'atauam á margem do rio
Maratauam. -- Pimcu?'ttca á margem do rio d'este
nome, com importante lavoura de canna de assucar
e criação de gado. - e Valençct.
Villas principaes. - Picos á margem direita do
Guaribas, com importante lavoura de cel'eaes e criação
de gado.-S. João do Picttthy á margem esquerda do
Piauhy.-S. Rctynnmdo Nonctto.-Amarmção, unico
porto marítimo do Est.aelo.- Sctnta Philomena á
margem direita do Parnahyba. -Pamagttú.-Mattões,
notavel pela amenidade de seu clima. - Con-ent6,
nos limites com a Babia e de grande desenvol vimento
futuro.- Colonia á margem elo Parnahyba e com com·
mereio fiorescente.- Livmmento, a mais proxima dll
capital. - Ma?'vlÍo, a mais antiga do Estado.
População.. - 330,000 habitantes, ou 1,08 habi-
tantes por kilometro quadrado.
Instrucção publica. - A secundaria é dada no
Lycêo e a primaria em varias escolas publicas e parti·
culares estabelecidas nas cidades, villas e povoaçõe"j
a frequencia média éde 2.000 alumnos e a verb30 con·
sagrada a este ramo administrativo em 1888 foi de
54:54u 000.
Divisão judiciaria.- Faz pi1rte da Relação do
Maranhão e tem 22 comarcas.
Divisão ecclesiastica. - Faz IJal'te da Dioce,;e Io
Maranhão e consta de 30 parochias.
Estradas de ferro. -Em projecto: a que vai da
Parnahyba á Amarração; e a ele Amarante, seguindo
pelo valle do Canindé e tocando em Oeiras até a
serra dos Dons Irmãos.
- 119-

Pharol.- O da PednL do Sal situado na ponta


do mesmo nome; sua luz alcança 10 milhas em tempo
claro.
Agricultura Commercio e Industria.- Ha gran-
des plantações de algodoeiros, de tabaco, de man-
dioca, de milho, de legumes, de arroz, de canna de
assucar, bem como encontram-se numerosas arvores
fructiferas; só o algodão é que é exportado. O com-
mercio externo é feito parte pelo rio Parnahyba e em
maior escala pelo rio Itapicnrú, figurando o Estado
do Maranhão como intermediario; o Estado só tem
um porto de mar e esse mesmo medíocre. A sua iu-
dustria can iste no fabrico do assucar que é em pouca
quantidade e principalmente na criação de gado,
unica industria consideravel e operad(\ sem me-
thodo e sem Rystema razoavel. O Piauhy fornece gado
aos demais Estados do norte, os quaes são transpor-
tados em embarcações destinadas a esse fim.

PRODUCÇÕES

Reino vegetal.- Existe junto ás costas d'este


Estado gTande quantidade de coqueiros; as suas
mattas abundam em madeiras de construcção; en-
contram-se ainda variadís. ima arvores fructiferas
como jambuzeiros, mangabeiras e muito se recom-
manJam os aborosissimos bacurys, gl1abirabas, pi-
quis e buritys; em algumas localidades encontram-se a
jalapa, a piassaba, a ipecacl1anha e a copahyba e quasi
geralmente a caruahuba em abunc1ancia.
Reino mineral.- E' principalmente representacl0
pelo salitre, pedra-hume, mercurio, caparrosa, al-
vaiade, ferro, chumbo, cobre, prata e ouro.
Reino animal . - Além dos animaes mencionados
nos Estados precedentes ha grande quantidade de
veados e araras em suas florestas.
- 120-

HOMENS ILLUSTRES.- Tiveram este Estado por


berço; o habil politico Francisco de Sousa Martins j
o illustre conseIlleiro Francisco José Furtado; o Dr.
AIvarenga j o Desembargador José ManoeI de Freitas;
o poeta José CarioIano ; Canclido Gil Castello Branco;
e outros mtútos.
- 121-

CAPITULO IV

ESTADO DO CEARA' (*)

Generalidades

Posição geographica. -Ao . e NE. o Atlanticoj


a E. o Rio-Grande do Norte; ao SE. a Parahyba; ao
S. PernambuCO"j e a O. o Piauhy.
Posição astronomica.-Está entre 2° 45' e 7° ll'
de lato mer., e 2° 30' e 6° 40' d.e longo oriental.
Linha limitrophe. - O Estado do Ceará é sepa-
rado dos seus circumvizinhos por meio de serra.s e
cordilheiras que constituem, pfl.ra bem di.zer, um ba-
luarte naturalj unicamente com o Piauhy, como vimos
precedentemente, é que nma linha partindo da foz do
rrimonia á parte mais septentrio.Dfl.l da' serra Ipia-
paba assignala a fronteira j-com Pernambuco é elIa
discriminada pela serra do Araripe que corre de
ONO. a ESE. formando um angl1lo obtuso,em uma ex-
tensão de 250 km. e por urna lombada baixa que
se avança de O. para E. em nma extensão de 100
km. interrompida pelo baixio das Bestas j-com a
Parahyba por nma linha que segue na. direcção NNE.
em uma extensão de perto de 210 km. passando por
sobre uma lombada que fôrma as serra de S. Miguel,
do Padre, Piedade e Luiz Gomes, a da Piedade fica
entre Pernambuco e Parahyba e a do Luiz Gomes
entre o Rio Grande e a Parahyba. E finalmente alcan-
çando as serras do Camará e S. Sebastião, e seguindo

(*) EsLe nome dizem ir de uma cert~ especie de papagaio que


os naLuraes appellida\'am «cial'á», pgllndo OULTOS de uia cw:a.
- 122-
ainda no mesmo rumo, passa pelo extenso plató co-
berto de mattos espinhosos e carrasquentos chamado
serra do Apody e depois vai ter ao rio Mossoró, 12
km. acima. da sua foz, constituindo-se d'esta fórma
a fronteira com o Rio-Granue do Norte.
Superficie. -104.250 kilometros quadrados.
Relevo e aspecto do solo. - O territorio d'este
Estado apresentando a fórma de um triangnlo, é extre-
mamente desigual em virtude do grande numero de
serras, serrotes e con trafortes que ahi existem; mas,
geralmente é baixo e alagadiço no littoral, principal-
mente na zona circumvizinha á capital, elevando-se
gradualmente para o interior, região fertil e coberta
de mattas, a qual é seguida por uma outra zona mais
extensa, a do sertão, caracterisada por uma vegetação
especial e propria para a criação do g·ado. Orlado,
como vimos, por um extensissimo cordão de monta-
nhas, não são ellas entretanto, constituidas de uma
maneira continua; pois. em diversos pontos apresen-
tam profundas interrupções e cártes para dar passa-
gem a varios rios.
Temperatura e clima.-A temperatura média do
Ceará é muito incerta em razão da desigual altitude
das suas localidades; na capital a média annual é dr
26°6. O clima é quente e humido no littoral, onde
se observam em alguns logares, casos de febres in-
termittentes, secco e quente para o interior onde
deixando de chover por algum tempo a secca pro-
dnz grandes estragos. As chuvas são normaes de
Janeiro a Jnnho, sendo mais abundantes de Março
a Maio; em Outubro apparecem as chuvas chamadas
de cajzí, principalmente no valie de Cariry. Annos
lia em qne não se manifestando a estação propria
das chuva, apparecem as terriveis seccas, sendo as
maiores: a de 1792, de 1825 e (le 1877.
- 123 -

DESCRIPÇÃO PHYSICA
GeolIlorphog(·aphia

Orographia, - As montanhas do Ceará perten-


cem ao systema Occidentalou da.s Vertentes que alli
têm por principal representante a Se?"ra-(rrarule ou
deIpiabupa (l) que circula o Esta<lo a oeste e udoeste.
Observada do Piauhy, não é mais que um ex-
tenso planalto em declive seusivel até as margen <lo
Parnahyba; ao passo que do outro lado apresenta-se
de modo a confirmar a sua propria <lenominação ; é
cortada pelo rio Poty entre Cratiús e Uarvã.o, alia-
tendo-se na fa.zenda da Divisão entre Inhamum e Jai-
cós. Esta serra toma a denominação de AnwilJe
qnando passa no Cariry, separando o Crato do Brejo
Grande e Jardim. Tem o nome de Araripe quando
passa no Cariry circulando o Crato.
As principaes cadeias que se acham espalhadas
pelo territorio e interrompidas em muitos logare , são:
a que constitue o divortiwn aqua1'i1t1n dos rios
Cariaú e Acarahú, formada pelas serras: Mucw'ilJ e,
Men~óca, Roscwio e Ca1'1wtiin em direcção á Se?'m-
Gmnde;
a da linha da divit'ão das aguas do AcamM~ e
CUlní., formada pelas serras <lo J.lftw/'clahí~, Urubu?'e-
tama, S, Caetano, Lanchinltas e Sant' Anna ;
a que. epara n,s aguas do Curú, Acarahú e Poty
de nm lado, das do J agl1aribe do outro, formada pelas
serras: Cemype, Mamn,qzrape, Re~tos, Aca1'ape, Am-
tanha, Battl1'ité, ]lachaelo, ]la1'iana, Telha, Mattas,
PaCaVi1'CL, ""anta Ritta, Guw'ibas e Joaninhas, que
se liga á Sen'a·G1'ande com o nome de Vennelha;
a que corre entre o Chor6 e o J aguaribe com as

(1) Do tllpi, lel'l'a-lallt(lcla,


- 124: -

denominações de Tmhymsszí, AZ'Ml, Uruq~~ê, Estevão,


Santa ]jfcwia e Canindé/ e á direita do Jaguaribe :
Apody e Gama?'á.
Nesographia. - Pequenas ilhas ouservam-se no
littoral fronteiro ao município de Acarahu e são: a do
Mosq'/,~ito que é a maior, a dos Bois, di:t.s Vaccas, do
(fuajerí~, do McmgHe-Secco, do Mosquei1'o,da Rata, da
C01"ôa-G1"C~nde, a Rc~sa ao sul da foz do Jaguaribe e
outras.
Acroteriographia" - Em toda a costa deste Es-
tado não 11a um cabo propriamente dito; apenas algu-
mas pontas arenosas salientes como : a de Je?'icoa-
COa1"a, a de Itapagé, a L, da barra do ACa1"ahú; a de
MUCH1"ipe que é a mais saliente a E. da Fortaleza; a
Q1"ossa; e a de IgualJe ao sul da capital.

Hydrograpl1ia

Vertente.-A do oceano Atlautico.


Colpographia.-No littoral não se encontram ba-
hias, mas sim alguns portos e pequenas enseadas,
dos quaes o que mais preenche as condições é o de
Camocim, seguindo-se outros como: o da Fortaleza,
do Â1"acaty, de Acct?"ahu, de G1"anjc~ e de Muclwipe j
e as enseadas do Mei?"elles em frente á capital e o de
19uape ao Sul.
Potamographia.-Este Estado não po sue um rio
siquer permanente e originario de fontes naturaes; a
não ser pequenas cOrTentes, são antes canaes condu-
ctores de agllas torrenciaes da estação chuvosa, ao
passo que no verão de~apparecem ficando os seus
leito completamente seccos, ou transformados em
poços isolados; ..os principaes rios são:
O Jaguaribe, com um curso de 760 kilometros,
que desagua a alguns kilometros abaixo de Aracaty ;
recebe pela direita: o Puizé, o Jucã, o Conceição, o
Ca?"Ílts, o Salgado e o Figuei1'eclo; pela esquerda o
- 125-

Banabuyít, o Palhano, o Ca'rnaubrt e outros; o


Carüés recebe pela esquerda o Bastiões;
o Salgado, que tem suas origens nas vertentes
orientaes da serra do Araripe, tem por principal tri-
butario o dos Porcos;
o Banabuyít, tão V01L1Dloso como o precedente,
nasce no angulo formado pelas serras de Santa Rita
e Mombaça e a 54 kilometros abaixo da cidade de
Quixeramobim recebe o rio d'este nome e ainda mais
abaixo o Sitiá.
O Camocim ou Ctwialm que nasce na serra Ibia-
paba, banha a cidade de Granja e vae lançar-se no
oceano, depois de receber o Cajá e o Tmipít.
O Aca?'ahu, o mais importante depois do Jag1tct-
'ribe, recebe grande numero de a.fflllentes, sendo os
mais notaveis: o Macacos, o Jatoba, o Jacw'utít e o
Groahy7"Cts .
Lançam-se ainda no Atlantico : o A?'Cwaty-ass1Í"
o Imbira, o Curú, o ChOl'Ó, o Pircmgy, o Ccmhype, o
Ceará, e outros,
O Poty nasce na serra da Joaninha, atravessa
o Estado do Piauhy e vae lançar-se no Parnabyba;
recebe no Ceará o rio do 1ttlatto, o lta1tim e outros.
Limnegraphia.-As lagôas d'este Estado não são
constantes e geralmente são formadas pelo extrava-
samento das aguas dos rios que refluem por encontra-
rem as suas barras obstruidas por depositos are-
nosos; em todo o caso observam-se: a das Cabe-
ceiras, a Htt?"ual-ua, a 19uatu e a do Ban"o-Alto que
são as maiores e fazendo excepção da regra as duas
ultimas.

DESCRIPÇÃO POLITICA
Noções historicas.-Na divisão feita em 1534
por D. João III, o territorio actual d' este Estado ficou
comprehendido nas tres doações seguintes: na de João
de Barros desde a extrema com o Rio-Grande do
- 126-

Norte até a foz do Jaguaribej na de Antonio Cardoso


de Barros desde esta até a do JUunclahu j e na de
Fernão Alvares de Andrade desde este ultimo ponto
até a extrema com o Pianhy.
Apos as infructiferas tentativas de colonisação
d' este territorio emprehenc1idas por parte dos delega.
dos de seus primitivos donatarios, permaneceo esta
região abandonada e entregue á cubiça de traficantes
e contrabandistas, na maior parte francezes, que es-
colhiam de preferencia o norte do Brasil para ahi
fundarem os seus estabelecimeutos; 'fi.ualmente, em
1603 foi que se operou com algum resultado uma ten-
tativa de colonisação 'ueste paiz, cabendo a gloria de
tão temeraria empreza ao activo capitão Pero Coelho
de Souza.
Com o apoio da Côrte de Madrid e auxiliado por
Diogo Botelho, g'overnador do Estado, partio Pero
Coelho por terra para a conquL ta, capitaneando 86
colonos e 200 indios Potigna?'es e Tabajaras, tendo
antes enviado um pequeno reforço pelo rio Jaglla-
ribe; chegado que foi ás suas margens, engrossou a
expedição com um contigente de mais de 600 indios
amigos, e reforçado desta fórma proseguio em busca
da serra Ibiapaba, onde diziam existir alguma for-
tificações de francezes.
r ão foi debalde a sua marcha até lá, visto como,
para galgaI-a teve que vencer tão incommodo hospe-
des que eram valentemente su tentados por alguns
chefe' selvagens, Propunha-se o capitão-mór seguir
para o Marauhão, quando foi forçado a retrogradar
para o Ceará, oude fundou perto da foz do rio deste
nome uma colouia a que, denominou Nova Luzitanict,e
deixando ahi como log'ar-tenente a Simão Nnnes, di-
rigio-se para Pernambuco com o fim de ir bnscar sua
familia e SOCCOlTOS para a recente povoação, Condu-
zindo apenas sua familia voltou Pero Ooelho para o
Oeará, onlle não tardou em experimentar as conse-,
quencias de sua aífouta ousadia j foi assim que,
127 -
despresado e arruinado por seus proprios auxiliares,
teve que se retirar para o Rio-Grande do Norte, onde
falleceu depois de soffrer os mais crueis tormentos e
supportar as mais duras privações.
Em 1607 Diogo Botelho concedeu uma escolta de
40 indios aos padres Francisco Pinto e Luiz Figueira
que queriam encarregar-se da conquista do Ceará.
Estes jesuitas partiram de Pernambuco e chega-
ram l:\ serra da Ibiapaba ; a principio foram bem rece
bidos pelos seIvagens, porém mais tarde experi.men-
taram o mais triste desengano, pois que, Francisco
Pinto foi sacrificado ao furor canibal dos sel·vagens,
e o seu companheiro, para escapar á igual sorte, teve
que fugir por entre den 'a floresta e chegou ao Rio-
Grande do Norte bem arrependido do que fizera.
Em 1610 D. Diogo de Menezes e Siqueira, go·
vernador das capitanias do norte, resolveu crear tres
novas capitanias: a do Ceará, Piauhy e Maranhão:
e para esse fim ordenou, a Martim Soares Moreno,
tenente do Rio-Grande, que fundasse a primeira
feitoria do Ceará, o qual edificou junto á ponta de
Mucuripe um forte e uma ermida.
Em 1637 o major hollanclez Jorge Garetenan
apoderou-se do Ceará; mas em 1644 Antonio Teixeh:a
de Mello conseguio expulsaI-o.
Em 1799, desligando-se o Ceará do g'overno de
Pernambuco constituio-se capitania independente,
sendo Bernardo Manoel de Vasconcellos o seu pri-
meiro governador.
As revoluções de Pernambuco em 1817, 1824 e
1831 fizerão sentir ahi os seus effeito .
. Em 1817 foi preso no Crato o padre José Marti-
mano de Alencltr, que tentava fazer o povo adhirir á
re\olução republicana.
Este Estado tem sido por diversas vezes as olado
por pestes, secca , fomes e discordias civis.
- 128-

A secca mais recente foi a que começou em 1877


e durou cerca de quatro annos.
Capital: F01'taleza .-'27,000 habitantes, assim
chamada por causa de uma forta.leza edificada junto
á ponta do Mucuripe ; está situada sobre uma planicie
arenosa em uma enseada a 14 kilometros da foz do rio
Ceará e é atravessada pelo corrego Pajehú. Tem
bôas ruas, bem espaçosas, arborisadas, e com alguns
eclificios notaveis como: a cathedral, o palacio do go·
vernador, a santa casa da misericordia, a estação cen·
traI da estrada de ferro de Buturité e outros; é ser-
vida por uma linha de bonds para diversos pontos
da cidade e arrabaldes e d'ella parte uma linha
ferrea para Baturité, com um ramal para Marallguape.
Cidades: Marangttape, situAda na falda da serra
do mesmo nome, zona muito ferti1.-Batw-ité antiga
missão dos indios Canindés e Genipapos, notavel pela
amenidade do seu clima, assenta na encosta oriental da.
serra do mesmo nome e com importante agricultura.-
Quixenwwbim,situada no sertão, com importante feira
de gado vaccunt e muar.-Acarahú,á margem direita
do rio de igual nome. -Granja.- Viçosa, antiga mis-
são de indios e proxima áR cabeceiras do Timollia.
-Sant'Anna,á margem do Acarahú.-Sobral,á mar-
gem esquerda do Acarahú, com grande exportação de
algodão, couros e sa1.-1pít, situada no sopé da serra
Ibiapaba e atravessada pela corrente do mesmo nome.
-Jardim, proxima á serra do Araripe e com grande
commercio de assucar.-Crato,perto da serra do Ara-
ripe e banhada por varios corregos, origens do Sal-
gado. - Ba1-balha, no brejo da Salamanca, a 21 kilo-
metros da precedente na margem do rio Caldas.-La-
vms, á margem esquerda do Salgadoj Igttatú, antiga
Telha, situada entre lagôas e á margem esquerda do
Jaguaribe.- lcó, situada em uma planice banha~a
pelo Salgado, terceira cidade do Estado em importanCl&
commercia1.- S. Berna1'do das Russas, á margem
esquerda do ribeir9 das Russas braço do Jaguaribej
- 129-

Aca1'aty (1) á margem oriental do J aguaribe e impor-


tantecentro commercial.- Cascavel a'12 milhas do
littoral. -Redempção, antiga villa do Acarape,junto á
corrente do mesmo nome e primeiro lagar do Brasil
que libertou todos os seus escravos.-Pacatuba, esta-
ção da estrada de ferro Baturité.- Camocim, no lit-
toraI, proxima á foz do rio do mesmo nome. -Quixaclá.
em cujas proximidades está projectada a construcção
do reservatorio do mesmo nome, das aguas repre·
sadas do Sitiá.-.l1filag1'es, á margem direita do riacho
dos Porcos, no valie do Cariry.
Villas principaes. -Aquiraz, banhadapelo Pacoty.
-8. Francisco, banhada pelo rio do seu nome, antiga
villa da Constituinte. -ltapipoca, antiga lmpm'atriz,
na falda da serra de Uruburetama.-So1t1'e, antiga
missão Caucaia, banhada pelo Ceará.-Palmct, antiga
povoação da Varzea-Grande, banhada pelo CuriaM.-
J[eruóca, na serra do mesmo nome.- IbictlJina., na
serra Ibiapaba.-Ma1'ia Pereim, banhada pelo Bana-
buyú.-Pedra Bmnca, na ~erra de Santa Rita.-S.
.Tocto elo Inhamuns, ou Tctuluí, na margem e querda do
Tricy -Assa1"é, banhada pelo Brejinho. - Pe1'eiro,
primitivamente povoação de SS. Cosme e Dct1nião.-
S. Ped1'0 elo Cmto. na serra de S. Pedro. - e Umary
no riacho deste nome.
. População.-860,OOO habitantes (2), ou 8,2 ha-
bItantes por km2 •
Instrucção publica.-Para o ensino secundario ha
os eguintes estabelecimentos: escola militar, escola
normal, lycêo, seminario episcopal e varias collegios
pa~ticnlares em diversas cidades j e quanto ao ensino
prImario é dado por escolas publicas para ambos os

(I) Vento do n01'te, cbauJada pelos Potyguares.


(2) Segundo o trabalbo do r. José P. de A. Cavalcanti; e-
}n20i,OOO se~llndo o Dr. Pire. d'Almeida; entretanto, julgamo-l'a.
lJJ certLa á VI ta da . na (:onstante emigração eITectuada principal-
eu e para o valle do P LI rús no A,masonas.
9 C. B.
- 130-
sexos nas cidades, villas e povoações. Segundo os cal·
<mlos mais recentesba n' este Estado 253 estabeleci-
mento~ de instrucção com urna frequel1cia de mais de
10,000 alumnos; a verba consagrada a este ramo
administrativo em 1889 foi de 234:353 000.
Divisão judiciaria.-Os Estados do Ceará e Rio
Grande do Norte formam um rlistricto judiciario, cuja
sMe está na cidade da Fortaleza, onde está a respe-
ctiva Relação que conta 7 desembargadores; ha cerca
de 30 comarcas.
Divisão ecclesiastica. -O bispado d' este Estado,
creado em 1861, consta de 78 parochias.
Estradas de ferro ... Ha as seguintes: a de Ba-
turité e a de Sobral.
Pharóes.-O de ][uc7I1-ipe na ponta do mesmo
nome, sua luz alcança 12 milhas; e o de Aracaty si-
tuado na ponta da barra do rio Jaguaribe, sua luz é
visivel na distancia de 10 milhas.
Agricultura, Commercio e Industria.-Os princi·
paes productos agricolas d' este Estado são: a canna
de aí': ucar, o algodão, o fumo, o café, a farinha de
mandioca, o polvilho, cereae e legumes, que impor-
taram duraute o anno de 1886 em 21.317: 586~000.
O seu commercio com o bstrangeiro é feito por
meio de companhias de navegação a vapor com esca-
las pelo porto da capital; Aracaty, Camocim e Aca-
rahú são tambem portos que entretêm relações com·
merciaes com alglUls Estado do Brasil.
A criação do gado foi durante algum tempo o seu
principal ramo de industria; mas o fabrico da cêra
de carnaúba, extrahida da palma da carnaúba (co-
lJem'icia c81if(~ra), de queijos, quasi todos consumidos
no Estado, de chapéos, de tecido , de algodão, de sa-
bão, de objectos de cabello (no Sobral), etc., vieram
dc1r um grande impulso á sua industria fabril e ma-
nufactureira.
131 -

PRODUOÇÕES

Reino vegetal.-As suas mattas abundam em ma·


deiras proprias para construcções e marcenaria; en-
contram-se tambem hervas medicinaes, cereaes, car-
nahuba, canna de assucar: café, fumo, algodão, etc.
Reino miueral.-Ha minas de ouro, prata, ferro,
antimonio, chumbo, salitre, carvão de pedra e em
alguns pontos são eucontrados o marmore, crystaes,
pedra-hume, amiantho, alvaiade, etc.
Reino animal.-Neste reino existem quasi todos
os animaes mencionados nos outros Estados vizinhos
á excepção das aves aquaticas, que são em muito pe-
queno numero.
HOMENS ILLUSTRE5.-Tiveram nfl.scimento n'este
Estado: o talentoso romancista José Martiniano de
Alencar; o illustrado geographo Thomaz Pompêo de
Souza Brazil; Tristão Gonçalves de Alencar Araripe;
os bra vos g'eneraes Tiburcio e Sampaio; o prestimoso
politico José Pereira Filgueiras; o revolucionario co-
ronel Joaquim Pinto Madeira; o bravo Poty, Felippe
Camarão; e muitos outros.
132 -

OAPITULO V

ESTADO no RIO-GRANDE DO NORTE (1)


Genel.~alidades

Posição ~eographica.-Ao N. e L. o oceauo Atlan-


tico; ao S. a Parahyba; ao O. e NO. o Ceará.
Posição astronomica.- Fica entre 4°õ4' e 6°28'
de latitucle aus~ral; 5 ° ~2' e ° 18' de longitude
oriental.
Linha limitrophe.- Com a Parahyba nunca foi
demarcada, mas está convencionada pelo rio Guajú,
povoação dos 1\farcos e serra de Luiz Gomes; e com o
Ceará já foi tratada precedentemente.
Superficie.-57.483 kilometros quadrados.
Relevo e aspecto do solo.-O solo d'e te Estado é
de igual, atravessado por montanhas e regado por
algun. rios que seccam pelo estio j no littoral o ter-
reno é baixo, extenso, arenoso e esteril, elevando-se
para o interior; sua maior exten ão é de lé, te para
oeste.
Temperatura e clima.- E' geralmente quente,
secco e saudavel, assemelhando-se ao do Ceará.

DESCRIPÇÃO PHYSICA
GeolIlorphogl~aphia

Orographia.- As montanhas deste Estado per-


tencem aos ystemas Oriental ou MaTitimo e Central
on do Espinhaço que ahi terminam espargindo varios

(I) As iro cballlado por cau a do rio de te nome ou Po-


tengy.
- 133-

ramos I:'m differentes direcções i o primeiro é repre-


Eentado pela da BO?'corerna ou Cari'rys-Novos cuja
Eerra Am?'1'pe ~er'l'e de centro d'onde partem tres
grandes braços- CaTirys~ I~iapaba e BO?"bm'emai e
tambem pelas .:erras de S. Bento e Sant'AnnCL :-e o
ultimo ~y,tema é ahi principalmente constituido pela
do Apody, onde nasce o rio do mesmo nome, e pelos
ramos de Luiz Gomes,que limita. em parte este Estado
do da Parahyba, de S. Sebastião, do João do Valle,
das Antas e de muitas outras.
Acrotériographia.- O cabo de S. Roque, parte
arenosa, e coberta de pouca vegetação e outr'ora muito
temida por causa do grande impulso da corrente equa-
torial abi observado i e as pontas do Mel, da Pipa,
RedonclcL, Negm e do TO~Lro, onde desemboca o rio
do mesmo nome.

Hydrographia

Vertente.-A do oceano Atlantico.


Colpographia.- A enseada de Natal, na foz do
Rio-Grande do Norte e fechada por um banco de arêai
a FormoscL, de Macáo de MossO?'ó e outra.
Potamographia.-Os principaes rios são:
o Apody que nasce Das densas mattas de te
nome, rega diversas cidades do Estado e lança-se no
oceano, tomando em ua embocadura a denominação
de Mossará por causa da vizinhança das alinas i re-
cebe á margem direita o U'I11a?'y, o Panerná e o La-
gesi á esqnerda o Gitimna e o Mal AssombTadoi
o Ass{~ ou das Pimnhas (1) que nasce na Pa-
rabyba, atraves a este Estado e vai ter ao oceano;
seus principaes aftluentes á margem' direita, n'e te
territorio, são: o Swidó, o CaTaM, o Patacho e o

(1) Denom inação dada pelos pOl'tugueze por eall ';). da grande
quanltdalle de peixe deste nome abi encon Irado.
- 134-

Joazei1'o; á esquerda o Patí~, o Parahíl, o das Gan·


chc/'s e outros;
') Guama1'é e o dos Towros que se lançam no
oceano;
o Garnc~h~~binha, o Ptlfl~ahí~, o lIlaxamnguape
e o Gea'rá-mirim (primitivamente Genipc~M) que
nascem na serra da Borborema ;
o Potengy ou Rio-Grcmele elo Norte, que da serra
do Borborema vai ter ao Atlantico, observando-se na
sua foz o recife onde está edificado o forte dos Tres
Reis Magos; no seu curso banha a capital do Estado
e conta por principal subsidiaria o .htndiahy á mar-
gem direita;
o Trahú'y que nasce na serra da Borborema e
lança-se na lagôa Papary que se communica com o
oceano pelo rio Gama1'opim ;
o Ounhaú (primitivamente Guarctmatahy) que se
lança. no oceano perto da bahia Formosa, depois de
receber o G1'C~11utció;
o Guají~ que nasce na serra de S. Bento, lança-se
no oceano perto da enseada dos ~Iarcos, assignalando
a divi a entre este Estado e o da Pa:r:ahyba.
Limnegraphia.-As principaes ão: Pc~pary muito
abundante em pescado; Pontc~- GJ'anele; Piantó j
G1'oahyras que se communica com a de Papary; o
G~~mrü, o Jacüeo e Ta1'ehiri são ribeiros que n'ella se
lançam.

DESORIPÇÃO POLITICA

Noções historicas.-Quando em 1534 D. João III


dividio o Brasil em capitanias hereclitarias, terrenos
desta ex-provincia tocaram ao celebre chronista João
. de Barros que, não podendo vir pessoalmente po-
voaI-as em razão do emprego que exercia na Oôrte,
associou-se a Ayres da Ounha.
Ayres da OUIlha, que tambem se l:1.ssociára a
Fernão Alvares de Andrade, partio de Portugal,
- 135-

commandando nma frota de dez navios tripolados pOi'


cerca de 1,000 colonos, dou~ filhos de .T oão de Ba rros
e um delegado de Fernão Alvares.
E5ta expedição naufragou junto aos bancos do
Maranhão, morrendo afogadoi:l Ayres da Cunha e
grande numero de seus companheiros, escapando
apenas os filhos de João de Barros e uns 100 colonos,
que, depois. de muitos trabalhos e privações, conse-
guiram chegar a Portug·al.
Annos depois, Luiz de Mello da Silva tent·ou
tambem a conquista destas terras; ma ,tendo a mesma
sorte que Ay.es da Cunha, foi sómente mais feliz por
poder salvar a vida.
Revertendo á corôa, em 1597, Mauoel de Ma ca-
renhas, capitão de Pernambuco, foi encarregado pela
côrte de Lisbôa de conquistar este territorio ; che-
gando ao Rio-Grande do Norte fundon, á meia legua
distante da barra do rio d'eRte nome, uma povoação, a
que cha.mou Natal e, para defendel-a levantou em um
recife que fica á foz deste rio um fortim, a que chamou
dos Tres Reios Magos.
. ~s índios Potiguares, que habitavam este ter-
ntono, fizeram gTande opposição aos portuguezes: mas
Jeronymo de Albuquerque, auxiliado pelo jesuitas,
conseguio derrotal-oi:l completamente, o que lhe valeo
a homa de ser o primeiro capitãu do Rio-Grande do
Norte.
Em 1633, por occasião da guerra hollamleza,
Schkoppe, guiado pelo transfuga Calabar, conseguia
apoderar-se do forte dos Tres Reis Magos.
Até 1701 e -te territorio esteve independente do
governo da Bahia, passando depois á jurisdicçãO da
capitania geral de Pernambuco.
Em 1817 este Estado se pronunciou contra o go-
~~rno illegal de Pernambuco e desligou-se da sna su-
JeIção.
Em 1818 o seu territorio foi separaclo elo da.
Parahyba para formar uma comarca independente,
-136 -

Capital.-Natal, 12,000 habitantes, fundada em


1597, perto da foz do Potengy e defendida pelo forte
dos Tres Reis Magos i seus principaes edificios são:
a casa da assembléa e o ho pital.
Cidades. Apody, ã margem do rio do mesmo
nome i Assú, ã margem esquerda elo Piranhas, com im-
portantes salinas e exportação de sal.-Cea)·á-mirim,
com grande criação ele g'ado.- bnlJeratriz, antiga villa
da Maimoiclade.- Jcml-im. - Macáo. - Mossm'ó, com
commercio de sal e algodão.-p,'incipe.- S. José ele
Mipibú, commerciante e com desenvolvi<la culturade
algodão e canna de assucar.
Villas principaes.-Arêz, perto da lagõa Groa-
hyras.-Cangua?·etamct, com mão porto.- TOtt?'os, á
margem esquerda do rio do mesmo nome. - Goya-
ninha, exporta algodão e madeira.;;. - Angicos.-
J? Oj·to-Alegre. - NfJvct- Crtt? .
População. - 295,000 habitantes, ou 5,09 babi-
tantes por kilometl'o quadrado.
Instrucção pnblica.-Ha no Estado 159 estabele-
cimentos dt', instrucção secundaria e 12 de instrucçãO
primaria frequentados por cerca de 5,000 alumnos i
135:460:t}l foi a verba votada em 1888 para o custeio
destes estabelecimentos.
Divisão judiciaria, - Faz parte da Relação do
Ceará e tem 13 comarcas.
Divisão ecclesiastica.-Faz parte da Diocese de
Olinda e conta 30 parochias.
Estradas de ferro. -A de Natal a Nova Cruz, caIU
121,000 kilometros em trafego e o ramal do Ceará-
:Mirim em projecto.
Pharol.-O dos Tres Reis Jlagos situado no forte
do mesmo nome; a sua luz alcança 10 milbas em tempo
claro.
Agricultura, Commercio e Industria. -Por falta de
braços a agricultura não tem podido tomar o desenvol-
vimento que era de se esperar do seu fertilissimosol o.
O commercio consiste principalmente na exportação
137 -

do assucar e algodão; os cereaes são consumidos


mesmo no Estado. A criação uas di:!ferentes especies
de gado e a extracção da cochonilha, da cêra, da car-
nahuba, etc., constituem a industria do Estado, a qual,
alliada aos productos exportados, formam a principal
fonte de riqueza.

PRODUOÇÕES

Reino vegetal.-Pelo littoral encontra-se graade


quantidade e variedade de palmeiras e coqueiros, e
para o interior arvores proprias para construcção e
marcenaria, resinosas, medicinaes, fructiferas, toxicas,
etc.; ha grande quantidade de carnahuba.
Reino mineral.- Seus principaes productos são:
ouro, prata, ferro, chumbo, cl'ystaes, amiantho, pedra
calcarea e salitre.
Reino animal. - Os animaes são qna. i que os
mesmos dos outros Estados~ notando-se especialmente
os pecurutús, macaubans e as cochonilhas no Rertão.
HOMENS ILLUSTRES. -São dignos filhos deste Es-
tado: Miguel Archanjo GaIvão, e outro.
- 138

CAPITULO VI

ESTADO DA PARAHYBA DO NORTE (1)

Genel'alidades

Posição geographica.-Ao N. o Rio-Grande do


Norte; a L. o Atlantico; ao S. Pernambuco; e a O. °
Ceará.
Posição astronomica.-Está entre 6° 15' e 7° 50'
de lato austral; 5° 5' e 8° 25' de longo oriental.
Linha limitrophe.-Com o Rio-Grande do Norte
já foi discriminada precedentemente; - com Pernam-
buco é pelos rios Capiberibe-mirim, ou Abiay e Ypo-
poca e serras dos Carirys-Velhos e da Piedade, conhe-
cidas com a denominação generica ele Borbo1'ema; -
e com o Ceará pelas serras do Araripe e Pajehú ou
Piedade, que separam as agllas dos rios Salgado e
Piranhas.
Superficie.-74,731 kilometros quadrados.
Relevo e aspecto do solo. - E' elie moutanhoso e
cortado por alguns rios, alguns dos qllaes importan-
tes; cerca de 2/3 do solo são sensivelmente accidenta-
dos; depois do Piauhy é o Estado que tem menor ex-
tensão de littora1.
Temperatura e clima.-São quasi que inteira-
mente analogos aos do Ceará; entretanto, comquanto
extremamente quente é o seu clima amenisado por
uma brisa maritima quasi que constante e pelas
abundantes chuvas do estio.

(1) Este E tado tomou o nome do rio que banha a sua capital.
- 139-

DESCRIPÇÁO PHYSICA
Geomorphogr:'lphia

Orographia.-Dous são os systemas a que per·


tencem as montanhas deste Estado-o O?'iental, e o
Central; a principal serra é a da BOTbO?-emcb, que fi·
liada ao primeiTo, extenue-se com diversas ramifica·
ções e contrafortes dividindo o Estado em duas par-
tes-oriental e occidental-ao passo que a do Pay"ehíb,
divisa com o Ceará, pertence ao ultimo systema; a
serra dos Ca?'irys- Velhos, fronteira com Pernambuco,
faz parte do systema Oriental; as serra ela Jabita:3a,
Teixeira, Espinhcwes e CCbsccwel são ramificações da
BO?'bO?'ema e as da Arêa, CCby"nei?'o e Bonga são braços
da do Pay"ehíb.
Acroteriograpbia.-O cabo B1"anco, promontorio
arenoso e alvacento visivel da parte dO norte.

Hydrographia

Vertentes.-- A do Atlantico e rio Assú.


Colpographia.-A da Tmiçcio ou .t1cey"LLtibi?·ó (as-
sim chamada porque o primeiro bi po do Bra il, D.
Pera Fernandes Sardinha, e seus companheiros, tendo
ahi naufragado, foram mortos pelos Caetés) t em a
fôrma semi-lunar; duas pequena ilhas separam-n'a
do mar e formam tres boccas, das quaes a que fica ao
norte é a mais frequentada j a do Va'mdO'Lb?'O, onde se
acha a capital; a enseada de Lucena, onde ele 'agua o
Meriripe e a dos ~1J[a?"Cos, a sim denominada por ser
ahi o lagar onde se ergueu o primeiro padrão com as
a.rmas portuguezas.
Potamographia.- Os rios mais importante são:
. o Gtbay"íb que nasce nas montanhas proximas de
Villa-Flôr e vae lançar-se no oceano perto da enseada
dos Marcos;
- 140-

o Cama'f·ett~tba. que vindo da serra da Raiz na di·


recção de léste vae ter ao oceano, sendo s6mente na-
vegavel por jaJ)gadas e canôas; o ribeiro Pitanga
n'elie lança as suas aguas ;
o ]l{a1l1anguape que originando-se na serra da
Borborema, atravessa diversos districtos e desem-
boca no oceano depois de receber o CCllma?'opim, Ita·
pa?'ica, Itauna, Ara.çagy e outros;
o Pam,hybet elo Norte que e origina na serra da
J abitáca e desagua no Atlantico por duas boccas; seus
principaes tributarios da margem direita, são ribeiros
sem importancia e da esquerdJl. o SuCttrú, o S ..Miguel,
o TapeToá, o Bodocongo, o lngã e o C~t?'inhaem ;
o AceJutibi?'ó que banha a villa de S. Miguel, o
qual poder-se-ia tornar navegavel si n'elle desaguas-
sem cliver. os ribeiros que se perdem nos arêaes ;
o das Pimnhas ou Assú., que atravessa este Es-
tado e o do Rio-Grande de Norte; na Parahyba são seus
principaes off1uentes: o Piancó, o Espinhares e o
Sctbogy, tributario do Se?-idó, á maTgem direita i o
Catolé, o Peixe, o Acaúma e o Patít que serve em
parte de limite, á margem esquerda.

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções historicas.-O territorio desta ex-provin-


cia do imperio fazia parte das 30 leguas que D. João
m doou a Pel'o Lopes de Souza em 1534; mas, tendo
este morrido em um naufragio, prosperou sob o nome
de capitania de Itamaracá e sob a direcção de João
Gonçalves, .
Em 1581, Lourenço da Veiga, governador-geral
do Brasil, ordenou a João Tavares que fõsse fundar
uma povoação nas margens do rio Parahyba ; este,
ainda que com muitas luta e trabalhos, não o con-
seguio.
- 141-

Fructuoso Barboza, rico proprietario de Pernam-


buco, offereceu-se á Côrte de Lisboa para povoar e
colonlsar a Parahyba sob condição de ser nomeado
capitão-mór e de gosar, durante dez annos, de todas
as rendas da, nova capitania. Em 1582, Fructuoso
Barbosa fez seguir por terra a Simão Rodrigues Car-
doso com 200 homens, indo elle por mar; chegados á.
Parahyba,tomaram alguns navios francezes e estêtbe-
leceram-se emum arraial perto do furte Cabedello; mas,'
tendo Fructuoso perdido um filho, desgostou-se a ponto
de retirar-se com todos os seus para Pernambuco.
'll aes foram as primeiras tentativas de colonisa-
ção da Parahyba, até que, tres annos depois d'estes
acontecimentos, Manoel Telle Barreto, então gover-
nador-g'eral, resolveu completar a conquista e para ()
que combinou com Diogo Flôres Vadez, -general heR-
panhol, o meio mais conveniente de leval-a a effeito.
Concertados os planos, velejou Vadez para a Pa-
rahyba com cerca de 10 navios, emquauto que D. Fe-
lippe de Moura e Fructuoso Barbo a marcha,vam por
terra com perto de 1000 homens.
Flôres Vadez fez levantar á margem esquerda do
rio Parabyba um forte a que chamou de S.Felippe, em
honra a Felippe II rei de Hespanha; e, deixando
n elle o he. panhol Francisco Castejon como alcaide e
administrador, navegou para a Europa.
. Castejon teria abandonado o forte logo a princi-
plO si não fôssem os soccorros trazido~ a tempo por
Pero Lopes, capitão de Itamaracá; mas, vendo-se
ambo abandonados pelos seos e expostos a toda sorte
de privações, incendiaram o forte e retiraram- e para
Pernambuco.
. Mas, a desunião entre o gentio da Parahyba e o
Prragyba veio fazer com que a victoria pendesse
para o lado dos portuguezes.
~ Francisco Morale , que chegára da Em'opa em
1086, alliando-se com o Piragyba firmou definitiva-
mente o poder portuguez na Parahyba .
- 142-
Em 1597 este Estado foi atacado por um bando
de aventureiros francezes que foram rechaçados.
Por occasião da guerra hollandeza esteve eBe
tambem por algum tempo sob o dominio hollandez.
Em 1684 foi considerado capitania indellendente,
separando-se ela tutela do governo da Bahia.
Em 1755 passou a Rubordinar-se ao governo da
capitania de Pernambuco até 1799, época da sua
emancipação definitiva.
Nas revoluções de Pernambuco em] 817 e 1824
este Estado não deixou de tomar parte ainda que
indirectamente.
Capital.-Pamhyba, 15.000 habitantes,edificada
parte sobre uma collina e parte na enseada do Vara-
douro, com bom porto e importante commercio; d' entre
os seus principaes edificios, notam-se : o palacio do
governo, a misericordia, a matriz de N. S. das Neves
e o convento de S. Bento; sobre o rio Parahyba existe
uma ponte bem construida.
Cidades. - Mwnangttape, antiga Villa ele Monte-
Mó?', segunda cidade do Estado, á margem do rio do
seu nome e com importante commercio de algodão.-
A?'eiet na serra da Borborema, importante centro agri-
cola.- Bananeims. - Cajazeims. - Campina-G'rande
na serra do Bacamarte e muito sujeita a seccas.-
Pombal, sobre o Piancó, cidade bastante antiga com
exportação de algodão e com um clima delicioso.-
Souza, cidade interior, sobre o rio do Peixe, com
criação de gado.
VilIas principaes.-Piancó, á margem direita do
rio do mesmo nome, com feiras de gado e commercio
de algodão.- Patos, sobre o E pinharas.- Alagô~
Grande.-Catolé do Rocha.-Pedms de Fogo, na di·
visa com Pernambuco.-Teixeim.
População.- 577,000 habitantes, ou 7,72 habi-
tantes por kilometro quarlrado.
Instrucção publica. - A secundaria é dada em
tres e tabelecimentos e a primaria em 93 escolas naS
- 143-

diversas cidades, villas e povoações, sendo a frequen-


cio de 2,700alumnosifoi de 136:014 OOOa somma con-
sagrada a este ramo administrativo em 1888.
Divisão judiciaria.- Faz parte da Relação de
Oliuda e conta 17 comarcas.
Divisão ecc1esiastica. - Faz parte da Diocese de
Olinda e tem 43 parochias.
Estrada de ferro.-A do Conde d'En, com 99,784
kilometros em trafego.
Pharol. - O da Pecl?'a Sêccct, sitnado no rochedo
do mesmo nome na barra do rio Parabyba do Norte.
Agricultura, Commercio e Industria.-O algodão,
a canna de assucar, o tabaco e a mandioca são os prin-
cipaes productos agrícolas do Estado que são expor-
tados e que constituem o seu commercio; os cereaes
e o~ legumes são apeuas consumidos no Estado. A
industria da criação ele gado tem abi pouco desenvol-
vimento; só nos sertões é que é regular.

PRODUCÇÕES

Reino vegetal. - Encontram-se neste Estado:


grande quantidade de arvores proprias para marcena-
ria, construcções, tinturaria, etc.; páo-brazil, copa-
byba, almacega, amendoa, grande variedade de pal-
meiras, arvores fructiferas, etc.
Reino mineral.-Ainda que pouco explorados en·
~ontram-se ferro, cobre, granada, argilas, turfa,
~an, chumbo, ouro, carvão de pedra, enxofre e sa-
litre.
Reino animal.-E' quasi semelhante ao dos outros
Estados limitrophes.
HOMENS ILLUSTRES.- Este Estado ufana-se de
se.r o berço de Antonio Felippe Camarão, de André
VIdal de Negreiros, do e criptor Antonio Borges da
Fonseca e outros muitos.
- 14.4 -

CAPITULO VII

ESTADO DE PERNAMBUCO (l)

Generalidades
Posição geographica.-Ao N. a Parahyba e Ceará;
a L. o Atlantico; ao S. a Bahia e Alagôas; a O. o
Piauhy.
Posição astronomica.- Está entre 7° e 10°40'
de latitude meridional; elo e 8°25' de longitude
oriental.
Linha 1imitrophe.-Com a Parahyba e o Ceará já
foi discriminada prece.dentemente; -com a Bahia pelo
rio S. Francisco desde a barra do :M:oxotó até o ponto
Páo ela Historia, abaixá da cachoeira do Sobrado e
d'este ponto por uma recta até a serra dos Dous Ir·
mãos; -com ALagôas pelo ribeiro Persinunga, pOI' uma
recta tirada de suas nascente~ até o rio J acuive adma
da sua embocadura no rio Una, seguindo depois pelo
rio Taquára até as suas naspente , por uma recta ti-
rada d'ahi e passando pelas serras Pelada, Garanhuns
e outras até o logar Genipapo no rio Panema, por
outra recta que partindo deste ponto vai ter á con·
finencia do ribeirão Manary com o Moxotó e finalmente
por este ultimo até a sua foz no S. Francisco;-com o
Piauhy já foi assignalada u'aquelle Estado.
Superficie. --128,385 kilometros quadrados.
Relevo e aspecto do so10.-0 terreno é desigual e
póde ser dividido em tres zonas di tinctas - a do lit·
t01'al, denominada matta, caracterisada por uma re·
gião baixa, alluvianica, fertil, banhada por grande

(1) Do tupi Paranã-poc, mar arrebentado.


- 145-

quantidade de rios, coberta de extensas mattas e pro-


pria para toda a cultura; - a centml definida por um
terreno desigual, anfractuoso, canasquento, secco e
aproveitada para as grandes lavras de algodão e le-
gumes; - e a zona do se'rtão cortada por serras, ser-
rotes e enormes taboleiros excellentes para a criação
.degado.
Temperatura e clima. -E' variavel a tempera-
tura segnndo a natureza do solo; o clima é quente e
bumido na região ela matta, porém, amenisado por
nma brisa suave, ao pas'lo que no sertão é secco e ar-
dente; geralmente é saudavel. Os mezes chuvosos são
Maio, Junho e Julho e a sêcca manife. ta-se em Agosto
e Fevereiro.

DESCRIPÇÃO PHYSICA
GeoUlorphogl-ahia

Orographia.-As cordilheiras da B01'boTema e


Âra1'ipe, que se ligam ao systema Occidental, per-
tencem ás montanhas do sertão e noroeste, ao passo
que as do sul e oeste fazem parte do systemaMaritimo.
São notaveis as seguintes: adas Russas, a Negm, a do
Cacho1"ro, com o seu pico agudo de granito, de Taca-
ratú, os montes GitarantlJes, scenario das celebres ba-
talhas ganhas aos hoUandezes e outros.
Nesographia. - A ilha de Fentando de N01"Onha,
descoberta pelo navegante portuguez d'est.e nome
e tá situada a 60 leguas do cabo de S. Roque; é ro-
deada de arrecifes e as suas costas, que são bastante
altas, não permittem ancoradouro aos navios, excepto
em dous logares, na enseada onde se acha a ilhota
Rata e no logar denominado Emia do Leão; fazem
parte d'este archipelago as ilbotas Rasct e do ]feio.
E~ta ilha serve de pre idio a sentenciados e tem por
}lTIncipaes edificios: a igreja do Nossa Senhora dos
10 o. B.
-146 -

Remedios, a capella de Nossa Senhora da Conceição,


o hospital e a casa do govemo; em 1503 a segunda.
expedição exploradora. lhe deu o nóme de S . João e
em 16:.8 foi tomada pelos hollandezes commandados
por Cornelio J oI.
A de Itama1"acá (ou Cosmos) ao norte do Recife,
acha-se separada do continente por um canal estreito e
profundo, que foi considerado rio e chamado de Santa
Cruz; a de Santo Aleixo, Nogueira. e outras,
O rio de S, Franci co é povoado por grande nu-
mero, sendo AssUlnpção, Santa Maria e Virgem as
mais importantes,
Acrotériographia, - O de Santo Agostinho que,
segundo alguns historiadores, foi descoberto em 1500
por Vicente Yanes Plnzon que lhe denominou de Santa
Maria de la Consolation j a pauta da Pedra, a parte
mais oriental cIo Brasil, e a dos Coqueiros.

Hydl"ogl-aphia

Vertentes. - As do A,tlantico e rio deS. Francisco.


Colpographia. -A enseada do Recife e de Ca-
tua'má á entrada do canal que separa a ilha de
Itamuracá do continente, a ua. Barra do Una e os
portos: do Petimbü, Páo-Amat'ello, Serinhaem, Rio
Formoso, Tamandaré e P01"tO de Gallinhas.
Potamograp~ia.-Desaguam no oceano:
o Capiberibe, que nãsce na serra dos Carirys-
Velhos, dividindo-se em dous braços no ponto em que
é navegavel por cauôas, um que uesagua perto da
cidade do Recife e outro no porto dos Afogados; 1'e-
rebe á margem direita o llf(ulre de Det~s, o Tapacurá,
o Tabócas e o Pedra Tapada; á esque1'ua o Agua
Fria, o Camaragibe e o 1Jlussm'epe;
o Ipojuca, qne tambem nasce na serra dos Ca-
rirys-Velhos e segue qua. i parallelamente o Capi-
beribe;
- 147-

o Serinhaem, que tem por principaes afiluentes o


Camaragibe e o Tapirussú ;
o Una, que tem o ,Tacuipe por principal tribu-
tario;
o Goyanna, que é formado pela confluencia do
T1'acunhae1ll com o Capiberibe-mirim; lança-se no
oceano entre a Ponta da Pedra e a dos Coqueiros.
Os principaes rios, que desaguam no S. Francisco
á margem esquerda, são: o Moxotó, cujas aguas di-
minuem baE:tallte, quando tardam as chuvas do inverno
e que tem o Manary por princ.ipal tributaria; o Pajeú,
que tem por principaes contribuintes o dos Navios e o
8. Domingos; o Te'rra-No'/;a ; o Bõa Vista: o Pontal,
e o Br'igida que, nascendo na serra Vermelha, recebe
d'entre outros o Quixa,bá e o Jacaré.

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções historieas . - Em 1499 Vicente Yanes


Pinzon descobrio o cabo de Santo Agostinho, a que de-
nominou de Santa Ma1-ia de la Consolation, bem como
tOda a parte do littol'al para o norte, terra de Rostro
Hennoso.
Autes da divi ão do Brasil em capitanias here-
ditariasjã existia em Pernambuco um estabelecimento
colonial denominado de Iguarassú, situado em um
canal que separa a ilha de Itamaracá do continente.
Esta feitoria foi fundada em 1526 por Chri. tovão
Jacques, que por ordem de D. João III veio ao Bra.sil
com uma expedição expulsar alguns contrabandista
francezes.
Seis annos depois d'estes acontecimentos Pera
Lopes de Souza, irmão de Martim Affon o de Souza,
derrotou e expulsou cerca de 70 francezes que já se
haviam apoderado desta colonia.
Duarte Coelho Pereira foi quem mereceu d'EI·
Rei D. João III, em 1534, a doação do territorio


- 148-

desta ex-provincia, cujos limites se extendiam desde a


foz do rio Iguarassú até a margem esquerda do São
Francisco. Conta-se que chegando o donatario a esse
sitio com sua mulher e filhos e que aàmirado da bel-
leza do logar exclamára: oh linda! non.le que ficou á
povoação Cl'eada e que foi por muito tempo a capital
deste Estado.
Com o auxilio dos 1\l.bayares conseguio triumphar
dos ferozes Caetés.
Por sua morte, em 1554, governou a capitf1.nia o
seu cunhado Jeronymo de Albuquerque em log,-tr do
filho do donatario que e tudava em Portugal; e por
morte d'e tes seguiram-se outros descendentes até
1630, época da invasão hollandeza, sendo Mathias de
Albuquerque o ultimo donatario.
Em 1630 os hollandezes se apresentaram diante
de Olinda e posteriormente o principe Mauricio de
Nassau, tomando a direcção desta capitania, soube
por meio de sabias medidas restabelecer a paz entre
naturaes e hollandezes.
Depois de constantes lutas que não devem er
relatadas neste resumo, os hollandezes foram obriga-
do a retirarem-se d' este territorio, depois de oceu-
paI-o por e paço de 24 annos; n'estes combates e
lutas con vém não olvidar os nomes de D. Antonio Fe·
lippe Camarão, ua mulher a notavel guerreira D.
Clara, Sflba. tião do Souto, Henrique Dias, M:athias
de .Albuquerque, Franci co Rabello, Vidal (le Negrei-
ros, Fernandes Vie';ra, Antonio Dias Cardoso e outros.
Apos a época da re tauração desta capitania, em
1654, pas ou elIa a fazer parte dos dl)minios da corôa
e com as anuexações consecutivas de territorios vizi·
nhos tornou- e, siuão a mais extensa, ao men')s a
mai povoada e a mais rica da colonias portuguezas.
Em 1710 rebentou n'esta provincia uma guerra
civil chamada dos ma cates, em razão da rivalidade
que exi tia entre os moradore da cidade de Olinda e
os do Recife.
-149 -

Em 1817 rebenton uma revolução republicana


na qual figuraram como principaes o rico negociante
Domingos José Martins, Domingos Theotonio Jorge,
os padres João Ribeiro Pessôa e Miguel Joaquim
d'Almeida. (vulgo MigtGelinho) e outros.
Em 1821 o governador Luiz do Rego, já conhe·
cido na revolução de 1817, recebeu um tiro de baca-
marte; e, tendo celebrado a convenção do Beberibe,
embarcon-se para Portugal com as tropas luzitanas.
Nesse mesmo anno foi creado nes a provincia
um 'rribunal de Relação.
Em 1824 Manoel de Carvalho Paes de Andrade
sendo eleito presidente de uma Junta Governativa,
proclamou a Confederação do Equador e recusou obe-
decer ao marquez do Recife; dirigindo circulares ás
provincias do Rio-Grande do Norte, Ceará e Para-
hyba, ahi encontrou partidarios.
O pre~ddente procurou a principio a1:lafar a revo-
lução, mas não o consegllÍo; sómente mais tarde o
coronel Francisco de Lima e Silva conseguio supplan-
tal' a revolta com a juncção da suas força ás do pre-
sidente.
Abatida a revolução em Pernambuco, nas outras
provincias installaram-se tribunaes e commi sões mi-
litares para julgar e processar os principaes; foram
17 os infelizes, con tando-se entre elles o notavel por-
tuguez João Guilherme Ratcliff.
Em 1831 deu-se n'esta provincia a celebre revo-
lUÇão doscabanos que ia. tomando sérias proporções eque
p.ôde resistir por espaço de 4 anno, aos ataques succe..
SlVOS das tropas legaes; só em 1835 foi que o bispo
D. João da Purificação Marques Perdigão e o major
Joaquim Jo é Luiz de Souza conseguiram acalmaI-a.
Em 1848 este Estado foi testemunha de outra
revolução conhecida na historia sob a denominação
de revolução praieira; d' entre os brasileiro:; mortos
contou-se o celebre tl ibuno Nunes Machado.
- 150-
Capital-Recife, 130.000 ha.b.; é a -primeiri1 cio
nade do Brasil em belleza e a. terceira em população,
riquez,t e commercio, priucipalmente de assucar e aI·
godão; está situada qnasi dentro do mar na confinen-
cia do Capiberibe com o Beberibe, razão pela qual é
denominada Veneza ln'asílei?"a ; estes rios dividem-n'a
em tres bairros:-o do Recife, situado sobre a ponta.
-do isthmo de Olinda e ligado ao de S. Antonio por
uma ponte; é o mais rico e commercíaute e conta por
1>rincipaes edHicios o Arsenal de lVIarinba, a. Alfan-
dega, o palacete da Associação Commercial e o magni-
fico predio da CompanhiaPernambucana;-o de S. An-
tonio, antiga, Ma~wicéa, situado em uma ilha e ligado
ao da Bôa-Vista por duas pontes; seus estabelecimen-
tos mais notaveis são: o palacio do governo no campo
·das Princezas, o elegante theatro de S. Izabel, o pa-
lacete da sociedade dos Artistas lVIecanicos e Libe-
raes, a camara municipal e a bibliotheca popular no.
mesmo edificio, o Institnto Archeologico, a casa de
-detenção, a casa do merca.do <1e S. José, a sumptuosa
egreja de N. S. da Penha, e outros;-o da. Bôa- Vista
com importantes predios como o da Assembléa, o
Gymnasio, o Hospital,o Paltt.cio episcopal e outros par-
ticulares.
A cidade do Recife é defendida pelos fortes do
"Brum f\ do Buraco, notando-se tambem o das Cinco-
Pontas, testemunha do legendario valor dos Pernam-
bucanos; conta. di versa.s casas bancarias, e 'tabeled·
mentos de caridade, companhias de seguro, gabine-
tes de leitura, associações de beneficencia, scienti-
ficas, etc.
Cidades-Olinda (Marim dos Caetés) antiga ca-
pital, sobre uma collina. incendiada em 1631 pelos
-hollandezes e depois reedificada, á uma legua ao norte
do Recife e com edificios notaveis como a cathedl'a1
do Bispado, o antigo convento dos jesuitas onde se
acha o seminario episcopal, os conventos de S. Bento,
. Francisco e do Carmo, em ruinas, o palacio do
- 151-

bispo, o gazometro, o cemiterio publico.- Goyanna,


sobre o rio do mesmo nome e a 12 legl1as do Recife,
cidade muito commerciante e com importante lavoura
de c"tnna de aSSl1car e de outras plantações.- Victo1'ia
(S. Antão) 9 leguas ao sul do Recife, commerciante e
com uma importante feira. -Rio Formoso, á margem
do rio do mesmo nome,. notavel pelas victorias alcan·
çadas pelos naturaes sobre os hollandezes, centro de
agricultura e commercio.- Ca1·~ta'l''Ú, á margem do
Ipojuca, e em condições de proximo :florescimento pela
cultura da canna de assucar e algodão.- Escada á
marg. esq. do Ipojuca e notavel pela uberrlade do seu
solo.- Naza1'eth, á margem do Tracunhaem. - Be-
zen'os, á margem do Ipojuca.- Bom .Ja1·din. Br~o.
-Cabo (de S. Ago.stinho).- Garanhuns. - Glm'ia
de Goytá.- Gmvatá.- Itambé.- .Jaboalão.- Li-
moei1'o, á margem do Capiberibe.- Palmw·es.-P s-
qMim, antiga villa de Cimbres.-Púo d' Alho.-Tim-
baMba.- T1'Ütmpho
Villas principaes.- Cab1'obó, á marg. esq. do S.
Francisco.-Aguas Bellas, no limite com Alagôas.-
Buique.- Agua P1·etCt.- 01·iclWY. Se1'inhaem.- e
Igltamssít com eonsideravel exportação de proQuctos
a.grícolas.
População.-1 :374.000 hab. ou 10,7 hab. por
kilometro quadrado.
Instrucção publica.- Abrange tres grãos: su-
perior, secundario e primario; - o superior é dado pela
Faculdade de direito do Recife e pelo eminario epis-
copal de Olinda; - o secundario pelo Collegio das
Artes, Gymnasio Pernambucano, E<:cola ormal e
outros;- e o primario por varias escolas nas cidades,
villas e povoações do E~tado. É de 762 o numero dos
estabelecimentos de instrucção com uma frequencia de
23,000 alumnos, sendo de 779:012 000 a verba consa-
grada a este ramo administrativo em 1888.
Divisão Judiciaria.- A Relação do Recife que
comprehen(le os Estados de Alagôa e Parahyba e Rio
- 152-

Grande do Norte consta de 36 comarcas e 55 munici-


pioci.
Divisão ecclesiastica. -A Diocese de Olinda, que
teve por primeiro bispo D. Estevam Brioso de Figuei-
redo comprelJ.el1de os Estados de Pernambuco, Ala-
gôas, Parahyba e Rio-Grande do Norte e compõe-se
de 87 parochias ou freguezias.
Estradas de ferro.- As que vão do Recife aS.
Francisco com um ramal, a Caxangá, ao Limoeiro e
á Olinda rep1"e~entando 290,508 kilom.em trafego e a
do Recife a Carua rú em construcção.
Pharóes.-O do P-icão ou Ba1Ta,situado ao norte
do Recife e com o alcance de 15 milha~; - o de Olin-
da, situado no antigo forte do Montenegro e com o al-
cance de 12 milhas; - o das Roccas, situado no baixo
das Roccas, com o alcH,nce de 9 milhas;- e o do Cabo
de S. Agostinho, situado no cabo do mesmo nome p,
com um alcance de 25 milhas.
Agricultura Commercio e Industria. - A agricul-
tura d'este E tado consiste principalmente no cultivo
da canna de assucar e do algodão; ma , o sensivel
desequilíbrio que ultimamente se tem manifestado na
exportação deRtes productos fez com que alguns se-
nhores de enge:nho tentassem a cultura do café e é de
esperar que, graças ao seu fertilissimo solo, este ulti·
mo producto otfereça competencia com os primeiros; o
melhor café é o de Bonito. Os cereaes e outros pro'
duetos agricolas limitam-se ás necessidades locaes e
constituem o seu commercio interno, ao passo que o
commercio externo pouco inferior ao da capital da Re-
publica, consiste nos productos agricolas acima trata.-
dOR e mais a aguardente e a cêra.
A sua industria, se acha em manifesto estado de
prosperidade e desenvolvimento para o qual concor·
rem varias fundições de ferro, fabricas de sabão, de
refinação e de rapé, charutos e cigarros e a notavel
de tecidos na Magdalena, etc.
- 153-

PRODUCÇÕES

Reino vegetal. - Encontra-se grande variedade


nas madeiras proprias para toda a especie de traba-
lho; o páo-brasil é tambem ahi encontrado para o
interior; notam-se tambem arvores de copahyba, co-
queiros, abacaxiseiros, muriciseiros, mangueiras, aI·
godoeiros, jambuseiros, jaboticabeiros, etc.
Reino mineral. - Os mineraes d'este Estado são
quasi que os mesmo", dos demais circumvizinhos.
Reino animal.-As especies de quadrupedes uão
diferem dos exi tentes nos outros Estados; á exce-
pção das aves aquaticas, abundam as outras em suas
fertilissimas mattas, são muito apreciados os xexéos,
os papagaios, as pombas, das quaes existe grande va·
riedade, as perdizes, etc.
HOMENS ILLOSTRES. -Nasceram neste Estado: o
bravo D. Antonio Felippe Camarão, os ecclesia~ticos
D. Manoel do Monte Rodrigues de Araujo (coude de
Irajá) e D Pedro de Santa Maria, o estadista Pedro
de Araujo Lima (marquez lle Olinda.), o jurisconsulto
Bernardo José da Gama, o habil ministro Buarque
de Macedo, o general Abreu Lima, Pedro Ivo, Nunes
Machado e outros.
- 154-

CAPITULO VIII
ESTADO DAS .-\LAGO:\.S ('*')
Generalidades

Posição geographica.-Ao N. e O. Pernambuco,


a L. o Atlantico; e ao S. Sergipe e Bahia.
Posição astronomica. - Está entre 8° 4' e lO'
32' de lat, aust., e 5° 7' e 7° 58' de longo oriental.
Linha limitrophe.-Com Pernambuco já foi as si-
gnalada precedentemente;-com Alagôas é pelo thalweg
do rio S. Francisco e com a Bahia por uma parte do
S. Francisco.
Superficie.-58.504 kilometros quadrados.
Relevo e aspecto do solo. - Geralmente o solo é
plano; unicamente para o interior é que apresenta
alguma elevação com as suas cadêas de montanhas,
bastante extensas e cobertas de expesso arvoredo j o
seu perimetro apresenta a fôrma de um triangulo cujo
lado menor é o que fórma o littoral; são em grande
numero as lagôas ahi encontradas.
Temperatura e clima.-A parte meridional d'este
Estado gosa da temperatura media do valie de S.
Francisco que é de 29° 5 C; geralmente domina um
clima quente e humido no littoral e secco e saudavel
á proporção que se avança para o interior.

DESCRIPÇÃO PBYSICA
Ge01DOrphogl~aphia

Orographia. - As suas montanhas pertencem aos


systemas Oriental e Central que geralmente atraves-
sam este Estado de norte a sul com as principaes de-

(~) A im cbamado em razão da grande quantidade de lagOas


que ahi exislem.
- 155-

Dominações de serrados Carirys e A.gua Bmnca e das


quaes partem algumas montanhas pouco notaveis,
como: a da Matta-Gmnde, da Palmei1oa, Negra, do
Olho d' Ag~Ga, da Ba1Tiga, celebre pelo quilombo dos
Palmares, do Bananal, P1oiáca, TraipÍl, da Balança,
do Cavallei1"o, Talhada, dos Pilões e outras; o sys·
tema maritimo atravessando o rio de S. Francisco
fôrma a famosa catadupa de Paulo Afonso.
Acrotériographia.-São mais importantes a do
Picão, perto da foz do Santo Antonio Grande, e a de
8. Miguel, Ve'rde a L. da capital e Mirim.

Hydrographiu

Vertentes.-As do Atlantico, S. Francisco e de


algumas lagõas.
Colpographia.-A enseada de Maceió e os portos
Jaraguú, da Barra-Grande e de Pituba.
Potamographia.-Desagnam no Atlantico:
o Om'nripe que nasce na seITa ela Palmeira e
desemboca em frente alJs baixios de D. Rodrigl) ;
o Jacuhype que com o sen affluente o Taqua1"a
serve em parte de limite com Pernambuco;
o Persimmga, limite tambem com Pernambuco;
o Mang~Gaba, que se lança perto do Porto de
Pedras;
o Oamaragibe, que tem 'ua nascentes perto da
serra do Teixeira; o Santo A.ntonio Gmnde, o Santo
Antonio Pequeno, o S. Miguel e outro.
o S. Francisco ou Opára, com um curso de
2,900 kilometros e já tratado precedentemente de
um modo geral, que pertence unicamente a este Estado
no trecho comprehendido entre o seu tributaria o Mo-
xotó e o oceano recebendo ahi pela margem esquerda
além do acima mencionado, fronteira com Pernambuco,
os seguintes: o Batoqne, o Xingó, o Cmunaíb, o das
Cabaças com o seu principal contribuinte o Capia, o
- 156-

Panemú com suas origens em Pernambuco, o Tmiplt,


o Itiúba,' o Boacica, o },[anituba, e o Piauhy. No rio
de S. Francisco, entre Alaguas e Sergipe e proximo
ao rio Moxotó existe a famosa cachoeira de Paulo
Affonso; abaixo d' esta catarata encontra-se a gnlta
dos Mm'cegos que dizem accommodar cerca de ~,OOO
pessoas.
O rio Pamhyba, que vem de Pernambuco, lan·
ça-se na lagôa Manguaba depois de receber as aguas
do Pamhybinha e Pa1·ang~taba.
O JeqMiá que se lança na lagôa do mesmo nome.
O SUlnattma de pequeno curso, que vae tambem
ter á lagôa Manguaba.
O MandaMt que despeja suas agua~ na lagõa do
Norte, contando por contribuintes mais notaveis o
Canhoto e o Satttba.
Limnegraphia. ·-D'entre a grande quantidade de
lagôas eti tentes neste Est.ado são mais llot.aveis: li
do Nm·tlJ de 3 112 milhas de comprimento sobre 21r 2
de largura e desaguadouro do Mnndahú; a },[angnaba
ou do S~tl com 19 lr2 milhas de eomprimento sobre 3
de largura, com uma entrada commnm com a prece-
dente e a ella ligada por meio de um canal; a do Je-
quiá, muito proxima ao oceano e do qual é separada
por uma estreita lingueta de terra; a Docej a Boacicaj
do Pescoco; COInlJl'ida; de Antonio Ma'rtins; Jaca·
meiat; Azeda; dos Ccwallos; e das Antas.

DE CRIPÇÃO POLITICA

Noções historicas.- O territorio d'este E t.ado


foi doado com o de Pernambuco a Duarte Coelho
Pereira.
A fundação dos povoados de Porto-Calvo e Pe-
nedo por Duarte Coelho é considerada geralmente
como hypothetica; unicamente lhe é attribuida com
- 157 -

algum fundamento a guerra que moveu no littoral


contra os ferozes Caetés.
A primei:-a bandeira que percorreu este tel'l'itorio
contava por prillcipaes a Fernão Lourenço, Gonçalo
Mendes Leitão e Christovam Lins, a qual se limitou a
ligeiras excursões pela costa.
A segunda expedição realisarla pelo sertão foi
commandada por Jeronymo ele Albuquerque e Felippe
Cavalcanti e teve por fim ving'ar a morte do bispo
Sardinha praticada pelos indomito Caetés que foram
perseguidos até ás marg'ens do S, Franci~co.
A Christovam da Rocha Martins é accusada a
direcção da terceira bandeira qU€I limitou as suas ex-
plorações á parte meridional do Estado.
Este Estado acompanhou Pernambuco em todos
os seu movimentos politicas até 1817, época em que
deixou de ser sua comarca.
Durante o tempo em que o Recife esteve sob o
poder dos hollalldezes esta provincia foi alvo de serios
e repetido ataques da parte dos invasores.
Quando Mathias de Albuquerque se retirou de
Pernambuco buscou ahi refugio, e por essa occa ião,
em um combate que se realisou perto de Porto-Calvo,
foi aprisionado o transfuga Domingos Fe1'llandes Ca-
Iabar e executado n'es e mesmo logar.
Durante o periodo em que os hollandezes esti-
veram em Pernambuco, grande numero de escravos e
d.esertores foram occupar a fa.ldas da serra da Bar-
l'Iga e ahi e estabeleceram, formando uma especie de
republica, conhecida na historia sob a denominação
de Palmares.
Coube ao fazendeiro Bernardo Vieira de Mello a
mis~ão de pôr termo a esse qui1ombo, que trazia em
Constante sobresalto o moradores da circumvizi-
nhança.
Por alvará de 9 de Outubro de 1706 foi este ter-
I'ito~io elevado á comarca de Alagôas, dependente da
(;apltania de Pernambuco até 1817, que por um outro
- 158-

de D. João VI foi elevada á capitania independente,


passando á provincia do imperio em 1822 por occa-
sião da proclamação da independencia.
Capital.-Maceió 12.000 habitantes,situadaperto
do porto de Jaraguá e com importante commercio; seos
principae~ estabelecimentos, são: o Lycêu, o palacio
da assembléa, o hospital de caridade, o Instituto Ala-
gôano. nma bella matriz situada em uma collina e
acha-se ligada a J araguá por nma estrada de ferro.
Cidades.-Alagôas, antiga capital e Cl'eada vill&
com o nome de Magdalena á beira da lagôa Man·
gnaba e cortada por grande quantidade de corregos.-
Penedo, á margem esquerda do S. Francisco, a 42
kilm., da sua faze com importante mercado de algo·
dão e couros.-Camamgibe, á margem do rio d'este
nome .-Pão d' Assnca?', á margem esquerda do S. Fran·
cisco.-Pila?', á margem da lagôaMauguaba.-S. Mi·
gttel dos Campos, á margem do rio do mesmo nome.
Villas principaes. Atalaia, á margem do Para·
hyba a 36 kilm. de Alagôas e commerciante.-Pol'to-
Calvo, á margem do Manguaba, com grandes fazenditS
de assucar, berço e sepultura de Calabar.-GIl1"Zwipe,
á margem do rio do mesmo nome; seu porto é Pontal
dct Barra de Om'u?-ipe, defronte do qual ficam uns
arrecifes chamados baixios de D. Rod?'igo, onde nau·
fragou o primeiro bispo do Brasil D. Pel'o Fernandes
Sardinha. -Piassabnssú, á margem esquerda do S.
Francisco.-Anadia, á m;lrgem do . Miguel. - Traipú,
na confiuencia do rio deste uome com o S. Francisco.
-Porto de Pedms, na bana da Manguaba.
População. - 400.000 habitantes ou G,8 habitantes
por kilometro quadrado.
Instrucção publica.-Ha em todo o Estado cerca
de 200 estabelecimentos de instrucção, quer primaria,
quer' ecundaria, sendo que deste ultimo gráo, . ~o
em numero de 5. O numero de estudantes é approI1-
madamente calculado em 8.000. A verba votada ero
1888 para o eu dispendio foi de 200:702:t/J000.
- 159-

Divisão judiciaria. - Faz parte da Relação de


Olinda e tem cerca de 15 comarcas.
Divisão ecclesiastica. - Faz parte da Diocese de
Olinda e tem cerca de 34 parochias.
Estrada~ de Ferro. - A dOe Paulo Affonso com
115.853 kilm. em trafego; e a Central ue Alagôas,
não construida.
Pharol.-O de Maceió, ituado na ponta da mono
tanha que fica em frente á cidade, sua luz é visivel na
distancia de 20 milhas.
Agricultura, Commercio e Industria. - A canna de
assucar, o algodão e o tabaco constituem a principal
fonte de riqueza agrícola do Estado; os cereaes e
outros productos são em menor escala,
O seu commercio é alimentado com a exportação
da mandioca, arroz, tabaco, algodão, assucar, madei-
ras e outros artigos. A industria da criação de gado
acha-se pouco desenvolvida; fabricam-se alg'un te-
cidos que são 'exportados, bem como arroz, lã::;, couros
sa.lgados, oleos, páo-brasil, etc.

PRODUCÇÕES

Reino vegetal.- Encontra-se grande variedade


de arvores que produzem excel1elltes madeiras pro-
pl'ias para variados misteres, bem como o páo-bra ii,
a copahyba, benjoim, copal, etc.
Reino mineral. -Para o sertão é encontrado em
~guns sitios: ouro, amiantho, pedras calcareas, ar-
gIlas de variegadas côres.
Reino animal.-Nas suas mattas do interior são
encontrados : a onça, o cabrito montez, as antas, os
macacos, os tatús e outros muitos; em sellS lagos
encontram-se muitos passaro~, aves aquaticas e ex-
cellente pescado.
- 160-

HOMENS lLLUSTRES. - Tiveram este Estado por


berço o generalissimo Deodoro da Fonseca, o habil
politico Aureliano Oandido Tavares Bastos, o valente
Domingos Fernandes Calabar, os botanicos ManoeI de
Arruda Camara, LallisIáo Netto, e muitos outros.
- 161-

CAPITULO IX

ESTADO DE SERGIPE (I)

Generali dades

Posição geographica. - Ao N. Alagôas i a L. o


Atlantico ; ao S. e O. a Bahia.
Posição astronomica. - Fica entre 9°5' e 11°28'
de latitude meridional; 5°3' e 6°53', longitude orien-
t~. .
Linha limitrophe.- E' assignalada com o Estado
de Alagôas pelo thalweg do rio de S. Francisco - e
com o da Bahia pelo do rio Real, por uma recta que
vae das suas cabeceiras ás do ribeiro Xingó e por este
até a sua conf1.nencia no S. Francisco.
Superficie. - 30.190 km. 2 , o menor dos Estados
brasilicos .
Relevo e aspecto do sólo. - O terreno é baixo e
desigual no littoral, elevando-se para o interior; pôde-
se notar tres zonas distinctas: - a do littoral que é
arenosa; a central, constituida por terrenos massapês,
que é a mais importante pela cultura da canna de
a sucar e do algodão; e a occidental, que sendo a
mais montanha a, presta.-se á criação de gado e plan-
tio do algodão, café e cereaes. Alguns rio atraves-
sam-n'o em toda a extensão.
Temperatura e clima. - E' em geral quente e
sadio, excepto no littoral e na. margens de algun rios
que transbordam durante o iuverno e onde reinam

r.ado (1)II1dio
IxabaJ
Assim elenolllinndo em razão elo rio que o rega, cha-
o~lll"orn pel(Js indios:
Serigyp; nome do cllfI' (morar-
que ruais e oppOz conquista de seu t"l'fitorlO.
á
11 c. B.
162

febres illtermittentes: E' interessante a seguinte


quadra popular que de alguma fórma define o clima e
importancia de certas localidades d' e!:te Estado:
<<1lfat oim, curral de bois,
S. Amaro, brocotó j
Lamngeims, pra.ta fina,
Tabayana, ouro em pó ».

DESCRIPÇÃO PHYSICA
G cOlDor pho g.-aphia

Orographia. - A. d' este Estado é constituida pelos


ultimos prolongamentos da cordilheira oriental, for-
mando um agrupamento de serras ligadas entre si por
contrafortes mais ou menos accentuados. As princi-
cipaes são: a de Itabaiana, de 700 a 900 metros acima.
do nivel do mar, que é a mais alta, está a 20 leguas do
littoral dominando toda a costa meridional j é for-
mada de tres grandes montanhas: - a do N01·te, que
é propriamente chamada Itabaiana, tem 860 metros
de altitude e apresenta o perfil de um semicirculo, é
constituida por um massiço de terras e rochas porphy-
ricas, terminando pelo lado do norte e do poente em
uma es;carpa abrupta j-a do cent1'O é chamada Serrar
Grande ;-e a do Sul, de fórma conica, tem o nome de
Pico da Cajahyba. No prolongamento da serra de
Itabaiana está a serra da Tabanga, que termina na
margem do rio S. Francisco, cujas aguas banham-lhe
as bases. Nesta serra existe uma brecha que a divide
em duas partes, conhecida pela denominação de Blt-
mco da Maria Perei1'a, acerca da qual refere a tra-
dição factos mais ou menos verdadeiros.
Ao occidente da serra Itabaiana estão as serras
da Miaba, João-G-rande, Sen'a-Negra, Capttnga, C!a-
pitão, Sen'as-Pretas e os môrros do Chapéo e Alecn1/J.
- 163 -

Na serra da llIiaba em certas épocas á noite, dão-se


phenomenos de phosphorecencia muito intere santes.
No conjuncto, o systema orographico do Estado
de Sergipe fórma dons extensos planaltos i o primeiro
está compreb:endido entre as serras de Itabc~icuna e
da J.lIiaba, e o segundo, que é o mais alto, extende-se
das serras da Miaba e P1-eta até ás extremidades oc-
eidentaes das serras Negm e Capitão, verdadeiros
limites d' este Estado.

Hydrog ....apbia

Vertentes- As elo Atlantico e rio de S. Francisco.


Potamographia. - Os rios, que se lançam no
Atlantico, são:
O Vasa Ban"is ou lrapimn.qa com um percurso
de 530 kilometros, que nasce na Babia, na serra da
Barracha e atravessa esteEstado na direcção de NO.
para SE; recebe entre outros O das Peclms e o Lomba.
O Real, que serve em parte de limite com a Bahia
ao uI, tem por principaes affiuentes O Jabiby,-y, O
Itame1"im, v lndiatl~ba, O Guc~'-c~?-ema, e o Pic~t~hytinga;
este ultimo nasce na serra dos Palmares e tem por
principaes subsidiarias: o Malhc~do, o Jaca?"é, o Ma-
chado, o Pão-Grande, o Ft~ndo, o Gmvatã, o Amuá
eo U?"!l.bú.
O JalJaratuba, sujdto a grandes transborda-
mentos' que causam enormes prejuizos ás plantações,
tem por principaes tributtl.rios: o Japamtuba-mi1"im, o
Seri,-y, o Brejo e o Riacho, Communicando-se este rio
pelo canal do P01J2ongc~ com o rio do mesmo nome, af-
fluente do Cotingtâba, fórma a ilha ebamada dos Co-
queiros (1), banhada ela parte leste pelo Atlantico.

• (1) Pil'ambú, segundo oulros.

I
- 164-

o Sergipe, que nasce ao norte da serra de Ita-


baiana é navegavel até o logar denominado Santa
Anna; recebe pela margem esquerda o Jacoca e o Ga·
nhCt?lW?'oba,. á direita o Jaccwessica e o Coting~,iba.
Este ultimo é o seu principal aff!uente; nasce ao sul
da serra Itabaiana e recebe á direita o Salgado, o 8a·
lob?'o, o llJlad'l"e de Deus e o Poxim j á esquerda o Po-
monga. (1)
Os principaes que vão ter no S. Francisco são: o
Xingõ, o Om'o-Fino, o Pel'petuo, o Jaca1'é, o da Dha do
OU?'O, o do P01'tO da Folha, o TrahY?'as e o Betume.
Limnegraphia. - As principaes lagõas são: do
Ced?'o, donde sahe o Propriá {lara ir ter ao S. Fran·
cisco; de Tamand~td, no sertão, pequena e muito
reduzida na estação secca; e pelas vizinhanças do
S. Francisco encontram-se algumas muito abundantes
{lm pescado.

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções historicas.- Francisco Pereira Coutinho


mereceu em 1534 de D . João III, cincoenta leguas
desde a ent'l"ada da BaUa até a foz do S. Frwncisco.
'l'res annos mais tarde chegou com uma esqua-
drilha á Bahia de Todos os Santos, onde fundou a sua
colonia.
Em 1587, tendo fallecido o govel'lladol' geral do
Brasil, Manoel Telles Barreto, orgallisou-se um g?-
vemo provisorio campo to do bispo D. Fr. AlltolliO
Barreiros, o ouvidor-geral Antonio Coelho de Aguiar
e do provedor-mór Christoíam de Barros.

(1) E lá 110je a,reriguado que o rio. ergipe, peh exten ~o de


s u curso e volume de suas aguas, é o rio prillcipal, do qual o CD-
linglliba é alllllenle.
- 165-

Foi n'esse governo que,em 1590, Chri tovam de


Barros, attendendo ás reclamações dos colonos re-
sidentes entre os rios Real e Itapicurú e obedecendo
às ordens d'EI-rei, marchou com força sufficiente para
afugentar os indios, que sob a conducta dos chefas
Sm"igyp, 8i7'i7'Y, jlforibeca, JalJamtuba, Pindahyba e
Jucatuba oppunham-Ihe teuaz resistencia, e bem assim
para bater os francezes que vinham em busca do
páo-brazil.
A tentativa de conquista realisada vinte annos
antes por Luiz de Brito não teve resultados du-
radouros.
Tendo pacificltdo o districto de Sergipe, que de-
pai e chamou Sergipe d'EI-rei, fundou uma for-
taleza perto da foz do rio Sergipe e um2L povoação
que chamou de S. Christovão (1), nomeando Thomé
da Rocha seu primeiro capitão-mór.
Diogo de Quadros, seu successor, foi um dos que
mais propugnou pela integridade do territorio sergi-
pano, empre~ando toda a sua actividade em prol da.
expulsão dos francezes, que só em 1601 é que foram
eliminado' .
Em 1637, os hollandezes, commandados por Se-
~smundo von Schkoppe, tomando a Bahia, incen-
dIaram a povoação de S. Cl1ristovão; e mais tarde,
em 1641, o principe Mauricio de Nassau completou a
conquista de todo o territorio.
. Durante longo periodo permaneceu este E tado
Indepeudente da jurisdicção da Bahia e unicamente
s~bordinado á influencia de um punhado de ambi-
CIOSOS até 1696, época em que foram Cl'eadas as co-
mar:as da Bahia e Sergipe, tendo cada uma o seu
Quvldor, Em 1728 foram Cl'eadas as villas de lnham-
bupe, Itapicul'ú e Abbadia, que, por se acharem

'll Bal'loms eOil irler~ a primeira povo:u;ão d ergipe á


marflem c querda do Gútioguiba e doApiculn Pomonyu.
- 166-

dentro da f.!.'onteira, ficaram pertencendo a Sergipe,


facto este que tem suscitado delongadas questões de
limites entre os Estados conterraneos.
Em 1821, por occasião da guerra da indepen·
dencia, foi elevada á capit.ania independente, e ponco
depois á provincia do imperio, tendo por capital &
cidade de 8. Christovão.
Em 1855 foi transferida a capital para Aracajú,
cuja fundação é devida ao Dr. Barbosa.
Capital. -Amcají~, com 10,000 habitautes, si·
tuada a 10 kilometros da barra do Cotinguiba; seos
principaes edificios e estabelecimentos são: a biblio·
theca-musêo, a escola normal, o palacio do Governo,
o hospital de N. 8. da Conceição, o Atheneo Sergio
pense, a egreja matriz e importantes fabricas tIe te·
cidos, ~abão, fundições de ferro, etc,
Cidades.-S. Chn:stovão, antiga capital, fundada
em 1590, á margem elo Paramopama, affiuente da
margem esquerda do Vasa-Barris.-Estancia, com
12,000 habitantes sobre o rio Piauhytinga, com duas
egrejas e uma ponte sobre o mesmo rio, e tabelecendo
communicação entre os dous bairros por elle sepa-
rados.-P1'opriá, antiga Ul'tLbí~ de Baixo, á margem
direita do S. Fmncisco) com importante lavoura de
canna de assucar, algodão e cereaes e com uma feira
importantissima, - Lagm'to. - Larangeims, ('.om
12,000 habitantes, á margem direita do Cotinguiba,
com grande exportação de aguardente e assucar.-
Ma?'oi1n, á margem do Ganhamoroba, uma das cida·
des mais importantes pelo seu commercio de assn·
cal'. - Riaclmelo, com um importante engenho
central.
t.~~Villas principaes.-Itabaiana situada proximo ,
serra do •eu nome e com importante criação de gado.
-Espi7'ito-Santo,-Rosario do Cattete, ã margem do
Seriry.-Pacutuba.-Se7·i7'y, antiga pé do Banco.-
SOCC01'7'O, proxima á margem direita do Cotinguiba e
hojeelll decadencia.-Santo Ama?'o, proxima á margem
- 167-

esquerda do Cotinguiba.- nUa-Nora, a mais antiga


do Estado, á margem do S. Francisco em frente a
Penedo .-Santa Luzia, 8; marg6m do Mussununga.
Âmna.-Ita2JOranga.--8imâo Dias e ontras.
População.-370,OOO habitantes; ou 12,2 habitan-
tes por kilometro quadrado.
Instrucção publica.-E' dada, quanto ao ensino
secundario, por uma Escola Normal e por um lycêo
de humanidades com séde na capital e aulas avulsas
em diversas cidades; quanto ao ensino primario, por
escolas primarias de ambos os sexos nas cidades, vil-
las e povoações. Segundo os dados mais recentes
possue este Estado 212 estabelecimentos de instru~
cção com uma frequencia de cerca de 4,000 alnmnos i
a verba consagrada a este ramo administrativo em
1889 foi 176:040~000.
Divisão judiciaria. -Consta <ie 14 comarcas a
saber: Arucajú, Estancia, Larangeiras, Lagarto,
Mal'oim, Itabaiana, Capella,Buquim, Rio-Real, Chris-
tina, Guararú, S. Christovão, Japaratnba e Propriá;
tem 32 municipios.
Divisão ecclesiastica.-E' suffraganeo da Diocese
archiepiscopal da cidade do Salvador e compõe-se de
36 parochias.
Estrada de ferro.-Tem uma em começo de con-
strucção, partindo de Aracajú a Simão Dias, com um
ramal de Larangeil'as á Capella.
Pharóes. - O de Cotingniba na barra do mesmo
nome e com alcance de 8 milhas; e o de S. Fmncisco
do N01'te, á margem esquerda. do rio do mesmo nome,
no lagar chamado Sm/1oco; sua luz alcança 10 milhail.
Agricultura, Commercio e Industria.-O algodão
.e a canna de assucar são os principaes productos agd-
colas; a não sel" a industria pastoril, unicamente limi-
~da ao gado vaccum e cavallar, as demais não têm
tI~o desenvolvimento para uma citação especial; os
Pl1ncipaes generos que constituem o seu commercio
externo são: o algodão, o a sucar, a aguardente, o
-168-

tabaco, couros salgados, cõcos, sal, lenha, marmores,


etc. Durante 1886 os seus productos agricolas attin·
giramá somma de 33.792:839 000.

PRODUCÇÕES
Reino vegetal. -As suas mattas abundam em
madeiras para construcção, tinturaria e marcenaria
como sejam: garaúna, aruçuca,ibatinga, sucupira, páo-
ferro, cedro, sapucaia, etc.; em plautas medicinaes
como ipecacuanha, alcaçuz, peroba, quina, canafistula,
jaborandy, buranhaem, etc.; e não são menos dignos de
menção os seus saborosissimos cflcos, que remettidos
para a Bahia, são ahi vendidos como suas produ·
cçóes.
Reino mineral.-Este reino está pouco explorado;
mas comtudo, encontram-se crystaes, felTo, carvão
de pedra nas proximidades da Estancia, pedras de
amollar, tabatinga, immensas jazidas de enxofre na
serra da Miába, pederneiras, diamantes e até ouro
nas faldas da serra Itabaiana.
Reino animal.-A industria pastoril não tem to·
mado neste Estado sensivel incremento para o gado
vaccum e cavallar; em snas mattas encontra-se
quasi toda a sorte de animaes ferozes; nota-se ainda
grande quantidade de perdizes, veados, etc.
HOMENS ILLUSTREs.-Este Estado é o berço do
pranteado germanista e criminalista Tobias Barreto,
do poeta Pedro de Calasães, do orador e musico sacro
Frei S. Cecilia, do bravo Camerino e outros.
- 169 .-

CAPITULO X

ESTADO DA BAHIA (1)


Generalidades

Posição geographica. - Ao N. Sergipe, Aln.gôas,


Pernambuco e Piauhy i a L. o oceano Atla::Jtico i ao
S. Espirito-Santo e Minas·Gentes; e ao O. Pernam-
buco, Piauhy, Goyaz eMinas Geraes.
Posição astronomica. -E tá ent.re 9°5' e 11°28'
de latitude meridional i 5°3' e 6°53' de longitude
oriental.
Linha limitrophe.-A linha divisoria já foi assen-
tada precedentemente com os Estados de Sergipe,
Alagôas, Pernambuco e PiauhYi-com o Espiritv·Santo
é assignalada pelo rio Mucury i- com Minas·Geraes
pelos rios Carinhanha, S. Francisco, Verde-Grande e
Verde-Pequeno, pelas serras das Almas e Crundiuba
até o Vallo-Fundoi d'esse ponto por uma recta até á
barra do Mosquito, affl.uente do Pardo, e d'alü por
outra recta até o Salto Grande no Jequitinhonha e fi-
nalmente pela serra. dos Aymorés que segue o rumo
geral de N. para S .até as margens do Mucury i- e
com Goyaz pelas serras do Paranam, Tabatinga e
do Duro.
Superficie.-426.427 km 2 •
Relevo e aspecto do solo. - O littoral é bastante
haixo; o seu solo eleva-se para o interior em fôrma
de taboleiros até a parte limitrophe com Minas-Ge-
raes e Goyaz, onde attinge a grandes ai tnras, formando
a parte montanhosa ; innumeros rios, muitos dos

(I) A sim chamado em razão da magnifica babia á margem


da qual se acha a capital.
- 170-

quaes navegaveis, atravessam o territorio, apresen-


tando os seus leitos interrompidos por grande quan·
tidade de saltos e cachoeiras, formados pela successão
de montanhas que se extendem por toda a região ter-
ritorial do Estado.
Temperatura e clima.-A temperatura quente da
parte oriental é am.enisada por uma suave bri::a mari-
tima i no sertão é quente e bumido. A não ser nas
margens do S. Francisco, onde em certa época reinam
febresintermittentes, todo o territorio.é saudÇl.vel.

GeolDorphogl'aphia
Orographia. - As montanhas d'este Estado pet'-
tencem a dous systemas : o Oriental ou Ma1'itimo e o
GentTal on do Espinlzaço; a cordilheira Aymorés, assim
chamada por causa das numero as tribns de Aymorés,
toma as denominações de serra do GY1'Ú, da T1'omba,
da Gupl:ába, da },IIangctbeú'a, da Pedm-Bnmca, de
ItaTacá, de 01'obó, da Ribeim) de .Macalzubas, dos
Lençóes, do Assuntá, do Boqztei1'ão e outras i as mais
altas do interior são: a das Almas, MU1ibéca, Monte$-
Altos, UntM, Catu.lez, Gincnrá que atravessa o rio
Paraguas Ú, no qual se fôrma a crLchoeira do mesmo
nome; e o moute PascllOal que foi o primeiro ponto
descoberto por 'Pedro Alvares Cabral em 1500; e
ainda o de Gommandatttba onde nasce um pequeno rio
que e lança no mar e o da Penha.
Nesographia.-A de ItalJarica com 3 a 4 milhas de
largura e situada á eutraéla da Bahia de Todos os San-
tas. O primeiro donatario Francisco Pereira Coutinho
naufragou nos baixios d'esta ilha e morreu devorado
pelos Tupinambás i a do Bom-Jesus situada na balúa
de 'rodos os Santos e com uma egreja á invocação do
Menino·Je. ·US.
a da Cajahiba, com 6 kilometros de comprimento,
situcl.da perto da costa occiclental da bahia de Todos os
Santos;
- 171-

a de Boipeba, situada defronte ào littoral: a de


Santo Ama?'o; a de Tinhm'é ou Mon'o de S. Paulo; a
dos Frades, na bahia de Todos os Santos, e finalmente
o grupo dos Ab?'o17w,', fOl'mado de cinco ilhotas geral-
mente pedregosas, das quaes a principal é a de Santa
BaTbam e do qnal já nos occupámos precedentemente;
entre este archipelago e o continente existe o canal
dos Abrolhos que tem sido navegado ultimamente,
O rio de S. Francipcll fôrma tambem algumas
ilhas, das qnaes a principal é Angical, assim chamada
por existir ahi muitas arvores de te nome.
Acrotériographia.-Pelo littoral deste Estado não
são encontrados cabos propriamente ditos, mas sim
algumas pontas como a de CC!?'aj~bl;a, elo ItalJUcmzinho
ao S da capital, de Santo Antonio, da Caixa dos
P?'egos ao S da ilha de Itamaracá, a do Garçon e a do
Galaba?',
"
Hydrog.-aphia

Vertentes.-As do Atlantico e rio de S. Francisco.


Colpographia.-A bahia mais importante é a de
Todos os Santos, assim chamaun. porque Christovam
Jacques nella entrou a 1 de Novembro; á sua entrada
demora a ilha de Itaparica, qne fôrma dnas entradas,
uma a L., que é a mais frequentada e outra a O., entre
a extremidade sul da referida ilha e a ponta do
Garcia, chamada barra do Jaguaripe; a de Camamít,
na qual desaguam os rios Aracahy e Marahú; a dos
Dhéos, formada de quatro ilhotas, que deram cau a a
se chamar tambem assim á capitania de Jorge de Fi-
gueiredú Corrêa j a maior d' estas ilhas é coberta de
&rroredo e as outras tres ão simples rochedos j a de
Porto-Segu?'o ou Enseada Cabmlia, que se recom-
menda porque foi n'ella que Pedro Alvares Cabralle-
vantou uma cruz com as armas de Portugal; o rio Bu-
ranhem nella despeja a3 suas aguaI"; a d-e Ca?'avellas,
muito estreita e com 18 kilometros de comprimento,
- 172-

razão pela qual foi denominada rio; e os portos: de


Belmonte, que banha a collina, sobre a qual se acha a
cidade no mesmo nome; o de Alcobaça; o de Olivença,
e outros.
Potamographia.-Desaguam no Atlantico:
o Vasa-Bar1'is, que atravessa Sergipe j
o Real, divisa entre este Estado e o de Sergipe;
o Itapicn1'ú, com 790 kiloruetros de curso, que d~
vertentes da serra da Tiúba encaminha-se na direcção
geral de ESE. e vai ter ao oceano j a sua navegação é
impraticavel por causa do grande numero de ca·
choeiras e a sua foz é obstruida por um perigoso banco
de arêa que só permitte a entrada á pequenas em·
barcações;
o Pamguassú, que tem suas nascentes na Chapada
Diamantina e depois de um curso sinuoso e encachoei-
rado, vai despejar suas aguas na parte occidental da
bahia de Todos os Santos; pela direita recebe oPa-
m,quassíhzinho, o Jaca1'é e o BTaço do Sinc01'á e pela
esquerda o Cachó, o Anclamhy, e Salit1'e e o .Tacuhype,
seu mais importante tributario; durant.e o trecho de
46 kilometros acima da sua foz é este rio navegavel,
tornando-se d'ahi por diante impraticavel em razão das
muitas cachoeiras, das quaes a do Sincorá e Timbora
são as mais n ota ,r eis.
o das Contas ou Jussiapct, com 11m curso de 530
kilm. ql1e nasce na serra da Tromba, recebe á mar·
gem esquerda o SincoTá, o P1'eto e o Manaquerít ; á
direita o S. Antonio e o Gavião;
o Pa1'do ou Patype, com 660 kilm. de cursO e
que nasce na serra das Almas em Minas-Geraes; com-
munica-se com o J equitinhonha pelo rio Salsa e canal
PoasStÍ, e é navegavel durante cerca de 112 kilm. j
tem por principaes tributarios o Pinhei1'o e o Vereda;
o Jegttitinhonha ou Belmonte têm sua origem na serra
da Pedra-Redonda, em Minas-Geraes e com o rumo
geral de E E. vae ter ao oceano, offerecendo um.a
facil navegação em um trecho de 135 kilm. e depoIS
- 173-

de receber pela ruargem esquerda o Itacambvruss{~J o


Vacca1'ia, o Itinga e oS. Prancisco ; e pela direita o
Amssuahy, seu mais notavel contribuinte, o Piatthy,
o S. João Gmncle e o Piabanha; dentre as suas nu-
merosas cachoeiras e corredeiras, destaca-se a do
Salto-Grande, perto de S. Seba,'tião, uma das mais
notaveis do Brasil e cujo estrondo é ouvido na dis-
tancia de 26 kilm.
o Mucw'y, que igualmente vem de Minas-Geraes,
é divisa entre este E tado e o do Espirito-Santo.
Na ordem de norte para sul são ainda digno de
menção : o Inha1nbt~pe, o Jeqtti1'ü;á, o Una, o Jeqttié,
o da Cachoeira e o JucunLçú.

DESCRIPçlo POLITICA

Noções historicas. - Este Estado, cuja capital


actual permaneceo durante muito tempo capital do
imperio decahido, foi o primeiro em receber os por-
tuguezes, primeiros descobridores do Brasil.
Chl'istovam Jacque~ (1503), encarregado por D.
Manoel de explorar o paiz descoberto por Cabral, fun-
deou em uma imtllensa, bahia que chamou de rrodos os
Santos, por ser es~e (lia IOde Novem bro.
O primeiro donatario d'este territorio foi Fran-
ci 'co Pereira Coutinho, cuja data,àe desembarque não
se acha sufficientemente averiguada; ahi chegando
com uma esquadrilha já encontrou Diogo Alvares, o
legendario Cara·num'L, que lhe foi de grande auxilio
na fim dação da colonia e na construcção de um forte.
. Lavrando a discordia entre o donatario, colonos
e lUdios, vio-se obrigado a abandonar a capitania e a
retirar-se para a de Porto Seguro ou dos Ilhéos.
Em 1547, a pedido de Caramurú e do colonos,
voltou o infeliz donatario para a sua capitania; ma ,
tendo nanfragado na ilha de Itaparica, foi devorado,
- 174-

assim como todos 08 seus compauheiros, pelo~ ferozes


Tupillambás que habitavam esta região.
Por morte do donatario esta capitania reverteo
á corôa em 1548.
Em 1549, D. João III creou um governo geral
no Brasil e determinou que se fundasse na bahia de
Todos os Santos a cidade capital da colonia portll-
guezaj desde então a Bahia exte.ndeo a sua jurisdicção
a todas as capitanias circumvizinhas que gradual-
mente a ella fôram annexadas em virtude dos infortu-
nios de seus dona.tarios e,consequente reversão à corôa.
Thomé de Souza, nomeado por el-rei governa-
dor-geral, aportou á Bahia no mesmo anno e foi be·
nignamente recebido por Caramuní.. a novo governa-
dor tratou logo de funuar ê1 cidade do Salvador, no
que foi muito ajudado pelo gentio.
Em 1554, Thomé de Souza entregou o governo
da colonia a Duarte da Costa, nomeado por el·rei
para substituil-o.
Desavenças suscitadas entre o governador e o
primeiro bispo do Brasil D. Pedro Fernandes Sardi-
nha, fizeram com que o bispo se embarcasse para
Portugal j e tendo llfJ.ufragado nos bctixios de D. Ro·
cl?'igo, foi victima dos indomitos Caeté::i.
Em t581 fundou-se o primeiro convento de Be·
nedictinos na cidade uo Salvador.
a grande desenvolvimento que tivem esta parte
da colonia POl'tugueza attra,hio de alguma fôrma a
cobiça do e trangeiro e por isso foi invadida em 1624
pelos hollandezes, de preferencia a qualquer outra.
Trinta annos duraram esta lutas até que foi de-
finitivamente fu'mado o dominio portuguez pela ex-
pu! ão do e trangeiro in,asor.
Em 1764 passou-se a capital da colonia para a
cidade do Rio de Janeiro.
Em 1821, esta provincia foi a segunda em er-
guer o brado de liberdade, já levantado em 1820 em
Portugal.
- 175-

A Bahia foi, d'entre todas as provincias do Bra-


sil, a que teve em seu seio a luta mais sanguinolenta
da independenr.ia em 1822, luta que s6 terminou a 2
de Julho com a batalha do Pirajá.
Em 1837, rebentou ahi uma revolução, conhe-
cida com a denominação de 8cGbinada, tendo por prin-
cipal cabeça o Dr. Sabino Alvares da Rocha Vieira;
ás medidas energicas empregadas pelo general João
Callado e tenente-coronel José Joaquim Coelho de-
veo-se a sua pacificação.
Por occa8ião da guerra do Paraguay foi a pri-
meira província que mandou o primeiro batalhão de
Voltmta?'ios da Patria.
CapitaI.-Bcthia ou C1.dade do Salvado?-, 200,000
habitantes, á margem oriental da bahia de Todos os
SantOB, com extraordinorio movimento mercantil e
fundada em 1549 por Thomé de Souza.
E' dividida em duas partes: cidade Alta e cidade
Baixa; n'esta é onde existe o centro commercial do
Estado, a alfandega, a bol~a e outros estabelecimentos
bancarios, o cOlTeio, os arsenaes de gnerra e de ma-
rinha, a fabrica do gaz e a estação da estrada de ferro
da Bahia ao S. Francisco i <l'entl'e o seus edificios
notam-se a egreja da Conceição, obra toda de mar-
more, e a do Bom-Fim, edificada sobre uma eminencia
e outros; encontram-se tambem numerosa associa-
ções litterarias e philanthropicas, a imprensa tem ahi
notavel incremento, é a sMe do arcebispado primaz do
Brasil, conta 10 cemiterios arredados da cidade e é
defendida pelos principaes fortes seguinte: Monte-
Serrate, do Mar, da Gambôa, de Santa Maria e S .
Marcello i na cidade Alta é onde existem qua i todas
a~ ~epal'tições publica.s, o pa.lacio do governador, a
blbhotheca publica com cerca de 20,000 volumes, a
C8:sa ~a camara, a escola de medicina, o hospital ela
JIlísencordia, passeios e jardins pu"blicos i d'entre os
sens edificios distinguem-se: o theatro S. João, o
convento e egreja da ordem terceira de S. Francisco,
- 176-

o mosteiro de S. Bento, o 1.'Jusêo, as egrejas da Pie·


dade e Misericordia e a antiga cathedral da Sé j em
frente á alfandega existe um elevador mecaniilo (pa.
mfttzo) que va~ a praça do palacio e estabelece com·
municação constante entre uma e outra cidade, a qual
tambem é feita por um plano inclinado.
Cidades,-S. Ama1'o, 16,000 habitantes, á mar·
gem esquerda do Serg'i-mirim, com importante com·
mercio de assucar, tem um estabelecimento para edu·
cação de meninos, uma beila egreja matriz e casa
de misericorclia.-Alagoinhas. - Ban'a, na confiuencia
do Rio·Grande com o S. Francisco e com consideravel
exportação de sal.- Cachoeim, 10,000 habitantes, á
margem do Paraguassú, com importantes fabricas de
tecidos, cbarutos e cigarros e notavel exportação de
fumo.-Ca?'avellas, á margem do rio de igual nome e
com activo commercio de café, côcos e peixe.-Feira
de Sant' Anna.-Jacobina, grande mercado de assn-
car, algodão e gado.-nhéos.- Joazei?'o, á margem
direita do S. Francisco, proxima a Oeiras, no Piallhy
e com florescente commercio de sal. -JJfamgogipe,
14,000 habitantes, á. margem do Guaby, com impor·
tante agricultura.- NaZa1"eth á margem esquerda do
Jaguaribe.- Lenr;óes, cidade agricola. - Vctlença,
banhada pelo Una, exporta café, alg'odão e madeiras.
- Villa-Nova da Rainha.
Villas Principaes.-Abrantes, banhada peio Jo~n'
nes.-ChiqHe-chiqu.e, proxima ao S .Francisco , no dI .
tricto diamantino da serra de ASSUl'uá e com flores'
cente commercio ue fumo e gado.-Pilão·A?·ca.do, com
exportação de sal. - Ca?'inhanha, á margem esquerda
do S. Francisco e com alguma elevação acima do
nivel do mar.-Caeteté, commerciaute em algodão.-
Camwnú, com commeréio de café, aguardeute, arr~z
e madeira .-Cannavieiras, onde domina o com~erC1o
da pequena lavoura.-Porto-SegHro, perto do no ~3'
choeira e C0111 exportação de peixes e madeiras.- Area,
sobre o Jequiriçá.- Victoria, á margem elo Vereds,
-177
afl.!uente do Pardo, onde se encontra a lapide que
cobriu a sepultura de Catharina Paraguassú.-Itapa-
rica na ilha do mesmo nome.-Macahubas.
I População.-1.800,000habitantes,ou 4,2porkm2 •
Instrucção Publica. - Abrange os tres gráos : o
supe1'i01' é dado na Faculdade de Medicina e no Semi-
nario das sciencias ecclesiasticas; o secunda1'io na
Escola Normal, no Lycêo e em varios estabelecimen-
tos ; o p1'ima1'io em muitos estabelecimentos e escolas
mixtas que funccionam nas cidades, villas e povoa-
ções; ha em todo o Estado cerca de 24.000 alumnos e
a verba consagrada a este ramo administrativo, em
1889, foi de 589:987;tf1000.
Divisão Judiciaria,-Tem um tribunal de Relação
e conE'ta de cerca de 40 comarcas e 80 municipios.
Divisão Ecclesiastica. O biflpado d'este Estado,
que foi o primeiro Cl'eado no Brasil (1551) sendo se-
parado do de Funchal, foi elevado a arcebispado pri-
maz em 1676, sendo o l° arcebispo D. Gaspar Barata
de Mendonça; comprehende na Bahia cerca de 190
parochias.
Estradas de Ferro, - Conta as seguintes: Bahia
a S. Francisco, o prolongamento da estrada da Bahia
a 8. Francisco, a Central da Babia, a S. Amaro, a
Nazareth e a de Philadelphia a Caravellas todas em
trafego e o ramal do Timbó em estudos.
. Pharóes. - O dos Ab7'olhos, situado no ponto cul-
m~uante da ilha de S. Barbara; sua luz alcança 18
milhas em tempo claro ;-0 de S. Antonio da Ban'a,
na fortaleza de S. Antonio, á entrada da barra; sua
luz alcauça 15 milhas j - o do Mono de S. Pa~~lo, no
cabo do mesmo nome, á entrada do porto; sua luz al-
cança 25 milhas ;-0 de ItalJOan, situado na ponta do
resma nome; sua lu7. alcança 12 milhas i-oS pharo-
etes : de S. Ma.1'ia no forte do mesmo nome, á entrada
da barra e com um alcance de 6 milhas, e o do F01'te do
Ma1', no forte do mesmo nome, com um alcance de 4
lD.ilhas.
12 C. B.
- 178-

Agricultura, Commercio e Industria. - A canna de


assucar, o fumo em grande quantidade, u algodão, o
cacáo, o café e o especial chamado Maragogipe, o
cravo e os cereaes, são os seus principaes productos
agricolas exportados.
O seu commercio, quer externo, quer interno,
póde ser comparado com o dos Estados de primeira 01'·
dem da Republica, pois que a sua praça commercial é
uma das principaes; tem diver~as casas bancarias,com-
panhias de segnro,de navegação a vapor, de ferro-carris
urbanos, ek.; o sal mineral encontrado em grande
abundancia em ambas as margens do S. :b'rancísco, é
tambem uma importante fonte de renua commercial.
Na capital e em algumas cidades ha grandes fabricas
de tecidos, de velas, de sabão, de cerveja, de refina.·
ção, de charutos e cigarros, fuudições, etc. ; a indus·
tria da criação de gado nos sertões tem tambem
grande desenvolvimento, figurando os couros seccoS
d' entre os f;eu~ productus de exportação.

PRODUCÇÔES

Reino mineral. Encontram-se, aiuda que rara.s,


algumas ruinas de ouro e cobre; acham-se tambem
algumas de prata, ferro, carvão de pedra e granito i
em certas localidades ha argilas, marmOl'es, diaman-
tes, pedras ca1careas, salitre, pedra de amolar) aguas
thermaes, cryst<.tes, etc_
Reino vegetal.-D'entre o grande nnmero de ar·
arvores encontralU-se: o vinhatico, o cedro, o pão·
brasíl! o pão-arco, o jacarandá,. grande qnantidadedll
~oquelro , varias plantas medicinaes como a jalapa,.3
lpecacuanha, o açafrão, o uruçú, muitas plantas resI-
nosas, grande variedade de arvores fructiferas, ete.;
as suas mangas e laranjas são muito apreciadas.
Reino animal. -QlLlt i que o mesmo dos outros
Estados circumvizinhos.
- 179-

HOMENS ILLUSTRES. - Tiveram este Estado por


berço: o naturalista Alexandre Rodrigues Ferreira;
onotavel estadista Angelo Muniz da Silva Ferraz; os
babeis politicos Barão de Cotegipe, José da Costa Car-
valho, Manoel Alves Branco (segundo visconde de
Caravella~), Miguel Calmon du Pin e Almeida (mar-
quez de Abrantes), Zacbarias de G6es e Vasconcellos
e Domingos Borges de Barros (visconde da Pedra
Branca) ; o sabio publicista José da Silva Lisbôa (pri-
meiro visconde de Cayrú) ; o almirante Luiz da Cunha
Moreira (visconde do Cabo-Frio) ; o poeta Gl:egorio de
Mattos ; o juri~consulto Balthazar da Silva Lisbôa ; o
illustrado medico e naturalista TIl'. Mauricy; o ha·
bil pintor Jo~é Theophilo de Jesus; e muitos outros.

/
- 180-

CAPITULO XI

ESTA DO DO ESPIRITO-SANTO (1)

Genel.'alidades

Posição geographica- Ao N. a Bahia; a L. o


oceano Atlantico j ao S. o Rio de Janeiro j e ao O.
Minas·Geraes.
Posição astronomica.-Está entre 18° 5' e 21° 28'
de latitude austral; 1° 40' e 3° 22' de longitude
oriental.
Linha limitrophe. -Com a Bahia já foi dita pre-
cedentemente ;-com o Estado de Minas-Geraes é con·
siderada pelas serras dos Aymorés e do Souza, pelo
riachão José Pedro e corrego J equitibá, seu tributa-
rio, e rio Preto, affiuente do Itabapoana ;-e com o
Rio de Janeiro pelo rio Itabapoana.
Superficie.-44,839 kilometros quadrados.
Relevo e aspecto do solo.-Geralmente desigual e
onàuloso apresenta a fôrma de uma facha de terra,
apertada entre o oceano, em cujas proximidades os-
tenta-se abundante floresta virgem, e a cordilheira
maritima que lhe fica a oeste e na qual se observa
nma sensivel depressão por onde corre o rio DO\le j
todos os seus rios, em geral muit.o piscosos, seguem o
rumo de L.
Temperatura e clima.-Humido e temperado nas
costas é secco e salubre para o interior.

(1) As im cbamado porque o seu primeiro donatario Ya.scO


Fernandes Coulinho abi cbegou em um domingo d·) Esplrlto-
Santo.
- 181-

DESCRIPÇÃO PHYSICA
GeolDorphogra phla

Orograpbia.-A serra 1YIa1'itima ou Oriental per-


corre este Estado na parte oriental com as denomina-
ções de Aymm"és, Souza, Chibata do Espigão, lveg1'a e
Pedm-Menina; tem outras como a da Malha, dos Pu-
ris, do Batatal, do Castello, do Pm"ocão, do Pombal,
dos Pilões, do Apollina1'io, de ItabalJOana, de Gua-
rapa1"y e outras.
Nesograpbia 9 -As principaes são: a dos Prades
e do Boi, na bahia do Espirito-Santo,. dos Pacotes e
do Jacú em frente aos campos de Piratininga; o grupo
das ilhas de Gua1'apa1"im á entrada do pequeno golfo
do mesmo nome; a Fmnceza, separada do continente
por um pequeno canal; e outras proximas á costa
como a Rasa, Escalvada, das Andorinhas, Dourada e
MOnZCt1"as.
Acrotériograpbia.-Apenas salientam-se as pon-
tas de MonzCtms e de Benevente.

HYDROGRAPHIA

Vertente.-A do Atlantico.
Colpograpbia.-São mais notaveis : a bahia do
Espi1"Íto-Santo, uma das melhores, mas de difDcil ac-
cesso; a de Benevente entre a ponta do mesmo nome
e a ilha Franceza ao sul; a de Santa Oruz; a de Ja-
ca1"ahype; e a enseada de G~tampa1"Ím, onde se lança
orio deste nome.
Potamograpbia.-O maior rio que banha este Es-
tado é o Doce que, com 997 kilometros de curso, tem
as suas cabeceiras na serra do Espinhaço, em Minas-
Gerae, e depois de descrever uma enorme curva
forçado pela serra de Ibiturunas e atravessar este
- 182-

Estado vae lançar-se no Atlantico perto de Linhares,


oferecendo franca navegação no seu trecho inferior
até o Porto do Souza e sendo dahi por diante obstada.
pelas cachoeiras e saltos que começam a apparecer
como a das Escadinhas, a Escura e a do Iuferno ou
Cachoeirão, de onde propriamente tem inicio o rio
Dpce; concorrem para a sua formação o Pi1Yl/nga (I)
e o Chopotó, e constituem os seus mais notaveis sub-
sidiarios: o Pimcicaba, o 8anto Antonio, o 8asSlthy-
Grande e o Pancas pela margem esquerda e o Caeté,
o Manhu-assít e Guandú pela margem direita.
O Itabapoana tem as suas nascentes em Minas
entre as serras do Brigadeiro, da Caiana e de S. Mar·
garida ; serve de limite entre este Estado e o do Rio
de Janeiro e recebe a margem esquerda o do Veado, o
Jardim, o 8.Pedro e outros.
O Mu,cw'y, que vem da. serra do Chifre engros-
sado com o rio de Todos os 8antos, limita este Es-
tado com a Bahia.
O 8. Mathe~ts, antigameute Crica1'é, nasce na
serra das Sapbiras em Minas Geraes, atravessa a dos
Aymorés e no rumo de L. vai lançar-se no oceano j
d'entre os seus tributarios, notam-se: o do Sul, o
F,'eto e o Cotoxé.
O Itapemi1'im, formado pelos rios do Norte-Es-
que1'do e do N01,te-Di1'eito, recebe d'entre outros O
Castello, Mllquy e o Novo.
O Jucd, que nasce na serra do Batatal, tem por
principaes contribuintes : o Bmço do 8~tl, o P,'eto e o
Fert·ngem.
O 8. Ma'ria e o Ca1'iocica lançam-se na bahia Vi-
dm'ia.
O Guaxindiba, o de 8. C,'UZ, o Timbuhy odos
Reis Magos, o Guamparim, o Benevente, o Filtma 8
outros, tambem se lançam no oceano.

(1) Gttalacho, segundo outros.


- 183-

Limnegraphia. - As mais importantes lagôas são:


a de Jupamnã que se communica com o rio Doce e nà
qual lançam-se os rios S. Raphael e p?Oeto; a do
Aguia?', a Tapada, a do Pâo Gigante, a Dottmda e
ontras.

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções historicas.-Na divisão do Brasil em ca-


pitanias hereditarias tocou a Vasco Fernandes Cou-
tinho, fidalgo portuguez, a capitania do Espirito-Santo
com 50 leguas a contar do rio Itapemerim ao rio
Mucury.
Coutinho vendeu tudo quanto possuia em Portu-
gal e chegou com 60 colonos á bahia da Victoria, onde
fundou uma colonia que chamou do Espirito-Santo.
Tendo vencido os naturaes que vieram atacaI-o,
fundon nma outra povoação que chamou Victoria e
que actnalmente é a capital do Estado.
A principio achou-se em desaccôrdo com Pedro
de Goes, donatario da capitania da Parahyba do Sul,
sna confinante, por questões de limites; mas em ] 539
entraram en negociações e chegaram a nm resultado
favorayel para ambas as partes.
Em 1552 Va~co Fernandes Coutinho partiu para
Lisboa, deixando o governo da capitania a D. Jorge
de Menezes. Os Tupininquins, poderosa tribu que
habitava este territorio, atacaram aos portuguezes,
mataram a D. Jorge de Menezes e depois a D. Simão
Castello Branco que lhe succe.dêra no governo.
Em vista de uma carta enviada por Thomé de
Souza, governador-geral, ao rei de Portugal,resolven
este ordenar a Vasco Fernandes que fôsse residir na
Sua capitania; ahi chegando o donatario e não po-
dendo sustentar por mais tempo a soa colonia por
cansa da insnbordinação de alguns colonos e das con-
stantes lutas contra. o gentio, falleceu dentro em breve
na. maior miseria.
- 184-

Em 1592, esta capitania repellill denoda.......


mente o ataque de nm capitão do pirata inglez 'Ca-
vendish, chamado Roberto Morgam.
. Em ~625, auxiliados os seus habit.antes por Sal-
vador Corrêa de Sá, repelliram o almirante Pieter
Heyn, que com alguns soldados húllandezes vieram
atacaI-a.
Em 1640, foi repellido um bando de hollandezes
capitaneados por João Delchi.
Antonio Luiz Gonçalves da Camara Coutinho,
descendente do donatario, vendeu por 40.000 cruza-
dos a Francisco Gil de Antujo o direito que tinha
sobl'e as terras da colonia j e no começo do seculo
XVIII, D. João V fez revertel·o á corôa resgatau-
do-as pelo mesmo preço a Cosme Rollim de Moura,
ultimo donatario j desde então passou esta capitania
a ser governada por capitães-mores, dependentes da
Bahia.
Em 17Q9, foi elevada á capitauia independente.
Em 18U9, D . João VI considerou -a como inde-
pendente e nomeou o seu primeiro governador Ma-
noel Vjeira (le Abulquerque r.L'ovar.
Em I S24foi considerada como provjncia do Brasil
por ter adherido á independencia do Imperio.
E' neste Estado que descansam os restos moI'-
taes do verdadeiro apostolo da religião José de An·
chieta.
Capital.- Victo1'ia, 7,000 habitantes, do lado oc-
cidental da bahia do Espirito-Santo j d'entre os se~s
edificios são dignos de menção: a egreja matriz, a 1ll1-
sericordia, o palacio do governo, a egreja da Penha,
dous conventos, um dos carmelitas e outro dos fran-
ciscanos, e muitos outros.
Cidades.-Anchieta, antiga vílla de Benevent~,
fundada pelo padre Auchieta e com important.e mOVI-
mento commercial.- S. 1Jlathens, á margem do rio do
seu nome, muito commerciante e com grande expor-
tação de mandioca, assucar e café.- 8en'a, au norte
- 185-
da capital.- Caclzoei1'o, ex-colonia Leopoldina, e a
50 kilometros da capital.-Cacl,oeÍ1'o de ltapemm·im.
Villas principaes.-Itapemm·im, á margem meri-
dional do rio do mesmo nome e com grande commercio
de madeiras e assucar.-Barm de Mathells, na foz do
rio deste nome.-Aleg?'e.- Espi?'ito-Santo, antiga
capital.- GuamlJa?'im.-Linha?·es.-Santa Cruz.-
Vianna.
População.-l06,OOO habitantes, ou 2,3 habi-
tantes por kilometro quadrado.
Instrucção publica.-Contam-se cerca de 100 es-
tabelecimentos de instrucção primaria e secundaria
com uma freql1encia de cerca de 3,000 alumnos. A
verba consagradl1 a este ramo administrativo foi
de 158.0:20~OOO em 1889.
Divisãojudiciaria.-Faz parte da Relação do Rio
de Janeiro e consta de seis comarcas e 15 municipios.
Divisão ecclesiastica.-Está sujeito á diocese da
cidade do Rio de J aneil'o e comprehende 30 parochias.
Estrada de ferro.-A que ha de ir de Victoria á
Natividade; e a de PhiIadelphia a Caravellas.
Pharoes.-O de Santa Luzia., situado no morro
do mesmo nome, do lado sul da entrada da bahia do
Espirita-Santo; sua luz alcança 12 milhas;-o da ilha
do Prancez, situado no cume da ilha do mesmo nome;
sua luz alcança 12 milhas.
Agricultura, Commercio e Industria. - Si não
fôsse a falta de braços e de vias de communicação, ao
agricultura deste Estado teria grande desenvolvi-
mento, porque o sen solo é um uos mais productivos;
os seus pontl)s maü:l cultivados são os'que estão pro-
ximos ás costas; em todo o caso a cultura do café vai
tomando algum desenvolvimento e com elia a da canna
de assucar, do algodão e dos cereaes. O seu commel'cio
es~á em communicação directa com o do Rio de J 80-
neIro, para onde são enviados os seus productos.
A .industria se acha pouco desenvolvida; as ma-
deiras são os principaes productos de exportação.
186 -

PRODUCÇÕES

Reino vegetal. -Existe grande quantidade de ma·


deiras proprias para construcções, marcenaria, car-
pintaria, tinturaria, etc. ; grande variedade de pla.ntas
medicinaes como a ipecacuanha, alcaçuz, quina, pa-
roba ; a baunilha ahi existe em quantidade e mais o
café, cacáo, algodão, etc.
Reino mineral. - Ainda que ponco explorado en·
contra-se: ouro, magnete, amethistas, diamantes,
marmore, argillas, etc.
Reino animal.-Pouco differe do dos outros Es·
tados vizinhos.
HOMENS ILLUSTREs.-Este Estado é o berço do
abastado negociante Domingos José Martins, de Gon-
çalo Soares de França e de Manoel de Freitas Ma·
galhães.
- 187-

CAPITULO XII

ESTADO DO RIO DE JANEIRO (~)

Generalidade~

Posição geographica.- Ao N. o Espirito·Santo e


Minas-Geraes; a L. o oceano Atlantico; ao S. o
Atlantico, o Districto Federal e o Atlantico; e a O.
S. Paulo.
Posição astronomica.-Está situado entre 20° 50'
'e 2;l° 19' de lato austr.; 2° 9' de longo oriental; e
1° 42' da occidental.
Linha limitrophe.- Com o Espirito-Santo já foi
discriminada precedentemente;- com :M.inas-Geraes
passa pelas serras do Batatal, Gavião, Frecheiras e
Santo Antonio, pelo rio d'este nome, ribeiro Pirape-
tinga, rios Parahyba do Sul, Parahybuna e Preto e
pela serra da Mantiqueira i-com S. Paulo, pelo ri-
beirão do Salto e serras da Carioca, Arir6, Bocaina,
Geral e Paraty;- e com o Districto Federal, pelos
rios Guandú-mirim, Mirity e GuandÚ-assú.
Superficie. - 68.982 kilometros quadrados.
Relevo e aspecto do s610. -Cerca de tres quartas
partes do territorio são montanhosas; da serra dos
Orgãos que se dirige de oeste para léste, destaca-se
um ramo para o sul, divisa d' este Estado com o de
S. Paulo; o littoral, geralmente plano, é em alguns
pontos lacuno O. Além da serra Geral desdobra-se o
magnifico valle do Parabyba do Sul.
Temperatura e clima.-A sua temperatura media
annual é extremamente variavel segundo as altitudes;

1°) Esta donominação Ibe foi dada por Gonçalo Coelbo pelo
facto de neJle aportar a 1 de Janeil'o de 1502.
- 188 -;

quanto á da capital pouco differe do Districto Federal


que lhe fica fronteiro. Seu clima é variadissimo e
geralmente saudavel; TheresolJolis, Petropolis e Nova·
Friburgo, são as localidades mais pittorescas do Es-
tado e de preferencia escolhidas para a residencia
das famílias abastadas durante a estação calmosa.

DESCRIP çÃO PHYSICA


Geomorphog.·aphia

Orographia.-As principaesserras d'este Esta~o


pertencem ao systema da Se:rra do Mar (excepto a
Mantiqueira)j a contar de S. Paulo, toma os nomes
de Est?'ella, Petropolis, Orgãos, Subaia, Bõa- Vista
Fribu?"go e Imbé; Ting~tá, Quimbim, Paqueque:r e
outras são suas ramificações. Além d'estas encon-
tram-se a da Ponta-Negra, da. Carioca, das Lages e
de S. João d' Agua- Q'uente.
Nesographia.-Difficil é uma discriminação exacta
do grande numero de ilhas que odam o littoral; resu-
midamente contam-se como mais importautes: a COIII-
p7"ida, dos Papagaios e dos Porcos, proximas ao Cabo
Frio; o pequeno gTUpO das ilhas de Ma?'icá entre as
pontas N,·gra e de Itaipúj a de Mam?nba~a, coberta
de mangues e que se extende 11~ sentido la.titudinal a
começar da ponta de Mangaratlba; o grupo de Santa
Anna a 5 milhas da foz do rio Macahé; e a nha·
Gmncle, ao SOo do Estado e á entrada da enseada
de Angra dos Reis, junto da qual existem muitas
outras como do Jorge a'rego e da Giboia.
Acrotériographia.-São mais dignos de especial
menção: os cabos de S. Thomé, o ponto mais oriental
do Estado; o P?"io, ao sul da cidade do mesmo nome;
e o dos Castelhanos e Dmgo a léste e ao sul da i1h~'
Grande; as pontas: Negm, no Municipio do RIO
-189 -

Bonito; de Itaipít, no municipio da capital; de .Toa-


tinga e da Trindade no municipio de Angra dos Reis,
sendo esta ultima o ponto mais meridional do Estado.

Hydrogl-aph ia

Vertentes. - As do Atlantico e rio Parahyba do


Sul.
Colpographia.- A magnifica balria de Guanabara
ou do Rio de Janeí1'o, a mais importante da America
do Sul e cuja barra tem 1500 metros de largura, fican-
do-lhe á direita a enseada da Jnnljllba, é a mais im-
portante; observam-se ainda as enseadas ele Sepetiba,
formada pela restinga ele Marambaia; de Angra elos
Reis com magnifico porto; da Bana de S, Joc70 i e os
portos de S. Jorro da Ban'a, ljuasi na foz do rio
Parahyba e o de MacaM na foz do rio do mesmo nome.
Potamographia. - O principal é o Pa1'CIJhyba elo
Sul que nasce em S. Paulo, nos campos da Bocaina,
com o nome de Pamhytinga até receber o Pamhy-
bUM; proseguindo d'ahi no rumo geral de N E. até
receber o Pomba, toma depois sinuosamente a dire-
CÇão de L. até entrar no oceano ao N. do cabo de S.
Thomé. Os seus mais importantes subsidiarias neste
te~'fitorio são: pela marg. dir. o Vennelho i o dos Ba1"
?'ewos i o Bananal; o Ban'a lllansa que desagua um
pouco abaixo da cidade d' este nome; o Pimhy, que se
lança no sitio denominado Ban'a i o Piabcm1tcIJ que
d'entre outros recebe o das Am1'as e o P1'eto que por
Sua vez recebe o Paqueqluw-Pequeno i o Paquequer
qUe desagua além de Porto-Novo; e o Dous-Rios
formado pelos rios Gmnde e Neg1'o ;-pela marg. esq:
o do Salto; o Pirapetinga i o TtlJ1'vo; o Pamhybuna,
seu maior tributario e consideravelmente avolumado
de.pois de receber o P1'eto; o Pi1'apetin,qa que vem de
Minas; o Pomba; e o MU1'iahé que tem por principal
contribuinte o Carangola.
-- 190 -

Vão fenecer no Atlantico :


o Itabapoa1la, raia entre o Rio de Janeiro e o
Espirito-Santo;
o Macahé com 200 kil. de cur:'o e avolumado
com as agnas do S. Ped1'o;
o ,S João, que vindo da serra. do Sambê, atra-
vessa em toda a sua extensão o lago Juturnahyba,
repositorio das aguas do Bacaxrí e Aldeia.
O Macabí~ e o Umncahy lançam-se na lagõa Feia.
O Macacú que recebe o Pimssinunga e o Cassa·
're}í~, o IgHassí~, o lrajá, o Ja1'apMhy e outros lançam-
se na bahia de Guanabara.
O Gccandú, que nasce com o nome de Sant' Anna,
recebe d'entre outros: o Lages, o do OM1'O, e o
Gllandú-mi1'im e lança-se na enseada de Sepetiba.
O Mambucaba, S. Gonçalo, A1'iró, Tapuar1j e
Pamquê-as8t"i despejam suas aguas em Angra dos
Reis.
Limnegrapbia. - São as mais notaveis: a de
A1'a1"Mama ou lrincamcc, perto de Cabo-Frio e com 36
kilometros de comprimento sobre 12 na sua maior
largura; communica-se com o mar por meio de um
canal chamado Itajurú; n'ella encontram-se algumas
ilhas como a de S. Luiz e Corôa da Barra; a de Ma·
1'icá que banha a villa do mesmo nome; a do Bmn
JeSltS; a de Saqua1'ema; fi, de Jldu1'nahyba; a de 1m-
boacica; a Fêia, a maior de todas a O. do cabo de S.
Thomé; a do CamlJello; a do Paulista e a de Ctt-
nlpim.

DESCRIPÇÃO POLITICA

I'!oçães historicas.-O territorio d'este Estado


fazia parte da capitania. de S. Vicente, doada a Mar-
tim Affonso de Sonza, da de Cabo-Frio e S. Thomé:
Logo depois do descobrimento do Brasil el-rel
D. Manoel enviou uma expedição com destino á DOva
- 191-

terra descoberta e cujo commando confiou a Gonçalo


Coelho que chegou ao Rio de Janeiro em 1° de Ja-
neiro de 1502.
Diversos navegadores entraram neste porto:
João Dias Solis em 1515; Fernando Magalhães e
Ruy Falleiro a 13 de Dezembro de 1519. os quaes
ignorando que já fosse por outro descoberto, deu-lhe
o nome de Santa IJuzia; e finalmente Martim Affonso
de Souza em Abril de 1531, onde se demorou cerca de
4 mezes.
Pelos fins de 1555 Nicolau Durand Villegaignon,
vice-almirante de Bretanha, protegido por Coligny,
entrou na bahia do Rio de Janeiro com uma expedição
de dois navios e, engariando a sympathia dos Ta-
moyos, fundou um estabelecimento colonial e construio
um forte a que deu o nome de Coligny, guardando a
denominação de Henriville para a povoa.;ão que fun-
dasse em honra a Henrique II, rei de França.
Discordias suscitadas entre os novos povoadores
da America fizeram com que Villegaignon castigasse
severamente os cabecilhas, provindo-lhe d'esse facto
grande odiosidade da parte dos seus subordinados.
Em 1557, um seu sobrinho Bois-Ie-Comte chegou
a esta parte da America com importantes reforços
trazidos de França.
Mem de Sá, que succeden no governo geral do
Brasil em 1558 a Duarte da Costa, durante muito
tempo pedia auxilio a. Portugal para expulsar o ini-
migo invasor; tendo finalmente recebido um reforço
sob o commando de Bartholomeu de Vasconcellos da
Cunha, organison uma expedição e entrou na barra
do Rio de Janeiro em 1560.
. Mem de Sá não quiz -atacar o inimigo sem uma
Intimação prévia; e sendo mal recebida, mandou
atacar e bombardear a ilha.
Villegaignon já não se achava mais á frente do
commando, pois que tendo anteriormente abjurado o
ca.lvinismo, retirara-se para a Europa sob pretexto
- 192-

de ir buscar algum reforço, onde os calvinistas lhe


deram o epitheto de Caim da Ame1·ica.
Depois de tres dias de resistencia os francezes se
renderam, fuginno muitos.
Mem de Sã tratou de arrazar o forte; e julgando
o inimigo incapaz de occupal·o, partio para a capiM
tania de S. Vicente.
Os francezes voltaram a occupal-o e auxiliados
pelos Tamoyos e por alguns compatriotas que trafica-
vam pelas costas vizinhas, conseguiram reedifical-o e
fortaleceram-se em diversos pontos.
Resolvendo a Côrte de Lisbôa expulsaI-os defini-
tivamente, enviou tuna expedição sob o commando de
Estacio de Sã, sobrinho do governador, que che-
gando á. Bahia, recebeu ordem de seu tio para ir
atacaI-os.
Com um reforço que anteriormente trouxera des-
embarcou Estacio de Sá perto do Pão de Assucar e
lançou os fundamentos para a construcçã,o da nova.
cidade que se deveria chamar de S. Sebastião, em
memoria ao rei de Portugal e empregou todo o anno
de 15f>5 em atacar os fl'ancezes e os Tamoyos sem a.
victoria se decidir para qualquer das partes com·
batentes.
Anchieta, que tinha id.o do Rio de Janeiro á Ba-
hia, scientificou a Mem de Sá sobre o estado de seu
sobrinho, o que fez com que elJe viesse com o bispo D.
Pedro Leitão e Chri tovam de Barros, em seu soccorro
com-algum reforço trazido do Espirito-Santo e de
S. Vicente.
O governador chegou á barra do Rio de Janeiro
a 18 de Janeiro de 1567 e fazendo juncção das suas
forças com as de seu sobrinho, combinou dar um as-
salto no dia 20, visto ser o dia do santo padroeiro da
nova cidade.
Depois de porfiada peleja, na qual morreu Es~'
cio de ~á, victima de sua coragem, pendeu a victorIa
para o lado dos portuguezes.
193 -

Mem de Sá tratou de transferir a cidade para o


morro de S. Januario, depois Castello, e nomeou para
snbctituir a Estacio de Sá, um outro -seu sobrinho
Salvador Corrêa de Sá.
O inclio Ararigboia (I), depois Martim Affonso,
que viera do E pirito-Santo com Mem de Sá, recebeu
em recompensa aos serviços prestados duas leguas de
se~mal'ia situadas do outro lado da bahia onue se fun-
daram as colonias de S. Lourenço e Icarahy.
Esta cidade desenvolveu-se por tal fórma, que
em 1573, dividindo D. Sebastião o governo do Brasil,
designou a cidade de D. Sebastião para a séde do go-
verno geral das capitanias do sul, sendo o eu pri-
meiro governador-geral o Dr. Antonio Salema.
O seeulo XVII correu sempre prospero para esta
capitania.
Salvador Corrêa de Sá teve o titulo de capitão-
mór do Rio de Janeiro, conferido pelo monarcha rei-
nante D. Sebastião; mas tendo sido nomeado por
D. Felippe II superitendente das minas de ouro e
diamantes, confiou o govemo da capitania a Fran-
cisco Mendonça de Vasconcelios que governou interi-
namente até 1602, época em que entregou o governo
a Martim Corrêa de Sá, filho do capitão mór.
Foi neste seculo que se creou o bispado do Rio
de Janeiro; mas a licença dos costumes concorreu
grandemente para a del:lmoralisação da nascente co-
lonia.
Em 1710, sendo governador d'esta capitania
Franci co de Ca~tro Mames, foi elia atacada por
Dnclerc, que foi feito prisioneiro bem como todos os
seus.
Tendo Duclerc obtido a cidade por menagem foi
em uma uoite assassinado por dous individuos em sua
propria casa.

(1) Cobra rel'o~.


13 c, B.
- 194-

Em 1711 Duguay-Troin, pl'etextando vingar-se


da morte de Duclerc e do mão trato que tiveram os
seus, apoderou-se d'esta ci.dade sem encontrar a menor
resistencia por parte do governador Francisco Moraes.
Depois de saqueada foi resgatada por seiscentos
e dez mil cruzados, cem caixas de assucar e duzentos
bois para o abastecimento da esquadra durant.e a sn&
viagem para a Europa.
Antonio de Albuquerque Coelho de Carvalho,
que de Minas chegãra com algum reforço, foi teste-
muuha depte vergonhoso tratado e Castro Moraes teve
.como castigo da sua cobardia o degredo para &
India.
Em 1763 transferio-se o governador geral da co-
lonia portugueza da Bahia pa.ra a cidade do Rio de
Janeiro, em razão das lutas do Rio da Prata e desde
essa época até a chegada da familia real ao Brasil
(1808) foi governada por sete vice-reis, sendo o
primeiro o conde da Cunha e o nltimo o conde dos
Arcos.
Em 1821 esta provincia preparou o grito soltado
nas margens do Ypiranga e acompanhou depois &
todos os movimentos politicos como a Independencia
em 1822 j a abdicação de D. Pedro I em 1831; a
maioridade de D. Pedro II em 1840; a sagração eco,
roação do mesmo imperador no anno seguinte; o sen
casamento com D. Thereza Christina em 1843; e fi·
nalmente d'entre todos salienta-se a benefica evolu-
ção de 15 de Novembro de 1889 operada no imperio
decahido.
A primeira estrada de ferro do Brasil, a de Mauá
a Petropolis, foi construida neste Estado.
Capital. -Niterõy, antiga Villa-Real da Praia-
Grancle, cerca de 20.000 habitantes, á margem
oriental da bahia do mesmo nome e em frente ao Dis·
tricto Federal j acha-se dividida em dois bairros que
sáo: Praia- G'l'ande e S. Dom,ingos. No primeiro é
- 195-

onde se acha o centro commercial do Estado e onde se


encontram as principaes repartições publicas; possue
beilas ruas largas e bem alinhadas e a pittoresca fre-
guezia de S. Lourençu faz-nos lembrar o seu funda-
dor o indio Ararigboia ; no segundo é onde se acha o
palacio do governador, grande numero de casas e jar-
dins elegantemente construidos sendo por isso prefe-
rivel á Praia-Grande para morada das principaes fa-
mílias que durante o verão vão banhar-se na magnifica
praia de Icarahy, o ponto mais lindo do Estado. Seus
principaes edificios são: o asyl0 de Santa Leopoldina,
o collegio dos padres salesianos, o hospital de S. João,
a penitenciaria, a camara municipal, a escola normal,
o theatro de Santa Thereza, o qnartel de policia, a
directoria de fazenda, a polyclinica, a matriz de
S. João, a elegante p.greja de S. Lourenço, a fabrica
de fundição da Ponta d'Arêa, e a caixa d'agua da Vi-
ceneia; possue tambem elegantes jardins como o
do rngá, de Icaraby e do conselheiro Pinto Lima e é
defendida pelos fortes ele Gragoatá e Bôa-Vista. Tem
uma regular companbia de bonds que estabelece facil-
mente a communicação da capital com os arrabaldes e
acha-se ligada á Capital Federal por uma linha regu-
lar de barcas que grandemente prejudicam o seu com-
mercio e desenvolvimento.
. Cidades. - CCt1nl1os, cerca de 25.000 habitantes,
pnmeira cidade elo Estado, situa<1a sobre o rio Para-
hyba do Sul e muito commerciante e industriosa; seus
princi paes edificios são : a casa de mi. ericordia, o
ho pital da beneficencia portugueza, a e tação da es-
trada de ferro Macahé e Campos, o tbeatro de S. Sal-
vador e a intendencia; acha- e actualmente illumi-
nada a gaz e luz electrica e é ligada a Macahé por um
l~n~o canal; outr'ora fez parte da provincia do Es-
PlI'Ito-Santo; além de seis regulares engenhos centraes
tem 14 estabelecimentos ele criação de animaes. -Pe-
tropolis, outr' ora Corrego 8ecco, antiga colonia de a
lemães e residencia de D. Pellro de Alcantara duran
- 196-

a estação calmosa; é regada pelo rio Piaba.nha,


acha-se situada na serra da Estl'ella a 800 metros
acima do nivel do mar e mnito se r~commenda pela
abundancia e qualidade de seus fructos e principal-
mente pela amenidade· do sen clima o qne a torna
procnrada de preferencia. pelas principaes famílias;
seus principaes edificios são: a escola domestica de
N. S. do Amparo, a ca a de carid~de, a bibliotheca
popular e as importantes fabricas de tecidos do Páo
Grande, de S. Pedro d' Alcantal'a e da Oascatinha j
as industrias de lacticinios e de cervejas tem abi
crescente incrementa.-Angra dos Reis, porto maritimo
e numa ponta do continente i esta denominação lhe
foi dada por Martim Afl'onso de Sousa e é uma das
mais antigas localidades do Estado, pois em 1608 foi
elevada á villa ; ao sul fica-lhe a Ilha-Grande, uma
de suas parochia e onde está o Lazareto; é este um
municipio de grande futuro industrial a julgar-se pelos
seus numerosos engenhos de assucar e aguardente.-
Pamty, municipio maritimo á margem occidental da
bahia de Angra dos Reis, com importante lavoura de
canna e não menos industria da pesca.-Cabo-Frio,
municipio maritimo situado no cabo do mesmo nome e
passa por ser a mais antiga localidade tlo Estado; ê
de alguma importancia o seu mercado de productos de
peqnena lavoura, bem como o de peixes salgados.-
Pimhy, municipio central á margem do pequeno rio
do mesmo nome e com importantes lavouras de café.-
Ba1"l'a Mansa, banhada pelo cônego do mesmo nome,
affl.uente do Parahyba e uma das estações da E trada
de Ferro Central j a colouia de Porto-Real, ahi e ta-
belecida está em crescente prosperidade e conta um
bem montado engenho central; a cidade pos ue um
theatro, bibliotheca popular e casa de misericol'dia.-
Cantagallo, banhada á alguma distancia pelo rio }Ia-
cuco e a 7 km. ua estação central, percorrido~ por uma.
linha de tramwaysj é um municipio exclu ivamente
agrícola que compl'ehende a zona cafeeira mais valiosa.
- 197-
do Estado.-Capiva1·y, munieipio central servido pelo
ramal do Rio Bonito, da Estrada de Cantagallo e com
importante lavoura de eafé.-Macahé, á foz elo rio do
mesmo nome, com bom porto de mar, o de Imbetiba;
exporta assucar e café e coru uma estrada de ferro que
vae a Campos.-1lIagé, municipio com porto marítimo
na bahia elo Rio de J alleiro e com commercio activo de
productos de pequena lavollra.-Nova-Fl"ib~wgo, atra-
vessada pelo carrego Bengala, uma das estações da
ferro-carril de Cantagallo e primitiva colonia de suis-
sos fundada em 1820 por D . João VI ; situada a 850
metro acima do nivel do mar é extremamente salubre
e gosa de um clima amenissimo; as suas terras são
geralmente aproveitadas para a cultura de fmctos e
legumes; ha ahi um importante estabelecimento hy-
drotherapico.-Parahyba do Sul, municipio situado á
margem do rio que lhe dá o nome e que muito se re-
commenda pela sua pri vilegiada zona agricola propria
para a cultura do café e da canna de assucar.-Re-
zende, na extrema occidental do Estado, é um munici-
pio essencialmente productor do melhor café, da canna
de assucar, cereaes e legumes; a magnificas planicies
de Itatiaya offerecem valiosos recnrsos para a criação
de gado; a vinicultura e a industria de lact.icinios
são (le um esperançoso futuro. - Santa Mm'ia
Magdalena, notavel pela amenidade do seu clima e
recommendavel sob o ponto de vi ta agricola. - S.Fi-
delis, um dos centros industriaes agrícolas mais
florescentes do E tado; ha ahi para. cima de 30 en-
genhos pequenos, sem fallar no central da Ptt1'eza e
a cultura do café, da canna de a sucar e da vin1Ja faz
concurrencia aos Estados mais prodllctores.-S. João
~a Ban'a, á, margem direita do Parahyba, com um
Importante engenho central ('usina Ba1'cello~) e tem o
café e a canna de assucar como os principaes ramos
de cultura; outr'ora o seu porto foi de admiravel
desenvolvimento commercial, quando exportava os
productos a.gricolas da zona hoje servida pela estrada
- 198-

de ferro.-Sapucaia, cidade recente e de esperançoso


futuro, a julgar-se pela sua prospera agricultura.-
Valença, municipio central, servido pelos ferro-carris
União Valenciana e Santa Thereza de Valença, que se
liga á Estl'ada de Ferro Central e com importante
lavoura de café e cereaes. - Vassou1'as, cerca de
7 kilometros distante da Estrada de Ferro Central e
percorridos por uma ferro-carril; a sua lavoura é uma
das mais ricas do Estado .-Canno, nas divisas com
Minas-Geraes.-Rio-Bonito, servida por um ramal da
estrada de ferro de Calltagallo e situada em uma
uberrima zona, e S Antonio de Padua.
Villas principaes .-The?·esopoli~, na serrados Or-
gãos e, pela amenidade do sen clima, del'tinada a as-
sumir notavel saliencia sobre as demais localidades.-
Igllassú, á margem do rio do mesmo nome e outr'ora de
grande tlorescimento.-Amnlwnct, perto da lagôa, que
lhe den o nome, industrial e agricola.-Bar?·a de
S .João, situado ·no littoral e com desenvolvida indus·
tlÍa do preparo de madeiras.-Est1·ella, banhada pelo
Inhomerim, com uma grande fabrica de tecidos de
algodão, em estado decadente.-Itauom7ly, proxima,á
capital e com exportação de assucare café.-Itagttaliy,
com uma ferro-carril para o curato de Santa Cruz. -
Manga1'atiba, porto maritimo de pouca importancia,
confinante com Angra dos Reis.-Ma1'icá, á margem
da lagõa do mesmo nome.-Rio-Cla1·o, cuja industria
dominante é a do café. -Sant' AmUL de JJtIacacít j á
margem do rio Macacú; a industria principal consiste
no córte da madeira para lenha e carvão.-SaquaTema,
proxima á Ponta-Negra, localidade antiga e com
pequeno commercio.
População.-1,200,OOO habitantes, ou 17,4 por
kilometro quadrado.
Ins trucção publica .-A secundaria é dada na es-
cola normal, no lycêo Bithencourt da Silva e Infancia
Desamparada e em varios collegios particulares; e 8
primaria em diversos estabelecimentos publicos e
- 199-

particulares e escolas mixtas estabelecidas nas cidades


vilias e povoações do Estado em numero superior a
800; ba uma frequencia média de cerca de 32,000 es-
tudantes. A verba consagrada a este ramo adminis-
trativo em 1889 foi de 1.137:490~000.
Força publica.-Consta de um regimento policial
dividido em dous corpos, um de infantaria e outro de
cavallaria, com 1,200 praças.
Divisão judiciaria. _. Faz parte do tribunal da Re-
lação do Di8tricto Federal e consta de cerca de 30
municipios.
Divisão ecclesiastica.-Faz parte da Diocese de
S. Sebastião e tem 128 parochias e 1 curato.
Estradas de ferro.-Consta de 20, a saber: a
Central do Brasil que, partindo da Capital Federal,
divide-se neste Estado em tres ramaes : o de Belém a
Macacos, o de S. Paulo e o do Porto-Novo do Cunha;
a da Leopoldina com um ramal para PiralJetillga e
outro para o Sumidouro; a de Cantagallo com um
ramal para o Rio-Bonito; a de Macahé e Campos; a
de Carangolla e ramaes; a de Santo Antonio de Padua;
a de Santa Isabel do Rio-Preto; a União Valenciana;
a do Rio das Flores; a Pirahyense; a de Rezende e
Arêas; a do Principe do Grão-Pará; a do Rio do Ouro;
a do Norte; a de Piedade a Theresopolis; a do Barão de
Araruama; a de Campos a S. Sebastião j a de Maricá ;
a de Vassoura,s, e a de Para.hybuna e Rio das Flôres.
. Pharóes.-O de Ca7:o-Frio, no logar chamado Fo-
cmho do Cabo; sua luz alcança 20 milhas j o do cabo
de S. Tlzomé, com o alcance de 10 milhas. .
Agricultura, Commercio e Industrias. -O café, a
p~incipal fonte da riqueza agricola, foi por ordem do
VIce-rei, Marquez do Lavradio, cultivado em logar
proximo ao convento da Ajuda j de quatro ou seis ar-
~ust?S, que eram, são hoje encontrados em numero
mfimto, podendo-se até dizer que, em algun. logares,
substituiram as nossas flore tas; dahi foi tran plan-
tado para as outras capitanias. Este producto tem
- 200-
conquistado os primeiros premios nas exposições es-
trangeiras.
A canna de assucar pôde ser considerada como
o segundo thesouro agTicola, segtúndo-se outros pro-
dnetos como o fumo, a mandioca, os cereaes e outros
que são cultivados em uumerosos estabelecimentos
agricolas e cujo numero é avaliado em cerca de 10 000.
E' o Estado do Brasil que mais desenvolvida agri.
cultura apresenta.
O seu commercio acha·se em communicação di·
recta com a Capital Federal por meio de estradas
de ferro e de pequenas embarcações; esta exporta
por sua vez para o estrangeiro.
A sua industria consiste principalmente no pre-
paro do café e madeiras e no fabrico da aguardente,
do assucar, da manteiga, bem como são muito procu-
rados os afamados queijos de Petl'opolis, a saborosa.
farinha de Suruhy e.o excellente 'peixe salgado de
Cabo-Frio; a industria ceramica tem proporções para
grande desenvolvimento.

PRODUCÇÕES
Reino vegetal. - Comquanto devastadas pelo
fogo para o estabelecimento da agricultura, abundam
as snas mattas em madeiras proprias para todos os
trabalho:;; são igualmente encontradas: muitas ar-
vores fructiferas, d'entre as quaes destacam-se as
goiabeiras e cajueiros, cujos fmctos são. vantajo.s~­
mente aproveitados pela industria, plantas medicI-
naes, toxicas, textis, oleosas e outras.
Reino mineral.-O ouro, ainda que em diminuta
quantidade, o marmore em Campos, o ferro, o gra-
nito, a turfa, as argilas e outros, são os repres en ·
tantes d'este reino.
Reino animal.-Posto qne ba tante despovoado,
em razão da rapida occnpação do territorio pela
- 201-

crescente civilisação, encontram-se ainda: o porco


do matto, a anta, o jacú, a pac , a jacutinga, a ca- .
pivara, a onça, os macacos e illfimita quantidade de
aves que descem das montanhas pelo rigor do in-
verno.
HOMENS ILLUSTREs.-Tiveram por berço este Es-
tado: os poetas Casimiro de Abreu e Fagundes Va-
rella; o habil pintor José Leandro de Carvalho; o
notavel musico José Mauricio Nunes Ga.rcia; os ce-
lebres politicos Joaquim José Igllacio Tavares (Vis-
conde de Itaborahy), José CarneirO' da Silva (vis-
conde de Uberaba) e lVIarianno José Pereira ela Fon·
seca (marquez de Maricá); os habeis medicos Fran-
cisco Julio Xavier e João Alvares Carneiro; o
patriotico Francisco de Lima e Silva (reg'ente do im-
perio); o valente militar Garlos Miguel de Lima e
Silva; o pranteado romancista Joaquim Manoel de
Macedo e muitos outros.
- 202-

CAPITULO XIII

DISTRlcrü FEDERAL (1)

Generalidades

Posição geographica. - Ao N. o municipio de


Iguassú; ao S. e L. o Atlantico ; e a O. o municipio
de Itaguahy.
Posição astronomica.-Está situado entre 22° 43'
e 23° 6' de lato austral; 4' de longo oriental e 35' oc-
cidental.
Linha limitrophe. - Já tratada precedentemente
no Estado do Rio de Janeiro.
Superficie.-1,982 kilometros ,!uadrados.
Relevo e aspecto do s010.-0 seu territorio S8
eleva á medida que se afasta do littoral e é eortado
por alguns ribeiros de pouca importancia: a zona
propriamente da cidade é em parte montanhosa.
Temperatura e clima .-As observações feitas
no Observatorio Astronomico accusam a média da
temperatura annuaI entre 23° 53 e 24° 60 C. j os
mezes mais quentes são Janeiro e Fevereiro ao passo
que o de Julho offerece-Ihes sensivel contraste. O sen
clima é muito variado e geralmente saudayel, excepto
em algnm~s épocas do anno em que reinam a febre
amarella e a variola; as febres intermittentes e a tu·
berculose pulmonar fazem tambem grande numero de
victimas.

(1) Denominação dada pela nova Constituição em sub;:tituiçllo


a de Municipio d!~ CcJrle.
- 203

DESCRIPÇÃO PHYSICA
GeoDlorphographia

Orographia .-As serras do Bcm,qú, de Jaca'ré-


paguá e da Ca?·ioca são as principaes j ainda notam-se:
os morros de Santa T17e'reza, o mais povoado e per-
corrido em grande parte por uma linha de bonds j
o do Nhéco j do Pinto j do Castello onde se acha o
Observatorio Astronomico j do Cm'covado com uma es-
trada de ferro e a 710 metros acima do nivel do mar j
da Glm·ia, doado por Claudio Gurgel do Amaral para
a construcção de uma egreja, que de facto demora no
!\euplat6; da Viuva, a 990 metros de altitude e com um
reservatorio d'agua j da Tijuca, dominado pelo Bico
do Papagctio e muito recommendavel pelo seu clima;
da GalJêa cujo pico attinge a 748 metro ; de S. An-
tonio com um convento de jesuitas j de S. Rodri-
gues j da Babylonia ; do lnglez ; do VC6lon,qo; de São
Bento, onde se acha ú mosteiro que lhe deu o nome
e sob cujas expensas funcciona um curso regular de
humanidades; do Livramento; da Conceição, onde se
a~ha edificado o palacio de bispo j o do Senc6do, em
VIas de arrasamento; de S. Diogo j e do Pão de Assu-
~?', a 385 metros (1) de altitude, montanha de gra-
nIto, coniforme, á entrada da barra e sobre cujas
bases esta project:tda a erecção de uma estatua em
homenagem a Christovam Oulombo.
Nesographia.-São calculadas approxid~Lmente em
SOas ilhas e ilhotas dependentes d'esta região e que se
acham e palhadas pela bahia do Rio de Janeiro e im-
mediações do littoral j estão no primeiro caso: - a da
Lage, rochedo que se ergue á entrada da barra e uni-
camente occupado pela fortaleza do mesmo nome j

(I) Segundo Bellega"de,


- 204-
-a do Goven~ador, assim chamada do governador Sal·
vador Corrêa de Sá, outr' ora ilha dos Sete Engenhos i
é a maior de todas e tem 20 milhas de circuito i-a de
Paquetá, notavel pelo seu aspecto pittoresco i -a dos
F'rades, ou da Caquei?Oacla, com pouco mais de 3 kilo·
metros de comprimento i-a da Sap~tCaia, deposito (los
residuos de economia dome::;tica j-a do Fundão, cha·
mada dos Gatos, por Pizarro i- a das Cobms, com uma
das ltependencias do Arsenal de Marinha e com umim·
portante diquej-a de Vtllgaignon antiga das Palmei-
ras com uma bem fortificada fortaleza;-a do BOIn
Jesns, onde se acha o Asylo de Voluntarios da Patriaj
-a Fiscal, antiga Rata, com o magnifico edificio em
estylo gothico, dos guardas da Alfandega i-a do Bo·
quei?Oão que serve de deposito da polvorai-a das En·
xadas, onde está a escola da mari:úha j- a dos Fel'·
'reiTOS ;- a das Moças;- a do Galeão com um im-
portante Asylo; -a de S. BCtTbam i- e a das Flôres
onde se acha a hospedaria para os emigrantes. Estão
no segundo caso, isto é, acham·se fóra da barra;-
a Rasa com um pharol e as circumvizinhas das Palr
mas, Redonda, Comprida, e Alagacla, que ficam á
entrada da mesma ;-0 archipelago das Tijucas e as
ilhas do Funil e 4lfctvaca em frente á f6z do lago
J acarépaguá; a Semambitiba em frente á ponta do
Curupirá i-a do Tatzí., da Pesca?"ia e Guaraquoessaba
na enseada de Sepetiba i-a Rasa e outras menores
na barra da Guaratiba.

Uydrogl':lphia

Vertentes.-As do Atlantico e bahia do Rio de


Janeiro.
Colpograpbia.-A de Guanabct?"a ou Rio de la-
nei?Oo com 30 kilometros de comprimento e 28 na sua
maior largura e considerada como um dos melhores
portos do mundo; á esquerda da sua ent.rada estA a
- 205-
gracíosa ensea~a de Botafogo, Ol'lada de pittorescas
habitações.
Potamographia ,-Os qne se lançam no Atlantico
são: o Guandí6 que lhe serve de limite a oeste com o
Estado ,do Rio de Janeiro e tem por principal af-
fluente o Gzw,nclíHlú1'im; o Calmçí6 que se lança na
enseada de Sepetiba; e o Tij'uca.
Os que se lançam na bahia são: o Me'rity que o
separa do Estado do Rio de Janeiro ao norte e cujo af-
fluente principal é o Pamma; o prajá; o Fa1'ia;
o Andamhy; o Mamcanâ; e o Mcwaco que se lança
na lagôa Rodrigo de Freitas.
Limnegraphia.-A de Rodrigo de JjTreitas (1) em
cujas proximidades se acha o Jardim Botanico; a de
Jaca1'épaguà que se liga á de Cam01'im; e a de 1Jla-
pendy ao sul da. precedentes.

DESCRIPÇÃO POLITICA
Noções historicas. - Esta reg'ião fez parte da ex-
provincia do Rio de Janeiro até 1834; em virtude do
~rt, l° do Acto Addicional da Constituição, tornou-se
mdependente tendo uma administração inteiramente
separada e recebeu a denominação de Município da
Oôrte.
O Dist?'icto Fedeml é o centro do governo geral
do Brasil, nelle residem o presidente da Republica e
o corpo cliplomatico estrangeiro; funccionam o Se-
nado, o Congresso dos Deputados e as repartições do
governo.
Capital.-S. Sebastillo do Rio de Janei1'o ou Rio
de JaneiTo, capital dos Estados-Unidos da Republica
Brasileira, á margem occidental da bahia do mel'mo
nome e ~om 300,000 habitantes; é a primeira cidade

(II Alltiga acopemapan c anleriurmcnle Jlm'!im Soares,


- 206-

da America do Sul pelo seu commercio, industria, ri·


queza e população.
Acha-se dividida em tres partes que são: Cidade
Nova, Cidade Velha e suburbios; os principaes tra-
balhos d'arte são: o cáes da Gloria, o reservatorio do
Pedregulho, a caixa d'agua da Correcção, os di·
quesNacional e da Saude, as docas da Alfandega ede
D. Pedro II, o tunel da Gambôa, o plano incliuado de
Santa Thereza e o elevador de Paula Mattos, movidos
á vapor;- os principaes estabelecimentos e edificios
são: os arsenaes de guerra e de marinha, as escolas
militar, de marinha, superior de guerra, polytechnica
e de medicina; as escolas mnnicipaes de Santa Rita,
Gloria, S. Sebastião e S. José; o collegio militar; o
instituto nacional de instrucção secundaria; o pedago-
gúmnj a academia de bellas-artes, creada pelo cond.e da
Barca; o lycêo de artes e of:ficios para os dous sexos;
o lycêo litterario portuguez; a bibliotheca nacional,
illuminada á luz electrica, com cerca de 200,000 vo-
lumes, a primeira da America do Sul e varias outras
como: a municipal, a fluminense, de marinha e do
exercito; os asylos da infancia desvaliela da Cande-
laria, dos Voluntarios ela Patria, dos meninos desva-
lidos de Villa-Isabel e dos mendigos; o Instituto
nacional ele musica; o mu êo nacional; a santa
casa da misericordia; a imprensa nacional; o gabi-
nete portuguez ele leitura; a praça do mercado; a
estação ele S. Diogo; a alfandega; a estação da
Estrada ele Ferro Central do Brazil; o quartel·
general; e corpl) ele bombeiros; o gazometro; a
casa de correcção; a casa da moeela; o thesouro
nacional; o palacio da Bôa-Vista, ex-residencia ~e
D. Peelro de Alcantara; o con eio geral; o novo edi·
ficio rlestinado á praça do commereio; os baucoS
dos Estados Unidos do Brazil, Constructor, do Bra·
zil, Inglez, Commercial, Rural Hypothecario, etc. j
o palacio da agricultura; oCas ino fluminense i ?S
institutos dos cégos e elos smelos-mudos i o hospicIO
- 207-

nacional de alienados; o grande edificio da praia da


Saudade destinado ás escolas militares; os hospitaes
da benificencia portugueza, do Carmo, da Penitencia,
dos Lazaros, de Marinha e Militar; o novo arsenal
de guerra do Realengo em construcção ; acamara mu·
nicipal; e muitos outros. Seus principaes templos catho-
licossão: o da Candelaria, do Carmo, de S. Francisco
de Paula, do Santissimo Sacramento, do Bom Jesus,
d.a Cruz dos Militares, da. Gloria do Outeiro, de S. Be·
nedicto, de S. João Baptista da Lagôa, de S. Pedro,
de Sant' Anna, de S. José e de Santo Antonio; os con·
ventos d' Ajuda, de Santa Thereza, do Carmo e de
Santo Antonio. Os principaes cemiterios são: do
Carmo, de S. João Baptista, da Penitencia e de São
Francisco Xavier.
As principaes associações e instituições scien-
tificas, beneficentes e recreativas são: a Sociedade
Propagadora das BeIlas Artes, a Academia de Medi-
cina, a Sociedade Amante da Instrucção, a Geogra-
phica de Lisbôa, os institutos Historico e Geogra.phico
Brasileiro, dos Bachareis em Lettras,dos Advogados,
Pharmaceutico e Polytechnico; os clubs de Engenha-
ria, Naval e Militar; o Jockey-Club, o Club Gymnas-
tico Portuguez e o Club Guanabarense.
Os principaes theatros são: S. Pedro de Alcan·
tara, Lyrico, de Sant' Anna, Lucinda, do Recreio
Dramatico, das Variedades e Polytheama.
. Os principaes jardins e praças são: a da Repu-
blIca, com o primeiro jardim da America do Sul; o
Jardim Botanico; o Passeio Publico.: os jardins da
praça de Timdentes, onde se acha a e. tatua eque. tre
de D. Pedro I ; o da Praça do Duqlle de Caxias; o do
largo de S. Francisco de Paula, onde está a estatna
pedestre de José Bonifacio e o do Reservatorio do
Pedregulho.
Os principaesarrabaldes são: Botafogo,Lal'angei-
rB:s, Jardim Botanico,S. Ohristovão,Andarahy, rrijuca,
RIo.Comprido, Villa-Isabel, S. Thereza e Catumby.
- 208-

o Districto Federal se acha ligado á Europa,


Estados-Unidos da America do Norte, republicasvizi·
nhas e diversos Estados por meio de uma grande
quantidade ele fios telegraphicos e a communicação
entre os diversos pontos da cidade é feita por inter·
medio de uma rêde de fios da Companhia Telephonica.
População.-500.000 habitantes j ou 2,5 hab.
por k.ilometro quadrado.
Força pulllica.- Consta de 4 corpos policiaes, um
de cavallaria com 414 praças, inclusive ofticiaes e tres
batalhões de infantaria; tem 1705 praças, inclusive
officiaes.
Instrucção Publica.-No Districto Federal com·
prehende os tres gráos seguintes: o supm"iol' que é
dado nos seguintes estabelecimentos: Escola Normal,
Instituto Nacional de Instrucção Secundaria, escolas
Polytechnica, Militar, de Marinha, Naval e Superior
de Guerra, Faculdade de Medicina, Seminarios de S.
José e Episcopal; o seC'/.mda1"io que é dado no Insti-
tuto de Agricultura., nos Asylos da Infancia Desampa-
rada, e dos Meninos DeRvalidoi:l, da Sociedade Por-
tugueza de Beneficencia de S. Francisco de Paula
e do Hospital da Misericordia, no Mosteiro de S.
Bento, nos Institutos dos Cegos e dos Surdo -Mudo,
nos Lycêos Litterario Portugllez e de Artes e Of1icio~,
nos CoIlegios de S. Francisco de Paula, na Acade~a
de BeIlas Artes,no Cur o Noturno para o Sexo FeJDl-
nino e em grande numero de collegios particulares e
cursos de humanidades j e o 1J1'imario em esc?las
publicas, collegios subvencionados, escolas particU-
lares snbvencionadas,no Mosteiro de S. Bento, nas
Escola Mllnicipaes, de Appl'endizes Marinheiro8,
de Apprenilizes Artilheiros e em muitos outroS. e-
gundo os dados estatisticos mais recentes, 11a cerca
de 300 e tabelecimentos de in tl'ucção com uma
freqnencia approximada de 33,300 estudantes i &
verba consagrada a este ramo administrativo fOI de
4.000:000 ouo em 1889.
- 209 -

Divisão judiciaria. - Esta região fórma uma co-


marca de 1" classe e tem 9 varas especiaes. O tri-
bunal da Relação consta de 17 desembargadores e o
Supremo Tribunal de Justiça.
Divisão ecc1esiastica. - A Diocese do Rio de J a-
neiro, creada em 1676, que comprehende o territorio
do Estado e do Espirito-Santo consta de 170 parochias
e 3 curatos, pertencendo sómente ao Districto Fede-
ral 20 parochias e 1 curato que é o de Santa-C! uz.
Estradas de ferro e linhas de bonds. - Tem as
seguintes: a Central do Brasil com um. ramal que vae
ter á Santa-Cruz; a do Rio do Ouro e a do Corco-
vado; as linhas das companhias: Botanical Ga'rden,
Villa-Isabel, S. Ohristovão, Cachamby, Jacarépaguá
e Santa Thereza, as. im como existe tambem uma com-
panhia de bonds urbanos.
Pharões. - O da ilha Rasa; sua luz alca.nça 24
milhas; os pharoletes do Calabouço na ponta do Ar-
senal de Guerra e o de Villegaignon no forte do mesmo
nome com um alcance ele 7 milhas.
Agricultura, Commercio e Industria. - Em algu-
mas freguezias retiradas da cidade cultiva-se a canna
de as 'urar, cereaes e fructos que são remettidos para
omercado da Capital; a floricultura tem tomado gran-
de de envolvimento nestes ultimas tempos, podendo-
se até dizer que em todo o Brasil é a cidade que mais
se tem e 'merado neste ramo de cultura. E' a cidade
mai commerciante da America do Sul e acha-se em
communicação não só com todos os Estados ela Repu-
blica, mas com todas as cidades do mundo com as
qnaes entretem um commercio acti \ o i exporta muito
café, algodão, fumo, assucar e aguardente. A sua in-
dustria é. 'em rivaI na America Meridional e, pelo in-
calculavel incremento que tem tomado nestes ultimo
~mpos, é facil de se prever a ua vantajosa concurren-
ela com certos paize europêos.
HO~JENS ILLUSTRES.-rriveram nascimento neste
telTitorio: os poetas Laurindo Rabello e Antonio
14 c. B.
- 210-

Pereira Caldas; os oradores .sagrados FI'. Francisco de


Mont' Alverne e FI'. Francisco de S. TheL'eza de Je us
Sampaio ; os distinctos compositores Henrique Alves
de Mesquita, Francisco Manoel da Silva e padre José
Mauricio Nunes Garcia; o primeiro tragico brasileiro
João Caetano dos Santos; o popular actor Francisco
Currêa Vasques; o habil pintor Manoel da Cunha; o
illustre medico Francisco de Menezes Dias da Cruz j
o. distincto botanico Francisco Freire Allemão; os
bravos militares Luiz Alves de Lima e Silva (duque
de Caxias) e Antonio Carlos de Mariz e Barros; e
muitos outros.
- 211-

CAPITULO XIV

ESTADO DE S. PAULO (1)

Generalidades
Posição geographica. - A L. o Rio de Janeiro e o
Atlantico j ao S. o Paraná e o Atlautico ; a O. Minas-
Geraes e l\1atto-Grosso j e ao N. Minas-Geraes.
Posição astronomica .-Comprehende os parallelos
de 19° 54' e 25° 15'nalatitudeaustralje 56°e 10°19'
na longitnde occidental.
Linha limitrophe. -A oriental já foi tra.tada pre-
cedentemente i a meridional é considerada pelo thalweg
dos rios Paranapanema e seu affiuente o Itararé, pelo
Itapirapuan e Pardo, tributarios doRibeiro do Iguape,
pela Serra·Negra e isthmo do Varadouro até o mar,
em frente ao corrego proximo á Ararapira ;-com
Minas-Geraes é extremamente complicada e até
mesmo litigiada, em todo o caso o Sr _Gerber indica-a
em seu mappa começando pelo morro elo Lopo e se-
guindo pelo corrego ua Extrema até S. José de To-
ledo j pa sando pelo rio Corrente, alcança os montes
PelIado eBahú, d'onde passa aos Montes-Alegres a
alcançar o ponto confiuente do S. Matbeus com o
Pardo j segtúndo o curso do primeiro até as suas
nascentes, attinge o monte dos Carvalbaes depois de
passar pelas nascentes do corr~go das Arêas j conti·
nuando pelas serras das Neves; Fortaleza, SeBada e
Palmeiras alcança o rio Canôas até a sua foz no Rio

. 11) As im chamado por causa de um coJlegio de je uilas que


llllha por invocação o santo d'esle nome.
- 212-

Grande, em frente á Santa Barbara e proseguindo


pela margem esquerda do Grand6, finda na sua con·
lluencia com o Parnahyba i-e com Matto-Grosso pelo
rio Paraná, desde a sua formação até a barra do Para-
napanema.
Superficie. - 290,876 kilometro~ quadrados.
Relevo e aspecto do solo. - Observado á primeira
vista parece este Estado bastante montanhoso por
causa da escarpada serra de Paranapiacaba (Cubatão)
que se apresenta pl'oxima ao littoral i porém, deca-
hindo suavemente para o occidente, concorre para
a formação dos mais notaveis contribuintes do Paraná,
e mesmo em diversas regiões interiores são observados
extensos valles e campinas entremeiadas por não
raras colUnas e ondulações,
Temperatura e clima. - Segundo Martins a tem-
peratura media na cidade de S. Paulo é de 22° a 23°
C i não são a.hi raras as geadas. Geralmente saudavel
é o seu clima comparavel ao do sul da Europa, o que
torna este Estado recommendavel á immigração i nni-
camente nas vizinhançl:ls da serra do Cubatão e nas
regiões de norte e oeste é que se manifestam febres
intermittentes. Em alguns pontos nota-se a bran-
cheo,selle (JJapo ).

DESCRIPÇÃO PHYSICA
Geolllorphographia

OrogTaphia. - Dois são os systemas de monta-


nhas d'este Estado: o llfa?'itimo e o Cent?'al i aquelle
se extende quasi parallelamente á costa com as deno·
minações de 8en'a do Ma?', Paranapiacaba, C1Jbatã,o
e outras ramificações como a serra Negra, das Cade1,'
ms, Manganguã, Itahina, da Bocaina, Botucatlí e
outras i o Centml se acha nos limites d'estA Estado
com Minas-Geraes e Rio de Janeiro tomando a deno,
minação principal de Mantiqueira e tendo tambem
- 213-

algumasramHicações das quaes a principal é a de1Jfogy-


Gttassú, que se acha entre o rio d'este nome e o
Pardo; encontram-se ainda as serras de Aramqua1'a,
da Canteim, do Cuscusei1'o e outras.
Nesographia.- As ilhas mais importantes são:-
a dos P01'COS, pequeno grupo ao S. E. da enseada dos
Flamengos e chamada outr' ora TalJim pelos selva-
gens i - a de S. Sebastião separada do continente pelo
canal de Toque-Toque i - a de S. Vicente chamada.
outr'ora Engttá· G'tlassít, e cuja loealidade foi antiga-
mente capital do Brasil meridional i-a de S AmCl1'o,
antiga Guahyba, situada entre a enseada de S. Amaro
e a ponta Bertioga, e separada do continente pelo
canal d' este nome, accessivel com diffieuldade, á pe-
quenas embarcações i - a de Cananéa, entre o Mar-
Pequeno e a enseada de Tarapandéj--a Comp1'ida ou
do Mm'-Pequeno, ao longo do littoral começando em
Icapára j- a de Toque-Toque á entrada do canal do
mesmo nome i - a do Monte do T·rigo, a 300 metros
acima do nivel do mar e coberta de abundante yege·
tação j - o grupo das Alcatmzes, ao sul da babia de
S. Sebastião i - a do Bom Ab1'igo i-a do Canloso i -
a Tanapanclé i -e a Victoria.
• Acrotériographia.- As principaes pontas são:
Bel'tioga, ao norte da enseada de igual nome i-a de
Toninhas j-a da Paciencia i-a Ponta-G1'ossa na
bana de Santos i-a de Traipít; e a de Jw'iá.

Hydl"ogra phla

Vertentes.-As do Atlantico e rio Paraná.


Colpographia.-A bahia de Santos, que oiferece
um porto abrigado dos ventos; a de Ubatuba; de Ca-
nanéaj e os portos de S. Sebastião; de Itanhaemi CD de
19uape.
- 214-

Potamographia.- Os que se lançam no oceano


AItantico são :
o Ribei1"C1i do Iguape, o mais importante, que nasce
no Paraná, na serra da Graciosa; recebe d' entre
outros: o Itapimpoan, o Pa?"do, o Jug1liÍá (que recebe
o Lamngeims e o S. Lou?"enço) o Quilombo, o Jacupi-
1'anga, o Pilões e o Cubatão ; o Pa1'ahyúa do Sul, que
nasce nos campos da Bocaina, tem ao principio o nome
de Pa1'clihytinga até receber o Pamhyb1ma, tomallllo
d'ahi por diante o nome de Pamhyba elo S1lil, é elie
navegavel desde Jacarehy até o porto da Cachoeira.
. Os que se lançam na margem esquerda do Paraná
são:
o G1'ancle, que nasce em Minas-Geraes na serra
da Mantiqueira, juntameute com o Parahyba, fÓl1lla o
Paraná, e serve de limite entre este Estado, Minas-
Geraes e Goyaz ; depois de formar a cachoeira de S.
Estevão é que recebe o Pa1"do ou Mogy-GuassÍl,tendo
antes recebido á marg. esq. o das Palmei1"Clis, das Ca-
nõas, do Infe?'no e Sapucahy i o Panlo, tambem cha-
mado Mogy-GuassÍIi, é o mais notavel tributario do rio
G1'ande e é formado pela confluencia do Pardo ao norte
e Mogy- Guassíli ao sul; todos estes rios têm muitas
cachoeiras que difficultam a navegação;
o Tieté, outr'ora Anhemby que nasce na serra
do Mar, tem todo o sen curso em territorios d'este
Estado e recebe pela marg. dir. : o JUgUi1'y, o Jun-
diahy, o Oapivary, o Pi?"acicaba, o Jaca1'é-pepim, o
Jaca?'é-guassú, oS. Lou?"enço e o dos Pm'cos ; e pela
esq. o Sorocaba e o do Peixe são os mais importantes i
com muita difficuldade é o T~eté navega.vel de de 1Io
cidade de Mogy das Oruzes, por causa dos numerosOs
saltos e corredeil'as i
o Pamnapanema, que serve em parte de limite
com o Paraná, nasce nas vertentes da serra Parana-
piacaba e recebe pela direita: o Itapetininga, o Glta-
rahy, oS. Ignacio e o Pardo reunido ao TLlirvo j e
pela esq. : o A1Jiahy, o Fundo e o Ita1'aré que tambem
- 2]5-

serve de limite; este rio é navegavel desde a sua foz


até as proximidades da barra do Tibagy, seo mais
notavel tributario.
Eatre a ilha de S. Sebastião e o continente ha o
canal de Toque- Toque, com 25 km. de extensão e 20
a 50 metros de profundidade; e entre a de S. Amaro
e o continente observa-se o de Be1'tioga.

DESORIPÇÃO POLITICA

Noções historieas .-Este é um dos mais antigos


Estados do Brasil; pois que, muito antes de ser doado
a Martim Affonso de Souza e por elIe povoado em
1532, ja tinha tocado em diversos pontos d'este ter-
ritorio a primeira expedição exploradora. enviada ao
Brasil por D. Manoel, a qual déra as denominações de
S. Sebastião e S. Vicente a dons pontos situados na
costa.
Em 1532, tendo Martim Affonso se de. pedido
de seo irmão Pero Lopes, desembarcou em S. Vi-
cente, onde fundou a colonia do mesmo nome; ahi
eMontrou um João Ramalho qne lhe prestou rele-
vantes serviços, poi " não só harmonisou o gentio com
os colonos, mas tambem ajudou ao futuro donatario na
fundação de Piratininga. Era este João Ramalho um
portuguez que tendo naufragado, em 1512, nasco$tas
deste territoria, conseguio captar por tal fôrma a ami·
sade do gentio Goyanaz, ahi dominante, que despo ·ou
a Bartira, filha do chefe Tebyriçá e tornou-se pos-
teriormente dedicado auxilliar dos seus compatriotas.
Em 1533, partindo Martim Affonso para Portugal,
recebeo no anno seguinte por doação de D . João III
os dous nucleos coloniaes por elle fundados, com 100
leguas de terra, á qual denominou-se Capitania de
~. Vicente, em razão de ser fundado á margem do
r~o d'este nome, hoje Casqtteú-o, o primeiro ei:itabele-
cImento colonial.
- 216-

Martim Affonso não voltou mais as Brasil, visto


ter sido nomeado vice-rei das Indias, mas deixou
encarregado do governo da colonia, como capitão-mór,
a Gonçalo Monteiro, que foi mais tardA substituido
por Antonio de Oliveira e a João Ramalho; o primeiro
na povoação de S. Vicente que em pouco tempo tomou
grande desenvolvimento e o ultimo na de Piratininga,
que decahindo, deu logar á flmdação de Santos.
Em 1543, por a;tvará de D. Anna Pimentel, es·
posa de Martim Affonso, passou a administrar esta
capitania Christovam de Aguiar d' Altro; e foi duo
rante a sua administração que se levantou em Santos
o primeiro hospital de misericordia no Brasil.
Em 1554, alguns padres jesuitas fundaram em
Piratininga um colIegio com a invocação de S. Paulo.
Em 1556, os jesuitas auxiliados pelo gentio con-
seguiram repellir um ataque contra este colIegio da
parte dos portuguezes.
Em 1580 fundou-se em Santos o primeiro con·
vento dos Carmelitas.
Em 1563, a nascente villa de S. Paulo foi ata·
cada por numerosas hordas de Tamoyos confederados i
ter-se-ia ella rendido se não fôra a intervenção de
Tebyriçá e dos padres jesuitas que conseguiram a paz
com a convenção de Iperogy.
A bulIa de Paulo III, em ] 640, com relação aos
indios, revoltou por tal fórma os espiritos dos colonos
que resolveram tomar armas e expulsar os jesuítas do
territorio.
Em 1641, alguns hespanhóes desconheceram a
autoddade do rei de Portugal e resolveram tramar
uma revolução, cujos planos foram frustrados pelo
vicentista Amador Bueno.
O resentimento dos exploradores das minas au-
riferas de Minas-Geraes provocou em 1708 uma guerra
civil entre os paulistas e os Emboabas.
Em 17Q9 a capitania de S. Vicente tornou-se
independente com a denomição de S. Paulo.
- 217 -

Por alvará de 2 de Dezembro de 1720 foi des-


ligado do territorio de S. Paulo o de Minas-Geraes,
bem como fixados os limites respectivos.
Em 1746, por bulla de Benedicto XIV, foi
creado o bispado de S. Paulo.
Em 1749, transferio-se a capital da villa de
S. Paulo para Santos, ficando o seu g@vernador sujeito
ao do Rio de Janeiro.
}j'oi no campo do Ypiranga, a 7 de Setembro de
1822, junto ao riacho do mesmo nome, que o principe
D. Pedro levantou o brado Indepe'l1,de'lwia ou 'I11m·te!
Em Agosto de 1827, creou-se o curso juridico
nesta provincia.
Em 1837, o duque de Caxi~s, então barão d'esse
titulo, tratou de apaziguar uma revolução nesta pro-
vincia.
Em 1842, rebentou uma revolução em Itú, ex·
tendendo-se ás villas de Capivary, Porto-Feliz, Pi·
rapora, Itapetininga e Campinas.
Capital. - S. Pctttlo, cidade central, com cerca
de 50.000 habitantes, fundada em 1554, sobre uma
coBina e rodeada por uma exten~a varzea banhada
pelos riachos Tamanduatehy e Inhangabahít, a 3 ki·
lometros da margem do caudaloso rio Tieté, e a
753 metros acima do nivel do mar; os principaes
edificios e esta.belecimento. são: as egrejas da Mi-
sericordia, de Santa Ephigenia, da Sé, da Bôa Morte
e do Rosario, o Mosteiro de S. Bento, os conventos
do Carmo, da Luz e de S. Francisco, que é actual·
mente occupado pela Faculdade de Direito; o novo
mercado, o antigo collegio dos jesuitas e actualmente
p~laciQ do governador, o edificio do Congresso Pro-
VIncial, onde tambem funccionam o jury e a Inten·
dencia Mnnicipal; a estação da eSUada de ferro, a
Escola Normal, os Seminarios Episcopal e da Gloria,
o ~dificio do Correio; e o predio onde deverá fun·
CClonar a Thesonraria de Fazenda; e o Musêo Sertorio,
que possue preciosidades de grande valor; ha vistosos
- 218-

edificios particulares pelos bairros da Consolação e


do Braz, pelo Jardim Publico e Ilha dos Amores. E'
a segunda cidade da Republica, pelo seu commercio,
ind ustria e riqueza.
Cidades. - Santos, com 20.000 habitantes, fun-
dada por Braz Cubas, principal porto maritimo e com
importante commercio, ao sul da capital e na parte
septentrional da ilha de S. Vicente; tem uma aI·
fandega, casas bancarias, linh/!-s de vapores, e~trada
de ferro, e é toda illuminada a gaz.-Campínas,
32.000 habitantes, antiga viila. de S. Carlos, centro
de indu. tria e agricultura, com importantes fabricas,
os hospitaes de Beneficencia Portugueza e Miseri·
cordia, beilos theatros, como o Polytheama e o de
S. Carlos, a matriz dp, Nossa Senhora da Conceição, o
Asylo de Orphãos, o Gabinete de Leitura, a Inten·
dencia Municipal e outros. - Itú (1), 15.000 ha-
bit!.tntes, á margem do Tieté, com uIJ;!. importante
collegio de padres jesuitas, dous conventos e hospital
dos lazaros ; foi nesta localidade que se gerou a idéa
da independencia do Brasil pelo que D. Pedro L qua-
lificou-a de jidelissima.-So1'ocaba, 15,000 habitantes
á margem do rio d' este nome, com importante lavoura
de algodão, café e canna de assucar, celebre feira
de animaes muares e com a importante fabrica de ferro
Ipanema, situada ao norte da cidade.-Tattbaté,
23,000 habitantes, atravessada pela Estrada de Ferro
Central do Brasil e com commercio e industria fio·
rescentes.-IgualJe, 15,000 habitantes, fundada em
1654 por Theodoro Ebano Pereira, bom porto situado
no fundo do canal chamado Mar-Pequeno e com com·
mereio de arroz e madeiras.-Ampa1·o, banhada ~el.o
Camandocaia, com gra.nde cultura de café.- Tteté,
12,000 habitantes, á margem esqnerda do rio do mesmo
nome com importante commercio de café, algodão e

(1) Em tupy quer dizer salto (d'agua).


- 219-

canna de assucar.-Bragança, 16,000 habitantes~


proxima ao J aguary ponto terminal da estrada de
ferro Bragantina.-Atibaia, 10,000 habitantes, á
margem do rio do mesmo nome e com cultura de café.
-Gua1'atinguetá 40,00Ó habitantes servida pela es-
tradade ferro de S. Paulo ao Rio de Janeiro e com
grande lavoura de café.-Lo?'ena, 20,000 habitantes,á
margem direita do rio Parabyba, notavel pelo seu clima,
com grande lavoura de café e engenho central.-Li-
meim,10,000 habitantes, notavel pela amenida,de do
seu clima euberdade de suas terras.-Batataes, ,000
habitantes, banhada pelo Desfiladeiro, afluente do
Pardo.- Casa-Bmnca com importante lavoura de
café, fumo e algodão.-Bananal, 15,000 habitantes
á margem do rio de igual nome, muito florescente e
industrial.-Â.?·êas 10,000 habitantes com gra,nde
lavoura de café.-Tat1~hy, á margem esquerda do rio
do mesmo nome, tributario do Sorocaba.-I ilveims,
8,000 habitantes atravessada pelo riacbo do mesmo
nome e situada no valle formado pela serras da Bo-
caina e Mantiqueira, localidade agricola e industrial.
-Amms, atravessada pela e traua de ferro Pauli ta.
-Botucatí~, 10,000 habitantes; de fundação recente e
em estado prospero.-Caçc~pava, cerca de 10,000 habi-
tantes, uma das estações da estrada de ferro de S.
Paulo ao Rio de Janeiro.- Caconde, â margen do rio
Pardo.-Capivary, com engenbo centraI.-Cmüla, si-
tuada em territorio montanboso e proprio para a cul-
tura da vinha.- Espi?-ito Santo do Pinltal.-JJ1ranca
localidade florescente. - Itapetininga, 15,000 babi-
~ntes, e Itapeva com feiras de gaclo.-Itatiba, antiga
V1llade Belem de JÚndiahy.-Jaca1·ehy, 10,000 babi-
tantes á margem do Parahyba com importante com·
mercio.-Jundiahy 10,000 habitantes, autiga ftira de
gado muar e com lavoura consideravel de café e canna
deassucar.-.Ll{ocócacomactivalavouradecafé.-Mo,qy
das Cruzes, 10,000 habitantes, uma das estações da
estrada de ferro de S. Paulo ao Rio de J aneiro.-
- 220-

Mogy-mirim, 12,000 habitantes banhada pelo rio do


~esmo nome.--Parahybuna, á margem do pequeno
rIu q~e lhe deo o nome; produz café e cereaes.-Penha
do Rw do Peixe, 10,000 habitantes, e situada em um.&
zona fertilissima.-Pindamonhamgaba, 15,000 habI'
tantes situada em uma planicie banhada pelo Para·
hyba e com exportação de assucar, café, fumo e aI·
godão.-Pimcicaba, 20,000 habitantes antiga villada
Constit~tição e banhada pelo rio do mesmo nome, for·
mado pelo Atibaia e Jaguary j é att.raves.sada pela
estrada de ferro Ituana , tem a. l"ua industrIa e com·
mereio notavelmente desenvolvidos e muito se recom·
menda pelo extasiante panorama que offerece abi o Pi·
raeicaba,fol'mando uma cachoeira. - Pir'assunttnga,com
desenvolvida lavoura de cereaes.-P01,to·Feliz. á mar·
gem esquerda do Tieté com um engenho central e muni·
cipio exclusivameuteagricola. .-Queluzcom importante
lavoura de café.-Rio Clar'o, 1Ó,000 habitantes, produz
café e canua de assucar.-Santo Antonio da Cachoeira
banhada ao norte pelo rio Cachoeira que apresenta
ahi llma magestosa cach0eira.-S. Bento de Sapucahy
em cujas proximidades exi~tem as celebres planlcies
denominadas Campos do Jordão.-S. Car'los do Pinhal
com desenvol vida cult.urade café e canna de assucar.-
S. João da Boa Vista.-S. José dos Ban'eir'os com imo
portante lavoura de café.-S. José dos Campos, antiga
villa d.e S. José do Par'ahyba, com 14,000 habitant~
e serVIda pela estrada de ferro de S. Paulo ao RIO
de Janeiro. - S. LMÚ, de Pamhytinga cerca de
10,000 habitantes, dotada de um clima ameno e de um
solo fertilis imo -S. Roque com importantesjazidasde
marmore.- S. Sebastião em frente á ilha do mesmo
nome.
Villas principaes.- Ar'ar'aquar'a, localidade flo·
re cente.-Bocaina, á margem direita do Parabyba e
estação de ligação da estrada de felTo Central com a do
Norte de S. Paulo.-Cananéa, sobre a ilba do me~mo
nome e com regular cultura de I arroz.- Crl/ze~ro,
- 221-
estação inicial da estrada de ferro Rio e Minas.-.Tabo-
ticabal, 10,000 habitantes, municipio excessivamente
proàuctivo e np. prospero desenvolvimento.-Jambe-i1·o,
antiga freguezia de Capiva1'Y, produz cereaes.-Para-
nahyba-, uma das mais antigas localidades do Estado,
á margem esquerda do Tipté, exporta aguardente.-
Piedade, situada em um terreno montanhoso e de
proximo desenvolvimento.-S. Simão, servida pela es-
trada de ferro do Ribeirão Preto e dotada de terrenos
excellentes para a cultura do café.-Xú-i1-ica, banhada
pelo Ribeira do Iguape~ no ponto em que cessa a
navegação a vapor.
População.-l,570,OOO habitantes, ou 5,3 habi·
tantes por km_ 2.
Instrucção publica .-Abrange os tres gráos: o
superio1' dado em uma Faculdade de Direito, no Se-
minaria Episcopal e na Escola Normal; o seclmclc~1-io,
nas Cla.sses Preparatorias annexas á Faculdade de
Direito, na Escola Normal, em varias eollegios e no
lycêo; e o p1-ima1'io em varias escolas publicas, colle-
gios particulares, asylos, lycêos e institutos; ha em
~d<Y o Estado cerca de 1,100 e tabelecimen tos de
instrucção, com uma frequencia média de 24,000 e. tu-
dantes. A verba consagrada a este ramo administra-
tivo foi em 1889 de 977:835~000.
Divisão judiciaria.- A Relação d'este E tado
comprehende tambem o do Paraná e cou ta de cerca
de 120 municipios e 52 comarca .
Divisão ecclesiastica.-O bispado d'este Estado,
Cl'6ado em ] 745 por Benedictll XIV, abrang-e tam-
bem o Paraná e a parte meridional de Minas-Geraes;
tem 185 parochias.
Estradas de ferro.-A Central do Brasil; de
Queluz a Cachoeira; a de CachoeiTa aS. Paulo; a
de Santos a Jundiahy; a Paulista; a Sorocabana; a
:ogyana; a do Rio-Claro a Araraquara; a !tuana; a
ragantina i a de Minas e Rio (do Cruzeiro ao Alto
da Serra); a de Santo Amalo; a de Taubaté a
- 222-

Tremembé; a de Santos a S. Vicente; a de S José do


RioPardo; a do Porto a S. Manoel e o ramal Bana-
nalen e.
Pharol. - O da 1I1oella; sua luz alcança 20 milha.s
em tempo claro.
Agricultm'a, Commercio e Industria. - D'entre
todos os Estados da Republica, com excepção feita do
Rio de Janeiro, S. Paulo é o que mais desenvolvi-
mento tem dado á sua agricultura; o café e o algodão
con tituem o seu principal genero de exportação; a
canna de assucar, o fumo, o trigo, o linho, o chá e ce-
reaes são outras fontes de riqueza agrícola do Estado.
Este desenvolvimento é em grande parte devido ás
suas numerosas estradas de ferro.
O seu commercio, que s6 encontra competencia
com o do Rio de Janeiro, é feito directamente pelo
porto de Santos com a capital da Republica, princi-
paes paizes da Europa, da America do Norte e repu-
blicas platinas.
A sua industria é de um desenvolvimento extra.-
ordinario e incalculavel e promette muito mais a jul-
gar-se pelos engenhos centraes que de dia para dia
estão se inaugurando e pelas grandes e bem montadas
fabricas de tecidos, de fundições, serrarias, etc.; a
criação de gado tem toma,do sensivel incremento.

rRODucçÕES
Reino vegetal.-E' riquis imo; snas principaes
prodncções são: café, algodão, canna de assucar, chá
(Hys on e Uchim), cereaes e madeiras.
Reino mineral.-Existe ferro em grande abundau-
da, prata, ouro, esmeraldas, pedras preciosas, chumbo,
mercurio, cobre, carvão de pedra, enxofre, etc.
Rein(l animal. -E' quasi semelhante ao dos ou-
tros Estados limitrophes o que nos dispensa uma
narrativa especial.
- 223-

HOMENS ILLUSTREs.-Este Estado orgulha-se de


ter sido o berço dos Andradas; do maestro Carlos
Gomes; do patriarcha da independencia José Bonifa-
cio j do distincto medieo Francisco Alvares Machado
de Vasconcellos; dos irmãos, o sabia Bartholomeo
Lonrenço de Gusmão e o paclre Alexandre de Gusmão
(o voador); do padre Diogo Antonio Feijó j do poeta
Alvares de Azevedo; do pintor José Ferraz d' Almeida
Junior; do senador VergueÚ"o ; de Gabriel Rodrigues
dos Santos; de Antonio Carlos de Paula e Souza;
do marquez de Monte-Alegre j e de muitos outros.
- 224-

CAPITULO XV

ESTADO DO PARANÁ' (1)

Genel-alidades

Posição geographica.-Ao N. S. Paulo i a O.


Matto-Grosso, Republica do Paraguay e Argentina i
ao S. S. Pedro do Rio-Grande do Sul j ao SE. Santa
Catharina e a L. o Atlantico.
Posição astronomica.-Está entre 22° 45' e 27"
50' de latitude austral i e 4C? 45' e 11° 53' de longi-
tude occidental.
Linha limitrophe. - Com S. Paulo já foi discri-
minada precedentemente i- com Matto-Grosso é pelo
rio Paraná aesde a foz do Paranapanema até o Salto
das Sete-Quedas i-com o Paraguay pelo alveo do
Paraná desde o Salto das Sete-Quédas até a foz do
Iguassú ; - com a Republica Argentina pelo rio
Iguassú desde a sua foz no Paraná até a barra do
Santo Antonio Guassú, por este até ás sua nascentes
a bu!'car as do Pepel'y-Guas ú e por este até a sua
confluencia no Uruguay (vide pag. 6) i-com o Rio-
Granrle do Sul pelo Rin Urllguay no trecho compre-
hendido entre as barras dos rios Canôas e Pepery-
Guas ú i-com Santa Catbarina é a fronteira contes-
tada por este Estado que reclama a região dominada.
pelos Campos das Palmas e Campos-Novos. de uID.a
área equivalente a 43,000 kil m • e limitada pelo 1"10
Sahy-guassú, Sen'a do Ma?', ?'io Ma?'ombas desde sua
vertente até ° das Canôas e por este até o Uruguay,
segundo a decisão do governo que traz a data de 16

(1) Assim chamado por cau a do rio d'esle nome.


- 225-
de Janeiro de 1865 e mandada sustar por Aviso de·
21 de Outubro do mesmo anno.
Superficie.-221,319 km. 2 , inclusive oterritorio
disputado.
Relevo e aspecto do sólo.- O territorio d'este
Estado divide-se naturalmente em duas regiões dis-
tinctas: a do littoml ou ma1-itirna (com a largura
média de 55 km.) baixa, pautanosa em muitos la-
gares, revestida de esplendidas mattas e separada
da outra pela cadeia marginal da Serra do Mar, para
a qual vai-se elevando gradualmente; e a do pla-
nalto (approximadamente- a 900 metros acima do
nivel do mar), que abrange a maior parte do territorio
e composta de terrenos extensos e planos, com exce-
pçã,o de algnmas serras, e de magnificas campos fio·
restaes, onde d'entre outras arvores predomina o
gigantesco pinheiro; são os Campos Gemes ao norte
e o Campo Largo ao sul. No::! limites com os outros
Estados este immenso taboleiro baixa novamente e
procura nivelar-se com o leito dos tributarios do Pa-
ranapanema e Paraná.
Temperatura e clima.-Nas localidades quentes
(Paranaguá), a temperatura tem attingido á maxima
de 32° cento e nas frias (Palma) têm descido a menos
de 10° abaixo de zero. A temperatura e o clima de·
pendem mais das altitudes do que das posições as-
tronomicas das localidades; é assim que sob o mesmo
parallelo, regiões ha que pelo seu clima ardente e in-
salubre oferecem sensivel contra te com outras parti-
cipantes das geadas que cahem pelo inverno que vai
até Setembro e Outubro. Oclima é em geral saudavel.

DESORIPÇÃO PHYSIOA
Geom orphogJ.'al>h i a
Orographia,-A serra principal d'e te Estado é
a Ma1'itima, que se extende quasi parallela á costa,
COm as denominações de G'uaraM&, da Vi7'gem Mal"ia,
m c. •
- 226-

de S. Migttel e do Oubatão que fôrma o planalto onde


se acha a cidade de Curitiba; as outras serras são:
a Sen'inha ou serra dos Capados, onde se encontram
os celebres Cam,pos· Geraes; a do Prata (morro de
MaTumbi a 1,430 metros (1) acima do nível do mar);
a do Espigão ; a da Esp81'ançCt; a de ApHCa?'ana, que
parece uma ramificação da precedente; a das FllrnfU
continuação da S8?'?'inha e que fôrma um elevadissimo
taboleiro; a dos Ag~ulos j a da Ventania; a do Ikrilllj
a de Pa?'anapiacaba; a da Ribeim; a do Godoy e
outra.
Nesographia.-As que se acham na bahia de Pilo
ranaguá, são : do Mel onde existe uma fortaleza em
ruina' e das Peças, á eutrada da referida bahia j da
Cotinga, Rasa da Cotinga, das Gctmellas, Rasadas
Gamellas, das Cobms, das Big~tas, do Teixeira, da
PO?'lita-G?'ossa, do Benito e outras.
As que se acham proximas á costa são: Figueira,
dos FilMes, e Itacolomy; existe tambem uma ilha
fluvial chamada das Sete· Q'litédas no rio Paraná.

Hydrog.-aphia

Vertentes.- As do Atlalltico e rios Paraná e


Uruguay.
Colpographia. - A bahia de Pamnaguà, uma das
mais importantes do Brasil, e que comprehende a dos
Pinhei?'os, das La7'cmgei?'as e AntO?únaj communica-se
com o oceano por tres barras: a de Sttperaguy entre o
continente e a ilha das Peças, a elo Meio eutre as ilhas
das Peças e elo Mel, e a de IúopetHúa ou do Sul entre
a ilha do Mel e o eontinente; varios são os rios que
têm esta bahia por desaguadouro, d' entre os quaes
sobresahem : o Maiquatim que recebe o CCl1'Y, o Ponte-
Alta e o S. João; o Cachoei?'a j o Palmeim j o Verde j

(1) H. de MeJlo-Subsidios pam a Carta Geral.


- 227-

o Tibe1'é ; e o das Pedms i-a bahia de Antonina está.


comprehenilida no mesmo golfão da pl;ecedente e
n'ella desagua o rio Paranag!Lá. O porto de GZta1'a-
tuba cuja entrada é feita por um canal apertado entre
o littoral sul e a ponta do Casuvá, é pouco frequen-
tado, não ó por causa, da pessima barra que apre-
senta, mas tambem por não dispôr de meios,regulares
de communicações terre~tres ; n' elie desagua o ribeiro
Cubatão.
Potamographia. - Dos que se lançam no Atlan-
tico o principal é o Ribeim do Igua1Je que com suas
origens n' este territorio serve em parte de limite com
S. Paulo; seus principaes aff1uentes n'este E tado
são: o Carmo, o Turvo e o Itapirapztam á margem
esquerda; o Assnn,quy, Piedade, Rochct e Pa1'do á.
margem direita.
O Sa7zy-Gttassít apenas se recommenda como li-
mite.
O rio Paraná, formado pela confluencia dos rios
G1 cmde e Paranahyba, é limite entre este Estado e o
Paraguay e fórma naquelie o Salto das Sete-Qttedas,
uma das maravilhas da natureza e cojo e trondo
ouve-se a 30 kilometros de extensão; tem por prin-
cipaes contribuintes á margem e querela; o Parana-
pcmema, o Ivahy OH D. Luiz, o Ton'es o Pe1'ecahy, o
S. João, o Peq'lÚ1'Y, o Itat'l.~, o S. Francisco, o Jejt61zy-
Guassít e o Iguassít, dos quaes merecem especial
menção:
o Pa1'ana1Janenza, limite d' este Estado com S.
Paulo, que recebe pela margem e querda: o Apiahy,
o Taqua1'y, o Ita1'a1'é, o Cinza, o Tiuagy e o Verme-
lho; d'e tes é o Tiuagy o mai importante que tem por
principaes tributarios: o das Almcts, o GztClrana, o
P.itangtthy, o Iapó, e o Congonlws á margem direita;
o Capivary e o dos Ba1'reiros á direita; o Ivahy, que
nasce na erra da Esperança, encontra na sua em-
bocadura a grande ilha fluvial chamada das ete-
Quedas; recebe d'entre outro o Ligei1'O, o Iva7zyzinho,
- 228-
o Con~mbatahy com os seus subsidiarios o Taqua·
russí~, o Palrnital e o Bonito, e o dos Fachinaes;
e o Ig1lassíb ou rio Grande de C01oitiba, que separa em
parte este Estado da Republica Argentina, nasce com
o nome de Coritiba e recebe: á margem direita oPa-
tinga, o Pal1nitc~l, o Jordão com o seu principal con-
fiuente o Capivara, o Cavernoso e o Vermelho; á
margem esquerda o Negro, reclamado corno limite p~r
S. Catharina, e no qual lançam-se o Varzea, o Gano~·
nhas e o o Timbó; o Chopim; e o S. Antonio (rllassú.
O rio Urttguay, formado pela juncção dos rios
Canôas e Pelotas, tem apenas um trecho da !lua
margem direita pertencente a este Estado e para o
qual principalmente confluem: o Canôas com o seo
tributario o das Marombas, o Chapecó, e o Pepery-
Guassú.

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções historicas.-O territorio d' este Estado


pertenceo á antiga capitania de S. Amaro~ doada a
Pero Lopes de Sonza.
O gráo de parentesco que existia entre este dona-
tario e o da capitania de S. Vicente e a posição topo-
graphica de cada urna. d' ellas muito concorreram para
que durante muito tempo con ervassem·se estreitadas
pelos laços de fraternidade.
Em 1624, em razão do graude desenvolvimento
que tivera, esta capitania recebeu a denominação de
Itanhaem.
Em 1822, por occasião da independencia do
Brasil, esta capitauia passou a fazer parte da provin-
cia de S. Paulo com o titulo de comarca de Parana-
guá obtido em 1723 e de Coritiba em 1812.
Em 1840, os habitantes d'esta comarca reque-
reram á assembléa geral legi lativa para que fôsse
considerada independente; só em 1853, tendo sido
- 229-

renovado o mesmo pedido é que foi realisado o desejo


d'este povo; foi desligada da provineia de S. Paulo,
teve por capital a cidade de Coritiba e por seu pri-
meiro presidente e installador conselheiro Zacarias de
Góes e Vasr-oncellos.
Capital.-C01"itiba, cerca ne 20,000 habitantes,
situada n'um planato da cordilheira do Cubatão a 950
metros acima do nivel do mar e entre os riachos Ivo e
Belém, afiluentes do Iguassí~; dista do porto de An-
tonina, com o qual está ligada pela magnifica estrada
da Graciosa, 82 kilometros; e do ue Paranaguá com
o qual ~e communica por meio de uma esplendida
estrada de ferro, no kilometros. Esta cidalle foi
funrlacla em 1654 pelo capitão Theodoro Ebano Pe-
reira e acha-se cercada de uma infinidade de nudeos
coloniaes de allemães; italianos, polacoR, francezes e
russos; seus principaes edificios e estabelecimentos
são: o hospital de caridade mandado construir pelo
Dr. Muricy; a igreja matriz que tem porporções
para ser um templo sumptllosissimo; o quartel de
cavallaria, o theatro S. Theodoro, o museu provincial
com bipliotheca e a pinacotheca paranaenses, o quartel
do regimento de artilharia, a thesouraria, o paço
da ex-assembléa provincial, a cadeia, o mercado, as
egrejas da ordem Terceira do Rosario e de S. Fran·
ciscodePaula,aescola normaleo institutoParanaénse.
Cidades.-Paranagua, 15,000 habitantes, fun·
dada em 1648 por Theodoro Ebano Pereira, situada
na babia de Paranaguã, á margem do rio Itiberé; é o
primeiro porto do Estado de onde parte a estrada de
ferro que vae a Coritiba; seus principaes estabeleci-
men'tos são: a alfandega, a capitania do porto, a es-
c~la de aprendizes marinheiros, a casa da misericor-
dia, as egl·ejas do Rosario, S. Benedicto, Senhor Bom-
Jesus e N. S. do Rocio. -- Antonina, 15,000 habitan-
tes, funl1ada em 1714 e assim chamada em memoria
a D. Antonio, principe de Portugal; é o segundo
porto do Estado e está situada na babia do IDesmo
- 230-

nome que é urq prolongamento da de Paranaguá i


dista 36 kilometros de Paranaguá e communica·se
com Morretes pela estrada de rodagem da Figueira
do Braço, tem o seo commercio bem desenvolvido e
nma lavoura prospera; d'entre os seus estabelecimen-
tos destacam·~e: o mercado, a escola Brazilio Ma-
chado e o theatro.-Morretes, á margem do Nhundia-
quára, servida pela estrada de ferro Paranaguá &
Coritiba e com commercio decadente.-LalJa, antiga
villa do Principe, fundada pelo padre .João da Si!va
Reis e situada na linha de divisão das aguas do
Ignassú e rio Negro em um beIlo e elevado campo; é
um municipio criador e agricultor e com grande ex-
portação de herva-mate.-Castro, central e pastoril,
fundada em 1788, distante 180 kilometros da capital
e nas cabeceiras do Hiapó.-Campo-La1·go, situada
nos campos de Coritiba e a 30 kilometros distante da
capital. - G'/.Ga1'CG7J'/,GaVa, na chapada da serra da E~pe­
rança e banhada pelo rio Jordão; está a 1,150 metros
acim'l. do nivel do mar e a 30 kilometros da capitaJ.-
Ponta-Grossa, situada nos Campos-Geraes e com in-
dustria pastoril desenvolvida.
Villas principaes.-ChGamtuba, á margem meri-
dional da bahia do mesmo nome e pouco commerciante.
-Palmeim, situada nos Campos-Geraes e a 84 kilo-
metros da capita1.-S. José elos Pinhaes, proxima ao
rio Iguassú e em estado decadente.-G·uamkes ava,
na bahia de Paranaguá com commercio de madeiras. -
Tibagy, á margem direita do rio do mesmo nome.-
P01'to ele Ci?ntL, á margem direita do Nhundiaquara a
6 kilometros de Morretes.
População.-190,000h abitantes,on 85,0 habitan-
tes por km. 2.
Instrucção publica.- Abrange os dons grãos o
prima1"io e o seCltnda1'io; o primario é dado em 220
est:..belecimentos e escolas publicas, e oultímo no Ins·
tituto Paranaense e Escola Normal, havendo uma fre·
quencia total de cerca de 7,000 estudantes; a verba
- 231 -

oonsagrada a este ramo administrativo foi em 1889


de 89:603~000.
Divi3ão judiciaria.-Está sujeito á jurisdição da
Relação do Estado de S. Paulo, tendo 9 comarcas e
13 termos.
Divisão ecclesiastica.-Depende do Bispado de
S. Paulo, sendo a juriRdicção do bispo diocesano exer-
cida por um vigario geral forense; tem 37 paro-
chias.
Estradas de ferro e vias de communicação.-·A.
'que vai de Paranaguá a Coritiba com 110 kilometros
trafegados; é sem contestação a primeira do Brasil
em obras de arte e pelos seus beBos panoramas, con-
stituindo um padrão de gloria para a engenharia bra-
sileira; tem 15 tuneis, dos quaes o mais extenso
é o da Roça·Nova e notam-se ainda as pontes de
S. João e 8inimbú e o viaducto <lo Presidente Car-
valho.E' digna de especial menção a magnifica estrada
da Graciosa que vae de Antonina a Coritiba com um
percur o de 82 kilometros.
Pharóes. -O das Conchas, ituado no morro do
mesmo nome e com um alcance de 20 milhas e o
pharolete da Fortaleza, situado na bateria da for-
taleza, com 11m alcance de 6 milhas.
AgricuJtura, Commercio e Industria. - Cultivam-
se neste Estado: o café, em pequena escala, a canna
de as!;ucar, o algodão, o fumo e cereaes que não con-
stituem o seu commercio externo, que antes é alimen-
tado com a exportação da herva-mate, de madeinLs e
~e algLlm gado., verdadeiras riquezas naturaes. A sua
Industria principal consiste no preparo da herva-
mate e na criação de gado e a secundaria no trata-
mento das madeira e nos produetos de suas fabricas
estabelecidas na capital. Os seus pinheiraes, que ri-
valisam com os melhores de Riga, não são explorados
devidamente por falta de transporte e de braços;
mas é de suppôr que ainda venham a desempenhar um
- 232 -

loga.r important~ d'entre os seus poucos productos


exportados. O trigo, o linho, o algodão e a videira
}>odem ser com vantagem alli cultivados.

PRODUCÇÔES

Reino vegetal. - Neste fertilissimo e privile-


giado solo encontram-se todas as especies de pro-
ducçóes dos climas quentes e temperados, como o
mate, o café, a canna de assucar, o al~odão, o chá,
todos o~ cereaes, etc. O mate, que cresce esponta-
neamente em todas as florestas de serra acima, é o
el-do~~rado do Paraná, e constitue actualmente a sua
principal riqueza commercial. Existe uma immensa
variedade de madeiras de construcção, sobresahindo
os imponentes e colossaes pinheiro~ que, c\uaes sen-
tineIlas perennes, aprumam-se nas luxuriantes flo-
restas.
Reino mineral. -Neste Estado ha grandes ja.-
zidas de ouro e diamantes (no rio Tibagy) prata,
ferro, mercurio, carvão de pedra, petroleo e mar-
more. Ultimameute se descobrio nos arredores de
Coritiba duas extensas e ricas minas de marmore de
diversas côres, que começam a ser exploradas. Ha
diversas fontel> de aguas mineraes, sendo mais co-
nhecidas as aguas sulfurosas do municipio de Palmas,
proximas á confluencia do Xapecó cóm o Urnguay-
Reino animal. - Os beIlos e verdejantes campOS
que partindo do planalto de Coritiba, espraiam-se
}>elos afamados Campos-Geraes até aos confins do
Estado, são vantajosamente utilisados para a criaçãO
das diversas especies de gado j os demais repre-
sentantes d'este reino são quasi todos encontrados
povoando as suas florestas.
- 233-

HOMENS ILLUSTRES. - São filhos d' este Estado:


o pranteado Dr. José Pedrosa, os ex-senadores Ma-
noel Francisco Correia e João da Silva Carrão, o
desembargador Agostinho Ermelino de Leão, o bene.
merito Visconde de Guarapuava e o padre João Ba.
ptista Ferreira BeIlo.
234 -

CAPITULO XVI

ESTADO DE S. CATHAIUNA (I)

Generalidades

Posição g-eog-raphica .-Ao N. e NO. o Paraná; ao


S.e SOo o Rio-Grande do Sul; e ao S. e L. o Atlantico.
Posição astronomica.-Está ent.re 26° 30' e 29
18' de lato austr.; e 50 S' e 7°45' de longo occidental.
Linha limitrophe. -Oom o Paraná já foi tratada
precedentemente; e com o Rio-Grande do Sul é con·
siJeracla pelos rios Pelotas, desdp. a sua juncção com
o Oanôas, seu affluente o Oerquinha e os galhos dos
Touros e Barroca, por uma linha que segne pela cu-
miada ela serra Geral até as vertentes do ribeirão do
Sertão, tributario do Mampituba e por este até a sua
foz no \,ceano.
Superficie.-74.165 kilometros quadrados.
Relevo e aspecto do solo. -O territorio que serve
a este E~ tadQ consta de duas regiões diversas; a in-
sular, composta principalmen~e das ilhas de S. Fran-
cisco e S. Oatharina; e a continental, extraordinaria-
mente accidentada, recortada a léste por algumas
enseadas e atravessada por não poucos arroios; para
o interior é que se encontram algumas florestas.
Temperatura e clima. -A regularidade das e~­
tações e o clima amenissimo d/esta. parte do Brasil
valeram-lhe o epitheto de Paraiso do Brasil.

(0) A. sim chamada em razão de umaegreja outr'ora ahi ediO-


cada que linha por padroelfa a anla d'este nome.
- 235-

DESCRIPÇÃO PHYSICA

Georoorphographia

Orographia.-As montanhas d'este Estado per-


tencem ao systema 01'ielltal ou },[a7"itimo, cujo ponto
culminante, segundo o Sr. Barão Homem de Mello,
mede 1260 metros acima do nivel elo mar; e te sys-
tema apre enta diversas ramificações como a do Es-
pigão, de Itajahy, de Tijllcas, do T7"ombudo ao sul,
da Cambarelta e a serra do Bahít que se prolonga
para L. servindo de balisa aos navegantes j notam-se
ainda o morro do Cltbatão com 950 metrol'l, o de S.
Martha, o das Pedms e outros.
Nosographia .-A maior e mais importante das
ilhas é a de S. Catharina que pela sna elevação é vi-
sivel a grande distancia j é separada do continente
por estreito braço de mar, regada por algnns ribei-
rões taes como aVermelho e tem algnmas lagôas como
a da Conceição da Lagoinlta e do Pantano. Notam-se
ainda: a de S. Francisco, separada ao norte do con-
tinente por um canal chamado de Bebetonga ou de
S. Francisco; a dos Tamboretes, dos Remedios, a De-
serta, do ..4.7"voredo, do Galé, dos Ratones, cIos
Aranhas, do Xavier, dos Papagaios e dos Mole-
q!tinhos.
Acroteriographia. - Os cabos ele S. Ma7"tha Pe
queno e de S. Ma7·tha- Grande ao sul da cidade da
Lugunaj as ponta : de ItapoC07"OY ao norte da cidade
de ltajahy j do Mendoy a léste da freguezia de Porto
BeBo; da Imbitttba, a parte mai oriental do conti-
nente ; do João Dias na ilha de S. Franci 'co e do
Rapa ao norte da ilha de S. Catharina.
- 236-

Hydrogl.'aphia

Vm"tentes - As do Atlantico e rio Uruguay.


CollJo9mphia - As bahias: de S. Prancisco, des-
aguadouro de muitos pequenos rios que descem da
serra do Mar; ue Santa Catha1"ina que banha a ca-
pital com duas entradas i das Ga1"OUpaS com a aber-
tura voltada para o nordeste e bastante espaçosa;
Tij~tca em cujo fundo desagua o rio do mesmo nome;
da Laguna que é mais propriawente a foz do rio Tu-
barão; e as enseadas <lo Brdo, de Acamnguá, dos
Ganchos, de Itajahy, de Santa Cruz, de Imbetiba e
outras.
Potamogmphia - Os principaes que se lançam
no Atlantico são:
o Sahy-Guassú, cuja importancia é servil' de
fronteira com o Paraná i
o C~tbatão, que se lança na bahia de S. Fran-
cisco;
o Itapocít, cujo ctffiuente principal é o Pimlly
e que fenece ao norte da ponta de Itapocoroy ;
o ltajahy-assít, o mais importante, que na:,C8
na serra Marítima constituido pelo Itajahy do Sul e
Itajahy do Nor"te aquelle recebe d' entre outros o lta-
jahy do Oeste e este o S. Paulo; os principaes tribu-
tarios da margem direita são: o Gaspar-Grande o
Gaspar-Pequeno e o Itajahy-mi1"im ; e da esquerda o
Benedicto e o Luiz Alves.
o Tijucas-G1'ande que nasce na serra da Bôa
Vista;
o Biguassú que se lança na enseada de S. Miguel;
o Mamhy e o Cubatão do Sul que despejam
suas aguas na bahia de S. Oatharina, sendo para notar
o dos Bugres, do Ped,"o e Caldas como principaes subsi-
diarios d'este ultimo;
o Tnbarão que vindo da Serra do Mar vae
morrer na bahia da Laguna i recebe á margem direita
- 237-
como principaes: o Bonito, o Ba1"1"a, Grande e das Pe-
drinhas; á margem esquerda o das; Lamnjas, o Braço
do N01"te e o Capivary;
o Araranguá cujo principal tributario é á Mãi
Lt~iza ;
e o Ma1npitt~ba (1) fronteira estipulada com o
Rio Grande do Sul.
Para o rio Urt~gt~ay affl.uem o das Canôas e o
Pelotas que o formam; este tem por principal conflu-
ente o Ce?'qMin1ta á margem esq~erda e aquelle oS.
João á esquerda e o das Mc~rombas á direita.
Limnegraphia.- São as mais notaveis: a do l1[on"o
Sombrio que se communica com o Mampituba por um
canal; a de Gm'opava, na qual lança-se o riacho C<Jn-
gonhas ; a do Estevão; e a do CCl1nacho.
Estreitos.- O que fica entre a ilha de Santa Ca-
tharina e o continente com 250 metros de largura; e
o canal de S. Francisco, impropriamente chamado rio
entre a ilha d"este nome e a parte continental.

Descripção Politica

Noções historicas. - Conjectura-se que em 1515


João Dias Solis e Vicente Yanes Pinzon foram os pri-
meiros a tocar neste territorio, fundeando na õahia
dos Perdidos; Sebastião Cabot em 1525 e Diogo Garcia
em 1526, desembarcaram na ilha de Santa Catharina,
então chamada dos Patos, e d'alti seguiram paJ:a o rio
Solis; posteriormente da P,'ata.
. A primeira denominação qus teve este Estado
f?l Juri1'á-Mú'im, dada pelos indios Carijós, primi-
tIvoS habitantell d'estas pa.ragens.
Em 1532 Pero Lopes de Souza, de volta do Rio
da. Prata, onde fôra explorar, desembarcou nesta

(1) Primitivamente Jfarlim Alfonso,


- 238-

ilha e posteriormente teve-a em doação, bem como os


terrenos adjacentes que con tituiam grande parte das
Terms de Bant' Anna, limitadas ao norte pela bahia
de Paranaguá e ao sul pelo rio Araranguá.
Em 1650, Francisco Dias Velho Monteiro veio
estabelecer-se nesta ilha com dous filhos José Pires
e Salvador Pires, duas filhas, uma das quaes chamava-
se Catharina e mais pessoas.
Velho Monteiro tratou <le erigir uma capella,
tendo por padroeira a santa do nome de sua filha; mas
. tendo-se portado indignamente para com a tripolação
de um navio holIandez que ahi aportára, deu causa
a ser mais tarde mor to por alguns d' elIes ; os dous
filhos do Velho Monteiro mudaram a povoação para
junto de uma lagôa, a que deram o nome de Laguna e
que foi a primeira cidade continental.
Muitos escriptores pretendem que esta ilha fôsse
doada por D. João IV a Agostinho Barbalho e mais
tarde revertida á corôa por abandono do donatario;
outros querem que Dias Velho alcançasse a mesma
graça; enfim com alguma veracidade sabe-se que em
1709 passou-se á corôa por compra ao marquez de
Cascaes, sendo posteriormente annexada á Capitania
de B. Pattlo, até que em 1738 foi elevada á capita-
nia, ficando sujeita ao Rio de Janeiro e sendo o sen
primeiro governador, um anno depois, o brigadeiro
José da Silva Paes.
Os Pauli tas, com o fim de entreter o commercio
de animaes muare , originarios das regiões platinas,
entranharam-se pelo sertão e ahi fundaram uma po-
yoação que se chamou dos Praze1'es, em razão de uma
egreja erigida a N. S. dos Prazeres, a qual tomon
mais tarde a denominação de Lages; as difficuldades
que encontravam de e commu~icar directamente com
a séde do governo estabelecida na ilha de S. Cath~­
rina, vara o que tinham que transpôr a serra Ma~l'
tima, e mais que tudo, movidos por um espirito ban"-
rista de preferencia prestavam obediencia ao governo
- 239-

de S. Paulo: e d' esta forma prepararam inconsci-


entemente a delongada questão de limites d'estes
Estados.
Dê 1720 por Uiante começou a aftluir para essa
comarca grande quan tidade de colonos das ilhas dos
Açores e Madeira, mandados vir por ;O . João V.
Em 1762, os hespanhóes tendo se apodera.do da
colonia do Sacramento, invadiram a ilha de Santa
Catharina e d' ena se assenhorearam em 1777, sendo
n'esse mesmo anno restituida a Portugal pelo tratado
de S. Ildefonso.
A Capitania de S. Ped1"o, que se desmembrára.
d'esta em 1760, passou a ser em 1807 capitania
geral, iicando-lhe Santa Catharina sujeita até a epoca
da proclamação da independencia, quando se tornou
provincia independente; seu primeiro presidente foi
João Antonio Rodrigue. de Carvalho.
Em 1839 a revoluç.ão dos 1'ebeldes, no Rio-Grande
do Sul, fez sentir ahi os seus eífeitos, mas com resul-
tado negativo.
Capital. - Desterro ou Santa Catlzarina" com
10,000 de habitantes, bom porto, e situada na ilha do
mesmo nome; seus principaes ediiicios são: a alfan-
dega, o quartel, a intendencia municipal, o palacio
do governador, o hospital e as egrejas de N. S. do
Rosario e de S. Francisco de A is.
Cidades .-S. José, na bahia do mesmo nome
e com ricas minas de carvão de pedra.-La,quna, á
margem oriental da lagôa do mesmo nome. Lages, lo·
calidade central e com desenvolvüla industria pasto- •
ri.l.- Itajahy, na foz do Itajahy-assíb, com desenvol-
VIdo commercio de madeiras e assucar e não menos
~dustria do fabrico da manteiga.·- S. F'rancisco, na
ilha do mesmo nome.- Joinville. localidade flores-
cente.
Villas principaes.-Bltmzenau, com activo com-
mercio de generos alimenticios.-Tubarão, banhada
pelo rio do mesmo nome e com grandes minas de
- 240-

carvão de pedra pelos seus arredores. - Tijucas,na en-


seada de igual nome. Amranglla, banhada pelo rio do
mesmo nome.-Paraty, na bahia de S. Francisco.-
e C01·itibanos.
População.-Cerca de 250,000 habitantes ou 3,37
habitantes por,kilometro quadrado.
Instrucção publica.- A secundaria é dada no In-
stituto Litterario e Normal e no Lycêo de Artes e Offi·
cios; e a primaria em 175 escolas publicas e particu·
lares estabelecidas em varias localidades do Estado e
frequentadas por cerca de 7,500 alumnos; a verba
consagrada a. este ramo administrativo foi em 1889
de 196:300 000.
Divisão judiciaria.-Faz parte da Relação do Rio·
Grande do Sul e consta de 9 comarcas e 16 municipios.
Di visão ecclesiastica. - Depende da Diocese de
S. Sebastião do Rio de Janeiro e consta de 51 pa·
rocbias.
Estradas de ferro.-A de D. Thereza Christina
em con:strucção e as de D. Pedro I e de S. Francisco
ao Rio Negro em projecto.
Phar6es.-O da ilha do Arvoredo, sua luz alcança
23 milhas ;-0 dos Naufragos com o alcance de 16 mi·
lhas i-O de Imbetiba, no morro do mesmo nome, com o
alcance de 10 milhas i-e opbarolete deAnl1ato-mirím,
no forte de Santa Cruz, com o alcance de 5 milhas.
Agricultura, Commercio e Industria.-Cultivam-se
neste Estado: a farinha de mandioca, o algodão, a
canna de assucar, o linho, o café, legumes, cereaes e
enfim as suas condições climatologicas permittem as
culturas dos generos dos pai:.:es europêos e das regiões
temperadas. O commercio con iste principalmente na.
exportação do mate, geralmente colhido no Paraná, da
farinha de mandiocl}, de madeiras e de fructos seccoS.
A sua industria, que muito promette mas que ainda
está pouco desenvolvida, offerece na criação de gado,
preparo de couros e de peixes salgados, alguma
renda para o Estado.
241 -

PRODUUÇÕES
Reino mineral. - Encontram-se nesta região-
abundantes minas de carvão de pedra, ouro, ferro,
chumbo, mercurio, antimonio, cobre, esmeraldas,
diamantes, coralinas, topazios, agathas, marmOl'es,
fontes de aguas thermaes, etc.
Reino vegetal. -Representam preciosas e raras
madeiras para todo o trabalho d'entre as qnaes des·
tacam-se o pinheiro e o carvalho; arvores fructiferas,
tintureiras, medicinaes e toxicas, e tambem a
herva-mate.
Reino animaL-E' constituido, com raras exce-
pções, por quasi todos os seres d' e te reino que po-
voam o Brasil.
HOMENS ILLUSTRES. -Este Estado orgulha-se de
ter sido o berço do talentoso pintor Victor Meirelles ;
do habil politico J eronymo Francisco Coelho; do eccle-
síaJ:itico Joaquim Franci co do Livramento; de Diogo
Duarte da Silva; de José da Silva Mafra; e de mui-
tos outros.

16 c. B.
- 242-

CAPITULO XVII

ESTADO DE S.PEDHO DO RIO GRANDE


DO SUL (1) .

Generalidades

Posição geographica. - Ao N. O Paraná e Santa


Catharina; a E. Santa Catharina e o Atlantico j ao
S.a Republica do Ul'uguay j e ao O. a Republica do
Uruguay e a Confederação Argentina.
Posição astronomica. - Está itllado entre 27°5'
e 32°45' de latitude austral; e 6°22' e 14°18' de lon·
gitude oriental
Linha limitrophe. - Já foi discriminada quando
precedentemente nús occupámos de cada um dos es·
tados circumvizinhos.
Superficie. - 236.553 kilometros quadrados.
Relevo e aspecto do solo. - O terreno é em geral
pouco montanho~o; ao nordeste extende-se a serra
do mar, no centro é plano e caracterisado por im-
mensas varzeas e campinas e ondula.do nas regiões
vizinhas á Republica Oriental.
Temperatura e clima. - os mezes mais qUiln~9
a temperatura regula por 2õo a 27°,5 C. e nos maIS
frios medêa entre 5° e 3° C. abaixo de zero j a geadae
a saraiva cahem com alguma frequencia Das regiõ~
elevadas do interior. O clima é temperado, saudav
e optimo para os enropeos, sendo ahi bem distinctas
as estações do anno.

(1) E le Estado tomou o nome do rio que o rega.


- 243

DESCRIPÇÃO PHYSICA
GeolDol"phogl"aphia

Orographia. - Este estado é atrave sado pelo


systema da Sen"a Gm"al que começa ao norte e vai
termiuar junto ás margens do Urugua,y, tomando as
denominações de Botuca1'C/hy, S. Martinho, S. Xavim'
e Igamhy-açú j tem algumas ramificações como a serra
do He?'val que se liga á Gentl pela Coxilha a,"ande j
a de 8anta Teclct, contraforte da coxilhct Gmnde, que
liga a serra dos Tapes á 8en'a Geral j daquella
destacam-se dua ramificações que são a serra da Vel-
leda e das Aspe?"ezas. Notam-se aillda diversas co-
xilhas, como a do Haedo, das Ped?'as.Altas, de
8ant' Anna e outras.
Nesographia. - Na lagõa dos Patos encontram-se
a do Bcwbct Negm, do CangllssíL, das Samgonl/Cls, do
Anastacio e dos Ma'r'inl,ei?"os á entrada da lagôa j a
dos Fanfas entre a foz do rio Guahyba e a villa do
Triumpho, notavel pelo combate que ahi houve
entre os republicanos e os imperiaes, no qual foi preso
o chefe dos republicanos Bento José Gonçalves (1836),
a da Manga do PrJde, do Cunal-Alto, de Taqua?'y na
lagôa Mirim e outras no rio Jacuhy.
Acroteriographia.-Nalagôa dos Patos observam-
se as seguintes pontas: a de Itapuan, na foz do rio
Guahyba; as de S" 8i?não e do 8algaclo em posições
fr~n.teira e as do Bojun't o do Estreito j na lagôa
Júmm a ponta de Santia10'

.. Vertentes.- As do Atlantico, lagôa dos Patos e


MIrlm e rio Urugua,y.
_ Potamographia. - Os que se lançam no Atlantico
Bao liachos de pouca importancia, sendo os principaes
- 244-

o Mampit~~ba ao norte, nas divisas c.om Santa


Catharina, que tem por tribu tarios o Monte i1'O e o
Sertão; e o arroio Clmy ao sul, limite entre este Es-
tado e o Oriental.
Os principaes rios que afluem para a lagôa dos
Patos são: o caudaloso Gttahyba e o Gamaquam; o
primeiro cuja foz está entre a ponta de Itapoan e o
morro da Formiga, não é mais que o prolongamento
da mesma lagôa para o norte e é con'tituido princi-
palmente pelo Jacuízy, Cahy e o dos Sinos; d'estes o
mais importante é o Jacuhy que nasce na serra Garal
seguindo a direcção de Norte para Sul até receber o
Vaccthy, donde toma para o oriente até entrar no Gua-
hyba; passa pelas localidades da Cachoeira, Rio-
Pardo, S, Jeronymo, Trinmpho e S, Amaro, permit-
tindo franca navegação até esta ultima; recebe pela
margem direita o arroio Ivahy, o Ingahy, o Sotlt1'1W,
o Vacahy-Mi1'im, o Vacctlty: o Imp~tá, o Paq~tel'Y e
outros; e pela esquerda o Jacuizinho, o Sel'eno, o
Pa1'do e o Taqua1"y que é o mais importante, offere-
cendo 42 kilometros de navegação acima da sua foz;
o Gahy com cerca de 400 kilometros de curso, é nave-
gavel por vapores até o porto do Guimarães que lhe
fica a 100 kilometros acima da sua embocadura; e o
dos Sinos, com um curso de 200 kilometros, fórma
com as aguas do Guahyba as suas cabeceiras ~ é na-
vegavel por vapores em todos as épocas do anno, até
a cidade de S. Leopoldo; seu principal subsidiario é o
Santa Ma1'ict;
o rio Camaquan que segue a àirecção geral de
O. para L. não passa por localidades importantes do
Estado e recebe durante o seu trajecto ribeiros de
pouca importancia. ,
O S. Gonçalo é 11m canal de cerca de 80 kilo-
metros de exten ão, que communica a lagôa dos Patos
com a Mirim, offerecendo franca navegação aos !S-
pores e navios, vehiculos de importação e exportaçao;
- 245-

nelJe desagnam o rio Pinltiny e os arroios Pelotas a


das Pedms.
O rio Ja,qtt((1'ão, que chega pela ma.rgem occidental
da lagôa Mirim, é a principal estrada fluvial que vae
ter á cidade do mesmo nome e frequentada por navios
de grande callado; é tambem limite entre este Estado
e o Oriental.
O rio Neg?'o nasce neste Estado, atravessa a Re-
publica do Uruguay e vae lançar-se no rio Untguay;
tem por principaes contribuintes neste territorio o
Quebraxo e o Pinthy-G1'ande.
Limnegraphia. - As principaes são: a dos Patos,
M'i?'i?n e Mangueim; a primeira tem 190 kilometros
desde a ponta de Itapoan até o ,Estreito e 60 kilo-
metros na sua maior largura j é ligada ao oceano por
um canal e as snas aguas se acham no mesmo nivel
das do mar; a linha que vae da ilha de Cangussú até
o estreito divide-a ao norte da parte chamada Rio·
Grande do Sul; a ~1J[iri?n se communica com a prece-
dente pelo canal S. Gonçalo e com o oceano pelo
arroio Chuy; e a .111angueira de fórma alongada, fica
situada entre e..ta ultima e o Atlantico. Alem d'estas
encontram-se ao longo da costa muitas outras de
diferentes dimensões, taes como: de ltapeva, dos
Quad?'os, do Pin,quella, da FOTtaleza, do Capão,
do Ponche, da Rese?'va, de S. Simão, da Caiuua, do
Flô?'es e outras.

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções historicas .-0 territorio que compre-


henda actualmente este Estado nunca teve donatario
e era a principio povoado em sua maior parte por
diver!;as tribus dt indios taes como as dos Tapes, a
mais importante, que dominava o paiz de de a lagôa
dos Patos até o rio Uruguay j dos Gttaycanans e ta-
belecida nos campos da Vaccaria e actualmente
- 246-
representada pelos bu,gres; dos Charruas que se espa·
palhava pela parte meridional da lagõa Mirim; e dos
Minuanos que occupava a região situada a oeste da
precedente; apenas uma porção muito pequena era
dominada pelos portuguezes, cujas raias não ultra·
passavam o rio Pardo.
Assim permaneceu esta parte do Brasil por es·
paço de dois seculoR, até que o padres da Companhia
de Jesus fun4aram as sete celebres Missões, que mais
tarde foram-lhe annexadas.
Em 1fi49 o padre Montoya, procurador do Para·
guay, pedio licença ao governo de Madrid para armar
os indios, sendo antes ajudado na arte bellica pelo
padre André de Roda.
Não se acha ainda averiguada a época em que se
começou a povoar o Rio-Grande j sabe-se unicamente
qne a 170voação de Viamão foi uma das primeiras esta·
belecidas, sendo pouco depois conhecida esta região
com a denominação de Contin81'IJte de S. Ped1'o, do
nome do canal que serve á lagõa dos Patos, dada
talvez em homenagem ao monarcha reinante.
Em 1715 marcharam de Santa Catharina cinco
exploradores por ordem do g·overnador geral do Rio
de Janeiro, Francisco Tavora, afim de reconhecerem
aquellas paragens e examinarem se eram oCj:lupadas
por povos e trallgeiros. Elles se entranharam tanto
para o sertão que foram ter á aldêa dos Charruas,
ond'~ foram aprisionados e ahi permaneceram por aI·
gum tempo captivos.
Mais tarde, uma outra expedição composta de
trinta homens e sob a direcção de João de Magalhães,
foi enviada pelo capitão-mór da Laguna, Francisco
Brito Peixoto, para que tratassem de povoar aquell es
desertos e de angariar a amizade dos indio Mim,anos,
habitantes d'aquellas regiões. Magalhães desempe,
nhou tão bem a sua missão que a elle é que se de\'e a
creação das primeiras estancias de gado no sul do
Bra iI.
- 247-

Em 1735 amestre decampo Manoel Dias, pa.rtindo


de S. Paulo para este paiz afim de fazer com que as
forças hespanholas levantassem o cerco da colonia do
Sacramento, conseguia firmar o domínio portllguez
nos Cumpos dCt Vacccl1"in.
Dou annos depois o brigadeiro J, sé da Silva
Paes fundou o primeiro presidio e povoação na foz
do Rio·Grande éle S. Pedro, tendo por padroeiro Je-
sus Maria José, e construía os fortes de Sant' Anna e
S. Miguel.
Oom o armisticio assignado em Pariz no anno de
1735 pela~ dnas côrtes, portugueza e hespanhola, ·ces-
saram esta pelejas havidas entre estas duas nações
na America',
O Rio-Grande do Sul, que progredia considera-
velmente gra.ças á granJe immigração de colonos das
ilhas dos Açôres e Madeira que tinham sido enviados
por D. João V, preparava-se para tornar-se uma das
primeiras potencias do Brasil. .
Em 1738 o Continente de S. Peé/yo, annexado á
Santa Oatharina passou a formar uma capitania de-
pendente do Rio de Janeiro e limitada ao norte pelo
rio Mampituba é ao ul pelo serro de S, Miguel,
actualmente no dominio do E tado Oriental.
Por occasião da demarcação de limites entre as
duas colonias enropeas os indios commanclados pelos
proprios jesuitas da ~j}fissões do Urnguay, aggrecliram
armados aos demarcadore. e não deixare.m concluir
a sua tarefa; mas Gomes Freire de Anclrade élepois de
grande e 'forço conseguia venceI-os em 1756,
Depois seguiram-se diversas peleja e combates
pendendo a sorte ora para as armas portnguezas,
ora para as he panholas até que o lamentavel tratado
de S. lldefonso (1777) veio assegurar a esta nltima a
posse da colonia do Sacramento, a mis õe do Uru-
guay e uma bôa parte do territorio do actual E tado
do Rio-Grande do Sul.
Firmado d' esta fórma o dominio portugllez tratou
- 248-

a nascente capitania de progredir e restaurar as forças


perdidas por occasião das lutas com os hespanhóes.
Tendo em 1801 chegado a e ta capitania a no-
ticia do rompimento da guerra entre Portugal e a Bes-
panha as tropas ahi existentes reconquistaram em
. pouco tempo o territorio das Missões.
Por Decreto ele 25 de Fevereiro de 1807 esta ca-
pitania foi elevada á capitania geral e sua capital
foi transferida da villa do Rio-Grande para Porto-
Alegre.
Em 1835 rompeu a guerra civil dos nbeldes que
durou dez annos, terminando por uma amnistia. con-
cedida pelo imperador D, Pedro II,
Em 1847 foi creado o bispado d'este Estado que
se separou do do Rio de Janeiro,
Enormes ,foram os auxilios prestados por esta
provincia nas guerras argentina em 1851 e do Pa·
raguay em 1864, que s6 terminou com a morte do
dictador Lopez em 1870, quer pelo seu contingente
de voluntarios, quer pela sua cavailaria., que passa
por uma das melhores do mundo.
Em 1874 deu-se ahi a revolta dos muke"s cujo
chefe Mamer se intitulava P,'"opheta.
Capital.-Porto Aleg,'e, outr' ora PO?to dos Casaes
com 40,000 habitautes, sobre a encosta de uma collina
á margem oriental do rio Guahyba e muito coromer-
ciante, Além de beilos e elegantes edificios particu-
lares encontram-se o palacio do governador, a ca-
thedral, a igreja de Nos a Senhora das Dôres, o
theatro de S. Pedro, a escola militar, o lyceu, a in-
tendencia municipal, o arsenal de guerra, a alfandega,
a casa de caridade, o palacio do Oongresso de Estado,
a casa de detenção, bem como muitas fabricas.
Cidades.- S. Leopoldo, com 20,000 ha.bitantes.à
margem do Rio dos Sinos; em 1824 era uma coloma
a.ilemã e hoje uma cidade com importante agricultura
eindustria.-Pelotas. 15,000 habitantes, linda cidade
sobre uma collina á margem occidental do rio S. Gon·
- 249-

çalo com importantes fabricas de xarques, muito rica


e commerciante. -Aleg1'ete, 12,000 habitantes, á mar-
gem esquerda do Ibirapuitam, fundada pelo marquez
do Alegrete e com grande indu tria e criação de gado.
-Rio-Grande, outr'ora capital, á margem direita do
canal do mesmo nome, com mão porto e grande com-
mercio e industria. - S. Gab1'iel, sobre uma eminencia
á margem esquerda do Vacahy e com algumas fazendas
de criação de gado; foi re idencia de Aimé Bou-
pland (1829 a 1853).-Jagtub1'ão, 6,000 habitantes
sobre uma collina á margem esquerda do Rio do
mesmo nome e em frente á cidade de Artigas, com-
munica-se com Pelotas e Rio-Granéle por meio de nma
linha de vapores que entretêm activissimo commercio.
-Baié, localidade central ecom importante commercio.
-Rio-Pa'rdo, á margem do Jacuhy, uma das mais an-
tigas cidades do E tado, com uma importante egreja,
casa de caridade e estação da Estrada de Ferro de
Taquary a Urugnayanna.-Cachoeim, á margem
esquerda do Jacuhy e junto a uma cachoeira que
fôrma o mesmo rio.-Umguayana á margem esquerda
do Uruguay, com bom porto e alfandega; o general
Estigarril:lia, que occupára e ta cidade, rendeu-se em
1865 a D. Pedro II, entregando-se prisioneiro com
todos os seus.-Sant' Anna do Livramento, situada na
coxilha de Sant' Anna nas fronteiras com o E tado
Oriental e bastante flore cente. - Cnlz-Alta, localidade
central situada na Coxilha-Grande.-Itaqtâ á margem
esquerda do Uruguay. - e S. Ma1'ia da Bocca do
Monte, localidade central e com florescente commercio.
VilIas principaes.-Caçapava, em uma be11a emi-
nencia e regada pelos rios Irapuá e S. Barbara.-
S. B01ja, proxima ao rio Uruguay e fundada -pelos
je uitas Marcello ele Lorenzano e Francisco de S.
~a.rtim, em Junho de 1865 foi occupada por Estigar-
nbla.-a heroica de S. José do Norte, á margem es-
querda do canal do Rio-Grande e em frente á cidade
deste nome. ,- n'iwnp7Jo, banhada pelo Ta.quary. -
- 250-
S. João elo Monteneg1'o e S. Sebastião do Cally com
importantes minas de carvão de pedra.- Viamão
proxima á capital e uma das mais an tigas localidades
do Estado.- S. Angelo e Palmeint, localidades cen-
traes .ao norte do Estado.-e S. Antonio da Patmlha
situada em um rico municipio.
População.-Oerca de 650;000 habitantes, ou 2,7
habitantes por km. 2 •
Instrucção publica,- Abrange os tres gráos; o
St~pe1'io1' é dado na Escola Militar; o secztndw'io na
E-cola Normal e na Annexa á Escola Normal; e o pr i-
mCl1'io em cerca de 400 escolas publicas e estabeleci-
mentos de instrucção espalhados pelas diversa cida-
des, villas e povoações do Estado; ha. uma frequencia
media de 20,000 alumnos, importamlo em 554: 500 '000
a verba despendida com este ramo administrativo em
1889.
Divisão judiciaria,-A relal{ã.o de Porto-Alegre,
que comprehende o Rio-Grande do Sul e S. Oatha-
1'ina, consta de 57 municipios e 32 comarcas.
Divisão ecclesiastica. - Â diocese d'este Estado,
creada em 1848, consta de 111 parochias.
Estrada de ferro.-Ha as seguintes :-a de Porto-
Alegre a S. Leopoldo e a de S. Jeronymo em trafego;
-as do Rio· Grande a Bagé, e de Quarahim a Itaqui
em construcção i-as de Oacequy a Uruguay, de Pelo-
tas a Porto-Alegre em estudos; e a de Pedro I que ha.
de ir. de Porto AlegTe a Sa.nt.a. Oatharina.
Pharóes,-O!la Bana situado no pontal da barra
com alcance de 15 milhas; na lagôa dos Patos encon-
tram-se os seguin tes: o do Estreito na ponta do Es-
treito com 7 milhas de alcance; o do CClpão da
Mct}"cc~; o do Bujzwú com o alcance de 12 milhas; o
de Glz1'istovam Pe1'eim com o alcance de 12 milhas;
e o pharolete de Itapoam com 12 milhas de alcance.
Agricultura ComIl,lercio e Industria. -A cultura
do trigo, outr ora tão activa, e~tá hoje abandonada por
causa do apparecimento dafermgem; a do algodãO
- 251-

teve a sua crise, mas actualmente tem tomado en-


sivel desenvolvimento; o centeio, o arroz, a batata
chamada ingleza, o fumo, a araruta, a cevada, oca-
nhamo, a videira, os cereaes e os legumes são fontes
de riqueza agrícola que poderiam dar grande resul-
tado si não fôssem preferidas pela industria da cria-
ção de gado; alguns d' este prodncto E'ão exportados.
O seu commercio, quer de importação, quer de expor-
tação, póde ser comparado com o dos principaes Es-
tados da Republica. A sua industria con"i te princi-
palmente no trabalho de xa1'queadas e e tancias, no
qual se occupa grande parte dos seus habitantes;
consiste tambem no preparo da farinha, de mandioca,
das linguas, da herva·mate, e da aguardente; nume-
rosas fabricas e importames e~tabelecimento concor-
rem tambem para o desenvolvimento de sua industria.
PRODUCÇÕES
Reino vegetal. -Attestam a riqueza vegetal deste
Estado: as frondosas florestas que principalmente
revestem as vertentes do Uruguay de onde 'e ex-
trahem variada.s madeiras de lei e de construcção; e
'as extensas pastagens e immensos campos cobertos de
relva que sustentam innumeras especies de animaes
uteis á economia humana.
Reino mineral. -O seu solo é variado repo itorio
dos lepresentantes d'este reino j ahi se encontram:
abundantes minas de car,ão de pedra, o cobre (Caça-
pava), (juro, prata, ferro, chumbo, differentes quali-
dade de mal'mores, CI'Y. taes, esmeraldas, topazios,
opalas, cornalinas, agathas, al-gemma etc.
Reino animal.-O crescente povoamento d' este ter-
ritorio tem feito de apparecel' os repre. entante d'este
reino, não obstante encontram-se para o norte alguns
veados, onças, macacos, pacas, coell1os, tatú , etc. ;
das aves Rão ahi encontradas em maior quantidade as
qUe geralmente habitam as regiões campineiras;
- 252-

mas é fóra de duvida que este é o primeiro Es-


tado para a criação do gado, poL, em nenhum ha es-
pecies tão multiplas e variadas.
HOMENS ILLUSTRES. -São iunumeros os filhos
d'este Estado que enriquecem as paginas de nossa
hi toria patria com os' seus nomes gloriosos; meTeoem
especial menção: os bravos militares o legendario
O orio (marquez do Herval), José Joaquim de An-
drade Neves (baTão do Triumpho), visconde de Pelo-
tas, Bento Martins de Menezes, Antonio José Fer-
reira ele Brito, Bento Gonçalves e Araujo Porto
Alegre, o abastado negociante Irenêo Evangelista
de Souza (visconde de Mauá), e o litterato Candido
Baptista de Oliveira.
- 253 -

CAPITULO XVIII

ESTADO DO AMASONA S (I)

Generalidades
Posição geographica. - Ao N. as republicas de
Venezuela, Estados-Unidos da Columbia e Gnyana
Ingleza; ao O. as republicas do Equador e do Perú ;
ao S. a Bolivia e Matto-Grosso; e a E. o Pará.
Posição astronomica.-Lat. bor. 5°10' e au traI
10°20'. A longitude é sómente occidental entre 13°40'
e 32°.
Linha limitrophe. - Com os paizes estrangeiros
a raia já foi assignalada precedentemente quando nos
occupámos da linha geral divisoria; com o Pará as
fronteiras tambem já foram discriminadas; - e com
Matto-Grosso é pelo rio Madeira desde a confluencia do
Beni com o Mamoré até a foz do Giparaná ou Ma·
chado, donde segue até suas origens a tomar as do
Uruguatás, por este ultimo até confluir no Tapajós e
d'ahi até a foz do das Tres Barras.
Superficie. - 1.897,020 km2 ; o maior dos Es-
tados.
Relevo e aspecto do 5010.-0 terreno é geralmente
plano, baixo, alagadiço e cortado por uma infinidade
de rios que fazem parte da bacia central do Amaso-
nas; as regiões mais elevadas do solo estão sHuadas
na fronteira septenttional.
Temperatura e clima. - Segundo Castelnau a
temperatura media da planicie amasonica é de25°72'C.

(1) Do grego-sem seios.


- 254-

Em geral o clima é quente e humido nas terras baixas


e alagadiças por onele corre o :Madeira,reinando ende-
micamente as febres intermittentes; nos outros pontos
é sadio.
Pelo verão as chuvas são abundantes e torren-
ciaes.
DESCRIPÇÃO PHYSICA
Geo morphographia
Orographia.- O systema oJ'ographico do Ama-
sonas é o Pa?'imá ou das Guyanas que com os nomes
de Essa?'y, Pacct?'aimo, .Ll1a?'itani, jJlluz~tacá, A?'ivana,
Pa?'imá, Tpi?"apecó, Ucuntssi?'o, Ymeri, Ant~l,a?'á e
C~tranty extende-se pela fronteira septentrional de E.
para O. Além d'estas notam-se as serras de Ttt?mthy
entre os rios Içaná e lxié ; elos Orystctes; do Ribeiro;
do C~tl'antYj Pi?'occt antigamente Itacctmiaba (1),
depois Jacy·talJe?'ê (2), esta serra, despida de vege-
tação por ser muito batida pelos ventos, é apontada
como o ponto onde as fabulosas Amasonas iam encon-
trar-se com os seus amantesj a de Parintins á margem
direita do Amasonas, quasi em frente á foz do Ja-
mundáj a de Jacct1nim á margem do Rio-Negro j do
T~tcano e outras.
Nesographia.-D'entre as ilhas d'este Estado,
que são todas fiuviaes, a mais importante é a de
Tupinanbctmnas com perto de 300 kilom. e na conflu-
encia do Madeira com o Amasonas.
Hydrogl-aphIa
Vertente. - l i do rio Amaflonas.
Potamographia.-Merecem n'este Estado espe-
cial menção pela ordem em que desaguam em ambas

(1) Dadiva de pedra do mat o


(2) Tapéra da lua.
- 255 -...

as margens: o Java1'y (dir.). Jitndaitiba (d.), Potu-


mayoouIçá (esq.), Jutahy(d.), .Jiw-uá, (d.), JapU1'á
(e.), TejJ:é (d.), Coa1'y (d.), Pun.ts (d.), Neg1'o (e.),
Madeira (d.), o furo de Ura1'iá ou Tupinabamnas
(d.), para o qual conffuem pela margem direita o
Canwman, Abacaxis, Apiuq~tibiro, Apaquituba,Ma~té­
açtt, Maué-mirim, lJIacari, Andi1'á, e Tupinamba-
raná; o Urubít(e,), Jamundá (e') e o Tapajos (d.).
O Javary desagua no Amasonas pela margem
direita por tre boccas e a 12 km, de Tabatinga ;
serve de limite entre o Brasil e o Perú e tem nm
curso de perto de 660 km.; seo principal tributario
é o Tecttahy qne por sua vez recebe o Itaby.
O Jtmdiatyba tambem lhe vem pela margem di-
reita, com elie confine perto da villa de S. Paulo
de Olivença e é navegado a vapor pela Companhia do
Amasonas ; seu principal affiuente é o Mutuanetelta.
O Pottt»1Ctyo ou Içá, com um curso de 1,452 km.,
nasce na Serra de los Pastos na fronteira da Nova
Granada e do Equador, tendo a sua maior extensão em
territorios peruanos, onde recebe muitos tributarios ;
communica-se com o Japurá por rlous furos e seos
principaes affiuentes da margem direita são o Yaguas
e o Caneacica d'onde se passa ao J"apul'á por inter-
medio de um varadouro que o communica ao Canella ;
no Brasil o Mwnttriá, tributario da margem esquerda,
é o mai~ importante.
O Jutahy com 1,056 kiI. de curso e cerca de 2 de
embocadura, recebe como principaes o Upiá e o Mu-
tUm; as suas cabeceiras suppõem-se na serra do Cusco.
E' navegavel até a barra do Camem pela companhia
inglezil. do Amasonas.
O Jitruá com 1,980 kil. de curso recebe pela mar-
gem direita o Chiruam, Tamuac'í, que é o mais impor-
tante, Gregorio e M1í.
O Japu1'á com 1,848 km. de curso nasce em
- 256 -

Popayan, provincia da Columbia, com o nome de Ca-


quetá que conserva na sua parte superior e desagua
no Solimões, com o qual corre parallelamente durante
uma grande extensão, em frente á ponta de Paranari j
é navegavel até a cachoeira de Cupaty formada pela
serra de igual nome e quasi na fronteira do Brasil.
Antes de sahir no Solimões e numa extensão approxi-
JÍlada de 37 O kil. apresenta-se uma consideravel
quantidade de ilhas formadas por grande quantidade
de furos que levam as aguas do Solimões ás d'este rioj
o Japtwá tem uma bocca unica que fica situada entre
as ilhas de Uanacá, Uapi, Mahiana e Capinari. Diver-
gindo de Ferdinand Diniz e Ayres do Cazal o tenente
Araujo e Amazonas nos affirma que nos clitos canaes
as agtu~s cO?'t'em do Solimões pa1'a o Japlwá, e que·
as d' este, cLté, então cla1'as, se mescla'n e ttLrvam ao
sahi1' de sua joz emfrente de Pamnari. D' entre os afilu-
entes mais notaveis deste rio notam-se o dos Enga-
nos, em territorio Columbiano,. formado pelos rios Ta·
nascim'/,L e Cunw'ye o ApalJoris, muito enc.achoeiraao
com o seo principal tributario o Ta1'ahyr:as que ,lhe vem
pela margem esquerda, os quaes ~ão limites entre o
Brasil, oPerú e a Columbia. Dos a.ffl.uentes s'3ptentrio-
naes do Amasonas é este, depois do Negro, o segundo
em extensão; o seo nome lhe proveio de uma das'
tribns que o habitavam. As aguas d'este rio crescem
em Abril, attingiudo o maximo de .altura dd Julho a
Setembro.
O Teffé, com 990 kil. de curso, lança-se no lago
de Ega; o seo principal affiuente é o Gaucho que lhe
vem pela margem esquerda; a 12 kil. da sua barra
está situada na margem direita a cidade de Teffé.
O Coa1-Y, com 500 kil. de curso, lança-se no lago
do mesmo nome, o qual se communica com o Solimões
por duas boccas; por não ter cachoeiras é facil a sua
navegação até por grandes canôas; a villa do mesmo
nome, antiga Alvellos} está situada a 24 kil. acima
da sua foz.
- 257

o P1WÚS (1), primiti,amente OllxiuMet, com um


cnrso de 3,000 kil. tem a snas nascentes no Perú,
em regiões pouco conhecidas; deslisando sinuosa-
mente na direcção geral S. O. para N ,E. vae lan-
ça.r-se no Solimões por quatTo boccas, fOTmanuo
de1tet consideravel; os seus principaes tributarios são
na ordem de nccessão: o ()untmahú, (e, ),0 Ctt1'imeth1't
(e.), e o A'l'acá (ÇL) em territorios peruanos; o Ryuacít
(d.), o Aqui1'Y (d.) que é o mais importante de todos os
8eos aftluentes; o PaHiny (e.), o Itttxi (d.), o ff[a?'y (d.),
oMacuim (d. ), o TaplJ"uá (e.) que offerece facil passagem
aos inclios p-ara o J l1ruá: o JetCet1'é (d.) eo Pa1'anv,-1,ixm~a
(d.). Este rio é navegado pela companhia a vapor do
Amasonas além do Hyuacll no tempo da enchente,
'Sendo·o igualmente o AqHi1'Y até o ribeiro Pontes; no
tempo da. secca é 1'0.\'0 as grandes embarcações pas-
~arem além do Aicincm. '. .
, O Ne'crro, ou Pa1'ctná-ln.'tunet com um curso de
2,?55 kil. (segundo A. ,Nogueira) é o maior affiuente
septentdonal do Amasonas ; era ch-amaelo autigamente
pelos indios Quia1'i ou OW'iguacw'ü e actualmente
tem esta denominação em razão da côr ele suas agua, ,
a qual só conserva até o canal Caruewi tomando d'ahi
p'ara cima o nome de Guiew/a, até as suas na centes
que são pouco conhecidas, Nasce em Popaiam. na
Columbia e ,corre na direcção E. até o meriéliano 25°,
qnasi na barra do seo tributario Tiq1tÍé; d'ahi se dirige
símIO. amente para o S. até cortar o equador approxi-
madamente na barra elo Uaup,ez, começando a correr
em territorio brasileiro da peura de Cucuhy para
diante i ela barra elo Ucwpez, seo maior affiuente ela
margem direita, segue a direccção O. até inclinar- e
para S. E. no rumo mais ou menos ele 21°, indo despejar
as snas agnas no Amasonas; 960 kil. acima ela sua

(1, P!lrlÍ,~, egnnrlo Labre vem de pW'ú-PU1'1í, (JJilllado), nome


que tinham o clyag n rta naljão Pama1Y, que ahi hahJla\am,
pe,lo fac'to de ere1l1 manchado de branco; e egnlldo Ba.rl). Ro-
dl'l:!uf' de P1I1'Ô. agua corrente, rio,
17 c. n.
- 258-

foz a navegação é interrompida por cachoeiras, na


extensão de 20 milhas tornando-se recommemlaveig a
de 1I1a?"acabi, Cajubi, Fumas, Crocobi, Caldeirão,
Pa;redão e Ca?-angtteijo. Numero as ilhas se ostentam
pelo alveo d'este rio j umas estereis pelo facto de
submergirem-se pela enchente, e uutras, ãs inaces-
siveis á enchente, cobertas de espesso arvoredo.
O rio Neg?"o é navegavel até S. Isabel pE'la Compa-
nhia lngleza a vapor do Amasonas; em certos pontos
a sua corrente é muito pouco consideravel e o seo
alargamento, que attinge em alguns logares a 20 kil.,
levou Martius a distinguir quatro grandes bacias
desde a barra do rio NegTo até S. Isabel. O seos
mais notaveis affiuentes que correm em territorio
columbiano pela ordem em que vão apparecendo são:
o Napiari (d.), Tiqttié (d.), Tomó (d.), Conorochito
(e.), Pacimoni (e.) e 1J!lacapud (d.) j em territol'io bra-
sileiro notam-se: o Ixié (d.), lssaná (d.), Uaupez
(d.), Cabab01'is (e.), Paclaui?"i (e.), Ua?"i?"á (d.), Bmnco
(e.), Yuaperi (e.) e o Jahu (d.) dos quaes merecem
especial menção os que passamos a tratar:
o Conorochito e Pacimoni se commnnicam com o
Orenoco por meio do canal Cassiquia?-i; d'este facto
resulta, como já tivemos occasião de observar, que
todo o territorio Guyano e uma parte do brasileiro
é uma grande ilha banhada pelo Oceano, Amasonas,
rio Negro e Orenoco.
o UaHpéz, tambem chamado Ucayan:, lança- e no
Negro por duas boccas, formando na sua foz uma ilha
de 120 kil. de circumferencia chamada Ucaya?'i e é
navegavel na extensão de 130 milhas acima de sua
fuz j comquanto as . uas nascentes sejam pouco co-
nhecidas, pretende-se que e achem situada nas
serras que ficam entre os rios Cnmia?'i e Neg?'o; a
parte superior d'este rio é extraordinariamente enca-
choeirada e pouco conhecida j
o Branco, cuja denominação lhe foi dada pelos
portug'uezes em razão da côr de suas aguas tem um
- 259-

curso de 590 kil. e é formado pelo Tacutít e' U?'a-


ricoercb, si bem que este ultimo pareça a sua conti-
nuação e aquelle apenas um confluente; desagua no
Negro por tres boccas, uma das quaes, a de Amajahú
põe em communicação este ultimo com o Si?"ivini; en-
contram-se neste Tio algumas cachoeiras como a de
8. Felippe, RCtbbino, Pancada'g?'ande, Cachoei?'inha
GeJr1nano, Cemite?'io Gmncle e outras; os seus prin-
cipaes aff!UE'ntes são : M~lcajahy (d.), Uanauá (e.),
Camti'rimani (d.), Me?'ellni (e.) e 8erevini (d.);
a) o Uraricoe?'a, cujas cabeceiras são desconhe-
cidas, tem este nome até receber o Auaris e d'ahi por
diante o de Panlimé; a sua direcção media é de K para
O. contornando as faldas da serra de Paracaimo ;
d'entre os seus principaes aff!uentesnotam-se o Aua?"is
(a.), C~w'ycwry (d.), Umricapcwa (e.), Mctjm'y (e.),
e Pa'raimé ou J!anté (e.)j á semelhança do Araguaya,
este rio se divine em dous braços formando a grande
ilha de Maracá; o braço que Dca ao norte tem o nome
de praricoem ao passo que o do sul conserva o nome
da ilha; desde a juncção d' estes dous braços até o fortim
de S.Joaquim, na confiuencia com o Tacut,tÍ notam-se
as cachoeiras de Tu.ch~ta, José e Ucinam;
b) o Tacutít nasce perto do AnCHtá, aff!uente do
B"anco, e para ligar-se ao U?"a1"icoera descreve uma
curva á semelhança de um U; os seOR principaes
affiup.ntes são: pela margem direita os rios Mahú
Vinllí, Chwnincbn e Cotingo que por sua vez recebe
o Surllmú; pela esquercla os ribeiros MCtpadá, e
.J!iamb7't, Huan, Patm'é e outros; facilmente se pa sa
por terra deste rio ao Repuna?'y, aff!uente do Esse-
quibo que desagua no oceano j o Mah7é ou lren com
cuja confiuencia se avolumam consideravelmente as
suas aguas, é o seu principal tributario que pelo
Pi,'ám traz-lhe as aguas do lago Am~tcú j a suas
cabeceira estão além da cordilheira Paracaimo e o seo
Curso é obstruido a 50 kilom. da sua embocadura
por algumas cachoeiras sendo a de Ca?'onã a mais
- 260-

recommendavel; recebe este rio á margem direita o


Uanamm-á, como o mais importante e á esquerda o
Uki'ripa, Tttptwü, e PinÍ1'a;
o J}Iaeleim, primitivamente C((Ya1'i, tem um curso
ue 3AO kilog. e é formado pelos rios Beni e Mamoré
dosql1aes s6mente o Mamoré eo seo affluel.lte o Gua-
p01'é são os que.regam territorios brasilicos-
a) O rio Beni ou Alto- aIadeim corre s6mente
em terrenos bolivianos e é formado pela juncção do
Macl?-e de Dios on Amcwwnayít e do Beni P?'op?'iamente
dito; aquelle nasce perto de Ousr,o e origina-se da
confiuencia do Pini-pini e Tomó e depois de receber
pela marg'em esquerda o Anwnba?-y se avoluma con-
sideravelmente e toma a direcção media de 8.0.
para N,E_; até á bana do Beni onde mede 780 me-
tros de largura, recebe varios a.fftueute d'entre os
quaes o Cuet1'a1-a , (e.)e o JIcmupm-i (d.). O Beni pro-
priamente dito, menos volumoso, resulta da confinen-
cia do La Paz e Cochabctmba e depois de ta juncção
dirige-se sinnosamente para N, E, até a sua barra j
os seus mais notayeis, affluentes ão: o Caca (e,) for-
mado pelo Mapi?-i e Tapualti, o Neg?'o (d.) desagua-
douro do lago Rogag1ta, o Tuiche, (e.) o JJ!aclidi (e.)
formado pelo Tambopatct e Paplobambct e o MataJl(
(e.) Este rio foi con iderado como o prolongamento do
JJ[adei?-a talvez por ser do::; tres o que mail:l lhe
segue a direcção; tanto elIe como o llIadre de Dias
são de facil navegação por não serem el}cachoei-
rados.
li). O JJlamoTé nasce na Bolivia ao 8, de Ooch~'
bamba com o nome de G?'anele on GuapG?'Y j depOIS
de dirigir-. e para 88E., recurva-se e toma par~
NJü até ligar- e ao Beni j os .eos mai notaveis tl1-
butarios lhe vem pela esquerda e são: o Yaparame,
JJfamo1'é, Ohapa?'é, 'ecll?'é e Fijamuchi j o GuCtlJO?'é on
ltinez é o unico importante que lhe vem da direita e
torna-se recommendavel por ser limite (com o eo
affiuente Ver'de) entre o Brasil e a Bolivia. asce o
-261 -

Guapo?"é a 36 km. do .Taul"lí, affluente do Para-


guay, e a poucos kilom. da sua na~cente torna-se
navegavel ; até a cidade de Matto-Grosso recebe al-
guns afiiuentes sendo o mais notavel o Aleg?"e que
lhe vem pela e querela; até a barra do Mamm"é des-
creve e. te rio uma linha sinuosa re'cebendo pela mar-
gem direita tributarios brasileiros e pela esquerda
bolivianos; na ordem em que vão apparecendo, são os
mais importantes : o Oapiva?'Y (d.), o P amge7m (e. ), o
Cunl1nbiano (d) que desagua perto da povoação de
Laranjeira o Mequens (tI), e &müo Gmnele (c1) o S.
Miguel (d ) e o Beturés (e.)que desfLgua a alguns kilom.
acimet do fOI te do Príncipe da Beira.
Algumas cachoeiras se formam ne te Tio por es-
paço ue 30 kilolll. como a das Lages, Páo-Gmnele, Ba-
nanei?"Ct, Guajará-açu e GUClja?'á-mirim, sendo a ter-
ceira a mais importante. O rio J.lfadeÍ1"a da sua forma-
ção até a sua confluencia no Amasonas egue a direcção
media de 80. e recebe alguns tributarios sendo os
mais notaveis o Jama7'y (d.), Gipa'raná ou MetclIado
(d.) e o Cemuman(d.)j pnuco acima rio foz do Giparana
começam a appal'ecer as abas dãs serras de que se
formam as cachoeira que impedem a. uanavegação por
e paço de 360 kilom. e cuja itiffjculdade teu tau-se
reparar com a con. trucção de uma estrada de ferro
marginal desite a cachoeira de S. Antonio até a de Gtta-
ja?'ú-mÍ1"im ; estas cachoeiras são em numero ele 13, a
saber j I', Antonio, JJlctcacos, salto do Theotonio, 11101'-
?"inho, ralcleirão elo Inferno, salto do Gü-an, Tres
Irmãos, PClreelão, Pede-rneira , ATánls, Ribeirão, Mi-
sericorclia e lJIacleí1'Ct; 72 kilom" an tes de entrar no
Â1n3 ouas, deita, este rio pela margem direita um
braço na direcção 8, O, com o nome de Um?"iá ou
Furo ele Tupinwnuct?'anas, o qual vai sabil' no Amar
sonas perto da cidaüe ue Parintins, formando em sua
parte septentrional a grande ilha Üe Tupinambaranas j
neste canal desaguam o rios Canuman, A.ba( axi ,
MeHlé-açu e Anchrú. Em 17i5, Franci co de ~Iello
- 262-

Palhe ta subio este rio até o Beni j e, continuando por


este chegou até a missão ela Exaltação; em razão da.
g-rande quantidade de madeiras que eram arrastadas
pela sua corrente deo-Ihe Pallleta o nome actual em
substituição ao de Caycb1-i.
a) O Can'mnan, com um curso de 600 kilom. tem
a direcção media de S. para N. e as suas cabeceiras
estão proximas a um braço do Gipcbmná j communica·
se com o Madeira pelo braço Mata~wá que lhe fica
cerca de 330 kilom. acima da sua foz, sendo 200 na-
vegaveis em todo o tempo. A povoação de igual nome
fica-lhe á margem oriental e a poucos kilom. de sua foz.
Em seu trajecto recebe o Camauiá, Campina?'o,Acari,
Mai1-icoc1'a, Açu, A1'CtCÍb, jlt[apiá, Caicmé e Panllná á
esquerda j e o Stbmana, Ja1'Ctqzbi, Pacova e T~bcnman
á direita.
b) O Abacaxis, cujo curso é avaliado em mais de
640 km. (l»)comquanto seja representado muito menor
que o Cambman (2) ; segue a direcção media de NE.
e depois a de NNO., banhando pela margem oriental
a povoação do mesmo nome; os seos principaes trio
butarios são o A'l"upady, Pllp~t.nha e Ot~~·anahy.
c) O Maozbé-açu tem a direcção geral de NO. e das
suas cabeceiras, mediante pequeno trajecto, passa-se
ao Tapajós; nelle despejam as suas aguas, pela direita.,
GZba1'Ctnat~bba Amaná e Nwnbi, á esquerda o 1JIané-
mi?'im e o Limão.
d) O Andi1'á tem a direcç'.ão media de SOo para
NE j perto da sua foz alarg·a·se consideravelmente,
ficando-lhe á margem oriental a povoação do mesmo
nome.
O U1'UbtÍ. primitivamente chamou-se Banmí,.
.voca bulo corrompido pelos portuguezes no actual, SI
bem que os selvagen o denominem Uambé; tem as

(lI .1. E. Wappam, pago 8í, l' I".


(2) Carta geral do Imperio (1 Drazil. L. 11. PelllJa, 1883.
263 -

suas nascentes nas terras alagadiças das vertentes da


serra da Guyana Ingleza e é formado pelo Mbiará,
Oarana-ye flntbtt-tinga; dirige-se na direcção media
de SE. até o furo Amttató, seguindo depois o rumo
geral de NE. até lanç~r-se no Amasonas por - duas
boccas formando na sua foz a ilha do mesmo nome; o
seo leito é obstruido por tre cachoeiras, a primeira
das quaes (N. S, da Oonceição) é a barreira que se
apre enta ás navegações de grande calado; além do
furo Arauató, sua pretendida foz, mais oito canaes
le"amas aguas do Amasonas para as d'este rio, de modo
que augmentam consideravelmente o volume uas aguas
do lago Saracá (1-io UruM) ; es es canaes são: Cana,
S. Antonio, Cctinaman, T1-inclade ou Uixitiba,
Ocwão, Cwiaça1'y, Cttmçtt e Pi1'á-mi?-im. Os mais im-
portantes a:ffluentes são: o dos Pcdo (e.), Tabocchl
(d.), Cam (e.) e Anibá(e.) que é o mais importante e
éonta cerca de 200 metros de foz; este rio banha a
villa de Silves situada a 12 milhas da sua foz.
Foi habitado pelas tribus Oaboquenas, Bururllrns e
Gnanavenas, que foram completamente dizimadas
pelo intrelJido e sanguinario capitão Pedro ela Oosta
Favella ob pretexto ele vingar a morte do argento-
mór Arnaud Villela.
O rio Uatumã corre na direcção N. para S. e ele-
poi de receber o Jatapú dirig'e- e para E.; os seos
principae tl'ibutario são o UChtwnan propriamente
dito (d.) e o Jata]7U (d.); e te ultimo que ~ o
mais importante, é formadu pela confiuencia dos rios
Ca~'Í1nany e Uassahy e tem ele curo o cerca de 400 kil.
do quae_ metade ão navegaveis até por grandes va-
pores no tempo da enchente; os seos pl'incipaes tri-
butarios são: Orodoclt, e Capllcap'; á direita; Uaucu
e .llfasqnini á esquerda; notam-se tambem algumas
cachoeiras sendo a principaes a Grande, PicalJ(f,U,
Cachi1'Y e D _ Isabel. O curso . nperior do Uatwnã,
por não ter ::;ido explorado, ainda não foi e tuclado
convenientemente.
- 264 -

o Jamundá anteriormente tratado no Estado do


Pará recebe neste pela margem direita: o Jatuamna,
O PratltclÍ, e o Decua1'V .
Do rio Tapajó apenas pertence a este Estado a
margem esquerda do trecho comprehendido entre os
rio. das T1"eS Ba1'ras e Untg~tatás.
Limnegraphia.- No Amasonas não ha lagôas ou
lagos propriamente ditos pois que os que têm esta.
denominação são grandes põços resultantes do extra-
vasamento das aguas dos rios, dos quaes os principaes
são: os de .d.maná e Codayáz ligados entre si por um
canal: o de ManaCa1Jw'ü entre os rios Negro e Ja-
purá; o lago Auntaz, que se communica com o Ma-
deira pelo canal do me mo nome; o de Sa.mcâ ; o de
.Ayamá; e o de Am~tClt, ligado ao Mahú, aff1uente do
Tacutá,

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções bistoricas, -- A primeira exploração do


Alto-Amasonas deve-se a Francisco de Orellana, que
em 1539 veio do Napo, sendo portanto, o primeiro
estrangeiro que o explorou. _
Os frade franci cano Domingos de Brieba e
André de Toledo, acompanhados de seis soldados, par-
tiram em 1636 de Quito e chegaram a Belém no anDO
seguinte depois de terem perdido o chefe de sua
expedição João de Palacios, morto pelo. indios Enca-
bellados, -
Nesse mesmo anno uma expedição composta de
45 canôas tripoladas por 70 soldado e mil indio'
deixou oportode Cametá, sob asord n do valente ca·
pitão Pedro Teixeira, DepoL de alg'UllS dias de viagem,
os indio se revoltaram e regressaram para o Pará;
tendo Pedro rreixeira dividido a sua e 'quadrilha em
duas divisões e confiado uma dellas a Bento Rodrigues
de Oliveira, proseguio em sua derrota. Rodrigue ,
que ia na vanguarda, tendo parado na embocadura do
- 265-

rio Payamin forme as ordens que tivera, des-


embarcou; e mtamente com rreixeira, depois de
penosa viagem, na qual percorreram uma exten ão de
mais de 70 leguas, chegaram a Quito,
Mais tarde, em l639, Pedro Teixeira partio de
Quito em companhia de Christovão de Acuna, reitor
de Cuenca, e de André de Artieda, professor de theo-
logia, e descendo pelo Napo, foram sahir no Amasona ,
e finalmente chegaram a Belém em 12 de Dezembro
do mesmo anno.
Pedro Teixeira recebeo em recompensa a patente
de capitão-mór do Pará.
Em 1665 as margens do Urubú serviram de thea·
t.ro ás horrorosas scenas ele sangue praticadas pelo
deshumano Pedro da Costa Favélla que, . ob pretexta
de vingança, matou sem piedade a milhares de indios.
Em 1755 o territorio d'este Estado passou- e o
chamar capitania de S. José de Javary, dependente
do Pará, até 1822 que passon a ser uma comarca da
mesma provincia COIU a denominação de R i o-Neg1'o.
Capital.-Manáos, com ]8,000 habitantes,antiga
Bcwra do Rio Neg?'o, fundada em 1670 e situada sobre
'.lIDa pequena eminencia, á margem esquerda do Rio
Negro j seus principaes edificio e estabelecimentos
ão: Lyceu, a matriz de Nossa Senhora da Conceição;
a egTeja de S, Sebastião; o quartel do 3°. batalhão
de artilharia; o edificio da camara municipal, er-
vindo de palacio do governador j o Mu êo Botallico,
onde está o Asylo Orphanologico ; o palacio do con-
gresso; o mercado todo construido de ferro j a Sauta
Casa de l\Iisericordia,
, Cidades. -ltacoatiú1'a, (1) antiga Serpa.-Pa-
nntins, antiga Villa-Noya da lLainha, mais tarde Vila-
Bella da Imperatriz; é estação da Unha de vapores e
fica cerca de 445 kilometros distante de l\lanáo~ ; está

(lI Pedra pintada


- 266 -

situada á margem direita do Amasonas e sobre uma


ilha, banhada pelo Amasonas, por um braço do Limão,
e por um pequeno braço do ribeiro Limãozinho.-Teffé,
antiga E,qCL, com 3,000 habitantes, á margem oriental
do rio do mesmo nome, escala de vapores e com
algum commercio.
Villas principaes.-Cocwy, estação de vapores, á
margem direita do rio do mesmo nome. -Silves, antiga
povoação dos indios Arnaquis e construida sobre Sr
ilha de Saracá, a maior do Baixo-Urubú. S. Paulo de
Olivença, estação dos vapores da linha Amasonica.
- 'l!fanicoTé, á margem do Purús .-Bm"ba. - Ba1·cel..
los, antiga capital.
População.-lOO,OOO habitantes, (1) sem conta.r
os indios não civilisados, sendo 0,052 hab. por kilo-
metro quadrado.
Instrucção publica. - A instrucção secundaria é
dada no Instituto superior de lettras e collegios llar-
ticulares; e a primaria em escolas de ambos os sexo
nas r.idades, villas e povoações. No,s 130 estabeleci-
mentos de instl'ucçft.Q do E tado ha uma frequencia
de cerca de -:1:.300 estudantes; 'a verba consa·
grada a este ramo administrativo em 1888 foi (};
464:960~OOO .
Divisão judiciaria.-Oo'nsta das' seguintes· comar
cas: Parilltins, Rio-Negoro, Solimões, Manáos, It~coa.­
tiára, Rio Madeira, Pllrús e Alto Solimões.
Divisão ecclesiastica. -Este Estado é uffraganeo
da Dioce 'e do Pará e tem 24 parochias.
Estrada de ferro.-A cle MacIeira e Mamoré, cujos
estudos já foram feitos e que deverá ir da cachoeira
de Santo Antonio á de Guajará-mirim, margeando o
rio Madeira.
Agricultura, Commercio e Industria.-Apezar do
seu 010 er bastante prodncth o a agricultura e

(1) o illu trado Engenl1eiro TorCfualo Tapajós affirma er d


mai d 200,000 babitanlr .
- 267 -

acha bastante abandonada; uns attribuem á falta ~e


braços e outros á industria, que sendo muito mal
activa concorre para o enfraquecimento daquella; os
principaes productos expôrtac10s são: gomma elastica,
algodão em caroço, cacáo. cêra de abelhas, azeite
animal, fios de tncum, brêo, cravo, ~fé, panellas,
pia~sava, redes de la ncear, etc.

PRODUCÇÕES

Reino mineraL-Exi te por explorar ne te E -


taelo: crystaes, ouro, ferro, carvão de pedra, conchas,
pedras-pomes. enxofre e amianto; co'1I grande van-
t!J,gem servp.m-se os indios do barro de dh ersas côres
para o fabrico de lonças.
Reino vegetal....,.-Encontram-se em suas florestas
grande quantidade (le madeiras para todos os traba-
lhos de marcenaria,_ construcção, tinturaria, etc.;
.ollecções maravilhosas de palmeiras, de herva aro-
matica , toxicas e medicinae ; fructos abOl'osissi-
1l0S; castanha, pimenta, .salparrilha, cacáo, gomma-
a~ticllr, baunilha, copahyba, etc .
. Reino animal.-Nas margens do Ama!?onas e seos
ributarios encontra-, e grande variedade de penes
;omo o manati, o peixe buxo, o peixe electrico e
outros; as tartarugas, o~ jacarés e os crocodilo são
ahi maiores nas margen do Amasonas do Ilue em
outro qualquer rio da America. Encontram- e tambem
cobras venenosissima , aves e in ectos de toda a
especie e quadrupedes proprios áquelle clima.
I OMENS ILLUSTRES. - D'entre os filhos notaveis
d'este E tado destaca-se o vulto eminente do seu pl'Í-
meiro presidente Bento de FigUfüredo Tenreiro
Ara~ha.
- 268 .-

CAPITULO XIX

ESTADO DE M.ATTO-GROSSO (1)

Gene~'alidades

Posição geographica.-Ao N. Amasonas e Pará;


a L., Goyaz, Minas-Geraes, S Paulo e Paraná; ao
r

S. o Paragllay ; e o O. o Amasonas e a Bolivia.


Posição astronomica.- Está situado entre 7° 30'
e 24° 10' de latitude austral; 7° 25' e 22° de longitude
occidental.
Linha limitrophe.- Acerca das linhas divisorias
entre este Estado e todos os paizes que o cercam já
nos occupámos conveniente, com excepção, porém,
das de Goyaz e Minas-Geraes que são discriminadas
com o primeiro pelo rio Aragllaya desde ::lo confluencia
do Aqniquy até a serra do Cayapó donde tomando pelo
Correntes vai ter ao rio Paranahyba; e com Minas
Geraes pelo Paranahyba desde a bocca do Correntes-
até (\, do Rio Grande.
Superficie.- ] ,379,631 kilometros quadrados,
segundo do Brasil em exten ão.
Relevo e aspecto do so10.- O territorio d'e te
Estado é mui accidentado e compo 'to de duas vastas
regiões que são: uma baixa e outTa alta; nesta ultima
existe o celebre plató denominado Ga1ll1JOS de Paneis
a oeste j ahi encontra-se uma infiniclade de rios que o
atru.yessam em qua~i todas as dil'ecçõe .
Temperatura e clima-Castelnau ob ervou 57°5 C
no Porto Nacional no rio Tocantins; o seu clima é

(1) A 'im chamadu eH] razão uas gl'ande' c exleu a lIJatla-


ahi exislent s.
- 269-

salubre para o sul e nas'reo'iões do planalto é insa-


lu bre; os casos de febres in te~'mi ttentes são endemicos
e o bocio ou papo é muito frequente.

DESCRIPÇl0 PHYSICA
Geomol.·pbographia

Orographia. - O systema orographlco d'este


EstacIo é o Occicle'lttal ou elas Vertente que ahi com-
prehende duas rarnificações:a occiclental ea meridional;
esta tem por principae::l representantes as serra, de S.
Je1'onymo, deAmwnbcty e Mitracajú,fronteiras com Pa-
raguay; e aquella é priucilJalmenteconstituida pela cor-
dilheira dos Parecis que seguindo a direcção N, O, e pa·
rallela ao rio Gnaporé vai até as margens encachoei-
radas do rio Madeira com a denominação ele serm clct
Pacf:,a Nova; para o norte corre uma ramificação que
vai até o Ama~;onas com o nome de Ser'/'a, do N01'te e
formando o mas iço chamado I en'a de I , Vicente, de
altura superior a 1,000 metros; a I erra ]{orena é uma
ramificação daqnella. 11 Serra rlas Di? isões que, erve
de limites entre Goyaz, Minas, 13ahia e Piauhy, tem
neste territorio não poucos contl'aJortes.

Hydrog'l.·aphia
Vertentes.-.A Ama,sonica e a Platina.
Potamographia,- Os principiteS rios que Correm
para vertente amasonica ão: o 1lIadeil'fl, o Tal1rljó8,
o XingLÍ e o A,'agll{/Y{/,
O ][rllleim. formado da confiuencia do Beni com
o Mamol"é, é um'rio inteiramente brasileiro; só o Beni
é que banha territorio excln ive estrangeiro, pois o
MCl1ItOré e o sen principal afluent Gltaporé tem as
Suas margens direita' pertencentes ao Brasil; o ]la-
1110l'é na'ce na Bolívia, proximo a ochabamba, cora o
- 270-

nome de Rio Grande ou GUC/1JClY e depois de des-


crever uma enorme curva para a qual aftluem varias
contribuintes de ambos os lados, chega-lhe pela
margem direita o G1,~apo1'é, que, desde a foz do Verde
vem assignalando a fronteira brasilica com aquella
republica; da barra do Guapo1"é até a do Beni con-
correm-lhe pela margem direitaoSotero e oPaccaNova;
o Guaporé ou o Itinez dos Castelhanos, é todo de facil
navegação; em seu pontoiuiciativo tem a denominação
de Meneq~tens e depois de um percurso de 250 kilo·
metros pas a pela cidade de Matto-Grosso d'onda
segue a direcção média. de N. O. em parallelismo com
a cordilheira dos Pareeis até fenecer no Mamoré; pela
margem esquerda recebe como mais importantes o
Aleg1"e e o Verde, raia com a; Bolivia; e pela margem
direita chegam-lhe: o Sam1"é,o Branco, o C~~rumbia1"a,
o Jj{equens, o S. Simão Grande e o S. Domingos, todos
com suas origens na serra dos Pareeis. Da sua for-
mação até a barra do Gipamná,divisa com Amasonas
apresenta o J.WacleiJra um trecho extremamente enca-
choeirado que obsta completamente a navegação du-
rante 360 kilometros, difilculdade essa que se tentou
superar com uma mallog.rada estrada de ferro marginal
entre as cachoeiras de S. Antonio e G1.tClJa'ra-mi1·im;
nesta região concorrem ainda d'este Estado para
avolumar as suas aguas o .Alutum-Pamná, o' Jaci-Pa-
1'anâ e o Jama1"Y .
O TapaJós, (1) tambem denominado Preto pelos ha-
bitantes de suas margens e cujo curso segundo Chan-
dless é avaliado em 1,998 kil, resulta da confluenciado
A1'inos e ,hmtena, tendo este as suas cabeceiras na
serra dos Parecys, e aquelle na serra Azul seguindo
a direcção média de S. para N. até o Salto Grande,
toma sinuosamente a direcção de N. E. até a sua foz.

(1) emndo o Padre Jo é de )!orae em sua Di. tal'ia do Estado


do Jla1'an~tão, o eo primeiro navegante foi o l\1adeiren eLeonarrlo
de Oliveira,
- 271-

Geographicamente este rio é considerado dividido em


Alto e Baixo Tapajós. O Baixo Tapajós todo em ter·
ritorio paraense vae desde a sua foz até a primeira
cachoeira (a do Maranhão) ; esta parte é a mais habi·
tada e navegavel á vapor até a freguezia, de Uixituba;
as principaes povoações que ahi se encontram são:
Alter do Chão, S. Maria, Bl1im, Pinhel, Baccabal,
Aveiro, S. Cruz, e Itaituba algumas das quaes são
malocas de inllios na maior parte Mundurucus e geral-
mente em decadencia. De pouco curso são os rios
que affluem nesta região.
O Alto Tapajós é a parte que vae da primeira ca-
choeira por diante; esta é a região das cachoeiras,
sendo as mais notaveis as do MaTcmhão, Apuhy, Dia-
gorão , Montanha, Salto-Gmncle, Todos os Santos, S.
Simão, S. Florencio, Mise?"Ícorclia, S. Urst~la, S. Irias
S. Rapahel, S. Hedtwiges, S. Gav?'iel, S. lA~cas e
Tuclwiral; sendo as mais perigosas as da Misericordia
e S. Simão. O maior affluente do Tapajós, é o rio S.
Hanoel ou das T?'es Barras, que se lança pela margem
direita a alguns kilometros antes do Salto-G?'ande ;
este rio, si bem que banhe terrenos pouco explorados,
suppôe-se as suas cabeceiras na serra Azul,
Dos dous rios que concorrem para a formação do
Tapajós é o Arinos o mais importante por ser por ene
feito todo o commercio; este rio tem as suas nascentes a
90 kil. da villa do Diamantino e, correndo na direcção
S.E, para NO. recebe pela margem esquerda o P?'eto,
ficando mais um pouco abaixo a freguezia de Porto-
Velho e seguem-se outros tributarios como o S.
José (d.), Sumidouro (e.), Pa?'ecis (e,) S. Cosme e
S. Damião (d.) e o Peixe (d.) que é o seu maior tn-
butario,
O Ji~n~ena, tambem chamado Paranc~-tit~va, é
muito mais largo que o ATinos e parece ser uma
C?ntinuação do Tapajós por seg'uir-lhe quasi a mesma
dIrecção, recebe alguns tributarios como o Juina(e,),
Oamararé (e.) Xoclwina (d.) e Tunenina (e.).
- ~72-

o Xingú tem os suas nascentes em regiões


pouco conhecidas da serra Azul e recebe neste Estado
pela margem esquerda oS. Pedro, o Alva?" e o Anigtthy
limite com o Pará; e pela direita, o Gtulpindas e o
Fresco que tambem serve de limite.
O Araguaya tem apenas a sua margem esquerda
da f6z do rio das MOI-tes á do Aqtúgy, pertencente a
este Estallo; o seu caudal affiuente rio Manso ou das
]Jlortes tem suas origens neste Estado, e constitue-se
em todo o curso como sua fronteira com Goyaz j
recebe alguns rios de pequeno curso como o Farto e o
CUX1W{&.
Correm para a vertente platina o Patragtwy e o
PCt?-a?tá.
O rio Prwaguay, com um curso de z078 km. dos
quaes 1406 em tel'l'itorio brasileiro, desempenha na
America Meridional uma elevada mis ão g"eographie&
e historica; pois além das excelientes condiçõe~ que
offerece para nma facil e longa navegação '(apezar de
ser muito inferior ao Paran&-. em largura) que estabe-
lece franca communicação inteira com os principaes
estados da America do Sul, como oBra il, o Uruguay,
a rep. Argentina, o Paraguay, e a Bolívia, ministra
a estes mesmos paizes dauos importantissimos para
a ua' constituições sociologicas. As primeiras t.en-
tatil'a para a navegação d' este rio foram ensaiadas
em 1537 pelos hespanh6es que, quaes Orellana e Pe-
dro Teixeira no AmasOllas, esforçavam-se por desc?-
brirem por elie um caminho para c1Leg~rem ao palz
dos Incas' em 1560 ufio de Chaves se pa'son do
Jaul'l'l e foi fundar a cidade de S. Cruz de la Sierra e
vinte annos depois Melgarejo, subindo pelo JUboteteyn
imitava-o, lançando os alicelcesdeXere . O americano
Thomaz Page foi o primeiro a sulcar as suas agua"
em uma embarcação a vapor em 1859. Estamagnific.a
estrarla 1110ve7, no dizer de Pa cal, tem as suas or!"
gens no mesmo planalto em que se acham as do no
A?"ino., em nm bl'ejal na serra das Sete Lagôas, cerca
- 273-

de 20 km. ao Sul da Villa de Diamantino; correndo


a principio na direcção de norte, suas aguas são
pouco a pouco avolumadas com as dos ribeiros Q~ti­
lombo ou Negro e do Amola?' e a 2 legua, de curso pre-
cipitam-se do Morru Vermelho numa altura de 7 m,
inclinando-se em seguida para O; duas legua mais
abaixo chega-lhe pela margem direita o ribeirão
Diamantino, que nasce no Arraial Velho e para o
qlial conflue o rio do OU?'O; dez leguas mais abàixo e
quasi frouteiros, chegam-lhe, pela esquerda o Bru-
moelo e pela direita o Scmt' A11-nCt muito encachoei-
rado e ambos contravertentes do S~tmidouro, tribu-
taria do Arinos. Para muitos a denominação de
Bant' Anna é dada ao Paraguay d' esse pon to para
cima. Continuando o seu percurso na direcção média
do sul é subsidiado est3 rio, á margem occide.ntal,
com os rios: P?'eto, Sepot~tba, Cabctçctl,BHgres, Jattrít,
Pilc01nayo, Bermejo, Salado e outros muito de menos
importancia d'entre os quaes o Antonio Gomes, o
Pary e o T~~cubaca vão avolumar as aguas da lagôa
denominada Bahia Negra; correm-lhe pela margem
oriental até um ponco abaixo de 18. 0 L.S. na foz do
B. Lowrenço, alguns ribeiros de pouca importancia
como o Salobas, Cachoei?'inha, Anhumas, Jaricoa-
coara, Pi1'Clptttangcls, Rocei1'o, Seixo, TaqltCt1"C(,l, Fle-
xas, Bacctl/'/,tva, Rio Novo e outros; e d'ahi por diante
o B. Lo'/,W'enço, TaqttMY, Mi?'anda, B1'Ctnco, Apa"
Aqttidaban, Ipané, ,Tejlti, lJlancluvúlt e Teb'iqua?'y
são os que merecem especial menção.
Dos aftluentes occidentaes poncos são os que
correm em territorio brasileiro e dentre e te sobre-
sahem:
Ct) O SelJotuba que nasce na serra de Tapirapuam,
tem por principaes cabeceiras o Gerivattva e o Jabá
e depois de atravessar as conhecidas mattas de poaya,
com um curso de 330 km" vae fenecer no Paraguay
offerecendo um trecho navegavel de 180 km. e outro
encachoeirado.
1 c. B.
- 274-

b) O Cabaçal, com um curso de cerca de 180 km.,


nasce nos serros do Olho d' Ag'/,Ga originado pelo
Lagoinha, Vennelho e Riacho do O~wo que banham
terrenos abundantes em ouro; seu principal tribu-
tario é o Branco que lhe vem pela margem esquerda
e após uma zona encachoeirada e outra navegavel
de 100 km., vae lançar-se a uns 15 km. acima da
cidade de S: Luiz de Caceres, outr'ora Villa Maria,
apresentando na sua fóz uma largura de 66 metros.
c) O BlGgres, com um curso de 120 km., recebe
ribeiros df\ pouca importancia e apenas se recommen·
da pelas mattas mal'ginaes de ipecacuanha.
d) Jau,?'ú, com um curso de 396 km. (1) e com
110 metros de embocadura, tem as Sl,as nescentes
nos Campos de Pareeis, perto das do Gllapo1'é j se·
guindo no rumo geral de N. para S. até o Registro,
corre depois para SE reGebendo vinte leguas abaixo
o Ag~Gapehy que lhe vem pela direita com as suas
origens no alto da sena do mesmo nome, perto das
do Alegre, tributario do Guaporé. O JatGrú, se recom·
menda a historia pelo papel importante que outr'ol'a
representon como linha divisoria com as terras hespa-
nholas.
Quatro são os afiluentes mais importantes da
"banda oriental.
a) O S. LOlGrenço, com um curso de mais de
.850 km. dos quaes cerca de 600 navegaveis, é o
maior dos affl.uentes do Paraguay no Brasil; nasce
na serra do mesmo nome com a denominação de rio
dos P01'mdos até receber o Parnahyba seguindo

(1) F: ta é a extensào que l!.le attribue o iUu trado r. Barão


Homem de l\1ello; o Dão menos douto prof. A. riogueira a el'ora
que (( não excede d 180 km. de compnrnento .; ao passo que o
minucioso Dr. João Severiano af'firma er « de cerca de etecentos
kilometros ., as erção e la que no parece approximar-se d~ ver-
dade. Adoptamo a acima exal'ada unicamente por uniform 1da2e,
vi lo termo-no guiado pelo ub idio do referido Sr. Barao.
- 275-

depois com a denominacão acima até entrar no Para-


gnay por duas boccas; seus principaes tributarios são:
o Agua B?-anca que lhe vem pela esquerda e recebe
entre outros o rio Sem Nome; o Parnahyba (e.); o
Roncador; o Pequi?'Y, (e.), que nasce na. serra de
S. Jeronymo e recebe i'en1;re outros o Con-ente
(d.) e o volumoso Itiq'lúm cujas aguas vêm en-
grossaClas pelas do Peixe ele Couro ; e finalmente o
Ouya.bá, que é G seu mais notavel contribuinte, nasce
nos Oampos dos Pareeis e contornando pelo noroeste
oplaualto de Matto-Grosso, chega-lhe pela margem
direita depois de receber por ambas as margens
tributarios de pouca importancia e banhar a cidade
do mesmo nome até onde é feita a navegação á vapor.
b) O Taq'/,tary, em cuja confluencia ha um delta
formado pOI' quatro braços, nasce na serra dos
Cayapós proximo ás vertentes do fio Araguaya; en-
grossam suas aguas os ribeiros Sujo, Sellado, Infe?'no,
Jam'ü, Taquary-mi?-im e principalmente o rio Coxim,
que nasce em ulIla contravert.ente do Aq'/,~idaima, afflu-
ente do Miranda, e tem suas aguas avolumadas com
as do Camapttan, (d.), Jau?'ú (d.) e Taq'/,tary-mirirn.
Está sitUll.da á fóz deste rio a florescente villa de
S. José de Herculanea.
c) O Mimnda (1), cujas vertentes brotam da
serra de Amambahy (onde pelo Nioac, forma com o
Doumdos contravertentes com o Ivinheima, aftluente
do Paraná) vae fenecer no Paraguay por duas boccas
depois de um percurso <le cerca de 300 kilometros;"
são. eus priucipaes contribuintes na ordem em que
vão apparecendo: o Pmta (e), o Fo'rmoso (e), o Ri-
oac (d) formado pelos Urwnbeba e Canindé, o Aqui-
daltána, o mdoisimportaute, que desce da mesma serra

(I) D nominação tirada do nome do gOl'ernador que em 1797


mantlou con truir al1i um reduclo, Caetano Pillto de JIliranda Mon-
tenegl'o.
- 276-

e é subsidiado d'entre outros, pelo Caxoei1'a, Tagua·


russít e Uacõgo, o Neg1'o (d) que recebe ,as contri·
buições do Tctboco, e o Capivary (d).
°
d) Apa que se inicia nos morros de Taguam·
pitem, na serra de Amambahy, segue a direcção me-
dia de E para 0, recebendo ribeiros de pouca impor·
tancia como o Est1'élla, o Lageado, o Gabriel, o Som-
brero, o do OtWO e o Ped1'a de Cal, quasi todos n,
margem brasileira. Serve este rio de fronteira entre o
Brasil e o Paraguay e de Ooimbra para baixo encon'
tra· e o territorio denominado do Gran-Chaco, for·
mado pelas suas margens baixas e alagadiças.
° rio Pamná tem apenas pertencente a e. te Es·
tado n seu trecho da margem direita comprehendido
ent.re a juncção dos seus dois braços principaes, e o
Salto das Sete Quedas que o limita com S. Paulo e
Paraná; nelle desaguam: o Guacu1'y, a 30 kilometros
abaixo da foz do 1'io Gmnde ;- o SUC1!'riú ;-0 Verdej
-o Pa1'do, formail.o pelo Sang'lteSu,ga e Vennelhoqne
foi outr'ora a estrada preferida dos sertani tas de
Matto-Gros o; chegam-lhe af:fiuentes de ambas as
margens d'entre os quae de"taca-se o Anhambu71yj
-o Ivinheimaj-o Amambahye o Igttcdemy. Antes
de sua juucção com o Grande, recebe o Pamna71yba
o rio Peixe ou Apo?"é, limite com Goyaz.
Limnegraphia.-Uma certa região do rio Para·
guay, que se extende além da foz do Cuyabá e aquem
da do Miranda ao sul, confunde- e com o immenso ala-
gadiço dominante ahi em área consideravel e conhe·
cido sob a denominação ele lago elos' Xarayé j as
principaes lagôas d'este Estado acham-se espalhadas
por esta zona do lado occidental do rio com o qua.l se
communicam e tomando alguma' vezes a denominação
de bahia e são: a Ballia 11 egra" abaixo do forte de
Coimbra;- a de Caceres, á esquerda do porto de
Corumbá i-a Mandioré ou .ilIenj-a Guahyba, e a
de Uberaba a ultima lagôa por onde pas a a linha
divisoria com a Bolívia.
- 277-

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções historicas.- ão está bem averiguacla a


data em que o portuguez ou paulista Aleixo Garcia
com um punhado de indio civilisados percorreu a
narte meridional d'este Estado, chegando até perto
uos Andes.
Mais tarde Manoel Corrêa explorou a região
septentrional e, atravessando o Araguaya, passou-se
a Goyaz, ao passo que para o sul era o rio Paraguay
percorrido por não poucos aventureiros hespanhóes.
Antonio Pires de Campos passa por ser o pri-
meiro pxplorador de Matto-Grosso, si bem que fô se
precedido por seu pai Manoel de Campos; aquelle
subio mais tarde, em 1718, pelo rio Cuyabá, afim de
escravisar os indios cucl1i1?onés.
Em 1719 o pauli~ta Paschoal Moreira Cabral,
subindo pelo rio Cuchipó-midm, ficou admirado da
abundancia de ouro que encontrou em suas margens
do qual tratou de obter quanto pôde; tendo voltado
e chegado a um logar onde já tivera estado o seu an-
tece'sor, encontrou-se com uma bandei?'a e enviou
José Gabriel AntuDes a ter com o g'overnador de S.
Paulo para dar-lhe parte lIas novas descoberta .
Por e 'se tempo Cabral foi acclamado guarda-mór
regente, como se verifica de um termo assignado por
22 sertanejos dos mais importantes, a 9 de Abril de
1719.
Espalhando-se pela capitania de S. Paulo a nova
trazida por Antunes, organisaram-se logo diver as
banclei?'as, sendo todas mal succedidas.
Em 1722 o sorocabano Miguel Subtil e o portu-
gnez João Francisco descobriram junto ao rio CuyaQá
uma riqui ',ima mina de,se precio'o meta]; data u'essa
época o venlalIeiro e tabelecimento da cidade ue
Cuyabá.
- 278-

Nesse mesmo anuo Rodrigo Oesar de Menezes,


governador de S. Paulo, nomeou os paulistas Lou·
renço Leme e João Leme para os cargos de procura-
dor dos quintos e mestre de campo das minas; mas
foi talo modo de proceder d'elles que o primeiro moI'·
reu de um tiro disparado no sertão e o egundo foi
executado em 17:?4 na cidade da Bahia.
Os indios guaycunts e pctyagóas, que de 1725 a
1768 traziam em constante sobresalto os habitantes da
capitania, acabaram em 1791 por se alliarem ao gover-
nador de Matto-Grosso; aquelles se fizeram repre·
sentar pelos chefes Emavidi, Ohanné e Queyma.
Em 1725 tendo o governador de S. Paulo, Ro-
drigo Oe6ar de Meuezes, ido visitar esta capitania,
deu-lhe o titulo de Villa-Real de Ouyabá.
Apezar do pacto celebrado em 1791 no palacio
do governador em Matto-Grosso entre os portugue-
zes e os selvagens, a historia registra muitos comba·
tes e lutas sanguinolentas entre estes e os colonisado·
res, sendo a mais terrivel a de 1736.
Em 1746 foi creada a prelazia de Ouyabá que
só sessenta e UOt s annos depois é que foi installada
por Luiz Oastro Pereira.
Em 1746 houve ahi uma secca horrivel que durou
por espaço de tres annos.
Por carta régia de 9 de Maio de 1748 foi Matto·
Gro so elevada á capitania independente, ficando po~·
tanto de annexada da de S. Paulo e sendo o seu pn·
meiro governador Antonio Roliro de Moura, mais
tarde, conde de Azambuja.
Em 1752 a povoação de Pouso-Alegre recebeu o
titulo de Villa-Bella e foi elevada a capital pelo seu
fundador A.ntonio Rolim.
Em 1775 Luiz de Albuquerque Mello Pereira: e
Ca(!ere', um· dos governadores de Matto-Grosso, tez
construir um pre idio que depois se chamou 'Forte
Coimbra, que nos traz á memoria factos importantes
da nos a hi toria.
- 279 -

Em 1801, ~endo este forte atacado pelo hespa-


nhol D. Lazaro da Ribeira, foi brilhantemente defen-
dido pelo sen commandante Ricardo Freire de Al-
meida.
D'essa época por diante foi talo desenvolvimento
da capitania que por carta régia de 17 de Setembro
de 1818 a villa de Cnyabá foi elevada á cidade do
mesmo nome, cabendo a Villa-Belia a mesma di tin-
cção mas com o nome de Matto-Grosso.
Em 1820 foi transferida a capital para a cidade
de Cuyabá em razão das febres que nessa época ahi
grassaram.
A revolução de Portugal em ] 820 fez sentir nessa
capitania os seus effeitos, o governador. Francisco ele
Paula Magessi Tavares de Carvalho foi sub~tituido
por uma Junta constit'/,~cionalp7·oviso7'ia.
Em 182i esta capitania foi elevada á provincia
independente por adherir a independencia.
Por bulia elo papa Leão XII, de 15 de Junho de
1827, foi a prelazia de Matto-Grosso elevada a bis-
pado.
Em 1864 Francisco Solano Lopez, sem prévia
declaração de guerrd., mandou pelo general Barrios,
á frente de seis mil paraguayos, atacar o forte de
Coimbra que e achava completamente desprevenido;
era commandado pelo tenente-coronel Porto Carreiro
e achava-se apenas defendido por 155 soldado I:; , 17
galés e ctlgun indios; depois de dous dia de heroica
resistencia Porto Carreiro se retirou com toda a guar-
nição para a bordo do vapor A.nllllmbm·y,
Como não cabe relatarmos aqui a historia desta
guerra, cujo inicio teve por scenario uma parte
de te teITitorio,damo por terminado o historico d'e te
Estado,
Capital, -- C'/,~yabá, 12,000 habitantp.s á marg'em
direita do rio do mesmo nome, ituada entre os morros
da Bôa-Morte e da Prainha e com um clima alnber-
rimo i seu principaes edificios e e tabelecimentos
- 280-

são: os palacios do governador e do bLpo, os arsenaes


de marinha e de guerra, o ho..,pital da misericordia e
algumas igrejas regulares.
Cidades. - lIIatto- G?'osso, outr' ora Villa Bella,
antiga capital, a um kilometro da margem oriental
do rio Guaporé e decadente por sua insalubridade.-
Cont11~bá, antiga villa de Albuqne?'qne, á margem oco
cidental do rio Paraguaye com uma alfanuega.-
Poconé, banhada pelo Paraguay e com algum commar·
cio de gado. -S. IAbiz de Caceres, antiga Villa Ma?'ia
á margem esquerda do Paraguay e com grande coo
lheita de ipecacuanha.
Villas principaes. -Mimnda, á margem direita
do rio do mesmo nome.-RoSa1"io, proximo á margem
occidental do Cuyabá.-Diamantino, ao norte da ca·
pital} banhada pelo riacho do Ouro e ~ituada entre
morros. Liv?"Clmento. - Sant' Anna do Pamna-
hyba, á margem do rio Parahyba.
População.-110,000 habitantes, ou 0,08 habi·
tantes por kilometro quadrado.
Instrucção publica.-Apenas o ensino primaria é
ministrado em varias escolas publica e parLiculares
e em outros estabelecimento que ão em numero
de 52, frequentados por cerca de 1,800 almnnos j a
verba consagrada á instrucção publica foi em 1889
de 40:720 000.
Divisão judiciaria.-A Relação de Cuyabá, que
s6mente comprehende este Estado} con ta de 1:2 muni-
cipios e 9 comarcas.
Divisão ecclesiastíca.-O bispado de Cuyabá que
abrange todo este Estado consta de 17 parochias.
Agricultura, Com lIercio e Industria.-À falta de
braços, de e-stradas de ferro e sobretudo a. continuas
correrias dos índios, outr' ora tão frequentes, são
factores que concorreram para o pouco de envolvi-
mento da agricultura nesta região; os priucípaes pro-
ducto ão: a canna de a sucar, a herva-mate, o café,
o fumo, a baunilha, a ipecacnanha, etc. À sua
- 281 -

industria, em diminuta escala, consiste no preparo da


herva-mate, da borracha, do assncar e da. aguardente;
a criação de gado tem definhado ultimamente por
causa da episootia e do defeituoso processo de man-
tel-a. O commercio é limitadissimo em razão dos
difticilimos meios de communicação.

PRODUOÇÕES

Reino vegetal. - Neste E tado desenvolvem-se


todos os productos dos outros e COIU grande vantagem,
nas faldas das serras e nas proximidades das margens
dos seus rios, encontram-se as melhores madeiras para
todo e qualquer tra1;>alho, bem como em todo o terri-
torio: o algodão, o café, a canna de assucar, o ta-
baco, a mandioca, o mate (cc~a-nú), e sobretudo a
ipecacuanha que produz extraordinariamente nas ca·
beceiras do Guaporé, Paraguaye Jaurú, a baunilha,
a quina, a salsaparrilha, ,o cravo, a japecanga, a
jalapa, o jaborandy, a copalüba, grande variedade de
oleos e muitos outros productos empregados na thera-
peutica.
Reino mineral.-Este Estado é sem duvida um
dos mais ricos do Brasil neste reino; ahi abundam
ouro, diamantes, esmeralda' e outras pedras precio-
sas, prata, platina, paliadio, cobre (as minas do Jaurú
e Araguaya), spathos, crystaes de rocha, agatha', sal
marinho salitre, marmores, grande variedade de
argillas, etc.
Reino animal.-A posição geogl'aphica d'este
Estado que o torna vizinho de qua i todos o outros
o admira,vel systema de irrigação de que é dotado, as
colossaes e pujantes florestas que vestem o seu solo a
variada temperatura de suas localidades e muitas
outras causas concorrem para tornar esta parte do
Brasil povoada por todos os representantes d' este reino
- 282-

na America, com excepção dos admittidos nas regiõés


polares.
HOMENS ILLUSTRES .-D'entre os varões illustres
nascidos neste Estado, citam-se: o habi} politico
Antonio Navarro de Abreu, o barão de Villa Maria,
Giralde Tavares da Veiga Oabral, e muitos outros.
- 283-

CAPITULO XX

ESTADO DE GOYAZ(l)
Gener-alidades

Posição geographica.-Ao N. o Ma.ranhão e o Pará;


ao O. o Pará e Ma:tto-Grosso; ao S. Matto-Grosso, S.
Paulo e 1rfiuas Geràes; e a L. Ming. -Geraes,a Bahia,
o Piauhy e o MaraIlhão.
Posição astronamica. - Compreheijde os paral-
lelos de 5° la' e ÜjO 50' na latitude auc·tral; e 3° 54' e
9° 28' na longitucle occiden tal.
Linha limitraphe. Com todos os Estados já foi
assentada precer1entemente a linha divisaria, unica-
mente com Minas-Geraes é que passa pelas serras
Paranan, Araras, Tiririca e Anclrequicé e pelos
thaltv.eg do ribeirão Jacaré e rio Paranahyba até o
o seu affiuente ·Aparé.
Superficie. - 749.311 kilometros quadrados.
Relevo e a~pecto do solo. - A região occupada
por este es.tado é constituída por um immenso planalto
sensivelmente accidentado na parte central, o qual
vai declillil,nd,o para o norte de modo a participar da
bacia amasonica, ao passo que para o sul eleva-se
consideravelmente, apresentando pontos elevadis-
simos, ~m um dllS quaes, segundo o Vi conde do Rio
Grande, padre Luiz Antonio da ilva, Liais e outros,
I

acha-se a altitude prepondera.nte em toJo o Bra iI;

(1) ..\. sim clJamado elJ1 Tazão de uma tl'ibu de indio d'este
nome que ahi exi tia (Gu(~ná homell1 (lo calJ1po); 'em.lnd(}
outro de Goyaze.s, campos de nOres.
- 284-

encontram-se ahi extensas e soberbas floresta. bem


como immensQs campos carrasquentos que attestam a
admiravel fertilidade do solo.
Temperatura e clima. - A temperatura media
annnal d'e~te Estado foi calculada por Pohl em 25°0 j
o clima 6 geralmente sadio, excepto em alguns campos
sujeitos a enchentes onde se originam doenças seme·
melhantes a lepra.
A estação calmosa, entre Novembro e Abril é
muito sujeita a trovoadas.

DESCRIPÇÃO PHYSICA

Geom.orpbog'l.·apbia

Orographia.- As montanhas d'este Estado per·


tencem ao systema Occiclental ou das Vertentes,
d'onde partem diverso ramos: o que o limita com
Minas-Geraes, Bahia, Piauhy e Maranhão com as
denominações de Pctmná, Tabatinga, Dtwo e Man-
gabeims j e a serra do Espigão ~1J![estre, um dos
troncos principae d' este ystema que se dirige para E.
com o nomes de JJJst1'eito, Sen'a das Divisões eCayapó,
separando as agua8 do Paranahyba e Araguaya j
d'ella ramificam-se para L. a serra dos Pyreneo , do
Roncado,-, e dos Montes Clm'os e para o norte, um
pouco acima dos 17° L. S., correm na direcção N.
entre o. rios rrocantius e Al.'aguaya as serras S. Lttiza,
Gltavantes e Est1'ondo.
Nesographia,·- Das ilhas fluviaes a mais impor-
tante é a de Sant' Anna ou Bananal, formada pelos
dous braço do rio Araguaya ; esta ilha tomou o nome
de Bananal em razão da grande quantidade de ba-
naneiras que ahi plantaram os seus descobridores.
- 285-

Hydrog.-aphia

Vertentes.-A platina e a amasonica.


Potamographia.-Para a bacia do Prata concorre
o PCbrancbhybcb com um curso de 237 kilometros (1);
desce da vertente occidental ela serra da Matta da
Corda com o rulDO EO. até receber o COYnmbá, d'onde
toma a direcção média do Pamná; o seu alveo é in·
terrompido por alguma' cachoei·'as como a de S.Simão,
abaixo da confl.uencia do rio elos Bois e de S. Anclré,
o que torna seccionada a sua navegação; contribuem·
lhe principalmente pela mal'gem direita, a unica per·
tencente a este Estado: oS. 11tla1'cos, provindo elas
vertentes occidentaes da serra dos Acará com o rumo
NS.j o Verissimo formado elo B1'aço Grande e do Bmço
Peqzumo; o Corumbá que na ce na serra dos Pyreneos
e conta varios tribu tarios como oS. Ba1,tholomeu (e).
oPalmeim (e), o Tlbtnuatuúa, o Peixe Cd) e o Pi1'Cb-
CCtjUbCb Cd); o Meia Ponte que nasce na serra do E ·cal·
vado; o dos Bois consideravelmente augmentado com
as aguas do Verde; é em parte navegave] até o Ani-
C'wns, d'onde de~ceram em 1816 os exploradores João
Caetano da Silva e José Pinto da Fonseca ; o illustrado
cQI'onel Joaquim Jardim d'elle occupou-se minuciosa·
m~nte; e mais ainda o Cla-ro, o Verdinho, o Corrente,
e o Aporé, ou do Peixe, limite com Matto-Grosso.
Pertencem á bacia amasonica o Amgtbaya e o
Alto Tocantins formadores do Toccmtins.
Cl) O A1'agtbaya, com um curso de 2627 kil., tem
as suas cabeceiras proxima ás do Piquiry, affiuente
do Pamgnay na. parte oriental da serra de Cayapó
d' onde com o nome de rio Grande encaminha-se na
direcção média de NN E. até o rumo approximado de

,(1) egundo o Sr. barão Uomem de )1.110; o peore, or A. No-


guelra Ibe dá 957 kilomelro ; c o Dr. Juão Se"eriano mais de
oilocenlo .
- 286-

13° L. S. onde divülinclo-se em dous ramos, o Braço-


.MenD?" a L. e o B1"C~ço-Maio?' a 0, torna a ligar-se
um pouco abaixo 10l.l L. S. formando a grande ilha
conhecida sob as denominações ele Ca?"uonaré, de Itape-
-rapeva, e da Nova Beim de 8ant' Anna ou do Bana-
nal. Das suas uascentes até ii bifurcação os seus mais
importantes tributarios da margem direita são: o
Cayapó-Grande, o Cla'ro, o Vermelho que banha a
cidade de Goyaz, ficando a alguns kilometros antes da
sua foz a freguezia da' Leopoldina, tão incessante-
mente proposta para a capital do estado Goyano pelo

Peixe, e o cios CTixás. °


illustrado general Couto de Magalhães (1); o do
B?"aço-Menor ou o Fiwo elo
Bananal é preferido pelos navegantes para descer
este rio por ser mais abundante em pescado e caça,
as suas aguas são em volume menos da metade das
do rio Araguaya e recebe d'entre outros o Chave~ntes
ou Perdido.
O B?'C~ço·Maior ou Mãi do Rio é mais caudaloso
que o primeiro e recebe alguns tributarios pela mar·
gem occidental como o Crystallino e o Manso ou das
MD?"tes que é o maior afflnente do Araguaya.
Estes dons braços são povoados de ilhas e roche·
dos, mas offerecem facil transito aos navegantes; do
ponto de juncção até a sua confiuellcia com o Alto
Tocantins, o Araguaya se torna profundo e cauda-
loso, recebendo de ambas as margens regatos de pouca
importancia e apresentando algnmas corredeiras e
cachoeira' .
b) ° Alto Tocantins corre todo em territorio
Goyano até a confiuencia do :A1anoel Alves G?'ande,
d'onde por diante só lhe pertence a margem esquer-
da; é geralmente considerado como formado pelo
Tocantins Pequeno e pelo Ma?'anhão que se reunem

(1) Primeira 'viagem ao A1·aguaya.


- 287-

a poucos kilometros de Agua Q~Gente; este é ongI-


narIo pelos muitos braços que descendo das serras <los
Pyreneos, do Espigão, e de S. Martha formam quatro
pequenas lagôas que unidas umas ás outras consti-
tuem a Iagôa Formosa ou de Felix da Costa; d' ahi
tomando a direcção geral de noroeste vai ligar-se ao
Tocantins Pequeno depois de receber os rios Angicos,
Verde e dos Patos, e o Tocantins Pequeno, re ultante
da juncção do U'nGMG com o das AlmCls, nasddo na
serra dos Pyreneos, recebe d'entre outros o Pa?"y, O
dos Patos, o S~G~Griú e o de S. Pat?'icio. Da povoação
de Agua Quente até um pouco acima do 5° L. S.
o .Alto Tocantins segue approximac1amente o rumo de
S. para N. tomando em seguida para O. até a barra
do Araguaya, neste trecho os seus principaes affl.uen-
tes são: o P?"eto (d), o Pa1'CGncGtinga (d) formado pelo
rio da Palma com sua origem na villa de Taguatinga,
e pelo ParCLná que lhe vem do :,uI com as nascentes
na serra dos Couros; o SantcL The?"eza (e) formado
pelo Canna Bmva, A?"eias e O~L?'O e navegavel na ex-
tensão de 200 kilometros; o .11J[anoel Alves da Nativi·
dade (d) que por sna vez recebe o da BagcGge?n; o
Pontal-(e); e o do Somno Grande formauo pelos rios
da BalsCls e das Palmas com suas vertentes nas
serras de Carixas e da Mangaheira e banhando a po-
voação de Pedro Affonso perto de sua confluencia com
o Tocantins.
Dizem que os primeiros exploradores d'este rio,
tendo adormecido perto de sua margens, foram mortos
pelos indios, d' onde lhe proveio o nome.
O S. Domingos é um rio d'este Estado que pene-
trando no solo a dentro, apparece na distancia de 4
kilometros muito mais volumoso, devido á confluencia
de outros subterraneos.
Limnegraphia.-A Lagoa G?"ande ao N. da ilha
do Bananal é a mai importante.
- 288 -

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções historicas. -As noticias trazidas á villa


de S. Paulo por diversos sertanistas como Manoel
Correia e outros, da abundancia de minas auríferas
nas terras de Goyaz, despert~ram em alguns aventu-
reiros a cobiça de enriquecerem-se.
Em 1682 Bartholomeu Bueno da Silva, descen-
dente do illl1stre amador Bl1eno, partindo de S. Panlo
com urna nnmerosa comitiva e com nm filho de doze
annos de idade, seguio pelo sertão e chegou até ás
margens do rio Vermelho, no sitio habitado pelos
indios Gt~an((zes.
Este axplorador, depois de ter colhido a maior
quantic1arle de ouro que pôde, empregando para isso
admiraveis artificios que lhe valeram o cognome de
Anhcvn,c;tte7'c~ (1), volton para S. Paulo com alguns
indios que captivara.
Em 1722 o filho de Bartholomeu Bueno da Silva
partio para S. Paulo por ordem do governador Ro-
drigo Gezar de Menezes, capitaneando cento e cin-
coenta e clous homens e vinte indios e levando como
auxiliar ao seu genro, o capitão João Leite da Silva.
Hortiz, afim de explorar ouro e esmeraldas.
Em razão das constantes rixa su.citadas entre
os seus companheiros, Bueno teve qne voltar para
S. Paulo no fim de tres annos, envergonhado de só-
mente trazer 30 oitavas de ouro.
Pelos fins do anno de 1725, Bueno da Silva, a
instancias do governador,
,
marchou outra vez em ,pro-
t
cnra do logar onde estivera com sen pae; mas d e !Ir
vez foi mais feliz,porql1e não só o encontrou, como
tambem conseguio fundar diversos povoados com o
auxilio dos indios sens alliados.

(1) Diabo velho.


- 289-

Voltando para S. Paulo, apresentou ao gover·


nador 8,000 oitavas de ouro e communicou-lhe as suas
descobertas, razão pela qual recebeu a 14 de Março
de 1731 o titulo de capitão-mói' de Goyaz, com alguns
privilegios e rega.lias.
Com as noticias da riqueza do solo d'esta parte
do Brasil bandos de aventureiros para ahi se dirigi-
ram e em ponco tempo fundaram grande numero de
povoações, d'entre as quaes avantajava·se a de
S. Felix.
A 11 de Fevel'eiro de 1736 esta região foi ele-
vada á comarca dependente elo governo de S. Paulo.
O governador-geral, D. Luiz de Mascarenhas,
partio para ahi em 1739, afim de pôr termo ás lutas
sangrentas e levantamentos da parte dos aventu-
reiros. -
A 8 de Novembro de 1744 esta comarca foi des-
membrada da província tle S. Paulo, sendo elevada
á. capitania independente.
A 6 de Dezembro de 1746 foi e tabelecida a pre-
lazia d'esta capitania, sendo elevada a Bispado em
1826.
Em 1749, D. Marcos de Noronha, depois conde
dos Arco, sendo nomeado capitão-general de Goyaz,
com suas medida,:; energicas con eguiu dar autonomia
propria a esta capitania.
Em 1773 sendo alú governauoT José (1' Almeida
de Vasconcellos Sobral e Carvalno foi estabelecida
a navegação pelo rio Tocantins.
Em 1822 esta capitania foi considerada como
provincia, sendo o seu primeiro pre~idente Caetano
Maria Lopes Gama, depois visconde de Maranguape.
Capital.-G0!Jaz, 9,000 habitantes, banhada pelo
rio Vermelho, affluente do Araguaya" e situada em
um profundo valie e approximaflamente nl) centro do
te~ritorio daRepublica Bra.'ileira; seusprincipaes edi-
fiCIO', e tabelecimentos e trabalhos d'arte são: os
palacios do governador e do bispo, a ca a da camara,
19 c. D.
- 290-

o seminario, a egreja matriz e duas pontes sobre o


rio Vermelho.
Cidades. - PY1'inopolis, antiga JJi[eia Ponte, á
margem do rio das Almas e vantajosamente collocada
para. o commerciointeriorj a segunda cidade do Estado,
e com desenvolvida agricultura e fabrico de lã e aI-
godão.-Porto NaGÍoncLl, outr'ora Pm'to Impm'ial, á
margem direita do rrocantins. - Boa- Vísta ao norte, ba-
nhada pelo Tocantins. -Bom-Fim, centro agrícola.-
Santa-LuzicL, situada entre os rios Ponte,Alta e S.
Bartholomeu e com florescen te industria pa'toril e de
fabrico de llueijos. -Palma, á mal'g'em do rio do
mesmo nome e com importante commercio de gado. -
Catalão, proximo ao rio Parani:\hyba.-Ja1'C/[/ILLí entre
o' rios das Almas e o Pary.-Entre-Rios, situada entre
os rios Curumbá e Veri 'imo.-FonnoscL na vertente
meridional da serra dos Pyreneos. - Rio- VeTde, ao
sul, á marrgem do rio do mesmo nome. - Morrinhos.
Villas principaes.- S. José de Tocantin , pro-
xima ao rio Trahiras.-Cavalcante, á margem do rio
das Almas.-Natividade, á margem do rio Manoel
Alves. - S. Domingos, banhada pelo rio de igual nome
affiuente do Paraná.- CU1'1'CLli1'IJho. - POLLSO-A lto. -
Rio-Bonito.
População.- Cprca de 19'2,600 habitantes ou
0,25 habitantes por km 2 •
Instrucção publica. - Comprehende o ensino pri-
maria que é dado em varias escolas publicas e estabe-
lecimentos, e o profissional prestado na Escola Normal.
Ha 100 e tabelecimentos de in trucção frequentados
por cerca de 3,000 alumnos, a ver1Ja consagrada a este
ramo admini trativo foi de 101.,]97~OOO em 1889.
Divisão judiciaria.- Tem um tribunal de Relação
e con ta de 30 municipios e 16 comarcas.
Divisão ecclesiastica. - A Dioce e de Goyaz,
Cl'eada em 1.826, que comprehende este Estado e a
parte occidentn,l de 1\1ina -Geraes con ta de 64 paro-
chias.
- 291-

Agricultura commercio e iudustria.- A canna de


assucar, o algodão, o fumo e os cereaes são os pro-
ductos agricolas que têm maior desenvolvimento; mas
infelizmente nãó podem ser exportados como devilwl
por causa dos seus difficilimos meios ue transporte.
O seu commel'cio é feito em pequena escala com o
Pará ou pelo rio r.I.'ocantins ou pelo Araguàya, e com o
Rio de Janeiro e S. Pallio por extellsaB e desertas es-
tradas. A. industria principal con_iste na criação de
gado, figurando em segundo logar o preparo do fumo.

PRODUCÇÕES

Reino vegetal.- As florestas d'esta região abun·


dam em páo-brasil, peroba, sebastião d'arruda e
outras madeiras chamadas de lei; o seu solo produz
algodão, canna ne assucar, fumo e cereaeSj as margens
dos rios Arag-uaya e Tocantins são proverbiaes em
fertilidade, bem como encontram-se ahi extensos
campos de pastagens para o gado.
Reino mineral.- O seu immensoterritorio, ainda
qua i todo por explorar, abunda em ouro, prata dia-
mantes, cTystae , cobre, ferro, pedra:; calcareas.
Reino animal. - Povoam as suas abundantes
matas a onças, os porco do matto,as antas, os guarás,
o. ~oberbos veados, e outroR já mencionado; as per-
dizes são innumeras nas yastas planicies, assim como
os peixes em seus rios.
HOMENS lLLUSTRES.-São filhos preclaros d'este
Estado: os habeis politicos Antonio de Padua Fleury e
D. Manoel de As is Mascarenhas; D. Damiana da
Cunha e outrus.
- 292-

CAPITULO XXI

ESTADO DE MlNAS-GERAES (*)

Genel~alidadcs

Posição geographica. - Ao N. Pernambuco e


Bahia; a L. Bahia e Espirito Santo; ao S. o Rio de
Janeiro e S. Paulo; e a O. S. Paulo, Mat to-Grosso
e Goyaz.
Posição astronomica.- Comprehende os paral-
leIas de 13·52' e 23· de latitude austral, 3· 33' de
longitude oriental, e 7· 48' de occidental.
Linha limitrophe.- Achando·se este E tado cir-
cum cripta por todos os tratados precedentemente,
da mesma fórm::l. já o foi a sna linha divisaria.
Superficie.-574.855 kilometros quadrados.
Relevo e aspecto do solo. -Geralmente monta-
nhoso é entretanto, o territorio d'est.e Estado abun·
dante em dilatados campos e extenSi1~ campinas co-
bertas de vegetação escassa e rasteira onde pastam
numerosissimas cabeças de gado; esta regiões con-
trastam sensivelmente com as elevadas serrarias
cobertas de opulenta vegetação e separadas por pro-
fnndos valIe por onde correm caudalosos rios geral-
mente navegaveis; é a 8ltissa Sul-Ame1"icana, na
feliz phrase de um nosso distincto compatriota.
Temperatura e clima.-A temperatura varia com
as altitudes tornando o seu clima variadissimo, geral.
mente é temperado, fresco e saudavel, chegando

(*) A im chamado em razão da abundanles minas de ouro


outr'ora ahi encontrada .
- 293-

mesmo a cahir geada pelo inverno em algumas locali-


dades e excepcionalmente em certas épocas do anno
desenvolvem-se febres intermittentes, sezões e ma-
leitas nos terrenos baixos e alagadiços e nas margens
de alguns rios.

DESCRIPÇÃO PHYSICA
Geomol-phographia

Orographia.-O Sr. Henrique Gerber divide as


montanhas d'este Estado em dous graudes systemas,
que são ainda suMivididos em grupos de quatro
cada um.
1." Systema cla Ser1"et do Espinhctço.-E ta con·
dilheira atravessa o Estado e com as suas ramificações
separa a bacia do Rio-Grande da do S. Francisco,
extende-se até perto de Barbar.ena com a denomina-
ção de lYlantiqueint e d'ahi segue para o norte até a
cidade de Diamantina onde, tomando para o nordeste,
passa para <1 Bahia, perto da villa do Rio Pardo. Os
picos mais elevados do nosso systema acham-se ahi,
conforme vimos na orographia geral.
Os quatro grupos são: lU, o da serra da 1Ylanti·
q1leim, cujos pico~ mais elevadoR são: o Itatiaiass7~,
o do Papagaio e o do Ibitipoca; 2°, o da serra de Ita-
col~tmy, cujos picos mais altos são: o da erra da Pie-
dade, o de Itacnlwmy e o de Itaúim do Campo; 3°, o
do Sen'o-Frio cujos picos mais elevados são: o Itarnbé
e o Tromba. d'.J.nta; 4°, o da serra de Itacarnúi1"a,cujo
pico maL alto é o Itacambim.
2. ° Systema da Serm Geml das Vertentes para
os rios S. Francisco e Grande.
GRUPOS: l°, o lIa serra das Ve1·tentes propria-
mente dita; 2°, o da serra da Canast"ct; 3°, o da Serra
da Matta da Corda; e 4°'0 da Sena dos Pyt·e1~êos.
- 294-

Hydrographia

Vertentes.- As do Atlantico e platina.


Potamographia.- Correm para o oceano Atlan-
tico:
a) O rio S. Francisco 'iue tem as suas nascentes
neste Estado na cachoeira da Casca d' Anta, a léste da
serra da Canastra e no municipio de Pinmhy; a prin-
cipio toma o rumo de E. até a freguezia de Porto
Real, d~onde segue a direcção geral de NNE, até
além das fronteirlLs d'esteEstado com o da Babia as
quaes são definidas pelos affluentes o Venle-G?"Ctnde
pelamitrgem direita e o Ca1'inhanha pela esquerda; o
trecho d'este rio navegavel neste Estado é de 480 km.
da cachoeira do Pirapóra á fóz rio Cm'inlianha. 8eos
mais notaveis subsidiarios da margem direita são:
o Panr" vindo do sul e com 70 kilometros nave-
gaveis até a cidade de Pitanguy, tem por principaes
afflueutes o da Bôct- Vistct e o La1nba1'y;
o PCt1'Ctopeba com fiO kilometros navegaveis
tem suas origens mais ao sul do precedente e depois
de receber varios ribeirões vai desaguar em Morada·
Nova;
o 1'io das Velhas ou Guaicuhy, com 1135 ki-
lometros de curso dos quaes 672 navegaveis e a 27
kilometros abaixo da cachoeira do Pirapóra; nasce ao
NO. de Ouro-Preto e conta por maiores tributarios
á margem direita o Sipó, o Pardo, o Cm'imcttaliy e o
da Piedade; .
o Verde-Grande, com 165 kilometros nave·
gaveis por canôas, na.sce perto dos Montes-Claros das
Formigas e recebe os subsidiOs do Cal?il cl1'y (e) Go-
,tutuba (d), Pacu'hy (d) e Ve1"de-Pequeno (d) que tam-
bem é di visa com a Bahia. -
Os affluentes da mctrgem esquerda são:
o Indayá, o Borrachudo e o Abaeté, que se·
guem quasi parallelamente;
295 -

o Paracatu, navegavel até o porto do Burity


e que é o maior dos tributarios mineiros do S. Fran-
cisco, nasce na serra dos Pilões e tem por principaes
cont.ribuintes: o Prata (d), das Egua' (e), Preto (e),
da Catinga (d) e do Somno (d)com suas cabeceiras na
serra da Matta da Corda;
o Umcnia, navegavel até 132 kilometros acima
da ua fóz, que tem as suas cabeceiras no cha-
padão do mesmo nome, segue na direcção geral de
L., tendo por principal tributario o Claro (e) ;
o Pardo-Pequeno que vindo da serra do Pa-
ranam desagua pouco acima da fóz do Mangaliy;
o Pandei1"0, que com suas nascentes na serra
de Antonio Pereira, desagua em frente á povoação de
Pedras da Maria da Cruz;
o CCl1"il1}urnllCl, com ] 23 kilometros navegaveis
além da sua fóz, que vindo da serra do Paranam, de-
sagua um pouco acima ela villa do me mo nome; seo
principal trihutario é o Itaqllary.
b) O rio Pardo ou PatY1Je, que da serra das Almas
onde estão as suas origens, descrere uma curva e
entra na Bahia, sendo avolumado neste territorio
por pequenos rios que lhe chegam de arubas as
margens.
c) O Jeq1.~itinlion7l{( ou Belmonte que nasce na
serra da Pedra·Redonda, offerece 600 kilometros na-
vegaveis ne te E tado de de o Salto-Grande, fron-
teira com a Bahia, até Mina. - "ovas; seo principaes
afiluentes ,ão : o Itacambira-(( sít (e) o VaccCll'ia (e),
o Sa7inas (e), o AmSS1.Ulliy (d) que na cendo na 'erra
do Gaviãtl corre-lhe quasi parallelamente recebendo
d'entre outro o Setubal e o Gravatã; o ItingcL (e) e o
Piabanha (d). .
d) O ]'-Iucury que nasce nas vertentes da serra.
do Chifre recebe neste E tado o Todos os Santos
que passa em Philadelphia.
e) O rio Doce que é formado pelo PiranglL e o
- 296-

CllOpotó não apresenta neste Estado trecho franca·


mente navegavel em razão de grande numero de ca·
choeiras que ahi se encontram, sendo as mais notaveis
a do Inferno, a do M., e a Escura; os seus mais
notaveis tributarias são: o Casca (cl) , o Sac:ramento
(d), o Pimcicaba um dos seus maiures·aftiuentes cujas
cabeceiras estão proximas á freguezia de Cattas-Altas
o S. Antonio (e), e das Cm'rentes (e), o SassMhy-
grande (e) que vindo da serra do G-avião, chega-lhe
um pouco abaixo da Figueira, contando por principal
tributario o Tambaqua1'y (e), o C~tité (d), e o Ma.
nhuassít-(d) que com suas origens na falda da serra da
Bôa-Vista, desagua no rio Doce no ponto limitrophe
com o Espirita-Santo, depois de receber ribeirões de
pequeno curso.
I) O Itabapoana tem apenas as suas nascentes
neste Estado entre as serras do Brigadeiro e Caiaua.
g) O Pamhyba do Sul que apenas tem perten·
cente a este Estado o trecho da margem e querda
comprehendido entre o rio Pcwahybuna e o riachão
Pimpetinga; os seus mais notaveis coutribuiutes
que têm suas origens neste territorio são: o Para·
hybuna que vindo da serra da Mantiqueira, recebe
o do Peixe e o Preto que tambem é limite com o Es-
tado do Rio de Janeiro; -o Pomba, que depois de
banhar a cidade do mesmo nome, vai desaguar em
frente a aldeia da Pedrai-e o Mllriahé, que vindo
da serra do Bag1'e, banha a cidade do mesmo nome e
depois de receber o CaTangola (e) desagua no Pm'a-
hyba em frente á cidade de Campos, no Rio de Ja-
neu'o; só pertence a Minas-Geraes o seu trecho até a -
serra do Gavião.
Correm para a bacia platina:
a) O 1'io-GTande com um curso de 1353 kilo·
metros que vindo da serra da Mantiqneira no 22°15'
L. S., segue geralmente o rumo media de NO. com
um leito extremamente interrompido por cachoe iras,
separando em parte este Estado do de S. Paulo; o
- 297-

volnme das suas aguas é alimentado pelos seguintes


tributarios :
o Ayur1toca (e), o das Mortes (d), oPittmhy (d), o
SalJUcahy (e) o 8. João (e), o Canôas (e); o Uberaba·
Falsa (d) e o Verde (d) elos quaes merecem especial
menção:
o Ayurnoca que, é o rio mais alto do Brasil;
nasce no segnndo pico mais culminante do Itatiaya a
2.860 metros acima do nivel do mar i
o daR MO'rtes que com snas origens proximas a
João Ayres de agua abaixo de Ibituruna, depois de
receber pequenos rios, como o das Mm·tes-PelJlIeno e o
Cm'anclallY; e te rio é celebre pelo cruel morticinio
e sangrenta batalha que ahi se operaram entre Pau-
listas e Emboabas; ,
o 8apucahy cujas nascentes estão na seITa da
Mantiqueira, arrecada em seo trajecto o subsidio de
muitos outros, d'entre os quaes é o Ve'rde (d) o mais
importante;
e o Canôas, cuja importancia é servir de limite
com S. Paulo. ,
b) O rio Pm'anahybct, com um curso de 957
kilometros, que nasce na vertente occidental da serra
da lIatta da Corda segue a principio o rumo de O.
até receber pela margem direita o 8. 1J{Ct?'COS, divisa
com Goyaz; d'ahi por diante .egue a direcção media
de S O. até e unir ao Grande, conservando toda a
margem esquerda pertencente a l\Iinas-Geracs para a
qual afiluem principalmente: o DOUTCldos, o Ba.c;agern,
o das Velhas, o Piedade e o das Almas; d'estes ornais
importante é o caudaloso das Velhas que da serra da
Canastra corre no rumo de NO. subsidiado pelo In-
jeJrno, Queb?'a-Anzol e outros.
Limnegraphia.-São poucas as lagOa d'este Es·
1ado; como principaes encontram-se: a Gmnde,
d'onde nascem os rio 1Jlogy-gllassl'r e 8almCaltY; a
Santa; a de Santa l!é; e outras pelaR margens dos
riôs Doce e S. Francisco.
298

DESCRIPÇÃO POLITICA

Noções historicas. -A noticia da regiao onde"8e


acha este Estado, que era primitivamente habitada
pelos indios Cata,qttclzes, s6 em 1573 é que foi narrada
por Sebastião Fernandes Tourinho, morador llas vi-
zinhanças de Porto-Seguro; Tourinho, tendo subido
o rio Doce em 1573 desceo pelo Jaquitinhonha e foi ter
com o governador-geral do Brasil, Luiz de Brito e
Almeida, dando-lhe parte da ricas minas de esme·
raldas que ahi encontrára..
Sete annos depois Antonio Dias Adorno com
400 indios e 150 colonos subio o rio Cricaré e por
entre espesso arvoredo e densas florestas conseguia
chegar até a lagôa Vupabussú; d'a.bi, descendo pelo
J eq uitinhonha veio dar parte ao governador.geral,
Lourenço da Veig'a, das riqueza.s que ahi achara.
Marcos de Azeredo Coutinho não foi menos intre-
pido que o precedente, pois o~ seus esforços foram com·
pensados com muitas esmeraldas e sapbiras encon-
tradas.
Os paulistas, com o fim de escravisarem indios,
entranharam-se pelo sertão e exploraram-n'o.
Em 1598 o governador-geral do Brasil, D. Fran-
cisco de Souza, animou por tal f6rma os paulistas, que
a elles é que se devem as descobertas das minas de
ouro e de pedras preciosas.
D'entre os primeiros intrepidos exploradores do
sertão d'este Estado são dignos de menção: Augusto
Barbalho em 1662 e Fernando Dias Paes Leme;
aquelle pela exploração de esmeraldas e este pelo des·
cobrimento do rio Itamarandiba, onde abundam o
ouro e pedras preciosas.
Mais tarde Dias Paes voltou a este territorio por
ordem do governador-geral Affonso Furtado de Men-
donça ; mas tendo sido desamparado pelos seos com-
panheiros veio morrer nas margens do rio Guaicuhy
- 299-

ou das Velhas, deixando a seu genro Manoel Borba


Gato tudo quanto possuia.
Depois (l'estes exploradores seguiram-se outros
como Antonio Rodrigues Arzão, Carlos Pedroso da
Silveira, BartlJolomeu Bueno de CeI queira, Miguel
d'Almeida, Manoel Garcia Velho, coronel Salvador
Fernandes e muitos outros que contribuiram para a
formação de povoados transformados actualmente em
cidades importantes.
Cunstando a D. Pedro I que 11, riqueza do solu
d'esta região era proverbial, ordeuou a Arthur de Sá
e AIenezes que estahelecesse fundiçõe de ouro para a
arrecl\,clação do quinto, o que motivou guerras intes-
tina.s.
No principio do secnlo XVIII, por causa de
intriga. armadas pelos jesuitas e que tões sobre
minas, deu-se nesta provincia uma batalha !:anguino-
lenta junto a um rio que se ficou chamando das ]Jlortes,
pelo cruel mOI ticinio que ahi houve. Esta luta é co-
nhecida na historia com a denominação-os Paulistas
e os Emboabas,; do lado d'aquelles achavam-se Jero-
nymo Pedros/) e Julio Cezar e d'estes o portuguez
Manoel Nunes Vianna.
Em 1709 D. João V desmembrou as capitanias
de Minas e S. Paulo da do Rio de Janeiro 1101lleando
para seu primeiro capitã.o-general a Antonio Coelho
de Albuquerque, que antes concorrêl'a para a ua pa-
cificação.
Em 1720 D. João V creou a provincia de Minas-
Geraes, desmembrando-a da de S. Panlo e nomeou a
Lourenço de Almeida para o seu primeiro governador.
Em 1789, senllo o vi cOllde de Barbacena o go-
vernador d'esta capitania, deo-se nena uma conspi-
ração chamada do Timdentes, cujo fim era proclamar
uma republica j figuraram nena como cabeças o alferes
Joaquim José da Silva Xavier (o Tiradente.), o te-
nente coronel Ignacio Jo é de Alvarenga Peixoto ,0
poeta Domingos de Abreu Vieira, o Dr. Domingo.
"

- 300-

Vidal Barbosa e os socerdotes José da Silva e Oli-


veira Rolim e Carlos Corrêa de Toledo; d'estes s6-
mente o primeiro foi quem pagou com ~ vida asna
ousadia, subindo ao patibulono dia 21 de Abril de 1792.
Em 1822 a idéa de independencía achava-se
ainda tão enraizada nos espiritos de alguns cidadãos
que o príncipe D, Pedro se vio obrigado a marchar
para alli com o fim de conter os revoltosos.
Em 1833 operou-se em Onro-Preto uma revolta,
mas em pouco tempo foi abafada.
Em 1842 deu·se nesta provincia um levantlt-
menta do partido liberal, o qual terminou com o com·
bate de Santa Luzia, sendo mais tarde amnistiados
todos os compromet tidos.
Capital.- OU1'o-Preto, antiga VillaRica, com
15,000 habitantes, fundada em 1711 por Antonio de
Albuquerque Coelho de Carvalho, situada na serra
do mesmo nome e com um clima frio e nebuloso; seos
principaes edificios são: o palacio do governador, a
cadêa, a egreja matriz, a intendencia municipal, a
Santa Casa de Misericordia fundada pelo governador
Gomes Freire de Andrade, a e cola de minas, a bi-
bliothl:'ca, o jardim botanico e ontros muitos. "
Cidades. - Ma1'ianna, sMe do bispado do mesmo
nome, á margem direita do ribeirão do Carmo e a 12
kilometros da capital; de villa de Albuq~terque passou-
se a chamar viUa Rea l do Canno até 1711, época em
que D. João V den-Ihe a denominação actual em ho·,
menagem á sua consorte; em 1745 foi elevada a ci-
dade episcopal; seos principaes edificios são: a cathe·
dral da Sé, o palacio episcopal, o seminario e a inten·
dencia.- Diamantina, sMe do bispado do mesmo
nome, situada nas faldas da serra do ltambé e a
1,816 metros acima do nivel do mar; conta alguns es-
tabelecimentos importantes e a sua industria tem
algum desenvolvimento. S. João d'El-Rei, com
10.000 habitantes, a 3 kilometro do lado esquerdo do
rio das Morte, nas abas da serra do Lenheiro; é '"
- 301-

ligada ,a estrada de ferro Central pela Oeste de


Minas, entretendo um activo e importante commer-
cio.- Juiz de Fóm, com 20,000 habitantes, á
margem do Parahybuna, cidade muito elegante, com
.0 commercio e a indu tria muito desenvolvidos e com
uma importante estação da estrada de ferro Central do
Brasil. - SabaTá 1 á margem septentrilmal do rio Sa-
bará e meridi0D:11 do rio das Velhas e com varias com-
panhias ele minei-ação.- Se1TO F'l"io sobre uma collina
banpada pelo cOlTego Quatro Vintens. - Pitanguy
banhada pêlo rio Pará e com alguma lavoura de algodão
e canna.- Campanha da Princeza com excellente
clima, fontes de aguas thermaes e situada em uma
collina cercada de numerosos campos de pastagem.-
BCl?·bace1l.a, outr'ora arraial da Eg1'eja Nova e deno-
minada Pl'inceza dos Campos pelo seu clima amenis-
simo e saudavel, a industria de lacticinios tem ahi
grande desenvolvimento.- Bagagem, situada nas
fronteiras com Goyaz, com grande exportação de
gado boyino e outr'ol'a abundante repositorio ele mi-
neraes preciosos.- Passos, situada em uma vasta
?ampina, banhada pelo rio Grande e com grande
l1!-dustria pastoril.- Ubemba com grande comme..·
CIO e exportação de gado vaccum. - Pamcatt/',
perto das fronteiras com Goyaz e com grande fa-
z~nrla de criação.- Janna1'ia sobre o rio S. Fran-
CISCO e com importante commercio. - Ita1Jim (do
Malta Dent1'o), situada entre serras.- S. Brll'bcl1'a
banhada pelo rio do me mo nomee com importante in-
du tria ele criação de gado.- Pouso Alegre, proxima
ao, rio Sapucahy e ituada ao sul do Est,ado.-- F01'-
tluga, out'r'ora muito florescente.- Olivei1'a, situada
em uma elevação; exporta fumo e toucin110. - .I1raxá
aO. do E tado e com grande criação ele garlo.-Cald((s,
proxima á. fronteiras com S. Paulo e sobre um solo
eXce sivamente peelregoso ; muito se recommellda pelo
eo bom clima e salutares fonte thermaes.- Pomba,
margem esquerda do rio do mesmo nome e com
- 302-

grande exportação de turno.-=- ·Minas Novas, com la-


voura de canna.- Montes Cla1·os.~ Gnio-Mogol ao
nurte do ERtado na serra do mesmo nome.- Aras-
sually á margem do rio de igual nome e com lavoura
de canna.- Conceição. -ltapecerica, antig;t villa de
Tamanduá, banhada ~elo cOlTego d'este nome.-Ti1·a-
den~es, outr'ora S. José cl'El-Rei em frente a S. João
d'EI·Rei e proxima ao rio das Mortes.- S. Sebastião
do Pamiso, nas divisf1s com S. Paulo e com ei'plen-
didos ca.mpos de criação.- Baepencly ao sul go Estado
e com importantes fontes de aguas virtuosas.- Ayu-
nwca nas faldas da serra do Papagaio e com activo
commercio de fumo, queijos e toucinho. - Lavras com
industria pastoril. - Caeté, proxima ao regato de
igual nome.- Quel~bz outr' ora arraial dos Cm·ijós.-
UM com importante lavoura de café ._- S. Paulo ele
MZl1'iah p, á margem direita do rio Muriahé.- jllel1" de
Hespanhc~, antigo arraial do Xagado, e com impor-
tante lavoura de café.- Leopoldina, outr'ora armial
do Feijão C1-Ú com uma estação de ferro carril do
mesmo nome e dotada de proverbial fertilidade.
- BOll~fim situada sobre um planalto e cercada de
esplendidas campinas.- S. Luzia. - Alfenas, celebre
pelos seos campo de pastagens.- T1'e~ Pontas, ao
sul e com grande indu tria de criação.- Jaguary,
antiga Camanclocaia, na extremidade meridional do
E tctdo com S. P.aulo. - Bôa Esperança, com indus-
tria de cl'Íação.- Ch7'istina, antiga Espi?"ito.Stmto
dos Oml1qnibus, á margem do Lambary. - Tzl1'vo na
erra do mesmo nome ,- ItaJubá.- Piwnhy.- Pi-
"anga, á margem do rio do mesmo nome.- Ponte-
Nova, municipio florescente e com de 'envolvida la-
VOura de café.- Rio-Novo, atravessada pelo rio que
lhe deo o nome, com exportação de fumo.- Rio-P1'eto
á margem e querda do rio d'este nome e nos limites
com o Rio de Janeiro, abi domina. a agricultura.-
Bom 8uccesso, itnada em uma elevação.- Ctt1'lJello,
município agrícola e commerciante. ~ T"içosa com
- 303 - .
importante lavoura.-Rio Pardo,ao norte e com activo
commercio com a Bahia. -- Pat1'ocinio, com industria
de tecidos e criação de gado. -- Sttasstthy .- Cam1JO-
BeUo.- Cata,guazes, antiga povoação da ~jJI[eia Pataca
municipio agricola. Cabo Verele, proximo ao rio
Verde e de um futuro prospero. S. Antonio elo
ll1onte.- Sete Lagãas.- SaC1"amento, municipio
criador.- Pmta municipio mais occidental do Estado
I

e entre os rios Paranahyba e Grande. S. José elo


Pamiso, ao sul e commerciante.- Ouro-Fino, ba-
nhanda pelo rio Mogy-Guassú e com grandes fazen-
das de criação. - Pa'rá á margem do rio d' este
nome.- Abaeté.-Pouso Alto sobre uma montanha
e commerciante. - Monte Ale,g1'e ao norte do munici·
pio do Prata e com de envolvida industria pastoril.-
Ca1'1no elo Rio Claro, nas margens do Sapncahy e
com grande exportação de gaLlo.- S. Migltel ele Gua-
nhães, á margem do ribeirão de igual nome.- Ca·
rangola, nas fronteira com o Rio de Janeiro.- Ent1'e
Rios, antiga villa Bntmetelo ele 'uasmthy.- Jeq~ti·
tahy. - Lima Dua1·te. - J.1JIttn7massít. - lIJIuzemn-
binlzo. - S. Antonio elo Mac7lC1elo, localidade meridio-
nal.- S. F1'ancisco, antiga villa de . Romão.- S.
Gonçalo de Sapucahy.- S. João Nepomuceno.- '.
José d' Alem Pamhyba nas raias com o Rio de Ja-
neiro.- Philaclelplzia, antiga TlIeopltilo Ottoni, nas
fronteiras com a Bahia.- Ya?',gin71a, ao sul.- Rio
Branco.
Villas principaes.-Bambn7ty, pl'oxima á . erra da
Canast.ra; Inelaiá, <lo lado occidental do Alto S. Frau-
cisco; S. Antonio elos Patos nas vertentes do Parana-
hyba; Tres C01'ClçÔeS elo Rio· Venle, ao sul elo Estado;
Tremedal; e Jacu7ty.
Fopulação.-2.500,000 habitantes; ou 4,3 habi-
tantes por kilometro quadrado.
Instrucção publica. - O ensino pl'imCl1'io é dado
em cerca de 1,800 escolas espalhadas por diferentes
localidades do Est!!-dQj-o seclmelm'io e J}ro/issi()n(l~ no
- 304-
Lycéo J.finei?"o, nos externatos situados em Sabará,
S. João d'EI-Rei, Campanha, Paracatú, Diamantina,
nas classes annexas á Escola de Minas e em 8 Escolas
Normaes;- e o snperior na Escola de Phal macia e de
:Minas em Ouro-Preto. Estes estabelecimento de ins-
trucção são frequentados por cerca de 48,000 e tu-
dantes, representando a somma de 997 .325~OOO a
verba consagrada a este ramo administrativo em 1889.
Divisão judiciaria.-A Relação de Ouro-Preto que
s6mente comprehende este E tado, consta de 59 co-
marcas divididas em 106 municipios.
Divisão ecclesiastica. -Este Est,\do depende da
Diocese de Marianna (Cl'eada em 1745), de Diamantina
(Cl'eada em 1854), de S. Sebastião, de S. Paulo e de
Goyaz e con ta de 522 parochias. .
Estradas de ferro.-Ha as seguintes: a Central
do Brasil, a Leopoldina, a de Oeste, ao de Cordeiro
ao Rio romba, a de Minas e Rio, a União Mineira, a
de Juiz de Fora a Piau, a de S. João d'EI-Rei a Oli-
veira, a de Pitanguy a Patos, () Ramal do Rio Novo e
outras em construcção e em projecto.
Agricultura, Commercio e Industria. - A lavoura
do café, da canna ele assncar, do algodão, do fumo e
do milho é importantissima; cultivam-se tambem em
menor e. cala o trigo, o anil, o centeio, a vinha os
cereae', etc. O eu commercio consiste na exportação
dos eus productos, sendo na maior parte para o Rio
de Janeiro por intermedio da estrada de ferr~ Central
do Brasil. A mineração, a criação de gado vaccum,
cavallar, suino, lanigero e capl'um, que aba tecem o
Rio rle Janeiro e parte de S. Paulo, os excellentes te-
cidos de algodão, os q1:leijo qne têm o mesmo nome
do Estado, os vinhos, a farinha de trigo, as madeiras,
etc., constituem a principal industria d'esta região.
Convém notar que a primeira exposição industrial no
Brasil foi inaugurada na capital d'este Estado.
- 305-

PRODUCÇÕES

Reino vegetal.- O territorio d'este Estado é


constitui do pelo vasto taboleiro central d'onde emanam
as principaes fontes dos rios brasileiros e revestido da
mais luxuriante vegetação que engrandece as sua.s
gigantescas fiorestas, abundantes em madeiras para
todos os trabalhos; são principaes repre entantes
d'este reino: o café, o algodão, o milho, o fumo que
ê o melhor d'l. Republica, a canna de assucal', fructos
variados, cereaes, hervas medicinaes, toxicas ~ para
tinturarias.
Reino mineral. - Em nenhum dos Estados da Re-
publica Bl'asileira é este reino tão abundante, variado
e precioso como neste; do seu solo extrallem-se ouro,
prata, platina, cobre, chumbo, estanho, ferro de ex-
cellente qualidade, diamantes esmel'aldas e outms
pedras preciosas, enxofre, salitre, mercurio, man-
ganez, antimonio, arsenico, bismutho, carvão de
pedra, pedra calcarea, pedra-hume, sal-gemma, mar-
mores lindissimos e outros; as suas aguas miueraes
são muito recommendadas e e1ipecialmente as aguas
virtnosas do Lambary, de Caxambú, de Contenua,s, do
Araxá e de Caldas.
At.ttestam a grandeza d'este reino no estran-
geiro o grande diamante da corôa de Portugal, achado
em 1800 junto ao rio Abaeté e o denominado Est1"ella
do St~l, que figurou na exposição de Paris, encon-
trado na Bagagem.
Reino animaI.- Todo::! os animaes povoadores dos
Estado~ limitrophes E-ão encontrados neste territorio.
Homens illustres. - D'entre os seu filhos pre-
claros sobre ahem: Custodio Ferreira Leite (barão de
Ayuruoca) os estadistas Estevão Ribeiro de Reze·nde
(marquez de Valença) e Honorio Hermeto Carneiro
Leão (marquez de Paraná.) j o martyr da Republica
Joaquim José da Silva Xavier (Timdentea); os poetas
20 c. II.
- 306-

J osê Bazilio da Gama, Claudio Manoel da Costa e Frei


Santa Rita Durão; o aistincto esculptor Valentim da.
Fonseca e S' va ; o philosopho e poeta Baptista Cae~
tano d' Almeida Nogueira; o habil politico Theophilo-
Benedicto Ottoni; o conego José Antonio Marinho; o-
padre Ferreira de Mello; Frei Conceição Ve11oso;
Bernardo Pereira de Vasconcellos; e Silva Alvarenga •
lNDICE ALPAA UETICO

Abacaxis, 41, 255, 261 . 262 AIcatrazes, 4.3 .. 213


Abaeté, 51, 294, 303 . 305 AI obaça, 4.3 .. 172
Abiahy . 138 Aldeia . 190
Abrancbes .........•.... 71 Aldeias Altas .. 110
Ahrantes . 176 Alecrim •..............• 162
Abrolhus, ;,7, 38, 171. .. 177 Alegre, 185, !l61, 270 ..•. 274-
Acará l 91. 97 .. 98 Alogrete ..........•.•.•• 249
Acaranü, 42, 50, 123, 124, Alemqupr, 96 .. 101
125,128 .. 130 Alexandra .....••......• 73
Acaraby. 3, 36, 90 •.... 171 Alravaca.•........•..... 204.
Acaranguá. 4.3 .. 236 Arrenas . 302
Acarape, 123 . 129 Alrredo Chaves, 70, 71, .. 75
Acarás . 285 Alice ...........•...•.•. 72
Acari . 262 Almada . 40
Acaúma. '" ..........•. 140 Almas, 32, 33,52,169,170,
1caya : .....•...........
cclOh .......•........•
40
71
172, 227, 290, 295 .....
Alpercatas, 105•••.•.•.•
297
106
Aceguá, 7 •.••••••...•• 8 Alter do Chio .......... 271
Acejutibiró, 4~, 139•.... 14.0 Alto ( - S. Francisco),
Açú (=Assú), 50, 133, 136, 303, ( - Tapajós), 271,
139, 14.0 .. 262 (- Tocantins), 286.•.• 287
Alfogados, 40 .........•. 14.6 Alvar, 96 •••••.•••.••••• 272
Agua (- Brancal. 34. 51, AlvelJos .............••. 256
155 275, ( - Fria) 146, Amucü, fJ4 . 259
(- Prtlta) 8J, 151, ( - Amajahú .. 259
Quente) . 287 AmamlJahy, 5,35,76,268,
Aguas Bellas .. 151 275 . 276
Aguapehy, 47,48, •.....• 274. Amaná, M, 97, 262 . W4
AgUdos, 35 . 226 Amapá, 2,49 . 94
Aguiar, M .. 183 Amarante, 116 .. 118
A~lbas Negras ...•••... 33 Amarração .....•.•....• 1I8
Alcman ........••.•••.. 257 Amani-mayú ..........• 260
~a~a ..•.....•.••.... 204. Amasonas, 4, 15, 16, 17,
agoas, II, 28, 29, 4.0, 42, 2i.29.34.,36,3H,39,44,
50. 54, 144, 151, 152, 49, 54,60, 71, 76, 77,
1M, J56, 158.161 .•..• 169 81. 82, 89, 90, 91, 92,
Alagoinhas, 84 ........• 176 93.95 .. 2.'í3
Albuquerque, 280 .....• 300 America . 73
Alcantara, 41, 110 •.••• 112 Amolar, 45 .. 273
- 308

Amparo . 218 qnidauana .


Amuct'I . 261 AqU!gy ..
Anallia .. 158 AlI llIÓ .
Anam.bary . 260 Aquiqu - .
Anapu . 4<1 Aqmraz ..............•
Anarapucú, 91. . 97 Aqulr)' .
Anastacio,39 . 21;1 Araeá .
Ananá . 259 Arara~? .
Ancbieta . 18t Al'acajll, lOfl .
Andaraby. li2 . 205 Aracaby .
t\Delirá. 255,261. ....•... 262 Aracaty, ..12,121, 123, lV
Andiroba .. 105 Arac(l: .
Andorinha, 3& . 181 Aragual'Y, 19... .. . .
Anc1l'eqllicr . 283 Aragllaya. 15, 3:... an, iii,
Angelina .. 74 77. 8i. 89, 97, 259, ~':ll,
Angic.\l. . 171 269, 272, 27j,:! 1, _ r"
Angicos, 13li.•.......... 287 286, ~87. 289 ..
Angiquinllo . 51 Aramá ,
Angra cio, Rei . 43, 8t. Araná .
IB8, 18V, 190, 196 . 198 Aranha, 39 .
AnIJanJllahV : . ~76 Arapiranga, 91 .......••.
Anhato-mii·i1n . 21(1 Araql1al'a..1, 36, 220, .;!l:1
Anl1emby . 214 Ararand!:'ua .
Anhumas, 4.6 , • 273 Ararallguá, 237..... . •.
Anibá . 268 Ararapil'a .
Anicuns . 285 Ara ras, 169. 219, 2Ii: .
Áfiignby '" 272 Araripc, 3J. 114, 121,1;4;1,
Anlas. 133 .. 156 12:>. 128, 133, 13R . 115
Antiga . 96 Araruama, 5,1, 190 . 19
Antilhas . 12 Arassuh h r, 52, 173, 2!J5.. .,1).
Antonína,43, 226, 2n .• '229 ArataillJa . 12.)
Antonio (Gome ), 46 .,. 273 Araticü, 44 ••••.•••.•..• 91
(- Martins), 51, 1~6, Arau1l. . 11>J
( - P'reil'a), 295, ( - Araualó, 95 . 263
Prado), 75, (- Rebon- Al'axá, 1301.. . :w;
,:Js) . 72 Araylt"t . 101
AnY:guhy . 96 Areia, 13°,112, 176, 211.
Aonpana . 96 219 ..
Apa (I, -1b~ 106, 273 .. '" 276 Arêz .
Apannn . 96 AJ'gelina .. .. .. .. . ..
AJiapori , 4, !J. . 256 r"entina (Rcp.), 4, 6, 7,
Apaquitnba. 44 . 255 45, J8, 221. 22, 2J.!
Ap!a1?.v, 214 .. 227 Afino, '15, 46, 270, :l7l,
Apllllau . 95 272 ...........•......•
Apiu~nibiró, 44. .••.••••• 255 Aripl'cul·ú .
Apipe .......•......•.. 46 Arir6,·187 ..
Apody, 3-1, 50, 122, 12-1, Ari\ana 36 ..
133 . 136 Arma~'ào .
Apollinario '" .. 181 Arnaljui ~ ..
Aporá, 276, 2113 •........ 285 Arraial (Qneimallo), ,L.
Aporerna . 49 ( - Velho )iG ........
Apnby . 271 Arrojado ..........••...
Apura ana, 35 . 2:16 Arr.o) o do Rato .
Aquic1aban, 46 . 273 Artlgas .......•.•.•.•.•
- 309
Aruaks ..•..••.••..•.•. : 59 Bananal. 51, 155. 189, 219,
A.l'upady .. 26l 281, 28ti 27
Arvuredo, 39, 235 .. :.!l0 Bamweiras l·U. :l61
Ascensão ....•••...•.••• 37 BanRú 203
Asperezas· . 243 B:u'ào de Jundiahy..... 75
Assaré..•.•..•...•...•.• 129 Barbacena, !lO, 2!l3...... 301
A u.mpçiio .. 146 Barbalba............ .... ]28
Assnnguhy, 71,7'2, 73, .. 227 BarOa Ne"ra, 39........ 243
Assuma, 170 .. 176 Bal·cello., 8-1, ]!l7....... ~66
Atalaia, 102 .. ]58 Ilariguby ,.... 72
Alibaia, 219 .. 220 Barra, 77, 78, 170, 189 250
Aluá •.•...••..•...•...• 91 (- da Corda) ]11, (-
Au1trys .. 259 Grande). J~, 155....... 2:36
Augusto .•....••.......• 72 (- de S. Joãu).'13. 18!) 198
Aveiro .......•••••..... 271 (-de Maralanan) 118,
Aya:llá, 51 .. .:i O1 (- Uansa), Ul!J •••.••. 1!l1.i
Aymores, 3j. 52, 53,169, (- de Paranagu:l), 7 ,
170, 180, 18t . 182 1- do Piral1y) 81. ( -
Ayuruoca, 297 ....••..•• 302 do Rio Nei!;J'o) 265, ( -
Aza.mbuja ......••••..•. 71 de S. Matheusl, I tl5,
Azêda ...•.••..•.•...•.• 15J (- de Sel'gipc), 81, (-
Aiml, !l6, J21, 270, 2il.. 212 do Unal . l1ó
Barrei ri nhas . 111
Barreiros, 189 .......•.• 227
Bab. fonia . 203 Barriga............••... 15::>
Ilacalllarle . 1.12 Barro Alto .. ]2;,
llacanga . 10,) Barrocas •.•..••..•.•..• <!3.t
Bacahunl, 46 .•.•..•..•. 273 Barurú ..•.•••.••.....•. 262
Bacaxá •....•..•....•••. 190 Basliue .. ]25
Baccabal ...•.••..•.••.. 271 Batalae' .. 219
Baepelldy . 302 BataLal, 1 1, 182.. " . 187
Bagagem, 287, 297, 301 .. 305 Batoque . 155
Bagé .•..•....•.....••.. 219 Ratuba•••...•......•... 40
Bagl·e ..•....••.•.•.•..• 290 Baturité, 123,]2 ....... 130
Bahia, 'J.7, 28. 38, 40, H, Ballrés .•.......•....... 2111
50,01,52.51,78,82,81. Behelon~a .. 235
5, 87. 11-1. 115. 118, BeJem. ,41, 77, 92, !li,
lU, 151, 16L, 163, 167, 101, . 229
lli9, li5, 180, 182, '169. (- de Junrliabyl . il9
283, ~81. 292, 293,291, Belmonte, <li, 5~, 172 .. 2.5
295 . 303 Benediclo .. 2:36
(Negra), 4.0 .. 51 Benevente, .1::3, 70. 71,
rde Tudo os 8anto. l, 181,182 . 1 1
170, 171,172 . ]75 Bcn~ala. . 197
:;~~ . ~a5 Benl, 5,9, 2:>3, 260. ~02,
llJque . 91 269 . ~.!'iO
.Baixiu das Be tas . 121 Benilo .. 2~tj
Baixo Tapajós .•...••... l7l Berl nga .••...•.•....• 1113
Balança . 155 Ilenn -jo, 46 . 27~1
BalS1s. 50, 105, 107 •.•.. 287 BerLinga, 55, 78, 21:3 . 215
Betume . 161
Balsinhas .. 107 Bezerros ..•..•........• 151
Bamhllhy . 303 Bico do Pa(la~aio .. :103
BanallUYú, 121, 125 .•.• 129 Bígna . 226
- 310 -
Biguas ú............... 43 Brum, 78.... ........ .. 1',
Blasiana. 75............ 77 Brl1 mado. 45, .:.173, (- de
Blumenau, 7a.. . . . :239 sUlwuhy) [1
Boacica, 5i •... 15() Bugre , 46, 60. 236, 2~3.. 2i4
Bôa (Esperança). 50, 107.. 30.2 Bttim .til
( - l\lorle), 279, (- Buique jf>l
Vi lal. 5, 98. 1-17, 150, Bnqnim 17
188, i36, z90.. . . .. .... 296 Buraco, 78, 1jO, ( - da
Bocaina, 189, 21:1, .214., Maria Parei ra) .•. ' ....
219.......... 220 Buranhcm, 2 .•...•.•..
llocca Crande . . . . . • . . . . .8 Bul'ity .............•.•.
Bodocongo.... 140 Burul'ú.•.•.....•.......
Boi, 38......... 181 llUlllh)' .
Boipeba......... 171 BUZIOS, ;,9.......•..... r
Boi., I:2J .,.......... . 285
Bojurú, 40, 213 '" 250 Caapoam _ _.
Bolhia, 4, 5, 9. 28, 45, Cabahoris, fl •• l •••••••••

251, :lOO. 2R~, 16!), 212. . :276 Ca.ha~·al. 16. 273 .


Bum (A.brigo) il3, (-Fim) Cabl~a~ .
200, 30J, ( - Jardim), CalJaúlla ••...•.•.......
81. !Il,151,(-Jesus), Caheceira .
38, 51, 11(;. 170 190. Caballos da Ycl1la, H ..
201, (-Succes Ó) 302 Cabo (Frio). 53,82, (- dt'
Bongá ,. 1iJ9 S. Agostinho, 81, 15 i,
Bonito, 152, 2 !8.. . . . .• . . 2 J6 (- Vcrdl'} .
BO'lnelrUo, 50. 107, 170.. :.IOf Caboqnl'uas .......•....
BOl·lIa.................. 260 Cabral ia " .: .
Borbor ma, :3::1,133, 131, CahrolJú .
138 1:,9, 140, U2..... 115 Caul1çíl. lO .,

Borracha.. 16J Caca ....•.......


Burraclmdo.. , . . . . . . . . . . 29J Ca~'apa'a, 21'1,210 ..
Búlarogo, 1:1............ 20;> Cacere , 5, !'li .
llolocndu.. 60 Cachiry ..
Botuca ral1\ 213 CILChú .
Búlllcalil, 2IL 219 Cachoeira, lil, :;1. ;)'1, 74.
Braço cio (Cinl'orá) 172, I, 101, 173, 176, 214,
( - Grande) 28;', (- 22.211.210 .........
lIlalOr}.2 I;, (- Menor) Cachocil'ão (Infemo), 53 ..
:286. ( - PefJlleUCl) 2~;), Cachopirillha , 16, .iSt) ..
(- ,lu :'iorlJ') 236, (- CJchoclro 185 (- de Ita-
do Snl).............. 182 pemcl'im ' .
Bracuh~·................ I ClLl:horro, O':' .•• ,. •. . •••
Bra::ran~'t, 9 1 ,101. ]O;! .. ~1\l Cacondo .
Branco, a, lO..10, !J6, l:JO, Caelé. lI. -1~'. ~12, !ll, 101,
25fl. ,:lH. no, :ii:l..... 274 139, 182. " , ,.
Br;l ilio 3Iacballo....... 7::l Caelclr .
Brecrillho 129 Cah~ .
BroJO. 111, 1',1, IG3, (- Calana.. 182 '"
Grande............... 123 Caian .....•...........
BI'el-e!\ 101 Caillam~n .
Brigadt'iro, I -.:.......... :206 Cainguá .
nrigida.. . . . . . . • . . . . . . . . 147 Caira!'y ..
Brilhanl,' .. '" ... . ..... . 77 Caiuha ..
Brito, 1:1................ 326 UIl. a do..; Pfl'gO, o .
- 311-
Cajã...•..........•..... 125 Canindé, 50, 107,116,118,
CaJabyba, 38....•..•..•. 17U 124, 128.............. 275
Cajary .. UI Canna Brava........... 287
Cajazei ras . 142 Cannavieiras. 42,50,107 176
Cajú, 49 . 107 Canilas, 47,2]],214,224,
Cajubi. . 258 228, 23([, 237. . .. . .. . .. 297
Cajueiro...............• 139 Canoinbas.............. 228
CaJuiré . 95 Canudos.. 32
Cala bar, 40 .. '" .. 171 Canuman, 44.,255, 261... 262
Calabonço . 209 Cantagallo, 196.......... 197
caldas, U8, 236, 301 .•.. 305 Canteira..... ~13
Caldeirào, 9.1, 25 ....... 261 Capadas.. .. .. .. .. • 226
Camacho, 43. 54 ..•.•..• 237 Capão, 5 I, 245 ( - da
Camamú, 'Í!, 171 ..•....• 176 lItal'ca). ... . .. .. ..... 250
Camandocaia. 218 302
. Capella.. . .. . . . •. . . . . . .• 167
Camapuall .
2/5 Capiá................. .• 155
Camaquan, 3~, M 214
. Capiberibe. 50, 146, 151,
C nará, 3J., 121.. 12!
, .. ( - mirim) 138.. .••.. 147
Camara~ihc, U6, 1-17, 155 i58 Capim, 54, 91, 98....... 107
Camaramba . 140 Capinari... .. ....... .... 256
Camaré " . ~71 capital Federal, 38, 51,65,
Call1aropim, 13! •....••. 1<10 76, 78, 811, 85 ...•. ' . . . 86
Camauiã...•........... 262 Capitao, 162... .. ..... 163
Cambarl311a .. 235 Capi\'ary, 81,197214,219.
Cambriú . 43 221. 2~7, 2l8, 2'37,261,
Call1clã, 11. .. 101 276 291
Camocim, 42, 12i, 125, Capororóea. . . . . 40
129...............•... 130 Caprie rnio .. .. .. .. 3:!
Camorim, 5.1.•.•..•.•.. 205 Capú........... 95
Campanha da Pl'inceza. .. 301 Capuba................. 40
Call1pt'llo .. 190 CapucaplL.... . .. ..... ... 263
Campina Grnlld .. 112 Capunga,............... 162
Campinaro .. 262 Caqueirada, a9.......... 2CJl
Campina ,51 .. 218 Caquelá........... ..... 256
Campo (Btlllo) 303. (-Lar- Caraça.................. 3:3
gO) 13. 72, 225, 230. Caraem................. 255
(- ~lilior), ll! . 118 Carabú 133
Campo, 55, J, 195, 197, cara!l)', (Caray)......... 811
200, 296, ( - Geraps ). CaraJuba. 40............ ln
35, 2l5. 226. 2.JO, 2;~ I, Caralllurú ln
( - do Jordão), 210. Carandah 297
( - Novos), 221, ( - Caranfl-Y.... 263
das PaJI1l:Q 'lH, ( - Carango\la. 1 9, 2!)6..... :303
de P:lreci), .26 , 271. 275 Carangueijo , 106....... 258
Caná _ . :!l13 Carfio 263
Can:lpry .. 2il:3 carati man i . . . . . . . . . . ~9
Cananéa. 39, 43. 213 . 2:10 Cara\eJla ,42171,176177 1
Canarias..1 , 101 . 107 Cardo o................ :113
Cana Ira, 31. 50, ;lO3, 291, Cariahú. 123, 125........ 129
~97 . ::l0:3 Cariah·.......... 96
Canela . 2.i5 Carijó :o:!
Canrrual'elama . 1:36 Carin any .. 203
Cangu. 11 39, 21:"1 . 215 Carinhanha, 51,169. 176,
Canholo . 15(l 2lll 29;;
- 312-
Carinis, 96, 121. ....•..• 195 Caxurü................. 7
Cariocica, lB2, 187, 188 •. 203 Ca 'apó, ::35,2138,21)4, 285,
CMiry' (= Cayrir:r) 122, (- Grande) 2tO
123,1Im, 151, (- Novosl Ca.yap~Js .. . .. .. .. .. . .. . • :275
133, (--,- Velhos), 138 1119 14.6 Cayan, 260....... .. ...• 26:/
Carixá .....•.•......... 287 C':!:.tril, 10, 28, 3\ :~4, 40,
Carlllo, 198,227, 300 (-do 11, 50, 64, 75, 5, 86,
Rio Claro) .•...••••... 303 114,115. ]J6. ]21, 125,
Carnahuhinba ......•.. 134 1:2 , 13:.1. 1;;8, 139, 144,
'arnapij6 . ln (-Mil'inl), 1, 13t. ... 136
Carnauha . ]25 Cedro ..... _............ 161
C:1l' nó lim ........•...... ]23 Cellliteria, 8............ :!59
Carolina . 111 r.entrat, 139 1M........ 21~
Cal·oõa · ..•.••..• 2:>9 Cel'quiuba, 214.. ..•.••.• .:n
CarOIJ1.Y .. 4 (llapada, ;,;3, 3';, III (-dO
Car~enlyne ...........• 95 Cari CO) 117, ( - Dia-
Caru, 106 . 263 manlinal, b2......... 17~
Cal·uari. . 257 Chn paré .. .. . . .. . . . .. .. . 260
Caruarú 151.. . 152 C/in pec6, 7 .1R, í7' 228... 2:32
Carul1nal·é....•....•.... 2116 Chapéo.............. ..• 162
Car\ aI hae~ .. 211 Chalanle .97,:2 1...... 286
nal'Y, 'i3 .. 226 r.h<J,ve 101
Ga a Branca . 219 Chibala............ . 181
Casc:! d'Anta, 50 .•..••.. 291 Chifl'e, 3:3, 52 182....... 29;)
Cascavel, 1.2!l . 139 Chique-chique..... 176
CaSS;1.I·o)lÚ . 190 chiqnilo 60
Ca. s!pu!·é,.4.0 . 92 ChiJ'llam 255
Casslqmal'l . 258 chopim, 7,77........... 228
Castanl1a-piranga . 96 Chopol6, 5i......... .., 29"
Castanho . 3 Chol'ú, 123..... ......... 125
Ca telhanos, 40 . 188 Chri.lina. 75, lG7....... 302
Ca tello, 39, 'i0, 'i8, 181, Chl'islo\'aru, -10, (-Pe-
182............•...... 203 reira}................. ?!í0
Castro. 73 .............• 2.• 0 Chuiqne................ 101
CaslIvll . 927 ChuOJillan 259
Catagltazes . 303 CllUy, I, 7,8, 41, 24-1.... 215
r.atalão . 2lJO r.unhl'l' 151
Catary . 95 Cinco Ponta, 7 150
r.atinga . 295 Cilll;nrá 170
Catolé, 140 (-do Rocha) 142 Cinta.............. 31
r.alla Altas . 296 Clntra 101
Caluamá.12 .. U3 Cinz;l 2i?
Catulez . 170 Clal'o, 51, 285 :l8ti
Caucaia...............•. 129 f.O<lIT, 1" :l5ã 256...... 2ti6
Canicll .. 98 Cobra. , 39, 78, 204 .. . . .. 226
Cau)'pe, 1.23 . 1:25 CI)co-Grande ... J06
Ca valC<lllte . 200 C chnhamha, 21i0.... 269
Cavalleiro . 155 r.odayaz. 5L . . . .. . . . 21H
Cavallós . 156 C01l6; 100. 10í 111
Caverno o .. 2i8 Coi 11ra, 78............ 2ícl
Cal'lana, 38 .. 91 Colonia.. ........ .. 118
Caxamhú . ~05 columbia, 2, .1, 9. 253,
Caxangá .. 152 2,)6 257
Caxla . 71 C mm:1l1dalu!Ja......... 170
313

Comprida. 38, 39, 51, 156, Cruz, 40 (- Alta).. . . . . . 2·19


188. 20.t .••..•..••... o 21:3 Cruzeiro.. , 220
Conany ............•..• 0 49 Cryslac ... ,............ 254
Concc!ção. 78, 1:24, 203, Cryslallino.............. 286
302, (-de Albuquerque) ClIhalào. ;;2, 43, 'lU, 221
77. ( - da Lagoinlla), 2:26,227,229,235...... 236
235, (- do Pant'lIlo) .. 235 Cucul1y. ;J o..... :257
Conchas.tO 133......... 231 Cuclrnra 260
Conde d'Eu 74,......... 14.2 Cllilt~ 296
Condirú-assll.... . 96 Cumã, 41, 106.,........ 111
Congonha :l27.......... 237 Cullliari 2;>8
CQnorochilo............. 2.'\8 Cuminll. ,. 95
Conselheiro Rodrigo Silva 75 Cumaryn o :t5li
Con litllição 220 Cunha 219
Conslit"uinle .. o......... li9 Cunhaú................. /3-t.
Contas, 52.. . . . . . . . .. .. . . 172- Cupat.y, 36...... •....... 256
Contcndas.... 305 Cllpiaba o • • • .. 170
Coqueiros, :J8, 39. .tO, 1 ln, Cupnca ,..... 5J
1,17................... 163 CllPY............... ... 8
Corcovado. . .. . . . . . . . . .. 203 Clll'an~ b y.. . . .. .. . . . .. .. 262
Corda, 106.............. 111 Curanly... .. 254.
Cordão da Barra.. . . . . . . . (lO Cnriguaclll'u o •• • :257

Coriti ha, 13, 7 J, 226. 228. .2-29 Clll'innlll1... 257


Corilibano ~10 Curinhaem... 14.0
Corixa Grande.......... 5 Cnrimalahy.... 29.1
Corõa (Grande),124,(-da CllI'im~lan. 116
Barra)........ . ..... .. 100 CllrraJ Alto, 39.. 2.13
CoJ'l(ados .. . . . . . . . . . . . . . 70 Ctll'ralinho......•.. ,.... 29Q
Co I'J'llgO Secco.......... 195 Currl, 123 , . . . . . .. 125
COI'l'entc. 51.106. 116,118. CUIuá, 4J, 91. , , 95
2! I, 268, 275, 285. , . . .. 296 Curuçú , ,.. 21:i:3
COI'U ln brl, 77,276, 280, 21:5 290 Clll'llll'ahú ........•..... 257
Cnrul1l batall y,. . . . . . . . . .. 228 Cu I'llIl1hiano. .. 2li]
COI"\'ados..... ~)O Clll'lIllllJiára .. o •••• , o 270
COo ta Pereira: 71 CUfllny... 95
COlijllha, 91, !JB.......... 10~ Cnrll]l~ry.. .. 91
Colmga, :39. . . . . .. .. .. . ..
226 CuruplOl.. . . .. . . . . . . . . .. 190
Cotin~o, 1.. ,59
o., Curu pirá.... . .. . . . . . . . . .. 20,1
Cotillguiba, 10:J, 161, 16lJ .• 1fl7 Curnript', 155........... 158
Cotox~ 1'2 CnrllrL!lJy............... 47
[Mundu"a... . . . .. . . . .. .. <.8 CUI·UI·11. . . . . . . . . . . . . . . .. J 31
Couros.................. ,87 Cufllrupú o...... 111
Co\'oados................ 3.l Cul'Iellu 30!
Coxim 275 CurycllJ' y.. . . . . . . . . .. . . . 259
Craliu J23 Cu.co ,.......... 260
Cralo, 1:3... .. . .. .. . .. J28 Cllscll:riro.............. 213
Craunaú..... J55 CII"x.illflra.... :157
Crens (=Guerp.1I )........ 5 CuyalJá, U, 275,216,279. :l80
Cricar (=S. ~lalheus), 5!. J8! Cuyuny " 17g
Crichaná 76 Cyl'l1. ..
Criminosa............... 40
Crixás................... <186 Dccll~ry 261
Crocobí...... :lóS De cria, :39. . . . . . . . . . . . . 235
Crundiubil, :J3...... ....•• 1ti9 De crIOJ·es.............. 40
- 314-
De8espero . 97 Estado Oriental, 13, 48,
De filadeiro .. 219 49, 51. 215 2i9
Desordem, 49, 105 ...•.. 106 Estancia, 166. " • . . . . . •• 167
De lena . 239 Estevam, 54, 12.1....... 2J1
Diabo ............•..... 3h E teve~................. 106
Diagorão . 271 Esli\'a Grande, 106...... 116
Diamantina, 33, 45, 293 :JOO Eslreito, 35, 40, 213. 215,
Diamantino, 271. 273 .... 280 250...•.••.... '....... 28t
Dislricto Federal, 187, Estl'Clla, 188. 196, 198.. 276
188 . 202 E Irando, 35. 97. . . . . . .. 28i
Divisão . 123 I Ellpbra ia Corrêa....... 73
Divisões, 3.i, 2;9 .. 281 Ex.allaç,io.. , . . .. .. . .. 262
Doce, 12, 52, 53, 51, 156 Extreula . . .. .. . . .. . . 211
18t, ]tl2, 183, 29.i, 296 29;
DOIs (Amare) 51. (- Ir- Fachinaes................ 228
mãos),34, 114. n5,116, Fan ras, 39.............. 243
!l8, lU. (- Rios), 5H. 189 Faria 205
Dona (Franci cal, 74, ( .- Faro 91., 95............. 161
I 'alJp,I), 71, 75 . 263 Farto .. ,................ 272
Dourada, 3R. 51, 116, 181 183 }t'echo dos 1I1liJ'J'OS 6..... 39
Dourado 35, 47,77.275 297 l:'e.i!l;,. [) ~"." .. .. . .. . 190
D. Rodrigo, 155 . 158 l'eIJ~O Crll .. , , 3O~
Drago, 40 . 188 Feira de Sant',\ nna...... 176
Duro, 31, 114, 110, 169 .. 28i Felix da Costa......... 287
Fel'l101ndo de Noronha (=
Ega, 2.50 .. 266 S.•Toão)'2, ~9, 36, 145.. 146
Egreja Nova . 301 Fel'l'ciros....... 20i
Eguas . :'95 Fer1'llgem •.......•. , 182
Enganos . 256 Fida'll'0 .... , .. . .. .... 116
Engull-gua sú . 213 FiRlU\l1'lt, 39, ;96, ( - do
En cada Cahl'Alia . ln llraçn) ...............•
Enlm-Rio . 73, 290 . 303 Figueiredo, 124 ...••....
Enxarlas, 39 . 201 Fijallluchi.., .
Equador (Rep.), 9, 253 . 255 Filhões, 3fl ..
E cada 151, (- Grande). 97 Fiscal .
Escadinha 53 . 182 Fiam ngo ..
E call'ada, ]81 . 285 Flôl'es, 39 5~. 106,201..
E cUI'a, Hl2 . 296 FornJiga,2U 291 ..•.....
Escuro . 5'J }<'ol'l11osa, 42, 133, 13~,
Esperança, 35, 226, 235, 287.•...•...... , ..•...
2RJ .•.•.••.•.•••.••.. 287 Formoso ..
E [Jir'ào: :J5, 181: 22j, 23;), Forquilha .
281. . 287 Forlltleza, 11, 5,1, 1211:!8.
Esplnha~~o, 26, '17, 33, 52 211,2:'11 i~~
132, 170 . 293 Forle do ~Iar .
EspinlJare , ]3:J, 1-10 . lH Frade de Macallé....... . 32
Espirita-San lo, 32, :n,3 , Frade, 38, 171, 181. ••. 20l
40, 43, 5l, 51. 70, 8:3, Franca............. 219
lG6, 169,173,10,181, Fro1nça 1~
185. 1 7, 1[10, 209. 292. Fl·anceza. 38 ..
~J~,(-dOs CUI?Hru'ibus) Fray B nlos............ 48
30 , ( - rio Pinhal) . 219 Frecheira 17
E ai'}. 3, 3i .. 251 Fresco. 80, 96.......... 2;2
E eq'uiLu, 3, (lj ...•.... 259 Frio, 10,188,190,193,199 200
- 315
Fumaça...... " ..•.••.• 95 Grajallú, 105, 106....... 111
Funchal. •.••.• , '" •.••• 177 Gramació 134-
}'u ndão, 39. . . 204 Gran-Chaco, 60,......... 276
Fundo, 116,163 . 214 lirande, 38, 40,46, 51, 5l,
)I'ulli!. ..............•... .204 97, 106, 114, 115, 12:),
Fumas, 226 . 258 162, 176, 188, 189, 196,
2U, 214, 21a, 249, 260,
GllÍl·ota . 102 26d, 268, 270, 276, 285,
Galé, a9 .....•.....••... 235, 287, 2U::l, 296, 297, ::lO1 303
GaLeão....•.......••. ,. 204 GI'anja, ,12. 121, 12,)..... 128
t;lllOellas . 39 GrãO (Pará:, 7l, (-Mogol) 302
Gllmelleira .. 84 GravaLá, 151, 163 205
GamlJOa ......•.•.•...•• 78 Gregorio .. . 255
GanhaIlloroba, 161. •••.. 166 Greenwich... 8
Ganchos, 40 . 236 liroabyras, 5J, 125, 13,1 136
Garanb us, lU . 151 Grnta dos Morcegos..... 156
G:Lrapuava... . . . . . ..• •• 54 Guacury................ 276
GarCIa, 42 .. 17l Guahy.................. 176
Garçon, 40....•..•.•...• 171 Guahyba, 5, MI, 51, 213,
Garop'l\'a . 237 2-13, 211, 2 t8... . . . . . .. 276
Garollpa . 2j6 Gua!cnby............... 291
Gaspar (Grande), 2)6, GuaJará. tl2. 97, V8, 261 270
( - PequellO) . 236 Guajerú... . 124
Gal'l"ncbos .....•••.....• 48 GlIajú. 1;)2, 13-1......... 139
I;aúchos, '.la....•.••....• 356 Gualacho............. 182
!Talas......•......•...•. 204 Guamá, 97 . .. .. . .. .. .. . 98
:avea . 20J Guamal'é............... 42
:avião, ]72,187,295 . 296 GlIanabára, 38, 43, 189,
:enipahll . 134 190................... 201
;enipapo . 128 .. 141 Guanavenas . '" 263
/ês. (=!üans) .•......... 59 Guandú, 1112. 190. 205,
,erI \'an \'a...........•.. 273 ( - mirllll), 187, 190,
Germano . 259 205, ( - a Ú)......... 187
Gihoia, a8 .. 188 Gllallliá , 10J
Giparanã. 25),261,262 .. 270 GlIapahy 270
,irãu . 261 Guapal'y................ .z60
Gilirana .. 133 Guapinda., 06.......... 272
'auria do Goylá, 151 .. 203 Guapará. 5, 14. 28. 2110,
)orloy.........•.•...... 226 261,268,209,270. .\!71,
',ol·utnha .. " '" . 29! i80...•...•• ......• '" 281
'o"emador, 38 . :iOl Gual'ab'-l . 22'>
(o~abal .. ]02 Gual'ahy 211
;oyana, 111 .. 151 Guara/{pssav:l. . . .. 230
,() aninha .. 136 tiual'amatahy.... . .. 131
,UY,lZ, 26, 27, 35, 39,51. Guaraná.. . . . . .. .. .. 227
i.'>, 7iJ, 77, 82, 85, 89, Guaranaluba.. ... .. 262
101, 107, 1]]. ]]1, 115. Guarani.. ;l!1............ 76
118, 169,211, 268, 2f;9, Guapal''y (= Gnaparilll),
2iíl, 2/6, 283, i86, 281), 38, 43, t8t, 182....... 185
2Dt, 297 .. 301 Gllarapuava, 13......... 230
GO\ lacaze .. 5!) (;narar:lpe J 15
("úciosa. 71, 73, 211. . 220 Guaraques. aba. .. 20!
(.radahú ,89 .. !lO GlIararellla .. .. lIla
4'ragoalã. 78 ....••..•... lD5 I Guarallha,10 · 201
- 316
Gnaratinguelá . . . . . . . . ..219 Igllassú, 5,6, 13, 47, 77,
Gnaratuba, ,li:!, 227.... . . 230 ]90, 198, :202, 22<1,227,
Gnal'ibas, 54., 116, 118.. 123 228, 22l:l......... 230
~uari.la................. 38 Igualemy 276
Guaru.................. 167 19uatú, 125.. 12tl
Gllaxindiba............. 182 IjlllJy-gu3SSÚ 48
Gnay................... 3 Ikrim 226
Guaycllby 51 Uba (do Francez). lBá
Glla)'Cllrus (=Lengoas).. 5B (- do Ouro) 164
(jua)'nia,............... 3 Ilbéos, 42, 171 176
Guayra. 46............. 47 Imbé........ 188
Gucl{s (= CÕCOS)... .. . .. 59 Imheliba, 4'.1, 197, 236... 2·10
Guiaca.................. 102 Imbira.... 125
Gnimarâes, lJ 1. . . . . . . .. 24.,1 ImbLlnba , 235
Gluglleia, 3J, 50,107,115 118 1mboacica, 51........... 19()
Gnrllpll. 11,38, 4!, 91... ]01 1mbuhy................ í~
Gurnpatllba............. 101 Imer~'.................. "
GUJ'upy, 41. 49, 89. 91,92. Imperatriz, 129......... Isd
10l.J 05.106, (-mirim) 49 lndaiá, 51, 2\).1.......... 3(37
Gnyall3., 94.. OU, 254, 257, India MlIerla .
(- Frallcpza) 2. 49, 89, lndialuba............... 103
( - Ingleza). 89, 253, Inferno. 53, 95. 182, 214,
203, (- HoUandeza), 2 89 275, 2D6 . 297
logá 140 . 195
lngaby . 2U
Haedo, 7, 8.............. 24:3 Inglflz .. 203
Hi:tba (= ldapa)....... . 3 Inh3Il1bope . 173
Hiapó.................. 230 Inbamuns . ]23
Bié............... 3 Inhangabahú ......•.... 217
Huan '" 259 InllOmirim.•.......... 198
Hllrnarna " ] 25 Ininga .. 116
Eyuacú 257 Inspector Cal'v3111o . 72
Iparé, ·Ui..•...•........ 273
lapó 227 IlJojnca, 50, 146 .. 151
lbiapaba, 5J, 114, 121, IIJÚ . ]28
1;23, ]25, 128, 12\.1...... ]33 lql1iaré •.. ' . 3
Ihiapina. 120 1l'ajfl. 190 .. 205
IbiculJy-grande, (= ]bi- 1l'apiraoga, 52 . 163
cuhy do Norte) 48.... 49 Irapuá. 244 . 249
Ihir3fJa............. 116 Iralapú . 9tl
IfJirapuit;m, 48. 2J9 Il'en .............•....•. 259
1hitipoca............... 293 lriruama .. ]90
Ihillll'Ulla , 52. 181...... 297 Is aná, 3 · 258
Ih ...pellll1:t, 43........... 22íi Issua . :>
lcarahy .. .. . .. . .. .. . . .. 195 IlabaiaJla, 32, 5~, ]62, lH3
Iça, 44 254 161. 166 . 167
Içana....... 25J llahapoana, 181,1 2,190. 296
Icamacnam........ .•... 48 ltabira ( do Cam pn ) 293,
Icapára , ' 213 (- do Malta Denlro). 301
Icó......... 128 Ila.boral.Jy . 198
Igarahy-a ú........... 243 Ilaby ........•........ , 2.')5
I"llape.53 J21,211, 213. 218 Itacambira . 29:]
Iguarassú, 10, 411. 84.107, 113cambiru SÚ,52, 173 . .2~5
116................... 151 Itacamiaba . 251
- 317-
llac,1)ú ..•......•...•..• 77 Hinga, 173 . 295
lIacoaliara. 110 . 265 "jepll1'a . 275
ltaculuml, H, 39, 105, lLiuha . 155
lll, 2~" ... , .....••.•.. 293 I1ú, 48 . .:118
llacolul1li', 38 .. ~3 Ilucira . 107
Jtagipurú . 41 llllcil'a . 50
llagu'ally, 32, 198 . 202 llllXi . 257
ltlIJiID,116 . 125 1\'ally, 39, 4.7, 227 . 2-1c1
Jt:lina .. 212 l\'abyzinlJo . 227
Itaittiba .. 2il 1\ inheima, 275 . 276
llaipú, 10 .. 189 Ivo., . 229
IliljaUy, J3, 73, 77, 23\ L"{ié, 251. . :./58
:.136, 239. (- as ú) 236,
239, ( - mil'im) 74, 236. J;lba . 273
(-de Oe te) 236. (-do Jabihyr)' .. 1153
Norle) 53,236,(-<10 ui) 236 Jabit..1ca, 139 . 14.0
Ilajul,[l. . 302 Jaboatão. 8L . 151
HajIl1'11 . 190 .labolicalJal. . . .. .. 221
I1amarará, 38,40, "12, ;'5. Jacamim . 251
1-16 ....••••..••••••••• 171 Jacllracica.. 51 . 156
llamlJacul') . 711 Jacarahypc, 43 . 181
ltambé, 1.1, 33, 2.>1 ..•... 993 Jacaré, 51, 51. 106, 147.
Itamerfm . 163 163. lu!, 17:.1, :!57,283.
lk1IJhaem .. 213 ( - guassú~, 21-1, (-
Hapoeoro y .. 43 pepira) . 214
llapagé.. : . 121 Jacarehy, 75, 214 . .:119
Ila parira, 38, 42, 140, Ja.carepaf:uá, 203, 20!. .. 205
170,171 . 177 JacarC' iea . 164
ltapecerica .. 302 Jaci-paraná . 270
Ilapemil'im. 70, 182 . 185 JacolJin3 , . 176
ltaperape a .. 286 ,) ac~<;a:: .•.............• 164,
I1apctinil1"u, 214 . 219 Jacu. ,,8 .. 181
ltape\'a, 51,219 . 215 Jacuco , 13-1
ltapieuflí, 5~, 105, 106, Jacllhy, 48, 213.2.11, :.149 303
1 1l.1 1 11\J · .. 17:t Jacllh~rpe. 52, 147, 155 .• 172
taplpoca . 129 Jacllhyzinho ......•.... 214,
llapirapuaJl, tIl, 214. . 227 Jacundá. 41 .. 9!
lta poran "a...•..•....... 167 JacupiraJlga...•..•..•.. 214
Ilapocorohy. 2:;5 . 236 Jacllrnlll . 125
IIapocil .. 236 Jacy-Iaperé, . 251
IIa puã '(=I1apoan) 177, 243 Jaguarlio, 7, 8, 51. :.145 219
214, ·215 .. 250 Jagllarih , 50, 123, 1:21,
I1apuanzinho, 4.0 . 171 12[;, 128, 1.9, 171 .. 176
lIalJ ur a .. 77 Jaguaripe . H
ltal]uai'y . 295
~~t~la.?,. ~~'..2.1.9.'. ~:~::: :
302
llaCJ.ui . 249 258
Jk11'acá, :3;1 ••....••..... 170 Jaicu , 116, 118 . 123
W~r!l\é, 2!J, 214 .. 227 Jamal' , 95. 261. .. 270
haja 51!. . 2\)3 Jambelro .. 221
llaliaya, 33, 197 . 297 Jamundá,41, 90, 91, 9f>,
lIaliba : . 219 101, t51, :.'55 .. 26!
llatú .............•...•. 227 Jaouaria . 301
Jlaúna. \l6 . 110 Jararal1~~p., 8J, 163 167,
HifiL'Z, 260 .. 270 - 1011 1m) . 163
- 318-
Japnrá. 4, 44,251.256 .• 264- Juparanã, 54 . 183
Jaraguá, <l2, 40, 42, 155. Juquiá...••.......•.•.•. 214
158..................• 290 Juriá . 213
Jarapuby .. 190 Juruá,44, 254 .. 257
Jaraqui ...............• 262 .Turuena, 2iO . 271
Jardim. 123. 128. 136 ..• 182 Jurujuba. 43 " .. 189
J aricoacoara . 273 Jurupeosen : 77
Jary, 90. 94 . 96 Jussára, 51 . 107
Jascury .. 95 Jussiápa, 52 .. 172
Jatany . 77 Jutaby, 44, 102 .. 254-
Jatapu .........•....•.• 263 Jutubá, 91. .. 98
Jatobá, 116 . 125 Jnturnabyba...•........ 190
Jatuarana ; . 254
Jaurú. U, 45, 46, 261, Kagado . 302
272. 2i3, 271, 275 .. 281
Javaes . 97
Javary, 1, 2, 4, 5,9,44, Lagarto, 166............. 167
9t . 251 Lage, 38. 73, 78......... 203
J~jui. 46, 273,(- guassú) 227 Lages, 77, 133, 188, 190,
Jequiá .••...••..•...... 156 239................. .• 261
Jequié .. 173 Lageado, 48, 107........ 271)
Jequirica, 173 ....•.•... 176 Lago................... 96
Jequitaby .............• 303 Lagoinha..... , •.•... , .. 2i!
Jequitibá . 180 Laguna, 4;1, 55, 235, 236,
Jequitinhonba, 42, 52, 239, ( - d'EI-Rei), 49.. 54
169,172 295
. Lambal'Y, 302........... 305
Jericoacoara, 46 . ]24 Lamanha............... 72
Jerumenba •....•..••... 118 Lancbinhas.. . . . . . . • . . . . 123
JICÚ •.•••••••••••••.•• ,. 40 La Paz......... ..•... .• 260
Jipioca, 38 . 91 Lapa, 73................ 230
Joannes (= Yoan nes) Larangeiras, 162,166,167,
91 .•••.•.•.••.••••••.• 176 214, 226.............. 261
Joanninbas, 12:3 .. 125 Laranjas.. . . . . . • . • . . • . .• 237
João (Ayres), 297, (- Al- Lauricocha, 44.......... 92
fredo), i3, (-Dias), 40, La\'ras........ ........ 302
2;15. ( - Grande), 162. Lençóes, 170,176, (-gran-
(-Fernandes), 40, (-do des) 10, (- pequenos),. 10
Valle) .. 133 Lenbeiro............... SOO
Joannisdorf . 73 Leopoldina, 188, 286.... 302
Joalinga . 189 Ligeiro................. 227
Joazeiro, 133 . 176 Lima Duarte............ 303
Joinville, 74 . 239 Limão, 262 266
Jordão. 228, . 230 Limãozinho 266
Jorge Grego, 38 ..•••.•.• 188 Limeira................ 219
José, 2:"19, (- Pedro) .... 180 Limoeiro, 151.......... 152
JUcá t 1.24••••••..•• ~ •••• 182 Linbares, 182 185
Jucuny . 54 Livramento, 114,118, 203 280
Jucuruçú
Ju~iry
Juma.•......•....•••...
.
.
173
2U
271
Lombas
Longá, 1iO..............
Lopo
llt
]63
21
Juiz de Fóra ••...•••..• 301 Lorena. 84............. 219
Jundiaby 134, 2a •.•..• :l19 Lucena, 40, 42 . . .• . . .•. 139
JundiatylÍa, 144 . 25i Luiz (Ahes) 236, (-
Junin, 44........•.••... !li Gomes), 121, 132...... 133
- 319-
(acabá" .•...••••....... ]90 Mangueira, 12, 54 .. , ... 245
Macacos, 125, :l05 .•••••• .261. Maogues (rerdes), ]05,
)Iacacú, l!lO , .. 198 (-Secco) . 12.1
Macahé, 43, 55, 84, 188, IIlangunça . 105
l89, 190. J95 .. ]97 Manhuassú, 52, 182, 296
MacalJUha', 170 .. 303
177 IIlanicoré . 266
!tfacambil'n .. 1I5 1Ilaollllba , ..
Hacapá, 77, 101. ••...... 156
107 :\[anoel Ah'cs (Grande).
~acapul'i. . 258 104.. l07, 111,286,290,
lIacari, H .. 255 ( - da lXati\ idade) .•.• 287
Macãu.. 42, ]: 3 . 13ti .Uanso, 272 .. 286
)I:lceio, 4.2, J55, 156 . ]59 MantiqueiJ'a, 14 • .26. .27,
lachado, 123, 163, 2.)3 .. i61 32, <J3, 187, 188, 212,
Macuilll, , .. :l57 214. 219, 293, 296 . 297
Macuco, , . 1116 :\fanupary .. 260
ladeira, 5, 39, 4-1., 60. Mapadá..............•. 259
25;J, 251, :<55.260,261, Mapendy, 54 . 105
262. 261, 267 .. 270 Mapi .............•....• 97
Jladidi , . , . . . •. . . . . . .. . 260 Mapiá .....•............ 262
lad re de Deos, 146, 16! 260 Mapiry , . 260
li e Luiza., ......•..... .2J7 1I[ar, 26, 32, 3:3, 4.7, 48,
:agqalena, 152 . 158 53, 78, 2' 2, 214., 225,
age, 8i.. " .........•.. 197 236. ( - de HespanlHl)
::g?aI'Y, 40 ..
llabl,ana.,., ...•...•..•. 256
92 il02, ( - Pequeno) 213. 218
1I[aracá, 38, 49, 91, 92 .• 259
)f u, 95, 259 ..•....... 264 Mal'acahi . 258
"aloridade .. 136 ]laracajú, 5, 35, 36, 76 ..
...a· ('
li Iqua Jra, 48 .. 226
269
"Iai . 1IIaracanã...•........... 205
II ,ncuera . .262 Maracassumé .•......... 106
y
ajar .• , •.••.•••••••.• 259
x: As ombrado......... 13il
li lha ...........•..•... 181
l\fal'agogipe, 176 ......•.
Marahú, !l2 ..
178
1'11
1Ilarajó, 38, 4.0,85,91,92,
IIalhado ... , ..•......... 163 93, 97 ..•............. 101
~anguape, 140••••••• 142 1I1arambaia, 38, 40, 188 189
hucaba.....••....•. 190 Maran/{uape, I ~3 . 128
.amiã " 96 Maranhão, 10, :18, tO. 4.1,
Uloré, 5, 9. 253, 260, 4.4, 49, 51, 78. 81, 8'),
,,~61, 269 ...••...•••... 270 83, 84, 85, 89, 92, 91,
bmpit,uba, 53, 234, 237 2!3 104, li 4., lIS, 119. 2il,
b munã . 255 283, 281 . 286
" Mos, 9:.! ••••••••••••• 265 lI[arary . 3
-anaquerú . 172 Maratauan, 116.. 1I8
,,~nlrhY' . l.u
'linda .. 147 Marcos, 132 .. 139
laud'1oréu .. 156 Maria (Luiza) 7J (-Perei-
la d , 5, M .. 276 ra) ..
ra:: UVlrá, 46 . 273 )[arianna. 123 .
129
300
1l ecos ........••...•. 9 )[aricá. 54, 188, 190 . 198
anga do Frade, 39•..•• 24.3 Maricullal .•.••• 73
ngabeira, 34, 10i, 105, Marim.•...••.•.........
lt, 170, 284 .. 150
287 Marinheiros, 39 •..•••••• 243
~ahy ..•.•...•.•... 295 Maritani, 86 ..
nn:ngn{L .. 21.2 Maritima, 145, 181 ..
254.
212
1 la, 188· ...•... 198 Maroim. ]61, 166 ...•.••• ]67
• ,~. 155, J56.. 158 MarOlubas, 224, 228..... 237
- 320-
MaTC(Ue 73 1I1iaba, 162, 133 .
MartIm, ( - Garcia), 48, lI1io.umbú .
( - Vaz).............. 37 Milagres.....•..••.••..
1Ilartin 93 II1ma ( a1'1'oyo) .........
Marué..... ....•. 2,j9 1Ilinas (Gero.es) 12, J :1. 14.
1tlarumhi '" 2:l6 23, 26, 2,,28, 29.33,50.
lIIarvão, 118.. . . . . . . . . . . . 123 :'>2, :,>3, ól, 63. 6;1, 75,
IIlary................... 257 76, 77, 82. 83, 85, 8',
IIlaruhy................ .236 169, 172, lI:l, 180, 181,
MaSllulIli. .. . . .. • .. . .. .. ~63 187,198, 211, .212, 214.
1I1at.1Jú 260 221,2'8,209,283,.281.
Mato.urá '" 2tl2 20z (Nova ) 293...... 3~
IIlalto.,51,107 (- da Corda) Miranda, 45,77,273, 215,
20, 31, 285, 2!:J3, 29ó, 216.... 280
:.197, ( - Grande. . .. . . . 155 Mirim. 7, 8. 12, 40, 51,
Matias... 123 155, 21:3,214.......... 215
IIlatto, '10, 51, 116....... 12,j 1IIirinay................. 4
IItatto-Grosso, U, 27, 51, Miriti. . . . . . . . . . . . . . . . . .. t~
72, 76, 77,78,79, 83, 89, lIliritiba 2'11
21I,212, 22l, 253, 25l, Misericordia.. 26l. .
2 8,270, 275, 276,280, Missões.. .. .. . . . . .. . 115
:.183, 285.............. 29z lIIocnjllba, 41............ :
lHattoes. 115, 116.. ...... 118 Moca~ , 219
111aturacá. . . . . . . . . . . . . . . 3 1IIococa .
Mau é (a SÜ) 44, 255, ,61, Moella............ U
362, (- mirim) 44,255 262 MOgy ( -das Cruzes) i14,
IIlauricéa .. . . .. . . . . . . ... 150
lItaxaranguape. . . . . . . . . . 131 ~~; ,(3õ~l1i::~~)il~~j .~::'. 2:9
lI1ayna ,........
Mazagão................
lIlazuáca., 36. . . • . . . . . • . .
59
101
251
lIlojú
1Il0lequinhos, 39........
1Ilombaça •.....••..•....
2:
I
.

Mbiara.......... 263 Monção......•..........


IIlboteleh l\. . . . . • . .. . .. . . 45 1I1ondim ..
Mboteteyn.. . .. . .. .. . .. . 272 Mongunça ,
1tlearím, 105. 105....... 111 i\lonin .....•..........•.
IItcdo 105 lIlo11tanba ..
1I1edonho 50 Monte (Alrgre) 29, 48.
Meia (Pataca), 303, ( - 101. 30'j (-N 'gro) 152
Ponte) 285 ...... j •••• , 290 (-do Trigo) 39, 21~ (-
Melo, J3, 49,107, li5.... 226 Sel'l'ate) ..
lI1eirclles...... 121 Montes (AltoS) 170 (-Ale-
IIlel, 39. 40, 13, 133... . . . . 225 gres) 211 (-Claros) 35, 3lJl
!Ilemachi, 3............. 9 281,.29'1. 2"
IIlen 276 ?olontell'o 269
l\Iendes de á........... 72 Morena ................•
Menday........... 235 IIl:orretes, 73 ..
1I1enequens........ 270 Morrinho', 251.. "
1I1equcns, 261........... 270 &lorro ( do Chapéo) 43 (-
Mercês................. 4 Pequeno) .297 (- SoOJ-
. lerellni.. ... .. .... . .... 259 brio) 51,237, ( - de .
IIleriripe; 4iL.......... 139 Paulo) 171. 177 (-rer-
IIlenly 205 melllO) 45 .
Meruoca. 123........... 129 Morte, 51 .
Me .iana, 31:1............ 91 lIlortes, z72, i86, 207, 300
- 3j1·-
Ttlosqueiro •• .. •••.•..• 121 jObidOS' 77,92,95.... .... 101
MOsquito, 105, 106, 12!•• 169 Occitlenf.al (= Vertentes),
lIossor6. 42. 50. 12"2, 133 136 a4, 105, 115, 12<l, 1~
Moxotó. H4. H7, 155 .. 1 269................... 284
Mú .. 2iJl') Octavio.... • 73
lIuanà ..••••..•.•.•.••. ~l Oeiras, ll6, 118......... 176
Mucajahy .. 2f-1 Olho d'Agua, 155........ 271
Mucuri e, 40, (~, 123, 12·1 Olinda, 142, ISO, 152.... 159
128.. 138 Olheira... .. SOl
Mucury. (3, 52,óS, 169, Olivença, 4a............. 172
173. 182....... ...... 295 Omaguas............... 59
Mundabú............... 128 Onças, 91............... \lI!
Jluqui. 18~ Opara ( = S. Francisco). 155
lluriahé, 53, 189, 2Il6 ••• 302 Orange, 30, 41........... 91
Muribéca, 84 . 170 Orenoco, 60............ 258
Muricy.... ...........••. 7!l Orllllos, :12, 188.......... 198
M'Ussurépe . . . . . .... . . . . . 146 Oriental (= Maritimo ),
ll'Ussununga•.•.•.•... ,. 167 lil2, 139, 151, 170 . 235
Mutullneteua..... . . • • . . 255 Orinoco, 8, 15 . 36
Mutum, 255 (-Paraná) ... ~70 Oriximina, 44, 94.0 .. 95
Mtl7amblnho. . • . . .• ••.• 30e Orleans . 72
Orobó . 170
Nambi •.•.•.••••••.•..••. 262 Ourem . 101
Napiari. .. 2:i8 Ouril.'ory, 34. . .. 161
Natal, 42, 13t . 136 Ouro, 45, 164, 190, lI73,
Natividade, 185 . 190 276, 280, 287, 308,
Naufragos . 240 (- Preto), 33, 51, 294. 300
Navios . U7 Ouvidor . (O
Nazaretb, 1'16, 151, 176.. 177 Oyapock, 2, 40 .. (9
Negra, 4, 82, 40, 133, 145,
155, 162, 163, 181,188,
198,211, 212,213 . 276 Pàblobamba.•......•.•.•. 260
Negro, S, 7, il4, 36, 44, 45, Pà~ljll, 4t .. 94
73, 84. 92,105, 189, 228, Paçaraimo....••••...•.• 25(
230, 2! 5, 254, 2óõ, 256, Pacatuba, 1:.!9..•.••••••• 166
2;)7,238,260, 264,273. 276 Paça-Una . 72
Neves, 107 .. 211 Pacavlra ••••...•••••... 123
Nbeco .. 203 Paca Nova, 269......... 270
. 230 Paeiencia.•..•.•••..•...
~
Nbundiaquara
NlagAra .. lil Pacimonl .
Nioac, 36 . 276 Pacova..........•...•.. 262
Nlterõy .. II'. Pacoval, SI . 91
Nogueira . 146 Pacotes, 38 ..•.•.••••••• 181
Norette . 76 Paeot,Y.- . 129
Norte. 40, 82, 9il, 1M, PaouJil. . 1I94
269, (- Direito), 182, PacJaDarY .. 3
(-Esquerdo) .•....• ,. 182 Padautrr. . 258
Nova (Beira de Santa P . 121
Anna), 286, (- Cruz), P Go 138 . 139
136, (- Friburgo), 188, 121
197, (- Granada), 2, m
255, ~ - Ua li a), 73, i32
(- Petropollsl: . 75 7
l'+&vo Tyrol, 72 . 82 163
21 o. B.
-·322
Palmeira,43, M, 73, ll~i Paraná. 5, 6, 13,26,27,28,
15.'>, ~O I, 211. 214, 226. 32, 34, ;J5, 39,40,48 45,
228, 230, 250 ..•....... 285 46, 48,71, 77,78,82,83,
Palmital , .. 228 8:'>,8',211, 21l, 213. 214,
Pamary '" . 257 221~ 214, i26, 227 23i,
Panamá ...•........... 9( 210, 2-12, 262, 2e8. :27~,
Pancada, 97•............ 25\1 !l75, 276, 2M, 285, 287,
Paneas , . 182 290, (- açú) 44 .. 92
Pandeiro .......•...•..• 295 Paranaguá, 39, 43, 60.
!'áo (d'Alho), 81, 151, 73, 1 6, 2'l6, 227, 229 •. 230
(- A ln a r e 11 o), 146, Paranabyba, 35, 4.5, n,
( - Gi 17anle) M, 183, 2 li, :.127, :l6!:l,=--276, 280,
(- Grande), 163, 261, 28:3, 285, 290, 2'J6...•• 303
(- da Hisloria) .......• 144 Paraná-pixuna (=Negro) 257
Panemá, la3, 1«.......• 156 Pal'anan, 169, 28;;1.... o •• 295
Pão de Assucar, 158.... 203 Paranapanema, .17, 211,
Papagaios, 73, 188, 235, 212, 214, 224 . o ....... 227
293•...•...........•.• 302 Pal'anapi"caba, 32,212,214 22
Papary. 51 •..•......••. 134 Paranapitinga . 95
Paquequer, 188, (- Gran- Paranaquera.• o o o . 102
de), 189, (- Pequeno\ 189 Paranary ...••......•. o. 256
paquer1. .. 214 Paranatlnga, 90..•••...• 287
Paquetá, 38 . 201 Pal'anatiUl'a. .. o o .. 211
Para, 11, 29, 38, 39, 41, Paranguaba . 156
49, 50, 54, 61, 77, 81, Paraopeba, 51 .. 294
82, 8.'>, 87. 89, 92, 98..- Paraqué-assú . 190
10 I, 2;)3, 268, 272, 283, Parafy, 81, 187, f96 .. 240
291, 30 lo 303: Paratlna . 51
Paracaimo, 3, 36 ..• ".. 259 Pareci ( = Parexis) 36,
Parac Iry............... 96 59,. '269, 270 . 271
Paraca.tu, 34, 51, 295.•• , 301 Paredão, 258 o ••••• 261
Paragehú.. 261 ParicalUba.....•..•.• , .• 93
Para.guassú, 52, 170, 172 176 Parimã, 3, :36 . :254
Paraguas lIsinho........ 172 Parlntms, 90, 254, 261 .. 265
Paraguay, 4,5,6,13,14" Pariquerá-assú . o ••••• , • 75
29, J9, 45, 46, 78,224., Parnaguá. 51 .. 118
227, 261, 269, 272, 27~, Parnabyba, 10, 28,41,49,
274, 276, 2i6, 280,281, 10t, ::'05. 106, 107, lU,
281. .. 285 114, 115, 116,117, U3,
Parahim, 115 '" . 116 liã, 274 . 27S
Parabú . 133 par~ab)·bjnba o 107
Parabyba (do Meio) 156, Paru, H, 90, 9i . o •••••• 91>
158, ( - do Norle), 29, Pllruimé..•.... 259
32. 33, 31, 40, 42, .43, Pary, 46, 273,287 . 290
50, 75,84, 121, 132, 133, Pasco, -li .. , o, 92
138, 140, 14.2, 141, 151•. Pascoa.I o •••••••• o 170
152, ( - do Sul). 53. Pas o Fundo .. 48
187, 189. 195, 196, 197, Pa sos ..... o ••••••••••• aDI
214, 2l9 . 296 Paslos Bons o 111
Parab ybinha •...••..••• 166 Patacbó ... o •••••••••••• 133
Parabybuna, 5:J~ 187, 189, Palel'é ..........•.... o- 259
214, 220, 298 . aOl Pa'Js, 12, 32, 39, 40, 5:3,
Parabytinga, :>a, 189 .. 2U 54, 142, 2i3, 244, 245,
Paramopama . 166 250, 263..•....... o ••• 287
- 323-
Palrocínio.. . . . . . . . . . . . . 303 Perocão................ 181
Patú, 13;1............... 14.0 Perpetuo............... 164
PaWpe, 52, 172......... 295 Persinunga, 144........ 155
Paumy................. 257 l'erú, 4, 9, 44, 77,92, 253
Paulista, 54............ 190 255, 256 . . . . . . . . . . . . . . 257
Paulo .\lJonso, 2J, 34, Pescoço, 54............. 156
51, 155, 156.......... 159 Pesqueira.............. 151
Pavuna................. 205 Petimbú.. . . . . . . . . . . . . . . 146
Pé do Banco.. . .. .. .. ... 166 Petropolis, 188, 195..... 200
Peças, b9, 4.0, 43, 91 ••• : 226 Pbiladelphia, 177, 185,
Pederneiras.. .. .. .. . .. . 261 295................... 303
Pedra, I, 2, 40, 43, 14.6, Piabanha, 52, 53, 173,
147, 296, (- Branca), 189, 196.............. 295
129, 170, (- de Cal), Piancó, 140............. 142
276, ( - Menina), 181, Pianló, M.............. 134
( - Redonda), 52, 172, Piassabuçú............. 158
285, ( - Secca) 14.2, Piallhy, 3.1, -tI, 49, M,
(- Tapada) ........ .. 146 10,1, 105, 107, lU, ll5,
Pedras. 163, 227, 235, 116,121,123,125,138,
24.5, (- Allas), 243, LU, 169, 173, 269,283. 28(
(- de Amolar), 5, Piallbytinga, 163 166
(- de Fogo), 14.2, Pici1o, 40, 155, (-da Barra) 152
(-da Maria da CruZ), Picapáo .. .. . .. .. .. .. . .. 263
<195, (- do Sal)....... 119 Pico, 78,(- da Cajabyba) 162
Pedrinhas.............. 237 Picos, 116..... .. .. .. .. . 118
Pedro, 236, (- Alfonso) Piedade, 33, 121,138,221,
287, (- Segundo), 77, 227, 293, 294 297
o

m. -).............. 72 Pilar 158


pescaria.. .. .. . .. . . .. ... 204. Pilarzinho.. . . . . . . . . . . . . 71
Peixe, 140, 142, .211, 271, Pilão Arcado............ 176
276, 285, 286, 296, Pilcomayo, 46.......... 273
(- de Couro)......... 275 Pilões, 155, 181, 214..... 295
Pelada U4 Pimenteiras............ 116
Pelado 211 Pindabyba .... .. .. .. ... 107
pelotas, 47,228, .234, 237, PindaolOnhangabo........ 220
245, 218.............. 24.9 Pindaré, 105, 106. . . . . . . . 111
Pipiry-guassú, 6,47, 4.8, Pineira................. 40
224 228 Pioguella, 54............ 245
Penalva.. . . . . . . . . . . . . . . 111 Pinhel. Zi1
Penedo, 51, 158. . . . . • . • • 167 Pinbeiros, 72........... 226
Penba, 170.............. 220 Piili-pini. . . . . . . . . . . . . .. j160
Penitente............... 105 Pinto 203
Peqniry, 47, 227.. .. . . . . 275 Pi pa, 40................ 133
Perdido. . . . . . . . . . . . . . .. 286 P!<!Uiri: '.0 o .. .. .. .. .. .. • 285
Perecah :r o .. 227 Plra-mmm.. .. . . . . . . . . . 263
Pereirn, 40.,............ 73 Piracajuba... o.. ... ... .. 285
Pel'c~lro.. . . . . . . . . . . . . . . . 129 Piraclcaba, 84., 1 2, 2U,
Perir. (= Priá) 107.. .. . . • 111 220 o.' 296
Pernambuco, 28, 29, 33, Piracuruca, 116 .. . . . . . . 118
3.•, 38, 40, 55, 64,75,78, Piraby, 53, 189, 196,
83,84,87, 114.,115.116, (- Grande). .•...•.... 245
121, 138, 1:1 9, 142, 144, Pirambú.. . ... . . .. . .. . .. 163
154, 155, 15 , 169,292, Piranga, 152, 182, 295... 30"l
( - dos Frades).. •••• •• 98 Pirangy, 116 , 125
- 394
Piranhas, 50, 51, 133, 136, ( - No\'o ), 189 (- de
138................... 1(0 Pedras) ,155,158 (-Real),
Pirapema . . . . . . . . . .. . . . 106 50, 74, 8i, 196, m
PitapeUnga, 187, 189.... 296 ( - Seguro'). 42, 171,
Pirapóra, 51. .... .,..... 21l( 176 ( - do Souza), 18l!
Piraputangas, 46........ 278 (-Velho) i71
Plrára, 2, 259.......... 260 Potê...... ,..... ••...•.• 76
Pirallsinunga, 190....... 220 Potengy, 78, 136........ 1M
Piratinin, 48.... . .... . .. 245 Poton................... '76
plratininga, 2:3. . . . . • . . • . 181 Poty, 50, 116, 123.... .• 1~
Piri (-8. Bento). 107.... 111 Pouso ( Alegre ), 801
PJripiry '" 115 {- Alto I, ~o........ 303
Piroca 25t Poxim 16!
Pirotóro... .. .. • .. .. 106 'Praia (d e F ó r a ). 78
PIscobié................ 106 ( - Gran,de), 194 (-do
Pitanga, 35............. UO LeãO) 145
Pltanguhy......... ..... 227 Prainha.. . . . . . . .. .. .. . .. 279
Pitanguy, 51............ 301 rrainhas '" 73
Pituba, 4t.............. 155 Prata, 34, 45, 46. 60, 106,
Pluma 182 226( 275, 285, 295. .• . •. 303
Piumhy. 294, 297........
Poassú, 52.. .. . . .. .. •
302
172
Pratucú, 94............. 26(
PreguIças............... 107
Poções
Poconé
116
280
Presidente Faria........ n
Preto, (6. 51, 7j, HlI, 183,
Pomba 52. 53, 189. 296 301 187, 189, 270, 273, 287,
Pombal, 9li. 142... . . •. •• 181 295, 296.............. 302
Pomonga, 163........... 16( Priá-ungá, 41, (9,....... 92
Ponche, M... . .. . .. • . . . 245 Priaca. . . . . • . • . . •• . . . • . . 151í
Ponta (d'Arêa), 112.195 Plimelros Morros.. ..... 106
( - do Chapéo Virado). Principe, 136, 230 ( - da
102 ( - Grande), 5!. Beira ) 261
la4 ( - Grossa), 40. Proprlâ, 16i, 166........ 167
ói, 73. 12i. 140. 213, Pu~a 73
226, 230, ( - Negra).. 188 PUIU 12(
Pontal. 147, 287 ( - do Punahú IS'
Cururipe )............. 158 Pupllnha.. .. •.... 26j
Ponte, 257 ( - Alta), Pureza................. 197
226. 290 ( - Nova)... 302 Puris................... 181
Popa)'an, 256.. ..•....... 257 Purus, 4(, 2ó5, 2á7..... 266
Porcos. 38, 39. IH. 125, Putumayo, 4& 2M
129, 188, 213.......... 214 I'yrinêos, 3;',36. 284,287,
Pororoca. 23............ 98 290 293
Porrudos... 274 Pyrinopolis • . . . . . . . • . . . 290
Porto ( Alegre), ó5, 136,
2i8 (- Bello). 4.0, 23ó
(-Calvo), ló8(-dos Quadros, 5& ~5
Cascaes ). 218 I - de Quarahim, 6, 7', 9, (7. . . . (g
Cima), 12, 2;.10 ( -Fe- Quatro Irmãos, li (-Vin-
Iiz), 8i, 220 ( - da tens) 301
Folha), 16t (-Grande), Quebra-Anzol.. . . . . • . . . . 19'7
98 (- de Gal1inhas I. Quebraxo.. .. . .. . .. .. . .. 2&5
146 ( -Imperial I. 290 Queluz, 220.. .. ..... . .. . 3j)j
( - da Moz ), 96, 101 Qu~r~uero... . . . . . . . . . 73
(-Nacionali. 268, 290 Qularl, 25'7
- 325

QOilombo, 45, 214...... 273 296, 302,30:':, (-Novo)


Quimblra............... 188 16,70,272, "02, (-Par-
Qolririm, 5'd............ 75 do), 4t, 47, 52,73, 169,
Quito..... 901 172, 177, 21.1,213,214,
Qulxabã. . . . .. . . . . . . . . . . 147 219, .227, ~«, 249, 276,
Quixadá , 129 293, 294, 295, ;:103, (-
QuixeralUoblm, 123..... 128 Pardo Pequeno), 295,
(- Real) 167... .. .. • .. 172
Rabbino................. 259 Riviére................. 72
Raiz.................... ]40 Rocas, 37.. .. .. . . .. .. .. . 152
Rans................... 151 Rooha.................. 2"27
Rapa, 40............... 235 Roceiro, 46............. 273
Rasa, 38, 1.2,1, 145, ] 81, Rodrigo de Freitas, M.. 205
20,1,209, (-da Catinga), Rogagua................ 260
226, (- das Gamellas) 226 Roncador, 35, 27;:........ 28.1.
Rata l a7, 121, 145....... 20~ Rorulma............... 1
Ralas, 1l9............... 12J Rosario, 106, lU, 123,
Ratones ' 235 166................... 28<r.
Real................... leI Russas, 1~8............. 145
Recife, -12, 146, 150..... 151
Redempção............. 129
Redonda, 38, 40, V:l3... .20,1 Sabará, 33.... .. .. . . . .. .. 301
R~istro................ 27-1. Sabogy 140
ReiS Magos............. 182 Sacramento, 296........ 303
Remedios, ::19........... .235 Sahi-guassú, 221, 227... :.l36
Repartimento........... 94 Salada, 46.............. 273
Repunary, <I............ 239 Salamanca. .. • .. .. .. .. . 128
Resende................ 19"/ Salgado, 124, 125, 1i8,
Reserva, 5L........... 215 138, 164.............. 243
Riacho, 16<1, (- do Ouro) .274 Salina, 102.. .. .. . ... .. . 295
Riacbão, 107, 111....... 116 Salitre .. .. .. .. .. .. .. ... 172
Riachl1elo, 81. . • . . . . . . .. 166 Salabas, 46............. 273
Ribeira, 170, .22A, (- do Salobro.. .. .. .. . .. . . .... 164
Iguape), 214, 221 .... 227 Salsa, 52............... 172
Ribeirào, 261, (-Pire).. 75 Salto, 187, 189, (-Gran-
Ribeiro.. 254 de), 169, 173, 271,295,
Rio (BI"'uco) 30a, (- Bo- (-Oriental) 48, (-das
nito), 1119, 197, 198, Sete Quedas), 5, 4.6,224,
290, (- Claro), 198, 220, 226, 227 ,.. 276
(- Formoso), 146, 251, Sambito................ 116
(- Grande do Norte), Sa.moco 167
32. ::14, 39, 40, 42, 54, angoe................. 35
78, 81, 121, 122, 1:14, Sangucsuga 27ó
138, BO, 152, (-Grande santa, 51............... 297
do SOl), 13, 27, 3!, ·10, Sant' Anna, 7, 8, 38, 39,
.ta, 53, 51, 6,1, 7<1, 77, 45, 46, 105, lU, !l3,
82, 83, 85, 86, 87, 221, 128, 1;:13, 161. 188, I!lO,
231,2:17,2.12, (- de Ja- 24a, 219, n;:l, (-do Li-
neiro), 12, 26, St, 33, vramentO), 8, 24(), (-
38, 40, 43, 53, 51, 55, de Mncaclí), 198, (- do
61, 75, 78, 83, 84, 86, Parnahyba .. . .. .. . ... 280
87, 180, 182, 185, 187, S. Barbara, 35,::J7, ::19, 171,
189, 197, 202, 203, .204, 177,201, 212, 219..... 301
205, 211, 212, 291, 2:J2, S. Candida............. il
326

S. Cathari ..J. 13,27, 3li, Padua), 198, (-dos


40, 43, 48, 53, 54, 55, Patos \ àOa, (- c1'l Pa-
7a, 77, 78, ,'2, 224, 228, trulha) 2.>0 (-Pequeno) 155
23 t, 2,36, 21 . 2114 S. BaItbolumeo, 285.... 290
S. Christina 72 S. Bento, ]33, 13<1, 203,
S. Cruz, 42, 43, 45, 55, (- dos Pires), lU,
71, 78, 181, 1 2, 185, ( - de Sapucaby)..... 220
198, 236, 2JO . 271 S. Bernardo, 75, ( - das
S. Fé, 51. . 297 RuSsas). . . . . .. . . . .... ]28
S. Felicidade . '72 S. Burja................ 249
S. Filomena, ll5 . 118 S. caetano, 7fi.......... 123
S. Gabriela . TI S. Carlos, 218 (-do Pi-
S. Hednviges . 271 nba l ) . . . . . . . . . . . . . . . . . 220
S. Isabel, 71. . 258 S. Cbristonm, 166.. . . . . 167
S. Leocadia . 71 S. Cosme e S. Damião,
S. Leopoldina, 71. . 73 129.......... 271
S. Luiza. a5 . 28<1 · Diogo 203
S. Luzia, 75, 167, 185, S. Domingos, ]47, 19!,
290 . 302 270, 287.............. .290
S. Maria, 48,78, 89, 97, S. E 1e\"301.. 214
12,1, 146, 177, 182, 244, Felippe,............. 259
271, (- do Araguaya), S. Fideli ,53........... 197
77, (- da Bocca do S. Florencio............ 271
Monte), 74, 2119, (- de S. Francisco,!l, 2.), 27,
la Consolation), 107, 33, 3~, 35, 39, 43, 50,
146, (-~Iagclalena) . ]97 51, 129, 141, 146, 147,
S. Margarida . 182 151, 154, 155, J56, ]58,
S. MarLba, 235, 287 ( - ]61,163,164, ]66, ]67,
Grande), 40, 2:)5 ( - 169 , 170, 171, 173, 175,'
Pequeno), 40 . 235 177,178,227, 234, 235,
S. Qnitena . 73 236, 237, 23\), :140, 293,
S. Rita, 73, 123, 125 . 129 294, 295, 297, 301,303,
T~cla . 243 ( - do Ta.raquá I. .. . .. 76
S. Thereza, 77, 203 . 287 S. Ga1Jnel, 219, 211..... 276
S. Ursula . 271 S. Gonçalo, 190,214, 245,
Santarem . ]01 24.8, (- de SalJncaby) 303
Santiago, . 2113 · Gregorio..... 48
S. A~~stinhl), U, 40 . 146 S. IgnaclO,72 214
S. AleIXO, 38 . ]46 Irias ,... 271
S. Amaro, 3l1, 43, 78, 81, S. Isidoro.............. 48
162, 166, 111, 1/6, 177, S. J rOllymo, 2H, 269,
213, 215 . 214 275, ( - de Ipanaré j • • 76
S. Ana lacioo. . 47 · João, 38, 78, 105, ]]2,
S. Andrr . 285 116, 190, 226, 23'7, 297,
5. Ang,~lo . 250 (- d'Agua Quente), J88
Antonio, 6, 411 , 42, 5-}, ( - do Aragu:lya), 77,
77, 150, 171, ]7:1,182, 97, ( - da Barra), 43,
187,203,261,263,270, ] R9, 197, (- da BOa- Vi
296, ( - da llarfll), 7R, ta) -220 ( - d'EI-rei ),
177, ( - da Cacboeira), 75,300, 1l02, (- GI'ande)
220, (-Grande), 155,(- 173, (- Inba.mun ), 129
gnassú}, 214, 2~8, (- do ( - de Ipanema), 82,
Machado ), 303, ( - do ( - do MOllte Negro),
~Ionte), 303, ( - de 250. (- NepolllUcenO). 303
- 327

· Joaquim............. 2119 S. Raymur.do Nonato... 118


S. José, 3, lO, 41, 77, 105, S. Rapbaet, 183........ 271
:139, 271, ( - d 'Além S. Rodrigues........... .203
Parahyba), 303, (-dos S. Romào.............. 303
cajueiros), 112, ( - de S. Roque, 3:2, 37, 40, 133,
Campos) ~20, ( - dos 145................... 220
Barreiros), 220, (- d'EI- S. Salvador............ 167
Rei), 302, ( - de Her- S. Sebastiiro, 32, 39, 43,
cuJanea), 275, (- de La- 55, 121, 133, 173, 205,
ges), 74 ( - dos M' r- 213, 215, 220, (- do
tynos), n, (- de ~li­ Cahy), 74, 250, (- do
pibú), 36, (- de Para- Paraiso).. . .. . .. . . . ... 302
bylinga), 220, l-do S. Simão, 54,221,24.3,
Paraiso), 303, (- do 245, ~71,28;), (-Gran-
Piauby), 118, (-dos de) 210
Pinhaes), 72,230, ( - S. Tbomé, 40, 188, 189,
de I'orto-Alegre), 43, 190................... 199
( - do Norte), 24.9, S. 'enancio · 92
(-de Tocanfins), 2l1, 290 S. Vicente, iJ9, 4::1, 190,
'. I.eopoldo, ~44........ 248 213, 218.............. 269
S. Low'enço, U, 46, 73, S. Xavier, 48........... 263
77, 115, 214, 273, i7i Santos, 43, 70, 78,87, .:113, 218
( - da Malta )........ 84 Sapbiras, 52 182
S. Lucas, 195........... 271 Sapucahy, 214, 297, 301 iJ03
S. Luiz, 7, 8, 38, 41. 78, SapuC<tia, 39............ 204
101, 105,106, 110,190, Sapucuá, 94, 95, 106.... 198
(- de Caceres) 274, 280, saquarema, 54, 190..... 198
(- Gonzaga) 74, (- de Saracá, 51, 26::1, 264. .. . . 266
Parahytinga).......... 220 Sarangonhas, ,,9........ 243
S. Manoel, 95.... ....... 271 Sararé.................. 270
Marcello.. .. . . . . .. . . . 78 sarralnby . . .. . .. . . .. . . . 40
· Marcus. 41. 77. 105, Sa sllby-grande, 52, 182 296
106, no, 1M, 28;)..... 297 atnba................. 156
· MartinlJo............ 24~ Sebúlate................ 48
S. ~latbeus, 43, ;;'2, 182, ecuré................. 260
184 211 Sejada.................. 35
· Miguel, 7, 8, 40, 43 Seixo, 46........ 273
98, 12l. 140, 155, 225, Sellada. . . . .. . . . . .. .. 211
236, 2 '1, (- dos Cam- Sem Nome............. 215
pos), 158, (- de Gua- Senado................. 203
nhâes)................ 303 Senador (D a n ta) 71,
S. Patricio............. 287 (- Pl'ado), 71......... 72
· Paulo, 13, 23,26, 27, Scnlinella.... . ....... .. 35
32, 33, 39, 40, '43, 53, Sepetiba, 4J, 189, 190,
61, 77, 78, 81, 82, 83, 204................. 205
84, 85, 86, 181, 188, epotuba, 46........... 273
189, 2U, 217, 2:H, 227, ereno................. 244
2H6, 268, 276, 283, 291, Serevini... . . . . . . . .. . 259
292, 296,217,301, 302, ergi-mirim......... 17ó
(- 1I1uriabé),30:2, (- de Sel'gipe, 2i, 29, 32, 50,
Olivença), 255........ 266 84, 154, 156, 161, 161,
S. Peelro, 96, 182, 190, 169.... 172
2i2, (- do Cralo), 129, Sel'iha..... 38
(- e S. Paulo)......... 37 Seridó, 133............. 140
- 328-
Serinhaem, 8~ 146, 147 151 sumidouro, 41i, Z71. . . . . .273
6eriry, 16.J •.••••••••... 166 superaguhy, t:J......... 226
Sernambitiba •.•.•...••. 20i snrubio., 44,54, 96...... 98
Serpa,92 . 265 Suruhy 200
serra, 115, 8t, (- Geral) Surumú, 3.. • •• •• • . . . • • • 259-
32, ( - Grande), 3i,
(- do Mar) 188, (- de Tabanga. . . . . . . . . . . . . . . . • ] 62:
los Pastos)2fll) (-Pr~ta) 16a Tabatinga, 4, 9, 34, 44,
Sel/rania . ili 77, 9t, 169, 255 .
Serraria......•......•.. 32 TabocaJ .
Serras Pretas..•........ 162 TaboC311 .
Serrinha . 226 Taboco .
Serro Frio, 2~3 ...••..... 301 Tacaralú .
Serlào, 2&4 .. 21,1 Tacayuma .
Sesmarla ~ ~,.•.... 73 Taculú, 3, 25\1 .
Sete (Lagõas), 4l), Z72, Taguatinga, 49, 105, 107.
aOil, (- Engenhos) .. 204 Tagipurú, 4.1, 93,94 .
Sete Quedas . 39 Talhada .
Setubal. . 295 Tamandaré, 42..•.......
Silveira Martms . 74 Tamandllá., 40, 164 .
Silvelras . 219 Tamanduatehy .
Silves, 263 . 266 Tambaquary .
Simào (Dias), 167, Tambopata .
(- Grande) .....•..... 261 Tamboretes, il9 .••••.•.•
Sincorá . 172 Tanascimú ..
Sinos, 2U . 248 Tapacurá .
Sipó . 294 Tapada, 51. .
Sirivini. . 259 Tal'ajós, 44, 90, 94, 95,
Sitiá, 125 .. 129 101, 25:1, 255, 262, 264,
Sitio Grllnde . 73 ·26!!,270: ..
Sobradinho . 51 Taperoá .............•..
Sobrado . 144 :rap~s, il2, 24il ..
Sobral, 50, 128 . 130 rapua .
Socccorro ........•..... 164 Tapirapecó, 3, 36 ....•.•
501,41,92 . 101 Tapirapuan .
Solimões, 41, 92,256 ..•. 257 Tapirusso. .
SOUlbrero . 276 Taprllá .
Somno . 295 Tapuahi. ..
Sorocaba, 8il, 214, .218 .. 219 Tapllary .
Solero . ;270 Tapuyo .
Soturno, 74 .. 244 Taquara, 144 ..
Soure . ]29 Taqllaral, 46 ..
Souza, 5., 142, 180 . 181 Taquarupilan .
Souzel, 96 . 101 Taqnarussú, 228 .....•.•
Spix . 93 Taqnary, 46, 227, 243,
Suassuhy . 303 214,219, 273, ~75(--
SlIbaia . 188 mirim .
Sucuriú, 2ill . 287 Tara"yras, 4 ..
Sucu.ú . 140 Tarapandé .
~u~ste . 38 Tarauacá .
suJo . 275 Tarehiri. .
Sul, 15Ii .. ]82 Tart'l.rllgal ..
Sllmana . 262 Talo. .
Sumaumá . 156 TalulJy .
329 -
Ta.uA (Redonda), 38, 105, Trahyrassú. '" .. .. • 1
l-mirim) .......•.... 105 Traiçto, 42 1
Taubaté •............... 218 Traip 121>, 165, l~ •.
Taunay . 73 158............ • 213
Tebicuary .. 255 Tranqueíra...... . Jl6
Telfé,44, 255,256 . 266 Tremedal. .. .. . .. •.. 303
Teixeira, 39, 139, 155, Tres (Barras), ~, 95,
14,2 . 2~ 253, 264. 2 ( - Co-
Telha .. 123 rações do Rio Verde),
Terra Nova .. 147 30iJ ( - Irmãos ), 106,
Theophilo OHoni. . 30iJ 261 (- PonIas), 302,
Theotonio . 261 (- Reis Magos), 78,
Theresopolis, 188 . 198 1301................... 136
Therezína .. 117 Tricy..... ,............ 129
Thomaz Coelho .•....... 72 Trindade, ~7, 189..... 263
Tibagy, 77, 215, 227, Tristão da nba...... a7
230 . 232 Triumpbo, 39, 151, 2,13,
Tiberé, 43 .. 22 7 244................... .2!9
Tleté, 29, 47, 214, 217, Tromba, 170, 172 (-d'An-
218, 220 . 221 ta) 293
Tijoca, 91, 92 .. 93 Trombas, 33............. 52
Tijuca . 2J6 Trombetas, 44, 94...... . 95
Tijucas, 38, 43, 203, 204, Trombudo. . . . . . . . . . . .. 235
2O!í, 2J5, 240, (-gran- Tucubaca, 46........... 273
des) . 236 Tubarão, 43, 74, 82, 236 239
TimbabiJ . 40 Tucano., 2~~
Timbamba . 151 Tuchua ....••........... 20
Timbó,128 . 177 Tucuman 2 262
Timborá, . 172 Tucuru1Jy.. .. . .. .. 96
Timbuhy . 182 Tucurial... .. .. . .. .. . 271
Tirnonia, 114, 121. . I~8 Tuiche................. 260
Tingapuá . 96 Tumucumaque, 2, 3, 36,
Tinharé . 17l 49,90................ 95
TiracámbiJ, 105 . 106 Tunguragua, 11. . . . . . . . . 9~
Tiradentes . 302 Tupis.................. 59
Tiquea-asslí . 176 Tupinambás, 101........ 170
Tiquié, 257 . 258
Tiliba, a3, 51. .. 172 Tupinambaranas, 39, 4-t,
Tocantin.., 15,35, 44, 76, 93, 25i, 255.. . . .. . . .. . 261
89,91, 92, 9,1, 97, 101, TupuriJ.. . . . . . . . . . . . . . . . 260
104, 107, 111, 268, 28,t, Turnuacá............... 3
287, 290, 291, (- Pe- Turuá........... ....... 91
queno), 97 .. 287 TurumiJ................ 95
Todos os Santos, 42, 182, Tury-a sli, 41.49, 106... 111
271. .•.••...••••....•• 295 Turvo, 48, 77, 189, 214.
Tomó, 3, 258 .. 260 227................... 302
Toninhas . 213 Tutoya, 10, 50, 106...... 107
Toque-toque, 4a, 213 . Tutubatuba .. .. .. . . .. ... 28~
215
Torres . 227
Touros, 41, 42, 49, la3, u~õGo . 276
136 . 234 Ula y .................• 95
Tracunhaem, 147 . 151 Uaiuchá. . 95
Trahlry . 134 Uanacá . 256
Trahyras,I6t . 290 Uanamará. . 260
- 330-
Uananã ..........••... 259 "3.Vlby, 2-11, 219, (-mt-
Uanancú " . 91 rim) .
Uantaz, 51. . 264 Ya car'a, 52, 17:1, 215 ..
Uao~ys, 94 . 97 "aecas .
Uapl .•..........•...... 256 Valença, ll~, 1"1\ .
Uarira., ..............•. 258 'Valongo .
Uaruoé . 262 "alio Fund" .
Uassahl··············· . 263 'al'adOlll'O, 4\1, 1;\\.1, 1 2
Uatuma, 97 . 263 Varginl1a .
Uaueú., . 263 Varzea, 2:8, (- da Cruz)
Uaupez, 76, 257 . 258 50. 107, (- Grand )... 129
UbA .. , . 302 Ya a Rams, 52, Iri:, lf)6 172
Ubatuha, 43 , 213 Va sunras ....,.. . .. . . ... Isa
Ubel'aba, 5, 51, 276, 297 .. . 01 Veados, 93............. 182
Ubillzal . 10.6 "eiros.... ....•......... 00
Uca)'ari. . 258 Velha. 4.!l, \'0 .... , 107
Ucillam . 259 Yelha 'IJ, 29i, 2n 301
Ucurussiro . 2M Velleda 21.1
Uivini .. 49 Yenezuela, ~. 3, 1, 9,6 •. ?'Jl
Uixitiba, 263 . 271 Y nlauia................... t21)
Ukiripa .. 260 "\ erde, 0,4:1,47, 51,1'15,
Umat.y, 129 . 133 "'lu, ~5, 287, 2'JO, 297,
Un<l~ 4a, 50, 14.11, 14.7 . 173 303, (- UJande), 160,
Umao . 118 260, 2";0, 27G, 29J,
Upanema . 150 (-Pequ 'no), 109...... .lll!
Upiá . 255 rerdinl.to 2'
Urarl11, H, 255 . 261 \'erel! " 107, 172 ,.. m
Ur'aricapara . 259 Yeri imo, 31. 290
Uraricoera . 259 r rwellla, 114, b3...... U~
Venuelho, 'ii, 180, 2i!í.
Urllbú, 44, 50, 10'7, 16::1, 2:8, 2·)4, 271, 2SG. . .• . 2 '.
170,255,263, (-Bab.o), Y rl nles............... 29~
266, (- de Baix:o) ..•.. lfi6
Urubupunga, <tu
UJ'Uburetama, 123
. 47
. 129
~l~;~õ' ::::.:::::::::.: ~~
Yhl1U1a., 51, 10"i, lIl.... 185
Urubutinga ............• 263 íiçosa, 128............. 302
Urucu~sjro, 3 . 36 Yictoria, 13, 39, 70, 71,
Urucujá, 51. .
295 nl, 1 2. 18:i, lH5... 2[.)
Urugual...1 , 2;;3 ..
264. Vitla (aella), 28/), (-Jlr>U
Uru~uay, 6, 7,9, 45, 47, da Imperatriz), 2 ·il.
48, 22~, 226, 228, 2.J2, (-Flor), la(), '-Maria)
236, 2':17,212, 213, 215, 11, :114, 280, (-do Mon·
24.9,272, (Allo-), 77, te 111111' . 142. (-.o,a)
(-mirim) 48, (- Ver- 167, (-. o -aJa lIainha)
melho . 115 176. :21\3, ( - 111'301 da
Uru~ua'Yana .. 2~9 Praia Grande), HU, (-
Uruuú .. 287 Rira. 300
UrumIJeba . 275 rWegaignon, H9, 7 ,'W,i 20'!
Uruqué . 124 Vi ~em, 46, (- Maria).. 22:
UruTuahy . 190 Yirua ...............•. 2,,~
Urussnhy (Preto), 50,115, Viu':!...... ;)0:1
(-Vermelho), 50 . 115 Vizco, ·1 , \l2........... lv1
- 331-
Xarayés, 14..... . . . . . . . . . 276 Yaciretá , <l6
Xa"ier, 39.............. 2B5 Yaguas 255
Xerez. 45............... 272 Yaparamé . . . . . . . . . . . . .. 260
Ymeri, 36.............. 2M
Xingó. 15.'j, 161 . . . . . . . .. 161 Yuapery................ 258
Xingú, 44, 60, 89. 91, 96, YlJiranga. . . . . . . . . . . . . . . 711
101, 269.............. 272 Ypopuca .. .. .. . .. .. . ... 138
Xiririca .. . .. .. . .. .. .. .. 221
Xocurina. . . . . . . . . . . . . .. :til Zacbarias. . .. . . . . . . . . . . . . 72
Zimbos................. 40
I N DI CE
-
o leitor...............................................
PIIgs.
IX

SECÇÃO PRIMEIRA
O Brasil em geral.
odu~o.-Con1lgnraçãoperimelrica e relevo do 5010.-
Pontos extremos. - Dimensões. - Soperflcie. - Po-
sição astronomica.- Linha Iimitrophe.- Temperatura
e clima. - Flora brasileira. - Fauna brasileira. _
Geologia brasileira.................................... 1

PRIME1RA PARTE
I' De 8cl'ipção physlca.

I CAPITULO 1
GeomO'1'phographio, .
I. - Orograpbla . 31
Il. - Nesographla .. '.' . 36
IJI. - AcrotérlOgraplua . 39
CAPITULO II

.•
J.IçàIJ
, I.
II.
III.
Hydrographia.
- Colpographia: .
- Potãmogral'b13 ......•................••.
- Llmnegrapbla .
• IV. - Portmograpbla .

SEGUNDA PARTE
De eripção politica.
CAPITULO I
EtAno grap hia.
Ução
Raças .
• Ill'I.. --- Religiões
Li~81.J3S .
.
ó7
61
G2
- 334-
CAPITULO II
Geographia administrativa.
tição
»
J)
If:
III. -
=rn~~~g6\~úbiicã'e ·BeÚá.· :ÁÍ'tés:::::::::
fõrma de governo ..
IV. - Di\'isão politica, judiciarja, ecclesiastica e
policial .
V. - Colonjsação e immigração .
\'1. - Catecbese e ciyi1isação dos indios .
C.~PITULO 1I1

Geographia militlZ1·.
Ução I. - Defesa. terrestre ..
II. - Defesa maritima. " .
"
CAPITULO IV
Geographia economica.
Ução J. - Finanças ..............................•.
'" II. - Industria !.
l/ UI. - Commercio ..

SECÇÃO SEGUNDA
O Brasil pOl.' Estados.
Capitulo r. - Estado do Pará ..
II n. - J) do Maranhão .
l) III. - " do Piauhy .
» IV. - /) do Ceará ......••..............
» V. - » do IUo Grande do Norte ......•
II VI. - li da Parahyba do Norte .
li VIL - » de Pernambuco .
» VlI1. - J) de AJagõas .
h IX. »i1c Sergipe .
X. - " da Bahla. .
"
» XI. - » do Espirito-santo .
XII. - lO do Rio' de Janeiro ..
"
l> XIII. - Districto FederaL .
XIV. - Estado de S. Paulo ..
" XV. - » do Paraná ..
"» XVI. - » de S. Catharina .
XVII. - » do Rio Grande do Sul .
> XVIII. -- » do Amasonas ..
» XlX. - l) de Matta Grosso ..
XX. - ]) de Goyaz .
"» XXI. - » de Minas Geraes .

Indice alpbabetico .
CORPO DO EXERCIT )
l\fappa demonstrativo do quadro do pessoal d I Exercit d I
das ultimas organisa' oes
_ o, segun o o p auo
,

OFFjCI.

Generaes 1 Superiores Subal-


ternos

CORPOS E ARMAS 'mo~.~'~


'"
~ fi)
~ ~
"" fi)

o

Ã~
O) O) 8e ~~§{/)
O) ~ c O) ~
...
cnVJ'O"O I :ã5~~ c.-
== ~ ~ ~ cn o o 00_
~ -a
f r:'~
~P)O)Q) 8
~
C1)

O)
~
t:l
~.:: oS
!g
.g ~
ãê5§Õ
ce
8
IV
~
'"
Q)~~~ o ~ ~ 'õ..~ bIJ 8 ~
jc.':l c.':l t:5 '" 35 5l .5::

m·1I 'I·..j + I +. -I··1


<,:) U .... _

I :''''0.";"-0,"'''' .. q q. "I·. ·1q

.~~ Engenbeiros.
Eslado-malor'"
I
>, .. 8 12 111 I 30. (jij .. 66
~ Estado-mai de I' classe... .. .. .... 8 12 1(; 30 4.0.... 106 . 10(1
., EccIe ia.l;' " de 2' classe , .. , .. 4 6 8 12........ 30 . 30
;g . ~o '" .. •. .. .. .. .... .... 1 16 40.. . 57 . ',7
~ Sanitaril J ) Medlcos ,.. .. 1 3 9 2'1 85 74.... 199 .. ! 9
(! ) PlJarmacenllcos.. .. .. .•. 1 8 32 44 87 2321 319

Som ma 111418/17\ 23\.101 70118~61 "\ 574 1 232[ 836

Est do-maior da arma .. 8 10 1~ 30 ........ 62 . 62


CliCO regimentos de campa-
nba com quatro b.ller ias ~
cada um .. 3 2 5 25 40 50 125 2.0l0 2.135
Cinco batalllões de posição
com 4. baleriascadaum ... 105 1.64.5 1.750
Dous balalhõe de engenhei-
ros com qul!.lro compa- 1
nhias cada um . 36 781 820

I
Doze rel{imentos com quatro
esquadrões cada um
I . 6 6 12 110 96 120 300 4.860 5.160 I
Um corpo de tl'ansporte com
dous esquadl'õe ·1 .. 1 3 -1 6 14. 278 292
I

somma I.. I.lH 6\ 6113\ 63110011:261 31415.1381 5.4.52

I"';.~~;~':~':~t~~~~II·II·I18II·1 , 1 "'1",1 1801 ,.oa!,,,,ol16050


Somma geral. .... 1114.18\171 601 79/14315011 ó06/650/1.97:+r..109/27.0111
''--'

Oe ERVACÕES.-No numero dos capilà~ e.tão contemplados o que exercem a (unceões de aju-
dante dos corpos. o numero dos e!!Undo teDentes ou alTeres estão contemplados os que exercem
as (uncçõe de quartel-mestre e secretario do corpos.
Os commaDdantes, majores, ajudá,lles e capitães dos dons batalhO s de engenheiros são ofliciae
do corpo de engenheiros. O corpo de estado-malol' de:l' classe está sendo reduzido, até fina e ex-
liDcção em virtude do art. 1 da lei D. 3169 de 14 de Julbo de 188:J.