Você está na página 1de 185

ÍNDICE

BONITO
PREFEITURA MUNICIPAL DE BONITO DO
ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

Professor Regente de Educação Infantil

029JN-19
EDITAL Nº 001/2019
ÍNDICE

Língua Portuguesa
Compreensão e interpretação de textos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Gêneros e tipologias textuais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Funções da linguagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Coesão textual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Ortografia (emprego das letras, do hífen e de iniciais maiúsculas ou minúsculas) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
acentuação, incluindo conhecimentos sobre as novas normas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Emprego de parônimos, homônimos e formas variantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Emprego das classes de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
Períodos compostos por coordenação e subordinação; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Regência (verbal e nominal) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Concordância nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Emprego dos tempos e modos verbais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Orações reduzidas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Conhecimentos Específicos
Professor Regente de Educação Infantil
O processo de Alfabetização e Letramento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
As contribuições da Psicogênese da Língua escrita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
O processo de Adaptação na Educação Infantil e o papel do professor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
A importância da ludicidade no contexto educativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Rotina e a organização do tempo e do espaço na Educação Infantil (jogos, brincadeiras, música, artes, dança, cantigas, histórias) . . 7
As contribuições de Rousseau, Froebel, Pestalozzi e Montessori para infância e a Educação Infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
A teoria de Jean Piaget do desenvolvimento cognitivo: as influências, as tendências e os estágios de desenvolvimento . . . . . . . . . . 9
A perspectiva sociocultural de Vygotsky: o papel dos adultos e dos pares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
O pensamento de Wallon . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Pressupostos norteadores do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil-RCNEI/MEC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

Conhecimentos Pedagógicos
Função social da escola. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Organização da Educação Básica (LDB 9394/96). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Alfabetização e Letramento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Princípios do Construtivismo: estudos de Piaget e Ferreiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Pensamento de Vygotsky. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais em Educação e para o Ensino de História e Cultura Af-
ro-brasileira e Africana no currículo do Ensino Básico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Concepções de aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Planejamento da prática educativa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Avaliação do processo de ensino e de aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Avaliação da educação fundamental. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Relações interativas em sala de aula. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Competências e habilidades. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Pilares da educação para o século XXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

Legislação do Município
Lei Orgânica do Município de Bonito, Plano de Cargos e Vencimentos dos Servidores Públicos de Bonito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Plano Diretor do Município de Bonito (Lei Complementar n. 085/2010 de 01 de dezembro de 2010 e suas alterações). . . . . . . . . . 26
DICA

Como passar em um concurso público?

Todos nós sabemos que é um grande desafio ser aprovado em concurso público, dessa maneira é muito importante o concurseiro
estar focado e determinado em seus estudos e na sua preparação.
É verdade que não existe uma fórmula mágica ou uma regra de como estudar para concursos públicos, é importante cada pessoa
encontrar a melhor maneira para estar otimizando sua preparação.
Algumas dicas podem sempre ajudar a elevar o nível dos estudos, criando uma motivação para estudar. Pensando nisso, a Solução
preparou esse artigo com algumas dicas que irá fazer toda diferença na sua preparação.
Então mãos à obra!

Separamos algumas dicas para lhe ajudar a passar em concurso público!

- Esteja focado em seu objetivo: É de extrema importância você estar focado em seu objetivo, a aprovação no concurso. Você vai
ter que colocar em sua mente que sua prioridade é dedicar-se para a realização de seu sonho.
- Não saia atirando para todos os lados: Procure dar atenção em um concurso de cada vez, a dificuldade é muito maior quando
você tenta focar em vários certames, devido as matérias das diversas áreas serem diferentes. Desta forma, é importante que você
defina uma área se especializando nela. Se for possível realize todos os concursos que saírem que englobe a mesma área.
- Defina um local, dias e horários para estudar: Uma maneira de organizar seus estudos é transformando isso em um hábito, de-
terminado um local, os horários e dias específicos para estar estudando cada disciplina que irá compor o concurso. O local de estudo
não pode ter uma distração com interrupções constantes, é preciso ter concentração total.
- Organização: Como dissemos anteriormente, é preciso evitar qualquer distração, suas horas de estudos são inegociáveis, preci-
sa de dedicação. É praticamente impossível passar em um concurso público se você não for uma pessoa organizada, é importante ter
uma planilha contendo sua rotina diária de atividades definindo o melhor horário de estudo.
- Método de estudo: Um grande aliado para facilitar seus estudos, são os resumos. Isso irá te ajudar na hora da revisão sobre o
assunto estudado, é fundamental que você inicie seus estudos antes mesmo de sair o edital, caso o mesmo ainda não esteja publica-
do, busque editais de concursos anteriores. Busque refazer a provas dos concursos anteriores, isso irá te ajudar na preparação.
- Invista nos materiais: É essencial que você tenha um bom material voltado para concursos públicos, completo e atualizado.
Esses materiais devem trazer toda a teoria do edital de uma forma didática e esquematizada, contendo muito exercícios. Quando
mais exercícios você realizar, melhor será sua preparação para realizar a prova do certame.
- Cuide de sua preparação: Não é só os estudos que é importante na sua preparação, evite perder sono, isso te deixará com uma
menor energia e um cérebro cansado. É preciso que você tenha uma boa noite de sono. Outro fator importante na sua preparação, é
tirar ao menos 1 (um) dia na semana para descanso e lazer, renovando as energias e evitando o estresse.

Se prepare para o concurso público!

O concurseiro preparado não é aquele que passa o dia todo estudando, mas está com a cabeça nas nuvens, e sim aquele que se
planeja pesquisando sobre o concurso de interesse, conferindo editais e provas anteriores, participando de grupos com enquetes so-
bre o mesmo, conversando com pessoas que já foram aprovadas absorvendo as dicas e experiências, analisando a banca examinadora
do certame.
O Plano de Estudos é essencial na otimização dos estudos, ele deve ser simples, com fácil compreensão e personalizado com sua
rotina, vai ser seu triunfo para aprovação, sendo responsável pelo seu crescimento contínuo.
Além do plano de estudos, é importante ter um Plano de Revisão, será ele que irá te ajudar na memorização dos conteúdos estu-
dados até o dia da realização da prova, evitando a correria para fazer uma revisão de última hora próximo ao dia da prova.
Está em dúvida por qual matéria começar a estudar?! Uma dica, comece pela Língua Portuguesa, é a matéria com maior requisi-
ção nos concursos, a base para uma boa interpretação, no qual abrange todas as outras matérias.
DICA

Vida Social!

Sabemos que faz parte algumas abdicações na vida de quem estuda para concursos públicos, sempre que possível é importante
conciliar os estudos com os momentos de lazer e bem-estar. A vida de concurseiro é temporária, quem determina o tempo é você,
através da sua dedicação e empenho. Você terá que fazer um esforço para deixar de lado um pouco a vida social intensa, é importante
compreender que quando for aprovado, verá que todo o esforço valeu a pena para realização do seu sonho.
Uma boa dica, é fazer exercícios físicos, uma simples corrida por exemplo é capaz de melhorar o funcionamento do Sistema Ner-
voso Central, um dos fatores que são chaves para produção de neurônios nas regiões associadas à aprendizagem e memória.

Motivação!

A motivação é a chave do sucesso na vida dos concurseiros. Compreendemos que nem sempre é fácil, e as vezes bate aquele
desânimo com vários fatores ao nosso redor. Porém a maior garra será focar na sua aprovação no concurso público dos seus sonhos.
É absolutamente normal caso você não seja aprovado de primeira, é primordial que você PERSISTA, com o tempo você irá adquirir
conhecimento e experiência.
Então é preciso se motivar diariamente para seguir a busca da aprovação, algumas orientações importantes para conseguir mo-
tivação:
- Procure ler frases motivacionais, são ótimas para lembrar dos seus propósitos;
- Leia sempre os depoimentos dos candidatos aprovados nos concursos públicos;
- Procure estar sempre entrando em contato com os aprovados;
- Escreve o porque que você deseja ser aprovado no concurso, quando você sabe seus motivos, isso te da um ânimo maior para
seguir focado, tornando o processo mais prazeroso;
- Saiba o que realmente te impulsiona, o que te motiva. Dessa maneira será mais fácil vencer as adversidades que irá aparecer.
- Procure imaginar você exercendo a função da vaga pleiteada, sentir a emoção da aprovação e ver as pessoas que você gosta,
felizes com seu sucesso.
Como dissemos no começo, não existe uma fórmula mágica, um método infalível. O que realmente existe é a sua garra, sua
dedicação e motivação para estar realizando o seu grande sonho, de ser aprovado no concurso público. Acredite em você e no seu
potencial.
A Solução tem ajudado há mais de 35 anos quem quer vencer a batalha do concurso público. Se você quer aumentar as suas
chances de passar, conheça os nossos materiais, acessando o nosso site: www.apostilasolucao.com.br
LÍNGUA PORTUGUESA

Letra e Fonema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Estrutura das Palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Classes de Palavras e suas Flexões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
Ortografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Acentuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Concordância Verbal e Nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Regência Verbal e Nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Frase, oração e período . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Sintaxe da Oração e do Período . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Termos da Oração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Coordenação e Subordinação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Colocação Pronominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Significado das Palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Figuras de Linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Interpretação Textual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Tipologia Textual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Gêneros Textuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Coesão e Coerência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Reescrita de textos/Equivalência de Estruturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Estrutura Textual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Redação Oficial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Funções do “que” e do “se” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Variação Linguística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
O processo de comunicação e as funções da linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Discurso Direto, Indireto e Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Testes e Respostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
LÍNGUA PORTUGUESA

Vogais: fonemas que vieram das vibrações das cordas vocais


LETRA E FONEMA onde a produção a corrente de ar passa livremente na cavidade
bucal. As vogais podem ser orais e nasais.
Orais: a corrente de ar passa apenas pela cavidade bucal.
FONÉTICA E FONOLOGIA: LETRA E FONEMA São: a, é, ê, i, ó, ô, u. Exemplos: pé, ali, pó, dor.
Nasais: a corrente de ar passa pela cavidade bucal e nasal.
Fonética A nasalidade pode ser indicada pelo til (~) ou pelas letras n e m.
Exemplos: mãe, lindo, pomba.
A Fonética ocupa-se em analisar os sons produzidos pelo apa-
relho fonador e a articulação desses sons de forma isolada. Ela As vogais podem também ser tônicas ou átonas, dependen-
descreve e analisa os sons em suas propriedades físicas. do da intensidade com que são pronunciadas. A vogal tônica é
Os sons produzidos na linguagem humana são chamados “fo- pronunciada com mais intensidade: café, jogo. A vogal átona é
nes” ou “segmentos” e podem ser classificados em três grupos: pronunciada com menor intensidade: café, jogo.
Consoantes – classificadas em: modos de articulação, lugar
de articulação, vozeamento, nasalidade/oralidade. Semivogais: temos as letras “e”, “i”, “o”, “u”, representadas
Vogais – altura da língua, anterioridade/posterioridade da pelos fonemas /e/, /y/, /o/, /w/, quando formam sílaba com uma
língua, arredondamento dos lábios, nasalidade/oralidade. vogal. Exemplo: “memória” a sílaba “ria” apresenta a vogal “a” e
Semivogais - são as vogais ” i ” e “u” (orais ou nasais) quando a semivogal “i”.
assilábicas, as quais acompanham a vogal nos encontros vocálicos.
Quadro de Vogais e Semivogais
Fonologia

É o campo da Linguística que se ocupa dos estudos sonoros


do idioma, estudando o modo como os sons se organizam dentro
da língua é possível classificá-los em unidades significativas, cha-
madas de fonemas.

Letra

Letra é a representação gráfica dos sons. Exemplos: mandio-


ca (tem 8 letras); amor (tem 4 letras).

Fonema
Consoantes: fonemas onde a corrente de ar, emitida para
Trata-se do menor elemento sonoro com habilidade de es- sua produção, tem que forçar passagem na boca. Estes fonemas
tabelecer uma separação de significado entre palavras. Vejamos só podem ser produzidos com a ajuda de uma vogal. Exemplos:
exemplo de fonemas que marcam a distinção entre os pares de mato, cena.
palavras: sal – mal, sela – sala.
Encontros Vocálicos
É muito importante saber a diferença entre os fonemas e as
letras. Fonema é um elemento acústico e a letra é um sinal gráfico Ditongos: encontro de uma vogal e uma semivogal na mesma
que representa o fonema. Nem sempre o número de fonemas de sílaba. Exemplos: cai (vogal + semivogal = ditongo decrescente – a
uma palavra corresponde ao número de letras que usamos para vogal vem antes da semivogal); armário (semivogal + vogal = di-
escrevê-la. tongo crescente – a vogal vem depois da semivogal).
Exemplos:
coçar = 5 letras Tritongos: encontro de semivogal + vogal + semivogal na
/k/ /o/ /s/ /a/ /r/ = 5 fonemas mesma sílaba. Exemplo: Paraguai.

máximo = 6 letras Hiatos: sequência de duas vogais na mesma palavra, mas que
/m/ /á/ /s/ /i/ /m/ /o/ = 6 fonemas são de sílabas diferentes, pois nunca haverá mais que uma vogal
na sílaba. Exemplos: co-e-lho, sa-í-da, pa-ís.
acesso = 6 letras
/a/ /c/ /e/ /s/ /o/ = 5 fonemas Encontro Consonantal

chute = 5 letras Acontece quando há um grupo de consoantes sem vogal in-


/x/ /u/ /t/ /e/ = 4 fonemas termediária. Exemplos: pedra, planície, psicanálise, ritmo.

Os fonemas são classificados em vogais, semivogais e con-


soantes.

1
LÍNGUA PORTUGUESA

Dígrafos 03. Pref. de Chapecó/SC - Engenheiro de Trânsito – 2016 - IOBV


Diga qual destas definições é a que cabe para dígrafo?
Dígrafos são duas letras representadas por um só fonema. a) É a menor unidade sonora distintiva da palavra.
São dígrafos: ch, lh, nh, rr, ss, sc, sç, xc ; incluem-se também am, b) É o fonema vocálico que se agrupa com a vogal, numa sílaba.
an, em, en, im, in, om, on, um, un (que representam vogais na- c) É a letra que representa dois fonemas ao mesmo tempo.
sais), gu e qu antes de ”e” e ‘i” e também ha, he, hi, ho, hu e, em d) É o conjunto de duas letras que representam um único fo-
palavras estrangeiras, th, ph, nn, dd, ck, oo etc. nema.

Os dígrafos podem ser: 04. Pref. de Cruzeiro/SP - Instrutor de Desenho Técnico e


- Consonantais: Encontro de duas letras que representam um Mecânico – 2016 - Instituto Excelência
fonema consonantal. Os principais são: ch, lh, nh, rr, ss, sc, sç, xc, Assinale a alternativa em que todas as palavras são exemplos
gu e qu. de dígrafos:
Exemplos: chave, chefe, olho, ilha, unha, dinheiro, arranhar, a) Quente; Sequência; Cegueira
arrumação. b) Aguentar; Carro; Ninho
c) Assar; Banho; Querido.
- Vocálicos: Encontro de uma vogal seguida das letras m ou n, d) Nenhuma das alternativas
que resulta num fonema vocálico. Eles são: am, an; em, en; im, in;
om, on e um, un. Vale lembrar que nessa situação, as letras m e n 05. Pref. de Fortaleza/CE - Língua Portuguesa – 2016 - Pref.
não são consoantes; elas servem para nasalizar as vogais. de Fortaleza-CE
Exemplos: amplo, anta, temperatura, semente, empecilho,
tinta. Marginalzinho: a socialização de uma elite vazia e covarde

Atenção: nos dígrafos, as duas letras representam um só fo- Parada em um sinal de trânsito, uma cena capturou minha
nema; nos encontros consonantais, cada letra representa um fo- atenção e me fez pensar como, ao longo da vida, a segregação da
nema. sociedade brasileira nos bestializa

QUESTÕES 01 Era a largada de duas escolas que estavam situadas uma


do lado da outra, separadas por um muro altíssimo de uma
01. Pref. de Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico e
Mecânico – 2016 - Instituto Excelência 02 delas. Da escola pública saíam crianças correndo, brin-
Sobre fonologia e fonética, observe as afirmativas a seguir: cando e falando alto. A maioria estava desacompanhada
I - A fonética se diferencia da Fonologia por considerar os e dirigia-se
sons independentes das oposições paradigmáticas e combinações 03 ao ponto de ônibus da grande avenida, que terminaria nas
sintagmáticas. periferias. Era uma massa escura, especialmente quando
II - A fonética estuda os sons como entidades físico articulató-
04 contrastada com a massa mais clara que saía da escola par-
rias associadas. É a parte da Gramática que estuda de forma geral
ticular do lado: crianças brancas, de mãos dadas com os
os fonemas, ou seja, os sons que as letras emitem.
III - À fonologia cabe estudar as diferenças fônicas intencio- 05 pais, babás ou seguranças, caminhando duramente em di-
nais, distintivas, isto é, que se unem a diferenças de significação; reção à fila de caminhonetes. Lado a lado, os dois grupos
estabelecer a relação entre os elementos de diferenciação e quais não
as condições em que se combinam uns com os outros para formar 06 se misturavam. Cada um sabia exatamente seu lugar. Des-
morfemas, palavras e frases. de muito pequenas, aquelas crianças tinham literalmente
Assinale a alternativa CORRETA: 07 incorporado a segregação à brasileira, que se caracteriza
A) As afirmativas I e II estão corretas. pela mistura única entre o sistema de apartheid racial e
B) As afirmativas II e III estão corretas. o de
C) As afirmativas I e III estão corretas. 08 castas de classes. Os corpos domesticados revelavam o
D) Nenhuma das alternativas. triste processo de socialização ao desprezo, que tende a só
09 piorar na vida adulta. [...]
02. Pref. de Caucaia/CE – Agente de Suporte a Fiscalização
PINHEIRO-MACHADO, Rosana. In http://www.cartacapital.
– 2016 - CETREDE
com.br/sociedade/marginalzinho-a-socializacao-de-uma-elite-
Assinale a opção em que o x de todos os vocábulos não tem
-vazia-e-covarde- 3514.html (acesso em 07/03/16).
o som de /ks/.
A) tóxico – axila – táxi.
O sistema fonológico da língua portuguesa falada no Brasil
B) táxi – êxtase – exame.
apresenta alguns embaraços (sobretudo para os alunos) quando
C) exportar – prolixo – nexo.
se estão estudando as regras de ortografia. Nesse caso, a palavra
D) tóxico – prolixo – nexo.
”desprezo” (l. 09) pode ser considerado exemplo desse tipo de
E) exército – êxodo – exportar.
dificuldade para o discente, porque:

2
LÍNGUA PORTUGUESA

A) o fonema [z] em posição intervocálica pode ser represen- 05 A


tado pelos grafemas S ou Z.
B) os fonemas [s] e [z] são intercambiáveis quando se situam 06 B
na sílaba tônica.
C) a sibilante sonora [z] se ensurdece quando está entre duas
vogais. ESTRUTURA DAS PALAVRAS
D) o fonema [s] em posição mediossilábica tende a dessono-
rizar-se.
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DAS PALAVRAS
06. CASSEMS/MS - Técnico de enfermagem – 2016 - MS
CONCURSOS Ao estudar a estrutura das palavras, estamos penetrando seu
íntimo e conhecendo as várias partes que formam um todo acaba-
As algas do e repleto de significado. Uma palavra é formada por unidades
mínimas que possuem significado, que são chamadas elementos
As algas mórficos ou morfemas.
das águas salgadas A palavra “maquininhas”, por exemplo, possui quatro mor-
são mais amadas, femas:
são mais amargas
maquin inh a s
As algas marinhas
não andam sozinhas, Base do Indica grau Indica gênero Indica
de um reino maravilhoso significado diminutivo feminino plural
são as rainhas.
Raiz
As algas muito amigas
inventam cantigas Origem das palavras. É onde se concentra a significação das
pra embalar palavras.
os habitantes do mar.
Exemplo: Raiz (carr- raiz nominal de carro). 
As algas tão sábias
são cheias de lábias Os morfemas que constituem as palavras são: radical, desi-
se jogam sem medo nência, vogal temática, afixos, vogais e consoantes de ligação.
e descobrem
o segredo Radical
mais profundo
que há bem no fundo É a forma mínima que indica o sentido básico da palavra.
do mar. Com o radical formamos famílias de palavras.

As algas em seus verdores Exemplos:


são plantas e são flores. Moço – moça – moçada – mocinha – moçoila - remoçar
Um pouco de tudo: de bichos, de gente, de flores, de Elias
José. São Paulo: Paulinas, 1982. p. 17. Desinência

Considerando as palavras mencionadas em cada alternativa, Elementos colocados no final das palavras para indicar aspec-
escolha aquela em que há correspondência entre o número de tos gramaticais. As desinências são de dois tipos:
fonemas e o de letras.
A) “há”; “de”. - nominal: indica o gênero (masculino/feminino) e o número
B) “bem”; “mar”. (singular/plural) dos substantivos, adjetivos pronomes e nume-
C) “fundo”; “algas”. rais.
D) “que”; “são”. Exemplo: menino, menina, meninos, meninas.

RESPOSTAS - verbal: indica a pessoa (1ª, 2ª e 3ª), o número (singular/


plural), o tempo e o modo (indicativo, presente...).
Exemplo: amássemos
01 C am- (radical)
02 E -á- (vogal temática)
- sse- (desinência modo subjuntivo e de tempo perfeito)
03 D
-mos (desinência de primeira pessoa e de número plural)
04 C

3
LÍNGUA PORTUGUESA

Vogal temática - Parassintética ou Parassíntese: a palavra derivada resulta


do acréscimo simultâneo de prefixo e sufixo à palavra primitiva.
É o que torna possível a ligação entre o radical e a desinência. Por meio da parassíntese formam-se nomes (substantivos e ad-
Observe o verbo dançar: jetivos) e verbos. A presença de apenas um desses afixos não é
suficiente para formar uma nova palavra.
Danç: radical Exemplos:
A: vogal temática Esfriar, esquentar, amadurecer.
R: desinência de infinitivo.
- Derivação Regressiva: uma palavra é formada não por
A junção do radical danç- com a desinência –r no português é acréscimo, mas por redução: trabalhar – trabalho, castigar – cas-
impossível, é a vogal temática “a” que torna possível essa ligação. tigo.

- Derivação Imprópria: ocorre quando determinada palavra,


Afixos
sem sofrer qualquer acréscimo ou supressão em sua forma, muda
de classe gramatical. Assim:
São morfemas que se colocam antes ou depois do radical al-
- Adjetivos passam a substantivos
terando sua significação básica. São divididos em:
- Particípios passam a substantivos ou adjetivos
- Infinitivos passam a substantivos
- Prefixos: antepostos ao radical. - Substantivos passam a adjetivos
Exemplo: impossível, desleal. - Adjetivos passam a advérbios: Falei baixo para que ninguém
escutasse.
- Sufixos: pospostos ao radical. - Palavras invariáveis passam a substantivos
Exemplo: lealdade, felizmente. - Substantivos próprios tornam-se comuns

Vogais ou consoantes de ligação Composição: processo que forma palavras compostas, pela
junção de dois ou mais radicais. São dois tipos:
As vogais ou consoantes de ligação podem ocorrer entre um
morfema e outro por motivos eufônicos, facilitando ou até possi- - Justaposição: ao juntar duas ou mais palavras ou radicais,
bilitando a leitura de uma palavra. não há alteração fonética: televisão, quinta-feira, girassol, couve-
Exemplos: paulada, cafeteira, gasômetro. -flor.

Formação das Palavras - Aglutinação: quando pelo menos uma das palavras que for-
mam o composto apresenta alteração em sua forma: aguardente
Há dois processos pelos quais se formam as palavras: Deriva- (água + ardente), vinagre (vinho + acre), planalto (plano + alto).
ção e Composição. A diferença é que na derivação, partimos sem-
pre de um único radical, enquanto na composição sempre haverá QUESTÕES
mais de um radical.
01. IF/PA - Auxiliar em Administração – 2016 - FUNRIO
Derivação: processo pelo qual se obtém uma palavra nova
(derivada), a partir de outra já existente, (primitiva). “Chegou o fim de semana. É tempo de encontrar os amigos
no boteco e relaxar, mas a crise econômica vem deixando muitos
Exemplo: Terra (enterrar, terráqueo, aterrar). Observamos
paraenses de cabeça quente. Para ajudar o bolso dos amantes
que “terra” não se forma de nenhuma outra palavra, mas, possi-
da culinária de raiz, os bares participantes do Comida di Buteco
bilitam a formação de outras, por meio do acréscimo de um sufixo
estão comercializando os petiscos preparados exclusivamente
ou prefixo. Sendo assim, terra e palavra primitiva, e as demais,
para o concurso com um preço reduzido. O preço máximo é de
derivadas.  R$ 25,90.”
(O LIBERAL, 23 de abril de 2016)
Tipos de Derivação
Assinale a alternativa que faz um comentário correto sobre o
- Prefixal ou Prefixação: acréscimo de prefixo à palavra primi- processo de formação das palavras usadas nesse trecho.
tiva, e tem o significado alterado: rever; infeliz, desamor. a) As palavras “amigo e amantes” são formadas por prefixa-
ção.
- Sufixal ou Sufixação: acréscimo de sufixo à palavra primi- b) As palavras “paraenses e participantes” são formadas por
tiva, pode sofrer alteração de significado ou mudança de classe sufixação.
gramatical: amoroso, felizmente, menininho. c) A palavra “boteco” é formada por derivação a partir da pa-
A derivação sufixal pode ser: lavra “bote”.
Nominal: formando substantivos e adjetivos: riso – risonho. d) As palavras “culinária e petiscos” são formadas por deriva-
Verbal: formando verbos: atual - atualizar. ção regressiva.
Adverbial: formando advérbios de modo: feliz – felizmente. e) A palavra “comercializando” é formada por aglutinação de
“comer+comércio”.

4
LÍNGUA PORTUGUESA

02. Pref. de Chapecó/SC - Engenheiro de Trânsito – 2016 – 05. Pref. de Aragoiânia/GO - Biólogo – 2017 – Itame
IOBV
O irreverente cantor não agradou o público local.
“Infelizmente as cheias de 2011 castigaram de forma severa
o Vale do Itajaí.” Aponte a alternativa em que o prefixo das palavras não apre-
Na frase acima (elaborada para fins de concurso) temos o senta o significado existente no prefixo da palavra destacada aci-
caso da expressão “Infelizmente”. A palavra pode ser assim de- ma:
composta: in + feliz + mente. Aponte qual a função da partícula in a) desgoverno / ilegal
dentro do processo de estruturação das palavras. b) infiel / imoral
a) Radical. c) anormal / destemor
b) Sufixo. d) imigrante / ingerir
c) Prefixo. Parte inferior do formulário
d) Interfixo.
06. IF/BA - Auxiliar em Administração – 2016 – FUNRIO
03. (Pref. de Teresina/PI - Professor – Português – NUCE- Todas as palavras abaixo têm prefixo e sufixo, exceto este verbo:
PE/2016) a) destinar.
b) desfivelar.
Aceita um cafezinho c) desfavorecer.
d) desbanalizar.
Ó Estrangeiro, ó peregrino, ó passante de pouca esperança - e) despraguejar.
nada tenho para te dar, também sou pobre e essas terras não são
minhas. Mas aceita um cafezinho. RESPOSTAS
A poeira é muita, e só Deus sabe aonde vão dar esses cami- 01 B
nhos. Um cafezinho, eu sei, não resolve o teu destino; nem faz
esquecer tua cicatriz. 02 B
Mas prova.... Bota a trouxa no chão, abanca-te nesta pedra e 03 A
vai preparando o teu cigarro...
04 B
Um minuto apenas, que a água já está fervendo e as xícaras já
tilintam na bandeja. Vai sair bem coado e quentinho. 05 D
Não é nada, não é nada, mas tu vais ver: serão mais alguns 06 A
quilômetros de boa caminhada... E talvez uma pausa em teu ge-
mido!
Um minutinho, estrangeiro, que teu café já vem cheirando...
(Aní- CLASSES DE PALAVRAS E SUAS FLEXÕES
bal Machado)

Na palavra cafezinho temos os seguintes elementos mórficos CLASSE GRAMATICAIS


a) radical, vogal temática e sufixo.
b) radical, consoante de ligação e sufixo. ARTIGO
c) radical e sufixo.
d) radical e vogal temática. Artigo é a palavra que colocamos antes dos substantivos, com
e) radical e consoante de ligação. a finalidade de determina-los e especificarmos seu gênero e nú-
mero.
04. BAHIAGÁS - Analista de Processos Organizacionais - Ad- Os artigos podem ser:
ministração e Psicologia – 2017 – IESES - definidos: o, a, os, as (Determinam os substantivos de forma
Assinale a alternativa em que todas as palavras estão INCOR- particular).
RETAS: - indefinidos: um, uma, uns, umas (Determinam os substanti-
a) Luminescência; transparência; ascendência; maledicência; vos de forma inespecífica).
flatulência.
b) Dizêssemos; troucéssemos; portãozinhos; quizéreis; pu- Exemplos:
zesse. Comprei o carro. (Um carro específico)
c) Assessorássemos; indenidade; dissesses; entre ti e nós; fi- Comprei um carro. (Um carro qualquer)
zesse.
d) Beleza; sutileza; pobreza; destreza; natureza. Artigo Definido
e) Interdisciplinaridade; transitoriedade; notoriedade; titula-
ridade; liminaridade. Indica um substantivo específico, determinado. Dependendo
da flexão de gênero e de número, assume as formas o, a, os, as.

5
LÍNGUA PORTUGUESA

Observe as possíveis variações de gênero e número: Formação dos substantivos

O professor me repreendia. Substantivo Primitivo: erve de base para a formação de ou-


A professora me repreendia. tros substantivos. Exemplo: rosa, pedra, gelo, etc.
Os professores me repreendiam.
Substantivo Derivado: É formado a partir de um substantivo
Artigo Indefinido primitivo, como: roseiral, pedregulho, geleira, etc.
Substantivo Simples: É formado por um só radical, como:
Indica m ser qualquer dentre outros da mesma espécie. De- janela, livro, trem, etc.
pendendo da flexão de gênero e de número, assume as formas
um, uma, uns, umas. Substantivo Composto: É formado por mais de um radical,
como em: arco-íris, arranha-céu, etc.
Observe as possíveis variações de gênero e número, usando
o mesmo exemplo anterior: Substantivo Coletivo: É coletivo o substantivo no singular
que designa um conjunto de seres da mesma espécie.
Um professor me repreendia. - buquê – de flores
Uma professora me repreendia. - alcateia – de lobos
Uns professores me repreendiam. - elenco – de artistas
- legião – de soldados
Além das formas simples, os artigos apresentam formas com-
binadas com preposições. O artigo definido combina-se com as Gênero
preposições a, de, em, por, originando, por exemplo, as formas
ao, do, nas, pelos, etc. De acordo com o gênero (feminino e masculino) das palavras
Quando o artigo definido feminino (a, as) aparece combinado substantiva, são classificadas em:
com a preposição a, temos um caso que merece destaque espe-
cial: a essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente represen- Substantivos Biformes: apresentam duas formas, uma para
tada por um a com acento grave (à, às), dá-se o nome de crase. o masculino e outra para o feminino. Exemplo: médico e médica;
namorado e namorada.
Exemplo:
Eles lançaram um alerta à nação. (à = preposição a + artigo Substantivos Uniformes: somente um termo especifica os
definido a) dois gêneros (masculino e feminino), sendo classificados em:
- Epicenos: palavra que apresenta somente um gênero e refe-
O artigo indefinido combina-se com as preposições em e de, re-se aos animais, por exemplo: baleia (macho ou fêmea).
originando, por exemplo, as formas num, numas, duns, etc. - Sobrecomum: palavra que apresenta somente um gênero
e refere-se às pessoas, por exemplo: criança (masculino e femi-
SUBSTANTIVO nino).
- Comum de dois gêneros: termo que se refere aos dois gêne-
Os substantivos nomeiam seres, coisas, ideias. Como palavra ros (masculino e feminino), identificado por meio do artigo que o
variável, apresenta flexões de gênero, número e grau. acompanha, por exemplo: “o dentista” e “a dentista”.

Classificação Número

Substantivo Comum: Designa os seres de uma espécie de for- São classificados em:
ma genérica: casa, felicidade, mesa, criança, etc.
Singular: palavra que designa uma única coisa, pessoa ou um
Substantivo Próprio: Designa um ser específico, determina- grupo, por exemplo: cama, homem.
do, como: Recife, Mariana, Brasil, etc. Plural: palavra que designa várias coisas, pessoas ou grupos,
por exemplo: camas, homens.
Substantivo Concreto: Designa seres propriamente ditos
(pessoas, objetos, lugares), independentemente de sua existência Grau
real. Assim sendo, são exemplos: fada, saci, mesa, cinema, etc.
São classificados em aumentativo e diminutivo:
Substantivo Abstrato: Designa ações qualidades, ou estados,
tomados como seres. Indica coisas que não existem por si, que Aumentativo: Indica o aumento do tamanho de algum ser ou
são resultado de uma abstração. É o caso de felicidade, pobreza, alguma coisa. Divide-se em:
caridade, etc.. - Analítico: substantivo acompanhado de adjetivo que indica
grandeza, por exemplo: menino grande.
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indicador
de aumento, por exemplo: meninão.

6
LÍNGUA PORTUGUESA

Diminutivo: Indica a diminuição do tamanho de algum ser ou Superlativo Absoluto:


alguma coisa. Divide-se em: Analítico - A casa é extremamente luxuosa.
- Analítico: substantivo acompanhado de um adjetivo que in- Sintético - Larissa é organizadíssima.
dica pequenez, por exemplo: menino pequeno. Superlativo Relativo de:
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indicador Superioridade - A cidade é a mais bonita da região.
de diminuição, por exemplo: menininho. Inferioridade - Este computador é o menos moderno do es-
critório.
ADJETIVO
Somente seis adjetivos têm o grau comparativo de superiori-
Adjetivo é a palavra que modifica o substantivo, atribuindo- dade sintético. Veja-os:
-lhe um estado, qualidade ou característica.
bom – melhor
Classificação mau – pior
grande – maior
Simples - formado por um só radical. Exemplo: bonita. pequeno – menor
Composto - formado por mais de um radical. Exemplo: latino- alto – superior
-americano. baixo – inferior
Primitivo - não deriva de outra palavra. Exemplo: claro, grande.
Derivado - tem origem em outra palavra. Exemplo: tolerante NUMERAL
(vem de tolerar).
Pátrio - é o que se refere a países, estados, cidades, etc. Exem- O numeral é a palavra que indica, em termos numéricos, um
plo: brasileiro, mineiro, carioca, etc. número exato ou a posição que tal coisa ocupa numa série.

Locução Adjetiva Classificação

É toda reunião de duas ou mais palavras com valor de uma só. Cardinais: Forma básica dos números, indicam contagem,
Geralmente, as locuções adjetivas são formadas por uma preposi- medida. Exemplo, um, dois, três…
ção e um substantivo, ou uma preposição e um advérbio.
Exemplos: Ordinais: Indica ordem de uma sequência. Exemplo, primei-
- dente de cão (= canino) ro, segundo, terceiro…
- água de chuva (= pluvial)
- pneus de trás (= traseiro) Fracionários: Indicam a diminuição das proporções numéri-
cas, ou seja, representam uma parte de um todo. Exemplo, meio,
Flexão terço, quarto, quinto…

Gêneros Multiplicativos: Determina o aumento da quantidade por


meio de múltiplos. Exemplo, dobro, triplo, quádruplo, quíntuplo…
- Adjetivos Uniformes: uma forma para os dois gêneros (femini-
no e masculino). Exemplo: alegre. Coletivos: Número exato que faz referência a um conjunto de
- Adjetivos Biformes: varia conforme o gênero (masculino e fe- seres. Exemplo: dúzia (conjunto de 12), dezena (conjunto de 10),
minino). Exemplo: dengoso, dengosa. centena (conjunto de 100), semestre (conjunto de 6), bimestre
(conjunto de 2).
Número
Ordinal Cardinal Ordinal Cardinal
Os adjetivos podem vir no singular ou plural, concordando
com o número do substantivo referido. Assim, a sua formação é Um Primeiro Vinte Vigésimo
parecida à dos substantivos. Dois Segundo Trinta Trigésimo
Três Terceiro Cinquenta Quinquagésimo
Grau
Quatro Quarto Sessenta Sexagésimo
São classificados em: Cinco Quinto Oitenta Octogésimo
- Grau Comparativo: utilizado para comparar qualidades. Seis Sexto Cem Centésimo
Sete Sétimo Quinhentos Quingentésimo
Comparativo de Igualdade – Chocolate é tão bom quanto pizza. Oito Oitavo Setecentos Setingentésimo
Comparativo de Superioridade – Rui é mais esforçado que Marcos.
Comparativo de Inferioridade – Mariana é menos feliz que Paula. Nove Nono Novecentos Noningentésimo
- Grau Superlativo - utilizado para intensificar qualidades. Dez Décimo Mil Milésimo

7
LÍNGUA PORTUGUESA

PRONOME
Pessoas Verbais Pronomes Possessivos
Pronome é a palavra que substitui ou acompanha o substan-
tivo, indicando sua posição em relação às pessoas do discurso ou 2ª pessoa do plural vosso, vossa (singular); vossos,
mesmo situando-o no espaço e no tempo. (vós, vocês) vossas (plural)

Pronomes Pessoais 3ª pessoa do plural seu, sua (singular); seus, suas


(eles/elas) (plural)
Retos – têm função de sujeito da oração: eu, tu, ele, nós, vós,
eles. Pronomes Demonstrativos
Oblíquos têm função de complemento do verbo (objeto dire-
to / objeto indireto) ou as, lhes. - Ele viajará conosco. (eleprono- Os pronomes demostrativos são utilizados para indicar algo.
me reto / vaiverbo / conosco complemento nominal). Reúnem palavras variáveis (esse, este, aquele, essa, esta, aquela)
- tônicos com preposição: mim, comigo, ti, contigo,si, consigo, e invariáveis (isso, isto, aquilo).
conosco, convosco;
- átonos sem preposição: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, Relação ao tempo
os,pronome oblíquo) Este (s), esta (s), isto: indicam o tempo presente em relação
ao momento em que se fala. Exemplo: Esta semana é a última
Pronomes de Tratamento antes da prova.
Esse (s), essa (s), isso: indicam tempo no passado ou no fu-
Dependendo da pessoa a quem nos dirigimos, do seu cargo, turo. Exemplos: Onde você foi esse feriado? / Serei reconhecido
idade, título, o tratamento será familiar ou cerimonioso: Vossa pelo meu esforço. Quando esse dia chegar, estarei satisfeito.
Alteza (V.A.) - príncipes, duques; Vossa Eminência (V.Ema) - car- Aquele (s), aquela (s), aquilo: indicam um tempo distante em
deais; Vossa Excelência (V.Ex.a) - altas autoridades, presidente, relação ao momento em que se fala. Exemplo: Lembro-me bem
oficiais; Vossa Magnificência (V.Mag.a) - reitores de universida- aquele tempo em que viajávamos de trem.
des; Vossa Majestade (V.M.) – reis, imperadores; Vossa Santidade
(V.S.) - Papa; Vossa Senhori (V.Sa) - tratamento cerimonioso. Relação ao espaço
Este (s), esta (s), isto: o ser ou objeto que está próximo da
- Além desses, são pronomes de tratamento: senhor, senho- pessoa que fala. Exemplo: Este é o meu filho.
ra, senhorita, dona, você. Esse (s), essa (s), isso: a pessoa ou a coisa próxima daquela
- A forma Vossa (Senhoria, Excelência) é empregada quando com quem falamos ou para quem escrevemos. Exemplo: Por fa-
se fala com a própria pessoa: Vossa Senhoria não compareceu à vor, poderia passar esse copo?
reunião dos semterra? (falando com a pessoa) Aquele (s), aquela (s), aquilo: o ser ou objeto que está longe
- A forma Sua (Senhoria, Excelência ) é empregada quando de quem fala e da pessoa de quem se fala (3ª pessoa). Exemplo:
se fala sobre a pessoa: Sua Eminência, o cardeal, viajou paraum Com licença, poderia dizer o preço daquele casaco?
Congresso. (falando a respeito do cardeal)
Pronomes Indefinidos
Pronomes Possessivo
Empregados na 3ª pessoa do discurso, o próprio nome já
Os pronomes possessivos são aqueles que transmitem a ideia mostra que os pronomes indefinidos substituem ou acompanham
de posse, por exemplo: Esse carro é seu? o substantivo de maneira vaga ou imprecisa.

Pessoas Verbais Pronomes Possessivos Classificação Pronomes Indefinidos

1ª pessoa do singular meu, minha (singular); meus, algum, alguma, alguns, algumas, nenhum,
(eu) minhas (plural) nenhuma, nenhuns, nenhumas, muito,
muita, muitos, muitas, pouco, pouca,
2ª pessoa do singular teu, tua (singular); teus, tuas poucos, poucas, todo, toda, todos, todas,
(tu, você) (plural) outro, outra, outros, outras, certo, certa,
Variáveis
certos, certas, vário, vária, vários, várias,
3ª pessoa do singular seu, sua (singular); seus, suas tanto, tanta, tantos, tantas, quanto,
(ele/ela) (plural) quanta, quantos, quantas, qualquer,
quaisquer, qual, quais, um, uma, uns,
1ª pessoa do plural nosso, nossa (singular); nossos, umas.
(nós) nossas (plural)
quem, alguém, ninguém, tudo, nada,
Invariáveis
outrem, algo, cada.

8
LÍNGUA PORTUGUESA

Pronomes Relativos Futuro: Ocorrido depois. Ex.: trabalhará


O pretérito subdivide-se em:
Os pronomes relativos se referem a um substantivo já dito an- - Perfeito: Ação acabada. Ex.: Eu limpei a sala.
teriormente na oração. Podem ser palavras variáveis e invariáveis. - Imperfeito: Ação inacabada no momento a que se refere à
Essa palavra da oração anterior chamase antecedente: Viajei para narração. Ex.: Ele ficou no hospital por dias.
uma cidade que é muito pequena. ercebese que o pronome rela- - Mais-que-perfeito: Ação acabada, ocorrida antes de outro
tivo que, substitui na 2ª oração, a cidade, por isso a palavra que é fato passado. Ex.: Para ser mais justo, ele partira o bolo em fatias
um pronome relativo. pequenas.
São divididos em:
Variáveis: o qual, os quais, a qual, as quais, cujo, cujos, cuja, O futuro subdivide-se em:
cujas, quanto, quantos; - Futuro do Presente: Refere-se a um fato imediato e certo.
Invariáveis: que, quem, quando, como, onde. Ex.: Participarei do grupo.
- Futuro do Pretérito: Pode indicar condição, referindo-se a
Pronomes Interrogativos uma ação futura, ligada a um momento já passado. Ex.: Iria ao
show se tivesse dinheiro. (Indica condição); Ele gostaria de assu-
São palavras variáveis e invariáveis empregadas para formular mir esse compromisso.
perguntas diretas e indiretas.
Modos Verbais

Pronomes Indicativo: Mostra o fato de maneira real, certa, positiva. Ex.:


Classificação Exemplos
Interrogativos Eu falo alemão.
Subjuntivo: Pode exprimir um desejo e apresenta o fato
qual, quais, Quanto custa? como possível ou duvidoso, hipotético. Ex.: Se eu tivesse dinheiro,
Variáveis quanto, quantos, Quais sapatos compraria um carro.
quanta, quantas. você prefere? Imperativo: Exprime ordem, conselho ou súplica. Ex.: Des-
canse bastante nestas férias.
Quem estragou
meu vestido? Formas nominais
Invariáveis quem, que.
Que problema
ocorreu? Temos três formas nominais: Infinitivo, gerúndio e particí-
pio, e são assim chamadas por desempenhar um papel parecido
VERBO aos dos substantivos, adjetivos ou advérbios e, sozinhas, não se-
rem capazes de expressar os modos e tempos verbais.
Exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da na-
tureza e possui inúmeras flexões, de modo que a sua conjugação Infinitivo
é feita em relação as variações de pessoa, número, tempo, modo,
voz e aspeto. Pessoal: Refere às pessoas do discurso. Não é flexionado nas
1ª e 3ª pessoas do singular e flexionadas nas demais:
Os verbos estão agrupados em três conjugações: Estudar (eu) – não flexionado       
1ª conjugação – ar: amar, caçar, começar. Estudares (tu) – flexionado  
2ª conjugação – er: comer, derreter, beber. Estudar(ele) – não flexionado 
3ª conjugação – ir: curtir, assumir, abrir. Estudarmos (nós) – flexionado
Estudardes (voz) – flexionado
O verbo pôr e seus derivados (repor, depor, dispor, compor, Estudarem (eles) – flexionado
impor) pertencem a 2ª conjugação devido à sua origem latina poer.
Impessoal: É o infinitivo impessoal quando não se refere às
Pessoas: 1ª, 2ª e 3ª pessoa, em 2 situações: singular e plural. pessoas do discurso. Exemplos: caminhar é bom. (a caminhada é
1ª pessoa do singular – eu; ex.: eu viajo boa); É proibido fumar. (é proibido o fumo)
2ª pessoa do singular – tu; ex.: tu viajas
3ª pessoa do singular – ele; ex.: ele viaja Gerúndio
1ª pessoa do plural – nós; ex.: nós viajamos
2ª pessoa do plural – vós; ex.: vós viajais Caracteriza-se pela terminação -ndo. O verbo não se flexiona
3ª pessoa do plural – eles; ex.: eles viajam e pode exercer o papel de advérbio e de adjetivo.

Tempos do Verbo Exemplo: Ela estava trabalhando quando telefonaram.

Presente: Ocorre no momento da fala. Ex.: trabalha Particípio


Pretérito: Ocorrido antes. Ex.: trabalhou
Pode ser regular e irregular.

9
LÍNGUA PORTUGUESA

Particípio regular: se caracteriza pela terminação -ado, -ido. Futuro do pretérito composto - teria cantado, teria vendido, etc.

Exemplo: Eles tinham partido em uma aventura sem fim. Subjuntivo:


Pretérito perfeito composto - tenha cantado, tenha vendido,
Particípio irregular: pode exercer o papel de adjetivo. etc.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tivesse cantado, ti-
Exemplo: Purê se faz com batata cozida. vesse vendido, etc.
Futuro composto - tiver cantado, tiver vendido, etc.
Por apresentar mais que uma forma, o particípio é classifica-
do como verbo abundante. É importante lembrar que nem todos ADVÉRBIO
os verbos apresentam duas formas de particípio: (aberto, cober-
to, escrever). São palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou ou-
tro advérbio.
Tempos Simples e Tempos Compostos
Classificação dos Advérbios
Tempos simples: formados apenas pelo verbo principal.
Modo: Bem, mal, assim, adrede, melhor, pior, depressa,
Indicativo: acinte, debalde, devagar, ás pressas, às claras, às cegas, à toa, à
Presente - canto, vendo, parto, etc. vontade, às escondas, aos poucos, desse jeito, desse modo, dessa
Pretérito perfeito - cantei, vendi, parti, etc. maneira, em geral, frente a frente, lado a lado, a pé, de cor, em
Pretérito imperfeito - cantava, vendia, partia, etc. vão e a maior parte dos que terminam em -mente: calmamente,
Pretérito mais-que-perfeito - cantara, vendera, partira, etc. tristemente, propositadamente, pacientemente, amorosamente,
Futuro do presente - cantarei, venderei, partirei, etc. docemente, escandalosamente, bondosamente, generosamente.
Futuro do pretérito - cantaria, venderia, partiria, etc.
Intensidade: Muito, demais, pouco, tão, menos, em excesso,
Subjuntivo: apresenta o fato, a ação, mas de maneira incerta, bastante, pouco, mais, menos, demasiado, quanto, quão, tanto,
imprecisa, duvidosa ou eventual. assaz, que (equivale a quão), tudo, nada, todo, quase, de todo,
Presente - cante, venda, parta, etc. de muito, por completo, bem (quando aplicado a propriedades
Pretérito imperfeito - cantasse, vendesse, partisse, etc. graduáveis).
Futuro - cantar, vender, partir.
Lugar: Aqui, antes, dentro, ali, adiante, fora, acolá, atrás,
Imperativo: Ao indicar ordem, conselho, pedido, o fato verbal além, lá, detrás, aquém, cá, acima, onde, perto, aí, abaixo, aon-
pode expressar negação ou afirmação. São, portanto, duas as for- de, longe, debaixo, algures, defronte, nenhures, adentro, afora,
mas do imperativo: alhures, nenhures, aquém, embaixo, externamente, a distância,
- Imperativo Negativo (Formado pelo presente do subjunti- a distância de, de longe, de perto, em cima, à direita, à esquerda,
vo): Não abram a porta. ao lado, em volta.
- Imperativo Afirmativo (Formado do presente do subjuntivo,
com exceção da 2ª pessoas do singular e do plural, que são retira- Tempo: Hoje, logo, primeiro, ontem, tarde, outrora, amanhã,
das do presente do indicativo sem o “s”. Ex: Anda – Ande – Ande- cedo, dantes, depois, ainda, antigamente, antes, doravante, nun-
mos – Andai – Andem: Abram a porta. ca, então, ora, jamais, agora, sempre, já, enfim, afinal, amiúde,
breve, constantemente, entrementes, imediatamente, primei-
Obs.: O imperativo não possui a 1ª pessoa do singular, pois ramente, provisoriamente, sucessivamente, às vezes, à tarde, à
não se prevê a ordem, conselho ou pedido a si mesmo. noite, de manhã, de repente, de vez em quando, de quando em
quando, a qualquer momento, de tempos em tempos, em breve,
Tempos compostos: Formados pelos auxiliares ter ou haver. hoje em dia.

Infinitivo: Negação: Não, nem, nunca, jamais, de modo algum, de for-


Pretérito impessoal composto - ter falado, ter vendido, etc. ma nenhuma, tampouco, de jeito nenhum.
Pretérito pessoal composto - ter (teres) falado, ter (teres)
vendido. Dúvida: Acaso, porventura, possivelmente, provavelmente,
Gerúndio pretérito composto – tendo falado, tendo vendido. quiçá, talvez, casualmente, por certo, quem sabe.

Indicativo: Afirmação: Sim, certamente, realmente, decerto, efetiva-


Pretérito perfeito composto - tenho cantado, tenho vendido, mente, certo, decididamente, realmente, deveras, indubitavel-
etc. mente.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tinha cantado, tinha
vendido, etc. Exclusão: Apenas, exclusivamente, salvo, senão, somente,
Futuro do presente composto - terei cantado, terei vendido, simplesmente, só, unicamente.
etc. Inclusão: Ainda, até, mesmo, inclusivamente, também.

10
LÍNGUA PORTUGUESA

Interrogação: porque? (causa), quanto? (preço e intensida- - Preposições Acidentais –palavras de outras classes grama-
de), onde? (lugar), como? (modo), quando? (tempo), para que? ticais que, podem funcionar como preposição, a saber: afora,
(finalidade). como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos,
salvo, segundo, visto etc.
Ordem: Depois, primeiramente, ultimamente.
Locuções prepositivas: são formadas por duas ou mais pa-
Designação: Eis lavras com o valor de preposição, sempre terminando por uma
preposição, por exemplo: Abaixo de, acerca de, acima de, ao lado
Flexão de, a respeito de, de acordo com, em cima de, embaixo de, em
frente a, ao redor de, graças a, junto a, com, perto de, por causa
São consideradas  palavras invariáveis  por não terem flexão de, por cima de, por trás de.
de número (singular e plural) e gênero (masculino, feminino); en-
tretanto, são flexionadas nos graus comparativo e superlativo. A preposição é invariável. Porém, pode unir-se a outras pa-
lavras e estabelecer concordância em gênero ou em número. Ex.:
Grau Comparativo: O advérbio pode caracterizar relações de por + o = pelo; por + a = pela.
igualdade, inferioridade ou superioridade. Para indicar esse grau Essa concordância não é característica da preposição e sim
utilizam as formas tão…quanto, mais…que, menos…que. Pode ser: das palavras a que se ela se une. Esse processo de junção de uma
- de igualdade. Ex.: Enxergo tão bem quanto você. preposição com outra palavra pode se dar a partir de dois pro-
- de superioridade. Ex.: Enxergarei melhor que você. cessos:
- de inferioridade. Ex.: Enxergaremos pior que você.
- Combinação: A preposição não sofre alteração.
Grau Superlativo: A circunstância aparecerá intensificada. preposição a + artigos definidos o, os
Pode ser formado tanto pelo processo sintético (acréscimo de su- a + o = ao
fixo), como pelo analítico (outro advérbio estará indicando o grau preposição a + advérbio onde
superlativo). a + onde = aonde

- superlativo (ou absoluto) sintético: Acréscimo de sufixo. Ex.: - Contração: Quando a preposição sofre alteração.
Este conteúdo é facílimo. Preposição + Artigos
- superlativo (ou absoluto) analítico: Precisamos de um ad- De + o(s) = do(s)
vérbio de intensidade. Ex.: Este conteúdo é muito fácil. De + a(s) = da(s)
De + um = dum
Ao empregamos dois ou mais advérbios terminados em – De + uns = duns
mente, acrescentamos o sufixo apenas no último. Ex.: Muito fez De + uma = duma
pelo seu povo; trabalhou duro, árdua e ininterruptamente. De + umas = dumas
Em + o(s) = no(s)
PREPOSIÇÃO Em + a(s) = na(s)
Em + um = num
Palavra invariável que liga dois termos da oração, numa rela- Em + uma = numa
ção de subordinação donde, geralmente, o segundo termo subor- Em + uns = nuns
dina o primeiro. As preposições estabelecem a coesão textual e Em + umas = numas
possuem valores semânticos indispensáveis para a compreensão A + à(s) = à(s)
do texto. Por + o = pelo(s)
Por + a = pela(s)
Tipos de Preposição
- Preposição + Pronomes
Lugar: O voo veio de São Francisco. De + ele(s) = dele(s)
Modo: Os alunos eram colocados em carteiras. De + ela(s) = dela(s)
Tempo: Ele viajou por três anos. De + este(s) = deste(s)
Distância: A vinte quilômetros daqui há um pedágio. De + esta(s) = desta(s)
Causa: Parou de andar, pois estava com sede. De + esse(s) = desse(s)
Instrumento: Ela cortou o bolo com uma faca pequena. De + essa(s) = dessa(s)
Finalidade: A igreja foi enfeitada para o casamento. De + aquele(s) = daquele(s)
De + aquela(s) = daquela(s)
Classificação De + isto = disto
De + isso = disso
As preposições podem ser divididas em dois grupos: De + aquilo = daquilo
- Preposições Essenciais –palavras que só funcionam como De + aqui = daqui
preposição, a saber: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, De + aí = daí
em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás. De + ali = dali

11
LÍNGUA PORTUGUESA

De + outro = doutro(s) Satisfação: Viva!, Oba!, Boa!, Bem!, Bom!


De + outra = doutra(s) Saudação: Alô!, Oi!, Olá!, Adeus!, Tchau!, Salve!
Em + este(s) = neste(s) Silêncio: Psiu!, Shh!, Silêncio!, Basta!, Calado!, Quieto!, Bico
Em + esta(s) = nesta(s) fechado!
Em + esse(s) = nesse(s)
Em + aquele(s) = naquele(s) CONJUNÇÃO
Em + aquela(s) = naquela(s)
Em + isto = nisto É um termo que liga duas orações ou duas palavras de mes-
Em + isso = nisso mo valor gramatical, estabelecendo uma relação (de coordenação
Em + aquilo = naquilo ou subordinação) entre eles.
A + aquele(s) = àquele(s)
A + aquela(s) = àquela(s) Classificação
A + aquilo = àquilo
Conjunções Coordenativas: Ligam duas orações independen-
INTERJEIÇÃO tes.

É uma palavra invariável, que representa um recurso da lin- -Conjunções Aditivas: Exprimem soma, adição de pensamen-
guagem afetiva, expressando sentimentos, sensações, estados de tos: e, nem, não só...mas também, não só...como também.
espírito, sempre acompanhadas de um ponto de exclamação (!).
As interjeições são consideradas “palavras-frases” na medida Exemplo: João não lê nem escreve.
em que representam frases-resumidas, formadas por sons vocá-
licos (Ah! Oh! Ai!), por palavras (Droga! Psiu! Puxa!) ou por um -Conjunções Adversativas: Exprimem oposição, contraste,
grupo de palavras, nesse caso, chamadas de locuções interjetivas compensação de pensamentos: mas, porém, contudo, entretan-
(Meu Deus! Ora bolas!). to, no entanto, todavia.

Exemplo: Não viajamos, porém, poupamos dinheiro.


Tipos de Interjeições
-Conjunções Alternativas: Exprimem escolha de pensamen-
Mesmo não havendo uma classificação rigorosa, já que a
tos: ou...ou, já...já, ora...ora, quer...quer, seja...seja.
mesma interjeição pode expressar sentimentos ou sensações di-
ferentes, as interjeições ou locuções interjetivas são classificadas
Exemplo: Ou você casa, ou compra uma bicicleta.
em:
Conjunções Conclusivas: Exprimem conclusão de pensamen-
Advertência: Cuidado!, Olhe!, Atenção!, Fogo!, Calma!, Deva- to: logo, por isso, pois (quando vem depois do verbo), portanto,
gar!, Sentido!, Vê bem!, Volta aqui! por conseguinte, assim.
Afugentamento: Fora!, Toca!, Xô!, Passa!, Sai!, Roda!, Arre-
da!, Rua!, Cai fora!, Vaza!
Agradecimento: Graças a Deus!, Obrigado!, Agradecido!, Exemplo: Estudou bastante, portanto será aprovado.
Muito obrigada!, Valeu!
Alegria: Ah!, Eh!, Oh!, Oba!, Eba!, Viva!, Olá!, Eita!, Uhu!, Que bom! -Conjunções Explicativas: Exprimem razão, motivo: que, por-
Alívio: Ufa!, Uf!, Arre!, Ah!, Eh!, Puxa!, Ainda bem! que, assim, pois (quando vem antes do verbo), porquanto, por
Ânimo: Coragem!, Força!, Ânimo!, Avante!, Vamos!, Firme!, conseguinte.
Bora!
Apelo: Socorro!, Ei!, Ô!, Oh!, Alô!, Psiu!, Olá!, Eh! Exemplo: Não pode ligar, pois estava sem bateria.
Aplauso: Muito bem!, Bem!, Bravo!, Bis!, É isso aí!, Isso!, Pa-
rabéns!, Boa! Conjunções Subordinativas: Ligam orações dependentes
Chamamento: Alô!, Olá!, Hei!, Psiu!, ô!, oi!, psiu! uma da outra.
Concordância: Claro!, Sem dúvida!, Então!, Sim!, Pois não!,
Tá!, Hã-hã! -Conjunções Integrantes: Introduzem orações subordinadas
Contrariedade: Droga!, Credo! com função substantiva: que, se.
Desculpa: Perdão!, Opa!, Desculpa!, Foi mal!
Desejo: Oxalá!, Tomara!, Queira Deus!, Quem me dera! Exemplo: Quero que sejas muito feliz.
Despedida: Adeus!, Até logo!, Tchau!, Até amanhã!
Dor: Ai!, Ui!, Ah!, Oh!, Meu Deus!, Ai de mim! -Conjunções Causais: Introduzem orações subordinadas que
Dúvida: Hum?, hem?, hã?, Ué! dão ideia de causa: que, porque, como, pois, visto que, já que,
Espanto: Oh!, Puxa!, Quê!, Nossa!, Caramba!, Xi!, Meu Deus!, uma vez que.
Crê em Deus pai! Exemplo: Como tive muito trabalho, não pude ir à festa.
Estímulo: Ânimo!, Coragem!, Vamos!, Firme!, Força!
Medo: Oh!, Credo!, Cruzes!, Ui!, Ai!, Uh!, Socorro!, Que -Conjunções Comparativas: Introduzem orações subordina-
medo!, Jesus! das que dão ideia de comparação: que, do que, como.

12
LÍNGUA PORTUGUESA

Exemplo: Meu cachorro é mais inteligente do que o seu.

-Conjunções Concessivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem um fato contrário ao da oração principal: embora, ainda que,
mesmo que, se bem que, posto que, apesar de que, por mais que, por melhor que.

Exemplo: Vou ao mercado, embora esteja sem muito dinheiro.

-Conjunções Condicionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem hipótese ou condição para que o fato da oração principal se
realize ou não: caso, contanto que, salvo se, desde que, a não ser que.

Exemplo: Se não chover, irei à festa.

-Conjunções Conformativas: Iniciam orações subordinadas que exprimem acordo, concordância de um fato com outro: segundo,
como, conforme.

Exemplo: Cada um oferece conforme ganha.

-Conjunções Consecutivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem a consequência ou o efeito do que se declara na oração prin-
cipal: que, de forma que, de modo que, de maneira que.

Exemplo: Estava tão linda, de modo que todos pararam para olhar.

-Conjunções Temporais: Iniciam orações subordinadas que dão ideia de tempo: logo que, antes que, quando, assim que, sempre que.

Exemplo: Quando as visitas chegarem, comporte-se.

-Conjunções Finais: Iniciam orações subordinadas que exprimem uma finalidade: a fim de que, para que.

Exemplo: Estudou a fim de conseguir algo melhor.

-Conjunções Proporcionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem concomitância, simultaneidade: à medida que, à proporção
que, ao passo que, quanto mais, quanto menos, quanto menor, quanto melhor.

Exemplo: Ao passo que cresce, sua educação diminui.

QUESTÕES

01. IF-AP – Auxiliar em Administração – 2016 - FUNIVERSA

No segundo quadrinho, correspondem, respectivamente, a substantivo, pronome, artigo e advérbio:


a) “guerra”, “o”, “a” e “por que”.
b) “mundo”, “a”, “o” e “lá”.
c) “quando”, “por que”, “e” e “lá”.

13
LÍNGUA PORTUGUESA

d) “por que”, “não”, “a” e “quando”. 04. Prefeitura de Barra de Guabiraba/PE - Nível Fundamen-
e) “guerra”, “quando”, “a” e “não”. tal Completo – 2016 - IDHTEC
Assinale a alternativa em que o numeral está escrito por ex-
02. MPE/SP - Oficial de Promotoria I – 2017 - VUNESP tenso corretamente, de acordo com a sua aplicação na frase:
a) Os moradores do bairro Matão, em Sumaré (SP), temem
Japão irá auxiliar Minas Gerais com a experiência no enfren- que suas casas desabem após uma cratera se abrir na Avenida
tamento de tragédias Papa Pio X. (DÉCIMA)
b) O acidente ocorreu nessa terça-feira, na BR-401 (QUATRO-
Acostumados a lidar com tragédias naturais, os japoneses CENTAS E UMA)
costumam se reerguer em tempo recorde depois de catástrofes. c) A 22ª edição do Guia impresso traz uma matéria e teve a
Minas irá buscar experiência e tecnologias para superar a tragédia sua página Classitêxtil reformulada. (VIGÉSIMA SEGUNDA)
em Mariana d) Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita,
em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, me-
A partir de janeiro, Minas Gerais irá se espelhar na experiên- diante artifício, ardil. (CENTÉSIMO SETÉSIMO PRIMEIRO)
cia de enfrentamento de catástrofes e tragédias do Japão, para e) A Semana de Arte Moderna aconteceu no início do século
tentar superar Mariana e recuperar os danos ambientais e sociais. XX. (SÉCULO DUCENTÉSIMO)
Bombeiros mineiros deverão receber treinamento por meio da
Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), a exemplo 05. ELETROBRAS-ELETROSUL - Técnico de Segurança do Tra-
da troca de experiências que já acontece no Estado com a polícia balho – 2016 - FCC
comunitária, espelhada no modelo japonês Koban.
O terremoto seguido de um tsunami que devastou a costa Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido a
nordeste do Japão em 2011 deixando milhares de mortos e de- energia solar
saparecidos, e prejuízos que quase chegaram a US$ 200 bilhões,
foi uma das muitas tragédias naturais que o país enfrentou nos Bem no meio do deserto, há um lugar onde o calor é extremo.
últimos anos. Menos de um ano depois da catástrofe, no entanto, Sessenta e três graus ou até mais no verão. E foi exatamente por
o Japão já voltava à rotina. É esse tipo de experiência que o Brasil causa da temperatura que foi construída em Abu Dhabi uma das
vai buscar para lidar com a tragédia ocorrida em Mariana. maiores usinas de energia solar do mundo.
(Juliana Baeta, http://www.otempo.com.br, 10.12.2015. Os Emirados Árabes estão investindo em fontes energéticas
Adaptado) renováveis. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra
por mais 100 anos pelo menos. O que pretendem é diversificar e
No trecho – Bombeiros mineiros deverão receber poluir menos. Uma aposta no futuro.
treinamento... – (1o parágrafo), a expressão em destaque A preocupação com o planeta levou Abu Dhabi a tirar do pa-
é formada por substantivo + adjetivo, nessa ordem. Essa relação pel a cidade sustentável de Masdar. Dez por cento do planejado
também se verifica na expressão destacada em: está pronto. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros
Parte superior do formulário de fora. Lá só se anda a pé ou de bicicleta. As ruas são bem estrei-
a) A imprudente atitude do advogado trouxe-me danos. tas para que um prédio faça sombra no outro. É perfeito para o
b) Entrou silenciosamente, com um espanto indisfarçável. deserto. Os revestimentos das paredes isolam o calor. E a direção
c) Alguma pessoa teve acesso aos documentos da reunião? dos ventos foi estudada para criar corredores de brisa.
d) Trata-se de um lutador bastante forte e preparado. (Adaptado de: “Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com
e) Estiveram presentes à festa meus estimados padrinhos. tudo movido a energia solar”. Disponível em:http://g1.globo.
com/globoreporter/noticia/2016/04/abu-dhabi-constroi-cidade-
03. CISMEPAR/PR - Técnico Administrativo – 2016 - FAUEL -do-futuro-com-tudo-movido-energia-solar.html)

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignida- Considere as seguintes passagens do texto:
de e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir I.  E foi exatamente por causa da temperatura que foi
uns para com os outros em espírito de fraternidade. Todo indiví- construída em Abu Dhabi uma das maiores usinas de energia
duo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Toda a solar do mundo. (1º parágrafo)
pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a con- II. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra por
dições equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção contra mais 100 anos pelo menos. (2º parágrafo)
o desemprego”. III.  Um traçado urbanístico ousado,  que deixa os carros de
fora. (3º parágrafo)
De acordo com a gramática da língua portuguesa, adjetivo é IV. As ruas são bem estreitas para que um prédio faça sombra
a palavra que qualifica um substantivo. Aponte a afirmativa que no outro. (3º parágrafo)
contenha somente adjetivos retirados do texto. O termo “que” é pronome e pode ser substituído por “o qual”
a) livres, iguais, equitativas, satisfatórias. APENAS em
b) todos, dever, fraternidade, liberdade. Parte superior do formulário
c) trabalho, ter, direito, desemprego. a) I e II.
d) espírito, seres, nascer, livre. b) II e III.
c) I, II e IV.

14
LÍNGUA PORTUGUESA

d) I e IV. em desistir por causa de um fracasso. A estes eu digo: antes de


e) III e IV. abandonar a luta, pensem em Takeshi Nojima, pensem na força
de seu sonho. Sonhar não é proibido. É um dever.
06. Pref. de Itaquitinga/PE - Assistente Administrativo – (Moacyr Scliar. Minha mãe não dorme enquanto eu não che-
2017 - IDHTEC gar, 1996. Adaptado)

Morto em 2015, o pai afirma que Jules Bianchi não __________ Observe as passagens:
culpa pelo acidente. Em entrevista, Philippe Bianchi afirma que a – … e agora quer começar uma carreira médica. (2° parágrafo);
verdade nunca vai aparecer, pois os pilotos __________ medo de – … ele tem 80 anos. Isto mesmo, 80. (3° parágrafo);
falar. “Um piloto não vai dizer nada se existir uma câmera, mas – Talvez a expectativa de vida não permita… (4° parágrafo).
quando não existem câmeras, todos __________ até mim e me
dizem. Jules Bianchi bateu com seu carro em um trator duran- As expressões destacadas expressam, respectivamente, sen-
te um GP, aquaplanou e não conseguiu __________para evitar o tido de
choque. a) lugar, modo e causa.
(http://espn.uol.com.br/noticia/603278_pai-diz-que-pilotos- b) tempo, afirmação e dúvida.
-da-f-1-temmedo-de-falar-a-verdade-sobre-o-acidente-fatal-de- c) afirmação, afirmação e dúvida.
-bianchi) d) tempo, modo e afirmação.
e) modo, dúvida e intensidade.
Complete com a sequência de verbos que está no tempo,
modo e pessoa corretos: 08. Ceron/RO - Direito – 2016 - EXATUS
a) Tem – tem – vem - freiar
b) Tem – tiveram – vieram - frear A lição do fogo
c) Teve – tinham – vinham – frenar
d) Teve – tem – veem – freiar 1º Um membro de determinado grupo, ao qual prestava ser-
viços regularmente, sem nenhum aviso, deixou de participar de
e) Teve – têm – vêm – frear
suas atividades.
2º Após algumas semanas, o líder daquele grupo decidiu vi-
07. (UNIFESP - Técnico em Segurança do Trabalho – VU-
sitá-lo. Era uma noite muito fria. O líder encontrou o homem em
NESP/2016)
casa sozinho, sentado diante ______ lareira, onde ardia um fogo
brilhante e acolhedor.
É permitido sonhar
3º Adivinhando a razão da visita, o homem deu as boas-vin-
das ao líder, conduziu-o a uma cadeira perto da lareira e ficou
Os bastidores do vestibular são cheios de histórias – curiosas,
quieto, esperando. O líder acomodou-se confortavelmente no lo-
estranhas, comoventes. O jovem que chega atrasado por alguns cal indicado, mas não disse nada. No silêncio sério que se forma-
segundos, por exemplo, é uma figura clássica, e patética. Mas ra, apenas contemplava a dança das chamas em torno das achas
existem outras figuras capazes de chamar a atenção. da lenha, que ardiam. Ao cabo de alguns minutos, o líder exa-
Takeshi Nojima é um caso. Ele fez vestibular para a Faculda- minou as brasas que se formaram. Cuidadosamente, selecionou
de de Medicina da Universidade do Paraná. Veio do Japão aos 11 uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a ______
anos, trabalhou em várias coisas, e agora quer começar uma car- lado. Voltou, então, a sentar-se, permanecendo silencioso e imó-
reira médica. vel. O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado e quieto. Aos
Nada surpreendente, não fosse a idade do Takeshi: ele tem poucos, a chama da brasa solitária diminuía, até que houve um
80 anos. Isto mesmo, 80. Numa fase em que outros já passaram brilho momentâneo e seu fogo se apagou de vez.
até da aposentadoria compulsória, ele se prepara para iniciar 4º Em pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e luz
nova vida. E o faz tranquilo: “Cuidei de meus pais, cuidei dos meus agora não passava de um negro, frio e morto pedaço de carvão
filhos. Agora posso realizar um sonho que trago da infância”. recoberto _____ uma espessa camada de fuligem acinzentada.
Não faltará quem critique Takeshi Nojima: ele está tirando o Nenhuma palavra tinha sido dita antes desde o protocolar cum-
lugar de jovens, dirá algum darwinista social. Eu ponderaria que primento inicial entre os dois amigos. O líder, antes de se preparar
nem tudo na vida se regula pelo critério cronológico. Há pais que para sair, manipulou novamente o carvão frio e inútil, colocando-
passam muito pouco tempo com os filhos e nem por isso são -o de volta ao meio do fogo. Quase que imediatamente ele tornou
maus pais; o que interessa é a qualidade do tempo, não a quan- a incandescer, alimentado pela luz e calor dos carvões ardentes
tidade. Talvez a expectativa de vida não permita ao vestibulando em torno dele. Quando o líder alcançou a porta para partir, seu
Nojima uma longa carreira na profissão médica. Mas os anos, ou anfitrião disse:
meses, ou mesmo os dias que dedicar a seus pacientes terão em 5º – Obrigado. Por sua visita e pelo belíssimo sermão. Estou
si a carga afetiva de uma existência inteira. voltando ao convívio do grupo.
Não sei se Takeshi Nojima passou no vestibular; a notícia que RANGEL, Alexandre (org.). As mais belas parábolas de todos
li não esclarecia a respeito. Mas ele mesmo disse que isto não te- os tempos –Vol. II.Belo Horizonte: Leitura, 2004.
ria importância: se fosse reprovado, começaria tudo de novo. E aí Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas
de novo ele dá um exemplo. Os resultados do difícil exame trazem do texto:
desilusão para muitos jovens, e não são poucos os que pensam a) a – ao – por.

15
LÍNGUA PORTUGUESA

b) da – para o – de. RESPOSTAS


c) à – no – a. 01 E
d) a – de – em.
02 E
09. IF-PE - Técnico em Enfermagem – 2017 - IF-PE 03 A
04 C
Crônica da cidade do Rio de Janeiro
05 B
No alto da noite do Rio de Janeiro, luminoso, generoso, o 06 E
Cristo Redentor estende os braços. Debaixo desses braços os ne-
tos dos escravos encontram amparo. 07 B
Uma mulher descalça olha o Cristo, lá de baixo, e apontando 08 B
seu fulgor, diz, muito tristemente: 09 B
- Daqui a pouco não estará mais aí. Ouvi dizer que vão tirar
Ele daí. 10 C
- Não se preocupe – tranquiliza uma vizinha. – Não se preo-
cupe: Ele volta.
A polícia mata muitos, e mais ainda mata a economia. Na ORTOGRAFIA
cidade violenta soam tiros e também tambores: os atabaques,
ansiosos de consolo e de vingança, chamam os deuses africanos.
Cristo sozinho não basta.
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM ORTOGRAFIA
Pocket, 2009.)
A Ortografia estuda a forma correta de escrita das palavras
de uma língua. Do grego “ortho”, que quer dizer correto e “grafo”,
Na construção “A polícia mata muitos, e mais ainda mata
por sua vez, que significa escrita.
a economia”, a conjunção em destaque estabelece, entre as É influenciada pela etimologia e fonologia das palavras. Além
orações,  disso, são feitas convenções entre os falantes de uma mesma lín-
Parte superior do formulário gua que visam unificar a sua ortografia oficial. Trata-se dos acor-
a) uma relação de adição. dos ortográficos.
b) uma relação de oposição. 
c) uma relação de conclusão.  Alfabeto
d) uma relação de explicação. O alfabeto é formado por 26 letras
e) uma relação de consequência. Vogais: a, e, i, o, u, y, w.
Parte inferior do formulário Consoantes: b,c,d,f,g,h,j,k,l,m,n,p,q,r,s,t,v,w,x,z.
Alfabeto: a,b,c,d,e,f,g,h,i,j,k,l,m,n,o,p,q,r,s,t,u,v,w,x,y,z.
10. (IF-PE - Auxiliar em Administração – IF-PE/2016)
Regras Ortográficas
A fome/2
Uso do x/ch
Um sistema de desvinculo: Boi sozinho se lambe melhor... O
próximo, o outro, não é seu irmão, nem seu amante. O outro é O x é utilizado:
um competidor, um inimigo, um obstáculo a ser vencido ou uma - Em geral, depois dos ditongos: caixa, feixe.
coisa a ser usada. O sistema, que não dá de comer, tampouco dá - Depois da sílaba -me: mexer, mexido, mexicano.
de amar: condena muitos à fome de pão e muitos mais à fome de - Palavras com origem indígena ou africana: xavante, xingar.
abraços. - Depois da sílaba inicial -en: enxofre, enxada.
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM - Exceção: O verbo encher (e palavras derivadas) escreve-se
Pocket, 2009, p. 81.) com ch.

No trecho “O sistema, que não dá de comer, tampouco dá Escreve-se com x Escreve-se com ch
de amar”, a conjunção destacada estabelece, entre as orações, a bexiga bochecha
relação de
a) conclusão. bruxa boliche
b) adversidade. caxumba broche
c) adição.
elixir cachaça
d) explicação.
e) alternância. faxina chuchu
graxa colcha
lagartixa fachada

16
LÍNGUA PORTUGUESA

Uso do h Parônimos e Homônimos

O h é utilizado: Há diferentes formas de escrita que existem, mas cujo signi-


- No final de interjeições: Ah!, Oh! ficado é diferente.
- Por etimologia: hoje, homem.
- Nos dígrafos ch, lh, nh: tocha, carvalho, manhã. Palavras parônimas são parecidas na grafia ou na pronúncia,
- Palavras compostas: sobre-humano, super-homem. mas têm significados diferentes.
- Exceção: Bahia quando se refere ao estado. O acidente geo-
gráfico baía é escrito sem h. Exemplos:

Uso do s/z cavaleiro (de cavalos) cavalheiro (educado)


O s é utilizado: descrição (descrever) discrição (de discreto)
- Adjetivos terminados pelos sufixos -oso/-osa que indicam emigrar (deixar o país) imigrar (entrar no país)
grande quantidade, estado ou circunstância: maudoso, feiosa.
- Nos sufixo -ês, -esa, -isa que indicam origem, título ou pro- Palavras homônimas têm a mesma pronúncia, mas significa-
fissão: marquês, portuguesa, poetisa. dos diferentes.
- Depois de ditongos: coisa, pousa. Exemplos:
- Na conjugação dos verbos pôr e querer: pôs, quiseram.

O z é utilizado: cela (cômodo pequeno) sela (de cavalos)


ruço (pardo claro) russo (da Rússia)
- Nos sufixos -ez/-eza que formam substantivos a partir de tachar (censurar) taxar (fixar taxa)
adjetivos: magro - magreza, belo - beleza, grande - grandeza.
- No sufixo - izar, que forma verbo: atualizar, batizar, hospi- Consoantes dobradas
talizar.
- Só se duplicam as consoantes C, R, S.
Escreve-se com s Escreve-se com z - Escreve-se com CC ou CÇ quando as duas consoantes soam
Alisar amizade distintamente: convicção, cocção, fricção, facção, etc.
- Duplicam-se o R e o S em dois casos: Quando, intervocáli-
atrás azar cos, representam os fonemas /r/ forte e /s/ sibilante, respectiva-
através azia mente: carro, ferro, pêssego, missão, etc. Quando há um elemen-
to de composição terminado em vogal a seguir, sem interposição
gás giz
do hífen, palavra começada com /r/ ou /s/: arroxeado, correlação,
groselha prazer pressupor, etc.
invés rodízio
Uso do hífen
Uso do g/j
Desde a entrada em vigor do atual acordo ortográfico, a escri-
O g é utilizado: ta de palavras com hífen e sem hífen tem sido motivo de dúvidas
- Palavras que terminem em -ágio, -égio, -ígio, -ógio, -úgio: para diversos falantes.
pedágio, relógio, refúgio.
- Substantivos que terminem em -gem: lavagem, viagem. Palavras com hífen:
segunda-feira (e não segunda feira);
O j é utilizado: bem-vindo (e não benvindo);
- Palavras com origem indígena: pajé, canjica. mal-humorado (e não mal humorado);
- Palavras com origem africana: jiló, jagunço. micro-ondas (e não microondas);
bem-te-vi (e não bem te vi).
Escreve-se com g Escreve-se com j Palavras sem hífen:
estrangeiro berinjela dia a dia (e não dia-a-dia);
fim de semana (e não fim-de-semana);
gengibre cafajeste
à toa (e não à-toa);
geringonça gorjeta autoestima (e não auto-estima);
gíria jiboia antirrugas (e não anti-rugas).
ligeiro jiló
tangerina sarjeta

17
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES Considerando a ortografia e a acentuação da norma-padrão


da língua portuguesa, as lacunas estão, correta e respectivamen-
01. SEAP-MG - Agente de Segurança Penitenciário – 2018 - te, preenchidas por:
IBFC A) mal ... por que ... intuíto
B) mau ... por que ... intuito
A ortografia estuda a forma correta da escrita das palavras C) mau ... porque ... intuíto
de uma determinada língua, no caso a Língua Portuguesa. É in- D) mal ... porque ... intuito
fluenciada pela etimologia e fonologia das palavras, assim sendo E) mal ... por quê ... intuito
observe com atenção o texto. Agente Penitenciário, Agente Pri-
sional, Agente de Segurança Penitenciário ou Agente Estadual/ 04. PBH Ativos S.A. - Analista Jurídico – 2018 – IBGP
Federal de Execução Penal. Entre suas atribuições estão: manter Assinale a alternativa em que todas as palavras estão grafa-
a ordem, diciplina, custódia e vigilância no interior das unidades das conforme as regras do Novo Acordo Ortográfico relativas à
sistematização do emprego de hífen ou de acentuação.
prisionais, assim como no âmbito externo das unidades, como
A) Vôo, dêem, paranóico, assembléia, feiúra, vêem, baiúca.
escolta armada para audiências judiciais, transferência de presos
B) Interresistente, superrevista, manda-chuva, paraquedas.
etc. Desempenham serviços de natureza policial como aprensões
C) Antirreligioso, extraescolar, infrassom, coautor, antiaéreo.
de ilícitos, revistas pessoais em detentos e visitantes, revista em D) Préhistória, autobservação, infraxilar, suprauricular, inábil.
veículos que adentram as unidades prisionais, controle de rebe-
liões e ronda externa na área do perímetro de segurança ao redor 05. MPE-GO - Auxiliar Administrativo – 2018 – MPE-GO
da unidade prisional. Garantem a segurança no trabalho de resso- Assinale a opção que completa corretamente as lacunas do
sialização dos internos promovido pelos pisicólogos, pedagogos e período abaixo.
assistentes sociais. Estão subordinados às Secretarias de Estado
de Administração Penitenciária - SEAP, secretarias de justiças ou Agora que há uma câmera de ________. isto provavelmente
defesa social, dependendo da nomenclatura adotada em cada Es- não _____acontecerá, mas _____vezes em que, no meio de uma
tado. noite __________, o poeta levantava de seu banco [...]
Fonte: Wikipedia – *com alterações
ortográficas. A) investigassâo mas ouve chuvosa
B) investigassâo mais houve chuvoza
Assinale a alternativa que apresenta todas as palavras, retira- C) investigação mais houve chuvosa
das do texto, com equívocos em sua ortografia. D) investigação mas houve chuvosa
A) atribuições; diciplina; audiências; desempenham. E) investigação mais ouve chuvoza
B) diciplina; aprensões; ressosialização; pisicólogos.
C) audiências; ilícitos; atribuições; desempenham. RESPOSTAS
D) perímetro; diciplina; desempenham; ilícitos. 01 B
E) aprensões; ressosialização; desempenham; audiências.
02 E
02. ELETTROBRAS – LEITURISTA – 2015 – IADES 03 D
Considerando as regras de ortografia, assinale a alternativa
04 C
em que a palavra está grafada corretamente.
A) Dimencionar. 05 C
B) Assosciação.
C) Capassitores.
ACENTUAÇÃO
D) Xoque.
E) Conversão.

03. MPE SP – ANALISTA DE PROMOTORIA – 2015 - VUNESP ACENTUAÇÃO

A acentuação gráfica é feita através de sinais diacríticos que,


sobrepostos às vogais, indicam a pronúncia correta das palavras
no que respeita à sílaba tônica e no que respeita à modulação
aberta ou fechada das vogais.
Esses são elementos essenciais para estabelecer organizada-
mente, por meio de regras, a intensidade das palavras das sílabas
portuguesas.

Acentuação tônica

Refere-se à intensidade em que são pronunciadas as sílabas


das palavras. Aquela que é pronunciada de forma mais acentuada
(Dik Brownie, Hagar. www.folha.uol.com.br, 29.03.2015. é a sílaba tônica. As demais, pronunciadas com menos intensida-
Adaptado) de, são denominadas de átonas.

18
LÍNGUA PORTUGUESA

De acordo com a posição da sílaba tônica, os vocábulos com vôo voo


mais de uma sílaba classificam-se em:
Oxítonos: quando a sílaba tônica é a última: café, rapaz, es-
critor, maracujá. - Vogais “i” e “u” dos hiatos se vierem precedidas de vogal
Paroxítonos: quando a sílaba tônica é a penúltima: mesa, lá- idêntica, não tem mais acento: (xi-i-ta, pa-ra-cu-u-ba).
pis, montanha, imensidade. - Haverá o acento em palavra proparoxítona, pois a regra de
Proparoxítonos: quando a sílaba tônica é a antepenúltima: acentuação das proparoxítonas prevalece sobre a dos hiatos: (se-
árvore, quilômetro, México. -ri-ís-si-mo)
- Não há mais acento nas formas verbais que possuíam o
Acentuação gráfica acento tônico na raiz com “u” tônico precedido de “g” ou “q” e
seguido de “e” ou “i”.
- Proparoxítonas: todas acentuadas (místico, jurídico, bélico).
- Palavras oxítonas: oxítonas terminadas em “a”, “e”, “o”, Antes agora
“em”, seguidas ou não do plural (s): (Paraná – fé – jiló (s)).
- Também acentuamos nos casos abaixo: averigúe (averiguar) averigue
- Monossílabos tônicos terminados em “a”, “e”, “o”, seguidos argúi (arguir) argui
ou não de “s”: (pá – pé – dó)
- Formas verbais terminadas em “a”, “e”, “o” tônicos seguidas - 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos ter
de lo, la, los, las: (recebê-lo – compô-lo) e vir e dos seus compostos (conter, reter, advir, convir etc.) tem
- Paroxítonas: Acentuam-se as palavras paroxítonas termi- acento.
nadas em: i, is (táxi – júri), us, um, uns (vírus, fórum), l, n, r, x, ps
(cadáver – tórax – fórceps), ã, ãs, ão, ãos (ímã – órgãos).
- Ditongo oral, crescente ou decrescente, seguido ou não de Singular plural
“s”: (mágoa – jóquei) ele tem eles têm
ele vem eles vêm
Regras especiais:
ele obtém eles obtêm
- Ditongos de pronúncia aberta “ei”, “oi”, perderam o acento
com o Novo Acordo. → Palavras homógrafas para diferenciá-las de outras seme-
lhantes não se usa mais acento. Apenas em algumas exceções,
como:
Antes agora
A forma verbal pôde (3ª pessoa do singular - pretérito perfei-
Assembléia Assembleia to do indicativo) ainda é acentuada para diferenciar-se de pode
Idéia Ideia (3ª pessoa do singular - presente do indicativo). Também o verbo
pôr para diferenciá-lo da preposição por.
Geléia Geleia
Jibóia Jiboia Alguns homógrafos:
Apóia (verbo) Apoia pera (substantivo) - pera (preposição antiga)
para (verbo) - para (preposição)
Paranóico Paranoico pelo(s) (substantivo) - pelo (do verbo pelar)
- “i” e “u” tônicos formarem hiato com a vogal anterior, acom- Atenção, pois palavras derivadas de advérbios ou adjetivos
panhados ou não de “s”, desde que não sejam seguidos por “-nh”, não são acentuadas
haverá acento: (saída – baú – país).
Exemplos:
- Não serão mais acentuados “i” e “u” tônicos formando hiato Facilmente - de fácil
quando vierem depois de ditongo: Habilmente - de hábil
Ingenuamente – de ingênuo
Antes agora Somente - de só
Bocaiúva Bocaiuva Unicamente - de único
Dinamicamente - de dinâmico
Feiúra Feiura Espontaneamente - de espontâneo
Sauípe Sauipe
Uso da Crase
- Acento pertencente aos hiatos “oo” e “ee” foi abolido.
- É usada na contração da preposição a com as formas femi-
ninas do artigo ou pronome demonstrativo a: à (de a + a), às (de
Antes agora a + as).
crêem creem

19
LÍNGUA PORTUGUESA

- A crase é usada também na contração da preposição “a” “As palavras ‘módulos’ e ‘última’, presentes no texto,
com os pronomes demonstrativos: são ____________ acentuadas por serem ____________ e
àquele(s) ____________, respectivamente”.
àquela(s) As palavras que preenchem correta e respectivamente as la-
àquilo cunas do enunciado acima são:
àqueloutro(s) A) diferentemente / proparoxítona / paroxítona
àqueloutra (s) B) igualmente / paroxítona / paroxítona
C) igualmente / proparoxítona / proparoxítona
Uso do Trema D) diferentemente / paroxítona / oxítona

- Só é utilizado nas palavras derivadas de nomes próprios. 02. Pref. De Caucaia/CE – Agente de Suporte e Fiscalização
Müller – de mülleriano - 2017 - CETREDE
Indique a alternativa em que todas as palavras devem receber
QUESTÕES acento.
A) virus, torax, ma.
01. Pref. Natal/RN - Agente Administrativo – 2016 - CKM B) caju, paleto, miosotis .
Serviço C) refem, rainha, orgão.
Mostra O Triunfo da Cor traz grandes nomes do pósimpres- D) papeis, ideia, latex.
sionismo para SP Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil A ex- E) lotus, juiz, virus.
posição O Triunfo da Cor traz grandes nomes da arte moderna
para o Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo. São 75 obras 03. MPE/SC – Promotor de Justiça- 2017 - MPE/SC
de 32 artistas do final do século 19 e início do 20, entre eles ex- “Desde as primeiras viagens ao Atlântico Sul, os navegadores
poentes como Van Gogh, Gauguin, Toulouse-Lautrec, Cézanne, europeus reconheceram a importância dos portos de São Francis-
Seurat e Matisse. Os trabalhos fazem parte dos acervos do Musée co, Ilha de Santa Catarina e Laguna, para as “estações da aguada”
d’Orsay e do Musée de l’Orangerie, ambos de Paris. de suas embarcações. À época, os navios eram impulsionados a
A mostra foi dividida em quatro módulos que apresentam os vela, com pequeno calado e autonomia de navegação limitada. As-
pintores que sucederam o movimento impressionista e recebe- sim, esses portos eram de grande importância, especialmente para
ram do crítico inglês Roger Fry a designação de pósimpressionis- os navegadores que se dirigiam para o Rio da Prata ou para o Pací-
tas. Na primeira parte, chamada de A Cor Cientifica, podem ser fico, através do Estreito de Magalhães.”
vistas pinturas que se inspiraram nas pesquisas científicas de Mi- (Adaptado de SANTOS, Sílvio Coelho dos. Nova História de San-
chel Eugene Chevreul sobre a construção de imagens com pontos. ta Catarina. Florianópolis: edição do Autor, 1977, p. 43.)
Os estudos desenvolvidos por Paul Gauguin e Émile Bernard
marcam a segunda parte da exposição, chamada de Núcleo Mis- No texto acima aparecem as palavras Atlântico, época, Pacífi-
terioso do Pensamento. Entre as obras que compõe esse conjunto co, acentuadas graficamente por serem proparoxítonas.
está o quadro Marinha com Vaca, em que o animal é visto em um ( ) Certo ( ) Errado
fundo de uma passagem com penhascos que formam um precipí-
cio estreito. As formas são simplificadas, em um contorno grosso 04. Pref. De Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL
e escuro, e as cores refletem a leitura e impressões do artista so- Analise atentamente a presença ou a ausência de acento gráfi-
bre a cena. co nas palavras abaixo e indique a alternativa em que não há erro:
O Autorretrato Octogonal, de Édouard Vuillard, é uma das A) ruím - termômetro - táxi – talvez.
pinturas de destaque do terceiro momento da exposição. Intitu- B) flôres - econômia - biquíni - globo.
lada Os Nabis, Profetas de Uma Nova Arte, essa parte da mos- C) bambu - através - sozinho - juiz
tra também reúne obras de Félix Vallotton e Aristide Maillol. No D) econômico - gíz - juízes - cajú.
autorretrato, Vuillard define o rosto a partir apenas da aplicação E) portuguêses - princesa - faísca.
de camadas de cores sobrepostas, simplificando os traços, mas
criando uma imagem de forte expressão. 05. INSTITUTO CIDADES – Assistente Administrativo VII –
O Mulheres do Taiti, de Paul Gauguin, é um dos quadros da 2017 - CONFERE
última parte da mostra, chamada de A Cor em Liberalidade, que Marque a opção em que as duas palavras são acentuadas por
tem como marca justamente a inspiração que artistas como Gau- obedecerem à regras distintas:
guin e Paul Cézanne buscaram na natureza tropical. A pintura é A) Catástrofes – climáticas.
um dos primeiros trabalhos de Gauguin desenvolvidos na primei- B) Combustíveis – fósseis.
ra temporada que o artista passou na ilha do Pacífico, onde duas C) Está – país.
mulheres aparecem sentadas a um fundo verde-esmeralda, que D) Difícil – nível.
lembra o oceano.
A exposição vai até o dia 7 de julho, com entrada franca. 06. IF-BA - Administrador – 2016 - FUNRIO
http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2016-05/ Assinale a única alternativa que mostra uma frase escrita intei-
mostra-otriunfo-da-cor-traz-grandes-nomes-do-pos-impressio- ramente de acordo com as regras de acentuação gráfica vigentes.
nismo-para-sp Acesso em: 29/05/2016. A) Nas aulas de Ciências, construí uma mentalidade ecológica
responsável.

20
LÍNGUA PORTUGUESA

B) Nas aulas de Inglês, conheci um pouco da gramática e da - separar o adjunto adverbial antecipado ou intercalado: Al-
cultura inglêsa. gumas pessoas, muitas vezes, são falsas.
C) Nas aulas de Sociologia, gostei das idéias evolucionistas e - separar elementos de uma enumeração: Vendem-se pães,
de estudar ética. tortas e sonho.
D) Nas aulas de Artes, estudei a cultura indígena, o barrôco e - separar conjunções intercaladas: Mário, entretanto, nunca
o expressionismo mais deu notícias.
E) Nas aulas de Educação Física, eu fazia exercícios para glu- - isolar o nome de lugar na indicação de datas: Londrina, 25
teos, adutores e tendões. de Setembro de 2017.
- marcar a omissão de um termo (normalmente o verbo): Ele
RESPOSTAS prefere dormir, eu me exercitar. (omissão do verbo preferir)
01 C
Ponto-e-Vírgula ( ; )
02 A Usamos para:
03 CERTO - separar os itens de uma lei, de um decreto, de uma petição,
de uma sequência, etc.:
04 C Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas for-
05 C mais e não formais, como direito de cada um, observados:
I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e asso-
06 A
ciações, quanto a sua organização e funcionamento;
II - a destinação de recursos públicos para a promoção prio-
ritária do desporto educacional e, em casos específicos, para a do
PONTUAÇÃO desporto de alto rendimento;
III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional e
o não profissional;
IV - a proteção e o incentivo às manifestações desportivas de
PONTUAÇÃO
criação nacional.
- separar orações coordenadas muito extensas ou orações
Pontuação são sinais gráficos empregados na língua escrita
coordenadas nas quais já tenham sido utilizado a vírgula.
para demonstrar recursos específicos da língua falada, como: en-
tonação, silêncio, pausas, etc. Tais sinais têm papéis variados no
Dois-Pontos ( : )
texto escrito e, se utilizados corretamente, facilitam a compreen-
Usamos para:
são e entendimento do texto.
- iniciar a fala dos personagens: O pai disse: Conte-me a ver-
dade, meu filho.
Ponto ( . )
- antes de apostos ou orações apositivas, enumerações ou
Usamos para:
sequência de palavras que explicam, resumem ideias anteriores:
- indicar o final de uma frase declarativa: não irei ao shopping
Comprei alguns itens: arroz, feijão e carne.
hoje.
- antes de citação: Como dizia minha mãe: “Você não é todo
- separar períodos entre si: Fecha a porta. Abre a janela.
mundo.”
- abreviaturas: Av.; V. Ex.ª
Ponto de Interrogação ( ? )
Vírgula ( , )
Usamos para:
Usamos para:
- perguntas diretas: Onde você mora?
- marcar pausa do enunciado a fim de indicar que os termos
- em alguns casos, junto com o ponto de exclamação: Quem
separados, apesar de serem da mesma frase ou oração, não for-
você ama? Você. Eu?!
mam uma unidade sintática: Maria, sempre muito simpática, ace-
nou para seus amigos.
Ponto de Exclamação ( ! )
Usamos:
Não se separam por vírgula:
- Após vocativo: Volte, João!
- predicado de sujeito;
- Após imperativo: Aprenda!
- objeto de verbo;
- Após interjeição: Psiu! Eba!
- adjunto adnominal de nome;
- Após palavras ou frases que tenham caráter emocional:
- complemento nominal de nome;
Poxa!
- predicativo do objeto;
- oração principal da subordinada substantiva (desde que
Reticências ( ... )
esta não seja apositiva nem apareça na ordem inversa).
Usamos para:
- indicar dúvidas ou hesitação do falante: Olha...não sei se
A vírgula também é utilizada para:
devo... melhor não falar.
- separar o vocativo: João, conte a novidade.
- interrupção de uma frase deixada gramaticalmente incom-
- separar alguns apostos: Célia, muito prendada, preparou a
pleta: Você queria muito este jogo novo? Bom, não sei se você
refeição.
merece...

21
LÍNGUA PORTUGUESA

- indicar supressão de palavra(s) numa frase transcrita: Quan- Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inver-
do ela começou a falar, não parou mais... terminou uma hora de- no, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente,
pois. e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.
     Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as
Aspas ( “  ” ) árvores cobertas de folhas, - e só os poetas, entre os humanos,
Usamos para: sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos
- isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta: bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem
gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos, arcaísmos e ex- dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
pressões populares. Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se
- indicar uma citação textual. esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua
perpetuação.
Parênteses ( () ) Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez,
Usamos para: os homens terão a primavera que desejarem, no momento em
- isolar palavras, frases intercaladas de caráter explicativo e que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste
datas: No dia do seu nascimento (08/08/984) foi o dia mais quen- movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos
te do ano. e outros hábitos, - e os ouvidos que por acaso os ouvirem não te-
- podem substituir a vírgula ou o travessão. rão nada mais com tudo aquilo que, outrora, se entendeu e amou.
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos
Travessão (__ ) atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos
Usamos para: para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores,
- dar início à fala de um personagem: Filó perguntou: __Ma- caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus senti-
ria, como faz esse doce? mentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás ro-
- indicar mudança do interlocutor nos diálogos. __Mãe, você xos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada
me busca? __Não se preocupe, chegarei logo. coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias
ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agres-
- Também pode ser usado em substituição à virgula, em ex-
tes acordam com suas roupas de chita multicor.
pressões ou frases explicativas: Pelé – o rei do futebol – está mui-
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lança-
to doente.
do ao vento, - por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na
rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida - e
Colchetes ( [] )
efêmera.
Usamos para:
(MEIRELES, Cecília. “Cecília Meireles - Obra em Prosa?
- linguagem científica.
Vol. 1. Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1998, p. 366.)
Asterisco ( * ) “...e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda
Usamos para: circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a
- chamar a atenção do leitor para alguma nota (observação). primavera que chega” (1º §)
QUESTÕES No fragmento acima, as vírgulas foram empregadas para:
A) marcar termo adverbial intercalado.
01. CLIN – Auxiliar de Enfermagem do Trabalho – 2015 - CO- B) isolar oração adjetiva explicativa.
SEAC C) enfatizar o termo sujeito em relação ao predicado.
D) separar termo em função de aposto.
Primavera
02. PC – CE - Escrivão da Policia Civil de 1ª classe – 2015 –
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu VUNESP
nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para re- Assinale a alternativa correta quanto ao uso da vírgula, consi-
cebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os derando-se a norma-padrão da língua portuguesa.
habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam A) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar, que
pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a prima- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo de-
vera que chega. morado.
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da ter- B) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar que
ra, nesse mundo confidencial das raízes, - e arautos sutis acorda- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
rão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das morado
flores. C) Os amigos, apesar de terem esquecido, de nos avisar que
Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão to- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
dos cor-de-rosa, como os palácios de Jaipur. Vozes novas de pas- morado.
sarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. D) Os amigos apesar de terem esquecido de nos avisar que,
Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, demoraria tanto, informaram-nos, de que a gravidez era algo de-
- e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende. morado.

22
LÍNGUA PORTUGUESA

E) Os amigos, apesar de, terem esquecido de nos avisar que C) Ao colocarmos apenas um verbo, corrigiremos a frase II.
demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo de- D) Apenas a frase I apresenta problema de ambiguidade.
morado. E) Uma preposição resolveria o problema da frase II.

03. IPC - ES - Procurador Previdenciário I 2018 - IDECAN RESPOSTAS


01 D
02 B
03 A
04 A
05 A

CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL

CONCORDÂNCIA NOMINAL VERBAL

Segundo Mattoso câmara Jr., dá-se o nome de concordância à


circunstância de um adjetivo variar em gênero e número de acor-
do com o substantivo a que se refere (concordância nominal) e
à de um verbo variar em número e pessoa de acordo com o seu
sujeito (concordância verbal). Entretanto, há casos em que exis-
tem dúvidas.

Concordância Nominal
Em “Júnior, hoje jantaremos fora!”, a presença da vírgula é
obrigatória porque serve para: O adjetivo e palavras adjetivas (artigo, numeral, pronome ad-
A) Isolar o vocativo. jetivo) concordam em gênero e número com o nome a que se
B) Isolar o adjunto adverbial deslocado. referem.
C) Separar orações coordenadas.
D) Intercalar expressões explicativas. Adjetivos e um substantivo: Quando houver mais de um ad-
jetivo para um substantivo, os adjetivos concordam em gênero e
04. - IF-MT - Direito – 2018 - IF-MT número com o substantivo.
O uso adequado da pontuação é fundamental para o bom
entendimento do texto. Nos casos abaixo, a vírgula está usada de Amava suco gelado e doce.
forma inadequada em:
A) Todos os cidadãos brasileiros, são iguais perante a lei, con- Substantivos e um adjetivo: Quando há mais do que um
forme a Constituição Federal. substantivo e apenas um adjetivo, há duas formas de concordar:
B) Além disso, à noite, fazer caminhada até a minha casa é
inseguro. - Quando o adjetivo vem antes dos substantivos, o adjetivo
C) Agora, em relação à tecnologia, os jovens dispõem de uma deve concordar com o substantivo mais próximo.
série de comodidades, salientou o pesquisador.
D) “Eu sei, mas não devia” (Marina Colasanti). Lindo pai e filho.
E) Ainda havia muito a se deliberar, todavia, considerando o
horário avançado, a reunião foi encerrada. - Quando o adjetivo vem depois dos substantivos, o adjetivo
deve concordar com o substantivo mais próximo ou também com
05. EMATERCE - Agente de ATER - Ciências Contábeis – 2018 todos os substantivos.
– CETREDE
Analise as duas frases a seguir em relação à ambiguidade. Comida e bebida perfeita.
I. Karla comeu um doce e sua irmã também. Comida e bebida perfeitas.
II. Mataram a vaca da sua tia.
- Palavras adverbiais x palavras adjetivas: há palavras que
Marque a opção CORRETA. têm função de advérbio, mas às vezes de adjetivo.
A) O problema da frase I pode ser corrigido com uma vírgula. Quando advérbio, são invariáveis: Há bastante comida.
B) As duas frases podem ser corrigidas com o uso de prono- Quando adjetivo, concordam com o nome a que se referem:
me. Há bastantes motivos para não gostar dele.

23
LÍNGUA PORTUGUESA

Fazem parte desta classificação: pouco, muito, bastante, ba- Precisa-se de vendedor.
rato, caro, meio, longe, etc. Precisa-se de vendedores.

- Expressões “anexo” e “obrigado”: tratam-se de palavras ad- - Concordância verbal com a maioria, a maior parte, a meta-
jetivas, e devem concordar com o nome a que se referem. de,...: o verbo fica conjugado na 3.ª pessoa do singular. Porém, já
se considera aceitável o uso da 3.ª pessoa do plural:
Seguem anexas as avaliações.
Seguem anexos os conteúdos. A maioria dos meninos vai…
Muito obrigado, disse ele. A maior parte dos meninos vai…
Muito obrigada, disse ela. A maioria dos meninos vão…
A maior parte dos meninos vão…
Sob a mesma regra, temos palavras como: incluso, quite, leso,
mesmo e próprio. - Concordância verbal com pronome relativo que: o verbo
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo que:
Concordância Verbal
Fui eu que contei o segredo.
A concordância verbal ocorre quando o verbo de flexiona Foi ele que contou o segredo.
para concordar com o sujeito gramatical. Essa flexão verbal é feita Fomos nós que contamos o segredo.
em número (singular ou plural) e em pessoa (1.ª, 2.ª ou 3.ª pes-
soa). - Concordância verbal com pronome relativo quem: o verbo
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo quem
Sujeito composto antes do verbo: O sujeito é composto e ou fica conjugado na 3.ª pessoa do singular:
vem antes do verbo que deve estar sempre no plural.
Fui eu quem contei o segredo.
João e Paulo conversaram pelo telefone.
Fomos nós quem contamos o segredo
Fui eu quem contou o segredo.
Sujeito composto depois do verbo: O sujeito composto vem
Fomos nós quem contou o segredo.
depois do verbo, tanto pode ficar no plural como pode concordar
com o sujeito mais próximo.
- Concordância verbal com o infinitivo pessoal: o infinitivo é
flexionado, principalmente, quer definir o sujeito e o sujeito da
Brincaram Pedro e Vítor.
segunda oração é diferente da primeira:
Brincou Pedro e Vítor.

Sujeito formado por pessoas gramaticais diferentes: O su- Eu pedi para eles fazerem a tarefa.
jeito é composto, mas as pessoas gramaticais são diferentes. O
verbo também deve ficar no plural e concordará com a pessoa - Concordância verbal com o infinitivo impessoal: o infinitivo
que, a nível gramatical, tem prioridade. não é flexionado em locuções verbais e em verbos preposiciona-
1.ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2.ª (tu, vós) dos:
e a 2.ª tem prioridade em relação à 3.ª (ele, eles).
Foram impedidos de entender a razão.
Nós, vós e eles vamos à igreja.
- Concordância verbal com o verbo ser: a concordância em
Casos específicos de concordância verbal número é estabelecida com o predicativo do sujeito:

- Concordância verbal com verbos impessoais: como não Isto é verdade!


apresentam sujeito, são conjugados sempre na 3.ª pessoa do sin- Isto são verdades!
gular:
Faz cinco anos que eu te conheci. (verbo fazer indicando tem- - Concordância verbal com um dos que: o verbo fica sempre
po decorrido) na 3.ª pessoa do plural:

- Concordância verbal com a partícula apassivadora se: o ob- Um dos que foram…
jeto direto assume a função de sujeito paciente, e o verbo estabe- Um dos que podem…
lece concordância em número com o objeto direto:
QUESTÕES
Vende-se ovo.
Vendem-se ovos. 01. Pref. de Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL
A alternativa que está coerente com as regras da concordân-
- Concordância verbal com a partícula de indeterminação do cia nominal é:
sujeito se: Quando atua como indeterminadora do sujeito, o ver- A) Ternos marrons-claros.
bo fica sempre conjugado na 3.ª pessoa do singular: B) Tratados lusos-brasileiros.

24
LÍNGUA PORTUGUESA

C) Aulas teórico-práticas. Segundo a entidade, havia, em outubro, 59 milhões de con-


D) Sapatos azul-marinhos. sumidores impedidos de obter novos créditos por não estarem
E) Camisas verdes-escuras. em dia com suas obrigações. Trata-se de alta de 1,8 milhão em
dois meses.
02. SAAEB – Engenheiro de Segurança do Trabalho – 2016 Causa consternação conhecer a principal razão citada pelos
- FAFIPA consumidores para deixar de pagar as dívidas: a perda de empre-
Indique a alternativa que NÃO apresenta erro de concordân- go, que tem forte correlação com a capacidade de pagamento das
cia nominal. famílias.
A) O acontecimento derrubou a bolsa brasileira, argentina e Até há pouco, as empresas evitavam demitir, pois tendem a
a espanhola. perder investimentos em treinamento e incorrer em custos traba-
B) Naquele lugar ainda vivia uma pseuda-aristocracia. lhistas. Dado o colapso da atividade econômica, porém, jogaram
C) Como não tinham outra companhia, os irmãos viajaram só. a toalha.
D) Simpáticos malabaristas e dançarinos animavam a festa. O impacto negativo da disponibilidade de crédito é imediato.
O indivíduo não só perde a capacidade de pagamento mas tam-
03. CISMEPAR/PR – Advogado – 2016 - FAUEL bém enfrenta grande dificuldade para obter novos recursos, pois
A respeito de concordância verbal e nominal, assinale a al- não possui carteira de trabalho assinada.
ternativa cuja frase NÃO realiza a concordância de acordo com a Tem-se aí outro aspecto perverso da recessão, que se soma
norma padrão da Língua Portuguesa: às muitas evidências de reversão de padrões positivos da última
década – o aumento da informalidade, o retorno de jovens ao
A) Meias verdades são como mentiras inteiras: uma pessoa mercado de trabalho e a alta do desemprego.
meia honesta é pior que uma mentirosa inteira. (Folha de S.Paulo, 08.12.2015. Adaptado)
B) Sonhar, plantar e colher: eis o segredo para alcançar seus
objetivos. Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal.
C) Para o sucesso, não há outro caminho: quanto mais distan- A) A mudança de direção da economia fazem com que se al-
te o alvo, maior a dedicação.
tere o tamanho das jornadas de trabalho, por exemplo.
D) Não é com apenas uma tentativa que se alcança o que se
B) Existe indivíduos que, sem carteira de trabalho assinada,
quer.
enfrentam grande dificuldade para obter novos recursos.
C) Os investimentos realizados e os custos trabalhistas fize-
04. TRF – 3ª Região – Analista Judiciário-Área Administrativa
ram com que muitas empresas optassem por manter seus fun-
– 2017 - FCC
cionários.
A respeito da concordância verbal, é correto afirmar:
D) São as dívidas que faz com que grande número dos consu-
A) Em “A aquisição de novas obras devem trazer benefícios
a todos os frequentadores”, a concordância está correta por se midores não estejam em dia com suas obrigações.
tratar de expressão partitiva. E) Dados recentes da Associação Nacional dos Birôs de Crédi-
B) Em “Existe atualmente, no Brasil, cerca de 60 museus”, to mostra que 59 milhões de consumidores não pode obter novos
a concordância está correta, uma vez que o núcleo do sujeito é créditos.
“cerca”.
C) Na frase “Hão de se garantir as condições necessárias à 06. COPEL – Contador Júnior - 2017 - NC-UFPR
conservação das obras de arte”, o verbo “haver” deveria estar no Assinale a alternativa em que os verbos sublinhados estão
singular, uma vez que é impessoal. corretamente flexionados quanto à concordância verbal
D) Em “Acredita-se que 25% da população frequentem am- A) A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou recente-
bientes culturais”, a concordância está correta, uma vez que a mente a nova edição do relatório Smoke-free movies (Filmes sem
porcentagem é o núcleo do segmento nominal. cigarro), em que recomenda que os filmes que exibem imagens
E) Na frase “A maioria das pessoas não frequentam o museu”, de pessoas fumando deveria receber classificação indicativa para
o verbo encontra-se no plural por concordar com “pessoas”, ainda adultos.
que pudesse, no singular, concordar com “maioria”. B) Pesquisas mostram que os filmes produzidos em seis paí-
ses europeus, que alcançaram bilheterias elevadas (incluindo ale-
05. MPE-SP – Oficial de Promotoria I – 2016 - VUNESP mães, ingleses e italianos), continha cenas de pessoas fumando
em filmes classificados para menores de 18 anos.
Fora do jogo C) Para ela, a indústria do tabaco está usando a “telona”
como uma espécie de última fronteira para anúncios, mensagens
Quando a economia muda de direção, há variáveis que logo subliminares e patrocínios, já que uma série de medidas em diver-
se alteram, como o tamanho das jornadas de trabalho e o paga- sos países passou a restringir a publicidade do tabaco.
mento de horas extras, e outras que respondem de forma mais D) E 90% dos filmes argentinos também exibiu imagens de
lenta, como o emprego e o mercado de crédito. Tendências nega- fumo em filmes para jovens.
tivas nesses últimos indicadores, por isso mesmo, costumam ser E) Os especialistas da organização citam estudos que mos-
duradouras. tram que quatro em cada dez crianças começa a fumar depois de
Daí por que são preocupantes os dados mais recentes da As- ver atores famosos dando suas “pitadas” nos filmes.
sociação Nacional dos Birôs de Crédito, que congrega empresas
do setor de crédito e financiamento.

25
LÍNGUA PORTUGUESA

RESPOSTAS - relacionado [com] - rente [a, de, com] - responsável [por] - rico
01 C [de, em] –satisfeito [com, de, em, por] - semelhante [a] - suspeito
[a, de] - tentativa [contra, de, para, para com] –único [em] - vazio
02 D [de]– visível [a] - vizinho [a, de, com] – zelo [a, de, por].
03 A
Regência de Advérbios: são importantes os advérbios: longe
04 E
[de], perto [de] e proximamente [a, de]. Todos os advérbios termi-
05 C nados em -mente, tendem a apresentar a mesma preposição dos
06 C adjetivos: Compatível [com]; compativelmente [com]. Relativo
[a]; relativamente [a]

Regência Verbal
REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL
É a parte da língua que se ocupa da relação entre os verbos
e os termos que se seguem a ele e completam o seu sentido. Os
Regência Nominal e Verbal verbos são os termos regentes, enquanto os objetos (direto e in-
direto) e adjuntos adverbiais são os termos regidos. Os verbos
Regência é a relação de subordinação que ocorre entre um podem ser:
verbo (ou um nome) e seus complementos. Ocupa-se em estabe- - Verbos Transitivos: Exigem complemento (objetos) para que
lecer relações entre as palavras, criando frases não ambíguas, que tenham sentido completo. Podem ser: Transitivos Diretos; Transi-
expressem efetivamente o sentido desejado, que sejam corretas tivos Indiretos; Transitivos Diretos e Indiretos.
e claras. - Verbos Intransitivos: Existem verbos intransitivos que preci-
sam vir acompanhados de adjuntos adverbiais apenas para darem
Regência Nominal um sentido completo para a frase.

Há nomes de sentido incompletos. Substantivos, adjetivos, Exemplos de regência verbal não preposicionada
e, certos advérbios, podem, como no caso dos verbos, precisar Leu o jornal.
de um complemento (complemento nominal) para completar seu Comeu o chocolate.
sentido: Sou devoto (nome de sentido incompleto) ao Santo Ex- Bebeu o vinho.
pedito (compl. Nominal). Ouviu a música.
Estudou a matéria.
O substantivo devoto rege um complemento nominal prece- Fez o jantar
dido da preposição (ao). Sendo assim, a relação particular entre o
nome e complemento, está sempre marcada por uma preposição. Exemplos de regência verbal preposicionada
Contudo, cabe observar, que certos substantivos e adjetivos Procedeu à leitura do livro.
admitem mais de uma regência (mais de uma preposição). Pagou ao fornecedor.
Vejamos alguns nomes com as preposições que as regem: Desobedeceu aos mandamentos.
Apoiou-se na mesa.
Acessível [a, para] - acostumado [a, com] - adequado [a] - Apaixonou-se por sua melhor amiga.
admiração [a, por] - alheio [a, de] - aliado [a, com] - amante [de] Meditou sobre a possibilidade.
– amigo [de] - amor [a, de, para com, por] –ansioso [de, para,
por] - apto [a, para] - assíduo [a, em] - atenção [a] - atento [a, Quando a regência verbal é feita através de uma preposi-
em] - atencioso [com, para com] - benéfico [a] - benefício [a] – ção, as mais utilizadas são: a, de, com, em, para, por, sobre.
bom [para] - capacidade [de, para] - capaz [de, para] – cego [a] agradar a;
- certeza [de] - comum [de] - conforme [a, com] - consulta [a] - obedecer a;
contente [com, de, em, por] - cuidadoso [com] – curioso [de, por] assistir a;
descontente [com] - desfavorável [a] –desrespeito [a] - diferente visar a;
[de] - dificuldade [com, de, em, para] – digno [de] - dúvida [acerca lembrar-se de;
de, em, sobre] – entendido [em] – essencial [para] – fácil [a, de, simpatizar com;
para] - facilidade [de, em, para] - fiel [a] - feliz [de, com, em, por] comparecer em;
- grato [a] - horror [a, de, por] -– idêntico [a] - impaciência [com] – convocar para;
incapaz [de, para] –influência [sobre] - insensível [a] - intolerante trocar por;
[com] - junto [a, de] - leal [a] - lento [em] – liberal [com] - maior alertar sobre.
[de] – manifestação [contra] - medo [de, a] – menor [de] –mo-
rador [em] - natural [de] - necessário [a] - obediente [a] - ódio
[a, contra] - orgulhoso [de, com] - paixão [de, por] – parecido [a,
com] - referência [a, por] –propício [a] - próximo [a, de] - pronto
[para, em] - propensão [para] - relação [a, com, de, por, para com]

26
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES 03. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2016 - FE-


PESE
01. MPE-GO - Secretário Auxiliar – Goiás – 2018 – MPE-GO
A linguagem poética
Embora de ocorrência frequente no cotidiano, a gramática
normativa não aceita o uso do mesmo complemento para verbos Em relação à prosa comum, o poema se define de certas
com regências diferentes. Assinale a opção em que esse tipo de restrições e de certas liberdades. Frequentemente se confunde
transgressão não ocorre. a poesia com o verso. Na sua origem, o verso tem uma função
A) “Pode-se concordar ou discordar, até radicalmente, de mneumotécnica (= técnica de memorizar); os textos narrativos, lí-
toda a política externa brasileira.” (Clóvis Rossi) ricos e mesmo históricos e didáticos eram comunicados oralmen-
B) “Educador é todo aquele que confere e convive com esses te, e os versos – repetição de um mesmo número de sílabas ou
conhecimentos.” (J. Carlos de Sousa) de um número fixo de acentos tônicos e eventualmente repetição
C) Vi e gostei muito do filme O jardineiro fiel cujo diretor é de uma mesma sonoridade (rima) – facilitavam a memorização.
um brasileiro. Mais tarde o verso se tornou um meio de enfeitar o discurso, meio
D) A sociedade brasileira quer a paz, anseia por ela e a ela que se desvalorizou pouco a pouco: a poesia contemporânea é
aspira. rimada, mas raramente versificada. Na verdade o valor poético do
E) Interessei-me e desinteressei-me pelo assunto quase que verso decorre de suas relações com o ritmo, com a sintaxe, com
simultaneamente. as sonoridades, com o sentido das palavras. O poema é um todo.
(…)
02. CODEBA – Analista Portuário – Administrador – 2016 - Os poetas enfraquecem a sintaxe, fazendo-a ajustar-se às
FGV exigências do verso e da expressão poética. Sem se permitir ver-
dadeiras incorreções gramaticais, eles se permitem “licenças poé-
Relatórios ticas”.
Além disso, eles trabalham o sentido das palavras em dire-
Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de ções contrárias: seja dando a certos termos uma extensão ou uma
perfil bem específico. Os relatórios de inquérito, por exemplo, são indeterminação inusitadas; seja utilizando sentidos raros, em de-
lidos pelas pessoas diretamente envolvidas na investigação de suso ou novos; seja criando novas palavras.
que tratam. Um relatório de inquérito criminal terá como leitores Tais liberdades aparecem mais particularmente na utilização
preferenciais delegados, advogados, juízes e promotores. de imagens. Assim, Jean Cohen, ao estudar o processo de fabrica-
Autores de relatórios que têm leitores definidos podem pres- ção das comparações poéticas, observa que a linguagem corrente
supor que compartilham com seus leitores um conhecimento faz espontaneamente apelo a comparações “razoáveis” (pertinen-
geral sobre a questão abordada. Nesse sentido, podem fazer um tes) do tipo “a terra é redonda como uma laranja” (a redondeza
texto que focalize aspectos específicos sem terem a necessidade é efetivamente uma qualidade comum à terra e a uma laranja),
de apresentar informações prévias. ao passo que a linguagem poética fabrica comparações inusitadas
Isso não acontece com relatórios de circulação mais ampla. tais como: “Belo como a coisa nova/Na prateleira até então vazia”
Nesse caso, os autores do relatório devem levar em consideração (João Cabral de Melo Neto). Ou, então estranhas como: “A terra é
o fato de terem como interlocutores pessoas que se interessam azul como uma laranja” (Paul Éluard).
pelo assunto abordado, mas não têm qualquer conhecimento so- Francis Vanoye
bre ele. No momento de elaborar o relatório, será preciso levar
esse fato em consideração e introduzir, no texto, todas as infor- Assinale a alternativa correta quanto à regência verbal.
mações necessárias para garantir que os leitores possam acom- A) Chamaram Jean de poeta.
panhar os dados apresentados, a análise feita e a conclusão de- B) “Não obedeço a rima das estrofes”, disse o poeta.
corrente dessa análise. C) Todos os escritores preferem o elogio do que a crítica
D) Passou no cinema o filme sobre aquele poeta que gosto
“Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de muito.
perfil bem específico”. E) Eu me lembrei os dias da leitura de poesia na escola.

No caso desse segmento do texto, a preposição a é de uso 04. TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário - 2016 - VUNESP
gramatical, pois é exigida pela regência do verbo dirigir.
Assinale a alternativa em que o período, adaptado da revista
Assinale a opção que indica a frase em que a preposição “a” Pesquisa Fapesp de junho de 2012, está correto quanto à regência
introduz um adjunto e não um complemento. nominal e à pontuação.
A) O Brasil dá Deus a quem não tem nozes, dentes etc. A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, rapidamente,
B) É preciso passar o Brasil a limpo. seu espaço na carreira científica ainda que o avanço seja mais
C) Um memorando serve não para informar a quem o lê, mas notável em alguns países, o Brasil é um exemplo, do que em
para proteger quem o escreve. outros.
D) Quem é burro pede a Deus que o mate e ao diabo que o B) Não há dúvida que as mulheres ampliam rapidamente,
carregue. seu espaço na carreira científica, ainda que, o avanço seja mais
E) O desenvolvimento é uma receita dos economistas para notável em alguns países (o Brasil é um exemplo) do que em
promover os miseráveis a pobres – e, às vezes, vice-versa. outros.

27
LÍNGUA PORTUGUESA

C) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam rapidamente


seu espaço na carreira científica; ainda que o avanço seja mais FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO
notável, em alguns países, o Brasil é um exemplo!, do que em ou- SINTAXE DA ORAÇÃO E DO PERÍODO
tros. TERMOS DA ORAÇÃO
D) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam rapidamente COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO
seu espaço, na carreira científica, ainda que o avanço seja mais
notável, em alguns países: o Brasil é um exemplo, do que em ou-
tros. Sintaxe: Análise sintática, frase, oração e período
E) Não há dúvida de que as mulheres ampliam rapidamente
seu espaço na carreira científica, ainda que o avanço seja mais Sintaxe
notável em alguns países – o Brasil é um exemplo – do que em
outros. A Sintaxe constitui seu foco de análise na sentença, ou seja,
estuda a função dos vocábulos dentro de uma frase.
05. MPE-PE - Analista Ministerial - Área Auditoria – 2018 – A Gramática Tradicional trabalha a Sintaxe sob a forma de
FCC “análise sintática” que, consiste em classificar os vocábulos em
sujeito, predicado ou outros “termos acessórios da oração” (ad-
Para onde vão as palavras junto adverbial, adnominal, aposto).

Como se sabe, a palavra durante algum tempo foi obrigada Análise Sintática
a recuar diante da imagem, e o mundo escrito e impresso diante
do falado na tela. Tiras de quadrinhos e livros ilustrados com um Examina a estrutura do período, divide e classifica as orações
mínimo de texto hoje não se destinam mais somente a iniciantes que o constituem e reconhece a função sintática dos termos de
que estão aprendendo a soletrar. De muito mais peso, no entanto, cada oração.
é o recuo da notícia impressa em face da notícia falada e ilustrada.
A imprensa, principal veículo da esfera pública no século X I X as- Frase
sim como em boa parte do século XX, dificilmente será capaz de
manter sua posição no século X X I. A construção da fala é feita a partir da articulação de uni-
Mas nada disso pode deter a ascensão quantitativa da litera- dades comunicativas. Essas unidades exprimem ideias, emoções,
tura. A rigor, eu quase diría que - apesar dos prognósticos pessi- ordens, apelos, enfim, transmitem comunicação. São chamadas
mistas - o mais importante veículo tradicional da literatura, o livro frases
impresso, sobreviverá sem grande dificuldade, com poucas exce-
ções, como as das enciclopédias, dos dicionários, dos compêndios Exemplos:
de informação etc., os queridinhos da internet. Espantoso!
(Adaptado de: HOBSBAWM, Eric. Tempos fraturados. São Aonde vai com tanta pressa?
Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 29-30.) “O bicho, meu Deus, era um homem.” (Manuel Bandeira)

O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de A frase pode ou não se organizar ao redor de um verbo. Na
modo a concordar com o elemento sublinhado na seguinte frase: língua falada, a frase é caracterizada pela entonação.
A) Entre as várias atrações que (conter) um livro, uma é a de
tornar-se um obieto do afeto de quem o possui. Tipos de frases
B) Se há imagens pelas quais se (deixar) prender um
espectador, há palavras que encantam um leitor. A intencionalidade do discurso é manifestada através dos di-
C) Quando há num livro imagens excessivas, que (contaminar) ferentes tipos de frases. Para tanto, os sinais de pontuação que
um texto, as palavras saem desvalorizadas. as acompanham auxiliam para expressar o sentido de cada uma
D) A despeito de (haver) nele figuras demais, esse livro infan- delas.
til atrai também um leitor adulto.
E) Aos frequentadores da internet (atrair) sobretudo o volu- Frases exclamativas: são empregadas quando o emissor quer
me de informações que nela circulam. manifestar emoção. São sinalizadas com ponto de exclamação:

RESPOSTAS Puxa!
01 D Até que enfim!

02 B Frases declarativas: representam a constatação de um fato


03 A pelo emissor. Levam ponto final e podem ser afirmativas ou ne-
gativas.
04 E
05 B - Declarativas afirmativas:
Gosto de comida apimentada.
As matrículas começam hoje.

28
LÍNGUA PORTUGUESA

- Declarativas negativas: - Termos Acessórios da Oração: Adjunto Adnominal, Adjunto


Não gosto de comida apimentada. Adverbial, Vocativo e Aposto.
As matrículas não começam hoje.
Termos Essenciais da Oração: sujeito e predicado.
Frases imperativas: são utilizadas para emissão de ordens,
conselhos e pedidos. Levam ponto final ou ponto de exclamação. Sujeito: aquele que estabelece concordância com o núcleo
do predicado. Quando se trata de predicado verbal, o núcleo é
- Imperativas afirmativas: sempre um verbo; sendo um predicado nominal, o núcleo é sem-
Vá por ali. pre um nome. Então têm por características básicas:
Siga-me! - ter concordância com o núcleo do predicado;
- Imperativas negativas: - ser elemento determinante em relação ao predicado;
Não vá por ali. - ser formado por um substantivo, ou pronome substantivo
Não me siga! ou, uma palavra substantivada.

Frases interrogativas: ocorrem quando o emissor faz uma Tipos de sujeito:


pergunta na mensagem. Podem ser diretas ou indiretas.
As interrogativas diretas devem ser sinalizadas com ponto de - Simples: um só núcleo: O menino estudou.
interrogação, enquanto as interrogativas indiretas, ponto final. - Composto: mais de um núcleo: “O menino e a menina es-
tudaram.”
- Interrogativas diretas: - Expresso: está explícito, enunciado: Ela ligará para você.
Escreveu o discurso? - Oculto (elíptico): está implícito (não está expresso), mas se
O prazo terminou? deduz do contexto: Chegarei amanhã. (sujeito: eu, que se deduz
- Interrogativas indiretas: da desinência do verbo);
Quero saber se o discurso está feito. - Agente: ação expressa pelo verbo da voz ativa: O Everest é
quase invencível.
Precisava saber se o prazo terminou.
- Paciente: sofre ou recebe os efeitos da ação marcada pelo
verbo passivo: O prédio foi construído.
Frases optativas: expressam um desejo e são sinalizadas com
- Agente e Paciente: o sujeito realiza a ação expressa por um
ponto de exclamação:
verbo reflexivo e ele mesmo sofre ou recebe os efeitos dessa
ação: João cortou-se com aquela faca.
Que Deus te abençoe!
- Indeterminado: não se indica o agente da ação verbal: Feri-
uita sorte para a nova etapa!
ram aquele cachorro com uma pedra.
- Sem Sujeito: enunciação pura de um fato, através do predi-
Oração cado. São formadas com os verbos impessoais, na 3ª pessoa do
singular: Choveu durante a noite.
É o enunciado que se organiza em torno de um verbo ou de
uma locução verbal. As orações podem ou não ter sentido com- Predicado: segmento linguístico que estabelece concordân-
pleto. cia com outro termo essencial da oração, o sujeito, sendo este
As orações são a base para a construção dos períodos, e são o termo determinante (ou subordinado) e o predicado o termo
formadas por vários termos. Alguns termos estão presentes em determinado (ou principal). Têm por características básicas:
todas ou na maioria das orações. É o caso do sujeito e predicado. apresentar-se como elemento determinado em relação ao
Outros termos não tão frequentes, ou têm um uso situacional, sujeito; apontar um atributo ou acrescentar nova informação ao
como os complementos e adjuntos. sujeito.

Exemplo: Tipos de predicado:


A mulher trancou toda a casa.
A mulher – sujeito - predicado nominal: seu núcleo é um nome, substantivo, ad-
trancou toda a casa – predicado jetivo, pronome, ligado ao sujeito por um verbo de ligação. O nú-
cleo do predicado nominal chama-se predicativo do sujeito, pois
Amanheceu logo em seguida. (toda a oração é predicado) atribui ao sujeito uma qualidade ou característica.
- predicado verbal: seu núcleo é um verbo, seguido, ou não,
Sujeito é aquele ou aquilo de que(m) se fala. Já o predicado de complemento(s) ou termos acessórios).
é a informação dada sobre o sujeito. Núcleo de um termo é a pa- - predicado verbo-nominal: tem dois núcleos significativos:
lavra principal (geralmente um substantivo, pronome ou verbo). um verbo e um nome

Os termos da oração são divididos em três níveis: Predicação verbal é o modo pelo qual o verbo forma o pre-
- Termos Essenciais da Oração: Sujeito e Predicado. dicado.
- Termos Integrantes da Oração: Complemento Nominal e Alguns verbos que, tem sentido completo, sendo apenas eles
Complementos Verbais (Objeto Direto, Objeto indireto e Agente o predicado. São denominados intransitivos. Exemplo: As folhas
da Passiva). caem.

29
LÍNGUA PORTUGUESA

Outros, para fazerem parte do predicado precisam de outros Complemento Nominal: termo complementar reclamado
termos: Chamados transitivos. Exemplos: José comprou o carro. pela significação transitiva, incompleta, de certos substantivos,
(Sem os seus complementos, o verbo comprou, não transmitiria adjetivos e advérbios. Vem sempre regido de preposição. Exem-
uma informação completa: comprou o quê?) plo: Assistência às aulas.
Os verbos de predicação completa denominam-se intransiti-
vos e os de predicação incompleta, transitivos. Os verbos transiti- Agente da Passiva: complemento de um verbo na voz pas-
vos subdividem-se em: transitivos diretos, transitivos indiretos e siva. Representa o ser que pratica a ação expressa pelo verbo
transitivos diretos e indiretos (bitransitivos). passivo. Vem regido comumente pela preposição por, e menos
Além dos verbos transitivos e intransitivos, existem os verbos frequentemente pela preposição de.
de ligação que entram na formação do predicado nominal, rela-
cionando o predicativo com o sujeito. Termos Acessórios da Oração

- Transitivos Diretos: pedem um objeto direto, isto é, um São os que desempenham na oração uma função secundária,
complemento sem preposição. Exemplo: Comprei um terreno e qual seja a de caracterizar um ser, determinar os substantivos,
construí a loja. exprimir alguma circunstância. São eles:
- Transitivos Indiretos: pedem um complemento regido de
preposição, chamado objeto indireto. Exemplo: Não se perdoa ao Adjunto adnominal: termo que caracteriza ou determina os
político que rouba aos montes. substantivos. Pode ser expresso: Pelos adjetivos: animal feroz; Pe-
- Transitivos Diretos e Indiretos: se usam com dois objetos: los artigos: o mundo; Pelos pronomes adjetivos: muitos países.
direto e indireto, concomitantemente. Exemplo: Maria dava ali-
mento aos pobres. Adjunto adverbial:termo que exprime uma circunstância (de
- de Ligação: ligam ao sujeito uma palavra ou expressão cha- tempo, lugar, modo, etc.) ou, em outras palavras, que modifica o
mada predicativo. Esses verbos entram na formação do predica- sentido de um verbo, adjetivo ou advérbio. É expresso: Pelos ad-
do nominal. Exemplo: A Bahia é quente. vérbios: Cheguei cedo; Pelas locuções ou expressões adverbiais:
Saí com meu pai.
Predicativo: Existe o predicativo do sujeito e o predicativo do
objeto. Aposto: palavra ou expressão que explica ou esclarece, de-
senvolve ou resume outro termo da oração. Exemplos: David,
Predicativo do Sujeito: termo que exprime um atributo, um que foi um excelente aluno, passou no vestibular.
estado ou modo de ser do sujeito, ao qual se prende por um ver-
bo de ligação, no predicado nominal. Exemplos: A bandeira é o O núcleo do aposto é um substantivo ou um pronome subs-
símbolo da nação. tantivo: O aposto não pode ser formado por adjetivos. Os apos-
Predicativo do Objeto: termo que se refere ao objeto de um tos, em geral, destacam-se por pausas, indicadas, na escrita, por
verbo transitivo. Exemplo: O juiz declarou o réu culpado. vírgulas, dois pontos ou travessões.

Termos Integrantes da Oração Vocativo: termo usado para chamar ou interpelar a pessoa,
o animal ou a coisa personificada a que nos dirigimos. Exemplo:
São os termos que completam a significação transitiva dos Vamos à escola, meus filhos!
verbos e nomes. Integram o sentido da oração, sendo assim indis- O vocativo não pertence à estrutura da oração, por isso não
pensável à compreensão do enunciado. São eles: se anexa ao sujeito nem ao predicado.
- Complemento Verbal (Objeto Direto e Objeto Indireto);
- Complemento Nominal; Período
- Agente da Passiva.
O período pode ser caracterizado pela presença de uma ou
Objeto Direto: complemento dos verbos de predicação in- de mais orações, por isso, pode ser simples ou composto.
completa, não regido, normalmente, de preposição. Exemplo: As
plantas purificaram o ar. Período Simples - apresenta apenas uma oração, a qual é
chamada de oração absoluta. Exemplo: Já chegamos.
Tem as seguintes características:
- Completa a significação dos verbos transitivos diretos; Período Composto - apresenta duas ou mais orações. Exem-
- Geralmente, não vem regido de preposição; plo: Conversamos quando eu voltar. O número de orações de-
- Traduz o ser sobre o qual recai a ação expressa por um pende do número de verbos presentes num enunciado.
verbo ativo.
- Torna-se sujeito da oração na voz passiva. Classificação do Período Composto

Objeto Indireto: complemento verbal regido de preposição Período Composto por Coordenação  - as orações são
necessária e sem valor circunstancial. Representa, o ser a que se independentes entre si, ou seja, cada uma delas têm sentido
destina ou se refere à ação verbal. É sempre regido de preposição, completo.
expressa ou implícita. Exemplo: Entrou na loja e comprou vários sapatos.

30
LÍNGUA PORTUGUESA

Período Composto por Subordinação - as orações relacionam- a) Refere-se a grã-finos.


se entre si. b) O sujeito é indeterminado.
Exemplo: Espero terminar meu trabalho antes do meu pa- c) O predicado é nominal.
trão voltar de viagem. d) Tem verbo de ligação
Período Composto por Coordenação e Subordinação - há a e) Apresenta predicativo do sujeito.
presença de orações coordenadas e subordinadas.
Exemplo: Enquanto eles falarem, nós vamos escutar. 02. CISMEPAR/PR – Advogado – 2016 - FAUEL

Orações Coordenadas O assassino era o escriba


Paulo Leminsky
Podem ser sindéticas ou assindéticas, respectivamente, con-
forme são utilizadas ou não conjunções Exemplos: Ora fala, ora Meu professor de análise sintática era o tipo do
não  fala. (oração coordenada sindética, marcada pelo uso da sujeito inexistente.
conjunção “ora...ora”). As aulas começaram, os deveres começa- Um pleonasmo, o principal predicado da sua vida,
ram e a preguiça deu lugar à determinação. (orações coordena- regular como um paradigma da 1ª conjugação.
das assindéticas: “As aulas começaram, os deveres começaram”, Entre uma oração subordinada e um adjunto
oração coordenada sindética: “e a preguiça deu lugar à determi- adverbial,
nação”.) ele não tinha dúvidas: sempre achava um jeito
assindético de nos torturar com um aposto.
As orações coordenadas sindéticas podem ser: Casou com uma regência.
- Aditivas: quando as orações expressam soma. Exemplo: Foi infeliz.
Gosto de salgado, mas também gosto de doce. Era possessivo como um pronome.
- Adversativas: quando as orações expressam adversidade. E ela era bitransitiva.
Exemplo: Gostava do moço, porém não queria se casar. Tentou ir para os EUA.
- Alternativas: quando as orações expressam alternativa.
Não deu.
Exemplo: Fica ele ou fico eu.
Acharam um artigo indefinido em sua bagagem.
- Conclusivas: quando as orações expressam conclusão.
A interjeição do bigode declinava partículas
Exemplo: Estão de acordo, então vamos.
expletivas,
- Explicativas: quando as orações expressam explicação.
conectivos e agentes da passiva, o tempo todo.
Exemplo: Fizemos a tarefa hoje porque tivemos tempo.
Um dia, matei-o com um objeto direto na cabeça.
Orações Subordinadas
Na frase “Entre uma oração subordinada e um adjunto ad-
As  orações subordinadas  podem ser substantivas, adjetivas verbial”, o autor faz referência à oração subordinada. Assinale a
ou adverbiais, conforme a sua função. alternativa que NÃO corresponde corretamente à compreensão
- Substantivas: quando as orações têm função de substantivo. da relação entre orações:
Exemplo: Espero que eles consigam. Parte superior do formulário
- Adjetivas: quando as orações têm função de adjetivo. Exem- a) Oração subordinada é o nome que se dá ao tipo de oração
plo: Os concorrentes que se preparam mais têm um desempenho que é indispensável para a compreensão da oração principal.
melhor. b) Diferentemente da coordenada, a oração subordinada é a
- Adverbiais: quando as orações têm função de advérbio. que complementa o sentido da oração principal, não sendo possí-
Exemplo: À medida que crescem, aumentam os gastos. vel compreender individualmente nenhuma das orações, pois há
uma relação de dependência do sentido.
QUESTÕES c) Subordinação refere-se a “estar ordenado sob”, sendo indi-
01. Pref. De Caucaia/CE – Agente de Suporte e Fiscalização ferente a classificação de uma oração coordenada ou subordina-
– 2016 - CETREDE da, pois as duas têm a mesma validade.
d) A oração principal é aquela rege a oração subordinada, não
Dos rituais sendo possível seu entendimento sem o complemento.

No primeiro contato com os selvagens, que medo nos dá de 03. EMSERH – Auxiliar Operacional de Serviços Gerais –
infringir os rituais, de violar um tabu! 2017 – FUNCAB
É todo um meticuloso cerimonial, cuja infração eles não nos
perdoam. A carta de amor
Eu estava falando nos selvagens? Mas com os civilizados é o
mesmo. Ou pior até. No momento em que Malvina ia por a frigideira no fogo,
Quando você estiver metido entre grã-finos, é preciso ter entrou a cozinheira com um envelope na mão. Isso bastou para
muito, muito cuidado: eles são tão primitivos! que ela se tornasse nervosa. Seu coração pôs-se a bater precipi-
Mário Quintana tadamente e seu rosto se afogueou. Abriu-o com gesto decisivo e
Em relação à oração “eles são tão primitivos!”, assinale o item extraiu um papel verde-mar, sobre o qual se liam, em caracteres
INCORRETO. energéticos, masculinos, estas palavras: “Você será amada...”.

31
LÍNGUA PORTUGUESA

Malvina empalideceu, apesar de já conhecer o conteúdo ele habitasse com cautela de um estranho. O vendedor de pás-
dessa carta verde-mar, que recebia todos os dias, havia já uma saros não tinha sequer o abrigo de um nome. Chamavam-lhe o
semana. Malvina estava apaixonada por um ente invisível, por um passarinheiro.
papel verde-mar, por três palavras e três pontos de reticências: Todas manhãs ele passava nos bairros dos brancos carregan-
“Você será amada...”. Há uma semana que vivia como ébria. do suas enormes gaiolas. Ele mesmo fabricava aquelas jaulas,
Olhava para a rua e qualquer olhar de homem que se cru- de tão leve material que nem pareciam servir de prisão. Parecia
zasse com o seu, lhe fazia palpitar tumultuosamente o coração. eram gaiolas aladas, voláteis. Dentro delas, os pássaros esvoavam
Se o telefone tilintava, seu pensamento corria célere: talvez fos- suas cores repentinas. À volta do vendedeiro, era uma nuvem de
se “ele”. Se não conhecesse a causa desse transtorno, por certo pios, tantos que faziam mexer as janelas:
Malvina já teria ido consultar um médico de doenças nervosas. - Mãe, olha o homem dos passarinheiros!
Mandara examinar por um grafólogo a letra dessa carta. Fora em E os meninos inundavam as ruas. As alegrias se intercambia-
todas as papelarias à procura desse papel verde-mar e, incons- vam: a gritaria das aves e o chilreio das crianças. O homem puxava
cientemente, fora até o correio ver se descobria o remetente no de uma muska e harmonicava sonâmbulas melodias. O mundo
ato de atirar o envelope na caixa. inteiro se fabulava.
Tudo em vão. Quem escrevia conseguia manter-se incógnito. Por trás das cortinas, os colonos reprovavam aqueles abu-
Malvina teria feito tudo quanto ele quisesse. Nenhum empecilho sos. Ensinavam suspeitas aos seus pequenos filhos - aquele preto
para com o desconhecido. Mas para que ela pudesse realizar o quem era? Alguém conhecia recomendações dele? Quem autori-
seu sonho, era preciso que ele se tornasse homem de carne e zara aqueles pés descalços a sujarem o bairro? Não, não e não. O
osso. Malvina imaginava-o alto, moreno, com grandes olhos ne- negro que voltasse ao seu devido lugar. Contudo, os pássaros tão
gros, forte e espadaúdo. encantantes que são - insistiam os meninos. Os pais se agrava-
O seu cérebro trabalhava: seria ele casado? Não, não o era. vam: estava dito.
Seria pobre? Não podia ser. Seria um grande industrial? Quem Mas aquela ordem pouco seria desempenhada.[...]
sabe? O homem então se decidia a sair, juntar as suas raivas com os
As cartas de amor, verde-mar, haviam surgido na vida de Mal- demais colonos. No clube, eles todos se aclamavam: era preciso
vina como o dilúvio, transformando-lhe o cérebro. acabar com as visitas do passarinheiro. Que a medida não podia
Afinal, no décimo dia, chegou a explicação do enigma. Foi ser de morte matada, nem coisa que ofendesse a vista das senho-
uma coisa tão dramática, tão original, tão crível, que Malvina não ras e seus filhos. ___6___ remédio, enfim, se haveria de pensar.
teve nem um ataque de histerismo, nem uma crise de cólera. Fi- No dia seguinte, o vendedor repetiu a sua alegre invasão. Afi-
cou apenas petrificada. nal, os colonos ainda que hesitaram: aquele negro trazia aves de
“Você será amada... se usar, pela manhã, o creme de beleza belezas jamais vistas. Ninguém podia resistir às suas cores, seus
Lua Cheia. O creme Lua Cheia é vendido em todas as farmácias e chilreios. Nem aquilo parecia coisa deste verídico mundo. O ven-
drogarias. Ninguém resistirá a você, se usar o creme Lua Cheia. dedor se anonimava, em humilde desaparecimento de si:
Era o que continha o papel verde-mar, escrito em enérgicos - Esses são pássaros muito excelentes, desses com as asas
caracteres masculinos. todas de fora.
Ao voltar a si, Malvina arrastou-se até o telefone: Os portugueses se interrogavam: onde desencantava ele tão
-Alô! É Jorge quem está falando? Já pensei e resolvi casar-me maravilhosas criaturas? onde, se eles tinham já desbravado os
com você. Sim, Jorge, amo-o! Ora, que pergunta! Pode vir. mais extensos matos?
A voz de Jorge estava rouca de felicidade! O vendedor se segredava, respondendo um riso. Os senhores
E nunca soube a que devia tanta sorte! receavam as suas próprias suspeições - teria aquele negro direito
André Sinoldi a ingressar num mundo onde eles careciam de acesso? Mas logo
se aprontavam a diminuir-lhe os méritos: o tipo dormia nas ár-
Se a oração escrita na carta estivesse completa, como em vores, em plena passarada. Eles se igualam aos bichos silvestres,
“Você será amada POR MIM”, o termo destacado funcionaria concluíam.
como: Fosse por desdenho dos grandes ou por glória dos pequenos,
a) complemento nominal. a verdade é que, aos pouco-poucos, o passarinheiro foi virando
b) objeto direto. assunto no bairro do cimento. Sua presença foi enchendo dura-
c) agente da passiva. ções, insuspeitos vazios. Conforme dele se comprava, as casas
d) objeto indireto. mais se repletavam de doces cantos. Aquela música se estranha-
e) adjunto nominal. va nos moradores, mostrando que aquele bairro não pertencia
àquela terra. Afinal, os pássaros desautenticavam os residentes,
04. EMSERH – Enfermeiro – 2017 – FUNCAB estrangeirando-lhes? [...] O comerciante devia saber que seus
Assinale a alternativa correspondente ao período onde há passos descalços não cabiam naquelas ruas. Os brancos se inquie-
predicativo do sujeito: tavam com aquela desobediência, acusando o tempo. [...]
As crianças emigravam de sua condição, desdobrando-se em
O embondeiro que sonhava pássaros outras felizes existências. E todos se familiavam, parentes aparen-
tes. [...]
Esse homem sempre vai ficar de sombra: nenhuma memória Os pais lhes queriam fechar o sonho, sua pequena e infinita
será bastante para lhe salvar do escuro. Em verdade, seu astro alma. Surgiu o mando: a rua vos está proibida, vocês não saem
não era o Sol. Nem seu país não era a vida. Talvez, por razão disso, mais. Correram-se as cortinas, as casas fecharam suas pálpebras.

32
LÍNGUA PORTUGUESA

COUTO, Mia. Cada homem é uma raça: contos/ Mia Couto b) ... o futebol tem implicações e significações psicológicas
- 1ª ed. - São Paulo: Companhia das Letras, 2013. p.63 - 71. (Frag- coletivas ...
mento). c) ... e funciona como escape para as pressões do cotidiano.
Sobre os elementos destacados do fragmento “Em verdade, d) A solução para muitos é a reconversão em técnico ...
seu astro não era o Sol. Nem seu país não era a vida.”, leia as afir- e) ... que depende das qualidades pessoais de seus membros.
mativas.
I. A expressão EM VERDADE pode ser substituída, sem altera- 06. MPE/PB -  Técnico ministerial - diligências e apoio admi-
ção de sentido por COM EFEITO. nistrativo – 2015 - FCC
II. ERA O SOL formam o predicado verbal da primeira oração.
III. NEM, no contexto, é uma conjunção coordenativa. O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha
Está correto apenas o que se afirma em: aldeia
a) I e III. Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
b) III.
c) I e II. O Tejo tem grandes navios
d) I. E navega nele ainda,
e) II e III. Para aqueles que veem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.
05. TRE/RR - Técnico Judiciário - Operação de Computadores
– 2015 - FCC O Tejo desce de Espanha
É indiscutível que no mundo contemporâneo o ambiente E o Tejo entra no mar em Portugal
do futebol é dos mais intensos do ponto de vista psicológico. Toda a gente sabe isso.
Nos estádios a concentração é total. Vive-se ali situação de Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
incessante dialética entre o metafórico e o literal, entre o lúdico E para onde ele vai
e o real. O que varia conforme o indivíduo considerado é a E donde ele vem
passagem de uma condição a outra. Passagem rápida no caso E por isso, porque pertence a menos gente,
do torcedor, cuja regressão psíquica do lúdico dura algumas É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
horas e funciona como escape para as pressões do cotidiano.
Passagem lenta no caso do futebolista profissional, que vive Pelo Tejo vai-se para o Mundo
quinze ou vinte anos em ambiente de fantasia, que geralmente Para além do Tejo há a América
torna difícil a inserção na realidade global quando termina a car- E a fortuna daqueles que a encontram
reira. A solução para muitos é a reconversão em técnico, que os Ninguém nunca pensou no que há para além
mantém sob holofote. Lothar Matthäus, por exemplo, recordista Do rio da minha aldeia.
de partidas em Copas do Mundo, com a seleção alemã, Ballon
d’Or de 1990, tornou-se técnico porque “na verdade, para mim, o O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
futebol é mais importante do que a família”. [...] Quem está ao pé dele está só ao pé dele.
Sendo esporte coletivo, o futebol tem implicações e significa- (Alberto Caeiro)
ções psicológicas coletivas, porém calcadas, pelo menos em par-
te, nas individualidades que o compõem. O jogo é coletivo, como E o Tejo entra no mar em Portugal
a vida social, porém num e noutra a atuação de um só indivíduo
pode repercutir sobre o todo. Como em qualquer sociedade, na O elemento que exerce a mesma função sintática que o subli-
do futebol vive-se o tempo inteiro em equilíbrio precário entre o nhado acima encontra-se em
indivíduo e o grupo. O jogador busca o sucesso pessoal, para o a) a fortuna. (4a estrofe)
qual depende em grande parte dos companheiros; há um senti- b) A memória das naus. (2a estrofe)
mento de equipe, que depende das qualidades pessoais de seus c) grandes navios. (2a estrofe)
membros. O torcedor lúcido busca o prazer do jogo preservando d) menos gente. (3a estrofe)
sua individualidade; todavia, a própria condição de torcedor aca- e) a América. (4a estrofe)
ba por diluí-lo na massa.
(JÚNIOR, Hilário Franco. A dança dos deuses: futebol, cultura, 07. TRF – 3ª Região – Analista Judiciário – Área Administra-
sociedade. São Paulo: Companhia das letras, 2007, p. 303-304, tiva – 2016 – FCC
com adaptações) O museu é considerado um instrumento de neutralização – e
talvez o seja de fato. Os objetos que nele se encontram reunidos
*Ballon d’Or 1990 - prêmio de melhor jogador do ano trazem o testemunho de disputas sociais, de conflitos políticos
e religiosos. Muitas obras antigas celebram vitórias militares e
O jogador busca o sucesso pessoal ... conquistas: a maior parte presta homenagem às potências domi-
nantes, suas financiadoras. As obras modernas são, mais gene-
A mesma relação sintática entre verbo e complemento, subli- ricamente, animadas pelo espírito crítico: elas protestam contra
nhados acima, está em: os fatos da realidade, os poderes, o estado das coisas. O museu
a) É indiscutível que no mundo contemporâneo... reúne todas essas manifestações de sentido oposto. Expõe tudo

33
LÍNGUA PORTUGUESA

junto em nome de um valor que se presume partilhado por elas: a 150 mil passageiros, ouvidos durante 2014 nos 65 aeroportos res-
qualidade artística. Suas diferenças funcionais, suas divergências ponsáveis por 98% da movimentação aérea do País, revelaram um
políticas são apagadas. A violência de que participavam, ou que perfil inédito do setor.
combatiam, é esquecida. O museu parece assim desempenhar < h t t p : / / w w w . a n a c . g o v. b r / N o t i c i a . a s p x ? t t C D _
um papel de pacificação social. A guerra das imagens extingue-se CHAVE=1957&slCD_ ORIGEM=29>. Acesso em: 13/12/2015 (com
na pacificação dos museus. adaptações).
Todos os objetos reunidos ali têm como princípio o fato de a) Prejudica a correção gramatical do período, pois provoca
terem sido retirados de seu contexto. Desde então, dois pontos truncamento sintático.
de vista concorrentes são possíveis. De acordo com o primeiro, o b) Transforma o aposto em oração subordinada adjetiva ex-
museu é por excelência o lugar de advento da Arte enquanto tal, plicativa.
separada de seus pretextos, libertada de suas sujeições. Para o se- c) Altera a oração subordinada explicativa para oração res-
gundo, e pela mesma razão, é um “depósito de despojos”. Por um tritiva.
lado, o museu facilita o acesso das obras a um status estético que d) Transforma o segmento grifado em oração principal do pe-
as exalta. Por outro, as reduz a um destino igualmente estético, ríodo.
mas, desta vez, concebido como um estado letárgico. e) Corrige erro de estrutura sintática inserido no período.
A colocação em museu foi descrita e denunciada frequente-
mente como uma desvitalização do simbólico, e a musealização RESPOSTAS
progressiva dos objetos de uso como outros tantos escândalos 01 B
sucessivos. Ainda seria preciso perguntar sobre a razão do “es-
02 C
cândalo”. Para que haja escândalo, é necessário que tenha havido
atentado ao sagrado. Diante de cada crítica escandalizada dirigida 03 C
ao museu, seria interessante desvendar que valor foi previamente 04 A
sacralizado. A Religião? A Arte? A singularidade absoluta da obra?
05 B
A Revolta? A Vida autêntica? A integridade do Contexto original?
Estranha inversão de perspectiva. Porque, simultaneamente, a 06 B
crítica mais comum contra o museu apresenta-o como sendo, ele 07 C
próprio, um órgão de sacralização. O museu, por retirar as obras
08 B
de sua origem, é realmente “o lugar simbólico onde o trabalho
de abstração assume seu caráter mais violento e mais ultrajan-
te”. Porém, esse trabalho de abstração e esse efeito de alienação
operam em toda parte. É a ação do tempo, conjugada com nossa CRASE
ilusão da presença mantida e da arte conservada.
(Adaptado de: GALARD, Jean. Beleza Exorbitante. São Paulo,
Fap.-Unifesp, 2012, p. 68-71)
CRASE
Na frase Diante de cada crítica escandalizada dirigida ao
Há um caso de contração que merece destaque: A crase, que
museu, seria interessante desvendar que valor foi previamente
é a fusão da preposição a com o artigo definido feminino a(s),
sacralizado (3°parágrafo), a oração sublinhada complementa o ou da preposição a com o a inicial dos pronomes demonstrativos
sentido de aquele(s), aquela(s), aquilo, ou ainda da preposição a com um
a) um substantivo, e pode ser considerada como interrogati- pronome demonstrativo a(s), ou então da preposição a com o a
va indireta. inicial do pronome relativo a qual (as quais).
b) um verbo, e pode ser considerada como interrogativa di- Essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente represen-
reta. tada por um a com acento grave (à), dá-se o nome de crase. Vere-
c) um verbo, e pode ser considerada como interrogativa in- mos, a seguir, as principais regras.
direta.
d) um substantivo, e pode ser considerada como interroga- Usa-se a Crase:
tiva direta.
e) um advérbio, e pode ser considerada como interrogativa - Locuções prepositivas, locuções adverbiais ou locuções
indireta. conjuntivas com o núcleo um substantivo feminino: à queima-
roupa, à noite, à força de, às vezes, às escuras, à medida que, às
08.ANAC – Analista Administrativo – 2016 – ESAF pressas, à custa de, às mil maravilhas, à tarde, às onze horas, etc.
Assinale a opção que apresenta explicação correta para a in- Não confunda a locução adverbial às vezes com a expressão fazer
serção de “que é” antes do segmento grifado no texto. as vezes de, em que não há crase porque o “as” é artigo definido
puro.
A Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República
divulgou recentemente a pesquisa O Brasil que voa – Perfil dos - Locuções que exprimem hora determinada: Ele chegou às
Passageiros, Aeroportos e Rotas do Brasil, o mais completo levan- dez horas e vinte minutos.
tamento sobre transporte aéreo de passageiros do País. Mais de

34
LÍNGUA PORTUGUESA

- A expressão “à moda de” (ou “à maneira de”) estiver su- - Quando, antes do “a”, houver preposição: Os livros esta-
bentendida: Mesmo que a palavra subsequente for masculina há vam sob a mesa. Exceção para até por motivo de clareza: A água
crase: Ele é um galã à Don Juan. do rio subiu até à Prefeitura da cidade. (= a água chegou perto
da Prefeitura); se não houvesse o sinal da crase, o sentido ficaria
- As expressões “rua”, “loja”, “estação de rádio”, etc. estive- ambíguo: a água chegou até a Prefeitura (= inundou inclusive a
rem subentendidas: Virou sentido à Higienópolis (= Virou sentido Prefeitura).
à Rua Higienópolis); Fomos à Pernambucanas (fomos à loja Per-
nambucanas). - Com expressões repetitivas: Secamos a casa gota a gota.
- É implícita uma palavra feminina: Esta fruta é semelhante
à uva (= à fruta). - Com expressões tomadas de maneira indeterminada: Pre-
firo jiló a injeção (no masc. = prefiro jiló a remédio).
- Pronome substantivo possessivo feminino no singular ou
- Antes de pronome interrogativo, não ocorre crase: A qual
plural: Aquela casa é semelhante à nossa. O acento indicativo de
autoridade irá se dirigir?
crase é obrigatório porque, no masculino, ficaria assim: Aquele
carro é semelhante ao nosso (preposição + artigo definido).
- Na expressão valer a pena (no sentido de valer o sacrifício,
o esforço), não ocorre crase, pois o “a” é artigo definido: Não sei
- Não confundir devido com dado (a, os, as): a expressão se este trabalho vale a pena.
pede preposição “a”, tendo crase antes de palavra feminina de-
terminada pelo artigo definido. Devido à chuva de ontem, os Crase Facultativa:
trabalhos foram cancelados (= devido ao temporal de ontem, os
trabalhos...); Já a outra expressão não aceita preposição “a” (o “a” - Antes de nomes próprios femininos: Dei os parabéns à Cida;
que aparece é artigo definido, não se usa, crase): Dada a resposta Dei os parabéns a Cida. Antes de um nome de pessoa, pode-se ou
sobre o acidente (= dado o esclarecimento sobre...). não usar o artigo “a” (“A Camila é uma boa amiga”. Ou “Camila é
uma boa amiga”). Sendo assim, mesmo que a preposição esteja
Fora os casos anteriores, deve-se substituir a palavra femini- presente, a crase é facultativa.
na por outra masculina da mesma função sintática. Caso use “ao”
no masculino, haverá crase no “a” do feminino. Se ocorrer “a” ou - Antes de pronome adjetivo possessivo feminino singular:
“o” no masculino, não haverá crase no “a” do feminino. Pediu permissão à minha esposa; Pediu permissão a minha es-
posa. Mesma explicação é idêntica à do item anterior. Portanto,
Não se usa Crase: mesmo com a presença da preposição, a crase é facultativa.

- Antes de palavra masculina: Chegou a tempo; Vende-se a - Nomes de localidades: há as que admitem artigo antes e
prazo. as que não o admitem. Para se saber se o nome de uma localida-
de aceita artigo, substitua o verbo da frase pelos verbos estar ou
- Antes de verbo: Ficamos a admirá-los; Ele começou a ter vir. Se ocorrer a combinação “na” com o verbo estar ou “da” com
alucinações. o verbo vir, haverá crase com o “a” da frase original. Se ocorrer
“em” ou “de”, não haverá crase: Quero conhecer à Europa (estou
- Antes de artigo indefinido: Nos dirigimos a um caixa. na Europa; vim da Europa); O avião dirigia-se a São Paulo (estou
em São Paulo; vim de São Paulo).
- Antes de expressão de tratamento introduzida pelos pro-
QUESTÕES
nomes possessivos Vossa ou Sua ou a expressão Você: Enviaram
convites a Vossa Senhoria; Encontraremos a Sua Majestade; Ele
01. PC-MG - Escrivão de Polícia Civil – 2018 - FUMARC
queria perguntar a você.
Ocorre crase quando há a fusão da preposição “a” com o ar-
tigo definido feminino “a” ou entre a preposição “a” e o pronome
- Antes dos pronomes demonstrativos esta e essa: Me refiro demonstrativo “aquele” (e variações).
a esta menina; A família não deu ouvidos a essa fofoca.
INDIQUE a alternativa que apresenta uso FACULTATIVO da
- Antes dos pronomes pessoais: Não diga a ela. crase.
A) Solicitamos a devolução dos documentos enviados à em-
- Antes dos pronomes indefinidos com exceção de outra: Fa- presa.
larei isso a qualquer pessoa. Com o pronome indefinido outra(s), B) O promotor se dirigiu às pessoas presentes no tribunal.
pode haver crase pois, às vezes, aceita o artigo definido a(s): Esta- C) O pai entregou àquele advogado a prova exigida pelo juiz.
vam de frente umas às outras (no masculino, ficaria “Estavam de D) Irei à minha sala para buscar o projeto de consultoria.
frente uns aos outros”).
02. Pref. de Itaquitinga/PE – Assistente Administrativo –
- Quando o “a” estiver no singular e a palavra seguinte esti- 2016 - IDHTEC
ver no plural: Contei a pessoas que perguntaram. Em qual dos trechos abaixo o emprego do acento grave foi
omitido quando houve ocorrência de crase?

35
LÍNGUA PORTUGUESA

A) “O Sindicato dos Metroviários de Pernambuco decidiu sus-


pender a paralisação que faria a partir das 16h desta quarta-feira.” COLOCAÇÃO PRONOMINAL
B) “Pela manhã, em nota, a categoria informou que cruzaria
os braços só retornando às atividades normais as 5h desta quinta- COLOCAÇÃO DOS PRONOMINAL
-feira.”
C) “Nesta quarta-feira, às 21h, acontece o “clássico das multi- A colocação dos pronomes oblíquos átonos é um fator impor-
dões” entre Sport e Santa Cruz, no Estádio do Arruda.” tante na harmonia da frase. Ela respeita três tipos de posição que
D) “Após a ameaça de greve, o sindicato foi procurado pela os pronomes átonos me, te, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes podem
CBTU e pela PM que prometeram um reforço no esquema de se- ocupar na oração:
gurança.”
E) “A categoria se queixa de casos de agressões, vandalismo e Próclise - o pronome é colocado antes do verbo.
depredações e da falta de segurança nas estações.” Mesóclise - o pronome é colocado no meio do verbo.
Ênclise - o pronome é colocado depois do verbo.
03. MPE/SC – Promotor de Justiça – 2016 - MPE/SC
Em relação ao emprego do sinal de crase, estão corretas as
Próclise
frases:
a) Solicito a Vossa Excelência o exame do presente documento.
b) A redação do contrato compete à Diretoria de Orçamento - Orações negativas, que contenham palavras como: não,
e Finanças.  ninguém, nunca.
( ) Certo ( ) Errado Não o vi ontem.
Nunca o tratei mal.
04. TRF-3ª Região – Técnico Judiciário – Informática – 2016
- FCC - Pronomes relativos, indefinidos ou demonstrativos.
O sinal indicativo de crase está empregado corretamente em: Foi ele que o disse a verdade.
A) Não era uma felicidade eufórica, semelhava-se mais à uma Alguns lhes custaram a vida.
brisa de contentamento. Isso me lembra infância.
B) O vinho certamente me induziu àquela súbita vontade de
abraçar uma árvore gigante. - Verbos antecedidos por advérbios ou expressões adverbiais,
C) Antes do fim da manhã, dediquei-me à escrever tudo o a não ser que haja vírgula depois do advérbio, pois assim o advér-
que me propusera para o dia. bio deixa de atrair o pronome.
D) A paineira sobreviverá a todas às 18 milhões de pessoas Ontem me fizeram uma proposta.
que hoje vivem em São Paulo. Agora, esqueça-se.
E) Acho importante esclarecer que não sou afeito à essa tra-
dição de se abraçar árvore. - Orações exclamativas e orações que exprimam desejo que
algo aconteça.
05. Pref. De Criciúma/SC – Engenheiro Civil – 2016 - FEPESE Deus nos ajude.
Analise as frases quanto ao uso correto da crase. Espero que me dês uma boa notícia.
1. O seu talento só era comparável à sua bondade.
2. Não pôde comparecer à cerimônia de posse na Prefeitura. - Orações com conjunções subordinativas.
3. Quem se vir em apuros, deve recorrer à coordenação local Exemplos:
de provas.
Embora se sentisse melhor, saiu.
4. Dia a dia, vou vencendo às batalhas que a vida me apre-
Conforme lhe disse, hoje vou sair mais cedo.
senta.
5. Daqui à meia hora, chegarei a estação; peça para me
aguardarem. - Verbo no gerúndio regido da preposição em.
Em se tratando de Brasil, tudo pode acontecer.
A) São corretas apenas as frases 1 e 4. Em se decidindo pelo vestido, opte pelo mais claro.
B) São corretas apenas as frases 3 e 4.
C) São corretas apenas as frases 1, 2 e 3. - Orações interrogativas.
D) São corretas apenas as frases 2, 3 e 4. Quando te disseram tal mentira?
E) São corretas apenas as frases 2, 4 e 5. Quem te ligou?

RESPOSTAS Mesóclise
01 D É possível apenas com verbos do Futuro do Presente ou do
02 B Futuro do Pretérito. Se houver palavra atrativa, dá-se preferência
03 Certo ao uso da Próclise.
Encontrar-me-ei com minhas raízes.
04 B Encontrar-me-ia com minhas raízes.
05 C

36
LÍNGUA PORTUGUESA

Ênclise 02. Pref. de Caucaia/CE – Agente de Suporte a Fiscalização


– 2016 - CETREDE
Usa-se a Ênclise quando o uso da Próclise e Mesóclise não fo- Marque a opção em que ocorre ênclise.
rem possíveis. A colocação de pronome depois do verbo é atraída A) Disseram-me a verdade.
pelas seguintes situações: B) Não nos comunicaram o fato.
C) Dir-se-ia que tal construção não é correta.
- Verbo no imperativo afirmativo. D) A moça se penteou.
Depois de avaliar, chamem-nos. E) Contar-me-ão a verdade?
Ao iniciar, distribuam-lhes as senhas!
03. MPE/RS – Agente Administrativo – 2017 - MPE-RS
- Verbo no infinitivo impessoal. Assinale a alternativa que preenche correta e respectivamen-
Preciso apresentar-te a minha irmã. te as lacunas dos enunciados abaixo.
O seu pior pesadelo é casar-se. 1. Quanto ao pedido do Senhor Secretário, a secretaria deve-
rá ________ que ainda não há disponibilidade de recursos.
- Verbo inicia a oração. 2. Apesar de o regimento não exigir uma sindicância neste
Disse-lhe a verdade sobre nosso amor. tipo de situação, a gravidade
Arrepiei-me com tal relato. da ocorrência ________, sem dúvida.
3. Embora os novos artigos limitem o alcance da lei, eles não
- Verbo no gerúndio (sem a preposição em, pois regido pela ________.
preposição em usa-se a Próclise).
Vivo perguntando-me como pode ser tão falso. A) informar-lhe – a justificaria – revogam-na
Faço muitos apontamentos, perguntando-lhe o motivo do B) informar-lhe – justificá-la-ia – a revogam
fingimento. C) informá-lo – justificar-lhe-ia – a revogam
D) informá-lo – a justificaria – lhe revogam
Com Locução Verbal
E) informar-lhe – justificá-la-ia – revogam-na
Todos os exemplos até agora têm apenas um verbo atraindo
04. IPSMI – Procurador – 2016 - VUNESP
o pronome. Vejamos como fica a colocação do pronome nas lo-
Assinale a alternativa em que a colocação pronominal e a
cuções verbais (seguindo todas as regras citadas anteriormente).
conjugação dos verbos estão de acordo com a norma-padrão.
A) Eles se disporão a colaborar comigo, se verem que não
- Ênclise depois do verbo auxiliar ou depois do verbo principal
prejudicarei-os nos negócios.
nas locuções verbais em que o verbo principal está no infinitivo
B) Propusemo-nos ajudá-lo, desde que se mantivesse calado.
ou no gerúndio.
C) Tendo avisado-as do perigo que corriam, esperava que elas
Devo chamar-te pelo primeiro nome.
Devo-lhe chamar pelo primeiro nome. se contessem ao dirigir na estrada.
D) Todos ali se predisporam a ajudar-nos, para que nos sen-
- Caso não haja palavra que atraia a Próclise, Ênclise é usada tíssemos à vontade.
depois do verbo auxiliar onde o verbo principal está no particípio. E) Os que nunca enganaram-se são poucos, mas gostam de
Foi-lhe dito como deveria impedir isso. que se alardeiem seus méritos.
Tinha-lhe feito as malas para que partisse o mais rápido pos-
sível. 05. BAHIAGÁS - Analista de Processos Organizacionais - Ad-
ministração e Psicologia – 2016 - IESES
QUESTÕES Assinale a opção em que a colocação dos pronomes átonos
está INCORRETA:
01. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE- A) Não considero-me uma pessoa de sorte; me considero
PESE uma pessoa que trabalha para se sustentar e esforça-se para se
Analise a frase abaixo: colocar bem na vida.
“O professor discutiu............mesmos a respeito da desaven- B) Pagar-lhes-ei tudo o que lhes devo, mas no devido tempo
ça entre .........e ........ . e na devida forma.
C) A situação não é melhor na Rússia, onde os antigos servos
Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas tornaram-se mujiques famintos, nem nos países mediterrâneos,
do texto. onde os campos sobrecarregados de homens são incapazes de
A) com nós • eu • ti alimentá-los.
B) conosco • eu • tu D) Deus me livre desse maldito mosquito! Nem me falem
C) conosco • mim • ti nessas doenças que ele transmite!
D) conosco • mim • tu E) Pede a Deus que te proteja e dê muita vida e saúde a teus
E) com nós • mim • ti pais.

37
LÍNGUA PORTUGUESA

06. TRT – 14ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa – 2017 - FCC

No que se refere ao emprego do acento indicativo de crase e à colocação do pronome, a alternativa que completa corretamente a
frase O palestrante deu um conselho... É:
A) à alguns jovens que escutavam-no.
B) à estes jovens que o escutavam.
C) àqueles jovens que o escutavam
D) à juventude que escutava-o.
E) à uma porção de jovens que o escutava.

RESPOSTAS
01 E
02 A
03 B
04 B
05 A
06 C

SIGNIFICADO DAS PALAVRAS

SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS

A Significação das palavras é estudada pela semântica, que estuda o sentido das palavras e as relações de sentido que as palavras
estabelecem entre si.

Sinônimos e antônimos

Sinônimos: palavras de sentido igual ou parecido.


Ex.: necessário, essencial, fundamental, obrigatório

Geralmente é indiferente usar um sinônimo ou outro. O fato linguístico de existirem sinônimos chama-se sinonímia, palavra que tam-
bém designa o emprego de sinônimos.

Antônimos: palavras de sentido oposto.


Ex.: dedicado: desinteressado, desapegado, relapso.
Pontual: atrasado, retardado, irresponsável.

A antonímia pode ser originada por um prefixo de sentido oposto ou negativo. Ex.: simpático/antipático, progredir/regredir, ativo/
inativo, esperar/desesperar, simétrico/assimétrico.

38
LÍNGUA PORTUGUESA

Homônimos Hiperonímia e hiponímia

Se refere à capacidade de as palavras serem homônimas Hiperonímia e a hiponímia indicam a capacidade das palavras
(som igual, escrita igual, significado diferente), homófonas (som estabelecerem relações hierárquicas de significado. Um hiperôni-
igual, escrita diferente, significado diferente) ou homógrafas (som mo, palavra superior com um sentido mais abrangente, engloba
diferente, escrita igual, significado diferente). um hipônimo, palavra inferior com sentido mais restrito.
O contexto é quem vai determinar a significação dos homôni-
mos. Ela pode ser causa de ambiguidade, por isso é considerada Fruta é hiperônimo de banana.
uma deficiência dos idiomas. Banana é hipônimo de fruta.

Homônimos QUESTÕES
rio (curso de água) e rio (verbo rir);
caminho (itinerário) e caminho (verbo caminhar). 12. Pref. de Itaquitinga/PE – Psicólogo – 2016 - IDHTEC
A entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os comba-
Homófonos tentes contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; co-
cem (número) e sem (indica falta) moviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, naquele
senso (sentido) e censo (levantamento estatístico) armistício transitório, uma legião desarmada, mutilada faminta
e claudicante, num assalto mais duro que o das trincheiras em
Homógrafos fogo. Custava-lhes admitir que toda aquela gente inútil e frágil
colher (talher) e colher (apanhar); saísse tão numerosa ainda dos casebres bombardeados durante
acerto (correção) e acerto (verbo acertar); três meses. Contemplando-lhes os rostos baços, os arcabouços
esmirrados e sujos, cujos molambos em tiras não encobriam la-
Parônimos nhos, escaras e escalavros – a vitória tão longamente apetecida
decaía de súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava. Era,
Se refere a palavras que são escritas e pronunciadas de forma com efeito, contraproducente compensação a tão luxuosos gastos
parecida, mas que apresentam significados diferentes. de combates, de reveses e de milhares de vidas, o apresamento
infligir (aplicar) e infringir (transgredir), daquela caqueirada humana – do mesmo passo angulhenta e si-
sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder), nistra, entre trágica e imunda, passando-lhes pelos olhos, num
deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente, di- longo enxurro de carcaças e molambos...
vergir, adiar), Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender uma
ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir), arma, nem um peito resfolegante de campeador domado: mu-
vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e vultuoso lheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças enve-
(congestionado: rosto vultuoso). lhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade, escavei-
radas e sujas, filhos escanchados nos quadris desnalgados, filhos
Polissemia encarapitados às costas, filhos suspensos aos peitos murchos, fi-
lhos arrastados pelos braços, passando; crianças, sem-número de
Polissemia indica a capacidade de uma palavra apresentar crianças; velhos, sem-número de velhos; raros homens, enfermos
uma multiplicidade de significados, conforme o contexto em que opilados, faces túmidas e mortas, de cera, bustos dobrados, andar
ocorre. Uma palavra pode ter mais de uma significação. Ex.: cambaleante.
Mangueira: tubo de borracha ou plástico para regar as plan- (CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos. Edi-
tas ou apagar incêndios; árvore frutífera; grande curral de gado. ção Especial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.)
Pena: pluma; peça de metal para escrever; punição; dó.
Em qual das alternativas abaixo NÃO há um par de sinôni-
Denotação e conotação mos?
A) Armistício – destruição
Denotação indica a capacidade de as palavras apresentarem B) Claudicante – manco
um sentido literal (próprio) e objetivo. A conotação indica a capa- C) Reveses – infortúnios
cidade de as palavras apresentarem um sentido figurado e sim- D) Fealdade – feiura
bólico. E) Opilados – desnutridos

Exemplos com sentido denotativo: 02. Pref. de Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico e
As águas pingavam da torneira, (sentido próprio). Mecânico – 2016 - Instituto Excelência
As horas iam pingando lentamente, (sentido figurado). Assinale a alternativa em que as palavras podem servir de
exemplos de parônimos:
Exemplos com sentido conotativo: A) Cavaleiro (Homem a cavalo) – Cavalheiro (Homem gentil).
Comprei uma correntinha de ouro. B) São (sadio) – São (Forma reduzida de Santo).
Fulano nadava em ouro. C) Acento (sinal gráfico) – Assento (superfície onde se senta).
D) Nenhuma das alternativas.

39
LÍNGUA PORTUGUESA

03. TJ/MT – Analista Judiciário – Ciências Contábeis – 2017 deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade come a sua
- UFMT pombinha com a mesma inocência com que a pomba come seu
Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas, seja no grão de milho.
modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por exemplo, Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pombas
assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada uma apresen- e também o lance magnífico em que o gavião se despenca sobre
ta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, grafias diferentes, uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupéry, “a verda-
denomina-se homônimo homófono. Assinale a alternativa em de do gavião”, mas matar um gavião no ar com um belo tiro pode
que todas as palavras se encontram nesse caso. também ser a verdade do caçador.
A) taxa, cesta, assento Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente o
B) conserto, pleito, ótico gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate, pode
C) cheque, descrição, manga lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem.
D) serrar, ratificar, emergir (Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999. Adaptado)

04. TJ/MT – Analista Judiciário – Direito – 2017 - UFMT O termo gavião, destacado em sua última ocorrência no tex-
to – … pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro
A fuga dos rinocerontes homem. –, é empregado com sentido
Espécie ameaçada de extinção escapa dos caçadores da ma- A) próprio, equivalendo a inspiração.
neira mais radical possível – pelo céu. B) próprio, equivalendo a conquistador.
C) figurado, equivalendo a ave de rapina.
Os rinocerontes-negros estão entre os bichos mais visados D) figurado, equivalendo a alimento.
da África, pois sua espécie é uma das preferidas pelo turismo de E) figurado, equivalendo a predador.
caça. Para tentar salvar alguns dos 4.500 espécimes que ainda res-
tam na natureza, duas ONG ambientais apelaram para uma solu- 06. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE-
ção extrema: transportar os rinocerontes de helicóptero. A ação PESE
utilizou helicópteros militares para remover 19 espécimes – com O termo (ou expressão) em destaque, que está empregado
1,4 toneladas cada um – de seu habitat original, na província de em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em:
Cabo Oriental, no sudeste da África do Sul, e transferi-los para a A) Estou morta de cansada.
província de Lampopo, no norte do país, a 1.500 quilômetros de B) Aquela mulher fala mal de todos na vizinhança! É uma co-
distância, onde viverão longe dos caçadores. Como o trajeto tem bra.
áreas inacessíveis de carro, os rinocerontes tiveram de voar por C) Todo cuidado é pouco. As paredes têm ouvidos.
24 quilômetros. Sedados e de olhos vendados (para evitar sustos D) Reclusa desde que seu cachorrinho morreu, Filomena fi-
caso acordassem), os rinocerontes foram içados pelos tornozelos nalmente saiu de casa ontem.
e voaram entre 10 e 20 minutos. Parece meio brutal? Os respon- E) Minha amiga é tão agitada! A bateria dela nunca acaba!
sáveis pela operação dizem que, além de mais eficiente para levar
os paquidermes a locais de difícil acesso, o procedimento é mais RESPOSTAS
gentil. 01 A
(BADÔ, F. A fuga dos rinocerontes. Superinteressante, nº 229,
2011.) 02 A
03 A
A palavra radical pode ser empregada com várias acepções,
04 C
por isso denomina-se polissêmica. Assinale o sentido dicionariza-
do que é mais adequado no contexto acima. 05 E
A) Que existe intrinsecamente num indivíduo ou coisa. 06 D
B) Brusco; violento; difícil.
C) Que não é tradicional, comum ou usual.
D) Que exige destreza, perícia ou coragem.
FIGURAS DE LINGUAGEM
05. UNESP – Assistente Administrativo I – 016 - VUNESP/2016

O gavião FIGURAS DE LINGUAGEM


Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco As figuras de linguagem são recursos especiais usados por
voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua. quem fala ou escreve, para dar à expressão mais força, intensi-
Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e dade e beleza.
comovente – o gavião malvado, que mata pombas. São três tipos:
O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à contem- Figuras de Palavras (tropos);
plação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas e o Figuras de Construção (de sintaxe);
partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer palavra Figuras de Pensamento.
é melhor que “columbófilo”) querem matar o gavião. Os amigos

40
LÍNGUA PORTUGUESA

Figuras de Palavra - singular pelo plural. Exemplo: A mulher foi chamada para ir às
ruas. (Todas as mulheres foram chamadas, não apenas uma)
É a substituição de uma palavra por outra, isto é, no emprego
figurado, simbólico, seja por uma relação muito próxima (conti- - gênero ou a qualidade pela espécie. Exemplo: Os mortais so-
guidade), seja por uma associação, uma comparação, uma simila- frem nesse mundo. (Os homens sofrem nesse mundo.)
ridade. São as seguintes as figuras de palavras:
- matéria pelo objeto. Exemplo: Ela não tem um níquel. (a ma-
Metáfora: consiste em utilizar uma palavra ou uma expres- téria níquel é usada no lugar da coisa fabricada, que é “moeda”).
são em lugar de outra, sem que haja uma relação real, mas em
virtude da circunstância de que o nosso espírito as associa e de- Atenção: Os últimos 5 exemplos podem receber também o
preende entre elas certas semelhanças. Observe o exemplo: nome de Sinédoque.

“Meu pensamento é um rio subterrâneo.” (Fernando Pessoa) Perífrase: substituição de um nome por uma expressão para
facilitar a identificação. Exemplo: A Cidade Maravilhosa (= Rio de
Nesse caso, a metáfora é possível na medida em que o poeta Janeiro) continua atraindo visitantes do mundo todo.
estabelece relações de semelhança entre um rio subterrâneo e
seu pensamento. Obs.: quando a perífrase indica uma pessoa, recebe o nome
de antonomásia.
Comparação: é a comparação entre dois elementos comuns; Exemplos:
semelhantes. Normalmente se emprega uma conjunção compa- O Divino Mestre (= Jesus Cristo) passou a vida praticando o
rativa: como, tal qual, assim como. bem.
O Poeta da Vila (= Noel Rosa) compôs lindas canções.
“Sejamos simples e calmos
Como os regatos e as árvores” Sinestesia: Consiste em mesclar, numa mesma expressão, as
Fernando Pessoa sensações percebidas por diferentes órgãos do sentido. Exemplo:
No silêncio negro do seu quarto, aguardava os acontecimentos. (si-
Metonímia: consiste em empregar um termo no lugar de ou- lêncio = auditivo; negro = visual)
tro, havendo entre ambos estreita afinidade ou relação de senti-
do. Observe os exemplos abaixo: Catacrese: A catacrese costuma ocorrer quando, por falta de
um termo específico para designar um conceito, toma-se outro
- autor ou criador pela obra. Exemplo: Gosto de ler Machado “emprestado”. Passamos a empregar algumas palavras fora de seu
de Assis. (Gosto de ler a obra literária de Machado de Assis.) sentido original. Exemplos: “asa da xícara”, “maçã do rosto”, “braço
da cadeira” .
- efeito pela causa e vice-versa. Exemplo: Vivo do meu tra-
balho. (o trabalho é causa e está no lugar do efeito ou resultado). Figuras de Construção

- continente pelo conteúdo. Exemplo: Ela comeu uma caixa Ocorrem quando desejamos atribuir maior expressividade ao
de bombons. (a palavra caixa, que designa o continente ou aquilo significado. Assim, a lógica da frase é substituída pela maior expres-
que contém, está sendo usada no lugar da palavra bombons). sividade que se dá ao sentido. São as mais importantes figuras de
construção:
- abstrato pelo concreto e vice-versa. Exemplos: A gravidez
deve ser tranquila. (o abstrato gravidez está no lugar do concreto, Elipse: consiste na omissão de um termo da frase, o qual, no
ou seja, mulheres grávidas). entanto, pode ser facilmente identificado. Exemplo: No fim da co-
memoração, sobre as mesas, copos e garrafas vazias. (Omissão do
- instrumento pela pessoa que o utiliza. Exemplo: Os micro- verbo haver: No fim da festa comemoração, sobre as mesas, copos
fones foram atrás dos jogadores. (Os repórteres foram atrás dos e garrafas vazias).
jogadores.)
Pleonasmo: consiste no emprego de palavras redundantes
- lugar pelo produto. Exemplo: Fumei um saboroso havana. para reforçar uma ideia. Exemplo: Ele vive uma vida feliz.
(Fumei um saboroso charuto.). Deve-se evitar os pleonasmos viciosos, que não têm valor de
reforço, sendo antes fruto do desconhecimento do sentido das pa-
- símbolo ou sinal pela coisa significada. Exemplo: Não te lavras, como por exemplo, as construções “subir para cima”, “entrar
afastes da cruz. (Não te afastes da religião.). para dentro”, etc.

- a parte pelo todo. Exemplo: Não há teto para os desabriga- Polissíndeto: repetição enfática do conectivo, geralmente o
dos. (a parte teto está no lugar do todo, “o lar”). “e”. Exemplo: Felizes, eles riam, e cantavam, e pulavam, e dança-
vam.
- indivíduo pela classe ou espécie. Exemplo: O homem foi à Inversão ou Hipérbato: alterar a ordem normal dos termos
Lua. (Alguns astronautas foram à Lua.). ou orações com o fim de lhes dar destaque:

41
LÍNGUA PORTUGUESA

“Justo ela diz que é, mas eu não acho não.” (Carlos Drum- Assíndeto: quando certas orações ou palavras, que poderiam
mond de Andrade) se ligar por um conectivo, vêm apenas justapostas. Exemplo: Vim,
“Por que brigavam no meu interior esses entes de sonho não vi, venci.
sei.” (Graciliano Ramos)
Observação: o termo deseja realçar é colocado, em geral, no Anáfora: repetição de uma palavra ou de um segmento do
início da frase. texto com o objetivo de enfatizar uma ideia. É uma figura de cons-
trução muito usada em poesia. Exemplo: Este amor que tudo nos
Anacoluto: quebra da estrutura sintática da oração. O tipo toma, este amor que tudo nos dá, este amor que Deus nos inspira,
mais comum é aquele em que um termo parece que vai ser o e que um dia nos há de salvar
sujeito da oração, mas a construção se modifica e ele acaba sem
função sintática. Essa figura é usada geralmente para pôr em re- Paranomásia: palavras com sons semelhantes, mas de signi-
levo a ideia que consideramos mais importante, destacando-a do ficados diferentes, vulgarmente chamada de trocadilho. Exemplo:
resto. Exemplo: Comemos fora todos os dias! A gente até dispensa a despensa.
O Alexandre, as coisas não lhe estão indo muito bem.
A velha hipocrisia, recordo-me dela com vergonha. (Camilo Neologismo: criação de novas palavras. Exemplo: Estou a fim
Castelo Branco) do João. (estou interessado). Vou fazer um bico. (trabalho tem-
porário).
Silepse: concordância de gênero, número ou pessoa é feita
com ideias ou termos subentendidos na frase e não claramente Figuras de Pensamento
expressos. A silepse pode ser:
- de gênero. Exemplo: Vossa Majestade parece desanimado. Utilizadas para produzir maior expressividade à comunica-
(o adjetivo desanimado concorda não com o pronome de trata- ção, as figuras de pensamento trabalham com a combinação de
mento Vossa Majestade, de forma feminina, mas com a pessoa a ideias, pensamentos.
quem esse pronome se refere – pessoa do sexo masculino).
Antítese: Corresponde à aproximação de palavras contrárias,
- de número. Exemplo: O pessoal ficou apavorado e saíram
que têm sentidos opostos. Exemplo: O ódio e o amor andam de
correndo. (o verbo sair concordou com a ideia de plural que a
mãos dadas.
palavra pessoal sugere).
- de pessoa. Exemplo: Os brasileiros amamos futebol. (o su-
Apóstrofe: interrupção do texto para se chamar a atenção de
jeito os brasileiros levaria o verbo na 3ª pessoa do plural, mas a
alguém ou de coisas personificadas. Sintaticamente, a apóstrofe
concordância foi feita com a 1ª pessoa do plural, indicando que a
corresponde ao vocativo. Exemplo: Tende piedade, Senhor, de to-
pessoa que fala está incluída em os brasileiros).
das as mulheres.
Onomatopeia: Ocorre quando se tentam reproduzir na for- Eufemismo: Atenua o sentido das palavras, suavizando as ex-
ma de palavras os sons da realidade. pressões do discurso Exemplo: Ele foi para o céu. (Neste caso, a
Exemplos: Os sinos faziam blem, blem, blem, blem. expressão “para a céu”, ameniza o discurso real: ele morreu.)
Miau, miau. (Som emitido pelo gato)
Tic-tac, tic-tac fazia o relógio da sala de jantar. Gradação: os termos da frase são fruto de hierarquia (ordem
crescente ou decrescente). Exemplo: As pessoas chegaram à fes-
As onomatopeias, como no exemplo abaixo, podem resultar ta, sentaram, comeram e dançaram.
da Aliteração (repetição de fonemas nas palavras de uma frase
ou de um verso). Hipérbole: baseada no exagero intencional do locutor, isto é,
expressa uma ideia de forma exagerada.
“Vozes veladas, veludosas vozes, Exemplo: Liguei para ele milhões de vezes essa tarde. (Ligou
volúpias dos violões, vozes veladas, várias vezes, mas não literalmente 1 milhão de vezes ou mais).
vagam nos velhos vórtices velozes
dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.” Ironia: é o emprego de palavras que, na frase, têm o sentido
(Cruz e Sousa) oposto ao que querem dizer. É usada geralmente com sentido sar-
cástico. Exemplo: Quem foi o inteligente que usou o computador
Repetição: repetir palavras ou orações para enfatizar a afir- e apagou o que estava gravado?
mação ou sugerir insistência, progressão:
“E o ronco das águas crescia, crescia, vinha pra dentro da Paradoxo: Diferente da antítese, que opõem palavras, o pa-
casona.” (Bernardo Élis) radoxo corresponde ao uso de ideias contrárias, aparentemente
“O mar foi ficando escuro, escuro, até que a última lâmpada absurdas. Exemplo: Esse amor me mata e dá vida. (Neste caso, o
se apagou.” (Inácio de Loyola Brandão) mesmo amor traz alegrias (vida) e tristeza (mata) para a pessoa.)
Personificação ou Prosopopéia ou Animismo: atribuição de
Zeugma: omissão de um ou mais termos anteriormente ações, sentimentos ou qualidades humanas a objetos, seres irra-
enunciados. Exemplo: Ele gosta de geografia; eu, de português. cionais ou outras coisas inanimadas. Exemplo: O vento suspirou
(na segunda oração, faltou o verbo “gostar” = Ele gosta de geogra- essa manhã. (Nesta frase sabemos que o vento é algo inanimado
fia; eu gosto de português.). que não suspira, sendo esta uma “qualidade humana”.)

42
LÍNGUA PORTUGUESA

Reticência: suspender o pensamento, deixando-o meio vela- O poema, Mamã Negra:


do. Exemplo: A) É uma metáfora para a pátria sendo referência de um país
“De todas, porém, a que me cativou logo foi uma... uma... africano que foi colonizado e teve sua população escravizada.
não sei se digo.” (Machado de Assis) B) É um vocativo e clama pelos efeitos negativos da escraviza-
ção dos povos africanos.
Retificação: consiste em retificar uma afirmação anterior. C) É a referência resumida a todo o povo que compõe um país
Exemplos: O médico, aliás, uma médica muito gentil não sabia libertado depois de séculos de escravidão.
qual seria o procedimento. D) É o sofrimento que acometeu todo o povo que ficou na
terra e teve seus filhos levados pelo colonizador.
QUESTÕES E) É a figura do colonizador que mesmo exercendo o poder
por meio da opressão foi „ninado‟ pela Mamã Negra.
01. IF/PA - Assistente em Administração – 2016 - FUNRIO
“Quero um poema ainda não pensado, / que inquiete as ma- 04. Pref. de Florianópolis/SC - Auxiliar de Sala – 2016 - FE-
rés de silêncio da palavra ainda não escrita nem pronunciada, / PESE
que vergue o ferruginoso canto do oceano / e reviva a ruína que Analise as frases abaixo:
são as poças d’água. / Quero um poema para vingar minha insô- 1. ”Calções negros corriam, pulavam durante o jogo.”
nia. ” (Olga Savary, “Insônia”) 2. A mulher conquistou o seu lugar!
3. Todo cais é uma saudade de pedra.
Nesses versos finais do poema, encontramos as seguintes fi- 4. Os microfones foram implacáveis com os novos artistas.
guras de linguagem:
A) silepse e zeugma Assinale a alternativa que corresponde correta e sequencial-
B) eufemismo e ironia. mente às figuras de linguagem apresentadas:
C) prosopopeia e metáfora. A) metáfora, metonímia, metáfora, metonímia
D) aliteração e polissíndeto. B) metonímia, metonímia, metáfora, metáfora
E) anástrofe e aposiopese.
C) metonímia, metonímia, metáfora, metonímia
D) metonímia, metáfora, metonímia, metáfora
02. IF/PA - Auxiliar em Administração – 2016 - FUNRIO
E) metáfora, metáfora, metonímia, metáfora
“Eu sou de lá / Onde o Brasil verdeja a alma e o rio é mar / Eu
sou de lá / Terra morena que eu amo tanto, meu Pará.” (Pe. Fábio
05. COMLURB - Técnico de Segurança do Trabalho – 2016
de Melo, “Eu Sou de Lá”)
- IBFC
Leia o poema abaixo e assinale a alternativa que indica a figu-
Nesse trecho da canção gravada por Fafá de Belém, encontra-
mos a seguinte figura de linguagem: ra de linguagem presente no texto:
A) antítese.
B) eufemismo. Amor é fogo que arde sem se ver
C) ironia Amor é fogo que arde sem se ver;
D) metáfora É ferida que dói e não se sente;
E) silepse. É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;
03. Pref. de Itaquitinga/PE - Técnico em Enfermagem – 2016 (Camões)
- IDHTEC
A) Onomatopeia
MAMÃ NEGRA (Canto de esperança) B) Metáfora
C) Personificação
Tua presença, minha Mãe - drama vivo duma Raça, Drama D) Pleonasmo
de carne e sangue Que a Vida escreveu com a pena dos séculos!
Pelo teu regaço, minha Mãe, Outras gentes embaladas à voz da 06.Pref. de Paulínia/SP - Agente de Fiscalização – 2016 - FGV
ternura ninadas do teu leite alimentadas de bondade e poesia de
música ritmo e graça... santos poetas e sábios... Outras gentes... Descaso com saneamento deixa rios em estado de alerta
não teus filhos, que estes nascendo alimárias semoventes, coisas
várias, mais são filhos da desgraça: a enxada é o seu brinquedo A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
trabalho escravo - folguedo... Pelos teus olhos, minha Mãe Vejo cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e cai-
oceanos de dor Claridades de sol-posto, paisagens Roxas paisa- xas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
gens Mas vejo (Oh! se vejo!...) mas vejo também que a luz rou- garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
bada aos teus [olhos, ora esplende demoniacamente tentadora ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reu-
- como a Certeza... cintilantemente firme - como a Esperança... so. As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
em nós outros, teus filhos, gerando, formando, anunciando -o dia cobraram soluções.
da humanidade. As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos as-
(Viriato da Cruz. Poemas, 1961, Lisboa, Casa dos Estudantes pectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam es-
do Império) paço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os

43
LÍNGUA PORTUGUESA

rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de Como é denominada esta figura de linguagem?
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses cor- A) Eufemismo.
pos de água recebem diariamente. B) Hipérbole.
É como se não precisássemos de cada gota de água desses C) Sinestesia.
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas D) Antítese.
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir cen- RESPOSTAS
tenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades. Para
01 C
completar, todo esse descaso decorrente da falta de saneamento
se reverte em contaminação e em graves doenças de veiculação 02 D
hídrica. 03 A
Dados do monitoramento da qualidade da água – que reali-
zamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e do 04 C
Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta ana- 05 B
lisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas 13 pon-
06 D
tos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e os outros
59,2% estão em situação regular, o que significa um estado de 07 C
alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo.
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22
de março), com base nas análises realizadas entre março de 2015
e fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em 76 INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias,
abril/2016.) LEITURA, COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS

Em termos de linguagem figurada, o fato de a divulgação do Leitura


texto ter sido feita no Dia Mundial da Água funciona como
A) metáfora. A leitura é prática de interação social de linguagem. A leitura,
B) pleonasmo. como prática social, exige um leitor crítico que seja capaz de mobi-
C) eufemismo. lizar seus conhecimentos prévios, quer linguísticos e textuais, quer
D) ironia. de mundo, para preencher os vazios do texto, construindo novos
E) hipérbole. significados. Esse leitor parte do já sabido/conhecido, mas, supe-
rando esse limite, incorpora, de forma reflexiva, novos significados
07. Pref. de Chapecó/SC - Engenheiro de Trânsito – 2016 - a seu universo de conhecimento para melhor entender a realidade
IOBV em que vive.
O outro lado Compreensão
só assim o poema se constrói: A compreensão de um texto é a análise e decodificação do
quando o desejo tem forma de ilha que está realmente escrito nele, das frases e ideias ali presentes. A
e todos os planetas são luas, embriões da magia
compreensão de texto significa decodificá-lo para entender o que
então podemos atravessar as chamas
foi dito. É a análise objetiva e a assimilação das palavras e ideias
sentir o chão respirar
presentes no texto.
ver a dança da claridade
Para ler e entender um texto é necessário obter dois níveis de
ouvir as vozes das cores
leitura: informativa e de reconhecimento.
fruir a liberdade animal
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias sele-
de estarmos soltos no espaço
ter parte com pedra e vento tas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela ideia
seguir os rastros do infinito central, argumentação/desenvolvimento e a conclusão do texto.
entender o que sussurra o vazio Quando se diz que uma pessoa tem a compreensão de algo,
– e tudo isso é tão familiar significa que é dotada do perfeito domínio intelectual sobre o as-
para quem conhece sunto.
a forma do sonho Para que haja a compreensão de algo, como um texto, por
(WILLER, Claudio, Estranhas experiências, 2004, p. 46) exemplo, é necessária a sua interpretação. Para isso, o indivíduo
No poema acima, do poeta paulista Claudio Willer (1940), no deve ser capaz de desvendar o significado das construções textuais,
verso “ouvir as vozes das cores”, entre outros versos, é expressa com o intuito de compreender o sentido do contexto de uma frase.
uma figura de linguagem. Esta pode ser assim definida: “Figura que Assim, quando não há uma correta interpretação da mensagem,
consiste na utilização simultânea de alguns dos cinco sentidos” consequentemente não há a correta compreensão da mesma.
(CAMPEDELLI, S. Y. e SOUZA, J. B. Literatura, produção de tex-
tos & gramática. São Paulo, Saraiva, 1998, p. 616).

44
LÍNGUA PORTUGUESA

Interpretação

Interpretar é a ação ou efeito que estabelece uma relação de percepção da mensagem que se quer transmitir, seja ela simultânea ou conse-
cutiva, entre duas pessoas ou entidades.
A importância dada às questões de interpretação de textos deve-se ao caráter interdisciplinar, o que equivale dizer que a competência de ler
texto interfere decididamente no aprendizado em geral, já que boa parte do conhecimento mais importante nos chega por meio da linguagem
escrita. A maior herança que a escola pode legar aos seus alunos é a competência de ler com autonomia, isto é, de extrair de um texto os seus
significados.
Num texto, cada uma das partes está combinada com as outras, criando um todo que não é mero resultado da soma das partes, mas da sua
articulação. Assim, a apreensão do significado global resulta de várias leituras acompanhadas de várias hipóteses interpretativas, levantadas a
partir da compreensão de dados e informações inscritos no texto lido e do nosso conhecimento do mundo.
A interpretação do texto é o que podemos concluir sobre ele, depois de estabelecer conexões entre o que está escrito e a realidade. São as
conclusões que podemos tirar com base nas ideias do autor. Essa análise ocorre de modo subjetivo, e são relacionadas com a dedução do leitor.
A interpretação de texto é o elemento-chave para o resultado acadêmico, eficiência na solução de exercícios e mesmo na compreensão de
situações do dia-a-dia.
Além de uma leitura mais atenta e conhecimento prévio sobre o assunto, o elemento de fundamental importância para interpretar e com-
preender corretamente um texto é ter o domínio da língua.
E mesmo dominando a língua é muito importante ter um dicionário por perto. Isso porque ninguém conhece o significado de todas as pala-
vras e é muito difícil interpretar um texto desconhecendo certos termos.

Dicas para uma boa interpretação de texto:

- Leia todo o texto pausadamente


- Releia o texto e marque todas as palavras que não sabe o significado
- Veja o significado de cada uma delas no dicionário e anote
- Separe os parágrafos do texto e releia um a um fazendo o seu resumo
- Elabore uma pergunta para cada parágrafo e responda
- Questione a forma usada para escrever
- Faça um novo texto com as suas palavras, mas siga as ideias do autor.

Lembre-se que para saber compreender e interpretar muito bem qualquer tipo de texto, é essencial que se leia muito. Quanto mais se
lê, mais facilidade de interpretar se tem. E isso é fundamental em qualquer coisa que se faça, desde um concurso, vestibular, até a leitura de
um anúncio na rua.

Resumindo:

Compreensão Interpretação
O que é É a análise do que está escrito no texto, a compre- É o que podemos concluir sobre o que está escrito
ensão das frases e ideias presentes. no texto. É o modo como interpretamos o conte-
údo.
Informação A informação está presente no texto. A informação está fora do texto, mas tem conexão
com ele.
Análise Trabalha com a objetividadem, com as frases e pa- Trabalha com a subjetividade, com o que você en-
lavras que estão escritas no texto. tendeu sobre o texto.

QUESTÕES

01. SP Parcerias - Analista Técnic - 2018 - FCC

Uma compreensão da História

Eu entendo a História num sentido sincrônico, isto é, em que tudo acontece simultaneamente. Por conseguinte, o que procura o ro-
mancista - ao menos é o que eu tento fazer - é esboçar um sentido para todo esse caos de fatos gravados na tela do tempo. Sei que esses
fatos se deram em tempos distintos, mas procuro encontrar um fio comum entre eles. Não se trata de escapar do presente. Para mim,
tudo o que aconteceu está a acontecer. E isto não é novo, já o afirmava o pensador italiano Benedetto Croce, ao escrever: “Toda a História
é História contemporânea”. Se tivesse que escolher um sinal que marcasse meu norte de vida, seria essa frase de Croce.
(SARAMAGO, José. As palavras de Saramago. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 256)

45
LÍNGUA PORTUGUESA

José Saramago entende que sua função como romancista é C) II, III, V.
A) estudar e imaginar a História em seus movimentos sincrô- D) II, IV, V.
nicos predominantes.
B) ignorar a distinção entre os tempos históricos para mantê- 03. Pref. de São Gonçalo – RJ – Analista de Contabilidade –
-los vivos em seu passado. 2017 - BIO-RIO
C) buscar traçar uma linha contínua de sentido entre fatos
dispersos em tempos distintos. Édipo-rei
D) fazer predominar o sentido do tempo em que se vive sobre
o tempo em que se viveu. Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está ajoe-
E) expressar as diferenças entre os tempos históricos de lhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo de
modo a valorizá-las em si mesmas. oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de Zeus.
(Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013)
02. Pref. de Chapecó – SC – Engenheiro de Trânsito – 2016
- IOBV O texto é a parte introdutória de uma das maiores peças trá-
gicas do teatro grego e exemplifica o modo descritivo de organi-
Por Jonas Valente*, especial para este blog. zação discursiva. O elemento abaixo que NÃO está presente nessa
descrição é:
A Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Crimes Ciberné- A) a localização da cena descrita.
ticos da Câmara dos Deputados divulgou seu relatório final. Nele, B) a identificação dos personagens presentes.
apresenta proposta de diversos projetos de lei com a justificativa C) a distribuição espacial dos personagens.
de combater delitos na rede. Mas o conteúdo dessas proposições D) o processo descritivo das partes para o todo.
é explosivo e pode mudar a Internet como a conhecemos hoje no E) a descrição de base visual.
Brasil, criando um ambiente de censura na web, ampliando a re- 04. MPE-RJ – Analista do Ministério Público - Processual –
pressão ao acesso a filmes, séries e outros conteúdos não oficiais, 2016 - FGV
retirando direitos dos internautas e transformando redes sociais
e outros aplicativos em máquinas de vigilância. Problemas Sociais Urbanos
Não é de hoje que o discurso da segurança na Internet é usa- Brasil escola
do para tentar atacar o caráter livre, plural e diverso da Internet.
Como há dificuldades de se apurar crimes na rede, as soluções Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a
buscam criminalizar o máximo possível e transformar a navegação questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda
em algo controlado, violando o princípio da presunção da inocên- no espaço das cidades e da falta de planejamento público que vise
cia previsto na Constituição Federal. No caso dos crimes contra a à promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
honra, a solução adotada pode ter um impacto trágico para o de- das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimen-
bate democrático nas redes sociais – atualmente tão importante to dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
quanto aquele realizado nas ruas e outros locais da vida off line. inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
Além disso, as propostas mutilam o Marco Civil da Internet, lei que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
aprovada depois de amplo debate na sociedade e que é referên- acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
cia internacional. maioria da população pobre busque por moradias em regiões ain-
(*BLOG DO SAKAMOTO, L. 04/04/2016) da mais distantes.
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
Após a leitura atenta do texto, analise as afirmações feitas: de residência com os centros comerciais e os locais onde traba-
I. O jornalista Jonas Valente está fazendo um elogio à visão lham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que so-
equilibrada e vanguardista da Comissão Parlamentar que legisla frem com esse processo são trabalhadores com baixos salários.
sobre crimes cibernéticos na Câmara dos Deputados. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte público e a
II. O Marco Civil da Internet é considerado um avanço em to- péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que às vezes não
dos os sentidos, e a referida Comissão Parlamentar está querendo contam com saneamento básico ou asfalto e apresentam eleva-
cercear o direito à plena execução deste marco. dos índices de violência.
III. Há o temor que o acesso a filmes, séries, informações em A especulação imobiliária também acentua um problema
geral e o livre modo de se expressar venham a sofrer censura com cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
a nova lei que pode ser aprovada na Câmara dos Deputados. cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
IV. A navegação na internet, como algo controlado, na visão dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população
do jornalista, está longe de se concretizar através das leis a serem que possui terrenos, mas que não possui condições de construir
votadas no Congresso Nacional. neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
V. Combater os crimes da internet com a censura, para o jor- tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
nalista, está longe de ser uma estratégia correta, sendo mesmo geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo, mato
perversa e manipuladora. alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urba-
Assinale a opção que contém todas as alternativas corretas. nos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/
A) I, II, III. brasil/problemas-ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.
B) II, III, IV. htm. Acesso em 14 de abril de 2016.

46
LÍNGUA PORTUGUESA

A estruturação do texto é feita do seguinte modo: RESPOSTAS


A) uma introdução definidora dos problemas sociais urbanos 01 C
e um desenvolvimento com destaque de alguns problemas;
B) uma abordagem direta dos problemas com seleção e expli- 02 C
cação de um deles, visto como o mais importante; 03 D
C) uma apresentação de caráter histórico seguida da explici-
04 B
tação de alguns problemas ligados às grandes cidades;
D) uma referência imediata a um dos problemas sociais ur- 05 B
banos, sua explicitação, seguida da citação de um segundo pro-  
blema;
E) um destaque de um dos problemas urbanos, seguido de
sua explicação histórica, motivo de crítica às atuais autoridades. TIPOLOGIA TEXTUAL E GÊNEROS TEXTUAIS

05. MPE-RJ – Técnico do Ministério Público - Administrativa Gêneros Textuais


– 2016 - FGV
São textos encontrados no nosso dia-a-dia e apresentam carac-
O futuro da medicina terísticas sócio comunicativas (carta pessoal ou comercial, diários,
agendas, e-mail, facebook, lista de compras, cardápio entre outros).
O avanço da tecnologia afetou as bases de boa parte das pro- É impossível se comunicar verbalmente a não ser por um tex-
fissões. As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos, jor- to e obriga-nos a compreender tanto as características estruturais
nalistas, carteiros etc. Um ofício relativamente poupado até aqui (como ele é feito) como as condições sociais (como ele funciona na
é o de médico. Até aqui. A crer no médico e “geek” Eric Topol, au- sociedade).
tor de “The Patient Will See You Now” (o paciente vai vê-lo agora), Os gêneros são tipos relativamente estáveis de enunciados
está no forno uma revolução da qual os médicos não escaparão, elaborados pelas mais diversas esferas da atividade humana. Por
mas que terá impactos positivos para os pacientes. essa relatividade a que se refere o autor, pode-se entender que o
Para Topol, o futuro está nos smartphones. O autor nos colo- gênero permite certa flexibilidade quanto à sua composição, favo-
ca a par de incríveis tecnologias, já disponíveis ou muito próximas recendo uma categorização no próprio gênero, isto é, a criação de
disso, que terão grande impacto sobre a medicina. Já é possível, um subgênero.
por exemplo, fotografar pintas suspeitas e enviar as imagens a um Os gêneros textuais são fenômenos históricos, profundamente
algoritmo que as analisa e diz com mais precisão do que um der- vinculados à vida cultural e social, portanto, são entidades sócio
matologista se a mancha é inofensiva ou se pode ser um câncer, o discursivas e formas de ação social em qualquer situação comuni-
que exige medidas adicionais. cativa. Caracterizam-se como eventos textuais altamente maleáveis
Está para chegar ao mercado um apetrecho que transforma o e dinâmicos.
celular num verdadeiro laboratório de análises clínicas, realizan- Os gêneros textuais caracterizam-se muito mais por suas fun-
do mais de 50 exames a uma fração do custo atual. Também é ções comunicativas; cognitivas e institucionais, do que por suas pe-
possível, adquirindo lentes que custam centavos, transformar o culiaridades linguísticas e estruturais.
smartphone num supermicroscópio que permite fazer diagnósti- Os textos, tanto orais quanto escritos, que têm o objetivo de
cos ainda mais sofisticados. estabelecer algum tipo de comunicação, possuem algumas carac-
Tudo isso aliado à democratização do conhecimento, diz To- terísticas básicas que fazem com que possamos saber em qual gê-
pol, fará com que as pessoas administrem mais sua própria saú- nero textual o texto se encaixa. Algumas dessas características são:
de, recorrendo ao médico em menor número de ocasiões e de o tipo de assunto abordado, quem está falando, para quem está
preferência por via eletrônica. É o momento, assegura o autor, falando, qual a finalidade do texto, qual o tipo do texto (narrativo,
de ampliar a autonomia do paciente e abandonar o paternalismo argumentativo, instrucional, etc.).
que desde Hipócrates assombra a medicina. É essencial saber distinguir o que é gênero textual, gênero
Concordando com as linhas gerais do pensamento de Topol, literário e tipo textual. Cada uma dessas classificações é referente
mas acho que, como todo entusiasta da tecnologia, ele provavel- aos textos, porém é preciso ter atenção, cada uma possui um
mente exagera. Acho improvável, por exemplo, que os hospitais significado totalmente diferente da outra.
caminhem para uma rápida extinção. Dando algum desconto para Gêneros textuais – cada um deles possui o seu próprio estilo
as previsões, “The Patient...” é uma excelente leitura para os inte- de escrita e de estrutura. Desta forma fica mais fácil compreender
ressados nas transformações da medicina. as diferenças entre cada um deles e poder classifica-los de acordo
Folha de São Paulo online – Coluna Hélio Schwartsman – com suas características.
17/01/2016. Gênero Literário –os textos abordados são apenas os literá-
rios, diferente do gênero textual, que abrange todo tipo de texto. O
Segundo o autor citado no texto, o futuro da medicina: gênero literário é classificado de acordo com a sua forma, podendo
A) encontra-se ameaçado pela alta tecnologia; ser do gênero líricos, dramático, épico, narrativo e etc.
B) deverá contar com o apoio positivo da tecnologia; Tipo textual –forma como o texto se apresenta, podendo ser clas-
C) levará à extinção da profissão de médico; sificado como narrativo, argumentativo, dissertativo, descritivo, infor-
D) independerá completamente dos médicos; mativo ou injuntivo. Cada uma dessas classificações varia de acordo
E) estará limitado aos meios eletrônicos. como o texto se apresenta e com a finalidade para o qual foi escrito.

47
LÍNGUA PORTUGUESA

Quando pensamos nos diversos tipos e gêneros textuais, de- persuadir o leitor. Sua estrutura textual é dividida em três partes:
vemos pensar também na linguagem adequada a ser adotada em tese (apresentação), antítese (desenvolvimento), nova tese (con-
cada um deles. Por isso existem a linguagem literária e a lingua- clusão).
gem não literária. Diferentemente do que acontece com os textos
literários, nos quais há uma preocupação com o objeto linguístico Exemplos de gêneros textuais dissertativos:
e também com o estilo, os textos não literários apresentam carac- Editorial Jornalístico
terísticas bem delimitadas para que possam cumprir sua principal Carta de opinião
missão, que é, na maioria das vezes, a de informar. Resenha
Quando pensamos em informação, alguns elementos devem Artigo
ser elencados, como a objetividade, a transparência e o compro- Ensaio
misso com uma linguagem não literária, afastando assim possíveis Monografia, dissertação de mestrado e tese de doutorado
equívocos na interpretação de um texto.
Os gêneros textuais são fenômenos históricos, profunda- Texto Expositivo: possuem a função de expor determinada
mente vinculados à vida cultural e social, portanto, são entidades ideia, por meio de recursos como: definição, conceituação, infor-
sócio discursivas e formas de ação social em qualquer situação mação, descrição e comparação.
comunicativa. Exemplos de gêneros textuais expositivos:
Caracterizam-se como eventos textuais altamente maleáveis Seminários
e dinâmicos. Palestras
Os gêneros textuais caracterizam-se muito mais por suas fun- Conferências
ções comunicativas; cognitivas e institucionais, do que por suas Entrevistas
peculiaridades linguísticas e estruturais. Trabalhos acadêmicos
Enciclopédia
Tipos de Gêneros Textuais Verbetes de dicionários
Existem inúmeros gêneros textuais dentro das categorias ti-
Texto Injuntivo: também chamado de texto instrucional, indi-
pológicas de texto, e cada texto possuiu uma linguagem e estru-
ca uma ordem, de modo que o locutor (emissor) objetiva orientar
tura. Em outras palavras, gêneros textuais são estruturas textuais
e persuadir o interlocutor (receptor). Apresentam, na maioria dos
peculiares que surgem dos tipos de textos: narrativo, descritivo,
casos, verbos no imperativo.
dissertativo-argumentativo, expositivo e injuntivo.
Exemplos de gêneros textuais injuntivos:
Texto Narrativo: apresentam ações de personagens no tem-
Propaganda
po e no espaço. A estrutura da narração é dividida em: apresenta-
ção, desenvolvimento, clímax e desfecho. Receita culinária
Bula de remédio
Exemplos de gêneros textuais narrativos: Manual de instruções
Romance Regulamento
Novela Textos prescritivos
Crônica
Contos de Fada QUESTÕES
Fábula
Lendas 01. SEDUC-CE - Professor - Língua Portuguesa – 2018 - UECE-
-CEV
Texto Descritivo: se ocupam de relatar e expor determinada Considerando que os gêneros estão agrupados em cinco mo-
pessoa, objeto, lugar, acontecimento. São textos cheios de adjeti- dalidades retóricas correspondentes aos tipos textuais, assinale a
vos, que descrevem ou apresentam imagens a partir das percep- opção em que a correspondência dos exemplos e as respectivas
ções sensoriais do locutor (emissor). modalidades está correta.
A) ARGUMENTAR: novela fantástica, texto de opinião, debate
Exemplos de gêneros textuais descritivos: regrado.
Diário B) EXPOR: seminário, conferência, entrevista de especialista.
Relatos (viagens, históricos, etc.) C) NARRAR: fábula, curriculum vitae, lenda.
Biografia e autobiografia D) DESCREVER: regulamento, regras de jogo, carta do leitor.
Notícia
Currículo 02. SEDUC-CE - Professor - Língua Portuguesa – 2018 - UECE-
Lista de compras -CEV
Cardápio
Anúncios de classificados Receita do amor

Texto Dissertativo-Argumentativo: encarregados de expor Ingredientes:


um tema ou assunto por meio de argumentações. São marcados • 4 xícaras de carinho
pela defesa de um ponto de vista, ao mesmo tempo que tentam • 2 xícaras de atenção

48
LÍNGUA PORTUGUESA

• 2 colheres de suspiros Uma característica do gênero crônica que pode ser observa-
• 8 pedaços de saudades da no texto é a presença de uma linguagem
• 3 colheres de respeito A) imparcial, que se evidencia em: Talvez em nenhuma outra
• Amor, sorrisos bobos, pimenta e ciúmes a gosto época tantos gênios morassem nas mesmas cidades...
B) formal, que se evidencia em: ... já havia no ar um xodó pela
Modo de preparo: tecnologia.
– Misture 8 pedaços de saudade com 2 xícaras de atenção em C) arcaica, que se evidencia em: Que viagem, a 1866.
uma panela até virar uma mistura onde qualquer momento seja D) coloquial, que se evidencia em: ... foi um ano cheio de do-
especial. Acrescente sorrisos bobos até ficar homogêneo;
mingos
– Junte todo o carinho na forma e caramelize com suspiros de
E) argumentativa, que se evidencia em: Nasceu e morreu
paixão, ao sentir o cheiro de sonhos se espalhando no ambiente
retire do fogo e acrescente uma pitada de pimenta para sentirmos gente.
a intensidade dentro de nós sempre que provarmos; 04. CREMESP - Oficial Administrativo - Área Administrativa-
– Misture bem todos os ingredientes anteriores; 2016 – FCC
– Para não virar rotina, acrescente muito amor e uma colher O Dia do Médico, celebrado em 18 de outubro, foi a data
de ciúmes. Para dar um pequeno sabor de dedicação, adicione escolhida pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São
3 colheres de respeito. (Caso erre na medida de ciúmes coloque Paulo (Cremesp) para o lançamento de uma campanha pela hu-
respeito a gosto). manização da Medicina. Com o mote “O calor humano também
(...) cura”, a ação pretende enaltecer a vocação humanitária do médi-
co e fortalecer a relação entre esses profissionais e seus pacien-
Rendimento: Duas porções tes, um dos pilares da Medicina.
Dica de acompanhamento: Aprecie com abraços e músicas. As peças da campanha ressaltam, por meio de filmes, anún-
Diêgo Cabó cios e banners, que o médico é especialista em pessoas e que o
Fonte:https://www.pensador.com/frase/MTgyMjExMg/. toque, o olhar e a conversa são tão essenciais para a Medicina
Acesso em 08/09/2018. quanto a evolução tecnológica.
(No Dia do Médico, Cremesp lança campanha pela humaniza-
O critério que impera na determinação interpretativa do gê- ção da Medicina. Disponível em: www.cremesp.org.br)
nero apresentado é
A) o suporte.
Levando em conta a linguagem, o formato e a finalidade do
B) o contexto.
C) a forma. texto, conclui-se que se trata de
D) a função. A) uma notícia.
B) um artigo de opinião.
03. CREMESP - Oficial Administrativo - Área Administrativa C) uma carta comercial.
– 2016 – FCC D) uma reportagem.
E) um editorial.
Outro dia, em busca de determinada informação, caiu-me
às mãos um calendário de 1866. Por força do hábito, examinei-o 05. Pref. de Maceió - AL - Técnico Administrativo – 2017 -
pelo avesso e descobri um panorama encantador. Como todos an- COPEVE-UFAL
tes dele, foi um ano cheio de domingos. Nasceu e morreu gente. [...]
Declararam-se guerras e fizeram-se as pazes, não necessariamen-
te nessa ordem. O barco a vapor, o telégrafo e a fotografia eram Nada de exageros
as grandes novidades, e já havia no ar um xodó pela tecnologia.
Mas não adiantava: aquele mundo de 150 anos atrás continuava Consumir dentro do limite das próprias economias é um bom
predominantemente literário. exemplo para as crianças. “Endividar-se para consumir não está
Eram tempos em que, flanando pelas grandes cidades, os certo”, afirma a advogada Noemi Friske Momberger, autora do
mortais podiam cruzar com os escritores nas ruas — poetas,
livro A publicidade dirigida a crianças e adolescentes, regulamen-
romancistas, pensadores —, segui-los até seus cafés, sentar-se
tos e restrições. Isso vale tanto para as crianças como para os pais.
à mesa do lado, ouvir o que eles diziam e, quem sabe, puxá-los
pela manga e oferecer-lhes fogo. Talvez em nenhuma outra época É preciso dar exemplo. Não adianta inventar regras apenas para
tantos gênios morassem nas mesmas cidades, quem sabe até em quem tem menos de 1 metro e meio. É preciso ajudar as crianças
bairros vizinhos. E todos em idade madura, no auge de suas vidas a entender o que cabe no orçamento familiar. “Explico para meus
ativas e criativas. filhos que não podemos ter algumas coisas, mesmo que muitos
Na Paris de 1866, por exemplo, roçavam cotovelos Alexandre na escola tenham três vezes mais”, diz a professora de Inglês Lucia
Dumas, Victor Hugo, Baudelaire. Em Lisboa, Antero de Quental, Razeira, de 30 anos, mãe de Vitor, de 7, e Clara, de 10.
Camilo Castelo Branco, Eça de Queiroz. E, no Rio, bastava um pu- [...]
linho à rua do Ouvidor para se estar diante de Machado de Assis Disponível em:http://revistaepoca.glo-
e José de Alencar. bo.com/Revista/Epoca/0,,EMI58402-15228,00-
Que viagem, a 1866. EU+QUERO+EU+QUERO+EU+QUERO.html>.Acesso em: 07 fev.
(Adaptado de: CASTRO, Ruy. Viagem a 1866. Disponível em: 2017.
www.folha.uol.com.br)

49
LÍNGUA PORTUGUESA

Considerando as características predominantes, o gênero Enquanto a anáfora retoma um componente, a catáfora o an-
textual tecipa, contribuindo com a ligação e a harmonia textual.
A) é seguramente uma reportagem em que se observam
argumentos do autor. Regras para a coesão textual:
B) se enquadra no tipo narrativo, uma vez que há predomínio
de sequências descritivas. Referência
C) foi totalmente explicitado no recorte apresentado, já que
diz respeito a um artigo de opinião. Pessoal: usa pronomes pessoais e possessivos. Exemplo: Eles
D) é uma notícia, já que narra um fato verídico, com são irmãos de Elisabete. (Referência pessoal anafórica)
informações sobre a necessidade de se ensinar os limites do Demonstrativa: usa pronomes demonstrativos e advérbios.
consumo. Exemplo: Terminei todos os livros, exceto este. (Referência de-
E) é delimitado pela esfera do campo opinativo, uma vez que monstrativa catafórica)
defende o ponto de vista de que é preciso haver limites para o Comparativa: usa comparações através de semelhanças.
consumo, por meio de três argumentos básicos. Exemplo: Dorme igual ao irmão. (Referência comparativa endo-
fórica)
RESPOSTAS Substituição
01 B
Substitui um elemento (nominal, verbal, frasal) por outro é
02 D
uma forma de evitar as repetições. Exemplo: Vamos à praia ama-
03 D nhã, eles irão nas próximass férias.
04 A Observe que a substituição acrescenta uma informação nova
ao texto.
05 E
Elipse

COESÃO E COERÊNCIA Pode ser omitido através da elipse um componente textual,


quer seja um nome, um verbo ou uma frase. Exemplo: Temos en-
tradas a mais para o show. Você as quer? (A segunda oração é
COESÃO E COERÊNCIA
perceptível mediante o contexto. Assim, sabemos que o que está
sendo oferecido são as entradas para o show.)
Coerência diz respeito à articulação do texto, compatibilidade
das ideias e à lógica do raciocínio. Coesão referese à expressão
linguística, nível gramatical, estruturas frasais e ao emprego do Conjunção
vocabulário.
Ambas relacionamse com o processo de produção e com- As conjunções ligam orações estabelecendo relação entre
preensão do texto, mas nem sempre um texto coerente apresenta elas. Exemplo: Nós não sabemos quanto custam as entradas, mas
coesão e vice-versa. Sendo assim, um texto pode ser gramatical- ele sabe. (adversativa)
mente bem construído, com frases bem estruturadas, vocabulário
correto, mas apresentar ideias disparatadas, sem nexo, sem uma Coesão Lexical
sequência lógica.
A coerência textual é responsável pela hierarquização dos É a utilização de palavras que possuem sentido aproximado
elementos textuais, ou seja, ela tem origem nas estruturas pro- ou que pertencem a um mesmo campo lexical. São elas: sinôni-
fundas, no conhecimento do mundo de cada pessoa, aliada à mos, hiperônimos, nomes genéricos, entre outros Exemplo: Aque-
competência linguística, que permitirá a expressão das ideias la casa está inabtável. Ela está literalmente caindo aos pedaços.
percebidas e organizadas, no processo de codificação referido na
página Coerência

Coesão É a relação lógica das ideias de um texto que decorre da sua


argumentação. Um texto contraditório e redundante ou cujas
É o resultado da disposição e da correta utilização das pala- ideias iniciadas não são concluídas, é um texto incoerente, o que
vras que propiciam a ligação entre frases, períodos e parágrafos compromete a clareza do discurso e a eficácia da leitura. Exemplo:
de um texto. A coesão ajuda com sua organização e ocorre por Ela está de regime, mas adora comer brigadeiros. (quem está de
meio de palavras chamadas de conectivos. regime não deve comer doces)

Mecanismos de Coesão Fatores de Coerência

A coesão pode ser obtida através de alguns mecanismos: São inúmeros os fatores que contribuem para a coerência de
anáfora e catáfora. Ambas se referem à informação expressa no um texto. Vejamos alguns:
texto e, por esse motivo, são qualificadas como endofóricas.

50
LÍNGUA PORTUGUESA

Conhecimento de Mundo: conjunto de conhecimento que Os termos muito e bem, em destaque, atribuem aos termos
adquirimos ao longo da vida​e que são arquivados na nossa me- aos quais se subordinam sentido de:
mória. A) comparação.
B) intensidade.
Inferências: as informações podem ser simplificadas se par- C) igualdade.
timos do pressuposto que os interlocutores partilham do mesmo D) dúvida.
conhecimento. E) quantidade.
Fatores de contextualização
03. TJ/RJ – Analista Judiciário – 2015 - FGV
“A USP acaba de divulgar estudo advertindo que a poluição
Há fatores que inserem o interlocutor na mensagem provi-
denciando a sua clareza, como os títulos de uma notícia ou a data em São Paulo mata o dobro do que o trânsito”.
de uma mensagem. Exemplo:
— Começaremos às 8h. A oração em forma desenvolvida que substitui correta e ade-
— O que começará às 8h? Não sei sobre o que está falando. quadamente o gerúndio “advertindo” é:
A) com a advertência de;
Informatividade B) quando adverte;
C) em que adverte;
Quanto mais informação não previsível um texto tiver, mais D) no qual advertia;
rico e interessante ele será. Assim, dizer o que é óbvio ou insistir E) para advertir.
numa informação e não desenvolvê-la, com certeza desvaloriza
o texto. 04. PREF. DE PAULISTA/PE – RECEPCIONISTA – 2016 - UPE-
NET
Resumidamente: Observe o fragmento de texto abaixo:
“Mas o que fazer quando o conteúdo não é lembrado justa-
Coesão: conjunto de elementos posicionados ao longo do mente na hora da prova?”
texto, numa linha de sequência e com os quais se estabelece um Sobre ele, analise as afirmativas abaixo:
vínculo ou conexão sequencial. Se o vínculo coesivo se faz via
gramática, fala-se em coesão gramatical. Se se faz por meio do
I. O termo “Mas” é classificado como conjunção subordinati-
vocabulário, tem-se a coesão lexical.
Coerência: é a rede de ligação entre as partes e o todo de va e, nesse contexto, pode ser substituído por “desde que”.
um texto. Conjunto de unidades sistematizadas numa adequada II. Classifica-se o termo “quando” como conjunção subordi-
relação semântica, que se manifesta na compatibilidade entre as nativa que exprime circunstância temporal.
ideias. III. Acentua-se o “u” tônico do hiato existente na palavra
“conteúdo”.
QUESTÕES IV. Os termos “conteúdo”, “hora” e “prova” são palavras inva-
riáveis, classificadas como substantivos.
01. TRF 5ª REGIÃO - TÉCNICO JUDICIÁRIO - TECNOLOGIA DA
INFORMAÇÃO – 2015 - FCC Está CORRETO apenas o que se afirma em:
Há falta de coesão e de coerência na frase: A) I e III.
A) Nem sempre os livros mais vendidos são, efetivamente, os B) II e IV.
mais lidos: há quem os compre para exibi-los na estante. C) I e IV.
B) Aquele romance, apesar de ter sido premiado pela acade- D) II e III.
mia e bem recebido pelo público, não chegou a impressionar os E) I e II.
críticos dos jornais.
C) Se o sucesso daquele romance deveu-se, sobretudo, à res- 05. PREF. DE OSASCO/SP - MOTORISTA DE AMBULÂNCIA
posta do público, razão pela qual a maior parte dos críticos tam-
– 2016 - FGV
bém o teriam apreciado.
D) Há livros que compramos não porque nos sejam imediata-
mente úteis, mas porque imaginamos o quanto poderão nos valer Dificuldades no combate à dengue
num futuro próximo.
E) A distribuição dos livros numa biblioteca frequentemente A epidemia da dengue tem feito estragos na cidade de São
indica aqueles pelos quais o dono tem predileção. Paulo. Só este ano, já foram registrados cerca de 15 mil casos da
doença, segundo dados da Prefeitura.
02. TJ-PA - MÉDICO PSIQUIATRA – 2014 - VUNESP As subprefeituras e a Vigilância Sanitária dizem que existe um
Meu amigo lusitano, Diniz, está traduzindo para o francês protocolo para identificar os focos de reprodução do mosquito
meus dois primeiros romances, Os Éguas e Moscow. Temos tro- transmissor, depois que uma pessoa é infectada. Mas quando
cado e-mails muito interessantes, por conta de palavras e gírias alguém fica doente e avisa as autoridades, não é bem isso que
comuns no meu Pará e absolutamente sem sentido para ele. Às acontece.
vezes é bem difícil explicar, como na cena em que alguém empina (Saúde Uol).
papagaio e corta o adversário “no gasgo”.

51
LÍNGUA PORTUGUESA

“Só este ano...” O ano a que a reportagem se refere é o ano O básico para a organização sintática das frases é a ordem
A) em que apareceu a dengue pela primeira vez. direta dos termos da oração. Os gramáticos estruturam tal ordem
B) em que o texto foi produzido. da seguinte maneira:
C) em que o leitor vai ler a reportagem.
D) em que a dengue foi extinta na cidade de São Paulo. SUJEITO + VERBO + COMPLEMENTO VERBAL + CIRCUNSTÂN-
E) em que começaram a ser registrados os casos da doença. CIAS

06. CEFET/RJ - REVISOR DE TEXTOS – 2015 - CESGRANRIO Nem todas as orações mantêm esta ordem e nem todas con-
Em qual dos períodos abaixo, a troca de posição entre a pala- têm todos estes elementos
vra sublinhada e o substantivo a que se refere mantém o sentido? Paralelismo
A) Algum autor desejava a minha opinião sobre o seu trabalho.
B) O mesmo porteiro me entregou o pacote na recepção do hotel. Os paralelismos sintático e semântico se caracterizam pelas
C) Meu pai procurou uma certa pessoa para me entregar o relações de semelhança existente entre palavras e expressões
embrulho. que se efetivam tanto de ordem morfológica (quando pertencem
D) Contar histórias é uma prazerosa forma de aproximar os à mesma classe gramatical), sintática (quando há semelhança en-
indivíduos. tre frases ou orações) e semântica (quando há correspondência
E) Grandes poemas épicos servem para perpetuar a cultura de sentido entre os termos).
de um povo. Casos recorrentes se manifestam no momento da escrita in-
dicando que houve a quebra destes recursos, tornando-se imper-
RESPOSTAS ceptíveis aos olhos de quem a produz, interferindo de forma ne-
1 C gativa na textualidade como um todo. Ampliando a noção sobre
a correta utilização destes recursos, analisemos alguns casos em
2 C que eles se aplicam:
3 B
- não só... mas (como) também: tal construção confere-nos
4 D
a ideia de adição.
5 B - Quanto mais... (tanto) mais: noção de progressão, pode-
6 D mos identificar a construção paralelística.
- Seja... Seja; Quer... Quer; Ora... Ora: ideia de alternância.
- Tanto... Quanto: ideia de adição, acrescida àquela de equi-
valência, constata-se a estrutura paralelística.
REESCRITA DE TEXTOS/EQUIVALÊNCIA DE ESTRUTURAS - Não... E não/nem: recurso empregado quando se quer atri-
buir uma sequência negativa.
EQUIVALÊNCIA DE ESTRUTURAS - Por um lado... Por outro: referência a aspectos negativos e
positivos relacionados a um determinado fato.
A equivalência e transformação de estruturas consiste em - Tempos verbais: concordância de sentido proferida pelos
saber mudar uma sentença ou parte dela de modo a que fique verbos e seus respectivos tempos.
gramaticalmente correta. Poderíamos explicitar as regras morfo-
lógicas e sintáticas em linguagem natural. Um exemplo disso seria QUESTÕES
a seguinte definição de período: O período é composto por uma
frase e opcionalmente pela sua concatenação com outras frases 01. Pref. de Mangaratiba/RJ - Assistente Social – 2016 - BIO-
em número indefinido relacionadas duas a duas por sintagma -RIO
conectivo. A definição de regras sintáticas em linguagem natural Entre os pensamentos abaixo, aquele que NÃO apresenta
tem suas vantagens. uma estrutura comparativa é:
A) “A arte vence a monotonia das coisas, assim como a espe-
A Ordem dos Termos na Frase rança vence a monotonia dos dias”. (Chesterton)
B) “Muita luz é como muita sombra: não deixa ver”. (Carlos
Há diferentes maneiras de se organizar gramaticalmente Castañeda)
uma frase. Tudo depende da necessidade ou da vontade do re- C) “O bem é aquele que trabalha pela unidade, o mal é aque-
dator em manter o sentido, ou mantê-lo, porém, acrescentado le que trabalha pela separação”. (A. Huxley)
ênfase a algum dos seus termos. Significa dizer que, ao escrever, D) “Bons julgamentos vêm da experiência e, frequentemen-
podemos fazer uma série de inversões e intercalações em nossas te, a experiência vem de maus julgamentos”. (Rita Mae Brown)
frases, conforme a nossa vontade e estilo. Tudo depende da ma- E) “O pessimista se queixa do vento, o otimista espera que
neira como queremos transmitir uma ideia, do nosso estilo. ele mude e o realista ajusta as velas”. (William George Ward)
Entre os sinais de pontuação, a vírgula é o mais usado e o
que mais nos auxilia na organização de um período, pois facilita as 02. Pref. de São Gonçalo/RJ - Analista de Contabilidade –
boas “sintaxes”, boas misturas, ou seja, a vírgula ajuda-nos a não 2016 - BIO-RIO
“embolar” o sentido quando produzimos frases complexas. Com
isto, “entregamos” frases bem organizadas aos nossos leitores.

52
LÍNGUA PORTUGUESA

Édipo-rei Analisando-se a estrutura do texto, conclui-se que se trata


de um /uma:
Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está ajoe- A) Depoimento.
lhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo de B) Debate.
oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de Zeus. C) Notícia.
(Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013) D) Artigo de opinião.
E) Reportagem.
A mesma estrutura de “grupo de crianças” ocorre em:
A) descrição de uma cena. 04. Copergás/PE - Analista Administrador – 2017 - FCC
B) presença de um sacerdote.
C) montão de gente. Idades e verdades
D) casa de Édipo.
O médico e jornalista Drauzio Varella escreveu outro dia no
E) ramo de oliveira.
jornal uma crônica muito instigante. Destaco este trecho:
“Nada mais ofensivo para o velho do que dizer que ele tem
03. UFCG - Assistente em Administração – 2017 - UFCG
‘cabeça de jovem’. É considerá-lo mais inadequado do que o rapaz
de 20 anos que se comporta como criança de dez. Ainda que mal-
Mobilidade urbana no Brasil digamos o envelhecimento, é ele que nos traz a aceitação das am-
biguidades, das diferenças, do contraditório e abre espaço para
Nos últimos anos, o debate sobre a mobilidade urbana no uma diversidade de experiências com as quais nem sonhávamos
Brasil vem se acirrando cada vez mais, haja vista que a maior anteriormente. ”
parte das grandes cidades do país vem encontrando dificuldades Tomo a liberdade de adicionar meu comentário de velho: não
em desenvolver meios para diminuir a quantidade de congestio- preciso que os jovens acreditem em mim, tampouco estou aberto
nam1entos ao longo do dia e o excesso de pedestres em áreas para receber lições dos mocinhos. Nossa alternativa: ao nos de-
centrais dos espaços urbanos. Trata-se, também, de uma questão frontarmos com uma questão de comum interesse, discutirmos
ambiental, pois o excesso de veículos nas ruas gera mais poluição, honestamente que sentido ela tem para nós. O que nos unirá não
interferindo em problemas naturais e climáticos em larga escala e serão nossas diferenças, mas o que nos desafia.
também nas próprias cidades, a exemplo do aumento do proble- (LAMEIRA, Viriato, inédito)
ma das ilhas de calor.
A principal causa dos problemas de mobilidade urbana no É preciso corrigir, por apresentar em sua construção uma
Brasil relaciona-se ao aumento do uso de transportes individuais deficiência estrutural, a redação da seguinte frase:
em detrimento da utilização de transportes coletivos, embora es- A) A muita gente ocorre que os velhos estimem ser tratados
ses últimos também encontrem dificuldades com a superlotação. como jovens, em vez de serem valorizados pelos ganhos obtidos
Esse aumento do uso de veículos como carros e motos deve-se a, em sua longa experiência de vida.
pelo menos, cinco fatores: má qualidade do transporte público no B) Imagina-se que a ingenuidade de uma criança ou o caráter
Brasil; aumento da renda média do brasileiro nos últimos anos; aventureiro de um jovem possam ser atributos positivos inveja-
redução de impostos por parte do Governo Federal sobre produ- dos pelos velhos, quando não o são.
tos industrializados (o que inclui os carros); concessão de mais C) Os jovens, presumivelmente, não deverão considerar-se
crédito ao consumidor; e, por fim, herança histórica da política criaturas privilegiadas se alguém os julga tão ativos e inventivos
rodoviária do país. quanto costumam ser as crianças de dez anos.
D) Ao comentar a afirmação de Drauzio Varella, o autor do
Entre as principais soluções para o problema da mobilidade
texto não se mostra disposto nem a aprender algo com os jovens,
urbana, na visão de muitos especialistas, estaria o estímulo aos
nem a esperar que estes acreditem nele.
transportes coletivos públicos, através da melhoria de suas quali-
E) Conquanto os velhos pareçam injustiçados, razão pela qual
dades e eficiências e do desenvolvimento de um trânsito focado as pessoas tendem a consolá-los atribuindo-lhes juventude, há
na circulação desses veículos, e a diversificação dos modais de por isso mesmo como valorizar sua experiência.
transporte. Ao longo do século XX, o Brasil foi essencialmente ro-
doviarista, em detrimento do uso de trens, metrôs e outros. A 05. TRE/PI - Conhecimentos Gerais para os Cargos 1, 2 e 4
ideia é investir mais nesses modos alternativos, o que pode ate- –2016 - CESPE
nuar os excessivos números de veículos transitando nas ruas das Em relação à conceituação, à finalidade e aos aspectos es-
grandes cidades do país. truturais e linguísticos das correspondências oficiais, assinale a
De toda forma, é preciso ampliar os debates, regulamentan- opção correta.
do ações públicas para o interesse da questão, tais como a difusão A) o memorando é um expediente oficial de circulação inter-
dos fóruns de mobilidade urbana e a melhoria do Estatuto das na ou externa.
Cidades, com ênfase na melhoria da qualidade e da eficiência dos B) como não existe padrão definido para a estrutura das men-
deslocamentos por parte das populações. sagens enviadas por meio de correio eletrônico, não há orienta-
(PENA, Rodolfo F. Alves. “Mobilidade urbana no Brasil”. Dis- ções acerca da linguagem a ser empregada nessas comunicações.
ponível em <http://brasilescola.uol.com.br/geografia/mobilida- C) informar o destinatário sobre determinado assunto, pro-
de-urbanano-brasil.htm>. Acesso em 25/03/2016. Adaptado). por alguma medida e submeter projeto de ato normativo à consi-
deração desse destinatário são alguns dos propósitos comunica-
tivos da mensagem.

53
LÍNGUA PORTUGUESA

D) a exposição de motivos varia estruturalmente conforme - Introdução – apresentação da ideia principal, feita de ma-
sua finalidade comunicativa. neira sintética de acordo com os objetivos do autor.
E) a situação comunicativa mediada pelo ofício é restrita aos - Desenvolvimento – ampliação do tópico frasal (introdução),
ministros de Estado, estejam eles no papel de remetente ou de atribuído pelas ideias secundárias, a fim de reforçar e dar credibi-
destinatário. lidade na discussão.
- Conclusão – retomada da ideia central ligada aos pressupos-
RESPOSTAS tos citados no desenvolvimento, procurando arrematá-los.
01 D
Exemplo de um parágrafo bem estruturado (com introdu-
02 C ção, desenvolvimento e conclusão):
03 D
“Nesse contexto, é um grave erro a liberação da maconha.
04 E Provocará de imediato violenta elevação do consumo. O Estado
05 D perderá o precário controle que ainda exerce sobre as drogas psi-
cotrópicas e nossas instituições de recuperação de viciados não
terão estrutura suficiente para atender à demanda. Enfim, vive-
remos o caos. ”
ESTRUTURAÇÃO DO TEXTO E DOS PARÁGRAFOS (Alberto Corazza, Isto É, com adaptações)

Elemento relacionador: Nesse contexto.


São três os elementos essenciais para a composição de um Tópico frasal: é um grave erro a liberação da maconha.
texto: a introdução, o desenvolvimento e a conclusão. Vamos es- Desenvolvimento: Provocará de imediato violenta elevação
tudar cada uma de forma isolada a seguir: do consumo. O Estado perderá o precário controle que ainda
exerce sobre as drogas psicotrópicas e nossas instituições de re-
Introdução cuperação de viciados não terão estrutura suficiente para atender
à demanda.
Conclusão: Enfim, viveremos o caos.
É a apresentação direta e objetiva da ideia central do texto. A
introdução é caracterizada por ser o parágrafo inicial.
QUESTÕES
Desenvolvimento
01. IFCE – Administrador - 2014
Quando tratamos de estrutura, é a maior parte do texto. O
Como processar quem não nos representa?
desenvolvimento estabelece uma conexão entre a introdução e
a conclusão, pois é nesta parte que as ideias, argumentos e posi- Não somos vândalos. E deveríamos ganhar flores. Cidadãos
cionamento do autor vão sendo formados e desenvolvidos com a que respeitam as regras são diariamente maltratados por servi-
finalidade de dirigir a atenção do leitor para a conclusão. ços públicos ineficientes. Como processar o prefeito e o governa-
Em um bom desenvolvimento as ideias devem ser claras e dor se nossos impostos não se traduzem no respeito ao cidadão?
aptas a fazer com que o leitor anteceda qual será a conclusão. Como processar um Congresso que se comporta de maneira vil,
ao manter como deputado, em voto secreto, o presidiário Natan
São três principais erros que podem ser cometidos na elabo- Donadon, condenado a 13 anos por roubo de dinheiro público?
ração do desenvolvimento: Se posso ser multada (e devo ser) caso jogue no chão um
- Distanciar-se do texto em relação ao tema inicial. papel de bala, por que não posso multar o prefeito quando a ci-
- Focar em apenas um tópico do tema e esquecer dos outros. dade não funciona? E por que não posso multar o governador, se
- Falar sobre muitas informações e não conseguir organizá- o serviço público me provoca sentimentos de fúria e impotência?
-las, dificultando a linha de compreensão do leitor. Como punir o vandalismo moral do Estado? Ah, pelo voto. Não,
não é suficiente. Deveríamos dispor de instrumentos legais para
Conclusão processar quem abusa do poder contra os eleitores – e esse abuso
transcende partidos e ideologias. […] (
Ponto final de todas as argumentações discorridas no desen- Texto retirado do artigo de Ruth Aquino. Revista Época,
volvimento, ou seja, o encerramento do texto e dos questiona- 02/09/2103.)
mentos levantados pelo autor.
Ao fazermos a conclusão devemos evitar expressões como: O texto apresenta como ideia central:
“Concluindo...”, “Em conclusão, ...”, “Como já dissemos antes...”. A) inúmeros questionamentos e dúvidas que demonstram a
falta de informação da autora sobre o modo de punir o serviço
Parágrafo público de má qualidade.
B) questionamentos retóricos que refletem a indignação da
Se caracteriza como um pequeno recuo em relação à margem autora diante dos desmandos de políticos e de instituições públi-
esquerda da folha. Conceitualmente, o parágrafo completo deve cas contra os cidadãos que não têm como punir os que deviam
conter introdução, desenvolvimento e conclusão. representá-los.

54
LÍNGUA PORTUGUESA

C) a ideia de que o cidadão que não é vândalo tem que ser C) II e III, apenas.
bem tratado pelos políticos e pelos servidores públicos. D) I e III, apenas.
D) a discussão de que é pelo voto que podemos punir os polí- E) III, apenas.
ticos e seus partidos pelo desrespeito imposto aos cidadãos.
E) a ideia de que abusos contra os cidadãos que não são elei- 03. TRE SP - Analista Judiciário – 2017 – FCC
tores ocorrem todos os dias e devem ser punidos.
02. TRE SP - Analista Judiciário – 2017 – FCC Discussão – o que é isso?

A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente A palavra discussão tem sentido bastante controverso: tanto
desejo de expansaõ pode indicar a hostilidade de um confronto insanável (“a discussão
entre vizinhos acabou na delegacia”) como a operação necessária
Amizade para se esclarecer um assunto ou chegar a um acordo (“discutiram,
discutiram e acabaram concordando”). Mas o que toda discussão
A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente supõe, sempre, é a presença de um outro diante de nós, para quem
desejo de expansão. Por mais completa que pareça ser uma rela- somos o outro. A dificuldade geral está nesse reconhecimento a um
ção de amizade, ela vive também do que lhe falta e da esperança tempo simples e difícil: o outro existe, e pode estar certo, sua posi-
de que um dia nada venha a faltar. Com o tempo, aprendemos ção pode ser mais justa do que a minha.
a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude dos sentimen- Entre dois antagonistas há as palavras e, com elas, os argu-
tos nossos e alheios, embora no fundo de nós ainda esperemos a mentos. Uma discussão proveitosa deverá ocorrer entre os argu-
súbita novidade que o amigo saberá revelar. Sendo um exercício mentos, não entre as pessoas dos contendores. Se eu trago para
bem-sucedido de tolerância e paciência – amplamente recompen- uma discussão meu juízo já estabelecido sobre o caráter, a índole, a
sadas, diga-se – a amizade é também a ansiedade e a expectativa personalidade do meu interlocutor, a discussão apenas servirá para
de descobrirmos em nós, por intermédio do amigo, uma dimensão a exposição desses valores já incorporados em mim: quero destruir
desconhecida do nosso ser. a pessoa, não quero avaliar seu pensamento. Nesses casos, a dis-
Há quem julgue que cabe ao amigo reconhecer e estimular cussão é inútil, porque já desistiu de qualquer racionalização
nossas melhores qualidades. Mas por que não esperar que o valor As formas de discussão têm muito a ver, não há dúvida, com
maior da amizade está em ser ela um necessário e fiel espelho de a cultura de um povo. Numa sociedade em que as emoções mais
nossos defeitos? Não é preciso contar com o amigo para conhe- fortes têm livre curso, a discussão pode adotar com naturalidade
cermos melhor nossas mais agudas imperfeições? Não cabe ao uma veemência que em sociedades mais “frias” não teria lugar. Es-
amigo a sinceridade de quem aponta nossa falha, pela esperança tão na cultura de cada povo os ingredientes básicos que temperam
de que venhamos a corrigi-la? Se o nosso adversário aponta nos- uma discussão. Seja como for, sem o compromisso com o exame
sas faltas no tom destrutivo de uma acusação, o amigo as identifi- atento das razões do outro, já não haverá o que discutir: estaremos
ca com lealdade, para que nos compreendamos melhor. simplesmente fincando pé na necessidade de proclamar a verda-
Quando um amigo verdadeiro, por contingência da vida ou de absoluta, que seria a nossa. Em casos assim, falar ao outro é o
imposição da morte, é afastado de nós, ficam dele, em nossa mesmo que falar sozinho, diante de um espelho complacente, que
consciência, seus valores, seus juízos, suas percepções. Perguntas refletirá sempre a arrogância da nossa vaidade.
como “O que diria ele sobre isso?” ou “O que faria ele com isso?” (COSTA, Teobaldo, inédito)
passam a nos ocorrer: são perspectivas dele que se fixaram e con-
tinuam a agir como um parâmetro vivo e importante. As marcas Atente para as seguintes afirmações:
da amizade não desaparecem com a ausência do amigo, nem se
enfraquecem como memórias pálidas: continuam a ser referên- I. No primeiro parágrafo, expõe-se a condição mínima para a
cias para o que fazemos e pensamos. ocorrência de uma discussão, sem que se mencione a ação de um
(CALÓGERAS, Bruno, inédito)Considere as seguintes afirma- entrave inicial que possa dificultá-la.
ções: II. No segundo parágrafo, aponta-se, como elemento frequen-
te em algumas discussões, a intolerância, que não me deixa reco-
I. No primeiro parágrafo, há a sugestão de que a tolerância nhecer os argumentos da pessoa a quem já julguei.
e a paciência, qualidades positivas mas dispensáveis entre ami- III. No terceiro parágrafo, estabelece-se uma conexão entre di-
gos verdadeiros, dão lugar à recompensa da incondicionalidade ferentes culturas e diferentes formas de discussão, concluindo-se
do afeto. que um acordo é mais fácil nas contendas mais acaloradas.
II. No segundo parágrafo, expressa-se a convicção de que o
amigo verdadeiro não apenas releva nossos defeitos como tam- Em relação ao texto, está correto o que se afirma em
bém é capaz de convertê-los em qualidades nossas. A) I, II e III.
III. No terceiro parágrafo, considera-se que da ausência oca- B) I e II, apenas.
sional ou definitiva do amigo não resulta que seus valores e seus C) II e III, apenas.
pontos de vista deixem de atuar dentro de nossa consciência. D) I e III, apenas.
E) II, apenas.
Em relação ao texto está correto o que se afirma em:
A) I, II e III.
B) I e II, apenas.

55
LÍNGUA PORTUGUESA

04. Polícia Civil - AP - Oficial de Polícia Civil – 2017 – FCC Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios.
Desse reconhecimento difícil depende nossa humanidade. Dar a
Ações e limites si mesmo e ao outro um tempo mínimo de consideração e análise,
antes de irromper em fúria sem volta, é parte do esforço civiliza-
Quem nunca ouviu a frase “Conte até dez antes de agir”? Não tório que combate a barbárie. A racionalidade aceita e convocada
é comum que se respeite esse conselho, somos tentados a dar para moderar o tumulto passional dificilmente traz algum arre-
livre vasão aos nossos impulsos, mas a recomendação tem sua pendimento. Cansamo-nos de ouvir: “Eu não sabia o que estava
utilidade: dez segundos são um tempo precioso, podem ser a di- fazendo naquela hora”. Pois os dez segundos existem exatamente
ferença entre o ato irracional e a prudência, entre o abismo e a para nos dar a oportunidade de saber.
ponte para um outro lado. Entre as pessoas, como entre os gru- O Direito distingue, é verdade, o crime praticado sob “vio-
pos ou grandes comunidades, pode ser necessário abrir esse mo- lenta emoção” daquele “friamente premeditado”. Há, sim, ate-
mento de reflexão e diplomacia, que antecede e costuma evitar nuantes para quem age criminosamente sob o impulso do ódio.
os desastres irreparáveis. Mas melhor seria se não houvesse crime algum, porque alguém
Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios. se convenceu da importância de contar até dez.
Desse reconhecimento difícil depende nossa humanidade. Dar a (Décio de Arruda Tolentino, inédito)
si mesmo e ao outro um tempo mínimo de consideração e análise,
antes de irromper em fúria sem volta, é parte do esforço civiliza- A recomendação de se distinguir entre o ato irracional e a
tório que combate a barbárie. A racionalidade aceita e convocada prudência, no primeiro parágrafo, é retomada nesta outra formu-
para moderar o tumulto passional dificilmente traz algum arre- lação do texto:
pendimento. Cansamo-nos de ouvir: “Eu não sabia o que estava A) Não é comum que se respeite esse conselho (1º parágrafo).
fazendo naquela hora”. Pois os dez segundos existem exatamente B) Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios
para nos dar a oportunidade de saber. (2º parágrafo).
O Direito distingue, é verdade, o crime praticado sob “vio- C) é parte do esforço civilizatório que combate a barbárie (2º
lenta emoção” daquele “friamente premeditado”. Há, sim, ate- parágrafo).
nuantes para quem age criminosamente sob o impulso do ódio.
D) consideração e análise, antes de irromper em fúria sem
Mas melhor seria se não houvesse crime algum, porque alguém
volta (2ºparágrafo).
se convenceu da importância de contar até dez.
E) atenuantes para quem age criminosamente sob o impulso
(Décio de Arruda Tolentino, inédito)
do ódio (3º parágrafo).
Considere estas orações:
RESPOSTAS
Os impulsos instintivos são brutais.
A irracionalidade marca os impulsos instintivos. 01 B
Precisamos dominar nossos impulsos instintivos. 02 E
As orações acima estão articuladas, de modo claro, coerente 03 E
e correto, no seguinte período: 04 B
A) Dado que os instintos sejam brutais, em razão de sua irra-
cionalidade, sendo necessário que nos urge dominá-los. 05 D
B) Os brutais impulsos instintivos caracterizam-se pela irra-
cionalidade, motivo pelo qual se impõe que os dominemos.
C) Urge que venhamos a dominar aos nossos impulsos instin-
REDAÇÃO OFICIAL
tivos, conquanto marcam nossa brutalidade.
D) O domínio dos impulsos instintivos mais brutais precisam
de se impor diante de sua irracionalidade.
E) Sendo brutais, os impulsos instintivos cuja a marca é a irra- Redação Oficial
cionalidade, impõe-se que sejam dominados.
1. O que é Redação Oficial1
05. Polícia Civil - AP - Oficial de Polícia Civil – 2017 – FCC Em uma frase, pode-se dizer que redação oficial é a manei-
ra pela qual o Poder Público redige atos normativos e comunica-
Ações e limites ções. Interessa-nos tratá-la do ponto de vista do Poder Executivo.
A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, uso
Quem nunca ouviu a frase “Conte até dez antes de agir”? do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e
Não é comum que se respeite esse conselho, somos tentados a uniformidade. Fundamentalmente esses atributos decorrem da
dar livre vasão aos nossos impulsos, mas a recomendação tem Constituição, que dispõe, no artigo 37: “A administração pública
sua utilidade: dez segundos são um tempo precioso, podem ser direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União,
a diferença entre o ato irracional e a prudência, entre o abismo dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos
e a ponte para um outro lado. Entre as pessoas, como entre os princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade
grupos ou grandes comunidades, pode ser necessário abrir esse e eficiência (...)”. Sendo a publicidade e a impessoalidade princí-
momento de reflexão e diplomacia, que antecede e costuma evi- pios fundamentais de toda administração pública, claro está que
tar os desastres irreparáveis. 1 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm

56
LÍNGUA PORTUGUESA

devem igualmente nortear a elaboração dos atos e comunicações sunto relativo às atribuições do órgão que comunica; o destinatá-
oficiais. Não se concebe que um ato normativo de qualquer natu- rio dessa comunicação ou é o público, o conjunto dos cidadãos,
reza seja redigido de forma obscura, que dificulte ou impossibilite ou outro órgão público, do Executivo ou dos outros Poderes da
sua compreensão. A transparência do sentido dos atos normati- União. Percebe-se, assim, que o tratamento impessoal que deve
vos, bem como sua inteligibilidade, são requisitos do próprio Es- ser dado aos assuntos que constam das comunicações oficiais de-
tado de Direito: é inaceitável que um texto legal não seja entendi- corre:
do pelos cidadãos. A publicidade implica, pois, necessariamente, a) da ausência de impressões individuais de quem comunica:
clareza e concisão. Além de atender à disposição constitucional, a embora se trate, por exemplo, de um expediente assinado por
forma dos atos normativos obedece a certa tradição. Há normas Chefe de determinada Seção, é sempre em nome do Serviço Pú-
para sua elaboração que remontam ao período de nossa história blico que é feita a comunicação. Obtém-se, assim, uma desejável
imperial, como, por exemplo, a obrigatoriedade – estabelecida padronização, que permite que comunicações elaboradas em di-
por decreto imperial de 10 de dezembro de 1822 – de que se apo- ferentes setores da Administração guardem entre si certa unifor-
nha, ao final desses atos, o número de anos transcorridos desde a midade;
Independência. Essa prática foi mantida no período republicano. b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação, com
Esses mesmos princípios (impessoalidade, clareza, uniformidade, duas possibilidades: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre
concisão e uso de linguagem formal) aplicam-se às comunicações concebido como público, ou a outro órgão público. Nos dois ca-
oficiais: elas devem sempre permitir uma única interpretação e sos, temos um destinatário concebido de forma homogênea e
ser estritamente impessoais e uniformes, o que exige o uso de impessoal;
certo nível de linguagem. Nesse quadro, fica claro também que c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o uni-
as comunicações oficiais são necessariamente uniformes, pois há verso temático das comunicações oficiais se restringe a questões
sempre um único comunicador (o Serviço Público) e o receptor que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe
dessas comunicações ou é o próprio Serviço Público (no caso de qualquer tom particular ou pessoal. Desta forma, não há lugar na
expedientes dirigidos por um órgão a outro) – ou o conjunto dos redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exem-
cidadãos ou instituições tratados de forma homogênea (o públi- plo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo assina-
co). do de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial
Outros procedimentos rotineiros na redação de comunica- deve ser isenta da interferência da individualidade que a elabora.
ções oficiais foram incorporados ao longo do tempo, como as for- A concisão, a clareza, a objetividade e a formalidade de que nos
mas de tratamento e de cortesia, certos clichês de redação, a es- valemos para elaborar os expedientes oficiais contribuem, ainda,
trutura dos expedientes, etc. Mencione-se, por exemplo, a fixação para que seja alcançada a necessária impessoalidade.
dos fechos para comunicações oficiais, regulados pela Portaria no
1 do Ministro de Estado da Justiça, de 8 de julho de 1937, que, 1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais
após mais de meio século de vigência, foi revogado pelo Decreto A necessidade de empregar determinado nível de linguagem
que aprovou a primeira edição deste Manual. Acrescente-se, por nos atos e expedientes oficiais decorre, de um lado, do próprio
fim, que a identificação que se buscou fazer das características caráter público desses atos e comunicações; de outro, de sua fina-
específicas da forma oficial de redigir não deve ensejar o enten- lidade. Os atos oficiais, aqui entendidos como atos de caráter nor-
dimento de que se proponha a criação – ou se aceite a existên- mativo, ou estabelecem regras para a conduta dos cidadãos, ou
cia – de uma forma específica de linguagem administrativa, o que regulam o funcionamento dos órgãos públicos, o que só é alcan-
coloquialmente e pejorativamente se chama burocratês. Este é çado se em sua elaboração for empregada a linguagem adequada.
antes uma distorção do que deve ser a redação oficial, e se carac- O mesmo se dá com os expedientes oficiais, cuja finalidade precí-
teriza pelo abuso de expressões e clichês do jargão burocrático e pua é a de informar com clareza e objetividade. As comunicações
de formas arcaicas de construção de frases. A redação oficial não que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendi-
é, portanto, necessariamente árida e infensa à evolução da língua. das por todo e qualquer cidadão brasileiro. Para atingir esse obje-
É que sua finalidade básica – comunicar com impessoalidade e tivo, há que evitar o uso de uma linguagem restrita a determina-
máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da dos grupos. Não há dúvida que um texto marcado por expressões
língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jorna- de circulação restrita, como a gíria, os regionalismos vocabulares
lístico, da correspondência particular, etc. Apresentadas essas ca- ou o jargão técnico, tem sua compreensão dificultada. Ressalte-
racterísticas fundamentais da redação oficial, passemos à análise -se que há necessariamente uma distância entre a língua falada
pormenorizada de cada uma delas. e a escrita. Aquela é extremamente dinâmica, reflete de forma
imediata qualquer alteração de costumes, e pode eventualmente
1.1. A Impessoalidade contar com outros elementos que auxiliem a sua compreensão,
A finalidade da língua é comunicar, quer pela fala, quer pela como os gestos, a entoação, etc. Para mencionar apenas alguns
escrita. Para que haja comunicação, são necessários: dos fatores responsáveis por essa distância. Já a língua escrita in-
a) alguém que comunique, corpora mais lentamente as transformações, tem maior vocação
b) algo a ser comunicado, e para a permanência, e vale-se apenas de si mesma para comu-
c) alguém que receba essa comunicação. nicar. A língua escrita, como a falada, compreende diferentes ní-
veis, de acordo com o uso que dela se faça. Por exemplo, em uma
No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o Servi- carta a um amigo, podemos nos valer de determinado padrão de
ço Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departamento, linguagem que incorpore expressões extremamente pessoais ou
Divisão, Serviço, Seção); o que se comunica é sempre algum as- coloquiais; em um parecer jurídico, não se há de estranhar a pre-

57
LÍNGUA PORTUGUESA

sença do vocabulário técnico correspondente. Nos dois casos, há 1.4. Concisão e Clareza
um padrão de linguagem que atende ao uso que se faz da língua, A concisão é antes uma qualidade do que uma característica
a finalidade com que a empregamos. O mesmo ocorre com os do texto oficial. Conciso é o texto que consegue transmitir um
textos oficiais: por seu caráter impessoal, por sua finalidade de máximo de informações com um mínimo de palavras. Para que se
informar com o máximo de clareza e concisão, eles requerem o redija com essa qualidade, é fundamental que se tenha, além de
uso do padrão culto da língua. Há consenso de que o padrão culto conhecimento do assunto sobre o qual se escreve, o necessário
é aquele em que a) se observam as regras da gramática formal, e tempo para revisar o texto depois de pronto. É nessa releitura que
b) se emprega um vocabulário comum ao conjunto dos usuários muitas vezes se percebem eventuais redundâncias ou repetições
do idioma. É importante ressaltar que a obrigatoriedade do uso desnecessárias de idéias. O esforço de sermos concisos atende,
do padrão culto na redação oficial decorre do fato de que ele está basicamente ao princípio de economia linguística, à mencionada
acima das diferenças lexicais, morfológicas ou sintáticas regionais, fórmula de empregar o mínimo de palavras para informar o má-
dos modismos vocabulares, das idiossincrasias linguísticas, permi- ximo. Não se deve de forma alguma entendê-la como economia
tindo, por essa razão, que se atinja a pretendida compreensão por de pensamento, isto é, não se devem eliminar passagens subs-
todos os cidadãos. tanciais do texto no afã de reduzi-lo em tamanho. Trata-se exclu-
Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplici- sivamente de cortar palavras inúteis, redundâncias, passagens
dade de expressão, desde que não seja confundida com pobreza que nada acrescentem ao que já foi dito. Procure perceber certa
de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica hierarquia de idéias que existe em todo texto de alguma comple-
emprego de linguagem rebuscada, nem dos contorcionismos sin- xidade: idéias fundamentais e idéias secundárias. Estas últimas
táticos e figuras de linguagem próprios da língua literária. Pode-se podem esclarecer o sentido daquelas, detalhá-las, exemplificá-
concluir, então, que não existe propriamente um “padrão oficial -las; mas existem também idéias secundárias que não acrescen-
de linguagem”; o que há é o uso do padrão culto nos atos e co- tam informação alguma ao texto, nem têm maior relação com as
municações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de fundamentais, podendo, por isso, ser dispensadas. A clareza deve
determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no ser a qualidade básica de todo texto oficial, conforme já subli-
emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessaria- nhado na introdução deste capítulo. Pode-se definir como claro
mente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor. No
burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evi- entanto a clareza não é algo que se atinja por si só: ela depende
tado, pois terá sempre sua compreensão limitada. A linguagem estritamente das demais características da redação oficial. Para
técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, ela concorrem:
sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamen- a) a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpreta-
tos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada ções que poderia decorrer de um tratamento personalista dado
área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles ao texto;
familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em b) o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de en-
comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e tendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circulação
em expedientes dirigidos aos cidadãos. Outras questões sobre a restrita, como a gíria e o jargão;
linguagem, como o emprego de neologismo e estrangeirismo, são c) a formalidade e a padronização, que possibilitam a impres-
tratadas em detalhe em 9.3. Semântica. cindível uniformidade dos textos;
d) a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos lingü-
1.3. Formalidade e Padronização ísticos que nada lhe acrescentam.
As comunicações oficiais devem ser sempre formais, isto é,
obedecem a certas regras de forma: além das já mencionadas É pela correta observação dessas características que se
exigências de impessoalidade e uso do padrão culto de lingua- redige com clareza. Contribuirá, ainda, a indispensável releitura
gem, é imperativo, ainda, certa formalidade de tratamento. Não de todo texto redigido. A ocorrência, em textos oficiais, de tre-
se trata somente da eterna dúvida quanto ao correto emprego chos obscuros e de erros gramaticais provém principalmente da
deste ou daquele pronome de tratamento para uma autoridade falta da releitura que torna possível sua correção. Na revisão de
de certo nível (v. a esse respeito 2.1.3. Emprego dos Pronomes um expediente, deve-se avaliar, ainda, se ele será de fácil com-
de Tratamento); mais do que isso, a formalidade diz respeito à preensão por seu destinatário. O que nos parece óbvio pode ser
polidez, à civilidade no próprio enfoque dado ao assunto do qual desconhecido por terceiros. O domínio que adquirimos sobre
cuida a comunicação. A formalidade de tratamento vincula-se, certos assuntos em decorrência de nossa experiência profissional
também, à necessária uniformidade das comunicações. Ora, se a muitas vezes faz com que os tomemos como de conhecimento ge-
administração federal é una, é natural que as comunicações que ral, o que nem sempre é verdade. Explicite, desenvolva, esclareça,
expede sigam um mesmo padrão. O estabelecimento desse pa- precise os termos técnicos, o significado das siglas e abreviações e
drão, uma das metas deste Manual, exige que se atente para to- os conceitos específicos que não possam ser dispensados. A revi-
das as características da redação oficial e que se cuide, ainda, da são atenta exige, necessariamente, tempo. A pressa com que são
apresentação dos textos. A clareza datilográfica, o uso de papéis elaboradas certas comunicações quase sempre compromete sua
uniformes para o texto definitivo e a correta diagramação do tex- clareza. Não se deve proceder à redação de um texto que não seja
to são indispensáveis para a padronização. Consulte o Capítulo II, seguida por sua revisão. “Não há assuntos urgentes, há assuntos
As Comunicações Oficiais, a respeito de normas específicas para atrasados”, diz a máxima. Evite-se, pois, o atraso, com sua indese-
cada tipo de expediente. jável repercussão no redigir.

58
LÍNGUA PORTUGUESA

AS COMUNICAÇÕES OFICIAIS a) do Poder Executivo;


Presidente da República;
2. Introdução Vice-Presidente da República;
A redação das comunicações oficiais deve, antes de tudo, se- Ministros de Estado;
guir os preceitos explicitados no Capítulo I, Aspectos Gerais da Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito
Redação Oficial. Além disso, há características específicas de cada Federal;
tipo de expediente, que serão tratadas em detalhe neste capítu- Oficiais-Generais das Forças Armadas;
lo. Antes de passarmos à sua análise, vejamos outros aspectos Embaixadores;
comuns a quase todas as modalidades de comunicação oficial: o Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de
emprego dos pronomes de tratamento, a forma dos fechos e a cargos de natureza especial;
identificação do signatário. Secretários de Estado dos Governos Estaduais;
Prefeitos Municipais.
2.1. Pronomes de Tratamento
b) do Poder Legislativo:
2.1.1. Breve História dos Pronomes de Tratamento Deputados Federais e Senadores;
O uso de pronomes e locuções pronominais de tratamento Ministro do Tribunal de Contas da União;
tem larga tradição na língua portuguesa. De acordo com Said Ali, Deputados Estaduais e Distritais;
após serem incorporados ao português os pronomes latinos tu e Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;
vos, “como tratamento direto da pessoa ou pessoas a quem se Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.
dirigia a palavra”, passou-se a empregar, como expediente lin-
guístico de distinção e de respeito, a segunda pessoa do plural no c) do Poder Judiciário:
tratamento de pessoas de hierarquia superior. Prossegue o autor: Ministros dos Tribunais Superiores;
“Outro modo de tratamento indireto consistiu em fingir que se Membros de Tribunais;
dirigia a palavra a um atributo ou qualidade eminente da pessoa Juízes;
de categoria superior, e não a ela própria. Assim aproximavam-se
Auditores da Justiça Militar.
os vassalos de seu rei com o tratamento de vossa mercê, vossa
senhoria (...); assim usou-se o tratamento ducal de vossa excelên-
O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos
cia e adotou-se na hierarquia eclesiástica vossa reverência, vossa
Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo res-
paternidade, vossa eminência, vossa santidade.” A partir do final
pectivo:
do século XVI, esse modo de tratamento indireto já estava em
Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
voga também para os ocupantes de certos cargos públicos. Vossa
Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
mercê evoluiu para vosmecê, e depois para o coloquial você. E
o pronome vós, com o tempo, caiu em desuso. É dessa tradição Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.
que provém o atual emprego de pronomes de tratamento indire-
to como forma de dirigirmo-nos às autoridades civis, militares e As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor,
eclesiásticas. seguido do cargo respectivo:
Senhor Senador,
2.1.2. Concordância com os Pronomes de Tratamento Senhor Juiz,
Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indireta) Senhor Ministro,
apresentam certas peculiaridades quanto à concordância verbal, Senhor Governador,
nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pessoa gra-
matical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige a comu- No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas
nicação), levam a concordância para a terceira pessoa. É que o às autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte for-
verbo concorda com o substantivo que integra a locução como seu ma:
núcleo sintático: “Vossa Senhoria nomeará o substituto”; “Vossa
Excelência conhece o assunto”. Da mesma forma, os pronomes A Sua Excelência o Senhor
possessivos referidos a pronomes de tratamento são sempre os Fulano de Tal
da terceira pessoa: “Vossa Senhoria nomeará seu substituto” (e Ministro de Estado da Justiça
não “Vossa... vosso...”). Já quanto aos adjetivos referidos a esses 70.064-900 – Brasília. DF
pronomes, o gênero gramatical deve coincidir com o sexo da pes-
soa a que se refere, e não com o substantivo que compõe a locu- A Sua Excelência o Senhor
ção. Assim, se nosso interlocutor for homem, o correto é “Vossa Senador Fulano de Tal
Excelência está atarefado”, “Vossa Senhoria deve estar satisfeito”; Senado Federal
se for mulher, “Vossa Excelência está atarefada”, “Vossa Senhoria 70.165-900 – Brasília. DF
deve estar satisfeita”.
A Sua Excelência o Senhor
2.1.3. Emprego dos Pronomes de Tratamento Fulano de Tal
Como visto, o emprego dos pronomes de tratamento obede- Juiz de Direito da 10a Vara Cível
ce a secular tradição. São de uso consagrado: Rua ABC, no 123
Vossa Excelência, para as seguintes autoridades: 01.010-000 – São Paulo. SP

59
LÍNGUA PORTUGUESA

Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da Re-
digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dig- pública:
nidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, Respeitosamente,
sendo desnecessária sua repetida evocação. b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia
Vossa Senhoria é empregado para as demais autoridades e inferior:
para particulares. O vocativo adequado é: Atenciosamente,
Senhor Fulano de Tal,
(...) Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas a
autoridades estrangeiras, que atendem a rito e tradição próprios,
No envelope, deve constar do endereçamento: devidamente disciplinados no Manual de Redação do Ministério
Ao Senhor das Relações Exteriores.
Fulano de Tal
Rua ABC, nº 123 2.3. Identificação do Signatário
70.123 – Curitiba. PR Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da Re-
pública, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o
Como se depreende do exemplo acima fica dispensado o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de
emprego do superlativo ilustríssimo para as autoridades que re- sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:
cebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É su-
ficiente o uso do pronome de tratamento Senhor. Acrescente-se (espaço para assinatura)
que doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. NOME
Evite usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-o Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República
apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal grau
por terem concluído curso universitário de doutorado. É costume (espaço para assinatura)
designar por doutor os bacharéis, especialmente os bacharéis em NOME
Direito e em Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor
Ministro de Estado da Justiça
confere a desejada formalidade às comunicações. Mencionemos,
ainda, a forma Vossa Magnificência, empregada por força da
Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatura
tradição, em comunicações dirigidas a reitores de universidade.
em página isolada do expediente. Transfira para essa página ao
Corresponde-lhe o vocativo:
menos a última frase anterior ao fecho.
Magnífico Reitor,
(...) 3. O Padrão Ofício
Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela
Os pronomes de tratamento para religiosos, de acordo com a finalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o memorando.
hierarquia eclesiástica, são: Com o fito de uniformizá-los, pode-se adotar uma diagramação
única, que siga o que chamamos de padrão ofício. As peculiari-
Vossa Santidade, em comunicações dirigidas ao Papa. O voca- dades de cada um serão tratadas adiante; por ora busquemos as
tivo correspondente é: suas semelhanças.
Santíssimo Padre,
(...) 3.1. Partes do documento no Padrão Ofício
O aviso, o ofício e o memorando devem conter as seguintes
Vossa Eminência ou Vossa Eminência Reverendíssima, em co- partes:
municações aos Cardeais. Corresponde-lhe o vocativo: a) tipo e número do expediente, seguido da sigla do órgão
Eminentíssimo Senhor Cardeal, ou que o expede:
Eminentíssimo e Reverendíssimo Senhor Cardeal, Exemplos:
(...) Mem. 123/2002-MF Aviso 123/2002-SG Of. 123/2002-MME

Vossa Excelência Reverendíssima é usado em comunicações b) local e data em que foi assinado, por extenso, com alinha-
dirigidas a Arcebispos e Bispos; Vossa Reverendíssima ou Vossa mento à direita:
Senhoria Reverendíssima para Monsenhores, Cônegos e superio- Exemplo:
res religiosos. Vossa Reverência é empregado para sacerdotes, 13
clérigos e demais religiosos. Brasília, 15 de março de 1991.

2.2. Fechos para Comunicações c) assunto: resumo do teor do documento


O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade Exemplos:
óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os mode- Assunto: Produtividade do órgão em 2002.
los para fecho que vinham sendo utilizados foram regulados pela Assunto: Necessidade de aquisição de novos computadores.
Portaria nº1 do Ministério da Justiça, de 1937, que estabelecia
quinze padrões. Com o fito de simplificá-los e uniformizá-los, este d) destinatário: o nome e o cargo da pessoa a quem é dirigi-
Manual estabelece o emprego de somente dois fechos diferentes da a comunicação. No caso do ofício deve ser incluído também o
para todas as modalidades de comunicação oficial: endereço.

60
LÍNGUA PORTUGUESA

e) texto: nos casos em que não for de mero encaminhamento f) o campo destinado à margem lateral esquerda terá, no mí-
de documentos, o expediente deve conter a seguinte estrutura: nimo, 3,0 cm de largura;
– introdução, que se confunde com o parágrafo de abertu- g) o campo destinado à margem lateral direita terá 1,5 cm; 5
ra, na qual é apresentado o assunto que motiva a comunicação. O constante neste item aplica-se também à exposição de motivos
Evite o uso das formas: “Tenho a honra de”, “Tenho o prazer de”, e à mensagem (v. 4. Exposição de Motivos e 5. Mensagem).
“Cumpre-me informar que”, empregue a forma direta; h) deve ser utilizado espaçamento simples entre as linhas e
– desenvolvimento, no qual o assunto é detalhado; se o tex- de 6 pontos após cada parágrafo, ou, se o editor de
to contiver mais de uma idéia sobre o assunto, elas devem ser texto utilizado não comportar tal recurso, de uma linha em
tratadas em parágrafos distintos, o que confere maior clareza à branco;
exposição; i) não deve haver abuso no uso de negrito, itálico, sublinha-
– conclusão, em que é reafirmada ou simplesmente reapre- do, letras maiúsculas, sombreado, sombra, relevo, bordas ou
sentada a posição recomendada sobre o assunto. qualquer outra forma de formatação que afete a elegância e a
Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos ca- sobriedade do documento;
sos em que estes estejam organizados em itens ou títulos e sub- j) a impressão dos textos deve ser feita na cor preta em papel
títulos. branco. A impressão colorida deve ser usada apenas para gráficos
Já quando se tratar de mero encaminhamento de documen- e ilustrações;
tos a estrutura é a seguinte: l) todos os tipos de documentos do Padrão Ofício devem ser
– introdução: deve iniciar com referência ao expediente que impressos em papel de tamanho A-4, ou seja, 29,7 x 21,0 cm;
solicitou o encaminhamento. Se a remessa do documento não ti- m) deve ser utilizado, preferencialmente, o formato de arqui-
ver sido solicitada, deve iniciar com a informação do motivo da vo Rich Text nos documentos de texto;
comunicação, que é encaminhar, indicando a seguir os dados n) dentro do possível, todos os documentos elaborados de-
completos do documento encaminhado (tipo, data, origem ou vem ter o arquivo de texto preservado para consulta posterior ou
signatário, e assunto de que trata), e a razão pela qual está sendo aproveitamento de trechos para casos análogos;
encaminhado, segundo a seguinte fórmula: o) para facilitar a localização, os nomes dos arquivos devem
“Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991, en-
ser formados da seguinte maneira: tipo do documento + número
caminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990, do
do documento + palavras-chaves do conteúdo Ex.: “Of. 123 - rela-
Departamento Geral de Administração, que trata da requisição
tório produtividade ano 2002”
do servidor Fulano de Tal.” Ou “Encaminho, para exame e pronun-
ciamento, a anexa cópia do telegrama no 12, de 1o de fevereiro
3.3. Aviso e Ofício
de 1991, do Presidente da Confederação Nacional de Agricultura,
a respeito de projeto de modernização de técnicas agrícolas na
3.3.1. Definição e Finalidade
região Nordeste.”
– desenvolvimento: se o autor da comunicação desejar fazer Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial pra-
algum comentário a respeito do documento que encaminha, po- ticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é
derá acrescentar parágrafos de desenvolvimento; em caso contrá- expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autorida-
rio, não há parágrafos de desenvolvimento em aviso ou ofício de des de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para
mero encaminhamento. e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o trata-
mento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública
f) fecho (v. 2.2. Fechos para Comunicações); entre si e, no caso do ofício, também com particulares.

g) assinatura do autor da comunicação; e 3.3.2. Forma e Estrutura


Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo do pa-
h) identificação do signatário (v. 2.3. Identificação do Signa- drão ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o destinatário
tário). (v. 2.1 Pronomes de Tratamento), seguido de vírgula.
Exemplos:
3.2. Forma de diagramação Excelentíssimo Senhor Presidente da República
Os documentos do Padrão Ofício5 devem obedecer à seguin- Senhora Ministra
te forma de apresentação: Senhor Chefe de Gabinete
a) deve ser utilizada fonte do tipo Times New Roman de corpo Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as se-
12 no texto em geral, 11 nas citações, e 10 nas notas de rodapé; guintes informações do remetente:
b) para símbolos não existentes na fonte Times New Roman – nome do órgão ou setor;
poder-se-á utilizar as fontes Symbol e Wingdings; – endereço postal;
c) é obrigatória constar a partir da segunda página o número – telefone e endereço de correio eletrônico.
da página;
d) os ofícios, memorandos e anexos destes poderão ser im- 3.4. Memorando
pressos em ambas as faces do papel. Neste caso, as margens es-
querda e direta terão as distâncias invertidas nas páginas pares 3.4.1. Definição e Finalidade
(“margem espelho”); O memorando é a modalidade de comunicação entre
e) o início de cada parágrafo do texto deve ter 2,5 cm de dis- unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar
tância da margem esquerda; hierarquicamente em mesmo nível ou em nível diferente. Trata-

61
LÍNGUA PORTUGUESA

-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente b) no desenvolvimento: o porquê de ser aquela medida ou
interna. Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser em- aquele ato normativo o ideal para se solucionar o problema, e
pregado para a exposição de projetos, ideias, diretrizes, etc. a eventuais alternativas existentes para equacioná-lo;
serem adotados por determinado setor do serviço público. Sua c) na conclusão, novamente, qual medida deve ser tomada,
característica principal é a agilidade. A tramitação do memorando ou qual ato normativo deve ser editado para solucionar o proble-
em qualquer órgão deve pautar-se pela rapidez e pela simplici- ma.
dade de procedimentos burocráticos. Para evitar desnecessário Deve, ainda, trazer apenso o formulário de anexo à exposição
aumento do número de comunicações, os despachos ao memo- de motivos, devidamente preenchido, de acordo com o seguinte
rando devem ser dados no próprio documento e, no caso de falta modelo previsto no Anexo II do Decreto no 4.176, de 28 de março
de espaço, em folha de continuação. Esse procedimento permite de 2002.
formar uma espécie de processo simplificado, assegurando maior Anexo à Exposição de Motivos do (indicar nome do Ministé-
transparência à tomada de decisões, e permitindo que se historie rio ou órgão equivalente) nº de 200.
o andamento da matéria tratada no memorando.
1. Síntese do problema ou da situação que reclama providên-
3.4.2. Forma e Estrutura cias
Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do pa- 2. Soluções e providências contidas no ato normativo ou na
drão ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve ser medida proposta
mencionado pelo cargo que ocupa. 3. Alternativas existentes às medidas propostas
Exemplos: Mencionar:
Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração Ao Sr. Sub- - se há outro projeto do Executivo sobre a matéria;
chefe para Assuntos Jurídicos - se há projetos sobre a matéria no Legislativo;
- outras possibilidades de resolução do problema.
4. Exposição de Motivos
4. Custos
4.1. Definição e Finalidade Mencionar:
Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente - se a despesa decorrente da medida está prevista na lei orça-
da República ou ao Vice-Presidente para: mentária anual; se não, quais as alternativas para custeá-la;
a) informá-lo de determinado assunto; - se é o caso de solicitar-se abertura de crédito extraordiná-
b) propor alguma medida; ou rio, especial ou suplementar;
c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo. - valor a ser despendido em moeda corrente;
Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da
República por um Ministro de Estado. 5. Razões que justificam a urgência (a ser preenchido somen-
Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um Mi- te se o ato proposto for medida provisória ou projeto de lei que
nistério, a exposição de motivos deverá ser assinada por todos os deva tramitar em regime de urgência)
Ministros envolvidos, sendo, por essa razão, chamada de intermi- Mencionar:
nisterial. - se o problema configura calamidade pública;
- por que é indispensável a vigência imediata;
4.2. Forma e Estrutura - se se trata de problema cuja causa ou agravamento não te-
Formalmente, a exposição de motivos tem a apresentação do nham sido previstos;
padrão ofício (v. 3. O Padrão Ofício). O anexo que acompanha a - se se trata de desenvolvimento extraordinário de situação
exposição de motivos que proponha alguma medida ou apresente já prevista.
projeto de ato normativo, segue o modelo descrito adiante. A ex-
posição de motivos, de acordo com sua finalidade, apresenta duas 6. Impacto sobre o meio ambiente (sempre que o ato ou me-
formas básicas de estrutura: uma para aquela que tenha caráter dida proposta possa vir a tê-lo)
exclusivamente informativo e outra para a que proponha alguma 7. Alterações propostas
medida ou submeta projeto de ato normativo. Texto atual Texto proposto
No primeiro caso, o da exposição de motivos que simples- 8. Síntese do parecer do órgão jurídico
mente leva algum assunto ao conhecimento do Presidente da Com base em avaliação do ato normativo ou da medida pro-
República, sua estrutura segue o modelo antes referido para o posta à luz das questões levantadas no item 10.4.3.
padrão ofício. A falta ou insuficiência das informações prestadas pode acar-
Já a exposição de motivos que submeta à consideração do retar, a critério da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil,
Presidente da República a sugestão de alguma medida a ser ado- a devolução do projeto de ato normativo para que se complete o
tada ou a que lhe apresente projeto de ato normativo – embora exame ou se reformule a proposta. O preenchimento obrigatório
sigam também a estrutura do padrão ofício –, além de outros co- do anexo para as exposições de motivos que proponham a ado-
mentários julgados pertinentes por seu autor, devem, obrigato- ção de alguma medida ou a edição de ato normativo tem como
riamente, apontar: finalidade:
a) na introdução: o problema que está a reclamar a adoção a) permitir a adequada reflexão sobre o problema que se bus-
da medida ou do ato normativo proposto; ca resolver;

62
LÍNGUA PORTUGUESA

b) ensejar mais profunda avaliação das diversas causas do ser objeto de nova mensagem, com solicitação de urgência. Em
problema e dos efeitos que pode ter a adoção da medida ou a ambos os casos, a mensagem se dirige aos Membros do Congres-
edição do ato, em consonância com as questões que devem ser so Nacional, mas é encaminhada com aviso do Chefe da Casa Civil
analisadas na elaboração de proposições normativas no âmbito da Presidência da República ao Primeiro Secretário da Câmara dos
do Poder Executivo (v. 10.4.3.). Deputados, para que tenha início sua tramitação (Constituição,
c) conferir perfeita transparência aos atos propostos. art. 64, caput). Quanto aos projetos de lei financeira (que com-
Dessa forma, ao atender às questões que devem ser analisa- preendem plano plurianual, diretrizes orçamentárias, orçamentos
das na elaboração de atos normativos no âmbito do Poder Exe- anuais e créditos adicionais), as mensagens de encaminhamento
cutivo, o texto da exposição de motivos e seu anexo complemen- dirigem-se aos Membros do Congresso Nacional, e os respectivos
tam-se e formam um todo coeso: no anexo, encontramos uma avisos são endereçados ao Primeiro Secretário do Senado Fede-
avaliação profunda e direta de toda a situação que está a reclamar ral. A razão é que o art. 166 da Constituição impõe a deliberação
a adoção de certa providência ou a edição de um ato normativo; o congressual sobre as leis financeiras em sessão conjunta, mais
problema a ser enfrentado e suas causas; a solução que se propõe, precisamente, “na forma do regimento comum”. E à frente da
seus efeitos e seus custos; e as alternativas existentes. O texto da Mesa do Congresso Nacional está o Presidente do Senado Federal
exposição de motivos fica, assim, reservado à demonstração da (Constituição, art. 57, § 5o), que comanda as sessões conjuntas.
necessidade da providência proposta: por que deve ser adotada As mensagens aqui tratadas coroam o processo desenvolvido no
e como resolverá o problema. Nos casos em que o ato proposto âmbito do Poder Executivo, que abrange minucioso exame técni-
for questão de pessoal (nomeação, promoção, ascensão, trans- co, jurídico e econômico-financeiro das matérias objeto das pro-
ferência, readaptação, reversão, aproveitamento, reintegração, posições por elas encaminhadas. Tais exames materializam-se em
recondução, remoção, exoneração, demissão, dispensa, disponi- pareceres dos diversos órgãos interessados no assunto das propo-
bilidade, aposentadoria), não é necessário o encaminhamento do sições, entre eles o da Advocacia-Geral da União. Mas, na origem
formulário de anexo à exposição de motivos. das propostas, as análises necessárias constam da exposição de
Ressalte-se que: motivos do órgão onde se geraram (v. 3.1. Exposição de Motivos)
– a síntese do parecer do órgão de assessoramento jurídico – exposição que acompanhará, por cópia, a mensagem de enca-
não dispensa o encaminhamento do parecer completo; minhamento ao Congresso.
– o tamanho dos campos do anexo à exposição de motivos b) encaminhamento de medida provisória.
pode ser alterado de acordo com a maior ou menor extensão dos Para dar cumprimento ao disposto no art. 62 da Constituição,
comentários a serem ali incluídos. o Presidente da República encaminha mensagem ao Congresso,
dirigida a seus membros, com aviso para o Primeiro Secretário do
Ao elaborar uma exposição de motivos, tenha presente que Senado Federal, juntando cópia da medida provisória, autentica-
a atenção aos requisitos básicos da redação oficial (clareza, conci- da pela Coordenação de Documentação da Presidência da Repú-
são, impessoalidade, formalidade, padronização e uso do padrão blica.
culto de linguagem) deve ser redobrada. A exposição de motivos c) indicação de autoridades.
é a principal modalidade de comunicação dirigida ao Presidente As mensagens que submetem ao Senado Federal a indicação
da República pelos Ministros. Além disso, pode, em certos casos, de pessoas para ocuparem determinados cargos (magistrados dos
ser encaminhada cópia ao Congresso Nacional ou ao Poder Judi- Tribunais Superiores, Ministros do TCU, Presidentes e Diretores
ciário ou, ainda, ser publicada no Diário Oficial da União, no todo do Banco Central, Procurador-Geral da República, Chefes de Mis-
ou em parte. são Diplomática, etc.) têm em vista que a Constituição, no seu
art. 52, incisos III e IV, atribui àquela Casa do Congresso Nacional
5. Mensagem competência privativa para aprovar a indicação. O curriculum vi-
tae do indicado, devidamente assinado, acompanha a mensagem.
5.1. Definição e Finalidade d) pedido de autorização para o Presidente ou o Vice-Presi-
É o instrumento de comunicação oficial entre os Chefes dos dente da República se ausentarem do País por mais de 15 dias.
Poderes Públicos, notadamente as mensagens enviadas pelo Trata-se de exigência constitucional (Constituição, art. 49, III, e
Chefe do Poder Executivo ao Poder Legislativo para informar so- 83), e a autorização é da competência privativa do Congresso Na-
bre fato da Administração Pública; expor o plano de governo por cional. O Presidente da República, tradicionalmente, por cortesia,
ocasião da abertura de sessão legislativa; submeter ao Congresso quando a ausência é por prazo inferior a 15 dias, faz uma comuni-
Nacional matérias que dependem de deliberação de suas Casas; cação a cada Casa do Congresso, enviando-lhes mensagens idên-
apresentar veto; enfim, fazer e agradecer comunicações de tudo ticas.
quanto seja de interesse dos poderes públicos e da Nação. Minuta e) encaminhamento de atos de concessão e renovação de
de mensagem pode ser encaminhada pelos Ministérios à Presi- concessão de emissoras de rádio e TV. A obrigação de submeter
dência da República, a cujas assessorias caberá a redação final. As tais atos à apreciação do Congresso Nacional consta no inciso XII
mensagens mais usuais do Poder Executivo ao Congresso Nacio- do artigo 49 da Constituição. Somente produzirão efeitos legais a
nal têm as seguintes finalidades: outorga ou renovação da concessão após deliberação do Congres-
a) encaminhamento de projeto de lei ordinária, complemen- so Nacional (Constituição, art. 223, § 3o). Descabe pedir na men-
tar ou financeira. Os projetos de lei ordinária ou complementar sagem a urgência prevista no art. 64 da Constituição, porquanto o
são enviados em regime normal (Constituição, art. 61) ou de § 1o do art. 223 já define o prazo da tramitação. Além do ato de
urgência (Constituição, art. 64, §§ 1o a 4o). Cabe lembrar que o outorga ou renovação, acompanha a mensagem o corresponden-
projeto pode ser encaminhado sob o regime normal e mais tarde te processo administrativo.

63
LÍNGUA PORTUGUESA

f) encaminhamento das contas referentes ao exercício ante- – pedido de autorização para utilizar recursos que ficarem
rior. O Presidente da República tem o prazo de sessenta dias após sem despesas correspondentes, em decorrência de veto, emenda
a abertura da sessão legislativa para enviar ao Congresso Nacio- ou rejeição do projeto de lei orçamentária anual (Constituição, art.
nal as contas referentes ao exercício anterior (Constituição, art. 166, § 8o);
84, XXIV), para exame e parecer da Comissão Mista permanente – pedido de autorização para alienar ou conceder terras públi-
(Constituição, art. 166, § 1o), sob pena de a Câmara dos Depu- cas com área superior a 2.500 ha (Constituição, art. 188, § 1o); etc.
tados realizar a tomada de contas (Constituição, art. 51, II), em
procedimento disciplinado no art. 215 do seu Regimento Interno. 5.2. Forma e Estrutura
g) mensagem de abertura da sessão legislativa.
Ela deve conter o plano de governo, exposição sobre a situa- As mensagens contêm:
ção do País e solicitação de providências que julgar necessárias a) a indicação do tipo de expediente e de seu número, hori-
(Constituição, art. 84, XI). O portador da mensagem é o Chefe da zontalmente, no início da margem esquerda:
Mensagem no
Casa Civil da Presidência da República. Esta mensagem difere das
b) vocativo, de acordo com o pronome de tratamento e o car-
demais porque vai encadernada e é distribuída a todos os Con-
go do destinatário, horizontalmente, no início da margem esquer-
gressistas em forma de livro.
da; Excelentíssimo Senhor Presidente do Senado Federal,
h) comunicação de sanção (com restituição de autógrafos). c) o texto, iniciando a 2 cm do vocativo;
Esta mensagem é dirigida aos Membros do Congresso Na- d) o local e a data, verticalmente a 2 cm do final do texto, e
cional, encaminhada por Aviso ao Primeiro Secretário da Casa horizontalmente fazendo coincidir seu final com a margem direita.
onde se originaram os autógrafos. Nela se informa o número que A mensagem, como os demais atos assinados pelo Presidente
tomou a lei e se restituem dois exemplares dos três autógrafos da República, não traz identificação de seu signatário.
recebidos, nos quais o Presidente da República terá aposto o des-
pacho de sanção. 6. Telegrama
i) comunicação de veto.
Dirigida ao Presidente do Senado Federal (Constituição, art. 6.1. Definição e Finalidade
66, § 1o), a mensagem informa sobre a decisão de vetar, se o veto Com o fito de uniformizar a terminologia e simplificar os pro-
é parcial, quais as disposições vetadas, e as razões do veto. Seu cedimentos burocráticos, passa a receber o título de telegrama
texto vai publicado na íntegra no Diário Oficial da União (v. 4.2. toda comunicação oficial expedida por meio de telegrafia, telex,
Forma e Estrutura), ao contrário das demais mensagens, cuja pu- etc. Por tratar-se de forma de comunicação dispendiosa aos co-
blicação se restringe à notícia do seu envio ao Poder Legislativo. fres públicos e tecnologicamente superada, deve restringir-se o
(v. 19.6.Veto) uso do telegrama apenas àquelas situações que não seja possível
j) outras mensagens. o uso de correio eletrônico ou fax e que a urgência justifique sua
Também são remetidas ao Legislativo com regular frequência utilização e, também em razão de seu custo elevado, esta forma
mensagens com: de comunicação deve pautar-se pela concisão (v. 1.4. Concisão e
– encaminhamento de atos internacionais que acarretam en- Clareza).
cargos ou compromissos gravosos (Constituição, art. 49, I);
– pedido de estabelecimento de alíquotas aplicáveis às ope- 6.2. Forma e Estrutura
rações e prestações interestaduais e de exportação Não há padrão rígido, devendo-se seguir a forma e a estrutu-
(Constituição, art. 155, § 2o, IV); ra dos formulários disponíveis nas agências dos Correios e em seu
– proposta de fixação de limites globais para o montante da sítio na Internet.
dívida consolidada (Constituição, art. 52, VI);
7. Fax
– pedido de autorização para operações financeiras externas
(Constituição, art. 52, V); e outros.
7.1. Definição e Finalidade
Entre as mensagens menos comuns estão as de: O fax (forma abreviada já consagrada de fac-simile) é uma forma
– convocação extraordinária do Congresso Nacional (Consti- de comunicação que está sendo menos usada devido ao desenvol-
tuição, art. 57, § 6o); vimento da Internet. É utilizado para a transmissão de mensagens
– pedido de autorização para exonerar o Procurador-Geral da urgentes e para o envio antecipado de documentos, de cujo conhe-
República (art. 52, XI, e 128, § 2o); cimento há premência, quando não há condições de envio do docu-
– pedido de autorização para declarar guerra e decretar mo- mento por meio eletrônico. Quando necessário o original, ele segue
bilização nacional (Constituição, art. 84, XIX); posteriormente pela via e na forma de praxe. Se necessário o arqui-
– pedido de autorização ou referendo para celebrar a paz vamento, deve-se fazê-lo com cópia xerox do fax e não com o próprio
(Constituição, art. 84, XX); fax, cujo papel, em certos modelos, se deteriora rapidamente.
– justificativa para decretação do estado de defesa ou de sua
prorrogação (Constituição, art. 136, § 4o); 7.2. Forma e Estrutura
– pedido de autorização para decretar o estado de sítio
(Constituição, art. 137); Os documentos enviados por fax mantêm a forma e a estru-
– relato das medidas praticadas na vigência do estado de sítio tura que lhes são inerentes. É conveniente o envio, juntamente
ou de defesa (Constituição, art. 141, parágrafo único); com o documento principal, de folha de rosto, i. é., de pequeno
– proposta de modificação de projetos de leis financeiras formulário com os dados de identificação da mensagem a ser en-
(Constituição, art. 166, § 5o); viada, conforme exemplo a seguir:

64
LÍNGUA PORTUGUESA

8. Correio Eletrônico A carreira escolhida pela acreana foi


8.1 Definição e finalidade responsável pelo sustento e educação das três
correio eletrônico (“e-mail”), por seu baixo custo e celeri- filhas, que aprenderam taquigrafia durante a
dade, transformou-se na principal forma de comunicação para
20 adolescência e, apesar de não exercerem a
transmissão de documentos.
profissão, são apaixonadas pela taquigrafia. Hoje,
8.2. Forma e Estrutura o amor pela taquigrafia une três gerações da
Um dos atrativos de comunicação por correio eletrônico é
sua flexibilidade. Assim, não interessa definir forma rígida para família Carvalho: mãe, filhas e neto.
sua estrutura. Entretanto, deve-se evitar o uso de linguagem in- Carvalho é uma das poucas professoras de
compatível com uma comunicação oficial (v. 1.2 A Linguagem dos 25 taquigrafia no Acre. Em busca de capacitar novos
Atos e Comunicações Oficiais). O campo assunto do formulário de
correio eletrônico mensagem deve ser preenchido de modo a fa- profissionais na área, ela chegou a ministrar aulas
cilitar a organização documental tanto do destinatário quanto do na praça da capital e a criar uma escola de
remetente. Para os arquivos anexados à mensagem deve ser uti-
taquigrafia, que fechou em pouco tempo, devido à
lizado, preferencialmente, o formato Rich Text. A mensagem que
encaminha algum arquivo deve trazer informações mínimas sobre baixa procura. Atualmente, a professora dá aulas
seu conteúdo. Sempre que disponível, deve-se utilizar recurso de 30 gratuitas na Universidade Federal do Acre (Ufac)
confirmação de leitura. Caso não seja disponível, deve constar na
mensagem o pedido de confirmação de recebimento. como Projeto de Extensão.
“A taquigrafia foi a base para nós, inclusive de
8.3 Valor documental sobrevivência. (...) É uma profissão cativante”,
Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de
correio eletrônico tenha valor documental, i. é, para que possa ser falou a filha da professora, Nádia Carvalho, de 38
aceito como documento original, é necessário existir certificação 35 anos. Segundo Nádia, a taquigrafia parece ser
digital que ateste a identidade do remetente, na forma estabele-
difícil de aprender no primeiro momento, porém o
cida em lei.
aprendizado é simples. O curso tem duração de
QUESTÕES aproximadamente 140 horas. “A princípio parece
01. AL-RR – Taquígrafo - 2018 - FUNRIO extremamente difícil uma pessoa adulta voltar a
40 escrever de outra forma. Parece impossível até,
No Acre, amor pela taquigrafia une três gerações de uma mas 100% das pessoas conseguem aprender
família
taquigráfia”.
MELLO, Bruna, 2016. Disponível em: < http://agazetadoacre.
A professora acrena Mariusa Carvalho, de 72 com/no-acreamor-pela-taquigrafia-une-tres-geracoes-de-uma-
anos, conheceu a taquigrafia ainda na -familia/>. Acesso em: 06 abr.2018.
adolescência. O estágio na Câmara Municipal de
Contribuem para a correção da redação oficial a utilização
Rio Branco foi sua primeira experiência adequada das formas de tratamento bem como a concordância
5 profissional na área. De lá pra cá, o rumo da sua verbal e nominal em relação ao pronome.
vida mudou completamente. Na década de 70,
Entre os seguintes, o único trecho que foi redigido segundo
após morar em outros estadose trabalhar em áreas as normas da redação oficial, é:
diferentes, Carvalho voltou para o Acre. A) Vossa Senhoria não atendestes ao meu pedido em regime
de urgência.
A taquigrafia parecia ser a vocação da B) Vossa Excelência tem tido as melhores proposições de seus
10 professora. De volta ao estado, Carvalho foi subordinados.
aprovada em um processo seletivo e voltou a C) Vossa Excelência atendeu ao pedido urgente de vossos su-
bordinados.
compor o grupo de taquíagrafos da Câmara. Anos D) Vossa Magnificência tendo os melhores títulos e honrarias
depois, aprovada em um concurso público, acadêmicas.
Carvalho passou a fazer parte da Assembleia
02. TJ-PA -Médico Psiquiatra – 2014 - VUNESP
15 Legislativa do Acre, onde se aposentou como Leia o seguinte fragmento de um ofício, citado do Manual de
taquígrafa em 2014. Redação da Presidência da República, no qual expressões foram
substituídas por lacunas.

65
LÍNGUA PORTUGUESA

Senhor Deputado C) Aristóteles deixou um conjunto de textos sobre como ar-


Em complemento às informações transmitidas pelo telegra- gumentar; recaem sobre os diálogos socráticos de Platão o foco
ma n.º 154, de 24 de abril último, informo ______de que as me- de seu estudo, sobretudo no que diz respeito a refutação e a per-
didas mencionadas em ______ carta n.º 6708, dirigida ao Senhor suasão.
Presidente da República, estão amparadas pelo procedimento D) O cosmos, para os gregos antigos era único, com um sol
administrativo de demarcação de terras indígenas instituído pelo e todos os planetas girando em torno da Terra, além de quatro
Decreto n.º 22, de 4 de fevereiro de 1991 (cópia anexa). elementos básicos que compõe a matéria: terra, ar, água e fogo.
(http://www.planalto.gov.br. Adaptado) E) Além de explicar padrões que via na natureza, Aristóteles
descreveu uma série de espécies, como peixes e corais, questio-
A alternativa que completa, correta e respectivamente, as nando a razão com que, por exemplo, certos animais tem casco
lacunas do texto, de acordo com a norma-padrão da língua por- fendido.
tuguesa e atendendo às orientações oficiais a respeito do uso de
formas de tratamento em correspondências públicas, é: RESPOSTAS
A) Vossa Senhoria … tua. 01 B
B) Vossa Magnificência … sua.
C) Vossa Eminência … vossa. 02 D
D) Vossa Excelência … sua. 03 C
E) Sua Senhoria … vossa.
04 C
03. CEFET/RJ - Revisor de textos – 2014 – CESGRANRIO 05 A
A norma para uso de pronomes de tratamento em redação
de documento oficial exige que os pronomes possessivos e a con-
cordância de gênero e número (considerando-se as especificida-
des do receptor que se encontram entre parênteses) se deem da FUNÇÕES DO “QUE” E DO “SE”
forma como se exemplifica em:
A) Vossa senhoria terá vossas reuniões marcadas, conforme
tua vontade. (Referindo-se a chefe de seção, nível superior, mascu- FUNÇÕES DO QUE E DO SE
lino singular)
B) Sua senhoria está convidado a comparecer à reunião. (Re- Funções do “QUE”
ferindo-se a diretora de unidade, nível superior, feminino, singular)
C) Vossa senhoria está sendo esperada para a assembleia de Substantivo: Com o sentido de algo, alguma coisa (como
seus funcionários. (Referindo-se a diretora geral de unidade, fe- substantivo deve ser acentuado)
minino, singular) Ex.: Ele tem um quê de misterioso. Todos os gênios têm um
D) O Senhor Doutor precisa comparecer ao ato oficial. (Refe- quê de loucos.
rindo-se a assessor jurídico da presidência de órgão público, sem
pós-graduação, masculino, singular). Pronome adjetivo:
E) Vossas Excelências são esperadas para a reunião das suas - Interrogativo: Que recado me deste ontem?
áreas. (Referindo-se a gerentes de projeto, com doutorado, mas- - Exclamativo: Que silêncio maravilhoso!
culino, plural). - Indefinido: (quanto + variações) Que injúrias lhe dirigiu ele!

04. (Polícia Civil/MG – Investigador – 2014 – FUMARC Pronome substantivo relativo: Refere-se a um termo ante-
Sobre o uso de Correios Eletrônicos em Redação Oficial, é IN- rior que ele representa.
CORRETO afirmar: Ex.: A bicicleta que eu comprei era amarela. (Sintaticamente=
A) Deve-se solicitar confirmação de recebimento. objeto direto)
B) Não há formato estrutural rígido, mas deve conter O aluno que é seu irmão é muito inteligente. (Sintaticamen-
linguagem compatível. te= sujeito)
C) Não possui valor documental. A casa em que moro é muito pobre. (Sintaticamente= adjunto
D) Trata-se da principal forma para transmissão de documentos. adverbial de lugar)

05. TRE-SP - Técnico Judiciário - Enfermagem – 2017 - FCC Pronome substantivo indefinido interrogativo: Com o senti-
do de “Que coisa? ”
Está correta a redação da frase que se encontra em: Ex.: Que me disseste ontem? (Sintaticamente= Objeto direto)

A) Tudo que parece vazio no espaço seria formado, para os Preposição: “Que” substituindo a preposição “de” na perífra-
gregos, pelo éter, um quinto elemento invisível, inalterável e com se: “ter de...”
movimento circular uniforme. Ex.: Eu tive que fazer minha obrigação.
B) À despeito do que se via na Antiguidade, para os gregos,
a busca pelo conhecimento seria uma busca ética, enquanto que Advérbio: - De modo (“que”= como): Ex.: Que assustador era
pode-se estudar física, hoje sem um sentido moral. aquele monstro.

66
LÍNGUA PORTUGUESA

- De intensidade (“que= quanto): Que enganados andam os Ex.: Gosto de goiabas, verdes que estejam.
homens! Temporal: (enquanto, quando)
Ex.: Não andam muito que no erguido cume
Partícula optativa: Dá sentido optativo às orações considera- Se acharam onde um campo se esmaltava. (Camões)
das independentes.
Ex.: Que Deus o abençoe! Final: (a fim de que, para que)
Ex.: Dai-me igual canto aos feitos da famosa
Partícula enfática:(de realce, ou expletiva, não tendo, assim, Gente vossa a que Marte tanto ajuda,
função na oração) Que se espalhe e se cante no Universo
Ex.: Há anos que não o vejo. (Há anos não o vejo.) - Trata-se, Se tão sublime preço cabe em verso. (Camões)
nesta frase, de mero adorno.
Aparece constantemente nas expressões: é que, foi que, era Consecutiva: (Depois de tal, tanto, tão, etc.)
que, será que, seria que... Ex.: É de tal maneira idiota que todos se riem dele.
Ex.: Eu é que dei o recado. - Será que vai chover? - Isso é que
é... (Uma oração só) Condicional: (SE)
Ex.: Não fui eu que quebrei o copo, que fosse, que tem você
Interjeição: Como o substantivo, aqui também ele é acentua- com isso?
do.
Ex.: Quê! Vocês se revoltam? Funções do “SE”

Partícula iterativa: Vem repetido por ênfase e realce. Substantivo: quando nos referimos ao próprio termo.
Ex.: “Ai que saudades que tenho...” - Que felicidade que vocês Ex.: O se pode ser empregado de várias formas.
me trazem!
Pronome apassivador: quando forma a voz passiva pronomi-
QUE = Conjunção coordenativa nal ou sintética oriundas de frases com sujeito.
Ex.: Formaram-se vários times. = Vários times foram forma-
Aditiva: (Com valor de “e”): Ex.: Bate que bate. - Mexe que dos.
mexe.
Índice de indeterminação do sujeito: não possui função sin-
Alternativa: (Quando repetida) tática, acompanha verbos que não admitem voz passiva.
Ex.: Que me atendam que não me atendam, citá-los-ei em Ex.: Aspira-se uma vida melhor no futuro.
Juízo. - Um que outro vai à Índia.
Pronome pessoal reflexivo com função de objeto direto e
Adversativa: (Com o sentido de mas, porém, contudo, toda- indireto.
via, entretanto...) Ex.: Ela machucou-se com o canivete do pai.
Ex.: Você pode ir que eu não irei. Ela se vangloria demais.

Explicativa: (Com o sentido de “por que” “porquanto”) Conjunção subordinativa condicional: exprime sentido de
Ex.: Façam silêncio, que Judite está dormindo. condição.
Ex.: Se quiser ganhar melhor, trabalhe um pouco mais.
QUE = Conjunção Subordinativa
Conjunção subordinada causal: tem sentido de “visto que”,
Integrante: Geralmente entre dois verbos, completando, in- “já que”.
tegrando o sentido do primeiro. Ex.: Como você disse que eu iria, se sabia que não era ver-
Ex.: Verificou que só se ocupava com elas! - Ela quis que ele dade?
ficasse em casa.
Não desejamos que tu morras. - Tudo depende de que estu- Pronome recíproco: tem sentido da expressão “um ao ou-
des bastante. tro”:
Ex.: As meninas deram-se as mãos com muito carinho.
Comparativa: (depois de: mais, menos, melhor, pior, como,
maior, menor, etc.) Pronome de realce: acompanham verbos de movimento ou
Ex.: “Não há maior erro que não conhecer o homem o seu que exprimem ações do corpo da própria pessoa. (Ir-se, chegar-
erro”. (Fr. Heitor Pinto) -se, rir-se, sorrir-se, etc.)
Ex.: Passaram-se poucos minutos da sua partida.
Causal: (Quando o verbo da frase principal não for imperati- Foi-se o tempo em que não preocupávamos com nossos fi-
vo. Veja a explicativa) lhos.
Ex.: Vou depressa, que preciso chegar cedo.

Concessiva: (embora, ainda que)

67
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES É inevitável que a gente cometa equívocos quando a vida vira


um tango. Nossa carência nos empurra na direção dos outros, e
01. Sercomtel S.A Telecomunicações - Analista – 2016 - AOCP não há nada de errado nisso. É assim que descobrimos gente
que será ou não parte da nossa vida. Às vezes quebramos a
Perdoar e esquecer cara e magoamos os outros. O tango prossegue. O importante
Quando a vida se transforma num tango, é difícil não dançar é sentir que gostam de nós, e que nós somos capazes de gostar
ao ritmo do rancor de novo. Isso nos solta das garras do rancor. Permite olhar para
Ivan Martins trás com generosidade e para o futuro com esperança. Não
significa que já fizemos a curva, mas sugere que não estamos
Hoje tomei café da manhã num lugar em que Carlos Gardel apenas resmungando contra a possibilidade de que o outro esteja
costumava encontrar seus parceiros musicais por volta de 1912. amando. Quando a gente está tentando ativamente ser feliz, não
É um bar simples, na esquina da rua Moreno com a avenida Entre pensa muito no outro. Esse é o primeiro passo para superar. Ou
Rios, chamado apropriadamente El Encuentro. perdoar, como costuma ser o caso. Ou esquecer, como é ainda
melhor.
Nunca fui fã aplicado de tango, mas cresci ouvindo aqueles
No primeiro verso de Mano a mano, Gardel lança sobre a
que a minha mãe cantava enquanto se movia pela casa. Os ver-
antiga amante a maldição terrível de que ela nunca mais volta-
sos incandescentes flutuam na memória e ainda me emocionam.
rá a amar. Mas, ao final da música, rendido a bons sentimentos,
Soprado pelo fantasma de Gardel, um deles me veio aos lábios oferece ajuda e conselhos de amigo, quando chegar a ocasião.
enquanto eu tomava café no El Encuentro: “Rechiflado en mi tris- Acho que isso é o melhor que podemos esperar de nós mesmos.
teza, te evoco y veo que has sido...” Torcer mesquinhamente para jamais sermos substituídos - mas
Vocês conhecem Mano a mano, não? estarmos prontos para aceitar e amparar quando isso finalmente,
Essencialmente, é um homem falando com a mulher que ele inevitavelmente, dolorosamente, vier a acontecer.
ama e que parece tê-lo trocado por uma vida melhor. Lembra, em (Disponível em: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/
espírito, o samba Quem te viu, quem te vê, do Chico Buarque, ivan-martins/noticia/2016/01/perdoar-e-esquecer.html)
mas o poema de Gardel é mais ácido e rancoroso. Paradoxalmen-
te, mais sutil. Não se sabe se o sujeito está fazendo ironia ou se Em “Não se sabe se o sujeito está fazendo ironia”, os termos
em meio a tantas pragas ele tem algum sentimento generoso em em destaque são classificados, pela regra gramatical, respectiva-
relação à ex-amante. Nisso reside o apelo eterno e universal de mente, como
Mano a mano – não é assim, partido por sentimentos contraditó- A) índice de indeterminação do sujeito e conjunção
rios, que a gente se sente em relação a quem não nos quer mais? condicional.
Num dia em que estamos solitários, temos raiva e despeito B) partícula apassivadora e conjunção integrante.
de quem nos deixou. No outro dia, contentes e acompanhados, C) partícula apassivadora e conjunção condicional.
quase torcemos para que seja feliz. O problema não parece residir D) pronome reflexivo e conjunção temporal.
no que sentimos pelo outro, mas como nos sentimos em relação a E) índice de indeterminação do sujeito e partícula de realce.
nós mesmos. Por importante que tenha sido, por importante que
ainda seja, a outra pessoa é só um espelho no qual projetamos 02. Pref. de Portão/RS - Psicólogo – 2016 - LEGALLE
nossos sentimentos – e eles variam como os sete passos do tango. Trata-se de um pessoa tão especial, tão rara, tão fundamen-
Às vezes avançam, em outras retrocedem. Quando a gente acha tal  que  medirá  os gestos e revisará  os ímpetos. Faz questão de
que encontrou o equilíbrio, há um giro inesperado. expor publicamente o que confia em segredo, não dá chance para
Por isso as ambiguidades de Mano a mano nos pegam pe- mentiras e ambiguidades.
las entranhas. É difícil deixar para trás o sentimento de abandono
A palavra “se” sublinhada e em negrito se classifica como:
e suas volúpias. É impossível não dançar ao ritmo do rancor. Há
A) Partícula apassivadora.
uma força enorme na generosidade, mas para muitos ela é inal-
B) índice de indeterminação do sujeito.
cançável. Apenas as pessoas que gostam muito de si mesmas são
C) Pronome reflexivo.
capazes de desejar o bem do outro em circunstâncias difíceis. A D) Parte integrante do verbo.
maioria de nós precisa ser amada novamente antes de conceder E) Pronome oblíquo tônico.
a quem nos deixou o direito de ser feliz. Por isso procuramos com
tanto afinco um novo amor. É um jeito de dar e de encontrar paz. 03. MPE/RJ - Técnico do Ministério Público – Administrativa
No último ano, tenho ouvido repetidamente uma frase que – 2016 - FGV
vocês já devem ter escutado: Não se procura um novo amor, a
gente simplesmente o encontra. O paradoxo é bonito, mas me O futuro da medicina
parece discutível. Supõe que o amor é tão acidental quanto um
tropeção na calçada. Eu não acho que seja. Imagina que a vonta- O avanço da tecnologia afetou as bases de boa parte das pro-
de de achar destrói a possibilidade de encontrar. Isso me parece fissões. As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos, jor-
superstição. Implica em dizer que se você ficar parado ou parada nalistas, carteiros etc. Um ofício relativamente poupado até aqui
as coisas virão bater na sua porta. Duvido. O que está embutido é o de médico. Até aqui. A crer no médico e “geek” Eric Topol, au-
na frase e me parece verdadeiro é que não adianta procurar se tor de “The Patient Will See You Now” (o paciente vai vê-lo agora),
você não está pronto – mas como saber sem procurar, achar e está no forno uma revolução da qual os médicos não escaparão,
descobrir que não estava pronto? mas que terá impactos positivos para os pacientes.

68
LÍNGUA PORTUGUESA

Para Topol, o futuro está nos smartphones. O autor nos colo- línguas simples e línguas complexas, primitivas e
ca a par de incríveis tecnologias, já disponíveis ou muito próximas
disso, que terão grande impacto sobre a medicina. Já é possível, desenvolvidas. O que há são línguas complexas, primitivas e
por exemplo, fotografar pintas suspeitas e enviar as imagens a um desenvolvidas. O que há são línguas diferentes. Uma análise
algoritmo que as analisa e diz com mais precisão do que um der- 10 de qualquer aspecto de qualquer das línguas consideradas
matologista se a mancha é inofensiva ou se pode ser um câncer, o
que exige medidas adicionais. primitivas revelará que as razões que levam a esse tipo de
Está para chegar ao mercado um apetrecho que transforma o juízo não passam de preconceito e(ou) de ignorância. Não é
celular num verdadeiro laboratório de análises clínicas, realizan- 13 decente, nesse domínio, basear-se no preconceito do “ouvi
do mais de 50 exames a uma fração do custo atual. Também é
possível, adquirindo lentes que custam centavos, transformar o dizer”. Hoje, a bibliografia sobre línguas no mundo é
smartphone num supermicroscópio que permite fazer diagnósti- abundante; qualquer pessoa interessada pode descobrir que,
cos ainda mais sofisticados.
Tudo isso aliado à democratização do conhecimento, diz To- 16 há muito tempo, os estudiosos mostraram que é ridícula a
pol, fará com que as pessoas administrem mais sua própria saú- ideia de que há línguas primitivas, só porque são faladas por
de, recorrendo ao médico em menor número de ocasiões e de povos pouco cultos, segundo um cirtério pessoal - por
preferência por via eletrônica. É o momento, assegura o autor,
de ampliar a autonomia do paciente e abandonar o paternalismo 19 exemplo, não escrevem, não moram em prédios de
que desde Hipócrates assombra a medicina. apartamentos, não têm armas sofisticadas... De certa forma,
Concordando com as linhas gerais do pensamento de Topol, essa revolução copernicanam no domínio das línguas, ainda
mas acho que, como todo entusiasta da tecnologia, ele provavel-
mente exagera. Acho improvável, por exemplo, que os hospitais 22 não se tornou conhecida do grande público...
caminhem para uma rápida extinção. Dando algum desconto para Sírio Possenti. Por que (não) ensinar gramática na escola. 2.ª
as previsões, “The Patient...” é uma excelente leitura para os inte- reimp. Campinas‐SP: Mercado de letras: Associação de Leitura do
ressados nas transformações da medicina. Brasil, 1998, p. 26 (com adaptações).
Folha de São Paulo online – Coluna Hélio Schwartsman –
17/01/2016. Em relação a aspectos linguísticos do texto, julgue o item.

“As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos, jorna- A partícula “se” (linha 6) é índice de indeterminação do su-
listas, carteiros etc”. jeito.
Nesse segmento do texto, o vocábulo SE apresenta a função ( ) Certo ( ) Errado
de partícula apassivadora; a frase abaixo em que as duas ocorrên-
cias desse vocábulo exercem essa mesma função é: 05. Câmara de Juiz de Fora - MG - Assistente Legislativo I –
A) “Para o homem só há três acontecimentos: nascer, viver e 2018 - CONSULPAM
morrer. Ele não se sente nascer, sofre morrendo e se esquece de A ética é daquelas coisas que todo mundo sabe o que são,
viver” (La Bruyère); mas que não são fáceis de explicar, quando alguém pergunta.
B) “O açúcar seria caro demais se não se fizesse cultivar a Tradicionalmente, ela é entendida como um estudo ou uma
planta que o produz por escravos” (Montesquieu); reflexão, científica ou filosófica, e eventualmente até teológica,
C) “E se Adão não tivesse resistido àquela operação nas cos- sobre os costumes ou sobre as ações humanas. Mas também cha-
telas a que tão prematuramente se submeteu?” (Eno T. Wanke); mamos de ética a própria vida, quando conforme aos costumes
D) “O amor é uma arte que nunca se aprende e sempre se considerados corretos. A ética pode ser o estudo das ações ou
sabe” (Galdós); dos costumes, e pode ser a própria realização de um tipo de com-
E) “Não ensines a teu aluno toda a tua ciência. Quem sabe se portamento.
ele amanhã não se tornará o teu inimigo”? (Saadi). Enquanto uma reflexão científica, que tipo de ciência seria a
ética? Tratando de normas de comportamentos, deveria chamar-
04. SEDF - Professor Substituto - Língua Portuguesa – 2018 -se uma ciência normativa. Tratando de costumes, pareceria uma
- QUADRIX ciência descritiva. Ou seria uma ciência de tipo mais especulativo,
que tratasse, por exemplo, da questão fundamental da liberdade?
Que outra ciência estuda a liberdade humana, enquanto tal,
1 Afirmar que há línguas primitivas é um equívoco e em suas realizações práticas? Onde se situa o estudo que per-
equivalente a afirmar que a Lua é um planeta, que o Sol gira gunta se existe a liberdade? E como ela deveria ser definida teori-
ao redor da Terra, que as estrelas estão fixas em uma camente, e como deveria ser vivida, praticamente? Ora, ligado ao
problema da liberdade, aparece sempre o problema do bem e do
4 abóbada. Tais equívocos foram correntes, mas hoje há um mal, e o problema da consciência moral e da lei, e vários outros
argumento forte contra eles: o conhecimetno científico. Da problemas deste tipo.
mesma maneira, hoje se sabe que todas as línguas são Didaticamente, costuma-se separar os problemas teóricos da
ética em dois campos: num, os problemas gerais e fundamentais
7 estruturas de igual complexidade. Isso significa que não há (como liberdade, consciência, bem, valor, lei e outros); e, no se-
gundo, os problemas específicos, de aplicação concreta, como os

69
LÍNGUA PORTUGUESA

problemas da ética profissional, da ética política, de ética sexual, Variações Sintáticas


de ética matrimonial, de bioética etc. É um procedimento didático
ou acadêmico, pois na vida real eles não vêm assim separados. Dizem respeito às correlações entre as palavras da frase. No
VALLS, Á. L. M. O que é ética. São Paulo: Brasiliense, 2005, p. domínio da sintaxe, como no da morfologia, não são tantas as di-
7-8 (com adaptações). ferenças entre uma variante e outra.
A palavra se destacada está corretamente classificada no
item: Variações Léxicas
A) [...] deveria chamar-se uma ciência normativa (pronome
reflexivo). É o conjunto de palavras de uma língua. As variantes do
B) Onde se situa o estudo que pergunta se existe a liberdade? plano do léxico, como as do plano fônico, são muito numerosas
(conjunção integrante). e caracterizam com nitidez uma variante em confronto com
C) Onde se situa o estudo que pergunta se existe a liberdade? outra.
(partícula apassivadora).
D) [...] costuma-se separar os problemas teóricos da ética em Tipos de Variação
dois campos [...] (conjunção condicional).
Não tem sido fácil para os estudiosos encontrar para as va-
RESPOSTAS riantes linguísticas um sistema de classificação que seja simples e,
ao mesmo tempo, capaz de dar conta de todas as diferenças que
01 B
caracterizam os múltiplos modos de falar dentro de uma comuni-
02 B dade linguística. O principal problema é que os critérios adotados,
03 D muitas vezes, se superpõem, em vez de atuarem isoladamente.
As variações mais importantes, para o interesse do concurso
04 Errado público, são os seguintes:
05 B
Existem diferentes variações ocorridas na língua, entre elas
estão:

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA Variação Histórica - Aquela que sofre transformações ao lon-


go do tempo. Como por exemplo, a palavra “Você”, que antes era
vosmecê e que agora, diante da linguagem reduzida no meio ele-
VARIAÇÃO LINGUÍSTICA trônico, é apenas VC. O mesmo acontece com as palavras escritas
com PH, como era o caso de pharmácia, agora, farmácia.
Variações linguísticas reúnem as variantes da língua que fo-
ram criadas pelos homens e são reinventadas a cada dia. Variação Regional (os chamados dialetos) - São as variações
Dessas reinvenções surgem as variações que envolvem diver- ocorridas de acordo com a cultura de uma determinada região,
sos aspectos históricos, sociais, culturais e geográficos. tomamos como exemplo a palavra mandioca, que em certas re-
No Brasil, é possível encontrar muitas variações linguísticas, giões é tratada por macaxeira; e abóbora, que é conhecida como
por exemplo, na linguagem regional. Todas as pessoas que falam jerimum.
uma determinada língua conhecem as estruturas gerais, básicas, Destaca-se também o caso do dialeto caipira, o qual perten-
de funcionamento podem sofrer variações devido à influência de ce àquelas pessoas que não tiveram a oportunidade de ter uma
inúmeros fatores. educação formal, e em função disso, não conhecem a linguagem
Nenhuma língua é usada de maneira uniforme por todos os “culta”.
seus falantes em todos os lugares e em qualquer situação. Sabe-
-se que, numa mesma língua, há formas distintas para traduzir o Variação Social - É aquela pertencente a um grupo específi-
mesmo significado dentro de um mesmo contexto. co de pessoas. Neste caso, podemos destacar as gírias, as quais
As variações que distinguem uma variante de outra se mani- pertencem a grupos de surfistas, tatuadores, entre outros; a lin-
festam em quatro planos distintos, a saber: fônico, morfológico, guagem coloquial, usada no dia a dia das pessoas; e a linguagem
sintático e lexical. formal, que é aquela utilizada pelas pessoas de maior prestígio
social.
Variações Fônicas Fazendo parte deste grupo estão os jargões, que pertencem
a uma classe profissional mais específica, como é o caso dos mé-
Ocorrem no modo de pronunciar os sons constituintes da pa- dicos, profissionais da informática, dentre outros.
lavra. Os exemplos de variação fônica são abundantes e, ao lado
do vocabulário, constituem os domínios em que se percebe com Variação Situacional: ocorre de acordo com o contexto o qual
mais nitidez a diferença entre uma variante e outra. está inserido, por exemplo, as situações formais e informais.

Variações Morfológicas Preconceito Linguístico

São as que ocorrem nas formas constituintes da palavra. Nes- Está intimamente relacionado com as variações linguísticas,
se domínio, as diferenças entre as variantes não são tão numero- uma vez que ele surge para julgar as manifestações linguísticas
sas quanto as de natureza fônica, mas não são desprezíveis. ditas “superiores”.

70
LÍNGUA PORTUGUESA

Para pensarmos nele não precisamos ir muito longe, pois em Os mineiros têm um ódio mortal das palavras completas.
nosso país, embora o mesmo idioma seja falado em todas as re- Preferem, sabe-se lá por que, abandoná-las no meio do caminho
giões, cada uma possui suas peculiaridades que envolvem diver- (não dizem: pode parar, dizem: pó parar. Não dizem: onde eu es-
sos aspectos históricos e culturais. tou?, dizem: ôndôtô?). Parece que as palavras, para os mineiros,
A maneira de falar do norte é muito diferente da falada no sul são como aqueles chatos que pedem carona. Quando você perce-
do país. Isso ocorre porque nos atos comunicativos, os falantes da be a roubada, prefere deixá-los no caminho. (...)
língua vão determinando expressões, sotaques e entonações de Mineiro não fala que o sujeito é competente em tal ou qual
acordo com as necessidades linguísticas. atividade. Fala que ele é bom de serviço. Pouco importa que seja
O preconceito linguístico surge no tom de deboche, sendo a um juiz, um jogador de futebol ou um ator de filme pornô. Se
variação apontada de maneira pejorativa e estigmatizada. der no couro — metaforicamente falando, claro — ele é bom de
É importante ressaltar que todas variações são aceitas e ne- serviço. Faz sentido...
nhuma delas é superior, ou considerada a mais correta. Mineiras não usam o famosíssimo tudo bem. Sempre que
duas mineiras se encontram, uma delas há de perguntar pra ou-
QUESTÕES tra: cê tá boa? Para mim, isso é pleonasmo. Perguntar para uma
mineira se ela tá boa, é como perguntar a um peixe se ele sabe
01. UNIFAL-MG - Engenheiro Civil – 2018 - UNIFAL-MG nadar. Desnecessário.
Há outras. Vamos supor que você esteja tendo um caso com
uma mulher casada. Um amigo seu, se for mineiro, vai chegar e
dizer: — Mexe com isso não, sô (leia-se: sai dessa, é fria, etc).(...).
Os mineiros também não gostam do verbo conseguir. Aqui
ninguém consegue nada. Você não dá conta. Sôcê (se você) acha
que não vai chegar a tempo, você liga e diz: — Aqui, não vou dar
conta de chegar na hora, não, sô. (...)
Mineiras não dizem apaixonado por. Dizem, sabe-se lá por
que, apaixonado com. Soa engraçado aos ouvidos forasteiros.
Ouve-se a toda hora: Ah, eu apaixonei com ele.... Ou: sou doida
com ele (ele, no caso, pode ser você, um carro, um cachorro). Elas
vivem apaixonadas com alguma coisa.
(Texto de Felipe Peixoto Braga Netto - Crônica extraída do li-
vro “As coisas simpáticas da vida”, Landy Editora, São Paulo (SP)
- 2005, pág. 82. Publicação retirada do site: http://goo.gl/ajNZpc.
- Acesso em 14.6.2015).

Na escrita de gêneros do discurso oficiais, o uso da língua Teoricamente, a noção de sotaque aplica-se apenas às va-
portuguesa em sua variedade padrão é obrigatório. Na charge, riações linguísticas relativas à pronúncia das palavras. No títu-
verifica-se: lo do texto, Sotaque mineiro: é ilegal, imoral ou engorda?, há
A) a observância da norma padrão com o uso de “distraído” uma sinalização de que o tema variação linguística será tratado
em vez de “distraída” que deveria concordar com “Vossa Exce- levando-se em conta essa dimensão, mas verificam-se referências
lência”. a outras dimensões de variação. A opção em que a ideia de
B) a ocorrência de desvio da norma padrão pela falta de vír- sotaque é evidenciada mais pontualmente é:
gula separando o vocativo. A) “ Mineiro não fala que o sujeito é competente em tal ou
C) a observância da norma padrão com o uso do imperativo qual atividade. Fala que ele é bom de serviço”
“Desculpe” em vez de “Desculpa”. B) ” Um amigo seu, se for mineiro, vai chegar e dizer: — Mexe
D) a ocorrência de desvio da norma padrão pelo uso de “Vos- com isso não, sô (leia-se: sai dessa, é fria, etc).”
sa Excelência” em vez de “Sua Excelência”. C) “ Os mineiros também não gostam do verbo conseguir...
Sôcê (se você) acha que não vai chegar a tempo, você liga e diz: —
02. SEDUC/PI – PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA – Aqui, não vou dar conta de chegar na hora, não, sô.”
2015 - NUCEPE D) “... Não dizem: onde eu estou?, dizem: ôndôtô?”
E) “ Mineiras não dizem apaixonado por. Dizem, sabe-se lá
SOTAQUE MINEIRO: É ILEGAL, IMORAL OU ENGORDA? por que, apaixonado com.... Ouve-se a toda hora: Ah, eu apaixo-
nei com ele.... Ou: sou doida com ele (...)
Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corri-
da, se não tivesse tanta conta para pagar, tantos processos — oh 03. SEDUC/PI – PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA –
sina — para analisar, eu fundaria um partido cuja luta seria desco- 2015 - NUCEPE
brir as falas de cada região do Brasil. Ainda em relação ao texto da questão 02:
Cadê os linguistas deste país? Sinto falta de um tratado geral Em: “Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse tanta
das sotaques brasileiros. Não há nada que me fascine mais. Como conta para pagar, tantos processos — oh sina — para analisar,
é que as montanhas, matas ou mares influem tanto, e determi- eu fundaria um partido...”, é CORRETO afirmar sobre a expressão
nam a cadência e a sonoridade das palavras? (...) destacada.

71
LÍNGUA PORTUGUESA

A) Está empregada de maneira inadequada por tratar-se de 05. MPE-BA - Analista Técnico - Letras Vernáculas – 2017 –
uma expressão usada na oralidade, em um texto escrito. FGV
B) Não poderia ser usada em um texto que trata teoricamen-
te de variação linguística, por ser tão informal. Numa negociação de umas quintas em Portugal, poderia
C) Está adequadamente usada e traduz informalidade e apro- ocorrer a seguinte frase na língua falada portuguesa: - Tu queres
ximação com o leitor, além de sinalizar para a leveza com a qual o que eu tas venda?
tema será abordado.
D) Está adequadamente utilizada por se tratar de um estilo de Em linguagem falada contemporânea brasileira não regional,
escrita originariamente revelado no padrão culto da língua. essa mesma frase deveria ser expressa do seguinte modo:
E) Não é usada adequadamente porque seu autor confessa- A) Tu queres que eu te venda as quintas?
-se pouco conhecedor do tema abordado no texto. B) Tu queres que eu venda-as a você?
C) Você quer que eu venda elas a você?
04. SEDUC-CE - Professor - Língua Portuguesa – 2018 - UECE- D) Tu queres que eu venda as quintas a ti?
-CEV E) Você quer que eu as venda a ti?

Leia a historinha O limoeiro de Maurício de Sousa. RESPOSTAS


01 B
Legenda:
02 D
CB – Chico Bento (falando com um limoeiro que ele plantou)
P – Pai do Chico Bento 03 C
M – Mãe do Chico Bento 04 B
05 C
CB: – Vixi! Como você cresceu! Inté parece qui foi onte qui
prantei esse limoero! Agora, já ta cheio di gaio! Quase da minha
artura! Como o tempo passa, né? Uns tempo atrais, ocê era deste
tamanhico! Fiz um buraquinho i ponhei ocê inda mudinha dentro! O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO E AS FUNÇÕES
Protegi dos ventos, do sor, das geada... i nunca dexei fartá água! DA LINGUAGEM
Imagina si eu ia dexá ocê passá sede! Hoje você ta desse tama-
nhão! Quero vê o dia im qui ocê tivé mais grande qui eu! Imagina
só! Cum uns gaio cumprido cheio di limão i umas fia bem larga,
PROCESSO DE COMUNICAÇÃO
pra dá sombra pra quem tivé dibaxo! Aí, num vô percisá mais mi
precupá c’ocê, né limoero? Pruque aí ocê vai tá bem forte! Vai Comunicação constitui uma das mais importantes ferramen-
sabê si protegê do vento do sor i da geada, sozinho! I suas raiz tas que as pessoas têm à sua disposição para desempenhar as
vão tá tão cumprida qui ocê vai podê buscá água por sua conta! suas funções de influência. A comunicação é frequentemente de-
Ocê vai sê dono doce mesmo! Sabe, limoero...Tava pensando... finida como a troca de informações entre um transmissor e um
Acho que dispois, vai sê eu qui vô percisá docê! Isso é... Quando receptor, e a inferência (percepção) do significado entre os indiví-
eu ficá mais véio! Craro! Cum uns limão tão bão qui ocê tem... i a duos envolvidos.
sombra qui ocê dá, pode mi protegê inté dos pongo di chuva! Ocê O processo de comunicação ocorre quando o emissor (ou co-
vai fazê isso, limoeiro? Cuidá de mim também? Num importa! O dificador) emite uma mensagem (ou sinal) ao receptor (ou deco-
importante é qui eu prantei ocê! I é ansim qui eu gosto! Do jeito dificador), através de um canal (ou meio). O receptor interpretará
qui ocê é. a mensagem que pode ter chegado até ele com algum tipo de bar-
P (para M): – Muié... tem reparado como nosso fio cresceu? reira (ruído, bloqueio, filtragem) e, a partir daí, dará o feedback ou
Fonte: Chico Bento, nº 354. resposta, completando o processo de comunicação.
 
Considerando a variação linguística utilizada, assinale a op- Elementos do Processo de Comunicação
ção que apresenta uma visão preconceituosa a respeito do texto.
A) A criação do personagem Chico Bento permite que as Para a comunicação2 atingir os objetivos devemos considerar
crianças com antecedentes urbanos se familiarizem com a cultura alguns cuidados, com eles diminuímos o risco de estabelecer ruí-
rural. dos ou barreiras à comunicação.
B) O Conselho Nacional de Cultura deveria proibir a publica-
ção da revista, pois o modo de falar do Chico pode influenciar a Para Transmissão
fala das crianças brasileiras. - Seja o mais objetivo possível.
C) Em sala de aula, Chico Bento pode se transformar em um - Tenha paciência. Fale pausadamente. Observe o ritmo do
símbolo do multiculturalismo que ali deve ser cultivado. outro e siga-o.
D) As historinhas do Chico Bento funcionam como um recur- - Estude primeiro o que vai falar. Cuide para ter um objetivo
so para despertar nos alunos a consciência da diversidade socio- claro.
linguística. 2 https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/administracao/o-
-processo-de-comunicacao/36775

72
LÍNGUA PORTUGUESA

- Procure adaptar sua linguagem a da pessoa. Não use pa- Espera passar o avião.
lavras difíceis, gírias ou palavras típicas de regiões que possam Assim que o inverno passar,
prejudicar a comunicação. Eu acho que vou te buscar,
- Observe a linguagem verbal e a não-verbal. Os gestos, as Aqui tá fazendo calor,
expressões faciais, a postura, são fundamentais para nós. Deu pane no ventilador,
Já tem fliperama em Macau,
Para Recepção Tomei a costeira em Belém do Pará,
Puseram uma usina no mar,
- Esteja sempre presente na situação, não “voe”, não se distraia.
Talvez fique ruim pra pescar,
- Não pense na resposta antes do outro terminar a mensagem.
Meu amor.
Escute, reflita e após, exponha o seu ponto de vista.
- Anote pontos básicos se necessário. No Tocantins,
- Evite expressar não-verbalmente cansaço, desinteresse ou O chefe dos parintintins
falta de atenção. Vidrou na minha calça Lee,
- Respeite as colocações do outro. Mesmo que discorde, mos- Eu vi uns patins pra você
tre que aceita o pensamento dele. Não somos donos da verdade. Eu vi um Brasil na TV,
Capaz de cair um toró,
Um dos maiores vícios3 é que percebendo que temos desen- Estou me sentindo tão só,
voltura para expressão, verbal, escrita ou outra, achamos que Oh, tenha dó de mim.
somos bons comunicadores. Entretanto existe uma diferença Pintou uma chance legal,
fundamental entre informação e comunicação. Informar é um ato Um lance lá na capital,
unilateral, que apenas envolve a pessoa que tem uma informação Nem tem que ter ginasial,
a dar. Comunicação é tornar algo comum. Fazer-se entender, pro- Meu amor.
vocar no outro reações. No Tabariz,
Outro vício, não menos importante, é nossa incapacidade de O som é que nem os Bee Gees,
ouvir. Precisamos saber falar, escrever, demonstrar sentimentos Dancei com uma dona infeliz,
e emoções, mas igualmente importante no processo é estarmos Que tem um tufão nos quadris,
preparados para ouvir. Observe que muitas vezes numa conversa
Tem um japonês trás de mim,
é fácil identificar que as pessoas estão muito mais preocupadas
com a maneira que irão responder. Numa análise mais fria não Eu vou dar um pulo em Manaus,
estão ouvindo. Aqui tá quarenta e dois graus,
Se podemos facilitar porque complicar? O custo de uma co- O sol nunca mais vai se pôr,
municação deficiente, não se revela apenas nas relações organiza- Eu tenho saudades da nossa canção,
cionais, causa profundo mal-estar e sérios conflitos pessoais. Saudades de roça e sertão,
Uma das alternativas para tornar a comunicação com quali- Bom mesmo é ter um caminhão,
dade é entendermos como o processo de comunicação se realiza. Meu amor.
Não se trata de analisarmos cada diferente tipo de comunicação, (BUARQUE, Chico & MENESCAL, Roberto. Fragmento.)
mas de identificar certos pontos em comuns entre elas. A forma
como se relacionam e se processam nos mais diferentes ambien- O linguista russo Roman Jakobson, por volta do século XX,
tes e situações. ampliou e reformulou um modelo de Teoria da Comunicação com
Um modelo de processo de comunicação, entre tantos outros, o propósito de investigar as relações entre Linguística e Literatura.
elaborado por Berlo, em 1963, apresenta alguns elementos comuns: Para isso, Jakobson identificou os elementos envolvidos na situa-
– emissor: é a pessoa que tem algo, uma ideia, uma mensa- ção de comunicação. Acerca de tais elementos e considerando-se
gem, para transmitir, ou que deseja comunicar; o texto apresentado, analise as afirmativas e assinale a correta.
– codificador: o tipo, ou a forma que o emissor irá exteriorizar; A) A forma escolhida para utilização do código linguístico per-
– mensagem: é a expressão da ideia que o emissor deseja
mite reconhecer características próprias do receptor.
comunicar;
B) O referente da mensagem apresentada trata-se de uma
– canal: é o meio pelo qual a mensagem seja conduzida;
– decodificador: é o mecanismo responsável pela decifração situação vivida pelo receptor a respeito da qual o emissor faz des-
da mensagem pelo receptor; e crições detalhadas e subjetivas.
– receptor: o destinatário final da mensagem, ideia etc.  C) A mensagem textual é apresentada por meio de uma enu-
meração que preza pela clareza das situações apresentadas refle-
QUESTÕES tindo na coesão e coerência textuais.
D) É possível reconhecer que ocorre, no texto, um ato de co-
01. SEDUC-PA - Professor Classe I – Português – 2018 - CON- municação em pleno desenvolvimento, havendo uma relação de
SULPLAN proximidade entre o emissor e o receptor da mensagem.

Bye Bye, Brasil 02. Câmara Municipal de Araraquara - SP - Assistente de Tra-


dução e Interpretação – 2016 - IBFC
Oi, coração
Não dá pra falar muito não, O estudo científico da comunicação: avanços teóricos e me-
3 https://www.portalcmc.com.br/o-processo-de-comunicacao/ todológicos ensejados pela escola latino-americana

73
LÍNGUA PORTUGUESA

INTRODUÇÃO [...]

A sociedade moderna está cercada de todos os lados pelos Sendo o texto III o primeiro parágrafo de um ofício, conclui-se
vários sistemas de comunicação. Estudar a comunicação social que ele tem como principal função de:
é uma necessidade atual de todos os povos em qualquer parte A) apresentar a finalidade pela qual o texto foi escrito.
do mundo. Conhecer e dominar os sistemas de informação e da B) descrever o perfil do emissor da mensagem.
comunicação é indispensável no mundo globalizado. Estamos ini- C) demonstrar uma postura elogiosa ao interlocutor.
ciando os últimos passos para a saída do século XX e os primeiros D) estabelecer um histórico detalhado para o problema.
para a entrada do século XXI. Neste período de transição o ser hu- E) apresentar uma visão crítica sobre a questão proposta.
mano vive momentos de incertezas da comunicação e de (in)co-
municação, das crises políticas, culturais, econômicas e religiosas. 04. CREMESP - Oficial Administrativo - Área Administrativa
As distâncias na sociedade contemporânea estão cada vez mais – 2016 - FCC
próximas, quer seja pelos modernos meios de transporte ou pelas Uma frase cuja redação está adequada a um e-mail institu-
telecomunicações via satélite, Internet, etc. Com as novas tecno- cional, ou seja, a um contexto de comunicação escrita formal, é:
logias, a velocidade da informação e o processo comunicacional A) Caríssimo, por falta de tempo, devo lhe confessar que não
tomam-se cada vez mais complexos e consequentemente de mais vou poder tomar ciência das tuas sugestões de eficiência.
difícil compreensão. B) Devido a restrições de tempo, informo-lhe que suas suges-
No início do século XX o impacto sociocultural e econômico tões de eficiência não serão submetidas à análise neste momento.
se deu com a revolução industrial. O século XXI está chegando sob C) Lhe comunico, por meio deste, que não estou dispondo de
o impacto da revolução dos meios de comunicação e das novas tempo para debruçar-me sobre as tuas sugestões de eficiência.
tecnologias da informação. É inegável a importância dos meios D) Gostaria que você soubesse que, mesmo considerando suas
de comunicação social e sua influência na complexa sociedade sugestões de eficiência válidas, não tenho como avaliar-lhes agora.
globalizada. Desta forma, estudaras mídias passou a ser uma prio- E) Desculpe-me, eu tinha muito interesse em ler tuas sugestões
ridade no campo das interações sociais. É necessário investigar, de eficiência, só que agora estou muito ocupado e sem tempo.
compreender e formular teorias de comunicação que possam
atender os interesses da sociedade no mundo globalizado. Em RESPOSTAS
busca desse objetivo resolvemos fazer algumas reflexões sobre os
01 D
paradigmas existentes e tentar abrir algumas brechas que possam
contribuir na formatação de novos ingredientes colaboradores do 02 D
processo de interpretação e explicação da realidade atual. É neste 03 A
mundo globalizado que o homem vive atualmente e dele retira as
informações que irão contribuir para ampliação dos seus conheci- 04 A
mentos e das suas experiências.
http://www2.metodista.br/unesco/PCLA/revista6/artiao%20
6-3.htm - acesso em 03/05/2016. FUNÇÕES DA LINGUAGEM

Assinale a alternativa correta. O termo (in)comunicação nos Funções da linguagem são recursos da comunicação que, de
leva a entender: acordo com o objetivo do emissor, dão ênfase à mensagem trans-
A) Comunicação interna mitida, em função do contexto em que o ato comunicativo ocorre.
B) Comunicação adequada São seis as funções da linguagem, que se encontram direta-
C) Falta de comunicação mente relacionadas com os elementos da comunicação.
D) Falha de comunicação
Funções da Linguagem Elementos da Comunicação
03. POLÍCIA CIENTÍFICA-PR – Odontolegista – 2017 - IBFC
Função referencial ou denotati- contexto
O texto abaixo é parte de um gênero técnico denominado
va
ofício. Sobre ele, responda à questão.
Função emotiva ou expressiva emissor
Texto III Função apelativa ou conativa receptor
Ofício Circular CAOSAÚDE nº 07/2015. Função poética mensagem
Função fática canal
Goiânia, 24 de abril de 2015.
Função metalingu´´istica código
Senhor (a) Promotor (a),
Função Referencial
A par de cumprimentá-lo (a), servimo-nos do presente para
encaminhar a V. Exa informações sobre a campanha estadual de A função referencial tem como objetivo principal informar,
combate à dengue e o papel do Ministério Público nas ações de referenciar algo. Esse tipo de texto, que é voltado para o contexto
(1) prevenção, (2) bloqueio das áreas de transmissão e (3) manejo da comunicação, é escrito na terceira pessoa do singular ou do
clínico dos pacientes. plural, o que enfatiza sua impessoalidade.

74
LÍNGUA PORTUGUESA

Para exemplificar a linguagem referencial, podemos citar os Nela, o emissor preocupa-se de que maneira a mensagem
materiais didáticos, textos jornalísticos e científicos. Todos eles, será transmitida por meio da escolha das palavras, das expres-
por meio de uma linguagem denotativa, informam a respeito de sões, das figuras de linguagem. Por isso, aqui o principal elemento
algo, sem envolver aspectos subjetivos ou emotivos à linguagem. comunicativo é a mensagem.
Exemplo de uma notícia: A função poética não pertence somente aos textos literários.
O resultado do terceiro levantamento feito pela Aliança Glo- Podemos encontrar a função poética também na publicidade ou
bal para Atividade Física de Crianças — entidade internacional de- nas expressões cotidianas em que há o uso frequente de metáfo-
dicada ao estímulo da adoção de hábitos saudáveis pelos jovens ras (provérbios, anedotas, trocadilhos, músicas).
— foi decepcionante. Realizado em 49 países de seis continentes
com o objetivo de aferir o quanto crianças e adolescentes estão Exemplo:
fazendo exercícios físicos, o estudo mostrou que elas estão muito
sedentárias. Em 75% das nações participantes, o nível de ativi- “Basta-me um pequeno gesto,
dade física praticado por essa faixa etária está muito abaixo do feito de longe e de leve,
recomendado para garantir um crescimento saudável e um en- para que venhas comigo
velhecimento de qualidade — com bom condicionamento físico, e eu para sempre te leve...”
músculos e esqueletos fortes e funções cognitivas preservadas. De (Cecília Meireles)
“A” a “F”, a maioria dos países tirou nota “D”.
Função Fática
Função Emotiva
A função fática tem como principal objetivo estabelecer um
Caracterizada pela subjetividade com o objetivo de emocio- canal de comunicação entre o emissor e o receptor, quer para ini-
nar. É centrada no emissor, ou seja, quem envia a mensagem. A ciar a transmissão da mensagem, quer para assegurar a sua conti-
mensagem não precisa ser clara ou de fácil entendimento. nuação. A ênfase dada ao canal comunicativo.
Por meio do tipo de linguagem que usamos, do tom de voz Esse tipo de função é muito utilizado nos diálogos, por exem-
que empregamos, etc., transmitimos uma imagem nossa, não plo, nas expressões de cumprimento, saudações, discursos ao te-
raro inconscientemente. lefone, etc.
Emprega-se a expressão função emotiva para designar a uti-
lização da linguagem para a manifestação do enunciador, isto é, Exemplo:
daquele que fala. -- Calor, não é!?
-- Sim! Li na previsão que iria chover.
Exemplo: Nós te amamos! -- Pois é...

Função Conativa Função Metalinguística

A função conativa ou apelativa é caracterizada por uma lin- É caracterizada pelo uso da metalinguagem, ou seja, a lingua-
guagem persuasiva com a finalidade de convencer o leitor. Por gem que se refere a ela mesma. Dessa forma, o emissor explica
isso, o grande foco é no receptor da mensagem. um código utilizando o próprio código.
Trata-se de uma função muito utilizada nas propagandas, pu- Nessa categoria, os textos metalinguísticos que merecem
blicidades e discursos políticos, a fim de influenciar o receptor por destaque são as gramáticas e os dicionários.
meio da mensagem transmitida. Um texto que descreva sobre a linguagem textual ou um do-
Esse tipo de texto costuma se apresentar na segunda ou na tercei- cumentário cinematográfico que fala sobre a linguagem do cine-
ra pessoa com a presença de verbos no imperativo e o uso do vocativo. ma são alguns exemplos.
Não se interfere no comportamento das pessoas apenas com
a ordem, o pedido, a súplica. Há textos que nos influenciam de Exemplo:
maneira bastante sutil, com tentações e seduções, como os anún- Amizade s.f.: 1. sentimento de grande afeição, simpatia, apre-
cios publicitários que nos dizem como seremos bem-sucedidos, ço entre pessoas ou entidades. “sentia-se feliz com a amizade do
atraentes e charmosos se usarmos determinadas marcas, se con- seu mestre”
sumirmos certos produtos. 2. POR METONÍMIA: quem é amigo, companheiro, camarada.
Com essa função, a linguagem modela tanto bons cidadãos, “é uma de suas amizades fiéis”
que colocam o respeito ao outro acima de tudo, quanto esperta-
lhões, que só pensam em levar vantagem, e indivíduos atemoriza- QUESTÕES
dos, que se deixam conduzir sem questionar.
01. SAP-SP - Agente de Segurança Penitenciária – 2018 – MS
Exemplos: Só amanhã, não perca! CONCURSOS
Vote em mim! Quanto às funções da linguagem, assinale a alternativa incor-
reta:
Função Poética
A) “Semente do futuro”. Essa construção, que lembra uma
Esta função é característica das obras literárias que possui pelota felpuda, na realidade tem 20 metros de altura e é intei-
como marca a utilização do sentido conotativo das palavras. rinha coberta por varas de acrílico, que balançam ao sabor do

75
LÍNGUA PORTUGUESA

vento. O curioso é que em cada uma delas estão guardadas al- A) expressiva.
gumas sementinhas e são mais de 60 mil, vindas de plantas va- B) apelativa.
riadas. O cubo faz parte do pavilhão do Reino Unido na Shangaí C) referencial.
World Expo, a Feira Universal que acontece na China até outubro. D) poética.
A ideia do evento, que ocorre desde 1851, é que países de todo E) fática.
o planeta compartilhem seus aspectos culturais, tecnológicos e
econômicos. A edição de 2010 tem o tema “Uma cidade melhor, 03. Pref. de Iguaraçú/PR – Técnico em Enfermagem – 2014
uma vida melhor”, e a construção, apelidada de “Seed Cathedral” – FAFIPA
(Catedral da Semente) representa a importância da diversidade
da Terra. Durante o dia, cada vara de mais de 7 metros atua como SONETO DE MAIO
fibra óptica, levando luz ao seu interior. À noite as fibras se ilumi- (Vinícius de Moraes)
nam criando uma atmosfera de respeito e devoção aos recursos
do planeta. No fim da feira, os visitantes poderão plantar as se- Suavemente Maio se insinua
mentes ali guardadas e todo o material usado na construção do Por entre os véus de Abril, o mês cruel
cubo será reciclado e reutilizado. (Vida Simples – 2010). (Função E lava o ar de anil, alegra a rua
referencial ou denotativa.) Alumbra os astros e aproxima o céu.
B) “Quando o passado é um pesadelo”. Tomado pela costumei- Até a lua, a casta e branca lua
ra pressa de repórter, eu tinha que fazer, a toque de caixa, imagens Esquecido o pudor, baixa o dossel
do museu para compor a minha matéria. E em seu leito de plumas fica nua
Quando chegamos ao primeiro corredor, o eixo da continui- A destilar seu luminoso mel.
dade, tentei pedir algo a Bárbara, funcionária do museu que nos Raia a aurora tão tímida e tão frágil
acompanhava. Não consegui falar. Tudo foi se desfazendo, todos os Que através do seu corpo transparente
sentimentos e emoções, e também as racionalizações, reflexões ou Dir-se-ia poder-se ver o rosto
desalentos mediados pelo intelecto. Tudo foi se desvanecendo den- Carregado de inveja e de presságio
tro de mim e um grande vazio, um vácuo que sugava a si próprio, se
Dos irmãos Junho e Julho, friamente
formou qual redemoinho em meu peito, até explodir num jorro de
Preparando as catástrofes de Agosto...
pranto, num colapso incontrolável.
Disponível em: http://www.viniciusdemoraes.com.br
Não tive condições de prosseguir com o cinegrafista Fernando
Calixto. Procurei um lugar onde esgotar as lágrimas e tentava me
Em um poema, é possível afirmar que a função de linguagem
explicar, repetindo aos soluços: “Pela metade, não. Não vou conse-
está centrada na:
guir fazer meia visita. Pela metade, não. Ou encaro todo o périplo
A) Função fática.
ou vou embora”.
Não consegui nem uma coisa nem outra. Nem parei de chorar, B) Função emotiva ou expressiva.
nem me recompus; não me atrevi a percorrer todos os corredores, C) Função conativa ou apelativa.
nem tampouco resisti a penetrar nos espaços desconcertantes do D) Função denotativa ou referencial.
Museu Judaico de Berlim. (Pedro Bial). (Função emotiva ou expres-
siva.) 04. Pref. de Cantagalo/RJ - Oficial Administrativo – 2014 –
C) São Paulo está embaixo de água. A culpa não é da chuva. É CEPERJ
de quem coloca lixo fora do lugar. Pense nisso. Faça a coisa certa. Sempre que há comunicação há uma intenção, o que deter-
Jogue o lixo no lixo. (Prefeitura de São Paulo). (Função conativa ou mina que a linguagem varie, assumindo funções. A função da lin-
apelativa.) guagem predominante no texto com a respectiva característica
D) Pronome, palavra que representa um nome, um termo usa- está expressa em:
do com a função de um nome, um adjetivo ou toda uma oração que A) referencial – presença de termos científicos e técnicos
a segue ou antecede. (Houaiss Dicionário). (Função poética.) B) expressiva – predominância da 1ª pessoa do singular
C) fática – uso de cumprimentos e saudações
02. (Universidade Federal de Alagoas/AL – Técnico de Labo- D) apelativa – emprego de verbos flexionados no imperativo
ratório – 2014 – COPEVE adaptada
Alô, alô, Marciano 05. Pref. de Três Fronteiras - SP - Professor de Educação Bási-
Aqui quem fala é da Terra ca l - Educação Infantil – 2017 – Instituto Excelência
Pra variar, estamos em guerra Sobre uma das funções da linguagem podemos afirmar que:
Você não imagina a loucura “Tem o código como fator essencial. Por exemplo: definições, ver-
O ser humano tá na maior fissura porque betes dos dicionários e poesias. ” Esta definição está representa-
Tá cada vez mais down o high society [...] da na seguinte alternativa:
LEE, Rita. CARVALHO, Roberto de. Disponível em: http://www. A) Referencial conativa
vagalume.com.br/ Acesso em: 30 mar. 2014. B) Metalinguística
C) Fática
Os dois primeiros versos do texto fazem referência à função D) Nenhuma das alternativas.
da linguagem cujo objetivo dos emissores é apenas estabelecer
ou manter contato de comunicação com seus receptores. Nesses
versos, a linguagem está empregada em função

76
LÍNGUA PORTUGUESA

RESPOSTAS Passagem do Discurso Direto para o Discurso Indireto


01 D
No que se refere aos tempos, o mais comum é o que o verbo di-
02 E zer esteja no presente ou no pretérito perfeito. Quando o verbo dizer
03 B estiver no presente e o da fala da personagem estiver no presente,
pretérito ou futuro do presente, os tempos mantêm-se na passagem
04 D do discurso direto para o indireto. Se o verbo dizer estiver no preté-
05 B rito perfeito, as alterações que ocorrerão na fala da personagem são
as seguintes:

Discurso direto Discurso indireto


DISCURSO DIRETO, INDIRETO E LIVRE
Tempos e modos Tempos e modos
•Presente •Imperfeito
DISCURSO DIRETO, INDIRETO E INDIRETO LIVRE •Perfeito •Mais-que-perfeito

Discurso Direto, Discurso Indireto e Discurso Indireto Livre •Futuro(Indicativo) •Condicional


são tipos de discursos utilizados no gênero narrativo para introdu- •Futuro(Conjuntivo) •Imperfeito(Conjuntivo)
zir as falas e os pensamentos dos personagens. Seu uso varia de •Imperativo •Conjuntivo
acordo com a intenção do narrador. Há três maneiras principais
de reproduzir a fala das personagens: o discurso direto, o discurso
indireto e o discurso indireto livre. Demonstrativos: Demonstrativos:
Este, esta, isto ... Aquele, aquela, aquilo
Discurso Direto
Esse, essa, isso ...
O discurso direto é o expediente de citação do discurso alheio
pela qual o narrador introduz o discurso do outro e, depois, repro- Discurso direto Discurso indireto
duz literalmente a fala dele.
As marcas do discurso são: Advérbios: Advérbios:
- A fala das personagens é, de princípio, anunciada por um • Tempo: agora,já • Tem,po: então, naquele mo-
verbo (disse e interrompeu no caso do filho e perguntou e come- hoje, ontem mento, logo, imediatamente
çou a dizer no caso do pai) denominado “verbo de dizer” (como: amanhã naquele dia, no dia anterior,
recrutar, retorquir, afirmar, declarar e outros do mesmo tipo), que logo na véspera no dia seguinte de-
pode vir antes, no meio ou depois da fala das personagens (no pois
nosso caso, veio depois); •Lugar: aqui • Lugar: ali, além, acolá, lá
- A fala das personagens aparece nitidamente separada da cá
fala do narrador, por aspas, dois pontos, travessão ou vírgula;
- Os pronomes pessoais, os tempos verbais e as palavras que Vocativo Desaparece ou passa a com-
indicam espaço e tempo (por exemplo, pronomes demonstrativos plemento indireto
e advérbios de lugar e de tempo) são usados em relação à pessoa da
personagem, ao momento em que ela fala diz “eu”, o espaço em que Discurso Indireto Livre
ela se encontra é o aqui e o tempo em que fala é o agora.
Há uma fusão dos tipos de discurso (direto e indireto), ou
seja, há intervenções do narrador bem como da fala dos perso-
Discurso Indireto
nagens.
Não existem marcas que mostrem a mudança do discurso.
O discurso indireto não chega ao leitor diretamente, isto é, por
Por isso, as falas dos personagens e do narrador - que sabe tudo
meio das palavras do narrador. Por essa razão, esse expediente é cha- o que se passa no pensamento dos personagens - podem ser con-
mado discurso indireto. fundidas.
As principais marcas do discurso indireto são: As características do discurso indireto livre são:
- falas das personagens vêm introduzidas por um verbo de dizer; - Não há verbos de dizer anunciando as falas das persona-
- falas das personagens constituem oração subordinada subs- gens;
tantiva objetiva direta do verbo de dizer e, são separadas da fala do - Estas não são introduzidas por partículas como “que” e “se”
narrador por uma partícula introdutória normalmente “que” ou “se”; nem separadas por sinais de pontuação;
- pronomes pessoais, tempos verbais e palavras que indicam es- - O discurso indireto livre contém, como o discurso direto,
paço e tempo (como pronomes demonstrativos e advérbios de lugar orações interrogativas, imperativas e exclamativas, bem como in-
e de tempo) são usados em relação ao narrador, ao momento em terjeições e outros elementos expressivos;
que ele fala e ao espaço em que está. - Os pronomes pessoais e demonstrativos, as palavras indi-
cadoras de espaço e de tempo são usadas da mesma forma que
no discurso indireto. Por isso, o verbo estar, do exemplo acima,

77
LÍNGUA PORTUGUESA

ocorre no pretérito imperfeito, e não no presente (está), como 2. Já se tentou explicar em fórmulas narrativas a diferença
no discurso direto. Da mesma forma o pronome demonstrativo entre um conto, uma novela e um romance, mas o leitor, que não
ocorre na forma aquilo, como no discurso indireto. precisa de teoria, sabe exatamente o que é uma coisa ou outra as-
sim que começa a ler; quando termina logo, é um conto. O critério
Exemplos: do tamanho prossegue invencível.
O despertador tocou um pouco mais cedo. Vamos lá, eu sei 3. Para entender o gênero, criei arbitrariamente um ponto
que consigo! mínimo de partida, que considero o menor conto do mundo, uma
Amanheceu chovendo. Bem, lá vou eu passar o dia assistin- síntese mortal de Dalton Trevisan: “Nunca me senti tão só, queri-
do televisão! da, como na tua companhia”.
4. Temos aí dois personagens, um diálogo implícito e uma
QUESTÕES intriga tensa que parece vir de longe e não acabar com o conto.
Bem, por ser um gênero curto, o conto é também, por parecer fá-
01. SEDU/ES – Professor – Língua Portuguesa – 2016 - FCC cil, uma perigosa porta aberta em que cabe tudo de cambulhada.
5. Desde Machado de Assis, que colocou o gênero entre nós
As enchentes de minha infância num patamar muito alto já no seu primeiro instante, a aparente
Rubem Braga facilidade do conto vem destroçando vocações.
6. Além disso, há a maldição dos editores, refletindo uma
Sim, nossa casa era muito bonita, verde, com uma tamareira suposta indiferença dos leitores: “conto não vende”. Essa é uma
junto à varanda, mas eu invejava os que moravam do outro lado questão comercial, não literária. Porque acabo de ler dois ótimos
da rua, onde as casas dão fundos para o rio. Como a casa dos Mar- livros de contos que quebram qualquer preconceito eventual que
tins, como a casa dos Leão, que depois foi dos Medeiros, depois se tenha contra o gênero.
de nossa tia, casa com varanda fresquinha dando para o rio. 7. Os contos de A Cidade Dorme, de Luiz Ruffato, que já havia
Quando começavam as chuvas a gente ia toda manhã lá no demonstrado ser um mestre da história curta no excelente Flores
quintal deles ver até onde chegara a enchente. As águas barrentas Artificiais, formam uma espécie de painel do “Brasil profundo”, a
subiam primeiro até a altura da cerca dos fundos, depois às bana-
gigantesca classe média pobre que luta para sobreviver, espremi-
neiras, vinham subindo o quintal, entravam pelo porão. Mais de
da em todo canto do país entre os sonhos e a violência.
uma vez, no meio da noite, o volume do rio cresceu tanto que a
8. Em toda frase, sente-se o ouvido afinado da linguagem co-
família defronte teve medo.
loquial que transborda nossa cultura pelo arcaísmo de signos sin-
Então vinham todos dormir em nossa casa. Isso para nós era
gelos: “Mas eu não queria ser torneiro-mecânico, queria mesmo
uma festa, aquela faina de arrumar camas nas salas, aquela in-
era ser bancário, que nem o marido da minha professora, dona
timidade improvisada e alegre. Parecia que as pessoas ficavam
todas contentes, riam muito; como se fazia café e se tomava café Aurora”.
tarde da noite! E às vezes o rio atravessava a rua, entrava pelo 9. O atávico país rural, com o seu inesgotável atraso, explode
nosso porão, e me lembro que nós, os meninos, torcíamos para em todos os poros da cidade moderna.
ele subir mais e mais. Sim, éramos a favor da enchente, ficáva- 10. Já nos dez contos de Reserva Natural, de Rodrigo Lacer-
mos tristes de manhãzinha quando, mal saltando da cama, íamos da, que se estruturam classicamente como “intrigas”, na melhor
correndo para ver que o rio baixara um palmo – aquilo era uma herança machadiana, o mesmo Brasil se desdobra em planos in-
traição, uma fraqueza do Itapemirim. Às vezes chegava alguém a dividuais; e o signo forte de “reserva natural” perde seu limite
cavalo, dizia que lá, para cima do Castelo, tinha caído chuva muita, geográfico para ganhar a tensão da condição humana.
anunciava águas nas cabeceiras, então dormíamos sonhando que 11. Como diz o narrador do conto “Sempre assim”, “é tudo
a enchente ia outra vez crescer, queríamos sempre que aquela uma engrenagem muito maior”.
fosse a maior de todas as enchentes. (Adaptado de: TEZZA, Cristovão Disponível em: www1.folha.
(BRAGA, Rubem. As enchentes de minha infância. In: Ai de ti, uol.com.br)
Copacabana. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1962, p. 157)
Ao se transpor a frase: “Nunca me senti tão só, querida,
Há a presença do discurso indireto em: como na tua companhia” (3o parágrafo) para o discurso indireto,
A) Eu invejava os que moravam do outro lado da rua, onde as o trecho sublinhado assumirá a seguinte forma:
casas dão fundos para o rio. A) se sentiria
B) Quando começavam as chuvas a gente ia toda manhã lá no B) sentiu-se
quintal deles ver até onde chegara a enchente. C) se sentira
C) Então vinham todos dormir em nossa casa. D) estaria sentindo-me
D) Parecia que as pessoas ficavam todas contentes, riam mui- E) estava se sentindo
to; como se fazia café e se tomava café tarde da noite!
E) Às vezes chegava alguém a cavalo, dizia que lá, para cima 03. (Pref. de Natal/RN – Psicólogo – IDECAN/2016)
do Castelo, tinha caído chuva muita.
Conheça Aris, que se divide entre socorrer e fotografar náu-
02. Câmara Legislativa do Distrito Federal - Técnico Legisla- fragos
tivo – 2018 - FCC
Profissional da AFP diz que a experiência de documentar o
1. Sinto inveja dos contistas. Para mim, é mais fácil escrever sofrimento dos refugiados deixou-o mais rígido com as próprias
um romance de 200 páginas que um conto de duas. filhas.

78
LÍNGUA PORTUGUESA

O grego Aris Messinis é fotógrafo da agência AFP em Atenas. tro lado. O sapo respondeu-lhe que não faria de jeito nenhum o
Cobriu guerras e os protestos da Primavera Árabe. Nos últimos que ele estava solicitando, porque ele poderia dar-lhe uma ferroa-
meses, tem se dedicado a registrar a onda de refugiados na Euro- da, levandoo à morte por envenenamento. O escorpião retrucou
pa. Ele conta em um blog da AFP, ilustrado com muitas fotos, como que o sapo precisaria guiar-se pela lógica; ele não poderia dar-lhe
tem sido o trabalho na ilha de Lesbos, na Grécia, onde milhares de uma ferroada, pois, se o sapo morresse, ele também morreria,
refugiados pisam pela primeira vez em território europeu. Mais porque se afogaria. O sapo disse que o escorpião estava certo e
de 700.000 refugiados e imigrantes clandestinos já desembarca- concordou em levá-lo até a outra margem. No meio do rio, o es-
ram no litoral grego este ano. As autoridades locais estão sendo corpião pica o sapo. Este, sentindo a ação do veneno, vira-se para
acusadas de não dar apoio suficiente aos que chegam pelo mar, aquele e diz que só gostaria de entender os motivos que fizeram
e há até a ameaça de suspender o país do Acordo Schengen, que que ele o picasse, já que o ato era prejudicial também ao escor-
permite a livre circulação de pessoas entre os Estados-membros. pião. Este, então, responde que simplesmente não podia negar a
Messinis diz que o mais chocante do seu trabalho é retratar, sua natureza.
em território pacífico, pessoas que trazem no rosto o sofrimento Narrativa popular. In: SAVIOLI, Francisco Platão e FIORIN,
da guerra. “Só de saber que você não está em uma zona de guerra José Luiz. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática,
torna isso ainda mais emocional. E muito mais doloroso”, diz Mes- 2006. p.87
sinis.Numa guerra, o fotógrafo também corre perigo, então, de
certa forma, está em pé de igualdade com as pessoas que prota- No trecho “O sapo disse que o escorpião estava certo e con-
gonizam as cenas que ele documenta. Em Lesbos, não é assim. Ele cordou em levá-lo até a outra margem”, tem-se um exemplo de
está em absoluta segurança. As pessoas que chegam estão lutan- discurso
do por suas vidas. Não são poucas as que morrem de hipotermia A) direto
mesmo depois de pisar em terra firme, por falta de atendimento B) metalinguístico
médico. C) indireto
Exatamente por causa dessa assimetria entre o fotojornalista D) direto livre
e os protagonistas de suas fotos, muitas vezes Messinis deixa a câ- E) misto
mera de lado e põe-se a ajudá-los. Ele se impressiona e se preocu-
pa muito com os bebês que chegam nos botes. Obviamente, são 05. Câmara Legislativa do Distrito Federal - Técnico Legislati-
os mais vulneráveis aos perigos da travessia. Messinis fotografou vo - Técnico de Arquivo e Biblioteca – 2018 - FCC
os cadáveres de alguns deles nas pedras à beira-mar. Atenção: Leia abaixo o Capítulo I do romance Dom Casmurro,
O fotógrafo grego diz que a experiência de ver o sofrimento de Machado de Assis, para responder à questão.
das crianças refugiadas deixou-o mais rígido com as próprias fi-
lhas. As maiores têm 9 e sete anos. A menor, 7 meses. Quando vê Uma noite destas, vindo da cidade para o Engenho Novo,
o que acontece com as crianças que chegam nos botes, Messinis encontrei num trem da Central um rapaz aqui do bairro, que eu
pensa em como suas filhas têm sorte de estarem vivas, de terem conheço de vista e de chapéu. Cumprimentou-me, sentou-se ao
onde morar e de viverem num país em paz. Elas não têm do que pé de mim, falou da lua e dos ministros, e acabou recitando-me
reclamar. versos. A viagem era curta, e os versos pode ser que não fossem
Por: Diogo Schelp 04/12/2015. Disponível em: http://veja. inteiramente maus. Sucedeu, porém, que como eu estava cansa-
abril.com.br/blog/a-boa-e-velha-reportagem/conheca-aris-que- do, fechei os olhos três ou quatro vezes; tanto bastou para que ele
-se-divide-entresocorrer-e-fotografar-naufragos/.) interrompesse a leitura e metesse os versos no bolso.
Dentre os recursos utilizados pelo autor, é correto afirmar – Continue, disse eu acordando.
acerca do trecho “Só de saber que você não está em uma zona de – Já acabei, murmurou ele.
guerra torna isso ainda mais emocional. E muito mais doloroso” – São muito bonitos.
[...] (2º§), em discurso direto, que sua principal função é Vi-lhe fazer um gesto para tirá-los outra vez do bolso, mas
A) conferir credibilidade ao texto e ampliar a informação não passou do gesto; estava amuado. No dia seguinte entrou a
apresentada. dizer de mim nomes feios, e acabou alcunhando-me Dom Cas-
B) apresentar diferentes pontos de vista, além de um conhe- murro. Os vizinhos, que não gostam dos meus hábitos reclusos e
cimento maior do assunto. calados, deram curso à alcunha, que afinal pegou. Nem por isso
C) destacar uma informação e caracterizá-la com um alto ní- me zanguei. Contei a anedota aos amigos da cidade, e eles, por
vel de relevância para o leitor. graça, chamam-me assim, alguns em bilhetes: “Dom Casmurro,
D) despertar o interesse do leitor pelo assunto tratado, apre- domingo vou jantar com você.” – “Vou para Petrópolis, dom Cas-
sentando o fato objetivamente. murro; a casa é a mesma da Renânia; vê se deixas essa caverna
do Engenho Novo, e vai lá passar uns quinze dias comigo.” – “Meu
04. UEG - Professor de Nível Superior - 2018 - UEG caro dom Casmurro, não cuide que o dispenso do teatro amanhã;
venha e dormirá aqui na cidade; dou-lhe camarote, dou-lhe chá,
Era uma vez um escorpião que estava na beira de um rio, dou-lhe cama; só não lhe dou moça.
quando a vegetação da margem começou a queimar. Ele ficou de- Não consultes dicionários. Casmurro não está aqui no sentido
sesperado, pois, se pulasse na água, morreria afogado e, se per- que eles lhe dão, mas no que lhe pôs o vulgo de homem calado
manecesse onde estava, morreria queimado. Nisso, viu um sapo e metido consigo. Dom veio por ironia, para atribuir-me fumos
que estava preparando-se para saltar no rio e, assim, livrar-se do de fidalgo. Tudo por estar cochilando! Também não achei melhor
fogo. Pediu-lhe, então, que o transportasse nas costas para o ou- título para a minha narração; se não tiver outro daqui até ao fim

79
LÍNGUA PORTUGUESA

do livro, vai este mesmo. O meu poeta do trem ficará sabendo a) Solicito a Vossa Senhoria que verifique a possibilidade de
que não lhe guardo rancor. E com pequeno esforço, sendo o título implementação de projeto de treinamento de pessoal para operar
seu, poderá cuidar que a obra é sua. Há livros que apenas terão os novos equipamentos gráficos a serem instalados em seu setor.
isso dos seus autores; alguns nem tanto. b) Venho perguntar-lhe, por meio desta, sobre a data em que
(ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. São Paulo: Companhia Vossa Excelência pretende nomear vosso representante na Co-
das Letras, 2016, p. 79-80.) missão Organizadora.
c) Digníssimo Senhor: eu venho por esse comunicado, infor-
Ao se transpor o trecho – Já acabei, murmurou ele. (3° pa- mar, que será organizado seminário, sobre o uso eficiente de re-
rágrafo) para o discurso indireto, o verbo “acabei” assume a se- cursos hídricos, em data ainda a ser definida.
guinte forma: d) Haja visto que o projeto anexo contribue para o desenvol-
A) tinha acabado. vimento do setor em questão, informamos, por meio deste Ofício,
B) acabou. que será amplamente analisado por especialistas.
C) estava acabando. e) Neste momento, conforme solicitação enviada à Vossa Se-
D) acabaria. nhoria anexo, não se deve adotar medidas que possam com- pro-
E) estaria acabando. meter vossa realização do projeto mencionado.
RESPOSTAS 3. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014)
01 E Analise as assertivas abaixo:
02 C I. O ladrão era de menor.
03 A II. Não há regra sem exceção.
III. É mais saudável usar menas roupa no calor.
04 C
IV. O policial foi à delegacia em compania do meliante.
05 A V. Entre eu e você não existe mais nada.

A opção que apresenta vícios de linguagem é:


TESTES E RESPOSTAS
a) I e III.
b) I, II e IV.
c) II e IV.
1. (MAPA – AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO – d) I, III, IV e V.
MÉDICO VETERINÁRIO – SUPERIOR – ESAF – 2017) Assinale a e) III, IV e V.
opção que apresenta desvio de grafia da palavra.
A acupuntura é uma terapia da medicina tradicional chinesa 4. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014)
que favorece a regularização dos processos fisiológicos do corpo, De acordo com a nova ortografia, assinale o item em que todas as
no sentido de promover ou recuperar o estado natural de saúde palavras estão corretas:
e equilíbrio. Pode ser usada preventivamente (1) para evitar o de- a) autoajuda – anti-inflamatório – extrajudicial.
senvolvimento de doenças, como terapia curativa no caso de a b) supracitado – semi-novo – telesserviço.
doença estar instalada ou como método paliativo (2) em casos de c) ultrassofisticado – hidro-elétrica – ultra-som.
doenças crônicas de difícil tratamento. Tem também uma ação d) contrarregra – autopista – semi-aberto.
importante na medicina rejenerativa (3) e na reabilitação. O tra- e) contrarrazão – infra-estrutura – coprodutor.
tamento de acupuntura consiste na introdução de agulhas filifor-
mes no corpo dos animais. Em geral são deixadas cerca de 15 a 20 5. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014) O
minutos. A colocação das agulhas não é dolorosa para os animais
uso correto do porquê está na opção:
e é possível observar durante os tratamentos diferentes reações
fisiológicas (4), indicadoras de que o tratamento está atingindo o
a) Por quê o homem destrói a natureza?
efeito terapêutico (5) desejado.
b) Ela chorou por que a humilharam.
Disponível: <http://www.veterinariaholistica.net/acupuntura-
c) Você continua implicando comigo porque sou pobre?
-fitoterapia-e-homeopatia.html/>. Acesso em 28/11/2017. (Com
adaptações) d) Ninguém sabe o por quê daquele gesto.
e) Ela me fez isso, porquê?
a) (1)
b) (2) 6. (TJ-PA – MÉDICO PSIQUIATRA – SUPERIOR – VUNESP
c) (3) – 2014)
d) (4)
e) (5)

2. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA


ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) Respeitando-se as
normas de redação do Manual da Presidência da República, a fra-
se correta é:

80
LÍNGUA PORTUGUESA

Assinale a alternativa que completa, correta e respectiva- surgimento da Secretaria da Receita Federal representou um sig-
mente, as lacunas, de acordo com a norma-padrão da língua nificativo avanço na facilitação do cumprimento das obrigações
portuguesa, considerando que o termo que preenche a terceira tributárias, contribuindo para o aumento da arrecadação a partir
lacuna é empregado para indicar que um evento está prestes a (5) do final dos anos 60.
acontecer (Adaptado de <http://www.receita.fazenda.gov.br/srf/histori-
co.htm>. Acesso em: 17 mar. 2014.)
a) anúncio ... A ... Iminente.
b) anuncio ... À ... Iminente. a) (1).
c) anúncio ... À ... Iminente. b) (2).
d) anúncio ... A ... Eminente. c) (3).
e) anuncio ... À ... Eminente. d) (4).
e) (5).
7. (CEFET-RJ – REVISOR DE TEXTOS – CESGRANRIO –
2014) Observe a grafia das palavras do trecho a seguir. 11. (ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO-SP – ANA-
A macro-história da humanidade mostra que todos encaram LISTA FERROVIÁRIO – OFICINAS – ELÉTRICA – IDERH – 2014)
os relatos pessoais como uma forma de se manterem vivos. Desde Leia as orações a seguir:
a idade do domínio do fogo até a era das multicomunicações, os Minha mãe sempre me aconselha a evitar as _____ compa-
homens tem demonstrado que querem pôr sua marca no mundo nhias. (mas/más)
porque se sentem superiores. A cauda do vestido da noiva tinha um _________ enorme.
A palavra que NÃO está grafada corretamente é (cumprimento/comprimento)
Precisamos fazer as compras do mês, pois a _________ está
a) macro-história. vazia. (despensa/dispensa).
b) multicomunicações.
c) tem. Completam, correta e respectivamente, as lacunas acima os
expostos na alternativa:
d) pôr.
e) porque.
a) mas – cumprimento – despensa.
b) más – comprimento – despensa.
8. (LIQUIGÁS – PROFISSIONAL JÚNIOR – CIÊNCIAS CON-
c) más – cumprimento – dispensa.
TÁBEIS – CEGRANRIO – 2014) O grupo em que todas as palavras
d) mas – comprimento – dispensa.
estão grafadas de acordo com a norma-padrão da Língua Portu-
e) más – comprimento – dispensa.
guesa é
12. (TRT-2ª REGIÃO-SP – TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA
a) gorjeta, ogeriza, lojista, ferrujem ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2014) Está redigida com
b) pedágio, ultrage, pagem, angina clareza e em consonância com as regras da gramática normativa
c) refújio, agiota, rigidez, rabujento a seguinte frase:
d) vigência, jenipapo, fuligem, cafajeste
e) sargeta, jengiva, jiló, lambujem a) Queremos, ou não, ele será designado para dar a palavra
final sobre a polêmica questão, que, diga-se de passagem, tem
9. (SIMAE – AGENTE ADMINISTRATIVO – ASSCON-PP – feito muitos exitarem em se pronunciar.
2014) Assinale a alternativa que apresenta apenas palavras escri- b) Consultaram o juíz acerca da possibilidade de voltar atraz
tas de forma incorreta. na suspensão do jogador, mas ele foi categórico quanto a impos-
sibilidade de rever sua posição.
a) Cremoso, coragem, cafajeste, realizar; c) Vossa Excelência leu o documento que será apresentado
b) Caixote, encher, análise, poetisa; em rede nacional daqui a pouco, pela voz de Sua Excelência, o
c) Traje, tanger, portuguesa, sacerdotisa; Senhor Ministro da Educação?
d) Pagem, mujir, vaidozo, enchergar; d) A reportagem sobre fascínoras famosos não foi nada posi-
tiva para o público jovem que estava presente, de que se descul-
10. (RECEITA FEDERAL – AUDITOR FISCAL – ESAF – 2014) param os idealizadores do programa.
Assinale a opção que corresponde a erro gramatical ou de grafia e) Estudantes e professores são entusiastas de oferecer aos
de palavra inserido na transcrição do texto. jovens ingressantes no curso o compartilhamento de projetos,
com que serão também autores.
A Receita Federal nem sempre teve esse (1) nome. Secreta-
ria da Receita Federal é apenas a mais recente denominação da 13. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014)
Administração Tributária Brasileira nestes cinco séculos de exis- A acentuação correta está na alternativa:
tência. Sua criação tornou-se (2) necessária para modernizar a
máquina arrecadadora e fiscalizadora, bem como para promover a) eu abençôo – eles crêem – ele argúi.
uma maior integração entre o Fisco e os Contribuintes, facilitan- b) platéia – tuiuiu – instrui-los.
do o cumprimento expontâneo (3) das obrigações tributárias e a c) ponei – geléia – heroico.
solução dos eventuais problemas, bem como o acesso às (4) in- d) eles têm – ele intervém – ele constrói.
formações pessoais privativas de interesse de cada cidadão. O e) lingüiça – feiúra – idéia.

81
LÍNGUA PORTUGUESA

14. (EBSERH – HUCAM-UFES – ADVOGADO – AOCP – 2014) a) após / pó / paletó


A palavra que está acentuada corretamente é: b) moído / juízes / caído
c) história / cárie / tênue
a) Históriar. d) álibi / ínterim / político
b) Memórial. e) êxito / protótipo / ávido
c) Métodico.
d) Própriedade. 21. (PREFEITURA DE BRUSQUE-SC – EDUCADOR SOCIAL
e) Artifício. – FEPESE – 2014) Assinale a alternativa em que só palavras paro-
xítonas estão apresentadas.
15. (PRODAM-AM – ASSISTENTE – FUNCAB – 2014 –
ADAPTADA) Assinale a opção em que o par de palavras foi acen- a) facilitada, minha, canta, palmeiras
tuado segundo a mesma regra. b) maná, papá, sinhá, canção
c) cá, pé, a, exílio
a) saúde-países d) terra, pontapé, murmúrio, aves
b) Etíope-juízes e) saúde, primogênito, computador, devêssemos
c) olímpicas-automóvel
d) vocês-público 22. (MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO –
e) espetáculo-mensurável TÉCNICO EM AGRIMENSURA – FUNCAB – 2014) A alternativa
que apresenta palavra acentuada por regra diferente das demais
16. (ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CON- é:
TABILIDADE – IDECAN – 2014) Os vocábulos “cinquentenário” e
“império” são acentuados devido à mesma justificativa. O mesmo a) dúvidas.
ocorre com o par de palavras apresentado em b) muitíssimos.
c) fábrica.
a) prêmio e órbita. d) mínimo.
b) rápida e tráfego e) impossível.
c) satélite e ministério.
d) pública e experiência. 23. (PRODAM-AM – ASSISTENTE DE HARDWARE – FUN-
e) sexagenário e próximo. CAB – 2014) Assinale a alternativa em que todas as palavras fo-
17. (RIOPREVIDÊNCIA – ESPECIALISTA EM PREVIDÊNCIA ram acentuadas segundo a mesma regra.
SOCIAL – CEPERJ – 2014) A palavra “conteúdo” recebe acentua-
ção pela mesma razão de: a) indivíduos - atraí(-las) - período
b) saíram – veículo - construído
a) juízo c) análise – saudável - diálogo
b) espírito d) hotéis – critérios - através
c) jornalístico e) econômica – após – propósitos
d) mínimo
e) disponíveis 24. (CORPO DE BOMBEIROS MILITAR-PI – CURSO DE FOR-
MAÇÃO DE SOLDADOS – UESPI – 2014) “O evento promove a
18. (MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE – ICMBIO – CESPE saúde de modo integral.” A regra que justifica o acento gráfico no
– 2014) A mesma regra de acentuação gráfica se aplica aos vocá- termo destacado é a mesma que justifica o acento em:
bulos “Brasília”, “cenário” e “próprio”.
a) “remédio”.
( ) CERTO ( ) ERRADO b) “cajú”.
c) “rúbrica”.
19. (PREFEITURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ-SC – GUAR- d) “fráude”.
DA MUNICIPAL – FEPESE – 2014 – ADAPTADA) Assinale a alter- e) “baú”.
nativa em que todas as palavras são oxítonas.
25. (TJ-BA – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRA-
a) pé, lá, pasta TIVA – MÉDIO – FGV – 2015)
b) mesa, tábua, régua Texto 3 – “A Lua Cheia entra em sua fase Crescente no signo
c) livro, prova, caderno de Gêmeos e vai movimentar tudo o que diz respeito à sua vida
d) parabéns, até, televisão profissional e projetos de carreira. Os próximos dias serão ótimos
e) óculos, parâmetros, título para dar andamento a projetos que começaram há alguns dias ou
semanas. Os resultados chegarão rapidamente”.
20. (ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CO-
MUNICAÇÃO SOCIAL – IDECAN – 2014) Assinale a alternativa O texto 3 mostra exemplos de emprego correto do “a” com
em que a acentuação de todas as palavras está de acordo com a acento grave indicativo da crase – “diz respeito à sua vida pro-
mesma regra da palavra destacada: “Procuradorias comprovam fissional”. A frase abaixo em que o emprego do acento grave da
necessidade de rendimento satisfatório para renovação do FIES”. crase é corretamente empregado é:

82
LÍNGUA PORTUGUESA

a) o texto do horóscopo veio escrito à lápis; 30. (PREFEITURA DE SÃO PAULO-SP – TÉCNICO EM SAÚ-
b) começaram à chorar assim que leram as previsões; DE – LABORATÓRIO – MÉDIO – VUNESP – 2014) Reescreven-
c) o horóscopo dizia à cada leitora o que devia fazer; do-se o segmento frasal – ... incitá-los a reagir e a enfrentar o
d) o leitor estava à procura de seu destino; desconforto, ... –, de acordo com a regência e o acento indicativo
e) o astrólogo previa o futuro passo à passo da crase, tem-se:

26. (PREFEITURA DE SERTÃOZINHO-SP – FARMACÊUTICO a) ... incitá-los à reação e ao enfrentamento do desconforto, ...
– SUPERIOR – VUNESP – 2017) O sinal indicativo de crase está b) ... incitá-los a reação e o enfrentamento do desconforto, ...
empregado corretamente nas duas ocorrências na alternativa: c) ... incitá-los à reação e à enfrentamento do desconforto, ...
d) ... incitá-los à reação e o enfrentamento do desconforto, ...
a) Muitos indivíduos são propensos à associar, inadvertida- e) ... incitá-los a reação e à enfrentamento do desconforto, ..
mente, tristeza à depressão.
b) As pessoas não querem estar à mercê do sofrimento, por 31. (CONAB – CONTABILIDADE – SUPERIOR – IADES –
isso almejam à pílula da felicidade. 2014 – ADAPTADA) Considerando o trecho “atualizou os dados
c) À proporção que a tristeza se intensifica e se prolonga, po- relativos à produção de grãos no Brasil.” e conforme a norma-pa-
de-se, à primeira vista, pensar em depressão. drão, assinale a alternativa correta.
d) À rigor, os especialistas não devem receitar remédios às
pessoas antes da realização de exames acurados. a) a crase foi empregada indevidamente no trecho.
e) Em relação à informação da OMS, conclui-se que existem b) o autor poderia não ter empregado o sinal indicativo de
121 milhões de pessoas à serem tratadas de depressão. crase.
c) se “produção” estivesse antecedida por essa, o uso do sinal
27. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA indicativo de crase continuaria obrigatório.
ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) É difícil planejar uma d) se, no lugar de “relativos”, fosse empregado referentes, o
cidade e resistir à tentação de formular um projeto de sociedade. uso do sinal indicativo de crase passaria a ser facultativo.
e) caso o vocábulo minha fosse empregado imediatamente
O sinal indicativo de crase deverá ser mantido caso o verbo
antes de “produção”, o uso do sinal indicativo de crase seria fa-
sublinhado acima seja substituído por:
cultativo.
a) não acatar.
b) driblar.
32. (SABESP-SP – ATENDENTE A CLIENTES – MÉDIO – FCC
c) controlar.
– 2014 – ADAPTADA) No trecho Refiro-me aos livros que foram
d) superar.
escritos e publicados, mas estão – talvez para sempre – à espera
e) não sucumbir. de serem lidos, o uso do acento de crase obedece à mesma regra
seguida em:
28. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA
ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) A frase em que há a) Acostumou-se àquela situação, já que não sabia como evi-
uso adequado do sinal indicativo de crase encontra-se em: tá-la.
b) Informou à paciente que os remédios haviam surtido efei-
a) A tendência de recorrer à adaptações aparece com maior to.
força na Hollywood do século 21. c) Vou ficar irritada se você não me deixar assistir à novela.
b) É curioso constatar a rapidez com que o cinema agregou d) Acabou se confundindo, após usar à exaustão a velha fór-
à máxima. mula.
c) A busca pela segurança leva os estúdios à apostarem em e) Comunique às minhas alunas que as provas estão corrigi-
histórias já testadas e aprovadas. das.
d) Tal máxima aplica-se perfeitamente à criação de peças de
teatro. 33. (TRT-AL – ANALISTA JUDICIÁRIO – SUPERIOR – FCC–
e) Há uma massa de escritores presos à contratos fixos em 2014) ... que acompanham as fronteiras ocidentais chinesas...
alguns estúdios. O verbo que, no contexto, exige o mesmo tipo de comple-
mento que o da frase acima está em:
29. (PREFEITURA DE MARÍLIA-SP – AUXILIAR DE ESCRITA
– MÉDIO – VUNESP – 2017) Assinale a alternativa em que o sinal a) A Rota da Seda nunca foi uma rota única...
indicativo de crase está empregado corretamente. b) Esses caminhos floresceram durante os primórdios da Ida-
de Média.
a) A voluntária aconselhou a remetente à esquecer o amor c) ... viajavam por cordilheiras...
de infância. d) ... até cair em desuso, seis séculos atrás.
b) O carteiro entregou às voluntárias do Clube de Julieta uma e) O maquinista empurra a manopla do acelerador.
nova remessa de cartas.
c) O médico ofereceu à um dos remetentes apoio psicológico. 34. (CASAL-AL – ADMINISTRADOR DE REDE – COPEVE –
d) As integrantes do Clube levaram horas respondendo à di- UFAL – 2014) Na afirmação abaixo, de Padre Vieira,
versas cartas. “O trigo não picou os espinhos, antes os espinhos o picaram
e) O Clube sugeriu à algumas consulentes que fizessem novas a ele... Cuidais que o sermão vos picou a vós” o substantivo “espi-
amizades. nhos” tem, respectivamente, função sintática de,

83
LÍNGUA PORTUGUESA

a) objeto direto/objeto direto. 39. (TRT-13ª REGIÃO-PB – TÉCNICO JUDICIÁRIO – TEC-


b) sujeito/objeto direto. NOLOGIA DA INFORMAÇÃO – MÉDIO – FCC – 2014) Ao mesmo
c) objeto direto/sujeito. tempo, as elites renunciaram às ambições passadas...
d) objeto direto/objeto indireto. O verbo que, no contexto, exige o mesmo tipo de comple-
e) sujeito/objeto indireto. mento que o grifado acima está empregado em:

35. (CASAL-AL – ADMINISTRADOR DE REDE – COPEVE – a) Faltam-nos precedentes históricos para...


UFAL – 2014) No texto, “Arranca o estatuário uma pedra dessas b) Nossos contemporâneos vivem sem esse futuro...
montanhas, tosca, bruta, dura, informe; e, depois que desbastou c) Esse novo espectro comprova a novidade de nossa situa-
o mais grosso, toma o maço e cinzel na mão para começar a for- ção...
mar um homem, primeiro membro a membro e depois feição por d) As redes sociais eram atividades de difícil implementação...
feição.” e) ... como se imitássemos o padrão de conforto...
VIEIRA, P. A. In Sermão do Espírito Santo. Acervo da Acade-
mia Brasileira de Letras 40. (CIA DE SERVIÇOS DE URBANIZAÇÃO DE GUARAPUA-
A oração sublinhada exerce uma função de VA-PR – AGENTE DE TRÂNSITO – CONSULPLAM – 2014) Quan-
to à função que desempenha na sintaxe da oração, o trecho em
a) causalidade. destaque “Tenho uma dor que passa daqui pra lá e de lá pra cá”
b) conclusão. corresponde a:
c) oposição.
d) concessão. a) Oração subordinada adjetiva restritiva.
e) finalidade. b) Oração subordinada adjetiva explicativa.
36. (EBSERH – HUCAM-UFES – ADVOGADO – SUPERIOR – c) Adjunto adnominal.
AOCP – 2014) Em “Se a ‘cura’ fosse cara, apenas uma pequena d) Oração subordinada adverbial espacial.
fração da sociedade teria acesso a ela.”, a expressão em destaque 41. (ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CO-
funciona como: MUNICAÇÃO SOCIAL – IDECAN – 2014) Acerca das relações
sintáticas que ocorrem no interior do período a seguir “Policiais
a) objeto direto. de Los Angeles tomam facas de criminosos, perseguem bêbados
b) adjunto adnominal. na estrada e terminam o dia na delegacia fazendo seu relatório.”,
c) complemento nominal. é correto afirmar que
d) sujeito paciente.
e) objeto indireto. a) “o dia” é sujeito do verbo “terminar”.
b) o sujeito do período, Policiais de Los Angeles, é composto.
37. (EBSERH – HUSM-UFSM-RS – ANALISTA ADMINIS- c) “bêbados” e “criminosos” apresentam-se na função de
TRATIVO – JORNALISMO – SUPERIOR – AOCP – 2014) sujeito.
“Sinta-se ungido pela sorte de recomeçar. Quando seu filho d) “facas” possui a mesma função sintática que “bêbados”
crescer, ele irá entender - mais cedo ou mais tarde -...” e “relatório”.
No período acima, a oração destacada: e) “de criminosos”, “na estrada”, “na delegacia” são termos
que indicam circunstâncias que caracterizam a ação verbal.
a) estabelece uma relação temporal com a oração que lhe é
subsequente. 42. (TJ-SP – ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – MÉDIO
b) estabelece uma relação temporal com a oração que a an- – VUNESP – 2015) Leia o texto, para responder às questões.
tecede. O fim do direito é a paz, o meio de que se serve para conse-
c) estabelece uma relação condicional com a oração que lhe gui-lo é a luta. Enquanto o direito estiver sujeito às ameaças da
é subsequente. injustiça – e isso perdurará enquanto o mundo for mundo –, ele
d) estabelece uma relação condicional com a oração que a não poderá prescindir da luta. A vida do direito é a luta: luta dos
antecede. povos, dos governos, das classes sociais, dos indivíduos.
e) estabelece uma relação de finalidade com a oração que lhe Todos os direitos da humanidade foram conquistados pela
é subsequente. luta; seus princípios mais importantes tiveram de enfrentar os
ataques daqueles que a ele se opunham; todo e qualquer direito,
38. (PRODAM-AM – ASSISTENTE DE HARDWARE – FUN- seja o direito de um povo, seja o direito do indivíduo, só se afirma
CAB – 2014) O termo destacado em: “As pessoas estão sempre por uma disposição ininterrupta para a luta. O direito não é uma
muito ATAREFADAS.” exerce a seguinte função sintática: simples ideia, é uma força viva. Por isso a justiça sustenta numa
das mãos a balança com que pesa o direito, enquanto na outra
a) objeto direto. segura a espada por meio da qual o defende.
b) objeto indireto. A espada sem a balança é a força bruta, a balança sem a
c) adjunto adverbial. espada, a impotência do direito. Uma completa a outra, e o ver-
d) predicativo. dadeiro estado de direito só pode existir quando a justiça sabe
e) adjunto adnominal. brandir a espada com a mesma habilidade com que manipula a
balança.

84
LÍNGUA PORTUGUESA

O direito é um trabalho sem tréguas, não só do Poder Públi- 44. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA
co, mas de toda a população. A vida do direito nos oferece, num ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) Está plenamente ade-
simples relance de olhos, o espetáculo de um esforço e de uma quada a pontuação do seguinte período:
luta incessante, como o despendido na produção econômica e
espiritual. Qualquer pessoa que se veja na contingência de ter de a) A produção cinematográfica como é sabido, sempre bebeu
sustentar seu direito participa dessa tarefa de âmbito nacional e na fonte da literatura, mas o cinema declarou-se, independente
contribui para a realização da ideia do direito. É verdade que nem das outras artes há mais de meio século.
todos enfrentam o mesmo desafio. b) Sabe-se que, a produção cinematográfica sempre conside-
A vida de milhares de indivíduos desenvolve-se tranquila- rou a literatura como fonte de inspiração, mas o cinema declarou-
mente e sem obstáculos dentro dos limites fixados pelo direito. Se -se independente das outras artes, há mais de meio século.
lhes disséssemos que o direito é a luta, não nos compreenderiam, c) Há mais de meio século, o cinema declarou-se indepen-
pois só veem nele um estado de paz e de ordem. dente das outras artes, embora a produção cinematográfica te-
(Rudolf von Ihering, A luta pelo direito) nha sempre considerado a literatura como fonte de inspiração.
d) O cinema declarou-se independente, das outras artes, há
mais de meio século; porém, sabe-se, que a produção cinemato-
Assinale a alternativa em que uma das vírgulas foi empregada
gráfica sempre bebeu na fonte da literatura.
para sinalizar a omissão de um verbo, tal como ocorre na passa-
e) A literatura, sempre serviu de fonte inspiradora do cinema,
gem – A espada sem a balança é a força bruta, a balança sem a
mas este, declarou-se independente das outras artes há mais de
espada, a impotência do direito. meio século − como é sabido.
a) O direito, no sentido objetivo, compreende os princípios 45. (CORREIOS – TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABA-
jurídicos manipulados pelo Estado. LHO JÚNIOR – MÉDIO – IADES – 2017 – ADAPTADA) Quanto às
b) Todavia, não pretendo entrar em minúcias, pois nunca che- regras de ortografia e de pontuação vigentes, considere o perío-
garia ao fim. do “Enquanto lia a carta, as lágrimas rolavam em seu rosto numa
c) Do autor exige-se que prove, até o último centavo, o inte- mistura de amor e saudade.” e assinale a alternativa correta.
resse pecuniário. a) O uso da vírgula entre as orações é opcional.
d) É que, conforme já ressaltei várias vezes, a essência do di- b) A redação “Enquanto lia a carta, as lágrimas rolavam em
reito está na ação. seu rosto por que sentia um misto de amor e saudade.” poderia
e) A cabeça de Jano tem face dupla: a uns volta uma das fa- substituir a original.
ces, aos demais, a outra. c) O uso do hífen seria obrigatório, caso o prefixo re fosse
acrescentado ao vocábulo “lia”.
43. TJ-BA – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATI- d) Caso a ordem das orações fosse invertida, o uso da vírgula
VA – MÉDIO – FGV – 2015 entre elas poderia ser dispensado.
e) Assim como o vocábulo “lágrimas”, devem ser acentuados
Texto 2 - “A primeira missão tripulada ao espaço profundo graficamente rúbrica, filântropo e lúcida.
desde o programa Apollo, da década 1970, com o objetivo de
enviar astronautas a Marte até 2030 está sendo preparada pela 46. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014)
Nasa (agência espacial norte-americana). O primeiro passo para Verifique a pontuação nas frases abaixo e marque a assertiva cor-
a concretização desse desafio será dado nesta sexta-feira (5), com reta:
o lançamento da cápsula Orion, da base da agência em Cabo Ca-
naveral, na Flórida, nos Estados Unidos. O lançamento estava pre- a) Céus: Que injustiça.
visto originalmente para esta quinta-feira (4), mas devido a pro- b) O resultado do placar, não o abateu.
c) O comércio estava fechado; porém, a farmácia estava em
blemas técnicos foi reagendado para as 7h05 (10h05 no horário
pleno atendimento.
de Brasília).”
d) Comam bastantes frutas crianças!
(Ciência, Internet Explorer).
e) Comprei abacate, e mamão maduro.
“com o lançamento da cápsula Orion, da base da agência em RESPOSTAS
Cabo Canaveral, na Flórida, nos Estados Unidos.” Os termos sub-
linhados se encarregam da localização do lançamento da cápsula 1 C
referida; o critério para essa localização também foi seguido no 2 A
seguinte caso: Os protestos contra as cotas raciais ocorreram:
3 D
a) em Brasília, Distrito Federal, na região Centro-Oeste; 4 A
b) em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, região Sul; 5 C
c) em Pedrinhas, São Luís, Maranhão;
d) em São Paulo, São Paulo, Brasil; 6 A
e) em Goiânia, região Centro-Oeste, Brasil. 7 C

85
LÍNGUA PORTUGUESA

8 D ANOTAÇÃO

9 D
—————————————————————————
10 C
11 B —————————————————————————
12 C —————————————————————————
13 D —————————————————————————
14 E
—————————————————————————
15 A
—————————————————————————
16 B
17 A —————————————————————————
18 CERTO —————————————————————————
19 D —————————————————————————
20 C —————————————————————————
21 A
—————————————————————————
22 E
—————————————————————————
23 E
24 E —————————————————————————
25 C —————————————————————————
26 C —————————————————————————
27 E
—————————————————————————
28 D
—————————————————————————
29 B
30 A —————————————————————————
31 E —————————————————————————
32 D —————————————————————————
33 E —————————————————————————
34 C
—————————————————————————
35 E
—————————————————————————
36 C
37 A —————————————————————————
38 D —————————————————————————
39 A —————————————————————————
40 A
—————————————————————————
41 D
—————————————————————————
42 E
43 A —————————————————————————
44 C —————————————————————————
45 D —————————————————————————
46 C
—————————————————————————
—————————————————————————

86
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
O processo de Alfabetização e Letramento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
As contribuições da Psicogênese da Língua escrita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
O processo de Adaptação na Educação Infantil e o papel do professor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
A importância da ludicidade no contexto educativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Rotina e a organização do tempo e do espaço na Educação Infantil (jogos, brincadeiras, música, artes, dança, canti-
gas, histórias) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
As contribuições de Rousseau, Froebel, Pestalozzi e Montessori para infância e a Educação Infantil . . . . . . . . . . . . 8
A teoria de Jean Piaget do desenvolvimento cognitivo: as influências, as tendências e os estágios de
desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
A perspectiva sociocultural de Vygotsky: o papel dos adultos e dos pares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
O pensamento de Wallon . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Pressupostos norteadores do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil-RCNEI/MEC . . . . . . . . . . . 12
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
a ler e escrever, a codificar e decodificar os signos linguísticos.
O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Na sua visão como alfabetizadora o processo de alfabetização e
letramento são conceitos que embora distintos constituem-se
em elementos complementares.
Para Emilia o termo letramento está intrínseco no processo
A alfabetização e letramento são palavras chave para o de alfabetização, uma vez que considera o sujeito social no pro-
mundo social, pois é por meio da alfabetização e do letramento cesso de construção do seu conhecimento. Segundo sua teoria
que o sujeito passa a participar diretamente do mundo no exer- a alfabetização caracteriza-se pela sucessão de etapas cogniti-
cício de suas funções sociais, buscando tornar-se um cidadão vas  que, sem a instrução direta vinda dos adultos, elaboradas
consciente, com domínio do código convencional da leitura e da pelas crianças em processo de construção do conhecimento a
escrita em suas práticas sociais. partir da interação com o meio social e escolar.
Soares (1990) em sua concepção de alfabetização, envol-    Para Soares ((2004), p.47) a diferença entre letramento e
vendo ideias construtivistas a respeito da realidade da criança alfabetização pode ser assim explicada:
e/ou adulto, seu desenvolvimento pessoal e crescimento como ü  Alfabetização: ação de ensinar/aprender a ler e a escre-
cidadão sintetiza que: ver;
Alfabetizar é propiciar condições para que o indivíduo-crian- ü  Letramento: o estado ou condição de quem não apenas
ça ou adulto tenham acesso ao mundo da escrita, tornando-se sabe ler e escrever, mas cultiva e exerce as práticas sociais que
capaz não só de ler e escrever, enquanto habilidade de decodi- usam a escrita.
ficação e codificação do sistema de escrita, mas, sobretudo, de Segundo Soares (2004) o processo de alfabetização foca-
fazer uso real e adequado da escrita em todas as funções em do meramente no sistema da escrita alfabética não assegura a
que ela tem em nossa sociedade, também como instrumento de criança a apropriação dos usos e funções da língua escrita. Nes-
luta pela conquista da cidadania (SOARES, 1990, p.17). sa concepção o processo de alfabetização  tem apenas relação
Com ênfase no papel do sujeito na sociedade e em relação com a apropriação da escrita. Mas o letramento é mais com-
ao contexto social do mundo contemporâneo Magda Soares pleto porque estabelece com o processo de alfabetização práti-
(2004) apresenta o seguinte posicionamento: cas de leitura e escrita pelo sujeito em seu contexto social, cuja
Letramento é usar a escrita para se orientar no mundo (o fundamentação teórica metodológica   pauta-se na concepção
atlas), nas ruas (os sinais de transito) para receber instruções sociointeracionista, em que o processo de ensino-aprendizagem
(para encontrar um tesouro... para consertar um aparelho... se efetiva por meio  das práticas sociais de leitura e escrita.
para tomar um remédio), enfim, é usar a escrita para não ficar  Soares (2003) sintetiza dizendo que:
perdido (SOARES, 2004, p. 43).    Alfabetização e letramento são conceitos frequentemen-
Dessa perspectiva emerge uma decisão pedagógica funda- te confundidos ou sobrepostos, e que torna-se relevante a dis-
mental. A de aumentar as experiências da criança de modo que tinção entre eles, ao mesmo tempo que é importante também
ela possa ler e produzir diferentes textos com autonomia. E isso aproximá-los: a distinção se faz necessária porque a introdução,
implica da parte da escola uma preocupação mais afinada com no campo da educação, do conceito de letramento tem amea-
o desenvolvimento dos conhecimentos relacionados à apren- çado perigosamente a especificidade do  processo de alfabetiza-
dizagem da escrita alfabética. Desde modo torna-se relevante ção; por outro lado, a aproximação é necessária porque não só o
buscar a contribuição teórica de Magda Soares (1998) entre al- processo de alfabetização, embora distinto e específico, altera-
fabetização e letramento. Em sua concepção o termo Alfabeti- -se e reconfigura-se no quadro do conceito de letramento, como
zação corresponde o processo pelo qual o sujeito adquire uma também este é dependente daquele (SOARES, 2003, p. 90 apud
tecnologia - a escrita alfabética e as habilidades de utilizá-la para COLELLO, 2004). 
ler e escrever. Já o termo Letramento relaciona-se ao exercício Nessa concepção alfabetizar letrando significa orientar a
efetivo e competente da escrita alfabética nas situações em que criança em seu processo de aquisição do seu ato de ler e de
o sujeito precisa ler e escrever e produzir textos reais. escrever de forma a conduzi-la a uma  convivência de práticas
Ainda segundo Soares (1998):  reais de leitura e de escrita utilizando os mais diversos gêneros
Alfabetizar e letrar são duas ações distintas, mas não inse- textuais possíveis   (livros, revistas, jornais, bulas de remédios,
paráveis, ao contrário, o ideal seria alfabetizar letrando, ou seja, embalagens, etc.), pois estes são  materiais de leitura  e escrita,
ensinar a ler e a escrever no contexto das práticas sociais da lei- bem como levá-la a refletir  sobre esses materiais  escritos que
tura e da escrita (SOARES, 1998, p. 47).  circulam socialmente e que, se bem trabalhados podem criar
Nesse entendimento, MORAIS e ALBUQUERQUE (2004) afir- um ambiente rico em aprendizagem.
mam que para alfabetizar letrando faz-se necessário democrati- Fonte: https://www.webartigos.com/artigos/a-alfabetiza-
zar a vivencia de práticas de uso da leitura e escrita e ajudar a cao-e-letramento-no-processo-de-aprendizagem/109797/
criança a ativamente reconstruir essa invenção social que é a es-
crita alfabética. Esses autores reportam–se para a escola em sua
ação pedagógica no sentido de refletir de modo mais profundo
sobre os aspectos constitutivos de uma prática de alfabetização
na perspectiva do letramento.
Emilia Ferreiro (2001) em sua concepção de alfabetização
se opõe  a Magda Soares quando enfatiza que o processo de
alfabetização é restrito, refere-se apenas ao aprender/ensinar

1
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
AS CONTRIBUIÇÕES DA PSICOGÊNESE DA LÍNGUA vra suas vogais e consoantes. Acredita que as palavras escritas
ESCRITA. devem representar as palavras faladas, com correspondência
absoluta de letras e sons. Já estão alfabetizados, porém terão
conflitos sérios, ao comparar sua escrita alfabética e espontânea
“Ferreiro e Teberosky, psicolinguistas argentinas, iniciaram com a escrita ortográfica, em que se fala de um jeito e se escreve
em 1974 uma investigação, par­tindo da concepção de que a de outro”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 40).
aquisição do conhecimento se baseia na atividade do sujeito em
interação com o objeto de conhecimento e demonstraram que O Equívoco da Exclusão do Ensino de Conteúdo Específicos
a criança, já antes de chegar à escola, tem ideias e faz hipóteses da Alfabetização
sobre o código escrito, descrevendo os estágios linguísticos que “Reafirmamos que o construtivismo, com base na Psicogê-
percorre até a aquisição da leitura e da escrita. ” (MENDONÇA; nese da língua escrita, teoria formulada e comprovada expe-
MENDONÇA, 2011, p. 37). rimentalmente por Emília Ferreiro e Ana Teberosky (1986), há
“[...] pretendemos demonstrar que a aprendizagem da lei- mais de vinte anos foi introduzido no Brasil, para contribuir na
tura, entendida como ques­tionamento a respeito da natureza, me­lhoria da qualidade da alfabetização, e adotado pelos mais
função e valor deste objeto cultural que é a escrita, inicia-se importantes sistemas públicos de ensino. Nesse tempo, vem
muito antes do que a escola imagina, transcorrendo por insus­ abalando as crenças e os fundamentos da alfabetização tradi-
peitados caminhos. Que além dos métodos, dos manuais, dos cional, mudando drasticamente a linha de ensino das escolas
recursos didáticos, existe um sujeito que busca a aquisição de e levando os professores a um grande conflito metodológico”.
conhecimento, que se propõe problemas e trata de solucioná- (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 40).
-los, segundo sua própria metodologia... insistiremos sobre o “É comum também ver-se um professor que se diz constru-
que se segue: trata-se de um sujeito que procura adquirir co- tivista ensinando silabação, montando e desmontando palavras
nhecimento, e não simplesmente de um sujeito disposto ou mal num mero exercício de memorização” (LAGÔA apud MENDON-
disposto a adquirir uma técnica par­ticular. Um sujeito que a psi- ÇA; MENDONÇA, 2011, p. 40).
cologia da lecto-escrita esqueceu [...]” (FERREIRO; TEBEROSKY, “Embora escrever e ler sejam comportamentos que ultra-
1986, p. 11 apud MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 37). passem de muito a aprendi­zagem das relações entre os sons da
“A descoberta do processo de aquisição da língua escrita, fala e as letras da escrita, essa aprendizagem, é, inegavelmente,
por crianças, levou Ferreiro (1983) a indagar se sua pesquisa o primeiro passo na formação desses comportamentos. Ora, é
aplicada a adultos analfabetos encontraria os mesmos resul- justamente nesse primeiro passo que tem fracassado a escola
tados. [...] A pesquisa mostrou que o analfabeto adulto, assim brasileira já que os altos índices de repetência se verificam na
como as crianças, sabe, mesmo antes de vir para a escola, que série em que se inicia a aprendizagem da língua escrita”. (ALVA-
a escrita é um sistema de representação e fazem hipóteses de RENGA et al. 1989, p. 6 apud MENDONÇA; MENDONÇA, 2011,
como se dá tal representação. Ocorrência esta que Ferreiro p. 43).
(1983) já havia notado, quando observa que, enquanto é muito “Fundamentalmente a aprendizagem é considerada, pela
fácil conseguir de uma criança pré-alfabetizada produções escri- visão tradicional, como técnica. A criança aprende a técnica da
tas, no adulto analfabeto a “consciência de não saber” é muito cópia, do decifrado. Aprende a sonorizar um texto e a copiar
forte e ele se sente incapaz de tentar escrever. (MENDONÇA; formas. A minha contribuição foi encontrar uma explicação, se-
MENDONÇA, 2011, p.38) gundo a qual, por trás da mão que pega o lápis, dos olhos que
“No nível pré-silábico, em um primeiro momento, o apren- olham, dos ouvidos que escutam, há uma criança que pensa.
diz pensa que pode escrever com desenhos, rabiscos, letras ou Essa criança não pode se reduzir a um par de olhos, de ouvidos
outros sinais gráficos, imaginando que a palavra assim inscrita e a uma mão que pega o lápis. Ela pensa também a propósito
representa a coisa a que se refere. da língua escrita e os componentes conceituais desta aprendiza-
Somente quando for questionado sobre a quantidade de gem precisam ser compreendidos. (FERREIRO, 1985, p. 14 apud
vezes que abrimos a boca para pro­nunciar determinada pala- MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 43).
vra é que o aluno começará a antecipar a quantidade de letras “[O ato de ler] não se esgota na descodificação pura da pa-
que deverá registrar para escrever”. (MENDONÇA; MENDONÇA, lavra escrita ou da lingua­gem escrita, mas [...] se antecipa e se
2011, p. 39). alonga na inteligência do mundo. A leitura do mundo precede
“Assim, a passagem para o nível silábico é feita com ativi- a leitura da palavra, daí que a posterior leitura desta não possa
dades de vinculação do discurso oral com o texto escrito, da pa- prescindir da continuidade da leitura daquele. Linguagem e re-
lavra escrita com a palavra falada. O aprendiz descobre que a alidade se prendem dinamicamente. A compreensão do texto
palavra escrita representa a palavra falada, acredita que basta a ser alcançado por sua leitura crítica im­plica a percepção das
grafar uma letra para se poder pronunciar uma sílaba oral, mas relações entre o texto e contexto”. (FREIRE, 1989, p. 11-12 apud
só entrará para o nível silábico, com correspondência sonora, à MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 44).
medida que seus registros apresentarem esta relação, por exem-
plo, para MENINO grafar, MIO (M=me, I=ni, O=no), para GATO, Consequências dos Equívocos da Interpretação da Psicogê-
GO (G=ga, O=to), BEA (B=bo, E=ne, A=ca) para BO-NE­-CA, e as- nese da Língua Escrita
sim por diante”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 40). “Evidentemente, nem o construtivismo, nem a Psicogênese
“Assim, diferentemente dos adultos, as crianças parecem da língua escrita são métodos, mas ainda hoje é comum, ao se
passar pelas fases pré-silábica e silábica, atingindo finalmente questionar um alfabetizador sobre qual é seu método de ensi-
a alfabética. Nesse nível alfabético, o aprendiz analisa na pala­ no, obter-se a resposta: “método construtivista”. (MENDONÇA;

2
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
MENDONÇA, 2011, p. 44). (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 47).
“A seguir, relacionamos as principais consequências e orien- “Suportes de textos: nas propostas “construtivistas” elabo-
tações equivo­cadas decorrentes da má interpretação da Psicogê- radas e implantadas, ensinava-se que era para trabalhar com a
nese da língua escrita: Definição de alfabetização - Alfabetização realidade e interesse dos educandos, e que era importante ex-
ou Letramento: a confusão inicial se deu por conta da própria plorar rótulos, embalagens, receitas de culinária, panfletos pu-
definição de alfabetização. Definir alfabetização e letramento é blicitários. Contudo, a literatura infantil foi o gênero textual que
de suma importância, pois são dois processos distintos e da sua predominou na alfabetização sob o pretexto de contextualizar o
compreensão dependerão os resultados da alfabetização em traba­lho”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 47).
sala de aula”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 45). “Os alunos aprendem a escrever só de ver o professor es-
crevendo na lousa: outra orientação afirmava que o professor
“Em síntese: alfabetização é o processo pelo qual se adquire deveria contar histórias, em seguida, pedir aos alunos que as
o domínio de um código e das habilidades de utilizá-lo para ler e recon­tassem e, assumindo o papel de “escriba” da sala, reescre-
escrever, ou seja: o domínio da tecnologia – do conjunto de téc- vesse o texto recontado na lousa, sob a justificativa de que só de
nicas – para exercer a arte e ciência da escrita”. (SOARES, 2003b, ver o professor à lousa, aprenderiam” (MENDONÇA; MENDON-
p. 80 apud MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 45). ÇA, 2011, p. 48).
“Assim, alfabetizar sig­nifica ensinar uma técnica, a técnica “A escrita se apresenta como um conjunto de habilidades
do ler e escrever. Quando o aluno lê, realiza a decodifica­ção (de- adquiridas no campo linguístico. Para que aconteça, é necessá-
cifração) de sinais gráficos, transformando grafemas em fone- rio relacionar as unidades de sons da fala aos símbolos gráficos
mas; quando ele escreve, codifica, transformando fonemas em e, para complementar, é preciso ter a habilidade de expressar as
grafemas. Esse é um aprendizado complexo, que exige diferen- ideias sabendo organizá-las na língua escrita. A escrita é a habi-
tes formas de raciocínio, envolvendo abstração e memorização. lidade do sujeito em transcrever a fala, obedecendo a uma série
A escrita é uma conven­ção e, portanto, precisa ser ensinada” de características discursivas específicas da língua escrita, pois
(MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 45). falamos de um jeito e escrevemos de outro. Na linguagem fala-
Por outro lado, temos o Letramento, conceituado por Soa- da, rotineiramente usamos expressões (gírias: legal, tipo assim,
res (2003b) da seguinte forma: “Ao exercício efetivo e competen- é isso aí cara! etc.), ou variações fonéticas (escrevemos leite e fa-
te da tecnologia da escrita denomina-se letramen­to, que implica lamos leitchi em São Paulo, Minas Gerais etc.), que não poderão
habilidades várias, tais como: capacidade de ler ou escrever para aparecer na escrita. Esta seleção do que posso ou não escrever
atingir diferentes objetivos – para informar ou informar-se, para envolve habilidades linguísticas e discursivas que precisam ser
interagir com ou­tros, para imergir no imaginário, no estético, trabalhadas”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 48).
para ampliar conhecimentos, para seduzir ou induzir, para diver- “Não precisa ensinar, a criança aprende sozinha: um outro
tir-se, para orientar-se, para apoio à catarse...; habili­dades de equívoco divulgado à época era o de que o professor não preci-
interpretar e produzir diferentes tipos e gêneros de textos; habi- sava ensinar, porque a criança aprendia sozinha. [...] Entretanto,
lidades de orientar-se pelos protocolos de leitura que marcam o um construtivista pode ainda argumentar no sentido de que,
texto ou de lançar mão desses protocolos, ao escrever; atitudes se o professor reali­zar atividades que envolvam o manuseio e
de inserção efetiva no mundo da escrita, tendo interesse e pra- reconhecimento de letras associadas ao som da fala, trabalhar
zer em ler e escrever, sabendo utilizar a escrita para encontrar com os nomes dos alunos reconhecendo letras iniciais, mediais
ou fornecer informações e conhecimentos, escrevendo ou lendo e finais, ou ainda, se o docente empregar a leitura de parlendas,
de forma diferencia­da, segundo as circunstâncias, os objetos, o letras de músicas, poesias e conjuntamente a estas associar ati-
interlocutor” (SOARES, 2003b, p. 80 apud MENDONÇA; MEN- vidades de escrita de nomes de objetos, em que o aluno tente
DONÇA, 2011, p. 46). exercitar os conheci­mentos desenvolvidos na leitura, na escrita,
“Trabalha-se o que é específico à alfabetização, quando o aluno irá alfabetizar-se”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p.
se ensinam as relações entre fone­mas e grafemas, mostrando 49).
quais e quantas letras são necessárias para se escrever as pala- “Assim, desse resultado negativo pode-se comprovar (atra-
vras, quando se apresenta a composição silábica, a separação de vés da observação) que, a exemplo da cartilha, as atividades
sílabas das palavras, a segmentação das palavras dentro de um de escrita têm predominado sobre as de leitura, nas salas de
texto, a ortografia, aspectos referentes à estrutura do texto, o alfabeti­zação. Talvez, na tentativa de ocupar os alunos, ativi-
uso de letras maiúsculas e minúsculas etc.” (MENDONÇA; MEN- dades de escrita são distribuídas de forma desorganizada e em
DONÇA, 2011, p. 47). quantidade sobre as crianças, o que torna a aprendizagem da
“Desse modo, concluímos que alfabetização e letramento leitura e da escrita ainda mais complexa do que já é, levando
são realmente processos distintos, mas que devem ser realiza- muitas a fracassarem na aprendizagem, sendo estigmatizadas
dos concomitantemente, a fim de se assegurar uma aprendiza- ou consideradas, por leigos em alfabetização, como portadoras
gem de qualidade, porém o processo de alfabetização, por ser de distúrbios de aprendizagem”. (MENDONÇA; MENDONÇA,
específico e convencional, precisa ser sistematicamente ensina- 2011, p. 51).
do e, portanto, merece esforço e dedicação especiais. A alfabe- “Pedir ao aluno que escreva do seu jeito: outra orientação
tização diluída e inconclusa no processo de letramento, como era a de pedir aos alunos que escre­vessem da forma como sa-
vem sendo feito, é inaceitável, todavia os resultados das avalia- biam, para que não fossem reprimidos como a cartilha fazia, ao
ções sobre leitura e interpretação de texto demonstram, hoje, permi­tir que escrevessem usando apenas elementos domina-
que, além da conduta exclusiva “construtivista”, não conseguir dos”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 51,52).
alfabetizar representa incompetência tam­bém para letrar”

3
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
“O professor não pode corrigir o aluno: Ferreiro e Teberosky “Como a teoria construtivista afirma que é o sujeito que
defendem uma alfabetização ativa, baseada no questionamen- constrói seu conhecimento, o pro­fessor não pode intervir: en-
to, de modo que, quando o aluno questionar o professor sobre fim, há a concepção equivocada, entre “intelectuais de gabine-
a maneira de escrever determinada palavra, ou quando grafar te” da educação, de que se a conduta na alfabetização for cons-
uma palavra usando letras ina­dequadas, ou ainda faltando le- trutivista, o professor não poderá intervir com atividades que
tras, que o professor não forneça a resposta diretamente, mas ajudem o aluno a avançar, alegando que, se a criança é o sujeito
devolva o questionamento, induzindo o indivíduo a refletir so- do conhecimento, é preciso deixar que avance sozinha”. (MEN-
bre o objeto de conhecimento com o qual está trabalhando”. DONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 54).
(MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 52). “Talvez este equívoco seja o maior responsável pelo atual
“Contudo, reprovar o aluno e mantê-lo por mais um ano no fracasso na aprendizagem da lei­tura e da escrita. É como se hou-
sistema demanda recursos, de sorte que houve um momento vesse uma cortina de fumaça que impedisse a visão, ou como se
em que a escola começou a ser cada vez mais estimulada a não alguém tivesse realizado uma lavagem cerebral nos responsá-
reprová-los. Em hipótese alguma se defende a reprovação como veis pelas divulgações de tais concepções, já que é inconcebível
solução do problema, mas sim que a escola deve oferecer con- ao alfabetizador aplicar frequentemente avaliações diagnós­ticas
dições e ensinar, para que o aluno aprenda e não precise ser para verificação dos níveis dos alunos e permanecer de mãos
re­provado. Isto é o correto, porém até o momento a escola não atadas sem poder ajudá-los”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011,
consegue fazer”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 52). p. 55).
“O salto entre atividades de nível pré-silábico para as de nível “O alfabetizador que é ou já foi responsável pela alfabetiza-
alfabético: nas atividades de nível pré-silábico, desenvolvem-se ção de centenas de alunos sabe que apresentar a composição
basicamente habilidades de reconhecimento de letras e de seu silábica através de atividades do nível silábico (atividades que
nome; contudo, nas estratégias de nível alfabético trabalha-se explorem a decomposição e composição silábica de palavras) é
com a produção de palavras inteiras e o aluno é incentivado inclu- providência indispensável para a superação das dificuldades de
sive a produzir textos”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 53). compreensão da combinação consoante/vogal na formação silá-
“Emília Ferreiro e Ana Teberosky fizeram críticas pontuais bica e da combinação destas na constituição de palavras”. (MEN-
DONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 55).
à cartilha por partir de palavras­-chave, sem contextualização,
“Nesse sentido, é urgente a adoção de metodologia ade-
com a finalidade de desenvolver famílias silábicas de modo me­
quada para que crianças sejam alfa­betizadas em nosso país,
cânico, sempre em uma mesma sequência, e ainda usar pretex-
assumindo a definição de alfabetização, em sua especificidade,
tos (e não textos) para a mera memorização das sílabas, sem
como conjunto de técnicas para exercer a arte e a ciência da
esclarecimento linguístico sobre a necessidade de se dominar as
escrita”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 55).
sílabas, não apenas para a construção de palavras, mas também
“O construtivismo teve seu mérito, à medida que destronou
para sua eventual correta segmentação (divisão de sílabas na a cartilha e apresentou uma teoria sobre a aquisição da escrita.
escrita). As autoras citadas, que não são alfabetizadoras, jamais Entretanto, segundo Soares (2003a), na época da cartilha havia
se posicionaram contra o ensino da sílaba, porque a sílaba é in- método sem teoria sobre alfabetização, hoje há uma bela teoria,
tuitiva na fala do alfabe­tizando em línguas neolatinas”. (MEN- mas não se tem método. O ideal é que se tenha um método com
DONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 53). base em uma teoria de alfabetização”. (MENDONÇA; MENDON-
“Enfatizamos que não defendemos a silabação feita pela ÇA, 2011, p. 56).
cartilha, recitada em coros mecâni­cos, com a sequência tradicio- Fonte: http://pedagogasuesb.blogspot.com/2016/03/con-
nal das letras: a, e, i, o, u, mas a apresentação da família silábica, tribuicoes-da-psicogenese-da-lingua.html
e a cada apresentação, dispondo-se em uma ordem diferente,
para que o aluno não memorize a sequência, mas compreen-
O PROCESSO DE ADAPTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFAN-
da que, no caso das sílabas simples, associando uma consoante
TIL E O PAPEL DO PROFESSOR
a uma vogal obtém-se a sílaba e que, unindo sílabas de modo
organizado, compomos palavras com significado. Ex: BA-BO-BE-
-BU-BI, alternando as sílabas e não as excluindo”. (MENDONÇA; A situação também costuma deixar pais e professores pre-
MENDONÇA, 2011, p. 53). ocupados, mas pode sim ser encarada com mais tranquilidade.
“O preconceito contra a sílaba: a pesquisa de Ferreiro e Te- Veja abaixo como lidar com as principais dificuldades das crian-
berosky tem como mérito, para a alfabetização, a revelação dos ças nesse momento.
níveis e das hipóteses que são elaboradas pelo alfabetizando, Choros e manhas
em seu processo de construção e aquisição da escrita. A reação Os choros e manhas são reações muito comuns no primeiro
lógica esperada do alfabetizador seria a de que, de posse desses dia de aula. Essas reações são resultados da frustração da crian-
conhecimentos, compreendesse automaticamente a essência ça, que ainda está com dificuldades para assimilar todo o pro-
dos “erros” cometidos pelos alunos, e o que é mais importante, cesso e não quer se separar dos entes queridos. Cabe destacar,
soubesse como intervir no pro­cesso, para que o sujeito avanças- portanto, que o choro nem sempre significa que o novo aluno
se. De modo que, se o aluno apresentasse amostras de escrita não quer ficar na escola.
próprias do nível pré-silábico, registrando desenhos ao invés As lágrimas acompanhadas de resmungos são meios uti-
de letras, por exemplo, o professor desenvolveria atividades lizados para expressar emoções. É uma maneira de a criança
que fizessem esse aluno perceber que está equivocado em sua questionar: “que lugar é esse? Quem são essas pessoas e o que
hipóte­se e compreendesse a necessidade do uso de letras, ao eu estou fazendo aqui?” Logo, não é indicado banalizar o cho-
escrever”. (MENDONÇA; MENDONÇA, 2011, p. 39). (MENDON- ro, mas confortar os pequenos sempre que esse tipo de emo-
ÇA; MENDONÇA, 2011, p. 54). ção surgir, seja com diálogos ou demonstrações de afeto.

4
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
Indiferença em relação ao momento Preparar os ambientes da escola
A ausência de lágrimas também é uma situação comum e Uma boa recepção começa com a apresentação impecável
que pode esconder sentimentos de medo e angústia. Isso acon- de todos os ambientes da escola. Mas esse trabalho não preci-
tece porque algumas crianças se sentem retraídas em ambien- sa se limitar a manter salas limpas, pátio organizado e equipa-
tes estranhos e, nesses casos, seguram o choro. Muitas delas mentos no devido lugar. Além da limpeza, é importante que os
aparentam indiferença em relação ao momento e podem se fe- gestores também se preocupem com a composição dos espaços.
char para as atividades propostas no dia de adaptação. Uma decoração específica para um dia tão especial na vida
Se os pais ou professores notarem esse tipo de comporta- das  famílias costuma  fazer a diferença. Os professores podem
mento, jamais devem ignorar o problema. O ideal é respeitar as contribuir com o preparo do local, planejando a montagem de
vontades do novo aluno, sem forçar sua participação nas aulas enfeites para pisos e paredes, cartazes de boas-vindas e arranjos
ou brincadeiras. Aos poucos, sua inserção na turma acontece- com elementos divertidos, como balões e faixas com mensagens
rá e, quando menos esperar, a criança estará naturalmente en- receptivas.
volvida em todas as tarefas definidas no planejamento escolar. Recepcionar as famílias e as crianças
Apego a objetos e/ou brinquedos Antes de propor atividades específicas para o primeiro dia
Muitos profissionais de escolas infantis se  deparam com de aula, o corpo docente e a equipe da gestão escolar devem se
alunos apegados a objetos trazidos de casa, como toalhinhas, preocupar em fazer uma excelente recepção. Algumas famílias
brinquedos e chupetas. O hábito pode surgir em crianças de to- podem chegar com um pouco de atraso, então é bom garantir
das as idades e, embora seja considerado ruim, pode ajudar bas- que cada horário tenha pelo menos um professor à disposição
tante no período de adaptação dos pequenos no primeiro dia dos visitantes.
de aula. Para facilitar a criação de vínculos, é essencial que cada alu-
O motivo é simples: objetos familiares remetem ao conforto no seja sempre recebido pela mesma pessoa — de preferência o
do lar e à família e, por isso, trazem segurança emocional. Nesse professor responsável pela turma da qual a criança fará parte.
sentido, não é indicado que professores incentivem o descar- Aos poucos, o contato pode ser estendido aos demais integran-
te dos itens de apego logo no início das aulas. Com o tempo, o tes da escola e, também, às outras crianças.
objeto perderá  sua importância e poderá ser deixado de lado Fazer apresentações para facilitar a integração
durante as atividades de rotina. Apresentar os professores e convidar as famílias para
Resistência às atividades propostas se apresentem ao grande grupo é uma maneira de confortar os
Todo indivíduo é diferente dos demais e tem seu próprio pequenos e fazer com que se familiarizem com o espaço mais
modo de lidar com as situações do dia a dia. Sabendo disso, as rápido. O processo pode começar dentro das salas de aula, en-
equipes da escola devem respeitar o perfil e particularidades de tre professores e suas devidas turmas para, posteriormente, ser
cada criança na hora de propor atividades recreativas. Muitos divido com os demais grupos.
alunos podem resistir em um primeiro momento, e isso é com- É interessante aproveitar o momento para mostrar a sala e
pletamente normal. aguçar a curiosidade das crianças com os recursos presentes no
O segredo é ir com calma, sempre pensando no bem-estar local. Em seguida, os alunos podem seguir para outras áreas da
dos pequenos que ainda não entendem porque devem dividir escola, sempre acompanhados dos pais e professores. Quanto
um mesmo  local com pessoas desconhecidas. Com muito diá- mais  puderem  visualizar e explorar espaços diferentes, menos
logo e paciência, é possível conquistar a confiança dos alunos e ansiosos ficarão com as atividades.
incentivá-los a experimentar tudo o que a escola tem a oferecer. Iniciar diálogos e estimular os primeiros contatos
Desentendimento com outras crianças O diálogo deve ser uma troca entre as partes envolvidas na
Algumas brigas podem surgir no primeiro dia letivo. Apesar adaptação escolar. A ação é fundamental para que professores
de serem reações comuns entre o público infantil, elas devem e alunos se conheçam melhor e estabeleçam uma relação próxi-
ser evitadas ao máximo no período de adaptação. Para isso, pais ma e de confiança.
e professores devem ficar atentos e trabalharem em conjunto As crianças podem demorar para se soltar, então vale apos-
para que o momento seja de descobertas de novas amizades. tar em dinâmicas que estimulem os primeiros contatos.  Uma
É claro que pequenos desentendimentos nem sempre po- música divertida ou uma atividade legal podem ajudar nesse
dem ser previstos e, inclusive, fazem parte do desenvolvimento momento.
de qualquer criança. Quando surgirem, o ideal é separar os en- Considerando que os pequenos costumam seguir exemplos
volvidos e dialogar com ambos, no mesmo momento. Em segui- e atitudes, é importante que os pais também participem e de-
da, os adultos presentes devem tentar uma aproximação para monstrem interesse nas brincadeiras. Desse modo, as crianças
estimular a reconciliação. se sentirão  confortáveis para interagir com os novos colegui-
O que fazer no primeiro dia de aula? nhas.
Atender às expectativas de pais, alunos, professores e cola- Amenizar o momento da despedida
boradores é função da equipe responsável pela gestão escolar. O momento de separar as crianças de seus pais costuma ser
Sendo assim, esse objetivo só pode ser alcançado com um tra- um dos mais difíceis. Infelizmente, muitas famílias não podem
balho de qualidade, que deve estar presente desde o início das permanecer no local por muito tempo, e é nesses casos que o
aulas. trabalho de um bom educador faz toda a diferença.
Algumas etapas devem ser cumpridas todo ano letivo para Os adultos precisam  manter a postura e conter o senti-
proporcionar uma experiência positiva para as crianças e suas mento de culpa que pode surgir. A persistência também é fun-
famílias. Veja, a seguir, algumas delas. damental para não ceder aos pedidos da criança. Novamente,

5
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
conversar com calma e sem alterar a voz transmite segurança ao Como os pais podem contribuir para uma experiência po-
pequeno, além de provar que a equipe da escola é de confiança sitiva?
e está ali para ajudar. Além de sanar dúvidas sobre o processo de adaptação dos
Como orientar e envolver as famílias no processo? alunos, a gestão da escola também deve fornecer orientações
Muitas escolas incentivam a  participação constante dos às famílias que querem garantir uma experiência mais tranqui-
pais no primeiro dia letivo ou, até mesmo, na semana inteira de la e positiva para as crianças. Confira agora de que maneira os
adaptação. O fato é que a presença dos familiares ajuda a crian- pais podem contribuir para amenizar os efeitos negativos dessa
ça a passar pela experiência com mais calma. mudança.
Pensando nisso, listamos adiante algumas dicas de como a Visitando a escola com antecedência
gestão e corpo docente podem orientar e envolver as famílias no É interessante visitar a escola com a criança antes do início
início da rotina escolar e, também, ao longo do ano. das aulas para conhecer o ambiente. Assim, os pais podem ava-
Realizar entrevistas com os pais liar as instalações das salas e das áreas comuns enquanto o filho
A escola deve considerar a possibilidade de realizar entre- se ambienta com o futuro local de estudo.
vistas com os pais dos alunos antes do início das aulas. As per- O passeio também pode ser aproveitado para que os res-
guntas podem ser feitas no mesmo dia da matrícula ou agenda- ponsáveis pelo aluno conheçam melhor o corpo docente e dia-
das para outro momento. A partir delas, é possível montar uma loguem com diferentes profissionais. Esse primeiro contato será
ficha com informações detalhadas sobre o perfil e costumes de o ponto de partida para uma boa relação entre família e escola.
cada criança. Estimulando com palavras e atitudes
A interação entre famílias e professores durante a entre- A criança que vai encarar a rotina de estudos pela primeira
vista é interessante para criar vínculos e trazer mais segurança. vez pode precisar de um incentivo maior por parte dos pais. Nes-
Os questionamentos podem envolver as brincadeiras preferidas se momento, é importante reforçar que o filho está crescendo
dos pequenos, seus principais medos, rotina doméstica e, ainda, e que, por isso, fará novos amigos e terá contato com diversas
cuidados especiais com a saúde e alimentação, por exemplo. experiências e brincadeiras.
Apresentar a programação da primeira semana Além das palavras, a família pode adotar atitudes positivas
e que estimulem o pequeno a ir para a escola. Vale oferecer um
A ficha obtida na entrevista é uma fonte valiosa de dados.
material que a criança goste — caderno de desenho ou lápis de
Estes podem servir de base para o planejamento das atividades
cor — e possa usar em sala de aula ou no momento do recreio.
que serão realizadas no primeiro dia de aula. Sempre que pos-
Fonte: https://educacaoinfantil.aix.com.br/primeiro-dia-
sível, a equipe de gestão deve enviar a programação completa
-de-aula-o-papel-do-professor-na-adaptacao-da-crianca/
para os pais, a fim de prepará-los para o evento.
A apresentação prévia se torna um grande diferencial por-
que permite que as famílias esclareçam dúvidas com antecedên-
cia. Além disso, podem opinar sobre a programação e propor A IMPORTÂNCIA DA LUDICIDADE NO CONTEXTO
atividades para deixar  o momento ainda mais especial. Nada EDUCATIVO.
melhor que isso para estabelecer uma boa relação entre escola
infantil e comunidade. O lúdico tem sua origem na palavra quot; ludus quot; que
Oferecer suporte em diferentes canais de contato quer dizer jogo, a palavra evoluiu levando em consideração as
Matricular uma criança na  escola infantil é  algo que gera pesquisas em psicomotricidade, de modo que deixou de ser
um pouco de ansiedade nos pais, afinal, todos querem o melhor considerado apenas o sentido de jogo. O lúdico faz parte da ati-
para seus filhos. A escola pode amenizar esse sentimento ao dis- vidade humana e caracteriza-se por ser espontâneo, funcional e
ponibilizar suporte de qualidade a qualquer momento do dia. satisfatório. Na atividade lúdica não importa somente o resulta-
É importante que o profissional responsável pelo atendimento do, mas a ação, o movimento vivenciado.
esteja por dentro da programação da semana de adaptação e de Ao pensar na aprendizagem, e como torná-la significativa
todo o calendário escolar. aos olhos discente, vislumbra-se a teoria de Ausubel (1963) e
O serviço fica ainda melhor quando realizado por meio de mais tarde por Novak (2000), onde ambos pressupõe que o pro-
diferentes canais de contato. Vale número de telefone ou celular fessor deve valorizar o que o aluno já sabe, usando esses conhe-
institucional, e-mail e até chat em redes sociais. Alguns softwa- cimentos como “pontos de ancoragem”. E para que isto ocorra é
res de gestão escolar oferecem outros recursos, como aplicati- necessário que estratégia de ação sejam desenvolvidas em sala
vos para facilitar a comunicação das famílias com a escola. de aula.
Agendar reuniões coletivas e individuais Na atividade lúdica para que possa haver a atividade, deve
O envolvimento dos pais com as atividades escolares não existir a ação dos sujeitos, propiciando momentos de encontro
deve estar limitado ao momento de adaptação da criança. Pelo consigo e com o mundo, momentos de fantasia, de alegria.
contrário, deve ser mantido até o fim do ano letivo para que o Segundo Luckesi (2000), são aquelas que propiciam uma
acompanhamento do aprendizado seja eficiente. Para isso, é in- experiência de plenitude, em que é envolvido por inteiro, estan-
teressante que a escola agende reuniões coletivas e particulares do flexíveis e saudáveis. Para Santin (1994), são ações vividas e
com frequência. sentidas, não definíveis por palavras, mas compreendidas pela
Os encontros podem contar com a participação dos profes- fruição, povoadas pela fantasia, pela imaginação e pelos sonhos
sores responsáveis pelas turmas, diretoria e conselho pedagó- que se articulam como teias urdidas com materiais simbólicos.
gico. Assim, as famílias podem fazer questionamentos, avaliar a Brincar nada mais é do que significar uma prática, de ir além
qualidade da educação oferecida e, ainda, manter contato para a teoria enfatizando o desenvolvimento desta, com ênfase no
participar ativamente da rotina escolar. cotidiano do aluno.

6
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
Brincando também se aprende
O ato de brincar auxilia a criança no seu desenvolvimento ROTINA E A ORGANIZAÇÃO DO TEMPO E DO ESPAÇO
físico, intelectual, afetivo e social, pois, é através das atividades NA EDUCAÇÃO INFANTIL (JOGOS, BRINCADEIRAS, MÚ-
lúdicas, que há o surgimento de relações lógicas, a formação de SICA, ARTES, DANÇA, CANTIGAS, HISTÓRIAS)
conceitos, o desenvolvimento da expressão oral e corporal, re-
forçando a cada brincadeira as habilidades sociais, integrando a
criança na sociedade, fazendo com que esta construa seu pró- A organização da rotina das atividades da criança na escola
prio conhecimento. é um aspecto de suma importância. Essa deve ser pensada a
Tânia Fortuna (2001), em uma sala de aula ludicamente ins- partir do planejamento feito pela equipe pedagógica e profes-
pirada, sores, traduzida no plano de trabalho ou de aula. A rotina possi-
convive-se com a aleatoriedade, com o imponderável; o bilita à criança segurança e domínio do espaço e do tempo que
professor renuncia à centralização, à onisciência e ao controle passa na escola. 
onipotente e reconhece a importância de que o aluno tenha A organização da rotina deve ser adequada ao tempo de
uma postura ativa nas situações de ensino, sendo sujeito de sua permanência da criança na escola, ou seja, se período integral,
aprendizagem; a espontaneidade e a criatividade são constante- caracterizado pelo Ministério da Educação, com no mínimo de
mente estimuladas. sete horas diárias, ou meio período, totalizando quatro horas
Para Piaget (1975), por meio de jogos a criança constrói diárias.
conhecimento sobre o mundo físico e social, desde o período A partir dessa definição, organizam-se as atividades propos-
sensório-motor até o período operatório formal. tas para a criança. Importante destacar que essa organização
Brandes e Philips (1977), afirmam que os jogos criam inte- não pode ser rígida, pode ter alterações e adaptações no dia a
resse quando postos em prática com finalidade e com eficiência, dia, dependendo de situações inusitadas.
podendo se tornar a moldura na qual se desenvolvem todas as A criança não pode de maneira nenhuma ficar sozinha, em
outras atividades. nenhum dos momentos especificados acima. Ou seja, deve estar
Feijó (1992, pg. 02) afirma que “o lúdico é uma necessidade sempre com um adulto que dirige as atividades, no diálogo com
básica da personalidade, do corpo e da mente, fazendo parte a criança, na perspectiva do cuidar, educar e brincar.
das atividades essenciais da dinâmica humana caracterizada por A organização da rotina orienta as crianças no tempo e no
ser espontânea, funcional e satisfatória” espaço e também, o trabalho do professor, quando por meio da
O ato de brincar torna possível a socialização dos alunos mediação das atividades propostas avaliava aplicação do que foi
dentro e fora da sala de aula, permite que desenvolvam o res- planejado e traduzido em seu plano de ensino. 
peito uns pelos outros, aprendem a se comunicar, a conhecer a O professor deve, a partir das observações realizadas, pro-
si próprio. mover a verbalização das situações, problematizar, incentivar
Rizzi (1998) assegura que é jogando que a criança aprende o respostas, experiências, trabalhar com o nome da criança, criar
valor do grupo como força integradora, o sentido da competição referências sobre a história de vida de cada um, criar indicativos
salutar e da colaboração consciente e espontânea. Assevera a sobre as características da escola, do bairro. 
importância de oferecer aos professores uma visão do valor da Promover momentos para cantar, ouvir músicas, ler histó-
atividade lúdica no desenvolvimento e educação da criança e rias, parlendas, poemas, assistir filmes, dramatizar. Organizar
do jovem ao lado de subsídios teóricos que auxiliem o trabalho situações matemáticas, por exemplo, enumerar os materiais
docente, com sugestões práticas de planejamento e execução como brinquedos. Para as crianças maiores, propor atividades
das atividades diárias na sala de aula. com situações de agrupar, tirar, subtrair, repartir, registrar quan-
Para Santos (1999) o lúdico é uma maneira que o indivíduo tidades. 
tem de expressar-se e integrar-se ao ambiente que o cerca. Por Todas essas atividades devem ser realizadas a partir de brin-
meio das atividades lúdicas ele assimila valores, adquire conhe- cadeiras, jogos, que permitam a socialização, a integração entre
cimento em diversas áreas do conhecimento, desenvolve o com- as crianças e com o meio, sua autonomia. Seus objetivos devem
portamento e aprimora as habilidades motoras. Também apren- contemplar o proposto na organização pedagógica, ou seja, as
de a assumir responsabilidades e se torna sociável e mais crítico. situações de aprendizagem devem ser intencionais. 
Por meio do lúdico o raciocínio é estimulado de forma prazerosa Os diferentes momentos organizados que caracterizam a
e a motivação em aprender é resgatada. rotina na escola infantil são de suma importância para avaliação
Fonte: https://pedagogiaseberi.wordpress. do desenvolvimento da criança e da proposta pedagógica e cur-
com/2014/10/06/ludicidade-no-contexto-escolar/ ricular, pois é na execução das atividades que se cria a possibili-
dade de estabelecer a relação entre teoria e prática e ainda, da
atuação dos diferentes profissionais. 
Cabe observar e registrar, por exemplo, nos momentos:
- Da entrada e saída: a desenvoltura da criança, sua segu-
rança em ir e vir, o diálogo que estabelecem com quem as deixa
e recebe na escola, a maneira como interagem com o espaço e
as pessoas que a cercam;
- das atividades: O desenvolvimento da linguagem, da mo-
tricidade, da afetividade, das relações que estabelece com o
objeto de aprendizagem e com os colegas e professor, como ex-

7
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
pressa e entende as orientações do professor para os momentos taneamente ao conhecimento ( Froebel in Kramer, 2003). Com
de falar, de ouvir, de organizar os espaços, o cuidado com os essa mesma concepção, também encontramos Decroly (1871-
materiais, identificar as dificuldades da criança e em quais ativi- 1932). Além disso, cria os centros de interesse, que conforme
dades tem maior domínio; Decroly constituíam-se a partir de temas de interesse dos alunos
- das refeições: A autonomia em se alimentar, em se servir, a reunindo as áreas mais importantes do conhecimento científico.
postura à mesa, a utilização dos utensílios, a mastigação; Era uma estratégia que objetivava superar a disciplinarização
- da higiene: O reconhecimento de seu corpo, do asseio, a dos conteúdos. As explicações sobre a operacionalização dos
manipulação dos instrumentos de higiene, o prazer com a higie- centros de interesse tratam até mesmo das fases de sua implan-
ne, a agilidade ao despir-se e vestir-se; tação: observação, associação, expressão.
- o descanso: acompanhar o sono: O comportamento du- No final do século XIX e início do século XX começaram a
rante o período de repouso, se a criança aceita quando um cole- surgir preocupações e estudos sobre a criança, até porque esse
ga quer dormir e não quer brincar, se atendem as orientações do período esteve marcado pela crença no progresso da ciência, re-
professor ou monitor quanto à organização do espaço, dentre sultando em muitas investigações e pesquisas; dessa forma seria
outros aspectos. possível ainda citar vários autores que pensaram a educação e/
Fonte: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/arti- ou a infância durante esse século e que de alguma forma contri-
gos/educacao/organizacao-do-tempo-na-escola-a-importancia- buíram para as concepções que hoje temos sobre o tema, como:
-da-rotina/42290 Maria Montessori, Célestin Freinet, Walter Benjamin, Jean Pia-
get, Lev S. Vygotsky, Paulo Freire. Adiante serão apresentadas as
ideias de alguns desses estudiosos.
AS CONTRIBUIÇÕES DE ROUSSEAU, FROEBEL, PES- Maria Montessori (1870-1952), primeira mulher italiana a
TALOZZI E MONTESSORI PARA INFÂNCIA E A EDUCA- se tornar médica, elaborou uma pedagogia a partir de seu tra-
ÇÃO INFANTIL balho prático com crianças. Montessori criou uma escola com
características diferentes, que recebeu o nome de Casa dei bam-
Vários outros pensadores que influenciaram o pensamento bini, dando origem à rede de instituições educativas. Preocupa-
pedagógico e as concepções sobre infância, destacando-se os va-se com a educação das crianças e com a formação de seus
importantes trabalhos de Pestalozzi e Froebel. Johann Heinrich professores. Ficou muito conhecida como médica e militante
Pestalozzi (1746-1827) preocupava-se principalmente com as dos direitos femininos. Para Montessori, a educação tradicio-
crianças pobres, foi fundador de várias escolas onde recolhia ór- nal modelava as crianças, sujeitando-as às concepções adul-
fãos e mendigos. Seguiu as ideias de Rousseau, acreditando que tas. A palavra-chave de sua pedagogia é a normalização, que
o homem nasce inocente e bom, sendo a função da educação significa a interação das forças corporais e espirituais, ou seja,
a humanização e estimulação do desenvolvimento espontâneo corpo, inteligência e vontade. Esta reunificação de forças pe-
da criança. A partir de suas experiências nas escolas populares e las crianças ocorreria à medida em que elas trabalhassem com
suas crenças no pensamento rousseauniano, criou um método atenção e concentração. Montessori atribuía grande espaço aos
que priorizava a atividade do aluno, acreditando que se devia fatores biológicos, porém, sem vê-los como determinantes do
partir de objetos simples à atividades mais complexas, do co- desenvolvimento, já que um meio favorável poderia modificar
nhecido para o desconhecido, do concreto para o abstrato, do certos traços herdados. Segundo ela, as atividades manuais e
particular para o geral. Para Pestalozzi a educação poderia ser físicas, com objetos definidos, ajudavam à organização interna
relacionada à natureza, segundo ele: das crianças. Criou uma metodologia de ensino a partir de uma
Uma educação perfeita é para mim simbolizada por uma série de materiais didáticos, organizados em cinco grupos: ma-
árvore plantada perto de águas fertilizantes. Uma pequena se- terial de exercícios para a vida cotidiana, material sensorial, de
mente que contém o germe da árvore, sua forma e suas pro- linguagem, de matemática e de ciências. Essa metodologia foi
priedades é colocada no solo. A árvore inteira é uma cadeia muito difundida devido a seus resultados positivos, tornando-se
ininterrupta de partes orgânicas, cujo plano existia na semente muito conhecida no mundo todo, inspirando diversas propostas
e na raiz. O homem é como a árvore. Na criança recém-nascida pedagógicas durante todo o século XX. Apesar de reconhecer a
estão ocultas as faculdades que lhe hão de desdobrar-se duran- grande contribuição dada por esta educadora, Sônia Kramer, em
te a vida: os órgãos do seu ser gradualmente se formam, em seu livro Com a Pré-escola nas mãos, faz críticas sobre o método
uníssono, e constroem a humanidade à imagem de Deus. A edu- utilizado por Montessori se utilizado no Brasil. Segundo Kramer,
cação do homem é um resultado puramente moral (Pestalozzi in esse método não leva em consideração a heterogeneidade so-
Gadotti, 1997). cial e o papel político que a pré-escola desempenha no contexto
Friedrich Froebel (1782-1852) segue as ideias de Pestalozzi mais amplo da educação e da sociedade brasileira.
e sofre influências dos filósofos idealistas. Sua principal preocu- As contribuições de Celèstin Freinet (1896-1966) também
pação foi com as crianças da primeira infância, antes do período merecem destaque. Este francês, no início do século, foi desig-
do ensino elementar. Foi ele quem fundou os jardins de infância, nado para lecionar em uma pequena vila no interior de seu país.
estando a denominação relacionada com o jardineiro que cuida Em sua atividade, percebeu que as crianças que eram alegres e
das plantas desde pequeninas, cultivando-as para que cresçam curiosas fora do ambiente escolar, neste se mostravam apáticas
bem, pois considera a infância como fase fundamental no de- e desinteressadas. Constatou que o trabalho dentro da sala de
senvolvimento do homem. Priorizava o caráter lúdico da apren- aula era distanciado da vida que acontecia fora da escola, por
dizagem e defendia a ideia da evolução natural da criança, com isso era monótona para os alunos; então preocupou-se em criar
uma concepção positivista de que as atividades levam espon- um modo de ligar a escola à vida das crianças. Criou as chama-

8
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
das aulas-passeio, onde os alunos ficavam em contato com a na- de uma pessoa e (2) considerar também por que esta pessoa as-
tureza e com o mundo social e cultural. Criou, também, o livro sim desempenhava, incluindo os tipos de pensamento subjacen-
da vida, onde as crianças registravam suas experiências. Piaget tes às ações da mesma. O raciocínio de Piaget seguia o de seu
faz a seguinte referência a Freinet: mentor Binet na primeira cláusula, mas não na segunda. Par-
Quanto às iniciativas individuais de mestres de escola par- ticularmente, Piaget raciocinava que os pesquisadores podiam
ticularmente inventivos ou devotados à infância e que se en- aprender tanto sobre o desenvolvimento intelectual das crian-
contram por meio da inteligência do coração os processos mais ças, a partir do exame de suas respostas incorretas aos itens dos
adaptados à inteligência propriamente dita (como outrora Pes- testes, quanto sobre o exame de suas respostas corretas.
talozzi), poder-se ?ia citar um grande número nos países mais Pelas suas reiteradas observações de crianças, inclusive de
diversos de língua francesa, alemã (...), italiana, inglesa, etc.. En- seus próprios filhos, e especialmente mediante investigação de
tretanto, vamos nos limitar, como exemplo do que pode ser feito seus erros de raciocínio, ele concluiu que sistemas lógicos coe-
com os modestos meios e sem nenhum incentivo particular por rentes fundamentam o pensamento das crianças. Tais sistemas,
acreditava ele, diferem em espécie dos sistemas lógicos que os
parte dos ministérios responsáveis, a lembrar a notável obra re-
adultos usam. Se vamos entender o desenvolvimento, devemos
alizada por Freinet, que espalhou às mais diversas regiões fran-
identificar esses sistemas e suas características diferenciais. Nas
cófonas, entre as quais se inclui o Canadá. Sem cuidar muito da
seções a seguir, primeiro consideramos alguns dos princípios ge-
psicologia da criança e movido sobretudo pelas preocupações rais de Piaget sobre o desenvolvimento e, depois, observamos
sociais, (...) Freinet interessou-se mais em fazer da escola um os estágios de desenvolvimento que ele propôs.
centro de atividades permanecendo em comunicação com as da
coletividade do ambiente. (Piaget apud Sampaio, 1989) Princípios gerais da Teoria do Desenvolvimento de Piaget
Freinet acreditava que se os conteúdos e conceitos das Piaget acreditava que a função da inteligência é auxiliar a
diferentes áreas do conhecimento fossem discutidos de forma adaptação ao ambiente. Em sua concepção, os meios de adap-
viva e integrada, a escola se tornaria mais interessante àquelas tação formam um continuum que varia de meios relativamente
crianças. É possível concluir que a Pedagogia Freinet foi criada inteligentes, tais como hábitos e reflexos, a meios relativamen-
para atender às necessidades da criança. Suas ideias trouxeram te inteligentes, tais como os que exigem insight, representa-
contribuições muito valiosas a muitas reflexões na área da edu- ção mental complexa e a manipulação mental de símbolos. De
cação. acordo com seu foco na adaptação, acreditava que o desenvol-
Na visão de Kramer (2003) as teorias de Freinet são utópicas vimento cognitivo acompanhava-se de respostas cada vez mais
em relação ao poder transformador da escola. Outra crítica que complexas ao ambiente. A seguir, Piaget propôs que, com a cres-
a pesquisa faz é que falta nessa teoria é uma explicitação psico- cente aprendizagem e maturação, tanto a inteligência quanto
lógica, do processo de desenvolvimento das crianças. suas manifestações tornam-se diferenciadas – mais altamente
Fonte: http://www.pedagogia.com.br/artigos/concepcao- especializadas em vários domínios.
deinfancia/index.php?pagina=1 Embora Piaget usasse a técnica de pesquisa da observação,
grande parte de sua pesquisa era também uma exploração ló-
gica e filosófica de como o conhecimento se desenvolve, desde
A TEORIA DE JEAN PIAGET DO DESENVOLVIMENTO formas primitivas até sofisticadas, acreditava que o desenvolvi-
COGNITIVO: AS INFLUÊNCIAS, AS TENDÊNCIAS E OS mento ocorre em estágios que evoluem pela equilibração, na
ESTÁGIOS DE DESENVOLVIMENTO qual as crianças procuram um balanço (equilíbrio) entre o que
encontram em seus ambientes e as estruturas e os processos
Seria difícil superestimar a importância do psicólogo suíço cognitivos que levam a esse encontro, bem como entre as pró-
prias capacidades cognitivas. A equilibração envolve três proces-
Jean Piaget (1896 – 1980) para a pesquisa do desenvolvimento.
sos. Em algumas situações, o modo de pensamento e os esque-
A teoria do desenvolvimento cognitivo geralmente considerada
mas (estruturas mentais) existentes na criança são adequados
como a mais compreensiva é a dele. Embora certos aspectos da
para enfrentar e adaptar-se aos desafios do ambiente; ela está,
teoria de Piaget tenham sido questionados e, em alguns casos, assim, em um estado de equilíbrio. Por exemplo, suponhamos
refutados, sua influência é imensa. Na verdade, a contribuição que Arthur, de 2 anos de idade, usa a palavra au-au para abarcar
de sua teoria, como a de outros, é mostrada mais pela sua in- todos os animais peludos quadrúpedes que se assemelham ao
fluência em teorias e em pesquisas posteriores do que por sua seu próprio cachorro; enquanto todos os animais quadrúpedes
exatidão máxima. que ele vê forem como os cachorros que já viu, Arthur permane-
Jean Piaget aprendeu muito sobre como as crianças pen- ce em um estado de equilíbrio.
sam, observando várias delas e prestando muita atenção ao que Em outras ocasiões, entretanto, a criança é presenteada
parecia ser erro no raciocínio das mesmas. com informação que não se adapta aos seus esquemas existen-
Jean Piaget aprendeu muito sobre como as crianças pen- tes, de modo que surge o desequilíbrio quando os esquemas
sam, observando várias delas e prestando muita atenção ao que existentes na criança são inadequados para os novos desafios
parecia ser erro no raciocínio das mesmas. que a mesma enfrenta. Ela, consequentemente, tenta restaurar
Piaget ingressou, pela primeira vez, no campo do desenvol- o equilíbrio pela assimilação – incorporação da nova informação
vimento cognitivo quando, enquanto trabalhava como estudan- aos esquemas existentes na criança. Por exemplo, suponhamos
te já graduado no laboratório psicométrico de Alfred Binet, ficou que o cachorro de Arthur é um grande labrador e que Arthur
intrigado com as respostas erradas das crianças aos itens do tes- vai ao parque e vê um poodle, um cocker spainel e um cão-es-
te de inteligência. Para entender a inteligência, raciocinava Pia- quimó. Ele tem de assimilar a nova informação em seus esque-
get, a investigação deve ser dupla: (1) observar o desempenho mas existentes para au-aus – nenhuma grande coisa.

9
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
Suponhamos, entretanto, que Arthur também visita um pe- A PERSPECTIVA SOCIOCULTURAL DE VYGOTSKY: O
queno zoológico e vê um lobo, um urso, um leão, uma zebra e
PAPEL DOS ADULTOS E DOS PARES.
um camelo. Ao ver cada novo animal, ele parece perplexo e per-
gunta à sua mãe: “Au-au?” A cada vez, sua mãe diz: !Não, este
animal não é um cachorro. Este animal é um ______[nomeia o Vygotsky entende o homem e seu desenvolvimento numa
animal]”. Ele não pode assimilar esse animais diferentes em seu perspectiva sociocultural, ou seja, percebe que o homem se
esquema existente para au-aus; em vez disso, ele tem de modi- constitui na interação com o meio em que está inserido (RESEN-
ficar, de algum modo, seus esquemas a fim de considerar a nova DE, 2009). Por isso, sua teoria ganhou o nome de socioconstruti-
informação, criando, talvez um esquema abrangente para ani- vismo, sendo também denominada sociointeracionismo.
mais, ao qual ele adapta seu esquema existente para cachorros. É importante afirmar que essa interação entre homem e
Piaget sugeria que Arthur modificasse os seus esquemas exis- meio é considerada uma relação dialética, já que o indivíduo
tentes pela acomodação – mudança dos esquemas existentes não só internaliza as formas culturais como também intervém
para adaptá-los à nova informação relevante sobre o ambiente. e as transforma (RESENDE, 2009). Sua obra tem como temas
Em conjunto, os processos de assimilação e de acomodação re- centrais o desenvolvimento humano e a aprendizagem – dois
sultam num nível mais sofisticado de pensamento do que era processos indissociáveis que se constituem reciprocamente (RE-
possível previamente. Além disso, esses processos resultam no SENDE, 2009).
restabelecimento do equilíbrio, oferecendo, desse modo, à pes-
soa – tal como Arthur – níveis superiores de adaptabilidade. Linguagem e pensamento
Vygotsky afirma que o desenvolvimento da linguagem im-
Estágios de desenvolvimento de Piaget plica o desenvolvimento do pensamento, pois pelas palavras
Segundo Piaget, os processos equilibradores da assimilação o pensamento ganha existência (MIRANDA; SENRA, 2012). “A
e da acomodação são responsáveis por todas as mudanças as- linguagem age decisivamente na estrutura do pensamento e é
sociadas ao desenvolvimento por todas as mudanças associadas ferramenta básica para a construção de conhecimentos”. Inter-
ao desenvolvimento cognitivo. Na sua concepção, é mais pro- vém no desenvolvimento intelectual da criança desde seu nas-
vável que o desequilíbrio ocorra durante os períodos de transi- cimento (STADLER et al). “A linguagem fornece os conceitos e as
ção entre estágios. Isto é, apesar de Piaget ter postulado que os formas de organização do real que constituem a mediação entre
processos equilibradores continuam por toda infância, à medida o sujeito e o objeto de conhecimento” (FOSSILE, 2010).
que as crianças adaptam-se continuamente ao seu ambiente, Percebemos, portanto, que dar voz às crianças é de fun-
damental importância para que elas exercitem o pensamento.
ele também considerou que o desenvolvimento envolve está-
Nós, educadores, não devemos cerceá-las. Devemos ouvi-las e
gios distintos, descontínuos. Particularmente, Piaget dividiu o
agir como mediadores, auxiliando também em sua construção
desenvolvimento cognitivo nos quatro estágios principais resu-
intelectual.
midos aqui: os estágios sensório-motor, pré-operatório, opera-
Vygotsky afirma que a linguagem possui duas funções bá-
tório concreto e operatório formal.
sicas: intercâmbio social e pensamento generalizante. A função
de intercâmbio social é bem visível nos bebês, uma vez que
O Estágio Sensório-Motor conseguem, por meio de gestos, expressões e sons, demonstrar
O primeiro estágio de desenvolvimento, o estágio sensório- seus sentimentos, desejos e necessidades. A função de pensa-
-motor, envolve aumentos no número e na complexidade de ca- mento generalizante pode ser exemplificada quando falamos,
pacidades sensoriais (input) e motoras (output) durante a infân- por exemplo, a palavra boi. Independentemente de ter visto de
cia – aproximadamente do nascimento a cerca de 18-24 meses perto algum boi ou de comer ou não sua carne, nosso pensa-
de idade -. Segundo Piaget, as primeiras adaptações do bebê são mento classifica tal palavra na categoria animais e nos remete
reflexivas. Gradualmente, os bebês obtêm controle consciente à sua imagem.
e intencional sobre suas ações motoras. A princípio, eles agem Dentre as manifestações da linguagem encontramos tam-
assim para manter ou repetir sensações interessantes. Mais tar- bém a fala privada – é a fala consigo mesmo. Vygotsky a conside-
de, entretanto, exploram ativamente seu mundo físico e buscam ra uma ligação entre linguagem e pensamento, já que, conforme
com afinco novas e interessantes sensações. a fala privada se desenvolve, a criança torna-se capaz de orien-
Ao longo das primeiras fases do desenvolvimento cognitivo tar e dominar ações (MIRANDA; SENRA, 2012).
sensório-motor, a cognição infantil parece focalizar-se apenas
no que eles podem perceber imediatamente, pelos seus senti- Estes são os pilares básicos do pensamento de Vygotsky:
dos. Os bebês nada concebem que não lhes seja imediatamente “As funções psicológicas têm um suporte biológico, pois são
perceptível. De acordo com Piaget, eles não têm um senso de produtos da atividade cerebral”. O cérebro é um sistema aberto,
permanência do objeto, pela qual os objetos continuam a existir, pois é mutável. Suas estruturas são moldadas ao longo da histó-
mesmo quando imperceptível aos bebês. Por exemplo, antes de ria do homem e de seu desenvolvimento individual;
aproximadamente 9 meses de idade, os que observam um obje- O funcionamento psicológico tem com base as relações so-
to quando está sendo escondido de sua vista não o procurarão, ciais, dentro de um contexto histórico;
uma vez escondido. Se um bebê de 4 meses de idade estivesse A cultura é parte essencial do processo de construção da
observando você esconder um chocalho debaixo de um cober- natureza humana;
tor, esse bebê não tentaria encontrar o chocalho sob o cobertor, A relação homem-mundo é uma relação mediada por siste-
enquanto um de 9 meses tentaria. mas simbólicos. Entre o homem e o mundo existem elementos
Fonte: http://www.helioteixeira.org/ciencias-da-aprendiza- mediadores – ferramentas auxiliares da atividade humana (STA-
gem/teoria-do-desenvolvimento-cognitivo-de-jean-piaget/ DLER et al).

10
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
Para Vygotsky, as funções psicológicas superiores (ações e
pensamentos inteligentes que só encontramos no homem, como O PENSAMENTO DE WALLON.
pensar, refletir, organizar, categorizar, generalizar…) são construí-
das ao longo da história social do homem (STADLER et al). Quando uma mãe abre os braços para receber um bebê
que dá seus primeiros passos, expressa com gestos a intenção
Mediação de acolhê-lo e ele reage caminhando em sua direção. Com esse
O contato que o indivíduo tem com o meio e com seus iguais movimento, a criança amplia seu conhecimento e é estimulada
é mediado por um conhecimento e/ou experiência assimilado a aprender a andar. Assim como ela, toda pessoa é afetada tanto
anteriormente, uma vez que o indivíduo não tem contato direto por elementos externos - o olhar do outro, um objeto que cha-
com os objetos, e sim mediado. Por isso, ele tem a sua teoria ma a atenção, uma informação que recebe do meio - quanto por
como socioconstrutivista, pois percebe que interação é mediada sensações internas - medo, alegria, fome - e responde a eles.
por várias relações, diferentemente do construtivismo, em que Essa condição humana recebe o nome de afetividade e é cru-
o sujeito age diretamente com o objeto (MAGALHÃES, 2007). cial para o desenvolvimento. Diferentemente do que se pensa,
o conceito não é sinônimo de carinho e amor (leia o resumo no
__clip_image004 quadro abaixo). “Todo ser humano é afetado positiva e negati-
vamente e reage a esses estímulos”, explica Abigail Alvarenga
A mediação, conceito central de sua obra, é a intervenção Mahoney, pesquisadora convidada do Programa de Estudos Pós-
de um elemento intermediário em uma relação. Para Vygotsky, -Graduados em Educação: Psicologia da Educação, da Pontifícia
existem dois elementos mediadores: os instrumentos e os sig- Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). 
nos. Ambos oferecem suporte para a ação do homem no mun- Grandes estudiosos, como Jean Piaget (1896-1980) e Lev
do (STADLER et al). Instrumento é todo objeto (externo) criado Vygotsky (1896-1934), já atribuíam importância à afetividade
pelo homem com a intenção de facilitar seu trabalho e sua so- no processo evolutivo, mas foi o educador francês Henri Wallon
brevivência, enquanto os signos são instrumentos psicológicos (1879-1962) que se aprofundou na questão. Ao estudar a crian-
(internos), que auxiliam o homem diretamente nos processos ça, ele não coloca a inteligência como o principal componente
internos. Quando o homem cria uma lista para ir ao mercado, do desenvolvimento, mas defende que a vida psíquica é forma-
está criando signos, ou seja, instrumentos psicológicos que o au- da por três dimensões - motora, afetiva e cognitiva -, que coe-
xiliarão, mais tarde, na realização da ação (compras no mercado) xistem e atuam de forma integrada. “O que é conquistado em
(STADLER et al). um plano atinge o outro mesmo que não se tenha consciência
As representações da realidade e a linguagem são sistemas disso”, diz Laurinda Ramalho de Almeida, vice-coordenadora do
simbólicos que fazem a mediação do homem com o mundo. É Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação, da PUC-SP.
o próprio grupo cultural quem fornece as representações e o No exemplo dado, ao andar, o bebê desenvolve suas dimensões
sistema simbólico, pois, ao interagir com o outro, o indivíduo vai motora e cognitiva, com base em um estímulo afetivo. Um olhar
interiorizando as formas culturalmente construídas, as mesmas repressor da mãe poderia impedi-lo de aprender. 
que possibilitam as relações sociais (STADLER et al). Wallon defende que o processo de evolução depende tanto
da capacidade biológica do sujeito quanto do ambiente, que o
Zonas de desenvolvimento afeta de alguma forma. Ele nasce com um equipamento orgâni-
Vygotsky, em sua teoria socioconstrutivista, afirma que co, que lhe dá determinados recursos, mas é o meio que vai per-
sempre que há um tipo de troca (relação) existe aprendizagem. mitir que essas potencialidades se desenvolvam. “Uma criança
O homem não é um ser passivo, visto que é um ser que, ao criar com um aparelho fonador em perfeitas condições, por exemplo,
cultura, cria a si mesmo (STADLER et al). só vai desenvolver a fala se estiver em um ambiente que desper-
Como afirmar, então, que uma criança só adquire conhe- te isso, com falantes que possam ser imitados e outros mecanis-
cimento quando passa a frequentar a escola? O pensamento mos de aprendizagem”, explica Laurinda (saiba mais no trecho
de Vygotsky é contrário: fora da escola, a criança desenvolve de livro na página seguinte). 
seu potencial, sim, com todas as trocas estabelecidas, também Assim como Piaget, Wallon divide o desenvolvimento em
quanto ao desenvolvimento da língua escrita. Porém Vygotsky etapas, que para ele são cinco: impulsivo-emocional; sensó-
não diminui a importância do ambiente escolar, pois quando rio-motor e projetivo; personalismo; categorial; e puberdade
a criança se familiariza com o mundo escolar ocorre algo fun- e adolescência. Ao longo desse processo, a afetividade e a in-
damentalmente novo em seu desenvolvimento: a criança sai teligência se alternam. No primeiro ano de vida, a função que
da sua zona de desenvolvimento real e passa, com auxílio do predomina é a afetividade. O bebê a usa para se expressar e
professor ou outro mediador, para a zona de desenvolvimento interagir com as pessoas, que reagem a essas manifestações e
potencial – caracterizando a zona de desenvolvimento proximal intermediam a relação dele com o ambiente. Depois, na etapa
(MAGALHÃES, 2007). sensório-motora e projetiva, a inteligência prepondera. É o mo-
Fonte: http://educacaopublica.cederj.edu.br/revista/arti- mento em que a criança começa a andar, falar e manipular ob-
gos/breve-estudo-sobre-lev-vygotsky-e-o-sociointeracionismo jetos e está voltada para o exterior, ou seja, para o conhecimen-
to. Essas mudanças não significam, no entanto, que uma das
funções desaparece. Como explica Izabel Galvão no livro Henri
Wallon: Uma Concepção Dialética do Desenvolvimento Infantil,
“apesar de alternarem a dominância, afetividade e cognição não
são funções exteriores uma à outra. Ao reaparecer como ativi-
dade predominante, uma incorpora as conquistas da anterior”.

11
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
As três manifestações da afetividade 2- (FUMARC - PROFESSOR GOV.VALADARES) “Não há do-
Wallon mostra que a afetividade é expressa de três manei- cência sem discência”. Em seu texto, Freire (2000) discute a im-
ras: por meio da emoção, do sentimento e da paixão. Essas ma- portância de uma reflexão envolvendo a formação docente e a
nifestações surgem durante toda a vida do indivíduo, mas, assim prática educativo-crítica em favor da autonomia dos educandos.
como o pensamento infantil, apresentam uma evolução, que
caminha do sincrético para o diferencial. A emoção, segundo o Avalie as afirmativas abaixo:
educador, é a primeira expressão da afetividade. Ela tem uma
ativação orgânica, ou seja, não é controlada pela razão. Quan- I. A temática abordada incorpora a análise de saberes fun-
do alguém é assaltado e fica com medo, por exemplo, pode sair damentais, apresentando elementos constitutivos para a com-
correndo mesmo sabendo que não é a melhor forma de reagir.  preensão da prática docente enquanto dimensão social da for-
O sentimento, por sua vez, já tem um caráter mais cogni- mação humana.
tivo. Ele é a representação da sensação e surge nos momentos  II. A tarefa do educador não se resume apenas em ensinar
os conteúdos, mas ensinar a pensar certo, exigindo rigorosidade
em que a pessoa já consegue falar sobre o que lhe afeta - ao
metódica. Ensinar, aprender e pesquisar envolvem dois momen-
comenta um momento de tristeza, por exemplo. Já a paixão tem
tos do ciclo gnosiológico.
como característica o autocontrole em função de um objetivo.
III. O ato de ensinar exige a corporeificação das palavras
Ela se manifesta quando o indivíduo domina o medo, por exem- através do exemplo. Uma vez que, não há pensar certo fora de
plo, para sair de uma situação de perigo. .  uma prática testemunhal que o re-diz em lugar de desdizê-lo.
Pelo fato de ser mais visível que as outras duas manifesta- IV. Na formação permanente dos professores, ensinar exige
ções, a emoção é tida por Wallon como a forma mais expressiva reflexão crítica a respeito da prática, é pensando criticamente a
de afetividade e ganha destaque dentro de suas obras. Ao obser- prática de hoje ou de ontem que se pode melhorar a próxima
var as reações emotivas, ele encontra indicadores para analisar prática.
as estratégias usadas em sala de aula (leia a questão de concurso
acima). “Se o professor consegue entender o que ocorre quando Verifica-se que estão CORRETAS as afirmativas:
o aluno está cansado ou desmotivado, por exemplo, é capaz de (A) Apenas I, II e III
usar a informação a favor do conhecimento, controlando a situ- (B) Apenas I, III e IV
ação”, explica Laurinda. Não é possível falar em afetividade sem (C) Apenas I, II e IV
falar em emoção, porém os dois termos não são sinônimos. Na (D) I, II, III, IV
próxima reportagem da série, você vai conhecer mais a fundo as
teorias de Wallon sobre essa importante expressão, tida como o 3- (FUMARC - PROFESSOR GOV.VALADARES) Leia atenta-
primeiro recurso de interação do indivíduo com o meio. mente o trecho extraído do livro “Pedagogia da Autonomia: Sa-
Fonte: https://novaescola.org.br/conteudo/264/0-concei- beres necessários à prática educativa”:
to-de-afetividade-de-henri-wallon O ato de cozinhar, por exemplo, supõe alguns saberes con-
  cernentes ao uso do fogão, como acendê-lo, como equilibrar
para mais, para menos, a chama, como lidar com certos riscos
PRESSUPOSTOS NORTEADORES DO REFERENCIAL mesmo remotos de incêndio, como harmonizar os diferentes
CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFAN- temperos numa síntese gostosa e atraente. A prática de cozinhar
TIL-RCNEI/MEC vai preparando o novato, ratificando alguns daqueles saberes,
retificando outros, e vai possibilitando que ele vire cozinheiro.
Prezado Candidato, devido ao formato do material dispo- A prática de velejar coloca a necessidade de saberes fundantes,
como o do domínio do barco, das partes que o compõem e da
nibilizaremos o conteúdo em nosso site eletrônico, conforme
função de cada uma delas, como o conhecimento dos ventos,
segue
de sua força, de sua direção, os ventos e as velas, a posição das
velas, o papel do motor e da combinação entre motor e velas.
www.editorasolucao.com.br – área do candidato Na prática de velejar se confirmam, se modificam ou se ampliam
esses saberes.
QUESTÕES FREIRE, 2000, P. 23 e 24
01- (FUNDEP – PEDAGOGO Contagem) São princípios da O texto acima permite analisar que:
educação libertadora (Paulo Freire) EXCETO: (A) Ensinar é um processo que pode tornar o aprendiz mais
(A)Acreditar na igualdade fundamental entre os seres hu- e mais criador. Quanto mais criticamente se exerça a capacidade
manos, independentemente de quaisquer diferenças. de aprender, mais se constrói e se desenvolve o que pode ser
(B)Buscar a transformação social, constituindo-se como chamado de “curiosidade epistemológica.
meio de contribuir para a justiça social e para a participação. (B) Existe uma relação entre o ato de ensinar e a prática de
(C) Conceber a participação como um processo que favore- cozinhar, mostrando que o professor precisa diversificar sua prá-
ça cada vez mais a centralização das decisões tendo em vista a tica, promovendo atividades fora do ambiente escolar.
unidade institucional. (C) Na prática pedagógica, é importante estabelecer ativi-
(D)Organizar-se como um processo em que as pessoas se- dades que relacionem com o cotidiano dos alunos, utilizando
jam sujeitos de sua própria formação. receitas familiares e atraentes.
(D) Com o objetivo de criar “espaços inovadores”, cabe aos
professores utilizarem com frequência todo o espaço escolar.

12
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
4- Segundo Paulo Freire ensinar exige segurança, compe- 8- A pedagoga Cláudia respalda a sua prática na Pedagogia
tência profissional e generosidade. Assim o clima de respeito da Autonomia coordena o planejamento escolar lembrando a
que nasce de relações justas, sérias, humildes, generosas em necessidade de elevar os índices de aprendizagem do/as alunos/
que a autoridade docente e as liberdades dos alunos se assu- as e a importância das ferramentas básicas para que eles/elas
mem eticamente deve contribuir para: circulem na sociedade letrada. Reconhece a importância dos sa-
(A) reforçar o autoritarismo na escola pública. beres e dos conhecimentos de experiência que chegam à escola.
(B) reforçar o medo que os pais tem dos professores e os Nesse sentido o saber ingênuo deve ser:
conduz a afastar-se da escola. (A) preservado.
(C) os alunos reagirem negativamente ao exercício do co- (B) considerado como produto final do ensino e aprendiza-
mando. gem escolar.
(D) fortalecer o caráter formador do espaço pedagógico. (C) superado pelo saber produzido através do exercício da
(E) estabelecer na escola o mandonismo que tolhe a criati- curiosidade epistemológica.
(D) considerado como ponto de partida e de chegada na
vidade do educando.
aprendizagem assistemática escolar.
(E) motivo de exclusão no processo de ensinar e aprender.
5- A escola X vem trabalhando na construção coletiva do
PPP escolar que tem como base a Pedagogia da Autonomia. Um 9- O pedagogo Joaquim dá testemunho de respeito ao seu
dos pontos elencados e operacionalizados pelo grupo foi a for- aluno pelo exercício cotidiano de responsabilidade, pontualida-
mação continuada dos docentes, partindo do entendimento de de, assiduidade e cumprimento dos seus deveres como educa-
ser essa a forma de favorecer: dor. Segundo Paulo Freire as características dessa prática peda-
(A) uma prática pedagógica neutra que reflete positivamen- gógica docente especificamente humana é:
te no meio social. (A) incoerente pela realidade educacional e antiética.
(B) o desenvolvimento de experiências que só servem para (B) profundamente formadora, por isso, ética.
cada profissional do ensino. (C) esteticamente assistemática.
(C) o desenvolvimento de atividades pragmáticas que cen- (D) espontânea e assistencialista.
tram o ensino em atividades descontextualizadas. (E) assistemática e escapa ao juízo que dele fazem os alunos.
(D) visões distorcidas do mundo do trabalho.
(E) novas formas de ordenação da experiência humana, 10- Segundo Paulo Freire os homens e mulheres são os úni-
com múltiplos reflexos positivos na cognição dos estudantes. cos seres que socialmente são capazes de aprender.
Assim toda prática educativa demanda processos interati-
6- Os pedagogos e demais profissionais e pessoas que circu- vos que favorecem:
lam na escola pública devem considerar, segundo Paulo Freire, (A) a constatação que para mudar, é necessário práticas as-
a importância das relações entre educador e educando, entre sistemáticas.
autoridade e liberdade, entre pais, mães, filhos e filhas o que (B) o espírito negativo e o fechamento ao risco.
contribui para a: (C) a construção, reconstrução, a constatação que para mu-
(A) reinvenção do ser humano no aprendizado de sua au- dar é necessário abertura ao risco.
tonomia. (D) o nível de adestramento dos outros animais ou do cul-
(B) elaboração do calendário escolar que marca as lições tivo das plantas.
de vida e deve inibir as liberdades dos alunos na avaliação da (E) a construção dos saberes do senso comum e a constata-
escola. ção que para mudar é necessário apenas do mérito individual.
Leia o texto abaixo para responder às questões 11, 12 e 13
(C) elaboração de um regimento escolar apenas por quem
entende de legislação de ensino.
A questão da formação docente, ao lado da reflexão sobre
(D) elaboração das diretrizes escolares por pessoas que de-
a prática educativo-progressista em favor da autonomia do ser
tém o saber pedagógico e encontram-se fora de sala de aula. dos educadores, é a temática central em torno da qual gira este
(E) produção de documentos e registros escolares exclusiva- texto. É também temática a que se incorpora a análise de sabe-
mente pelos pedagogos. res fundamentais àquela prática e aos quais espero que o leitor
crítico acrescente alguns que me tenham escapado ou cuja im-
7- De acordo com a Pedagogia defendida por Paulo Freire, portância não tenha percebido.
a autonomia, enquanto amadurecimento do ser para si, é pro- Paulo Freire. Pedagogia da autonomia:
cesso, é vir a ser. Não ocorre em data marcada. É nesse senti- saberes necessários à prática educativa.
do que os pedagogos devem estimular reflexões centradas em São Paulo: Paz e Terra, 1996, p. 13 (com adaptações).
experiências estimuladoras da decisão e da responsabilidade, o
que pressupõe: 11- De acordo com o pensamento predominante no texto,
(A) experiências respeitosas da liberdade. o ato de ensinar exige:
(B) o receio às críticas mesmo construtivas.
(C) a espera para saber onde as pessoas podem ir e em se- I rigorosidade metódica, pesquisa e criticidade.
guida mostrar o caminho certo. II respeito aos saberes dos educandos, estética e ética.
(D) a licenciosidade que hipertrofia a decisão coletiva. III corporeificação das palavras pelo exemplo.
(E) o espontaneísmo. IV risco, aceitação do novo e rejeição a qualquer forma de
discriminação.

13
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
A quantidade de itens certos é igual a para que todos aqueles que, por sua cultura de procedência ou
(A) 1. origem social, teriam menos oportunidades de ter acesso ao co-
(B) 2. nhecimento e às distintas formas de expressão cultural.
(C) 3. III - A determinação de um currículo básico comum tem
(D) 4. um papel essencial, já que condiciona horários, sistemas de es-
pecialização do professorado, disposição de recursos, dotação
12- Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as mínima das escolas, etc. Algo que é imprescindível num siste-
possibilidades para sua própria produção ou sua própria cons- ma educativo complexo e universal para garantir a igualdade de
trução, o que exige que o professor pense certo. Com relação condições e a homologação dos resultados e certificados que
aos pressupostos filosóficos subjacentes a essa afirmativa e ao fornece.
texto, assinale a opção correta.
(A) Pensar certo é uma postura exigente, difícil e penosa A partir da compreensão das ideias expressas por Gimeno
que o professor tem de assumir diante dos outros e com os ou- Sacristán sobre a teoria curricular, estão corretas as afirmativas:
tros, em face do mundo e dos fatos. a) I e II
(B) Pensar certo é ter a certeza de que todas as ações huma- b) II e III
nas estão predeterminadas pelo destino, que a interferência do c) I e III
indivíduo pouco mudará a realidade. d) I, II e III
(C) Pensar certo é agir com espontaneidade, a ponto de to- e) Apenas II.
das as ações serem pautadas pelo espontaneísmo.
(D) Pensar certo é fácil, pouco exigente e complementa a 15- Segundo Sacristán, interferem no processo de seleção,
atitude autoritária do professor, que cada vez menos necessita elaboração e realização do currículo uma série de forças. As al-
da rigorosidade metódica. ternativas abaixo trazem alguns exemplos dessas forças, EXCETO
a alternativa:
13- A partir do saber fundamental “mudar é difícil, mas é a) As forças sociais e econômicas que brigam por hegemo-
possível” é que se deve programar a ação político-pedagógica. nia e fazem com que o currículo tenha determinada tendência;
Com base nesse pressuposto e considerando, ainda, o texto de b) Decisões administrativas sobre como desenvolver o ensi-
Paulo Freire, assinale a opção correta. no (políticas públicas)
(A) O educador deve assumir uma postura neutra diante do c) Elaboração e mercado de distribuição de livros e mate-
real, pois a função da educação é estudar e constatar a realida- riais didáticos
de, para compreendê-la e admirá-la como obra da construção d) O pertencimento racial dos estudantes
humana. e) Influência de determinados grupos acadêmicos que pres-
(B) O educador deve tomar consciência de que não é ape- sionam para que sua especialização esteja representada no sis-
nas objeto da história, mas também sujeito. No mundo da histó- tema escolar
ria, da cultura e da política, deve constatar a realidade não para
se acomodar, mas para mudar. 16- Leia o trecho abaixo:
(C) Para que se possa transformar o mundo por meio da “A sequência mecânica de estímulos, respostas e de refor-
educação é preciso pregar a rebelião e instigar a revolta nas ços não funciona na escola, é um esquema demasiado simplista
camadas populares, pelo fato de estas serem profundamente e não reflete a riqueza das trocas na aula. Estímulos e reforços
injustiçadas. similares provocam reações bem diferentes e inclusive contra-
(D) O educador deve respeitar o saber dos grupos com que ditórias em diferentes indivíduos, e também nos próprios sujei-
trabalha. Porém, não pode permitir que estes predominem, por tos em situações e contextos diferentes. Por outro lado, quando
ter consciência de que aquilo que pensa, em face de sua forma- funciona, escapa do professor a complexidade dos efeitos se-
ção, é melhor para o grupo. cundários, não previstos e não desejáveis que pode provocar o
condicionamento mecânico de uma resposta ou linha de com-
14- Considere as três afirmativas abaixo: portamento. O aluno pode aprender mecanicamente uma con-
I - A finalidade do currículo crítico é o inverso da do currícu- duta e ao mesmo tempo se tornar incapacitado para desenvol-
lo tradicional: este último tende a naturalizar’ acontecimentos; ver estratégias de busca nesse mesmo âmbito ou desencadear
aquele tenta obrigar o aluno a que questione as atitudes e com- aversões emotivas em relação à mesma.”
portamentos que considera naturais. O currículo crítico oferece
uma visão da realidade como um processo mutante e descon- Neste trecho, Gimeno Sacristán tece criticas a um dos con-
tínuo, cujos agentes são os seres humanos, os quais, portanto, juntos de teorias de ensino e aprendizagem que analisa em seu
estão em condições de realizar sua transformação. livro COMPREENDER E TRANSFORMAR O ENSINO. A que teorias
II - O currículo comum é um meio para ajudar na igualdade o autor se refere?
de oportunidades; pois “numa sociedade em que a cultura de a) Teorias Construtivistas
procedência dos indivíduos condiciona suas capacidades, inte- b) Teorias do Processamento da Informação
resses e aspirações, o currículo comum da escolaridade deve ser c) Teorias da Gestalt ou do Campo
entendido como o conjunto de conhecimentos, competências e d) Teorias do Condicionamento
valores para aqueles que sem a sua aquisição seriam mais dis- e) Teorias de fundamentação psicanalítica.
criminados fora da escola. Esses conteúdos são a oportunidade

14
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
17- Leia o trecho abaixo: II – modificar a cultura originária é parte do processo edu-
As práticas de homogeneizar para manejar com mais faci- cativo;
lidade o grupo foram legitimadas com a ideia de que os alunos III – superar a consciência ingênua é tarefa da ação educativa;
aprendem melhor e mais rapidamente em grupos homogêneos; IV – educar é um ato que acontece em todos os espaços da
o que não deixa de ocultar certo darwinismo social sob a ideia vida;
de ordem e de rendimento que seria necessário discutir, já que V – educar é transmitir o conhecimento erudito e universal-
ao fazer grupos homogêneos se acaba distinguindo os alunos mente reconhecido.
com diferentes níveis de capacidade e rendimento.
Estão de acordo com este pensamento APENAS as afirmações:
Considerando as ideias defendidas por Gimeno Sacristán (A) I e II
em seu livro COMPREENDER E TRANSFORMAR O ENSINO, pode- (B) II e V
mos dizer que, no que tange à organização didática dos grupos (C) I, III e IV
de estudantes, o autor: (D) I, IV e V
(E) I, II, III e IV
a) defende grupos homogêneos na organização do ensino,
mas adverte que essa prática, se for mal gerida, acaba não dis- 20- Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as pos-
tinguindo os estudantes por competência ou nível de capacida- sibilidades para sua própria produção ou sua própria constru-
de e rendimento e sim por outros critérios mais subjetivos ção, o que exige que o professor pense certo. Com relação aos
b) defende grupos homogêneos na organização do ensino e pressupostos filosóficos subjacentes a essa afirmativa, assinale
argumenta que os alunos aprendem melhor e mais rapidamente a opção correta.
e podem ser agrupados por nível de rendimento e capacidade (A) Pensar certo é uma postura exigente, difícil e penosa
c) defende a desconstrução da lógica homogeneizadora que o professor tem de assumir diante dos outros e com os ou-
da escola, propondo a superação da tendência de se organizar tros, em face do mundo e dos fatos;
sempre grupos homogêneos, defendendo que os interesses de (B) Pensar certo é ter a certeza de que todas as ações huma-
“melhor funcionamento” ou de melhor manejo de classe devem nas estão predeterminadas pelo destino, que a interferência do
ser rediscutidos à luz dos valores éticos contra a segregação dos indivíduo pouco mudará;
alunos (C) Pensar certo é agir com espontaneidade, a ponto de to-
d) defende a desconstrução da lógica homogeneizadora da das as ações serem pautadas pelo espontaneísmo;
escola, pois a igualdade absoluta não existe, já que os estudan- (D) Pensar certo é fácil, pouco exigente e complementa a
tes chegam à escola em pontos de partida diferentes. Por isso, atitude autoritária do professor, que cada vez menos necessita
propõe que, ao invés de homogeneizar grupos dentro da sala de da rigorosidade metódica;
aula, sejam costuradas turmas que aproximem estudantes com (E) Pensar certo é seguir as orientações das propostas cur-
o mesmo grau de desenvolvimento, criando salas homogêneas riculares.
e não grupos homogêneos nas salas de aula
e) defende a homogeneização das turmas como forma de 21- A partir do saber fundamental “mudar é difícil, mas é
ajudar os professores no manejo de sala de aula e de melhorar o possível” é que se deve programar a ação político-pedagógica.
funcionamento e a qualidade do ensino oferecido. Com base nesse pressuposto e considerando, assinale a opção
correta.
18- É muito importante que o educador propicie um ensino (A) o educador deve assumir uma postura neutra diante do
que instigue o educando a pensar, a refletir, elaborar suas pró- real, pois a função da educação é estudar e constatar a realida-
prias ideias e, também, possibilite que ele adquira conceitos e de, para compreendê-la e admirá-la como obra da construção
conhecimentos básicos: até porque os conhecimentos se desen- humana;
volvem a cada dia, sendo impossível à apreensão de todo saber (B) o educador deve tomar consciência de que não é apenas
na escola. Os educandos, quando estimulados a enfrentar novos objeto da história, mas também sujeito. Num mundo de histó-
problemas, por meio de pesquisas e reflexões, estarão conquis- ria, da cultura e da política, deve constatar a realidade não para
tando sua: se acomodar, mas para mudar;
(A) autonomia (C) para que se possa transformar o mundo por meio da
(B) cidadania educação é preciso pregar a rebelião e instigar a revolta nas ca-
(C) inteligência emocional madas populares, pelo fato de estas serem profundamente in-
(D) habilidade de pensar justiçadas;
(E) honestidade intelectual (D) o educador deve respeitar o saber dos grupos com que
trabalho. Porém, não pode permitir que estes predominem, por
19- O pensamento pedagógico parte de alguns princípios ter consciência de que aquilo que pensa, em face de sua forma-
que marcam de forma clara e objetiva o modo de entender o ção, é melhor para o grupo;
ato educativo. (E) o educador deve estar consciente de que para mudar
necessita do apoio da direção da escola.
Considerando as características do pensamento desse au-
tor, analise as afirmações que se seguem: 22- O modelo piagetiano de desenvolvimento cognitivo
I – ensinar é um ato que envolve a reflexão sobre a própria aponta que o adolescente é capaz de formar esquemas concei-
prática; tuais abstratos dos 12 anos em diante. Trata-se do período

15
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR REGENTE DE EDUCAÇÃO INFANTIL
(A) pré-operacional. ————————————————————————
(B) das operações formais.
(C) das operações concretas. ————————————————————————
(D) sensório-motor. ————————————————————————
(E) epistemofílico.
————————————————————————
Respostas
————————————————————————
01-C 02-D 03-A 04-D 05-E
06-A 07-A 08-C 09-B 10-C ————————————————————————
11-D 12-A 13-B 14-D 15-D ————————————————————————
16-D 17-C 18-A 19-C 20-A ————————————————————————
21-B 22-B
————————————————————————
————————————————————————
ANOTAÇÕES
————————————————————————
——————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————

16
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Função social da escola. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


Organização da Educação Básica (LDB 9394/96). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Alfabetização e Letramento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Princípios do Construtivismo: estudos de Piaget e Ferreiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Pensamento de Vygotsky. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais em Educação e para o Ensino de História e Cultura Afro-bra-
sileira e Africana no currículo do Ensino Básico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Concepções de aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Planejamento da prática educativa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Avaliação do processo de ensino e de aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Avaliação da educação fundamental. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Relações interativas em sala de aula. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Competências e habilidades. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Pilares da educação para o século XXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

VI - gratuidade do ensino público em estabelecimentos ofi-


FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA. ciais;
VII - valorização do profissional da educação escolar;
VIII - gestão democrática do ensino público, na forma desta
A escola em sua função social, tem um olhar constante volta- Lei e da legislação dos sistemas de ensino;
do a sociedade, conectando seu saber com a pratica cotidiana do IX - garantia de padrão de qualidade;
aluno, preparando-o para o exercício profissional. A experiência X - valorização da experiência extra-escolar;
de vivenciar as situações de aprendizagem ensina o convívio em XI - vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as prá-
grupo, indispensável para a vida e o trabalho. A escola encara a ticas sociais.
educação como um ato social de mudança e avanço tecnológi- XII - consideração com a diversidade étnico-racial. (Incluído
co . A escola é mais que um lugar que transmite conteúdos en- pela Lei nº 12.796, de 2013)
gessados . Ela existe para ensinar a criança a se desenvolver suas XIII - garantia do direito à educação e à aprendizagem ao lon-
percepções de mundo. O aluno, alem de saber letras e números go da vida. (Incluído pela Lei nº 13.632, de 2018)
precisa entender quais são suas responsabilidades, direitos e de-
veres com a sociedade e ter autonomia para executa-los. Um bom TÍTULO III
abiente escolar tem a função social de desenvolver o pensamento DO DIREITO À EDUCAÇÃO E DO DEVER DE EDUCAR
critico do aluno, de instiga-lo a pensar, refletir e reconhecer as va-
rias possibilidades de pensamentos, opiniões e criticas do mundo Art. 4º O dever do Estado com educação escolar pública será
ao seu redor efetivado mediante a garantia de:
I - educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos
17 (dezessete) anos de idade, organizada da seguinte forma: (Re-
ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (LDB 9394/96). dação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
a) pré-escola; (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
b) ensino fundamental; (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996.
c) ensino médio; (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. O PRE-
II - educação infantil gratuita às crianças de até 5 (cinco) anos
SIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional de-
de idade; (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
creta e eu sanciono a seguinte Lei:
III - atendimento educacional especializado gratuito aos edu-
candos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento
TÍTULO I
e altas habilidades ou superdotação, transversal a todos os níveis,
DA EDUCAÇÃO
etapas e modalidades, preferencialmente na rede regular de ensi-
no; (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
Art. 1º A educação abrange os processos formativos que se
desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no traba- IV - acesso público e gratuito aos ensinos fundamental e mé-
lho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais dio para todos os que não os concluíram na idade própria; (Reda-
e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. ção dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
§ 1º Esta Lei disciplina a educação escolar, que se desenvolve, V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e
predominantemente, por meio do ensino, em instituições da criação artística, segundo a capacidade de cada um;
próprias. VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às condições
§ 2º A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do do educando;
trabalho e à prática social. VII - oferta de educação escolar regular para jovens e adultos,
com características e modalidades adequadas às suas necessida-
TÍTULO II des e disponibilidades, garantindo-se aos que forem trabalhado-
DOS PRINCÍPIOS E FINS DA EDUCAÇÃO NACIONAL res as condições de acesso e permanência na escola;
VIII - atendimento ao educando, em todas as etapas da edu-
Art. 2º A educação, dever da família e do Estado, inspirada cação básica, por meio de programas suplementares de material
nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, didático-escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde;
tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o IX - padrões mínimos de qualidade de ensino, definidos
trabalho. como a variedade e quantidade mínimas, por aluno, de insumos
Art. 3º O ensino será ministrado com base nos seguintes prin- indispensáveis ao desenvolvimento do processo de ensino-
cípios: aprendizagem.
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na X – vaga na escola pública de educação infantil ou de ensino
escola; fundamental mais próxima de sua residência a toda criança a par-
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cul- tir do dia em que completar 4 (quatro) anos de idade. (Incluído
tura, o pensamento, a arte e o saber; pela Lei nº 11.700, de 2008).
III - pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas; Art. 4º-A. É assegurado atendimento educacional, durante
IV - respeito à liberdade e apreço à tolerância; o período de internação, ao aluno da educação básica internado
V - coexistência de instituições públicas e privadas de ensino; para tratamento de saúde em regime hospitalar ou domiciliar

1
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

por tempo prolongado, conforme dispuser o Poder Público em II - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições
regulamento, na esfera de sua competência federativa. (Incluído oficiais do sistema federal de ensino e o dos Territórios;
pela Lei nº 13.716, de 2018). III - prestar assistência técnica e financeira aos Estados, ao
Art. 5o O acesso à educação básica obrigatória é direito pú- Distrito Federal e aos Municípios para o desenvolvimento de seus
blico subjetivo, podendo qualquer cidadão, grupo de cidadãos, sistemas de ensino e o atendimento prioritário à escolaridade
associação comunitária, organização sindical, entidade de classe obrigatória, exercendo sua função redistributiva e supletiva;
ou outra legalmente constituída e, ainda, o Ministério Público, IV - estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito
acionar o poder público para exigi-lo. (Redação dada pela Lei nº Federal e os Municípios, competências e diretrizes para a educa-
12.796, de 2013) ção infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que nortea-
§ 1o O poder público, na esfera de sua competência federativa, rão os currículos e seus conteúdos mínimos, de modo a assegurar
deverá: (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013) formação básica comum;
I - recensear anualmente as crianças e adolescentes em idade IV-A - estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito
escolar, bem como os jovens e adultos que não concluíram a edu- Federal e os Municípios, diretrizes e procedimentos para identi-
cação básica; (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013) ficação, cadastramento e atendimento, na educação básica e na
II - fazer-lhes a chamada pública; educação superior, de alunos com altas habilidades ou superdota-
III - zelar, junto aos pais ou responsáveis, pela frequência à ção; (Incluído pela Lei nº 13.234, de 2015)
escola. V - coletar, analisar e disseminar informações sobre a edu-
§ 2º Em todas as esferas administrativas, o Poder Público cação;
assegurará em primeiro lugar o acesso ao ensino obrigatório, nos VI - assegurar processo nacional de avaliação do rendimento
termos deste artigo, contemplando em seguida os demais níveis e escolar no ensino fundamental, médio e superior, em colaboração
modalidades de ensino, conforme as prioridades constitucionais com os sistemas de ensino, objetivando a definição de priorida-
e legais. des e a melhoria da qualidade do ensino;
§ 3º Qualquer das partes mencionadas no caput deste artigo VII - baixar normas gerais sobre cursos de graduação e pós-
tem legitimidade para peticionar no Poder Judiciário, na hipótese -graduação;
do § 2º do art. 208 da Constituição Federal, sendo gratuita e de VIII - assegurar processo nacional de avaliação das instituições
rito sumário a ação judicial correspondente. de educação superior, com a cooperação dos sistemas que
§ 4º Comprovada a negligência da autoridade competente tiverem responsabilidade sobre este nível de ensino;
para garantir o oferecimento do ensino obrigatório, poderá ela IX - autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar,
ser imputada por crime de responsabilidade. respectivamente, os cursos das instituições de educação supe-
§ 5º Para garantir o cumprimento da obrigatoriedade de rior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino. (Vide Lei nº
ensino, o Poder Público criará formas alternativas de acesso aos 10.870, de 2004)
diferentes níveis de ensino, independentemente da escolarização § 1º Na estrutura educacional, haverá um Conselho Nacional
anterior. de Educação, com funções normativas e de supervisão e atividade
Art. 6o É dever dos pais ou responsáveis efetuar a matrícula permanente, criado por lei.
das crianças na educação básica a partir dos 4 (quatro) anos de § 2° Para o cumprimento do disposto nos incisos V a IX, a
idade. (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013) União terá acesso a todos os dados e informações necessários de
Art. 7º O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as se- todos os estabelecimentos e órgãos educacionais.
guintes condições: § 3º As atribuições constantes do inciso IX poderão
I - cumprimento das normas gerais da educação nacional e do ser delegadas aos Estados e ao Distrito Federal, desde que
respectivo sistema de ensino; mantenham instituições de educação superior.
II - autorização de funcionamento e avaliação de qualidade Art. 10. Os Estados incumbir-se-ão de:
pelo Poder Público; I - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições
III - capacidade de autofinanciamento, ressalvado o previsto oficiais dos seus sistemas de ensino;
no art. 213 da Constituição Federal. II - definir, com os Municípios, formas de colaboração na ofer-
ta do ensino fundamental, as quais devem assegurar a distribui-
TÍTULO IV ção proporcional das responsabilidades, de acordo com a popula-
DA ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO NACIONAL ção a ser atendida e os recursos financeiros disponíveis em cada
uma dessas esferas do Poder Público;
Art. 8º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios III - elaborar e executar políticas e planos educacionais, em
organizarão, em regime de colaboração, os respectivos sistemas consonância com as diretrizes e planos nacionais de educação, in-
de ensino. tegrando e coordenando as suas ações e as dos seus Municípios;
§ 1º Caberá à União a coordenação da política nacional de IV - autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar,
educação, articulando os diferentes níveis e sistemas e exercendo respectivamente, os cursos das instituições de educação superior
função normativa, redistributiva e supletiva em relação às demais e os estabelecimentos do seu sistema de ensino;
instâncias educacionais. V - baixar normas complementares para o seu sistema de en-
§ 2º Os sistemas de ensino terão liberdade de organização sino;
nos termos desta Lei. VI - assegurar o ensino fundamental e oferecer, com priori-
Art. 9º A União incumbir-se-á de: (Regulamento) dade, o ensino médio a todos que o demandarem, respeitado o
I - elaborar o Plano Nacional de Educação, em colaboração disposto no art. 38 desta Lei; (Redação dada pela Lei nº 12.061,
com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; de 2009)

2
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

VII - assumir o transporte escolar dos alunos da rede esta- IV - estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de
dual. (Incluído pela Lei nº 10.709, de 31.7.2003) menor rendimento;
Parágrafo único. Ao Distrito Federal aplicar-se-ão as compe- V - ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além
tências referentes aos Estados e aos Municípios. de participar integralmente dos períodos dedicados ao planeja-
Art. 11. Os Municípios incumbir-se-ão de: mento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional;
I - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições VI - colaborar com as atividades de articulação da escola com
oficiais dos seus sistemas de ensino, integrando-os às políticas e as famílias e a comunidade.
planos educacionais da União e dos Estados; Art. 14. Os sistemas de ensino definirão as normas da ges-
II - exercer ação redistributiva em relação às suas escolas; tão democrática do ensino público na educação básica, de acordo
III - baixar normas complementares para o seu sistema de com as suas peculiaridades e conforme os seguintes princípios:
ensino; I - participação dos profissionais da educação na elaboração
IV - autorizar, credenciar e supervisionar os estabelecimentos do projeto pedagógico da escola;
do seu sistema de ensino;
II - participação das comunidades escolar e local em conse-
V - oferecer a educação infantil em creches e pré-escolas, e,
lhos escolares ou equivalentes.
com prioridade, o ensino fundamental, permitida a atuação em
Art. 15. Os sistemas de ensino assegurarão às unidades esco-
outros níveis de ensino somente quando estiverem atendidas
lares públicas de educação básica que os integram progressivos
plenamente as necessidades de sua área de competência e com
recursos acima dos percentuais mínimos vinculados pela Consti- graus de autonomia pedagógica e administrativa e de gestão fi-
tuição Federal à manutenção e desenvolvimento do ensino. nanceira, observadas as normas gerais de direito financeiro pú-
VI - assumir o transporte escolar dos alunos da rede munici- blico.
pal. (Incluído pela Lei nº 10.709, de 31.7.2003) Art. 16. O sistema federal de ensino compreende: (Regula-
Parágrafo único. Os Municípios poderão optar, ainda, por se mento)
integrar ao sistema estadual de ensino ou compor com ele um I - as instituições de ensino mantidas pela União;
sistema único de educação básica. II - as instituições de educação superior criadas e mantidas
Art. 12. Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as nor- pela iniciativa privada;
mas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência III - os órgãos federais de educação.
de: Art. 17. Os sistemas de ensino dos Estados e do Distrito Fede-
I - elaborar e executar sua proposta pedagógica; ral compreendem:
II - administrar seu pessoal e seus recursos materiais e finan- I - as instituições de ensino mantidas, respectivamente, pelo
ceiros; Poder Público estadual e pelo Distrito Federal;
III - assegurar o cumprimento dos dias letivos e horas-aula II - as instituições de educação superior mantidas pelo Poder
estabelecidas; Público municipal;
IV - velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada III - as instituições de ensino fundamental e médio criadas e
docente; mantidas pela iniciativa privada;
V - prover meios para a recuperação dos alunos de menor IV - os órgãos de educação estaduais e do Distrito Federal,
rendimento; respectivamente.
VI - articular-se com as famílias e a comunidade, criando pro- Parágrafo único. No Distrito Federal, as instituições de edu-
cessos de integração da sociedade com a escola; cação infantil, criadas e mantidas pela iniciativa privada, integram
VII - informar pai e mãe, conviventes ou não com seus filhos, seu sistema de ensino.
e, se for o caso, os responsáveis legais, sobre a frequência e ren- Art. 18. Os sistemas municipais de ensino compreendem:
dimento dos alunos, bem como sobre a execução da proposta pe- I - as instituições do ensino fundamental, médio e de educa-
dagógica da escola; (Redação dada pela Lei nº 12.013, de 2009)
ção infantil mantidas pelo Poder Público municipal;
VIII – notificar ao Conselho Tutelar do Município, ao juiz com-
II - as instituições de educação infantil criadas e mantidas
petente da Comarca e ao respectivo representante do Ministério
pela iniciativa privada;
Público a relação dos alunos que apresentem quantidade de fal-
III – os órgãos municipais de educação.
tas acima de cinquenta por cento do percentual permitido em lei.
(Incluído pela Lei nº 10.287, de 2001) Art. 19. As instituições de ensino dos diferentes níveis classi-
IX - promover medidas de conscientização, de prevenção e de ficam-se nas seguintes categorias administrativas (Regulamento)
combate a todos os tipos de violência, especialmente a intimida- (Regulamento)
ção sistemática (bullying), no âmbito das escolas; (Incluído pela I - públicas, assim entendidas as criadas ou incorporadas,
Lei nº 13.663, de 2018) mantidas e administradas pelo Poder Público;
X - estabelecer ações destinadas a promover a cultura de paz II - privadas, assim entendidas as mantidas e administradas
nas escolas. (Incluído pela Lei nº 13.663, de 2018) por pessoas físicas ou jurídicas de direito privado.
Art. 13. Os docentes incumbir-se-ão de: Art. 20. As instituições privadas de ensino se enquadrarão
I - participar da elaboração da proposta pedagógica do esta- nas seguintes categorias: (Regulamento) (Regulamento)
belecimento de ensino; I - particulares em sentido estrito, assim entendidas as que
II - elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta são instituídas e mantidas por uma ou mais pessoas físicas ou ju-
pedagógica do estabelecimento de ensino; rídicas de direito privado que não apresentem as características
III - zelar pela aprendizagem dos alunos; dos incisos abaixo;

3
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

II - comunitárias, assim entendidas as que são instituídas por III - nos estabelecimentos que adotam a progressão regular
grupos de pessoas físicas ou por uma ou mais pessoas jurídicas, por série, o regimento escolar pode admitir formas de progressão
inclusive cooperativas educacionais, sem fins lucrativos, que in- parcial, desde que preservada a sequência do currículo, observa-
cluam na sua entidade mantenedora representantes da comuni- das as normas do respectivo sistema de ensino;
dade; (Redação dada pela Lei nº 12.020, de 2009) IV - poderão organizar-se classes, ou turmas, com alunos de
III - confessionais, assim entendidas as que são instituídas por séries distintas, com níveis equivalentes de adiantamento na ma-
grupos de pessoas físicas ou por uma ou mais pessoas jurídicas téria, para o ensino de línguas estrangeiras, artes, ou outros com-
que atendem a orientação confessional e ideologia específicas e ponentes curriculares;
ao disposto no inciso anterior; V - a verificação do rendimento escolar observará os seguin-
IV - filantrópicas, na forma da lei. tes critérios:
a) avaliação contínua e cumulativa do