Você está na página 1de 43

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS ESCOLA DE ENGENHARIA DE PERNAMBUCO

I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA AUTOMOTIVA

I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA AUTOMOTIVA TÓPICOS: MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA Prof. Dr. Antonio

TÓPICOS: MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA

Prof. Dr. Antonio Moreira dos Santos Professor aposentado da Escola de Engenharia de São Carlos / Universidade de São Paulo - EESC/USP.

INTRODUÇÃO E FUNDAMENTOS DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

INTRODUÇÃO E FUNDAMENTOS DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA MOTOR DE OTTO 1867 Prof. Dr. Antonio Moreira

MOTOR DE OTTO

1867

HISTÓRICO SOBRE MOTORES

A descrição do ciclo de quatro tempos deve-se ao francês Alphonse Beau de Rochas que teve uma patente em 1862. Em 1867, Nicolaus Otto desenvolveu o primeiro motor. Em 1896, Karl Benz patenteou o primeiro motor boxer, com cilindros opostos horizontalmente. O engenheiro alemão Rudolf Diesel, em 1900, patenteou um motor à combustão de elevada eficiência. Era um motor movido a óleo de amendoim, cuja tecnologia leva seu nome até hoje, o motor diesel.

INTRODUÇÃO AOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

INTRODUÇÃO AOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Prof. Antonio Moreira dos Santos

Prof. Antonio Moreira dos Santos

MOTORES DE IGNIÇÃO POR CENTELHA

MOTORES DE IGNIÇÃO POR CENTELHA Fonte: Heywood

Fonte: Heywood

Motores de Combustão Interna

São máquinas que transformam a energia química dos combustíveis em energia mecânica entregue a outra máquina através do volante.

Motores do Ciclo Otto

Motores

alimentados por gasolina, álcool, gás

liquefeito do petróleo ou gás natural (metano) e que tem a ignição provocada por centelha em uma vela. Estes motores

também são conhecidos ignição por centelha – ICE.

que

normalmente

são

por

motor

de

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES OTTO

O carburador ou o sistema de injeção eletrônico introduz o combustível na corrente de ar que flui através do coletor de admissão. A mistura ar e combustível que se forma no coletor de admissão adentra no cilindro durante o processo de admissão. Nos motores a gás o combustível é debitado na corrente de ar através de uma válvula redutora de pressão ou através de um sistema de injeção eletrônico de gás.

FORMAÇÃO DA MISTURA AR/COMBUSTÍVEL ATÉ A DÉCADA DE 80 – Motores Carburados

http://www.classificados.com/vendo-alguns-coletores-de- 8 admissao-e-escape-512244
http://www.classificados.com/vendo-alguns-coletores-de-
8
admissao-e-escape-512244
Ar adicional para aumento de potência para o condicionador de ar
Ar adicional
para aumento
de potência
para o
condicionador
de ar

9

MOTORES DE IGNIÇÃO POR CENTELHA – CICLO OTTO

• ADMISSÃO:

Uma mistura de ar e de combustível é aspirada para o interior do cilindro do motor através da válvula de admissão que se encontra aberta. A mistura ar-combustível começa a ser formada no coletor de admissão pela introdução do combustível na corrente de ar.

mistura ar-combustível começa a ser formada no coletor de admissão pela introdução do combustível na corrente

Motores Pistão-Cilindro

PMS Curso PMI
PMS
Curso
PMI

Motores de quatro tempos

• Tempo de admissão*

• Tempo de compressão

• Tempo de expansão (potência)

• Tempo de descarga.

•No motor de ignição por centelha, ICE, a admissão é de uma mistura ar/combustível.

•No motor ICO a admissão é de ar apenas.

MOTORES DE IGNIÇÃO POR CENTELHA – CICLO OTTO

COMPRESSÃO:

A mistura ar-combustível é comprimida ocorrendo uma maior integração entre as partículas de combustível e de ar. Durante este tempo o êmbolo desloca-se do PMI para o PMS e as válvulas de admissão e de escape encontram-se fechadas. Quando o êmbolo aproxima-se do PMS o sistema de ignição dispara uma centelha entre os eletrodos de uma vela que se encontra introduzida no seio da mistura.

o sistema de ignição dispara uma centelha entre os eletrodos de uma vela que se encontra

MOTORES DE IGNIÇÃO POR CENTELHA – CICLO OTTO

MOTORES DE IGNIÇÃO POR CENTELHA – CICLO OTTO • Explosão (Expansão): A centelha disparada na vela

Explosão (Expansão):

A centelha disparada na vela provoca a ignição da mistura, deflagrando a rápida combustão da mistura previamente comprimida. Durante este tempo o êmbolo movimenta-se do PMS para o PMI. Quando o êmbolo aproxima-se do PMI, neste tempo, a válvula de escape abre-se.

MOTORES DE IGNIÇÃO POR CENTELHA – CICLO OTTO

MOTORES DE IGNIÇÃO POR CENTELHA – CICLO OTTO DESCARGA: Neste tempo o êmbolo desloca-se do PMI

DESCARGA:

Neste tempo o êmbolo desloca-se do PMI para o PMS enquanto a válvula de escape encontra-se aberta. Durante o tempo de descarga os gases formados no processo de combustão são varridos do cilindro para o meio ambiente.

PMS PMI Abre válvula escape
PMS
PMI
Abre válvula escape
PMS PMI Abre válvula escape Fecha válvula escape DIAGRAMA INDICADO DO CICLO OTTO Abre válvula admissão

Fecha válvula escape

DIAGRAMA INDICADO DO CICLO OTTO

válvula escape Fecha válvula escape DIAGRAMA INDICADO DO CICLO OTTO Abre válvula admissão Fecha válvula admissão

Abre válvula admissão

Fecha válvula admissão

MOTOR ICE REAL

X

CICLO PADÃO AR DE OTTO

Motores de quatro tempos

MOTOR ICE REAL X CICLO PADÃO AR DE OTTO Motores de quatro tempos

DIAGRAMA Pv e Ts DO CICLO OTTO

DIAGRAMA Pv e Ts DO CICLO OTTO Processos: 1-2: compressão isoentrópica. 2-3: adição de calor a

Processos:

1-2: compressão isoentrópica.

2-3: adição de calor a volume constante.

3-4: expansão isoentrópica.

4-1: rejeição de calor a volume constante.

MOTORES DE IGNIÇÃO POR COMPRESSÃO – CICLO DIESEL

Motores do ciclo Diesel:

Motores que são alimentados por óleo Diesel ou óleos vegetais e que tem a combustão iniciada por auto-ignição do combustível injetado no seio de uma massa de ar comprimida que se encontra numa temperatura superior à de auto-ignição do combustível usado.

O combustível é injetado no interior da câmara de combustão por meio de uma bomba mecânica de alta pressão.

usado. O combustível é injetado no interior da câmara de combustão por meio de uma bomba

CICLO DIESEL

Admissão:

• Neste tempo, apenas ar é aspirado para o interior do cilindro do motor através da válvula de admissão que se encontra aberta. Durante o tempo de admissão o êmbolo desloca-se dentro do cilindro do ponto morto superior (PMS) para o ponto morto inferior (PMI). O volume varrido entre o PMS e o PMI é chamado cilindrada unitária do motor.

Compressão:

• Neste tempo o ar é comprimido a uma pressão e temperatura superior ao do ponto de auto-ignição do combustível a ser usado. Durante este tempo o êmbolo desloca-se do PMI para o PMS e as válvula de admissão e de escape encontram-se fechadas. Quando o êmbolo aproxima-se do PMS o sistema de injeção mecânica introduz o combustível no seio da massa de ar previamente comprimida.

CICLO DIESEL

Explosão:

• A massa de combustível injetada é misturada à massa de ar reagindo rapidamente e trocando calor até que entra em combustão espontânea. Durante este tempo o êmbolo movimenta-se do PMS para o PMI. Quando o êmbolo aproxima-se do PMI, a válvula de escape abre-se.

Fonte: Heywood
Fonte: Heywood

CICLO DIESEL

Descarga:

• Neste tempo o êmbolo desloca-se do PMI para o PMS enquanto a válvula de escape encontra-se aberta. Durante o tempo de descarga os gases formados no processo de combustão são varridos do cilindro para o meio ambiente.

DIAGRAMA INDICADO DO CICLO DIESEL RÁPIDO (DUAL)

DIAGRAMA INDICADO DO CICLO DIESEL RÁPIDO (DUAL )

DIAGRAMA DO CICLO DIESEL RÁPIDO IDEAL (DUAL)

DIAGRAMA DO CICLO DIESEL RÁPIDO IDEAL (DUAL )

Razão ar-combustível ou Razão combustível-ar

   

 

Razão ar

 

comb.( A / C)

=

m

a

 

m

c

 

 

Razão comb

 

ar

(

C

/

A

)

=

m

c

= razão de equivalência

 

.

 

m

a

FAIXA DE OPERAÇÃO DOS MOTORES Faixa de inflamabilidade

Para motores a gasolina:

Para motores a diesel:

12 A/C 18

18 A/C 70 0.014 C/A 0,056

0.056 C/A 0,083

INFLUÊNCIA DO PONTO DE IGNIÇÃO NO DESEMPENHO DO MOTOR POR CENTELHA

INFLUÊNCIA DO PONTO DE IGNIÇÃO NO DESEMPENHO DO MOTOR POR CENTELHA
IGNIÇÃO EM MOTORES DIESEL ICO Início da combustão

IGNIÇÃO EM MOTORES DIESEL

ICO

Início da combustão

IGNIÇÃO EM MOTORES DIESEL ICO Início da combustão
IGNIÇÃO EM MOTORES DIESEL ICO Início da combustão

Parâmetros importantes:

Parâmetros importantes:

Volume deslocado (VD) ou Cilindrada unitária

É o volume deslocado

pelo êmbolo quando ele percorre o curso (L) entre

o Ponto Morto Superior

(PMS) e o Ponto Morto

Inferior (PMI).

VD =

d

2

L

4

Parâmetros importantes:

Parâmetros importantes:

Cilindrada total É o volume deslocado multiplicado pelo número de cilindros do motor.

• Onde:

• VD T = Volume deslocado total

(cm

3 ).

π = 3,14

• D = Diâmetro do cilindro (cm).

• L = Curso do êmbolo (cm).

• n = Número de cilindros do motor.

VD T =

2

d Ln

4

Parâmetros importantes:

Parâmetros importantes:

Taxa de compressão ou razão de compressão (r c )

É a relação entre o volume total existente no cilindro, quando o êmbolo está no PMI e o volume da câmara de combustão, quando o êmbolo está no PMS.

onde:

• r c = Razão de compressão.

• V cc = Volume da câmara de combustão

r c

=

VD

+

V

cc

V

cc

TAXA DE COMPRESSÃO
TAXA DE COMPRESSÃO
TAXA DE COMPRESSÃO
RENDIMENTO DO CICLO OTTO EM FUNÇÃO DA TAXA DE COMPRESSÃO 1 = 1 k 1
RENDIMENTO DO CICLO OTTO EM FUNÇÃO DA
TAXA DE COMPRESSÃO
1
=
1
k
1
r

DIAGRAMA Pv e Ts DO CICLO DIESEL

DIAGRAMA Pv e Ts DO CICLO DIESEL 1-2: Compressão isoentrópica. 2-3: Adição de calor a pressão

1-2: Compressão isoentrópica. 2-3: Adição de calor a pressão constante. 3-4: Expansão isoentrópica. 4-1: Rejeição de calor a volume constante.

Análise de desempenho no ciclo Diesel

1 r 1 c = 1   k 1 r k  
1
r
1
c
=
1
k
1
r
k

k

(

r

c

1 )

V v 3 3 = r c = V v 2 2
V
v
3
3
=
r c =
V
v
2
2

Razão de corte

O termo entre colchete é sempre maior que um; portanto para a mesma taxa de compressão o motor Otto tem maior rendimento.

EFEITO DA TAXA DE COMPRESSÃO NO DESEMPENHO

EFEITO DA TAXA DE COMPRESSÃO NO DESEMPENHO

NA PRÁTICA, NEM SEMPRE TAXA DE COMPRESSÃO MAIOR SIGNIFICA MAIOR DESEMPENHO. HÁ OUTROS FATORES QUE AFETAM ESSE DESEMPENHO

MAIOR DESEMPENHO. HÁ OUTROS FATORES QUE AFETAM ESSE DESEMPENHO http://carmaniacs.com.br/forummm/index.php?showtopic=5705

http://carmaniacs.com.br/forummm/index.php?showtopic=5705

NA PRÁTICA, NEM SEMPRE TAXA DE COMPRESSÃO MAIOR SIGNIFICA MAIOR DESEMPENHO. HÁ OUTROS FATORES QUE AFETAM ESSE DESEMPENHO

MAIOR DESEMPENHO. HÁ OUTROS FATORES QUE AFETAM ESSE DESEMPENHO http://carmaniacs.com.br/forummm/index.php?showtopic=5705

http://carmaniacs.com.br/forummm/index.php?showtopic=5705

MOTORES DIESEL DE GRANDE PORTE

MOTORES DIESEL DE GRANDE PORTE

MOTORES DIESEL DE GRANDE PORTE

MOTORES DIESEL DE GRANDE PORTE

MOTORES DIESEL DE GRANDE PORTE

MOTORES DIESEL DE GRANDE PORTE
Fonte: Ferguson; segunda edição.

Fonte: Ferguson; segunda edição.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADA PARA ESTUDO

1 – Internal Combustion Engines – Applied Thermosciences; Colin R. Ferguson; John Wiley & sons; 1986.

2 – Internal Combustion Engine Fundamentals; John B. Heywood; McGraw-Hill;

1988.

3 – Manual de Tecnologia Automotiva; Bosch; Editora Edgard Blücher; 2005.

4 – Design and Simulation of Four-Stroke Engines; Gordon P. Bla ir; Society of Automotive Engineers, Inc; 1999.

5 – Engineering Fundamentals of the Internal Combustion Engine; Willard W. Pulkrabek; Pearson Prentice Hall; 2004.

6 – Os Motores a Combustão Internal; Paulo Penido Filho; LEMI;1983.