Você está na página 1de 7

ISSN 1413-3555

Rev. bras. fisioter. Vol. 9, No. I (2005), 1-7


©Revista Brasileira de Fisioterapia

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PARA IONTOFORESE

Oliveira, A. S., I Guaratini, M_ J.2 e Castro, c. E. S_ 3


Universidade de São Paulo, FMRP/USP, Ribeirão Preto, SP, Brasil
1

2
Centro Universitário Barão de Mauá, Ribeirão Preto, Centro Universitário Central Paulista,
UNICEP, São Carlos, SP, Brasil
3
Universidade Federal de São Carlos, UFSCar, São Carlos, SP, Brasil
Correspondência para: Anamaria Siriani de Oliveira, Hospital das Clínicas, 11 º andar,
Av. Bandeirantes, 3900, Ribeirão Preto, SP, CEP 14049-900, e-mail: siriani@fmrp.usp.br
Recebido: 8/9/2003- Aceito: 11/11/2004

RESUMO

Contexto: A iontoforese é uma técnica não invasiva de administração de agentes iônicos terapêuticos que utiliza corrente elétrica
para prover uma maneira controlada de aumentar a transferência. Objetivo: Apresentar uma perspectiva histórica e os principais
fundamentos teóricos envolvidos na transferência por iontoforese, a fim de incentivar o fisioterapeuta à prática racional e à investigação
científica. Métodos: O artigo foi elaborado como uma revisão da literatura relativa aos fundamentos para iontoforese. Resultados:
São descritos os termos relativos à instrumentação, os mecanismos de transferência, a estimativa de penetração iônica e os principais
fatores que influenciam a técnica. Conclusão: A iontoforese constitui uma alternativa para potencializar a transferência de substâncias
ionizáveis, garantindo níveis de concentração superiores à difusão passiva não facilitada pela corrente elétrica, suficientes para
desencadear os efeitos terapêuticos desejados.
Palavras-chave: iontoforese, fisioterapia, aplicação medicamentosa transdermal.

ABSTRACT

Theoretical background to iontophoresis


Background: Iontophoresis is a noninvasive technique for administering therapeutic ionic agents in which an electric current is
introduced to provide a controlled manner for enhancing transdermal drug delivery. Objective: To present a historical perspective
and the principal theoretical background involved in iontophoresis, in arder to stimulate physiotherapists to use it more frequently
in their daily practice and for scientific investigation as well. Methods: This article was prepared as a review of the literature relating
to the theoretical background for iontophoresis. Results: Terms related to iontophoresis insti'umentation, delivery mechanisms, ionic
penetration estimation and the maio factors that influence this transdermal delivery technique are described. Conclusion: Iontophoresis
is an alternative technique for delivering ionic substances, thus ensuring concentration leveis that are greater than by passive diffusion
unassisted by electric current, and thus sufficient for triggering the desired therapeutic effects.
Key words: iontophoresis, physical therapy, transdermal drug delivery.

INTRODUÇÃO sobre esse processo. 3.4 Le Duc demonstrou que íons eram
transferidos para a pele pela ação de corrente elétrica contínua
A iontoforese é uma técnica não invasiva que usa potencial e comprovou que essa transferência era pólo orientada, ou
(< 5V) ou corrente elétrica (0, 1 a 1 mA/cm2 ) para prover uma seja, dependia da polaridade do íon e do eletrodo sob o qual
maneira controlada de aumentar a transferência transdermal era colocado. 3 Desde t:!ntão, muitos estudos têm sido conduzidos
de uma variedade de drogas. 1•2 O pioneiro na descrição do para identificar quais substâncias medicamentosas são viáveis
método foi Pivati, em 1747, porém, seu uso na administração para esse processo de transferência, além de demonstrar os
de drogas tornou-se popular no início do século XX, quando níveis de penetração, distribuição e efetividade da técnica em
Le Duc3 introduziu o termo iontoterapia e formulou hipóteses condições clínicas. 5-8
2 Oliveira, A. S., Guaratini, M. I. e Castro, C. E. S. Rev. bras. fisioter.

Uma vantagem do uso da iontoforese é a perspectiva variadas, que permitem aplicações de 24 horas, pois operam
do aumento de liberação de drogas ionizáveis quando com- com baixa amplitude de corrente. Independente do sistema,
parada à absorção percutânea passiva. Na iontoforese, além o eletrodo que receberá o íon a ser transferido é chamado
da difusão passiva, a penetração da droga é aumentada pelos de eletrodo ativo. O outro eletrodo, que completa o circuito
mecanismos de eletrorepulsão, eletrosmose e aumento da elétrico, é chamado de dispersivo. A solução doadora é
permeabilidade da pele. 9 constituída por um solvente e o fármaco ionizável a ser
A liberação transdermal de drogas por iontoforese é, transferido transdermicamente. A migração de um íon po-
freqüentemente, utilizada para a aplicação de anestésicos sitivo, como o sódio (Na+), requer que um íon de carga oposta
locais, 10 agentes antiinflamatórios6·11 -13 e no tratamento da esteja na região próxima à área de transferência, o qual é
hiperidrose. 14·15 No tratamento fisioterapêutico, de acordo com denominado contra-íon. 31 Um íon não-medicamentoso pre-
a prescrição da substância medicamentosa, a escolha pela sente na solução doadora com carga semelhante àquele que
iontoforese como coadjuvante tem objetivos que variam se pretende transferir é denominado co-íon. Por fim, a região
segundo a condição clínica alvo. Logo, não são feitas da pele do paciente a ser tratada é denominada região alvo.
referências à técnica por si só, mas sim a um íon ou substância
medicamentosa compatível com os objetivos terapêuticos em Mecanismos Envolvidos na Penetração
questão. No entanto, ainda há relativa carência de estudos Transdermal por Iontoforese
clínicos bem documentad os relacionados a substâncias A pele constitui uma barreira física que protege o corpo
medicamentosas e à prática da fisioterapia. Atualmente, com da perda de líquidos e impede a invasão de microrganismos
essas características, estão disponíveis cerca de duas dezenas e a entrada de substâncias do meio exterior, incluindo a água. 9
de resumos de ensaios controlados na Biblioteca Cochrane, * O estrato córneo, correspondente a 10-20 f..Lm da epiderme,
disponibilizados pela Biblioteca Virtual em Saúde - Bireme, é reconhecido como a principal barreira à transferênci a
em uma busca a partir do unitermo iontophoresis. Os resultados transdermal de drogas. Assim, diferentes técnicas para au-
desses estudos são descritos como efetivos ou satisfatórios, 16-21 mento da penetração de várias substâncias através do estrato
ruins 22-24 ou sem diferença nos itens avaliados quando córneo têm sido testadas. 9
comparados a grupos placebos ou grupos tratados com outra A introdução de drogas através da pele em direção ao
técnica. 25-30 Esses estudos controlados sobre a aplicação da tecido subcutâneo possui três rotas potenciais: (1) o folículo
iontoforese em diferentes condições clínicas relacionam-se piloso e suas glândulas sebáceas associadas, (2) os duetos
direta ou indiretamente à prática fisioterapêutica, em decorrên- sudoríparos e (3) através do próprio estrato córneo, entre seus
cia da condição clínica tratada ou da droga transferida. apêndices e falhas (rota intercelular). 9 No entanto, em
O objetivo desta revisão é apresentar ao fisioterapeuta decorrência das características hidrofóbica e negativa do estrato
uma perspectiva histórica e os principais fundamentos teóricos córneo e de sua matriz lipoprotéica, drogas ionizadas
e práticos envolvidos na transferência por iontoforese, a fim dificilmente penetram através da pele por difusão passiva em
de incentivá-lo à prática racional e à investigação científica. quantidades suficientes para atingir níveis terapêuticos Y
Assim, são apresentados os seguintes tópicos: introdução, Estudos confirmam o aumento da penetração de drogas
definições de termos relativos à instrumentação, mecanismos ionizáveis por iontoforese quando comparada ao transporte
de transferência e estimativa de penetração iônica, além dos passivo isolado. Curdy et alY relatam maior penetração de
principais fatores que influenciam a técnica. piroxicam por iontoforese em relação à difusão passiva,
independente do tempo de aplicação. Assim, o uso de corrente
Definições de Termos em Iontoforese ou diferença de potencial elétrico provê alternativas para
A técnica de aplicação de iontoforese na prática aumentar a liberação transdermal de drogas com baixa
fisioterapêutica envolve três partes principais: o sistema que permeabilidade, principalmente as hidrofílicas e ionizáveis.
fornece a fonte elétrica, a solução doadora do íon e á região As principais vias de acesso dos íons transferidos por
alvo do tratamento no paciente. iontoforese são os poros de glândulas sudoríparas, enquanto
O mercado nacional de equipamentos eletroterapêuticos o estrato córneo, os pêlos foliculares e as glândulas sebáceas
disponibiliza pelo menos um modelo por fabricante capaz pouco contribuem para a penetração iônica, uma vez que
de fornecer uma corrente elétrica contínua de saída de am- apresentam elevada impedância elétrica relativa. 34 Após
plitude constante. Esses equipamentos são acompanhados a penetração inicial, os íons transferidos passam para a
por eletrodos de metal ou borracha, cabos de conexão e circulação capilar através das arteríolas que irrigam a base
material acoplador, que pode ser esponja, feltro ou material da glândula. Assim, uma vez transferido para o tecido, o
sintético similar. Atualmente, também é possível adquirir íon ou substância medicament osa penetra cerca de l mm
sistemas importados de iontoforese com bateria e eletrodos com subseqüente absorção capilar e transporte transmem-
descartáveis do tipo patch auto-adesivos de tamanhos e formas brana.35

*http://www.c ochrane.birem e.br


Vol. 9 No. I, 2005 Iontoforese: Fundamentação Teórica 3

Os mecanismos envolvidos na transferência transdermal a amplitude da corrente e a duração da aplicação, associadas


por iontoforese são (1) a eletrorrepulsão, criada pela interação à diminuição temporária da impedância, causem diminuição
droga-camp o elétrico, que provê força adicional para dire- do efeito de barreira da pele. 22
cionar íons de polaridade semelhante a do eletrodo sob o qual
são colocados; (2) a eletroosmose, que é o movimento transder- Estimativa da Penetração Transdermal por lontoforese
mal de parte do solvente juntamente com os componente s De acordo com a Lei de Faraday e como mostra a
neutros e iônicos nele diluídos; e (3) o aumento da permeabi- equação (1), a estimativa da quantidade do íon (<I>) introduzido
lidade intrínseca da pele pela aplicação do fluxo elétrico. 9 •36 por iontoforese através da pele é proporciona l à amplitude
Pelo mecanismo da eletrorrepuls ão, 9 tanto drogas de e duração da aplicação da corrente elétrica:
valência positiva quanto negativa serão liberadas, desde que ·
sejam colocadas sob o eletrodo que apresente a mesma carga <I> (equivalente-grama*)= I x T x Z x F (1)
elétrica. Assim, drogas de valência positiva deverão ser em que: I= intensidade (em amperes); T =tempo de aplicação
exclusivame nte colocadas sob o pólo positivo, enquanto as (em horas); Zé a valência do íon a ser transferido; e F é a
de valência negativa, somente no pólo negativo. constante de Faraday. 20
Durante a aplicação de corrente elétrica contínua através A partir da equação (1) é possível concluir que quanto
da pele verifica-se um fluxo de água do ânodo (pólo positivo) maior o tempo de aplicação e a amplitude da corrente, maior
para o cátodo (pólo negativo), que é conhecido como fluxo será a quantidade transferida do íon. Também é possível
eletroosmóti co. Esse fluxo induzido eletricament e causa um deduzir que quanto menor a amplitude da corrente, maior
movimento transdermal de solutos ionizáveis e não carregados o tempo de aplicação para que a mesma quantidade do íon
eletricament e que estão dissolvidos na solução doadora. No seja transferida, ou vice-versa. No entanto, para aplicação
entanto, o fluxo eletroosmót ico depende da característic a de uma corrente contínua, a máxima amplitude pode ser deter-
elétrica da membrana sobre a qual está sendo aplicada a cor- minada pela densidade de corrente. A relação de amplitude
rente. Em condições fisiológicas, a pele tende à acidez (pH ao longo do tempo sugerida na literatura varia de 20 a 100
de 3 a 4) e a queratina no estrato córneo é isoelétrica (neutra). mA x minuto 40 ·35 (mAmin), enquanto a Food and Drugs
Nessas condições, o fluxo eletroosmót ico aumenta a Administrat ion (FDA) sugere 80 mAmin como a relação
penetração de íons negativos, enquanto a liberação de íons máxima entre amplitude e tempo para aplicações de
positivos é retardada. 37 No entanto, ainda não está estabelecido iontoforese. 41 Assim, são previstas doses de O, 1 a 1 mA por
pela literatura atual se a eletroosmos e desempenha maior área do eletrodo em centímetros quadrados (cm 2), sendo que
papel de transferência que a eletrorrepulsão. Muitos estudos a relação de 0,3 a 0,5 mA/cm 2 é a mais descrita em estudos
têm sido conduzidos para observar os efeitos do fluxo clínicos de iontoforese em humanos. 35 •39 .4 2 Como o tamanho
elestroosmó tico na transferênci a de peptídeos que, em do eletrodo deve ser compatível com a área alvo,
condições fisiológicas, não se apresentam como moléculas eventualmente, as doses calculadas pela densidade de corrente
neutras. Kim et al. 38 estudaram o fluxo de água CH 0) e o podem atingir valores que predispõem os pacientes a riscos
2
manitol marcados, transferidos por iontoforese (1 O horas, de irritação local pela estimulação de terminações nervosas
0,36 rnNcm 2), usando como modelo pele de rato e verificaram livres e queimadura s. O acúmulo de produtos como o
que 50% do valor referente à transferência desse soluto não hidróxido de sódio, uma base forte que se forma abaixo do
ionizável devia-se à participação do fluxo de água, cátodo durante a estimulação em decorrência dos efeitos
confirmando o fenômeno da eletroosmos e. polares e reações secundárias à galvanização , é responsável
Como descrito anteriormente, a pele é caracterizada por pelos efeitos adversos que os pacientes podem sofrer. Os
impedância relativament e alta associada principalmen te ao mecanismos ou reações envolvidas nesse processo são: 43
estrato córneo. 9 •36 Durante a iontoforese, a concentração de
Pólo Positivo (Ânodo): 2CJ- + 2H20 = 2HC1 + Y2 O .
íons no estrato córneo aumenta e a resistência da pele diminui, 2 (gas)

aumentando sua permeabilidade durante a passagem do campo Pólo Negativo (Cátodo): 2Na+ + 2H 20 = 2NaOH + W
(gás)
elétrico. Ao final da aplicação de fluxo de corrente elétrica, Assim, sugere-se que inicialmente o cálculo da dose seja
a concentração iônica local retoma gradualment e aos níveis feito pela densidade de corrente, considerando uma proporção
fisiológicos normais, significando que os íons se difundiram de 0,5 mA/cm2 • No entanto, a dose de segurança não deve
do ponto onde foram transferidos em direção à solução ultrapassar 5 mA e o tempo de aplicação total deve ser
eletrolítica remanescen te em contato com a pele ou para aumentado proporcional mente considerando o limite de 100
camadas mais profundas da pele. 39 A recuperação da mAmin. Por exemplo, utilizando eletrodos de 15 cm 2, uma
impedância da pele parece ser independent e da natureza dose de 7,5 mA seria compatível com a densidade anteriormente
iônica da solução transferida e não há evidências de que proposta, contudo, está acima da dose de segurança. Assim,

*Equivalente-grama de um elemento químico é a massa deste elemento que é capaz de reagir com I grama de hidrogênio
ou 8 gramas de
oxigênio.
4 Oliveira, A. S., Guaratini, M. I. e Castro, C. E. S. Rev. bras. fisioter.

uma dose máxima de até 5 mA, que não promova estimulação 40 e valência positiva 2) ou o zinco (Zn, peso molecular 65
sensorial, deve ser utilizada. Hipoteticamente, se essa dose e valência positiva 2). No entanto, Singh et al. 45 estudaram
for de 2 ou 3 mA, o tempo de administração da iontoforese a transferência por iontoforese de salicilato (ânion),
será de 33 ou 50 minutos, respectivamente. feniletilamina (cátion), manitol (neutro de baixo peso mo-
Glass et a/. 11 introduziram por iontoforese dexametasona- lecular) e insulina (componente neutro de alto peso molecular)
sódio-fosfato (D-Na-P) radiomarcada em tecido animal para usando um modelo de pele humana excisada. Os autores
determinar a distribuição e a quantidade da droga liberada. comprovaram que tanto ânions quanto cátions e substâncias
Foram dispostos eletrodos nas articulações do ombro, cotovelo, neutras de baixo ou alto peso molecular são transferidas por
quadril, joelho e tornozelo de ambos os lados, direito e iontoforese com maior efetividade se comparadas às quan-
esquerdo, em macacos Rhesus. Os eletrodos foram divididos tidades transferidas por difusão passiva não influenciada pela
em eletrodos de teste, que recebiam a estimulação, e eletrodos- passagem da corrente elétrica. É importante ressaltar que
controle, que não foram submetidos a corrente elétrica. Cada metálicos, como o cobre (Cu), o zinco (Zn) e a prata (Ag),
um dos eletrodos recebeu 1 ml da solução e uma corrente que apresentam densidades entre 7, 14 e 10,5 g/ml, podem
contínua de 5 mA foi aplicada durante 20 minutos. Ao final formar precipitados insolúveis em solução aquosa, limitando
da aplicação, as concentrações de D-Na-P variaram de a transferência transdermal. 46
articulação para articulação, sendo as maiores concentrações A associação de íons no mesmo solvente parece des-
encontradas na pele e no tecido periarticulares e menos de vantajosa, pois maiores quantidades relativas de co-íons na
I% da quantidade total da droga transferida foi recolhida em solução doadora competirão com os íons medicamentosos pela
amostras de sangue. Os resultados desse trabalho também transferência. 35 A forma como o princípio ativo é encontrado
revelaram que a quantidade de droga presente no eletrodo no medicamento, forma molecular ou iônica, tem grande
ao final da aplicação variou entre 20% e 30% da quantidade influência no processo de transferência através das membranas
inicial. Não foram observadas variações significativas na e deve ser considerada. 47 A estabilidade do pH da solução
quantidade de droga inicial e final nos eletrodos-controle. doadora é importante, pois essa variável pode determinar a
Curdy et al. 39 avaliaram a quantidade de piroxicam quantidade do fármaco em estado ionizado. Mudanças no pH
transferida por iontoforese para a pele de humanos (in vivo) de soluções doadoras podem resultar em diminuição da quan-
por corrente contínua (0,3 mA/cm 2 ) em períodos de 30, 60 tidade relativa de droga no estado ionizável e, portanto, diminuir
e 125 minutos. Concentrações superiores de piroxicam foram a quantidade de íons para transferência com conseqüente
detectadas no estrato córneo com aplicação de 120 e 60 redução do número efetivamente aplicado. 47
minutos, quando comparadas à aplicação de 30 minutos. A Propriedades da fonte elétrica: partindo da equação (1)
quantidade da droga transferida presente nas amostras de pode-se concluir que o mesmo número de íons será
estrato córneo aumentou linearmente em função do tempo transportado em diferentes amplitudes de corrente se o tempo
de aplicação. de passagem do fluxo de corrente for modificado de maneira
diretamente proporcional. Como resultado, temos diferentes
Fatores que Influenciam na Transferência por Iontoforese valores de amplitude e duração de aplicações relatados na
Vários fatores influenciam o processo de transferência literatura. Esses valores variam de 0,06-0,1 mA em aplicações
de drogas por iontoforese. Neste artigo são destacadas: (1) de 24 horas com eletrodos do tipo patch, 48 ·49 até valores entre
as propriedades da droga (concentração, propriedades ele- O, 1-1 mA/cm 2 em aplicações de 20 minutos em média com
trolíticas, valência, tamanho molecular e pH); (2) as pro- equipamentos clínicos convencionais. 16. 3039 ·50 A maior parte
priedades da fonte de corrente elétrica (polaridade e tipo dos equipamentos nacionais que disponibilizam corrente
de saída); e (3) as variáveis biológicas (local de aplicação, contínua oferecem uma forma de saída constante de
fluxo sangüíneo e idade). amplitude, permitindo aplicações relativamente mais seguras
Propriedades da droga: em diferentes tipos de admi- em relação aos aparelhos de voltagem constante, os quais
nistração e também para a iontoforese, o aumento da con- são comuns no mercado internacional.
centração da droga na solução doadora aumenta linearmente Também é observado na lite'ratura o uso de correntes
o fluxo de transferência. 9 No entanto, em sais, uma baixa alternadas em técnica de iontoforese para evitar a polarização
concentração favorece maior dissociação iônica e, assim, da pele durante a aplicação de corrente contínua. Embora
concentrações de 1% a 10% são mais freqüentemente tenha sido observado menor risco de aplicação com correntes
descritas. 43 ·44 · não contínuas, seu uso é pouco relatado para fármacos
A valência, a polaridade e o número de transferência freqüentemente escolhidos na prática fisioterapêutica e a
relativo ao tamanho do íon podem influenciar a penetração redução do risco de lesão para o paciente não está com-
iônica. Cátions monovalentes e pequenos, como o sódio (Na, pletamente comprovada. 50·51 Reinauer et al. 52 compararam
peso molecular 23 e valência positiva 1), apresentam maior a efetividade de três tipos de iontoforese de água para o tra-
permeabilidade que íons (cátions ou ânions) bivalentes ou tamento da hiperidrose: com corrente contínua, com corrente
grandes, como, por exemplo, o cálcio (Ca, peso molecular alternada e com corrente alternada com base contínua. A
Vol. 9 No. I, 2005 Iontoforese: Fundamentação Teórica 5

hiperidrose foi completamente controlada com os protocolos in vivo. 58 Assim, ainda não se pode afirmar que crianças se
que utilizaram corrente contínua e corrente alternada com beneficiariam com a maior penetração de drogas transferidas
base contínua, enquanto os resultados empregando corrente por iontoforese que os adultos.
alternada não mostraram efetividade no controle da disfunção.
Variáveis biológicas: em condições fisiológicas, na faixa Considerações Finais
de pH entre 3 e 4, a pele torna-se isoelétrica e, portanto, não De acordo com as características fisiológicas da pele,
conduz íons; com pH abaixo de 3, os poros tornam-se a transferência transdermal de substâncias ionizáveis por
positivos, facilitando a penetração de íons negativos, enquanto difusão passiva é limitada. Assim, a iontoforese constitui
com pH acima de 4, os poros tomam-se negativos e, portanto, alternativa para potencializar a transferência de tais
mais permeáveis a íons positivos. Portanto, o pH da pele substâncias, garantindo níveis de concentração superiores
influencia na penetração iônica pela mudança da carga elétrica à difusão passiva não facilitada pela corrente elétrica, su-
dos poros. 53 ficientes para desencadear os efeitos terapêuticos desejados.
A influência do fluxo sangüíneo na região alvo foi Em decorrência da eletrorrepulsão, a corrente contínua foi
investigada por Cross & R'oberts. 54 Os autores realizaram eleita a fonte preferencial, uma vez que o fluxo de elétrons
um trabalho com cii1co diferentes cátions monovalentes, que é unidirecional e constante durante o período de aplicação.
foram transferidos por iontoforese a dois grupos de ratos, Clinicamente, a estimativa de penetração iônica pode ser
um sob anestesia e outro sacrificado, para determinar a controlada pela manipulação racional dos parâmetros de tempo
importância do fluxo sangüíneo na penetração desses íons. e amplitude, considerando dose de segurança 5 mA e relação
Em ambos os grupos, a maior concentração dos íons estava máxima de I 00 mAmin. De forma geral, um sal dissolvido
na epiderme. No entanto, no grupo de ratos apenas em solução de pH estável e com concentração entre 1% e
anestesiados, pequenas concentrações iônicas foram 10% forneceria um número relativamente superior de íons
observadas mais profundamente nos tecidos quando para a transferência. No entanto, vários princípios ativos ou
comparadas ao grupo sacrificado. Os autores concluíram que fármacos, em diferentes tipos de fontes iônicas, são indicados
o fluxo sangüíneo tem papel importante na distribuição do para a transferência por iontoforese e, em sua maioria, para
medicamento para camadas mais profundas dos tecidos. o tratamento de dor e inflamação. Futuros trabalhos
A impedância da pele depende de sua espessura, do grau experimentais/clínicos controlados e revisões sistemáticas
de hidratação celular e do número de glândulas sudoríparas devem prover evidências relativas à transferência transdermal
e folículos pilosos, que são as vias de baixa impedância em por iontoforese.
relação ao estrato córneo. 9 Yamamoto & Yamamoto 55 demons-
traram in vivo que a resistência elétrica da pele reside espe- Agradecimentos- À dra. Cláudia Innocentini Guaratini (química) e à profa.
ms. Karina Ferrazzoli Devienne (farmacêutica) pelo auxílio na elaboração desta
cialmente no estrato córneo e que essa característica diminui revisão.
nas camadas subseqüentes. Assim, é possível concluir que
regiões como a palma das mãos e a planta dos pés são locais
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA S
recomendáveis para a transferência transdermal por iontoforese,
pois possuem elevada quantidade de glândulas sudoríparas 1. Barry BW. Novel mechanisms and devices to enable successful
e menor espessura de estrato córneo quando comparadas a transdermal drug delivery. Eur J Pharm Sei 2001; 14: I 01-114.
outras regiões passíveis de receber a aplicação. 2. Costello CT, Jeske AH. Iontophoresis: applications in
A influência da idade na permeabilidade transdermal transdermal medication delivery. Phys Ther 1995; 75: 554-563.
(difusão passiva) foi investigada por alguns autores. 56·57 Em 3. Leduc S. Electric ions and their use in medicine. Liverpool:
geral, a pele das crianças é mais permeável às drogas testadas Reabman Ltda, 1908. In: Banga AK, Chie YW. Iontophoretic
em relação à dos adultos. Contudo, o efeito da idade no delivery of drugs: fundamentais, developments and biomedical
transporte transdermal com iontoforese apenas foi descrito applications. J Control Rei 1988; 7: 1-24.
em modelo animal. Kanikkannan et al. 58 estudaram a 4. Helmstadter A. The history of electrically-assisted transdermal
penetração do maleato de timolol, um bloqueador beta drug delivery ("iontophoresis"). Pharmazie 2001; 56: 583-587.
adrenérgico não seletivo, administrado por via oral a pacientes 5. Perron M, Malouin F. Acetic acid iontophoresis and ultrasound
com hipertensão e ángina pectoris, quando aplicado por for the treatment of calcifying tendinitis of the shoulder: a
iontoforese em pele retirada de ratos Wistar de 1 a 8 meses randomized control trial. Arch Phys Med Rehabil 1997; 78: 379-
384.
de idade. Segundo os autores, a idade da cobaia não influen-
ciou na concentraçãó de droga transferida, porém, a mesma 6. Gudeman SD, Eisele SA, Heidt RS Jr, Colosimo AJ, Stroupe
AL. Treatment of plantar fasciitis by iontophoresis of 0.4%
conclusão não deveria ser aplicada a humanos em decorrência
dexamethasone. A randomized, double-blind, placebo-controlled
de diferenças fisiológicas próprias da espécie e da condição study. Am J Sports Med 1997; 25: 312-316.
6 Oliveira, A. S., Guaratini, M. L e Castro, C, E. S. Rev. bras. fisioter.

7. Layman PR, Argyras E, Glynn CJ. Iontophoresis of vincristine 23. Evans TA, Kunkle JR, Zinz KM, Walter JL, Denegar CR. The
versus saline in post-herpetic neuralgia. A controlled trial. Pain immediate effect of lidocaine iontophoresis on trigger-point
1986; 25: 165-170. pain. J Sports Rehabil 2001; J 0: 287-297.
8. Oliveira AS, Guaratini MI, Castro CES. lontoforese: 24. Runeson L, Haker E. Iontophoresis with cortisone in the
Fundamentos e aplicações em fisioterapia. Anais da XII treatment of lateral epicondylalgia (tennis elbow) -a double-
Reunião da Federação de Sociedades de Biologia Experimental blind study. Scand J Med Sei Sports 2002; 12: 136-142.
1997: 30.018.
25. Bertolucci LE. lntroduction of anti-inflammatory drugs by
9. Barry BW. Drug delivery routes in skin: a novel approach. Adv iontophoresis: double blind study. J Orthop Sports Phys Ther
Drug Deliv Rev 2002; 54: S31-S40. 1982; 4: 103-108.
J O. Greenbaum SS. Iontophoresis as a tool for anesthesia in 26. Hasson SM, Henderson GH, Daniels JC, Schieb DA. Exercise
dermatologic surgery: an overview. Dermatol Surg 2001; 27: training and dexamethasone iontophoresis in rheumatoid
1027-1030. arthritis: a case study. Physiotherapy Can 1991; 43: 11-14.
11. Glass JM, Stephen RL, Jacobson SC. The quantity and 27. Hasson SM, Wible CL, Reich M, Barnes WS, Williams JH.
distribution of radiolabeled dexamethasone delivered to tissue Dexamethasone iontophoresis: effect on delayed muscle
by iontophoresis. Int J Dermatol 1980; 19: 519-525. soreness and muscle function. Can J Sport Sei 1992; 17: 8-13.
12. Harris PR. lontophoresis: clinicai research in musculoskeletal 28. Reid KI, Dionne RA, Sicard-Rosenbaum L, Lord D, Dubner
inflammatory conditions. J Orthop Sports Phys Ther 1982; 4: RA. Evaluation of iontophoretically applied dexamethasone for
109-112. painful pathologic temporomandibular joints. Oral Surg Oral
13. Nirschl RP, Rodin DM, Ochiai OH, Maartmann-Moe C. DEX- Med Oral Pathol 1994; 77: 605-609.
AHE-0 1-99 Study Group. lontophoretic administration o f 29. Perron M, Malouin F. Acetic acid iontophoresis and ultrasound
dexamethasone sodium phosphate for acute epicondylitis. A for the treatment of_ calcifying tendinitis of the shoulder: a
randomized, double~blinded, placebo-controlled study. Am J randomized control trial. Arch Phys Med Rehabil 1997; 78:
Sports Med 2003; 31: 189-195. 379-384.
14. Gillick BT, Kloth LC, Starsky A, Cincinelli-Walker L. 30. Bumin G, Can F. Effects of iontophoresis and phonophoresis
Management of postsurgical hyperhidrosis with direct current methods on pain in cases with shoulder periarthritis. Pain Clin
and tap water. Phys Ther 2004; 84: 262-267. 2001; 13: 159-162.
15. Karakoc Y, Aydemir EH, Kalkan MT, Una! G. Safe control of 31. Stamatialis DF, Rolevink HH, Koops GH. Controlled transpor!
palmoplantar hyperhidrosis with direct electrical current. lnt of timolol maleate through artificial membranes under passive
J Dermatol 2002; 41: 602-605. and iontophoretic conditions. J Control Release 2002; 81: 335-
16. Stolman LP. Treatment of excess sweating of the palms by 345.
iontophoresis. Arch Dermatol 1987; 123: 893-896. 32. Curdy C, Kalia YN, Falson-Rieg F, Guy RH. Recovery of
17. Garagiola U, Dacatra U, Braconaro F, Porretti E, Pisetti A, human skin impedance in vivo after iontophoresis: effect of
Azzolini V. Iontophoretic administration of pirprofen or lysine metal ions. AAPS Pharm Sei 2000; 2: E23.
soluble aspirin in the treatment of rheumatic diseases. Clin Ther 33. Curdy C, Kalia YN, Naik A, Guy RH. Piroxicam delivery into
1988; I 0: 553-558. human stratum corneum in vivo: iontophoresis versus passive
18. Pellecchia GL, Hamel H, Behnke P. Treatment of infrapatellar diffusion. J Control Release 2001; 76: 73-79.
tendinitis: A combination of modalities and transverse friction 34. Nolan LM, Corish J, Corrigan OI, Fitzpatrick O. Iontophoretic
massage versus iontophoresis. J Sport Rehabil 1994; 3: 135- and chemical enhancement of drug delivery. Int J Pharm 2003;
145. 257(Ptl ): 41-55.
19. Li LC, Scudds RA, Heck CS, Harth M. The efficacy of 35. Kahn J. Princípios e prática de eletroterapia. 4' ed. São Paulo,
dexamethasone iontophoresis for the treatment of rheumatoid (SP): Editora e Livraria Santos; 2001. P. 119-140.
arthritic knees: a pilot study. Arthritis Care Res 1996; 9: 126- 36. Pikal MJ. The role of e1ectroosmotic flow in transderema1
132. iontophoresis. Adv Drug Deliv Rev 1992; 9: 201-237.
20. Gudeman SD, Eisele SA, Heidt RS Jr, Colosimo AJ, Stroupe 37. Green PG. Iontophoretic delivery o f peptide drugs. J Contrai
AL. Treatment of plantar fasciitis by iontophoresis of 0.4% Re1ease. 1996; 41: 33-38.
dexamethasone. A randomized, double-blind, placebo-
controlled study. Am J Sports Med 1997; 25: 312-316. 38. Kim A, Green PG, Rao G, Guy RH. Convective solvent flow
across the skin during iontophoresis. Pharm Res 1993; 10:
21. Demirtas RN, Oner C. The treatment of lateral epicondylitis 1315-1320.
by iontophoresis of sodium salicylate and sodium diclofenac.
Clin Rehabil 1998; 12: 23-29. 39. Curdy C, Kalia YN, Guy RH. Post-iontophoresis recovery of
human skin impedance in vivo. Eur 1 Pharm Biopharm 2002;
22. Ulreich A, Leibrecht W, Promer M, Kullich W. Infiltration 53: 15-21.
versus iontophoresis in case of epicondylitis- A comparative
study. Physikalische Medizin Rehabilitationsmedizin 40. Meyer DR, Linberg JV, Vasquez RJ. lontophoresis for eyelid
Kurortmedizin 1996; 6: 183-185. anesthesia. Ophthalmic Surg 1990; 21: 845-848.
Iontoforese: Fundamentação Teórica 7
Vol. 9 No. I, 2005

41. C ode of federal regulations from the U .S. Government Printing 50. Shibaji T, Yasuhara Y, Oda N, Umino M. A mechanism of the
Office. Title 2. Chapter I, Food and drug · administration high frequency AC iontophoresis. J Control Release 2001; 73:
department of health and human services, Part 890, Sec. 37-47.
890.5525 Iontophoresis Device. http://www.accessdata.fda.gov/ 51. Zhu H, Peck KD, Miller DJ, Liddell MR, Yan G, Higuchi WI,
scripts/cdrh/c fdocs/cfcfr/CF RSearch.cfm? FR=890.5525 , em 8 et al. Investigation of properties of human epidermal membrane
de julho de 2004. under constant conductance alternating current iontophoresis.
42. Nugroho AK, Li G, Grossklaus A, Danhof M, Bouwstra JA. J Control Release 2003; 89: 31-46.
Transdermal iontophoresis of rotigotine: influence of concentration, 52. Reinauer S, Neusser A, Schauf G, Holzle E. Iontophoresis with
temperature and current density in human skin in vitro. J Contrai altemating current and direct current offset (AC/DC iontophoresis):
Release 2004; 96: 159-167. a new approach for the treatment of hyperhidrosis. Br J Dermatol
43. Bisschop G, Bisschop E, Commandré F. Eletrofisioterapia. São 1993; 129: 166-169. .
Paulo (SP): Editora e Livraria Santos; 2001. P. 24-34. 53. Lynn SM, Robinson AJ. Clinicai electrophysio logy- electro-
44. Ciccone CD. Pharmacology in rehabilitation. 3th ed. therapy and electrophysiologic testing. Baltimore, MD: Williams
Philadelphia, USA: F.A.Davis Company; 2001. Appendix A. & Wilkins; 1989. P. 247-260.

45. Singh P, Anliker M, Smith GA, Zavortink D, Maibach HI. 54. Cross SE, Roberts MS. Importance of dermal blood supply and
Transdermal iontophoresis and solute penetration across excised epidermis on the transdermal iontophoretic delivery of monovalent
human skin. J Pharm Sei 1995; 84: 1342-1346. cations. J Pharm Sei 1995; 84: 584-592.

46. Bonne DC. Applications of iontophoresis. In: Wolf SL. 55. Yamamoto Y, Yamamoto T. Measurement of electrical bio-
Electrotherapy. Edinburgh (UK): Churchill Livingstone; 1995. impedance and its applications. Med Prog Technol 1987; 12:
P. 99-121. 171-183.

47. Nugroho AK, Li GL, Danhof M, Bouwstra JA. Transdermal 56. Nachman RL, Esterly NB. Increased skin permeability in
iontophoresis of rotigotine across human stratum corneum in preterm infants. J Pediatr 1971; 79: 628-632.
vitro: influence of pH and NaCI concentration. Pharm Res 2004; 57. Wester RC, Noonan PK, Cole MP, Maibach Hl. Percutaneous
21: 844-850. absorption of testosterone in the newborn rhesus monkey:
48. Anderson CR, Morris RL, Boeh SD, Panus PC, Sembrowich comparison to the adult. Pediatr Res 1977; 11: 737-739.
WL. Effects of iontophoresis current magnitude and duration 58. Kanikkannan N, Singh J, Ramarao P. In vitro transdermal
on dexamethasone deposition and localized drug retention. Phys iontophoretic transport of timolol ma1eate: effect of age and
Ther 2003; 83: 161-170. species. J Control Release 2001; 71: 99-105.
49. Anderson C, Boeh S, Morris R, Sembrowich W, Panus P.
Quantification of total dexamethason e phosphate delivery by
iontophoresis. Int J Pharm Compound 2003; 7: 155-159.