Você está na página 1de 7

UNASP

Enfermagem, Fisioterapia, Nutrição


GESTÃO DE PESSOAS
Profa. Dra. Márcia Lopes Weber

Teorias da Administração

A ADMINISTRAÇÃO

Como fonte de origem da administração, várias foram as contribuições nos


pensamentos e teorias aplicadas e utilizadas até hoje. A sociedade humana é feita
de organizações e essas organizações, de pessoas com ideias, sentimentos,
pensamento, aspirações e de todo um conjunto de ações que viabilizam a
existência da sociedade. Por essas razão, as contribuições foram e serão
importantes na formação da sociedade moderna.
Todas as instituições que compõem a sociedade moderna não vivem ao
acaso. Elas precisam ser administradas. Essas instituições são chamadas
organizações. As organizações são constituídas de recursos humanos (pessoas) e
de recursos não-humanos (recursos físicos e materiais, recursos financeiros,
recursos tecnológicos, recursos mercadológicos...). Toda a produção de bens
(produtos) e de serviços (atividades especializadas) é realizada dentro de
organizações.
As organizações são extremamente heterogêneas e diversificadas, de
tamanhos diferentes, estruturas diferentes e objetivos diferentes. Não existem duas
organizações semelhantes. E uma mesma organização nunca é igual ao longo do
tempo. Existem organizações lucrativas (as empresas) e organizações não-
lucrativas (como as Forças Armadas, a igreja, os serviços públicos, as entidades
filantrópicas...).
É a administração que faz as organizações serem capazes de utilizar
corretamente seus recursos e atingir seus objetivos. As organizações transformam
recursos em produtos e serviços, com o objetivo de resolver problemas dos seus
usuários e das pessoas que as criaram. As organizações podem ser eficientes e
eficazes, ou ineficientes e ineficazes, e criar problemas ao invés de resolver,
dependendo da forma com que são administradas.

CONCEITO DE ADMINISTRAÇÃO

A palavra administração vem do latim: ad (direção para tendência para) e


minister (subordinação ou obediência) e significa aquele que realiza uma função
abaixo do comando de outrem. No entanto, a palavra administração sofre uma
radical transformação no seu significado original. A tarefa da Administração é a de
interpretar os objetivos propostos pela organização e transformá-los em ação
organizacional por meio de planejamento, organização, direção e controle de todos
os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da organização, a
fim de alcançar tais objetivos da maneira mais adequada à situação.
A administração é o processo de tomar decisões sobre objetivos e utilização
de recursos. É praticada de diversas formas desde os primórdios da civilização. Há
quem diga que é a mais antiga das profissões, e é praticada desde que existem os
primeiros agrupamentos humanos, embora seja bastante comum ouvir que trata-se
de um novo campo de trabalho. A tarefa básica da Administração é fazer as coisas
por intermédio das pessoas.

Mesmo não sendo uma área nova, a novidade na administração está na


sistematização dos conceitos da administração e a complexidade que atingiram no
passado recente as grandes organizações. A moderna teoria geral da
administração que estuda-se atualmente é formada por conceitos que surgiram e
vêm-se reciclando há muito tempo, desde que os administradores do passado
enfrentaram problemas práticos e precisaram de técnicas para resolvê-los. Há um
exemplo clássico presente na Bíblia Sagrada:

A Bíblia relata que Moisés estava passando o dia cuidando de pequenas


causas que o povo lhe trazia, numa população estimada em 3 milhões de
pessoas. Então Jetro, seu sogro, deu-lhe um conselho:
“Procure homens que sejam capazes de serem líderes de 10, 100, 1000
homens”.
Jetro estava recomendando a Moisés que escolhesse pessoas capacitadas
para desempenhar as atividades propostas, de forma que pudesse confiar
nelas e delegar tarefas, criando uma hierarquia no processo de atendimento
aos seus seguidores. Dessa forma, sobraria muito mais tempo para que ele
pudesse dar maior atenção e focar nas decisões mais estratégicas. (Êx
18:13-24)

Assim, a Administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e


controlar o uso de recursos a fim de alcançar objetivos.

“É o processo de tomar e colocar em prática decisões sobre objetivos e utilização


de recursos.” (Maximiano, 2004)”

Objetivos e recursos a considerar pelo administrador:


RECURSOS
Pessoas
Informações e Conhecimento
Espaço
Tempo
Dinheiro
Instalações

OBJETIVOS DECISÕES
Resultados Planejamento
esperados Organização
do sistema Execução e
direção
Controle

Há mais de 2000 anos, já existia administração com alguma complexidade no


Império Romano. Registros históricos indicam que a Igreja Católica Romana já
dispunha de modelos de administração no século II. O administrados começa a
aparecer e tomar forma com a Revolução Industrial, já que a mudança de perfil
produtivo que antes era totalmente artesanal, passa para um novo processo onde o
emprego de máquinas e as grandes quantidades produzidas necessitavam,
também, de pessoas que pudessem proporcionar a gestão dos novos meios
industriais.

TEORIAS ADMINISTRATIVAS

Com o advento das fábricas, a partir da Revolução Industrial, e


automaticamente do trabalho assalariado, as cidades começaram a crescer, o que
desencadeou um processo social que afetou a vida das pessoas. Desencadeou-se,
então, necessidades que governos e empresas passassem a preocupar-se em
providenciar soluções para problemas como moradia, saúde coletiva e educação.
A administração, como ciência, data do início do século XX, e iniciou-se com
os estudos de Frederick Taylor, um engenheiro norte-americano.
O conteúdo do estudo da administração é variável de acordo com a teoria ou
escola considerada, variando em seus enfoques, ênfases, teorias e características
essenciais. O resumo destas teorias está apresentado nas tabelas 1 e 2.
Tabela 1: Teorias administrativas, conforme ênfase.

Tabela 2: Teorias da administração, a partir da ênfase, características e principais


enfoques.
TEORIAS
ÊNFASE CARACTERÍSTICAS
ADMINISTRATIVAS PRINCIPAIS ENFOQUES
Administração Corrente iniciada por Taylor. Racionalização do
Científica (Taylor, Considerava a administração trabalho no nível
1903) uma ciência aplicada na operacional.
Nas tarefas racionalização e no
planejamento das atividades
dos operários.
Teoria Clássica Corrente iniciada por Fayol,
(Fayol, 1916) para o tratamento da
administração como ciência na Organização formal.
formatação e na estruturação Princípios gerais da
das organizações. administração.
Funções do
Na
administrador:
estrutura
Planejamento,
Teoria Neoclássica Corrente eclética e pragmática, Organização,
(1954) baseada na atualização e no Coordenação,
redimensionamento da Teoria Controle.
Clássica e na ênfase colocada
nos objetivos.
Teoria da Burocracia Corrente baseada nos
(Weber, 1909) trabalhos de Max Weber. Organização formal
Descreve as características do burocrática.
modelo burocrático de Racionalidade
organização. organizacional.
Teoria Estruturalista Corrente baseada na sociologia Múltipla abordagem:
(1947) organizacional. Procura Organização formal e
consolidar e expandir os informal; análise intra-
horizontes da administração. organizacional e inter-
organizacional.
Teoria das Relações Corrente iniciada com a Organização informal.
Humanas (1932). experiência de Hawthorne. Motivação, liderança,
Integração das Combatia os pressupostos comunicações e
pessoas nos grupos clássicos através da ênfase nas dinâmica de grupo.
sociais e a satisfação pessoas e nas relações
das necessidades humanas.
individuais
Teoria do Corrente baseada na psicologia Estilos de
Nas Comportamento organizacional. Redimensiona e administração. Teoria
pessoas Organizacional(1957) atualiza os conceitos da Teoria das decisões.
das Relações Humanas. Integração dos
objetivos
organizacionais e
individuais.
Teoria do Corrente baseada na psicologia Mudança
Desenvolvimento organizacional. Redimensiona e organizacional
Organizacional atualiza os conceitos da Teoria planejada. Abordagem
(1962) das Relações Humanas. de sistema aberto.
Teoria Estruturalista Corrente baseada na sociologia Análise intra-
(1947) organizacional. Procura organizacional e
consolidar e expandir os ambiental. Abordagem
horizontes da administração. de sistema aberto.
No Teoria da Corrente mais recente e que Análise ambiental
ambiente Contingência (1972) parte do princípio de que a (imperativo
administração é relativa e ambiental).
situacional - depende de Abordagem de sistema
circunstâncias ambientais e aberto.
tecnológicas da organização.
Teoria da Corrente mais recente e que Administração da
Contingência (1972) parte do princípio de que a tecnologia (imperativo
administração é relativa e tecnológico).
situacional - depende de
Na circunstâncias ambientais e
tecnologia tecnológicas da organização.
TEORIA CIENTÍFICA

Iniciada no início do século XX pelo engenheiro americano Frederick Taylor,


que provocou revolução no pensamento administrativo da época. Seu objetivo era
diminuir o desperdício e as perdas da indústria americana, e aumentar a
produtividade através da aplicação de métodos e técnicas da engenharia.
Considerando a Administração como ciência, Taylor centralizou seu estudo
no homem como ser eminentemente racional e motivado por recompensas salariais
e econômicas = conceito do “homo economicus”. Considerava que o homem
procurava o trabalho unicamente como meio de ganhar a vida, de fugir da fome.
Postulava a existência de uma única maneira certa de executar o trabalho,
que, descoberta e adotada, maximizaria a eficiência do trabalho.
Os administradores, que tiveram sua importância aumentada, existiriam em
número muito maior e seriam as cabeças do processo. Aos operários caberia
apenas executar estritamente as operações planejadas. A ênfase desta teoria era a
tarefa realizada pelo operário.

Fordismo - Henry Ford (1863-1947) fundador da Ford Motors, criou princípios


administrativos com base na Teoria Científica:
ü Princípio de intensificação: Diminuir o tempo de produção com o emprego
imediato dos equipamentos e da matéria-prima e a rápida colocação do
produto no mercado.
ü Princípio de economicidade: Reduzir ao mínimo o volume do estoque da
matéria-prima em transformação de forma que um automóvel fosse pago antes
de vencer a fatura da matéria-prima e dos salários.
ü Princípio de produtividade: Aumentar a capacidade de produção do homem
por meio da especialização e da linha de montagem.

TEORIA CLÁSSICA

Ao mesmo tempo que Taylor desenvolvia a Administração Científica nos


EUA, em 1916 surgia na França a Teoria Clássica da Administração. Com ênfase
na estrutura que a organização devia possuir para ser eficiente, a teoria clássica
partia do todo organizacional e da sua estrutura para garantir eficiência a todas as
partes envolvidas.
Fayol, que fundamentou esta teoria, fez uma análise lógico-dedutiva e
estabeleceu as funções universais da Administração: Planejamento ou Previsão,
Organização, Comando, Coordenação e Controle. Concebia a organização como
uma Estrutura.

TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS


Resultou de estudos e experiências realizadas por profissionais da
Universidade de Harvard na Western Eletric Company, em sua fábrica de
equipamentos telefônicos, a partir de 1927. O objetivo inicial deste estudo era
avaliar a correlação entre iluminação e eficiência dos operários medida por meio da
produção.
Este estudo delineou os princípios básicos da Escola de Relações
Humanas:

Ø Nível de produção é resultante da integração social;


Ø Há comportamento social nos empregados;
Ø Papel das relações humanas no trabalho é relevante;
Ø Ênfase nos aspectos emocionais das pessoas no trabalho.

A ênfase desta teoria é o elemento humano.

Elton Mayo definiu o trabalho como uma atividade tipicamente grupal, que
atende as necessidades típicas do ser humano de pertencer a um grupo, de ser
reconhecido, de segurança e afeto. É desta teoria a afirmação de que uma
indústria exerce duas funções básicas; a primeira, econômica, relativa à produção
de bens e serviços; e a segunda, social, relativa à criação e à distribuição de
satisfação às pessoas que envolve em sua operação. Surge a ideia da motivação
como a grande possibilidade de levar o indivíduo a trabalhar pelos objetivos da
organização.

REFERÊNCIAS:

Chiavenato I. Gerenciando com as pessoas. São Paulo: Campus, 2005.


Chiavenato I. Introdução à teoria geral da administração. 7. ed. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2004.
Drucker P. Fator humano e desempenho – o melhor de Peter Drucker sobre
administração. 3. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2002.
Maximiano A CA. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução
digital. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2006.
Motta F CP. Teoria geral da administração. 3.ed. São Paulo: Cengage Learning,
2006.
Pindick RS, Rubinfeld DL. Microeconomia. 6. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2005.