Você está na página 1de 2

A encenação poderia contar com duas ou mais de quatro pessoas.

No caso
de se preferir a presença de duas pessoas no palco, poderia haver uma terceira, que seria
o narrador. Mas acho que uma forma interessante de iniciar a peça seria com algumas
pessoas conversando com um senhor ou senhora (poderiam ser jovens que pedissem à
alguém mais velho, que contasse histórias sobre seus ancestrais). O senhor/senhora então,
começaria explicando que contaria então, como seu povo compreendia os ciclos das
estações do ano,e como eles acreditavam que este ciclo se repetia na vida dos deuses que
controlavam a vida na terra. Para o cenário, acho que uma opção barata e fácil de
transportar, seria pintar painéis em tecido branco, representando os vários cenários que
deverão ser mostrados.
O cenário mostraria um área em pleno inverno, com árvores sem folhas,
grandes montes de neve sobre a terra, poderia ter um lago ou rio congelado e, ao longe
poderia haver a silhueta de um pequeno povoado, ou aldeia. No centro do palco, um
grande portão fechado marca o início da peça (pode ser um pano pintado com um portão,
fixado bem na metade do palco). Uma senhora (pode parecer encurvada e caminhar
lentamente para parecer idosa) caminha em direção ao portão. Um pouco à sua frente um
homem (poderia ser alguém que parecesse bem maior que a pessoa que representasse a
Deusa) em pleno vigor físico, caminha, como se a guiasse.
- Senhora - Guia-me, meu senhor e rei, através de meus dias escuros. Guia os
homens de minha terra. Conceda-lhes caça, dê-lhes a erva, aqueça-lhes o corpo e conserve-
lhes a vida. Guie o mundo, durante os dias obscuros de inverno.
- Rei da Morte - Siga-me, senhora minha. Tens servido fielmente ao teu povo e ao
mundo. Sua sabedoria garantirá a continuação da espécie humana e sua força, garantirá seu
sucesso.
Se houver jogo de luzes, estas podem diminuir enquanto a Senhora e o Rei
da Morte caminham. Podem aumentar novamente e mostrar os dois, após ultrapassarem o
portão em direção a saída de cena. Neste momento poderia haver um narrador falando
sobre o Samhain. Alguma coisa do tipo:

Narração - Entre os antigos povos da Europa, o inverno era um período de


apreensão e cuidado. A comida era escassa e as necessidades do povo, muitas. A Deusa, que
juntamente com o Deus controla os ciclos da natureza, apresenta-se sobre a forma de uma
Velha sábia, que vela pela continuação da humanidade. O Deus, neste momento é o Rei da
Morte, que guia as almas perdidas através dos dias escuros do inverno.

Após a saída do casal, as luzes diminuiriam novamente, para a troca de


cenário. Se não houve jogo de luzes, poderia se fazer o portão pintado em dois pedaços de
pano, e o casal atravessaria por entre eles.
Após esta parte o cenário e obscuro e apresenta poucas luzes, o homem dá
lugar a uma criança (para ficar marcado que é a mesma pessoa, poderiam ser feitos
figurinos bem parecidos, mudando somente cores e poucos detalhes). O cenário poderia
mostrar algo que lembrasse o fim do inverno, com árvores em folhas, mas com montes de
neves derretida e um toque leve de verde renascendo em alguns pontos.
- Senhora - És a criança da promessa, o filho do sol, enviado por ele ao mundo para
garantir a restauração da vida à toda a natureza. Cresce, bela criança... Torne-se forte e
valorosa, e cumpra sua missão.
Narração - A escuridão reina em toda a terra, como se o mundo jazesse em um
caldeirão, o caldeirão da Deusa. Assim, o Rei das sombras transforma-se na Criança da
Promessa, o Filho do sol, que deverá nascer para restaurar a Natureza. Este é o Yulé.

A jovem senhora continua cuidando da criança e admira, ao longe o


espetáculo do mundo retornando à vida. Enquanto isso, a luz diminui para uma nova troca
de cenário.

Você também pode gostar