Você está na página 1de 33

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.

073-95
1
Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95
Amigo (a)!

Com muita garra e determinação chegamos a mais uma aula do nosso curso,
nesta aula, iremos abordar os conteúdos referentes ao tema Crescimento e
Desenvolvimento.
Primeiramente, apresentaremos a teoria e em seguida muitas questões
comentadas.

Boa aula!

Profº. Rômulo Passos

Profª. Raiane Bezerra

Profª. Cássia Moésia

Profª. Sthephanie Abreu


www.romulopassos.com.br

2
Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL
O crescimento é um processo dinâmico e contínuo, expresso pelo aumento do tamanho corporal.
Constitui um dos indicadores de saúde da criança. O processo de crescimento é influenciado por fatores
intrínsecos (genéticos) e extrínsecos (ambientais), entre os quais se destacam a alimentação, a saúde, a
higiene, a habitação e os cuidados gerais com a criança, que atuam acelerando ou restringindo tal processo
(BRASIL, 2002b). Deve-se valorizar também o crescimento intrauterino, pois diversos estudos atestam que
alterações no crescimento fetal e infantil podem ter efeitos permanentes na saúde do adulto (BARROS;
VICTORA, 2008).
De um modo geral, considera-se o crescimento como aumento do tamanho corporal e, portanto, ele
cessa com o término do aumento em altura (crescimento linear). De um modo mais amplo, pode-se dizer que
o crescimento do ser humano é um processo dinâmico e contínuo que ocorre desde a concepção até o final da
vida, considerando-se os fenômenos de substituição e regeneração de tecidos e órgãos. É considerado como
um dos melhores indicadores de saúde da criança, em razão de sua estreita dependência de fatores
ambientais, tais como alimentação, ocorrência de doenças, cuidados gerais e de higiene, condições de
habitação e saneamento básico, acesso aos serviços de saúde, refletindo assim, as condições de vida da
criança, no passado e no presente.

↑ do tamanho corporal

Cessa com o término do aumento em altura


CRESCIMENTO
(crescimento linear)
Processo dinâmico e contínuo → concepção
até o final da vida

Fatores Genéticos
Intrínsecos
CRESCIMENTO
Fatores Ambientais
Extrínsecos

Nas crianças menores de cinco anos, a influência dos fatores ambientais é muito mais importante do
que a dos fatores genéticos para expressão de seu potencial de crescimento. Os fatores genéticos
apresentam a sua influência marcada na criança maior, no adolescente e no jovem.
Portanto, a herança genética é o fator determinante do crescimento infantil, mas existe uma
dependência estabelecida com fatores ambientais, tais como alimentação, ocorrência de doenças, cuidados
gerais e de higiene.
As diversas partes do corpo apresentam diferentes ritmos de crescimento. Portanto, a cabeça no feto
aos 2 meses de vida intra-uterina representa, proporcionalmente, 50% do corpo; no recém-nascido representa
25% e na idade adulta 10%.

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


A partir do quinto ano, a velocidade de crescimento é praticamente constante, de 5 a 6 cm/ano até o
início do estirão da adolescência (o que ocorre em torno dos 11 anos de idade nas meninas e dos 13 anos nos
meninos). A velocidade de crescimento geral não é uniforme ao longo dos anos e os diferentes órgãos, tecidos
e partes do corpo não crescem com a mesma velocidade.
A vigilância nutricional e o monitoramento do crescimento objetivam promover e proteger a saúde da
criança e, quando necessário, por meio de diagnóstico e tratamento precoce para sub ou sobre alimentação,
evitar que desvios do crescimento possam comprometer sua saúde atual e sua qualidade de vida futura.
O acompanhamento sistemático do crescimento e do ganho de peso permite a identificação de crianças
com maior risco de morbimortalidade (BRASIL, 2001) por meio da sinalização precoce da subnutrição e da
obesidade (BRASIL, 2005a). Um estudo evidenciou melhorias no tocante ao conhecimento das mães sobre o
crescimento de seus filhos com o aconselhamento baseado na utilização das curvas de crescimento (PINPOINT;
GARNER, 2008).
O melhor método de acompanhamento do crescimento infantil é o registro periódico do peso, da
estatura e do IMC da criança na Caderneta de Saúde da Criança (BARROS; VICTORA, 2008).

CADERNETA DA SAÚDE DA CRIANÇA

Parâmetros para avaliação do crescimento de crianças (menores


de 10 anos):

 Perímetro cefálico (de zero a 2 anos);

 Peso para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a


10 anos);

 Comprimento/estatura para a idade (de zero a 2 anos, de


2 a 5 anos e de 5 a 10 anos),

 Índice de massa corporal (IMC) para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10 anos).

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam a utilização dos valores de
referência para o acompanhamento do crescimento e do ganho de peso das curvas da OMS de 2006 (para
crianças menores de 5 anos) e 2007 (para a faixa etária dos 5 aos 19 anos) (BRASIL, 2008).
A tabela a seguir apresenta os pontos de corte, de forma simplificada, para a avaliação do crescimento
da criança que podem ser avaliados a partir do registro dos dados antropométricos nas curvas disponíveis na
Caderneta de Saúde da Criança e pelo Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan), do Ministério da
Saúde.

Pontos de corte de peso para a idade para crianças menores de 10 anos

VALORES CRÍTICOS DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL


Percentil > 97 Escore z > +2 Peso elevado para a idade
Percentil ≥ 3 e 97 Escore z ≥ -2 e +2 Peso adequado para a idade
Percentil ≥ 0,1 e < 3 Escore z ≥ -3 e < -2 Peso baixo para a idade
Percentil < 0,1 Escore z < -3 Peso muito baixo para a idade

Pontos de corte de comprimento/altura para a idade para crianças


menores de 10 anos

VALORES CRÍTICOS DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL


Escore z > +2 Comprimento/altura adequado
Percentil ≥ 3
Escore z ≥ -2 e +2 para a idade
Comprimento/altura baixo para
Percentil ≥ 0,1 e < 3 Escore z ≥ -3 e < -2
a idade
Comprimento/altura muito
Percentil < 0,1 Escore z < -3
baixo para a idade

Todos os dias são inseridos novos vídeos potenciais nas disciplinas deste curso
Completo de Enfermagem para Concursos.

Ao final deste curso, acesse o menu Certificados na área do aluno para você fazer
download e imprimir seu certificado, com código de autenticidade.

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


Pontos de corte de IMC por idade para menores de 10 anos

VALORES CRÍTICOS DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL


Obesidade grave (acima de 5
Percentil > 99,9 Escore z > +3 anos) e obesidade (de 0 a 5
anos).
Obesidade (acima de 5 anos) e
Percentil > 97 e 99,9 Escore z +2 e +3
sobrepeso (de 0 a 5 anos).
Sobrepeso (acima de 5 anos) e
Percentil > 85 e 97 Escore z > +1 e < +2 risco de sobrepeso (de 0 a 5
anos)
Percentil ≥ 3 e 85 Escore z ≥ -2 e +1 IMC adequado
Percentil ≥ 0,1 e < 3 Escore z ≥ -3 e < -2 Magreza
Percentil < 0,1 Escore z < -3 Magreza acentuada

A monitorização do crescimento de forma rotineira é amplamente aceita por profissionais de saúde e é


um componente da consulta para a criança no mundo inteiro. Os registros do peso, da estatura e do
comprimento, bem como do perímetro cefálico da criança, aferidos nos gráficos de crescimento, são
recomendáveis para todas as consultas, para crianças de risco ou não, até os 2 anos de idade.
A Caderneta de Saúde da Criança utiliza como parâmetros para avaliação do crescimento de crianças
(menores de 10 anos) os seguintes gráficos: perímetro cefálico (de zero a 2 anos), peso para a idade (de zero a
2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10 anos), comprimento/estatura para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e
de 5 a 10 anos), índice de massa corporal (IMC) para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10 anos).

As Cadernetas de Saúde da Criança podem ser acessadas nos seguintes links:


<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderneta_saude_crianca_menina.pdf>.
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderneta_saude_crianca_menino.pdf>.

O perímetro cefálico com medidas acima ou abaixo de dois desvios-padrão (< -2 ou > +2 escores "z")
pode estar relacionado a doenças neurológicas, como microcefalia (de causa genética ou ambiental) e
hidrocefalia, o que exige, portanto, melhor avaliação e encaminhamento.
-> Quando o perímetro cefálico está muito abaixo da média, pode haver a microcefalia;
-> Quando o perímetro cefálico está muito acima da média, pode haver a hidrocefalia.
O conceito de desenvolvimento é amplo e refere-se a uma transformação complexa, contínua, dinâmica
e progressiva, que inclui, além do crescimento, maturação, aprendizagem e aspectos psíquicos e sociais.

“A aula não é chata.


Pensamento positivo, você vai conseguir!”

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


Observações Importantes

Diversas partes do corpo A cabeça no feto Proporcionalmente, 50% do corpo;


apresentam diferentes aos 2 m. de vida no RN representa 25% e na idade
ritmos de crescimento intra-uterina → adulta 10%

A partir do 5º ano: Velocidade de crescimento → A velocidade de


praticamente constante, de 5 a 6 cm/ano até o início do estirão crescimento geral não
da adolescência (11 a. → meninas e 13 a. → meninos) é uniforme.

Acompanhamento e Avaliação do Desenvolvimento Infantil


Objetiva → promoção, proteção e a detecção precoce de alterações passíveis de
modificação que possam repercutir na vida futura das crianças.

Os estádios de desenvolvimento cognitivo são sequenciais.

A criança vai crescendo e se desenvolvendo de acordo com os meios onde vive e


os estímulos deles recebido.

“Está estudando?
Deixe o celular no silencioso. Concentre-se!”

Durante os dois primeiros anos, um aspecto importantíssimo do seu desenvolvimento é o


desenvolvimento afetivo, caracterizado no apego, que é o vínculo afetivo básico.
A criança estabelece o vínculo com as pessoas que interagem com ela de forma privilegiada, com
características de condutas, representações mentais e sentimentos.
A identificação de problemas (tais como: atraso no desenvolvimento da fala, alterações relacionais,
tendência ao isolamento social, dificuldade no aprendizado, agressividade, entre outros) é fundamental para o
desenvolvimento e a intervenção precoce para o prognóstico dessas crianças (MIRANDA; RESEGUE;
FIGUIEIRAS, 2003). Portanto, são de relevância o diagnóstico e o acompanhamento do desenvolvimento das
crianças, sendo que os principais protocolos preconizam a avaliação objetiva de habilidades motoras, de

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


comunicação, de interação social e cognitiva nas consultas de supervisão de saúde (DRACHLER; LEITE apud
DUNCAN et al., 2004; FLAVELL, 1996; AMERICAN..., 2008; INSTITUTE..., 2007; U.S. PREVENTIVE..., 2006).

ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA DE 0 A 10


ANOS
Entre 1 e 2 m: predomínio do tônus flexor, assimetria postural e preensão reflexa.

Apoio plantar, sucção e preensão palmar:


desaparecem até o 6º m.
REFLEXOS
Preensão dos artelhos: desaparece até o 11º m.
S
Reflexo cutâneo plantar: estímulo da porção lateral do pé.
RN → extensão do hálux. 13º m → flexão do hálux =
extensão é patológica.

Entre 1 e 2 m: predomínio do tônus flexor, assimetria postural e preensão reflexa.

Reflexo Moro
Segurar a criança pelas mãos e liberar bruscamente seus
braços → simétrico. Incompleto 3º m e não deve existir a
partir do 6º m.

REFLEXOS
S Reflexo tônico-cervical

Rotação da cabeça p/um lado, → extensão do MS e MI


do lado facial e flexão dos membros contralaterais.
A atividade é realizada bilateralmente → simétrica.
Desaparece até o 3º m.

ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA DE 0 A 10


ANOS
 Entre 1 e 2 m: percepção melhor de um rosto
 Entre 2 e 3 m: sorriso social.
 Entre 2 e 4 m: bebê fica de bruços, levanta a cabeça e os ombros.
 Em torno de 2 m: inicia-se a ampliação do seu campo de visão
 Aos 3 m: o bebê adquire noção de profundidade.
 Aos 4 m: preensão voluntária das mãos.
 Entre 4 a 6 m: o bebê vira a cabeça na direção de uma voz ou de um objeto sonoro.
 Em torno dos 6 m: inicia-se a noção de “permanência do objeto"*.

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


A partir do 7º m Entre 6 e 9 m Entre 6 e 8 m

O bebê senta-se O bebê arrasta-se, O bebê apresenta


sem apoio engatinha reações a pessoas
estranhas.

Possui
Entre 1a Em torno Corre ou
acuidade Entre 1a e
e 1a e 6m Anda sozinho de 1ano sobe degraus
visual de um 6m a 2a
baixos
adulto

Diz seu Reconhece-se


Retirar as
Entre próprio nome Em torno no espelho e Entre fraldas e usar
2ª e 3a e nomeia dos 2a brinca de faz 2ª e 3a penico
objetos de conta

A partir dos 6 anos


Entre 3 e 4 a: veste-se
com auxílio.
A criança passa a pensar com lógica.

↑ Memória e ↑ habilidade com linguagem.


Entre 4 e 5 a: conta
ou inventa pequenas Autoimagem se desenvolve.
histórias.
Os amigos assumem importância fundamental.

Começa a compreender a constância de gênero.

A partir dos 7 anos A partir dos 10 anos

Começa a desenvolver o Mudanças relacionadas a


julgamento global de autovalor. puberdade

↑Influência dos pares (amigos, Estirão do crescimento (meninas,


colegas da mesma idade) e em torno dos 11 anos e meninos ,
↓Influência dos pais em torno dos 13 anos.

As avaliações do desenvolvimento infantil devem sempre levar em consideração as informações e


opiniões dos pais e da escola sobre a criança (FLAVELL, 1996; OPAS, 2005). Recomenda-se procurar ouvir,
informar e discutir assuntos que dizem respeito às habilidades desenvolvidas e à maneira como a criança as

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


explora, relacionando-as aos riscos de lesões não intencionais e às medidas para a sua prevenção (BARROS,
2008).
Estudos revelam que as crianças com baixo peso ao nascer tiveram quatro vezes mais chances de
apresentar problemas em relação àquelas com maior peso. Além disso, o fator prematuridade teve mais
chances (60%) de evidenciar problemas no desenvolvimento (HALPERN et al., 2000).
A manifestação de dificuldades no desenvolvimento é muito variável e pode ser de ordem mental,
física, auditiva, visual ou relacional. O deficit mental caracteriza-se por um estado de redução notável do
funcionamento intelectual significativamente inferior à média, que se inicia durante o período de
desenvolvimento da criança e está associado a limitações em pelo menos dois aspectos do funcionamento
adaptativo: comunicação, cuidados pessoais, atividades de vida diária, habilidades sociais, utilização dos
recursos comunitários, autonomia, aptidões escolares, lazer e trabalho. A hipóxia perinatal e as infecções
congênitas são as condições mais prevalentes que levam as crianças a apresentar deficit mental (MIRANDA;
RESEGUE; FIGUIEIRAS, 2003).
Os distúrbios com predomínio motor (como, por exemplo, a paralisia cerebral) costumam ser
diagnosticados mais facilmente do que os de linguagem ou os cognitivos. No entanto, estes últimos têm maior
correlação com o progresso do desenvolvimento do que as alterações na evolução do comportamento motor.
Embora as deficiências graves possam ser reconhecidas ainda na infância, distúrbios de linguagem,
hiperatividade e transtornos emocionais não são facilmente diagnosticados antes dos três ou quatro anos de
idade. Da mesma forma, distúrbios de aprendizagem raramente são identificados antes do ingresso da criança
na escola (OPAS, 2005; HALPERN et al., 2000).
Os distúrbios do desenvolvimento de predomínio relacional caracterizam-se por distúrbios na interação
social e na comunicação. Uma parte de tais crianças apresenta deficits cognitivos, sendo o autismo a doença
mais grave deste amplo espectro de entidades (MIRANDA; RESEGUE; FIGUIEIRAS, 2003).

Avaliação do desenvolvimento:
Orientação para tomada de decisão.

10

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


QUESTÕES COMENTADAS
VAMOS MEU AMIGO (A), NÃO PERCA O FOCO. O SEU CAMINHO É A APROVAÇÃO!

1. (Marinha do Brasil/Marinha/2015) Na avaliação dos reflexos no recém-nascido, o reflexo de Busca consiste


em:
a) ao acariciar a bochecha ao lado da boca, o lactente vira a cabeça para este lado e começa a sugar.
b) a pupila se contrai quando uma luz intensa brilha em sua direção.
c) toque rápido sobre a glabela provoca o fechamento rápido dos olhos.
d) um ruído súbito e alto provoca a abdução dos braços com a flexão dos cotovelos.
e) o lactente cessa os movimentos de sucção na área perioral em resposta a estimulação.
COMENTÁRIOS:
Normalmente, um recém-nascido, logo após o nascimento, tem os reflexos de busca e de sucção ativos:
Reflexo de busca – Quando se toca na boca, o recém-nascido rodará a cabeça no sentido
correspondente ao local da boca onde se tocou, para a direita ou para a esquerda – este reflexo permite
encontrar o mamilo.
Reflexo de sucção – Imediatamente à colocação de qualquer objeto na boca do recém-nascido, ele
começa a sugá-lo.

Portanto, o gabarito da questão é a letra A.

2. (Marinha do Brasil/Marinha/2015) De acordo com Hockenberry & Winkelstein (2006), dentre os períodos
de desenvolvimento por idade da criança, aquele descrito como o período que se estende do momento em
que a criança atinge a locomoção em pé até entrar na escola é denominado:
a) pré-natal
b) Infância
c) primeira infância
d) meio da infância
e) fim da infância.
COMENTÁRIOS:
De acordo com Hockenberry & Winkelstein, segue os períodos de desenvolvimento por idade das
crianças:

11

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


Fases do desenvolvimento Idade
Pré-natal Concepção ao nascimento
1ª Infância 0-3 anos
2ª Infância 3-6 anos
3ª Infância 6-12 anos

Dessa forma, levando em consideração as características do desenvolvimento de uma criança


que atinge a locomoção em pé até entrar na escola.
O gabarito da questão é a letra C.

3. (EBSERH/HE – UFSCAR/AOCP/2015) Os registros do peso, da estatura e do comprimento, bem como do


perímetro cefálico da criança, aferidos nos gráficos de crescimento, são recomendáveis para todas as
consultas, para crianças de risco ou não, até:
a) 2 meses de idade. c) 6 meses de idade. e) 10 anos de idade.
b) 4 meses de idade. d) 02 anos de idade.
COMENTÁRIOS:
O melhor método de acompanhamento do crescimento infantil é o registro periódico do peso, da
estatura e do IMC da criança na Caderneta de Saúde da Criança (BARROS; VICTORA, 2008).
A monitorização do crescimento de forma rotineira é amplamente aceita por profissionais de saúde e é
um componente da consulta para a criança no mundo inteiro. Os registros do peso, da estatura e do
comprimento, bem como do perímetro cefálico da criança, aferidos nos gráficos de crescimento, são
recomendáveis para todas as consultas, para crianças de risco ou não, até os 2 anos de idade.
Portanto, o gabarito da questão é a letra D.
Portanto, o gabarito da questão é a letra D.

4. (Prefeitura de Juazeiro-BA/AOCP/2012) O crescimento e o desenvolvimento são eixos referenciais para


todas as atividades de atenção à criança sob os aspectos biológico, afetivo, psíquico e social. Considerando o
exposto, assinale a alternativa correta.
a) A herança genética é o fator determinante do crescimento infantil, sendo assim não existe uma
dependência estabelecida com fatores ambientais, tais como alimentação, ocorrência de doenças, cuidados
gerais e de higiene.
b) As diversas partes do corpo apresentam o mesmo ritmo de crescimento. Portanto, a cabeça no feto aos 2
meses de vida intra-uterina representa, proporcionalmente, 50% do corpo; no recém-nascido representa 25%
e na idade adulta 20%.

12

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


c) A partir do quinto ano, ocorre a maior velocidade de crescimento, sendo em média de 10 cm/ano até o
início do estirão da adolescência (o que ocorre em torno dos 13 anos de idade nas meninas e dos 15 anos nos
meninos).
d) Considera-se o desenvolvimento como aumento do tamanho corporal e, portanto, ele cessa com o término
do aumento em altura (desenvolvimento linear).
e) O desenvolvimento da criança sofre a influência contínua de fatores intrínsecos e extrínsecos que provocam
variações de um indivíduo para outro e que tornam único o curso do desenvolvimento de cada criança.
COMENTÁRIOS:
Essa questão foi extraida do Caderno de Atenção Básica nº 11 sobre Saúde da Criança .
(http://bvsms.saude.gov.br/bvs/exposicoes/sociedade/publicacoes/ms/Sa%FAde%20da%20Crian%E7a.pdf).

Vejamos cada item para melhor compreensão do tema:


Item A. INCORRETO. De um modo geral, considera-se o crescimento como aumento do tamanho
corporal e, portanto, ele cessa com o término do aumento em altura (crescimento linear). De um modo mais
amplo, pode-se dizer que o crescimento do ser humano é um processo dinâmico e contínuo que ocorre desde a
concepção até o final da vida, considerando-se os fenômenos de substituição e regeneração de tecidos e
órgãos.
É considerado como um dos melhores indicadores de saúde da criança, em razão de sua estreita
dependência de fatores ambientais, tais como alimentação, ocorrência de doenças, cuidados gerais e de
higiene, condições de habitação e saneamento básico, acesso aos serviços de saúde, refletindo assim, as
condições de vida da criança, no passado e no presente.
Nas crianças menores de cinco anos, a influência dos fatores ambientais é muito mais importante do
que a dos fatores genéticos para expressão de seu potencial de crescimento. Os fatores genéticos apresentam
a sua influência marcada na criança maior, no adolescente e no jovem.
Portanto, a herança genética é o fator determinante do crescimento infantil, mas existe uma
dependência estabelecida com fatores ambientais, tais como alimentação, ocorrência de doenças, cuidados
gerais e de higiene.
Item B. INCORRETO. As diversas partes do corpo apresentam diferentes ritmos de crescimento.
Portanto, a cabeça no feto aos 2 meses de vida intra-uterina representa, proporcionalmente, 50% do corpo; no
recém-nascido representa 25% e na idade adulta 10%.
Item C. INCORRETO. A partir do quinto ano, a velocidade de crescimento é praticamente constante, de 5
a 6 cm/ano até o início do estirão da adolescência (o que ocorre em torno dos 11 anos de idade nas meninas e
dos 13 anos nos meninos). A velocidade de crescimento geral não é uniforme ao longo dos anos e os diferentes
órgãos, tecidos e partes do corpo não crescem com a mesma velocidade.
Item D. INCORRETO. Crescimento significa aumento físico do corpo, como um todo ou em suas partes, e
pode ser medido em termos de centímetros ou de gramas. Traduz aumento do tamanho das células
(hipertrofia) ou de seu número (hiperplasia). Por outro lado, desenvolvimento é um conceito amplo que se
refere a uma transformação complexa, contínua, dinâmica e progressiva, que inclui, além do crescimento, a
maturação, a aprendizagem e os aspectos psíquicos e sociais.

13

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


Item E. CORRETO. O desenvolvimento da criança sofre a influência contínua de fatores intrínsecos e
extrínsecos que provocam variações de um indivíduo para outro e que tornam único o curso do
desenvolvimento de cada criança.

Nessa tela, o gabarito da questão é a letra E.

5. (Conjunto Hospitalar Sorocaba-CHS/CETRO/2014) As poucas habilidades de locomoção e a


curiosidade insaciável das crianças exigem um ambiente de supervisão constante. A equipe de enfermagem
é responsável por conscientizar pais e familiares para os principais fatores de risco que cada idade pode
oferecer. Para crianças de 1 a 9 anos de idade, são potenciais riscos à saúde, exceto:
a) afogamento.
b) acidente automobilístico.
c) envenenamento.
d) autolesões intencionais.
e) agressão/ violência.
COMENTÁRIOS:
De acordo com o Manual de Saúde da Criança: crescimento e desenvolvimento, do Ministério da Saúde,
levando em consideração os fatores intrapessoais, observa-se que a criança, em seu processo natural de
crescimento e desenvolvimento e com seu comportamento exploratório, enfrenta situações que podem colocar
em risco a sua integridade. Tais situações ocorrem conforme a fase do desenvolvimento da criança, o sexo e a
faixa etária.
- Menores de 2 anos estão sujeitos a riscos impostos por terceiros, como queimaduras, intoxicações,
colisão de automóvel e quedas.
- Meninos estão mais propensos a sofrer acidentes do que as meninas.
- Pré-escolares (de 2 a 6 anos) sofrem mais atropelamentos, acidentes por submersão, quedas de lugares
altos, ferimentos, lacerações e queimaduras.
- Crianças na idade escolar (de 6 a 10 anos) podem ser vítimas de atropelamentos, quedas de bicicletas,
quedas de lugares altos, traumatismos dentários, ferimentos com armas de fogo e lacerações.

Logo, o gabarito da questão é a letra D.

6. (CNEN/IDECAN/2014) O sinal de Babinski é produzido passando-se cuidadosamente, na parte lateral do pé,


um objeto de ponta arredondada e estendendo o estímulo discretamente para o aspecto medial através da
área metatársica. A resposta positiva de Babinski, em adultos, é indicada por:
a) Indiferente, não há resposta.
b) Extensão dos dedos em leque indicando normalidade.
c) Extensão dos dedos em leque indicando lesão neurológica.
d) Flexão dos dedos do pé, curvando-se para baixo, indicando resposta normal.
e) Flexão dos dedos do pé, curvando-se para baixo, indicando lesão neurológica.

14

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


COMENTÁRIOS:
O sinal de Babinski (reflexo plantar), observado quando há a extensão do hálux e a abertura em leque
dos dedos em decorrência de um estímulo na planta do pé. A presença do sinal
representa a desinibição do reflexo espinal normal decorrente de lesão das vias
inibitórias descendentes desde o cérebro ou medula espinal.

Clinicamente, o sinal de Babinski é produzido passando-se cuidadosamente na


parte lateral do pé um objeto de ponta arredondada e estendendo o estímulo
discretamente para o aspecto medial através da área metatársica. A resposta
positiva tem dois componentes: dorsiflexão do hálux e abdução discreta
(abertura em leque) dos outros artelhos. No reflexo normal, observado nas
crianças com mais de dois anos e nos adultos, há a flexão plantar dos dedos do pé em
resposta ao estímulo.

O gabarito é a letra C.

7. (FUMUSA/CAIPIMES/2014) Durante a consulta de enfermagem, espera-se que uma criança de 5 meses de


vida apresente:
a) padrões regulares de micção e evacuação
b) sinais de erupção dos dentes
c) perímetros cefálico e torácico iguais
d) desaparecimento do reflexo de Babinski
COMENTÁRIOS:
A primeira informação importante é sobre a cronologia da erupção dentária (quando os dentes nascem).
O mais comum é que os dentes decíduos (de leite) comecem a erupcionar em torno dos 5 aos 6 meses. Porém,
é possível que haja retardo na erupção, o que não deve ser motivo de preocupação se ela acontecer até os 12
meses. Após um ano de idade da criança, se não ocorreu a erupção, é necessário investigar o caso, pois existe a
possibilidade (rara) de ocorrer anadontia (ausência dos dentes).Também pode ocorrer de o bebê nascer com
dentes (caso de dentes natais) ou vir a tê-los no primeiro mês (caso de dentes neonatais). Eles precisam ser
extraídos, pois sua inserção é apenas na gengiva. Por tal razão, podem prejudicar a amamentação natural e
apresentam o risco de ser aspirados para o pulmão. Portanto, é importante os profissionais estejam avaliando
a presença de erupção dentária nas crianças dessa faixa etária de 5 aos 6 meses.

Gabarito, portanto, é a letra B.

8. (MPE-RS/MPE-RS/2014) As ações de promoção e prevenção de saúde à criança na rede básica têm como
principal objetivo
a) o acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento.
b) o manejo das doenças diarreicas.

15

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


c) o controle das doenças respiratórias.
d) o acompanhamento alimentar para o desmame.
e) a prevenção de acidentes.
COMENTÁRIOS:
O Ministério da Saúde publicou o Caderno de Atenção Básica: Saúde da Criança: Crescimento e
Desenvolvimento, 2012, inserido nesta proposta como uma das ofertas que objetivam apoiar as equipes de
atenção básica no processo de qualificação do cuidado e articulação em rede. Constitui-se em uma ferramenta
que, somada à capacidade das equipes e dos gestores de organizar seu processo de trabalho e dos processos
em educação permanente, esperamos que contribua para a contínua melhoria do acesso e da qualidade no
cuidado às crianças no âmbito da atenção básica em rede.
Para tanto, o Caderno da Criança aborda ações de promoção e prevenção de saúde à criança na rede
básica e orientações para a organização do processo de trabalho, questões tradicionais (como o
acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento da criança e a supervisão das imunizações) e até
temas característicos da modernidade, como a alimentação saudável (tão essencial de ser trabalhada na
situação atual de epidemia de obesidade infantil), a prevenção de acidentes e as medidas de prevenção e
cuidado à criança em situação de violência.

Assim, o gabarito da questão é a letra A.

9. (Prefeitura de Ituporanga-SC/IOBV/2014) Uma criança ao nascer apresenta reflexos chamados arcaicos.


Das alternativas abaixo assinale qual contém apenas esses reflexos:
a) Soluço e preensão plantar.
b) Marcha e fechamento palpebral.
c) Babinski e patelar.
d) Moro e deambulação.
COMENTÁRIOS:
Reflexos primitivos (reflexos humanos primitivos) são reflexos originados do sistema nervoso central que
são presentes em crianças novas, especialmente bebês, mas não em adultos com sistema nervoso intacto.
Estes reflexos desaparecem ou são inibidos pelos lóbulos frontais à medida que a criança se desenvolve pela
maturação do cérebro pela mielização, arborização e formação das sinapses das células nervosas, com
crescente controle voluntário de cada uma das atividades com estes reflexos relacionadas.
Os reflexos primitivos característicos do RN devem ser avaliados, pois podem trazer
informações importantes sobre seu estado de saúde. São diversos os reflexos primitivos encontrados no RN,
porém não há necessidade de avaliação de todos durante o exame físico rotineiro do RN a termo. Os que
habitualmente devem ser avaliados são:
- Sucção: A sucção reflexa manifesta-se quando os lábios da criança são tocados por algum objeto,
desencadeando-se movimentos de sucção dos lábios e da língua. Somente após 32 a 34 semanas de gestação é
que o bebê desenvolve sincronia entre respiração, sucção e deglutição, tornando a alimentação por via oral
difícil em RN pré-termo.

16

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


- Voracidade: O reflexo da voracidade ou de procura manifesta-se quando é tocada a bochecha perto da
boca, fazendo com que a criança desloque a face e a boca para o lado do estímulo. Este reflexo não deve ser
procurado logo após a amamentação, pois a resposta ao estímulo pode ser débil ou não ocorrer. Está presente
no bebê até os 3 meses de idade.
- Preensão: A preensão palmoplantar se obtém com leve pressão do dedo do examinador na palma das
mãos da criança e abaixo dos dedos do pé.
- Marcha: A marcha reflexa e o apoio plantar podem ser pesquisados segurando-se a criança pelas axilas
em posição ortostática. Ao contato das plantas do pé com a superfície, a criança estende as pernas até então
fletidas. Se a criança for inclinada para a frente, inicia a marcha reflexa.
- Fuga à asfixia: O reflexo de fuga à asfixia é avaliado colocando-se a criança em decúbito ventral no
leito, com a face voltada para o colchão. Em alguns segundos o RN deverá virar o rosto liberando o nariz para
respirar adequadamente.
- Cutâneo-plantar: O reflexo cutâneo-plantar em extensão é obtido fazendo-se estímulo contínuo da
planta do pé a partir do calcâneo no sentido dos artelhos. Os dedos adquirem postura em extensão.
- Moro: O reflexo de Moro é um dos mais importantes a serem avaliados, devido à grande quantidade
de informações que pode trazer. É desencadeado por algum estímulo brusco como bater palmas, estirar
bruscamente o lençol onde a criança está deitada ou soltar os braços semiesticados quando se faz a avaliação
da preensão palmar. O reflexo consiste em uma resposta de extensão-abdução dos membros superiores
(eventualmente dos inferiores), ou seja, na primeira fase os braços ficam estendidos e abertos, com abertura
dos dedos da mão, e em seguida de flexão-adução dos braços, com retorno à posição original. Tem início a
partir de 28 semanas de gestação e costuma desaparecer por volta dos 6 meses de idade. A assimetria ou a
ausência do reflexo pode indicar lesões nervosas, musculares ou ósseas, que devem ser avaliadas.
Assim, após a exposição inicial, o gabarito é a letra D.

10. (Prefeitura de Criciúma-SC/FEPESE/2014) Relacione as colunas abaixo em relação ao desenvolvimento


infantil.
Coluna 1
1. sorriso social
2. preensão voluntária das mãos
3. senta sem apoio
4. anda sozinho
5. corre ou sobe degraus baixos
6. veste-se com auxílio
Coluna 2
( ) entre 3 e 4 anos
( ) entre 1 ano e 1 ano e 6 meses
( ) entre 2 e 3 meses
( ) aos 4 meses

17

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


( ) entre 1 ano e 6 meses e 2 anos
( ) a partir do sétimo mês
Assinale a alternativa que indica a sequência correta, de cima para baixo.
a) 2 – 1 – 3 – 5 – 4 – 6
b) 3 – 4 – 5 – 6 – 1 – 2
c) 4 – 5 – 6 – 3 – 2 – 1
d) 5 – 3 – 2 – 1 – 6 – 4
e) 6 – 4 – 1 – 2 – 5 – 3
COMENTÁRIOS:
Vamos relembrar os aspectos do desenvolvimento da criança de 0 a 10 anos, de acordo com o Ministério
da Saúde:
- Entre 1 e 2 meses: predomínio do tônus flexor, assimetria postural e preensão reflexa. Reflexos:
• Apoio plantar, sucção e preensão palmar: desaparecem até o 6º mês.
• Preensão dos artelhos: desaparece até o 11º mês.
• Reflexo cutâneo plantar: obtido pelo estímulo da porção lateral do pé. No RN, desencadeia extensão do
hálux. A partir do 13º mês, ocorre flexão do hálux. A partir desta idade, a extensão é patológica.
• Reflexo de Moro: medido pelo procedimento de segurar a criança pelas mãos e liberar bruscamente
seus braços. Deve ser sempre simétrico. É incompleto a partir do 3º mês e não deve existir a partir do 6º mês.
• Reflexo tônico-cervical: rotação da cabeça para um lado, com consequente extensão do membro
superior e inferior do lado facial e flexão dos membros contralaterais. A atividade é realizada bilateralmente e
deve ser simétrica. Desaparece até o 3º mês.
- Entre 1 e 2 meses: percepção melhor de um rosto, medida com base na distância entre o bebê e o seio
materno.
- Entre 2 e 3 meses: sorriso social.
- Entre 2 e 4 meses: bebê fica de bruços, levanta a cabeça e os ombros. Em torno de 2 meses: inicia-se a
ampliação do seu campo de visão (o bebê visualiza e segue objetos com o olhar).
- Aos 4 meses: preensão voluntária das mãos. Entre 4 a 6 meses: o bebê vira a cabeça na direção de
uma voz ou de um objeto sonoro.
- Aos 3 meses: o bebê adquire noção de profundidade.
- Em torno dos 6 meses: inicia-se a noção de “permanência do objeto”.
- A partir do 7º mês: o bebê senta-se sem apoio.
- Entre 6 e 8 meses: o bebê apresenta reações a pessoas estranhas.
- Entre 6 e 9 meses: o bebê arrasta-se, engatinha.
- Entre 9 meses e 1 ano: o bebê engatinha ou anda com apoio. Em torno do 10º mês: o bebê fica em pé
sem apoio.
- Em torno de 1 ano: o bebê possui a acuidade visual de um adulto.
- Entre 1 ano e 1 ano e 6 meses: o bebê anda sozinho.
- Entre 1 ano e 6 meses a 2 anos: o bebê corre ou sobe degraus baixos.

18

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


- Entre 2 e 3 anos: o bebê diz seu próprio nome e nomeia objetos como seus. Em torno dos 2 anos: o
bebê reconhece-se no espelho e começa a brincar de faz de conta (atividade que deve ser estimulada,
pois auxilia no desenvolvimento cognitivo e emocional, ajudando a criança a lidar com ansiedades e conflitos e
a elaborar regras sociais).
- Entre 2 e 3 anos: os pais devem começar aos poucos a retirar as fraldas do bebê e a ensiná-lo a usar o
penico.
- Entre 3 e 4 anos: a criança veste-se com auxílio.
- Entre 4 e 5 anos: a criança conta ou inventa pequenas histórias. O comportamento da criança é
predominantemente egocêntrico; porém, com o passar do tempo, outras crianças começam a se tornar
importantes.
- A partir dos 6 anos: a criança passa a pensar com lógica, embora esta seja predominantemente
concreta. Sua memória e a sua habilidade com a linguagem aumentam. Seus ganhos cognitivos melhoram sua
capacidade de tirar proveito da educação formal. A autoimagem se desenvolve, afetando sua autoestima. Os
amigos assumem importância fundamental. A criança começa a compreender a constância de gênero.
A segregação entre os gêneros é muito frequente nesta idade (meninos “não se misturam” com meninas e vice-
versa).
- A partir dos 7 anos: a criança começa a desenvolver o julgamento global de autovalor, integrando sua
autopercepção, “fechando” algumas ideias sobre quem ela é e como deve ser etc. A influência dos pares
(amigos, colegas da mesma idade) adquire grande importância nesta etapa da vida, enquanto a influência dos
pais diminui.
- A partir dos 10 anos: ocorrem mudanças relacionadas à puberdade e há um estirão de crescimento
(primeiro nas meninas, em torno dos 11 anos, depois nos meninos, em torno dos 13 anos).

Portanto, o gabarito é a letra E.

11. (Prefeitura de Criciúma-SC/FEPESE/2014) Relacione a frequência respiratória de crianças, de acordo com a


Organização Mundial da Saúde, com a respectiva faixa etária:
Coluna 1 - Faixa etária
1. de 0 a 2 meses
2. de 2 a 11 meses
3. de 12 meses a 5 anos
4. de 6 a 8 anos
5. acima de 8 anos
Coluna 2 – Frequência respiratória
( ) até 40 mrm
( ) até 20 mrm
( ) até 60 mrm
( ) até 30 mrm
( ) até 50 mrm

19

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


Assinale a alternativa que indica a sequência correta, de cima para baixo.
a) 1 – 2 – 3 – 5 – 4
b) 2 – 1 – 5 – 3 – 4
c) 3 – 5 – 1 – 4 – 2
d) 4 – 3 – 2 – 1 – 5
e) 5 – 2 – 3 – 4 – 1
COMENTÁRIOS:
A frequência respiratória normal, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS):
- De 0 a 2 meses: até 60mrm
- De 2 a 11 meses: até 50mrm
- De 12 meses a 5 anos: até 40mrm
- De 6 a 8 anos: até 30mrm
- Acima de 8 anos: até 20mrm

Logo, o gabarito é a letra C.

12. (Prefeitura de Heliodora-MG/IDECAN/2014) Sobre o processo biológico do crescimento, assinale a


afirmativa correta.
a) Não tem influência dos fatores ambientais.
b) Todas as partes do corpo têm o mesmo ritmo de crescimento.
c) O crescimento ocorre sempre, até atingir o potencial genético do indivíduo.
d) As condições em que ocorre o crescimento intrauterino do feto influenciam na possibilidade do indivíduo de
atingir o potencial máximo de crescimento.
e) O coeficiente de correlação de altura pais/criança pode ser usado desde o nascimento para predizer
padrões de altura da criança em relação à altura dos pais.
COMENTÁRIOS:
De acordo com o Ministério da Saúde, o crescimento é um processo dinâmico e contínuo, expresso pelo
aumento do tamanho corporal. Constitui um dos indicadores de saúde da criança. O processo de crescimento
é influenciado por fatores intrínsecos (genéticos) e extrínsecos (ambientais), entre os quais se destacam a
alimentação, a saúde, a higiene, a habitação e os cuidados gerais com a criança, que atuam acelerando ou
restringindo tal processo. Deve-se valorizar também o crescimento intrauterino, pois diversos estudos atestam
que alterações no crescimento fetal e infantil podem ter efeitos permanentes na saúde do adulto.

Logo, o gabarito é a letra D.

13. (Prefeitura de Palhoça-SC/FEPESE/2014) A caderneta de saúde da criança utiliza como parâmetros para
avaliação do crescimento de crianças menores de 10 anos os seguintes gráficos:
a) perímetro cefálico, peso, comprimento/estatura e índice de massa corporal
b) peso, comprimento/estatura, índice da massa corporal; densitometria e pregas cutâneas

20

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


c) perímetro cefálico, peso, comprimento/estatura e a bioimpedância eletromagnética
d) perímetro cefálico e torácico, peso, comprimento/estatura, pregas cutâneas e índice de massa corporal
e) peso, comprimento/estatura, densitometria, bioimpedância eletromagnética e pregas cutâneas
COMENTÁRIOS:
A Caderneta de Saúde da Criança utiliza como parâmetros para avaliação do crescimento de crianças
(menores de 10 anos) os seguintes gráficos: perímetro cefálico (de zero a 2 anos), peso para a idade (de zero a
2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10 anos), comprimento/estatura para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e
de 5 a 10 anos), índice de massa corporal (IMC) para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10.
anos).

Portanto, o gabarito é a letra A.

14. (Prefeitura de Sumé-PB/UFCG-COMPROV/2014) A triagem auditiva neonatal objetiva detectar o mais


precocemente possível a perda auditiva congênita e/ou adquirida. Portanto, deve ser preferencialmente
realizada:
a) até o final do 1º mês de vida.
b) no 2º mês de vida .
c) entre o 2º e o 3º mês de vida.
d) no 3º mês de vida .
e) entre o 4º e o 6º mês de vida.
COMENTÁRIOS:
A Triagem Auditiva Neonatal (TAN), mais conhecida como teste da orelhinha, é uma avaliação que
objetiva detectar o mais precocemente possível a perda auditiva congênita e/ou adquirida no período
neonatal. Se o teste for realizado nos recém-nascidos preferencialmente até o final do primeiro mês, ele
possibilitará um diagnóstico mais definitivo por volta do 4º e 5º mês, bem como o início da reabilitação até os
6 meses de idade. Dessa forma, maiores serão as possibilidades de diagnóstico e intervenção adequados e,
com isso, menores serão também as sequelas decorrentes da privação auditiva.

Gabarito, portanto, é a letra A.

15. (Prefeitura de Sumé-PB/UFCG-COMPROV/2014) O Ministério da Saúde preconiza que a criança receba a


suplementação da primeira megadose da vitamina A:
a) ao nascer.
b) aos quatro meses de vida.
c) aos seis meses de vida.
d) aos doze meses de vida.
e) aos quinze meses de vida.

21

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


COMENTÁRIOS:
O Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A (BRASIL,
2004), busca reduzir e controlar a deficiência nutricional de vitamina A em crianças de 6 a 59 meses de idade e
mulheres no período pós-parto imediato (antes da alta hospitalar) residentes em regiões consideradas de risco.
A suplementação periódica da população de risco com doses maciças de vitamina A é uma
das estratégias mais utilizadas para prevenir e controlar a DVA em curto prazo. Segundo o Programa Nacional
de Suplementação de Vitamina A, a conduta de administração via oral da megadose de vitamina A é a
seguinte:
• para crianças de 6 meses a 11 meses de idade: 1 megadose de vitamina A na concentração de
100.000 UI;
• para crianças de 12 a 59 meses de idade: 1 megadose de vitamina A na concentração de 200.000 UI a
cada 6 meses;
• para puérperas: 1 megadose de vitamina A na concentração de 200.000 UI, no período pós-
parto imediato, ainda na maternidade (BRASIL, 2004).
A utilização dessas doses é segura e tem baixa incidência de efeitos colaterais. No entanto, é necessário
cuidado especial no que concerne aos grupos de risco (mulheres no período reprodutivo e gestantes) ante os
problemas potenciais que tal estratégia pode apresentar (como, por exemplo, casos de toxicidade e até efeitos
teratogênicos sobre o feto, no caso de administração inadequada a gestantes).

Nesses termos, o gabarito é a letra C.

16. (Prefeitura de Farias Brito-CE/URCA/2014) A criança começa a desenvolver o julgamento global do


autovalor, integrando sua autopercepção, “fechando” algumas ideias sobre quem ela é e como deve ser. Esses
são aspectos do desenvolvimento da criança de:
a) 7 a 9 anos c) 5 a 6 anos
b) 8 anos d) 10 anos
COMENTÁRIOS:
Vamos relembrar novamente os aspectos do desenvolvimento da criança de 0 a 10 anos, de acordo com
o Ministério da Saúde:
- Entre 1 e 2 meses: predomínio do tônus flexor, assimetria postural e preensão reflexa. Reflexos:
• Apoio plantar, sucção e preensão palmar: desaparecem até o 6º mês.
• Preensão dos artelhos: desaparece até o 11º mês.
• Reflexo cutâneo plantar: obtido pelo estímulo da porção lateral do pé. No RN, desencadeia extensão do
hálux. A partir do 13º mês, ocorre flexão do hálux. A partir desta idade, a extensão é patológica.
• Reflexo de Moro: medido pelo procedimento de segurar a criança pelas mãos e liberar bruscamente
seus braços. Deve ser sempre simétrico. É incompleto a partir do 3º mês e não deve existir a partir do 6º mês.
• Reflexo tônico-cervical: rotação da cabeça para um lado, com consequente extensão do membro
superior e inferior do lado facial e flexão dos membros contralaterais. A atividade é realizada bilateralmente e
deve ser simétrica. Desaparece até o 3º mês.

22

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


- Entre 1 e 2 meses: percepção melhor de um rosto, medida com base na distância entre o bebê e o seio
materno.
- Entre 2 e 3 meses: sorriso social.
- Entre 2 e 4 meses: bebê fica de bruços, levanta a cabeça e os ombros. Em torno de 2 meses: inicia-se a
ampliação do seu campo de visão (o bebê visualiza e segue objetos com o olhar).
- Aos 4 meses: preensão voluntária das mãos. Entre 4 a 6 meses: o bebê vira a cabeça na direção de uma
voz ou de um objeto sonoro.
- Aos 3 meses: o bebê adquire noção de profundidade.
- Em torno dos 6 meses: inicia-se a noção de “permanência do objeto”.
- A partir do 7º mês: o bebê senta-se sem apoio.
- Entre 6 e 8 meses: o bebê apresenta reações a pessoas estranhas.
- Entre 6 e 9 meses: o bebê arrasta-se, engatinha.
- Entre 9 meses e 1 ano: o bebê engatinha ou anda com apoio. Em torno do 10º mês: o bebê fica em pé
sem apoio.
- Em torno de 1 ano: o bebê possui a acuidade visual de um adulto.
- Entre 1 ano e 1 ano e 6 meses: o bebê anda sozinho.
- Entre 1 ano e 6 meses a 2 anos: o bebê corre ou sobe degraus baixos.
- Entre 2 e 3 anos: o bebê diz seu próprio nome e nomeia objetos como seus. Em torno dos 2 anos: o
bebê reconhece-se no espelho e começa a brincar de faz de conta (atividade que deve ser estimulada,
pois auxilia no desenvolvimento cognitivo e emocional, ajudando a criança a lidar com ansiedades e conflitos e
a elaborar regras sociais).
- Entre 2 e 3 anos: os pais devem começar aos poucos a retirar as fraldas do bebê e a ensiná-lo a usar o
penico.
- Entre 3 e 4 anos: a criança veste-se com auxílio.
- Entre 4 e 5 anos: a criança conta ou inventa pequenas histórias. O comportamento da criança é
predominantemente egocêntrico; porém, com o passar do tempo, outras crianças começam a se tornar
importantes.
- A partir dos 6 anos: a criança passa a pensar com lógica, embora esta seja predominantemente
concreta. Sua memória e a sua habilidade com a linguagem aumentam. Seus ganhos cognitivos melhoram sua
capacidade de tirar proveito da educação formal. A autoimagem se desenvolve, afetando sua autoestima. Os
amigos assumem importância fundamental. A criança começa a compreender a constância de gênero.
A segregação entre os gêneros é muito frequente nesta idade (meninos “não se misturam” com meninas e vice-
versa).
- A partir dos 7 anos: a criança começa a desenvolver o julgamento global de autovalor, integrando
sua autopercepção, “fechando” algumas ideias sobre quem ela é e como deve ser etc. A influência dos pares
(amigos, colegas da mesma idade) adquire grande importância nesta etapa da vida, enquanto a influência dos
pais diminui.

23

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


A partir dos 10 anos: ocorrem mudanças relacionadas à puberdade e há um estirão de crescimento
(primeiro nas meninas, em torno dos 11 anos, depois nos meninos, em torno dos 13 anos).

Portanto, o gabarito é a letra A.

17. (Prefeitura de Osasco-SP/FGV/2014) Uma criança de 2 anos, monitorada por oxímetro de pulso, apresenta
Frequência Cardíaca (FC) = 110 bpm e SatO2 = 98%. Esses valores indicam:
a) FC alta e saturação baixa.
b) FC normal e saturação normal.
c) FC baixa e saturação acima do normal.
d) FC alta e saturação normal.
e) FC normal e saturação acima do normal.
COMENTÁRIOS:
Os valores da saturação de oxigênio normal são de 95% a 100% e a frequência cardíaca considerada
normal pode ser observados a seguir:
- Recém-nato: Variação: de 70 a 170 bpm; Média Normal: 120 bpm.
- 11 meses: Variação: de 80 a 160bpm; Média Normal: 120 bpm.
- 2 anos: Variação: de 80 a 130 bpm; Média Normal: 110 bpm.
- 4 anos: Variação: de 80 a 120 bpm; Média Normal: 100 bpm.
- 6 anos: Variação: de 75 a 115 bpm; Média Normal: 100 bpm.
- 8 anos: Variação: de 70 a 110 bpm; Média Normal: 90 bpm.
- 10 anos: Variação: De 70 a 110 bpm; Média Normal: 90 bpm.

Visto isto, o gabarito é a letra B.

18. (Prefeitura de Criciúma-SC/FEPESE/2014) O teste do reflexo vermelho serve para avaliação da acuidade
visual da criança, devendo ser realizado:
a) na primeira consulta do recém-nascido na atenção básica e repetido aos 4 e 6 meses e na consulta dos 12
meses de idade.
b) na primeira consulta do recém-nascido na atenção básica e repetido aos 4, 6 e 12 meses e na consulta dos 2
anos de idade.
c) na primeira consulta do recém-nascido na atenção básica e repetido aos 6 meses e na consulta dos 12
meses de idade.
d) na primeira consulta do recém-nascido na atenção básica e repetido aos 6 e 12 meses e na consulta dos 2
anos de idade.
e) na primeira consulta do recém-nascido na atenção básica e repetido aos 12 meses e na consulta dos 4 anos
de idade.

24

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


COMENTÁRIOS:
Primeiramente, as causas mais comuns de diminuição da acuidade visual em crianças são a ambliopia
(redução da visão sem uma lesão orgânica detectável no olho), seus fatores de risco (estrabismo,
anisometropia, catarata e ptose) e os erros de refração (miopia e hipermetropia). As evidências atuais não
determinam a efetividade de testes para a prevenção de deficiências visuais (quais devem ser feitos, com que
periodicidade e se o examinador deve ser proficiente na técnica do teste).
O teste do reflexo vermelho deve ser realizado na primeira consulta do recém-nascido na atenção
básica e repetido aos 4, 6 e 12 meses e na consulta dos 2 anos de idade.

Portanto, o gabarito da questão é a letra B.

19. (CISVALI-PR/UNIUV/2014) O crescimento é um processo dinâmico e contínuo. O enfermeiro, ao realizar


uma consulta de enfermagem de puericultura em uma criança menor de 2 anos, no que tange ao processo de
crescimento, deve avaliar, de forma completa, quais parâmetros? Estes devem ser registrados na Caderneta
de Saúde da Criança:
a) perímetro torácico, peso para a idade, comprimento para a idade, e índice de massa corporal para idade;
b) perímetro abdominal, peso para a idade, comprimento para a idade e índice de massa corporal para a
idade;
c) idade, história da criança, peso para a idade, comprimento para a idade de índice de massa corporal para a
idade.
d) perímetro cefálico, peso para a idade, comprimento para a idade, e índice de massa corporal para idade;
e) Reflexos, peso para a idade, comprimento para a idade, e índice de massa corporal para a idade.
COMENTÁRIOS:
A Caderneta de Saúde da Criança utiliza como parâmetros para avaliação do crescimento de crianças
(menores de 10 anos) os seguintes gráficos: perímetro cefálico (de zero a 2 anos), peso para a idade (de zero a
2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10 anos),comprimento/estatura para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e
de 5 a 10 anos), índice de massa corporal (IMC) para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10.
anos).

Visto isto, o gabarito da questão é a letra D.

20. (Prefeitura de Cedro-CE/URCA/2014) Dos aspectos do desenvolvimento das crianças menores de 10 anos,
marque V se a opção for Verdadeira e F se a opção for Falsa.
( ) O reflexo de Moro, é completo a partir do 3º mês e deve existir a partir do 6º mês.
( ) Em torno de 5 meses: inicia-se a ampliação do seu campo de visão (o bebê visualiza e segue objetos com
o olhar).
( ) Entre 6 e 8 meses: o bebê apresenta reações a pessoas estranhas.
( ) Em torno de 1 ano: o bebê possui acuidade visual de um adulto.
A opção CORRETA é:

25

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


a) V-V-F-F
b) F-V-F-V
c) F-F-V-V
d) V-F-V-F
COMENTÁRIOS:
Vejamos os aspectos do desenvolvimento da criança de 0 a 10 anos, de acordo com o Ministério da
Saúde:
- Entre 1 e 2 meses: predomínio do tônus flexor, assimetria postural e preensão reflexa. Reflexos:
• Apoio plantar, sucção e preensão palmar: desaparecem até o 6º mês.
• Preensão dos artelhos: desaparece até o 11º mês.
• Reflexo cutâneo plantar: obtido pelo estímulo da porção lateral do pé. No RN, desencadeia extensão do
hálux. A partir do 13º mês, ocorre flexão do hálux. A partir desta idade, a extensão é patológica.
• Reflexo de Moro: medido pelo procedimento de segurar a criança pelas mãos e liberar bruscamente
seus braços. Deve ser sempre simétrico. É incompleto a partir do 3º mês e não deve existir a partir do 6º mês.
• Reflexo tônico-cervical: rotação da cabeça para um lado, com consequente extensão do membro
superior e inferior do lado facial e flexão dos membros contralaterais. A atividade é realizada bilateralmente e
deve ser simétrica. Desaparece até o 3º mês.
- Entre 1 e 2 meses: percepção melhor de um rosto, medida com base na distância entre o bebê e o seio
materno.
- Entre 2 e 3 meses: sorriso social.
- Aos 3 meses: o bebê adquire noção de profundidade.
- Entre 2 e 4 meses: bebê fica de bruços, levanta a cabeça e os ombros. Em torno de 2 meses: inicia-se a
ampliação do seu campo de visão (o bebê visualiza e segue objetos com o olhar).
- Aos 4 meses: preensão voluntária das mãos.
- Entre 4 a 6 meses: o bebê vira a cabeça na direção de uma voz ou de um objeto sonoro.
- Em torno dos 6 meses: inicia-se a noção de “permanência do objeto”.
- A partir do 7º mês: o bebê senta-se sem apoio.
- Entre 6 e 8 meses: o bebê apresenta reações a pessoas estranhas.
- Entre 6 e 9 meses: o bebê arrasta-se, engatinha.
- Entre 9 meses e 1 ano: o bebê engatinha ou anda com apoio. Em torno do 10º mês: o bebê fica em pé
sem apoio.
- Em torno de 1 ano: o bebê possui a acuidade visual de um adulto.
- Entre 1 ano e 1 ano e 6 meses: o bebê anda sozinho.
- Entre 1 ano e 6 meses a 2 anos: o bebê corre ou sobe degraus baixos.
- Entre 2 e 3 anos: o bebê diz seu próprio nome e nomeia objetos como seus.
Em torno dos 2 anos: o bebê reconhece-se no espelho e começa a
brincar de faz de conta (atividade que deve ser estimulada, pois auxilia no desenvolvimento cognitivo e
emocional, ajudando a criança a lidar com ansiedades e conflitos e a elaborar regras sociais).

26

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


- Entre 2 e 3 anos: os pais devem começar aos poucos a retirar as fraldas do bebê e a ensiná-lo a usar o
penico.
- Entre 3 e 4 anos: a criança veste-se com auxílio.
- Entre 4 e 5 anos: a criança conta ou inventa pequenas histórias. O comportamento da criança é
predominantemente egocêntrico; porém, com o passar do tempo, outras crianças começam a se tornar
importantes.
- A partir dos 6 anos: a criança passa a pensar com lógica, embora esta seja predominantemente
concreta. Sua memória e a sua habilidade com a linguagem aumentam. Seus ganhos cognitivos melhoram sua
capacidade de tirar proveito da educação formal. A autoimagem se desenvolve, afetando sua autoestima. Os
amigos assumem importância fundamental. A criança começa a compreender a constância de gênero.
A segregação entre os gêneros é muito frequente nesta idade (meninos “não se misturam” com meninas e vice-
versa).
- A partir dos 7 anos: a criança começa a desenvolver o julgamento global de autovalor, integrando sua
autopercepção, “fechando” algumas ideias sobre quem ela é e como deve ser etc. A influência dos pares
(amigos, colegas da mesma idade) adquire grande importância nesta etapa da vida, enquanto a influência dos
pais diminui.
- A partir dos 10 anos: ocorrem mudanças relacionadas à puberdade e há um estirão de crescimento
(primeiro nas meninas, em torno dos 11 anos, depois nos meninos, em torno dos 13 anos).
Vejamos os itens incorretos:
Item I. O reflexo de Moro, é incompleto a partir do 3º mês e não deve existir a partir do 6º mês.
Item II. Em torno de 2 meses: inicia-se a ampliação do seu campo de visão (o bebê visualiza e segue
objetos com o olhar).

Logo, a sequência correta é F- F-V-V, gabarito letra C.

21. (Sec. de Estado de Saúde do Estado do Acre-SESACRE/FUNCAB/2013) Na vigilância do crescimento


infantil, a enfermeira, durante a consulta de enfermagem, deve calcular, a partir da relação do peso e da
altura:
a) o indicador de peso infantil.
b) a massa muscular.
c) o índice de massa óssea.
d) o índice de massa corpórea.
e) a medida de balanço hídrico.
COMENTÁRIOS:
A inclusão do Indíce de Massa Corporéa (IMC), como parâmetro de avaliação permite que a criança seja
mais bem avaliada na sua relação peso vs. comprimento (para menores de 2 anos) ou peso vs. altura (para
maiores de 2 anos). Tal parâmetro auxilia na classificação de crianças que em um determinado
período estiveram desnutridas e tiveram o comprometimento de sua estatura, possibilitando uma
melhor identificação de crianças com excesso de peso e baixa estatura.

27

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


O cálculo do IMC deverá ser realizado a partir da aplicação da fórmula a seguir, após realizada a
mensuração de peso e altura ou de comprimento da criança. As crianças menores de 2 anos deverão ser
mensuradas deitadas em superfície lisa (comprimento) e as crianças maiores de 2 anos deverão ser
mensuradas em pé (altura). A Caderneta de Saúde da Criança apresenta as tabelas de IMC calculadas e orienta
as pessoas sobre o seu uso.
- Fórmula para cálculo do IMC: IMC= PESO (kg) / ALTURA (m)²
Dessa forma, o gabarito é a letra D.

22. (Prefeitura de Parnaíba-PI/ UFPI – COPESE/2010) Em relação à medida do perímetro cefálico, analise as
assertivas abaixo e marque a opção CORRETA.
I - O período de maior crescimento pós-natal da cabeça e do cérebro é de 0 a 24 meses.
II - É uma medida que apresenta grande faixa de variação para qualquer grupo etário.
III. Não há quase variação racial, populacional ou de fatores geográficos.
a) Apenas a opção I está correta.
b) As opções I e III estão corretas.
c) As opções II e III estão corretas.
d) As opções I e II estão corretas.
e) Apenas a opção II está correta.
COMENTÁRIOS:
A medição do perímetro cefálico é importante para avaliar o tamanho da cabeça e do cérebro. Sua
importância na infância está relacionada ao volume intracraniano, permitindo uma avaliação do
crescimento do cérebro. O acompanhamento do perímetro cefálico deve ser feito, prioritariamente, nas
crianças de 0 a 24 meses, período de MAIOR crescimento pós-natal da cabeça e cérebro. É uma medida
que apresenta PEQUENA faixa de variação para qualquer grupo etário, com um desvio padrão que
permanece pequeno e aproximadamente constante para todo o período de crescimento. Não há quase
variação racial, populacional ou de fatores geográficos. Embora haja uma pequena diferença entre os sexos
(maior no sexo masculino) a diferença não excede 1 cm para a média em qualquer idade.

Logo, o gabarito é a letra B, pois a assertiva II está INCORRETA.

23. (Prefeitura de Parnaíba-PI/ UFPI – COPESE/2010) O desenvolvimento é “o aumento da capacidade do


indivíduo na realização de funções cada vez mais complexas” (MARCONDES et alii, 2003, p.24). Pode-se
suspeitar, assim, da ocorrência de provável atraso no desenvolvimento de uma criança com seis meses de
idade quando
a) não consegue sentar sem apoio.
b) não rola na superfície de apoio.
c) leva objetos à boca.
d) não pega objetos usando movimento de “pinça”.
e) alcança um brinquedo.

28

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


COMENTÁRIOS:
De acordo com a Caderneta da Criança, o desenvolvimento de uma criança em torno de 5 a 6 meses, é:
O bebê sabe quando se dirigem à ele e gosta de conversar. Quando ouve uma voz, procura com o olhar.
Olha e pega tudo: cuidado com objetos pequenos para não engasgar. Para que ele se movimente melhor, a
mãe ou quem cuida dele, deve colocá-lo no chão, para que ela role da posição supina para prona. Vira a
cabeça na direção de uma voz ou objeto sonoro.
Caso, a criança não mostre esses comportamentos é preciso investigar se existe um possível atraso no
seu desenvolvimento.
Portanto, o gabarito é a letra B.

24. (Prefeitura de Arapongas–PR/IBFC/2014) São ações sugeridas para a promoção à saúde relacionada ao
acompanhamento e desenvolvimento da criança:
a) Avaliar a caderneta de saúde da criança exclusivamente em casos de consultas médicas.
b) Realizar grupos educativos, tendo como participantes as mães ou responsáveis pelas crianças.
c) Executar as ações de vigilância à saúde da criança por meio exclusivo de demanda espontânea da presença
de crianças à consulta.
d) Executar aferição do peso, Apgar e condições de alta.
COMENTÁRIOS:
De acordo com a Caderneta de Saúde da Criança, o acompanhamento do desenvolvimento da criança
na atenção básica objetiva sua promoção, proteção e a detecção precoce de alterações passíveis de
modificação que possam repercutir em sua vida futura. Isso ocorre principalmente por meio de ações
educativas e de acompanhamento integral da saúde da criança. A criança deve atravessar cada estádio
segundo uma sequência regular, ou seja, os estádios de desenvolvimento cognitivo são sequenciais. Se a
criança não for estimulada ou motivada no devido momento, ela não conseguirá superar o atraso do seu
desenvolvimento. Afinal, o desenvolvimento infantil se dá à medida que a criança vai crescendo e vai se
desenvolvendo de acordo com os meios onde vive e os estímulos deles recebido.
A identificação de problemas (tais como: atraso no desenvolvimento da fala, alterações relacionais,
tendência ao isolamento social, dificuldade no aprendizado, agressividade, entre outros) é fundamental para o
desenvolvimento e a intervenção precoce para o prognóstico dessas crianças. Portanto, são de relevância o
diagnóstico e o acompanhamento do desenvolvimento das crianças, sendo que os principais
protocolos preconizam a avaliação objetiva de habilidades motoras, de comunicação, de interação social e
cognitiva nas consultas de supervisão de saúde.
As avaliações do desenvolvimento infantil devem sempre levar em consideração as
informações e opiniões dos pais e da escola sobre a criança. Recomenda-se procurar ouvir, informar e discutir
assuntos que dizem respeito às habilidades desenvolvidas e à maneira como a criança as explora,
relacionando-as aos riscos de lesões não intencionais e às medidas para a sua prevenção. Através de grupos
educativos, rodas de conversas com participação dos pais ou responsáveis pelas crianças.

Logo, o gabarito é a letra B.

29

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


25. (Prefeitura de Alagoa Grande-PB/IBFC/2014) O cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC) deve ser obtido
a partir da aplicação da fórmula IMC=Peso(kg) / Altura2(m), após realizada a mensuração de peso e altura ou
de comprimento da criança. O __________________ é considerado como IMC adequado em crianças menores
de 10 anos. Assinale a alternativa que completa corretamente a lacuna.
a) Percentil > 97 e 99,9.
b) Percentil > 85 e 97.
c) Percentil ≥ 0,1 e < 3.
d) Percentil ≥ 3 e 85.
COMENTÁRIOS:
De acordo com o Ministério da Saúde, os pontos de corte de IMC por idade para menores de 10 anos,
são:
- Percentil > 99,9: Escore z > +3 Obesidade grave (acima de 5 anos) e obesidade (de 0 a 5 anos).
- Percentil > 97 e 99,9: Escore z +2 e +3 Obesidade (acima de 5 anos) e sobrepeso (de 0 a 5 anos).
- Percentil > 85 e 97: Escore z > +1 e < +2 Sobrepeso (acima de 5 anos) e risco de sobrepeso (de 0 a 5
anos).
- Percentil > 3 e 85: Escore z > -2 e +1 IMC adequado.
- Percentil > 0,1 e < 3: Escore z > -3 e < -2 Magreza.
- Percentil < 0,1: Escore z < -3 Magreza acentuada.

De acordo com os dados supracitados, gabarito da questão é a letra D.

“O concurseiro vencedor sabe dizer não sempre que necessário, sem se culpar,
não podemos agradar a todos e prejudicar nossa preparação, nossos sonhos,
sem desgaste.”

30

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


______________________________________

Chegamos ao final de mais uma aula!


Mantenha o foco em seus objetivos!
Até a próxima aula.

Profº. Rômulo Passos


Profª. Raiane Bezerra
Profª. Cássia Moésia
Profª. Sthephanie Abreu

GABARITO
1. A 14. A

2. C 15. C

3. D 16. A

4. E 17. B

5. D 18. B

6. C 19. D

7. B 20. C

8. A 21. D

9. D 22. B

10. E 23. B

11. C 24. B

12. D 25. D

13. A

31

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95


REFERÊNCIAS

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde
da criança : crescimento e desenvolvimento. Brasília-DF, 2012. Disponível em:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_crescimento_desenvolvimento.pdf

As Cadernetas de Saúde da Criança podem ser acessadas nos seguintes links:


<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderneta_saude_crianca_menina.pdf>.
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderneta_saude_crianca_menino.pdf>.

HOCKENBERRY, Marilyn J.; WILSON, David. Fundamentos de enfermagem pediátrica/ Tradução


Maria Inês Corrêa Nascimento-9ª ed. Elsevier. Rio de Janeiro- RJ, 2014. Disponível em:
https://issuu.com/elsevier_saude/docs/wong_e-sample

32

Thereza Emanuelle Alves de Oliveira - 025.067.073-95

Você também pode gostar