Você está na página 1de 26
Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

Título:

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS

ÍNDICE

1 OBJETIVO

3

2 APLICABILIDADE

3

3 REFERÊNCIAS

3

4 RESPONSABILIDADES

3

4.1 Chefe de Departamento

3

4.2 Departamento de Suprimentos

3

4.3 Unidades Operacionais e Sede

3

4.4 Gestor do Contrato

3

4.5 DAS/DASSC

3

5GLOSSÁRIO

4

6 OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA

4

7 DOCUMENTOS A SEREM ENTREGUES À CGTEE

6

7.1 Contratos com prazo de execução de até 30 (trinta) dias

6

7.2 Contratos com prazo de execução superior a 30 (trinta) dias

6

7.3 Reuniões de Coordenação de Segurança

8

8

REVISÕES DE MANUTENÇÃO

8

8.1 Atendimento Médico de Urgência

8

8.2 Reuniões de Coordenação de Segurança

9

9

DIMENSIONAMENTO DO SESMT

9

10 TRABALHO A CÉU ABERTO

10

11 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

10

12 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

10

13 VESTIMENTA DE TRABALHO

10

14 HIGIENIZAÇÃO DE EPI’S E VESTIMENTAS DE TRABALHO

11

15 INDICADORES DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

11

16 ESPAÇO CONFINADO

11

16.1 Medidas Técnicas

11

16.2 Medidas Administrativas

11

16.3 Medidas Pessoais

12

Folha 1 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

16.4

Medidas de Emergência e Resgate

12

17 SERVIÇOS ENVOLVENDO INTERDIÇÕES DENTRO DE ÁREAS OPERACIONAIS

12

18 INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE – NR-10

13

19 OCORRÊNCIAS ANORMAIS

13

20 ACIDENTE FATAL

13

21 SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

13

22 EMBARGO OU INTERDIÇÃO DOS TRABALHOS

13

23 TREINAMENTO EM SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

14

24 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

14

25 TRANSPORTE DE PESSOAL E MOVIMENTAÇÃO DE CARGA

14

25.1

Transporte de Pessoal

14

25.2Transporte e Movimentação de Carga

14

26 ACESSO AO LOCAL DE TRABALHO

14

27 RESPONSABILIDADE DA CONTRATADA

15

28 PENALIDADES POR INFRAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA

15

28.1 Lista exemplificativa das Faltas por Infração às Normas de Segurança

16

28.2 Procedimento para Aplicação da Penalidade

17

29 DISPOSIÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA

17

30 EQUIPE DE ELABORAÇÃO

17

ANEXO I - TERMO DE RESPONSABILIDADE

18

ANEXO II - PLANILHA DE ACIDENTES DO TRABALHO

19

ANEXO III - PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO EM ESPAÇO CONFINADO

22

ANEXO IV - AVALIAÇÃO AMBULATORIAL PARA ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO

23

ANEXO V - CARTEIRA DE ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO

25

ANEXO VI – SOLICITAÇÃO DE PROVIDÊNCIA DE SEGURANÇA

26

Folha 2 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

1 OBJETIVO

A CGTEE é uma empresa pública cuja missão é consolidar e expandir a geração térmica de energia elétrica, com confiabilidade, competitividade e responsabilidade social e ambiental, promovendo o desenvolvimento da sociedade riograndense e brasileira, com ênfase na conservação da segurança e da saúde dos seus trabalhadores. O presente documento visa definir as responsabilidades das empresas contratadas para trabalhar como parceiras da CGTEE, estabelecendo as orientações e procedimentos concernentes às atividades de Segurança e Medicina do Trabalho, com o objetivo de proteger a integridade física das pessoas, dos equipamentos e das instalações da CGTEE - Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica e da CONTRATADA.

2 APLICABILIDADE

Aplica-se a todas as contratadas que executam suas atividade na CGTEE.

3 REFERÊNCIAS

Constituição Federal, Consolidação das Leis do Trabalho - CLT e Normas Regulamentadoras- NR’s, do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE, emitidas a partir da Portaria 3214/78 de 08 de junho de 1978.

4

RESPONSABILIDADES

4.1

Chefe de Departamento

o cumprimento deste procedimento, divulgando-o a todos os

trabalhadores sob sua responsabilidade,

4.2 Departamento de Suprimentos

Responsável pela inclusão deste Procedimento em todos os editais e contratos da CGTEE para a prestação de serviços que envolvam a participação de trabalhadores nas dependências da CGTEE, conforme resolução 252/2004 da Diretoria Executiva;

4.3 Unidades Operacionais e Sede

o cumprimento deste procedimento, divulgando-o a todos os

trabalhadores sob sua responsabilidade.

4.4 Gestor do Contrato

Preposto da CGTEE, com responsabilidade de conhecer e de fazer cumprir o contrato de prestação de serviços e este procedimento;

4.5 DAS/DASSC

São os órgãos da CGTEE responsáveis pela orientação e fiscalização do cumprimento deste procedimento e por disponibilizar cópias do PPRA (Programa de Prevenção a Riscos Ambientais) da CGTEE, a fim de possibilitar á CONTRATADA a elaboração do PGR (Programa de Gerenciamento de Risco). O DAS e o DASSC constituem o Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) da CGTEE.

Responsável por garantir

Responsável por garantir

Folha 3 / 26

5GLOSSÁRIO Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

5GLOSSÁRIO

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

ABNT

Associação Brasileira de Normas Técnicas

ASO

Atestado de Saúde Ocupacional

CA

Certificado de Aprovação

CGTEE

Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica

CIPA

Comissão Interna de Prevenção Acidentes

DA

Diretoria Administrativa

DAS

Departamento de Segurança e Medicina do Trabalho

DASSC

Setor de Segurança e Medicina do Trabalho do Departamento Técnico de Candiota

DDS

Diálogo Diário de Segurança

DFS

Departamento de Suprimentos

DTC

Departamento Técnico de Candiota

DTML

Divisão de Manutenção de São Leopoldo

DTPJ

Divisão de Produção de São Jerônimo

DTPP

Divisão de Produção de Porto Alegre

EPC

Equipamento de Proteção Coletivo

EPI

Equipamento Proteção Individual

MAPRO

Manual de Procedimentos da CGTEE

MTE

Ministério do Trabalho e Emprego

NBR

Norma Brasileira emitida pela ABNT

NR

Norma Regulamentadora emitida pelo TEM

PCMAT

Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção

PCMSO

Programa de Controle Médico de Medicina do Trabalho

PPR

Programa de Prevenção Respiratória

PPRA

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

PSI

Procedimento de Segurança Industrial

PT

Permissão de Trabalho

SESMT

Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho

SPS

Solicitação de Providência de Segurança

6 OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA

Toda a empresa contratada pela CGTEE deverá manter em seu escritório, no local da execução dos serviços, cópia atualizada das Normas Regulamentadoras emitidas a partir da Portaria nº 3.214/78 do MTE. É preceito jurídico e legal que ninguém pode alegar desconhecimento da lei para deixar de cumpri-la ou para se eximir das conseqüências de seu descumprimento.

Folha 4 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

6.1 A Contratada, ao firmar contrato com a CGTEE, obriga-se a cumprir todas as exigências

contidas no presente documento, PSI-DAS-011 e a cumprir todas as prescrições relativas à Segurança e Medicina do Trabalho que forem pertinentes a execução dos serviços contratados, estabelecidas pelas normas regulamentadoras emitidas pelo MTE a partir da Portaria nº 3.214.

NOTA: Deverá ser dada especial atenção aos itens referentes à disponibilização e ao uso dos equipamentos de proteção individual, coletivo, de emergência, primeiros socorros e ao treinamento e capacitação dos seus trabalhadores.

6.2 A contratada deverá cumprir as disposições gerais previstas na NR 01 que estabelece: Cabe a

empresa Contratada:

a)cumprir e fazer cumprir as disposições legais e regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho;

b)elaborar ordens de serviço sobre segurança e medicina do trabalho, dando ciência aos empregados, com os seguintes objetivos:

I.prevenir atos inseguros no desempenho do trabalho;

II.divulgar as obrigações e proibições que os empregados devam conhecer e cumprir;

III.dar conhecimento aos empregados de que serão passíveis de punição, pelo descumprimento das ordens de serviço expedidas;

IV.determinar os procedimentos que deverão ser adotados em caso de acidente do trabalho e doenças profissionais ou do trabalho;

V.adotar medidas determinadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego;

VI.adotar medidas para eliminar ou neutralizar a insalubridade e as condições inseguras de trabalho. c)informar aos trabalhadores:

I.os riscos profissionais que possam originar-se nos locais de trabalho;

II.os meios para prevenir e limitar tais riscos e as medidas adotadas pela empresa;

III.os resultados dos exames médicos e de exames complementares de diagnóstico aos quais os próprios trabalhadores forem submetidos;

IV.os resultados das avaliações ambientais realizadas nos locais de trabalho. d)permitir que representantes dos trabalhadores acompanhem a fiscalização dos preceitos legais e regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho.

6.3

Cabe a empresa contratada exigir do seu empregado:

a )

O cumprimento das disposições legais e regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho, inclusive as ordens de serviço por elas expedidas;

b)

O uso dos EPI´s fornecidos e a participação no respectivo treinamento;

c )

A realização dos exames médicos (admissional, periódico e demissional) e PCMSO, previstos nas Normas Regulamentadoras, quando solicitado;

d)

A colaboração com a empresa no zelo e na aplicação das Normas Regulamentadoras;

6.4

Orientar os seus trabalhadores que constitui ato faltoso a recusa injustificada do empregado ao

cumprimento do disposto no item anterior.

6.5 Providenciar profissionais de Segurança e Medicina do Trabalho devidamente registrados no

Ministério do Trabalho e Emprego ou nos seus respectivos Conselhos Regionais.

6.6 Permitir ampla e total fiscalização em suas instalações e serviços, pelo Gestor do Contrato e

pelo SESMT da CGTEE.

Folha 5 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

6.7 Ser responsável pelos atos de seus empregados e conseqüências cíveis e penais decorrentes

de inobservância de quaisquer leis, normas e regulamentos de Segurança e Medicina do Trabalho vigentes no país. Não serão aceitas alegações de desconhecimento pela Contratada das normas e regulamentos de Segurança e Medicina do Trabalho, bem como os constantes neste procedimento.

6.8 Emitir a identificação de todos os seus empregados através de crachás, constando: nome da

empresa e do empregado, tipo sanguíneo e fator RH, foto recente e função do empregado e equipe da qual faz parte, antes do início dos trabalhos contratados;

6.9 Planejado, propiciando de forma pró-ativa à condução segura da atividade. Para tal, poderá ser

necessária a realização de reuniões entre a CGTEE, representada pelo Gestor e DAS/DASSC e Contratada, representada pelos Prepostos, Encarregados, Chefias;

6.10 Arcar com todos os custos de implantação e manutenção de seus Programas de Segurança e

Medicina do Trabalho, bem como todas as custas de contratos onde existir a subcontratação;

6.11 Providenciar o manuseio do lixo séptico gerados nas instalações de seu uso, quando existir, de

forma adequada e em conformidade com a legislação vigente;

6.12 Realizar DDS (diálogo diário de segurança) antes de iniciar suas atividades, por ocasião das

paradas para manutenção de uma unidade geradora da usina;

6.13 Ser responsável pelo treinamento dos seus trabalhadores, devendo prever cursos de

atendimento às Normas Regulamentadoras do MTE e os respectivos cursos de reciclagem, dentro do horário correspondente à jornada de trabalho do trabalhador;

6.14 Disponibilizar trabalhadores para a composição da Brigada de Emergência da CGTEE.

6.15 Responsabilizar-se pela recuperação dos danos causados às instalações da CGTEE tais como

os que ocorrem no piso ou nas escadas causados por quedas de materiais pesados, nos corrimões ou guarda-corpos causado pelo uso indevido dos mesmos ou nas tampas das canaletas na área da caldeira ou da cinza em função do tráfego de veículos.

NOTA: Os trabalhadores após a realização dos exames admissionais, somente poderão iniciar suas atividades nas unidades da CGTEE, após passarem por TREINAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA, ministrado pela CGTEE através do DAS/DASSC, mediante agendamento através do Gestor do Contrato.

7 DOCUMENTOS A SEREM ENTREGUES À CGTEE

O prazo de entrega dos documentos à CGTEE, deverá ser imediatamente após a emissão da

Ordem de Mobilização e antes do início das atividades. A não observância desta exigência implicará na aplicação de penalidades administrativas por infração às normas de segurança, em conformidade com o item 28 deste documento. Os documentos deverão ser entregues ao Gestor do Contrato que os encaminhará ao Departamento de Segurança e Medicina do Trabalho, DAS/DASSC.

7.1 Contratos com prazo de execução de até 30 (trinta) dias

Deverá ser preenchido pela CONTRATADA o TERMO DE RESPONSABILIDADE, (Anexo I) e entregue juntamente com os Atestados de Saúde Ocupacional (ASO) dos trabalhadores envolvidos na execução dos serviços contratados ao Gestor do Contrato, antes do início das atividades.

7.2 Contratos com prazo de execução superior a 30 (trinta) dias

A CONTRATADA deverá entregar à CGTEE, em um prazo não superior a cinco dias úteis após

a emissão da Ordem de Mobilização:

7.2.1 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCO ( PGR)

Este plano tem como

objetivo estabelecer condições mínimas necessárias para a preservação da saúde e segurança dos trabalhadores quando estes executam as suas tarefas dentro da área industrial da CGTEE.

A Contratada deverá elaborar um Plano de Gerenciamento de Risco.

Folha 6 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

O PGR deverá ser elaborado pela contratada através de profissional especializado na área de

segurança do trabalho credenciado no Ministério do Trabalho e Emprego ou Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia-CREA. Para a elaboração deste plano, a contratada deverá orientar-se no PPRA da CGTEE e em

outras fontes que envolvam questões de segurança do trabalho específica da contratada. No PPRA encontram-se correlacionados todos os grupos Homogêneos de Exposição (GHE) e os respectivos postos de trabalho.

O referido plano deverá contemplar no mínimo as informações abaixo citadas, adequadas ao

local de execução dos serviços:

a)Especificação dos EPI’s em conformidade com o manual da CGTEE e o local da execução dos serviços;

b)Informações sobre a estratégia de conservação e higienização de EPI´S;

c)Programa de Proteção Respiratória, no caso de trabalho na DTC e DTPJ, conforme NR33 da Portaria Nº 3.214/78;

d)Plano de prevenção contra acidentes de origem elétrica de acordo com a NR-10;

e)Planejamento específico das atividades a serem executados pelas equipes, contendo os riscos envolvidos em cada tarefa, bem como o seu controle;

A implantação e manutenção do PGR são de responsabilidade da empresa contratada que

deverá ser assessorada pelo seu próprio Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT.

O controle e supervisão deste plano deverão ser feitos através do gestor de contrato, do

SESMT e da CIPA da CGTEE.

7.2.2 PROGRAMA DE CONDIÇÕES DE MEIO AMBIENTE DO TRABALHO (PCMAT)

Os serviços contratados pela CGTEE que no seu escopo de trabalhos conste serviços referentes à construção civil deverão também contemplar além do PGR um PCMAT. Nas revisões de manutenção e para os Serviços de Limpeza Industrial a empresa contratada deverá elaborar um PCMAT exclusivo para a realização dos serviços, conforme NR-18.

7.2.3

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL (PCMSO)

7.2.3.1

A CONTRATADA deverá apresentar o Programa de Controle Médico de Saúde

Ocupacional, bem como os ASO’s (Atestado de Saúde Ocupacional + exames complementares) admissionais, periódicos e demissionais, de seus empregados e de suas Sub-Contratadas;

7.2.3.2 Deverá ser informada a forma de atendimento médico ambulatorial, assim como a indicação

da unidade hospitalar para atendimento e assistência em caso de emergência/urgência, bem como o meio de transporte a ser utilizado;

7.2.3.3 Os medicamentos e materiais utilizados no ambulatório da CGTEE, durante a realização de

atendimentos a empregados da contratada, deverão ser repostos no prazo de até 15 dias a partir da notificação pelo Gestor do Contrato.

7.2.3.4 Os medicamentos e materiais repostos deverão ser iguais, em qualidade e quantidade, aos

fornecidos pela CGTEE. Na falta da reposição, a CGTEE abaterá o valor das faturas da contratada, sem prejuízo da aplicação da penalidade por inexecução prevista no contrato, observado o devido processo legal.

7.2.3.5 Para os trabalhos a serem desenvolvidos nas Unidades Operacionais DTC, DTPJ, DTPP e

DTML, a CONTRATADA deverá apresentar além dos exames clínicos de seus empregados, os exames complementares a seguir: Raio-X de Tórax, Espirometria e Audiometria;

7.2.3.6Para as funções abaixo relacionadas, além dos exames citados no item 7.3.5, deverão ser realizados os seguintes exames considerados específicos:

7.2.3.6.1 Trabalhadores expostos a risco elétrico:

Folha 7 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

ECG (eletrocardiograma);

7.2.3.6.2 Trabalhadores expostos a hidrocarbonetos:

a)Hemograma;

f)Plaquetas;

g)Reticulócitos.

7.2.3.6.3 Motoristas, operadores de máquinas pesadas e trabalho em altura:

a)ECG (eletrocardiograma);

h)EEG (eletroencefalograma);

i)Acuidade visual;

j)Glicose;

k)GGT (gama GT);

l)Exames de laboratório: Glicemia, Colesterol total e frações, Triglicerídios, Creatinina e GGT;

m)Avaliação Psicológica.

7.2.3.6.4 Manuseio de carvão e cinza:

a)ECG ( eletrocardiograma);

n)EEG ( eletroencefalograma);

o)Exame de acuidade visual;

p)Exames de laboratório: Glicemia, Colesterol total e frações, Triglicerídios, Creatinina e GGT;

q)Avaliação Psicológica.

7.2.3.6.5 Trabalhos em espaço confinado:

a)ECG ( eletrocardiograma);

r)EEG ( eletroencefalograma);

s)Exame de acuidade visual;

t)Exames de laboratório: Glicemia, Colesterol total e frações, Triglicerídios, Creatinina e GGT.

u)Avaliação Psicológica.

7.3

Reuniões de Coordenação de Segurança

O Departamento de Segurança e Medicina do Trabalho da CGTEE convocará o responsável pelo setor de Segurança e Medicina do Trabalho da CONTRATADA para reuniões mensais referentes a coordenação de assuntos e ações relativas à segurança e saúde dos trabalhadores.

8

REVISÕES DE MANUTENÇÃO

Por ocasião das paradas de manutenção, programadas pela CGTEE além dos documentos previstos no item 7, deverá a CONTRATADA providenciar:

8.1 Atendimento Médico de Urgência

Manter atendimento de urgências/emergências médicas durante todos os turnos em que houver atividade de trabalho. A estrutura mínima deverá contemplar:

Folha 8 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

8.1.1AMBULÂNCIA

Veículo do tipo ambulância, dedicada exclusivamente para este fim, estacionada em local definido pela CGTEE, equipada com material e dispositivos de urgência/emergência, contendo no mínimo os seguintes equipamentos, não se limitando apenas a estes:

a) Torpedo de oxigênio de no mínimo 15litros;

b) Maca rígida com coxins e cinto tipo polvo;

c) Medicações de urgência/emergência (adrenalina, epinefrina, revivan, dolantina)

d) Laringoscópio;

e) Medidor de saturação de O 2 ;

f) Equipamentos necessários para infusão de solução parenteral;

g) Material necessário para curativos, incluindo também conjunto de talas para imobilização;

h) Cobertor, travesseiro e lençol descartável;

i) Esfignomanômetro e Estetoscópio;

j) Tubo Endotraqueal e cânula de guedel;

k) Extensor de Oxigênio;

l) Cateter de Oxigênio.

8.1.2 AMBULATÓRIO

Como exigência mínima este recurso deverá conter uma sala para procedimentos, um consultório médico, um banheiro, uma sala para higienização de materiais, medicamentos, aparelhos, equipamentos e os dispositivos necessários ao atendimento para suporte a primeiro atendimento de Urgência/Emergência;

O efetivo mínimo do ambulatório deverá ser composto por:

a)

1(um) Médico Socorrista durante todos os turnos em que houver atividades de trabalho;

b)

2 (dois) Técnicos de Enfermagem durante todos os turnos em que houver atividades de trabalho;

c)

(um) Enfermeiro durante 8h/dia como responsável técnico pelo ambulatório.

8.2

Reuniões de Coordenação de Segurança

O Departamento de Segurança e Medicina do Trabalho da CGTEE, por ocasião das revisões

programadas das unidades geradoras, convocará o responsável pelo setor de Segurança e

Medicina do Trabalho da CONTRATADA para reuniões semanais referentes a coordenação de assuntos e ações relativas à segurança e saúde dos trabalhadores, em substituição ao previsto

no item 7.3.

9

DIMENSIONAMENTO DO SESMT

A Contratada deverá dimensionar seu SESMT no mínimo conforme abaixo indicado:

9.1

Um técnico em segurança do trabalho para cada grupo de até 50 trabalhadores; esta proporção

deverá ser mantida no local de execução dos serviços, durante todos os turnos de trabalho;

9.2 Por ocasião das revisões de manutenção a contratada deverá manter no local da execução dos

serviços:

9.2.1 01 (um) técnico em segurança do trabalho para cada grupo de até 20 trabalhadores; esta proporção deverá ser mantida durante todos os turnos de trabalho;

Folha 9 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

9.2.2

01 (um) engenheiro de segurança do trabalho cumprindo carga horária mínima de 8 horas por dia, para grupos superiores a 50 trabalhadores, em todos os dias em que houver execução de serviço.

10

TRABALHO A CÉU ABERTO

A CONTRATADA deverá atender requisitos e condições mínimas conforme NR-21, incluindo o

abaixo indicado porém não se limitando a fornecer:

10.1 nos trabalhos a céu aberto, abrigos capazes de proteger os trabalhadores contra intempéries

no local da execução do trabalho.

10.2 medidas especiais que protejam os trabalhadores contra a insolação excessiva, o calor, o frio,

a umidade e os ventos inconvenientes.

11 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

devendo

obrigatoriamente apresentar pelo menos um trabalhador representante da mesma.

11.1 A implantação da CIPA, onde couber conforme a NR-5, porém considerando o grau de risco 4

e o grupo C17 de Geração de Energia Elétrica.

11.2

O representante da empresa, ou presidente da CIPA da CONTRATADA ou seu suplente

deverá participar das reuniões programadas pelas CIPA’s das unidades da CGTEE.

A CONTRATADA

deverá

implantar

sua

CIPA

conforme

previsto

na

NR-5,

12 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

A CONTRATADA deverá, de acordo com a NR-6, fornecer EPI’s gratuitamente aos seus trabalhadores, segundo as especificações técnicas contidas no manual de equipamentos de proteção individual da CGTEE e adequados à atividade que será desenvolvida pelo trabalhador. Estas especificações estão disponíveis no DAS/DASSC e deverão ser obtidas através do Gestor do Contrato e representam a proteção mínima que deverá ser oferecida ao trabalhado.

12.1 Com relação ao EPI, constatada a falta, o uso fora das especificações mínimas da CGTEE ou o

uso inadequado, caberá à Contratada corrigir tal desconformidade ou retirar imediatamente o empregado da exposição aos agentes agressivos;

12.2 Na eventualidade do fornecimento de EPI’s adequados aos serviços a serem realizados à

contratada afim de garantir a continuidade dos serviços, a CGTEE aplicará as penalidades previstas no item 28 deste documento.

12.3 Em caso de dúvida por parte da CONTRATADA sobre a correta especificação do EPI, esta

deverá consultar o gestor da CGTEE para a definição do EPI mais adequado à função a ser

desempenhada pelo trabalhador.

NOTA: As faltas que envolvem EPI estão sujeitas a penalidades de acordo com o item 28.

13 VESTIMENTA DE TRABALHO

É obrigatório o fornecimento gratuito, por parte da Contratada, de vestimentas de trabalho para

todos os seus empregados, nas características e quantidades compatíveis com os serviços a serem executados e em perfeito estado de conservação e limpeza.

A vestimenta dos trabalhadores que executam serviços onde houver interação com a

eletricidade deverão atender a norma regulamentadora N.º 10.

Folha 10 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

14 HIGIENIZAÇÃO DE EPI’S E VESTIMENTAS DE TRABALHO

A Contratada tem a responsabilidade e obrigação de higienizar os EPI’s e vestimentas de

trabalho, conforme NR-6, item 6.6.1 letra “f” e NR-18. A qualquer momento, por solicitação da CGTEE a CONTRATADA deverá poder comprovar o procedimento que está adotando para cumprir esta exigência.

15 INDICADORES DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

A Contratada deverá emitir relatório estatístico de acidentes de trabalho juntamente com a

cópia das CAT’s emitidas no período e encaminhá-los ao Gestor do Contrato até o dia 10 do mês

subseqüente à prestação de serviço, conforme os critérios estabelecidos na NR-4, contendo as taxas de freqüência dos acidentes típicos com afastamento, de gravidade e de freqüência das doenças ocupacionais e número de acidentes de trajeto.

O

formulário padrão da CGTEE e instruções de preenchimento deste relatório encontram-se no

anexo II.

16 ESPAÇO CONFINADO

A CONTRATADA deverá atender os requisitos e condições mínimas da NR–33 Trabalho em

Espaço Confinado; deverá fornecer todos os equipamentos de proteção individual (EPI) e Coletivo (EPC) garantindo o cumprimento das medidas técnicas e administrativas presentes na NR 33, necessárias e compatíveis para monitoramentos periódicos das atividades em Espaço Confinado. Os equipamentos mínimos a serem fornecidos pela CONTRATADA para assegurar a segurança e a saúde dos seus trabalhadores são os seguintes:

16.1 Medidas Técnicas

Em cada uma das frentes de trabalho, consideradas espaço confinado, a CONTRATADA deverá prever o uso permanente de:

16.1.1 Equipamento

ambiental,

avaliar

porcentagem de O 2 , Monóxido de Carbono, Gás Sulfidrico e Limite inferior de Explosividade;

16.1.2 Termômetro de Stress Térmico;

16.1.3 Ventiladores/exaustores com capacidade mínima de 3000 metros cúbicos por hora, em

cada frente de trabalho;

16.1.4 Rádios para comunicação entre todos os técnicos de segurança da contratada. Deverá ser

disponibilizado um equipamento de rádio na sua freqüência ao Departamento de Segurança e Medicina do Trabalho da CGTEE;

16.1.5 Cilindro autônomo ou central de ar mandado com cilindro auxiliar de fuga a serem utilizados

em condições especiais ou em caso de emergência;

de

monitoramento

intrisícamente

seguro

capaz

de

16.1.6

Todos os equipamentos necessários para o trabalho e resgate em altura;

16.2

Medidas Administrativas

16.2.1

Implementar e preencher a Permissão de Entrada e Trabalho em Espaço Confinado (PET),

seguindo o padrão utilizado pela CGTEE presente no anexo III, com a sua identificação (logotipo);

16.2.2 Garantir que todas as atividades em espaço confinado disponham de vigia com a atribuição

única e exclusiva de vigiar os trabalhadores que estarão interagindo com o espaço confinado.

16.2.3 Garantir que o Supervisor execute as avaliações ambientais, seja responsável pelo

preenchimento da PET e seja capacitado.

NOTA: A CGTEE fornecerá à CONTRATADA o cadastro atualizado dos espaços confinados existentes na Unidade.

Folha 11 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

16.3

Medidas Pessoais

16.3.1

Fornecer capacitação conforme conteúdo programático e carga horária indicados na NR 33

para Supervisores, trabalhadores e vigias, antes de qualquer interação com os espaços confinados;

16.3.2 A contratada deverá realizar em cada trabalhador que apresentar com sinais de estresse

físico e que irá interagir em espaço confinado, exames ambulatoriais em concordância com a NR 33, preenchendo avaliação ambulatorial conforme modelo disponível no anexo IV. A identificação e o encaminhamento do trabalhador deverão serem feitos através do supervisor de entrada.

16.3.3 A contratada irá garantir o preenchimento da carteira para entrada em espaço confinado,

com base nos resultados obtidos na avaliação ambulatorial. Conforme modelo disponível no anexo V.

16.3.4 O supervisor de entrada ao realizar a avaliação ambiental do espaço confinado, terá o

acompanhamento e fiscalização do técnico de segurança da CONTRATADA e somente após a liberação do mesmo será permitido o acesso dos trabalhadores previamente aprovados nos exames ambulatoriais.

16.3.5 A Carteira para trabalho em Espaço Confinado (Anexo V) será emitido para todo o

funcionário considerado apto na avaliação ambulatorial para entrada em espaço confinado;

16.3.6O Técnico de Segurança juntamente com o Supervisor de entrada, devem preencher a avaliação de riscos em espaço confinada constante na PET, para registrar os dados e providenciar os equipamentos de proteção, bem como tomar as medidas necessárias para diminuir os riscos;

16.3.7 Se não houver a monitorização permanente das condições ambientais de espaço confinado,

a permissão de entrada valerá no máximo para um turno de trabalho, condicionando esta possibilidade às condições ambientais do espaço confinado, avaliadas periodicamente. Após o término do primeiro turno ou sempre que necessário o Técnico de Segurança e o Supervisor de entrada deverão reavaliar/revalidar a PET;

16.3.8 Em caso de emergência, deverá ser comunicado o Supervisor de entrada e, se necessário,

acionada a equipe de resgate da CONTRATADA e da CGTEE pelo rádio ou pelo telefone:

CANDIOTA - DTC: ramal 7532 (Ambulatório), e 7533(Segurança) ou via radio faixa 3;

SÃO JERÔNIMO - DTPJ: ramal 3162(Ambulatório), fone 32871556(Segurança) e 193;

NUTEPA - DTPP: fone 32871556(Segurança) e 193.

16.4

Medidas de Emergência e Resgate

16.4.1

Fornecer equipe capacitada para resgate em espaço confinado e indicar esta no campo

especifico da PET.

16.4.2 Esta equipe deverá estar próxima ao local da execução do serviço durante todo o tempo de

execução do mesmo.

16.4.3 A equipe de resgatistas deverá ser composta por no mínimo 3(três) trabalhadores durante a

jornada de trabalho diurna. Havendo a necessidade de trabalho noturno a contratada deverá disponibilizar uma nova equipe composta de, no mínimo, 2(dois) trabalhadores.

17 SERVIÇOS ENVOLVENDO INTERDIÇÕES DENTRO DE ÁREAS OPERACIONAIS

Sempre que os serviços impliquem no bloqueio parcial ou total do trânsito de pessoas ou veículos, a CONTRATADA deverá solicitar a devida autorização para a interdição do local, indicando detalhadamente:

a) Trecho ou área a ser interditado;

b) Modalidade do trabalho a ser executado;

c) Hora em que será iniciada a interdição;

d) Tempo previsto para a vigência da interdição.

Folha 12 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

No fim do trabalho que motivou a interdição, a Contratada deve comunicar de imediato tal fato ao gestor do contrato.

18 INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE – NR-10

A CONTRATADA deverá atender os requisitos e condições mínimas da NR-10. Se no escopo

dos serviços contratados houver necessidade de interação com a eletricidade, a CONTRATADA deverá entregar ao gestor do contrato da CGTEE a relação do pessoal qualificado, habilitado e autorizado para trabalhos em instalações elétricas conforme a NR-10, com os respectivos certificados do treinamento. Todos os equipamentos, instrumentos e ferramentas fornecidas pela CONTRATADA deverão estar de acordo com os descritos na NR-10.

19 OCORRÊNCIAS ANORMAIS

A CONTRATADA deverá comunicar imediatamente ao gestor do contrato da CGTEE todo

acidente com ou sem afastamento, ocorrências anormais e situações de emergência, de maneira detalhada e indicando as providências tomadas, independente das comunicações obrigatórias previstas na legislação.

20 ACIDENTE FATAL

A CONTRATADA deverá comunicar o acidente ao Gestor do Contrato, ao DAS/DASSC e aos

organismos competentes nos níveis Federal, Estadual e Municipal, tomando as providências necessárias para prevenir repetições. A Contratada deverá elaborar um relatório contento no mínimo:

a)

Descrição do acidente;

b)

Local preciso com croquis;

c)

Dados relativos à identificação da pessoa acidentada (Nome, função, idade, tempo de função na atividade atual);

d)

Causas imediatas e básicas;

e)

Providências a serem adotadas visando prevenir repetições.

21

SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

Excepcionalmente, se necessário em função da gravidade ou extensão de uma emergência, empregados da CONTRATADA serão convocados para compor as equipes de emergência da

CGTEE ou da comunidade, não se configurando nesta hipótese, prestação de serviço por parte da contratada;

A contrata se compromete a disponibilizar 1(um) trabalhador de cada grupo de até 20(vinte)

para a realização de treinamentos práticos e teóricos de combate a incêndio e de situações de emergências, programados pelo Departamento de Segurança e Medicina do Trabalho da CGTEE. A convocação destes trabalhadores será feita pelo Gestor do Contrato.

22 EMBARGO OU INTERDIÇÃO DOS TRABALHOS

A CGTEE possui amplo poder de fiscalização tendo autoridade para penalizar, embargar ou

interditar parcial ou totalmente o serviço sempre que ficar caracterizada uma situação de risco grave e eminente ou condições que coloque em perigo a vida de outrem. Fica estabelecido que estas suspensões não obrigam a CGTEE ao pagamento das horas não trabalhadas.

Folha 13 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

23 TREINAMENTO EM SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

Todos os trabalhadores das empresas contratadas deverão receber Treinamento de Integração de Segurança e em outros julgados necessários pela CGTEE. Compete ao Gestor do Contrato a convocação dos trabalhadores da CONTRATADA para a realização dos treinamentos.

24 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

Deverão ser obedecidas as medidas de prevenção e combate a incêndio das normas técnicas vigentes especialmente as NR-10, NR-18 e NR-23 do Ministério do Trabalho e Emprego e das Legislações Estaduais e Municipais.

25

TRANSPORTE DE PESSOAL E MOVIMENTAÇÃO DE CARGA

25.1

Transporte de Pessoal

Com relação ao transporte de trabalhadores da CGTEE ou das empresdas contratadas:

25.1.1 Não é permitido a superlotação de veículos nem o transporte de pessoal em

locais impróprios dos veículos, tais como: caçambas ou carrocerias de caminhão.

25.1.2 Não é permitido o transporte simultâneo de pessoas e cargas, no mesmo

compartimento do veículo;

25.1.3 A contratada deverá possuir veículo para transporte de seus funcionários

entre a portaria a CGTEE, o refeitório e os locais onde serão realizados os trabalhos;

25.1.4A contratada deverá enviar cópia da documentação obrigatória do veículo de transporte, cópia da habilitação do motorista e cópia do laudo de vistoria do veículo à CGTEE, em até 5 (cinco) dias após a emissão da Ordem de Mobilização.

25.1.5A cópia de qualquer um destes documentos deverá ser atualizada pela CONTRATADA sempre que houver substituição do motorista, troca do veículo, renovação da licença de tráfego ou nova vistoria.

25.1.6Em nenhuma hipótese poderá haver o transporte de passageiros sem que uma cópia dos documentos relacionados no item 25.1.4 estejam atualizados e entregues ao Gestor do Contrato.

25.2Transporte e Movimentação de Carga

Em relação aos serviços de carga, descarga ou de movimentação de carga nas áreas de propriedade da CGTEE. 25.2.1Somente será permitido o estacionamento dos veículos nos locais identificados para este fim pela CGTEE.

25.2.2Para eventual estacionamento do veículo em área não identificada, antes de iniciar o serviço de carga, descarga ou de movimentação de carga, a área envolvida incluindo o veículo deverá ser isolada com a utilização de cones e fita de sinalização;

25.2.3Todos os trabalhadores envolvidos na realização do serviço deverão utilizar os EPI’s indicados pela CGTEE, de utilização obrigatória no local da execução do serviço.

25.2.4Na movimentação vertical de carga, os trabalhadores que estiverem em um nível maior que 2 (dois) metros em relação ao solo deverão estar protegidos com dispositivo anti-queda como linha de vida ou sistema trava-quedas.

26 ACESSO AO LOCAL DE TRABALHO

O acesso dos trabalhadores das empresas contratadas às instalações da CGTEE se dará por meio da apresentação de crachá; Os crachás serão de uso individual e intransferível, com data de validade pré-definido pelo tempo de execução dos serviços previsto no contrato.

Folha 14 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

27 RESPONSABILIDADE DA CONTRATADA

Todos os profissionais da CONTRATADA que interagirem com eletricidade ou executarem serviços em espaços confinados, deverão ser qualificados, capacitados e autorizados conforme prevê respectivamente a NR-10 e a NR-33.

A CONTRATADA deverá cumprir todas as condições gerais de segurança e saúde do

trabalhador descritas neste manual de procedimentos bem como toda a legislação trabalhista vigente, sob pena da aplicação das penalidades por infração às normas de segurança previstas no item 28 e rescisão contratual.

A CGTEE comunicará formalmente à CONTRATADA as desconformidades verificadas que

implicarão a aplicação das penalidades na forma previstas no item 28 e através do formulário SPS - Solicitação de Providência de Segurança, cujo modelo está no anexo VI.

28 PENALIDADES POR INFRAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA

O Departamento de Segurança e Medicina do Trabalho da CGTEE(DAS) é o órgão

responsável pela orientação e supervisão da observação às disposições de segurança e medicina do trabalho no âmbito da CGTEE.

O não cumprimento das normas, procedimentos e condições de segurança adequados ao tipo

de trabalho e o não uso dos equipamentos de segurança ou das ferramentas adequadas durante a vigência do CONTRATO será considerado falta por infração de acordo com a seguinte classificação:

Tipo

Pontuação da falta

a Gravíssima

12 pontos

b Grave

6

pontos

c Média

4

pontos

d Leve

2

pontos

As faltas previstas na lista exemplificativa do item 28.1 corresponderão à penalidade de multa

por inexecução parcial e total prevista no contrato, limitada a 15% do valor do contrato, observados os seguintes percentuais:

a) pontuação menor ou igual a 4 pontos: multa de 0,1% sobre o valor definido em contrato;

b) pontuação maior que 4 e menor ou igual a 6 pontos: multa de 0,3% sobre o valor definido em

contrato;

c) pontuação maior que 6 e menor ou igual a 12 pontos: multa de 0,5% sobre o valor definido em

contrato;

d) pontuação maior que 12 pontos: multa de 0,6% sobre o valor definido em contrato.

O DAS, diante dos fatos ocorridos na execução do contrato, poderá caracterizar as infrações

previstas no item 28.1 nas demais hipóteses de penalidade por inexecução parcial e total previstas no contrato e na legislação vigente. Nesse caso, deverá justificar ao gestor, encaminhando a solicitação de aplicação da penalidade na forma prevista no item 28.2.

As hipóteses de descumprimento não previstas no item 28.1 sujeitam a contratada às penalidades por inexecução parcial e total previstas no contrato, inclusive à penalidade de multa correspondente às infrações previstas no item 28. Nesse caso, o DAS deverá informar o gestor a respectiva infração, encaminhando a solicitação de aplicação da penalidade na forma já prevista no item 28.2.

Folha 15 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

O atraso no cumprimento das obrigações previstas no MAPRO sujeitará a contratada à multa de mora prevista no contrato. Nesse caso, o DAS deverá informar o gestor a respectiva

infração, encaminhando a solicitação de aplicação da penalidade na forma prevista no item

28.2.

NOTA: O anexo de segurança da CGTEE, PSI-DAS-011 é de aplicação imediata.

28.1 Lista exemplificativa das Faltas por Infração às Normas de Segurança

FALTAS GRAVÍSSIMAS

Ocorrência de qualquer tipo de acidente do trabalho COM ÓBITO ou com necessidade de internação do trabalhador, tendo como causa infração às normas de segurança.

Falta de EPI/EPC, ou outros equipamentos indispensáveis à realização dos serviços.

Montagem incorreta de andaimes ou instalação incorreta de aterramentos e entrada em espaço confinado sem a emissão da PET.

Execução de serviços com mão-de-obra não especializada, qualificada ou capacitada para exercer a atividades relativas, especialmente, às NR’s 10 e 33.

Execução de trabalho sem a emissão da Ordem de Manutenção salvo serviço que demande realização urgente por suas características de segurança técnica e/ou pessoal devidamente autorizado pela CGTEE com conhecimento do setor de segurança da CGTEE.

Trabalhadores com os exames médicos vencidos ou por fazer segundo a NR-7.

Trabalhadores sem o treinamento de integração fornecido pela CGTEE.

Instalações sem a manutenção das condições sanitárias mínimas previstas na NR-18.

Não informar quando solicitado informações sobre a qualificação ou capacitação da mão-de-obra utilizada.

Não informar os acidentes ocorridos no prazo solicitado. Não fornecer crachá de identificação do trabalhador.

FALTAS GRAVES

Deixar de usar EPI/EPC ou outros equipamentos indispensáveis à realização do serviço.

Deixar de delimitar e de sinalizar corretamente, quando necessário, a área de trabalho.

Utilizar EPI/EPC ou outros equipamentos inadequados à realização do serviço.

Utilizar EPI/EPC ou outros equipamentos com as características originais alteradas.

Não entregar, à CGTEE, até o dia 10 de cada mês, os dados relativos a Estatística de Acidentes do Trabalho, conforme formulário específico fornecido pela CGTEE.

Não entregar a CAT à CGTEE até 14(quatorze) dias após a ocorrência do acidente.

Não entregar a cópia dos exames médicos periódicos dentro do prazo estabelecido pela CGTEE.

Não providenciar supervisão de serviço, quando necessário.

Ocorrência de acidente do trabalho sem necessidade de internação mas com interrupção do serviço ou dano a equipamentos.

Trafegar com velocidade acima do indicado nas áreas de propriedade da CGTEE ou acima do permitido pela legislação de trânsito nas vias públicas.

FALTAS MÉDIAS

Utilizar EPI/EPC, ferramentas, materiais, de maneira inadequada ou fora da sua finalidade.

EPI/EPC sem a identificação legível do Certificado de Aprovação – CA.

Falta de materiais e/ou acessórios indicados para a realização dos serviços.

Utilizar EPI/EPC, ferramentas, materiais, equipamentos em mau estado de conservação.

Utilizar EPI/EPC, ferramentas, materiais, equipamentos fora das especificações da CGTEE. Falta de reposição de medicamentos e materiais de primeiros socorros.

FALTAS LEVES

Não realização de DDS.

Folha 16 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

Empregado da CONTRATADA trabalhando sem uniformização devida.

Não utilização do crachá de identificação funcional.

28.2 Procedimento para Aplicação da Penalidade

Verificada a ocorrência da infração ao MAPRO através da inspeção de segurança, o DAS emitirá a SPS na forma do anexo VI e encaminhará o documento da infração ao gestor do contrato indicando a penalidade cabível.

O procedimento de aplicação de penalidade observará a forma prevista no manual de procedimento de gestão de contratos da CGTEE, asseguradas a ampla defesa e o devido processo legal à contratada.

29 DISPOSIÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA

A CGTEE se reserva o direito, sempre que julgar necessário de formalizar à contratada outras exigências com respeito à segurança das pessoas, meio ambiente e equipamentos, que possam não constar neste procedimento;

Compravada a infração contratual, a CGTEE poderá determinar à contratada o afastamento dos empregados faltosos e a interdição dos serviços.

O descumprimento de quaisquer normas previstas neste MAPRO poderá constituir causa para rescisão contratual na forma prevista na legislação vigente.

30 EQUIPE DE ELABORAÇÃO

Annete Machado Piccoli – RE 300016 - Chefe do DAS Geronimo Mascarello – RE 31959 Sérgio Roberto dos Santos – RE 31910 Edson Roberto Duarte Weren – RE 31932 Cristiano Rodrigues da Silva – RE 31951

Folha 17 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

ANEXO I - TERMO DE RESPONSABILIDADE

A empresa contratada

CNPJ

declara

para os devidos fins, que tem conhecimento das

Normas de Segurança e Medicina do Trabalho, Portaria Nº 3.214/78 do Ministério do

Trabalho e Emprego (MTE), que está em situação regular com a legislação

Brasileira e que assume toda e qualquer responsabilidade em

relação aos

incidentes e/ou acidentes que possam vir a ocorrer na execução das atividades nas

dependências da CGTEE.

Declara que recebeu todas as informações dos riscos inerentes a Área Industrial da

Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE), com o objetivo de

preservar a integridade física e saúde dos trabalhadores, através da Orientação de

Segurança (Integração).

DADOS DO CONTRATO

 

Serviço a ser executado:

Estimativa de prazo para execução do serviço contratado:

 

Preposto da empresa:

Nº identidade/órgão expedidor:

Telefone:

Endereço do empresa:

Telefone:

Cidade:

Estado:

Data:

/

/

Responsável pela empresa:

Assinatura:

Folha 18 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

ANEXO II - PLANILHA DE ACIDENTES DO TRABALHO

Fax: (51) 3287- 1575 Site: www.cgtee.gov.br ANEXO II - PLANILHA DE ACIDENTES DO TRABALHO Folha 19

Folha 19 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

ANEXO II - MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DE ACIDENTES DO TRABALHO

Campo 1

Coloque o nome da unidade da CGTEE

Campo 2

Deixe em branco

Campo 3

Deixe em branco

Campo 4

Informe o mês a que se refere ás informações prestadas

Campo 5

Informe o numero de todos os funcionários que prestam serviço para a CGTEE

Campo 6

Informe o ano a que se refere ás informações prestadas

REGISTRO DE ACIDENTADOS E TEMPO COMPUTADO NO MÊS

Campo 7

Informe o nome do acidentado

Campo 8

Marque com um “X” se o acidente foi (CPT) ou se foi (SPT).

Campo 9

Informe a data em o acidente ocorreu

Campo 10

Se possível informe a data da alta

Campo 11

Informe o numero de dias corridos de afastamento do trabalho em virtude de lesão pessoal, excetuados o dia do acidente e o dia da volta ao trabalho

Campo 12

Informe o numero de dias que se debitam, por incapacidade permanente ou morte, para o cálculo do tempo computado

Campo 13

Se possível informe a previsão de afastamento

Nota 1: Caso não tenha ocorrido acidente no período anular os campos de 7 á

13

REGISTRO DE ACIDENTADOS REMANESCENTES DE MESES ANTERIORES E/OU RETORNO DE ACIDENTE DO TRABALHO

Campo 14

Informe o nome do acidentado

Campo 15

Marque com um “X” se o acidente foi (CPT) ou se foi (SPT).

Campo 16

Informe a data em o acidente ocorreu

Campo 17

Se possível informe a data da alta

Campo 18

Informe o numero de dias corridos de afastamento do trabalho em virtude de lesão pessoal, excetuados o dia do acidente e o dia da volta ao trabalho

Folha 20 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

Campo 19

Informe o numero de dias que se debitam, por incapacidade permanente ou morte, para o cálculo do tempo computado

Campo 20

Se possível informe a previsão de afastamento

Nota 2: Esta parte da planilha somente deverá ser preenchida para o registro de acidentados remanescentes de meses anteriores e/ou retorno de acidente do trabalho.

Nota 2: Caso não tenha acidentados remanescentes de meses anteriores e/ou retorno de acidente do trabalho anular os campos de 14 á 20.

Campo 21

A pessoa que preencheu a planilha deverá colocar nome, data e assinar.

Campo 22

Informe qualquer observação que julgar necessário

Nota 4: Os campos não utilizados devem ser anulados.

Folha 21 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

ANEXO III - PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO EM ESPAÇO CONFINADO

3287- 1575 Site: www.cgtee.gov.br ANEXO III - PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO EM ESPAÇO CONFINADO Folha

Folha 22 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

Fax: (51) 3287- 1575 Site: www.cgtee.gov.br ANEXO IV - AVALIAÇÃO AMBULATORIAL PARA ENTRADA EM ESPAÇO

ANEXO IV - AVALIAÇÃO AMBULATORIAL PARA ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO

Nome do profissional de enfermagem:

Folha 23 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

Nome do empregado:

Empresa:

Hora do atendimento:

Há quantas horas estás trabalhando?

Data:

/

/

Quantas horas você dormiu hoje?

Menos de 6 h

Quantas horas você dormiu hoje? Menos de 6 h 6h Mais de 6h

6h

Quantas horas você dormiu hoje? Menos de 6 h 6h Mais de 6h

Mais de 6h

Quantas horas você dormiu hoje? Menos de 6 h 6h Mais de 6h

Como está sentindo-se hoje?

Indisposto

Como está sentindo-se hoje? Indisposto Disposto

Disposto

Como está sentindo-se hoje? Indisposto Disposto

Faz uso de alguma medicação

Sim

Faz uso de alguma medicação Sim Não

Não

Faz uso de alguma medicação Sim Não

Qual?

 

Anotação de algo importante

 

O

empregado apresenta alguma incapacitação aparente?

 

Sim

NãoO empregado apresenta alguma incapacitação aparente?   Sim

O empregado apresenta alguma incapacitação aparente?   Sim Não

Qual?

 

A

pressão arterial do empregado está fora do normal?

 

Sim

NãoA pressão arterial do empregado está fora do normal?   Sim

A pressão arterial do empregado está fora do normal?   Sim Não

Pressão arterial medida:

 

Empregado APTO para entrada em espaço confinado?

 

Sim

NãoEmpregado APTO para entrada em espaço confinado?   Sim

Empregado APTO para entrada em espaço confinado?   Sim Não

OBSERVAÇÕES Informar ao empregado sobre a proibição do uso de adornos pessoais, NR10-item 2.9.3 Arquivar no setor médico

Assinatura do avaliador

Ciente do avaliado

Folha 24 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

ANEXO V - CARTEIRA DE ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO

Fax: (51) 3287- 1575 Site: www.cgtee.gov.br ANEXO V - CARTEIRA DE ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO Folha

Folha 25 / 26

Sede Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS Tel.:

Sede

Rua Sete de Setembro, 539 – Centro 90010-190 – P. Alegre – RS

Tel.: (51) 3287-1500

Fax: (51) 3287-

1575

Site: www.cgtee.gov.br

ANEXO VI – SOLICITAÇÃO DE PROVIDÊNCIA DE SEGURANÇA

Fax: (51) 3287- 1575 Site: www.cgtee.gov.br ANEXO VI – SOLICITAÇÃO DE PROVIDÊNCIA DE SEGURANÇA Folha 26

Folha 26 / 26