Você está na página 1de 53

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO

JUIZ DE FORA

ESTRUTURAS DE AÇO
AULA 01 – Introdução
Período 2019/1
Professora: Letícia Caroline Policarpo Oliveira
1
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

PROFESSORA: Letícia Caroline Policarpo Oliveira


FORMAÇÃO:
• 2018-2019 : Mestrado em Construção Metálica (UFOP);
• 2016 – 2017: Especialização em Engenharia Elétrica com ênfase em Instalações Residenciais
(UCAM);
• 2009 – 2014: Graduação em Engenharia Civil (UFSJ);
• 2007 – 2009: Ensino Profissional de nível técnico em Técnico de Mecânica(IFMG-CAMPUS
CONGONHAS);
• 2005 – 2006: Ensino Profissional de nível Técnico em Administração de empresas com Ênfase
em Gestão de Negócios(CET);
2
PLANO DE ENSINO
Unidade I: Introdução.
1.1 - Estruturas de Aço: Breve histórico da aplicação do material em estruturas;
1.2 - Tipos de aços estruturais;
1.3 - Processo de fabricação do aço;
1.3 - Propriedades físicas e mecânicas do material;
1.4 - Normalização e bases para o dimensionamento;

Unidade II: Dimensionamento e verificação de elementos estruturais: Comprimidos e


Tracionados.
2.1 - Elementos tracionados;
2.2 - Elementos comprimidos;
2.2.1 Flambagem;
3
2.2.2 Sistemas de contraventamento;
PLANO DE ENSINO
Unidade III: Ligações de peças estruturais.
3.1 - Ligações Parafusadas;
3.3 - Ligações Soldadas;

Unidade IV: Dimensionamento e verificação de elementos estruturais


submetidos à flexão.
4.1 – Vigas;
4.2 - Vigas-Coluna;
4.3 - Vigas mistas aço-concreto;

4
ORIENTAÇÕES PARA BOA CONVIVÊNCIA

• Aprendizado aluno-professor!
• Chamada obrigatória.
• Celular silencioso/vibracall durante as aulas e desligado nas
provas.
• Atender celular somente fora da sala de aula.
• Silêncio durante as aulas.
• Sem vergonha de perguntar, discutir, questionar ou contribuir.
• Pergunta não feita, pode cair na prova!
5
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
CAMPUS JUIZ DE FORA

BIBLIOGRAFIAS BÁSICAS:

• PFEIL, Walter; PFEIL, Michele.


Estruturas de Aço. 8. ed. rev. Rio de
Janeiro: LTC, 2009.

6
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
CAMPUS JUIZ DE FORA

BIBLIOGRAFIAS COMPLEMENTARES:
• BELLEI, Ildony H.; PINHO, Fernando Ottoboni; PINHO, Mauro Ottoboni. Edifícios
de Múltiplos Andares em Aço. 2. ed. São Paulo: PINI, 2013.

• PRAVIA, Zacarias M.C. Projeto e Cálculo de Estruturas de Aço (Biblioteca


Virtual Elsevier). 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

7
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

OBJETIVO DA UNIDADE CURRICULAR

• Conhecer as principais características do aço e identificar os


parâmetros relevantes ao projeto de estruturas com o emprego do
material;
• Entender os princípios básicos de ação e segurança em estruturas
de aço;
• Identificar e determinar as solicitações em estruturas metálicas;
• Dimensionar elementos estruturais de aço.
8
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

Ligas de Ferro-Carbono com outros


METAIS FERROSOS

elementos de dois tipos: elementos


FORMAS USUAIS

residuais(Si, Mg, P, S) e elementos


Aço (mais usual) adicionados.
É uma liga de ferro e carbono em
Ferro Fundido que o teor de carbono varia de
0,008% até 2,11%.
Ferro Forjado
Carbono / Aumenta resistência /
Torna mais frágil.
9
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

1) ORIGENS DA ARQUITETURA DO FERRO E DO AÇO

• A primeira ponte em ferro fundido foi a de


COALBROOKDALE, sobre o rio Severn, na
Inglaterra. Trata-se de um arco com vão
de 30 ,6 metros, construído em 1.779.

Hulbert – Método pouco


1779/1820- Inverno/lenti-
Ferro Fundido Revolução aceito / Carvão
Pontes dão/ balsas
Industrial mineral
10
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

Descrevia um único arco em alvenaria, O segundo projeto descrevia uma ponte


escorado permanentemente por um arco também com um único arco, porém
de ferro fundido. constituído apenas por ferro fundido.
11
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

• Sua versão final, que pode ser vista


até os dias de hoje, conta com 5
arcos semicirculares feitos de ferro
fundido, divididos ao meio,
vencendo um vão de 30,6 m e
completando a extensão total da
ponte de 60 m. DETALHE DOS 5 ARCOS
Strucutures, The way things are built. Macmillan Plubishing
12
Company, Nova Iorque, 1990 .
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

• Um exemplo notável de
emprego de barras de ferro
forjado foi a ponte suspensa de
MENAI, no País de Gales,
construída em 1819- 1826,
com um vão de 175 metros. Vista da Ponte
Brown, D. J., Bridges, Mitchell Beazley, London, 1996.

Correntes de Total 450 m / 3


Espaço livre
barras/ portantes Ponte suspensa / arcos continente/ Óleo de linhaça/
embaixo da
de pontes 16 correntes 4 arcos na ilha/ Corrosão
ponte 31 m. 13
suspensas vão central
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

2 grandes Espaços vazios /


torres/ Calcário Ancoragem 14
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

• No Brasil, a PONTE SOBRE O RIO


PARAÍBA DO SUL, Estado do Rio de
Janeiro, foi inaugurada em 1857. Os
vãos de 30 metros são vencidos por
arcos atirantados, sendo os arcos
constituídos de peças de ferro
fundido montadas por encaixe e o
15
tirante em ferro forjado.
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

• Ponte sobre o rio


Paraíba do Sul, Estado
do Rio de Janeiro.
Detalhe do meio do vão
dos arcos atirantados.

16
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

• Em meados do século XIX declinou o uso do ferro fundido em


favor do ferro forjado, que oferecia maior segurança.

• As obras mais importantes construídas entre 1850 e 1880


foram pontes ferroviárias em treliças de ferro forjado.

• O grande número de acidentes com estas obras tornou


patente a necessidade de estudos mais aprofundados e de
material de melhores características. 17
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

• O AÇO já era conhecido desde a Antiguidade. Não estava, porém, disponível a


preços competitivos por falta de um processo industrial de fabricação.
• O inglês HENRY BESSEMER inventou, em 1856, um forno que permitiu a
produção do aço em larga escala, a partir das décadas de 1860/70.

Remoção de impurezas Melhor qualidade e Reduziu tempo de


do ferro quantidade de aço fabricação18
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

Estação Ferroviária em Paris inaugurada em 1900.

Ponte Firth of Forth, Escócia, construída em 1890


(vão livre de 521m.)
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
1.3 Histórico
JUIZ DE FORA

Ponte Rio-Niterói com vãos laterais de


200m e vão central de 300m.
Emprego Aço em
Vão central 848 m
Modernas Vãos laterais 200m
CSN (30,44,200,300,200,
estruturas de e vão central 300m
44 e 30m)
grande porte
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
1.3 Histórico
JUIZ DE FORA
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

2) SISTEMAS ESTRUTURAIS EM AÇO

Os principais elementos estruturais metálicos são:


• Elementos lineares alongados (HASTES OU BARRAS)

• Elementos bidimensionais ou planos (PLACAS OU CHAPAS)


CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

Hastes • Tirantes (tração axial);

As hastes formam elementos alongados • Colunas ou escoras


(compressão axial);
cujas dimensões transversais são
pequenas em relação ao
• Vigas (cargas transversais
comprimento.
produzindo momentos fletores e
Dependendo da solicitação esforços cortantes);
predominante, as hastes podem ser
classificadas em: • Eixos (torção);
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

TIRANTE
Barra de ferro, cabo de aço ou qualquer outro
elemento que se presta aos esforços de tração.

Ponte no estreito de Messina na


Itália. Maior vão livre do mundo 3,3
km. Suspensa 4 cabos D=1,24m, 12
pistas rodagem 2 linhas férreas.
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

COLUNA As colunas metálicas são


dimensionadas fundamentalmente à
COMPRESSÃO. São utilizados então
perfis que possuam inércia
significativa também em relação ao
eixo de menor inércia, como é o
caso dos perfis “H” que têm largura
da mesa, igual ou próxima à altura
da seção.
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

VIGA Os perfis de aço utilizados nas vigas


dos edifícios são dimensionados
pressupondo-se que terão a mesa
superior travada pelas lajes. Neste
conceito, as vigas não estarão
portanto sujeitas ao fenômeno da
flambagem lateral com torção.
No caso de vigas bi-apoiadas, é
comum usar vigas mistas onde o
perfil em aço trabalha solidário com
a laje, obtendo-se uma solução mais
econômica.
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

EIXOS
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

Tensões internas distribuem


uniformemente na seção
transversal.

Momento fletor e esforço


cortante, dão origem as
tensões normais de flexão
e de cisalhamento

Momentos de torção as
solicitações são
cisalhantes
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

PLACAS
As placas são elementos de
ESPESSURA PEQUENA em relação à
largura e ao comprimento. As placas
são utilizadas isoladamente ou como
elementos constituintes de sistemas
planos ou espaciais.
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

3) SISTEMAS PLANOS

Formados pela
COMBINAÇÃO dos
principais elementos
lineares (tirantes, colunas,
vigas), constituindo as
estruturas portantes das
construções civis.
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

TRELIÇA
• Utilizada tipicamente em
coberturas(edifícios industriais e
galpões);
• As hastes trabalham
predominantemente à tração ou
compressão simples;
• Modelo teórico considera nós rotulados;
Ideal projetar
Barras mais Recomendáve Coberturas
as cargas em Reduz volume Facilita
longas são l inclinação até 120m e
cima dos nós de material instalações
tracionadas 30º e 60º pontes 300m
(economia)
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

GRELHA PLANA
• Formada por dois feixes de
vigas(ortogonais ou
oblíquas);
• Suportam cargas atuando
na direção perpendicular
ao plano da grelha;
• Usadas em pisos de
edifícios e superestruturas
de pontes.
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

PÓRTICO PLANO

• Também denominados de quadros;


• Formados por associação de hastes
retilíneas ou curvilíneas com ligações
rígidas entre si.
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

COMPORTAMENTO DAS LIGAÇÕES

O funcionamento das estruturas


compostas por peças pré-
fabricadas conectadas, como é o
caso de estruturas de aço,
depende essencialmente do
comportamento das ligações
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

RÍGIDA
• Ocorre uma restrição à rotação da ordem de
90%;
• Ângulo entre os elementos estruturais que se
interceptam permanece essencialmente o
mesmo após o carregamento da estrutura;
• TRANSMITE MOMENTO FLETOR.
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

SEMI-RÍGIDA
• Ocorre uma restrição à rotação da ordem de
20% a 90%;
• O momento transmitido através da conexão
não é nem próximo de zero como no caso
de ligações flexíveis e nem o momento
máximo como no caso de conexões rígidas;
• As ligações semi-rígidas são raramente
utilizadas, devido à dificuldade de se
estabelecer esta relação;
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

FLEXÍVEL
• A restrição à rotação relativa entre os
elementos estruturais deve ser tão pequena
quanto se consiga obter na prática;
• Nas vigas, sujeitas à flexão simples, por
exemplo, a ligação flexível transmite apenas
a força cortante;
• A ligação é considerada flexível se a rotação
relativa entre as partes, após o
carregamento, atingir 80% ou mais daquela
esperada caso a conexão fosse totalmente
livre;
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

ESTRUTURAS APORTICADAS
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

RÍGIDO X FLEXÍVEL
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

SISTEMAS CONSTRUTIVOS
• Esquema de um galpão metálico simples
formado pela associação de elementos
lineares e sistemas planos.
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

SISTEMAS CONSTRUTIVOS
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

SISTEMAS CONSTRUTIVOS
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

SISTEMAS CONSTRUTIVOS
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

SISTEMAS CONSTRUTIVOS
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

SISTEMAS CONSTRUTIVOS
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

SISTEMAS CONSTRUTIVOS

Elevada resistência a Duas abas iguais,


flexão simétricas ou não,
formando ângulo de 90º
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

SISTEMAS CONSTRUTIVOS
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

SISTEMAS CONSTRUTIVOS
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

• PFEIL, Walter. Estrutura de Aço – Dimensionamento Prático, Editora


LTC. 7a. Edição, 2000, 335p.;
• PINHEIRO, Antônio Carlos da Fonseca. Estruturas Metálicas –
Cálculos, detalhes e exercícios de projetos – Ed. Edgard Blucher
Ltda., 2001, 300p.;

52
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
JUIZ DE FORA

OBRIGADA!
53

Você também pode gostar