Você está na página 1de 12

Feito e desenvolvido por Marcos Gabriel – Fuck brother

Trabalho de
História

Escola Estadual Pascoal Ramos


Professora: Maria Auxiliadora
Participantes: Arthur, Bruno, Diogo, Gabriel, Gilvana, Leticia, Marcos e Railson
O cinema nos anos de 1930 a 1954
Sumário

● O cinema
● Lábios sem beijos(Filme 1930)
● História da Cinédia
● Quem era Humberto Mauro
● 22 filmes sobre o Brasil
● Revolução de 30(Filme)
● O mundo em que Getúlio Vargas viveu(Filme)
● Getúlio(Filme)
O cinema
 Na Era Vargas, o cinema acabou se transformando em um fundamental instrumento para a
comunicação do governo. Sobre o potencial cinematográfico, Vargas acabou sendo
considerado o “pai do cinema brasileiro” ao declarar: “O cinema será, assim, o livro de
imagens luminosas em que as nossas populações praieiras e rurais aprenderão a amar o
Brasil, acrescendo a confiança nos destinos da Pátria. Para a massa dos analfabetos, será a
disciplina pedagógica mais perfeita, mais fácil e impressiva. Para os letrados, pelos
responsáveis pela nossa administração, será essa admirável escola de aprendizagem”.
● Algumas das produções cinematográficas produzidas neste período traziam alusão ao
governante e houve crescimento do parque empresarial que detinha as salas e a produção do
cinema. Até mesmo a rotina do presidente acabou sendo filmada e acrescida de cenas de
produções outras. Ao fim, tal material era veiculado em filmes curtos ou espaços jornalísticos
para valorizar o governo.
● Ao longo do período Vargas várias películas foram estreladas por Oscarito, Grande Otelo e
Eliana. Atores épicos foram consagrados nessa safra. A produtora Atlântida, localizada no Rio de
Janeiro, acabou tendo importantes lucros com filmes centrados no tema do carnaval.
● A parte desagradável é que tais ações geraram fortes limitações para a liberdade de
expressão do cenário artístico na área. Ao longo de 1937 a 1945 não se permitiu, por exemplo,
qualquer crítica às posturas de Getúlio Vargas.
Lábios sem beijos
No desfecho da década de 20, surge a Companhia Cinédia, que lançou o seu primeiro
filme em 1930, “Lábios sem Beijos”, desenvolvido por Humberto Mauro.
Outro filme também lançado pela Cinédia foi “Limite”, de Mário Peixoto, que trazia os conflitos
ocasionados pelos condicionamentos que impossibilitavam a realização humana.
Cinédia também produziu o filme Ganga Bruta, uma das mais importantes obras de Humberto
Mauro, um verdadeiro clássico do cinema brasileiro. E em 1933 lançou “A Voz do Carnaval”,
estreando Carmem Miranda e indiciando um novo caminho da cinematografia brasileira.
Humberto Mauro permaneceu como maior destaque da época e passou a integrar a empresa
Brasil Vita Film, e foi nesta empresa que lançou os filmes “Favela dos Meus Amores” em 1935, e
Cidade Mulher (1936).
Nesta mesma época, a Cinédia lançou a primeira produção do cinema brasileiro falado, o musical
“Coisas Nossas”, do americano Wallace Downey.
História da Cinédia
Uma das mais importantes produtoras do cinema brasileiro nos anos 1930 e 1940, a Cinédia
foi idealizada por Adhemar Gonzaga, se dedicando a produzir dramas populares e comédias
musicais, que ficaram conhecidas pela denominação genérica de chanchadas.
Importou os melhores equipamentos e tecnologias, como câmeras Mitchell, e o sistema de
som Movietone, no primeiro filme brasileiro com som óptico.
Humberto Mauro assinou o primeiro filme da companhia, Lábios Sem Beijos, de 1930. Em
1933, ele dirigiu, com Adhemar Gonzaga, A Voz do Carnaval, no qual a cantora Carmen
Miranda fez uma de suas primeiras aparições cinematográficas.
Com comédias musicais como Alô, alô, Brasil; Alô, alô, carnaval e Onde estás, felicidade? ,
lançou atores como Oscarito, Grande Otelo e Dercy Gonçalves.
O maior sucesso de público da Cinédia foi O Ébrio, de 1946, produzido por Gonzaga e dirigido
por Gilda de Abreu.
Destacando-se também Bonequinha de Seda de 1936; Estudantes de 1935; Ganga Bruta de
1933; e Limite de 1931.
Os antigos estúdios da Cinédia no Rio de Janeiro foram usados para as gravações da novela
adolescente Malhação da Rede Globo, entre os anos de 1995 e 1998, quando a trama ainda
se passava em uma fictícia academia de ginástica.
Wallace Downey com Carmen Miranda nos
estúdios da Cinédia.

Tipo anterior Privada


Slogan "Todo filme brasileiro deve ser visto"
Atividade Cinema
Gênero Estúdio e Produtora de cinema
Fundação 15 de março de 1930 (89 anos)
Fundador(es) Adhemar Gonzaga
Encerramento 1951
Sede Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Proprietário(s)Alice Gonzaga
Produtos Filmes
Quem era Humberto
Mauro
Humberto Mauro (Volta Grande, 30 de abril de 1897 — 5 de
novembro de 1983) foi um dos pioneiros do cinema brasileiro.
Humberto Mauro Fez filmes entre 1925 e 1974, sempre com temas brasileiros.
Nascimento: 30 de abril de 1897
Volta Grande, Minas Gerais Filho de Gaetano Mauro, imigrante italiano, e de Teresa Duarte,
Nacionalidade: brasileiro mineira culta e poliglota, ele nasceu na Zona da Mata mineira
Morte: 5 de novembro de 1983 (86
anos) dois anos depois da histórica sessão cinematográfica
Ocupação: Cineasta, diretor, promovida pelos irmãos Lumière, em Paris. Quando criança,
escritor, acadêmico, músico, ator,
produtor, pintor, artista plástico, mudou-se com a família para Cataguases.
político, crítico, roteirista, ativista Humberto Mauro é tio-avô do ator André Di Mauro e da atriz
Cláudia Mauro.
22 Filmes sobre o Brasil dos anos
1930 a 1954
● Revolução de 30 ●
Getúlio
● O velho, história de Luiz Carlos Prestes ● Lost Zweig
● Adágio ao Sol ●
Villa Lobos, uma vida de paixão
● Soldado de Deus ●
Rádio Auriverde, a FEB na Itália
● Memórias do Cárcere ● Senta a Pau
● Aleluia, Gretchen ● For All,o trampolim da vítoria
● Olga ●
Estrada 47
● O Mundo em que Getúlio viveu ● Vidas secas
● Getúlio Vargas ●
Assim era a Atlântida
● Você já foi à Bahia? ●
Alô amigos
● Banana da Terra ●
Copacabana
Revolução 30
Documentário que reúne mais de trinta documentários e filmes de ficção,
fotografias e registros sonoros mostrando os momentos que antecederam o
conflito, seu desenrolar e consequências. Seu fio condutor é o
documentário “Pátria Redimida”, realizado na época por João Batista Groff
com cenas filmadas em zonas de combate: Itararé, Ribeira e Catinguá.
Inclui comentários críticos de Boris Fausto, Edgar Carone e Paulo Sérgio
Pinheiro. A trilha sonora traz antigas gravações de discursos e músicas do
período, algumas compostas especialmente para celebrar a revolução:
hinos a João Pessoa, a Miguel Costa e Juarez Távora.

Direção de Sylvio Back. Brasil, 1980


O mundo em que
Getúlio Vargas viveu
Documentário sobre a vida e a época de Getúlio Vargas com narração de
Armando Bogus. Rememora o início do século XX, a belle époque, os voos
experimentais de Santos Dumont, a I Guerra Mundial, a ascensão do
fascismo e nazismo, a II Guerra Mundial, a revolução espanhola, o
peronismo na Argentina em paralelo à trajetória e carreira de Vargas até o
suicídio.

Direção de Jorge Ileli. Brasil, 1963.


Getúlio
Drama biográfico que percorre a intimidade de Getúlio Vargas (Tony
Ramos), então presidente do Brasil, em seus 19 últimos dias de vida, em
agosto de 1954. Isolado no Palácio do Catete com a mulher Darcy Vargas
(Clarice Abujamra) e a filha Alzira Vargas (Drica Moraes), ele sofre as
pressões políticas decorrentes da acusação de que teria ordenado Gregório
Fortunato (Thiago Justino) assassinar o jornalista Carlos Lacerda
(Alexandre Borges). O filme foi inteiramente rodado no interior do Palácio do
Catete, RJ, sede da Presidência na época, atual Museu da República.

Direção de João Jardim. Brasil, 2014


Getúlio
Drama biográfico que percorre a intimidade de Getúlio Vargas (Tony
Ramos), então presidente do Brasil, em seus 19 últimos dias de vida, em
agosto de 1954. Isolado no Palácio do Catete com a mulher Darcy Vargas
(Clarice Abujamra) e a filha Alzira Vargas (Drica Moraes), ele sofre as
pressões políticas decorrentes da acusação de que teria ordenado Gregório
Fortunato (Thiago Justino) assassinar o jornalista Carlos Lacerda
(Alexandre Borges). O filme foi inteiramente rodado no interior do Palácio do
Catete, RJ, sede da Presidência na época, atual Museu da República.

Direção de João Jardim. Brasil, 2014