Você está na página 1de 4

Proc. 350.

711
Fl. ______
Supremo Tribunal Federal Serv.______
Secretaria de Administração e Finanças
Comissão Permanente de Licitação

PREGÃO PRESENCIAL N. 32/2013

IMPUGNAÇÃO. Alteração das exigências de


Qualificação técnica. Exigências abusivas.
Manutenção das regras editalícias.

Trata-se de impugnação ao Edital de Pregão Presencial nº 32/2013, que tem


por objeto a contratação de empresa para prestação de serviços de apoio administrativo na
área de limpeza de bens móveis e imóveis com fornecimento de material, apresentada pela
empresa FÁCIL SERVIÇOS LTDA. ME.

2. Resumidamente a empresa a empresa FÁCIL pede a alteração do edital, por


abusivas, a exigência de atestado de capacidade técnica comprovando, no mínimo 13.225
m²de carpete e a exigência das comprovações em atestados únicos.

3. Pede ao final de sua peça:

“Requer, por fim, a decisão dessa comissão em afastar do processo


licitatório os fatos questionados embalados nas exigências abusivas de
Atestado(s) de Capacidade Técnica expedido por pessoa jurídica de
direito público ou privado, comprovando que a empresa prestou ou vem
prestando a contento com seus equipamentos e materiais serviços de
limpeza, conservação, higienização, desinfecção ou manutenção de, no
mínimo, 13.225 m2 (treze mil e duzentos e vinte e cinco metros
quadrados) de carpetes e de ATESTADO ÚNICO, ou o cancelamento
de todo o processo licitatório por encontrar-se repleto de vícios, e, a
final ser a presente IMPUGNAÇÃO julgada PROCEDENTE, por der
de direito.”

PRELIMINARMENTE

4. A Impugnação foi apresentada tempestivamente, observando os termos da


Lei nº 10.520/2002 e da Seção III do Edital.

MÉRITO

5. Inicialmente, esclareço que o presente Edital foi analisado e aprovado pela


Assessoria Jurídica da Secretaria do Tribunal, nos termos do artigo 38 da Lei nº 8.666/93.

6. Ressalto que os atos praticados por esta Administração em seus


procedimentos licitatórios, obrigatoriamente, são pautados pelos princípios da isonomia e
da legalidade, em consonância com o disposto no artigo 3º da Lei nº 8.666/93:

“Art. 3o A licitação destina-se a garantir a observância do princípio


constitucional da isonomia, a seleção da proposta mais vantajosa para a
administração e a promoção do desenvolvimento nacional sustentável e
Proc. 350.711
Fl. ______
Supremo Tribunal Federal Serv.______
Secretaria de Administração e Finanças
Comissão Permanente de Licitação

será processada e julgada em estrita conformidade com os princípios


básicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade,
da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao
instrumento convocatório, do julgamento objetivo e dos que lhes são
correlatos”.

7. Conforme já instruído em impugnações anteriores devidamente respondidas,


informo o que se segue.

8. Para demonstrar que o STF adotou um modelo de edital que melhor atende
às suas necessidades, primando pela busca da proposta mais vantajosa e,
consequentemente, alcançar o interesse público, não deixando de preservar os princípios
norteadores do processo licitatório na Administração Pública, apresentarei a seguir, de
forma clara e objetiva as respostas para cada ponto impugnado do edital.

9. O grande objetivo da exigência da qualificação técnica no instrumento


convocatório deste Pregão é buscar no mercado uma empresa que possua experiência
compatível com o objeto e demonstre ter capacidade administrativa-operacional
suficientemente para garantir a execução dos serviços advindos da futura contratação, de
forma que a Administração possa ter segurança na contratação em curso.

10. A exigência da comprovação de quantidade em um único atestado na forma


prevista no edital, está abaixo às quantidades de serviços a serem executadas na vigência
do contrato.

11. Os quantitativos definidos nas alíneas “m”, “n” e “o” do item 11.1 do edital
representam 50% das quantidades a serem executadas pela futura contratada.

12. Além disso, o STF está exigindo o mínimo de experiência das empresas do
ramo de limpeza e conservação, visto que poderia exigir a comprovação de outros serviços
relacionados ao objeto da licitação. E agindo com razoabilidade, está somente exigindo,
separadamente, no edital 03 (três) atestados de capacidade técnica: o número de
profissionais alocados; a limpeza de fachada de vidro; e a limpeza de carpetes; por
considerá-los de extrema importância técnica, em razão de toda sistemática operacional a
ser adotada na execução dos serviços no decorrer da vigência do contrato. Além disso,
ressalto que os quantitativos exigidos em cada atestado representam somente 50% do
quantitativo definidos no instrumento convocatório.

13. Quanto à exigência de qualificação técnica em processo licitatório na


Administração Pública, o Tribunal de Contas da União - TCU, por meio da Súmula nº
263/11, se posicionou da se forma:

“SÚMULA Nº 263/2011
Para a comprovação da capacidade técnico-operacional das licitantes, e
desde que limitada, simultaneamente, às parcelas de maior relevância e
valor significativo do objeto a ser contratado, é legal a exigência de
comprovação da execução de quantitativos mínimos em obras ou serviços
com características semelhantes, devendo essa exigência guardar
proporção com a dimensão e a complexidade do objeto a ser executado.”
Proc. 350.711
Fl. ______
Supremo Tribunal Federal Serv.______
Secretaria de Administração e Finanças
Comissão Permanente de Licitação

14. A administração do STF não está exigindo a comprovação de quantidades


que sejam desarrazoadas ou desproporcionais ao serviço objeto da licitação. Simplesmente,
definiu as suas exigências de qualificação técnica de acordo com as características técnicas
e quantitativas do conjunto de atividades a serem realizadas diarimente pela vencedora da
licitação.

15. Ademais, a Administração deve contratar serviços e adquirir bens de forma


que os seus editais de licitação tenham condições de buscar no mercado aquelas empresas
que demonstram possuir capacidade para atender às regras e especificações mínimas
requeridas no instrumento convocatório, a fim de resguardar o interesse público.

16. Assim, para melhor entender a dimensão e o grau de reponsabilidade que a


empresa a ser contratada assumirá, o item 8 do Anexo I do edital apresentada
detalhadamente o conjunto das principais atividades a serem executadas na vigência do
contrato, as quais são:

- limpeza e conservação de pisos revestidos com carpetes, azulejo, cerâmica, cimentado


polido, granito, mármore, vinílico e laminado em madeira;
- limpeza e conservação de fachada envidraçada interna e externa;
- limpeza e conservação de divisória envidraçada interna;
- limpeza e conservação da área verde externa (gramados e jardins);
- limpeza e conservação de 113 banheiros coletivos e 47 banheiros privativos;

17. Portanto, verifica-se que dos diversos tipos de atividades de limpeza,


consideradas como de maior relevância técnica, a serem executadas diariamente o edital
está somente exigindo a limpeza e carpete e a limpeza de fachada envidraçada. Ou seja,
está sendo exigido o mínimo de experiência das empresas interessadas em participar do
certame.

18. Relativamente à exigência das comprovações em um único atestado o STF


baseou-se exatamente da jurisprudência indicada pela empresa: “Compromete o caráter
competitivo da licitação a vedação de somatório de atestados para fins de qualificação
técnica dos licitantes, nos casos em que a aptidão técnica das empresas puder ser
satisfatoriamente demonstrada por mais de um atestado”.

19. No caso em questão, o STF não está exigindo em um único atestado as


comprovações da prestação de apoio administrativo com no mínimo 66 profissionais, e o
serviços de conservação e limpeza de fachada de vidros e conservação e higienização de
carpetes, e sim em três atestados distintos.

20. Ocorre que, as parcelas supracitadas foram consideradas de maior relevância


técnica para a contratação em questão, razão pela qual as licitantes deverão comprovar a
sua capacidade por meio de atestado que demonstre a execução de serviços de acordo com
o exigido nas alíneas “m”, “n” e “o” do item 11.1 do edital, ou seja, cada exigência por
meio de um único atestado.

21. Repetindo a citação de Marçal Justem Filho utilizada pela impugnante


Facilituy de que a identidade do objeto é que determina a possibilidade ou não de
Proc. 350.711
Fl. ______
Supremo Tribunal Federal Serv.______
Secretaria de Administração e Finanças
Comissão Permanente de Licitação

somatório. Comprovar que limpa, conserva e mantem 13.800 m² de fachada de vidro em


um único atestado não é igual a comprovar 1.380 m² em 10 atestados (lembrando que
13.800 equivale a 50% do total de vidros do contrato).

22. Em mesmo sentido, no julgamento do RESP n. 295.806, o STJ consentiu


com a exigência de quantitativos mínimos:

“Há situações em que as exigências de experiência anterior com a fixação


de quantitativos mínimos são plenamente razoáveis e justificáveis,
porquanto traduzem modo de aferir se as empresas licitantes preenchem,
além dos pressupostos operacionais propriamente ditos — vinculados ao
aparelhamento e pessoal em número adequado e suficiente à realização
da obra —, requisitos não menos importantes, de ordem imaterial,
relacionados com a organização e logística empresarial”.

23. Além disso, não houve quebra do princípio da competitividade uma vez que,
visando atender ao interesse público, a Administração decidiu exigir que as empresas
participantes comprovassem possuir experiência mínima relacionada à execução dos
serviços de limpeza com características compatíveis com o objeto da licitação.

24. O professor Joel Niebhur1, apresenta o seguinte ensinamento que o principio


da competitividade:

“É no âmbito do princípio da competitividade que operam em licitação


pública os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade. Ocorre que
tais princípios oferecem os parâmetros para decidir se determinada
exigência ou formalidade é compatível ou não com o princípio da
competitividade. Sobretudo, deve-se atentar ao bom senso, bem como à
proporção entre as exigências a serem realizadas e o objeto licitado,
especialmente no momento de se definir as exigências para a
habilitação.”

CONCLUSÃO

25. Pelo exposto, deliberamos por conhecer das impugnações, mas, no mérito
negar-lhes provimento, mantendo o edital do Pregão Presencial nº 32/2013.

Brasília, 12 de março de 2013.

Marcello dos Santos Lopes


Pregoeiro

1
NIEBUHR, Joel de Menezes. Pregão Presencial e Eletrônico. 5ª Ed. Curitiba: Zênite, 2008, página 49