Você está na página 1de 1

Guido Liebermann apresenta seu livro

A psicanálise em Israel, sobre as


origens do movimento freudiano na
Palestina britânica (1918-1948)

Data: 30/09/2019
Hora: 19:30 h
Local: Universidade Católica Salvador
(Campus Federação - Auditório da UCSAL)

Sobre a obra: Sobre o autor:


Esta obra retraça a história do freudismo na Palestina antes da Guido Liebermann vive e trabalha em Israel.
criação do Estado de Israel: uma história de imigrações, de É psicanalista, historiador e atua como
tragédias, de combates ideológicos e de personalidades fortes — psicólogo clínico num hospital psiquiátrico
tudo isso sobre um fundo de antissemitismo e de ascensão do vinculado à Universidade de Tel Aviv. Membro
Nazismo. A imigração judaica para a Palestina leva consigo, em da Sociedade de Psicanálise Freudiana (SPF) e
sucessivas ondas, alguns dos pioneiros do movimento freudiano da Sociedade Internacional de História da
nascente (Moshe Wulff, Max Eitingon, Josef Friedjung...). Em Psiquiatria e da Psicanálise, é autor de diversos
1934, surge ali uma nova sociedade psicanalítica. Outros analistas artigos e do livro La psychanalyse à l’épreuve du
menos conhecidos, analisados nos divãs de Berlim ou de Viena, Kibboutz (Paris: Campagne Première/, 2014).
continuam suas formações em Jerusalém ou em Tel Aviv e
contribuem para a expansão da psicanálise.
Organizadoras:
No entanto, a introdução da psicanálise na sociedade judaica não
Larissa Ornellas (Psicanalista/Professora da
teria sido possível sem o inestimável suporte oferecido por alguns
Universidade do Estado da Bahia)
médicos, pedagogos e dirigentes sionistas tocados pela causa
analítica. Esses precursores tiveramde travar árduas e incessantes Maria Alice Leal (Psicanalista/Membro da
batalhas para introduzi-la nas novas estruturas (escolas, kibutzim, Sociedade de Psicanálise Freudiana-SPF).
hospitais, universidade...), na contramão das autoridades
religiosas tradicionais. Parceria com o Curso de Pedagogia da UCSAL

Este livro é também a história das resistências à psicanálise e das


ambiguidades de Freud com relação à Palestina e ao sionismo.
Guido Liebermann, ao indagar a respeito da recepção da
psicanálise no país, imerge-nos na história do povo judeu e no
doloroso nascimento do Estado de Israel, mostrando-nos a
incrível riqueza dessa experiência única. PSICANALÍTICA