Você está na página 1de 3

Resenha do Filme: A Vida é Bela

A Vida É Bela (no original, La vita è bella) é um filme italiano de 1997, do género comédia
dramática, dirigido e protagonizado por Roberto Benigni.
O filme foi produzido pelo estúdio Melampo Cinematografica, com música de Nicola Piovani,
a direção de fotografia de Torino Delli Colli; o desenho de produção, direção de arte e o
figurino de Danilo Donati; e a edição de Simona Paggi. No filme pode-se ouvir também a bela
música Les contes d'Hoffmann.

Sinopse

Na Itália, durante a Segunda Guerra Mundial, Guido, filho de judeus, é mandado para um
campo de concentração, juntamente com seu filho, o pequeno Giusoé. Guido é um homem
simples, inteligente e espirituoso, um pai amoroso, e graças a isso consegue fazer com que
seu filho acredite que ambos estão participando de um jogo, sem que o menino perceba o
horror no qual estão inseridos.

Primeira parte

A primeira parte do filme tem as características já peculiares aos filmes de Roberto Benigni,
no estilo pastelão, repleto de trapalhadas. Esta parte é centrada na comicidade romântica, na
luta de Guido para conquistar sua principessa Dora. Embora esta porção do filme não seja
considerada de grande impacto, ela é crucial para desenvolver o vínculo entre Guido e Dora,
que será fundamental para criar o impacto dramático no restante das cenas.
Segunda parte

Aos cinqüenta minutos o filme tem a passagem da comédia para o drama. Agora o ano é
1945, a guerra está em sua fase final, Guido e Dora têm um filho de cinco anos. É quando
pai e filho são levados para o campo de concentração e inicia-se todo o empenho de Guido
em esconder de seu filho o horror e os perigos que os cercam. Dora ao perceber que Guido
havia sido levado, pede para também ser levada para o campo de exterminio, embora não
fosse judia, e teve seu pedido aceito, demonstrando a enorme prova de amor de uma mulher
pelo seu marido e pelo seu filho. A parte triste do filme em que ele e seu filho Giosué estão
sendo levadas para o campo de concentração nazista, massempre com um toque irônico e
divertido, pois Guido faz de tudo para que Giosué tenha uma visão diferente do que está
acontecendo naquele momento, inventando histórias, fantasiando para protege-lo da triste
realidade.
Apos alguns dias na contração, Guido propoe a seu filho um jogo, para quem marcasse 1000
pontos, levaria um tanque de guerra de verdade para casa. Porém a verdade é que Guido
estava vivenciando momentos de horros da guerra sendo obrigado a servir trabalhos
forçados e cenas de violencia que eram obrigados a assistir. Mas sempre com muita
criatividade Guido contorna a situção dizendo que são fases do jogo.Dora descobre que eles
estão no campo de concentração e resolve se entregar para ficar ao lado deles.
Depois de assistir a esse filme pude perceber, o quanto é muito triste como é retratado as
condições em que os judeus eram submetidos e como Guido conseguiu se sobresair dessa
situação para esconder a guerra e o sofrimento que estava passando para seu filho, tudo
para protege-lo.Em algum momento do filme, Giosue se esconde para que não o achem e
seja morto, pensando ser mais um fase do jogo que seu pai lhe propos, mas se surpreende
ao ser salvo pelo exército americano que liberta os prisioneiros, sendo levado por um tanque
de guerra de verdade como seu pai lhe havia prometido e sendo salvo pelo pai, graças ao
jogo. Filem emocionante ao qual o pai faz com que o filho use imaginação. E tratou a guerra
de forma lúdica.
Elenco

Roberto Benigni .... Guido Orefice

Nicoletta Braschi .... Dora

Giorgio Cantarini .... Giosué Orefice

Giustino Durano .... tio de Guido

Sergio Bini Bustric .... Ferruccio Papini

Marisa Paredes .... mãe de Dora

Horst Buchholz .... dr. Lessing

Amerigo Fontani .... Rodolfo

Pietro De Silva .... Bartolomeo

Francesco Guzzo .... Vittorino