Você está na página 1de 3

:: 310000038282 - eproc - :: https://eproc1g.tjsc.jus.br/eproc/controlador.php?acao=minuta_imprim...

Poder Judiciário
JUSTIÇA ESTADUAL
Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina
Vara Única da Comarca de Ascurra
Rua Benjamin Constant, 1097 - Bairro: Centro - CEP: 89138000 - Fone: (47) 3383-3300 - Email:
ascurra.unica@tjsc.jus.br

MANDADO DE SEGURANÇA Nº 5000127-22.2019.8.24.0104/SC


IMPETRANTE: PATRICIA DOS SANTOS CE
IMPETRADO: PAULO ROBERTO WEISS

DESPACHO/DECISÃO

PATRICIA DOS SANTOS CÉ impetrou mandado de segurança, com pedido


liminar, contra PAULO ROBERTO WEISS, Prefeito do Município de Rodeio, sob o
argumento de que a autoridade coatora praticou ato ilegal consistente na instauração de
processo administrativo disciplinar contra a impetrante, por meio da Portaria n. 9095/2019,
datada de 31/05/2019, sem contudo indicar de forma mínima e concreta os atos e/ou fatos
irregulares a ela imputados.

Aduziu, ainda, que por meio da mesma portaria o impetrado a afastou


preventivamente do serviço público, pelo prazo de 60 (sessenta) dias, sem indicar motivo,
tampouco os pressupostos de fatos e de direito, com o desconto, ademais, de um terço de sua
remuneração (Evento 1/INIC1).

É o relatório. Decido.

A concessão de liminar em mandado de segurança requer a coexistência de dois


pressupostos normativos, consubstanciados no art. 7º, III, da Lei nº 12.016/2009, quais sejam,
a relevância do fundamento alegado pelo impetrante, cabendo-lhe comprovar a violação do
seu direito líquido e certo ou a sua iminente ocorrência (fumus boni iuris), bem como a
possibilidade de ineficácia da medida se concedida apenas ao final (periculum in mora).

O mandado de segurança é demanda de cognição sumária, que exige a


comprovação imediata do direito líquido e certo que se reputa violado. A doutrina identifica
direito líquido e certo com o conceito de direito comprovado de plano (por todos, Hely Lopes
Meirelles, Mandado de Segurança, fl. 37. 28ª ed. São Paulo: Editora Malheiros, 2005).

Dessa feita, quanto ao fumus boni iuris, não é a mera prova do direito que
autoriza a concessão da liminar, mas sim "a elevada probabilidade de êxito da pretensão, tal
como nela formulada" (STF, MS 31816 MC-AgR, Relator(a): Min. LUIZ FUX, Relator para
Acórdão: Min. TEORI ZAVASCKI, Tribunal Pleno, julgado em 27/02/2013).

A urgência para concessão de liminar em mandado de segurança é identificada


pelo risco de ineficácia da medida postulada acaso concedida somente ao final da demanda. A
jurisprudência, a propósito, reconhece que a natureza satisfativa da tutela liminar
em mandado de segurança - ou seja, quando a liminar se confunde com o mérito da ação
- reforça a exigência de seus pressupostos para sua concessão.

Sobre a matéria discutida no caso concreto, sabe-se que o processo


5000127-22.2019.8.24.0104 310000038282 .V15

1 of 3 13/06/2019 20:04
:: 310000038282 - eproc - :: https://eproc1g.tjsc.jus.br/eproc/controlador.php?acao=minuta_imprim...

Poder Judiciário
JUSTIÇA ESTADUAL
Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina
Vara Única da Comarca de Ascurra
administrativo disciplinar se desenvolve em diversas fases, que podem ser resumidas em três:
a) instauração, b) instrução, e c) decisão.

O PAD, consoante esclarece Alessandro Dantas Coutinho (in Manual de Direito


Administrativo. 2. ed. rev., atual. e ampl. Salvador: Juspodvm, 2018. p. 416), "começa sempre
com um ato administrativo determinando sua instauração, que pode ser precedido ou não de
uma sindicância ou procedimento apuratório anterior".

Acerca da fase de instauração, o autor elucida:

Geralmente, a autoridade competente edita uma portaria de instauração (...). Importante é que
esse ato, a portaria ou equivalente, contenha os elementos necessários para que o servidor
exerça sua ampla defesa, com a individualização da conduta a ele atribuída e a capitulação
correspondente, ainda que esta possa ser posteriormente modificada. (Destaquei).

José dos Santos Carvalho Filho (in Manual de Direito Administrativo. 32. ed.
São Paulo: Atlas, 2018. pp. 1054-1055) explica ainda que:

(...) o processo administrativo disciplinar não tem uma regra única de tramitação. Como
figuram nos estatutos funcionais, e estes são resultado do poder de auto-organização das
pessoas federativas, o procedimento sofre algumas variações embora não lhe seja lícito
afrontar qualquer mandamento constitucional ou legal. (...)

O ato de instauração deve conter todos os elementos relativos à infração funcional, como o
servidor acusado, a época em que ocorreu e tudo o que possa permitir o direito de ampla
defesa por parte do acusado. Conquanto os fatos devam ser relatados com a maior fidelidade
possível, à semelhaça do que ocorre com a denúncia oferecida pelo Ministério Público no
processo penal, revela-se possível que, após a instrução, seja complementada a situação fática
que dá suporte à acusação. O que não se pode é descartar a oportunidade de conferir-se ao
acusado o direito ao contraditório e à ampla defesa. (Grifei).

Na hipótese em liça, da análise da petição inicial, verifico que estão presentes os


requisitos mencionados para a concessão do pleito liminar.

O fumus boni iuris restou demonstrado por meio da Portaria n. 9095/2019


(Evento 1/PORT 3), da qual se oberva que não foi indicada a conduta na qual a impetrante
supostamente incidiu (o que deve ser feito de forma precisa), tampouco por qual fundamento
(legal) a suposta atitude ensejou a instauração do aludido processo administrativo disciplinar
(PAD), fato que, de forma indubitável, compromete o exercício pleno dos direitos à ampla
defesa e ao contraditório da servidora.

Por outro lado, o periculum in mora decorre do fato de no referido PAD ter
sido designada audiência para amanhã (14/06/2019), no intuito de instruí-lo e assim reunir
elementos de prova acerca da ocorrência ou não de suposta conduta que sequer foi
precisamente indicada (Evento 1/Anexo 6) - o que, consoante já tratado, viola preceito
constitucional.

Nessa linha de intelecção, recentemente decidiu a egrégia Corte Catarinense:

APELAÇÃO CÍVEL E REEXAME NECESSÁRIO. MANDADO DE SEGURANÇA.

5000127-22.2019.8.24.0104 310000038282 .V15

2 of 3 13/06/2019 20:04
:: 310000038282 - eproc - :: https://eproc1g.tjsc.jus.br/eproc/controlador.php?acao=minuta_imprim...

Poder Judiciário
JUSTIÇA ESTADUAL
Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina
Vara Única da Comarca de Ascurra
PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR. PORTARIA GENÉRICA DE
INSTAURAÇÃO. PENA DE ADVERTÊNCIA APLICADA SUMARIAMENTE. SENTENÇA
QUE CONCEDEU A SEGURANÇA E ANULOU O PROCESSO ADMINISTRATIVO
DISCIPLINAR E A PENALIDADE IMPOSTA. RECURSO DA AUTORIDADE COATORA.
NULIDADE DO PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO VERIFICADA. PORTARIA DE
INSTAURAÇÃO QUE NÃO DESCREVE MINIMAMENTE OS FATOS A SEREM
APURADOS. VIOLAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DO CONTRADITÓRIO E DA AMPLA
DEFESA. PENA DE ADVERTÊNCIA. PUNIÇÃO SUMÁRIA. NULIDADE. RECURSO
DESPROVIDO. SENTENÇA MANTIDA EM SEDE DE REMESSA NECESSÁRIA. (TJSC,
Apelação Cível n. 0000544-05.2013.8.24.0061, de São Francisco do Sul, rel. Des. Rodolfo
Cezar Ribeiro Da Silva Tridapalli, Quarta Câmara de Direito Público, j. 06-06-2019).
(Destaquei).

Além disso, observo que na Portaria em voga (a qual, como visto, padece de
requisitos legais) foi determinada a suspensão preventiva da servidora, com redução de 1/3
(um terço) de seus vencimentos, circunstância que também expressa o perigo da demora,
tendo em vista a redução inesperada/suspresa de seus proventos.

Conclusão

Ante o exposto, com espeque no artigo 7º, III, da Lei 12.016/2009, DEFIRO a
liminar pleiteada para determinar a suspensão do processo administrativo disciplinar (PAD)
instaurado por meio da Portaria n. 9095/2019 (Evento 1/PORT3), com a consequente
recondução da impetrante ao cargo e percepção integral dos vencimentos.

Notifique-se a autoridade tida como coatora para, em até 10 (dez) dias, dar
cumprimento a esta ordem, bem como apresentar suas informações.

Com as informações, vistas aos Ministério Público.

Na sequência, voltem conclusos. Intimem-se.

Documento eletrônico assinado por JOSMAEL RODRIGO CAMARGO, Juiz de Direito, na forma do artigo 1º, inciso
III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006. A conferência da autenticidade do documento está disponível no
endereço eletrônico https://eproc1g.tjsc.jus.br/eproc/externo_controlador.php?acao=consulta_autenticidade_documentos,
mediante o preenchimento do código verificador 310000038282v15 e do código CRC 24e06438.

Informações adicionais da assinatura:


Signatário (a): JOSMAEL RODRIGO CAMARGO
Data e Hora: 13/6/2019, às 19:31:16

5000127-22.2019.8.24.0104 310000038282 .V15

3 of 3 13/06/2019 20:04

Você também pode gostar