Você está na página 1de 1

Nome: Lucas Almeida

Nº: 21

Data: 02/05/2019

Durante toda história da humanidade a desigualdade social persistiu. No Egito Antigo os povos hebreus eram feitos de escravos; Na Grécia Antiga, o sistema escravista de outros povos diferentes daqueles da Polis e a superioridade masculina perante às mulheres; No período de colonização das Américas, com os ameríndios subjugados e os africanos escravizados pelos europeus exploradores; Durante a Revolução Industrial, onde a burguesia, rica e dona das fábricas, empregava o proletário, esse que não possuía poder aquisitivo algum; A segregação feita pelos nazistas para com os judeus no séc. XX; A discriminação de grupos LGBT+, com base no simples fato de pertencerem a esses grupos, durante grande parte da história. Como percebe-se, a desigualdade social existiu durante toda a história da humanidade. Algumas dessas desigualdades são mais aparentes, como por exemplo a segregação racial ocorrida nos Estados Unidos e África do Sul, e outras são um pouco mais sutis, como a existência de "deveres" familiares, onde a mulher cuida da casa e o homem trabalhador a sustenta. Em todos esses casos, é interessante de se perguntar: esse tipo de coisa é natural? Podemos ver em inúmeras outras espécies de animais que o comportamento de tratar outros indivíduos de forma diferente, pelo simples fato de serem daquele jeito, existe. Chimpanzés, nossos “primos” mais próximos, por exemplo, também possuem essa característica de “superioridade masculina perante às fêmeas”. Observando assim, de certa

forma, é totalmente natural esse comportamento de “superioridade masculina”, pois ele está presente em outras espécies de forma normal. Entretanto, nós não somos chimpanzés. Justificar um ato humano com base somente em se aquele ato ocorre na natureza normalmente é o que chamamos de “falácia naturalista”.

O estupro é algo bem usual no mundo natural, entretanto nós, como sociedade, o

desprezamos, pois julgamos ele como sendo algo não desejado. Então, apesar de a desigualdade social ser presente na natureza, ser natural, nada justifica nós, como sociedade, perpetuarmos esse tipo de comportamento. Contudo, apesar de outros animais apresentarem formas de desigualdade social em suas sociedades, na espécie humana esse tipo de comportamento toma proporções muito maiores. Não existem Hitlers perante os gorilas ou formas de escravidão dos bonobos. A desigualdade social, além de uma característica do mundo animal, é um problema humano,

que se tem visto durante muito tempo uma tentativa de naturalização, como algo imutável

na sociedade humana, que não pode e nem nunca poderá ser mudado. Nós somos os

únicos animais que conseguem acreditar em coisas que não existem, como deuses ou

países, nada justifica nós perpetuarmos esse tipo de comportamento.