Você está na página 1de 77

1

ABADE DE NANTES SOBRE OS FALSOS PAPAS

LIVRO DE ACUSAÇÃO

A sua Santidade papa João Paulo II,

livro de acusação de HERESIA - contra o autor do suposto catecismo da Igreja católica, um


catecismo de orgulho, uma catequese de engano.

Pelo pe. Georges de Nantes

Prefácio

A Sua Santidade o Papa João Paulo II, Livro de Acusação por Heresia contra o Autor do suposto
“ Catecismo da Igreja Católica  ”.

Primeira heresia

Uma extensão abusiva da indefectibilidade e infalibilidade da Igreja em sua cabeça, em seus


pastores e em seu povo.

Segunda heresia

Erro relativo à predestinação universal e absoluta de todos os homens para a graça, para a
remissão dos pecados e para a vida eterna.

Terceira heresia

O erro de um Filho de Deus unido a todos os homens para sempre, pelos Seus mistérios,
salvando-os infalivelmente.

Quarta Heresia

Erro na inocência dos judeus e na culpabilidade dos cristãos na paixão e morte de Jesus
Crucificado.

Quinta Heresia

Erro de uma vida remota, fora do espaço e do tempo, de um Cristo desencarnado e de um


reino evanescente.

Sexta Heresia

Erro relativo ao Espírito Santo, o animador do novo mundo.

Sétima Heresia

O erro de um povo de Deus, convocado e guiado pelo Espírito, só Deus sabe onde! Deus sabe
como!

Oitava Heresia

Erro do sacerdócio comum, a antítese do sacerdócio hierárquico. Teodemocracia se opõe a


Cristo, soberano sacerdote e rei.

Nona Heresia
2

A apostasia de um culto anticristão do Homem baseado no repúdio do Coração e Cruz de


Jesus.

Décima Heresia

Erro da chamada democracia cristã, secular, personalista e socializada.

Décima Primeira Heresia

O secularismo estatal, a liberdade do homem em desprezar a lei de Deus, sinal da apostasia


final e do castigo de Deus.

Décima Segunda Heresia

Sua gnose, o mais sagrado pai.

Prefácio

Meu Santo Padre,

Ao apresentar a Santa Igreja, que tem Jesus como seu Esposo e Rei, com este novo e universal
Catecismo em sua Constituição Apostólica Fidei depositum, em 11 de outubro passado, você
estabeleceu seu valor doutrinário em termos particularmente impressionantes. Permitam-me
recordar-lhes aqui, pois nem minha consciência nem minha razão me permitem dar-lhes meu
consentimento para dentro ou para fora.

“O Catecismo da Igreja Católica, que eu aprovei em 25 de junho passado e cuja publicação”,


você diz, “eu ordeno hoje em virtude de minha Autoridade Apostólica, é uma declaração da fé
da Igreja e da doutrina católica, atestada ou iluminada pela Sagrada Escritura, a Tradição
Apostólica e o Magistério da Igreja. Declaro que é uma norma segura para ensinar a fé e,
portanto, um instrumento válido e legítimo para a comunhão eclesial. Que sirva a renovação à
qual o Espírito Santo chama incessantemente a Igreja de Deus, o Corpo de Cristo, em sua
peregrinação à luz não minada do Reino! "

É possível hesitar, é permitido questionar uma instrução como esta, quando se baseia em tais
afirmações e atestados categóricos da sua Autoridade Apostólica - concernentes à “segurança
e legitimidade do ensinamento da doutrina católica” - como são dadas neste artigo? livro?
Certamente é, desde que eu, que sou o menor dos servos da Igreja e que formulo hoje esta
acusação fundamentada de heresia, cisma e escândalo contra seu autor, estou chocado com o
grande número de contradições óbvias que existem entre as Escrituras, Tradição e o
ensinamento irrefutável do Magistério Católico, por um lado, e as seiscentas páginas desse
suposto Catecismo, por outro lado. Este Catecismo está repleto de erros, enganos, insultos
contra Deus, Seu Filho Jesus Cristo e Seu Espírito Santo, e numerosos manifestos absurdos e
incongruências. Todo o trabalho foi muito governado e executado “à luz do Concílio Vaticano
II”, Santíssimo Padre, e por isso mesmo foi elaborado, não de acordo com “toda a Tradição da
Igreja” (CCC), mas em contradição com isso. É minha convicção bem fundamentada, portanto,
que seu autor está enganado ou está nos enganando. Para fugir desta situação aterradora, é
necessário que Vossa Santidade se digne admitir que uma instrução dada por sua Autoridade
Apostólica pode ser rejeitada por causa de vícios e erros que são considerados inaceitáveis
para a consciência de uma parte da Igreja, por mais esbelta que seja essa parte, e também
para que Vossa Santidade concorde em usar seu supremo magistério para tomar uma decisão
soberana sobre essas questões ou, ex cathedra julgamento infalível.
3

Muito Santo Padre, isso pode ser feito e deve ser feito. Sua Santidade nos assegura na
presente Constituição Apostólica - que certamente está sob o seu autêntico Magistério, mas
não a sua infalibilidade - que este Catecismo está em conformidade com a fé católica e o
ensinamento moral. O fato de você fazer tal afirmação - uma afirmação que está longe de ser
infalível, indefectível ou impecável - não basta para elevar essas seiscentas páginas às alturas
da certeza alcançadas por um ato do infalível e, portanto, indiscutível, Magistério de a Igreja
hierárquica. Isso é claro. E, no entanto, é você, o Santo Padre, quem sugere, quem insinua e
quem acaba por impor a visão oposta. Ou seja, que este Catecismo, dada a toda a Igreja como
expressão do seu magistério ordinário e fervorosamente recebida por todo o povo de Deus - a
não ser por nós, que nada valem, para ter certeza! - deve ser considerado infalível. Isso, de
acordo com a gente, é o seu primeiro erro factual, provando automaticamente sua própria
errância, errando assim e assim minando suas próprias provas e afirmações. É isto, portanto,
que demonstrarei, antes de qualquer outra crítica, ser a primeira das heresias deste Catecismo
pós-conciliar. O resultado desta primeira demonstração dependerá do meu direito de criticar,
contradizer e, finalmente, colocar este Livro de Acusação nas suas mãos, Santíssimo Padre.

Esta demonstração eu tentarei antes de você, Santo Padre, pois, se assim posso dizer, não
posso me convencer, apesar de todos os fatos dados deste enigma, a pensar ou acreditar que
Sua Santidade é o autor e garante deste Livro. Minha queixa, portanto, é "contra X", e isso me
dá a necessária segurança de coração nesta agonia, na qual pareço ter me estabelecido como
acusador de meus irmãos, e mesmo de nosso Pai, persuadido que ao fazê-lo eu estou servindo
a Deus, a Igreja e a salvação das almas. Com esta introdução, aqui está a minha queixa, doze
vezes repetida e fundamentada, contra o autor deste Catecismo, diante do seu tribunal
apostólico, Santíssimo Padre!

LIVRO DE ACUSA CONTRA O CCC

PRIMEIRA HERESIA

Uma extensão abusiva da indefectibilidade e infalibilidade da Igreja em sua cabeça, em seus


pastores e em seu povo.

ARGUMENTO

L E nós diremos ao capítulo sobre a transmissão da Revelação Divina e, mais especificamente,


ao capítulo sobre a interpretação da herança da fé. Essa sempre foi uma questão importante.
Mas é particularmente assim em nossos tempos, e especialmente se o modernismo de hoje, “o
esgoto em que toda heresia se reúne” (São Pio X), deve ser identificado com a marcha forçada
da apostasia predita por São Paulo em sua Primeira Carta a Timóteo: “O Espírito disse
explicitamente que, nos últimos tempos, haverá alguns que abandonarão a fé e escolherão
escutar espíritos e doutrinas enganosas, oriundos dos demônios; e a causa disso são as
mentiras contadas por hipócritas cujas consciências são marcadas com um ferro em brasa. ”(1
Tm 4.1-2; cf. 2 Ts 2.3-12; 2 Tm 3.1- 5; 4,3-4; Segunda Carta de São Pedro 3,3; cf. a advertência
do próprio Jesus, Mt 24,4-13).

A HERANÇA DA FÉ CONFIADA A TODA A IGREJA

84. A “herança sagrada” da fé (depositum fidei) contida na Sagrada Tradição e na Sagrada


Escritura foi confiada pelos apóstolos a toda a Igreja. “Ao aderir a ela, todo o povo santo, unido
aos seus pastores, permanece constantemente fiel ao ensinamento dos apóstolos, à
comunhão fraterna, ao partir do pão e às orações, de modo que, ao manter, praticar e
4

confessar a fé que foi transmitida, uma singular unidade de espírito é estabelecida entre os
pastores e os fiéis. "

Pode-se sonhar com um ideal inacessível, mas não é saudável. O "todo da Igreja" é um
conceito de lã, democrático e unanimista. E a memória idílica da antiga comunidade de
Jerusalém (Atos dos Apóstolos 2.42; 4.32-35; 5.12-16) não pode passar sem abusos como uma
definição da Igreja dos séculos, ainda menos da “civilização do amor” proclamada por Paulo VI
pelos dias felizes que se seguiram ao Concílio e que não vieram.

Tal conceito da totalidade da Igreja é lisonjeiro para o povo, tranqüilizador para o medíocre e o
ruim, mas pode muito facilmente acabar escravizando e perseguindo as testemunhas da
verdadeira fé e da verdadeira Cruz nestes tempos farisaicos.

O MAGISTÉRIO DA IGREJA

85. “A responsabilidade pela interpretação autêntica da Palavra de Deus, escrita ou


transmitida, foi confiada exclusivamente ao Magistério Vivo da Igreja, cuja autoridade é
exercida em nome de Jesus Cristo”, isto é, aos bispos em comunhão com o sucessor de Pedro,
o bispo de Roma.

86. “No entanto, este Magistério não está acima da palavra de Deus, mas é seu servo. Ensina
somente o que foi entregue a ela, pois pelo mandato de Deus e com a ajuda do Espírito Santo,
ela ouve essa Palavra com amor, a guarda com dedicação e a expõe com fidelidade. Tudo o
que ele propõe para a crença como sendo revelado por Deus é extraído desse único depósito
de fé."

Mais uma vez, é um sonho do que deveria ser! Ele pinta um ideal de sabedoria, fidelidade e
virtudes levadas até a santidade e o heroísmo. É, de fato, o retrato de São Pio X, aquele
modelo de pontífices! É a afirmação de um dever a ser cumprido, se você quiser, mas não a
afirmação de uma perfeição efetiva e contínua, e ainda menos uma perfeição presente, visto
que o CCC não cita este santo, este médico, este farol de citação, a Igreja para o nosso século
20!

Além disso, ele mesmo não teria reconhecido a si mesmo, pois essa presunção de infalibilidade
universal, composta por uma indefectibilidade geral por parte do corpo episcopal, é tão
irrealista que parece mentirosa. Isso denota um orgulho perigoso entre os pastores, um
orgulho que consegue se passar lisonjeando o orgulho de seu povo, concedendo-lhe uma
infalibilidade e impecabilidade igual e complementar àquilo que eles atribuem a si mesmos por
tais absurdos novos como os seguintes:

O SENSO DE FÉ SOBRENATURAL

87. Conscientes das palavras de Cristo aos seus apóstolos: “Quem vos ouve, ouve-me” (Lc
10,16), os fiéis recebem docilmente os ensinamentos e orientações que lhes são dadas de
formas diferentes pelos seus pastores.

Isso é uma completa mentira. O humor optativo ou o imperativo talvez precise substituir esse
indicativo demagógico, cujo resultado está diante de nossos olhos: anarquia universal sob o
olhar de prazer de uma hierarquia impotente.

91. Todo o corpo dos fiéis compartilha o entendimento e a entrega da verdade revelada. Eles
receberam a unção do Espírito Santo, que os instrui e os guia para toda a verdade.
5

Ainda outra contra-verdade, que, se levada a sério, levará os fiéis a buscar essa “unção do
Espírito Santo” em alguma seita protestante, judaica ou hindu. Voltaremos a essa heresia em
seu próprio lugar depois. É o número seis dos doze.

92. Todo o corpo de fiéis não pode estar enganado na fé, e eles manifestam esta qualidade
através do sentido sobrenatural da fé, que é o do povo como um todo quando, “desde os
bispos até os últimos fiéis leigos manifestam um consentimento universal às verdades relativas
à fé e à moral. "

Do exagero ao exagero, onde terminará este absurdo Catecismo? As centenas de milhões de


fiéis da Igreja de hoje não podem estar enganados? É grotesco e totalmente imaginário. É uma
caricatura - que entrará em colapso no primeiro impacto dos procedimentos que estamos
instituindo - da infalibilidade católica muito real da Igreja, que é constituída como uma
hierarquia, uma pirâmide e uma monarquia, e tem a promessa de Jesus de que a portões do
inferno nunca prevalecerão contra ela! Mas quanto ao “consentimento universal” deste
licencioso e desconcertado “povo como um todo”, declarado pelo Vaticano II como o “povo de
Deus”, isso é pura fantasia.

93. “Graças a este sentido de fé que é despertado e sustentado pelo Espírito da verdade, e sob
a direção do sagrado Magistério, o Povo de Deus, infalivelmente, adere à fé de uma vez por
todas entregue aos santos. Eles penetram cada vez mais profundamente, interpretando-o
corretamente e colocando-o em prática cada vez mais perfeita em suas vidas."

Ainda não atingimos os cumes desta extravagância. Mas não estamos surpresos com este novo
grau de loucura que, depois de Maurice Pujo, chamaremos de “teodemocracia”. É a ilusão
paranóica de nomes como Robespierre, Lenin e Hitler, para não mencionar e incriminar Leão
XIII e Pio XI! É a radicalização do unanimismo com que o Vaticano II sonhou. E tornou-se uma
gnose ao mesmo tempo que uma droga eufórica e alucinógena: eles imaginam a realidade que
os encara no rosto ser bem diferente do que de fato é e moldam-na para agradar nossos
desejos. E assim, no próprio prólogo deste Catecismo, somos avisados de que tudo o que
inventa terá de ser aceito como a palavra infalível do Magistério da Igreja e abraçado pela
totalidade de um indefectível povo de deuses. É um ato consciente e deliberado de loucura.
Vamos ler o resto:

99. Por causa de seu senso de fé sobrenatural, o Povo de Deus como um todo nunca deixa de
acolher o dom da Revelação Divina, de penetrá-lo mais profundamente e de vivê-lo mais
plenamente.

100. A responsabilidade de interpretar autenticamente a Palavra de Deus foi confiada


unicamente ao Magistério da Igreja, ao Papa e aos Bispos em comunhão com ele.

Na imagem de Robespierre, Napoleão, Stálin e alguns outros “fascistas”, temos uma imagem
do totalitarismo eclesiástico moderno: o povo nunca deixa de acolher, no ambiente da única
parte unânime, todos os impulsos dos executivos do Estado, que são inteiramente dedicados
ao Führer, ao Duce ou ao papa que “está sempre certo!"

Isso claramente não é a realidade, nem de ontem nem de hoje. Mas é a gnose do papa e do
colégio dos bispos, adotada entusiasticamente pela totalidade do povo cristão. Santíssimo
Padre, isso é impossível! Nós não somos parte disso, e nunca seremos, nem nós nem você!

ANATHEMA A ESTE UNANIMISMO DO ORGULHO E ESTA VONTADE DE PODER!


6

NÃO HÁ INDEFEITIBILIDADE OU INFALIBILIDADE CARISMÁTICA, MAS APENAS A INFALIBILIDADE


LIMITADA DO MAGISTÉRIO CATÓLICO

É através da falibilidade das mentes humanas e da deficiência de coração humano que todas
as grandes crises que abalaram a Igreja de século em século podem ser explicadas da maneira
mais simples. E isso é para que ninguém se glorifique perante o Senhor por sua infalibilidade e
impecabilidade pessoal! Mais uma vez, é essa mesma fragilidade humana incomensurável e
incomensurável que explica a crescente anarquia em que se está decompondo esse fabuloso
povo de Deus, o teodemocrático e o totalitário. Se é para este povo, para nós homens hoje,
que Jesus proferiu sua queixa ao se referir à apostasia dos últimos tempos: “Mas quando o
Filho do homem vier, encontrará alguma fé na terra? ”(Lc 18.8; cf. CCC 675!)

Como é possível, então, desfilar tal pretensão a uma infalibilidade e indefectibilidade ilimitadas
e perpétuas para o Papa, os bispos e todo o povo de Deus quando, desde 1960, todos
souberam, ou deveriam saber, o Segredo de Fátima, anunciando a apostasia geral da Igreja,
em sua cabeça romana e em quase todos os seus membros, em seu abandono da verdadeira
fé e seu pecado contra o Espírito Santo, como uma punição por seu desprezo e rejeição aos
pedidos de Nossa Senhora formulados em nome de seu filho Jesus Cristo nosso Deus?

Assim, sem modéstia ou fidelidade, este novo Catecismo se proclama como o ensinamento da
atual Autoridade viva sobre os mistérios da nossa fé, apresentados em novas palavras e
adaptados aos nossos tempos e à cultura moderna. Na verdade, é o contrário. Sob as palavras
e linguagem cristãs clássicas, é outra religião que está sendo ensinada, uma obscura gnose
humanista, onde o sobrenatural é naturalizado e o natural sobrenaturalizado em uma dupla
contorção: nossos mistérios cristãos são julgados, relativizados e esvaziados de sua
singularidade divina, enquanto os instintos brutais e mundanos, o pensamento ateísta, em
todo lugar triunfante, são divinizados!

É compreensível que tal projeto para harmonizar Deus e Mamon exija que seus inventores e
pioneiros comecem assumindo uma autoridade absoluta, inquestionável, universal e perpétua,
transcendendo as antigas regras clássicas e definições relativas ao exercício do Magistério
Católico. Assim, eles e seu assim chamado povo de Deus se beneficiam da iluminação direta do
grande Inspirador dessa gnose, que eles chamam de Espírito. Para mim parece urgente e
indispensável opor-se a isso por sentenças dogmáticas e um anátema:

SENTENÇAS DOGMÁTICAS

I. Nenhum homem, nem assembléia - sejam eles papa, conselho, colégio de bispos ou padres,
grupo de teólogos ou corpo de leigos, nem mesmo uma suposta Igreja universal - podem
impor suas opiniões doutrinárias ou morais como se investidas de algum tipo de infalibilidade,
fora dos limites perfeitamente definidos do Magistério solene ou ordinário.

II. Cada membro dos fiéis católicos tem o direito, se não o dever, de se levantar contra
qualquer novo ensinamento, embora emanando do magistério autêntico do Papa e dos bispos,
e apelar deste magistério imprecisamente limitado para as decisões do magistério infalível
dessas mesmas autoridades legítimas.

É necessário especificar que a autoridade do Magistério ordinário só pode ser reivindicada


quando é usada para ensinar o que a Igreja sempre acreditou, em todos os momentos e em
todos os lugares. A novidade está absolutamente excluída do que é chamado de "magistério
7

ordinário". Se a novidade é proposta como “autêntica”, é apenas através de um abuso


lamentável de confiança.

III É através de um abuso de linguagem ou mesmo de intenção que em numerosos textos o


Magistério pós-conciliar declare, sem qualquer espaço para dúvida ou discussão, que o próprio
Magistério e o povo de Deus exercem constantemente a virtude de sua fé católica, o primeiro
a ensinar doutrina e os últimos a aceitar e consentir, sem a possibilidade de serem enganados
ou terem a intenção de enganar.

IV. Um Concilio, um Papa mesmo e qualquer assembleia episcopal ou sacerdotal, fora do


exercício de seu magistério oficial em suas formas canônicas, podem ser materialmente e até
mesmo formalmente heréticos, cismáticos ou escandalosos, pois não são deuses, mas seres
falíveis e defeituosos como outros homens.

V. Entre os atributos do Magistério Católico está o poder e o dever de exercer discernimento


sobre as revelações que são indevidamente denominadas “privadas”. Mas, tendo-os
reconhecido como “autênticos”, tanto em seus fatos sobrenaturais quanto em sua doutrina
livre de erros, o Magistério não tem a liberdade de colocá-los abaixo de sua própria autoridade
e poder pastoral para ignorá-los ou combatê-los. Seu oficio é estudar sua verdade e realidade
e não decidir se são ou não oportunos ou no interesse da Igreja. O que é do céu se impõe a
todos.

De tal natureza são os dons divinos reconhecidos pela igreja pré-conciliar: o culto do Santo
Sudário de Nosso Senhor Jesus Cristo, e especialmente as aparições e pedidos de Nossa
Senhora de Fátima. Estes constituem eventos mundiais, ajuda providencial para a Igreja e
alegria interior para as almas da predestinação.

ANÁTEMA

Se alguém disser que o Papa, o Concilio ou o povo cristão não podem ser enganados ou não
podem enganar, mas professam a verdade divina e desempenham o papel do Magistério de
ensino ou de seus carismas proféticos de maneira indefectível, de tal modo que possam nunca
ficar sujeito a qualquer queixa canônica ou acusação na Igreja, seja anátema.

SEGUNDA HERESIA

Erro relativo à predestinação universal e absoluta dos homens para a graça, para a remissão
dos pecados e para a vida eterna.

ARGUMENTO

Na primeira das 2265 seções deste Catecismo, é o kerygma da Igreja pós-conciliar: suas Boas
Novas para o mundo:

A VIDA DO HOMEM - CONHECER E AMAR A DEUS

1. Deus, infinitamente perfeito e feliz em si mesmo, em um plano de bondade pura, criou


livremente o homem para fazê-lo participar de sua própria vida abençoada. É por isso que, em
todos os momentos e em todos os lugares, Deus se aproxima do homem. Ele o chama, ajuda-o
a buscá-lo, a conhecê-lo e a amá-lo com toda a sua força. Ele convoca todos os homens, que o
pecado dispersou, para a unidade de sua família, a Igreja. Para fazer isso, Ele enviou seu Filho
como Redentor e Salvador quando a plenitude do tempo havia chegado. Nele e por Ele, Ele
8

chama os homens a se tornarem, no Espírito Santo, Seus filhos adotivos e, portanto, os


herdeiros de Sua vida abençoada.

Desde as primeiras palavras, parece-me que algum veneno letal foi misturado com o
requintado néctar católico, alguma gnose herética, tão antiga quanto o mundo.

De fato tem! O homem de que fala no início pode ser Adão, Adão e Eva e todos os seus
descendentes. O que ele diz sobre a preocupação de Deus com esse homem ainda pode se
aplicar à idade de ouro desse paraíso terrestre. Mas como se pode acreditar na suposta
preocupação amorosa de Deus por todos os homens em todos os momentos e em todos os
lugares, chamando-os e convocando-os a entrar na unidade de uma Igreja que ainda não
existe e da qual, na maior parte, nada sabem? … Assim, tornar-se, desde sempre, Seus filhos
adotivos e herdeiros de Sua vida abençoada?

Entre a curta duração do Paraíso, antes da Queda, e o tempo da Igreja com sua longa duração
de crescimento lento e incerto, que imenso fosso, que época de ignorância e crime quando
Deus ainda não havia falado, pelo menos não as nações pagãs! Bem, aqui temos que crer na
mesma preocupação de Deus em todos os momentos e entre todos os povos, adotando todos
os homens e fazendo-os compartilhar em todas as Suas bênçãos.

- É uma fantasia? Nós mostraremos que não é. Cabe a nós revisar nossos conceitos. - Mas esta
Boa Nova, que é anunciada do lado de Deus, tem seu complemento do lado do homem? Sim
como isso.

O HOMEM TEM A "CAPACIDADE" PARA DEUS

27. O desejo de Deus está escrito no coração do homem, pois o homem é criado por Deus e
por Deus; Deus nunca deixa de atrair o homem para si, e é somente em Deus que o homem
encontrará a verdade e a felicidade que nunca deixa de procurar: “O aspecto mais sublime da
dignidade humana encontra-se na vocação do homem de comungar com Deus. Este convite
que Deus dirige ao homem para dialogar com Ele começa com a existência humana. Pois se o
homem existe, é porque Deus o criou através do Amor e, através do Amor, nunca deixa de lhe
dar o ser; e o homem só pode viver plenamente de acordo com a verdade, se reconhecer
livremente esse amor e confiar-se ao seu Criador."

Aqui estamos novamente transportados para o Paraíso terrestre. E entendemos que o desejo
de nossos primeiros pais, a quem Deus constituiu em felicidade e santidade, encontrou seu
próprio e mais amoroso desejo por essa comunhão inexprimível, tão desejada por ambas as
partes. Poderíamos denominar essa “dignidade de Adão”, mas seria mais verdadeiro e mais
modesto falar de sua santidade e justiça ... Mas, sem qualquer aviso, esses elevados desejos e
sentimentos são agora atribuídos a cada homem e a todos os homens, místicos seu
nascimento que não encontra descanso exceto em Deus. Você notará que, desta vez, não há
mais nenhuma alusão ao pecado, algo que não era muito importante: nada mais do que uma
semente de divisão entre os homens.

Se eu fosse exclamar que isso é bahmianismo, dificilmente lançaria muita luz sobre esse
mistério. Mas se eu me referir ao nosso extenso conhecimento dos homens da Bíblia, judeus e
pagãos, os homens da história e da pré-história, e as massas de pessoas vivas hoje, como é
possível reconhecer nesta miserável raça humana? Tal virtude, tal inquietude mística, tal
comunhão com Deus em amor e, em última instância, tal abandono extático, como se fala
aqui?
9

- E, no entanto, é nisso que temos que acreditar, de acordo com esse catecismo. Devemos crer
sem ver, porque é dinamizado em nós até que essa gnose esotérica toma conta de nossas
mentes - uma gnose que desloca a predestinação de Deus, transferindo-a de nós católicos, que
são banhados com todo dom, para todos os homens de todos os tempos, e para todos os
povos, alegando que eles são invisíveis, mas não menos certamente, tão estimados e
favorecidos por Deus como nós somos. É melhor termos cuidado com a reação!

A idéia não é compreendida melhor por ser repetida, mas seu encanto inevitavelmente invade
nossos pensamentos e gradualmente muda nossos corações:

DEUS VEM AO ENCONTRO DO HOMEM

50. Pela razão natural, o homem pode conhecer a Deus com certeza, com base em Suas obras.
Mas existe outra ordem de conhecimento que o homem não pode alcançar por seus próprios
poderes, o da revelação divina. Através de uma decisão inteiramente livre, Deus se revela e se
entrega ao homem. Ele faz isso revelando Seu mistério, Seu desígnio benevolente, que Ele
formou desde toda a eternidade em Cristo, para o benefício de todos os homens. Ele revela
plenamente Seu plano enviando Seu bem-amado Filho, nosso Senhor Jesus Cristo e o Espírito
Santo.

Aqui nós reconhecemos nossa religião católica; as palavras são semelhantes às dos nossos
antigos catecismos. Exceto, no entanto, por uma nuance quase imperceptível: é para todos os
homens de todos os tempos que Deus revela seu plano. Todos os homens são os afortunados
beneficiários da Revelação de Deus e dos Seus dons, da Sua Palavra e da Sua Vida, que serão,
no entanto, mais perfeitamente comunicados no tempo de Cristo.

É claramente um ensinamento novo e insistente, nos dando a entender que não somos os
únicos a ser amados por Deus! E quem seria tão ignóbil até mesmo para pensar assim! Todos
os homens - mesmo que isso seja impossível de ver ou provar - são predestinados para a vida
perfeita, e é preciso abraçar essa gnose como estando no mesmo nível das antigas verdades.

Mas como podem os homens de Cro-Magnon e Neanderthal, para não mencionar os da China
e do Japão, ter acesso a uma vida e doutrina tão elevadas? - Bem ... assim como você faz!
Como você poderia acreditar de outra forma?

RESPOSTA DO HOMEM A DEUS

142. Por sua revelação “procedendo da imensidão da sua caridade, Deus, invisível, dirige-se
aos homens como seus amigos e conversa com eles para convidá-los a entrar em comunhão
com Ele e ser acolhidos nesta comunhão. A resposta adequada a esse convite é a fé.

143. Pela fé, o homem submete completamente sua inteligência e sua vontade a Deus. Com
todo o seu ser, o homem dá seu assentimento a Deus, o Revelador (cf. DV 5). A Sagrada
Escritura chama esta resposta do homem a Deus, revelando-se a “obediência da fé”. (cf. Rom
1.5; 16.26)

Estamos indubitavelmente nos tornando aclimados agora a essa novidade com sua dupla
linguagem, na qual a linguagem da gnose aparece, desaparece e se manifesta de novo no
decorrer de um ensinamento que em todo ponto é católico. Aqui, a linguagem católica é
ouvida com clareza: o catecúmeno é instruído na revelação cristã e ele receberá a vida de
Cristo através do batismo. E ele acredita neste Credo e neste sacramento com toda a sua alma.
10

A outra língua, a de um conhecimento misterioso e secretamente difuso - uma "gnose",


portanto - mostra claramente por aqui: como os cristãos de todos os tempos, homens em toda
parte recebem sinais e palavras de Deus que se revela a eles em segredo, além do ritos e
palavras das várias religiões como a nossa, e eles se entregam com confiança a essas
comunicações. Não é mais o conhecimento da fé de nossa antiga Igreja, mas a confiança na fé
de Lutero, que é suficiente para a salvação de todos os homens de todos os tempos.

Entende-se por que o Concilio deveria ter repetido ad nauseam que, revelando-se a si mesmo,
Deus revelou o homem a si mesmo! Esta religião subjacente, que constitui a “dignidade” do
homem, e esta comunhão de Deus preestabelecida e satisfatória com todos os homens… não
são revelações animadoras que superam completamente nossas velhas lições de catecismo
sobre o pecado de Adão, a necessidade do batismo, limbo, inferno…?

- Nesta religião onírica, nesta gnose, o homem está imerso no Amor. Ele está cheio de amor e
seu próprio eu está transfigurado no amor que é Deus, no próprio Deus.

AS IMPLICAÇÕES DA FÉ EM UM SÓ DEUS

222. Crer em Deus, o Deus Único, e amá-lo com todo o nosso ser, tem imensas consequências
para toda a nossa vida:

225. Significa conhecer a unidade e a verdadeira dignidade de todos os homens: todos são
feitos “à imagem e semelhança de Deus” (Gen 1, 26).

229. A fé em Deus nos leva a nos voltarmos unicamente para Ele como nossa primeira origem
e nosso fim último, para não preferir nada a Ele e não substituir nada por Ele.

A seção 222 é a transcrição literal do shema Israël (Dt 6.4) e da shahada (Sura II 163), uma
profissão de fé “monoteísta” que foi elaborada hoje, tanto em Israel quanto no Islã, em
oposição a “ nós ”, católicos praticantes, numa guerra santa inexpugnável. Mas o autor não
poderia se importar menos.

DEUS É AMOR. AMOR DO HOMEM TAMBÉM.

220. O amor de Deus é “eterno” (Is 54.8) ... “Eu te amei com amor eterno Por isso continuei
minha fidelidade a você”. (Jer 31.3)

221. São João vai ainda mais longe quando afirma que “Deus é amor” Ao enviar Seu único Filho
e o Espírito de Amor na plenitude dos tempos, Deus revela Seu mais íntimo segredo: Ele
mesmo é uma eterna troca de amor: o Pai, Filho e Espírito Santo, e Ele nos destinou a ter uma
participação nisso.

Tão logo se concorde em abandonar a antiga religião católica e derrubar seus dogmas
estreitos, tudo se torna tão maravilhoso! Assim, antes mesmo de chegarmos ao segundo artigo
do Credo, já estamos obcecados pelo que nos é revelado nessa gnose delirante: Deus é amor,
amor de três pessoas, eterna troca de amor absoluto, incondicional e indefectível. … E a Igreja
é reprovada por ter mantido isso escondido de nós por tanto tempo sob a influência de seus
interesses mesquinhos e sua vaidade pessoal, se não racial:

Deus nos destinou, todos nós homens, a entrar neste mesmo Amor, que é Deus, Absoluto,
Incondicional, Universal e Eterno. É assim que Deus nos ama de antemão e, portanto, que nós
o amamos e amamos uns aos outros para sempre e sempre ...
11

O autor gnóstico do Catecismo chega perto de nos conquistar. Eu mesmo li e reli com
entusiasmo seu hino de ação de graças, um exultante hino de gratidão a Deus por sua infinita
bondade para com os homens "nós", Suas criaturas tão amadas:

AS OBRAS DIVINAS E AS MISSÕES TRINITÁRIAS

257. “Ó Trindade, luz abençoada, ó unidade primordial! “Deus é benção eterna, vida imortal,
luz perene. Deus é Amor: Pai, Filho e Espírito Santo. Deus deseja livremente comunicar a glória
de Sua vida abençoada. Tal é o “plano da Sua benignidade” (Ef 1,9), que Ele concebeu antes da
criação do mundo em Seu bem-amado Filho, “predestinando-nos a ser Seus filhos adotivos” (Ef
1,4-5), isto é, “Reproduzir a imagem do seu Filho” (Rm 8.29), graças ao “Espírito de adoção”
(Rm 8.15). Este propósito é uma “graça concedida a nós antes do começo dos tempos” (2 Tim
1.9-10), imediatamente procedendo do amor da Trindade. É desdobrada na obra da criação,
em toda a história da salvação depois da queda e nas missões do Filho e do Espírito, que
continuam na missão da Igreja.

Não ouso abafar este hino perfeito de ação de graças pela "  nossa predestinação  ", a de todos
nós, para a glória e bem-aventurança dos filhos de Deus, n'Ele nosso Deus, para o amor total,
perfeito, absoluto e universal ... Vou simplesmente mostrar-lhe o antigo hino católico do qual
é extraído este hino mais amplo, generoso e muito mais belo. A duplicidade aparece apenas
momentaneamente, quando o autor do CCC joga de maneira tresloucada nas palavras “  nos
predestinando  ”, assim como um toca-discos que nos desvia da fé católica e nos coloca nos
trilhos de sua maravilhosa, mas herética gnose:

PÍSTOLA AOS EFÉSIOS

“Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, aos santos que estão em Éfeso e fiéis a
Jesus Cristo. Graça a ti e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo.”

O plano divino de salvação. “Bendito seja o Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que
abençoou-nos em Cristo com toda a bênção espiritual nas regiões celestiais, como Ele
escolheu-nos nele antes da fundação do mundo, que nós deve ser santos e irrepreensíveis
diante ele. Ele nos predestinou em amor a ser Seus filhos adotivos por meio de Jesus Cristo, de
acordo com o propósito de Sua vontade, para o louvor de Sua gloriosa graça que Ele
livremente nos concedeu no Amado.

Nele temos a redenção pelo seu sangue, o perdão das nossas ofensas, segundo as riquezas da
sua graça, que ele nos concedeu …

Nele, de acordo com o propósito daquele que realiza todas as coisas de acordo com o conselho
da Sua vontade, nós [os judeus] que primeiro esperamos em Cristo, fomos destinados e
designados a viver para o louvor da Sua glória.

Nele também [os pagãos] , que ouviram a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação e
creram nele, foram selados com o prometido Espírito Santo ...

E você fez vivo, quando você estivesse morto, através dos delitos e pecados em que você
andou uma vez, seguindo o curso deste mundo, seguindo o príncipe do poder do ar, o espírito
que agora atua nos filhos de desobediência. Entre eles todos nós [os judeus] vivemos nas
paixões da nossa carne, seguindo os desejos do corpo e da mente, e assim que eram por
natureza filhos da ira, como o resto da humanidade ...
12

Mas Deus, que é rico em misericórdia, do grande amor com que Ele nos amou , mesmo
quando nós [pagãos e judeus] estávamos mortos em nossos delitos, nos fez vivos juntamente
com Cristo - pela graça vocês foram salvos! - e nos ressuscitou com Ele, e nos fez sentar com
Ele nos lugares celestiais em Cristo Jesus."

Toda a epístola precisa de leitura, ou melhor, de toda a Bíblia! E todos os nossos dogmas e
toda a nossa Tradição precisam ser lembrados para discernir, rejeitar, combater e pulverizar
essa gnose anticristã, pela qual este catecismo vil corromperá todo o ensinamento da Igreja
hierárquica e daí a fé de todos os fiéis pela ruína de todos nós!

Isso por si só abre perspectivas dramáticas sobre a extraordinária desonestidade do CCC,


falsificando as Escrituras para tornar cada homem “predestinado”. Vamos fingir, no entanto,
ignorar esse problema e retornar à doutrina que agora sabemos ser equivocada.

“ELE FAZ TUDO O QUE LHE APROUVER” (SL 115.3).

“TU ÉS MISERICORDIOSO PARA COM TODOS, POIS TU PODES FAZER TODAS AS COISAS” (WS
11.23).

273. "porque para Deus nada será impossível" (Lc 1,37) ...

274. “Nada, portanto, é mais apto a confirmar nossa fé e nossa esperança do que esta
convicção profundamente gravada em nossas almas que com Deus nada é impossível. Pois
então, tudo o que o Credo nos propõe para a nossa crença, as maiores e mais
incompreensíveis as coisas, mesmo as coisas muito além das leis ordinárias da natureza, será
facilmente e sem hesitar, aceitas, uma vez que a nossa razão compreendeu a idéia da
Onipotência divina. ” (Catecismo Romano I, 2, 13)

É cara ou coroa. Tendo devidamente advertido que nada é impossível a Deus, o Catecismo
Romano poderá propor aos fiéis todos os nossos Mistérios, sem legitimamente desencorajá-
los. Mas este novo Catecismo atribui a si mesmo essa confiança cega a fim de nos fazer engolir
sem vacilar sua mistura letal de néctar católico e veneno anticristo.

Então continua com incrível audácia:

278. Se não acreditamos que o amor de Deus é Todo-Poderoso, como podemos crer que o Pai
poderia ter-nos criado, Seu Filho nos redimido e o Espírito Santo nos santificado?

Você se deixou ser levado? Assim como eu Porque, na verdade, não é estúpido, sem sentido e
perverso pensar que Deus-Amor poderia ter criado nos, criou o homem, todos os homens,
redimiu-nos e santificou-nos , fazer-nos deixar no final ou para permitir-nos ser condenado nas
portas da salvação e da vida eterna? Ouça esta linguagem límpida, onde o veneno e o néctar
estão misturados:

321. A providência divina consiste nas disposições pelas quais Deus, de maneira sábia e
amorosa, guia todas as criaturas até o seu fim último.

Este “guiar” por Deus é, portanto, infalível e, claro, impecável. Todos os homens, portanto,
alcançarão seu objetivo final através do amor todo-poderoso de Deus. Às vezes, talvez
seguindo caminhos que serpenteiam e ondulam. Esse é o problema do Mal, que o CCC tratará
com a sua habitual audácia, como se fosse um incidente sem consequências ...

DEUS SABE COMO TIRAR O BEM DO MAL


13

323. A providência divina também opera através das ações das criaturas. Deus dá aos seres
humanos a capacidade de cooperar livremente com Seus desígnios.

311. Anjos e homens, como criaturas inteligentes e livres, têm que viajar em direção ao seu
destino final por uma escolha livre e um amor preferencial. Eles podem, portanto, se perder.
De fato, eles pecaram. Assim é que o mal moral entrou no mundo ... De maneira alguma Deus
é, direta ou indiretamente, a causa disso. Ele permite isso, no entanto, em respeito à liberdade
de suas criaturas e, misteriosamente, sabe como tirar benefícios disso ...

É uma solução tranquilizadora: tudo está bem quando acaba bem. E por outro lado, Deus é
exonerado de qualquer reprovação insolente! Maravilhoso. Ele respeita a liberdade de suas
criaturas! Essa é uma palavra que não deve ser esquecida! Em última análise, isso nos
permitirá explicar a condenação eterna dos demônios e dos ímpios como um ato glorioso de
respeito por sua dignidade. Indo apenas uma fração, podemos agora colocar essa dignidade
acima da felicidade ou desgraça “burguesa” do Céu e do inferno, nossa autoglorificação
incitando a grandeza humana e a liberdade inerente à Pessoa a ponto de desafiar a Deus - um
ato que é a glória eterna de Satanás! Não ria. Você verá tais eventos nessa gnose, exatamente
como o Kiríllov de Dostoiévski havia profetizado!

No momento, o CCC pensa em nos tranquilizar:

324. A permissão divina para o mal físico e moral é um mistério que Deus ilumina através do
seu Filho, Jesus Cristo, que morreu e ressuscitou para vencer o mal…

O mal, portanto, será vencido no final, sem dúvida através da conversão e da salvação tanto de
seus autores quanto de suas vítimas. Essa ideia louca é algo que Dostoiévski também previra!

A cada nova seção, cresce a certeza da predestinação universal e absoluta do “homem”. Para o


autor, isso se torna um truísmo, um argumento tão simples que sua conclusão é evidente,
mesmo no pior dos casos:

ATÉ O PODER DE SATANÁS TRABALHA PARA O NOSSO BEM.

Deus não pode falhar em seu plano de salvação para aqueles a quem ama. E isso significa
"nós" ... sim, todos nós ... Tão certo é isso que nem o diabo pode impedi-lo:

395. O poder de Satanás não é, no entanto, infinito. Ele é apenas uma criatura, poderosa pelo
fato de ser puro espírito, mas ainda assim apenas uma criatura. Ele não pode impedir a
construção do Reino de Deus. Embora Satanás possa atuar no mundo com ódio por Deus e Seu
reino em Jesus Cristo, e embora sua ação possa causar grande dano - de natureza espiritual e,
indiretamente, até mesmo física - a cada homem e à sociedade, a ação é permitida pela
providência divina, que direciona a história humana e cósmica de maneira forte mas delicada.
Permissão divina da atividade diabólica é um grande mistério, mas “nós sabemos que Deus faz
tudo funcionar para o bem daqueles que O amam”. (Rom 8,28)

ENTÃO, ESTÁ BEM CLARO: TODOS IRÃO AMÁ-LO E TODOS SERÃO SALVOS.

É um silogismo em barbara, mas é falso! O autor nem se deu ao trabalho de tirar sua
conclusão! Aqui está no último artigo do Credo:

1058.… Se é verdade que ninguém pode salvar a si mesmo, também é verdade que “Deus
deseja que todos os homens sejam salvos” (1 Tim 2.4), e que para Ele “todas as coisas são
possíveis”. (Mt 19,26)
14

O essencial será retido: com Deus todas as coisas são possíveis; agora, Deus deseja que todos
os homens sejam salvos; portanto, todos serão salvos por seu Deus Todo-Poderoso e
Misericordioso. Verdadeiro ou falso? O autor aposta em “True”. Isto é falso "! Esta primeira
heresia dará origem a dez e vinte outras, transformando o terrível drama do destino humano
em um feliz idílio ... um idílio que é ilusório, profano, enganoso e cruel.

“O MUNDO FOI CRIADO PARA A GLÓRIA DE DEUS”.

288. A revelação da criação é inseparável da revelação e realização da aliança do Deus Único


com o Seu povo. A criação é revelada como o primeiro passo em direção a esse convênio,
como o primeiro e universal testemunho do amor todo-poderoso de Deus.

294. ... “A Glória de Deus é o homem vivo, e a vida do homem é a visão de Deus” (Santo Irineu)
… E assim, o propósito final da criação é que Deus, “que é o Criador de todas as coisas,
finalmente torna-se "tudo em todos" (1 Cor 15,28), assegurando assim simultaneamente a Sua
própria glória e a nossa bem-aventurança."

"Nós", isso é realmente nós. E "tudo", isso é tudo homens. “Nossa beatitude”, que é a vida em
Deus, já aqui nesta terra e no céu por toda a eternidade. É toda a felicidade de Deus em tudo.

865.… Então [no fim dos tempos] todos os homens redimidos por Cristo, feitos Nele “santos e
imaculados na presença de Deus em amor”, serão reunidos como o único povo de Deus…

Aqui e ali encontramos referências aos condenados, mas é como se não contassem, como se
fossem uma quantidade desprezível e absolutamente insignificante. Eu fiz este ponto muito
rapidamente, então voltarei a ele mais tarde.

DEUS? SEU NOME É SANTO, SEU SOBERANO

Eles O ignoram e O odeiam, aqueles que aspiram sujeitá-lo ao seu insolente raciocínio e
exigências.

“TODO MUNDO ESTÁ PREDESTINADO? O TRUQUE DO ORGULHO DIABÓLICO.

260. O fim último da economia divina é a entrada de criaturas na perfeita unidade da


Santíssima Trindade ...

E aí temos que! Com ou sem uma roupa de noiva, o homem está em casa com Deus e assume
o lugar de honra! Para o CCC, não há problema. Enganar com a Palavra de Deus não é sequer
uma mentira quando serve à causa do orgulho humano! E é assim que, em quatorze ocasiões,
somos citados e lembrados - mas nunca de forma completa ou precisa - daquelas palavras de
São Paulo, algumas das mais explícitas na Bíblia, que se relacionam com a predestinação dos
santos para a graça e para a vida eterna.

Em algumas ocasiões, a CCC lida com esse mistério num tom de esperança e de oração pela
nossa salvação, a salvação de todos nós (1821, 2012), mas mais frequentemente nadamos na
ambiguidade (313, 395, 501, 2852); em outras ocasiões, essa predestinação é entendida como
a de todos os homens, do “homem” (1161). Mas no final, mesmo quando a citação é extensa e
aparentemente completa, a Palavra divinamente inspirada é mutilada, de modo que ela pode
ser sub-repticiamente contradita. Não é fácil perceber. A passagem essencial, a principal
verdade dogmática, a qual devo restaurar claramente onde ela pertence, é substituída por três
inócuos pequenos pontos de suspensão no CCC. Aqui está:

SANTIDADE CRISTÃ
15

2012. “Sabemos que, em tudo, Deus trabalha para o bem daqueles que o amam [aqueles que
foram designados de acordo com o seu propósito], para aqueles que antes conheceu, Ele
também predestinou que se conformassem à imagem de seu Filho, a fim de para que Ele seja o
primogênito entre muitos irmãos. E aqueles a quem Ele predestinou também chamou; e
aqueles a quem Ele chamou também justificou; e aqueles a quem Ele justificou também
glorificou” (Rom 8,28-30)

À custa de uma ligeira mentira de omissão, é uma heresia que se torna um novo dogma, e esse
dogma do orgulho humano governa toda a fé católica a serviço dessa gnose humanista pela
qual o homem se torna Deus, segundo seu direito, através do AMOR INFINITO DE DEUS PARA
ELE. Vamos encontrar as consequências disso em todas as páginas.

CONSIDERAÇÕES DOGMÁTICAS

Não me oponho às novidades dogmáticas desse suposto catecismo de ânimo leve. Em 1946,
no Seminário de Paris, eu me opus a essa heresia, inspirada por Baius, cujo otimismo não é
menos delirante do que o aberrante pessimismo de Baius. Foi uma heresia sustentada por
Monsieur Callon, meu professor de teologia dogmática, um adepto do Pe. Lubac cujo trabalho
“Le surnaturel” seria censurado por Roma. Em 1989, quando o mesmo de Lubac morreu, toda
a Igreja o celebrou por sua doutrina da Criação do homem para fins imediatamente
sobrenaturais, uma doutrina condenada pela Igreja, mas agora se tornou a pedra angular do
culto do homem proclamado pelo Concilio. Todos os cataventos teológicos apontavam na
mesma direção que Lubac, girando com o vento predominante.

Aqui está então esta heresia, na primeira linha das seiscentas páginas deste Catecismo,
envenenando todas as outras páginas:

A VIDA DO HOMEM - CONHECER E AMAR A DEUS

1. Deus, infinitamente perfeito e feliz em si mesmo, em um plano de bondade pura, criou


livremente o homem para fazê-lo participar de sua própria vida abençoada. É por isso que…

Vamos parar por aí. Tudo está praticamente perdido.

É claro que esse postulado é verdadeiro, historicamente e existencialmente. Mas


teologicamente e fenomenologicamente é falso. Pode-se entrar nesse truque, mas apenas
violando a fé católica e levando o insulto a Deus até o ponto da apostasia, e o orgulho humano
até o ponto de auto-adoração. “Dois tipos de amor construíram duas cidades: o amor de Deus
ao desprezo e ao esquecimento de si e o amor do homem ao desprezo e ao esquecimento de
Deus.  Pois aqui segue a verdade radiante do nosso dogma católico:

Entre o trabalho da criação do homem por Deus e o plano misterioso - tão inesperado! - para
elevar estes bilhões de seres humanos futuros a uma participação na própria Vida da adorável
Trindade, através de uma extravagância de amor incompreensível aos homens e anjos, sempre
existiu na fé da Igreja - e na filosofia dos homens - uma lacuna intransponível.

Deus, tendo “livremente” criado Adão e Eva, “no princípio”, devia a si mesmo, por simples
coerência lógica e justiça natural, fazer dela uma Lei para eles amarem uns aos outros, para
aumentar e multiplicar, para subjugar a terra e viver bem. Assim como Ele também fez uma Lei
para eles amarem a Ele, seu Criador e sua boa Providência. Toda a ordem natural, ecológica,
política, moral e religiosa, deriva dessa Lei e sobreviveu ao pecado. São Tomás expressou essa
necessidade filosófica na maravilhosa expressão latina: Desiderium naturale non potest esse
16

inane. O que era necessário para a natureza humana, Deus desejava prover no Paraíso para a
raça humana como um todo, na condição única de sua fidelidade aos seus deveres de ação de
graças, conforme ditado pela religião natural.

Para este primeiro plano, o amor de Deus por Suas criaturas - e secretamente pelo mais santo,
o mais sábio, o mais amoroso, o mais puro e resplandecente de todos, a Imaculada Conceição,
Maria sempre Virgem - instou-O a acrescentar novas relações de ordem sobrenatural. Com
nossos primeiros pais, como aqueles de um pai com seus filhos adotivos, de um esposo com
sua esposa, de um mestre e amigo com seus companheiros e irmãos íntimos! Este Pacto era
claramente uma renovação da pura gratuidade da primeira Criação, mas em relação aos seus
fins imediatos e seu fim último, seus meios e suas condições, dependia clara e exclusivamente
do BOM PRAZER desta Santíssima Trindade, a quem tal criatura privilegiada não podia deixar
de responder com a mais ansiosa submissão, cheia de gratidão e amor: Magnificat anima mea
Dominum…

Nunca se imaginou que a Igreja poderia um dia reexaminar o contrato desta Aliança, a fim de
denunciar sua injustiça e exigir que ela seja corrigida em virtude do direito absoluto,
incondicional, igual, livre e universal dos homens ao Amor de Deus e ao exercício de Sua
Onipotência para assegurar o completo sucesso de todos os sonhos e desejos de sua
humanidade unida neste mundo e no próximo. Como se a infelicidade de ter criado a raça
humana por amor e graça tivesse levado Deus a ser reduzido ao posto de escravo do homem!

Eu já disse o suficiente. Teremos que examinar todas as etapas dessa reversão de destinos:
Deus Todo-Poderoso destronado como resultado de sua própria Lei de Amor e a exaltação dos
homens a este cobiçado trono, em nome da dignidade na qual Ele os criou e deseja vê-los
crescer e dominar o mundo!

ANÁTEMA

Se alguém disser que não há diferença entre a ordem natural da primeira Criação com suas
próprias exigências, e a ordem sobrenatural de predestinação à graça e à glória divina,
considerada como o efeito de um amor absoluto, incondicional e universal de Deus por Deus
homem, excluindo toda maldição, seja anátema.

TERCEIRA HERESIA

O erro de um filho de Deus unido a todos os homens para sempre, pelos seus mistérios,
salvando-os infalivelmente

ARGUMENTO

“Eu sou o nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

234. (…) “Toda a história da salvação não é outra senão a história do caminho e dos meios
pelos quais o único Deus verdadeiro, Pai, Filho e Espírito Santo, Se revela e reconcilia e une a Si
mesmo aqueles homens que se afastam pelo pecado."

Comprometido com esta visão de um mundo de almas salvas, o CCC retoma seu segundo
capítulo sobre o mistério de Jesus Cristo com a principal preocupação de mostrar o caráter
perfeitamente bem-sucedido de tal empreendimento, uma tarefa que é divina e, portanto,
necessariamente coroada com total sucesso, todas as coisas sendo possíveis para Deus.
17

O CCC já nos ensinou que “todos os homens estão implicados no pecado de Adão, que ele nos
transmitiu, afetando a todos nós desde o nascimento e que é a 'morte da alma'” (403); e
depois que “através desta 'unidade da raça humana', todos estão implicados na justiça de
Cristo” (404). Está cheio de promessas. Agora, se eu posso ser tão ousado, Cristo deve cumprir
as promessas do Pai ... ou pelo menos o CCC deve ter sucesso em seu desafio, mostrando-nos
que em Jesus todos os homens são efetivamente salvos! Antes, tínhamos o infinito amor de
Deus Pai, conduzindo os homens universalmente ao seu fim último, sem perder um único!
uma promessa insustentável, como vimos. Agora, seremos presenteados com a “revelação, a
reconciliação e a unificação operadas por Cristo”, os quais terão um sucesso semelhante.

As fórmulas seguem uma após a outra. Depois de declarar, sem o mero começo de uma prova,
que o Criador é o “Pai de todos os homens” (268) e assim, sob a obrigação de salvar a todos, o
Filho de Deus não será declarado o “Irmão Universal”, e por esse sinal ser responsável por
dispensar a salvação a todos?

É exatamente assim que o CCC prossegue. Quase, exceto que seus dois diferentes escritores
seguiram duas linhas diferentes de demonstração e afirmação. É curioso. Uma linha é
perfeitamente católica e solidamente fundada, na medida em que não conclui inevitavelmente
em um resultado universal e necessário. A outra linha obtém seu objetivo completo, mas é
obscura e mal fundamentada, e essa é a que eu acuso de heresia, formal e material.

Ainda mais curioso é o fato de que o veneno da heresia é misturado com o néctar da doutrina
ortodoxa de forma integrada e ainda, ao mesmo tempo, isolada, que se tem a impressão de
pegar um falsário no ato de introduzir o veneno em um texto honesto, onde ele pode se
enrolar como a serpente na cesta do recém-nascido. Vou colocar a heresia em pequenos
capitéis rodeados de parênteses para chamar a atenção para essa curiosidade ... tão
perturbadora.

JESUS EM SUA ENCARNAÇÃO

430. Jesus em hebraico significa: “Deus salva” (…) Em Jesus, Deus recapitula toda a sua história
de salvação em favor dos homens.

432. ... É o nome divino que sozinho traz salvação e doravante Ele pode ser invocado por
todos, pois [ ELE UNINDO-SE A TODOS OS HOMENS ATRAVÉS DA ENCARNAÇÃO de tal maneira
que] “não há outro nome debaixo do céu dado entre os homens por que devemos ser salvos”.
(Atos 4.12)

Em contraste com essa novidade bizarra incluída em um texto medíocre, mas ortodoxo, eis o
esplendor da pura verdade católica a que desejo prestar homenagem:

460. O Verbo se fez carne para nos tornar “participantes da natureza divina” (2 Ped. 1.4): “Pois
tal é a razão pela qual o Verbo se fez homem, e o Filho de Deus tornou-se o Filho do homem: é
para que o homem, ao entrar em comunhão com a Palavra e assim receber a filiação divina,
pode tornar-se um filho de Deus” (Santo Irineu) “Porque o Filho de Deus se fez homem para
nos fazer Deus” (Santo Atanásio) “O único Filho de Deus, desejando nos fazer participar de Sua
divindade, assumiu nossa natureza, para que Ele, tendo se tornado homem, pudesse fazer
homens deuses” (St. Thomas Aquinas)

Extraordinariamente palavras ousadas, e ainda perfeitamente cristãs e católicas, abrindo


espaço, na obra de nossa salvação por Cristo, para o papel indispensável desempenhado por
cada um em recebê-lo e consuma-lo em uma meritória e gloriosa união de corações!
18

NOSSA COMUNHÃO NOS MISTÉRIOS DE JESUS

521. Tudo o que o próprio Cristo viveu, Ele organiza para que possamos vivê-lo Nele e Ele
possa vivê-lo em nós. [ “POR SUA ENCARNAÇÃO, O FILHO DE DEUS TEM DE ALGUM MODO
UNIDO ELE A CADA HOMEM. ”] Somos chamados a ser apenas um com Ele; aquilo que Ele
viveu em Sua carne por nós e como nosso modelo, Ele nos faz compartilhar como membros de
seu Corpo ...

As duas teses seguem uma a outra sem serem fundidas. Um é desumano e intolerável, sem
referência, exceto a um único texto, o do Vaticano II: Gaudium et Spes, 22, 2. O outro é
estendido aqui por um admirável sermão de São João Eudes, que manifesta toda a sua
verdade e beleza mística (521)!

Fico feliz em ressaltar que a ortodoxia é lembrada em quase todas as páginas, ao contrário da
novidade. Por exemplo.

542. ... Nesta união com Cristo todos os homens são chamados [ minha ênfase ].

543. Todos os homens são chamados [ grifo meu ] para entrar no Reino ... o qual é destinado a
receber [ novamente, minha ênfase ] homens de todas as nações. Para alcançar o Reino, é
preciso receber a palavra de Jesus.

A tensão dialética entre essas duas teses é claramente visível: todos os homens devem ser
mostrados como entrando no caminho da salvação ou como tendo entrado na salvação?
Tendo entrado, eles já estão salvos! Entrar é uma pequena parte dos convidados, que por esse
facto serão escolhidos!

E aqui, do ponto de vista católico, é o que é decisivo:

545. ... Jesus os convida para essa conversão sem a qual não se pode entrar no Reino ...

546. Jesus nos convida a entrar ..., mas pede uma escolha radical: para ganhar o Reino, é
preciso dar tudo; palavras não são suficientes, deve haver ações ...

Caso contrário, somos cortados e condenados.

CRISTO EM SEU SACRIFÍCIO REDENTOR

Para cancelar essa triste impressão de fracasso, a outra teoria rapidamente faz aparecer o
sacrifício da cruz:

616.… A existência em Cristo da Pessoa divina do Filho, que supera [E, AO MESMO TEMPO,
ABRAÇA] todas as pessoas humanas, [E QUE CONSTITUI COMO CABEÇA DE TODA A
HUMANIDADE], possibilita Seu sacrifício redentor por todos.

De novo e de novo nos deparamos com o veneno no néctar.

618. A cruz é o único sacrifício de Cristo, o “único mediador entre Deus e os homens” (1Tim
2.5) . Mas, [ PORQUE, EM SUA PESSOA ENCARNATIVA DIVINA, “ELE NUMA FORMA UNIU-SE A
CADA HOMEM (GS 22,2) ] , Ele “oferece a todos os homens, [ DE UMA FORMA CONHECIDA
APENAS PARA DEUS ], a possibilidade de estar associado ao mistério pascal ” (GS 22,5) . Ele
chama os discípulos a “tomar sua cruz e segui-lo” (Mt 16,24)… Ele deseja, de fato, associar com
Seu sacrifício redentor as próprias pessoas que são suas primeiras beneficiárias. Isto é
alcançado supremamente na pessoa de Sua Mãe, que foi associada mais intimamente do que
19

qualquer outra pessoa no mistério de Seu sofrimento redentor. “Além da cruz, não há outra
escada pela qual subir ao céu.” (Santa Rosa de Lima)

CRISTO EM SUA GLORIOSA RESSURREIÇÃO

Uma irrupção adicional de heresia:

654.… A Ressurreição traz adoção filial, pois os homens se tornam irmãos de Cristo, como o
próprio Jesus chama seus discípulos depois de sua ressurreição: “Ide e dizei a meus irmãos.
Irmãos não por natureza, mas pelo dom da graça, [porque esta FILIAÇÃO ADOTIVA PROCURA
UMA REAL PARTE NA VIDA DO ÚNICO FILHO], que foi plenamente revelado em Sua
Ressurreição.

O pensamento oscila um pouco incoerente, a causa se tornando o efeito e o efeito a causa.


Nessa gnose, a lógica do argumento colapsa junto com a realidade precisa dos mistérios, os
objetos de nossa fé. Qualquer coisa servirá que forneça um argumento para apoiar essa
heresia importante, uma heresia que é desprovida de qualquer fundamento, mas que
resolveria todos os problemas da religião, reduzindo-os a um quietismo tedioso e a um
imoralismo total. Bem, aqui está o que diz sobre casamento:

1612. A aliança nupcial entre Deus e Seu povo Israel preparou a nova e eterna Aliança [na qual
O FILHO DE DEUS, FAZENDO-SE ENCARNADO E DANDO SUA VIDA, UNIU-SE DE UMA
DETERMINADA FORMA COM TODA A HUMANIDADE SALVA POR ELE (GS 22, 2) ], preparando-
se assim para a "festa do casamento do Cordeiro". (Ap 19.7-9)

Para o autor, isso explica e justifica “a insistência inequívoca de Jesus na indissolubilidade do


laço matrimonial” (1615).

Este texto acrescenta àqueles que o precedem a idéia inteiramente nova de que é a união de
Cristo com toda a humanidade que supostamente constitui o laço indissolúvel da nova Aliança
- eterna e, portanto, retroativa - que existe entre Cristo, o Noivo e ... não, não o visível,
hierárquico e, ouso dizer, a Igreja sacramental que Ele iria instituir, mas a Humanidade que
invisivelmente constitui Sua Esposa ... uma esposa mística ou física? Há total incerteza sobre a
natureza desse vínculo, e nenhuma tentativa é feita para defini-lo para nós ... com uma boa
razão! Desde que uma união moral por consentimento mútuo tem que ser excluída!
Permanece a opção de um Pacto por decreto divino unilateral, uma espécie de invasão mística,
forçada e inescapável ... mas pelo menos salvífica.

CONSIDERAÇÕES DOGMÁTICAS

Pelo menos que esta união fosse consumada, em virtude dos méritos de Jesus Cristo em Seu
sacrifício redentor, através de uma efusão de Sua graça essencial, recebida pela fé nos
sacramentos do Batismo e da Eucaristia! Mas essa bizarra “união”, que Cristo estabelece com
todos os homens, parece ser um suplemento substancial e em breve, sem dúvida, um
substituto automático para o batismo, como em Gaudium et Spes 22, o único documento que
você pode citar em apoio a esta monstruosa heresia. Mas o que vale Gaudium et Spes? O
desprezo de todos os homens de espírito e a detestação de toda alma mística.

1260. “Visto que Cristo morreu por todos e como todos os homens são de fato chamados a um
mesmo destino, que é divino, devemos crer que o Espírito Santo, de uma maneira conhecida
apenas por Deus, oferece a todo homem a possibilidade de estar associado ao Mistério Pascal.
” (GS 22,5) Todo homem que é ignorante do Evangelho de Cristo e de Sua Igreja, mas que
20

busca a verdade e faz a vontade de Deus, na medida em que a entende, pode ser salvo. Pode-
se supor que tais pessoas teriam desejado o Batismo explicitamente, se soubessem de sua
necessidade.

Mas por que ir tão longe em busca de motivos para ser tão audacioso? Foi, de fato, nosso Papa
João Paulo II quem, em sua encíclica Redemptor hominis de 4 de março de 1979, formulou
essa novidade nos termos mais audaciosos, uma novidade que hoje se encontra envergada um
pouco envergonhada entre textos que são firmemente católicos, embora um tanto despojado
de seus elementos mais extremos e ousados.

“NÓS ESTAMOS LIDANDO COM 'CADA' HOMEM”, disse ele, “CADA UM ESTÁ INCLUÍDO NO
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, E COM CADA UM JESUS CRISTO SE REALIZOU PARA SEMPRE
ATRAVÉS DESTE MISTÉRIO. ” (No.13)“ PORQUE CRISTO DE ALGUM MODO UNIU-SE COM O
HOMEM, A CADA HOMEM SEM QUALQUER EXCEÇÃO, MESMO QUE O HOMEM POSSA NÃO
ESTAR CIENTE DELE.” (No.14)

Essa nova gnose se encaixa perfeitamente no “projeto de Deus”, como o CCC nos faria
imaginar. Esta salvação universal e incondicional nos dá algumas palavras muito bonitas e
encantadoras, mas que são falsas e falsas; elas nos convidam a um estado mortal de quietismo
no trabalho de nossa salvação eterna. Assim é com as orações de Jesus, de acordo com o
nosso CCC:

JESUS ORA

2602.… Ele inclui todos os homens em sua oração, [ ASSIM QUE TAMBÉM ASSUME NOSSA
HUMANIDADE EM SUA ENCARNAÇÃO ], e oferece-os ao Pai, oferecendo-se a si mesmo. Ele, a
Palavra que "tomou carne", compartilha pela Sua oração humana em toda a experiência de
"seus irmãos". (Hb 2,12)…

2606. Toda a perene aflição da humanidade escravizada ao pecado e à morte, todos os


pedidos e intercessões da história da salvação estão reunidos neste Grito da Palavra
encarnada. Agora, o Pai os acolhe e, além de toda esperança, os responde levantando o Seu
Filho. Assim se cumpre e se consuma o drama da oração na economia da criação e da salvação
... É no Hoje da Ressurreição que o Pai diz: “Tu és meu Filho, hoje te gerei. Pede-me, e eu farei
das nações a tua herança e os confins da terra. ” (Sl 2.7-8)

No entanto, nesta mesma oração sacerdotal, Jesus disse: “Eu estou orando por eles; Eu não
estou orando pelo mundo, mas por aqueles que Tu me deste, pois eles são Teus. "

Quando leio neste Catecismo alguns de seus pensamentos triunfantes, sem todo o temor ou
amor de Deus, sobre a glória do homem a quem Cristo supostamente uniu-se a si mesmo para
sempre, temo que esta heresia - a idéia mestre dessa gnose animadora pós-conciliar
catequese - pode triunfar na Igreja por meio deste catecismo de orgulho.

1741. Pela Sua cruz gloriosa, Cristo obteve a salvação de todos os homens. Ele os redimiu do
pecado que os escravizou. "Pela liberdade, Cristo nos libertou" (Gl 5,1). Nele nós temos a
comunhão com a “verdade que os faz livres” (Jo 8,32). O Espírito Santo foi dado a nós e, como
ensina o apóstolo, “onde está o Espírito do Senhor, há liberdade” (2Cor 3,17). Mesmo agora,
nós estamos na “liberdade dos filhos de Deus”. (Rom 8,21)

Nós? Quem somos nós? Todos! Todos os homens. Acho que ouvi Jesus interrompendo esse
hino insolente: “Você? Eu nunca te conheci; partam de mim, seus malvados!” (Mt 7.23)
21

ANÁTEMA

I. Se alguém dogmata que Cristo de alguma forma se uniu ao homem por sua encarnação, a
cada homem sem exceção, mesmo que o homem não esteja ciente disso, seja anátema.

II. Se alguém disser que todo e qualquer homem está incluído no mistério da Redenção e da
Ressurreição, em virtude do fato de que Jesus se uniu a cada indivíduo para sempre, através
deste mistério, seja anátema.

QUARTA HERESIA

Erro na inocência dos judeus e na culpabilidade dos cristãos, na paixão e morte de Jesus
crucificado

ARGUMENTO

Um Deus é puro amor pela humanidade, um amor que é infinito em seus desígnios e todo
poderoso em seus métodos, Ele se dedica - desde o começo da Criação à consumação da
história - à tarefa de ajudar os filhos de Adão, perdoando suas falhas e, finalmente, salvá-los
todos em Seu Paraíso! De fato, para ler o CCC, toda a história da humanidade, começando com
Adão e passando por Noé, desenvolve-se feliz e pacificamente, sem questionamentos da
divina Ira ou de terríveis castigos, exceto aqueles que são meramente episódicos e
rapidamente esquecidos (55- 59).

Com Abraão começa um novo estágio, o da eleição de Israel, esse povo pelo qual o Senhor
multiplica maravilhas e bênçãos por sua prosperidade terrestre e seu progresso moral.
Segundo o CCC, tudo sobre isso é exemplar:

O PRIMEIRO PACTO

60. O povo descendente de Abraão será o depositário da promessa feita aos patriarcas, o povo
escolhido, chamado a preparar-se para o dia em que Deus reunirá todos os Seus filhos na
unidade da Igreja. Este povo será a raiz para a qual os gentios serão enxertados, uma vez que
se tornem crentes.

63. Israel é o povo sacerdotal de Deus, um povo que “leva o nome do Senhor” (Dt 28,10). Eles
são o povo “a quem Deus falou primeiro”, o povo dos “irmãos mais velhos” na fé de Abraão.

Mas agora vem Jesus que, nos é dito pelo CCC, "uniu-se de alguma forma com cada homem
através de sua encarnação" (521). Então, tudo ficará ainda melhor!

TUDO CONVERGE EM CRISTO

522. A vinda do Filho de Deus à terra é um evento de tal imensidão que Deus desejou preparar
para ele ao longo dos séculos. Ele faz tudo convergir em Cristo: todos os rituais e sacrifícios,
figuras e símbolos da "Primeira Aliança" (Hb 9,15). Ele anuncia através da boca dos profetas
que se sucedem em Israel. E nos corações dos pagãos também Ele desperta uma obscura
expectativa dessa vinda.

Assim, Jesus de Nazaré se encaixa muito bem tanto na história judaica quanto na história do
mundo, cada uma das quais aparentemente é abençoada por Deus, embora em graus
diferentes. De fato:

528.… Os pagãos só podem descobrir e adorar a Jesus como Filho de Deus e Salvador do
mundo, voltando-se para os judeus e recebendo deles a promessa messiânica contida no
22

Antigo Testamento. A Epifania mostra que "o número total das nações" agora ocupa seu "lugar
na família dos patriarcas" (São Leão Magno) e adquire a dignitat israelitica . (cf. Vigília da
Páscoa)

Porque Jesus é judeu e continuará assim:

527. A circuncisão de Jesus no oitavo dia após Seu nascimento é o sinal de Sua incorporação
aos descendentes de Abraão, no povo do Convênio. É o sinal de Sua submissão à lei e Sua
delegação à adoração de Israel, da qual Ele participará por toda a Sua vida. Este sinal prefigura
a "circuncisão de Cristo", que é o que é o batismo. (cf. Col 2.11-13)

Surpreende-me uma escolha tão inteligente de citações escriturísticas para expressar os


preconceitos e paixões do autor do CCC! Assim, o cristianismo é apresentado em todas as
páginas como uma seita judaica cujas idéias e ritos são apenas subprodutos das gloriosas
instituições mosaicas. Assim nosso batismo é o equivalente da circuncisão judaica. Isso lembra
um rabino benevolente, mas chauvinista, que conta a história do goym (os cristãos ou,
literalmente, "os hereges") para as crianças judias no " beth ha-midrash " da sinagoga. E o
resto da conta é da mesma inspiração. Por exemplo:

530. A fuga para o Egito e o massacre dos inocentes manifestam a oposição entre as trevas e a
luz: “Ele veio à sua própria casa e os seus não o recebram. (Jo 1,11) Toda a vida de Cristo será
vivida sob o signo da perseguição. Ele mesmo compartilha com Ele (Jo 15,20). Sua ascensão do
Egito lembra o Êxodo e apresenta Jesus como o libertador definitivo.

Em João 1.11, “os Seus” são Seus perseguidores, mas em João 15.20, eles são Seus irmãos que
são perseguidos por ele. Então, quem exatamente são eles? Nosso rabino os chama de filhos
da luz em um lugar e os filhos da escuridão em outro lugar. Inútil para procurar mais: o truque
continua ...

OS MISTÉRIOS DA VIDA EM NAZARÉ

Uma análise superficial da vida oculta de Jesus em Nazaré dá a impressão de que aqueles
trinta anos se passaram sem qualquer evento notável, sem qualquer agitação ou problema de
ninguém. Jesus, então, era apenas um judeu comum, um fervoroso adepto de Sua religião ... O
mínimo que pode ser dito é que Ele não foi ferrado.

OS MISTÉRIOS DA VIDA PÚBLICA

Os mistérios da vida pública são resumidos a ponto de dar a impressão de uma vida isenta de
qualquer dificuldade. Os eventos evocados são todos felizes: o Batismo de Nosso Senhor e a
Tentação no deserto, a pregação da Boa Nova, os sinais do Reino, a confissão de São Pedro em
Cesaréia, a Transfiguração e a procissão da Palma de Maiorca: seis páginas tudo (seções 535-
560).

Jesus prega em parábolas:

546.… Para os que permanecem “de fora” (Mc 4,11), tudo permanece enigmático.

Jesus multiplica "milagres, sinais e maravilhas":

548.… São convites para crer n’Ele… Mas também podem ser ocasiões para “ofender” (Mt
11.6) … Apesar dos milagres evidentes, certas pessoas rejeitam Jesus; eles até o acusam de
agir através dos demônios.
23

Quem são essas “pessoas certa”? O rabino não diz. Não pode ser muito importante.

Em resumo, Jesus recebe uma apresentação sociológica. Ele tem o perfil típico e imagem de
popularidade de fundadores ou reformadores religiosos. Alguns são para ele e alguns contra. O
número do primeiro cresce de acordo com a clássica curva de Gauss. Em seguida, o último se
opõe e restringe o movimento, que cambaleia, depois desmorona, até que tudo esteja coberto
pelo silêncio, depois ou mesmo antes da morte da pessoa em questão.

Assim, a ascensão a Jerusalém é apresentada como o ápice do sucesso da mídia de Jesus, Seu
Capitólio, que Ele sabe estar muito perto da Rocha Tarpeiana:

560. Sua entrada em Jerusalém manifesta a vinda do Reino que o Messias-Rei realizará pela
Páscoa de sua morte e ressurreição ...

569. Jesus subiu a Jerusalém voluntariamente, sabendo bem que ali morreria uma morte
violenta por causa da oposição dos pecadores. (cf. Hb 12.3)

Todo o engano modernista está na escolha habilidosa de suas citações; usa eventos e textos
que carregam peso e causam uma forte impressão. Mas o engano também está na total
omissão de qualquer coisa que contradiga sua tese e revela com demasiada crueldade os fatos
em toda a sua verdade e a verdade em toda a sua inevitável realidade. Neste, o CCC é um
trabalho que é poderosamente modernista, sombrio e orgulhoso, de fato farisaico. Já
peneirou, distorceu e mutilou quatro quintos do Antigo Testamento, em seu desejo de louvar
o povo eleito incondicionalmente e também de conceder uma ampla e indulgente anistia aos
pagãos. Eles não são todos inocentes e perdoados antecipadamente? Eles não estão todos
"unidos a Jesus Cristo" e consequentemente salvos?

As mentiras da omissão e da falsificação das Sagradas Escrituras superam-se aqui, passando


cinicamente pela trama dos fariseus, cujo ódio por Jesus se torna uma obsessão homicida.
Estamos na véspera da Paixão de Nosso Senhor, e nada ainda foi dito sobre a tragédia relatada
pelos quatro evangelistas, os Atos dos Apóstolos e suas Epístolas.

Mesmo assim, Jesus morreu por crucificação. Um mínimo de explicação terá que ser dado. É
para os judeus se justificarem - isso é admitido! Mas é para os cristãos provar a inocência de
seu Senhor e Mestre e defender Sua reputação, Sua honra, Sua virtude, Sua verdade, Seu
poder divino messiânico e Sua glória como Filho de Deus! Agora, quem foi que empunhou a
pena durante estas sete páginas (p.125-131) - o rabino talmúdico, o fariseu fortemente
ocidentalizado ou um renegado moderno Judas - para estabelecer que os judeus são inocentes
desta morte na cruz, que o condenado é obviamente o culpado, e que os cristãos são os
principais responsáveis? Quem se atreveu a proferir tal blasfêmia? E que Igreja, que Sinagoga
de Satanás passou esta frase em nome da Igreja Católica neste catecismo universal?

Foi ele quem escreveu isto:

598.… A Igreja não hesita em atribuir aos cristãos a mais grave responsabilidade pelos
tormentos infligidos a Jesus…

Se qualquer homem, desde o infame Judas, e Caifás, o pior homem que andou na terra até
ontem, merece trazer sobre a cabeça a maldição do Deus Todo-Poderoso, Pai de Nosso Senhor
Jesus Cristo e da divina Virgem Maria, é na verdade - na verdade! - o autor desta acusação
anticristo e o promotor de sua disseminação mundial. Eu apresentei minha queixa contra X
principalmente por causa desse deicídio, o segundo e muito mais sério deicídio.
24

O EVANGELHO DE ACORDO COM O ANTICRISTO, AS “MÁS NOTÍCIAS” DO DIABO

O AUTOR APRESENTA SUAS MALDITAS INTENÇÕES

Este Judas, como o outro, começa seu deicídio com um penhor de fidelidade ao seu Mestre,
um beijo:

572. A Igreja permanece fiel à “interpretação de todas as Escrituras” que o próprio Jesus deu
antes e depois da sua Páscoa: “Não era necessário que o Cristo padecesse estas coisas e
entrasse na Sua glória? ” (Lc 24,26-27, 44-45) Os sofrimentos de Jesus tomaram sua forma
histórica concreta do fato de que Ele foi “rejeitado pelos anciãos, pelos principais sacerdotes e
pelos escribas” (Mc 8,31), que “o entregou aos Gentios a serem ridicularizados, açoitados e
crucificados”. (Mt.20.19)

Assim, o Autor reconhece o fato brutal da excomunhão de Jesus pelas autoridades judaicas -
onde os fariseus são notáveis por sua ausência, marcam você - e de que Ele foi entregue aos
gentios para ser maltratado e crucificado. Mas o único significado deste evento é aquele que
recebeu e ainda recebe após dois mil anos de reflexão. A única coisa importante para os fiéis
da Igreja Católica é aquela que a Igreja retém fielmente das palavras de Jesus antes e depois
do drama: é o cumprimento das Escrituras, era a vontade do Pai que Jesus suportasse esse
sofrimento e assim salve o mundo e entre na sua glória.

É assim que o diabo e os fariseus, seus amigos de ontem e hoje, saem da dificuldade. Jesus
sofreu porque teve que fazer isso! Foi escrito! Ele mesmo quis. Então, se ele quisesse ... por
que tentar encontrar os culpados?

ESTE HISTORIADOR APRENDIDO APRESENTA SUAS FONTES

573. A fé pode, portanto, tentar examinar as circunstâncias da morte de Jesus, fielmente


transmitida pelos Evangelhos e iluminada por outras fontes históricas, para melhor
compreender o significado da Redenção.

O que isso significa Judas? Ele nos dá três justificativas para o trabalho de traição que ele deve
realizar:

1. Há muitos pontos obscuros nos vários relatos cristãos da Paixão e morte de Jesus, não
afetando o essencial que acaba de ser descrito, mas apenas as circunstâncias. Os cristãos
instruídos não pecam, portanto, contra sua fé, tentando estabelecer, por meio de sua ciência,
a reconstrução mais exata possível dos próprios eventos. Aqui, nosso autor justifica levar as
coisas de volta à estaca zero.

2. É claro que os Evangelhos são nossa principal fonte e são fielmente guardados e
transmitidos pela Igreja. Aqui, nosso Judas se lembra do que esse Catecismo lembrou
anteriormente, seguindo o ensinamento doutrinário do Concílio:

INSPIRAÇÃO E VERDADE DA SAGRADA ESCRITURA

103.… a Igreja sempre venerou as divinas Escrituras ao venerar o Corpo do Senhor. Ela nunca
deixa de apresentar aos fiéis o Pão da Vida tirado da Mesa da Palavra de Deus e do Corpo de
Cristo.
25

Uma excelente definição do dever sagrado da Igreja, que o próximo capítulo que estamos
prestes a ler neste Catecismo está se preparando para violar com um novo deicídio, um ataque
à Palavra divina, um novo assassinato do Corpo do Senhor ...

104. A Igreja perenemente encontra seu alimento e sua força na Sagrada Escritura, pois nela
não só recebe uma palavra humana, mas o que ela é na realidade: a Palavra de Deus. “Nos
Livros Sagrados, de fato, o Pai que está no Céu vem amorosamente ao encontro de Seus filhos
e fala com eles."

Como pode então essa mesma Igreja, no momento seguinte, colocar essa Palavra divina, esse
puro néctar, de lado, preferindo o veneno das palavras puramente humanas pronunciadas por
alguns anticristos traiçoeiros! Ah! ali está o beijo de Judas!

Eu dou grande ênfase ao crime prestes a ser cometido.

105. Deus é o autor da Sagrada Escritura. “As realidades divinamente reveladas, contidas e
apresentadas no texto da Sagrada Escritura, foram escritas sob a inspiração do Espírito Santo.
“A Santa Madre Igreja, confiando na fé da era apostólica, sustenta que os livros tanto do
Antigo como do Novo Testamento em sua totalidade, com todas as suas partes, são sagrados e
canônicos porque, tendo sido escritos sob a inspiração do Espírito Santo. Espírito, eles têm
Deus como seu autor e foram entregues como tal à própria Igreja."

106. Deus inspirou os autores humanos dos livros sagrados. “Para compor os livros sagrados,
Deus escolheu certos homens que, durante todo o tempo, os empregou nessa tarefa, fizeram
pleno uso de suas próprias faculdades e poderes para que, embora agisse neles e por eles,
eles, como verdadeiros autores, consignado a escrever tudo e somente aquelas coisas que se
conformavam ao Seu desejo."

Esse é o ensinamento do sacrossanto Concílio Vaticano II na Constituição Dei Verbum, a


Palavra de Deus.

Bem, apesar deste ensinamento, nosso Judas pretende aliar sua fé cristã com o veneno da
informação externa e associar a Verdade das Escrituras divinas com as palavras mentirosas que
foram transmitidas através dos séculos pelos inimigos do nome cristão, filhos daqueles que
condenaram e mataram Jesus, Seus profetas e Seus apóstolos!

Então, quais são as lacunas e os pontos obscuros nos Evangelhos? Não há nenhum, não pode
haver nenhum e nunca haverá nenhum. É a Palavra de Deus em que “os autores sagrados
consignaram a escrever tudo e somente as coisas que se conformavam ao seu desejo”. É o
Concilio que disse isso. É o seu catecismo que ensina, como acabamos de recordar. Então, o
que precisamos ter dessas “outras fontes históricas”? Eles devem ser mais precisos, mais
penetrantes e mais certos do que os maravilhosos relatos divinamente inspirados de nossos
apóstolos e mártires? Sugerir isto é em si um crime!

Mas então quais são essas “outras fontes históricas”? Eu sou o primeiro a perguntar isso? Eu
sou o único a não saber nada do que todo mundo sabe? Essas fontes são tão conhecidas que
seria supérfluo mencioná-las? De modo nenhum. Todos fingem, portanto, desde o Papa até as
massas, que não podem enganar nem ser enganados, para saber o que, muito claramente, eles
não sabem. Ou então eles são cúmplices deste Judas! Pois essas "outras fontes históricas" não
existem. Todos os estudiosos, especialistas ou não, sabem uma coisa, que é que não há
"outras fontes históricas" relativas à vida de Jesus à parte do nosso Novo Testamento.
26

Então eu coloquei esta questão crucial, a única neste livro de acusação, a Sua Santidade João
Paulo II:

Eu te conjuro, no Nome de Jesus, Filho de Deus, crucificado para nossa salvação, para nos dizer
o que são essas “outras fontes históricas”, que acabarão reduzindo a Verdade dos Evangelhos
a um erro científico e à fé imemorial do Evangelho, a Igreja a infamar, reabilitando o povo
judeu representado por sua “elite religiosa” da época, “os fariseus” (575) , e a fortiori as
pessoas que aplaudiram a ação dos fariseus, e seus herdeiros que foram fiéis a seus tradições
desde então.

Santíssimo Padre, diga-nos quais são essas “fontes históricas” sem nome. Eles são
supostamente não mencionáveis? Nesse caso, este catecismo deve ser jogado no fogo porque,
sob o disfarce de um segredo vergonhoso, teria espalhado a ignomínia entre todo o povo
cristão.

Santíssimo Padre, por favor responda.

3. A questão é crucial porque o Judas que decidiu prosseguir com esta investigação de justiça
criminal não nos esconde que suas conclusões são revolucionárias: "o significado da Redenção
 " será "  melhor compreendido" como resultado - um eufemismo calculado e moderação para
se preparar para um triunfo ainda mais surpreendente. Milhões de católicos vão recebê-lo
como uma flecha afiada, um punhal no coração, e isso é fácil de prever. Depositando esses
documentos - que são bastante desconhecidos para nós, talvez nunca publicados, e
certamente destruidores - descobriremos que a Redenção realizada por Jesus não envolveu a
maldição do povo judeu - decretada pela Igreja como "pérfida e  deicida”- nem a salvação dos
“gentios” se torna herdeiros e legítimos possuidores da “Dignitas israelitica” (Vigília Pascal)!
Pelo contrário, envolveu a vergonha e a confusão do povo cristão, a reabilitação do povo
escolhido, o restabelecimento de sua glória imortal e a desqualificação de Jesus como falso
profeta!

Então é fácil! Essas “outras fontes históricas” são aquelas que o judaísmo talmúdico manteve
em sua tesouraria escondida e nunca deixou de comentar de era em era. Eles são os "tôledôt
Jéshu” Que a Igreja anteriormente baniu e queimou por respeito a Cristo e Sua Santa Mãe. Eu
os tenho aqui na minha frente, da nossa biblioteca, publicada em francês pela primeira vez há
dez anos. É um livro cujo título, autor ou editor não citarei. Pela razão precisa que o seu
conteúdo é atrozmente insultuoso para DEUS, para o nosso SENHOR JESUS CRISTO e para a
nossa mãe soberana, a Virgem Maria IMACULADA. Mas também para evitar que você
desperdice cem francos com nada além de uma coleção de fabricações vulgares, contos de um
nível mental patético, indignos da mente de qualquer pessoa culta e desprezível o suficiente
para manchar o coração de qualquer cristão verdadeiro.

Então estas são suas fontes?! Sim, de fato. Mas este barril de absurdo serve apenas como uma
tela para esconder toda uma enxurrada de escritos rabínicos tradicionais, nos quais o nosso
suposto catecismo católico encontra os recursos para remodelar - sem contribuir com um
único fato novo ou um único interessante - nossos Evangelhos imortais e divinos. Então este é
o estado em que nos metemos! E se alguém tiver que pagar com seu sangue pela enxurrada de
verdades necessárias para libertar a Igreja deste Evangelho Anticristo, desta má notícia de
Satanás, então eu estou disposto a fazê-lo por amor a Jesus e Maria (certamente!), através da
devoção à Santa Igreja, minha Mãe, e pela salvação das almas também; mas ainda mais
diretamente, por nojo da pura vulgaridade e estupidez humana imposta por Roma a tantos
admiráveis povos da cristandade, a quem ela assim procura perverter.
27

AQUI ESTÁ A LEMBRANÇA DOLOROSA DESTE PANFLETO ANTICRISTO.

Existem sete páginas. Dez ou cem vezes mais páginas seriam necessárias para apontar toda a
sua malícia, todos os seus erros, falsificações e mentiras descaradas. Eu não posso fazer isso,
tão insuportável que eu ache ler sob o título de “Catecismo da Igreja Católica” as piores
falsificações que os inimigos de Cristo trouxeram contra Ele e Sua verdadeira e santa religião
salvadora. Enfim, aqui estão esses textos criminosos intercalados com alguns breves
comentários.

I. JESUS E ISRAEL

Cinco páginas nos mostram uma imagem idílica da Jerusalém da época com sua gloriosa seita
de fariseus. Para essa “elite religiosa”, Jesus era “um sinal de contradição”, ou seja, um
problema, um caso difícil!

574. Desde o início do ministério público de Jesus, certos fariseus e partidários de Herodes,
juntamente com sacerdotes e escribas, concordaram em conjurá-lo para destruí-lo. Por causa
de certos atos Dele - expulsando demônios, perdoando pecados, curando no sábado, Sua
interpretação original dos preceitos da Lei com respeito à pureza e Sua familiaridade com
publicanos e pecadores públicos - algumas pessoas mal-intencionadas suspeitaram que Jesus
possuía demônios. Ele é acusado de blasfêmia e falsa profecia, crimes religiosos que a lei puniu
com a morte por apedrejamento.

576. Aos olhos de muitos em Israel, Jesus parece agir contra as instituições essenciais do Povo
Eleito:

- submissão à Lei em todos os seus preceitos escritos e, para os fariseus, na interpretação da


tradição oral;
- o caráter central do Templo de Jerusalém como o lugar sagrado onde Deus habita de maneira
privilegiada;
- fé no único Deus cuja glória nenhum homem pode compartilhar.

Tudo isso é astuciosamente aprendido e apresentado por uma caneta especialista e inimigo
jurado do Nome Divino, quero dizer JESUS! Termina nesta conclusão:

594. Jesus realizou atos, tais como perdoar pecados, que mostraram que Ele era o próprio
Deus Salvador. Certos judeus, não reconhecendo o Deus feito homem, viram Nele “um homem
que se fez Deus” (Jo 10.33) e O julgou como um blasfemo.

Isso então foi uma razão para a sentença de morte, e assim permanece na Lei de Moisés.
Certos judeus da época, dos séculos seguintes e até de hoje, pensam da mesma forma. Eles
“julgam” Jesus e os cristãos “serem blasfemos”, dignos de morte. É normal; é sua fé, seu
direito e seu dever. Agindo com sinceridade, é assim que eles são agradáveis a Deus.

Tudo tinha que acontecer através da vontade do Pai e da obediência do Filho. Neste drama,
cada um desempenhou seu papel com honestidade. Cada um fez o seu melhor… Para que
ninguém possa dizer que todos, inclusive o próprio Jesus, não se comportaram perfeitamente!

591. JESUS PEDIU AS AUTORIDADES RELIGIOSAS DE JERUSALÉM PARA ACREDITAR NELE PELAS
OBRAS DE SEU PAI QUE ELE REALIZOU. Mas tal ato de fé teve que passar por uma morte
misteriosa a si mesmo, a fim de conseguir um novo “nascimento do alto” (Jo 3.7) sob a
28

influência da graça divina. ATRAVÉS DE UMA DEMANDA POR CONVERSÃO, ANTE UM


CUMPRIMENTO TÃO SURPREENDENTE DAS PROMESSAS, PERMITE ENTENDER PORQUE O
TRÁGICO DESPREZO DO SINÉDRIO AO ESTIMAR QUE JESUS MERECIA A MORTE COMO
BLASFEMO. Seus membros, portanto, atuaram tanto em “ignorância” quanto em
“infelicidade” (Mc 3,5; Rm 11,25 ) de sua “incredulidade” (Rm 11,20) .

Foi um "TRAGICO DESENTENDIMENTO"! Se Jesus não tivesse pedido aos Seus compatriotas
mais do que eles seriam capazes ... se apenas Jesus tivesse se explicado melhor ... se Jesus
tivesse preparado suas mentes mais inteligentemente ... Então essa "elite religiosa" não teria
recusado sua fé, nem eles se endureceriam em sua incredulidade. A situação chegou a um
impasse por causa das exigências feitas por Jesus. Foi culpa de Jesus, e ainda é até hoje, pois a
luz ainda não foi derramada sobre esses eventos entre o povo cristão, apesar de cinquenta
anos de amizade judaico-cristã, o Concilio e ecumenismo atual. Com este catecismo, os
excessos de Jesus vão finalmente ser reparados!

II. JESUS MORREU CRUCIFICADO

Em duas páginas de incrível perfídia (cristão desta vez! E não judeu), o maior crime de todos os
tempos é explicado, banalizado e anistiado, na medida em que se relaciona com aqueles que
ontem foram acusados, enquanto a responsabilidade por isso é imposta àqueles que nunca
foram suspeitos disso antes, o próprio povo cristão, em sua totalidade. Abandono minha
análise dessas duas páginas, que são um monumento de má fé, heresia, cisma e escândalo,
pois não há nada para discutir. Eles devem simplesmente ser levados perante o supremo
tribunal da Igreja Romana para serem anatematizados.

É com base nisso que reproduzo integralmente as três partes deste tríptico:

DIVISÕES ENTRE AS AUTORIDADES JUDAICAS EM RELAÇÃO A JESUS

596. As autoridades religiosas de Jerusalém não foram unânimes quanto à posição a tomar em
relação a Jesus. Os fariseus ameaçavam com excomunhão qualquer um que o seguisse. Para
aqueles que temiam que “todos cressem n’Ele, e os romanos viessem destruir nosso Lugar
Santo e nossa nação” (Jo 11,48) , o sumo sacerdote Caifás propôs profeticamente: “É
conveniente para nós que um só homem morra pelo povo e que toda a nação não pereça” (Jo
11,49-50). O Sinédrio, tendo declarado que Jesus "merece morrer" (Mt 26,66) por blasfêmia,
mas tendo perdido o direito de executar a sentença de morte, entregou Jesus aos romanos,
acusando-o de rebelião política, uma acusação que o coloca na mesma categoria que Barrabás,
que havia sido acusado de “sedição” (Lc 23.19). Os sumos sacerdotes também usam ameaças
políticas com Pilatos para levá-lo a condenar Jesus.

É uma consolação magra, mas você notará que na margem onde Caifás justifica a morte de
Jesus, há uma referência a uma seção que, sem dúvida, lançará luz sobre essa decisão. Vamos
procurá-lo:

1753.… O fim não justifica os meios. Assim, a condenação de uma pessoa inocente não pode
ser justificada como um meio legítimo de salvar a nação…

A alusão é clara, e a referência marginal “596” realmente se refere ao julgamento de Jesus.


Então, essas pessoas boas, todas terrivelmente perplexas e confusas, condenaram Jesus à
morte e, para garantir a execução de sua sentença, mentiram a Pilatos. Foi uma mentira
piedosa, pois mentir para um pagão não é mentira. E assim eles arrancaram dele o necessário
decreto de crucificação.
29

OS JUDEUS NÃO SÃO COLETIVAMENTE RESPONSÁVEIS PELA MORTE DE JESUS

597. Considerando a complexidade histórica do julgamento de Jesus como manifestado nos


relatos evangélicos - qualquer que seja o pecado pessoal dos protagonistas do julgamento
(Judas, o Sinédrio, e Pilatos), CAIFÁS, FOI ESQUECIDO!, que só Deus sabe - não podemos
atribuir responsabilidade aos judeus de Jerusalém como um todo, apesar dos gritos de uma
multidão manipulada e das repreensões globais contidas nos chamados à conversão após o
Pentecostes. O próprio Jesus, perdoando-se da cruz, e Pedro seguindo o exemplo, ambos
levam em conta “a ignorância” (Atos 3:17) dos judeus de Jerusalém e até de seus líderes. Ainda
menos podemos argumentar do grito do povo: “Que o seu sangue esteja sobre nós e sobre
nossos filhos” (Mt 27.25) - simplesmente uma fórmula de ratificação - e estender a
responsabilidade a outros judeus de diferentes tempos e lugares. Como a Igreja declarou no
Concílio Vaticano II: “O que aconteceu em Sua Paixão não pode ser indiscriminadamente
atribuído a todos os judeus então vivos, nem aos judeus de hoje… Os judeus não devem ser
apresentados como repudiados ou amaldiçoados por Deus, como se tais visões seguidas das
Sagradas Escrituras."

Fica-se estupefato por essa torrente de mentiras descaradas, concluídas por uma incrível
declaração do desastroso Concílio Vaticano II. Certamente devemos ter chegado ao fim do
pesadelo, mas não! Ainda não esgotamos o copo para as borras. Aqui está a amargura desse
veneno, sem a menor queda de consolo:

TODO PECADOR ERA O AUTOR DA PAIXÃO DE CRISTO

598. No Magistério da sua fé e no testemunho dos seus santos, a Igreja nunca esqueceu que
“os próprios pecadores eram os autores e, por assim dizer, os instrumentos de todas as dores
sofridas pelo divino Redentor”. Levando em conta o fato de que nossos pecados afetam o
próprio Cristo, a Igreja não hesita em atribuir aos cristãos a responsabilidade mais grave pelos
tormentos infligidos a Jesus, uma responsabilidade com a qual eles, com demasiada
frequência, sobrecarregam os judeus.

Devemos considerar como culpado deste pecado horrível aqueles que continuam a recair em
seus pecados. Uma vez que são os nossos crimes que fizeram com que Nosso Senhor Jesus
Cristo sofresse os tormentos da Cruz, aqueles que mergulham na desordem e no mal por seus
pecados certamente crucificam o Filho de Deus de novo em seus corações, na medida em que
Ele está neles, e cobrem Ele com vergonha (Hb 6,6). E é preciso admitir que nosso crime neste
caso é muito maior do que o dos judeus. Pois, como o apóstolo testifica, "se eles tivessem
reconhecido o Rei da glória, não o teriam crucificado" (1 Cor 2.8). Nós, pelo contrário,
professamos conhecê-lo. E quando nós O negamos por nossos atos, de alguma forma nós
colocamos nossas mãos assassinas sobre ele. (Catecismo Romano)

Nem são os demônios que O crucificaram; foram vocês que O crucificaram e crucificam ainda,
quando vocês se deleitam em seus vícios e pecados. (São Francisco)

Que achado são esses dois textos! Mais brilhante do que encontrar duas agulhas num
palheiro! E nas palavras finais podemos ver a assinatura daquele que pensa ter vencido esta
última grande batalha, o diabo! Ah, que triunfo para ele: o Papa de Roma, a Igreja inteira
proclama sua absolvição! Sua reabilitação seguirá em breve:
30

“Nem são os demônios que O crucificaram” Felicite-se, você, poderes do inferno, em sua
liberação vindoura!

ANÁTEMA

Se alguém pretender ser o autor, o responsável, ou o admirador deste suposto catecismo da


Igreja Católica, seja anátema e constrangido, por força pública, se necessário, a entregar este
livro apóstata, para que possa ser lançado nas chamas de um auto da fé!

QUINTA HERESIA

Erro de um futuro remoto, fora do espaço e do tempo, de Cristo desencarnado e de um reino


evanescente.

ARGUMENTO

Nós estamos muito abalados em nossa fé e em nossa confiança na Igreja pelo duplo choque da
modernidade deste Catecismo, que vai além de nossa compreensão da verdade dogmática e
que rompe com o tesouro vivo de nossa tradição católica. O primeiro choque é experimentado
como um aluguel ou cisma, o outro choque como uma especulação gnóstica ou heresia.

Quer seja uma questão das relações sobrenaturais de Deus conosco, envolvendo a
predestinação e a graça, ou de nossas relações com a Palavra Encarnada, Jesus Cristo, que nos
chama para segui-Lo, tomando nossa cruz para que possamos ser salvos, ou do drama da Sua
dolorosa Paixão sofrida nas mãos de homens perversos pela redenção do mundo, não
podemos aceitar que a CCC abuse da Sagrada Escritura com tal audácia desonesta e mentirosa,
nem desdenhe e contradiga toda a Tradição viva, eloquente e edificante dos séculos, a fim de
nos arrancar insolentemente de nossa própria religião popular e universal. Pois tal é o cisma
em que este Catecismo é perversamente e deliciosamente mergulhado. Para nós, parece um
sacrilégio.

Se apenas fosse feito para fazer a revelação divina nos falar e nos mover ainda mais, para
torná-lo mais acessível e para nos elevar aos esplendores de Deus! Mas não, é completamente
o contrário. Em cada artigo do Credo, nossas convicções imemoriais, nossa mentalidade
católica comum, são quebradas, aniquiladas e substituídas por teorias abstratas que são
totalmente inconsistentes com nossa fé, ou melhor, contrárias e estranhas à sua Verdade e
clareza divinas. É uma heresia multiforme que persegue seu curso e se torna mais complexa de
um capítulo para o outro, deixando-nos destroçados e infelizes. É uma gnose intelectual, uma
visão otimista, mas desmobilizadora e sem amor, onde Deus fala cada vez menos e o homem
se retrai para dentro de si. É uma série de heresias que levam à apostasia.

Então, agora que Jesus completou o Seu curso e salvou todos os homens, agora e para sempre,
nos perguntamos que paradoxo nos será dito sobre o Seu futuro e o nosso. Será um teste
decisivo. Se nossas tradições e sentimentos forem novamente perturbados, isso nos levará ao
desespero ou a um deslizamento universal para essa religião fantasiosa, onde o homem se
torna o centro do mundo e dá glória a si mesmo sem maior consideração por Deus, Seu Céu,
nem o próprio inferno. …

E é precisamente isso que acontece!

A RESSURREIÇÃO, UM ACONTECIMENTO HISTÓRICO E TRANSCENDENTE


31

644. Mesmo quando confrontados com a realidade do ressuscitado Jesus, os discípulos ainda
duvidam, tão impossível a coisa parecia a eles: eles acham que estão vendo um fantasma ... É
por isso que a hipótese de que a Ressurreição poderia ter sido o "produto" da fé (ou
credulidade) dos Apóstolos não se sustenta. Pelo contrário, sua fé na ressurreição nasceu - sob
a ação da graça divina - de sua experiência direta da realidade do Jesus ressuscitado.

Isso soa decisivo e alegra minha antiga fé ancestral, dizendo-me: Se Ele retomou Seu Corpo
com tal Verdade, com tal realismo, não pode-se dissolvê-lo ou perdê-lo, nem amanhã nem
nunca. Assim, o futuro diante de nós é certo, o de um Reino de Deus que é completo e
arrebatador. Ai! O CCC apaga rapidamente esta chama:

645. Jesus ressuscitado estabelece relações diretas com Seus discípulos através do toque e do
compartilhamento de refeições. Assim, ele os convida a reconhecer que Ele não é um
fantasma e, acima de tudo, perceber que o corpo ressuscitado, através do qual Ele se
apresenta a eles, é o mesmo corpo que foi torturado e crucificado, pois Ele ainda carrega as
cicatrizes de Sua paixão. Este corpo real e autêntico possui, ao mesmo tempo, as novas
propriedades de um corpo glorioso. Não está mais situado no espaço e no tempo, mas pode
estar presente onde e quando Ele desejar, pois Sua humanidade não pode mais ser retida na
Terra e agora pertence aos reinos divinos do Pai somente. Também por este motivo, o Jesus
ressuscitado goza da liberdade soberana de aparecer como deseja: disfarçado de jardineiro ou
“sob outras formas” (Mc 16,12), diferente daqueles que eram familiares aos discípulos,
precisamente para despertar sua fé.

Aqui eu estremeço com a expressão "Não está mais no espaço e no tempo". Pode soar muito
aprendido e muito original, mas para ser exato: 1). Despreza desdenhosamente a linguagem
tradicional, a compreensão e as representações do Mistério, que mantiveram viva a esperança
da Igreja por dois mil anos. Isso em si é cismático. 2). Joga em dois níveis ao mesmo tempo, o
da língua antiga e o de suas interpretações esotéricas, sem nenhuma preocupação com sua
incoerência e contradição permanente. Esse jogo de equívocos oculta a óbvia incapacidade da
nova gnose de explicar o que é o estado do Ressuscitado hoje, “fora do tempo e do espaço”.
Qualquer coisa tão inconcebível e desafiadora do dogma católico é necessariamente herética,
e isso é razão suficiente para rejeitá-la.

A continuação confirma nossa crítica:

646. A Ressurreição de Cristo não foi um retorno à vida terrena, como foi o caso das
ressurreições que Ele havia realizado antes da Páscoa: a filha de Jairo, o jovem de Naim,
Lázaro. Essas ações foram eventos miraculosos, mas as pessoas milagrosamente restauradas à
vida através do poder de Jesus retornaram a uma vida terrena “comum”. Em um determinado
momento, eles vão morrer novamente. A ressurreição de Cristo é essencialmente diferente.
Em Seu corpo ressuscitado, Ele passa do estado de morte para outra vida além do tempo e do
espaço. O corpo de Jesus, na ressurreição, está cheio do poder do Espírito Santo; Ele
compartilha a vida divina em Seu estado glorioso, para que São Paulo possa dizer de Cristo que
Ele é “o homem celestial” (cf. 1Cor 15,35-50).

O conjunto desse alinhamento de proposições, sem consequência lógica ou coerência realista,


é uma digressão puramente intelectual do fato da Ressurreição, gradualmente reduzindo-a de
tal forma que nada resta da realidade de Cristo exceto o espiritual, sem localização ou
substância, sem duração e sincronia, e sem relações corporais ou intelectuais com outros seres
como Ele mesmo.
32

De fato, acaba nesta peça de verbosidade, bastante carente de qualquer fundamento histórico
ou físico:

655.… Enquanto aguardam a futura ressurreição, o Cristo ressuscitado vive no coração de seus
fiéis. Nele, os cristãos “experimentam os poderes do mundo vindouro” e suas vidas são
levadas por Cristo ao coração da vida divina.

Tudo isso não significa mais nada ...

MAS AGORA PARA A ASCENSÃO - UMA ASCENSÃO PARA LUGAR NENHUM

659. “O Senhor Jesus, depois de lhes ter falado, foi elevado ao céu e sentou-se à direita de
Deus” (Mc 16,19). O Corpo de Cristo foi glorificado no instante de Sua Ressurreição, como é
provado pelas propriedades novas e sobrenaturais que Seu Corpo subsequentemente e
permanentemente desfruta. Mas durante os quarenta dias em que Ele come e bebe
familiarmente com Seus discípulos e os instrui sobre o Reino, Sua glória ainda permanece
velada sob a aparência de uma humanidade comum. A última aparição de Jesus termina com a
entrada irreversível de Sua humanidade na glória divina simbolizada pela nuvem e pelos céus,
onde Ele doravante se senta à direita de Deus. É somente de uma forma excepcional e única
que Ele se mostrará a Paulo “como a um nascido prematuro” (1Cor 15.8) em uma última
aparição que o constituirá um apóstolo.

O que é essa “entrada irreversível” de Sua humanidade “na glória divina”? Uma
“irreversibilidade” (sic!) Imediatamente contradita pelo retorno de Jesus - o qual estamos
certos que foi excepcional - durante a aparição a São Paulo no caminho para Damasco! E mais
solenemente contradito por estas palavras dos anjos no próprio relato da Ascensão, que
desmente esta suposta irreversibilidade: “Este mesmo Jesus, que foi levado de ti para o céu,
voltará da mesma maneira que tu o viste para o céu” (Atos 1.11)

É possível tratar a Palavra divina e o testemunho apostólico com tal desprezo? - Alinhando
essa nova gnose com a fé e misturando tudo em uma confusão sem esperança, como segue:

665. A Ascensão de Cristo marca a entrada definitiva da humanidade de Jesus (!) No domínio
celestial de Deus (sic!), De onde virá novamente, mas que, entretanto, O ocultará dos olhos
humanos.

Aqui, verdadeiramente, o cisma e a heresia unem-se energicamente, obrigando-nos a fazer


uma escolha decisiva entre essa gnose apóstata angustiante e sem valor e nossa robusta
esperança católica na ressurreição do corpo e na vida eterna. Um homem!

A RESSURREIÇÃO DO CORPO NÃO FAZ MAIS SENTIDO

Essa mesma linguagem pérfida, essa duplicidade segundo a qual os imaginários gnósticos
puros estão apegados à realidade substancial de nossos dogmas católicos, pode ser uma
diversão para diletantes céticos e destrutivos. Mas nada pode resultar disso, a não ser o
esvaziamento da Igreja e a morte da sede das almas, incapaz de resistir sozinha ao vento
abrasador dessas invenções amaldiçoadas.

Mas aqui inicialmente - para enredar os fiéis? - Há algumas afirmações sólidas sobre o dogma
da ressurreição do corpo:
33

989. Acreditamos firmemente, e assim esperamos, que assim como Cristo ressuscitou
verdadeiramente dos mortos e vive para sempre, assim também após a sua morte, os justos
viverão para sempre com o Cristo ressurreto e Ele os levantará no último dia…

990. O termo “carne” designa o homem em sua condição de fraqueza e mortalidade. A


"ressurreição da carne" significa não apenas que a alma imortal continuará a viver depois da
morte, mas que mesmo os nossos "corpos mortais" (Romanos 8:11) voltarão à vida.

O CCC então multiplica as citações da Sagrada Escritura, dos Padres, dos Concílios e de Bento
XII sobre o Céu, que é o mais explícito (1023), todos os quais excluem a ideia tola e
insubstancial de um corpo (e espiritual!) existência fora do espaço e do tempo. É um prazer ler
e nos tranquiliza:

997. O que significa subir novamente? Na morte, a separação da alma do corpo, o corpo
humano decai, enquanto a alma vai ao encontro de Deus, o tempo todo aguardando sua
reunião com seu corpo glorificado. Deus em Sua Onipotência restaurará definitivamente a vida
incorruptível aos nossos corpos, unindo-os às nossas almas em virtude da ressurreição de
Jesus.

1015. "A carne é o eixo da salvação" (Tertuliano). Nós acreditamos em Deus que é o Criador da
carne; nós cremos na Palavra feita carne para a redenção da carne; nós acreditamos na
ressurreição da carne, o cumprimento tanto da criação quanto da redenção da carne.

Mas se nos permitirmos ser tomados, nossa decepção será apenas muito amarga. Por que
falar da ressurreição do corpo, se não é para ir a um lugar como material e viver, juntamente
com os santos ou demônios, um destino totalmente humano? Mas, em vez disso, somos agora
apresentados com o vazio de uma gnose de "lugar nenhum", onde heresia e cisma são
exacerbados por uma pérfida negação da fé.

CÉU, PURGATÓRIO, LIMBO E INFERNO: OS ESTADOS DE ALMAS QUE NÃO ESTÃO EM LUGAR
ALGUM!

Vendo que Cristo ressuscitou e a Virgem Maria subiu aos céus, segundo o CCC:

966. “... tendo realizado o curso da sua vida terrena, a Virgem Imaculada foi assumida de corpo
e alma na glória do Céu, e exaltada pelo Senhor como Rainha do universo, para se ajustar mais
plenamente ao seu Filho, o Senhor dos senhores, vitorioso sobre o pecado e a morte”…

… Sua presença mútua constitui necessariamente um espaço, inaugura um lugar, chamado Céu
ou Paraíso, a feliz morada dos eleitos. E consequentemente, outros lugares serão alocados
para o destino eterno de outros seres humanos, corpo e alma, para sua felicidade, sua
purificação temporária, ou sua condenação eterna. Sempre que o CCC fala dessas coisas, é na
linguagem tradicional, mas nunca perde a oportunidade de dissolver sua realidade em
fantasias gnósticas sem substância ou verdade:

CÉU? É UM ESTADO, NÃO UM LUGAR.

1024. Esta vida perfeita com a Santíssima Trindade, esta comunhão de vida e amor com a
Trindade, a Virgem Maria, os anjos e todos os abençoados, chama-se “Céu”. O céu é o fim
último e a realização das mais profundas aspirações do homem, o estado de felicidade
suprema e definitiva.
34

1025. Viver no céu é “estar com Cristo”. Os eleitos vivem “Nele”, mas lá eles retêm, ou melhor,
encontram sua verdadeira identidade, seu nome próprio. “Porque a vida é estar com Cristo;
onde Cristo é, há vida, existe o reino."

PURGATÓRIO? É UMA PURIFICAÇÃO QUE NÃO ACONTECE EM LUGAR NENHUM.

1031. A Igreja dá o nome de Purgatório a esta purificação final dos eleitos, o que é bastante
distinto da punição dos condenados. A Igreja formulou sua doutrina da fé no Purgatório,
principalmente nos Concílios de Florença e Trento. A tradição da Igreja, referindo-se a certos
textos das Escrituras, fala de um fogo purificador ...

INFERNO? É INFELICIDADE SEM FOGO OU LUGAR!

1033. ... Nosso Senhor nos adverte que seremos separados d’Ele se negligenciarmos o
atendimento das graves necessidades dos pobres e dos pequeninos que são seus irmãos.
Morrer em pecado mortal sem arrepender-se e sem ter acolhido o amor misericordioso de
Deus é permanecer separado Dele para sempre por nossa livre escolha. E é esse estado de
auto-exclusão definitiva da comunhão com Deus e do abençoado designado pela palavra
“inferno”.

AQUI, FINALMENTE, O ANTICRISTO SE REVELA ACIDENTALMENTE:

Não conheço nada mais insultuoso a Jesus Cristo, a Sua Igreja, a Seus pregadores e a gerações
de crentes e santos piedosos do que esta zombaria das palavras de Cristo:

1027. Este mistério de abençoada comunhão com Deus e com todos os que estão em Cristo
supera todo entendimento e representação. As Escrituras nos falam sobre isso em imagens:
vida, luz, paz, festa de casamento, vinho do reino, a casa do Pai, a Jerusalém celeste, o paraíso:
“olho não viu, nem ouvido ouviu, nem o coração do homem concebeu, o que Deus preparou
para aqueles que O amam.” (1 Cor 2.9)

Tanto pelas representações e concepções que os cristãos unanimemente, em toda parte e


sempre, formaram, pregaram e creram na palavra de Cristo. Eles são deixados de lado como
sonhos infantis e imaginação grosseira, embora sejam extraídos da Sagrada Escritura e sempre
respeitados como figuras escolhidas por Jesus - e por São João! - Descrever o Céu, onde Jesus e
Maria estão entronados na plenitude da felicidade e da glória. A linguagem inspirada das
Escrituras sugere, melhor do que qualquer discurso instruído ou abstração quintessêncial, que
o Paraíso prometido é um lugar magnífico do mesmo tipo - embora melhor! Como a terra, o
céu, os mares e as florestas, e todos os esplendores do corpo e da mente. Exprime uma beleza,
uma ternura, um prazer de amor e conhecimento muito maior do que os do mistério da
criança no ventre de sua mãe, da noiva nos braços de seu esposo, da família reunida em torno
da mesa na festa de casamento, da liturgia para a consagração das virgens, da ordenação de
um bispo, do êxtase de Madalena aos pés do ensinamento de Jesus, ou do discípulo a quem
Jesus amava, ouvindo Seu divino coração na noite da Última Ceia.

Tudo isso é tratado com desprezo e sua verdade é contestada. Mas é rejeitado em favor de
algo melhor? No entanto, é JESUS quem falou assim, e é o que São João nos contou em suas
visões! Essas alegorias admiráveis, sagradas, simples e tocantes são certamente verdadeiras.
Alguma coisa melhor já foi encontrada para dizer às multidões, a fim de lhes dar o amor desta
vida eterna? Falar sobre “a visão intuitiva da essência divina, sem a mediação de nenhuma
criatura” (1024) - é muito trabalhoso e tarde demais. Se os fiéis são privados de uma
linguagem que lhes fala e de todas as alegorias que formam o material da pregação cristã, eles
35

não mais verão, saboreiam ou mesmo compreenderão o significado dessa palavra “Beatitude”.
Por que deveriam sacrificar a substância pela sombra, a realidade da felicidade por sua ficção
e, finalmente, as alegrias terrenas pelo tédio do Céu!

Pois sei, por experiência pastoral - algo em que nossos autores parecem estar totalmente
ausentes - que aqueles que ouvem sua triste conversa estão tristemente com medo de se
sentirem entediados no céu. E talvez tanto no inferno - este novo inferno que não é nem um
lugar, nem um fogo, nem qualquer tipo de tortura rudemente imaginada, mas apenas a
privação, pura e simples, da visão direta da essência divina ... que não significa nada para eles.
O tédio, digo-lhe, emana de todas as páginas deste catecismo para os intelectuais! É um
Catecismo sem imaginação ou poesia e, portanto, fechado aos mistérios divinos.

Quão claro, é o seu objetivo.

DEPOIS DO CICLO DO PAI E DO CICLO DE JESUS ESTAREM FECHADOS, O CAMINHO É LIVRE


DEPOIS PARA O REINO DO “ESPÍRITO”

ACUSAÇÃO JUSTIFICADA

Duas religiões têm lutado na Igreja desde o Concílio. E finalmente, neste Catecismo, é a nova
religião que deve destruir a antiga. Estamos em uma fase essencial aqui. Jesus ressuscitou,
sim! Mas ao preço de uma obliteração no invisível, de uma perda de ser corporal e de
presença no mundo. Tal é o desejo dos nossos gnósticos. Ele foi “além do espaço e do tempo”
(645-646), de uma maneira que é “irreversível” (659-660). Uma certeza: ele não retornará até
que tudo seja cumprido.

O que é esse mistério? Impossível contar com a menor honestidade da “Igreja Católica”, como
invocada pelo autor do catecismo. Entre mil mentiras, aqui está uma prova:

CRISTO DESCEU AO INFERNO

Verdadeiro ou falso? Após uma longa citação de uma antiga homilia, contando essa descida
em termos realistas e tocantes, e alimentando a fé, a esperança e a alegria dos cristãos (635
b), o CCC tira as seguintes conclusões:

636. Pela expressão “Jesus desceu ao inferno”, o Credo dos Apóstolos confessa que Jesus
realmente morreu e que, por Sua morte por nós, Ele venceu a morte e o diabo “que detém o
poder da morte” (Hb 2,14).

Esse é o pensamento - não me atrevo a dizer a fé - do Papa e do Cardeal, “confessar” algo


diferente do que seus lábios pronunciam! Mas, depois da mentira, aqui está o oposto:

637. O Cristo morto, em sua alma unida à sua pessoa divina, desceu à morada dos mortos. Aos
justos que O precederam, Ele abriu as portas do céu.

Essa é uma expressão clara e precisa da fé de todos os lugares e de todos os tempos. Ao dizer
isso, o CCC rejeita como cismático e herético o que disse antes. Conclusão: repousa quando
fala a verdade católica (637) para nos desviar de sua gnose, que é a verdade por trás de sua
mentira (636).

Com essa prova estabelecida, aqui está minha acusação real: Tudo o que diz respeito ao
mistério de Jesus, Filho de Deus feito homem, começando com o evento de Sua ressurreição -
ou seja, os artigos 6 e 7 do Credo: Ele subiu ao céu e está sentado à destra de Deus Pai Todo-
Poderoso (659-667), De onde Ele virá para julgar os vivos e os mortos (668-682) - e
36

continuando com os artigos 11 e 12: Eu creio na ressurreição do corpo e na vida eterna - tudo
que diz respeito à Vida além da morte e além desta terra não é de absolutamente nenhum
interesse ou valor para X, o autor do CCC.

Escritores de todas as tendências podem desenvolver suas idéias no CCC. Os de um coração


melhor se aplicaram a declarar a verdade católica. Mas os corretores intervieram com algumas
palavras para relegar tudo ao reino das imagens vãs e da tradição duvidosa. Seu principal
objetivo é que Jesus desapareça do nosso horizonte por toda a duração da nossa história
humana, a fim de que o reino do Espírito possa chegar e realizar, sem mais impedimentos ou
obstáculos, a gnose humanista que rege a mente e as obras da Igreja atual decidiu ver chegar.

Concorda-se que Deus Pai ama os homens e verá que seus grandes projetos neste mundo são
bem-sucedidos. Também é certo que Jesus se tornou o Salvador de todos e que seu futuro
absoluto é garantido. Só resta para o homem trabalhar com o poder do "Espírito" na
construção do Homem em cada um de nós. É isso que absorve a atenção do Catecismo,
nenhuma outra preocupação fútil.

ANATHEMAS

I. Se alguém disser que Jesus Cristo ressuscitado foi além do espaço e do tempo, e que Sua
ascensão ao Céu é irreversível a partir de então, seja anátema.

II. Se alguém disser que o Céu, o Purgatório e o Inferno não são lugares, mas estados, ou
situações morais ou sentimentos puros de alegria ou tristeza, seja anátema.

III. Se alguém disser que ninguém pode ser objeto de uma sentença de condenação ao inferno
eterno, mas que o rebelde se vê punido por sua própria decisão de auto-exclusão, cuja
liberdade Deus respeita, seja anátema.

SEXTA HERESIA

Erro relativo ao Espírito Santo, o animador do novo mundo.

Nos foi mostrado o deus “único” em seu amor incondicional e eterno para o homem,
predestinando o para a divinização de seu ser pessoal, individual e coletivamente. O CCC
voltou então toda a atenção para o Seu Filho, que veio entre nós para obedecer à Vontade do
Pai, cumprindo a Sua missão de graça em conformidade com a predestinação de todos para a
salvação eterna. Assim, por Sua encarnação, Ele está unido a todo homem; por sua redenção
ele salvou a todos; e em Sua ressurreição os associou com Sua glória, em Deus, completando
Sua missão.

Esta partida sem retorno (!), Esta partida do espaço e do tempo - assim como uma
desintegração ou uma desmaterialização desumanizante - nos faz temer uma deriva gnóstica
na CCC, que dará aos salvos de Cristo a completa liberdade e que dará à Igreja, nascida do
sangue e da água do seu coração, uma autonomia, espontaneidade e receptividade distinta
das intenções expressas por Jesus Cristo e Seus Apóstolos. Medos que são, infelizmente,
plenamente justificados, se apenas por este surpreendente "In Brief":

743. Desde o começo até a consumação do tempo, quando Deus envia Seu Filho, Ele envia
sempre o Seu Espírito. Sua missão é conjunta e inseparável.

ARGUMENTO

A DISCUSSÃO SOBRE O FILIOQUE


37

246. A tradição latina do Credo confessa que o Espírito “procede do Pai e do Filho (filioque)” O
Concílio de Florença em 1438 explica: “… a partir de um único Princípio e através de uma única
espiração”…

247.… A introdução do filioque no Credo de Nice-Constantinopla pela liturgia latina constitui,


ainda hoje, um ponto de desacordo com as Igrejas Ortodoxas.

248. No início, a tradição oriental [cismática!] Expressa o caráter do Pai como a origem
primária do Espírito. Ao confessar que o Espírito “procede do Pai” (Jo 15,26), afirma que Ele
procede do Pai através do Filho. A tradição ocidental expressa primeiro a comunhão
consubstancial entre o Pai e o Filho, dizendo que o Espírito procede do Pai e do Filho (filioque).
Afirma isso “de maneira legítima e razoável”, pois a ordem eterna das pessoas divinas em sua
comunhão consubstancial implica que o Pai, como “o princípio sem princípio”, é a origem
primária do Espírito, mas também que, como Pai do único Filho, Ele é, com o Filho, "o único
princípio de onde procede o Espírito Santo". Esta complementaridade legítima, desde que não
se torne rígida, não afeta a identidade da fé na realidade do mesmo mistério confessado.

Um cheira a bajulação ecumênica sob este relativismo dogmático. Defende “o direito de


diferenciar”, ignorando o preço que deve ser pago pela rebelião cismática contra a introdução
do “filioque”. São Tomás, cuja morte o impediu de participar do Concílio de Lyon em 1274,
estabeleceu a necessidade desse “ filioque ”.  ”Em uma base irrefutável, pois, sem ela, as duas
procissões do Filho e do Espírito de um e do mesmo Pai seriam mutuamente excludentes,
tendo Deus apenas uma Palavra, que é perfeita e, portanto, sem qualquer duplicidade
possível. Enquanto a primeira procissão é uma geração no modo da expressão intelectual da
Verdade, a segunda, tendo o Pai e o Filho como um princípio único, tinha que ser de outro
modo, o da união de onde o Amor floresce. Consequentemente, o Espírito Santo não é como a
Palavra em Sua procissão ou em Sua missão no mundo.

Nosso CCC falha em apreciar esta importantíssima teologia trinitária, que deixa claro que as
missões da Palavra e do Espírito Santo não são conjugadas ou idênticas, mas são
complementares em sua sucessão e subordinação. De acordo com nossa fé católica pura e sua
expressão explícita em latim, o Espírito Santo age seguindo Jesus Cristo em todas as coisas, de
acordo com as leis e progresso da evangelização sempre dirigida e realizada por Ele através
dos Apóstolos e Líderes da Igreja, que são investidos com o seu poder.

A teologia ortodoxa ( cismática ), por outro lado, permite muito mais liberdade em conceber as
obras do Espírito que, embora sejam sem dúvida inteiramente dependentes do Pai invisível,
são libertadas das estritas limitações visíveis e históricas da obra de Jesus Cristo e missão e de
“Jesus Cristo espalhado e comunicado” (Bossuet), nomeadamente a Sua Igreja. A perspectiva
grega favorece o “espontaneismo”.

O ESPÍRITO SANTO É PRIMÁRIO. ELE VEM PRIMEIRO.

Esta prioridade e superioridade é um choque:

683. “Ninguém pode chamar Jesus de Senhor senão no Espírito Santo” (1 Cor 12.3). “Deus
enviou o Espírito aos nossos corações, clamando 'Abba, Pai! '” (Gal 4.6). Esse conhecimento da
fé só é possível no Espírito Santo. Para estar em contato com Cristo, é preciso primeiro ser
tocado pelo Espírito Santo. Pois é Ele quem vem despertar a fé em nós. Através do nosso
Baptismo, o primeiro sacramento da fé, o Espírito Santo na Igreja nos comunica intimamente a
vida que tem a sua fonte no Pai e que nos é oferecida no Filho…
38

Nenhum contato, portanto, com Cristo antes do toque do Espírito? Isso é para reverter a
ordem das missões divinas!

684. Pela sua graça, o Espírito Santo é o primeiro a despertar a fé em nós e a comunicar a nova
vida, que é “conhecer o Pai e aquele que Ele enviou, Jesus Cristo” (Jo 17.3). No entanto, Ele é a
última das Pessoas da Santíssima Trindade a ser revelada ...

É muito surpreendente fazer o Espírito Santo, que vem por último, o revelador do Revelador
do Pai! Não significa também que os dois Paraclitos são semelhantes e estão em competição?
Exatamente! E qual deles prevalecerá sobre o outro? Adivinha ... A seção 687 dá a resposta: é
o Espírito que revela o Filho! E com isso, as dimensões da evangelização se estendem ao
infinito: desde a pregação de Jesus de Nazaré, o artesão, até a animação mundial pelo
Paraclito! Como as barreiras foram derrubadas! Leia:

715. Os textos proféticos que dizem respeito diretamente ao envio do Espírito Santo são
oráculos nos quais Deus fala ao coração de seu povo na linguagem da promessa, em tom de
“amor e fidelidade”. São Pedro proclamará o cumprimento desses oráculos na manhã de
Pentecostes. De acordo com estas promessas, nos “últimos tempos” o Espírito do Senhor
renovará os corações dos homens, gravando neles uma nova lei; Ele reunirá e reconciliará os
povos dispersos e divididos; Ele transformará a primeira criação e Deus habitará ali com os
homens em paz.

Depois do estágio da humilhação do Filho, temos agora a colheita do Espírito: a renovação dos
corações, a reunião e a reconciliação dos povos e, finalmente, a transformação do mundo e
sua plena comunhão com Deus.

Então, é assim que Ele começou a agir no início dos tempos e como continua seu trabalho
carismático até o último dia:

761. A reunião do povo de Deus começou a partir do momento em que o pecado destruiu a
comunhão entre Deus e o homem, e entre o homem e o homem. A reunião da Igreja é, por
assim dizer, a reação de Deus ao caos provocado pelo pecado. Esta reunificação é realizada
secretamente no coração de todos os povos: “Em toda nação, qualquer que o temer e fazer o
que é certo é aceitável a Deus” (At 10.35).

Isto constitui mais um avanço e preeminência para o Espírito Santo sobre Jesus de Nazaré: é
através dele que todos os homens recebem Misericórdia e Vida, graça e salvação final, que são
reconhecidamente obtidas pelo Filho, mas que estão sempre e em toda parte. “Secretamente”
distribuído pelo Seu Paraclito!

Em Maria, é o Espírito que realizou tudo

721. Maria, a Santíssima Virgem Mãe de Deus, é a obra mestre da missão do Filho e do Espírito
na plenitude dos tempos. Pela primeira vez no plano da salvação e porque Seu Espírito a
preparou, o Pai encontra a Morada onde seu Filho e Seu Espírito podem habitar entre os
homens. É neste sentido que a Tradição da Igreja leu frequentemente os textos mais belos
sobre a Sabedoria em relação a Maria: Maria é aclamada e representada na liturgia como a
“Sede da Sabedoria” ...

É o Espírito que novamente inaugura as maravilhas do Pai, e cabe a Ele realizá-las em Cristo e
na Igreja.
39

721. (continuação) Nela, vemos o começo das “maravilhas de Deus”, que o Espírito completará
em Cristo e na Igreja.

A unção pelo Espírito inicia a missão do Filho:

727. A inteira missão do Filho e do Espírito Santo, na plenitude dos tempos, está contida no
fato de que o Filho é o Único ungido com o Espírito do Pai desde a Sua Encarnação: Jesus é o
Cristo, o Messias ...

A Igreja torna-se o instrumento privilegiado do Espírito e, imediatamente, transcende todas as


fronteiras:

775. “A Igreja, em Cristo, é de algum modo um sacramento, isto é, sinal e instrumento de


íntima união com Deus e da unidade de toda a raça humana”. Ser o sacramento da união
íntima de Deus com os homens é o propósito primordial da Igreja. Porque a comunhão dos
homens um com o outro está enraizada na sua união com Deus, a Igreja é também o
sacramento da unidade da raça humana. Nela, esta unidade já começou, pois reúne os homens
“de todas as nações, de todas as tribos, povos e línguas” (Ap 7,9); ao mesmo tempo, a Igreja é
o “sinal e instrumento” da plena realização da unidade ainda por vir.

Esta mesma unção com o Espírito Santo, pela qual Jesus foi consagrado, agora consagra para
Ele um povo à Sua semelhança, cheio dos mesmos poderes e virtudes. É importante notar
como este Catecismo enfatiza a onipotência e pré-potência do Espírito Santo a ponto de
desqualificar Jesus - que é removido da imagem e não faz nada - e de elevar a Igreja a um grau
triplamente incrível de excelência:

783. Jesus Cristo é Aquele que o Pai ungiu com o Espírito Santo e estabeleceu como
“Sacerdote, Profeta e Rei”. O Povo de Deus como um todo compartilha esses três ofícios de
Cristo e assume as responsabilidades pela missão e serviço que fluem deles.

784. Ao entrar no Povo de Deus pela fé e pelo Baptismo, recebe-se uma parte da singular
vocação deste povo, a sua vocação sacerdotal: «Cristo, o Senhor, sumo sacerdote tirado do
meio dos homens, fez deste novo povo» reino e sacerdotes para Deus Seu Pai. Os batizados,
pela regeneração e pela unção do Espírito Santo, são consagrados para ser uma casa espiritual
e um sacerdócio santo ( Lumen gentium 10). "

785. “O povo santo de Deus também participa do ofício profético de Cristo”, especialmente
através do sentido de fé sobrenatural que pertence ao povo como um todo, leigos e
hierarquias, quando eles “aderem infalivelmente à fé entregue aos santos uma vez e para
todos” e quando aprofundam sua compreensão e se tornam testemunhas de Cristo no meio
deste mundo.

786. Finalmente, o povo de Deus participa do ofício real de Cristo. Cristo exerce o seu reinado,
atraindo todos os homens para si através da sua morte e ressurreição. Cristo, Rei e Senhor do
universo, fez-se servo de todos, porque veio “não para ser servido, mas para servir e dar a sua
vida em resgate por muitos” (Mt 20,28). Para o cristão, “reinar é servi-lo”, particularmente
quando serve “aos pobres e aos sofredores, nos quais a Igreja reconhece a imagem do seu
pobre e sofredor Fundador”. O Povo de Deus realiza sua “dignidade real”, vivendo de acordo
com sua vocação de servir junto com Cristo…
40

E como se pode opor ou até mesmo moderar ligeiramente esta exaltação da Igreja e do
Espírito, quando São Leão Magno a exaltou quinze séculos atrás nos mesmos termos, mas num
“espírito” completamente diferente!

786. (continuação) O sinal da Cruz faz reis de todos os que renasceram em Cristo e a unção do
Espírito Santo os consagra como sacerdotes, para que, à parte do serviço particular de nosso
ministério, todos os cristãos espirituais, usando sua razão, se reconheçam como membros
desta raça real e compartilhadores em seu ofício sacerdotal. De fato, o que pode ser mais real
para uma alma do que governar seu corpo em submissão a Deus? E o que pode ser mais
sacerdotal do que dedicar uma pura consciência ao Senhor e oferecer no altar de Seu coração
as ofertas imaculadas de devoção? ” (São Leão, o Grande, Sermo 4, 1)

Agora se compreende por que toda gnose aguardava a idade do Espírito, que suplantará a
Cristo e estenderá ao mundo as riquezas da graça e da glória anteriormente confinadas à
Igreja!

O ESPÍRITO SANTO, ANIMADOR DA LITURGIA

A onipresença e o controle total do Espírito Santo parecem indiscutíveis aos nossos autores
naquilo que é, por assim dizer, o sopro místico do universo: a liturgia da bênção de Deus, o Pai
Todo Poderoso, o Uno e o Misericordioso, segundo as fórmulas em uso entre as três religiões
monoteístas - Judaica, Cristã e Muçulmana - e por isso muito presentes no nosso Catecismo.
Sua ação imanente, invisível, subjetiva e secreta parece ser decisiva para o CCC nas operações
de qualquer comunidade reunida em nome de Deus. É o Espírito, aparentemente, quem faz
tudo nessas assembléias.

1091. Na liturgia, o Espírito Santo é o mestre do Povo de Deus e o artesão das “obras-primas
de Deus”, os sacramentos da Nova Aliança. O desejo e a obra do Espírito no coração da Igreja é
que possamos viver a vida do Cristo ressuscitado. Quando Ele encontra em nós a resposta da
fé que despertou, uma genuína cooperação é realizada. E através desta cooperação a liturgia
se torna a obra comum do Espírito Santo e da Igreja.

1092. Nesta dispensação sacramental do mistério de Cristo, o Espírito Santo age da mesma
maneira que em outras ocasiões na economia da salvação: Ele prepara a Igreja para encontrar
seu Senhor; Ele recorda e manifesta Cristo à fé da assembléia; Ele torna presente e atualiza o
mistério de Cristo pelo Seu poder transformador; finalmente, o Espírito de comunhão une a
Igreja à vida e missão de Cristo.

Verdadeiramente Ele ocupa todo lugar. Em nós e conosco, Ele dialoga com Ele mesmo, nos
fazendo lembrar de Jesus - que está ausente! - e comunicando Sua graça para nós.

É O ESPÍRITO QUEM É O MINISTRO DAS NOSSAS EUCARISTIAS

Nós somos assim vencidos por uma novidade - que apareceu revolucionária na Alemanha dos
anos 1930, mas agora não surpreende ninguém - segundo a qual a Pessoa presente e ativa em
nossa Eucaristia é o Espírito Santo ... ao invés de Jesus.

Anteriormente, o Soberano Sacerdote - visivelmente presente em Seu sacerdote - costumava


ser Jesus, e Jesus renovou Seu Sacrifício durante a Missa como sacerdote e vítima, assim como
Ele estava na Cruz.

A anamnese ou “memorial” correspondente à nossa “consagração” foi o ato essencial do


Santo Sacrifício.
41

Mas hoje, por uma mudança imperceptível, é o Espírito Santo, o principal ministro, que -
através de um derramamento de Seu poder milagroso do qual a assembléia é a beneficiária
primária e coletiva - confunde o sacramento. Com isso, a Missa já não é tanto - ou antes, nem
um pouco - uma ação imediata e pessoal de Jesus Cristo renovando o Seu Sacrifício, mas uma
evocação no Espírito do Seu único Sacrifício da Cruz. É a Epiclesis, portanto, ou a oração ao
Espírito Santo que ocupa o centro do palco. Tudo isso fica bem claro nas seguintes seções:

1104. A liturgia cristã não apenas recorda os acontecimentos que nos salvaram, mas os
atualiza e os faz presentes. O mistério pascal de Cristo é celebrado, mas não se repete. São as
celebrações que se repetem e em cada celebração há um derramamento do Espírito Santo que
torna presente o único mistério.

1105. A Epiclesis ('invocação sobre') é a intercessão na qual o sacerdote implora ao Pai que
envie o Espírito Santificador, para que as ofertas se tornem o corpo e o sangue de Cristo e que
os fiéis, ao recebê-los, possam se tornar uma oferta viva a Deus.

E isso é verdade para todo sacramento:

1106. Juntamente com a anamnesis, a Epiclesis está no coração de toda celebração


sacramental, especialmente da Eucaristia:

“Você pergunta como o pão se torna o Corpo de Cristo e o vinho ... o Sangue de Cristo? Eu lhe
direi: o Espírito Santo vem sobre eles e realiza aquilo que ultrapassa todas as palavras e
pensamentos ... Que seja suficiente para você entender que é pelo Espírito Santo, assim como
foi da Santíssima Virgem e pelo Espírito Santo que o Senhor, através de Si mesmo, tomou
carne.” (São João Damasceno)

Sem dúvida, a citação de São João Damasceno é dada ao moinho do CCC, mas não é suficiente
para autorizar o deslizamento alarmante na idéia litúrgica moderna, pela qual Cristo, o
Soberano Sacerdote, é firmemente suplantado por seu rival conquistador. Não se pode,
portanto, acreditar que este Espírito seja o Espírito do Pai Santíssimo, na medida em que Ele se
torna o suplantador de Seu próprio Filho Amado!

Vamos citar um texto entre os outros dez, para nos convencer de que não estamos vendo
coisas:

1109. A Epiclesis é também a oração pelo pleno efeito da comunhão da assembléia com o
mistério de Cristo. “A graça do Senhor Jesus Cristo e o amor de Deus e a comunhão do Espírito
Santo.” (2 Co 13.13) deve permanecer sempre conosco e dar frutos além da celebração
eucarística. Portanto, a Igreja pede ao Pai que envie o Espírito Santo para fazer da vida dos
fiéis uma oferenda viva a Deus por sua transformação espiritual à imagem de Cristo, pela
preocupação com a unidade da Igreja e por sua participação em sua missão através do
testemunho e serviço da caridade.

Não é mais a missa. É uma assembléia carismática esperando os dons do Espírito. Atualmente
ocorre na presença de um ícone de Cristo ... mas logo antes do candelabro de sete braços no
dia do sábado judaico?

O ESPÍRITO DE ABERTURA A TODA LITURGIA HUMANA

Aqui, uma nova observação encontra o seu lugar. Obviamente, qualquer alusão a Nosso
Senhor Jesus Cristo é embaraçosa para o diálogo e para a oração comum ou trabalho
filantrópico entre católicos e cristãos dissidentes, e ainda mais com os judeus. Substituir o
42

Espírito por Cristo Jesus ajudaria a união ... Mas não devemos olhar para isso assim. Isso é
muito polêmico e muito pragmático.

A visão mais nobre e mais religiosa que atravessa as várias partes do CCC é a intuição primária
da missão conjunta do Espírito - o enviado do Pai - e do Filho. O último é realizar sua obra
como um indivíduo humano encarnado, crucificado e ressuscitado, limitado
consequentemente ao espaço e ao tempo. O trabalho do Paráclito, no entanto, é levar a graça
assim conquistada - de acordo com a predestinação de todos os homens para a Vida divina - a
todas as nações sem exceção, com todas as suas diferentes culturas, maneiras de buscar a
Deus e religiões.

O papel do Espírito Santo transborda de todas as maneiras as fronteiras da Igreja de Cristo. Era
essencial que Cristo se levasse além do espaço e do tempo, a fim de que o Seu Espírito
pudesse ser infinitamente livre! Assim influenciados, nossos liturgistas consideram os
sucessivos convênios e suas liturgias como um único fluxo carismático, de Adão a Noé, de Noé
a Abraão, a Moisés e a Jesus Cristo!

Sinais desta continuidade na graça do Espírito são notáveis no CCC, provando a validade de tal
interpretação:

A libertação do cativeiro babilônico, a obra do Espírito (710).

A salvação anunciada pela profecia de Caifás sobre a morte do Justo, a obra do Espírito (596).

A destruição de Jerusalém (586, 593).

O RETORNO À MATRIZ JUDAICA

O movimento bíblico, litúrgico e carismático desses últimos cinquenta anos “libertou o


Espírito”, de quê? De Jesus Cristo, o Filho de Deus. Voltando às camadas de camadas heréticas
- do modernismo ao luteranismo, do luteranismo à religião talmúdica ou à sua versão islâmica
incidental, e daí de volta à heresia judaico-cristã, de origem farisaica (Atos 15.5) - a fim de
reintegrar-se a sinagoga, nossa Igreja do Espírito, tinha apenas que obliterar Jesus Cristo para
se encontrar perfeitamente à vontade no berço da família do judaísmo original. Ela poderia
então conceder ao judaísmo a glória de ter o "Espírito do Senhor", e isso antes de todos os
outros e, na verdade, mais do que todos os outros:

1096. Liturgia judaica e liturgia cristã. Um melhor conhecimento da fé e da vida religiosa do


povo judeu, como professado e vivido até agora, pode ajudar-nos a compreender melhor
certos aspectos da liturgia cristã. Tanto para os judeus como para os cristãos, a Sagrada
Escritura é uma parte essencial de suas liturgias: na proclamação da Palavra de Deus, na
resposta a essa Palavra, na oração de louvor e intercessão pelos vivos e pelos mortos e no
recurso à misericórdia divina. Em sua estrutura característica, a liturgia da Palavra encontra
sua origem na oração judaica. A oração das Horas e outros textos e formulários litúrgicos,
incluindo os das nossas orações mais veneráveis, como o Pater, tem paralelos na oração
judaica. As orações eucarísticas também se inspiram em modelos da tradição judaica. A
relação entre liturgia judaica e liturgia cristã, mas também as diferenças em seu conteúdo, é
particularmente evidente nas grandes festas do ano litúrgico, como a Páscoa. Cristãos e judeus
celebram a Páscoa: para os judeus, é a Páscoa da história, olhando para o futuro; para os
cristãos, é a Páscoa que se cumpriu na morte e ressurreição de Cristo, embora sua
consumação definitiva ainda seja aguardada.
43

Sob o impulso do Espírito, a Igreja está voltando para a sinagoga ...

ANATHEMAS

I. Se alguém disser que o Espírito Santo procede do Pai sem admitir que Ele procede
igualmente do Filho, ou diz que Sua missão é totalmente determinada e visivelmente
conduzida por “Jesus Cristo espalhado e comunicado”, isto é, por Sua Igreja hierárquica, que
seja anátema!

II. Se alguém disser que o Espírito Santo revelou secretamente a Cristo para as almas em todas
as épocas e lugares, assim como Ele tem na Igreja, seja anátema!

III. Se alguém negar a presença de Jesus Cristo em Sua Igreja ou Sua presença corporativa e
ativa no Santo Sacrifício da Missa, preferindo a presença do Espírito Santo, seja anátema!

SÉTIMA HERESIA

O erro de um povo de Deus, convocado e guiado pelo Espírito, só Deus sabe onde! Sabe como!

A totalidade da ciência de qualquer objeto estudado pelo homem deve ser encontrada em sua
definição, de acordo com o filósofo. Mesmo assim, a definição deve ser exata, e se várias
definições são possíveis, deve-se tomar cuidado especial para não rejeitar nenhuma e garantir
que elas se complementem mutuamente. No que diz respeito ao objeto de nosso estudo, a
Igreja Católica, a qual este Catecismo alega basear-se, muitas definições foram propostas.

O CCC propõe três: Povo de Deus, Corpo de Cristo, Templo do Espírito Santo (781), e parece
colocá-los em pé de igualdade. Juntamente com o Concílio, o Catecismo optou, de fato, pela
novidade, mas não nos dirá isso. Cinquenta anos atrás, de fato, uma violenta ofensiva foi
travada contra uma definição puramente jurídica da Igreja, uma definição que tinha pelo
menos a antiga vantagem de ser exata, precisa e completa em sua esfera canônica e, o que é
mais, era páreo para a heresia luterana-calvinista! A Igreja da Contra-Reforma definiu-se como
uma sociedade perfeita, visível e hierárquica, fundada por Jesus Cristo, cujos membros todos
aderiram à mesma doutrina e submeteram-se à mesma autoridade romana, na esperança de
ganhar a vida eterna através da graça dos sacramentos.

O Papa Pio XII completou essa definição canônica com essa outra definição profundamente
dogmática, alegórica e espiritual, a do Corpo Místico de Cristo . Isso aconteceu em 29 de junho
de 1943 e foi aplaudido em todo o mundo. O equilíbrio das duas partes substanciais deste
mistério foi alcançado considerando o Espírito Santo como a Alma incriada deste corpo social e
sua hierarquia como a alma criada, totalmente dependente de Cristo, seu Fundador e Cabeça
Suprema.

Quanto à ideia do Povo de Deus , reabilitada pelo Padre Clérissac, foi muito necessária e muito
proveitosa, mas, devo dizer, “reacionária”. Pois recordou aos membros da Igreja que eles não
eram apenas almas, mas corpos também, e que sua vida espiritual também deveria santificar
sua vida social e deveria transformar suas comunidades humanas - particularmente seus
Estados e nações políticas - em mini cristandades. Por volta de 1950, toda a eclesiologia atingiu
um raro grau de perfeição, como se vê na monumental obra do Cardeal Journet, A Igreja da
Palavra Encarnada.

Tudo foi derrubado por uma campanha de denegração intolerável e anárquica. Mystici
Corporis foi impugnado sem motivo honesto, e a ordem canônica, à qual a Igreja lhe devia
devido estabilidade e fecundidade durante séculos, foi rejeitada. Quanto à noção de Povo de
44

Deus, a frase foi seqüestrada e a idéia católica por trás foi derrubada em favor de uma ideia
democrática, que atribuiu às massas fiéis o direito e a capacidade de se governar por
intermédio de uma hierarquia que ficou atenta a eles em tudo o que dizia respeito à fé, à lei e
à vida cotidiana da Igreja.

Esta ideia prevaleceu no Concílio e também encontrou seu caminho neste Catecismo. Trata-se
de uma visão parcial e unilateral do “Povo de Deus”, no qual o Espírito Santo é sua força
invisível e, portanto, inverificável, animando e inspirando continuamente todos e cada um dos
fiéis, leigos, religiosos ou hierarquias, em direção à modernidade, formas de pensamento,
desejo e ação. Mas está muito distante da realidade instituída por Cristo e mantida na Igreja
Romana.

A novidade é populista e carismática. A estrutura da pirâmide é derrubada - para usar a


expressão do Cardeal Suenens - em prol de uma atmosfera de liberdade, igualdade, serviço e
fraternidade, para o advento da “civilização do amor” anunciada pelo Papa Paulo VI.

As instituições tradicionais, no entanto, ainda estão no lugar, dando uma aparência de


coerência, uma estrutura e uma espinha a este pedaço de carne - desarticulada, desconsolada,
enervada e flácida - que é pomposamente chamada de Povo de Deus, e que eu só posso
entender e referir-se como um povo de deuses.

Entremos nessa novidade conciliar na qual nosso Catecismo nos mergulha. O cisma e a heresia
aparecem em todas as páginas, sob a influência deste mesmo espírito desenfreado e
engenhoso, que, como acabamos de mostrar, é a imitação diabólica do Espírito Santo que
Jesus Cristo soprou em Sua Igreja para capacitá-la a realizar Suas obras, e assim dar muito
fruto.

ARGUMENTO

A IGREJA, UM POVO QUE DEUS REÚNE DO MUNDO INTEIRO

752. Na linguagem cristã, a palavra “Igreja” designa a assembléia litúrgica, mas também a
comunidade local ou a comunidade universal de todos os crentes. Esses três significados são
de fato inseparáveis. “A Igreja” é o povo que Deus reúne de todo o mundo. Ela existe nas
comunidades locais e toma forma como uma assembléia litúrgica, acima de tudo eucarística.
Ela tira sua vida da Palavra e Corpo de Cristo e, assim, ela mesma se torna o Corpo de Cristo.

“A IGREJA É O POVO QUE DEUS REALIZA DE TODO O MUNDO.  Que, em seu estado puro, é a
fantasia de Lutero, de Lammenais e Teilhard: é a nova gnose, a absoluta heresia de uma
teodemocracia, onde supõe-se que o "único" Deus e os povos do mundo sejam
milagrosamente unidos diante de quaisquer instituições visíveis, sacramentos ou
conhecimento de Jesus Cristo!

Agora, tão logo foi inventado, esta utopia inexistente recebe uma função mundial:

A IGREJA, SACRAMENTO UNIVERSAL DA SALVAÇÃO

776. Como sacramento, a Igreja é o instrumento de Cristo. “Em suas mãos, ela é o instrumento
da Redenção de todos os homens”, “o sacramento universal da salvação”, por meio do qual
Cristo “manifesta e atualiza o amor de Deus pela humanidade”. Ela é “o plano visível do amor
de Deus pela humanidade”, porque Deus deseja “que toda a raça humana constitua um único
povo de Deus, se una no único Corpo de Cristo e seja edificada em um único templo do Espírito
Santo."
45

Assim, um sonho é edificado em outro: como criação contínua do Uno e do Deus invisível, esta
comunidade deve ser um sinal “da união íntima dos homens e de Deus” e um sacramento, ou
meio eficaz para reconstituir “a unidade do ser humano” corrida. (775).

Tudo é feito, ou continua a ser feito, de uma maneira totalmente misteriosa e espontânea:

780. Neste mundo a Igreja é o sacramento da salvação, o sinal e o instrumento da comunhão


que existe entre Deus e os homens.

Isso é rápido demais! É uma sorte que por trás dessa fantástica ficção resta (ainda!) A velha
instituição eclesiástica a perpetuar o verdadeiro substrato: aqueles 900 milhões de católicos
batizados mantidos em unidade católica por sua hierarquia, governada pelo próprio Papa!

Um passo adiante nessa ficção - considerado como um plano e programa de desenvolvimento


para a religião mundial - e nós temos isto:

A IGREJA - POVO DE DEUS REUNIDO NO ESPÍRITO

781. “Na verdade, em todas as épocas e em todas as nações, Deus achou aceitável qualquer
um que o tema e pratique a justiça. No entanto, agradou a Deus que os homens não recebam
a santificação e a salvação como indivíduos separados, independentemente de seus
relacionamentos uns com os outros; pelo contrário, queria fazer deles um povo que o
conhecesse segundo a verdade e que o servisse em santidade. É por isso que Ele escolheu o
povo de Israel para ser seu povo, formou um pacto com eles e gradualmente os instruiu (...).
Tudo isso, no entanto, foi apenas uma preparação e uma figura do Novo e perfeito Convênio a
ser concluído em Cristo (...). É a Nova Aliança em Seu sangue, que convida um povo, formado
por judeus e pagãos, a unir-se em unidade não da carne, mas do Espírito. "

Observe a contradição interna entre essa ficção - apresentada como dogma principal - das
“Pessoas que Deus reúne de todo o mundo” e a realidade com a qual ela é identificada, o
“povo de Israel”, que se coloca contra todos os outros povos, fazendo uso liberal da espada!
Então, em um limite, nos é apresentado o fato consumado de “um povo chamado no Espírito,
composto de judeus e pagãos”!

De acordo com essa retrospectiva idealista, sempre existiu um aglomerado “de todas as
nações, de todas as tribos e povos e línguas” (775), não tendo outra origem senão “Deus”, “o
Espírito de Deus” - invisível! - e nenhum outro fim senão a restauração nEle e com Ele da
unidade primitiva da raça humana. É o sonho de um retorno ao Paraíso terrestre, inspirado por
sentimentos nobres.

De qualquer forma, a realidade subjacente desta ficção era antigamente o povo de Israel - que
ainda existe! - e depois a Igreja Católica, ambas realidades inegáveis, sem contar as outras
religiões, igrejas e inúmeras seitas. Nosso Catecismo, que não é de Israel, mas afirma ser da
Igreja Católica - onde venderá milhões de cópias! - identifica arbitrariamente este “povo que
Deus reúne de todo o mundo”, seu sonho, com esta Igreja onde se vende tão bem. Mas por
que uma religião e não outra?

A IGREJA CATÓLICA… ENQUANTO ESPERAMOS POR ALGO MELHOR!

816. “A única Igreja de Cristo é aquela que nosso Salvador, depois de sua ressurreição, confiou
à solicitude pastoral de Pedro, encarregando-o e aos outros apóstolos de estendê-la e
governá-la (…). Esta Igreja, constituída e organizada no mundo como sociedade, realiza-se na
46

(subsistit in) Igreja Católica, governada pelo sucessor de Pedro e pelos bispos em comunhão
com ele. ”…

Essa é realmente a nossa fé. Mas por que essa expressão bizarra: "subsistir em"? “Esta Igreja é
realizada na Igreja Católica”? O que isso esconde? Que truque é esse, que intenção perversa?
Aprenderemos do que se segue: A Igreja de ontem, “segundo a nossa fé”, é a única Igreja
verdadeira e perfeita. Mas não é o todo do “povo de Deus”! Há também "crentes" em outros
lugares a quem Deus "reúne"

816. (continuação) O Decreto sobre o Ecumenismo do Concílio Vaticano Segundo explica:


“Porque é somente através da Igreja Católica de Cristo, que é o “meio universal de salvação”,
que a plenitude dos meios de salvação pode ser obtida. De acordo com nossa fé, foi somente
ao colégio apostólico, do qual Pedro é a cabeça, que Nosso Senhor confiou todas as bênçãos
da Nova Aliança, a fim de estabelecer na Terra o único Corpo de Cristo no qual todos deveriam
ser plenamente incorporados que já pertencem de alguma forma ao povo de Deus.”

Deveriam estas últimas palavras ser tomadas para se referir àquelas almas honestas e sinceras
espalhadas pelo mundo que, embora nascidas em tantas falsas religiões, são predestinadas e
amadas por nosso Pai celestial, que somente conhece sua fé e virtudes - almas que
“pertencem invisivelmente a Igreja visível”, como o cardeal Journet escreveu tão bem, e quem
correria em direção a ela, se, felizmente, eles encontrassem evidências de sua existência ...?
Não, o CCC parece muito mais longe e muito mais amplamente do que isso. Antes de ir para o
inimigo, no entanto, primeiro mostra um toque de coração:

820. “Cristo concedeu unidade na Sua Igreja desde o princípio. Acreditamos que esta unidade
subsiste na Igreja Católica como algo que ela nunca pode perder, e esperamos que continue
aumentando dia a dia até o fim dos tempos. ”…

Depois disso, a esperança de ver o mundo inteiro convertido à Santa Igreja Católica
abandonou o CCC, e é então, como Judas, que ele decidiu trair sua antiga fidelidade, sua fé em
Jesus Cristo, e abandonar-se ao seu sonho gnóstico uma nova igreja de acordo com o Espírito.
Tudo o que foi necessário foi um pequeno compromisso e um reconhecimento de que a
bondade divina é encontrada em toda parte, pois o Espírito respira em toda parte. Com um
toque de ingenuidade e boa dose de má fé, tudo pode ser alcançado!

QUEM PERTENCE À IGREJA CATÓLICA?

836. “Todos os homens são chamados à unidade católica do povo de Deus ... E a esta unidade,
de diferentes maneiras, pertence ou é ordenada: os fiéis católicos, depois outros que também
têm fé em Cristo e, finalmente, todos os homens, sem exceção, desde que a graça de Deus os
chama para a salvação. "

Não poderia ser mais confusa: alguns pertencem à Igreja, outros são chamados a ela e,
finalmente, todos, de diferentes maneiras e em diferentes graus, estão envolvidos,
interessados ou preocupados ...! Todos são chamados por Deus para a salvação!

PARA OS CRISTÃOS, A UNIÃO JÁ ESTÁ EM ANDAMENTO

838. “A Igreja reconhece que, por várias razões, está unida a todos os que são batizados e que
levam o nobre nome de cristão sem, contudo, professar a plenitude da fé ou preservar a
unidade de comunhão com o sucessor de Pedro. “Aqueles que creem em Cristo e que
receberam validamente o batismo, são colocados em uma certa comunhão, embora
47

imperfeita, com a Igreja Católica. “Com as Igrejas Ortodoxas, esta comunhão é tão profunda“
que falta muito pouco para que seja alcançada a plenitude que autorizaria uma celebração
comum da Eucaristia do Senhor”.

MAS O ESPÍRITO SOPRA PARA OS OUTROS TAMBÉM

839. “Quanto àqueles que ainda não receberam o Evangelho, eles também, sob diferentes
formas, estão relacionados com o povo de Deus”:

E acima de tudo os judeus, nossos “irmãos mais velhos”:

Relação da Igreja com o povo judeu. A Igreja, povo de Deus na nova aliança, descobre, ao
examinar seu próprio mistério, sua ligação com o povo judeu, “os primeiros a ouvir a Palavra
de Deus”. Ao contrário das outras religiões não-cristãs, a fé judaica já é uma resposta à
revelação de Deus na Antiga Aliança. Para o povo judeu “pertencem a filiação, a glória, os
convênios, a lei, o culto e as promessas; para eles pertencem os patriarcas, e de sua raça, de
acordo com a carne, é o Cristo ” (Rm 9.4-5), pois “os dons e o chamado de Deus são
irrevogáveis” (Rm 11.29).

840. Além disso, se considerarmos o futuro, vemos que o Povo de Deus da Antiga Aliança e o
novo Povo de Deus tendem para objetivos semelhantes: a expectativa da vinda (ou retorno) do
Messias. Um lado aguarda o retorno do Messias que morreu e ressuscitou dos mortos e que é
reconhecido como Senhor e Filho de Deus; o outro lado aguarda a chegada no final dos
tempos de um Messias cujas características ainda estão ocultas, uma expectativa
acompanhada pelo drama de não saber ou de entender mal a Cristo Jesus.

Os muçulmanos também pertencem praticamente à Igreja, mesmo que não estejam (ainda)
conscientes disso. Eles também não obedecem à vontade do Deus Uno que reúne Seu povo de
todo o mundo?

841. A Igreja e as relações com os muçulmanos. “O plano de salvação também inclui aqueles
que reconhecem o Criador, em primeiro lugar entre os quais estão os muçulmanos, que
professam a fé de Abraão e que, junto conosco, adoram o único Deus misericordioso, o juiz da
humanidade no último dia."

Quanto mais se afasta da Igreja, e mesmo de Jesus Cristo, mais fácil se torna simplificar as
coisas e descobrir o Espírito de Deus em ação, proporcionando a salvação a cada uma de Suas
criaturas:

842. A conexão da Igreja com as religiões não-cristãs é primariamente da origem e destino


comuns da raça humana:

Todos os povos, de fato, formam uma única comunidade e têm uma única origem, já que Deus
fez toda a raça humana habitar a face da terra. Eles também têm um único destino, Deus, cuja
providência, bondade evidente e projetos salvadores se estendem a todos, até que os eleitos
estejam reunidos na cidade santa. (Nostra Aetate 1)

Quem em 1950 teria imaginado que Roma um dia promulgaria um Catecismo onde a Igreja
ousaria prostituir-se a todo povo, religião e irreligião, pagando a seus amantes - como Ezequiel
corretamente profetizou - que vêm de todas as partes do mundo, para acariciar e moldar com
suas idolatras vil e dementes!
48

Onde está o adágio da nossa antiga fé romana “Fora da Igreja, não há salvação”? O CCC
responde:

846. Como devemos entender esta afirmação, frequentemente repetida pelos Padres da
Igreja? Formulado de maneira positiva, significa que toda salvação vem de Cristo, a Cabeça,
através da Igreja que é Seu Corpo:

Baseando-se na Sagrada Escritura e Tradição, o Concílio ensina que esta Igreja, uma peregrina
agora na terra, é necessária para a salvação. De fato, somente Cristo é o mediador e o caminho
da salvação, e Ele se torna presente em Seu Corpo, a Igreja. Ao ensinar-nos a necessidade da fé
e do Baptismo, Cristo confirmou ao mesmo tempo a necessidade da própria Igreja, pela qual
os homens entram pela porta do Batismo. É por isso que aqueles que se recusam a entrar na
Igreja Católica ou a perseverar nela, sabendo que ela foi fundada por Deus por meio de Jesus
Cristo como necessário, podem não ser salvos. (LG 16)

847. Esta afirmação não é dirigida àqueles que, sem culpa própria, não conhecem a Cristo e a
Sua Igreja:

De fato, aqueles que, sem culpa própria, não conhecem o Evangelho de Cristo e Sua Igreja,
ainda buscam a Deus com um coração sincero e, sob a influência da graça, lutam em suas
ações para cumprir Sua vontade como revelada e ditada a eles por sua consciência - estes
também podem alcançar a salvação eterna. (LG 16)

848. “Embora, por caminhos conhecidos apenas por si mesmo, Deus possa conduzir aqueles
que, sem culpa própria, ignoram o Evangelho, a fé - 'sem a qual é impossível agradar a Deus'
(Hb 11,6) - a Igreja ainda tem o dever, bem como o direito sagrado de evangelizar ”todos os
homens”.

Vaidoso, mentindo e acomodando palavras. Exatamente como a seção seguinte, lidando com o
mandato missionário da Igreja com a mesma intenção enganosa. Por trás das palavras que
expressam nossa fé católica, forma-se a gnose de um universalismo do Espírito,
eminentemente teilhardiano e, ouso dizer, também wojtyliano, pois são as próprias palavras
do papa:

MISSÃO, UMA EXIGÊNCIA DA CATOLICIDADE DA IGREJA

849. O mandato missionário. “Tendo sido enviada por Deus às nações para que ele seja o
sacramento universal da salvação, a Igreja, através das exigências inerentes à sua própria
catolicidade e em obediência ao comando do seu Fundador, esforça-se por estender a
pregação do Evangelho a todos os homens”:“Portanto, vão e façam discípulos de todas as
nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a observar
tudo o que eu lhes ordenei; e eis que estou com você sempre, até o fim da era.” (Mt 28.19-20)

Tudo isso é muito bom, mas e se o sal perder o sabor?

854. Por sua própria missão, “a Igreja viaja pelo mesmo caminho que toda a humanidade e
compartilha o mesmo destino terrestre que o mundo; ela é como o fermento e, por assim
dizer, a alma da sociedade humana chamada a ser renovada em Cristo e transformada na
família de Deus”. O esforço missionário, portanto, exige paciência. Começa por anunciar o
Evangelho aos povos e aos grupos que ainda não acreditam em Cristo; continua estabelecendo
comunidades cristãs que são “sinais da presença de Deus no mundo” e fundando igrejas locais;
institui um processo de inculturação para encarnar o Evangelho nas culturas dos povos; e
49

também experimentará falhas. “No que diz respeito aos indivíduos, grupos humanos e povos,
é somente aos poucos que a Igreja os toca e penetra, e assim os assume na plenitude católica"

Com toda essa paciência, a pessoa começa a ter dúvidas sobre um resultado tão incerto e
resolve, em vez disso, consolidar todos em seu próprio sistema de crenças. Isto supostamente
leva à felicidade dos homens neste mundo e no próximo, em uma comunhão com um e o
mesmo Espírito divino, que é adorado sob diferentes formas:

856. A tarefa missionária implica um diálogo respeitoso com aqueles que ainda não aceitam o
Evangelho. Os próprios crentes podem lucrar com esse diálogo adquirindo um melhor
conhecimento dos “elementos de verdade e graça que já são encontrados entre as nações,
como se por uma presença secreta de Deus”. Se anunciam a Boa Nova àqueles que não a
conhecem, é para consolidar, completar e elevar a verdade e a bondade que Deus distribuiu
entre os homens e as nações e purificá-los do erro e do mal “para a glória de Deus”, a
confusão do diabo e a felicidade do homem ”.

… Com o que será salgado novamente?

752. "A Igreja" é o povo que Deus reúne de todo o mundo ...

Uma definição lamentável em um Catecismo por renegados que não têm outra Igreja senão o
Mundo de Satanás.

ANATHEMAS

I. Se alguém disser inaceitável as palavras de Jesus Cristo relatadas por São Marcos: “Quem
crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado ”(Mc 16,16), seja anátema.

II. Se alguém disser que a Igreja "subsiste" na Igreja Católica Romana, significando assim que as
pessoas dos justos reunidos pelo Espírito formam uma comunidade ideal mais vasta,
conhecida apenas por Deus e considerada por Ele como Sua, seja anátema.

III. Se alguém disser que as comunidades cismáticas, heréticas ou excomungadas continuam a


ser meios adequados de salvação por causa das riquezas cristãs que preservam, apesar do
vício fundamental que as coloca contra a Igreja de Jesus Cristo, seja anátema.

IV. Se alguém disser que os sacramentos recebidos em heresia e cisma são suficientes para
assegurar a união de pessoas e comunidades dissidentes com a única Igreja, seja anátema.

V. Se alguém reconhece a religião Talmúdica como o verdadeiro herdeiro da Aliança Mosaica,


esperando pelo Messias prometido que supostamente é mantido em reserva para isso, seja
anátema.

VI. Se alguém disser que o Deus Único dos Judeus e dos Muçulmanos é o mesmo que o Deus
cristão, insultando assim o Pai, o Filho e o Espírito Santo em sua Santíssima e consubstancial
Trindade, seja anátema.

VII. Se alguém se atreve positivamente a afirmar, no que diz respeito às almas ou multidões
que vivem ou viveram fora da Igreja desde o tempo de Cristo, que eles estão em estado de
graça aqui ou estão no céu com Deus, invadindo assim os segredos da predestinação divina,
seja anátema.

VIII. Se alguém disser que o Espírito Santo trabalha para reunir a raça humana e uni-la a Deus
fora de Jesus Cristo e Sua Igreja, seja anátema
50

OITAVA HERESIA

Erro do sacerdócio comum - a antítese do sacerdócio hierárquico.

Teodemocracia se opõe a Cristo, soberano sacerdote e rei.

ARGUMENTO

Com um milagre do Espírito Santo de Jesus Cristo, esse catecismo poderia livrar-se de suas
invenções grotescas - que são heréticas, cismáticas, blasfemas e escandalosas - que alegria
seria! Como é aqui, quando se trata da constituição humana, visível e hierárquica da Igreja.
Quão direto tudo pode ser! Testemunhe o sabor suave deste néctar:

A CONSTITUIÇÃO HIERÁRQUICA DA IGREJA

874. Cristo é Ele mesmo a fonte do ministério na Igreja. Ele instituiu e deu autoridade, missão,
orientação e propósito.

875. “Como eles acreditarão n'Ele de quem eles nunca ouviram? E como eles ouvem sem um
pregador? E como os homens podem pregar a menos que sejam enviados? ” (Rom 10.14-15).
Ninguém, nenhum indivíduo ou comunidade, pode proclamar o Evangelho para si mesmo. “A
fé vem do que é ouvido.” (Rom 10.17). Ninguém pode dar a si mesmo o mandato e a missão
de proclamar o Evangelho. Aquele que é enviado pelo Senhor fala e age não em seu próprio
nome e autoridade, mas em virtude da autoridade de Cristo; não como membro da
comunidade, mas falando em nome de Cristo. Ninguém pode conceder graça a si mesmo; deve
ser dado e oferecido. Este fato pressupõe ministros da graça, autorizados e empoderados em
nome de Cristo. É Dele que eles recebem a missão e a faculdade (o “poder sagrado”) de agir in
persona Christi Capitis. Este ministério, no qual aqueles enviados por Cristo agem e dão, pelo
dom de Deus, o que eles não podem fazer e dar por seus próprios poderes, é chamado de
“sacramento” na tradição da Igreja. O ministério da Igreja é conferido por um sacramento
especial, o sacramento da Ordem.

Lá, temos algo essencial, esclarecedor, acessível a todos e verdadeiramente admirável. Eu


passarei sobre as concessões às modas atuais: a obsessão em protestar que todo ministério na
Igreja tem um “caráter de serviço”, obrigando bispos e sacerdotes a se tornarem “escravos de
Cristo” - estou muito feliz com isso! - e, portanto, "escravos livres de todos" - e estou até feliz
com isso ... mas não com seus empregados domésticos, por favor! (876), E depois há a
obsessão com a "colegialidade" (877).

Neste capítulo maravilhosamente harmonioso e reconfortante, somos informados sobre o


Papa e os bispos, sobre o seu triplo poder divino de ensinar, santificar e governar o rebanho
dos fiéis (880, sq). É refrescante…

Ai, depois dessa visão de uma hierarquia sagrada agindo "na Pessoa de Cristo, a Cabeça",
somos mergulhados de volta na obsessão do catecismo de pesadelo com os esplendores e
privilégios dos fiéis de base. E isso ocupa várias páginas de extremismo crescente e obsessivo,
eventualmente tornando os leigos iguais à Hierarquia em seus poderes e dignidade, exaltando-
os acima da parte mais sagrada do rebanho, os religiosos, que são tratados com desdém!

OS FIÉIS LEIGOS

897. “O termo leigos é aqui entendido como significando todos os cristãos, exceto aqueles
membros que estão na Ordem Sagrada ou em um estado religioso aprovado pela Igreja. Inclui
51

todos os cristãos que, tendo sido incorporados em Cristo pelo Baptismo, integrados no Povo
de Deus e destinados a partilhar à sua maneira o ofício sacerdotal, profético e real de Cristo,
exercem individualmente na Igreja e no mundo a missão que é a de todo o povo cristão."

Pessoas de reis, pessoas de sacerdotes, pessoas de profetas!

898. “A vocação própria dos leigos consiste em buscar o reino de Deus precisamente por meio
da gestão dos assuntos temporais, que eles ordenam segundo Deus ... Cabe a eles, de modo
especial, iluminar e dirigir todas as realidades temporais com as quais eles estão intimamente
envolvidos, para que possam sempre ser efetuados e prosperar de acordo com Cristo e para o
louvor do Criador e Redentor. "

Além da natureza túrgida de sua linguagem, o que é tão raro nisso? É realmente tudo o que
real, profético e sacerdotal! É o simples dever de estado, informado por virtudes humildes e
ocultas. Mas aqui, infelizmente, é a peça principal, tirada de um discurso de Pio XII,
pronunciado na euforia de 1946.

899.… Os fiéis leigos encontram-se na linha da frente da vida da Igreja; através deles, a Igreja é
o princípio vital da sociedade. É por isso que eles, em particular, devem ter uma consciência
cada vez mais clara de não pertencer apenas à Igreja, mas de ser a Igreja, isto é, a comunidade
dos fiéis na terra sob a direção do Chefe comum, do Papa e dos bispos, em comunhão com ele.
Eles são a igreja.

Um texto terrível! Soa como aqueles autocratas Leão XIII e Pio XI, colocando a população do
seu lado através do maior desprezo pela infantaria da Igreja, os párocos, os curas e os heróis
da Igreja, os homens e mulheres religiosos envolvidos em mil tarefas, pregando, trabalhando
como missionários, sofrendo e morrendo! Que revolução de orgulho emergiu daquela teoria
da ação católica do “meio pelo meio”. Envolvia o orgulho dos papas, o orgulho dos ativistas e
seus capelães; foi um desastre para paróquias, colégios, sociedades, terceiras ordens, missões.

Mas deixemos esses grotescos incitamentos aos leigos, feitos em nome de suas funções reais e
proféticas. Concentremo-nos em denunciar o orgulho satânico com o qual os leigos foram
ensoberbados e essa teoria desordenada de um “sacerdócio” dado a todos gratuitamente por
Deus. Escute isso:

A PARTICIPAÇÃO DOS LEIGOS NO GABINETE SACERDOTAL DE CRISTO

901. “Os leigos, em virtude de sua consagração a Cristo e à unção do Espírito Santo, recebem
uma vocação admirável e os meios para permitir que o Espírito produza neles frutos cada vez
mais abundantes. De fato, todas as suas atividades, suas orações e seus empreendimentos
apostólicos, sua vida conjugal e familiar, suas tarefas diárias, suas recriações de mente e corpo,
se vividas no Espírito de Deus, e mesmo as provações da vida [!] suportadas pacientemente,
todos se tornam “uma oferta espiritual, aceitável a Deus por meio de Jesus Cristo” (1 Pd 2.5).;
e na celebração eucarística essas ofertas unem-se à oblação do Corpo do Senhor para serem
oferecidas em piedade ao Pai. Assim, os leigos consagram o próprio mundo a Deus, pela
santidade de suas vidas oferecendo em toda parte a Deus um culto de adoração."

É assim que o edifício estabelecido por Jesus Cristo é derrubado para ser substituído por uma
nova esfera de atividades fora, ou melhor, das obras sobrenaturais do clero e dos religiosos.
Esta esfera de atividades puramente mundanas e naturais é supostamente sobrenatural em
virtude do "sacerdócio comum" inventado, que não é outro senão uma rajada de vaidade e um
anticristo derrubando a ordem católica.
52

O QUE É ESSE SUPOSTO "SACERDÓCIO COMUM"?

Esta teoria absurda, baseada em algumas passagens mal compreendidas da Sagrada Escritura,
começa com um desdém - como já indiquei - por Jesus Cristo, o Soberano Sacerdote, dando
preferência a um alegado Espírito Santo, que não é outro senão um Espírito da Escuridão.

Começa com esta ideia modernista de que Jesus, um homem como outro qualquer, foi
consagrado pela unção do Espírito para a Sua missão de salvação. Leia este absurdo.

436.… O Messias tinha que ser ungido pelo Espírito do Senhor tanto como rei e sacerdote
quanto como profeta. Jesus cumpriu a esperança messiânica de Israel em seu tríplice ofício de
sacerdote, profeta e rei.

Como Filho de Deus, o próprio Deus, Jesus não precisava de consagração por ninguém, nem
mesmo pelo Espírito Santo, para ser o Messias, o Sacerdote, o Rei e o Profeta sobre tudo e
todos. Consequentemente, seguindo a vontade de Seu Pai e na unidade do Espírito Santo, Ele
escolherá Seus discípulos, os designará para ser Seus Apóstolos, e lhes conferirá uma parte de
Seu poder para fundar a Igreja, governá-la, instruir e santificá-la. Esta Hierarquia, este
Sacerdócio, vem de Jesus, o Homem de Deus, e somente d’Ele, para formar a Ordem
sacramental ... que é admiravelmente tratada no capítulo sobre o sacramento da ordem (1536,
sq).

Em oposição a este teocratismo sacerdotal, o democratismo trabalhou na opinião leiga,


através de Lutero, Calvino e outros anticlericais, anti-romanos e anticristos revolucionários,
para nos persuadir a todos que, como Jesus de Nazaré recebeu o Espírito no dia do Seu
batismo e Sua missão como Salvador do mundo através de Sua unção sacerdotal, real e
profética, todo cristão é feito irmão de Cristo através de sua fé e batismo, e encontra-se, sem
nenhum esforço particular ou compromisso religioso, investido com o mesmo sacerdócio,
reinado e profecia como Jesus Cristo e exatamente como Ele! Pois o Espírito sopra sobre todos
hoje como um furacão, sem saber de onde vem ou para onde Ele nos guiará ...

1268. Os batizados se tornaram “pedras vivas para serem construídas em uma casa espiritual,
para ser um santo sacerdócio” (1 Pd 2.5). Pelo batismo eles participam do sacerdócio de Cristo,
em Sua missão profética e real. Eles são “uma raça escolhida, um sacerdócio real, uma nação
santa, o povo de Deus, para que eles possam declarar as maravilhosas ações daquele que os
chamou das trevas para sua maravilhosa luz” (1 Pd 2,9). O batismo dá uma parte no sacerdócio
comum dos fiéis.

Enfatizada no texto como um dogma, esta última proposição é baseada em nada, nenhuma
autoridade conciliar e nenhuma tradição, a menos que seja de Lutero ou Calvino ... ou do
Vaticano II!

Aqui, então, temos este “povo sacerdotal” (63) - como a raça escolhida ainda afirma ser hoje -
subitamente levantada em autoridade e santidade acima de tudo:

1273.… O selo batismal capacita e compromete os cristãos a servir a Deus através de uma
participação vital na sagrada liturgia da Igreja e a exercer seu sacerdócio batismal através do
testemunho de uma vida santa e de uma caridade efetiva [ LG, é claro ].

1322.… Aqueles que foram elevados à dignidade do sacerdócio real pelo Baptismo, e
configurados mais profundamente a Cristo pela Confirmação, participam com toda a
comunidade no sacrifício do próprio Senhor por meio da Eucaristia.
53

A terceira propriedade ultrapassa a segunda ordem e em breve subjugará a primeira:

FIEL DE CRISTO: HIERARQUIA, LAICIDADE E VIDA CONSAGRADA

871. “Os fiéis de Cristo são aqueles que, na medida em que foram incorporados em Cristo pelo
Batismo, foram constituídos como o Povo de Deus. Por esta razão, eles compartilham, à sua
maneira, o ofício sacerdotal, profético e real de Cristo e são chamados a exercitar, cada um de
acordo com sua própria condição, a missão que Deus confiou à Igreja para cumprir no mundo"

Clero, religiosos e leigos, todos em um nível de atração!

872. “Por causa de sua regeneração em Cristo, existe entre todos os fiéis de Cristo uma
verdadeira igualdade de dignidade e atividade, em virtude da qual todos cooperam na
construção do Corpo de Cristo, cada um de acordo com sua própria função e condição"

Mas aqui os leigos são promovidos e os religiosos relegados:

873. As próprias diferenças que o Senhor deseja colocar entre os membros do Seu Corpo
servem à sua unidade e missão. Pois “há na Igreja uma diversidade de ministérios, mas uma
unidade de missão. Cristo confiou os apóstolos e seus sucessores ao ofício de ensinar,
santificar e governar em Seu nome e por Seu poder. Mas os leigos são feitos para participar do
ofício sacerdotal, real e profético de Cristo e, assim, assumir na Igreja e no mundo sua
participação naquilo que é a missão de todo o povo de Deus. “Finalmente, existem“ membros
dos fiéis que pertencem a uma ou outra categoria (hierarquia ou leigos) e que, por
professarem os conselhos evangélicos (…), são consagrados a Deus e cooperam, de maneira
especial, na missão salvífica da Igreja”.

FINALMENTE, OS LEIGOS CARREGAM TUDO DIANTE DELES, COMO PESSOAS SOBERANAS

Incrível, mas é verdade! A Hierarquia domesticada:

1546. Cristo, o sumo sacerdote e único mediador, fez da Igreja “um reino de sacerdotes para o
seu Deus e Pai” (Ap 1.6) . Como tal, toda a comunidade de crentes é sacerdotal. Os fiéis
exercem seu sacerdócio batismal através de sua participação, cada um de acordo com sua
própria vocação, na missão de Cristo como Sacerdote, Profeta e Rei. É através dos
sacramentos do Baptismo e da Confirmação que os fiéis são “consagrados para ser (…) um
santo sacerdócio”.

1547. O sacerdócio ministerial ou hierárquico de bispos e presbíteros e o sacerdócio comum


de todos os fiéis, embora “cada um compartilhe à sua maneira o mesmo sacerdócio de Cristo”,
são essencialmente diferentes, ao mesmo tempo em que “são ordenados um ao outro”. " Em
que sentido? Enquanto o sacerdócio comum dos fiéis é exercido pelo desdobramento da graça
batismal - vida de fé, esperança e caridade, vida segundo o Espírito -, o sacerdócio ministerial
está a serviço do sacerdócio comum. Está dirigido para o desdobramento da graça batismal de
todos os cristãos. É um dos meios pelos quais Cristo constrói incessantemente e conduz a Sua
Igreja. É por isso que é transmitido por um sacramento adequado, o sacramento da Ordem.

1591. Toda a Igreja é um povo sacerdotal. Por meio do batismo, todos os fiéis participam do
sacerdócio de Cristo. Esta participação é chamada de “sacerdócio comum dos fiéis”. Com base
nesse sacerdócio comum e em seu serviço, existe outra participação na missão de Cristo: a do
ministério conferido pelo sacramento da Ordem, que tem a tarefa de servir a comunidade em
nome e pessoa de Cristo, o Cabeça.
54

1592. O sacerdócio ministerial difere em essência do sacerdócio comum dos fiéis porque
confere um poder sagrado para o serviço dos fiéis. Os ministros ordenados exercem seu
serviço para o povo de Deus ensinando ( munus docendi ), adoração divina (munus liturgicum)
e direção pastoral ( munus regendi ).

ANÁTEMA

I. Se alguém disser que o sacramento da ordem é uma criação da Igreja e não divinamente
instituído por Cristo, seja anátema.

II. Se alguém disser que o sacerdócio somente dá autoridade e poder àqueles que foram
ordenados se foram escolhidos para serem ministros pelo povo, seja anátema.

III. Se alguém afirma que o sacerdócio comum dos fiéis é uma instituição democrática da Igreja
primitiva, há muito tempo suprimida pela hierarquia episcopal, que agora é obrigada a
restaurá-la neste século, seja anátema.

NONA HERESIA

A apostasia de um culto anticristo do homem, baseado no repúdio do Coração e da Cruz de


Jesus.

DE NECTAR E VENENO

Todos os povos são convidados a beber das duas xícaras da grande prostituta do Apocalipse
(17.4). Cuidado! Um está cheio do veneno de toda a sujeira de sua prostituição, o outro com o
puro néctar de Jesus Cristo, cristalino, doce, santificante e inebriante com o amor castíssimo
de Sua Cruz e Sua Glória. Você, o predestinado do amor e da graça do Pai Todo-Poderoso,
pode saber discernir o tesouro da revelação de Cristo e a graça de seu Espírito Santo do
veneno da idolatria do homem pelo homem, de sua imundície e seus crimes contra Cristo e
contra seus servos fiéis.

O NECTAR CATÓLICO

“Vida em Cristo”

1691. “Seja consciente, cristão, da sua dignidade. Agora que você compartilha da natureza
divina, não retorne à sua antiga condição de base levando uma vida corrupta. Lembre-se de
quem é o corpo do qual você é membro e quem é o seu chefe. Nunca se esqueça de que foi Ele
quem te libertou dos poderes das trevas e te transferiu para a luz do Reino de Deus. ” (São
Leão, o Grande)

1692. O símbolo da fé confessa a grandeza dos dons de Deus ao homem em sua obra de
criação, e ainda mais na redenção do homem e em sua santificação. Aquilo que é confessado
pela fé, é comunicado pelos sacramentos: pelos sacramentos do renascimento, os cristãos
tornaram-se “filhos de Deus” (Jo 1,12; 1Jo 3,1), “participantes da natureza divina” (2Pd 1,4). Ao
reconhecer a nova dignidade que a fé lhes deu, os cristãos são chamados a levar adiante uma
vida “digna do Evangelho de Cristo” (Fl 1.27). Eles são feitos capazes de fazê-lo através da
graça de Cristo e dos dons do Seu Espírito, que eles recebem através dos sacramentos e
através da oração.

1693. Cristo Jesus sempre fez o que era agradável ao Pai. Ele sempre viveu em perfeita
comunhão com ele. Da mesma forma, os seus discípulos são convidados a viver à vista do Pai,
“que vê em secreto”, a fim de se tornar “perfeito como o seu Pai celeste é perfeito” (Mt 5.47).
55

1694. Incorporados em Cristo pelo Batismo, os cristãos estão “mortos para o pecado e vivos
para Deus em Cristo Jesus” (Rom 6,11) e, assim, participam da vida do Ressuscitado. Seguindo
a Cristo e em união com Ele, os cristãos podem se esforçar para ser “imitadores de Deus como
filhos amados e andar em amor” (Ef 5.1), fazendo com que seus pensamentos, palavras e
ações se ajustem à “mente… que é sua em Cristo Jesus” (Phil 2.5) e seguindo o Seu exemplo.

1695. "Justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus" (1Cor 6,11),
"santificados ... chamados a serem santos" (1Co 1,2), os cristãos tornaram-se "o templo do
Espírito Santo".  " (cf. 1Cor 6.19) Este «Espírito do Filho» ensina-os a rezar ao Pai e, tornando-
se sua vida, fá-los comportar-se de modo a «dar o fruto do Espírito» (Gal 5.22) através da
caridade ativa. Curando as feridas do pecado, o Espírito Santo nos renova interiormente
através de uma transformação espiritual (Ef 4,23). Ele nos ilumina e nos fortalece para viver
como “filhos da luz” através de “tudo que é bom, certo e verdadeiro” (Ef 5: 8, 9).

1696. O caminho de Cristo “conduz à vida”; o caminho contrário “leva à destruição” (Mt 7.13).
A parábola evangélica dos dois caminhos permanece sempre presente na catequese da Igreja.
Ilustra a importância das decisões morais para nossa salvação. “Existem dois caminhos, o da
vida, o outro da morte; mas entre os dois, há uma grande diferença” (Didache 1,1)

NB Todas as citações contidas neste texto de doutrina perfeita são tiradas dos Santos
Evangelhos e das Epístolas do Novo Testamento, e dos ensinamentos dos Padres da Igreja.

O VENENO SATÂNICO

“A vocação do homem: a vida no Espírito”

1701. “Pela revelação do mistério do Pai e do Seu amor, Cristo revela plenamente o homem ao
homem e torna claro o seu chamado exaltado” (GS 22, 1) É em Cristo,“a imagem do Deus
invisível” (Cl 1,15) , que o homem foi criado à “imagem e semelhança” do Criador. É em Cristo,
Redentor e Salvador, que a imagem divina, desfigurada no homem pelo primeiro pecado, foi
restaurada à sua beleza original e enobrecida pela graça de Deus.

1702. A imagem divina está presente em todo homem. Ela brilha na comunhão das pessoas,
que se assemelha à união das pessoas divinas entre si.

1703. Dotada de uma alma “espiritual e imortal” (GS 14), a pessoa humana é “a única criatura
na terra que Deus desejou por si mesma” (GS 24, 3). De sua concepção, ele é destinado à
beatitude eterna.

1704. A pessoa humana compartilha da luz e poder do Espírito divino. Por sua razão, ele é
capaz de entender a ordem das coisas estabelecidas pelo Criador. Por livre arbítrio, ele é capaz
de dirigir-se ao seu verdadeiro bem. Ele encontra sua perfeição em "buscar e amar o que é
verdadeiro e bom". (GS 15, 2)

1705. Em virtude de sua alma e seus poderes espirituais de intelecto e vontade, o homem é
dotado de liberdade, um “sinal privilegiado da imagem divina” (GS 17).

1706. Por sua razão, o homem reconhece a voz de Deus, incitando-o a "fazer o que é bom e
evitar o que é mau" (GS 16). Todos estão obrigados a seguir esta lei, que ressoa na consciência
e se realiza no amor de Deus e do próximo. A prática da vida moral atesta a dignidade da
pessoa.
56

1707. “Encantado pelo Maligno, desde os primórdios da história, o homem abusou de sua
liberdade” (GS 13, 1) Ele sucumbiu à tentação e cometeu o mal. Ele ainda deseja o bem, mas
sua natureza traz a ferida do pecado original. Ele agora está inclinado ao mal e sujeito ao erro:
“O homem está dividido dentro de si mesmo. Como resultado, toda a vida humana, seja
individual ou coletiva, mostra-se uma dramática luta entre o bem e o mal, entre a luz e a
escuridão” (GS 13, 2)

1708. Por sua paixão, Cristo nos libertou de Satanás e do pecado. Ele ganhou para nós a nova
vida no Espírito Santo. Sua graça restaura o que o pecado havia estragado em nós.

1709. Aquele que acredita em Cristo se torna um filho de Deus. Esta adoção filial o transforma,
tornando-o capaz de seguir o exemplo de Cristo. Permite-lhe agir de forma correta e fazer o
que é bom. Em união com o seu Salvador, o discípulo alcança a perfeição da caridade, que é a
santidade. Tendo amadurecido na graça, a vida moral floresce para a vida eterna na glória do
céu.

NB: Com uma exceção, todas as citações contidas neste texto abominável são retiradas da
Constituição Pastoral Gaudium et Spes do Concílio Vaticano II.

ANÁTEMA

Se alguém ousa dizer que é possível um compromisso entre a verdade e o erro, ou que é
possível um entendimento entre a justiça e a maldade, entre a luz e as trevas, entre Cristo e
Belial (cf. 2Cor 6,14-15), seja anátema.

CATEQUESE CRISTÃ

1697. Na catequese, é importante revelar claramente a alegria e as exigências do caminho de


Cristo. A catequese da “nova vida” (Rm 6.4) Nele será:

1. - uma catequese do Espírito Santo, o mestre interior da vida segundo Cristo, um convidado e
amigo gentil que inspira, guia, corrige e fortalece esta vida;

2. - uma catequese da graça, pois é pela graça que somos salvos e, novamente, é pela graça
que nossas obras podem dar frutos para a vida eterna;

3. - uma catequese das bem-aventuranças, pois o caminho de Cristo é resumido nas bem-
aventuranças, o único caminho para a felicidade eterna a que o coração do homem aspira;

4. - uma catequese de pecado e perdão, pois a menos que o homem se reconheça como
pecador, não pode conhecer a verdade sobre si mesmo, que é uma condição para agir com
justiça; e sem a oferta de perdão, ele não seria capaz de suportar essa verdade;

5. - uma catequese das virtudes humanas que faz compreender a beleza e a atração das
disposições certas para o bem;

6. - uma catequese das virtudes cristãs de fé, esperança e caridade, inspirada generosamente
pelo exemplo dos santos;

7. - uma catequese do duplo mandamento da caridade estabelecido no Decálogo;

8. - uma catequese eclesial, pois é através das múltiplas trocas de “bens espirituais” na
“comunhão dos santos” que a vida cristã pode crescer, desenvolver e ser comunicada.
57

9. - O primeiro e último ponto de referência para esta catequese será sempre o próprio Jesus
Cristo, que é “o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14.6). É olhando para Ele com fé que os fiéis
de Cristo podem esperar que Ele mesmo cumpra Suas promessas neles, e que, amando-o com
o mesmo amor com que os ama, possam realizar obras de acordo com sua dignidade:

“Eu imploro que você considere que Jesus Cristo Nosso Senhor é a sua verdadeira Cabeça, e
que você é um dos Seus membros. Ele é para você como a cabeça é para seus membros; tudo
o que é dele é seu, seu espírito, seu coração, seu corpo, sua alma e todas as suas faculdades, e
você deve usá-las como coisas que são suas, para servir, louvar, amar e glorificar a Deus. Você
pertence a Ele, como membros pertencem à sua cabeça. E assim Ele deseja que você faça uso
de tudo o que está dentro de você, como se fosse Seu, para o serviço e glória de Seu Pai. ”(São
João Eudes)

“Para mim, viver é Cristo”. (Phil 1.1)

CATEQUESIA DO ORGULHO

1700. A dignidade da pessoa humana está enraizada em sua criação à imagem e semelhança
de Deus (artigo 1).

1 - Este é o primeiro artigo do Credo gnóstico do CCC: Deus criou livremente outro deus
semelhante a si mesmo, a quem ele chama para agir por si mesmo e por si mesmo, em total
liberdade.

2. - Esta pessoa humana se realiza em seu chamado à beatitude divina (artigo 2).

Essa beatitude não é mais a alegria na cruz que merece o Céu; é a felicidade de um deus, uma
felicidade que é desejada e buscada nesta vida, através de si e por si mesmo, egoisticamente.

3. É para o ser humano dirigir-se livremente a este cumprimento (artigo 3).

Esta é uma afirmação de completa emancipação do Criador e de todos os outros seres, exceto
a si mesmo, a fim de estabelecer-se um plano de vida e cumpri-lo usando seus próprios
recursos.

4. - Por suas ações deliberadas (artigo 4) ...

É a grandeza do homem tomar a iniciativa plena em tudo, ser ativo e não passivo, ser
consciente e responsável.

5. - ... a pessoa humana se conforma ou não ao bem prometido por Deus e atestada por sua
consciência moral (artigo 5).

O homem segue, ou não segue, as promessas (?) De Deus e as injunções de sua consciência
moral: esse é apenas o seu negócio!

6. - Os seres humanos contribuem para o seu crescimento interior; eles fazem de toda a sua
vida consciente e espiritual o material para esse crescimento (artigo 6).

Isso é claramente idolatria do eu: autolatria, autismo.

7. Com a ajuda da graça, eles crescem em virtude (artigo 7).

Ali temos uma alusão tímida ao sobrenatural; mas a graça e a virtude parecem ser o meio de
sucesso que é puramente humano.
58

8. - Eles evitam o pecado e, se o cometem, confiam a si mesmos, como o filho pródigo, à


misericórdia do Pai Celestial (artigo 8).

O pecado é simplesmente um infortúnio que vale a pena evitar, mas sempre reparável e
rapidamente reparado por Deus e pelo homem.

9. - Desta forma, eles alcançam a perfeição da caridade.

Este último ponto, sem dúvida, refere-se à lei evangélica da caridade. É impossível ver como
tal orgulho e tal egoísmo podem chegar lá.

Aqui está um aprendizado em santidade cristã ...

1. O Espírito Santo guia as almas de acordo com Jesus Cristo.

2. É uma vida dentro, através e pela graça - um movimento divino.

3. O objetivo é levar a cruz e merecer o céu.

4. Contrição somente pelo pecado permite viver constantemente na verdade e obter o perdão
de Deus.

5. É preciso aprender a praticar as virtudes naturais.

6. E também as virtudes cristãs, seguindo os santos.

7. Finalmente, fazer tudo por amor a Deus e ao próximo.

8. Em comunhão com os santos, aqueles no céu e aqueles na terra.

9. Nosso modelo único é Nosso Senhor Jesus Cristo.

… E aqui uma proclamação insolente do culto do homem.

1. O horror de contemplar o eu em si, levando à idolatria.

2. Satisfação consigo mesmo no momento presente, neste mundo.

3. Uma afirmação da liberdade de alguém, em oposição a Deus.

4. É pagão: “A alegria do homem está em suas ações"

5. É a insolência de uma autojustificação mecânica.

6. É o orgulho do homem que se faz Deus.

7. É uma confiança arrogante na ajuda de Deus.

8. E uma certeza presunçosa do Seu perdão.

9. É a pior aberração crer-se ter alcançado a santidade quando já caiu em condenação.

ANATHEMAS

I. Se alguém se atreve a dizer, escrever, ensinar, publicar e, mais seriamente, faça uso de sua
autoridade na Igreja para impor ao povo fiel e ao clero uma mistura de verdades e erros, seja
em discretos blocos justapostos de verdade e erro - demonstrando assim um ceticismo
insolente - ou inteligentemente misturado de acordo com a hipocrisia modernista denunciada
59

e solenemente condenada por São Pio X - a verdade sendo meramente apresentada para
abusar dos fiéis e do clero e lançar suas mentes em piores erros. - Que ele seja anátema.

II. Se alguém disser que o homem é o cume e o supremo fim da criação, substituindo Adão e
Eva e seus descendentes por Jesus e Maria, o verdadeiro Adão e Eva, por quem e para quem
tudo foi criado no universo, seja anátema.

III. Se alguém disser que a pessoa humana está destinada a partir de sua concepção para a vida
eterna, seja anátema.

IV. Se alguém impugnar a cruz de Cristo para defender o desenvolvimento da pessoa humana
livre, autônoma e independente, seja anátema.

V. Se alguém desdenha a graça de Cristo que disse: “Sem Mim nada podeis fazer” (Jo 15.5),
confiando na sua própria força, seja anátema.

A APOSTASIA DE UM CULTO ANTICRISTO DO HOMEM

( continuação )

ARGUMENTO

NO ARTIGO 1: O HOMEM É A IMAGEM DE DEUS

Este é o primeiro artigo do culto do homem, da fé no homem, do respeito pela sua liberdade e
pelos seus direitos: que, criado à imagem de Deus, é possuidor de uma dignidade natural
inalienável.

1702. A imagem divina está presente em todo homem. Ela brilha na comunhão das pessoas ...

1701.… o homem foi criado à “imagem e semelhança” do Criador ...

De que maneira isso é aparente?

1703. Dotada de uma alma “espiritual e imortal”, a pessoa humana é “a única criatura na terra
que Deus quis por si mesma”. De sua concepção, ele é destinado à beatitude eterna.

Deixemos esta perspectiva de beatitude eterna, que para nós é obscura e mantemos o estudo
positivo da superioridade do homem:

1704. A pessoa humana compartilha da luz e poder do Espírito divino. Por sua razão, ele é
capaz de entender a ordem das coisas estabelecidas pelo Criador. Por livre arbítrio, ele é capaz
de dirigir-se ao seu verdadeiro bem. Ele encontra sua perfeição em "buscar e amar o que é
verdadeiro e bom".

1705. Em virtude de sua alma e seus poderes espirituais de intelecto e vontade, o homem é
dotado de liberdade, um “sinal privilegiado da imagem divina”.

Não há aqui nada que exceda o estado natural do homem e de todos os homens, nada que
exija que Deus saia de sua transcendência e revele ao homem alguma dignidade, ou destino,
ou vocação que o eleva acima de sua condição humana. Mesmo quando o CCC adota um estilo
solene para nos ensinar algum mistério, ele permanece seco:

1701. “Pela revelação do mistério do Pai e do Seu amor, Cristo revela plenamente o homem ao
homem e torna claro o seu chamado exaltado. “É em Cristo“ a imagem do Deus invisível ”que
o homem foi criado à imagem e semelhança” do Criador. É em Cristo, Redentor e Salvador,
60

que a imagem divina, desfigurada no homem pelo primeiro pecado, foi restaurada à sua beleza
original e enobrecida pela graça de Deus.

Como a graça de Deus não pode ser vista, soprada ou manifestada de qualquer maneira em
todos os homens, chegamos ao ponto exato em que todos os filósofos concordam:

343. O homem é o ápice da obra da criação. A narrativa inspirada expressa isso distinguindo
claramente a criação do homem da de outras criaturas (Gn 1.26).

222. Crer em Deus, o Deus Único, e amá-lo com todo o nosso ser tem imensas consequências
para toda a nossa vida:

225. Significa conhecer a unidade e a verdadeira dignidade de todos os homens: todos são
feitos "à imagem e semelhança de Deus". (Gn 1.26)

Isso é pura doutrinação, lavagem cerebral pura! Não é uma revelação! Isso nem é verdade.

1710. “Cristo manifesta plenamente o homem para si e revela para ele a sublimidade de sua
vocação"

1711. Dotado de uma alma espiritual, com intelecto e vontade, a pessoa humana é desde sua
própria concepção ordenada a Deus e destinada à beatitude eterna. Ele persegue sua
perfeição em “buscar e amar o que é verdadeiro e bom"

Além da promessa improvável de uma beatitude eterna, que na verdade ninguém se incomoda
- fora de um pequeno círculo de cristãos fervorosos, crentes e batizados -, tudo isso nos leva
de volta ao homem natural e universal, ao seu domínio sobre os outros elementos do nosso
mundo, sob o olhar benevolente do seu Criador, que nunca dirige uma palavra a ele, deixa-o
administrar por si mesmo e, possivelmente, como recompensa por sua boa vida e
comportamento, o enviará após a morte a uma morada igual ou até melhor que este, onde ele
viverá na felicidade que ele sempre sonhou na terra, nem mais nem menos, sempre provendo
que ele não tem sido nem melhor nem pior que os outros.

E assim, pais, todo o seu catecismo é uma enorme mentira. Daí se segue que os seus leitores, e
vocês, infalíveis médicos em Israel, têm uma escolha diante de você, a qual você não pode
eludir:

Ou, persistindo em suas mentiras, você jurará aos homens que é precisamente essa ordem
natural que é divina. E que ser "homem" e "mulher", ou "pessoa humana", é algo a ser
adorado. E os homens que nada mais sabem irão, consequentemente, acreditar que são
deuses e se satisfarão com todo tipo de prazer, todo tipo de crime, pretensões e orgulho.
Poucos encontrarão matéria para santificação ali.

Ou então, você admitirá sua apostasia e a odiosa blasfêmia de seu culto ao homem. Você lhes
dirá que SOMENTE UM HOMEM é Deus, Filho de Deus, e que Ele veio a essa terra para dar
àqueles que n’Ele crerem uma parte em Sua graça, em Sua vida divina e, portanto, em Suas
virtudes e perfeições, em Sua iluminação sobre os mistérios deste mundo e do próximo ...
SOMENTE UMA MULHER foi predestinada a tal graça e perfeição "desde a sua concepção",
como você blasfemamente diz sobre cada homem (1703)! E é Ele, Jesus e Ela, Maria, que são
as fontes e modelos de toda a ordem sobrenatural.
61

E de lá você pode começar seu Catecismo novamente de A a Z, eliminando tudo o que você
escreveu sobre a "dignidade inalienável" do homem, clamando por aqueles que você abusou:
"Oh homens, façam penitência e se convertam, pois o Reino de Deus está próximo"

EM SEU ARTIGO 2: NOSSA VOCAÇÃO PARA A BEATITUDE

Começa com as nove bem-aventuranças evangélicas, ignorando as correspondentes maldições


antitéticas encontradas no Evangelho de Lucas. Ao escolher Mateus, você escolheu uma mão
vencedora ... Essas bem-aventuranças paradoxais contam aos infelizes desta terra da felicidade
do mundo por vir; e, de acordo com Lucas, de misérias terríveis para os ricos e felizes deste
mundo. Sua preocupação neste artigo é prometer grande felicidade aos homens em nome de
Deus que os ama, que respeita sua “dignidade” e até mesmo os detém - todos eles! - para ser
seus filhos, seus escolhidos.

1725.… As bem-aventuranças respondem ao desejo de felicidade que Deus colocou no coração


do homem.

E aqui sua mentira primordial obriga você a prometer-lhes - eles que são todos de tal
dignidade e nobreza de coração e mente - uma beatitude sobrenatural e especificamente
divina, o melhor que pode existir: aquilo que Cristo e Sua Igreja fazem seu desejo fiel e que
eles prometem em nome de Deus:

1726. As bem-aventuranças nos ensinam o fim último ao qual Deus nos chama: o Reino, a
visão de Deus, a participação na natureza divina, a vida eterna, a filiação, o descanso em Deus.

Como você vai para isso! Dê uma olhada nesses homens - e vocês mesmos! - a quem você
promete essas maravilhas, como se todas elas fossem merecedoras e justamente desejosas
delas, tanto que estão prontas para sacrificar tudo por um tal "destino sobrenatural"! Mas
nem você nem eles têm o menor desejo ou idéia disso. Eles são apenas palavras.

No entanto, tendo falado com tal garantia da felicidade e bem-aventurança para a qual Deus
criou o homem, e que Ele lhes deve em virtude de Seu Amor todo poderoso, você sabe o que
eles fazem dessa atração de felicidade que você lhes mostra? Eles se lançam nas alegrias e
prazeres naturais que os agradam e satisfazem, com o sentimento de que para eles esse é o
único “sobrenatural” ao seu alcance.

Releia o que você escreveu e lamente o resultado:

1718. As bem-aventuranças respondem a um desejo natural de felicidade. Esse desejo é de


origem divina; Deus colocou isto no coração do homem para atraí-lo para Si mesmo, o único
que pode satisfazê-lo ...

Todos eles encontraram seu cumprimento em outro lugar!

1719. As bem-aventuranças revelam o objetivo da existência humana, o fim último dos atos
humanos: Deus nos chama à sua própria bem-aventurança. Esta vocação é dirigida a cada um
pessoalmente, mas também à Igreja como um todo, ao novo povo formado por aqueles que
acolheram a promessa e vivem nela com fé.

Lá, seu realismo instintivamente fez você recuar de seu culto ao homem e sua bajulação e
voltar-se para a verdade única: o céu fala somente aos cristãos, e somente àqueles que ainda
não foram tocados ou corrompidos pelo culto do homem.

NO SEU ARTIGO 3: A LIBERDADE DO HOMEM


62

Aqui você persiste em seu culto ao homem ao ponto da insensatez. Para todos esses seres
sublimes, possuidores de dignidade, sabedoria e livre arbítrio, vocês concedem completa e
completa liberdade para ir a Deus com toda a sua alma:

1730. Deus criou ao homem um ser racional e conferiu-lhe a dignidade de uma pessoa que
pode iniciar e controlar suas próprias ações. “Deus 'deixou o homem nas mãos de seu próprio
conselho' (Sir 15.14), de modo que ele pudesse por sua própria vontade buscar seu Criador e,
clivando-se livremente a Ele, atingir sua completa e abençoada perfeição. ”…

É isso que o Concilio diz e você se alegra com isso. O seu culto ao homem, a sua fé no homem,
permitem-lhe esperar todas as coisas e não temer nada desta suposta generosidade cega de
Deus, que concede plena e completa liberdade à humanidade…

1731. Liberdade é o poder, enraizado na razão e na vontade, de agir ou não agir, de fazer isto
ou aquilo, e assim realizar ações deliberadas por sua própria responsabilidade. Por livre
arbítrio, alguém molda a própria vida. A liberdade humana é uma força de crescimento e
maturidade na verdade e no bem. A liberdade alcança sua perfeição quando é dirigida a Deus,
nossa bem-aventurança.

A dignidade da pessoa humana só pode dirigir o homem para a mais alta e mais pura
felicidade; tenderá nessa direção com toda sua força e em completa liberdade, você diz?

1732. Enquanto a liberdade não estiver definitivamente vinculada ao seu bem final - que é
Deus - a liberdade implica a possibilidade de escolher entre o bem e o mal, portanto, de
crescer em perfeição ou de falhar e pecar. Essa liberdade caracteriza atos humanos
propriamente ditos. Torna-se a base de louvor ou culpa, mérito ou reprovação.

A possibilidade do mal não te impede. Você não tem medo de nada. E você não teve a
oportunidade ou a coragem de ver isso porque Deus, em seus sonhos, oferece aos homens a
liberdade de ir para a felicidade deles - divina, sublime e celestial! - todos, exceto os cristãos -
e mesmo assim apenas os melhores! - engoliu-se e chafurdou na felicidade de sua liberdade! E
com tal orgulho e paixão que eles não podem mais tolerar qualquer restrição de sua licença
libidinosa e perversa.

Escravizado por seu culto ao homem, você se atreve a tomar o seu lado, o lado da liberdade,
contra a ordem, contra Deus!

1738. A liberdade é exercida nas relações entre os seres humanos. Toda pessoa humana,
criada à imagem de Deus, tem o direito natural de ser reconhecida como um ser livre e
responsável. Todos devem um ao outro esse dever de respeito. O direito ao exercício da
liberdade é um requisito inalienável da dignidade da pessoa humana, especialmente em
questões morais e religiosas. Este direito deve ser reconhecido e protegido pela autoridade
civil dentro dos limites do bem comum e da ordem pública.

É aí que suas mentiras levam você e, pior ainda, insultos e desprezo por Deus:

1747. O direito ao exercício da liberdade é um requisito inalienável da dignidade do homem,


especialmente em questões morais e religiosas. Mas o exercício da liberdade não implica o
direito putativo de dizer ou fazer qualquer coisa que se goste.

Seria bom ouvir você especificar os limites que você deseja colocar neste direito.

FINALMENTE, NO SEU ARTIGO 6: CONSCIÊNCIA MORAL


63

Como podem tais limites ser! Agora você colocaria algemas e algemas em seu ídolo? Você
restringiria a liberdade das pessoas? Isso seria pensar que você suspeita que eles não têm
consciência moral! Sendo “à imagem de Deus”, todo homem tem sua consciência para
iluminar seu dever. Você concorda com isso. Mas vou ensinar-lhe algo ainda mais: todos esses
homens em quem você tem tanta confiança - todos eles têm uma consciência que é pessoal
para eles!

Aqui, novamente, a sua confusão do natural e do sobrenatural obriga você a pensar que o
homem, em todas as ocasiões, tem apenas que seguir sua consciência correta, esclarecida e
informada. E você pede que ele seja autorizado a exercê-lo em completa soberania. Você
nunca foi informado de que, quando a natureza foi expulsa e acredita-se que tenha partido,
ela volta a galope?

1776. “Nas profundezas de sua consciência, o homem descobre uma lei que ele não se deu,
mas a qual ele está obrigado a obedecer. Esta voz, que incessantemente o instiga a amar e
fazer o que é bom e a evitar o mal, ressoa na intimidade de seu coração no momento
apropriado ... É uma lei inscrita por Deus no coração do homem. A consciência é o centro mais
íntimo e secreto do homem, o santuário onde ele está sozinho com Deus e onde a voz de Deus
se faz ouvir. "

Pais, professores, juízes, magistrados de todas as posições, sacerdotes e bispos, e até mesmo
papa, aí está você com as mãos amarradas e a boca amordaçada para não impedir que esse
filho de Deus, esse Satanás, se vanglorie de seus crimes enquanto invoca sua consciência.

1782. O homem tem o direito de agir em consciência e em liberdade para, pessoalmente,


tomar decisões morais. “O homem não deve ser forçado a agir contra sua consciência.
Tampouco deve ser impedido de agir de acordo com sua consciência, especialmente em
questões de religião"

Contemple o homem, a imagem de Deus, em toda a sua dignidade, na sua liberdade de


consciência e religião, e na sua liberdade de pensamento e ação. E desde que tudo isso é o
efeito do amor que o Criador e Redentor tem para uma criatura tão sublime - a quem Ele se
digna considerar como Seu filho e irmão - imagine que sentimentos e devoção a sociedade de
outros homens terá que desenvolver para este Senhor, para que ele possa ser ajudado a
florescer de acordo com todas as suas aptidões, todos os seus desejos e todos os seus direitos.
É isso que devemos estudar.

ANATHEMAS

I. Quem professa o culto do homem, a fé no homem e o respeito pela dignidade, consciência e


liberdade do homem em razão de sua afinidade com Deus, seja anátema.

II. Quem professa a dignidade inalienável de todo ser humano e a inviolabilidade de seus
direitos à liberdade de consciência e religião na sociedade política e religiosa de seus
semelhantes, seja anátema.

DÉCIMA HERESIA

Erro da chamada democracia cristã, secular, personalista e socializada.

ARGUMENTO
64

Você milita em nome do respeito pelo homem, você prega o culto da “pessoa humana” como
se ele fosse um filho de Deus, ou um deus em pessoa. Você tem fé e confiança nele, você o
ama. Ele é, se você me perdoar, o ídolo que você nos oferece para nossa adoração e serviço.
Sim, o mundo inteiro deve estar a seu serviço.

1892. “A pessoa humana é e deve ser o princípio, o sujeito e o objeto de toda instituição
social"

Mas como você pode fazer bilhões de pequenos deuses - ou grandes deuses! - viver juntos
neste mundo de acordo com este princípio sublime? Isso é o que você vai nos dizer.

SEU ARTIGO 1: A PESSOA E A SOCIEDADE

Você procurará a solução em Deus e apresentará esta solução como a regra para a
“comunidade humana”… quando já é difícil o suficiente aproximar-se de tal perfeição em um
convento carmelita ou entre os jesuítas, quanto mais em sua Cúria Romana no Vaticano!

1878. Todos os homens são chamados para o mesmo fim: o próprio Deus. Há certa
semelhança entre a união das pessoas divinas e a fraternidade que os homens devem
estabelecer entre si na verdade e no amor. O amor ao próximo é inseparável do amor a Deus.

Depois desta ousada comparação entre nossa fraternidade e as pessoas divinas em sua
maravilhosa união e circuncisão de sabedoria e amor, o retorno à realidade é brutal:

1879. A pessoa humana precisa viver em sociedade. A sociedade não é para ele uma adição
estranha, mas uma exigência de sua natureza. Através do intercâmbio com os outros, serviço
mútuo e diálogo com seus irmãos, o homem desenvolve seu potencial; ele responde assim à
sua vocação.

Isso sugere que você é um pouco cínico. Alguém pode concluir que o homem é "social" através
do interesse próprio e do amor próprio? Entre as opções de fazer uso dos outros para si
mesmo ou de trabalhar para o bem comum e para a salvação eterna do próximo, você pode
hesitar?

1880. Uma sociedade é um grupo de pessoas unidas organicamente por um princípio de


unidade que vai além de cada uma delas. Como uma assembléia que é ao mesmo tempo
visível e espiritual, uma sociedade perdura no tempo: reúne o passado e se prepara para o
futuro. Por meio da sociedade, cada homem é constituído um “herdeiro” e recebe certos
“talentos” que enriquecem sua identidade e cujos frutos ele deve desenvolver. Cada indivíduo
deve, com razão, ter lealdade às comunidades das quais faz parte e respeitar as autoridades
responsáveis pelo bem comum.

Tendo dito isso, você retorna ao seu princípio intolerável:

1881. Cada comunidade é definida pelo seu propósito e, consequentemente, obedece a regras
específicas, mas “a pessoa humana é e deve ser o princípio, o sujeito e o fim de toda
instituição social"

Você acha que uma solução realística moderna está na “socialização” temperada com “o
princípio da subsidiariedade”. Isso foi moda durante a época da “conivência” da Igreja  com os
comunistas, quando se antecipou uma social-democracia feliz e fraterna, na época de João
XXIII - mas agora está falida. Não vou falar disso aqui, mas me pergunto pelo modo como você
escala os céus mais altos para salvar sua fantasia da ridícula situação em que está presa:
65

1884. Deus não queria reservar para si só o exercício de todo poder. Ele confia a cada criatura
as funções que é capaz de exercer, de acordo com as capacidades de sua própria natureza.
Esse modo de governança deve ser imitado na vida social. A conduta de Deus no governo do
mundo - que atesta esse grande respeito pela liberdade humana - deve inspirar a sabedoria
daqueles que governam as comunidades humanas. Eles devem se comportar como ministros
da providência divina.

Isso prova quão pouco você conhece de Deus e da realidade humana.

De fato, sem admitir isso claramente, você orienta seus leitores para a escolha de um sistema
particular - um que se opõe às formas "instintivas e brutais" do fascismo e respeita os valores
"espirituais e personalistas" - a democracia cristã, portanto. Neste sistema, a primazia da
Pessoa é afirmada e vivida diariamente, impedindo qualquer retorno agressivo da teoria
abominável da primazia do bem comum sobre qualquer bem temporal privado: é Pio XI contra
Mussolini. Você está trabalhando para a nossa "conversão" em escala global para uma
democracia social que é "personalista" e, portanto, "cristã".

1886. A sociedade é indispensável para a realização da vocação humana. Para atingir esse
objetivo, é necessário que seja respeitada a correta hierarquia de valores, que “subordina as
dimensões físicas e instintivas às dimensões interior e espiritual” ...

1887. A inversão de meios e fins, que resulta em dar o valor de um fim último àquilo que é
apenas um meio de alcançá-lo, ou em considerar pessoas como meros meios para um
objetivo, engendra estruturas injustas que “tornam muito difícil e praticamente impossível se
comportar de um modo cristão em conformidade com os mandamentos do Divino Legislador”.

Esse discurso é, infelizmente, de Pio XII. Sua desculpa é a data: 1º de junho de 1941, o
momento mais sombrio da aliança nazista-comunista. Três semanas depois, a águia alemã
atacaria o urso russo e, como resultado, a URSS passaria para o campo das grandes
democracias personalistas! Cinquenta anos depois, você generaliza esse ensinamento
momentâneo para que sirva à sua ideologia.

1888. É necessário, então, apelar para as capacidades espirituais e morais da pessoa e para a
necessidade permanente de sua conversão interior, de modo a obter mudanças sociais que
realmente o sirvam. A prioridade concedida à conversão do coração não elimina, mas, pelo
contrário, impõe a obrigação de trazer os remédios apropriados às instituições e condições de
vida, quando eles são um incentivo ao pecado, para que eles se conformem às normas da
justiça e avancem bem, em vez de obstruí-lo.

"Pecado" é o fascismo, é o nacionalismo, até o nacionalismo católico! É a autoridade do


homem sobre o homem. Horror e putrefação! Sob a capa do Evangelho, aqui está a sua
"Teologia da Libertação" - a filha de Lammenais, a mãe de todas as revoluções e as ditaduras
do mal subseqüentes - embelezada aqui com a não-violência tolstoiana:

1889. Sem a ajuda da graça, os homens seriam incapazes de “descobrir o caminho muitas
vezes estreito entre a covardia, que produz o mal e a violência, que, embora pensem em
combatê-lo, só o torna pior. É o caminho da caridade, isto é, do amor de Deus e do próximo. A
caridade representa o maior mandamento social. Respeita os outros e os seus direitos. Requer
a prática da justiça e só ela nos faz capazes disso. Inspira uma vida de doação: “quem quer
ganhar a sua vida, a perderá, mas quem perder a sua vida a preservará” (Lc 17,33).
66

É a doação do guerrilheiro - que é apenas violento em uma necessidade! Que ódio nestas
palavras farisaicas, onde tudo é uma questão de amor. Você seria bem aconselhado a ensinar a
doutrina de São Pio X, a fim de salvar sua alma e poupar ao mundo rios de sangue inocente.
Mas seu CCC se recusa a pronunciar o nome desse Papa, o único papa realmente pobre e
santo do nosso século.

SEU ARTIGO 2: PARTICIPAÇÃO NA VIDA SOCIAL

Você tem algumas coisas excelentes a dizer sobre autoridade política, mas então, à medida
que prossegue, há outras coisas que são certamente questionáveis, até que finalmente você
retorna ao seu vômito e reafirma sua doutrina cristã-democrata absurda e ímpia que foi
condenada por São Pio X na sua Carta sobre o Sillon de 25 de agosto de 1910.

Aqui estão alguns princípios sólidos, que são clássicos e sábios:

1918. "Não há autoridade, exceto de Deus, e as autoridades que existem foram instituídas por
Deus" (Rm 13,1)

1920. “A comunidade política e a autoridade pública encontram seu fundamento na natureza


humana e, portanto, pertencem a uma ordem fixada por Deus"

1921. A autoridade é exercida legitimamente se estiver comprometida com a busca do bem


comum da sociedade. Para alcançar isso, deve usar meios moralmente aceitáveis.

Este próximo é falso, e você sabe disso tão bem quanto eu:

1901. Embora a autoridade se relacione com uma ordem fixada por Deus, “deve ser deixado à
livre decisão dos cidadãos de determinar seu regime político, da mesma forma que eles
determinam seus líderes” ...

Então seu CCC fica completamente ruim.

1902. A autoridade não tira sua legitimidade moral de si mesma. Não deve comportar-se de
maneira despótica, mas deve agir para o bem comum como “uma força moral baseada em…
[eu esperava: em Deus, ou melhor ainda: em Jesus Cristo] … na liberdade e no senso de
responsabilidade”…

Isso é para construir na areia. A continuação imediata mostra que esta areia nada mais é do
que lodo e anarquia permanente:

1903. A autoridade só é exercida legitimamente quando busca o bem comum do grupo em


questão e se utiliza meios moralmente lícitos para alcançar esse fim. Se acontecer de os
governantes decretarem leis injustas ou tomarem medidas contrárias à ordem moral, esses
acordos não seriam vinculantes para a consciência. “Nesse caso, a autoridade deixa de ser ela
mesma e degenera em opressão"

A primeira demanda refere-se à segunda, que é loucura. Assim é a seguinte seção:

1904. “É preferível que todo poder seja equilibrado por outros poderes e por outras esferas de
competência que o mantenham dentro dos limites apropriados. Este é o princípio do "Estado
justo", no qual a soberania pertence à lei e não à vontade arbitrária dos homens"

Duvido que alguém entenda completamente o que eu acho tão pernicioso nesta máxima de
João Paulo II sobre “o Estado justo”. Possivelmente apenas discípulos de Maurras ... Mas
Maurras é o grande demônio, o único excomungado pela Igreja de Leão XIII, de Pio XI e da
67

geração conciliar. Então, não sobrou ninguém que entende alguma coisa sobre ciência
política? Temo que sim.

SEU ARTIGO 2 CONTINUA: O BEM COMUM

E como prova de que um mundo que se tornou democrata, mesmo personalista e ... cristão é
incapaz de compreender a sabedoria e a ciência políticas - sem as quais as sociedades estão
condenadas a morrer de terríveis convulsões - recebemos esses três princípios dos quais seu
CCC Gaudium et Spes, sobre o bem comum!

1905. De acordo com a natureza social do homem, o bem do indivíduo está necessariamente
relacionado ao bem comum. E o bem comum só pode ser definido em referência à pessoa
humana ...

A primeira proposição é verdadeira; o segundo contradiz isso. Mas é a segunda parte que
prevalece e corrompe todo o discurso.

1906. O bem comum deve ser entendido como “as condições sociais gerais que permitem que
as pessoas, seja como grupos ou como indivíduos, atinjam sua realização mais completa e
facilmente”. O bem comum diz respeito à vida de todos. Exige prudência do indivíduo e, mais
ainda, daqueles que exercem o cargo de autoridade. Consiste em três elementos essenciais:

O primeiro elemento é, de fato, o feroz inimigo do bem comum; o segundo é seu rival
perigoso. Finalmente, o terceiro é o seu criado, considerado naturalmente capaz, dedicado e
eficiente, por isso não há necessidade de se preocupar ou dizer nada sobre isso!

1907. Supõe em primeiro lugar o respeito pela pessoa como tal. Em nome do bem comum, as
autoridades públicas são obrigadas a respeitar os direitos fundamentais e inalienáveis da
pessoa humana. A sociedade deve permitir que cada um de seus membros cumpra sua
vocação. Em particular, o bem comum reside nas condições para o exercício das liberdades
naturais que são indispensáveis para o desenvolvimento da vocação humana, tais como “o
direito de agir de acordo com a regra correta da própria consciência, o direito de proteger a
vida e o direito a uma liberdade justa, incluindo a liberdade em matéria de religião"

Essa é a auto-destruição de toda a sociedade ...

1908. Em segundo lugar, o bem comum requer o bem-estar social e o desenvolvimento do


próprio grupo. O desenvolvimento é o epítome de todos os deveres sociais. Certamente, é a
função própria da autoridade arbitrar, em nome do bem comum, entre vários interesses
particulares. Mas deve tornar acessível a cada pessoa o que ele precisa para levar uma vida
verdadeiramente humana: comida, vestuário, saúde, trabalho, educação e cultura, informação
adequada, o direito de estabelecer uma família, e assim por diante.

Assim, os governos serão absorvidos em satisfazer os desejos e paixões de seus cidadãos:


considerações econômicas e sociais causarão a negligência da segurança pública.

1909. Finalmente, o bem comum implica paz, isto é, estabilidade e segurança de uma ordem
justa. Pressupõe que a autoridade deve garantir, por meios honestos, a segurança da
sociedade e de seus membros. É a base do direito de legitimar a defesa pessoal e coletiva.

1910. Embora cada comunidade humana possua um bem comum, o que lhe permite ser
reconhecido como tal, sua realização mais completa deve ser encontrada na comunidade
68

política. Cabe ao Estado defender e promover o bem comum da sociedade civil, dos seus
cidadãos e dos organismos intermediários.

No final, o mínimo de atenção é dado à “segurança” e à “paz”, como se fossem automáticas e


não valessem o esforço de um momento, tudo isso num clima de utopia e prazer que torna
impossível tal esforço. Esta idolatria do homem é muito contraditória ao serviço do país e da
Igreja, como é a adoração e serviço do Deus de Jesus Cristo.

Eu já disse o suficiente para concluir ...

ANATHEMAS

I. Se alguém disser que “a pessoa humana é e deve ser o princípio, o sujeito e o fim de todas as
instituições sociais”, sem posicioná-lo sob a lei benigna de Jesus Cristo, seja anátema.

II. Se alguém afirma a primazia da pessoa humana sobre o bem comum das sociedades
temporais e espirituais, família, país e Igreja, seja anátema.

III. Se alguém chama qualquer autoridade humana soberana sem referir o seu poder de volta a
Deus, único soberano Senhor e Mestre de todas as Suas criaturas, seja anátema.

IV. Se alguém disser que o regime político mais natural para a raça humana e o mais próximo
do ideal evangélico é a democracia, que seja anátema.

V. Se alguém aceita como formas legítimas de governo os regimes que baseiam todo o seu
sistema no princípio da soberania da nação, seja anátema.

DÉCIMA PRIMEIRA HERESIA

Secularismo de Estado, liberdade do homem no desprezo à lei de Deus, sinal da apostasia final
e do castigo de Deus.

“OUVE, Ó ISRAEL! "

“O SENHOR, teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros
deuses diante de mim. Adorarás o Senhor teu Deus; tu o servirás ... não irás atrás de outros
deuses ... ” (Êx 20.2; Deuteronômio 6.4, 13-14)

ARGUMENTO

Todos os descendentes de Abraão de acordo com a carne, de acordo com o Espírito,


reconhecem este chamado e nunca o ouvem sem um santo estremecimento de medo
reverente, um medo que é ao mesmo tempo servil e filial: Ouve, ó Israel!

Não há nada mais grandioso ou mais aterrorizante do que a instituição desta Antiga Aliança,
nada entre os pagãos, nem mesmo entre os judeus, onde Deus se mostra tão próximo de Seu
povo e ainda assim tão terrível em Sua sagrada e santa Majestade. Agora, para este povo
escolhido entre todos os outros Ele dá o Seu amor na condição de que eles respeitem a Lei que
Ele decreta e se submete absolutamente a ela. Isto é acompanhado pela promessa de bênçãos
se o povo for fiel a Ele e castigos severos se eles infringirem o menor mandamento ...
permitindo-lhes prever que esta dupla calamidade, de transgressão e castigo, ocorrerá
constantemente enquanto Seu povo for desigual a oferta que eles fazem.

Eles devem, portanto, ser obedientes, devem prosseguir se não forem eliminados neste
deserto horrível. Mas se eles permanecerem fiéis e manterem sua confiança neste
69

misericordioso e todo poderoso Deus, eles chegarão às portas da Terra prometida e entrarão
neste país glorioso, fluindo com leite e mel, onde terão paz e felicidade.

Mesmo assim, Israel deve obedecer à lei de Yahweh e colocá-la em prática. Para nós, o novo
Israel, o Filho de Deus, recorda essa mesma lei, que Ele veio não abolir, mas aperfeiçoar:

2196.… Jesus diz: “Este é o primeiro mandamento: 'Ouve, ó Israel! O Senhor nosso Deus, o
Senhor é um; e amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, e com toda a tua alma, e
com toda a tua mente e com todas as tuas forças! O segundo é este: 'Você amará o seu
próximo como a si mesmo. 'Não há outro mandamento maior do que estes” (Mc 12,29-31) …

Ler estas palavras imortais neste catecismo como no próprio Evangelho ou na Bíblia, que não
vê toda a raça humana, pelo menos toda a cristandade, pelo menos a Igreja inteira, e
particularmente a França, ou pelo menos a paróquia, a família ou comunidade, recebendo de
Jesus - muito maior que Moisés! - esta mesma lei, para que possamos colocá-la em prática,
tanto individualmente como coletivamente, cada um de nós responsável por si, mas sob a
direção e com a ajuda de nossas Autoridades espirituais e temporais, papa, bispos, reis e
príncipes, governadores, gerentes e pais de famílias:

"Você deve adorar ... Você deve amar ... Você não deve matar ... você não deve mentir ..."

É para nossos líderes nos comandar. Com suas ordens e suas ameaças justas, assim como seu
encorajamento e recompensa, chegaremos lá, perversos e covardes, ainda que estejamos!
Assim, é alcançável. E nós mereceremos as bênçãos prometidas e escaparemos dos castigos!

Então, minha surpresa foi grande em ver esse catecismo adotar - com uma astúcia escandalosa
e um farisaísmo incomparável - uma interpretação totalmente individualista, subjetiva e
intimista deste Decálogo que foi proclamada em nome do mundo em meio ao rugido do
trovão e do relâmpago no Monte Sinai!

“OUÇA, Ó ISRAEL! "

Não, não é mais uma questão de Israel, mas do homem:

2063. O pacto e o diálogo entre Deus e o homem são atestados pelo fato de que todas as
obrigações são declaradas na primeira pessoa ("Eu sou o Senhor ...") e dirigidas a outro sujeito
("Você ..."). Em todos os mandamentos de Deus, o pronome pessoal singular designa o
destinatário. Ao mesmo tempo em que Ele faz conhecer a todo o povo, Deus também faz Sua
vontade conhecida a cada pessoa em particular:

O Senhor prescreveu amor a Deus e ensinou justiça ao próximo, para que o homem não fosse
injusto nem indigno de Deus. Assim, através do Decálogo, Deus estava preparando o homem
para se tornar Seu amigo e ser de um coração com seu próximo ... As palavras do Decálogo
permanecem as mesmas para nós (cristãos). Longe de serem abolidos, elas foram amplificadas
e desenvolvidas através da vinda do Senhor na carne. (Santo Irineu)

Que astúcia! Que mentiras! Que traição! Essas palavras calmantes, "Ao mesmo tempo em que
Ele o faz conhecido por todo o povo", estão lá apenas para melhor silenciar o caráter geral e
público da Lei de Deus, e encerrá-la no segredo da consciência individual! Já o insulto a Deus é
muito certo, a rebelião contra a Sua Lei é muito evidente, e a maldição cairá sobre as pessoas
que pregam a secularização dos poderes temporais ... e, finalmente, os seus próprios poderes!
70

Eu sei ! É no coração do homem que a Lei de Deus está gravada, um progresso feliz anunciado
por Jeremias. Mas isso não quer dizer que o coração dos príncipes e dos papas, que as
constituições dos Estados e a lei eclesiástica, que pais e mães de famílias, possam descarregar
seu dever na consciência dos pobres e das crianças! “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas!
 ”(Mt 23)

2072. Como expressam os deveres fundamentais do homem para com Deus e para com o
próximo, os Dez Mandamentos revelam, em seu conteúdo primordial, obrigações graves. Eles
são fundamentalmente imutáveis e suas obrigações são sempre e em todos os lugares válidos.
Ninguém pode dispensá-los. Os dez mandamentos são gravados por Deus no coração do ser
humano.

2084. Deus se faz conhecido recordando Sua ação toda-poderosa, amorosa e libertadora na
história daquele que Ele dirige: “Eu te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. A primeira
palavra contém o primeiro mandamento da Lei: “Adorarás o Senhor teu Deus e o servireis…
Não irás atrás de outros deuses” (Dt 6,13-14) O primeiro chamado e a justa exigência de Deus
é que o homem o aceite e adore.

É ao Israel de Deus que esta Lei é dada, aos seus líderes, para que possam se submeter a ela e
obrigar seu povo a fazer o mesmo! E a cada um de seus membros, para que eles pudessem
realizar sua salvação. Isso não é claro e certo? Mas você não terá nada disso! Então você evita
o problema:

2085. O único e verdadeiro Deus primeiro revela Sua glória a Israel. A revelação da vocação e
da verdade do homem está ligada à revelação de Deus. A vocação do homem é tornar Deus
manifesto agindo em conformidade com a sua criação "à imagem e semelhança de Deus" ...

“ADORARÁS O SENHOR TEU DEUS"

Os judeus praticantes, ainda hoje, defendem a lei de Yahweh como a principal Constituição
para seu povo em Israel. Eles exigem de seus legisladores e governadores que este Decálogo
seja sua Lei fundamental, que eles devem manter ao pé da letra a fim de manter seu espírito e
impor e proteger sua prática.

E nós, a Igreja, o novo Israel? Foi também no chamado Antigo Testamento. Mas então as
revoluções maçônicas seguiram uma após a outra e impuseram aos nossos povos cristãos
como uma lei fundamental seus direitos hipócritas e ateus do homem e do cidadão.
Finalmente, o pior aconteceu quando a Igreja fez uma teoria a partir dessa monstruosa
apostasia prática. Ela reconheceu o direito do adversário de se emancipar - ele mesmo e sua
nação, o mundo inteiro que ele havia submetido a si mesmo - de Deus três vezes santo, de
Jesus Cristo, Rei dos reis e Senhor dos senhores. Por fim, ela se ajoelhou, adorou e não serviu a
ninguém senão ao Homem, seu ídolo, atrás de quem Satanás pode ser vislumbrado.

Este é o horror desta décima primeira heresia. Consiste em desviar o significado da Lei -
decretada por nosso Criador para Sua Glória e serviço - longe de Deus para com o homem,
para servir à menor felicidade e capricho individual do homem.

2070. Os dez mandamentos pertencem à revelação de Deus. Ao mesmo tempo, eles nos
ensinam a verdadeira humanidade do homem. Eles trazem à luz os deveres essenciais e,
portanto, indiretamente, os direitos fundamentais inerentes à natureza da pessoa humana. O
Decálogo contém uma expressão privilegiada da “lei natural”:
71

Desde o princípio, Deus plantou no coração dos homens os preceitos da lei natural. No
começo, ele se contentou em lembrar os homens desses preceitos. Daí surgiu o Decálogo.
(Santo Irineu)

Eles invocam São Irineu e fazem o diabo andar com o bom Deus a fim de reduzir a Lei universal
a uma obrigação da consciência individual, e então reduzir o dever de submissão religiosa ao
direito inerente da pessoa humana de seguir nada mais do que o seu prazer e a sua ideia de
verdadeira humanidade! Assim será estabelecido no coração da Igreja o culto perfeito do
homem em sua indomável dignidade e liberdade total. Isso é chamado de Apostasia dos
últimos tempos.

“SOMENTE A ELE VOCÊ ADORARÁ! "

Lá nós temos o homem de volta em seu pedestal. Sua prostração ao pé do monte Sinai não
durou muito tempo. Israel não existe mais; o homem substituiu isso. A adoração de Deus e os
outros mandamentos da Lei são promulgados para que, em qualquer lugar do mundo, cada
indivíduo tenha o direito de praticar a religião. Mais uma palavra e o insulto a Deus serão
totais: cada um pode praticar sua religião, de acordo com sua consciência, em sua liberdade
inviolável dentro do próprio coração da Igreja, segundo sua fé pessoal e seu carisma original.

Neste capítulo dedicado à adoração e à submissão devida a Deus, você lerá a justificativa para
a não-adoração e a não-submissão, em uma confusão de palavras em que o ateísmo
finalmente penetra no coração da Igreja e de cada membro dos fiéis e triunfa completamente.
É impressionante.

“O DEVER SOCIAL DA RELIGIÃO E O DIREITO À LIBERDADE RELIGIOSA"

Aqui está o primeiro mandamento da nova lei!

2137. O homem “deve poder praticar livremente a religião em particular e em público”.

Observe a traição refinada no que pode ser considerado uma errata ou um erro de impressão:
“religião” é para cada indivíduo sua religião! De onde as conseqüências:

2104. “Todos os homens são obrigados a buscar a verdade, especialmente no que concerne a
Deus e Sua Igreja; e quando eles sabem, devem abraçá-la e permanecer fiel a ela. Esse dever
deriva da própria natureza dos homens. Não contradiz um “respeito sincero” pelas várias
religiões que “refletem com frequência um raio daquela verdade que ilumina todos os
homens”, nem a exigência da caridade, que insta os cristãos a “tratar com amor, prudência e
paciência aqueles que estão em erro ou na ignorância em relação à fé ”.

2105. O dever de oferecer adoração genuína a Deus diz respeito ao homem tanto individual
como socialmente. Essa é "a doutrina católica tradicional sobre o dever moral dos homens e
das sociedades em relação à verdadeira religião e à única Igreja de Cristo". Em seu constante
trabalho de evangelização, a Igreja trabalha para que os homens possam “infundir o espírito
cristão nas mentalidades, costumes, leis e estruturas das comunidades onde vivem”. O dever
social dos cristãos é respeitar e despertar em cada homem o amor do verdadeiro e do bom.
Requer que façam conhecer o culto da única religião verdadeira que subsiste na Igreja Católica
e Apostólica. Os cristãos são chamados a ser a luz do mundo. A Igreja manifesta assim a
realeza de Cristo sobre toda a criação e, em particular, sobre as sociedades humanas.

2106. “Em questões religiosas, ninguém deve ser obrigado a agir contra sua consciência, nem
deve ser impedido de atuar, dentro de limites justos, de acordo com sua consciência, tanto em
72

particular ou em público, sozinho ou em associação com outros. Esse direito é baseado na


própria natureza da pessoa humana que transcende a ordem temporal. É por isso que
“continua existindo mesmo naqueles que não cumprem a obrigação de buscar a verdade e
aderir a ela”.

2107. “Se, devido às circunstâncias particulares em que as pessoas se encontram, um


reconhecimento civil especial é concedido a uma comunidade religiosa na organização
constitucional de um estado, o direito de todos os cidadãos e comunidades religiosas à
liberdade religiosa deve ser reconhecido e respeitado como bem"

2108. O direito à liberdade religiosa não é nem uma licença moral para aderir ao erro nem um
suposto direito ao erro, mas um direito natural da pessoa humana à liberdade civil, isto é, à
imunidade, dentro de limites justos, da restrição externa em assuntos religiosos pelas
autoridades políticas. Este direito natural deve ser reconhecido na ordem jurídica da sociedade
de tal maneira que constitua um direito civil.

2109. O direito à liberdade religiosa não pode, por si só, ser ilimitado ou limitado apenas por
uma “ordem pública” concebida de maneira positivista ou naturalista. Os “justos limites” que
lhe são inerentes devem ser determinados para cada situação social pela prudência política, de
acordo com as exigências do bem comum, e devem ser ratificados pela autoridade civil de
acordo com “princípios jurídicos que estejam em conformidade com a ordem moral objetiva”.

Através de todas as artimanhas e contradições deste texto que foi copiado de Dignitatis
Humanae, através de seus avanços heréticos e suas retiradas calculadas para ganhar os votos
da minoria conciliar ainda católica, a liberdade religiosa é aqui tão bem construída que leva
duas páginas adiante a um elogio - qualificado, é claro, mas ainda assim inconfundível - de
ateísmo e agnosticismo. Suas linhas finais devem ter agitado o inferno:

2126. O ateísmo é freqüentemente baseado em uma falsa concepção de autonomia humana,


exagerada a ponto de rejeitar toda dependência de Deus (GS 20, 1). No entanto, “reconhecer a
Deus não é de forma alguma opor-se à dignidade do homem, pois é em Deus que esta
dignidade está arraigada e aperfeiçoada” (GS 21, 3). A Igreja sabe “que a sua mensagem está
em harmonia com os desejos mais secretos do coração humano” (GS 21, 7).

Em outras palavras, com Satanás! Infelizmente, esses textos foram a contribuição pessoal de
Mgr Karol Wojtyla ao Vaticano II e a razão decisiva para sua eleição para o pontificado
soberano. Eles formam sua “missão”, seu “serviço” à Igreja hoje, de acordo com seus próprios
termos.

“VOCÊ AMARÁ SEU PRÓXIMO COMO A SI MESMO. "

Tendo anulado a maior parte dos preceitos contidos na primeira Tábua da Lei, que se
relacionam com a adoração e serviço de Deus por amor a Ele, pode-se apenas temer que esse
catecismo não seja mais corajoso ou fiel ao expor e defender os sete preceitos da segunda
Epístola, que se referem ao amor ao próximo e ao respeito por si mesmo, princípios morais
que apoiam uns aos outros, embora de maneiras diferentes - seja o progresso na virtude
pessoal que nos direciona para o mais caloroso e eficaz serviço de nosso próximo até o ponto
de auto-sacrifício para nossos irmãos, ou respeito pelos direitos de nosso próximo e a busca de
seu bem-estar, que se origina da calculada prudência encontrada no Antigo Testamento, ou
seja, a expectativa de ver nosso próximo fazendo o mesmo por nós e nos deixando em paz e
segurança.
73

Mas, por si só, o CCC adota a concepção personalista, a concepção socialista filantrópica e
moderna do reinado universal dos direitos humanos, sendo cada pessoa capaz de se construir
com base nesse ideal sem prejudicar ninguém. Vamos examinar em detalhes os vários
ingredientes de tal “ética”:

1. O amor de si mesmo é, na verdade, perfeitamente inocente; é instintivo, é ontológico e


vital. É algo bom:

2264. O amor para consigo mesmo permanece um princípio fundamental da moralidade. Por
isso, é legítimo insistir no respeito pelo próprio direito à vida ...

Isso é tudo e é muito pouco! Que pena! De acordo com Cristo, esse amor de si mesmo forma a
medida do amor ao próximo (2196)!

2. O amor de Deus também me parece muito pouco como força motivadora do heroísmo
moral! … A um grau perturbador. Gostaríamos de ver os Dez Mandamentos recomendados e
fundados de maneira simples sobre a razão primária - tão cara a Santa Teresa do Menino Jesus
- que “tal é o prazer do bom Deus”! Não é apenas uma moralidade de ação; é a grande força
motivadora da ação! Mas não… o nosso catecismo prefere ser secular, ecumênico e liberal.

3. A autoridade do Estado não é de forma alguma obrigada a atuar na área de sua


competência e a cumprir fielmente os mandamentos de Deus, a menos que seja para restringir
alguma desordem ou para garantir alguma liberdade ameaçada. Já no que diz respeito à
obrigação de praticar o culto a Deus, ficamos impressionados com a maneira desonesta com
que o CCC dispensou o estado secular moderno - agindo assim em cumplicidade com os ímpios
contra Deus! Mas na importante esfera da vida social, onde a intervenção do Estado é hoje
constante e despótica, nunca recordar ao Estado seu sagrado dever de defender a virtude e
lutar contra toda desordem e crime é igualmente repreensível!

4. Então, que valores incitarão as pessoas ao esforço moral? Aqui temos uma página na qual o
CCC fornece a medida de sua vacuidade:

2244. Cada instituição é inspirada, pelo menos implicitamente, por uma visão do homem e do
destino, da qual deriva o ponto de referência para seu julgamento, sua hierarquia de valores e
sua linha de conduta. A maioria das sociedades referiu suas instituições a uma certa
preeminência do homem sobre as coisas. Somente a Religião divinamente revelada
reconheceu claramente a origem e o destino do homem em Deus, o Criador e Redentor. A
Igreja convida os poderes políticos a referirem seus julgamentos e decisões a essa verdade
inspirada sobre Deus e o homem:

As sociedades que ignoram essa inspiração, ou a rejeitam em nome de sua independência de


Deus, são levadas a buscá-la em si mesmas ou a emprestar suas referências e finalidades de
uma ideologia, e não aceitam que um critério objetivo de bem e o mal pode ser defendido,
eles se arrogam um poder totalitário - declarado ou sub-reptício - sobre o homem e seu
destino, como mostra a história. (Cf. Centesimus annus 45; 46)

2245. A Igreja que, em razão de seu ofício e competência, não deve ser confundida com a
comunidade política, é tanto o sinal quanto a salvaguarda do caráter transcendente da pessoa
humana. “A Igreja respeita e promove a liberdade e a responsabilidade política dos cidadãos"

2246. Faz parte da missão da Igreja “fazer juízos morais mesmo em assuntos relacionados à
política, sempre que os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação de almas a exigirem,
74

usando todos os meios - mas somente aqueles meios - que estejam em conformidade com o
Evangelho e em harmonia com o bem de todos os homens, segundo a diversidade de tempos e
situações”.

Isso é tudo! A Igreja pós-conciliar não quer mais nada a ver com isso. Há uma referência vaga a
Deus, Criador e Redentor (sem que essa frase necessariamente se refira a Jesus Cristo). Depois,
há uma alusão à "salvação das almas", sem qualquer esclarecimento ou continuação. Significa
dizer ... nada. A Igreja não tem nada a oferecer, menos ainda impor às autoridades civis e
poderes temporais. Por força da covardia, é um ato de apostasia.

O QUE RESTA COM O QUAL CONSTRUIR UMA DOUTRINA MORAL FERVOROSA?

Direitos humanos e o culto do homem.

2467. O homem tende naturalmente à verdade. Ele é obrigado a honrá-la e testificá-la: “Em
virtude de sua dignidade, todos os homens, por serem pessoas, são impelidos por sua própria
natureza e estão obrigados por uma obrigação moral de buscar a verdade, especialmente
aquela verdade que é a religião. Eles são obrigados a aderir à verdade uma vez que eles a
conheçam e regulem toda a sua vida de acordo com as exigências da verdade".

Mas este catecismo nunca lhes diz claramente o que é essa Verdade que os obrigaria a
escolher amar a Deus e servi-Lo no seu vizinho mais pobre, em vez de “construir-se” como
ídolos dedicados à sua própria adoração! Pois, quando tudo estiver dito e feito, o amor de
Deus, a imitação de Jesus Cristo, a adesão de todo o coração ao seu Evangelho, o amor à cruz,
o desejo de expiação e reparação ao Sagrado Coração e ao Imaculado Coração de Maria, a
missionária sede da salvação das almas, o desejo do martírio, tudo isso está assustadoramente
ausente desta explicação do Decálogo.

ANATHEMAS

I. Se alguém disser que a lei divina imposta a Israel, o povo de Deus, não deve ser imposta aos
povos da Nova Aliança através do ministério de suas cabeças espirituais e temporais, com toda
a força constrangedora de seus direitos civis e eclesiásticos, obrigações e sanções, seja
anátema.

II. Se alguém dispensa o poder temporal da sujeição total a Deus, da submissão espiritual total
ao Vigário de Jesus Cristo e da aplicação total ao serviço da Igreja Católica e à salvação das
almas, seja anátema.

III. Se alguém disser que a lei divina é imposta a todos através da voz da consciência, a
expressão da lei natural, deixando a cada pessoa completa liberdade e responsabilidade de
responder a ela ou rejeitá-la sem a assistência, não a restrição espiritual e temporal de
qualquer um, seja anátema.

IV. Se alguém disser que as autoridades espirituais e temporais devem reconhecer, além da
mera tolerância, o direito natural de cada homem à liberdade religiosa e civil, bem como o
direito de se submeter ou se libertar da lei divina do Decálogo, que ele seja anátema.

V. Se alguém disser que o ateísmo e o agnosticismo devem ser respeitados como uma
expressão positiva da busca da verdade e não são uma impiedade criminosa que leva à
condenação eterna, que todos devem advertir e proteger o seu próximo contra uma questão
de caridade, que ele seja anátema.
75

VI. Se alguém disser que alguém pode agradar a Deus sem conhecer sua lei ou sem querer
praticá-la com o melhor de sua capacidade, seja anátema.

VII. Se alguém disser que o reconhecimento de Deus não é de modo algum oposto à
autonomia do homem exigida por sua dignidade, uma vez que essa dignidade encontra sua
origem e seu aperfeiçoador no próprio Deus, seja anátema.

DÉCIMA SEGUNDA E ÚLTIMA HERESIA

Sua gnose, o Santo Padre

Jesus! Maria! José!

MOST Santo Padre,

O primeiro e último erro deste Catecismo é de grande simplicidade. É reconhecidamente


engenhoso em sua nova síntese da revelação divina. É generoso em sua intenção de alegrar a
humanidade e, assim, trazê-lo de volta ao nosso Deus e Pai, e daí à sua irmandade original.
Mas transpõe a nossa história natural, tal como o nosso Criador a traçou e se desdobrou
irrevogavelmente num mundo de irrealidade. E assim, na realidade histórica desta
predestinação divina - que o seu Catecismo contradiz e aparentemente supera, mas é tudo
uma miragem! - o vosso Catecismo ocupa o seu lugar, na hora marcada, na derradeira e
primordial batalha de Satanás contra a Imaculada e contra o Seu bendito Filho. É o manifesto
dos rivais de Cristo e sua sinagoga, é o manifesto do homem e da mulher, ídolos aos seus
próprios olhos.

Seu devaneio começou com a criação do primeiro homem e é renovado com a concepção de
cada um de nós. Você vê todos nós naquele primeiro instante, imagens e semelhanças do
rosto de Deus. Mas Ele não fez isso. É a Sua Palavra e é a divina Senhora Pomba do Seu Santo
Espírito que Ele predestinou para ser como Ele e receber d’Ele todas as graças e bênçãos
possíveis, para que pudessem tender direta e exclusivamente, unidos uns aos outros em
ternura, para a morada da Glória e da Beatitude que Ele preparou para Eles desde o começo
do mundo e onde Eles agora reina.

O que o seu Catecismo concede ao homem, a todos os homens, a todas as mulheres também,
sem distinção, e a cada um de nós, pobres pecadores, o Pai quis dar somente a Jesus e Maria.
Ao agir dessa maneira, você está usurpando para os filhos de seus sonhos, os homens e
mulheres de sua gnose, as graças que apareceriam apenas em Nosso Salvador e Sua Divina
Mãe, Nosso Senhor e Nossa Senhora, nosso Rei e nossa Rainha.

As maravilhas que foram exibidas diante de nossos olhos fascinados, de um capítulo a outro
neste Catecismo, não eram nossas nem para nós, mas para Eles, desde antes do começo do
mundo. Eles foram concedidos para que pudéssemos ser enriquecidos pela nossa semelhança
com eles, uma imagem recebida através de seus méritos e generosidade. Em Sua Encarnação,
Redenção e Ressurreição, o Filho foi intensamente unido a Seu Pai através de Sua obediência
reparadora, pela qual Ele ganhou nossa salvação. E a Santíssima Virgem, em Sua dolorosa Co-
redenção, conheceu no Espírito Santo todas as alegrias e êxtases do Céu, mas foi para
distribuí-los graciosamente a todos os Seus filhos, com a ternura materna do Seu Imaculado
Coração, o reflexo da Amor do Sagrado Coração de Jesus. Sem eles, o que mais poderíamos ser
criaturas miseráveis sem força ou beleza?
76

De página a página, você celebra constantemente e com razão estas maravilhas da solicitude
do Pai por Seus filhos. Este erro está próximo da verdade que plagia. É verdade que essa
solicitude nos enche de bênçãos, mas é na oração da Virgem Maria e nos méritos de Jesus
Cristo. E quanto à fuga para o seio de Deus que você promete a todos nós, é em Seguí-los em
sua gloriosa Ascensão e Assunção que chegaremos a esta felicidade e glória, se de qualquer
maneira acreditarmos no que temos pregado se fomos batizados e se recebemos o Corpo e o
Sangue de Cristo em antecipação a esta feliz ressurreição!

Embora você tenha nos enganado sobre o nosso primeiro nascimento, chamando-nos filhos e
filhas de Deus, perfeito em todas as coisas e também nos santos, Ele, nosso Criador, em Sua
Sabedoria, nos deu uma natureza à Sua imagem, é verdade, mas que era frágil e falível. E, para
nos manter na humildade que floresce sob provação antes de entrar na glória, Ele mesmo
estabeleceu para nós uma condição nesta terra que vivemos na obscuridade e na obediência à
Sua lei, com toda a força da nossa alma espiritual, mas não sem alguma ajuda providencial.

O pecado original não foi, como lemos em você, um caso menor que foi rapidamente superado
e esquecido. Nossa morada terrena tornou-se uma miséria e uma armadilha para nós.
Multidões imensas de seres humanos degenerados - por que esconder o fato? - se rebelaram
contra o seu Criador, seguiram os demônios, ligaram-se aos bens terrenos e afastaram os
olhos da bem-aventurança que Deus considerou dar-lhes uma morada melhor e final. Mas isso
você não quis dizer, para não desagradar aos homens de nossos tempos de orgulho. Então,
eles ouviram você com prazer e se afundaram em seus erros, suas rebeliões, seus amores
desordenados e sua ganância terrestre, e você - desculpando-os por tudo, louvando-os e
idolatrando-os novamente aplaudiu-os por sua corrupção e apostasia. Eles fizeram ídolos de si
mesmos.

E agora, o que eles vão conceber? Você completou seu elogio ao homem e eles o ouviram
muito bem. Eles pretendem construir uma natureza mais perfeita, sem a ajuda de Jesus Cristo,
mas movidos por um espírito de distração que vocês chamam de divino! Fora de sua morada
terrena, onde Deus os detém, eles querem fazer um paraíso próprio, para vir inebriados com
os mesmos bens e as mesmas satisfações que sempre conheceram. E essa arrogância, esse
orgulho, essa dignidade, essa liberdade, da qual eles se orgulham e que vocês professam
admirar neles como uma semelhança exata com Deus Pai e Filho, se deleitam como um desafio
perpétuo ao seu Criador. Chegou ao ponto em que uma batalha vai se desenrolar entre os dois
mundos. Deles é o mundo da sua antroposofia gnóstica - você fará parte dela. O nosso é o de
Jesus e Maria, sempre triunfante.

O que deve ser feito agora? Nada além de pregar Jesus e Maria, Jesus crucificado e Maria
transfixada. É preciso ensinar aos homens que chegou o momento de adorar o verdadeiro
Homem, a verdadeira imagem e semelhança do Pai, Seu Filho Jesus Cristo e a Imaculada
Conceição, Sua Santa Mãe, que Lhe dá a estimar para que possamos nos afligir sobre a nossa
dissimilaridade e nosso infortúnio neste vale de lágrimas, enquanto aguardamos a graça da
salvação, que procede de uma predestinação incompreensível e inestimável.

Nossas miragens nos desviaram, Santo Padre; nós perdemos o nosso caminho por causa da sua
gnose e estamos cheios de orgulho por termos sonhado com um plano de graça ainda mais
maravilhoso que o de Deus! Nós lançamos a raça humana de volta ao jugo de Satanás, um
mentiroso desde o princípio. Hoje, ele acredita que pode triunfar através do nosso falso
evangelho. Ah, vamos nos arrepender, vamos pregar os verdadeiros caminhos da salvação!
Nunca será tarde demais para reparar nossos erros e nosso comportamento extravagante.
77

Através do Coração Imaculado da Bem-Aventurada Virgem Maria, o Sagrado Coração se


permitirá tocar, e nosso mundo, humildemente sedento pela Vida, Verdade e Amor,
encontrará ou redescobrirá o caminho da Igreja, o caminho de Roma, que é a do Reino dos
Céus neste mundo e no próximo.

Eu sou humilde servo de Sua Santidade,

Irmão Georges de Jesus.