Você está na página 1de 5

Metáfora

A metáfora ocorre quando é utilizada uma substituição de termos que


possuem significados diferentes, atribuindo a eles o mesmo sentido. Veja o
exemplo abaixo:
“Meu pensamento é um rio subterrâneo.”
Na frase acima o autor dá o sentido de “pensamento” ao termo “rio
subterrâneo”, que nada têm em comum, mas passam a ter na oração.

Ela me encarou e seu olhar era “pedra”. – A dureza e rigidez da pedra está sendo
atribuída ao olhar. Podemos observar que a palavra pedra está sendo usada de forma
figurativa e não no sentido literal da palavra.
Mais um exemplo para você fixar o que é uma metáfora:
Aquela menina é uma “flor”. – Subtende-se que a menina é meiga, bonita, cheirosa,
delicada. Ou seja possui características de flor. Mas, sabemos que aqui o vocábulo
“flor” não se refere ao órgão de reprodução de uma planta.

Outros exemplos de Metáforas:


 Esta questão é apenas a” ponta do iceberg”. (Quer dizer que a questão é
pequena diante de outras.)
 Ela é uma “formiga” para doces. (Quer dizer que ela adora doces como se fosse
formiga)

Metonímia
Metonímia é o uso da parte pelo todo. Ocorre quando o autor substitui uma
palavra por outra próxima. É utilizada para evitar a repetição de palavras em
um texto. Por exemplo:
– “Os meus braços precisam dos teus”
Na frase acima, Vinicius de Morais se refere à necessidade que ele tem de ter a
presença de outra pessoa e não somente dos braços.
– “Eu adoro ler Maurício de Souza”
Na frase acima, a pessoa está querendo dizer que gosta de ler as obras de
Maurício de Souza, e não ler o autor, o que seria impossível.

Tipos de Metonímia
Esta figura de palavra acontece de diversas formas. Observe os casos em que
ocorre e veja alguns exemplos:
Quando troca-se o autor pela obra.
Exemplos:
Ela adora “ler Jorge Amado”.
Quando o continente é substituído pelo conteúdo.
Exemplos:
 Os meninos comeram dois “pratos” no jantar.
 Tomamos 3 “garrafas” de cerveja.
 Comi 1 “lata” de atum.
Todos sabem que não é possível ingerirmos “pratos”, “garrafas” e “latas”. O
que aconteceu foi que nos alimentamos do conteúdo destes recipientes. O
continente que é a embalagem foi trocado pelo produto (conteúdo).
Se trocarmos o inventor por seu invento.
Exemplos:

 Ele chegou em um “Ford”.


 “Thomas Edison” iluminou o mundo.
 “Graham Bell” eliminou as distâncias.
Nestas frases acima notamos que o nome do inventor substitui o
invento. “Ford” está no lugar de carro. Henry Ford revolucionou a produção
de carros e fundou a Ford Motor Company.
Thomas Edison inventou a luz elétrica. Quem ilumina é a lâmpada elétrica
descoberta por ele.
Graham Bell é o inventor do telefone, que acaba com o problema da distância
entre as pessoas.

Quando se toma o abstrato pelo concreto, ou vice-versa


Exemplos:
Não resisti aos apelos daquela “meiguice”.
Meiguice indica uma pessoa meiga, singela.
Caso o símbolo seja trocado pela coisa ou entidade.
Exemplo:
Pela “cruz” vencerás.
A cruz simboliza a fé do cristão, sua crença e confiança em Deus.

Se o efeito for tomado pela causa ou vice-versa.


Exemplos
Ganharás o pão com o “suor de teu rosto”.
ou
Respeito seus “cabelos brancos”.
Observamos que a palavra trabalho foi substituída pela expressão “suor de teu
rosto”. Podemos entender que o suor é o efeito, pois é a causa de muito
trabalho.
Na segunda frase “cabelos brancos” é o efeito causado pela idade avançada de
alguém.
Catacrese
A Catacrese é um tipo de recurso muito interessante. Tal figura de linguagem
ocorre quando atribuímos um “nome” a algo que não possui um nome
específico, fazendo referência a outras coisas e objetos.
Um ótimo exemplo seria o “céu da boca” ou a “asa da xícara”. Perceba que
nossa boca não possui um céu de fato, assim como a xícara não possui asas de
fato, parte atribuída somente às aves.

São exemplos:
 Costas da cadeira
 Manga da camisa
 Asa da xícara
 Pé da mesa
 Cabeça de alho

Eufemismo
Troca de um termo por outro mais “leve”, que acaba passando uma conotação
mais agradável a um sentido. Um bom exemplo de eufemismo é quando
trocamos o termo “morreu” por “foi para o céu“.
Exemplos de Eufemismo
Um exemplo ótimo é a palavra “morte”, que comumente é substituída por
“partiu”, “nos deixou”, “não está mais entre nós”, “deixou este mundo”. É uma
forma mais suave e menos drástica de dizer que a pessoa morreu. O
Eufemismo faz muitas vezes, oposição à Hipérbole que é a figura do exagero.
 O homem ficou rico por “meios ilícitos”. – A expressão destacada
substitui o verbo “roubar”.
 Desta vez você “não se deu bem” nas provas. (Foi reprovado, errou
quase tudo).
 A pobre mulher “passou desta para melhor.” (A parte destacada está
substituindo a palavra “morreu”
Hipérbole
Ao contrário de eufemismo, a hipérbole é uma figura de linguagem que dá um
exagero intencional ao contexto. Por exemplo, em vez de dizermos “eu estou
com muita sede“, as vezes dizemos “estou morrendo de sede“. Na verdade, não
estamos morrendo literalmente, mas ocorre um exagero para ilustrar a
grandeza da sede.
Exemplos de Hipérbole
Alguns exemplos comuns que você talvez conheça estão aqui.
 Encontramos Hipérbole nos versos da música de Roberto Carlos:
“Eu quero ter um milhão de amigos e bem mais forte pode cantar…”
Seria bom, mas ter um milhão de amigos é um exagero e tanto. Portanto
constitui Hipérbole.
Veja outros exemplos muitos comuns:
 Já te avisei um bilhão de vezes!
 Se você for embora chorarei rios de lágrimas!
 As crianças estavam mortas de sede.
 Que calor infernal!
 Esta história me faz morrer de rir.

Personificação ou Prosopopeia
A personificação ou prosopopeia ocorre quando atribuímos sentidos
racionais a elementos irracionais. Por exemplo, quando dizemos “A
natureza está em chorando…” estamos atribuindo o “choro” (algo racional) à
natureza (um elemento irracional). Outro exemplo seria dizer “Meu coração
está em pratos…“.
Exemplos de Personificação / Prosopopeia
Veja abaixo, como é simples encontrá-las nas situações de nosso dia a dia.
Observe os exemplos e não deixe de ler as justificativas entre parênteses para
entender onde está a Personificação ou Prosopopeia.
 Pelo caminho nos deparamos com uma “nevasca cruel”. – (A nevasca é
considerada como portadora de um sentimento – a crueldade.)
 “Ora, chora cavaco, ora chora viola”, Já disse pro samba que eu não vou
me embora” (Candeia – no samba “Lá vai Viola”) (Aqui a viola e o
cavaco são capazes de chorar.)
 Nada mais pude fazer, a não ser aceitar a “sinistra face da morte”. (A
morte ganha uma face e assume a característica de ser sinistra)
 Oh! Que “noite cruel e nefasta”. (Neste caso, é a noite que ganha
características de seres vivos.)
 E o “sol encantado” com sua beleza, “sorria”. (O sol se anima nestes
versos. Se encanta com a beleza e ganha a capacidade de sorrir)
 As “ondas beijavam” a areia branca da praia. (Ondas praticam a ação de
beijar.
 Ironia: quando é empregado em termo em
sentido oposto ao usual, obtendo-se um efeito
crítico ou humorístico.
 Ex: “Meu irmão é um santinho” – malcriado
COMPARAÇÃO

Exemplos de comparação:

Essa garotinha é linda como uma princesa.


 O termo “como” estabelece a comparação da
“garotinha” a uma “princesa”.
A família está reunida que nem na noite de Natal.
 A expressão “que nem” coloca a reunião da família
no momento em que se diz essa frase em uma
condição de semelhança à reunião dessa mesma
família na noite de Natal.
Aquela velha parece uma bruxa.
 A velha está sendo colocada em condição de
semelhança com uma bruxa, e essa comparação é
feita utilizando-se o verbo parecer.

Você também pode gostar