Você está na página 1de 5

Ministério da Educação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ


Setor de Ciências Humanas
Departamento de História

Ficha 2 (variável)
Disciplina: História do Brasil e Memória Código: HH 118
Natureza:
( X ) Obrigatória ( X ) Semestral ( ) Anual ( ) Modular
( ) Optativa
Pré-requisito: Co-requisito: Modalidade: ( X ) Presencial ( ) Totalmente EaD ( ) .............. % EaD*
Estágio de
Prática
CH Total: 60 Padrão (PD): Laboratório (LB): Orientada (OR): Formação
Campo (CP): 0 Estágio (ES): 0 Específica
CH semanal: 04 60 0 0 Pedagógica
(PE): 0
(EFP): 0

EMENTA (Unidade Didática)

A disciplina propõe uma reflexão sobre a história do Brasil a partir da espacialidade dos lugares de
memória (monumentos, marcos, museus, memoriais e afins).

PROGRAMA (itens de cada unidade didática)

Aula 1 (25 fev.)


- Apresentação do programa da disciplina; comentários gerais sobre a bibliografia; detalhamento das
avaliações.

UNIDADE I – A espacialidade da memória

Aula 2 (27 fev.)


- Memória histórica e turismo: romance Austerlitz (W. G. Sebald, 2001); documentário Austerlitz (Sergei
Loznitsa, 2016); projeto Yolocaust (Shahak Shapira, 2017).
Texto: SEBALD, W. G. Austerlitz. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. p. 182-198.

Aula 3 (11 mar.)


- As escalas da memória: transnacional, nacional, local.
- Embates de memórias: memória oficial, monumentalização, memória dos vencidos, contramemória etc.
Texto: HUYSSEN, Andreas. Passados presentes: mídia, política, amnésia. In: ______. Seduzidos pela
memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000. p. 9-40.

UNIDADE II – Decodificando os espaços de memória

Aula 4 (13 mar.)


- Lugares de memória (monumentos, marcos, museus, memoriais etc.): proposta de tipologia.
Texto: NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo,
v. 10, p. 7-28. out. 2012. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/revph/article/view/12101>. Acesso em>
5 fev. 2019.

Aula 5 (18 mar.)


- Analisando espaços de memória: proposta metodológica.
Texto: MENEZES, Ulpiano T. Bezerra de. A problemática da identidade cultural nos museus: de objetivo
(de ação) a objeto (de conhecimento). Anais do Museu Paulista, n. 1, p. 207-222, 1993. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/anaismp/v1n1/a14v1n1.pdf>. Acesso em: 5 fev. 2019.
UNIDADE III – Memórias transatlânticas: versões da história do Brasil

Aula 6 (20 mar.)


- Conquista colonial: Padrão dos Descobrimentos (Lisboa/Portugal).
Texto: CHAUÍ, Marilena. O mito fundador. In: ______. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São
Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2000. p. 35-54.

Aula 7 (25 mar.)


- Conquista colonial: Réplica da Nau Capitânia (Brasil, 2000).
Texto: CHAUÍ, Marilena. Comemorar? In: ______. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São
Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2000. p. 55-59.

Aula 8 (27 mar.)


- Escravismo: Porta do Não-Retorno (Benin/África).
Texto: ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Africanos, “os escravos de Guiné”. In: ______. O trato dos
viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. p. 44-76.

Aula 9 (1º abr.)


- Escravismo: Cais do Valongo (Rio de Janeiro/RJ).
Texto: REIS, João José; SILVA, Eduardo. Entre Zumbi e Pai João, o escravo que negocia. In: ______;
______. Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Companhia das
Letras, 1989. p. 13-21.

Aula 10 (3 abr.)
- Questão indígena: Museu do Índio/Aldeia Maracanã (Rio de Janeiro/RJ).
Texto: ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Índios, os “escravos da terra”. In: ______. O trato dos viventes:
formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. p. 117-154.

Aula 11 (8 abr.)
- Questão indígena: Monumento às Bandeiras (São Paulo/SP).
Texto: LOPEZ, Telê Ancona. Mário de Andrade e Brecheret nos primórdios do modernismo. Revista USP,
São Paulo, n. 94, p. 29-38, jun.-jul.-ago. 2012. Disponível em: <https://doi.org/10.11606/issn.2316-
9036.v0i94p29-38>. Acesso em: 20 fev. 2019.

Aula 12 (10 abr.)


- Independência: Museu da Inconfidência (Ouro Preto/MG).
Texto: DUTRA, Eliana Regina de Freitas. Inconfidência Mineira: memória e contramemória. Varia
Historia, Belo Horizonte, n. 12, p. 66-79, dez. 1993. Disponível em:
<http://www.variahistoria.org/edies?tag=Number+12>. Acesso em: 6 fev. 2019.

Aula 13 (15 abr.)


- Independência: Monumento à Independência (Ipiranga, São Paulo/SP).
Texto: OLIVEIRA, Cecilia Helena de Salles. O espetáculo do Ipiranga: reflexões preliminares sobre o
imaginário da Independência. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 195-208, jan.-dez. 1995.
Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0101-47141995000100018>. Acesso em: 5 fev. 2019.

UNIDADE IV – Memórias das ditaduras: homenagens em disputa

Aula 14 (17 abr.)


- Estado Novo (1937-1945): Memorial Getúlio Vargas (Glória, Rio de Janeiro/RJ).
Texto: FERREIRA, Marieta de Moraes. Getúlio Vargas: uma memória em disputa. Rio de Janeiro:
CPDOC, 2006. Disponível em: <https://cpdoc.fgv.br/producao_intelectual/arq/1592.pdf>. Acesso em: 6
fev. 2019.

Aula 15 (22 abr.)


- Estado Novo (1937-1945): Memorial Luís Carlos Prestes (Porto Alegre/RS e Palmas/TO).
Texto: MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Batalhas em torno do mito: Luiz Carlos Prestes. Estudos Históricos,
Rio de Janeiro, n. 34, p. 91-115, jul.-dez. 2004. Disponível em:
<http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/viewFile/2223/1362>. Acesso em: 6 fev. 2019.

Aula 16 (24 abr.)


- Ditadura Civil-Militar (1964-1985): nomes de logradouros.
Texto: NAPOLITANO, Marcos. Recordar é vencer: as dinâmicas e vicissitudes da construção da memória
sobre o regime militar brasileiro. Antíteses, v. 8, n. 15, p. 9-44, nov. 2015. Disponível em:
<http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/23617>. Acesso em: 5 fev. 2019.

Aula 17 (29 abr.)


- Ditadura Civil-Militar (1964-1985): Memorial da Resistência (São Paulo/SP).
Texto: NAPOLITANO, Marcos. Recordar é vencer: as dinâmicas e vicissitudes da construção da memória
sobre o regime militar brasileiro. Antíteses, v. 8, n. 15, p. 9-44, nov. 2015. Disponível em:
<http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/23617>. Acesso em: 5 fev. 2019.

UNIDADE V – Espaços de memória em Curitiba: memórias locais, conexões nacionais e


transnacionais

Aula 18 (6 maio)
- Museu Paranaense: apresentação do grupo A e discussão coletiva como parte da avaliação 1.

Aula 19 (8 maio)
- Estátua do Cacique Tindiquera (Praça Tiradentes): apresentação do grupo B e discussão coletiva como
parte da avaliação 1.

Aula 20 (13 maio)


- Caminhos da Resistência: apresentação do grupo C e discussão coletiva como parte da avaliação 1.

>>> Em 15 de maio não haverá aula: participação do professor em evento acadêmico.

Aula 21 (20 maio)


- Museu do Expedicionário: apresentação do grupo D e discussão coletiva como parte da avaliação 1.

Aula 22 (22 maio)


- Museu do Holocausto de Curitiba: apresentação do grupo E e discussão coletiva como parte da
avaliação 1.

Aula 23 (27 maio)


- Memorial Africano: apresentação do grupo F e discussão coletiva como parte da avaliação 1.

Aula 24 (29 maio)


- Memorial Ucraniano: apresentação do grupo G e discussão coletiva como parte da avaliação 1.

Aula 25 (3 jun.)
- Memorial da Imigração Polonesa: apresentação do grupo H e discussão coletiva como parte da
avaliação 1.

Aula 26 (5 jun.)
- Bosque Alemão: apresentação do grupo I e discussão coletiva como parte da avaliação 1.

Aula 27 (10 jun.)


- Memorial da Imigração Japonesa: apresentação do grupo J e discussão coletiva como parte da
avaliação 1.

Aula 28 (12 jun.)


- Memorial Árabe: apresentação do grupo L e discussão coletiva como parte da avaliação 1.

Aula 29 (17 jun.)


- Síntese da Unidade V e orientação dos grupos para o trabalho final.

Aula 30 (19 jun.)


- Síntese da Unidade V e orientação dos grupos para o trabalho final.

OBJETIVO GERAL

Traçar um panorama da história do Brasil a partir da análise crítica das narrativas construídas pelos
lugares de memória.
OBJETIVO ESPECÍFICO

Capacitar os alunos a decodificar criticamente as versões da memória histórica por meio da análise
espacial. Repassar tópicos fundamentais da história do Brasil. Identificar as conexões entre as diferentes
escalas da memória: transnacional, nacional, local.

PROCEDIMENTOS DIDÁTICOS

Aulas expositivo-dialogadas pautadas pela análise dos lugares de memória realizada coletivamente com
os alunos. Projeção de imagens dos lugares de memória. Discussão coletiva dos textos indicados sobre
cada lugar/tópico. Apresentações orais feitas pelos alunos.

FORMAS DE AVALIAÇÃO

Avaliação 1 (data da entrega: mesmo dia da apresentação do grupo):


Entrega de um roteiro preliminar de visita analítica de um espaço de memória localizado em Curitiba. O
roteiro preliminar, realizado em grupo, além de entregue em formato de texto, também deverá ser
apresentado em sala pelos alunos. O roteiro deverá necessariamente mobilizar a bibliografia indicada
para as aulas, além de referências específicas ao lugar analisado. Também deverá levar em conta, entre
outros aspectos: histórico do lugar de memória; polêmicas e consensos sobre o passado rememorado no
lugar; conexões entre a memória local, nacional ou transnacional.

Avaliação 2 (data da entrega: a definir):


Entrega de trabalho final, realizado em grupo, que desenvolva os aspectos levantados no roteiro
preliminar da primeira avaliação. O trabalho final deve ser o resultado analítico da visita realizada ao lugar
selecionado, guiada pelo roteiro preliminar. Deverá levar em conta, entre outros aspectos observados no
local: localização urbana; configuração arquitetônica/escultural/paisagística; usos; frequentadores;
eventuais desvios e subversões dos usos projetados; significados da memória. A bibliografia indicada
para as aulas deve necessariamente ser articulada na análise, além de referências específicas ao
lugar analisado.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA (mínimo 03 títulos)

CHAUÍ, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Editora Fundação Perseu
Abramo, 2000.

HUYSSEN, Andreas. Passados presentes: mídia, política, amnésia. In: ______. Seduzidos pela memória:
arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000. p. 9-40.

NAPOLITANO, Marcos. Recordar é vencer: as dinâmicas e vicissitudes da construção da memória sobre


o regime militar brasileiro. Antíteses, v. 8, n. 15, p. 9-44, nov. 2015. Disponível em:
<http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/23617>. Acesso em: 5 fev. 2019.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR (mínimo 05 títulos)

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo:
Companhia das Letras, 2000.

DUTRA, Eliana Regina de Freitas. Inconfidência Mineira: memória e contramemória. Varia Historia, Belo
Horizonte, n. 12, p. 66-79, dez. 1993. Disponível em:
<http://www.variahistoria.org/edies?tag=Number+12>. Acesso em: 6 fev. 2019.

FERREIRA, Marieta de Moraes. Getúlio Vargas: uma memória em disputa. Rio de Janeiro: CPDOC, 2006.
Disponível em: <https://cpdoc.fgv.br/producao_intelectual/arq/1592.pdf>. Acesso em: 6 fev. 2019.

HOBSBAWM, Eric. Introdução: a invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence
(Org.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. p. 9-23.

LE GOFF, Jacques. Documento/Monumento. In: LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas:


Editora Unicamp, 2003. p. 525-541.

LOPEZ, Telê Ancona. Mário de Andrade e Brecheret nos primórdios do modernismo. Revista USP, São
Paulo, n. 94, p. 29-38, jun.-jul.-ago. 2012. Disponível em: <https://doi.org/10.11606/issn.2316-
9036.v0i94p29-38>. Acesso em: 20 fev. 2019.

OLIVEIRA, Cecilia Helena de Salles. O espetáculo do Ipiranga: reflexões preliminares sobre o imaginário
da Independência. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 195-208, jan.-dez. 1995. Disponível
em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0101-47141995000100018>. Acesso em: 5 fev. 2019.

MENEZES, Ulpiano T. Bezerra de. A problemática da identidade cultural nos museus: de objetivo (de
ação) a objeto (de conhecimento). Anais do Museu Paulista, n. 1, p. 207-222, 1993. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/anaismp/v1n1/a14v1n1.pdf>. Acesso em: 5 fev. 2019.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Batalhas em torno do mito: Luiz Carlos Prestes. Estudos Históricos, Rio de
Janeiro, n. 34, p. 91-115, jul.-dez. 2004. Disponível em:
<http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/viewFile/2223/1362>. Acesso em: 6 fev. 2019.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, v. 10, p.
7-28. out. 2012. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/revph/article/view/12101>. Acesso em> 5 fev.
2019.

REIS, João José; SILVA, Eduardo. Entre Zumbi e Pai João, o escravo que negocia. In: ______; ______.
Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
p. 13-21.

SEBALD, W. G. Austerlitz. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

VIOLI, Patrizia. Paesaggi della memoria: il trauma, lo spazio, la storia. Milano: Bompiani, 2014.

Professor da Disciplina: Fernando Seliprandy

Assinatura: __________________________________________

Chefe de Departamento ou Unidade equivalente: __________________________________________


Assinatura: __________________________________________

*OBS: ao assinalar a opção % EAD, indicar a carga horária que será à distância.