Você está na página 1de 12

Caderno de Questões Realização:

Prova para o cargo:

S09 - Supervisor Educacional

ATENÇÃO
CONFIRA SE ESTA PROVA CORRESPONDE AO CARGO
A QUE VOCÊ CONCORRE

Neste Caderno de Questões, você encontra:


! 20 questões Específicas - de 01 a 20;
! 10 questões de Estrutura e Fundamentos - de 21 a 30;
! 10 questões de Língua Portuguesa - de 31 a 40;
! Tema da Redação.

Só inicie a prova após a autorização do Fiscal de Sala.


Duração da prova: 4 horas.
Saída dos candidatos da sala: após 1 hora do início.
Liberação do Caderno de Questões: quando faltar 1 hora para o término da
prova, (Edital, item 5.3).
Os Fiscais de Sala não estão autorizados a prestar qualquer esclarecimento
sobre a resolução das questões; esta tarefa é obrigação exclusiva do
candidato.
Não é permitido que os candidatos se comuniquem entre si. É proibida
também a utilização de equipamentos eletrônicos.
Em seu Cartão de Respostas, assinale apenas uma opção em cada questão.
Não deixe questão em branco, nem assinale duas opções, para seu Cartão
não ter questão anulada.
Não rasure, dobre ou amasse seu Cartão de Respostas pois em hipótese
alguma ele será substituído. Confira seus dados, leia as instruções para seu
preenchimento e assine no local indicado. A assinatura é obrigatória.
O gabarito desta prova estará disponível no Colégio Estadual Raul Vidal -
Av. Feliciano Sodré, 21 - Centro - Niterói - RJ - e no site www.fundec.org.br,
a partir de 29/julho/2003.
Para exercer o direito de recorrer contra qualquer questão, o candidato
deve seguir as orientações constantes no item 8 do Edital.

BOA PROVA

1
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF Tel. (21) 2629-3606 / 2629-3566 / 2629-3515
Específicas
01) Preocupado em atender ao Artigo 2º da Lei 9394 / 96 04) Buscando uma ressignificação do papel do
(LDBEN), que estabelece os fins da educação nacional, supervisor educacional e tentando definir a supervisão
o Supervisor Educacional buscará, através da sua educacional, Vasconcellos (2002) começa por
atuação, contribuir para: explicitar o que a supervisão não é (ou não deveria
A) o desenvolvimento sócio-cultural do educando, seu ser):
preparo para o exercício da cidadania e sua
qualificação para o trabalho; “não é fiscal de professor, não é dedo-duro (que
B) o pleno desenvolvimento do educando, seu exercício entrega os professores para a direção ou
de cidadania e sua formação profissional; mantenedora), não é pombo-correio (que leva recado
C) o desenvolvimento psicoafetivo do educando, seu da direção para os professores e dos professores para
preparo para o exercício da cidadania e sua a direção), não é coringa/tarefeiro/quebra galho/salva-
profissionalização; vidas (ajudante de direção, auxiliar de secretaria,
D) o desenvolvimento intelectual do educando, seu enfermeiro, assistente social, etc.), não é tapa-buraco
exercício de cidadania e sua qualificação profissional; (que fica “toureando” os alunos em sala de aula no
E) o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo caso de falta de professor),... não é de gabinete (que
para o exercício da cidadania e sua qualificação para o está longe da prática e dos desafios efetivos dos
trabalho. educadores), não é dicário (que tem dicas e soluções
para todos os problemas, uma espécie de fonte
02) Segundo Saviani (1999), a função supervisora inesgotável de técnicas, receitas)...”
acompanha a ação educativa desde suas origens.
Contudo, para que uma função seja organizada como O autor se insere entre os que buscam hoje uma
profissão, é necessário que ela se destaque do âmbito ressignificação do papel do supervisor educacional. A
em que opera, se distinga das demais, detalhando-se seguir encontram-se seis conceitos para a função
os seus atributos, e exija agentes especializados com supervisora, extraídos da literatura especializada:
uma formação específica. Entendendo-se a
profissionalização na perspectiva de Saviani, I - “A função supervisora pode ser compreendida como
explicitada acima, pode-se afirmar que esta um processo em que um professor, em princípio mais
profissionalização não chega a se consolidar no experiente e mais informado, orienta um outro
Brasil. O contexto histórico considerado a tentativa professor ou candidato a professor no seu
mais radical de profissionalização da supervisão desenvolvimento humano e profissional” (ALARCÃO,
educacional no Brasil se dá com: 2001)
A) a vinda dos jesuítas para o Brasil, a partir de 1549, II - Supervisão é a “atividade voltada para o
através da adoção do Ratio Studiorum; planejamento, orientação, acompanhamento, controle
B) a criação das “aulas régias”, no âmbito das reformas e avaliação do processo ensino-aprendizagem,
pombalinas, após a expulsão dos jesuítas, em 1759; visando à melhoria qualitativa tanto a nível de sistema
C) a criação dos técnicos em educação, no âmbito do como de escola” (SME/RJ, 1978)
movimento dos “pioneiros da educação nova”, a partir III - “A supervisão educacional, no contexto mais
da década de 20; amplo da sociedade e da educação, tem como função
D) a organização da burocracia estatal e a implantação do primordial resgatar o sentido básico da escola... A
Ministério da Educação, através da promulgação da supervisão tem como função participar do processo de
Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de conscientização na luta contra a palavra vazia de vida,
20/12/61; de significado; contra o fazer vazio de sentido”.
E) o Parecer 252, de 1969, que reformulou os cursos de (URBAN, 1985).
Pedagogia, após o golpe militar de 1964. IV - “Supervisão educacional é uma função que atua
organizando a instrução, desenvolvendo o currículo,
03) Leia o trecho a seguir: selecionando e treinando o pessoal, providenciando
“... fazer supervisão em educação será, antes de tudo, condições de trabalho, promovendo material e
estimular a discussão sobre o tipo de pão que recursos didáticos... acompanhando o desenrolar do
queremos ter e, só depois, como decorrência, processo ensino-aprendizagem, avaliando resultados,
incentivar a discussão sobre os meios para a pessoas, programas, processos”. (CASTILHO, 1971)
fabricação de tal pão”. (Danilo Gandin, 1985) V - “A supervisão é a arte de trabalhar com um grupo de
pessoas, sobre as quais se dispõe de autoridade, de
As diversas metáforas utilizadas no texto estabelecem modo a obter a eficiência máxima de seu esforço...”
uma prioridade nas ações do Supervisor Educacional. (DERSAL, 1964).
Assim, com base no texto acima, o Supervisor
Educacional deve priorizar a discussão sobre: Destes conceitos, os que estão mais de acordo com a
A) os fins da educação, em relação aos métodos; concepção de supervisão educacional explicitada por
B) as metodologias, já que estas possibilitam que os fins Celso Vasconcellos são:
sejam alcançados; A) I e IV;
C) os processos de planejamento da escola; B) II e IV;
D) os meios e os fins, indistintamente, de acordo com a C) I e III;
necessidade; D) IV e V;
E) a relação entre os fins, os meios e os processos de E) II e V.
avaliação.

2
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF www.fundec.org.br
05) Referindo-se às concepções de supervisão
educacional, presentes na história recente da 07)“A mudança na escola só se dará quando o trabalho
educação brasileira, Rangel (1999) afirma: for coletivo, articulado entre todos os atores da
comunidade escolar, num exercício individual e grupal
“Quando se sonha, traduz-se o que se quer, o que se de trazer as concepções, compartilhá-las, ler as
gostaria, o que se idealiza, mas também o que toca a divergências e as convergências e, mediante esses
sensibilidade, o que tenciona, o que se esconde..., confrontos, construir o trabalho”. (ORSOLON, 2001)
enfim o que se concebe... [...] E nesse sonho dos anos Com base no texto acima, a opção que apresenta
80 espera-se extirpar, extinguir, da formação à ação, a ações mais adequadas ao papel do Supervisor
existência do supervisor”. (Rangel, 1999) Educacional é:
A) observar, articular, controlar;
A autora refere-se, neste texto, a um forte movimento B) articular, observar, incentivar;
de negação de supervisão educacional que se dá no C) mediar, controlar, observar;
Brasil ao longo dos anos 80. Com relação a este D) articular, mediar, incentivar;
movimento é correto afirmar que a negação do papel E) incentivar, observar, controlar.
do supervisor educacional ocorre porque:
08) “A educação, não importando o grau em que se dá,
I - a introdução da supervisão educacional traz para o é sempre uma teoria do conhecimento que se põe em
interior da escola a divisão social do trabalho, ou seja, prática.(...) O supervisor é um educador e, se ele é um
a divisão entre aqueles que pensam, decidem e educador, ele não escapa na sua prática a esta
mandam e aqueles que executam. natureza epistemológica da educação. Tem a ver com o
II - a função da supervisão naquele contexto era conhecimento, com a teoria do conhecimento. O que
predominantemente tecnicista e controladora e, de se pode perguntar é: qual o objeto de conhecimento
certa forma, correspondia à militarização escolar. que interessa diretamente ao supervisor? (Freire,
III - os supervisores não tinham formação adequada à 1982)
função que exerciam, visto que não era exigido destes
o curso de Pedagogia. A alternativa que melhor responde à pergunta de Freire
IV - a supervisão educacional tendia a desvalorizar o é:
trabalho do professor por estar comprometido com a A) os objetivos da escola, em interação com os objetivos
estrutura do poder burocratizado. gerais traçados pelos diferentes sistemas de ensino;
V - a supervisão educacional era uma função não B) o processo ensino-aprendizagem, que está se dando
prevista na legislação do ensino na época e, portanto, na relação educador / educando, ou seja, o ato de
configurava-se como uma função sem o respaldo do conhecer;
sistema. C) as relações interpessoais que se dão no interior da
São FALSAS as afirmativas: escola: professor / aluno; professor / equipe técnico-
A) III e IV; administrativa; equipe dirigente / alunos / funcionários;
B) III e V; D) a avaliação e o controle do trabalho pedagógico
C) II e IV; desenvolvido pela equipe docente e outros
D) I e IV; profissionais que atuam na escola;
E) somente a V. E) o educando, em seus aspectos cognitivos,
psicomotores e afetivos, sua adaptação ao ambiente
06) Interessada em ressignificar o papel da supervisão escolar e sua motivação para o processo educativo.
educacional, a equipe supervisora de uma escola
optou por adotar uma prática coerente com os 09) “Depois das teorias críticas e pós-críticas, não
pressupostos da corrente ideológica transformadora. podemos mais olhar para o currículo com a mesma
Nesta concepção, a função supervisora caracteriza-se inocência de antes. O currículo tem significados que
por: vão além daqueles aos quais as teorias tradicionais
nos confinaram... O currículo é documento de
I - estar baseada num positivismo otimista, pelo qual os identidade”. (SILVA, T. T., 1999).
conflitos são omitidos e é feita a apologia de uma Conceitos enfatizados pelas
sociedade desejável. grandes teorias de currículo
II - ser essencialmente política e não principalmente
Teorias Teorias Teorias
técnica.
III - ser implementadora do currículo oficial nas escolas Tradicionais Críticas Pós-Críticas
e orientadora dos professores na execução dos ensino ideologia alteridade
programas oriundos dos sistemas de ensino. aprendizagem ((2)) subjetividade
IV - estar voltada, essencialmente, para garantir a metodologia classe social ((3))
efetividade e eficiência dos meios e a eficácia dos didática capitalismo gênero
resultados do trabalho pedagógico na escola. organização resistência raça
V - estar voltada, essencialmente, para favorecer
((1)) conscientização ((4))
momentos de reflexão, explicitando contradições e
conflitos, de modo a determinar as prioridades do
Baseando-se no texto acima, a opção que completa a
trabalho pedagógico das escolas.
tabela é:
A) 1 = poder; 2 = cultura; 3 = eficiência; 4 = representação;
Estão corretas as afirmações:
B) 1 = eficiência; 2 = poder; 3 = representação; 4 = cultura;
A) I e II;
C) 1 = representação; 2 = cultura; 3 = poder; 4 =
B) II e III;
identidade;
C) I e IV;
D) 1 = cultura; 2 = eficiência; 3 = organização; 4 = poder;
D) I e V;
E) 1 = identidade; 2 = cultura; 3 = eficiência; 4 = poder.
E) II e V. 3
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF Tel. (21) 2629-3606 / 2629-3566 / 2629-3515
10) “O livro didático não pode ser ignorado. Sua
presença tem sido muito forte na prática pedagógica Ações solicitadas Áreas de intervenção
dos professores, constituindo-se, às vezes, no único
referencial para seu trabalho em sala-de-aula. Essa
situação precisa ser revertida”. (A Escola e Sua ( ) organizar e dinamizar a
Função Social - Raízes e Asas - nº 1 - pág. 30) construção do projeto político-
pedagógico;
Ao debater o livro didático com a equipe de
professores, o Supervisor Educacional comprometido ( ) organizar uma reunião 1 - ESCOLAR
com a transformação da realidade social diria que: para a elaboração dos
instrumentos de avaliação a
I - independentemente da forma como é apresentado, o serem utilizados no 1º período
importante é analisar se o livro didático contém o letivo, nas turmas de 2 - PEDAGÓGICA
conteúdo. alfabetização;
II - o professor é o sujeito que dá a direção e o livro ( ) avaliar o trabalho
didático é um recurso de apoio. educativo que vem sendo 3 - PROFISSIONAL
III - o livro didático não pode ser absolutizado, mas desenvolvido pela escola;
colocado a serviço da ação pedagógica planejada pelo
professor.
IV - o livro didático é um recurso técnico; portanto, é ( ) organizar um programa
ideologicamente neutro e deve ser avaliado somente de formação em serviço para o
por critérios técnicos. corpo docente.

Estão corretas as respostas


A) I e II;
B) II e IV; A numeração mais adequada é:
C) II e III; A) 1 - 3 - 2 - 2;
D) I, II e III; B) 2 - 2 - 1 - 3;
E) I e IV. C) 2 - 3 - 1 - 3;
D) 1 - 2 - 1 - 3;
E) 3 - 2 - 1 - 2.

11) O quadro abaixo, de autoria de Antonio Nóvoa,


ajuda a clarificar o papel que os diferentes atores 12) Sobre a integração da Equipe Técnico-
podem desempenhar no interior de um Administrativa da unidade escolar, LÜCK, já em 1982,
estabelecimento de ensino. Nele, o autor distingue três chamava a atenção para a sua importância, afirmando
áreas de intervenção nas escolas, para além dos que: “a ação do corpo técnico-administrativo deve ser
domínios relacionados com o sistema educativo e a não só integrada, mas também integradora”. Para
administração do ensino. alcançar essa integração, a autora sugere que os
elementos da equipe devem ter em comum:
SISTEMA EDUCATIVO A) opiniões, técnicas e atitudes;
(Legislação) B) atitudes, direções e objetivos;
(administração) C) objetivos, atitudes e técnicas;
D) opiniões, finalidades e técnicas;
E) direções, finalidades e opiniões.

13) VASCONCELLOS (2002) apresenta três dimensões


básicas da formação humana que se constituem em
condições subjetivas para a ação supervisora. Para
favorecer a criação de um “clima” institucional
ÁREA favorável ao trabalho pedagógico, o supervisor
ÁREA
PROFIS ESCOLAR educacional deve estar atento, para o
SIONAL desenvolvimento próprio e da equipe de profissionais
que atuam na unidade escolar, às seguintes
ÁREA dimensões:
PEDAGÓGICA A) conceitual e procedimental;
B) procedimental e institucional;
C) atitudinal e procedimental;
- Alunos D) conceitual e institucional;
E) conceitual e atitudinal.
- Professores

Numere a primeira coluna de acordo com a segunda,


identificando a área de intervenção a que estariam
relacionadas as seguintes “ações” solicitadas à
equipe de supervisão educacional de uma escola:

4
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF www.fundec.org.br
14) Para Demailly (1992), são quatro os modelos 16) Observe a ilustração.
teóricos de formação continuada de professores: o
universitário, o escolar, o contratual e o interativo-
reflexivo. A forma interativo-reflexiva caracteriza-se
por estar ligada à situação de trabalho e à resolução de
problemas reais, com a ajuda mútua entre os
formandos.
Marta é supervisora educacional de uma escola e

ESCOLA
TODOS
PARA
dispõe de uma verba para ser utilizada na formação
continuada dos docentes que atuam nesta escola. A
estratégia que se aplicaria ao modelo interativo-
reflexivo, descrito acima é:
A) contratação de um especialista para assessoria aos
(SILVA, E. T. Raiva e Revolta em Educação. SP, Campinas:
professores que manifestaram dificuldades quanto ao Editora Autores Associados, 1998. p. 7 e 45).
processo de alfabetização utilizado;
B) realização de um convênio com uma universidade que O Artigo 12º da Lei 9394/96 (LDBEN) estabelece a
oferecerá um curso de pós-graduação para os autonomia da escola em elaborar e executar a sua
professores interessados; proposta pedagógica. As figuras sugerem que essa
C) promoção de encontros semanais remunerados com o elaboração deve ser:
corpo docente, para a realização de centros de A) fruto de um trabalho coletivo que envolve os alunos, os
estudos voltados para as dificuldades e/ou profissionais da escola e a comunidade;
necessidades surgidas no cotidiano escolar; B) resultado de um trabalho de técnicos em educação,
D) organização de um curso, com freqüência obrigatória, com a sua execução pelos profissionais da escola e
a partir da necessidade de a escola implementar sua pela comunidade;
nova proposta pedagógica; C) conduzida pelos órgãos centrais de ensino e
E) realização de “encontros de vivências”, fora do executada pelos profissionais da escola;
ambiente escolar, com o objetivo de trabalhar os D) feita pelas famílias dos alunos, que decidirão o tipo de
aspectos sócio-afetivos do grupo, através de oficinas e escola que os profissionais oferecerão aos alunos;
laboratórios desenvolvidos por convidados externos. E) resultado de decisão dos professores, que são os
melhores conhecedores da realidade dos alunos.
15) “Projetos de pesquisa realizados com professores
acabaram por mostrar que a formação continuada... de 17) Observe o diálogo entre Alice e o Gato Inglês:
fato não tem permitido avanços no que diz respeito a Você poderia me dizer, por gentileza, como é que eu
mudanças significativas”.(Kuenzer, 2002). faço para sair daqui? - perguntou Alice.
Podemos dizer que, dentre as razões que têm levado Isso depende muito de para onde você pretende ir -
as propostas atuais de formação continuada, disse o Gato.
implementadas por diferentes sistemas de ensino, a Para mim tanto faz para onde quer que seja... -
serem insuficientes para uma mudança significativa respondeu Alice.
no trabalho escolar, estão: Então, pouco importa o caminho que você tome. -
disse o Gato.
I - a taylorização da formação, ou seja, a formação (CARROLL, Lewis. Alice no País das
dividida por temas e/ou disciplinas, agrupando Maravilhas)
professores por especialidades.
II - a fragmentação entre teoria e prática, em encontros Este diálogo pode ser uma metáfora de situações de
organizados por temáticas ou que se utilizam de textos planejamento escolar em que a escola:
desvinculados das práticas cotidianas. A) conhece sua realidade e sabe em que direção quer
III - a falta de compromisso dos professores para com transformá-la;
sua própria formação. B) não conhece sua realidade nem sabe como
IV - a descontinuidade das ações que têm sido postas transformá-la;
em prática. C) conhece sua realidade, mas não sabe por que
V - a atitude normativa e prescritiva com relação aos transformá-la;
professores. D) não conhece sua realidade, mas sabe em que direção
quer transformá-la;
Estão corretas as afirmações: E) conhece sua realidade, mas não sabe em que direção
A) I, II, IV e V; quer transformá-la.
B) I, II, III e V;
C) II, III, IV e V; 18) O “percurso” de elaboração do projeto político-
D) I, III, IV e V; pedagógico de uma escola passa pelas etapas abaixo.
E) I, II, III e IV. Numere os parênteses de acordo com a ordem
seqüencial em que as etapas devem ser executadas:

§ estabelecer a linha geral do projeto, definindo


aquilo que se quer atingir; ( )
§ escolher e preparar as ações que permitirão
atingir o que se deseja; ( )
§ analisar a realidade da escola e apontar suas
necessidades; ( )
§ montar o processo de acompanhamento e
avaliação do projeto. ( )
5
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF Tel. (21) 2629-3606 / 2629-3566 / 2629-3515
A ordem dos números colocada dentro dos
20) O Conselho de Classe é um dos campos
parênteses, de cima para baixo, deve ser:
privilegiados de atuação da supervisão educacional.
A) 1 - 2 - 3 - 4;
Pode-se afirmar que é um espaço de grande
B) 1 - 3 - 2 - 4;
relevância, visto que se tem aí o encontro de vários
C) 2 - 1 - 4 - 3;
segmentos reunidos em torno da temática da
D) 2 - 3 - 1 - 4;
avaliação. Contudo, muitas vezes, este espaço tem
E) 3 - 4 - 1 - 2.
sido utilizado para outros fins. Numa escola que
busque um trabalho crítico e transformador, podemos
19) Perrenoud (1999) afirma que a avaliação pode estar
afirmar que o Conselho de Classe deve ser:
a serviço de duas diferentes lógicas: a primeira, que
A) um momento para se pensar, coletivamente
cria hierarquias, estigmatizando a ignorância de
(professores, alunos, pais, supervisores,
alguns enquanto celebra a excelência de outros; e a
orientadores, funcionários, diretores) a prática
segunda, que se torna um instrumento de regulação
educativa como um todo e como processo;
contínua das intervenções e situações didáticas.
B) um momento de repasse das normas e avisos
Ao final da correção das provas de português de uma
oriundos do sistema escolar;
turma de 8ª série do ensino fundamental, o professor
C) o momento em que todos os professores, já com seus
verificou que apenas dois alunos haviam atingido a
conceitos fechados, os ditam para que o supervisor os
média seis; os demais tinham ficado abaixo dela. O
registre em ata;
professor ficou muito incomodado e procurou a
D) o momento em que os professores relacionam os
supervisão educacional para juntos decidirem o que
alunos que apresentam problemas de disciplina ou
poderia ser feito. Das decisões abaixo, estão de acordo
outros, para que os pais possam ser convidados
com a segunda destas lógicas:
posteriormente para uma conversa com a supervisão;
A) chamar todos os pais dos alunos para solicitar
E) um momento de encontro de todos os professores da
providências quanto à necessidade de estudar;
escola com a supervisão, a orientação e a direção da
B) anular a prova e, em seguida, aplicar outra mais fácil,
escola para resolver problemas do grupo.
favorecendo o alcance da média por um grupo maior;
C) aplicar um trabalho, em grupo, para ajudar na nota,
favorecendo uma média mais elevada;
D) rever o conteúdo trabalhado, buscando estratégias
diferenciadas para uma melhor aprendizagem;
E) encaminhar os alunos com baixo rendimento para a
orientação educacional, a fim de que sejam
conduzidos para um serviço especializado.

Estrutura e Fundamentos
21) Roberto é conhecido na escola em que trabalha por
fazer questão de propor trabalhos em grupo. No 22) Piaget e Vygotsky reconhecem a importância das
entanto, muitos pais procuraram a direção para fazer interações no processo de desenvolvimento. No
reclamações sobre a proposta do professor, alegando entanto, os referidos autores assumem posições
que trabalhos em grupo prejudicam o distintas em relação aos impactos da aprendizagem
desenvolvimento individual das crianças. Diante da sobre o desenvolvimento e, conseqüentemente, no
situação, o professor aproveitou a oportunidade para papel da intervenção pedagógica. Suas teorias
conversar com os pais e justificar suas práticas em apresentam, respectivamente, as seguintes
sala de aula a partir dos estudos da teoria histórico- premissas:
cultural. De acordo com os pressupostos desse A) a epistemologia genética de Piaget reconhece que o
referencial teórico, pode-se afirmar que Roberto tenha desenvolvimento subordina-se à aprendizagem,
feito uma abordagem alegando que o trabalho em enquanto a abordagem sócio-histórica de Vygotsky
grupo é fundamental para o desenvolvimento, porque: postula que o desenvolvimento segue-se à
A) pares mais experientes estimulam e reforçam aprendizagem;
comportamentos desejáveis nos alunos; uma vez B) a epistemologia genética de Piaget sustenta que a
condicionadas, as crianças apresentarão melhores aprendizagem não tem um impacto decisivo sobre o
resultados no rendimento escolar; desenvolvimento, enquanto a abordagem sócio-
B) pares mais experientes podem provocar desequilíbrios histórica de Vygotsky postula que o único bom ensino é
nos sujeitos envolvidos no processo de aprendizagem; aquele que sucede o desenvolvimento;
desse modo, as estruturas cognitivas dos alunos são C) a perspectiva histórico-cultural de Piaget propõe a
reorganizadas num processo contínuo que envolve simultaneidade da aprendizagem e do
mecanismos de assimilação e acomodação; desenvolvimento, enquanto a abordagem sócio-
C) pares mais experientes permitem a revelação das histórica de Vygotsky postula que a aprendizagem não
qualidades e capacidades básicas de cada ser tem um impacto decisivo no desenvolvimento;
humano; portanto, o papel do grupo é despertar o D) a epistemologia genética de Piaget sustenta que a
processo de desenvolvimento espontâneo das aprendizagem segue-se ao desenvolvimento,
crianças; enquanto a abordagem histórico-cultural de Vygotsky
D) a interferência de colegas mais experientes contribui reconhece que a aprendizagem não tem um papel
para o processo de construção do conhecimento; a decisivo no desenvolvimento;
mediação social é decisiva para a aprendizagem, pois E) a epistemologia genética de Piaget postula que a
aquilo que uma criança é capaz de fazer com ajuda de aprendizagem segue-se ao desenvolvimento,
alguém hoje, poderá fazê-lo sozinha amanhã; enquanto na abordagem histórico-cultural de Vygotsky
E) a socialização contribui de modo efetivo para a auto- o único bom ensino é aquele que se adianta ao
estima dos alunos; quando estão trabalhando em desenvolvimento.
grupo, os alunos se sentem mais felizes e aprendem
6 com mais facilidade.
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF www.fundec.org.br
A) o Secretário agiu conforme a lei, visto que ele já tinha
23) Na tentativa de compreender o desenvolvimento
atendido plenamente às necessidades de sua área de
humano, diversas teorias foram elaboradas a partir de
competência, ou seja, a educação infantil e ensino
certas concepções do homem e do conhecimento.
fundamental;
Dentre as principais correntes, pode-se destacar o
B) ainda que louvável a atitude do Secretário, ele não
inatismo, o comportamentalismo e o interacionismo.
cumpriu a lei, pois esta determina que o Município atue
De acordo com os pressupostos básicos desses
exclusivamente na área infantil e fundamental;
referenciais teóricos, é INCORRETO afirmar que:
C) ainda que o Secretário tenha atendido às
A) o inatismo salienta a importância dos fatores
necessidades de sua área de competência, ele não
endógenos; o comportamentalismo supervaloriza o
respeitou a LDB, pois deveria ter utilizado recursos
papel do ambiente; e o interacionismo destaca a
acima dos percentuais mínimos vinculados
importância das interações entre o ser humano e seu
constitucionalmente à manutenção e desenvolvimento
mundo físico e social no processo de construção do
do ensino;
conhecimento;
D) o Secretário não respeitou a LDB, pois os recursos
B) o i n a t i s m o e s t á a t r e l a d o à s n o ç õ e s d e
vinculados de um Município não podem ser utilizados
desenvolvimento espontâneo, aptidão e prontidão; o
na abertura de escola de nível médio; ele poderia, por
comportamentalismo fundamenta-se no empirismo; e
exemplo, ter investido na melhoria da qualidade da
o interacionismo concebe o conhecimento como um
merenda escolar das escolas do nível fundamental;
processo de construção;
E) o Secretário não seguiu a LDB, pois esta determina
C) o inatismo salienta a importância dos fatores
que quando sobram recursos vinculados, estes devem
endógenos; o comportamentalismo ressalta a
ser aplicados, preferencialmente, em obras de infra-
influência dos fatores exógenos; e o interacionismo
estrutura escolar.
destaca a importância das interações entre o ser
humano e seu mundo físico e social no processo de
26) O Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova,
construção do conhecimento;
elaborado em 1932, expressou algumas das tensões
D) o inatismo salienta a importância dos fatores
entre os educadores conservadores e renovadores.
exógenos; o comportamentalismo fundamenta-se no
Considere as idéias expressas pelos renovadores no
empirismo; e o interacionismo destaca a importância
Manifesto:
das interações entre o ser humano e seu mundo físico
I - O Manifesto criticou reformas parciais e apontou a
e social no processo de construção do conhecimento;
necessidade de se elaborar um plano que desse
E) o i n a t i s m o e s t á a t r e l a d o à s n o ç õ e s d e
unidade à política educacional. Os renovadores
desenvolvimento espontâneo, aptidão e prontidão; o
esclareceram, entretanto, que unidade não significava
comportamentalismo supervaloriza o papel do
uniformidade. Unidade nacional pressupunha o
ambiente; e o interacionismo concebe o conhecimento
respeito à multiplicidade e não a adoção de um
como um processo de construção.
centralismo estéril.
II - O Manifesto apontou a importância da autonomia da
função educacional. Para tanto, os renovadores
24) Após consulta feita a uma especialista, uma
defenderam a necessidade da criação de um fundo que
diretora de escola pública do ensino fundamental
garantisse verbas exclusivas para a educação, que
preparou e apresentou o projeto pedagógico ao corpo
não oscilassem conforme o interesse do governo ou
docente da sua unidade escolar. Os professores
da situação financeira da época.
rejeitaram o projeto, alegando ausência de um
III - Os renovadores, preocupados com a qualidade do
processo democrático na construção do referido
ensino, defenderam o monopólio da educação pelo
projeto. Considerando a Lei 9394/96, é possível afirmar
Estado, para garantir uma formação consistente para
que:
todos os cidadãos, independente da classe social,
A) o protesto docente tem fundamento legal, já que eles
religião ou gênero.
deviam ter participado da elaboração da proposta
IV - A educação no Manifesto assumiu uma verdadeira
pedagógica da escola onde trabalham;
função social. Os renovadores defenderam que a
B) a diretora agiu em conformidade com a lei, já que a
e d u c a ç ã o d e v e r i a p o s s i b i l i ta r a s m e s m a s
gestão democrática restringe-se aos
oportunidades a todos, independente do grupo social.
estabelecimentos particulares de ensino;
Assim, seria possível formar uma “hierarquia
C) a diretora respeitou a LDB, já que o projeto pedagógico
democrática” pela “hierarquia das capacidades”.
deve ser elaborado pela direção escolar e comunicado
aos seus docentes;
Pode-se afirmar que está correto o que se diz nos itens:
D) a diretora não respeitou a LDB, porque esta determina
A) I, II, III e IV;
que o projeto pedagógico deve ser elaborado por uma
B) I e II;
equipe de pedagogos;
C) I, II e III;
E) o protesto docente tem fundamento legal, já que a LDB
D) I, II e IV;
proíbe a consulta a especialistas.
E) III e IV.
25) Um Secretário Municipal de Educação constatou
27) Nos anos 90, a política pública brasileira foi
que tinha atendido plenamente às necessidades de
marcada pelo ideário neoliberal. A opção
sua área de competência. Observou, no entanto, que
INCOERENTE com esse ideário é:
gastou apenas 20% dos recursos vinculados
A) a crise educacional deve-se, entre outras razões, a
constitucionalmente para a manutenção e
uma gestão escolar ineficiente que não sabe
desenvolvimento do ensino (MDE). Assim, ele decidiu
administrar os recursos existentes;
inaugurar uma escola de nível médio, já que lhe
B) o clientelismo e a burocracia estatal presentes na
restavam 5% dos recursos vinculados,
política pública são, dentre outros motivos,
obrigatoriamente, para o ensino. Considerando as
responsáveis pela crise educacional;
determinações da atual LDB, é possível afirmar que:
7
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF Tel. (21) 2629-3606 / 2629-3566 / 2629-3515
C) a produção educacional deve estar subordinada às
necessidades apontadas pelo mercado de trabalho;
D) como o Estado é ineficiente, a palavra de ordem é
privatizar; a escola deve ser pensada e organizada
como uma empresa produtiva;
E) a qualidade total é defendida para que a educação
desempenhe sua função social de criar fontes de
trabalho e garantir empregos, não se restringindo à
mera empregabilidade.

28) “A vida do colégio parecia continuar impávida,


como se não estivesse envolvida pelo mesmo HARPER, Babette et al. Cuidado, Escola.
ambiente colonial. Todos falando latim, assuntando São Paulo: Brasiliense, 1988.
falas piedosas, recitando poesias e textos clássicos.
(...) A realidade, ali, parecia estar suspensa (...) Um
mundo perfeito. Uma sociedade perfeita“. 30) À luz da imagem acima e das contribuições da
Esta passagem foi retirada do texto “Educação Sociologia, podemos destacar três abordagens sobre
jesuítica no Brasil colonial”, de José Maria Paiva, as relações entre educação e sociedade. A primeira vê
publicado no livro: 500 anos de educação no Brasil. Em a sociedade como um conjunto harmonioso, cabendo
relação ao colégio jesuítico, é possível afirmar que: à educação a veiculação de valores éticos, integrando
A) o currículo jesuítico priorizava as ciências em os indivíduos ao todo social existente. Para a segunda,
detrimento das letras; a educação é o reflexo da sociedade, estando
B) a organização curricular jesuítica priorizava a língua exclusivamente a serviço de uma determinada classe
vernácula de cada sociedade; social, e a terceira “tem por perspectiva compreender
C) havia um intenso formalismo na estruturação do a educação como mediação de um projeto social”.
colégio jesuítico; (LUCKESI)
D) o colégio jesuítico contribuiu para a transformação da
sociedade colonial; A opção que apresenta, respectivamente, as
E) os jesuítas buscavam um mundo perfeito; assim, concepções e/ou marcas das abordagens acima
condenaram a escravidão negra. apontadas é:
A) redenção, reprodução e transformação;
29) “é preferível pensar sem disto ter consciência B) teoria da escola dualista, violência simbólica e
crítica, de uma maneira segregada e ocasional, isto é, reprodutivismo;
participar de uma concepção de mundo imposta C) comportamentalismo, a escola como aparelho
mecanicamente pelo ambiente exterior, ou seja, por ideológico do estado e tecnicismo;
um dos vários grupos sociais nos quais todos estão D) r e p r o d u t i v i s m o , f u n c i o n a l i s m o e t e o r i a s
automaticamente envolvidos desde sua entrada no antiautoritárias;
mundo consciente, ... ou é preferível elaborar a própria E) positivismo, redenção e transformação.
concepção do mundo de uma maneira crítica e
consciente e, portanto, em ligação com este trabalho
do próprio cérebro, escolher a própria esfera de
atividade, participar ativamente na produção da
história do mundo, ser guia de si mesmo e não aceitar
do exterior, passiva e servilmente, a marca da própria
personalidade?” (Antonio Gramsci). A alternativa que
expressa a visão de mundo gramsciana articulada às
concepções de filosofia, educação e docência é:
A) a prática docente precisa corresponder a um conjunto
de concepções formuladas pelos pesquisadores da
área educacional que se traduzem nas propostas
encaminhadas pelos órgãos centrais do sistema de
ensino;
B) um conjunto de concepções pedagógicas da educação
brasileira, produzidas em diferentes contextos
históricos, deve direcionar a atuação docente
contemporânea;
C) o movimento de análise e crítica da sociedade, da
educação e das práticas escolares deve ser realizado
através de um exercício individual, evitando-se a
constituição de espaços de discussão coletiva no
cotidiano da escola;
D) o professor, como intelectual crítico, precisa ter clareza
das concepções que fundamentam sua atuação
docente, analisando as propostas pedagógicas e
posicionando-se frente a elas;
E) para facilitar a atuação docente, os gestores das
instituições escolares devem organizar o processo
didático, definindo as concepções pedagógicas a
serem adotadas pelos professores.
8
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF www.fundec.org.br
Língua Portuguesa
Leia o texto abaixo e responda às questões 62 parte da realidade, exceto aos mais radicais. A
propostas 63 lógica que prevalece é a seguinte: o salário inicial é
64 baixo; salário inicial baixo atrai alunos menos
Texto: A teoria do limão 65 preparados para carreiras de magistério; alunos
66 menos preparados têm pior desempenho; os
01 Mais uma vez o Ministro da Educação vem a público 67 professores recrutados, dentro desse grupo, ou não
02 pedir mais recursos para a educação. O Brasil gasta 68 são submetidos ou não alcançam níveis adequados
03 mais de 6% do seu PIB em educação, mais de 5% vêm 69 em testes que medem as competências requeridas; os
04 do setor público. Em termos relativos, é razoável, mas 70 estágios probatórios são meros rituais burocráticos.
05 como o PIB é pequeno, o valor absoluto é pouco. Mas 71 E, para completar, o sistema de carreira de magistério
06 esse não é o problema maior: o maior problema 72 fomentado pelos governos e pressionado pelas
07 continua a ser o de gastar mal os poucos recursos. De 73 corporações é perverso: incentiva maior remuneração
08 nada adiantará jogar dinheiro bom em cima de dinheiro 74 para variáveis e atributos formais que não guardam
09 ruim, de dinheiro mal gasto. O ministro Palocci sabe 75 qualquer relação com desempenho docente, tais como
10 disso. 76 tempo de serviço e freqüência a cursos adicionais. O
11 Vejamos o caso do salário dos professores do 77 diretor da escola pública não dispõe de instrumentos
12 ensino básico. O “modelo do limão” proposto por 78 para administrar seu pessoal. Resultado: salários
13 George Akerlof ajuda a compreender por que os 79 iniciais baixos geram um mercado de professores
14 governos não estão dispostos a pagar salários de 80 formado pelos alunos de pior desempenho acadêmico
15 mercado para bons professores. O modelo e a analogia - um mercado de limões. (...)
16 vêm do mercado de carros usados: o desejo de (ARAÚJO E OLIVEIRA, J. B. Jornal do Brasil, 03/06/2003, p. A14.
17 comprar um carro de qualidade não é compatível com a Fragmento.)
18 disposição do comprador a pagar um preço capaz de
19 atrair carros de qualidade para esse mercado. 31) No primeiro parágrafo do texto, ao utilizar-se do
20 Resultado: inundação de limões, carros velhos que dado estatístico - “O Brasil gasta mais de 6% do seu
21 ninguém quer comprar. O mesmo ocorre com o PIB em educação, mais de 5% vêm do setor público” - e
22 mercado salarial dos professores. do juízo de valor - “Em termos relativos, é razoável,
23 Como identificar um bom professor? Algumas mas como o PIB é pequeno, o valor absoluto é pouco-,”
24 características de um bom professor são bem para iniciar o desenvolvimento de seu raciocínio, o
25 conhecidas e relativamente fáceis de avaliar: enunciador tenciona deixar claro que:
26 qualidade da formação acadêmica na área que vai A) no Brasil, não há como aumentar o investimento em
27 lecionar, capacidade verbal e o domínio de educação pública, porquanto é pequeno o seu Produto
28 conhecimentos específicos sobre o ensino de sua Interno Bruto;
29 disciplina. Outras características essenciais não B) o percentual do PIB gasto em educação pública é
30 podem ser avaliadas na entrada: capacidade de insuficiente para atender à demanda do número de
31 motivar os alunos e clareza na comunicação, por crianças em idade escolar;
32 exemplo. Elas dependem de um eficaz sistema de C) o juízo da razoabilidade do montante do PIB gasto com
33 estágio probatório. E, como em tudo na vida, o educação decorre do fato de ser o Brasil um país de
34 desempenho no dia-a-dia depende do sistema de enormes dimensões, mas de poucos recursos
35 supervisão, e, conseqüentemente, da autonomia e da econômicos;
36 autoridade do diretor da escola. D) o valor absoluto do montante do PIB gasto em
37 Na prática, as secretarias de educação procuram e educação no Brasil, se bem aplicados os recursos,
38 possuem muito menos informação sobre seus mesmo que parcos, é suficiente para atender toda a
39 professores do que precisam ou do que poderiam ter. demanda;
40 Mesmo quando, teoricamente, gostariam de ter E) os gastos com educação no Brasil estão aquém das
41 professores de melhor qualidade, não oferecem reais necessidades do país, conquanto possam ser
42 salários compatíveis para atraí-los. Resultado: o considerados razoáveis os percentuais do PIB
43 sistema educacional acaba pagando baixos salários aplicados em educação.
44 para professores de baixa qualidade. Cria-se um
45 mercado de limões. A nota da prova de português do 32) Segundo o texto, no caso do salário dos
46 vestibular do melhor aluno do curso de letras é quase professores do ensino básico, pode ser aplicado o
47 sempre pior do que a nota de português do pior aluno “modelo do limão” proposto por George Akerlof
48 classificado para cursos de engenharia ou medicina. porque:
49 Melhorar um pouco o salário inicial dos A) professores de baixa qualidade podem ser
50 professores tem o mesmo resultado de melhorar o comparados a carros usados, verdadeiros limões
51 lance no carro usado: compra-se o carro e mais o CD. É pelos quais ninguém tem interesse de pagar o preço
52 só. O Fundef é a maior prova disso - só aumentou de que realmente valem;
53 forma significativa o salário dos professores leigos. B) os governos adotam políticas de baixos salários para
54 Dada a limitação de recursos de que tanto reclama o pagar a profissionais de baixa qualidade,
55 Ministro da Educação, como pagar bem aos demonstrando não saber ou não ter interesse em
56 professores? A teoria econômica e a prática com saber como atrair bons profissionais para seus
57 administração de sistemas de salário dizem que isso é quadros;
58 possível. C) somente professores competentes deveriam compor o
59 O sistema atual de remuneração de professores quadro de profissionais das secretarias de educação,
60 opera na direção contrária da lógica de mercado - o tal para que os governos conseguissem melhorar a
61 do mercado que aos poucos vai se impondo como qualidade do ensino e, conseqüentemente, os
professores tivessem melhor remuneração;
9
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF Tel. (21) 2629-3606 / 2629-3566 / 2629-3515
D) não se justifica pagar salários mais altos a 36) No trecho “O 'modelo do limão' proposto por
profissionais da educação cujas notas no vestibular George Akerlof ajuda a compreender por que os
são inferiores às de candidatos posicionados entre os governos não estão dispostos a pagar salários de
mais fracos de outras áreas de conhecimento; mercado para bons professores” (linhas 12-15), a
E) uma política de salários mais competitivos para palavra sublinhada foi escrita com os elementos
profissionais incompetentes geraria uma situação de separados. Sabendo-se que esta palavra também pode
desequilíbrio nas contas públicas e não resolveria a ser escrita com os elementos juntos, ora sem acento
questão da qualidade do ensino. gráfico, ora com acento gráfico, pode-se afirmar que
está INCORRETA frase:
33) No início do 6o parágrafo, o enunciador do texto A) As autoridades sabiam que havia problemas de
afirma que “o sistema atual de remuneração dos salário, mas não conseguiam informar por quê.
professores opera na direção contrária à lógica do B) Poucos conhecem os reais motivos porque no Brasil
mercado”, pretendendo com isso dizer que: se remunera tão mal o professor.
A) a incorporação aos salários de gratificações por tempo C) É preciso conhecer o porquê de um problema, antes
de serviço e freqüência a cursos adicionais é um de buscar-se uma solução.
prêmio à incompetência e um desestímulo ao bom D) As secretarias de educação não informam por que o
profissional da educação; salário dos professores é tão baixo.
B) as secretarias de educação vêm adotando critérios E) O salário dos professores é baixo, porque é ineficiente
injustos de remuneração dos docentes, privilegiando a política de contratação e avaliação de desempenho.
os profissionais de baixa qualidade, em detrimento dos
que demonstram competência; 37) No trecho “O Brasil gasta mais de 6% do seu PIB em
C) a política de baixos salários é incompatível com a educação, mais de 5% vêm do setor público” (linhas 2-
formação de quadros de profissionais qualificados, 4), o autor do texto utilizou-se de uma vírgula para
decorrendo daí uma situação crônica de instabilidade marcar a pausa entre as duas orações do período. Ele
no processo de aprimoramento da educação no Brasil; poderia ter optado por outra forma de redação,
D) pagar salários idênticos a profissionais de utilizando-se de um pronome relativo para estruturar o
competência distinta é uma forma incoerente e
período. Se tivesse adotado esta alternativa, o período,
inadequada de remuneração que só pode trazer
para estar correto, teria de ser construído da seguinte
prejuízo ao processo de aprimoramento da educação
forma:
no Brasil;
A) O Brasil gasta mais de 6% do seu PIB em educação,
E) a utilização de salários iniciais isonômicos e de
embora mais de 5% venha do setor público.
critérios homogêneos para conferir gratificações aos
docentes é um desestímulo ao esforço de qualificação B) O Brasil gasta mais de 6% do seu PIB em educação,
individual, produzindo um mercado de limões. porquanto mais de 5% vêm do setor público.
C) O Brasil gasta mais de 6% do seu PIB em educação,
34) Na análise dos dados objetivos da realidade, dos quais mais de 5% vêm do setor público.
observa-se que o autor desenvolveu sua linha de D) O Brasil gasta mais de 6% do seu PIB em educação,
raciocínio por um viés que deve corresponder aos entre os quais mais de 5% vêm do setor público.
princípios ideológicos que fundamentam o seu E) O Brasil gasta mais de 6% do seu PIB em educação,
discurso. Este viés pode ser interpretado como: pelos quais mais de 5% vêm do setor público.
A) a crença de que o mercado é o melhor regulador das
atividades econômicas, inclusive no que diz respeito a 38) No trecho “o desejo de comprar um carro de
políticas de remuneração dos profissionais da qualidade não é compatível com a disposição do
educação; comprador a pagar um preço capaz de atrair carros de
B) descrença no poder de gestão do Estado, em razão de qualidade para esse mercado” (linhas 16-19), o autor
este encontrar-se subjugado às mazelas burocráticas utilizou corretamente a preposição a na regência do
e aos interesses menores dos políticos; nome disposição, mas também poderia ter utilizado a
C) ceticismo quanto à competência administrativa dos preposição de ou para. Nas frases abaixo também está
responsáveis pela educação no país, em razão do correta a utilização não só da preposição que compõe
despreparo das pessoas que exercem esta função; a frase, mas também a indicada entre parênteses,
D) uma sobrevalorização dos mecanismos instituídos EXCETO em:
pelas teorias econômicas para explicar e justificar as A) O professor deve estar sempre disponível para (em)
relações de poder na sociedade, a partir da visão atender as solicitações dos alunos.
reguladora do mercado; B) A idéia disseminada pelas (nas) escolas de que os
E) uma visão de que só o mercado é capaz de regular professores recebem baixos salários é prejudicial aos
todos os setores produtivos da sociedade, desde o profissionais.
setor de carros usados até o salário dos professores do C) A boa política salarial deve promover a distinção entre
ensino básico. (em) professores competentes e os de baixa
qualificação.
35) Como estratégia discursiva de argumentação, o D) Os professores estavam revoltados com a (pela) falta
enunciador, nos parágrafos 2, 4 e 6, após desenvolver de definição de uma política salarial.
uma linha de raciocínio crítica, insere nos referidos E) O Ministro da Educação está disposto à (para a) luta,
parágrafos, com objetivo conclusivo, um período com o objetivo de conseguir mais verbas para a
iniciado pela palavra resultado. Esta atitude discursiva educação.
relaciona-se à intenção de apresentar o texto numa
cadeia de relações entre:
A) dados concretos e pensamentos abstratos;
B) modelos teóricos e procedimentos práticos;
C) meios de se alcançar e fins alcançados;
D) concessões permitidas e restrições necessárias;
E) causas geradoras e conseqüências decorrentes.
10
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF www.fundec.org.br
39) No trecho “não oferecem salários compatíveis para 40) Na redação do texto foi utilizado por diversas vezes
atraí-los” (linhas 41-42), a forma verbal com pronome o sinal de pontuação dois-pontos. Pode-se dizer que a
enclítico recebeu adequadamente o acento gráfico. utilização do sinal de dois-pontos no trecho “Mas esse
Entre as frases abaixo, também com formas verbais não é o problema maior: o maior problema continua a
com pronomes enclíticos e mesoclíticos, a única ser o de gastar mal os poucos recursos.” (linhas 5-7)
INCORRETA quanto à acentuação gráfica é: foi feita com valor idêntico ao da utilização no trecho:
A) A escolha dos professores far-se-á pelo critério do A) “O modelo e a analogia vêm do mercado de carros
desempenho em sala de aula. usados: o desejo de comprar um carro de qualidade
B) O professor chamou o aluno e resolveu distraí-lo, não é compatível...” (linhas 15-17);
contando-lhe uma história diferente. B) “Resultado: inundação de limões, carros velhos que
C) Questionado sobre a prova, o professor comentou ninguém quer comprar.” (linhas 20-21);
que, assim que tiver terminado a correção, devolvê-la- C) “Algumas características de um bom professor são
á. bem conhecidas e relativamente fáceis de avaliar:
D) O diretor responsabilizou o professor e resolveu puní- qualidade da formação acadêmica na área que vai
lo pelos atos de indisciplina dos alunos. lecionar...” (linhas 23-27);
E) O bibliotecário reuniu os livros para pô-los na estante. D) “Melhorar um pouco o salário inicial dos professores
tem o mesmo resultado de melhorar o lance no carro
usado: compra-se o carro e mais o CD.” (linhas 49-51);
E) “E, para completar, o sistema de carreira de magistério
fomentado pelos governos e pressionado pelas
corporações é perverso: incentiva maior remuneração
para variáveis e atributos formais que não guardam
qualquer relação com desempenho docente...” (Linhas
71-75).

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DAS REDAÇÕES


1 - Aspectos formais (6 pontos): 1.1 Linguagem (grau de formalidade; adequação à situação
comunicativa); 1.2 Pontuação; 1.3 Ortografia (acentuação gráfica, hífen, emprego de letras, divisão
silábica); 1.4 Concordância; 1.5 Regência; 1.6 Flexão verbal e nominal.
2 - Aspectos textuais (6 pontos): 2.1 Estruturação dos parágrafos (unidade lógica e coerência das idéias
entre as partes do texto); 2.2 Adequação ao tema proposto e ao gênero (descrição, narração,
dissertação / argumentação).
3 - Aspectos discursivos (8 pontos): 3.1 Coesão textual; 3.2 Coerência interna e externa; 3.3 Concisão e
clareza das idéias (redundância e circularidade); 3.4 Aprofundamento dos argumentos utilizados; 3.5
Adequação semântico-pragmática.

TEMA DE REDAÇÃO PARA O CARGO


S09 -Supervisor Educacional

Com a crise econômica que vem enfrentando nos últimos anos e a dificuldade para
manter os filhos na escola particular, a classe média voltou os olhos para a escola pública.
Como você analisa este fato, considerando a possibilidade de haver pressões no
sentido de uma melhor qualidade de ensino na escola pública? E em relação ao profissional
da educação, poderá haver alguma mudança quanto às exigências de qualificação?
Redija um texto dissertativo sobre o assunto, apresentando com clareza o seu ponto
de vista e utilizando argumentos consistentes para defendê-lo.

11
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF Tel. (21) 2629-3606 / 2629-3566 / 2629-3515
12
Fundação Euclides da Cunha de Apoio Institucional à UFF www.fundec.org.br