Você está na página 1de 15

Cópia não autorizada

C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

RELBS ELETRICOS Tf%MICOS 03.026


PARA PROTECAO DE MOTORES
NBR 8127
JULl1963
Especifica@o

SUMARIO

1 Objetlvo
2 Normas e/au documentos complementares
3 DefiniCQles
4 Valores recomendados
5 Vahwes dos limiter da fairca de opefag& das grandezas de alimenta& auxiliares
6 Requisitos tirmicos
7 Exatidgo
8 lsolacb
9 Choque e vibrapb
10 Desempenho de contatos
11 Carga e imped&tcia nominal
12 Dados tecnicos e identif icacb

18 Ensaios

1 OBJETIVO

Esta Norma especifica OS requisitos particulares para OS relk el;tricos t6rmicos


utilizados para a proteGa”o de motores, e tern por objetivo fornecer
\ especifica@es
complementares ‘aquelas contidas na not-ma “Rel& elstricos tsrmicos”, dos quais,

OS relk objet0 desta Norma sa”o uma sub-familia particular.


Outras fun@es, eventualmente associadas aos rel6s elStricos &rmi’cos, util izadas
para a prote$!io de motores sa”o apresentadas nas normas pertinentes.
Esta Norma exclui rel6s de partida de mctores de baixa tenszo, cobertos pela nor-
ma IEC-292 - Low voltage motor starters .
Esta Norma se aplica somente aos relk em estado de novo.

Origem: ABNT - 3:09.41.13001/1983


CB-3 - Comid Brasileiro de Eletricidade
CE3:41.13 - Comb&o de Estudo de Rel& Eletricos Termicos para a Proteflo de Motores

SISTEMA NACIONAL DE ABNT - ASSOCIACAO BRASILEIRA


METROLOGIA, NORMALIZACAO
PE NORMAS Tl%NICAS
E QUALIOAOE INDUSTRIAL
(0

Palavra +chave: rel& NBR 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRADA.

C&J: 621.316.925.44 Todos OS direitos resewados 15 @ginas


Cópia não autorizada
Copia impressa pelo Sistema CENWIN

2 _ NBR 8127/1983

2 NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Na uti lizag& desta Norma 6 necesssrio consultar:


‘idBR 7096 - Relk el6tricos termicos - Especifica$ao
NBR 7098 - Oesempenho dos contatos dos relds elgtricos - EspecificaGao
NBR 7116 - Reles eletricos - ensaio de isolamento - Especificacao
I EC-292 - Low voltage motor starters

3 DEF INI@ES
Para OS efeitos desta Norma devem ser adotadas as defini@es constantes da
NB,R 7096 e acrescidas de 3.1 e 3.2.

3.1 Constante k
Valor pelo qua1 f5 multip licada a corrente base para se obter a corrente minima de
operas50 sujei ta ao erro atriburdo de corrente, nas c0nd.i tiies especi f i cadas( corn
tempo n5o especif i‘cado) .

3.2 Raz& de carga pr$a


Razso da corrente de carga que precede a sob’recarga e a corrente base, nas cond i
@es especi f rcadas.

4 VALORES RECOMENDADOS

Szo OS. dados na NRR JO%, al<m de 4..1 -a 4.6..

4.1 Valores de referencia recomendados das grandezas e fatores de influkcia, e


valores recomendados de suas fai’xas nominais e extremas.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
Nl3R 8127/1983 3

TABELA 1 - Condi@es de referhcia recomendadas e tolerhcias de ensaio das aranderas e


fatores de influQncia

(ver tamb6m Tabel a 1 da NBR 7096)

lrandeza ou fator de condl$oes de referen-


influtncia cia toIer&cia de ensaio

valor de ajuste da corretite nomina 1 ou


corrente base coma especificado pe-
lo fabricante
-
amplitude da corrente valores preferidos:
para a determi na$o 2 x corrente base (18) + l.%
do tempo de operasZo e 6 x corrente base.l,,l 8)

componente a 1 ternada 6%
em C C (ondula$o) zero do valor nominal da
(ver Nota)
corrente contFnua

componen te a 1 ternada 6%
em C C (ondula@o) zero do valor nominal de
(ver Nota) corrente continua

Nota: C valor 6 baseado na seguinte definisa”o:


Umm - uv
Fator de ondula$io m6xima = x 100
UO

Onde: Umm = tens;0 i ns tantsnea ma’xi ma


uv = tensa”0 instantgnea minima
= componen te con t rnua
uO

TABELA 2 - Valores phfios da corrente, utilirados na mediqb do efeito das grandezas de influhcia

(ver tambern Tabela 2 da N8R 70%)

Condi t$es de referhcia Tolera”ncia de, ensaio

Razao de carga Bara curva 5 quente: 0,9


p&via (P) ou 1 ,O de acordo corn a
+ 1%
escol ha do fabricante
(ver 4.4)
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

4 .L NBR 812711983

TABELA 3 - Condi&s de refer&ha recomendadas e tolerhcias de ensaio das granderas corretivas


ao medir o efeito das grandezas de influ&ncia

(ver tamb6m Tabe 1a 3 da NBR 7096)

Grandeza a verificar
Condi$es de referhcia Tolera”ncia de ensaio
(Ver Nota a )
Desequi 1 ibrio de car
rente de urn sistema- Sistema equil ibrado (Ver Nota b )
senoidal polifssico
Velocidade de rota
Rio do motor protE Velocidade nominal do Declarado pelo fabri
gido motor can te

Temperaturas das di -
ferentes partes do Declarado pelo fabricante Declarado pelo fabri
motor protegido can te
(ver Nota’ c)
Temperatura do meto
resfriante do motor ZO’C ou coma decl a rado
protegido pelo fabricante + 2Oc
(ver Nota d) (ver Nota d)

Notas : a) Se forem usadas outras grandezas corretivas, estas devem ser declara-
das pelo fabricante.

b) Cada uma das correntes de fase nao deve diferir de mais de 1% da me-
dia aritmetica das correntes do sistema.
OS ingulos entre cada corrente e a tensso fase neutro correspondente
devem ser OS mesmos, corn uma tolersncia de 2O elgtricos.

c) Esses valores das grandezas corretivas representam as condi@es termi -


cas em regime permanente do motor protegido antes de ocorrer a sobre-
ca rga . Sua aplica$o depende do principio do rele eletrico termico

utilizado.

d) Valores diferentes de 200C ocorrem principalmente quando sa”o usados


meios de resfriamento que nao seja o ar.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 8127/1983 5

TABELA 4 - Valores recomendados dos limites da faixa nominal das granderas e fatores de influhcia

(ver tambern Tabela 4 da NBR 7096)

Grandeza ou fator de influhcia Faixa nominal

Grandezas de al imenta- Frequhc ia


~a”0 de entrada Forma de onda

Componente alternada em C4C,


- regime permanente
- regime transi tSri0

Componente contfnua em C.A Declarado


- regime permanente pelo
- regime transi t6rio fabricante

Grandezas de alimenta- Ten&o 80% a 110% do ~5


SZio auxi 1 iares lor nominal
Frequencia Declarado pelo fc
Forma de onda bricante
Componente al ternada em C C 0 a 12% do valor
(ondula$o) (ver Nota da nominal em C C
Tabela 1)

TABELA 5 - Valores recomendados dos limites da faixa nominal dos valores de corrente prbvios

(ver tambern Tabela 5 da NBR 7096)

Faixa nominal

Coeficiente de carga pr&ia 0 a 4

TABELA 8 - Valores ycomend,ados dos limites da faixa nominal das grandezas corretivas

(ver tamb6m Tabela 6 da NBR 7096)

Grandezas corretivas (ver Nota a) Fatxa nominal

Desequi lrbrio de corrente de urn sistema pol i- Em razao da grande variedade


fisico senoidal (ver Nota b) de manei ras pelas quai s OS
Velocidade de rota$ao do motor protegido rel& elkricos tSrmicos res
Temperaturas das diferentes partes do motor pro Pondem-is grandezas corretiy
teg i do vas, nao i possrvel especi f i
Temperatura do meio de resfriamento do motor ci-las, devendo ser declarz
protegi do das pelo fabricante.

Notas: a) Se forem usadas outras grandezas corretivas, estas devem ser decla-
radas pelo fabricante.

b) 0 grau de desequi librio de corrente pode ser declarado em termos de


componentes simgtricas.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NfSR8127/1983
6.

4.2 Faixu de ajus te da corrente base


Na”o hs fa i xa de a juste recomendada . A faixa de ajuste da corrente base deve ser
declarada pelo fabricante e deve incluir a faixa de 0,8 a 1 ,l vezes a corrente no
mi nal .

4.3 Constante k
Na”o h5 valor recomendado. 0 valor deve ser, entretanto, escolhido dentro da fai
xa 1,O a 1,2 e ser declarado pelo,fabricante.

4.4 Ra&o de carga prhia


OS valores da razio de carga pr&ia para apresentar as curvas caracterl’sticas, de
vem ser escolhidos dentre OS seguintes valores, sendo sublinhados OS valores Pre
feridos:
1,o o,g 0,8 0,7 0,6
Para OS rel& elstricos tGrmicos corn fun$io de me&ria total, o fabricante deve
declarar a caracteristica para pelo menos urn dos valores preferidos.

4.5 Opera&i0 a 6 x I,
0 fabricante deve declarar a constante de tempo ou o tempo de operacao 6 x Ig

4.5.1 Constante de tempo


NSo hi valores ou faixas recomendadas. OS valores da faixa efetiva da constante
de tempo devem ser.-declarados pelo fabricante.

Nota: As constantes de tempo somente podem ser definidas por caracteristicas ex-
ponenciais. Para as caracteristicas que Go seguem uma funca”o exponential
Gnica, podem ser definidos pelo fabricante diferentes valores de constante
de tempo para as faixas limite da caracteristica.
4.5.2 Tempo de opera&o pra 6 x IB
N~o h5 valores ou faixas recomendados. 0 valor ou a faixa deve ser declarado pi
lo fabricante.

Nota: 0 valor ou a faixa declarado aplica-se principalmente 2s caracteristicas


dadas graf icamente.

4.6 Tempos de desame


Nzo h6 va lores recomendados . OS valores dos tempos de desarme devem ser declara
dos pelo fabricante.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 812711983
7

Para relk corn fun@o de me&ria partial, al6m do tempo de desarme, pode ser six
nificativo o tempo de rearme no case de nzo ser atingida a condi$a”o de opera$o.
Nesse case, o tempo de rearme tambdm deve ser declarado pelo fabricante.

5 VALORES DOS LIMITES DA FAIXA DE OPERA@‘0 OAS GEAMOEZAS DE ALIMENTACAO AUXILIARES

De acordo corn a NBR 7096.

6 REQlJiSlTOS Tl%lMICOS

6.1 Valor Zimite tkrtico suport?iveZ para o tempo de opem&o


0 rel; deve suportar uma hica aplica$o de corrente, por uma dura@o igual ao

seu tempo de opera$o para aquela corrente. 0 valor da corrente aplicada deve
ser de 12 x IB , ou urn valor declarado pelo fabricante. Tanto OS ajustes de car
rente coma OS de tempo devem estar nos seus valores miximos .

6.2 Ver a NBR 7096.

7 EXATIDAO

7.1 GeneraZidades
Para OS relk el;tricos t6rmicos para a prote$o de motores, as considera@es de
exatida”o se aplicam ao tempo e a corrente de operaeio, nas condi@es especi f ica
das. Pat-a esses itens, o fabricante deve declarar OS erros atribuidos coma esp2
cificado na NBR 7096.

7.2 Exati&o relativa ao tempo

7.2.1 Faixa efetiva du corrente de operagzo


A faixa efetiva da corrente de opera@0 deve ser de 1,25 klB a 81 ,onde I 6 a
B B
corrente base.

7.2.2 Erro atribuido


Oevem ser utilizadas as seguintes correspondhcias entre OS valores de corrente
expressos em miiltiplo da corrente base e OS valores do erro atribuido expressos
em mcltiplo do indice de classe.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

8. NBR 812711983

TABELA 7 - Correspondhcia entre OS valores de corrente

Mcltiplos da corrente base 1,25k ,5’ 2 6 8


(ver Nota)

Miiltiplos do indice de classe


relativos a0 tempo 4 4 2 1 2

Nota: Somente para o menor miltiplo da corrente base a constante k 6 importante


devido s sua grande influgncia no tempo de operaca”o nesta regiao.

Para OS niiltlplos da cmrente base situados ehtre OS valores dados na Tabela 7,


OS miiltiplos do indice de cl.asse podem ser obtidos pot- interpolagzo linear.
OS valores $0 va’l idos para as curvas a frio e a quente. 0 fabricante pode espy
cificar diferentes indices de classe normalitados relativos ao tempo para as cur
vas a frio e a quente.
OS valores normalizados de indices de classe sa”o dados na norma “Relk elgtricos
tsrmi cos” - NBR 7096, excluindo-se o indice de classe de corrente 20.

7.2.3 InfZu&mia da corrente p&via no tempo especificado


Para as curvas a quente, OS valores de corrente pr&ia devem ser escolhidos de
acordo corn 4.4.

7.2.4 CondipTes para a determina&o dos erros relatives ao tempo especificado


(ver a NBR 7096) .

7.2.5 Efeito das varia@es das grandezas de inf'lu&zcia sobre o tempo especifica
do
OS valores de refersncia da corrente de operaca”o devem ser escolhidos de acordo
corn a Tabela 1.
Para urn dado rel6, o efeito da variasgo devido a uma grandeza de influhcia deve
ser determinado pela diferenca entre o valor &dio medido nas condicijes declara
das dessa grandeza de influgncia e o valor mgdio medido nas condicoes de refer&-
cia.

7.2 .‘6 Efeito das va.riagZes das granokzas corretivas sobre o tempo especificado
Deve ser declarado pelo fabricante.

No Anexo D. 1 .l da NBR 7096, 550 dados exemplos para a determinacao da exati-


dao.

7.3 Exatidiio relativa a corrente de opera@0


Cópia não autorizada
Copia impressa pelo Sistema CENWIN

7.3.1 Erro atribu&io


0 indice de classe do erro atriburdo entre o valor medido da corrente de operaSi
e o valor de k vezes a corrente base deve ser escolhido pelo fabricante de acordo
corn o especificado na NBR 7096.

7.3.2 Con.d<pi?es para a determinagiio dos erros relatives a’ corrente


Ver a NBR 7096.

7.3.3 Efeito da varia&o das grandeati de inftu&cSa ?obre a corrente,m&aima de


6peragZo
Como especificado em 7.2.5.

7.3.4 Efeito da variagiio das grandezas corretivas sobre a corrente mhha de opt
rap?0
Deve ser declarado pelo fabricante

No Anexo D.2.2 da NBR 7096, 6 dado urn exemplo para a determina$ao da exatidao.

8 ISOLACAO

De acordo corn a NBR 7116.

9 CHOQUE E VIBRACAO

De acordo corn a NBR 70%.

10 DESEMPENHO DE CONTATOS

De acordo corn a NBR 7098.

11 CARGA E IMPEDANCIA NOMINAL

De acordo corn a NBR 7096.

12 DADOS TiCNlCOS E IDENTIFICACAO

De acordo corn a NBR PI%.


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

10, NBR 8127/1993

13 ENSAIOS
Todos OS ensaios desta Norma sa”o ensaios de tipo.

13.1 Ensaios reZativos 5s caracter&t<cas de opera@o e a’ exatid&

13.1 . 1 l?rescri@es gerais

13.1 .l .l OS relk a ensaiar devem ser ligados de acordo corn a instru@o do fabrL
cante (.ver a NBR 7096)..

13.1 .1.2 Salvo especificasio em contrsrio, todas as grandezas de inf luhci a e


gra?detas corretivas dewm estar em seus valores de referhcia (dentro das tole _
rhcias de ensaio especificadas).

13.1.1.3 Salvo especificaszo em contririo, as grandezas de alimenta$jo auxil ia


res devem assumir seus valores nominais. Deve ser permitido urn tempo suficiente
para que seja alcangado o equilibrio tgrmico, declarado pelo fabricante.

13.1.1 .4 Salvo especificaszo em contririo do fabricante, as grandezas de alimeF


taszo de entrada devem ser aplicadas ou modtficadas repentinamente.

13.1.2 Mhodos de ensaio para a medi&io das caractem’s ticas dos ret&

13.1.2.1 Na Figura 1 6 apresentado urn exemplo de circuit0 de ensaio para a medi


$io da corrente minima de operas”ao.
Condi@es de ensaio: a corrente de entrada deve ter urn valor inferior ao es pet i
ficado pelo fabricante, (K.lg - fndice de classe) . A corrente deve ser aumentada
em degraus de pequeno valor em rela$o a exatidao declarada at; que opere o dispo
sitivo de sarda.
Deve ser previsto urn tempo suficiente, compativel corn a caracteristica de opera
sgo, entre cada degrau de variaSa”o, para permitir uma integra$o (se for o case).

13.1.2.2 Na Figura 1 6 apresentado urn exemplo de circuit0 de ensaio para a medi


$so da curva a frio.
Condi@es de ensaio: a corrente de entrada d&e ser subitamente mudada de zero pa
ra o miltiplo apropriado de lg.
Deve ser permitido ao rela urn tempo suficiente para retornar ao seu estado ini _

cial antes de uma nova aplicaqao de corrente.


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR8127/1993 11

13.1 .2.3 Na Figura 2, 6 apresentado urn exemplo de circuit0 de ensaio para a medi
g&da (s) curva(s) a quente de urn relg corn funga”o de metiria total.
Condisgo de ensaio: o reld deve ser alimentado corn uma corrente correspondente s
“raz”ao de carga privia” (ver 4.4) especfficado pelo fabricante, por urn tempo sufi
ciente para permitir ao relg alcansar o equilrbrio &rmico nesse ponto. Em se

guida o relg deve ser alimentado por urn miltiplo da corrente base lg.
Urn tempo suficiente deve ser permi tido ao rel6 para retornar e alcansar o equilL
brio t&mico na corrente correspondente 5 “razao de carga prhia”, antes de qua1
,quer ensaio subsequente.

13.1.3 M&odos de ensaio para determinar as v&agi?es devickzs 2s grandezas de in


fl Gacia
Todas as grandezas de influkcia, a menos daquela considerada, devem estar nos
seus valores de referhcia.

13.1.3.1 Variap?es dmidas aos diferentes ajustes da corrente (se houverem)


As varia$es devem ser determinadas para pelo menos tr6.s pontos de ajuste de car
rente declarados pelo fabricante:

a) influsncia sobre a corrente minima de opera@0


condi$es de ensaio: coma em 13.1.1;
b) inf luhcia sobre o tempo de opera$o em 2 x IB e 6 x 1B
condi@es de ensaio: coma em 13.1 .2.2, exceto que o nivel de correc
te deve ser de 2 x IB e 6 x lg.

13.1.3.2 VariagZes devidas aos diferentes ajustes de tempo (se houverem)


As varia$es devem ser determinadas para pelo menos t&s pontos de ajuste de tep
po declarados pelo fabricante:

a) influhcia sobre a corrente minima de opera$o


condi@es de ensaio: corm em 13.1.2.1;
b) i nf luhcia sobre o tempo de operaga”o em 2 x I B e 6 x IB
condi$es de ensaio: coma em 13.1.2.2, exceto que o nivel de corren
te deve ser de 2 x IB e 6 x lg.

13.1 .3.3 Varia@es dmidus a’ freq&ncia


As varia$es devem ser determinadas sobre a faixa de frequhcia declarada pelo fa-
bricante:
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 8127/1983

a) inflkcia sobre a corrente mfnima de operagao


cond i gGes de ensa to : cot-i-0 em 13.1.2.1;
b) influkcia sobre o tempo de operagio em 2 x Ig e 6 x Ig
condigoes de ensaio: coma em 13.1 .2.2, exceto que o nrvel de corren
te deve ser de 2 x Ig e 6 x lg.

13.1.3.4 Varh@es devidas a’ atimenta@o auxiliar


As variagijes devem ser determinadas nos valores ma’ximos e minimos da faixa nomi_
nal da ten&o auxiliar. De,ve ser previsto urn tempo suficiente para permttir a0
rel< se estabilizar em cada tensgo, antes de se proceder a cada ensaio.

a) influkcia sobre a corrente mi’nima de operaga”o


condigzes de ensaio: coma em 13.1 .2.1;
b) influkcia sobre o tempo de operac;so em 2 x Ig e 6 x Ig
condigoes de ensaio: coma em 13.1.2.2, exceto que o nivel de corren
te deve ser de 2 x Ig e 6 x lg.

13.1.3.5 VaKacZes devidas a’ temperatura ambiente


As varia@es devem ser determinadas dentro da faixa nominal de temperaturas ambi
ente especificadas na Tabela 4 da NBR 7096.

a) influsncia sobre a corrente minima de opera$o


condi$es de ensaio: corn0 em 13.1.2.1;
b) influkcia sobre o tempo de operasgo, curva a frio
condi$es de ensaio: coma em 13.1 .2.2, exceto que o nivel de corren
te deve ser de 2 x Ig e 6 x I8 ;
c) influcncia sobre o tempo de opera$o, curva(s) a quente
condigGes de ensaio: coma em 13.1 .2.3, exceto que o nivel de corren

te deve ser de 2 x IR e 6 x I R.

13.2 Ensaios para a verifica&io de variap?es devidizs a’s ZigagZes do circuito de


corrente
Em cases particulares podem haver variagijes devidas 2s diferentes liga@es extel
nas dos circuitos de corrente para o mesmo relg, por exemplo, 2 fases ao i nv&s

de 3 fases. Se. necess5rio o fabribante deve declarar o efeito nas caracterfsti


cas de opera@0 do relG.

13.3 Ensaios para OS requisites thm-icos


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 8127/1983 13

13.3.1 Ensaio para o valor limite t&mico suport&el para o tempo de opera& do

0 relg deve suportar uma hica aplica$o de 12 x IB (ou o valor mgximo declarado
pelo fabricante) para OS circuitos de corrente de alimentagio de entrada durante
o seu tempo de opera$o.
Tanto OS ajustes de corrente coma OS de tempo devem estar em seus valores miximos.
Ap& o ensaio e restabelecidas as condi@es de referhcla, o rels deve satisfazer
a todas as prescrisoes especificadas.

13-3.2 Ver a NBR 7096.

13.4 Ensaios para OS requisites meo&<cos


Vet- a NBR 70%.

13.5 Enaaios para as perturbagzes de aZta frequ&cia


Ver a NBR 7096.
Cópia C6pia
não autorizada
impressa pelo Sistema CENWIN

14 NBR 8127/1983

30
Font%--
de c-2 .. w-
tens& I ensaio I .t I-- ~~

FIGURA 1 - Circuit0 de ensaio para determinaqh da corrente minima de operaqb e da curva a frio
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR8127llS33 15

Fonte
de
tensao
30

Fonts
de
tensio
30
cargo
priivia

do
contator
0

FIGURA 2 - Circuito de ensaio para determina#o da curva quente

Notas: a) A al imenta@o deve ser estabi 1 itada em at6 1%.


b) 0 contator C2 controlado por S1 ajusta a condiqao de “coeficiente de
carga prhia”.
c) 0 contator Cl controlado por S2 ajusta o mtiltiplo de Ig e rearma C2 p.z
ia abertura do contato Cl - 5.