Você está na página 1de 351

ÍNDICE

EBSERH
EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES
MINAS GERAIS

Técnico em Enfermagem

010NB-S9
EDITAL Nº 004/2019
ÍNDICE

Língua Portuguesa
Leitura e interpretação de diversos tipos de textos (literários e não literários). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Sinônimos e antônimos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Sentido próprio e figurado das palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Classes de palavras: substantivo, adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição e conjunção: emprego e sentido que impri-
mem às relações que estabelecem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Concordância verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Regência verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Colocação pronominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Raciocínio Lógico
Estruturas Lógicas, Lógicas De Argumentação, Diagramas Lógicos, Sequências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01

Legislação Aplicada à EBSERH


1. Lei Federal nº 12.550, de 15 de dezembro de 2011 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Decreto nº 7.661, de 28 de dezembro de 2011 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
3. Regimento Interno da EBSERH - 3ª revisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
4. Código de Ética e Conduta da Ebserh - Princípios Éticos e Compromissos de Conduta - 1ª edição – 2017 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

Legislação Aplicada ao SUS


1. Evolução Histórica Da Organização Do Sistema De Saúde No Brasil E A Construção Do Sistema Único De Saúde (Sus) – Princípios,
Diretrizes E Arcabouço Legal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Controle Social No Sus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
3. Resolução Nº 453/2012 Do Conselho Nacional Da Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
4. Constituição Federal De 1988, Artigos De 194 A 200 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5. Lei Orgânica Da Saúde ‐ Lei Nº 8.080/1990 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Lei Nº 8.142/1990 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
E Decreto Presidencial Nº 7.508, De 28 De Junho De 2011 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
6. Determinantes Sociais Da Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
7. Sistemas De Informação Em Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

Conhecimentos Específicos
Técnico em Enfermagem
1 Código De Ética Em Enfermagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2 Lei Nº 7.498/1986 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
3 Decreto Nº 94.406/1987 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
4 Enfermagem No Centro Cirúrgico. 4.1 Recuperação Da Anestesia. 4.2 Central De Material E Esterilização. 4.3 Atuação Nos Períodos
Pré‐ Operatório, Trans‐Operatório E Pós‐Operatório. 4.4 Atuação Durante Os Procedimentos Cirúrgico‐Anestésicos. 4.5 Materiais E
Equipamentos Básicos Que Compõem As Salas De Cirurgia E Recuperação Anestésica. 4.6 Rotinas De Limpeza Da Sala De Cirurgia. 4.7
Uso De Material Estéril. 4.8 Manuseio De Equipamentos: Autoclaves; Seladora Térmica E Lavadora Automática Ultrassônica . . . . 13
5 Noções De Controle De Infecção Hospitalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
6 Procedimentos De Enfermagem 6.1 Verificação De Sinais Vitais, Oxigenoterapia, Aerossolterapia E Curativos . . . . . . . . . . . . . . . . 21
6.2 Administração De Medicamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
6.3 Coleta De Materiais Para Exames . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
ÍNDICE

7 Enfermagem Nas Situações De Urgência E Emergência. 7.1 Conceitos De Emergência E Urgência. 7.2 Estrutura E Organização Do
Pronto Socorro. 7.3 Atuação Do Técnico De Enfermagem Em Situações De Choque, Parada Cardio‐Respiratória, Politrauma, Afogamen-
to,Queimadura, Intoxicação, Envenenamento E Picada De Animais Peçonhentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
8 Enfermagem Em Saúde Pública . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
8.1 Política Nacional De Imunização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
8.2 Controle De Doenças Transmissíveis, Não Transmissíveis E Sexualmente Transmissíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
8.3 Atendimento Aos Pacientes Com Hipertensão Arterial, Diabetes, Doenças Cardiovasculares, Obesidade, Doença Renal Crônica,
Hanseníase, Tuberculose, Dengue E Doenças De Notificações Compulsórias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
8.4 Programa De Assistência Integrada A Saúde Da Criança, Mulher, Homem, Adolescente E Idoso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
9 Conduta Ética Dos Profissionais Da Área De Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
10 Princípios Gerais De Segurança No Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
10.1 Prevenção E Causas Dos Acidentes Do Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
10.2 Princípios De Ergonomia No Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
10.3 Códigos E Símbolos Específicos De Saúde E Segurança No Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
DICA

Como passar em um concurso público?

Todos nós sabemos que é um grande desafio ser aprovado em concurso público, dessa maneira é muito importante o concurseiro
estar focado e determinado em seus estudos e na sua preparação.
É verdade que não existe uma fórmula mágica ou uma regra de como estudar para concursos públicos, é importante cada pessoa
encontrar a melhor maneira para estar otimizando sua preparação.
Algumas dicas podem sempre ajudar a elevar o nível dos estudos, criando uma motivação para estudar. Pensando nisso, a Solução
preparou esse artigo com algumas dicas que irá fazer toda diferença na sua preparação.
Então mãos à obra!

Separamos algumas dicas para lhe ajudar a passar em concurso público!

- Esteja focado em seu objetivo: É de extrema importância você estar focado em seu objetivo, a aprovação no concurso. Você vai
ter que colocar em sua mente que sua prioridade é dedicar-se para a realização de seu sonho.
- Não saia atirando para todos os lados: Procure dar atenção em um concurso de cada vez, a dificuldade é muito maior quando
você tenta focar em vários certames, devido as matérias das diversas áreas serem diferentes. Desta forma, é importante que você
defina uma área se especializando nela. Se for possível realize todos os concursos que saírem que englobe a mesma área.
- Defina um local, dias e horários para estudar: Uma maneira de organizar seus estudos é transformando isso em um hábito, de-
terminado um local, os horários e dias específicos para estar estudando cada disciplina que irá compor o concurso. O local de estudo
não pode ter uma distração com interrupções constantes, é preciso ter concentração total.
- Organização: Como dissemos anteriormente, é preciso evitar qualquer distração, suas horas de estudos são inegociáveis, preci-
sa de dedicação. É praticamente impossível passar em um concurso público se você não for uma pessoa organizada, é importante ter
uma planilha contendo sua rotina diária de atividades definindo o melhor horário de estudo.
- Método de estudo: Um grande aliado para facilitar seus estudos, são os resumos. Isso irá te ajudar na hora da revisão sobre o
assunto estudado, é fundamental que você inicie seus estudos antes mesmo de sair o edital, caso o mesmo ainda não esteja publica-
do, busque editais de concursos anteriores. Busque refazer a provas dos concursos anteriores, isso irá te ajudar na preparação.
- Invista nos materiais: É essencial que você tenha um bom material voltado para concursos públicos, completo e atualizado.
Esses materiais devem trazer toda a teoria do edital de uma forma didática e esquematizada, contendo muito exercícios. Quando
mais exercícios você realizar, melhor será sua preparação para realizar a prova do certame.
- Cuide de sua preparação: Não é só os estudos que é importante na sua preparação, evite perder sono, isso te deixará com uma
menor energia e um cérebro cansado. É preciso que você tenha uma boa noite de sono. Outro fator importante na sua preparação, é
tirar ao menos 1 (um) dia na semana para descanso e lazer, renovando as energias e evitando o estresse.

Se prepare para o concurso público!

O concurseiro preparado não é aquele que passa o dia todo estudando, mas está com a cabeça nas nuvens, e sim aquele que se
planeja pesquisando sobre o concurso de interesse, conferindo editais e provas anteriores, participando de grupos com enquetes so-
bre o mesmo, conversando com pessoas que já foram aprovadas absorvendo as dicas e experiências, analisando a banca examinadora
do certame.
O Plano de Estudos é essencial na otimização dos estudos, ele deve ser simples, com fácil compreensão e personalizado com sua
rotina, vai ser seu triunfo para aprovação, sendo responsável pelo seu crescimento contínuo.
Além do plano de estudos, é importante ter um Plano de Revisão, será ele que irá te ajudar na memorização dos conteúdos estu-
dados até o dia da realização da prova, evitando a correria para fazer uma revisão de última hora próximo ao dia da prova.
Está em dúvida por qual matéria começar a estudar?! Uma dica, comece pela Língua Portuguesa, é a matéria com maior requisi-
ção nos concursos, a base para uma boa interpretação, no qual abrange todas as outras matérias.
DICA

Vida Social!

Sabemos que faz parte algumas abdicações na vida de quem estuda para concursos públicos, sempre que possível é importante
conciliar os estudos com os momentos de lazer e bem-estar. A vida de concurseiro é temporária, quem determina o tempo é você,
através da sua dedicação e empenho. Você terá que fazer um esforço para deixar de lado um pouco a vida social intensa, é importante
compreender que quando for aprovado, verá que todo o esforço valeu a pena para realização do seu sonho.
Uma boa dica, é fazer exercícios físicos, uma simples corrida por exemplo é capaz de melhorar o funcionamento do Sistema Ner-
voso Central, um dos fatores que são chaves para produção de neurônios nas regiões associadas à aprendizagem e memória.

Motivação!

A motivação é a chave do sucesso na vida dos concurseiros. Compreendemos que nem sempre é fácil, e as vezes bate aquele
desânimo com vários fatores ao nosso redor. Porém a maior garra será focar na sua aprovação no concurso público dos seus sonhos.
É absolutamente normal caso você não seja aprovado de primeira, é primordial que você PERSISTA, com o tempo você irá adquirir
conhecimento e experiência.
Então é preciso se motivar diariamente para seguir a busca da aprovação, algumas orientações importantes para conseguir mo-
tivação:
- Procure ler frases motivacionais, são ótimas para lembrar dos seus propósitos;
- Leia sempre os depoimentos dos candidatos aprovados nos concursos públicos;
- Procure estar sempre entrando em contato com os aprovados;
- Escreve o porque que você deseja ser aprovado no concurso, quando você sabe seus motivos, isso te da um ânimo maior para
seguir focado, tornando o processo mais prazeroso;
- Saiba o que realmente te impulsiona, o que te motiva. Dessa maneira será mais fácil vencer as adversidades que irá aparecer.
- Procure imaginar você exercendo a função da vaga pleiteada, sentir a emoção da aprovação e ver as pessoas que você gosta,
felizes com seu sucesso.
Como dissemos no começo, não existe uma fórmula mágica, um método infalível. O que realmente existe é a sua garra, sua
dedicação e motivação para estar realizando o seu grande sonho, de ser aprovado no concurso público. Acredite em você e no seu
potencial.
A Solução tem ajudado há mais de 35 anos quem quer vencer a batalha do concurso público. Se você quer aumentar as suas
chances de passar, conheça os nossos materiais, acessando o nosso site: www.apostilasolucao.com.br
LÍNGUA PORTUGUESA

Leitura e interpretação de diversos tipos de textos (literários e não literários). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


Sinônimos e antônimos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Sentido próprio e figurado das palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Classes de palavras: substantivo, adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição e conjunção: emprego e sentido que impri-
mem às relações que estabelecem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Concordância verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Regência verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Colocação pronominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
LÍNGUA PORTUGUESA

A interpretação do texto é o que podemos concluir sobre


LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DIVERSOS TIPOS DE ele, depois de estabelecer conexões entre o que está escrito e
TEXTOS (LITERÁRIOS E NÃO LITERÁRIOS) a realidade. São as conclusões que podemos tirar com base nas
ideias do autor. Essa análise ocorre de modo subjetivo, e são
LEITURA, COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS relacionadas com a dedução do leitor.
A interpretação de texto é o elemento-chave para o resul-
Leitura tado acadêmico, eficiência na solução de exercícios e mesmo na
compreensão de situações do dia-a-dia.
A leitura é prática de interação social de linguagem. A leitura, Além de uma leitura mais atenta e conhecimento prévio
como prática social, exige um leitor crítico que seja capaz de mo- sobre o assunto, o elemento de fundamental importância para
bilizar seus conhecimentos prévios, quer linguísticos e textuais, interpretar e compreender corretamente um texto é ter o domí-
quer de mundo, para preencher os vazios do texto, construindo nio da língua.
novos significados. Esse leitor parte do já sabido/conhecido, mas, E mesmo dominando a língua é muito importante ter um
superando esse limite, incorpora, de forma reflexiva, novos signi- dicionário por perto. Isso porque ninguém conhece o significado
ficados a seu universo de conhecimento para melhor entender a de todas as palavras e é muito difícil interpretar um texto desco-
realidade em que vive. nhecendo certos termos.

Compreensão Dicas para uma boa interpretação de texto:


A compreensão de um texto é a análise e decodificação do - Leia todo o texto pausadamente
que está realmente escrito nele, das frases e ideias ali presentes. - Releia o texto e marque todas as palavras que não sabe o
A compreensão de texto significa decodificá-lo para entender o significado
que foi dito. É a análise objetiva e a assimilação das palavras e - Veja o significado de cada uma delas no dicionário e anote
ideias presentes no texto.
- Separe os parágrafos do texto e releia um a um fazendo o
Para ler e entender um texto é necessário obter dois níveis de
seu resumo
leitura: informativa e de reconhecimento.
- Elabore uma pergunta para cada parágrafo e responda
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias se-
letas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela - Questione a forma usada para escrever
ideia central, argumentação/desenvolvimento e a conclusão do - Faça um novo texto com as suas palavras, mas siga as
texto. ideias do autor.
Quando se diz que uma pessoa tem a compreensão de algo,
significa que é dotada do perfeito domínio intelectual sobre o as- Lembre-se que para saber compreender e interpretar mui-
sunto. to bem qualquer tipo de texto, é essencial que se leia muito.
Para que haja a compreensão de algo, como um texto, por Quanto mais se lê, mais facilidade de interpretar se tem. E isso é
exemplo, é necessária a sua interpretação. Para isso, o indivíduo fundamental em qualquer coisa que se faça, desde um concur-
deve ser capaz de desvendar o significado das construções tex- so, vestibular, até a leitura de um anúncio na rua.
tuais, com o intuito de compreender o sentido do contexto de Resumindo:
uma frase.
Assim, quando não há uma correta interpretação da mensa- Compreensão Interpretação
gem, consequentemente não há a correta compreensão da mes-
ma. O que é É a análise do que É o que podemos con-
está escrito no texto, cluir sobre o que está
Interpretação a compreensão das escrito no texto. É o
frases e ideias pre- modo como interpret-
Interpretar é a ação ou efeito que estabelece uma relação de sentes. amos o conteúdo.
percepção da mensagem que se quer transmitir, seja ela simultâ- Informação A informação está A informação está fora
nea ou consecutiva, entre duas pessoas ou entidades.
presente no texto. do texto, mas tem
A importância dada às questões de interpretação de textos
conexão com ele.
deve-se ao caráter interdisciplinar, o que equivale dizer que a
competência de ler texto interfere decididamente no aprendiza- Análise Trabalha com a Trabalha com a sub-
do em geral, já que boa parte do conhecimento mais importante objetividadem, com jetividade, com o que
nos chega por meio da linguagem escrita. A maior herança que as frases e palavras você entendeu sobre
a escola pode legar aos seus alunos é a competência de ler com que estão escritas no o texto.
autonomia, isto é, de extrair de um texto os seus significados. texto.
Num texto, cada uma das partes está combinada com as
outras, criando um todo que não é mero resultado da soma das
partes, mas da sua articulação. Assim, a apreensão do significado
global resulta de várias leituras acompanhadas de várias hipóte-
ses interpretativas, levantadas a partir da compreensão de dados
e informações inscritos no texto lido e do nosso conhecimento
do mundo.

1
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES Após a leitura atenta do texto, analise as afirmações feitas:


I. O jornalista Jonas Valente está fazendo um elogio à visão
01. SP Parcerias - Analista Técnic - 2018 - FCC equilibrada e vanguardista da Comissão Parlamentar que legisla
sobre crimes cibernéticos na Câmara dos Deputados.
Uma compreensão da História II. O Marco Civil da Internet é considerado um avanço em to-
dos os sentidos, e a referida Comissão Parlamentar está querendo
Eu entendo a História num sentido sincrônico, isto é, em cercear o direito à plena execução deste marco.
que tudo acontece simultaneamente. Por conseguinte, o que III. Há o temor que o acesso a filmes, séries, informações em
procura o romancista - ao menos é o que eu tento fazer - é es- geral e o livre modo de se expressar venham a sofrer censura com
boçar um sentido para todo esse caos de fatos gravados na tela a nova lei que pode ser aprovada na Câmara dos Deputados.
do tempo. Sei que esses fatos se deram em tempos distintos, IV. A navegação na internet, como algo controlado, na visão
mas procuro encontrar um fio comum entre eles. Não se trata do jornalista, está longe de se concretizar através das leis a serem
de escapar do presente. Para mim, tudo o que aconteceu está a votadas no Congresso Nacional.
acontecer. E isto não é novo, já o afirmava o pensador italiano V. Combater os crimes da internet com a censura, para o jor-
Benedetto Croce, ao escrever: “Toda a História é História con- nalista, está longe de ser uma estratégia correta, sendo mesmo
temporânea”. Se tivesse que escolher um sinal que marcasse perversa e manipuladora.
meu norte de vida, seria essa frase de Croce.
(SARAMAGO, José. As palavras de Saramago. São Paulo: Assinale a opção que contém todas as alternativas corretas.
Companhia das Letras, 2010, p. 256) A) I, II, III.
B) II, III, IV.
José Saramago entende que sua função como romancista é C) II, III, V.
A) estudar e imaginar a História em seus movimentos sin- D) II, IV, V.
crônicos predominantes.
B) ignorar a distinção entre os tempos históricos para man- 03. Pref. de São Gonçalo – RJ – Analista de Contabilidade –
tê-los vivos em seu passado. 2017 - BIO-RIO
C) buscar traçar uma linha contínua de sentido entre fatos
dispersos em tempos distintos. Édipo-rei
D) fazer predominar o sentido do tempo em que se vive so-
bre o tempo em que se viveu. Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está ajoe-
E) expressar as diferenças entre os tempos históricos de lhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo de
modo a valorizá-las em si mesmas. oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de Zeus.
(Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013)
02. Pref. de Chapecó – SC – Engenheiro de Trânsito – 2016
- IOBV O texto é a parte introdutória de uma das maiores peças trá-
gicas do teatro grego e exemplifica o modo descritivo de organi-
Por Jonas Valente*, especial para este blog. zação discursiva. O elemento abaixo que NÃO está presente nessa
descrição é:
A Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Crimes Ciber- A) a localização da cena descrita.
néticos da Câmara dos Deputados divulgou seu relatório final. B) a identificação dos personagens presentes.
Nele, apresenta proposta de diversos projetos de lei com a C) a distribuição espacial dos personagens.
justificativa de combater delitos na rede. Mas o conteúdo des- D) o processo descritivo das partes para o todo.
sas proposições é explosivo e pode mudar a Internet como a E) a descrição de base visual.
conhecemos hoje no Brasil, criando um ambiente de censura
na web, ampliando a repressão ao acesso a filmes, séries e ou- 04. MPE-RJ – Analista do Ministério Público - Processual –
tros conteúdos não oficiais, retirando direitos dos internautas e 2016 - FGV
transformando redes sociais e outros aplicativos em máquinas
de vigilância. Problemas Sociais Urbanos
Não é de hoje que o discurso da segurança na Internet é Brasil escola
usado para tentar atacar o caráter livre, plural e diverso da In-
ternet. Como há dificuldades de se apurar crimes na rede, as Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a
soluções buscam criminalizar o máximo possível e transformar a questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda
navegação em algo controlado, violando o princípio da presun- no espaço das cidades e da falta de planejamento público que vise
ção da inocência previsto na Constituição Federal. No caso dos à promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
crimes contra a honra, a solução adotada pode ter um impacto das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimen-
trágico para o debate democrático nas redes sociais – atualmen- to dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
te tão importante quanto aquele realizado nas ruas e outros lo- inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
cais da vida off line. Além disso, as propostas mutilam o Marco que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
Civil da Internet, lei aprovada depois de amplo debate na socie- acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
dade e que é referência internacional. maioria da população pobre busque por moradias em regiões
(*BLOG DO SAKAMOTO, L. 04/04/2016) ainda mais distantes.

2
LÍNGUA PORTUGUESA

Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais Tudo isso aliado à democratização do conhecimento, diz To-
de residência com os centros comerciais e os locais onde traba- pol, fará com que as pessoas administrem mais sua própria saúde,
lham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que so- recorrendo ao médico em menor número de ocasiões e de prefe-
frem com esse processo são trabalhadores com baixos salários. rência por via eletrônica. É o momento, assegura o autor, de am-
Incluem-se a isso as precárias condições de transporte público e pliar a autonomia do paciente e abandonar o paternalismo que
a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que às vezes desde Hipócrates assombra a medicina.
não contam com saneamento básico ou asfalto e apresentam Concordando com as linhas gerais do pensamento de Topol,
elevados índices de violência. mas acho que, como todo entusiasta da tecnologia, ele provavel-
A especulação imobiliária também acentua um problema mente exagera. Acho improvável, por exemplo, que os hospitais
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas caminhem para uma rápida extinção. Dando algum desconto para
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por as previsões, “The Patient...” é uma excelente leitura para os inte-
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da popula- ressados nas transformações da medicina.
ção que possui terrenos, mas que não possui condições de cons-
Folha de São Paulo online – Coluna Hélio Schwartsman –
truir neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que es-
17/01/2016.
ses se tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes
vagos geralmente apresentam problemas como o acúmulo de
lixo, mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como Segundo o autor citado no texto, o futuro da medicina:
a dengue. A) encontra-se ameaçado pela alta tecnologia;
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urba- B) deverá contar com o apoio positivo da tecnologia;
nos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com. C) levará à extinção da profissão de médico;
br/brasil/problemas-ambientais-sociais-decorrentes-urbaniza- D) independerá completamente dos médicos;
ção.htm. Acesso em 14 de abril de 2016. E) estará limitado aos meios eletrônicos.

A estruturação do texto é feita do seguinte modo: RESPOSTAS


A) uma introdução definidora dos problemas sociais urba-
nos e um desenvolvimento com destaque de alguns problemas; 01 C
B) uma abordagem direta dos problemas com seleção e ex-
plicação de um deles, visto como o mais importante; 02 C
C) uma apresentação de caráter histórico seguida da explici- 03 D
tação de alguns problemas ligados às grandes cidades;
D) uma referência imediata a um dos problemas sociais ur- 04 B
banos, sua explicitação, seguida da citação de um segundo pro- 05 B
blema;
E) um destaque de um dos problemas urbanos, seguido de
sua explicação histórica, motivo de crítica às atuais autoridades. LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL

05. MPE-RJ – Técnico do Ministério Público - Administrati- Chamamos de Linguagem a habilidade de expressar nossas
va – 2016 - FGV ideias, sentimentos e opiniões. Trata-se de um fenômeno comu-
nicativo. Usamos vários tipos de linguagens para comunicação:
O futuro da medicina sinais, símbolos, sons, gestos e regras com sinais convencionais.
A linguagem pode ser:
O avanço da tecnologia afetou as bases de boa parte das
profissões. As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos,
Verbal: usa as palavras para se comunicar.
jornalistas, carteiros etc. Um ofício relativamente poupado até
aqui é o de médico. Até aqui. A crer no médico e “geek” Eric To-
pol, autor de “The Patient Will See You Now” (o paciente vai vê- Não verbal: usa outros meios de comunicação, que não se-
-lo agora), está no forno uma revolução da qual os médicos não jam as palavras. Por exemplo: linguagem de sinais, placas e sinais
escaparão, mas que terá impactos positivos para os pacientes. de trânsito, linguagem corporal, figura, expressão facial, etc.
Para Topol, o futuro está nos smartphones. O autor nos
coloca a par de incríveis tecnologias, já disponíveis ou muito LINGUAGEM VERBAL LINGUAGEM NÃO VERBAL
próximas disso, que terão grande impacto sobre a medicina. Já
é possível, por exemplo, fotografar pintas suspeitas e enviar as bilhetes; apitos;
imagens a um algoritmo que as analisa e diz com mais precisão cartas; bandeiras;
do que um dermatologista se a mancha é inofensiva ou se pode conversas; buzinas;
ser um câncer, o que exige medidas adicionais.
Está para chegar ao mercado um apetrecho que transforma decretos; cores;
o celular num verdadeiro laboratório de análises clínicas, reali- diálogos; desenhos;
zando mais de 50 exames a uma fração do custo atual. Também
é possível, adquirindo lentes que custam centavos, transformar e-mails; expressões faciais;
o smartphone num supermicroscópio que permite fazer diag- entrevistas; figuras;
nósticos ainda mais sofisticados.

3
LÍNGUA PORTUGUESA

filmes; gestos;
jornais; imagens;
literatura; logotipos;
livros; luzes;
oficios; pinturas;

poesias; placas;
prosas; posturas corporais;
reportagens; semáforos;
revistas; sinais de trânsito
sites; sinais;
telefonemas; sírenes;
... ...
Linguagem intencional: Toda vez que nos depararmos com
Existe também a Linguagem mista, que é o uso simultâneo um texto despretensioso ou seja sem nenhum objetivo pode-
dos dois tipos de linguagem para estabelecer a comunicação. Ela mos julgar que há algum tipo de pretensão. Para cada tipo de
ocorre quando por exemplo dizemos que sim e ao mesmo tem- intenção existe uma forma distinta de linguagem. Por isso, uma
po balançamos a cabeça. Está também presente em histórias em declaração de amor é feita de jeito e uma entrevista de emprego
quadrinhos, em charges, em vídeo, etc. de outra.
Não é difícil distinguir os tipos de linguagens, pois falada ou
A Língua é um instrumento de comunicação, que possui um escrita, só pode ser verbal. Sempre que a comunicação precisar
caráter social: pertence a um conjunto de pessoas, que podem de uma estrutura gramatical adequada para ser entendida, ela
agir sobre ela. Cada pessoa pode optar por uma determinada será uma linguagem verbal.
forma de expressão. Porém, não se pode criar uma língua espe-
cífica e querer que outros falantes entendam. QUESTÕES
Língua é diferente de escrita. A escrita é um estágio poste-
rior de uma língua. A língua falada é mais espontânea, acompa- 01. Sobre as linguagens verbal e não verbal, estão corretas,
nhada pelo tom de voz e algumas vezes por mímicas. A língua exceto:
escrita é um sistema mais rígido, não conta com o jogo fisionô- a) a linguagem não verbal é composta por signos sonoros ou
mico, mímicas e o tom de voz. No Brasil, todos falam a língua visuais, como placas, imagens, vídeos etc.
portuguesa, mas existem usos diferentes da língua por diversos b) a linguagem verbal diz respeito aos signos que são forma-
fatores. Dentre eles: Fatores Regionais, Fatores Culturais, Fato- dos por palavras. Eles podem ser sinais visuais e sonoros.
res Contextuais, Fatores Profissionais e Fatores Naturais. c) a linguagem verbal, por dispor de elementos linguísticos
concretos, pode ser considerada superior à linguagem não verbal.
A Fala é o uso oral da língua. Trata-se de um ato individual, d) linguagem verbal e não verbal são importantes, e o su-
onde cada um escolhe a forma que melhor se expressa. Assim, cesso na comunicação depende delas, ou seja, quando um inter-
há vários níveis da fala. Devido ao caráter individual da fala, po- locutor recebe e compreende uma mensagem adequadamente.
de-se observar dois níveis:
- Coloquial-Popular: nível da fala mais espontâneo, onde 02. Qual o tipo de linguagem utilizada abaixo:
não nos preocupamos em saber se falamos de acordo ou não
com as regras formais.
- Formal-Culto: normalmente utilizado pelas pessoas em si-
tuações formais. É necessário um cuidado maior com o vocabu-
lário e seguir as regras gramaticais da língua.
Vejamos agora alguns exemplos de textos não verbais:

https://www.todamateria.com.br/linguagem-verbal-e-nao-ver-
bal/

4
LÍNGUA PORTUGUESA

A) Linguagem verbal 05. Gráficos são exemplos de utilização simultânea das lin-
B) Linguagem não verbal guagens verbal e não verbal. É preciso analisar as duas ocorrên-
C) Linguagem mista cias para a compreensão do texto.
D) Linguagem conotativa

03. Quando assistimos um jogo de futebol, as linguagens


verbal e não verbal estão envolvidas. Qual delas abaixo repre-
senta a linguagem verbal usadas nas partidas de futebol:

A) Bandeiras de impedimento
B) Cartões vermelho e amarelo
C) Locutor do Futebol
D) O apito do juiz

04. UERJ

Nos gráficos, os elementos visuais e os elementos textuais


são fundamentais para o entendimento total da mensagem
transmitida. No gráfico em questão, a linguagem verbal e a lin-
guagem não verbal têm como intenção mostrar ao leitor que:

A) O número de casamentos entre pessoas acima de 60


anos diminuiu em um período de cinco anos.
B) O número de pessoas acima de 60 anos que estão in-
seridas no mercado de trabalho é proporcionalmente inverso à
quantidade de pessoas que se casam nessa faixa etária.
C) Apresenta dados para o leitor que comprovam o aumen-
Mineiro de Araguari, o cartunista Caulos já publicou seus to no número de casamentos entre pessoas acima de 60 anos,
trabalhos em diversos jornais, entre eles o Jornal do Brasil e o assim como o aumento da inserção de pessoas acima de 60 anos
The New York Times no mercado de trabalho.
D) Apresenta a preocupação com a diminuição no número
No cartum apresentado, o significado da palavra escrita é de casamentos entre pessoas de várias faixas etárias da popu-
reforçado pelos elementos visuais, próprios da linguagem não lação brasileira, assim como a dificuldade dessas pessoas para
verbal. A separação das letras da palavra em balões distintos conseguir emprego no mercado de trabalho.
contribui para expressar principalmente a seguinte ideia:
RESPOSTAS
A) dificuldade de conexão entre as pessoas
B) aceleração da vida na contemporaneidade 01 C
C) desconhecimento das possibilidades de diálogo
D) desencontro de pensamentos sobre um assunto 02 C
03 C
04 A
05 C

5
LÍNGUA PORTUGUESA

Polissemia
SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS
SENTIDO PRÓPRIO E FIGURADO DAS PALAVRAS Polissemia indica a capacidade de uma palavra apresentar
uma multiplicidade de significados, conforme o contexto em
SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS que ocorre. Uma palavra pode ter mais de uma significação. Ex.:
Mangueira: tubo de borracha ou plástico para regar as plan-
A Significação das palavras é estudada pela semântica, que tas ou apagar incêndios; árvore frutífera; grande curral de gado.
estuda o sentido das palavras e as relações de sentido que as Pena: pluma; peça de metal para escrever; punição; dó.
palavras estabelecem entre si.
Denotação e conotação
Sinônimos e antônimos
Denotação indica a capacidade de as palavras apresenta-
Sinônimos: palavras de sentido igual ou parecido. rem um sentido literal (próprio) e objetivo. A conotação indica
Ex.: necessário, essencial, fundamental, obrigatório a capacidade de as palavras apresentarem um sentido figurado
e simbólico.
Geralmente é indiferente usar um sinônimo ou outro. O
fato linguístico de existirem sinônimos chama-se sinonímia, pa- Exemplos com sentido denotativo:
lavra que também designa o emprego de sinônimos. As águas pingavam da torneira, (sentido próprio).
As horas iam pingando lentamente, (sentido figurado).
Antônimos: palavras de sentido oposto.
Ex.: dedicado: desinteressado, desapegado, relapso. Exemplos com sentido conotativo:
Pontual: atrasado, retardado, irresponsável. Comprei uma correntinha de ouro.
Fulano nadava em ouro.
A antonímia pode ser originada por um prefixo de sentido
oposto ou negativo. Ex.: simpático/antipático, progredir/regre- Hiperonímia e hiponímia
dir, ativo/inativo, esperar/desesperar, simétrico/assimétrico.
Homônimos Hiperonímia e a hiponímia indicam a capacidade das pa-
lavras estabelecerem relações hierárquicas de significado. Um
Se refere à capacidade de as palavras serem homônimas hiperônimo, palavra superior com um sentido mais abrangente,
(som igual, escrita igual, significado diferente), homófonas (som engloba um hipônimo, palavra inferior com sentido mais restri-
igual, escrita diferente, significado diferente) ou homógrafas to.
(som diferente, escrita igual, significado diferente).
O contexto é quem vai determinar a significação dos homô- Fruta é hiperônimo de banana.
nimos. Ela pode ser causa de ambiguidade, por isso é considera- Banana é hipônimo de fruta.
da uma deficiência dos idiomas.
QUESTÕES
Homônimos
rio (curso de água) e rio (verbo rir); 12. Pref. de Itaquitinga/PE – Psicólogo – 2016 - IDHTEC
caminho (itinerário) e caminho (verbo caminhar). A entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os comba-
tentes contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; co-
Homófonos moviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, naquele
cem (número) e sem (indica falta) armistício transitório, uma legião desarmada, mutilada faminta
senso (sentido) e censo (levantamento estatístico) e claudicante, num assalto mais duro que o das trincheiras em
fogo. Custava-lhes admitir que toda aquela gente inútil e frágil
Homógrafos saísse tão numerosa ainda dos casebres bombardeados durante
colher (talher) e colher (apanhar); três meses. Contemplando-lhes os rostos baços, os arcabouços
acerto (correção) e acerto (verbo acertar); esmirrados e sujos, cujos molambos em tiras não encobriam la-
nhos, escaras e escalavros – a vitória tão longamente apeteci-
Parônimos da decaía de súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava.
Era, com efeito, contraproducente compensação a tão luxuosos
Se refere a palavras que são escritas e pronunciadas de for- gastos de combates, de reveses e de milhares de vidas, o apre-
ma parecida, mas que apresentam significados diferentes. samento daquela caqueirada humana – do mesmo passo angu-
infligir (aplicar) e infringir (transgredir), lhenta e sinistra, entre trágica e imunda, passando-lhes pelos
sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder), olhos, num longo enxurro de carcaças e molambos...
deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente, Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender
divergir, adiar), uma arma, nem um peito resfolegante de campeador domado:
ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir), mulheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças
vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e vultuoso envelhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade,
(congestionado: rosto vultuoso). escaveiradas e sujas, filhos escanchados nos quadris desnalga-

6
LÍNGUA PORTUGUESA

dos, filhos encarapitados às costas, filhos suspensos aos peitos meio brutal? Os responsáveis pela operação dizem que, além
murchos, filhos arrastados pelos braços, passando; crianças, de mais eficiente para levar os paquidermes a locais de difícil
sem-número de crianças; velhos, sem-número de velhos; raros acesso, o procedimento é mais gentil.
homens, enfermos opilados, faces túmidas e mortas, de cera, (BADÔ, F. A fuga dos rinocerontes. Superinteressante, nº
bustos dobrados, andar cambaleante. 229, 2011.)
(CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos.
Edição Especial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.) A palavra radical pode ser empregada com várias acepções,
por isso denomina-se polissêmica. Assinale o sentido dicionari-
Em qual das alternativas abaixo NÃO há um par de sinôni- zado que é mais adequado no contexto acima.
mos? A) Que existe intrinsecamente num indivíduo ou coisa.
A) Armistício – destruição B) Brusco; violento; difícil.
B) Claudicante – manco C) Que não é tradicional, comum ou usual.
C) Reveses – infortúnios D) Que exige destreza, perícia ou coragem.
D) Fealdade – feiura
E) Opilados – desnutridos 05. UNESP – Assistente Administrativo I – 016 - VU-
NESP/2016
02. Pref. de Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico e
Mecânico – 2016 - Instituto Excelência O gavião
Assinale a alternativa em que as palavras podem servir de
exemplos de parônimos: Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco
A) Cavaleiro (Homem a cavalo) – Cavalheiro (Homem gentil). voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua.
B) São (sadio) – São (Forma reduzida de Santo). Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e
C) Acento (sinal gráfico) – Assento (superfície onde se sen- comovente – o gavião malvado, que mata pombas.
ta). O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à con-
D) Nenhuma das alternativas. templação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas
e o partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer
03. TJ/MT – Analista Judiciário – Ciências Contábeis – 2017 palavra é melhor que “columbófilo”) querem matar o gavião.
- UFMT Os amigos deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade
Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas, seja no come a sua pombinha com a mesma inocência com que a pom-
modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por exemplo, ba come seu grão de milho.
assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada uma apre- Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pom-
senta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, grafias diferen- bas e também o lance magnífico em que o gavião se despenca
tes, denomina-se homônimo homófono. Assinale a alternativa sobre uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupéry, “a
em que todas as palavras se encontram nesse caso. verdade do gavião”, mas matar um gavião no ar com um belo
A) taxa, cesta, assento tiro pode também ser a verdade do caçador.
B) conserto, pleito, ótico Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente
C) cheque, descrição, manga o gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate,
D) serrar, ratificar, emergir pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem.
(Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999. Adaptado)
04. TJ/MT – Analista Judiciário – Direito – 2017 - UFMT
O termo  gavião, destacado em sua última ocorrência no
A fuga dos rinocerontes texto – … pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em ou-
Espécie ameaçada de extinção escapa dos caçadores da tro homem. –, é empregado com sentido
maneira mais radical possível – pelo céu. A) próprio, equivalendo a inspiração.
B) próprio, equivalendo a conquistador.
Os rinocerontes-negros estão entre os bichos mais visados C) figurado, equivalendo a ave de rapina.
da África, pois sua espécie é uma das preferidas pelo turismo de D) figurado, equivalendo a alimento.
caça. Para tentar salvar alguns dos 4.500 espécimes que ainda E) figurado, equivalendo a predador.
restam na natureza, duas ONG ambientais apelaram para uma
solução extrema: transportar os rinocerontes de helicóptero. A 06. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE-
ação utilizou helicópteros militares para remover 19 espécimes PESE
– com 1,4 toneladas cada um – de seu habitat original, na pro- O termo (ou expressão) em destaque, que está empregado
víncia de Cabo Oriental, no sudeste da África do Sul, e transfe- em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em:
ri-los para a província de Lampopo, no norte do país, a 1.500 A) Estou morta de cansada.
quilômetros de distância, onde viverão longe dos caçadores. B) Aquela mulher fala mal de todos na vizinhança! É uma co-
Como o trajeto tem áreas inacessíveis de carro, os rinocerontes bra.
tiveram de voar por 24 quilômetros. Sedados e de olhos venda- C) Todo cuidado é pouco. As paredes têm ouvidos.
dos (para evitar sustos caso acordassem), os rinocerontes foram D) Reclusa desde que seu cachorrinho morreu, Filomena fi-
içados pelos tornozelos e voaram entre 10 e 20 minutos. Parece nalmente saiu de casa ontem.

7
LÍNGUA PORTUGUESA

E) Minha amiga é tão agitada! A bateria dela nunca acaba! - isolar o nome de lugar na indicação de datas: Londrina, 25
de Setembro de 2017.
RESPOSTAS - marcar a omissão de um termo (normalmente o verbo):
Ele prefere dormir, eu me exercitar. (omissão do verbo preferir)
01 A
Ponto-e-Vírgula ( ; )
02 A Usamos para:
03 A - separar os itens de uma lei, de um decreto, de uma peti-
ção, de uma sequência, etc.:
04 C
Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas
05 E formais e não formais, como direito de cada um, observados:
06 D I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e asso-
ciações, quanto a sua organização e funcionamento;
II - a destinação de recursos públicos para a promoção prio-
ritária do desporto educacional e, em casos específicos, para a
do desporto de alto rendimento;
PONTUAÇÃO III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional
e o não profissional;
PONTUAÇÃO IV - a proteção e o incentivo às manifestações desportivas
de criação nacional.
Pontuação são sinais gráficos empregados na língua escrita - separar orações coordenadas muito extensas ou orações
para demonstrar recursos específicos da língua falada, como: coordenadas nas quais já tenham sido utilizado a vírgula.
entonação, silêncio, pausas, etc. Tais sinais têm papéis variados
no texto escrito e, se utilizados corretamente, facilitam a com- Dois-Pontos ( : )
preensão e entendimento do texto. Usamos para:
- iniciar a fala dos personagens: O pai disse: Conte-me a ver-
Ponto ( . ) dade, meu filho.
Usamos para: - antes de apostos ou orações apositivas, enumerações ou
- indicar o final de uma frase declarativa: não irei ao sho- sequência de palavras que explicam, resumem ideias anteriores:
pping hoje. Comprei alguns itens: arroz, feijão e carne.
- separar períodos entre si: Fecha a porta. Abre a janela. - antes de citação: Como dizia minha mãe: “Você não é todo
- abreviaturas: Av.; V. Ex.ª mundo.”

Vírgula ( , ) Ponto de Interrogação ( ? )


Usamos para: Usamos para:
- marcar pausa do enunciado a fim de indicar que os ter- - perguntas diretas: Onde você mora?
mos separados, apesar de serem da mesma frase ou oração, não - em alguns casos, junto com o ponto de exclamação: Quem
formam uma unidade sintática: Maria, sempre muito simpática, você ama? Você. Eu?!
acenou para seus amigos.
Ponto de Exclamação ( ! )
Não se separam por vírgula: Usamos:
- predicado de sujeito; - Após vocativo: Volte, João!
- objeto de verbo; - Após imperativo: Aprenda!
- adjunto adnominal de nome; - Após interjeição: Psiu! Eba!
- complemento nominal de nome; - Após palavras ou frases que tenham caráter emocional:
- predicativo do objeto; Poxa!
- oração principal da subordinada substantiva (desde que
esta não seja apositiva nem apareça na ordem inversa). Reticências ( ... )
Usamos para:
A vírgula também é utilizada para: - indicar dúvidas ou hesitação do falante: Olha...não sei se
- separar o vocativo: João, conte a novidade. devo... melhor não falar.
- separar alguns apostos: Célia, muito prendada, preparou - interrupção de uma frase deixada gramaticalmente incom-
a refeição. pleta: Você queria muito este jogo novo? Bom, não sei se você
- separar o adjunto adverbial antecipado ou intercalado: Al- merece...
gumas pessoas, muitas vezes, são falsas. - indicar supressão de palavra(s) numa frase transcrita:
- separar elementos de uma enumeração: Vendem-se pães, Quando ela começou a falar, não parou mais... terminou uma
tortas e sonho. hora depois.
- separar conjunções intercaladas: Mário, entretanto, nunca     
mais deu notícias.

8
LÍNGUA PORTUGUESA

Aspas ( “  ” ) Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as


Usamos para: árvores cobertas de folhas, - e só os poetas, entre os humanos,
- isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta: sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos
gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos, arcaísmos e ex- bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem
pressões populares. dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
- indicar uma citação textual. Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não
se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da
Parênteses ( () ) sua perpetuação.
Usamos para: Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, tal-
- isolar palavras, frases intercaladas de caráter explicativo vez, os homens terão a primavera que desejarem, no momen-
e datas: No dia do seu nascimento (08/08/984) foi o dia mais to em que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem,
quente do ano. deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com ou-
tros cantos e outros hábitos, - e os ouvidos que por acaso os
- podem substituir a vírgula ou o travessão.
ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora, se
entendeu e amou.
Travessão (__ )
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos
Usamos para:
atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos
- dar início à fala de um personagem: Filó perguntou: __Ma- para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores,
ria, como faz esse doce? caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sen-
- indicar mudança do interlocutor nos diálogos. __Mãe, timentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás
você me busca? __Não se preocupe, chegarei logo. roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em
- Também pode ser usado em substituição à virgula, em ex- cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gar-
pressões ou frases explicativas: Pelé – o rei do futebol – está dênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flo-
muito doente. res agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado
Colchetes ( [] ) ao vento, - por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na
Usamos para: rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida - e
- linguagem científica. efêmera.
(MEIRELES, Cecília. “Cecília Meireles - Obra em Prosa?
Asterisco ( * ) Vol. 1. Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1998, p. 366.)
Usamos para:
- chamar a atenção do leitor para alguma nota (observação). “...e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ain-
da circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida
QUESTÕES para a primavera que chega” (1º §)

01. CLIN – Auxiliar de Enfermagem do Trabalho – 2015 - No fragmento acima, as vírgulas foram empregadas para:
COSEAC A) marcar termo adverbial intercalado.
B) isolar oração adjetiva explicativa.
Primavera C) enfatizar o termo sujeito em relação ao predicado.
D) separar termo em função de aposto.
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu
02. PC – CE - Escrivão da Policia Civil de 1ª classe – 2015 –
nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para re-
VUNESP
cebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os
Assinale a alternativa correta quanto ao uso da vírgula, con-
habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam
siderando-se a norma-padrão da língua portuguesa.
pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a prima- A) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar, que
vera que chega. demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da demorado.
terra, nesse mundo confidencial das raízes, - e arautos sutis B) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar que
acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espí- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
rito das flores. morado
Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão C) Os amigos, apesar de terem esquecido, de nos avisar que
todos cor-de-rosa, como os palácios de Jaipur. Vozes novas de demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua na- morado.
ção. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pe- D) Os amigos apesar de terem esquecido de nos avisar que,
los ares, - e certamente conversam: mas tão baixinho que não demoraria tanto, informaram-nos, de que a gravidez era algo
se entende. demorado.
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inver- E) Os amigos, apesar de, terem esquecido de nos avisar
no, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremen- que demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era
te, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol. algo demorado.

9
LÍNGUA PORTUGUESA

03. IPC - ES - Procurador Previdenciário I 2018 - IDECAN RESPOSTAS

01 D
02 B
03 A
04 A
05 A

CLASSES DE PALAVRAS: SUBSTANTIVO, ADJETIVO,


NUMERAL, PRONOME, VERBO, ADVÉRBIO, PREPOSI-
ÇÃO E CONJUNÇÃO: EMPREGO E SENTIDO QUE IMPRI-
MEM ÀS RELAÇÕES QUE ESTABELECEM

CLASSE GRAMATICAIS

ARTIGO

Artigo é a palavra que colocamos antes dos substantivos,


com a finalidade de determina-los e especificarmos seu gênero
Em “Júnior, hoje jantaremos fora!”, a presença da vírgula é e número.
obrigatória porque serve para: Os artigos podem ser:
A) Isolar o vocativo. - definidos: o, a, os, as (Determinam os substantivos de for-
B) Isolar o adjunto adverbial deslocado. ma particular).
C) Separar orações coordenadas. - indefinidos: um, uma, uns, umas (Determinam os substan-
D) Intercalar expressões explicativas. tivos de forma inespecífica).

04. - IF-MT - Direito – 2018 - IF-MT Exemplos:


O uso adequado da pontuação é fundamental para o bom Comprei o carro. (Um carro específico)
entendimento do texto. Nos casos abaixo, a vírgula está usada Comprei um carro. (Um carro qualquer)
de forma inadequada em:
A) Todos os cidadãos brasileiros, são iguais perante a lei, Artigo Definido
conforme a Constituição Federal.
B) Além disso, à noite, fazer caminhada até a minha casa é Indica um substantivo específico, determinado. Dependen-
inseguro. do da flexão de gênero e de número, assume as formas o, a, os,
C) Agora, em relação à tecnologia, os jovens dispõem de as.
uma série de comodidades, salientou o pesquisador.
D) “Eu sei, mas não devia” (Marina Colasanti). Observe as possíveis variações de gênero e número:
E) Ainda havia muito a se deliberar, todavia, considerando o
horário avançado, a reunião foi encerrada. O professor me repreendia.
A professora me repreendia.
05. EMATERCE - Agente de ATER - Ciências Contábeis – Os professores me repreendiam.
2018 – CETREDE
Analise as duas frases a seguir em relação à ambiguidade. Artigo Indefinido
I. Karla comeu um doce e sua irmã também.
II. Mataram a vaca da sua tia. Indica m ser qualquer dentre outros da mesma espécie. De-
pendendo da flexão de gênero e de número, assume as formas
Marque a opção CORRETA. um, uma, uns, umas.
A) O problema da frase I pode ser corrigido com uma vír-
gula. Observe as possíveis variações de gênero e número, usan-
B) As duas frases podem ser corrigidas com o uso de pro- do o mesmo exemplo anterior:
nome.
C) Ao colocarmos apenas um verbo, corrigiremos a frase II. Um professor me repreendia.
D) Apenas a frase I apresenta problema de ambiguidade. Uma professora me repreendia.
E) Uma preposição resolveria o problema da frase II. Uns professores me repreendiam.

10
LÍNGUA PORTUGUESA

Além das formas simples, os artigos apresentam formas Gênero


combinadas com preposições. O artigo definido combina-se
com as preposições a, de, em, por, originando, por exemplo, as De acordo com o gênero (feminino e masculino) das pala-
formas ao, do, nas, pelos, etc. vras substantiva, são classificadas em:
Quando o artigo definido feminino (a, as) aparece combi-
nado com a preposição a, temos um caso que merece destaque Substantivos Biformes: apresentam duas formas, uma para
especial: a essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente re- o masculino e outra para o feminino. Exemplo: médico e médica;
presentada por um a com acento grave (à, às), dá-se o nome de namorado e namorada.
crase.
Substantivos Uniformes: somente um termo especifica os
Exemplo: dois gêneros (masculino e feminino), sendo classificados em:
Eles lançaram um alerta à nação. (à = preposição a + artigo - Epicenos: palavra que apresenta somente um gênero e
definido a) refere-se aos animais, por exemplo: baleia (macho ou fêmea).
- Sobrecomum: palavra que apresenta somente um gênero
O artigo indefinido combina-se com as preposições em e e refere-se às pessoas, por exemplo: criança (masculino e femi-
de, originando, por exemplo, as formas num, numas, duns, etc. nino).
- Comum de dois gêneros: termo que se refere aos dois gê-
SUBSTANTIVO neros (masculino e feminino), identificado por meio do artigo
que o acompanha, por exemplo: “o dentista” e “a dentista”.
Os substantivos nomeiam seres, coisas, ideias. Como pala-
vra variável, apresenta flexões de gênero, número e grau. Número

Classificação São classificados em:

Singular: palavra que designa uma única coisa, pessoa ou


Substantivo Comum: Designa os seres de uma espécie de
um grupo, por exemplo: cama, homem.
forma genérica: casa, felicidade, mesa, criança, etc.
Plural: palavra que designa várias coisas, pessoas ou gru-
pos, por exemplo: camas, homens.
Substantivo Próprio: Designa um ser específico, determina-
do, como: Recife, Mariana, Brasil, etc.
Grau
Substantivo Concreto: Designa seres propriamente ditos
São classificados em aumentativo e diminutivo:
(pessoas, objetos, lugares), independentemente de sua existên-
cia real. Assim sendo, são exemplos: fada, saci, mesa, cinema, Aumentativo: Indica o aumento do tamanho de algum ser
etc. ou alguma coisa. Divide-se em:
- Analítico: substantivo acompanhado de adjetivo que indi-
Substantivo Abstrato: Designa ações qualidades, ou esta- ca grandeza, por exemplo: menino grande.
dos, tomados como seres. Indica coisas que não existem por si, - Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indica-
que são resultado de uma abstração. É o caso de felicidade, po- dor de aumento, por exemplo: meninão.
breza, caridade, etc.. Diminutivo: Indica a diminuição do tamanho de algum ser
Formação dos substantivos ou alguma coisa. Divide-se em:
- Analítico: substantivo acompanhado de um adjetivo que
Substantivo Primitivo: erve de base para a formação de ou- indica pequenez, por exemplo: menino pequeno.
tros substantivos. Exemplo: rosa, pedra, gelo, etc. - Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indica-
dor de diminuição, por exemplo: menininho.
Substantivo Derivado: É formado a partir de um substantivo
primitivo, como: roseiral, pedregulho, geleira, etc. ADJETIVO
Substantivo Simples: É formado por um só radical, como:
janela, livro, trem, etc. Adjetivo é a palavra que modifica o substantivo, atribuindo-
-lhe um estado, qualidade ou característica.
Substantivo Composto: É formado por mais de um radical,
como em: arco-íris, arranha-céu, etc. Classificação

Substantivo Coletivo: É coletivo o substantivo no singular Simples - formado por um só radical. Exemplo: bonita.
que designa um conjunto de seres da mesma espécie. Composto - formado por mais de um radical. Exemplo: lati-
- buquê – de flores no-americano.
- alcateia – de lobos Primitivo - não deriva de outra palavra. Exemplo: claro,
- elenco – de artistas grande.
- legião – de soldados Derivado - tem origem em outra palavra. Exemplo: toleran-
te (vem de tolerar).

11
LÍNGUA PORTUGUESA

Pátrio - é o que se refere a países, estados, cidades, etc. NUMERAL


Exemplo: brasileiro, mineiro, carioca, etc.
O numeral é a palavra que indica, em termos numéricos,
Locução Adjetiva um número exato ou a posição que tal coisa ocupa numa série.

É toda reunião de duas ou mais palavras com valor de uma Classificação


só. Geralmente, as locuções adjetivas são formadas por uma
preposição e um substantivo, ou uma preposição e um advér- Cardinais: Forma básica dos números, indicam contagem,
bio. medida. Exemplo, um, dois, três…
Exemplos:
- dente de cão (= canino) Ordinais: Indica ordem de uma sequência. Exemplo, primei-
- água de chuva (= pluvial) ro, segundo, terceiro…
- pneus de trás (= traseiro)
Fracionários: Indicam a diminuição das proporções numé-
Flexão ricas, ou seja, representam uma parte de um todo. Exemplo,
meio, terço, quarto, quinto…
Gêneros
Multiplicativos: Determina o aumento da quantidade por
- Adjetivos Uniformes: uma forma para os dois gêneros (fe- meio de múltiplos. Exemplo, dobro, triplo, quádruplo, quíntu-
minino e masculino). Exemplo: alegre. plo…
- Adjetivos Biformes: varia conforme o gênero (masculino e
feminino). Exemplo: dengoso, dengosa. Coletivos: Número exato que faz referência a um conjun-
to de seres. Exemplo: dúzia (conjunto de 12), dezena (conjunto
Número de 10), centena (conjunto de 100), semestre (conjunto de 6),
bimestre (conjunto de 2).
Os adjetivos podem vir no singular ou plural, concordando
com o número do substantivo referido. Assim, a sua formação é
parecida à dos substantivos. Ordinal Cardinal Ordinal Cardinal
Um Primeiro Vinte Vigésimo
Grau
Dois Segundo Trinta Trigésimo
São classificados em: Três Terceiro Cinquenta Quinquagésimo
Quatro Quarto Sessenta Sexagésimo
- Grau Comparativo: utilizado para comparar qualidades.
Cinco Quinto Oitenta Octogésimo
Comparativo de Igualdade – Chocolate é tão bom quanto Seis Sexto Cem Centésimo
pizza. Sete Sétimo Quinhentos Quingentésimo
Comparativo de Superioridade – Rui é mais esforçado que
Marcos. Oito Oitavo Setecentos Setingentésimo
Comparativo de Inferioridade – Mariana é menos feliz que Nove Nono Novecentos Noningentésimo
Paula.
Dez Décimo Mil Milésimo
- Grau Superlativo - utilizado para intensificar qualidades.

Superlativo Absoluto: PRONOMe


Analítico - A casa é extremamente luxuosa.
Sintético - Larissa é organizadíssima. Pronome é a palavra que substitui ou acompanha o subs-
Superlativo Relativo de: tantivo, indicando sua posição em relação às pessoas do discur-
Superioridade - A cidade é a mais bonita da região. so ou mesmo situando-o no espaço e no tempo.
Inferioridade - Este computador é o menos moderno do
escritório. Pronomes Pessoais

Somente seis adjetivos têm o grau comparativo de superio- Retos – têm função de sujeito da oração: eu, tu, ele, nós,
ridade sintético. Veja-os: vós, eles.
Oblíquos têm função de complemento do verbo (objeto di-
bom – melhor reto / objeto indireto) ou as, lhes. - Ele viajará conosco. (elepro-
mau – pior nome reto / vaiverbo / conosco complemento nominal).
grande – maior - tônicos com preposição: mim, comigo, ti, contigo,si, consi-
pequeno – menor go, conosco, convosco;
alto – superior - átonos sem preposição: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos,
baixo – inferior os,pronome oblíquo)

12
LÍNGUA PORTUGUESA

Pronomes de Tratamento Aquele (s), aquela (s), aquilo: indicam um tempo distante
em relação ao momento em que se fala. Exemplo: Lembro-me
Dependendo da pessoa a quem nos dirigimos, do seu cargo, bem aquele tempo em que viajávamos de trem.
idade, título, o tratamento será familiar ou cerimonioso: Vossa
Alteza (V.A.) - príncipes, duques; Vossa Eminência (V.Ema) - car- Relação ao espaço
deais; Vossa Excelência (V.Ex.a) - altas autoridades, presidente, Este (s), esta (s), isto: o ser ou objeto que está próximo da
oficiais; Vossa Magnificência (V.Mag.a) - reitores de universida- pessoa que fala. Exemplo: Este é o meu filho.
des; Vossa Majestade (V.M.) – reis, imperadores; Vossa Santida- Esse (s), essa (s), isso: a pessoa ou a coisa próxima daquela
de (V.S.) - Papa; Vossa Senhori (V.Sa) - tratamento cerimonioso. com quem falamos ou para quem escrevemos. Exemplo: Por fa-
vor, poderia passar esse copo?
- Além desses, são pronomes de tratamento: senhor, senho- Aquele (s), aquela (s), aquilo: o ser ou objeto que está longe
ra, senhorita, dona, você. de quem fala e da pessoa de quem se fala (3ª pessoa). Exemplo:
- A forma Vossa (Senhoria, Excelência) é empregada quando Com licença, poderia dizer o preço daquele casaco?
se fala com a própria pessoa: Vossa Senhoria não compareceu à
reunião dos semterra? (falando com a pessoa) Pronomes Indefinidos
- A forma Sua (Senhoria, Excelência ) é empregada quando
se fala sobre a pessoa: Sua Eminência, o cardeal, viajou paraum Empregados na 3ª pessoa do discurso, o próprio nome já
Congresso. (falando a respeito do cardeal) mostra que os pronomes indefinidos substituem ou acompa-
nham o substantivo de maneira vaga ou imprecisa.
Pronomes Possessivo
Classificação Pronomes Indefinidos
Os pronomes possessivos são aqueles que transmitem a
ideia de posse, por exemplo: Esse carro é seu? algum, alguma, alguns, algumas, nenhum,
nenhuma, nenhuns, nenhumas, muito,
Pessoas Verbais Pronomes Possessivos muita, muitos, muitas, pouco, pouca,
poucos, poucas, todo, toda, todos, todas,
1ª pessoa do singular meu, minha (singular); meus, outro, outra, outros, outras, certo, certa,
Variáveis
(eu) minhas (plural) certos, certas, vário, vária, vários, várias,
tanto, tanta, tantos, tantas, quanto,
2ª pessoa do singular teu, tua (singular); teus, tuas quanta, quantos, quantas, qualquer,
(tu, você) (plural) quaisquer, qual, quais, um, uma, uns,
umas.
3ª pessoa do singular seu, sua (singular); seus, suas
(ele/ela) (plural) quem, alguém, ninguém, tudo, nada,
Invariáveis
outrem, algo, cada.
1ª pessoa do plural nosso, nossa (singular); nossos,
(nós) nossas (plural) Pronomes Relativos

2ª pessoa do plural vosso, vossa (singular); vossos, Os pronomes relativos se referem a um substantivo já dito
(vós, vocês) vossas (plural) anteriormente na oração. Podem ser palavras variáveis e inva-
riáveis. Essa palavra da oração anterior chamase antecedente:
3ª pessoa do plural seu, sua (singular); seus, suas Viajei para uma cidade que é muito pequena. ercebese que o
(eles/elas) (plural) pronome relativo que, substitui na 2ª oração, a cidade, por isso
a palavra que é um pronome relativo.
São divididos em:
Pronomes Demonstrativos
Variáveis: o qual, os quais, a qual, as quais, cujo, cujos, cuja,
cujas, quanto, quantos;
Os pronomes demostrativos são utilizados para indicar algo.
Invariáveis: que, quem, quando, como, onde.
Reúnem palavras variáveis (esse, este, aquele, essa, esta, aque-
la) e invariáveis (isso, isto, aquilo).

Relação ao tempo
Este (s), esta (s), isto: indicam o tempo presente em relação
ao momento em que se fala. Exemplo: Esta semana é a última
antes da prova.
Esse (s), essa (s), isso: indicam tempo no passado ou no fu-
turo. Exemplos: Onde você foi esse feriado? / Serei reconhecido
pelo meu esforço. Quando esse dia chegar, estarei satisfeito.

13
LÍNGUA PORTUGUESA

Pronomes Interrogativos - Futuro do Pretérito: Pode indicar condição, referindo-se


a uma ação futura, ligada a um momento já passado. Ex.: Iria
São palavras variáveis e invariáveis empregadas para ao show se tivesse dinheiro. (Indica condição); Ele gostaria de
formular perguntas diretas e indiretas. assumir esse compromisso.

Modos Verbais
Pronomes
Classificação Exemplos
Interrogativos Indicativo: Mostra o fato de maneira real, certa, positiva.
Ex.: Eu falo alemão.
Quanto custa? Subjuntivo: Pode exprimir um desejo e apresenta o fato
qual, quais,
Variáveis quanto, quantos, como possível ou duvidoso, hipotético. Ex.: Se eu tivesse dinhei-
Quais sapatos ro, compraria um carro.
quanta, quantas.
você prefere? Imperativo: Exprime ordem, conselho ou súplica. Ex.: Des-
canse bastante nestas férias.
Quem estragou
meu vestido? Formas nominais
Invariáveis quem, que.
Que problema
ocorreu? Temos três formas nominais: Infinitivo, gerúndio e particí-
pio, e são assim chamadas por desempenhar um papel parecido
VERBO aos dos substantivos, adjetivos ou advérbios e, sozinhas, não se-
rem capazes de expressar os modos e tempos verbais.
Exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da
natureza e possui inúmeras flexões, de modo que a sua conjuga- Infinitivo
ção é feita em relação as variações de pessoa, número, tempo,
modo, voz e aspeto. Pessoal: Refere às pessoas do discurso. Não é flexionado
nas 1ª e 3ª pessoas do singular e flexionadas nas demais:
Os verbos estão agrupados em três conjugações: Estudar (eu) – não flexionado       
1ª conjugação – ar: amar, caçar, começar. Estudares (tu) – flexionado  
2ª conjugação – er: comer, derreter, beber. Estudar(ele) – não flexionado 
3ª conjugação – ir: curtir, assumir, abrir. Estudarmos (nós) – flexionado
Estudardes (voz) – flexionado
O verbo pôr e seus derivados (repor, depor, dispor, compor, Estudarem (eles) – flexionado
impor) pertencem a 2ª conjugação devido à sua origem latina
poer. Impessoal: É o infinitivo impessoal quando não se refere às
pessoas do discurso. Exemplos: caminhar é bom. (a caminhada
Pessoas: 1ª, 2ª e 3ª pessoa, em 2 situações: singular e plu- é boa); É proibido fumar. (é proibido o fumo)
ral.
1ª pessoa do singular – eu; ex.: eu viajo Gerúndio
2ª pessoa do singular – tu; ex.: tu viajas
3ª pessoa do singular – ele; ex.: ele viaja Caracteriza-se pela terminação -ndo. O verbo não se flexio-
1ª pessoa do plural – nós; ex.: nós viajamos na e pode exercer o papel de advérbio e de adjetivo.
2ª pessoa do plural – vós; ex.: vós viajais
3ª pessoa do plural – eles; ex.: eles viajam
Exemplo: Ela estava trabalhando quando telefonaram.
Tempos do Verbo
Particípio
Presente: Ocorre no momento da fala. Ex.: trabalha
Pode ser regular e irregular.
Pretérito: Ocorrido antes. Ex.: trabalhou
Futuro: Ocorrido depois. Ex.: trabalhará Particípio regular: se caracteriza pela terminação -ado, -ido.
O pretérito subdivide-se em:
- Perfeito: Ação acabada. Ex.: Eu limpei a sala. Exemplo: Eles tinham partido em uma aventura sem fim.
- Imperfeito: Ação inacabada no momento a que se refere à
narração. Ex.: Ele ficou no hospital por dias. Particípio irregular: pode exercer o papel de adjetivo.
- Mais-que-perfeito: Ação acabada, ocorrida antes de outro
fato passado. Ex.: Para ser mais justo, ele partira o bolo em fatias Exemplo: Purê se faz com batata cozida.
pequenas.
Por apresentar mais que uma forma, o particípio é classi-
O futuro subdivide-se em: ficado como verbo abundante. É importante lembrar que nem
- Futuro do Presente: Refere-se a um fato imediato e certo. todos os verbos apresentam duas formas de particípio: (aberto,
Ex.: Participarei do grupo. coberto, escrever).

14
LÍNGUA PORTUGUESA

Tempos Simples e Tempos Compostos ADVÉRBIO

Tempos simples: formados apenas pelo verbo principal. São palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou ou-
tro advérbio.
Indicativo: Classificação dos Advérbios
Presente - canto, vendo, parto, etc.
Pretérito perfeito - cantei, vendi, parti, etc. Modo: Bem, mal, assim, adrede, melhor, pior, depressa,
Pretérito imperfeito - cantava, vendia, partia, etc. acinte, debalde, devagar, ás pressas, às claras, às cegas, à toa,
Pretérito mais-que-perfeito - cantara, vendera, partira, etc. à vontade, às escondas, aos poucos, desse jeito, desse modo,
Futuro do presente - cantarei, venderei, partirei, etc. dessa maneira, em geral, frente a frente, lado a lado, a pé, de
Futuro do pretérito - cantaria, venderia, partiria, etc. cor, em vão e a maior parte dos que terminam em -mente:
calmamente, tristemente, propositadamente, pacientemente,
Subjuntivo: apresenta o fato, a ação, mas de maneira incer- amorosamente, docemente, escandalosamente, bondosamen-
ta, imprecisa, duvidosa ou eventual. te, generosamente.
Presente - cante, venda, parta, etc.
Pretérito imperfeito - cantasse, vendesse, partisse, etc. Intensidade: Muito, demais, pouco, tão, menos, em exces-
Futuro - cantar, vender, partir. so, bastante, pouco, mais, menos, demasiado, quanto, quão,
tanto, assaz, que (equivale a quão), tudo, nada, todo, quase, de
Imperativo: Ao indicar ordem, conselho, pedido, o fato ver- todo, de muito, por completo, bem (quando aplicado a proprie-
bal pode expressar negação ou afirmação. São, portanto, duas dades graduáveis).
as formas do imperativo:
- Imperativo Negativo (Formado pelo presente do subjunti- Lugar: Aqui, antes, dentro, ali, adiante, fora, acolá, atrás,
vo): Não abram a porta. além, lá, detrás, aquém, cá, acima, onde, perto, aí, abaixo, aon-
- Imperativo Afirmativo (Formado do presente do subjunti- de, longe, debaixo, algures, defronte, nenhures, adentro, afora,
vo, com exceção da 2ª pessoas do singular e do plural, que são alhures, nenhures, aquém, embaixo, externamente, a distância,
retiradas do presente do indicativo sem o “s”. Ex: Anda – Ande a distância de, de longe, de perto, em cima, à direita, à esquer-
– Andemos – Andai – Andem: Abram a porta. da, ao lado, em volta.

Obs.: O imperativo não possui a 1ª pessoa do singular, pois Tempo: Hoje, logo, primeiro, ontem, tarde, outrora, ama-
não se prevê a ordem, conselho ou pedido a si mesmo. nhã, cedo, dantes, depois, ainda, antigamente, antes, doravan-
te, nunca, então, ora, jamais, agora, sempre, já, enfim, afinal,
Tempos compostos: Formados pelos auxiliares ter ou haver. amiúde, breve, constantemente, entrementes, imediatamente,
primeiramente, provisoriamente, sucessivamente, às vezes, à
Infinitivo: tarde, à noite, de manhã, de repente, de vez em quando, de
Pretérito impessoal composto - ter falado, ter vendido, etc. quando em quando, a qualquer momento, de tempos em tem-
Pretérito pessoal composto - ter (teres) falado, ter (teres) pos, em breve, hoje em dia.
vendido.
Gerúndio pretérito composto – tendo falado, tendo vendi- Negação: Não, nem, nunca, jamais, de modo algum, de for-
do. ma nenhuma, tampouco, de jeito nenhum.

Indicativo: Dúvida: Acaso, porventura, possivelmente, provavelmente,


Pretérito perfeito composto - tenho cantado, tenho vendi- quiçá, talvez, casualmente, por certo, quem sabe.
do, etc.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tinha cantado, tinha Afirmação: Sim, certamente, realmente, decerto, efetiva-
vendido, etc. mente, certo, decididamente, realmente, deveras, indubitavel-
Futuro do presente composto - terei cantado, terei vendido, mente.
etc.
Futuro do pretérito composto - teria cantado, teria vendido, Exclusão: Apenas, exclusivamente, salvo, senão, somente,
etc. simplesmente, só, unicamente.
Inclusão: Ainda, até, mesmo, inclusivamente, também.
Subjuntivo:
Pretérito perfeito composto - tenha cantado, tenha vendi- Interrogação: porque? (causa), quanto? (preço e intensida-
do, etc. de), onde? (lugar), como? (modo), quando? (tempo), para que?
Pretérito mais-que-perfeito composto - tivesse cantado, ti- (finalidade).
vesse vendido, etc.
Futuro composto - tiver cantado, tiver vendido, etc. Ordem: Depois, primeiramente, ultimamente.

Designação: Eis

15
LÍNGUA PORTUGUESA

Flexão lado de, a respeito de, de acordo com, em cima de, embaixo de,
em frente a, ao redor de, graças a, junto a, com, perto de, por
São consideradas palavras invariáveis por não terem flexão causa de, por cima de, por trás de.
de número (singular e plural) e gênero (masculino, feminino); A preposição é invariável. Porém, pode unir-se a outras pa-
entretanto, são flexionadas nos graus comparativo e superlativo. lavras e estabelecer concordância em gênero ou em número.
Ex.: por + o = pelo; por + a = pela.
Grau Comparativo: O advérbio pode caracterizar relações Essa concordância não é característica da preposição e sim
de igualdade, inferioridade ou superioridade. Para indicar esse das palavras a que se ela se une. Esse processo de junção de
grau utilizam as formas tão…quanto, mais…que, menos…que. uma preposição com outra palavra pode se dar a partir de dois
Pode ser: processos:
- de igualdade. Ex.: Enxergo tão bem quanto você.
- de superioridade. Ex.: Enxergarei melhor que você. - Combinação: A preposição não sofre alteração.
- de inferioridade. Ex.: Enxergaremos pior que você. preposição a + artigos definidos o, os
a + o = ao
Grau Superlativo: A circunstância aparecerá intensificada. preposição a + advérbio onde
Pode ser formado tanto pelo processo sintético (acréscimo de a + onde = aonde
sufixo), como pelo analítico (outro advérbio estará indicando o
grau superlativo). - Contração: Quando a preposição sofre alteração.
Preposição + Artigos
- superlativo (ou absoluto) sintético: Acréscimo de sufixo. De + o(s) = do(s)
Ex.: Este conteúdo é facílimo. De + a(s) = da(s)
- superlativo (ou absoluto) analítico: Precisamos de um ad- De + um = dum
vérbio de intensidade. Ex.: Este conteúdo é muito fácil. De + uns = duns
De + uma = duma
Ao empregamos dois ou mais advérbios terminados em –
De + umas = dumas
mente, acrescentamos o sufixo apenas no último. Ex.: Muito fez
Em + o(s) = no(s)
pelo seu povo; trabalhou duro, árdua e ininterruptamente.
Em + a(s) = na(s)
Em + um = num
PREPOSIÇÃO
Em + uma = numa
Em + uns = nuns
Palavra invariável que  liga dois termos da oração, numa
Em + umas = numas
relação de subordinação donde, geralmente, o segundo termo
subordina o primeiro. As preposições estabelecem a coesão tex- A + à(s) = à(s)
tual e possuem valores semânticos indispensáveis para a com- Por + o = pelo(s)
preensão do texto. Por + a = pela(s)

Tipos de Preposição - Preposição + Pronomes


De + ele(s) = dele(s)
Lugar: O voo veio de São Francisco. De + ela(s) = dela(s)
Modo: Os alunos eram colocados em carteiras. De + este(s) = deste(s)
Tempo: Ele viajou por três anos. De + esta(s) = desta(s)
Distância: A vinte quilômetros daqui há um pedágio. De + esse(s) = desse(s)
Causa: Parou de andar, pois estava com sede. De + essa(s) = dessa(s)
Instrumento: Ela cortou o bolo com uma faca pequena. De + aquele(s) = daquele(s)
Finalidade: A igreja foi enfeitada para o casamento. De + aquela(s) = daquela(s)
De + isto = disto
Classificação De + isso = disso
De + aquilo = daquilo
As preposições podem ser divididas em dois grupos: De + aqui = daqui
- Preposições Essenciais –palavras que só funcionam como De + aí = daí
preposição, a saber: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, De + ali = dali
em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás. De + outro = doutro(s)
- Preposições Acidentais –palavras de outras classes grama- De + outra = doutra(s)
ticais que, podem funcionar como preposição, a saber: afora, Em + este(s) = neste(s)
como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos, Em + esta(s) = nesta(s)
salvo, segundo, visto etc. Em + esse(s) = nesse(s)
Em + aquele(s) = naquele(s)
Locuções prepositivas: são formadas por duas ou mais pa- Em + aquela(s) = naquela(s)
lavras com o valor de preposição, sempre terminando por uma Em + isto = nisto
preposição, por exemplo: Abaixo de, acerca de, acima de, ao Em + isso = nisso

16
LÍNGUA PORTUGUESA

Em + aquilo = naquilo CONJUNÇÃO


A + aquele(s) = àquele(s)
A + aquela(s) = àquela(s) É um termo que liga duas orações ou duas palavras de mes-
A + aquilo = àquilo mo valor gramatical, estabelecendo uma relação (de coordena-
ção ou subordinação) entre eles.
INTERJEIÇÃO
Classificação
É uma palavra invariável, que representa um recurso da lin-
guagem afetiva, expressando sentimentos, sensações, estados Conjunções Coordenativas: Ligam duas orações indepen-
de espírito, sempre acompanhadas de um ponto de exclamação dentes.
(!).
As interjeições são consideradas “palavras-frases” na me- -Conjunções Aditivas: Exprimem soma, adição de pensa-
dida em que representam frases-resumidas, formadas por sons mentos: e, nem, não só...mas também, não só...como também.
vocálicos (Ah! Oh! Ai!), por palavras (Droga! Psiu! Puxa!) ou por
um grupo de palavras, nesse caso, chamadas de locuções inter- Exemplo: João não lê nem escreve.
jetivas (Meu Deus! Ora bolas!).
-Conjunções Adversativas: Exprimem oposição, contraste,
Tipos de Interjeições compensação de pensamentos: mas, porém, contudo, entre-
tanto, no entanto, todavia.
Mesmo não havendo uma classificação rigorosa, já que a
mesma interjeição pode expressar sentimentos ou sensações Exemplo: Não viajamos, porém, poupamos dinheiro.
diferentes, as interjeições ou locuções interjetivas são classifi-
cadas em: -Conjunções Alternativas: Exprimem escolha de pensamen-
tos: ou...ou, já...já, ora...ora, quer...quer, seja...seja.
Advertência: Cuidado!, Olhe!, Atenção!, Fogo!, Calma!, De-
vagar!, Sentido!, Vê bem!, Volta aqui!
Exemplo: Ou você casa, ou compra uma bicicleta.
Afugentamento: Fora!, Toca!, Xô!, Passa!, Sai!, Roda!, Arre-
da!, Rua!, Cai fora!, Vaza!
Conjunções Conclusivas: Exprimem conclusão de pensa-
Agradecimento: Graças a Deus!, Obrigado!, Agradecido!,
mento: logo, por isso, pois (quando vem depois do verbo), por-
Muito obrigada!, Valeu!
tanto, por conseguinte, assim.
Alegria: Ah!, Eh!, Oh!, Oba!, Eba!, Viva!, Olá!, Eita!, Uhu!,
Que bom!
Alívio: Ufa!, Uf!, Arre!, Ah!, Eh!, Puxa!, Ainda bem!
Ânimo: Coragem!, Força!, Ânimo!, Avante!, Vamos!, Firme!, Exemplo: Estudou bastante, portanto será aprovado.
Bora!
Apelo: Socorro!, Ei!, Ô!, Oh!, Alô!, Psiu!, Olá!, Eh! -Conjunções Explicativas: Exprimem razão, motivo: que,
Aplauso: Muito bem!, Bem!, Bravo!, Bis!, É isso aí!, Isso!, porque, assim, pois (quando vem antes do verbo), porquanto,
Parabéns!, Boa! por conseguinte.
Chamamento: Alô!, Olá!, Hei!, Psiu!, ô!, oi!, psiu!
Concordância: Claro!, Sem dúvida!, Então!, Sim!, Pois não!, Exemplo: Não pode ligar, pois estava sem bateria.
Tá!, Hã-hã!
Contrariedade: Droga!, Credo! Conjunções Subordinativas: Ligam orações dependentes
Desculpa: Perdão!, Opa!, Desculpa!, Foi mal! uma da outra.
Desejo: Oxalá!, Tomara!, Queira Deus!, Quem me dera!
Despedida: Adeus!, Até logo!, Tchau!, Até amanhã! -Conjunções Integrantes: Introduzem orações subordinadas
Dor: Ai!, Ui!, Ah!, Oh!, Meu Deus!, Ai de mim! com função substantiva: que, se.
Dúvida: Hum?, hem?, hã?, Ué!
Espanto: Oh!, Puxa!, Quê!, Nossa!, Caramba!, Xi!, Meu Exemplo: Quero que sejas muito feliz.
Deus!, Crê em Deus pai!
Estímulo: Ânimo!, Coragem!, Vamos!, Firme!, Força! -Conjunções Causais: Introduzem orações subordinadas que
Medo: Oh!, Credo!, Cruzes!, Ui!, Ai!, Uh!, Socorro!, Que dão ideia de causa: que, porque, como, pois, visto que, já que,
medo!, Jesus! uma vez que.
Satisfação: Viva!, Oba!, Boa!, Bem!, Bom! Exemplo: Como tive muito trabalho, não pude ir à festa.
Saudação: Alô!, Oi!, Olá!, Adeus!, Tchau!, Salve!
Silêncio: Psiu!, Shh!, Silêncio!, Basta!, Calado!, Quieto!, Bico -Conjunções Comparativas: Introduzem orações subordina-
fechado! das que dão ideia de comparação: que, do que, como.

Exemplo: Meu cachorro é mais inteligente do que o seu.

17
LÍNGUA PORTUGUESA

-Conjunções Concessivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem um fato contrário ao da oração principal: embora, ainda
que, mesmo que, se bem que, posto que, apesar de que, por mais que, por melhor que.

Exemplo: Vou ao mercado, embora esteja sem muito dinheiro.

-Conjunções Condicionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem hipótese ou condição para que o fato da oração principal
se realize ou não: caso, contanto que, salvo se, desde que, a não ser que.

Exemplo: Se não chover, irei à festa.

-Conjunções Conformativas: Iniciam orações subordinadas que exprimem acordo, concordância de um fato com outro: segundo,
como, conforme.

Exemplo: Cada um oferece conforme ganha.

-Conjunções Consecutivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem a consequência ou o efeito do que se declara na oração
principal: que, de forma que, de modo que, de maneira que.

Exemplo: Estava tão linda, de modo que todos pararam para olhar.

-Conjunções Temporais: Iniciam orações subordinadas que dão ideia de tempo: logo que, antes que, quando, assim que, sempre
que.

Exemplo: Quando as visitas chegarem, comporte-se.

-Conjunções Finais: Iniciam orações subordinadas que exprimem uma finalidade: a fim de que, para que.

Exemplo: Estudou a fim de conseguir algo melhor.

-Conjunções Proporcionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem concomitância, simultaneidade: à medida que, à
proporção que, ao passo que, quanto mais, quanto menos, quanto menor, quanto melhor.

Exemplo: Ao passo que cresce, sua educação diminui.

QUESTÕES

01. IF-AP – Auxiliar em Administração – 2016 - FUNIVERSA

No segundo quadrinho, correspondem, respectivamente, a substantivo, pronome, artigo e advérbio:


a) “guerra”, “o”, “a” e “por que”.
b) “mundo”, “a”, “o” e “lá”.
c) “quando”, “por que”, “e” e “lá”.
d) “por que”, “não”, “a” e “quando”.
e) “guerra”, “quando”, “a” e “não”.

18
LÍNGUA PORTUGUESA

02. MPE/SP - Oficial de Promotoria I – 2017 - VUNESP a) Os moradores do bairro Matão, em Sumaré (SP), temem
que suas casas desabem após uma cratera se abrir na Avenida
Japão irá auxiliar Minas Gerais com a experiência no en- Papa Pio X. (DÉCIMA)
frentamento de tragédias b) O acidente ocorreu nessa terça-feira, na BR-401 (QUA-
TROCENTAS E UMA)
Acostumados a lidar com tragédias naturais, os japoneses c) A 22ª edição do Guia impresso traz uma matéria e teve a
costumam se reerguer em tempo recorde depois de catástro- sua página Classitêxtil reformulada. (VIGÉSIMA SEGUNDA)
fes. Minas irá buscar experiência e tecnologias para superar a d) Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilíci-
tragédia em Mariana ta, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro,
mediante artifício, ardil. (CENTÉSIMO SETÉSIMO PRIMEIRO)
A partir de janeiro, Minas Gerais irá se espelhar na expe- e) A Semana de Arte Moderna aconteceu no início do sécu-
riência de enfrentamento de catástrofes e tragédias do Japão, lo XX. (SÉCULO DUCENTÉSIMO)
para tentar superar Mariana e recuperar os danos ambientais e
sociais. Bombeiros mineiros deverão receber treinamento por 05. ELETROBRAS-ELETROSUL - Técnico de Segurança do
meio da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), Trabalho – 2016 - FCC
a exemplo da troca de experiências que já acontece no Estado
com a polícia comunitária, espelhada no modelo japonês Koban. Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido a
O terremoto seguido de um tsunami que devastou a costa energia solar
nordeste do Japão em 2011 deixando milhares de mortos e de-
saparecidos, e prejuízos que quase chegaram a US$ 200 bilhões, Bem no meio do deserto, há um lugar onde o calor é extre-
foi uma das muitas tragédias naturais que o país enfrentou nos mo. Sessenta e três graus ou até mais no verão. E foi exatamente
últimos anos. Menos de um ano depois da catástrofe, no entan- por causa da temperatura que foi construída em Abu Dhabi uma
to, o Japão já voltava à rotina. É esse tipo de experiência que o das maiores usinas de energia solar do mundo.
Brasil vai buscar para lidar com a tragédia ocorrida em Mariana. Os Emirados Árabes estão investindo em fontes energéticas
(Juliana Baeta, http://www.otempo.com.br, 10.12.2015.
renováveis. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra
Adaptado)
por mais 100 anos pelo menos. O que pretendem é diversificar e
poluir menos. Uma aposta no futuro.
No trecho – Bombeiros mineiros deverão receber
A preocupação com o planeta levou Abu Dhabi a tirar do pa-
treinamento... – (1o parágrafo), a expressão em destaque
pel a cidade sustentável de Masdar. Dez por cento do planejado
é formada por substantivo + adjetivo, nessa ordem. Essa relação
está pronto. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os car-
também se verifica na expressão destacada em:
ros de fora. Lá só se anda a pé ou de bicicleta. As ruas são bem
Parte superior do formulário
a) A imprudente atitude do advogado trouxe-me danos. estreitas para que um prédio faça sombra no outro. É perfeito
b) Entrou silenciosamente, com um espanto indisfarçável. para o deserto. Os revestimentos das paredes isolam o calor. E a
c) Alguma pessoa teve acesso aos documentos da reunião? direção dos ventos foi estudada para criar corredores de brisa.
d) Trata-se de um lutador bastante forte e preparado. (Adaptado de: “Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com
e) Estiveram presentes à festa meus estimados padrinhos. tudo movido a energia solar”. Disponível em:http://g1.globo.
com/globoreporter/noticia/2016/04/abu-dhabi-constroi-cida-
03. CISMEPAR/PR - Técnico Administrativo – 2016 - FAUEL de-do-futuro-com-tudo-movido-energia-solar.html)

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignida- Considere as seguintes passagens do texto:
de e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir I.  E foi exatamente por causa da temperatura que foi
uns para com os outros em espírito de fraternidade. Todo indiví- construída em Abu Dhabi uma das maiores usinas de energia
duo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Toda solar do mundo. (1º parágrafo)
a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, II. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra por
a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção mais 100 anos pelo menos. (2º parágrafo)
contra o desemprego”. III. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros de
fora. (3º parágrafo)
De acordo com a gramática da língua portuguesa, adjetivo é IV.  As ruas são bem estreitas para que um prédio faça
a palavra que qualifica um substantivo. Aponte a afirmativa que sombra no outro. (3º parágrafo)
contenha somente adjetivos retirados do texto. O termo “que” é pronome e pode ser substituído por “o
a) livres, iguais, equitativas, satisfatórias. qual” APENAS em
b) todos, dever, fraternidade, liberdade. Parte superior do formulário
c) trabalho, ter, direito, desemprego. a) I e II.
d) espírito, seres, nascer, livre. b) II e III.
c) I, II e IV.
04. Prefeitura de Barra de Guabiraba/PE - Nível Funda- d) I e IV.
mental Completo – 2016 - IDHTEC e) III e IV.
Assinale a alternativa em que o numeral está escrito por
extenso corretamente, de acordo com a sua aplicação na frase:

19
LÍNGUA PORTUGUESA

06. Pref. de Itaquitinga/PE - Assistente Administrativo – Observe as passagens:


2017 - IDHTEC – … e agora quer começar uma carreira médica. (2° pará-
grafo);
Morto em 2015, o pai afirma que Jules Bianchi não – … ele tem 80 anos. Isto mesmo, 80. (3° parágrafo);
__________culpa pelo acidente. Em entrevista, Philippe Bian- – Talvez a expectativa de vida não permita… (4° parágrafo).
chi afirma que a verdade nunca vai aparecer, pois os pilotos
__________ medo de falar. “Um piloto não vai dizer nada se As expressões destacadas expressam, respectivamente,
existir uma câmera, mas quando não existem câmeras, todos sentido de
__________ até mim e me dizem. Jules Bianchi bateu com seu a) lugar, modo e causa.
carro em um trator durante um GP, aquaplanou e não conseguiu b) tempo, afirmação e dúvida.
__________para evitar o choque. c) afirmação, afirmação e dúvida.
(http://espn.uol.com.br/noticia/603278_pai-diz-que-pilotos- d) tempo, modo e afirmação.
-da-f-1-temmedo-de-falar-a-verdade-sobre-o-acidente-fatal-de- e) modo, dúvida e intensidade.
-bianchi)
08. Ceron/RO - Direito – 2016 - EXATUS
Complete com a sequência de verbos que está no tempo,
modo e pessoa corretos: A lição do fogo
a) Tem – tem – vem - freiar
b) Tem – tiveram – vieram - frear 1º Um membro de determinado grupo, ao qual prestava
c) Teve – tinham – vinham – frenar serviços regularmente, sem nenhum aviso, deixou de participar
d) Teve – tem – veem – freiar de suas atividades.
e) Teve – têm – vêm – frear 2º Após algumas semanas, o líder daquele grupo decidiu
visitá-lo. Era uma noite muito fria. O líder encontrou o homem
07. (UNIFESP - Técnico em Segurança do Trabalho – VU- em casa sozinho, sentado diante ______ lareira, onde ardia um
NESP/2016)
fogo brilhante e acolhedor.
3º Adivinhando a razão da visita, o homem deu as boas-vin-
É permitido sonhar
das ao líder, conduziu-o a uma cadeira perto da lareira e ficou
quieto, esperando. O líder acomodou-se confortavelmente no
Os bastidores do vestibular são cheios de histórias – curiosas,
local indicado, mas não disse nada. No silêncio sério que se for-
estranhas, comoventes. O jovem que chega atrasado por alguns
mara, apenas contemplava a dança das chamas em torno das
segundos, por exemplo, é uma figura clássica, e patética. Mas
achas da lenha, que ardiam. Ao cabo de alguns minutos, o líder
existem outras figuras capazes de chamar a atenção.
Takeshi Nojima é um caso. Ele fez vestibular para a Faculda- examinou as brasas que se formaram. Cuidadosamente, selecio-
de de Medicina da Universidade do Paraná. Veio do Japão aos 11 nou uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a
anos, trabalhou em várias coisas, e agora quer começar uma car- ______ lado. Voltou, então, a sentar-se, permanecendo silen-
reira médica. cioso e imóvel. O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado
Nada surpreendente, não fosse a idade do Takeshi: ele tem e quieto. Aos poucos, a chama da brasa solitária diminuía, até
80 anos. Isto mesmo, 80. Numa fase em que outros já passaram que houve um brilho momentâneo e seu fogo se apagou de vez.
até da aposentadoria compulsória, ele se prepara para iniciar 4º Em pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e
nova vida. E o faz tranquilo: “Cuidei de meus pais, cuidei dos meus luz agora não passava de um negro, frio e morto pedaço de car-
filhos. Agora posso realizar um sonho que trago da infância”. vão recoberto _____ uma espessa camada de fuligem acinzen-
Não faltará quem critique Takeshi Nojima: ele está tirando o tada. Nenhuma palavra tinha sido dita antes desde o protocolar
lugar de jovens, dirá algum darwinista social. Eu ponderaria que cumprimento inicial entre os dois amigos. O líder, antes de se
nem tudo na vida se regula pelo critério cronológico. Há pais que preparar para sair, manipulou novamente o carvão frio e inútil,
passam muito pouco tempo com os filhos e nem por isso são colocando-o de volta ao meio do fogo. Quase que imediatamen-
maus pais; o que interessa é a qualidade do tempo, não a quan- te ele tornou a incandescer, alimentado pela luz e calor dos car-
tidade. Talvez a expectativa de vida não permita ao vestibulando vões ardentes em torno dele. Quando o líder alcançou a porta
Nojima uma longa carreira na profissão médica. Mas os anos, ou para partir, seu anfitrião disse:
meses, ou mesmo os dias que dedicar a seus pacientes terão em 5º – Obrigado. Por sua visita e pelo belíssimo sermão. Estou
si a carga afetiva de uma existência inteira. voltando ao convívio do grupo.
Não sei se Takeshi Nojima passou no vestibular; a notícia que RANGEL, Alexandre (org.). As mais belas parábolas de to-
li não esclarecia a respeito. Mas ele mesmo disse que isto não te- dos os tempos –Vol. II.Belo Horizonte: Leitura, 2004.
ria importância: se fosse reprovado, começaria tudo de novo. E aí Assinale a alternativa que preenche corretamente as la-
de novo ele dá um exemplo. Os resultados do difícil exame trazem cunas do texto:
desilusão para muitos jovens, e não são poucos os que pensam a) a – ao – por.
em desistir por causa de um fracasso. A estes eu digo: antes de b) da – para o – de.
abandonar a luta, pensem em Takeshi Nojima, pensem na força c) à – no – a.
de seu sonho. Sonhar não é proibido. É um dever. d) a – de – em.
(Moacyr Scliar. Minha mãe não dorme enquanto eu não
chegar, 1996. Adaptado)

20
LÍNGUA PORTUGUESA

09. IF-PE - Técnico em Enfermagem – 2017 - IF-PE 03 A


Crônica da cidade do Rio de Janeiro 04 C
05 B
No alto da noite do Rio de Janeiro, luminoso, generoso, o
06 E
Cristo Redentor estende os braços. Debaixo desses braços os ne-
tos dos escravos encontram amparo. 07 B
Uma mulher descalça olha o Cristo, lá de baixo, e apontando 08 B
seu fulgor, diz, muito tristemente:
- Daqui a pouco não estará mais aí. Ouvi dizer que vão tirar 09 B
Ele daí. 10 C
- Não se preocupe – tranquiliza uma vizinha. – Não se preo-
cupe: Ele volta.
A polícia mata muitos, e mais ainda mata a economia. Na CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL
cidade violenta soam tiros e também tambores: os atabaques,
ansiosos de consolo e de vingança, chamam os deuses africanos.
Cristo sozinho não basta. Concordância Nominal Verbal
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre:
L&PM Pocket, 2009.) Segundo Mattoso câmara Jr., dá-se o nome de concordância
à circunstância de um adjetivo variar em gênero e número de
Na construção “A polícia mata muitos,  e mais ainda mata acordo com o substantivo a que se refere (concordância nomi-
a economia”, a conjunção em destaque estabelece, entre as nal) e à de um verbo variar em número e pessoa de acordo com
orações,  o seu sujeito (concordância verbal). Entretanto, há casos em que
Parte superior do formulário existem dúvidas.
a) uma relação de adição.
b) uma relação de oposição.  Concordância Nominal
c) uma relação de conclusão. 
d) uma relação de explicação. O adjetivo e palavras adjetivas (artigo, numeral, pronome
e) uma relação de consequência. adjetivo) concordam em gênero e número com o nome a que
Parte inferior do formulário se referem.

10. (IF-PE - Auxiliar em Administração – IF-PE/2016) Adjetivos e um substantivo: Quando houver mais de um
adjetivo para um substantivo, os adjetivos concordam em gêne-
A fome/2 ro e número com o substantivo.

Um sistema de desvinculo: Boi sozinho se lambe melhor... O Amava suco gelado e doce.
próximo, o outro, não é seu irmão, nem seu amante. O outro é
um competidor, um inimigo, um obstáculo a ser vencido ou uma Substantivos e um adjetivo: Quando há mais do que um
coisa a ser usada. O sistema, que não dá de comer, tampouco dá substantivo e apenas um adjetivo, há duas formas de concordar:
de amar: condena muitos à fome de pão e muitos mais à fome
de abraços. - Quando o adjetivo vem antes dos substantivos, o adjetivo
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: deve concordar com o substantivo mais próximo.
L&PM Pocket, 2009, p. 81.)
Lindo pai e filho.
No trecho “O sistema, que não dá de comer, tampouco dá
de amar”, a conjunção destacada estabelece, entre as orações, - Quando o adjetivo vem depois dos substantivos, o adjeti-
a relação de vo deve concordar com o substantivo mais próximo ou também
a) conclusão. com todos os substantivos.
b) adversidade.
c) adição. Comida e bebida perfeita.
d) explicação. Comida e bebida perfeitas.
e) alternância.
- Palavras adverbiais x palavras adjetivas: há palavras que
RESPOSTAS têm função de advérbio, mas às vezes de adjetivo.
Quando advérbio, são invariáveis: Há bastante comida.
01 E Quando adjetivo, concordam com o nome a que se referem:
Há bastantes motivos para não gostar dele.
02 E Fazem parte desta classificação: pouco, muito, bastante, ba-
rato, caro, meio, longe, etc.

21
LÍNGUA PORTUGUESA

- Expressões “anexo” e “obrigado”: tratam-se de palavras - Concordância verbal com a maioria, a maior parte, a meta-
adjetivas, e devem concordar com o nome a que se referem. de,...: o verbo fica conjugado na 3.ª pessoa do singular. Porém, já
se considera aceitável o uso da 3.ª pessoa do plural:
Seguem anexas as avaliações.
Seguem anexos os conteúdos. A maioria dos meninos vai…
Muito obrigado, disse ele. A maior parte dos meninos vai…
Muito obrigada, disse ela. A maioria dos meninos vão…
A maior parte dos meninos vão…
Sob a mesma regra, temos palavras como: incluso, quite,
leso, mesmo e próprio. - Concordância verbal com pronome relativo que: o verbo
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo que:
Concordância Verbal
Fui eu que contei o segredo.
A concordância verbal ocorre quando o verbo de flexiona Foi ele que contou o segredo.
para concordar com o sujeito gramatical. Essa flexão verbal é Fomos nós que contamos o segredo.
feita em número (singular ou plural) e em pessoa (1.ª, 2.ª ou 3.ª
pessoa). - Concordância verbal com pronome relativo quem: o verbo
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo quem
Sujeito composto antes do verbo: O sujeito é composto e ou fica conjugado na 3.ª pessoa do singular:
vem antes do verbo que deve estar sempre no plural.
Fui eu quem contei o segredo.
João e Paulo conversaram pelo telefone. Fomos nós quem contamos o segredo
Fui eu quem contou o segredo.
Sujeito composto depois do verbo: O sujeito composto vem Fomos nós quem contou o segredo.
depois do verbo, tanto pode ficar no plural como pode concor-
dar com o sujeito mais próximo. - Concordância verbal com o infinitivo pessoal: o infinitivo é
flexionado, principalmente, quer definir o sujeito e o sujeito da
Brincaram Pedro e Vítor. segunda oração é diferente da primeira:
Brincou Pedro e Vítor.
Eu pedi para eles fazerem a tarefa.
Sujeito formado por pessoas gramaticais diferentes: O su-
jeito é composto, mas as pessoas gramaticais são diferentes. O - Concordância verbal com o infinitivo impessoal: o infinitivo
verbo também deve ficar no plural e concordará com a pessoa não é flexionado em locuções verbais e em verbos preposicio-
que, a nível gramatical, tem prioridade. nados:
1.ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2.ª (tu,
vós) e a 2.ª tem prioridade em relação à 3.ª (ele, eles). Foram impedidos de entender a razão.

Nós, vós e eles vamos à igreja. - Concordância verbal com o verbo ser: a concordância em
número é estabelecida com o predicativo do sujeito:
Casos específicos de concordância verbal
Isto é verdade!
- Concordância verbal com verbos impessoais: como não Isto são verdades!
apresentam sujeito, são conjugados sempre na 3.ª pessoa do
singular: - Concordância verbal com um dos que: o verbo fica sempre
Faz cinco anos que eu te conheci. (verbo fazer indicando na 3.ª pessoa do plural:
tempo decorrido)
Um dos que foram…
- Concordância verbal com a partícula apassivadora se: o Um dos que podem…
objeto direto assume a função de sujeito paciente, e o verbo
estabelece concordância em número com o objeto direto: QUESTÕES

Vende-se ovo. 01. Pref. de Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL


Vendem-se ovos. A alternativa que está coerente com as regras da concor-
dância nominal é:
- Concordância verbal com a partícula de indeterminação A) Ternos marrons-claros.
do sujeito se: Quando atua como indeterminadora do sujeito, o B) Tratados lusos-brasileiros.
verbo fica sempre conjugado na 3.ª pessoa do singular: C) Aulas teórico-práticas.
Precisa-se de vendedor. D) Sapatos azul-marinhos.
Precisa-se de vendedores. E) Camisas verdes-escuras.

22
LÍNGUA PORTUGUESA

02. SAAEB – Engenheiro de Segurança do Trabalho – 2016 Segundo a entidade, havia, em outubro, 59 milhões de con-
- FAFIPA sumidores impedidos de obter novos créditos por não estarem
Indique a alternativa que NÃO apresenta erro de concor- em dia com suas obrigações. Trata-se de alta de 1,8 milhão em
dância nominal. dois meses.
A) O acontecimento derrubou a bolsa brasileira, argentina Causa consternação conhecer a principal razão citada pelos
e a espanhola. consumidores para deixar de pagar as dívidas: a perda de em-
B) Naquele lugar ainda vivia uma pseuda-aristocracia. prego, que tem forte correlação com a capacidade de pagamen-
C) Como não tinham outra companhia, os irmãos viajaram to das famílias.
só. Até há pouco, as empresas evitavam demitir, pois tendem
D) Simpáticos malabaristas e dançarinos animavam a festa. a perder investimentos em treinamento e incorrer em custos
trabalhistas. Dado o colapso da atividade econômica, porém,
03. CISMEPAR/PR – Advogado – 2016 - FAUEL jogaram a toalha.
A respeito de concordância verbal e nominal, assinale a al- O impacto negativo da disponibilidade de crédito é imedia-
to. O indivíduo não só perde a capacidade de pagamento mas
ternativa cuja frase NÃO realiza a concordância de acordo com a
também enfrenta grande dificuldade para obter novos recursos,
norma padrão da Língua Portuguesa:
pois não possui carteira de trabalho assinada.
Tem-se aí outro aspecto perverso da recessão, que se soma
A) Meias verdades são como mentiras inteiras: uma pessoa
às muitas evidências de reversão de padrões positivos da última
meia honesta é pior que uma mentirosa inteira. década – o aumento da informalidade, o retorno de jovens ao
B) Sonhar, plantar e colher: eis o segredo para alcançar seus mercado de trabalho e a alta do desemprego.
objetivos. (Folha de S.Paulo, 08.12.2015. Adaptado)
C) Para o sucesso, não há outro caminho: quanto mais dis-
tante o alvo, maior a dedicação. Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal.
D) Não é com apenas uma tentativa que se alcança o que A) A mudança de direção da economia fazem com que se
se quer. altere o tamanho das jornadas de trabalho, por exemplo.
B) Existe indivíduos que, sem carteira de trabalho assinada,
04. TRF – 3ª Região – Analista Judiciário-Área Administra- enfrentam grande dificuldade para obter novos recursos.
tiva – 2017 - FCC C) Os investimentos realizados e os custos trabalhistas fize-
A respeito da concordância verbal, é correto afirmar: ram com que muitas empresas optassem por manter seus fun-
A) Em “A aquisição de novas obras devem trazer benefícios cionários.
a todos os frequentadores”, a concordância está correta por se D) São as dívidas que faz com que grande número dos con-
tratar de expressão partitiva. sumidores não estejam em dia com suas obrigações.
B) Em “Existe atualmente, no Brasil, cerca de 60 museus”, E) Dados recentes da Associação Nacional dos Birôs de Cré-
a concordância está correta, uma vez que o núcleo do sujeito é dito mostra que 59 milhões de consumidores não pode obter
“cerca”. novos créditos.
C) Na frase “Hão de se garantir as condições necessárias à
conservação das obras de arte”, o verbo “haver” deveria estar 06. COPEL – Contador Júnior - 2017 - NC-UFPR
no singular, uma vez que é impessoal. Assinale a alternativa em que os verbos sublinhados estão
D) Em “Acredita-se que 25% da população frequentem am- corretamente flexionados quanto à concordância verbal
bientes culturais”, a concordância está correta, uma vez que a A) A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou recen-
porcentagem é o núcleo do segmento nominal. temente a nova edição do relatório Smoke-free movies (Filmes
E) Na frase “A maioria das pessoas não frequentam o mu- sem cigarro), em que recomenda que os filmes que exibem ima-
gens de pessoas fumando deveria receber classificação indicati-
seu”, o verbo encontra-se no plural por concordar com “pes-
va para adultos.
soas”, ainda que pudesse, no singular, concordar com “maioria”.
B) Pesquisas mostram que os filmes produzidos em seis paí-
ses europeus, que alcançaram bilheterias elevadas (incluindo
05. MPE-SP – Oficial de Promotoria I – 2016 - VUNESP
alemães, ingleses e italianos), continha cenas de pessoas fuman-
do em filmes classificados para menores de 18 anos.
Fora do jogo C) Para ela, a indústria do tabaco está usando a “telona”
como uma espécie de última fronteira para anúncios, mensa-
Quando a economia muda de direção, há variáveis que logo gens subliminares e patrocínios, já que uma série de medidas
se alteram, como o tamanho das jornadas de trabalho e o paga- em diversos países passou a restringir a publicidade do tabaco.
mento de horas extras, e outras que respondem de forma mais D) E 90% dos filmes argentinos também exibiu imagens de
lenta, como o emprego e o mercado de crédito. Tendências ne- fumo em filmes para jovens.
gativas nesses últimos indicadores, por isso mesmo, costumam E) Os especialistas da organização citam estudos que mos-
ser duradouras. tram que quatro em cada dez crianças começa a fumar depois
Daí por que são preocupantes os dados mais recentes da de ver atores famosos dando suas “pitadas” nos filmes.
Associação Nacional dos Birôs de Crédito, que congrega empre-
sas do setor de crédito e financiamento.

23
LÍNGUA PORTUGUESA

RESPOSTAS lação [a, com, de, por, para com] - relacionado [com] - rente [a,
de, com] - responsável [por] - rico [de, em] –satisfeito [com, de,
01 C em, por] - semelhante [a] - suspeito [a, de] - tentativa [contra,
de, para, para com] –único [em] - vazio [de]– visível [a] - vizinho
02 D [a, de, com] – zelo [a, de, por].
03 A
Regência de Advérbios: são importantes os advérbios: lon-
04 E
ge [de], perto [de] e proximamente [a, de]. Todos os advérbios
05 C terminados em -mente, tendem a apresentar a mesma preposi-
06 C ção dos adjetivos: Compatível [com]; compativelmente [com].
Relativo [a]; relativamente [a]

Regência Verbal
REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL
É a parte da língua que se ocupa da relação entre os verbos
Regência Nominal e Verbal e os termos que se seguem a ele e completam o seu sentido. Os
verbos são os termos regentes, enquanto os objetos (direto e
Regência é a relação de subordinação que ocorre entre um indireto) e adjuntos adverbiais são os termos regidos. Os verbos
verbo (ou um nome) e seus complementos. Ocupa-se em esta- podem ser:
belecer relações entre as palavras, criando frases não ambíguas, - Verbos Transitivos: Exigem complemento (objetos) para
que expressem efetivamente o sentido desejado, que sejam cor- que tenham sentido completo. Podem ser: Transitivos Diretos;
retas e claras. Transitivos Indiretos; Transitivos Diretos e Indiretos.
- Verbos Intransitivos: Existem verbos intransitivos que pre-
Regência Nominal cisam vir acompanhados de adjuntos adverbiais apenas para da-
rem um sentido completo para a frase.
Há nomes de sentido incompletos. Substantivos, adjetivos,
e, certos advérbios, podem, como no caso dos verbos, precisar Exemplos de regência verbal não preposicionada
de um complemento (complemento nominal) para completar Leu o jornal.
seu sentido: Sou devoto (nome de sentido incompleto) ao Santo Comeu o chocolate.
Expedito (compl. Nominal). Bebeu o vinho.
Ouviu a música.
O substantivo devoto rege um complemento nominal pre- Estudou a matéria.
cedido da preposição (ao). Sendo assim, a relação particular Fez o jantar
entre o nome e complemento, está sempre marcada por uma
preposição. Exemplos de regência verbal preposicionada
Contudo, cabe observar, que certos substantivos e adjetivos Procedeu à leitura do livro.
admitem mais de uma regência (mais de uma preposição). Pagou ao fornecedor.
Vejamos alguns nomes com as preposições que as regem: Desobedeceu aos mandamentos.
Apoiou-se na mesa.
Acessível [a, para] - acostumado [a, com] - adequado [a] - Apaixonou-se por sua melhor amiga.
admiração [a, por] - alheio [a, de] - aliado [a, com] - amante [de] Meditou sobre a possibilidade.
– amigo [de] - amor [a, de, para com, por] –ansioso [de, para,
por] - apto [a, para] - assíduo [a, em] - atenção [a] - atento [a, Quando a regência verbal é feita através de uma prepo-
em] - atencioso [com, para com] - benéfico [a] - benefício [a] sição, as mais utilizadas são: a, de, com, em, para, por, sobre.
– bom [para] - capacidade [de, para] - capaz [de, para] – cego agradar a;
[a] - certeza [de] - comum [de] - conforme [a, com] - consulta obedecer a;
[a] - contente [com, de, em, por] - cuidadoso [com] – curioso assistir a;
[de, por] descontente [com] - desfavorável [a] –desrespeito [a] visar a;
- diferente [de] - dificuldade [com, de, em, para] – digno [de] lembrar-se de;
- dúvida [acerca de, em, sobre] – entendido [em] – essencial simpatizar com;
[para] – fácil [a, de, para] - facilidade [de, em, para] - fiel [a] - fe- comparecer em;
liz [de, com, em, por] - grato [a] - horror [a, de, por] -– idêntico convocar para;
[a] - impaciência [com] – incapaz [de, para] –influência [sobre] trocar por;
- insensível [a] - intolerante [com] - junto [a, de] - leal [a] - lento alertar sobre.
[em] – liberal [com] - maior [de] – manifestação [contra] - medo
[de, a] – menor [de] –morador [em] - natural [de] - necessário
[a] - obediente [a] - ódio [a, contra] - orgulhoso [de, com] - pai-
xão [de, por] – parecido [a, com] - referência [a, por] –propício
[a] - próximo [a, de] - pronto [para, em] - propensão [para] - re-

24
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES 03. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2016 - FE-


PESE
01. MPE-GO - Secretário Auxiliar – Goiás – 2018 – MPE-GO
A linguagem poética
Embora de ocorrência frequente no cotidiano, a gramática
normativa não aceita o uso do mesmo complemento para ver- Em relação à prosa comum, o poema se define de certas
bos com regências diferentes. Assinale a opção em que esse tipo restrições e de certas liberdades. Frequentemente se confunde
de transgressão não ocorre. a poesia com o verso. Na sua origem, o verso tem uma função
A) “Pode-se concordar ou discordar, até radicalmente, de mneumotécnica (= técnica de memorizar); os textos narrativos, lí-
toda a política externa brasileira.” (Clóvis Rossi) ricos e mesmo históricos e didáticos eram comunicados oralmen-
B) “Educador é todo aquele que confere e convive com es- te, e os versos – repetição de um mesmo número de sílabas ou de
ses conhecimentos.” (J. Carlos de Sousa) um número fixo de acentos tônicos e eventualmente repetição
C) Vi e gostei muito do filme O jardineiro fiel cujo diretor é de uma mesma sonoridade (rima) – facilitavam a memorização.
um brasileiro. Mais tarde o verso se tornou um meio de enfeitar o discurso, meio
D) A sociedade brasileira quer a paz, anseia por ela e a ela que se desvalorizou pouco a pouco: a poesia contemporânea é
aspira. rimada, mas raramente versificada. Na verdade o valor poético do
E) Interessei-me e desinteressei-me pelo assunto quase que verso decorre de suas relações com o ritmo, com a sintaxe, com
simultaneamente. as sonoridades, com o sentido das palavras. O poema é um todo.
(…)
02. CODEBA – Analista Portuário – Administrador – 2016 Os poetas enfraquecem a sintaxe, fazendo-a ajustar-se às
- FGV exigências do verso e da expressão poética. Sem se permitir ver-
dadeiras incorreções gramaticais, eles se permitem “licenças poé-
Relatórios ticas”.
Além disso, eles trabalham o sentido das palavras em dire-
Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de ções contrárias: seja dando a certos termos uma extensão ou uma
perfil bem específico. Os relatórios de inquérito, por exemplo, indeterminação inusitadas; seja utilizando sentidos raros, em de-
são lidos pelas pessoas diretamente envolvidas na investigação suso ou novos; seja criando novas palavras.
de que tratam. Um relatório de inquérito criminal terá como lei- Tais liberdades aparecem mais particularmente na utilização
tores preferenciais delegados, advogados, juízes e promotores. de imagens. Assim, Jean Cohen, ao estudar o processo de fabrica-
Autores de relatórios que têm leitores definidos podem ção das comparações poéticas, observa que a linguagem corrente
pressupor que compartilham com seus leitores um conhecimen- faz espontaneamente apelo a comparações “razoáveis” (perti-
to geral sobre a questão abordada. Nesse sentido, podem fazer nentes) do tipo “a terra é redonda como uma laranja” (a redonde-
um texto que focalize aspectos específicos sem terem a necessi- za é efetivamente uma qualidade comum à terra e a uma laranja),
dade de apresentar informações prévias. ao passo que a linguagem poética fabrica comparações inusitadas
Isso não acontece com relatórios de circulação mais ampla. tais como: “Belo como a coisa nova/Na prateleira até então vazia”
Nesse caso, os autores do relatório devem levar em considera- (João Cabral de Melo Neto). Ou, então estranhas como: “A terra é
ção o fato de terem como interlocutores pessoas que se inte- azul como uma laranja” (Paul Éluard).
ressam pelo assunto abordado, mas não têm qualquer conhe- Francis Vanoye
cimento sobre ele. No momento de elaborar o relatório, será
preciso levar esse fato em consideração e introduzir, no texto, Assinale a alternativa correta quanto à regência verbal.
todas as informações necessárias para garantir que os leitores A) Chamaram Jean de poeta.
possam acompanhar os dados apresentados, a análise feita e a B) “Não obedeço a rima das estrofes”, disse o poeta.
conclusão decorrente dessa análise. C) Todos os escritores preferem o elogio do que a crítica
D) Passou no cinema o filme sobre aquele poeta que gosto
“Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de muito.
perfil bem específico”. E) Eu me lembrei os dias da leitura de poesia na escola.

No caso desse segmento do texto, a preposição a é de uso 04. TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário - 2016 - VUNESP
gramatical, pois é exigida pela regência do verbo dirigir.
Assinale a alternativa em que o período, adaptado da revista
Assinale a opção que indica a frase em que a preposição “a” Pesquisa Fapesp de junho de 2012, está correto quanto à regência
introduz um adjunto e não um complemento. nominal e à pontuação.
A) O Brasil dá Deus a quem não tem nozes, dentes etc. A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, rapidamente,
B) É preciso passar o Brasil a limpo. seu espaço na carreira científica ainda que o avanço seja mais
C) Um memorando serve não para informar a quem o lê, notável em alguns países, o Brasil é um exemplo, do que em
mas para proteger quem o escreve. outros.
D) Quem é burro pede a Deus que o mate e ao diabo que B) Não há dúvida que as mulheres ampliam rapidamente,
o carregue. seu espaço na carreira científica, ainda que, o avanço seja mais
E) O desenvolvimento é uma receita dos economistas para notável em alguns países (o Brasil é um exemplo) do que em
promover os miseráveis a pobres – e, às vezes, vice-versa. outros.

25
LÍNGUA PORTUGUESA

C) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam rapidamen-


te seu espaço na carreira científica; ainda que o avanço seja mais COLOCAÇÃO PRONOMINAL
notável, em alguns países, o Brasil é um exemplo!, do que em
outros. COLOCAÇÃO DOS PRONOMINAL
D) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam rapidamente
seu espaço, na carreira científica, ainda que o avanço seja mais A colocação dos pronomes oblíquos átonos é um fator im-
notável, em alguns países: o Brasil é um exemplo, do que em portante na harmonia da frase. Ela respeita três tipos de posição
outros. que os pronomes átonos me, te, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes
E) Não há dúvida de que as mulheres ampliam rapidamente podem ocupar na oração:
seu espaço na carreira científica, ainda que o avanço seja mais
notável em alguns países – o Brasil é um exemplo – do que em Próclise - o pronome é colocado antes do verbo.
outros. Mesóclise - o pronome é colocado no meio do verbo.
Ênclise - o pronome é colocado depois do verbo.
05. MPE-PE - Analista Ministerial - Área Auditoria – 2018
– FCC Próclise
Para onde vão as palavras - Orações negativas, que contenham palavras como: não,
ninguém, nunca.
Como se sabe, a palavra durante algum tempo foi obrigada Não o vi ontem.
a recuar diante da imagem, e o mundo escrito e impresso diante Nunca o tratei mal.
do falado na tela. Tiras de quadrinhos e livros ilustrados com um
mínimo de texto hoje não se destinam mais somente a inician- - Pronomes relativos, indefinidos ou demonstrativos.
tes que estão aprendendo a soletrar. De muito mais peso, no Foi ele que o disse a verdade.
entanto, é o recuo da notícia impressa em face da notícia falada Alguns lhes custaram a vida.
e ilustrada. A imprensa, principal veículo da esfera pública no Isso me lembra infância.
século X I X assim como em boa parte do século XX, dificilmente
será capaz de manter sua posição no século X X I. - Verbos antecedidos por advérbios ou expressões adver-
Mas nada disso pode deter a ascensão quantitativa da lite- biais, a não ser que haja vírgula depois do advérbio, pois assim o
ratura. A rigor, eu quase diría que - apesar dos prognósticos pes- advérbio deixa de atrair o pronome.
simistas - o mais importante veículo tradicional da literatura, o Ontem me fizeram uma proposta.
livro impresso, sobreviverá sem grande dificuldade, com poucas Agora, esqueça-se.
exceções, como as das enciclopédias, dos dicionários, dos com-
pêndios de informação etc., os queridinhos da internet. - Orações exclamativas e orações que exprimam desejo que
(Adaptado de: HOBSBAWM, Eric. Tempos fraturados. São algo aconteça.
Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 29-30.) Deus nos ajude.
Espero que me dês uma boa notícia.
O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de
modo a concordar com o elemento sublinhado na seguinte fra- - Orações com conjunções subordinativas.
se: Exemplos:
A) Entre as várias atrações que (conter) um livro, uma é a de Embora se sentisse melhor, saiu.
tornar-se um obieto do afeto de quem o possui. Conforme lhe disse, hoje vou sair mais cedo.
B) Se há imagens pelas quais se (deixar) prender um
espectador, há palavras que encantam um leitor. - Verbo no gerúndio regido da preposição em.
C) Quando há num livro imagens excessivas, que Em se tratando de Brasil, tudo pode acontecer.
(contaminar) um texto, as palavras saem desvalorizadas. Em se decidindo pelo vestido, opte pelo mais claro.
D) A despeito de (haver) nele figuras demais, esse livro in-
fantil atrai também um leitor adulto. - Orações interrogativas.
E) Aos frequentadores da internet (atrair) sobretudo o volu- Quando te disseram tal mentira?
me de informações que nela circulam. Quem te ligou?
RESPOSTAS Mesóclise

01 D É possível apenas com verbos do Futuro do Presente ou do


02 B Futuro do Pretérito. Se houver palavra atrativa, dá-se preferên-
cia ao uso da Próclise.
03 A Encontrar-me-ei com minhas raízes.
04 E Encontrar-me-ia com minhas raízes.
Ênclise
05 B

26
LÍNGUA PORTUGUESA

Usa-se a Ênclise quando o uso da Próclise e Mesóclise não 02. Pref. de Caucaia/CE – Agente de Suporte a Fiscalização
forem possíveis. A colocação de pronome depois do verbo é – 2016 - CETREDE
atraída pelas seguintes situações: Marque a opção em que ocorre ênclise.
A) Disseram-me a verdade.
- Verbo no imperativo afirmativo. B) Não nos comunicaram o fato.
Depois de avaliar, chamem-nos. C) Dir-se-ia que tal construção não é correta.
Ao iniciar, distribuam-lhes as senhas! D) A moça se penteou.
E) Contar-me-ão a verdade?
- Verbo no infinitivo impessoal.
Preciso apresentar-te a minha irmã. 03. MPE/RS – Agente Administrativo – 2017 - MPE-RS
O seu pior pesadelo é casar-se. Assinale a alternativa que preenche correta e respectiva-
mente as lacunas dos enunciados abaixo.
- Verbo inicia a oração. 1. Quanto ao pedido do Senhor Secretário, a secretaria de-
Disse-lhe a verdade sobre nosso amor. verá ________ que ainda não há disponibilidade de recursos.
Arrepiei-me com tal relato. 2. Apesar de o regimento não exigir uma sindicância neste
tipo de situação, a gravidade
- Verbo no gerúndio (sem a preposição em, pois regido pela da ocorrência ________, sem dúvida.
preposição em usa-se a Próclise). 3. Embora os novos artigos limitem o alcance da lei, eles
Vivo perguntando-me como pode ser tão falso. não ________.
Faço muitos apontamentos, perguntando-lhe o motivo do
fingimento. A) informar-lhe – a justificaria – revogam-na
B) informar-lhe – justificá-la-ia – a revogam
Com Locução Verbal C) informá-lo – justificar-lhe-ia – a revogam
D) informá-lo – a justificaria – lhe revogam
Todos os exemplos até agora têm apenas um verbo atrain- E) informar-lhe – justificá-la-ia – revogam-na
do o pronome. Vejamos como fica a colocação do pronome nas
locuções verbais (seguindo todas as regras citadas anteriormen- 04. IPSMI – Procurador – 2016 - VUNESP
te). Assinale a alternativa em que a colocação pronominal e a
conjugação dos verbos estão de acordo com a norma-padrão.
- Ênclise depois do verbo auxiliar ou depois do verbo A) Eles se disporão a colaborar comigo, se verem que não
principal nas locuções verbais em que o verbo principal está no prejudicarei-os nos negócios.
infinitivo ou no gerúndio. B) Propusemo-nos ajudá-lo, desde que se mantivesse cala-
Devo chamar-te pelo primeiro nome. do.
Devo-lhe chamar pelo primeiro nome. C) Tendo avisado-as do perigo que corriam, esperava que
elas se contessem ao dirigir na estrada.
- Caso não haja palavra que atraia a Próclise, Ênclise é usada D) Todos ali se predisporam a ajudar-nos, para que nos sen-
depois do verbo auxiliar onde o verbo principal está no particí- tíssemos à vontade.
pio. E) Os que nunca enganaram-se são poucos, mas gostam de
Foi-lhe dito como deveria impedir isso. que se alardeiem seus méritos.
Tinha-lhe feito as malas para que partisse o mais rápido
possível. 05. BAHIAGÁS - Analista de Processos Organizacionais -
Administração e Psicologia – 2016 - IESES
QUESTÕES Assinale a opção em que a colocação dos pronomes átonos
está INCORRETA:
01. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE- A) Não considero-me uma pessoa de sorte; me considero
PESE uma pessoa que trabalha para se sustentar e esforça-se para se
Analise a frase abaixo: colocar bem na vida.
“O professor discutiu............mesmos a respeito da desa- B) Pagar-lhes-ei tudo o que lhes devo, mas no devido tempo
vença entre .........e ........ . e na devida forma.
C) A situação não é melhor na Rússia, onde os antigos ser-
Assinale a alternativa que completa corretamente as la- vos tornaram-se mujiques famintos, nem nos países mediterrâ-
cunas do texto. neos, onde os campos sobrecarregados de homens são incapa-
A) com nós • eu • ti zes de alimentá-los.
B) conosco • eu • tu D) Deus me livre desse maldito mosquito! Nem me falem
C) conosco • mim • ti nessas doenças que ele transmite!
D) conosco • mim • tu E) Pede a Deus que te proteja e dê muita vida e saúde a
E) com nós • mim • ti teus pais.

27
LÍNGUA PORTUGUESA

06. TRT – 14ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa – 2017 - FCC

No que se refere ao emprego do acento indicativo de crase e à colocação do pronome, a alternativa que completa corretamente
a frase O palestrante deu um conselho... É:
A) à alguns jovens que escutavam-no.
B) à estes jovens que o escutavam.
C) àqueles jovens que o escutavam
D) à juventude que escutava-o.
E) à uma porção de jovens que o escutava.

RESPOSTAS

01 E
02 A
03 B
04 B
05 A
06 C

CRASE

CRASE

Há um caso de contração que merece destaque: A crase, que é a fusão da preposição a com o artigo definido feminino a(s), ou da
preposição a com o a inicial dos pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo, ou ainda da preposição a com um pronome
demonstrativo a(s), ou então da preposição a com o a inicial do pronome relativo a qual (as quais).
Essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente representada por um a com acento grave (à), dá-se o nome de crase. Veremos,
a seguir, as principais regras.

Usa-se a Crase:

- Locuções prepositivas, locuções adverbiais ou locuções conjuntivas com o núcleo um substantivo feminino: à queima-roupa, à
noite, à força de, às vezes, às escuras, à medida que, às pressas, à custa de, às mil maravilhas, à tarde, às onze horas, etc. Não confun-
da a locução adverbial às vezes com a expressão fazer as vezes de, em que não há crase porque o “as” é artigo definido puro.

- Locuções que exprimem hora determinada: Ele chegou às dez horas e vinte minutos.

- A expressão “à moda de” (ou “à maneira de”) estiver subentendida: Mesmo que a palavra subsequente for masculina há crase:
Ele é um galã à Don Juan.

- As expressões “rua”, “loja”, “estação de rádio”, etc. estiverem subentendidas: Virou sentido à Higienópolis (= Virou sentido à
Rua Higienópolis); Fomos à Pernambucanas (fomos à loja Pernambucanas).

28
LÍNGUA PORTUGUESA

- É implícita uma palavra feminina: Esta fruta é semelhante - Com expressões tomadas de maneira indeterminada:
à uva (= à fruta). Prefiro jiló a injeção (no masc. = prefiro jiló a remédio).

- Pronome substantivo possessivo feminino no singular ou - Antes de pronome interrogativo, não ocorre crase: A qual
plural: Aquela casa é semelhante à nossa. O acento indicativo de autoridade irá se dirigir?
crase é obrigatório porque, no masculino, ficaria assim: Aquele
carro é semelhante ao nosso (preposição + artigo definido). - Na expressão valer a pena (no sentido de valer o sacrifí-
cio, o esforço), não ocorre crase, pois o “a” é artigo definido:
- Não confundir devido com dado (a, os, as): a expressão Não sei se este trabalho vale a pena.
pede preposição “a”, tendo crase antes de palavra feminina de-
terminada pelo artigo definido. Devido à chuva de ontem, os Crase Facultativa:
trabalhos foram cancelados (= devido ao temporal de ontem,
os trabalhos...); Já a outra expressão não aceita preposição “a” - Antes de nomes próprios femininos: Dei os parabéns à
(o “a” que aparece é artigo definido, não se usa, crase): Dada Cida; Dei os parabéns a Cida. Antes de um nome de pessoa, po-
a resposta sobre o acidente (= dado o esclarecimento sobre...). de-se ou não usar o artigo “a” (“A Camila é uma boa amiga”. Ou
“Camila é uma boa amiga”). Sendo assim, mesmo que a prepo-
Fora os casos anteriores, deve-se substituir a palavra femi- sição esteja presente, a crase é facultativa.
nina por outra masculina da mesma função sintática. Caso use
“ao” no masculino, haverá crase no “a” do feminino. Se ocorrer - Antes de pronome adjetivo possessivo feminino singular:
“a” ou “o” no masculino, não haverá crase no “a” do feminino. Pediu permissão à minha esposa; Pediu permissão a minha es-
posa. Mesma explicação é idêntica à do item anterior. Portanto,
Não se usa Crase: mesmo com a presença da preposição, a crase é facultativa.

- Antes de palavra masculina: Chegou a tempo; Vende-se - Nomes de localidades: há as que admitem artigo antes e
a prazo. as que não o admitem. Para se saber se o nome de uma localida-
de aceita artigo, substitua o verbo da frase pelos verbos estar ou
- Antes de verbo: Ficamos a admirá-los; Ele começou a ter vir. Se ocorrer a combinação “na” com o verbo estar ou “da” com
alucinações. o verbo vir, haverá crase com o “a” da frase original. Se ocorrer
“em” ou “de”, não haverá crase: Quero conhecer à Europa (estou
- Antes de artigo indefinido: Nos dirigimos a um caixa. na Europa; vim da Europa); O avião dirigia-se a São Paulo (estou
em São Paulo; vim de São Paulo).
- Antes de expressão de tratamento introduzida pelos pro-
nomes possessivos Vossa ou Sua ou a expressão Você: Envia- QUESTÕES
ram convites a Vossa Senhoria; Encontraremos a Sua Majestade;
Ele queria perguntar a você. 01. PC-MG - Escrivão de Polícia Civil – 2018 - FUMARC
Ocorre crase quando há a fusão da preposição “a” com o
- Antes dos pronomes demonstrativos esta e essa: Me refi- artigo definido feminino “a” ou entre a preposição “a” e o pro-
ro a esta menina; A família não deu ouvidos a essa fofoca. nome demonstrativo “aquele” (e variações).

- Antes dos pronomes pessoais: Não diga a ela. INDIQUE a alternativa que apresenta uso FACULTATIVO da
crase.
- Antes dos pronomes indefinidos com exceção de outra: A) Solicitamos a devolução dos documentos enviados à em-
Falarei isso a qualquer pessoa. Com o pronome indefinido ou- presa.
tra(s), pode haver crase pois, às vezes, aceita o artigo definido B) O promotor se dirigiu às pessoas presentes no tribunal.
a(s): Estavam de frente umas às outras (no masculino, ficaria C) O pai entregou àquele advogado a prova exigida pelo juiz.
“Estavam de frente uns aos outros”). D) Irei à minha sala para buscar o projeto de consultoria.

- Quando o “a” estiver no singular e a palavra seguinte 02. Pref. de Itaquitinga/PE – Assistente Administrativo –
estiver no plural: Contei a pessoas que perguntaram. 2016 - IDHTEC
Em qual dos trechos abaixo o emprego do acento grave foi
- Quando, antes do “a”, houver preposição: Os livros esta- omitido quando houve ocorrência de crase?
vam sob a mesa. Exceção para até por motivo de clareza: A água A) “O Sindicato dos Metroviários de Pernambuco decidiu
do rio subiu até à Prefeitura da cidade. (= a água chegou perto suspender a paralisação que faria a partir das 16h desta quar-
da Prefeitura); se não houvesse o sinal da crase, o sentido ficaria ta-feira.”
ambíguo: a água chegou até a Prefeitura (= inundou inclusive a B) “Pela manhã, em nota, a categoria informou que cruza-
Prefeitura). ria os braços só retornando às atividades normais as 5h desta
quinta-feira.”
- Com expressões repetitivas: Secamos a casa gota a gota. C) “Nesta quarta-feira, às 21h, acontece o “clássico das mul-
tidões” entre Sport e Santa Cruz, no Estádio do Arruda.”

29
LÍNGUA PORTUGUESA

D) “Após a ameaça de greve, o sindicato foi procurado pela


CBTU e pela PM que prometeram um reforço no esquema de SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS NO CONTEXTO.
segurança.”
E) “A categoria se queixa de casos de agressões, vandalismo SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS
e depredações e da falta de segurança nas estações.”
A Significação das palavras é estudada pela semântica, que
03. MPE/SC – Promotor de Justiça – 2016 - MPE/SC estuda o sentido das palavras e as relações de sentido que as
Em relação ao emprego do sinal de crase, estão corretas as palavras estabelecem entre si.
frases:
a) Solicito a Vossa Excelência o exame do presente docu- Sinônimos e antônimos
mento.
b) A redação do contrato compete à Diretoria de Orçamento Sinônimos: palavras de sentido igual ou parecido.
e Finanças.  Ex.: necessário, essencial, fundamental, obrigatório
( ) Certo ( ) Errado
Geralmente é indiferente usar um sinônimo ou outro. O
04. TRF-3ª Região – Técnico Judiciário – Informática – 2016 fato linguístico de existirem sinônimos chama-se sinonímia, pa-
- FCC lavra que também designa o emprego de sinônimos.
O sinal indicativo de crase está empregado corretamente
em: Antônimos: palavras de sentido oposto.
A) Não era uma felicidade eufórica, semelhava-se mais à Ex.: dedicado: desinteressado, desapegado, relapso.
uma brisa de contentamento. Pontual: atrasado, retardado, irresponsável.
B) O vinho certamente me induziu àquela súbita vontade de
abraçar uma árvore gigante. A antonímia pode ser originada por um prefixo de sentido
C) Antes do fim da manhã, dediquei-me à escrevER TUDO O oposto ou negativo. Ex.: simpático/antipático, progredir/regre-
QUE ME PROPUSERA PARA O DIA. dir, ativo/inativo, esperar/desesperar, simétrico/assimétrico.
D)APAINEIRASOBREVIVERÁATODASÀS18MILHÕESDEPESSOAS
QUE HOJE VIVEM EM SÃO PAULO. Homônimos
E)ACHOIMPORTANTEESCLARECERQUENÃOSOUAFEITOÀESSATRA-
DIÇÃO DE SE ABRAÇAR ÁRVORE. Se refere à capacidade de as palavras serem homônimas
(som igual, escrita igual, significado diferente), homófonas (som
05.PREF.DECRICIÚMA/SC–ENGENHEIROCIVIL–2016-FEPESE igual, escrita diferente, significado diferente) ou homógrafas
ANALISE AS FRASES QUANTO AO USO CORRETO DA CRASE. (som diferente, escrita igual, significado diferente).
1. O SEU TALENTO SÓ ERA COMPARÁVEL À SUA BONDADE. O contexto é quem vai determinar a significação dos homô-
2.NÃOPÔDECOMPARECERÀCERIMÔNIADEPOSSENAPREFEI- nimos. Ela pode ser causa de ambiguidade, por isso é considera-
TURA. da uma deficiência dos idiomas.
3.QUEMSEVIREMAPUROS,DEVERECORRERÀCOORDENAÇÃOLO-
CAL DE PROVAS. Homônimos
4.DIAADIA,VOUVENCENDOÀSBATALHASQUEAVIDAMEAPRE- rio (curso de água) e rio (verbo rir);
SENTA. caminho (itinerário) e caminho (verbo caminhar).
5.DAQUIÀMEIAHORA,CHEGAREIAESTAÇÃO;PEÇAPARAME
AGUARDAREM. Homófonos
cem (número) e sem (indica falta)
A) SÃO CORRETAS APENAS AS FRASES 1 E 4. senso (sentido) e censo (levantamento estatístico)
B) SÃO CORRETAS APENAS AS FRASES 3 E 4.
C) SÃO CORRETAS APENAS AS FRASES 1, 2 E 3. Homógrafos
D) SÃO CORRETAS APENAS AS FRASES 2, 3 E 4. colher (talher) e colher (apanhar);
E) SÃO CORRETAS APENAS AS FRASES 2, 4 E 5. acerto (correção) e acerto (verbo acertar);

RESPOSTAS Parônimos

Se refere a palavras que são escritas e pronunciadas de for-


01 D ma parecida, mas que apresentam significados diferentes.
02 B infligir (aplicar) e infringir (transgredir),
sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder),
03 Certo deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente,
04 B divergir, adiar),
ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir),
05 C
vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e vultuoso
(congestionado: rosto vultuoso).

30
LÍNGUA PORTUGUESA

Polissemia escaveiradas e sujas, filhos escanchados nos quadris desnalga-


dos, filhos encarapitados às costas, filhos suspensos aos peitos
Polissemia indica a capacidade de uma palavra apresentar murchos, filhos arrastados pelos braços, passando; crianças,
uma multiplicidade de significados, conforme o contexto em sem-número de crianças; velhos, sem-número de velhos; raros
que ocorre. Uma palavra pode ter mais de uma significação. Ex.: homens, enfermos opilados, faces túmidas e mortas, de cera,
Mangueira: tubo de borracha ou plástico para regar as plan- bustos dobrados, andar cambaleante.
tas ou apagar incêndios; árvore frutífera; grande curral de gado. (CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos.
Pena: pluma; peça de metal para escrever; punição; dó. Edição Especial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.)

Denotação e conotação Em qual das alternativas abaixo NÃO há um par de sinôni-


mos?
Denotação indica a capacidade de as palavras apresenta- A) Armistício – destruição
rem um sentido literal (próprio) e objetivo. A conotação indica B) Claudicante – manco
a capacidade de as palavras apresentarem um sentido figurado C) Reveses – infortúnios
e simbólico. D) Fealdade – feiura
E) Opilados – desnutridos
Exemplos com sentido denotativo:
As águas pingavam da torneira, (sentido próprio). 02. Pref. de Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico e
As horas iam pingando lentamente, (sentido figurado). Mecânico – 2016 - Instituto Excelência
Assinale a alternativa em que as palavras podem servir de
Exemplos com sentido conotativo: exemplos de parônimos:
Comprei uma correntinha de ouro. A) Cavaleiro (Homem a cavalo) – Cavalheiro (Homem gentil).
Fulano nadava em ouro. B) São (sadio) – São (Forma reduzida de Santo).
C) Acento (sinal gráfico) – Assento (superfície onde se sen-
ta).
Hiperonímia e hiponímia D) Nenhuma das alternativas.

Hiperonímia e a hiponímia indicam a capacidade das pa- 03. TJ/MT – Analista Judiciário – Ciências Contábeis – 2017
lavras estabelecerem relações hierárquicas de significado. Um - UFMT
hiperônimo, palavra superior com um sentido mais abrangente, Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas, seja no
engloba um hipônimo, palavra inferior com sentido mais restri- modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por exemplo,
to. assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada uma apre-
senta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, grafias diferen-
Fruta é hiperônimo de banana. tes, denomina-se homônimo homófono. Assinale a alternativa
Banana é hipônimo de fruta. em que todas as palavras se encontram nesse caso.
A) taxa, cesta, assento
QUESTÕES B) conserto, pleito, ótico
C) cheque, descrição, manga
12. Pref. de Itaquitinga/PE – Psicólogo – 2016 - IDHTEC D) serrar, ratificar, emergir
A entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os comba-
tentes contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; co- 04. TJ/MT – Analista Judiciário – Direito – 2017 - UFMT
moviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, naquele
armistício transitório, uma legião desarmada, mutilada faminta A fuga dos rinocerontes
e claudicante, num assalto mais duro que o das trincheiras em Espécie ameaçada de extinção escapa dos caçadores da
fogo. Custava-lhes admitir que toda aquela gente inútil e frágil maneira mais radical possível – pelo céu.
saísse tão numerosa ainda dos casebres bombardeados durante
três meses. Contemplando-lhes os rostos baços, os arcabouços Os rinocerontes-negros estão entre os bichos mais visados
esmirrados e sujos, cujos molambos em tiras não encobriam la- da África, pois sua espécie é uma das preferidas pelo turismo de
nhos, escaras e escalavros – a vitória tão longamente apeteci- caça. Para tentar salvar alguns dos 4.500 espécimes que ainda
da decaía de súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava. restam na natureza, duas ONG ambientais apelaram para uma
Era, com efeito, contraproducente compensação a tão luxuosos solução extrema: transportar os rinocerontes de helicóptero. A
gastos de combates, de reveses e de milhares de vidas, o apre- ação utilizou helicópteros militares para remover 19 espécimes
samento daquela caqueirada humana – do mesmo passo angu- – com 1,4 toneladas cada um – de seu habitat original, na pro-
lhenta e sinistra, entre trágica e imunda, passando-lhes pelos víncia de Cabo Oriental, no sudeste da África do Sul, e transfe-
olhos, num longo enxurro de carcaças e molambos... ri-los para a província de Lampopo, no norte do país, a 1.500
Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender quilômetros de distância, onde viverão longe dos caçadores.
uma arma, nem um peito resfolegante de campeador domado: Como o trajeto tem áreas inacessíveis de carro, os rinocerontes
mulheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças tiveram de voar por 24 quilômetros. Sedados e de olhos venda-
envelhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade, dos (para evitar sustos caso acordassem), os rinocerontes foram

31
LÍNGUA PORTUGUESA

içados pelos tornozelos e voaram entre 10 e 20 minutos. Parece RESPOSTAS


meio brutal? Os responsáveis pela operação dizem que, além
de mais eficiente para levar os paquidermes a locais de difícil
01 A
acesso, o procedimento é mais gentil.
(BADÔ, F. A fuga dos rinocerontes. Superinteressante, nº 02 A
229, 2011.) 03 A
A palavra radical pode ser empregada com várias acepções, 04 C
por isso denomina-se polissêmica. Assinale o sentido dicionari- 05 E
zado que é mais adequado no contexto acima.
A) Que existe intrinsecamente num indivíduo ou coisa. 06 D
B) Brusco; violento; difícil.
C) Que não é tradicional, comum ou usual.
D) Que exige destreza, perícia ou coragem. USO DO HÍFEN.

05. UNESP – Assistente Administrativo I – 016 - VU-


NESP/2016 O hífen é um sinal diacrítico (que distingue) usado para ligar
os elementos de palavras compostas (couve-flor, ex-presidente)
O gavião e para unir pronomes átonos a verbos (ofereceram-me; vê-lo-ei).
Serve igualmente para fazer a translineação de palavras,
Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco isto é, no fim de uma linha, separar uma palavra em duas partes
voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua. (ca-/sa; compa-/nheiro).
Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e
comovente – o gavião malvado, que mata pombas. Uso do hífen que continua depois da Reforma Ortográfica:
O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à con-
templação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas 1. Em palavras compostas por justaposição que formam
e o partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer uma unidade semântica, ou seja, nos termos que se unem para
palavra é melhor que “columbófilo”) querem matar o gavião. formam um novo significado: tio-avô, porto-alegrense, luso-bra-
Os amigos deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade sileiro, tenente-coronel, segunda-feira, conta-gotas, guarda-
come a sua pombinha com a mesma inocência com que a pom- -chuva, arco- -íris, primeiro-ministro, azul-escuro.
ba come seu grão de milho.
Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pom-
2. Em palavras compostas por espécies botânicas e zoológi-
bas e também o lance magnífico em que o gavião se despenca
cas: couve-flor, bem-te-vi, bem-me-quer, abóbora-menina, erva-
sobre uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupéry, “a
verdade do gavião”, mas matar um gavião no ar com um belo -doce, feijão-verde.
tiro pode também ser a verdade do caçador.
Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente 3. Nos compostos com elementos além, aquém, recém e
o gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate, sem: além-mar, recém-nascido, sem-número, recém-casado,
pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem. aquém- -fiar, etc.
(Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999. Adaptado)
4. No geral, as locuções não possuem hífen, mas algumas
O termo  gavião, destacado em sua última ocorrência no exceções continuam por já estarem consagradas pelo uso: cor-
texto – … pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em ou- -de-rosa, arco-da-velha, mais-que-perfeito, pé-de-meia, água-
tro homem. –, é empregado com sentido -de- -colônia, queima-roupa, deus-dará.
A) próprio, equivalendo a inspiração.
B) próprio, equivalendo a conquistador. 5. Nos encadeamentos de vocábulos, como: ponte Rio-Ni-
C) figurado, equivalendo a ave de rapina. terói, percurso Lisboa-Coimbra-Porto e nas combinações histó-
D) figurado, equivalendo a alimento. ricas ou ocasionais: Áustria-Hungria, Angola-Brasil, Alsácia-Lo-
E) figurado, equivalendo a predador. rena, etc.

06. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE- 6. Nas formações com os prefixos hiper-, inter- e super-
PESE quando associados com outro termo que é iniciado por r: hiper-
O termo (ou expressão) em destaque, que está empregado -resistente, inter-racial, super-racional, etc.
em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em:
A) Estou morta de cansada. 7. Nas formações com os prefixos ex-, vice-: ex-diretor, ex-
B) Aquela mulher fala mal de todos na vizinhança! É uma co- -presidente, vice-governador, vice-prefeito.
bra. 8. Nas formações com os prefixos pós-, pré- e pró-: pré-na-
C) Todo cuidado é pouco. As paredes têm ouvidos. tal, pré-escolar, pró-europeu, pós-graduação, etc.
D) Reclusa desde que seu cachorrinho morreu, Filomena fi-
nalmente saiu de casa ontem.
9. Na ênclise e mesóclise: amá-lo, deixá-lo, dá-se, abraça-o,
E) Minha amiga é tão agitada! A bateria dela nunca acaba!
lança-o e amá-lo-ei, falar-lhe-ei, etc.

32
LÍNGUA PORTUGUESA

10. Nas formações em que o prefixo tem como segundo ter- 03.Assinale a alternativa incorreta quanto ao emprego do
mo uma palavra iniciada por “h”: sub-hepático, eletro-higróme- hífen, respeitando-se o novo Acordo.
tro, geo-história, neo-helênico, extra-humano, semi-hospitalar, A) O semi-analfabeto desenhou um semicírculo.
super- -homem. B) O meia-direita fez um gol de sem-pulo na semifinal do
campeonato.
11. Nas formações em que o prefixo ou pseudo prefixo termi- C) Era um sem-vergonha, pois andava seminu.
na na mesma vogal do segundo elemento: micro-ondas, eletro-ó- D) O recém-chegado veio de além-mar.
tica, semi-interno, auto-observação, etc. E) O vice-reitor está em estado pós-operatório.
Obs: O hífen é suprimido quando para formar outros termos:
reaver, inábil, desumano, lobisomem, reabilitar. 04.Segundo o novo Acordo, entre as palavras pão duro (ava-
rento), copo de leite (planta) e pé de moleque (doce) o hífen é
- Lembre-se: ao separar palavras na translineação (mudança obrigatório:
de linha), caso a última palavra a ser escrita seja formada por hí- A) em nenhuma delas.
fen, repita-o na próxima linha. Exemplo: escreverei anti-inflama- B) na segunda palavra.
tório e, ao final, coube apenas “anti-”. Na linha debaixo escreverei: C) na terceira palavra.
“-inflamatório” (hífen em ambas as linhas). D) em todas as palavras.
E) na primeira e na segunda palavra.
Não se emprega o hífen:
05.Fez um esforço __ para vencer o campeonato __. Qual
1. Nas formações em que o prefixo ou falso prefixo termina alternativa completa corretamente as lacunas?
em vogal e o segundo termo inicia-se em “r” ou “s”. Nesse caso, A) sobreumano/interregional
passa-se a duplicar estas consoantes: antirreligioso, contrarregra, B) sobrehumano-interregional
infrassom, microssistema, minissaia, microrradiografia, etc. C) sobre-humano / inter-regional
D) sobrehumano/ inter-regional
2. Nas constituições em que o prefixo ou pseudoprefixo ter-
E) sobre-humano /interegional
mina em vogal e o segundo termo inicia-se com vogal diferente:
antiaéreo, extraescolar, coeducação, autoestrada, autoaprendiza-
06. Suponha que você tenha que agregar o prefixo sub- às
gem, hidroelétrico, plurianual, autoescola, infraestrutura, etc.
palavras que aparecem nas alternativas a seguir. Assinale aquela
que tem de ser escrita com hífen:
3. Nas formações, em geral, que contêm os prefixos “dês” e
A) (sub) chefe
“in” e o segundo elemento perdeu o h inicial: desumano, inábil,
desabilitar, etc. B) (sub) entender
C) (sub) solo
4. Nas formações com o prefixo “co”, mesmo quando o se- D) (sub) reptício
gundo elemento começar com “o”: cooperação, coobrigação, co- E) (sub) liminar
ordenar, coocupante, coautor, coedição, coexistir, etc.
07.Assinale a alternativa em que todas as palavras estão
5. Em certas palavras que, com o uso, adquiriram noção de grafadas corretamente:
composição: pontapé, girassol, paraquedas, paraquedista, etc. A) autocrítica, contramestre, extra-oficial
B) infra-assinado, infra-vermelho, infra-som
6. Em alguns compostos com o advérbio “bem”: benfeito, C) semi-círculo, semi-humano, semi-internato
benquerer, benquerido, etc. D) supervida, superelegante, supermoda
E) sobre-saia, mini-saia, superssaia
Questões sobre Hífen
08.Assinale o item em que o uso do hífen está incorreto.
01.Assinale a alternativa em que o hífen, conforme o novo A) infraestrutura / super-homem / autoeducação
Acordo, está sendo usado corretamente: B) bem-vindo / antessala /contra-regra
A) Ele fez sua auto-crítica ontem. C) contramestre / infravermelho / autoescola
B) Ela é muito mal-educada. D) neoescolástico / ultrassom / pseudo-herói
C) Ele tomou um belo ponta-pé. E) extraoficial / infra-hepático /semirreta
D) Fui ao super-mercado, mas não entrei.
E) Os raios infra-vermelhos ajudam em lesões. 09.Uma das alternativas abaixo apresenta incorreção quan-
to ao emprego do hífen.
02.Assinale a alternativa errada quanto ao emprego do hífen: A) O pseudo-hermafrodita não tinha infraestrutura para re-
A) Pelo interfone ele comunicou bem-humorado que faria lacionamento extraconjugal.
uma superalimentação. B) Era extraoficial a notícia da vinda de um extraterreno.
B) Nas circunvizinhanças há uma casa malassombrada. C) Ele estudou línguas neolatinas nas colônias ultramarinas.
C) Depois de comer a sobrecoxa, tomou um antiácido. D) O anti-semita tomou um anti-biótico e vacina antirrábica.
D) Nossos antepassados realizaram vários anteprojetos. E) Era um suboficial de uma superpotência.
E) O autodidata fez uma autoanálise.

33
LÍNGUA PORTUGUESA

10.Assinale a alternativa em que ocorre erro quanto ao em-


prego do hífen. TESTES E RESPOSTAS
A) Foi iniciada a campanha pró-leite.
B) O ex-aluno fez a sua autodefesa. 1. (MAPA – AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO
C) O contrarregra comeu um contra-filé. – MÉDICO VETERINÁRIO – SUPERIOR – ESAF – 2017) Assinale
D) Sua vida é um verdadeiro contrassenso. a opção que apresenta desvio de grafia da palavra.
E) O meia-direita deu início ao contra-ataque. A acupuntura é uma terapia da medicina tradicional chinesa
que favorece a regularização dos processos fisiológicos do corpo,
GABARITO no sentido de promover ou recuperar o estado natural de saúde
01. B 02. B 03. A 04. E 05. C e equilíbrio. Pode ser usada preventivamente (1) para evitar o
06. D 07. D 08. B 09. D 10. C desenvolvimento de doenças, como terapia curativa no caso de
a doença estar instalada ou como método paliativo (2) em ca-
RESOLUÇÃO sos de doenças crônicas de difícil tratamento. Tem também uma
ação importante na medicina rejenerativa (3) e na reabilitação.
1-) O tratamento de acupuntura consiste na introdução de agulhas
A) autocrítica filiformes no corpo dos animais. Em geral são deixadas cerca de
C) pontapé 15 a 20 minutos. A colocação das agulhas não é dolorosa para os
D) supermercado animais e é possível observar durante os tratamentos diferentes
E) infravermelhos reações fisiológicas (4), indicadoras de que o tratamento está
2-)B) Nas circunvizinhanças há uma casa mal-assombrada. atingindo o efeito terapêutico (5) desejado.
Disponível: <http://www.veterinariaholistica.net/acupun-
3-) A) O semianalfabeto desenhou um semicírculo. tura-fitoterapia-e-homeopatia.html/>. Acesso em 28/11/2017.
(Com adaptações)
4-)
a) pão-duro / b) copo-de-leite (planta) / c) pé de moleque a) (1)
(doce) b) (2)
a) Usa-se o hífen nas palavras compostas que não apresen- c) (3)
tam elementos de ligação. d) (4)
b) Usa-se o hífen nos compostos que designam espécies e) (5)
animais e botânicas (nomes de plantas, flores, frutos, raízes, se-
mentes), tenham ou não elementos de ligação. 2. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA
c) Não se usa o hífen em compostos que apresentam ele- ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) Respeitando-se as
mentos de ligação. normas de redação do Manual da Presidência da República, a
frase correta é:
5-) Fez um esforço sobre-humano para vencer o campeona-
to inter-regional. a) Solicito a Vossa Senhoria que verifique a possibilidade
- Usa-se o hífen diante de palavra iniciada por h. de implementação de projeto de treinamento de pessoal para
- Usa-se o hífen se o prefixo terminar com a mesma letra operar os novos equipamentos gráficos a serem instalados em
com que se inicia a outra palavra seu setor.
b) Venho perguntar-lhe, por meio desta, sobre a data em
6-) Com os prefixos sub e sob, usa-se o hífen também diante que Vossa Excelência pretende nomear vosso representante na
de palavra iniciada por r. : subchefe, subentender, subsolo, sub- Comissão Organizadora.
-reptício (sem o hífen até a leitura da palavra será alterada; / c) Digníssimo Senhor: eu venho por esse comunicado, in-
subre/, ao invés de /sub re/), subliminar formar, que será organizado seminário, sobre o uso eficiente de
recursos hídricos, em data ainda a ser definida.
7-) d) Haja visto que o projeto anexo contribue para o desen-
A) autocrítica, contramestre, extraoficial volvimento do setor em questão, informamos, por meio deste
B) infra-assinado, infravermelho, infrassom Ofício, que será amplamente analisado por especialistas.
C) semicírculo, semi-humano, semi-internato e) Neste momento, conforme solicitação enviada à Vossa
D) supervida, superelegante, supermoda = corretas Senhoria anexo, não se deve adotar medidas que possam com-
E) sobressaia, minissaia, supersaia prometer vossa realização do projeto mencionado.
8-) B) bem-vindo / antessala / contrarregra 3. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014)
Analise as assertivas abaixo:
9-) D) O antissemita tomou um antibiótico e vacina antir-
rábica. I. O ladrão era de menor.
II. Não há regra sem exceção.
10-) C) O contrarregra comeu um contrafilé. III. É mais saudável usar menas roupa no calor.
IV. O policial foi à delegacia em compania do meliante.

34
LÍNGUA PORTUGUESA

V. Entre eu e você não existe mais nada. A palavra que NÃO está grafada corretamente é
A opção que apresenta vícios de linguagem é:
a) macro-história.
a) I e III. b) multicomunicações.
b) I, II e IV. c) tem.
c) II e IV. d) pôr.
d) I, III, IV e V. e) porque.
e) III, IV e V.
8. (LIQUIGÁS – PROFISSIONAL JÚNIOR – CIÊNCIAS CON-
4. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014) TÁBEIS – CEGRANRIO – 2014) O grupo em que todas as pala-
De acordo com a nova ortografia, assinale o item em que todas vras estão grafadas de acordo com a norma-padrão da Língua
as palavras estão corretas: Portuguesa é
a) autoajuda – anti-inflamatório – extrajudicial. a) gorjeta, ogeriza, lojista, ferrujem
b) supracitado – semi-novo – telesserviço. b) pedágio, ultrage, pagem, angina
c) ultrassofisticado – hidro-elétrica – ultra-som. c) refújio, agiota, rigidez, rabujento
d) contrarregra – autopista – semi-aberto. d) vigência, jenipapo, fuligem, cafajeste
e) contrarrazão – infra-estrutura – coprodutor. e) sargeta, jengiva, jiló, lambujem

5. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014) 9. (SIMAE – AGENTE ADMINISTRATIVO – ASSCON-PP –


O uso correto do porquê está na opção: 2014) Assinale a alternativa que apresenta apenas palavras es-
critas de forma incorreta.
a) Por quê o homem destrói a natureza?
b) Ela chorou por que a humilharam. a) Cremoso, coragem, cafajeste, realizar;
c) Você continua implicando comigo porque sou pobre? b) Caixote, encher, análise, poetisa;
c) Traje, tanger, portuguesa, sacerdotisa;
d) Ninguém sabe o por quê daquele gesto.
d) Pagem, mujir, vaidozo, enchergar;
e) Ela me fez isso, porquê?
10. (RECEITA FEDERAL – AUDITOR FISCAL – ESAF – 2014)
6. (TJ-PA – MÉDICO PSIQUIATRA – SUPERIOR – VUNESP
Assinale a opção que corresponde a erro gramatical ou de grafia
– 2014)
de palavra inserido na transcrição do texto.

A Receita Federal nem sempre teve esse (1) nome. Secre-


taria da Receita Federal é apenas a mais recente denominação
da Administração Tributária Brasileira nestes cinco séculos de
existência. Sua criação tornou-se (2) necessária para modernizar
a máquina arrecadadora e fiscalizadora, bem como para promo-
ver uma maior integração entre o Fisco e os Contribuintes, facili-
tando o cumprimento expontâneo (3) das obrigações tributárias
e a solução dos eventuais problemas, bem como o acesso às (4)
informações pessoais privativas de interesse de cada cidadão.
O surgimento da Secretaria da Receita Federal representou um
Assinale a alternativa que completa, correta e respectiva- significativo avanço na facilitação do cumprimento das obriga-
mente, as lacunas, de acordo com a norma-padrão da língua ções tributárias, contribuindo para o aumento da arrecadação a
portuguesa, considerando que o termo que preenche a terceira partir (5) do final dos anos 60.
lacuna é empregado para indicar que um evento está prestes a (Adaptado de <http://www.receita.fazenda.gov.br/srf/his-
acontecer torico.htm>. Acesso em: 17 mar. 2014.)

a) anúncio ... A ... Iminente. a) (1).


b) anuncio ... À ... Iminente. b) (2).
c) anúncio ... À ... Iminente. c) (3).
d) anúncio ... A ... Eminente. d) (4).
e) anuncio ... À ... Eminente. e) (5).

7. (CEFET-RJ – REVISOR DE TEXTOS – CESGRANRIO – 11. (ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO-SP –


2014) Observe a grafia das palavras do trecho a seguir. ANALISTA FERROVIÁRIO – OFICINAS – ELÉTRICA – IDERH –
A macro-história da humanidade mostra que todos enca- 2014) Leia as orações a seguir:
ram os relatos pessoais como uma forma de se manterem vivos. Minha mãe sempre me aconselha a evitar as _____ compa-
Desde a idade do domínio do fogo até a era das multicomunica- nhias. (mas/más)
ções, os homens tem demonstrado que querem pôr sua marca A cauda do vestido da noiva tinha um _________ enorme.
no mundo porque se sentem superiores. (cumprimento/comprimento)

35
LÍNGUA PORTUGUESA

Precisamos fazer as compras do mês, pois a _________ está 16. (ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CON-
vazia. (despensa/dispensa). TABILIDADE – IDECAN – 2014) Os vocábulos “cinquentenário”
e “império” são acentuados devido à mesma justificativa. O
Completam, correta e respectivamente, as lacunas acima os mesmo ocorre com o par de palavras apresentado em
expostos na alternativa:
a) prêmio e órbita.
a) mas – cumprimento – despensa. b) rápida e tráfego
b) más – comprimento – despensa. c) satélite e ministério.
c) más – cumprimento – dispensa. d) pública e experiência.
d) mas – comprimento – dispensa. e) sexagenário e próximo.
e) más – comprimento – dispensa.
17. (RIOPREVIDÊNCIA – ESPECIALISTA EM PREVIDÊN-
12. (TRT-2ª REGIÃO-SP – TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA CIA SOCIAL – CEPERJ – 2014) A palavra “conteúdo” recebe
ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2014) Está redigida com acentuação pela mesma razão de:
clareza e em consonância com as regras da gramática normativa
a seguinte frase: a) juízo
b) espírito
a) Queremos, ou não, ele será designado para dar a palavra c) jornalístico
final sobre a polêmica questão, que, diga-se de passagem, tem d) mínimo
feito muitos exitarem em se pronunciar. e) disponíveis
b) Consultaram o juíz acerca da possibilidade de voltar atraz
na suspensão do jogador, mas ele foi categórico quanto a impos- 18. (MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE – ICMBIO – CES-
sibilidade de rever sua posição. PE – 2014) A mesma regra de acentuação gráfica se aplica aos
c) Vossa Excelência leu o documento que será apresentado vocábulos “Brasília”, “cenário” e “próprio”.
em rede nacional daqui a pouco, pela voz de Sua Excelência, o
Senhor Ministro da Educação?
( ) CERTO ( ) ERRADO
d) A reportagem sobre fascínoras famosos não foi nada po-
sitiva para o público jovem que estava presente, de que se des-
19. (PREFEITURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ-SC –
culparam os idealizadores do programa.
GUARDA MUNICIPAL – FEPESE – 2014 – ADAPTADA) Assinale
e) Estudantes e professores são entusiastas de oferecer aos
a alternativa em que todas as palavras são oxítonas.
jovens ingressantes no curso o compartilhamento de projetos,
com que serão também autores.
a) pé, lá, pasta
13. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014) b) mesa, tábua, régua
A acentuação correta está na alternativa: c) livro, prova, caderno
d) parabéns, até, televisão
a) eu abençôo – eles crêem – ele argúi. e) óculos, parâmetros, título
b) platéia – tuiuiu – instrui-los.
c) ponei – geléia – heroico. 20. (ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CO-
d) eles têm – ele intervém – ele constrói. MUNICAÇÃO SOCIAL – IDECAN – 2014) Assinale a alternativa
e) lingüiça – feiúra – idéia. em que a acentuação de todas as palavras está de acordo com a
mesma regra da palavra destacada: “Procuradorias comprovam
14. (EBSERH – HUCAM-UFES – ADVOGADO – AOCP – necessidade de rendimento satisfatório para renovação do FIES”.
2014) A palavra que está acentuada corretamente é:
a) após / pó / paletó
a) Históriar. b) moído / juízes / caído
b) Memórial. c) história / cárie / tênue
c) Métodico. d) álibi / ínterim / político
d) Própriedade. e) êxito / protótipo / ávido
e) Artifício.
21. (PREFEITURA DE BRUSQUE-SC – EDUCADOR SOCIAL
15. (PRODAM-AM – ASSISTENTE – FUNCAB – 2014 – – FEPESE – 2014) Assinale a alternativa em que só palavras pa-
ADAPTADA) Assinale a opção em que o par de palavras foi acen- roxítonas estão apresentadas.
tuado segundo a mesma regra. a) facilitada, minha, canta, palmeiras
b) maná, papá, sinhá, canção
a) saúde-países c) cá, pé, a, exílio
b) Etíope-juízes d) terra, pontapé, murmúrio, aves
c) olímpicas-automóvel e) saúde, primogênito, computador, devêssemos
d) vocês-público
e) espetáculo-mensurável

36
LÍNGUA PORTUGUESA

22. (MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO – b) As pessoas não querem estar à mercê do sofrimento, por
TÉCNICO EM AGRIMENSURA – FUNCAB – 2014) A alternativa isso almejam à pílula da felicidade.
que apresenta palavra acentuada por regra diferente das demais c) À proporção que a tristeza se intensifica e se prolonga, po-
é: de-se, à primeira vista, pensar em depressão.
d) À rigor, os especialistas não devem receitar remédios às
a) dúvidas. pessoas antes da realização de exames acurados.
b) muitíssimos. e) Em relação à informação da OMS, conclui-se que existem
c) fábrica. 121 milhões de pessoas à serem tratadas de depressão.
d) mínimo.
e) impossível. 27. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA
ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) É difícil planejar uma
23. (PRODAM-AM – ASSISTENTE DE HARDWARE – FUN- cidade e resistir à tentação de formular um projeto de sociedade.
CAB – 2014) Assinale a alternativa em que todas as palavras fo- O sinal indicativo de crase deverá ser mantido caso o verbo
ram acentuadas segundo a mesma regra. sublinhado acima seja substituído por:
a) não acatar.
a) indivíduos - atraí(-las) - período b) driblar.
b) saíram – veículo - construído c) controlar.
c) análise – saudável - diálogo d) superar.
d) hotéis – critérios - através e) não sucumbir.
e) econômica – após – propósitos
28. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
24. (CORPO DE BOMBEIROS MILITAR-PI – CURSO DE ÁREA ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) A frase em que
FORMAÇÃO DE SOLDADOS – UESPI – 2014) “O evento pro- há uso adequado do sinal indicativo de crase encontra-se em:
move a saúde de modo integral.” A regra que justifica o acento
gráfico no termo destacado é a mesma que justifica o acento a) A tendência de recorrer à adaptações aparece com maior
em: força na Hollywood do século 21.
b) É curioso constatar a rapidez com que o cinema agregou
a) “remédio”. à máxima.
b) “cajú”. c) A busca pela segurança leva os estúdios à apostarem em
c) “rúbrica”. histórias já testadas e aprovadas.
d) “fráude”. d) Tal máxima aplica-se perfeitamente à criação de peças de
e) “baú”. teatro.
e) Há uma massa de escritores presos à contratos fixos em
25. (TJ-BA – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRA- alguns estúdios.
TIVA – MÉDIO – FGV – 2015)
Texto 3 – “A Lua Cheia entra em sua fase Crescente no signo 29. (PREFEITURA DE MARÍLIA-SP – AUXILIAR DE ESCRITA
de Gêmeos e vai movimentar tudo o que diz respeito à sua vida – MÉDIO – VUNESP – 2017) Assinale a alternativa em que o sinal
profissional e projetos de carreira. Os próximos dias serão óti- indicativo de crase está empregado corretamente.
mos para dar andamento a projetos que começaram há alguns
dias ou semanas. Os resultados chegarão rapidamente”. a) A voluntária aconselhou a remetente à esquecer o amor
de infância.
O texto 3 mostra exemplos de emprego correto do “a” com b) O carteiro entregou às voluntárias do Clube de Julieta uma
acento grave indicativo da crase – “diz respeito à sua vida pro- nova remessa de cartas.
fissional”. A frase abaixo em que o emprego do acento grave da c) O médico ofereceu à um dos remetentes apoio psicológico.
crase é corretamente empregado é: d) As integrantes do Clube levaram horas respondendo à di-
versas cartas.
a) o texto do horóscopo veio escrito à lápis; e) O Clube sugeriu à algumas consulentes que fizessem novas
b) começaram à chorar assim que leram as previsões; amizades.
c) o horóscopo dizia à cada leitora o que devia fazer;
d) o leitor estava à procura de seu destino; 30. (PREFEITURA DE SÃO PAULO-SP – TÉCNICO EM SAÚ-
e) o astrólogo previa o futuro passo à passo DE – LABORATÓRIO – MÉDIO – VUNESP – 2014) Reescreven-
do-se o segmento frasal – ... incitá-los a reagir e a enfrentar o
26. (PREFEITURA DE SERTÃOZINHO-SP – FARMACÊUTI- desconforto, ... –, de acordo com a regência e o acento indicativo
CO – SUPERIOR – VUNESP – 2017) O sinal indicativo de crase da crase, tem-se:
está empregado corretamente nas duas ocorrências na alterna-
tiva: a) ... incitá-los à reação e ao enfrentamento do desconforto,
...
a) Muitos indivíduos são propensos à associar, inadvertida- b) ... incitá-los a reação e o enfrentamento do desconforto,
mente, tristeza à depressão. ...

37
LÍNGUA PORTUGUESA

c) ... incitá-los à reação e à enfrentamento do desconforto, c) objeto direto/sujeito.


... d) objeto direto/objeto indireto.
d) ... incitá-los à reação e o enfrentamento do desconforto, e) sujeito/objeto indireto.
...
e) ... incitá-los a reação e à enfrentamento do desconforto, 35. (CASAL-AL – ADMINISTRADOR DE REDE – COPEVE –
.. UFAL – 2014) No texto, “Arranca o estatuário uma pedra dessas
montanhas, tosca, bruta, dura, informe; e, depois que desbastou
31. (CONAB – CONTABILIDADE – SUPERIOR – IADES – o mais grosso, toma o maço e cinzel na mão para começar a
2014 – ADAPTADA) Considerando o trecho “atualizou os dados formar um homem, primeiro membro a membro e depois feição
relativos à produção de grãos no Brasil.” e conforme a norma- por feição.”
-padrão, assinale a alternativa correta. VIEIRA, P. A. In Sermão do Espírito Santo. Acervo da Acade-
mia Brasileira de Letras
a) a crase foi empregada indevidamente no trecho. A oração sublinhada exerce uma função de
b) o autor poderia não ter empregado o sinal indicativo de
crase. a) causalidade.
c) se “produção” estivesse antecedida por essa, o uso do b) conclusão.
sinal indicativo de crase continuaria obrigatório. c) oposição.
d) se, no lugar de “relativos”, fosse empregado referentes, o d) concessão.
uso do sinal indicativo de crase passaria a ser facultativo. e) finalidade.
e) caso o vocábulo minha fosse empregado imediatamente
antes de “produção”, o uso do sinal indicativo de crase seria fa- 36. (EBSERH – HUCAM-UFES – Advogado – Superior
cultativo. –AOCP–2014) EM “SE A ‘CURA’ FOSSE CARA, APENAS UMA PE-
QUENAFRAÇÃODASOCIEDADETERIAACESSOAELA.”,AEXPRESSÃOEM
32. (SABESP-SP – ATENDENTE A CLIENTES – MÉDIO – DESTAQUE FUNCIONA COMO:
FCC – 2014 – ADAPTADA) No trecho Refiro-me aos livros que
foram escritos e publicados, mas estão – talvez para sempre – à a) objeto direto.
espera de serem lidos, o uso do acento de crase obedece à mes- b) adjunto adnominal.
ma regra seguida em: c) complemento nominal.
d) sujeito paciente.
a) Acostumou-se àquela situação, já que não sabia como e) objeto indireto.
evitá-la.
b) Informou à paciente que os remédios haviam surtido 37. (EBSERH – HUSM-UFSM-RS – ANALISTA ADMINIS-
efeito. TRATIVO – JORNALISMO – SUPERIOR – AOCP – 2014)
c) Vou ficar irritada se você não me deixar assistir à novela. “Sinta-se ungido pela sorte de recomeçar. Quando seu filho
d) Acabou se confundindo, após usar à exaustão a velha fór- crescer, ele irá entender - mais cedo ou mais tarde -...”
mula. No período acima, a oração destacada:
e) Comunique às minhas alunas que as provas estão corri-
gidas. a) estabelece uma relação temporal com a oração que lhe
é subsequente.
33. (TRT-AL – Analista Judiciário – Superior – FCC– b) estabelece uma relação temporal com a oração que a an-
2014) ... que acompanham as fronteiras ocidentais chinesas... tecede.
O verbo que, no contexto, exige o mesmo tipo de comple- c) estabelece uma relação condicional com a oração que lhe
mento que o da frase acima está em: é subsequente.
d) estabelece uma relação condicional com a oração que a
a) A Rota da Seda nunca foi uma rota única... antecede.
b) Esses caminhos floresceram durante os primórdios da e) estabelece uma relação de finalidade com a oração que
Idade Média. lhe é subsequente.
c) ... viajavam por cordilheiras...
d) ... até cair em desuso, seis séculos atrás. 38. (PRODAM-AM – ASSISTENTE DE HARDWARE – FUN-
e) O maquinista empurra a manopla do acelerador. CAB – 2014) O termo destacado em: “As pessoas estão sempre
muito ATAREFADAS.” exerce a seguinte função sintática:
34. (CASAL-AL – ADMINISTRADOR DE REDE – COPEVE –
UFAL – 2014) NA AFIRMAÇÃO ABAIXO, DE PADRE VIEIRA, a) objeto direto.
“O trigo não picou os espinhos, antes os espinhos o picaram b) objeto indireto.
a ele... Cuidais que o sermão vos picou a vós” o substantivo “es- c) adjunto adverbial.
pinhos” tem, respectivamente, função sintática de, d) predicativo.
e) adjunto adnominal.
a) objeto direto/objeto direto.
b) sujeito/objeto direto.

38
LÍNGUA PORTUGUESA

39. (TRT-13ª REGIÃO-PB – TÉCNICO JUDICIÁRIO – TEC- O direito é um trabalho sem tréguas, não só do Poder Públi-
NOLOGIA DA INFORMAÇÃO – MÉDIO – FCC – 2014) Ao mes- co, mas de toda a população. A vida do direito nos oferece, num
mo tempo, as elites renunciaram às ambições passadas... simples relance de olhos, o espetáculo de um esforço e de uma
O verbo que, no contexto, exige o mesmo tipo de comple- luta incessante, como o despendido na produção econômica e
mento que o grifado acima está empregado em: espiritual. Qualquer pessoa que se veja na contingência de ter
de sustentar seu direito participa dessa tarefa de âmbito nacio-
a) Faltam-nos precedentes históricos para... nal e contribui para a realização da ideia do direito. É verdade
b) Nossos contemporâneos vivem sem esse futuro... que nem todos enfrentam o mesmo desafio.
c) Esse novo espectro comprova a novidade de nossa situa- A vida de milhares de indivíduos desenvolve-se tranquila-
ção... mente e sem obstáculos dentro dos limites fixados pelo direito.
d) As redes sociais eram atividades de difícil implementação... Se lhes disséssemos que o direito é a luta, não nos compreende-
e) ... como se imitássemos o padrão de conforto... riam, pois só veem nele um estado de paz e de ordem.
(Rudolf von Ihering, A luta pelo direito)
40. (CIA DE SERVIÇOS DE URBANIZAÇÃO DE GUARAPUA-
VA-PR – AGENTE DE TRÂNSITO – CONSULPLAM – 2014) Quan- Assinale a alternativa em que uma das vírgulas foi empre-
to à função que desempenha na sintaxe da oração, o trecho em gada para sinalizar a omissão de um verbo, tal como ocorre na
destaque “Tenho uma dor que passa daqui pra lá e de lá pra cá” passagem – A espada sem a balança é a força bruta, a balança
corresponde a: sem a espada, a impotência do direito.

a) Oração subordinada adjetiva restritiva. a) O direito, no sentido objetivo, compreende os princípios


b) Oração subordinada adjetiva explicativa. jurídicos manipulados pelo Estado.
c) Adjunto adnominal. b) Todavia, não pretendo entrar em minúcias, pois nunca
d) Oração subordinada adverbial espacial. chegaria ao fim.
41. (ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CO- c) Do autor exige-se que prove, até o último centavo, o in-
teresse pecuniário.
MUNICAÇÃO SOCIAL – IDECAN – 2014) Acerca das relações sin-
d) É que, conforme já ressaltei várias vezes, a essência do
táticas que ocorrem no interior do período a seguir “Policiais de
direito está na ação.
Los Angeles tomam facas de criminosos, perseguem bêbados na
e) A cabeça de Jano tem face dupla: a uns volta uma das
estrada e terminam o dia na delegacia fazendo seu relatório.”, é
faces, aos demais, a outra.
correto afirmar que
43. TJ-BA – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRA-
a) “o dia” é sujeito do verbo “terminar”.
TIVA – MÉDIO – FGV – 2015
b) o sujeito do período, Policiais de Los Angeles, é composto.
c) “bêbados” e “criminosos” apresentam-se na função de su- Texto 2 - “A primeira missão tripulada ao espaço profun-
jeito. do desde o programa Apollo, da década 1970, com o objetivo
d) “facas” possui a mesma função sintática que “bêbados” e de enviar astronautas a Marte até 2030 está sendo preparada
“relatório”. pela Nasa (agência espacial norte-americana). O primeiro passo
e) “de criminosos”, “na estrada”, “na delegacia” são termos para a concretização desse desafio será dado nesta sexta-feira
que indicam circunstâncias que caracterizam a ação verbal. (5), com o lançamento da cápsula Orion, da base da agência em
Cabo Canaveral, na Flórida, nos Estados Unidos. O lançamento
42. (TJ-SP – ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – MÉDIO estava previsto originalmente para esta quinta-feira (4), mas de-
– VUNESP – 2015) Leia o texto, para responder às questões. vido a problemas técnicos foi reagendado para as 7h05 (10h05
O fim do direito é a paz, o meio de que se serve para conse- no horário de Brasília).”
gui-lo é a luta. Enquanto o direito estiver sujeito às ameaças da (Ciência, Internet Explorer).
injustiça – e isso perdurará enquanto o mundo for mundo –, ele
não poderá prescindir da luta. A vida do direito é a luta: luta dos “com o lançamento da cápsula Orion, da base da agência
povos, dos governos, das classes sociais, dos indivíduos. em Cabo Canaveral, na Flórida, nos Estados Unidos.” Os ter-
Todos os direitos da humanidade foram conquistados pela mos sublinhados se encarregam da localização do lançamento
luta; seus princípios mais importantes tiveram de enfrentar os da cápsula referida; o critério para essa localização também foi
ataques daqueles que a ele se opunham; todo e qualquer direito, seguido no seguinte caso: Os protestos contra as cotas raciais
seja o direito de um povo, seja o direito do indivíduo, só se afirma ocorreram:
por uma disposição ininterrupta para a luta. O direito não é uma
simples ideia, é uma força viva. Por isso a justiça sustenta numa a) em Brasília, Distrito Federal, na região Centro-Oeste;
das mãos a balança com que pesa o direito, enquanto na outra b) em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, região Sul;
segura a espada por meio da qual o defende. c) em Pedrinhas, São Luís, Maranhão;
A espada sem a balança é a força bruta, a balança sem a espa- d) em São Paulo, São Paulo, Brasil;
da, a impotência do direito. Uma completa a outra, e o verdadeiro e) em Goiânia, região Centro-Oeste, Brasil.
estado de direito só pode existir quando a justiça sabe brandir a
espada com a mesma habilidade com que manipula a balança.

39
LÍNGUA PORTUGUESA

44. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – 47. (SAAE-SP – FISCAL LEITURISTA – VUNESP – 2014)
ÁREA ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) Está plena-
mente adequada a pontuação do seguinte período:

a) A produção cinematográfica como é sabido, sempre be-


beu na fonte da literatura, mas o cinema declarou-se, indepen-
dente das outras artes há mais de meio século.
b) Sabe-se que, a produção cinematográfica sempre consi-
derou a literatura como fonte de inspiração, mas o cinema decla-
rou-se independente das outras artes, há mais de meio século.
c) Há mais de meio século, o cinema declarou-se indepen-
dente das outras artes, embora a produção cinematográfica te-
nha sempre considerado a literatura como fonte de inspiração.
d) O cinema declarou-se independente, das outras artes, há
mais de meio século; porém, sabe-se, que a produção cinemato-
gráfica sempre bebeu na fonte da literatura.
e) A literatura, sempre serviu de fonte inspiradora do ci-
nema, mas este, declarou-se independente das outras artes há
mais de meio século − como é sabido.

45. (CORREIOS – TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABA-


LHO JÚNIOR – MÉDIO – IADES – 2017 – ADAPTADA) Quanto
às regras de ortografia e de pontuação vigentes, considere o pe-
ríodo “Enquanto lia a carta, as lágrimas rolavam em seu rosto Segundo a norma-padrão da língua portuguesa, a pontua-
numa mistura de amor e saudade.” e assinale a alternativa cor- ção está correta em:
reta.
a) O uso da vírgula entre as orações é opcional. a) Hagar disse, que não iria.
b) A redação “Enquanto lia a carta, as lágrimas rolavam em b) Naquela noite os Stevensens prometeram servir, bifes e
seu rosto por que sentia um misto de amor e saudade.” poderia lagostas, aos vizinhos.
substituir a original. c) Chegou, o convite dos Stevensens, bife e lagostas: para
c) O uso do hífen seria obrigatório, caso o prefixo re fosse Hagar e Helga
acrescentado ao vocábulo “lia”.
d) Caso a ordem das orações fosse invertida, o uso da vírgu- d) “Eles são chatos e, nunca param de falar”, disse, Hagar
la entre elas poderia ser dispensado. à Helga.
e) Assim como o vocábulo “lágrimas”, devem ser acentua- e) Helga chegou com o recado: fomos convidados, pelos
dos graficamente rúbrica, filântropo e lúcida. Stevensens, para jantar bifes e lagostas.

46. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 48. (PREFEITURA DE PAULISTA-PE – RECEPCIONISTA –


2014) Verifique a pontuação nas frases abaixo e marque a as- UPENET–2014)SOBRE OS SINAIS DE PONTUAÇÃO,OBSERVE OS
sertiva correta: ITENS ABAIXO:

a) Céus: Que injustiça. I. “Calma, gente”.


b) O resultado do placar, não o abateu. II. “Que mundo é este que chorar não é “normal”?
c) O comércio estava fechado; porém, a farmácia estava em III. “Sustentabilidade, paradigma de vida”
pleno atendimento. IV. “Será que precisa de mais licitações? Haja licitações!”
d) Comam bastantes frutas crianças! V. “E, de repente, aquela rua se tornou um grande lago...”
e) Comprei abacate, e mamão maduro.
Sobre eles, assinale a alternativa CORRETA.

a) No item I, a vírgula isola um aposto.


b) No item II, a interrogação indica uma mensagem inter-
rompida.
c) No item III, a vírgula isola termos que explicam o seu an-
tecedente.
d) No item IV, os dois sinais de pontuação, a interrogação e
a exclamação, indicam surpresa.
e) No item V, as vírgulas poderiam ser substituídas, apenas,
por um ponto e vírgula após o termo “repente”.

40
LÍNGUA PORTUGUESA

49. (PREFEITURA DE PAULISTA-PE – RECEPCIONISTA – 52. (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL – MÉDICO DO TRA-
UPENET – 2014 – ADAPTADA) BALHO – CESPE – 2014 – ADAPTADA) A correção gramatical
“Já vi gente cansada de amor, de trabalho, de política, de do trecho “Entre as bebidas alcoólicas, cervejas e vinhos são as
ideais. Jamais conheci alguém sinceramente cansado de dinhei- mais comuns em todo o mundo” seria prejudicada, caso se inse-
ro.” risse uma vírgula logo após a palavra “vinhos”.
(Millôr Fernandes)
( ) CERTO ( ) ERRADO
Sobre as vírgulas existentes no texto, é CORRETO afirmar
que: 53. (PREFEITURA DE ARCOVERDE-PE – ADMINISTRA-
DOR DE RECURSOS HUMANOS – CONPASS – 2014) Leia o
a) são facultativas. texto a seguir:
b) isolam apostos. “Pagar por esse software não é um luxo, mas uma necessi-
c) separam elementos de mesma função sintática. dade”. O uso da vírgula justifica-se porque:
d) a terceira é facultativa.
e) separam orações coordenadas assindéticas. a) estabelece a relação entre uma coordenada assindética
e uma conclusiva.
50. (POLÍCIA MILITAR-SP – OFICIAL ADMINISTRATIVO – b) separar a oração coordenada “não é um luxo” da adver-
MÉDIO – VUNESP – 2014) A reescrita da frase – Como sempre, sativa “mas uma necessidade”, em que o verbo está subenten-
a resposta depende de como definimos os termos da pergunta. dido.
– está correta, quanto à pontuação, em: c) liga a oração principal “Pagar” à coordenada “não é um
luxo, mas uma necessidade”.
a) A resposta como sempre, depende de, como definimos d) indica que dois termos da mesma função estão ligados
os termos da pergunta. por uma conjunção aditiva.
b) A resposta, como sempre, depende de como definimos e) isola o aposto na segunda oração.
os termos da pergunta.
c) A resposta como, sempre, depende de como definimos os
54. (TJ-SP – ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – MÉDIO
termos da pergunta.
– VUNESP – 2017)
d) A resposta, como, sempre depende de como definimos
Há quatro anos, Chris Nagele fez o que muitos executivos
os termos da pergunta.
no setor de tecnologia já tinham feito – ele transferiu sua equipe
e) A resposta como sempre, depende de como, definimos
para um chamado escritório aberto, sem paredes e divisórias.
os termos da pergunta.
Os funcionários, até então, trabalhavam de casa, mas ele
queria que todos estivessem juntos, para se conectarem e cola-
51. (EMPLASA-SP – ANALISTA JURÍDICO – DIREITO –
VUNESP – 2014) Segundo a norma-padrão da língua portugue- borarem mais facilmente. Mas em pouco tempo ficou claro que
sa, a pontuação está correta em: Nagele tinha cometido um grande erro. Todos estavam distraí-
dos, a produtividade caiu, e os nove empregados estavam insa-
a) Como há suspeita, por parte da família de que João Gou- tisfeitos, sem falar do próprio chefe.
lart tenha sido assassinado; a Comissão da Verdade decidiu rea- Em abril de 2015, quase três anos após a mudança para o
brir a investigação de sua morte, em maio deste ano, a pedido escritório aberto, Nagele transferiu a empresa para um espaço
da viúva e dos filhos. de 900 m² onde hoje todos têm seu próprio espaço, com portas
b) Em maio deste ano, a Comissão da Verdade acatou o pe- e tudo.
dido da família do ex-presidente João Goulart e reabriu a inves- Inúmeras empresas adotaram o conceito de escritório aber-
tigação da morte deste, visto que, para a viúva e para os filhos, to – cerca de 70% dos escritórios nos Estados Unidos são assim
Jango pode ter sido assassinado. – e até onde se sabe poucos retornaram ao modelo de espaços
c) A investigação da morte de João Goulart, foi reaberta, em tradicionais com salas e portas.
maio deste ano pela Comissão da Verdade, para apuração da Pesquisas, contudo, mostram que podemos perder até 15%
causa da morte do ex-presidente uma vez que, para a família, da produtividade, desenvolver problemas graves de concentra-
Jango pode ter sido assassinado. ção e até ter o dobro de chances de ficar doentes em espaços
d) A Comissão da Verdade, a pedido da família de João Gou- de trabalho abertos – fatores que estão contribuindo para uma
lart, reabriu em maio deste ano a investigação de sua morte, reação contra esse tipo de organização.
porque, a hipótese de assassinato não é descartada, pela viúva Desde que se mudou para o formato tradicional, Nagele
e filhos. já ouviu colegas do setor de tecnologia dizerem sentir falta do
e) Como a viúva e os filhos do ex-presidente João Goulart, estilo de trabalho do escritório fechado. “Muita gente concor-
suspeitando que ele possa ter sido assassinado pediram a rea- da – simplesmente não aguentam o escritório aberto. Nunca se
bertura da investigação de sua morte, à Comissão da Verdade, consegue terminar as coisas e é preciso levar mais trabalho para
esta, atendeu o pedido em maio deste ano. casa”, diz ele.
É improvável que o conceito de escritório aberto caia em
desuso, mas algumas firmas estão seguindo o exemplo de Nage-
le e voltando aos espaços privados.

41
LÍNGUA PORTUGUESA

Há uma boa razão que explica por que todos adoram um 24 E


espaço com quatro paredes e uma porta: foco. A verdade é que
não conseguimos cumprir várias tarefas ao mesmo tempo, e pe- 25 C
quenas distrações podem desviar nosso foco por até 20 minutos. 26 C
Retemos mais informações quando nos sentamos em um
local fixo, afirma Sally Augustin, psicóloga ambiental e design de 27 E
interiores. 28 D
(Bryan Borzykowski, “Por que escritórios abertos podem
29 B
ser ruins para funcionários.” Disponível em:<www1.folha.uol.
com.br>. Acesso em: 04.04.2017. Adaptado) 30 A
31 E
Iniciando-se a frase – Retemos mais informações quando
nos sentamos em um local fixo... (último parágrafo) – com o ter- 32 D
mo Talvez, indicando condição, a sequência que apresenta cor- 33 E
relação dos verbos destacados de acordo com a norma-padrão
será: 34 C
35 E
a) reteríamos ... sentarmos
36 C
b) retínhamos ... sentássemos
c) reteremos ... sentávamos 37 A
d) retivemos ... sentaríamos 38 D
e) retivéssemos ... sentássemos
39 A
40 A
RESPOSTAS
41 D
42 E
1 C
43 A
2 A
44 C
3 D
45 D
4 A
46 C
5 C
47 E
6 A
48 C
7 C
49 C
8 D
50 B
9 D
51 B
10 C
52 CERTO
11 B
53 C
12 C
54 E
13 D
14 E
15 A
16 B
17 A
18 CERTO
19 D
20 C
21 A
22 E
23 E

42
RACIOCÍNIO LÓGICO

Estruturas Lógicas, Lógicas De Argumentação, Diagramas Lógicos, Sequências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


RACIOCÍNIO LÓGICO

Exemplo:
ESTRUTURAS LÓGICAS, LÓGICAS DE ARGUMENTA- Proposições simples:
ÇÃO, DIAGRAMAS LÓGICOS, SEQUÊNCIAS. p: Meu nome é Raissa
q: São Paulo é a maior cidade brasileira
ESTRUTURAS LÓGICAS r: 2+2=5
s: O número 9 é ímpar
1. Proposição t: O número 13 é primo
Proposição ou sentença é um termo utilizado para exprimir
ideias, através de um conjunto de palavras ou símbolos. Este Proposições compostas
conjunto descreve o conteúdo dessa ideia. P: O número 12 é divisível por 3 e 6 é o dobro de 12.
São exemplos de proposições: Q: A raiz quadrada de 9 é 3 e 24 é múltiplo de 3.
p: Pedro é médico. R(s, t): O número 9 é ímpar e o número 13 é primo.
q: 5 > 8
r: Luíza foi ao cinema ontem à noite. 6. Tabela-Verdade
A tabela-verdade é usada para determinar o valor lógico de
2. Princípios fundamentais da lógica uma proposição composta, sendo que os valores das proposi-
Princípio da Identidade: A é A. Uma coisa é o que é. O que ções simples já são conhecidos. Pois o valor lógico da proposição
é, é; e o que não é, não é. Esta formulação remonta a Parméni- composta depende do valor lógico da proposição simples.
des de Eleia. A seguir vamos compreender como se constrói essas tabe-
Principio da não contradição: Uma proposição não pode las-verdade partindo da árvore das possibilidades dos valores
ser verdadeira e falsa, ao mesmo tempo. lógicos das preposições simples, e mais adiante veremos como
Principio do terceiro excluído: Uma alternativa só pode ser determinar o valor lógico de uma proposição composta.
verdadeira ou falsa.
Proposição composta do tipo P(p, q)
3. Valor lógico
Considerando os princípios citados acima, uma proposição
é classificada como verdadeira ou falsa.
Sendo assim o valor lógico será:
- a verdade(V), quando se trata de uma proposição verda-
deira.
- a falsidade(F), quando se trata de uma proposição falsa.

4. Conectivos lógicos
Conectivos lógicos são palavras usadas para conectar as
proposições formando novas sentenças. Proposição composta do tipo P(p, q, r)
Os principais conectivos lógicos são:

~ não
∧ e
V Ou
→ se…então
↔ se e somente se Proposição composta do tipo P(p, q, r, s)
A tabela-verdade possui 24= 16 linhas e é formada igual-
5. Proposições simples e compostas mente as anteriores.
As proposições simples são assim caracterizadas por apre-
sentarem apenas uma ideia. São indicadas pelas letras minúscu-
las: p, q, r, s, t... Proposição composta do tipo P(p1, p2, p3,..., pn)
As proposições compostas são assim caracterizadas por
apresentarem mais de uma proposição conectadas pelos conec- A tabela-verdade possui 2nlinhas e é formada igualmente
tivos lógicos. São indicadas pelas letras maiúsculas: P, Q, R, S, T... as anteriores.
Obs: A notação Q(r, s, t), por exemplo, está indicando que
a proposição composta Q é formada pelas proposições simples 7. O conectivo não é a negação
r, s e t. O conectivo não é a negação de uma proposição p é outra
proposição que tem como valor lógico V se p for falsa e F se p é
verdadeira. O símbolo~p(não p)representa a negação de p com
a seguinte tabela-verdade:

1
RACIOCÍNIO LÓGICO

P ~P P q pVq
V F V V V
F V V F V
F V V
Exemplo:
F F F
p = 7 é ímpar
~p = 7 não é ímpar Exemplo:

p = 2 é par
P ~P q = o céu é rosa
V F pνq = 2 é par ou o céu é rosa

q = 24 é múltiplo de 5 P q pVq
~q = 24 não é múltiplo de 5
V F V
q ~q 10. O conectivos e… então…e a condicional
F V A condicional se p então q é outra proposição que tem
como valor lógico F se p é verdadeira e q é falsa. O símbolo p→q
8. O conectivo e a conjunção representa a condicional, com a seguinte tabela-verdade:
O conectivo e e a conjunção de duas proposições p e q é
outra proposição que tem como valor lógico V se p e q forem P q p→q
verdadeiras, e F em outros casos. O símbolo p Λ q(p e q) repre-
senta a conjunção, com a seguinte tabela-verdade: V V V
V F F
P q pΛq F V V
V V V F F V
V F F
Exemplo:
F V F P: 7 + 2 = 9
F F F Q: 9 – 7 = 2
p→ q: Se7 + 2 = 9então9 – 7 = 2
Exemplo
P q p→q
p = 2 é par
q = o céu é rosa V V V
p Λ q = 2 é par e o céu é rosa
p=7+5<4
q = 2 é um número primo
P q pΛq p→ q: Se7 + 5 < 4 então 2 é um número primo.
V F F
P q p→q
p=9<6
q = 3 é par F V V
pΛq: 9 < 6e3 é par
p = 24 é múltiplo de 3q = 3 é par
p→ q: Se 24 é múltiplo de 3 então 3 é par.
P q pΛq
F F F P q p→q
9. O conectivo ou e a disjunção V F F
O conectivo ou e a disjunção de duas proposições p e q é
outra proposição que tem como valor lógico V se alguma das p = 25 é múltiplo de 2
proposições for verdadeira e F se as duas forem falsas. O símbo- q = 12 < 3
lo p ∨ q (p ou q) representa a disjunção, com a seguinte tabe- p→ q: Se 25 é múltiplo de 2 então 2 < 3.
la-verdade:

2
RACIOCÍNIO LÓGICO

P q p→q
F F V

11. O conectivo se e somente se e a bicondicional


A bicondicional p se e somente se q é outra proposição que tem como valor lógico V se p e q forem ambas verdadeiras ou ambas
falsas, e F nos outros casos.
O símbolo representa a bicondicional, com a seguinte tabela-verdade:

P q p↔q
V V V
V F F
F V F
F F V
Exemplo
p = 24 é múltiplo de 3
q = 6 é ímpar
= 24 é múltiplo de 3 se, e somente se,6 é ímpar.

P q p↔q
V F F

12. Tabela-Verdade de uma proposição composta

Exemplo
Veja como se procede a construção de uma tabela-verdade da proposição composta P(p, q) = ((p ⋁ q)→ (~p))→ (p ⋀ q), onde p e
q são duas proposições simples.
Resolução
Uma tabela-verdade de uma proposição do tipo P(p, q) possui 24= 4 linhas, logo:

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V
V F
F V
F F

Agora veja passo a passo a determinação dos valores lógicos de P.


a)Valores lógicos de p ν q

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V
V F V
F V V
F F F

b)Valores lógicos de~P

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F
V F V F
F V V V
F F F V

3
RACIOCÍNIO LÓGICO

c)Valores lógicos de (p V p)→(~p)

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F F
V F V F F
F V V V V
F F F V V

d) Valores lógicos de p Λ q

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F F V
V F V F F F
F V V V V F
F F F V V F

e) Valores lógicos de ((p V p)→(~p))→(p Λ q)

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F F V V
V F V F F F V
F V V V V F F
F F F V V F F

13. Tautologia
Uma proposição composta formada por duas ou mais proposições p, q, r, ... será dita uma Tautologia se ela for sempre verdadei-
ra, independentemente dos valores lógicos das proposições p, q, r, ... que a compõem.

Exemplos:
• Gabriela passou no concurso do INSS ou Gabriela não passou no concurso do INSS
• Não é verdade que o professor Zambeli parece com o Zé gotinha ou o professor Zambeli parece com o Zé gotinha.
Ao invés de duas proposições, nos exemplos temos uma única proposição, afirmativa e negativa. Vamos entender isso melhor.
Exemplo:
Grêmio cai para segunda divisão ou o Grêmio não cai para segunda divisão

Vamos chamar a primeira proposição de “p” a segunda de “~p” e o conetivo de “V”


Assim podemos representar a “frase” acima da seguinte forma: p V ~p

Exemplo
A proposição p ∨ (~p)é uma tautologia, pois o seu valor lógico é sempre V, conforme a tabela-verdade.

p ~P pVq
V F V
F V V

4
RACIOCÍNIO LÓGICO

Exemplo Diferenciação dos símbolos→e⇒


A proposição(p Λ q)→(pq)é uma tautologia, pois a última O símbolo→representa uma operação matemática entre as
coluna da tabela-verdade só possui V. proposições P e Q que tem como resultado a proposição P→Q,
com valor lógico V ou F.
p q pΛq p↔q (p Λ q)→(p↔q) O símbolo⇒representa a não ocorrência de V F na tabela-
-verdade de P→Q, ou ainda que o valor lógico da condicional
V V V V V P→Q será sempre V, ou então que P→Q é uma tautologia.
V F F F V
F V F F V Exemplo
A tabela-verdade da condicional (p Λ q)→ (p ↔ q) será:
F F F V V

14. Contradição p q pΛq P↔Q (p Λ q)→(P↔Q)


Uma proposição composta formada por duas ou mais pro-
V V V V V
posições p, q, r, ... será dita uma contradição se ela for sempre
falsa, independentemente dos valores lógicos das proposições V F F F V
p, q, r, ... que a compõem
Exemplos: F V F F V
• O Zorra total é uma porcaria e Zorra total não é uma por- F F F V V
caria
• Suelen mora em Petrópolis e Suelen não mora em Petró- Portanto,(p Λ q)→(p↔q)é uma tautologia, por isso(p Λ
polis q)⇒ (p↔q)
Ao invés de duas proposições, nos exemplos temos uma 17. Equivalência lógica
única proposição, afirmativa e negativa. Vamos entender isso
melhor. Definição
Exemplo: Há equivalência entre as proposições P e Q somente quan-
Lula é o presidente do Brasil e Lula não é o presidente do do a bicondicional P↔Q for uma tautologia ou quando P e Q
Brasil tiverem a mesma tabela-verdade. P ⇔ Q(P é equivalente a Q) é
Vamos chamar a primeira proposição de “p” a segunda de o símbolo que representa a equivalência lógica.
“~p” e o conetivo de “^”
Assim podemos representar a “frase” acima da seguinte Diferenciação dos símbolos↔e ⇔
forma: p ^ ~p O símbolo↔representa uma operação entre as proposi-
ções P e Q, que tem como resultado uma nova proposição P↔Q
Exemplo com valor lógico V ou F.
A proposição(p Λ q) Λ (p Λ q)é uma contradição, pois o seu O símbolo⇔representa a não ocorrência de V F e de F V na
valor lógico é sempre F conforme a tabela-verdade. Que significa tabela-verdade P↔Q, ou ainda que o valor lógico de P↔Q é
que uma proposição não pode ser falsa e verdadeira ao mesmo sempre V, ou então P↔Q é uma tautologia.
tempo, isto é, o princípio da não contradição.
Exemplo
p ~P q Λ (~q) A tabela da bicondicional (p → q) ↔ (~q → ~p) será:
V F F
F V F p q ~q ~p p→q ~q→~p (p→q)↔(~q→~p)
V V F F V V V
15. Contingência V F V F F F V
Quando uma proposição não é tautológica nem contra váli-
da, a chamamos de contingência ou proposição contingente ou F V F V V V V
proposição indeterminada. F F V V V V V
A contingência ocorre quando há tanto valores V como F na
última coluna da tabela-verdade de uma proposição. Exemplos: Portanto,p→q é equivalente a~q→~p, pois estas proposi-
P∧Q,P∨Q,P→Q... ções possuem a mesma tabela-verdade ou a bicondicional (p →
q) ↔ (~q → ~p) é uma tautologia.
16. Implicação lógica Veja a representação:
(p→q) ⇔ (~q→~p)
Definição
A proposição P implica a proposição Q, quando a condicio-
nal P→Q for uma tautologia.
O símbolo P ⇒ Q(P implica Q) representa a implicação ló-
gica.

5
RACIOCÍNIO LÓGICO

EQUIVALÊNCIAS LOGICAS NOTÁVEIS 2) Se p então q = Não p ou q.


Ex: Se estudo então passo no concurso = Não estudo ou pas-
Dizemos que duas proposições são logicamente equivalen- so no concurso
tes (ou simplesmente equivalentes) quando os resultados de Colocando estes resultados em uma tabela, para ajudar a
suas tabelas-verdade são idênticos. memorização, teremos:
Uma consequência prática da equivalência lógica é que ao
trocar uma dada proposição por qualquer outra que lhe seja
equivalente, estamos apenas mudando a maneira de dizê-la.
A equivalência lógica entre duas proposições, p e q, pode
ser representada simbolicamente como: pq, ou simplesmente
por p = q.
Começaremos com a descrição de algumas equivalências
lógicas básicas. Equivalências com o Símbolo da Negação
Este tipo de equivalência já foi estudado. Trata-se, tão so-
Equivalências Básicas mente, das negações das proposições compostas! Lembremos:

1. p e p = p
Ex: André é inocente e inocente = André é inocente

2. p ou p = p
Ex: Ana foi ao cinema ou ao cinema = Ana foi ao cinema

3. p e q = q e p
Ex: O cavalo é forte e veloz = O cavalo é veloz e forte
4. p ou q = q ou p
Ex: O carro é branco ou azul = O carro é azul ou branco
É possível que surja alguma dúvida em relação a última
5. p ↔ q = q ↔ p linha da tabela acima. Porém, basta lembrarmos do que foi
Ex: Amo se e somente se vivo = Vivo se e somente se amo. aprendido:
p↔q = (pq) e (qp)
6. p ↔ q = (pq) e (qp)
Ex: Amo se e somente se vivo = Se amo então vivo, e se vivo (Obs: a BICONDICIONAL tem esse nome: porque equivale a
então amo duas condicionais!)
Para facilitar a memorização, veja a tabela abaixo: Para negar a bicondicional, teremos na verdade que negar a
sua conjunção equivalente.
E para negar uma conjunção, já sabemos, nega-se as duas
partes e troca-se o E por OU. Fica para casa a demonstração da
negação da bicondicional. Ok?

Outras equivalências
Algumas outras equivalências que podem ser relevantes
são as seguintes:

1) p e (p ou q) = p
Ex: Paulo é dentista, e Paulo é dentista ou Pedro é médico
= Paulo é dentista

2) p ou (p e q) = p
Equivalências da Condicional Ex: Paulo é dentista, ou Paulo é dentista e Pedro é médico
= Paulo é dentista
As duas equivalências que se seguem são de fundamental
importância. Estas equivalências podem ser verificadas, ou seja, Por meio das tabelas-verdade estas equivalências podem
demonstradas, por meio da comparação entre as tabelas-verda- ser facilmente demonstradas.
de. Fica como exercício para casa estas demonstrações. As equi- Para auxiliar nossa memorização, criaremos a tabela seguinte:
valências da condicional são as seguintes:

1) Se p então q = Se não q então não p.


Ex: Se chove então me molho = Se não me molho então não
chove

6
RACIOCÍNIO LÓGICO

NEGAÇÃO DE PROPOSIÇÕES COMPOSTAS


INFERÊNCIAS

A indução está relacionada a diversos casos pequenos que


chegam a uma conclusão geral. Nesse sentido podemos definir
também a indução fraca e a indução forte. Essa indução forte
ocorre quando não existe grandes chances de que um caso dis-
corde da premissa geral. Já a fraca refere-se a falta de sustenta-
bilidade de um conceito ou conclusão.

LÓGICA DE ARGUMENTAÇÃO DEDUÇÕES

ARGUMENTO ARGUMENTOS DEDUTIVOS E INDUTIVOS


Os argumentos podem ser classificados em dois tipos: De-
Argumento é uma relação que associa um conjunto de pro- dutivos e Indutivos.
posições (p1, p2, p3,... pn), chamadas premissas ou hipóteses, e
uma proposição C chamada conclusão. Esta relação é tal que a 1) O argumento será DEDUTIVO quando suas premissas for-
estrutura lógica das premissas acarretam ou tem como consequ- necerem informações suficientes para comprovar a veracidade
ência a proposição C (conclusão). da conclusão, isto é, o argumento é dedutivo quando a conclu-
O argumento pode ser representado da seguinte forma: são é completamente derivada das premissas.

EXEMPLO:
Todo ser humano têm mãe.
Todos os homens são humanos.
Todos os homens têm mãe.

2) O argumento será INDUTIVO quando suas premissas não


fornecerem o “apoio completo” para ratificar as conclusões.
Portanto, nos argumentos indutivos, a conclusão possui infor-
mações que ultrapassam as fornecidas nas premissas. Sendo as-
sim, não se aplica, então, a definição de argumentos válidos ou
não válidos para argumentos indutivos.
EXEMPLO:
O Flamengo é um bom time de futebol.
O Palmeiras é um bom time de futebol.
O Vasco é um bom time de futebol.
O Cruzeiro é um bom time de futebol.
EXEMPLOS: Todos os times brasileiros de futebol são bons.
1. Todos os cariocas são alegres. Note que não podemos afirmar que todos os times brasilei-
Todas as pessoas alegres vão à praia ros são bons sabendo apenas que 4 deles são bons.
Todos os cariocas vão à praia.
2. Todos os cientistas são loucos. Exemplo: (FCC)Considere que as seguintes afirmações são
Einstein é cientista. verdadeiras:
Einstein é louco! “Toda criança gosta de passear no Metrô de São Paulo.”
“Existem crianças que são inteligentes.”
Nestes exemplos temos o famoso silogismo categórico de Assim sendo, certamente é verdade que:
forma típica ou simplesmente silogismo. Os silogismos são os ar- (A) Alguma criança inteligente não gosta de passear no
gumentos que têm somente duas premissas e mais a conclusão, Metrô de São Paulo.
e utilizam os termos: todo,nenhum e algum, em sua estrutura. (B) Alguma criança que gosta de passear no Metrô de São
Paulo é inteligente.
ANALOGIAS (C) Alguma criança não inteligente não gosta de passear
no Metrô de São Paulo.
A analogia é uma das melhores formas para utilizar o racio- (D) Toda criança que gosta de passear no Metrô de São
cínio. Nesse tipo de raciocínio usa-se a comparação de uma situ- Paulo é inteligente.
ação conhecida com uma desconhecida. Uma analogia depende (E) Toda criança inteligente não gosta de passear no Me-
de três situações: trô de São Paulo.
•os fundamentos precisam ser verdadeiros e importantes;
•a quantidade de elementos parecidos entre as situações SOLUÇÃO:
deve ser significativo; Representando as proposições na forma de conjuntos (dia-
•não pode existir conflitos marcantes. gramas lógicos – ver artigo sobre diagramas lógicos) teremos:

7
RACIOCÍNIO LÓGICO

“Toda criança gosta de passear no Metrô de São Paulo.”


“Existem crianças que são inteligentes.”

Com isso, qualquer mulher que esteja no conjunto das de-


Pelo gráfico, observamos claramente que se todas as crian- sempregadas (ver boneco), automaticamente estará no conjun-
ças gostam de passear no metrô e existem crianças inteligentes, to das mulheres que vivem pouco. Portanto, se a conclusão for
então alguma criança que gosta de passear no Metrô de São a proposição “Mulheres desempregadas vivem pouco”, tem-se
Paulo é inteligente. Logo, a alternativa correta é a opção B. um argumento correto (correto = válido!).

CONCLUSÕES Argumento Inválido


Dizemos que um argumento é inválido, quando a verdade
VALIDADE DE UM ARGUMENTO das premissas não é suficiente para garantir a verdade da con-
Uma proposição é verdadeira ou falsa. No caso de um argu- clusão, ou seja, quando a conclusão não é uma consequência
mento dedutivo diremos que ele é válido ou inválido. Atente-se obrigatória das premissas.
para o fato que todos os argumentos indutivos são inválidos,
portanto não há de se falar em validade de argumentos indu- Exemplo:(CESPE)É válido o seguinte argumento: Se Ana co-
tivos. meteu um crime perfeito, então Ana não é suspeita, mas (e) Ana
A validade é uma propriedade dos argumentos que depen- não cometeu um crime perfeito, então Ana é suspeita.
de apenas da forma (estrutura lógica) das suas proposições (pre-
missas e conclusões) e não do seu conteúdo. SOLUÇÃO:
Representando as premissas do enunciado na forma de dia-
Argumento Válido gramas lógicos (ver artigo sobre diagramas lógicos), obteremos:
Um argumento será válido quando a sua conclusão é uma Premissas:
consequência obrigatória de suas premissas. Em outras pala- “Se Ana cometeu um crime perfeito, então Ana não é sus-
vras, podemos dizer que quando um argumento é válido, a ver- peita” = “Toda pessoa que comete um crime perfeito não é sus-
dade de suas premissas deve garantir a verdade da conclusão do peita”.
argumento. Isso significa que, se o argumento é válido, jamais “Ana não cometeu um crime perfeito”.
poderemos chegar a uma conclusão falsa quando as premissas Conclusão:
forem verdadeiras. “Ana é suspeita”. (Não se “desenha” a conclusão, apenas as
premissas!)
Exemplo: (CESPE)Suponha um argumento no qual as pre-
missas sejam as proposições I e II abaixo.
I - Se uma mulher está desempregada, então, ela é infeliz.
II - Se uma mulher é infeliz, então, ela vive pouco.
Nesse caso, se a conclusão for a proposição “Mulheres de-
sempregadas vivem pouco”, tem-se um argumento correto.

SOLUÇÃO:
Se representarmos na forma de diagramas lógicos (ver arti-
go sobre diagramas lógicos), para facilitar a resolução, teremos:
I - Se uma mulher está desempregada, então, ela é infeliz. =
Toda mulher desempregada é infeliz.
II - Se uma mulher é infeliz, então, ela vive pouco. = Toda
mulher infeliz vive pouco.
O fato do enunciado ter falado apenas que “Ana não come-
teu um crime perfeito”, não nos diz se ela é suspeita ou não. Por
isso temos duas possibilidades (ver bonecos). Logo, a questão
está errada, pois não podemos afirmar, com certeza, que Ana é
suspeita. Logo, o argumento é inválido.

8
RACIOCÍNIO LÓGICO

DIAGRAMAS LÓGICO Jornais Leitores


Os diagramas lógicos são usados na resolução de vários pro- A 300
blemas. Uma situação que esses diagramas poderão ser usados, B 250
é na determinação da quantidade de elementos que apresen-
C 200
tam uma determinada característica.
AeB 70
AeC 65
BeC 105
A, B e C 40
Nenhum 150

Para termos os valores reais da pesquisa, vamos inicialmen-


te montar os diagramas que representam cada conjunto. A colo-
cação dos valores começará pela intersecção dos três conjuntos
e depois para as intersecções duas a duas e por último às regiões
Assim, se num grupo de pessoas há 43 que dirigem carro, 18 que representam cada conjunto individualmente. Representare-
que dirigem moto e 10 que dirigem carro e moto. Baseando-se mos esses conjuntos dentro de um retângulo que indicará o con-
nesses dados, e nos diagramas lógicos poderemos saber: Quan- junto universo da pesquisa.
tas pessoas têm no grupo ou quantas dirigem somente carro
ou ainda quantas dirigem somente motos. Vamos inicialmente
montar os diagramas dos conjuntos que representam os moto-
ristas de motos e motoristas de carros. Começaremos marcando
quantos elementos tem a intersecção e depois completaremos
os outros espaços.

Fora dos diagramas teremos 150 elementos que não são lei-
tores de nenhum dos três jornais.
Na região I, teremos: 70 - 40 = 30 elementos.
Marcando o valor da intersecção, então iremos subtraindo Na região II, teremos: 65 - 40 = 25 elementos.
esse valor da quantidade de elementos dos conjuntos A e B. A Na região III, teremos: 105 - 40 = 65 elementos.
partir dos valores reais, é que poderemos responder as pergun- Na região IV, teremos: 300 - 40 - 30 - 25 = 205 elementos.
tas feitas. Na região V, teremos: 250 - 40 -30 - 65 = 115 elementos.
Na região VI, teremos: 200 - 40 - 25 - 65 = 70 elementos.
Dessa forma, o diagrama figura preenchido com os seguin-
tes elementos:

a) Temos no grupo: 8 + 10 + 33 = 51 motoristas.


b) Dirigem somente carros 33 motoristas. Com essa distribuição, poderemos notar que 205 pessoas
c) Dirigem somente motos 8 motoristas. leem apenas o jornal A. Verificamos que 500 pessoas não leem
No caso de uma pesquisa de opinião sobre a preferência o jornal C, pois é a soma 205 + 30 + 115 + 150. Notamos ainda
quanto à leitura de três jornais. A, B e C, foi apresentada a se- que 700 pessoas foram entrevistadas, que é a soma 205 + 30 +
guinte tabela: 25 + 40 + 115 + 65 + 70 + 150.

9
RACIOCÍNIO LÓGICO

Diagrama de Euler Diagramas de Venn

Um diagrama de Euler é similar a um diagrama de Venn, Designa-se por diagramas de Venn os diagramas usados
mas não precisa conter todas as zonas (onde uma zona é defi- em matemática para simbolizar graficamente propriedades,
nida como a área de intersecção entre dois ou mais contornos). axiomas e problemas relativos aos conjuntos e sua teoria. Os
Assim, um diagrama de Euler pode definir um universo de dis- respectivos diagramas consistem de curvas fechadas simples
curso, isto é, ele pode definir um sistema no qual certas inter- desenhadas sobre um plano, de forma a simbolizar os conjuntos
secções não são possíveis ou consideradas. Assim, um diagrama e permitir a representação das relações de pertença entre con-
de Venn contendo os atributos para Animal, Mineral e quatro juntos e seus elementos (por exemplo, 4 ∉ {3,4,5}, mas 4 ∉
patas teria que conter intersecções onde alguns estão em am- {1,2,3,12}) e relações de continência (inclusão) entre os conjun-
bos animal, mineral e de quatro patas. Um diagrama de Venn, tos (por exemplo, {1, 3} ⊂ {1, 2, 3, 4}).
consequentemente, mostra todas as possíveis combinações ou Assim, duas curvas que não se tocam e estão uma no es-
conjunções. paço interno da outra simbolizam conjuntos que possuem con-
tinência; ao passo que o ponto interno a uma curva representa
um elemento pertencente ao conjunto.
Os diagramas de Venn são construídos com coleções de
curvas fechadas contidas em um plano. O interior dessas curvas
representa, simbolicamente, a coleção de elementos do con-
junto. De acordo com Clarence Irving Lewis, o “princípio desses
diagramas é que classes (ou conjuntos) sejam representadas por
regiões, com tal relação entre si que todas as relações lógicas
possíveis entre as classes possam ser indicadas no mesmo dia-
grama. Isto é, o diagrama deixa espaço para qualquer relação
possível entre as classes, e a relação dada ou existente pode
Diagramas de Euler consistem em curvas simples fechadas
então ser definida indicando se alguma região em específico é
(geralmente círculos) no plano que mostra os conjuntos. Os ta-
vazia ou não-vazia”. Pode-se escrever uma definição mais formal
manhos e formas das curvas não são importantes: a significância
do seguinte modo: Seja C = (C1, C2, ... Cn) uma coleção de curvas
do diagrama está na forma como eles se sobrepõem. As relações
fechadas simples desenhadas em um plano. C é uma família in-
espaciais entre as regiões delimitadas por cada curva (sobrepo-
dependente se a região formada por cada uma das interseções
sição, contenção ou nenhuma) correspondem relações teóricas
X1X2...Xn, onde cada Xi é o interior ou o exterior de Ci, é não-vazia,
(subconjunto interseção e disjunção). Cada curva de Euler divide
em outras palavras, se todas as curvas se intersectam de todas
o plano em duas regiões ou zonas estão: o interior, que repre-
senta simbolicamente os elementos do conjunto, e o exterior, o as maneiras possíveis. Se, além disso, cada uma dessas regiões
que representa todos os elementos que não são membros do é conexa e há apenas um número finito de pontos de interseção
conjunto. Curvas cujos interiores não se cruzam representam entre as curvas, então C é um diagrama de Venn para n conjun-
conjuntos disjuntos. Duas curvas cujos interiores se intercep- tos.
tam representam conjuntos que têm elementos comuns, a zona Nos casos mais simples, os diagramas são representados
dentro de ambas as curvas representa o conjunto de elementos por círculos que se encobrem parcialmente. As partes referidas
comuns a ambos os conjuntos (intersecção dos conjuntos). Uma em um enunciado específico são marcadas com uma cor dife-
curva que está contido completamente dentro da zona interior rente. Eventualmente, os círculos são representados como com-
de outro representa um subconjunto do mesmo. pletamente inseridos dentro de um retângulo, que representa
Os Diagramas de Venn são uma forma mais restritiva de o conjunto universo daquele particular contexto (já se buscou
diagramas de Euler. Um diagrama de Venn deve conter todas a existência de um conjunto universo que pudesse abranger to-
as possíveis zonas de sobreposição entre as suas curvas, repre- dos os conjuntos possíveis, mas Bertrand Russell mostrou que
sentando todas as combinações de inclusão / exclusão de seus tal tarefa era impossível). A ideia de conjunto universo é nor-
conjuntos constituintes, mas em um diagrama de Euler algumas malmente atribuída a Lewis Carroll. Do mesmo modo, espaços
zonas podem estar faltando. Essa falta foi o que motivou Venn a internos comuns a dois ou mais conjuntos representam a sua in-
desenvolver seus diagramas. Existia a necessidade de criar dia- tersecção, ao passo que a totalidade dos espaços pertencentes
gramas em que pudessem ser observadas, por meio de suposi- a um ou outro conjunto indistintamente representa sua união.
ção, quaisquer relações entre as zonas não apenas as que são John Venn desenvolveu os diagramas no século XIX, am-
“verdadeiras”. pliando e formalizando desenvolvimentos anteriores de Leib-
Os diagramas de Euler (em conjunto com os de Venn) são niz e Euler. E, na década de 1960, eles foram incorporados ao
largamente utilizados para ensinar a teoria dos conjuntos no currículo escolar de matemática. Embora seja simples construir
campo da matemática ou lógica matemática no campo da lógica. diagramas de Venn para dois ou três conjuntos, surgem difi-
Eles também podem ser utilizados para representar relaciona- culdades quando se tenta usá-los para um número maior. Al-
mentos complexos com mais clareza, já que representa apenas gumas construções possíveis são devidas ao próprio John Venn
as relações válidas. Em estudos mais aplicados esses diagramas e a outros matemáticos como Anthony W. F. Edwards, Branko
podem ser utilizados para provar / analisar silogismos que são Grünbaum e Phillip Smith. Além disso, encontram-se em uso ou-
argumentos lógicos para que se possa deduzir uma conclusão. tros diagramas similares aos de Venn, entre os quais os de Euler,
Johnston, Pierce e Karnaugh.

10
RACIOCÍNIO LÓGICO

Dois Conjuntos: considere-se o seguinte exemplo: suponha- Diferença de A para B: A\B


-se que o conjunto A representa os animais bípedes e o conjunto
B representa os animais capazes de voar. A área onde os dois
círculos se sobrepõem, designada por intersecção A e B ou in-
tersecção A-B, conteria todas as criaturas que ao mesmo tempo
podem voar e têm apenas duas pernas motoras.

Diferença de B para A: B\A

Considere-se agora que cada espécie viva está representada


por um ponto situado em alguma parte do diagrama. Os huma-
nos e os pinguins seriam marcados dentro do círculo A, na parte Intersecção de dois conjuntos: AB
dele que não se sobrepõe com o círculo B, já que ambos são
bípedes mas não podem voar. Os mosquitos, que voam mas têm
seis pernas, seriam representados dentro do círculo B e fora da
sobreposição. Os canários, por sua vez, seriam representados
na intersecção A-B, já que são bípedes e podem voar. Qualquer
animal que não fosse bípede nem pudesse voar, como baleias
ou serpentes, seria marcado por pontos fora dos dois círculos.
Assim, o diagrama de dois conjuntos representa quatro áre-
Complementar de dois conjuntos: U \ (AB)
as distintas (a que fica fora de ambos os círculos, a parte de cada
círculo que pertence a ambos os círculos (onde há sobreposi-
Além disso, essas quatro áreas podem ser combinadas de
ção), e as duas áreas que não se sobrepõem, mas estão em um
16 formas diferentes. Por exemplo, pode-se perguntar sobre os
círculo ou no outro):
animais que voam ou tem duas patas (pelo menos uma das ca-
- Animais que possuem duas pernas e não voam (A sem so-
racterísticas); tal conjunto seria representado pela união de A e
breposição). B. Já os animais que voam e não possuem duas patas mais os
- Animais que voam e não possuem duas pernas (B sem so- que não voam e possuem duas patas, seriam representados pela
breposição). diferença simétrica entre A e B. Estes exemplos são mostrados
- Animais que possuem duas pernas e voam (sobreposição). nas imagens a seguir, que incluem também outros dois casos.
- Animais que não possuem duas pernas e não voam (bran-
co - fora).
Essas configurações são representadas, respectivamente,
pelas operações de conjuntos: diferença de A para B, diferença
de B para A, intersecção entre A e B, e conjunto complementar
de A e B. Cada uma delas pode ser representada como as seguin-
tes áreas (mais escuras) no diagrama:

União de dois conjuntos: A B

11
RACIOCÍNIO LÓGICO

Diferença Simétrica de dois conjuntos: A B União de três conjuntos: A B C

Complementar de A em U: AC = U \ A

Intersecção de três conjuntos: A B C

Complementar de B em U: BC = U \ B

Três Conjuntos: Na sua apresentação inicial, Venn focou-se


sobretudo nos diagramas de três conjuntos. Alargando o exem-
plo anterior, poderia-se introduzir o conjunto C dos animais que A \ (B C)
possuem bico. Neste caso, o diagrama define sete áreas distin-
tas, que podem combinar-se de 256 (28) maneiras diferentes,
algumas delas ilustradas nas imagens seguintes.

(B C) \ A

Proposições Categóricas
Diagrama de Venn mostrando todas as intersecções possí- - Todo A é B
veis entre A, B e C. - Nenhum A é B
- Algum A é B e
- Algum A não é B

Proposições do tipo Todo A é B afirmam que o conjunto A


é um subconjunto do conjunto B. Ou seja: A está contido em B.
Atenção: dizer que Todo A é B não significa o mesmo que Todo B
é A. Enunciados da forma Nenhum A é B afirmam que os conjun-
tos A e B são disjuntos, isto é, não tem elementos em comum.
Atenção: dizer que Nenhum A é B é logicamente equivalente a
dizer que Nenhum B é A.
Por convenção universal em Lógica, proposições da forma
Algum A é B estabelecem que o conjunto A tem pelo menos um
elemento em comum com o conjunto B. Contudo, quando dize-
mos que Algum A é B, pressupomos que nem todo A é B. Entre-
tanto, no sentido lógico de algum, está perfeitamente correto
afirmar que “alguns de meus colegas estão me elogiando”, mes-
mo que todos eles estejam. Dizer que Algum A é B é logicamen-
te equivalente a dizer que Algum B é A. Também, as seguintes
expressões são equivalentes: Algum A é B = Pelo menos um A é
B = Existe um A que é B.

12
RACIOCÍNIO LÓGICO

Proposições da forma Algum A não é B estabelecem que o


conjunto A tem pelo menos um elemento que não pertence ao
conjunto B. Temos as seguintes equivalências: Algum A não é B
= Algum A é não B = Algum não B é A. Mas não é equivalente a
Algum B não é A. Nas proposições categóricas, usam-se também
as variações gramaticais dos verbos ser e estar, tais como é, são,
está, foi, eram, ..., como elo de ligação entre A e B.
- Todo A é B = Todo A não é não B.
- Algum A é B = Algum A não é não B.
- Nenhum A é B = Nenhum A não é não B.
- Todo A é não B = Todo A não é B.
- Algum A é não B = Algum A não é B.
- Nenhum A é não B = Nenhum A não é B. Nenhum A é B. É falsa.
- Nenhum A é B = Todo A é não B. Todo A é B. Pode ser verdadeira (em 3 e 4) ou falsa (em 1
- Todo A é B = Nenhum A é não B. e 2).
- A negação de Todo A é B é Algum A não é B (e vice-versa). Algum A não é B. Pode ser verdadeira (em 1 e 2) ou falsa
- A negação de Algum A é B é Nenhum A não é B (e vice- (em 3 e 4) – é indeterminada.
-versa).
4. Se a proposição Algum A não é B é verdadeira, temos as
Verdade ou Falsidade das Proposições Categóricas três representações possíveis:

Dada a verdade ou a falsidade de qualquer uma das propo-


sições categóricas, isto é, de Todo A é B, Nenhum A é B, Algum A
é B e Algum A não é B, pode-se inferir de imediato a verdade ou
a falsidade de algumas ou de todas as outras.

1. Se a proposição Todo A é B é verdadeira, então temos as


duas representações possíveis:
3
1 2 A B
B
A = B
A

Todo A é B. É falsa.
Nenhum A é B. Pode ser verdadeira (em 3) ou falsa (em 1 e
Nenhum A é B. É falsa. 2 – é indeterminada).
Algum A é B. É verdadeira. Algum A é B. Ou falsa (em 3) ou pode ser verdadeira (em 1
Algum A não é B. É falsa. e 2 – é indeterminada).
2. Se a proposição Nenhum A é B é verdadeira, então temos
somente a representação: Conjunto dos Números Inteiros – Z

Definimos o conjunto dos números inteiros como a reunião


do conjunto dos números naturais (N = {0, 1, 2, 3, 4,..., n,...}, o
A B conjunto dos opostos dos números naturais e o zero. Este con-
junto é denotado pela letra Z (Zahlen=número em alemão). Este
conjunto pode ser escrito por: Z = {..., -4, -3, -2, -1, 0, 1, 2, 3, 4, ...}
O conjunto dos números inteiros possui alguns subconjun-
tos notáveis:
Todo A é B. É falsa.
Algum A é B. É falsa. - O conjunto dos números inteiros não nulos:
Algum A não é B. É verdadeira. Z* = {..., -4, -3, -2, -1, 1, 2, 3, 4,...};
Z* = Z – {0}
3. Se a proposição Algum A é B é verdadeira, temos as qua-
tro representações possíveis: - O conjunto dos números inteiros não negativos:
Z+ = {0, 1, 2, 3, 4,...}
Z+ é o próprio conjunto dos números naturais: Z+ = N

13
RACIOCÍNIO LÓGICO

- O conjunto dos números inteiros positivos: Subtração de Números Inteiros


Z*+ = {1, 2, 3, 4,...}
- O conjunto dos números inteiros não positivos: A subtração é empregada quando:
Z_ = {..., -5, -4, -3, -2, -1, 0} - Precisamos tirar uma quantidade de outra quantidade;
- Temos duas quantidades e queremos saber quanto uma
- O conjunto dos números inteiros negativos: delas tem a mais que a outra;
Z*_ = {..., -5, -4, -3, -2, -1} - Temos duas quantidades e queremos saber quanto falta a
uma delas para atingir a outra.
Módulo: chama-se módulo de um número inteiro a distân-
cia ou afastamento desse número até o zero, na reta numérica A subtração é a operação inversa da adição.
inteira. Representa-se o módulo por | |.
O módulo de 0 é 0 e indica-se |0| = 0 Observe que: 9 – 5 = 44 + 5 = 9
O módulo de +7 é 7 e indica-se |+7| = 7
O módulo de –9 é 9 e indica-se |–9| = 9 diferença
O módulo de qualquer número inteiro, diferente de zero, é
sempre positivo. subtraendo
Números Opostos: Dois números inteiros são ditos opostos
um do outro quando apresentam soma zero; assim, os pontos
que os representam distam igualmente da origem.
Exemplo: O oposto do número 2 é -2, e o oposto de -2 é 2, minuendo
pois 2 + (-2) = (-2) + 2 = 0
No geral, dizemos que o oposto, ou simétrico, de a é – a, e Considere as seguintes situações:
vice-versa; particularmente o oposto de zero é o próprio zero. 1- Na segunda-feira, a temperatura de Monte Sião passou
de +3 graus para +6 graus. Qual foi a variação da temperatura?
Adição de Números Inteiros Esse fato pode ser representado pela subtração: (+6) – (+3)
= +3
Para melhor entendimento desta operação, associaremos
aos números inteiros positivos a idéia de ganhar e aos números 2- Na terça-feira, a temperatura de Monte Sião, durante o
inteiros negativos a idéia de perder. dia, era de +6 graus. À Noite, a temperatura baixou de 3 graus.
Ganhar 5 + ganhar 3 = ganhar 8 (+5) + (+3) = (+8) Qual a temperatura registrada na noite de terça-feira?
Perder 3 + perder 4 = perder 7 (-3) + (-4) = (-7) Esse fato pode ser representado pela adição: (+6) + (–3) = +3
Ganhar 8 + perder 5 = ganhar 3 (+8) + (-5) = (+3)
Perder 8 + ganhar 5 = perder 3 (-8) + (+5) = (-3) Se compararmos as duas igualdades, verificamos que (+6) –
O sinal (+) antes do número positivo pode ser dispensado, (+3) é o mesmo que (+5) + (–3).
mas o sinal (–) antes do número negativo nunca pode ser dis- Temos:
pensado. (+6) – (+3) = (+6) + (–3) = +3
(+3) – (+6) = (+3) + (–6) = –3
Propriedades da adição de números inteiros: O conjunto Z (–6) – (–3) = (–6) + (+3) = –3
é fechado para a adição, isto é, a soma de dois números inteiros Daí podemos afirmar: Subtrair dois números inteiros é o
ainda é um número inteiro. mesmo que adicionar o primeiro com o oposto do segundo.

Associativa: Para todos a,b,c em Z: Multiplicação de Números Inteiros


a + (b + c) = (a + b) + c
2 + (3 + 7) = (2 + 3) + 7 A multiplicação funciona como uma forma simplificada de
uma adição quando os números são repetidos. Poderíamos ana-
Comutativa: Para todos a,b em Z: lisar tal situação como o fato de estarmos ganhando repetida-
a+b=b+a mente alguma quantidade, como por exemplo, ganhar 1 objeto
3+7=7+3 por 30 vezes consecutivas, significa ganhar 30 objetos e esta re-
petição pode ser indicada por um x, isto é: 1 + 1 + 1 ... + 1 + 1 =
Elemento Neutro: Existe 0 em Z, que adicionado a cada z 30 x 1 = 30
em Z, proporciona o próprio z, isto é: Se trocarmos o número 1 pelo número 2, obteremos: 2 + 2
z+0=z + 2 + ... + 2 + 2 = 30 x 2 = 60
7+0=7 Se trocarmos o número 2 pelo número -2, obteremos: (–2)
+ (–2) + ... + (–2) = 30 x (-2) = –60
Elemento Oposto: Para todo z em Z, existe (-z) em Z, tal que Observamos que a multiplicação é um caso particular da
z + (–z) = 0 adição onde os valores são repetidos.
9 + (–9) = 0 Na multiplicação o produto dos números a e b, pode ser
indicado por a x b, a . b ou ainda ab sem nenhum sinal entre as
letras.

14
RACIOCÍNIO LÓGICO

Para realizar a multiplicação de números inteiros, devemos - Quando o dividendo e o divisor têm sinais diferentes, o
obedecer à seguinte regra de sinais: quociente é um número inteiro negativo.
(+1) x (+1) = (+1) - A divisão nem sempre pode ser realizada no conjunto Z.
(+1) x (-1) = (-1) Por exemplo, (+7) : (–2) ou (–19) : (–5) são divisões que não po-
(-1) x (+1) = (-1) dem ser realizadas em Z, pois o resultado não é um número in-
(-1) x (-1) = (+1) teiro.
- No conjunto Z, a divisão não é comutativa, não é associa-
Com o uso das regras acima, podemos concluir que: tiva e não tem a propriedade da existência do elemento neutro.
1- Não existe divisão por zero.
Sinais dos números Resultado do produto Exemplo: (–15) : 0 não tem significado, pois não existe um
número inteiro cujo produto por zero seja igual a –15.
Iguais Positivo 2- Zero dividido por qualquer número inteiro, diferente de
Diferentes Negativo zero, é zero, pois o produto de qualquer número inteiro por zero
é igual a zero.
Propriedades da multiplicação de números inteiros: O con- Exemplos: a) 0 : (–10) = 0b) 0 : (+6) = 0c) 0 : (–1) = 0
junto Z é fechado para a multiplicação, isto é, a multiplicação de
dois números inteiros ainda é um número inteiro. Potenciação de Números Inteiros

Associativa: Para todos a,b,c em Z: A potência an do número inteiro a, é definida como um pro-
a x (b x c) = (a x b) x c duto de n fatores iguais. O número a é denominado a base e o
2 x (3 x 7) = (2 x 3) x 7 número n é o expoente.
Comutativa: Para todos a,b em Z: an = a x a x a x a x ... x a
axb=bxa a é multiplicado por a n vezes
3x7=7x3
Elemento neutro: Existe 1 em Z, que multiplicado por todo Exemplos:
z em Z, proporciona o próprio z, isto é: 33 = (3) x (3) x (3) = 27
zx1=z (-5)5 = (-5) x (-5) x (-5) x (-5) x (-5) = -3125
7x1=7 (-7)² = (-7) x (-7) = 49
(+9)² = (+9) x (+9) = 81
Elemento inverso: Para todo inteiro z diferente de zero,
existe um inverso z–1=1/z em Z, tal que - Toda potência de base positiva é um número inteiro po-
z x z–1 = z x (1/z) = 1 sitivo.
9 x 9–1 = 9 x (1/9) = 1 Exemplo: (+3)2 = (+3) . (+3) = +9
Distributiva: Para todos a,b,c em Z: - Toda potência de base negativa e expoente par é um nú-
a x (b + c) = (a x b) + (a x c) mero inteiro positivo.
3 x (4+5) = (3 x 4) + (3 x 5) Exemplo: (– 8)2 = (–8) . (–8) = +64

Divisão de Números Inteiros - Toda potência de base negativa e expoente ímpar é um


número inteiro negativo.
Dividendo divisor dividendo: Exemplo: (–5)3 = (–5) . (–5) . (–5) = –125
Divisor = quociente 0
Quociente . divisor = dividendo Propriedades da Potenciação:

Sabemos que na divisão exata dos números naturais: Produtos de Potências com bases iguais: Conserva-se a
40 : 5 = 8, pois 5 . 8 = 40 base e somam-se os expoentes. (–7)3 . (–7)6 = (–7)3+6 = (–7)9
36 : 9 = 4, pois 9 . 4 = 36
Quocientes de Potências com bases iguais: Conserva-se a
Vamos aplicar esses conhecimentos para estudar a divisão base e subtraem-se os expoentes. (+13)8 : (+13)6 = (+13)8 – 6 =
exata de números inteiros. Veja o cálculo: (+13)2
(–20) : (+5) =qð (+5) . q = (–20) ð q = (–4)
Logo: (–20) : (+5) = +4 Potência de Potência: Conserva-se a base e multiplicam-se
os expoentes. [(+4)5]2 = (+4)5 . 2 = (+4)10
Considerando os exemplos dados, concluímos que, para
efetuar a divisão exata de um número inteiro por outro número Potência de expoente 1: É sempre igual à base. (+9)1 = +9
inteiro, diferente de zero, dividimos o módulo do dividendo pelo (–13)1 = –13
módulo do divisor. Daí:
- Quando o dividendo e o divisor têm o mesmo sinal, o quo- Potência de expoente zero e base diferente de zero: É igual
ciente é um número inteiro positivo. a 1. Exemplo: (+14)0 = 1 (–35)0 = 1

15
RACIOCÍNIO LÓGICO

Radiciação de Números Inteiros 2


5 = 0,4
A raiz n-ésima (de ordem n) de um número inteiro a é a
operação que resulta em outro número inteiro não negativo b
que elevado à potência n fornece o número a. O número n é o 1 = 0,25
índice da raiz enquanto que o número a é o radicando (que fica 4
sob o sinal do radical).
A raiz quadrada (de ordem 2) de um número inteiro a é a 35 = 8,75
operação que resulta em outro número inteiro não negativo que 4
elevado ao quadrado coincide com o número a.
153 = 3,06
Observação: Não existe a raiz quadrada de um número in- 50
teiro negativo no conjunto dos números inteiros.
2º) O numeral decimal obtido possui, após a vírgula, infini-
Erro comum: Frequentemente lemos em materiais didáti- tos algarismos (nem todos nulos), repetindo-se periodicamente.
cos e até mesmo ocorre em algumas aulas aparecimento de: Decimais Periódicos ou Dízimas Periódicas:

9 1
= ±3 = 0,333...
3
mas isto está errado. O certo é:
1 = 0,04545...
9 = +3 22

Observamos que não existe um número inteiro não nega- 167 = 2,53030...
tivo que multiplicado por ele mesmo resulte em um número 66
negativo.
A raiz cúbica (de ordem 3) de um número inteiro a é a ope- Representação Fracionária dos Números Decimais
ração que resulta em outro número inteiro que elevado ao cubo
seja igual ao número a. Aqui não restringimos os nossos cálculos Trata-se do problema inverso: estando o número racional
somente aos números não negativos. escrito na forma decimal, procuremos escrevê-lo na forma de
fração. Temos dois casos:
Exemplos 1º) Transformamos o número em uma fração cujo numera-
dor é o número decimal sem a vírgula e o denominador é com-
posto pelo numeral 1, seguido de tantos zeros quantas forem as
casas decimais do número decimal dado:

0,9 = 9
10

57
5,7 =
10
Observação: Ao obedecer à regra dos sinais para o produto
de números inteiros, concluímos que: 0,76 = 76
(a) Se o índice da raiz for par, não existe raiz de número in- 100
teiro negativo.
(b) Se o índice da raiz for ímpar, é possível extrair a raiz de 3,48 = 348
qualquer número inteiro. 100

Representação Decimal das Frações 0,005 = 5 = 1


p
1000 200
q
Tomemos um número racional , tal que p não seja múlti- 2º) Devemos achar a fração geratriz da dízima dada; para
plo de q. Para escrevê-lo na forma decimal, basta efetuar a divi- tanto, vamos apresentar o procedimento através de alguns
são do numerador pelo denominador. exemplos:

Nessa divisão podem ocorrer dois casos: Exemplo 1


Seja a dízima 0, 333... .
1º) O numeral decimal obtido possui, após a vírgula, um nú- Façamos x = 0,333... e multipliquemos ambos os membros
mero finito de algarismos. Decimais Exatos: por 10: 10x = 0,333

16
RACIOCÍNIO LÓGICO

Subtraindo, membro a membro, a primeira igualdade da - Associativa: Para todos a, b, c em Q: a + ( b + c ) = ( a + b


segunda: )+c
10x – x = 3,333... – 0,333...⇒9x = 3⇒x = 3/9 - Comutativa: Para todos a, b em Q: a + b = b + a
- Elemento neutro: Existe 0 em Q, que adicionado a todo q
Assim, a geratriz de 0,333... é a fração 3 . em Q, proporciona o próprio q, isto é: q + 0 = q
9 - Elemento oposto: Para todo q em Q, existe -q em Q, tal
Exemplo 2 que q + (–q) = 0
Seja a dízima 5, 1717...
Façamos x = 5,1717... e 100x = 517,1717... . Subtração de Números Racionais
Subtraindo membro a membro, temos:
99x = 512⇒ x = 512/99 A subtração de dois números racionais p e q é a própria ope-
ração de adição do número p com o oposto de q, isto é: p – q =
Exemplo 3 p + (–q)

Seja a dízima 1, 23434... Multiplicação (Produto) de Números Racionais

Façamos x = 1,23434... 10x = 12,3434... 1000x = 1234,34... . Como todo número racional é uma fração ou pode ser escri-
Subtraindo membro a membro, temos: to na forma de uma fração, definimos o produto de dois núme-
990x = 1234,34... – 12,34... ⇒ 990x = 1222⇒x = 1222/990 ros racionais a e c , da mesma forma que o produto de frações,
611 através de: b d
Simplificando, obtemos x = , a fração geratriz da dízi-
495
ma 1, 23434...

Módulo ou valor absoluto: É a distância do ponto que re- a c ac


presenta esse número ao ponto de abscissa zero.
x =
b d bd
3 3 3 3 !

2
Exemplo: Módulo de – é . Indica-se
2 2 = 2 O produto dos números racionais a e b também pode ser
indicado por a × b, axb, a.b ou ainda ab sem nenhum sinal entre
as letras.
3 3 3 3
+
2 2
Módulo de + é . Indica-se 2 = 2 Para realizar a multiplicação de números racionais, deve-
mos obedecer à mesma regra de sinais que vale em toda a Ma-
temática:
3
2
3
2
(+1) × (+1) = (+1)
Números Opostos: Dizemos que – e são números ra- (+1) × (-1) = (-1)
cionais opostos ou simétricos e cada um deles é o oposto do (-1) × (+1) = (-1)
outro. As distâncias dos pontos – 3 e 3 ao ponto zero da reta (-1) × (-1) = (+1)
2 2
são iguais.
Podemos assim concluir que o produto de dois números
com o mesmo sinal é positivo, mas o produto de dois números
Soma (Adição) de Números Racionais com sinais diferentes é negativo.

Como todo número racional é uma fração ou pode ser escri- Propriedades da Multiplicação de Números Racionais
to na forma de uma fração, definimos a adição entre os núme-
ros racionais a e c , da mesma forma que a soma de frações, O conjunto Q é fechado para a multiplicação, isto é, o pro-
através de: b d duto de dois números racionais ainda é um número racional.

a c ad + bc - Associativa: Para todos a, b, c em Q: a × ( b × c ) = ( a × b


+ = )×c
b d bd
! - Comutativa: Para todos a, b em Q: a × b = b × a

Propriedades da Adição de Números Racionais - Elemento neutro: Existe 1 em Q, que multiplicado por todo
q em Q, proporciona o próprio q, isto é: q × 1 = q
O conjunto Q é fechado para a operação de adição, isto é, a
a soma de dois números racionais ainda é um número racional. - Elemento inverso: Para todo q = b em Q, q diferente de
zero, existe q-1 = ba em Q: q × q-1 = 1 a x b = 1
b a

17
RACIOCÍNIO LÓGICO

- Distributiva: Para todos a, b, c em Q: a × ( b + c ) = ( a × b 3


)+(a×c) &2# &2# &2# &2# 8
$ ! = $ ! . $ !. $ ! =
%3" %3" %3" %3" 27
Divisão de Números Racionais
!
A divisão de dois números racionais p e q é a própria ope- - Toda potência com expoente par é um número positivo.
ração de multiplicação do número p pelo inverso de q, isto é: p 2
÷ q = p × q-1  1  1  1 1
−  −  − 
Potenciação de Números Racionais  5  =  5  .  5  = 25
!
A potência q do número racional q é um produto de n fa-
n
- Produto de potências de mesma base. Para reduzir um
tores iguais. O número q é denominado a base e o número n é produto de potências de mesma base a uma só potência, con-
o expoente. servamos a base e somamos os expoentes.
qn = q × q × q × q × ... × q,(q aparece n vezes)
2 3 2+3 5
Exemplos: 2  2  2 2 2 2 2  2 2
     . . . .  =   = 
2
3
2 2 2 8 5 . 5 =5 55 5 5 5 5
       
a)  5  = 5 . 5 .  5  = 125 - Quociente de potências de mesma base. Para reduzir um
quociente de potências de mesma base a uma só potência, con-
3
servamos a base e subtraímos os expoentes.
 1  1  1  1 1
−  −  −  −  −
b)  2  =  2  .  2  .  2  = 8
3 3 3 3 3
5 2 . . . . 5− 2 3
3
   3 2 2 2 2 2 3 3
:
    = =   =  
2 2 3 3 2 2
c) (–5)² = (–5) . ( –5) = 25 .
2 2
d) (+5)² = (+5) . (+5) = 25

Propriedades da Potenciação: Toda potência com expoente - Potência de Potência. Para reduzir uma potência de potên-
0 é igual a 1. cia a uma potência de um só expoente, conservamos a base e
0
multiplicamos os expoentes.
 2
+  3
 5 =1  1  2   1  2  1  2  1  2  1  2+ 2+ 2  1  3+ 2  1  6
   =   .  .  =   =  = 
 2    2   2   2   2  2 2
- Toda potência com expoente 1 é igual à própria base.
Radiciação de Números Racionais
1
 9 9
−  − Se um número representa um produto de dois ou mais fato-
 4  = 4 res iguais, então cada fator é chamado raiz do número. Vejamos
alguns exemplos:

- Toda potência com expoente negativo de um número ra- Exemplo 1


cional diferente de zero é igual a outra potência que tem a base
igual ao inverso da base anterior e o expoente igual ao oposto 4 Representa o produto 2 . 2 ou 22. Logo, 2 é a raiz quadrada
do expoente anterior. de 4. Indica-se 4 = 2.

' 3$
−2
5
2
25 Exemplo 2
%− " = &$ − #! =
& 5# % 3 " 9 1 1 1 1
2
1
!  
3 3
9 Representa o produto . ou  3  .Logo, 3

- Toda potência com expoente ímpar tem o mesmo sinal da 1 1 1


base. é a raiz quadrada de 9 .Indica-se 9= 3

18
RACIOCÍNIO LÓGICO

Exemplo 3

0,216 Representa o produto 0,6 . 0,6 . 0,6 ou (0,6)3. Logo,


0,6 é a raiz cúbica de 0,216. Indica-se 3 0,216 = 0,6.

Assim, podemos construir o diagrama:

O segmento AB (“tem começo e fim”)

Um número racional, quando elevado ao quadrado, dá o


número zero ou um número racional positivo. Logo, os números
racionais negativos não têm raiz quadrada em Q.
-100
O número 9 não tem raiz quadrada em Q, pois tanto -10
3
como +10
3 , quando elevados ao quadrado, dão 9100 .
Um número racional positivo só tem raiz quadrada no con-
junto dos números racionais se ele for um quadrado perfeito.
A seguir, indicamos a reta AB.
O número 23 não tem raiz quadrada em Q, pois não existe
número racional que elevado ao quadrado dê 23 .

GEOMETRIA
A Geometria é a parte da matemática que estuda as figu-
ras e suas propriedades. A geometria estuda figuras abstratas,
de uma perfeição não existente na realidade. Apesar disso, po-
demos ter uma boa idéia das figuras geométricas, observando
objetos reais, como o aro da cesta de basquete que sugere uma
circunferência, as portas e janelas que sugerem retângulos e o A reta AB
dado que sugere um cubo. (“não tem começo nem fim”)

As Figuras Básicas Os matemáticos consideram que as retas não têm largura.


Aproveitaremos o cubo, figura bastante conhecida de to- Para nomeá-las, além de notações como AB, é muito comum o
dos, para mencionar três figuras básicas da geometria: o ponto, uso de letras minúsculas: r, s, t, etc.
a reta e o plano. Prolongando indefinidamente uma face de um cubo em to-
No cubo seguinte, três faces são visíveis, e três não. As três das as direções, como indica a próxima figura, temos um plano.
faces visíveis têm em comum apenas o ponto A.

O plano α

Os planos não têm espessura. Para nomeá-los, usamos le-


tras gregas, principalmente as três primeiras α (alfa), β (beta) e
γ (gama).
Os matemáticos consideram que os pontos são tão peque-
nos que não chegam a ter tamanho algum. Para representar um
ponto fazemos uma marca bem pequena no papel e para nome-
á-lo usamos uma letra maiúscula: A, B, C, etc.
Considere agora a face superior do cubo e a face que vemos
à direita. Estas faces têm em comum o segmento de reta AB,
com extremidades nos pontos A e B.

19
RACIOCÍNIO LÓGICO

Perímetro Veremos que a área do campo de futebol é 70 unidades de


área.
Entendendo o que é perímetro. A unidade de medida da área é: m2 (metros quadrados),
Imagine uma sala de aula de 5m de largura por 8m de com- cm2 (centímetros quadrados), e outros.
primento. Se tivermos uma figura do tipo:
Quantos metros lineares serão necessários para colocar ro-
dapé nesta sala, sabendo que a porta mede 1m de largura e que
nela não se coloca rodapé?

Sua área será um valor aproximado. Cada é uma unidade,


então a área aproximada dessa figura será de 4 unidades.
No estudo da matemática calculamos áreas de figuras pla-
nas e para cada figura há uma fórmula pra calcular a sua área.

A conta que faríamos seria somar todos os lados da sala, Área do Retângulo
menos 1m da largura da porta, ou seja:
Existe dois tipos de retângulos: com lados todos iguais (qua-
drado) e com os lados diferentes.

P = (5 + 5 + 8 + 8) – 1
P = 26 – 1
P = 25

No cálculo de qualquer retângulo podemos seguir o racio-


Colocaríamos 25m de rodapé. cínio abaixo:
A soma de todos os lados da planta baixa se chama Perí-
metro.
Portanto, Perímetro é a soma dos lados de uma figura plana.

Área
Área é a medida de uma superfície.
A área do campo de futebol é a medida de sua superfície
(gramado).
Se pegarmos outro campo de futebol e colocarmos em uma
malha quadriculada, a sua área será equivalente à quantidade
de quadradinho. Se cada quadrado for uma unidade de área: Pegamos um retângulo e colocamos em uma malha quadri-
culada onde cada quadrado tem dimensões de 1 cm. Se contar-
mos, veremos que há 24 quadrados de 1 cm de dimensões no
retângulo. Como sabemos que a área é a medida da superfície
de uma figuras podemos dizer que 24 quadrados de 1 cm de
dimensões é a área do retângulo.

20
RACIOCÍNIO LÓGICO

O retângulo acima tem as mesmas dimensões que o outro, Primeiro: completamos as alturas no trapézio:
só que representado de forma diferente. O cálculo da área do
retângulo pode ficar também da seguinte forma:

A=6.4
A = 24 cm2

Podemos concluir que a área de qualquer retângulo é:

Segundo: o dividimos em dois triângulos:

A=b.h
Quadrado

É um tipo de retângulo específico, pois tem todos os lados


iguais. Sua área também é calculada com o produto da base pela
altura. Mas podemos resumir essa fórmula:
A área desse trapézio pode ser calculada somando as áreas
dos dois triângulos (∆CFD e ∆CEF).
Antes de fazer o cálculo da área de cada triângulo separada-
mente observamos que eles possuem bases diferentes e alturas
iguais.

Cálculo da área do ∆CEF:

Como todos os lados são iguais, podemos dizer que base é A∆1 = B . h
igual a e a altura igual a , então, substituindo na fórmula A 2
= b . h, temos:
Cálculo da área do ∆CFD:
A= .
A∆2 = b . h
2

Somando as duas áreas encontradas,teremos o cálculo da


Área do Trapézio área de um trapézio qualquer:

A área do trapézio está relacionada com a área do triângulo AT = A∆1 + A∆2


que é calculada utilizando a seguinte fórmula: A = b . h (b = base
e h = altura). AT = B . h + b . h
2 22
Observe o desenho de um trapézio e os seus elementos
mais importantes (elementos utilizados no cálculo da sua área): AT = B . h + b . h → colocar a altura (h) em evidência, pois é
um termo comum aos dois fatores.
2

AT = h (B + b)
2

Portanto, no cálculo da área de um trapézio qualquer utili-


zamos a seguinte fórmula:
Um trapézio é formado por uma base maior (B), por uma
base menor (b) e por uma altura (h). A = h (B+ b)
Para fazermos o cálculo da área do trapézio é preciso dividi- 2
-lo em dois triângulos, veja como:

21
RACIOCÍNIO LÓGICO

h = altura
B = base maior do trapézio
b = base menor do trapézio
Área do Triângulo
Observe o retângulo abaixo, ele está dividido ao meio pela
diagonal:

42 = h2 + 22
16 = h2 + 4
16 – 4 = h2
A área do retângulo é A = b. h, a medida da área de cada 12 = h2
metade será a área do retângulo dividida por dois. Cada parte h = √12
dividida do retângulo é um triângulo, assim podemos concluir h = 2√3 cm
que a área do triangulo será: Com o valor da altura, basta substituir na fórmulaA = h (B+
A=b.h b) o valor da base e da altura.
2 2
A = 4 . 2√3
Mas como veremos a altura no triângulo? A altura deve ser 2
sempre perpendicular à base do triângulo. A = 2 . 2√3

A = 4 √3 cm2

Matriz

No triângulo retângulo é fácil ver a altura, pois é o próprio A tabela seguinte mostra a situação das equipes no Campe-
lado do triângulo, e forma com a base um ângulo de 90° (ângulo onato Paulista de Basquete masculino.
reto).
Campeonato Paulista – Classificação
Time Pontos
1º Tilibra/Copimax/Bauru 20
2º COC/Ribeirão Preto 20
3º Unimed/Franca 19
4º Hebraica/Blue Life 17
Quando a altura não coincide com o lado do triângulo, de-
vemos traçar uma reta perpendicular à base (formando um ân- 5º Uniara/Fundesport 16
gulo de 90º com a base) que será a altura do triângulo. 6º Pinheir+os 16
Observe o exemplo: 7º São Caetano 16
Observe o triângulo eqüilátero (todos os lados iguais). Cal-
cule a sua área. 8º Rio Pardo/Sadia 15
9º Valtra/UBC 14
10º Unisanta 14
11º Leitor/Casa Branca 14
12º Palmeiras 13
13º Santo André 13
14º Corinthians 12
15º São José 12

Como o valor da altura não está indicado, devemos calcular


o seu valor, para isso utilizaremos o teorema de Pitágoras no Fonte: FPB (Federação Paulista de Basquete)
triângulo: Folha de S. Paulo – 23/10/01

22
RACIOCÍNIO LÓGICO

Observando a tabela, podemos tirar conclusões por meio


de comparações das informações apresentadas, por exemplo: ⎡ 1 0 3 ⎤
B=⎢ ⎥
→ COC/Ribeirão lidera a classificação com 20 pontos junta- ⎢⎣ 2 −1 4 ⎥⎦
mente com Tilibra/Bauru
→ Essa informação encontra-se na 2ª linha e 3ª coluna.
b11 = 1; b12 = 0; b13 = 3;
Definições b21 = 2; b22 = -1; b23 = 4

Chamamos de matriz m x n (m Є N* e n Є N*) qualquer tabe- Observação: O elemento b23, por exemplo, lemos assim: “b
la formada por m . n elementos (informações) dispostos em m dois três”
linhas e n colunas
De uma forma geral, a matriz A, de ordem m x n, é repre-
Exemplos sentada por:

1°) ⎡ a11 a12 a13 ... a1n ⎤


⎢ ⎥
⎡ 1 0 −2 3 ⎤ ⎢ a21 a22 a23 ... a2n ⎥
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
A=⎢
⎣ 1 1 3 2 ⎦ é uma matriz 2 x 4
... a32 a33 ... a3n

⎢ ⎥
⎢ ⎥
2º) ⎢⎣ am1 am 2 am 3 ... amn ⎥⎦
⎡ 1 0 1 ⎤
⎢ ⎥
⎢ 2 3 3 Ou com a notação abreviada: A = (aij)m x n

⎢⎣ 1 4 2 ⎥⎦
é uma matriz 3 x 3 Matrizes Especiais

3º) Apresentamos aqui a nomenclatura de algumas matrizes


especiais:

⎣⎡ 1 0 3 ⎤⎦ é uma matriz 1 x 3 1ª. Matriz Linha


É a matriz que possui uma única linha.
4º)
Exemplos
⎡ 2 ⎤
⎢ ⎥ - A = [-1, 0]
⎣ 0 ⎦ é uma matriz 2 x 1 - B = [1 0 0 2]

O nome de uma matriz é dado utilizando letras maiúsculas 2ª. Matriz Coluna
do alfabeto latino, A, por exemplo, enquanto os elementos da É a matriz que possui uma única coluna.
matriz são indicados por letras latinas minúsculas, a mesma do
nome de matriz, afetadas por dois índices, que indicam a linha e Exemplos
a coluna que o elemento ocupa na matriz.
Assim, um elemento genérico da matriz A é representado
por aij. ⎡ 0 ⎤
⎡ 2 ⎤ ⎢ ⎥
O primeiro índice, i, indica a linha que esse elemento ocupa −A = ⎢ ⎥ −B = ⎢ −1 ⎥
na matriz, e o segundo índice, j, a coluna desse comando. ⎣ 1 ⎦ ⎢⎣ 3 ⎥⎦

A = ⎡⎣ aij ⎤⎦ ← i − ésima ⋅linha 3ª) Matriz Nula


É a matriz que possui todos os elementos iguais a zero.

j − ésima ⋅ coluna Exemplos

Exemplo ⎡ 0 0 ⎤ ⎡ 0 0 0 ⎤
1 )A = ⎢ ⎥ 2 )B = ⎢ ⎥
Na matriz B de ordem 2 x 3 temos: ⎢⎣ 0 0 ⎥⎦ ⎢⎣ 0 0 0 ⎥⎦

23
RACIOCÍNIO LÓGICO

4ª. Matriz Quadrada Exemplo


É a matriz que possui o número de linhas igual ao número
de linhas igual ao número de colunas. ⎡ 1 2 ⎤
⎡ 1 0 3 ⎤ ⎢ ⎥
Exemplos A=⎢ ⎥ ,então At =⎢ 0 1 ⎥
⎢⎣ 2 1 4 ⎥⎦ ⎢ ⎥
⎢⎣ 3 4 ⎥⎦
⎡ 1 3 ⎤
1 )A = ⎢ ⎥
⎢⎣ 2 −1 ⎥⎦ É a matriz quadrada de ordem 2. Observação: Se uma matriz A é de ordem m x n, a matriz At,
transposta de A, é de ordem n x m.
Observações: Quando uma matriz não é quadrada, ela é
chamada de retangular. Igualdade de Matrizes
Dada uma matriz quadrada de ordem n, chamamos de dia-
gonal principal da matriz ao conjunto dos elementos que pos- Sendo A e B duas matriz de mesma ordem, dizemos que um
suem índices iguais. elemento de matriz A é correspondente a um elemento de B
Exemplo quando eles ocupam a mesma posição nas respectivas matrizes.
{a11, a22, a33, a44} é a diagonal principal da matriz A.
3ª) Dada a matriz quadrada de ordem n, chamamos de dia- Exemplo
gonal secundária da matriz ao conjunto dos elementos que pos-
suem a soma dos dois índices igual a n + 1. Sendo A e B duas matrizes de ordem 2 x 2,

Exemplo
⎡ a11 a12 ⎤ ⎡ b11 b12 ⎤
{a14, a23, a32, a41} é a diagonal secundária da matriz A.
A=⎢ ⎥ e B= ⎢ ⎥
⎢ a a ⎥ ⎢ b b ⎥
5ª. Matriz Diagonal ⎣ 21 22 ⎦ ⎣ 21 22 ⎦
É a matriz quadrada que apresenta todos os elementos, não
pertencentes à diagonal principal, iguais a zero. São elementos correspondentes de A e B, os pares:
a11 e b11; a12 e b12; a21 e b21; a22 e b22.
Exemplos
Definição
⎡ 2 0 0 ⎤ Duas matrizes A e B são iguais se, e somente se, têm a mes-
⎢ ⎥ ma ordem e os elementos correspondentes são iguais.
1 )A = ⎢ 0 1 0 ⎥

Indica-se:
⎢ ⎥
⎢⎣ 0 0 3 ⎥⎦ A=B
Então:
A = (aij)n x n e B = (bij)p x q
6ª) Matriz Identidade
É a matriz diagonal que apresenta todos os elementos da Observações: Dada uma matriz A = (aij)m x n , dizemos que
diagonal principal iguais a 1. uma matriz B = (bij)m x n é oposta de A quando bij = -aij para
todo i, Ī ≤ i ≤ m, e todo j, Ī ≤ j ≤ n.
Representamos a matriz identidade de ordem n por In.
Indicamos que B = -A.
Exemplos
Exemplo

⎡ 1 0 0 ⎤
⎡ 1 0 ⎤ ⎢ ⎥ ⎡ 3 −1 ⎤ ⎡ −3 1 ⎤
1 )I 2 = ⎢ ⎥ 2 )I 3 = ⎢ 0 1 0 ⎥ A=⎢ ⎥ ⇒ B= ⎢ ⎥
⎢⎣ 0 1 ⎥⎦ ⎢ ⎥ ⎢⎣ 2 4 ⎥⎦ ⎢⎣ −2 −4 ⎥⎦
⎢⎣ 0 0 1 ⎥⎦
- Dizemos que uma matriz quadrada A = (aij)m x n é simé-
Observação: Para uma matriz identidade In = (aij)n x n trica quando aij = aji para todo i, Ī ≤ i ≤ m, e todo j, Ī ≤ j ≤ n. Isto
é, A = At.
7ª. Matriz Transposta - Dizemos que uma matriz quadrada A = (aij)m x n é anti-si-
Dada uma matriz A, chamamos de matriz transposta de A métrica quando aij = -aij para todo i, Ī ≤ i ≤ m, e todo j, Ī ≤ j ≤ n.
à matriz obtida de A trocando-se “ordenadamente”, suas linhas Isto é, A é anti-simétrica quando At = -A.
por colunas. Indicamos a matriz transposta de A por At.

24
RACIOCÍNIO LÓGICO

Adição e Subtração de Matrizes Observação: Na prática, para obtermos a subtração de ma-


trizes de mesma ordem, basta subtrairmos os elementos corres-
Definição pondentes.
Dadas duas matrizes A e B, de mesma ordem m x n, denomi-
namos soma da matriz A com a matriz B à matriz C, de ordem m Multiplicação de Matrizes por um Número Real
x n, cujos elementos são obtidos quando somamos os elemen-
tos correspondentes das matrizes A e B. Indicamos: Definição
C=A+B Consideremos uma matriz A, de ordem m x n, e um número
real. O produto de por A é uma matriz B, de ordem m x n, obtida
Assim: quando multiplicamos cada elemento de A por.

Indicamos:
⎡ 1 3 4 ⎤ ⎡ 2 1 1 ⎤ ⎡ 3 4 5 ⎤
⎢ ⎥+⎢ ⎥=⎢ ⎥
⎢⎣ 2 1 −2 ⎥⎦ ⎢⎣ 3 2 3 ⎥⎦ ⎢⎣ 5 3 1 ⎥⎦ B= α . A

Propriedades da Adição Exemplo

Sendo A, B e C matrizes m x n e O a matriz nula m s n, valem Sendo:


as seguintes propriedades.
- A + B = B + A (comutativa)
- (A + B) + C = A + (B + C) (associativa) ⎡ 1 3 ⎤
- A + O = O + A = A (elemento neutro) A=⎢ ⎥
- A + (-A) = (-A) + A = O (elemento oposto) ⎢⎣ 2 5 ⎥⎦ , temos
- (A + B)t = At + Bt
⎡ 2.1 2.3 ⎤ ⎡ 2 6 ⎤
Definição
2 . A =⎢ ⎥=⎢ ⎥
Consideremos duas matrizes A e B, ambas de mesma ordem ⎢⎣ 2.2 2.5 ⎥⎦ ⎢⎣ 4 10 ⎥⎦
m x n. Chamamos de diferença entre A e B (indicamos com A – B)
a soma de A com a oposta de B.
Matrizes – Produtos
A – B = A + (B)
Multiplicação de Matrizes
Exemplo O produto (linha por coluna) de uma matriz A = (aij)m x p
por uma matriz B = (bij)p x n é uma matriz C = (cij)m x n, de modo
Sendo: que cada elemento cij é obtido multiplicando-se ordenadamen-
te os elementos da linha i de A pelos elementos da coluna j de B,
e somando-se os produtos assim obtidos. Indicamos:
⎡ 3 2 ⎤ ⎡ 4 5 ⎤
A=⎢ ⎥ e B=⎢ ⎥
⎢⎣ 1 −2 ⎥⎦ ⎢⎣ −2 1 ⎥⎦ , então B= α . A

Da definição, decorre que:


⎡ 3 2 ⎤ ⎡ 4 5 ⎤
- Só existe o produto de uma matriz A por uma matriz B se o
A− B= ⎢ ⎥−⎢ ⎥
⎢⎣ 1 −2 ⎥⎦ ⎢⎣ −2 1 ⎥⎦ número de colunas de A é igual ao número de linhas de B.
- A matriz C, produto de Am x p por BP x n, é do tipo m x n.
⎡ 3 2 ⎤ ⎡ −4 −5 ⎤
Propriedades
A− B= ⎢ ⎥+⎢ ⎥
⎢⎣ 1 −2 ⎥⎦ ⎢⎣ 2 −1 ⎥⎦ Sendo A uma matriz de ordem m x n, B e C matrizes conve-
nientes e, são válidas as seguintes propriedades.
- ( A . B) . C = A . (B . C) (associativa)
A-B= - C . (A + B) = C . A + C . B (distributiva pela esquerda)
- (A + B) . C = A . C + B (distributiva pela direita)
- A . In = Im . A =A (elemento neutro)
⎡ −1 −3 ⎤
- (α . A) . B = A . (α . B ) = . (A . B)
A− B= ⎢ ⎥
⎢⎣ 3 −3 ⎥⎦ - A . On x p = Om x p e Op x m . A = Op x n
- (A . B)t = Bt . At

25
RACIOCÍNIO LÓGICO

Observação: Para a multiplicação de matrizes não vale a 3a + c 3b + d  1 0


propriedade comutativa (A . B ≠ B . A). Esta propriedade só é 2a + c 2b + d  0 1
verdadeira em situações especiais, quando dizemos que as ma-    
=
trizes são comutáveis.
Assim:
Devemos levar em consideração os fatos seguintes:
1º) (A + B) ≠ A2 + 2AB + B2, pois (A + B)2 = (A + B)(A+B) + A2
3a + c = 1 3b + d = 0
+ AB + BA + B2  
2º) (A . B)t ≠ At . Bt, pois, pela 7ª propriedade, devemos ter 2a + c = 0 e 2b + d = 1
(A . B)t = Bt . At

Matriz Inversa Resolvendo os sistemas, encontramos:


A=1,b=-1,c=-2 e d=3
No conjunto dos números reais, para todo a ≠ 0, existe um
número b, denominado inverso de a, satisfazendo a condição: 1 −1
− 2 3
 
a.b=b.a=1 1 Assim, B=
a
Normalmente indicamos o inverso de a por ou a-1. Por outro lado:

Analogamente para as matrizes temos o seguinte:  1 − 1  3 1 1 0


Definição − 2 3 2 1 0 1
Uma matriz A, quadrada de ordem n, diz-se inversível se, e    = 
B.A= .
somente se, existir uma matriz B, quadrada de ordem n, tal que:
A.B=B.A=In
A matriz B é denominada inversa de A e indicada por A-1. Portanto, a matriz A é inversível e sua inversa é a matriz:
4 − 3 1 3
Exemplos − 1 1 
  1 4 
  1 −1
- Verifique que a matriz B= é a inversa da matriz A= − 2 3
 
B=A-1=
Resolução

1 3 4 − 3 1 0 Observação: Quando uma matriz é inversível, dizemos que


1 4  − 1 1   
    0 1 ela é uma matriz não-singular; caso a matriz não seja inversível,
A.B= . = dizemos que ela é uma matriz singular.

4 − 3 1 3 1 0 Propriedades
      Sendo A e B matrizes quadradas de ordem n e inversíveis,
B.A= − 1 1  . 1 4  = 0 1 temos as seguintes propriedades:
- (A-1)-1=A
- (A-1)t= At)-1
Como A.B=B.A=12, a matriz B é a inversa de A, isto é, B=A-1. - (A.B)-1=B-1..A-1
- Dada A, se existir A-1, então A-1 é única.
Observação: É bom observarmos que, de acordo com a defi-
nição, a matriz A também é a inversa de B, isto é, A=B-1, ou seja, Exemplo
A=(A-1)-1. 3 1 Sendo A, B e X matrizes inversíveis de ordem n, isolar X em
2 1
  (X.A)-1‑=B.
- Encontre a matriz inversa da matriz A= , se existir.
Resolução
Resolução a b 
c d 
  (X.A)-1=B­⇒ A-1.X-1=B
Supondo que B= é a matriz inversa de A, temos:
Multiplicando os dois membros à esquerda por A, encon-
3 1 a b  1 0 tramos:
2 1 c d  0 1 A.A-1.X-1=A.B
    
A.B= . =
Como A.A-1=In, então:
In.X-1=A.B

26
RACIOCÍNIO LÓGICO

Como In é elemento neutro na multiplicação de matrizes, ⎡ a11 a12 ⎤


temos:
det A = ⎢ ⎥=a . a −a . a
X-1=A.B ⎢ a a ⎥ 11 22 21 12

⎣ 21 22 ⎦
Elevando os dois membros da igualdade, ao expoente -1,
temos: Exemplos
(X-1)-1=(A.B)-1
1 2
Assim, X=(A.B)-1, ou então X=B-1.A-1 - A=  
O sistema obtido está escalonado e é do 2º 5 3
det A=1.3-5.2=-7
Determinantes
2 − 1
Chamamos de determinante a teoria desenvolvida por ma- - B=  
temáticos dos séculos XVII e XVIII, como Leibniz e Seki Shinsuke 2 3 
Kowa, que procuravam uma fórmula para determinar as solu-
ções de um “Sistema linear”, assunto que estudaremos a seguir. det B=2.3-2.(-1)=8
Esta teoria consiste em associar a cada matriz quadrada A,
um único número real que denominamos determinante de A e Determinante de uma Matriz de Ordem 3
que indicamos por det A ou colocamos os elementos da matriz A
entre duas barras verticais, como no exemplo abaixo: Seja a matriz quadrada de ordem 3:

⎡ a11 a12 a13 ⎤


1 2  12 ⎢ ⎥
 4 5 A = ⎢ a21 a22 a23 ⎥
A=   → det A= 4 5 ⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢⎣ a31 a32 a33 ⎥⎦
Definições
Chamamos determinante dessa matriz o numero:
Determinante de uma Matriz de Ordem 1
Seja a matriz quadrada de ordem 1: A=[a11]
Chamamos determinante dessa matriz o número:
detA=[ a11]= a11

Exemplos
1º) A=[-2] → det A= -2
2º) B=[5] → det B=5
3º) C=[0] → det C=0 detA= a11 a22 a33+ a12 a23 a31+a32 a21 a13-a31 a22 a13+
Determinante de uma Matriz de ordem 2 -a12 a21 a33-a32 a23 a11

Seja a matriz quadrada de ordem 2: Para memorizarmos a definição de determinante de ordem


3, usamos a regra prática denominada Regra de Sarrus:
⎡ a11 a12 ⎤
1º) Repetimos a 1º e a 2º colunas às direita da matriz.
A=⎢ ⎥
⎢ a ⎥ a11a12a13a11a12
a
⎣ 21 22 ⎦ a21a22a23a21a22
a31a32a33a31a32
Chamamos de determinante dessa matriz o número:
2º) Multiplicando os termos entre si, seguindo os traços em
⎡ a11 a12 ⎤ diagonal e associando o sinal indicado dos produtos, temos:
det A = ⎢ ⎥=a . a −a . a
⎢ a a ⎥ 11 22 21 12

⎣ 21 22 ⎦

Para facilitar a memorização desse número, podemos dizer


que o determinante é a diferença entre o produto dos elemen-
tos da diagonal principal e o produto dos elementos da diagonal detA= a11 a22 a33+ a12 a23 a31+a13 a21 a32-a13 a22 a31+
secundária. Esquematicamente: -a11 a23 a32-a12 a21 a33

27
RACIOCÍNIO LÓGICO

Observação: A regra de Sarrus também pode ser utilizada Exemplo


repetindo a 1º e 2º linhas, ao invés de repetirmos a 1º e 2º co-
lunas.
ka kb ⎡ a b ⎤
= k. ⎢ ⎥
Determinantes – Propriedades - I c d ⎢⎣ c d ⎥⎦
Apresentamos, a seguir, algumas propriedades que visam a
simplificar o cálculo dos determinantes:
- Sendo A uma matriz quadrada de ordem n, a matriz k. A
Propriedade 1: O determinante de uma matriz A é igual ao é obtida multiplicando todos os elementos de A por k, então:
de sua transposta At.
det(k.A)=kn.detA
Exemplo Exemplo

a b a c  ⎡ a b c ⎤ ⎡ ka kb kc ⎤
A=   ⇒ At=   ⎢ ⎥ ⎢ ⎥
c d b d 
A = ⎢ d e f ⎥ ⇒ k.A = ⎢ kd ke kf ⎥
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
det A = ad − bc  t ⎢⎣ g h i ⎥⎦ ⎢⎣ kg kh ki ⎥⎦
t  ⇒ det A = det A
det A = ad − bc 
⎡ ka kb kc ⎤ ⎡ a b c ⎤
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
Propriedade 2: Se B é a matriz que se obtém de uma matriz
det(k.A) = ⎢ kd ke kf ⎥ = k.k.k ⎢ d e f ⎥
quadrada A, quando trocamos entre si a posição de duas filas ⎢ ⎥ ⎢ ⎥
paralelas, então: ⎢ ⎥ ⎢ ⎥
⎢⎣ kg kh ki ⎥⎦ ⎢⎣ g h i ⎥⎦
detB = -detA

Exemplo Assim:
det(k.A)=k3.detA
a b  c d 
c d  a b  Propriedade 4: Se A, B e C são matrizes quadradas de mes-
   
A= e B= ma ordem, tais que os elementos correspondentes de A, B e C
são iguais entre si, exceto os de uma fila, em que os elementos
de C são iguais às somas dos seus elementos correspondentes
B foi obtida trocando-se a 1º pela 2º linha de A. de A e B,então.
detA=ad-bc
detB=BC-ad=-(ad-bc)=-detA detC = detA + detB
Assim,
detB=-detA Exemplos:

Consequência da Propriedade 2: Uma matriz A que possui


duas filas paralelas “iguais”tem determinante igual a zero. a b x a b r a b x + r
Justificativa: A matriz que obtemos de A, quando trocamos
c d y + c d s = c d y + s
entre si as duas filas (linha ou coluna “iguais”, é igual a A. Assim,
de acordo com a propriedade 2, escrevemos que detA = -detA e f z e f z e f z + t
Assim: detA = 0

Propriedade 3: Sendo B uma matriz que obtemos de uma Propriedades dos Determinantes
matriz quadrada A, quando multiplicamos uma de sua filas (li-
nha ou coluna) por uma constante k, então detB = k.detA Propriedades 5 (Teorema de Jacobi)
Consequência da Propriedade 3: Ao calcularmos um deter- O determinante não se altera, quando adicionamos uma fila
minante, podemos “colocar em evidência”um “fator comum” de qualquer com outra fila paralela multiplicada por um número.
uma fila (linha ou coluna).
Exemplo
abc
Considere o determinante detA= d e f
g hi

28
RACIOCÍNIO LÓGICO

Somando a 3ª coluna com a 1ª multiplicada por m, teremos: Exemplo

a b c + ma a b c a b ma 1 2 8
d e f + md (P4) d e f + d e md SejaD = 3 2 12
g h i + mg g h i g h mg 4 −1 05

a b c + ma a b a Observe que cada elemento de 3ª coluna é igual à 1ª coluna


multiplicada por 2 somada com a 2ª coluna multiplicada por 3.
d e f + md = det A + m d e d 8 = 2(1) + 3(2) = 2 + 6
12 = 2(3) + 3(2) = 6 + 6
g h i + mg g h g 5 = 2(4) + 3(-1) = 8 - 3

Igual a zero Portanto, pela consequência da propriedade 5, D = 0


Use a regra de Sarrus e verifique.

a b c + ma Propriedade 6 (Teorema de Binet)


Sendo A e B matrizes quadradas de mesma ordem, então:
d e f + md = det A det(A.B) = detA . detB
g h i + mg
Exemplo

Exemplo
1 2 
Vamos calcular o determinante D abaixo. A=  0 3  ⇒ detA=3

 4 3
 ⇒
B=  2 1  detB=-2

8 5 
A.B=  6 3  ⇒ det(A.B)=-6

D=8+0+0-60-0-0=-52 Logo, det(AB)=detA. detB

Em seguida, vamos multiplicar a 1ª coluna por 2, somar com Consequências: Sendo A uma matriz quadrada e n ∈ N*, te-
a 3ª coluna e calcular: mos:
det(An) = (detA)n

Sendo A uma matriz inversível, temos:


1
detA-1= det A

D1=48+0+0-100-0-0=-52 Justificativa: Seja A matriz inversível.


Observe que D1=D, de acordo com a propriedade. A-1.A=I
det(A-1.A)=det I
Consequência detA-1.detA=det I
1
Quando uma fila de um determinante é igual à soma de
det A
múltiplos de filas paralelas (combinação linear de filas parale- detA-1=
las), o determinante é igual a zero.
Uma vez que det I=1, onde i é a matriz identidade.

Determinantes – Teorema de Laplace

29
RACIOCÍNIO LÓGICO

Menor complementar e Co-fator Exemplo

Dada uma matriz quadrada A=(aij­)nxn (n ≥ 2), chamamos me-  1 3 2


 1 0 − 1
nor complementar do elemento aij e indicamos por Mij o deter-  
minante da matriz quadrada de ordem n-1, que se obtém supri-  4 2 1 
mindo a linha i e a coluna j da matriz A. Sendo A= , temos:

Exemplo 0 −1
2 1
1 2 3 A11=(-1)1+1. =2
4 1 0 
 1 −1
2 1 2
4 1
Sendo A= , temos: A12=(-1)1+2. =-5

1 0 1 0
1 2 =2 4 2
M11= A13=(-1)1+3. =2

4 0 3 2
M12= 2 =8
2 A21=(-1)2+1.
2 1 =1

4 1
1 2
M13= 2 1 =2 4 1
A22=(-1)2+2. =-7
Chamamos co-fatorn do elemento aij e indicamos com Aij
o número (-1)i+j.Mij, em que Mij é o menor complementar de aij. 1 3
4 2
Exemplo A23=(-1)2+3. =10

3 2
 3 −1 4 0 −1
 2 1 3
 
A31=(-1)3+1. =-3
Sendo A − 1 3 0 , temos:
1 2
1 −1
1 3 A32=(-1)3+2. =3
3 0
A11=(-1)1+1.M11=(-1)2. =-9 1 3
1 0
2 3 A33=(-1)3+3. =-3
−1 0
A12=(-1)1+2.M12=(-1)3. =-3 Assim:

3 −1 ⎡ 2 −5 2 ⎤ ⎡ 2 1 −3 ⎤
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
2 1 cofA = ⎢ 1 −7 10 ⎥ e adjA = ⎢ −5 −7 3 ⎥
A33=(-1)3+3.M33=(-1)6. =5
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
⎢⎣ −3 3 −3 ⎥⎦ ⎢⎣ 2 10 −3 ⎥⎦
Dada uma matriz A=(aij)nxm, com n ≥ 2, chamamos matriz
co-fatora de A a matriz cujos elementos são os co-fatores dos Determinante de uma Matriz de Ordem n
elementos de A; indicamos a matriz co-fatora por cof A. A trans-
posta da matriz co-fatora de A é chamada de matriz adjunta de Definição.
A, que indicamos por adj. A. Vimos até aqui a definição de determinante para matrizes
quadradas de ordem 1, 2 e 3.
Seja A uma matriz quadrada de ordem n.

30
RACIOCÍNIO LÓGICO

Então: Assim:
- Para n = 1
A=[a11] ⇒ det A=a­11 detA=3.(-11) ⇒ det A = -33

- Para n ≥ 2: Nota: Observamos que quanto mais “zeros” aparecerem na


primeira linha, mais o cálculo é facilitado.
a11 a12 .... a1n 
a  Teorema de Laplace
 21 a2 ... a2 n
n

Seja A uma matriz quadrada de ordem n, n ⇒ 2, seu deter-


 ⇒ det A = a . A
.......................  ∑
j =1
1j 1j

  minante é a soma dos produtos dos elementos de uma fila (linha


an1 an 2 ... an  ou coluna) qualquer pelos respectivos co-fatores.
A=
5 0 1 2
3 2 1 0 
Exemplo 
4 1 0 0
ou seja:  
3 − 2 2 0
detA = a11.A11+a12.A12+…+a1n.A1n Sendo A=
Então, o determinante de uma matriz quadrada de ordem
n, n ≥ 2 é a soma dos produtos dos elementos da primeira linha Devemos escolher a 4ª coluna para a aplicação do teorema
da matriz pelos respectivos co-fatores. de Laplace, pois, neste caso, teremos que calcular apenas um
co-fator.
Exemplos
Assim:
⎡ a11 a12 ⎤ detA=2.A14+0.A24+0.A34+0.A44
1º) Sendo A=⎢ ⎥
⎢ a a ⎥ , temos:
⎣ 21 22 ⎦
3 2 1
4 1 0 
 
detA=a11.A11+a12.A12, onde: 3 − 2 2 
A11=(-1)1+1.|a22|=a22 A14=(-1) 1+4
=+21
A12=(-1)1+2.|a21|=a21
detA=2.21=42
Assim: Observações Importantes: No cálculo do determinante de
detA=a11.a22+a12.(-a21) uma matriz de ordem n, recaímos em determinantes de matri-
detA=a11.a22-a21.a12 zes de ordem n-1, e no cálculo destes, recaímos em determi-
nantes de ordem n-2, e assim sucessivamente, até recairmos em
Nota: Observamos que esse valor coincide com a definição determinantes de matrizes de ordem 3, que calculamos com a
vista anteriormente. regra de Sarrus, por exemplo.

- O cálculo de um determinante fica mais simples, quando


⎡ 3 0 0 0 ⎤ escolhemos uma fila com a maior quantidade de zeros.
⎢ ⎥
⎢ 1 2 3 2 ⎥ - A aplicação sucessiva e conveniente do teorema de Jacobi
− Sendo A = ⎢ ⎥ ,temos : pode facilitar o cálculo do determinante pelo teorema de Lapla-
⎢ 23 5 4 3 ⎥ ce.
⎢ ⎥
⎢⎣ −9 3 0 2 ⎥⎦ Exemplo  1 2 3 1
 0 −1 2 1 

− 2 3 1 2
det A = 3.A11 + 0.A12 + 0.A13 + 0.A14 
 3 4 6 3

 
zero
Calcule det A sendo A=

 2 3 2 A 1ª coluna ou 2ª linha tem a maior quantidade de zeros.


1 4 3 Nos dois casos, se aplicarmos o teorema de Laplace, calculare-
  mos ainda três co-fatores.
3 0 2 
A11=(-1)1+1.  =-11

31
RACIOCÍNIO LÓGICO

Para facilitar, vamos “fazer aparecer zero”em A31=-2 e A41=3 2ª) A é triangular inferior
multiplicando a 1ª linha por 2 e somando com a 3ª e multipli-
cando a 1ª linha por -3 e somando com a 4ª linha; fazendo isso, a11 a12 a13 .... a1n 
 
teremos: a21 a22 0 ... a2 n 
a31 a32 a33 ... a3n 
 
 1 2 3 1  ... ... ... ... ... 
 0 − 1 2 1  a 
 A=  n1 an 2 an 3 ... ann 
 0 7 7 4
A=  
0 − 2 − 3 0 detA=a11.a22.a33. ... .ann

1 0 0  0
Agora, aplicamos o teorema de Laplace na 1ª coluna:
 0 1 0 
 0 
 0 0 1  0
 −1 2 1   −1 2 1  

detA=1.(-1)1+1.  7 7 4  =  7 7 4      
  0 0 0  1
 − 2 − 3 
0  − 2 − 3 0
In=
Aplicamos a regra de Sarrus,
det/n=1

Determinante de Vandermonde e Regra de Chió

Uma determinante de ordem n ≥ 2 é chamada determi-


nante de Vandermonde ou determinante das potências se, e so-
mente se, na 1ª linha (coluna) os elementos forem todos iguais
a 1; na 2ª, números quaisquer; na 3ª, os seus quadrados; na 4ª,
det A=(0-16-21)-(-14+12+0) os seus cubos e assim sucessivamente.
detA=0-16-21+14-12-0=-49+14
detA=-35 Exemplos

Uma aplicação do Teorema de Laplace 1º) Determinante de Vandermonde de ordem 3

Sendo A uma matriz triangular, o seu determinante é o pro- 1 1 1


duto dos elementos da diagonal principal; podemos verificar
a b c
isso desenvolvendo o determinante de A através da 1ª coluna,
se ela for triangular superior, e através da 1ª linha, se ela for a 2 b2 c2
triangular superior, e através da 1ª linha, se ela for triangular
inferior. 2º) Determinante de Vandermonde de ordem 4

Assim:
1 1 1 1
1ª) A é triangular superior
a b c d
a11 a12 a13 .... a1n 
0 a22 a23 ... a2 n 
a2 b2 c2 d 2

A= 0 0 a33 ... a3n  a 3 b3 c3 d 3
 
 ... ... ... ... ... 
 0 0 0 ... ann  Os elementos da 2ª linha são denominados elementos ca-

racterísticos.

detA=a11.a22.a33. ... .ann Propriedade

Um determinante de Vandermonde é igual ao produto de


todas as diferenças que se obtêm subtraindo-se de cada um dos
elementos característicos os elementos precedentes, indepen-
dente da ordem do determinante.

32
RACIOCÍNIO LÓGICO

Exemplo Respostas

Calcule o determinante: 1) Solução: Sendo a matriz A do tipo 2 x 3, temos:

1 2 4 ⎡ a11 a12 a13 ⎤


det A = 1 4 16 A=⎢ ⎥
⎢ a a a23 ⎥
1 7 49 ⎣ 21 22 ⎦

a11 = 2 . 1 + 1 = 3
Sabemos que detA=detAt, então: a12 = 2 . 1 + 2 = 4
a13 = 2 . 1 + 3 = 5
1 1 1 a21 = 2 . 2 + 1 = 5
a22 = 2 . 2 + 2 = 6
det A = 2 4
t
7 a23 = 2 . 2 + 3 = 7
1 16 49
Portanto, A =

Que é um determinante de Vandermonde de ordem 3, en- 2) Solução: Como a matriz A é nula, então todos os seus
tão: elementos são nulos. Logo:
detA=(4-2).(7-2).(7-4)=2.5.3=30
x + 1 = 0 → x = -1
Exercícios y – 2 = 0 → y = -2

1. Escreva a matriz A = (aij)2 x 3 tal que aij = 2i + j. 3) Solução: Os elementos da diagonal principal são 1, 5 e 9;
logo, 1 + 5 + 9 = 15.
2. Obtenha o valor de x e y sabendo que a matriz A = Os elementos da diagonal secundária são 3, 5 e 7; logo,
é nula. 3 + 5 + 7 = 15.
Portanto, a soma procurada é 15 + 15, ou seja, 30.
3. Calcule a soma dos elementos da diagonal principal com
os elementos da diagonal secundária da matriz . 4) Solução: Como as matrizes são iguais, devemos ter:
a+4=5→a=1
b² = 4 → b = 2 ou b = -2

4. Calcule o valor a e b, sabendo que = 5) Solução: Como a matriz A é matriz diagonal, devemos ter:
x + 2 = 0 → x = -2
y–1=0→y=1
z – 4 = 0 → z = 4.
5. Sabendo que a matriz A = é matriz dia-
gonal, calcule x, y e z. Portanto, x = -2, y = 1 e z = 4.
6) Solução:

6. Sabendo que I2 = calcule x e y. Como I2 = , devemos ter x – y = 1 e x + y = 0.

7. Escreva a matriz oposta de A = (aij) 2x 2 sabendo que aij = i + j. Resolvendo o sistemaencontramos x =

8. Escreva a matriz transposta A = (aij)3 x 3 dada por aij = i – 2j. 7) Solução:

9. Dada a matriz A = calcule o valor de a para que ⎡ a11 a12 ⎤


A seja simétrica. A=⎢ ⎥
⎢ a a ⎥ → a11 = 1 + 1 = 2, a12 = 1 + 2 = 3, a21 =
⎣ 21 22 ⎦
10. Calcule A + B sabendo que A = eB = = 2 + 1 = 3, a22 = 2 + 2 = 4.

⎡ 2 3 ⎤ ⎡ −2 −3 ⎤
Logo, A = ⎢ ⎥e − A = ⎢ ⎥
⎢⎣ 3 4 ⎥⎦ ⎢⎣ −3 −4 ⎥⎦

33
RACIOCÍNIO LÓGICO

8) Solução: ___________________________________________________

⎡ a11 a12 a13 ⎤ ___________________________________________________


⎢ ⎥
A = ⎢ a 21 a22 a23 ⎥
⎢ ⎥ ___________________________________________________
⎢ ⎥
⎢⎣ a31 a32 a33 ⎥⎦
___________________________________________________

a11 = 1 – 2 . 1 = -1
___________________________________________________
a12 = 1 – 2 . 2 = -3
a13 = 1 – 2 . 3 = -5
a21 = 2 – 2 . 1 = 0 ___________________________________________________
a22 = 2 – 2 . 2 = -2
a23 = 2 – 2 . 3 = -4 ___________________________________________________
a31 = 3 – 2 . 1 = 1
a32 = 3 – 2 . 2 = -1
___________________________________________________
a33 = 3 – 2 . 3 = -3

⎡ −1 −3 −5 ⎤ ⎡ −1 0 1 ⎤ ___________________________________________________
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
Portanto, A = ⎢ 0 −2 −4 ⎥ e At = ⎢ −3 −2 −1 ⎥. ___________________________________________________
⎢ ⎥ ⎢ ⎥
⎢⎣ 1 −1 −3 ⎥⎦ ⎢⎣ −5 −4 −3 ⎥⎦
___________________________________________________
9) Solução: A matriz A será simétrica se A = A.
t

___________________________________________________

At = . ___________________________________________________

___________________________________________________
Então devemos ter → a² = 4
___________________________________________________
Portanto, a = 2 ou a = -2.
___________________________________________________
10) Solução:

___________________________________________________
ANOTAÇÕES

___________________________________________________
___________________________________________________

___________________________________________________
___________________________________________________

___________________________________________________
___________________________________________________

___________________________________________________
___________________________________________________

___________________________________________________
___________________________________________________

___________________________________________________
___________________________________________________

___________________________________________________
___________________________________________________

___________________________________________________
___________________________________________________

34
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

1. Lei Federal nº 12.550, de 15 de dezembro de 2011 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


2. Decreto nº 7.661, de 28 de dezembro de 2011 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
3. Regimento Interno da EBSERH - 3ª revisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
4. Código de Ética e Conduta da Ebserh - Princípios Éticos e Compromissos de Conduta - 1ª edição – 2017 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

Art. 4º Compete à EBSERH:


1. LEI FEDERAL Nº 12.550,
I - administrar unidades hospitalares, bem como prestar
DE15 DE DEZEMBRO DE 2011 serviços de assistência médico-hospitalar, ambulatorial e de apoio
diagnóstico e terapêutico à comunidade, no âmbito do SUS;
II - prestar às instituições federais de ensino superior e a
LEI Nº 12.550, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2011. outras instituições congêneres serviços de apoio ao ensino, à
pesquisa e à extensão, ao ensino-aprendizagem e à formação de
pessoas no campo da saúde pública, mediante as condições que
Autoriza o Poder Executivo a criar a empresa
forem fixadas em seu estatuto social;
pública denominada Empresa Brasileira de Serviços III - apoiar a execução de planos de ensino e pesquisa de
Hospitalares - EBSERH; acrescenta dispositivos ao instituições federais de ensino superior e de outras instituições
Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - congêneres, cuja vinculação com o campo da saúde pública ou
Código Penal; e dá outras providências. com outros aspectos da sua atividade torne necessária essa
cooperação, em especial na implementação das residências
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso médica, multiprofissional e em área profissional da saúde, nas
Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: especialidades e regiões estratégicas para o SUS;
Art. 1º Fica o Poder Executivo autorizado a criar empresa IV - prestar serviços de apoio à geração do conhecimento
pública unipessoal, na forma definida no inciso II do art. 5º do em pesquisas básicas, clínicas e aplicadas nos hospitais
Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967, e no art. 5º do universitários federais e a outras instituições congêneres;
Decreto-Lei nº 900, de 29 de setembro de 1969,  denominada V - prestar serviços de apoio ao processo de gestão dos
Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH, com hospitais universitários e federais e a outras instituições
personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio, congêneres, com implementação de sistema de gestão único
vinculada ao Ministério da Educação, com prazo de duração com geração de indicadores quantitativos e qualitativos para o
indeterminado. estabelecimento de metas; e
§ 1º A EBSERH terá sede e foro em Brasília, Distrito Federal, VI - exercer outras atividades inerentes às suas finalidades,
e poderá manter escritórios, representações, dependências e nos termos do seu estatuto social.
filiais em outras unidades da Federação. Art. 5º É dispensada a licitação para a contratação da
§ 2º Fica a EBSERH autorizada a criar subsidiárias para o EBSERH pela administração pública para realizar atividades
desenvolvimento de atividades inerentes ao seu objeto social, relacionadas ao seu objeto social.
com as mesmas características estabelecidas no  caput  deste Art. 6º A EBSERH, respeitado o princípio da autonomia
artigo, aplicando-se a essas subsidiárias o disposto nos arts. 2º universitária, poderá prestar os serviços relacionados às suas
a 8º , no caput e nos §§ 1º , 4º e 5º do art. 9º e, ainda, nos arts. competências mediante contrato com as instituições federais de
10 a 15 desta Lei. ensino ou instituições congêneres.
Art. 2º A EBSERH terá seu capital social integralmente sob a § 1º O contrato de que trata o  caput  estabelecerá, entre
propriedade da União. outras:
Parágrafo único. A integralização do capital social será I - as obrigações dos signatários;
realizada com recursos oriundos de dotações consignadas no II - as metas de desempenho, indicadores e prazos de
execução a serem observados pelas partes;
orçamento da União, bem como pela incorporação de qualquer
III - a respectiva sistemática de acompanhamento e
espécie de bens e direitos suscetíveis de avaliação em dinheiro.
avaliação, contendo critérios e parâmetros a serem aplicados; e
Art. 3º A EBSERH terá por finalidade a prestação de serviços
IV - a previsão de que a avaliação de resultados obtidos,
gratuitos de assistência médico-hospitalar, ambulatorial e de
no cumprimento de metas de desempenho e observância
apoio diagnóstico e terapêutico à comunidade, assim como
de prazos pelas unidades da EBSERH, será usada para o
a prestação às instituições públicas federais de ensino ou
aprimoramento de pessoal e melhorias estratégicas na atuação
instituições congêneres de serviços de apoio ao ensino, à perante a população e as instituições federais de ensino ou
pesquisa e à extensão, ao ensino-aprendizagem e à formação instituições congêneres, visando ao melhor aproveitamento
de pessoas no campo da saúde pública, observada, nos termos dos recursos destinados à EBSERH.
do art. 207 da Constituição Federal, a autonomia universitária. § 2º Ao contrato firmado será dada ampla divulgação por
§ 1º As atividades de prestação de serviços de assistência intermédio dos sítios da EBSERH e da entidade contratante na
à saúde de que trata o  caput  estarão inseridas integral e internet.
exclusivamente no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. § 3º Consideram-se instituições congêneres, para efeitos
§ 2º No desenvolvimento de suas atividades de assistência desta Lei, as instituições públicas que desenvolvam atividades
à saúde, a EBSERH observará as orientações da Política Nacional de ensino e de pesquisa na área da saúde e que prestem serviços
de Saúde, de responsabilidade do Ministério da Saúde. no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS.
§ 3º É assegurado à EBSERH o ressarcimento das despesas Art. 7º No âmbito dos contratos previstos no art. 6º , os
com o atendimento de consumidores e respectivos dependentes servidores titulares de cargo efetivo em exercício na instituição
de planos privados de assistência à saúde, na forma estabelecida federal de ensino ou instituição congênere que exerçam
pelo art. 32 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, observados atividades relacionadas ao objeto da EBSERH poderão ser a ela
os valores de referência estabelecidos pela Agência Nacional de cedidos para a realização de atividades de assistência à saúde e
Saúde Suplementar. administrativas.

1
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

§ 1º Ficam assegurados aos servidores referidos no caput os Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943,  mediante processo
direitos e as vantagens a que façam jus no órgão ou entidade de seletivo simplificado, observado o prazo máximo de duração
origem. estabelecido no seu art. 445.
Art. 8º Constituem recursos da EBSERH: Art. 13. Ficam as instituições públicas federais de ensino
I - recursos oriundos de dotações consignadas no orçamento e instituições congêneres autorizadas a ceder à EBSERH, no
da União; âmbito e durante a vigência do contrato de que trata o art. 6º ,
II - as receitas decorrentes: bens e direitos necessários à sua execução.
a) da prestação de serviços compreendidos em seu objeto; Parágrafo único. Ao término do contrato, os bens serão
b) da alienação de bens e direitos; devolvidos à instituição cedente.
c) das aplicações financeiras que realizar; Art. 14. A EBSERH e suas subsidiárias estarão sujeitas à
d) dos direitos patrimoniais, tais como aluguéis, foros, fiscalização dos órgãos de controle interno do Poder Executivo
dividendos e bonificações; e e ao controle externo exercido pelo Congresso Nacional, com
e) dos acordos e convênios que realizar com entidades auxílio do Tribunal de Contas da União.
nacionais e internacionais; Art. 15. A EBSERH fica autorizada a patrocinar entidade
III - doações, legados, subvenções e outros recursos que fechada de previdência privada, nos termos da legislação
lhe forem destinados por pessoas físicas ou jurídicas de direito vigente.
público ou privado; e Parágrafo único. O patrocínio de que trata o caput poderá
IV - rendas provenientes de outras fontes. ser feito mediante adesão a entidade fechada de previdência
Parágrafo único. O lucro líquido da EBSERH será reinvestido privada já existente.
para atendimento do objeto social da empresa, excetuadas Art. 16. A partir da assinatura do contrato entre a EBSERH
as parcelas decorrentes da reserva legal e da reserva para e a instituição de ensino superior, a EBSERH disporá de prazo de
contingência. até 1 (um) ano para reativação de leitos e serviço inativos por
Art. 9º A EBSERH será administrada por um Conselho de falta de pessoal.
Administração, com funções deliberativas, e por uma Diretoria Art. 17. Os Estados poderão autorizar a criação de empresas
públicas de serviços hospitalares.
Executiva e contará ainda com um Conselho Fiscal e um Conselho
Art. 18. O art. 47 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro
Consultivo.
de 1940 - Código Penal,  passa a vigorar acrescido do seguinte
§ 1º O estatuto social da EBSERH definirá a composição, as
inciso V:
atribuições e o funcionamento dos órgãos referidos no caput .
“Art. 47. .....................................................................
§ 2º (VETADO).
.............................................................................................
§ 3º (VETADO).
V - proibição de inscrever-se em concurso, avaliação ou
§ 4º A atuação de membros da sociedade civil no Conselho
exame públicos.” (NR)
Consultivo não será remunerada e será considerada como
Art. 19. O Título X da Parte Especial do Decreto-Lei nº 2.848,
função relevante. de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal  , passa a vigorar
§ 5º Ato do Poder Executivo aprovará o estatuto da EBSERH. acrescido do seguinte Capítulo V:
Art. 10. O regime de pessoal permanente da EBSERH “ CAPÍTULO V
será o da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada DAS FRAUDES EM CERTAMES DE INTERESSE PÚBLICO
pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e legislação Fraudes em certames de interesse público
complementar, condicionada a contratação à prévia aprovação ‘Art. 311-A. Utilizar ou divulgar, indevidamente, com o fim de
em concurso público de provas ou de provas e títulos, observadas beneficiar a si ou a outrem, ou de comprometer a credibilidade
as normas específicas editadas pelo Conselho de Administração. do certame, conteúdo sigiloso de:
Parágrafo único. Os editais de concursos públicos para I - concurso público;
o preenchimento de emprego no âmbito da EBSERH poderão II - avaliação ou exame públicos;
estabelecer, como título, o cômputo do tempo de exercício em III - processo seletivo para ingresso no ensino superior; ou
atividades correlatas às atribuições do respectivo emprego. IV - exame ou processo seletivo previstos em lei:
Art. 11. Fica a EBSERH, para fins de sua implantação, Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.
autorizada a contratar, mediante processo seletivo simplificado, § 1º Nas mesmas penas incorre quem permite ou facilita,
pessoal técnico e administrativo por tempo determinado. por qualquer meio, o acesso de pessoas não autorizadas às
§ 1º Os contratos temporários de emprego de que trata informações mencionadas no caput .
o caput somente poderão ser celebrados durante os 2 (dois) anos § 2º Se da ação ou omissão resulta dano à administração
subsequentes à constituição da EBSERH e, quando destinados pública:
ao cumprimento de contrato celebrado nos termos do art. 6º , Pena - reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa.
nos primeiros 180 (cento e oitenta) dias de vigência dele. § 3º Aumenta-se a pena de 1/3 (um terço) se o fato é
§ 2º Os contratos temporários de emprego de que trata cometido por funcionário público.’ (NR)”
o  caput  poderão ser prorrogados uma única vez, desde que a Art. 20. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
soma dos 2 (dois) períodos não ultrapasse 5 (cinco) anos. Brasília, 15 de dezembro de 2011; 190º da Independência
Art. 12. A EBSERH poderá celebrar contratos temporários e 123
de emprego com base nas alíneas a e b do § 2º do art. 443 da
Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-

2
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

§ 1º As atividades de prestação de serviços de assistência


2. DECRETO Nº 7.661,
º daDE 28 DE DEZEMBRO DE 2011
República. à saúde de que trata o  caput  estarão inseridas integral e
exclusivamente no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS.
§ 2º No desenvolvimento de suas atividades de assistência à
DECRETO Nº 7.661, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2011. saúde, a EBSERH observará as diretrizes e políticas estabelecidas
pelo Ministério da Saúde.
§ 3º A execução das atividades mencionadas neste artigo
Aprova o Estatuto Social
dar-se-á por meio da celebração de contrato específico para
da Empresa Brasileira
este fim, pactuado de comum acordo entre a EBSERH e cada
de Serviços Hospitalares uma das instituições de ensino ou instituições congêneres,
-EBSERH, e dá outras respeitado o princípio da autonomia das universidades.
providências. § 4º A EBSERH, no exercício de suas atividades, deverá estar
orientada pelas políticas acadêmicas estabelecidas no âmbito
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA , no uso da atribuição que lhe das instituições de ensino com as quais estabelecer contrato de
confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o prestação de serviços.
disposto na Lei nº 12.550, de 15 de dezembro de 2011, Art. 4º O prazo de duração da EBSERH é indeterminado.
DECRETA: Art. 5º A EBSERH sujeitar-se-á ao regime jurídico próprio das
Art. 1º Fica aprovado o Estatuto Social da Empresa Brasileira empresas privadas, inclusive quanto aos direitos e obrigações
de Serviços Hospitalares - EBSERH, nos termos do Anexo, empresa civis, comerciais, trabalhistas e tributários.
pública federal, unipessoal, vinculada ao Ministério da Educação.
Art. 2º A constituição inicial do capital social da EBSERH será CAPÍTULO II
de R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais), a ser integralizado DO CAPITAL SOCIAL E DOS RECURSOS
pela União.
Art. 3º O disposto no art. 1º , inciso II do caput, do Decreto Art. 6º O capital social da EBSERH é de R$ 5.000.000,00
nº 757, de 19 de fevereiro de 1993, não se aplica à EBSERH. (cinco milhões de reais), integralmente sob a propriedade da
Art. 4º Este Decreto entra em vigor na data de sua União.
publicação. Parágrafo único. O capital social da EBSERH poderá
Brasília, 28 de dezembro de 2011; 190º da Independência e ser aumentado e integralizado com recursos oriundos de
123º da República. dotações consignadas no orçamento da União, bem como pela
DILMA ROUSSEFF incorporação de qualquer espécie de bens e direitos suscetíveis
José Henrique Paim Fernandes de avaliação em dinheiro.
Alexandre Rocha Santos Padilha Art. 7º Constituem recursos da EBSERH:
Miriam Belchior I - as dotações que lhe forem consignadas no orçamento
Este texto não substitui o publicado no DOU de 29.12.2011 da União;
II - as receitas decorrentes:
ANEXO a) da prestação de serviços compreendidos em seu objeto;
ESTATUTO SOCIAL DA EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS b) da alienação de bens e direitos;
HOSPITALARES S.A. - EBSERH c) das aplicações financeiras que realizar;
CAPÍTULO I d) dos direitos patrimoniais, tais como aluguéis, foros,
DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E DURAÇÃO dividendos e bonificações; e
e) dos acordos e convênios que realizar com entidades
Art. 1º A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - nacionais e internacionais;
EBSERH, empresa pública dotada de personalidade jurídica de III - doações, legados, subvenções e outros recursos que
direito privado e patrimônio próprio, reger-se-á pelo presente lhe forem destinados por pessoas físicas ou jurídicas de direito
Estatuto Social e pelas disposições legais que lhe forem público ou privado;
aplicáveis. IV - os oriundos de operações de crédito, assim entendidos
Parágrafo único. A EBSERH fica sujeita à supervisão do os provenientes de empréstimos e financiamentos obtidos pela
Ministro de Estado da Educação. entidade; e
Art. 2º A EBSERH tem sede e foro em Brasília, Distrito Federal, V - rendas provenientes de outras fontes.
e atuação em todo o território nacional, podendo criar subsidiárias, Parágrafo único. O lucro líquido da EBSERH será reinvestido
sucursais, filiais ou escritórios e representações no país. para atendimento do objeto social da empresa, excetuadas
Art. 3º A EBSERH terá por finalidade a prestação de serviços as parcelas decorrentes da reserva legal e da reserva para
gratuitos de assistência médico-hospitalar, ambulatorial e de contingência.
apoio diagnóstico e terapêutico à comunidade, assim como
a prestação às instituições públicas federais de ensino ou
instituições congêneres de serviços de apoio ao ensino, à
pesquisa e à extensão, ao ensino-aprendizagem e à formação
de pessoas no campo da saúde pública, observada, nos termos
do art. 207 da Constituição , a autonomia universitária.

3
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

CAPÍTULO III II - os que houverem sido condenados por crime falimentar,


DA COMPETÊNCIA de sonegação fiscal, de prevaricação, de corrupção ativa
ou passiva, de concussão, de peculato, contra a economia
Art. 8º A EBSERH exercerá atividades relacionadas com suas popular, contra a fé pública, contra a propriedade ou que
finalidades, competindo-lhe, particularmente: houverem sido condenados a pena criminal que vede, ainda que
I - administrar unidades hospitalares, bem como prestar temporariamente, o acesso a cargos públicos;
serviços de assistência médico-hospitalar, ambulatorial e de III - os declarados inabilitados para cargos de administração
apoio diagnóstico e terapêutico à comunidade, integralmente em empresas sujeitas a autorização, controle e fiscalização de
disponibilizados ao Sistema Único de Saúde; órgãos e entidades da administração pública direta e indireta;
II - prestar, às instituições federais de ensino superior e a IV - os declarados falidos ou insolventes;
outras instituições públicas congêneres, serviços de apoio ao V - os que detiveram o controle ou participaram da
ensino e à pesquisa e à extensão, ao ensino-aprendizagem administração de pessoa jurídica concordatária, falida ou
e à formação de pessoas no campo da saúde publica, em insolvente, no período de cinco anos anteriores à data da
consonância com as diretrizes do Poder Executivo; eleição ou nomeação, salvo na condição de síndico, comissário
III - apoiar a execução de planos de ensino e pesquisa de ou administrador judicial;
instituições federais de ensino superior e de outras instituições VI - sócio, ascendente, descendente ou parente colateral
públicas congêneres, cuja vinculação com o campo da saúde ou afim, até o terceiro grau, de membro do Conselho de
pública ou com outros aspectos da sua atividade torne necessária Administração, da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal;
essa cooperação, em especial na implementação de residência VII - os que tiverem interesse conflitante com a sociedade.
médica ou multiprofissional e em área profissional da saúde, nas § 1º Aos integrantes dos órgãos de administração é vedado
especialidades e regiões estratégicas para o SUS; intervir em operação em que, direta ou indiretamente, sejam
IV - prestar serviços de apoio à geração do conhecimento em interessadas sociedades de que detenham o controle ou
pesquisas básicas, clínicas e aplicadas nos hospitais universitários participação superior a cinco por cento do capital social.
federais e a outras instituições públicas congêneres; § 2º O impedimento referido no § 1º aplica-se, ainda, quando se
V - prestar serviços de apoio ao processo de gestão dos tratar de empresa em que ocupem ou tenham ocupado, em período
hospitais universitários e federais e a outras instituições públicas imediatamente anterior à investidura na EBSERH, cargo de gestão.
congêneres, com a implementação de sistema de gestão único
com geração de indicadores quantitativos e qualitativos para o CAPÍTULO V
estabelecimento de metas; e DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
VI - exercer outras atividades inerentes às suas finalidades.
Art. 9º A EBSERH prestará os serviços relacionados às suas Art. 12. O órgão de orientação superior da EBSERH é o
competências mediante contrato com as instituições federais Conselho de Administração, composto por nove membros,
de ensino ou instituições públicas congêneres, o qual conterá, nomeados pelo Ministro de Estado da Educação, obedecendo a
obrigatoriamente: seguinte composição:
I - as obrigações dos signatários; I - três membros indicados pelo Ministro de Estado da
II - as metas de desempenho, indicadores e prazos de Educação, sendo que um será o Presidente do Conselho e outro
execução a serem observados pelas partes; e substituto nas suas ausências e impedimentos;
III - a respectiva sistemática de acompanhamento e II - o Presidente da Empresa, que não poderá exercer a
avaliação, contendo critérios e parâmetros a serem aplicados. Presidência do Conselho, ainda que interinamente;
Parágrafo único. A EBSERH dará ampla publicidade aos III - um membro indicado pelo Ministro de Estado do
contratos firmados, inclusive por meio de sítio na Internet. Planejamento, Orçamento e Gestão;
IV - dois membros indicados pelo Ministro de Estado da
CAPÍTULO IV Saúde;
DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS V - um representante dos empregados e respectivo suplente,
na forma da Lei nº 12.353, de 28 de dezembro de 2010 ; e
Art. 10. São órgãos estatutários da EBSERH: VI - um membro indicado pela Associação Nacional dos
I - o Conselho de Administração; Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior -
II - a Diretoria Executiva; ANDIFES, sendo reitor de universidade federal ou diretor de
III - o Conselho Fiscal; e hospital universitário federal.
IV - o Conselho Consultivo. § 1º O prazo de gestão dos membros do Conselho de
Art. 11. Não podem participar dos órgãos da EBSERH, além Administração será de dois anos contados a partir da data de
dos impedidos por lei: publicação do ato de nomeação, podendo ser reconduzidos por
I - os que detenham controle ou participação relevante no igual período.
capital social de pessoa jurídica inadimplente com a EBSERH § 2º O representante dos empregados, de que trata o inciso
ou que lhe tenha causado prejuízo ainda não ressarcido, V deste artigo, e seu respectivo suplente, serão escolhidos
estendendo-se esse impedimento aos que tenham ocupado dentre os empregados ativos da EBSERH, pelo voto direto de
cargo de administração em pessoa jurídica nessa situação, no seus pares, em eleição organizada pela empresa em conjunto
exercício social imediatamente anterior à data da eleição ou com as entidades sindicais que os representem, na forma da Lei
nomeação; nº 12.353, de 2010, e sua regulamentação.

4
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

§ 3º O representante dos empregados não participará das IX - deliberar sobre alteração do capital e do estatuto social
discussões e deliberações sobre assuntos que envolvam relações da EBSERH;
sindicais, remuneração, benefícios e vantagens, inclusive X - deliberar, mediante proposta da Diretoria Executiva,
assistenciais ou de previdência complementar, hipóteses em sobre:
que fica configurado o conflito de interesse, sendo tais assuntos a) o regulamento de licitação;
deliberados em reunião separada e exclusiva para tal fim. b) o regulamento de pessoal, incluindo o regime disciplinar
§ 4º A investidura dos membros do Conselho de e as normas sobre apuração de responsabilidade;
Administração far-se-á mediante assinatura em livro de termo c) o quadro de pessoal, com a indicação do total de vagas
de posse. autorizadas; e
§ 5º Na hipótese de recondução, o prazo de nova gestão d) o plano de salários, benefícios, vantagens e quaisquer
conta-se a partir da data do término do prazo de gestão anterior. outras parcelas que componham a retribuição de seus
§ 6º Findo o prazo de gestão, o membro do Conselho de empregados;
Administração permanecerá no exercício da função até a XI - autorizar a aquisição, alienação e a oneração de bens
investidura de substituto. imóveis e valores mobiliários;
§ 7º No caso de vacância definitiva do cargo de Conselheiro, XII - autorizar a contratação de empréstimos no interesse
o substituto será nomeado pelos Conselheiros remanescentes e da EBSERH;
servirá até a designação do novo representante, exceto no caso XIII - designar e destituir o titular da auditoria interna, após
do representante dos empregados. aprovação da Controladoria Geral da União; e
§ 8º O suplente do representante dos empregados exercerá XIV - dirimir questões em que não haja previsão estatutária,
suas funções apenas no caso de vacância definitiva do seu aplicando, subsidiariamente, a Lei nº 6.404, de 15 de dezembro
titular. de 1976.
§ 9º Salvo impedimento legal, os membros do Conselho de Art. 14. O Conselho de Administração reunir-se-á,
Administração farão jus a honorários mensais correspondentes ordinariamente, mensalmente e, extraordinariamente, sempre
a dez por cento da remuneração média mensal dos Diretores que for convocado pelo Presidente, a seu critério, ou por
da EBSERH, além do reembolso, obrigatório, das despesas de solicitação de, pelo menos, quatro de seus membros.
locomoção e estada necessárias ao desempenho da função. § 1º O Conselho somente deliberará com a presença da
§ 10. Além dos casos de morte, renúncia, destituição maioria absoluta dos seus membros.
e outros previstos em lei, considerar-se-á vaga a função § 2º As deliberações do Conselho serão tomadas por
de membro do Conselho de Administração que, sem causa maioria simples de votos dos presentes, respeitado o quorum
formalmente justificada, não comparecer a duas reuniões do § 1º , e registradas em atas, cabendo ao Presidente, além do
consecutivas ou três alternadas, no intervalo de um ano, salvo voto ordinário, o voto de qualidade.
caso de forca maior ou caso fortuito.
Art. 13. Compete ao Conselho de Administração: CAPÍTULO VI
I - fixar as orientações gerais das atividades da EBSERH; DA DIRETORIA
II - examinar e aprovar, por proposta do Presidente da
EBSERH, políticas gerais e programas de atuação a curto, médio Art. 15. A EBSERH será administrada por uma Diretoria
e longo prazo, em harmonia com a política de educação, com Executiva, composta pelo Presidente e até seis Diretores, todos
a política de saúde e com a política econômico-financeira do nomeados e destituíveis, a qualquer tempo, pelo Presidente da
Governo Federal; República, por indicação do Ministro de Estado da Educação.
III - aprovar o regimento interno da EBSERH, que deverá § 1º A investidura dos membros da Diretoria far-se-á
conter, dentre outros aspectos, a estrutura básica da empresa e mediante assinatura em livro de termo de posse.
os níveis de alçada decisória da Diretoria e do Presidente, para § 2º O Presidente e Diretores da EBSERH serão nomeados
fins de aprovação de operações; dentre brasileiros que satisfaçam os seguintes requisitos:
IV - aprovar o orçamento e programa de investimentos e I - idoneidade moral e reputação ilibada;
acompanhar a sua execução; II - notórios conhecimentos na área de gestão, da atenção
V - aprovar os contratos previstos no art. 6º da Lei nº 12.550, hospitalar e do ensino em saúde; e
de 2011 ; III - mais de dez anos de exercício de função ou de efetiva
VI - apreciar os relatórios anuais de auditoria e as atividade profissional que exija os conhecimentos mencionados
informações sobre os resultados da ação da EBSERH, bem como no inciso anterior.
sobre os principais projetos por esta apoiados; Art. 16. Compete à Diretoria:
VII - autorizar a contratação de auditores independentes; I - administrar e dirigir os bens, serviços e negócios da EBSERH
VIII - opinar e submeter à aprovação do Ministro de Estado e decidir, por proposta dos responsáveis pelas respectivas áreas
da Fazenda, por intermédio do Ministro de Estado da Educação: de coordenação, sobre operações de responsabilidade situadas
a) o relatório de administração e as demonstrações no respectivo nível de alçada decisória estabelecido pelo
contábeis anuais da EBSERH; Conselho de Administração;
b) a proposta de destinação de lucros ou resultados; II - propor e implementar as linhas orientadoras da ação da
c) a proposta de criação de subsidiárias; e EBSERH;
d) a proposta de dissolução, cisão, fusão e incorporação que III - apreciar e submeter ao Conselho de Administração o
envolva a EBSERH. orçamento e programa de investimentos da EBSERH;

5
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

IV - deliberar sobre operações, situadas no respectivo § 1º Os títulos ou documentos emitidos em decorrência


nível de alçada decisória estabelecido pelo Conselho de de obrigações contratuais, bem como os cheques e outras
Administração; obrigações de pagamento serão assinados pelo Presidente, que
V - autorizar a aquisição, alienação e oneração de bens poderá delegar esta atribuição.
móveis, exceto valores mobiliários, podendo estabelecer § 2º Na hipótese de delegação da atribuição referida no § 1º
normas e delegar poderes; , os títulos, documentos, cheques e outras obrigações deverão
VI - analisar e submeter à aprovação do Conselho de conter, pelo menos, duas assinaturas.
Administração propostas de aquisição, alienação e oneração de
bens imóveis e valores mobiliários; CAPÍTULO VII
VII - estabelecer normas e delegar poderes, no âmbito de DO CONSELHO FISCAL
sua competência;
VIII - elaborar as demonstrações financeiras de Art. 21. O Conselho Fiscal, como órgão permanente da
encerramento de exercício; EBSERH, compõe-se de três membros efetivos e respectivos
IX - autorizar a realização de acordos, contratos e convênios suplentes, nomeados pelo Ministro de Estado da Educação,
que constituam ônus, obrigações ou compromissos para a sendo:
EBSERH, exceto os constantes do art. 6º da Lei nº 12.550, de I - um membro indicado pelo Ministro de Estado da
2011; e Educação, que exercerá a sua presidência;
X - pronunciar-se sobre todas as matérias que devam ser II - um membro indicado pelo Ministro de Estado da Saúde;
submetidas ao Conselho de Administração. e
Art. 17. A Diretoria reunir-se-á, ordinariamente, uma vez III - um membro indicado pelo Ministro de Estado da
por semana e, extraordinariamente, sempre que convocada pelo Fazenda como representante do Tesouro Nacional.
Presidente da EBSERH, deliberando com a presença da maioria de § 1º A investidura dos membros do Conselho Fiscal far-
seus membros. se-á mediante registro na ata da primeira reunião de que
§ 1º As deliberações da Diretoria serão tomadas por maioria participarem.
§ 2º O mandato dos membros do Conselho Fiscal será de
de votos e registradas em atas, cabendo ao Presidente, além do
dois anos contados a partir da data de publicação do ato de
voto ordinário, o de qualidade.
nomeação, podendo ser reconduzidos por igual período.
§ 2º O Presidente poderá vetar as deliberações da Diretoria,
§ 3º Salvo impedimento legal, os membros do Conselho
submetendo-as, neste caso, ao Conselho de Administração.
Fiscal farão jus a honorários mensais correspondentes a dez por
Art. 18. Compete ao Presidente:
cento da remuneração média mensal dos Diretores da EBSERH,
I - representar a EBSERH, em juízo ou fora dele, podendo
além do reembolso, obrigatório, das despesas de locomoção e
delegar essa atribuição, em casos específicos, e, em nome da
estada necessárias ao desempenho da função.
entidade, constituir mandatários ou procuradores;
Art. 22. Cabe ao Conselho Fiscal:
II - convocar e presidir as reuniões da Diretoria; I - fiscalizar, por qualquer de seus membros, os atos dos
III - coordenar o trabalho das unidades da EBSERH, podendo administradores e verificar o cumprimento dos seus deveres
delegar competência executiva e decisória e distribuir, entre os legais e estatutários;
Diretores, a coordenação dos serviços da empresa; II - opinar sobre o relatório anual da administração e
IV - editar normas necessárias ao funcionamento dos órgãos demonstrações financeiras do exercício social;
e serviços da EBSERH, de acordo com a organização interna e III - opinar sobre a modificação do capital social, planos
a respectiva distribuição de competências estabelecidas pela de investimento ou orçamentos de capital, transformação,
Diretoria; incorporação, fusão ou cisão;
V - admitir, promover, punir, dispensar e praticar os demais IV - denunciar, por qualquer de seus membros, os erros,
atos compreendidos na administração de pessoal, de acordo fraudes ou crimes que descobrirem, e sugerir providências úteis;
com as normas e critérios previstos em lei e aprovados pela V - analisar, ao menos trimestralmente, o balancete e
Diretoria, podendo delegar esta atribuição no todo ou em parte; demais demonstrações financeiras elaboradas periodicamente
VI - designar substitutos para os membros da Diretoria, em pela EBSERH; e
seus impedimentos temporários, que não possam ser atendidos VI - acompanhar a execução patrimonial, financeira e
mediante redistribuição de tarefas, e, no caso de vaga, até o seu orçamentária, podendo examinar livros e quaisquer outros
preenchimento; e documentos e requisitar informações.
VII - apresentar, trimestralmente, ao Conselho de § 1º A Diretoria e o Conselho de Administração são obrigados a
Administração relatório das atividades da EBSERH. disponibilizar, por meio de comunicação formal, aos membros em
Art. 19. Aos Diretores compete auxiliar o Presidente na exercício do Conselho Fiscal, dentro de dez dias, cópia das atas de
direção e coordenação das atividades da EBSERH e exercer as suas reuniões e, dentro de quinze dias de sua elaboração, cópias
tarefas de coordenação que lhe forem atribuídas em regimento dos balancetes e demais demonstrações financeiras elaboradas
ou delegadas pelo Presidente. periodicamente, bem como dos relatórios de execução do
Art. 20. Os contratos que a EBSERH celebrar ou em que vier a orçamento.
intervir e os atos que envolvam obrigações ou responsabilidades § 2º O Conselho Fiscal reunir-se-á, ordinariamente, a
por parte da empresa serão assinados pelo Presidente, em cada mês e, extraordinariamente, quando convocado pelo seu
conjunto com um Diretor. Presidente.

6
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

§ 3º Em caso de renúncia, falecimento ou impedimento, os CAPÍTULO IX


membros efetivos do Conselho Fiscal serão substituídos pelos DO EXERCÍCIO SOCIAL, DAS DEMONSTRAÇÕES
seus suplentes, até a nomeação de novo membro. FINANCEIRAS E DOS LUCROS
§ 4º Além dos casos de morte, renúncia, destituição e outros
previstos em lei, considerar-se-á vaga a função de membro do Art. 26. O exercício social da EBSERH coincidirá com o ano
Conselho Fiscal que, sem causa formalmente justificada, não civil.
comparecer a duas reuniões consecutivas ou três alternadas, no Art. 27. A EBSERH levantará demonstrações financeiras e
intervalo de um ano, salvo caso de forca maior ou caso fortuito. procederá à apuração do resultado em 31 de dezembro de cada
exercício.
CAPÍTULO VIII Art. 28. Do resultado do exercício, feita a dedução para
DO CONSELHO CONSULTIVO atender a prejuízos acumulados e a provisão para imposto sobre
a renda, o Conselho de Administração proporá ao Ministro de
Art. 23. Conselho Consultivo é órgão permanente da Estado da Fazenda a sua destinação, observando a parcela de
EBSERH que tem as finalidades de consulta, controle social e cinco por cento para a constituição da reserva legal, até o limite
apoio à Diretoria Executiva e ao Conselho de Administração, e é de vinte por cento do capital social.
constituído pelos seguintes membros: Parágrafo único. Os prejuízos acumulados devem,
I- o Presidente da EBSERH, que o preside; preferencialmente, ser deduzidos do capital social.
II - dois representantes do Ministério da Educação;
III - um representante do Ministério da Saúde; CAPÍTULO X
IV - um representante dos usuários dos serviços de saúde DA ORGANIZAÇÃO INTERNA E DO PESSOAL
dos hospitais universitários federais, indicado pelo Conselho
Nacional de Saúde; Art. 29. A estrutura organizacional da EBSERH e a respectiva
V - um representante dos residentes em saúde dos hospitais distribuição de competências serão estabelecidas pelo Conselho de
universitários federais, indicado pelo conjunto de entidades Administração, mediante proposta da Diretoria Executiva.
representativas; Parágrafo único. O órgão de auditoria interna da EBSERH
VI - um reitor ou diretor de hospital universitário, indicado vincula-se diretamente ao Conselho de Administração.
pela ANDIFES; e Art. 30. Aplica-se ao pessoal da EBSERH o regime jurídico
VII - um representante dos trabalhadores dos hospitais estabelecido pela legislação vigente para as relações de emprego
universitários federais administrados pela EBSERH, indicado privado.
pela respectiva entidade representativa. Parágrafo único. O ingresso do pessoal far-se-á mediante
§ 1º Os membros do Conselho Consultivo serão indicados concurso público de provas ou de provas e títulos, observadas
bienalmente pelos respectivos órgãos e entidades e designados as normas específicas expedidas pela Diretoria, respeitado o
pelo Ministro de Estado da Educação, sendo sua investidura disposto no art. 10 da Lei nº 12.550, de 2011.
feita mediante registro na ata da primeira reunião de que
participarem. CAPÍTULO XI
§ 2º A atuação de membros da sociedade civil no Conselho DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS
Consultivo não será remunerada e será considerada como
função relevante, assegurado o reembolso das despesas de Art. 31. Os membros do Conselho de Administração, da
locomoção e estada necessárias ao desempenho da função. Diretoria Executiva, do Conselho Fiscal e os ocupantes de cargos
Art. 24. Compete ao Conselho Consultivo: de confiança, direção, assessoramento ou chefia, ao assumirem
I - opinar sobre as linhas gerais das políticas, diretrizes e suas funções, apresentarão declaração de bens e renda,
estratégias da EBSERH, orientando o Conselho de Administração anualmente renovada.
e a Diretoria Executiva no cumprimento de suas atribuições; Art. 32. A EBSERH, na forma previamente definida pelo
II - propor linhas de ação, programas, estudos, projetos, Conselho de Administração, assegurará aos integrantes e
formas de atuação ou outras medidas, orientando para que a ex-integrantes dos Conselhos de Administração e Fiscal e
EBSERH atinja os objetivos para a qual foi criada; da Diretoria Executiva a defesa em processos judiciais e
III - acompanhar e avaliar periodicamente o desempenho administrativos contra eles instaurados pela prática de atos
da EBSERH; e no exercício do cargo ou função, nos casos em que não houver
IV - assistir à Diretoria e ao Conselho de Administração incompatibilidade com os interesses da empresa.
em suas funções, sobretudo na formulação, implementação e Parágrafo único. A defesa prevista no caput aplica-se, no que
avaliação das estratégias de ação da EBSERH. couber, e a critério do Conselho de Administração, aos empregados
Art. 25. O Conselho Consultivo reunir-se-á ordinariamente ocupantes e ex-ocupantes de cargo ou de função de confiança.
pelo menos uma vez por ano e, extraordinariamente, sempre Art. 33. A EBSERH rege-se pela Lei nº 12.550, de 2011, pela Lei
que convocado pelo presidente, por sua iniciativa ou por nº 6.404, de 1976, por este Estatuto e pelas demais normas que
solicitação do Conselho de Administração, ou a pedido de um lhe sejam aplicáveis.
terço dos seus membros.

7
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

II – Filiais: o conjunto de unidades descentralizadas da


3. REGIMENTO INTERNO DA EBSERH Ebserh, constituído pelos hospitais universitários federais que
- 3ª REVISÃO. estão sob gestão da empresa, cujas competências prioritárias
são o apoio e a prestação direta da atenção à saúde, bem como
CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS a integração respectiva ao ensino e à pesquisa;
III – Unidades descentralizadas: unidades ou conjuntos
de unidades descentralizadas da Ebserh, na forma de escritó-
Artigo 1º. A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares
rios, representações ou subsidiárias.
(Ebserh), empresa pública dotada de personalidade jurídica de
§ 3º As atividades de prestação de serviços de atenção à
direito privado e patrimônio próprio, cuja criação foi autorizada
saúde de que trata o caput deste artigo estarão inseridas integral
pela Lei nº 12.550, de 15 de dezembro de 2011, e cujo Estatuto
e exclusivamente no âmbito do SUS, observadas as diretrizes e
Social foi aprovado pelo Decreto nº. 7.661, de 28 de dezembro
políticas estabelecidas pelo Ministério da Saúde.
de 2011, reger-se-á pelas disposições legais que lhe forem apli-
§ 4º A execução das atividades da Ebserh, por intermédio
cáveis e pelos dispositivos deste Regimento.
de suas filiais e unidades descentralizadas, dar-se-á por meio da
Artigo 2º. A Ebserh tem por finalidade a prestação de ser- celebração de contrato específico para esse fim, nos termos da
viços gratuitos de atenção médico-hospitalar, ambulatorial e Lei nº 12.550/11.
de apoio diagnóstico e terapêutico à comunidade, bem como a
prestação, às instituições públicas federais de ensino ou institui- CAPÍTULO II - DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS E REGIMEN-
ções congêneres, de serviços de apoio ao ensino, à pesquisa e à TAIS
extensão, ao ensino-aprendizagem e à formação de pessoas no SEÇÃO I - DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL
campo da saúde pública, observada, nos termos do art. 207 da
Constituição Federal, a autonomia universitária. Artigo 3º. Para cumprimento das suas competências legais,
§ 1º Para a execução de suas finalidades, a Ebserh deverá: a Ebserh apresenta a seguinte estrutura de governança:
I – planejar, implantar, coordenar, monitorar, avaliar e § 1º Órgãos de administração:
criar condições para aperfeiçoar continuamente a autoadminis- I – Conselho de Administração;
tração, em um sistema unificado entre a Sede, as filiais ou outras II – Diretoria Executiva;
unidades descentralizadas, e a prestação de serviços de atenção III – Conselho Consultivo.
à saúde da população, integralmente disponibilizados ao Siste- § 2º Órgãos de fiscalização:
ma Único de Saúde (SUS), por meio dessas filiais e unidades des- I – Conselho Fiscal;
centralizadas; II – Auditoria Interna.
II – criar condições para o aperfeiçoamento da realização § 3° Comissões e Comitês:
e o desenvolvimento dos programas de residência em todos os I – Comissão de Ética;
campos da saúde, particularmente nas especialidades e regiões II – Comitê Interno de Gestão do Rehuf;
estratégicas para o trabalho e o desenvolvimento do SUS, em III – Comissão de Controle Interno;
função das necessidades da população; III – criar, juntamente IV – Comitê de Gestão de Riscos e Crises;
com as universidades, condições de apoio para o aperfeiçoa- V – Comitê Permanente de Desenvolvimento de Pessoas
mento do ensino e da produção de conhecimento em pesquisas da Sede;
básicas, clínicas, tecnológicas ou aplicadas, nos hospitais univer- VI – Comitê Gestor de Segurança da Informação e Comu-
sitários federais, assim como em unidades descentralizadas da nicação;
Ebserh, de acordo com as diretrizes do Poder Executivo e em VII – Comitê de Governança de Tecnologia da Informação
conformidade com e Comunicação;
as atribuições de outros órgãos dos sistemas universitário VIII – Comitê de Governança do Aplicativo para Gestão dos
e de saúde; Hospitais Universitários;
IV – integrar, articular e otimizar os processos de atenção IX – Outras Comissões e Comitês constituídos pela Presi-
à saúde e de gestão dos hospitais universitários federais e insti- dência ou pela Diretoria e executiva.
tuições públicas congêneres, por meio de um sistema de infor-
mação, monitoramento, avaliação e aperfeiçoamento unificado, SEÇÃO II - DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO
em consonância com as finalidades das instituições federais de
ensino superior (Ifes) e com as necessidades, condições e possi- Artigo 4º. Os órgãos de administração da Ebserh serão in-
bilidades regionais e institucionais; tegrados por brasileiros, residentes no País, dotados de notório
V – exercer outras atividades inerentes às suas finalida- saber, inclusive sobre as melhores práticas de governança cor-
des, nos termos da Lei nº 12.550, de 15 de dezembro de 2011, porativa, experiência, idoneidade moral, reputação ilibada e ca-
do seu Estatuto Social e deste Regimento. pacidade técnica compatível com o cargo.
§ 2º Para os fins deste Regimento, considera-se: Parágrafo Único. Os membros da Diretoria Executiva de-
I – Sede: o conjunto das unidades integrantes da admi- verão ter experiência profissional mínima de dez anos em suas
nistração central da Ebserh, cujas competências prioritárias são respectivas áreas de atuação, comprovada por meio de docu-
a articulação, a coordenação, o monitoramento, a avaliação, o mentação pertinente.
planejamento e a gestão das finalidades da empresa; Artigo 5º. Não podem participar dos órgãos de administra-
ção da Ebserh os impedidos por lei e pelo Estatuto Social.

8
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

Subseção I - Do Conselho de Administração § 10 Além dos casos de morte, renúncia, destituição e outros
previstos em lei, considerar-se-á vaga a função do membro
Artigo 6º. O órgão de orientação superior da Ebserh é o do Conselho de Administração que, sem causa formalmente
Conselho de Administração, composto por nove membros, no- justificada, não comparecer a duas reuniões consecutivas ou
meados pelo Ministro de Estado da Educação, obedecendo a três alternadas, no intervalo de um ano, salvo por motivo de
seguinte composição: força maior ou caso fortuito.
I – três membros indicados pelo Ministro de Estado da Artigo 7º. O Conselho de Administração aprovará, em ato
Educação, sendo que um será o Presidente do Conselho e outro próprio, seu Regimento
será seu substituto, nas suas ausências e impedimentos; Interno.
II – o Presidente da Ebserh, que não poderá exercer a Artigo 8º. Compete ao Conselho de Administração:
Presidência do Conselho, ainda que interinamente; I – fixar as orientações gerais das atividades da Ebserh;
III – um membro indicado pelo Ministro de Estado do Pla- II – examinar e aprovar, por proposta do Presidente da
nejamento, Orçamento e Ebserh, as políticas gerais e programas de atuação da Empresa,
Gestão; a curto, médio e longo prazos, em consonância com as políticas
IV – dois membros indicados pelo Ministro de Estado da de educação; de saúde; e econômico-financeira do Governo Fe-
Saúde; deral;
V – um representante dos empregados, e respectivo su- III – aprovar o Regimento Interno da Ebserh e suas altera-
plente, na forma da Lei nº 12.353, de 28 de dezembro de 2010; e ções supervenientes, o qual deverá conter, dentre outros aspec-
VI – um membro indicado pela Associação Nacional dos tos, a estrutura básica da Empresa e os níveis de alçada decisória
Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andi- das Diretorias e do Presidente;
fes), sendo reitor de universidade federal ou superintendente IV – aprovar o orçamento e o programa de investimentos
de hospital universitário federal. propostos pela Presidência e acompanhar a sua execução;
§ 1º O prazo de gestão dos membros do Conselho de V – aprovar os contratos previstos no art. 6º da Lei nº
Administração será de dois anos, contados a partir da data de 12.550, de 15 de dezembro de 2011;
VI – apreciar e aprovar o Relatório Anual de Gestão apre-
publicação do ato de nomeação, podendo ser reconduzidos por
sentado pela Administração da Ebserh;
igual período.
VII – apreciar o Relatório Anual de Atividades de Auditoria
§ 2º O representante dos empregados, de que trata o
Interna (RAINT), nos termos da Resolução CGPAR nº 3, de 31 de
inciso V deste artigo, e seu respectivo suplente serão escolhidos
dezembro de 2010;
dentre os empregados ativos da Ebserh, pelo voto direto de
VIII – autorizar a contratação de auditores independentes;
seus pares, em eleição organizada pela empresa em conjunto
IX – opinar e submeter à aprovação do Ministro de Estado
com as entidades sindicais que os representem, na forma da Lei
da Fazenda, por intermédio do Ministro de Estado da Educação:
nº 12.353/10 e sua regulamentação.
a) relatórios de administração e demonstrações contá-
§ 3º O representante dos empregados não participará das beis anuais da Ebserh;
discussões e deliberações sobre assuntos que envolvam relações b) propostas de destinação de resultados e eventuais lu-
sindicais, remuneração, benefícios e vantagens, inclusive cros;
assistenciais ou de previdência complementar, hipóteses em que c) propostas de criação de subsidiárias; e
fica configurado o conflito de interesses, sendo estes assuntos d) propostas de dissolução, cisão, fusão ou incorporação
deliberados em reunião separada e exclusiva para tais fins. que envolvam a Ebserh;
§ 4º A investidura dos membros do Conselho de X – deliberar sobre propostas de alteração do capital e
Administração será feita mediante assinatura em livro de termo do Estatuto Social da Ebserh;
de posse. XI – deliberar, mediante proposta da Diretoria Executiva,
§ 5º Na hipótese de recondução, o prazo de nova gestão sobre:
contar-se-á a partir da data do término do prazo de gestão a) o regulamento de licitações;
anterior. b) o regulamento de pessoal, incluindo o regime discipli-
§ 6º Findo o prazo de gestão, o membro do Conselho de nar e as normas sobre apuração de responsabilidade;
Administração permanecerá no exercício da função até a c) o quadro de pessoal, com a indicação do total de vagas
investidura de substituto. autorizadas; e
§ 7º No caso de vacância do cargo de Conselheiro, o d) o Plano de Cargos, Carreiras e Salários; o Plano de Be-
substituto será nomeado pelos Conselheiros remanescentes e nefícios; e o Plano de Cargos em Comissão e Funções Gratifica-
servirá até a designação do novo representante, exceto no caso das;
do representante dos empregados. XII – autorizar a aquisição, alienação e oneração de bens
§ 8º O suplente do representante dos empregados exercerá imóveis e valores mobiliários;
suas funções apenas no caso de vacância do titular. XIII – autorizar a contratação de empréstimos no interesse
§ 9º Salvo impedimento legal, os membros do Conselho de da Ebserh;
Administração farão jus a honorários mensais correspondentes XIV – designar e destituir o titular da Auditoria Interna,
a dez por cento da remuneração média mensal dos Diretores da após aprovação da Controladoria-Geral da União;
Ebserh, além do reembolso obrigatório das despesas de loco- XV – aprovar a criação de escritórios, representações, de-
moção e estada necessárias ao desempenho da função. pendências e filiais;

9
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

XVI - apreciar as informações sobre os relatórios de audi- Ebserh;


toria emitidos pela Auditoria Interna da Ebserh, de acordo com III – aprovar os dados, indicadores e sinalizadores para o
Instrução Normativa da CGU vigente; monitoramento e avaliação
XVII - aprovar o Plano Anual de Atividades de Auditoria In- contínuos das unidades e órgãos componentes da Ebserh,
terna (PAINT), de acordo com Instrução Normativa da CGU vi- consolidados e apresentados pela Diretoria de Gestão de Pro-
gente; e cessos e Tecnologia da Informação, em conjunto com a Coorde-
XVIII – apreciar o relatório sobre a situação das recomenda- nadoria de Gestão Estratégica, a partir de propostas das Direto-
ções e determinações dos órgãos de controle interno e externo, rias ou em articulação e avaliação conjunta com elas;
emitido pela Auditoria Interna da Ebserh, de acordo com Instru- IV – monitorar e avaliar continuamente os processos de
ção Normativa da CGU vigente. serviços e de gestão, assim como as condições para o funciona-
Artigo 9º. O Conselho de Administração reunir-se-á, ordina- mento adequado da Sede, das filiais ou outras unidades descen-
riamente, a cada mês e, extraordinariamente, sempre que for tralizadas;
convocado pelo Presidente, a seu critério, ou por solicitação de, V – propor e implementar as linhas orientadoras das
pelo menos, quatro de seus membros. ações da Ebserh;
§ 1º O Conselho somente deliberará com a presença da VI – aprovar os regulamentos internos das Diretorias da
maioria absoluta de seus Ebserh e demais órgãos da
membros. Sede;
§ 2º As deliberações do Conselho serão realizadas por VII - aprovar alterações no desenho organizacional, orga-
maioria simples de votos dos presentes, respeitado o quórum nograma e distribuição do
do § 1°, e serão registradas em ata, cabendo ao Presidente, quadro de pessoal na Sede;
além do voto ordinário, o voto de qualidade. VIII – aprovar os planos e relatórios anuais de cada Direto-
§ 3º Deliberar sobre matérias não previstas pelo Estatuto ria da Ebserh;
Social da Empresa ou por este Regimento. IX – aprovar e submeter ao Conselho de Administração o
§ 4º Admite-se a decisão ad referendum, pelo Presidente, orçamento e o programa de investimentos da Ebserh;
em casos de comprovada urgência, devendo ser ela submetida X – deliberar sobre operações situadas no respectivo ní-
à aprovação do colegiado, na primeira reunião subsequente do vel de alçada decisória estabelecido pelo Conselho de Adminis-
Conselho. tração;
XI – autorizar a aquisição, alienação e oneração de bens
Subseção II - Da Diretoria Executiva móveis, exceto valores
mobiliários;
Artigo 10. A Ebserh será administrada por uma Diretoria XII – analisar e submeter à aprovação do Conselho de Ad-
Executiva, composta pelo Presidente e até seis Diretores, todos ministração propostas de
nomeados e destituíveis, a qualquer tempo, pelo Presidente da aquisição, alienação e oneração de bens imóveis e valores
República, por indicação do Ministro de Estado da Educação. mobiliários;
§ 1º. Os membros da Diretoria Executiva são: XIII – estabelecer normas e delegar poderes, no âmbito de
I – o Presidente da Ebserh; suas competências;
II - o Diretor Vice-Presidente Executivo (DVPE); XIV – elaborar as demonstrações financeiras de encerra-
III – o Diretor de Atenção à Saúde (DAS); mento de exercício;
IV – o Diretor de Gestão de Pessoas (DGP); XV – autorizar a realização de acordos, contratos e convê-
V – o Diretor de Administração e Infraestrutura (DAI); nios que constituam ônus, obrigações ou compromissos para a
VI – o Diretor de Orçamento e Finanças (DOF); e Ebserh, exceto os constantes do art. 6º da Lei nº 12.550, de 15
VII – o Diretor de Gestão de Processos e Tecnologia da In- de dezembro de 2011;
formação (DGPTI). XVI – pronunciar-se em relação às matérias que devam ser
§ 2º. A investidura dos membros da Diretoria far-se-á submetidas ao Conselho de Administração;
mediante assinatura em livro de termo de posse. XVII – fornecer todas e quaisquer informações solicitadas
§ 3º. O Presidente e os Diretores da Ebserh serão nomeados pelos Conselhos;
dentre brasileiros que satisfaçam os seguintes requisitos: XVIII – fornecer ao Conselho de Administração os recursos
I – idoneidade moral e reputação ilibada; necessários ao seu funcionamento;
II – notórios conhecimentos na área de gestão, de aten- XIX – aprovar o Plano Estratégico da Ebserh para ações
ção hospitalar e de ensino em saúde; com períodos definidos;
III – mais de dez anos de exercício de função ou de efetiva XX – aprovar o Plano Diretor de Tecnologia da Informação
atividade profissional que exija os conhecimentos mencionados (PDTI) e a Política de Segurança da Informação (PSI), elaborados
no inciso anterior. pela Diretoria de Gestão de Processos e Tecnologia da Informa-
Artigo 11. Compete à Diretoria Executiva: ção; e
I – administrar e dirigir os bens, serviços e negócios da XXI – propor ao Conselho de Administração a criação de
Ebserh, e decidir, por proposta das áreas competentes, sobre escritórios, representações, dependências e filiais.
operações de responsabilidade situadas no respectivo nível de Parágrafo Único. Admite-se a decisão ad referendum, pelo
alçada decisória estabelecido pelo Conselho de Administração; Presidente, em caso de comprovada necessidade, devendo ela
II – propor os valores dos regimes de alçada para as vá- ser submetida à votação, na primeira reunião subsequente da
rias instâncias de gestão da Diretoria Executiva.

10
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

Subseção III - Do Conselho Consultivo Subseção I - Do Conselho Fiscal

Artigo 12. O Conselho Consultivo é o órgão permanente da Artigo 16. O Conselho Fiscal, como órgão permanente da
Ebserh que tem a finalidade de oferecer consultoria e apoio à Ebserh, é composto por três membros efetivos e respectivos su-
Diretoria Executiva e ao Conselho de Administração, além de plentes, nomeados pelo Ministro de Estado da Educação, sendo:
avaliar e fazer sugestões em relação ao papel social da Ebserh, I – um membro indicado pelo Ministro de Estado da Educa-
de acordo com seus objetivos específicos na sociedade, sendo ção, que exercerá a presidência;
constituído pelos seguintes membros: II – um membro indicado pelo Ministro de Estado da
I – o Presidente da Ebserh, que o preside; Saúde; e
II – dois representantes do Ministério da Educação; III – um membro indicado pelo Ministro de Estado da Fa-
III – um representante do Ministério da Saúde; zenda, como representante do Tesouro Nacional.
IV – um representante dos usuários dos serviços de saúde § 1º A investidura dos membros do Conselho Fiscal far-
dos hospitais universitários federais, filiais da Ebserh, indicado se-á mediante registro na ata da primeira reunião de que
pelo Conselho Nacional de Saúde; participarem.
V – um representante dos residentes em saúde dos hos- § 2º O mandato dos membros do Conselho Fiscal será de
pitais universitários federais, indicado pelo conjunto de entida- dois anos, contados a partir da data de publicação do ato de
des representativas; nomeação, podendo ser reconduzidos por igual período.
VI – um reitor ou superintendente de hospital universitá- § 3º Em caso de renúncia, falecimento ou impedimento, os
rio, indicado pela Andifes; e membros efetivos do Conselho Fiscal serão substituídos pelos
VII – um representante dos trabalhadores dos hospitais seus suplentes, até a nomeação de novo membro.
universitários federais administrados pela Ebserh, indicado pela § 4º Além dos casos de morte, renúncia, destituição e outros
respectiva entidade representativa. previstos em lei, considerar-se-á vaga a função do membro do
§ 1º Os membros do Conselho Consultivo serão indicados Conselho Fiscal que, sem causa formalmente justificada, não
bienalmente, pelos respectivos órgãos ou entidades, e comparecer a duas reuniões consecutivas ou três alternadas, no
designados pelo Ministro de Estado da Educação, sendo suas intervalo de um ano, salvo em caso de força maior.
investiduras feitas mediante registro na ata da primeira reunião § 5º Salvo impedimento legal, os membros do Conselho
de que participarem. Fiscal farão jus a honorários mensais correspondentes a dez por
§ 2º A atuação de membros da sociedade civil no Conselho cento da remuneração média mensal dos Diretores da Ebserh,
Consultivo não será remunerada e será considerada como além da indenização obrigatória para as despesas de locomoção,
função socialmente relevante, assegurada a indenização das alimentação e estada necessárias ao desempenho da função.
despesas com locomoção, estadia e alimentação necessárias ao Artigo 17. Compete ao Conselho Fiscal:
desempenho da função. I – fiscalizar, por qualquer de seus membros, os atos dos
Artigo 13. Compete ao Conselho Consultivo: administradores da Ebserh e verificar o cumprimento de seus
I – opinar a respeito das linhas gerais das políticas, dire- deveres legais, estatutários e regimentais;
trizes e estratégias da Ebserh, indicando propostas de melhoria II – denunciar, por qualquer de seus membros, erros,
ao Conselho de Administração e à Diretoria Executiva; fraudes ou crimes que identificarem no âmbito da Ebserh, e pro-
II – propor linhas de ação, programas, estudos, projetos, por providências corretivas e saneadoras para o que for identifi-
formas de atuação ou outras medidas, para que a Ebserh atinja cado;
os objetivos para os quais foi criada; III – analisar, ao menos trimestralmente, o balancete e
III – acompanhar periodicamente o desempenho da Eb- demais demonstrações financeiras, elaboradas periodicamente
serh; e pela Ebserh;
IV – assistir a Diretoria Executiva e o Conselho de Admi- IV – acompanhar a execução patrimonial, financeira e or-
nistração em suas funções, sobretudo na formulação, imple- çamentária, podendo examinar livros e quaisquer outros docu-
mentação e avaliação de estratégias de ação da Ebserh. mentos e requisitar informações para essa finalidade;
Artigo 14. O Conselho Consultivo reunir-se-á, ordinariamen- V – opinar sobre o Relatório Anual de Gestão e as de-
te, pelo menos uma vez por ano e, extraordinariamente, a pe- monstrações financeiras de cada exercício social;
dido de um terço dos seus membros ou sempre que convocado VI – opinar sobre a modificação do capital social, orça-
pelo Presidente, por sua iniciativa ou por solicitação do Conse- mento, planos de investimento, transformação, incorporação,
lho de Administração. fusão ou cisão;
VII - apreciar o Plano Anual de Atividades de Auditoria In-
SEÇÃO III - DOS ÓRGÃOS DE FISCALIZAÇÃO terna (PAINT), de acordo com Instrução Normativa da CGU vi-
gente; e
Artigo 15. São órgãos de fiscalização da Ebserh o Conselho VIII - apreciar as informações sobre os relatórios de audi-
Fiscal e a Auditoria toria emitidos pela Auditoria Interna da Ebserh, de acordo com
Interna. Instrução Normativa da CGU vigente.
§ 1º A Diretoria Executiva e o Conselho de Administração
são obrigados a disponibilizar, por meio de comunicação formal,
aos membros em exercício do Conselho Fiscal, em até dez dias,
cópia das atas de suas reuniões e, em até quinze dias de sua

11
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

elaboração, cópias dos balancetes e demais demonstrações VIII – instituir, em conjunto com os demais setores da Eb-
financeiras elaboradas periodicamente, bem como dos serh, instrumentos internos de controle administrativo de de-
relatórios de execução do orçamento. sempenho, de aplicação dos recursos públicos e da guarda dos
§ 2º O Conselho Fiscal reunir-se-á, ordinariamente, a bens públicos, conforme sua área de atuação, nos termos do art.
cada mês e, extraordinariamente, quando convocado pelo seu 17, do Decreto nº 3.591, de 6 de setembro de 2000; e
Presidente. IX – prestar apoio aos Conselhos de Administração e Fis-
cal, dentro do limite de suas
Subseção II - Da Auditoria Interna competências.
Artigo 20. Todos os servidores e empregados da Ebserh
Artigo 18. O órgão de Auditoria Interna da Ebserh vincula-se prestarão o apoio necessário para a realização das Ações de
diretamente ao Conselho de Administração, nos termos do art. Controle da Auditoria Interna.
15, § 3º, do Decreto nº 3.591, de 6 de setembro de 2000, e terá
suporte administrativo da Presidência da Ebserh, que proverá Parágrafo Único. Quando se fizer necessário, a Auditoria In-
os meios e condições necessários à execução das suas compe- terna poderá solicitar a assistência de especialistas e de outros
tências. profissionais, internos ou externos à instituição.
§ 1º A Auditoria Interna da Ebserh é uma atividade indepen-
dente, de avaliação e assessoramento aos gestores da entidade, Artigo 21. A Auditoria Interna possui autorização para aces-
no acompanhamento da execução dos programas de governo, so a registros, pessoal, informações, sistemas e propriedades
visando comprovar o cumprimento das metas, o alcance dos ob- físicas relevantes à execução de suas ações de controle.
jetivos e a adequação da gestão.
§ 2º A Auditoria Interna recebe orientação normativa e Parágrafo Único. A Auditoria Interna poderá solicitar às
supervisão técnica do Sistema de Controle Interno do Poder áreas da Sede ou das filiais, ou a unidades a ela vinculadas,
Executivo Federal, de acordo com o caput do art. 15 do Decreto quando necessário ou pertinente, informações que deverão ser
n.º 3.591, de 6 de setembro de 2000. apresentadas tempestiva e obrigatoriamente pelos seus respec-
§ 3º A nomeação, designação, exoneração ou dispensa
tivos gestores.
do Auditor Geral, titular da Auditoria Interna da Sede será
submetida, pelo Presidente da Ebserh, à aprovação do Conselho
SEÇÃO IV - DAS COMISSÕES E COMITÊS
de Administração e, subsequentemente, à aprovação da Contro-
ladoria-Geral da União, nos termos do art. 15, §5º, do Decreto
Artigo 22. Sem prejuízo de outras que possam ser criadas,
nº 3.591, de 6 de setembro de 2000.
são comissões e comitês da Ebserh:
§ 4º Para o desempenho das suas atribuições, a Auditoria
I - a Comissão de Ética;
Interna da Ebserh será composta pelo Serviço de Auditoria In-
II - o Comitê Interno de Gestão do Rehuf; III - a Comissão
terna da Sede e pelas unidades de Auditoria Interna das filiais,
de Controle Interno;
cujos Auditores Chefes serão subordinados ao Auditor-Geral.
§ 5º É vedada a atuação dos auditores internos em IV – o Comitê de Gestão Riscos e Crises;
atividades que possam caracterizar participação na gestão, V – o Comitê Permanente de Desenvolvimento de Pes-
conforme Resolução da CGPAR. soas da Sede;
Artigo 19. Compete à Auditoria Interna: VI – o Comitê Gestor de Segurança da Informação e Comu-
I – estabelecer estratégias com o objetivo de avaliar a nicação;
legalidade e acompanhar os resultados da gestão orçamentária, VII – o Comitê de Governança de Tecnologia da Informa-
financeira, patrimonial e de recursos humanos da Sede e filiais; ção e Comunicação; e
II – estabelecer metas, procedimentos e normas para au- VIII – o Comitê de Governança do Aplicativo para Gestão
ditoria e fiscalização da Sede e das filiais; dos Hospitais Universitários.
III – definir estratégias para a execução de ações de con-
trole nas entidades públicas eprivadas contratadas pela Sede e Subseção I - Da Comissão de Ética
filiais;
IV – elaborar e submeter à aprovação do Conselho de Artigo 23. O Presidente da Ebserh constituirá Comissão de
Administração o Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna Ética composta por três servidores ou empregados titulares de
(PAINT), de acordo com o disposto na legislação; cargo efetivo ou emprego permanente, e seus respectivos su-
V – elaborar o Relatório Anual de Atividades de Auditoria plentes, conforme Decreto nº 1.171, de 22 de junho de 1994.
Interna (RAINT), e apresentá-lo ao Conselho de Administração, Artigo 24. É finalidade da Comissão de Ética zelar pelo cum-
de acordo com o disposto na legislação; primento do Código de Ética da Ebserh.
VI – examinar e emitir parecer quanto à prestação de § 1º Os membros da Comissão serão designados pelo
contas anual, e tomada de contas especial, nos termos da legis- Presidente para mandatos não coincidentes de três anos.
lação em vigor; § 2º A atuação no âmbito da Comissão de Ética não enseja
VII – elaborar e encaminhar, ao Conselho de Administra- qualquer remuneração para seus membros e os trabalhos
ção e ao Presidente da Ebserh, relatórios gerenciais e operacio- nela desenvolvidos são considerados prestação de relevante
nais das auditorias realizadas; serviço público.

12
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

§ 3º A Comissão de Ética da Ebserh será administrativa- VII –Coordenador de Gestão Estratégica; e


mente vinculada à Presidência, que proverá o apoio técnico e VIII –Supervisores Regionais, da Coordenadoria de Gestão
material para suas atividades, após aprovação do seu plano de Estratégica, responsáveis pelo acompanhamento dos hospitais
trabalho, nos termos do § 1º do art. 7º do Decreto 6.029, de 1º universitários federais.
de fevereiro de 2007. § 1º O Coordenador de Gestão Estratégica substituirá o
Artigo 25. Compete à Comissão de Ética: Diretor Vice-Presidente Executivo, na Presidência do Comitê,
I – dirimir dúvidas a respeito da interpretação das em suas ausências e impedimentos.
normas éticas a que estão subordinados os empregados da Eb- § 2º A critério do Presidente do Comitê, poderão participar
serh, e deliberar em relação a casos omissos; das reuniões, como convidados, gestores, empregados e/ou
II – apurar, mediante denúncia ou de ofício, conduta em assessores das Diretorias.
desacordo com as normas éticas pertinentes;
III – disseminar informações e desenvolver capacitação, Subseção III – Das demais Comissões e Comitês
junto às unidades e setores da Ebserh, em relação a orientações
de ética profissional no âmbito da instituição; Artigo 29. As demais comissões enumeradas no caput do ar-
IV – representar a Ebserh na Rede de Ética do Poder Exe- tigo 22 serão nomeadas pelo Presidente da Ebserh e terão seus
cutivo Federal, conforme previsto no art. 9º do Decreto n° 6029, regulamentos aprovados por ato próprio.
de 1º de fevereiro de 2007;
V – elaborar e aprovar seu regimento interno; SEÇÃO V - DA ORGANIZAÇÃO INTERNA
VI – escolher seu Presidente; e
VII – exercer outras atividades inerentes às suas finalida- Artigo 30. A estrutura organizacional da Ebserh, compreen-
des. dendo a Sede, as filiais e unidades descentralizadas, será esta-
Parágrafo Único. Aos dirigentes da Ebserh aplicam-se as belecida no organograma funcional aprovado pelo Conselho de
Administração, assim como o Plano de Cargos, Carreiras e Salá-
disposições contidas no Código de Conduta da Alta Administra-
rios; o Plano de Benefícios; e o Plano de Cargos em Comissão e
ção Federal.
de Funções Gratificadas.
§ 1º Após aprovação pelo Conselho de Administração,
Subseção II - Do Comitê Interno de Gestão do Rehuf
os Planos serão submetidos à aprovação do Ministério
do Planejamento, Orçamento e Gestão e à subsequente
Artigo 27. Compete ao Comitê Interno de Gestão do Rehuf,
homologação do Ministério do Trabalho.
vinculado à Presidência:
§ 2º Alterações na estrutura organizacional hierárquica e
I – definir critérios para aprovação de pleitos dos hospi- funcional, bem como as respectivas mudanças na distribuição
tais; de competências poderão, a qualquer tempo, ser submetidas à
II – acompanhar a execução do orçamento aprovado aprovação do Conselho de Administração.
pelo Comitê Gestor do Programa Nacional de Reestruturação
dos Hospitais Universitários Federais; CAPÍTULO III - DO CORPO DIRETIVO
III – definir as prioridades para a aplicação dos recursos
do Programa; e Artigo 31. O corpo diretivo da Ebserh é constituído pelo Pre-
IV - acompanhar e monitorar a execução dos recursos do sidente e pelos Diretores que compõem a Diretoria Executiva.
Programa.
§ 1º O Comitê submeterá à aprovação do Presidente da Eb- SEÇÃO I - DA PRESIDÊNCIA
serh suas recomendações.
§ 2º As definições estabelecidas pelo Comitê deverão Artigo 32. São órgãos de apoio vinculados à Presidência:
contemplar as diretrizes estabelecidas pelo Comitê Gestor I – a Chefia de Gabinete da Presidência;
do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais II – a Consultoria Jurídica;
Universitários Federais (Rehuf). III – a Assessoria;
§ 3º O Comitê de que trata o caput deverá enviar ao Comitê IV – a Assessoria Parlamentar;
Gestor do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais V – a Assessoria Técnica-Parlamentar;
Universitários Federais, propostas para atualização dos critérios VI - a Coordenadoria de Formação Profissional;
para a descentralização de recursos do Programa, de acordo VII - Coordenadoria de Pesquisa e Inovação Tecnológica;
com o perfil assistencial e de ensino dos Hospitais Universitários VIII – a Ouvidoria-Geral; e
e com as diretrizes estabelecidas pelo Ministério da Saúde. IX – a Corregedoria-Geral.
Artigo 28. O presidente da Ebserh constituirá o Comitê In- Artigo 33. Ao Presidente da Ebserh compete:
terno de Gestão do Rehuf com a seguinte composição: I – dirigir, coordenar e controlar as ações desenvolvidas
I –Diretor Vice-Presidente Executivo, que o presidirá; pela instituição, de forma que sua atuação esteja continuamen-
II –Diretor de Gestão de Pessoas; te orientada para os objetivos institucionais, conforme previsto
III –Diretor de Atenção à Saúde; na Lei de criação, no Estatuto Social, neste Regimento e nas dis-
IV –Diretor de Administração e Infraestrutura; posições resultantes do Conselho de Administração;
V –Diretor de Gestão de Processos e Tecnologia da Infor- II – representar a Ebserh, em juízo ou fora dele, podendo
mação; delegar, em casos específicos, essa atribuição, e, em nome da
VI –Diretor de Orçamento e Finanças; entidade, constituir mandatários ou procuradores;

13
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

III – convocar e presidir as reuniões da Diretoria Executiva XIX – assinar, juntamente com um Diretor, os contratos
e do Conselho Consultivo; que a Ebserh celebrar ou em que vier a intervir, bem como os
IV – coordenar e articular o trabalho em relação às unida- atos que envolvam obrigações ou responsabilidades por parte
des da Ebserh, tanto na Sede quanto nas suas filiais e unidades da Empresa;
descentralizadas, podendo delegar competência executiva e de- XX – assinar os títulos ou documentos emitidos em decor-
cisória e distribuir, entre os Diretores, a coordenação e articula- rência de obrigações contratuais, bem como os cheques e outras
ção dos serviços da Empresa; obrigações de pagamento, podendo delegar essa atribuição;
V – editar normas necessárias ao funcionamento dos XXI – emitir Portaria com os valores dos limites de alçada
órgãos e serviços da Ebserh, de acordo com a organização da Ebserh, estabelecidos no Regulamento de Alçada e na Norma
Operacional proposta pela Diretoria de Orçamento e Finanças;
interna e a respectiva distribuição de competências da
XXII – exercer outras atribuições previstas no Estatuto So-
Sede e das filiais ou unidades descentralizadas, estabelecidas
cial e no Regimento Interno
por este Regimento e pela Diretoria Executiva;
da Ebserh.
VI – admitir, promover, punir, dispensar e praticar os de- Parágrafo Único. Na hipótese de delegação da atribuição re-
mais atos compreendidos na administração de pessoal, de acor- ferida no Item XX deste artigo, os títulos, documentos, cheques
do com as normas e critérios previstos em Lei, neste Regimento e outras obrigações deverão conter as assinaturas de, pelo me-
e na avaliação da Comissão de Ética da Ebserh, podendo delegar nos, dois Diretores da Ebserh.
essas atribuições no todo ou em parte; Artigo 34. Nas suas ausências e impedimentos, o Presidente
VII – designar substitutos para os membros da Diretoria, em será substituído pelo Diretor Vice-Presidente Executivo, o qual
seus impedimentos temporários, que não possam ser atendidos terá os mesmos deveres e atribuições.
mediante redistribuição de tarefas, e, no caso de vaga, até o seu § 1º Na ausência do titular e do substituto, excepcionalmente,
preenchimento; outro Diretor exercerá a
VIII – submeter, por critério de relevância, matérias da Di- Presidência.
retoria Executiva ao Conselho de Administração; § 2º No caso de vacância definitiva do cargo de Presidente
IX – apresentar, trimestralmente, ao Conselho de Admi- o substituto será o Diretor Vice-Presidente e servirá até a
nistração, relatório das atividades da Ebserh; nomeação do novo Presidente.
X – submeter a nomeação, designação, exoneração ou Artigo 35. Compete à Chefia de Gabinete da Presidência:
dispensa do Auditor-Geral, titular da Auditoria Interna da Sede, I – auxiliar a Presidência da Ebserh na condução e ges-
tão da instituição, em consonância com as diretrizes estabeleci-
à aprovação do Conselho de Administração e, subsequentemen-
das para a realização dos objetivos institucionais;
te, à aprovação da Controladoria-Geral da União, nos termos do
II – prestar assistência direta e imediata ao Presidente,
art. 15, § 5º, do Decreto nº 3.591, de 6 de setembro de 2000;
na preparação, na análise e no despacho do expediente;
XI – designar os membros e a Secretaria Executiva da Co- III – coordenar os trabalhos da Secretaria-Geral;
missão de Ética da Ebserh; IV – organizar as agendas interna e externa;
XII – assegurar as condições de trabalho para que a Co- V – subsidiar e auxiliar o Presidente na preparação de
missão de Ética cumpra suas funções, inclusive para que, do documentos para apresentação em eventos internos e externos
exercício das atribuições de seus integrantes não lhes resulte à Ebserh, com a participação da Coordenadoria de Comunicação
qualquer prejuízo ou dano; Social, quando for necessário;
XIII – monitorar, em seu âmbito de responsabilidade, a VI – participar e monitorar grupos de trabalho e reuniões
avaliação da gestão da ética, conforme processo coordenado de interesse imediato da Presidência, em conjunto com os ór-
pela Comissão de Ética da Ebserh; gãos da Presidência, quando for necessário;
XIV – emitir Portarias necessárias ao cumprimento dos ob- VII – redigir, revisar, tramitar e organizar a correspondên-
jetivos e metas da Ebserh; cia e outros documentos da Presidência da Ebserh;
XV – constituir comissões especiais, integradas por con- VIII – manter em bom funcionamento a gestão interna do
selheiros ou especialistas, para realizar estudos de interesse da Gabinete da Presidência, quanto à infraestrutura e ao suporte
Ebserh; necessários ao seu funcionamento, em articulação com os de-
XVI – operacionalizar a criação de subsidiárias, escritórios, mais órgãos da Presidência;
IX – coordenar a gestão documental na empresa; e
representações, dependências e filiais em quaisquer Unidades
X – gerenciar a operação dos órgãos colegiados, manter
da Federação, para o desenvolvimento de atividades inerentes
os registros das reuniões e resoluções.
ao seu objeto social, conforme §1º e §2º do art. 1º da Lei no
Artigo 36. Compete à Consultoria Jurídica:
12.550, de 15 de dezembro de 2011, bem como extingui-los, nos I – assessorar juridicamente o Presidente, a Diretoria
termos da legislação vigente; Executiva, o Conselho de Administração, o Conselho Fiscal e o
XVII – instituir e normatizar a utilização de instrumentos Conselho Consultivo;
administrativos internos de monitoramento, controle e avalia- II – realizar advocacia preventiva na Ebserh, antecipando
ção de gestão, desempenho, aplicação dos recursos públicos e e propondo soluções jurídicas para a Sede e para as filiais e uni-
da guarda dos bens públicos, nos termos do art. 17, do Decreto dades descentralizadas;
nº 3.591, de 6 de setembro de 2000; III – assessorar as Diretorias da Sede, bem como as Su-
XVIII – instituir a Comissão de Controle Interno da Ebserh e perintendências e Gerências das filiais, em relação a assuntos
designar seus membros; jurídicos específicos relativos a seus campos de atuação;

14
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

IV – avaliar a legalidade e regularidade de atos e procedi- II - estudar e emitir parecer nos assuntos que lhe forem
mentos submetidos à Consultoria Jurídica pelas Diretorias, Su- submetidos, para que contribuam com a tomada de decisões.
perintendências e Gerências da Ebserh; Artigo 40. Compete à Coordenadoria de Formação Profis-
V – formular e supervisionar as teses jurídicas da Sede, sional:
assim como as das filiais e unidades descentralizadas; I – coordenar o planejamento da área de Formação Pro-
VI – representar a Empresa judicial e extrajudicialmente, fissional da Rede Ebserh, coerente com as políticas e diretrizes
com a outorga do Presidente, por meio do exercício e coordena- gerais da empresa e suas respectivas diretorias e áreas técnicas;
ção da representação ativa e passiva da Ebserh, nas vias judicial II – elaborar normativas que orientem os hospitais na
e administrativa; estruturação, organização e gestão das atividades de Formação
VII – analisar, avaliar e emitir parecer relativo à legalidade Profissional na Rede Ebserh;
e conformidade de editais, bem como quanto à formalização de III – apoiar às Gerências de Ensino e Pesquisa para o de-
contratos, convênios, acordos, ajustes e instrumentos congêne- senvolvimento das condições técnicas necessárias para Forma-
res, e aos aspectos de legalidade e conformidade da instrução
ção Profissional na Rede Ebserh;
processual;
IV – zelar pelo cumprimento da legislação referente às
VIII – elaborar informações em mandado de segurança;
diretrizes de Ensino dos cursos de graduação e pós-graduação
IX – analisar e emitir parecer jurídico referente à legalida-
Lato e Stricto Sensu no âmbito da Rede Ebserh;
de de conclusões de relatórios de apurações de responsabilidade,
bem como das consequentes proposições de medidas administra- V – monitorar e avaliar as atividades desenvolvidas pelas
tivas ou imputações de responsabilidade administrativa ou civil; Gerências de Ensino e Pesquisa da Rede Ebserh no âmbito da
X – defender os integrantes e ex-integrantes dos Conse- Formação Profissional;
lhos de Administração e Fiscal e da Diretoria Executiva em proces- VI – apoiar o processo de articulação dos hospitais da
sos judiciais e administrativos contra eles instaurados pela prática Rede Ebserh junto às instâncias acadêmicas das universidades;
de atos no exercício do cargo ou função, nos casos em que não VII – articular, junto às instâncias de gestão do Sistema
houver incompatibilidade com os interesses da Empresa; Único de Saúde e da Educação estratégias de apoio e incentivo a
XI – propor a contratação de serviços jurídicos especiali- adoção de metodologias pedagógicas inovadoras que integrem
zados; atenção à saúde, ensino, pesquisa e extensão na Rede Ebserh;
XII – responder ou prestar informações solicitadas pelo VIII – apoiar no processo de certificação dos hospitais da
Ministério Público, Instituto de Defesa do Consumidor (Procon), Rede Ebserh como hospitais de ensino, em conformidade com
Defensorias Públicas, Delegacias de Polícia, Tribunal de Contas legislação vigente;
da União, Controladoria-Geral da União e outros órgãos de con- IX – formular e implementar programas de capacitação
trole externo à Ebserh, com subsídios prestados pelas unidades para o aprimoramento das atividades de ensino e extensão de-
da Empresa; e senvolvidas no âmbito da Rede Ebserh;
XII – monitorar a execução dos compromissos firmados nos X – divulgar as atividades de ensino e extensão desenvol-
Contratos de Gestão firmados com as Ifes, com o apoio da Coor- vidas pela rede Ebserh; e
denadoria de Gestão Estratégica da DVPE. XI – representar a Ebserh, por delegação do Presidente,
Artigo 37. Compete à Assessoria: conforme inciso II do artigo 32, nas instâncias de ensino e exten-
I - dispensar assistência direta e imediata ao Presidente; e são.
II - estudar e emitir parecer nos assuntos que lhe forem Artigo 41. Compete à Coordenadoria de Pesquisa e Inova-
submetidos, para que contribuam com a tomada de decisões. ção Tecnológica:
Artigo 38. Compete à Assessoria Parlamentar: I – coordenar o planejamento da área de Pesquisa e Ino-
I - dispensar assistência direta e imediata ao Presidente
vação Tecnológica da Rede Ebserh, coerente com as políticas e
em sua representação política;
diretrizes gerais da empresa e suas respectivas diretorias e áreas
II - acompanhar, junto ao Congresso Nacional, os proje-
técnicas, considerando os hospitais como Instituições Científicas
tos de lei de interesse da empresa;
e Tecnológicas (ICT);
III - analisar e elaborar respostas a requerimentos de in-
formação de parlamentares; II – elaborar normativas que orientem os hospitais na
IV - acompanhar a Presidência em audiências com parla- estruturação, organização e gestão das atividades de Pesquisa e
mentares; Inovação Tecnológica na Rede Ebserh;
V - atender a parlamentares e assessores parlamentares; III – apoiar às Gerências de Ensino e Pesquisa para o de-
VI – organizar e acompanhar pronunciamentos públicos senvolvimento das condições técnicas necessárias para o desen-
da Presidência, com a participação da Coordenadoria de Comu- volvimento de Pesquisa e Inovação na Rede Ebserh;
nicação Social, quando for necessário; IV – zelar pelo cumprimento da legislação referente à
VII – monitorar matérias de interesse da Empresa relativas Pesquisa e Inovação Tecnológica no âmbito da Rede Ebserh;
a assuntos legislativos e orientar as ações da Ebserh, em articu- V – monitorar e avaliar as atividades desenvolvidas pelas
lação com a Consultoria Jurídica; e Gerências de Ensino e Pesquisa da Rede Ebserh no âmbito da
VIII - estudar e emitir parecer nos assuntos que lhe forem Pesquisa e Inovação Tecnológica no âmbito da Rede Ebserh;
submetidos, para que contribuam com a tomada de decisões. VI – articular, junto às instâncias de gestão do Sistema
Artigo 39. Compete à Assessoria Técnica-Parlamentar: Único de Saúde, da Educação e da Ciência e Tecnologia, estraté-
I - dispensar assistência direta e imediata ao Assessor gias de apoio e incentivo à pesquisa e inovação tecnológica na
Parlamentar; e Rede Ebserh;

15
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

VII – promover a participação da rede Ebserh no Sistema II – estudar e propor a revisão de normas e procedimen-
Nacional de Inovação em Saúde (SNIS), fomentando pesquisas tos administrativos, quando constatadas fragilidades nas me-
clínicas, acadêmicas e de desenvolvimento tecnológico estraté- todologias de fiscalização que poderiam possibilitar eventuais
gicas para o SUS; riscos e desvios de conduta funcional e irregularidades;
VIII – coordenar e assegurar o aprimoramento da gestão III – apoiar, quando comprovada a necessidade, a realiza-
de pesquisas clínicas, de forma a promover a efetividade e a ção de inspeções preventivas e a requisição de perícias e laudos
transparência no processo de aprovação, desenvolvimento e periciais;
execução orçamentária dos projetos nas filiais Ebserh; IV – receber denúncias envolvendo desvio de conduta de
IX – implementar, monitorar e avaliar o Programa Ebserh empregados, lesão ou ameaça de lesão ao patrimônio público
de Pesquisas Clínicas Estratégicas para o SUS (EpecSUS); e adotar os procedimentos correcionais cabíveis, dando ciência
X – promover a participação da rede Ebserh na Política das medidas adotadas aos agentes que as formularam;
Nacional de Gestão de Tecnologias em Saúde (PNGTS), com a V – coordenar a adoção dos procedimentos correcionais,
implantação ou aprimoramento dos Núcleos de Avaliação de
acompanhando o cumprimento de cronograma, prazos, deci-
Tecnologias em Saúde (NATS);
sões e aplicação de penalidades;
XI – formular e implementar programas de capacitação
VI – coordenar e acompanhar a realização dos trabalhos
para o aprimoramento das atividades de pesquisa e inovação
tecnológica na Rede Ebserh; das Comissões Internas de
XII – divulgar as atividades de ensino e extensão desenvol- Averiguação;
vidas pela rede Ebserh; e VII – instruir processos disciplinares e de apuração que lhe
XIII – representar a Ebserh, por delegação do Presidente, forem encaminhados, bem como demais expedientes relativos
conforme inciso II do artigo 32, nas instâncias de pesquisa e ino- ao assunto;
vação tecnológica. VIII – orientar as filiais e unidades descentralizadas a for-
Artigo 42. Compete à Ouvidoria-Geral da Ebserh: mular e expedir instruções sobre procedimentos correcionais; e
I – registrar as manifestações recebidas da sociedade IX – executar outras atividades específicas, por decisão
relacionadas à Sede, que contenham sugestões, reclamações, da Presidência, relacionadas ao processo de correição.
denúncias, elogios, pedidos de informação e/ou esclarecimen-
tos de dúvidas sobre quaisquer atos praticados ou de responsa- SEÇÃO II - DA DIRETORIA VICE-PRESIDÊNCIA EXECUTIVA
bilidade das unidades da Empresa;
II – encaminhar, monitorar e avaliar as ações e providên- Artigo 45. São órgãos diretamente vinculados à Diretoria Vi-
cias adotadas pelos setores e unidades competentes em relação ce-Presidência Executiva:
a manifestações dos cidadãos; I – a Chefia de Gabinete da DVPE;
III – encaminhar ao Presidente, ou disponibilizar a ele por II - a Assessoria da DVPE;
meio eletrônico, as demandas que não forem resolvidas pelo se- III – a Coordenadoria de Gestão Estratégica - CGE;
tor responsável, após o vencimento do prazo de resposta; IV – a Coordenadoria de Comunicação Social - CCS.
IV – manter atualizados os registros e o acompanhamento Artigo 46. Ao Diretor Vice-Presidente Executivo da Ebserh
das demandas recebidas, compete:
com os respectivos encaminhamentos e respostas; I - assistir o Presidente na Supervisão, Coordenação,
V – gerir e coordenar o Serviço de Informação ao Cidadão Monitoramento e Avaliação das ações desenvolvidas pelas Dire-
(SIC) e prestar informações ao público quanto aos serviços e ao torias e das Filiais;
funcionamento da Ebserh, de acordo com a legislação em vigor; II - planejar e coordenar as ações integradas de gestão e
VI – padronizar procedimentos referentes à elaboração e
desenvolvimento institucional;
utilização de formulários,
III - substituir o Presidente, em suas ausências e impedi-
guias e outros documentos utilizados para orientar e infor-
mentos;
mar o cidadão, nos termos da legislação em vigor; e
VII – assessorar, coordenar e articular a instalação, a orga- IV - auxiliar o Presidente na definição de diretrizes e na
nização e o funcionamento das ouvidorias das filiais e unidades implementação das ações da área de competência da Empresa;
descentralizadas, assim como as pesquisas de satisfação junto V – dirigir a gestão estratégica e a comunicação organiza-
aos usuários dos serviços prestados, nos termos da legislação cional; e
em vigor. VI – presidir o Comitê Interno de Gestão do Rehuf.
.Artigo 43. As ouvidorias das filiais, ou unidades descentrali- Artigo 47. Compete à Chefia de Gabinete da Diretoria Vice-
zadas, se reportarão ao respectivo Superintendente e integrarão -Presidência Executiva:
uma Rede de Ouvidorias com atuação descentralizada, mas arti- I – auxiliar o Diretor Vice-Presidente Executivo na con-
culada na padronização dos processos e na unificação dos dados dução e gestão da Diretoria;
nacionais para a produção de relatórios estatísticos e de gestão, II – prestar assistência direta e imediata ao Diretor Vice-
por meio da Ouvidoria-Geral. -Presidente Executivo, na preparação, na análise e no despacho
Artigo 44. Compete à Corregedoria-Geral: do expediente;
I – coordenar, orientar, controlar e avaliar as atividades III – organizar a agenda do Diretor;
de correição no âmbito da Sede, filiais e unidades descentraliza- IV – subsidiar e auxiliar o Diretor Vice-Presidente Execu-
das, inclusive no que se refere às ações preventivas, objetivan- tivo na preparação de documentos para apresentação em even-
do a melhoria do padrão de qualidade no processo de gestão e, tos internos e externos à Ebserh, com a participação da Coorde-
como consequência, na prestação de serviços à sociedade; nadoria de Comunicação Social, quando for necessário;

16
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

V – participar e monitorar grupos de trabalho e reuniões XVIII – apoiar, no que couber, a elaboração das peças orça-
de interesse imediato da Diretoria Vice-Presidência Executiva, mentárias, visando o
quando for necessário; alinhamento ao planejamento institucional, bem como da
VI – redigir, revisar, tramitar e organizar a correspondência Prestação de Contas Anual e Demonstrações Contábeis Anuais
e outros documentos da Diretoria Vice-Presidência Executiva; e da Ebserh;
VII – manter em bom funcionamento a gestão interna XIX – coordenar a elaboração dos relatórios de atividades
do Gabinete da Diretoria Vice- Presidência Executiva, quanto à da Ebserh;
infraestrutura e ao suporte necessários ao seu funcionamento, XX – articular e monitorar a execução do plano de ação da
em articulação com os demais órgãos da Presidência. Ebserh;
Artigo 48. Compete à Assessoria da DVPE: XXI – apoiar a implementação do planejamento institucio-
I - dispensar assistência direta e imediata ao Diretor Vi- nal no âmbito das filiais e unidades descentralizadas;
ce-Presidente Executivo; e XXII – subsidiar a Presidência com informações acerca do
II - estudar e emitir parecer nos assuntos que lhe forem processo decisório de adesão e incorporação de novos hospi-
submetidos, para que contribuam com a tomada de decisões. tais;
Artigo 49. Compete à Coordenadoria de Gestão Estratégica: XXIII - Apoiar a Consultoria Jurídica no monitoramento da
I – apoiar o Diretor Vice-Presidente Executivo na gestão execução dos compromissos firmados nos Contratos de Gestão
institucional estratégica e integrada; firmados com as Ifes; e
II – coordenar a integração e monitorar os resultados de XXIV – gerenciar o relacionamento da Empresa com os hos-
todos os órgãos da Ebserh; pitais universitários federais vinculados às universidades que
III – promover a articulação entre os órgãos da Diretoria estabeleceram contrato de gestão com a Ebserh, bem como mo-
Vice-Presidência Executiva e as demais Diretorias; nitorar e avaliar a execução do Plano de Reestruturação.
IV – definir diretrizes, em parceria com as Diretorias, para Artigo 50. Compete à Coordenadoria de Comunicação So-
a gestão estratégica cial:
institucional; I – planejar, orientar, coordenar e supervisionar as ati-
V – estimular a cultura institucional de identificação e vidades de comunicação da Ebserh, quanto a jornalismo, publi-
adoção das boas práticas e cidade, relações públicas, cerimonial, protocolo e propaganda
inovações organizacionais; institucionais;
VI – gerenciar o portfólio de projetos estratégicos da Eb- II – elaborar, supervisionar e avaliar a execução do Plano
serh; Anual de Comunicação;
VII – prover e reunir informações para a Diretoria Vice- III – difundir objetivos, serviços, ações, imagem, papel e
-Presidência Executiva e a Presidência sobre todos os projetos importância da Ebserh;
da Empresa, de forma a auxiliar a execução da estratégia organi- IV – orientar tecnicamente as unidades de Comunicação
zacional e tomada de decisões; Social das filiais da Ebserh e unidades descentralizadas, na exe-
VIII – subsidiar e apoiar a Diretoria Vice-Presidência Exe- cução de suas atividades, alinhadas às políticas de Comunicação
cutiva e demais órgãos da Ebserh com informações estratégi- do Ministério da Educação;
cas referentes aos programas, planos e projetos institucionais, V – intermediar o relacionamento da Ebserh com os veí-
visando seu monitoramento e avaliação; culos de comunicação e profissionais de imprensa;
IX – coordenar o monitoramento e homologação dos in- VI – produzir, organizar e divulgar, interna e externamen-
dicadores estratégicos e de gestão da Ebserh; te, material jornalístico e administrativo relativo ao trabalho da
X – coordenar o Núcleo de Informações Gerenciais; Empresa;
XI – gerenciar a operacionalização do Rehuf; VII – subsidiar os órgãos de direção da Ebserh em relação
XII – coordenar, em articulação com as demais áreas da ao comportamento e à imagem da Empresa na mídia, por meio
Ebserh, os programas de cooperação técnica entre a Ebserh e de monitoramento e avaliação das informações a respeito da
instituições e organismos nacionais e internacionais; instituição, divulgadas pelos veículos de comunicação impressos
XIII – coordenar a prospecção, gestão e disseminação de e eletrônicos;
conhecimento e de novas práticas, por meio de projetos de VIII – orientar os empregados da empresa sobre como li-
cooperação, viabilizando parcerias com instituições de ensino dar adequadamente com a
e hospitais de excelência, no Brasil e no exterior, para o apri- imprensa;
moramento da gestão na Sede e nas filiais; XIV – participar e IX – assessorar a Presidência, as Diretorias e demais ór-
monitorar grupos de trabalho de interesse imediato da Diretoria gãos da Ebserh nas ações que
Vice-Presidência Executiva e da Presidência; envolvam comunicação social, promoção institucional e
XV – apoiar a DVPE e a Diretoria Executiva nos processos realização de eventos;
de planejamento institucional; X – estabelecer e administrar processos e procedimen-
XVI – elaborar, coordenar, monitorar e avaliar os instru- tos para a realização de solenidades e eventos, de acordo com
mentos formais de planejamento e de avaliação institucional, normas de Cerimonial e de Protocolo;
visando o aprimoramento contínuo das ações da Empresa; XIII – desenvolver, regulamentar e monitorar o uso correto
XVII – coordenar, em conjunto com a Chefia de Gabinete da e padronizado da marca, do slogan e demais elementos relacio-
Presidência, as atividades preparatórias à assinatura dos contra- nados à identidade visual da Empresa, disponibilizadas na intra-
tos de gestão dos hospitais universitários federais e instituições net, internet, redes sociais, banners, cartazes, folders e demais
congêneres; publicações institucionais;

17
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

XIV – coordenar, elaborar ou editar todo e qualquer mate- VIII – definir, em conjunto com as filiais, a padronização de
rial gráfico ou audiovisual com vistas à divulgação da Empresa medicamentos, equipamentos e produtos para saúde a ser ado-
para o público interno ou externo; tada nas filiais;
XV – estabelecer diretrizes para envio de mensagens dos IX – coordenar, em conjunto com a DAI, o planejamento
diversos setores da Ebserh aos empregados da Sede, filiais e uni- de aquisição centralizada de medicamentos, produtos para saú-
dades descentralizadas, bem como administrar informes diver- de e equipamentos para as filiais, objetivando a eficiência;
sos a serem afixados nos quadros de aviso da Sede; X – definir, em conjunto com as filiais, as bases de nego-
XVI – propor parcerias para ações promocionais da Empre- ciação da contratualização hospitalar e pactuar, junto aos gesto-
sa, apoiadas na legislação pertinente e em decisão da Diretoria res do SUS, a sua efetivação;
Executiva; e XI – apoiar a implantação das políticas de e-saúde, no
XVIII – planejar e gerenciar as atividades de web com in- âmbito de sua atuação;
terface operacional de criação interna para briefing, layout, mí- XII – contribuir com a formulação e implementação de
dia interna online (banners, selos, popups, flashes, novas áreas, programas de capacitação necessários ao aprimoramento da
atenção hospitalar nas filiais;
materiais multimídia), bem como propor e monitorar procedi-
XIII – monitorar e avaliar o desempenho da atenção hospi-
mentos de comunicação para meios digitais como internet, tec-
talar nas filiais, por intermédio de indicadores estratégicos, para
nologia móvel, redes sociais, blogs, em parceria com a DGPTI,
apoiar a tomada de decisão;
alinhadas com os objetivos de comunicação do Ministério da XIV – contribuir com a formulação e qualificação de políti-
Educação. cas de saúde no âmbito do
SUS;
SEÇÃO III - DAS DIRETORIAS XV – propor, no âmbito de sua atuação, ações referentes à
assistência hospitalar e à
Artigo 51. Cada uma das Diretorias que compõem a Ebserh vigilância em saúde, no que se refere a eventos de impor-
elaborará seu regulamento e os submeterá à Presidência para tância em saúde pública; e
aprovação pela Diretoria Executiva. XVI – gerenciar o Programa de Certificação de Hospitais de
§ 1º Cada Diretoria implementará a política organizacional Ensino, no âmbito da Ebserh, em interface com a Coordenadoria
definida pelas múltiplas instâncias competentes da Ebserh, nos de Formação Profissional da Presidência.
seus respectivos âmbitos de competência. Artigo 53. Compete à Diretoria de Administração e Infraes-
§ 2º Cada Diretor indicará seu substituto legal, dentre os trutura:
Coordenadores a ele subordinados, e submeterá tal indicação à I – planejar, implementar e controlar as políticas e dire-
aprovação do Presidente da Ebserh. trizes de gestão administrativa, patrimonial e de infraestrutura
§ 3º Cada Diretoria deverá instituir, em consonância no âmbito da Sede, filiais e unidades descentralizadas;
com as demais Diretorias, instrumentos internos de controle II – planejar, estabelecer diretrizes e normas, em articu-
administrativo de desempenho, de aplicação dos recursos lação com as demais Diretorias, para as atividades de compras,
públicos e de guarda dos bens públicos, na sua área de atuação, aquisições e contratações de bens e serviços necessários ao ple-
nos termos da legislação em vigor. no funcionamento da Sede, filiais e unidades descentralizadas,
Artigo 52. Compete à Diretoria de Atenção à Saúde: assim como executar os procedimentos para a consecução des-
I – coordenar a implantação do modelo de atenção hos- sas atividades;
pitalar, centrado no usuário, considerando as necessidades de III – planejar, estabelecer diretrizes e normas de geren-
saúde da população e de formação profissional, em consonância ciamento e fiscalização de contratos e convênios no âmbito da
com as políticas nacionais de Educação e Saúde; Sede, filiais e unidades descentralizadas;
IV – gerenciar o patrimônio da Sede e monitorar sua ma-
II – promover a integração das ações assistenciais com o
nutenção nas filiais e unidades descentralizadas;
ensino, a pesquisa e a inovação tecnológica;
V – gerenciar o almoxarifado, a infraestrutura física e os
III – coordenar a implantação da gestão da clínica junto
serviços administrativos da
às filiais, dentre os quais, as linhas de cuidado, humanização da Sede;
atenção e regulação assistencial; VI – planejar, estabelecer diretrizes e normas, avaliar e
IV – definir, em conjunto com as filiais, protocolos clíni- controlar a emissão de passagens e diárias necessárias para a
cos, assistenciais e diretrizes terapêuticas, a serem adotados realização de trabalhos no âmbito da Sede, filiais e unidades
pelas filiais, visando qualificar a assistência e a formação profis- descentralizadas;
sional; VII – articular com a DGPTI o desenvolvimento e a implan-
V – coordenar a implementação, junto às filiais, das tação do Sistema Informatizado de Gestão Hospitalar da Ebserh,
ações de vigilância em saúde e dos padrões técnicos de qualida- no tocante a processos e procedimentos, infraestrutura, tecno-
de assistencial e de segurança do paciente; logias da informação e serviços, assim como indicadores para
VI – coordenar, junto às filiais, a estruturação da assistên- monitoramento;
cia farmacêutica hospitalar em consonância com as diretrizes da VIII – planejar, coordenar e implementar, em conjunto com
Política Nacional de Assistência Farmacêutica; as demais Diretorias da Ebserh, o processo de especificação téc-
VII – coordenar, em conjunto com as filiais, o planejamen- nica para o provimento de infraestrutura física da Sede, filiais e
to de ações e serviços de saúde, de forma articulada ao ensino e unidades descentralizadas, de acordo com normas e legislação
à pesquisa, e apoiar as filiais na sua implementação; vigentes; e

18
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

IX – monitorar e avaliar a gestão de infraestrutura física VIII – elaborar, propor e regulamentar os Planos de Cargos,
da Sede, filiais e unidades descentralizadas, de forma orientada Carreiras e Salários; de Benefícios; e de Cargos em Comissão e
para a qualificação das áreas físicas e instalações prediais. Funções Gratificadas para a Ebserh, em articulação com as de-
Artigo 54. Compete à Diretoria de Orçamento e Finanças: mais Diretorias e os órgãos da Presidência;
I – planejar, implementar e controlar as políticas e dire- IX – coordenar, monitorar, avaliar e aperfeiçoar a aplica-
trizes de gestão orçamentária, financeira e contábil no âmbito ção dos Planos de Cargos, Carreiras e Salários; de Benefícios; e
da Sede, filiais e unidades descentralizadas; de Cargos em Comissão e Funções Gratificadas da Ebserh;
II – subsidiar a Presidência, o Conselho de Administra- X – formular e propor a política de formação e capaci-
ção, o Conselho Fiscal e a Diretoria Executiva com as informa- tação de recursos humanos para a Ebserh, assim como de uni-
ções necessárias para as decisões relacionadas à execução e ao dades descentralizadas, em consonância com o Regimento e o
desempenho do orçamento da Sede, filiais e unidades descen- planejamento da instituição, e de acordo com as necessidades
tralizadas; da instituição;
XI – coordenar, monitorar, avaliar e aperfeiçoar os pro-
III – apoiar e monitorar as filiais e unidades descentrali-
cessos e procedimentos de formação, capacitação e avaliação
zadas da Ebserh no planejamento, implementação e controle
de recursos humanos para a Ebserh, de acordo com a política
de seus respectivos orçamentos e desempenhos institucionais,
formulada na instituição;
de acordo com as características definidas no planejamento de
XII – desenvolver a integração dos empregados da Ebserh,
cada unidade; em articulação com as demais Diretorias, os órgãos da Presidên-
IV – planejar, gerenciar e controlar a execução orçamen- cia e as Equipes de Governança das filiais;
tária e financeira da Sede, filiais e unidades descentralizadas, XIII – divulgar as normas e os procedimentos administra-
com as medidas necessárias à manutenção do equilíbrio finan- tivos e técnicos relativos à política de recursos humanos da Eb-
ceiro da Empresa; serh, em articulação com as demais Diretorias e a Consultoria
V – realizar a execução orçamentária e financeira no âm- Jurídica;
bito da Sede; XIV – disseminar, no âmbito da Ebserh, as informações
VI – estabelecer diretrizes para a gestão de custos da Em- relativas a atribuições, funções, direitos e deveres dos empre-
presa, bem como monitorar e avaliar a implantação de sistemas gados da Ebserh e dos servidores a ela cedidos, em articulação
e indicadores de custos; e com a Coordenadoria de Comunicação Social;
VII – planejar, estabelecer diretrizes de gerenciamento, XV – formular e implementar política de ações de Segu-
acompanhar, avaliar e controlar as conformidades contábeis da rança e Medicina do Trabalho na Ebserh, em articulação com as
Sede e filiais, e registrar o movimento contábil da Sede. demais Diretorias e órgãos da Presidência, de acordo com as ne-
Artigo 55. Compete à Diretoria de Gestão de Pessoas: cessidades e pessoal necessário ou existente na Sede, em cada
I – propor e gerir a Política de Gestão de Pessoas da Eb- filial ou unidade descentralizada;
serh, em articulação com as demais Diretorias e órgãos da Presi- XVI – estabelecer instrumento formal de comunicação per-
dência, de acordo com as necessidades da Empresa; manente entre os empregados da Ebserh e servidores a ela cedi-
II – planejar, administrar e desenvolver a força de traba- dos e a Diretoria de Gestão de Pessoas, relacionado a demandas
lho própria e cedida da Ebserh, em articulação com as demais referentes ao ambiente e às condições de trabalho;
Diretorias e de acordo com as necessidades de serviço no âmbi- XVII – articular, no âmbito de suas atribuições, com órgãos
to de cada uma das unidades da instituição; de classe e sindicais, informações e condições relacionados ao
III – articular com todas as instâncias de gestão da Eb- trabalho na Ebserh;
serh, de acordo com as respectivas atribuições, o processo de XVIII – negociar acordos coletivos de trabalho da Ebserh,
com órgãos de classe e sindicais, em articulação com a Consul-
planejamento, desenvolvimento de atividades e avaliação das
toria Jurídica da instituição; e
ações relativas à gestão de pessoas;
XIX – gerir Programa de Estágio não obrigatório da Ebserh.
IV – articular, desenvolver e implementar, em conjunto
Artigo 56. Compete à Diretoria de Gestão de Processos e
com outras entidades públicas ou privadas, projetos e ações,
Tecnologia da Informação:
bem como quaisquer outras contribuições que possibilitem me- I – propor e gerir a Política de Gestão de Processos, Se-
lhoria dos processos de gestão de pessoas na Ebserh; gurança e Tecnologia da Informação da Ebserh, em articulação
V – identificar, sistematizar e padronizar os processos de com as demais Diretorias e órgãos da Presidência;
trabalho relacionados à gestão de pessoas, no âmbito do funcio- II – elaborar e submeter o Plano Estratégico de Tecno-
namento da Ebserh, em articulação com a DGPTI; logia da Informação (PETI) e o Plano Diretor de Tecnologia da
VI – dimensionar, de acordo com as necessidades dos Informação (PDTI) à aprovação da Diretoria Executiva da Ebserh,
processos de trabalho a serem realizados, e em articulação com em consonância com o planejamento institucional;
as demais Diretorias e Equipes de Governança das filiais ou uni- III – implementar, monitorar, avaliar e aperfeiçoar as ca-
dades descentralizadas, as características e quantidades de re- racterísticas e a execução do Plano Estratégico de Tecnologia da
cursos humanos; Informação (PETI) e do Plano Diretor de Tecnologia da Informação
VII – formular, propor e implementar política e processos (PDTI) na Ebserh, de acordo com o planejamento institucional;
de contratação de recursos humanos para a Ebserh, incluindo a IV – mapear, propor, avaliar e aperfeiçoar os fluxos de
elaboração de editais de concurso público, realização de proces- processos de atenção à saúde e administrativos, em articulação
sos seletivos e divulgação dos respectivos resultados, em articu- com as respectivas Diretorias e demais unidades descentraliza-
lação com as demais Diretorias e a Consultoria Jurídica; das da Ebserh;

19
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

V – coordenar, planejar, desenvolver ou propor a contra- SEÇÃO IV - DAS REUNIÕES DOS CONSELHOS
tação de infraestrutura tecnológica e de sistemas de informação
necessários para auxiliar os processos de trabalho na Ebserh; VI Artigo 57. A inclusão de matérias nas pautas das reuniões
– coordenar o desenvolvimento, implantação e manutenção dos ordinárias do Conselho de Administração, do Conselho Fiscal e
sistemas informatizados com foco nos processos de atenção à do Conselho Consultivo será solicitada à Secretaria-Geral até 6
saúde, de ensino e pesquisa e de gestão para o (seis) dias úteis antes da data de realização da respectiva
campo da saúde; reunião.
VII – avaliar e autorizar a aquisição e implantação de so- § 1º As pautas das reuniões serão disponibilizadas aos
luções tecnológicas, equipamentos ou sistemas informatizados, Diretores e membros dos Conselhos até cinco dias úteis antes
no âmbito da Ebserh, que atendam às necessidades das filiais ou do dia de realização das respectivas reuniões.
unidades descentralizadas; § 2º Em sendo encaminhada matéria fora do prazo previsto
VIII – desenvolver procedimentos operacionais informa- no caput, caberá ao respectivo Conselho decidir pela inclusão
tizados na Ebserh, para o monitoramento prévio e efetivo dos extrapauta.
serviços e da gestão da instituição; Artigo 58. O Conselho de Administração e o Conselho Fiscal
IX – propor e implementar soluções informatizadas para deverão aprovar, na última reunião do ano, o calendário de reu-
o monitoramento e avaliação dos estágios de execução dos con- niões para o ano subsequente.
tratos realizados entre a Ebserh e as universidades; Parágrafo Único. As datas de que trata o caput poderão,
X – propor e implementar, nas unidades descentraliza- eventualmente, sofrer alteração, desde que haja concordância
das da Ebserh, em conjunto com a Diretoria de Atenção à Saúde, dos membros dos Conselhos.
soluções informatizadas que possibilitem monitorar e avaliar, Subseção I - Das reuniões da Diretoria Executiva
pelas várias instâncias de gestão da instituição, os serviços de Artigo 59. As reuniões da Diretoria Executiva ocorrerão, or-
saúde prestados por essas unidades à população, por meio dos dinariamente, a cada semana e, extraordinariamente, sempre
contratos firmados com a gestão do SUS; que convocadas pelo Presidente.
XI – integrar as redes de dados e sistemas informatizados § 1º O Presidente poderá alterar a data da reunião com
comunicação prévia aos membros da Diretoria Executiva.
e de telecomunicações entre filiais ou unidades descentralizadas
§ 2º Em caso de ausências e eventuais impedimentos dos
e a Sede;
Diretores, participarão da reunião, com direito a voto, seus
XII – integrar, quando couber, os sistemas de informações
substitutos.
da Ebserh com os sistemas de informações congêneres federais,
§ 3º O presidente poderá, quando for pertinente e
de forma a qualificar os sistemas internos da instituição;
considerar necessário, convidar pessoas para participação nas
XIII – assessorar e prestar suporte em questões tecnoló-
reuniões da Diretoria Executiva.
gicas que envolverem telessaúde e telemedicina, no âmbito da
§ 4º As deliberações da Diretoria Executiva serão tomadas
Ebserh; por maioria de votos e registradas em atas, cabendo ao
XIV – planejar, implementar e monitorar a logística de Presidente, além do voto ordinário, o de qualidade.
equipamentos de informática, a infraestrutura de Tecnologia da
Informação e Telecomunicações, as tecnologias das redes e os CAPÍTULO IV - DA ESTRUTURA DE GOVERNANÇA DAS UNI-
sistemas de informação da Ebserh; DADES HOSPITALARES ADMINISTRADAS PELA EBSERH
XV – assessorar o desenvolvimento e a capacitação de
pessoal para a implementação de mudanças ou aperfeiçoamen- Artigo 60. As filiais serão administradas por um colegiado
tos necessários nos meios e processos de informatização da Eb- executivo composto por:
serh; XVI – desenvolver, implantar e sustentar os Sistemas de a) Superintendente do hospital;
Gestão Hospitalar da b) um Gerente de Atenção à Saúde;
Empresa, com as Diretorias envolvidas, no que tange às res- c) um Gerente Administrativo; e
ponsabilidades de negócio envolvidas; d) um Gerente de Ensino e Pesquisa, quando se tratar de
XVII – realizar estudos, em conjunto com a Coordenadoria hospitais universitários ou de ensino.
de Gestão Estratégica e com representantes das Diretorias per- § 1º Os cargos de Superintendente do Hospital e de
tinentes, a respeito de processos ou procedimentos existentes Gerentes serão de livre nomeação.
ou necessários à Sede, às filiais ou unidades descentralizadas da § 2º O Superintendente, nos casos dos hospitais
Ebserh, que tenham que ser implantados, corrigidos ou aperfei- universitários, será selecionado e indicado pelo Reitor, sendo
çoados; e do quadro permanente da universidade contratante da Ebserh,
XVIII – consolidar e submeter à Diretoria Executiva os dados, obedecendo a critérios estabelecidos de titulação acadêmica e
indicadores e sinalizadores para o monitoramento e avaliação comprovada experiência em gestão pública no campo da saúde,
contínuos das unidades e órgãos componentes da Ebserh, em definidos conjuntamente entre a reitoria e a Ebserh, nos termos
conjunto com a Coordenadoria de Gestão Estratégica, a partir de do artigo 6º da Lei n°. 12.550, de 15 de dezembro de 2011.
propostas das demais Diretorias da instituição ou em articulação § 3º As Gerências serão ocupadas por pessoas selecionadas
e avaliação conjunta com elas. por uma comissão composta por membros da Diretoria Executi-
va da Ebserh e pelo Superintendente da unidade hospitalar, in-
dicados a partir de análise curricular que comprove qualificação
para o atendimento das competências específicas de cada Ge-
rência, de acordo com a normativa interna que trata do assunto.

20
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

§ 4º A estrutura de governança indicada no caput poderá empregados serão disciplinados pelos Planos de Cargos, Carrei-
ser alterada em caso de complexo hospitalar ou de alguma ras e Salários; de Benefícios; e de Cargos em Comissão e Funções
excepcionalidade detectada nas unidades hospitalares, Gratificadas e pelo Regulamento de Pessoal da Ebserh.
mediante aprovação do Conselho de Administração, a partir de Artigo 64. Os empregados temporários, contratados na for-
proposta da Diretoria Executiva. ma do art. 11, §§ 1º e 2º, e do art. 12 da Lei nº 12.550, de 15
§ 5º As pessoas selecionadas para as Gerências serão de dezembro de 2011, não farão parte do quadro de pessoal
nomeadas pelo Presidente da próprio da Ebserh e não poderão integrar o Plano de Cargos,
Ebserh. Carreiras e Salários da Empresa.
Artigo 61. O Colegiado Executivo, composto pelo Superin- Artigo 65. No âmbito da Ebserh, são vedadas as nomeações,
tendente e Gerentes de cada unidade hospitalar vinculada à contratações ou designações de cônjuge, companheiro ou pa-
Ebserh, será responsável pela direção e administração de todas rente em linha reta ou colateral, por consanguinidade ou afini-
as atividades da unidade, em consonância com as diretrizes, dade até terceiro grau, dos membros dos Conselhos, da Direto-
ria Executiva, e ocupantes de cargos de livre provimento, salvo
coordenação e monitoramento da Ebserh e, no que for perti-
de integrantes do quadro de pessoal da Ebserh, na forma do art.
nente ao ensino e à pesquisa, de acordo com as necessidades e
10 da Lei nº 12.550, de 15 de dezembro de 2011, para diferentes
orientações da universidade a qual a unidade hospitalar estiver
Diretorias, neste último caso.
vinculada.
Artigo 62. Ao Colegiado Executivo de cada unidade hospi- CAPÍTULO VI - DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS
talar compete:
I – propor, implementar, monitorar, gerir e avaliar, de Artigo 66. Os casos omissos e as dúvidas referentes à apli-
forma integrada, o planejamento de atividades de atenção à cação deste Regimento Interno, não solucionadas no âmbito da
saúde, de ensino e de pesquisa a serem desenvolvidas no âmbi- Diretoria Executiva, serão dirimidos pelo Conselho de Adminis-
to do hospital, em consonância com as diretrizes estabelecidas tração.
pela Ebserh, as orientações da universidade a qual o hospital Artigo 67. Os regulamentos previstos neste Regimento In-
estiver vinculado e as políticas de Saúde e Educação do País; terno deverão ser elaborados pelas áreas e submetidos à apro-
II – administrar a execução das diretrizes da Ebserh e dos vação da Diretoria Executiva em até 180 dias após a publicação
contratos firmados; deste normativo.
III – monitorar a atuação de cada setor e avaliar os servi- Artigo 68. O presente Regimento Interno entra em vigor na
ços realizados em conjunto com as Diretorias da Ebserh e com data da publicação de seu extrato no Diário Oficial da União e da
a universidade, de acordo com os indicadores, instrumentos e sua disponibilidade integral na página oficial da Ebserh.
procedimentos desenvolvidos para essas funções;
IV – participar dos estudos a respeito dos dados de ava-
liação e das proposições para aperfeiçoamento dos serviços e 4. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA EBSERH - PRIN-
condições da respectiva unidade hospitalar e das relações com a CÍPIOS ÉTICOS E COMPROMISSOS DE CONDUTA
Sede; - 1ª EDIÇÃO – 2017.
V – implementar as soluções propostas para aperfeiçoa-
mento ou desenvolvimento dos serviços ou condições da unida-
de hospitalar em conjunto com as Diretorias da Sede; CAPÍTULO I – DOS OBJETIVOS
VI – estabelecer normas e delegar poderes no âmbito de
suas respectivas competências; Sede; Art. 1º - O Código de Ética e Conduta da Empresa Brasileira
de Serviços Hospitalares (Ebserh) tem por objetivo estruturar os
VII – intermediar o relacionamento da unidade hospitalar
princípios e valores que norteiam as ações e os compromissos de
com a universidade e com a
conduta institucionais, nas relações internas e externas à Rede
VIII – atualizar os dados relacionados aos sistemas implan-
Ebserh. Busca-se, por meio deste documento, estabelecer um
tados pela Ebserh, para monitoramento e avaliação dos serviços,
mecanismo de fortalecimento institucional e de princípios éticos
equipamentos, condições e instalações da unidade hospitalar; efetivos que representem os valores preconizados pela Ebserh.
IX – fornecer todas e quaisquer informações e dados soli- Art. 2º - Este Código de Ética e Conduta é de observância
citados pela Sede; e obrigatória por todos os membros do Conselho de
X – instituir as respectivas Comissões Hospitalares pre- Administração, do Conselho Fiscal, da Diretoria Executiva,
vistas, nos termos da legislação vigente. profissionais do quadro permanente da Empresa, ocupantes de
cargos de confiança, profissionais ou servidores requisitados ou
CAPÍTULO V - DO PESSOAL cedidos de outros órgãos públicos, profissionais de empresas
prestadoras de serviços, servidores públicos que encontram-se
Artigo 63. Integram o quadro de pessoal da Ebserh os desempenhando suas atividades nas unidades da Ebserh, pessoas
empregados públicos admitidos na forma do art. 10 da Lei nº físicas e jurídicas prestadoras de serviços à Ebserh, estagiários,
12.550, de 15 de dezembro de 2011, e os servidores e emprega- residentes e todos aqueles que, de forma individual ou coletiva,
dos públicos a ela cedidos. por força de lei, contrato ou qualquer outro ato jurídico, prestem
Parágrafo Único. As formas e requisitos para ingresso na serviços à Empresa, sejam de natureza permanente, temporária
Ebserh, a política de desenvolvimento na carreira, as políticas ou excepcional, ainda que sem retribuição financeira, direta ou
de remuneração e os benefícios sociais a serem concedidos aos indiretamente.

21
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

CAPÍTULO II – DOS PRINCÍPIOS Art. 8º - A preservação ambiental e iniciativas de


E VALORES FUNDAMENTAIS sustentabilidade serão levadas em consideração pela Ebserh nas
ações, projetos e relações de que sejam parte.
Art. 3º - A Ebserh observará os princípios constantes
no artigo 37 da Constituição Federal vigente, zelando pela CAPÍTULO IV – DOS RELACIONAMENTOS
predominância da probidade administrativa, da integridade, da NO ÂMBITO INTERNO
dignidade da pessoa humana, da urbanidade, da transparência,
da honestidade, da lealdade, do repúdio ao preconceito e ao Art. 9º - A Ebserh buscará adotar medidas para que não haja
assédio, do respeito à diversidade, da responsabilidade social e distinção de tratamento entre as pessoas que atuam na Empresa,
do desenvolvimento sustentável, do interesse público, do sigilo com respeito à hierarquia e ao desempenho das competências
profissional, sem prejuízo dos demais princípios norteadores da de cada um, e em conformidade com os princípios e valores
Administração Pública Federal. fundamentais
Parágrafo único. As Informações confidenciais ou Art. 10 - Todas as pessoas que atuam no âmbito da Ebserh
estratégicas sejam limitadas a pessoas com necessidade de deverão contribuir para o estabelecimento e a manutenção de
conhecimento, incluindo divulgação interna junto a outros um ambiente de trabalho em que prevaleçam a cooperação,
colaboradores bem como a terceiros. eficiência, dedicação, iniciativa, justiça, responsabilidade,
Art. 4º - Os princípios éticos, tais como o decoro, o zelo, transparência e a urbanidade.
a eficácia e a consciência dos princípios morais, deverão ser Art. 11 - Todos os que atuam na Ebserh devem se
considerados em todas as decisões dos gestores, bem como em comprometer no sentido de não serem coniventes com qualquer
todos os relacionamentos empreendidos no âmbito da empresa, infração a este Código de Ética e Conduta, bem como aos demais
com o objetivo de contribuir para a construção e a consolidação atos normativos da Empresa.
da identidade da Ebserh como uma instituição que preza pela
preservação da ética em todos os seus atos e instâncias. CAPÍTULO V – DOS RELACIONAMENTOS
NO ÂMBITO EXTERNO
CAPÍTULO III – DOS COMPROMISSOS DE CONDUTA
Art. 12 - A Ebserh se pautará, em suas relações externas,
Art. 5º - Os compromissos de conduta constantes neste
pelo mais elevado padrão ético, bem como pelos princípios e
Código de Ética e Conduta são fundamentados e decorrem dos
valores fundamentais orientadores deste Código de Ética e
princípios e valores fundamentais supracitados. No exercício
Conduta, assumindo o compromisso de regular tais relações por
da governança corporativa, a Ebserh irá pautar sua atuação e
meio de procedimentos imparciais, isonômicos, transparentes,
suas decisões em conformidade com os princípios e valores
idôneos e em conformidade com a legislação pertinente.
fundamentais orientadores deste Código de Ética e Conduta.
Art. 6º - Os princípios e valores norteadores da atuação da Art. 13 - A atuação da Ebserh se pautará pelo compromisso
Ebserh, bem como seus compromissos de conduta, devem estar com os projetos e as políticas governamentais vigentes,
refletidos nos relacionamentos nos âmbitos interno e externo buscando a prestação de serviços de forma responsável e em
à Empresa, em conformidade com o que dispõem os artigos consonância com o interesse público, com foco no paciente.
3° e 4° deste Código de Ética e Conduta, sempre zelando pela Art. 14 - A Ebserh atuará permanentemente na prevenção e
imagem, reputação e integridade da Ebserh. repressão ao surgimento e manutenção de práticas que possam
Parágrafo único. A marca da empresa e o conhecimento resultar em vantagens ou benefícios pessoais que caracterizem
produzido internamente no desenvolvimento de suas atividades conflito de interesse para os envolvidos, bem como participação
ou em parceria são patrimônios institucionais e devem ser sempre em práticas claramente ilegais, desleais ou contrárias aos
protegidos por todos colaboradores. A propriedade intelectual princípios éticos.
da empresa diz respeito ao seu direito de proteção às ideias e Art. 15 - Na prestação de serviços de saúde pelos Hospitais
criação desenvolvidas internamente ou em parceria e inclui sua Universitários (HUs) filiais, a Ebserh buscará o compromisso
marca, patentes, direitos autorais, registro de software, dentre com a satisfação dos pacientes e o respeito aos seus direitos, em
outros. Deve-se proteger a marca e a propriedade intelectual atenção às questões apontadas pelos usuários dos HUs.
do mau uso, desvios ou utilização para benefícios pessoais. O Parágrafo único. A Ebserh deve nortear suas ações com
mesmo cuidado e respeito deve ser observado com relação à intuito de preservar o bom relacionamento com pacientes,
propriedade intelectual de terceiros. pautando sempre no compromisso e satisfação no seu
Art. 7º - O agente público da empresa, ao manifestar suas atendimento, preservando o princípio da equidade.
opiniões sobre as atividades da Ebserh, no exercício da liberdade Art. 16 - A Ebserh buscará prevenir corrupções e fraudes,
de expressão, deve deixar claro se tratar de opinião pessoal, bem como conflito entre os interesses privados de seus
resguardando à reputação da empresa e de seus agentes. colaboradores e o interesse público.
Parágrafo único. O empregado pode discordar de práticas Parágrafo único. Não serão tolerados quaisquer atos lesivos
ou políticas adotadas pela empresa, devendo discutir suas ideais à administração pública, nacional ou estrangeira, ou a qualquer
com chefe imediato e apresentar sugestões. A empresa estimula outra instituição ou indivíduos com os quais a Ebserh mantenha
o clima de abertura como forma de impedir a estagnação, vínculo.
encorajando a criatividade e o não conformismo. As críticas feitas
às claras e pelos os canais de comunicação adequados são bem-
vindas e consideradas demonstração de lealdade à empresa.

22
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

CAPÍTULO VI – DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 23 - No ato da contratação, será disponibilizada ao


empregado contratado cópia do Código de Ética e Conduta.
Art. 17 - Constituem-se em referências, e devem ser Art. 24 - Este Código entra em vigor na data de sua
utilizados conjunta ou subsidiariamente na aplicação do Código publicação.
de Ética e Conduta, os seguintes normativos.
I. Constituição Federal; ANOTAÇÕES
II. Código de Ética e Conduta Profissional do Servidor
Público Civil do Poder Executivo Federal, aprovado pelo Decreto
nº 1.171, de 1994; ___________________________________________________
III. Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal,
instituído pelo Decreto nº 6.029, de 1º de fevereiro de 2007; ___________________________________________________
IV. Lei nº 12.813, de 16 de maio de 2013;
V. Código de Conduta da Alta Administração Federal, ___________________________________________________
aprovado em 21 de agosto de 2000;
VI. Resolução nº 10, de 29 de setembro de 2008, da
___________________________________________________
Comissão de Ética Pública, da Presidência da República;
VII. Códigos de Ética das categorias profissionais que
atuam na Ebserh; ___________________________________________________
VIII. Regulamento de Pessoal da Ebserh;
IX. Regimento Interno da Ebserh; ___________________________________________________
X. Lei nº 13.303, de 30 de junho de 2016;
XI. Decreto 8.945, de 27 de dezembro de 2016.
___________________________________________________
Art. 18 – Compete à Comissão de Ética da Ebserh (CEE) a
divulgação, implementação e atualização deste Código de Ética
e Conduta, a resposta a consultas éticas, bem como a apuração ___________________________________________________
de denúncias de descumprimento de conduta ética. Qualquer
pessoa poderá entrar em contato com a CEE, pelos canais de ___________________________________________________
comunicação indicados na intranet e internet, sendo assegurado
total sigilo e confidencialidade das informações.
___________________________________________________
§ 1o A Ebserh terá como compromisso fundamental a
formação ética de seu pessoal, de modo que as condutas não
desprezem o elemento ético. Para isso, serão adotadas medidas ___________________________________________________
de orientação, estimulando o seu integral cumprimento.
§ 2o A CEE será composta, na forma do seu regimento interno, ___________________________________________________
por 3 agentes públicos da Ebserh e respectivos suplentes, todos
indicados pela Presidência da Empresa, contando com o apoio de
___________________________________________________
representantes indicados pelos Colegiados Executivos nas filiais.
Art. 19 - O tratamento de denúncias referentes à transgressão
deste Código de Ética e Conduta será feito precipuamente conforme ___________________________________________________
disciplinado nos normativos referenciados no inciso III do artigo
17, principalmente os editados pela Comissão de Ética Pública, da ___________________________________________________
Presidência da República, e no Regimento Interno da CEE.
§ 1o A denúncia de uma conduta contrária aos preceitos ___________________________________________________
éticos poderá ser feita por qualquer cidadão, empregado da
Ebserh ou não.
§ 2o Será assegurado ao investigado o direito à ampla ___________________________________________________
defesa e ao contraditório.
§ 3o É vedado à CEE divulgar informação sobre qualquer ___________________________________________________
processo instaurado.
Art. 20 - A Ebserh estabelecerá mecanismo de proteção que ___________________________________________________
impeça qualquer espécie de retaliação a pessoa que utilize os
canais de denúncias.
Art. 21 - Todas as pessoas que atuam no âmbito da Ebserh ___________________________________________________
devem tomar conhecimento e implementar as orientações
estabelecidas neste Código. ___________________________________________________
Art. 22 - A Ebserh disponibilizará treinamento periódico,
no mínimo anual, sobre o Código de Ética e Conduta, para ___________________________________________________
empregados e administradores.

23
LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

24
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

1. Evolução Histórica Da Organização Do Sistema De Saúde No Brasil E A Construção Do Sistema Único De Saúde (Sus) – Princípios,
Diretrizes E Arcabouço Legal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Controle Social No SUS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
3. Resolução Nº 453/2012 Do Conselho Nacional Da Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
4. Constituição Federal De 1988, Artigos De 194 A 200 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5. Lei Orgânica Da Saúde ‐ Lei Nº 8.080/1990 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Lei Nº 8.142/1990 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
E Decreto Presidencial Nº 7.508, De 28 De Junho De 2011 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
6. Determinantes Sociais Da Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
7. Sistemas De Informação Em Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

Secretaria Municipal de Saúde (SMS)


1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ORGANIZAÇÃO DO Planeja, organiza, controla, avalia e executa as ações e servi-
SISTEMA DE SAÚDE NO BRASIL E A CONSTRUÇÃO DO ços de saúde em articulação com o conselho municipal e a esfera
SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) – PRINCÍPIOS, DIRE‐ estadual para aprovar e implantar o plano municipal de saúde.
TRIZES E ARCABOUÇO LEGAL.
Conselhos de Saúde
O que é o Sistema Único de Saúde (SUS)?
O Conselho de Saúde, no âmbito de atuação (Nacional, Es-
O Sistema Único de Saúde (SUS) é um dos maiores e mais tadual ou Municipal), em caráter permanente e deliberativo,
complexos sistemas de saúde pública do mundo, abrangendo órgão colegiado composto por representantes do governo, pres-
desde o simples atendimento para avaliação da pressão arte- tadores de serviço, profissionais de saúde e usuários, atua na
rial, por meio da Atenção Primária, até o transplante de órgãos, formulação de estratégias e no controle da execução da política
garantindo acesso integral, universal e gratuito para toda a po- de saúde na instância correspondente, inclusive nos aspectos
pulação do país. Com a sua criação, o SUS proporcionou o aces- econômicos e financeiros, cujas decisões serão homologadas
so universal ao sistema público de saúde, sem discriminação. A pelo chefe do poder legalmente constituído em cada esfera do
atenção integral à saúde, e não somente aos cuidados assisten- governo.
ciais, passou a ser um direito de todos os brasileiros, desde a Cabe a cada Conselho de Saúde definir o número de mem-
gestação e por toda a vida, com foco na saúde com qualidade de bros, que obedecerá a seguinte composição: 50% de entidades
vida, visando a prevenção e a promoção da saúde. e movimentos representativos de usuários; 25% de entidades
A gestão das ações e dos serviços de saúde deve ser soli- representativas dos trabalhadores da área de saúde e 25% de
dária e participativa entre os três entes da Federação: a União, representação de governo e prestadores de serviços privados
os Estados e os municípios. A rede que compõe o SUS é ampla conveniados, ou sem fins lucrativos.
e abrange tanto ações quanto os serviços de saúde. Engloba a
atenção primária, média e alta complexidades, os serviços ur- Comissão Intergestores Tripartite (CIT)
gência e emergência, a atenção hospitalar, as ações e serviços
das vigilâncias epidemiológica, sanitária e ambiental e assistên- Foro de negociação e pactuação entre gestores federal, es-
cia farmacêutica. tadual e municipal, quanto aos aspectos operacionais do SUS

AVANÇO: Conforme a Constituição Federal de 1988 (CF-88), Comissão Intergestores Bipartite (CIB)
a “Saúde é direito de todos e dever do Estado”. No período an-
terior a CF-88, o sistema público de saúde prestava assistência Foro de negociação e pactuação entre gestores estadual e
apenas aos trabalhadores vinculados à Previdência Social, apro- municipais, quanto aos aspectos operacionais do SUS
ximadamente 30 milhões de pessoas com acesso aos serviços
hospitalares, cabendo o atendimento aos demais cidadãos às Conselho Nacional de Secretário da Saúde (Conass)
entidades filantrópicas.
Entidade representativa dos entes estaduais e do Distrito
Estrutura do Sistema Único de Saúde (SUS) Federal na CIT para tratar de matérias referentes à saúde

O Sistema Único de Saúde (SUS) é composto pelo Ministério Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde
da Saúde, Estados e Municípios, conforme determina a Consti- (Conasems)
tuição Federal. Cada ente tem suas co-responsabilidades.
Entidade representativa dos entes municipais na CIT para
Ministério da Saúde tratar de matérias referentes à saúde

Gestor nacional do SUS, formula, normatiza, fiscaliza, mo- Conselhos de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems)
nitora e avalia políticas e ações, em articulação com o Conselho
Nacional de Saúde. Atua no âmbito da Comissão Intergestores São reconhecidos como entidades que representam os en-
Tripartite (CIT) para pactuar o Plano Nacional de Saúde. Inte- tes municipais, no âmbito estadual, para tratar de matérias re-
gram sua estrutura: Fiocruz, Funasa, Anvisa, ANS, Hemobrás, ferentes à saúde, desde que vinculados institucionalmente ao
Inca, Into e oito hospitais federais. Conasems, na forma que dispuserem seus estatutos.

Secretaria Estadual de Saúde (SES) Responsabilidades dos entes


que compõem o SUS União
Participa da formulação das políticas e ações de saúde,
presta apoio aos municípios em articulação com o conselho es- A gestão federal da saúde é realizada por meio do Ministé-
tadual e participa da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) para rio da Saúde. O governo federal é o principal financiador da rede
aprovar e implementar o plano estadual de saúde. pública de saúde. Historicamente, o Ministério da Saúde aplica
metade de todos os recursos gastos no país em saúde pública
em todo o Brasil, e estados e municípios, em geral, contribuem

1
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

com a outra metade dos recursos. O Ministério da Saúde formu- Várias foram às propostas de implantação de uma rede de
la políticas nacionais de saúde, mas não realiza as ações. Para serviços voltada para a atenção primária à saúde, com hierarqui-
a realização dos projetos, depende de seus parceiros (estados, zação, descentralização e universalização, iniciando-se já a partir
municípios, ONGs, fundações, empresas, etc.). Também tem a do Programa de Interiorização das Ações de Saúde e Saneamen-
função de planejar, elabirar normas, avaliar e utilizar instrumen- to (PIASS), em 1976.
tos para o controle do SUS. Em 1980, foi criado o Programa Nacional de Serviços Bási-
cos de Saúde (PREV-SAÚDE) - que, na realidade, nunca saiu do
Estados e Distrito Federal papel -, logo seguida pelo plano do Conselho Nacional de Admi-
nistração da Saúde Previdenciária (CONASP), em 1982 a partir
Os estados possuem secretarias específicas para a gestão de do qual foi implementada a política de Ações Integradas de Saú-
saúde. O gestor estadual deve aplicar recursos próprios, inclusi- de (AIS), em 1983. Essas constituíram uma estratégia de extre-
ve nos municípios, e os repassados pela União. Além de ser um ma importância para o processo de descentralização da saúde.
dos parceiros para a aplicação de políticas nacionais de saúde, o A 8ª Conferência Nacional da Saúde, realizada em março de
estado formula suas próprias políticas de saúde. Ele coordena e 1986, considerada um marco histórico, consagra os princípios
planeja o SUS em nível estadual, respeitando a normatização fe- preconizados pelo Movimento da Reforma Sanitária.
deral. Os gestores estaduais são responsáveis pela organização Em 1987 é implementado o Sistema Unificado e Descen-
do atendimento à saúde em seu território. tralizado de Saúde (SUDS), como uma consolidação das Ações
Integradas de Saúde (AIS), que adota como diretrizes a univer-
salização e a equidade no acesso aos serviços, à integralidade
Municípios
dos cuidados, a regionalização dos serviços de saúde e imple-
mentação de distritos sanitários, a descentralização das ações
São responsáveis pela execução das ações e serviços de saú-
de saúde, o desenvolvimento de instituições colegiadas gestoras
de no âmbito do seu território.O gestor municipal deve aplicar
e o desenvolvimento de uma política de recursos humanos.
recursos próprios e os repassados pela União e pelo estado. O O capítulo dedicado à saúde na nova Constituição Federal,
município formula suas próprias políticas de saúde e também promulgada em outubro de 1988, retrata o resultado de todo o
é um dos parceiros para a aplicação de políticas nacionais e es- processo desenvolvido ao longo dessas duas décadas, criando o
taduais de saúde. Ele coordena e planeja o SUS em nível mu- Sistema Único de Saúde (SUS) e determinando que “a saúde é
nicipal, respeitando a normatização federal. Pode estabelecer direito de todos e dever do Estado” (art. 196).
parcerias com outros municípios para garantir o atendimento Entre outros, a Constituição prevê o acesso universal e igua-
pleno de sua população, para procedimentos de complexidade litário às ações e serviços de saúde, com regionalização e hierar-
que estejam acima daqueles que pode oferecer. quização, descentralização com direção única em cada esfera de
governo, participação da comunidade e atendimento integral,
com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos
História do sistema único de saúde (SUS) serviços assistenciais.
A Lei nº 8.080, promulgada em 1990, operacionaliza as dis-
As duas últimas décadas foram marcadas por intensas posições constitucionais. São atribuições do SUS em seus três
transformações no sistema de saúde brasileiro, intimamente níveis de governo, além de outras, “ordenar a formação de re-
relacionadas com as mudanças ocorridas no âmbito político-ins- cursos humanos na área de saúde” (CF, art. 200, inciso III).
titucional. Simultaneamente ao processo de redemocratização
iniciado nos anos 80, o país passou por grave crise na área eco- Princípios do SUS
nômico-financeira.
No início da década de 80, procurou-se consolidar o proces- São conceitos que orientam o SUS, previstos no artigo 198
so de expansão da cobertura assistencial iniciado na segunda da Constituição Federal de 1988 e no artigo 7º do Capítulo II da
metade dos anos 70, em atendimento às proposições formula- Lei n.º 8.080/1990. Os principais são:
das pela OMS na Conferência de Alma-Ata (1978), que preconi-
zava “Saúde para Todos no Ano 2000”, principalmente por meio Universalidade: significa que o SUS deve atender a todos,
da Atenção Primária à Saúde. sem distinções ou restrições, oferecendo toda a atenção neces-
sária, sem qualquer custo;
Nessa mesma época, começa o Movimento da Reforma
Integralidade: o SUS deve oferecer a atenção necessária à
Sanitária Brasileira, constituído inicialmente por uma parcela
saúde da população, promovendo ações contínuas de preven-
da intelectualidade universitária e dos profissionais da área da
ção e tratamento aos indivíduos e às comunidades, em quais-
saúde. Posteriormente, incorporaram-se ao movimento outros
quer níveis de complexidade;
segmentos da sociedade, como centrais sindicais, movimentos Equidade: o SUS deve disponibilizar recursos e serviços com
populares de saúde e alguns parlamentares. justiça, de acordo com as necessidades de cada um, canalizando
As proposições desse movimento, iniciado em pleno regi- maior atenção aos que mais necessitam;
me autoritário da ditadura militar, eram dirigidas basicamente Participação social: é um direito e um dever da sociedade
à construção de uma nova política de saúde efetivamente de- participar das gestões públicas em geral e da saúde pública em
mocrática, considerando a descentralização, universalização e particular; é dever do Poder Público garantir as condições para
unificação como elementos essenciais para a reforma do setor. essa participação, assegurando a gestão comunitária do SUS; e

2
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

Descentralização: é o processo de transferência de respon- atenção básica à saúde, por reunir esses três componentes, co-
sabilidades de gestão para os municípios, atendendo às deter- loca-se como responsabilidade primeira e intransferível a todos
minações constitucionais e legais que embasam o SUS, definidor os gestores. O cumprimento dessas responsabilidades exige que
de atribuições comuns e competências específicas à União, aos assumam as atribuições de gestão, incluindo:
estados, ao Distrito Federal e aos municípios. - execução dos serviços públicos de responsabilidade mu-
nicipal;
Principais leis - destinação de recursos do orçamento municipal e utiliza-
ção do conjunto de recursos da saúde, com base em prioridades
Constituição Federal de 1988: Estabelece que “a saúde é definidas no Plano Municipal de Saúde;
direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas - planejamento, organização, coordenação, controle e ava-
sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e liação das ações e dos serviços de saúde sob gestão municipal; e
de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e - participação no processo de integração ao SUS, em âmbito
aos serviços para sua promoção, proteção e recuperação”. De- regional e estadual, para assegurar a seus cidadãos o acesso a
termina ao Poder Público sua “regulamentação, fiscalização e serviços de maior complexidade, não disponíveis no município.
controle”, que as ações e os serviços da saúde “integram uma
rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema úni- Responsabilização Microssanitária
co”; define suas diretrizes, atribuições, fontes de financiamento
e, ainda, como deve se dar a participação da iniciativa privada. É determinante que cada serviço de saúde conheça o ter-
ritório sob sua responsabilidade. Para isso, as unidades da rede
Lei Orgânica da Saúde (LOS), Lei n.º 8.080/1990: Regula- básica devem estabelecer uma relação de compromisso com a
menta, em todo o território nacional, as ações do SUS, estabe- população a ela adstrita e cada equipe de referência deve ter
lece as diretrizes para seu gerenciamento e descentralização e sólidos vínculos terapêuticos com os pacientes e seus familia-
detalha as competências de cada esfera governamental. Enfatiza res, proporcionando-lhes abordagem integral e mobilização dos
a descentralização político-administrativa, por meio da munici- recursos e apoios necessários à recuperação de cada pessoa. A
palização dos serviços e das ações de saúde, com redistribuição alta só deve ocorrer quando da transferência do paciente a ou-
de poder, competências e recursos, em direção aos municípios. tra equipe (da rede básica ou de outra área especializada) e o
Determina como competência do SUS a definição de critérios, tempo de espera para essa transferência não pode representar
valores e qualidade dos serviços. Trata da gestão financeira; de- uma interrupção do atendimento: a equipe de referência deve
fine o Plano Municipal de Saúde como base das atividades e da
prosseguir com o projeto terapêutico, interferindo, inclusive,
programação de cada nível de direção do SUS e garante a gra-
nos critérios de acesso.
tuidade das ações e dos serviços nos atendimentos públicos e
privados contratados e conveniados.
Instâncias de Pactuação
Lei n.º 8.142/1990: Dispõe sobre o papel e a participação
das comunidades na gestão do SUS, sobre as transferências de
São espaços intergovernamentais, políticos e técnicos onde
recursos financeiros entre União, estados, Distrito Federal e mu-
ocorrem o planejamento, a negociação e a implementação das
nicípios na área da saúde e dá outras providências.
políticas de saúde pública. As decisões se dão por consenso (e
Institui as instâncias colegiadas e os instrumentos de parti-
cipação social em cada esfera de governo. não por votação), estimulando o debate e a negociação entre
as partes.
Responsabilização Sanitária Comissão Intergestores Tripartite (CIT): Atua na direção
nacional do SUS, formada por composição paritária de 15 mem-
Desenvolver responsabilização sanitária é estabelecer clara- bros, sendo cinco indicados pelo Ministério da Saúde, cinco pelo
mente as atribuições de cada uma das esferas de gestão da saúde Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass) e
pública, assim como dos serviços e das equipes que compõem cinco pelo Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saú-
o SUS, possibilitando melhor planejamento, acompanhamento de (Conasems). A representação de estados e municípios nessa
e complementaridade das ações e dos serviços. Os prefeitos, ao Comissão é, portanto regional: um representante para cada uma
assumir suas responsabilidades, devem estimular a responsa- das cinco regiões existentes no País.
bilização junto aos gerentes e equipes, no âmbito municipal, e
participar do processo de pactuação, no âmbito regional. Comissões Intergestores Bipartites (CIB): São constituídas
paritariamente por representantes do governo estadual, in-
Responsabilização Macrossanitária dicados pelo Secretário de Estado da Saúde, e dos secretários
municipais de saúde, indicados pelo órgão de representação
O gestor municipal, para assegurar o direito à saúde de seus do conjunto dos municípios do Estado, em geral denominado
munícipes, deve assumir a responsabilidade pelos resultados, Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems). Os se-
buscando reduzir os riscos, a mortalidade e as doenças evitáveis, cretários municipais de Saúde costumam debater entre si os te-
a exemplo da mortalidade materna e infantil, da hanseníase e da mas estratégicos antes de apresentarem suas posições na CIB.
tuberculose. Para isso, tem de se responsabilizar pela oferta de Os Cosems são também instâncias de articulação política entre
ações e serviços que promovam e protejam a saúde das pesso- gestores municipais de saúde, sendo de extrema importância a
as, previnam as doenças e os agravos e recuperem os doentes. A participação dos gestores locais nesse espaço.

3
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

Espaços regionais: A implementação de espaços regionais No PMS, devem ser descritos os principais problemas da
de pactuação, envolvendo os gestores municipais e estaduais, saúde pública local, suas causas, consequências e pontos crí-
é uma necessidade para o aperfeiçoamento do SUS. Os espaços ticos. Além disso, devem ser definidos os objetivos e metas a
regionais devem-se organizar a partir das necessidades e das afi- serem atingidos, as atividades a serem executadas, os cronogra-
nidades específicas em saúde existentes nas regiões. mas, as sistemáticas de acompanhamento e de avaliação dos
resultados.
Descentralização
Sistemas de informações ajudam a planejar a saúde: O
O princípio de descentralização que norteia o SUS se dá, SUS opera e/ou disponibiliza um conjunto de sistemas de infor-
especialmente, pela transferência de responsabilidades e recur- mações estratégicas para que os gestores avaliem e fundamen-
sos para a esfera municipal, estimulando novas competências e tem o planejamento e a tomada de decisões, abrangendo: indi-
capacidades político-institucionais dos gestores locais, além de cadores de saúde; informações de assistência à saúde no SUS
meios adequados à gestão de redes assistenciais de caráter re- (internações hospitalares, produção ambulatorial, imunização
gional e macrorregional, permitindo o acesso, a integralidade da
e atenção básica); rede assistencial (hospitalar e ambulatorial);
atenção e a racionalização de recursos. Os estados e a União de-
morbidade por local de internação e residência dos atendidos
vem contribuir para a descentralização do SUS, fornecendo coo-
pelo SUS; estatísticas vitais (mortalidade e nascidos vivos); re-
peração técnica e financeira para o processo de municipalização.
cursos financeiros, informações demográficas, epidemiológicas
Regionalização: consensos e estratégias - As ações e os e socioeconômicas. Caminha-se rumo à integração dos diver-
serviços de saúde não podem ser estruturados apenas na esca- sos sistemas informatizados de base nacional, que podem ser
la dos municípios. Existem no Brasil milhares de pequenas mu- acessados no site do Datasus. Nesse processo, a implantação do
nicipalidades que não possuem em seus territórios condições Cartão Nacional de Saúde tem papel central. Cabe aos prefeitos
de oferecer serviços de alta e média complexidade; por outro conhecer e monitorar esse conjunto de informações essenciais
lado, existem municípios que apresentam serviços de referên- à gestão da saúde do seu município.
cia, tornando-se polos regionais que garantem o atendimento
da sua população e de municípios vizinhos. Em áreas de divisas Níveis de atenção à saúde: O SUS ordena o cuidado com
interestaduais, são frequentes os intercâmbios de serviços entre a saúde em níveis de atenção, que são de básica, média e alta
cidades próximas, mas de estados diferentes. Por isso mesmo, complexidade. Essa estruturação visa à melhor programação e
a construção de consensos e estratégias regionais é uma solu- planejamento das ações e dos serviços do sistema de saúde.
ção fundamental, que permitirá ao SUS superar as restrições de Não se deve, porém, desconsiderar algum desses níveis de aten-
acesso, ampliando a capacidade de atendimento e o processo ção, porque a atenção à saúde deve ser integral.
de descentralização. A atenção básica em saúde constitui o primeiro nível de
O Sistema Hierarquizado e Descentralizado: As ações e atenção à saúde adotada pelo SUS. É um conjunto de ações que
serviços de saúde de menor grau de complexidade são coloca- engloba promoção, prevenção, diagnóstico, tratamento e reabi-
das à disposição do usuário em unidades de saúde localizadas litação. Desenvolve-se por meio de práticas gerenciais e sanitá-
próximas de seu domicílio. As ações especializadas ou de maior rias, democráticas e participativas, sob a forma de trabalho em
grau de complexidade são alcançadas por meio de mecanismos equipe, dirigidas a populações de territórios delimitados, pelos
de referência, organizados pelos gestores nas três esferas de quais assumem responsabilidade.
governo. Por exemplo: O usuário é atendido de forma descen- Utiliza tecnologias de elevada complexidade e baixa densi-
tralizada, no âmbito do município ou bairro em que reside. Na dade, objetivando solucionar os problemas de saúde de maior
hipótese de precisar ser atendido com um problema de saúde frequência e relevância das populações. É o contato preferencial
mais complexo, ele é referenciado, isto é, encaminhado para o dos usuários com o sistema de saúde. Deve considerar o sujeito
atendimento em uma instância do SUS mais elevada, especiali-
em sua singularidade, complexidade, inteireza e inserção socio-
zada. Quando o problema é mais simples, o cidadão pode ser
cultural, além de buscar a promoção de sua saúde, a prevenção
contrarreferenciado, isto é, conduzido para um atendimento em
e tratamento de doenças e a redução de danos ou de sofrimen-
um nível mais primário.
tos que possam comprometer suas possibilidades de viver de
Plano de saúde fixa diretriz e metas à saúde municipal modo saudável.

É responsabilidade do gestor municipal desenvolver o pro- As Unidades Básicas são prioridades porque, quando as
cesso de planejamento, programação e avaliação da saúde local, Unidades Básicas de Saúde funcionam adequadamente, a co-
de modo a atender as necessidades da população de seu muni- munidade consegue resolver com qualidade a maioria dos seus
cípio com eficiência e efetividade. O Plano Municipal de Saúde problemas de saúde. É comum que a primeira preocupação de
(PMS) deve orientar as ações na área, incluindo o orçamento muitos prefeitos se volte para a reforma ou mesmo a construção
para a sua execução. Um instrumento fundamental para nortear de hospitais. Para o SUS, todos os níveis de atenção são igual-
a elaboração do PMS é o Plano Nacional de Saúde. Cabe ao Con- mente importantes, mas a prática comprova que a atenção bá-
selho Municipal de Saúde estabelecer as diretrizes para a formu- sica deve ser sempre prioritária, porque possibilita melhor orga-
lação do PMS, em função da análise da realidade e dos proble- nização e funcionamento também dos serviços de média e alta
mas de saúde locais, assim como dos recursos disponíveis. complexidade.

4
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

Estando bem estruturada, ela reduzirá as filas nos prontos Vigilância em saúde: expande seus objetivos. Em um país
socorros e hospitais, o consumo abusivo de medicamentos e com as dimensões do Brasil, com realidades regionais bastante
o uso indiscriminado de equipamentos de alta tecnologia. Isso diversificadas, a vigilância em saúde é um grande desafio. Ape-
porque os problemas de saúde mais comuns passam a ser resol- sar dos avanços obtidos, como a erradicação da poliomielite,
vidos nas Unidades Básicas de Saúde, deixando os ambulatórios desde 1989, e com a interrupção da transmissão de sarampo,
de especialidades e hospitais cumprirem seus verdadeiros pa- desde 2000, convivemos com doenças transmissíveis que persis-
péis, o que resulta em maior satisfação dos usuários e utilização tem ou apresentam incremento na incidência, como a AIDS, as
mais racional dos recursos existentes. hepatites virais, as meningites, a malária na região amazônica, a
dengue, a tuberculose e a hanseníase. Observamos, ainda, au-
Saúde da Família: é a saúde mais perto do cidadão. É par- mento da mortalidade por causas externas, como acidentes de
te da estratégia de estruturação eleita pelo Ministério da Saúde trânsito, conflitos, homicídios e suicídios, atingindo, principal-
para reorganização da atenção básica no País, com recursos fi- mente, jovens e população em idade produtiva. Nesse contexto,
nanceiros específicos para o seu custeio. Cada equipe é com- o Ministério da Saúde com o objetivo de integração, fortaleci-
posta por um conjunto de profissionais (médico, enfermeiro, mento da capacidade de gestão e redução da morbimortalida-
auxiliares de enfermagem e agentes comunitários de saúde, de, bem como dos fatores de risco associados à saúde, expande
podendo agora contar com profissional de saúde bucal) que se o objeto da vigilância em saúde pública, abrangendo as áreas
responsabiliza pela situação de saúde de determinada área, cuja de vigilância das doenças transmissíveis, agravos e doenças não
população deve ser de no mínimo 2.400 e no máximo 4.500 pes- transmissíveis e seus fatores de riscos; a vigilância ambiental em
soas. Essa população deve ser cadastrada e acompanhada, tor- saúde e a análise de situação de saúde.
nando-se responsabilidade das equipes atendê-la, entendendo
suas necessidades de saúde como resultado também das condi- Competências municipais na vigilância em saúde
ções sociais, ambientais e econômicas em que vive. Os profissio-
nais é que devem ir até suas casas, porque o objetivo principal Compete aos gestores municipais, entre outras atribuições,
as atividades de notificação e busca ativa de doenças compul-
da Saúde da Família é justamente aproximar as equipes das co-
sórias, surtos e agravos inusitados; investigação de casos noti-
munidades e estabelecer entre elas vínculos sólidos.
ficados em seu território; busca ativa de declaração de óbitos e
de nascidos vivos; garantia a exames laboratoriais para o diag-
A saúde municipal precisa ser integral. O município é res-
nóstico de doenças de notificação compulsória; monitoramento
ponsável pela saúde de sua população integralmente, ou seja,
da qualidade da água para o consumo humano; coordenação e
deve garantir que ela tenha acessos à atenção básica e aos ser-
execução das ações de vacinação de rotina e especiais (campa-
viços especializados (de média e alta complexidade), mesmo
nhas e vacinações de bloqueio); vigilância epidemiológica; mo-
quando localizados fora de seu território, controlando, racionali-
nitoramento da mortalidade infantil e materna; execução das
zando e avaliando os resultados obtidos. ações básicas de vigilância sanitária; gestão e/ou gerência dos
Só assim estará promovendo saúde integral, como deter- sistemas de informação epidemiológica, no âmbito municipal;
mina a legislação. É preciso que isso fique claro, porque mui- coordenação, execução e divulgação das atividades de informa-
tas vezes o gestor municipal entende que sua responsabilidade ção, educação e comunicação de abrangência municipal; parti-
acaba na atenção básica em saúde e que as ações e os serviços cipação no financiamento das ações de vigilância em saúde e
de maior complexidade são responsabilidade do Estado ou da capacitação de recursos.
União – o que não é verdade.
A promoção da saúde é uma estratégia por meio da qual os Desafios públicos, responsabilidades compartilhadas: A
desafios colocados para a saúde e as ações sanitárias são pensa- legislação brasileira – Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e le-
dos em articulação com as demais políticas e práticas sanitárias gislação sanitária, incluindo as Leis n.º 8.080/1990 e 8.142/1990
e com as políticas e práticas dos outros setores, ampliando as – estabelece prerrogativas, deveres e obrigações a todos os go-
possibilidades de comunicação e intervenção entre os atores vernantes. A Constituição Federal define os gastos mínimos em
sociais envolvidos (sujeitos, instituições e movimentos sociais). saúde, por esfera de governo, e a legislação sanitária, os critérios
A promoção da saúde deve considerar as diferenças culturais para as transferências intergovernamentais e alocação de recur-
e regionais, entendendo os sujeitos e as comunidades na sin- sos financeiros. Essa vinculação das receitas objetiva preservar
gularidade de suas histórias, necessidades, desejos, formas de condições mínimas e necessárias ao cumprimento das respon-
pertencer e se relacionar com o espaço em que vivem. Signifi- sabilidades sanitárias e garantir transparência na utilização dos
ca comprometer-se com os sujeitos e as coletividades para que recursos disponíveis. A responsabilização fiscal e sanitária de
possuam, cada vez mais, autonomia e capacidade para manejar cada gestor e servidor público deve ser compartilhada por todos
os limites e riscos impostos pela doença, pela constituição gené- os entes e esferas governamentais, resguardando suas caracte-
tica e por seu contexto social, político, econômico e cultural. A rísticas, atribuições e competências. O desafio primordial dos
promoção da saúde coloca, ainda, o desafio da intersetorialida- governos, sobretudo na esfera municipal, é avançar na transfor-
de, com a convocação de outros setores sociais e governamen- mação dos preceitos constitucionais e legais que constituem o
tais para que considerem parâmetros sanitários, ao construir SUS em serviços e ações que assegurem o direito à saúde, como
suas políticas públicas específicas, possibilitando a realização de uma conquista que se realiza cotidianamente em cada estabele-
ações conjuntas. cimento, equipe e prática sanitária.

5
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

É preciso inovar e buscar, coletiva e criativamente, soluções SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE


novas para os velhos problemas do nosso sistema de saúde. A
construção de espaços de gestão que permitam a discussão e a Pela dicção dos arts. 196 e 198 da CF, podemos afirmar que
crítica, em ambiente democrático e plural, é condição essencial somente da segunda parte do art. 196 se ocupa o Sistema Úni-
para que o SUS seja, cada vez mais, um projeto que defenda e co de Saúde, de forma mais concreta e direta, sob pena de a
promova a vida. saúde, como setor, como uma área da Administração Pública, se
ver obrigada a cuidar de tudo aquilo que possa ser considerado
Muitos municípios operam suas ações e serviços de saúde como fatores que condicionam e interferem com a saúde indivi-
em condições desfavoráveis, dispondo de recursos financeiros e dual e coletiva. Isso seria um arrematado absurdo e deveríamos
equipes insuficientes para atender às demandas dos usuários, ter um super Ministério e super Secretarias da Saúde responsá-
seja em volume, seja em complexidade – resultado de uma veis por toda política social e econômica protetivas da saúde.
conjuntura social de extrema desigualdade. Nessas situações, a Se a Constituição tratou a saúde sob grande amplitude, isso
gestão pública em saúde deve adotar condução técnica e admi- não significa dizer que tudo o que está ali inserido corresponde
nistrativa compatível com os recursos existentes e criativa em a área de atuação do Sistema Único de Saúde.
sua utilização. Deve estabelecer critérios para a priorização dos Repassando, brevemente, aquela seção do capítulo da Se-
gastos, orientados por análises sistemáticas das necessidades guridade Social, temos que: -- o art. 196, de maneira ampla, cui-
em saúde, verificadas junto à população. É um desafio que exige da do direito à saúde; -- o art. 197 trata da relevância pública das
vontade política, propostas inventivas e capacidade de governo. ações e serviços de saúde, públicos e privados, conferindo ao
A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios com- Estado o direito e o dever de regulamentar, fiscalizar e controlar
partilham as responsabilidades de promover a articulação e a o setor (público e privado); -- o art. 198 dispõe sobre as ações e
interação dentro do Sistema Único de Saúde – SUS, assegurando os serviços públicos de saúde que devem ser garantidos a todos
o acesso universal e igualitário às ações e serviços de saúde. cidadãos para a sua promoção, proteção e recuperação, ou seja,
O SUS é um sistema de saúde, regionalizado e hierarqui- dispõe sobre o Sistema Único de Saúde; -- o art. 199, trata da
zado, que integra o conjunto das ações de saúde da União, Es- liberdade da iniciativa privada, suas restrições (não pode explo-
tados, Distrito Federal e Municípios, onde cada parte cumpre rar o sangue, por ser bem fora do comércio; deve submeter-se
funções e competências específicas, porém articuladas entre si, à lei quanto à remoção de órgãos e tecidos e partes do corpo
o que caracteriza os níveis de gestão do SUS nas três esferas go- humano; não pode contar com a participação do capital estran-
vernamentais.
geiro na saúde privada; não pode receber auxílios e subvenções,
Criado pela Constituição Federal de 1988 e regulamentado
se for entidade de fins econômicos etc.) e a possibilidade de o
pela Lei nº 8.080/90, conhecida como a Lei Orgânica da Saúde,
setor participar, complementarmente, do setor público; -- e o
e pela Lei nº 8.142/90, que trata da participação da comunidade
art. 200, das atribuições dos órgãos e entidades que compõem
na gestão do Sistema e das transferências intergovernamentais
o sistema público de saúde. O SUS é mencionado somente nos
de recursos financeiros, o SUS tem normas e regulamentos que
arts. 198 e 200.
disciplinam as políticas e ações em cada Subsistema.
A leitura do art. 198 deve sempre ser feita em consonância
A Sociedade, nos termos da Legislação, participa do plane-
com a segunda parte do art. 196 e com o art. 200. O art. 198
jamento e controle da execução das ações e serviços de saúde.
Essa participação se dá por intermédio dos Conselhos de Saúde, estatui que todas as ações e serviços públicos de saúde consti-
presentes na União, nos Estados e Municípios. tuem um único sistema. Aqui temos o SUS. E esse sistema tem
como atribuição garantir ao cidadão o acesso às ações e serviços
Níveis de Gestão do SUS públicos de saúde (segunda parte do art. 196), conforme campo
demarcado pelo art. 200 e leis específicas.
Esfera Federal - Gestor: Ministério da Saúde - Formulação O art. 200 define em que campo deve o SUS atuar. As atri-
da política estadual de saúde, coordenação e planejamento do buições ali relacionadas não são taxativas ou exaustivas. Outras
SUS em nível Estadual. Financiamento das ações e serviços de poderão existir, na forma da lei. E as atribuições ali elencadas
saúde por meio da aplicação/distribuição de recursos públicos dependem, também, de lei para a sua exequibilidade.
arrecadados. Em 1990, foi editada a Lei n. 8.080/90 que, em seus arts. 5º
Esfera Estadual - Gestor: Secretaria Estadual de Saúde - For- e 6º, cuidou dos objetivos e das atribuições do SUS, tentando
mulação da política municipal de saúde e a provisão das ações e melhor explicitar o art. 200 da CF (ainda que, em alguns casos,
serviços de saúde, financiados com recursos próprios ou trans- tenha repetido os incisos daquele artigo, tão somente).
feridos pelo gestor federal e/ou estadual do SUS. São objetivos do SUS: a) a identificação e divulgação dos fa-
Esfera Municipal - Gestor: Secretaria Municipal de Saúde - tores condicionantes e determinantes da saúde; b) a formulação
Formulação de políticas nacionais de saúde, planejamento, nor- de políticas de saúde destinadas a promover, nos campos econô-
malização, avaliação e controle do SUS em nível nacional. Finan- mico e social, a redução de riscos de doenças e outros agravos;
ciamento das ações e serviços de saúde por meio da aplicação/ e c) execução de ações de promoção, proteção e recuperação da
distribuição de recursos públicos arrecadados. saúde, integrando as ações assistenciais com as preventivas, de
modo a garantir às pessoas a assistência integral à sua saúde.
O art. 6º, estabelece como competência do Sistema a exe-
cução de ações e serviços de saúde descritos em seus 11 incisos.
O SUS deve atuar em campo demarcado pela lei, em razão

6
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

do disposto no art. 200 da CF e porque o enunciado constitu- neamento básico que venham a ser executadas supletivamente
cional de que saúde é direito de todos e dever do Estado, não pelo SUS serão financiadas por recursos tarifários específicos e
tem o condão de abranger as condicionantes econômico-sociais outros da União, Estados, DF e Municípios e não com os recursos
da saúde, tampouco compreender, de forma ampla e irrestrita, dos fundos de saúde.
todas as possíveis e imagináveis ações e serviços de saúde, até Nesse ponto gostaríamos de abrir um parêntese para co-
mesmo porque haverá sempre um limite orçamentário e um ili- mentar o Parecer do Sr. Procurador Geral da República, na ADIn
mitado avanço tecnológico a criar necessidades infindáveis e até n. 3087-6/600-RJ, aqui mencionado.
mesmo questionáveis sob o ponto de vista ético, clínico, familiar, O Governo do Estado do Rio de Janeiro, pela Lei n. 4.179/03,
terapêutico, psicológico. instituiu o Programa Estadual de Acesso à Alimentação – PEAA,
Será a lei que deverá impor as proporções, sem, contudo, determinando que suas atividades correrão à conta do orça-
é obvio, cercear o direito à promoção, proteção e recuperação mento do Fundo Estadual da Saúde [13], vinculado à Secretaria
da saúde. E aqui o elemento delimitador da lei deverá ser o da de Estado da Saúde. O PSDB, entendendo ser a lei inconstitu-
dignidade humana. cional por utilizar recursos da saúde para uma ação que não é
Lembramos, por oportuno que, o Projeto de Lei Comple- de responsabilidade da área da saúde, moveu ação direta de
mentar n. 01/2003 -- que se encontra no Congresso Nacional inconstitucionalidade, com pedido de cautelar.
para regulamentar os critérios de rateio de transferências dos O Sr. Procurador da República (Parecer n. 5147/CF), opi-
recursos da União para Estados e Municípios – busca disciplinar, nou pela improcedência da ação por entender que o acesso à
de forma mais clara e definitiva, o que são ações e serviços de alimentação é indissociável do acesso à saúde, assim como os
saúde e estabelecer o que pode e o que não pode ser financiado medicamentos o são e que as pessoas de baixa renda devem ter
com recursos dos fundos de saúde. Esses parâmetros também atendidas a necessidade básica de alimentar-se.
servirão para circunscrever o que deve ser colocado à disposição Infelizmente, mais uma vez confundiu-se “saúde” com “as-
da população, no âmbito do SUS, ainda que o art. 200 da CF e sistência social”, áreas da Seguridade Social, mas distintas entre
o art. 6º da LOS tenham definido o campo de atuação do SUS, si. A alimentação é um fator que condiciona a saúde tanto quan-
fazendo pressupor o que são ações e serviços públicos de saúde, to o saneamento básico, o meio ambiente degradado, a falta de
conforme dissemos acima. (O Conselho Nacional de Saúde e o renda e lazer, a falta de moradia, dentre tantos outros fatores
Ministério da Saúde também disciplinaram o que são ações e condicionantes e determinantes, tal qual mencionado no art. 3º
serviços de saúde em resoluções e portarias). da Lei n. 8.080/90 [14].
A Lei n. 8.080/90 ao dispor sobre o campo de atuação do
O QUE FINANCIAR COM OS RECURSOS DA SAÚDE? SUS incluiu a vigilância nutricional e a orientação alimentar [15],
atividades complexas que não tem a ver com o fornecimento,
De plano, excetuam-se da área da saúde, para efeito de puro e simples, de bolsa-alimentação, vale-alimentação ou qual-
financiamento, (ainda que absolutamente relevantes como in- quer outra forma de garantia de mínimos existenciais e sociais,
dicadores epidemiológicos da saúde) as condicionantes econô- de atribuição da assistência social ou de outras áreas da Admi-
mico-sociais. Os órgãos e entidades do SUS devem conhecer e nistração Pública voltadas para corrigir as desigualdades sociais.
informar à sociedade e ao governo os fatos que interferem na A vigilância nutricional deve ser realizada pelo SUS em articu-
saúde da população com vistas à adoção de políticas públicas, lação com outros órgãos e setores governamentais em razão
sem, contudo, estarem obrigados a utilizar recursos do fundo de de sua interface com a saúde. São atividades que interessam a
saúde para intervir nessas causas. saúde, mas as quais, a saúde como setor, não as executa. Por
Quem tem o dever de adotar políticas sociais e econômicas isso a necessidade das comissões intersetoriais previstas na Lei
que visem evitar o risco da doença é o Governo como um todo n. 8.080/90.
(políticas de governo), e não a saúde, como setor (políticas se- A própria Lei n. 10.683/2003, que organiza a Presidência da
toriais). A ela, saúde, compete atuar nos campos demarcados República, estatuiu em seu art. 27, XX ser atribuição do Minis-
pelos art. 200 da CF e art. 6º da Lei n. 8.080/90 e em outras leis tério da Saúde: a) política nacional de saúde; b) coordenação
específicas. e fiscalização do Sistema Único de Saúde; c) saúde ambiental
Como exemplo, podemos citar os servidores da saúde que e ações de promoção, proteção e recuperação da saúde indi-
devem ser pagos com recursos da saúde, mas o seu inativo, não; vidual e coletiva, inclusive a dos trabalhadores e dos índios; d)
não porque os inativos devem ser pagos com recursos da Previ- informações em saúde; e) insumos críticos para a saúde; f) ação
dência Social. Idem quanto as ações da assistência social, como preventiva em geral, vigilância e controle sanitário de fronteiras
bolsa-alimentação, bolsa-família, vale-gás, renda mínima, fome e de portos marítimos, fluviais e aéreos; g) vigilância em saúde,
zero, que devem ser financiadas com recursos da assistência so- especialmente quanto às drogas, medicamentos e alimentos; h)
cial, setor ao qual incumbe promover e prover as necessidades pesquisa científica e tecnológica na área da saúde. Ao Ministério
das pessoas carentes visando diminuir as desigualdades sociais da Saúde compete a vigilância sobre alimentos (registro, fiscali-
e suprir suas carências básicas imediatas. Isso tudo interfere zação, controle de qualidade) e não a prestação de serviços que
com a saúde, mas não pode ser administrada nem financiada visem fornecer alimentos às pessoas de baixa renda.
pelo setor saúde. O fornecimento de cesta básica, merenda escolar, alimen-
O saneamento básico é outro bom exemplo. A Lei n. tação a crianças em idade escolar, idosos, trabalhadores rurais
8.080/90, em seu art. 6º, II, dispõe que o SUS deve participar na temporários, portadores de moléstias graves, conforme previsto
formulação da política e na execução de ações de saneamento na Lei do Estado do Rio de Janeiro, são situações de carência
básico. Por sua vez, o § 3º do art. 32, reza que as ações de sa- que necessitam de apoio do Poder Público, sem sombra de dú-

7
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

vida, mas no âmbito da assistência social [16] ou de outro setor E para a delimitação das responsabilidades de cada ente da
da Administração Pública e com recursos que não os do fundo federação quanto ao seu comprometimento com a integralida-
de saúde. Não podemos mais confundir assistência social com de da assistência, foram criados instrumentos de gestão, como
saúde. A alimentação interessa à saúde, mas não está em seu o plano de saúde e as formas de gestão dos serviços de saúde.
âmbito de atuação. Desse modo, devemos centrar nossas atenções no plano de
Tanto isso é fato que a Lei n. 8.080/90, em seu art. 12, esta- saúde, por ser ele a base de todas as atividades e programações
beleceu que “serão criadas comissões intersetoriais de âmbito da saúde, em cada nível de governo do Sistema Único de Saú-
nacional, subordinadas ao Conselho Nacional de Saúde, integra- de, o qual deverá ser elaborado de acordo com diretrizes legais
estabelecidas na Lei n. 8.080/90: epidemiologia e organização
das pelos Ministérios e órgãos competentes e por entidades re-
de serviços (arts. 7º VII e 37) [18]. O plano de saúde deve ser
presentativas da sociedade civil”, dispondo seu parágrafo único
a referência para a demarcação de responsabilidades técnicas,
que “as comissões intersetoriais terão a finalidade de articular administrativas e jurídicas dos entes políticos.
políticas e programas de interesse para a saúde, cuja execução Sem planos de saúde -- elaborados de acordo com as di-
envolva áreas não compreendidas no âmbito do Sistema Único retrizes legais, associadas àquelas estabelecidas nas comissões
de Saúde”. Já o seu art. 13, destaca, algumas dessas atividades, intergovernamentais trilaterais [19], principalmente no que se
mencionando em seu inciso I a “alimentação e nutrição”. refere à divisão de responsabilidades -- o sistema ficará ao sabor
O parâmetro para o financiamento da saúde deve ser as de ideologias e decisões unilaterais das autoridades dirigentes
atribuições que foram dadas ao SUS pela Constituição e por leis da saúde, quando a regra que perpassa todo o sistema é a da co-
específicas e não a 1º parte do art. 196 da CF, uma vez que os operação e da conjugação de recursos financeiros, tecnológicos,
fatores que condicionam a saúde são os mais variados e estão materiais, humanos da União, dos Estados, do Distrito Federal e
inseridos nas mais diversas áreas da Administração Pública, não dos Municípios, em redes regionalizadas de serviços, nos termos
podendo ser considerados como competência dos órgãos e en- dos incisos IX, b e XI do art. 7º e art. 8º da Lei n. 8.080/90.
tidades que compõe o Sistema Único de Saúde. Por isso, o plano de saúde deve ser o instrumento de fixação de
responsabilidades técnicas, administrativas e jurídicas quanto à in-
tegralidade da assistência, uma vez que ela não se esgota, na maio-
DA INTEGRALIDADE DA ASSISTÊNCIA ria das vezes, na instância de governo-sede do cidadão. Ressalte-se,
ainda, que o plano de saúde é a expressão viva dos interesses da
Vencida esta etapa, adentramos em outra, no interior do população, uma vez que, elaborado pelos órgãos competentes go-
setor saúde - SUS, que trata da integralidade da assistência à vernamentais, deve ser submetido ao conselho de saúde, represen-
saúde. O art. 198 da CF determina que o Sistema Único de Saúde tante da comunidade no SUS, a quem compete, discutir, aprovar e
deve ser organizado de acordo com três diretrizes, dentre elas, acompanhar a sua execução, em todos os seus aspectos.
o atendimento integral que pressupõe a junção das atividades Lembramos, ainda, que o planejamento sendo ascendente,
preventivas, que devem ser priorizadas, com as atividades assis- iniciando-se da base local até a federal, reforça o sentido de que
tenciais, que também não podem ser prejudicadas. a integralidade da assistência só se completa com o conjunto
A Lei n. 8.080/90, em seu art. 7º (que dispõe sobre os prin- articulado de serviços, de responsabilidade dos diversos entes
cípios e diretrizes do SUS), define a integralidade da assistência governamentais.
como “o conjunto articulado e contínuo das ações e serviços Resumindo, podemos afirmar que, nos termos do art. 198,
II, da CF, c/c os arts. 7º, II e VII, 36 e 37, da Lei n. 8.080/90, a
preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para
integralidade da assistência não é um direito a ser satisfeito de
cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema”. maneira aleatória, conforme exigências individuais do cidadão
A integralidade da assistência exige que os serviços de saú- ou de acordo com a vontade do dirigente da saúde, mas sim o
de sejam organizados de forma a garantir ao indivíduo e à cole- resultado do plano de saúde que, por sua vez, deve ser a con-
tividade a proteção, a promoção e a recuperação da saúde, de sequência de um planejamento que leve em conta a epidemio-
acordo com as necessidades de cada um em todos os níveis de logia e a organização de serviços e conjugue as necessidades da
complexidade do sistema. saúde com as disponibilidades de recursos [20], além da neces-
Vê-se, pois, que a assistência integral não se esgota nem se sária observação do que ficou decidido nas comissões intergo-
completa num único nível de complexidade técnica do sistema, vernamentais trilaterais ou bilaterais, que não contrariem a lei.
necessitando, em grande parte, da combinação ou conjugação Na realidade, cada ente político deve ser eticamente res-
de serviços diferenciados, que nem sempre estão à disposição ponsável pela saúde integral da pessoa que está sob atenção em
do cidadão no seu município de origem. Por isso a lei sabiamen- seus serviços, cabendo-lhe responder civil, penal e administra-
te definiu a integralidade da assistência como a satisfação de tivamente apenas pela omissão ou má execução dos serviços
que estão sob seu encargo no seu plano de saúde que, por sua
necessidades individuais e coletivas que devem ser realizadas
vez, deve guardar consonância com os pactos da regionalização,
nos mais diversos patamares de complexidade dos serviços de
consubstanciados em instrumentos jurídicos competentes [21].
saúde, articulados pelos entes federativos, responsáveis pela Nesse ponto, temos ainda a considerar que, dentre as atri-
saúde da população. buições do SUS, uma das mais importantes -- objeto de recla-
A integralidade da assistência é interdependente; ela não mações e ações judiciais -- é a assistência terapêutica integral.
se completa nos serviços de saúde de um só ente da federação. Por sua individualização, imediatismo, apelo emocional e ético,
Ela só finaliza, muitas vezes, depois de o cidadão percorrer o urgência e emergência, a assistência terapêutica destaca-se
caminho traçado pela rede de serviços de saúde, em razão da dentre todas as demais atividades da saúde como a de maior
complexidade da assistência reivindicação individual. Falemos dela no tópico seguinte.

8
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

se trabalha articuladamente com outros setores da sociedade,


2. CONTROLE SOCIAL NO SUS. aumenta-se a capacidade de oferecer uma resposta mais ade-
quada às necessidades de saúde da comunidade.
O QUE É CONTROLE SOCIAL? Por exemplo, você pode suspeitar de um caso de maus-tra-
tos com uma criança após verificar que há marcas e hemato-
Significa a participação da sociedade na elaboração e exe- mas na pele dela. Partilhando esse caso com sua equipe, um
cução das políticas públicas no Brasil, sua gestão, controle ad- dos profissionais de saúde verifica no prontuário que a criança é
ministrativo-financeiro, monitoramento dos planos e programas agressiva quando comparece às consultas na unidade e há rela-
de saúde, que se associa à redemocratização do país. to de problemas com o desenvolvimento dela. Sente-se a neces-
Diante da precariedade da infraestrutura para o atendimen- sidade de uma visita à casa daquela família e o auxílio de outros
to às necessidades, e o acirramento de tensões formaram-se profissionais (psicólogo, serviço social etc). Se constatado algum
conselhos, que eram estruturas populares e informais. indício de maus tratos, será necessária uma abordagem que ex-
Refletindo estes movimentos, a Constituição de 1988, por trapole o campo de atuação da saúde com o envolvimento de
meio da Lei Orgânica da Saúde (Lei No. 8142/90), criou uma órgãos de outras áreas, como o Conselho Tutelar e/ou Juizado
nova institucionalidade no poder público, marcada por duas im- da Infância.
portantes inovações: a descentralização que propunha a trans- Outro exemplo: você observa que há crianças da sua comu-
ferência de decisões para estados e municípios, e a valorização nidade que estão fora da escola. Nesse caso é necessária uma
da participação popular no processo decisório por meio dos articulação com representantes da área da Educação para resol-
Conselhos de Saúde, como acontece no Sistema Único de Saúde ver o problema, ação por vezes imprescindível no caso de crian-
(SUS). ças com necessidades especiais e com deficiência.
O controle social no SUS se dá por meio dos Conselhos de No caso de dúvidas ou desrespeito aos direitos das pessoas
Saúde, em suas diversas modalidades, como o Conselho Nacio- com deficiência (situações de discriminação, exclusão escolar,
nal, Conselhos Estaduais, Municipais, Locais, e das Comunidades maus-tratos, falta de transporte), podem ser contatados os Con-
Indígenas. E também, em especial, das Conferências de Saúde selhos de Direitos das Pessoas com Deficiência do município ou
(Nacionais, Estaduais e Municipais), dentre outras modalidades. do Estado, entre outros órgãos.
A relevância dessa participação se justifica na busca da Nos casos de desnutrição infantil, pode-se estabelecer con-
equidade e justiça social e na ideia de que as decisões em saúde tato com outras instituições e órgãos do governo municipal, es-
não obedecem necessariamente à uma racionalidade técnica. tadual e federal, como o Centro Regional de Assistência Social
(Cras) ou a Secretaria de Assistência Social do município.
Participação da comunidade Ao identificar pessoas que sofrem de alcoolismo entre as
famílias que você acompanha, além das ações que deverão ser
Participação quer dizer tomar parte, partilhar, trocar, ter in- desenvolvidas por você e pela equipe, é importante que essa
fluência nas decisões e ações. Isso significa que você não traba- pessoa e sua família sejam orientadas a procurar um Grupo de
lha sozinho, nem a equipe de saúde é a única responsável pelas Alcoólicos Anônimos ou outro grupo de apoio que exista em sua
ações de saúde. comunidade.
Você pode participar e auxiliar na organização dos Conse- Você, com o apoio da sua equipe de saúde, deve estimular
lhos Locais de Saúde e estimular as pessoas da comunidade a ações conjuntas com outros órgãos públicos e instituições, de
participarem de todos os Conselhos de Saúde. Você pode tam- preferência em acordo com as prioridades elencadas nas reu-
bém recomendar aos representantes da comunidade a conver- niões comunitárias. Em determinada comunidade, a prioridade
sarem com os conselheiros sobre as ações de saúde que já estão pode ser a implantação de infraestrutura básica (água, luz, esgo-
sendo desenvolvidas e estratégias para enfretamento dos pro- to, destino do lixo, rampas para cadeiras de rodas, sinais sono-
blemas que ainda existem. ros em semáforos para as pessoas com deficiência visual); já em
Cada pessoa da comunidade sabe alguma coisa, sabe fa- outra, pode ser a construção de uma unidade de saúde, de uma
zer alguma coisa e sabe dizer alguma coisa diferente. São os creche comunitária, de uma escola, a recuperação de poços, pe-
saberes, os fazeres e os dizeres da comunidade. A comunidade quenas estradas e muitas outras necessidades.
funciona quando existe troca de conhecimentos entre todos.
Cada um tem um jeito de contribuir, e toda contribuição deve Participação e Controle Social no SUS
ser considerada e valorizada. Você tem de estar muito atento
a tudo isso. Os movimentos sociais ocorridos durante a década de 80 na
A troca de conhecimentos entre as pessoas de uma comuni- busca por um Estado democrático aos serviços de saúde impul-
dade faz parte de um processo de educação para a participação sionaram a modificação do modelo vigente de controle social da
em saúde. época que culminou com a criação do SUS a partir da Constitui-
ção Federativa de 1988.
O objetivo deste texto é realizar uma análise deste mode-
Atuação intersetorial
lo de participação popular e controle social no SUS, bem como
favorecer reflexões aos atores envolvidos neste cenário, através
Muitas vezes a resolução de problemas de saúde requer não
de uma pesquisa narrativa baseada em publicações relevantes
só empenho por parte de profissionais e gestores de saúde, mas
produzidas no Brasil nos últimos 11 anos.
também o empenho e contribuição de outros setores. Quando

9
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

É insuficiente o controle social estar apenas na lei, é Amiúde, as condições necessárias para que se promova a
preciso que este aconteça na prática. Entretanto, a sociedade democratização da gestão pública em saúde se debruça com a
civil, ainda não ocupa de forma efetiva esses espaços de discussão em torno do controle social em saúde.
participação. O presente estudo tem como objetivo realizar uma análise
do modelo vigente de participação popular e controle social no
O processo de criação do SUS teve início a partir das defini- SUS e ainda elucidar questões que permitirão entender melhor
ções legais estabelecidas pela nova Constituição Federal do Brasil a participação e o controle social, bem como favorecer algumas
de 1988, sendo consolidado e regulamentado com as Leis Orgâni- reflexões a todos os atores envolvidos no cenário do SUS.
cas da Saúde (LOA), n° 8080/90 e n° 8.142/90, sendo estabeleci- Participação e Controle Social
das nestas as diretrizes e normas que direcionam o novo sistema Após um longo período no qual a população viveu sob um
de saúde, bem como aspectos relacionados a sua organização e estado ditatorial, com a centralização das decisões, o tecnicis-
funcionamento, critérios de repasses para os estados e municí- mo e o autoritarismo, durante a década de 1980 ocorreu uma
pios além de disciplinar o controle social no SUS em conformida- abertura democrática que reconhece a necessidade de revisão
de com as representações dos critérios estaduais e municipais de do modelo de saúde vigente na época, com propostas discutidas
saúde (FINKELMAN, 2002; FARIA, 2003; SOUZA, 2003).
em ampliar a participação popular nas decisões e descentralizar
O SUS nos trouxe a ampliação da assistência à saúde para a
a gestão pública em saúde, com vistas a aproximar as decisões
coletividade, possibilitando, com isso, um novo olhar às ações,
do Estado ao cotidiano dos cidadãos brasileiros (DALLARI, 2000;
serviços e práticas assistenciais. Sendo estas norteadas pelos
SCHNEIDER et al., 2009; VANDERLEI; ALMEIDA, 2007).
princípios e diretrizes: Universalidade de acesso aos serviços de
saúde; Integralidade da assistência; Equidade; Descentralização Nessa perspectiva, a dimensão histórica adquire relevância
Político-administrativa; Participação da comunidade; regionali- essencial para a compreensão do controle social, o que pode
zação e hierarquização (REIS, 2003). A participação popular e o provocar reações contraditórias. De fato, o controle social foi
controle social em saúde, dentre os princípios do Sistema Único historicamente exercido pelo Estado sobre a sociedade durante
de Saúde (SUS), destacam-se como de grande relevância social muitos anos, na época da ditadura militar.
e política, pois se constituem na garantia de que a população É oportuno destacar que a ênfase ao controle social que
participará do processo de formulação e controle das políticas aqui será dada refere-se às ações que os cidadãos exercem para
públicas de saúde. monitorar, fiscalizar, avaliar, interferir na gestão estatal e não
No Brasil, o controle social se refere à participação da co- o inverso. Pois, como vimos, também denominam-se controle
munidade no processo decisório sobre políticas públicas e ao social as ações do Estado para controlar a sociedade, que se dá
controle sobre a ação do Estado (ARANTES et al., 2007). Nesse por meio da legislação, do aparato institucional ou mesmo por
contexto, enfatiza-se a institucionalização de espaços de partici- meio da força.
pação da comunidade no cotidiano do serviço de saúde, através A organização e mobilização popular realizada na década de
da garantia da participação no planejamento do enfrentamen- 80, do século XX, em prol de um Estado democrático e garanti-
to dos problemas priorizados, execução e avaliação das ações, dor do acesso universal aos direitos a saúde, coloca em evidên-
processo no qual a participação popular deve ser garantida e cia a possibilidade de inversão do controle social. Surge, então,
incentivada (BRASIL, 2006). a perspectiva de um controle da sociedade civil sobre o Estado,
Sendo o SUS a primeira política pública no Brasil a adotar sendo incorporada pela nova Constituição Federal de 1988 jun-
constitucionalmente a participação popular como um de seus tamente com a criação do SUS (CONASS, 2003).
princípios, esta não somente reitera o exercício do controle social A participação popular na gestão da saúde é prevista pela
sob as práticas de saúde, mas também evidencia a possibilidade Constituição Federal de 1998, em seu artigo 198, que trata das
de seu exercício através de outros espaços institucionalizados em diretrizes do SUS: descentralização, integralidade e a participação
seu arcabouço jurídico, além dos reconhecidos pela Lei Orgânica da comunidade. Essas diretrizes orientam a organização e o fun-
de saúde de n° 8.142/90, os conselhos e as conferências de saú-
cionamento do sistema, com o intuito de torná-lo mais adequado
de. Destaca, ainda, as audiências públicas e outros mecanismos
a atender às necessidades da população brasileira (BRASIL, 2006;
de audiência da sociedade, de usuários e de trabalhadores sociais
WENDHAUSEN; BARBOSA; BORBA, 2006; OLIVEIRA, 2003).
(CONASS, 2003; BARBOSA, 2009; COSSETIN, 2010).
A discussão com ênfase dada ao controle social na nova
Ademais, a Lei Orgânica da Saúde n.º 8.080/1990 estabe-
lece em seu art. 12 a criação de comissões intersetoriais subor- Constituição se expressa em novas diretrizes para a efetivação
dinadas ao Conselho Nacional de Saúde, com o objetivo de ar- deste por meio de instrumentos normativos e da criação legal
ticular as políticas públicas relevantes para a saúde. Entretanto, de espaços institucionais que garantem a participação da socie-
é a Lei n.° 8.142/1990 que dispõe sobre a participação social dade civil organizada na fiscalização direta do executivo nas três
no SUS, definindo que a participação popular estará incluída em esferas de governo. Na atualidade, muitas expressões são utili-
todas as esferas de gestão do SUS. Legitimando assim os interes- zadas corriqueiramente para caracterizar a participação popular
ses da população no exercício do controle social (BRASIL, 2009). na gestão pública de saúde, a que consta em nossa Carta Magna
Essa perspectiva é considerada uma das formas mais avan- e o termo ‘participação da comunidade na saúde’. Porém, ire-
çadas de democracia, pois determina uma nova relação entre mos utilizar aqui o termo mais comum em nosso meio: ‘controle
o Estado e a sociedade, de maneira que as decisões sobre as social’. Sendo o controle social uma importante ferramenta de
ações na saúde deverão ser negociadas com os representantes democratização das organizações, busca-se adotar uma série
da sociedade, uma vez que eles conhecem a realidade da saúde de práticas que efetivem a participação da sociedade na gestão
das comunidades. (GUIZARDI et al ., 2004).

10
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

Embora o termo controle social seja o mais utilizado, consi- Ministério da Saúde, da Secretaria de Saúde dos Estados, do Dis-
deramos que se trata de um reducionismo, uma vez que este não trito Federal e dos Municípios, com composição, organização e
traduz a amplitude do direito assegurado pela nova Constituição competência fixadas na Lei no 8.142/90. O processo bem-suce-
Federal de 1988, que permite não só o controle e a fiscalização dido de descentralização da saúde promoveu o surgimento de
permanente da aplicação de recursos públicos. Este também se Conselhos Regionais, Conselhos Locais, Conselhos Distritais de
manifesta através da ação, onde cidadãos e políticos têm um pa- Saúde, incluindo os Conselhos dos Distritos Sanitários Especiais
pel social a desempenhar através da execução de suas funções, Indígenas, sob a coordenação dos Conselhos de Saúde da esfera
ou ainda através da proposição, onde cidadãos participam da correspondente. Assim, os Conselhos de Saúde são espaços ins-
formulação de políticas, intervindo em decisões e orientando tituídos de participação da comunidade nas políticas públicas e
a Administração Pública quanto às melhores medidas a serem na administração da saúde.
adotadas com objetivo de atender aos legítimos interesses pú- Parágrafo único. Como Subsistema da Seguridade Social, o
blicos (NOGUEIRA, 2004; BRASIL, 2011b; MENEZES, 2010). Conselho de Saúde atua na formulação e proposição de estraté-
Fonte: http://cebes.org.br/2013/05/participacao-popular-e- gias e no controle da execução das Políticas de Saúde, inclusive
-o-controle-social-como-diretriz-do-sus-uma-revisao-narrativa/ nos seus aspectos econômicos e financeiros.

DA INSTITUIÇÃO E REFORMULAÇÃO
3. RESOLUÇÃO Nº 453/2012 DO CONSELHO NACIO‐ DOS CONSELHOS DE SAÚDE
NAL DA SAÚDE.
Segunda Diretriz: a instituição dos Conselhos de Saúde é
estabelecida por lei federal, estadual, do Distrito Federal e mu-
RESOLUÇÃO Nº 453, DE 10 DE MAIO DE 2012 nicipal, obedecida a Lei no 8.142/90.
Parágrafo único. Na instituição e reformulação dos Conselhos
O Plenário do Conselho Nacional de Saúde, em sua Ducen- de Saúde o Poder Executivo, respeitando os princípios da demo-
tésima Trigésima Terceira Reunião Ordinária, realizada nos dias 9 cracia, deverá acolher as demandas da população aprovadas nas
e 10 de maio de 2012, no uso de suas competências regimentais Conferências de Saúde, e em consonância com a legislação.
e atribuições conferidas pela Lei no 8.080, de 19 de setembro de
1990, e pela Lei no 8.142, de 28 de dezembro de 1990, e pelo A ORGANIZAÇÃO DOS CONSELHOS DE SAÚDE
Decreto no 5.839, de 11 de julho de 2006, e Terceira Diretriz: a participação da sociedade organizada,
Considerando os debates ocorridos nos Conselhos de Saú- garantida na legislação, torna os Conselhos de Saúde uma ins-
de, nas três esferas de Governo, na X Plenária Nacional de Con- tância privilegiada na proposição, discussão, acompanhamento,
selhos de Saúde, nas Plenárias Regionais e Estaduais de Con- deliberação, avaliação e fiscalização da implementação da Polí-
selhos de Saúde, nas 9a, 10a e 11a Conferências Nacionais de tica de Saúde, inclusive nos seus aspectos econômicos e finan-
Saúde, e nas Conferências Estaduais, do Distrito Federal e Mu- ceiros. A legislação estabelece, ainda, a composição paritária de
nicipais de Saúde; usuários em relação ao conjunto dos demais segmentos repre-
Considerando a experiência acumulada do Controle Social sentados. O Conselho de Saúde será composto por represen-
da Saúde à necessidade de aprimoramento do Controle Social tantes de entidades, instituições e movimentos representativos
da Saúde no âmbito nacional e as reiteradas demandas dos Con- de usuários, de entidades representativas de trabalhadores da
selhos Estaduais e Municipais referentes às propostas de com- área da saúde, do governo e de entidades representativas de
posição, organização e funcionamento, conforme o § 5o inciso II prestadores de serviços de saúde, sendo o seu presidente eleito
art. 1o da Lei no 8.142, de 28 de dezembro de 1990; entre os membros do Conselho, em reunião plenária. Nos Mu-
Considerando a ampla discussão da Resolução do CNS no nicípios onde não existem entidades, instituições e movimentos
333/92 realizada nos espaços de Controle Social, entre os quais organizados em número suficiente para compor o Conselho, a
se destacam as Plenárias de Conselhos de Saúde; eleição da representação será realizada em plenária no Muni-
Considerando os objetivos de consolidar, fortalecer, ampliar cípio, promovida pelo Conselho Municipal de maneira ampla e
e acelerar o processo de Controle Social do SUS, por intermédio democrática.
dos Conselhos Nacional, Estaduais, Municipais, das Conferên- I - O número de conselheiros será definido pelos Conselhos
cias de Saúde e Plenárias de Conselhos de Saúde; de Saúde e constituído em lei.
Considerando que os Conselhos de Saúde, consagrados II - Mantendo o que propôs as Resoluções nos 33/92 e
pela efetiva participação da sociedade civil organizada, repre- 333/03 do CNS e consoante com as Recomendações da 10a e
sentam polos de qualificação de cidadãos para o Controle Social 11a Conferências Nacionais de Saúde, as vagas deverão ser dis-
nas esferas da ação do Estado; e tribuídas da seguinte forma:
Considerando o que disciplina a Lei Complementar no 141, a)50% de entidades e movimentos representativos de
de 13 de janeiro de 2012, e o Decreto nº 7.508, de 28 de junho usuários;
de 2011, que regulamentam a Lei Orgânica da Saúde, resolve: b)25% de entidades representativas dos trabalhadores da
Aprovar as seguintes diretrizes para instituição, reformula- área de saúde;
ção, reestruturação e funcionamento dos Conselhos de Saúde: c)25% de representação de governo e prestadores de servi-
DA DEFINIÇÃO DE CONSELHO DE SAÚDE Primeira Diretriz: ços privados conveniados, ou sem fins lucrativos.
o Conselho de Saúde é uma instância colegiada, delibera- III - A participação de órgãos, entidades e movimentos so-
tiva e permanente do Sistema Único de Saúde (SUS) em cada ciais terá como critério a representatividade, a abrangência e a
esfera de Governo, integrante da estrutura organizacional do complementaridade do conjunto da sociedade, no âmbito de

11
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

atuação do Conselho de Saúde. De acordo com as especificida- prejuízo para o conselheiro. Para fins de justificativa junto aos
des locais, aplicando o princípio da paridade, serão contempla- órgãos, entidades competentes e instituições, o Conselho de
das, dentre outras, as seguintes representações: Saúde emitirá declaração de participação de seus membros du-
a)associações de pessoas com patologias; rante o período das reuniões, representações, capacitações e
b)associações de pessoas com deficiências; outras atividades específicas.
c)entidades indígenas; XI - O conselheiro, no exercício de sua função, responde pe-
d)movimentos sociais e populares, organizados (movimen- los seus atos conforme legislação vigente.
to negro, LGBT...);
e)movimentos organizados de mulheres, em saúde; ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO
f)entidades de aposentados e pensionistas; DOS CONSELHOS DE SAÚDE
g)entidades congregadas de sindicatos, centrais sindicais,
confederações e federações de trabalhadores urbanos e rurais; Quarta Diretriz: as três esferas de Governo garantirão auto-
h)entidades de defesa do consumidor; nomia administrativa para o pleno funcionamento do Conselho
i)organizações de moradores; de Saúde, dotação orçamentária, autonomia financeira e orga-
j)entidades ambientalistas; nização da secretaria-executiva com a necessária infraestrutura
k)organizações religiosas; e apoio técnico:
l)trabalhadores da área de saúde: associações, confedera- I - cabe ao Conselho de Saúde deliberar em relação à sua
ções, conselhos de profissões regulamentadas, federações e sin- estrutura administrativa e o quadro de pessoal;
dicatos, obedecendo as instâncias federativas; II - o Conselho de Saúde contará com uma secretaria-exe-
m)comunidade científica; cutiva coordenada por pessoa preparada para a função, para o
n)entidades públicas, de hospitais universitários e hospitais suporte técnico e administrativo, subordinada ao Plenário do
campo de estágio, de pesquisa e desenvolvimento; Conselho de Saúde, que definirá sua estrutura e dimensão;
o)entidades patronais; III - o Conselho de Saúde decide sobre o seu orçamento;
p)entidades dos prestadores de serviço de saúde; e IV - o Plenário do Conselho de Saúde se reunirá, no míni-
q)governo.
mo, a cada mês e, extraordinariamente, quando necessário, e
IV - As entidades, movimentos e instituições eleitas no
terá como base o seu Regimento Interno. A pauta e o material
Conselho de Saúde terão os conselheiros indicados, por escrito,
de apoio às reuniões devem ser encaminhados aos conselheiros
conforme processos estabelecidos pelas respectivas entidades,
com antecedência mínima de 10 (dez) dias;
movimentos e instituições e de acordo com a sua organização,
V - as reuniões plenárias dos Conselhos de Saúde são aber-
com a recomendação de que ocorra renovação de seus repre-
tas ao público e deverão acontecer em espaços e horários que
sentantes.
possibilitem a participação da sociedade;
V - Recomenda-se que, a cada eleição, os segmentos de re-
presentações de usuários, trabalhadores e prestadores de servi- VI - o Conselho de Saúde exerce suas atribuições mediante
ços, ao seu critério, promovam a renovação de, no mínimo, 30% o funcionamento do Plenário, que, além das comissões inter-
de suas entidades representativas. setoriais, estabelecidas na Lei no 8.080/90, instalará outras co-
VI - A representação nos segmentos deve ser distinta e missões intersetoriais e grupos de trabalho de conselheiros para
autônoma em relação aos demais segmentos que compõem o ações transitórias.As comissões poderão contar com integrantes
Conselho, por isso, um profissional com cargo de direção ou de não conselheiros;
confiança na gestão do SUS, ou como prestador de serviços de VII - o Conselho de Saúde constituirá uma Mesa Diretora
saúde não pode ser representante dos(as) Usuários(as) ou de eleita em Plenário, respeitando a paridade expressa nesta Re-
Trabalhadores(as). solução;
VII - A ocupação de funções na área da saúde que interfiram VIII - as decisões do Conselho de Saúde serão adotadas me-
na autonomia representativa do Conselheiro(a) deve ser avalia- diante quórum mínimo (metade mais um) dos seus integrantes,
da como possível impedimento da representação de Usuário(a) ressalvados os casos regimentais nos quais se exija quórum es-
e Trabalhador( a), e, a juízo da entidade, indicativo de substitui- pecial, ou maioria qualificada de votos;
ção do Conselheiro( a). a) entende-se por maioria simples o número inteiro imedia-
VIII - A participação dos membros eleitos do Poder Legisla- tamente superior à metade dos membros presentes;
tivo, representação do Poder Judiciário e do Ministério Público, b) entende-se por maioria absoluta o número inteiro ime-
como conselheiros, não é permitida nos Conselhos de Saúde. diatamente superior à metade de membros do Conselho;
IX - Quando não houver Conselho de Saúde constituído ou c) entende-se por maioria qualificada 2/3 (dois terços) do
em atividade no Município, caberá ao Conselho Estadual de Saú- total de membros do Conselho;
de assumir, junto ao executivo municipal, a convocação e reali- IX - qualquer alteração na organização dos Conselhos de
zação da Conferência Municipal de Saúde, que terá como um de Saúde preservará o que está garantido em lei e deve ser pro-
seus objetivos a estruturação e composição do Conselho Muni- posta pelo próprio Conselho e votada em reunião plenária, com
cipal. O mesmo será atribuído ao Conselho Nacional de Saúde, quórum qualificado, para depois ser alterada em seu Regimento
quando não houver Conselho Interno e homologada pelo gestor da esfera correspondente;
Estadual de Saúde constituído ou em funcionamento. X - a cada três meses, deverá constar dos itens da pauta o
X - As funções, como membro do Conselho de Saúde, não pronunciamento do gestor, das respectivas esferas de governo,
serão remuneradas, considerando-se o seu exercício de rele- para que faça a prestação de contas, em relatório detalhado, so-
vância pública e, portanto, garante a dispensa do trabalho sem bre andamento do plano de saúde, agenda da saúde pactuada,

12
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

relatório de gestão, dados sobre o montante e a forma de apli- XI - avaliar, explicitando os critérios utilizados, a organização
cação dos recursos, as auditorias iniciadas e concluídas no perí- e o funcionamento do Sistema Único de Saúde do SUS;
odo, bem como a produção e a oferta de serviços na rede assis- XII - avaliar e deliberar sobre contratos, consórcios e convê-
tencial própria, contratada ou conveniada, de acordo com o art. nios, conforme as diretrizes dos Planos de Saúde Nacional, Esta-
12 da Lei no 8.689/93 e com a Lei Complementar no 141/2012; duais, do Distrito Federal e Municipais;
XI - os Conselhos de Saúde, com a devida justificativa, bus- XIII - acompanhar e controlar a atuação do setor privado
carão auditorias externas e independentes sobre as contas e ati- credenciado mediante contrato ou convênio na área de saúde;
vidades do Gestor do SUS; e XIV - aprovar a proposta orçamentária anual da saúde, ten-
XII - o Pleno do Conselho de Saúde deverá manifestar-se por do em vista as metas e prioridades estabelecidas na Lei de Di-
meio de resoluções, recomendações, moções e outros atos de- retrizes Orçamentárias, observado o princípio do processo de
liberativos. planejamento e orçamento ascendentes, conforme legislação
As resoluções serão obrigatoriamente homologadas pelo vigente;
chefe do poder constituído em cada esfera de governo, em um XV - propor critérios para programação e execução financei-
prazo de 30 (trinta) dias, dando-se-lhes publicidade oficial. De- ra e orçamentária dos Fundos de Saúde e acompanhar a movi-
corrido o prazo mencionado e não sendo homologada a reso- mentação e destino dos recursos;
lução e nem enviada justificativa pelo gestor ao Conselho de XVI - fiscalizar e controlar gastos e deliberar sobre critérios
Saúde com proposta de alteração ou rejeição a ser apreciada de movimentação de recursos da Saúde, incluindo o Fundo de
na reunião seguinte, as entidades que integram o Conselho de Saúde e os recursos transferidos e próprios do Município, Esta-
Saúde podem buscar a validação das resoluções, recorrendo à do, Distrito Federal e da União, com base no que a lei disciplina;
justiça e ao Ministério Público, quando necessário. Quinta Di- XVII - analisar, discutir e aprovar o relatório de gestão, com a
retriz: aos Conselhos de Saúde Nacional, Estaduais, Municipais prestação de contas e informações financeiras, repassadas em tem-
e do Distrito Federal, que têm competências definidas nas leis po hábil aos conselheiros, e garantia do devido assessoramento;
federais, bem como em indicações advindas das Conferências XVIII - fiscalizar e acompanhar o desenvolvimento das ações
de Saúde, compete: e dos serviços de saúde e encaminhar denúncias aos respecti-
I - fortalecer a participação e o Controle Social no SUS, mo-
vos órgãos de controle interno e externo, conforme legislação
bilizar e articular a sociedade de forma permanente na defesa
vigente;
dos princípios constitucionais que fundamentam o SUS;
XIX - examinar propostas e denúncias de indícios de irregu-
II - elaborar o Regimento Interno do Conselho e outras nor-
laridades, responder no seu âmbito a consultas sobre assuntos
mas de funcionamento;
pertinentes às ações e aos serviços de saúde, bem como apre-
III - discutir, elaborar e aprovar propostas de operacionaliza-
ciar recursos a respeito de deliberações do Conselho nas suas
ção das diretrizes aprovadas pelas Conferências de Saúde;
respectivas instâncias;
IV - atuar na formulação e no controle da execução da polí-
tica de saúde, incluindo os seus aspectos econômicos e financei- XX - estabelecer a periodicidade de convocação e organizar
ros, e propor estratégias para a sua aplicação aos setores público as Conferências de Saúde, propor sua convocação ordinária ou
e privado; extraordinária e estruturar a comissão organizadora, submeter o
V - definir diretrizes para elaboração dos planos de saúde e respectivo regimento e programa ao Pleno do Conselho de Saú-
deliberar sobre o seu conteúdo, conforme as diversas situações de correspondente, convocar a sociedade para a participação
epidemiológicas e a capacidade organizacional dos serviços; nas pré-conferências e conferências de saúde;
VI - anualmente deliberar sobre a aprovação ou não do re- XXI - estimular articulação e intercâmbio entre os Conselhos
latório de gestão; de Saúde, entidades, movimentos populares, instituições públi-
VII - estabelecer estratégias e procedimentos de acompa- cas e privadas para a promoção da Saúde;
nhamento da gestão do SUS, articulando-se com os demais co- XXII - estimular, apoiar e promover estudos e pesquisas so-
legiados, a exemplo dos de seguridade social, meio ambiente, bre assuntos e temas na área de saúde pertinente ao desenvol-
justiça, educação, trabalho, agricultura, idosos, criança e ado- vimento do Sistema Único de Saúde (SUS);
lescente e outros; XXIII - acompanhar o processo de desenvolvimento e incor-
VIII - proceder à revisão periódica dos planos de saúde; poração científica e tecnológica, observados os padrões éticos
IX - deliberar sobre os programas de saúde e aprovar pro- compatíveis com o desenvolvimento sociocultural do País;
jetos a serem encaminhados ao Poder Legislativo, propor a XXIV - estabelecer ações de informação, educação e comu-
adoção de critérios definidores de qualidade e resolutividade, nicação em saúde, divulgar as funções e competências do Con-
atualizando-os face ao processo de incorporação dos avanços selho de Saúde, seus trabalhos e decisões nos meios de comuni-
científicos e tecnológicos na área da Saúde; cação, incluindo informações sobre as agendas, datas e local das
X - a cada quadrimestre deverá constar dos itens da pauta reuniões e dos eventos;
o pronunciamento do gestor, das respectivas esferas de gover- XXV - deliberar, elaborar, apoiar e promover a educação
no, para que faça a prestação de contas, em relatório detalhado, permanente para o controle social, de acordo com as Diretrizes
sobre andamento do plano de saúde, agenda da saúde pactu- e a Política Nacional de Educação Permanente para o Controle
ada, relatório de gestão, dados sobre o montante e a forma de Social do SUS;
aplicação dos recursos, as auditorias iniciadas e concluídas no XXVI - incrementar e aperfeiçoar o relacionamento sistemá-
período, bem como a produção e a oferta de serviços na rede tico com os poderes constituídos, Ministério Público, Judiciário
assistencial própria, contratada ou conveniada, de acordo com a e Legislativo, meios de comunicação, bem como setores relevan-
Lei Complementar no 141/2012. tes não representados nos conselhos;

13
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

XXVII - acompanhar a aplicação das normas sobre ética em III - sobre a receita de concursos de prognósticos.
pesquisas aprovadas pelo CNS; IV - do importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem
XXVIII - deliberar, encaminhar e avaliar a Política de Gestão a lei a ele equiparar. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de
do Trabalho e Educação para a Saúde no SUS; 19.12.2003)
XXIX - acompanhar a implementação das propostas cons- § 1º - As receitas dos Estados, do Distrito Federal e dos Mu-
tantes do relatório das plenárias dos Conselhos de Saúde; e nicípios destinadas à seguridade social constarão dos respectivos
XXX - atualizar periodicamente as informações sobre o Conse- orçamentos, não integrando o orçamento da União.
lho de Saúde no Sistema de Acompanhamento dos Conselhos de § 2º A proposta de orçamento da seguridade social será elabo-
Saúde (SIACS).
rada de forma integrada pelos órgãos responsáveis pela saúde,
Fica revogada a Resolução do CNS no 333, de 4 de novem-
previdência social e assistência social, tendo em vista as metas
bro de 2003.
e prioridades estabelecidas na lei de diretrizes orçamentárias,
assegurada a cada área a gestão de seus recursos.
4. CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988, ARTIGOS DE § 3º A pessoa jurídica em débito com o sistema da segurida-
194 A 200. de social, como estabelecido em lei, não poderá contratar com o
Poder Público nem dele receber benefícios ou incentivos fiscais
CAPÍTULO II ou creditícios.
DA SEGURIDADE SOCIAL § 4º A lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir
Seção I a manutenção ou expansão da seguridade social, obedecido o
DISPOSIÇÕES GERAIS disposto no art. 154, I.
§ 5º Nenhum benefício ou serviço da seguridade social po-
Art. 194. A seguridade social compreende um conjunto derá ser criado, majorado ou estendido sem a correspondente
integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da so- fonte de custeio total.
ciedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à § 6º As contribuições sociais de que trata este artigo só
previdência e à assistência social. poderão ser exigidas após decorridos noventa dias da data da
Parágrafo único. Compete ao Poder Público, nos termos da lei, publicação da lei que as houver instituído ou modificado, não se
organizar a seguridade social, com base nos seguintes objetivos: lhes aplicando o disposto no art. 150, III, “b”.
I - universalidade da cobertura e do atendimento; § 7º São isentas de contribuição para a seguridade social
II - uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às as entidades beneficentes de assistência social que atendam às
populações urbanas e rurais; exigências estabelecidas em lei.
III - seletividade e distributividade na prestação dos benefícios § 8º O produtor, o parceiro, o meeiro e o arrendatário ru-
e serviços; rais e o pescador artesanal, bem como os respectivos cônjuges,
IV - irredutibilidade do valor dos benefícios; que exerçam suas atividades em regime de economia familiar,
V - eqüidade na forma de participação no custeio; sem empregados permanentes, contribuirão para a seguridade
VI - diversidade da base de financiamento; social mediante a aplicação de uma alíquota sobre o resultado
VII - caráter democrático e descentralizado da administração, da comercialização da produção e farão jus aos benefícios nos
mediante gestão quadripartite, com participação dos trabalhado- termos da lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20,
res, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos órgãos de 1998)
colegiados. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de § 9º As contribuições sociais previstas no inciso I do caput
1998) deste artigo poderão ter alíquotas ou bases de cálculo diferen-
Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a socie- ciadas, em razão da atividade econômica, da utilização intensiva
dade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recur- de mão-de-obra, do porte da empresa ou da condição estrutural
sos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito do mercado de trabalho. (Redação dada pela Emenda Constitu-
Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais: cional nº 47, de 2005)
I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equipara- § 10. A lei definirá os critérios de transferência de recursos
da na forma da lei, incidentes sobre: (Redação dada pela Emenda para o sistema único de saúde e ações de assistência social da
Constitucional nº 20, de 1998) União para os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, e dos
a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pa- Estados para os Municípios, observada a respectiva contraparti-
gos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste da de recursos. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de
serviço, mesmo sem vínculo empregatício; (Incluído pela Emenda 1998)
Constitucional nº 20, de 1998) § 11. É vedada a concessão de remissão ou anistia das con-
b) a receita ou o faturamento; (Incluído pela Emenda Constitu- tribuições sociais de que tratam os incisos I, a, e II deste artigo,
cional nº 20, de 1998) para débitos em montante superior ao fixado em lei comple-
c) o lucro; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) mentar. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)
II - do trabalhador e dos demais segurados da previdência so- § 12. A lei definirá os setores de atividade econômica para
cial, não incidindo contribuição sobre aposentadoria e pensão con- os quais as contribuições incidentes na forma dos incisos I, b;
cedidas pelo regime geral de previdência social de que trata o art. e IV do caput, serão não-cumulativas. (Incluído pela Emenda
201; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) Constitucional nº 42, de 19.12.2003)

14
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

§ 13. Aplica-se o disposto no § 12 inclusive na hipótese de II – os critérios de rateio dos recursos da União vinculados
substituição gradual, total ou parcial, da contribuição inciden- à saúde destinados aos Estados, ao Distrito Federal e aos Muni-
te na forma do inciso I, a, pela incidente sobre a receita ou o cípios, e dos Estados destinados a seus respectivos Municípios,
faturamento. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de objetivando a progressiva redução das disparidades regionais;
19.12.2003) (Incluído pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000)
III – as normas de fiscalização, avaliação e controle das des-
SEÇÃO II pesas com saúde nas esferas federal, estadual, distrital e munici-
Da Saúde pal; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000)
IV - (revogado). (Redação dada pela Emenda Constitucional
Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, nº 86, de 2015)
garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem § 4º Os gestores locais do sistema único de saúde poderão
à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso admitir agentes comunitários de saúde e agentes de combate às
universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, endemias por meio de processo seletivo público, de acordo com
proteção e recuperação. a natureza e complexidade de suas atribuições e requisitos espe-
Art. 197. São de relevância pública as ações e serviços de cíficos para sua atuação. .(Incluído pela Emenda Constitucional
saúde, cabendo ao Poder Público dispor, nos termos da lei, so- nº 51, de 2006)
bre sua regulamentação, fiscalização e controle, devendo sua § 5º Lei federal disporá sobre o regime jurídico, o piso sala-
execução ser feita diretamente ou através de terceiros e, tam- rial profissional nacional, as diretrizes para os Planos de Carreira
bém, por pessoa física ou jurídica de direito privado. e a regulamentação das atividades de agente comunitário de
Art. 198. As ações e serviços públicos de saúde integram saúde e agente de combate às endemias, competindo à União,
nos termos da lei, prestar assistência financeira complementar
uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um siste-
aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, para o cum-
ma único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes:
primento do referido piso salarial. (Redação dada pela Emenda
I - descentralização, com direção única em cada esfera de Constitucional nº 63, de 2010) Regulamento
governo; § 6º Além das hipóteses previstas no § 1º do art. 41 e no
II - atendimento integral, com prioridade para as atividades § 4º do art. 169 da Constituição Federal, o servidor que exerça
preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; funções equivalentes às de agente comunitário de saúde ou de
III - participação da comunidade. agente de combate às endemias poderá perder o cargo em caso
§ 1º O sistema único de saúde será financiado, nos termos de descumprimento dos requisitos específicos, fixados em lei,
do art. 195, com recursos do orçamento da seguridade social, da para o seu exercício. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 51,
União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, além de 2006)
de outras fontes. (Parágrafo único renumerado para § 1º pela Art. 199. A assistência à saúde é livre à iniciativa privada.
Emenda Constitucional nº 29, de 2000) § 1º As instituições privadas poderão participar de forma
§ 2º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios complementar do sistema único de saúde, segundo diretrizes
aplicarão, anualmente, em ações e serviços públicos de saúde deste, mediante contrato de direito público ou convênio, tendo
preferência as entidades filantrópicas e as sem fins lucrativos.
recursos mínimos derivados da aplicação de percentuais calcula-
§ 2º É vedada a destinação de recursos públicos para auxí-
dos sobre: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000)
lios ou subvenções às instituições privadas com fins lucrativos.
I - no caso da União, a receita corrente líquida do respecti- § 3º - É vedada a participação direta ou indireta de empre-
vo exercício financeiro, não podendo ser inferior a 15% (quinze sas ou capitais estrangeiros na assistência à saúde no País, salvo
por cento);(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 86, de nos casos previstos em lei.
2015) § 4º A lei disporá sobre as condições e os requisitos que faci-
II – no caso dos Estados e do Distrito Federal, o produto da litem a remoção de órgãos, tecidos e substâncias humanas para
arrecadação dos impostos a que se refere o art. 155 e dos recur- fins de transplante, pesquisa e tratamento, bem como a coleta,
sos de que tratam os arts. 157 e 159, inciso I, alínea a, e inciso processamento e transfusão de sangue e seus derivados, sendo
II, deduzidas as parcelas que forem transferidas aos respecti- vedado todo tipo de comercialização.
vos Municípios; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 29, de Art. 200. Ao sistema único de saúde compete, além de ou-
2000) tras atribuições, nos termos da lei:
III – no caso dos Municípios e do Distrito Federal, o produto I - controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e substân-
da arrecadação dos impostos a que se refere o art. 156 e dos cias de interesse para a saúde e participar da produção de me-
dicamentos, equipamentos, imunobiológicos, hemoderivados e
recursos de que tratam os arts. 158 e 159, inciso I, alínea b e §
outros insumos;
3º.(Incluído pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000)
II - executar as ações de vigilância sanitária e epidemiológi-
§ 3º Lei complementar, que será reavaliada pelo menos a ca, bem como as de saúde do trabalhador;
cada cinco anos, estabelecerá:(Incluído pela Emenda Constitu- III - ordenar a formação de recursos humanos na área de
cional nº 29, de 2000) saúde;
I - os percentuais de que tratam os incisos II e III do § 2º;(Re- IV - participar da formulação da política e da execução das
dação dada pela Emenda Constitucional nº 86, de 2015) ações de saneamento básico;

15
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

V - incrementar, em sua área de atuação, o desenvolvi- TÍTULO II


mento científico e tecnológico e a inovação;(Redação dada pela DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE
Emenda Constitucional nº 85, de 2015) DISPOSIÇÃO PRELIMINAR
VI - fiscalizar e inspecionar alimentos, compreendido o con-
trole de seu teor nutricional, bem como bebidas e águas para Art. 4º O conjunto de ações e serviços de saúde, prestados
consumo humano; por órgãos e instituições públicas federais, estaduais e munici-
VII - participar do controle e fiscalização da produção, trans- pais, da Administração direta e indireta e das fundações man-
porte, guarda e utilização de substâncias e produtos psicoativos, tidas pelo Poder Público, constitui o Sistema Único de Saúde
tóxicos e radioativos;
(SUS).
VIII - colaborar na proteção do meio ambiente, nele com-
§ 1º Estão incluídas no disposto neste artigo as instituições
preendido o do trabalho.
públicas federais, estaduais e municipais de controle de qualida-
de, pesquisa e produção de insumos, medicamentos, inclusive
5. LEI ORGÂNICA DA SAÚDE ‐ LEI Nº 8.080/1990 de sangue e hemoderivados, e de equipamentos para saúde.
§ 2º A iniciativa privada poderá participar do Sistema Único
LEI Nº 8.080, DE 19 DE SETEMBRO DE 1990. de Saúde (SUS), em caráter complementar.
CAPÍTULO I
Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e re- DOS OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES
cuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos ser-
viços correspondentes e dá outras providências. O PRESIDENTE Art. 5º São objetivos do Sistema Único de Saúde SUS:
DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e I - a identificação e divulgação dos fatores condicionantes e
eu sanciono a seguinte lei: determinantes da saúde;
II - a formulação de política de saúde destinada a promover,
DISPOSIÇÃO PRELIMINAR nos campos econômico e social, a observância do disposto no §
1º do art. 2º desta lei;
Art. 1º Esta lei regula, em todo o território nacional, as III - a assistência às pessoas por intermédio de ações de
ações e serviços de saúde, executados isolada ou conjuntamen- promoção, proteção e recuperação da saúde, com a realização
te, em caráter permanente ou eventual, por pessoas naturais ou integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas.
jurídicas de direito Público ou privado. Art. 6º Estão incluídas ainda no campo de atuação do Siste-
ma Único de Saúde (SUS):
TÍTULO I I - a execução de ações:
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS a) de vigilância sanitária;
b) de vigilância epidemiológica;
Art. 2º A saúde é um direito fundamental do ser humano, c) de saúde do trabalhador; e
devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu d) de assistência terapêutica integral, inclusive farmacêuti-
pleno exercício. ca;
§ 1º O dever do Estado de garantir a saúde consiste na for- II - a participação na formulação da política e na execução
mulação e execução de políticas econômicas e sociais que visem de ações de saneamento básico;
à redução de riscos de doenças e de outros agravos e no estabe- III - a ordenação da formação de recursos humanos na área
lecimento de condições que assegurem acesso universal e igua- de saúde;
litário às ações e aos serviços para a sua promoção, proteção e IV - a vigilância nutricional e a orientação alimentar;
recuperação. V - a colaboração na proteção do meio ambiente, nele com-
§ 2º O dever do Estado não exclui o das pessoas, da família, preendido o do trabalho;
das empresas e da sociedade. VI - a formulação da política de medicamentos, equipamen-
Art. 3o Os níveis de saúde expressam a organização social e tos, imunobiológicos e outros insumos de interesse para a saúde
econômica do País, tendo a saúde como determinantes e condi- e a participação na sua produção;
cionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o saneamen- VII - o controle e a fiscalização de serviços, produtos e subs-
to básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, tâncias de interesse para a saúde;
a atividade física, o transporte, o lazer e o acesso aos bens e VIII - a fiscalização e a inspeção de alimentos, água e bebi-
serviços essenciais. (Redação dada pela Lei nº 12.864, de 2013) das para consumo humano;
Parágrafo único. Dizem respeito também à saúde as ações IX - a participação no controle e na fiscalização da produção,
que, por força do disposto no artigo anterior, se destinam a ga- transporte, guarda e utilização de substâncias e produtos psico-
rantir às pessoas e à coletividade condições de bem-estar físico, ativos, tóxicos e radioativos;
mental e social. X - o incremento, em sua área de atuação, do desenvolvi-
mento científico e tecnológico;
XI - a formulação e execução da política de sangue e seus
derivados.

16
LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS

§ 1º Entende-se por vigilância sanitária um conjunto de CAPÍTULO II


ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES
intervir nos problemas sanitários decorrentes do meio ambien-
te, da produção e circulação de bens e da prestação de serviços Art. 7º As ações e serviços públicos de saúde e os serviços
de interesse da saúde, abrangendo: privados contratados ou conveniados que integram o Sistema
I - o controle de bens de consumo que, direta ou indireta- Único de Saúde (SUS), são desenvolvidos de acordo com as dire-
mente, se relacionem com a saúde, compreendidas todas as trizes previstas no art. 198 da Constituição Federal, obedecendo
etapas e processos, da produção ao consumo; e ainda aos seguintes princípios:
II - o controle da prestação de serviços que se relacionam I - universalidade de acesso aos serviços de saúde em todos
direta ou indiretamente com a saúde. os níveis de assistência;
§ 2º Entende-se por vigilância epidemiológica um conjun- II - integralidade de assistência, entendida como conjunto
to de ações que proporcionam o conhecimento, a detecção ou articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curati-
prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e vos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os
condicionantes de saúde individual ou coletiva, com a finalidade níveis de complexidade do sistema;
de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle III - preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua
das doenças ou agravos. integridade física e moral;
§ 3º Entende-se por saúde do trabalhador, para fins desta IV - igualdade da assistência à saúde, sem preconceitos ou
lei, um conjunto de atividades que se destina, através das ações privilégios de qualquer espécie;
de vigilância epidemiológica e vigilância sanitária, à promoção e V - direito à informação, às pessoas assistidas, sobre sua
proteção da saúde dos trabalhadores, assim como visa à recu- saúde;
peração e reabilitação da saúde dos trabalhadores submetidos VI - divulgação de informações quanto ao potencial dos ser-
aos riscos e agravos advindos das condições de trabalho, abran- viços de saúde e a sua utilização pelo usuário;
gendo: VII - utilização da epidemiologia para o estabelecimento de
I - assistência ao trabalhador vítima de acidentes de traba- prioridades, a alocação de recursos e a orientação programática;
lho ou portador de doença profissional e do trabalho; VIII - participação da comunidade;
II - participação, no âmbito de competência do Sistema Úni-
IX - descentralização político-administrativa, com direção
co de Saúde (SUS), em estudos, pesquisas, avaliação e controle
única em cada esfera de governo:
dos riscos e agravos potenciais à saúde existentes no processo
a) ênfase na descentralização dos serviços para os municí-
de trabalho;
pios;
III - participação, no âmbito de competência do Sistema
Único de Saúde (SUS), da normatização, fiscalização e controle b) regionalização e hierarquização da rede de serviços de
das condições de produção, extração, armazenamento, trans- saúde;
porte, distribuição e manuseio de substâncias, de produtos, de X - integração em nível executivo das ações de saúde, meio
máquinas e de equipamentos que apresentam riscos à saúde do ambiente e saneamento básico;
trabalhador; XI - conjugação dos recursos financeiros, tecnológicos, ma-
IV - avaliação do impacto que as tecnologias provocam à teriais e humanos da União, dos Estados, do Distrito Federal e
saúde; dos Municípios na prestação de serviços de assistência à saúde
V - informação ao trabalhador e à sua respectiva entidade da população;
sindical e às empresas sobre os riscos de acidentes de trabalho, XII - capacidade de resolução dos serviços em todos os ní-
doença profissional e do trabalho, bem como os resultados de veis de assistência; e
fiscalizações, avaliações ambientais e exames de saúde, de ad- XIII - organização dos serviços públicos de modo a evitar du-
missão, periódicos e de demissão, respeitados os preceitos da plicidade de meios para fins idênticos.
ética profissional; XIV – organização de atendimento público específico e es-
VI - participação na normatização, fiscalização e controle pecializado para mulheres e vítimas de violência doméstica em
dos serviços de saúde do trabalhador nas instituições e empre- geral, que garanta, entre outros, atendimento, acompanhamen-
sas públicas e privadas; to psicológico e cirurgias plásticas reparadoras, em conformida-
VII - revisão periódica da listagem oficial de doenças origina- de com a Lei nº 12.845, de 1º de agosto de 2013. (Redação dada
das no processo de trabalho, tendo na sua elaboração a colabo- pela Lei nº 13.427, de 2017)
ração das entidades sindicais; e
VIII - a garantia ao sindicato dos trabalhadores de requerer