Você está na página 1de 3

OS TRÊS AXIOMAS

Aqui está um trecho do primeiro capítulo de


The Art of Handling (1996)

A Comunicação Diretiva alega tratar o pensamento clássico como a matemática moderna lidou com a
geometria euclidiana. Não há progresso sem questionar o óbvio; e a única evidência que não pode ser
contestada é que não há nada óbvio. (Art of Manipulation 1978, 21)

Toda cultura é baseada em axiomas de pensamento que se tornaram inconscientes, tipos de "verdades
primárias" que não precisam ser demonstradas, porque todas parecem obvias. Exceto pelos seguidores do
CD.

Se quisermos definir o CD em termos de axiomas, nossa primeira tentação seria afirmar que um único
axioma seria suficiente.

Primeiro axioma

" Tudo o que não pode ser descrito em termos de um processo concreto não existe " .

As implicações práticas desse axioma serão amplamente desenvolvidas em nossas vidas diárias.

Esta proposta contém três declarações:


1. toda comunicação é uma descrição
2. toda comunicação é um evento concreto
3. toda comunicação é um processo

Ou novamente: qualquer termo que não possa ser definido por uma descrição, que não corresponda a um
evento concreto e a um processo reconhecível, refere-se a uma quimera.

Segundo axioma

" Qualquer relacionamento interindividual, qualquer sequência de comunicação pode ser analisada em
termos do equilíbrio de poder " .

Para nós, todo indivíduo se vê como o centro do mundo e tende ao desenvolvimento máximo de seu
"espaço vital", em detrimento de seus parceiros ou ao equilíbrio do sistema que ele forma com suas
relações. o mais frequente.

Esse é o axioma que chamamos em 1978 de "egoísmo obrigatório".

Quando dizemos que cada um de nós se vê como o centro do mundo, queremos dizer que, no nível "geo-
psicológico", não podemos ver os outros, nosso ambiente e o mundo em geral, a não ser "ao nosso
redor". Talvez os orientais, a quem é dito que não conhecem nem o conceito nem a palavra
"individualismo", vejam as coisas de maneira diferente; certamente os mestres zen não podem mais se ver
como tais, ou mesmo não se veem mais como indivíduos. Mas, no que diz respeito aos nossos
compatriotas, europeus modestos, nossa concepção de mundo permanecerá individualista e egocêntrica
por muito tempo.

Para entender melhor esse segundo axioma, é necessário mostrar, através de um diagrama simples, a
visão do CD das relações humanas. Nas filosofias que conhecemos, eu me oponho a mim e aos outros; o
CD distingue três tipos de níveis concêntricos: eu, meu mundo e o mundo.
MEU MUNDO O MUNDO

MIM A = A (A - X) t Este diagrama significa que o indivíduo A (do qual não contestamos uma certa
existência real, como uma "bolsa de pele") é definido como o conjunto de relações. Que mantém, mantém

e mantém, com todas as pessoas (B, C, D ... X) de cada vez.

O eu é apenas o outro, diz Jacques Brosse ( Satori: dez anos de experiência com um mestre zen) .

O sistema composto por esse conjunto de relacionamentos é chamado meu mundo, é minha realidade
mais próxima, a mais palpável. Fora desta célula, de certa forma, existe o mundo, composto por todas as
pessoas que são indiferentes a mim e a quem peço essencialmente que não exagere. Tudo o que vejo, tudo
o que sinto, entra no meu mundo. É por isso que uma frase que evoca o mundo exterior, como "10000
mortos no Camboja", me deixa em geral indiferente, enquanto a visão na TV de uma única tortura pode
me parecer insuportável: o fato de vê-la o torna está no "meu mundo".

O axioma 2 do CD diz que o objetivo de qualquer sistema, e, portanto, também daquele que chamei de
mundo, é ocupar o maior lugar possível do mundo e alcançar o maior estado de equilíbrio. perfeito
possível.

Para a mãe para quem o mundo será reduzido a marido, filhos e alguns vizinhos e amigos, seu mundo
"almejará" manter o melhor equilíbrio entre esses poucos relacionamentos: um marido amoroso, bons
filhos e bons saúde, passeios agradáveis com amigos, boas refeições ... Para um empresário cujo mundo
será composto por várias centenas de relacionamentos, o objetivo pode ser aumentar quantitativamente o
número de seus relacionamentos, em detrimento até outras pessoas e outros sistemas ...

Este duplo objetivo: quantitativo (alargamento) e qualitativo (equilíbrio) é difícil de manter


permanentemente. Todo sistema tem distúrbios: mortes, doenças, partidas e chegadas, falências ...

O que nosso axioma diz é que, no caso de conflitos de interesse entre dois sistemas em relação, cada um
deles tentará eliminar o outro. Essa é a norma. Estou competindo por um mercado, um lugar no trem ou
uma mulher, farei tudo ao meu alcance para eliminar meus concorrentes. A menos que você seja suicida.

Essa é a norma. Todos os meios são bons para alcançar meus objetivos. Certamente, privilegiarei
primeiro os chamados meios legais: pedirei com grande ingenuidade ao outro que desapareça e me deixe
no lugar. Se não funcionar, tentarei convencê-lo de que tenho mais direitos do que ele neste caso, ou que
não é algo para ele. E se ainda não funcionar, eu tenho apenas duas soluções: eliminação pela força ou
manipulação.

Este é o caso a todo momento, em toda sociedade e em todos os campos; e toda a bobagem do gênero:
"Amar o próximo mais que a si mesmo" deve ser guardada no armário com as velhas vassouras.

Os fatos estão contentes de ser; eles não contêm moral. Os mesmos fatos humanos.

Um sistema que não respeita o axioma do equilíbrio de poder, logo ficaria doente (ou quebrado,
dependendo de sua natureza), murchar e morrer.
É assim que chegamos a afirmar que a guerra é a norma entre indivíduos e entre sociedades, porque a
outra, a partir do momento em que se aproxima muito, é primeiro "sentida" como inimiga . Cuidado com
ele se ele me der sombra!

É por isso que criamos as fórmulas dos orientais, quando nos explicam que, para mudar o mundo,
precisamos primeiro mudar nossa maneira de ver a vida e nossa maneira de viver. O novo homem, ao
contrário do que Marx disse, não virá de uma nova sociedade, mas a nova sociedade será criada - ou não -
por novos homens. Mais uma vez, foi Mao - a filosofia tão chinesa - quem nos mostrou o caminho.

Terceiro axioma

A maneira do "Como" é mais eficaz do que a do "Por que".

Na maioria dos casos de comunicação, é melhor descrever do que explicar.

A realidade, como todos a percebem, é um complexo e um complexo vivo na evolução perpétua; nunca
poderemos descrevê-lo ou explicá-lo completamente. Qualquer progresso na compreensão desse vasto
sistema é ao mesmo tempo uma resposta a uma pergunta como: "Como isso funciona?". O caminho do
"Por que" é muitas vezes um impasse.

Esse axioma deriva em parte do primeiro axioma. De fato, o mundo abstrato é o mundo do "Porquê"; ele
constantemente nos oferece "princípios explicativos". Esses princípios são, na maioria das vezes, apenas
as versões modernas do "princípio adormecido" de Molière. Achamos que, se explicarmos que esse
homem me deu um tapa (enquanto eu estava apenas olhando para a esposa), porque ele tem uma alta
taxa de agressão, então não explicamos nada, porque a explicação case é uma cópia abstrata da
observação.

O mundo dos conceitos abstratos nos apresenta um conjunto de explicações ilusórias. Uma doença que
não posso curar, primeiro dou-lhe um nome e chamo por esse nome; e tenho a ilusão de começar a
entendê-la, a fim de curá-la.

Muitos conceitos abstratos que denunciamos em nossos textos são "princípios explicativos".

Em resumo e de uma maneira mais incisiva,


eis os três axiomas básicos do método RELATIO:

Axioma 1 : Axioma 2 : Axioma 3 :


Todos os termos abstratos não Todo relacionamento humano é Para resolver a maioria dos
correspondem a nenhuma basicamente um equilíbrio de problemas, o "Como" é preferível
realidade concreta; eles não poder. a "Por que"
significam nada.

O nosso trabalho, todos os nossos textos, nossas ações não são e não vai ser tão rigorosa aplicação destes
três axiomas. Mas, como veremos em breve no restante deste pequeno livro, esses três axiomas, que, ao
se desenvolverem, engendrarão uma série de teoremas de aplicação, serão suficientes para questionar
quase todas as crenças de nossa cultura. quase todas as leis e princípios que nos governam.

Eles estão preparando o advento de uma cultura diferente, mais concreta e mais forte do que aquela em
que vivemos, uma cultura que finalmente seria a ponte e a síntese entre o Oriente e o Ocidente.

Você também pode gostar