Você está na página 1de 5

NR 05

A Norma Regulamentadora nº 05 (NR 5), publicada pela Portaria GM n.º


3.214 de 08 de junho de 1978 e alterada pela Portaria SIT n.º Nº 247 de
junho de 2011, determina que todas as empresas deverão constituir a
Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA).

No entanto, segundo a NR 5, nem todas as empresas estão obrigadas a


constituírem a CIPA da mesma forma. Sendo assim, existem dois
modelos de formação da comissão.

A primeira trata-se da CIPA no formato coletivo ou tradicional e


corresponde àquelas empresas que integram o quadro de
dimensionamento previsto na NR 5. Já a segunda, trata-se do Designado
CIPA e corresponde àquelas empresas que não integram o referido
quadro.

Neste artigo pretendemos esclarecer algumas questões a respeito das


peculiaridades do Designado CIPA.

O que é Designado CIPA?

De acordo com a NR 5, em empresas e instituições com menos de 20


trabalhadores, não há a obrigação do estabelecimento de CIPA através
de votação feita pelos trabalhadores.

Nesse caso, o item 5.32.2 da NR 5 determina que apenas um funcionário


da empresa seja designado e treinado para desempenhar a função da
CIPA. Este cargo é conhecido como Designado CIPA.

Dito de outra forma, isto significa que em empresas que não se


enquadram no dimensionamento estabelecido pelo Quadro I da NR 5, ou
seja, que mantenham até 19 trabalhadores, um funcionário deverá ser
escolhido pelo empregador para ser o responsável em cumprir as
diretrizes estabelecidas na NR 5, em substituição da CIPA Tradicional.

A Norma Regulamentadora indica ainda que é possível a criação de


mecanismos que possibilitem a participação dos trabalhadores, desde
que seja acertado em negociação coletiva. Porém, apenas um
trabalhador deverá ser designado para o cargo.

As responsabilidades do Designado CIPA, portanto, são idênticas aos da


CIPA tradicional. Sobretudo, tem o encargo de promover a prevenção de
acidentes e cuidados com a saúde do trabalhador observando as
disposições da Norma Regulamentadora n°5. Sendo assim, a CIPA em
seu modelo designado é tão necessária e importante quando em seu
modelo tradicional/coletivo.

Contudo algumas particularidades são estabelecidas pela NR 5, com


relação às exigências e prerrogativas do cargo. Na tabela abaixo,
podemos observar algumas peculiaridades do Designado CIPA em
relação à CIPA Tradicional.

Comparação entre CIPA Tradicional e Designado CIPA segundo a NR 5


Como vimos, há diferenças significativas de exigências e prerrogativas
entre aquele que ocupa o cargo de membro da CIPA Tradicional e aquele
que é o Designado CIPA, sobretudo no que diz respeito ao modo de
acesso ao cargo e a prerrogativa da estabilidade temporária. A esta
última questão daremos mais atenção em nossa última seção.

Já em nossa seguinte seção, abordaremos algumas determinações do


eSocial a respeito, especialmente, sobre as exigências de envio de
informações sobre o treinamento do Designado CIPA e as possíveis
penalidades em caso de descumprimento.

Designado CIPA e o eSocial

O eSocial trata-se do Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais,


Previdenciárias e Trabalhistas, criada pelo Decreto nº 8373/2014. Grosso
modo, tem o objetivo de unificar o envio das informações de funcionários
pelo empregador.

As empresas que mantém um ou mais funcionários deverão apresentar


no Portal do eSocial, dados relativos à “segurança e saúde do
trabalhador”, como previsto nas tabelas do Anexo II da Nota de
Documentação Evolutiva – NDE n° 01/2018.
Os eventos do eSocial que integram o grupo de Segurança e Saúde no
Trabalho, como o S-1060, S-2210, S-2220, S-2240 e S-2245, deverão ser
enviados por todas as empresas, com exceção de órgãos públicos,
dentro do prazo estabelecido.

O evento 2245 do eSocial, trata da obrigatoriedade de prestação de


informações sobre os treinamentos, capacitações e exercícios
simulados realizados, assim como informações relativas à segurança e a
saúde do trabalhador. No caso de membros da CIPA e designados CIPA,
os treinamentos poderão ser realizados no decorrer das atividades da
empresa.

Porém, para estar com a situação regular perante o eSocial, as


empresas deverão garantir que no primeiro semestre do mandato, até 30
dias após a posse, todos os membros da CIPA estejam treinados para
cumprir suas atividades e apresentar essas informações para o eSocial.
Isto inclui os designados CIPA. Estes últimos deverão estar treinados até
30 dias após sua designação.

Abaixo está a Tabela 29 NDE 01.2018 - Anexo II em com base na NR 5-,


dispõe a respeito de orientações relacionadas aos treinamentos dos
membros e designados CIPA, assim como as multas a serem aplicadas
em caso de descumprimento da NR 5.

Treinamento CIPA e Designado CIPA – Exigências e Penalidades*

O código de exigência 0502, relacionado ao treinamento do designado


CIPA, estabelece ainda que o treinamento tem por finalidade capacitar
os profissionais designados de acordo com o padrão do eSocial.

Dessa forma, é imprescindível que os designados sejam treinados por


profissionais capacitados e habilitados, na forma da lei, de modo a
preservar a segurança e a saúde de todos os envolvidos. Este será o
tema da nossa próxima seção.

Treinamento Designado CIPA


Como já vimos, empresas e instituições que mantenham menos de 20
funcionários, deverão promover o treinamento necessário ao designado
CIPA para o cumprimento da Norma Regulamentadora.

O treinamento para os membros da CIPA, assim como também para os


designados CIPA, deverão ter carga horária de 20 horas. No entanto, a
carga horária deverá ser dividida em no máximo 8 horas diárias e
realizadas durante o expediente normal da empresa. No caso do
designado CIPA, mesmo que este permaneça no cargo pelo tempo limite
de 02 anos, deverá passar por treinamento anualmente.

É relevante salientar que o rodízio em relação ao designado CIPA é


recomendável, pois assim um maior número de trabalhadores terão os
conhecimentos essenciais à promoção da Segurança e Saúde do
Trabalho.

O treinamento poderá ser realizado pelo Serviço Especializado em


Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT) da
empresa, por entidade patronal, sindicato/ associação de trabalhadores
ou por profissional capacitado nos temas relevantes ao treinamento.

Contudo, as empresas deverão comprovar a observância nos temas


relacionados ao treinamento, havendo a possibilidade, no caso de não
cumprimento, de complementação ou realização de novo treinamento.

Segundo a NR 5, são temas indispensáveis ao treinamento do designado


CIPA:

 Estudo do ambiente, das condições de trabalho, bem como dos


riscos originados do processo produtivo;
 Metodologia de investigação e análise de acidentes e doenças do
trabalho;
 Noções sobre acidentes e doenças do trabalho decorrentes de
exposição aos riscos existentes na empresa;
 Noções sobre a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida – AIDS, e
medidas de prevenção;
 Noções sobre as legislações trabalhistas e previdenciária relativas
à segurança e saúde no trabalho;
 Princípios gerais de higiene do trabalho e de medidas de controle
dos riscos;
 Organização da CIPA e outros assuntos necessários ao exercício
das atribuições da Comissão.

Esgotado o tema de treinamento para Designados CIPA, em nossa


próxima seção faremos alguns apontamentos a respeito da estabilidade
temporária em função do cargo para membros da comissão.

Estabilidade Designado Cipa

Segundo a NR 5, a estabilidade temporária de membros da CIPA está


diretamente associada ao modelo de acesso do representante ao cargo,
ou seja, se ele foi eleito pelos trabalhadores ou designado pelo
empregador.

No caso de membros eleitos para a CIPA, a Norma Regulamentadora


proíbe a demissão arbitrária ou sem justa causa do funcionário eleito
para cargo de direção de Comissões Internas de Prevenção de
Acidentes, desde o momento de sua candidatura até um ano após o final
do seu mandato.

Vale lembrar que o mandato de membros da comissão tem duração de


um ano, sendo permitida uma reeleição. Dessa maneira, há estabilidade
provisória de um ano, podendo ser prorrogada por mais um, para
membros da CIPA que sejam representantes eleitos dos funcionários em
empresas que se enquadram no dimensionamento da NR 5.

Sendo assim, o designado CIPA, por não ter sido eleito representante dos
funcionários, não conta com a possibilidade de estabilidade temporária
em função do exercício do cargo. O mesmo vale para secretários da CIPA
Tradicional que não sejam membros eleitos.