Você está na página 1de 15

Os Limites Constitucionais

da Terceirização

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 1 11/08/2014 12:11:23


5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 2 11/08/2014 12:11:23
Gabriela Neves Delgado
Professora Adjunta de Direito do Trabalho dos Programas de Graduação e Pós-Graduação da Faculdade de Direito da
Universidade de Brasília — UnB. Doutora em Filosofia do Direito pela UFMG. Mestre em Direito do Trabalho pela
PUC Minas. Líder do Grupo de Pesquisa Trabalho, Constituição e Cidadania (UnB — CNPq). Advogada.

Helder Santos Amorim


Mestre em Direito Constitucional pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Procurador do Trabalho.
Professor de Direito Constitucional na Escola Superior Dom Helder Câmara. Membro do Conselho
Editorial do Boletim Científico da Escola Superior do Ministério Público da União — ESMPU.

Os Limites Constitucionais
da Terceirização

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 3 11/08/2014 12:11:24


EDITORA LTDA.
 Todos os direitos reservados

Rua Jaguaribe, 571


CEP 01224-001
São Paulo, SP — Brasil
Fone (11) 2167-1101
www.ltr.com.br

Produção Gráfica e Editoração Eletrônica: R. P. TIEZZI X


Projeto de Capa: FABIO GIGLIO
Impressão: PIMENTA GRÁFICA E EDITORA

Agosto, 2014

Versão impressa - LTr 5146.7 - ISBN 978-85-361-3068-2


Versão digital - LTr 8188.6 - ISBN 978-85-361-3090-3

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Delgado, Gabriela Neves


Os limites constitucionais da terceirização / Gabriela
Neves Delgado. — 1. ed. — São Paulo : LTr, 2014.

Bibliografia.

1. Direito do trabalho 2. Direito do trabalho — Brasil


3. Terceirização 4. Terceirização — Brasil I. Título.

14-07633 CDU-34:331.6(81)

Índice para catálogo sistemático:

1. Brasil : Terceirização : Direito do trabalho 34:331.6(81)

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 4 11/08/2014 12:11:24


Sumário

Introdução................................................................................................................................................. 7

Capítulo I
Apontamentos Sociológicos sobre a Terceirização no Brasil

1. Ciclos de inserção da terceirização no processo produtivo brasileiro.......................................... 11


2. Fundamentos constitutivos do modelo toyotista de produção refletidos na terceirização ...... 13

Capítulo II
A Terceirização no Direito Comparado

1. A matriz neoliberal e as relações de trabalho rarefeitas.................................................................. 19


2. O regime do emprego socialmente protegido e a terceirização no direito comparado.............. 22
3. A OIT e a política internacional de proteção às relações de trabalho............................................ 28

Capítulo III
A Terceirização Trabalhista e o Histórico de
Formação da Súmula n. 331 do TST

1. A terceirização na legislação e na jurisprudência trabalhista brasileira ...................................... 31


2. Atividade-fim e atividade-meio: a formação do pensamento jurisprudencial contido na
Súmula n. 331 do TST.......................................................................................................................... 32
3. Da locação de mão de obra à prestação de serviço: apontamentos sobre a evolução da
legislação e da jurisprudência trabalhista no Brasil........................................................................ 39
4. A influência da legislação de regência da terceirização na Administração Pública.................... 49
5. Terceirização de serviços em atividade-fim: a fraude à lei............................................................. 56

•5•

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 5 11/08/2014 12:11:24


Capítulo IV
Os Limites Constitucionais da Terceirização

1. A chegada ao Supremo Tribunal Federal do tema da terceirização na iniciativa privada ........ 67


2. A problematização do tema de repercussão geral 725/STF: “terceirização de serviços para
consecução da atividade-fim da empresa”...................................................................................... 73
3. A questão constitucional à luz do princípio da legalidade............................................................. 79
4. A relação de emprego à luz do constitucionalismo social.............................................................. 87
5. O sistema constitucional brasileiro do emprego socialmente protegido...................................... 91
6. A terceirização e o regime paralelo de emprego rarefeito............................................................ 105
7. Limites imanentes ao direito de contratar a terceirização de serviços: uma análise da norma
de direito fundamental..................................................................................................................... 112
8. A inconstitucionalidade da terceirização de serviços na atividade-fim das empresas à luz dos
direitos fundamentais dos trabalhadores....................................................................................... 124
9. A inconstitucionalidade da terceirização na atividade-fim das empresas: o valor social da
livre-iniciativa e a função social da empresa................................................................................. 134
10. A inconstitucionalidade da terceirização na atividade-fim das empresas estatais: a regra
constitucional do concurso público................................................................................................. 142
11. Uma resposta à questão constitucional: a constitucionalidade da Súmula n. 331 do TST..... 151

Conclusão.............................................................................................................................................. 157

Referências Bibliográficas............................................................................................................... 161

•6•

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 6 11/08/2014 12:11:24


Introdução

O presente livro, Os Limites Constitucionais da Terceirização, resulta de um esforço conjugado


dos autores, estudiosos do tema da terceirização, no sentido de apresentar reflexões doutrinárias
e jurisprudenciais atualizadas sobre o fenômeno das relações de trabalho trianguladas no Brasil,
de modo a contribuir para a sua melhor contextualização, prestando-se, ainda, a delinear limites
à sua prática, em conformidade com o horizonte constitucional de proteção ao trabalho humano.
Aqui se pretende apresentar reflexões doutrinárias e jurisprudenciais, estas colhidas em sua
maioria do próprio Supremo Tribunal Federal, que estabelecem limites constitucionais à terceiri-
zação, tendo em vista o impacto que a triangulação da relação de trabalho exerce sobre diversos
direitos e valores protegidos pela Constituição da República de 1988, especialmente considerando
o horizonte constitucional de proteção ao trabalho humano.
Parte-se da premissa de que a questão dos limites constitucionais da terceirização compreen-
de, muito além da liberdade de iniciativa do empreendedor, também o dever estatal de proteção
constitucional aos direitos fundamentais dos trabalhadores, como veículo de afirmação do Estado
Democrático de Direito.
O livro busca identificar como esses direitos fundamentais se relacionam, definindo-se
reciprocamente. Por conseguinte, também pretende reforçar os contornos constitucionais da ter-
ceirização na iniciativa privada, com respeito ao conteúdo humanista da Constituição, sintetizado
no princípio da dignidade da pessoa humana.
A obra é integrada por quatro capítulos organicamente vinculados a esse objetivo central, o
que submete a distribuição dos temas e reflexões a uma metodologia tópica, voltada a apresentar
respostas às questões constitucionais concretamente formuladas perante o Supremo Tribunal
Federal.
O primeiro capítulo, sob o título Apontamentos Sociológicos sobre a Terceirização no Brasil, ana-
lisa esse fenômeno em perspectiva sociológica, no contexto do sistema toyotista de produção e da
conjuntura econômica de matiz neoliberal que se firmou no Brasil, sobretudo nos anos noventa do
século XX. A seu lado, são também identificadas repercussões do modelo trabalhista de contrata-
ção triangulada no mundo do trabalho, com ênfase para o processo de precarização do trabalho
humano que a fórmula terceirizada proporciona.
O segundo capítulo, sob o título A Terceirização no Direito Comparado, identifica, em um primeiro
momento, a morfologia do trabalho influenciada, no plano internacional, pela matiz ideológica
neoliberal, em que se esteia o modelo de organização produtiva flexível, como fator determinante

•7•

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 7 11/08/2014 12:11:24


para o surgimento de um cenário econômico propício ao desenvolvimento de relações de trabalho
rarefeitas, de baixa densidade protetiva, tal como a terceirização trabalhista, por exemplo.
Em seguida, é feito um paralelo, em sede de Direito Comparado, entre o regime de emprego
socialmente protegido e o regime de trabalho triangulado (terceirização), nos diversos sistemas
jurídicos. A proposta é demonstrar a existência de uma zona de tensão que coloca, de um lado,
os empregados que desfrutam plenamente de uma relação de emprego protegida, fundada no
clássico contrato de emprego e, de outro lado, os trabalhadores rarefeitos submetidos a contratos
atípicos de trabalho, que não oferecem a mesma proteção social, atirados ao espaço do trabalho-
-mercadoria, como é o caso da terceirização.
Na realidade brasileira, parte-se do pressuposto que essa zona de tensão deve ser resolvida à
luz da matriz vanguardista da Constituição de 1988, que anuncia um largo sistema de proteção ao
trabalho e à relação de emprego em contraponto às multifacetadas relações de trabalho rarefeitas.
Note-se que a proteção ao trabalho humano, em condição de dignidade, é também fundamento
da Organização Internacional do Trabalho, sendo sua base principiológica constitutiva.
O terceiro capítulo, A Terceirização Trabalhista e o Histórico de Formação da Súmula n. 331 do
TST, propõe-se a desenvolver a análise do complexo processo de evolução hermenêutica no seio
da Justiça do Trabalho, que culminou com a edição da Súmula n. 331 do TST, em meio às sérias
transformações políticas e econômicas mundiais, determinadas pela planificação do pensamento
neoliberal.
Nesse capítulo, será demonstrado que, diante do conflituoso embate entre a pungente exi-
gência econômica por flexibilização da organização empresarial e a imperatividade protetiva
do Direito do Trabalho, a Justiça do Trabalho, num complexo processo de adaptação herme-
nêutica, e sob o influxo da legislação que disciplina a terceirização na Administração Pública,
cuidadosamente adotou uma divisa jurídica entre a legítima terceirização de atividade-meio e
a intermediação fraudulenta de mão de obra, assim considerada a terceirização praticada na
atividade-fim da empresa.
Assim, será identificada na Súmula n. 331 do TST uma interpretação jurídica compromissória
dos interesses constitucionalmente protegidos, que, preservando a integridade do pensamento
jurisprudencial construído em décadas de amadurecimento do Direito do Trabalho, compreende
a terceirização em atividade-fim como um ato de fraude à lei, contra a aplicação das normas im-
perativas de proteção ao trabalhador, equiparável à comercialização de mão de obra.
A importância de se retomar o histórico de formação da Súmula n. 331 do TST se dá como
parâmetro e pressuposto para o melhor entendimento dos limites constitucionais da terceiriza-
ção — objeto central da presente obra — a ser analisado no quarto capítulo.
No quarto Capítulo, Os Limites Constitucionais da Terceirização, a obra se encaminha ao ápice de
sua reflexão, dedicando-se, primeiramente, a problematizar o tema de repercussão geral 725/STF,
que versa sobre a “terceirização de serviços para a consecussão da atividade-fim da empresa”,
à luz de todos os elementos constitucionais afetados pela prática, enfrentando logo de plano a
questão relativa à constitucionalidade da Súmula n. 331 do TST à luz do princípio da legalidade.
Nesse ponto, o livro se propõe a demonstrar que a fórmula jurisprudencial albergada na
Súmula n. 331 do TST, no ponto em que reputa ilícita a terceirização de atividade-fim, por fraude
à relação de emprego, decorre de uma ampla interpretação do sistema jurídico, que preserva a
integridade do Direito, conferindo segurança jurídica aos atores da relação de trabalho, do que
resulta a legitimidade democrática dessa interpretação, em linha de obediência ao princípio da
legalidade.

•8•

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 8 11/08/2014 12:11:24


Evoluindo esse raciocínio, o capítulo se dirige a demonstrar a conformidade material da
Súmula n. 331 à Constituição da República, a partir do caráter fundamental dos direitos sociais
dos trabalhadores, previstos nos arts. 7º a 11 da Constituição, no marco teórico do constitucio-
nalismo social. Nesse marco, identifica-se o conteúdo protetivo específico, constitucionalmente
atribuído ao regime de emprego socialmente protegido, assegurado no art. 7º, I, da Carta Política.
Demonstra-se que esse conteúdo compreende um componente espacial, consistente na pretensão
de máxima integração do trabalhador ao empreendimento econômico, e um elemento temporal,
que diz respeito à pretensão de máxima continuidade do vínculo de trabalho.
Em seguida, e em contraponto, o estudo se propõe a demonstrar a existência de um regime
paralelo de emprego rarefeito, de baixa densidade protetiva, instituído no modelo de relação
triangular de trabalho. Identifica-se, assim, o regime de emprego terceirizado, desnaturado em
sua substância protetiva, em decorrência das repercussões deletérias imanentes da terceirização
sobre o trabalho humano, em face da lógica de mercado que intercepta o trabalhador e o benefi-
ciário final da mão de obra.
À luz dessas premissas, no passo seguinte, a pesquisa se lança a uma análise sobre a ope-
racionalização teórica das normas de direito fundamental afetadas pela prática da terceirização,
com o fim de identificar os limites imanentes do direito de livre contratação, firmados no denso
conteúdo protetivo das regras constitucionais que disciplinam a relação de emprego socialmente
protegida.
A partir do estudo de normas constitucionais que disciplinam a terceirização de atividades-
-meio no âmbito das entidades da Administração Pública, identifica-se a projeção constitucional
desse modelo de terceirização em atividade-meio, de caráter absolutamente excepcional, ao espaço
da iniciativa privada. Demonstra-se a natureza excetiva desse regime triangulado de trabalho em
atividade-meio, vinculado à sua finalidade constitucional legítima, que consiste em permitir ao
ente público ou privado a concentração de esforços no desenvolvimento de sua atividade-fim, com
emprego de mão de obra contratada diretamente, com a máxima proteção social, nesse espaço
central da organização.
Sob essa perspectiva, a terceirização em atividade-meio de entes públicos e privados é apre-
sentada como um modelo restrito, excepcional e acessório, socialmente mais vulnerável e por isso
carecedor de uma tutela legislativa especial, que confira a máxima densidade protetiva possível
ao trabalhador terceirizado, com vistas à máxima superação possível do modelo de emprego
rarefeito configurado.
Nesse passo, o capítulo se encaminha a demonstrar a inconstitucionalidade da prática da
terceirização na atividade-fim do empreendimento econômico, por violação do regime de emprego
constitucionalmente protegido e por afronta à função social da empresa. Em seguida, apresenta
razões adicionais para assegurar a inconstitucionalidade da terceirização na atividade-fim das
empresas estatais exploradoras de atividade econômica, com base na análise da jurisprudência
do STF que prestigia a regra constitucional do concurso público nas atividades permanentes dos
órgãos e entes públicos.
O quarto capítulo finaliza-se, assim, como síntese dos argumentos desenvolvidos em seu
curso, concluindo pela constitucionalidade da Súmula n. 331 do TST.
Essa interpretação decorre, enfim, em um desenho constitucional que situa a relação de em-
prego direta e bilateral entre o trabalhador e o tomador de serviços como o modelo de relação de
trabalho que mais e melhor protege o obreiro, eis que dotado de máxima proteção social, estando
retratado na leitura integrada dos arts. 7º a 11 da Constituição de 1988, além de diversos princípios
humanísticos e sociais do Texto Máximo da República.

•9•

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 9 11/08/2014 12:11:24


Note-se, enfim, que todos os quatro capítulos estão estruturalmente vinculados com vistas
a identificar o padrão jurisprudencial adotado pelo Tribunal Superior do Trabalho, por meio da
Súmula n. 331, como uma importante e decisiva influência no processo de regulação da tercei-
rização no Brasil, eis que promovido em respeito às premissas constitucionais de proteção ao
trabalho humano.
Brasília/Belo Horizonte, julho de 2014.

Gabriela Neves Delgado


Helder Santos Amorim

• 10 •

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 10 11/08/2014 12:11:24


Capítulo I

Apontamentos Sociológicos sobre a


Terceirização no Brasil

1. Ciclos de inserção da terceirização no processo produtivo brasileiro

A implantação do fenômeno da terceirização no Brasil é resultado de processo periódico,


gradual e incisivo de inserção do modelo toyotista de produção no país, que se estendeu, sobretudo
a partir da década de 1970, com a inserção dos “círculos de controle de qualidade” nas grandes
empresas(1).
Em meados dos anos 1980, as inovações gerenciais traçadas pelo toyotismo, com especial
destaque para a política do just in time, as novas tecnologias de automação e os programas de
qualidade total, foram amplamente adotadas pelas empresas do complexo automobilístico, que
incorporaram quase que de forma integral o novo modelo de gestão produtiva(2).
A partir dos anos de 1990 o modelo de gestão toyotista se expandiu intensamente por todos
os setores da economia brasileira, consolidando uma fase de “epidemia da qualidade e da produ-
tividade” no país, acrescida pela implantação dos programas de qualidade total e de terceirização
nas empresas, em reforço aos novos mecanismos de gestão já adotados desde a década de 1970(3).
Foi também nos anos noventa que se firmou uma espécie de expansão desvirtuada da ter-
ceirização no universo empresarial, que se ocupou de terceirizar, indiscriminadamente, tanto as
áreas e setores periféricos como as áreas e setores nucleares do setor produtivo.
Sobre a fase de “epidemia da qualidade e da produtividade” no Brasil, nos anos noventa do século
XX, esclarece Graça Druck:

(1) DRUCK, Maria da Graça. Terceirização: (des)fordizando a fábrica. São Paulo: Boitempo, 1999. p. 102.
(2) Ibidem, p. 103.
(3) Ibidem, p. 104.

• 11 •

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 11 11/08/2014 12:11:24


“Estas duas práticas de gestão, mesmo que já testadas e aplicadas anteriormente em
vários setores e empresas, assumem, nesta última década, um caráter epidêmico. De
fato, generalizam-se com muita rapidez por todas as atividades da economia, na pro-
dução industrial, nos serviços, no comércio, em empresas de porte pequeno, médio e
grande. No caso da terceirização, além desta rápida e ampla difusão, há um elemento
qualitativo de peso, pois muda o tipo de atividade terceirizada, atingindo não somente
aquelas áreas consideradas periféricas — os serviços de apoio (alimentação, limpeza,
transporte, etc), como também as nucleares ou centrais (produção/operação, manuten-
ção, usinagem, etc.).”(4) (Grifos acrescidos)
Fato é que desde os anos de 1990 a terceirização trabalhista vem se expandindo por
diversos setores da economia, seja em alguns segmentos específicos ou por toda a planta empresa-
rial, sob a justificativa de que se apresenta como estratégia segura e moderna de desenvolvimento
econômico.
Os dados reproduzidos pelo DIEESE em parceria com a CUT, em setembro de 2011, são fortes
indicadores da expansão do fenômeno da terceirização no Brasil. Noticiam que, na atualidade,
os trabalhadores terceirizados perfazem cerca de 25,5% do mercado formal de trabalho do país.
Esse número, todavia, está subestimado, porque parte considerável dos trabalhadores terceiros
está alocada na informalidade(5), às margens de um Direito regulado e protegido.
Quanto à distribuição dos subcontratados segundo o setor de atividade econômica, as estatís-
ticas tendem a demonstrar uma prevalência do segmento empresarial dos serviços em contraponto
ao setor da indústria. Nas regiões metropolitanas do país e no Distrito Federal, por exemplo, a
concentração maior de trabalhadores terceirizados mantém-se no setor de serviços em comparação
às unidades industriais(6).
Do ponto de vista geográfico, os estados do Ceará, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Ja-
neiro, São Paulo e Santa Catarina são os que apresentam a maior concentração de contratações
terceirizadas, acima da média nacional de 25,5%(7).
Os dados também demonstram que são as “populações mais vulneráveis do mercado de
trabalho”, com destaque para as mulheres, negros, jovens, migrantes e imigrantes, que preenchem
o maior contingente de empregos terceirizados no mercado de trabalho do país(8).
Em geral, são trabalhadores caracterizados por parca qualificação profissional, pois não são
destinatários de investimentos em treinamento e qualificação para o trabalho, o que tende a ser
justificado pela cultura empresarial com suporte no fato de não se inserirem de forma permanente
na cultura organizacional da empresa-mãe(9).
Regra geral, nos grupos sociais marginalizados e pouco qualificados para o trabalho, o tra-
balhador se submete a trabalhos precários e desprovidos de integração social por falta de opção

(4) DRUCK, Maria da Graça. Terceirização: (des)fordizando a fábrica, cit., p. 105.


(5) Terceirização e desenvolvimento: uma conta que não fecha. Dossiê sobre o impacto da terceirização sobre os trabalhadores e
propostas para garantir a igualdade de direitos. DIEESE/CUT, set. 2011. Disponível em: <http://www.sinttel.org.br/downloasds/dossie-
-terceirizacao-cut.pdf> Acesso em: 19.6.2014, p. 5.
(6) Terceirização e desenvolvimento: uma conta que não fecha. Dossiê sobre o impacto da terceirização sobre os trabalhadores e
propostas para garantir a igualdade de direitos. DIEESE/CUT, set. 2011. Disponível em: <http://www.sinttel.org.br/downloasds/dossie-
-terceirizacao-cut.pdf> Acesso em: 19.6.2014, p. 9.
(7) Ibidem, p. 9.
(8) Ibidem, p. 4.
(9) DUTRA, Renata Queiroz. Do outro lado da linha: poder judiciário, regulação e adoecimento dos trabalhadores em call centers.
Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Direito da Faculdade de Direito da UnB. Orientação: Profa.
Dra. Gabriela Neves Delgado. Brasília, 2014. p. 58-59.

• 12 •

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 12 11/08/2014 12:11:24


(mesmo que o trabalho seja rigorosamente caracterizado pela privação) e para manter o status de
provedor do grupo doméstico a que se vincula(10).
Essa lógica, anunciada na terceirização trabalhista, enfraquece todo o sentido de progressi-
vidade social que um eventual modelo de gestão empresarial considerado mais moderno possa
assegurar.

2. Fundamentos constitutivos do modelo toyotista de produção refletidos na


terceirização

A terceirização é elemento nuclear do modelo toyotista de produção que se construiu


na plataforma econômica brasileira, seja por refletir, em suas premissas constitutivas, os
principais fundamentos gerenciais do toyotismo, seja por sua significativa abrangência no mer-
cado de trabalho.
A implantação do fenômeno da terceirização no Brasil é resultado de processo periódico,
gradual e incisivo de inserção do modelo toyotista de produção no país, sobretudo a partir dos
anos de 1990(11).
A terceirização trabalhista reflete, em seu modelo de gestão empresarial, os principais
fundamentos constitutivos toyotistas, desenvolvendo novos arquétipos de acúmulo de capital
estruturados no neoliberalismo e diferenciados modelos de contratação e de organização dos
trabalhadores(12).
A nova panorâmica produtiva desenhada pelo toyotismo é fundada em multifacetados me-
canismos de controle externo e interno da produção.
O controle externo da produção arquiteta novos mecanismos de relações interempresariais
que se estabelecem prioritariamente por estratégias combinadas de demissões maciças e de criação
de empregos precários e flexíveis(13).
A terceirização trabalhista espelha com clareza a fluidez destes novos mecanismos de
relações interempresariais fundados em demissões maciças e na criação de empregos precários
e flexíveis.
As empresas terceirizadas, em harmonia com o modelo toyotista de produção enxuta e de
estrutura horizontalizada, adotam fórmulas redutoras, concentrando-se exclusivamente no núcleo
de seu processo produtivo, transferindo para terceiros outras etapas e processos periféricos do
circuito de produção(14).
Sobre a nova panorâmica produtiva, bem descreve Márcio Túlio Viana:
Hoje, a fórmula é horizontalizar o mais possível, para enxugar a máquina, aumentar
a eficiência, garantir a qualidade e conquistar um mercado que parece cada vez mais

(10) Consultar: ZALUAR, Alba. A máquina e a revolta: organizações populares e o significado da pobreza. São Paulo: Brasiliense, 1985.
p. 120; FREITAS, Maria Vany de Oliveira. Entre ruas, lembranças e palavras: a trajetória dos catadores de papel em Belo Horizonte.
Belo Horizonte: PUC Minas, 2005. p. 23.
(11) Note-se que as empresas podem utilizar, concomitantemente, vários modelos de gestão (taylorista, fordista ou toyotista) em seu
multifacetado processo produtivo. É claro que nas últimas décadas do século XX predominou, no complexo empresarial, a utilização
do modelo toyotista de produção.
(12) DELGADO, Gabriela Neves. Terceirização: paradoxo do direito do trabalho contemporâneo. São Paulo: LTr, 2003.
(13) MAJNONI D’INTIGNANO, Béatrice. A fábrica de desempregados, cit., p. 85.
(14) DELGADO, Gabriela Neves. Terceirização: paradoxo do direito do trabalho contemporâneo. São Paulo: LTr, 2003.

• 13 •

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 13 11/08/2014 12:11:25


exigente. Da empresa se diz que quanto menor, melhor. O slogan passa a ser: small is
beautiful. (15) (Grifos acrescidos)
No contexto da produção horizontalizada, as despedidas maciças ocorrem significativamente
nas grandes empresas, que passam a concentrar suas atividades no núcleo central de produção,
descentralizando etapas acessórias do processo produtivo para empresas periféricas. A estratégia
do foco possibilita, inevitavelmente, a redução do número de empregos diretos e dos encargos
trabalhistas, previdenciários e tributários da empresa-mãe.
Note-se que é comum verificar, no processo de reengenharia empresarial patrocinado pelo
fenômeno da terceirização trabalhista, a prática dos “empregos induzidos”(16). Ou seja, no con-
texto de produção horizontalizada, os empregados despedidos são comumente contratados por
empresas periféricas, em serviços terceirizados, de natureza precária e flexível e pouco onerosa
do ponto de vista empresarial(17).
Este processo de realocação da mão de obra comumente não assegura qualquer sentido de
segurança aos trabalhadores terceirizados, em razão da alta rotatividade da mão de obra contratada.
“Esse fato tem uma série de consequências para o trabalhador, que alterna períodos de trabalho
e períodos de desemprego resultando na falta de condições para organizar e planejar sua vida,
inclusive para projetos pessoais como formação profissional, mas tem também um rebatimento
sobre o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) uma vez que essa alta rotatividade pressiona
para cima os custos com o seguro desemprego”(18).
Note-se que o processo de criação e eliminação de empregos diretos regra geral também
é insuficiente para suprir as demandas originárias de fluxos de criação permanente, fator que
também conduz parte significativa dos trabalhadores dispensados para trabalhos temporários,
autônomos e informais, sem segurança e em condições de expressiva precariedade(19). Além dis-
so, significativo contingente dos trabalhadores excluídos do sistema de produção central tende a
permanecer sem emprego.
A natureza precária, flexível e pouco onerosa das contratações terceirizadas em com-
paração às contratações empregatícias diretas também pode ser demonstrada pela pesquisa
realizada pelo DIEESE em parceria com a CUT. Todos os dados lançados comprovam que “a
estratégia de otimização dos lucros via terceirização está fortemente baseada na precarização
do trabalho”(20).
As estatísticas confirmam que a terceirização trabalhista provoca redução expressiva de
patamares salariais. A remuneração dos trabalhadores terceirizados, em dezembro de 2010,
foi inferior, em 27,1%, à remuneração dos trabalhadores diretos. Além disso, constata-se que a

(15) VIANA, Márcio Túlio. Alguns pontos polêmicos da terceirização. Repertório IOB de Jurisprudência, São Paulo, n. 8, Caderno 2,
p. 155, 2ª quinz. abr. 1997.
(16) MAJNONI D’INTIGNANO, Béatrice. A fábrica de desempregados, cit., p. 88.
(17) VIANA, Márcio Túlio. A proteção social do trabalhador no mundo globalizado. O direito do trabalho no limiar do século XXI.
Revista LTr, São Paulo, n. 7, v. 63, p. 885-896, p. 887, jul. 1999.
(18) Terceirização e desenvolvimento: uma conta que não fecha. Dossiê sobre o impacto da terceirização sobre os trabalhadores
e propostas para garantir a igualdade de direitos. DIEESE/CUT, set. 2011. Disponível em: <http://www.sinttel.org.br/downloasds/
dossie-terceirizacao-cut.pdf> Acesso em: 19.6.2014, p. 6.
(19) MAJNONI d’INTIGNANO, Béatrice. A fábrica de desempregados, cit., p. 85. Sobre o tema, consultar, ainda: HARVEY, David. A
condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 2003. p. 144-145.
(20) Terceirização e desenvolvimento: uma conta que não fecha. Dossiê sobre o impacto da terceirização sobre os trabalhadores
e propostas para garantir a igualdade de direitos. DIEESE/CUT, set. 2011. Disponível em: <http://www.sinttel.org.br/downloasds/
dossie-terceirizacao-cut.pdf> Acesso em: 19.6.2014. (Grifos acrescidos)

• 14 •

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 14 11/08/2014 12:11:25


remuneração dos trabalhadores terceirizados se concentra nas faixas de 1 a 2 salários mínimos
e de 3 a 4 salários mínimos, enquanto os trabalhadores diretos estão mais distribuídos entre as
variadas faixas salariais(21).
Em relação à jornada de trabalho, os trabalhadores terceirizados realizam uma jornada de 3
horas a mais na semana em comparação aos trabalhadores diretos, indicador aferido sem consi-
derar as horas extras ou bancos de horas porventura realizados(22).
A condição de rotatividade permanente da mão de obra terceirizada também é comprovada na
pesquisa realizada pelo DIEESE, que noticia o tempo de 5,8 anos de permanência no emprego para
os trabalhadores diretos e, em média, de 2,6 anos para os trabalhadores terceirizados. Desse índice
decorre a alta rotatividade dos terceirizados: 44,9% contra 22% dos diretamente contratados(23).
Os índices de acidentes de trabalho graves e fatais alcançam proporções alarmantes na ter-
ceirização trabalhista, pois são os terceirizados que via de regra ocupam os postos de trabalho
mais precários e arriscados(24).
“Embora encobertos das estatísticas oficiais do Ministério da Previdência Social, dados
da fiscalização do trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, divulgados em 2005
em um seminário sobre o tema, indicam que de cada dez acidentes de trabalho ocorridos
no Brasil, oito são registrados em empresas terceirizadas e nos casos em que há morte,
quatro entre cinco ocorrem em empresas prestadoras de serviços (Gazeta do ES, 2005).”(25)
Na lógica toyotista, o controle interno da produção resulta de mecanismos combinados de
produção enxuta e de pronto atendimento (just in time), com a meta de se alcançar a qualidade
total no processo produtivo(26).
A produção enxuta e o pronto atendimento são facetas de uma nova forma de organização
industrial, diversa do modelo de produção em massa fordista. Reforçam a lógica da abolição dos
estoques, ao programar que as mercadorias sejam produzidas com alto grau de especialização,
porém em pequena escala, conforme demanda específica e individualizada do mercado consu-
midor(27).
Note-se que o aprimoramento tecnológico associado à demanda específica e individualizada
do mercado consumidor tende a tornar os produtos rotativos, especializados e supérfluos, em
padrão consentâneo ao formato da “obsoletagem programada”(28).
Para as empresas adeptas do sistema toyotista, a imposição de intenso controle interno
justifica-se em razão da necessidade de se racionalizar espaços e custos para se alcançar o que
denominam de “qualidade total” no processo produtivo(29).

(21) Ibidem, p. 6.
(22) Idem.
(23) Terceirização e desenvolvimento: uma conta que não fecha. Dossiê sobre o impacto da terceirização sobre os trabalhadores
e propostas para garantir a igualdade de direitos. DIEESE/CUT, set. 2011. Disponível em: <http://www.sinttel.org.br/downloasds/
dossie-terceirizacao-cut.pdf> Acesso em: 19.6.2014, p. 6.
(24) Ibidem, p. 16.
(25) Idem.
(26) MAJNONI D’INTIGNANO, Béatrice. A fábrica de desempregados, cit., p. 85.
(27) DELGADO, Gabriela Neves. Terceirização: paradoxo do direito do trabalho contemporâneo. São Paulo: LTr, 2003.
(28) DELGADO, Gabriela Neves. Terceirização: paradoxo do direito do trabalho contemporâneo. São Paulo: LTr, 2003.
(29) No entanto, o que se verifica é que a meta da qualidade total nem sempre é alcançada nos moldes idealizados pelo toyotismo,
sobretudo se considerado o formato de uma gestão empresarial terceirizada. Na terceirização trabalhista do setor automobilístico,
por exemplo, a prestação de serviços especializados não reflete necessariamente garantia de qualidade total. Essa observação pode
ser confirmada pelo número de campanhas de recall de automóveis nesse setor de mercado. Os dados estatísticos veiculados pela
Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo (Procon/SP) comprovam que entre os anos de 2002 a 2013 houve 510

• 15 •

5146.7 Os Limites Constitucionais da Terceirização.indd 15 11/08/2014 12:11:25

Você também pode gostar