Você está na página 1de 14

Nome: Thais Cristina Miranda / RA: 819167430 / Turma: PSC1BN-

MCB.

2. Funções executivas e emoções

2.1 Transtornos de Aprendizagem

Conceito

Dificuldade de aprendizagem é um termo geral que se refere a um grupo


heterogêneo de transtornos manifestados por dificuldades significativas na
aquisição e uso da escuta, fala, leitura, escrita, raciocínio ou habilidades
matemáticas. Estes transtornos são intrínsecos ao indivíduo, supondo-se que
são devido à disfunção do sistema nervoso central, e podem ocorrer ao longo do
ciclo vital. Podem existir junto com as dificuldades de aprendizagem, problemas
nas condutas de auto-regulação, percepção social e interação social, mas não
constituem por si próprias, uma dificuldade de aprendizado. Ainda que as
dificuldades de aprendizado possam ocorrer concomitantemente com outras
condições incapacitantes como, por exemplo, transtornos emocionais graves ou
com influências extrínsecas (tais como as diferenças culturais, instrução
inapropriada ou insuficiente), não são o resultado dessas condições ou
influências.

Tipo de Transtorno de Aprendizagem

Transtorno da Leitura: O Transtorno da Leitura, alternativamente conhecido


como dislexia, é um transtorno caracterizado por problemas no reconhecimento
preciso ou fluente de palavras, problemas de decodificação e dificuldade de
ortografia. Dessa forma, pode-se afirmar que se trata de um transtorno específico
das habilidades de leitura, que sob nenhuma hipótese está relacionado à idade
mental, problemas de acuidade visual ou baixo nível de escolaridade. O DSM-V
classifica como critérios diagnósticos para o Transtorno da Leitura:
Leitura de palavras de forma imprecisa ou lenta e com esforço (p. ex., lê palavras
isoladas em voz alta, de forma incorreta ou lenta e hesitante, frequentemente
adivinha palavras, tem dificuldade de soletrá-las).
Dificuldade para compreender o sentido do que é lido (p. ex., pode ler o texto
com precisão, mas não compreendem a sequencia, as relações, as inferências
ou os sentidos mais profundos do que é lido).

Transtorno da Matemática: O Transtorno da Matemática, também conhecido


como discalculia, não é relacionado à ausência de habilidades matemáticas
básicas, como contagem, e sim, na forma com que a criança associa essas
habilidades com o mundo que a cerca. A aquisição de conceitos matemáticos e
outras atividades que exigem raciocínio são afetadas neste transtorno, cuja
baixa capacidade para manejar números e conceitos matemáticos não é
originada por uma lesão ou outra causa orgânica.7 Em geral, o Transtorno da
Matemática é encontrado em combinação com o Transtorno da Leitura ou
Transtorno da Expressão Escrita.

O Transtorno da Matemática, segundo o DSM-V, é caracterizado por:


Dificuldades para dominar o senso numérico, fatos numéricos ou cálculo (p. ex.,
entende números, sua magnitude e relações de forma insatisfatória; conta com
os dedos para adicionar números de um dígito em vez de lembrar o fato
aritmético, como fazem os colegas; perde-se no meio de cálculos aritméticos e
pode trocar as operações).

Dificuldades no raciocínio (p. ex., tem grave dificuldade em aplicar conceitos,


fatos ou operações matemáticas para solucionar problemas quantitativos).

Transtorno da Expressão Escrita: Um transtorno apenas de ortografia ou


caligrafia, na ausência de outras dificuldades da expressão escrita, em geral,
não se presta a um diagnóstico de Transtorno da Expressão Escrita. Neste
transtorno geralmente existe uma combinação de dificuldades na capacidade de
compor textos escritos, evidenciada por erros de gramática e pontuação dentro
das frases, má organização dos parágrafos, múltiplos erros ortográficos ou fraca
caligrafia, na ausência de outros prejuízos na expressão escrita.

Sinais e Sintomas

Os sintomas e sinais dos Transtornos de Aprendizagem aparecem efetivamente


quando a criança ingressa na escola, e não consegue realizar as tarefas que
geralmente seus coleguinhas realizam.
Diagnostico

Para o diagnóstico correto destes transtornos são necessárias a aplicação de


testes padronizados de leitura, escrita ou matemática, e a aplicação de testes de
Quociente de Inteligência, sempre aplicados individualmente, e avaliados em
função da idade e escolarização. Para que um diagnóstico de Transtorno de
Aprendizagem possa ser dado deve se levar em conta as dificuldades normais
na realização das tarefas acadêmicas, o nível do ensino, fatores culturais e
sociais, e problemas familiares. Algumas crianças apresentam prejuízos visuais
ou auditivos, que propiciam um déficit cognitivo (problemas de memória,
raciocínio, atenção, concentração, entre outros) que pode mascarar um
transtorno de aprendizagem ou pode agravá-lo.

2.2 Demência

Conceito

Demência é uma condição em que ocorre perda da função cerebral. É um


conjunto de sintomas que afetam diretamente a qualidade de vida da pessoa,
levando a problemas cognitivos, de memória, raciocínio e afetando, também, a
linguagem, o comportamento e alterando a própria personalidade.

Tipos de Demências

As demências podem ser agrupadas em dois grandes grupos: as reversíveis e


as irreversíveis, estas últimas também chamadas de degenerativas. As
demências do tipo irreversível também são progressivas, ou seja, pioram com o
passar do tempo. O melhor exemplo de demência degenerativa é a doença
de Alzheimer. Os danos causados ao cérebro, neste caso, não podem, portanto,
ser interrompidos ou revertidos.

Já as demências reversíveis são aquelas que, apesar de causarem danos ao


cérebro, podem ter seus sintomas revertidos. Bons exemplos para esse caso
são tumores cerebrais, deficiência de vitamina B12, hidrocefalia normotensiva,
entre outros.

Demências degenerativas
Doença de Alzheimer

Demência com corpos de Lewy, cujos sintomas são similares aos do Alzheimer
e cuja incidência é a segunda maior entre as demências (perdendo apenas para
o próprio Alzheimer)

Demência vascular, resultante de uma série de pequenos acidentes vasculares


cerebrais (AVC)

Demência frontotemporal, que é uma degeneração que ocorre no lóbulo frontal


do cérebro e que pode se espalhar para o lóbulo temporal.

Demências reversíveis

Tumores cerebrais

Demências de causa metabólica, em que há alterações nos níveis


de açúcar, sódio e cálcio no sangue.

Baixos níveis de vitamina B12.

Hidrocefalia normotensiva.

Uso de determinados medicamentos, principalmente alguns para


tratar colesterol.

Abuso crônico do álcool.

Outras demências

Traumatismo craniano.

Doença de Parkinson.

Esclerose múltipla.

Doença de Huntington.

Doença de Pick.

Paralisia supranuclear progressiva.

Infecções que podem afetar o cérebro, como HIV/AIDS e doença de Lyme.


Doença de Creutzfeldt-Jakob.

Sinais e Sintomas

A perda de memória e outros sintomas de demência têm muitas causas, por isso
o diagnóstico pode ser bastante difícil.

Diagnostico

Para diagnosticar a causa exata de seus sintomas, o médico irá realizar uma
série de perguntas sobre histórico clínico do paciente, questionar-lhe sobre
sintomas e realizar um exame físico. O médico ou médica pode, também,
solicitar uma série de exames para diagnosticar a demência e descartar
possíveis outras condições.

Essas especialidades que podem diagnosticar uma demência estão:

Clínica médica.

Neurologia.

Geriatria.

2.3 Disfunções Executivas

Conceito

Estas deficiências se devem a uma disfunção dos lobos frontais ou de suas


interconexões. Os indivíduos que sofrem este tipo de transtorno possuem
dificuldades de atenção e da memória executiva (alteração da capacidade para
recordar algo durante um período suficientemente longo), têm dificuldade para
iniciar, manter e inter-relacionar grupos de ideias abstratas e são incapazes de
compreender a relação entre as coisas.
A Disfunção Executiva pode dever-se a lesões em vários circuitos cerebrais,
como os do córtex pré-frontal dorsolateral, núcleo caudado, globo pálido,
substância negra e tálamo. Portanto, trata-se de um transtorno de origem
predominantemente orgânica.
Este transtorno pode afetar profundamente a capacidade de independência dos
pacientes idosos e originar problemas no comportamento.
Sinais e Sintomas

Problemas com a função executiva, ou disfunção executiva, parecem diferentes


para pessoas diferentes. Não há um motivo ou causa para a Disfunção
Executiva, e, como é o caso de todas as diferenças de aprendizado, os
indivíduos devem ser avaliados caso a caso quanto aos seus pontos fortes e
fracos.

Condições associadas à disfunção executiva

Distúrbios psiquiátricos

Depressão.

Transtornos do Humor.

Esquizofrenia.

Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC).

Distúrbios do desenvolvimento neurológico

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

Dificuldades de aprendizagem.

Dislexia.

Lesão cerebral adquirida

Acidente vascular encefálico.

Traumatismo craniano.

Doença Cerebral.

De outros

Estresse tóxico (abuso precoce, trauma, negligência).

Exposição pré-natal ao álcool.


Diagnostico

A disfunção executiva não é um diagnóstico, mas um sintoma ou déficit que


existe co-mórbidamente com outras condições. Pessoas com distúrbios
psiquiátricos, como depressão, transtornos do humor, esquizofrenia (Elliott) e
transtorno obsessivo-compulsivo (Snyder), costumam ter dificuldades na função
executiva. Pessoas com distúrbios do neurodesenvolvimento, incluindo
transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), transtorno do espectro
do autismo (TEA), dificuldades de aprendizado e dislexia (Morin), terão
dificuldades nas habilidades da função executiva. As funções executivas estão
localizadas principalmente no lobo frontal do cérebro. Os danos a essa área por
lesão cerebral adquirida (acidente vascular cerebral, lesão cerebral traumática,
demência) também podem afetar essas funções (Centro).

2.4 Distúrbios relacionados a emoções

O distúrbio emocional se caracteriza por dificuldades sociais criadas por


comportamentos dissociativos, agressivos, amedrontados ou alienados. A rotina
estressante, juntamente à presença excessiva da tecnologia, tem afetado
seriamente a saúde emocional e mental da população. Transtornos como:
depressão, ansiedade, síndrome do pânico, estresse, fobia social, transtorno
comportamental e TOC, estão cada vez mais comuns.

Tipos de distúrbios emocionais

Depressão

A depressão é uma doença que tem sua origem na confluência de fatores


emocionais, mentais e físicos. Além das angústias sociais, o paciente depressivo
possui um forte desequilíbrio químico que afeta os seus neurotransmissores. Os
sintomas podem ser tanto de ordem emocional quanto física, sendo que a
tristeza persistente e profunda é o traço mais marcante da doença.

Ansiedade

Quando na medida certa, a ansiedade é positiva para o ser humano, pois age
liberando uma série de hormônios capazes de nos tornar mais alertas e ativos
diante dos desafios. Contudo, quando demasiada, a ansiedade se torna um
grave transtorno emocional que prejudica a vida social e profissional do
indivíduo. Uma pessoa que sofre de um distúrbio de ansiedade está sempre
angustiada em relação a algo que está por vir, não conseguindo se dissociar
desse foco e sofrendo muito.

Síndrome do Pânico

Um dos tipos de transtornos emocionais mais frequentes atualmente é


a Síndrome do Pânico, desencadeada por situações estressantes ou
traumáticas. Trata-se de crises agudas de ansiedade em que o indivíduo tem
intenso medo e angústia de que algo muito ruim irá acontecer, mesmo tendo
consciência de que isso é improvável. Os episódios desse transtorno emocional
acontecem de forma inesperada, tendo sintomas emocionais e físicos que
podem levar o indivíduo até um desmaio.

Estresse

O mal do século, o estresse, está presente na vida de grande parte da população


mundial. Seu crescimento é creditado ao estilo de vida moderno, em que os
indivíduos são cobrados intensamente o tempo todo. O estresse pode se
manifestar de maneiras diversas, incluindo sintomas emocionais – como
irritação, descontrole emocional, choro e extrema preocupação – e sintomas
físicos, incluindo fortes dores de cabeça, estômago, pelo corpo, bruxismo,
sudorese, tremores e tonturas.

Fobia Social

O desconforto extremo em situações sociais, como ir a uma festa, por exemplo,


vai muito além da dificuldade de estabelecer uma conversa com pessoas
desconhecidas. Quando esse medo/desconforto impede que o indivíduo realize
alguma atividade em sua vida, se caracteriza como um transtorno emocional
chamado de fobia social. Uma pessoa com esse distúrbio pode apresentar
Pânico em situações públicas e sociais e sintomas físicos, como sudorese e até
diarreia quando se vê diante de uma situação social desconfortável.

Transtorno Comportamental Emocional


Um distúrbio comportamental emocional afeta a capacidade de uma pessoa de
ser feliz, controlar suas emoções e prestar atenção na escola. Os sintomas de
um distúrbio comportamental emocional incluem: Ações impróprias ou emoções
em circunstâncias normais; Dificuldades de aprendizagem que não são
causadas por outro fator de saúde; Dificuldade com relacionamentos
interpessoais, incluindo relacionamentos com professores e colegas; Um
sentimento geral de infelicidade ou depressão; Sentimentos de medo e
ansiedade relacionados a assuntos pessoais ou escolares.

Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC)

O TOC é caracterizado por medos e pensamentos irracionais que levam a


obsessões, que, por sua vez, causam compulsões. Se você tem TOC, você se
envolve em comportamento compulsivo e repetitivo, apesar de perceber as
consequências negativas – ou mesmo a natureza irracional – de suas ações.
Realizar esses atos repetitivos não faz mais do que aliviar o estresse
temporariamente.

Sinais e Sintomas

Fica facilmente irritada ou nervosa;

Muitas vezes apresenta raiva

Tem o hábito de colocar culpa nos outros;

Recusa-se a seguir regras ou autoridade questionadora;

Argumentos normalmente sem fundamentos;

Dificuldade em lidar com a frustração

Diagnostico

Profissionais de saúde mental e centros de tratamento podem avaliar as pessoas


para determinar se elas têm ou não algum transtorno emocional ou
comportamental. Ao contrário de outros tipos de problemas de saúde, um
distúrbio emocional terá principalmente sintomas emocionais, com ausência de
sintomas físicos, como febre, erupção cutânea ou cefaleia. No entanto, às vezes,
pessoas que sofrem de um distúrbio emocional desenvolvem um problema de
abuso de substâncias, que pode apresentar sintomas físicos.

Se não tratado, um distúrbio emocional pode ter efeitos negativos de curto e


longo prazo na vida pessoal e profissional de um indivíduo, como perder seu
emprego, casamentos desmoronarem, entre tantos outros. Quanto mais cedo
um distúrbio comportamental é diagnosticado e tratado adequadamente, mais
provável é que uma pessoa que sofra dele seja capaz de controlar seu
comportamento.

3. Correlação Estrutura Função nas Neurociências – Percepção


atenção e memória.

3.1 Anosognosia

Conceito

Anosognosia corresponde à perda de consciência e negação sobre a própria


doença e suas limitações. Normalmente a anosognosia é um sintoma ou uma
consequência de doenças neurológicas, podendo ser comum em fases iniciais
ou estágios mais graves do Alzheimer, esquizofrenia ou demência, por exemplo,
sendo mais frequente em idosos.

Sinais e Sintomas

A anosognosia pode ser percebida por meio da mudança de comportamento


repentino da pessoa, como o surgimento de comportamentos com o objetivo de
chamar a atenção, por exemplo. Outros sinais que podem auxiliar tanto o médico
quanto à família a identificar a anosognosia são:

Uso sempre da mesma roupa sem ter consciência disso;

Diminuição dos hábitos de higiene;

Alterações no humor por ter sua condição confrontada por outras pessoas;

Falta de consciência sobre sua doença.

Além disso, a pessoa pode achar que consegue movimentar normalmente o


braço, por exemplo, quando na verdade não consegue, ou achar que respondeu
todas as questões corretamente em um teste, quando na verdade falhou, e não
perceber o erro. Esses sinais devem ser observados pela família e comunicados
ao geriatra para que possa ser identificada a causa e iniciado o tratamento.

Principais causas

A anosognosia geralmente é sintoma ou consequência de


condições neurológicas como:

Acidente vascular cerebral (AVC): É a interrupção de fluxo sanguíneo para


alguma região do cérebro, causando paralisia de uma parte do corpo, dificuldade
para falar e tontura. Saiba como identificar e tratar o AVC.

Esquizofrenia: É uma doença psiquiátrica caracterizada pela alteração no


funcionamento da mente levando a distúrbios no pensamento e no
comportamento. Entenda mais sobre a esquizofrenia.

Demência: Corresponde à perda progressiva e irreversível das funções


intelectuais, o que pode resultar em perda da memória, raciocínio e linguagem,
por exemplo. Veja quais são os sintomas da demência.

Alzheimer: É uma doença neurodegenerativa caracterizada por alterações


progressivas da memória. Saiba como identificar e quais os sinais e sintomas do
Alzheimer.

Hemiplegia: É um tipo de paralisia cerebral que atinge um dos lados do corpo.


Saiba o que é hemiplegia cerebral e suas características.

Transtorno bipolar: Corresponde à alternância de humor que podem durar


dias, meses ou anos.

Diagnostico

O diagnóstico é feito pelo neurologista ou pelo geriatra a partir dos relatos da


família e observação do comportamento da pessoa, levando em consideração
alguns fatores como linguagem, memória, alteração de personalidade e
habilidade para realizar determinada tarefa.

3.2 Amnésias
Conceito

A amnésia é um distúrbio de memória que faz com que o indivíduo perca tudo o
que foi armazenado nos lobos frontais, temporais e parietais ao longo de sua
vida. A perda de memória pode ser parcial, quando o indivíduo temporariamente
permanece sem se recordar do seu passado; ou total, quando não mais se
recorda e não mais existem possibilidades de haver recordação do passado.

A amnésia normalmente é provocada por algum tipo de doença neurológica


degenerativa ou por problemas relacionados às partes do cérebro responsáveis
pelo armazenamento de informações e vivências como o alcoolismo, drogas,
acidentes em que a cabeça é afetada e outros.

Tipo de Amnésias

Amnésia Anterógrada: o indivíduo se lembra de perfeitamente das ocorrências


em longo prazo, porém não se recorda dos acontecimentos recentes.
Normalmente ocorre por traumas cerebrais.

Amnésia Retrógrada: o indivíduo se recorda somente dos fatos ocorridos


depois do trauma sofrido, esquecendo-se dos fatos passados.

Amnésia Global Transitória: o indivíduo dificilmente é diagnosticado, pois esse


tipo de distúrbio possui características anterógradas e retrógradas, dificultando
sua identificação. Acredita-se que pode ocorrer por causa de qualquer fato que
diminui o fluxo sanguíneo no encéfalo como relações sexuais, banhos frios,
estresse, esforço físico e mais. Quando detectada é facilmente tratada.

Amnésia Psicogênica: o indivíduo induzido por traumas psicológicos bloqueia


algumas informações de sua memória sendo que esse bloqueio provoca o
esquecimento que pode ser anterógrado ou retrógrado. Tal bloqueio ocorre
quando as emoções de um indivíduo sofrem algum tipo de sensação muito forte
ou quando a mente utiliza o bloqueio como mecanismo de defesa.

Sinais e Sintomas

Dependendo da gravidade da lesão, as amnésias podem perdurar apenas


alguns minutos, horas ou um período mais longo. Por vezes a memória é
perdida, repentina mas temporariamente (chamada amnésia global
transitória).Algumas pessoas recuperam sua memória sem tratamento. No
entanto, no caso em que as lesões cerebrais são graves, pode ser perdida a
capacidade de formar novas memórias. As pessoas afetadas são mais
propensas a lembrar de coisas do passado distante. Por exemplo, as pessoas
podem se lembrar de seu cônjuge de seu primeiro casamento, mas não do
casamento atual.

A forma como a amnésia é causada ainda não é completamente compreendida.


Pode resultar de:

Um problema nutricional, particularmente deficiência de tiamina.

Um traumatismo craniano que afete o cérebro.

Distúrbios que reduzam o fornecimento de sangue ou de nutrientes para o


cérebro (incluindo acidentes vasculares cerebrais e parada cardíaca).

Convulsões.

Infecção cerebral (encefalite).

Demência como doença de Alzheimer.

Abuso crônico de álcool.

Um tumor cerebral.

Estresse mental grave (como ocorre na amnésia dissociativa).

O uso de certos medicamentos (como a anfotericina B ou lítio).

Dependendo da causa, a amnésia pode ser.

Temporária, como ocorre após traumatismo craniano.

Permanente e inalterável como ocorrem após um problema sério como encefalite


ou um acidente vascular cerebral que afete grande parte do cérebro

Progressiva (como ocorre em distúrbios que causam degeneração progressiva


do cérebro, como doença de Alzheimer).
Diagnostico

Avaliação de um médico.

Testes formais de memória.

Os médicos avaliam a perda de memória, fazendo perguntas simples (como a


repetição de uma lista de três itens) e fazendo testes formais de memória. Os
resultados dessa avaliação e os sintomas da pessoa muitas vezes sugerem uma
causa e pode ser necessária a realização de outros exames.

Você também pode gostar