Você está na página 1de 12

Influência do Metacaulim e da Sílica nas Propriedades do Concreto

Influence of Metakaolin and Silica on Concrete Properties

Mateus Siqueira (1); Joás Tomaz (1); Anelise Azevedo (1); Allisson Silva (2); André Santos (3);
João Mota (4)

(1) Graduando em Engenharia Civil, Instituto Federal de Pernambuco (IFPE)


(2) Técnico de Laboratório de Materiais de Construção, Instituto Federal de Pernambuco (IFPE)
(3) Mestrando em Engenharia Civil, Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP)
(4) Professor Doutor, Departamento de Infraestrutura e Construção Civil, Instituto Federal de
Pernambuco (IFPE)
Av. Professor Luiz Freire, 500, Cidade Universitária, Recife-PE

Resumo
Com os avanços tecnológicos na indústria da construção civil e diante da necessidade de maior eficiência
dos processos construtivos, em razão da alta competitividade, a produção de novos materiais é
preponderante para o desenvolvimento do setor. Nessa premissa, verifica-se que as adições minerais em
compósitos cimentícios contribuem para o incremento das propriedades no estado fresco e endurecido.
Portanto, este trabalho objetiva realizar uma análise comparativa das propriedades do concreto com adição
pura e com substituição de metacaulim e sílica ativa em relação ao cimento, quantificando: o abatimento; as
resistências à compressão axial e diametral; o módulo de elasticidade e a absorção por imersão total.
Foram especificadas as famílias, a saber: traço de referência 1:1,5:2;0,5 (cimento, areia, brita e relação a/c)
com 0% de adição (família 1); com 8% de adição pura de metacaulim em relação ao cimento (família 2);
com 8% de adição pura de sílica ativa em relação ao cimento (família 3); com 8% em substituição do
cimento por metacaulim (família 4) e com 8% em substituição do cimento por sílica ativa (família 5). Os
ensaios foram realizados na idade de 28 dias, onde indicaram que as propriedades mecânicas, elásticas e
as relacionadas à durabilidade apresentaram melhorias relevantes nos concretos adicionados em relação
aos concretos convencionais.
Palavra-Chave: metacaulim, sílica, concreto, desempenho.

Abstract
The production of new materials is preponderant for the development of the construction industry, due to the
technologicals advances in the sector and the need for greater efficiency of the construction processes. In
this premise, it is verified that the mineral additions in cementitious composites contribute to the increase of
properties in the fresh state and hardened. Therefore, this work aims to perform a comparative analysis of
the properties of concrete with pure addition and by substitution in relation to the metakaolin cement and
active silica, quantifying: the abatement; resistances to axial and diametral compression; the modulus of
elasticity and the absorption by total immersion. The families were specified as follows: 1:1,5:2;0,5 (cement,
sand, gravel and a / c ratio) with 0% addition (family 1); with 8% pure addition of metakaolin in relation to
cement (family 2); with 8% pure silica addition active in relation to the cement (family 3); with 8% replacing
the cement with metakaolin (family 4) and with 8% replacing the cement with active silica (family 5). The
tests were performed at the age of 28 days. They indicated that the mechanical, elastic and durability related
properties showed relevant improvements in the concrete added with respect to conventional concretes.
Keywords: metakaolin, silica, concrete, performance.

ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 1


1 Introdução
Com os avanços tecnológicos na indústria da construção civil e diante da necessidade de
maior eficiência dos processos construtivos, em razão da alta competitividade, a produção
de novos materiais é preponderante para o desenvolvimento do setor. É importante que
as estruturas de concreto tenham durabilidade evitando custos com manutenção e
reparos excessivos.

A durabilidade mitigada da estrutura de concreto conduz a falhas ao longo do seu


processo em serviço (HOFFMANN, 2001). Além do ganho em durabilidade, a utilização
de pozolanas pode diminuir o consumo do cimento Portland proporcionando uma
produção mais sustentável (LIMA, et al., 2017).

Nessa premissa, verifica-se que as adições minerais em compósitos cimentícios,


contribuem para o incremento das propriedades no estado fresco e endurecidos,
colaborando assim para durabilidade das estruturas e sua sustentabilidade. Dentre os
componentes que podem substituir parte do material cimentício e melhorar as
características do concreto, destaca-se o metacaulim e a sílica ativa. Diversos estudos
(SANTOS et al., 2018; NEVILLE, 2016; CARMO; PORTELA, 2008; MOTA, et al., 2011;
SIDDIQUE; KLAUS, 2009; MEHTA; MONTEIRO, 2008) demonstram que o metacaulim
contribui para melhora das propriedades do concreto, contudo existe uma grande
discussão sobre proporções que podem gerar melhor eficiência.

De modo semelhante, estudos mostram que a sílica ativa quando usada para produção
do concreto causa um aumento na eficiência em relação ao concreto convencional,
verificadas melhorias na resistência mecânica e diminuir a emissão de CO2 na produção
do concreto (RODRIGUES, 2014).

Em termos gerais, os materiais pozolânicos podem ser classificados de origem natural e


artificial. A NBR 12653: 2015 classifica a metacaulim utilizado como pozolona em material
de classe N (argilas calcinadas), função de seu aspecto natural, originado de
determinados tipos de argilas.

O metacaulim é um material constituído por sílica amorfa (silicato de alumínio hidratado,


Al2Si2O5(OH)4), sendo resultado da calcinação de argila caulinítica em temperaturas
próximo de 850ºC, tornando-se capaz de reagir com o hidróxido de cálcio - produzindo a
molécula responsável pela resistência da matriz cimentícia, silicato de cálcio hidratado
(NEVILLE, 2016). Entretanto, sabe-se que calcinação superior a 900ºC, ocorre formação
de uma estrutura estável, formada por mulita (composto cristalino) deixando baixo ou
nenhum grau de reatividade (SANTOS, 1992; SCANDIUZZI; ANDRIOLO, 1981).

Conforme a literatura, o uso de adições pozolânicas confere a compósitos como o


concreto o ganho relevante em propriedades físicas, químicas e mecânicas. Consoante
Santos et al., (2018), a adição de metacaulim proporciona incremento significativo na
resistência na compressão axial do concreto e do seu módulo de elasticidade; bem como

ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 2


a redução da absorção. Siddique e Klaus (2009) apontam também a mitigação do efeito
álcali-agregado, aumento da resistividade elétrica e difusibilidade de íons no concreto.

Por sua vez, a sílica ativa é um dos produtos resultantes do processo de fabricação do
silício metálico ou das ligas ferrosilício, com a sua produção ocorrendo em fornos elétricos
de fusão (tipo arco-voltaico) à temperatura aproximada de 2000ºC. Como resultado tem-
se a produção do monóxido de silício gasoso (SiO), que se condensa às temperaturas
mais baixas, formando o dióxido de silício (SiO2). Este apresenta uma coloração que
pode variar do cinza claro ao escuro, devido aos teores de carbono embutidos presentes
(CARMO; PORTELLA, 2008).

A sílica possui diâmetro médio entre 0,1μm e 0,2μm, sendo 50 a 100 vezes menores que
as partículas do cimento. Elevada superfície específica associada com o material em sua
forma vítrea, faz com que a sílica se torne altamente reativa, acelerando as reações com
a portlandita. Com a alta finura da sílica existe a penetração das partículas da sílica nos
espaços existentes entre as partículas do cimento, melhorando a compacidade da pasta.

Nessas premissas, as pozolanas produzem efeito físico (fíler) e efeito químico


(pozolânico) durante o processo de hidratação do cimento, atuando na formação de uma
microestrutura (ISAIAS, 1995). Dentre os efeitos da sílica ativa nas propriedades de
concreto no estado fresco, segundo Melo (2005), destacam-se: (i) Redução da exsudação
e segregação, devido ao tamanho reduzido das partículas; (ii) maior coesão; (iii) redução
da retração plástica; (iv) redução da relação a/c na zona de transição concomitantemente
com a produção de C-S-H devido reação com o hidróxido de cálcio dessa região, donde
estas duas condições reduz significativamente a porosidade da zona de transição
(interface agrado graúdo/pasta), induzindo uma estrutura mais densa (HOFFMANN,
2001).

Este trabalho tem o objetivo de realizar uma análise comparativa das propriedades do
concreto com adição pura e por substituição em relação ao cimento de metacaulim e
sílica ativa, avaliando: trabalhabilidade; resistências à compressão axial e diametral;
módulo de elasticidade e absorção por imersão total.

2 Materiais e Métodos
2.1 Materiais
Para realizar os experimentos e atingir os objetivos foi utilizado o cimento Portland CP II
Z-32, agregado miúdo composto por areia natural de natureza quartzosa amplamente
encontrada na Região Metropolitana do Recife (RMR) e caracterizado conforme a Tabela
1 e Figura 1.
Tabela 1 – Características do agregado miúdo
Descrição Resultados
Massa unitária (NBR NM 45:2006) 1299,79 kg/m³
Módulo de finura (NBR NM 248:2003) 2,28
Diâmetro máximo (NBR NM 248:2003) 2,36 mm
Material fino por lavagem – peneira 75 um (NBR NM 46:2003) 5,38%
ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 3
Figura 1 – Curva granulométrica do agregado miúdo

Com relação ao agregado graúdo, a sua natureza mineralógica é granítica, sendo


amplamente encontrado na região. Algumas características estão na Tabela 2 e na Figura
2.

Tabela 2 – Características do agregado graúdo


Descrição Resultados
Massa específica (NBR NM 53:2009) 2,69 g/cm³
Massa específica aparente (NBR NM 53:2009) 2,66 g/cm³
Massa específica na condição SSD (NBR NM 53:2009) 2,67 g/cm³
Absorção (NBR NM 53:2009) 0,32%
Massa unitária (NBR NM 45:2006) 1550,81 kg/m³
Módulo de finura (NBR NM 248:2003) 7,01
Diâmetro máximo (NBR NM 248:2003) 25,00 mm
Material fino por lavagem – peneira 75 um (NBR NM 46:2003) 0,33%

Figura 2 – Curva granulométrica do agregado graúdo

A água utilizada foi proveniente da rede de abastecimento pública da cidade do Recife -


Companhia Pernambucana de Saneamento S.A. (Compesa), com pH próximo de 6,5.
ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 4
A metacaulim utilizada foi originada da argila caulinítica, e características conforme
Tabela 3.

Tabela 3 – Características da Metacaulim


Propriedades Resultados
Dióxido de silício - SiO2 (%) 57
Óxido de alumínio - Al2O3 (%) 34
Óxido de ferro - Fe2O3 (%) 2
TiO2 (%) 1,5
Químicas Óxido de Magnésio – MgO+ Óxido de cálcio – CaO (%) < 0,1
Na2O < 0,1
Sulfato – SO4 (%) < 0,1
Área Específica – BET (cm²/g) 230.000
Resíduos na peneira #325 (%) 6
Fonte: Fabricante.

A sílica ativa utilizada neste trabalho apresenta propriedades na Tabela 4.

Tabela 4 – Características da Sílica


Propriedades Resultados
Teor de SiO2 (%) 86,0
Perda ao fogo (%) 3,0
Umidade (%) 1,0
Equivalente alcalino em Na2O (%) 1,0
Fonte: Fabricante.

2.2 Método
A tabela 5 mostra as famílias estudadas.

Tabela 5 – Famílias dos concretos estudados


Famílias Traço (cimento, areia,
brita, relação a/c, Número de corpo de
Sigla Descrição pozolana em relação prova
ao cimento)
F1 Referência 0% de pozolanas 1,0:1,5:2,0:0,55 12
F2 8% adição pura de metacaulim 1,0:1,5:2,0:0,55:0,08 12
F3 8% adição pura de sílica ativa 1,0:1,5:2,0:0,55:0,08 12
F4 8% de substituição do cimento por metacaulim 0,92:1,5:2,0:0,55:0,08 12
F5 8% de substituição de cimento por sílica ativa 0,92:0:1,5:2,0:0,55:0,08 12

Foi considerada essa proporcionalidade para as pozolanas, tendo em vista se verificar


teor em relação ao cimento próximo ao ideal para incrementos de propriedades
(LACERDA; HELENE, 2005; MOTA et al., 2011).

Moldaram-se os corpos de prova cilíndricos de dimensões 100 x 200 mm, conforme a


NBR 5738/2016. O número de CP’s realizados por ensaios, para cada família, foi: (i) 6
(seis) para compressão axial/módulo de elasticidade; (ii) 3 (três) na tração por
ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 5
compressão diametral; (iii) 3 (três) para absorção, sendo ensaiados aos 28 dias - (Figura
3). O procedimento de cura foi realizado em camada úmida no laboratório, conforme a
NBR 5738/2016.

Concernente aos ensaios realizados, utilizou-se a prensa servo controla com capacidade
de carga de até 2000 kN, onde o módulo de elasticidade foi obtido com extensômetros
digitais para micro deformações com precisão de 0,1 μm.

(a) (b) (c)


Figura 3 – Corpos de prova moldados; ensaio de abatimento; compressão diametral

Os resultados obtidos dos ensaios realizados foram analisados por meio de parâmetros
estatísticos com o auxílio do Microsoft Excel 2013 e o software IBM SPSS Statistics 21®.

3 Resultados e Discussão
O ensaio de slump test mostrou que a família de referência (F1) teve 20 mm de
abatimento e demais famílias (F2, F3, F4 e F5) 10, 9, 8 e 6,5 mm – respectivamente.
Especificou-se não usar aditivo tensoativo (plastificante), fixando uma matriz para
trabalhabilidade, haja vista que o objetivo era mostrar a condição real, maior ou menor de
trabalho do concreto. No mais, justifica-se de forma análoga a segregação e exsudação,
ou seja, o menor abatimento nas famílias com pozolanas, devido maior empacotamento
da mistura (espécie de rede) por adição substancial de finos.

A resistência à compressão axial e desvio padrão dos concretos estudados consta nos
gráficos das Figuras 4 e 5. Identificaram-se incremento nas famílias com adição de
pozolanas, fundamentalmente quando adicionados por substituição de cimento. Esta
condição pode ser justificada devido às reações pozolânicas [refinamento dos vazios com
preenchimento dos capilares, principalmente com a molécula responsável pela resistência
da matriz cimentícia, C-S-H (reação da sílica da pozolana com a portlandita do cimento) ]
ocorrerem em idades elevadas. Portanto, é provável que acima dos 90 dias as amostras
com adição pura de pozolana se elevem significativamente.

ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 6


Figura 4 - Resistência à compressão axial aos 28 dias

Figura 5 – Compressão a compressão axial aos 28 dias e desvio-padrão

Buscando complementar a análise comparativa entre famílias, realizou-se análise de


variância (ANOVA) para verificar se existem diferenças estatísticas. Assim, considerando
o p-value apresentado pela realização do teste, as resistências das famílias analisadas
são estatisticamente diferentes (p-value ≤ 0,05), com exceção dos resultados obtidos
entre as famílias F2 e F3 (p-value 0,522). Isso evidencia que o uso de adições e
substituições aumenta a resistência do concreto (Tabela 6).
ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 7
Tabela 6 – ANOVA para a resistência à compressão axial aos 28 dias
Famílias Família 1 Família 2 Família 3 Família 4 Família 5

Família 1 -

MW (U) = 0,000
Família 2 Z = -2,882 -
p-value = 0,004
MW (U) = 0,000 MW (U) = 14,000
Família 3 Z = -2,882 Z = -0,641 -
p-value = 0,004 p-value = 0,522
MW (U) = 0,000 MW (U) = 0,000 MW (U) = 0,000
Família 4 Z = -2,800 Z = -2,882 Z = -2,882 -
p-value = 0,000 p-value = 0,004 p-value = 0,004
MW (U) = 0,000 MW (U) = 0,000 MW (U) = 0,000 MW (U) = 4,000
Família 5 Z = -2,882 Z = -2,882 Z = -2,882 Z = -2,242 -
p-value = 0,004 p-value = 0,004 p-value = 0,004 p-value = 0,025
p-value ≤ 0,05 as duas famílias apresentam resistência a compressão axial estatisticamente diferentes
p-value > 0,05 as duas famílias não apresentam resistência a compressão axial estatisticamente diferentes

Os resultados obtidos pelo ensaio de compressão diametral mostraram um aumento da


resistência à tração para todas as famílias quando comparadas a Família 1. Os resultados
estão apresentados na tabela 7.

Tabela 7 – Resultado de estatística básica do ensaio de compressão diametral aos 28 dias


Coeficiente
Desvio-
Famílias CPs Resistências Média Mediana Variância de
Padrão
Variação

F1-CP1 2,44
Família 1 F1-CP2 2,41 2,45 2,44 0,0458 0,0021 1,870%
F1-CP3 2,50
F2-CP1 2,42
Família 2 F2-CP2 2,48 2,47 2,48 0,0458 0,0021 1,855%
F2-CP3 2,51
F3-CP1 3,14
Família 3 F3-CP2 2,81 2,83 2,81 0,3005 0,0903 10,618%
F3-CP3 2,54
F4-CP1 3,30
Família 4 F4-CP2 4,02 3,72 3,84 0,3747 0,1404 10,073%
F4-CP3 3,84
F5-CP1 3,47
Família 5 F5-CP2 3,58 3,55 3,58 0,0737 0,0054 2,074%
F5-CP3 3,61

ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 8


Os resultados apresentaram a família 3 como maior resultado com adição pura, e, a
família 4 maior resultado por substituição de cimento. Isso mostra que os materiais
pozolânicos promoverem reações químicas que reduze a relação a/c e concentração de
cristais de hidróxido de cálcio na zona de transição – produzindo C-S-H, mitigando, por
conseguinte, um dos principais pontos da fragilidade do concreto (SANTOS et al., 2018;
HOFFMANN, 2001; MOTA et al., 2011; MOTA, 2015).

O módulo de elasticidade do concreto possui uma variação crescente em razão do


aumento da resistência a compressão. Neville (2016) comenta que não há uma
concordância como essa variação se comporta. Entende-se que o módulo de elasticidade
dos agregados graúdos e a proporção volumétrica deste e da pasta influenciam à baila. A
Tabela 8 apresenta os resultados do Módulo de elasticidade das famílias estudadas.

Tabela 8 – Módulo de elasticidade aos 28 dias


Coeficiente
Desvio-
Famílias Média Mediana Variância de
Padrão
Variação

Família
25,83 25,70 3,3020 10,9033 12,782%
1

Família
26,77 27,20 1,2097 1,4633 4,519%
2

Família
26,90 27,40 1,4177 2,0100 5,270%
3

Família
31,73 32,30 1,2503 1,5633 3,940%
4

Família
27,10 26,80 0,5196 0,2700 1,917%
5

Observou-se a correlação crescente do módulo de elasticidade em função da resistência


a compressão axial do concreto. Entretanto, de modo significativo, atenta-se para a
família (4), de forma que a substituição parcial do metacaulim produziu maiores valores de
módulo em relação às demais famílias.

Em relação a absorção, não se verificou diferença significativa entre as famílias,


provavelmente pela maior superfície específica, que impõe elevada absorção, e,
fundamentalmente pelas reações pozolânicas ocorrerem significativamente em idades
superiores a 90 dias, onde a partir de então, verificam-se mitigação de veias e meniscos
capilares - reduzindo o índice de vazios.
ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 9
4 Considerações Finais
Em função dos resultados obtidos nos ensaios, podem-se enumerar as conclusões
restritas às amostras estudadas a saber:

- A resistência à compressão dos concretos aos 28 dias propiciou correlações que


levaram a indicar a eficiência do acréscimo do mineral (por meio de substituição) em
relação ao concreto de referência. A amostra com 8% de metacaulim em substituição ao
cimento (F4) apresentou maior incremento, próximo de 60% em relação à amostra de
referência (sem adição – F1);

- Verificou-se que, dentre os valores analisados, o maior benefício foi quando se utilizou
metacaulim na proporção de 8% em substituição ao cimento, pois a tração por
compressão diametral aos 28 dias ficou em torno de 52% quando comparado com a
amostra sem adição;

- O módulo de elasticidade aos 28 dias de idade, apresentou melhoria da família com 8%


de metacaulim (em termos de substituição) em 26% em relação a amostra sem adição;

- Não se verificou redução significativa na absorção entre as famílias estudadas;

- No contexto das variações identificadas com o uso de adição pura e substituição parcial
de cimento, foi constatada importância dos materiais pozolânicos devido sua contribuição
na densificação do compósito, conduzindo ao aumento no desempenho das propriedades
analisadas (favorecimento na capacidade de suporte das cargas atuantes e durabilidade);

- Salienta-se que, esse estudo se limitou a investigação das propriedades dos concretos
aos 28 dias, fato que, muito provavelmente, levou a não se verificar todo potencial dos
benefícios da metacaulim e da sílica ativa, devido às reações pozolânicas ocorrerem de
forma lenta e incrementar ao longo do tempo as propriedades mecânicas,
concomitantemente com a redução do índice de vazios (geração substancial de C-S-H);

- Portanto, de forma geral, a substituição de cimento por metacaulim apresentou a maior


resistência, podendo ser creditado a idade de 28 dias - ao efeito fíler (fenômeno físico) e a
aceleração da hidratação do cimento (fenômeno relacionado a nucleação). Ademais,
pode-se dizer que, as reações pozolânicas por serem lentas (fenômeno químico), de tal
forma que em idades mais elevadas apresentam condição mais satisfatória devida
geração abundante de C-S-H, poderia influenciar na resistência mecânica mais
significativamente às amostras com adição pura;

- Para estudos futuros, deve buscar analisar as propriedades do concreto em várias


idades, outros teores de adição, bem como utilizar uma maior quantidade de corpos de
prova para garantir uma maior acurácia e consistência nos testes estatísticos.

ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 10


5 Referências
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12653. Materiais
pozolânicos - Requisitos. Rio de Janeiro, 2015.

________, NBR 5738. Concreto - Procedimento para moldagem e cura de corpos de


prova. Rio de Janeiro, 2016.

________, NBR NM 248: Agregados – Determinação da composição granulométrica.


Rio de Janeiro, 2003.

________, NBR NM 45: Agregados – Agregados – Determinação da massa unitária e


do volume de vazios. Rio de Janeiro, 2006

________, NBR NM 46: Agregados – Determinação do material fino que passa


através da peneira 75 um, por lavagem. Rio de Janeiro, 2003.

________, NBR NM 53: Agregado graúdo – Determinação da massa específica,


massa específica aparente e absorção de água. Rio de Janeiro, 2009.

CARMO, J. B. M.; PORTELA, L. F. Estudo comparativo do desempenho mecânico da


sílica ativa e do metacaulim como adições químicas minerais em estruturas de
concreto. Revista cerâmica n. 54, p. 309-318, 2008.

HOFFMANN, A. T. Influência da adição de sílica ativa, relação água/aglomerante,


temperatura e tempo de cura no coeficiente de difusão de cloretos em concretos.
2001. 145 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Escola de Engenharia,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

ISAIAS, G. C. Efeito de misturas binárias e ternárias de pozolanas em concreto de


elevado desempenho: um estudo com vistas à corrosão da armadura. 1995. Tese
(Doutorado em Engenharia Civil), Escola Politécnica de São Paulo, São Paulo.

LACERDA, C. S.; HELENE, P. R. Estudo da influência da substituição de cimento


Portland por metacaulim em concretos. Boletim técnico da Escola Politécnica da USP.
São Paulo: EPUSP, 20 p. 2005.

LIMA, B. L. N., OLIVEIRA, M. da S., OLIVEIRA, P. T., SILVA, D. L. da. Análise do


potencial da sílica ativa na resistência à compressão do concreto. LIX Congresso
Brasileiro do Concreto. Anais... IBRACON. 2017

MEHTA, P. K.; MONTEIRO, P.J.M. Concreto: microestrutura, propriedades e


materiais. São Paulo, 2008.

ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 11


MELO, K. A. Contribuição à dosagem de concreto auto adensável com adição de
fíler calcário. 2005. 183 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Programa de
Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina,
Florianópolis.

MOTA, J. M. F. Reforço de alvenarias Resistente com Argamassa Armada e Adição


de Metacaulim. Tese de doutorado, UFPE – Universidade Federal de Pernambuco.
Recife, 2015.

MOTA, J. M. F.; CARASEK, H.; COSTA E SILVA, A. J.; BARBOSA, F. R.; FEITOSA, A.;
SANTOS, W. In: Argamassas inorgânicas com adição de metacaulim. XI SBTA –
Simpósio Brasileiro de Tecnologia de Argamassa. Belo Horizonte, 2011.

MOTA, J.M.F.; DOURADO, K.C.; BARBOSA, F.R.; COSTA e SILVA, A.J.; SILVA, E.J.;
CARVALHO, J.R. Concretos Adicionados com Metacaulim como agente de mitigação da
RAA. 53º Congresso Brasileiro do Concreto. Florianópolis, IBRACON, 2011.

NEVILLE, A. M. Propriedades do concreto. 5. Editora Bookman. Porto Alegre, 2016.

RODRIGUES, D. A. E. Efeitos da adição de metacaulim na absorção capilar e


profundidade de carbonatação de concretos. 2014. 61 f. Dissertação (Mestrado em
Engenharia Química) – Programa de Pós-graduação em Engenharia Química,
Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

SANTOS, S. P. Ciência e tecnologia de argilas. 2ª edição. São Paulo: Edgard Blucher,


1992.

SANTOS, A.M.; LIMA, M.J.S.; MOTA, J.M.F.; FRANCELINO, M.J.M.; BARBOSA, F. R.


Influência da pozolana metacaulim nas propriedades de concretos. 60º Congresso
Brasileiro do Concreto. Foz do Iguaçu, IBRACON, 2018.

SCANDIUZZI, L.; ANDRIOLLO, F. R. Materiais pozolânicos – utilização e benefícios,


Colóquio sobre concreto massa. São Paulo, IBRACON, 1981.

SIDDIQUE, R.; KLAUS, J. Influence of metakaolin on the properties of mortar and


concrete: A review. Applied Clay Science, Volume 43, Issues 3-4, March 2009, p. 392-
400.

ANAIS DO 61º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2019 – 61CBC2019 12

Você também pode gostar