Você está na página 1de 96

Rochas

Prof.ª Natália Ramalho Souza Lima


Introdução

A geologia é a ciência que estuda a origem, os processos


de formação, a estrutura e a composição da crosta
terrestre.
Uma parte da geologia estuda os processos de formação
das rochas, os quais, em sua maioria, são resultado do
embate das forças da natureza que podem ser
provenientes da dinâmica interna ou externa da Terra.
Vulcões e terremotos são exemplos da dinâmica interna da
Terra. A dinâmica externa envolve processos como o de
erosão e sedimentação.
Introdução

Além dos processos naturais, existem os processos


artificias de transformação, desencadeados pelas ações
humanas, como por exemplo, modificação do regime de
escoamento, desmatamento e aumento da produção de
sedimentos, garimpagem e extração de minerais, produção
de rejeitos que liberam elementos tóxicos, entulhamento
de vales, dentre outras.
Introdução

Junto com a madeira, as rochas são os materiais mais antigos utilizados pelo homem.

Pré-história

A grande estátua do Buda Adormecido


China - 1179 e 1249
Os gigantes da Ilha de Páscoa
século seis
MENHIRES
Monumento pré-histórico de pedra, cravado verticalmente no solo.

SALENTO – ITÁLIA ALMENDRES


AC PORTUGAL
AC
Ponte de pedra
PORTA DOS LEÕES – MICENAS (800 AC)
PIRÂMIDES – EGITO
Rochas calcárias

Pirâmide torta
Pirâmides de Degraus 2575 e 2551 a.C
2630 e 2611 a.C
PIRÂMIDES – EGITO
Rochas calcárias

Pirâmides de Quéops Pirâmide de Kefrens - 2520 e 2494 AC


2551 a 2528 a.C revestida de pedra calcária e granito
vermelho

Pirâmide de Miquerinos
2490 a 2472 a.C
ACRÓPOLE DE ATENAS
GRÉCIA – 500 AC
TEMPLO DE ZEUS
DELFOS
ITÁLIA - POMPÉIA
IGREJA DE NOTRE-DAME – FRANÇA SÉCULO XII
Formação e Classificação das Rochas

• Do ponto de vista da geologia pura, são todos os


elementos constituintes da crosta terrestre.

• Do ponto de vista da geologia aplicada a palavra está


condicionada à resistência e durabilidade do material.
Formação e Classificação das Rochas

Uma rocha é definida como um corpo sólido natural,


resultante de um processo geológico determinado,
formado por agregados de um ou mais minerais
arranjados, segundo condições de temperatura e pressão
existentes durante sua formação.

De acordo com o processo de formação, podemos


classificar as rochas em:

• Rochas Ígneas ou Magmáticas


• Rochas Sedimentares
• Rochas Metamórficas
Rochas Ígneas ou Magmáticas

Resultam da solidificação do magma.


Quando formadas em profundidade (dentro da crosta) são
chamadas de rochas plutônicas ou intrusivas e neste caso
são formadas por uma estrutura cristalina e apresentam
textura de graduação grossa. Seu resfriamento é lento.
Caso sejam formadas na superfície terrestre pelo
extravasamento de lava por condutos vulcânicos são
chamadas de rochas vulcânicas ou extrusivas e são
caracterizadas por uma estrutura que pode ser vítrea ou
cristalina e apresentam textura com graduação fina. Seu
resfriamento é rápido.
Rochas Ígneas ou Magmáticas

Em geral, apresentam melhor comportamento


geomecânico que as demais rochas e são as mais
utilizadas na construção civil.
Por serem mais resistentes, são mais abrasivas, o que
pode causar desgaste nos equipamentos utilizados para
trabalhar esse tipo de rocha.
Como exemplos desse tipo de rochas, podemos citar os
granitos, basaltos, dioritos, entre outras.

granito basalto diorito


Rochas sedimentares

São resultantes da consolidação de sedimentos, ou seja,


formam-se a partir de partículas minerais provenientes da
desagregação e transporte de rochas pré-existentes.
Geralmente são rochas mais brandas, isto é, com menor
resistência mecânica.
Rochas sedimentares

O processo de formação das rochas sedimentares pode


ser dividido em duas etapas:
• quando ocorre a deposição, ou seja, o arranjo dos
fragmentos de rochas em camadas diferentes, formando
as rochas primárias. Este processo é de origem
mecânica.
• Após a deposição, ocorre um processo de origem
química, onde há transformação de sedimentos em
rochas por meio de um conjunto de processos químicos
e físicos, que ocorrem em condições de baixas pressões
e temperaturas, conhecido por diagênese. Nessa etapa,
a rocha é chamada de secundária.
Rochas sedimentares

Como exemplos de rochas sedimentares podemos citar:


arenitos, calcários, carvão, entre outras.

arenito calcário
Rochas Metamórficas

Resultam de outras rochas pré-existentes que, no decorrer


dos processos geológicos, sofreram mudanças
mineralógicas, químicas e estruturais, que provocaram a
instabilidade dos minerais, os quais tendem a se
transformar e rearranjar sob novas condições.
Foram originadas por alterações (textura, estrutura ou
composição mineralógica) pela ação da pressão, da
temperatura e de soluções químicas em outra rocha
qualquer.
Como exemplos de rochas metamórficas podemos citar:
gnaisses (alteração dos granitos), quartzitos, mármores
(alteração de calcários), ardósias, entre outras.
Formação e Classificação das Rochas
Rochas na Engenharia

Direcionando nosso estudo para as rochas como parte da


engenharia, podemos destacar duas finalidades das
mesmas:
• Local de instalações de obras: as rochas podem ser
utilizadas como fundações de obras, como material de
base para túneis, galerias, entre outros.
• Material de construção: materiais como pedra, brita,
areia, componentes de misturas cerâmicas, pedras para
revestimento, matérias-primas da cal e do cimento.
Rochas na Engenharia

Cada rocha tem características próprias que influenciam


no seu comportamento. Entre as principais podemos citar:
• composição mineralógica: refere-se aos minerais que
compõem cada rocha.
• textura: é o modo como os minerais estão distribuídos.
• estrutura: refere-se à homogeneidade ou
heterogeneidade dos cristais constituintes.
Minerais

Os minerais são definidos como substâncias sólidas,


naturais, inorgânicas e homogêneas, que possuem
composição química definida e estrutura atômica
característica.
São compostos químicos resultantes da associação de
átomos de dois ou mais elementos.
A composição de uma rocha quanto aos minerais nela
presentes é determinada com o auxílio da análise
petrográfica.
Minerais

Principais minerais que compõem as rochas mais


utilizadas como material de construção e suas
características:

• Caulinita: É o principal componente de argilas. Sua


massa específica é de 2,6 e sua dureza é de 1.
• Feldspato: É o material mais abundante na natureza.
Apresenta-se nas cores branca, cinza, rosa e
avermelhada. Possui massa específica entre 2,55 e 2,76
e a dureza é de aproximadamente 6. Está presente na
constituição de rochas ígneas (granito), sedimentares
(arenito) e metamórficas (gnaisses).
Minerais

• Quartzo: É um dos minerais mais comuns na natureza.


Possui as cores incolor, leitosa e cinza. Sua dureza é 7
e a massa específica é de 2,65. Está presente na
composição das rochas ígneas (granito), sedimentares
(arenito) e metamórficas (quartzitos, gnaisses).
• Mica: Possui composição química complexa. Possui
dureza de 2 a 3 na escala Mohs. Presente no granito.
• Calcita: Mineral solúvel em meio ácido. Apresenta cores
incolor e branca. Tem massa específica de 2,7 e dureza
3. Está presente nas rochas sedimentares (calcário) e
metamórficas (mármores).
Minerais

• Dolomita: Mineral menos solúvel em meio ácido que a


calcita. Apresenta cor branca e dureza de 3,5. Compõe
as rochas sedimentares (calcários dolomíticos) e
metamórficas (mármores dolomíticos).
Escala Mohs (NBR 13818/97)

Escala Mohs (NBR 13818/97)


Minerais Dureza Mohs
Talco 1
Gesso 2
Calcita 3
Fluorita 4
Apatita 5
Feldspato 6
Quartzo 7
Topázio 8
Corindon 9
Diamante 10
Rochas mais importantes
ROCHAS ÍGNEAS OU MAGMÁTICAS
GRANITO – Principais constituintes: quartzo, feldspato e mica
Principais propriedades: resistência e durabilidade
Alta dureza – dificulta o trabalho
Desgaste e choque – grande resistência.
SIENITOS – análogos ao granito; não contém quartzo
DIORITOS – semelhantes ao granito; são pretos.
Diorito
GABROS – semelhantes ao diorito; cor cinza ou esverdeada.
RIOLITOS – tipo pedra pomes.
TRAQUITOS – ásperos, pouca resistência e durabilidade.
DIABÁSICOS, BASALTOS E MELÁFIROS – à base de
feldspato; grande resistência e maior dureza entre todas
as pedras. Basalto
Rochas mais importantes
ROCHAS SEDIMENTARES
ARENITOS - constituídos por grãos de sílica ou quartzo, ligados
por cimento silicoso, argiloso ou calcário; a durabilidade depende
do material cimentante.
Rochas mais importantes

Extração da pedra sabão Aspecto do gnaisse


ROCHAS METAMÓRFICAS
GNAISSES – alteração das rochas sedimentares.
MICAXISTOS – semelhantes aos gnaisses, textura
mais fina. Ex.: pedra sabão
QUARTZITOS – resultante do metarmorfismo dos
arenitos. Compactos, resistentes e duros. GNAISSES

São Tomé Amarelo


Rochas mais importantes
ROCHAS CALCÁRIAS SEDIMENTARES E METAMÓRFICAS
Propriedades importantes:
1- calcinam-se pela ação de calor, dando CO2 e CaO;
2- atacadas por ácidos, desprendem CO2 com efervecência;
3- são facilmente riscadas por canivete (grau 3 da escala Mohs)

CALCÁRIOS – vários tipos (sedimentar)


MÁRMORES (metamórfica) – principal característica: cor
ALABASTROS (tipo de mármore) – granulação fina e textura fibrosa,
translúcido;
TRAVERTINOS (tipo de mármore) – calcários lacustres; claros, leves,
resistentes e duráveis.
Rochas mais importantes
ROCHAS CALCÁRIAS SEDIMENTARES E
METAMÓRFICAS

MÁRMORES
Branco Carrara
Branco Carrara Comercial
Extra
ALABASTROS

TRAVERTINOS

Bege Bahia Bege Bahia Navona


Clássico Select Trevi Bruto Levigado
Rochas mais importantes

MARGAS (tipo de calcário) – matéria prima para cerâmica.


ARDÓSIA (metamórfica) – utilizadas para cobertura, pisos, peitoril, soleira,
chapim e tabeira.
FILITOS (metamórfica) – duros e podem dividir-se em lâminas
Rochas sedimentares ou extratificadas
Propriedades gerais das rochas

Para definir se uma rocha é ou não adequada a determinado


uso, é preciso analisar suas propriedades e, para isso, é
necessário conhecer as principais propriedades das pedras
naturais e como influenciam nas caraterísticas do material.

• Resistência mecânica: definida como a resistência que a


pedra oferece ao ser submetida aos diferentes tipos de
esforços mecânicos, como compressão, tração, flexão e
cisalhamento, além da resistência ao desgaste e ao choque
(tenacidade). De maneira geral, as pedras naturais resistem
melhor à compressão do que aos demais esforços.
Propriedades gerais das rochas

• Durabilidade: a durabilidade é a capacidade que tem o


material de manter suas propriedades e desempenhar sua
função no decorrer do tempo, dependendo de várias
características, entre elas a porosidade, a compacidade e a
permeabilidade.
• Trabalhabilidade: é a facilidade de moldar a pedra de acordo
com o uso. Depende de fatores como a dureza e da
homogeneidade da rocha.
• Estética: depende da textura, da estrutura e coloração da
pedra, características que estão relacionadas aos minerais
que compõem a mesma.
Rochas ornamentais e de revestimento

Abrangem os tipos que podem ser extraídos em


blocos ou placas, cortados em formas variadas e
beneficiados através de esquadrejamento,
polimento, lustro, etc.

Principais campos de aplicação


• peças isoladas: esculturas, tampos e pés de
mesa, balcões, lápides;
• edificações: revestimentos internos e externos
de paredes, pisos, soleiras, etc.
Rochas ornamentais e de revestimento
Principais campos de aplicação: revestimento de pisos e paredes
Rochas ornamentais e de revestimento

Principais campos de aplicação: peça isolada


Rochas ornamentais e de revestimento
Principais campos de aplicação: mesa, bancada e painel
Rochas ornamentais e de revestimento
Principais campos de aplicação
Rochas ornamentais e de revestimento

• Ardósias não são adequadas para polimento,


por sua baixa dureza.

• Alguns quartzitos também não admitem


polimento por serem muito friáveis. Ambos,
porém, podem ser envernizados.

• As características que determinam a qualidade


da pedra ornamental são a resistência, a
resposta ao polimento e a beleza.
Rochas ornamentais e de revestimento

Os termos mármore, granito e basalto têm, no


mercado de pedras ornamentais, uma
abrangência maior do que em Geologia.

Assim, basalto designa diversos tipos de rocha


que, embora tenham em comum a origem
(vulcânica) e a cor (usualmente cinza), diferem
um pouco em sua composição, podendo ser
basaltos propriamente ditos, riolitos, dacitos e
principalmente riodacitos.
Rochas ornamentais e de revestimento

Já os chamados mármores, embora tenham


todos uma composição essencialmente
carbonática, podem ser não apenas mármores,
mas também calcários e dolomitos.

Os granitos incluem todas as demais rochas


passíveis de polimento e abrangem, além de
granitos, riolitos, sienitos, gnaisses, migmatitos,
monzonitos, charnockitos, etc.
Rochas ornamentais e de revestimento

Pedras cariri Pedrisco de arenito


Rochas ornamentais e de revestimento

Cuba e bancada em mármore branco


Rochas ornamentais e de revestimento

Cadeira e mesa Desiner Cristina Danese


Rochas ornamentais e de revestimento

Cuba e bancada em mármore branco


Rochas ornamentais e de revestimento

Fatores básicos para a exploração de uma


pedreira para rochas ornamentais:

• qualidade do material
• volume do material útil
• localização da jazida (viabilidade de
transporte)
• mercado
Rochas ornamentais e de revestimento
Jazidas

Vídeo 1: extração de rocha com


fio diamantado
Vídeo 2: extração de rocha com
explosivos
Rochas ornamentais e de revestimento
Beneficiamento:
Blocos de granito: a rocha deve ser cortada em três
direções.
Chapas: obtida pelo corte do bloco em teares com
lâminas de aço ou diamantadas.
Basaltos, quartzitos e ardósias, por ocorrerem na
natureza em estratos, necessitam de corte apenas em
duas direções.
Espessura:
grossa: 3cm
média: 2cm
fina: 1cm
Rochas ornamentais e de revestimento

Corte do bloco por fio diamantado


Rochas ornamentais e de revestimento

Serra de chapas
Rochas ornamentais e de revestimento

Acabamentos:
Bruto – Material sem acabamento.
Rochas ornamentais e de revestimento

Acabamentos:
Flameada – (jato de fogo):
confere aspecto áspero,
rugoso e ondulado, indicado
para áreas externas por
possuir propriedades anti-
derrapantes. Só pode ser
aplicado em granitos com
espessura superior do que
2cm.
Vídeo
Rochas ornamentais e de revestimento

Acabamentos:
Flameada
Na imagem ao lado foi
usado granito flameado
na borda da piscina. Essa
é uma ótima opção, já
que o material é
antiderrapante.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Apicoado – (pequenas marteladas):
confere aspereza variável, aspecto
poroso e uniforme. Chapa que
passou pelo processo de
apicoamento (impacto por picola ou
ferramenta ponteagua que provoca
sulcos (superfície áspera). Indicado
para áreas externas por possuir
propriedades anti-derrapantes. Só
pode ser aplicado em granitos com
espessura superior do que 2cm.
Vídeo
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Apicoado
Na imagem abaixo a cuba foi feita com acabamento apicoado, que
conferiu aparência rústica à peça.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Jateado – é feito através de jatos de areia e proporciona um
acabamento opaco. Indicado para revestir áreas externas e pode
ser feito tanto em mármore quanto em granito.
A imagem abaixo se trata de uma pisadeira de jardim em granito.
Muito usada para caminhos e escadas de ambientes externos. É
antiderrapante e muito resistente.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Escovado – é a superfície resultante na chapa quando a mesma
recebe tratamento de desbaste realizado por escovas de aço ou
materiais sintéticos. Podem ser executados diferentes modelos de
escovamento, com maior rugosidade, média e pouca. Dependendo
o tipo de escovas utilizadas pode ainda reproduzir em alguns
materiais uma superfície com desenho similar a couro natural.
Rochas ornamentais e de revestimento

Acabamentos:
Levigado – desbaste com
abrasivos de granulação mais
grossa (superfície áspera) /
lixamento bruto. Acabamento
semi-polido que confere
aspecto rústico e sem brilho,
indicado para áreas internas e
externas.
Pode ser feito em mármore ou
granito.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Polido – (brilho): uso de abrasivos
de menor granulometria e
aplicação de resina. Confere
aspecto liso e brilhante, indicado
para áreas secas pois após esse
acabamento a pedra fica
escorregadia.
Pode ser feito tanto em granitos,
quanto em mármores.
Vídeo
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Polido
A imagem ao lado
mostra um painel em
mármore travertino
polido.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Polido
Polimento do granito
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Resinado – cobre os poros existentes nas pedras para conferir um
polimento melhor e um brilho mais evidente. Também é indicado
para locais secos. Pode ser feito tanto em granitos, quanto em
mármores.
A imagem abaixo mostra uma peça de mármore resinado.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Principais tipos de acabamento em laterais de bordas de mármores
e granitos
Reto ou Simples: bordas simples, sem acabamento especial.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Principais tipos de acabamento em laterais de bordas de mármores
e granitos
Meia Cana: utilizado geralmente em bordas de lavatórios.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Principais tipos de acabamento em laterais de bordas de mármores
e granitos
Meia Cana com Saia: utilizado para esconder cubas de lavatórios
e lavabos que não terão gabinetes.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Principais tipos de acabamento em laterais de bordas de mármores
e granitos
Meia Esquadria: muito utilizado pois esconde a cola nas
emendas, dando aspecto de peça única.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Principais tipos de acabamento em laterais de bordas de mármores
e granitos
Bisotado: utilizado em tampos e bancadas, evita que beiradas se
quebrem.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Principais tipos de acabamento em laterais de bordas de mármores
e granitos
Boleado: utilizado em bordas de pias e bancadas.
Rochas ornamentais e de revestimento
Acabamentos:
Principais tipos de acabamento em laterais de bordas de mármores
e granitos
Peito de Pombo: utilizado principalmente em bordas de
lavatórios.
Rochas ornamentais e de revestimento
Rochas ornamentais e de revestimento
Rochas ornamentais e de revestimento
Rochas ornamentais e de revestimento
Rochas ornamentais e de revestimento
Rochas ornamentais e de revestimento
Rochas ornamentais e de revestimento

Vantagens do uso:
Beleza, Resistência e Durabilidade
Desvantagens:
Preço, variabilidade do material,
colocação (maneira, mão-de-obra).
Rochas ornamentais e de revestimento

Ao se falar em resistência e durabilidade, deve-se avaliar o


comportamento que a rocha tem quando submetida à
alterações químicas, congelamento, calor e risco.
A alteração química é fácil em rochas que contêm sulfetos
(pirita, calcopirita, marcassita e outros), minerais que sofrem
oxidação, alterando a cor da rocha e promovendo o
aparecimento de manchas escuras.
A resistência ao congelamento é importante em regiões onde
as temperaturas chegam a 0 oC. Rochas porosas podem
armazenar água que, por congelamento, sofre dilatação,
originando fraturas.
Rochas ornamentais e de revestimento

A resistência ao calor é importante porque as rochas se


dilatam quando aquecidas e, ao resfriar, contraem-se
mas sem voltar às dimensões originais. Há, portanto,
uma dilatação permanente que a leva a expandir-se
cada vez mais, podendo vir a se fraturar.

A resistência ao risco depende da dureza dos minerais


que compõem a rocha. É muito baixa, por exemplo, em
ardósias e alta em quartzitos compactos. Depende
também do grau de coerência dos cristais que a
formam.
Rochas ornamentais e de revestimento

Pode-se dizer que as rochas mais resistentes e duráveis


são os granitos e quartzitos, que resistem às intempéries
por mais de 200 anos.

Mármores de granulação fina duram 50 a 100 anos


Rochas ornamentais e de revestimento
Como diferenciar mármore e granito?

O granito é uma rocha natural ígnea formada por três minerais


(mica, feldspato e quartzo) responsáveis pela sua beleza,
resistência e durabilidade.

É muito indicado para áreas internas, externa e ideal para


bancadas de cozinhas e áreas de serviço.

Não são riscados com facilidade porque tem “dureza Mohs”


alta (entre 6 e 7).

Por ter baixa porosidade o granito não mancha e absorve


pouca água. Algumas tonalidades absorvem mais água e
outras menos.
Rochas ornamentais e de revestimento
Como diferenciar mármore e granito?
Uma diferença marcante é que o granito tem aspecto mais
“granulado”.
Principais tipos de granitos:
Rochas ornamentais e de revestimento
Como diferenciar mármore e granito?
O mármore é uma rocha natural metamórfica composta
principalmente por minerais de calcita, com coloração mais uniforme
com formação de veios definidos.
É menos resistente e mais poroso que o granito. Por ser mais poroso
é mais suscetível a manchas e pode absorver gordura, devendo ser
evitado nas cozinhas. Também não tem boa resistência contra
ácidos, podendo facilmente manchar e perder brilho quando exposto
a materiais de limpeza pesados, vinagres e limão.
O mármore deve ser utilizado em ambientes internos, porque sofre
com a ação de intempéries e da poluição.
É indicado para áreas com tráfego leve de pessoas porque
desgasta-se mais facilmente com o atrito de areias sobre o piso
porque tem “dureza Mohs” baixa (entre 3 e 4). Para o revestimento
de paredes o mármore é mais indicado porque é mais leve que o
granito.
Os mármores são mais caros que os granitos.
Rochas ornamentais e de revestimento
Como diferenciar mármore e granito?
Uma diferença marcante é que o mármore tem visual mais suave,
com veios na pedra, de aparência mais delicada.
Principais tipos de mármores:
Rochas ornamentais e de revestimento

Calcários fossilíferos podem durar apenas 20-40 anos e


certos arenitos de cimento ferruginoso podem se alterar
após cinco anos de exposição ao tempo.

O grau de resistência das rochas pode impedir seu uso


em decoração de exteriores mas ser aceitável, por
exemplo, para paredes internas. Tal é o caso de rochas
porosas em regiões de clima frio.
Rochas ornamentais e de revestimento

O quartzo róseo não é adequado para ambientes


externos porque sua cor enfraquece sob a ação do sol;
para uso em interiores, também há problemas, pois
costuma ter arestas cortantes e o seu polimento é
excessivamente oneroso.

Podem sofrer alteração de cor:


granitos vermelhos, rochas ricas em sulfetos, mármores
negros e ardósias de cores verde e vermelha.
Rochas ornamentais e de revestimento

Os quartzitos micáceos (comercialmente chamados de


Pedra Caxambu e Pedra São Tomé, por exemplo) são
maus condutores de calor, o que recomenda seu uso nas
calçadas e em torno de piscinas.

O diabásio, ao contrário, em dias bem quentes


concentra muito calor, podendo tornar impossível o
trânsito de pedestres descalços.
Referências

Normas Técnicas

• NBR 1844:2010 – Rochas para revestimento – Requisitos


para granitos
• NBR 1845:2010 – Rochas para revestimento – Métodos
de ensaio
• http://www.arquitetasnomades.com.br/tudo-o-que-voce-
precisa-saber-sobre-o-acabamento-de-granitos-e-
marmores/
• http://www.marmorariaflorianopolis.com.br/tipos-
acabamento-superficies-bordas-granitos-marmores/
• http://www.sigmadobrasil.com.br/noticia-acabamentos-de-
superficies-em-chapas.php