Você está na página 1de 2

Pensamento freudiano I - Neurose obsessiva II - 1o.

semestre de 2005

Primeiro semestre de 2005

Obsessividade e neurose obsessiva

Disciplina: Pensamento freudiano I: Obsessividade e neurose obsessiva.


Docente: Prof. Dr. Manoel Tosta Berlinck
Horário: 5as. Feiras, das 08:00 às 12:00, de 15 em 15 dias.

Ementa

Enquanto a obsessividade é uma evidente conquista da humanidade, a neurose obsessiva,


ao contrário do transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), contém um pathos psíquico de natureza
sexual, que precisa ser compreendido nas suas implicações clínicas e metapsicológicas. Essa
compreensão passa não só pela diferenciação entre obsessividade e neurose obsessiva como
requer um reconhecimento da importância do erotismo anal e do caráter que daí se deriva.

Programa

A fase obsessiva da humanidade: uma conquista da civilização.

A cultura ocidental e a obsessividade: o espírito do capitalismo e a ética protestante. O limpo e o


sujo, o puro e o impuro.

A obsessividade e a neurose obsessiva: limites e diferenças.

A neurose obsessiva: características fenomenológicas:

O caráter obsessivo em Ernest Jones e Karl Abraham.

A neurose obsessiva, uma neurose glacial?

O sadismo anal no Homem dos Ratos de Freud.

A analidade primária de André Green.

Os nomes do Pai e o superego na neurose obsessiva.

Neurose obsessiva e esquizofrenia: uma questão de íntima vizinhança.

A clínica da neurose obsessiva: escutar tricotando.

Bibliografia

- Abraham, Karl. “A valorização narcisista dos processos excretórios nos sonhos e na


neurose” (!920). In Berlinck, Manoel Tosta (org.). Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Abraham, Karl. “Contribuições à teoria do caráter anal”. (1920). In Berlinck, Manoel
Tosta (org.). Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Andréas-Salomé, Lou. “’Anal’ e ‘sexual’”. In Associação Psicanalítica de Porto Alegre
(org.). A necessidade da neurose obsessiva.Porto Alegre: APPOA, 2003.
- Associação Psicanalítica de Porto Alegre (org.). A necessidade da neurose
obsessiva. Porto Alegre: APPOA, 2003.
- Berlinck, Manoel Tosta (org.). Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Besset, Vera Lopes. “Do horror ao ato – a sexualidade na etiologia da neurose
obsessiva”. Latusa, no. 3, 1999.
- Besset, Vera Lopes e Zanotti, Susane Vasconcellos. “A enfermidade dos tabus: do querer gozar
ao querer dizer”. In Berlinck, Manoel Tosta (org.).Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Bouvet, Maurice. “O ego na neurose obsessiva. Relação de objeto e mecanismos de
defesa”. In Berlinck, Manoel Tosta (org.). Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Brusset, Bernard e Couvreur, Catherine (orgs). A neurose obsessive. Trad. de Sergio
Joaquim de Almeida e Dirceu Scali Jr.. São Paulo: Escuta, 2003.
- Costa, Ana Maria da. “Dialética do dom e exercício do sexo”. In Associação Psicanalítica
de Porto Alegre (org.). A necessidade da neurose obsessiva. Porto Alegre: APPOA, 2003.
- Ferenczi, Sándor. “”Um caso de paranóia deflagrada por uma excitação da zona anal”.
In Obras completas – I. Trad. de Álvaro Cabral. Ver. téc. de Cláudia Berliner. São Paulo: Martins
Fontes, 1991. p. 129-132.
- Ferenczi, Sándor. “Neurose obsessiva e devoção”. In Obras completas – II. Trad. de
Álvaro Cabral. Ver. téc. de Cláudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p. 131.
- Ferenczi, Sándor. “Ontogênese do interesse pelo dinheiro”. InObras completas –
II. Trad. de Álvaro Cabral. Ver. téc. de Cláudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 1992, p. 149-
156.
- Ferraz, Flávio Carvalho. “A ‘religião particular’ do neurótico”. In Berlinck, Manoel Tosta
(org.). Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Figueiredo, Luis Cláudio e Cintra, Elisa Maria Ulhoa. “Lendo André Green: o trabalho do
negativo e o paciente limite”. In Cardoso, Marta Rezende (org.). Limites. São Paulo: Escuta, 2004,
p. 13-58.
- Franco, Sergio de Gouvêa. “Pensando a neurose obsessiva a partir de Atos obsessivos e
práticas religiosas de Freud”. In Berlinck, Manoel Tosta (org.). Obsessiva neurose. São Paulo:
Escuta, 2005.
- Freud, S. “Atos obsessivos e práticas religiosas” (1907). ESB. Rio: Imago, vol. IX, 1969.
- Freud, S. “Caráter e erotismo anal” (1908). ESB. Rio: Imago, vol. IX, 1969.
- Freud, S. “Moral sexual ‘civilizada’ e doença nervosa moderna”. (1908). ESB. Rio:
Imago, vol. IX, 1969.
Freud, S. “Notas sobre um caso de neurose obsessiva”. (1909). ESB. Rio: Imago, vol. X,
1969.
- Freud. S. “Totem e tabu”. (1913). ESB. Rio: Imago, vol. XIII, 1969.
- Freud. S. Neuroses de transferência: uma síntese. (1915). Trad. de Abram Eksterman.
Rio: Imago, 1987.
- Freud, S. “A neurose obsessiva” in História de uma neurose infantil (1918). ESB. Rio:
Imago, vol. XVII, 1969, p. 71-80.
- Green, André. “Neurose obsessiva e histeria: suas relações em Freud e a partir de
Freud”. In Berlinck, Manoel Tosta (org.). Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Green, André. “Metapsicologia da neurose obsessiva”. In Berlinck, Manoel Tosta
(org.). Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Green, André. “Analidade primária. Relações com a organização obsessiva”. Revista IDE, no. 40,
novembro de 2004, p. 44-63.
- Gurfinkel, Décio. “Ódio e inação: o negativo na neurose obsessiva”. In Berlinck, Manoel Tosta
(org.). Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Jerusalinsky, Alfredo. “Manual de instruções para refazer o pai a cada instante”. In Associação
Psicanalítica de Porto Alegre (org.). A necessidade da neurose obsessiva. Porto Alegre: APPOA,
2003.
- Jones, Ernest. “Traços de caráter anal-erótico”. In Papers on Psycho-analysis. Boston: Beacon
Press, 1948.
- Kehl, Maria Rita. “A necessidade da neurose obsessiva”. In Associação Psicanalítica de Porto
Alegre (org.). A necessidade da neurose obsessiva.Porto alegre: APPOA, 2003.
- Leclaire, Serge. “A função imaginária da dúvida na neurose obsessiva”. InEscritos clínicos. Trad.
de Lucy Magalhães. Rio: Jorge Zahar, 2001. p. 93-115.
- Leclaire, Serge. “Jérôme o la muerte en la vida del obsessivo”. InDesenmascarar lo real. Trad.
Victor Fischman. Buenos Aires, Paidós, 1982. p. 89-109.
- Melman, Charles. “A propósito da neurose obsessiva”. In Clínica psicanalítica. Artigos,
conferências”. Salvador: Ágalma/EDUFBA, 2000. p. 22-34.
- Melman, Charles. A neurose obsessiva. Rio: Companhia de Freud, 2004, 126 págs.
- Ribeiro, Maria Anita Carneiro. Um certo tipo de mulher. Mulheres obsessivas e seus rituais. Rio:
Rios Ambiciosos, 2001.
- Ribeiro, Maria Anita Carneiro. “A mulher obsessiva entre a tragédia e o humor”. In Berlinck,
Manoel Tosta (org.). Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Rovaletti, Maria Lucrecia. “A objetivação do tempo no mundo obsessivo”. In Berlinck, Manoel
Tosta (org.). Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Sussekind, Carlos & Carlos. Armadilha para Lamartine. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
- Telles, Vera Stela. “Mecanismos de defesa na neurose obsessiva: formação reativa, anulação e
isolamento”. In Berlinck, Manoel Tosta (org.).Obsessiva neurose. São Paulo: Escuta, 2005.
- Vigarello, Georges. O limpo e o sujo. Uma história da higiene corporal.Trad. de Monica Stahel.
São Paulo: Martins Fontes, 1996.

- Weber, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras,
2004.

Você também pode gostar