Você está na página 1de 5

Trab. escr.

: 4,0/5,0
Matlab: 2,0/3,0 Trabalho de Medidas e Circuitos Elétricos
Psim: 2,0/2,0 apresentação do
NOTA: 8,0 trabalho?

Professor: Azauri Albano de Oliveira Junior .

Trabalho 2.

Data de entrega: 26/09/2016

Grupo 5 (André Luiz de Souza, Edisa Almengor, Gabriel Chicória, Henrique Megid, Luíz
Gabriel Rolim, Rafael Baquero).

Algoritmo:

1º passo: Nomear e definir o sentido das correntes elétricas nos ramos essenciais.
2º passo: Atribuir o sentido de queda das tensões nos resistores e nas fontes de
corrente independente.

3º passo: Montar as equações das tensões em função das corrente para cada dipolo
isoladamente, seguindo V = R.i.

V1 = 9 v
V2 = 3 . i2
V3 = 9 . i1

V4 = 4 . i4

V5 = 3 . i5
V6 = 6 . i6

V7 = 1 . i6
4º passo: Aplicar a Lei de Kirchhoff para as correntes (LKC) nos nós essenciais (A, B, C,
D, E), montando as equações seguindo a somatória das correntes de entrada e saída
dos nós, atribuindo o sentido de entrada como positivo e o de saída como negativo.
Foram obtidas cinco equações.
A: 4.5 = i1 + i5

B: i3 + i1 = i4 + 2

C: i4 + i6 = i2

D: i2 = i3 + 4.5
E: 2 + i5 = i6

5º passo: Descartar uma das equações do LKC em virtude da dependência linear em


relação as demais.

Descartou-se a “C”.

6º passo: Aplicar a Lei de Kirchhoff para as tensões (LKT) nas malhas (alfa, beta, gama,
delta), atribuindo um sentido para a leitura das tensões dentro de cada malha e
montando as equações segundo a somatória das tensões.

Alfa: -2.2 + 4 . i4 – 5 + 3 . i2 = 0
Beta: -2.2 – 9 . i1 – U1 – 9 = 0

Gama: U2 – 3 – 3 . i5 + 9 . i1 = 0

Delta: U2 + i6 + 6 . i6 – 4 . i4 = 0

7º passo: Isolar as correntes em um membro das equações e as tensões em outro.

A: i1 + i5 = 4.5

B: i1 + i3 – i4 = 2

D: I2 – i3 = 4.5
E: i6 – i5 = 2

Alfa: 4 . i4 + 3 . i2 = 7.2

Beta: -9 . i1 – U1 = 11.2

Gama: 9 . i2 – 3 . i5 + U2 = 3
Delta: 7 . i6 – 4 . i4 + U2 = 0
8º passo: Converter o sistema linear do conjunto das equações obtidas para o formato
matricial, respeitando a equação V = R.i (primeira lei de Ohm).

9º passo: Colocando as Matrizes V e R e i no programa Matlab, determinar a Matriz i


através da fórmula I = V x 𝑅 −1 .

10º passo: Utilizando as correntes obtidas, substituir seus valores na fórmula V = R.i
em cada dipolo do circuito, para poder obter as suas respectivas tensões.
V1 = 9 v

V2 = 8.5158 v

V3 = 29.9916 v

V4 = -1.316 v
V5 = 3.5028 v

V6 = 19.0056 v

V7 = 3.1676 v
11º passo: Com as tensões e as correntes de cada dipolo do circuito determinadas, foi
feita a seguinte tabela, que apresenta o balanço geral de energia por meio das
potências (𝑃 = ± 𝑉 . 𝐼).

Tabela:

Dipolo Corrente (A) Tensão (V) Potência (W) Comportamento


F.T.I 1 2,84 5 -14,19 Gerador
F.T.I 2 -1,66 2,2 3,66 Receptor
F.T.I 3 1.16 3 3.50 Receptor
F.C.I 1 4,5 -41,19 -185,35 Gerador
F.C.I 2 2 -23,99 -47,98 Gerador
Resistor 1 4,5 9 40,5 Receptor
Resistor 2 2,84 8,52 24,20 Receptor
Resistor 3 3,33 29,99 99,87 Receptor
Resistor 4 -0,33 -1,32 0,43 Receptor
Resistor 5 1,17 3,50 4,09 Receptor
Resistor 6 3,17 19,01 60,26 Receptor
Resistor 7 3,17 3,17 10,05 Receptor

Legenda: Fonte de Tensão Independente (F.T.I); Fonte de Corrente Independente


(F.C.I).
Energia Total Gerada: - 247,52 W

Energia Total Consumida: + 246,56 W

Balanço Geral: - 0.96 W

Diferença essa causada pelas aproximações nos cálculos.


Fim do algoritmo.

psim: matlab:
funcionou. funcionou, a
rotina está
escrita de forma
clara, mas não
aproveitou a
rotina para
determinar as
potências e o
balanço de
potências.