Você está na página 1de 303

FUNDAÇAO - GETULIO VARGAS

,
RELATORIO GERAL E
PRESTAÇÃO DE CONTAS
,
EXERCICIO DE 1976

N.Cham: 353.811 F981r 1976


Titulo: Relatorio geral e prestação de contas: exercic
de 1976/ Fundação Getulio Varga

11~1~~IMI~III~I~III~~ ~I~
000084643 /
1111111111111
bib-id: vlls000106370
Arquivo Bibliográfico
FUNDAÇAO - GETULIO VARGAS

,
RELATORIO GERAL E
-
PRESTAÇAO DE CONTAS
,
EXERCICIO DE 1976

RIO DE JANEIRO, 1977


~ :. .,.~ ;'"" ,r
../~~,~,\
. ....., ... ,.
í ,,-'
I
F UN DAç ÃO G E T U L I O V A R G A S

PRESiDENTE
LUIZ SIMÕES LOPES

SUPERINTENDENTE GERAL
ROBERTO HERMETO CORRÊA DA COSTA

c o N S E L H O D R E T O R

P R E S D E N T E LUIZ SIMÕES LOPES


v C E - P R E S I D E N T E JORGE
, OSCAR DE MELLO FLÔRES
M E M B R o S ALBERTO SA SOUZA DE BRITTO PEREIRA
CARLOS MEDEIROS SILVA
EUGENIO GUOIN
ISAAC, KERSTENETZKY
JOSE JOAQUIM
OCTAVIO
DE
GOUVEA
SA
~
FREIRE
DE
ALVIM
BULHOES
-

C O N S E L H O C U R A O O R

P R E S IDE N T E MAURíCIO NABUCO


V I C E - P R E S IDE N T E ALBERTO PIRES AMARANTE
M E M B R O S ALDO BATiSTA FRANCO
ALZIRA VARGAS DO AMARAL PEIXOTO
ANTÔNIO GARCIADEMIRANDA NETTO
A

ANTONIO RIBEIRO FRANÇA FILHO


~

APOLON 10 JORGE DE FARtA SALLES


CELSO TIMPONI
,
CEZAR REIS DE CANTANHEDE E ALMEIDA
ESTADO DE SAO PAULO
FRANCISCO MONTOJOS
HEITOR CAMPELLO DUARTE
HENRIQUE DOMINGOS RrBEIRO BARBOSA
JOAO CARLOS VITAL
JOAQUIM BERTINO DE MORAES CARVALHO
, ,
JOSE DE NAZARE TEIXEIRA DIAS
MOAC~R VELLOSO CARDOSO DE OLIVEIRA
PAULO DE TARSO LEAL
RAFAEL DA SILVA XAVIER
RUBENS D'ALMADA HORTA PORTO
THEODORO ARTHOU
RELATÚRIO GERAL
S UMÁ R O

RE L AT ÓR o GE RAL

INTRODUÇÃO ---------------------------____________________________ --_-------_________________________ _ I

ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR

L ASSEMBLEIA GERAL III

2. CONSELHO CURADOR IX

3. CONSElHO DIRETOR XII

4. PRESIDENCIA XIII

5. SUPERINTENDÊNCIA GERAL ----------------------------------------------------_--------------- XIV

6. CONSELHO ~~ COORDENAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA --------------_______________________________ _ XV

ADMINISTRAÇÃO ESPEcíFICA

1. PESQUISA ------~---------------------------------------------------------------- ___ ---____ _ XVII


1.1 Teses de Doutorado e Mestrado --------------------------------_______ - ______________ ------ XX

2. ENSINO XXI
2.1 Cursos de Nlvel Médio -----------_______________________________________________ --------__
XXII
2.2 Cursos de Graduação --___ ---------------_________ ----------___ - __________________ --------- XXV
Cursos de Póa-Graduação --------_-____________________ - __________________________________ _
2.3 XXV

2.4 Cursos Avulsos XXIX

3. INFORMAÇÃO ------------------------------------------____________ -----____________________ _ XXXI

4. COOPERAÇÃO TÉCNICA XXXVI

5. RELAÇÕES CULTURAIS ----------------------------------------------------------------------- XL


Convênios - - - - - - - - - - - - _ -________________________________________ -----_____ _
5.1 lU
5.2 Congressos e Assemelhados --------------------------------______________________ ---------- XLV
5.3 Conferências (Palestras) e Assemelhados ---------------------------------________________ - ~Lvrrr

5.4 Viagens ------------------------------------____________________ -------___ - _____ --------- U

5.5 Visitantes -----------------------------------------------_________ ------_______________ _ LII

ADMINISTRAÇÃO GERAL

1. VISÃO LOGíSTICA --------------------------------------------------------------------------- LIV

2. PRESTAÇÃO DE CONTAS --------------------------------------------------------------------- LVI

2.1 Balanço Patrimonial --------------------------________________________________---------- 1llIJ:


2.2 Balanço EconOmi"co --------------------------------------------------------------------- LX
2.3 Balanço Financeiro ---------------------------------------------------------------------- LX
2.4 AspeGtoB da Execução Orçamen~ria ------------------------------------------------------- LXI

ANEXOS

ANEXO 1 - PROJETOS DE ESTUDOS E PESQUISAS - 1976 1

ANEXO l-A - TESES DE MESTRADO APROVADAS EM 1976 -------------------------------------------------- 16


ANEXO 2-A - CURSOS MINISTRADOS EM 1976 PELA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ------------------------------ 19

ANEXO 3-A - RELAÇÃO DAS PUBLICAÇÕES EDITADAS PELA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS - 1976 ----------------- 37

ANEXO 4 - COOPERAÇÃO TtCNICA ------------------------------------------------------------------- 53

ANEXO 5 - ACORDOS E CONVtNIOS FIRMADOS PELA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS EM 1976 -------------------- 67
ANEXO 6-A - CONGRESSOS E ASSEMELHADOS - 1976 --___________________________________________________ 81

ANEXO 6-B - CONFERÊNCIAS, PALESTRAS E ASSEMELHADOS - 1976 ---------------------------------------- 95

ANEXO 7 - VIAGENS REALIZADAS EM 1976 ----------------------------------------------------------- 109

ANEXO 8 - VISITANTES --------------------------------------------------------------------------- 111

PRESTAÇÃO DE CONTAS

1. RELAT6RIO DO CHEFE DO SERVIÇO DE C O N T A B I L I D AD E ---------------- 1

2. A NÁ L I S E S C O MP L E MF; N T. A R E.S

Receita Arrecadada, Segundo as Fontes -------------------------------------------------------- 5


Despesas Realizadas, Segundo os Elementos -___________________________________________________ 6
Despesas Realizadas (Funções e Programas) --------____________________________________________ 8
Despesas Realizadas, Segundo os Programas ---------------------------------------------------- 9

3. EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

3.1 Quadros Comparativos entre a Receita Estimada e a Realizada

Orçamento Geral ___________________________________________ ---------------------


-------~--- 10
Direção Superior, Superintend&ncia Geral e Diretoria Administrativa ------------------------ 13
Diretoria Financeira (DF) ----------------______________________________________ ----__ -______ 14
Conselho de Coordenação de Ensino e Pesquisa (CONCEP) _--___________________________________ 15
Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) -----------~----------------------------------- 16
Instituto de Direito Público e Ciência Política (INDIPO) ------------------------------------ 17
Instituto de Seleção e Orientação Profissional (ISOP) --------------------________________ ~- 18
Instituto de Documentação (INDOC) ----------------------------------------------------------- 19
Instituto de Estudos Avançados em Educação (IESAE) --______________________________________ 20
Instituto Superior de Estudos Contábeis (ISEC) -----_____________________________________ 21
Escola Brasileira de Administração Pública (EBAP) -----------______________________________ 22
Escola de Administração de Empresas de são Paulo (EAESP) ___________________________________ 23
Escola Interameri-GaIla de Administração PÚblica (EIAP)----------------------------------- 24
Centro de Estudos e Treinamento em Recursos Humanos (CETRHU) -------------------------------- 25
Escola Técnica de Com~rcio (ETC) ---------------_____~-------------------------------- 26
COlégio Nova Friburgo (CNF) ----------------------------------------------------------------- 27

3.2 Quadros Comparativos entre a Despesa Fixada e a Realizada

Orçamento Geral ------.~------------------------__________________________________________ 28


Direção Superior ------------------------------------------------------------------------- 30
Superintendência Geral --------------------------------------------------------------------- 31
Diretoria Administrativa (DA} -------------------------------------------------------------- 32
Diretoria Financeira (DF) ---------------------------------------------------------------- 35
Conselho de Coordenação de Ensino e Pesquisa (CONCEP) -------------------------------------- 38
Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) ----------------------------------------------------- 39
Instituto de Direito PÚblico e Ci@ncia Política (INDIP9) ---------------________ -___________ 41
Instituto de Seleção e Orientação Profissional (ISOP) --___ --________________________________ 42
Instituto de Documentação (INDOC)
Direção (DI) --------------------------------------__ ----------________ -----________________ 43
Editora da FGV ----------------------------------------______ ------_________________________ 44
Biblioteca (Bb) ---------------------------------~-- ___________________ --------------- 45
Serviço Gráfico (SGr) -----------------------------------------------_______ -------_________ 46
Arquivo Central (Arq.C) ---------------------------------_____________________ -------------- 47
Instituto de Estudos Avançados em Educação (IESAE) ---------------___________________________ 48
Insti tuto Superior de. Estudos Contábeis (ISEC) -----------------------------_______________ 49
Escola Brasileira de Administração Pública (EBAP) ------------------------------------------- 50
Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) ----------------------------------- 51
Escola Interamericana de Administração PÚblica (EIAP) --------------------------------------- 52
Centro de Estudos e Treinamento em Recursos Humanos (CETRHU) -------.------------------------ 53
Escola Técnica de Comércio (ETC) --------_------------_________________________________ ------ 54
Colégio Nova Friburgo (CNF) ----------------------------------------------------------------- 55
Delegacia Regional de Brasília (DRB) -------------------------------------------------------- 56

4. BALANÇOS

Balanço Patrimonial -------------------------------------------------------------------------- 57


Balanço EconOmico ------------------------------------------------------__________________ -___ 58
Balanço Financeiro --------------------------------------------------------------------------- 59

5. ANÁLISES CONTÁBEIS

5.1 Análise do Bala~ço Patrimonial


Sede ---------_____________________________________________ --________ .-______________________ 60
Escola de Administração de Empresas de são Paulo (EAESP) ------__________________ -___________ 61
Colégio Nova Friburgo (CNF) --------------------_______________________________ -----_________ 62

5.2 Análise do Balanço EconOmico

Sede ---------------------------------------------------------------------------------------- 63
Escola de Administração de Empresas de são Paulo (EAESP) - __ ~ _________ ----------------------- 64
Colégio Nova Friburgo (CNF) ---------------------------__________________ - ________ ----------- 65

5.3 Análise do Balanço Financeiro

Sede ----------------------------------------------_____________ - ___________________ --_______ 66


Escola de Administração de Empr~sas de são Paulo (EAESP) ------------------------------------ 67
Colégio Nova Friburgo (CNF) ------------------------_________ - __ - _________________ ----------- 68

5.4 Fundo de Bolsas EAESP/FaV

Balanço Patrimonial ------------------------------------------------------------------------- 69


Balanço EconOmico ----------.----------------------------------------------------------------- 70
Balanço Financeiro -_--------------------------__________________________ -------------------- 71
5.5 Fundo de Pesquisas EAESPjFGV

Demonstrativo de Receita e Despesa -----_-----_________________________ .----_____________ ---- 72


Balanço Financeiro -------------------------------------------------------------------------- 73

A TAS E PARE CE RES


INTROVUÇÃO

o modelo atual de ~elatõ~io da


Getuiio Funda~ão
Va~ga~ 60i de~envolvido a pa~ti~ de 1969. Reeeben-

do ape~6ei~oamento~ ditado~ peia expe~iêneia e ob-


~e~va~ão, e~i~talizou-~e 6inalmente em 1971.

Tal eomo apa~eee de~de então (eom pequena~ va~ia­


~õe~ de um ano pa~a out~o), o Relatõ~io Ge~ai da
Funda~ão Getulio Va~ga~ eomp~eende:

- uma ~lnte~e int~odutõ~ia, em que, além da~ ativi


dade~ da admini~t~a~ão ~upe~io~, ~ão ap~e~enta­
da~ pano~amieamente a~ atividade~ 6inaiZ~tiea~
da In~titui~ão;

- um eonjunto de anexo~, em que e~~a~ atividade~

~ao ~e~umida~ em tabela~ e~tatl~tiea~ e enume~a­


da~ em li~tagen~ exau~tiva~;

- um eonjunto t~adieionai de demon~t~ativo~ -


e ana-
ii~e~ eontábei~, em que ~e ~eveia a ~itua~ão o~­
, ~amentã~ia, eeonômiea, 6inaneei~a e pat~imoniai
da In~titui~ão.

A ~Znte~e int~odutõ~ia p~etende ~e~ um eená~io ge-


~ai do que a Funda~ão 6ez e do~ mêtodo~ ope~aeio­
nai~ e in~t~umento~ de t~abalho de que ~e vaieu em

1976.

o eonjunto de anexo~ 6aeiiita a ob~e~va~ão mai~ de


tida do eená~io ge~al, pe~mitindo, ineiu~ive, anã-
li~e pa~tieula~ da~ atividade~ de pe~qui~a, en~i­

no, in6o~ma~ão, eoope~a~ão têeniea e out~a~.


11

Tal é o Relatõn~o Genal que a Pne~~dêne~a da Fund~


ção Getul~o Vanga~, dando eumpn~mento a d~~po~~t~­
vo e~tatután~o, ona ~ubmete ao~ membno~ do Con~~
lho Cunadon, do Con~elho V~neton e da A~~emblê~a
Genal, pana lhe~ nenden eonta~ da~ at~v~dade~ que
a In~t~tu~ção levou a e6e~to no ano de 1976.
111

AVM1NISTRAÇÁO SUPERIOR

1. ASSEMBLtIA GERAL

Na ~eun~ão anual de 30 de ab~~l


de 1976, a A~~em­
bl~~a Ge~al del~be~ou ~ob~e o~ ~ten~ da ~egu~nte
o~dem do d~a:

1. Relatõ~~o anual da~ at~v~dade~ da Fundação Ge-


tul~o Va~ga~ eo~~e~pondente ao exe~eZe~o de
1975;

2. Balanço e P~ehtação de Contah do exe~eZe~o de


1975;

3. Ele~ção do P~eh~dente da Fundação;

4. Ele~ção do Conhelho V~~eto~;

5. Ele~ção pa~a p~eeneh~mento da~ vaga~ no Con~e


lho Cu~ado~ de~xadah peloh Con~elhe~~o~ Hen~i­
que de Toledo VOdhwo~th e Ahte~io Va~deau Viei
~a, 6alee~doh.

Na 6o~ma dOh E~tatutoh, a Ahhembl~ia 60i p~e~idida


pelo P~e~identeda FGV.

Em v~~tudedo tempo~al que de~abou ~ob~e a eidade


na ta~de daquele d~a, a A~~embl~~a não pode delibe
~a~ em p~imeD1.a eonvoeação, umavezqueii6 17 h30min
o núm e~o de mem b~o~ p~eh ente~ não pvz.6 azia o~ 2/3
exig~doh pelo~ Ehtatuto~. Ã~ 18 h 30 min, v e~i6ieada
a p~ehença de 138 memb~o~, o que ~ep~e~entava mai~
de 51% do total, o P~ehidente ab~~u a ~e~hão, pa~a
que a A~hembl~ia pa~~ah~e a del~be~a~, já ago~a em
IV

~egunda eonvoeação, de eon6onmidade eom o ne~peet~


vo edital e no~ tenmo~ do~ E~tatuto~.

1• 1 VOTOS VE PESAR

Ante~ de tnatan da andem do dia, o Pne~idente lem


bnou tnê~ eompdnheino~ de~apaneeido~ no~ ú.ltimo~
tempo~, todo~ eom neai~ ~enviço~ pne~tado~ ã Fund~
ção: o Vn. Hennique de Toledo Vod~wonth, ex-Pne6e~
to do Vi~tnito Fedenal e homem pú.blieo do~ mai~
pne~tante~; o Vn. Alim Pedno, qu~ dunante
ano~ ~enviu, pnimein~ eom~ Vineton Exeeutivo e,
po~tenio~mente, eomo Supenintendente Genal, 6alee~
do em dezembno de 1975; e o Vn. A~tenio Vandeau
Vieina, membno do Con~elho Cunadon, que ~enviu ã
Fundação, pnim eino, eomo A~~ e~~ on da Pne~id êneia,
em ~eguida, eomo Vineton Admini~tnativo e, pon
6im, eomo Supenintendente Genal, demon~tnando em
todo~ e~~e~ po~to~ a ~ua indi~eutZvel eapaeidade
exeeutiva. Pnopô~, a~~im, que eon~ta~~e da Ata da
A~~emb~~ia um voto de pno6undo pe~an pela penda
de~~e~ tnê~ ilu~tne~ ine~queeZvei~ eompanheino~.
A A~~embléia apnovou a pnopo~ta unanimemente.

1.2 RELATDRIO E PRESTAÇÃO VE CONTAS

Fonam objeto de delibenação, em pnimeino lugan, o n~


latõnio anual e a pne~tação de eonta~ eonne~pon­
dente~ ã~ atividade~ de 1975. Po~to em di~eu~~ão
o nelatõnio, o Pne~idente mandou que o doeumento
6o~~e lido. O Con~elheino Paulo de Tan~o Leal pe-
diu a palavna e pnopô~ que ~e di~pen~a~~e a leitu-
na, uma vez que o doeumento havia ~ido di~tnibuZdo
v

a todo~ o~ memb~o~ da A~~emblêia ~om la~ga a»te~e


dê»~ia, ~e»do,a~~im,~o»he~ido de todo~. O ple»ã-
~io ap~ovou a p~opo~ta. O P~e~ide»te, e»t~eta»to,

~oli~itou que 60~4em lida~ a~ ~o»~lu~õe~ do~ pa~e­


~e~e~ do~ ~elato~e~ do Co,»~elho Vi~eto~ e do Co»
~elho Cu~ado~, ~e~pe~tivame»te, Co»~elhei~o~ V~4.
Albe~to sã Souza de B~itto Pe~ei~a Timpo" e Cel40
»i, bem ~omo a~ ~o»~lu4õe~ do pe~ito ~o»tado~ i»de
pe»de»te, EmZlio A66o»40 Rod~iguez, o que 60i óe~
to. 'Em ~eguida,o ~elat;~io da~ atividade4 e a
p~e4ta~ão de ~o»ta4 6o~am ap~ovad04, ~em di4~U44ão
e po~ u»a»imidade.

1.3 A ELEIÇÃO

T~a»~~~evemo~ em'4eguid~ t~e~ho da Ata da A44em-


blêia Ge4al ~e6e~ente ã elei~ão d04 Õ~gã04 di~ige~
te~ da Fu»dação Getul~o Va~ga~. Ei4 o t~e~ho:

"O P~e4lde»te de~la~ou que a A4~emblêia Ge~al pa!


~a~ia a t~ata~ da4 elei~õe4 pa~a P~e4ide»te da Fu»
da~ao Getulio Va~ga~, CO»4elho Vi~eto~ e p~ee»~h~
me»to de dua4 vaga4 »0 CO»4elho Cu~ado~. I»óo~mou
que, ~elativa~e»te ao~ Co»~elh04 Vi~eto~ e Cu~a­

do~, a~havam-~e ãdi4p04i~ão d04 Se»ho~e4 Memb~04


da A4~emblêia a~ ~êdula~ e a ~ela~ão d04 ~a»dida.­
t04 ã4 vaga4 exi4te»te~. Qua»to ã P~e4idê»~ia, a~
~êdula4 e~tavam em b~a»~o, pa~a que 04 Se»ho~e4 Mem
b~04da A44emblêia e~~~eve~~em o »ome do 4eu ~a»di
dato. Vo~ ~ete ca~gOh de memb~o do CO»4elho Vi~e~
to~, ~i»~o pode~iam ~o»ti»ua~ a 4e~ p~ee»~hido~,p~

~a um »ovo ma»dato ~tatu~o de quat~o a»04, pela


~eelei~ão de pe~~o»alidade~ que vêm, i»i»te~~upt~
me»te, exe~~e»do e~~e~ ~a~go~ ~om ex~ep~io»al dedi
VI

eacio e notivel eapaeidade, eontnibuindo, a~~im,


hi tanto~ ano~, pana o êxito da~ atividade~ da Fun
daCio, a ~aben: .Albento si Souza d~ Bnitto Penei
na, Canlo~ Medeino~ Silva, Eugênio Gudi», Jonge O~
ean de Mello Flône~ e Jo~ê Joaquim de si Fneine
Alvim. Veixavam de eoneonnen ã eleicio pana o Co~
~elho Vineton: Joio Canlo~ Vital e Ruben~ V'Alma-
da Honta Pont~ que, pon motivo~ pantieulane~, ma-
ni6e~tanam ~eu de~ejo de nio eontinuan no me~mo

Con~elho, onde in~~timivei~ ~envico~ vêm pne~tan­


do, hã tanto~ ano~, ã Fundacio Getulio Vanga~.Ma~,
ao ~e a6a~tanem do Con~elho Vineton, nio deixa-
niam a Fundacio e aeeitavam a~ vaga~ oeonnida~ no
Con~elho Cunadon, eom o 6aleeimento de Hennique de
Toledo Vod~wonth e A~tenio Vandeau Vieina. Pana
eompletan a ehapa do Con~elho -Vineton, eom a ~alda
de Joio Canlo~ Vital e Ruben~ V'Almada Honta Pon-
to, enam indieado~ I~aae Ken~tenetzky e Oetavio
Gouvêa de Bulhõe~. A indieacio do Pnoá. I~aae
Ken~tene~zky obedeee, além do neeonheeimento de
~eu~ mênito~pe~~oai~, a um enitênio tnadieional
- na Fundacio Getulio Vanga~: a-eleicio pana o Con~!
lho Vineton do Repne~entante da Uniio Fedenal, mi~
~io atualmente atnibulda pelo Govenno ao Pftoáe~~on
I~aae Ken~tenetzky. A indieacio do Vn. Oetavio
Gouvêa de Bulhõe~, eminente eeonomi~ta, ex-Mini~
tno da Fazenda, Pne~idente do IBRE, ê ~ma nova ga-
nantia da eontinuidade do~ nelevante~ ~enviCo~

que tem pne~tado ã Fundacio Getulio Vanga~, de~de


a eniacio de~ta entidade. Fni~ou que, nio ob~ta~
te a~ indieacõe~ que 6izena, a A~~emblêia ena ~ob!
nana pana elegen quem julga~~e mai~ eonveniente.
Quanto ao eango de Pne~idente da Fundacio Getulio
Vanga~, deelanou o Vn. Luiz Simõe~ Lope~ que, ~in­
eenamente, eon6onme tivena oea~iio de ponde~an na
VII

A~~emblê~a Ge~al de 22 de ma~~o


de 1968, e mai~ ~~
eentemente na A44emblê~a de 1975, lhe pa~ee~a opo~
tuno e~eothe~ out~o nome pa~a exe~eê-lo. No en~e­
jo da ele~~ãa pa~a novo pe4Zodo, ~eite4ava aquela
ponde~a~ão. Lemb~ou, ent~etanto, que de~xa~ a P4~
4~dêne~a da Funda~ão, que vem exe~eendo, ininte44up-
tamente, há mai4 de 30 ano~, p04 hon40~0 mandato
da A~4emblêia Ge4al, não impo~ta4ia a6a~ta~-~e de
la. Ao epnt~á~~o, e~ta~~a ~emp4e di~po~to a da4-
lhe toda a eoape~ação, de~de que eon~ide4ada útil
ao eump~~mento de ~ua~ 6inalidade~. Cabia, a~~im,
à A~~emblêia Ge~al, õ~g40 ~obe~ano de delibe~a~ão,
no u~o de 4ua eompetêneia ~tatu~ p~ivativa,p~~
eede~, l~v4emente, à .e4eolha daquele que deve4ã
exe4ee~ o ea~go de P4e4ident~ da Funda~ão Getúlio
Va4ga4 na pe4lado de 1976 a 1984. Em ~eguida, o
Senho4 P4e~idente 6~anqueou « palav4a a quem de~e
ja~he u~ã-la anteh da vota~ão. O V~. J04ge 06ea~
de Mel~o Flô4e4 p'ed~u a palav~a e deela40U que,
na qualidade de memb~o da A46embléia e eom a ~e6-

.
paniabilidade de mandatá4~o de nume~o~o g4upo
Out~04 memb~o~ da A~~emblêia que lhe haviam
..
de
outo~
gado p~ocu~a~~e~, julgava inte~p~eta~ o ~entimento
de todo~, a6i~mando q~~ ninguém melho4 que o atual
-

P4e4idente da Funda~ão, aguele que a idealiza4a,i~


planta4a e há mai6 de 30 an04 o~ientava e ineenti-
vava 4ua~ atividade6, ~eunia eandi~õe6 pa~a eonti-
nua~ a p4e4idi~ o~ 6eu~ ~e~t~n06. Com uma ~alva
de palma~, o~ p4e6ente6 mani6e~ta4am ~ua ade6ão ã
mo~ão 604mulada pelo V4. J04ge 06ea4 de Mello Fl~
4e~. Não havendo mai~ ninguém que 6alieita~~e a
palav4a, a P4e6idente pediu aa6 See4etã4io~ e E~­
e4utinada4e6 que p4apa4ciona6~em ao~ votante~ to-
da~a~ 6acilidade6 pa4a a obten~ão, o p4eenehime~
to e o depõ~ito na U4na da~ eédula~ da vota~ão.P4~
VI Ir

~ed~da a ~hamada nom~nal, po~ o~dem de a~~~natu~a


no l~v~o de p~e~ença, ve~~6~~ou-~e que o nume~o -
de memb~o~ da A~~embl~~a Ge~al p~e~ente~ a ~e~~ao,
naquele momento, at~ng~a a 138, o~ qua~~ pa~~a~am
~ vota~. En~e~~ada a votaç~o, 6o~ ~eabe~ta a u~n~
Sepa~ada~ e ~ontado~ o~ voto~, ve~~6~~ou-~e o ~e­

gu~nte ~e~ultado, anun~~ado pelo~ E~~~ut~nado~e~:


voto~ en~ont~ado~: 137; voto~ anulado~ po~

de ~nd~~aç~ode ~a~go ou ~a~go~ a p~een~he~: 2; vo


to~ apu~a~o~: 729, a ~abe~, pa~a P~e~~dente da Fu~
daç~o Ge.tul~o Va~ga~: Lu~z S~mõe.~ Lope~, 128; paMO

Con~ elho 'Cu~ado~, na vaga de Hen~~que de Toledo


Vod~wo~th, ~omple.me.nto de mandato at~ 1979: Jo~o

Ca~lo~ V~tal, 128, e Them~~to~le~ B~and~o Caval~an

t~, 1; na vaga de. A~te.~~o Va~de.au V~e~~a, ~omple­

menta de. mandato at~ 1977: Ruben~ V'Almada Ho~ta

Po~t9, 129 voto~;pMaoCon~elho V~~eto~: Albe~to

sã Souza de. B~~tto Pe~eI~a, Ca~lo~ Me.de~~o~ S~lva,


Eugln~o Gud~n, I~aa~ Ke~~te.netz~y, JO~9e. 06~a~ de

Me.llo Fl~~e.~, Jo~~ Joaqu~m de sã F~e~~e Alv~m e


O~tav~o Gouv~a de Bulhõe.~~ 728 voto~ ~ada um."

7.4 PROCLAMAÇÁO E POSSE VOS ELEITOS

V~ante do ~e~ultado da~ e.le.~çõe.~, e. te.ndo 6~anque~


do o u~o d~ palav~4 ao~ p~e.~e.nte.~, e n~o havendo
que.m qu~~e.~~e. 6azM u~o dela, o Senho~ P~e~~dente.

p~o~lamou e.le.~to~ e. empo~~ado~ em ~e.u~ ~a~go~, pe.-


~ante. a A~~embl~~a Ge~al, o~ t~tula~e~ a~~ma anun
~~adc~. Ap~ove~tou a o~"~~~o pa~a ~ong~atula~-~e.
~om o~ Se.nho~e~ Me.mb~o~ da A~~e.mbl~~a Ge.~al e. ~om
o~ e.le.~to~. Ag~ade.~e.u - e.m nome. de. todo~ e., a~en

tuou, e.m ~eu p~õp~~o nOme. - a ~enovada e hon~o~a


demon~t~ação de ~on6~ança ~o~ que. e~am d~~t~ngu~-
IX

doI.>.

2. CONSELHO CURAVOR

Houve quat~o l.>el.>l.>oel.> do Conl.>etho Cu~ado~ em 1976:


em 5 d e ab~"{.t, a 2 5a. Ext~ao~dinâ.~ia; em 8 de abJUJ,
a 59a. O~dinâ.~ia; em 18 de junho, a 26a. Ext~ao~­
dinâ.~iaj e, em 26 de outub~o, a 60a. O~dinâ.~ia.

Na ~eunião de 5 deab~it 60i del.>ignado o Conl.>ethei:


~o Cetl.>o Timponi pa~a Retato~ da P~el.>tação de Con
tal.> e do Retatô~io de 1975.

Em I.>ua l.>el.>l.>ao de 8 de ab~it, o Conl.>etho Cu~ado~


ap~ovou a P~el.>taçao de ContaI.> e o Retatõ~io de
1975. Nel.>f.J a I.> el.> I.>ão, p~el.>idida peto Co nl.> ethei~o
Apotônio Sattel.> , em 6aQe da aUl.>ênQia, po~ motivo
de I.>aúde, do P~el.>idente Embaixado~ Mau~lQio NabuQo
e, po~ motivo de viagem, do ViQe-P~el.>idente Atbe~
to Pi~el.> Ama~ante, o Conl.>etho mani6el.>tou e ~egil.>­
t~ou em Ata votOI.> de pel.>a~ peto 6ate~imento do V~.

Atim Ped~o e V~. Al.>te~io Va~deau Viei~a, que exe~­


Qe~am o Qa~go de Supe~intendente Ge~at da Fundação

Getutio Va~gal.>, ã quat p~el.>ta~am al.>l.>inatadol.> I.>e~vi


ÇOI.> .

Em I.>eguida, o Conl.>etho tomou QonheQimento daI.> neg~


Qiaçõel.> ~eatizadal.> ent~e a Fundação Getutio Va~gal.>
e a Companhia do Met~opotitano do Rio de Janei~o

(METR~), no I.>entido da utitização doI.> te~~enol.> I.>ul.>


QeptZveil.> de del.>ap~op~iação pa~a eonl.>t~ução da ti-
nhal.>ubte~~ânea ao tongo da Rua Ba~ão de Itambi.

Apôl.> minueiol.>a expol.>ição do P~el.>idente da Fundação


x

~obne o~ entendimentoi dineto~ eom o Pne~idente do


METRO, o Con~elho Cuna.don a.pnovou o ~eguinte: "ajo
tanneno da Fundação eompneendido entne a Rua Banão
de Itambi nQ 38 e a Rua Jonnali~ta Onlando Vanta~
nQ~ 19 e 21 e~tã pnatieamente compnometido com a
Companhia do Metnopolitano do Rio de Janeino pana
utilização na~ obna~ do METRD; bJ e~~e compnomi~­
~o e~tã, pon ~ua vez, vinculado a um acondo de
alienação, ~e o pneço da avaliação óon con~idenado
ju~to pela Fundação; eJ em ca~o de óalta de aeon
do ~obne o pneç~ ~enã e6etuada a de~apnopniação
pon pante do METR~) dJ do lado opo~to, ou ~eja, do
lado Zmpan da Rua Banão de Itambi, a Fundação dev!
nã pnoeeden ao neeuo do muno e da~ con~tnuçõe~
atingida~ pelo novo alinhamento da me~ma nua, -
a
baée do tnaçado jre eétaQelecido pela auton~dade p~
blica e que 60na pnevi~to na conétnução do edió~
cio-~ed~ que com ele guanda pen6eita concondâneia.
Opon~unamente, na óa~e deeiéõnia, o a~éunto deve-
nia ~en ~ubmetido 60nmalmente ã apneeiação do Con-
~ elho Cunadon,. que, no~ tenmo~ de ~ua· eompetê.neia
(ant. 17 nQ VI do E~tatuto~ mani6e~tan-~e-ia ~o
bne a alienação de imõvei~."

Na ~e~~ãoextnaondinãnia de 18 d~ junh4 o Con~elho


Cu~adon ~e congnatulou eom a admi~~ão de doi~ no-
VOé membno~ eleito~ pela Aé~embleia Genal de 30 de
abnil, o~ Con~elheinOé João Canlo~ Vital e Ruben~
V' Almada Honta. Ponto, que pneenehenam a~ vaga~

abenta~ eom o 6aleeimento do~ Con~elheino~ Henni-


que de Toledo Vod~wonth e A~tenio Vandeau Vieina.
E~tendeu o Con~elho a~ ~ua~ eongnatulaçõe~ ao Pne
~idente da Fundação, Vn. Luiz Simõe~ Lope~, neelei
to pana o penZodo de 1976- 1984, ao Vice-Pne~ide~
t~ Vn. jonge O~ean de Mello Flône~, que ~ub~titula
XI

ne~~e Qa4go o Con~elhei4o Eug~nio Gudin, e ao~ no


vo~ memb40~ do Con~elho Vi4eto~ V4. OQtavio Gou-
vea de Bulh~e~ e V4. I~aaQ Ke4~tenetzky. FeliQi-
tou, ainda, o~ Con~elhei40~ J04ge O~Qa4 de Mello
Fl~4e~, Eug~nio Gudin, Ca4lo~ Medei40~ Silva, Jo~~
Joaquim de sã F4ei4e Alvim e Albe4to de B4itto Pe-
4ei4a, pela ~ua 4eQondução ao Con~elho Vi4et04.

Ap4eQiou o Con~elho o pa4eQe4 do Con~elhei40 J04ge


O~Qa4 de Mello Fl54e~, ap4e~entado ao Con~elho Vi-
4et04, ~ob4e a avaliação amigável p40Qedida pa4a
a indenização, p04 de~ap40p4iação, do~ te44eno~ da
Fundação ~ituado~ M Ru~Ba4ão de Itambi nQ 38 e
J04nali~ta 04lando ·Vanta~ nQ~ 29 e 31, ne~e~~ã4io~
ã Qon~t4ução da linha ~ubte44ânea. E~~a avaliação,
aQeita, em p4inQZpio, pela~ pa4te~, atingiu a
C4$ 6.770.000,00 e 60i, e6etivamente, ap6~ ap4~va­
ção do Con~elho CU4ad04, o~jeto de pagamento p04
pa4te do METRÔ, mediante e~Q4itu4a públiQa de Qom
p4a e venda, deQ044ente da exeQUç~O, p04 via adm~
ni~t4ativa, do deQ4eto de de~ap40p4iação p04 util~
dade públiQa expedido pelo Gove4no do E~tado do
Rio de Janei40.

Em ~ua60a. Se~~ã~ de 25 de outub40 de 1976, o Co~


~elho Cu4ad04 4ati6iQou e homologou, p04 unanimid~
de, a alienação do~ im6vei~, na 604ma de~Q4ita, P!
lo valoft de C4$ 6.770.000,00.

o Con~elh~ no u~o de ~ua~ at4ibuiç~e~ de vela4 pe-


lo p4e~tZgio da in~tituição
e opina4 ~ob4e a~~un­
to~ de 4elevânQi~ ap4eQiou, ap40vou e homologou o~
p40jeto~, a~ iniQiativa~ e a~ p40vidênQia~ que o
P4e~idente da Fundação Getulio Va4ga~ ~ubmeteu â
~ua Qon~ide4ação.
XI I

3. CONSELHO VIRETOR

O Con~elho V~~eto~ ~eun~u-~e em ~e~~oe~ o~d~nã~~a~


e ext~ao~d~nã~~a~ em 14 de jane~~o, 18 de ma~ço,
8 de ab~~l, 13 de ma~o, 18 de junho, 2 O de ago~to,
26 de outub~o e 23 de dezemb~o.

Em 1976 o Con~elho V~~eto~ ~o6~eu mod~6~cação na


~ua compo~~ção. O Con~elhe~~o Eugên~o Gud~n ~enu~
c~ou ao ca~go de V~ce-P~e~~dente,.e 6o~
elwo pa~a
~ub~t~tuZ-lo o Con~elhe~~o Jo~ge O~ca~ de Mello
Flô~e~. O~ Con~elh~~~o~ João Ca~lo~ V~tal e Ru-
ben~ V/Almada Ho~ta Po~to 6o~am ele~to~ pa~a o Con

~elho Cu~ado~. Sua~ vaga~ 6o~am p~eench~da~ pela


ele~ção do V~. Octav~o Gouvêa de Bulhõe~ e do V~.
I~aac Ke~~tenetzky. A~~~m, em con~eqllênc~a da~
ele~çõe~ oco~~~da~ na A~~emblê~a Ge~al de 30 de
ab~~l de 1976, a compo~~ção do Con-~elho V~~eto~ ê
a ~egu~nte: Lu~z S~mõe~ Lope~ !P~e~~dente), Jo~ge
O.6ca~ de Mello Flô~e~ !V~ce-P~e~~dente), Eugên~o
Gud~n, Ca~lo~ Mede~~o~ S~lva, Jo~ê Joaqu~m de sã
F~e~~e Alv~m, Albe~to sã Souza de B~~tto Pe~e~~a,
Octav~o Gouvêa de Bulhõe~ e I~aac Ke~~tenetzky.

O~ p~~nc~pa~~ a~~unto~ d~~cut~do~ pelo Con~elho du


~ante o ano de 1976 ~ão a ~egu~~ enume~ado.6 em ~e­
~umo: de~pe~a~ de ~nve~t~mento~; a~~~~tênc~a 6~­
nance~~a ao pe~.6oal l~cenc~ado; Modelo Economêt~~
co; v~~~ta do Sec~etã~~o Ge~al da OEA; aumento .6~
la~~al; ~e6o~ma do Cent~o de P~oce~.6amento de Va-

do~; Relatõ~~o, Balanço e P~e~tação de Conta.6 do


exe~cZc~o de 1975; novo mandato do Con~elho V~~e­
to~ e do P~e.6~dente da Fundação Getul~o Va~ga.6;
~eele~ção do V~ce-P~e~~dente do Con~elho; ato~ adm~
n~.6t~at~vo~: nomeação do novo Supe~~ntendente Ge
XIII

~al, nomeaçio do Vi~eto~ da E~eola B~a~ilei~a de


Admini~t~açio Pübliea; Regimento do Con~elho de
Admini~t~açio da EAESP; p~ojeto de abe~tu~a do
Cu~~o de Vouto~ado da EAESPj ob~a~ do METRO e de-
~ap~op~iaçio de imóvel da Fundaçio Getulio Va~ga~;
homenagem a Eugênio Gudin; Rota~y Club do Rio de
Janei~o; ~e6o~ço de dotaçio o~çamentã~ia; Relatá
~io e Conta~ do p~imei~o ~eme~t~e; alte~açio do
Regimento da EBAP; eon~t~uçio do edi{leio pMa in!
talaçio do eomputado~; eon~t~uçio de t~ê~ ~e~idê~
eia~ pa~a 6uneionã~io~ da Fundaçio; 6inaneiamento
do BNVE ã Fundaçio Getulio Va~ga~ (PROLIVRO-Edito-
~a); de~ignaçio de ~elato~ do O~çamento pMa 1977;
alte~açio do Regimento da EAESP; alte~açio do Re-
gimento do INVIPO; e~edeneiamento o6ieial da Fun-
dação Getulio Va~ga~ pa~a p~e~taçio de a~~i~têneia
têenieaj novo~ doado~e~ da Fundaçio Getulio Va~­
gaój in~talação de a~ eondieionado e ob~aó eompl~
menta~e~ ·do edi6Zeio-~ede; O~çamento e Plano~ de
T~abalho da Fundaçio Getulio Va~ga~ pa~a o exe~eZ­
eio de 1977; e Po~ta~ia~, e~êdito~ ~uplementa~e~
e t~an~6e~êneia~ de dotaçõe~.

4. PRESIVENCIA

o P~e~idente de~empenhou a~ at~ibuiçõe~ e~tatutã­


~ia~, p~e~idindo ã A~~emblêia Ge~al, ao Con~elho
Cu~ado~, ao Con~elhd Vi~eto~ e ao Con~elho de COO!
denação de En~ino e Pe~qui~a; t~açou a o~ientação
ge~al e ~upe~vi~ionou em in~tâneia 6inal o~ t~aba­
lho~ da in~tituiçio.

Pa~alelamente, ~eeebeu, em ent~evi~ta~ e~peeiai~,

dive~~o~ vi~itante~ ilu~t~e~, ~ep~e~entante~ de


XIV

~n~t~tu~çõe~ nac~ona~~ e e~t~ange~~a~; 6~~mou o~


d~ve~~o~ convên~o~ e aco~do~ celeb~ado~ pela Funda
ção, ap~ec~ando ou d~~~g~ndo a~ ~e~pect~va~ nego-
c~açõe~.

5. SUPERINTENVENCIA GERAL

Em 1976 pa~~ou a Supe~~ntendênc~a Ge~al po~ vã~~a~


mudança~ de d~~eção, em con~eqaênc~a do 6alec~men­
to, em 6~n~ de 1975, de ~eu ant~go t~
dedezemb~o

tula~, v~. Al~m Ped~o, e, po~te~~o~mente, de ~eu


~ub~t~tuto, v~. A~te~~o Va~deau V~e~~a. A Supe-
~~ntendênc~a Ge~al 6o~ tambim exe~c~da, ~nte~~na­
mente, pelo V~. Paulo Ago~t~no Ne~va, ati 6~n~ de
ma~o, quando a~~uw~u o atual t~tula~, V~. Robe~to

He~meto Co~~êa da Co~ta.

Cabe ã Supe~~ntendênc~a Ge~al, e~tatuta~~amente,

coo~dena~ a~ at~v~dade~
de adm~n~~t~ação ge~al,com
v~~ta~ a a~~egu~a~ o andamento no~mal da~ at~v~da­

de~ e~pecZ6~ca~. Nada ob~tante a~ alte~açõe~ hav~


da~, a Supe~~ntendênc~a Ge~al vem cump~~ndo toda~
a~ at~~bu~çõe~ e~tatutá~~a~. Po~ out~o lado, ~em
p~e que nece~~ã~~o, a Supe~~ntendênc~a Ge~al tem
p~omoy~do entend~mento~ com o~ õ~gão~ ~nte~e~~ado~
pa~a exame conjunto de ~ua~ at~v~dade~.

Ne~te contexto, cabe de~taca~ entend~mento~ com o


CONCEP v~~ando ã coo~denação de p~ov~dênc~a~ ~ela
c~onada~ com a ~mplantação do~ cu~~o~ de 6o~mação
p~o6~~~~onal, pa~a o~ 6~n~ p~ev~~to~ na Le~

n9 6297/76, e com a V~~eto~~a Adm~n~~t~at~va, pa~a


acompanha~ o p~og~ama de execução e ~epa~o de
ob~a~.
xv

Coube tambem ã Supehintendêneia Gehal tomah a~ ph~


vidêneia~ neee~~ãhia~ ã extinção da E~eola Téeniea
de Coméheio e dah pho~~eguimento ao~ entendimento~
paha than~6ehêneia do Colégio Nova Fhibuhgo paha o
E~tado do Rio de Janeiho, eon6ohme expo~to em ou~
tha pahte de~te doeumento.

A Phimeiha de~~a~ phovidêneia~ e6etivou-~e ~em


qualqueh phejuZzo paha o~ aluno~, ao~ quai~ 60i a~
~eguhada a than~6ehêneia paha o~ CUh~O~ de Contabi
lidade e Seehetahiado do Colégio Comeheial Pho6e~
~Oh Clõvi~ Salgado, mediante eonvênio 6ihmado eom
o Vepahtamento do En~ino Médio do Mini~téhio da
Edueação e Cultuha.

A~ negoeiaçõe~
paha than~6ehêneia do Colégio Nova
Fhibuhgo não 60ham ainda eoneluZda~, e~tando em
e~tudo outha~ ~oluçõe~.

6. CONSELHO VE COORVENAÇÃO VE ENSINO E PESQUISA

O Con~elho de Coohdenação de En~ino e Pe~qui~a hea


lizou oito ~e~~õe~ ohdinãhia~ em 1976.

O~ phineipai~ a~~unto~ di~eutido~ ne~~a~ heuniõe~


~ão a ~eguih enumehado~ em he~umo:

Con~tituição da Comi~~ão E~peeial de Põ~-Ghaduação


do CONCEP, que e~tudahã a~ po~~ibilidade~ de paht~
eipação da FGV no Plano Naeional de Põ~-Ghaduaçãoj
aphovação do phojeto do CUh~O E~peeial de Viheito
Thibutãhio, a ~eh mini~thado pelo INVIPOj aphova-
ção do novo Regimento Intehno do Con~elho de Admi
ni~thação da EAESPj aphovação de dihethize~ paha
XVI

a publicação de e~tudo~ e pe~qui~a~ da FGVj ap~ov~


ção de p~opo~ta pa~a publicação, pelo Cent~o Edi-
to~ de P~icologia Aplicada (CEPA), de bate~ia~ de
te~te~ elabo~ada~ pelo ISOPj ap~ovação da p~opo~ta
de abe~tu~a do Cu~~o de Vouto~ado em Admini~t~ação
da EAESPj ap~ovação do Plano Plu~ianual Integ~ado
de pa~ticipação da FGV no P~og~ama In~titucional
de Capacitação de Vocente~ (PICV) da CAPESj ap~ov~
ção da~ negociaçõe~ p~elimina~e~ pa~a um 6utu~o
convênio ent~e a EAESP e a TV Educativa de são Pau
lo, da Fundação Pad~e Anchieta, com vi~ta~ ã ap~~
~entação de um cu~~o ~ob~e a~pecto~ tecnico~ da
admini~t~ação de emp~e~a~j c~edenciamento da FGV
como in~tituição de 6o~mação p~o6i~~ional junto ao
Con~elho Fede~al de Mão-de-Ob~a, do Mini~te~io do
r~abalho; ap~ovação do p~ojeto de ~egimento do Cu~
~o de Me~t~ado em Vi~eito Econômico Inte~nacional,
a ~e~ mini~t~ado pelo INVIPOj e ap~ovação da p~o­
po~ta de publicação, pelo IESAE, de uma ~evi~ta ~o
b~e educação.
XVII

AVMINISTRAÇÃO ESPECÍFICA

1• PESQUISA

Ve~de 1969, o~ ~elatõ~~o~ da Fu~dação Getul~o Va~


ga~ t~m ap~e~e~tado a l~~ta exau~t~va do~ p~ojeto~
de e~tudo
e pe~qu~~a t~abalhado~, eada a~o, pela~
u~~dade~ que a ~~teg~am. T~ata-~e de uma ~elação

de at~v~dade~ que o~ õ~gão~ ~elata~te~ eo~~~de~am


o~a p~ojeto~ de pe~qu~~a, o~a p~ojeto~ de e~tudo.

A pa~t~~ da ~ova ~~~temãt~ea adotada em 1971, o~


~o~~o~ ~elatõ~~o~ pa~~a~am a ~~elu~~, al~m de uma
pa~te de~e~~t~va ~~t~odutõ~~a, uma ~~~~e de a~e­

xo~, em que a~ at~v~dade~ 6~~alZ~t~ea~ levada~ a


e6e~to pela Fu~dação ~o eu~~o de eada a~o eale~dã
~io ~ão e~ume~ada~ e/ou ap~e~e~tada~ em quad~o~
e~tatZ~t~eo~. Co~~eqUe~teme~te, a~ at~v~dade~ de
pe~qu~~a e e~tudo t~m ~~do de~de e~tão ~elatada~
e~ume~at~vame~te ~o A~exo 1.

Co~tudo, po~ ~ao d~~t~~gu~~ e~t~e o que ~eja pe~­

qu~~a e o que ~eja e~tudo, e~ta d~eotom~a, eom o


eo~~e~ do~ tempo~, te~de a t~a~~m~t~~ uma ~d~~a me
~o~ ela~a do~ 6ato~ e~volv~do~. Cump~e-~o~,a~~~m,

pa~a a~~egu~a~ a objet~v~dade da ~~6o~mação, e~el~


~eee~ que o~ p~ojeto~ eo~~ta~te~ do A~exo 1 ~e ~e-
6e~em, em ~ua g~a~de ma~o~~a, a at~v~dade~ que ~e

devem eo~~~de~a~ eomo e~tudo~ e ~ão eomo pe~qu~­

~a~. A ~~go~, deve~-~e-~am ela~~~6~ea~ eomo p~oj!


to~ de pe~qu~~a ~ome~te aquele~ que de~eob~~~~em

eam~~ho~ ~ovo~ ou d~lata~~em o~ ho~~zo~te~ do eo-


~hee~me~to ex~~te~te
em dado mome~to. Qua~do ~e
t~ata de eomp~lação de texto~ e/ou leva~tame~to de
6ato~ (eo~hee~do~ ou ~upo~to~, jã d~vulgado~ em
XVIII

epoca~ e documento~ d~óe~ente~), o t~abalho de ela


bo~aç~o n~o at~nge ao nlvel da pe~qu~~a p~op~~ame~
te d~ta, podendo ~e~ cla~~~ó~cado ma~~ mode~tamen

te como e~tudo.

Ac~e~cente-~e que o ~~mple~


levantamento de óato~
ou de texto~, pe~ ~e, n~o deve ~e~ cla~~~óicado c~
mo e~tudo ou como pe~qui~a. Pode~ã chega~ a ~e~
uma coi~a ou out~a. Todavia, pa~a que ~e po~~a óa-
~

la~ de um p~ojeto de e~tudo ou de pe~qui~a, e ne


ce~~ã~io que o~ óato~ levantado~ pa~~em po~ um
p~oce~~o de anãli~e e ~nte~p~etaç~o, ~ejam elabo~
~ado~ ~ac~onalmente e canalizado~ pa~a um documen
to que pode ~e~ te~e, di~~e~taç~o, p~ojeto de pe~
qu~~a ou p~ojeto de e~tudo, conóo~me a intenç~o do
auto~ e a o~~ginalidade e a p~oóundidade da cont~i

bu~ç~o.

Vale, poi~, a adve~tência


óeita em ~elatõ~io~ ant~
~io~e~:ê d~61cil t~aça~ uma linha divi~ô~id nZtida
ent~e a pe~qui~a, que vi~ivelmente de~co~tina ho-
e~tudo,

que con~i~te em ~euni~, ~i~tematiza~ ou co~~elac~o

na~ conhecimento~ e ~n6o~maçõe~ exi~tente~, po~em.


di~pe~~o~ no tempo e no e~paço.

Po~ out~o lado, mu~to~ do~ no


p~ojeto~ mencionado~

Anexo 1 ~~o pa~te~ integ~ante~ de p~ojeto~ maio-


~e~, como 6acilmente ~e con~tata, po~ exemplo, na
~elaç~o do~ p~ojeto~ a ca~go do IBRE, ~ob~etudo no
ca~o do~ p~ojeto~ ~epetitivo~ integ~ante~ do g~upo

ge~al que ~e pode~~a chama~ Conta~ Nac~onai~.


XIX

No A~exo 1 o~ p~ojeto~ de e~tudo e pe~qui~a ag~~


pam-~e em t~ê~ eatego~ia~:
1. p~ojeto~ ~epetitivo~;
2. p~ojeto~ (e~po~ãdieo~) eo~eluZdo~; e
3. p~ojeto~ (e~po~ãdieo~) em a~dame~to.

Repetitivo~ ~ao o~ p~ojeto~ pe~iõdieo~ (a~uai~, ~~


me~t~ai~, me~~ai~ ete.) que ~e exeeutam ~o deeo~~e~

do me~mo a~o.

Como e~tã evide~te, o~ p~ojeto~ e~po~ãdieo~ 6igu-


~am eomo p~ojeto~ ou eomo em a~dame~to p~ojeto~

eo~eluZdo~, eo~6o~me a ~ituação em que ~e e~eo~­


t~em ~o dia 31 de dezemb~o de eada a~o.

Po~ eo~~egui~te, euja exeeuçao


um p~ojeto demo~e

mai~ de um a~o ~e~ã eomputado uma ou mai~ veze~ eo


mo p~ojeto em a~dame~to, e uma vez eomo p~ojeto

eo~eluZdo.

Te~do p~e~e~te~ ~~M explieaç5e~, o ee~ã~io da~


atividade~ de e~tudo e pe~qui~a da Fu~dação Getu-
lio Va~ga~, ~o qUi~qUê~io 1972-76, ~e6lete-~e qua~
titativame~te ~o ~e~umo ~egui~te:

1 972 140 p~ojeto~

1973 235 "


1974 209 "
1975 257 '~
1976 337 "
xx

A d~~tn~bu~ção do~ pnojeto~ de e~tudo e pe~qu~~a


pela~ dependêne~a~ da Fundação Getul~o Vanga~ 6o~
a ~ eg u-i.nt e em 1 976 :
CONCEP 15
CETRHU 4
CICOM 19
EBAP 13
EAESP 44
EIAP 48
IBRE 91
EPGE 24
I NV I PO 5
CPVOC 8
INVOC 7
I ESAE 42
ISOP 17

TOTAL 337

t elano que e~ta ~en-i.e


de al9an-i.~mo~ -i.nd-i.ea ene~e-i.
menta. Em tenmo~ de dunação e nee~n~o~ humano~ n~
quen~do~ etc., o~ pnojeto~ van-i.am enonmemente en-
tne ~~. A~~-i.m ~endo, o ene~e-i.mento -i.nd~e~ado pe-
lo~ algan-i.~mo~ deve ~en v-i.~to em tenmo~ nelat~vo~.

Pelo que 6-i.eou d~to ate aqu~,


men- ~e9ue-~e que a
~unação da~ at~v~dade~ de pe~qu-i.~a e e~tudo de
uma ~n~t-i.tu~ção não e po~~lvel de ~en expne~~a em
tenmo~ ab~oluto~. Não ~e eon~egue ma-i.~ do que apn~
x-i.maçõe~ nazoãve-i.~.

1. 1 TESES VE VOUTORAVO E MESTRAVO

O de~envolv-i.mento do~ eun~o~ de pô~-gnaduação eom~


ça a ne6let-i.n-~e na~ at-i.v~dade~ de pe~qu-i.~a da Fun

6WLlUH:GA M~H\U HtNKIUUI: ::;IMUN~tN


FUNDACÃO GHUI.IO VARGAS
XXI

daç.ão. Em 1976, 0.6 e.6tabelec.imento.6 de en.6ino que


mini.6t~a~am tai.6 c.U~.60.6 ~ec.ebe~am 52 te.6e.6 (ap~ov~
da.6) de me.6t~ado, .6ubmetida..6 po~ out~O.6 tanto.6 me~
btando.6 que .6at-üóize~am a todo".6 0.6 ~equi.6ito.6 paJta
a c.onqu~.6ta do gJtau de Me.6tJte.

o ~e.6umo .6eguinte e.6pelha o movimento da.6 te.6e.6 e


~ndic.a a..6 e.6c.ola.6 em que óOJtam apJte.6entada.6:
EAESP 24
EBAP 9
EPGE 4
I ESAE 4
ISOP 11

TOTAL 52

Ape.6aJt de váJtia.6 te.6e.6 de c.UJt.60.6 de doutoJtado da


Fundaç.ãojá haveJtem .6ido .6ubme.tidM pelo.6 Jte.6pec.ti-
VO.6 doutoJtando.6, toda.6 ainda .6e enc.ontJtam em ôa.6e
de exame, JtazãopoJt que não óOJtam inc.luZda.6 ne.6ta
.6eç.ão do JtelatôJtio, que leva em c.onta exc.lu.6iva-
mente a.6 te.6e.6 apJtovada.6.

2. ENS I NO

Em teJtmo.6 quantitativo.6 imediatamente apuJtávei.6,


a.6 a.t~vidade.6 de en.6ino da Fundaç.ão Getulio VaJtga.6
em 1976 de.6e.nvolveJtam-.6e em Jtitmo a.6c.en.6ional: o
númeJto de c.uJt.60.6, 260 em 1975, .6ubiu pa~a 298; o
númeJto de matJtZc.ula.6, 11.756 em 1975, pa.6.6ou paJta
12.671;'a.6 c.onc.lU.6õe.6 de c.uJt.60.6, 7.194 em 1975,
elevaJtam-.6e a 8.635.

E.6.6a.6 inÔoJtmaç.õe.6 nume.Jtic.a.6 Jtevelam que, em 1976,


XXII

o e~6o~ço eonjunto do~ õ~gão~ de en~~no da Funda~


çao qua~e aleançou o nZvel de 1974, ano em que,atê
ago~a, ~e ~eg~~t~a~am o~ Znd~ee~ ma~~ alto~.

Exp~e~~a~ em dado~ e~tatZ~t~eo~ eompa~ãve~~, a~


at~v~dade~ de en~~no da Fundação, tal eomo ~e eom
po~ta~am ao longo·do qa~nqaên~o 1972-76, de~eo~t~
nam um eenã~~o d~nâm~eo, que 6ae~l~ta a anál~~e
objet~va de ~eu~ ~e~ultado~.

NOMERO VE CURSOS, ESTUVANTfS


MATRICULAVOS E CONCLUINTES
1972 - 1976

ESTUVANTES
ANOS CURSOS
MATRICULAVOS CONCLUINTES

1972 1 83 9.402 5. 3 O1
1973 235 11.436 7 . 157
1974 308 13.025 8.574
1975 260 11.756 7 . 194
1976 298 12.671 8.635

TOTAIS VO QUINQUENIO 58.290 36.861

2.1 CURSOS VE NíVEL MtVIO

A pa~t~~ de 1977,
.'
o~ do~~ eu~~o~ di nZvel méd~o a
ea~go da E~eola Têen~ea de Comê~e~o de~xa~ão de
~e~ m~n~~t~ado~: a E~eola 6o~ ~xt~nta em 1976. No
XXI I I

p~opô~~to de ~alvagua~da~ o~ legZt~mo~ ~nte~e~~e~


envolv~do~, ent~etanto, a Fundação obteve a t~an~
6e~êne~a pa~a o Coleg~o Come~e~al P~06e~~0~ Clôv~~
Salgado, pe~teneente ao M~n~~te~~o da Edueação e
Cultu~a, do~ e~tudante~ então mat~~eulado~ na ETC.

P~etendendo ded~ea~-~e p~edom~nantemente ao en~~no

de g~aduação
e pô~-g~aduação, eom ên6a~e ne~te~
últ~mo~, a Fundação vem, já há algum tempo, tentan
do t~an~6e~~~ o Coleg~o Nova F~~bu~go pa~a out~a
e~6e~a adm~ni~t~at~va.

Coe~ente eom e~~e p~opô~~to, extingUu em 1976 o ~n


te~nato daquele eoleg~o, a~~~m eomo eont~nua a eo-
g~ta~ ~ob~e o de~t~no a ~e~"lhe dado. Ca~o nao
eon~~ga t~an~6e~~-lo pa~a out~a ent~dade edueat~­

va, ~e~~ ~nev~tãvel o ~eu 6eehamento de6~n~t~vo em


6utu~o p~ôximo.

o~ dado~ ~evelam que, no ~eto~ de en~~no de nIvel


media, o núme~o de mat~Ieula~ e o de eonelu~õe~ de
eu~~~ tanto na E~eola Teen~ea de Come~e~o quanto
no Coleg~o Nova Fnibu~g~ manteve"~e e~tãvel du~an
te o~ últ~mo~ o~to ano~. Em outna~ palav~a~: a
p~oeu~a do en~~no de nlvel med~o no~ e~tabelee~men
to~ da Fundação Getul~o Va~ga~ - p~at~eamente a
me~ma du~ante ano~ eon~eeut~vo~ - d~6e~e do expa~

~ion~~mo eon~tatado em outno~ ~etone~, ~ob~etudo

no do~ eu~~o~ avul~o~.


XXIV

CURSOS VE N1vEL MtVI0


MATR1cULAS E CONCLUsDES
1972 - 1976

ESTUVANTES
ANOS
MATRICULAVOS CONCLUINTES

1972 718 126


1973 726 145
1974 667 1 41
1975 633 11 5
1 976 667 138
TOTAIS VO·
QU I NQl1 tNI O 3. 411 665

à luz de~te~ óato~, é válida a conclu~ão de que


nem a extin~ão da E~cola Técnica de Comé~cio, nem
o 6echamento do Colégio Nova F~ibu~go (quando
oco~~e~) p~oduzi~ã eóeito~ negativo~ no
educacional da Funda~ão Getulio Va~ga~.

Regi~t~e-~e que a E~cola Tecnica de Comé~cio p~e~­


tou eno~me~ e ~eai~ ~e~vi~o~ ã educa~ão b~a~ilei­
~a, a~~im como a Colégio Nova F~ibu~go, embo~a com
a~ atividade~ ~eduzida~ a pa~ti~ de 1977, também
continua a cont~ibui~ de manei~a po~itiva pa~a o
en~ino de nZvel médio no B~a~il.
xxv

2.2 CURSOS VE GRAVUAÇÃO

O ~úme~ode atu~o~ mat~~eutado~ ~o~ eu~~o~ de g~a~


dua~ao da EBAP e da EAESP dee~e~eeu em 1976, pa~­
~a~do de 2.565 (1975) pa~a 2.109, ~e~do que ma~~
da metade dehhe total eo~~ehpo~de ao eo~t~~gente
da EAESP.

O ~úme~o de eo~eluhõeh de eU~~Oh de g~adua~ao tam


b~m dee~e~ceu de 1975 pa~a 1976, pahha~do de 516
p.a~a 411.

CURSOS VE GRAVUAÇÃO
MATR1cULAS E CONCLUSOES
1972 1976

ESTUVANTES
ANOS
MATRICULAVOS CONCLUINTES

1972 2. 032 329


1973 2. 056 260

1974 2. 081 369


1975 2.565 516
1976 2. 109 411
TOTAIS VO 10.843 1 .885
QUfNQUENIO

2.3 CURSOS VE POS-GRAVUAÇÃO

Em 1976 6o~am i~.6t~tu:Zdo.6 doi.6 ~ovo~ euMo~ de po~-


XXVI

g~aduação: o de Me~t~ado em Ve~envolv~mento Ag~Z~~


la, na E~~ola Inte~ame~~~ana de Adm~n~~t~ação Pü~
bl~~a, e o de Vouto~ado em Adm~n~~t~ação de Emp~~
~a~, na E~~ola de Adm~n~~t~a~ão de Emp~e~a~ de são
Paulo. Con~eqUentemente, a Fundação m~n~~t~a
atualmente nove ~u~~o~ de põ~-g~aduaçãoi nada ob~
tante, o núme~o de mat~Z~ula~, 1.303 em 1975, ap~~
~entou l~ge~~o de~lZn~o, ba~xando pa~a 1.152 em
1 976.

2.3.1 Cu~~o~ de Vouto~ado

o ~u~~o de.douto~ado da EPGE, ~n~~~ado em julho de


7,974, ~omp~eende ~e~~ ~eme~t~e~ e'~~ola~e~, ~ompe­
t~ndo ao~ e~tudante~ a ap~e~entação da~ ~e~pe~t~­
va~·te~e~ no p~azo de at~ t~~~ ano~ .apõ~ a ~on~lu
~ão do ~u~~o. Em 1976 mat~~~ula~am-~e ne~~e ~u~~o
76 ~andidato4 e 5 o ~on~luIAam.

o ~u~~o de douto~ado da EAESP 6o~ ini~iado em


7976, havendo ~~do ~ele~~onado~ e mat~~~ulado~ 8
d06 35 ~andidato~ que ~e ap~e~enta~am.

2.3.2 CUMO~ de Me~t~ado

N06 ~ete ~u~~o~ de


ex,ütente6 em 7976 ma-
me~t~ado

t~i~ula~am-~e 890 aluno~, tendo havido 246 ~on~lu

~õe6 de ~u~~o~, ~endo que a pa~~ela maio~, 782,


~o~~e~ponde ao CU~60 E~pe~~at de Admin~~t~ação de
Emp~e~a~ pa~a G~aduado~ da E~~ola de Admini~t~ação

de Emp~e~a~ de são Paulo.


XXVII

CURSOS VE PDS-GRAVUAÇÃO
MATRTcULAS E CONCLUsDES
197.2 - 1976

ESTUVANTES
ANOS
MATRICULAVOS CONCLUINTES

1972 968 21 3
1973 1 . 188 263
1974 1 . OO5 206

1975 1 • 3 03 259
1976 1 . 1 52 251
TOTAIS VO 5.616 1 . 1 92
QUINQUENIO

O eonónonto -
~ntn~ o num~no totat d~ atuno~ matn~-

eutado~ ~ o d~ eonetu~õ~~ d~ eun~o~ d~ põ~-gnadua­


~ão t~nd~n~a a ~nd~ean uma d~~pan~dade ma~eant~.

S~n~a ~ó~t~vam~nt~ um ea~o d~ ~n~ó~eãe~a do ~n~~­


no? C~ntam~nt~ qu~ não. Em pn~m~~no tugan, pon-
qu~, do~ nov~ eun~o~d~ pÕ~Rgnadua~ão ~x~~tente~,
e~neo 60nam ~n~e~ado~ n~eentemente (do~~ em 1976);
é eedo, po~~, pana penm~t~n eonetu~õe~ vãt~da~ ~o­
bne o ~eu nend~mento. Em ~egundo tugan, ponque o
nequ~~~to da apne~enta~ão de te~e ond~nan~amente
~o e ~at~~óe~to me~e~ e até ano~ (2 a 3 ano~) de-
po~~ da obten~ão do~ ened~to~.

No ea~o
do IESAE, pon exempto, apena~ 4 do~ 54 at~
no~ matn~eutado~ eonetuZnam, em 1976, o eun~o d~
põ~-gnadua~ão ~n~e~ado em ago~to de 1972. I~~o

nao ~~gn~ó~ea, ponem, qu~ o~ 50 ne~tante~ de~~~t~


nam ou óonam nepnovado~: a ma~on~a dete~ aeha-~e
XXVIII

engajada na~ ~e~pectiva~ te~e~ ou di~~e~taçoe~. A~


~im, miito~ vi~io a 6igu~a~ como concluinte~ no~
p~õximo~ ana~.

Ve qualque~ manei~a,
no qainqll~nio 1972-76, o~ CU!
~o~ de põ~-g~aduaçio na Fundaçio Getulio Va~ga~
p~epa~a~am pa~a o B~a~il 1.192 p~06i~~ionai~ de n1
vel põ~-g~aduado, ~endo 9 Vouto~e~ e~ Economia, 81
Me~t~e~' em Economia, 18 Me.6tJi-e~ em P~icologia, 66
Me~t~e~ em Admini~t~açio P~blica, 1.014 Me~t~e~ em
Admini~t~açio de Emp~e~a.6 e 4 Me~t~e~ em Educaçio.

Inte~cale-~e ne.6te contexto a ob~e~vaçào de que,


alem de~.6e nume~o.6O contingente de admini~t~ado~e~
e economi~ta~ pÕ.6-g~aduado.6, a~ e~cola~ de admini~
t~ação da Fundação Getulio Va~ga~ já de~am ao B~a­
~il ce~ca de 5.000 tecnico~ de admini~t~ação de n1
vel unive~~itã~io.

Como a E~cola B~a.6ilei~a de Admini.6t~ação Pública


60i c~iada em 1952 e a E.6cola de Admini.6t~açáo de
Emp~e~a~ de sio Paulo em 1954~ ~egue-~e que a Fun
daçio Getulio Va~ga~ lançou na ho~a ce~ta ~eu~ p~~
g~ama~ de de~envolvimento de ~ecu~~o~ humano~ pa~a

atende~ ao me~cado de t~abalho, entio apena~ pot~~


cial, que ~õ veio a conc~etiza~-~e algun~ ano~
mai~ ta~de.

t evidente que o de~envolvimento econômico do B~a­


~il, com o advento de tanta~ emp~e~a~ nova~ e/ou
ampliada~, alguma~ dela~ de e~t~utu~a gigante.6ca,
te~~à encont~ado maio~e~ ob~tãculo~ ~e o~ gove~­
nante~ e emp~eendedo~e~ nao tive.6~em podido conta~
com a~ equipe~ de admini~t~ado~e~ e economi~ta~
óo~mado~ no B~a~il no cu~~o do~ último~ 20 ano~.
XXIX

E não ~e~ã dema~~ ae~e~eenta~ que a Fundação Getu~


l~o Va~ga~ a~eou eom o~ ~~~eo~ do p~one~~~~mo ~ne­
~ente~ a e~~a ta~e6a.

2.4 CURSOS AVULSOS

E~tadenom~nação ab~ange o~ eu~~o~ dado~ em d~6e­


~ente~ nZve~~, pa~a g~upo~ ma~~ ou meno~ hete~ogê­
neo~ e em ~e~po~ta ã~ ma~~ va~~ada~ ~ol~e~taçõe~.
T~ata-~e de euMO~
de exten.6ão, .in~e~ação, e~pee~a­
l~zação, ~ee~elagem e out~O.6, 0.6 ma~~ nume~o.6o.6,
o~ de ma~o~e~ el~entela.6, no~ e.6tabelee~mento.6 de
en.6~no da Fundação. Note-.6 e que do.6 2 98 eu~.6O~ m.{.
n~.6t~ado.6, em 7976,. po~ e.6.6e~ e.6tabelee~mento.6, 4
~ão de nZvel mêd~o, 4 de g~aduação e 9 de põ~-g~~
duação.

Sua.6 ea~aete~Z.6t~ea.6 p~~ne~pa~.6 ~ao: eu~ta du~a­


çao, 6lex~b~l~dade e d~ve~.6~dade metodolôg~ea.Al~m
d~.6.6o, não d~plomam o~ 6~eqllentado~e.6, ao.6 qua~~
~ão exped~do.6 ee~t~6~eado.6 de ap~ove~tamento e, ã~
veze.6, apena.6 ee~t~6~eado.6 de 6~eqllêne~a.

O núme~o e a va~~edade de~te~ e.6pelham eu~~o~


a~
eond~çõe.6 e ex~gêne~a.6 nova~ do me~eado de t~aba­
lho. Como o .6i~tema de edueação t~ad~e~onal não
p~epa~a homen.6 e mulh~~e.6 pa~a o exe~eZe~o de een
tena~ de oeupaçõe.6 e p~06~.6~õe.6 .6u~gente.6, o~ een
t~O.6 de en.6~no, notadamente 0.6 p~one~~o.6, .6ão ~n~
tado.6 a ~n.6t~tu~~ e at~ ~mp~ov~~a~ eu~.6o.6 e.6pe-
e~a~~, p~ol~6e~ante~, u~gente~, ã~ veze~ planeja-
do.6 ~ob med~da. Se ~.6.60 doeumenta, po~ um lado,
a aeele~ação do p~og~e.6.6o eeonôm~eo e ~oe~al do
B~a.6~l, ate.6ta, po~ out~o, a e~~.6e mund~al eom que
a edueação ~e vê a b~aço~. A pe~qu~~a levada a
xxx

e6ei~o em 7977 1 ~ob o~ au~pZeio~


da Une~eo, pela
Comi~~ão In~e~naeional de P~omoção da Edueação,ev~
deneiou que "eada vez ~ mai~ neee~~~~ia e u~gen~e
uma ~ee~~~u~u~ação global da edueação".

Cump~e que e~~a, ~em 6iea~ limi~ada ao~ mu~o~ da


e~eola, ~e p~olongue pela vida in~ei~a, ~~an~6o~~

mando-~e num "p~oee~.6o pe~manen~e" e eon~:Znuo. Em


.6ua eelo.6ão qua~e eaõ~iea, o en.6ino ex~~aeu~~ieu­
la~ ~e6fe~e a bu~ea ag~e~~iva de ~eeielagem p~o6i~
~ional - 6enômeno eomum a ~odo.6 o~ pa:Z~e~ do mun-
do, no~adamen~e ao.6 em de~envolvimen~o.

A~ualmen~t, na Fundação Ge~ulio Va~ga~, a maio~

pa~~e do.6 meio~ ma~e~iai~


e ~eeu~.6o~ humano~ apl~
eado~ e.6~~ engajada no~ eu~.6O.6
ao en.6ino avul.6o~.
Como ~ão mui~o mai.6 demandado.6 do que o6e~eeido.6,
a in~~i~uição, 6iel ao.6 .6eu~ p~ineZpio.6, nada pode
6aze~, ~alvez nada deva 6aze~ eon~~a a impe~uo.6id~
de de.6~e adven~o.

CURSOS AVULSOS
MATRÍCULAS E CONCLUSOES
7972 - 7976

ESTUVANTES
ANOS
(A) ( B) %
MATRICULAVOS CONCLUINTES B/A
7972 5.684 4.67 O 87 , 7 O
7973 7.466 6.489 86,97
7974 9. 272 7.858 84,74
7975 7. 255 6.304 .86,89
7 976 8.743 7.835 89, 67
TOTAIS VO 38.420 32.646 84,97
QUINQUtNIO
XXXI

3. 1 NFORMAÇÁO

A in60Jtmaç.ão 60i mode.Jtname.nte. de.6inida c.omo "mate


Jtia-pJtima ab.6tJtata do c.onhe.c.imento". Com e.6e.ito,
e.la e o in.6umo npbJte. .6e.m o qual tOJtna~.6e. impo.6.6Z-
ve.l o de..6e.mpe.nho de. atividade..6 de. pe..6qui.6a e. e.n.6i
no.

Mante.ndo e. admini.6tJtando mai.6 de. um~ de.ze.na de. e..6-


tabe.le.c.ime.nto.6 de. e.n.6ino, a Fundaç.ão ê c.on.6umidoJta
inte.n.6a e., a.o me..6mo te.mpo, pJtodutoJta ativa de. in-
60Jtmaç.ão.

AtJtavê.6 do.6 pJtoje.tO.6 de. e..6tudo e. pe..6qui.6a c.onduzi-


do.6 pOJt .6ua.6 unidade..6, a Fundaç.ão Ge.tulio VaJtga.6 e
uma 60nte. c.opio.6a. de. in60Jtmaç.ão, que. c.analiza paJta
0.6 u.6uiJtio.6 atJtavê.6 do.6 de.z pe.Jti5dico.6 e..6pe.c.ializ!
do.6 e. da.6 de.ze.na.6 de. livJto.6 e. 60lhe.to.6 que. publi-
c. a.

PaJtale.lame.nte., 0.6 .6e.U.6 .6i.6te.ma.6 de. bibliote.c.a e. aJt


quivo Jte.c.olhe.m, pJtoc.e..6.6am e. mantêm e.m oJtde.m ac.e.Jt-
VO.6 di.6ponZve.i.6, c.ada ve.z mai.6 nume.Jto.6O.6, de. li-
vJto.6,60lhe.to.6, pe.Jtiôdic.o.6, Jte.latôJtio.6, monogJta-
6ia.6, Jte.c.oJtte..6 de. jOJtnai.6, alem de. todo.6 0.6 doc.u-
me.nto.6 admini.6tJtativo.6 que. a in.6tituiç.ão ge.Jta e./ou
Jte.c.e.be. e.m c.on.6e.qUênc.ia de. .6e.u 6unc.ioname.nto.

Como ê be.~ .6abido, a Fundaç.ão e.dita, utiliza e. di!


tJtibui viJtia.6 c.ate.goJtia.6 de. doc.ume.nto.6: livJto.6, 6~
lhe.to.6, pe.Jtiõdic.o.6, .6e.paJtata.6, Jte.la.tôJtio.6 e.tc..

A.6 di6e.Jte.nte..6 unidade..6 da. Fundaç.ão ge.JtaJtam e.m 1976


um total de. 316 tZtulo.6, .6e.ndo 79 livJto.6, f52 60-
lhe.to.6, 80 public.aç.ôe..6 .6e.Jtiada.6 e. 5 .6e.paJtata.6.
XXXII

A gnande maionia do~ livno~ e nolheto~ publieado~

pela Editona da Fundação naz pante da~ ehamada~


ediçõe~ eomeneiai~, nonmalmente eedida~ ao públieo
a tItulo oneno~o e atnave~ da nede nonmal de di~­
tnibuidone~, livnania~ pnõpnia~, livnania~ de ten-
eeino~, bem eomo pelo neembol~o po~tal. Como ~e

~abe, no Bna~il, o neembol~o po~tal naz a~ veze~

de livnania pana o~ habitante~ de mai~ ou meno~

90% do~ aglomenado~ unbano~, que, em vintude de


~ua pequena população, não oneneeem eondiçõe~ de
viabilidade ã~ livnania~.

Ao lado di~~o, a Fundação edita e di~tnibui negu-


lanmente publieaçõe~ não eomeneiai~, eomo o~ nela-
tõnio~ anuai~, o Indieadon de ~eu pe~~oal e outna~
publieaçõe~ de eonteúdo e~peeial ou teenieo que
não ~e de~tinam ao eomeneio, ma~ ã di~tnibuição
g~atuita e/ou ao u~o d~~ e~tabeleeimento~ de en~i­

no.

Con~idenada~ em eonjunto, a~ publieaçõe~ neita~ em


1976 pela Fundaç~o Getulio Vanga~ apne~entam o~ ~e
guinte~ ne~ultado~ em tenmo~ de pâgina~:
Livno~ 13.244 pâgina~
Folheto~ 3. 145 "
Peniõdieo~ e publieaçõe~ ~en~ada~ 10.870 I~

Sepanata~ 142 "


TOT.AL 27,401

o volume da innonmação pnoduzida pode ~gLLalmente

~en anali~ado pon meio da~ ne~peetiva~ tinag en~,


que nonam a~ ~egu,[nte.6:
Livno~ 129.828
Folheto~ 78.657
Peniõdieo~ e publieaçõe~ ~eniada~ 591.809
Sepanata~ 75.500
T O T A L 815.794
XXX I TI

~~~ alga~i~mo~ exp~e~~am a~ va~iaç5e~ quantitati-


va~ da in6o~mação p~oduzida e ge~ada pela Fundação
em 1976.

Em 1976, a Fundação Qontinuou a edita~ ~eu~ dez Pi


~iõdiQo~: Revi~ta de Vi~eito Admini~t~ativo, que
jã Qhegou ao nume~o 124; a Conjuntu~a eQonômi-
~, que Qompletou 29 ano~ de exi~tênQia; a Revi~ta
b~a~ilei~a de EQonomia; a Revi~ta de Admini~t~ação
de Emp~e~a~; a Revi~ta de Admini~t~ação PúbliQd J a
Revi~ta de CiênQia PolZtiQa; o~ A~quivo~ b~a~ilei­
~o~ de P~iQologia ApliQada; o Cu~~iQulum; o ~6o~­
mativo; e O Co~~eio da Une~Qo.

O Cu~~iQulumteve a ~ua publiQação te~minada Qom o


nume~o 4 do volume 15,Qo~~e~pondente ao último t~~
me~t~e de 1976. Con6o~me anunQiado, em ~eu luga~

e ~ob a o~ientação do IESAE ~e~ã lançado o Fo~um


eduQaQional, pe~iõdiQo igualmente dediQado â edu-
Qação, ma~ Qom ambiç5e~ ab~angente~ de toda a ~ua
p~oblemãtiQa.· O núme~o de lançamento da nova ~e­
vi~ta jã e~ta~ã Qi~Qulando quando e~te ~elatõ~io
óo~ di~t~ibuZdo.

INFORMAÇÃO - PUBLICAÇÕES
1972 - 1976

NGMERO VE
ANOS
TÍTULOS PÃGINAS EXEMPLARES
1972 522 36.091 1.055.465
1973 607 37.022 967.625
1 974 358 35.915 1.006.059
1975 395 31.302 946.605
1976 316 27.401 815.794
TOTAIS 2. 198 167.731 4.791.548
XXXIV

o eonánonto do~ dado~ nelativo~ ao qüinqUênio


1972-76 põe em de~taque uma diminuição pnogne~­
~iva, mai~ aeentuada em 1976, da~ atividade~ edit~
niai~. Veve-~e i~to ao eneaneeimento do papel de
impnen~a, eujo~ pneço~, quadnuplieado~ em 1974,
eontinuam ~ubindo de~de en~ão, juntamente eom o~
eu~to~ gn~áieo~, euja elevação no penZo'do áoi ~up~
nion a 150%.

o aumento do~ eu~to~ editoniai~ pode ~en á~eil


e
expne~~ivamente demon~tnado: ba~ta toman-~e pon
amo~tna a~ ~ua~ vaniaçõe~ no ea~o da Conjuntuna
eeonômiea. E~te peniõdieo ê editado men~almente;
~eu 6onmato não ~oáneu modiáieação alguma de~de
1 97 O; a tinaE em, o núm eno d e p~g ina~ e da~ ilu~ tn~
çõe~ de eada edição o~eilam dentno de uma áaixa e~
tneita, pelo que a~ vaniaçõe~ não ~e aáa~tam ~enão
di~enetamente da~ mêdia~ genai~. Pode aáinman-~e
que o eon~umo de papel e a ab~onção de mão-de-obna
da~ ediçõe~ da Conjuntuna eeonômiea têm-~e mantido
-- ...
pnatieamente e~t~vei~ .no penZodo eon~idenado
1972-76. Vejam-~e agona o~ eu~to~ anuai-6 (papel
+ impne~~ão) da Conjuntuna eeonômiea.

CUSTOS EM Cn$ % VE AUMEN-


ANOS TO SI O ANO
ANUAL POR EVIÇAO ANTERIOR

1972 1 . 1 5'5. OOO 96.250

1 973 1.481.000 123.416 28, 22


1974 2.093.000 174.416 41 ,32
1975 2.198,000 183.166 5, 01

1976 2.779.000 231.583 26,43


xxxv

Ne~te quad~o, o~ alga~i~mo~ da


coluna ~e­
~egunda

p~e~entam a ~oma do~ cu~to~ anuai~ da~ 12 ediçõe~

do pe~iôdico; o~ da te~cei~a, o cu~to médio de ca


da edição; o~ da qua~ta, a~ pe~centagen~ do~ aumen
to~ ve~i6icado~. A ~úbita alta do p~eço do papel
de imp~en~a oco~~ida no inZcio de 1974 como que ~e
~et~ata g~a6icamente no quad~o: 41,32% de aumento.

A~ edito~a~
não podem ~ema~ca~ pa~a cima o~ p~eço~
de capa do~ liv~o~, nem aumenta~ o~ da~ a~~inatu­
~a~ de ~evi~ta~ com a me~ma ligei~eza com que, po~

exemplo, o~ ~upe~me~cado~ atualizam o~ p~eço~ de


~eu~ a~tigo~.

A conjuntu~a adve~~a com que a~ atividade~ edito


~iai~ ~e vêem a b~aço~ no paZ~ deve-~e, em g~ande
pa~te, a e~~e~ aumento~ acele~ado~ do~ cu~to~ de
p~odução de texto~ imp~e~~o~.

Não ~endo
viável a alimentação de ~eu Fundo de Pu-
blicaçõe~ em ~itmo igual ao do~ aumento~ do~ p~e­
ço~ do papel de imp~en~a e do~ cu~to~ g~á6ico~, a
Edito~a da Fundação - 6o~çada a ~eduzi~ o nume~o de
ediçõe~, ~ob~etudo de liv~o~ novo~ - e~tã canali-
zando a maio~ pa~te de ~eu~ e~ca~~o~ ~ecu~~o~ pa~a
a ~eedição de tltulo~ e~gotado~ e de iotatividade
comp~ovada. E~ta p~âtica e~cla~ece e ao me~mo tem
po ju~ti6ica a ~et~ação, ve~i6icada a pa~ti~ de
1973, de no~~a~ atividade~ edito~iai~.
XXXVI

4. COOPERAÇÃO TECNICA

Vale nepetin: neputamo~ a coopenação têcnica uma


da~ atividade~ mai~ pne~tante~ da Fundação. Como
~e tem ~alientado em nelat5nio~ antenione~, .0 exen
,..,
~Zcio con~ciencio~o de~~a atividade pnoponciona a
in~tituição tnê~ categonia~ de bene6Zcio~ neai~:
em pnimeino lugan, pnoduz· nendimento~ valio~o~, em
bona intangZvei~, ~ob a 60nma de boa~ nelaçõe~ p~
blica~; em ~egundo lugan,6acilita a a6enição e
pnomove o enniquecimento da expeniência admini~tn!
tiva; em tenceino lugan, pnoponciona neceita~ adi-
cionai.6.

A pne~tação de bon~ ~enviço.6 e~tneita e 6ecunda a.6


nelaçõe.6 da~ entidade.6 que o~ pne.6tam com a~ que
0.6 necebem. 0.6 pnojeto~ de coopenação têcnica 6o~
mam um amplo leque de objetivo~, opçoe~ e mêtodo~
de tnabalho. Pon i.6.6 o, 06 enecem outno~ tanto~ de-
.6a6io.6 ã.6 equ~pe.6 de têcnlco.6 que 0.6 executam, pn~
poncionando-lhe~ con.6tante.6 opontunidade~ de ape~

6eiçoamento pn06i~.6i~nal.

Ve.6te modo, a coopenação têcni~a coadjuva e impul-


~iona a.6 atividade.6 de en~ino, pe~qui.6a e in6onma-
ção, de.6empenhando um papel de di.6po~itivo pnagm~­
tico de veni6icação de competência - ã~ veze.6 che
gando~atê a ~~n uma e~pêcie de pnova de 60go da ca
pacidade pn06i~.6ional do.6 ne.6pon~ãvei~ pelo~ .pnoji
to~.

Simultaneamente, a coopenação têcnica de~empenha.~


pel impontante na vida da Fundação como 60nte de
nenda ~uplementan. A neceita ondinãnia da Funda-
ção em 1976 atingiu Cn$ 194.239.592,25. A neceita
XXXVII

vinculada, g~ande pa~te da qual de~iva de coope~~


çao técnica, montou a C~$ 105.630.443,28.

o cotejo de~te~ alga~i~mo~


poe em de~taque a eóic~
cia da coope~ação tecnica como óonte de ~ecu~~o~
óinancei~à~. t ve~dade que a de~pe~a vinculada
óoi igual ã ~eceita. Ma~ um óato pe~manece de pé:
a coope~ação técnica habilitou a Fundação a de~en­
vo-lve~ volume maio~ de atividade~ de pe~qui~a, en-

~ino e inóo~mação. Tanto óinancei~a quanto logi~


ticamente, a coope~ação técnica óoi ~e~pon~ãvel p!
ia te~ça pa~te do volume de atividade~ de~envolvi
da~ pela Fundação em 1976.

O~ p~ojeto~ de coope~açao
técnica ca~acte~izam-~e
pela va~iedade. Cada um tem individúalidade p~ô­
p~ia e ~eque~ elemento~ de execuÇa~ dióe~ente~ em
qualidade e quantidade. O pe~~oal, o tempo, o e~­
paço, a capacitação p~oói~~ional, o cu~to, o~ equ~
pamento~, a~ comunicaç5e~, a in6o~mação, o plane-
jamento - tudo va~ia de p~ojeto pa~a p~ojeto.

Fiei a ~eu ideã~io, a Fundação nao ~eleciona o~


p~ojeto~ de coope~ação técnica que lhe ~ao enco-
mendado~. A única limitação a que atende é a e~­
ca~~ez QU inexi~tência de meio~ mate~iai~ e, ~ob~!
tudo, de ~ecu~~o~ humano~ e~pecializado~. Po~ me

no~ inte~e~~ante~ ou po~ mai~ complicado~ que ~e­


jam, o~ p~ojeto~ de coope~ação técnica ~ão examina
do~ na Fundação com a me~ma ~olicitude e a me~ma

di~po~ição de ânimo. Nenhum é ~ecu~ado po~ comp!


ti~ com atividade~ aca~o mai~ convidativa~ ou gla-

mo~o~a~. Tal óilo~oóia ala~ga ainda mai~ a óaixa


de- hete~ogeneidade de no~~o~ emp~eendimento~ de
coope~ação tecnica.
XXXVIII

Não ê po~~Zvel, eon~eqUentemente, de~eneven em l~~


guagem eonnente o panonama d~nâm~eo e van~egado
da~ múlt~pla~ at~v~dade~ de eoopenação teen~ea ~n~
e~ada~ e/ou eont~nuada~ em 1976 pelo~ d~ven~o~ õn
gao~ da Fundação.

Pana aval~an eonglomenado de ~n~e~at~va~


e~~e e
pnát~ea~, o me~o meno~ pneeán~o ã d~~po~~ção do ~n
tene~~ado e o exame do Anexo 4 de~te nelatôn~o. Al
apaneee nom~nalmente eada pnojeto, eom ~nd~eaçõe~
~obne pnopô~~to~, pant~e~pante~ ete.

A tZtulo de amo~tna~ enumenanemo~ a ~egu~n algun~


pnojeto~ de eoopenação têen~ea de~tae~do~ do Anexo
4.

1. Ongão ne~pon~ável: Centno de E~tudo~ e Tne~na


menta em Reeun~o~ Humano~ - CETRHU. Ent~dade

nee~p~endán~a: Centno Bna~~te~no de Con~tnu~


çõe~ e Equ~pamento~ E~eola~e~.
Pnojeto: A~~~~têne~a têen~ea ao~ tnabalho~ de
~envolv~do~ p~lo CEBRACE, notadamente no que
ne~pe~ta ao~ e~tudo~ de mão-de-obna neee~~á­
n~o~ ao~ pnojeto~ de eon~tnuçõe~ e equ~pamen­
to~ e~ eola.ne~ .

2. Ongão n~~pon~ável:Centno Intenamen~eano de


Comene~al~zação - CICOM. Ent~dade nee~p~end~
n~a: A~~oe~ação de Cnêd~to e A~~~~têne~a Ru
nal do Tenn~tôn~o Fedenal do Amapá.
Pnoj~to: Real~zação de e~tudo~ e da~ 6onmula-

çõe~ neee~~án~a~ ã detenm~nação do~ óluxo~ de


pnodução e eon~umo de pnoduto~ agnopeeuán~o~
no Ten~~tôn~o do Amapá.
3. ungão ne~pon~ável: E~eola Bna~~le~na de Adm~-
XXXIX

ni~t~ação Pública - EBAP. Entidade ~ecip~end~


~ia: Vepa~tamento de E~t~ada~ de Rodagem do
E~pZ~~to Santo.
P~ojeto: V~agnõ~t~co da e~t~utu~a e 6unc~on~
menta do Vepa~tamento.

4. O~gão ~e~pon~ãvel: E~cola


de Adm~n~~t~ação de
Emp~e~a~ de são Paulo - EAESP. Ent~dade ~ec~­
p~endã~ia: Companhia Voca~ de Santo~.
P~ojeto: Coo~denação técn~ca do ~~~tema de
cont~ole ge~encial ~nteg~ado do Po~to de San
to~.

5. O~gão ~e~pon~ãvel: In~tituto B~a~~le~~o de


Economia - IBRE. Entidade ~ecip~endã~ia: Su-
pe~intendência do Ve~envolvimento da Reg~ão
Cent~o-Oe~te.

P~ojeto: E~timativa do~ ag~egado~ econômico~


~egionai~ na a~ea de atuação da SUVECO.

6. O~gão ~e~pon~ãvel: E~cola de Põ~-G~aduação em


Econom~a - EPGE. Entidade ~ec~p~endã~~a: Ban-
co Nac~onal da Habitação.
P~ojeto: E~tudo~ ~ob~e a ut~lização de tu~no~
de t~abalho na ~ndú~t~ia de t~an~6o~mação.

7. O~gão ~e~pon~ãvel: In~t~tuto de E~tudo~ Avan-


çado~ em Educação - IESAE. Ent~dade ~ec~p~en­
dã~~a: In~t~tuto Inte~ame~~cano de C~ênc~a~
Ag~Zcola~.
P~ojeto: E~tudo~ ~ob~e a demanda de mão-de-
ob~a e~pec~al~zada em Montev~dêu.

8. O~gão ~e~pon~ãvel: In~t~tuto Supe~io~ de E~tu


do~ Contãbe~~
- ISEC. Ent~dade ~ec~p~endã~~a:
Companhia Vale do Rio Voce.
XL

P~ojeto: P~epa~ação de mão-de-ob~a quali6i~a­


da, em nZvel unive~~itá~io, pa~a atua~ na~
á~ea~ de ~ont~ole e 6inança~ da~ emp~e~a~ do
g~upo.

COOPERAÇÃO TEcNICA
1972 - 1976

SUBPROJETOS
ANOS PROJETOS
cONcw1vOs EM EXECUÇÃO EM ESTUVO TOTAL

1 972 38 36 86 5 127
1973 70 81 24 26 131
1974 54 42 27 17 86
1975 58 33 38 21 92
1,976 70 36 38 24 98
TOTAIS 290 228 213 93 534

5. RELAÇÜES CULTURAIS

Ê óbvio que, pa~a emp~eende~ e te~mina~ a~ ativida


de~ 6inalZ~ti~a~ já ~elatada~ - pe~qui~a, en~ino,
in6o~mação e ~oope~ação tê~niQa - a Fundação tem
que mante~ e Qultiva~ ~elaçõe~ Qultu~ai~ e admini~
t~ativa~ ~om a~ Qlientela~ a que ~e~ve, bem ~omo

Qom a~ in~tituiçõe~ Qultu~ai~ do B~a~il e de out~o~


paZ~ e~.

No intuito de ~i~tematiza~ a matê~ia, a~ ~elaçõe~


~ultu~ai~ ent~etida~ pela Fundação Get4lio Va~ga~
XLI

~ao ag~upada~ em ~~~~o ~eto~e~ d~~ti~to~, 6a~~tme~


te ~de~t~6~~âve~~:

1. a~o~do~ e ~o~vê.~~O~j
2. ~o~g~e~~o~ e a~~emethado~j

3. ~o~6e~ê.~~ia~ (pate~t~a~) e a~~emethado~j


4. v~ag e~~ j e
5. vi~~ta~te~ .

5.1 CONvENIOS

Todo~ o~ p~ojeto~ de ~oope~ação tê~~i~a ~ao o~ig~­


~ado~ e ~egutado~ po~ ~o~vê.~~o~. Mu~to~ dete~ i~­
~tuem, e~t~e out~a~, at~vidade~ de ~e6o~ma admi~i~

t~at~va, de v~ab~l~dade, t~ei~ame~to de pe~


e~tudo

~oat, etabo~ação de ma~ua~~. A ~mpteme~tação de


quatque~ ~o~vê.~~o e~gtoba, a~~~m, p~ojeto~ de e~t~
do, p~og~ama~ de e~~~~o, at~v~dade~ de i~6o~mação
(~omp~a de t~v~o~, a~~~~atu~a. de ~ev~~ta~, pubt~~~

çao de ~etatô~~o~).

Po~ e~~e~ motivo~, ~~ ob~igaç~e~ de~o~~e~te~ de ~~


da ~o~vê.~~o o~~itam de~t~o de uma 6aixa ta~ga, ma~

toda~ eta~ ab~o~vem, bem e~te~d~do, pa~~eta~ maio


~e~ ou me~o~e~ do~ ~e~u~~o~ logZ~ti~o~, ~atu~atme~
te tim~tado~, eom que ~o~ta a Fu~dação pa~a ~eat~­
za~ ~eu~ p~og~ama~.

Vamo~ a ~egui~ uma amo~t~a do ete~~o do~ ~omp~omi~


~o~ ~o~t~atuai~ a~~umido~ peta Fu~dação em 1976.

EAESP

FGVjEAESP - I~dú~t~ia e Comê~~~o de M~~ê~io~ S.A.


Vata: ja~ei~o de 1976
XLII

F~nal~dade: Real~zação de p~o9~ama de t~e~namento

em Adm~n~~t~ação de Emp~e~a~

EIAP

FGV/EIAP Supe~~ntendêne~a do Ve~envolv~mento


da Amazôn~a e Baneo da Amazôn~a S.A.
Vata: 13-1-76
F~nal~dade: Real~zação do I Cu~~o Re9~onal de Ve-
~envolv~mento Ru~al I~te9~ado

EBAP

FGV/EBAP In~t~tuto Nae~onal de Colon~zação e


Re6o~ma A9~ã~~a
Vata: 10-3-76
F~nal~dade: T~e~namento, na ã~ea de adm~n~~t~a-
ção, de têen~eo~ da See~eta~~a de
Planejamento e Coo~denação do INCRA

CONCEP

FGV/CONCEP Companh~a Aux~l~a~ de Emp~e~a~ El!


t~iea~ B~a~~le~~a~, do
da~ M~na~ e Ene~9ia
Vata: 16-3-76
F~nal~dade: Real~zação do V Cu~~o de Eeonom~a M~
ne~al, do Plano de Fo~mação e Ape~-

6eiçoamento do Pe~~oal de Nlvel SUp!


~~o~, do M~n~~tê~io da~ M~na~ e Ene~
9~a

I NV I PO / CPV OC

FGV/INVIPO/CPVOC F~naneiado~a de E~tudo~


XLI Ir

P~ojeto~, da See~eta~~a do
P.tanejamento da P~~idêne~a da
Repúb.t~ea
Vata: 1-4-76
F~na.t~dade: Rea.t~zação de e~tudo ~ob~e a h~~tõ~~a
~oe~a.t da e~êne~a no B~a~~.t

INVOCjEVITORA

FGVjINVOCjEVITORA P~omoçõe~ Ma.ta V~~eta Ltda.


Vata: 14-5-76
F~na.t~dade: Pe~muta de pub.t~e~dade ent~e a~ ~ev~~

ISOP

FGVjISOP Se~v~ço Nae~ona.t de Ap~end~zagem Co-


me~e~a.t

Vata: 1-6-76
F~na.t~dade: Anâ.t~~e do t~aba.tho de ~n~t~uto~e~ da
â~ea de hote.ta~~a, pa~a a de6~n~ção
de ~~~tema~ de ~ee~utamento, ~e.teção
e t~e~namento de pe~~oa.t

IBRE

FGVjIBRE A~~oe~ação B~a~~.te~~a de


P.tâ~t~e'o~
Vata: 16-7-76
F~na.t~dade: P~ov~mento de dado~ da
aee~ea eonju~
tu~a eeonôm~ea da ~ndú~t~~a de .tam~na
do~ p.tã~t~eo~

IBREjEPGE
FGV j I BREj EPG E M~n~~té~~o da Edueação e Cu.ttu~a
XLIV

Vata: 20-7-76
Finalidade: Realização de e~tudo vi~ando ã impla~
tação de um ~i~tema de 6inaneiamento
ã edueação no B~a~il

CETRHU

FGVICETRHU Companhia B~a~ilei~a. de P~ojeto~ In


du~t~iai~, do G~upo Companhia Side-
~ú.~giea Naeional
Vata: 27-7-76
Finalidade: Identi6ieação e análi~e da~ eatego-
~ia~ téeniea~ do ~eto~ de eon~ulto~ia
de p~ojeto~ indu~t~iai~ na ã~ea de en
genha~ia e ~e~peetivo~ ~alã~io~

SG

FGVISG Vepa~tamento de En~ino Médio, do Mini~


té~io da Edueação e Cultu~a
Vata: 30-11-76
Finalidade: T~an~6e~êneia de aluno~ da ETC pa~a o
Colégio Come~eial P~o6e~~o~ Clõvi~
Salgado

IESAE

FGVIIESAE Unive~~idade Metodi~ta de Pi~aeieaba


Vata: 8-11-76
Fina.lidade: Planejamento e exeeução de um ~eminá­
~io vi~ando ao e~tudo int~a-o~ganiz~
eional da Unive~~idade

ISEC
FGVIISEC Cent~o de Fo~mação Téeniea do E~tado
XLV

do E~pZ~itQ Santo
Vata: 76-8-76
Finalidade: Realiza~io de dive~~o~ eu~~o~ na~
a~ea~ 6inaneei~a e eontábil

..crCOM

FGv/crCOM - A~~oeiação de C~êdito e A~~i~têneia


Ru~al do Te~~itõ~io Fede~al do Amapá
Vata: 26-7-76
Finalidade: Realizaçio de e~tudo~ e da~ 6o~mula­
çõe~ neee~~á~ia~ â dete~minação de
6luxo~ di p~odução e eon~umo de p~od~
to~ ag~opeeuã~io~ no Te~~itô~io do
Amapá

5.2 CONGRESSOS E ASSEMELHAVOS

Rep~e~entada em eada in~tâneia pelo~ ã~gio~ eomPi


tente~, a Fundaçio em 1976 tomou pa~te em 753 eve~
to~ - em 25 do~ quai~ eomo p~omoto~a ou eo-p~omot~

~a, e em 728 eomo eonvidada.

Adieionando-~e a ~~e núme~o


o de evento~ de meno~
vulto (eon6e~êneia~, pale~t~a~ e a~~emelhado~J a
que a Fundaçio e~teve p~e~ente no me~mo pe~Zodo
eomo p~omoto~a ou eo-p~omoto~a em 138 ea~o~, e em
65 eomo eonvidada - o total ~obe pa~a 356, o que
eo~~e~ponde a mai~ de um po~ dia útil.

A a~~iduidade do~ expe~to~ da Fund~ção ao~ eong~e~


~o~, eon6e~êneia~ e a~~emelhado~ tem a dupla 6in~
lidade de ap~ende~ e de eont~ibui~.

vê-~e, poi~, que a Fundação Getulio Va~ga~ vive o


XLVI

.6eu .ideá.Jt..io, .i.6:to ê., pJt.oc.uJt.a eJt..ig.iJt.-.6e em "gJt.ande.


60Jt.um de. de.ba:te..6, c.om ên6a.6e. na e.laboJt.ação de. c.o-
nhe.c..ime.n:to.6 e. 60Jt.mulaçõe..6 de. pJt..inc.Zp.io.6 apl.ic.áve.i.6
ao me.io bJt.a.6.ile.iJt.o c •

Algun.6 e.xemplo.6 de. e.ve.n:to.6 de..6:tac.ado.6 do Ane.xo 6-A


ba.6:tam paJt.a .ilu~:tJt.aJt. e.6:ta modal.idade. :tZp.ic.a da.6
Jt.elaçõe..6 c.ul:tuJt.a.i.6 da Fundação Ge.:tul.io VaJt.ga.6.

CNF

XV CongJt.e.6.6o da A.6.6oc.iação ln:te.Jt.ame.Jt..ic.ana de. Educ.a


ção, Jt.e.al.izado no Rio de. Jane..iJt.o, RJ, e.m 7 7 e.
72-70-76

EBAP

111 Se.m.iná.Jt..io Nac..ional de. OJt.çame.n:to públ.ic.o, pJt.om~


v.ido pela Sec.Jt.e:taJt..ia do Planejame.n:to da PJt.e..6.idên
c..ia da Repúbl.ic.a e. pe.la Se.c.Jt.e:taJt..ia do Plane.jame.n-
:to, C.iênc.ia e. Te.c.nolog.ia do E.6:t.ado da Bah.ia, Jt.e.al.i
zado e.m SalvadoJt., BA, de. 70 a 15-70-76

EAESP

9Q CongJt.e..6.6o Paname.Jt.ic.ano de. Admin.i.6:tJt.ação, pJt.omo-


vida pe.la Con6ede.Jt.ação Nac..ional da.6 lndú.6tJt.ia.6 e.
pe.lo ln.6:t.i:tu:to de. OJt.ganização Rac..ional do TJt.aba-
lho, Jt.e.al.izado no Rio de. Jane.iJt.o, RJ, de. 77 a
15-70-76

EIAP

Se.m.iná.Jt..io .6obJt.e. Ação ln:te.Jt.nac.ional da.6 EmpJt.e.6a.6 pf


bl.ic.a.6 La:t.ino-Ame.Jt..ic.ana.6, pJt.omov.ido pelo ln.6:ti:tu:to
XLVII

pa~a I~te9~ação da Amê~~ea Lat~~a e pela EIAP, ~ea


l~zado ~o R~o de Ja~e~~o, RJ, de 18 a 22-10-76

IBRE

I Co~g~e~~o Mu~d~al da Ca~~e, p~omov~do pela Ju~ta

Nae~o~al da Ca~~e da A~ge~t~~a, ~eal~zado em Bue-


~o~ A~~e~, A~ge~t~~a, de 29-7 a 6-8-76

EPGE

111 S~mpó~~o de Eeo~om~a, ~eal~zado ~o R~o de Ja-


~e~~o, RJ, de 12 a 16-7-76

INVIPO

11 Co~g~e~~o B~a~~le~~o de V~~e~to Adm~~~~t~at~vo,

p~omov~do pelo I~~t~tuto B~a~~le~~o de V~~e~to

Adm~~~~t~at~vo e pelo INVIPO, ~eal~zado ~o R~o de


Ja~e~~o, RJ, de 16 a 22-7-76

EVITaRA

XVI Fe~~a da P~ov~dê~e~a, p~omov~da pelo Baneo da


P~ov~dê~e~a, ~eal~zada ~o R~o de Ja~e~~o, RJ, de
16 a 19-9-76

IESAE

11 S~mpó~~o de Edueação Ru~al e FamZl~a, p~omov~do


pelo Mov~me~to de Edueação P~omoe~o~al do E~pZ~~to
Sa~to, ~eal~zado em V~tõ~~a, ES, de 20 a 24-9-76

ISOP
VI Co~g~e~~o I~te~~ae~o~al de E~go~om~a, p~omov~do
XLVIII

pela A~~oe~ação Intennae~o»al de Engonom~a, neal~­


zado em Wa~h~ngton, E~tado~ Un~do~,de 11 a 16-7-76

ISEC

I Congne~~o Bna~~le~no de Tne~namento e Ve~envolv~


menta, pnomov~do pela A~~oe~ação Bna~~le~na de
Tne~namento e Ve~envolv~mento, neal~zado em são
Paulo, SP, de 8 a 12-11-76

5.3 CONFERENCIAS (P~LESTRASJ. E ASSEMELHAVOS

Tnata-~e, no pne~ente ea~o, de uma at~v~dade tlp~­


ead~ ~nteneãmb~o eultunal. Pno6e~~one~ e e~pee~!
l~~ta~ do~ d~6enente~ õngão~ da Fundação neeebem
6neqUentemente o eneango de pno6en~n eon6enênQ~a~
e pale~tna~ ~obne a~ matén~a~ que en~~nam ou QUlti
vamo A~ ~ol~e~taçõe~
e O~ eonv~te~ pana o de~em

penha de~~e enQango pantem pn~nQ~palmente do~ pnQ


pn~o~ õngão~ da Fundação, ma~ emanam também de ou-
tna~ ent~dade~ nae~ona~~ e e~tnange~na~.

Num pnoee~~ode e~the~ta Qolabonação ~ntenna, no~

~o~ ~n~t~tuto~ e e~Qola~ aux~l~am-~e neQ~pnOeameB

te, 6azendo u~o Qomum do~ neeun~o~ humano~ de que


d~~põem.

S~m~lanmente, expehto~ pehtenQente~ a outha~ ~n~t~

tu~çõe~, tanto bha~~le~ha~ quanto e~thange~ha~,~ão


Qonv~dado~ paha paht~Q~pah, eomo eon6ehenQ~~ta~ vi

~~tante~, de numehO~o~ phoghama~ oh~g~nado~ e/ou


exeeutado~ pelo~ õhgão~ da Fundação.
XLIX

de 6o~a ~ao ~gualmente bem ~eceb~do~ e-


que a~ c~~cun~tanc~a~ pe~mitem - p~aze~o~amente

atend~do~.

A~~~m, em 1976, como no~ ano~ ante~~o~e~, o~ Õ~­


gão~ da Fundação Getul~o Va~ga~ de~envolve~am 6~e­
qaente~ at~v~dade~ ne~te ~eto~. Ent~e con6e~ên­
c~a~, pale~t~a~ e oco~~ênc~a~ ~~m~la~e~, p~omov!
~am um total de 138 e pa~t~c~pa~am de 63, p~omovi
da~ pd~ out~a~ ent~dade~.

Se toda~ a~ con6e~ênc~a~ e pale~t~a~ p~onunc~ada~


em 1976 pelo~ e~pec~al~~ta~ e p~o6e~~o~e~ da Fund~
ção Getul~o Va~ga~ 6o~~em g~avada~, t~an~6o~mada~
em texto~ e o~gan~zada~ po~ a~~unto, da~~am pa~a

eompo~ d~ve~~o~ volume~.

T~atando-~e de eon6e~ênc~a~ e pale~t~a~ avul~a~,


aqu~ o t~aço dom~nante ê, natu~almente, a va~~eda
de de tema~ e abo~dagen~. Ind~camo~ a ~egu~~ alg~·

ma~ amo~t~a~ de~tacada~ do Anexo 6-B.

EBAP

Con6e~ênc~a ~ob~e o Ve~envolv~mento U~bano, Cont~~


le da Polu~ção e P~e~e~vação do Me~o-Amb~ente,. ~e~
l~zada no R~o de Jane~~o, RJ, em 18-5-76

EAESP

Pale~t~a ~ob~e Input-Output Analy~~~ and Applica-


t~on~ 06 in
Mathemat~cal P~og~amm~ngEconom~c
Plann~ng, p~omov~da pelo In~t~tuto de Matemãt~ca
da Un~ve~~~dade de são Paulo, pela E~cola de Enge-
n~ Mauã e pela EAESP, ~eal~zdda em são Paulo,
SP.
L

EIAP

Co~6e~ê~c~a ~ob~e a Ag~o~~dú~t~~a ~o Japão, p~06~


~~da ~o R~o de Ja~e~~o, RJ, em 7-10-76

INVOC

Co~6e~ênc~a Va B~bl~oteco~om~a ã I~60~mit~ca, p~oP


6e~~da ~o I E~co~t~o de E~ca~~egado~ de B~bl~ote­

ca~ da Ma~~~ha, p~omov~do pelo Se~v~~o de Vocume~

ta~ão Ge~al da Ma~i~ha, ~eal~zado ~o R~o de Ja~e~

~o, RJ, de 16 a 20-8-76

ISOP

Pale~t~a ~ob~e E~go~om~a, p~omov~da po~ Fu~~a~ Ce~

t~a~~ Elêt~~ca~ S.A., ~eal~zada ~o R~o de Ja~e~~o,


RJ 1 em 1 3 - 4 - 7 6

ISEC

Palt~tna ~ob~eO Ba~co do B~a~~l ~a Execu~ão da P~


l1.ti~-a,'·~1l~di.t!.1.c~a e F.<.na:nce.i~a do Gove~~o, p~omov:!:.
da ~elo ln6t~tuto B~a6~le~~0 de Execut~vo~ F~~a~
ctÚI;,'Q-6, ~tal~z'a.da 110 R~o de Ja~e~~o,RJ, em 18-8-76
LI

CONGRESSOS
CONFERENCIAS
E ASSEMELHAVOS

1972 - 1976

CONGRESSOS - CONFERENCIAS
ANOS PROMOÇÃO
E/OU PARTICIPAÇÃO TOTAL
CO-PROMOÇÃO

1972 98 137 235


1973 111 1 92 303
1974 165 140 305
1975 94 196 290
1976 163 193 356

TOTAIS 631 858 1 .489

5.4 VIAGENS

Ao~ ~igo~i~ta~ talvez pa~eça Qa~ul~mo t~ata~ de


viagen~ na ~lnte~e int~odutô~ia de~te Relatô~io Ge
~al.. Ma~,
a Fundaçao Getulio Va~ga~, p~atiQante

entu~ia~ta da Qoope~aÇao Qultu~al, nao pode igno-


~a~ o papel que a~ viagen~ de~empenham no Qonjunto

de ~ua~ atividade~ de pe~qui~a, en~ino, in6o~maçao


e Qoope~aÇao têQniQa.

O que 60i dito ~ob~e viagen~ no Relatô~io Ge~al de


1975 deve ~e~ ~epetido ne~te, ip~i~ Utt~, po~­
que 60Qaliza o p~oblema Qdm ju~teza e p~op~iedade.
LIl

"ObJLigada a pJLOCUJLaJL, aceLtaJL e entJLeteJL JLetaçõel.>


com inl.>tituiçõe;., l.>imitaJLel.>, nacionail.> e el.>tJLange~
JLal.>, uma inl.>tituição como a Fundação Getutio VaJL-
gal.> não conl.>egue manteJL-l.>e l.>edentáJLia, ainda que
intente. Mil.>l.>õel.> que I.>omente podem l.>eJL cumpJLidal.>
60JLa da I.>ede, em di6eJLentel.> tugaJLe~ no BJLal.>it e
também no e~tJLangeiJLo, exigem 6JLeqUentel.> del.>toca-
mentol.> de l.>eJLvidoJLel.>, geJLatmentediJLigentel.> e ex-
peJLto~, que viajam paJLa negociaJL acoJLdol.>, pJLel.>taJL
l.>eJLviçol.> in toco e paJLticipaJL de conctavel.> como
JLepJLel.>entantel.> da Fundação.

VaZ a JLazão de l.>eJL do Anexo 7, o quat, I.> em mencio


naJL 01.> objetivol.>, indica o númeJLo de viagenl.> peto
BJLa~it e ao el.>tJLangeiJLo JLeatizadal.> pOJL pe~l.>oal.> pe~

tencentel.> aol.> I.>eu~ diveJLl.>ol.> ÕJLgãol.>.

Uma vez que a in~tituição pJLocuJLa condicionaJL a~

viagenl.> a nece~l.>idade~ JLeail.> de l.>eJLviço e/ou a pJL~


põ~ito~ del.>ejaveil.> de apeJL6eiçoamento cuttuJLat, o
quadJLo conl.>tante do Anexo 7 JLe~i~te com vantag~n~
a con6JLontol.> com aI.> pJLátical.> COJLJLente~ em in~titui
çõel.> ~imitaJLel.>."

5.5 VISITANTES

AI.> vil.>ital.> 6e~tal.> ã Fundação 6azem paJLte el.>l.>enciat


de ~ua~ JLetaçõel.> cuttUJLai~. O Anexo 8 é uma ti~ta
de nomel.> de pel.>l.>oa~ que, no cOJLJLeJL do ano de 1976,
vil.>itaJLam a PJLel.>idência e OI.> demail.> ÕJLgãol.> . da Fun
dação.

Ne~te cal.>o , pOJLêm, a enum~JLação não ê exau~tiva,


timitando-~e a ~eJL uma amo~tJLa JLepJLe~entativa do
LIII

volume e quant~dade da~ v~~~ta~ ~e~eb~da~ pela Ca


~a no~u~~o de 12 me~e~.

Seja e~~la~e~~do, ó~nalmente,· que nao ~e t~ata de


v~~~ta~ ~o~~a~~. O~ que ·nob p~o~u~am ~~o ge~alme~
te t~az~do~ po~ en~a~go~ oó~~~a~~,· ou mot~vo~ p~o­

ó~~~~ona~~, ou ob~~gaçõe~ ~ont~atua~~.


LIV

ADMINISTRAÇÃO GERAL

7. VISÃO LOGTSTICA

O modefo de ~efatõ~io a»uaf adotado em 7977 pefa


Fu»dação omite i»óo~maçõe~ expfZeita~ ~ob~e o~ ~e~
viço~ e meio~ de admi»i~t~ação ge~af: pe~~oaf, m~
te~iaf de eo»~umo, equipamento, eomu~ieação, edi~
óZeio~ e i»~tafaçõe~, eo»~e~vação, t~a»~po~te,
p~oee~~amento de_dado~ etc. Ape»a~ o~ a~peeto~

eeo»ômieo-ói»a»eei~o~ ~ão t~atado~ exte»~ivame»te


»a p~e~tação de eonta~, ocupando ee~ea de 1/3 da~

.pãgi»a~ do ~efatõ~io g~~af.

Não que~ i~~o dize~ que o~ demai~


de admi~e~viço~
»i~t~ação ge~af e~tejam i~ento~ da ob~igação de
. p~e~ta~ eo»ta~ de ~ua~ atividade~. Exatame»te co-
mo o~ õ~gão~ ~e~po»~ãvei~ pefa~ atividade~ ói»afZ~
tiea~, todo~ o~ ~e~viço~ de admini~t~ação ge~af
ap~e~e»tam ~egufa~mente ~efatô~io~ ~eme~t~ai~ e
a»uai~. O eo»ju»to de tai~ ~efatõ~io~ óo~ma doeu
me»tação eopio~a, que pe~ma»eee »o~ a~quivo~ da Ca
~a ã di~po~ição do~ i»t~u~ado~ fegZtimo~.

E õbvio que todo memb~o do~ õ~gão~ defibe~ativo~


da Fu»dação tem aee~~o imediato ao~ ~efatõ~io~ de
quafque~ da~ u»idade~ que a i»teg~am.

A omi~~ão de i»óo~maçõe~ detafhada~ ~ob~e o~ ~e~­


viço~ de admi»i~t~ação ge~af deeo~~e, em p~imei~o
fuga~, da »eee~~idade impe~io~a de ta~»a~ o ~efatõ
~io ge~af uma expo~ição ~uei»ta, ~u~eetZvef de ~e~
fida e e~itieada em pouca tempo; e, em ~egu»do fu-
ga~, da p~e~~upo~ição de que o ~efato documentado
e cfa~o da~ atividade~ óinafZ~tica~ 6u»eio»a ã gu~
LV

~a de Z~dice
do compohtame~to da~ atividade~ de
admi~i~thação gehat. Como e~ta~ t~m pOh 6im exct~
~ivo apoiah aqueta~, ~egue-~e que, paha heatizah
~eu~ 6i~~, a i~~tituição depe~de e~~e~ciatme~te do

compohtame~to adequado do~ meio~ togZ~tico~, i~to


-
e, do~ ~ehviço~ de admi~i~thação gehat.
No i~tuito
de dah, pOh via i~diheta, uma ~oção da
e~vehgaduha e comptexidade de ~o~~o ~i~tema de
admi~i~thação gehat, aphe~e~tamo~ a ~eguih um pa~~
hama compahativo do~ ~eu~ meio~ e heatizaçõe~ em
1975 e 1976, o quat e~themo~tha a diveh~idade'e a
~u~eho~idade do~ phobtema~ de pta~ejame~to, coohde
~ação e COhhetato~ imptZcito~ ~a~ opehaçoe~ admi-
~i~thativa~ da Fu~dação.

Pa~ohama Compahativo
1975 1976
Phojeto~ de e~tudo e pe~qui~a
thabathado~ 257 337
CUh~O~ mi~i~thado~ 260 298
Atu~o~ mathicutado~ 11.756 12.671
Co~ctu~õe~ de cuh~O 7. 194 8. 635
E~cota~ ma~tida~ 11 11
Bibtioteca~ ativa~ 5 5
'Acehvo heu~ido da~bibtiote-
ca~ (tivhO~, 6otheto~
~ pe
hiõdico~) - 141.421 177.939
TZtuto~ pubticado~ (tivhO.6,
6otheto~, pehiõdico~ etc.) 395 31 6
Númeho de pãgi~a~ 31.302 27.401
Númeho de exemptahe~ edita-
do~ 946.605 815.794
Phojeto~ de coopehação téc~i
ca (em e~tudo, em cuh~O e
co~ctuZdo~) 92 1 07
Co~v~~io~ cetebhado~ 90 94
Pahticipação em co~ghe~~o~,
~emi~áhio~, co~6eh~~cia~ e
a~~ emethado~ 290 356
Fu~cio~áhio~ em atividade 1. 824 1 . 892
Livhahia~ admi~i~thada~ 4 4
Receita ahhecadada (em mitha
he~ de Ch$) 190.168 299.870
Ve~pe~a heatizada (em mitha-
he~ de Ch$) 190.474 310.085
LVI

T~ata-~e, ~e
vê, de milha~e~ e milha~e~ de de
eomo
ei~õe~ e ope~açõe~ de vã~~o~ »Zvei~ que, eoo~de»a­
da~ eo»~eeutiva e/ou ~imutta»eame»te, t~a»~60~mam­

~e, a6i»al, »o~ p~oduto~ eo»e~eto~ vi~ado~ pela


i»~tituiçao: pe~qu~~~, e»~i»o, ~»60~maçao, eoop!
~açao tee»iea, ~elaçõe~ eultu~ai4 e out~o~.

O~ õ~gao~ e ~e~viço~ i»teg~a»te~ do ~i~tema de ad-


mi»i~t~açao ge~al da Fu»dação, ~ubo~di»ado~ ã Vi~!
to~ia Adm~»~~t~ativa e ã V~~eto~ia F~»a»eei~a, ex!
euta~am adequadame»te a~ ~e~peetiva~ at~ibuiçõe~
»0 a»o de 1976, eomo, aliã~, e
tnadiçãd da Ca~a.

O~ alga~i~mo~ de~te eo»6~0»to t~aduzem um eo»60~t~


vel e~e~eime»to qua»t~tat~vo ge~al. Pate»teiam que
a Fu»dação, eomo um todo, e~e~eeu ~ub~ta»eialme»te
de 1975 pa~a 1976: pe~qui~ou ma~~, e»~i»ou mai~,
p~e~tou maio~ volume de eoope~ação tee»iea, pa~t~
eipou mai~ i»te»~ame»te d~ eve»to~ eultu~ai~. Hou-
ve dee~ê~e~mo ape»a~ »0 ~eto~ da~ atividade~ edit~
~iai~: e~ta~, eomo explieado em out~a pa~te de~te

~elatõ~io, ~o6~e~am u gna»de ~mpaeto da quad~upl~


-
eaçao do~ p~eço~ do papel de imp~e»~a, ju»tame»te
eom o aume»to qua~e aj6ixia»te do~ eu~to~ g~ã6i­
eo~.

o e~e~eime»tD ~evtlado pelo~ »ume~o~ eo»~titui uma


p~ava a ma~~, embo~a i»d~~~ta, do bom de~empe»ho

do ~i~tema de admini~t~açao ge~ál da Fu»dação Getu


lio Va~ga~.

2. PRESTAÇÁO DE CONTAS

Elabo~ada pelo Se~viço de Co»tabil~dade, ~et~ata


LVII

~ob o~ p~~~ma~ pat~~mon~dl, eeonôm~eo e 6~nanee~~o


- at~avê~ do~ t~ê~ balanço~ eo~~e~pondente~ - o e~
tado da Fundaçio em 1976.

Nele~ ~e aeham eon~ol~dado~ o~ balanço~ da ~ede e


da~ dua~ un~dade~ ext~a-~ede, oCNF ~ a EAESP, tam
bem t~an~e~~to~ ~nd~v~dualmente.

Alem d~~~o, em quad~o~ eompa~at~vo~ ent~e ~eee~ta


e de~pe~a e~t~mada~ e M e6et~vamente hav~da~, ê e!!;
6oeado o a~peeto 6~nanee~~o de a~p~~açõe~ e ~eal~
zaço e~.

F~nalmente, ~ao ap~e~entado~ demon~t~at~vo~ ad~e~E.


na~~ ~ob~e a o~~gem e a apl~eaçio do~ ~eeu~~o~ mo-
v~mentado~ pela Fundaçio.

Sat~~6az-~e, a~~~m, ~n totum, o a~t~go 31 do~ E~ta


tuto~.

2.1 BALANÇO PATRIMONIAL

O at~vo em 31. 12.76 eompunha-~e da~ ~egu~nte~ pa~­


eela~ (toda~ anal~~ada~ no~balanço~ ge~al, da ~e

de, do CNF 'e da EAESPI:

(C~$ I
1 • V~~ponZvel 33.988.229,95
2. Real~zãvel a Cu~to P~azo 32.454.143,02
3 . Real~zãvel a Longo PJtazo 64.014.867,81
4. Imob~l~zado 482.538.007,55
5. I mo b~l~zaçõ e~ Pat~~mon~a~~ 20.599.305,64
6. Pendente 615.786,98

Total 634.210.340,95
LVIII

o di~ponlvel
abnange a~ quantia~ em caixa e o~ de-
põ~ito~ ã vi~ta em e~tabelecimento~ bancãnio~. Sua
exatidão 60i veni6icada pon comi~~õe~ e~pecialme~
te nomeada4, ~4 quai4 a centi6icanam em tenm04 la-
vnad04 negulamentanmente.

o nealizâvel a cunto pnazo compneende o~ ben4 e di


neit04 conven4Ivei4 em dinheino num penlodo de tem
po neduzido.

o nealizâvel a longo pnazo di6ene do antenion pela


maion demona na conven4ão, dele con4tando tltulo~
ganantidone4 do Fundo de Indenizaçõe~ Tnabalhi4ta~
e depõ~it04 e4peciai4.

o imobilizado engloba 04 inve~timent04 imobiliâ-


niof.J e mobillâniof.J, .def.Jtacando-f.Je Cn$ 432.963.935,52
(valon atualizado ã data) em ORTN inalienâvei~,
doada4 ã FGV pelo Govenno Fedenal (Lei E~pecial
n9 4.887, de 9 de dezembno de 1965).

A~ imobilizaçõe4 patnimoniaif.J inconponam con4tnu-


çõe~ em andamento, cujo valon 6inal total ~enâ
tnan~6enido ã conta Imõvei4 logo que tenminadaf.J a~
obnaf.J ne~peetiva~.

o ativo pendente congnega ci6na~ tnan~itõniaf.J, cuja


maio~ panceLa conne~ponde a antecipaçõe~ ~ala­
niai~ em ~azão de 6enia~ ou conf.Joante a legi~lação
tnabalhi~ta.

o pa~~ivo apnef.Jentava em 31 .12.76 a~

~ub~omaf.J:
LIX

(CIt$)
1• Ex.<.g '<'bLt'<'dad e.ó a CUJtto PJtazo 65.206.719,22
2. Ex.<.g.<. bLt'<'dad e.ó a Longo PJtazo 58.515.749,02
3. In ex.<.g 1. v e.e. 5'0 O• 8 94 • 544 , 7 O
4. Pendente 9.593.328,0 1

Tota.e. 634.210.340,95

A.ó ex.<.g'<'b.<..e.'<'dade.ó a CUltto pltazo envo.e.vem a.ó obJt.<.g~


çõe.ó a .óa.e.daJt em nutuJto pJtôx.<.mo - a malolt.<.a no pltf
me.<.lto tJt.<.me.ótlte de 1977 - bem como CJt$ 3.802.742,53
Ite.e.at.<.vo.ó ao Fundo de Pub.e..<.caçõe.ó e CIt$ 3.267.043,53
ao Fundo de Comeltc.<.a.e..<.zação de Oblta.ó de Teltce.<.lto.ó.

A.ó ex.<.g'<'b.<..e.'<'dade.ó a .e.ongo pltazo d.<..ót.<.nguem-.óe da.ó


anteJt.<.olte.ó pe.e.o venc.<.mento ma.<..ó Jtemoto, e .<.nc.e.uem
o 6undo e.ópec.<.a.e. palta atendeJt ao.ó encaltgo.ó .óo-
c.<.a.<.-.ó.

(CIt$ )
Patlt.<.môn.<.o 53.006.434,25
Fundo de ORTN 432.963.935,52
Fundo palta depltec.<.ação de ben.ó
mõve'<'.ó e máqu.<.na.ó 13.156,38
Fundo opeJtac.<.ona.e. 7.585.718,37
Fundo paJta de.óenvo.e.v.<.mento de
pe.óqu.<..óa.ó 7.307.173,93
Fundo palta at.<.v'<'dade.ó e.ópec.<.a.<..ó 18.126,25

Tota.e. 500.894.544,70

o pa.ó.ó.<.vo pendente Jteplte.óenta clted.<.to.ó oJt.<.g.<.nado.ó


pOJt Itece.<.ta.ó e opeltaçõe.ó d'<'6elt'<'da.ó palta 1977.
LX

2.2 BALANÇO ECONOMICO

A neceita annecadada a~~im ~e compô~:

(Cn$ )
Receita patnimonial 28.572.183,62
Receita openacional 34.552.491,82
Subvençõe~ e auxZlio~ 109.200.000,00
Voaçõe~ e contnibuiçõe~ 16.411.175,41
Receita~ diven~a~ 5.503.741,40
Receita ondinânia 194.239.592,25
Receita vinculada 105.630.443,28
Total 299.870.035,53

A de~pe~a nealizada teve a ~e9uinte compo~içao:


(Cn$ )
Pe~~oal 120.625.108,52
Matenial decon~umo 5.737.742,90
Senviço~ de tenceino~ 14.155.781,42
Encan90~ diven~o~ 34.980.516,73
Encan90~ ~ociai~ ( I NPS, FGTS
e PIS) 28.955.332,86

Ve~pe~a ondinânia 204.454.482,43


Ve~pe~a vinculada 105.630.443,28
Total 310.084.925,71

Oconneu, pàntanto, um de6icit de Cn$ 10.214.890,18,


ab~onvido com necun.6O.6 da conta 241 - Patnimônio.

2.3 BALANÇO FINANCEIRO

A movimentaçã.o
~;
LXI

(CJr.$ )
I ng Jr. e.6.6 0.6 716.632.535,26
Eg Jr. e.6.6 0.6 (657.147.817,10)
Saldo do exeJr.QZQ~o 59.484.718,16

E.6te .6aldo ~nQoJr.poJr.a-.6e ao pJr.oven~ente de 1975


(CJr.$ 34.561.326,67), pa.6.6ando ao exeJr.QZQ~o de 1977
o .6aldo total de CJr.$ 94.046.044,83.

2.4 ASPECTOS VA EXECUÇÃO ORÇAMENTÃRIA

A.6 ~nóoJr.maçõe.6 .6obJr.e a .6~tuação eQonôm~Qo-ó~nanQe~


Jr.a da Fundação ampl~am-.6e Qom o exame de outJr.O.6 a.6
peQto.6 geJr.a~.6 da d~nâm~Qa oJr.çamentáJr.~a.
A Tabela A ~nd~Qa a de.6t~nação da.6 de.6pe.6a.6 da Fun
dação em 1976, e.6peQ~ó~Qando a óat~a peJr.Qentual
que Qoube ã adm~n~.6tJr.ação geJr.al, em bloQo, e a Qa-
da um do.6 .6etoJr.e.6 da adm~n~.6tJr.ação e.6peQZó~Qa, em
paJr.t~QulaJr..

TABELA A
% %
Adm~n~.6tJr.ação GeJr.al 24, 91
Adm~n~.6tJr.ação E.6peQZó~Qa
En.6~no e Pe.6qu~.6a de C~ênQ~a.6 Ad-
m~n~.6tJr.at~va.6 34, 09
En.6~no e Pe.6qu~.6a de EQonom~a 1 6, 74
En.6~no e Peiqu~.6a de P.6~Qolog~a
Apl~Qada 6, 29
En.6~no e Pe.6qu~.6a de NZvel Mêd~o 4,47
En.6~no e Pe.6qu~.6a de ReQuJr..6o.6 Hu-
mano.6 O, 57
VOQumentação e V~vulgação 6,78
En.6~no e Pe.6qu~.6a de EduQação 2 , 1O
En.6~Yl.o e Pe.6qu~.6a de C~ênQ~a.6 Con
tãbe~.6 em NZvel SupeJr.~oJr. 1 , 27
CooJr.denação de En.6~no e Pe.6qu~.6a 1 , 18
En.6~no e Pe.6qu~.6a de C~ênQ~a.6 So-
Q~a~.6 1, 6O 75, 09
Total 100,00
LXII

A Tabela B ~ out~o a~pecto da execuçio o~çament~­


~ia: compa~a, po~ õ~gio, a~ dotaçõe~ o~çament~~ia~
ap~ovada~ com o~ totai~ da~ de~pe~a~ e6etivamente
~ealizada~.

TABELA B
Votação Ve~pe~a

(C~$ J (C~$ J
Vi~eção 54.144.940,28 50.925.350,87
CONCEP 2.604.673,47 2.415.176,67
IBRE 40.643.662,26 35.866.618,48
1NV 1PO 3.320.317,17 3.271.947,83
ISOP 13.292.584,48 12.858.244,13
INVOC 13.759.234,76 12.143.483,76
IESAE 4.375.471,74 4.304.774,23
ISEC 2.744.120,89 2.593.360,81
EBAP 12.846.559,30 17.850.192,44
EAESP 42.063.103,00 47.126.103,77
EIAP 18.598.682,00 16.778.670,28
CETRHU 1.238.193,34 1.175.042,42
ETC 2.982.683,53 2.868.877,57
CNF 6.804.710,66 6.277.240,37
279.418.936,88 204.454.482,43

A Tabela C, complementa~ da ante~io~, compa~a,igu~


mente po~ õ~gão, a~ ~eceita~ e~timada~ com a~ ~e­
ceita~ e6etivamente p~oduzida~.

TABELA C
Receita Receita
E~timada Realizada
(C~$ J (C~$ )
Vi~eção 734.169.106,00 142.956.258,62
CONCEP 705.926,76
IBRE 2.710.000,00 632.765,46
1 NV 1 P·O 30.000,00
ISOP 70.000,00 435.384,50
INVOC 3.860.000,00 5.808.617,95
1 ESAE 400.000,00 777.791,00
ISEC 885.000,00 496.269,00
EBAP 1.484.572,00 7.736.496,65
EAESP 20.929.462,00 23.433.999,74
EIAP 17.906.700,00 16.792.042,47
CETRHU 33.290,00
ETC 403.000,00 485.232,00
CNF 1.076.767,00 1 . 746 . 7 1 8 , 7 6
177.924.007,00 194.239.592,25
LXIII

Pelo teneeino a~o eo~~eeutivo oeonneu um de6ieit


onçame~tánio. Tal óato jamai~ aeo~teeena ao lo~
go do~ pnimeino~ Z9 a~o~ de exi~tê~eia da Fu~da­
çao.

Se~do ~ua de~pe~a ondi~ãnia 6u~dame~talme~te ab~o~


vida pelo /58 1 99% em 1976) e pelo~ e~ean­
pe~~oal

go~ ~oeiai~ daI ne~ulta~te~ /14,16%), ê 6ãeil de


avalian o impaeto do~ neaju~te~ ~alaniai~ eompul~~
nio~ oeonnido~ de 1974 pana eá. Ei~ aI a eau~a
do~ de6ieit~.

Me~mo a~~im, eomo ~empne ~e e~óonça pon hanmo~izan

a exeeução de ~eu~ pnognama~ eom o~ neeun~o~ di~p~


~Ivei~, a FGV ~ão deixou de de~e~volven-~e em
1976. E eo~templa eom ~ene~idade o~ tempo~ vi~dou
no~.

AVVERTENCIA

OS ANEXOS /VE 1 A 8) COM SEUS VESVOBRAMENTOS E RE-


SUMOS ESTATlsTICOS ILUMINAM E AMPLIAM O SENTIVO VA
SINTESE INTROVUTORIA VESTE RELATORIO. ASSIM, PARA
AQUELES QUE VESEJAREM SE VETER NO EXAME CRITICO VO
VESEMPENHO VOS ORGÃOS RESPONSÃVEIS PELAS ATIVIVA-
VES FINAL1sTICAS VA FUNVAÇÃO /PESQUISA, ENSINO, I~
FORMAÇÃO, COOPERAÇÃO TtCNICA ETC.), CONSIVERAMOS
INVISPENSÃVEL A ANÃLISE VOS REFERIVOS ANEXOS.
ANEXOS
ANEXO 1

PROJETOS DE ESTUDOS E P0.SQUI§AS _=-1.9~§.

1. CONSELHO DE COORDENAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA - CONCEP

1.1 Repeti tivos

1.1.1 Atividades do Corpo Docente da FGV (semestral)


1.1. 2 Estudo do Corpo Discente da FGV
1.1. 3 Estudo do Corpo Docente da FGV
1.1. 4 Estudos sobre Legislação de Ensino
1.1. 5 Follow-up de Diplomados da FGV
1.1. 6 Recursos Humanos e Materiais da FGV
1.1. 7 Sistematização de Dados Relativos aos Cursos Oferecidos pela FGV

1.2 Concluidos

1. 2.1 Compatibilização dos Subprojetos da EAESP, da EBAP e do IESAE para ElabQ


ração do Plano Plurianual e do Projeto Anual da FGV para Participar do
Programa Institucional de Capacitação de Docentes da CAPES
1. 2.2 Estudo da Documentação para Credenciamento das Entidades de Ensino da FGV
junto ao Conselho Federal da Mão-de-Obra, do Ministério do Trabalho
Levantamento de Dados do Ensino Superior da FGV
Levantamento dos Professores de Matemática da FGV

1.3 Em andamento

1. 3.1 Estudo do Projeto de Formação Profissional da FGV


1. 3. 2 Estudo dos Convênios Firmados pela FGV
1. 3· 3 Levantamento das Atividades de Pesq-J.isa das Unidades da FGV - 1975/76
1.3.4 Levantamento das Bolsas de Estudo Concedidas ou Obtidas por intermédio
da FGV - 2 2 Semestre de 1976

2. CENTRO DE ESTUDOS E TREINAMENTO EM RECURSOS HUMANOS - CETRHU

2.1 Concluido

2.1.1 Identificação e Análise de Categorias Técnicas do Setor de Consultoria


de Projetos Industriais na Área de Engenharia e Respectivos Salários
2

2.2 Em andamento

2.2.1 Levantamento dos Servidores Municipais e do Pessoal de Nível Superior em


Atividade Profissional em Amostras de Municípios do Pais
2.2.2 Llstagem e Análise de Ocupações que Podem Ser Desempenhadas por Gradua-
dos em Cursos Superiores de Duração Reduzida
2.2.3 Multiplicação de Cursos Superiores na Área de Ciências Sociais e Huma-
nas: Levantamento de Dados

3. CENTRO INTERAMERICANO DE COMERCIALIZAÇÃO - CICOM

J.l Conclu{dos

3.1.1 Administração Financeira Internacional: Estudo de Casos


3.1. 2 Comercialização de Frutas Citricas
3.1. 3 Comercialização de Frutas Tropicais
3·1.4 Estudo de Caso do Abacaxi (Indústria de Beneficiamento de Frutas Tropi-
cais; Estudo de Casos das Indústrias em Paises em Desenvolvimento: Indú~
iria do Abacaxi)
3.1. 5 Exportação de Produtos Agr{colas
3.1. 6 Instrumentos de Apoio ao Comércio Exterior: Barreiras Tarifárias e Não
Tarifárias
Operacionalldade de Unidades Armazenadoras
Organização e Sistemas de Informações em Comércio Internacional
Preços Agr{colas

3.2 Em andamento
3.2.1 Casos de Operações de Comércio Internacional
Comercialização de Frutas Exóticas
Estrutura F{sica de Comercialização: Projetos
Estudo das Possibilidades de Incremento Comercial na América Latina: Mer
cado Andino
3.2.5 Fluxos e Margens de Comercialização no Amapá
3.2.6 A Indlístria de Frutas no Bras i 1
3.2.7 Mercado Internacional de Frutas
3.2.8 Métodos de Avaliação de Alternativas em Investimento de Capital
3.2.9 pOlitica Agricola e Armazenamento
3.2.10 Projetos Especificos de Comercialização
3

4. ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - EBAP

4.1 Conclu{dos

4.1.1 Brasil e o Subsistema Latino-Americano: a Estrutura da Poli tica Externa


Brasi leira - 1889 - 1975
4.1. 2 Educação e Produtividade na Área Rural
4.1. 3 Elaboração de índice por Autor e Pais e Organização da Bibliografia sobre
Empresas Estatais
4·1.4 Politica Brasileira do Petróleo

Em andamento

4.2.1 Centros Reais de Decisão: Se11 Impacto na Estrutura Organizacional Gover-


namental
Documentação sobre Polltica Pública e Governamental Brasileira
O Papel do Planejamento Urbano como Propulsor do Desenvolvimento: Estudo
do Caso na Área Metropolitana de Belo Horizonte
4.2.4 Pol{tica Cientifica e Tecnológica: Estudo de Pol{ticas Alternativas em
Contexto de Crise Energética
4.2·5 Pol{tica de Desenvolvimento e Bem-Estar Social
4.2.6 Pressupostos e Métodos do Planejamento Brasileiro
4.2·7 Programa de Estudos Avançados de Administração no Setor Saúde
4.2.8 Relações entre o Estado e a Classe Latifundiária no Brasil: 1882-1930
4.2·9 Validade e Fidedignidade dos Vestibulares da EBAP

5· ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP

5·1 Conclu{dos

5.1.1 Aprendizado e Comunicação: Uma Análise de Caracter{sticas e Efeitos


5·1.2 Construção Civil e Criação de Empregos
5·1. 3 Desenvolvimento Agr{cola Comparado
5.1.4 Os Efeitos das Minidesvalorizações na Economia Brasileira
5·1. 5 Empresas Multinacionais: A Transferência de Tecnologia e a Capacidade de
Absorção dos Pa{ses em Vias de Desenvolvimento
5.1. 6 Ensino Superior, Mercado de Serviços e Vida Urbana
5.1. 7 Estado e Administração no Brasil: DASP
5.1. 8 O Estado Novo (1937-1945)
5·1. 9 Mercado de Trabalho para Administradores em são Paulo
5.1.10 Mudanças Organizacionais - A Participação do O & M
5.1.11 O Paradigma da Participação na Teoria das Organizações
5.1.12 A Terceira República (1937-1945)
4

5.2 Em andamento

5.2.1 Administração Descentralizada a Nível Municipal


Algumas Observações sobre o Conceito de Mark-up e Conseqüências sobre o
mesmo em Função de políticas de Alterações de Preços
Análise Ideológica do Discurso da Revista Hora Presente
Aspectos Quantitativos e Qualitativos do Ensino Superior das Escolas de
Administração de Empresas de são Paulo
Ati tudes Práticas e Outros Subsidios quanto ao Orçamento e Controle Or-
çamentário nas Empresas Mercantis e Industriais de Capital Aberto da R~
gião da Grande são Paulo
5.2.6 O Comportamento da Mulher em relação ao Trabalho nas Diversas Classes S.2,
ciais
5.2.7 O Conceito de Mark-up e a Thterminação de Preços
5.2.8 As Condições de Trabalho no Magist~rio Superior e Suas Implicações quan
to ao N{vel de Ensino em são Paulo
5·2·9 Conteúdo dos Diss{dios Coletivos de Trabalho desde 1946
5.2.10 O DesUno Profissional dos Formados em Administração Pública
5·2.11 A Economia do Subdesenvolvimento Industrializado
5.2.12 Estratégia de Ação das Empresas de Consultoria
5.2.13 Estrutura Típica Hospitalar da Grande são Paulo
5.2.14 Estudo Comparativo dos Custos de Mercadização
5·2.15 Estudo do Potencial Econômico Regional e Especifico para o Mercado Far-
macêutico
5.2.16 Estudo Exploratório sobre o Conhecimento e Percepções que os Executivos
T~m da Recente Regulamentação Referente ao Controle de Poluição e Prot~
ção ao Consumidor
5.2.17 A Evolução da Pequena Empresa no Brasil
5.2.18 Gestão Tecnológica
5.2.19 História do Brasil (1945-1964)
5.2.20 O Imposto de Renda
5.2.21 Levantamento dos Principais Grupos de Pesquisa Operacional Atuando no
Brasil e dos Principais Estudos e Pesquisas Operacionais Implantados e
Bem -Sucedidos
5.2.22 Metodologia de Organização e Sistemas: Uma ReíTisão
5.2.23 Potencial de Mercado para Bens Duráveis: Teste de Uma Metodologia
5.2.24 O Processo Eleitoral no Mun.lclpio de são Paulo nas Eleições de 1970
5.2.25 Shopping Center: Um Novo Marco no Processo de Evolução do Varejo Brasi-
leiro
5.2.26 Te leducação por Satélite no Brasil: Um Exemplo de Dependência Cultural
e Tecnológica
5.2.27 Tenentismo e Autoritarismo no Brasil
5.2028 A Teoria da Administração é uma Ideologia?
5.2.29 Teoria Matemática do Custo Padrão
5

5.2.30 As Teorias de Distribuição de Renda Pós-Keynesianas: Um Estudo sobre o


Mecanismo de Ajustes Dinâmicos na Economia
5.2.31 Transferência de Tecnologia e Vantagem Comparativa: O Caso da Indústria
Siderúrgica
5.2.32 Viabilidade da Implantação de Tri turadores de Lixo em Cozinhas

6. ESCOLA INTERAMERICANA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - EIAP

6.1 Concluídos

6.1.1 La Acción Internacional de las Empresas Públicas en América Latina


6.1.2 Agricultura e Estado: Análise das Áreas Áridas
6.1. 3 Agroindústria: Teoria e Prática do Seu Desenvolvimento
6.1.4 Algumas Indicações para o Estudo de História da Tributação Agricola no
Brasil
6.1. 5 Análise dos Fatores do Meio-Ambiente e Qualidade de Vida em Processos de
Ocupação do Espaço Agrícola
6.1. 6 Centrais de Abastecimento: Modelo Operacional
6·1.7 Complexo Cafeeiro Paulista e Complexos Regionais: 1850-1929
6.1.8 A Contabilidade Social (Nacional) e o Setor Agr{cola
6.1. 9 Determinação de Portfolios de Renda para Soja face ao Risco de Mercado
6.1.10 As Elites Agrárias e o Processo de Formação do Estado no Brasil
6.1.11 Em torno à Questão das Técnicas no Escravismo: Versão Preliminar
6.1.12 As Empresas Públicas do Setor AgropecuáriO
6.1.13 Estado e Mão-de-Obra Agr{cola: 1888-1976
6.1.14 A Estrutura da Propriedade Rural em são Paulo - 1818
6. L 15 A Estru.tura do Crédito Agr{cola no Brasil: 1870-1937
6.1.16 Evolução da Propriedade Rural da Terra no Brasil
6.1.17 A Expansão Agrico1a no Paraná Moderno
6.1. 18 El Gravamen de 1 Capital Extranjero en Paise s de la ALALC
6.1.19 História e Modernização Administrativa no Brasil
6.1.20 Hlstória e política Narrativas da Agricultura no Brasil
6.1.21 A História Quantitativa e Sua Aplicação â Nova História da Agricultura
Brasileira
6.1.22 Um Modelo de Planejamento para Municipios com Vocação Agricola
6.1.23 Modelo de PlaneJamento para o Desenvolvi.mento Rural Integrado
6.1. 24 Para o Conhecimento dos Objetivos Históricos para Questões MetodológllEs
6.1.25 Planejamento de Empresas Agrícolas: Processos e Modelos
6.1.26 Os Plantadores de Cana de Pernambu.co: 1920-1955
6.1.27 A política e a Administração da Agricultura do Brasil: 1750-1849; Ver-
são Pre liminar
6

6.1.28 População e Força de Trabalho Agrícola: 1940-1970; Versão Prelimlnar


6. 1.29 Povoamento e Produção Agr{cola no Vale da Ribeira: 1870-1970
6.1. 30 Projeto de Colonização do Alto Turi: Versão Preliminar
6. L 31 ProJeto de História da Agricultura Brasileira
6. L 32 Projeto de Implantação de um Entreposto de Pescado de Água Doce na Cida
de de Cuiabá (MT)
6.1.33 A propósito de Dois Projetos sobre História da Agricultura
6.1.34- A Reforma Administrativa na Era de Vargas
6.1.35 Regime de Colonato e Formação do Proletariado Rural
6.1. 36 El Régimen Legal de las Empresas Públicas Latinoamericanas y SuAcción
Internacional
6.1. 37 O Tratamento Metodológico do Tempo na Pesquisa Social

6.2 Em andamento

6.2.1 Agregados do Setor Agr{cola


6.2.2 Anteprojeto de História da Agricultura: Estrutura e Metodologia
6.2.3 Contabilidade de Custos em Empresas Agr{colas
6.2.4 Contas Nacionais: Formulação Conceitual
6.2.5 Ecossistemologia
6.2.6 História Tributária da Agricultura
6.2.7 Impostos ao Patrimônio
6.2.8 Planejamento Empresarial Agr{cola
6.2.9 .Relevamiento de la Empresa Pública en América Latina
6.2.10 Sistema Nacional de Abastecimento
6.2.11 Valor Aduaneiro

7. INSTITUTO BRASILEIRO DE ECONOMIA - lERE

7.0.1 RepetitlvoS

7·0.101. Análise e Processamento de Balanços das Sociedades Anônimas - 1969/75


7·0.1.2 Estimativa da Renda Interna Regional: Por Unidade da Federação e Ramo
de Atividade - 1949, 1959, 1970
7.0. lo 3 Estudos Setoriais Espec{ficos sobre o Comportamento de Preços por Ata
cado e Varejo para Verificação dos Diferentes Impactos dos Preços De-
correntes de Poli ticas Governamentais
7.0·1.4 Evolução de Preços de Produtos Agrícolas (mensal)
7·0·1.5 Imposto de Renda da Pessoa Jurídica
7. O. L 6 índice Geral de Preços para o Brasil (men8al)
7·0·1.7 índice para Reajustamento dos Preços das Obras de Construção Civil do
Metropolitano do Rio de Janeiro (mensal)
7

7·0.1.8 índices de Comércio Exterior: Importação e Exportação (mensal)


7·0·1.9 índices de Custo de Construção Civil na Cidade do Rio de Janeiro (me~
sal)
7.0.1. 10 índices de Custo de Obras Portuárias (mensal)
7·0.1.11 índices de Custo de Obras Rodoviárias, por 'ipo de Obra (mensal)
7·0.1.12 índices de Custo de Vida para a Cidade do Rio de Janeiro (semanal e m~
sal)
7·0.1.13 índices de Preços ao Consumidor (mensal)
7.0.1.14 índices de Preços por Atacado (quinzenal e mensal)
7·0.1.15 índices de Transportes
7. 0.1. 16 índices do Produto Real por Setor de Atividade: Setores Agricola, In-
dustrial e Serviços - 1976
7·0.1.17 índices Nacionais de Custo de Edificações (mensal)
7·0.1.18 índices Nacionais de Custo de Obras Públicas (mensal)
7·0.1.19 Levantamento e Critica dos Dados do PASEP - 1972/73
7·0.1.20 Levantamento e Critica dos Dados do PIS - 1972/73
7·0.1.21 Preços dos Dez Principais Insumos Utilizados na Agricultura
7·0.1.22 Preços Pagos e Recebidos pelos Agricultores, a Nivel de Municipio
7·0.1.23 Preços Vigentes do Boi Gordo e da Lã
7. 0.1. 24 4.sQuinhentas Maiores Sociedades Anônimas do Brasil
7. 0.1. 25 Renda dos Autônomos - 1959/75
7·0.1.26 Renda Interna a Preços Correntes na Agricultura, Indústria e Serviços
- 1959/7 3
7. 0.1. 27 Retrospecto da Evolução do Setor Industrial - 1975
7.0.1.28 Retrospecto da Evolução do Setor Industrial - 1 2 Semestre de 1976
7·0.1.29 Sondagens Conjunturais: Indústria Brasileira de Transformação
7.0.1. 30 Sondagens Conjunturais: Indústria de Transformação da Amazônia
7·0.1.31 Sondagens Conjunturais: Indústria de Transformação de são Paulo

Concluidos

7·0.2.1 Atividade Empresarial dos Governos Estaduais - 1965/70


7·0.2.2 Avaliação das Conseqüências das Várias Fórmulas de Correção Monetária
sobre o Valor dos Coeficientes, Remuneração de Titulos e Depósitos, e
.Realimentação Inflacionária
7·0.2.3 Cálculo da Relação Encargos Sociais I Salários - 1972 e 1973
7·0.2·4 Consolidação de Balanços das Socied.ades Anônimas - 19 6 9/75
7·0.2.5 Conta Corrente e Formação Bruta de Capital Fixo do Setor Governo: Es-
timativa Preliminar para 1974 e 197.5
7.0.2.6 Conta Corrente e Formação Bruta de Capital Fixo dos Governos Munici
pais: Revisão Metodológica. - 1965/69 e Revisão para Ampliação - 197 0/5
3

7·0.2·7 Despesa dos Governos Estaduais: Administração Central e Descentraliz~


da - 1965/70 e 1971
Efeitos das Medidas da Politica Econômica sobre os Preços
Estudo Comparativo do Produto, da Despesa e da Renda Nacional dos Pai
ses da América Latina Referentes ao Ano de 1973 (Projeto ECIEL)
7.0.2.10 Estudo Histórico sobre a Evolução dos Índices de Preços no Brasil
7. 0.2.11 Estudo para Modificação dos Critérios Ma temático-Estat{s Úcos do cáí-
culo dos Índices de Comércio Exterior
7.0.2.12 Formação de Capital - Estimativa Definitiva para 1970: Construção Ci-
vil; Revisão a Partir do Censo de Produtos de 1970
7.0.2.13 Formação de Capital - Estimativa Definitiva para 1970: Importação de
Máquinas e Equipamentos; Reestimati va para 1965/75
7. o. 2.]4 Formação de Capital - Estimativa Definitiva para 1970: Produção Nacio
nal de Bens de Capital; Reestimat:lva e Complementação
7. 0.2.15 Implantação de Sistema de Índices de Reavaliação de Tarifas de Segu-
ros de Automóveis
7. o. 2.16 Índices de Preço e Quantidade do Comércio Exterior - 1974
7.0.2.17 Matriz Nacional de Comércio Interestadual e Inter-Regional de Mercado
rias, por Vias Internas e de Cabotagem - 1960/74
7.0.2.18 A Nova Correção Monetária
7.0.2.19 Orçamentos Familiares: Cálculo de Ponderações segundo Tipos de Cons-
trução para os Setores Rodoviário, Ferroviário e Energético
7·0.2.20 Orçamentos Familiares: O-Lltros Cons-umos - Rio de Janeiro, Porto Alegre
e Recife
7·0.2.21 Orçamentos Familiares: Renda Familiar e Consumo Alimentar em Recife
7·0.2.22 Principais Produtos de Exportação, por Estados e Territórios
7·0.2.23 Recei ta dos Governos Estaduais: Administração De s c e n t r a 1 i z a da
19 65/70
7·0.2.24 Reclassificação das Microrregiões Homogêneas do Brasil
7·0.2.25 Renda dos Intermediários Financeiros - 1974 e lº Semestre de 1975
7.0.2.26 Revisão da Metodologia dos Preços Recebidos pe los Agricultores
7.0.2.27 Rotaç~o de Inquilinos em Imóveis Alugados e Sua Conseql1ência nas Pon-
deraçoes dos Indices de Custo de Vida
7.0.2.28 Segmentos Agroindustriais
7· 0.2.29 Setor Agropecuário: Cálculo Defini.tivo do Valor da Produção, COnSll1IlO
Intermediário e Valor Adicionado, por Estado - 1970
7·0.2.30 l~ Sondagem Conjuntural: Indústria Brasileira da Construção Civll
7·0.2.31 l~ Sondagem Conjuntural: Indústria de Transformação do Centro-Oeste
7·0.2.32 Variações Sazonais de Preços de Prod-Lltos Agr{colas
7.0.2.33 Viabilidade da Implantação da Sondagem Conjuntural na Indústria da
Construção Civil
7·0.2.34 Viabilidade da Implantação da Sondagem ConjuntLJ_ral no Comércio Ataca-
dista de Material de Construção
9

7.0.3 Em andamento

7·0·3·1 Acompanhamento do Comportamento dos Segmentos da Indústria de Trans-


formação
Atividade Empresarial do Governo Federal: Revisão e Atualização -
197 0 /73
Balanço Alimentar do Brasil: Revisão
Características Econômicas das Explorações Rurais: Análise Comparati
va em Oito Estados
7·0,]·5 Complementação do Calendário Agrícola Nacional
7·0.].6 Conta Corrente do Governo: Revisão Metodológica - 1959/69
7·0,]·7 Conta Corrente e Formação Bruta de Capital Fixo do Setor Governo
1970/73: Atualização, Revisão e Compatibilização com as Séries RegiQ
nais
7.0.3.8 Custo da Produção da Cana-de-Açúcar
7.0.3.9 Demanda de plásticos
7.0.3.10 Formação de Capital por Ramo de Atividade Econômica (IRPJ) - 1973
7.0.3.11 Incorporação dos Registros Administrativos ao Sistema de Contas Naci
onais
7.0.3.12 Indicador do Crescimento do Valor Nominal da Produção da Indústria da
Construção Civil
7.0.3.13 Indicadores do Crescimento do Valor Nominal da Produção por Ramos,
Gêneros e Setores da Indús tria de Transformação, por Região Geográfi
ca
7·0.].14 Indicadores Econômicos de Curto Prazo a Nível Regional
7·0.].15 International Comparison Project: Estudo Comparativo da Despesa In-
terna Bruta para Diversos Paí;;; (sob coordenação das Nações Unidas)
Investimentos na Indústria de Transformação
7.0.3.17 Orçamentos Familiares: Estudos sobre Dietas de Custo Mínimo (Rio de
Janeiro)
7.0.3.18 Projeções da Oferta e Demanda de Produtos Agrícolas para o Brasil:
Atualização
7.0.3.19 Repartição Funcional da Renda
7.0.3.20 Revisão do Sistema de Contas Nacionais e Adaptação da Nova Sistemáti
ca Proposta pelas Nações Unidas
7.0.3.21 2~ Sondagem Conjuntural: Indústria Brasileira da Construção Civil
7·0.].22 2ª Sondagem Conjuntural: Indústria de Laminados plásticos Flexíveis
7·0.].23 6' Sondagem Conjuntural: Indústria de Transformação da Amazônia
7·0.].24 4ª Sondagem Conjuntural: Indústria de Transformação de são Paulo
7·0.].25 2ª Sondagem Conjuntural: Indústria de Transformação do Centro-Oeste
7·0.].26 Transferência de Tecnologia
10

7.1 ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOM~ - EPGE

7.1.1 Concluídos

7.1.1.1 A Absorção da Mão-de-Obra: O Caso Brasileiro


7·1.1.2 Análise Econômica da Mão-de-Obra no Setor Manufatureiro
7·1.1.3 Commercial Banks in Brazil
7·1.1.4 Controle de Preços
7·1.1.5 Dos Custos de Tornar~se Vis{ ve 1 a "Mão Invisí ve 1": O Caso da Inter-
venção do Estado
Erradicação da Miséria e Lai ssez-Faire: O Seigniorage como Fonte de
Recursos
7·1.1.7 Escolaridade, Experiência no Trabalho e Salários no Brasil
7.1.1.8 O Estado na Economia; Uma Visão Incompleta do Caso Brasileiro
7·1.109 Indicadores de Curto Prazo na Economia Brasileira
7.1.1. 10 Um índice de Qualidade de Mão-de-Obra.: Uma Aplicação do Conceito de Ca
pital Humano
7. L 1.11 Inflação, Correção Monetária e Controle de Preços
7.1. 1.12 Matriz de Fluxos de Fundos (Parte I)
7·1.1.13 Nível Econômico da População Brasileira
7·1.1. 14 Seigniorage and Income Redistribution
7.1. 1.15 Uti lização de Turnos de Trabalho na Indú.s tria de Transformação
7.1. 1.16 A Utilização de Turnos no B1'a81.1: Evidência Empírica

7.102 Em andamento

7.1.2.1 A Dinâmica do Crescimento


7.1.2.2 Distribuição de Renda e Educação
7.1.2.3 Empresas Multinacionais no BrasIl
7.1.2.4 Estratégias Comerciais
7·1.2.5 Inflação e Controle de Preços no Brasil
7.1.2.6 Migrações Internas no Brasil
7·1. 2.7 Saúde, Nutrição e Capacidade de Gerar Renda
7. 1.2.8 Studies in the Analysis in the Economic Time Series

8. INSTITUTO DE DIREITO PÚBLICO E CI~NCIA POLíTICA ~ INDIPO

8. 0.1 Concluído

8.0.1.1 Estudos Comparativos sobre o Voto Distrital


11

8.0.2 Em andamento

8.0.2.1 Extradição
8.0.2.2 A Federação Brasileira
8.0.2-3 índices de Renovação, Modernização e Representação no Atual Sistema
Constitucional Brasileiro
pOlitica Industrial Brasileira e o Sistema Pol:Ltico: Uma Análise da
politica Governamental

8.1 CENTRO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO DE HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA DO BRASIL - CPDOC

8.1.1 Repetitivo

8.1.1.1 Brasiliana

8.1.1.1.1 Pesquisa Bibliográfica sobre a Constituição de 1934- (em andamento)


8"1.1.1.2 Pesquisa Bibliográfica sobre o Movimento Católico (em andamento)
8.1.1.1.3 Pesquisa Bibliográfica sobre o Pensamento Politico Brasileiro (em aQ.
damento)
8.1.1.1.4 Pesquisa Bibliográfica sobre a Revolução de 1930 (em andamento)

8.1.2 Conc luido

8.1.2.1 Aspectos do Contexto Politico e Sócio-Econômico de Pernambuco em tor-


no da Revolução de 30

8.1.3 Em andamento

8.1.3.1 A Constitulnte de 1933/34

8.1.3.1.1 A Campanha Eleitoral para a Constituinte de 1933: são Paulo e Rio


Grande do Sul (conc luido)

8.1.3.2 A Crise da Sucessão Mineira - 1933


8.1.3.3 Discursos Políticos da Revolução de 30
8.1. 3.4 O Pape 1 dos Partidos Gaúchos na Definição do Momento Pol:Ltico - 1930
8.1.3·4.1 Atividade política do Rio Grande do Sul em 1928/29, segundo os Jo,r.
nais Correio do Povo e Diário de Noticias (concluido)
8.1.3.4·2 Contexto Politico e Econômico do Rio Grande do Sul: Análise do Arqui
vo Antunes Maciel - 1930/32 (concluído)
8.1.3·4·3 A Federação: Porta-Voz do Partido Republicano Riograndense(concluido)
801.3.4·4 Perfil Politico e Econômico do Rio Grande do Sul de 1930 a 1932, se-
gundo o Jornal Diário de Notícias (concluido)
8.1.3·4.5 Rio Grande do Sul: Atividade Polltica segundo os Arquivos de Getulio
Vargas e Osvaldo Aranha (concluído)
12

8.1.3.5 A politica Social de Vargas e o Ministerio Collor


8.1.3.6 A Revolução Constitucionalista de 1932
8.1.3.6.1 são Paulo e a Revolução Constitucionalista: Contexto Pol:LticoeEconQ.
mico (cone luido)

9. INSTITUTO DE DOCUMENTAÇÃO - INDOC

9.1 Repetitivos

9.1.1 Pes~uisa de Dados para Elaboração do Relatório Anual da FGV


9.1.2 Pes~uisa de Dados sobre Servidores da FGV e Respectivos Locais de Traba
lho, para Elaboração do Indicador da FGV

9.2 Concluídos

9.2.1 América Central


9.2.2 Comunidade de Emaús
9.2.] Estaç3es Ecol~gicas
9.2.4 O Índio Brasileiro
9.2.5 Museu, de Cristaleira a Fonte de Informaç3es

10. INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM EDUCAÇÃO - IESAE

10.1 Concluídos

10.1.1 Análise de Quest3es de Provas Psicológicas (Aptid3es Acadêmicas) e de,


Escolaridade (Medida e Avaliação em Educação e Estatistica A.plicada a
Educação), ~uanto à Dificuldade e ao Poder Discriminantes
10.1.2 Domínios Conexos na Elaboração Curricular da P~s-Graduação no Brasil
10.1.3 Egressos dos Cursos de Mestrado em Educação no Pais
10·1.4 Follow-up dos Participantes dos Cursos de Especialização em Planejamen-
to e Administração de Sistemas Educacionais
10.1. 5 Levantamento da Clientela do 3Q Curso de Aperfeiçoamento/Belém
10.1. 6 Niveis de Compreensão de Alunos e Professores de lQ, 2 Q e 30 Graus
10.1. 7 Tipologia do Extra-Escolar no Brasil
10.1. 8 Viabilidade das Unidades de Profissionalização de 20 Grau. no Estado do
Rio de Janeiro

10.2 Em andamento

10.2.1 Análise dos Programas da Disciplina Medidas Educacionais em Vigor nas Fa


culdades de Educação do Pais e Comparação com Programas de Disciplinas
Afins
13

10.2.2 Aspectos Quantitativos e Qualitativos do Ensino da Educação Comparada


no Brasil
10.2.3 Aspectos Teóricos da Educação Extra-Escolar
10.2·4 Avaliação de Cursos e de Alunos do IESAE
10.2·5 Bases Conceituais e Metodológicas da politica Social Vigente
10.2.6 Custo, Eficiência e Financiamento da Educação: Determinantes dos Ni-
veis de Escolaridade e do Rendimento Escolar nas Escolas de 1 2 e 2 12
Graus do Rio de Janeiro
10.2·7 Diagnóstico do Ensino de Metodologia da PesQuisa na Pós-Graduação Bra-
sileira
10.2.8 Diagnóstico Organizacional do Sistema Nacional de Recursos Humanos
10.2.9 Disseminação da Informação Técnico-Cientifica entre os Docentes UniveL
sitários na Área de Educação
10.2.10 Educação e Mercado Informal de Trabalho
10.2.11 Efeitos Cognitivos e Não Cognitivos da Escola Acadêmica e do SENAI
10.2.12 O Ensino da Filosofia da Educação nos Cursos de Mestrado em Educação
10.2.13 Estudo sobre o Racionalismo e o Irracionalismo na Cultura Contemporâ-
nea
10.2.14 Fi losofia da Educação Brasi le ira
10.2.15 O Folclore como Mito e Ritual
10.2.16 A Formaçao da Mão-de-Obra Industrial no Brasil - 1889-1942
10.2.17 O Impacto das Teses de Mestrado no Sistema Escolar Brasileiro
10.2.18 Implantação de um Serviço de Análise e Prospecção da Conjuntura Educa-
cional Brasileira
10.2.19 Implantação do Centro de Análise e Prospecção da Conjuntura Educacio-
nal Brasileira no IESAE
10.2.20 Infra-Estrutura para PesQuisa e Diagnóstico das Unidades Educacionais
10.2.21 Inovações Metodológicas nas Formas de Educação Extra-Escolar no Brasil
10.2.22 Metodologia do Diagnóstico Organizacional do Setor Educacional
10.2.23 Metodologia para uma Concepção Integrada do Ensino Profissionalizante
10.2.24 Niveis de Escolarização no Brasil
10.2.25 Níveis de Julgament9 de Alunos de lº, 2º e 32 Graus de Ensino e Linhas
de Orientação Metodológica de Seus Professores
10.2.26 política Educacional Brasileira
10.2.27 A política Educacional do Estado Novo
10.2.28 Pós-Graduação no Pais: Eficácia, Eficiência e Efetividade
10.2.29 Precisão e Validade das Provas de Exames Vestibulares do CESGRANRIO
10.2.30 Sistema de Formaçao de Licenciados e Especialistas em Educação
10.2.31 Sistemas de Formação do Professor nos Quatro Graus de Ensino
10.2.32 Tipologia da Educação Extra-Escolar (2§ Etapa)
10.2.33 Transmissão de Normas e Valores Culturais no Sistema de 1 2 e 2° Graus
10.2.34 Universidade e Desenvolvimento
14

11. INSTITUTO DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL - ISOP

11.1 Repe ti ti vos

11.1.1 Cadastro (le Monografias Profissionais


11.1. 2 Cada:'ltro de Recursos da Comunidade Ligado8 à Psico logia e Áreas Afins

11. 2 ConcllJ.ídos

11. 2.1 Análise do Trabalho de Instrutores de Hotelaria


11.2.2 Estudos para Implantaçao de um Sistema Nacional Unificado de Oportuni-
dadet3 Educacionais
11.2.3 Estudos para Orientação Psicopedagógi ca do~; Programas da Fundação Movi
mento Brasileiro de Alfabetização (Fase I)

11. 3 Em andamento

11.3.1 Análise do Trabalho de Ocupa ções do Sistema de Te leducaça'J


11.3.2 Avaliação de Dois Tipos de Monografias par3, Informação OcupaGLonal
11. 3.3 Construção e Padronização de frestes para Uso no Sistema Educacional Bra
si leiro
11.3·4 Diagnóstico Nacional de Desenvolvimento Educacional - 1 2 Grau
11. 3.5 Discriminação do Instrumental para Identificação do Bem-Dotado
11. 3.6 Estudo de Técnicas Projetivas
11. 3.7 Estudo do Escolar com Dificuldade de Aprendizagem
11.3.8 Estudos de Padronização e Validação do Inventário de Desenvolvimento
Vocacional de Crites
11. 3.9 Estudos Normativos do Thematic Apperception Test
11.3.10 Estudos para Atualização da FlJ.ndamentação TeóriQ3, do Psicodiagnóstico
Miocinético - P M K
11. 3. 11 Estudos para Orientação Psicopedagógica dos Programas da Fundação Movi
mento Brasi leiro de Alfabetização (Fase 11)
11.3.12 Viabilidade da Montagem de um Laboratório de Pesquisas Ergonômicas
15

RESUMO

PROJETOS DE ESTUDOS E PESQUISAS


ÓRGÃOS
REPETITIVOS CONCLUíDOS EM ANDAMENTO TOTAL

CONC EP 7 4 4 15
CETRHU 1 3 4
CICOM 9 10 19
EBAP 4 9 13
EAESP 12 32 44
EIAP 37 11 48
IBRE 31 34 26 91
EPGE 16 8 24
INDIPO 1 4 5
CPDOG 1 1 6 8
INDOC 2 5 7
IESAE 8 34 42
ISOP 2 3 12 17

TOTAIS 43 135 159 337


16

A N E X O l-A

TESES DE MESTRADO APROV AJ)AS EM 1976

1. ESCOLA BRASILEIRA DE AJ)MINISTRAÇÃO PÚBLICA - EBAP

1.1 A Adequação da Estrutura Administrativa da Secretaria de Educação face a


Reforma Administrativa no Governo do Estado lie são Paulo. Autor: Glória
Della Mônica
1. 2 A Administração Pública Brasileira e o Modelo Burocrático de Max Weber: Uma
Tentativa de Abordagem Histórico - Comparativa. Autor: Cornélio Octávio Pi-
nheiro Pimenta
1. 3 Centralização e Descentralização das Bibliotecas Universitárias Brasilei-
ras. Autora: Lusimar Silva Ferreira
A Colonização na Transamazônica - Um Enfoque Analítico do Plano Governamen
tal, Seus Resultados e Seus Problemas. Autor: Elísio Contini
1·5 A Crise da Universidade Brasileira: Diagnóstico dos Fatores Determinantes.
Autor: Máximo José Trevisan
1.6 Delegação - Um Instrumento a Serviço das Organizações. Autora: Maria do
Ceo Costa de Oliveira
1.7 Em Busca de uma Estratégia de Reforma Administrativa (Análise de uma Expe-
riência Estadual). Autor: Berilo Ramos Borba
1.8 Fundação de Serviços Especiais de Saúde Pública - FSESP: Um Estudo de De-
senvolvimento Insti tuciona1. Autora: Angela Maria de Menezes Peçanha
1.9 Planejamento Tridimensional. Autor: Gilberto Tristão

2. ESCO LA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP

2.1 Absorção de Mão-de-Obra e Modernização da Agrieult1lra no :Brasil. Autor: VaI


ter Chaves Marin
2.2 Adaptação de Empresas ao Ambiente (Pesquisa de Campo). Autor: Ivan Fialho
2 • .3 Administração de Capital de Giro nas Pequenas e Médias Empresas. Autor:
Francisco Cipriano
2.4 Análise de Proposta de Financiamento a Longo Prazo de Expansão Indus trial.
Autor: José Carlos Pereira de Carvalho
2.5 Uma Análise do Mercado Hoteleiro para o T'Llrismo na Cidade de são Paulo. Au-
t or: Tálman Sucupira
2.6 A Análise do Risco em Investimento. Autor: Roberto Batista da Costa
2.7 Análise do Setor Mercadológico das Grandes Empresas de Santa Catarina. Au-
tor: Márcio Edgard R. Madeira Neves
2.8 Análise Mercadológica do Sistema Turístico da Cidade de Ouro Preto - MG. Au
tor: Juarez Lopes Cançado
2.9 Avaliação de Projetos de Pesquisas e Desenvolviment;::>o A1.1.tor: Paulo de Alen-
car Gil
17

2.10 Comercialização do Pescado em são Paulo. Autor: Ant~nio Laureano de Fi-


gueiredo
2.11 Concentração de Empréstimos. Autor: Toshio Katsurayama
2.12 Contribuição ao Estudo do Êxodo Rural no Estado de são Paulo. Autor: Fer
nando Maida Dell'AcqQa
2.13 O Desenvolvimento e a Implantação de um Modelo Administrativo em urna Fi-
nanceira - Estudo de um Caso. Autor: Carlos Eduardo Valente Stempniewski
2.14 Empresas e Empresários de Maringá. Autor: Ednei Francisco Ferreira
2.15 A Estrutura Agrária do Munic::Lpio de Sertãozinho - SP: Evolução, Caracteri-
zação e Efeitos. Autor: José Jorge Gebara
2.16 Introdução ao Estudo dos Mecanismos de Controle Social nas Organizações.
Autor: Ramón Moreira Garcia
2.17 Marketing de Turismo. Autor: Sebastião Geraldo Toledo Cunha
2.18 Modelo de Pol::Ltica de Administração Financeira Desenvolvida para a Maximi
zação do Valor de Empresas para Seus Acionistas. Autor: José Carlos No=
gueira Bragheta
2.19 política de Dividendos. Autor: Luciano Carvalho Ventura
2.20 Pol::Ltica de Dividendos e Custos de Capital. Autor: Alberto José Rodrigues
Alves
2.21 A Pol::Ltica de Dividendos na Pequena e Grande Empresa: Sua Influência na
Bolsa de Valores. Autor: Arnaldo Lunardelli
2.22 O Problema da Distribuição de Verbas de Propaganda entre as Medias. Auto-
ra: Nádia Kassmlf Pizzinato
2.23 O Problema das Metas Administrativas no Hospital Geral e Filantrópico no
Brasil. Autor: José Sady Neto
2.24 Teoria da Administração. Autor: SérgiO Luiz Mansur

3. ESCOLA DE PÓS - GRADUAÇÃO EM ECONOMIA - EPGE

3.1 La Demanda de Dinero: Una Estimación en la Economia PerQana. Autor: Eddy


Hugo Agurto Plata
Fundo de Participação de lucros: Urna AI ternativa para a Previdência Social.
Autor: Moysés Glat
3,] Imposto sobre a Renda das Pessoas F::Lsicas - 1966/75; Um Estudo de Progre~
sividade. Autor: Reinaldo Gonçalves
3·4 Taxas de Retorno dos Investimentos em Educação no Brasil: Urna Análise De-
sagregada. Autor: Virgílio Sammuel Horácio Gibbon

4· INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM EDUCAÇÃO - IESAE

4·1 Diagnóstico da Aprendizagem - Urna Forma Eficaz de Realizá-lo. A u t o r a:


Sheilah Rubino P. de Oliveira Kellner
18

4.2 Expectativas de Atuação Profissional de Formandos em Pedagogia. Autora:


Paula Frassineti da Silva Souza
4.3 Funções do Ensino Superior na Região do Cariri Cearense. ~~tor: Vicente
de Paulo Carvalho Madeira
4.4 Migrações de Universitários no Sul de Minas: Brain-Drain ouIndústria de
Educação? Autora: Ana Maria de Rezende Pinto

5. INSTITUTO DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL - ISOP

5.1 Uma Abordagem Empírica de um Modelo Matemático para a Avaliação de Compor


tamentos. Autor: Edwin Hubner
5.2 Características de Personalidade e Preferências de Aprendizagem: Um Estu-
do Exploratório. Autora: Maria Noemi de Souza Villa Verde
5.3 Causalidade - Uma Abordagem Teórica. Autora: Vera Lúcia Louzada Silva
5.4 A Comunicação Humana: Um Processo Relacional. Autora: Lenice Ferreira de
Moraes
5.5 Conformidade Social e Motivação para o Trabalho. Autora: Marina Slade de
Oliveira
5.6 Um Es tudo Psicológico da Agressividade. Autora: Pureza I 1 i a na Ma r i a
Vauthier de Macedo
5.7 Informaião e Organização: Um Modelo de Di~nóstico e Intervenção na Admi-
n-istraçao da Universidade. Autora: Alba Lucia da Fonseca Fausto
5.8 Investigação de Estereótipos Positivos e Negativos, Tendo em Vista as Va-
riáveis Cor,Sexo, Status. Autora: Maria Beatriz Carrijo Silva e Weeks
5.9 Motivação, um Enfoque Neurofisiológico. Autora: 1eda Maria Sebrão Fernan-
des
5.10 O Psicólogo diante dos Serviços de Aconselhamento Psicológico. A u t o r:
Johannes Petrus Maria Berkers
5.11 Relação entre os Tipos de Personalidade de Holland e os Traços de Person~
lidade de Cattell. Autora: Maria Lígia Páramo Hernandez

R E S U M O

EBAP .&0.l1li •••••••••••


9
EAESP ••••••••••• o •• " • 24
EPGE " ••• " •• " •• " •• """" 4
IESAE "". e " " " " " • " " " " " " 4
ISOP, " " " " " " " " " " " " " " " " " 11
TOTALlDlI.O ••• O ••••
52
19

A N E X O 2-A

CURSOS MINISTRADOS EM 1976 PELA FUNJ)AÇÃO GETüLIO VARGAS


(Relação Nominal por Órgão, em Ordem Alfabética)

1. CONSELHO DE COORDENAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA - CONCEP

1. 1 V Cllrso de Economia Mineral

2. CENTRO INTERAMERICANO DE COMERCIALIZAÇ,ÃO - CICOM

2.1 Curso de Comercialização Internacional e Promo9ão de Exportações, realiza-


do em Guaiaquil, Equador
2.2 Curso de Comercialização Internacional e Promoção de Exportações, realiza-
do em Querétaro, México
2.3 Curso de Comercialização Internacional e Promoção de Exportações, realiza-
do em Panamá, Panamá
2.4 Curso de Comercialização Internacional e Promoção de Exportações, realiza-
do em são José, Costa Rica
2.5 Curso de Comercialização Internacional e Promoção de Exportações, realiza-
do em Guatemala, Guatemala
2.6 Curso de Comercialização Internacional e Promoção de Exportações, realiza-
do em Caracas, Venezuela
2.7 Curso de Comercialização Nacional, realizado em Tegucigalpa, Honduras
2.8 Curso de Comércio Internacional e Promoção de Exportações, realizado em Te
gucigalpa, Honduras
2.9 Curso de Comércio Internacional e Promoção de Exportações, realizado em San
Salvador, El Salvador
2.10 Curso de Comércio Internacional e Promoção de Exportações, realizado em Li
ma, Peru
2.11 Curso de Comércio Internaoional e Promoção de Exportações, realizado em
Montevidéu, Uruguai
2.12 I Curso de Operadores em Comércio Internacional
2.13 11 Curso de Operadores em Comércio Internacional
2.14 I Curso de Planejamento de Comercialização Agropecuária, realizado em Por-
to Alegre, RS
2.15 Curso Especial CICOM - CEBRAE
2.16 XI Curso Interamericano de Comercialização - CINTER
2.17 VI Curso Regional de Especialização em Comercialização, realizado em Porto
Alegre, RS
20

3· COLÉGIO NOVA FRIBURGO - CNF

3·1 Curso de Primeiro Grau


3·2 Curso de Reciclagem para Instrutores do CNF
3d Curso de Segundo Grau

4· CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS - CADEMP

4·1 C')_rso Básico de Administração ( 1)


.t.2 C~rso Básico de Administração (2)
4-3 Curso Básico de Administração (3)
4·4 Curso Básico de Administração (4)
4·5 Curso Básico de Administração (5)
4.6 Curso de Administração de Cargos e Salários (1)
4·7 C'J.rs o de Administração de Cargos e Salários (2)
4·8 C').TSO de Administração de Cargos e Salários (')
4·9 Curso de Administração de Cargos e Salários (4)
4·10 Curso de Administração de Cargos e Salários (5)
40 II Curso de Administração Financeira I (1)
4·12 Curso de Administração Financeira I (2)
4·13 Curso de Administração Financeira I (3)
4· 14 Curso de Administração Financeira I ( 4)
4·15 Curso de Administração Finaxwe ira I (5 )
4·16 Curso de Administração Finaneeira 11 ( 1)
4·17 Curso de Administração Financeira 11 (2)
4·18 Curso de Administração F:inanc::lÍra 11 (3)
4.19 Curso de Administração Financeira 11 (4)
4·20 Curso de Adminis traçã,o Financeira 11 (5)
4·21 Curso de Atualização em Matemática
4·22 C'c:i.rso de Avaliação de Desempenho (1)
4·23 Curso de Avaliação de Desempenho (2)
4 24 Curso de Avaliação de Desempenho ( 3)
0

4·25 Curso de Avaliação de Desempenho (4)


4·26 Curso de Avaliação de Desempenho (5 )
4·27 Curso de Controle Estat."Ístico de Qualidade ( 1)
4·28 Curso de Contro le Estatístico de Qualidade (2)
4.29 Curso de Correção Monetária
4·30 Curso de Dinrunica de Gru.po (1)
4 31
0 Curso de Dinrunica de Grupo (2)

lJIBllUHCA MAHIU HtNHIUUf $IMONSEN


FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS
21

4·32 Curso de Dinrunica de Grupo (3)


4-33 Curso de Dinrunica de Grupo (4)
4-34 Curso de Dinrunica de Grupo (5 )
4-35 Curso de Gerência de Vendas ( 1)
4-36 Curso de Gerência de Vendas (2 )
4-37 Curso de Gerência de Vendas (3)
...
4-38 Curso de Gerencia de Vendas (4)
4-39 Curso de Gerência de Vendas (5 )
4·40 Curso de Ger~ncia por Objetivos (1)
4·41 Curso de Gerência por Objetivos (2)
4·42 Curso de Gerência por Objetivos (3)
4·43 Curso de Gerência por Objetivos ( 4)
4·44 Curso de Gerência por Objetivos (5)
4·45 Curso de Imposto de Renda - Pessoa Juridica
4·46 Curso de Marketing ( 1)
4·47 Curso de Marketing (2)
4·48 Curso de Marketing (3 )
4·49 Curso de Marketing (4)
4·50 Curso de Marketing (5 )
4·51 Curso de Mercado de Capitais ( 1)
4·52 Curso de Mercado de Capitais (2)
4·53 Curso de Noções de Computadores para Executivos ( 1)
4·54 Curso de Noções de Computadores para Executivos (2)
4·55 Curso de Noções de Computadores para Executivos (3)
4·56 Curso de Noções de Computadores para Executivos (4)
4·57 Curso de Noções de Contabilidade e Análise de Balanço (1)
4·58 Curso de Noções de Contabilidade e Análise de Balanço (2)
4·59 Curso de Noções de Contabilidade e Análise de Balanço (3)
4·60 Curso de Noções de Contabilidade e Análise de Balanço (4)
4·61 Curso de Noções de Contabilidade e Análise de Balanço (5)
4·62 Curso de °12 en Market ( 1)
4·63 Curso de °12 en Market (2)
4·64 Curso de °12 en Market (3)
4.65 Curso de O:f2en Market (4)
4·66 Curso de Organização e Métodos (1)
4·67 Curso de Organização e Métodos (2)
4·68 Curso de Organização e Métodos (3)
4·69 Curso de Organização e Métodos (4)
4·70 Curso de Organização e Métodos (5)
22

4·71 Curso de PERT/CPM Aplicado a Projetos ( 1)


4·72 Curso de PERT/CPM Aplicado a Projetos (2)
4·D Curso de PERT/CPM Aplicado a Projetos (3)
4,74 Curso de FERT/CPM Aplicado a Projetos (4)
4·75 Curso de PERT/CPM Aplicado a Projetos (5)
4·76 Curso de PesQuisa Operacional ( 1)
4· 77 Curso de PesQuisa Operacional (2)
4·78 Curso de PesQuisa Operacional (3)
4·79 Curso de Pessoal ( 1)
4·80 Curso de Pessoal (2)
4.81 Curso de Pessoal (3)
4. 8 2 Cu.rso de Pessoal(4)
4·83 Curso de Pessoal (5)
4·84 Curso de Planejamento da Produção ( 1)
4. 85 Curso de Plane j amen to da Prod.ução (2)
4·86 Curso de Planejamento da Produção ( 3)
4. 87 Curso de Planejamento da Produção (4)
4·88 Curso de Preparação de Instrutores de Treinamento (1)
4·89 Curso de Preparação de Instrutores de Treinamento (2)
4·90 Curso de Preparação de Instrutores de Treinamento (3)
4·91 Curso de Preparação de Instrutores de Treinamento (4)
4·92 Curso de Preparação de Instrutores de Treinamento (5)

5. ESCOLA BRASIIEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - EBAP

5.1 Curso de Ambientação de Técnicos de Administração, para a Petróleo Brasi-


leiro S. A.
5.2 Curso de Formação de Pessoal a Nível de Direção e Assessoria, para a Fund-ª.
ção Nacional do Bem-Estar do Menor
5.3 Curso de Graduação em Administração Púb lica
5.4 Curso de Mestrado em Administração Pú.blica
5.5 Curso de Metodologia de Atendimento ao Menor de Conduta Anti-Social por
EQuipes Interprofissionais, para a F1..Jldação Nacional do Bem-Estar do Menor
5.6 Curso de Planejamento, Programação e Orçamentação, para a Comissão Execu-
tiva do Plano da Lavoura Cacaueira
5.7 Curso de Reciclagem em Administração Geral, para o Departamento de Estra-
das de Rodagem de Pernambuco
5.8 11 Curso Especial de Administração
5.9 Curso Especial de Administração (Módulo Comportamento Organizacional: O Pa
pel e as Funções do Dirigente)
23

5·10 Curso Especial de Administração (Módulo Gerência e Técnicas Administrati-


vas: Administração de Recursos Humanos)
5·11 Curso Especial de Administração (Módulo Gerência e Técnicas Administrati-
Vas: Administração Financeira e Auditoria)
5·12 Curso Especial de Administração (MódUlo Gerência e Técnicas Administrati-
Vas: Organização e Métodos)
5.13 Curso Especial de Administração (Módulo Mudança Organizacional Planejada)
5.14 Curso Especial de Administração (Módulo Planejamento Gerencial e Processo
Decisório)
5.15 Cursei Especial de Administração (MódUlo Tendências da Economia Brasileira)
5.16 Curso Especial de Administração para Desenvolvimento de Executivos, para
as Centrais Elétricas Brasileiras S.A.
5.17 Curso Especial de Desenvolvimento Gerencial, para a Companhia Catarinense
de Águas e Saneamento
5.18 Curso para Administradores de Projetos, para o Instituto Nacional de Colo-
nização e Reforma Agrária

6. ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP

6.1 Curso Básico de Administrayão de Empresas, para a Companhia de ProcessameQ


to de Dados do Estado de Sao Paulo
6.2 I Curso de Administração Financeira para Executivos
6.3 11 Curso de Administração Financeira para Executivos
6.4 Curso de Administração para Técnicos de Cooperativismo, para o Departamen-
to de Assist~ncia ao Cooperativismo
6·5 111 Curso de Aperfeiçoamento Administrativo para Executivos, para o Grupo
Camargo Corrêa
6.6 Curso de Aperfeiçoamento em Administração de Empresas para Graduados
6.7 I Curso de Aperfeiçoamento~ara Executivos, para a Companhia Souza Cruz IQ
dústria e Comércio, em Teresópolis, RJ
6.8 11 Curso de Aperfeiçoamento para Executivos, para a Companhia Souza Cruz
Indústria e Comércio, em são Paulo, SP
6.9 Curso de Auditoria Independente, para a Secretaria da Fazenda do Estado de
Santa Catarina, em Florianópolis, SC
6.10 Curso de Comércio Exterior, para o Grupo Camargo Corrêa
6.11 Curso de Contabilidade Básica para Inspetores Fiscais da Secretaria de Fi-
nanças do Municipio de são Paulo
6.12 Curso de Contabilidade de Custos Hospitalares, para o Instituto de Assis-
tência Médica ao Servidor Público Estadual
6.13 Curso de Doutorado em Administração de Empresas
6.14 I Curso de Especialização em Administração de Saúde e Hospitalar
6.15 11 Curso de Especialização em Administração de Saúde e Hospitalar
6.16 Curso de Especialização em Administração para Graduados
6.17 Curso de Estratégia de Marketing, para o Departamento de Assistência ao C~
operativismo
24

6.18 Curso de Gerência de Informação, para a Secretaria da Segurança Pública do


Estado de são Paulo
6.19 Curso de Graduação em Administração de Empresas
6.20 Curso de Graduação em Administração Pública
6.21 Curso de Marketing Agricola, para o Departamento de Assistência ao Cooperi!
tivismo
6.22 Curso de Marketing para Execut ivos, para o Grupo Santista
6.2.3 Curso de Mestrado em Administraç.ão de Empresas
6.24 Curso de Técnicas de Comunicação na Empresa, para a Cooperativa ,Cen-t;ral dos
Produtores de Açúcar e Álcool
6.25 11 Curso em Administração de Recursos Humanos
6.26 111 Curso em Administração de Recursos Humanos
6.27 Curso Especializado ~m Marketing de Bens de Consu~o e Insumos, para o De-
partamento de Assistencia ao Cooperativismo, em Sao Bernardo do Campo, SP
6.28 47º Curso Intensivo de Administradores
6.29 48º Curso Intensivo de Administradores
6030 48~ Curso Intens ivo de Administradores (Turma 11)
6.31 Curso para a Formação de Executivos em Comércio Exterior, para a Companhia
de Promoções e Exportações do Estado de são Paulo

7. ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA - EPGE

7.1 Curso de Doutorado em Economia


7·2 Curso de Economia Teórica e Aplicada
7.3 Curso de Mestrado em Economia
7·4 Curso de Treinamento de Executivos Financeiros para a Área de Mercado de
Capi tais

8. ESCOLA INTERAMERICANA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - EIAP

8.1 111 Curso de Administração de Empresas Públicas


8.2 CJrso de Administração de Projetos Agrícolas
8.3 I Curso de Administração de Projetos de Educação Superior
8.4 11 Curso de Administração de Projetos de Educação Superior
8.5 11 Curso de Administração Pública Agricola
8.6 11 Curso de Comercialização e Financiamento Agricolas
8.7 11 Curso de Desenvolvimento Rural Integrado
8.8 Curso de Mestrado em Desenvolvimento Agrícola
8.9 I Curso de Planejamento Florestal
8.10 XI Curso de Poli tica e Administração Aduaneira
8.11 IX Curso de política e Administração Tributária
25

8.12 Curso de Técnicas de Análise Organizacional, realizado em João Pessoa, PB


8.13 I Curso de Técnicas de Análise Organizacional, realizado em Recife, PE
8.14 11 Curso de Técnicas de Análise Organizacional, realizado em Recife, PE
8.15 Curso Intensivo de Administração de Projetos Agricolas, realizado em Flori
anópolis, SC
8.16 Curso Intensivo de Administração de Projetos Agrícolas, realizado em Fort~
za, CE
8.17 Curso Intensivo de Administração de Projetos Agrícolas, realizado em Goiâ-
nia, GO
8.18 Curso Intensivo de Administração de Projetos Agrícolas, realizado em Itab~
na e Ilhéus, BA
8.19 Curso Intensivo de Administração de Projetos Agrícolas, realizado em Ma-
naus, AM
8.20 Curso Intensivo de Administração de Projetos Agrícolas, realizado em são
Paulo, SP
8.21 Curso Intensivo de Avaliação de Desempenho, realizado em João Pessoa, PB
8.22 Curso Intensivo de Classificação de Cargos e Salários, realizado em João
Pessoa, PB
8.23 Curso Intensivo de Recrutamento e Seleção, realizado em João Pessoa, PB

9. ESCOLA TÉCNICA DE COMÉRCIO - ETC

9.1 Curso Básico de Desenho Artistico


9.2 Curso Básico de Desenho Técnico
9.3 Curso de Aperfeiçoamento em Secretariado (1)
9.4 Curso de Aperfeiçoamento em Secretariado (2)
9.5 Curso de Extensão para Técnicos em Contabilidade
9.6 Curso Especializado em TIesenho de Construção Civil
9.7 Curso Especializado em Desenho de Propaganda
9.8 Curso Prático de Secretariado (1)
9.9 Curso Prático de Secretariado (2)
9.10 Curso Técnico de Contabilidade
9.11 Curso Técnico de Secretariado

10. INSTITUTO DE DIREITO PÚBLICO E CIÊNCIA POLíTICA - INDIPO

1001 111 Curso de Direito Internacional, em co-promoção com a Comissão Jurídi-


ca da Organização dos Estados Americanos
10.2 Curso de Direi to, Relações Internacionais e Comércio Exterior (Turma D)
10·3 Curso de Direito Tributário ( 1)
10·4 Curso de Direito Tributário (2)
10·5 Curso de Métodos e Técnicas de Pesquisa em Ciências Sociais ( 1)
10.6 Curso de Métodos e Técnicas de Pesquisa em Ciências Sociais (2)
26

11. INSTITUTO DE DOCUMENTAÇÃO - INDOC

11.1 Curso de Técnicas de Informação - IV

12. INSTITUTO DE ESTUDOS AV MÇADOS EM EDUCAÇÃO - IESAE

12.1 Curso de Aperfeiçoamento em Antropologia Educacional


12.2 Curso de Aperfeiçoamento em Demografia
12.3 Curso de Aperfeiçoamento em Dinâmica Organizacional
12.4 Curso de Aperfeiçoamento em Filosofia da Educação - I
12.5 Curso de Aperfeiçoamento em Filosofia da Educação Brasileira
12.6 Curso de Aperfeiçoamento em Filosofia Social
12.7 Curso de Aperfeiçoamento em Psicologia da Aprendizagem
12.8 Curso de Aperfeiçoamento em Psicologia da Personalidade
12.9 Curso de Aperfeiçoamento em Teorias e Técnicas da Administração Educacio-
nal
12.10 2 Q Curso de Aperfeiçoamento para Professores dos Centros de Engenharia de
Operação e Escolas Técnicas Federais
12.11 3º Curso de Aperfeiçoamento para Professores dos Centros de Engenharia de
Operação e Escolas Técnicas Federais
12.12 Curso de Mestrado em Educação
12.13 2º Curso Intensivo de Aperfeiçoamento em Metodologia do Ensino Superior
12.14 3~ Curso Intensivo de Aperfeiçoamento em Metodologia do Ensino Superior

13. INSTITUTO DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL - ISOP

13·1 Curso de Desenvolvimento de Recursos Humanos


13·2 Curso de Desenvolvimento Organizac ional
13-3 Curso de Ergonomia
13·4 Curso de Mestrado em Psicologia Aplicada
13·5 Curso de Metodologia da Informação Ocupacional
13.6 Curso de Psicologia Escolar
13·7 Curso Prévio

14. INSTITUTO SUPERIOR DE ESTUDOS CONTÁBEIS - ISEC

14.1 I Curso de Administração Financeira, para o Centro de Formação Técnica do


Estado do Espírito Santo
14.2 11 Curso de Administração Financeira, para o Centro de Formação Técnica
do Estado do Espírito Santo
27

14·3 111 Curso de Administração Financeira, para o Centro de Formação Técnica


do Estado do Espirito Santo
14·4 11 Curso de Administração Financeira para Empresas de Construção
14.5 I Curso de Análise de Projetos
14.6 I Curso de Auditoria Analitica
14.7 I Curso de Auditoria de Bancos, para a National Association of Accountanm
14.8 IX Curso de Auditoria Externa
14.9 Curso de Auditoria Interna
14·10 Curso de Auditoria In terna, para o Centro de Formação Técnica do Es tado do
Espirito Santo
14·11 11 Curso de Consolidação de Balanços
14.12 IV Curso de Contabilidade de Custos
14.13 Curso de Contabilidade de Custos, para Oleaginosas Maranhenses S.A.
14.14 Curso de Contabilidade de Custos, para o Centro de Formação Técnica do Es
tado do Espírito Santo
14.15 Curso de Contabilidade Gerencial, para o Centro de Formação Técnica do Es-
tado do Espirito Santo
14.16 IV Curso de Controladoria Empresarial
14.17 11 Curso de Orçamento Empresarial
14.18 I Curso de Organização e Métodos, para o Centro de Formação Técnica do Es
tado do Espírito Santo
14.19 11 Curso de Organização e Métodos, para o Centro de Formação Técnica do
Estado do Espírito Santo
14.20 111 Curso de Organização e Métodos, para o Centro de Formação Técnica do
Estado do Espírito Santo
14.21 IV Curso de Organização e Métodos, para o Centro de Formação Técnica do
Estado do ~spirito Santo
14.22 V Curso de Organização e Métodos, para o Centro de Formação Técnica do Es
tado do Espirito Santo
14.23 11 Curso de Flanejamento Financeiro
14.24 IV Curso Especial de Administração Financeira (CEAF)
14.25 V Curso Especial de Graduação em Ciências Contábeis (CEGRA)

SEMINÁRIOS, ESTÁGIOS ETC., EQUIPARÁVEIS A CURSOS

1. CENTRO INTERAMERICANO DE COMERCIALIZAÇÃO - CICOM

1.1 11 Seminario Latinoamericano de Promoción de Exportaciones, realizado em


Caracas, Venezuela, de 25 a 30-7-76
1.2 111 Seminário para Instrutores em Pramoção de Exportações, realizado noRio
de Janeiro, RJ, de 6-9 a 1-10-76
28

2. COIÉGIO NOVA FRIBURGO - CNF

2.1 Estágio de Atualiz,ação em Ciências e letras, para a Faculdade de Filosofia,


Ciências e Letras de Cabo Frio, RJ
2.2 Estáglo de Atualização em Pedagogia, para a Faculdade de Filosofia, Ciên-
cias e letras de Governad.or Valadares, MG
2.3 Estágio de Atualização na Área de Orientação Pedagógica para Professores de
Foz do Iguaçu, PR
2.4 Estágio de Atualização para Professores de Educação Física de Nova Friburgo,
RJ
2.5 Estágio de Atualização para Professores de Educação Física de Nova Fribur-
go, RJ
2.6 Estágio de Observação na Área de Comunicação e Expressão para Professores
de Escolas do Rio de Janeiro, RJ
2·7 Estágio de Observação para Professores de Matemática da Faculdade Santa
Dorotéia, de Nova Friburgo, RJ
2.8 Estágio de Observação para Professores de Pedagogia de Escolas do Rio de
Janeiro, RJ, e do Uruguai
2·9 Estágio de Observação para Professores de Pedagogia da Sociedade Educacio-
nal Pio XI, de Niterói, RJ
2.10 Estágio de Observação para Professores da Pontifícia Universidade Católica
do Rio de Janeiro, RJ
2.11 Estágio para Complementação de Curso de Mestrado, para a Faculdade Santa
Dorotéia, de Nova Friburgo, RJ
2.12 Seminário de Reciclagem sobre o tema CNF - Escola em Permanente Transform~
ção, realizado em Nova Friburgo, RJ, de 2 a 13-2-76

3. ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - EBAP

3.1 Programa de Aperfeiçoamento Gerencial para o Departamento de Estradas deRa


dagem do Espírito Santo, realizado em Vitória, ES, de 3 a 5-11-76 -
3.2 Programa de Desenvolvimento Gerencial para o Governo da República do Equa-
dor, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 25-10 a 5-11-76
3.3 Seminário de Desenvolvimento de Dirigentes de Alto Nível para o Governo do
Território Federal de Rondônia, realizado em Porto Velho, RO, de 10-3 a
10-4-76
3.4 Seminário de Desenvolvimento de Executivos de Alto Nível para o Departamen
to de Estradas de Rodagem de Pernambuco, realizado em Recife, PE, de 16 ~
20-2-76
3.5 Seminário de Problemas Organizacionais e Gerenciais para o Departamento de
Estradas de Rodagem de Pernambuco, realizado em Recife, PE, de 10 a 21-5-76
3.6 Seminário para Dirigentes do Departamento Nacional de Produção Mineral, do
Ministério das Minas e Energia, realizado em Brasília, DF, de 3 a 15-5-76
29

4. ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP

4·1 Seminário de Atualização em Diretrizes Administrativas, para o Serviço Na-


cional de Aprendizagem Comercial, realizado em são Paulo, SP
4·2 Seminário de Marketing Industrial, para o Gy~PO Dedini, realizado em Pira-
cicaba, SP
4·3 Seminário sobre Administração Pública Estadual, para a Companhia de Proces
samento de Dados do Estado de são Paulo, realizado em são Paulo, SP -
4·4 Seminário sobre o Anteprojeto da Lei das Sociedades An;nimas, realizado em
são Paulo, SP
4· 5 Seminário Superior de Administração - 11, para o Departamento de Estradas de
Rodagem, realizado em são Paulo, SP
4·6 Simpósio sobre Mudança Organizacional, para a l"refei tura Municipal de
Cubatão, realizado em Cubátão, SP

5. ESCOLA INTERAMERICANA DE ADMINISTRAÇÃO PúBLICA - EIAP

5.1 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Aracaju, SE, de 31-5


a 5-6-76
5.2 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Belém, PA, de 13 a
18-9-76
5.3 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Campinas, SP, de 9
a 14-8-76
5.4 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Curitiba, PR, de 21
a 26-6-76
5.5 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Fortaleza, CE, de 14
a 19-6-76
5.6 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Goiânia, GO, de 8 a
13-11-76
5.7 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em João Pessoa, PB, de
17 a 23-5-76
5.8 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Maceió, AL, de 22 a
27-11-76
5.9 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Natal, RN, de 5 a
10-7~76

5.10 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Porto Alegre, RS,


de 25 a 29-10-76
5.11 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Recife, PE, de 19 a
24-4-7 6
5.12 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Salvador, BA, de 2
a 6-9-76
5.13 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em são Luis, MA, de 18
a 23-10-76
5.14 Seminário de Modernização Administrativa, realizado em Teresina, PI, de
29-11 a 4-12-76
5.15 Seminário Especial sobre a Estrutura Governamental Brasileira, realizadono
Rio de Janeiro, RJ, de 12 a 23-4-76
30

5.16 Seminário sobre Administração de Recursos Humanos, realizado em Viçosa, Ma,


de 18 a 30-10-76

6. INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM EDUCAÇÃO - IESAE

6.1 Seminário sobre Estudo da Educação Extra-Escolar, realizado no Rio de Ja-


neiro, RJ, de 27-9 a 1-10';;'76
6.2 Seminário sobre Introdução à Metodologia e às Técnicas de PesQuisa, reali-
zado no Rio de Janeiro, RJ, de 8 a 12-11-76

7. INSTITUTO SUPERIOR DE ESTUDOS CONTÁBEIS - ISEC

7.1 11 Programa de Treinamento em Técnicas Contábeis, Orçamentárias e de Cus-


tos, para a Companhia Vale do Rio Doce, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de
16-2 a- 14-6-16
A N E X O 2-B

CURSOS MINISTR.ADOS PELA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS - 1972/1976


(Estatisticas)
QUADRO 1
CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

NÚMERO DE ESTUDANTES
ESCOLAS ESPECIFICAÇÃO
M A T R I CULADOS C O N C LUINTES
1972 1973 1974 1975 1976 1972 1973 1974 1975 1976

EBAP Administração Pública 27 18 13 42 38 16 12


EAESP Esp. em Adm. para Graduados 118 552 762 596 188 199 182
Mestrado em Adm. de Empresas 129 283 351 163 19 16
pós-Grad. em Adm. de Empresas 822 875 197 213
Doutorado em Adm. de Empresas 8
EIAP Desenvolvimento Agricola 28
REGE Mestrado em Economia 42 40 42 46 43 16 12 16 16 21
Doutorado em Economia 6 14 16 4 5
IESAE Educação 54 69 94 197 4
ISOP Psicologia Aplicada --.n. 26 --ll --.n. ---22. - --
__
2 --2 11
TOTAIS 968 1.188 1.005 1·303 1.152 213 263 206 259 251
QUADRO 2

CURSOS DE GRADUAÇÃO

NÚMERO DE ESTUDANTES

ESCOLAS ESPECJFICAÇÃO M A T R I C ULADOS C O N C LUINTES

1972 1973 1974 1975 1976 1972 1973 1974 1975 1976

EBAP Administração Pública 335 325 298 283 275 55 71 57 64 52


EAESP Administração de Empresas 1-325 1·332 1.380 1·731 1-362 228 126 238 348 255
Administração Pública 355 382 389 507 409 35 53 65 98 85
ISEC 11 10 6 -.-12.(1)
Ciências Contábeis -11. -.ll --Y ~ ~ --2.

TOTAIS 329 260 516 411

(1) Inclui os alunos da Turma Extensiva de 1975; não inclui os alunos da Turma Extensiva de 1976, que só con-
cluirão o curso em 1977
QUADRO 3

CUR S OS DE N f v E L MÉ D I O

NÚMERO DE ESTUDANTES

ESCOLA ESPECIFICAÇÃO MATRICULADOS CONCLUINTES

1972 1973 1974 1975 1976 1972 1973 1974 1975 1976

CNF Primeiro Grau 254 242 210 189 203 52 52 44 29 42


Segundo Grau 131 149 133 99 116 14 30 25 15 26

ETC Ténico de Contabilidade 195 191 180 200 205 29 25 34 30 34


Técnico de Secretariado ..1l§. --14A -1M --142 --1A.l --ll ~ ~ ---41. --l§.

TOTAIS 718 726 667 633 667 126 145 141 115 138
QUADRO 4
CURSOS DE EXTENSÃO, ESPECIALlZA.ÇÃO, RECICLAGEM E OUTROS

NÚMERO DE E S T UD ANT E S
NúMERO DE CURSOS
ÓRGÃOS MATRICULADOS CON C L UI NT E S

1972 1973 1974 1975 1976 1972 1973 1974 1975 1976 1972 1973 1974 1975 1976

CONCEP 4 3 3 1 1 98 55 78 13 20 68 81 60 17
DA 3 89 88
CETRHU 1 23 23
CICOM 16 9 14 8 19 509 317 389 225 817 509 317 389 225 797
CNF 22 25 22 14 13 805 947 495 283 97 764 947 485 278 89
CADEMP 38 42 51 77 92 1.075 1.694 1.917 2.199 2.658 971 1.670 1. 744 2.053 2.514
EBAP 25 14 8 22 501 336 191 517 498 336 189 514
EAESP 20 28 46 29 32 633 1.087 1.930 933 1.385 479 962 1.769 914 1.235(2)
EIAP 10 11 42 11 38 302 349 709 246 1.077 302 347 703 243 1.038
ETC 37 35 40 35 9 1.436 1.061 1.129 1.036 298 838 591 636 646 198
IBRE 2 1 1 97 32 20 97 29 20
EPGE 1 1 1 8 2 90 39 30 761 460 55 26 25 718 217(3)
INDlPO 2 6 4 7 6 89 319 181 232 230 83 192 160 112 250(4)
CPDOC 1 40 40
INDOC 1 1 2 2 1 32 135 61 90 44 32 102 43 75 43
Arq.C 1 47 39
IESAE 13 26 22 15 223 1.269 424 302 185 1.005 363 269
ISOP 3 5 11 10 6 113 291 389 277 227 46 186 168 170 143(5)
ISEC 11 13 17 11 25 316 346 359 285 611 278 294 335 241 515
TOTAIS 170 220 293 245 281 5.684 7.466 9.272 (.255 8.743 4.610 6.489 7.858 6.304 7.835

(1) Inclui os 13 alunos do IV Curso de Economia Mineral, iniciado em 1975.


(2) Não inclui os alunos do Curso de ComérQio ExteJ;ior, cujo término está pre~isto para mar<?o de 1977 Ã e os alu-
nos do 11 Curso de Esp. em Administraçao de Saude e Hospitalar, Que devera terminar em Julho de 1~77·
(3) Não inclui 227 alunos das turmas noturnas 111, IV e V do Curso de Treinamento de Executivos Financeiros para
a Área de Mercado de Capitais, Que só concluirão o curso em 1977.
(4) Inclui 15 alunos do Curso de Direito, Relações Internacionais e Comércio Exterior (Turma C), 12 alunos do Cu~
so de Sistema Jur{dico Americano - Direito Comercial e Internacional e 34 alunos do Curso de Direito Tributa
rio, iniciados em 1975; nao inclui os alunos do Curso de Direito, Relações Internacionais e Comércio Exte~
rior (Turma D), Que só concluirão o curso em 1977.
(5) Não inclui os alunos dos cursos de Psicologia Escolar e de Desenvolvimento de Recursos Humanos, cujos traba-
lhos encontram-se em fase de avaliação.
QUADRO 5
SíNTESE GERAL

N 11 M E R O DE E S T UD ANT E S
NúMERO DE CURSOS
6RGAOS M A T R I C U L A DOS C ONC L UI NT E S

1972 1973 1974 1975 1976 1972 1973 1974 1975 1976 1972 1973 1974 1975 1976

CONCEP 4 3 3 1 1 98 55 78 13 20 68 81 60 17 33
DA 3 89 88
CETRHU 1 23 23
CICOM 16 9 14 8 19 509 317 389 225 817 509 317 389 225 797
CNF 24 27 24 16 15 1.190 1.338 838 571 416 830 1.029 554 322 157
CADEMP 38 42 51 77 92 1.075 1.694 1. 917 2.199 2.658 971 1.670 1. 744 2.053 2.514
EBAP 2 27 16 10 24 362 826 652 487 834 95 607 393 269 578
EAESP 23 33 50 33 37 3.135 3.923 4.534 4.284 3.923 937 1.354 2.260 1.578 1.773
EIAP 10 11 42 11 39 302 349 709 246 1.105 302 347 703 243 1.038
ETC 39 37 42 37 11 1. 769 1.396 1.453 1.381 646 883 654 708 717 248
IBRE 2 1 1 97 32 20 97 29 20
EPGE 2 2 3 10 4 132 79 78 821 519 71 38 41 738 243
INDIPO 2 6 4 7 6 89 319 181 232 230 83 192 160 112 250
CPDOC 1 40 40
INDOC 1 1 2 2 1 32 135 61 90 44 32 102 43 75 43
Arq.C 1 47 39
IESAE 1 14 27 23 16 54 223 1.338 518 499 185 1.005 363 273
ISOP 4 6 12 11 7 136 317 424 300 286 46 186 170 175 154
ISEC 12 14 18 12 26 333 363 373 329 674 289 304 344 247 534

TOTAIS 183 235 308 260 9.402 1l.436 13.025 11.756 12.671 5.301 7.157 8.574 7.194 8.635

(1)
Inc1uidos 30 Seminários (2 do CIC~M, 1 do CNF, 4 da EBAP, 5 da EAESP, 16 da EIAP e 2 do IESAE), 3 Programas
(2 da EBAP e 1 do ISEC), 1 Simpósio (EAESP) e 11 Estágios (CNF).
R E S U M O

NÚMERO DE CURSOS
ÓRGÃOS NÍVEL PÓS-
GRADUAÇÃO OUTROS TOTAL
MÉDIO GRADUAÇÃO

CONCEP 1 1

CICOM 19 19

CNF 2 13 15

CADEMP 92 92

EBAP 1 1 22 24

EAESP 2 3 32 37

EIAP 1 38 39

ETC 2 9 11

EPGE 2 2 4

INDIPO 6 6

INDOC 1 1

IESAE 1 15 16

ISOP 1 6 7
ISEC 1 25 26

TOTAIS 4 4 9 281
37

A N E X O 3-A

RELAÇÃO DAS PUBLICAÇ~ES EDITADAS PELA FGV - 1976

Na de NQ de
ÓRGAO EDITOR E TíTULO
Páginas Exemplares

1. CENTRO INTERAMERICANO DE COMERCIALIZAÇÃO - CICOM

1.1 Livros

1.1.1 Comercialização de frutas c{tricas limp. offset


mult·1 179 100
1.1. 2 Comercialização de frutas tropicais limp.
offset mult.! 142 200
1.1. 3 Exportação de produtos agr{colas / imp.
offset mult. / 114 100
1.1.4 Indústria de beneficiamento de frutas tropi-
cais; estudo de casos das indústrias em pa{-
ses em desenvolvimento: indústria do abacaxi
limp. offset mult.1 125 100
1.1. 5 Organização e sistemas de informações em comér
cio internacional limp. offset mult./ 54 100

1. 2 Folhetos

1. 2.1 Administração financeira internacional: estu-


dos de casos limp. offset mult.1 28 100
1. 2. 2 Instrumentos de apoio ao comércio exterior:
barreiras tarifárias e não tarifárias limpo
offset mult. / 41 100
1. 2.3 Operacionalidade de unidades armazenadoras
limpo offset mult.1 47 100
Preços agricolas limpo offset mult.1 45 100

Observações:
A classificação dos livros e folhetos baseou-se na Recomendação aprovadana
Conferência Geral da Unesco, em 19.11.64, que define: "Livro é a publica-
ção impressa, não periódica,
, que contém
,.., no minimo ,
49. .páginas,
.,,, não compreen
;--
didas as capas; folheto e a publicaçao impressa, nao periodica, que contem
de 5 a 48 páginas". (ESCARPIT, Robert. La révolution du livre. 10 ed.
rev. /s. 10c./ Unesco /196 9/ p. 55.)
* Apostilhas mimeografadas, enumeradas como livros e folhetos em virtu-
de da referida recomendação.
NO de NO de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO
páginas Exemplare~

2. COLÉGIO NOVA FRIBURGO - CNF

2.1 Fo lhe to

2.1.1 Colégio Nova Friburgo - Calendário escolar.


1975 jimp. offset mult.j 16 1.000

3. CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS - CADEMP

3.1 Livros *

3.1.1 Administração de pessoal /mimeog./ 58 300


3.1. 2 Aplicação da programação linear a modelos
de transporte /mimeog./ 63 300
Comunicação industrial: participação; teoria,
prática e resultados /mimeog./ 113 300
3·1.4 Legislação fiscal /mimeog./ 51 300
3·1. 5 Matemática financeira /mimeog./ 56 300
3.1.6 Noções básicas de organização e métodos
/mimeog./ 147 300
Noções básicas de organização e métodos
/mimeog./ 101 .~OO
3.1. 8 Noções de contabilidade /mimeog./ 59 300
3.1. 9 Noções de estatística /mimeog./ 53 300
3.1.10 Orçamento de empresas /mimeog./ 61 300
3. L 11 Planejamento e controle da produção /mimeog./ 114 300
3.1. V Principios básicos de administração /mimeog./ 50 300
3.1.13 Resumos esquemáticos /mimeog./ 55 300
3.1. 14 As vias de distribuição no programa mercado-
lógico /mimeog./ 60 300

3.2 Folhet08 *

3.2.1 Administração de vendas Imimeog. / 33 300


3.2.2 Análise de balanços /mimeog./ 17 300
3.2.3 Análise dimensional de vendas /mimeog./ 18 300
3.2·4 Análise econômica de alternativas /mimeog./ 25 300
3.2.5 Análise flnanceira /mimeog. / 27 300
3.2.6 Análise transacional /mimeog./ 22 300
39

Nº de NQ de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO
Páginas Exemplares

Balanços de fontes e aplicações /mimeog./ 21 300


Caracteristicas dos principais instrumentos de
captação no mercado de capitais /mimeog./ 38 300
3.2·9 Casos práticos /mimeog./ 18 300
3.20 10 Concei tos econômico-financeiros /mimeog. / 31 300
3.2.11 Conhecimento básico"- pessoas- o ser humano-
individuo /mimeog. / 23 300
3.2.12 Contabilidade /mimeog./ 37 300
3.2.13 Con tabi l i da de de custos /mimeog. / 21 300
3.2.14 Correção monetária /mimeog./ 17 300
3.2.15 Custos /mimeog./ 26 300
3.2.16 Dinâmica de grupo /mimeog. / 25 300
3.2.17 Distribuição de resultados aos acionistas
/mimeog./ 33 300
3.2. 18 Ensino e aprendizagem /mimeog./ 29 300
3.2.19 A entrevista na seleção /mimeog./ 29 3'00
3.2.20 Exercicios /mimeog./ 19 300
3.2.21 A falácia da bonificação-lI /mimeog./ 19 300
3.2022 Financiamentos de curto e médio prazo:
taxa pré-fixada /mimeog./ 23 300
3.2.23 In trodução à análise do trabalho /mimeog./ 20 300
3.2.24 Juros reais e juros nominais: inflação
/mimeog./ 27 300
3.2.25 Matemática financeira /mimeog./ 26 300
3.2.26 Minicomputadores /mimeog./ 18 300
3.2.27 Orçamento de capital /mimeog./ 19 300
3.2.28 Organização do CPD /mimeog./ 40 300
3.2.29 Previdência social /mimeog. / 32 300
3.2. 30 Problemas jur{dicos na empresa /mimeog./ 38 300
3.2.31 Se leção de pessoal /mimeog. / 28 300
3.2.32 A significação e a função dos dividendos
/mimeog. / 19 300
3.2·33 Sistemas de informações financeiras para
plane jamento e controle de lucro /mimeog./ 23 300
3.20 34 Técnicas de ensino /mimeog./ 45 300
3.2. 35 Técnicas de vendas /mimeog./ 22 300
3.2.36 Teoria das filas /mimeog./ 24 300
3.2.37 Teoria de estoques /mimeog./ 37 300
39

Nº de NQ de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO
Páginas Exemplares

Balanços de fontes e aplicações /mimeog. / 21 300


Caracteristicas dos principais instrumentos de
captação no mercado de capitais /mimeog./ 38 300
3.2·9 Casos prátiCOS /mimeog./ 18 300
3.20 10 Conceitos econômico-financeiros /mimeog./ 31 300
3.2.11 Conhecimento básico·.- pessoas - o ser humano-
indiv.{duo /mimeog.! 23 300
3.2.12 Contabilidade /mimeog./ 37 300
3.2.13 Contabi l i da de de custos /mimeog. / 21 300
3.2·14 Correção monetária /mimeog./ 17 300
3.2. 15 Custos /mimeog./ 26 300
3.2.16 Dinâmica de grupo /mimeog./ 25 300
3.2.17 Distribuição de resultados aos acioni.stas
/mimeog./ 33 300
Ensino e aprendizagem /mimeog./ 29 300
3.2.19 A entrevista na seleção /mimeog./ 29 3'00
3.2.20 Exercicios /mimeog.J 19 300
3.2.21 A falácia da bonificação-lI Jmimeog./ 19 300
3.2.22 Financíamentos de curto e médio prazo:
taxa pré-fixada /mimeog./ 23 300
3.2.2) Introdu.ção à análise do trabalho Jmimeog./ 20 300
3.2.24 Juros reais e juros nominais: inflação
/mimeog./ 27 300
3.2.25 Matemática financeira /mimeog./ 26 300
3.2.26 Minicomputadores /mimeog./ 18 30D
3.2.27 Orçamento de capital /mimeog./ 19 300
3.2.28 Organização do CPD /mimeog./ 40 300
3.2.29 Previdência social /mimeog./ 32 300
3.2.30 Problemas juridicos na empresa /mimeog./ 38 300
3.2.31 Seleção de pessoal /mimeog./ 28 300
3.2.32 A significação e a função dos dividendos
/mimeog. / 19 300
3.2·33 Sistemas de informações financeiras para
plane jamento e con trole de lucro /mimeog./ 23 300
3.20 34 Técnicas de ensino /mimeog./ 45 300
3.2. 35 Técnicas de vendas /mimeog./ 22 300
3.2.36 Teoria das filas /mimeog./ 24 300
3.2. 37 Teoria de esto~ues /mimeog./ 37 300
40

N" de N" de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO Exemplares
Páginas

4. ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - EBAP

4.1 Folheto

4·1.1 Escola Brasileira de Administração Pública.


Calendário escolar - 1976 limpo offset mult.! 15 500

5. ESCOLA INTERAMERICANA DE A.DMINISTRAÇÃO PUBLICA - EIAP

5.1 Livros·

Aspectos do direito agrário brasileiro, politi-


ca e reestruturação agrária, colonização e re-
forma agrária, PIN e PRO TERRA !mimeog.! 57 70
5·1.2 Control y fiscalización aduanera aI tráfico in-
ternacional de mercancias !reimpo mimeog.! 61 70
5.1. 3 Crédi to rural e financiamento à agricultura:
aspectos básicos do crédito rural !reimp.mimeog.j 57 70
Crédito rural e financiamento à agricultura:
aspectos concei tuai.s !reimp. mimeog.! 60 70
5·1. 5 Crédito rural e financiamento à agricultura:
operações de um sistema de crédito rural !reimp.
mimeog.j 58 60
Curso deI valor aduanero; esquemas correspon-
dientes aI temário de la unidad V !reimp.mimeog.! 50 60
El delito de contrabando !reimp. mimeog.! 52 50
Derecho penal y procesal aduanero chileno
!reimp. mimeog.j 62 60
5·1. 9 Implantação de estudos e pesquisas sobre
ecossistemas florestais !reimp. mimeog.! 97 140
5·1.10 Legislación aduanera !reimp. mimeog.! 221 40
5·1.11 Lista minima de mercancias para las estadisti-
cas deI comercio internacional !mimeog.! 70 50
5.1. 12 Programação de crédito rural !reimp. mimeog.! 65 70
5 01. 13 Projeto de desenvolvimento da Fazenda
Oratório (Macaé - RJ) !mimeog.! 150 70
A relação juridica tributária !reimp. mimeog.! 51 90
Teoria especial de la imposición !mimeog.! 75 50

5.2 Folhetos •

5·2.1 O abastecimento d'água nos paises em desen-


volvimento !mimeog.! 12 50
41

NO de Na de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO
Páginas Exemplares

5·2.2 Abusos en los gastos incurridos en el exterior


jreimp. mimeog.j 27 70
Acordos para evitar a dupla tributação da ren-
da entre paises da ALALC jreimp. mimeog./ 5 80
Administração direta e indireta do setor públi
co agropecuário /mimeog.j 13 70
Administração por objetivos - 1976 /mimeog.j 8 70
Administración aduanera; aspectos de su moder-
nización /mimeog./ 16 60
Administración universitaria jmimeog.j 16 50
El aforo aduanero /reimp. mimeog.j 29 50
Algun,as consideraciones para el macro análisis
administrativo deI sector público jmimeog.j 8 60
5·2.10 Alternativas para a implantação de programas
integrados de desenvolvimento rural jreimp.
mimeog.j 15 60
5·2.11 Análise das forças de campo no setor agr{cola
!mimeog./ 8 70
5·2.12 Análise de sistemas jreimp. mimeog.j 15 70
5·2.13 Análise de sistemas: estudo de um caso jmimeog.j 10 70
5·2·14 Análise de sistemas: instrumentos, cQpias de
transparencias jreimp. mimeog./ 19 70
,
5·2. 15 La armonización fiscal en el ambito deI Pacto
Andino jreimp. mimeog.j 12 50
Árvore da decisão para tomada de decisões
jmimeog.j 23 70
5·2.17 Aspectos do direito agrário brasileiro; flores-
tamento, reflorestamento e meio-ambiente
jmimeog.j 5 70
5.2. 18 Aspectos do direito agrário brasileiro; pol{ti-
ca de reestruturação agrária !mimeog.j 8 70
5.2.19 Aspectos do direito agrário brasileiro; pol~ti­
ca de reestruturação agrária; contratos agra-
rios Jmimeog. / 8 70
5·2.20 Barreiras às comunicações interpessoaisjmimeog.j 9 70
5·2.21 Colocação do problema /mimeog.j 5 50
5·2.22 A comercialização do sistema econômico jmimeog.j 33 70
5·2.23 Comércio externo; notas de aula jmimeog.j 7 70
5·2.24 A consideração espaço no processo de desenvol-
vimento econômico jreimp. mimeog.! 16 70
5.2.25 Contratos agrários jmimeog.j 6 70
42

NQ de NQ de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO
Páginas Exemplares

5.2.26 Controle orçamentário e indices de acompanha-


mento /reimp. mimeog./ 6 30
5·2.27 Crédito rural e financiamento à agricultura:
o papel do crédito rural no desenvolvimento
/reimpo mimeog./ 14 70
5.2.28 Cuestionario para una encuesta y análisis
comparado sobre las empresas públicas en Amé-
rica Latina /mimeog./ 8 50
5.2.29 Curso de técnicas de análise organizacional:
análise de projetos /mimeog./ 37 70
5·2.30 Curso de técnicas de análise organizacional:
o perfi 1 do dirigente moderno /reimp.mimeogo / 25 60
5.2. 31 Derecho aduanero; fuentes de derecho aduanero
/reimp. mimeogo/ 33 50
5·2.32 Desapropriação para fins de reforma agrária
/mimeog./ 5 70
Direito tributário; autonomias, objeto, rela-
ções com outros ramos do direito, receitas
originárias e derivadas, impostos, taxas, co~
tribuições /reimpo mimeogo/ 80
5·2.34 Diretrizes básicas de atuação no setor de cré
dito /mimeog./ 9 70
5·2.35 A divisionalização como instrumento de desce~
tralização /reimp. mimeogo/ 12 50
Elasticidades de oferta e .procura de produtos
agricolas no Brasil /mimeog./ 22 70
5·2.37 Elementos de análise de sistemas /mimeog. / 16 50
5 02.38 A empresa pública, uma análise administrativa
/reimp. mimeog./ 15 30
5 02. 39 Esquema de fundamentação básica /mimeog./ 21 70
502·40 Esquema simplificado de projetos /mimeog./ 9 30
5·2·41 Evolución de la teoria administrativa y el
administrador del futuro /mimeog./ 32 50
5·2·42 Exerc{cios de pesquisa operacional /reimp.
mimeogo/ 16 70
La experiencia ecuatoriana en organización y
métodos /mimeog./ 22 60
As funções do orçamento /mimeog./ 6 70
Gerencia institucional en el sector público
/mimeogo/ 16 60
O homem e a transformação do mundo rural
/mimeog./ 5 70
, - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - ._--

43

Ní! de Nº de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO
Páginas Exemplares

5.2.47 Implantação do orédito rural /mimeog./ 19 70


5.2.48 Indioadores eoonómioos para la evaluaoión
de proyeotos: ooletanea de transparenoias
/mimeog./ 32 50
5.2.49 Introdução à análise de sistemas /mimeog./ 5 70
5.2.50 Metodologia de pesquisa aplicada à programa-
ção do setor agroindustrial /mimeog./ 32 70
5.2.51 Operaoión de un sistema de eduoación /mimeog./ 28 50
5.2.52 Organização governamental brasileira !reimp.
mimecg./ 6 70
5.2.53 Pesquisa operacional; oonoeituação brasileira
/reimp. mimeog./ 19 70
5.2.54 Planejamento e orçamento; bibliografia básioa
/reimp. mimeog./ 8 60
5.2.55 Planejamento e projetos; peouliaridades/mimeog./ 7 70
5.2.56 Planifioaoión administrativa, regionalizaoión
deI desarrollo y regionalizaoión administrativa
oomo preoondiciones para el desarrollo regional
/mimeog./ 16 70
5.2.57 O plano de modernização administrativa do setor
agropecuário do Paraná: obstáoulos e soluções
/mimeog./ 31 70
Pol{tioa de oolonização /reimp. mimeog./ 16 70
Polltica fiscal /mimeog./ 23 70
5·2.60 Pol{tioa fiscal oom relação ao setor agropeouá-
rio: incentivos fisoais no imposto de renda
/mimeog.! 18 70
5.2.61 Poluição das águas: análise estrutural e con-
juntural /mimeog.! 19 70
5.2.62 O problema dos transportes agrioolas no Brasil
/mimeog. / 37 70
5·2.63 Os problemas de armazenagem e oonservaçao e o
programa de estoques reguladores /mimeog./ 26 70
5·2.64 O prooesso de substituição de importações oomo
modelo de desenvolvimento reoente na Amérioa
Latina /reimp. mimeog./ 23 60
5.2.65 Prooesso Deoisório /mimeog./ 6 70
5·2.66 Programação administrativa, planejamento e ad-
ministração /reimp. mimeog./ 19 60
5·2.67 O projeto dos números ou meta oomum /mimeog./ 12 70
5·2.68 Quando gerentes efioazes resolvem problemas •••
/mimeog. / 8 70
44

NQ de Na de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO
Páginas Exemplares

5·2.69 Relatório preliminar sobre a identificação e


descrição dos grupos sociais existentes na
comunidade 'de Baia Formosa !reimp. mimeog./ 11 60
Resúmen de derecho tributário /reimp. mimeog.j 25 65
Roteiro para apresentação de uma programação
operacional para projetos integrados de dese~
volvimento rural /reimp. mimeog./ 8 60
5·2·72 Rumo a uma teoria de orçamento /mimeog./ 29 70
5·2·73 Seleção de uma nova secretária /mimeog./ 8 70
5·2·74 Setor de agroindústria /reimp. mimeog./ 32 60
5·2·75 Sintesis de la propuesta para la reforma tri-
butaria de México /mimeog./ 14 60
Sistema de desinformação à administração
/mimeog./ 10 70
O sistema nacional de cadastro rural /mimeog./ 8 70
Sistema, pesquisa operacional e informações:
alguns comentários Jreimpo mimeog.! 23 70
5.2.79 La subasta aduanera /reimp. mimeog./ 23 50
5.2.80 La teoria general de la administración y la
reforma administrativa /mimeog./ 33 60
 visão sistêmica da administração /reimp.
mimeog./ 17 70

5.3 Publicações Periódicas e Seriadas

Basic bibliography on environmental research


/mimeog./ 20
5·3.2 Bibliografia básica de pesquisas sobre meio-a,m
biente /mimeog./ 49 30
Bibliografia sobre planejamento florestal
/mimeog./ 8
Boletim bibliográfico; educação superior. v.3,
n. 1, jan./mar. 1976 /mimeog./ 21 60
Boletim bibliográfico; empresas públicas. v. 3,
n.3, jul./set. 1976 /mimeog./ 8 60
5.3.6 Bb~tim bibliográfico; meio-ambiente. v. 3, n. 2,
abr./jun. 1916 /mimeog.'j 22 70
45

NQ de Nº de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO
Páginas Exemplares

6. INSTITUTO BRA.SlLEIRO DE ECONOMIA - IBRE

6.0.1 Livros

6. O. LI Agropecuária: preços médios e índices de


arrendamentos, vendas de terras, salários
e serviços. Preços médios e índices dos
anos de 1973 a 1975 limpo offset mult./ 99 2·700
6.0.1.2 Estado de Pernambuco: características eco
nômicas das explorações agrícolas - 1969:
2ª parte limpo offset mult./ 232 1.500
6. O. L 3 Estado do Paraná: caracter{sticas econômi
cas das explorações agrícolas - 1970. 2~
parte limpo offset mult./ 1.500
6.0.1.4 Orçamentos familiares: outras despesas;
Porto Alegre limp. offset mult./ 134 500
6.0.1.5 Orçamentos familiares: outras despesas;
Recife limpo offset mult./ 134 500
6.0.1.6 Orçamentos familiares: outras despesas;
Rio de Janeiro limpo offset mult./ 134 500
6.0.1.7 Preços pagos pelos agricultores - médias
anuais 1970/75 e médias mensais 1975
limpo offset mult./ 193 2·700
6.0.1.8 Preços recebidos pelos agricultores - mé-
dias anuais 1970/75 e médias mensais 1975
limpo offset mult./ 100 2·700
6.0.1.9 lã Sondagem conjuntural na indústria de
transformação: são Paulo limp. offset mult./ 72 3.000
6.0.1.10 2ª Sondagem conjuntural na indústria de
transformação: são Paulo /imp.offset mult./ 54 3.000

6.0.2 Folhetos
,
6.0.2.1 Comparabilidade entre os censos agropecua-
rios de 1960 e 1970 limp. offset mult./ 20 1.000
6.0.2.2 A nova correção monetária Imimeog./ 5 300
6.0.2.3 2ª Sondagem conjuntural na indústria de
transformação: Amazônia /imp.offset mult./ 41 1.000
3ª Sondagem conjuntural na indústria de
transformação: Amazônia /imp.offset mult./ 44 1.000
6.0.2.5 4ª Sondagem conjuntural na indústria de
transformação: Amazônia /imp.offset mult./ 41 1.000
6.0.2.6 5ª Sondagem conjuntural na indústria de
transformação: Amazônia /imp.offset mult./ 1·500
NQ de NQ de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO Páginas Exemplares

6.0.2·7 l~ Sondagem conjuntural na indústria de


transformação: Região Centro-Oeste !imp.
offset mult.1 8 400

Publicações Periódicas e lou Seriadas

Preços de dez produtos utilizados nas ativi-


dades agropecuárias - 2º semestre de 1975
limpo offset mult.; 16 2·500
6.0.3.2 Preços de dez produtos uti lizados nas ativi-
dades agropecuárias - 1º seme stre de 1976
limpo offset mult.1 16 2·700
6.0.3.] Preços médios do boi gordo e da lã - 2 12 se-
mestre de 1975 limp. offset mult·1 32 2·700
6.0.3-4 Preços médios do boi gordo e da lã - 1º se-
mestre de 1976 limp. offset mult. I 32 2·700

6.1 ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA - EPGE

6. L 1 Li vr02

6. L 1.1 Crescimento econômico e o combate à inflação


Imimeog·1 49 200
6.1.1.2 Pesquisa quantitativa na economia limpo
offset mult. I 116 700
6.1.1..3 A utilização de turnos no Brasil: evi-
dência empírica Imimeog.1 55 200

6.1.2 Folhetos

6.1.2.1 Controle de juros e saldos médios Imimeog. I 23 200


6.1.2.2 A divisão do trabalho: um modelo de planeja-
mento da educação segundo a abordagem de re-
quisitos de mão-de-obra Imimeog.1 8 200
6.1.2.3 Dos custos de tornar-se visível a limão indi-
si ve 1": o caso da intervenção do Estado
Imimeog·1 37 200
6.1.2.4 Os economistas a 200 anos de Adam Smith
Imimeog·1 16 200
6.1.2·5 Erradicação da miséria e laissez - faire: o
seigniorage como fonte de recursos !mimeog.1 21 200
Escolaridade, experiência no trabalho e salá-
rios no Brasil limp. offset mult.1 42 600
6.1.2·7 O fim do laissez - faire Imimeog. I 14 200
47

NQ de Nl2 de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO
Páginas Exemplares

6.1.2.8 Um indice de qualidade de mão-de-obra: uma


aplicação do conceito de capital humano
Imimeog·1 16 200
6.1.2.9 A introdução das idéias de Adam Smith no
Brasil Jmimeog./ 7 200
6.1.2.10 Uma nota sobre a presença do Brasil em
The wealth of nations /mimeog.J 9 200
6.1.2.11 O significado de A riquxza das na2ões para
o desenvolvimento da ciencia economica
Imimeog·1 8 200
6.1.2.12 A teoria monetária e bancária de Adam Smith
Imimeog·1 8 200

7. INSTITUTO DE DOCUMENTAÇÃO - INDOC

7·0.1 Livros

7·0.1.1 Teoria e prática de arquivo limp.offset mult./ 95 300


7·0.1.2 Teoria e prática de microfilmagem limp. offset
mult.! 112 150

7·0.2 Folhetos

Recuperação e disseminação da informação -


Parte I limpe offset mult.1 35 100
Recuperação e disseminação da informação -
Parte 11 limp. offset mult.1 33 100

Publicação Periódica

Funsação Getulio Vargas -: Relatório e ;res-


taçao de contas do exercicio de 1975 limp.
offset mult. I 337 500

7.1 EDITORA

7.1.1 Livros

Administração mercadológica, principios e


métodos. 2 ed. 1.022
7·1.1.2 Análise econômica do fenômeno demográfico
no Brasil 132 3.000
Auditoria contábil 420 5·000
-- - ----~~- ---

····_-1

NO de NO de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO
Páginas Exemplares

7. L 1.4 Chefia - sua técnica, seus problemas. 7 ed. 420 4.872


7·1.1.5 Comunicação em prosa moderna. 4 ed. 540 9·830
7·1.1.6 Construção civil e criaçao de empregos 136 3.000
7·1.1.7 Direito do trabalho. 4 ed. 532 6.000
7·1.1.8 Os efeitos das minidesvalorizações na
economia brasileira 284 3.000
7·1.1.9 Ergonomia 224 5·000
7.1. 1. 10 Estudos sobre o aconselhamento psicológico 110 3.000
7·1.1.11 Indicador da Fundação Getulio Vargas - 1976/77 96 2.000
7. L 1.12 Indicadores sooiais na estratégia de produtos;
um estudo exploratório 251 3.000
7·1.1.13 Introdução à psicologia das relações huma-
nas. 8 ed. 160 4·987
7·1.1.14 Manual de administração da produção I. 3 ed. 632 5·000
7·1.1.15 Medida psicológica: princípios e prática.
2 ed. 160 3.000
Monografias sintéticas de profissões de
nível superior 136 3.000
7.1.1.17 Orçamento público 640 1·409
7.1. 1.18 Organização e métodos. 5 ed. 372 4·945
7.1. 1.19 Pesquisa comparativa e interdisciplinar 148 3.000
7.1. L 20 O processo didático. 1 ed. /4 tiro 424 4.834
7·1.1.21 Relatório da Fundação Getulio Vargas -1975 52 2.000
7.1.1. 22 A revolução do livro 168 5·000
7·1.1.23 Socio logia 216 3.000
7·1.1.24 Tendências do pensamento jurídioo 272 3.000
7. 1.1.25 Teoria dos sistemas 168 3.000
7. L 1. 26 Testes e medidas na educação. 2 ed. 136 3.000
7. L 1. 27 Usos e abusos de relações públicas 440 1.433

'7. L 2 Folhetos

Catálogo de publicações da FGV 36 50.100


Homenagem a Eugênio Gudin 32 1. 042

7.1. 3 Publicações Periódicas

7·1.3.1 Arquivos brasileiros de Psicologia Aplicada -


ARPA. v. 27, n. 4, out./dez. 1975 166 3.000
49

NQ de NQ de
6RGÃO EDITOR E TíTULO
Páginas Exemplares

7.1. 3.2 Arquivos brasileiros de Psicologia Aplicada -


ABPA. v. 28, n. 1/3, jan./set. 1976 636 9·000
7.1.3-3 Conjuntura econômica. v. 30, n. 1/11, jan./
novo 1976 2.534
7.1.3.4 O Correio Idal Unesco. v. 3, n. 10/11,
ou t • / de z • 1975 104 35·700
7.1.3.5 O Correio Idal Unesco. v. 4, n. 1/10,
jan./nov. 1976 396 160.374
Curriculum. v. 14, n. 3/4, jul./dez. 1975 4·000
Curriculum, v. 15, n. 1/3, jan/set. 1976 6.000
Informativo Idal Fundação Getulio Vargas.
v. 8, Tl. 1/12, j ano / dez. 1976 1. 288 30.000
Revista de Administração de Empresas - RAE.
v. 15, n • 5/6 , se t .1de z • 197 5 200 20.000
7.1.3.10 Revista de Administração de Empresas - RAE.
v. 16, n. 1/5 , j an. / ou t • 1976 360 50.000
7.1.3.11 Revista de Administração Pública - RAP.
v. 9, n. 3/4, jul. /dez. 1975 336 3·000
7.1.3.12 Revista de Administração Pública - RAP. v.l0,
n. 1/2, jan./jun. 1976 436 3,000
7.1.3.13 Revista brasileira de Economia - RBE. v. 29,
n. 4, out./dez. 1975 80 4.000
7.1.3.14 Revista brasileira de Economia - RBE~ v. 30,
n. 1/3, Jan./set. 1976 422 12.000
7.1.3.15 Revista de Ciência política - RCP. v. 18,
n. 4, out./dez. 1975 92 1.500
7.1.3.16 Revista de Ciência política - RCP. v. 19,
n. 1/3, jan./set. 1976 354 5·500
Revista de Direito Administrativo - RDA.
n. 121/122, ju1./dez. 1975 1.080 8.000
7.1.3.18 Revista de Direito Administrativo - RDA.
n. 123/124, jan. huno 197 6 1.018 8.000

Separatas
Agropecuária - balanço do l Q semestre de
1976. Separata de Conjuntura econômica,
30(8): 18-61, ago. 1976 44 1.500
38ª Sondagem conjuntural. Separata de
Conjuntura econômica, 30(2): 218-24 6 ,
fev. 1976 29 3·500
39ª Sondagem conjuntural. Separata de
Conjuntura econômica, 30(5): 131-156,
maio 1976 26 3.500
50

NQ de NQ de
ÓRGÃO EDITOR E TíTULO
páginas Exemplares

7·1.4.4 40~ Sondagem conjuntural, Separata de


Conjuntura econômica, 30(8): 213-233,
ago. 1976 21 3·500
7·1.4·5 41~ Sondagem conjuntural. Separata de
Con;juntura econômica, 30(n): 132-153,
nov, 1976 22 3·500

8. INSTITUTO DE ESTUDOS A.VANÇADOS EM EDUCAÇÃO - IESAE

8.1 Livros·

8.1.1 Catálogo do IESAE - 1976/77 /mimeog./ 86 300


8.1. 2 Ocupações da mão-de-obra no setor primário;
metodologia de um estudo no Brasil /mimeog./ 100
8.1. 3 O SENAI e o ensino técnico e profissional no
Brasil /mimeog./ 114 100

8.2 Folhetos *

8.2.1 Coletânea de exercicios /mimeog./ 18 30


8.2.2 Escola com organização /mimeog./ 36 30
8.2-3 Exercício de simbolização /mimeog./ 12 30
8.2.4 Gottcob Frege /mimeog./ 18 30
8.2.5 Sentença analítica e sintética /mimeog./ 9 30

8.3 Publicações Periódicas

8 . .).1 Boletim do Centro de Documentação do IESAE.


Documentos existentes no Centro de Documen-
tação do IESAE; bibliografia analitica. v.5,
n • 1, a br • 1976 134 150
8.3,2 Boletim do Centro de Documentação do IESAE.
Material de referência do Centro de Documen-
tação do IESAE; bibliografia sinalética. v.5,
n. 2, ju1. 1976 43 100
A N E X O 3-B
R E S U MO 1976

P UB L I CAç OE S PÁGINAS T I R AGE NS

PUBL. PE- PUBL, PE- PUBL. PE_T


ÚRGÃOS
RIÚDICAS RIÚDICAS RIÚDIGA:i
LIVROS FOIBETOS SEPARATAS TOTAL LIVROS FOIBETOS SEPARATAS TOTAL LIVROS FOIBETOS SEPARATAS TOTAL
E SERIA E SERIA E SERIA
DAS DAS DAS

L CICOM 5 4 - - 9 614 161 - - 775 600 400 - - 1.000

2. CNF - 1 - - 1 - 16 - - 16 - 1.000 - - 1.000

3. CADEMP 14 37 - - 51 1.041 969 - - 2.010 4.200 11.100 - - 15.300

4. EBAP - 1 - - 1 - 15 - - 15 - 500 - - 500

5. EIAP 15 81 6 - 102 1.186 1.349 154 - 2.689 1.020 5·165 405 .- 6.590

6. IBRE 10 7 4 - 21 1.400 197 96 - 1.693 18.600 6.200 10.600 - 35.400

6.1 EPGE 3 12 - - 15 220 209 - - 429 1.100 2.800 - - 3.900

7. INDOC 2 2 1 - 5 207 68 337 - 612 450 200 500 - 1.150

7.1 EDITORA 27 2 67(1) 101 8.291 68 10.106 142 18.607 103.3')8 51.142 580.054
5 15.500 750.054

8. IESAE 3 5 2 - 10 285 93 177 - 555 500 150 250 - 900

TOTAIS 79 152 80 5 31.6 13.244 3.145 10.8}0 142 27·401 129.828 78.657 591. 809 15.500 815.794
-_._- -- ------ ._~~ ----- _L---~'_ _____ ~ _ _ _ _ '___~~-

(1) ~ _ ~ ~
Conjuntura economica - 11 fasciculos; Informatjvo da FGV - 12 fasciculos; O Correio d.a Unesco - 12 fascícu-
los; Curricl..üum - 5 fasoic~J.10s; ABPA - 4 fasciculos; RA.E ~ 7 fa.:3cícul02; RAP ~ 4 fascloulOS; RBE - 4 fas
ciculos; RCP - 4 fasc:Lcu10s; RDA---=--4 fascicu los.
'Jl
~
53

ANEXO 4

COOPERAÇÃO TÉCNICA

1. CENTRO DE ESTUDOS E TREINAMENTO EM RECURSOS HUMANOS - CETRHU


1.1 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO CENTRO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÕES E EQUIPAMENTOS ES-
COLARES

1.1.1 Em execução
1.1.1.1 Assessoramento ao CEBRACE em Assuntos Administrativos
1.1.1.2 Assistência Técnica aos Trabalhos Desenvolvidos pelo CEBRACE, notada-
mente no ~ue Respeita aos Estudos de Mão-de-Obra Necessários aos Proje
tos de Construções e E~uipamentos Escolares

2. CENTRO INTERAMERICANO DE COMERCIALIZAÇÃO - CICOM

2.1 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À ASSOCIAÇÃO DE CRÉDITO E ASSIST~NCIA RURAL DO TERRI-


TÓRIO FEDERAL DO AMAPÁ

2.1.1 Em execução
2.1.1.1 Realização de Estudos e Formulações Necessários à Determinação dos Fluxos
de Produção e Consumo de Produ tos Agropecuários no Terri tório do Amapá

3. ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PúBLICA - EBAP

3.1 ASSISTmNCIA TÉCNICA "À CAIXA DE PECÚLIO DOS MILITARES - BENEFICENTE

3.1.1 Conc1uido
3.1.1.1 E1abnração do Plano de Classificação de Cargos e do Plano Salarial

3.2 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A.

3.2.1 Concluido
3.2.1.1 Realização de Curso Espeoial de Administração par"a Desenvolvimento de
Executivos
3.3 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À COMISSÃO EXECUTIVA DO PLANO DA LAVOURA CACAUEIRA

3.3.1 Em estudo
3.3.1.1 Realização de Curso de Treinamento de Chefia Básica

3.3.2 Concluido
3.3.2.1 Realização de Curso de Planejamento, Programação e Orçamentação

3.4 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO

3.4.1 Concluido
3.4.1.1 Realização de Curso Especial de Desenvolvimento Gerencial
54

3.5 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À COMPANHIA DOCAS DO RIO DE JANEIRO

3.5.1 Em estudo
3.5.1.1 Treinamento de Funcionários de Alto Nível

3.6 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À COMPANHIA ESTADUAL DE NAVEGAÇÃO

3.6.1 Em estudo
3.6.1.1 Diagnóstico da Empresa
3.6.1.2 Realização de Curso de Treinamento Gerencial

',. 7 ASSISTÊNC IA TÉCNICA À COMPANHIA MINEIRA DE ELETRICIDADE


3.7.1 Concluído
3.7.1.1 Elaboração do Plano de Classificação de Cargos, do Plano Salarial e
do Plano de Promoções e Acessos

3.8 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO DEPARTAMENTO DE ENSINO FUNDAMENTAL, DO MINISTÉRIO DA


EDUCAÇÃO E CULTURA

3.8.1 Em estudo
3.8.1.1 Realização de Programa de Treinamento em Administração para Diretores
de Primeiro Grau das Secretarias de Educação dos Estados e Territórios
Federais

3.9 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO EspíRITO SANTO

3.9.1 Em execução
3.9.1.1 Diagnóstico da Estrutura e Funcionamento do Departamento
3.9.2 Conclu.ído
3.9.2.1 Realização de Programa de Aperfeiçoamento Gerencial

3.10 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DE PERNAMBUCO

3.10.1 Concluídos
3.10.1.1 Diagnóstico da Estrutura e Funcionamento do Departamento
3.10.1.2 Realização de Curso de Reciclagem em Administração Geral
3.10.1.3 Realização de Seminário de Desenvolvimento de Executivos de Alto Ní-
vel
3.10.1.4 Realização de Seminários de Problemas Organizacionais e Gerenciais
55

3.11 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO DEPARTA..lVIENTO NACIONAL DE PRODUçIO MINERAL

3.11.1 Concluido
3.ll.1.1 Realização de Seminário na Área de Administração para Dirigentes do De
partamento

3.12 ASSISTÊNC IA TÉCNICA À FUNDAÇÃO CATARlNENSE DO TRA.BA.1HO

3.12.1 Em estudo

3.12.1.1 Realização de Curso para Funcionários de Alto Nivel do Governo do Es-


tado de Santa Catarina

3.13 ASSISTÊNCIA TÉCNICA 1 FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO


RIO DE JANEIRO

3.13.1 Em estudo

3.13.1.1 Realização de Programa de Treinamento

3.14 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À FUNDAÇÃO INSTITUTO BRA.SlLEIRO DE GEOGRAFIA E ESTA-


TÍSTICA

3.14.1 Em estudo
3.14.1.1 Realização de Curso para Desenvolvimento de Gerentes de Projetos

3.15 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À FUNDAÇÃO NACIONAL DO BEM-ESTAR DO MENOR

3.15.1 Concluidos
3.15.1.1 Realização de Curso de Formação de Pessoal a Ni ve 1 de Direção e Asse~
soria
3,,15.L2 Realização de Curso de Metodologia de Atendimento ao Menor deCondu~
ta Anti-Social por Equipes Interprofissionais

3.16 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ

3.16.1 Em estudo

3.16.1.1 Realização de Curso Especial de Desenvolvimento Gerencial para Funcio


nários de Alto Nivel
56

3.17 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO GOVERNO DA REPÚBLICA DO EQUADOR

3.17.1 Concluído

3.17.1.1 Realização de Programa de Desenvolvimento Gerenoial para Funoionários


de Alto Nivel

3.18 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO GOVERNO DO TERRITÓRIO FEDERAL DE RONDCNIA

3.18.1 Conoluldo

3.18.~.1 Realização de Seminário de Desenvolvimento de Dirigentes de Alto Ni-


vel

3.19 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MINÉRIOS S.A.

3.19.1 Em estudo

3.19.1.1 Realização de Curso de Desenvolvimento Gerenoial

3.20 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO INSTITUTO DO AÇÚCAR E DO ÁLCOOL

3.?O 1 Em exeouçao

3.20.1.1 Planejamento do Sistema de Dooumentação e Informação do Instituto

3.21 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁ-


RIA

3. '21 1 Cono luido

3.21.1.1 Realização de Curso para Administradores de Projetos do Instituto

3.22 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À PETRÓLEO BRASILEIRO S.A.

3.22.1 Conoluido

3.22. l_.• 1 Elaboração de Provas de Se leção e Treinamento dos Téonicos de Adrninis


tração Seleoionados por Conourso

3.23 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DO ESTADO DE MATO GROS-


SO

3.23.1 Em exeouÇao

3.23.1.1 Serviços de Consultoria para Análise dos Problemas de Pessoal do Esta


do
57

2,.24 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À SECRETARIA DE ADMINISTRAÇIo no ESTADO IX) PARÁ.

3.24.1 Em estudo

3.24.1.1 Serviços de Consultoria para Montagem dos Sistemas de Pessoal e de


Serviços Gerais

3.25 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DA MARINHA MERCANTE

Em execuçao

Dimensionamento dos Servi.ços de Biblioteca~ Documentação e Informação


da ~~tura Sede da Superintend~ncia em Bras{lia

3.26 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À UNI!O PIONEIRA ])E INTEGRAÇIO SOCIAL

3.26.1 Em estudo
3.26.1.1 Realização de Cursos de Administração

4. ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP

4.1 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

4.1.1 Em execuçao

4·1.1.1
.
Assessoramento a CEF em Assuntos Financeiros
4·1.1.2 Elaboração de um Sistema de Informações e Decisões Financeiras
4·1.1.3 Elaboração, Desenvolvimento e Implantação de um Sistema Operacional
de Aplicação

4·2 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À COMPANHIA DOCAS DE SANTOS

Em execuçao

4.2.1.1 Assessoramento nas Áreas Administrativa e Econômico-Financeira à Dir~


toria da Companhia
4.2.1.2 Coordenação Técnica do Sistema de Controle Gerencial Integrado do Por-
to de Santos
4.2.1.3 Elaboração de Cursos Especiais para Aperfeiçoamento do Pessoal de N{-
vel Executivo
Elaboração de Estudos Especiais Segundo Solicitações Espec{ficas da
Direção
Levantamento e Análise das Funções que Eventualmente Vierem a Inte-
grar as Unidades da Superintendência Administrativa
4.3 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO MINISTÉRIO DA SAÚDE

4.3.1 Em execuçao

Assistência Técnica a Órgãos e Entidades Oficiais e Particulares, Es-


pecialmente às Secretarias da Saúde
Assistência Técnica a Outros Setores do Ministério, ~fim de Viabili -
zar 3.;, Integração ao Programa Nacional de Controle do Câncer
Desenvolvimento e Implantação do Programa Nacional de Controle do câQ
cer
4·3·1.4 Integração dos Serviços de Informática do Ministério da Saúde com os
do Sistema do Programa Nacional de Controle do Câncer
Recrutamento, Treinamento, Contratação e Supervisão de Equipes de As-
sessores Regionais e Implantação de Sistemas Mecanizados nos Núcleos
Centrais e nos Órgãos e Zhtidades Participantes do Programa Nacional
de Controle do Câncer

5. INSTITUTO BRASILEIRO DE ECONOMIA - IBRE

5.0.1 ASSIST~CIA TÉCNICA À ASSOCIAÇ!O BRASILEIRA DE LAMINADOS PLÁSTICOS


5.0.1.1 Em execução

5.0.1.1.1 Sondagem Conjuntural na Indústria de Laminados plásticos

5.0.2 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL

5.0.2.1 Em execução

5.0.2.1.1 Cálculo da Sondagem Conjuntural na Indústria de Transformação do No.!:.


deste

5.0.3 ASSISTÊNCIA TÉCNICA AO BANCO NACIONAL DA HABITAÇÃO

5.0.3.1 Em execução

5·0.3.1.1 Cálculo da Sondagem Conjuntural na Indústria de Material de Constru-


çao

5.0.4 ASSIST~CIA TÉCNICA À COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO AMAZONAS,


DA SECRETARIA DE COORDENADORIA E PLANEJAMENTO DO ESTADO DO AMAZONAS

5.0.4.1 Concluido

Orientação Técnica para a Elaboração da Pesquisa sobre Orçamentos


Familiares na Cidade de Manaus
59

ASSIST~NCIA TÉCNICA À. COMISSÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE CONSTRUçIO CI-


VIL, DO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO
~

Em execuçao

5. o. 5 .1.1 Definição de Normas de Reajustamento de Custos da Construção e Obras


Públicas

5.0.6 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA DO ESTADO DO


RIO GRANDE DO SUL

5.0.6.1 Concluido

5.0.6.1.1 Fornecimento de Dados para a Pesquisa Vinte e Cinco Anos de Econo-


mia GalJ.cha

5.0.7 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTA


TÍSTICA

5.0.7.1 Em execução

'Detalhamento das Transações Efetuadas pelo Governo Federal e por Em-


presas Estatais,para Inserção na Matriz de Relações InterindusUiais

5.0·7.2 Conclu:f.dos

5.0·7·2.1 Avaliação Conjunta da Situação das Informações sobre'os Governos Es


. taduais Recebidas através do SIP até Abril; Perspectivas a Curto~
Médio e Longo Prazos
Correçõos do Arquivo Referente aos Dados sobre Governos Estaduais -
Administração Central e Descentralizada - 1965/71,e Entrega parafr~
cessamento

5. 0.8 ASSISTÊNC IA TÉCNICA AO INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DA GUANA·-


BABA

5.0.8.1 ,Em execuçao

5.0.8.1.1 Cálcnlo da Sondagem Conjuntural na Indústria de Transformação do Es-


tado do Rio de Janeiro

5.0.9 ASSIST~NCIA TÉCNICA AO MINISTÉRIO DA INDúSTRIA E COMÉRCIO

5.0.9.1 Em execução

5.0.9.1.1 Cálculo da Sondagem Conjuntural na Indústria de Construção Civil


60

5.0.9.2 Conclu{dos

5.0.9.2.1 Estudo de Viabilidade de Sondagem Conjuntural no Comércio Atacadis-


ta de Material de Construção
5.0.9.2.2 Estudo de Viabilidade de Sondagem Conjuntural na Indústria d" Cons-
trução Ci vi 1

5.0.10 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À SECRETARIA DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO DO ESTADOIE


SÃO PAULO

5.0.10.1 Em execução

). 0.10.1. 1 Cálculo da Sondagem Conjuntural na Indústria de Transformação do Es-


tado

5.0.11 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL DO


ESTADO DA BAHIA

5.0.11.1 Concluidos

5 0.11.1.1 Assessoria na Apuração de Dados para os Orçamentos Familiares


5. 0.11. L 2 Implantação dos índices de Custo de Vida

5.0.12 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇlO GERAL DO


ESTADO DE MATO GROSSO

5.0.12.1 Conc luido

5.0.12.1.1 Assessoria no Desenho de Investigação sobre Orçamentos Familiares

5.0.13 ASSIST~CIA TÉCNICA À SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA

5,0.13.1 Em execuçao

5.0.13.1.1 C~lculo da Sondagem Conjuntural na Indústria de TransformaçãonaAma


zonia
5.0.13.1.2 Estimativa dos Agregados Econômicos Regionais na Área de Atuação da
SUDAM

5.0.14 ASSISTÊNCIA TÉCNICA À SUPERINTENnmCIA DO DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO CEN


TRO-OESTE -

5.0.14.1 Em execução

5.0.14.1.1 Cálculo da Sondagem Conjuntural na Indústria de Transformação no


Cen tro-Oeste
5.0.14.1.2 Estimativa dos Agregados Econômicos Regionais na Área de Atuação da
SUDECO
61

5.0.15 ASSISTtNCIA TÉCNICA À SUPERINTEN]@NCIA DO DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO SUL

5.0.15.1 Em estudo

5.0.15.1.1 Cálculo da Sondagem Conjuntural na Indústria de Transformação na R~


gião Sul

5.0.15.2 Em execução

5.0.15.2.1 Estimativa dos Agregados Econômicos Regionais na Área de Atuação da


SUDESUL

5.1 ESCOLÃ DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA - EPGE

5.1.1 ASSISTtNCIA TÉCNICA AO BANCO CENTRAL DO BRA.SIL

5.1.1.1 Em execução

5.1.1.1.1 Treinamento de Pessoal para a Área de Mercado de Capitais

5.1.2 ASSIST~CIA TÉCNICA AO BANCO NACIONAL DA HABITAÇÃO

5.1.2.1 Conclu{do

5·1.2.1.1 Estudos sobre a Utilização de Turnos de Trabalho na Indústria de


Transformação

6. INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM EDUCAÇÃO - IESAE

6.1 ASSIST~CIA TÉCNICA À COORDENAÇAO DO APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL


SUPERIOR

6.1.1 Em estudo
6.1.1.1 Fol1ow-up dos Egressos dos Cursos do Programa Nacional de Capacitação
de Professores de Ensino Superior

6.2 ASSIST~CIA TÉCNICA AO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS UNIVERSITÁRIOS,DO MINIST~


RIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA

6.2.1 Em execução
6.2.1.1 Avaliação do Programa de Melhoramento do Ensino Superior Isolado Par-
ticular

6.2.2 Conclu{do

6.2.2.1 Planejamento e Execução de Oito Encontros do Ensino Superior


62

.s. 3 ASSIST~"C IA TÉCNICA AO DEPARTAMENTO DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MINISTÉRIO


DA EDUCAÇÃO E CULTURA

6.).1 Em estudo

6.3. 1_.1 Realização de Curso de Planejamento Educacional para as Secretarias


de Educação

6.4 ASSIST~NCIA TÉCNICA AO INSTITUTO INTERAMERICANO DE CI~NCIAS AGRíCOLAS

6.4-.1 Conclu{do

Estudos sobre a Demanda de Mão-de-Obra Especializada (Montevidéu)

6.5 ASSISTÊNCIA rr'ltcNlcA AO MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO PROMOCIONAL DO ESPÍRITO SAN-


TO

6.~.1 Concluido

Coordenação do 11 Simpósio de Educação Rural e Familia

6,6 ASSIST~CIA TÉCNICA AO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO

h. S. 1 ]Jm execl'ção

6.6.1.1 Alternati va Curricular em Educação Técnica no Curso de Mestrado em Edu


cação do IESAE
6.6. J. 2 Cursos de Aperfeiçoamento para Professores dos Centros de Engenharia
d.e Operação

6.7 ASSIST~NCIA TÉCNICA À SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇlo DE BELO HORIZONTE

6 • '~ ~ 1 Em e s tudo

6.7.Ll Consultoria para o Elenco de Projetos do Plano Municipal de Educação


da Prefeitura de Belo Horizonte

6.8 ASSIST~CIA TÉCNICA À SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO

6.8. 1 C onc luldo

6.8.1.1 Curso de Atualização em Elaboração de Projetos Educacionais

6.9 ASSIST~NCIA TÉCNICA À UN~ERSIDADE FEDERAL DE Goris

6.9. l_.1 Implantação de um Curso de Mestrado em Educação na Universidade


6.10 ASSIST~NCIA TÉCNICA À UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

6.1001 Em execução

6.10.1.1 Elaboração de Ante-Projetos de Estruturação Básica e Reforma Curricu-


lar da Universidade

6.11 ASSIST~CIA TÉCNICA À UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA

6.11.1 Concluido

6.11.1.1 Planejamento e Execução de Seminário sobre O Estudo Intra-OrganizaciQ


nal da Universidade

7. INSTITUTO SUPERIOR DE ESTUDOS CONTÁBEIS - ISEC

7.1 ASSIST~NCIA TÉCNICA AO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIODEJANEI-


RO

7.1.1 Em estudo
7.1.1.1 Realização de Cursos de Preparação e/ou Aperfeiçoamento de Pessoal~
Áreas Contábil, Financeira e Administrativa

7.2 ASSIST~CIA TÉCNICA AO CENTRO DE ESTUDOS JURíDICOS

7.2.1 Em estudo

7.2.1.1 Realização de Cursos de Preparação e/ou Aperfeiçoamento de Pessoal~


Áreas Contábil, Financeira e Administrativa

7.3 ASSISTtNCIA TÉCNICA AO CENTRO DE FORMAÇÃO TÉCNICA DO ESTADO DO EspíRITO


SANTO

7.3~1 Concluido

7.3.1.1 Realização de Cursos de Administração Financeira, Organização e MétQ


dos, Auditoria Interna, Contabilidade de Custos e Contabilidade Gere~
cial

7.4 ASSIST~CIA TÉCNICA À COMPANHIA HIDROELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO

7.4.1 Em estudo
7.4.1.1 Realização de Cursos de Preparação e/ou Aperfeiçoamento de Pessoal nas
Áreas Contábil, Financeira e Administrativa
7.5 ASSIST:B1NCIA TÉCNICA À. COMPANHIA VALE DO RIO DOCE

7.5.1 Concluído

7.5.1.1 Preparação de Mão-de-Obra Qualificada, em Nivel Universitário, para


Atuar nas Áreas de Controle e Finanças das Empresas do Grupo

7.6 ASSISTmNCIA TÉCNICA À DELOITE, H!SKINS & SELLS

7.6.1 Em estudo

7.6.1.1 Realização de Cursos de Preparação e/ou Aperfeiçoamento de Pessoal nas


Áreas Contábil,Financeira e Administrativa

7.7 ASSIST~NCIA TÉCNICA AO INSTITUTO BRASILEIRO DE EXECUTIVOS FINANCEIROS

7.7.1 Em estudo

Realização de Cursos de Preparação e/ou Aperfeiçoamento de Pessoal nas


Áreas Contábil, Financeira e Administrativa

7.8 ASSIST:B1NCIA TÉCNICA À. NATIONAL ASSOCIATION OF ACCOUNTANTS

7.8.1 Concluído

7.8.1.1 Realização de Curso de Auditoria de Banoos para a Empresa

7.9 ASSIST~NCIA TÉCNICA À OLEAGINOSAS MARANHENSES S.A.

7.9.1 Concluido

7.9.1.1 Realização de Curso de Contabilidade de Custos para a Empresa

7.10 ASSIST~NCIA TÉCNICA À PETROBRÁS INTERNACIONAL S.A.

7.10.1 Em estudo

7.10.1.1 Realização de Cursos de Preparação e/ou Aperfeiçoamento de Pessoal nas


Áreas Contábil, Financeira e Administrativa

7.11 ASSIST~NCIA TÉCNICA À PETRÓLEO BRASILEIRO S.A.

7.11.1 Em estudo

7·11.1.1 Realização de Cursos de Preparação e/ou Aperfeiçoamento de Pessoal nas


Áreas Contábil, Financeira e Administrativa
R E S U M O

SUBPROJETOS
ÓRGÃOS PROJETOS
CONCLUíDOS EM EXECUçlo EM ESTUDO TOTAL

CETRHU 1 "!" 2 2
""
CICOM 1 1 1
EBA.P 26 17 4 12 33
EAESP 3 13 13
IBRE 15 9 13 1 23
EPGE 2 1 1 2
IESAE 11 5 4 4 13
ISEC 11 4 7 11

TOTAIS 70 24
ANE XO 5
ACORDOS E CONVÊNIOS FIHMÀDOS PELA FUNDAC!O GETULIO VARGAS EM 1976

1. FGV!ETC - Colégio Comercial João xxnI

Data: janeiro de 1976


Finalidade: Realização de um curso de extensão para técnicos de contabili
da de formados pelo Colégio

2. FGV!EAESP - Indústria e Comércio de Minérios S.A.

Data: janeiro de 1976


Finalidade: Realizaçao de programa de treinamento em Administração de Em-
presas

3. FGV!EIAP - Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia e Banco da Ama-


z~nia S.A.

Data: 13.1.76
Finalidade: Realizaçao do I Curso Regional de Desenvolvimento Rural Inte-
grado

4. FGV!IBRE!EPGE - Instituto de Planejamento Econômico e Social

Data: 14 .1. 76
Finalidade: Realização de trabalhos t~cnicos de atualização de estudos so
bre distribuição pessoal da renda no Brasil no ,cp e-r f o d ~õ-
19Q~/1974

5. FGV!EIAP - Ministério da Agricultura

Data: 22.1.76
Finalidade: Realização de cursos de desenvolvimento de recursos humanos m
setor agricola nacional

6. FGV!ISEC - Companhia Vale do Rio Doce

Data: 23.1.76
Finalidade: Preparação de mão-de-obra qualificada em nivel universitário,
para atuar nas áreas de controle e finanças das empresas do
Grupo CVRD
68

7· FGV!CICOM - Associação de Crédito e Assistência Rural do Território Fede-


ral do Amapli

Data: 26.1.76
Finalidade: . Realização de estudos e formulações necessários à determina-
ção de fluxos de produção e consumo de produtos agropecuá-
rios no Território do Amapá

8. .fg~l.g;.~.~k-· Conse,jo Latinoamericano de Escuelas de Administración

Data: 30.1.76
Finalidade: Realização, pe la EAESP, de pesquisa sobre gentão;:; tecnológi-
ca na indústria de alimentos

9. EQV!IBRE - Secretaria de Economia e Planejamento d9 Estado de são Paulo

Data: 23.2.76
Finalidade: Provimento de dados acerca da conjuntura industrial no Esta-
do de são Paulo

10. FGV!EBlP - Governo do Território Federal de Rondônia

Data: 24.2.76
Finalidade: Treinamento de técnicos do Goya:r.no de Rondônia

11. FGV!EBAP - Petróleo Brasileiro S.A.

Data: 24.2.76
Finalidade: Elaboração de provas de seleção e treinamento de técnicos de
administração selecionados por concurso

12. FGV!EBlP - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária

Data: 10.3. 76
Finalidade: Treinamento,na área de administração,de técnicos da Secreta-
ria de Planejamento e Coordenação do INCRA

13. EiVjIESAE - Coordenação do Aperfeiçoamento de Pessoal de Nive 1 Superior


Data: n. 3.76
Finalidade: . Concessão de bolsas de estudo a nivel de mestrado.- em 1976

14. FGV!EBAP - Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira


Data: 15.3.76
Finalidade: Realização de curso de planejamento, programaçao e orçamenta
ção para técnicos de nivel superior da Comissão
69

15. FGV!EAESP - Companhia Docas de Santos

Data: 15.3.76
Finalidade: Elaboração de projeto de estrutura organizacional para a Su-
perintendência Administrativa da Companhia

16. FGV!EAESP - Companhia Docas de Santos

Data: 15.3.76
Finalidade: Coordenação técnica do Sistema de Controle,Gerencial Integra
do do Porto de Santos, assessoramento nas areas administrati
va e econômico-financeira à CDS', e elaboração de estudos e cU:;;
sos especiais

FGV!CONCEP - Companhia Auxiliar de Empresas Elétricas Brasileiras! do Mi-


nist~rio das Minas e Energia

Data: 16.3.76
Finalidade: Realização do V Curso de Economia Mineral, do Plano de Form~
ção e Aperfeiçoamento do Pessoal de Nivel Superior, do Minis
tério das Minas e Energia

18. FGV!EBAP - Secretaria de Cooperação Econômica e Técnica Internacional, da


Secretaria do Planejamento da Presidência da RepÚblica

Data: 22.3.76
Finalidade: Estabelecimento de vinculos entre o programa de pesquisa da
Escola e o Curso de Mestrado em Administração Pública

19. FGV!EBAP - Fundação Nacional do Bem-Estar do Menor

Data: 25.3.76
Finalidade: Treinamento de técnicos da FUNABEM

2.0. FGV!INDIPO!CPDOC - Financiadora de Estudo~ e Projetos~ da Secretaria do


Planejamento da Presidencia da Republica

Data: 1.4.76
Finalidade: Realização de estudo sobre a história social da ciência no
Brasil

21. FGV!ISOP - Fundação Movimento Brasileiro de Alfabetização

Data: 1.4.76
Finalidade: Termo aditivo ao convênio de 29.4.74 para prestação de servi
ços ao MOBRAL em matéria de avaliação de recursos humanos e
aplicação de testes nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa
Catarina, Paraná e são Paulo
70

22. FGVjIBRE - Ministério da Fazenda, Ministério da Agricultura e Secretaria


do Planejamento da Presid~ncia da Rep~blica

Data: 1.4.76
Finalidade: Coleta, reunião e análise de informações para a produção de
um relatório periódico, de circulação restrita, sobre a si-
tuação da agricultura brasileira

23. FGVjCNF - Prefeitura Municipal de Nova FribHrgo

Data: 2.4.76
Finalidade: Coordenação geral, organização, elaboração, aplicação e jul-
gamento das provas para dois concursos para ingresso no ma-
gistério p~blico municipal de Nova Friburgo

24. FGVjEIAP - Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste

Data: 2.4.76
Finalidade: Realização de curso de técnicas de análise organizacional

25. FGVjIESAE - Coordenação do Aperfeiçoamento de Pesso§l de Nivel Superior

Data: 5.4.76
Finalidade: Renovação de bolsas de estudo para pós-graduados em 1976

26. FGV!EAESP - Ministério da Saúde

Data: 9.4.76
Finalidade: Realização de trabalhos de assessoria técnica e capacitação
de recursos humanos, a serem executados para o Programa Na-
cional de Controle do Câncer

~. FGv/IESAE - Programa de Desenvolvimento do Ensino Médio, do Ministério da


Educaç~o e Cultura

Da~a: 13.4.76
Finalidade: Termo aditivo ao convênio firmado em 31.7.75 para realização
de curso de aperfeiçoamento para professores de Centros de
Engenharia de Operação e de Escolas Técnicas Federais

28. FGV/IESAE - Departamento de Assuntos Universitários, do Ministério da Edu-


cação e Cultura

Data: 17.4.76
Finalidade: Realização de encontros regionais das instituições isoladas
particulares de ensino superior
71

29. FGV/EBAP - Fundação W. K. Kellogg

Data: 20.4.76
Finalidade: Capacitação dos recursos humanos necessários aos órgãos e eQ
tidades do setor saúde,para modernização de seus processos e
mecanismos administrativos, e realização de estudos e pesqui
sas sobre os aspectos políticos, sócio-econômicos e adminis~
trativos da problemática da saúde no Brasil

30. FGV/CETRHU - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, doMi-


nistério da Educação e Cultura

Data: 22.4.76
Finalidade: Termo aditivo ao convênio firmado em 23.4.75 para execução 00
projeto Listagem e Análise de Ocupações que Podem Ser Desem-
penhadas por Graduados em Cursos Superiores de Duração Redu-
zida

31. FGV /EBAP - Departamento Nacional de Produção Mineral, do Ministério das Mi-
nas e Energia

Data: 28.4.76
Finalidade: Treinamento de dirigentes na área de administração

32. FGV/INDOC/Editora - Promoções Mala Direta Ltda.

Data: 14.5.76
Finalidade: Permuta" de publicidade entre as revistas Compras e Con,juntu-
.!'lL~.on om i
ca

33. FGV/EIAP - Instituto Internacional de Administração Pública

Data: 15.5.76
Finalidade: Intercâmbio de professores, pesquisadores, documentação e iQ
formação na área de Administração Pública

34. FGV/EBAP - Departamento de Ensino Fundamental, do Ministério da Educação


e Cultura

Da ta: 21. 5 •76


Finalidade: Realização de curso de treinamento em administração para di-
retores do 1 2 grau das Secretarias de Educação dos Estados e
l)}erri tórios

35· FGV/CETRHU - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, do


Minist~rio da Educaç~o e Cultura
Data: 25.5.76
Finalidade: Levantamento de dados relativos à multiplicação de cursos su
periores na área de ciências humanas
72

36. FGV/IESAE - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Data: 25.5.76
Finalidade: Tipologia da educação extra-escolar no Brasil

37. FGV/IESAE - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Data: 25.5.76
Finalidade: Estudo dos niveis de compreensao de alunos e professores

38. FGV/EIAP - Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural

Data: 29.5.76
Finalidade: Realização do Seminário sobre Administração de Recursos Hum~
nos

39. FGV/IESAE - Coordenação do Aperfeiçoamento de Pessoal de Nivel Superior

Data: 31. 5.76


Finalidade: Realização de seminário sobre formas de educação extra-esco-
lar no Brasil

40. FGV/EIAP - Governo do Estado da Paraiba

Data: 1.6.76
Finalidade: Realização de dois cursos intensivos sobre classificação de
cargos e salários e avaliação de desempenho para funcion~s
do Estado

41. FGV/ISOP - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Data: 1. 6. 76
Finalidade: Análise do trabalho de instrutores da área de hote laria, para
a definição de sistemas de recrutamento, seleção e treiname~
to de pessoal

42. FGV/EIAP - Instituto Tecnológico de Costa Rica

Data: 3.6.76
Finalidade: Realização de programa de treinamento nas áreas de planeja-
mento, administração e ciências sociais

43. FGV/EIAP - Companhia de Colonização do Nordeste

Data: 10.6.76
Finalidade: Intercâmbio cientifico no campo do desenvolvimento rural in-
tegrado
73

44. FGV/INDOC/Editora - Instituto Nacional do Livro

Data: 22.6.76
Finalidade: Termo aditivo ao contrato firmado em 22.12.75 para co-edição,
em lingua portuguesa, da obra La révolution du livre, de
Robert Escarpit

45· FGV/ISOP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, do Mi-


nist~rio da Educação e Cultura

Data: 23.6.76
Finalidade: Diagnóstico discriminativo do escolar com dificuldades de
aprendizagem

46. FGV!ISOP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Data: 23.6.76
Finalidade: Discriminação de instrumental para identificação do bem-dota
do

47. FGvlEIAP - Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia


Data: 23.6.76
Finalidade: Intercâmbio técnico na área de colonização e povoamento

48. FGV!IESAE - Departamento de Assuntos Uni versi tários, do Ministério da Edu-


cação e Cultura, e Fundo Nacional de Desenvolvimento

Data: 25.6.76
Finalidade: Apoio a projetos de desenvolvimento da educação e cultura

49. FGV!ISEC - Centro de Formação Técnica do Estado do Esp{rito Santo

Data: 29.6.76
Finalidade: Realização de curso de Administração Financeira

50. FGV!EIAP - Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste

Data: 2.7.76
Finalidade: Realização do 11 Curso de Técnicas de Análise Organizacional

51. FGV!EBAP - Centrais Elétricas Brasileiras S.A.

Data: 5. '7.76
Finalidade: Treinamento de dirigentes das empresas de energia elétrica
74

52. FGV!ISOP - Programa Nacional de Teleduoação, do Ministério da Educação e


Cultura

Data: 12.7.76
Finalidade: Análise do trabalho de ooupaçoes do sistema de teleduoação

53. FGV!EIAP - Ministério da Agrioultura e Instituto Brasileiro de Desenvolvi-


mento Florestal

lata: 15.7.76
Finalidade: Realização do Curso de Mestrado em Desenvolvimento Agr1oo1a

54. FGV!IBRE - Assooiação Brasileira de Laminados plástioos

Da ta: 16 .7 .76
Finalidade: Provimento de dados aoeroa da oonjuntura econômioa da indús-
tria de laminados plástioos

55. FGV!IBRE!EPGE - Ministério da Eduoação e Cultura

Data: 20.7.76
Finalidade: Realização de estudo visando à implantação de um sistema de
finanoiamento à eduoação no Brasil

56. FGV!CNF - Prefeitura Munioipal de Nova Friburgo

lata: 20.7.76
Finalidade: Termo de aditamento ao oontrato firmado em 6.11.75 para oon-
oessão de bolsas de estudos pelo CNF

57· FGV!CETRHU - Companhia Brasileira de Projetos Industriais, do Grupo Compa-


nhia Side~rgioa Naoional

lata: 27.7.76
Finalidade: Identifioação e análise das oategorias téonioas do setor de
oonsultoria de projetos industriais na área de engenharia e
respeotivos salários

58. FGV!EBAP - Companhia Mineira de Eletrioidade

Data: 10.8 -,76


Finalidade: Elaboração do plano de olassificação de oargos, plano sala-
rial e plano de promoções e aoessos

59, FGV!ISEC - Centro de Formação Téonioa do Estado do Espirito Santo


Da ta: 16 • 8 .76
Finalidade: Realização de diversos oursos nas áreas finanoeiraecontábil
75

60. FGV!CICOM - Centro Brasileiro de Assistência Gerencial à Pequena e Média


Empresa

rata: 20.8.76
Finalidade: Capacitação de técnicos de alto nivel em comércio exterior

61. FGV!IBRE!EPGE - União Federal, Banco Central do Brasil e Fundação Insti-


tuto de Pesquisas Econ;micas

Data: 24.8.76
Finalidade: E~tudos especiais p~ra a manutenção de um sistema de infor~
çoes para programaçao

62. FGV IINDOO -- Conse lho Nacional de Desenvolvimento Cient{fico e Tecnológico

Data: setembro de 1976


Finalidade: Prestação mútua de assistência técnica nos campos da permuta
de informações sobre ciência e tecnologia; padronização dos
métodos e processos de organização de bibliotecas setoriais
em nivel regional e nacional; e adoção de metodologia padrão
de disseminação seletiva de informações a nivel nacional

63. FGV!IBRE - Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural

rata: 2.9.76
Finalidade: Permuta de informações e assistência técnica nas áreas de pr.2,
dução, comercialização, preços pagos e recebidos pelo produ-
tor, atacado e varejo, mercados agr{colas, estudos de nutri-
ção e orçamentos familiares, oferta e demanda, e pesquisas 00
economia rural

64. FGV!EBAP - Instituto do Açúcar e do Álcool

Data: 11).9.76
Finalidade: Planejamento do sistema de documentação e informação do Ins-
tituto

65. FGV!IESAE - Coordenação do Aperfeiçoamento de Pessoal de Nivel Superior

Data: 15.9.76
Finalidade: Realização do curso de pós-graduação, de conformidade com o
Plano de Aplicação aprovado pela Coordenação

66. FGV!EAESP - Companhia de Processamento de Dados do Estado de são Paulo

Data: 21. 9.76


Finalidade: Aperfeiçoamento do pessoal de nivel superior da PRODESP atr~
vés de cursos e treinamentos diversos; serviços de assesso -
ria; realização de pesquisas e estudos administrativos
FGV!INDIPO!CPDOC - Financiadora de Estudos e Projetos. da Secretaria do
Planejamento da Presidencia da Rep~blica

Data: 22.9.76
Finalidade: Termo aditivo ao convênio firmado em 30.12.75 para financia-
mento dos projetos de documentação, pesquisa, história oral,
brasiliana e do Dicionário histórico-bibliográfico brasilffiro

68. FGV!IBRE!EPGE - Instituto de Planejamento Econ;mico e Social

Finalidade: Execur<lo do Programa Nacional de Pesquisa Econ;mica no biê-


nio 1976/78

69. FGV/ISEC - Oleaginosas Maranhenses S.A.

Data: 309.76
Finalidade: Realização de um curso de Contabilidade de Custos para téc-
nicos da Empresa

7C. FGV/EBAP - Fundação Oswaldo Cruz

Data: 6.10.76
Finalidade: Treinamento de funcionários de alto nível

71. FGV!EBAP - Departamento de Estradas de Rodagem do Espírito Santo

Data: 12.10.76
Finalidade: Desenvolvimento de executivos, e levantamento e análise da
situação atual dos órgãos do Departamento, visando ~ elabor~
ção de um diagnóstico da estrutura e do funcionamento do
DER-ES

72. FGV!EIAP - Instituto ítalo-Latino-Americano

Data: 13.10.76
Finalidade: Identificação das matérias de interesse comum e das possibi-
lidades de realização de programas conjuntos anuais dentro
das finalidades e objetivos das organizações

73, FGV!EIAP - Universidade Privada Aut~noma da Nicarágua

Data: 13.10.76
Finalidade: Cooperação técnica nas áreas de Administra9ão, Economia e Ci
ências Sociais
77

74. FGV!EIAP - Ministério da Agricultura e Instituto Brasileiro de Desenvolvi-


mento Florestal

Data: 14.10.76
Finalidade: Realização de atividades de treinamento em planejamento flo-
restal

75. FGV!EIAP - Governo do Estado da Paraiba

Data: 15.10.76
Finalidade: Realização de dois cursos intensivos sobre análise organiza-
oional e recrutamento e seleção para funcionários do Estado

76. FGV!EAESP - Centro de Assistência Gerencial à Pequena e Média Empresa

Data: 16.10.76
Finalidade: Execução de projeto de pesquisa sobre a evolução da pequena
e média empresa no Brasil

77. FGV!EBA.P - Companhia Catarinense de Águas e Saneamento

Data: 18.10.76
Finalidade: Realização do Curso de Desenvolvimento Gerencial para fun-
cionários de alto nivel

78. FGV!IBRE!EPGE - Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Secretaria Ge-


ral do Minist~rio da Fazenda e Banco Central do Brasil

Data: 27.10.76
Finalidade: Programa de construção de uma matriz de fluxo de fundos para
a economia brasileira

79. FGV!EBA.P - Secretaria de Administração do Estado de Mato Grosso

Data: 27.10.76
Finalidade: Análise dos problemas de pessoal do Estado

80. FGV!CONCEP - Companhia Auxiliar de Empresas Elétricas Brasileiras, do Mi-


nist~rio das Minas e Energia

Data: 1.11. 76
Finalidade: Termo aditivo ao convênio firmado em 16.3.76 para realização
do V Curso de Economia Mineral
78

8~. FGV/IESAE - Coor~açao de Desenvolvimento e Modernização, do Ministério éS.


Eduoaçao e CultlE'a

Da ta: 4. E.', 6
Finalidade: Realização do Curso de Introdução à Metodologia e às Técni-
C2.(j de Pesquisa

82. FGV!IESAE - Uni v'ersidade Metodista de Piracicaba

Data: 8.11.7f)
Finalidade: Planej amenGo e execuçao d.e um seminário, visando ao estudo
int:.:-<>,··orgarJizacional da Universidade

83. FGV!EIAP - FaGclJ.da1ie de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade Federal cb


Rio de .'anelro

Data: 17.11. 76
Finalidade: In~;ercâ,mbio cientifico no campo do planejamento urbano e do
ur"rJan·::.smo rural

84. FGV!SG - Departa,m..ento de Ensino Médio, do Ministério da Educação e Cultura

Data: 30.1] .76


Finalidade: Transferência de alunos da ETC para o Co légio Comercial Pro-
fesi::lor C lÓllis Salgado

85. FGV!IESAE·· Coordenas&o do Aperfeiçoamento de Pessoal de Nivel Superior

Data: ],12.76
Finalidade: Concer;i::lao de reoursos para realização do programa de bolsas
de est:ldos pós·~graduadoc

86. FGV!CETBJID - Inst:i. t,uto Naci onal de Estudos e Pesquisas Educacionais,do Mi-
~rio da Educação e Cultura

Data: L 12u 76
Finalidade: Prorrogação do projeto levantamento de Dados Re lati vos à Mul
ttp~.ica9ão de Cursos Superiores na Área de C iências Humanas

87· FGV!EIAP - Instituto de Desenvo lvimento de Pernambuco e Empresa Pernambu-


cana de_ Turismo

Data: 3.1;~.76

Finalidade: Cooperaç~o técnico-cient{fina no setor turismo


79

88. FGV!EIA.l? - MbLstério da A,gricultura e Instituto Brasileiro de Desenvolvi-


mento Florestal

Da ta: 6 . 12.76
Finalidade: Cessão do prédio do Horto Florestal

89. FGV!IESAE - Universidade Federal de Sergipe

Data: 10.12.76
Finalidade: Elaboração de ante-projetos de estrutura básica e reformaaE
ricular da Universidade

90. FGV!INDIPO!CPDOC - Departamento de Assuntos Culturais, do Ministério da


Educação e Cultura

Da ta: 14 • 12. '76


Finalidade: Levantamento e organização da documentação histórica existen
te em arquivos públicos fluminenses

91. FGV!EIAP - Subsecretaria de Planejamento e Orçamento, do Ministério da


A,gricultura

Data: 20.1'2.76
~

Finalidade: Realização de atividades de treinamento na area de adminis-


tração de projetos agr{colas

92. FGV!EIAP - Subsecretaria de Plane.jamento e Orçamento do Ministério da Agri-


cultura

Data: 20.12.76
Finalidade: Realização de atividades de treinamento para o Programa de A.9:,
ministração do Setor PÚblico Agricola

93. FGV!EBAP - Companhia Docas do Rio de Janeiro

Data: 28.12.76
Finalidade: Treinamento de funcionários de alto nivel

94. FGV!ISOP - Fundação Movimento Brasileiro de Alfabetização

Datas 28.12.76
Finalidade: Prestação de serviços na área de avaliação de recursos huma-
nos; e orientação psicopedagógica à clientela do MOBRAL, es-
peCialmente no campo da educação integrada e da profissiona~
lização
80

R E S u M o

CONCEP •••••• ........ ... ... 2


SG . ... ............
, 1
CETRHU ••••••• $ ••••••••••••••••••
4
CICOM •• ....... , .. 2
CNF ........... ..... 2
EBAP ............................ 17
EAESP ,. ••••••• IJ ••••••••••
7
EI.A.P •••••••• ••••• (( • .I •••••••• 20
ETC •.••••••••••••••• ...... 1
IBRE ••••••••••••••••••••••••••• Q
4
EPGE ••••••• ......... . 5
INDIPO /CPDCXJ ..... ...... 3
INDOC •••••••• ....... 1
EDITORA ......... ...... 2
IESAE ............ ...... . 13
ISOP .. 6
ISEC ............................ 4
TOTAL ........................... 94
81

AN E X O 6-A

CONGRESSOS E ASSEMELHADOS - 1976

L CONSELHO DE COORDENAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA - CONCEP

1.1 Participação

1.1.1 lOª Reunião do Centro de Estudos de Computação Educacional, promovidape


la IBM do Brasil - Indústria, Máquinas e Serviços Ltda., realizada n~
Rio de Janeiro, RJ, em 15.3.76
1.1. 2 lI!:!: Reunião do Centro de Estudos de Computação Educacional, promovida pe
la IBM do Brasil - Indústria, Máquinas e Serviços Ltda., realizada n~
Rio de Janeiro, RJ, em 15.6.76
1.1.3 12ª Reunião do Centro de Estudos de Computação Educacional, promovidape
la IBM do Brasil - Indústria, Máquinas e Serviços Ltda., realizada n~
Rio de Janeiro, RJ, em 14.9.76
1.1.4 Seminário Internacional sobre Desenvolvimento de Recursos Humanos para
o Turismo, promovido pela Organização das Nações Unidas para a Educação,
Ciência e Cultura, pelo Touring Club do Brasil e pelo Instituto de Or~
nização Racional do Trabalho, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 22 a
26.11.76
1.1.5 Seminário Nacional de Turismo Jovem e Excursões Educacionais, promovido
pelo Centro Brasileiro de Turismo, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de
3 a 5.12.7 6

2. SERVIÇO DE PESSOAL - SPe

2.1 Participação

2.1.1 I Congresso Brasileiro de Treinamento e Desenvolvimento, promovido pela


Associação Brasi leira de Treinamento e Desenvolvimento, realizado em são
Paulo, SP, de 8 a 12.11.76
2.1. 2 IV Simpósio Interamericano de Treinamento e Desenvolvimento, promovido
pela Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento, realizado
em São Paulo, SP, de 8 a 12.11.76
2.1. 3 2 2 Simpósio Nacional da Previdência Privada, promovido pelo Instituto
de Organização Racional do Trabalho, realizado no Rio de Janeiro, RJ,em
8 e 9.4.76
82

3. CENTRO DE ESTUDOS E TREINAMENTO EM RECURSOS HUMANOS - CETRHU

3.1 Participação

3. 1.1 Festival de Filmes sobre Treinamento, promovido pe lo Serviço Na.c.ional de


Aprendizagem Industrial, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 17 ,a 28.5.76
3. L 2 I Seminário de Análise Ocupacional, promovido pe lo Serviço Nacional de
Aprendizagem Industrial, realizado em são Paulo, SP, de 18 a 22.10.76

4. COLÉGIO NOVA FRIBURGO - CNF

4.1 Participação

4.1.1 XV Congresso da Associação Interamericana de Educação, realizado no Rio


de Janeiro, RJ, em 11 e 12.10.76
4.1.2 3~ Encontro de Escolas de lQ e 2~ Graus, promovido pela Fundação Centro
de Seleção de Candidatos ao Ensino Superior do Grande Rio, realizado no
Rio de Janeiro, RJ, em 5.6.76
4.1_3 I~ Encontro de Língua e Literatura, promovido pela Faculdade Santa Dor2
teia, realizado em Nova Friburgo, RJ, em outubro e novembro de 1976
4.1.4 I Encontro de Professores de Comunicação e Expressão, promovido pela As
socia'ção de Ensino Superior são Judas Tadeu, realizado no Rio de Janei
ro, RJ, de 28 a 30.7.76
I Encontro de Professores de Fisica, promovido pela Fundação Centro de
Seleção de Candidatos ao Ensino Superior do Grande Rio, realizado em No
va Friburgo, RJ, de 19 a 24.4.76
4.1.6 VI Encontro Regional do Ensino Superior Isolado Particular do Estado do
Rio de Janeiro, promovido pelo Departamento de Assuntos Universitários,
do Ministério da Educação e Cultura, e pe lo IESAE, realizado no Rio de J.§!.
neiro, RJ, de 12 a 15.10.76
4.1.7 Encontro sobre Metodolo~ia, para o Ensino da Fisica, promovido pela So-
ciedade Brasileira de Fisica, realizado no Rio de Janeiro, RJ, em
13.11. 76
4.1.8 I Jornada Estadual sobre Conselho de Classe e Avaliação, promovida pela
Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Rio de Janeiro, realiza-
da em Nova Friburgo, RJ, em 5 e 6.4.76
4.1.9 111 Simpósio Nacional de Ensino de Fisica, promovido pela Sociedade Bra
sileira de Fisica, realizado em são Paulo, SP, de 25 a 30.1.76

5, ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PúBLICA - EBAP

5.1 Promoção

5.1.1 I Encontro Internacional sobre Sistemas de Saúde, realizado no Rio de Ja


ne iro, RJ, de 16 a 18. 11,76
5.2 Co-promoção

5·2.1 111 Encontro de Coordenadores de Pós-Graduação, promovido pelo Programa


de Administração da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Enge-
nharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pela EBAP, realiza-
do no Rio de Janeiro, RJ, em 21.12.76

5.3 Participação

Ciclo de Conferências sobre Ciência Pol{tica e Administração Pública,


promovido pelo Colégio de Licenciados en Cienoias políticas y Adminis-
tración Pública, realizado no MéXico, de 10 a 17.9.76
5·3.2 111 Congresso Brasileiro de Ensino e Pesquisa da Comunicação, promovido
pela Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa sobre Comunicação, rea-
lizado em Caxias do Sul, RS, em julho de 1976
Congresso de Estatistica Aplicada, promovido pela Universidade de são
Paulo, realizado em são Paulo, SP, em junho de 1976
X Congresso Mundial de Ciência politica, promovido pela Associação In-
ternacional de Ciência politica, realizado em Edimburgo, Escócia, de 16
a 21.8.76
Mesa-Redonda sobre Administração Pública, promovida pelo Instituto In-
ternacional de Ciências Administrativas, realizada em Dubrovnik, Iugos-
lávia, de 24 a 29.5.76
seminário de Avaliação do Estágio Atual da Pós-Graduação em Administra-
ção, promovido pela Coordenação do Aperfeiçoamento de Pessoal de Nivel
Superior e pela Fundação Universidade Empresa de Tecnologia e Ciência
da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, realizado em Nova Fribur-
go, RJ, de 2 a 4.9.76
5·3·7 111 Seminário de Estudos de Casos, promovido pelo Programa Naoional de
Tr8in~mento de Executivos, realizado no Rio de Janeiro, RJ, em julho de
1976
Seminário de Metodologia do Ensino da Matemática nos Cursos Mêdio e Su-
perior, promovido pelo Programa de Expansão e Melhoria do Ensino, reali
zado no Rio de Janeiro, RJ, em abril de 1976
I Seminário de Planejamento Governamental de Brasilia, promovido pela
Secretaria de Planejamento da Presidência da República, realizado em Br~
silia, DF, de 21 a 27.11.76
5. 3. 10 Seminário Internacional de Planejamento Regional, promovido pela Funda-
ção João Pinheiro, realizado em Belo Horizonte, MG, em 5 e 6.8.76
5·3.11 I Seminário Latino-Americano de Administração sob;e Metodologia do Ensi
no da Administração, promovido pelo Centro de Docencia do Consejo Lati-
noamericano de Escuelas de Administración, realizado em são Paulo, SP,
de 25 a 29.11.76
5·3.12 111 Seminário Nacional de Orçamento PÚblico, promovido pela Secretaria
dê Planejamento da Presidência da República e pela Secretaria do Plane-
jamento, Ciência e Tecnologia do Estado da Bahia, realizado em Salvador,
BA, de 10 a 15.10.76
5· 3· 13 Seminário sobre Ação Internacional das Empresas Públicas Latino-America
nas, promovido pelo Instituto para a Integração da América Latina e pe~
la EIAP, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 18 a 22.10.,76
Seminário sobre História da Agricultura no Brasil, promovido pelo Mini~
tério da Agricultura, realizado no Rio de Janeiro, RJ, em dezembro de
1976
6. ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE s10 PAULO - EAESP

6.1 Promoção

6.1.1 Seminário Anual de Planejamento, realizado em Águas de Lindóia, SP, de


16 a 19.12.76
6.1.2 Seminário sobre Gestão Tecnológica, realizado em são Paulo, SP, de 3 a
6.1::·76
6.1. 3 Seminário sobre Metodologia da Pes~uisa, realizado em são Paulo, SP, em
outubro e novembro de 1976
6.1.4 Seminário sobre Metodologia do Ensino, realizado em são Paulo, SP, de
25 a 29.11. 76
6.1. 5 Seminário sobre Sistema Cooperativista Brasileiro, realizado em são Pau
lo, SP, de 5.5 a 29.6.76

6.2 Participaçã,o

6.2.1 Ciclo de Conferências sobre Processo Decisório em MarkBting, promovido


pela Associação dos Diretores de Vendas do Brasil, realizado em Porto
Alegre, RS, em 28 e 29.5.76
6.2.2 I Cir.lo de Treinamento de Especialistas em Promoção Comercial, promovi-
do pelo Ministério das Rela~ões ~~teriores e pelo Centro de Treinamento
para o Desenvolvimento Economico da Secretaria de Planejamento da Presi
dência da República, realizado em Bras{lia, DF
Congresso Latino-Americano de Direito do Trabalho e Previdência Social,
realizado em são Paulo, SP, de 26 a 29.9.76
6.2.4 9 2 Congresso Panamericano de Administração, promovido pela Confederação
Nacional da Indústria e pelo Instituto de Organização Racional do Tra
balho, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 11 a 15.10.76
6.2·5 III Encontro de Estudos Rurais e Urbanos, promovido pe la Faculdade de Fi
losofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de são Paulo, reali~
zado em são Paulo, SP, em setembro de 1916
6.2.6 1 2 Encontro Latino-Americano de Centros de Treinamento em Administração,
realizado em Quito, E~uador, de 30.8 a 3.9.76
V Encontro Regional de Ensino Superior Isolado Particular, promovido pe
lo Ministério da Educação e Cultura e pelo IESAE, realizado em são Pau~
lo , SP, de 14 a 17. 9 • 76
6.2.8 Forum de Defesa do Consumidor, promovido pela Federação do Comércio do
Estado de são Paulo, realizado em são Paulo, SP, em 12.4.76
6.2.9 Mesa-Redonda sobre as Perspectivas da Profissão de Sociólogo, promovida
pela Associação dos Sociólogos do Estado de são Paulo, realizada em são
Paulo, SP, em abril de 1976
6.2.10 28' Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência,
realizada em Bras{lia, DF, em julho de 1976
6.2.11 Reunião da Comissão de Estudos Rura.is do Centro Latino-Americano de Ciên
cias Sociais, promovida pela Universidade Autônoma do MéXico, realiza~
da no MéXico, de 21 a 24.6.76
6.2.12 3~ Semana de Administração, promovida pela Fundação Armando Álvares Pel!
teado, realizada em são Paulo, SP, em outubro de 1976
6.2.13 Seminário de Administração de Serviços de Nutrição, promovido pela Asso
ciação Brasileira das Indústrias de Alimentação e pelo Serviço Nacional
de Aprendizagem Comercial, realizado em Santos, SP, em 29.11.76
6.2.14 Seminário de Ciência politica, promovido pelo Departamento de Ciências
Sooiais da Universidade de são Paulo, realizado em são Paulo, SP, em jQ
nho de 1976
6.2.15 Seminário de Estratégia da Abril-Tec, promovido pela Editora Abril Ltda.,
realizado em são Paulo, SP, de 16 a 18.9.76
6.2.16 Seminário de Estratégia da Abril-Tec, promovidopelaEditoraAbrilLtda.,
realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 21 a 23.9.76
Seminário de Investimentos no Brasil, promovido pelo FinanciaI Times,
realizado no Rio de Janeiro, RJ, em março de 1976
6.2.18 Seminário de Marketing, promovido pelo Programa de Administração da Co-
ordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia da Universidade
Federal do Rio de Janeiro, realizado no Rio de Janeiro, RJ , d e 24 a
26.3·76
6.2"19 Seminário de Promoción y Financiamiento de Proyectos Internacionales,
realizado em Lima, Peru, em 22.9.76
6.2.20 Seminário para Executivos, promovido pelo Grupo BRASCAN e pela Universi
dade de Western Ontario, realizado em Nova Friburgo e no Rio de Janeiro,
RJ, em 20 e 21.5.76
6.2.21 Seminário para Executivos da Coca-Cola do México, realizado na Cidade do
México, M~xiQo, de 2~'a 30.7.76
6.2.22 Seminário sobre Inflação, promovido pela National Association of
Accountants, realizado em são Paulo, SP, em 12.5.76
6.2.23 Seminário sobre O Método de Caso, promovido pelo Programa Nacional de
Treinamento de Executivos, realizado no Rio de Janeiro, RJ
6.2.24 Seminário sobre Program for Policies of Science and Technology for
Developing Nations, promovido pela Universidade de Cornell, realizado'
nos Estados Unidos, de 15.7 a 6.8.76
6.2.25 Seminário sobre Science and Technology Policy Instrument, realizado em
Sussex, Inglaterra, de 15.6 a 9.7.76
6.2.26 lQ Seminário sobre Volante, promovido pela Secretaria do Planejamentodo
Estado de são Paulo, realizado em são Paulo, SP, em 25 e 26.10.76
6.2.27 2 Q Seminário sobre Volante, promovido pela Secretaria do Planejamento do
Estado de são Paulo, realizado em são Paulo, SP, em 28 e 29.10.76
6.2.28 Simpósio sobre Pesquisa Demográfica no Brasil, promovido pela Fundação
Ford, realizado no Rio de Janeiro, RJ, em 7 e 8.6.76
6.2.29 Simpósio sobre Sociologia da Religião, promovido pela Sociedade Brasi-
leira para o Progresso da Ciência, realizado em Brasilia, DF, em julho
de 1976

7. ESCOLA INTERAMERICANA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - EIAP

7 1 Promoção

7.1.1 Simpósio sobre Desenvolvimento da Amazônia, realizado no Rio de Janeiro,


RJ, em 29.9.76
86

7.2 Co-promoção

Seminário sobre Ação Internacional das Empresas Públicas Latino-Americ,ê:.


nas, promovido pelo Instituto para a Integração da América Latina e pe-
la EIAP, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 18 a 22.10.76

8. INSTITUTO BRASILEIRO DE ECONOMIA - lERE

8.0.1 Participação

8.0.1.1 UI Congresso da Indústria da Construção Ci vi 1, promovido pe la Socie-


dade de Engenharia do Rio Grande do Sul, realizado em Porto Alegre,
RS, de 3 a 7. 4. 76
8.0.1.2 I Congresso Mundial da Carne, promovido pela Junta Nacional da Carne,
da Argentina, realizado em Buenos Aires, Argentina, de 29.7 a 6.8.76
8.0.1. 3 IV Encontro Nacional de Economia, promovido pela Associação Nacional
de Centros de Pós-Graduação em Ebonomia, realizado em Guarujá, SP, de
8 a 10.12.76
8.0·1.4 XIV Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Economistas Rurais, rea-
lizada em Vitória, ES, de 5 a 9.9.76
8.0~1.5 Reunião do Centro de Empresas Multinacionais das Nações Unidas, p~omo
vida pela Organização das Nações Unidas, realizada em Genebra, Suiça,
de 30.8 a 7.9.76
8.0.1.6 4ª Rel.m:Lão do Conselho Diretor do Programa de Estudos Conjuntos para
Integração Econômica da América Latina, realizada no Rio de Janeiro,
RJ, em fevereiro de 1976
5ª Reunião do Conselho Diretor do Programa de Estudos Conjuntoo para
Integração Econômica da América Latina, promovida pe la Universidade do
Chile, realizada em Santiago, Chile, em agosto de 1976
8.0.1.8 lª Reunião Nacional do Sistema de Informação de Documentação Agr:Lcola,
promovida pelo Ministério da Agricultura, realizada em Brasllia, DF,
de 7 a 12. 11. 76
8.0.1.9 XXV Seminário do Programa de Estudos Conjuntos para Integração Econô-
mica da América Latina, realizado no Rio de J a n· e i r o, RJ, de 27 a
31·3·76
8. 0.1.10 XXVI Seminário do Programa de Estudos Conjuntos para Integração Econô
mica da América Latina, realizado em Santi.ago, Chile, de 30.8 a 5.9oi6
8.0.1.11 Seminário Internacional de Desenvolvimento Regional, promovido pe la
Fundação João Pinheiro, realizado em Belo Horizonte, MG, de 1 a 7.8.76
8.0.1.12 Seminário Internacional sobre Sistema de Informação e Serviç08, promQ
vido pe lo Governo dos Estados Unidos, realizado nos Estados Unidos,
em novembro de 1976
8.0.1.13 111 Seminário Nacional sobre Orçamentos PÚblicos, promovido pela Se-
cretaria de Planejamento da Presidência da RepÚblica, realizado em fuI
vador, BA, de 10 a 15.10.76
8.0.1.14 11 Seminário Regional de Estudos Conjunturais, promovido pelo Banco do
Nordeste do Brasil e pela SU12erintendência do Desenvolvimento do Nor-
deste, realizado em são Luicl, MA, de 26 a 29.10.76
8.0.1.15 Seminário sobre Comercialização Agr{cola, promovido pelo Grupo Visão,
realizado em são Paulo, SP, de 31.5 a 3.6.76
8.1).1.16 Seminário sobre Índices de Preços ao Consumidor, promovido pela Uni-
versidade de são Paulo, realizado em são Paulo, SP, em dezembro de
1976
8.0.1.17 Seminário sobre Pólos Petroqu{micos Brasileiros, promovido pela Dire-
toria Consultora de Administração Ltda., realizado em são Paulo, SP,
de 9 a 13.8.76
8.0.1.18 I Simpósio Brasileiro de Desenho Industrial, promovido pela Associa-
ção Brasi leira de Desenho Industrial, pe lo Ministério da Indústri:; e do
Comércio e pelo Instituto de Organização Racional do Trabalho, reali-
zado em são Paulo, SP, de 23 a 26.5.76

P.I ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA - EPGE

8.1.1 Promoç~o

8.1.1.1 111 Simpósio de Economia, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 12 a


16.7·76

8.2.2 Participação

8.1.2.1 7º Congresso Mundial da International Association of FinanciaI


Executives Institutes, promovido pelo Instituto Brasileiro de Executi
vos Financeiros, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 18 a 21.7.76 -
8.J.?2 IV Encontro Nacional de Economia, promovido pela Associação Nacional
de Centros de Pós-Graduação em Economia, realizado em Guarujá, SP, de
8 a 10.12.76

9. INSTITUTO DE DIREITO PÚBLICO E CI~NCIA POLíTICA - INDIPO

9.0.1 Promoção

9.0.1.1 Mesa-Redonda sobre Burocracia e o Estado Moderno, realizada no Rio de


Janeiro, RJ, em 25.8.76
9.0.1.2 Mesa-Redonda sobre Estado Autoritário e Estado Totalitário, realizada
no Rio de Janeiro, RJ, em 17.9.76
9.0.1. 3 Mesa-Redonda sobre Reforma do Poder Judiciário,realizada no Rio de J~
n3iro, RJ, em 21.12.76
9.0.1.4 Mesa-Redonda sobre Socialização, Nacionalização e Estatização, reali-
zada no Rio de Janeiro, RJ, em 10.12.76
9.0.1.5 Mesa-Redonda sobre Tendências Oligárquicas das Organizações Pol{ticas
Partidárias, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 22.10.76

9.0.2 Co-promoção

9.0.2.1 11 Congresso Brasileiro de Direito Administrativo, promovido pelo Ins-


tituto Brasileiro de Direito Administrativo e pelo INDIPO, realizado
no Rio de Janeiro, RJ, de 16 a 22.7.76
88

9·0.3 Participação

9·0.3.1 X Congresso Mundial de Ciência politica, promovido pela Associação In


ternacional de Ciência politica, realizado em Edimburgo, Escócia, de
16 a 21.8.76
9·0.3.2 9 Q Congresso panamericano de Administração, promovido pela Confedera-
ção Nacional da Indústria e pelo Instituto de Organização Racional
do Trabalho, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 11 a 15.10.76

9.1 CENTRO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO DE HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA DO BRASIL


CPDOC

9.1.1 Participação

111 Congresso Brasileiro de Arquivologia, promovido pela Associação


dos Arquivistas Brasileiros, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 17 a
22.10·76
9. L 1. 2 X Congresso Mund.i3.1 de Ciência Politica, promovido pe la Associação In
ternacional de Ciência Pol{tica, realizado em Edimburgo, Escócia, de
16 a 21. 8.76
9·1.1.3 Seminário de Evolução e Modernização da Agricultura Brasileira, prom~
vido pelo Ministério da Agricultura, realizado no Rio de Janeiro, RJ,
de 7 a 9. 12 • 76
9·1.1.4 Seminário de História Oral, promovido pelo Museu Imperial de Petrópo
lis, realizado em Petrópolis, RJ, em 26 e 27.11.76
9.l.1.5 11 Seminário Nacional de Arquivos MuniCipais, promovido pela Prefeitu
ra de Niterói epe la Universidade Federal Fluminense, realizado em Ni
terói, RJ, de 2 a 6.8.76

10. INSTITUTO DE DOCUMENTAÇÃO - INDa::

10.;0.1 Co-promoção

10.0.l.1 Sessão Comemorativa do Dia das Nações Unidas, promovida pelo Centrode
Informações das Nações Unidas no Brasil e pelo INDOC, realizada no
Rio de Janeiro, RJ, em 24.10.76

10.0.2 Participação

10.0.2.1 IV Bienal Internacional do Livro, promovida pela Câmara Brasileira do


Livro, realizada em são Paulo, SP, de 13 a 22.8.76

10.1 ARQUIVO CENTRAL - Arg. C

10.1.1 Participação

10. l. 1.1 IrI Congresso Brasileiro de Arquivologia, promovido pela Associação


dos Arquivistas Brasileiros, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 17 a
22.10·76
10.1.],2 11 Seminário Nacional de Arquivos Municipais, promovido pela Univer-
sidade Federal Fluminense e pela Prefeitura de Niterói, realizado em
Niterói, RJ, de 2 a 6.8.76

10.2 EDITORA

10.2.1 Participaçio

10.2.1.1 XVI Feira da Providência, promovida pelo Banco da Providência, reali


zada no Rio de Janeiro, RJ, de 16 a 19.9.76

11. INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM EDUCAÇÃO - IESAE

11.1 Co-promoção

11.1.1 I Encontro do Ensino Superior Isolado Particular, promovido pelo Mini~


tério da Educaçio e Cultura e pelo IESAE, realizado em Belo Horizonte,
MG, de 18 a 21. 5.76
ll.l. 2 11 Encontro do Ensino Superior Isolado Particular, promovido pelo Mi-
nistério da Educação e Cultura e pelo IESAE, realizado em Porto Ale-
gre, RS, de 15 a 18.6.76
ll.1. 3 111 Encontro do Ensino Superior Isolado Particular, promovido pelo Mi-
nistério da Educação e Cultura e pelo IESAE, realizado em Piracicaba,
SP, de 13 a 16. 7 . 76
11.1.4 IV Encontro do Ensino Superior Isolado Particular, promovido pelo Mi-
nistério da Educação e Cultura e pelo IESAE, realizado em Ribeirão Pr~
to, SP, de 24 a 27. 8 • 76
11.1. 5 V Encontro do Ensino Superior Isolado Particular, promovido pelo Minis
tério da Educação e Cultura e pelo IESAE, realizado em são Paulo, SP~
de 14 a 17.9.76
11.1.6 VI Encontro do Ensino Superior Isolado Particular, promovido pelo Mi-
nistério da Educaçio e Cultura e pelo IESAE, realizado no Rio de Janei
ro, RJ, de 12 a 15.10.76
ll·1.7 VII Encontro do Ensino Superior Isolado Particular, promovido pelo Mi-
nistério da Educaçio e Cultura e pelo IESAE, realizado em Fortaleza,
CE, de 17 a 20.11.76
11.1.8 VIII Encontro do Ensino Superior Isolado Particular, promovido pelo M~
nistério da Educação e Cultura e pelo IESAE, realizado em Bras{lia,DF,
de 14 a 17.12.76

11. 2 Participação

ll.2.1 lQ Congresso Latino-Americano de Educação Montessori, realizado no Rio


de Janeiro, RJ, de 19 a 23.7.76
11.2.2 Encontro Nacional de Coordenação dos Centros de Informação Profissio -
nal, promovido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, reali-
zado no Rio de Janeiro, RJ, em 13.9.76
90

11.2.3 Encontro sobre Educação Rural, promovido pela Secretaria Geral do Mi-
nistério da Educa~ão e Cultura e pela Organização das Nações Unidas pa
ra a Educação, Ciencia e Cultura, realizado em Natal, R}r, em. 24 e
25~9·76
11. 2.4 28t Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência,
realizada em Brasilia, DF, de 7 a 14.7·76
11.2.5 I Seminário de Análise Ocupacional, promovido pelo Serviço Nacional de
Aprendizagem Industrial, realizado em são Paulo, SP, de 18 a 22.10.76
11. 2. 6 lQ Seminário de Desenvolvimento Social, promovido pela Secretaria de
Planejamento do Estado da Bahia, realizado em Salvador, ]A, de 26 a
30.7.7 6
11.2.7 I Seminário de Extensão Universitária - Região Norte, promovido pela
Universidade Federal do Maranhão, realizado em são Luis, MA, de 18 a
21.10.76
11.2.8 XXV Seminário do Programa de Estudos Conjuntos para Integração da Amé-
rica Latina, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 27 a 31.3.76
11.2.9 lQ Seminário Internacional de Pesquisa Institucional, promovido pelo
Departamento de Assuntos Universitários do Ministério da Educação e Cu.!
tura e pela Universidade de Campinas, realizado em Campinas, SP, de
26 a 30.7.76
11.2.10 Seminário Nacional para Pró-Reitores e Dirigentes de Extensão Universi
tária, promovido pelo Ministério da Educação e Cultura, pela Fundação
Universidade de Brasilia e pelo Conselho de Reitores das Universidades
Brasileiras, realizado em Brasilia, DF, de 17 a 20.9.76
11.2:11 Seminário sobre Critérios para Seleção e Reserva de Terrenos Destina-
dos: a Construções Escolares, promovido pe lo Centro Brasile ira de Cons-
truçõese Equipamentos Escolares, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de
19 a 23.7.76
11.2.12 Seminário sobre Estudos da Demanda da Mão-de-Obra Especializada, promo
vida pe lo Instituto Interamericano de Ciências Agricolas da Organizaçã~
dos Estados Americanos, realizado em Montevidéu, Ur u.g li a i, . de i a
11. 6. 76
11.2.13 11 Simpósio de Educação Rural e Familia, promovido pelo Movimento de
Educação Promocional do Esp{rito Santo, realizado em Vitória, ES, de
20 a 24.9.76
11.2.14 8Q Simpósio Nacional de Administração Escolar, realizado em Brasilia,
DF, de 8 a 13.7.76

12. INSTITUTO DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL - ISOP

12.1 Participação

12.1.1 Conferência da Organização Internacional do Trabalho, realizada em Li-


ma, Peru, em 5 e 6.4.76
12.1.2 11 Congresso de Psicopatologia Infanto-Juvenil, promovido pela Associa
ção de Psiquiatria e Psicologia da Infância e .da Adolescência do Ri~
de Janeiro, realizado no Rio de Janeiro, RJ, em abril de 1976
91

12.1 3 VI Congresso Internacional de Ergonomia, promovido pela Associação In-


ternacional de Ergonomia, realizado em Washington, Estados Unidos, de
11 a 16.7.76
12·1.4 XXI Congresso Internacional de Psicologia, promovido pela União Inter-
nacional de Psicologia Científica, realizado em Paris, França, de 18 a
25·7·76
12.1. 5 Congresso Internacional de Psicologia Transcultural, realizado em
Tilburg, Holanda, de II a 16.7.76
12.1,6 I Congresso Latino-Americano de Análise Transacional, promovido pela As
sociação Latino-Americana de Análise Transacional, realizado no Rio de
Janeiro, RJ, de 20 a 24.11.76
1 . ~ •
'I! 1º Congresso Nacional de Prevenção de Acidentes na Construção, promovi
do pelo Ministério do Trabalho, realizado em são Paulo, SP, rlp1 ,1
~:~16

12.1.8 XV Congresso Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho, promovido


pelo Ministério do Trabalho, realizado em Belo Horizonte, MG, de 10 a
15.10.76
1~.1.9 Encontro de Agentes de Profissionalização do MOBRAL, promovido pelaFun
dação Movimento Brasileiro de Alfabetização, realizado em Teresópolis,
RJ, em 5 e 6.1.76
l~. ] .10 IV Encontro do Projeto Minerva, promovido pelo Programa Nacional de T~
leducação do Ministério da Educação e Cultura, realizado no Rio de Ja-
neiro, RJ, de 14 a 16.12.76
12.1.11 11 Encontro de Psicologia, promovido pelo Centro Universitário de Bra-
sília, realizado em Brasília, DF, de 16 a 24.11.76
12.1.12 111 Seminário de Análise Transacional, promovido pela Associação Lati-
no-Americana de Análise Transacional, realizado em Buenos Aires, ArgeQ
tina, de 8 a 18.11.76
12.1.13 Seminário Latino-Americano de Rorschach, promovido pela Associação La-
tino-Americana de Rorschach, realizado em' são P a J.,1. o, Sf, de ;';0'1,
)~)·9·76

12.1.14 Seminário sobre Psico logia Industrial e Ergonomia, promovido pe la Fa-


culdade de Filosofia e Letras de Lorena, realizado em Lorena, SP, em
setembro de 1976
12.1.15 lº Simpósio Nacional de Produtividade, promovido pelo Centro de Assis-
tência Gerencial à Pequena e Média Empresa, realizado em Belo Horizon-
te, MG, em julho de 1976
12.1.16 2º Simpósio Nacional de Produtividade, promovido pelo Centro d.e Assi.ê,
tência Gerencial à Pequena e Média Empresa, realizado em Porto Alegre,
RS, em setembro de 1976
12.1.17 3 2 Simpósio Nacional de Produtividade, promovido pelo Centro de Assis-
tência Gerencial à Pequena e Média Empresa, realizado em Salvador, BA,
em dezembro de 1976

13. INSTITUTO SUPERIOR DE ESTUDOS CONTÁBEIS - ISEC

13.1 Participação

13.1 1 I Congresso Brasileiro de Treinamento e Desenvolvimento, promovido pe-


la Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento, realizado
em são Paulo, SP, de 8 a 12.11076
92

7 Q CongressoMundial da International Association of Financial


Executives Institutes, promovido pelo Instituto Brasileiro de Executi-
vos Financeiros, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 18 a 21.7.76
lQ Seminário de Treinamento e Desenvolvimento, promovido pela Associa-
ção Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento, realizado em são Pall
lo, SP, de 8 a 12.11.76
IV Simpósio Interamericano de Treinamento e Desenvolvimento, promovido
pela Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento, realiza-
do em são Paulo, SP, em outubro de 1976
93

R E S U M O

PROMOÇÃO
ÓRGÃOS E/OU PARTICIPAÇÃO TOTAL
CO-PROMOÇÃO

CONCEP 5 5
SPe 3 3
CETRHU 2 2
CNF 9 9
EBAP 2 14 16
EAESP 5 29 34
EIAP 2 2
IBRE 18 18
EPGE 1 2 3
INDIPO 6 2 8
CPDOC 5 5
INDíX 1 1 2
Arq.C 2 2
I~DF[10RA 1 1
IESAE 8 14 22
ISOP 17 17
ISEC 4 4

TOTAIS 25 128 153


95

A N E X O 6-B

CONFmNClAS, PALESTRAS E ASSEMELHADOS - 1976

1. CONSELHO DE COORDENAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA - CONCEP

1.1 Partioipação

1.1.1 Conferência sobre política Nacional, promovida pelo Centro de Cultura


Feminina, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 25.3.16
1.1.2 Conferência sobre Problemas Brasileiros, promovida pela Universidade de
Fortaleza, realizada em Fortaleza, CE, em 5.11.16
1.1.3 Conferência sobre Segurança Nacional, promovida pelo Rotary Club do Bra-
sil, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 4.1.16
1.1.4 Seminário sobre Estrutura e Organização de Congressos, promovido pelo
Centro Brasileiro de Turismo e pela Associação Brasileira de Relações
Públicas, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de 8 a 10.12.16

2. CENTRO INTERAMERICANO DE COMERCIALIZAÇÃO - CICOM

2.1 Promoção

2.1.1 Conferência sobre Aspectos Sociais de Marketing, proferida no Rio de Ja-


neiro, RJ, em 28.10.16
2.1.2 Conferência sobre Sistema de Promoção de Exportações da Inglaterra, pro-
ferida no Rio de Janeiro, RJ, em 30.10.16
2.1.3 Conferência sobre Sistemas Eoonômicos e Sistemas de Comercialização, pro-
ferida no Rio de Janeiro, RJ, em 19.8.16
2.1.4 Conferências sobre Introducción en la Comercialización Internacional,
proferidas no Rio de Janeiro, RJ, em 13 e 14.9.16
2.1.5 Conferências sobre Marketing Internacional de Produtos Básicos, proferi-
das no Rio de Janeiro, RJ, em 9, 10, 11, 12 e 13.8.16
2.1.6 Conferências sobre Negooiaciones Internacionales, proferidas no Rio de
Janeiro, RJ, em 21 e 28.10.16
2.1.1 Conferências sobre Produtos BáSicos, proferidas no Rio de Janeiro, RJ,
em 5, 6 e 1.10.16

3. COLÉGIO NOVA FRIBURGO - CNF

3.1 Promoção
3.1.1 Palestra sobre O Sudário de Turim, proferida em Nova Friburgo, RJ, em
14·4·16
3.2 Participaç~o

Palestra sobre Avaliação e Conselho de Classe, promovida pela Secreta-


ria de Educação e Cultura do Estado do Rio de Janeiro, realizada em No-
va Friburgo, RJ, em 31 5.76
3.2.2 Seminário sobre Metodologia do Ensino da Física, promovido pela Faculd~
de Santa Dorotéia, realizado em Nova Friburgo, RJ, em 24.2·76

4. ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - EBAP

4.1 Promoç~o

4.1.1 Conferência sobre Descentralizaç~o das Atividades Governamentais: As Em


presas Estatais, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 4.5.7 6
4. L 2 Conferência sobre O Desenvolvimento Urbano, Controle da Poluiç~o e Pre-
8ervaç~o do Meio-Ambiente, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 185.76

4·1. 3 Conferência sobre Economia da Saúde, realizada no Rio de Janeiro, RJ,


em 20.9.76
4· 1.4 Confer~ncia sobre Estatismo e Multinacionais, realizada no Rio de Janei
ro, R.J, em 10 6.76
4·1. 5 Conferência sobre Grupo Coordenador de Operaç~o Interligada, realizada
no Rio de Janeiro, RJ, em 28.7.76
4.1. 6 Conferência sobre Indicadores Sociais: O Caso Brasileiro, realizada no
Rio de Janeiro, RJ, em 20 5.76
4·1 7 Conferência sobre Marketlng, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em
16.6·76
4.1.8 Conferência sobre O Modelo Brasileiro d.e Desenvolvimento: Tendências da
Economia Brasileira, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em J.6·76
Conferência sobre Organizaç~o Governamental Brasi leira, realizada no Rio
de Janeiro, RJ, em 27,4,7 6
4.1.10 Conferência sobre O Papel do Instituto Nacional da Propriedade Indus-
trial - Registro de Patentes, Estimulos e Restrições e R & D no Brasil,
realizada no Rio de Janeiro, RJ, em < h.76
4.1.11 Conferência sobre O Papel das Multinacionais no Brasil, realizada no Rio
de Janeiro, RJ, em 20,,5.76
4.1.12 Conferência sobre Polltlca Agropecuária, realizada no Rio de Janeiro,
RJ, em 16. '!~ 76
4·1.13 Conferência sobre Po li tica Educacional, realizada no Rio de Janeiro,RJ~
em 27·5" 76
4·1.14 Conferência sobre Poli tica Energética, realizada no Rio de Janeiro, RJ,
em 15·6·76
4·1.15 Conferência sobre política Energética Nacional, realizada no Rio de Ja-
neiro, RJ, em 13.8,7 6
4·1.16 Conferência sobre políticas Habl tactonais e Desenvolvimento, realizada
no Rio de Janeiro, RJ, em 12.5·76
4. 1 .17 Conferência sobre Previdência Social: Viga Mestra da Proteção Social,
realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 15,6.7 6
97

4· 1.18 Conferência sobre Problemas de Formação de Mão-de-Obra numa Sociedade em


Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 14.6.76
4·1.19 Conferência sobre Programa de Investimento e Apoio Financeiro dos Ban-
cos Oficiais, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 7.6.76
4·1.20 Conferência sobre As Regiões Metropolitanas, realizada no Rio de Janei-
ro, RJ, em 13.5.76
4·1.21 Conferência sobre Relações entre Saúde e Desenvolvimento: O Enfoque Es-
trutural, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 23.8.76
4·1.22 Conferência sobre Relações Intergovernamentais, realizada no Rio de Ja-
neiro, RJ, em 29.4.76
4·1. 23 Confer~ncia sobre A Saúde no Plano Internacional, realizada no Rio de Ja
neiro, RJ, em 13.9.76 -
4·1. 24 Conferência sobre Situação Brasileira na Área de Saúde, realizada no Rio
de Janeiro, RJ, em 30.8.76
4·1.25 Conferência sobre Transporte e Estatização, realizada no Rio de Janei-
ro, RJ, em 24.6.76

4.2 Participação
4·2.1 Conferência sobre A Natureza da Formulação de políticas, promovida pela
Secretaria de Planejamento do Estado do Paraná, realizada em Curitiba,
PR, em 19.8.76
Conferência sobre Papéis e Funções do Dirigente, promovida pelo Serviço
Nacional de Aprendizagem Comercial, realizada em são Pau 1 o, SP, em
6.8.76
4·2·3 Conferência sobre A PetrObrás, promovida pela Fundação João Pinheiro,
realizada em Belo Horizonte, MG, em 24.11.76
4·2·4 Palestra sobre Desenvolvimento Institucional, promovida pela Secretaria
de Modernização e Reforma Administrativa da Secretaria de Planejamento
da Presidência da República, realizada em Brasília, DF, em 19.11.76

5. ESCO LA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP

5.1 Promoção
5·1.1 Conferência sobre Aspectos Internacionais da Crise de Energia, proferi-
da em são Paulo, SP, em 12.3.76
Conferência sobre Classificação do Sistema Cooperativista Brasileiro:
Sua Representatividade, proferida em são Paulo, SP, em 11.5.76
5.1.3 Conferência sobre Comércio Internacional e Desenvolvimento,proferida em
são Paulo, SP, em 11.3.76
5.1.4 Conferência sobre Conceito de Doutrina Cooperativista, proferida em são
Paulo, SP, em 5.5.76
Conferência sobre O Departamento de Assistência ao Cooperativismo da Se-
cretaria da Agricultura do Estado de são Paulo, proferida em são Paulo,
SP, em 12.5.76
5.1.6 Conferência sobre Desenvolvimento da China, proferida em são Paulo, SP,
em junho de 1976
98

5.1.7 Confer~ncia sobre Direitos da Co-Gestão, proferida em são Paulo, SP, em


8.10.7 6
5.1.8 Conferência sobre Educação e Nivel Sócio-Econômico: O Caso dos Alunos do
CGAP1 proferida em são Paulo, SP, em 7.10.76
5.1. 9 Conferência sobre Modo Tecnocrático de Produção, proferida em são Pau-
lo, SP, em maio de 1976
5.1.10 Conferencia sobre Natureza Juridica da Sooiedade Cooperativa e Complexi
dade dos Modelos Comparativos Emergentes, proferida em são Paulo, SP, em
25.5.76
5.1.11 Conferência sobre Planejamento do Desenvolvimento Regional: O Caso do
Nordeste, proferida em São Paulo, SP, em 7.5.76
5.1.12 Conferência sobre O Sistema de Representação das Cooperativas, proferi-
da em são Paulo, SP, em 24-5.76
5.1.13 Conferência sobre Sistema Governamental e politica Nacional do Coopera-
tivismo, proferida em são Paulo, SP, em 18.5.76
5 ·1.14 Palestra sobre Análise de Viabi li da de de Empreendimentos Imobiliários
Financiados pelo Sistema Financeiro da Habitação, proferida em são Pau-
lo, SP, em 7.5.76
J .1.15 Palestra sobre Aspectos Jurídicos de um Empreendimento Im o'bi 1 i á rio,
proferida em são Paulo, SP, em 10.11.76
5.1.16 Palestra sobre As Empresas de Desenvolvimento Imobiliário no Brasil, pr.Q.
ferida em são Paulo, SP, em 1.9.76
5.1.17 Palestra sobre Uma Exposição em um Loteamento Tipo Chácara, proferida em
são Paulo, SP, em 17.11.76
5.1.18 Palestra sobre Funcionamento Histórico do Metrô, proferida em são Pau-
lo, SP, em 5.11.76
5.1.19 Palestra sobre Histórico e Usos, proferida em são Paulo, SP, em 30.4.·76
5 •. 1.20 Palestra sobre A Nova Lei das S.A., proferida em são Paulo, SP, em
8.U.7 6
5.1.21 Palestra sob:re Planejamento e Controle da Produção, proferida em são
Paulo, SP, em 10 •.11.76
5. 1.22 Palestra sobre Poluição, proferida em são Paulo, SP, em 10.6.76
5·1.23 Palestra sobre preven'ção de Acidentes no Trabalho, proferida em são Pa.1l
lo, SP, em 7.10.76
5.1. 24 Palestra sobre O Sistema Financeiro da Habitação, proferida em' são Pau-
lo, SP, em 23.4.76
Palestras sobre Economia Urbana - Tendências Recentes, proferidas em são
Paulo, SP, em 4.6 e 27.10.76
Palestras sobre A Legislação sobre o Zoneamento e Seu Impacto na Grande
são Paulo, proferidas em são Paulo, SP, em 21.5 e 25.8.76
5. L 27 Palestras sobre Marketing Imobiliário - Um Caso Real, proferidas em são
Paulo, SP, em 2.4 e 15.9.76
5.1. 28 Palestras sobre O Mercado Imobiliário na Região Centro-Sul do Pais, pro
feridas em São Paulo, SP, em 9.4 e 22.9.76
Palestras sobre O Papel do Developer Imobiliário no Brasil, proferidas
em são Paulo, SP, em 28.5 e 3.11.76
5. L 30 Palestras sobre Programação e Cont~le de Empreendimentos Imobiliários,
proferidas em são Paulo, SP, em '11.6 e 20~10.76
99

5.1.31 Palestras sobre Viabilidade Econômica de Projetos Financeiros pelo Sis-


tema Financeiro da Habitação - Casos, proferidas em são Paulo, SP, em
29.9 e 12.10.76
5.1.32 Seminário sobre Acumulação de Capital e População Ativa, realizado em
são Paulo, SP, em 29.10.76
5.1.33 Seminário sobre Agricultura e Subdesenvolvimento, realizado em são Pau-
lo, SP, em 23.8.76
5.1.34 Seminário sobre Crescimento da Empresa e Diversificação: Teoria e Evi-
dências Empiricas, realizado em são Paulo, SP, em 17.5.76
5.1.35 Seminário sobre Discussão sobre Ensino de Economia de Empresas, realiz~
do em são Paulo, SP, em 13.9.76
5.1.36 Seminário sobre Empresas Multinacionais, realizado em são Paulo, SP, em.
10·5·76
5.1.37 Seminário sobre A Evolução da Economia Brasileira, realizado em são Pa~
lo, SP, em 30.8.76
5.1.38 Seminário sobre Mark-up e Marginalismo, realizado em são Paulo, SP, em
31. 5.76
5.1.39 Seminário sobre O Método de Caso no Ensino, realizado em são Paulo, SP,
em 5.4.76
5.1.40 Seminário sobre Uma Metodologia para Análise de Mobilidade Ocupacional
em Estórias da Vida, realizado em são Paulo, SP, em 17.5.76
5.1.41 Seminário sobre A Nova Lei das Sociedades Anônimas, realizado em são PaJ!
lo , SP, em 8. 11. 76
5.1.42 Seminário sobre Pequena e Média Empresa na Estrutura Industrial Brasi-
leira - 1949/1970, realizado em são Paulo, SP, em 18.10.76
5.1.43 Seminário sobre Prefácio à Nova Economia politica, realizado em são PaJ!
lo, SP, em 16.9.76
5.1.44 Seminário sobre O Processo Decisório na Aquisição de Empresas, realiza-
do em são Paulo, SP, em 3.5.76
5.1.45 Seminário sobre Quadrat Analysis Aplicada a Problemas Urbanos, realiza-
do em São Paulo, SP, em 14.6.76
5.1.46 Seminário sobre Simulação Hidrológica por Cadeias de Markov, realiza-
do em são Paulo, SP, em 1.6.76
5.1.47 Seminário sobre Sistema Estadual de Planejamento, realizado em são Pa~
lo, SP, em 27.10.76
5.1.48 Seminário sobre Sistema Nacional de Planejamento, realizado em são Pau-
lo, SP, em 21.10.76
5.1.49 Seminário sobre O Tamanho Econômico da Empresa, realizado em são Paulo,
SP, em 7.6.76
5.1.50 Seminário sobre Técnicas Estat{sticas de Análise Multivariada, realiza-
do em são Paulo, SP, em 31.8.76

5.2 Co-promoção

5.2.1 Conferência sobre Pesquisa Operacional e suas Aplicações na Área de In-


vestimentos, promovida pela BRASILINVEST S.A. - Investimentos, Partici-
pações e Negócios e pela EAESP, realizada em são Paulo, SP, em 20.7.76
100

5.2.2 Palestra sobre Input - Output Analysis and Applications of Mathematical


Programming in Economic Planning, promovida pelo Instituto de Matemáti-
ca da Universidade de são Paulo, pela Escola de Engenharia Mauá e pela
EAESP, realizada em são Paulo, SP.

5.3 Participação

Conferência sobre A Administração e a Ideologia Tecnoburocrática, prom.Q.


vida pela Faculdade de Administração são Marcos, realizada em são Pau-
lo, SP, em 6.10.16
Conferência sobre Análise da Economia Brasileira" promovida pela Escola
Paulista de Medicina, realizada em são Paulo, SP, em 11.10.16
Conferência sobre Consumerism and Environmental Protection in Brazi 1,
promovida pelo Michigan State University Chapter, realizada nos Estados
Unidos, em 5.2>.76,
Conferência sobre As Crescentes Disparidades nos Anos 70, promovida pe-
la Pontificia Universidade Católica do Paraná, realizada em Curitiba,
PR, em 19.3~T6
5·3.5 Conferência sobre Custos Sociais, promovida pela Universidade de são PaJd;
lo, realizada em são Paulo, SP
Conferência sobre Desenvolvimento Econômico do Brasil e da China, prom.Q.
vida pela Stanford University, realizada em Stanford, Estados Unidos,em
20.5;'7'6
5·3·1 Conferência sobre Dinâmica Pol{tica e Dinâmica Agrária, promovida pela
Pontif{cia Universidade Católica de são Paulo, realizada em são Paulo,
SP, em 26,5·..,.6
5·3.8 Conferência sobre Empresas Multinacionais, promovida pela Universidade
Estadual de Campinas, realizada em Campinas, SP, em 22.3.76
Confer~ncia sobre Ensino de Administração e Ciências Sociais, promovida
pela Faculdade de Filosofia de são Caetano do Sul, realizada em são Ca~
tano do Sul, SP
5.3.10 Conferência sobre A Evolução Recente da Economia Brasileira, promovida
pela Faculdade Tibiriçá, realizada em são Paulo, SP, em 11.10.16
5.3.11 Conferência sobre A Evolução Recente da Economia Brasileira, promovida
pela Universidade Metodista de Piracicaba, realizada em Piracicaba, SP,
em 1.10.16
5·3.12 Conferência sobre Indústria Cultural, promovida pela Pontificia Univer-
sidade Católica de são Paulo, realizada em são Paulo, SP, em 1.6.76
Confer~ncia sobre Inflação e Distribuição da Renda, promovida pela Fun-
dação Santo André, realizada em Santo André, SP, em 16.9.76
Conferência sobre Inflação, Minidesvalorização, Distribuição, promovida
pela Universidade Metodista de Piracicaba, realizada em Piracicaba, SP,
em 22.10.76
5·3. 15 Conferência sobr~ O Modo Tec~oburocrático de Produ2ão, promovida pela
Universidade Catolica de Goiania, realizada em Goiania, GO, em 18.9.76
5·3.16 Conferência sobre Modo Tecnocrático de Produção, promovida pelo ~parta
mento de Fundamentos Sociais e Jur{dicos da Administração, realizada em
são Paulo, SP, em maio de 1916
Conferência sobre Pol{tica Salarial, promovida pela Pontif{cia Universi
dade Católica de são Paulo, realizada em são Paulo, SP, em 7.P·76' --
101

5.3.18 Conferência sobre Pol{tica Salarial, Inflação e Distribuição, promovida


pelo Centro Acadêmico da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, reali
zada em Ribeirão Preto, SP, em 20.10.76
5.3.19 Conferência sobre Previdência Social Municipal, promovidapeloCentro de
Estudos e Pesquisas de Administração Municipal da Secretaria do Inte-
rior do Estado de são Paulo, realizada em sâo Paulo, SP, em 26.4.76
5.3.20 Conferência sobre Problemática ttos Executivos Japoneses no Brasil, pro-
movida pela Jetro Center Trade de Sao Paulo, realizada em Sao Paulo, SP
5.3.21 Conferência sobre Seleção de Tecnologia, promovida pela Escola Politéc-
nica da Universidade de Sao Paulo, realizada em Sao Paulo, SP
5.3.22 Conferência sobre Simplificação do Trabalho no Escritório, promovida p~
la Revista Expansão, realizada em são Paulo, SP, em 17.5.76
5.3.23 Conferência sobre A Sociologia Urbana em Max Weber, promovida pela Pon-
tif{cia Universidade Católica de são Paulo, realizada em são Paulo, SP
503.24 Conferência sobre Tendências da Economia Brasileira, promovidapelaAus-
tin do Brasil, realizada em são Paulo, SP
5.3.25 Conferência sobre A Viabilidade de uma Tecnologia Intermediária, promo-
vida pela Fundação Armando Álvares Penteado, realizada em são Paulo, SP,
em 28.9.76
Palestra sobre A Administração Contábil-Financeira e a Análise do Desen
volvimento, promovida pela Associação Brasileira das Indústrias de Ali~
mentos, realizada em são Paulo, SP, em 9.4.76
5.3.27 Palestra sobre Campesinato e Sociedade Capitalista, prom0vida pela Esco
la Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, realizada em Piracicaba, SP
5-3.28 Palestra sobre Campesinato e Subordinaçao ao Capital, promovidapelaFa-
culdade de Ciências Médicas e Biologicas de Botucatu, realizada em Botu-
catu, SP
5.3.29 Palestra sobre Escola e Reprodução Social, promovida pela Pontificia Uni
versidade Católica de são Paulo, realizada em são Paulo, SP
5.3.30 Palestra sobre Extinção e Exclusão do Crédito Tributário, promovido pe-
lo Centro de Estudos e Pesquisas de Administração Municipal, da Secreta
ria do Interior do Estado de são Paulo, realizada em são Paulo, SP, e;
2b.lO·76
5.3.31 Palestra sobre A Funçao Financeira na Empresa Moderna, realizada em Be-
lo Horizonte, MG, em 23.9.16
5.3.32 Palestra sobre Operaçõe s de Open Market, promovida pe lo Ins'ti tuto Brasi
leiro de Mercado de Capitais, realizada em são Paulo, SP, em junho de
1976
5.3.33 Palestra sobre Operações de Underwriting, promovida pelo Instituto Bra-
sileiro de Mercado de Capitais, realizada em Sao Paulo, SP, em junho de
1976
5.3.34 Palestra sobre O Papel do Administrador na Administração Pública e Pri-
vada, promovida pela Fundação Universidade Federal de Mato Grosso, rea-
lizada em Cuiabã, MT, em 19.3.76
5.3.35 Palestra sobre Planejamento de Shopping Center, promovida pela Associa-
çao dos Diretores de Vendas do Brasil, realizada em são Paulo, SP, em
24.6.7 6
5.3.36 Palestra sobre A Previdência Social e os Municípios, promovida pelo Cen
tro de Estudos e Pesquisas de Administração Municipal, da Secretaria do
Interior do Estado de São Paulo, realizada em são Paulo, SP, em junho
de 197 6
102

Palestra sobre A Profissão do Administrador de Empresas, promovida pela


Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas de Marilia, realiza-
da em Marília, SP, em 30.4.76
Palestra sobre A Profissão do Técnico de Administração, promovida pela
Faculdade de Ciências Econômicas, Contábeis e Administrativas e pelo Di-
retório Acadêmico Eugênio Gudin da Universidade Mackenzie, realizada em
são Paulo, SP, em 21. 5,76
Palestra sobre Seleção de Tecnologia, promovida pela Escola Politécnica
da. Universidade de são Paulo, realizada em são Paulo, SP, em 26.8_76
5 -3·40 Palestra sobre O Sistema Financeiro Nacional, promovida pe lo Instituto
Brasi.leiro de Mercado de Capitais, realizada em são Paulo, SP, em junho
de 1976
5.3.41 Palestra sobre O Sjstema Tributário Nacional, promovida pelo Comitê de
Relações Industrjais, realizada em são Paulo, SP, em 15.3.76
5.3.42 Seminári.o sobre O Solo Criado, promovido pelo Centro de Estudos e Pes-
Cluisas de Administração Municipal, da Secretaria do Interior do Estado de
são Paulo, realizado em são Paulo, SP, em 20.6.76

6. ESC OLA INTERAMERICANA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - EIAP

6.1 Promoção

6.1.1 Conferência sobre Administração por Sistemas e o Setor Público Agrfcola,


proferida no Rio de Janeiro, RJ, em 13.8.76
6.1.2 Conferência sobre A Agroindústria no Japão, proferida no Rio de Janeiro,
RJ, em 7.10.76
6.1. 3 Conferência sobre A Amazônia, proferida no Rio de Janeiro, RJ, em
29.9.76
6·1.4 Conferência sobre Análise de Sistemas, proferida no Rio de Janeiro, RJ,
em 11.5.76
6.1.5 Conferência sobre Bolsa de Cereais, proferida no Rio de Jane iro, RJ, em
27. 8 .76
6.1.6 Conferência sobre Centrais de Abastecimento, proferida no Rio de Janei-
ro, RJ, em 4.6.76
6.1.7 Conferênc~a sobre A COBAL - Companhia Brasileira de Alimentos, proferi-
da no Rio de Janeiro, RJ, em 23.7,76
6.1.8 Conferência sobre A COLONE - Companhia de Colonização do Nordeste, pro-
ferida no Rio de Janeiro, RJ, em 15.10.76
6. L 9 Conferência sobre Comercialização da Carne, proferida no Rio de Janeiro,
RJ, em 3.8.76
6.1.10 Conferência sobre A EMBRATER - Empresa Brasileira de Assistência Técni-
ca e Extensão Rural, proferida no Rio de Janeiro, RJ, em 11.6.76
6.1.11 Conferência sobre As Escolas Comunitárias e as Tarefas de Desenvo lvimen
to, proferida no Rio de Janeiro, RJ, em 22.7.76 -
6. L 12 Conferência sobre A Experiência Agrícola de Israel, proferida no Rio de
Janeiro, RJ, em 1.10.76
103

6.1.13 Conferênoia sobre Fator do Controle e Aperfeiçoamento do Sistema Eduoa-


oional, proferida no Rio de Janeiro, RJ, em 9.11.76
6.1.14 Conferência sobre O Funoionamento da CIBRAZEM - Companhia Brasileira de
Armazenamento, proferida no Rio de Janeiro, RJ, em 3.6.76
6.1.15 Conferênoia sobre O Homem e a Transformação no Mundo Rural, proferida
no Rio de Janeiro, RJ, em 2.6.76
6.1.16 Conferênoia sobre A Importância das Téonioas de Pesquisa Bibliográfica,
proferida no Rio de Janeiro, RJ, em 16.9.16
6.1.17 Conferência sobre Modernas Tendências de Inovação na Administração PÚ-
blioa, proferida no Rio de Janeiro, RJ, em 24.9.76
6.1.18 Conferênoia sobre Planejamento do Espaço Fisico Brasileiro, proferida
no Rio de Janeiro,RJ, em 6.10.76
6.1.19 Conferênoia sobre Politioa Econômioa, proferida no Rio de Janeiro, RJ,
em 28.9.76
6.1.20 Conferênoia sobre Programa de Equipamento e Melhoramento do Ensino Supe
rior, proferida no Rio de Janeiro, RJ, em 16.11.76
6.1.21 Conferência sobre O Programa Hemisférico de Comeroialização do IICA e o
Desenvolvimento Rural Integrado, proferida no Rio de Janeiro, RJ, em
lL 10.76
6.1.22 Conferência sobre Sistemas de Capaoitação do Pessoal de Empresas Elétri
oas, proferida no Rio de Janeiro, RJ, em 27.9.76
6.1.23 Conferênoia sobre A SUDESUL - Superintendênoia do Desenvolvimento da Re
gião Sul, proferida no Rio de Janeiro, RJ, em 13.8.76 -
6.1.24 Conferência sobre A SUPLAN - Subseoretaria de Planejamento e Orçamento
do Ministério da Agrioul tura, proferida no Rio de Jane iro, RJ, em
15.10.76
6.1.25 Conferênoia sobre Universidade Brasileira e Reforma Universitária, pro-
ferida no Rio de Janeiro, RJ, em 4.11.76
6.1.26 Conferências sobre Administração de Sistemas de Educação Superior, pro-
feridas no Rio de Janeiro, RJ, em 20, 21 e 22.10.76
6. L 27 Conferênoias sobre Análises do Modelo Tributário, proferidas no Rio de
Janeiro, RJ, em 20, 21, 22 e 23.9.76
6.1.28 Conferênoias sobre Avaliação de Projetos de Eduoação Superior, proferi-
das no Rio de Janeiro, RJ, em 29.11 e 1.12.16
6.1.29 Conferênoias sobre Comerciali~ação Agrícola, proferidas no Rio de Janei
ro, RJ, em 1 e 2.1, 16 e 17.9.76
6.1.30 Conferênoias sobre Controle da Gestão - A Experiênoia da Corporação de
Fomento da Produção, proferidas no Rio de Janeiro, RJ, em 13, 14 "r
15·l0·76
6.1.31 Conferênoias sobre Correção Monetária, proferidas no Rio de Janeiro, RJ,
em 18, 19 e 20.8.76
6.1. 32 Conferênoias sobre Empréstimos Externos em Projetos de Eduoação Supe-
rior, proferidas no Rio de Janeiro, RJ, em 8, 9 e 10.11.76
6.1.33 Conferências sobre Harmonização Tributária na Comunidade Econômica Euro
péia, proferidas no Rio de Janeiro, RJ, em 20, 21, 22, 23 e 24.9.76 -
6.1.34 Conferênoias sobre Meio-Ambiente, proferidas no Rio de Janeiro, RJ, em
24, 25 e 26.8.76
6.1.35 Conferênoias sobre Organização e MétOdos, proferidas no Rio de Janeiro,
RJ, em 8 e 9.6.76
104

6.l. 36 Conferências sobre Organização Governamental Brasi leira e Reforma Admi-


nistrativa Comparada, proferidas no Rio de Janeiro, RJ, em 11 e 12,8·76
6.1.37 Conferências sobre politicas para a Implantação de um Sistema Nacional
de Educação Superior, proferidas no Rio de Janeiro, RJ, em 18 e 19.10 76
6.1.38 Conferências sobre Projetos de Capacitação a Nivel Superior, proferidas
no Rio de Janeiro, RJ, em 28.10 e 3.11.76
6. l. 39 Conferências sobre Reforma Tributária no MéxiCO, proferidas no Rio de J~
'neiro, RJ, em 6, 7, 8, 9 e 10.9·1'6
6.1.40 Conferências sobre Sistemas de Arrecadação, proferidas no Rio de Janei-
ro, RJ, em 4, 5 e 6.8·7~
6.1.41 Conferências sobre Teoria de Integração, proferidas no Rio de Janeiro,
RJ, em 13, 14, 15 e 16.9.79
6.1.42 Conferências sobre Tributação das Utilidades das Empresas Durante a In-
flação, proferidas no Rio de Janeiro, RJ, em 30,. 8"e ,3.9.76
6.1.43 Palestra sobre a Fundação Getulio Vargas, sua Estrutura e Objetivos,prQ
ferida no Rio de Janeiro, RJ, em 16.9.76
6.l.44 Seminário sobre Evolução e Modernização do Setor Agr{cola no Brasil, rea
lizado no Rio de Janeiro, RJ, de 6 a 9.12.76

7. INSTITUTO DE DIREITO PÚBLICO E CIÊNCIA POLíTICA - INDIPO

7.1 Promoção

7.1.1 Palestra sobre Controvérsias Metodológicas nas Ciências Sociais: o Fal-


so e o Permanente, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 28,5.76
7.1.2 Palestra sobre Estratégia de Investigação na Pesquisa Social: Teoria e
Prática, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 28.5.76
7. l. 3 Palestras sobre Caracteristicas da Pesquisa: Do Projeto ao Re latório,
realizadas no Rio de Janeiro, RJ, em 11.6 e 19.11.76
7.1.4 Palestras sobre O Survey corno Técnica de Pesquisa nas Ciências Sociais,
realizadas no Rio de Janeiro, RJ, em 22.9 e 10.11.76

8. INSTITUTO DE DOCUMENTAÇÃO - INDOC

8.0.1 Participação

8.0.l.l Conferência Da Biblioteconomia à Informática, proferida no I Encontro


de Encarregados de Bibliotecas da Marinha, promovido pelo Serviço de
Documentação Geral da Marinha, realizado no Rio de Janeiro, RJ, de
16 a 20 .. 8 • ':('6
105

8.1 ARQUIVO CENTRAL - Arg.C

8.1.1 Promoção

8.1.1.1 Palestra sobre Os Arquivos Americanos e Canadenses, proferida no Rio


de Janeiro, RJ, em 27-5.7'6

8.1.2 Participação

8.1. 2.1 Pale stra sobre A Escue la de Archi veros de: Córdoba., promovida pe la As s,2.
ciação dos Arquivistas Brasileiros, realizada no Rio de Janeiro, RJ,
em 1"),'. '( 6

8.2 BIBLIOTECA - Bb

8.2.1 Promoção

8.2.1.1 Palestra sobre a Biblioteca Central da Fundação Getulio Vargas, reali


zada no Rio de Janeiro, RJ, em 9.12.76

9. INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM EDUCAÇÃO - IESAE

9.1 Promoção

9·1.1 Palestra sobre Novas Abordagens sobre Problemas de Desenvolvimento, pr,2.


ferida no Rio de Janeiro, RJ, em 2EL 6. 7~

9.2 Participação

9·2.1 Seminário sobre Inserção da Educação de Adultos nas Atividades Universi


tárias, realizado no Rio de Janeiro, RJ, em ?6. '3. 7t;),

la. INSTITUTO DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL - ISOP

10.1 Promoção

10.1.1 Conferência sobre Tratamento da Informação na Memória Imediata, proferi


da no Rio de Janeiro, RJ, em 10,9.76
10.1.2 Conferências sobre Desenvolvimento da Psicologia Cognitiva Contemporâ-
nea, proferidas no Rio de Janeiro, RJ, em 13 e 14,,9·7'~
106

10.2 Participação

10.2.1 Palestra sobre Desenvolvimento de Recursos Humanos ~ promovida pe lo Ser


viço Nacional de Aprendizagem Industrial, realizada no Rio de Janeiro,
RJ, em 5. 11. 76
10.2.2 Palestra sobre Entrevista Coletiva, promovida pe la Universidade Fede-
ral do Rio de Janeiro, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 12.1. 76
10.2.3 Palestra sobre Ergonomia, promovida por FuL'nas Centrais Elétricas S.A.,
realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 13.4.76
10.2.4 Palestra sobre O Psicólogo e seu Papel, promovida pela Universidade Fe
deral do Rio de Janeiro, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em ,2.12.7 6

11. INSTITUTO SUPERIOR DE ESTUDOS CONTÁBEIS - ISEC

11.1 Participação

11.1.1 Palestra sobre A Atual Conjuntura do Pais, promovida pelo Institutolra


sileiro de Executivos Financeiros, realizada no Rio de Janeiro? RJ, em
22.10.76
11.1. 2 Pale stra sobre A Atual Situação Econômica da Alemanha e da Europa, pr.2,
movida pe lo Instituto Brasi leiro de Executivos Financeiros, realizada
no Rio de Janeiro, RJ, em 21.4.76
11.1. 3 Palestra sobre O Banco do Brasil na Execução da politica Creditícia e
Financeira do Governo, promovida pelo Instituto Brasileiro de Executi-
vos Financeiros, realizada no Rio de Janeiro, RJ, em 18.8.76
11.1.4 Palestra sobre O Dilema dos Paises em Desenvolvimento, promovida pelo
Instituto Brasileiro de Executivos Financeiros, realizada no Rio de J~
neiro, RJ, em 23.6.76
11.1. 5 Palestra sobre O Novo Sistema Financeiro do Estado do Rio de Janeiro,
promovida pe lo Instituto Brasileiro de Executivos Financeiros, realiz~
da no Rio de Janeiro, RJ, em 27.1.76
11.1.6 Palestra sobre Previsão e Planejamento em Época de Crise, promovidape
lo Instituto Brasileiro de Executivos Financeiros, realizada no Rio de
Janeiro, RJ, em 19.5.76
107

R E S U M O

PROMOÇÃO
ÓRGÃOS E/OU PARTICIPAÇlo TOTAL
CO-PROMOÇÃO

CONCEP 4 4
CICOM 7 7
CNF 1 2 3
EBAP 25 4 29
EAESP 52 42 94
EIAP 44 44
INDIPO 4 4
INDOC 1 1
Arq.C 1 1 2
Bb 1 1
IESAE 1 1 2
ISOP 2 4 6
ISEC 6 6

TOTAIS 138 203


ANEXO 7
VIAGENS REALIZADAS EM 1976

Ó R G Ã O S BRASIL EXTERIOR

1. Presidênóia- PF 1

c. Superintendência Geral - SG 2

3· Conselho de Coordenação de Ensino e Pesquisa - CONCEP 13

4. Diretoria Administrativa - DA 2
4.1 Serviço de Pessoal - SPe 1
4. 2 Superintend~ncia dos Imóveis da Fundação - SIF 9
5. Centro de Estudos e Treinamento em Recursos Humanos - CETRHU 17

6. Centro Interamericano de Comercialização - CICOM 43 19


Colégio Nova Friburgo - CNF 79
8. Escola Brasileira de Administração Pública - EBAP 81 4
9. Escola de Administração de Empresas de são Paulo - EAESP 82 10

10. Escola Interamericana de Administração Pública - EIAP 219 32


11. Instituto Brasileiro de Economia - IBRE 154 6
11.1 Escola de Pós-Graduação em Economia - EPGE 9 6

12. Instituto de Direito PÚblico e Ciência polítioa -INDIPO 2 1


12.1 Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporâ
nea do Brasil - CPDOC 3 2

13. Instituto de Documentação - INDOC 4


13.1 Arquivo Central - Arq.C 3
13.2 Editora 9
14. Instituto de Estudos Avançados em Educação - IESAE 52 1

15. Instituto de Seleção e Orientação Profissional - ISOP 34 1

16. Instituto Superior de Estudos Contábeis - ISEC 63

TOTAIS 882 82
111

ANEXO 8

VI S I T ANT E S

Numerosas autoridades, cientistas e técnicos, nacionais e estrangei-


ros, visitaram uma ou mais dependências da FGV em 1976. A lista abaixo, sem
ser exaustiva, contém os nomes da maioria dos principais visitantes.

1. PRESIDÊNCIA E SUPERINTENDÊNCIA GERAL

General Alacyr Frederico Werner - da Escola Superior de Guerra


Embaixador Alejandro Orfila - Secretário-Geral da Organização dos Estados
Americanos
Prof. Antônio Pedro de Souza Campos - Assessor do Departamento Nacional do
Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
Dr. Benevenuto dos Santos Netto - Diretor Administrativo da Companhia Bra-
sileira de Projetos Industriais
Prof. Benjamin Albagli - Presidente da Associação Brasileira de Educação
Sra. Eda Loduca - Presidente da Associação dos Ex-Alunos da EAESP
Dr. Euro Brandão - Secretário-Geral do Ministério da Educação e Cultura
Dr. José Maria de Araújo Souza - Diretor-Geral do Centro Brasileiro de Con.§.
truções e Equipamentos Escolares
Dr. luiz Paulo Fernandez Conde - Presidente do Instituto de Arquitetos do
Brasil
Sr. Iuiz Serrano - Representante da Organização dos Estados Americanos no
Rio de Janeiro
Sr. Marcelo Huergo - Chefe de Gabinete do Secretário-Geral da Organização
dos Estados Americanos
Dra. Martha Ramos - Gerente-Adjunto de Cooperação Técnica do Banco Intera-
mericano de Desenvolvimento
Dr. Pery :P'orto - Coordenador do Programa de Expansão do Ensino Médio, do
Ministério da Educação e Cultura
Sr. Peter Drucker - da American Management Association e da International
Academy of Management
Prof. Vicente de Paulo Umbelino de Souza - Assessor da Diretoria do Depar-
tamento Nacional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
Sr. William Ellis - Representante do Banco Interamericano de DesenvolvimeQ
to no Brasil

2. CENTRO DE ESTUDOS E TREINAMENTO EM RECURSOS HUMANOS - CETRHU

Dr. luiz Francisco Valente de Oliveira - Coordenador do Gabinete Técnico


da Comissão de Planejamento da Região do Norte, Portugal
112

3. CENTRO INTERAMERICANO DE COMERCIALIZAÇÃO - CICOM

Sr. Adolfo J. Girardi - Chefe do Departamento de Promoção de Exportações do


Banco da Cidade de Buenos Aires, Argentina
Dr. Affonso Celso Pastore - Superintendente de Estudos e Pesquisas da Fun-
dação Centro de Estudos em Comércio Exterior
Sr. Akira Iwaki - C~nsul Comercial do Japão
Dr. Alberto Pina Rodriguez - Diretor da Associação Comercial do Rio de Ja-
neiro
Dr. Alejandro Orfila - Secretário-Geral da Organização dos Estados Americ~
nos
Dr. Alieto Guadagni - Diretor do Instituto Argentino de Relações Interna-
cionais
Dr. Amalio Humberto Petrei - Diretor do Programa de Adestramiento en Formu
lación y Evaluación de Proyectos da Organização dos Estados Am~
ricanos
Dr. Amaro Ferreira de Oliveira - Diretor-Superintendente do Centro Brasi-
leiro de Assistência Gerencial à Pequena e Média Empresa
Sr. Edward Betzing - do Escritório de Ligação entre o Congresso dos Esta-
dos Unidos e a Organização dos Estados Americanos
Dr. Ennor de Almeida Carneiro - Secretário-Geral da Academia Brasilei-
ra de Ciência da Administração
Sr. Ian Murray - Vice-Cônsul Comercial da Inglaterra
Sr. Jack Wild - do Departamento de Auditoria e Avaliação da Organização dos
Estados Americanos, em Washington, Estados Unidos
Dr. Jorge Labarca - Assistente Especial do Secretário-Geral da Organização
dos Estados Americanos
Sr. Juan Diaz - do Escritório de Ligação entre o Congresso dos Estados Uni
dos e a Organização dos Estados Americanos
Dra. Marina Laura da Silveira Dutra - do Centro Brasileiro de Assistência
Gerencial à Pequena e Média Empresa
Dr. Néstor Lavergne - Diretor de Projetos das Nações Unidas no Peru
Dr. Pedro A. Medina - Auditor-Principal da Organização dos Estados Ameri
canos, em Washington, Estados Unidos
Dr. Renato Guzmán - Gerente-Geral da Sociedad Comercializadora Nacional
Campesina Ltda., de Santiago, Chile
Dr. Ricardo Goytea - da Honorável Sala de Representantes da Cidade de Bue-
nos Aires, Argentina
Sr. William Chum - Representante Comercial de Hong-Kong
Sr. William Wolbfeld - do Departamento de Auditoria e Avaliação da Organi-
zação dos Estados Americanos, em Washington, Estados Unidos
Dr. Yves Seghin - Diretor do Fonds 1eon Beka~rt da Bélgica
113

4. COLÉGIO NOVA FRIBURGO - CNF

Dr. Abdon Gonçalves - Deputado Federal


Dr. Amâncio Mário de Azevedo - Prefeito de Nova Friburgo, RJ
Dr. Augusto cláudio Ferreira - Juiz do Trabalho de Nova Friburgo, RJ
Dr. Cármine Antonio Savino Filho - Juiz de Direi to de são Sebastião do Al-
to, RJ
Dom Clemente Isnard - Bispo de Nova Friburgo, RJ
Dr. Fausto Lamyn de Souza - Inspetor do Ministério da Educação e Cultura
Dr. Feliciano Benedito da Costa - Deputado Estadual, Estado do Rio de Ja-
neiro
Dr. Frederico Trotta - Deputado Estadual, Estado do Rio de Janeiro
Maestro Géza George Kiszly - Diretor do Colegium Musicum
Dr. João Borges de Morais - Inspetor do Ministério da Educação e Cultura
Dr. José Carlos Coutinho - do Banco Nacional da Habitação
Dr. José Carlos de Almeida - do Departamento Nacional de Estradas de Roda-
gem
Prof~ Laudimia Trotta - Diretora do Departamento de Educação Complementar
Profl Maria Alice de Alvarenga Máximo - Assessora-Chefe de Integração Comu
nitária da Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Rio d;
Janeiro
Dra. Maria Aparecida Assunção de Souza - Diretora da Autarquia Municipal de
Ensino Superior
Profi Maria Lorena - Inspetora do Departamento de Ensino Médio da Secreta-
ria de Educação e Cultura do Estado do Rio de Janeiro
Sr. Masao Shinshi - da Japan International Cooperation Agency
Dr. Nelson França da Silva - Inspetor do Ministério da Educação e Cultura
Senador Roberto Saturnino Braga
Prof. Sílvio Fonseca - Coordenador da 8i Região da Secretaria de Educação e
Cultura do Estado do Rio de Janeiro

5. ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - EBAP

Dr. Adriano Moreira - Ex-Diretor do Instituto de Administração e Ciências


políticas de Portugal
Prof. Antônio Cirurgião - da Universidade de Connecticut, Estados Unidos
Sr. Antônio Joaquim Castro Aguiar - Assessor Técnico do Instituto Brasilei
ro de Administração Municipal
Dr. Beltrán Cova Velasquez - Presidente da Associação de Contadores e Audi
tores da Venezuela
Dr. Celso Barroso Leite - Secretário de Previd~ncia do Ministério da Previ
dência e Assistência Social
Prof. Emílio Morán - do Departamento de Antropologia da Universidade de In
diana, Estados Unidos
---- -- ---------------------------------------------------,

114

Dr. Hélio Antônio Mokarzel - Secretário de Administração do Estado do Pará


Sr. Jacinto Rêgo de Almeida - Adido Comercial da Embaixada de Portugal no
:Brasil
Sr. José Antonio Pini Martinez - Diretor Técnico do Escritório Central de
Serviço Civil de Montevidéu, Uruguai
Dr. Luiz Francisco Valente de Oliveira - Coordenador do Gabinete Técnico da
Comissão de Planejamento da Região do Norte, Portugal
Prof. Luiz Mororó - da Universidade Federal Fluminense
Sr. Néstor Lavergne - do Centro de Investigaciones Sociales sobre el Esta-
do y la Administración
Sr. Noênio Dantasle Spinola - Editor de Economia do Jornal do :Brasil
Sr. Norman Gall - Senior Associate do Carnegie Endowment for International
Peace
Sr. Paulo de Tarso Carletti - do Centro de Aperfeiçoamento do Dirigente de
Empresa
Sr. Pedro Enrique Andrien - do :Banco Internacional de Desenvolvimento
Dr. Theóphilo de Azeredo Santos - Presidente da Federação Nacional de :Ban-
cos
Dr. Yves Seghin - Diretor do Fonds Leon :Beka~rt da :Bélgica

6. ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP

Dra. Abigail de Oliveira Carvalho - do Programa Nacional de Treinamento de


Executivos, Rio de Janeiro, RJ
Prof. Adalberto Fischmann - da Universidade de são Paulo
Dr. Antônio Carlos Ned - do Programa Nacional de Treinamento de Executivos,
Rio de Janeiro, RJ
Dr. Antonio Viegas D'Ávila - da TECNI:BAN, Instituição Educativa da Espanha
Prof. :Bruce Ressler - da Latiu America Teaching Fellowships
Dr. C. M. Chadwick - Diretor Regional do Conselho :BritMico em são Paulo
Sr. Caio Gracco - da Editora :Brasiliense
Dr. Carlos Alberto :Borgneth - da Viação Aérea são Paulo
Dr. Carlos Alberto Galeotti - Diretor da Federação do Comércio do Estado de
são Paulo
Dr. Carlos Cervantes - Diretor da Arthur Andersen & Co.
Sr. Christian Meyer - da École des Hautes Études Commerciales, França
Prof. Colin Coulson - da London School of :Business, Inglaterra
Dr. Daphinis Valente- Gerente de Crédito do :Banco Central do :Brasil
Dr. Diamantjno Real - Cônsul de Portugal em são Paulo
Prof. Efrain :Barberi - Reitor da 'Jniversidade de Santa Cruz, :Bolívia
Prof. Emílio Haddad - do Ins ti tuto de Pesquisas Tecno lógicas de são Paulo
Sr. Eugenio Makartine - do :Banco Mundial, em Washington, Estados 'Jnidos
115

Dr. George Sperber - da TV-Cultura, são Paulo


Sr. Georges Pomet - Adido Cultural do Consulado da França, são Paulo
Dr. Geraldo S. Colonnese - Conselheiro da TV Educativa, são Paulo
Dr. Guilherme Dutra - do Programa Nacional de Treinamento de Executivos,lliD
de J ane iro, RJ .
Dr. Gustavo Fonck - Diretor Executivo do Conselho Latino-Americano de Dire
tores de Escolas de Administração, Colômbia
Dra. Helena Cruz Villares - Conselheira da TV Educativa, são Paulo
Dr. Hélio R. de Oliveira - do Banco Regional de Brasília, DF
Sr. Herwing Cressler - da Gessy-Lever da Áustria
Sr. J. P. Hoss - da Embaixada da França
Dr. James Hemsley - Coordenador da Central Brasileira de Casos, e Coordena
dor de Projetos do Programa de Mestrado em Administração da Co~
ordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia da Uni-
versidade Federal do Rio de Janeiro
Prof. Jean Klein - da École des Hautes Études Commerciales, França
Sra. Joan Joshi - do Institute of International Education, Estados Unidos
Dr. José Gregori - Conselheiro da TV Educativa, são Paulo
Prof. José Oleadin - Professor da Harvard University, Massachusetts, Esta-
dos Unidos
Prof.Juan Iuiz Mingo - do Instituto Superior de Emprésários, Barcelona,E.§.
panha
Sr. Juvenal Aparício - da Coca-Cola do Brasil
Sra. Karen Bone - do Institute of International Education, Estados Unidos
Dr. Leonardo Bravo - Diretor da Organização Mundial de Saúde, Genebra, Sui
ça
Dr. Luiz H. Fajardo - do Conselho Latino-Americano de Diretores de Escolas
de Administração, Colômbia
Dr. Luiz Quental - da Vigorelli do Brasil S.A.
Dr. Luiz Renato Alfano - Diretor da Arthur Andersen & Co.
Dra. Marilena Campos - do Ministério da Educação e Cultura
Sr. Michel Legendre - Embaixador da França no Brasil
Dr. Mircles Breda - Chefe de Gabinete da Seéretaria do Trabalho do Estado
de são Paulo
Dr. Octávio Gennari Neto - Presidente da Companhia de Processamento de Da-
dos do Estado de são Paulo
Dr. Oscar César Leite - Superintendente do Hospital das Clínicas de são Pa2:::,
lo
Prof. Oswaldo Sangiorgi - da Fundação Padre Anchieta, são Paulo, SP
Prof. Paulo Lemos - Coordenador do Mestrado em Administração da Coordena~
de Programas de Pós-Graduação em Engenharia da Universidade Fe-
deral do Rio de Janeiro
Prof. Peter A. Fraile - Diretor do International Management Institute da
University of Detroit, Michigan, Estados Unidos
ll6

Sr. R. Plotkin - Adido Cultural do Consulado-Geral dos Estados Unidos


Dr. Reynold Carlson - da Fundação Ford de Nova York, Estados Unidos
Dr. Richard N. Gardner - Professor da Columbia University, Ohio, Estados
Unidos
ProL Stanley Davies -da Harvard University, Massaclmsetts, Estados Unidos
Dr. Urs Schneider - Chefe de Administração do Centre d'Études Industriel-
les, Genebra, Suíça
Maestro Valter Lourenção - do Museu de Arte de são Paulo
Dr. Vasco Futcher Pereira - Embaixador de Portugal no Brasil
Prof. Vergil D. Reed - Ex-Membro da Missão da Michigan State University,
Washington, Estados Unidos
Dr. William Fullbright - do Institute of International Education, Estados
Unidos
Dr. Yves Seghin - Diretor do Fonds Leon Bekagrt da Bélgica

7. INSTITUTO BRASILEIRO DE ECONOMIA - IBRE


A

Dr. Adolpho Gomes Busse - Assessor da Presidencia da Centrais Elétricas


Brasileiras S.A.
Sr. Affonso Almiro - Diretor da Assessoria Técnica Empresarial Ltda.
Sr. Alan G. Munro - Cônsul-Geral da Grã-Bretanha
Sr. Alfredo plácido - Assistente da Superintendência de Administração Tri-
butária da Secretaria de Fazenda do Rio de Janeiro
Sr. Amaury Temporal - Diretor da Associação Brasileira de Fabricantes de
Refratários
A

Sr. Antonio Carlos Barroso de SiQueira - Secretário Executivo da Associa-


ção Brasileira de Engenharia Industrial
Sr. Antônio Sérgio Sloboda - Gerente de Serviços de Marketing da Companhia
Industrial de Papel Pirahy
General Araken de Oliveira - Presidente da Petróleo Brasileiro S.A.
Dr. Artur Pereira - Inspetor Geral de Finanças do Ministério da Fazenda
Prof. Ary Burger - Presidente do Banco de Desenvolvimento - Região Sul
Sr. Ayrton J. Grossi - Diretor. do Setor Econômico do Banco Sul Brasileiro
Sr. Ben Yeoshua Arbel - Representante da Missão de Israel
Sr. Berto Filho - Coordenador do Noticiário Econômico da TV Globo
Sr. Carlos Bulhões - Assessor da Secretaria de Planejamento do Estado de
Alagoas
Dr. Carlos de Almeida Liberal - Presidente do Conselho de Administração da
Bolsa de Valores do Rio de Janeiro
Sr. Carlos Nilo Gondim Pam~lona - Consultor Técnico do Instituto de Desen-
volvimento Economico e Gerencial
Sr. Cesare Sacchi - Diretor de Estudos Econômicos da Fiat do Brasil S.A.
117

Sr. Charles Vanhecke - Correspondente do Le Monde


Sr. Ciro de Falco - Adido Financeiro da Embaixada dos Estados Unidos
Sr. Demóstenes N. Andrade - Assessor Comercial do Consulado do Canadá no
Rio de Janeiro
Sr. Desmond Colbom - Diretor da South Africa Foundation, em Paris, França
Sr. Felipe Herrera - Coordenador do Programa de Estudos Conjuntos de In-
tegração Econ;mica da América Latina
Sr. Fernando Fróes de Carvalho - Coordenador de Planejamento do Instituto
de Planejamento Econ;mico e Social
Sr. Giuseppe Bertoli - Diretor-Gerente da Fiat do Brasil S.A.
Sr. H. Horácio Cherkassky - Presidente da Associação Paulista dos Fabric~
tes de Papel e Celulose
Dr. Hélio Fraga - Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Dr. Horácio de Mendonça - Diretor-Geral do Instituto Brasileiro de Mercado
de Capitais
Dr. Isaac Kerstenetzky - Presidente da Fundação Instituto Brasileiro de GeQ
grafia e Estatística
Dr. Jacques Huntziger - Presidente da C~mara de Comércio Francesa
Sr. Jair Paraense de Almeida Mascarenhas - Gerente de Informações Econômi-
cas do Banco Nacional do Desenvolvimento Econ;mico
Sr. Jens Frederico Ernesto Kook Weskott - Gerente-Adjunto da C~ara Teuto-
Brasileira de Comércio e Indústria
Dr. Jeová Mesquita de Araújo - Delegado da Receita Federal da 4' Região Fi.§.
cal, em João Pessoa, PB
Dr. João Proença - Diretor da Pirelli S.A. - Companhia Industrial Brasilei
ra
Dr. John H. Crimrhins - Embaixador dos Estados Unidos no Brasil
Dr. Jorge Leão Teixeira - Diretor da Revista visão
Sr. Lino Ferreira Netto - Diretor-Adjunto do Instituto Brasileiro de Admi-
nistração Municipal
Sr. Luís Carlos Cordeiro Galvão - Diretor-Presidente da Top Management
Association
Dr. Iuiz Carlos~Rodrigues - Diretor do Banco Nacional do Desenvolvimento
Econorilico
Sr. Luiz Roberto Pessegueiro - Chefe da Divisão de Estudos Econômicos da
Telecomunicações do Rio de Janeiro S.A.
Sr. Manfred Heckli - Diretor da Divisão de Planejamento Estratégico daBASF
Brasileira S.A. - Indústrias Quimicas
Sr. Manfred Mueller - Diretor Industrial da LUK do Brasil Embreagens Ltda.
Sr. Manoel Thompson Motta - Diretor da Bardella S.A.
Sr. Mário Rotberg - Assessor de Economia da Superintendência de Cadastro e
Informações Econômico-Fiscais da Secretaria de Fazenda do Esta-
do do Rio de Janeiro
Sr. Mike Lu - Diretor da BASF Brasileira S.A. - Indústrias Quimicas
Sr. Nelson Ferreira da Silva - Diretor de Geografia e Estatistica da Fund~
ção Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social do Rio ~ de
Janeiro (FIDERJ), da Secretaria de Planejamento e Coordenaçao G.§.
ral da Governadoria do Estado do Rio de Janeiro
118

Sr. Nelson Gomes Teixeira - Secretário de Fazenda do Estado de são Paulo


Dr. Paulo Salomão - Gerente de Assuntos Governamentais da Companhia Ford de
Automóveis
Sr. Pedro Valle - Assessor da Secretaria de Fazenda do Estado de Mato Gro~
so
Dr. Renan Moreira da Silva - Assessor da Presidência da Companhia Siderúr-
gica Paulista
Sr. Richard Reisfeld - Assessor de Planejamento da S.A. Tubos Brasilit
Sr. Robert A. Wall - Consultor da Price Waterhouse Peat & Co.
Dr. Ronaldo Mesquita - Secretário de Finanças do Munic{pio do Rio de Janei
ro
Sr. Satinder K. Mullick - Diretor da Divisão de Finanças da Corning Glass
Works, de Nova York, Estados Unidos
Sr. Surinder Malik - do Banco Internacional de Reconstrução e Fomento
Sr. Toro Itoh - Diretor-Presidente do Banco Sumi tomo Brasileiro
Sr. William L. K. Schwarz - Vice-Presidente da Manufacturers Hannover Trust
Company

7.1 ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA - EPGE

Prof. Allan Meltzer - da Carnegie Mellon University, Estados Unidos


Profi. Anna Luíza Ozório de Almeida - do Instituto de Planejamento Econômi-
co e Social
Prof. Arnold C. Harberger - da Princeton University e da University of
Chicago, Estados Unidos
Prof. Cláudio Contador - do Instituto de Planejamento Econômico e Social
Prof. João Sayad - da Universidade de são Paulo
Prof. Mark Nerlove - da North western University, Estados Unidos
Prof. Stephen Robock - da Universidade de Columbia, Estados Unidos

8. INSTITUTO DE DIREITO PÚBLICO E CIÊNCIA POLíTICA - INDIPO

Sr. Alde Feijó Sampaio - Ex-Professor da Faculdade de Economia e Adminis-


tração da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Dr. Cândido Motta Filho - Ministro Aposentado do Supremo Tribunal Federal
Sr. Carlos Alberto de Medina - Diretor-Substituto do Centro Latino-Americ~
no de Pesquisas em Ciências Sociais
Prof. Celso Lafer - da Universidade de são Paulo
Dr. Flávio Bauer Novelli - Procurador do Estado do Rio de Janeiro
Prof. Gladstone Chaves de Mello - da Universidade do Estado do Rio de Ja-
neiro e da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Dr. Hermes Lima - Ministro Aposentado do Supremo Tribunal Federal
Dr. Izidoro Zanotti - Secretário da Comissão Jurídica da Organização dos E~
tados Americanos
119

Sr. José Carlos Ribeiro Filho - do Centro Jurídico da Petróleo Brasileiro


S.A.
Sr. José Luiz Melo - Pesquisador do Departamento de Estudos e Pesquisas do
Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais
Prof. Madaleno Girão Barroso - da Universidade do Ceará
Dr. Olavo Tostes Filho - Desembargador do Tribunal de Justiça
Dr. Roberto Vélez Arce - Cônsul-Geral do Peru
Sr. Wilmar da Silva Rocha - Representante do Governo de Goiás

8.1 CENTRO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO DE HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA DO BRASIL -CPDOC

Sr. Antônio Otávio Cintra - da Universidade Federal de Minas Gerais


Dr. Bruce Bushey - da Fundação Ford
Dr. Bruno da Silveira - Diretor da Financiadora de Estudos e Projetos
Prof. C. Vann Woodward - da Universidade de Yale, Estados Unidos
Prof. Celso Lafer - da Universidade de são Paulo
Dr. Cleantho de Paiva Leite - Diretor do Instituto Brasileiro de Relações
Internacionais
Marechal Oswaldo Cordeiro de Farias
Dr. Daniel J. Boorstin - Diretor da Biblioteca do Congresso dos Estados U-
nidos
Dr. Felipe Herrera - Diretor do Fundo Internacional para a Promoção da Cul
tura
Prof. Frank B. Evans - do Arquivo Nacional dos Estados Unidos
Dr. George Martin Cunha - Diretor do Centro de Conservação da Nova Ingla-
terra
Sra. Janet M. Biggs - Chefe do Escritório da Biblioteca do Congresso dos :E§.
tados Unidos no Brasil
Embaixador João Batista Luzardo
Dr. José Adolfo Vencovsky - Diretor do Instituto Brasileiro de Informação
em Ciência e Tecnologia,do Conselho Nacional de Desenvolvimento
Científico e Tecnológico
Prof. Leonoardo Thompson - da Universidade de Yale, Estados Unidos
Prof. ludwig Laverhass Jr. - da Universidade da Califórnia, Los Angeles, Es
tados Unidos
Srta. Marie Louise Telich - Adido Cultural do Consulado Geral dos Estados
Unidos
Pe. Paulo Meneses - Diretor do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento
Dr. Pelúcio Ferreira - Presidente da Financiadora de Estudos e Projetos
Prof. Richard Morse - da Universidade de Yale, Estados Unidos
Prof. Thomas Skidmore - da Universidade de Wisconsin, Estados Unidos
120

9. INSTITUTO DE DOCUMENTAÇÃO - INDO C

Sr. Alfonso de Silv~ - Re~resentante da Organização das Nações Unidas para


a Educaçao, Ciencia e Cultura no Brasil
Sr. Benno Sander - Diretor da Representação da Secretaria Geral da Organi-
zação dos Estados Americanos no Brasil
Sr. Caio Tácito - Reitor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Sr. Ewaldo Correia Lima - Consultor Técnico do Programa de Estudos Conj~
tos de Integração Econômica da América Latina
Sra. Janet M. Biggs - do Escritório da Biblioteca do Congresso dos Estados
Unidos no Brasil
Sr. John B. Putnam - Diretor-Executivo da Associação das Editoras das Uni-
versidades Americanas
Sr. Jorge Eduardo Faveret - da Agir Livraria Editora
Sr. Jorge Robles - Consultor para a América Latina do Institute for Scien-
tific Information
Dr. José Adolfo Vencovsky - Diretor do Instituto Brasileiro de Informação
em Ciência e Tecnologia
Sr. José Goraieb - Secretário-Executivo da Câmara Brasileira do Livro, em
são Paulo, SP
Sr~ Léa Ribeiro da Costa - Chefe da Secretaria de Modernização Administra-
tiva do Ministério do Trabalho
Sr. Luís Antônio Jardim Gagliardi - Secretário de Informação Comercial do
Ministério das Relações Exteriores
Sr. Luís Carlos Abreu Cunha - do Centro de Informática do Ministério da
Educação e Cultura
Sr. Manoel Emílio Pereira Guilhon - Embaixador do Brasil em Lima, Peru
Sra. Odete Junqueira de Castro - da Fundação Nacional do Material Escolar
Sr. Paulo Benetti - Gerente de Planejamento da Digi tal Processamento de Da-
dos
Sr. Paulo E. B. Carneiro - Embaixador do Brasil junto à Organização das N..ê:.
ções Unidas para a Educação, Ciência e Cult~ra, em Paris
Sr. Sylvio de Abreu Neves - Assessor do United States Information Service
Sr. Zélio Valverde - Assessor Técnico do Serviço Gráfico do Senado Federal

9.1 ARQUIVO CENTRAL Arg.C

Prof'. Ana Java - da Escola de Enfermagem Ana Néri


Sra. Cinilda de Carvalho Medeiros - Chefe do Arquivo do Grupo de Estudos
para Integração da política de Transportes da Empresa Brasilei-
ra de Planejamento de Transportes
Sra. Coaracy Luana do Carmo França - da Telecomunicações do Pará S.A.
Sra. Erminda Waldina Bobone de Ninei - do Museo Provincial de Bellas Artes
Emilio A. Caraffa, de Córdoba, Argentina
121

Sra. Léa Ribeiro- Chefe da Secretaria de Modernização Administrativa do


Ministério do Trabalho
Sra. Maria do Carmo Seabra Mello - Técnica de Administração da Secretaria de
Modernização Administrativa do Ministério do Trabalho

9.2 BIBLIOTECA - Bb

Dr. Alejandro Orfila - Secretário-Geral da Organização dos Estados Ameri-


canos
Sr. Daniel J. Boorstin - Diretor da Biblioteca do Congresso dos Estados u-
nidos
Sra. Elva Greco Constanzo - Técnica do Ministério da Educação e Cultura do
Paraguai
Sra. Janet M. Biggs Bibliotecária-Chefe do Escritório da Biblioteca do
Congresso dos Estados Unidos no Brasil
Sra. Jannice de Mello Monte-Mor - Diretora da Biblioteca Nacional
Sr. Jeff Biggs - Diretor do USA Center no Rio de Janeiro
Sra. Joan Collete - Supervisora das Bibliotecas da Embaixada Americana, do
United States Information Service e dos Centros Binacionais
Dr. José Adolfo Vencovsky - Diretor do Instituto Brasileiro de Informação
em Ciência e Tecnologia
Sr. José Francisco Largaespada Torres - Reitor da Universidade Privada Au-
tônoma da Nicarágua
Capitão-de-Fragata Marcos Lages - Chefe do Setor de Documentação do Minis-
tério da Marinha
Sra. Maria Elena Villagra - Técnica do Ministério da Educação e Cultura do
Paragl.1ai
Sr. Paulo Jorge Gomes de Moraes - Técnico para Assuntos de Documentação da
Secretaria de Planejamento do Estado de Alagoas
Sra. Sofia Stete Borba - Técnica do Ministério da Educação e Cultura do Pa
raguai
Sra. Suely do C. Bellas - Chefe da Biblioteca Thomas Jefferson

10. INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM EDUCAÇÃO - IESAE

Prof t • Amélia Lacombe - da Secretaria de Educação e Cultura do Rio de Ja-


neiro
Prof. Ant~nio Gomes Pereira - Assessor de Gabinete do Departamento de As-
suntos Universitários do Ministério da Educação e Cultura
Dr. Armando Mendes - Assessor do Ministro da Educação e Cultura
Dr. Benno Sander - Assessor Técnico da Coordenação do Aperfeiçoamento de
Pessoal de Nivel Superior
Dr. Carlos Socias Schlottfeldt - do Setor de Educação do Instituto Intera
mericano de Ciências Agricolas
122

Prof~. Diva Luiza de Luca - Encarregada de Análise Ocupacional do Serviço


Nacional de Aprendizagem Industrial
Prof. Edivaldo Boaventura - da Universidade Federal da Bahia
Prof. Emanuel de Kadt - do Institute of Development Studies da University
of Sussex, Inglaterra
Prof. Geraldo Moreto - da Faculdade de Ciências e Pedagogia de Lages, SC
Prof~. Gilda Dione Delgado - da Universidade Federal Fluminense
Dr. João Gomes dos Santos - da Divisão de Recursos Humanos do Serviço Naci
onal de Aprendizagem Industrial
Dr. José Aloisio Campos - Reitor da Universidade Federal de Sergipe
Prof. José Silvério Bahia Horta - do Departamento de Educação da Pontifícia
Universidade Católica do Rio de Janeiro
Profª. Júlia Ramirez - Gerente de Programas daFundação Movimento Brasilei-
ro de Alfabetização
Profi, Lady Lina Traldi - da Universidade de são Paulo
Dr. Marco Antônio Cavalcanti da Rocha - Pró-Reitor de Pes~uisa da Universi
dade Federal do Rio Grande do Norte
Profi. Maria Tereza Neves- Chefe da Assessoria de Análise e Planejamento
da Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte, MG
Sr. Murillo Salim Félix - Encarregado Interino do Serviço de Seleção dePe~
soaI da Marinha
Dr. Orlando de Oliveira Vaz Filho - Secretário Municipal de Educação da Pr~
feitura de Belo Horizonte, MG
Prof. F'aulo da Silveira Rosas - da Universidade Federal de Pernambuco
Prof. Pierre Furter - da Universidade de Genebra, Suíça
Prof. Roberto Kant de Lima - da Universidade Federal Fluminense
Sra. Yvone Sallé - do Centre Nationale de Recherche Scientifi~ue

11. INSTITUTO DE SELEÇÃO E ORI~TTAÇÃO PROFISSIONAL - ISOP

Prof •• Ada Lía Moreno de Velaz~uez y Concepción Mujica - do Departamento de


Planejamento Educacional do Ministério da Educação e Cultura
do Paraguai
Profi. Ana Maria Machado Partes - do Programa Nacional de Teleducação
Prof. Antonio Battro - da Universidade de Buenos Aires, Argentina
Sra. Elza Campos - Psicóloga do Instltuto de Técnicas Projetivas de são Pag,
lo
Sr. Francisco de Assis Pereira de Araújo - Chefe da Divisão de Seleção da
Companhia do Metropolitano do Rio de Janeiro
ProL José Amaury Ferreira - do Programa Nacional de Teleducação
A'

Dr. José Joa~uín Seco Aguilar - Vice-Reitor Academico do Instituto Tecnoló


gico de Costa Rica
Dr. Mário Bonciani - Chefe da Divisão de Medicina do Trabalho da FUNDACENTRO
--------------------------------------------------------------------------------------
123

Profo Reinier Jo Rozestraten - da Universidade de Ribeirão Preto, SP


Sro Taunay Drumond Coelho dos Reis - do Programa Nacional de Teleducação
Profªo Zena Helman - da Universidade de Lille, França

120 INSTITUTO SUPERIOR DE ESTUDOS CONTÁBEIS - ISEC

Dro Alan Riddell - Presidente da National Association of Accountants


Drao Ana Furtado da Silveira - Diretora da Divisão de Mão-de-Obra do Minis
tério do Trabalho
Dro Arthur Mickelberg - Diretor da Fundação de Bolsas Rotativas de Estudo
Dro Cristiano Buarque Franco Neto - Diretor do Banco Bozano, Simonsen S,Ao
Profo Daniel Juckowski - Presidente da Fundação de Bolsas Rotativas de Es-
tudo
Coronel Homem de Mello - Ajudante de Ordens do Comando do 1 2 Exército
Dro Iberê Gilson - Diretor da Deloite, Haskins & Sells
Dro José Resende Peres - Secretário da Agricultura do Estado do Rio de Ja-
neiro
Dro José Tarcísio Leal - Diretor da Centrais Elétricas Brasileiras SoA0
Dro José Zavaleta - Diretor da Petrobrás Internacional SoA0
SraoMariva Costa da Cunha Siqueira - Chefe da Seção de Formação Profissio-
nal do Ministério do Trabalho
Dro Nival Garcia - Cônsul do Departamento Cul tUl'al do Ministério das Rela-
ções Exteriores
Dro Osmar Schwake - Diretor da Price Waterhouse Peat & COo
Dro Paul Richard Klien - Presidente da Transportes FINK SoA0
"
Dro Paulo Cézar Copaco Guimarães - Assessor da Presidencia da Centrais
Elétricas Brasileiras SoA0
PRESTAÇAo DE CONTAS
RELATÓRIO DO CHEFE DO SERVIÇO DE CONTABILIDADE
DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS, SOBRE OS BALANÇOS
DO EXERCíCIO DE 1976

Em conformidade com o que dispõe o artigo 31 dos nossos Estatutos, fo-


ram levantados, em 31 de dezembro de 1976, os Balanços da FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS,
relativos ao exercicio financeiro de 1976, cumprindo-nos apresentar este Relatório.

Referidos Balanços, com os quadros comparativos entre a Receita Estima-


da e a Receita Arrecadada e entre a Despesa Fixada e a Despesa Realizada, assim como
outros demonstrativos e análises compõem a Prestação de Contas a que se refere aque-
le dispositivo estatutário.

3· De acordo com a sistemática adotada, as operações realizadas pela Esco-


la de Administração de Empresas de são Paulo, (EAESP), e pelo Colégio Nova Friburgo,
(CNF), são registradas sob regime contábil autônomo, ficando a cargo do Serviço de
Contabilidade (SCt) a incorporação, mensal, ao movimento do Órgão Central.

Obedecido, pois, o critério acima indicado e incluidos os valores dos


Balanços dos Órgãos Descentralizados (EAESP e CNF), ocorre-nos evidenciar o que se
segue:

I - BALANÇO PATRIMONIAL

O total do "ATIVO" da Fundação Getúlio Vargas atingia, em 31 de dezem-


bro de 1976, a Cr$ 634.210.340,95 segundo os grupamentos que indicamos a seguir:

CR$

1) Disponível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33.988.229,95
2) Realizável a Curto Prazo •••••••••••• 32.454. 143,02
3) Realizável a Longo Prazo 64. 014. 867,81
4) Imobilizado ........................ . 4 82 .538.007,55
5) Imobilizações Patrimoniais •••••••••• 20.599-3 0 5,64
6) Penden te ........................... . 61 5.7 86 ,98
2

o Grupo 1 - Disponivel - representa os valores disponiveis da Fundação


Getúlio Vargas, conforme consta, com detalhes, nas análises anexas. Os encaixes ali
consignados foram conferidos por Comissões de Verificação, especialmente designadas,
conforme "Termo" lavrado na forma regulamentar.

No Grupo 2 - Realizável a Curto Prazo - constam os valores a realizar,


cuja especificação é encontrada nas análises de cada um dos respectivos Balanços.

No Grupo 3 - Realizável a Longo Prazo - encontram-se os Titulos de Ren-


da adquiridos para garantia do Fundo de Indenizações Trabalhistas mais parcela cor-
respondente a Depósitos Bancários Especiais.

O Grupo 4 - Imobilizado - corresponde as inversoes imobiliárias e mobi-


liárias da Fundação, segundo conta, discriminadamente, nas respectivas análises. Des
taca-se, nesse Grupo, o valor das Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional, Inali
enáveis, oriundas da doação de que trata a Lei Espeical n Q 4.887, de09.12.65, acres-
cida dos reajustamentos, observados os indices oficiais.

O Grupo 5 - Imobilizações Patrimoniais - correspondente ao valor das


construções em andamento, cuja incorporação à conta de Imóveis será feita quando ter
minarem as obras.

Em relação ao Grupo 6 - Pendente - a maior parcela corresponde a anteci


pações salariais pagas a empregados, por motivo de férias e em face da legislação tr~
balhista.

O "PASSIVO" da Fundação Getúlio Vargas está representado pelos seguin-


tes grupamentos:

1) Exigibilidades a Curto Prazo .......... Cr$ 65·206·719,22


2) Exigibilidades a Longo Prazo .......... Cr$ 58·515·749,02
3) Inexigivel •• e e • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • Cr$ 500.894·544,70
4) Pendente ....... ......................
., Cr$ 9·593.328,01

No Grupo 1 - Exigibilidades a Curto Prazo - encontram-se incluidos os


compromissos a liquidar, a maioria dos quais logo no inicio do próximo exercicio,p~
se relacionam com operações do último trimestre de 1976. Nesse Grupo também se in-
clue a parcela de Cr$ 3.802.742,53, referente ao Fundo de Publicações.
.--_--------------------------------------~~~--~~---~~~ -----

No Grupo 2 - Exigibilidades a longo Prazo - se encontra o "Fundo" esp~


cial para atender aos encargos vinculados à Leis Sociais. Completa esse Grupo a par-
cela de recursos destinada à obras em andamento.

o Inexigível - Grupo 3 - se elevava em 31 de dezembro de 1976 a Cr$ ....


500 .894.544,70.

Finalmente, sob o Grupo 4 - Pendente - estão condensados valores em sus-


penso, operações que se transferem para o exercício seguinte.

11 - BALANÇO ECONÔMICO

As Receitas da Fundação, em 1976, se elevaram a Cr$ 299.870.035,53 as-


sim distribuidas:

Receita Ordinária ·.................. . Cr$ 194.239.592,25


Receita Vinculada · .................. . Cr$ 105.630.443,28

De outro lado, as despesas atingiram a Cr$ 310.084.925,71, de acordo com


a seguinte classificação:

Despesa Ordinária ·.................. . Cr$ 204.454.482,43


Despesa Vinculada Cr$ 105.630.443,28

Através das respectivas análises, que compõem o Relatório, também se


poderá saber a origem dessas Receitas e a especificação dessas Despesas, pelos Ór-
gãos que as arrecadaram e os respectivos elementos

Pelos Valores da Receita e da Despesa, evidencia-se um defici t de Cr$ .••


10.214·890,18 para cuja cobertura foi utilizado parte do saldo da conta 241 - Patri-
A

monio.

111 - BALANÇO FINANCEIRO

As operações financeiras do exercício de 1976 se elevaram a Cr$ ....... .


716.632.535,26 de entradas e Cr$ 657.147.817,10 de sa{das. O saldo proveniente do
exercício de 1975 foi Cr$ 34.561.326,67 e o saldo que passa para o exercício de
4

1977 é Cr$ 94.046.044,83, tudo conforme consta, pormenorizadamente, dos respectivos


Bal anç os Finance iros.

IV - EXECUÇÃO ORÇM~NTÁRIA

Os quadros comparativos entre a Receita Estimada e a Arrecadada e entre


Despesa Fixada e a Realizada, constantes do Relatório, demonstram que o comportamen-
to da execução orçamentária se processou obedientemente ~s normas vigentes, embora
com o excesso de despesa em relação ~ receita, mencionado ~s fls. 4. Os créditos su
plementares abertos foram procedidos de autorizações do Conselho Diretor.

V - ANÁLISES COMPLEMENTARES

Como complementação dos dados contábeis constantes dos Balanços, anexa-


mos mais os seguintes:

Anexo I - Receita Arrecadada, segundo as fontes


Anexo 11 - Despesas Realizada, segundo os elementos
Anexo 111 - Despesa Realizada, segundo as funções e programas
Anexo IV - Despesa Realizada, segundo os programas

Em face do exposto, é de se concluir que estão sistematizadas as opera-


ções e os lançamentos de que resultaram os Balanços e os demonstrativos contábeis do
exercicio de 1976, da FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS, e, nessas condições, a Prestação de
Contas poderá ser submetida ~ alta apreciação do Conselho Diretor, atendendo ao que
determina o art. 14 de seus Estatutos.

Rio de Janeiro, RJ, 28 de janeiro de 1977

CHEFE DO
~~O~~Tr~Cv
S~R~ÇO DE CONTABILIDADE, SUBSTQ
CONTADOR - CRC-RJ 009.372-8
CPF MF 024 857 537 - 68
5
RECEITA ARRECADADA, SEGUNDO AS FONTES
~erc{cio de 1976

VALOR
FONTES %
Parcial Total
RECEITAS CORRENTES
RECEITA PATRIMONIAL
Receitas Imobiliárias
Rendas c om Alugue 1 ...................... . 292·559,02 0,15
Receitas de Valores Mobiliários
Rend a de Ti• tul os ........................ . 23.5 62 .614,61
Rendas de Depósitos Bancários •••••••••••• 4.243.781,60 27.806 -396,21 14,32
Outras Receitas Patrimoniais
Revers~es Patrimoniais ••••••••••••••••••• 473.228,39 0,24
RECEITA OPERACIONAL
Receitas de Assistência Técnica
Receitas de Conv~nios e Contratos de Assis
. . -
tencia Tecnica .......................... . 0,25
Recei tas de Pesquisas Sócio-Econômicas
Recei tas de Conv~nios e Contratos de Pes -
quisas Sócio-Econômicas •••••••••••••••.•• 582.226,00 0,30
Receitas de Órgãos Educacionais
Receitas de Anuidades e Matriculas ••••.•. 20.54 6 .809,85
Receitas de Cursos Especiais ••••••••••••• 6·906.335,76
Receitas de Apostilhas ••• •·•.• t • • • • • • • • • • • • • 5·816,84
Receitas de Órgãos Educacionais ••.•.•.•.••••• 229.103,80 27.688.066,25
Recei tas de Se1eção..,e Orientação Profission{Ü
Receitas de Seleçao e Orientaç~o ••••••••• 13·425,00
Receitas de Exames Eletroencafalográficos 31. 575,00'
Receitas de Cessão de Tostes ••••••••••••• 1·479,50 46.479,50 0,02
Receita de Serviços de Publicações
Renda de Livros e Revistas ••.•.••••••.•••••• 2.828·921·,44
Renda de Anúncios em Revistas •••••••••••• 2.711. 538, 34 2,85
Receitas Operacionais Diversas
Outras Receitas Operacionais •.•.•.••.•.•.•.••••• 0, II
TRANSFERtNCIAS CORRENTES
Subvenções e Auxílios
Subv. e Auxilios do Governo Federal ..... . 109·200.000,00 56,21
Doações e Contribuições
Doaç~es de Empresas e Instituições •••••••• 30.000,00
Contribuições de Emp. e Instituições •••••• 16.381.175,41 16.411.175,4 1 8,45
RECEITAS DIVERSAS
Bonificações e Descontos Auferidos
Diretoria Financeira ••.••.•.•••.•••••••••••.•.• 4·611,77 0,01
Receitas Eventuais
Rendas Di.versas:
Diretoria Financeira •.• •.•.••.• ••.•••.• ••••••• 573.685,88
Colégio Nova Friburgo •••••••••••• •••••••• 78 .338,40
Escola de Adm. de Empresas de são Paulo •••• 218.269,08 870.·293,36 0,48
Outras Receitas Diversas
Receitas do Restaurante:
Diretoria Financeira •••.•..•••••••••••••••• 949·431,20
Inst. de Seleção e Oriento Profissional 66·900,00
Receitas do CADEMP:
Receitas de Divs. Cursos do CADEMP ••••.• ~.591.438,05 4.607·769,25 2,34
Receitas de Refeitórios de Alunos (CNF) ••• 21.067,02 0,01
194·239·592,25
=-:::...a.==_==.;;J=====
6

DESPESAS REALIZADAS, SEGUNDO OS ELEMENTOS

Exercício de 1976

V A L OR
RUBRICAS ORÇAMENTÁRIAS %
Parcial Total

DESPESAS CORRENTES
CUSTEIO
Pessoal
Salários . e • • • • e • • " • • • o c . o o o o • • • • • • • • • • • • 110 • 261. 232 , 67
Gratificação de Função •••••••••••••••••• 56·970,00
Adicional P2r Tempo de Serviço, ••••••••• 24·973,10
Pessoal Autonomo . 10 •• li lO • o o. o 11 li 11. 11 •• li 11. 11 •• 3.153·422,99
Aulas Avulsas ... ti li ti • ID (I •••• o ••••••••••••• 1. 651. 988,74
Se~viços Extraordinários •••••••••••••••• 1.242.263,15
Diarias e ••••• O ••• OI).O •• OOOO ••••••••••••• 1. 330.430,60
Corretagens e Comissões por Cobranças ••• 1.620.831,58
Aperfe~çoamento de Pessoal .......••....• 393.602,80
Estagiarias ......... flOO., •• fJ •• O •••••••••• 801.078,37
Seleção de Pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . ·· .. ·· 88.314,52 120.625. 108,52 59,00

Material de Consumo
Artigos p/Dormitórios, Copa e Cozinha ••• 57·436,72
Artigos para Uso Médico em Laboratórios e
Enf e rm ari as ......... li ti • o o • • • • • • • • • • • • • • 35·257,51
Material de Escritório, Desenho, Escolar
e Didático ..... o •• li •• ., •••••••••••••••• li 1.860.263,76
Material de Impressao ••••••••••••••••••• 867.290 ,19
Material de Limpeza e Higiene .•••••••••• 25·251,89
Material para uso em Fotografias •••••••• 30.294,24
Material para Acondicionamento e Embal~ 57·559,81
Vestuários, Uniformes e Acessórios •••••• 33.875,9 1
G~neros Alimentícios •••••••••••••••••••• 1. 436.965,21
Combustíveis e Lubrificantes •••••••••••• 446·952,28
Artigos p/Fumantes, Bebidas e Bomboniere • 170·429,44
Outros Materiais de Consumo ••••••••••••• 716.165,94 5·737·742,90 2,81

Serviços de Terceiros
Serviços Técnicos e Administrativos Adju-
dicados a Terceiros . . . . . . . 0 •••••••••••• 1.343·564,04
Serviços de Publica2ões .••••••••• :: ••••• 628·781,05
Serviços de Impressao e Encadernaçao •••• 1.034·972,68
Reparos e Conservação de Bens Móveis •••• 605·732,10
Reparos e Conservação de Veículos ••••••• 177·226,68
Transportes e Comunicações •••••••••••••• 2.204·064,32
Passagens . . . . . . . . . . . . . . . . . 0 •••••••••••• • 1.039·392,35
Serviços de Limpeza e Higiene •.••••••••• 3-370·420,62
Força Motriz, luz e Gas ••••••••••••••••• 1. 957. 233, 01
Reparos e Conservação de Bens Imóveis ••• 1.277·487,55
Outros Serviços de Terceiros •••••••••••• 516.907,02 6,92
A TRANSPORTAR ••••••••••
7

DESPESAS REALIZADAS, SEGUNDO OS ELEMENTOS

Exercicio de 1976

V A L OR
RUBRICAS ORÇAMENTÁRIAS %
Parcial Total

Transporte •••••• 140·518.632,84

Encargos Diversos
Locação de Equipamentos ••••••••••••••••• 678·474·52
Despesas de Condomínio •••••••••••••••••• 484·770,59
Taxas de Serviços Públicos •••••••••••••• 467·263,10
Congressos, Conferências, Exposições e
Feiras ................................ . 338.236,9 8
Recepções e Homenagens •••••••••••••••••• 201·930,13
Prêmios de Seguros de Acidentes no Traba-
Ih o ................................... . 401.091,31
Prêmios de Seguros de Bens •••••••••••••• 416.003,76
Assinaturas de Órgãos Oficiais, Periódicos
e de Recortes ......................... . 106·904,73
Bolsas de Estudos ••••••••••••••••••••••• 4·180.031,52
Assistência Social a Empregados ••••••••• 2·586·708,82
Despesas Judiciais e de Cartório •••••••• 47·516,81
Provo p/o Fundo de Indenizações Traba1hi~
tas ................................... . 3.000.000,00
Quota para o Fundo
, .
de Publicações ••••••• 500.000,00
Despes as Ballcar1.as ..................... . 16.028,66
Despesas de Financiamento ••••••••••••••• 425,47
Encargos de Natureza Especial .......... . 17.050 •000 ,00
Ou tros Encargos .. e· • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • 4.503.130,33 34·980·516,73 17, II

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES
~ r
Subven20es e Aux~lios ••••••••••••••••••• 208·415,44
Previdencia Social ..................... . 15.19 0 .796,84
Fundo de Garantia do Tempo de Serviço ••• 12·537·766,98
Programa de Integração Social . . . . . . . . . . . 1.018.353,60 28.955.332,86
204·454·482,43
==============
8

DESPESAS REALIZADAS (Funções e Programas)

Exercício de 1976

UNIDADES FUNÇÕES PROGRAMAS TOTAL

DIREÇÃO SUPERIOR (DS)


Conselho Diretor (CD) ." •..•.. 60318,00 6.318,00 0,03
Presidência da Fundação (PF) •• 1. 505.242,97 1. 505.242,97 0,74
SUPERINTENDÊNCIA GERAL (SG)o ... 27·550.283,28 27.550.283,28 13,47
DIRETORIA ADMINISTRATIVA (DA) •• 17 .282.080,60 17.282.080,60 8,45
DIRETORIA FINANCEIRA (DF) •..• 40349. 8 36,74 40349·836,74 2,13
CONSELHO DE COORDENAÇÃO DE ENSI
NO E PESQUISAS (CONCEP) .•••••. 1,18
INSTITUTO BRASILEIRO DE ECONO-
MI A (IBRE ) •.•. o • • o • • o • v • • • • • • 35.866.618,48 35.866.618,48 17,54
INSTITUTO DE DIREITO PÚBLICO E
CIÊNCIA POLíTICA (INDIPO) •••• 3.271·947,83 3.271·947,83 1,60
INSTITUTO DE SElEÇÃO E ORIENTA-
çÃO PROFISSIONAL (ISOP) .••••• 12.858.244,13 12.85 8 .244,13 6,29
INSTITUTO DE DOCUMENTAÇÃO(INDOq 12.143.483,16 12.143·483,16 5,94
INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS
EM EDUCAÇÃO (IESAE) •••.•..•.• 4·304·174,23 4·304·174,23 2,10
INSTITUTO SUPERIOR DE ESTUDOS
CONTÁBEIS (ISEC) ....••.•.•••. 2.593.360,81 2.593.360,81 1,26
ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRA
çÃO PÚBLICA (EBAP) .•••.•.•••• 11.85 0 .19 2 ,44 11.85 0 .192,44 5,80
ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EM-
PRESAS DE SÃO PAULO (EAESP) .• 41.126.103,17 41.126.103,17 20,12
ESCOLA I NTERNAMERI CANA DE ADMI-
NISTRAÇÃO PÚBLICA (EIAP) o •••• 8,20
CENTRO DE ESTUDOS E TREINAMENTO
EM RECURSOS HUMANOS (CETRHU) •. 1.175·042,42 1.175·042,42 0,57
ESCOLA TÉCNICA DE COMÉRCIO (ETC 2.868.877 ,57 2.868.877,57 1,40
COrnG I ONOVA FRIBURGO (CNF) •.•. 6.277.240,37 6.277.24 0 ,37 3,07
DELEGACIA REGIONAL DE BRAS1LIA
(D'RB)"O ~••o • e
& o "
8 n "
It o "
li O ti () " •• 0,11
50·925·350,87 153·529·131,56 204.454·482,43
==========~== =======~.==~== =.~===~===.~==
9

DESPESAS REALJZADAS, SEGUNDO OS PROGRAMAS

Exercicio de 1976

V A L OR
PROGRAMAS
Parcial Total

Ensino e Pesquisas das Ciências Administrativas


Escola Brasileira de Administração Pública(EBA~ 11.788.990,44
Escola de Administração de Empresas de são Pau-
lo (EAESP) ••••• e ., ., • • • • • • • • • • 11 •••••• o • e • • • • • •• 41. 126 e 103, 17
Escola Interamericana de Administração Pública
(EIAP) ......................................... 16.778.670,28 69.693.763,89 45,40
Ensino e Pesquisas Econômicas
Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) ••••••• 34.218.821,39 22,30
Ensino e Pesquisas de Psicologia Aplicada
Instituto de Seleção e Orientação Profissional
(rsop) •••••••.••••••.••.•..••..•.•.•. 0 ••••• ., •• 12.858.244,13 8,37
Ensino e Pesquisas de Nivel Médio
Escola Técnica de Comércio (ETC) •••••••••••••• 2.868.877,57
Colégio Nova Friburgo (CNF) ••••••••••••••••••• 6.277.24 0 ,37
Ensino e Pesquisas de Recursos Humanos
Centro de Estudos e Treinamento em Recursos Hu-
manos (C'E'I'R.HU) •••• ~ ••••••••• ., •••••••• '•• ti •••••• 1.175·042,42 0,76
Documentação e Divuleação
Escola Brasileira de Administração Pública
( EBAP ) ••••••••••••••.•••••••••••••••• o • • • • & t;l • 61.202,00
Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) ••••••• 1. 647.797,09
Instituto de Documentação (INDOC-Direção) ••••• 1. 827.624,13
Instituto de Documentação (INDOC-Biblioteca) ••• 2.001.636,29
Editora da Fundação Getúlio Vargas •••••••••••• 6·911.651,73
Instituto de Documentação (INDOC-Serviço Gráfi-
co) .••••••.•••••.•..•.•.••••••.• & ••••••••••••• 930·479,01
Instituto de Documentação (INDOC-ArQuivo Cen-
traI) ....................... o • • • • e • • • • • • o • " • • 472.092,00 9,02
Ensino e Pesquisas em Educação
Instituto de Estudos Avançados em Educação
(IESAE) •••••••••••••• o-o • • • o • • • • • • • • • • • •
«I (I o e •• 4·304·174,23 2,80
Ensino e PesQuisas de Ciências Contábeis em Ni-
vel Superior
Instituto Superior de Estudos Contábeis (ISEC). 2·593-360,81 1,68
Coordenação de Ensino e Pesquisas de Ensino Mé-
dio
Conselho de Coordenação de Ensino e PesQuisas
( CON CEP) ••••••••••• to • • • • • • • ., • • • • • o • I) ••• o ••••• 2·415·176,67 1,5 8
Ensino e Pesquisas das Ciências Sociais
Instituto de Direito Público e Ciências Poli ti-
ca (INDIPO) ••••.••••••••••••••••••••••••••• li 3.271.947,83 2,13
153·529·131,56
===============
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA
Orçamento Geral
Exercicio de 1976

RECEITA DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO


RUBRICAS ORÇAMENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

,RECEITAS CORRENTES
RECEITA PATRIMONIAL
Receitas Imobiliárias
Diretoria Financeira 251. 970,00 292·559,02
Recei tas de Valores Mobiliá ~
rios
Diretoria Financeira ••• 21.890.601,00 27.806.396,21 5.915.795,21
0 •• -
Outras Receitas Patrimoniais
Diretoria Financeira •••••• 30.000,00 466.311,66 436.311,66
Escola de Administração de Em
presas de são Paulo(EAESP)~
Recei tas de Conv~nios e Contra
tos de Assist~ncia T~cnica -
Escola Brasileira de Admi-
nistração Pública ••.••.••• 163.053,01 24·495,01
Diretoria Financeira •••• 0. 56.000,00 56.000,00
Escola de Administração de Em
presas de são Paulo ••••••• -: 226·542,00 233.181,82 6.639,82
Centro de Estudos e Treinamen,
to em Recursos Humanos •••• 33.290,00 33.290,00
Recei tas de Convênios e Contra
tos de Pesquisas S06io-Econô=
micas
Instituto Brasileiro de Eco
n omi a . . . . . . . 41 ••• fi oJ •••••••• 2·710.000,00 557.2 26 ,00 2.152·774,00
Instituto de Seleção e Ori-
entação Profissional ..... . 25·000,00 25.000,00
Receitas de Órgãos Educacio-
nais
Recei tas de Anuidades e Matri
cul as ...... o ••••••••••••••

Instituto de Estudos Avança


dos em Educação •••••••••• -: 400.000,00 172.301,00 227·699,00
Instituto Superior de Estu-
dos Contábeis ••••••••••••• 548.000,00 373·575,00 174·425,00
Escola Brasileira de Admi-
nistração Pública ••••••••• 1.261.7 14,00 1.241·787,67 - 19·926,33
Escola de Administração de
Empresas de são Paulo •• 15·025_488,00 17.250.814,19 2.225.326,19
0 ••

Escola Técnica de Comércio 395·000,00 472.902,00 77.902,00


Colégio Nova Friburgo ••• 0. 1.036·467,00 1.035.429,99 - 1.037,01
Outras Receitas Operacionais
Instituto de Direito Públi-
co e Ciências politicas •• 30.000,00 30.000,00
Instituto de Documentação. 120.000,00 203·733,00 83.733,00
Instituto
. Brasileiro de Eco -....;;..

nOffila • o •• o •••••••••••• ti o ., 6.002,46 6.002,46


11

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA


Orçamento Geral
Exercicio de 1976

RECEITA DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO


RUBRICAS ORÇAMENTÁRIAS

Receitas de Cursos Especiais


Conselho de Coordenação de Ensino e
Pe s qui s as . (l • ti I) •• o •••• (I •• (I ••• Q .. 4) ••
- 105.92 6 ,76 10 5.92 6 ,76
Instituto Brasileiro de Economia •• - 68·937,00 68·937,00
Instituto de Seleção e Orientação
Profissional . li

Instituto de Documentação •••••••••


•••• CI • ti •••• ot •••••••
-
50.000,00
297·005,00 297·005,00
50.250,00 250,00
Instituto de Estudos Avançados em
Educ aç ão ............. o ..... (I I) ••• li .. - 40300,00 4·300,00
Instituto Superior de Estudos Cont..ê:.
beis ................. e ............ . 337·000,00 121. 969,00 - 215·031,00
Es<?ola Brasileira de Administração
fublica ............... fi e .......... . 60.000,00 302·575,17 242·575,17
Escola de Administração de Empresas
de são Paulo ..................... . 5·677·432,00 5·532·562,08 - 144·869,92
Es~ola_Interamericana de Administr~
ç ao fub lic a ............ " .. li ••• (I •• 410.867,00 410.867,00
Escola Técnica de Comércio •••••••• 3.900,00 3.900,00
Colégio Nova Friburgo ••••••••••••• 10.000,00 8.043,75 -
,Receitas de Apostilhas
Escol~ de Administração de Empresas
de Sao Paulo ............... ., ti ........ . 5·816,84 5·816,84
,Outras Receitas de Órgãos Educacio-
nais
Escola Brasileira de Administração
Publica ....... (I •••••••••••••••••• 24·300,00 29·080,80 4·780,80 -
Escola de Administração de Empresas
de são Paulo ..................... . - 186·439,00 186·439,00 -
Escola Técnica de Comércio •••••••• 8.000,00 8·430,00 430,00 -
Colégio Nova Friburgo ••••••••••••• 2.000,00 3.839,00 1. 839,00 -
Instituto de Estudos Avançados em
Edu c aç ao .... I) •••• ti ... t) . . . . . . . . . . . .. - 590,00 590,00 -
Instituto Superior de Estudos Con-
tábeis .............. e ............ . - 725,00 725,00 -
,RECEITAS DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO
Recei tas de Se leção e Orientação Pro
f'issional
Instituto de Seleção e Orientação
Profiss ional .. ti .. fJ e ............... . 13·425,00 13·425,00
Receitas de Exames Eletroencefalo-
gr~ficos
Instituto de Seleção e Orientação
Prof is s ional ............... Cf ••••• 20.000,00 31.575,00 11·575,00
Receitas de Cessão de Testes
Instituto de Seleção e Orientação
Profiss ional (I. ~ li li •• " f) • 11 ••• (I •• (I ••• 1. 479, 50 1·479,50
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA
Orçamento Geral
Exercício de 1976

RECEITA DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO


RUBRI CAS ORÇAMENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITAS DE SERVIÇOS DE PU
BLICAÇÕES
Rendas de Livros e Revis-
tas
Edi tora da FGV •••••••••• 2.400.000 ,00 428·921,44
Rendas de Anu.ncios em Revis-
tas
Editora da FGV Q ••••••••• 1. 290.000,00
TRANSFERÊNCIAS CORRENTES
S·.,Lbvenções e Auxílios do
Governo Federal
Dire'to:ria Financeira 00.0 109.653.483,00 109.2000000,00 - 453.4 8 3,00
Doações e Contribuições
Doações de Empresas e Ins
tituições:
Diretoria Financeira •.•• - 30.000,00 30.000,00
Contribuições de Empresas
e Instit:Üç;3es
Escola Interamericana de
Administração Pública •• 11.906.700,00 16.381.175,41 4.474.475,41
RECEITAS DIVERSAS
Bon~ficaçõese Descontos
Auferidos
Diretoria Financeira •••. 974,02
Editora da FGV •••••••••• 3.637,75
RECEITAS EVENTUAIS
Rendas Diversas
Diretoria Firlanceira ••• 552,00 563.14 8 ,46 562.596,4 6
Edi t·::>ra da FGV ••••••••• 10·537,42 10·537,42
Escola de Administração
de Empresas de S.Paul0 218.269,08 218.269,08
Colégio Nova Friburgo •• 12.600,00 78.338,40 65·738,40
Receitas de Refeitórios de
Alunos
Colégio Nova Friburgo ••• 15·100,00
Receitas de Restaurantes
Diretoria Financeira •••• 842.5 00,00 949·431,20 106·931,20
Insü t·üo. de Seleção e Ori
entação Profissional •• ~ 50.000,00 66·900,üO 16.900 ,00
(}--<.tras Receitas Diversas
Diretoria Financeira ••••
Recbitas de Cursos do CA -
DEMP •••••••.••• 0.0.00.. .1.500.000,00 3.591.438,05 2.091.438,05 -
177·924·007,00 194.239.592,25 19.73 6 .786,76 3·421.201,51
==~=====.===== ~=====~======~ ===.=~.Q===~= ~~==.===~===
13

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Direção Superior, Superintendência Geral e Diretoria Administrativa

(alinea d do Art. 31 dos Estatutos)

RECEITA DIFERENÇAS NA ARRECADAÇÃO


RUBRICAS ORÇ.AMENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

-Direção Superior-

TRANSFERÊNCIAS

Contribuição da FGV
Inicial o o • • • o 1.521. 801,00
Complementar 17 06 32,52
Suplementação 19.225,06
=;========== ======~===== =====~;==== ===========

- Superintend~ncia Geral-

Inicial...... 5.392.972,00
Complementar 23.096.358,37
Suplementação 29.472.0S
28.5 18 •802,42
Destaques 12.000,00 28.506.802,42 28.506.802,42
========;==== ============= =========== ===========

- Diretoria Administrativa-

Inicial .•••.• 19.231.505,00


Complementar 1.924.042,00
Suplementação 745-310.74
21·900.857,74
Destaques 2.9890307.20 18.911.550,54 18·911·550,54
==&=~======== =====~======; =========== ==~========
------

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA


COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA
Diretoria Financeira (DF)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

RECEITA DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO


RUBRICAS ORÇ~frÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITAS CORRENTES
Jtecei ta Patrimoni.'ll
Reoeitas Imobiliárias .000.' 251. 970,00 292.559,02 40 .589,02
Receitas de VaI. Mobiliários 21.8900601,00 6
27.806.39 ,21 5·915·795,21
Receitas Pat-:r-imoniais Diver-
sa2 8ú(}é)VOf)"V(l •• $~ ••••• fl •• 1D 30.000,00 466 -311, 66

Receita Operacion§1
Receita de Conv~nio e Contra
tos de Assistência Técnica- 56.000,00 560000,00

Doaç~es e Contribuições
Doaçõ~s de Empresas e Insti-
t'u..içoes e \) til <!l ~ O!t ~ e ... (l • o _) o ti o o • o 30.000,00 30.000,00

Receitas Diversas
Bonificações e Desoontos Au~
feridos (') ti f) o _ o. o o o 0:1 o o o c o o I!I o 974,02 974,02

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

S;~bvenções
e AJ.xílios do Go-
verno Federal ••. o . u . o • • • • o . 109.653.483,00 109.200.000,00 453·483,00
Receitas Eventu.ais
Rendas Diversas •••••••.•••• 562.59 6 ,46
Outras Receitas Diversas
Receitas de Restaurante •..• 842.500 ,00 9490431,20 106.931,20
Receitas do CADEMP " , o , o , u u 1.500.000 ,00 3·591·438,05 2.091.438,05
134·169·106,00 453.483,00

Recursos Pr~prios
Recéita Estimada .• 00 • • 000 •••••••• 134.169.106,00
Receita Arrecadada •••• 0 •• 0 ••• 0 ••• 142.956.258,62
Receita Arrecadada a Mais .••••••• 8.787.152,62
15

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Conselho de Coordenação de Ensino e Pesquisa (CONCEP)

Em 31 de dezem"bro de 1976

(alínea d do Art. 31 dos Estatutos)

R E CE I T A DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO
RUBRICAS ORÇAMENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menO;3

RECEITAS DE ÓRGÃO EDUCACIONAIS

Recei tas de Cursos Especiais - 105·926,76 105·926·76 -


============== ==::============ ============ ====.;.:::::::==-=

TRANSFERÊNCIAS

Contribuição da FGV
Inicial ..... 2.2 65.754,00
Complementar 321·359,00
Suple~nentação 18.810,47

2.605·923,47
Destaques ... 1. 220200 2.604·673,47 2.6 04. 6 73,47 - -
=====:::====== ==_===:z======;:;: ========::=== ==::==-======

Recursos Próprios

Receita Estimada •••••••..••.•


Receita Arrecadada
Receita Arrecadada a Mais •••• 105.926,76
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEIrrA ESTIMADA E A REALIZADA

InsT:ituto Brasileiro de Economia (IBRE)

Em 31 de dezembro de 1976

(alínea d do Art. 31 dos Estatutos)

RE CE I TA DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO
R1JBRICAS ORÇAMENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITAS CORRENTES

RECEITA OPERACIONAL

Receita de Convênio 8 Contra tos


dE; Pesqu.isas Sócio~Econômicas 2 710.000,00
0 557 226,00 0 2.152·774,00
Receitas de Órgãos Educacionat~
Receitas de Cursos Especiais 68.937,00 68 937,00
0

Recei tas Operacionais Diversas


Outras Receitas Operacionais 6.002,46
-
2·710.000,00.
= ••• ==.====== ========~==== ========== ============

TRANSFERÊNCIAS

Contribll.ição da FGV

Inicial ••• o c' o o 3.5n514·972~00

Complementar o. 2 o623 .J 82 ,22


Complementação 90 3.238,04
39·04L592~26
Destaques •• 000
1.107·930,00 37-933.662,26 37.933.662,26

Recursos Próprios

Recei ta Estimada" 2 710.000,00


o •••• o o ••••• 0

Receita Arrecadada 632.165,46


••• li) ') •• e e Gl •

Receita Arrecadada a Menos ••• 2.077.834,54


17

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Ins tituto de Direito Público e Ciencias Poli ticas (INDIPO)

Em 31 de dezembro de 1976
(alínea d do Art. 31 dos Estatutos)

RUBRICAS ORçAMEN'rÁRIAs RECEITA DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO

Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITAS CORRENTES

RECEITA OPERACIONAL

Receitas Operacionais Diversas


Outras Receitas Operacionais 30.000,00 30.000,00
============= ============= ===.=z=·:== ==~=====~===

TRANSFE~CIAS

Contribuição da FGV
l~i" i aI (J ~ •• " ., e _ 2.274.69 0 ,00
Complementar ••• 758·926,00
S'c~p1amentação •• 363.862,17
30397.478 1 17
Destaques •••••• 107.161,00 3.290.317,17 3.290.317,17
=======.=~=== ======:====== ========== ============

Recursos Próprios

Recei ta Estimada .• " •• " ••. " •••••• 30.000,00


Receita Arrecadada
Receita Arreoad,ada a Menos •••••• 30.000,00
18

EXECUÇÃO ORÇAMEN'J:ÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Instituto de Seleção e Orientação Profissional (ISOP)

Em 31 de dezembro de 1976

(alínea d do Art. 31 dos Estatutos)

RE CE I TA DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO
RUBRICAS ORÇAMENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITAS CORRENTES
RECEITAS OPERACIONAL
RECEITA DE PESQUISA SÓCIO-ECONÔ
MICA
Rece i ta de Convênios e Contra-
tos de Pesquisas Sócio-Econô-
mi c as •• f) •••••••••• o • G 9 • o li) • e e 25·000,00 25. 000,00
Receitas de Cursos Especiais 297·005,00 297. 005,00
RECEITA DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO
PROFISSIONAL
Re~eitas de Seleção e Orienta-
çao ....................... e e 13·425,00 13·425,00
Rec~itas de Ex. Eletroencefal0
gra.f'icos ..... o., • • • • • o • • • • • 11. 20.000~00 31.575,00 11·575,00
Receitas de Cessão de Testes 1. 479, 50 1.479,50

RECEITAS DIVERSAS
Receitas de Restaurante 50.000,00 66·900,00 16·900,00
70.000,00 435.384,50 365.384,50
===~======~~= =======z====_ =====~====== ===========

TRANSFERÊNCIAS
Contribuição da FGV
Inicial .••••• 11. 019. 649,00
Complementar • 1·953.611,00
Suplemen tação 444· 510,13
13· 417.770,13
Destaques •••• 195. 185,65 13.2 22.5 84,48 13.222·584,48

Recursos Próprios
Receita Estimada ••••••••••.••••• 70.000,00
Receita Arrecadada •• 4350384,50 0 •••••••••••

Receita Arrecadada a Mais ••••••• 365.384,50


~---------------------------------------------------------------------------------------

19

EXECUÇÃO ORÇAMEUTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Instituto de Documentação (IUDOC)

Em 31 de dezembro de 1976

(alínea d do Art. 31 dos Estatutos)

RE CE I T A DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO
RUBRICAS ORÇAMENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITAS CORRENTES
RECEITA OPERACIONAL
Receitas de Órgãos Educacionais
Receitas de Cursos Especiais 50.000,00 50.250,00 250,00
Receitas Diversas
Rendas Diversas ••••••••••••• 10·537,42
Bonificações e Desconto8 Auf~
ridos .... o8 •• () " " li) ••• ~ Q " • li! o • «J •
3.637,75
Receitas de Serviços de PUbli-
'"'
caçoes
Renda de Livros e Revistas •• 2.400.000,00 2.828.921,44 428·921,44
Rendas de AnÚncios em Revis -
tas .••...••.••••••••••••••• 1.290.000,00 203.733,00 83.733,00 -
'3.860.000,00 5.808.617,95 1.948.617,95 -
===c;==~==== =====.~===== ======~===== ==:===:====

TRANSFEIDjNC lAS

Contribuição da FGV
Inicial ........ . 7·444·718~00
Complementar .••• 2.029.165,9 2
Suplementação 659.931,9 1
10.133.815,83
Destaques •..•••• 234.581,07 9·899·234,76 9.899·234,76
============ =======~==== =======~==== ==~~=======

Recursos Próprios

Receita Estimada ••.••••••••••••• 3.860.000,00


Receita Arrecadada 5. 808. 61 7,95
Receita Arrecadada a Mais •.••••• 1. 948.617,95
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

IDS ti f;·;Jj9 de Es tudos Avançados em Educação (IESAE)

Em 31 de dezembro de 1976

(alínea d do Art. 31 dos Estatutos)

RECEITA DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO


RUBRICAS ORÇAMENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITAS CORRENTES

RECEITA OPERACIONAL

Receitas de Anaid. e Matrícu.-


las () ~ . f) • li 111 • o o o '" e e <J '" • \J .. o .. o o I) 4°°.000,00 172.301,00 - 227. 6 99,00
R8c~~tas de Cursos Especiai8 4·300,00 4·300~OO ~

O'A tras Rece i tas de Órgãos Edu


caciQnais .;J I,) "" o v v o o (I" () o,) ü o \J o I,) o 590,00 590,00 -
400 OOO,00
u 177. 191,00 4.89 0 ,00 227·699,00
==========::s== ============= ==::;====::==== ===-=======:::

TRANSFERÊNCIAS

Cons t.L Llição da FGV

3.6°4.5 14,00
Complementar .. u. 2300163 9 00
Sup1emen t;ação .... 264·226,09
4. 0 98.903,09
DestaqQes .•••••• 121:..4.3 1 ,35 3·975·471,74 3·975·471,74
==.~======== =~======3=== ==.===_==~== =======~===

Recursos Próprios
Recei ta Estimada .•. o • " u u o •••••••• 400.0 00 ,00
Receita Arrecadada 0.\)00)000 ........ 0
177. 191 2 °0
Recej ta Arrecadada a Menos "u •••• 222. 80 9,00
21

EXECUÇÃO ORçAMENirÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Insiit~to Superior de Estudos Contábeis (ISEC)

Em 31 de dezembro de 1976
(alínea d do Art. 31 dos Estatutos)

RECEITA DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO


RUBRICAS ORÇAMENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITAS CORRENTES

RECEITA OPERACIONAL
Recei tas de Órgãos Educacionais
Receitas de Anuid. e Matrícu-
las ................... o •••• 54 8 • 000 ,00 373·575,00 174·425,00
Receitas de Cursos Especiais 337·000,00 121. 969,00 215·031,00
Outras Receitas de Órgãos Edu
cacionais ................. . 725,00 7 25,00
885.000,00 496.269,00 725,00 389.45 6 ,00
=======~~=== =========~== ============ =====;=====

TRANSFERÊNCIAS

Contribuição da FGV
Inicial ..••....• 1·572.040,00
Complementar •••• 231.132,00
Suplementação ••• 55.948,89
1.859.120,89 1.859.120,89 1.859. 120,89 - -
._=-======== ======~===== ==========-= =~=~&===;==

Recursos Próprios
Receita Estimada ••••••••••.••••• 885·000,00
Receita Arrecadada .............. 496.269,00
Receita Arrecadada a Menos •••••• 388·731,00
,\,.,
1:"'/:-

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Escola Brasileira de Administração Pública (EBAP)

Em 31 de dezembro de 1976
(alínea d do Art. 31 dos Estatutos)

R E CE I T A DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO
RUBRICAS ORÇA1lIENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEIlrAS CORRENTES

RECEJTA OPERACIONAL
Receita de Assistência Técnica
Recei ta de Convênio e Contra-
tos de Assistência Técnica 138.558 ,00 24·495,01

Receitas de Órgãos Educacion§á.s


Receita de Anu.id. e Matrículas 1. 261~ 714,00 1. 241. 787,67 ,.. 19·926,33
Receitas de Cursos Especiais 60.000,00 302·575,17 242·575,17 -
Outras Receitas de Órgãos Edu
cacionais ••..•••.•••••••••• 24-300,00 29·080,80 4·780,80 -
1.484.572 9 °0 1.736.496 ,65 271.850,98 19·926,33
===::;===:õlI=:If=== ====::::========= =========== ====.=====

TRANSFERÊNCIAS

Contribuição da FGV
Inicial ••••• o • o 10·705·740,00
Complemen tar ••• 538·940,85
Suplementação •• 249·601,45
11·494.282,30
Destaques •••.•• 132.295,00 11.361.987,30 11.361·987,30
======~==~==~ ===~========= =~ •• ====:== =====~====

Recursos Próprios
Receita Estimada ..••••••••••••••• 1. 484. 572 ,00
Receita Arrecadada 1·736·496,65
Receita Arrecadada a Mais 251·924,65
0000 • • •
23

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Escola de Administra~ão de Empresas de são Paulo (EAESP)

Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art.31 dos Estatutos)

R E CE I T A DIFERENÇA NA ARRECAJJAÇÃO
RUBRICAS ORÇk~NTÁRIAS

Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITAS CORRENTES

Receita Patrimonial
Receitas Patrimoniais Diversas 6.9 16 ,73 6.9 16,73
Receita Operacional
Recei tas de Convênios de Con-
tratos de Assistência Técnica 226.542,00 233.181,82 6.639,82 -
Recei tas de Anu.idades e Matrí-
cuIas ...... ., ......... '" ... '" .. 15. 025.488,00 17.250.8 14,19 2.225·326,19 -
Receitas de Cursos Especiais 5·677·432,00 5.532.5 62 ,08 - 144·869,92
Receitas de Apostilhas •••••.. - 5·816,84 5. 816,84 -
O~tras Receitas de Órgãos Edu-
oacionais ..... 11 CI •• " • e '" • • • • " ., '" - 186·439,00 186·439,00 -
Receitas Eventuais
Rendas Diversas.............. - 218.269,08 218.269,08 -
20.929.462,00 23.433.999,74 2.649.40 7,66 144·869,92
==:=~===~==== ============= ==.======~== ===~====:~

TRANSFERÊNCIAS
Contribuição da FGV
Inicial ••••••• 18.025·239,00
Complementar •• 2.608.402,00
Suplementação 6.343.179,20
26·976.820,20
Destaques ••••• 5.843·179,20 21.133.641,00 21.133.64 1 ,00
=-=========== ============= ====-~====== ========:=

Recursos Próprios

Receita Estimada ••••••••••••••• 20.929·462,00


Receita Arrecadada •• 23.433.999,740 ••••••••••

Receita Arrecadada a Mais •••••• 2.504·537,74


24

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Escola Interamericana de Administração Pública (EIAP)

Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

R E CE I T A DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO
RUBRICAS ORÇAMENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES
Doações de Contribuições

Contribuições de Empresas e
Instituições ., • • • • • • • • • • • o o 11·906·700,00 16.381.175,41 4.474.475,4 1 -
RECEITAS CORRENTES

Receita °12eracional
Receitas de Cursos Especiais
Rece i tas de Órgãos Educacio -
nais
Receitas de Cursos Especiais - 410u867,00 410.867,00 -
110 906.700,00 16.79 2 • 042,41 4.885 -342,41 -
========::s===== =:::t;:::=~~=======::; =====a:==~===:;:; ==========

TR.ANSFERÊNCIAS

Contribuição da FGV
Inicial •••••• o (I 20337. 182 ,00
Complemen tar... 4.397·800,00
Suplementação .. 2.079·224,00
8.814.206,00
Destaques ••• o " ti 2.122.2242°° 6.691.982,00 6.69 1.982,00 - -
====;:a=:::I:::::;:===.lõII.= ======::c=a:::=-:=== ========:;==== ====:::=====

Recursos Pró12rios
Receita Estimada •••.• o ••• o •••••••• 11.906·700,00
Receita Arrecadada 16.792.042,41
Receita Arrecadada a Mais O" ••••• () o 4· 885 -342,4 1
-------------------------------------- ----------

25
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Centro de Estudos e Treinamento em Recursos Humanos (CETRHU)

Em 31 de dezembro de 1976

(alíneét. d do Art. 31 dos Estatutos)

RECEITA DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO


RUBRICAS ORÇAMENTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITAS CORRENTES

Receita Operacional
Recei ta de Conv'~nios e Contra-
tos de Assistência Técnica .• 33·290,00 33.290,00

TRANSFERÊNCIAS

Contribuição da FGV

Inicial •........ 1.202.998,00


Compleniar ...•.. 26.415,00
Suplementação ••• 40.705,34
1. 27°.118,34
Destaques •• 0.... 31.925,00 1.238.193,34 1.238.193,34
=======~==== ==~=~~======= ===~~=====~= ==~===~==~

Recursos Próprios

Recei ta Estimada ••. < • • • • • • " • • • • •~ •

Receita Arrecadada 33.290.)00


Receita Arrecadada a Ma.i s o fi • ... " Clt CI li 33.290~00
26

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Escola Técnica de Comércio (ETC)

(alínea d do Art. 31 dos Estatutos)

RECEITA DIFERENÇA NA ARRECADAÇÃO


RUBRICAS ORÇru~NTÁRIAS
Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITAS CORRENTES

Receitas de Órgãos Educacionais

Receitas de Anuidades e Matrí-


c ·ulas . lU ~ ••• ti e • I) c o • IJ " U •••• ., •• 395.00 0 ,00 472·902,00 77.9 0 2,00
Reoeitas de Cursos Especiais 3·900,00 .3.900 ,00
Outras Receitas de Órgãos Edu-
c ao i onai s .... e • ~ • ., e (l •• €I I.l •• Q o 8.000,00 8·430,00 430,00
403.000,00 485~232,OO 82.232,00 -
============= ===~====~=~== =.~===.=~=== ========~=

TRAN"SFERÊNCIAS

Contribuição da FGV

Inicial •••••.•• 2.443.]63,00


Complementar •.• 103·952,00
Suplementação •• 32·575,53
2·580.290,53
Destaques •••••• 607,00 2.579.683,53 2·579.683,53

Recursos Próprios

Receita Estimada .0 .••••........•• 403·000,00


Receita Arrecadada ............... 48 5. 2 32,00
Receita Arrecadada a Mais •••••••• 82.232,00
27

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA

COMPARATIVO ENTRE A RECEITA ESTIMADA E A REALIZADA

Colégio Nova Friburgo (CNF)

Em 31 de dezembro de 1976

(alinea d do Art. 31 dos Estatutos)

R E CE I T A DIFERENÇA NA ~ECADAÇÃO

Estimada Realizada Para mais Para menos

RECEITA CORRENTES

Receita Operacional
Recei tas de Órgãos Educacionais
Receitas de Anuidades e Matri-
culas ••••••••..••••..••••••• 1.036.467,00 1.035.429,99 1.037,01
Outras Receitas de Órgãos Edu-
cacionais .... o •••••••••••••• 2.000,00 3.839,00 1.839,00
Receitas de Cursos Especiais 10.000,00 8.043,75 1.95 6 ,25

Receitas Eventuais
Rendas Diversas •••.••••.••••. 12.600,00 78-338,40 65.738,4 0 -
Receitas de Refeitórios de Alu
nos ........................ . 15·100,00 21. 067,02 5·967,02 -
1. 076.167,00 1.146 .718,16 73·544,42 2·993,26
=-==;;;==:1==== ============ ===W==Q== ==~=====

TRANSFERÊNCIAS

Contribuição da FGV
Inicial ••••••• 4.5 8 4.55 6 ,00
Comp lemen t ar •• 891.555,00
Suplementação • 254.582,66
5·730.693,66
DestaQues 2.150,00 5.728.543,66 5·728·543,66
=~~===~===~= ==a~====~~== ========-=== ===========

Recursos Próprios

Receita Estimada ••••••.••••••••• 1.076.167,00


Receita Arrecadada •••••••••••••• 1.146.718,16
Receita Arrecadada a Mais ••••••. 70·551,16
I\)
(J)

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA


COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Orçamento Geral Consol:i.dado
Em 31 de dezembro de 1976
(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E C I F I CAç ÃO SALDOS
Crédi tos REALIZADA
Inicial
Suplementares
Total Destaques 1Suplementação Dotação

DIREÇÃO SUPERIOR (DS)


Assembléia Geral, Conselho Curador, Conselho Diretor e
Presidência da Fundação ..••.•.•...••.••..•...•..•••.... 1.521.801,001 17.632,52 1.539.433,52 - 19. 225,06 1.558.658,58 1. 511. 560,97 47.097,61

SUPERINTENDÊNCIA GERAL (SG)


Direção .•••.••••••..•• < • • • • ' " ••••••••••••••••• '., •••••• 5.392.972,00 23.096.358,37 28.489.330,37 12.000,00 29.472,05 28.506.802,42 27.55 0 • 28 3,28 956 .519,14

DIRETORIA ADMINISTRATIVA (DA)


Direçãc .......•..•••••••••.••••....•.•.•...••....•....•. 636.940,00 54.814,00 691. 754,00 - 45.055,73 736.809,73 659.178,49 77.631,24
Serviço de Pessoal .•....•.•.••••.•.•.....••••.....•..•.. 4.134.652,00 509·794,00 4.644.446,00 66.983,3 0 185.156,48 4.762.619,18 4.280.722,21 481.896,97
Servi ço de Material .•.••...••.•.............•..•........ 5.140.052,00 55·080,00 5.195.132,00 2.875.460,9 0 85.286,65 2.404.957,75 1. 511.462, 25 893.495,50
Serviço de Comunicações ...•...•.....•.••..•............. 2.614.277,00 42.223,00 2.656.500,00 - 243.600,97 2.900.100,97 2.817.474,21 62.626,76
Superintendência dos Imóveis da Fundação ...•.•.........• 5.449·911,00 1.137.834,00 6.587.7 45,00 46.100,00 142.926,08 6.684.571,08 6.603.338,17 81. 232,91
Serviço de Restaurante ...•..••.....•........•...•....... 1. 255. 6 73,00 124.297,00 1. 379.970,00 763;00 43. 284,83 1. 422.491,83 1. 409 .905, 27 12.586 ,56

Total da Diretoria Administrativa 19.231.505,001 1.924.042,00 21.155.547iOO 2.9 89.307,20 745.310,74 18,911. 550, 54 17. 282.080,60 1.6 29. 469,94
DIRETORIA FINANCEIRA (DF)
Direçãc .........•..••••••.•••••.•...•....•...•.......... 378.878,00 239.615,00 618.493,00 - 4.208,29 622.701,29 564. 829,00 57.872,29
Serviço de Orçamento ••.••.•.•••..•....•..•.••........•.. 1.188.632,00 - 1.188.632,00 - 5.760,85 1.194.392,85 966.842,49 227.550,36
Serviço de Contabilidade ..••••.............•............ 1.317.971,00 59.032,00 1. 377.003,00 - 27.835,40 1. 404.838,40 1.345.343,97 59.494,43
Serviço do PatrimOnio .••.•..••••••••........•..•........ 948.377,00 40.000,00 988.377,00 - 1.813,81 990.190,81 782.778,62 207.412,19
Tesouraria .......•••.•••.•••••.•....•.......••........•.. 635.976,00 43·973,00 679.949,00 - 19.097,71 699.046,71 690.042,66 9.004,05

Total da Diretoria Financeira ..•...........•............ 4. 469.834,00 382.620,00 4.852.454,00 - 58.716,06 4.911,170,06 4.349. 8 36,741 561. 333, 32

CONSELHO DE COORDENAÇÃO DE ENSINO E PESQUISAS (CONCEP) 2.265.754,00 321.359,00 2.587.113,00 1 250,00 18.810,47 2.604.673,47 2.415.17 6 ,67 189.496,80
INSTITUTO BRASILEIRO DE ECONOMIA (IBRE)
Comissão Diretora ...................................... . 5.357.142,00 84.361,00 5.441.503,00 255.143,00 172.277,40 5.358.637,40 4.776.754,14 581. 883, 26
Divisão de Contabilidade Social ....................... .. 9.840.829,00 725.116,00 10.5 65.945,00 28.600,00 71.039,33 10.608.384,33 10.282.377,54 326.006,79
Divisão de Estatística e Econometria .•..•..•••••....•••• 15.73 2 .090,00 1.466.281,00 17.198.371,00 295.408,00 561. 276,84 17.464.239,84 15.768.302,74 1.695.937,10
Escola de Pós-Graduação em Economia ...•..••••.•.•••••••• 7.294.911,OC 347.624,22 7.642.535,22 528.779,00 98.644,47 7. 212.400,69 5.039.184,06 2.173. 216,63

Total do Instituto Brasileiro de Economia ......•......•• 38.224.972,OC 2.623.382,22 40.848.354,22 1.107.930,00 903.238,04 40.643.662,26135.866.618,481 4.777.043,78
DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇOES AUTORIZADAS
DESPESA
E S P E C I F I C Aç ð Crédi tos SALDOS
Inicial Destaques REALIZADA
Total Suplementação Dotação
Suplementares

INSTITUTO DE DIREITO PÚBLICO E CIÊNCIA POLíTICA (INDIPO) • 2.304.690,00 758.9 26,00 3.063.616,00 107.161,00 363.862,17 3.320.317,17 3.271.947,83 48.369,34

INSTITUTO DE SELEÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL (ISOP) .••• 11. 089.649,00 1.953.611,00 13.043.260,00 195.185,65 444.510,13 13.292.584,48 12.858.244,13 434·340,35

INSTITUTO DE DOCUMENTAÇÃO (INDOC)


Direção ........... r. r.-.-r.-.-r . . . . . . . . . . : ..... -<I ........................ 2.133. 231,00 - 2.133.- 231,00 154.081,07 42.780,43 2.021.930,36 1. 827.624,13 194.306,23
Edi tora da FGV -.--.~-." ••••••.••.••. -.0-• • • r •••••••••••••••••••• 6.128.462,00 1.879.161,92 8.00'7.623,92 70.000,00 324.080,59 8.261.704,51 6.911. 651, 73 1.350.052,78
Biblioteca •••••.••••.••••••••••••••••••••.•.••••.•.•.••• 1.883.112,00 83.361,00 1.966.473,00 10.500,00 76.274,14 2.03 2.247,14 2.001.636,29 30.610,85
Serviço Gráfico '.".'.~.'.' ••.. -. '"' •••.•.• T ••••••••••••••••••••• 702.317,00 47.240,00 -749.557,00 - 193.384,16 942 .9 41 ,16 930.479,01 12.462,15
Arquivo Central .•••••...••••••••••.•••••...•••...•....•• 457.596,00 19.403,00 416'.999,00 - 23.412,59 500.411,59 472.09 2,00 28.319,59

Total do Instituto de Documentação •...•••••••••••••••••• 11. 304.718,00 2.029.165,92 13.333.883,92 234.581,07 659.931,91 13.759.234,76 12.143.483,16 1.615.751,60

INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM EDUCAÇÃO (IESAE) ••••••• 4.004.514,00 230.163,00 4.234.677,00 123.431,35 264.226,09 4.375.471,74 4.304.174,23 71. 297,51

INSTITUTO SUPERIOR DE ESTUDOS CONTÁBEIS (ISEC) .......... 2.457.040,00 231.132,00 2.688.172,00 - 55.948,89 2.744.120,89 2.593.360,81 150.760,08

ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (EBAP) .•••..•• 12.190.312,00 538.940,85 12.729.252,85 132.295,00 249.601,45 12.846.559,30 11.850.192,44 996.366,86

ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO (EAESP) • 38·954.701,00 2.608.402,00 41.563.103,00 5.843.179,20 6.343.179,20 42.063.103,00 41.126.103,17 936.999,83

ESCOLA INTERAMERICANA DE ADMINISTRAÇÃO PúBLICA (EIAP) •••• 14.243.882,00 4.397.800,00 18.641. 682,00 2,122.224,00 2.079.224,00 18.598.682,00 16.778.670,28 1.820.011,72

CENTRO DE ESTUDOS E TREINAMENTO DE RECURSOS HUMANOS (CETRHU). 1.202.998,00 26.415,00 1.2 29.413,00 31.925,00 40.705,34 1.238.193,34 1.175.042,42 63.150 ,92

ESCOLA TtCNICA DE COMtRCIO (ETC) ........................... 2.846.763,00 103.952,00 2.950.715,00 607,00 32.575,53 2.982.683,53 2.868.877,57 113.805,96

COIJ!X:nO NOVA FRIBURGO (CNF) .............................. 5.660.723,00 891.555,00 6.55 2. 278,00 2.150,00 254.582,66 6.804.710,66 6.277.240,37 527.470,29

DELEGACIA REGIONAL DE BRASíLIA (DRB) ••••••.•••••••••••.•• 207.179,00 48.473,00 2551.652,00 - 1.106,68 256.758,68 231. 589, 28 25.169,40

SOM AS .................................... 177 .574. 007 ,00 42.183.929,88 219.757.936,88 12.903.226,47 12.564.226,47 219.418.936,88 aJ4.454.482,43 14.964.454,45
DOT AÇÃO PARA INVESTIMENTOS .••••••••••••••••••••.••••••••• 350 .0°°.00

177 .924.007,00
--- ---- -

[\)
'-O
I..;J
O

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA


COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIlADA E A REALIZADA
Direção Superior (DS)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E C I F I CAÇÃO SALDOS
Crédi tos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

Direção Superior (DS)

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal ...................................................................................... 1. 203.143, 00 15.174,00 1.218.317,00 - - 1. 218. 317,00 1.208.408,15 9.908,85


Material de Consumo ••••••••...•.•••••.•.•••.•....•.•.• - - - - 17.225,06 17.225,06 15.662,56 1. 562, 50
Serviços de Terceiros •.•.•...••.••...••.....•..•.••••. 11.000,00 - 11.000,00 - - 11.000,00 2.544,00 8.456,00
Encargos Diversos •••.••..•.•.....•..••••.••••••.•.•••. 12.980,00 70,52 13.050,5 2 - - 13.050,5 2 12.626,29 424,23

TRANSFERENCIAS CORRENTES

Previdência Social ••••••••.•.•••.••.•.••••••••••••.••• 188.591,00 1. 580, 00 190.171,00 - - 190.171,00 165.688,18 24.482,82


Fundo Garantia Tempo Serviço .••••..••••..••••.•••.•••• 94.299,00 718,00 95.017,00 - 2.000,00 97.017,00 96 0 237,04 779,96
Programa de Integração Social ....................•.... 11.788,00 90,00 11.878,00 - - 11.878,00 10.394,75 1.483,25

1. 521. 801,00 17.63 2 ,5 2 1.539.433,52 - 19. 225,06 1. 558.658,58 1. 511. 560,97 47.097,61
- - - -- -- ~-
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA
COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Superintendência Geral (SG)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇOES AUTORIZADAS


DESPESA
ESPECIFICAÇÃO SALDOS
Créditos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

Superintendência Geral (SG)

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal ••••••••••••••••••••...•••••••.••••.•..•..•••.• 870.656,00 49.763,00 920 . 619,00 - - 920.619,00 914.762,34 3.856,66


Material de Consumo •..••.•..•••.••••.•••.•••.•••.•.•.• - - - - 10.722,05 10.722,05 10.722,05 -
Serviços de Terceiros .•..•.. "., .•• , •• ' .••.•••• ' •••.•• 7.200,00 - 7.200,00 - - 7.200,00 3.319,22 3.880,78
Encargos Diversos .••••... , •..•••••••• , ••••••.••. '"". 4.252.106,00 20.101.437,00 24.353,543,00 12.000,00 14.750,00 24.356.293,00 23.433.49 2 ,9 6 922.800,04

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Subvenções e Auxílios ' .... ,., •••••••• , ... , .... " .••••• 70.500,00 - 70.500,00 - - 70.500,00 69.000,00 1. 500,00
Previdência Social .........•.• ,'........•..••••• , •.•••• 114.383,00 8.759,00 123.142,00 - - 123.142,00 102.209,54 20.932,46
Fundo Garantia Tempo Serviço .•..•••••.•••.•.•••••••••• 69.268,00 2.935.901,37 3.005.1 69,37 - 4.000,00 3.009.169,17 3.008.402,31 767,06
Programa de Integração Social .••.•..••••••••.....•..•• 8.659,00 498,00 9.157,00 - - 9.157,00 8.374,86 782,14

5.392.972,00 23. 096 .358,37 28.489.330,37 12.000,00 29.472,05 28.506.802,42 27.550.283,28 956.519,14

l;J
f-'
VJ
rv

EXECUÇÃO ORÇAMENTÂRIA DA DESPESA


COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FlXACA E A-REALIZADA
Diretoria Administrativa (DA)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
ESPECIFICAÇÃO SALDOS
Créditos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

Direção

Pessoal ••••••••.••••••••••••••••.•••.•••••••••••••••••• 509.69 2 ,00 43.138,00 552.830,00 - 11,00 552.841,00 518.280,95 34.560,05
Material de Consumo •••••••••••••••••••••••••••••••••••• - - - - 6.236,73 6.236,73 6.23 6 ,73 -
SeT'!iços de Terceiros •••.•.•...•••••••••.•..••••••••••• 6.000,00 - 6.000,00 - - 6.000,00 1.246,00 4.754,00
Encargos Diversos ••••••.•.•••••••••.•••.•..•••••.•••.•• 1.937,00 199,00 2.136,00 - 38.808,00 40.944,00 22.650,73 18.293,27
Previdência Social ..................................... 74.068,00 7.593,00 81. 661,00 - - 81.661,00 64.9 25,42 16.735,58
Fundo Garantia Tempo Serviço •••••..•••••••••••••••••••• 40.215,00 3.45 2 ,00 43. 667,00 - - 43.6 67,00 41.691,58 1.975,42
Programa de Integração Social .••..••••••••.•••••••••••• 5.028,00 432,00 5.460,00 - - 5. 460 ,00 4.147,08 1.312,92

636.9 40,00 54. 814,00 691.754,00 - 45.055,73 736.809,73 659.178,49 77:631,24

Serviço de Pessoal (SPe)

Pessoal •••.•••••...••••.•••.••...•.•••.••.••••••..••.•• 1.993.660,00 179.168,00 3.172.828,00 42.983,20 64.233,30 2.194.078,00 1.811.607,66 382.470,34
Material de Consumo ••.•....••.••••.••••••••••.••••.••.• - - - - 74.6503,18 74.653,18 74.653,18 -
Serviços de Terceiros ...•...••••••••••••••••.•••••••••• 25.000,00 - 25.000,00 24.000,00 - 1.000,00 724,00 276,00
Encargos Diversos •.•••••••••••••.••••••.••.••.•••••.••• 1.620.304,00 285.756,00 1.906.060,00 - 46.270,00 1.95 2 .330,00 1.947.484,15 4.845,85
Previdência Social ••...•••••••.••••.••••.•.•....••.•..• 319.319,00 30.094,00 }49.413,00 - - 349.413,00 281.920,22 67.49 2 ,78
Fundo Garantia Tempo Serviço •••••••..•••••..•••..••••.. 156 .773,00 13.l}4,00 169.907,00 - - 169.907,00 149.377,08 20.529,92
Programa de Integração Social .......................... 19.596,00 1.642,00 21. 238, 00 - - 21.238,00 14.955,92 6.282,08

4.134.65 2,00 509.794,00 4.644.446,00 66.983,30 185.15 6 ,48 4.7 62 • 61 9,18 4.280.722,21 481.896,97
-- - - - - - ------- ----
DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇOES AUTORIZADAS
DESPESA
E S P E C I F I CA ç Ã ° Inicial
Créditos REALIZADA
SALDOS
Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

Serviço de Material (SMt)

Pessoal ••••• •-r. •••••••••••••••••••••••••••••••••••••••• 650.962,00 43.348,00 694.310,00 - - 694.310,00 693.134,12 1.175,88
Material de COIJ,S1HI!&.•••.••.••.•.•••••••••••.•••.•••.•..• 4.000.000,00 - 4.000.000,00 2.875.460,90 6.536,65 1.131. 075, 75 259.213,65 871.862,10
Serviços de Terceiro·a. .•.•.••.••••••••••••••••••••.••••• 322.350,00 - 322.350,00 - 76.75 0 ,00 399.100,00 388.355,42 10.744,58
Encargos Diverso-s ....•...•••••••••••••••••••••.••...••• 2.756,00 200,00 2.956,00 - - 2.956,00 2.800,41 155,59
Previdência SO-G-ial ....................................... 105.397,00 7.630,00 113.0 27,00 - - 113.027,00 105.015,31 8.011,69
Fundo Garantia Tempo Serviço •.••••••••••••••••••••••••• 52 .077,00 3.468,00 55.545,00 - 2.000,00 ;57. 54~, 00 57.134,98 410,02
Programa de Integração Social .......................... 5.610,00 434,00 6.9 44,00 - - 6.944,00 5. 808,36 1.135,64

5.140.052,00 55.080,00 5.195.132,00 2.875.460,90 85.286,65 2.404.957,75 1. 511. 462,25 893.495,50

Servi~o de Comunica~ões (SCm)

Pessoal •••••.••.••••.•..••••.••.••••••..••••••.••...•••• 628.354,00 33.229,00 661.583,00 - - 661.583,00 648.516,24 13.066,76


Material de Consumo .................................... 85.500,00 - 85·500,00 - 11. 541, 9'7 97.041,9'7 96 .547,27 494,70
Serviços de Terceiros ••.••.•••••••.•••••••..••.••.••••. 1.741.430,00 - 1. '741.430, 00 - 230.059,00 1. 971. 489,00 1. 911. 022,82 60.466,18
Encargos Di ,~ersos .•.••.•.••••.•.••••••...•••••.••...••• 3.120,00 153,00 3.273,00 - - 3.273,00 2.628,17 644,83
Previdência Social ...••.....•.••••.••.•••••••••.•....•• 100.294,00 5.849,00 106.143,00 - - 106.143,00 99.343,31 6.799,69
Fundo Garantia Tempo Serviço ........................... 49.404,00 2.659,00 52.063,00 - 2.000,00 54.063,00 54.020,32 42,68
Programa de Integração Social .....••.•.••••••.......... 6.175,00 333,00 6.508 ,00 - - 6.508,00 5.396,08 1.111,92

2.614.277,00 42.223,00 2.656.500,00 - 243.600,97 2.9 00 .100,97 2.817.474,21 82.626,76


_. -~---- --- -

\.J.J
IJJ
VJ
-P>

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E CI F I CAç ÃO SALDOS
Crédi tos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplemen tação Dotação
Suplementares

SUEerintendência dos Imóveis da Fundação (SIF)

Pessoal ..•.•.•.•.•••••••••...•••.•.•..•••....•..•••••.• 1.365. 622 ,00 113.604,00 1. 499.226,00 - 69.000,00 1.568.226,00 1. 552. 572, 68 15.653,3 2
Material de Consumo .••••••..•.••.•••••••••••.•••••••••• - - - - 11.826,08 11.826,08 11.826,08 -
Serviços de Terceiros ••.•.........•.•••••.•.••...•..••• 3.283.935,00 669.673,00 3.953. 608,00 26.100,00 52.100,00 3.979.608,00 3.937.378,35 42.229,65
Encargos Diversos ...•••.••••••.•••••.••.••...•••••...•• 457.697,00 299.016,00 75 6 .713,00 20.000,00 - 736.713,00 7 23.448,52 13. 264,48
Previdência Social ••••••••.•.••••••••.•.••.•••••••••••• 220.949,00 23.515,00 244.464,00 - - 244.464,00 238.471,54 5.992,46
Fundo Garantia Tempo Serviço .•••••••••••••••.••.....•.• 108.185,00 10.689,00 118.874,00 - 10.000,00 128.874,00 127.587,18 1.286,82
Programa de Integração Social ••.•.•..••••••.••..••••••• 13.5 23,00 1.337,00 14.860,00 - - 14.860,00 12.053,82 2.806,18

5.449.911,00 1.137.834,00 6.587.745,00 46.100,00 142.926 ,08 6.684.571,08 6.603.338,17 81. 232,91

Serviço de Restaurante (SRe)

Pessoal .•..•...•..•••.••••••••......•••••••.•..•..•••.• 356 . 46 6,00 26.991,00 383.457,00 - 600,00 384.057,00 380.854,64 3. 202,36
Material de Consumo .•...•....••..••..••........••.•.•.• 806.850,00 90.000,00 89 6 . 850 ,00 763,00 40.521,83 936.608,83 934.065,56 2.543,27
Serviços de Terceiros .••......••.•.•••.•••.••••••••••.• 1.000,00 - 1. 000, 00 - - 1.000,00 999,00 1,00
Encargos Diversos ...•••••••.•••.••..•.••••.•••••••.•..• 1.511,00 1 25,00 1.636,00 - 3,00 1.639,00 1.499,09 139,91
Previd!\ncia Social .•.••.•.••••...•••••••••...••.••••••• 57.764,00 4.751,00 62.515,00 - 106,00 62.621,00 57.380,53 5. 240,47
Fundo Garantia Tempo Serviço ••.••.•••••••••••••••••.••• 28.517,00 2.160,00 30 • 677,00 - 2.048,00 32 .7 25,00 31.857,78 867,22
Programa de Integração Social .......•••.••.•••••••••••• 3.5 65,00 270,00 3.835,00 - 6,00 3.841,00 3.248,67 59 2 ,33

1. 255. 673, 00 124.297,00 1.379.970,00 763,00 43.284,83 1.422.491,83 1.409.905,27 12.586,56


.....J
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA"DA DESPESA
COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Diretoria Financeira (DF)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
ESPECIFICAÇÃO SALDOS
Créditos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

Direção

Pessoal ••••••••••...••••.•••••••.••••.•••••••••••.••.•• 296.317,00 185.434,00 481.751,00 - - 481. 751,00 471.804,25 9.9 46 ,75
Material de Consumo ••••••••.••.•••••••••••••••.•••••••• - - - - 4.208,29 4.208,29 4.208,29 -
Serviços de Terceiros .•••••••••••••••••••••..•.•••••••• 7.400,00 - 7.400,00 - - 7.400,00 1.578,00 5.822,00
Encargos Diversos ...................................... 8.845,00 4.854,00 13.699,00 - - 13.699,00 9.093,22 4.605,78
Previdência Social .•....•••.•.•.•••.......••.•.•.•.••.• 40.009,00 32.637,00 72.646,00 - - 72.646,00 42.733,19 29.912,81
Fundo Garantia Tempo Serviço ••••.••.••.••••..•••••••••• 23.385,00 14.835,00 38.220,00 - - 38.220,00 32•661,18 5.558,82
Programa de Integração Social ..•...••...•••••• ~ •••••••• 2.922,00 1.855,00 4.777,00 - - 4.777,00 2.750,87 2.026,13

378.878,00 239.615,00 618.493,00 - 4.208,29 622.701,29 564. 82 9,00 57. 872 ,29

Serviço de Orçamento (SOr)

Pessoal •••••••.•••••..•••••..•••.•••••.•••••••••••••••• 945. 242,00 - 945. 242,00 - - 945.242,00 765.6 29,12 179.612,88
Material de Consumo •.••••..••.••••••.•••.•••••••••••••• - - - - 5.760,85 5.760,85 5.760,85 -
Serviços de Terceiros ••••..•..•••.••••••••••••••••••••• 1.500,00 - 1. 500, 00 - - 1.500,00 180,00 1. 320,00
Encargos Diversos ...................................... 3.997,00 - 3.997,00 - - 3.997,00 3.173,63 823,37
Previdência Social .••..........••.••.•••.•••••••••••••• 152.928 ,00 - 152.928,00 - - 152.9 28,00 119.565,95 33.362,05
Fundo Garantia Tempo Serviço .•...••••.•••••••.••.•••••• 75.524,00 - 75.524,00 - - 75.524,00 65.353,68 10.170,32
Programa de Integração Social .•...••. ..•.••••••••••.••• 9.441,00 - 9.441,00 - - 9.441,00 7.179,26 2.261,74

1.188.632,00 - 1.188.632,00 - 5.760,85 1.194.39 2 ,85 966.842,49 227.550,36


- ---- ------ ~--------_ ..... -

UJ
V1
VJ
O'.

DOTAÇÃO·ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E C I F I CA ç Ã ° Inicial
Crédi tos
Total Destaques
REALIZADA
SALDOS
Suplementação Dotação
Suplementares

Serviço de Contabilidade (Sct)

Pessoal ................................................................... 1.041.435,00 46.459,00 1.0"87 . 894,00 - - 1.087. 894,00 1.062.876,46 25.017,5 4
Material de Consumo .••••••••••• : ••••••••••••••••••••••• - - - - 22.835,40 22.835,40 22.835,40 -
Serviços de Terceiros ••.•••••••••••••••••••••••••••.••• 10.560,00 - 10.560,00 - - 10.560,00 3.917,75 6.642,25
Encargos Diversos .•.•.•••••.•....•.••••••••••.••••••••• 4.384,00 214,00 4.59 8,00 - - 4.59 8,00 4.005,99 59 2 ,01
Previdl'!ncia Soci.al .•••.•••••••••••••••••••••.•••••••••• 168.399,00 8.177,00 176.576,00 - - 17 6 .576,00 151.978,3 2 24.597,68
Fundo Garantia Tempo Serviço .•••••••••••...••.•..•••••• 82.838,00 3.717,00 86.555,00 - 5.000,00 :11.555,00 90.774,5 6 780,44
Programa de Integração Social •• l ••••. • • • • • • • • • • • • • • • • • • 10.355,00 465,00 10.820,00 - - 10.820,00 8.955,49 1.864,51

1.317.971,00 59.032 ,00 1.377.003,00 - 27.835,40 1.404.838,40 1. 345. 343,97 59. 494,43

Serviço do patrimOnio (SPt)

Pessoal •.••.....••.••••••••••••••••••••••.•..••••••.•.• 554.342,00 - 554.342,00 - - 554.342,00 394.837,11 159·504,89


Material de Consumo .................................... - - - - 1. 813,81 1.813,81 1. 813,81 -
Serviços de Terceiros ••••.••••••••••••••••••••.•.••••.. 2.000,00 - 2.000,00 - - 2.000,00 - 2.000,00
Encargos Diversos .•.••••••••••••••••••••..•••..•...•.•. 252.347,00 40.000,00 29 2 .347,00 - - 29 2 .347,00 291. 363,40 983,60
Previdl'!ncia Social ..................................... 89.797,00 - 89.797,00 - - 89·797,00 60.044,03 29.752,97
Fundo Garantia Tempo Serviço .••••••••••••••••.••••••••• 44.347,00 - 44.347,00 - - 44·347,00 32.024,96 12.322,04
Programa de Integração Social .•.....•..•...••...•.....• 5.544,00 - 5.544,00 - - 5·544,00 2.695,31 2.848,69

948.377,00 40.000,00 988.377,00 - 1.813,81 99 0 .19 0 ,81 782.778,62 207·412,19


DOT Aç10 ORÇAMENTÁRIA ALTERAçõES AUTORIZADAS
DESPESA
E S P E C I F I CAç Ã O SALDOS
Créditos REALIZADA
Inicial 'rotal Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

Tesouraria (Te)

Pessoal ..................... .,. .............. .o .................... .o .... .o ........................... 506.300,00 34.606,00 540.906,00 - 10.000,00 550.906,00 549.327,21 1.578,79
Material de Consumo •••••.•••••••••••••••••••••••••••••• - - - - 6.097,71 6.097,71 6.097,71 -
En.cargos Di versos ........................................................................... 2.142,00 160,00 2.302,00 - - 2.302,00 2.232,50 69,50
Previdl!ncia Social •••••.••.••••••••••.•.••.••••••••••.• 81.969,00 6.091,00 88.060,00 - - 88.060,00 82.431,08 5.628,92
Fundo Garantia Tempo Serviço .••.••.•••.•.•••••••••••••• 40.503,00 2.769,00 43. 272,00 - 3.000,00 46.272,00 45.366,40 905,60
Programa de Integração Social •••••.••••••••••• : •••••••• 5.062,00 347,00 5.409,00 - - 5.409,00 4.587,76 821,24

635.976,00 43.973,00 679.949,00 - 19.097,71 699.046,71 690.042,66 9.004,05

[..... 0
--J
'J-'
CP

EXECUÇÃO ORÇAMENTAAIA DA DESPESA


COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Conselho de Coordenação de Ensino e Pesquisa (CONCEP)
Em 31 de dezembro de 1976

(alÍnea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTAAIA ALTERAÇOES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E CI F I CAç ÃO SALDOS
Crédi tos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal ••••••••••••••••••.•••••••••••.•••••••••••••• ~ •• 1.819.9 23,00 189.955,00 2.009. 878,00 1.250,00 1. 250,00 2.009. 878,00 1.960.848,36 49.029,64
Material de Consumo •.••••••.•••••••••••.••••••••••••••• - - - - 15.560,47 15.560,47 15.5 60,47 -
Serviços de Terceiros •..•.•••••••••.•••.•••••••••••.••• 9.000,00 80.000,00 89.000,00 - - 89.000,00 7.101,03 81.898,97
Encargos Diversos ••••••••••••••••••••••••••••.••••••••• 7.953,00 874,00 8.827,00 - - 8.827,00 6.888,88 1.938,12

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES
'>

Previdência Social •.••••••••••••••••••••••••••••••••••• 265.985,00 33.433,00 299.418,00 - - 299.418,00 246.349,61 53.068,39


Fundo Garantia Tempo Servi ço ........................... 144.794,00 15.197,00 159.991,00 - 2.000,00 161.991,00 161.565,14 425,86
Programa de Integração Social •••••••••••.•••••••••••••• 18.099,00 1.900,00 19.999,00 - - 19.999,00 16.863,18 3.135,82

2.265.754,00 321.359,00 2.587.113,00 1. 250,00 18.810,47 2.604.673,47 2.415.176,67 189.496,80


EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA
COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Instituto Brasileiro de Economia (IBRE)
Em 31 de dezembro de 1976
(al{nea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
ESPECIFICAÇÃO SALDOS
Crédi tos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Comissão Diretora
Pessoal ••••••••••••••••...•.•••••••.•••.••••.••.•.••••• 4.116.055,00 66.393,00 4.182.448,00 44.543,00 20.000,00 4.157.905,00 3.738 .899,21 419. 005,79
Material de Consumo .................................... - - - - 81.585,40 81.585,40 81.585,40 -
Serviços de Terceiros .................................. 108.800,00 - 108.800,00 35.600,00 - 73. 200,00 58 .058,90 15.141,10
Encargos Diversos ••••••••.••••.••••••••••.•.••.•••••••• 264.165,00 306,00 264.471,00 175.000,00 92,00 89.563,00 48.275,41 41. 287,59
Subvenções e Auxílios ••••••••••.••••••••••••••...•••••• 20.900,00 - 20.900,00 - 600,00 21.500,00 21.403,44 96,5 6
Previd@lncia Social •••.•••....••••••••••••••.••••••••••• 508.190,00 11.686,00 519. 876,00 - - 519.876,00 419.7 85,05 100.090,95
Fundo Garantia Tempo Serviço ••.••••••••.•••.••••••••••• 301.363,00 5.312,00 306.675,00 - 70.000,00 376.675,00 371. 734,14 4.940,86
Programa de Integração Social •••••••••.•••••.•••••.•••• 37.669,00 664,00 38.333,00 - - 38.333,00 37.012,59 1.320,41

5.357.142,00 84.361,00 5.441.503,00 255.143,00 172.277,40 5.358.637,40 4.77 6 .754,14 581.883,26

Divisão de Contabilidade Social


Pessoal ....•••••••••.•••••••••.••..••••...•.•••.••••••• 7.89 8 .312,00 570.687,00 8,468.999,00 28.600,00 - 8.440.399,00 8.380.441,14 59.957,86
Material de Consumo ., ••••••.••.••••"••••••••.••.•.•••••• - - - - 54.039,33 54.039,33 54.039,33 -
ServiçoR de Terceiros .................................. 186.000,00 - 186.000,00 - - 186.000,00 154.609,89 31.39 0 ,11
Encargos Di versos ...................................... 51.566,00 2.626,00 54 .192,00 - - 54.192,00 49. 679,54 4.512,46
Previd@lncia Social ••••.••••••..•••••.•••••..•••.••••••• 1. 026. 890, 00 100.441,00 1. 12 7.331,00 - - 1.1 27.331,00 89 8 .771,99 228.559,01
Fundo Garantia Tempo Serviço •.•••••.•••.••.•••••••••••• 602.721,00 45. 655,00 648.376,00 - 10.000,00 658.376,00 657.655,46 720,54
Programa de Integração Social •••••.•••••••.•••••••••••• 75.340,00 5.707,00 81. 047,00 - 7. 000,00 88.047,00 87.180,19 866,81

9.840. 829,00 725.116,00 10.565.945,00 28.600,00 71.039,33 10.608.384,33 10.282.377,54 326 .006,79
- -
- ----- ~
Lv
\.O
.,-~
()

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E C I F I C A ç ÃO SALDOS
Créditos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
~uplementares

Divisão de Estatística e Econometria

Pessoal •••.•.•••.••••••-••••.....••••••••......•...•.••• 10.375.569,00 915.310,00 11.290.879,00 41.600,00 - 11. 24 9. 279,00 10.557.133,03 69 2 .145,97
Material de Consumo •••..•. " •••.••••.••••.•..•..••••••• - - - - 331.276,84 331.276,84 331. 276,84 -
Serviços de Terceiros .•.•••.••..••.••••.•••.••.•.•••••• 1.170.000,00 300. 000,00 1.470.000,00 90.000,00 230.000,00 1. 610.000.00 1.569.839,20 40.160,80
Encargos Divers(}.S- •••••.••••••••.•••.•.••••...•••••••••• 1.847.113,00 4.211,00 1.851,324,00 163.808,00 - 1.687.516,00 1.039.970,48 647.545,5 2
Subvenções e Auxílios •••.••••••••.•••..••••...•...••••• 8.000,00 - 8.000,00 - - 8.000,00 6.012,00 1.988,00
Previdência Social ••••.•....•..••.•••..•.•..•••• , ••.••• 1. 438.106,00 161. 096,00 1.599. 202,00 - - 1. 599.202,00 1.309. 247,46 289.954,54
Fundo de Garantia Tempo Sel":iço .••••••••.•.•.••.••••••• 79 4 .045,00 73.226,00 86 7. 271,00 - - 867. 271,00 857.059,28 9. 611,72
Programa de Integração Social .•..•....•.•.•..•••••••••• 99.257,00 12.438,00 111. 695, 00 - - 111.695,00 97.164,45 14.530,55

15.73 2 .090,00 1. 466. 281, 00 17.198.371,00 295.408,00 561.276,84 17.464.239. 84 15.768.302,74 1. 695.937,10

Escola de Pós-Graduação em Economia (EPGE)

Pessoal ••.•......•••••.•••...••••.•.•••..•.•.••.••••••. 4.301. 683,00 289.953,59 4.591. 636 ,59 473. 011,00 - 4.118.6 25,59 3.502.142,45 616.483,14
Material de Consumo .••••••••...•••••••••..••••••••••••• - - - - 98.644,47 98.644,47 98.644,47 -
Serviços de Terceiros •••••....•....••.............••••• 120.540,00 - 120.540,00 360,00 - 120.180,00 55.181,60 64.99 8 ,40
Encargos Diversos •..••..•...•..••..•.••••..•.•.•••••••• 1.9 25.123,00 - 1.9 25.123,00 55.408,00 - 1.869.715,00 782.29 8,67 1.087.416,33
Previdência Social ••.•.•.•••..••.•••..•...•••••.••••••• 577.693,00 56.651,13 634.344,13 - - 634.344,13 313.200,23 321.143,90
Fundo Garantia Tempo Serviço , •.•........•.•••••...••••• 328.775,00 - 328.775,00 - - 328·775,00 762.029,17 66.745,83
Programa de Integração Social ••.....••.••.•..•••.•••••• 41.097,00 1. 019,50 42.116,50 - - 42.116,50 25.687,47 16.4 29,03

7. 294 .911,00 347. 624,22 7.642.535,22 528.779,00 98.644,47 7.212.400,69 5.039.184,06 2.173.216,63
EXECUçIO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA
COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Instituto de Direito Público e Ciência Politica (INDIPO)
Em 31 de dezembro de 1976

(alinea ! do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E CI F I CAç Ã ° Inicial
Créditos
Total Destaques Suplementação Dotação
REALIZADA
SALDOS
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal •••••••••••••• _ ................................. 1.803.386,00 687. 004 ,00 2.490.390,00 97.711,00 115.000,00 2.507.679,00 2.501.919,50 5.759,50
Material de Consumo •••.•••••••.••••••••••••••..•.•••••• - - - - 134.701,17 13 4 .7 01,17 134.701,17 -
Serviços de Terceiros ••.•••••.•••••••••..•••••••••••••• 17.500,00 - 17.500,00 9.450,00 - 8.050,00 4.443,00 3.607,00
Encargos Diversos .••••••••••••••••••••••••••••••••••••• 58.501,00 14.520,00 73.021,00 - 20.740,00 93.761,00 84.185,69 9.575,31

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Subvenções e Auxílios .••••••.•..••••••••.•••••••••••••• 2.000,00 - 2.000,00 - - 2.000,00 - 2.000,00


Previdência Social ..................................... 272.959,00 47.232,00 320.191,00 - 43.189,00 363.380,00 343.186,50 20.193,50
Fundo Garantia Tempo Serviço ........................... 133.639,00 9.040,00 142.679,00 - 45.4 27,00 188.106,00 187.884,82 221,18
Programa de Integração Social ••.••..••••..••••••••.•••• 16.705,00 1.130,00 17.835,00 - 4.805,00 22.640,00 15.627,15 7.012,85

2.304.690,00 758.926,00 3.063.616,00 107.161,00 363.862,17 3.3 20.317,17 3. 271.947,83 48.3 69,34
----- ---

-f:::>
r-'
.p,.
f\)

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA


COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Instituto de Seleção e Orientação Profissional (ISOP)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

I DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E C I F I C AÇÃO SALDOS
Crédi tos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Pessoal •..... .......................................... 8.518.363,00 1.493.699,00 10.012.062,00 193. 848,65 27.600,00 9.845.813,35 9.73 2 .140,98 113. 672,37
Material de Consumo ••..••••.......••.•.•.••...•..•••••. 82.000,00 - 82.000,00 - 353.3 24,48 435.324,48 430.309,43 5. 01 5,05
Serviços de Terceiros ••..•.....••......••...•..••.•...• 23.100,00 36•266,00 59.366,00 337,00 - 59. 02 9,00 58.000,14 1.028,86
Encargos Diversos ..•.•.••••.•.••••••.•••...•..•....•••• 427.703,00 26.321,00 454.024,00 1.000,00 48.585,65 501. 609,65 493.760,67 7. 848,98

TRANSFERENCIAS CORRENTES

Previd!\ncia Social .•..•••.••••.•••••.••••.••••..•..•••• 1.315.456,00 262.891,00 1.578.347,00 - - 1.578.347,00 1.291.7 26,92 286.620,08
Fundo Garantia Tempo Serviço .••..••••••..••••••.•.••••• 642.691,00 119.496,00 762.187,00 - 15.000 ,00 777.187,00 775. 471,56 1.715,44
Programa de Integração Social ••..••..•.. H ••••••••••••• 80.336,00 14.938,00 95. 274,00 - - 95. 274,00 76.834,43 18.438,57

11.089.649,00 1.953.611,00 13.043. 260,00 195. 185,65 444.510,13 13.292.584,48 12.858.244,13 434.340,35
--~ --
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA
COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Instituto de Documentação (DIREÇÃO)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea! do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇOES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E CI F I CAÇÃO SALDOS
Créditos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal .•. oo • • • " ..... " .. ""iI .. " .. " .. ".""".-. ................. "" ..... " ...... """,, 1.705.167,00 - 1. 705.167,00 149.762,00 - 1.555.4 05,00 1. 438. 781, 71 116.623,29
Material de Consumo •••.•••••••••••••••••••• ". H •••••• H". - - - - 29. 072,23 29.07 2,23 29.072,23 -
Serviços de Terceiros .................................. 30.500,00 - 30.500,00 4.308,20 13.308,20 39.500 ,00 27.281,80 12.218,20
Encargos Diversos •••.•••....•..•••••••••••••••••.•.•••• 20.135,00 - 20.135,00 10,87 400,00 20.524,13 12.801,62 7.722,51

TRANSFERENCIAS CORRENTES

Previdência Social ••.••••.•.•••••. ~ •..••.••....••• _•••• 242.055,00 - 242.055,00 - - 242.055,00 194.328,15 47.726,85
Fundo Garantia Tempo Serviço ........................... 120.333,00 - 120.333,00 - - 120.333,00 113.340,10 6.992,90
Programa de Integração Social ••....•...•.••••••...••••• 15.041,00 - 15.041,00 - - 15. 041,00 12.018,52 3.022,48

2.133. 231,00 - 2.133. 231,00 154.081,07 42.780,43 2.021.930,36 1.827.624,13 194.306,23


-_.-

.p,..
VJ
~
-J::>.

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA


COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Editora da FGV
Em 31 de dezembro de 1976

(al{nea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E C I F I C AÇ Ã O SALDOS
Crédi tos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal •••••••••••••••.••••••..•..••••.••............ ,. 4.340.921,00 675.930,00 5. 016 . 851,00 60.000,00 20,000,00 4.976.851,00 4.532.5 83,59 444.267,41
Material de Consumo ••••••.•••••...•.•...••••••.•.••.•.• - - - - 224.080,59 224.080,59 220.627,31 3.453,28
Serviços de Terceiros .................................. 616.500,00 - 616.500,00 - 50.000,00 666.500 ,00 630.285,53 36.214,47
Encargos Diversos •.••......•.•••••••.•.•.• , ••.•......•• 49.867,00 1.203. 231,92 1.253.098,92 .10.000,00 - 1.243.098,92 534. 28 9,00 708.809,92

TRANSFERENCIAS CORRENTES

Previdência Social ••••.••.•..........•.•..••...•.••••.• 73 6 .359,00 - 736.359,00 - - 73 6 .359,00 588.743,39 147.615,61


Fundo Garantia Tempo Serviço •.•...••.•....•.........••• 342 .058,00 - 342.058,00 - 30.000,00 372.058,00 367.5 00,27 4.557,73
Programa de Integração Social •........................• 42.757,00 - 42.757,00 - - 42.757,00 37.622,64 5.13 4 ,36

6.128.462,00 1.879. 161,92 8.007.623,9 2 70.000,00 324.080,59 8.261.704,51 6.9 11.651,73 1. 350.052,78
-- ------ - - -
EXECUÇÃO ORÇAMENT AAIA DA DESPESA
COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIlADA E A REALIZADA
Biblioteca (Bb)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea! do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAçOES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E C I F I C Aç ÃO SALDOS
Créditos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESmAS CORRENTES

Custeio

Pessoal •••..••••••.••••.•••••••••••• 4 •••••••••••••••••• 1.388 •860,00 65.606,00 1.454.466,00 - - 1.454•466 ,00 1.451.417,90 3.048,10
Material de Consumo .•••••••••••••••••••••••••••••• ~ •••• - - - - 45.774,14 45.774,14 45.774,14 -
Serviços de Terceiro.s .................................... 55.000,.00 - 5-5.000..00 10.500~00 - «.500,00 37 .933,00 6.567,00
Encargos Diversos •••••.••.•.•••••••••• 04 • • • • • • • • • • • • • • • 88.881,00 302,00 89.183,00 - 23.500,00 112.683,00 106.357,74 6.325,26

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Previdência Social ••..••..••••••••••••••••••••••••••••• 225.373,00 11.547,00 236.920,00 - - 236.9 20 ,00 224.730,51 12.189,49
Fundo Garantia Tempo Serviço ••••...•.•••.•••••••••••••• 111. 109,00 5.249,00 116.358 ,00 - 7.000,00 123.358,00 122.522,18 835,82
Prog~a de Integração Social ••.•••••••••••••••••••••• : 13.889,00 657,00 14.546 ,00 - - 14.546 .°° 12.900,82 1.645,18

1.883.112,00 83.361,00 1.966.473,00 10.500,00 76.27~,14 2.032.247,14 2.001.636,29 30.610,85


- - - - - - - - --- --- --- ----- -----

~
V1
-f::..
~

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA


COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Ser,iço Gráfico (SGr)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E CI F I CAç ÃO SALDOS
Crédi tos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal •••..••..•••...•..••.•.•••....•••••••.••••...••• 463.539,00 37.177,00 500.716,00 - - 500 .716,00 495.894,82 4.821,18


Material de Consumo ..••..•...••••.•••••••••.•.•••••.••• - - - - 117.384,16 117.384,16 117.384 1 16 -
Encargos Diversos ••.•••....•.•.••..•••••••••••••..••••• 121.962,00 172,00 122.134,00 - 75.000,00 197.134,00 194.972,66 2.161,34

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Previdência Social ••••....•.•.••.••••••••••••.••..•.••• 75.098,00 6.544,00 81.642;00 - - 81.642,00 77.008,86 4.633,14


Fundo Garantia Tempo Serviço .•••.•.••••.••••.••.••••••• 37.083,00 2.975,00 40.058,00 - 1.000,00 41.058,00 40.828,00 229,60
Programa de Integração Social •.••.•.•.•.•..•••....•.••• 4.635,00 372,00 5.007,00 - - 5.007,00 4.390,11 616,89

702.317,00 47.240,00 749.557,00 - 193.384,16 942.941,16 930.479,01 12.462,15


-- ~

--'
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA
COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Arguivo Central (AC)
Em 31 de dezembro de 1976

(alfnea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E C I F I CA ç ÃO SALDOS
Créditos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal .................................................. 355.551,00 15.438,00 370.989,00 - 2.362,00 373.351,00 362.159,61 11.191,39


Material de Consumo ••••••••.••.•••.••••••.••.•••..•••. ~ - - - - 17.039,72 17.039,72 17.035,72 4,00
Serviços de Terceiros •.•.•..•.•..••.••••...••...•.••.•• 6.424,00 - 6.424,00 - - 6.424,00 585,00 5.839,00
Encargos Diversos .••.•••••.•.••••••••••••...••••••..••• 10.078,00 66,00 10.144,00 - 10,87 10.154,87 5.417,55 4.737,3 2

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Previdência Social .••.•....••.••••.•••••••••.••••..•.•• 55.073,00 2.508,00 57.581,00 - - 57.581,00 51.867,90 5.713,10


Fundo Garantia Tempo Serviço ..•.....•••.•...•••......•• 27.084,00 1.236,00 28.320,00 - 4.000,00 32 .3 20,00 31.838,62 481,38
Programa de Integração Social .•..•..•••...•...•..••.••• 3.386,00 155,00 3.541,00 - - 3.541,00 3.187,60 353,40

457.596,00 19.403,00 476.999,00 - 23.412,59 500.411,59 472.09 2,00 28.319,59


---

..j:::>.
-..J
~
())

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA


COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Instituto de Estudos Avançados em Educação (IESAE)
Em 31 de dezembro de 1976

(al{nea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E CI F I CAç Ã ° Crédi tos REALIZADA
SALDOS
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal ••.............•.••..•••••.•••••.•••.•.......•.• 3.159.109,00 181.143,00 3.340.252,00 107.856,00 53.995,00 3. 286 .391,00 3.265. 273,63 21.117,37
Material de Consumo ......•...••••••.••..•••••••••....•• - - - - 107.064,7 4 107.064,74 101.799,70 5.265,04
Serviços de Terceiros ....••...•..••.••••...•••••.••.•.• 19.350,00 - 19.350,00 - 13.<'30,00 32·580,00 23.832,00 8.748,00
Encargos Di versos •......•..••.•••••.•.••.••.•••••.•..•• 66.9 20,00 834,00 67.754,00 15.575,35 816,85 52.995,50 52. 279,61 715,89

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Previdência Social ••..••..•.••••.•.••••...•• > •• " • " ••• 478.367,00 31..882,00 510. 249,00 - 30.166,00 540.415,00 510.109,44 30.30 5,56
Fundo Garantia Tempo Serviço .••••.•.•.•.••.••.••...••.• 24 9.570,00 14~492, 00 264.062,00 - 56.847,00 320.909,00 316.659,92 4. 249,08
Programa de Integração Social ..•.•.••.•..••..•••...•..• 31.198,00 1.812,00 33.010,00 - 2.106,50 35.116,5 0 34.219,93 89 6 ,57

4.004.514,00 230.163,00 4.234•677,00 123.431,35 264.226,09 4.375. 471,74 4.304.174,23 71. 297,51
---- ---_._-_._-
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA
COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Instituto Superior de Estudos Contábeis (ISEC)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇOES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E CI F I CAç ÃO SALDOS
Crédi tos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal •..•..•••••••.•••.•.•••.•••...•••..•..•...•.•.•• 1.987.827,00 181.906,00 2.169.733,00 - - 2. 16 9.733,00 2.124.462,9 2 45.270,08


Material de Consumo ....•....•.••.•....••••.••••..•••••• - - - - 51.948,89 51.948,89 51.948,89 -
Serviços de Terceiros .••........•••••.••••.•..•...••••• 20.000,00 - 20.000,00 - - 20.000,00 14.820,00 5.180,00
Encargos Di versos , •.••..•....•....•... , •••.•.•..•.••••• 16.729,00 837,00 17.566,00 - - l7. 566, 00 12.744,79 4.821,21

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Previdência Social •..••••.••.....••••••••••••••.•..•••• 288.572,00 32.016,00 320.588,00 - - 320.588,00 228.159,49 92.428,51


Fundo Garantia Tempo Serviço •...•.......•.•••......•••• 127.922,00 14.553,00 142.475,00 - 4.000,00 146.475,00 146.066,83 408,17
Programa de Integração Social ••..••..•.••••.•••.•.••.•• 15.990,00 1.820,00 17.810,00 - - 17.810,00 15.157,89 2.652,11

2.457.040,00 231.132,00 2.688.172,00 - 55.948,89 2.744.120,89 2.593.360,81 150 .768,08


------ --- ---- -- ---- ---

+o>
'0
V1
o

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA


COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
E~cola Brasileira de Administração Pública (EBAP)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAçOES AUTORIZADAS


DESPESA
ES PE CI F I CAç Ã O SALDOS
Créói tos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal ••••...••••••••••••••••••••...••••..•••••.•..••• 9.083.803,00 453.237,00 9.537.040,00 37.000,00 55·000,00 9.555.040,00 9.019.549,12 535.490,88
Material de ConsUlllO •••..••.•••.••••.•••••••.••.••••.••. - - - - 132.306,45 132.306,45 132.306,45 -
Serviços de Terceiros •.•.•••..••.•••••••••••.•.••••••.• 74.882,00 - 74 .882,00 - 3.000,00 77.882,00 68.184,21 9.697,79
Encargos Diversos .••.•.••.••.•.•••.•••••••••.••.••••..• 852.920,00 2.l02,r;: 855. 022,85 95.295,00 39.345,00 799.072,85 671.161,46 127.911,39

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Subvenções e Auxílios ..••••••.•..•••••••..•••••••.••.•• 12.000,00 - 12.000,00 - - 12.000,00 12.000,00 -


Previdência Social .•..••••...•••.••.••..••••••.•.••••.• 1. 381. 741, 00 55.315,00 1.437.056,00 - 13.200,00 1. 450. 256, 00 1.140.295,04 309.960,9 6
Fundo Garantia Tempo Serviço ••••••.••••...•.•••..••••.• 697.747,00 25.143,00 722.890,00 - 6.000,00 728.890,00 726.787,11 2.102,89
Programa de Integração Social .•...••••.•••••.•••••••••• 87.219,00 3.143,00 90.362,00 - 750,00 91.112,00 79.9°9,05 11.202,95

12.190.312,00 538.940,85 12.7 29. 252,85 132. 295,00 249. 601,45 12.846.559,30 11.850.192,44 99 6 .366 ,86
- --- - ------
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA
COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Escola de Administração de Empresas de são Paulo (EAESP)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E CI F I CAç Ã ° Inicial
Crédi tos
Total Destaques Suplementação Dotação
REALIZADA
SALDOS
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal •.••.••• H • • • ·• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • " •••••••••• 22.933.750,00 2.029.301,00 24.963. 051,00 68.500,00 3.777JY38,20 28.671. 649,20 28.632~367,61 39. 281,59
Material de Consumo ..•••••••.••••.•..•.•.•.••••.••••••• 68.000,00 - 68.000,00 - 870.990,00 938.990,00 915.5 24,45 23A65,55
Serviços de Terceiros .•••••••.•.•••••••.•..•.•..•.••••• 3.221. 216, 00 37. 012,00 3.258,228,00 139. 60 0,00 853.806,00 3.972.4}4,00 3.9 43. 666,66 28.767,34
Encargos Diversos •••..•..••.•••• , ••••• , •••.•.•••••.•••• '7.001. 820, 00 5.802,00 7. 007.622,00 5.365. 079,20 159.352,00 1. 801. 894,80 1. 515. 514,47 286.380,33

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Subvenções e Auxílios ••••••••• , •••.•.•.••.••••••.•••• ,. - 100.000,00 100.000,00 - - 100.000,00 100.000,C10 -


Previdência Social .•. , ................ , ••• r ............... J.640.:336,00 253.649,00 3.893.985,00 225. 000 1 °0 392.000,00 4.060.9 85,00 3.561.929,54 499.055,46
Fundo Garantia Tempo Serviço •..••••..•.•••••.••••.••••• 1. 857,403,00 162.345,00 2.019.748,00 - 266.933,00 2.286.681,00 2.25 0.067.37 36.613,63
Programa de Integl'ação Social •••.••.••.•.••.•..••.••.•• 232.176,00 20.293,00 252.469,00 45.000.00 23.000,00 230.469,00 207.033,07 23.435,93

38.954.701,00 2.608.402,00 41.563.103,00 5.843.179,20 6.343.179,20 42.063.103,00 41.126.103,17 936.999,83


-- - .... _. - -- - - --_.

V1
I--'
\Jl
f\)

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA


COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Escola Interamericana de Administração PÚblica (EIAP)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea! do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P EC I F I CAç Ã ° Inicial
Crédi tos
Total
REALIZADA
SALDOS
Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal ••••.•••' •••.•.•••• u •••••••••••• " •••••••••••••• 8.935.018,00 2.736.410,00 11.671.428,00 1.394.400,00 1. 300. 000, 00 11. 577- 028,00 10.707.343,26 869.684,74
Material de Consumo •.•••..••••••••.••••• __ •••••••••. '" 278.000,00 280.000,00 558.000,00 68.000,00 160.000,00 650. 000,00 441.186,59 208.813,41
. Serviços de Terceiros _ ....... ; ......................... 563.400,00 345.000,00 908.400,00 60.000,00 275.712,00 1.124.112,00 902.658,20 221.453,80
Encargos Diversos ...................................... 2.618.616,00 557.831,70 3.176.447,70 599.824,00 224.792,00 2.801. 415. 70 2.739.265,22 62.150,48

TRANSFERENCIAS CORRENTES

Previdência Social ...•..•••••.•••••••.••.•.••••••..•••• 1.210.262,00 345.60 5,30 1.555.867,30 - 49.9 20,00 L 605. 787,30 1.149.504,74 456.282,56
Fundo Garantia Tempo Serviço ........................... 567.635,00 118.122,00 685.757,00 - 48.600,00 734.357,00 733.756,97 600,03
Programa de Integração Social •••••.•.•.•••••••••••..••• 70.951,00 14.831,00 85.782,00 - 20.200,00 105.982,00 104.955,30 1. 026, 70

14.243.882,00 4.397.800,00 18.641. 682, 00 2.122.224,00 2.079. 224 ,00 18.598.682,00 16.778.670,28 1. 820. 011,72
------- --------- - -----,-- -- - ,-,
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA
COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Centro de Estudos e Treinamento em Recursos Humanos (CETRHU)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA'
E S P E CI F I CAç Ã ° Inicial
Créditos
Total Destaques Suplementação Dotação
REALIZADA
SALDOS
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal •••.••••••••••••••••••••••••••.••.•••••••••••••• 961. 242, 00 20.788,00 982.030,00 31.925,00 20.000,00 970.105,00 963.65 4,59 6.45 0,41
Material de Consumo •..••.••...•••••••••••••.••••••••••• - - - - 8.780,34 8.780, }4 8.780,34 -
Serviços de Terceiros ••••...••.•••••••••••.•••••••••••• 13.000,00 - 13.000,00 - 11.925,00 24.9 25,00 7.813,9 2 17.111.08
Encargos Diversos .•••••••...•••.••.•••••••••••••.•••••• 4.259,00 96,00 4.355,00 - - 4.355,00 3.070,62 1.284,38

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Previdência Social ••••••••••••••••••••••••••••••••••••• 140.379,00 3.659,00 144.038,00 - - 144.038,00 109.031,02 35. 006 ,98
Fundo Garantia Tempo Serviço ••••••••••••••••••••••••••• 74.771,00 1.664,00 76 .435,00 - - 76 ,435,00 74.961,80 1.473,20
Programa de Integração Social •••••••••••••••••••••••••• 9.347,00 208,00 9.555,00 - - 9.555,00 7.730,13 1.824,87

1. 202.998,00 26.415,00 1.229.413,00 31.925,00 40.705,34


.
1.238.193,34 1.175.042,42
---
63.150,92
-

Vl
VJ
\ ,),

-t::--

EXECUÇÃO ORÇAMENT~IA DA DESPESA

COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA

Escol9. Técnica de Comércio (ETC)

Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇOES AUTORIZADAS


DESPESA
ESPECIFICAÇÃO SALDOS
Créditos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal •.. li . . . . . . . . . .., • • • li . . . . . li . . . 4 • • li • 4 ................... " ...... 2.242.789,00 81. 812, 00 2.324.601,00 60),00 478,00 2.324.472,00 2.262.285,29 62.186,71
Material de Consumo •••••••••••••••••••••••••••.•••••••• - - - - 25.968,53 25.968,53 25.968,53 -
Serviços de Terceiros ••••...••••••••••••...•••••••.•••• 30.000,00 - 30.000,00 - - 30.000,00 19.109,60 10.890,40
Encargos Diversos ••••••••.•..•••••.••••••••.••••.•••••• 20.237,00 377,00 20.614,00 - - 20.614,00 9. 450 ,9 6 11.163,04

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Previdência Social ., •.•.•••.•.••.•••••••.••••••...••••• 356.565,00 14.399,00 370.9 64,00 - 85,00 371. 049,00 344.910,45 26.138,55
Fundo Garantia Tempo Serviço ........................... 175.263,00 6.545,00 181. 808, 00 - 6.039,00 187.847,00 187.654,75 192,25
Programa de Integração Social •..•....•••••.•••.•••••••• 21.909,00 819,00 22.728,00 - 5,00 22.733,00 19.497,99 3. 235,01

2.846.763,00 103.95 2,00 2.950.715,00 607,00 32.575,53 2.9 82 . 6 83,53 2.868.877,57 113. 805,9 6
EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA
COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Colégio Nova Friburgo (CNF)
Em 31 de dezembro de 1976

(alinea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇOES AUTORIZADAS


DESPESA
E S P E C I F I CAÇÃO SALDOS
Crédi tos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplementação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal •.. ".... "",.." .. " .. ".... ".. ".. "" .. "..... "."" .......................... ".. 3.624.947,00 599.710,00 4.224.657,00 - - 4.224.657,00 3.868.195,87 356.461,13
Material de Consumo •••.••.••••.•••••••.••••.••••••••••• 810.000,00 - 810.000,00 - 252.432,66 1. 062.432, 66 1. 033. 467,46 28.9 6 5,20
Serviços de Terceiros .................................. 241. 700, 00 50.000,00 291. 700,00 - 2,150,00 293.850,00 286.652,24 7.197,76
Encargos Diversos ••....••.•••.•••.•••.•••••..••.•.••.•• 74.145,00 89.630,00 163.775,00 2.150,00 - 161.625,00 157. 257,67 4.367,33

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Previdencia Social •. ~ ....••.••••••••••••••••••••••••.•• 584.909,00 101.390,00 686.299,00 - - 686.299,00 593.082,66 93.216,34


Fundo Garantia Tempo Serviço •.•••••••.•••.••••••••••••• 288.908,00 45.177,00 334.085,00 - - 334.085,00 306.648,20 27.436,80
Programa de Integração Social •.•......••.•..••.•••••••• 36.114,00 5.648,00 41.762,00 - - 41. 762,00 31.936,27 9.8 25,73

5. 660.723,00 891.555,00 6.552.278,00 2.150,00 254.582,66 6.804.710,96 6.277.240,37 527.470 ,29


- - -

V1
V1
V1
~

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA


COMPARATIVO ENTRE A DESPESA FIXADA E A REALIZADA
Delegacia Regional de Brasília (DRB)
Em 31 de dezembro de 1976

(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ALTERAÇÕES AUTORIZADAS


DESPESA
ESPECIFICAÇÃO SALDOS
Créditos REALIZADA
Inicial Total Destaques Suplemen tação Dotação
Suplementares

DESPESAS CORRENTES

Custeio

Pessoal ... ~ .................. OI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . to . . . . . . . . . . . . " ............................ 139.497,00 25.556,00 165.053,00 - - 165.053,00 155.003,00 10.050,00
Material de Consumo •.•.••••.•.••••.••....••••••••..•••• - - - - 1.106,68 1.106,68 1.106,68 -
Serviços de Terceiros ••••.••.••..•..•••.•••.•••••••.••• 29.000,00 16.000,00 45. 000 ,00 - - 45.000,00 34•460,94 10.539,06
Encargos Di versos ••.••••••••••••••••••••••..•••..•••••• 4.566,00 118,00 4.684,00 - - 4.684,00 4.374,96 309,04

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

Previdência Social •••••..•••••••••.•••••••••••••.•..••• 22.102,00 4.498,00 26.600.00 - - 26.600,00 23.121,27 3.478,73


Fundo Garantia Tempo Serviço •••..•..•...•. .•••••.•••••• 10.680,00 2.045,00 12.725,00 - - 12.725,00 12.645,84 79,16
Programa Integração Social .•.•.••••....•...•...•...••••• 1.334,00 256,00 1.590,00 - - 1. 590, 00 876,59 713 41
207.179,00 48.473,00 255. 6 52,00 - 1.106,68 256.758,68 231.5 89,28 25.169,40
BALANÇO PATRIMONIAL
Em 31 de dezembro de 1976
(Compreendendo as operações da Sede. CNF e EAESP)
CGC-MF 33.641.663/0001-~4
AT I VO PASSIVO
110 - DISPONíVEL 220 - EXIGIBILIDADES A CURTO PRAZO
111 - Caixa ..•.••.••••••••••••••••••••.•••••• 1. 98~. 505, 10 221 - Encargos a Pagar ••••••••••••.•••••••.•.. 8.634.286,65
112 - Caixa Econômica Federal •••••••••••••••• 99.700,00 222 - Contribuições e Desccntos a Pagar ••••••• 4.969.970,16
113 - Bancos CjMovimento •••.••..•.••••••••••. 8.952.394,17 223 - Fundo para Comercialização de Obras de Te!
11~ - Bancos C/Especiais •.•••••••.••••.•.•••• 19. 639.196,64
118 - Depósitos no Exterior .•••••••••.••••••• 3·312.434,04 33.988.229,95 ceiros ... ., ~ ......................... ".......... .. 3. 267.043,53
120 - REALIZÁVEL A CURTO PRAZO 224 - Créditos para Custeios de Bolsas •••••••• 1.068.559,01
121 - Bancos C/Prazo Fixo •••.••••..•.•.•••••. 198.814,52 225 - Fundo para Publicações •......••••••....• 3.802.742,53
122 - Tí tu108 de Renda ••••.••.•...••..•.•••.• 21.178.259,02 226 - Créditos para Custeios Diversos •••.•.••. 37.134.972,98
123 - Subvencionadores C/ a Receber .••.•.••.• 2.100,00 227 - Credores Diversos ••••.....••.•••..•••.•• 2.219.109,58
125 - Papel para Editoração •......•.••••••••• 194.69 2 ,47 228 - Fornecedores ..••••••••.•..•.•••.•.••.•••
126 - Livros em Estoques .•...•••••..••.••.••• 4.845.598,23 3.547.788,32
127 - Devedores Diversos •....•••••.•.•..••••• 3.734.102,9 6 229 - Diversas Exigibilidades ..•..•..•.•••.••. 562.246,46 65. 206 .719,22
128 - Clientes .............................. . 886.600,00
129 - Devedores por Faturas ..••....•.••.....• 1.413.975,82 32.454.143,02 230 - EXIGIBILIDADES A LONGO PRAZO
130 - REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 231 - Créditos para Construções e Reforma de Im.§.
131 - Devedores Contratuais •.••..•..••••••••. 180,00 veis .••.••••..••..•.••••••.•••...••.•••. 53.893.941,73
133 - Títulos de Renda Vinculados ••..•.••...• 4.155.687,45 233 - Fundo de Indenizações Trabalhistas •.•••. 4.621.807,29 58 .5 15.749,02
136 - DepÓsitos Especiais ................... . 59.859.000.36 64.014.867,81
140 - IMOBILIZADO 240 - INEXIGíVEL
141 - Instalações em Imóveis .•...••.••••.•••• 508.535,39
142 - Obrig.Reaj. do Tes.Nac. -Indisponíveis " 43 2 .963.935,52 241 - Patrimônio 53.006.43~,25
143 - Imóveis .............................. .. 32 .465.954,13 242 - Fundo de Obrigações Reajustáveis do Teso~
144 - Móveis ••.....••••.•.•.•••••••••••••.•.• 3.705.499,14 ro Nacional ............................. 432.963.935,52
145 - Máquinas •..•••••.•••...••.•..•••••••... 7.472.649,54 243 - Fundo para Depreciação de Bens Móveis e M~
146 - Veículos ••..•...••..••.•••••••...•.•.•• 369.749,81 quinas •............•••••.••••.•........•
1~7 - Bibliotecas ........................... . 2.592.2.31,04 13.156,38
148 - Almoxarifados ••••••.•••••••.••••.••.••• 2.122.412,56 244 - Fundo Operacional .•.•.......•.••...•.... 7.585.718,37
1~9 - Diversos Valores Imobilizados ••••••.••• 337·140,42 482.538.007,55 245 - Fundo p/Desenvol vimento de Pesquisas •••. 7.307.173,93
150 - IMOBILIZAÇÕES PATRIMONIAIS 246 - Fundo para Atividades Especiais ..•..•..• 18.126,25 500.89~.544,70
151 - Construções em Andamento •.•....•.•••••• 20.599.3 05,64
170 - PENDENTE
171 - DepÓsitos Judiciais •.••••.•.••.•••••••• 11.~48,00
270 - PENDENTE
173 - Débitos em Suspenso •...•....•.••••.•••• 604.338,98 615.786.98 273 - Crédi tos em Suspenso •••.•....•••••••..•. 2_.5'D~328, Dl
634.210.340,95 290 - COMPENSADO 634.210.340,95
190 - COMPENSADO
191 - Responsáveis pelo Fundo de Bolsas •••••• 3.753.721,79 291 - Fundo de Bolsas EAESP - Portaria 65/5 3.753.721,79
192 - Promitentes de Doações ••••...•••••••••• 361. 300,00 292 - Doações Prometidas .••••••••••••.•••••••• 361.300,00
193 - Depositários de Valores •••..••••••••••• 469.780.084,25 293 - Valores Depositados ........... _......... 469.780.084,25
194 - Responsáveis Diversos .......••••••••••• 11. 541.133. Dl 294 - Responsabilidades Diversas .•.••••.••..•• 11.541.133,01
195 - Contratos Diversos ..•...•...••••••••••• 46.178.436,36 295 - Obrigações Contratuais .•.•...••...... 46.178.436,36
"0

197 - Fundo de Pesquisas EAESP/FGV •..•.••••.• 53.180,32 297 - Fundo de Pesquisas EAESPjFGV .•..•.•.•.•• 53.180,32
199 - Imóveis Recebidos em Comodato ••••••.••• 6.660,00 531. 674 .515,73 299 - Compromissos por Comodato •• _............ 6.660,00 531.67~. 515.73
1. 165. 884.856,68
e1.165.884.856,68
____._~.s=__ s==.

G~JAMt{
Rio

Elysio Ponte Trevia


ERvrÇO DE CONTABILIDADE, SUBST.
~~
Roberto Hermeto C0rrêa da Costa
CRC -RJ 009.372-8 SUPERINTENDENTE GERAL
CPF-MF 024 857 537-68 \Jl
-.J
Vl
BALANÇO ECONÔMICO CP
Em 31 de dezembro de 1976
(Compreendendo as operações da Sede, CNF e EAESP)
CGC-MF 33.641.663/0001-44

RECEITA DESPESA

40 - RECEITAS CORRENTES 30 - DESPESAS CORRENTES


41 - Receita Patrimonial
41.1 - Receitas Imobiliárias 31 - Custeio
29 2 .559,02
41.2 - Receitas de Valores MObiliários ••.••• 27.806.396,21
41.9 - Outras Receitas Patrimoniais ••....... 31. 1 - Pessoal 120. 625.108,52
473.228,39 28.572.183,62
42 - Receita Operacional 31. 2 - Material de Consumo .••..•...••••••••• 5.737.742,9 0
42.1 - Receita de Assistência Técnica 485.524,83 31.3 - Serviços de Terceiros •.••••••.•.•••.• 14.155.781,42
42.2 - Receita de Pesquisa Sócio-EconOmica " 582.226,00
42.3 - Receitas de Órgãos Educacionais •••..• 31.4 - Encargos Diversos ................... . 34 .9 80 .516,73 175.499.149,57
27.688.066,25
42.4 - Receitas de SeI. e Oriento Profissional 46.479,5 0
42.5 - Receitas de Serviços de Publicações 5.540.459,78
42.9 - Receitas Operacionais Diversas 209.735.46 34·552.491,82
43 - Transferências Correntes
43.1 - Subvenções e Auxilios .•••••.••••••••• 109.200.000,00
43.2 - Doações e Contribuições '" .•.•••••••• 16.411.175,41 125.611.175,41
49 - Receitas Diversas
49.1 - Bonificações e Descontos Auferidos ••• 4.6n,77
49.2 - Receitas Eventuais .•••••••.•••••.•••. 870.293,36 32 - Transferências Correntes
49.9 - Outras Receitas Diversas ••..••••••••• 4.628.836,27 5.503.741,40
194.239.592,25
Transferência da Conta 241 - PatrimOnio para
cobertura do Deficit •.•.•••.••••••••••••••.•• 10.214.890,18 32.1 - Subvenções, Contribuições e Auxilios .. 28.955.332,86
204.454.482,43 204.454.482,43
80 - RECEITA VINCULADA
81.2 - Receita de Valores Mobiliários ••••••• 12.538.924,30
82.1 - Receita de Assistência Técnica ••••••• 9.818.886,50
82.2 - Receitas de' Pesquisas Sócio-EconOmicas 70 - DESPESA VINCULADA
27. 266.690,37
82.3 - Receitas de Órgãos Educacionais •..•.• 46.879.6 29,36
83.2 - Doações e Contribuições .•.••••••••••• 71.2 - Despesas de Natureza Especial 11. 588. 295, 66
8.960.133,45
82.4 - Receitas de SeI. e Orient.Profissional . 166.179.30 105.630.44 3.28 71.4 - Encargos de Natureza Especial 94.042.147,62 105.630.443.28
310.084.925,71 310.084.925,71

Rio de Janeiro, RJ, em 28 de janeiro de 1977

o 'M1j~
CHEFE DO
lysio Ponte Trevia
ERVIÇO DE CONTABILIDADE, SUBST.
CRC - RJ 009.372-8
ROb~tfbE
SUPERINTENDENTE GERAL
PF-MF 024 857 537-68
BALANÇO FINANCEIRO
Em 31 de dezembro de 1976
(Compreendendo as operações da Sede, CNF e EAESP)
CGC-MF 33.641.663/0001-44
RECEIT A OU ENTRADA DESPESA OU SAíDA

40 - RECEITAS CORRENTES 186.864.663,16 30 - DESPESAS CORRENTES 136.889.143,92


80 - RECEITA VINCULADA ..•....•..•..••••••.•••• 94.855·958,10 32 - TRANSFERÊNCIAS CORRENTES ....•••••..•••••.• 7.851. 387,94
REALIZAÇÃO DO ATIVO FINANCEIRO 50 - DESPESAS DE CAPITAL 201.673,96
122 - Títulos de Renda ••••.•.••••••..•••.•.•. 265.972.126,53 APLICAÇÃO FINANCEIRA
127 - Devedores Diversos ••.•.•••.••.••••.•••• 2.925.954,42 122 - Títulos de Renda .••.........•••..•.•.•.. 261. 443.883,30
128 - Clientes ............................... 3.457. 654,24 127 - Devedores Di versos .•.•..••.......•...•.. 1. 389.219,16
148 - Almoxarifado ......... .................. 20.286,86 272.376.022,05 143 - Imóveis .••..••.••...•.•..•..•••••....•.• 162.774,00
148 - Almoxarifado •••••....•.•.....••.•...•..• 237.259,98 26 3. 233.136,44
REALIZAÇÃO DO ATIVO EVENTUAL APLICAÇÃO DO ATIVO EVENTUAL
172 - Devedores por Adiantamentos •••••.•••..• 489.284,69 172 - Devedores por Adiantamentos .••.....•.•.• 3.512.059.10
173 - Débitos em Suspenso •..•.•.•••.•..••.•.• 80.859. 868,81 173 - Débitos em Suspenso .••••...••••.•..•..•• 86.459.170,74
179 - Diversos Valores Pendentes .••..•..•..•• 2.467,00 81. 351. 620, 50 177 - Suprimentos a órgãos Descentrali zados •.•. 19.1l5.612,63
179 - Diversos Valores Pendentes .....•....•..• 19·198,80 109.106.041,27
ASSUNÇÃO DO PASSIVO RESGATE DO PASSIVO
221 - Encargos a Pagar •.••••.•.••.••••••••••. 3.560,00 221 - Encargos a Pagar ..•••.••.•••......••.•.. 1.908.332 ,03
222 - Contribuições e Descontos a Pagar .••••• 17.856.282,34 222 - Contribuições e Descontos a Pagar •.•. "0 45.007.967,48
223 - Fundo p/ComerCialização de Obras de Ter-
223 - Fundo p/Comercialização de Obras de Terce!, ceiros •...•.••...•..•...•..•••....••..•• 839.134,06
ros ............................. ~ ........... ~ ........... ~ 106.260,76 224 - Créditos para Custeios de Bolsas •..••.••
6 •

17.784,00
224 -
Créditos para Custeios de Bolsas ••••..• 8.896,00 225 - Fundo de Publicações .•.••••...•..•.••••• 823.235,27
225 -
Fundo de Publicações •••••••••••.••••••. 194.9 28,88 226 - Créditos para Custeios Diversos .•••••••• 58 .351.491,9 6
226 -
Créditos para Custeios Diversos ••••••.• 8.024.233,03 227 - Credores Di versos •••.•••••••••...••..••• 10.390.384,42
227 -
Credores Diversos •••.•.••••.••••••••••• 1.170.389,92 228 - Fornecedores •••.•••..••...••••..••.••••• 17.584.332,31
229 -
Diversas Exigibilidades •..••••••••••••• 163.704,29 229 - Diversas Exigibilidades •••.•.••..••••.•• 220.541,55
273 Créditos em Suspenso ••.•.•••.••.••••••• 30.234.480,26
- 231 - Créditos p/Construções e Reforma de Imóveis 1.1 25.315,27
277 Recebimentos p/Conta de Órgãos Descentr~
- 273 - Créditos em Sus~enso .•..•• ~ ••.••..•..••• 928.450,76
1izados •••••••••••••••.••••.••••••••••• 23.415.455,57 277 - Recebimentos p/Conta de Órgaos Descentra-
279 - Valores Pendentes a Classificar •••••••• 6.080,40 81.184.271.45 lizados ••••...•••••••....••..•...••...•• 2.669.464,46 139.866.433.57
716.63 2 .535,26 657.147.817,10
SALDOS DO EXERCíCIO ANTERIOR SALDOS PARA O EXERCíCIO SEGUINTE
111 - Caixa ••.•..•.•••••••...•.•.••••••.•.••. 1.160.434,76 111 - Caixa ••••.••••••.•.....••••..•••......•• 1.984.505,10
112 - Caixa Econômica Federal •••••••...••••.• 2.883,80 112 - Caixa Econômica Federal •••••.•.••••.•••• 99.700,00
113 - Bancos CjMovimento ••• < ••••••••••••••••• 7.130.256,75 113 - Bancos CjMovimento ••••••.......•..•.•.•• 8.95 2 .39 4 ,17
114 - Bancos C/Especiais ••...••••.•••••.••••• 8.244.889 r 84 114 - Bancos C/Especiais .•...•••...••.....•.•• 19.639.196,64
118 - DepÓsitos no Exterior •••••.•••••.•••••• 918.946,32 118 - DepÓsitos no Exterior .••.•••.••...•.•••• 3.312.434,04
121 - Bancos C/Prazo Fixo •••••••.••••.••••••• 5.623.000,00 121 - Bancos C/Prazo Fixo ••••••.•....••.•..••• 198.814,52
136 - Depósitos Especiais ••.•••.••••••••••••. 11.480.915.20 34.561.326,67 136 - DepÓsitos Especiais .................... . 59.859.000.36 94.046.044,83
751.193.861,93 751.193.861,93
-.~ ...
_------~--

Rio de Janeiro, RJ, em 28 de janeiro de 1977

~~
~
J~V-auicL
ysio Ponte Trevia
CHEFE DO ÇO DE CONTABILIDADE, SUBST. Roberto Hermeto Corrêa da Costa
CRC-RJ 009.372-8 SUPERINTENDENTE GERAL V1
CPF-MF 024 857 537-68 '-O
BALANÇO PATRIMONIAL DA SEDE 0'\
O
Em 31 de dezembro de 1976
CGC-MF 33.641.663/0001-44
AT I VO PASSIVO
110 - DISPONtVEL 220 - EXIGIBILIDADES A CURTO PRAZO
111 - Caixa •••..•...••••••...••.•...........• 1. 263.541,18 221 - Encargo s a Pagar ......•••••....••...•••• 4.514.307,23
112 - Caixa EconÔmica Federal .•.••••••••.•••• 99.700,00 222 - Contribuições e Descontos a Pagar .•••..• 2.991. 356, 05
113 - Bancos C/Movimento .••..•..••••...•.•••• 6.888.387,84 223 - Fundo p/Comercialização de Obras de Ter-
114 - Bancos CjEspeciais .........•.••..•...•• 18.173.813,49 ceiros ......•...• •••• .••. ••....•.. .•••.• 3. 26 7.043,53
118 - Depósitos no Exterior •...•••....••..•.• 3.052.883,46 29. 478.325,97 224 - Créditos para Custeios de Bolsas ..•..••. 1.068.559,01
120 - REALIZÁVEL A CURTO PRAZO 225 - Fundo de publicações .................... 3.802.742,53
121 - Bancos C/Prazo Fixo ••••...••••••••••••• 198.814,52 226 - Créditos para Custeios Diversos .••.•.••• 29.382.616,44
122 - Titulos de Renda ..................... .. 21. 045. 732, 02 227 - Credores Diversos....................... 40.284,80
123 - Subvencionadores C/ a Receber •••.•••••• 2.100,00 228 - Fornecedores............................ 3.294.160,11
125 - Papel para Editoração •••••.....•..•.••• 194.692,47 229 - Diversas Exigibilidades .•.••.•.....•..•• 87.397,85 48.448.467,55
126 - Livros em Estoque .................... .. 4.845.598,23
127 - Devedores Diversos ••••••...••••.•.••.•• 1.994.824,29
128 - Clientes .............................. . 886.600,00 230 - EXIGIBILIDADES A LDNGO PRAZO
129 - Devedores por Faturas •.••.•...•.••••••• 1.413·975,82 30.5 82 .337.35 231 - Créditos p/Construção e Reforma de Imóveis 53.893.941.73
130 - REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 233 - Fundo de Indenizações Trabalhistas .•.••. 4.621.807.29 58.515·749,02
131 - Devedores Contratuais ..••••...•.•.••••• 60,00
133 - Titulos de Renda Vinculados .•.•..•••... 4.155.687,45
136 - DepÓsitos Especiais ..•......•....••..•. 59.859.000,36 64.014.747,81 240 - INEXIGíVEL
140 - IMOBILIZADO 241 - Patrimônio 52.692.664,13
141 - Instalações em Imóveis .•••.••••..•...•• 416.635,39 242 - Fundo de Obrigações Reajustáveis do Tesou
142 - Obrig.Reaj. do Tes.Nac. - Indispomveis • 432.963.935.52 ro Nacional ............................ ~ 432.963.935.52
143 - Imóveis •..•.•.•••..•.•••••.••••.•.••.•• 25.389.181,80 243 - Fundo para Depreciação de Bens Móveis e M~
144 - Móveis .••........•...•.....••.•••.•.•.• 2·980.233,19 quinas... •••••• •..••••.. •••......••.•..• 6.907.96
145 - Máquinas •...•....•••..•...•............ 5.611.335,22 244 - Fundo Operacional ....................... 7.585.718,37
146 - Veiculos .......•..•••••..•...••.....•.• 204.634,05 245 - Fundo p/DesenVOlvimento de Pesquisas •••• 7.307.173.93
147 - Bibliotecas .•...•.•...••••..•.•...•.•.• 1.941.403,03
148 - Almoxarifado •....•••...•.•••.•••.•••... 1.423.832,75 246 - Fundo para Atividades Especiais .••..••.• 18.126,25 500.574.5 26 ,16
149 - Diversos Valores Imobilizados •..•..•.•• 288.120,36 471. 219.311,31
150 - IMOBILIZAÇÕES PATRIMONIAIS
151 - Construções em Andamento 20.599.305,64
270 - PENDENTE
170 - PENDENTE
171 - Depósitos Judiciais .••..••.•••••.•.•••• 3.768,00 273 - Créditos em Suspenso ................... . 8.186.285,35
173 - Débitos em Suspenso .•...•.•..••.•..•.•• 203.085,87
177 - Suprimentos à Órgãos Descentralizados 22.446.771,77 22.653.625,64 278 - Resultado do Exercicio •.•••..••••••••••• 22.822.625.64 31.008.910,99
638.547.653,72 638.547.653.72
190 - COMPENSADO 290 - COMPENSADO
192 - Promitentes de Doações •..•......•.••••• 361.300,00 292 - Doações Prometidas ..••.••••...•.•.••..•• 361.3 00.00
193 - Depositários de Valores •..••••••••••••• 468.107.081,95 293 - Valores Depositados .••••.•.•.••.••.••.•• 468.107.081,95
194 - Responsáveis Diversos ••••...••.•••.•••• 9.952.231,46 294 - Responsabilidades Diversas •..•.••...•••• 9.952.231,46
195 - Contratos Diversos ••••••••.•••••••••••• 46.178.436,36 524.599.049,77 295 - Obrigações Contratuais .••••••••.•.•••••• 46.178.436.36 524.599.049,77
1.163. 146.7 03,49 1.163.146.703,49

.~p.Lo Jo-4i, f~
~
Rio de
ysio Ponte Trevia
CHEFE DO ÇO DE CONTABILIDADE, SUBST.
CRC-RJ 009.372-8 Roberto Hermeto Corrêa da Cost
CPF-MF 024 857 537-68 SUPERINTENDENTE GERAL
ESCOLA DE ADMPHS'J:1RAÇÀO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO
(alínea a do Art. 31 dos Estatutos)
Balanço Patrimonial
Em 31 de dezembro de 1976
A T I V O P AS S I VO
110 - DISPONíVEL 220 - EXIGIBILIDADES A CURTO PRAZO
111 - Caixa .•.••••...•••••••••• 720·553,94 221 - Encargos a Pagar •••.••••• 4.118.233,80
113 - Bancos Conta Movimento ••• 1. 504. 813, 66 222 - Contribuições e Descontos
114 - Bancos Contas Especiais •• 1.465·383,15 a Pagar................. 1.976.180,88
118 - Depósitos no Exterior ••.• g22..55~ 3.950.301,33 226 - Cr~ditos p/CusteiOS DiveE
so !lo
7·752 -356,54
•••••••••••••••••••••

120 - REALIZÁVEL A CUR'J.10 PRAZO 227 - Credores Diversos •••••.• 2.178.041 ,78
122 - Ti tulos de Renda .•.•.•••• 132.527,00 228 - Fornecedores •..••..••••• 252.006,75
127 - Devedores Diversos ••.••.• 1.321·491,66 1. 454. 018, 66 229 - Diversas Exigibilidades 474.848,61 16·751.668,36
130 - REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 240 - INEXIGíVEL
131 - Devedores Contratuais .••• 120,00 241 - Patrim;nio .••••••••.•••. 252.691,72
140 - IMOBILIZADO 243 - Fundo p/DepreCiação de
141 In~talações em Imóveis 91.90 0 ,00 Bens Móveis . . . . . . . . . . . . 2.287,13 254·978,85
143 I~ove is . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6·555·300,59
270 - PENDENTE
144 Move is .................. . 693.783,67 27 3 Cr~di tos em Suspensos 1.233·431,00
145 Máquinas .••••.••..•••.••• 1. 789. 906,16 277 - Suprimentos do Órgão Cen-
146 Veiculos ••••.••.••••••••. 72.653,39 traI .................. . 15·593.853,14 16.827.284,14
147 Biblioteca •••••••.••••..• 615·157,11
148 Almoxarifado ••••••••.•.•• 509·792,30 10.328·493,22
170 - PENDENTE
171 - Depósitos Judiciais •••••• 7.680,00
173 - D~bitos em Suspenso •••••• 401.214,71
178 - Resultado do Exercicio ••• 1].692.103,43 18.100·998,14.
33.833.931,35 290 - COMP8lNSADO 33.833·931,35
190 - COMPENSADO 291 - Fundo de Holsas EAESP -
191 - Respons,9,vel p/Fundo de Bol Portaria 65/5 ••.•••••.• 3·753·721,79
sas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3-753-721,79 293 - Valores Depositados •.•.• 642.639,30
193 - Depositários de Valores.. 642.639,30 294 - Responsabilidades Diversas 1.588.9 0 1,55
194 - Responsáveis Diversos •.•• 1.588.9 01,55 297 - Fundo de Pesquisas EAESP/
197 - Fundo de Pesquisas EAESP/FGV 53. 180,32 FGV ..••..•.••••••••.••. 53.180,32
199 - Imóveis Recebidos em Como- 299 - Compromissos em Comodato . 6.660,00 6.045.102,96
dato ...... 6.660,00
o ••••••••••••• 6.045·102,96
39·879·034,31 39·879·034,31
==========:::== ==============
são Paulo, 26 de janeiro de 1977
ALVINA ALVARES ALAIN FLORENT STE1'IPFER
T~cnico em Contabilidade Subdiretor Administrativo
CRC - SP - 78202 CPF - 021765138
0\
CPF - 294067148 ~
COLÉGIO NOVA FRIBURGO ~
f\)

Balanço Patrimonial
Em 31 de dezembro de 1976

(alinea ~ do Art. 31 dos Estatutos)

ATI VO PASSIVO

110 - DISPONíVEL 220 - EXIGIBILIDADES A CURTO PRAZO


111 - Caixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . 409,98 221 - Encargos a Pagar ••...•.• 1.745,62
113 - Bancos c/Movimento •••••. 559·192,67 559·602,65 222 - Contrib. e Descon~os a Pa
gar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2·433,23
120 - REALIZÁVEL A CURTO PRAZO 227 - Credores Diversos ••.•••. 783,00
127 - Devedores Diversos ••••• 4 17.787,01 228 - Fornecedores ••••.•••.••• 1. 621246 6.583,3 1
140 - IMOBILIZADO 240 - INEXIGfVEL
143 Im~veis .••.•••••.••••• 521.471,74 241 - Patrimonio .•••..••..••••• 61.078,40
144 Móveis ............... . 31. 482,28 243 - Fundo p/Deprec. de B e n s
145 Máquinas •.••••.••••••. 71.408,16 M~veis e Máquinas ••••••• 3.2 61 2 22 65·039,69
146 Veiculos •••••••.•••••• 92·462,37 270 - PENDENTE
147 Bibliotecas •••••.••.•• 35·570,90 273 - Créditos em Suspenso •••• 173.611,66
148 Almoxarifado ••••.••..•• 188.787,5 1
149 Diversos Valores Imobili 277 - Suprimentos do Órgão
zados ................ . 49.020.06 990.203,02 Central ................ 6.852.2 18 2 63 7·026·530,29
170 - PENDENTE
173 - Débitos em Suspenso •••• 38,40
178 - Resultado do Exercicio 5.130.522 2 21 5.130.560.61
7·098.153,29
190 - COMPENSADO 290 - COMPENSADO 7·098.153,29
193 - Depositários de Valores 1.030.363.00 293- Valores Depositados 1.030.363.00
8.128·516,29 8.128·516,29
============ ============

Nova Friburgo, 10 de janeiro de 1977

(a) ILZA MACHADO VICTOR (a) AMAURY PERElliA MUNIZ


Téc. em Contabilidade Reg. CRC - RJ 2.4796 Diretor do CNF
CPF - 035091507 CPF 014000617
BALANÇO ECONÔMICO DA SEDE
Em 31 de dezembro de 1976
CGC-MF 33.641.663/0001-44

RE CE I T A DESPESA

40 - RECEITAS CORRENTES 30 - DESPESAS CORRENTES


41 - Receita Patrimonial
41.1 - Receitas Imobili~rias •••••••••••••••• 31 - Custeio
292.559,02
41.2 - Receitas de Valores Mobiliários .••••• 27.806.396,21
41.9 - Receitas patrimoniais Diversas ..••••• 466.311,66 28.565. 266,89 31.1 - Pessoal 88.124.545,04
42 - Receita Operacional 31.2 - Material de Consumo .•••.•••••••.•••••• 3.788.750,99
42.1 - Receitas de Assistência Técnica 252.343,01 31.3 - Serviços de Terceiros .••••.•••.•.••••• 9.925.462,52
42.2 - Receitas de Pesquisas Sócio-EconOmicas 582.226,00
42.3 - Receitas de Órgãos Educacionais •.•••• 3.665.121,40 31.4 - Encargos Diversos ••••.•.••..•••....• ~. 33.307.744,59 135.146.503,14
42.4 - Receitas de Seleção e Orientação Pro-
fissional .•.••••••.••..•••.•••••••••• 46.479,50
42.5 - Receitas de Serviços de Publicações 5.540.459,78
42.9 - Receitas Operacionais Diversas 209.735,46 32 - Transferências Correntes .
10.296.365,15
43 - Transferências Correntes 32.1 - Subvenções, Contribuições e Auxílios .• 21.904.635,75
43.1 - Subvenções e Auxílios ..••••.•••••.••. 109.200.000,00 157.051.138,89
43.2 - Doações e Contribuições .••••••.•.•••. 16.411.175,41 125. 611.175,41
49 - Receitas Diversas
49.1 - Bonificações e Descontos Auferidos "0 4.611,77
49.2 - Receitas Eventuais ••.•••.•••••••••••• 573.6 85,88
49.9 - Outras Receitas Diversas ••.••••••••.• 4.607.769,25 5.186.066,90 Resul tado do Exercício .••••••.••••.••••.....• 12.607.735,46
169. 658.874,35 169.658.874,35
80 - RECEITA VINCULADA
81.2 -
Receita de Valores MObiliários .•••••. 12.538.924,30
82.1 -
Receitas de Assistência Técnica ••••.• 9. 818.886,50
82.2 -
Receitas de Pesquisas Sócio-EconOmicas 27. 26 6.690,37 70 - DESPESAS VINCULADAS
82.3 -
Receitas de Órgãos Educacionais ••••.• 26.595.854,36
82.4 -
Receitas de Seleção e Orientação Pro-
71.2 - Despesas de Natureza Especial 11.588.295,66
fissional .•••.••••••...•••••••••.•••• 166.179,30
83.2 - Doações e Contribuições •.•••••••••••• 8.960.133,45 85.346.668,28 71.4 - Encargos de Natureza Especial 73·758.372,62 85.346.668,28
255.005.542,63 255.005.542,63

Rio de Janeiro, RJ, em 28 de janeiro de 1977

~
~ 1~ o-witL
CHEFE DO
lysio Ponte Trevia
VIÇO DE CONTABILIDADE, SUBST.
CRC - RJ 009.372-8
~~
Roberto Hermeto Corrêa da Costa
SUPERINTENDENTE GERAL
CPF-MF 024 857 537-68 0'\
\..JJ
ESCOLA DF ADM:lN iSrrRAçÂO DJ:<, EAl-RESASPE sAo PAULO )'1

+'"
Balanço Econômico
Em 31 de dezembro de 1976
(alínea b do Art. 31 dos Estatutos)

RECEITA DESPESA

40 - RECEITAS CORRENTES 30 - DESPESAS CORRENTES


41 - Receitas Patrimoniais 31 - Custeio
41.9 - Receitas Patrimoniais Di 31.1 - Pessoal •....•...•. 28.632.367,61
vers as ............... . 6.9 16 ,73 31.2 - Material de Consumo 915·524,45
42 - Receitas Operacionais 31. 3 - Serviços de Terceiros 3·943.666,66
31.4 - Encargos Diversos •• 1·515·514,47 35·007·073,19
42.1 Receitas de Assistência
T~cnica ••.•••••••••••• 233.181,82
42.3 - Receitas de Órgãos Educ~ 32 - Transferências Correntes
cionais ............... . 22·975.632,11 23.208.813,93
32.1 - Subvenções e Contri-
49 - Receitas Diversas buições e Auxilios 6.119·029,98
49.2 - Receitas Eventuais 218.269,08
23·433·999,74
Resultado do Exercício • 17.692.103,43
41.126.103,17 41.126.103,17

80 - RECEITAS VINCULADAS 70 - DESPESAS VINCULADAS


82.3 - Receitas de Cursos Espe- 71.4 - Encargos de Natureza
ciais ................ . 20.283·775,00 Especial .•........ 20.283.775,00
61·409·878,17 61.409·878,17
==~.. ::;======== =============

são Paulo, 26 de janei.:'o de 1977

(a) ALVINA ALVARES (a) ALAIN FLOREST STEMPFER


Técnico em Contabilidade Subdiretor Administrativo
CRC - SP 78202 CPF - 021765138
CIC - 294067148
COLÉGIO N OV A FRIBURGO

Balanço Econômico

Em 31 de dezembro de 1916

(alinea b do Art. 31 dos Estatutoz)

RECEITA DESPESA

42 - RECEITA OPERACIONAL 30 - DESPESAS ~ORRENTES

42.3 - Receitas de Órgãos Edu- 31 - Custeio


cacionais •••••••••••• 1. 047 -312 , 74 31.1 - Pessoal •........• 3.868.195,87
31.2 - Material de Consumo 1.033·467,46
49 - RECEITAS DIVERSAS 31.3 - Serviços de Tercei
ros ............ . 286.652,24
49.2 - Receitas Eventuais 18 .338,40 31.4 - Encargos Diversos 157.257,67 5.345.573,24
49.9 - Outras Receitas Diver-
s as ................ . 21.061,02 99.405,42 32 - Transferências Corren-
tes
1.146·718,1.6
Resultado do Exercicio 5·130·522,21 32.1 - Subvenções, Contri-
buições e Auxilios 931. 667,13
6.277·240,37 6.277·240,37
.==-= ••••••• ============

Nova Friburgo, 10 de janeiro de 1977

(a) ILZA MACHADO VICTOR (a) AMAURY PEREIRA MUNIZ


Técnico em Contabilidade
Diretor do CNF
Reg. CRC - RJ 2.4196
CPF - 035091501 CPF - 014000617

0\
\J1
BALANÇO FINANCEIRO DA SEDE 0'\
0'\
Em 31 de dezembro de 1976
CGC-MF 33.641.663/0001-44
RECEITA OU ENTRADA DESPESA OU SA1DA
40 - RECEITAS CORRENTES 164.053. 858,46 30 - DESPESAS CORRENTES 104.324.028,97
80 - RECEITA VINCULADA .•..........••••.•.•••.• 74.572.183,10 32 - TRANSFERÊNCIAS CORRENTES ............•.•••• 7.851. 387,94
REALIZAÇÃO DO ATIVO FINANCEIRO 50 - DESPESAS DE CAPITAL 200.753.96
122 - Títulos de Renda .•..••••..•.••••••...•• 265.972.126,53 APLICAÇÃO FINANCEIRA
127 - Devedores Diversos .•.•......•••••.•••.• 1.402.989,01 122 - Títulos de Renda ........................ 261.443.883,30
128 - Clientes............................... 3.457.654,24 270.83 2 .769,78 127 - Devedores Diversos ............... ....... 794.807,17
143 - Imóveis ........... ".................... 162.774,00
REALIZAÇÃO DO ATIVO EVENTUAL 148 - Almoxarifado............................ 16.040,97 262.417.505,44
172 - Devedores por Adiantamentos .••..••••••• 476.398,92
APLICAÇÃO DO ATIVO EVENTUAL
173 - Débitos em Suspenso .... ".............. 80.705.556,66
179 - Diversos Valores Pendentes .....•.. ..•.• 2.467,00 172 - Devedores por Adiantamentos ..... ........ 3.089.573,14
81.184.422,58
173 - Débitos em Suspenso ..................... 85.319.464,74
177 - Suprimentos a Órgãos Descentralizados .... 19.115.612,63
ASSUNÇÃO DO PASSIVO 179 - Diversos Valores Pendentes ...... .... ...• 19.198,80 107.543·849,31
RESGATE DO PASSIVO
221 - Encargos a Pagar ......... ".. .......... 3.560,00 221 - Encargos a Pagar ...... , ...... , .......•.. 1.225.433,67
222 - Contribuições e Descontos a Pagar •.•••• 17.401.687,64 222 - Contribuição e Descontos a Pagar """" 31.145,470,71
223 - Fundo p/Comercialização de Obras de Ter- 223 - Fundo p/ComerCialização de Obras de Ter-
ceiros •.•..•••••••••••••..•••••••••••.• 106.260,76 cei ro s ... ~ ........... , ,. ~ ...... t ... ~ ~ ~ • " ..... ~ ~ ~ 839.134,06
225 - Fundo de Publicações .•.••.••.•••••••••• 194.928,88 224 - Créditos para Custeios de Bolsas .••..•.• 8.888,00
226 - Créditos para Custeios Diversos ••••.••• 327.495,88 225 - Fundo de Publicações .....•..........•.•• 823.235,27
227 - Credores Diversos ••••.•••.••••••••••••• 265.051,62 226 - Crédi toos para Custeios Diversos ..•...... 47.145.896,01
229 -.Diversas Exigibilidades ••••.•.••••••••• 163.704,29 227 - Credores Diversos ..••...............•..• 276.810,65
273 - Créditos em Suspenso .••.•....•••••••••• 28.116.347,82 228 - Fornecedores •...•.................•..... 14.782,441,30
277 - Recebimentos p/Conta Órgãos Descentrali- 229 - Diversas Exigibilidades ..........•...•.. 220.541,55
zados ••••.•.••••••••.••.••••••.•••••••• 367.993,77 231 - Credo p/Constr. e Ref. de Imóveis .....•• 1. 12 5.315,27
279 - Valores Pendentes a Classificar •••.•••• 6,080,40 46.953.111,06 273 - Créditos em Suspenso ...••••..........•.. 224.331,26 97. 817.497.75
637.596.344,98 580.155.023,37
SALDOS
111 -
DO EXERCíCIO ANTERIOR
Caixa •.••..••.••••.•••.••.•••••.•••••••
SALDOS °
PARA EXERCíCIO SEGUINTE
780 • 846,99 111 - Caixa ••••...•.....•••.•.........•....••• 1. 26 3.541,18
112 - Caixa Econômica Federal ••••.•.•..•••••• 2.883,80 112 - Caixa Econômica Federal •••.....••.•..••• 99.700,00
113 - Bancos CjMovimento .•.. " •..••••.•.•••••. 6.254.005,96 113 - Bancos CjMovimento ............•..•.•.• ,. 6.888.387,84
114 - Bancos C/Especiais .•••..•••..•••••••••• 7.245.73 2 ,12 114 - Bancos CjEspeciais .•.•.. , •..•.....•.••• , 18.173.813,49
118 - Depósitos no Exterior .••..•••..••••.••• 707.435,17 118 - Depósitos no Exterior ....•.....•.••••• ,. 3.052.883,46
121 - Bancos C/Prazo Fixo ••••••••.••••••••••• 5.623.000,00 121 - Bancos C/Prazo Fixo ..•...........•..•.•• 198.814,52
136 - Depósitos Especiais ••• '......•..••••••.• 1l.480.915,20 32.094.819,24 136 - DepÓsi tos Especiais ................ , ... . 59. 859.000,36 89.536.140,85
669. 691.164,22 669.691.164,22

Rio de Janeiro, RJ, 28 de janeiro de 1977

(ltó 1~~TtL,
~~
~ ysio Ponte Trevia
CHEFE DO S IÇO DE CONTABILIDADE, SUBST.
RC - RJ 009.372-8
CPF-MF 024 857 537-68
Roberto Hermeto Corrêa da Costa
SUPERINTENDENTE GERAL
ESCOLA DE ADM[NISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SAO PAULO
Ba1êY1-ço ]'inanceiro
Em 31 de dezembro de 1976
(alínea ~ do Art. 31 dos Estatutos)
R"E,cEITA OU ENTRADA DESPESA OU SAíDA

40 - RECEITAS OORRENTES 22.062.074,49 30 - DESPESAS CORRENTES 28.058.315,98


APLICAÇÃO FINANCEIRA
80 - RECEITAS VINCULADAS 20.283·775,00
127 - Devedores Diversos 456. 6 76,75
REALIZAÇÃO DO ATIVO FINANCEIRO
APLICAÇÃO DO ATIVO EVENrUAL
127 - Devedores Diversos •••••• 1.319·628,68 172 - Devedores p/AdiantaroeQ
REALIZAÇÃO DO ATIVO EVENTUAL
tos ............... . 302.173,73
173 - Débitos em Suspenso. 858.908,65 1.161.082,38
172 - Devedores por Adiantaroen-
tos .................. . 3·750,00 RESGATE DO P AS S rITo
173 - Débitos em Suspenso 102.040,49 105·790,49 221 - Encargos a Pagar 677·968,36
222 - Contribuições e Desco!!,
ASSUNÇÃO DO PASSIVO tos •••••••••••••••• 12.808.296,67
222 - Contribuições e Descontos 8.475,37 224 - Créditos p/CusteiOS de
224 - Créditos p/Custeios de Bolsas .......•.•..• 8.896,00
BoIs as ............... . 8.896,00 226 - Créditos p/CusteiOS Di
226 - Créditos p/Custeiso Di- vers os ............ . ll. 205.595,95
'versos ............... . 7.696.737,15 227 - Credores Diversos ••• 9·795·492,06
227 - Credores Diversos •••••• 710.626,65 228 - Fornecedores •••••••• 2.130 .350,68
273 - Créditos em Suspenso 1.805.916,29 273 - Créditos em Suspenso 523.438,7 0
277 - Suprimentos do Órgão Cen- 277 - Suprimentos p/Conta
traI ................. . 17. 002 .202,32 27·232.853,78 do Órgão Central ..• 2.636.301,46 39·786.339,88
SALDOS PARA O EXERCíCIO SEGUINTE
SALDOS DO EXERCíCIO ANTERIOR
111 - Caixa .............. . 720·553,94
111 - Caixa .................. . 378.9 16 ,32 113 - Bancos Conta Movimen to 1·504·813,66
113 - Bancos Conta Movimento •• 819. 008,69 114 - Bancos ContaMovimento 1.465 -383,15
114 - Bancos Contas Especiais 999· 157,72 118 - Depósitos no Exterior 259·550,58 3· 950.301,33
118 - Depósitos no Exterior ••• 211.511,15 2.408.593,88 73.412·716,32
73.412·716,32 =============
========:.:====

são Paulo, 26 de janeiro de 1977


(a) ALVINA ALVARES (a) ALAIN FLORENT STEMPFER
Técnico em Contabilidade Subdiretor Administrativo
CRC - SP 78202
CPF - 294067148 CPF 021765138 0\
-.J
COLÉGIO NOVA FRIBURGO 0\
CP
Balanço Financeiro
Em 31 de dezembro de 1976
(alinea c do Art. 31 dos Estatutos)
RECEITA OU ENTRADA DESPESA OU SAíDA -

40 - RECEITAS CORRENTES 748.730,21 30 - DESPESAS CORRENTES 4·506·798,97


REALIZAÇÃO DO ATIVO FINANCEIRO 50 - DESPESAS DE CAPITAL 920,00
127 - Devedores Diversos .••. 2030336,73 APLICAÇÃO FINANCEIRA
148 - Almoxarifado •••••••••• 20.286,86 223.623,59 127 - Devedores Diversos 137·735,24
REALIZAÇÃO DE ATIVO EVENTUAL
148 - Almoxarifado ..••••.•• 221. 219,01 35 8 .954,25
APLICAÇÃO DO ATIVO EVENTUAL
172 - Devedores p/Adiantamen-
to .................. . 9·135,77 172 - Devedores p/Adiantamen
173 - Débitos em Suspenso 52.271,66 61·407,43 to ................. . 120·312,23
173 - Débitos em Suspenso 280.797,35 401.109,58
ASSUNÇÃO DO PASSIVO RESGATE DO PASSIVO
222 - Contribuições e Descon- 221 - Encargos a Pagar 4·930,00
tos a Pagar •.••..•••• 446.119,33 222 - Contribuições e Descon
227 - Credores Diversos ••••• 194·711,65 tos a Pagar ••...• , •. 1.054·200,10
273 Créditos e~ Suspenso •• 312.216,15 227 - Credores Diversos .••• 318.081,71
277 Receb. p/C. Órgãos Des- 228 - Fornecedores ••..••••. 671.540 ,33
centralizados ••..•.•• 6.045.259,48 6.9980306,61 273 - Créditos em Suspenso 180.680,80
277 - Receb. p/C. Órgãos ne~
8.032.067,84 centralizados ••...•• 33.163,00 2.262.2,95,94
SALDOS DO EXERCíCIO ANTERIOR 7· 5300378, 74
SALDOS PARA O EXERCíCIO SEGUINTE
111 - Caixa •.•••••••.••••••• 671,45
113 - Bancos c/Movimento •.•• 57·242,10 57.9 13,)5
111 - Caixa 409,9 8
113 - Bancos c/Movimento •.•• 559.192,67 559.602,65
8.089·981,39 8.089·981~39
=a.=~==::====== ============

Nova Friburgo, 10 de janeiro de 1977


(a) ILZA MACHADO VICTOR (a) AMAURY FERREIRA MUNIZ
Técnico em Contabilidade
Diretor do CNF
Reg. CRC-RJ 2.4796
CPF - 014000617
CPF - 035091507
BSCOLA DE AI'lf.INJSTllAIiÀO lJE El\lP~{ES.fu'3 DE SÃO PAULO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

FUNDO DE BO LSAS EAESP IFGV

Bal&~ço Patrimonial em 31 de dezembro de 1976

ATIVO PASSIVO

110 - DISPONívE L 240 - INEXIGívEL

111 - Caixa •••••••••••••••• 16·901,65 247 - Fundo de Bolsas


113 - Bancos Conta Movimento 408.743,73 425·645,38 Portaria 65/05 FGV

Saldo Anterior •••••• 3.122.993,5 8


130 - REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
Saldo do Exercício •• 630.728,21 3·753·721,79
132 - Títulos de Renda •••••• 1.293.319,60
136 - TítuloS a Receber ••••• 2.034·756,81 3.328.076,41
290 - COMPENSADO
190 - COMPENSADO
294 - Responsabilidades Di-
194 - Responsáveis Diversos 317.946,97 vers as . . . . . . . . . . . . . 317·946,97
4·071.668,76 4.071.668,7 6
====-======= =-===:;:::=-====

são Paulo, 26 de janeiro de 1977

(a) ALVINA ALVARES (a) ALAIN FLORENT STEMPFER


Técnico em Contabilidade Subdiretor Administrativo
CRC - SP' 78202
CPF - 294067148 CPF - 021765138

0'\
~
ESCOL}. DE ADMINIS'I'HAÇiO DE EMPRESAS DE SÃO PAUID - -J
r-

FUNDAÇAO GETÚLIO VARGAS


FUNDO DE BOLSAS EAESP jFGV

Balanço Econômico em 31 de dezembro de 1976

RECEITA DESPESA

400 - RECEITAS CORRENTES 300 - DESPESAS CORRENTES

430 - Transferências Correntes 310 - Custeio

433 - Doações e Contribllições 16.910,00 314 - Encargos Diversos ••• 8·415,14

490 - RECEITA? EVENTUAIS RESULTADO DESTE EXERCíCIO

Transferido para o Fundo de


492 - Rendas Diversas ••••••• 622.233,35 Bolsas, Portaria 65/05, da
FGV •..•.•.•••.••...••••.•• 630.728,21
639. 143,35 639·143,35
=====~==== ==========

são Paulo, 26 de janeiJ:"o de 1977

(a) ALVINA ALVARES (a) ALAIN FLORENT STEMPFER


Técnico em Contabilidade Subdiretor Administrativo e
CRC - SP 78202 Administrador do Fundo de Bolsas EAESP / FGV
CIC - 294067148 CPF - 021765138
ESCOLA DE ADM1NISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

FUNDO DE BO LSAS EAESP!FGV

Balanço Financeiro em 3l de dezembro de 1976

RECEITAS OU ENTRADAS DESPESAS OU SAíDAS

40 - RECEITAS CORRENTES 605.291,34 DESPESAS CORRENTES 8.4 15,14

REALIZAÇÃO DO ATIVO FINANCEIRO APLICAÇÃO FINANCEIRA

136 - TíTULOS A RECEBER 1.069·096,24 132 - Titulas de Renda 1.000.000,00


136 - Titulos a Receber 1.283.758,08 2.283.758,08
ASSUNÇÃO DO PASSIVO RESGATE DO PASSIVO
273 - Créditos em Suspenso 500,00 273 - Créditos em Suspenso 500,00
SALDO DO EXERCíCIO ANTERIOR
111 - Caixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27·284,42 °
SALDOS PARA EXERCíCIO SEGUINTE
113 - Bancos c/Movimento ••••• 1.016.146,60 1.043.431,02 111 - Caixa •••.••••.••••••• 16.901,65
113 - Bancos c/MOVimento •.• .4,08.743,73 425. 645,38
2 • 7 18. 318, 60 2.7 18.3 18,60
============ ============

são Paulo, 26 de janeiro de 1977

(a) ALVINA ALVARES (a) ALAIN FLORENT STEMPFER


Técnico em Contabilidade Subdiretor Administrativo e
CRC - SP - 78202 Administrador do Fundo de Bolsas EAESP/FGV
CIC - 294067148 CPF - 021765138

-.J
1-'
ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO --J
1'0

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

FUNDO DE PESQUISAS EAESP/FGV

DEMONSTRATIVO DA RECEITA E DESPESA

Em 31 de dezembro de 1976

RECEITA DESPESA

40 - RECEITAS CORRENTES 30 - DESPESAS CORRENTES

31 - Custeio
43 - Transferências Correntes
31.1 - Pessoal ....•.•.... 44-32 6 ,15
43.3 - Doações e Contribuições 2-3 0 3.741,84 31.2 - Material de Consumo 5. 049,75
31.3 - Serviços de Tercei-
ros •• ••••• •••• •••• 1.979.492,50
31.4 - Encargos Diversos •• 2.996,36 .2..• .0.31.864,7 6

32 - Transferências Correntes
32.1 - Contribuições Diver-
s as .............•. 218.696,76
2.250·561,52

Resultado do Exercí-
cio Anterior •••••• 77.46 4,65
Saldo deste Exercí-
cio ••.•••••.••••• (-) 24.284,33 53.180,32
2 -303.741,84 2.303.741,84
============ ==:;:;=======~=

são Paulo, 26 de janeiro de 1977

(a) ALVINA ALVARES (a) ALAIN FLORENT STEMPFER


Técnico em Contabilidade Subdíretor Administrativo
CRC - SP 78202 CPF - 021765138
CPF - 294067148
ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO
FUNDAÇÃO GETúLIO VARGAS
FUNDO DE PESQlnSAS EAESP/FGV

Balanço Financeiro

Em 31 de dezembro de 1976

RECEITA OU ENTRADA DESPESA OU SAíDA

40 - RECEITAS CORRENTES 531.521,67 APLICAÇÃO DO ATIVO EVENTUAL

173 - Débitos em Suspenso 2.000,00


SAlDOS DO EXERCíCIO ANTERIOR
RESGATE DO PASSIVO
111 - Caixa ............... . 2.871,00
113 - Bancos c/Movimento ••• 147.867,36 150.738,36 227 - Credores Diversos ..... 589·049,69
SALDOS PARA O EXERCíCIO SEGUINTE
111 - Caixa ................. . 11. 935,00
113 - Bancos c/Movimento •••• 79·275,34 91. 210,34
682.260,03 682.260,03
=========-= ==1=======

são Paulo, 26 de janeiro de 1977

(a) ALVINA ALVARES (a) ALAIN F LOREN'll STEMPFER


Técnico em Contabilidade
CRC - SP 78202 Subdiretor Administrativo
CPF - 29406748 CPF - 021765138

--l
VJ
ATAS E PARECERES
ATA DA 293' SESSÃO ORDINÁRIA
DO CONSELHO DIRETOR DA FUNDA
çÃO GETULIO VARGAS, REALIZA=
DA A 23 DE DEZEMBRO DE 1976.

Aos vinte e três dias do mês de dezembro do ano de mil novecentos e


setenta e seis, em sua sede, à Praia de Botafogo n Q 190, nesta cidade do Rio de
Janeiro, capital do Estado do Rio de Janeiro, reuniu-se, ordinariamente, de co~

formidade com a alínea ~ do artigo 17 dos Estatutos, o Conselho Diretor da Fun-


dação Getulio Vargas, presidido por seu Presidente, Doutor Luiz Simões Lopes,
com a presença dos Senhores Conselheiros Carlos Medeiros Silva, Eugênio Gudin,
Isaac Kerstenetzky, José Joaquim de sá Freire Alvim e Octavio Gouvêa de Bulhões.
"
Justificaram as ausencias, por impedimento devido a compromissos anteriormente
assumidos, o Conselheiro Jorge Oscar de Mello Flôres, Vice-Presidente, e, por
motivo de saúde, o Conselheiro Alberto sá Souza de Britto Pereira. Esteve pre-
sente, de acordo com o artigo 23 dos Estatutos, o Doutor Roberto Hermeto Corrêa
da Costa, Superintendente Geral. ATA DA SESSÃO ANTERIOR - Por ter sido levada,
antecipadamente, ao conhecimento dos Senhores Conselheiros, foi dispensada a lei
tura da Ata da Sessão Ordinária anterior, a 292', realizada a 26 de outubro de
1976, a qual - considerada, unanimemente, aprovada - foi devidamente assinada.
INSTALAÇÃO DE AR CONDICIONADO E OBRAS COMPLEMENTARES DO EDIFíCIO-SEDE - O Se-
nhor Presidente comunicou que foi prooedida, de acordo com orientação observada
tradicionalmente na Fundação Getulio Vargas, a tomada de preços para as obras
de instalação de ar condicionado e outras de adaptação no 10Q andar do Edifí-
cio-Sede, onde funciona a Escola de Pós-Graduação em Eoonomia. O Relator, Cons~
lheiro Jorge Oscar de Mello Flôres, Vice-Presidente, apresentou seu pareoer so-
bre o assunto, que foi lido, em sua ausência e por sua sugestão, pelo Superin-
tendente Geral, Doutor Roberto Hermeto Corrêa da Costa. O Conselho aprovou, por
unanimidade, o parecer, com os esclarecimentos complementares apresentados pelo
Superintendente Geral, assim oomo as providências adotadas pela Administração
Superior, autorizando, ipso facto, as despesas previstas, e homologando a sele -
ção processada de acordo com a tomada de preços. ORÇAMENTO E PLANOS DE TRABALHO
DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS PARA O EXERCíCIO DE , 1977 - O Conselheiro Octavio Gou
vêa de Bulhões, Relator da matéria, apresentou seu parecer, em que analisou as
estimativas da receita e da despesa, bem como os ~lanos de trabalho constantes
da proposta órçamentária para 1977. Essa proposta já havia sido distribuida aos
Senhores Conselheiros, consubstanciada em dois alentados volumes, acompanhados
de um ~elatório de apresentação elaborado pela Diretoria Financeira, supervisi~
nado pelo Superintendente Geral e aprovado pelo Presidente, de conformidade com
2

os arts. 22, n Q VI, e 27 dos Estatutos. Seguindo o critério dos orçamentos ant~
riores, a proposta de despesa acha-se subordinada à previsão da receita, acen-
tuou o Relator. Em seguida, indicou, em resumo, as principais parcelas tanto da
receita como da despesa, que totalizam, num e noutro caso, Cr$ 282.518.028,00,
ou seja, uma plevisão de equilíbrio. No conjunto, ponderou o Relator, o ensino
absorve, praticamente, 60% do orçamento. Quanto ~s pesquisas, o Relator se det~
ve, principalmente, nas atividades do IBRE (Instituto Brasileiro de Economia) ,
do qual é Presidente, relembrando a orientação do Governo relacionada com o re-
ferido Instituto, de modo a eliminar conclusões falhas em âmbito alheio ao co-
nhecimento da Fundação, e mesmo impedir que, na própria esfera governamental,
surjam equívocos inesperados. Por determinação legal, explicou, compete ao Ins-
tituto Brasileiro de Geografia e Estatística levantar os dados estatísticos do
País, compreendendo as contas nacionais e os índices de preços. A legislaçãope~
mite delegação de atribuições, que foi adotada entre o IBGE e o IBRE. Tendo, e~
te último, tomado a iniciativa pioneira do levantamento das contas nacionais e
dos índices de preços, o IBGE julgou acertado que prosseguisse na execução des-
ses trabalhos. Todavia, com o correr do tempo, o IBGE está desenvolvendo suas
atividades e poderá, em futuro próximo, assumir a responsabilidade da elabora-
ção das contas nacionais e, igualmente, dos índices de preços. Seria, entretan-
to,enorme desperdício deixar de contar com a notável experiência do IBRE. Na
verdade, dentro de poucos anos, o aludido convênio de delegação tenderá a tran~
formar-se em conv~nio de cooperação. Entretanto, para que não haja solução de
continuidade e os resultados sejam satisfatórios, é indispensável que o IBRE co,!!.
tinue a receber os dados básicos da produção, oferecendo, por seu turno, ao IBGE,
os resultados dos sistemáticos inquéritos próprios" tais como: sondagens conjUQ.
turais; a consolidação dos orçamentos públicos, nas esferas da União, Estados e
MunicípiOS, sejam os da administração centralizada, sejam os da administração
descentralizada; e os levantamentos e análises dos balanços de mais de cinco mil
empresas, em uma série a partir de 1969. Todos esses serviços constituem preciQ
sos elementos de exame de consistência dos dados estatísticos da produção, ava-
liação dos salários, lucros e juros, além de permitir informar ao Governo as rea
ções empresariais ~ evolução da economia naciónal e ~s medidas governamentais.
No que diz respeito aos índices de preços - prosseguiu o Relator ~ o aperfeiço~
mento levado a efeito pelo Instituto Brasileiro de Economia tem sido de notório
auxílio para o Governo. O Ministro Simonsen, com seus notáveis conhecimentos eCQ
nômicos e estatísticos, acompanha de perto esse trabalho. Reconhece serem valiQ
sas as informações e sugestões dadas pelo Instituto, particularmente na distin-
ção entre influências monetárias e não-monetárias na evolução dos preços, dis-
tinção importante para a fixação da correção monetária. Após essas considerações
específicas sobre as atividades do IBRE, o Relator concluiu louvando a Direção
3

Superior da Fundação pelo consciencioso trabalho de adaptação das despesas às re


ceitas previstas, chegando-se ao desejado equilíbrio orçamentário, e esclarece~
do que as reflexões e sugestões do seu parecer visavam somente a verificação p~
riódica da validade da persistência do que foi meritoriamente criado no passado,
para aquilatar da conveni~ncia ou' inconveniência da adoção de modificações. Foi
dada, a seguir, a palavra ao Conselheiro Isaac Kerstenetzky, designado pelo C~
selho para relatar, conjuntamente com o Conselheiro Octavio Gouvêa de Bulhões,
o orçamento e os planos de trabalho da Fundação para o exercício de 1977. O Con
...
selheiro Isaac Kerstenetzky manifestou inteira concordancia com os termos do p~

recer apresentado pelo Conselheiro Octavio Gouvêa de Bulhões, e aproveitou aoc~


sião para esclarecer que a eventual absorção pelo IBGE, de que é Presidente, dos
trabalhos sobre Índi.ces de preços e contas nacionais realizados tradicionalmen-
te pelo IBRE não será efetuada tão cedo, e, quando for efetuada, processar-se-á
na perfeit~ harmonia e profícua cooperação q~e sempre existiu entre ambos os
'\
organismos. Recordou que, antes de tudo, era um homem da Fundação Getulio Var-
gas, onde iniciara suas atividades profissionais e tanto aprendera no convívio
dos mestres, sentindo-se orgulho ao em poder continuar a fazer parte dela e, ao
mesmo tempo, não só representar, junto dela, o Governo Federal, mas, ao lado de
la, no IBGE, que preside, manter e intensificar as relações consolidadas em con
vênio, qu~ unem as duas instituições em tantos e tão meritórios serviços prest~
dos ao Pais no campo das estatísticas e pesquisas econômicas. Desejava ofere-
cer uma demonstração ocasional de que os esforços pioneiros de aperfeiçoamento
dos métodos de pesquisa em torno da Contabilidade Social do Brasil, desperta-
dos, sistematizados e estimulados por Eugênio Gudin e seus colaboradores desde
os remotos tempos do primitivo Núcleo de Economia, que se transformou no IBRE
..
atual, sempre encontraram culto e ressonancia no IBGE. Assim, como recente pro-
duto desses esforços, apresentava a publicação intitulada Matriz de relações i~
terindustriais, numa versão preliminar restrita às indústrias de transformação
e extrativa mineral do Brasil em 1970. O projeto interliga estatísticas primá-
rias e derivadas e o processamento de dados, com reflexos altamente benéficos pa
ra o aperfeiçoamento contínuo do sistema estatístico de informações, concluiu o
Conselheiro Isaac Kerstenetzky. Após os comentários dos Relatores, o Senhor Pre
sidente apreciou as declarações dos dirigentes do IBRE e do IBGE sobre a coope-
ração existente entre esses órgãos. Relembrou as origens do IBGE e as personali
dades mais representativas da vida dessa entidade que participaram deste Conse-
lho Diretor da Fundação, como Teixeira de Freit.as, Carneiro Felipe e Djalma Poli
Coelho, de reverenciada memória nesta Casa, e seus ilust.res sucessores q ti e
atualmente participam, como sá Freire Alvim e Isaac Kerstenetzky. Falou, em se-
guida, o Senhor Presidente, sobre as despesas crescentes da FUnQação e a coope-
ração financeira do Governo Federal, qU€ t.em variado segundo as exigências bási
4

cas do custeio dos serviços. O Conselheiro Eugênio Gudin congratulou-se com o


Conselheiro Isaac Kerstenetzky pelo excelente trabalho sobre Matriz de relações
interindustriais, que considera, realmente, um novo marco na história da index~
ção econômica do País e de alta significação nas atividades do IBGE. Quanto ao
orçamento e aos planos de trabalho da Fundação para 1977, manifestou-se de per-
feito acordo com as observações dos Relatores, lembrando que o idéal será conti
nuar a Administração a manter-se fiel ao princípio, a que tem, inflexivelmente,
obedecido, de limitar as despesas e os custos dos serviços às rendas efetivame~
te auferidas, fortalecendo o patrimônio, de modo que o custeio praticamente se
estabilize, acompanhando, naturalmente, apenas o crescimento vegetativo imposto
pela inflação. Terminadas as observações dos Senhores Conselheiros sobre a maté
ria, foram, unanimemente, aprovados, pelo Conselho, o orçamento e os planos de
trabalho da Fundação Getulio Vargas para o exercício de 1977, submetidos, nafo~
ma dos Estatutos, à sua apreciação pelo Senhor Presidente. PORTARIAS - CRÉDITOS
SUPLEMENTARES - TRANSFERJNCIAS DE DOTAÇ~ES - O Senhor Presidente deu ciência ao
Conselho Diretor, na conformidade de sua Resolução de 3 de maio de 1966 e da Po~
taria n Q lO/A, de 20 de março de 1968, de Portarias - constantes de coleção so-
bre a mesa, à disposição dos Senhores Conselheiros - referentes a créditos su-
plementares e transfer~ncias de dotações, no total de Cr$ 5.019.010,77, que o
Conselho, por unanimidade, homologou, a saber: NQ 104, de 28.10.76, CONCEP:
Cr$ 80.000,00; NQ 116, de 29.11.76, ISOP: Cr$ 135.291,00; NQ 119, de 29.11.76,
SRe: Cr$ 90.000,00; NQ 129, de 20.12.76, SIF: Cr$ 300.000,00; NQ 133, de
22.12.76, SCt: Cr$ 193.585,00; NQ 103, de 27.10.76, IESAE: Cr$ 17.075,35; NQ
105, de 28.10.76, ISOP: Cr$ 25.000,00; NQ 111, de 09.11.76, EBAP: Cr$
63.530.00; NQ 112, de 09.11.76, EIAP: Cr$ 12.000,00; NQ 113, de 11.11.76,
EBAP: Cr$ 53.765,00; NQ 114, de 11.11.76, SRe: Cr$ 763,00; NQ 115, de 17.11.76,
INDOC: Cr$ 13.308,20; NQ 117, de 29.11.76, CNF: Cr$ 48.898,00; NQ 118, de
29.11.76, INDIPO: Cr$ 1.782,00; NQ 121, de 30.11.76, SMt: Cr$ 221.625,72; NQ
122, de 30.11.76, EAESP: Cr$ 1.619.125,20; NQ 123, de 05.12.76, SPe: Cr$
15.003,30; NQ 124, de 05.12.76, INDOC: Cr$ 88.000,00; NQ 126, de 13.12.76, SCm:
Cr$ 230.059,00; NQ 127, de 13.12.76, IBRE/DEE/CPD: Cr$ 70.000,00; NQ 128,
de 13.12.76, EAESP: Cr$ 500.000,00; NQ 130, de 20.12.76. CNF: Cr$ 25.000,00;
NQ 131, de 20.12.76, EIAP: Cr$ 20.000,00; NQ 132, de 20.12.76, SIF: Cr$ •••
22.100,00; NQ 134, de 22.12.76, EAESP: Cr$ 773.100,00; e NQ 135, de 22.12.76,
EIAP: Cr$ 400.000,00. ENCERRAMENTO - Nada mais havendo a tratar, o Senhor Pre-
sidente, observando que era a última sessão do Conselho em 1976, aproveitou
a ocasião para apresentar os votos de Natal e Ano Novo, no que foi cor-
respondido com igual manifestação pelos Senhores Conselheiros, declarando-se
encerrada a -
sessao. Do que, para constar, eu, Arizio de Viana, Assessor
5

do Presidente, servindo de Secretário do Conselho, lavrei esta Ata, que, devid~


mente ratificada, é assinada por todos os presentes.

Luiz Simões Lopes, Presidente

Carlos Medeiros Silva

Eugênio Gudin

Isaac Kerstenetzky

José Joaquim de sá Freire Alvim

Octavio Gouvêa de Bulhões

Fui presente:
Roberto Hermeto Corrêa da Costa, Superintendente Geral
PARECER DO RELATOR DO CONSELHO
DIRETOR SOBRE O RELATÓRIO E A
PRESTAÇÃO DE CONTAS REFERENTES
AO EXERCíCIO DE 1976.

Senhor Presidente,

Em sua sintese introdutória, o relatório das atividades da Fundação


referentes a 1976 demonstra o que foi feito,bem como os métodos operacionais e in~
trumentos de trabalho de que se valeu nesse ano. Os anexos enumeram e analisam os
tópicos correspondentes às pesquisas, ao ensino, às informações e à cooperação téc
nica.

A Assembléia Geral,em sua reuniao de 30 de abril de 1976, além de


aprovar o Relatório Anual, o Balanço e a Prestação de Contas do exercício de 1975,
procedeu à reeleição do Presidente da Fundação e à renovação dos mandatos da maio-
ria do Conselho Diretor, que passou a contar com a participação dos novos Conselhei
ros Octavio Gouvêa de Bulhões e Isaac Kerstenetzky,eleitos para as vagas dos Canse
lheiros João Carlos Vital e Rubens D'Almada Horta Porto,distinguidos, pela mesma A~
sembléia, para ocuparem, no Conselho Curador, as vagas deixadas pelos Conselheiros
falecidos Henrique de Toledo Dodsworth e Astério Dardeau Vieira.

O Conselho Curador e o Conselho Diretor apreciaram, no cursodoexer


cicio de 1976, com pareceres favoráveis dos relatores da matéria, o processo de ali
enação dos imóveis da Fundação situados às ~las Barão de Itambi n Q 38 e Jornalista
Orlando Dantas nQs 29 e 31, necessária à construção da linha subterrânea do Metro-
politano do Rio de Janeiro. A avaliação dos referidos imóveis,aceita, em principio,
pelas partes, atingiu a Cr$ 6.770.DOO,00. Após aprovação por ambos os Conselhos,e~
sa quantia foi paga pela Companhia do METRÔ à Fundação, mediante escritura pública
de compra e venda, decorrente da execução, por via administrativa, do decreto de de
sapropriação por utilidade pública expedido, previamente,pelo Governo do Estado ~v
Rio de Janeiro.

O Conselho Curador apreciou e homologou as demais iniciativas e prQ


vidências que o Presidente da Fundação submeteu ao seu exame. O mesmo ocorreu com o
Conselho Diretor, conforme registra o Relatório, enumerando, em resumo, os princi-
pais assuntos que discutiu e que foram objeto de deliberação em suas sessões ordin§
rias e extraordinárias de 1976.
2

o Presidente, na Assembléia Geral, no Conselho Curador, no Conselho


Diretor e no Conselho de Coordenação de Ensino e Pesquisa,traçou a orientação geral
e supervisionou os trabalhos da Fundação, recebendo, habitQalmente, para despacho e
em entrevistas especiais, colaboradores imediatos, diretores e chefes de serviço, e
diversos visitantes ilustres, representantes de instituições nacionais e estrangei-
ras. Com a assistência do Superintendente Geral, firmou diversos convênios e acor-
dos celebrados pela Fundação.

A Superintendência Geral, em conseq~ência do falecimento, em fins de


dezembro de 1975, de seu antigo titular, Dr. Alim Pedro, e, posteriormente, de seu
substituto, Dr. Asterio Dardeau Vieira, foi exercida, interinamente, pelo Dr. Paulo
Agostino Neiva, Diretor Financeiro, até fins de maio, quando assumiu o atual titular,
Dr. Roberto Hermeto Corrêa da Costa.

Pesquisa

No anexo 1 do Relatório, os projetos de estudo e pesquisa estão assim


agrupados:

a) projetos repetitivos;
b) projetos (esporádicos) concluídos; e
c) projetos (esporádicos) em andamento.

Os números desses projetos, no q~inqUênio


~

de 1972-1976, sao os se
guintes:

1972 140 projetos


1973 235 "
1974 209 "
1975 257 "
1976 337 "
Distribuídos pelos diferentes órgãos da Fundação, os algarismos in-
dicam cresoimento quantitativo. Em virtude, porém, da variedade de assuntos dos pr~
jetos, o crescimento deve ser considerado em termos relativos, dado que, esclarece0
Relatório, a mensuração das atividades de pesquisa e estudo de uma instituição cul-
tural não pode ser expressa em termos absolutos.
3

Ensino

É interessante notar o acentuado desenvolvimento dos cursos de pós-


-graduação da EAESP, EBAP, EPGE, IESAE e ISOP, que, em 1976, receberam 52 te s e s
(já aprovadas) de mestrado.

o quadro seguinte apresenta o crescimento quantitativo dos diferen-


tes cursos da Fundação (graduação, pós-graduação, intensivos, especiais, avulsos)
no qÜinqüêniO de 1972-1976.

ESTUDANTES
ANOS CURSOS
MATRICULADOS CONCIDINTES

1972 183 9·402 5·301


1973 235 11·436 7·157
1974 308 13.025 8·574
1975 260 11·756 7·194
1976 298 12.671 8.635
Totais do Qüinqüênio 58.290 36.861

Observa o Relatório que, a partir deste ano de 1977, os dois cursos


de nível médio a cargo da Escola Técnica de Comércio deixarão de ser ministrados. A
Escola foi extinta em 1976.

Para o Colégio Comercial Professor Clóvis Salgado, do Ministério da


Educação e Cultura, foram transferidos os estudantes então matriculados na extinta
Escola Técnica de Comércio.

Pretendendo a Fundação dedicar-se predominantemente ao ensino dE;


graduação e pós-graduação, tem tentado transferir o Colégio Nova Friburgo para 01r

tra entidade.

Em 1976, extinguiu o internato desse COlégiO e, caso não consiga


transferi-lo, ver-se-á constrangida a fechá-lo.

Publicaoões

Em 1976, a Fundação continuou a editar alguns livros e, principal-


mente, seus dez periódicos: Revista de Direito Administrativo, que já chegou ao nú-
mero 124; Conjuntura econômica, que completou 29 anos de existência; Revista brasi-
leira de Economia; Revista de Administração de Empresas; Revista de Administração
4

Pública; Revista de Ciência política; Arquivos brasileiros de Psicologia Aplicada;


Curriculum; Informativo; e o Correio ,da Unesco.

Cooperação Técnica

Os projetos de cooperação técnica, além da prestação de serviços a


terceiros, oferecem oportunidades de aperfeiçoamento profissional dos técnicos da
Fundação e constituem considerável fonte de renda suplementar. A receita ordinária da
Fundação em 1976 atingiu Cr$ 194.239.592,25. A receita vinculada, grande parte da
qual deriva de cooperação técnica, montou a Cr$ 105.630.443,28.

~ verdade que a despesa vinculada foi igual ~ receita. Mas um fato


permanece de pé - salienta o Relatório: "a cooperação técnica habilitou a Funda-
ção a desenvolver volume maior de atividades de pesquisa, ensino e informação, sen-
do responsável pela terça parte do volume de atividades desenvolvidas pela Fundação
em 1976".

Os projetos de cooperação técnica são regulados por convênios que,


entre outras atividades, incluem reforma administrativa, reforma de ensino, pesqui-
sas educacionais, estudos de viabilidade, treinamento de pessoal, elaboração dB ma-
nuais, análises e pesquisas econômicas.

No campo da cooperação cultural, interna e internacional, processa-


ram-se, regularmente, em 1976, as atividades da Escola Interamericana de Adminis-
tração PÚblica (EIAP) e do Centro Interamericano de Comercialização (CICOM). Além
disso, a Fundação participou, representada em cada inst~ncia pelos órgãos competen-
tes, de diversos congressos e seminários internacionais e nacionais,como promotora,
co-promotora ou convidada. Recebeu, ainda, a Fundação numerosas visitas de import~
tes personalidades nacionais e estrangeiras, conforme consta de longa lista reprodu
zida no anexo 8 do Relatório.

Não .pretendo fazer um resumo do Relatório Anua], que os Senhores CO,U

selheiros tiveram a oportunidade de receber em tempo hábil, para que possam sob r e
A

ele deliberar nesta Sessão. Apenas, assinalei alguns tópicos de certa relevanciaque
reforçam nossa co