Você está na página 1de 8

GRUPO I

Lê o texto. Se necessário, consulta o vocabulário.

Os elefantes
Das 300 espécies de mamíferos proboscídeos 1 que surgiram sobre a Terra, ao longo de
muitas eras2, sobrevivem hoje apenas duas: o elefante africano e o asiático !mbos pertencem
" família dos elefantídeos, a mesma dos mamutes e#tintos na época pré$hist%rica !s duas
espécies apresentam algumas diferen&as anat%micas 3, fruto de uma separa&'o que dura há
5 milh(es de anos ) elefante africano é o maior animal terrestre, podendo os e#emplares que
vivem na savana4 atingir quatro metros de altura até " omoplata ) elefante asiático, que vive
nas florestas tropicais, n'o ultrapassa os tr*s metros
+ara além das dimens(es imponentes, das grandes orelhas a abanar e dos enormes dentes,
aquilo que mais impressiona no elefante é o seu e#traordinário nari -ste ap*ndice precioso,
derivado da fus'o5 do nari com o lábio superior, permite$lhe farejar, apalpar, arrancar ervas e
10
folhas e levá$las " boca, tomar banho, salpicar$se de p% e acariciar as crias +oderá atribuir$se
" e#traordinária versatilidade 6 da tromba o desenvolvimento da intelig*ncia apresentado pelo
elefante, assim como uma vida social comple#a e evoluída
)s elefantes, como as baleias, podem comunicar " dist.ncia de quil%metros, gra&as "
capacidade de emitir e captar sons em frequ*ncia muito bai#a /'o vegetarianos e, embora
15 preferindo as gramíneas7, s'o capaes de consumir ervas e folhas, ingerindo entre 10 e 20
quilos de vegetais por dia

! pele dos elefantes é espessa,


mas isso n'o chega para os proteger
das picadas dos insetos e das carra&as
)s 4banhos5 de p% e de lama s'o indispensáveis
para manter os parasitas " dist.ncia

Enciclopédia Pedagógica Universal, 6ol 2 7 O Reino Animal, Os Vertebrados


,

-d 8ornal de 9otícias, 2002 págs 0$;

1. proboscídeos: ordem de mam íferos providos de tromba, como o elefante. 2. eras: períodos. 3. anatómicas: relativas à
estrutura dos seres vivos. 4. savana: grande planície própria dos climas tropicais. 5. fusão: junção. 6. versatilidade: fácil
adaptação a diferentes situações. 7. gramíneas: família de plantas (a que pertencem os cereais).


Responde às questes se!uintes de acordo co" o sentido do texto.
#. Assinala com $, de #.#. a #.%., a opção que completa cada frase de acordo com o sentido
do texto.
#.#. &tual"ente, as esp'cies de "a"()eros co" tro"ba s*o+
a.trezentas.
b.duas (os elefantes africanos e os elefantes asiáticos).
c.três (os elefantes africanos, os elefantes asiáticos e
os mamutes).

#.. & palavra -fruto /lin0a %1 si!ni2ca+


a.consequência.
b.descendente.
c.fenómeno.

#.3. O nari4 do ele)ante ' considerado u" -apêndice precioso /lin0as 56#71,
porque+
a.é o nico animal que o tem.
b.desempen!a inmeras funç"es.
c.resulta da #unção do nariz com o lábio superior.

#.%. Os ele)antes to"a" -ban0os de p8 e de la"a,+

a.porque têm a pele muito espessa.


b.porque a tromba l!es permite tomar
ban!o.
c.para que os parasitas não os
ataquem.

. $ompleta a %rel!a com as informaç"es fornecidas pelo texto.

a.9SP:;I9S <9 9L9=&>?9S


9$IS?9>?9S

b. =&@ALI& & BU9


P9R?9>;9@

c.=U>CD9S <& ?RO@E&

d.=OR@& <9 ;O@U>I;&CFO

&
e.&LI@9>?&CFO
O leão, o elefante e Júpiter
) le'o era um animal poderoso, com muita for&a e dentes e garras afiados, mas n'o conseguia
suportar o som de um galo a cantar e fugia sempre que ouvia um Tinha muita vergonha desta
<nica fraquea e quei#ava$se constantemente a 8<piter 1 por o ter criado assim =as 8<piter n'o
tinha pena nenhuma do le'o
7 Dei$te muita for&a e a capacidade de te defenderes com os teus dentes e garras afiados 7
5
justificou$se 8<piter 7 /e esse é o teu <nico defeito, deves dar$te por contente
=as o le'o n'o se conformava 2 e n'o conseguia suportar ser assim t'o cobarde, tanto que
desejava morrer
>oi neste estado de alma que ele se encontrou com o elefante ?onversaram durante muito
tempo e o le'o n'o p@de dei#ar de reparar que o elefante estava sempre a abanar as suas enormes
10 orelhas !cabou por ter de perguntar:
7 ) que é que se passa, elefanteA +orque é que estás sempre a abanar as orelhasA
) elefante respondeu com vo trémula:
7 -stás a ver aquele pequeno inseto irritante a umbir em redor da minha cabe&aA /e ele entrar
no meu ouvido estou acabado, por isso tenho muito medo dele
) le'o ficou estupefacto 3 e perdeu i mediatamente a vontade de morrer
15
7 /e o elefante enorme fica t'o perturbado por causa de uma coisa t'o pequena como um inseto,
ent'o porque é que eu haveria de ficar embara&ado 4 por ter medo de um galo, que é muito maior
do que um insetoA 7 murmurou para consigo - a partir desse dia dei#ou de incomodar tanto
8<piter

Todos temos medo de alguma coisa, mas não devemos deiar!nos dominar por ele"
20

#iona $aters %reconto&,As Fábulas de Esopo


, 'ivili(a)ão *d", 2+11 %pg" 11-&

1" Júpiter: o pai dos deuses 2" conformava: aceitava 3" estupefacto: pasmadoB admirado
4" embaraado: envergonhado
Grupo II
Lê, co" aten*o, a )ábula se!uinte. Se necessário, consulta as notas.

Responde às questes se!uintes, de acordo co" o sentido do texto.


3. Esta narrativa é uma fábula.
3.#. Assinala com X as caracter'sticas do texto que comproam esta armação.
aH *sta !istória combina factos reais e !istóricos com factos irreais que são produto
da ima%inação.
bH *ste texto é uma narratia bree.
cH *sta !istória possui uma componente moralizadora, pelo que nos ensina uma
moralidade.
dH *sta narratia procura explicar a ori%em ou a razão de acontecimentos
misteriosos ou sobrenaturais.
eH +este texto, as persona%ens são animais que a%em e falam como seres
!umanos.

%. rdena, de # a , os momentos da fábula.


a.-piter armaa que esse era o nico defeito do leão.
b. animal deixou de incomodar -piter.
c. leão não suportaa o canto dos %alos.
d.$onersando com o elefante, o leão percebeu que não era o nico
a ter medos.

e. rei da sela dese#aa morrer por se sentir um cobarde.

. /ndica o que proocaa um %rande medo ao leão.


00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

J. $omo se sentia o leão por causa desse medo1


00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

K. Um encontro com o elefante foi fundamental para o leão mudar a sua atitude em
relação ao medo que o aigia.
K.#. *xplica o racioc'nio do leão que o fez mudar de atitude.
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

. 2ranscree a moral desta fábula.


00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

.#. $oncordas com esta moralidade1 /ndica, pelo menos, um ar%umento para #usticar a
tua posição.
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

5. $ompleta a frase se%uinte, rodeando a opção correta.

!esta f"bula, os animais agem e falam como os seres #umanos, por isso di$emos %ue foi usada a comparação / personificação.

GRUPO III
#7. 3ê o se%uinte erbete do dicionário.

Pena 4 n.f. 4 #. casti%o5 punição sanção aplic ada pelo tribu nal ao autor de um crime5 .
des%osto5 tristeza5 dor5 compaixão5 dó5 3. cada um dos ór%ãos cut6neos que reestem o corpo
das aes, prote%endo4o e permitindo a execução e a orientação do oo5 %. utens'lio munido
de bico para escreer.
in Dicionário da !ngua "ortuguesa com #cordo $rtográ%co &em lin'a(.
Porto: Porto Editora, 2003-2016. [consult. 2016-10-11]

#7.#. /ndica o sentido da palara 7 pena8 em cada uma das frases se%uintes, escol!endo
entre os si%nicados apresentados no erbete e colocando o respetio nmero no quadrado.

aH A %alin!a perdeu uma pena.

9
bH -piter aplicou uma pena ao
mosquito.
cH  elefante cou com pena do
leão.

##. bsera as palaras sublin!adas na frase se%uinte:


$ rei leão era um animal pode roso ) com dentes e garras a%ados) mas não
conseguia suportar o som de um galo a cantar. *omo tin'a muita vergon'a desta
+nica fraque,a) quei-avase a /+piter.
##.#. $lassica as palaras quanto ao nmero de s'labas e quanto ; acentuação,
colocando uma cruz (<) no respetio lu%ar da %rel!a conforme o exemplo.
;L&SSI=I;&CFO BU&>?O 
;L&SSI=I;&CFO BU&>?O &O >N@9RO <9 SAL&E&S
&;9>?U&CFO
P&L&MR&
P&L&MR& P&L&MR&S
S @O>OSSAL& <ISSAL&EO ?RISSAL&E POLISSAL& P&L&MR&
S 9S<RN$UL
EOS S OS EOS S GR&M9S
&GU<&S &S
a.so" $ $
b.rei
c.le*o
d.ani"a
l
e.poder
oso
).a2ado
s
!.Qpite
r
#. =eescree o texto se%uinte, or%anizando4o em três pará%rafos e colocando os sinais de
pontuação adequados.
$ leão foi mais uma ve, falar com /+piter e pediul'e a0udame pois continuo
c'eio de medo do canto do galo 0á te disse para dei-ares de te quei-ar
respondeu /+piter
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000

#3. 3ê as frases se%uintes:


$ leão era um animal com muita força e dentes e garras a%ados) mas não
conseguia suportar o som do galo 1obias a cantar e fugia sempre que o ouvia.
1in'a muita vergon'a desta +nica fraque,a e quei-avase constantemente a
/+piter.
Um dia) falou com o elefante 2acaria s) que era o c'efe de uma grande manada
que vivia na selva de 3frica e tudo se alterou.

>
#3.#. $oloca os nomes sublin!ados no respetio lu%ar da tabela, conforme a subclasse a que
pertencem.

>O@9S ;O@U>S
> O @ 9 S P R P RI O S >O@9S ;O@U>S
;OL9?IMOS

#%. =eescree a frase se%uinte, colocando o nome sublin!ado no %rau aumentatio.


4 5ês aquele inseto irritante a ,umbir em redor da min'a cabeça6
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
GRUPO IM
#. ?eleciona um dos temas se%uintes e desenole4o, redi%indo um texto de @9 a &
palaras.
&. /ma%ina que o leão, depois da conersa com o elefante, resoleu enfrentar o %alo que
tanto o assustaa com o seu canto. *scree o que se terá passado.

E. /ma%ina e escree uma pequena fábula, cu#a persona%em principal se#a uma ci%arra
que quer fazer parte de uma banda , que conte n!a a se%uinte moralidade: 7 7a, novos
amigos) mas preserva os antigos.8
>*o te esqueas de
• escreer o t'tulo5

marcar claramente os pará%rafos5
• usar a pontuação adequada5
• empre%ar erbos que indiquem quem ai falar ou falou5
• apresentar o texto com uma cali%raa le%'el.

00000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

B
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
.O/ T0.O

1" ;o"pletade acordo co" o texto que acabaste de ouvir.


&ssinala co" u" $ as a2r"ae s verdadeiras TMH, )alsas T=H ou i"poss(ve is
de responder TIRH.

C
V F IR
2.
@. *ra uma ez um pr'ncipe que deu a olta ao mundo para casar com
uma princesa erdadeira.
&. Eurante a sua busca, não conse%uiu atin%ir o seu ob#etio.

. Fuando oltou a casa, in!a muito feliz.


9. Goue, numa noite, um %rande temporal que começou ;s &&!.
>. +uma noite de temporal, apareceu uma princesa a pedir %uarida, no
castelo.
B. Apesar do temporal, o seu aspeto era ma%n'co.

C. A princesa estaa completamente enc!arcada.


D. A rain!a duidou de que aquela rapari%a fosse uma princesa.
H. A rain!a pensou numa estraté%ia para resoler a sua dida.
@. A estraté%ia escol!ida pretendia pIr ; proa a sensibilidade da
princesa.
@@. Ee man!ã, a princesa disse que uma eril!a a tin!a impedido de
dormir.
@&.  pr'ncipe não quis casar por ela ser tão sens'el.
@. A eril!a colocada debaixo dos colc!"es foi %uardada como um
tesouro.

@9. Juitas pessoas foram ao museu er a eril!a.


;orri!e, a%ora, as armaç"es falsas, de modo a que se tornem erdadeiras. >*o te
esqueas de re%istar o nQ"ero da frase.
________________________________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________________________________________

Bom trabalho!