Você está na página 1de 23

PORTUGUÊS - 2o ANO

MÓDULO 59

ORAÇÕES
COORDENADAS
Fixação F

1) Observe os seguintes períodos: 2


I) Desceu do ônibus e abriu o guarda-chuva para a longa caminhada.
II) Deitou-se e fechou os olhos para dormir.
III) Esperou pelo sol o dia todo e as chuvas continuavam a cair.
IV) Aguardou toda a tarde, e as visitas não apareceram. a
V) Preparou-se bem e começou o discurso. (Madre Olívia, Análise semântica) b
O e tem um matiz adversativo nos períodos: c
a) III e IV d
b) I e III e
c) I e II
d) IV e V
e) II e V
Fixação

2)
Digam o que quiserem dizer os hipocondríacos: a vida é uma coisa doce.
(Machado de Assis)

Os dois-pontos substituem um elemento de ligação que exprime uma relação de:


a) consequência;
b) condição;
c) adição;
d) oposição;
e) explicação.
Fixação E tanto parente chato? F
(Idem, p.46.)
3) Divida em orações estes períodos dos textos
Leia estes pequenos poemas do humorista e classifique-as: 4
Millôr Fernandes:
a) A natureza é sempre diferente Ou não con-
Poeminha com a maior dúvida metafísica segue fazer igual?
Em matéria de caras b) Vi meu amigo ao longe E ele também me
Tenho uma dúvida fundamental: reconheceu.”
A natureza é sempre diferente c) A natureza é sábia Mas não compreende
Ou não consegue fazer igual? um fato
(Papáverum Millôr. Rio de Janeiro: Prelo, 1967. P.24.)

Essa cara não me é estranha


Vi meu amigo ao longe
E ele também me reconheceu
Nos aproximamos alegremente
E cada um arrefeceu
Eu vi que não era ele
Ele viu que não era eu.
(Idem, p.28)

Poesia de incompreensão infantil


A natureza é sábia
Mas não compreende um fato:
Por que só tem uma mãe
Fixação rezas,
vitrolas,
4) Classifique as orações sublinhadas: santos que se persignam,
Não se mate anúncios do melhor sabão,
Carlos, sossegue, o amor barulho que ninguém sabe
é isso que você está vendo: de quê, pra quê.
hoje beija, amanhã não beija,
Entretanto você caminha
depois de amanhã é domingo
melancólico e vertical.
e segunda-feira ninguém sabe
Você é a palmeira, você é o grito
o que será.
que ninguém ouviu no teatro
Inútil você resistir e as luzes todas se apagam.
ou até mesmo suicidar-se. O amor no escuro, não, no claro,
Não se mate, oh não se mate, é sempre triste, meu filho, Carlos,
reserve-se todo para mas não diga nada a ninguém,
as bodas que ninguém sabe ninguém sabe nem saberá.
quando virão, (ANDRADE, Carlos Drummond.
se é que virão. Reunião 10a. ed.
Rio de Janeiro, José Olympio, 1980. p. 40.)

O amor, Carlos, você telúrico,


a noite passou em você,
e os recalques se sublimando,
lá dentro um barulho inefável,
Fixação F

5) Estabeleça a relação de sentido entre as orações coordenadas de cada período (adição,6


adversidade, alternância, conclusão, explicação): r
a) Não chore ainda não, que eu tenho um violão e nós vamos cantar. a
(Chico Buarque)

b) Sim, foi apenas um instante, mas me feriu os olhos de beleza para sempre
(Rubem Braga) b

c) Não lhe fales, que o nada é sempre o troco.


(Lineu Azuaga)
c
d) – Desça daí, Casimiro, que eu quero ver a sua mulher.
(Contos Populares para Crianças da América Latina)
d
e) O número estava realmente incorreto, por isso reclamei.
f) Fiz um bom trabalho e não consegui a promoção.
g) Chora que chora mas nada faz para ninguém.
h) Não apenas fez um bom trabalho como também treinou os companheiros.
Fixação

6) Nos itens que seguem, ocorrem duas frases isoladas. Relacione-as, conforme o tipo de
relação proposta, utilizando a conjunção adequada.
a) Pedro se esforçou bastante. Pedro não conseguiu a vaga.
Relação: adversativa

b) A chuva está muito forte. Você deve esperar aqui.


Relação: conclusiva

c) Fale agora. Cale-se sobre esse assunto. Não aguento mais suas insinuações.
Relação: alternativa e explicativa

d) Preste atenção. Esse é um texto muito importante. Vai ajudá-lo a compreender o assunto.
Relação: explicativa e conclusiva
Fixação F

7) Embora todas as conjunções sejam aditivas, uma oração apresenta ideia de adversidade:8
a) Não achou os documentos e nem as fotocópias.
b) Queria estar atento à palestra e o sono chegou.
c) Não só aprecio Medicina como também a Odontologia.
d) Escutei o réu e lhe dei razão.
e) Não só escutei o réu mas também lhe dei razão. a
I
I
I
I
t

a
b
c
d
e
Fixação

8) (PUC)
Todos os dias esvaziava uma garrafa, colocava dentro sua mensagem, e a entregava
ao mar. Nunca recebeu resposta. Mas tornou-se alcoólatra.
(Marina Colasanti)

O conectivo mas, que introduz a conclusão do conto – tornou-se alcoólatra –, permite


a seguinte interpretação
I) A personagem tornou-se alcoólatra porque nunca recebeu uma resposta.
II) O fato aconteceu porque a personagem escreveu muitas mensagens.
III) A solidão sem remédio tem sempre como consequência o vício.
IV) Esvaziou muitas garrafas. Enviou muitas mensagens. Não recebeu resposta. Mas, como
tinha bebido todos os dias, tornou-se alcoólatra.
Analise as afirmações e, a seguir, assinale a opção correta.
a) somente a afirmação IV está correta;
b) somente a afirmação I está correta;
c) somente as afirmações I e II estão corretas;
d) somente a afirmação III está correta;
e) somente as afirmações II e III estão corretas.
Fixação F

9) (PUC) A conjunção e tem valor adversativo na frase: 1


a) Cheguei, vi e venci. a
b) Arrumou as malas e despediu-se. a
c) Deitei exausto e não consegui dormir. b
c
d) Siga meu conselho e não se arrependerá.
d
e) Choveu durante a noite e não pudemos sair.
e
Fixação

10) Podemos falar qualquer coisa: estou absolutamente calmo. Os dois-pontos do período
acima poderiam ser substituídos pela conjunção:
a) e;
b) portanto;
c) logo;
d) pois;
e) mas.
Proposto

1) Mauro não estudou nada e foi aprovado. Apesar do e, normalmente aditivo, a oração em
destaque é:
a) adversativa;
b) conclusiva;
c) explicativa;
d) alternativa;
e) causal.
Proposto

2) No período: Paredes ficaram tortas, animais enlouqueceram e as plantas caíram, temos:


a) duas orações coordenadas assindéticas e uma oração subordinada substantiva;
b) três subordinadas substantivas;
c) três orações coordenadas;
d) quatro orações coordenadas;
e) uma oração principal e duas orações subordinadas.
Proposto

3) (PUC) Assinale a opção que apresenta orações de mesma classificação que as deste período:
Não se descobriu o erro, e Fabiano perdeu os estribos.
a) Pouco a pouco o ferro do proprietário queimava os bichos de Fabiano.
b) Foi até a esquina, parou, tomou fôlego.
c) Depois que aconteceu aquela miséria, temia passar ali.
d) Tomavam-lhe o gado quase de graça e ainda inventavam juro.
e) Não podia dizer em voz alta que aquilo era um furto, mas era.
Proposto uma ideologia social e política. É também
uma teoria que se pretende científica,
apoiada em observações, dados e leis
:4) (UERJ) conseguidos com a biologia, a psicologia,
A ilusão da neutralidade da Ciência a sociologia. É uma certa maneira de
Como a ciência se caracteriza pela construir tais dados, de sorte a transformar
separação e pela distinção entre o sujeito diferenças étnicas e culturais em diferenças
do conhecimento e o objeto; como a ciência biológicas naturais e imutáveis e separar os
se caracteriza por retirar dos objetos do seres humanos em superiores e inferiores,
conhecimento os elementos subjetivos; como dando aos primeiros justificativas para
os procedimentos científicos de observação, explorar, dominar e mesmo exterminar os
experimentação e interpretação procuram segundos.
alcançar o objeto real ou o objeto construído (Adaptado de CHAUÍ,
como modelo aproximado do real; e, enfim, Marilena. Convite à Filosofia,Rio de Janeiro: Ática, 1995.)
como os resultados obtidos por uma ciência
O racismo não é apenas uma ideologia
não dependem da boa ou má vontade do
social e política. É também uma teoria que
cientista nem de suas paixões, estamos
se pretende científica, (...)
convencidos de que a ciência é neutra ou
imparcial. Diz à razão o que as coisas são em
si mesmas. Desinteressadamente. O trecho acima contém dois períodos que,
Essa imagem da neutralidade científica embora sejam sintaticamente independentes,
é ilusória. estão unidos por uma certa relação de sentido.
Quando o cientista escolhe uma certa Utilizando conectivos, reescreva este
definição de seu objeto, decide usar um trecho em um só período composto por ora-
determinado método e espera obter certos ções coordenadas, de modo que a relação de
resultados, sua atividade não é neutra nem sentido seja mantida.
imparcial, mas feita por escolhas precisas. (...)
O racismo (por exemplo) não é apenas
Proposto

5) (UERJ) Só não se inventou uma máquina de fazer versos — já havia o poeta parnasiano.
Nesse trecho, a opção pelo emprego do travessão evita a utilização explícita de um conectivo
entre as duas orações. Mantidos o sentido original e a coerência textual, o autor poderia ter optado
pelo uso da seguinte conjunção:
a) pois;
b) quando;
c) entretanto;
d) se bem que.
Proposto

6) Por definição, oração coordenada que se prende à anterior por conectivo é denominada
sindética e é classificada pelo nome da conjunção coordenativa que a encabeça. Assinale a
opção em que aparece uma coordenada sindética explicativa, conforme a definição:
a) “A casaca dele estava remendada, mas estava limpa.”
b) “Ambos se amavam, contudo não se falavam.”
c) “Todo mundo trabalhando: ou varrendo o chão ou lavando as vidraças.”
d) “Chora, que lágrimas lavam a dor.”
e) “O time ora atacava, ora defendia e no placar aparecia o resultado favorável.”
Proposto

7) Assinale o período em que não ocorre oração coordenada:


a) O computador substitui o trabalho de várias pessoas e constitui uma série ameaça aos
empregos.
b) O computador possibilita a diminuição de custos, através da redução de pessoas, mas cria
novos empregos.
c) Muitos funcionários reagem à introdução de um sistema computadorizado, deixando de
colaborar com os analistas ou boicotando a utilização das novas rotinas.
d) A maioria dos funcionários, por terem as suas funções fragmentadas com a introdução do
computador, não têm condições de um desenvolvimento intelectual maior.
e) Que o computador cria novos empregos, que o preço do progresso inclui mudanças de
hábitos de trabalho, é fato inegável.
Proposto

8) (IME) Classifique as orações destacadas, de acordo com o código a seguir:


a) coordenada sindética aditiva;
b) coordenada sindética adversativa;
c) coordenada sindética explicativa;
d) coordenada sindética conclusiva;
e) coordenada assindética.
( ) De outras ovelhas cuidarei, que não de vós. (Garret)
( ) José entendeu os testes, portanto pode fazer as provas.
( ) Você não pode desanimar, pois, afinal de contas, tudo anda muito bem.
Proposto P

9) (UFGO-Adaptada) Transforme o período abaixo em um único período composto por coor-1


denação:
Embora achasse graça na birutice de Pio, Zanine acabou saturado.

c
Proposto

-10)
Ou isto ou aquilo
Ou se tem chuva e não se tem sol,
ou se tem sol e não se tem chuva!
Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!
Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.
É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo nos dois lugares!
Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.
Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo...
e vivo escolhendo o dia inteiro!
Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranquilo.
Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.
(Cecilia Meireles)

Explique de que forma a coordenação é essencial na construção do poema, explicitando o tipo de


conjunção que predomina no poema.
Proposto

11) Destaque os versos que revelam a dificuldade de escolha do eu lírico.


Proposto

12) E vivo escolhendo o dia inteiro. Que tipo de conjunção introduz essa oração?

Você também pode gostar