Você está na página 1de 9

IMPLEMENTAÇÃO DE SIMULAÇÃO DE ESFORÇO SOBRE UM MODELO CAD DE UMA ESTRU-

TURA MECÂNICA.

Francisco Bento Alves Neto


Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Sobral – CE, Brasil
e-mail: bento.funcional@gmail.com

problemas e de projetos, fornecendo para isto, uma série


Resumo – Este trabalho consiste na análise da apli- de ferramentas para a criação de entidades geométricas
cação da ferramenta de simulação de esforço pelo
método dos elementos finitos (MEF) presente no sof- planas e tridimensionais.[5]
tware Solid Edge, desenvolvido pela empresa Siemes, Ao longo dos anos, as ferramentas de CAD têm
sobre um modelo CAD de um chassi de um triciclo
para deficientes para averiguar se a estrutura é ca- evoluído junto com o desenvolvimento de softwares grá-
paz de suportar o peso de um cadeirante sem sofrer ficos, com o aprimoramento dos hardwares e a necessi-
deformação ou qualquer outro tipo de avaria com o
tempo. A ferramenta de simulação e muito utilizado dade de melhorias devido a demanda, surgindo ao logo
nos trabalho de projetistas e de engenheiros pois gra- do tempo diversos software de CAD como o AutoCad,
ças a este recurso lhes é permitido simular as situa-
ções de esforço e de carga sobre os componentes e es- Catia, Solidworks, Solid Edge e dentre outros, cada um
truturar projetadas por eles, podendo até descartar com sua especialidade e finalidade.
a necessidade de realizar experimentos práticos e en-
saios. Tendo em vista a utilidade desta ferramenta, Com o desenvolvimento tecnológico dos pro-
este trabalho propõe não apenas fazer e apresentar cessos de fabricação, houve uma exigência maior no
os resultados da simulação de esforço sobre modelo
CAD do chassi como também demonstrar como de controle de qualidade nas peças manufaturadas, que exi-
deve utilizar a ferramenta para a realização deste giu a criação de ferramentas integradas ao CAD para re-
tipo de pesquisa.
alização de simulações de esforço, agregando mais um
Summarize – This work consists of the analysis of the método de inspeção para os produtos finais, antes da
application of the tool of simulation of effort by the
method of the finite elements present (MEF) in the prototipagem.
software Solid Edge, developed by the enterprise Si Desde sua criação, as ferramentas de simulação
Si-emes emes, on a model CAD of a chassis of a tri-
vem sendo frequentemente utilizadas por engenheiros e
cycle for deficients to check if the structure is able to
support the weight of a cadeirante without suffering projetistas ajudando no processo de desenvolvimento e
deformation or any other type of damage with the
time. The simulation tool and very much used in the criação de projeto de quatro maneiras: como ferramenta
work of designers and of engineers since thanks to avançada de desenho, assistente na visualização de ob-
this resource it is allowed to them to simulate the sit-
jetos e dados, organizador e comunicador de dados e
uations of effort and of load on the component ones
and to structure projected by them, being able up to como pré e pós-processador para as técnicas analíticas
discarding the necessity of carrying out practical ex-
periments and tests. Having in mind the usefulness of de avaliação por computador, tais como elementos fini-
this tool, this work proposes you do not punish to do tos.[4]
and to present the results of the simulation of effort
Neste trabalho, realizou-se um estudo metodo-
on model CAD of the chassis I eat also to demonstrate
as of debit to use the tool for the realization of this lógico para a implementação da ferramenta de simula-
type of inquiry.
ção do software Solid Edge para a realização de uma si-

Palavras chaves: CAD, Simulação, projetos. mulação de esforço mecânico no chassi de um triciclo
para cadeirantes, estrutura principal do mesmo, desen-
I. INTRODUÇÃO
volvido durante o estágio no IFCE (Instituto Federal Ce-
As ferramentas de CAD (DAC; em inglês: arense) e comprovar se a estrutura é capaz resistir a uma
computer aided design - CAD) é definido como o uso carga gerada pelo peso de um cadeirante quando este es-
de ferramentas de computação gráfica na resolução de tiver o conduzindo.
III. METODOLOGIA • Rampa do triciclo projetada de acordo com a
norma regulamentadora NBR 9050.
Neste trabalho foi utilizado o software CAD
O modelo CAD do triciclo ficou com um com-
Solid Edge, versão 2019, de propriedade da SIEMENS,
primento de 2,2m e largura de 1,06m, possuindo um es-
para criação de modelo 3D de um triciclo para cadeiran-
paço de 800mm por 650mm para comporta a cadeira de
tes. Para simulação dos esforços solicitantes e das defor-
rodas. A rampa de acesso projetada ficou medindo 75cm
mações da estrutura do triciclo, foi utilizado um módulo
de comprimento por 65cm de largura, sendo instalada na
de simulações de esforços, que vem integrado ao Solid
traseira do chassi a 14,3cm do chão. A rampa do triciclo,
Edge, o qual utiliza métodos de elementos finitos -MEF
quando abaixada, possui índice de inclinação equiva-
para obter o comportamento da estrutura quando subme-
lente a 1,9%, estando de acordo com a norma NBR 9050
tido a esforços mecânicos.
que determina que a taxa de inclinação máxima de
MODELAGEM 3D
8,33%.
O primeiro projeto a ser modelado foi a cadeira É importante ressaltar que a modelagem 3D do
de rodas convencional, o qual é mostrada na figura 01. triciclo utilizado no referido projeto foi implementada
Figura 1 – Cadeira de rodas manual com uma alteração na sua estrutura para suportar os pai-
néis fotovoltaicos, conforme mostrada na figura 02.

Figura 2 – Modelagem 3D do triciclo

Fonte: Autor.
Fonte: Autor

O modelo CAD do triciclo para cadeirantes foi


Depois do modelo CAD do triciclo ter sido con-
criado sendo considerado os parâmetros abaixo:
cluído, tomou-se a estrutura principal, o chassi, e as cha-
• Dimensões de uma cadeira de rodas convencio-
pas de piso separados dos demais componentes para a
nal (60cm de largura e 100cm de comprimento);
realização de simulações de esforço.
• Dimensões (largura e comprimento) do triciclo,
SIMULAÇÃO
próximas das dimensões dos veículos comuns, tis
como carros e motos. Largura dos carros 1.6m e Para simulação dos esforços sobre a estrutura
comprimento das motos 1,8m; do chassi, foram levados em consideração os parâmetros
• Material para a construção do chassi (tubo de aço abaixo:
ABNT 1020 de 27mm de diâmetro e 2,5mm de
espessura); • Massa da cadeira de rodas (20Kg);

• Modelo do triciclo simples, baseado no TRICI- • Massa máxima do cadeirante (100Kg);

CLO ELÉTRICO CADEIRANTES 1000W da BI- • Carga aplicada na simulação (1177,4N de peso,

KEMOTO BIKES; considerando a massa total de 120kg);


• Método de aplicação da carga;
• Pontos de ancoragem; conjunto, uma onde a carga ficava distribuída em cima
• Diâmetro e área de secção do tubo que constitui do plano da chapa de piso instalada no chassi e outra
o chassi; com a carga concentrada em pontos onde há contato
• Material definido na simulação (aço e alumí- entre os pneus da cadeira de rodas e a chapa de piso,
nio); A simulação com carga distribuída tem como
função revelar pontos e regiões onde a estrutura do
Para que a realização das simulações fosse pos-
chassi deixa a chapa de piso mais vulnerável e suscetível
sível, foi necessário utilizar o conjunto (chassi mais
a deformações e a simulação com carga concentrada é
chapa de piso) pois só o corpo do chassi não dava su-
o que mais se aproxima da realidade devido concentrar
porte para a aplicação das cargas devido à falta de su-
as cargas em regiões do plano onde a contato com ca-
perfícies planas. Foram aplicados pontos fixação ou an-
deira de rodas, onde de fato estão localizados as cargas,
coragem nos mancais dos eixos das rodas traseiras e na
fazendo com que esta simulação alcance resultados mais
mesa de suporte do guidão, como mostra as figuras 3 e
próximos da realidade.
4, pontos onde a estrutura do chassi se apoia na prática.
Graças aos recursos e facilidades presentes no
Figura 3 – Simulação de esforço com carga distribuída
software, foram criadas versões do chassi feito com tu-
bos de aço 1020 de 1 polegada, 3/4” e de 5/8”, com es-
pessura de 2.5mm, 2mm, 1.5mm e 1.25mm respectiva-
mente, sem a necessidade de refazer toda a estrutura,
tendo apenas que reeditar o diâmetro externo e interno
das entidades já criadas. Tendo disponível estas versões,
foi feito uma simulação de carga concentrada em cada
uma destas versões alternativas, para depois comparar
os resultados de cada simulação com os resultados da
simulação do modelo do chassi original, visando conhe-
cer se chassis construídos com a utilização destes tubos
Fonte: Autor oferecem um melhor custo benefício, já que quanto me-
Figura 4 – Simulação de esforço com carga concentrada nor o diâmetro e espessura do tubo menor será o gasto
com material e mais leve ficara o veículo, refletindo
também na eficiência energética pois quanto mais leve
menor o gastos de energia para movimenta-lo.
Seguindo a mesma lógica das simulações ante-
riores, foi feito também uma simulação usando um
chassi feito a partir de tubos de alumínio 1060 no lugar
de tubos de aço 1020 com a intenção de fazer uma com-
paração de desempenho entre o chassi feito de alumínio
com o chassi feito de aço através dos resultados obtidos
nas situações de esforço de ambos, para isto, bastando

Fonte: Autor
apenas fazer a troca do material definido do modelo do
chassi. Foi usado o modelo com de tubo de 27mm, figura
5, para a realização desta simulação tendo como material
Dois métodos de simulações de esforço, em constituinte, alumínio.
função da aplicação da carga, foram feitos sobre o
A carga escolhida usada nas simulações foi de extrusão cujo a extensão e formação do corpo é feita en-
1177,4 N, retirada da equação 3, Força de peso gerado cima de um segundo perfil ou segmento.
por uma massa de 120 Kg pertencente ao cadeirante
mais sua cadeira de rodas. Figura 5 – Modelo CAD do chassi do triciclo
Equação cálculo do diâmetro interno(d): vistas isométrica
D: diâmetro externo.
e: Espessura.
𝑑 = 𝐷 − 2𝑒 (1)

Equação cálculo da área de secção:


𝜋(𝐷2 −𝑑 2 )
Á𝑟𝑒𝑎 𝑑𝑒 𝑠𝑒𝑐çã𝑜𝑡𝑢𝑏𝑜𝑠 = (2)
4

Equação cálculo do peso da carga (𝑃𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎 ):


g: aceleração da gravidade.
m: massa do corpo. Fonte: Autor

𝑃𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎 = 𝑚 ∙ 𝑔 (3) No projeto, foi planejado inicialmente que o


Na tabela 01 é mostrado as especificações dos chassi será construído a partir de tubos de aço 1020 com
tubos utilizados para as simulações, onde podemos ver 27mm de diâmetro esterno e espessura de 2,5mm, se-
a espessura da parede dos tubos, a área de secção trans- gundo analises feita com o auxílio do software, serão ne-
versal de cada tubo, o preço dos tubos em função do cessários 8 metros de tubo para a construção desta estru-
comprimento e a massa do chassi construído com o tubo tura demonstrada na figura 5.
determinado. III.2 SIMULAÇÃO DE ESFORÇO
Tabela 1 - Relação de diâmetros de tubos
Após o desenvolvimento do modelo CAD do
Diâmetro externo 27mm 1” 3/4” 5/8” triciclo, foi feito uma série de simulações de esforço en-
cima do modelo CAD do chassi e de suas variantes, com

Espessura (mm) 2.5 2 1.5 1.25 o intuito de analisar o comportamento das estruturas sob
o efeito de uma carga, no caso uma carga de 1177,2 N
Área de secção (120 Kg). Foram usados dois métodos de simulações de
192,42 143,65 82,7 57,43
dos tubos (mm²)
esforço, um onde a carga fica distribuída sobre o plano
Preço por metro da chapa de piso do chassi, assim como é demonstrado
3,67 3,5 2,33 2
(R$) na figura 6 e o outro com a carga concentrada em pon-
tos onde foi previsto o contato entre os pneus da cadeira
Massa do chassi
30,87 24,99 20,63 15,08 de rodas e a chapa der piso como mostra a figura 7. Os
aço (Kg)
resultados das simulações são mostrados por meio de
Fonte: Autor
duas variáveis: o deslocamento em milímetros (mm) que
III.1 Construção do modelo
cada ponto registrado na malha do corpo sofria quando
O Chassi do triciclo foi modelado no software o conjunto está sob efeito da carga, e o nível de tensão
através de duas ferramentas, a de extrusão e de varre- presente no corpo em Mega pascal (MPa). O método de
dura. A ferramenta de extrusão cria uma entidade 3D carga distribuída foi aplicado apenas na versão original
através da extensão de um perfil em uma direção oblíqua
ao plano do perfil e a ferramenta de varredura e uma
do chassi e o método de carga concertada foi aplicado na figura 8 na região em azul na estrutura do chassi.
em todas as versões do chassi. Também em todas as simulações viu-se que o nível de
tenção nos cantos em nos pontos de junção dos tubos são
𝑑 = 𝐷 − 2𝑒 (1) maiores que nos demais pontos do corpo, circulados na
𝜋(𝐷2 −𝑑 2 ) figura 9.
Á𝑟𝑒𝑎 𝑑𝑒 𝑠𝑒𝑐çã𝑜𝑡𝑢𝑏𝑜𝑠 = (2)
4
Figura 8 – Regiões de deslocamento
Tabela 2 – Área da secção dos tubos

Diâmetro
27mm 1” 3/4” 5/8”
externo

Área de sec-
ção dos tubos 192,42 143,65 82,7 57,43
(mm²)
Fonte: Autor

Fonte: Autor
Figura 6 – Simulação de esforço com carga distribuída Figura 9 – Regiões de picos de tensionamento.

Fonte: Autor
O abalamento ocorreu devido as forças atuan-
tes estarem mais próximas do centro geométrico do
Fonte: Autor
corpo e os pontos de fixação estarem nas exterminastes,
Figura 7 – Simulação de esforço com carga fazendo com que o deslocamento de massa ou deforma-
concentrada ção se concentrem mais no centro da estrutura como
pode ser visto na figura 10. Junções e cantos são con-
centradores naturais de tenção, e por isto na simulação
os níveis de tenção nestes pontos são maiores se compa-
rados com os demais.
Figura 10 – Demonstração de fenômeno físico causa-
dor da deformação ocorrente nas simulações.

Fonte: Autor

IV. RESULTADOS EXPERIMENTAIS

Em todas as simulações, notou-se que as defor-


mações, ou deslocamentos de massa do corpo, se con-
centram no meio da estrutura do chassi, abaulando os
tubos transversais da estrutura, assim como demonstra
Fonte: Autor
Para resolver o problema basta por mais uma base de
IV.1 Carga Distribuída apoio, como visto na região 1, para então ter uma melhor
Como já dito, a função da simulação com carga distribuição dos reflexos das cargas existentes nesta
distribuída era de mostra regiões conde a estrutura do área, aliviando o nível de tenção.
chassi deixa a chapa de piso mais vulnerável. Na simu- IV.2 Carga Concentrada
lação, demonstrada na figura 10, nota-se que nas regiões A simulação de carga concentrada, onde a carga fica
das chapas mais próximas da dianteira (região 2) há ní- concentrada em regiões onde há o contato entre os pneus
veis maiores de deformação que na região mais próxima da cadeira de rodas com a chapa de piso, deram os se-
de traseira (região 1), sendo que ocorreu uma deforma- guintes resultados demonstrados de forma resumida na
ção de até 2,76mm em uma de suas extremidades como tabela abaixo.
também pode ser visto na FIGURA 11(a parte pintada Tabela 3 – Resumo dos resultados
de vermelho).
Diâmetro
Figura 11 – Vista inferior da simulação com carga dis- 27mm 1” 3/4” 5/8”
externo
tribuída (Nível de Deformação).
Tensão no ponto
de comparação 62,3 62,6 103 111
(MPa)

Deslocamento
0,276 0,372 0,702 0,962
(mm)

Fonte: Autor
Os resultados da tabela sobre nível de tensão foram reti-
rados no mesmo ponto do suporte da chapa, nas 4 ver-

Fonte: Autor
sões de modelo do chassi, como mostra na figura 13,
Devido a chapa estar mais bem apoiada na área pois sua geometria permaneceu inalterada em todas as

destacada denominada de região 1, as tensões foram me- versões do modelo permitindo que os dados dos níveis
lhor distribuídas nos dois pontos de apoio diferente do de tesão existentes nele possam servir como base de
que ocorreu na outra parte da chapa que possuía apenas comparação. E os resultados de deslocamento sofrido
um ponto de apoio, concentrado toda a tensão da região foram retirados da área onde ocorreu maior deformação
na única base de apoio, como mostra a figura 12. como mostra a figura 14 para dar maior destaque na
Figura 12 – Vista inferior da simulação com carga dis- comparação.
tribuída (Nível de Tensão). Figura 13 – Ponto escolhido para extrair informações
de tensão da tabela 2.

Fonte: Autor Fonte: Autor


Figura 14 – Ponto escolhido para extrair informações Diâmetro Preço de Construção do Chassi
de deformação da tabela 2.
27mm 29,36 R$
1” 28,00 R$
3/4” 18,64 R$
5/8” 16,00 R$
Fonte: Autor
Figura 15 – Gráfico da amostra do nível de tenção.
Fonte: Autor
111

Nível de Tenção (MPa)


Ao comparar o desempenho do chassi feito 103
com tubos de 27mm com os feitos com tubos de uma
62,3 62,6
polegada, 3/4 de polegada e 5/8 de polegada, percebe-se
que o deslocamento sofrido pelo de uma polegada é
34,78% maior que o sofrido pelo chassi feito de tubos de 27mm 1" 3/4" 5/8"
27mm (versão original) sendo que a área de secção do Diâmetro do Tubo

tubo de uma polegada é apenas 25,34% menor que a área


Fonte: Autor
de secção do tubo de 27mm. Com relação ao chassi feito
Figura 16 – Gráfico de deslocamento.
com tubos de 3/4 de polegada o deslocamento sofrido é
154% maior que o deslocamento sofrido pelo chassi ori-
Deslocamento (mm)

0,962
ginal (27mm) sendo que a área de secção do tubo de 3/4”
0,702
é 57% menor que a área de secção do tubo de 27mm e o
0,372
chassi feito com tubos de 5/8” sofreu um deslocamento 0,276

2,5 vezes maior que o sofrido pelo chassi feito com tu-
27mm 1" 3/4" 5/8"
bos de 27mm sendo que a área de secção deste tudo é
Diâmetro do Tubo
70,15% menor.
Com isto, se deduz que quanto menor for o di- Fonte: Autor
âmetro e sua área de secção do tubo usado na fabricação, Figura 17 – Gráfico Área de secção.
menor será a resistência da estrutura e mais tencionado
ela estará como pode ser visto nos gráficos das figuras
Área de Secção

192,42
15, 16 e 17. Porém o uso de tubos com diâmetros e sec- 143,65
ção menores deixam a estrutura mais leve como pode ser 82,7
57,43
visto na Tabela 1, logo a potência necessária para fazer
o corpo andar é menor, economizando energia. 27mm 1" 3/4" 5/8"
Apesar destes resultados, é viável o uso dos tu- Diâmetro do Tubo
bos com diâmetros menores que 27mm, apresentados
neste estudo, para a fabricação do chassi segundo o mo- Fonte: Autor

delo CAD apresentado. Por exemplo o chassi de 5/8”, o


IV.3 Material definido: alumínio
menos resistente dos 4 modelos testados, não teve uma
A simulação de esforço com carga concentrada,
deformação maior que 1mm e caso seja usado o tubo de
tendo o alumínio 1060 como material definido no Chassi
5/8” de diâmetro para fabricação do chassi ao invés do
feito de tubos de 27mm de diâmetro deu os seguintes
de 27mm do projeto inicial, teremos um chassi 50%
resultados mostrados na tabela 3.
mais leve e 45% mais barato de se construir.
Tabela 4 – Preço de Construção do Chassi
Tabela 5 – Resumo dos resultados das simulações de de diâmetro esterno nos dois tipos de simulação empre-
carga concentrada entre aço e alumínio. gados, um com a carga distribuída pelo plano da chapa
de piso e o outro com a carga concentrada nas regiões de
Material Aço 1020 Alumínio 1060
contato entre a chapa de piso e o pneu da cadeira de ro-
das, sendo considerado um peso de 1177.2 N de carga,
Tensão no ponto
o que equivale na linguagem coloquial a 120 Kg de peso.
de comparação 62,3 70,5
Através destas simulações, foi possível constatar que es-
(MPa)
truturas formadas por tubos com maior área de secção
Deslocamento possuem maior resistência e capacidade para sustentar
0,276 0,314
(mm)
cargas, por outro lado, são os que maior custo de produ-
Fonte: Autor
ção e são mais pesados. O mesmo se nota ao comparar
Do mesmo modo como feito anteriormente, os
um chassi feito de aço 1020 para um que é feito de alu-
resultados da tabela sobre nível de tensão foram retira-
mínio 1060, apesar do alumínio se mais leve, uma estru-
dos no mesmo ponto do suporte da chapa nas 2 versões
tura feita por este material tem menor capacidade de su-
de modelo do chassi feitos com materiais diferentes,
portar cargas e se deforma com um pouco mais de faci-
como mostra na figura 13, cujo geometria é a mesma em
lidade, porém não a ponto de deixar seu uso inviável,
todas as versões do modelo, servindo assim como base
pelo contrário, a estrutura formada por alumínio resistiu
de comparação. E os resultados de deslocamento sofrido
bem ao teste simulado, o problema está no preço do ma-
foram retirados da área onde ocorreu maior deformação
terial que é bastante caro se comparado com o preso do
mostrado na figura 14 para dar maior destaque na com-
aço.
paração, assim como feito na comparação entre as ver-
REFERÊNCIAS
sões do chassi feitos com tubos de diâmetros diferentes.
A deformação sofrida pelo chassi de alumínio [1] Solid Edge Scalable Simulation, Acessado em ou-
são 13,76% maiores que a sofrida pelo chassi de aço, tubro de 2019. Disponível em: <https://www.plm.auto-
porém a estrutura possui uma massa de 10,689kg, 65% mation.siemens.com/pt_br/products/solidedge/de-
mais leve, e como já foi dito, quanto menor o peso maior sign/scalable_simusimula.shtml>
a economia de energia usado na movimentação do veí- [2] Solid Edge Tutorial Simulação usando o Método
culo, porém o preço do alumínio e maior que o do aço, dos Elementos Finitos, Acessado em outubro de 2019.
para ter uma ideia o preço do metro de tubo uma pole- Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/plugin-
gada de alumínio pode custar até 35 reais enquanto o do file.php/4379962/mod_resource/content/1/Tuto-
aço 1020 custa 2,40 reais. rial%20MME.pdf>
[3] G.H. Nunesa, M. Leãoa. Revista de Engenharia Ci-
V.CONSIDERAÇÕES FINAIS
vil: Estudo comparativo de ferramentas de projetos entre
Este trabalho apresentou o desenvolvimento de
o CAD tradicional e a modelagem BIM No. 55,47-61,
uma série de simulações de esforço sobre uma parte do
2018.
modelo CAD de um triciclo para deficientes, mais espe-
[4] Edison Rohleder; Henderson José Speck; Luis Al-
cificamente, sobre o modelo CAD de seu chassi e suas
berto Gómez. A IMPORTÂNCIA DO DESENHO NO
variações. Foram analisados os níveis de tensionamento
PROCESSO DE PROJETO, Acessado em novembro
e de deslocamento ou deformação presentes nos mode-
de 2019. Disponível em:<http://www.abenge. org.br/co-
los de chassi feitos com tubos de aço 1020 de 27mm, 1
benge/arquivos/19/artigos/026. PDF>
polegada, 3/4 de polegada e de 5/8 de polegada de diâ-
[5] Renato Dias Calado do Amaral; Armando Carlos de
metro esterno e também com tubo de alumínio de 27mm
Pina Filho. Nono Simpósio de Mecânica
Computacional; A Evolução do CAD e sua Aplicação
em Projetos de Engenharia. Acessado em novembro de
2019. Disponível em: <ufsj.edu.br/simmec2010/pa-
gina/desdesoft/DES-02.pdf>