Você está na página 1de 54

DISTÚRBIOS DA ENERGIA

ELÉTRICA

Eng. Edson Martinho


ELETRICIDADE
Existe apenas por um
instante em um
A eletricidade é
determinado ponto de
classificada como um
entrega e surge no
produto.
mesmo momento em
que está sendo usado.

A qualidade deste
Sua qualidade depende produto é fundamental
dos elementos que para o usuário e para o
participam da sua “produtor” que visa
produção, e da forma sempre custos menores
como está sendo usada. de produção com
qualidade superior.

2
QUALIDADE

Qualidade de
fornecimento de
2) Nível de Tensão:
energia elétrica é
Esta qualidade pode 1) Continuidade do Grau em que a
uma função de sua
ser dividida, de uma fornecimento, ou tensão é mantida
compatibilidade
forma macro, em ausência de dentro de uma
enquanto fonte de
duas: interrupção. determinada faixa
energia, com o
especificada.
equipamento
elétrico.

3
O que é qualidade de
energia para você?
EXEMPLO ILUSTRATIVO
PERTURBAÇÕES
• A preocupação com a qualidade da energia é algo
que deve ser estudado de forma integrada entre
gerador e fornecedor de energia, fabricante de
equipamentos, projetista das instalações e o
usuário da energia elétrica.

• Outra tendência é a necessidade de se estudar os


distúrbios de forma correlata e não mais isolados.
ITENS QUE ESTÃO SOB O TERMO:
QUALIDADE DE ENERGIA
Variação de Afundamento e
frequência Elevação de tensão

Harmônica e
inter-harmônicas Qualidade Notching / Ruídos /
Distúrbios
de Energia

Desequilíbrio de
Surto / Transitórios tensão
QUALIDADE DA ENERGIA
• Nos segmentos:
–Industrial
–Comercial
–Residencial
–Instalações especiais
Estão sujeitos ao PRODIST:
PRODIST ANEEL
a) concessionárias, permissionárias e autorizadas dos serviços de geração distribuída e de distribuição de energia
elétrica (denominadas neste documento como distribuidoras);
b) consumidores de energia elétrica conectados ao sistema de distribuição, em qualquer classe de tensão (BT, MT e AT),
inclusive consumidor ou conjunto de consumidores reunidos por comunhão de interesses de fato, ou de direito;
c) Agente importador ou exportador de energia elétrica conectados ao sistema de distribuição;;
d) Transmissoras detentoras do DIT – demais instalações de transmissão
e) ONS.
Fonte: ANEEL – Prodist – Modulo I 12/2012

Os índices de qualidade da energia, que são alvo de fiscalização estão definidos no modulo 8 do
mesmo PRODIST, citado acima, e abrangem os seguintes setores:
a) consumidores com instalações conectadas em qualquer classe de tensão de distribuição;
b) produtores de energia;
c) distribuidoras;
d) agentes importadores ou exportadores de energia elétrica;
e) transmissoras detentoras de Demais Instalações de Transmissão – DIT;
f) Operador Nacional do Sistema – ONS.

2.2 Os procedimentos de qualidade de energia elétrica definidos neste módulo se aplicam aos
Sistemas Individuais de Geração de Energia Elétrica com Fontes Intermitentes – SIGFI, exceto
o que estiver disposto em Resolução específica.
Fonte: ANEEL – Prodist – Modulo 8 02/2012
ANEEL- PRODIST- MÓDULO 8
1.2 Os aspectos considerados da qualidade do produto em
regime permanente ou transitório são:
a) tensão em regime permanente;
b) fator de potência;
c) harmônicos;
d) desequilíbrio de tensão;
e) flutuação de tensão;
f) variações de tensão de curta duração;
g) variação de frequência .
DESAFIO NA GERAÇÃO DE ENERGIA

• Geração própria
Cogeração, Geradores, Nobreaks,
Eólicos, Solar etc.
TRANSMISSÃO

Sistema
Interligado
Necessita de
excelente
qualidade de
energia

13
QUALIDADE NA DISTRIBUIÇÃO
• Níveis de tensão: devem ser mantidos dentro de parâmetros
pré-estabelecidos e são fiscalizados por órgãos
competentes.
– Continuidade de serviço;
– Duração Equivalente por Consumidor (DEC) – tempo
médio sem energia / consumidor no período considerado
– Frequência Equivalente de Interrupção (FEC) – média do
número de interrupções / consumidor no conjunto
considerado
– Simetria do sistema
– Forma de onda
Considerações
• O sistema elétrico brasileiro apresenta grandes geradores
afastados do centro de carga, isto implica em grandes
distâncias percorridas por linhas de transmissão.

• A tipologia do sistema de transmissão e distribuição brasileiro


é na sua grande maioria por sistemas aéreos, apesar do
esforça das distribuidoras de instalar redes compactas nos
grandes centros

• As concessionárias visam maximizar a eficiência para obter,


dentro das regras do agente regulador, lucro
QUALIDADE NO USO
• Este sim é um grande desafio!

O usuário entende, na maioria dos casos, que gerenciar


energia é controlar a demanda e o FP (facultativo à
concessionária de energia a cobrança).

Esta realidade está mudando e, nos próximos anos, a


qualidade de energia passará a ser item muito importante
para o funcionamento e produtividade.
TECNICA DE MITIGAÇÃO DOS DISTURBIOS
DA ENERGIA ELÉTRICA
• Avaliação da instalação elétrica (Subestação, malhas de controle e usuário)
- NR-10
• Identificação dos problemas de QEE por instalação de medidores. No PCC –
solicitação junto a concessionária.
• Entendimento do processo produtivo (relato de produção, manutenção,
qualidade)
• Histórico de ocorrência de problemas com suspeita de distúrbios de QEE
• Relação dos equipamentos e cargas críticas
• Levantamento de dados estatísticos de paradas
• Simulação dos distúrbios em laboratório (se possível), com implementação
de soluções e análise de resultados
• Avaliação dos resultados
• Proposição de soluções
• Implantação das soluções propostas
• Avaliação dos resultados
Avaliação da instalação elétrica

• Instalar dispositivos que identifique os


distúrbios causados por um período de tempo
em pelo menos 3 pontos.
• Quais os dispositivos disponíveis?
• Quais os pontos que devo medir?
Ferramentas portáteis de QE
Diagnóstico de problemas: os resultados medidos são
apresentados no visor instantaneamente.

Loggers: registra medições de QE (mínimo, máximo, média). Os


resultados medidos podem ser analisados e podem ser criados
relatórios no computador.

Registradores: registra medições de QE e captura formas de


onda detalhadas em alta resolução para fins de análise. Os
resultados medidos podem ser analisados e podem ser criados
relatórios no computador.
Esses instrumentos possibilitam:
• Medir a qualidade da tensão de acordo com os padrões locais (Prodist)
• Registrar variações de tensão com detalhes
• Registrar harmônicos de corrente e tensão
• Capturar transientes ou outros distúrbios de formas de onda
• Registrar outras variáveis, como o fator de potência
Categorias de segurança – IEC 61010
OS PRINCIPAIS DISTÚRBIOS
DA ENERGIA
ALTERAÇÕES NA FORMA DE
ONDA
• VARIAÇÃO DA FORMA DE ONDA
–Variação de amplitude e frequência

• ALTERAÇÃO NA FORMA DE ONDA


–Harmônica, Surto, Transiente, Notching,
Ruídos.
• Estes distúrbios podem surgir separados ou
combinados.

• O que devemos fazer?


Cuidando da qualidade da energia

• Segurança
– Da informação
– Prevenção de acidentes
EQUIPAMENTOS TI

• A escolha dos equipamentos e acessórios com


grande imunidade contra as perturbações é
necessário, porém a localização física e as
condições de instalação são parte integrante dos
parâmetros para definição de um projeto adequado.
PRECAUÇÕES
• Cabeamento
• Percurso relativo aos cabos de potencia e de baixa
corrente – sistemas de controle e automação
• Posicionamento dos equipamentos em relação às
fontes de perturbações
• Sistema de aterramento
Cuidando da qualidade da
energia
• Economia ao cuidar da qualidade da energia:
– Redução de paradas
– Economia de energia elétrica
– Redução de insumos
LIMITES DE THD
IEEE Std 519-1992 (instalação)
- THDmax TENSÃO = 5%
- THDmax CORRENTE = 5 - 20%

Limites da norma IEC 61000-3-2:


Equipamentos ≤ 16A/fase, redes de 220 a 415V

Limites da norma IEC 61000-3-4:


Equipamentos > 16A/fase, redes de 220 a 415V
NBR5410/2004 ANEXO F Fator Fh para determinação I neutro

Taxa 3ª 3fases + 2fases +


Harmônicas neutro neutro
 Determinação da corrente de neutro
33 a 35% 1,15 1,15
- Circuito trifásico com neutro, ou
bifásico com neutro, e 3ª 36 a 40% 1,19 1,19
Harmônicas for superior a 33% a
seção do neutro deve ser: 41 a 45% 1,24 1,23
In = Fh*Ib 46 a 50% 1,35 1,27
In – corrente de neutro 51 a 55% 1,45 1,30
Ib – corrente de projeto
56 a 60% 1,55 1,34
61 a 65% 1,64 1,38
>= 66% 1,73 1,41
QUALIDADE DE ENERGIA

MEDIÇÃO, REGISTRO E
ANÁLISE

435 Série II
O significa Classe A?
A norma IEC 61000-4-30 define 3 classes de
medidores QEE:
ABNT NBR IEC 61000-4-30:2011
Válida a partir de 3/3/11
• Classe A
Esta classe é usada onde medições precisas são necessárias por exemplo,
para aplicações contratuais que pode exigir soluções de disputas,
verificação de conformidade com padrões, etc. Qualquer medição de um
parâmetro executada com dois instrumentos diferentes que obedecem as
exigências da classe A, ao medir os mesmos sinais, deve produzir
resultados iguais dentro da incerteza especificada para o parâmetro.

• Classe S
Esta classe é usada para aplicações estatísticas tais como pesquisas ou
avaliações de qualidade de energia, possivelmente com um subconjunto
limitado de parâmetros. Embora utilize intervalos equivalentes de medição
como classe A, os requisitos de processamento da classe S são menores.

• Classe B
Esta classe é definida com a finalidade de se evitar a continuidade da
fabricação de projetos obsoletos de muitos instrumentos existentes.
Categorias de Medição
600 V CAT IV / 1000 V CAT III
Tensões máximas das entradas de tensão A (L1),
B (L2), C (L3), N a GND (Terra)
1000 V Cat. III
600 V Cat. IV
Instalação elétrica típica
Carga de
iluminação
QDL
Wh
Ponto de Banco de
conexão AT Quadro capacitores
Geral
CCM

Motores de
indução

QDT Circuitos de
tomadas

38
Monitoração do ponto de entrega

Ponto de QDL
Wh
conexão AT
Quadro
Geral
CCM

THD e Vh
Desequilíbrio
VTDC
Transitórios
QDT

39
Monitoração do circuito de motores

QDL
Wh
Banco de
Quadro capacitores
Geral
CCM

Motores de
indução

THD, Vh e Ih
QDT K-factor
Desequilíbrio
VTCD
Transitórios
40
Monitoração do circuito de iluminação e
tomadas Pst
Carga de
iluminação
QDL
Wh

Quadro
Geral
CCM

K-factor

QDT Circuitos de
tomadas

Irms neutros
41
Monitoração do ponto de faturamento
Carga de
iluminação
QDL
Wh
Banco de
Quadro capacitores
Geral
CCM

THD, Vh, Ih Motores de


K-factor indução
PF
Desequilíbrio
QDT Circuitos de
tomadas

42
Alguns cases e aplicações
de soluções para
problemas de qualidade da
energia
Casos Práticos: Condomínio Comercial-SP
9 elevadores variando torque
e velocidade
Um filtro ativo de 50amperes
para cada
Melhora total da instalação
do condomínio
Sem o filtro
Sem o filtro

Fator de potência corrigido no filtro 3 Com o filtro ativado

44
Casos Práticos: Jornal - Rotativas

45
Casos Práticos: Laminados
Total de THD da
Conteúdo THD de corrente corrigida e
corrente sem filtro redução da corrente
coma corrente total total RMS

46
ECONOMIA DE ENERGIA TRATANDO A QUALIDADE DE
ENERGIA

• Industria com linha de extrusão (Inglaterra), medido


THDv = 11% com Multiplos “zero-crossing”
• Tratamento das harmônicas com filtro ativo

Economia de energia de 10 a 15%

Fonte: Leonard-energy.org
CASO
• Aplicação de um compensador estático de reativos em uma
indústria siderúrgica do norte da Itália, mostrou resultados
satisfatórios quanto a redução do Flicker (Pst> 1,3 – Requerido 1,5).
• Com a adição de filtro de harmônica, trouxe outros benefícios
como:
– Redução de reativos (Fp >0,95);
– Aumento da potência disponível ( 6%);
– Redução do consumo de eletrodos (3%);
– Redução do tempo de fusão / melhor eficiência;
– Redução de desgaste do revestimento do forno;
– Redução das harmônicas de tensão <1,5%;

Estudo de caso apresentado na revista EM 05/07


EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS COM
MULTI-USUÁRIOS – 44.000 m2
E MAIS DE 40 ANOS DE CONSTRUÇÃO:
Um estudo preliminar sobre harmônicas revelou que o efeito
das correntes harmônicas, principalmente de 3ª ordem,
afetaram sobremaneira os circuitos, reduzindo a vida útil dos
capacitores de correção de fator de potência, geraram queda de
tensão entre neutro e terra e geraram problemas de
compatibilidade eletromagnética, afetando principalmente os
circuitos de TI.
Medições observaram correntes de 3ª ordem, muito acima da
fundamental.

Economia com uso de filtro passivo – 5%


QUAL O PROBLEMA ENTÃO?

Justificar junto à Gerência e


Departamento de Compras?

50
Fonte: Prof. José Carlos de Oliveira – Univ. Federal de Uberlândia
Custo x Benefício
Faça uma medição para saber qual o índice de qualidade da
energia presente em cada circuito.

Verifique a redução do tempo de vida útil de cada componente da


instalação (fio, motor, transformador etc.)

Quantifique o desperdício de energia por perda joule por exemplo


Faça comparativo com custo da solução para os problemas de
QEE
FOTO INTRIGANTE
www.procobre.org

54
www.leonardo-energy.org.br

55
LITERATURA
Infraestrutura Elétrica para Rede de
Computadores : Jose Mauricio Pinheiro
NACIONAL
Editora Ciência Moderna

HARMÔNICAS EM SISTEMAS INDUSTRIAIS :


Guilherme Alfredo Dentzien Dias
Editora EdipucRS

QUALIDADE NA ENERGIA ELÉTRICA


Ricardo Aldabo
Editora Artliber

DISTÚRBIOS DA ENERGIA ELÉTRICA


Edson Martinho
Editora Erica
OBRIGADO!

Edson Martinho
edson@lambdaconsultoria.com.br

Curta minha Fan Page


www.facebook.com/engedsonmartinho