Você está na página 1de 16

A2 Filmes e Mares Filmes

apresentam:

Vincent Lindon Galatea Bellugi

Um filme de Xavier Giannoli

A APARIÇÃO
(L’Apparition)

PRESS BOOK
SINOPSE

Jacques é jornalista em um grande jornal regional na França. Sua


reputação como um investigador imparcial e talentoso atrai a atenção do
Vaticano, que o recruta para uma tarefa especial: integrar uma comissão
para investigar a veracidade de uma aparição santa em uma pequena vila
francesa – uma verdadeira investigação canônica.
Após a sua chegada, ele conhece a jovem e sensível Anna, que afirma
ter testemunhado pessoalmente a aparição da Virgem Maria. Uma
profunda devota, ela conquistou um público impressionante na aldeia e
está dividida entre sua fé e as muitas solicitações que recebe.
Confrontado com visões opostas de membros do clero e céticos no
grupo, Jacques gradualmente revela as motivações e pressões ocultas no
trabalho e vê seu sistema de crenças ser profundamente abalado.

FICHA TÉCNICA

A APARIÇÃO (L'Apparition / The Apparition)


DIREÇÃO: Xavier Giannoli
ELENCO: Vincent Lindon, Galatéa Bellugi, Patrick d'Assumçao, Anatole
Taubman, Elina Löwensohn, Claude Lévèque, Gérard Dessalles, Bruno
Georis, Alicia Hava, Candice Bouchet
PAÍS/ANO DE PRODUÇÃO: França/2018
GÊNERO: Drama
MINUTAGEM: 140 minutos, aproximadamente
DATA DE ESTREIA: A confirmar

Mais sobre a equipe: https://goo.gl/WZ9EmN


ENTREVISTAS

ENTREVISTA COM XAVIER GIANNOLI

Como foi a realização de A APARIÇÃO?


XAVIER GIANNOLI: Durante muito tempo, quis saber qual o meu próprio
posicionamento com relação à religião e à fé. Penso que esse
questionamento é aparente em todos os meus filmes, a começar por No
Princípio (À L'Origine, 2009), que trata da relação entre promessas e
mentiras, uma estrada para lugar nenhum, algo em que muitos querem
acreditar. Precisava me concentrar no aspecto mais íntimo desses assuntos
e, certo dia, li um artigo sobre as misteriosas “investigações canônicas”.
Eu sabia que a Igreja, eventualmente, conduzia comissões de
investigação em relação a assuntos considerados eventos sobrenaturais ou
aparições. Essas comissões de investigações canônicas não são
necessariamente compostas por pessoas religiosas. Há cientistas e
historiadores que são convidados por bispos para participarem e reunirem
testemunhas oculares dos fenômenos e a determinar a veracidade – ou os
impostores – nos eventos de forma precisa. O ponto de vista de um
documentário investigativo sobre a suposta prova da existência de Deus
corresponde à dúvida essencial que eu senti em minha vida. Esse
questionamento se tornou uma força verdadeiramente vital e
cinematográfica.

Você precisava investigar o quê, exatamente?


GIANNOLI: Eu queria fazer essa investigação sem dogmatismo ou
parcialidade, do ponto de vista de uma pessoa comum, não de um filósofo
ou um teólogo (o que eu não sou), mas de um cineasta com um desejo pela
verdade humana. Foi assim que tive a ideia desse personagem jornalista
que vai investigar uma ocorrência aparentemente inacreditável: uma
aparição da Virgem Maria hoje na França. Não sendo mais santo do que
qualquer um, ou um ateu cínico, seria apenas um homem livre, comum, que
quer descobrir o que é verdadeiro e o que não é. E eu gostei de descobrir
que esta investigação começou a fluir distante das minhas mãos e a seguir
em outras direções.

Foi a atmosfera atual que despertou seu interesse por essa questão?
GIANNOLI: Eu precisava dar uma outra abordagem a essas questões, longe
dos clichês dados pela mídia, os debates sobre o choque de civilizações, o
retorno da religião e do extremismo fundamentalista, ou da Igreja e seus
escândalos. Para mim, é, em primeiro lugar, uma busca pessoal... Todos
lidam com isso da maneira que podem ou ficam confusos como eu. Não
encontraremos o significado da vida com algoritmos, smartphones,
promessas econômicas ou ilusões políticas.
Eu queria que a jornada do meu personagem terminasse no deserto,
um deserto original, em miséria e desilusão. O protagonista tentou
desvendar um mistério e, no final, parece se recusar a fazê-lo, talvez porque
tenha descoberto a beleza desse questionamento. A maneira como Vincent
se ajoelha para deitar o pequeno ícone queimado nos degraus do mosteiro,
a forma como as pessoas abandonam as crianças, é provavelmente um dos
mais belos gestos que já filmei. Vincent tem uma humildade e uma
dignidade que me tocam, como se ele reconhecesse a existência de um
grande mistério permanecendo nas sombras.
Então, foi, em primeiro lugar, uma história humana que te interessou?
GIANNOLI: Li um livro fascinante intitulado “Faussaires de Dieu” (Joachim
Bouflet, publicado pela Presses de la Renaissance), uma investigação sobre
esses impostores que estão preparados para fazer qualquer coisa para fazer
as pessoas acreditarem que viram um sinal de Deus. Então, quando eu
decidi me aventurar nesse assunto, eu certamente não queria fazer as
pessoas acreditarem em aparições – longe disso. Mas eu também queria
acreditar na profunda sinceridade dessa jovem, apesar da legítima dúvida
que alguém pode ter. Na verdade, do que ela afirma ter visto. Acho isso
autossuficiente e poético, e tenho profundo respeito por isso.
O historiador Yves Chiron escreveu livros sobre esse assunto e que
me ajudaram muito. Enquanto eu estava escrevendo, também tive
conversas com padres. Um dia, perguntei a um deles: "Quando você
morrer, terá menos medo, porque acredita na vida eterna?" Houve uma
pausa, então ele respondeu: "Quando eu fecho meus olhos, primeiro eu
digo a mim mesmo: espero não estar errado..." Isso me emocionou
profundamente. Então, lembrei-me do belíssimo "não sei", que acaba com
“Le Royaume”, de Emmanuel Carrère. Porque eu também não sei. Então,
continuo procurando e preciso de cinema para isso... Ou preciso desse
assunto para procurar algo em cinema. Eu não sei.

Como esta investigação começou?


GIANNOLI: Primeiro, encontrei uma lista de aparições "autenticadas" pelo
Vaticano. Bernadette Soubirou é bem conhecida, mas há dezenas de outras
antes e depois dela. A última aparição sobrenatural canonicamente
autenticada foi na década de 1980 em San Nicolas, Argentina. E deve ser
feita menção de Garabandal, Medjugorje ou Fátima, que foram eventos
submetidos a investigações contraditórias mais ou menos sérias, com uma
grande variedade de julgamentos e posições.
Eu encontrei a foto de uma jovem visionária com um boné de
eletroencefalograma em sua cabeça e suas mãos unidas em oração,
enquanto as ondas elétricas de seu cérebro eram analisadas para testar se
ela estava falando a verdade. Havia uma poesia estranha naquela foto,
como se a tecnologia fosse capaz de sondar os mistérios da alma. Eu estava
principalmente atraído pela dimensão factual da investigação.

Você conseguiu entrar no mundo das investigações canônicas?


GIANNOLI: Eu queria começar com uma investigação de campo. Então, eu
fui conhecer pessoas que participaram de investigações canônicas. Minha
primeira surpresa foi conhecer homens e mulheres que não eram meros
peões, preparados para acreditar em qualquer coisa. Pelo contrário, eles
caçam impostores e forjadores, e trazem médicos e historiadores para
participarem de suas pesquisas. Mas o problema é que eles juraram sigilo.
Eu ainda consegui fazer amizade com alguns deles e tive acesso a
entrevistas reais de pessoas que afirmavam ter testemunhado uma
aparição.
Era absolutamente fascinante, porque era muito simples e concreto,
basicamente bastante similar com uma investigação de um jornalista ou
policial. Uma vez terminada a investigação, a comissão apresenta suas
conclusões a um bispo, única pessoa que pode pedir ao Vaticano para
reconhecer um evento sobrenatural. É um longo e rigoroso processo,
monitorado de perto, com um protocolo para determinar a retidão das
investigações de modo a eliminar fraudes. E não se deve imaginar que a
Igreja espera e incentiva a autenticação de aparições. Pelo contrário, eu
acho que eles são um obstáculo. Para eles, a fé não precisa de provas ou
não seria mais fé.

Sentimos na narrativa do filme e direcionando o estilo uma preocupação


com realismo e rigor...
GIANNOLI: Para poder escrever um filme, tenho que começar dizendo a
mim mesmo: "Ninguém vai acreditar ...". E é essa dúvida fundamental que
me leva a realizar investigações cada vez mais longas e usar todos os
recursos do cinema para dê "realidade" à conta. Nas filmagens, muitas
vezes eu pensava em céticos ... e eu esperava que minha investigação
completa fizesse eles seguirem meu personagem e se perderem nela. Eu
continuei voltando para a investigação. A investigação baseada na realidade
... que acaba se abrindo para outra dimensão.
Eu tive uma discussão com meu diretor de fotografia, Eric Gautier,
antes das filmagens: você tem que começar filmando as aparências da
realidade para tentar alcançar um estado de graça, filmar o peso dos corpos
para revelar a alma.
É também por isso que eu precisava ter contato com algo do caos do
mundo moderno para terminar meu filme. Eu queria explorar o lado íntimo
do tópico, mas também em um contexto mais amplo. Fui filmar no maior
campo de refugiados do Oriente Médio, na fronteira com a Síria. Essa
tragédia histórica nos faz questionar o que somos, nossos valores, nossa
história e o que estamos preparados para oferecer para ajudá-los. Quando
Anna olha para o céu e se perde, Mériem olha para a terra e se encontra.
Ela também acredita em auto sacrifício para aqueles que estão sofrendo,
mas agora está longe do dogma da Igreja. É o respeito pelo sagrado na vida,
além de quaisquer questões religiosas.
É a primeira vez que você trabalha com Vincent Lindon.
GIANNOLI: Eu escrevi esse papel para Vincent Lindon, com quem eu queria
trabalhar por um longo tempo. Nós nos conhecíamos bem e eu queria
filmá-lo de uma nova maneira. Foi um bom trabalho conseguir que ele
concordasse em me deixar filmar seu olhar, ou melhor, deixar tempo
suficiente para que seu olhar revelasse uma interioridade mais secreta.
Vincent está continuamente em movimento, à vontade falando e muito
rapidamente no meio de eventos. Como todos os grandes atores, ele é em
primeiro lugar um corpo, uma força vital que toca objetos e questiona a
presença física das pessoas à sua frente e os cenários pelos quais ele passa.
Eu sabia que usaria essa força para desempenhar um papel e que isso
tornaria a investigação de Jacques mais real em um mundo que gira em
torno da espiritualidade. Assim, Jacques começa sendo um corpo estranho
no mundo de Anna... E ele se depara com o olhar dela.
No final do filme, vemos que o olhar de Jacques mudou, ele agora vê
algo mais do mundo e das pessoas nele. O jornalista que passou a vida à
procura de provas tangíveis encontrou seu limite. Ele se deparou com um
mundo em que a prova não conta para nada e o mundo invisível guarda
seus segredos.

O que você pode nos dizer sobre Anna?


GIANNOLI: Acredito na profunda sinceridade de sua fé e sou tocada por seu
isolamento na oração. Ela sacrificou sua vida para a mensagem que ela diz
que recebeu. Ela se tornou prisioneira daqueles que querem espalhar sua
palavra e sua imagem. Seu encontro com Jacques vai atrapalhar seu
silêncio. Esta jornalista entra em sua vida de segredos como um princípio
da verdade. E em primeiro lugar, sou tocado pela infinita solidão dela ... Ela
precisava ser ouvida, libertada.
Ao restaurá-la para si mesma, Jacques a levará até o fim de seu
mistério. Há um elo complexo entre eles que diz respeito à solidão e à
necessidade de amor, mística e ilusão, sacrifício e ternura.

Como você se deparou com Galatea Bellugi, que interpreta Anna?


GIANNOLI: Como faço em cada filme que realizo, passei muito tempo
assistindo a testes de tela, porque eu reescrevi o filme depois de encontrar
os atores. Eu vi centenas de rostos... E depois Galatea, que eu não conhecia.
Era simplesmente óbvio. Eu assisti aos testes de tela em que Anna relata a
aparição e era absolutamente impossível imaginar que ela estava apenas
atuando. Seu olhar, seus gestos, a textura de sua voz, tudo deu uma
veracidade emocionante para o que estava interpretando, é incrível. Havia
algo como a loucura na maneira como ela parecia acreditar calmamente no
que estava dizendo. Eu fui então informado que ela atuou em alguns filmes,
mas ela realmente não sabia se queria se tornar atriz, embora tivesse uma
presença única. Todo dia que passei com ela na filmagem foi um momento
de graça. Ela tinha um relacionamento muito interessante com Vincent,
como se ambos tivessem entendido que tinham tudo a ganhar ao manter
distância. Ela é familiar e enigmática, tudo o que um diretor sonha. Um
presente do céu.

Existem muitos papéis secundários.


GIANNOLI: O padre que protege Anna, Patrick d'Assumçao, é um ator com
quem eu queria trabalhar há muito tempo. Ele trouxe uma incrível
humanidade e complexidade para o personagem do protetor de Anna, a
quem começamos a pensar como um manipulador e que acaba sendo
vítima de sua fé e seu amor por ela. Assim como Anatole Taubman, que
interpreta Anton Meyer, o tipo de maníaco que é perigoso porque ele é
sincero e com quem você frequentemente se depara quando as aparições
ocorrem. Ambos incorporam formas diferentes de viver a fé, para melhor
ou para pior. Ambos se sentem perdidos.
Há também os membros da comissão (Elina Löwensohn, Gerard
Dessalles, Claude Lévèque, Bruno Georis), um grupo de especialistas para
quem o sobrenatural é rotineiro, com suas armadilhas e imposturas. Nós
nos divertimos muito dando vida a esses pequenos momentos em que eles
discutem questões concretas enquanto investigam um mistério incrível.
Essas cenas dão um sentimento de verdade que ajuda a possibilidade de
uma aparição se enraizar na realidade da investigação.
Por fim, há o enigma de Mériem...

Você usou a música de Arvö Part durante todo o filme.


GIANNOLI: Eu escrevi enquanto ouvia Arvö Part. Para aqueles que não
estão familiarizados com ele, ele é um compositor lituano contemporâneo.
Fui apresentado ao seu trabalho pelo meu engenheiro de som, François
Musy, com quem trabalhei desde o meu primeiro curta-metragem. O que
posso dizer sobre um tal gênio? Como eu disse, queria basear o filme na
realidade contemporânea e nos sons de hoje: o barulho das máquinas de
sopro de penas, de aviões e carros, as vibrações das luzes de néon nos tetos.
O filme não é ambientado no silêncio de uma igreja em uma pequena
vila pastoril – longe a partir dele. Assim, a música da Part-age como um
contraponto espiritual a esse realismo que não se predispõe a aceitar a
possibilidade do sobrenatural. Sua música deixa espaço para o silêncio, a
dúvida, a humanidade profunda e a poesia da dúvida. Mas também há um
tema de Georges Delerue no qual estou muito interessado. É muito
importante para mim que o cinema seja um espetáculo, o espetáculo de
nossas vidas enquanto procuramos por nós mesmos. E essa busca me
lembrou do tema você ouve no final de Stellaire. Ele compôs no final dos
anos 1980 para uma série de documentários de TV de astrofísica. Mostrou
como os homens sempre tentaram resolver os mistérios dos céus. Lembro-
me de que os principais cientistas que passaram suas vidas estudando o
universo acabaram questionando a existência de Deus.
SOBRE XAVIER GIANNOLI

Xavier Giannoli
Diretor | Roteirista | Produtor
Nascido em 7 de março de 1970, em Neuilly-sur-Seine, Hauts-de-Seine, na
França.

Filmografia:
2018 A Aparição
2015 Marguerite
2012 Superstar
2009 À l'origine
2006 Quando Estou Amando
2005 Une aventure
2003 Les corps impatients
1998 L'interview (Curta)
1996 Dialogue au sommet (Curta)
1995 J'aime beaucoup ce que vous faites (Curta)
1994 Terre sainte (Curta)
1993 Le condamné (Curta)
SOBRE VINCENT LINDON

Vincent Lindon
Ator | Roteirista | Diretor
Vincent Lindon nasceu em 15 de julho de 1959, em Boulogne-Billancourt,
Hauts-de-Seine, França.
Seu nome de batismo é Vincent Alfred Fernand Lindon.

Filmografia – Como ator:


2018 A Aparição
2017 Rodin
2015 Os Cavaleiros Brancos
2015 O Pequeno Príncipe (voz)
2015 O Valor de um Homem
2015 O Diário de Uma Camareira
2014 Mea culpa
2013 Bastardos
2012 Uma Primavera com Minha Mãe
2012 Augustine
2011 Complices (Curta)
2011 Tudo o que desejamos
2011 Pater
2011 A Criança da Meia-Noite
2011 Un coeur qui bat
2009 Mademoiselle Chambon
2009 Bem-Vindo
2008 Tudo por Ela
2008 Mes amis, mes amours
2008 Caçadores de Dragões (voz)
2007 Ceux qui restent
2007 Je crois que je l'aime
2006 Selon Charlie
2005 L'avion
2005 La moustache
2004 La confiance règne
2003 Les clefs de bagnole
2003 Le coût de la vie
2003 Filles uniques
2002 Vendredi soir
2002 Le frère du guerrier
2001 Chaos
2001 Mercredi, folle journée!
1999 Pas de scandale
1999 Ma petite entreprise
1999 Belle maman
1998 Escola da Carne
1998 Paparazzi
1997 Le septième ciel
1997 Fred
1996 Turista Espacial
1996 Les victimes
1996 Vite strozzate
1995 O Ódio
1994 L'irrésolu
1993 Tout ça... pour ça!
1992 A Crise
1992 La belle histoire
1991 La cabine (Curta)
1991 Netchaïev est de retour
1990 Gaspard et Robinson
1990 Tem Dias de Lua Cheia
1990 La Baule-les-Pins
1988 L'étudiante
1988 Quelques jours avec moi
1987 Un homme amoureux
1987 Dernier été à Tanger
1986 Yiddish Connection
1986 Half Moon Street
1986 Prunelle Blues
1986 Suivez mon regard
1986 Betty Blue
1985 Une vie comme je veux
1985 Néo Polar (Série de TV)
1985 Olhos de Tigre
1984 L'île de la jeune fille bleue
1984 The Ebony Tower
1984 Quartos Separados
1984 Tornei-me um Criminoso
1983 Le faucon
SOBRE GALILEA BELLUGI

Galilea Bellugi
Atriz
Nascida em 1997, em Paris, França.

Filmografia:
2018 A Aparição
2018 Il ragazzo invisibile: Seconda generazione
2016 Coração e Alma
2015 Keeper
2015 À 14 ans
2014 Les Naufragés du Fol Espoir
2011 Elle ne pleure pas, elle chante
2010 Opale plage (Curta)
2006 Sable noir (Série de TV)
2005 Les yeux clairs
MAIS SOBRE A A2 FILMES
A2 Filmes surgiu da convergência dos trabalhos de competentes
executivos da área de entretenimento que, ao longo dos anos,
estabeleceram-se como referência no mercado e se uniram para criar uma
empresa capaz de oferecer não apenas licenciamento de conteúdo para
toda a América Latina, como também realizar diretamente a distribuição
de produtos no home vídeo brasileiro em todas as plataformas, digitais ou
físicas, e também nos cinemas.

MAIS SOBRE A MARES FILMES


Distribuidora independente que trouxe para os cinemas brasileiros obras
únicas como A GRANDE BELEZA, HABEMUS PAPAM, CÉSAR DEVE MORRER
e O AMANTE DA RAINHA, entre muitas outras de destaque internacional e
premiadas nos principais festivais do mundo.

CONTATO DE IMPRENSA:
ANDRÉ CAVALLINI
imprensa@a2filmes.com.br

NAS REDES SOCIAIS E NA INTERNET:


www.a2filmes.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/a2filmes.com.br/
Instagram: https://www.instagram.com/a2_filmes/
Twitter: https://twitter.com/a2filmesoficial
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCnhy6aQcNatH-
FylVGtkb9w

Você também pode gostar