Você está na página 1de 433

ÍNDICE

CAMPINAS
PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS
DO ESTADO DE SÃO PAULO

Professor de Educação Básica I


- Educação Infantil

001JL-19
EDITAL Nº 01/2019
ÍNDICE

Língua Portuguesa
Leitura e interpretação de diversos tipos de textos (literários e não literários). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Sinônimos e antônimos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Sentido próprio e figurado das palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Classes de palavras: substantivo, adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição e conjunção: emprego e sentido que impri-
mem às relações que estabelecem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Concordância verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Regência verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Colocação pronominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Matemática
Resolução de situações-problema, envolvendo: adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação ou radiciação com números
racionais, nas suas representações fracionária ou decimal; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Mínimo múltiplo comum; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Porcentagem; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Razão e proporção; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Regra de três simples; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Equação do 1.º grau; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Grandezas e medidas – quantidade, tempo, comprimento, superfície, capacidade e massa; Relação entre grandezas – tabela ou
gráfico; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Noções de geometria plana – forma, área, perímetro e Teorema de Pitágoras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

Conhecimentos Pedagógicos
Princípios da prática docente: sociológicos, filosóficos, antropológicos e éticos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
História da Educação Brasileira: Escola, Estado e Sociedade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Política educacional, estrutura e organização da educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Currículo: Ciclos de aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Currículo e os direitos dos educandos e dos educadores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Currículo e avaliação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Currículo e projeto pedagógico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Currículo e práticas pedagógicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Gestão Escolar Democrática. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Projeto Político Pedagógico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Avaliação Institucional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Avaliação do Processo de Ensino e Aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Educação e Cidadania. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Educação Ambiental. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Princípios e Fundamentos da Educação Inclusiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Diversidade e relações étnico-raciais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Escola para a educação integral. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
As dimensões da Tecnologia da Informação e Comunicação na educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

Legislação Federal
Constituição Federal e emendas relacionadas à Educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e suas alterações (LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996). . . . . . . . . . . . . . . . 02
ÍNDICE

Estatuto da Criança e do Adolescente (LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19


Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e
Africana. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva (http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.
pdf). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Revista da Educação Especial, v. 4, n. 1, jan./jun. 2007a (disponível em http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/rev4web.pdf). . . . . 63

Legislação Municipal
Lei nº 6.662/91 de 10/10/1991 (Dispõe sobre a criação do Conselho de Escola nas unidades educacionais) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Lei nº 8.869 de 24/06/1996 (Dispõe sobre a criação, a composição, as atribuições e o funcionamento do Conselho Municipal de Edu-
cação). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Resolução nº 14/2014, da Secretaria Municipal da Educação – SME - (Estabelece as Diretrizes para a implementação do processo de Avaliação
Interna das Unidades Municipais de Ensino Fundamental e para a Constituição da Comissão Própria de Avaliação (disponível no Diário Oficial
do Município de 24/10/2014) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
Lei nº 12.987/2007 (Plano de Cargos e Carreiras do Magistério Municipal). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Lei Complementar nº 57/2014 (Altera dispositivos da Lei nº 12.987/2007). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Portaria SME nº114/2010 (Regimento Escola Comum da Rede Municipal de Ensino de Campinas) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Estatuto do Servidor Público de Campinas – Lei nº 1.399/55 (Artigo 15 e Artigos 184 a 204) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Decreto nº 15.514/06, que dispõe sobre o Programa de Avaliação Probatória do Servidor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Manual de Ética da Prefeitura Municipal de Campinas – páginas 4 a 27 (disponível no endereço http://www.campinas.sp.gov.br/arquivos/
manual_etica.pdf) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

Conhecimentos Específicos
Professor De Educação Básica I - Educação Infantil
Concepções: De Educação, De Educação Infantil, De Infância E De Criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Leitura E Escrita Na Educação Infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
Plano De Ação Pedagógica Docente Para A Educação Infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
Corporeidade: O Corpo Criança Criador De Culturas E Conhecimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
Os Processos De Criação No Brincar - A Constituição Do Brinquedo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
A Exploração E A Construção Estética Das Crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Os Processos De Relação Com Obras De Arte E Das Criações E Autoria Das Crianças, Junto Às Várias Formas De Expressão Artística Existentes:
Artes Visuais, Plásticas, Literatura, Música, Dança, Teatro, Cinema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
A Prática Docente: Profissional, Estética, Ética, Social, Humana E Dialógica Com O Outro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
História Da Educação Infantil No Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Composição De Tempos E Espaços Na Educação Infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
O Conhecimento Matemático Na Educação De Crianças E Suas Relações Junto Às Experiências Cotidianas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Ciências Naturais E Suas Relações Com O Ambiente, O Corpo E O Desenvolvimento Humano Na Educação Infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
A Pesquisa E A Exploração De Novas Descobertas Na Educação Infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Avaliação E Registro Do Processo Educacional Na Educação Infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Formação Continuada De Professores E Suas Relações Com O Professor Pesquisador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Referencial Curricular Nacional Para A Educação Infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Diretrizes Curriculares Da Educação Básica Para A Educação Infantil – Município De Campinas (Disponível Em Http://Campinas.sp.gov.br/
Arquivos/Educacao/04_Diretrizes_infantil.pdf) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
DICA

Como passar em um concurso público?

Todos nós sabemos que é um grande desafio ser aprovado em concurso público, dessa maneira é muito importante o concurseiro
estar focado e determinado em seus estudos e na sua preparação.
É verdade que não existe uma fórmula mágica ou uma regra de como estudar para concursos públicos, é importante cada pessoa
encontrar a melhor maneira para estar otimizando sua preparação.
Algumas dicas podem sempre ajudar a elevar o nível dos estudos, criando uma motivação para estudar. Pensando nisso, a Solução
preparou esse artigo com algumas dicas que irá fazer toda diferença na sua preparação.
Então mãos à obra!

Separamos algumas dicas para lhe ajudar a passar em concurso público!

- Esteja focado em seu objetivo: É de extrema importância você estar focado em seu objetivo, a aprovação no concurso. Você vai
ter que colocar em sua mente que sua prioridade é dedicar-se para a realização de seu sonho.
- Não saia atirando para todos os lados: Procure dar atenção em um concurso de cada vez, a dificuldade é muito maior quando
você tenta focar em vários certames, devido as matérias das diversas áreas serem diferentes. Desta forma, é importante que você
defina uma área se especializando nela. Se for possível realize todos os concursos que saírem que englobe a mesma área.
- Defina um local, dias e horários para estudar: Uma maneira de organizar seus estudos é transformando isso em um hábito, de-
terminado um local, os horários e dias específicos para estar estudando cada disciplina que irá compor o concurso. O local de estudo
não pode ter uma distração com interrupções constantes, é preciso ter concentração total.
- Organização: Como dissemos anteriormente, é preciso evitar qualquer distração, suas horas de estudos são inegociáveis, preci-
sa de dedicação. É praticamente impossível passar em um concurso público se você não for uma pessoa organizada, é importante ter
uma planilha contendo sua rotina diária de atividades definindo o melhor horário de estudo.
- Método de estudo: Um grande aliado para facilitar seus estudos, são os resumos. Isso irá te ajudar na hora da revisão sobre o
assunto estudado, é fundamental que você inicie seus estudos antes mesmo de sair o edital, caso o mesmo ainda não esteja publica-
do, busque editais de concursos anteriores. Busque refazer a provas dos concursos anteriores, isso irá te ajudar na preparação.
- Invista nos materiais: É essencial que você tenha um bom material voltado para concursos públicos, completo e atualizado.
Esses materiais devem trazer toda a teoria do edital de uma forma didática e esquematizada, contendo muito exercícios. Quando
mais exercícios você realizar, melhor será sua preparação para realizar a prova do certame.
- Cuide de sua preparação: Não é só os estudos que é importante na sua preparação, evite perder sono, isso te deixará com uma
menor energia e um cérebro cansado. É preciso que você tenha uma boa noite de sono. Outro fator importante na sua preparação, é
tirar ao menos 1 (um) dia na semana para descanso e lazer, renovando as energias e evitando o estresse.

Se prepare para o concurso público!

O concurseiro preparado não é aquele que passa o dia todo estudando, mas está com a cabeça nas nuvens, e sim aquele que se
planeja pesquisando sobre o concurso de interesse, conferindo editais e provas anteriores, participando de grupos com enquetes so-
bre o mesmo, conversando com pessoas que já foram aprovadas absorvendo as dicas e experiências, analisando a banca examinadora
do certame.
O Plano de Estudos é essencial na otimização dos estudos, ele deve ser simples, com fácil compreensão e personalizado com sua
rotina, vai ser seu triunfo para aprovação, sendo responsável pelo seu crescimento contínuo.
Além do plano de estudos, é importante ter um Plano de Revisão, será ele que irá te ajudar na memorização dos conteúdos estu-
dados até o dia da realização da prova, evitando a correria para fazer uma revisão de última hora próximo ao dia da prova.
Está em dúvida por qual matéria começar a estudar?! Uma dica, comece pela Língua Portuguesa, é a matéria com maior requisi-
ção nos concursos, a base para uma boa interpretação, no qual abrange todas as outras matérias.
DICA

Vida Social!

Sabemos que faz parte algumas abdicações na vida de quem estuda para concursos públicos, sempre que possível é importante
conciliar os estudos com os momentos de lazer e bem-estar. A vida de concurseiro é temporária, quem determina o tempo é você,
através da sua dedicação e empenho. Você terá que fazer um esforço para deixar de lado um pouco a vida social intensa, é importante
compreender que quando for aprovado, verá que todo o esforço valeu a pena para realização do seu sonho.
Uma boa dica, é fazer exercícios físicos, uma simples corrida por exemplo é capaz de melhorar o funcionamento do Sistema Ner-
voso Central, um dos fatores que são chaves para produção de neurônios nas regiões associadas à aprendizagem e memória.

Motivação!

A motivação é a chave do sucesso na vida dos concurseiros. Compreendemos que nem sempre é fácil, e as vezes bate aquele
desânimo com vários fatores ao nosso redor. Porém a maior garra será focar na sua aprovação no concurso público dos seus sonhos.
É absolutamente normal caso você não seja aprovado de primeira, é primordial que você PERSISTA, com o tempo você irá adquirir
conhecimento e experiência.
Então é preciso se motivar diariamente para seguir a busca da aprovação, algumas orientações importantes para conseguir mo-
tivação:
- Procure ler frases motivacionais, são ótimas para lembrar dos seus propósitos;
- Leia sempre os depoimentos dos candidatos aprovados nos concursos públicos;
- Procure estar sempre entrando em contato com os aprovados;
- Escreve o porque que você deseja ser aprovado no concurso, quando você sabe seus motivos, isso te da um ânimo maior para
seguir focado, tornando o processo mais prazeroso;
- Saiba o que realmente te impulsiona, o que te motiva. Dessa maneira será mais fácil vencer as adversidades que irá aparecer.
- Procure imaginar você exercendo a função da vaga pleiteada, sentir a emoção da aprovação e ver as pessoas que você gosta,
felizes com seu sucesso.
Como dissemos no começo, não existe uma fórmula mágica, um método infalível. O que realmente existe é a sua garra, sua
dedicação e motivação para estar realizando o seu grande sonho, de ser aprovado no concurso público. Acredite em você e no seu
potencial.
A Solução tem ajudado há mais de 35 anos quem quer vencer a batalha do concurso público. Se você quer aumentar as suas
chances de passar, conheça os nossos materiais, acessando o nosso site: www.apostilasolucao.com.br
LÍNGUA PORTUGUESA

Leitura e interpretação de diversos tipos de textos (literários e não literários). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


Sinônimos e antônimos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Sentido próprio e figurado das palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Classes de palavras: substantivo, adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição e conjunção: emprego e sentido que impri-
mem às relações que estabelecem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Concordância verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Regência verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Colocação pronominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
LÍNGUA PORTUGUESA

A interpretação do texto é o que podemos concluir sobre


LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DIVERSOS TIPOS DE ele, depois de estabelecer conexões entre o que está escrito e
TEXTOS (LITERÁRIOS E NÃO LITERÁRIOS) a realidade. São as conclusões que podemos tirar com base nas
ideias do autor. Essa análise ocorre de modo subjetivo, e são
LEITURA, COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS relacionadas com a dedução do leitor.
A interpretação de texto é o elemento-chave para o resul-
Leitura tado acadêmico, eficiência na solução de exercícios e mesmo na
compreensão de situações do dia-a-dia.
A leitura é prática de interação social de linguagem. A leitura, Além de uma leitura mais atenta e conhecimento prévio
como prática social, exige um leitor crítico que seja capaz de mo- sobre o assunto, o elemento de fundamental importância para
bilizar seus conhecimentos prévios, quer linguísticos e textuais, interpretar e compreender corretamente um texto é ter o domí-
quer de mundo, para preencher os vazios do texto, construindo nio da língua.
novos significados. Esse leitor parte do já sabido/conhecido, mas, E mesmo dominando a língua é muito importante ter um
superando esse limite, incorpora, de forma reflexiva, novos signi- dicionário por perto. Isso porque ninguém conhece o significado
ficados a seu universo de conhecimento para melhor entender a de todas as palavras e é muito difícil interpretar um texto desco-
realidade em que vive. nhecendo certos termos.

Compreensão Dicas para uma boa interpretação de texto:


A compreensão de um texto é a análise e decodificação do - Leia todo o texto pausadamente
que está realmente escrito nele, das frases e ideias ali presentes. - Releia o texto e marque todas as palavras que não sabe o
A compreensão de texto significa decodificá-lo para entender o significado
que foi dito. É a análise objetiva e a assimilação das palavras e - Veja o significado de cada uma delas no dicionário e anote
ideias presentes no texto.
- Separe os parágrafos do texto e releia um a um fazendo o
Para ler e entender um texto é necessário obter dois níveis de
seu resumo
leitura: informativa e de reconhecimento.
- Elabore uma pergunta para cada parágrafo e responda
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias se-
letas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela - Questione a forma usada para escrever
ideia central, argumentação/desenvolvimento e a conclusão do - Faça um novo texto com as suas palavras, mas siga as
texto. ideias do autor.
Quando se diz que uma pessoa tem a compreensão de algo,
significa que é dotada do perfeito domínio intelectual sobre o as- Lembre-se que para saber compreender e interpretar mui-
sunto. to bem qualquer tipo de texto, é essencial que se leia muito.
Para que haja a compreensão de algo, como um texto, por Quanto mais se lê, mais facilidade de interpretar se tem. E isso é
exemplo, é necessária a sua interpretação. Para isso, o indivíduo fundamental em qualquer coisa que se faça, desde um concur-
deve ser capaz de desvendar o significado das construções tex- so, vestibular, até a leitura de um anúncio na rua.
tuais, com o intuito de compreender o sentido do contexto de
uma frase. Resumindo:
Assim, quando não há uma correta interpretação da mensa-
gem, consequentemente não há a correta compreensão da mes-
Compreensão Interpretação
ma.
O que é É a análise do que É o que podemos con-
Interpretação está escrito no texto, cluir sobre o que está
a compreensão das escrito no texto. É o
Interpretar é a ação ou efeito que estabelece uma relação de frases e ideias pre- modo como interpret-
percepção da mensagem que se quer transmitir, seja ela simultâ- sentes. amos o conteúdo.
nea ou consecutiva, entre duas pessoas ou entidades.
Informação A informação está A informação está fora
A importância dada às questões de interpretação de textos
presente no texto. do texto, mas tem
deve-se ao caráter interdisciplinar, o que equivale dizer que a
conexão com ele.
competência de ler texto interfere decididamente no aprendiza-
do em geral, já que boa parte do conhecimento mais importante Análise Trabalha com a Trabalha com a sub-
nos chega por meio da linguagem escrita. A maior herança que objetividadem, com jetividade, com o que
a escola pode legar aos seus alunos é a competência de ler com as frases e palavras você entendeu sobre
autonomia, isto é, de extrair de um texto os seus significados. que estão escritas no o texto.
Num texto, cada uma das partes está combinada com as texto.
outras, criando um todo que não é mero resultado da soma das
partes, mas da sua articulação. Assim, a apreensão do significado
global resulta de várias leituras acompanhadas de várias hipóte-
ses interpretativas, levantadas a partir da compreensão de dados
e informações inscritos no texto lido e do nosso conhecimento
do mundo.

1
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES Após a leitura atenta do texto, analise as afirmações feitas:


I. O jornalista Jonas Valente está fazendo um elogio à visão
01. SP Parcerias - Analista Técnic - 2018 - FCC equilibrada e vanguardista da Comissão Parlamentar que legisla
sobre crimes cibernéticos na Câmara dos Deputados.
Uma compreensão da História II. O Marco Civil da Internet é considerado um avanço em to-
dos os sentidos, e a referida Comissão Parlamentar está querendo
Eu entendo a História num sentido sincrônico, isto é, em cercear o direito à plena execução deste marco.
que tudo acontece simultaneamente. Por conseguinte, o que III. Há o temor que o acesso a filmes, séries, informações em
procura o romancista - ao menos é o que eu tento fazer - é es- geral e o livre modo de se expressar venham a sofrer censura com
boçar um sentido para todo esse caos de fatos gravados na tela a nova lei que pode ser aprovada na Câmara dos Deputados.
do tempo. Sei que esses fatos se deram em tempos distintos, IV. A navegação na internet, como algo controlado, na visão
mas procuro encontrar um fio comum entre eles. Não se trata do jornalista, está longe de se concretizar através das leis a serem
de escapar do presente. Para mim, tudo o que aconteceu está a votadas no Congresso Nacional.
acontecer. E isto não é novo, já o afirmava o pensador italiano V. Combater os crimes da internet com a censura, para o jor-
Benedetto Croce, ao escrever: “Toda a História é História con- nalista, está longe de ser uma estratégia correta, sendo mesmo
temporânea”. Se tivesse que escolher um sinal que marcasse perversa e manipuladora.
meu norte de vida, seria essa frase de Croce.
(SARAMAGO, José. As palavras de Saramago. São Paulo: Assinale a opção que contém todas as alternativas corretas.
Companhia das Letras, 2010, p. 256) A) I, II, III.
B) II, III, IV.
José Saramago entende que sua função como romancista é C) II, III, V.
A) estudar e imaginar a História em seus movimentos sin- D) II, IV, V.
crônicos predominantes.
B) ignorar a distinção entre os tempos históricos para man- 03. Pref. de São Gonçalo – RJ – Analista de Contabilidade –
tê-los vivos em seu passado. 2017 - BIO-RIO
C) buscar traçar uma linha contínua de sentido entre fatos
dispersos em tempos distintos. Édipo-rei
D) fazer predominar o sentido do tempo em que se vive so-
bre o tempo em que se viveu. Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está ajoe-
E) expressar as diferenças entre os tempos históricos de lhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo de
modo a valorizá-las em si mesmas. oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de Zeus.
(Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013)
02. Pref. de Chapecó – SC – Engenheiro de Trânsito – 2016
- IOBV O texto é a parte introdutória de uma das maiores peças trá-
gicas do teatro grego e exemplifica o modo descritivo de organi-
Por Jonas Valente*, especial para este blog. zação discursiva. O elemento abaixo que NÃO está presente nessa
descrição é:
A Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Crimes Ciber- A) a localização da cena descrita.
néticos da Câmara dos Deputados divulgou seu relatório final. B) a identificação dos personagens presentes.
Nele, apresenta proposta de diversos projetos de lei com a C) a distribuição espacial dos personagens.
justificativa de combater delitos na rede. Mas o conteúdo des- D) o processo descritivo das partes para o todo.
sas proposições é explosivo e pode mudar a Internet como a E) a descrição de base visual.
conhecemos hoje no Brasil, criando um ambiente de censura
na web, ampliando a repressão ao acesso a filmes, séries e ou- 04. MPE-RJ – Analista do Ministério Público - Processual –
tros conteúdos não oficiais, retirando direitos dos internautas e 2016 - FGV
transformando redes sociais e outros aplicativos em máquinas
de vigilância. Problemas Sociais Urbanos
Não é de hoje que o discurso da segurança na Internet é Brasil escola
usado para tentar atacar o caráter livre, plural e diverso da In-
ternet. Como há dificuldades de se apurar crimes na rede, as Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a
soluções buscam criminalizar o máximo possível e transformar a questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda
navegação em algo controlado, violando o princípio da presun- no espaço das cidades e da falta de planejamento público que vise
ção da inocência previsto na Constituição Federal. No caso dos à promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
crimes contra a honra, a solução adotada pode ter um impacto das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimen-
trágico para o debate democrático nas redes sociais – atualmen- to dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
te tão importante quanto aquele realizado nas ruas e outros lo- inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
cais da vida off line. Além disso, as propostas mutilam o Marco que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
Civil da Internet, lei aprovada depois de amplo debate na socie- acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
dade e que é referência internacional. maioria da população pobre busque por moradias em regiões
(*BLOG DO SAKAMOTO, L. 04/04/2016) ainda mais distantes.

2
LÍNGUA PORTUGUESA

Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais Tudo isso aliado à democratização do conhecimento, diz To-
de residência com os centros comerciais e os locais onde traba- pol, fará com que as pessoas administrem mais sua própria saúde,
lham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que so- recorrendo ao médico em menor número de ocasiões e de prefe-
frem com esse processo são trabalhadores com baixos salários. rência por via eletrônica. É o momento, assegura o autor, de am-
Incluem-se a isso as precárias condições de transporte público e pliar a autonomia do paciente e abandonar o paternalismo que
a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que às vezes desde Hipócrates assombra a medicina.
não contam com saneamento básico ou asfalto e apresentam Concordando com as linhas gerais do pensamento de Topol,
elevados índices de violência. mas acho que, como todo entusiasta da tecnologia, ele provavel-
A especulação imobiliária também acentua um problema mente exagera. Acho improvável, por exemplo, que os hospitais
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas caminhem para uma rápida extinção. Dando algum desconto para
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por as previsões, “The Patient...” é uma excelente leitura para os inte-
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da popula- ressados nas transformações da medicina.
ção que possui terrenos, mas que não possui condições de cons-
Folha de São Paulo online – Coluna Hélio Schwartsman –
truir neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que es-
17/01/2016.
ses se tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes
vagos geralmente apresentam problemas como o acúmulo de
lixo, mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como Segundo o autor citado no texto, o futuro da medicina:
a dengue. A) encontra-se ameaçado pela alta tecnologia;
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urba- B) deverá contar com o apoio positivo da tecnologia;
nos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com. C) levará à extinção da profissão de médico;
br/brasil/problemas-ambientais-sociais-decorrentes-urbaniza- D) independerá completamente dos médicos;
ção.htm. Acesso em 14 de abril de 2016. E) estará limitado aos meios eletrônicos.

A estruturação do texto é feita do seguinte modo: RESPOSTAS


A) uma introdução definidora dos problemas sociais urba-
nos e um desenvolvimento com destaque de alguns problemas; 01 C
B) uma abordagem direta dos problemas com seleção e ex-
plicação de um deles, visto como o mais importante; 02 C
C) uma apresentação de caráter histórico seguida da explici- 03 D
tação de alguns problemas ligados às grandes cidades;
D) uma referência imediata a um dos problemas sociais ur- 04 B
banos, sua explicitação, seguida da citação de um segundo pro- 05 B
blema;
E) um destaque de um dos problemas urbanos, seguido de
sua explicação histórica, motivo de crítica às atuais autoridades. LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL

05. MPE-RJ – Técnico do Ministério Público - Administrati- Chamamos de Linguagem a habilidade de expressar nossas
va – 2016 - FGV ideias, sentimentos e opiniões. Trata-se de um fenômeno comu-
nicativo. Usamos vários tipos de linguagens para comunicação:
O futuro da medicina sinais, símbolos, sons, gestos e regras com sinais convencionais.
A linguagem pode ser:
O avanço da tecnologia afetou as bases de boa parte das
profissões. As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos,
Verbal: usa as palavras para se comunicar.
jornalistas, carteiros etc. Um ofício relativamente poupado até
aqui é o de médico. Até aqui. A crer no médico e “geek” Eric To-
pol, autor de “The Patient Will See You Now” (o paciente vai vê- Não verbal: usa outros meios de comunicação, que não se-
-lo agora), está no forno uma revolução da qual os médicos não jam as palavras. Por exemplo: linguagem de sinais, placas e sinais
escaparão, mas que terá impactos positivos para os pacientes. de trânsito, linguagem corporal, figura, expressão facial, etc.
Para Topol, o futuro está nos smartphones. O autor nos
coloca a par de incríveis tecnologias, já disponíveis ou muito LINGUAGEM VERBAL LINGUAGEM NÃO VERBAL
próximas disso, que terão grande impacto sobre a medicina. Já
é possível, por exemplo, fotografar pintas suspeitas e enviar as bilhetes; apitos;
imagens a um algoritmo que as analisa e diz com mais precisão cartas; bandeiras;
do que um dermatologista se a mancha é inofensiva ou se pode conversas; buzinas;
ser um câncer, o que exige medidas adicionais.
Está para chegar ao mercado um apetrecho que transforma decretos; cores;
o celular num verdadeiro laboratório de análises clínicas, reali- diálogos; desenhos;
zando mais de 50 exames a uma fração do custo atual. Também
é possível, adquirindo lentes que custam centavos, transformar e-mails; expressões faciais;
o smartphone num supermicroscópio que permite fazer diag- entrevistas; figuras;
nósticos ainda mais sofisticados.

3
LÍNGUA PORTUGUESA

filmes; gestos;
jornais; imagens;
literatura; logotipos;
livros; luzes;
oficios; pinturas;

poesias; placas;
prosas; posturas corporais;
reportagens; semáforos;
revistas; sinais de trânsito
sites; sinais;
telefonemas; sírenes;
... ...
Linguagem intencional: Toda vez que nos depararmos com
Existe também a Linguagem mista, que é o uso simultâneo um texto despretensioso ou seja sem nenhum objetivo pode-
dos dois tipos de linguagem para estabelecer a comunicação. Ela mos julgar que há algum tipo de pretensão. Para cada tipo de
ocorre quando por exemplo dizemos que sim e ao mesmo tem- intenção existe uma forma distinta de linguagem. Por isso, uma
po balançamos a cabeça. Está também presente em histórias em declaração de amor é feita de jeito e uma entrevista de emprego
quadrinhos, em charges, em vídeo, etc. de outra.
Não é difícil distinguir os tipos de linguagens, pois falada ou
A Língua é um instrumento de comunicação, que possui um escrita, só pode ser verbal. Sempre que a comunicação precisar
caráter social: pertence a um conjunto de pessoas, que podem de uma estrutura gramatical adequada para ser entendida, ela
agir sobre ela. Cada pessoa pode optar por uma determinada será uma linguagem verbal.
forma de expressão. Porém, não se pode criar uma língua espe-
cífica e querer que outros falantes entendam. QUESTÕES
Língua é diferente de escrita. A escrita é um estágio poste-
rior de uma língua. A língua falada é mais espontânea, acompa- 01. Sobre as linguagens verbal e não verbal, estão corretas,
nhada pelo tom de voz e algumas vezes por mímicas. A língua exceto:
escrita é um sistema mais rígido, não conta com o jogo fisionô- a) a linguagem não verbal é composta por signos sonoros ou
mico, mímicas e o tom de voz. No Brasil, todos falam a língua visuais, como placas, imagens, vídeos etc.
portuguesa, mas existem usos diferentes da língua por diversos b) a linguagem verbal diz respeito aos signos que são forma-
fatores. Dentre eles: Fatores Regionais, Fatores Culturais, Fato- dos por palavras. Eles podem ser sinais visuais e sonoros.
res Contextuais, Fatores Profissionais e Fatores Naturais. c) a linguagem verbal, por dispor de elementos linguísticos
concretos, pode ser considerada superior à linguagem não verbal.
A Fala é o uso oral da língua. Trata-se de um ato individual, d) linguagem verbal e não verbal são importantes, e o su-
onde cada um escolhe a forma que melhor se expressa. Assim, cesso na comunicação depende delas, ou seja, quando um inter-
há vários níveis da fala. Devido ao caráter individual da fala, po- locutor recebe e compreende uma mensagem adequadamente.
de-se observar dois níveis:
- Coloquial-Popular: nível da fala mais espontâneo, onde 02. Qual o tipo de linguagem utilizada abaixo:
não nos preocupamos em saber se falamos de acordo ou não
com as regras formais.
- Formal-Culto: normalmente utilizado pelas pessoas em si-
tuações formais. É necessário um cuidado maior com o vocabu-
lário e seguir as regras gramaticais da língua.
Vejamos agora alguns exemplos de textos não verbais:

https://www.todamateria.com.br/linguagem-verbal-e-nao-ver-
bal/

4
LÍNGUA PORTUGUESA

A) Linguagem verbal 05. Gráficos são exemplos de utilização simultânea das lin-
B) Linguagem não verbal guagens verbal e não verbal. É preciso analisar as duas ocorrên-
C) Linguagem mista cias para a compreensão do texto.
D) Linguagem conotativa

03. Quando assistimos um jogo de futebol, as linguagens


verbal e não verbal estão envolvidas. Qual delas abaixo repre-
senta a linguagem verbal usadas nas partidas de futebol:

A) Bandeiras de impedimento
B) Cartões vermelho e amarelo
C) Locutor do Futebol
D) O apito do juiz

04. UERJ

Nos gráficos, os elementos visuais e os elementos textuais


são fundamentais para o entendimento total da mensagem
transmitida. No gráfico em questão, a linguagem verbal e a lin-
guagem não verbal têm como intenção mostrar ao leitor que:

A) O número de casamentos entre pessoas acima de 60


anos diminuiu em um período de cinco anos.
B) O número de pessoas acima de 60 anos que estão in-
seridas no mercado de trabalho é proporcionalmente inverso à
quantidade de pessoas que se casam nessa faixa etária.
C) Apresenta dados para o leitor que comprovam o aumen-
Mineiro de Araguari, o cartunista Caulos já publicou seus to no número de casamentos entre pessoas acima de 60 anos,
trabalhos em diversos jornais, entre eles o Jornal do Brasil e o assim como o aumento da inserção de pessoas acima de 60 anos
The New York Times no mercado de trabalho.
D) Apresenta a preocupação com a diminuição no número
No cartum apresentado, o significado da palavra escrita é de casamentos entre pessoas de várias faixas etárias da popu-
reforçado pelos elementos visuais, próprios da linguagem não lação brasileira, assim como a dificuldade dessas pessoas para
verbal. A separação das letras da palavra em balões distintos conseguir emprego no mercado de trabalho.
contribui para expressar principalmente a seguinte ideia:
RESPOSTAS
A) dificuldade de conexão entre as pessoas
B) aceleração da vida na contemporaneidade 01 C
C) desconhecimento das possibilidades de diálogo
D) desencontro de pensamentos sobre um assunto 02 C
03 C
04 A
05 C

5
LÍNGUA PORTUGUESA

Polissemia
SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS
SENTIDO PRÓPRIO E FIGURADO DAS PALAVRAS Polissemia indica a capacidade de uma palavra apresentar
uma multiplicidade de significados, conforme o contexto em
SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS que ocorre. Uma palavra pode ter mais de uma significação. Ex.:
Mangueira: tubo de borracha ou plástico para regar as plan-
A Significação das palavras é estudada pela semântica, que tas ou apagar incêndios; árvore frutífera; grande curral de gado.
estuda o sentido das palavras e as relações de sentido que as Pena: pluma; peça de metal para escrever; punição; dó.
palavras estabelecem entre si.
Denotação e conotação
Sinônimos e antônimos
Denotação indica a capacidade de as palavras apresenta-
Sinônimos: palavras de sentido igual ou parecido. rem um sentido literal (próprio) e objetivo. A conotação indica
Ex.: necessário, essencial, fundamental, obrigatório a capacidade de as palavras apresentarem um sentido figurado
e simbólico.
Geralmente é indiferente usar um sinônimo ou outro. O
fato linguístico de existirem sinônimos chama-se sinonímia, pa- Exemplos com sentido denotativo:
lavra que também designa o emprego de sinônimos. As águas pingavam da torneira, (sentido próprio).
As horas iam pingando lentamente, (sentido figurado).
Antônimos: palavras de sentido oposto.
Ex.: dedicado: desinteressado, desapegado, relapso. Exemplos com sentido conotativo:
Pontual: atrasado, retardado, irresponsável. Comprei uma correntinha de ouro.
Fulano nadava em ouro.
A antonímia pode ser originada por um prefixo de sentido
oposto ou negativo. Ex.: simpático/antipático, progredir/regre- Hiperonímia e hiponímia
dir, ativo/inativo, esperar/desesperar, simétrico/assimétrico.
Hiperonímia e a hiponímia indicam a capacidade das pa-
Homônimos lavras estabelecerem relações hierárquicas de significado. Um
hiperônimo, palavra superior com um sentido mais abrangente,
Se refere à capacidade de as palavras serem homônimas engloba um hipônimo, palavra inferior com sentido mais restri-
(som igual, escrita igual, significado diferente), homófonas (som to.
igual, escrita diferente, significado diferente) ou homógrafas
(som diferente, escrita igual, significado diferente). Fruta é hiperônimo de banana.
O contexto é quem vai determinar a significação dos homô- Banana é hipônimo de fruta.
nimos. Ela pode ser causa de ambiguidade, por isso é considera-
da uma deficiência dos idiomas. QUESTÕES

Homônimos 1. Pref. de Itaquitinga/PE – Psicólogo – 2016 - IDHTEC


rio (curso de água) e rio (verbo rir); A entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os comba-
caminho (itinerário) e caminho (verbo caminhar). tentes contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; co-
moviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, naquele
Homófonos armistício transitório, uma legião desarmada, mutilada faminta
cem (número) e sem (indica falta) e claudicante, num assalto mais duro que o das trincheiras em
senso (sentido) e censo (levantamento estatístico) fogo. Custava-lhes admitir que toda aquela gente inútil e frágil
saísse tão numerosa ainda dos casebres bombardeados durante
Homógrafos três meses. Contemplando-lhes os rostos baços, os arcabouços
colher (talher) e colher (apanhar); esmirrados e sujos, cujos molambos em tiras não encobriam la-
acerto (correção) e acerto (verbo acertar);
nhos, escaras e escalavros – a vitória tão longamente apeteci-
da decaía de súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava.
Parônimos
Era, com efeito, contraproducente compensação a tão luxuosos
Se refere a palavras que são escritas e pronunciadas de for- gastos de combates, de reveses e de milhares de vidas, o apre-
ma parecida, mas que apresentam significados diferentes. samento daquela caqueirada humana – do mesmo passo angu-
infligir (aplicar) e infringir (transgredir), lhenta e sinistra, entre trágica e imunda, passando-lhes pelos
sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder), olhos, num longo enxurro de carcaças e molambos...
deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente, Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender
divergir, adiar), uma arma, nem um peito resfolegante de campeador domado:
ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir), mulheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças
vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e vultuoso envelhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade,
(congestionado: rosto vultuoso). escaveiradas e sujas, filhos escanchados nos quadris desnalga-

6
LÍNGUA PORTUGUESA

dos, filhos encarapitados às costas, filhos suspensos aos peitos meio brutal? Os responsáveis pela operação dizem que, além
murchos, filhos arrastados pelos braços, passando; crianças, de mais eficiente para levar os paquidermes a locais de difícil
sem-número de crianças; velhos, sem-número de velhos; raros acesso, o procedimento é mais gentil.
homens, enfermos opilados, faces túmidas e mortas, de cera, (BADÔ, F. A fuga dos rinocerontes. Superinteressante, nº
bustos dobrados, andar cambaleante. 229, 2011.)
(CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos.
Edição Especial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.) A palavra radical pode ser empregada com várias acepções,
por isso denomina-se polissêmica. Assinale o sentido dicionari-
Em qual das alternativas abaixo NÃO há um par de sinôni- zado que é mais adequado no contexto acima.
mos? A) Que existe intrinsecamente num indivíduo ou coisa.
A) Armistício – destruição B) Brusco; violento; difícil.
B) Claudicante – manco C) Que não é tradicional, comum ou usual.
C) Reveses – infortúnios D) Que exige destreza, perícia ou coragem.
D) Fealdade – feiura
E) Opilados – desnutridos 05. UNESP – Assistente Administrativo I – 016 - VU-
NESP/2016
02. Pref. de Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico e
Mecânico – 2016 - Instituto Excelência O gavião
Assinale a alternativa em que as palavras podem servir de
exemplos de parônimos: Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco
A) Cavaleiro (Homem a cavalo) – Cavalheiro (Homem gentil). voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua.
B) São (sadio) – São (Forma reduzida de Santo). Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e
C) Acento (sinal gráfico) – Assento (superfície onde se sen- comovente – o gavião malvado, que mata pombas.
ta). O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à con-
D) Nenhuma das alternativas. templação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas
e o partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer
03. TJ/MT – Analista Judiciário – Ciências Contábeis – 2017 palavra é melhor que “columbófilo”) querem matar o gavião.
- UFMT Os amigos deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade
Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas, seja no come a sua pombinha com a mesma inocência com que a pom-
modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por exemplo, ba come seu grão de milho.
assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada uma apre- Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pom-
senta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, grafias diferen- bas e também o lance magnífico em que o gavião se despenca
tes, denomina-se homônimo homófono. Assinale a alternativa sobre uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupéry, “a
em que todas as palavras se encontram nesse caso. verdade do gavião”, mas matar um gavião no ar com um belo
A) taxa, cesta, assento tiro pode também ser a verdade do caçador.
B) conserto, pleito, ótico Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente
C) cheque, descrição, manga o gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate,
D) serrar, ratificar, emergir pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem.
(Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999. Adaptado)
04. TJ/MT – Analista Judiciário – Direito – 2017 - UFMT
O termo gavião, destacado em sua última ocorrência no
A fuga dos rinocerontes texto – … pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em ou-
Espécie ameaçada de extinção escapa dos caçadores da tro homem. –, é empregado com sentido
maneira mais radical possível – pelo céu. A) próprio, equivalendo a inspiração.
B) próprio, equivalendo a conquistador.
Os rinocerontes-negros estão entre os bichos mais visados C) figurado, equivalendo a ave de rapina.
da África, pois sua espécie é uma das preferidas pelo turismo de D) figurado, equivalendo a alimento.
caça. Para tentar salvar alguns dos 4.500 espécimes que ainda E) figurado, equivalendo a predador.
restam na natureza, duas ONG ambientais apelaram para uma
solução extrema: transportar os rinocerontes de helicóptero. A 06. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE-
ação utilizou helicópteros militares para remover 19 espécimes PESE
– com 1,4 toneladas cada um – de seu habitat original, na pro- O termo (ou expressão) em destaque, que está empregado
víncia de Cabo Oriental, no sudeste da África do Sul, e transfe- em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em:
ri-los para a província de Lampopo, no norte do país, a 1.500 A) Estou morta de cansada.
quilômetros de distância, onde viverão longe dos caçadores. B) Aquela mulher fala mal de todos na vizinhança! É uma
Como o trajeto tem áreas inacessíveis de carro, os rinocerontes cobra.
tiveram de voar por 24 quilômetros. Sedados e de olhos venda- C) Todo cuidado é pouco. As paredes têm ouvidos.
dos (para evitar sustos caso acordassem), os rinocerontes foram D) Reclusa desde que seu cachorrinho morreu, Filomena fi-
içados pelos tornozelos e voaram entre 10 e 20 minutos. Parece nalmente saiu de casa ontem.

7
LÍNGUA PORTUGUESA

E) Minha amiga é tão agitada! A bateria dela nunca acaba! - isolar o nome de lugar na indicação de datas: Londrina, 25
de Setembro de 2017.
RESPOSTAS - marcar a omissão de um termo (normalmente o verbo):
Ele prefere dormir, eu me exercitar. (omissão do verbo preferir)
01 A
Ponto-e-Vírgula ( ; )
02 A Usamos para:
03 A - separar os itens de uma lei, de um decreto, de uma peti-
ção, de uma sequência, etc.:
04 C
Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas
05 E formais e não formais, como direito de cada um, observados:
06 D I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e asso-
ciações, quanto a sua organização e funcionamento;
II - a destinação de recursos públicos para a promoção prio-
ritária do desporto educacional e, em casos específicos, para a
do desporto de alto rendimento;
PONTUAÇÃO III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional
e o não profissional;
PONTUAÇÃO IV - a proteção e o incentivo às manifestações desportivas
de criação nacional.
Pontuação são sinais gráficos empregados na língua escrita - separar orações coordenadas muito extensas ou orações
para demonstrar recursos específicos da língua falada, como: coordenadas nas quais já tenham sido utilizado a vírgula.
entonação, silêncio, pausas, etc. Tais sinais têm papéis variados
no texto escrito e, se utilizados corretamente, facilitam a com- Dois-Pontos ( : )
preensão e entendimento do texto. Usamos para:
- iniciar a fala dos personagens: O pai disse: Conte-me a ver-
Ponto ( . ) dade, meu filho.
Usamos para: - antes de apostos ou orações apositivas, enumerações ou
- indicar o final de uma frase declarativa: não irei ao sho- sequência de palavras que explicam, resumem ideias anteriores:
pping hoje. Comprei alguns itens: arroz, feijão e carne.
- separar períodos entre si: Fecha a porta. Abre a janela. - antes de citação: Como dizia minha mãe: “Você não é todo
- abreviaturas: Av.; V. Ex.ª mundo.”

Vírgula ( , ) Ponto de Interrogação ( ? )


Usamos para: Usamos para:
- marcar pausa do enunciado a fim de indicar que os ter- - perguntas diretas: Onde você mora?
mos separados, apesar de serem da mesma frase ou oração, não - em alguns casos, junto com o ponto de exclamação: Quem
formam uma unidade sintática: Maria, sempre muito simpática, você ama? Você. Eu?!
acenou para seus amigos.
Ponto de Exclamação ( ! )
Não se separam por vírgula: Usamos:
- predicado de sujeito; - Após vocativo: Volte, João!
- objeto de verbo; - Após imperativo: Aprenda!
- adjunto adnominal de nome; - Após interjeição: Psiu! Eba!
- complemento nominal de nome; - Após palavras ou frases que tenham caráter emocional:
- predicativo do objeto; Poxa!
- oração principal da subordinada substantiva (desde que
esta não seja apositiva nem apareça na ordem inversa). Reticências ( ... )
Usamos para:
A vírgula também é utilizada para: - indicar dúvidas ou hesitação do falante: Olha...não sei se
- separar o vocativo: João, conte a novidade. devo... melhor não falar.
- separar alguns apostos: Célia, muito prendada, preparou - interrupção de uma frase deixada gramaticalmente incom-
a refeição. pleta: Você queria muito este jogo novo? Bom, não sei se você
- separar o adjunto adverbial antecipado ou intercalado: Al- merece...
gumas pessoas, muitas vezes, são falsas. - indicar supressão de palavra(s) numa frase transcrita:
- separar elementos de uma enumeração: Vendem-se pães, Quando ela começou a falar, não parou mais... terminou uma
tortas e sonho. hora depois.
- separar conjunções intercaladas: Mário, entretanto, nunca
mais deu notícias.

8
LÍNGUA PORTUGUESA

Aspas ( “ ” ) Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as


Usamos para: árvores cobertas de folhas, - e só os poetas, entre os humanos,
- isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta: sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos
gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos, arcaísmos e ex- bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem
pressões populares. dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
- indicar uma citação textual. Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não
se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da
Parênteses ( () ) sua perpetuação.
Usamos para: Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, tal-
- isolar palavras, frases intercaladas de caráter explicativo vez, os homens terão a primavera que desejarem, no momen-
e datas: No dia do seu nascimento (08/08/984) foi o dia mais to em que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem,
quente do ano. deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com ou-
tros cantos e outros hábitos, - e os ouvidos que por acaso os
- podem substituir a vírgula ou o travessão.
ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora, se
entendeu e amou.
Travessão (__ )
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos
Usamos para:
atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos
- dar início à fala de um personagem: Filó perguntou: __Ma- para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores,
ria, como faz esse doce? caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sen-
- indicar mudança do interlocutor nos diálogos. __Mãe, timentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás
você me busca? __Não se preocupe, chegarei logo. roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em
- Também pode ser usado em substituição à virgula, em ex- cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gar-
pressões ou frases explicativas: Pelé – o rei do futebol – está dênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flo-
muito doente. res agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado
Colchetes ( [] ) ao vento, - por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na
Usamos para: rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida - e
- linguagem científica. efêmera.
(MEIRELES, Cecília. “Cecília Meireles - Obra em Prosa?
Asterisco ( * ) Vol. 1. Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1998, p. 366.)
Usamos para:
- chamar a atenção do leitor para alguma nota (observação). “...e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ain-
da circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida
QUESTÕES para a primavera que chega” (1º §)

01. CLIN – Auxiliar de Enfermagem do Trabalho – 2015 - No fragmento acima, as vírgulas foram empregadas para:
COSEAC A) marcar termo adverbial intercalado.
B) isolar oração adjetiva explicativa.
Primavera C) enfatizar o termo sujeito em relação ao predicado.
D) separar termo em função de aposto.
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu
02. PC – CE - Escrivão da Policia Civil de 1ª classe – 2015 –
nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para re-
VUNESP
cebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os
Assinale a alternativa correta quanto ao uso da vírgula, con-
habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam
siderando-se a norma-padrão da língua portuguesa.
pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a prima- A) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar, que
vera que chega. demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da demorado.
terra, nesse mundo confidencial das raízes, - e arautos sutis B) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar que
acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espí- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
rito das flores. morado
Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão C) Os amigos, apesar de terem esquecido, de nos avisar que
todos cor-de-rosa, como os palácios de Jaipur. Vozes novas de demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua na- morado.
ção. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pe- D) Os amigos apesar de terem esquecido de nos avisar que,
los ares, - e certamente conversam: mas tão baixinho que não demoraria tanto, informaram-nos, de que a gravidez era algo
se entende. demorado.
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inver- E) Os amigos, apesar de, terem esquecido de nos avisar
no, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremen- que demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era
te, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol. algo demorado.

9
LÍNGUA PORTUGUESA

03. IPC - ES - Procurador Previdenciário I 2018 - IDECAN RESPOSTAS

01 D
02 B
03 A
04 A
05 A

CLASSES DE PALAVRAS: SUBSTANTIVO, ADJETIVO,


NUMERAL, PRONOME, VERBO, ADVÉRBIO, PREPOSI-
ÇÃO E CONJUNÇÃO: EMPREGO E SENTIDO QUE IMPRI-
MEM ÀS RELAÇÕES QUE ESTABELECEM

CLASSE GRAMATICAIS

ARTIGO

Artigo é a palavra que colocamos antes dos substantivos,


com a finalidade de determina-los e especificarmos seu gênero
Em “Júnior, hoje jantaremos fora!”, a presença da vírgula é e número.
obrigatória porque serve para: Os artigos podem ser:
A) Isolar o vocativo. - definidos: o, a, os, as (Determinam os substantivos de for-
B) Isolar o adjunto adverbial deslocado. ma particular).
C) Separar orações coordenadas. - indefinidos: um, uma, uns, umas (Determinam os substan-
D) Intercalar expressões explicativas. tivos de forma inespecífica).

04. - IF-MT - Direito – 2018 - IF-MT Exemplos:


O uso adequado da pontuação é fundamental para o bom Comprei o carro. (Um carro específico)
entendimento do texto. Nos casos abaixo, a vírgula está usada Comprei um carro. (Um carro qualquer)
de forma inadequada em:
A) Todos os cidadãos brasileiros, são iguais perante a lei, Artigo Definido
conforme a Constituição Federal.
B) Além disso, à noite, fazer caminhada até a minha casa é Indica um substantivo específico, determinado. Dependen-
inseguro. do da flexão de gênero e de número, assume as formas o, a, os,
C) Agora, em relação à tecnologia, os jovens dispõem de as.
uma série de comodidades, salientou o pesquisador.
D) “Eu sei, mas não devia” (Marina Colasanti). Observe as possíveis variações de gênero e número:
E) Ainda havia muito a se deliberar, todavia, considerando o
horário avançado, a reunião foi encerrada. O professor me repreendia.
A professora me repreendia.
05. EMATERCE - Agente de ATER - Ciências Contábeis – Os professores me repreendiam.
2018 – CETREDE
Analise as duas frases a seguir em relação à ambiguidade. Artigo Indefinido
I. Karla comeu um doce e sua irmã também.
II. Mataram a vaca da sua tia. Indicam ser qualquer dentre outros da mesma espécie. De-
pendendo da flexão de gênero e de número, assume as formas
Marque a opção CORRETA. um, uma, uns, umas.
A) O problema da frase I pode ser corrigido com uma vír-
gula. Observe as possíveis variações de gênero e número, usan-
B) As duas frases podem ser corrigidas com o uso de pro- do o mesmo exemplo anterior:
nome.
C) Ao colocarmos apenas um verbo, corrigiremos a frase II. Um professor me repreendia.
D) Apenas a frase I apresenta problema de ambiguidade. Uma professora me repreendia.
E) Uma preposição resolveria o problema da frase II. Uns professores me repreendiam.

10
LÍNGUA PORTUGUESA

Além das formas simples, os artigos apresentam formas Gênero


combinadas com preposições. O artigo definido combina-se
com as preposições a, de, em, por, originando, por exemplo, as De acordo com o gênero (feminino e masculino) das pala-
formas ao, do, nas, pelos, etc. vras substantiva, são classificadas em:
Quando o artigo definido feminino (a, as) aparece combi-
nado com a preposição a, temos um caso que merece destaque Substantivos Biformes: apresentam duas formas, uma para
especial: a essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente re- o masculino e outra para o feminino. Exemplo: médico e médica;
presentada por um a com acento grave (à, às), dá-se o nome de namorado e namorada.
crase.
Substantivos Uniformes: somente um termo especifica os
Exemplo: dois gêneros (masculino e feminino), sendo classificados em:
Eles lançaram um alerta à nação. (à = preposição a + artigo - Epicenos: palavra que apresenta somente um gênero e
definido a) refere-se aos animais, por exemplo: baleia (macho ou fêmea).
- Sobrecomum: palavra que apresenta somente um gênero
O artigo indefinido combina-se com as preposições em e e refere-se às pessoas, por exemplo: criança (masculino e femi-
de, originando, por exemplo, as formas num, numas, duns, etc. nino).
- Comum de dois gêneros: termo que se refere aos dois gê-
SUBSTANTIVO neros (masculino e feminino), identificado por meio do artigo
que o acompanha, por exemplo: “o dentista” e “a dentista”.
Os substantivos nomeiam seres, coisas, ideias. Como pala-
vra variável, apresenta flexões de gênero, número e grau. Número

Classificação São classificados em:

Singular: palavra que designa uma única coisa, pessoa ou


Substantivo Comum: Designa os seres de uma espécie de
um grupo, por exemplo: cama, homem.
forma genérica: casa, felicidade, mesa, criança, etc.
Plural: palavra que designa várias coisas, pessoas ou gru-
pos, por exemplo: camas, homens.
Substantivo Próprio: Designa um ser específico, determina-
do, como: Recife, Mariana, Brasil, etc.
Grau
Substantivo Concreto: Designa seres propriamente ditos
São classificados em aumentativo e diminutivo:
(pessoas, objetos, lugares), independentemente de sua existên-
cia real. Assim sendo, são exemplos: fada, saci, mesa, cinema, Aumentativo: Indica o aumento do tamanho de algum ser
etc. ou alguma coisa. Divide-se em:
- Analítico: substantivo acompanhado de adjetivo que indi-
Substantivo Abstrato: Designa ações qualidades, ou esta- ca grandeza, por exemplo: menino grande.
dos, tomados como seres. Indica coisas que não existem por si, - Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indica-
que são resultado de uma abstração. É o caso de felicidade, po- dor de aumento, por exemplo: meninão.
breza, caridade, etc.. Diminutivo: Indica a diminuição do tamanho de algum ser
ou alguma coisa. Divide-se em:
Formação dos substantivos - Analítico: substantivo acompanhado de um adjetivo que
indica pequenez, por exemplo: menino pequeno.
Substantivo Primitivo: Serve de base para a formação de - Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indica-
outros substantivos. Exemplo: rosa, pedra, gelo, etc. dor de diminuição, por exemplo: menininho.

Substantivo Derivado: É formado a partir de um substantivo ADJETIVO


primitivo, como: roseiral, pedregulho, geleira, etc.
Substantivo Simples: É formado por um só radical, como: Adjetivo é a palavra que modifica o substantivo, atribuindo-
janela, livro, trem, etc. -lhe um estado, qualidade ou característica.

Substantivo Composto: É formado por mais de um radical, Classificação


como em: arco-íris, arranha-céu, etc.
Simples - formado por um só radical. Exemplo: bonita.
Substantivo Coletivo: É coletivo o substantivo no singular Composto - formado por mais de um radical. Exemplo: lati-
que designa um conjunto de seres da mesma espécie. no-americano.
- buquê – de flores Primitivo - não deriva de outra palavra. Exemplo: claro,
- alcateia – de lobos grande.
- elenco – de artistas Derivado - tem origem em outra palavra. Exemplo: toleran-
- legião – de soldados te (vem de tolerar).

11
LÍNGUA PORTUGUESA

Pátrio - é o que se refere a países, estados, cidades, etc. NUMERAL


Exemplo: brasileiro, mineiro, carioca, etc.
O numeral é a palavra que indica, em termos numéricos,
Locução Adjetiva um número exato ou a posição que tal coisa ocupa numa série.

É toda reunião de duas ou mais palavras com valor de uma Classificação


só. Geralmente, as locuções adjetivas são formadas por uma
preposição e um substantivo, ou uma preposição e um advér- Cardinais: Forma básica dos números, indicam contagem,
bio. medida. Exemplo, um, dois, três…
Exemplos:
- dente de cão (= canino) Ordinais: Indica ordem de uma sequência. Exemplo, primei-
- água de chuva (= pluvial) ro, segundo, terceiro…
- pneus de trás (= traseiro)
Fracionários: Indicam a diminuição das proporções numé-
Flexão ricas, ou seja, representam uma parte de um todo. Exemplo,
meio, terço, quarto, quinto…
Gêneros
Multiplicativos: Determina o aumento da quantidade por
- Adjetivos Uniformes: uma forma para os dois gêneros (fe- meio de múltiplos. Exemplo, dobro, triplo, quádruplo, quíntu-
minino e masculino). Exemplo: alegre. plo…
- Adjetivos Biformes: varia conforme o gênero (masculino e
feminino). Exemplo: dengoso, dengosa. Coletivos: Número exato que faz referência a um conjun-
to de seres. Exemplo: dúzia (conjunto de 12), dezena (conjunto
Número de 10), centena (conjunto de 100), semestre (conjunto de 6),
bimestre (conjunto de 2).
Os adjetivos podem vir no singular ou plural, concordando
com o número do substantivo referido. Assim, a sua formação é
parecida à dos substantivos. Ordinal Cardinal Ordinal Cardinal
Um Primeiro Vinte Vigésimo
Grau
Dois Segundo Trinta Trigésimo
São classificados em: Três Terceiro Cinquenta Quinquagésimo
Quatro Quarto Sessenta Sexagésimo
- Grau Comparativo: utilizado para comparar qualidades.
Cinco Quinto Oitenta Octogésimo
Comparativo de Igualdade – Chocolate é tão bom quanto Seis Sexto Cem Centésimo
pizza. Sete Sétimo Quinhentos Quingentésimo
Comparativo de Superioridade – Rui é mais esforçado que
Marcos. Oito Oitavo Setecentos Setingentésimo
Comparativo de Inferioridade – Mariana é menos feliz que Nove Nono Novecentos Noningentésimo
Paula.
Dez Décimo Mil Milésimo
- Grau Superlativo - utilizado para intensificar qualidades.

Superlativo Absoluto: PRONOME


Analítico - A casa é extremamente luxuosa.
Sintético - Larissa é organizadíssima. Pronome é a palavra que substitui ou acompanha o subs-
Superlativo Relativo de: tantivo, indicando sua posição em relação às pessoas do discur-
Superioridade - A cidade é a mais bonita da região. so ou mesmo situando-o no espaço e no tempo.
Inferioridade - Este computador é o menos moderno do
escritório. Pronomes Pessoais

Somente seis adjetivos têm o grau comparativo de superio- Retos – têm função de sujeito da oração: eu, tu, ele, nós,
ridade sintético. Veja-os: vós, eles.
Oblíquos têm função de complemento do verbo (objeto di-
bom – melhor reto / objeto indireto) ou as, lhes. - Ele viajará conosco. (elepro-
mau – pior nome reto / vaiverbo / conosco complemento nominal).
grande – maior - tônicos com preposição: mim, comigo, ti, contigo,si, consi-
pequeno – menor go, conosco, convosco;
alto – superior - átonos sem preposição: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos,
baixo – inferior os,pronome oblíquo)

12
LÍNGUA PORTUGUESA

Pronomes de Tratamento Aquele (s), aquela (s), aquilo: indicam um tempo distante
em relação ao momento em que se fala. Exemplo: Lembro-me
Dependendo da pessoa a quem nos dirigimos, do seu cargo, bem aquele tempo em que viajávamos de trem.
idade, título, o tratamento será familiar ou cerimonioso: Vossa
Alteza (V.A.) - príncipes, duques; Vossa Eminência (V.Ema) - car- Relação ao espaço
deais; Vossa Excelência (V.Ex.a) - altas autoridades, presidente, Este (s), esta (s), isto: o ser ou objeto que está próximo da
oficiais; Vossa Magnificência (V.Mag.a) - reitores de universida- pessoa que fala. Exemplo: Este é o meu filho.
des; Vossa Majestade (V.M.) – reis, imperadores; Vossa Santida- Esse (s), essa (s), isso: a pessoa ou a coisa próxima daquela
de (V.S.) - Papa; Vossa Senhori (V.Sa) - tratamento cerimonioso. com quem falamos ou para quem escrevemos. Exemplo: Por fa-
vor, poderia passar esse copo?
- Além desses, são pronomes de tratamento: senhor, senho- Aquele (s), aquela (s), aquilo: o ser ou objeto que está longe
ra, senhorita, dona, você. de quem fala e da pessoa de quem se fala (3ª pessoa). Exemplo:
- A forma Vossa (Senhoria, Excelência) é empregada quando Com licença, poderia dizer o preço daquele casaco?
se fala com a própria pessoa: Vossa Senhoria não compareceu à
reunião dos semterra? (falando com a pessoa) Pronomes Indefinidos
- A forma Sua (Senhoria, Excelência ) é empregada quando
se fala sobre a pessoa: Sua Eminência, o cardeal, viajou paraum Empregados na 3ª pessoa do discurso, o próprio nome já
Congresso. (falando a respeito do cardeal) mostra que os pronomes indefinidos substituem ou acompa-
nham o substantivo de maneira vaga ou imprecisa.
Pronomes Possessivo
Classificação Pronomes Indefinidos
Os pronomes possessivos são aqueles que transmitem a
ideia de posse, por exemplo: Esse carro é seu? algum, alguma, alguns, algumas, nenhum,
nenhuma, nenhuns, nenhumas, muito,
Pessoas Verbais Pronomes Possessivos muita, muitos, muitas, pouco, pouca,
poucos, poucas, todo, toda, todos, todas,
1ª pessoa do singular meu, minha (singular); meus, outro, outra, outros, outras, certo, certa,
Variáveis
(eu) minhas (plural) certos, certas, vário, vária, vários, várias,
tanto, tanta, tantos, tantas, quanto,
2ª pessoa do singular teu, tua (singular); teus, tuas quanta, quantos, quantas, qualquer,
(tu, você) (plural) quaisquer, qual, quais, um, uma, uns,
umas.
3ª pessoa do singular seu, sua (singular); seus, suas
(ele/ela) (plural) quem, alguém, ninguém, tudo, nada,
Invariáveis
outrem, algo, cada.
1ª pessoa do plural nosso, nossa (singular); nossos,
(nós) nossas (plural) Pronomes Relativos

2ª pessoa do plural vosso, vossa (singular); vossos, Os pronomes relativos se referem a um substantivo já dito
(vós, vocês) vossas (plural) anteriormente na oração. Podem ser palavras variáveis e inva-
riáveis. Essa palavra da oração anterior chamasse antecedente:
3ª pessoa do plural seu, sua (singular); seus, suas Viajei para uma cidade que é muito pequena. Percebe - se que o
(eles/elas) (plural) pronome relativo que, substitui na 2ª oração, a cidade, por isso
a palavra que é um pronome relativo.
São divididos em:
Pronomes Demonstrativos
Variáveis: o qual, os quais, a qual, as quais, cujo, cujos, cuja,
cujas, quanto, quantos;
Os pronomes demostrativos são utilizados para indicar algo.
Invariáveis: que, quem, quando, como, onde.
Reúnem palavras variáveis (esse, este, aquele, essa, esta, aque-
la) e invariáveis (isso, isto, aquilo).

Relação ao tempo
Este (s), esta (s), isto: indicam o tempo presente em relação
ao momento em que se fala. Exemplo: Esta semana é a última
antes da prova.
Esse (s), essa (s), isso: indicam tempo no passado ou no fu-
turo. Exemplos: Onde você foi esse feriado? / Serei reconhecido
pelo meu esforço. Quando esse dia chegar, estarei satisfeito.

13
LÍNGUA PORTUGUESA

Pronomes Interrogativos - Futuro do Pretérito: Pode indicar condição, referindo-se


a uma ação futura, ligada a um momento já passado. Ex.: Iria
São palavras variáveis e invariáveis empregadas para ao show se tivesse dinheiro. (Indica condição); Ele gostaria de
formular perguntas diretas e indiretas. assumir esse compromisso.

Modos Verbais
Pronomes
Classificação Exemplos
Interrogativos Indicativo: Mostra o fato de maneira real, certa, positiva.
Ex.: Eu falo alemão.
Quanto custa? Subjuntivo: Pode exprimir um desejo e apresenta o fato
qual, quais,
Variáveis quanto, quantos, como possível ou duvidoso, hipotético. Ex.: Se eu tivesse dinhei-
Quais sapatos ro, compraria um carro.
quanta, quantas.
você prefere? Imperativo: Exprime ordem, conselho ou súplica. Ex.: Des-
canse bastante nestas férias.
Quem estragou
meu vestido? Formas nominais
Invariáveis quem, que.
Que problema
ocorreu? Temos três formas nominais: Infinitivo, gerúndio e particí-
pio, e são assim chamadas por desempenhar um papel parecido
VERBO aos dos substantivos, adjetivos ou advérbios e, sozinhas, não se-
rem capazes de expressar os modos e tempos verbais.
Exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da
natureza e possui inúmeras flexões, de modo que a sua conjuga- Infinitivo
ção é feita em relação as variações de pessoa, número, tempo,
modo, voz e aspeto. Pessoal: Refere às pessoas do discurso. Não é flexionado
nas 1ª e 3ª pessoas do singular e flexionadas nas demais:
Os verbos estão agrupados em três conjugações: Estudar (eu) – não flexionado
1ª conjugação – ar: amar, caçar, começar. Estudares (tu) – flexionado
2ª conjugação – er: comer, derreter, beber. Estudar(ele) – não flexionado
3ª conjugação – ir: curtir, assumir, abrir. Estudarmos (nós) – flexionado
Estudardes (voz) – flexionado
O verbo pôr e seus derivados (repor, depor, dispor, compor, Estudarem (eles) – flexionado
impor) pertencem a 2ª conjugação devido à sua origem latina
poer. Impessoal: É o infinitivo impessoal quando não se refere às
pessoas do discurso. Exemplos: caminhar é bom. (a caminhada
Pessoas: 1ª, 2ª e 3ª pessoa, em 2 situações: singular e plu- é boa); É proibido fumar. (é proibido o fumo)
ral.
1ª pessoa do singular – eu; ex.: eu viajo Gerúndio
2ª pessoa do singular – tu; ex.: tu viajas
3ª pessoa do singular – ele; ex.: ele viaja Caracteriza-se pela terminação -ndo. O verbo não se flexio-
1ª pessoa do plural – nós; ex.: nós viajamos
na e pode exercer o papel de advérbio e de adjetivo.
2ª pessoa do plural – vós; ex.: vós viajais
3ª pessoa do plural – eles; ex.: eles viajam
Exemplo: Ela estava trabalhando quando telefonaram.
Tempos do Verbo
Particípio
Presente: Ocorre no momento da fala. Ex.: trabalha
Pode ser regular e irregular.
Pretérito: Ocorrido antes. Ex.: trabalhou
Futuro: Ocorrido depois. Ex.: trabalhará Particípio regular: se caracteriza pela terminação -ado, -ido.
O pretérito subdivide-se em:
- Perfeito: Ação acabada. Ex.: Eu limpei a sala. Exemplo: Eles tinham partido em uma aventura sem fim.
- Imperfeito: Ação inacabada no momento a que se refere à
narração. Ex.: Ele ficou no hospital por dias. Particípio irregular: pode exercer o papel de adjetivo.
- Mais-que-perfeito: Ação acabada, ocorrida antes de outro
fato passado. Ex.: Para ser mais justo, ele partira o bolo em fatias Exemplo: Purê se faz com batata cozida.
pequenas.
Por apresentar mais que uma forma, o particípio é classi-
O futuro subdivide-se em: ficado como verbo abundante. É importante lembrar que nem
- Futuro do Presente: Refere-se a um fato imediato e certo. todos os verbos apresentam duas formas de particípio: (aberto,
Ex.: Participarei do grupo. coberto, escrever).

14
LÍNGUA PORTUGUESA

Tempos Simples e Tempos Compostos ADVÉRBIO

Tempos simples: formados apenas pelo verbo principal. São palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou ou-
tro advérbio.
Indicativo:
Presente - canto, vendo, parto, etc. Classificação dos Advérbios
Pretérito perfeito - cantei, vendi, parti, etc.
Pretérito imperfeito - cantava, vendia, partia, etc. Modo: Bem, mal, assim, adrede, melhor, pior, depressa,
Pretérito mais-que-perfeito - cantara, vendera, partira, etc. acinte, debalde, devagar, ás pressas, às claras, às cegas, à toa,
Futuro do presente - cantarei, venderei, partirei, etc. à vontade, às escondas, aos poucos, desse jeito, desse modo,
Futuro do pretérito - cantaria, venderia, partiria, etc. dessa maneira, em geral, frente a frente, lado a lado, a pé, de
cor, em vão e a maior parte dos que terminam em -mente:
Subjuntivo: apresenta o fato, a ação, mas de maneira incer- calmamente, tristemente, propositadamente, pacientemente,
ta, imprecisa, duvidosa ou eventual. amorosamente, docemente, escandalosamente, bondosamen-
Presente - cante, venda, parta, etc. te, generosamente.
Pretérito imperfeito - cantasse, vendesse, partisse, etc.
Futuro - cantar, vender, partir. Intensidade: Muito, demais, pouco, tão, menos, em exces-
so, bastante, pouco, mais, menos, demasiado, quanto, quão,
Imperativo: Ao indicar ordem, conselho, pedido, o fato ver- tanto, assaz, que (equivale a quão), tudo, nada, todo, quase, de
bal pode expressar negação ou afirmação. São, portanto, duas todo, de muito, por completo, bem (quando aplicado a proprie-
as formas do imperativo: dades graduáveis).
- Imperativo Negativo (Formado pelo presente do subjunti-
vo): Não abram a porta. Lugar: Aqui, antes, dentro, ali, adiante, fora, acolá, atrás,
- Imperativo Afirmativo (Formado do presente do subjunti- além, lá, detrás, aquém, cá, acima, onde, perto, aí, abaixo, aon-
vo, com exceção da 2ª pessoas do singular e do plural, que são de, longe, debaixo, algures, defronte, nenhures, adentro, afora,
retiradas do presente do indicativo sem o “s”. Ex: Anda – Ande alhures, nenhures, aquém, embaixo, externamente, a distância,
– Andemos – Andai – Andem: Abram a porta. a distância de, de longe, de perto, em cima, à direita, à esquer-
da, ao lado, em volta.
Obs.: O imperativo não possui a 1ª pessoa do singular, pois
não se prevê a ordem, conselho ou pedido a si mesmo. Tempo: Hoje, logo, primeiro, ontem, tarde, outrora, ama-
nhã, cedo, dantes, depois, ainda, antigamente, antes, doravan-
Tempos compostos: Formados pelos auxiliares ter ou haver. te, nunca, então, ora, jamais, agora, sempre, já, enfim, afinal,
amiúde, breve, constantemente, entrementes, imediatamente,
Infinitivo: primeiramente, provisoriamente, sucessivamente, às vezes, à
Pretérito impessoal composto - ter falado, ter vendido, etc. tarde, à noite, de manhã, de repente, de vez em quando, de
Pretérito pessoal composto - ter (teres) falado, ter (teres) quando em quando, a qualquer momento, de tempos em tem-
vendido. pos, em breve, hoje em dia.
Gerúndio pretérito composto – tendo falado, tendo vendi-
do. Negação: Não, nem, nunca, jamais, de modo algum, de for-
ma nenhuma, tampouco, de jeito nenhum.
Indicativo:
Pretérito perfeito composto - tenho cantado, tenho vendi- Dúvida: Acaso, porventura, possivelmente, provavelmente,
do, etc. quiçá, talvez, casualmente, por certo, quem sabe.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tinha cantado, tinha
vendido, etc. Afirmação: Sim, certamente, realmente, decerto, efetiva-
Futuro do presente composto - terei cantado, terei vendido, mente, certo, decididamente, realmente, deveras, indubitavel-
etc. mente.
Futuro do pretérito composto - teria cantado, teria vendido,
etc. Exclusão: Apenas, exclusivamente, salvo, senão, somente,
simplesmente, só, unicamente.
Subjuntivo: Inclusão: Ainda, até, mesmo, inclusivamente, também.
Pretérito perfeito composto - tenha cantado, tenha vendi-
do, etc. Interrogação: porque? (causa), quanto? (preço e intensida-
Pretérito mais-que-perfeito composto - tivesse cantado, ti- de), onde? (lugar), como? (modo), quando? (tempo), para que?
vesse vendido, etc. (finalidade).
Futuro composto - tiver cantado, tiver vendido, etc.
Ordem: Depois, primeiramente, ultimamente.

Designação: Eis

15
LÍNGUA PORTUGUESA

Flexão lado de, a respeito de, de acordo com, em cima de, embaixo de,
em frente a, ao redor de, graças a, junto a, com, perto de, por
São consideradas palavras invariáveis por não terem flexão causa de, por cima de, por trás de.
de número (singular e plural) e gênero (masculino, feminino); A preposição é invariável. Porém, pode unir-se a outras pa-
entretanto, são flexionadas nos graus comparativo e superlativo. lavras e estabelecer concordância em gênero ou em número.
Ex.: por + o = pelo; por + a = pela.
Grau Comparativo: O advérbio pode caracterizar relações Essa concordância não é característica da preposição e sim
de igualdade, inferioridade ou superioridade. Para indicar esse das palavras a que se ela se une. Esse processo de junção de
grau utilizam as formas tão…quanto, mais…que, menos…que. uma preposição com outra palavra pode se dar a partir de dois
Pode ser: processos:
- de igualdade. Ex.: Enxergo tão bem quanto você.
- de superioridade. Ex.: Enxergarei melhor que você. - Combinação: A preposição não sofre alteração.
- de inferioridade. Ex.: Enxergaremos pior que você. preposição a + artigos definidos o, os
a + o = ao
Grau Superlativo: A circunstância aparecerá intensificada. preposição a + advérbio onde
Pode ser formado tanto pelo processo sintético (acréscimo de a + onde = aonde
sufixo), como pelo analítico (outro advérbio estará indicando o
grau superlativo). - Contração: Quando a preposição sofre alteração.
Preposição + Artigos
- superlativo (ou absoluto) sintético: Acréscimo de sufixo. De + o(s) = do(s)
Ex.: Este conteúdo é facílimo. De + a(s) = da(s)
- superlativo (ou absoluto) analítico: Precisamos de um ad- De + um = dum
vérbio de intensidade. Ex.: Este conteúdo é muito fácil. De + uns = duns
De + uma = duma
Ao empregamos dois ou mais advérbios terminados em –
De + umas = dumas
mente, acrescentamos o sufixo apenas no último. Ex.: Muito fez
Em + o(s) = no(s)
pelo seu povo; trabalhou duro, árdua e ininterruptamente.
Em + a(s) = na(s)
Em + um = num
PREPOSIÇÃO
Em + uma = numa
Em + uns = nuns
Palavra invariável que liga dois termos da oração, numa
Em + umas = numas
relação de subordinação donde, geralmente, o segundo termo
subordina o primeiro. As preposições estabelecem a coesão tex- A + à(s) = à(s)
tual e possuem valores semânticos indispensáveis para a com- Por + o = pelo(s)
preensão do texto. Por + a = pela(s)

Tipos de Preposição - Preposição + Pronomes


De + ele(s) = dele(s)
Lugar: O voo veio de São Francisco. De + ela(s) = dela(s)
Modo: Os alunos eram colocados em carteiras. De + este(s) = deste(s)
Tempo: Ele viajou por três anos. De + esta(s) = desta(s)
Distância: A vinte quilômetros daqui há um pedágio. De + esse(s) = desse(s)
Causa: Parou de andar, pois estava com sede. De + essa(s) = dessa(s)
Instrumento: Ela cortou o bolo com uma faca pequena. De + aquele(s) = daquele(s)
Finalidade: A igreja foi enfeitada para o casamento. De + aquela(s) = daquela(s)
De + isto = disto
Classificação De + isso = disso
De + aquilo = daquilo
As preposições podem ser divididas em dois grupos: De + aqui = daqui
- Preposições Essenciais –palavras que só funcionam como De + aí = daí
preposição, a saber: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, De + ali = dali
em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás. De + outro = doutro(s)
- Preposições Acidentais –palavras de outras classes grama- De + outra = doutra(s)
ticais que, podem funcionar como preposição, a saber: afora, Em + este(s) = neste(s)
como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos, Em + esta(s) = nesta(s)
salvo, segundo, visto etc. Em + esse(s) = nesse(s)
Em + aquele(s) = naquele(s)
Locuções prepositivas: são formadas por duas ou mais pa- Em + aquela(s) = naquela(s)
lavras com o valor de preposição, sempre terminando por uma Em + isto = nisto
preposição, por exemplo: Abaixo de, acerca de, acima de, ao Em + isso = nisso

16
LÍNGUA PORTUGUESA

Em + aquilo = naquilo CONJUNÇÃO


A + aquele(s) = àquele(s)
A + aquela(s) = àquela(s) É um termo que liga duas orações ou duas palavras de mes-
A + aquilo = àquilo mo valor gramatical, estabelecendo uma relação (de coordena-
ção ou subordinação) entre eles.
INTERJEIÇÃO
Classificação
É uma palavra invariável, que representa um recurso da lin-
guagem afetiva, expressando sentimentos, sensações, estados Conjunções Coordenativas: Ligam duas orações indepen-
de espírito, sempre acompanhadas de um ponto de exclamação dentes.
(!).
As interjeições são consideradas “palavras-frases” na me- -Conjunções Aditivas: Exprimem soma, adição de pensa-
dida em que representam frases-resumidas, formadas por sons mentos: e, nem, não só...mas também, não só...como também.
vocálicos (Ah! Oh! Ai!), por palavras (Droga! Psiu! Puxa!) ou por
um grupo de palavras, nesse caso, chamadas de locuções inter- Exemplo: João não lê nem escreve.
jetivas (Meu Deus! Ora bolas!).
-Conjunções Adversativas: Exprimem oposição, contraste,
Tipos de Interjeições compensação de pensamentos: mas, porém, contudo, entre-
tanto, no entanto, todavia.
Mesmo não havendo uma classificação rigorosa, já que a
mesma interjeição pode expressar sentimentos ou sensações Exemplo: Não viajamos, porém, poupamos dinheiro.
diferentes, as interjeições ou locuções interjetivas são classifi-
cadas em: -Conjunções Alternativas: Exprimem escolha de pensamen-
tos: ou...ou, já...já, ora...ora, quer...quer, seja...seja.
Advertência: Cuidado!, Olhe!, Atenção!, Fogo!, Calma!, De-
vagar!, Sentido!, Vê bem!, Volta aqui!
Exemplo: Ou você casa, ou compra uma bicicleta.
Afugentamento: Fora!, Toca!, Xô!, Passa!, Sai!, Roda!, Arre-
da!, Rua!, Cai fora!, Vaza!
Conjunções Conclusivas: Exprimem conclusão de pensa-
Agradecimento: Graças a Deus!, Obrigado!, Agradecido!,
mento: logo, por isso, pois (quando vem depois do verbo), por-
Muito obrigada!, Valeu!
tanto, por conseguinte, assim.
Alegria: Ah!, Eh!, Oh!, Oba!, Eba!, Viva!, Olá!, Eita!, Uhu!,
Que bom!
Exemplo: Estudou bastante, portanto será aprovado.
Alívio: Ufa!, Uf!, Arre!, Ah!, Eh!, Puxa!, Ainda bem!
Ânimo: Coragem!, Força!, Ânimo!, Avante!, Vamos!, Firme!,
Bora! -Conjunções Explicativas: Exprimem razão, motivo: que,
Apelo: Socorro!, Ei!, Ô!, Oh!, Alô!, Psiu!, Olá!, Eh! porque, assim, pois (quando vem antes do verbo), porquanto,
Aplauso: Muito bem!, Bem!, Bravo!, Bis!, É isso aí!, Isso!, por conseguinte.
Parabéns!, Boa!
Chamamento: Alô!, Olá!, Hei!, Psiu!, ô!, oi!, psiu! Exemplo: Não pode ligar, pois estava sem bateria.
Concordância: Claro!, Sem dúvida!, Então!, Sim!, Pois não!,
Tá!, Hã-hã! Conjunções Subordinativas: Ligam orações dependentes
Contrariedade: Droga!, Credo! uma da outra.
Desculpa: Perdão!, Opa!, Desculpa!, Foi mal!
Desejo: Oxalá!, Tomara!, Queira Deus!, Quem me dera! -Conjunções Integrantes: Introduzem orações subordinadas
Despedida: Adeus!, Até logo!, Tchau!, Até amanhã! com função substantiva: que, se.
Dor: Ai!, Ui!, Ah!, Oh!, Meu Deus!, Ai de mim!
Dúvida: Hum?, hem?, hã?, Ué! Exemplo: Quero que sejas muito feliz.
Espanto: Oh!, Puxa!, Quê!, Nossa!, Caramba!, Xi!, Meu
Deus!, Crê em Deus pai! -Conjunções Causais: Introduzem orações subordinadas que
Estímulo: Ânimo!, Coragem!, Vamos!, Firme!, Força! dão ideia de causa: que, porque, como, pois, visto que, já que,
Medo: Oh!, Credo!, Cruzes!, Ui!, Ai!, Uh!, Socorro!, Que uma vez que.
medo!, Jesus! Exemplo: Como tive muito trabalho, não pude ir à festa.
Satisfação: Viva!, Oba!, Boa!, Bem!, Bom!
Saudação: Alô!, Oi!, Olá!, Adeus!, Tchau!, Salve! -Conjunções Comparativas: Introduzem orações subordina-
Silêncio: Psiu!, Shh!, Silêncio!, Basta!, Calado!, Quieto!, Bico das que dão ideia de comparação: que, do que, como.
fechado!
Exemplo: Meu cachorro é mais inteligente do que o seu.

17
LÍNGUA PORTUGUESA

-Conjunções Concessivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem um fato contrário ao da oração principal: embora, ainda
que, mesmo que, se bem que, posto que, apesar de que, por mais que, por melhor que.

Exemplo: Vou ao mercado, embora esteja sem muito dinheiro.

-Conjunções Condicionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem hipótese ou condição para que o fato da oração principal
se realize ou não: caso, contanto que, salvo se, desde que, a não ser que.

Exemplo: Se não chover, irei à festa.

-Conjunções Conformativas: Iniciam orações subordinadas que exprimem acordo, concordância de um fato com outro: segundo,
como, conforme.

Exemplo: Cada um oferece conforme ganha.

-Conjunções Consecutivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem a consequência ou o efeito do que se declara na oração
principal: que, de forma que, de modo que, de maneira que.

Exemplo: Estava tão linda, de modo que todos pararam para olhar.

-Conjunções Temporais: Iniciam orações subordinadas que dão ideia de tempo: logo que, antes que, quando, assim que, sempre
que.

Exemplo: Quando as visitas chegarem, comporte-se.

-Conjunções Finais: Iniciam orações subordinadas que exprimem uma finalidade: a fim de que, para que.

Exemplo: Estudou a fim de conseguir algo melhor.

-Conjunções Proporcionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem concomitância, simultaneidade: à medida que, à
proporção que, ao passo que, quanto mais, quanto menos, quanto menor, quanto melhor.

Exemplo: Ao passo que cresce, sua educação diminui.

QUESTÕES

01. IF-AP – Auxiliar em Administração – 2016 - FUNIVERSA

No segundo quadrinho, correspondem, respectivamente, a substantivo, pronome, artigo e advérbio:


a) “guerra”, “o”, “a” e “por que”.
b) “mundo”, “a”, “o” e “lá”.
c) “quando”, “por que”, “e” e “lá”.
d) “por que”, “não”, “a” e “quando”.
e) “guerra”, “quando”, “a” e “não”.

18
LÍNGUA PORTUGUESA

02. MPE/SP - Oficial de Promotoria I – 2017 - VUNESP a) Os moradores do bairro Matão, em Sumaré (SP), temem
que suas casas desabem após uma cratera se abrir na Avenida
Japão irá auxiliar Minas Gerais com a experiência no en- Papa Pio X. (DÉCIMA)
frentamento de tragédias b) O acidente ocorreu nessa terça-feira, na BR-401 (QUA-
TROCENTAS E UMA)
Acostumados a lidar com tragédias naturais, os japoneses c) A 22ª edição do Guia impresso traz uma matéria e teve a
costumam se reerguer em tempo recorde depois de catástro- sua página Classitêxtil reformulada. (VIGÉSIMA SEGUNDA)
fes. Minas irá buscar experiência e tecnologias para superar a d) Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilíci-
tragédia em Mariana ta, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro,
mediante artifício, ardil. (CENTÉSIMO SETÉSIMO PRIMEIRO)
A partir de janeiro, Minas Gerais irá se espelhar na expe- e) A Semana de Arte Moderna aconteceu no início do sécu-
riência de enfrentamento de catástrofes e tragédias do Japão, lo XX. (SÉCULO DUCENTÉSIMO)
para tentar superar Mariana e recuperar os danos ambientais e
sociais. Bombeiros mineiros deverão receber treinamento por 05. ELETROBRAS-ELETROSUL - Técnico de Segurança do
meio da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), Trabalho – 2016 - FCC
a exemplo da troca de experiências que já acontece no Estado
com a polícia comunitária, espelhada no modelo japonês Koban. Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido a
O terremoto seguido de um tsunami que devastou a costa energia solar
nordeste do Japão em 2011 deixando milhares de mortos e de-
saparecidos, e prejuízos que quase chegaram a US$ 200 bilhões, Bem no meio do deserto, há um lugar onde o calor é extre-
foi uma das muitas tragédias naturais que o país enfrentou nos mo. Sessenta e três graus ou até mais no verão. E foi exatamente
últimos anos. Menos de um ano depois da catástrofe, no entan- por causa da temperatura que foi construída em Abu Dhabi uma
to, o Japão já voltava à rotina. É esse tipo de experiência que o das maiores usinas de energia solar do mundo.
Brasil vai buscar para lidar com a tragédia ocorrida em Mariana. Os Emirados Árabes estão investindo em fontes energéticas
(Juliana Baeta, http://www.otempo.com.br, 10.12.2015.
renováveis. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra
Adaptado)
por mais 100 anos pelo menos. O que pretendem é diversificar e
poluir menos. Uma aposta no futuro.
No trecho – Bombeiros mineiros deverão receber
A preocupação com o planeta levou Abu Dhabi a tirar do pa-
treinamento... – (1o parágrafo), a expressão em destaque é
pel a cidade sustentável de Masdar. Dez por cento do planejado
formada por substantivo + adjetivo, nessa ordem. Essa relação
está pronto. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os car-
também se verifica na expressão destacada em:
ros de fora. Lá só se anda a pé ou de bicicleta. As ruas são bem
Parte superior do formulário
a) A imprudente atitude do advogado trouxe-me danos. estreitas para que um prédio faça sombra no outro. É perfeito
b) Entrou silenciosamente, com um espanto indisfarçável. para o deserto. Os revestimentos das paredes isolam o calor. E a
c) Alguma pessoa teve acesso aos documentos da reunião? direção dos ventos foi estudada para criar corredores de brisa.
d) Trata-se de um lutador bastante forte e preparado. (Adaptado de: “Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com
e) Estiveram presentes à festa meus estimados padrinhos. tudo movido a energia solar”. Disponível em:http://g1.globo.
com/globoreporter/noticia/2016/04/abu-dhabi-constroi-cida-
03. CISMEPAR/PR - Técnico Administrativo – 2016 - FAUEL de-do-futuro-com-tudo-movido-energia-solar.html)

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignida- Considere as seguintes passagens do texto:
de e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir I. E foi exatamente por causa da temperatura que foi
uns para com os outros em espírito de fraternidade. Todo indiví- construída em Abu Dhabi uma das maiores usinas de energia
duo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Toda solar do mundo. (1º parágrafo)
a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, II. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra por
a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção mais 100 anos pelo menos. (2º parágrafo)
contra o desemprego”. III. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros de
fora. (3º parágrafo)
De acordo com a gramática da língua portuguesa, adjetivo é IV. As ruas são bem estreitas para que um prédio faça
a palavra que qualifica um substantivo. Aponte a afirmativa que sombra no outro. (3º parágrafo)
contenha somente adjetivos retirados do texto. O termo “que” é pronome e pode ser substituído por “o
a) livres, iguais, equitativas, satisfatórias. qual” APENAS em
b) todos, dever, fraternidade, liberdade. a) I e II.
c) trabalho, ter, direito, desemprego. b) II e III.
d) espírito, seres, nascer, livre. c) I, II e IV.
d) I e IV.
04. Prefeitura de Barra de Guabiraba/PE - Nível Funda- e) III e IV.
mental Completo – 2016 - IDHTEC
Assinale a alternativa em que o numeral está escrito por
extenso corretamente, de acordo com a sua aplicação na frase:

19
LÍNGUA PORTUGUESA

06. Pref. de Itaquitinga/PE - Assistente Administrativo – Observe as passagens:


2017 - IDHTEC – … e agora quer começar uma carreira médica. (2° pará-
grafo);
Morto em 2015, o pai afirma que Jules Bianchi não – … ele tem 80 anos. Isto mesmo, 80. (3° parágrafo);
__________culpa pelo acidente. Em entrevista, Philippe Bian- – Talvez a expectativa de vida não permita… (4° parágrafo).
chi afirma que a verdade nunca vai aparecer, pois os pilotos
__________ medo de falar. “Um piloto não vai dizer nada se As expressões destacadas expressam, respectivamente,
existir uma câmera, mas quando não existem câmeras, todos sentido de
__________ até mim e me dizem. Jules Bianchi bateu com seu a) lugar, modo e causa.
carro em um trator durante um GP, aquaplanou e não conseguiu b) tempo, afirmação e dúvida.
__________para evitar o choque. c) afirmação, afirmação e dúvida.
(http://espn.uol.com.br/noticia/603278_pai-diz-que-pilotos- d) tempo, modo e afirmação.
-da-f-1-temmedo-de-falar-a-verdade-sobre-o-acidente-fatal-de- e) modo, dúvida e intensidade.
-bianchi)
08. Ceron/RO - Direito – 2016 - EXATUS
Complete com a sequência de verbos que está no tempo,
modo e pessoa corretos: A lição do fogo
a) Tem – tem – vem - freiar
b) Tem – tiveram – vieram - frear 1º Um membro de determinado grupo, ao qual prestava
c) Teve – tinham – vinham – frenar serviços regularmente, sem nenhum aviso, deixou de participar
d) Teve – tem – veem – freiar de suas atividades.
e) Teve – têm – vêm – frear 2º Após algumas semanas, o líder daquele grupo decidiu
visitá-lo. Era uma noite muito fria. O líder encontrou o homem
07. (UNIFESP - Técnico em Segurança do Trabalho – VU- em casa sozinho, sentado diante ______ lareira, onde ardia um
NESP/2016)
fogo brilhante e acolhedor.
3º Adivinhando a razão da visita, o homem deu as boas-vin-
É permitido sonhar
das ao líder, conduziu-o a uma cadeira perto da lareira e ficou
quieto, esperando. O líder acomodou-se confortavelmente no
Os bastidores do vestibular são cheios de histórias – curiosas,
local indicado, mas não disse nada. No silêncio sério que se for-
estranhas, comoventes. O jovem que chega atrasado por alguns
mara, apenas contemplava a dança das chamas em torno das
segundos, por exemplo, é uma figura clássica, e patética. Mas
existem outras figuras capazes de chamar a atenção. achas da lenha, que ardiam. Ao cabo de alguns minutos, o líder
Takeshi Nojima é um caso. Ele fez vestibular para a Faculda- examinou as brasas que se formaram. Cuidadosamente, selecio-
de de Medicina da Universidade do Paraná. Veio do Japão aos 11 nou uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a
anos, trabalhou em várias coisas, e agora quer começar uma car- ______ lado. Voltou, então, a sentar-se, permanecendo silen-
reira médica. cioso e imóvel. O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado
Nada surpreendente, não fosse a idade do Takeshi: ele tem e quieto. Aos poucos, a chama da brasa solitária diminuía, até
80 anos. Isto mesmo, 80. Numa fase em que outros já passaram que houve um brilho momentâneo e seu fogo se apagou de vez.
até da aposentadoria compulsória, ele se prepara para iniciar 4º Em pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e
nova vida. E o faz tranquilo: “Cuidei de meus pais, cuidei dos meus luz agora não passava de um negro, frio e morto pedaço de car-
filhos. Agora posso realizar um sonho que trago da infância”. vão recoberto _____ uma espessa camada de fuligem acinzen-
Não faltará quem critique Takeshi Nojima: ele está tirando o tada. Nenhuma palavra tinha sido dita antes desde o protocolar
lugar de jovens, dirá algum darwinista social. Eu ponderaria que cumprimento inicial entre os dois amigos. O líder, antes de se
nem tudo na vida se regula pelo critério cronológico. Há pais que preparar para sair, manipulou novamente o carvão frio e inútil,
passam muito pouco tempo com os filhos e nem por isso são colocando-o de volta ao meio do fogo. Quase que imediatamen-
maus pais; o que interessa é a qualidade do tempo, não a quan- te ele tornou a incandescer, alimentado pela luz e calor dos car-
tidade. Talvez a expectativa de vida não permita ao vestibulando vões ardentes em torno dele. Quando o líder alcançou a porta
Nojima uma longa carreira na profissão médica. Mas os anos, ou para partir, seu anfitrião disse:
meses, ou mesmo os dias que dedicar a seus pacientes terão em 5º – Obrigado. Por sua visita e pelo belíssimo sermão. Estou
si a carga afetiva de uma existência inteira. voltando ao convívio do grupo.
Não sei se Takeshi Nojima passou no vestibular; a notícia que RANGEL, Alexandre (org.). As mais belas parábolas de to-
li não esclarecia a respeito. Mas ele mesmo disse que isto não te- dos os tempos –Vol. II.Belo Horizonte: Leitura, 2004.
ria importância: se fosse reprovado, começaria tudo de novo. E aí Assinale a alternativa que preenche corretamente as la-
de novo ele dá um exemplo. Os resultados do difícil exame trazem cunas do texto:
desilusão para muitos jovens, e não são poucos os que pensam a) a – ao – por.
em desistir por causa de um fracasso. A estes eu digo: antes de b) da – para o – de.
abandonar a luta, pensem em Takeshi Nojima, pensem na força c) à – no – a.
de seu sonho. Sonhar não é proibido. É um dever. d) a – de – em.
(Moacyr Scliar. Minha mãe não dorme enquanto eu não
chegar, 1996. Adaptado)

20
LÍNGUA PORTUGUESA

09. IF-PE - Técnico em Enfermagem – 2017 - IF-PE 03 A


Crônica da cidade do Rio de Janeiro 04 C
05 B
No alto da noite do Rio de Janeiro, luminoso, generoso, o
06 E
Cristo Redentor estende os braços. Debaixo desses braços os ne-
tos dos escravos encontram amparo. 07 B
Uma mulher descalça olha o Cristo, lá de baixo, e apontando 08 B
seu fulgor, diz, muito tristemente:
- Daqui a pouco não estará mais aí. Ouvi dizer que vão tirar 09 B
Ele daí. 10 C
- Não se preocupe – tranquiliza uma vizinha. – Não se preo-
cupe: Ele volta.
A polícia mata muitos, e mais ainda mata a economia. Na CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL
cidade violenta soam tiros e também tambores: os atabaques,
ansiosos de consolo e de vingança, chamam os deuses africanos.
Cristo sozinho não basta. Concordância Nominal Verbal
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre:
L&PM Pocket, 2009.) Segundo Mattoso câmara Jr., dá-se o nome de concordância
à circunstância de um adjetivo variar em gênero e número de
Na construção “A polícia mata muitos, e mais ainda mata acordo com o substantivo a que se refere (concordância nomi-
a economia”, a conjunção em destaque estabelece, entre as nal) e à de um verbo variar em número e pessoa de acordo com
orações, o seu sujeito (concordância verbal). Entretanto, há casos em que
Parte superior do formulário existem dúvidas.
a) uma relação de adição.
b) uma relação de oposição. Concordância Nominal
c) uma relação de conclusão.
d) uma relação de explicação. O adjetivo e palavras adjetivas (artigo, numeral, pronome
e) uma relação de consequência. adjetivo) concordam em gênero e número com o nome a que
Parte inferior do formulário se referem.

10. (IF-PE - Auxiliar em Administração – IF-PE/2016) Adjetivos e um substantivo: Quando houver mais de um
adjetivo para um substantivo, os adjetivos concordam em gêne-
A fome/2 ro e número com o substantivo.

Um sistema de desvinculo: Boi sozinho se lambe melhor... O Amava suco gelado e doce.
próximo, o outro, não é seu irmão, nem seu amante. O outro é
um competidor, um inimigo, um obstáculo a ser vencido ou uma Substantivos e um adjetivo: Quando há mais do que um
coisa a ser usada. O sistema, que não dá de comer, tampouco dá substantivo e apenas um adjetivo, há duas formas de concordar:
de amar: condena muitos à fome de pão e muitos mais à fome
de abraços. - Quando o adjetivo vem antes dos substantivos, o adjetivo
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: deve concordar com o substantivo mais próximo.
L&PM Pocket, 2009, p. 81.)
Lindo pai e filho.
No trecho “O sistema, que não dá de comer, tampouco dá
de amar”, a conjunção destacada estabelece, entre as orações, - Quando o adjetivo vem depois dos substantivos, o adjeti-
a relação de vo deve concordar com o substantivo mais próximo ou também
a) conclusão. com todos os substantivos.
b) adversidade.
c) adição. Comida e bebida perfeita.
d) explicação. Comida e bebida perfeitas.
e) alternância.
- Palavras adverbiais x palavras adjetivas: há palavras que
RESPOSTAS têm função de advérbio, mas às vezes de adjetivo.
Quando advérbio, são invariáveis: Há bastante comida.
01 E Quando adjetivo, concordam com o nome a que se referem:
Há bastantes motivos para não gostar dele.
02 E Fazem parte desta classificação: pouco, muito, bastante, ba-
rato, caro, meio, longe, etc.

21
LÍNGUA PORTUGUESA

- Expressões “anexo” e “obrigado”: tratam-se de palavras - Concordância verbal com a maioria, a maior parte, a meta-
adjetivas, e devem concordar com o nome a que se referem. de,...: o verbo fica conjugado na 3.ª pessoa do singular. Porém, já
se considera aceitável o uso da 3.ª pessoa do plural:
Seguem anexas as avaliações.
Seguem anexos os conteúdos. A maioria dos meninos vai…
Muito obrigado, disse ele. A maior parte dos meninos vai…
Muito obrigada, disse ela. A maioria dos meninos vão…
A maior parte dos meninos vão…
Sob a mesma regra, temos palavras como: incluso, quite,
leso, mesmo e próprio. - Concordância verbal com pronome relativo que: o verbo
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo que:
Concordância Verbal
Fui eu que contei o segredo.
A concordância verbal ocorre quando o verbo de flexiona Foi ele que contou o segredo.
para concordar com o sujeito gramatical. Essa flexão verbal é Fomos nós que contamos o segredo.
feita em número (singular ou plural) e em pessoa (1.ª, 2.ª ou 3.ª
pessoa). - Concordância verbal com pronome relativo quem: o verbo
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo quem
Sujeito composto antes do verbo: O sujeito é composto e ou fica conjugado na 3.ª pessoa do singular:
vem antes do verbo que deve estar sempre no plural.
Fui eu quem contei o segredo.
João e Paulo conversaram pelo telefone. Fomos nós quem contamos o segredo
Fui eu quem contou o segredo.
Sujeito composto depois do verbo: O sujeito composto vem Fomos nós quem contou o segredo.
depois do verbo, tanto pode ficar no plural como pode concor-
dar com o sujeito mais próximo. - Concordância verbal com o infinitivo pessoal: o infinitivo é
flexionado, principalmente, quer definir o sujeito e o sujeito da
Brincaram Pedro e Vítor. segunda oração é diferente da primeira:
Brincou Pedro e Vítor.
Eu pedi para eles fazerem a tarefa.
Sujeito formado por pessoas gramaticais diferentes: O su-
jeito é composto, mas as pessoas gramaticais são diferentes. O - Concordância verbal com o infinitivo impessoal: o infinitivo
verbo também deve ficar no plural e concordará com a pessoa não é flexionado em locuções verbais e em verbos preposicio-
que, a nível gramatical, tem prioridade. nados:
1.ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2.ª (tu,
vós) e a 2.ª tem prioridade em relação à 3.ª (ele, eles). Foram impedidos de entender a razão.

Nós, vós e eles vamos à igreja. - Concordância verbal com o verbo ser: a concordância em
número é estabelecida com o predicativo do sujeito:
Casos específicos de concordância verbal
Isto é verdade!
- Concordância verbal com verbos impessoais: como não Isto são verdades!
apresentam sujeito, são conjugados sempre na 3.ª pessoa do
singular: - Concordância verbal com um dos que: o verbo fica sempre
Faz cinco anos que eu te conheci. (verbo fazer indicando na 3.ª pessoa do plural:
tempo decorrido)
Um dos que foram…
- Concordância verbal com a partícula apassivadora se: o Um dos que podem…
objeto direto assume a função de sujeito paciente, e o verbo
estabelece concordância em número com o objeto direto: QUESTÕES

Vende-se ovo. 01. Pref. de Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL


Vendem-se ovos. A alternativa que está coerente com as regras da concor-
dância nominal é:
- Concordância verbal com a partícula de indeterminação A) Ternos marrons-claros.
do sujeito se: Quando atua como indeterminadora do sujeito, o B) Tratados lusos-brasileiros.
verbo fica sempre conjugado na 3.ª pessoa do singular: C) Aulas teórico-práticas.
Precisa-se de vendedor. D) Sapatos azul-marinhos.
Precisa-se de vendedores. E) Camisas verdes-escuras.

22
LÍNGUA PORTUGUESA

02. SAAEB – Engenheiro de Segurança do Trabalho – 2016 Segundo a entidade, havia, em outubro, 59 milhões de con-
- FAFIPA sumidores impedidos de obter novos créditos por não estarem
Indique a alternativa que NÃO apresenta erro de concor- em dia com suas obrigações. Trata-se de alta de 1,8 milhão em
dância nominal. dois meses.
A) O acontecimento derrubou a bolsa brasileira, argentina Causa consternação conhecer a principal razão citada pelos
e a espanhola. consumidores para deixar de pagar as dívidas: a perda de em-
B) Naquele lugar ainda vivia uma pseuda-aristocracia. prego, que tem forte correlação com a capacidade de pagamen-
C) Como não tinham outra companhia, os irmãos viajaram to das famílias.
só. Até há pouco, as empresas evitavam demitir, pois tendem
D) Simpáticos malabaristas e dançarinos animavam a festa. a perder investimentos em treinamento e incorrer em custos
trabalhistas. Dado o colapso da atividade econômica, porém,
03. CISMEPAR/PR – Advogado – 2016 - FAUEL jogaram a toalha.
A respeito de concordância verbal e nominal, assinale a al- O impacto negativo da disponibilidade de crédito é imedia-
to. O indivíduo não só perde a capacidade de pagamento mas
ternativa cuja frase NÃO realiza a concordância de acordo com a
também enfrenta grande dificuldade para obter novos recursos,
norma padrão da Língua Portuguesa:
pois não possui carteira de trabalho assinada.
Tem-se aí outro aspecto perverso da recessão, que se soma
A) Meias verdades são como mentiras inteiras: uma pessoa
às muitas evidências de reversão de padrões positivos da última
meia honesta é pior que uma mentirosa inteira. década – o aumento da informalidade, o retorno de jovens ao
B) Sonhar, plantar e colher: eis o segredo para alcançar seus mercado de trabalho e a alta do desemprego.
objetivos. (Folha de S.Paulo, 08.12.2015. Adaptado)
C) Para o sucesso, não há outro caminho: quanto mais dis-
tante o alvo, maior a dedicação. Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal.
D) Não é com apenas uma tentativa que se alcança o que A) A mudança de direção da economia fazem com que se
se quer. altere o tamanho das jornadas de trabalho, por exemplo.
B) Existe indivíduos que, sem carteira de trabalho assinada,
04. TRF – 3ª Região – Analista Judiciário-Área Administra- enfrentam grande dificuldade para obter novos recursos.
tiva – 2017 - FCC C) Os investimentos realizados e os custos trabalhistas fize-
A respeito da concordância verbal, é correto afirmar: ram com que muitas empresas optassem por manter seus fun-
A) Em “A aquisição de novas obras devem trazer benefícios cionários.
a todos os frequentadores”, a concordância está correta por se D) São as dívidas que faz com que grande número dos con-
tratar de expressão partitiva. sumidores não estejam em dia com suas obrigações.
B) Em “Existe atualmente, no Brasil, cerca de 60 museus”, E) Dados recentes da Associação Nacional dos Birôs de Cré-
a concordância está correta, uma vez que o núcleo do sujeito é dito mostra que 59 milhões de consumidores não pode obter
“cerca”. novos créditos.
C) Na frase “Hão de se garantir as condições necessárias à
conservação das obras de arte”, o verbo “haver” deveria estar 06. COPEL – Contador Júnior - 2017 - NC-UFPR
no singular, uma vez que é impessoal. Assinale a alternativa em que os verbos sublinhados estão
D) Em “Acredita-se que 25% da população frequentem am- corretamente flexionados quanto à concordância verbal
bientes culturais”, a concordância está correta, uma vez que a A) A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou recen-
porcentagem é o núcleo do segmento nominal. temente a nova edição do relatório Smoke-free movies (Filmes
E) Na frase “A maioria das pessoas não frequentam o mu- sem cigarro), em que recomenda que os filmes que exibem ima-
gens de pessoas fumando deveria receber classificação indicati-
seu”, o verbo encontra-se no plural por concordar com “pes-
va para adultos.
soas”, ainda que pudesse, no singular, concordar com “maioria”.
B) Pesquisas mostram que os filmes produzidos em seis paí-
ses europeus, que alcançaram bilheterias elevadas (incluindo
05. MPE-SP – Oficial de Promotoria I – 2016 - VUNESP
alemães, ingleses e italianos), continha cenas de pessoas fuman-
do em filmes classificados para menores de 18 anos.
Fora do jogo C) Para ela, a indústria do tabaco está usando a “telona”
como uma espécie de última fronteira para anúncios, mensa-
Quando a economia muda de direção, há variáveis que logo gens subliminares e patrocínios, já que uma série de medidas
se alteram, como o tamanho das jornadas de trabalho e o paga- em diversos países passou a restringir a publicidade do tabaco.
mento de horas extras, e outras que respondem de forma mais D) E 90% dos filmes argentinos também exibiu imagens de
lenta, como o emprego e o mercado de crédito. Tendências ne- fumo em filmes para jovens.
gativas nesses últimos indicadores, por isso mesmo, costumam E) Os especialistas da organização citam estudos que mos-
ser duradouras. tram que quatro em cada dez crianças começa a fumar depois
Daí por que são preocupantes os dados mais recentes da de ver atores famosos dando suas “pitadas” nos filmes.
Associação Nacional dos Birôs de Crédito, que congrega empre-
sas do setor de crédito e financiamento.

23
LÍNGUA PORTUGUESA

RESPOSTAS lação [a, com, de, por, para com] - relacionado [com] - rente [a,
de, com] - responsável [por] - rico [de, em] –satisfeito [com, de,
01 C em, por] - semelhante [a] - suspeito [a, de] - tentativa [contra,
de, para, para com] –único [em] - vazio [de]– visível [a] - vizinho
02 D [a, de, com] – zelo [a, de, por].
03 A
Regência de Advérbios: são importantes os advérbios: lon-
04 E
ge [de], perto [de] e proximamente [a, de]. Todos os advérbios
05 C terminados em -mente, tendem a apresentar a mesma preposi-
06 C ção dos adjetivos: Compatível [com]; compativelmente [com].
Relativo [a]; relativamente [a]

Regência Verbal
REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL
É a parte da língua que se ocupa da relação entre os verbos
Regência Nominal e Verbal e os termos que se seguem a ele e completam o seu sentido. Os
verbos são os termos regentes, enquanto os objetos (direto e
Regência é a relação de subordinação que ocorre entre um indireto) e adjuntos adverbiais são os termos regidos. Os verbos
verbo (ou um nome) e seus complementos. Ocupa-se em esta- podem ser:
belecer relações entre as palavras, criando frases não ambíguas, - Verbos Transitivos: Exigem complemento (objetos) para
que expressem efetivamente o sentido desejado, que sejam cor- que tenham sentido completo. Podem ser: Transitivos Diretos;
retas e claras. Transitivos Indiretos; Transitivos Diretos e Indiretos.
- Verbos Intransitivos: Existem verbos intransitivos que pre-
Regência Nominal cisam vir acompanhados de adjuntos adverbiais apenas para da-
rem um sentido completo para a frase.
Há nomes de sentido incompletos. Substantivos, adjetivos,
e, certos advérbios, podem, como no caso dos verbos, precisar Exemplos de regência verbal não preposicionada
de um complemento (complemento nominal) para completar Leu o jornal.
seu sentido: Sou devoto (nome de sentido incompleto) ao Santo Comeu o chocolate.
Expedito (compl. Nominal). Bebeu o vinho.
Ouviu a música.
O substantivo devoto rege um complemento nominal pre- Estudou a matéria.
cedido da preposição (ao). Sendo assim, a relação particular Fez o jantar
entre o nome e complemento, está sempre marcada por uma
preposição. Exemplos de regência verbal preposicionada
Contudo, cabe observar, que certos substantivos e adjetivos Procedeu à leitura do livro.
admitem mais de uma regência (mais de uma preposição). Pagou ao fornecedor.
Vejamos alguns nomes com as preposições que as regem: Desobedeceu aos mandamentos.
Apoiou-se na mesa.
Acessível [a, para] - acostumado [a, com] - adequado [a] - Apaixonou-se por sua melhor amiga.
admiração [a, por] - alheio [a, de] - aliado [a, com] - amante [de] Meditou sobre a possibilidade.
– amigo [de] - amor [a, de, para com, por] –ansioso [de, para,
por] - apto [a, para] - assíduo [a, em] - atenção [a] - atento [a, Quando a regência verbal é feita através de uma prepo-
em] - atencioso [com, para com] - benéfico [a] - benefício [a] sição, as mais utilizadas são: a, de, com, em, para, por, sobre.
– bom [para] - capacidade [de, para] - capaz [de, para] – cego agradar a;
[a] - certeza [de] - comum [de] - conforme [a, com] - consulta obedecer a;
[a] - contente [com, de, em, por] - cuidadoso [com] – curioso assistir a;
[de, por] descontente [com] - desfavorável [a] –desrespeito [a] visar a;
- diferente [de] - dificuldade [com, de, em, para] – digno [de] lembrar-se de;
- dúvida [acerca de, em, sobre] – entendido [em] – essencial simpatizar com;
[para] – fácil [a, de, para] - facilidade [de, em, para] - fiel [a] - comparecer em;
feliz [de, com, em, por] - grato [a] - horror [a, de, por] -– idêntico convocar para;
[a] - impaciência [com] – incapaz [de, para] –influência [sobre] trocar por;
- insensível [a] - intolerante [com] - junto [a, de] - leal [a] - lento alertar sobre.
[em] – liberal [com] - maior [de] – manifestação [contra] - medo
[de, a] – menor [de] –morador [em] - natural [de] - necessário
[a] - obediente [a] - ódio [a, contra] - orgulhoso [de, com] - pai-
xão [de, por] – parecido [a, com] - referência [a, por] –propício
[a] - próximo [a, de] - pronto [para, em] - propensão [para] - re-

24
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES 03. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2016 - FE-


PESE
01. MPE-GO - Secretário Auxiliar – Goiás – 2018 – MPE-GO
A linguagem poética
Embora de ocorrência frequente no cotidiano, a gramática
normativa não aceita o uso do mesmo complemento para ver- Em relação à prosa comum, o poema se define de certas
bos com regências diferentes. Assinale a opção em que esse tipo restrições e de certas liberdades. Frequentemente se confunde
de transgressão não ocorre. a poesia com o verso. Na sua origem, o verso tem uma função
A) “Pode-se concordar ou discordar, até radicalmente, de mneumotécnica (= técnica de memorizar); os textos narrativos, lí-
toda a política externa brasileira.” (Clóvis Rossi) ricos e mesmo históricos e didáticos eram comunicados oralmen-
B) “Educador é todo aquele que confere e convive com es- te, e os versos – repetição de um mesmo número de sílabas ou de
ses conhecimentos.” (J. Carlos de Sousa) um número fixo de acentos tônicos e eventualmente repetição
C) Vi e gostei muito do filme O jardineiro fiel cujo diretor é de uma mesma sonoridade (rima) – facilitavam a memorização.
um brasileiro. Mais tarde o verso se tornou um meio de enfeitar o discurso, meio
D) A sociedade brasileira quer a paz, anseia por ela e a ela que se desvalorizou pouco a pouco: a poesia contemporânea é
aspira. rimada, mas raramente versificada. Na verdade o valor poético do
E) Interessei-me e desinteressei-me pelo assunto quase que verso decorre de suas relações com o ritmo, com a sintaxe, com
simultaneamente. as sonoridades, com o sentido das palavras. O poema é um todo.
(…)
02. CODEBA – Analista Portuário – Administrador – 2016 Os poetas enfraquecem a sintaxe, fazendo-a ajustar-se às
- FGV exigências do verso e da expressão poética. Sem se permitir ver-
dadeiras incorreções gramaticais, eles se permitem “licenças poé-
Relatórios ticas”.
Além disso, eles trabalham o sentido das palavras em dire-
Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de ções contrárias: seja dando a certos termos uma extensão ou uma
perfil bem específico. Os relatórios de inquérito, por exemplo, indeterminação inusitadas; seja utilizando sentidos raros, em de-
são lidos pelas pessoas diretamente envolvidas na investigação suso ou novos; seja criando novas palavras.
de que tratam. Um relatório de inquérito criminal terá como lei- Tais liberdades aparecem mais particularmente na utilização
tores preferenciais delegados, advogados, juízes e promotores. de imagens. Assim, Jean Cohen, ao estudar o processo de fabrica-
Autores de relatórios que têm leitores definidos podem ção das comparações poéticas, observa que a linguagem corrente
pressupor que compartilham com seus leitores um conhecimen- faz espontaneamente apelo a comparações “razoáveis” (perti-
to geral sobre a questão abordada. Nesse sentido, podem fazer nentes) do tipo “a terra é redonda como uma laranja” (a redonde-
um texto que focalize aspectos específicos sem terem a necessi- za é efetivamente uma qualidade comum à terra e a uma laranja),
dade de apresentar informações prévias. ao passo que a linguagem poética fabrica comparações inusitadas
Isso não acontece com relatórios de circulação mais ampla. tais como: “Belo como a coisa nova/Na prateleira até então vazia”
Nesse caso, os autores do relatório devem levar em considera- (João Cabral de Melo Neto). Ou, então estranhas como: “A terra é
ção o fato de terem como interlocutores pessoas que se inte- azul como uma laranja” (Paul Éluard).
ressam pelo assunto abordado, mas não têm qualquer conhe- Francis Vanoye
cimento sobre ele. No momento de elaborar o relatório, será
preciso levar esse fato em consideração e introduzir, no texto, Assinale a alternativa correta quanto à regência verbal.
todas as informações necessárias para garantir que os leitores A) Chamaram Jean de poeta.
possam acompanhar os dados apresentados, a análise feita e a B) “Não obedeço a rima das estrofes”, disse o poeta.
conclusão decorrente dessa análise. C) Todos os escritores preferem o elogio do que a crítica
D) Passou no cinema o filme sobre aquele poeta que gosto
“Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de muito.
perfil bem específico”. E) Eu me lembrei os dias da leitura de poesia na escola.

No caso desse segmento do texto, a preposição a é de uso 04. TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário - 2016 - VUNESP
gramatical, pois é exigida pela regência do verbo dirigir.
Assinale a alternativa em que o período, adaptado da revista
Assinale a opção que indica a frase em que a preposição “a” Pesquisa Fapesp de junho de 2012, está correto quanto à regência
introduz um adjunto e não um complemento. nominal e à pontuação.
A) O Brasil dá Deus a quem não tem nozes, dentes etc. A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, rapidamente,
B) É preciso passar o Brasil a limpo. seu espaço na carreira científica ainda que o avanço seja mais
C) Um memorando serve não para informar a quem o lê, notável em alguns países, o Brasil é um exemplo, do que em
mas para proteger quem o escreve. outros.
D) Quem é burro pede a Deus que o mate e ao diabo que B) Não há dúvida que as mulheres ampliam rapidamente,
o carregue. seu espaço na carreira científica, ainda que, o avanço seja mais
E) O desenvolvimento é uma receita dos economistas para notável em alguns países (o Brasil é um exemplo) do que em
promover os miseráveis a pobres – e, às vezes, vice-versa. outros.

25
LÍNGUA PORTUGUESA

C) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam rapidamen-


te seu espaço na carreira científica; ainda que o avanço seja mais COLOCAÇÃO PRONOMINAL
notável, em alguns países, o Brasil é um exemplo!, do que em
outros. COLOCAÇÃO DOS PRONOMINAL
D) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam rapidamente
seu espaço, na carreira científica, ainda que o avanço seja mais A colocação dos pronomes oblíquos átonos é um fator im-
notável, em alguns países: o Brasil é um exemplo, do que em portante na harmonia da frase. Ela respeita três tipos de posição
outros. que os pronomes átonos me, te, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes
E) Não há dúvida de que as mulheres ampliam rapidamente podem ocupar na oração:
seu espaço na carreira científica, ainda que o avanço seja mais
notável em alguns países – o Brasil é um exemplo – do que em Próclise - o pronome é colocado antes do verbo.
outros. Mesóclise - o pronome é colocado no meio do verbo.
Ênclise - o pronome é colocado depois do verbo.
05. MPE-PE - Analista Ministerial - Área Auditoria – 2018
– FCC Próclise
Para onde vão as palavras - Orações negativas, que contenham palavras como: não,
ninguém, nunca.
Como se sabe, a palavra durante algum tempo foi obrigada Não o vi ontem.
a recuar diante da imagem, e o mundo escrito e impresso diante Nunca o tratei mal.
do falado na tela. Tiras de quadrinhos e livros ilustrados com um
mínimo de texto hoje não se destinam mais somente a inician- - Pronomes relativos, indefinidos ou demonstrativos.
tes que estão aprendendo a soletrar. De muito mais peso, no Foi ele que o disse a verdade.
entanto, é o recuo da notícia impressa em face da notícia falada Alguns lhes custaram a vida.
e ilustrada. A imprensa, principal veículo da esfera pública no Isso me lembra infância.
século X I X assim como em boa parte do século XX, dificilmente
será capaz de manter sua posição no século X X I. - Verbos antecedidos por advérbios ou expressões adver-
Mas nada disso pode deter a ascensão quantitativa da lite- biais, a não ser que haja vírgula depois do advérbio, pois assim o
ratura. A rigor, eu quase diría que - apesar dos prognósticos pes- advérbio deixa de atrair o pronome.
simistas - o mais importante veículo tradicional da literatura, o Ontem me fizeram uma proposta.
livro impresso, sobreviverá sem grande dificuldade, com poucas Agora, esqueça-se.
exceções, como as das enciclopédias, dos dicionários, dos com-
pêndios de informação etc., os queridinhos da internet. - Orações exclamativas e orações que exprimam desejo que
(Adaptado de: HOBSBAWM, Eric. Tempos fraturados. São algo aconteça.
Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 29-30.) Deus nos ajude.
Espero que me dês uma boa notícia.
O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de
modo a concordar com o elemento sublinhado na seguinte fra- - Orações com conjunções subordinativas.
se: Exemplos:
A) Entre as várias atrações que (conter) um livro, uma é a de Embora se sentisse melhor, saiu.
tornar-se um obieto do afeto de quem o possui. Conforme lhe disse, hoje vou sair mais cedo.
B) Se há imagens pelas quais se (deixar) prender um
espectador, há palavras que encantam um leitor. - Verbo no gerúndio regido da preposição em.
C) Quando há num livro imagens excessivas, que Em se tratando de Brasil, tudo pode acontecer.
(contaminar) um texto, as palavras saem desvalorizadas. Em se decidindo pelo vestido, opte pelo mais claro.
D) A despeito de (haver) nele figuras demais, esse livro in-
fantil atrai também um leitor adulto. - Orações interrogativas.
E) Aos frequentadores da internet (atrair) sobretudo o volu- Quando te disseram tal mentira?
me de informações que nela circulam. Quem te ligou?
RESPOSTAS Mesóclise

01 D É possível apenas com verbos do Futuro do Presente ou do


02 B Futuro do Pretérito. Se houver palavra atrativa, dá-se preferên-
cia ao uso da Próclise.
03 A Encontrar-me-ei com minhas raízes.
04 E Encontrar-me-ia com minhas raízes.
Ênclise
05 B

26
LÍNGUA PORTUGUESA

Usa-se a Ênclise quando o uso da Próclise e Mesóclise não 02. Pref. de Caucaia/CE – Agente de Suporte a Fiscalização
forem possíveis. A colocação de pronome depois do verbo é – 2016 - CETREDE
atraída pelas seguintes situações: Marque a opção em que ocorre ênclise.
A) Disseram-me a verdade.
- Verbo no imperativo afirmativo. B) Não nos comunicaram o fato.
Depois de avaliar, chamem-nos. C) Dir-se-ia que tal construção não é correta.
Ao iniciar, distribuam-lhes as senhas! D) A moça se penteou.
E) Contar-me-ão a verdade?
- Verbo no infinitivo impessoal.
Preciso apresentar-te a minha irmã. 03. MPE/RS – Agente Administrativo – 2017 - MPE-RS
O seu pior pesadelo é casar-se. Assinale a alternativa que preenche correta e respectiva-
mente as lacunas dos enunciados abaixo.
- Verbo inicia a oração. 1. Quanto ao pedido do Senhor Secretário, a secretaria de-
Disse-lhe a verdade sobre nosso amor. verá ________ que ainda não há disponibilidade de recursos.
Arrepiei-me com tal relato. 2. Apesar de o regimento não exigir uma sindicância neste
tipo de situação, a gravidade
- Verbo no gerúndio (sem a preposição em, pois regido pela da ocorrência ________, sem dúvida.
preposição em usa-se a Próclise). 3. Embora os novos artigos limitem o alcance da lei, eles
Vivo perguntando-me como pode ser tão falso. não ________.
Faço muitos apontamentos, perguntando-lhe o motivo do
fingimento. A) informar-lhe – a justificaria – revogam-na
B) informar-lhe – justificá-la-ia – a revogam
Com Locução Verbal C) informá-lo – justificar-lhe-ia – a revogam
D) informá-lo – a justificaria – lhe revogam
Todos os exemplos até agora têm apenas um verbo atrain- E) informar-lhe – justificá-la-ia – revogam-na
do o pronome. Vejamos como fica a colocação do pronome nas
locuções verbais (seguindo todas as regras citadas anteriormen- 04. IPSMI – Procurador – 2016 - VUNESP
te). Assinale a alternativa em que a colocação pronominal e a
conjugação dos verbos estão de acordo com a norma-padrão.
- Ênclise depois do verbo auxiliar ou depois do verbo A) Eles se disporão a colaborar comigo, se verem que não
principal nas locuções verbais em que o verbo principal está no prejudicarei-os nos negócios.
infinitivo ou no gerúndio. B) Propusemo-nos ajudá-lo, desde que se mantivesse cala-
Devo chamar-te pelo primeiro nome. do.
Devo-lhe chamar pelo primeiro nome. C) Tendo avisado-as do perigo que corriam, esperava que
elas se contessem ao dirigir na estrada.
- Caso não haja palavra que atraia a Próclise, Ênclise é usada D) Todos ali se predisporam a ajudar-nos, para que nos sen-
depois do verbo auxiliar onde o verbo principal está no particí- tíssemos à vontade.
pio. E) Os que nunca enganaram-se são poucos, mas gostam de
Foi-lhe dito como deveria impedir isso. que se alardeiem seus méritos.
Tinha-lhe feito as malas para que partisse o mais rápido
possível. 05. BAHIAGÁS - Analista de Processos Organizacionais -
Administração e Psicologia – 2016 - IESES
QUESTÕES Assinale a opção em que a colocação dos pronomes átonos
está INCORRETA:
01. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE- A) Não considero-me uma pessoa de sorte; me considero
PESE uma pessoa que trabalha para se sustentar e esforça-se para se
Analise a frase abaixo: colocar bem na vida.
“O professor discutiu............mesmos a respeito da desa- B) Pagar-lhes-ei tudo o que lhes devo, mas no devido tempo
vença entre .........e ........ . e na devida forma.
C) A situação não é melhor na Rússia, onde os antigos ser-
Assinale a alternativa que completa corretamente as la- vos tornaram-se mujiques famintos, nem nos países mediterrâ-
cunas do texto. neos, onde os campos sobrecarregados de homens são incapa-
A) com nós • eu • ti zes de alimentá-los.
B) conosco • eu • tu D) Deus me livre desse maldito mosquito! Nem me falem
C) conosco • mim • ti nessas doenças que ele transmite!
D) conosco • mim • tu E) Pede a Deus que te proteja e dê muita vida e saúde a
E) com nós • mim • ti teus pais.

27
LÍNGUA PORTUGUESA

06. TRT – 14ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa – 2017 - FCC

No que se refere ao emprego do acento indicativo de crase e à colocação do pronome, a alternativa que completa corretamente
a frase O palestrante deu um conselho... É:
A) à alguns jovens que escutavam-no.
B) à estes jovens que o escutavam.
C) àqueles jovens que o escutavam
D) à juventude que escutava-o.
E) à uma porção de jovens que o escutava.

RESPOSTAS

01 E
02 A
03 B
04 B
05 A
06 C

CRASE

CRASE

Há um caso de contração que merece destaque: A crase, que é a fusão da preposição a com o artigo definido feminino a(s), ou da
preposição a com o a inicial dos pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo, ou ainda da preposição a com um pronome
demonstrativo a(s), ou então da preposição a com o a inicial do pronome relativo a qual (as quais).
Essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente representada por um a com acento grave (à), dá-se o nome de crase. Veremos,
a seguir, as principais regras.

Usa-se a Crase:

- Locuções prepositivas, locuções adverbiais ou locuções conjuntivas com o núcleo um substantivo feminino: à queima-roupa, à
noite, à força de, às vezes, às escuras, à medida que, às pressas, à custa de, às mil maravilhas, à tarde, às onze horas, etc. Não confun-
da a locução adverbial às vezes com a expressão fazer as vezes de, em que não há crase porque o “as” é artigo definido puro.

- Locuções que exprimem hora determinada: Ele chegou às dez horas e vinte minutos.

- A expressão “à moda de” (ou “à maneira de”) estiver subentendida: Mesmo que a palavra subsequente for masculina há crase:
Ele é um galã à Don Juan.

- As expressões “rua”, “loja”, “estação de rádio”, etc. estiverem subentendidas: Virou sentido à Higienópolis (= Virou sentido à
Rua Higienópolis); Fomos à Pernambucanas (fomos à loja Pernambucanas).

28
LÍNGUA PORTUGUESA

- É implícita uma palavra feminina: Esta fruta é semelhante - Com expressões tomadas de maneira indeterminada:
à uva (= à fruta). Prefiro jiló a injeção (no masc. = prefiro jiló a remédio).

- Pronome substantivo possessivo feminino no singular ou - Antes de pronome interrogativo, não ocorre crase: A qual
plural: Aquela casa é semelhante à nossa. O acento indicativo de autoridade irá se dirigir?
crase é obrigatório porque, no masculino, ficaria assim: Aquele
carro é semelhante ao nosso (preposição + artigo definido). - Na expressão valer a pena (no sentido de valer o sacrifí-
cio, o esforço), não ocorre crase, pois o “a” é artigo definido:
- Não confundir devido com dado (a, os, as): a expressão Não sei se este trabalho vale a pena.
pede preposição “a”, tendo crase antes de palavra feminina de-
terminada pelo artigo definido. Devido à chuva de ontem, os Crase Facultativa:
trabalhos foram cancelados (= devido ao temporal de ontem,
os trabalhos...); Já a outra expressão não aceita preposição “a” - Antes de nomes próprios femininos: Dei os parabéns à
(o “a” que aparece é artigo definido, não se usa, crase): Dada Cida; Dei os parabéns a Cida. Antes de um nome de pessoa, po-
a resposta sobre o acidente (= dado o esclarecimento sobre...). de-se ou não usar o artigo “a” (“A Camila é uma boa amiga”. Ou
“Camila é uma boa amiga”). Sendo assim, mesmo que a prepo-
Fora os casos anteriores, deve-se substituir a palavra femi- sição esteja presente, a crase é facultativa.
nina por outra masculina da mesma função sintática. Caso use
“ao” no masculino, haverá crase no “a” do feminino. Se ocorrer - Antes de pronome adjetivo possessivo feminino singular:
“a” ou “o” no masculino, não haverá crase no “a” do feminino. Pediu permissão à minha esposa; Pediu permissão a minha es-
posa. Mesma explicação é idêntica à do item anterior. Portanto,
Não se usa Crase: mesmo com a presença da preposição, a crase é facultativa.

- Antes de palavra masculina: Chegou a tempo; Vende-se - Nomes de localidades: há as que admitem artigo antes e
a prazo. as que não o admitem. Para se saber se o nome de uma localida-
de aceita artigo, substitua o verbo da frase pelos verbos estar ou
- Antes de verbo: Ficamos a admirá-los; Ele começou a ter vir. Se ocorrer a combinação “na” com o verbo estar ou “da” com
alucinações. o verbo vir, haverá crase com o “a” da frase original. Se ocorrer
“em” ou “de”, não haverá crase: Quero conhecer à Europa (estou
- Antes de artigo indefinido: Nos dirigimos a um caixa. na Europa; vim da Europa); O avião dirigia-se a São Paulo (estou
em São Paulo; vim de São Paulo).
- Antes de expressão de tratamento introduzida pelos pro-
nomes possessivos Vossa ou Sua ou a expressão Você: Envia- QUESTÕES
ram convites a Vossa Senhoria; Encontraremos a Sua Majestade;
Ele queria perguntar a você. 01. PC-MG - Escrivão de Polícia Civil – 2018 - FUMARC
Ocorre crase quando há a fusão da preposição “a” com o
- Antes dos pronomes demonstrativos esta e essa: Me refi- artigo definido feminino “a” ou entre a preposição “a” e o pro-
ro a esta menina; A família não deu ouvidos a essa fofoca. nome demonstrativo “aquele” (e variações).

- Antes dos pronomes pessoais: Não diga a ela. INDIQUE a alternativa que apresenta uso FACULTATIVO da
crase.
- Antes dos pronomes indefinidos com exceção de outra: A) Solicitamos a devolução dos documentos enviados à em-
Falarei isso a qualquer pessoa. Com o pronome indefinido ou- presa.
tra(s), pode haver crase pois, às vezes, aceita o artigo definido B) O promotor se dirigiu às pessoas presentes no tribunal.
a(s): Estavam de frente umas às outras (no masculino, ficaria C) O pai entregou àquele advogado a prova exigida pelo juiz.
“Estavam de frente uns aos outros”). D) Irei à minha sala para buscar o projeto de consultoria.

- Quando o “a” estiver no singular e a palavra seguinte 02. Pref. de Itaquitinga/PE – Assistente Administrativo –
estiver no plural: Contei a pessoas que perguntaram. 2016 - IDHTEC
Em qual dos trechos abaixo o emprego do acento grave foi
- Quando, antes do “a”, houver preposição: Os livros esta- omitido quando houve ocorrência de crase?
vam sob a mesa. Exceção para até por motivo de clareza: A água A) “O Sindicato dos Metroviários de Pernambuco decidiu
do rio subiu até à Prefeitura da cidade. (= a água chegou perto suspender a paralisação que faria a partir das 16h desta quar-
da Prefeitura); se não houvesse o sinal da crase, o sentido ficaria ta-feira.”
ambíguo: a água chegou até a Prefeitura (= inundou inclusive a B) “Pela manhã, em nota, a categoria informou que cruza-
Prefeitura). ria os braços só retornando às atividades normais as 5h desta
quinta-feira.”
- Com expressões repetitivas: Secamos a casa gota a gota. C) “Nesta quarta-feira, às 21h, acontece o “clássico das mul-
tidões” entre Sport e Santa Cruz, no Estádio do Arruda.”

29
LÍNGUA PORTUGUESA

D) “Após a ameaça de greve, o sindicato foi procurado pela


CBTU e pela PM que prometeram um reforço no esquema de SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS NO CONTEXTO.
segurança.”
E) “A categoria se queixa de casos de agressões, vandalismo SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS
e depredações e da falta de segurança nas estações.”
A Significação das palavras é estudada pela semântica, que
03. MPE/SC – Promotor de Justiça – 2016 - MPE/SC estuda o sentido das palavras e as relações de sentido que as
Em relação ao emprego do sinal de crase, estão corretas as palavras estabelecem entre si.
frases:
a) Solicito a Vossa Excelência o exame do presente docu- Sinônimos e antônimos
mento.
b) A redação do contrato compete à Diretoria de Orçamento Sinônimos: palavras de sentido igual ou parecido.
e Finanças. Ex.: necessário, essencial, fundamental, obrigatório
( ) Certo ( ) Errado
Geralmente é indiferente usar um sinônimo ou outro. O
04. TRF-3ª Região – Técnico Judiciário – Informática – 2016 fato linguístico de existirem sinônimos chama-se sinonímia, pa-
- FCC lavra que também designa o emprego de sinônimos.
O sinal indicativo de crase está empregado corretamente
em: Antônimos: palavras de sentido oposto.
A) Não era uma felicidade eufórica, semelhava-se mais à Ex.: dedicado: desinteressado, desapegado, relapso.
uma brisa de contentamento. Pontual: atrasado, retardado, irresponsável.
B) O vinho certamente me induziu àquela súbita vontade de
abraçar uma árvore gigante. A antonímia pode ser originada por um prefixo de sentido
C) Antes do fim da manhã, dediquei-me à escrever tudo o oposto ou negativo. Ex.: simpático/antipático, progredir/regre-
que me propusera para o dia. dir, ativo/inativo, esperar/desesperar, simétrico/assimétrico.
D) A paineira sobreviverá a todas às 18 milhões de pessoas
que hoje vivem em São Paulo. Homônimos
E) Acho importante esclarecer que não sou afeito à essa tra-
dição de se abraçar árvore. Se refere à capacidade de as palavras serem homônimas
(som igual, escrita igual, significado diferente), homófonas (som
05. Pref. De Criciúma/SC – Engenheiro Civil – 2016 - FEPESE igual, escrita diferente, significado diferente) ou homógrafas
Analise as frases quanto ao uso correto da crase. (som diferente, escrita igual, significado diferente).
1. O seu talento só era comparável à sua bondade. O contexto é quem vai determinar a significação dos homô-
2. Não pôde comparecer à cerimônia de posse na Prefei- nimos. Ela pode ser causa de ambiguidade, por isso é considera-
tura. da uma deficiência dos idiomas.
3. Quem se vir em apuros, deve recorrer à coordenação lo-
cal de provas. Homônimos
4. Dia a dia, vou vencendo às batalhas que a vida me apre- rio (curso de água) e rio (verbo rir);
senta. caminho (itinerário) e caminho (verbo caminhar).
5. Daqui à meia hora, chegarei a estação; peça para me
aguardarem. Homófonos
cem (número) e sem (indica falta)
A) São corretas apenas as frases 1 e 4. senso (sentido) e censo (levantamento estatístico)
B) São corretas apenas as frases 3 e 4.
C) São corretas apenas as frases 1, 2 e 3. Homógrafos
D) São corretas apenas as frases 2, 3 e 4. colher (talher) e colher (apanhar);
E) São corretas apenas as frases 2, 4 e 5. acerto (correção) e acerto (verbo acertar);

RESPOSTAS Parônimos

Se refere a palavras que são escritas e pronunciadas de for-


01 D ma parecida, mas que apresentam significados diferentes.
02 B infligir (aplicar) e infringir (transgredir),
sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder),
03 Certo deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente,
04 B divergir, adiar),
ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir),
05 C
vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e vultuoso
(congestionado: rosto vultuoso).

30
LÍNGUA PORTUGUESA

Polissemia escaveiradas e sujas, filhos escanchados nos quadris desnalga-


dos, filhos encarapitados às costas, filhos suspensos aos peitos
Polissemia indica a capacidade de uma palavra apresentar murchos, filhos arrastados pelos braços, passando; crianças,
uma multiplicidade de significados, conforme o contexto em sem-número de crianças; velhos, sem-número de velhos; raros
que ocorre. Uma palavra pode ter mais de uma significação. Ex.: homens, enfermos opilados, faces túmidas e mortas, de cera,
Mangueira: tubo de borracha ou plástico para regar as plan- bustos dobrados, andar cambaleante.
tas ou apagar incêndios; árvore frutífera; grande curral de gado. (CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos.
Pena: pluma; peça de metal para escrever; punição; dó. Edição Especial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.)

Denotação e conotação Em qual das alternativas abaixo NÃO há um par de sinôni-


mos?
Denotação indica a capacidade de as palavras apresenta- A) Armistício – destruição
rem um sentido literal (próprio) e objetivo. A conotação indica B) Claudicante – manco
a capacidade de as palavras apresentarem um sentido figurado C) Reveses – infortúnios
e simbólico. D) Fealdade – feiura
E) Opilados – desnutridos
Exemplos com sentido denotativo:
As águas pingavam da torneira, (sentido próprio). 02. Pref. de Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico e
As horas iam pingando lentamente, (sentido figurado). Mecânico – 2016 - Instituto Excelência
Assinale a alternativa em que as palavras podem servir de
Exemplos com sentido conotativo: exemplos de parônimos:
Comprei uma correntinha de ouro. A) Cavaleiro (Homem a cavalo) – Cavalheiro (Homem gentil).
Fulano nadava em ouro. B) São (sadio) – São (Forma reduzida de Santo).
C) Acento (sinal gráfico) – Assento (superfície onde se sen-
ta).
Hiperonímia e hiponímia D) Nenhuma das alternativas.

Hiperonímia e a hiponímia indicam a capacidade das pa- 03. TJ/MT – Analista Judiciário – Ciências Contábeis – 2017
lavras estabelecerem relações hierárquicas de significado. Um - UFMT
hiperônimo, palavra superior com um sentido mais abrangente, Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas, seja no
engloba um hipônimo, palavra inferior com sentido mais restri- modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por exemplo,
to. assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada uma apre-
senta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, grafias diferen-
Fruta é hiperônimo de banana. tes, denomina-se homônimo homófono. Assinale a alternativa
Banana é hipônimo de fruta. em que todas as palavras se encontram nesse caso.
A) taxa, cesta, assento
QUESTÕES B) conserto, pleito, ótico
C) cheque, descrição, manga
12. Pref. de Itaquitinga/PE – Psicólogo – 2016 - IDHTEC D) serrar, ratificar, emergir
A entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os comba-
tentes contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; co- 04. TJ/MT – Analista Judiciário – Direito – 2017 - UFMT
moviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, naquele
armistício transitório, uma legião desarmada, mutilada faminta A fuga dos rinocerontes
e claudicante, num assalto mais duro que o das trincheiras em Espécie ameaçada de extinção escapa dos caçadores da
fogo. Custava-lhes admitir que toda aquela gente inútil e frágil maneira mais radical possível – pelo céu.
saísse tão numerosa ainda dos casebres bombardeados durante
três meses. Contemplando-lhes os rostos baços, os arcabouços Os rinocerontes-negros estão entre os bichos mais visados
esmirrados e sujos, cujos molambos em tiras não encobriam la- da África, pois sua espécie é uma das preferidas pelo turismo de
nhos, escaras e escalavros – a vitória tão longamente apeteci- caça. Para tentar salvar alguns dos 4.500 espécimes que ainda
da decaía de súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava. restam na natureza, duas ONG ambientais apelaram para uma
Era, com efeito, contraproducente compensação a tão luxuosos solução extrema: transportar os rinocerontes de helicóptero. A
gastos de combates, de reveses e de milhares de vidas, o apre- ação utilizou helicópteros militares para remover 19 espécimes
samento daquela caqueirada humana – do mesmo passo angu- – com 1,4 toneladas cada um – de seu habitat original, na pro-
lhenta e sinistra, entre trágica e imunda, passando-lhes pelos víncia de Cabo Oriental, no sudeste da África do Sul, e transfe-
olhos, num longo enxurro de carcaças e molambos... ri-los para a província de Lampopo, no norte do país, a 1.500
Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender quilômetros de distância, onde viverão longe dos caçadores.
uma arma, nem um peito resfolegante de campeador domado: Como o trajeto tem áreas inacessíveis de carro, os rinocerontes
mulheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças tiveram de voar por 24 quilômetros. Sedados e de olhos venda-
envelhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade, dos (para evitar sustos caso acordassem), os rinocerontes foram

31
LÍNGUA PORTUGUESA

içados pelos tornozelos e voaram entre 10 e 20 minutos. Parece RESPOSTAS


meio brutal? Os responsáveis pela operação dizem que, além
de mais eficiente para levar os paquidermes a locais de difícil
01 A
acesso, o procedimento é mais gentil.
(BADÔ, F. A fuga dos rinocerontes. Superinteressante, nº 02 A
229, 2011.) 03 A
A palavra radical pode ser empregada com várias acepções, 04 C
por isso denomina-se polissêmica. Assinale o sentido dicionari- 05 E
zado que é mais adequado no contexto acima.
A) Que existe intrinsecamente num indivíduo ou coisa. 06 D
B) Brusco; violento; difícil.
C) Que não é tradicional, comum ou usual.
D) Que exige destreza, perícia ou coragem. USO DO HÍFEN.

05. UNESP – Assistente Administrativo I – 016 - VU-


NESP/2016 O hífen é um sinal diacrítico (que distingue) usado para ligar
os elementos de palavras compostas (couve-flor, ex-presidente)
O gavião e para unir pronomes átonos a verbos (ofereceram-me; vê-lo-ei).
Serve igualmente para fazer a translineação de palavras,
Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco isto é, no fim de uma linha, separar uma palavra em duas partes
voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua. (ca-/sa; compa-/nheiro).
Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e
comovente – o gavião malvado, que mata pombas. Uso do hífen que continua depois da Reforma Ortográfica:
O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à con-
templação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas 1. Em palavras compostas por justaposição que formam
e o partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer uma unidade semântica, ou seja, nos termos que se unem para
palavra é melhor que “columbófilo”) querem matar o gavião. formam um novo significado: tio-avô, porto-alegrense, luso-bra-
Os amigos deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade sileiro, tenente-coronel, segunda-feira, conta-gotas, guarda-
come a sua pombinha com a mesma inocência com que a pom- -chuva, arco-íris, primeiro-ministro, azul-escuro.
ba come seu grão de milho.
Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pom-
2. Em palavras compostas por espécies botânicas e zoológi-
bas e também o lance magnífico em que o gavião se despenca
cas: couve-flor, bem-te-vi, bem-me-quer, abóbora-menina, erva-
sobre uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupéry, “a
verdade do gavião”, mas matar um gavião no ar com um belo -doce, feijão-verde.
tiro pode também ser a verdade do caçador.
Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente 3. Nos compostos com elementos além, aquém, recém e
o gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate, sem: além-mar, recém-nascido, sem-número, recém-casado,
pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem. aquém-fiar, etc.
(Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999. Adaptado)
4. No geral, as locuções não possuem hífen, mas algumas
O termo gavião, destacado em sua última ocorrência no exceções continuam por já estarem consagradas pelo uso: cor-
texto – … pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em ou- -de-rosa, arco-da-velha, mais-que-perfeito, pé-de-meia, água-
tro homem. –, é empregado com sentido -de-colônia, queima-roupa, deus-dará.
A) próprio, equivalendo a inspiração.
B) próprio, equivalendo a conquistador. 5. Nos encadeamentos de vocábulos, como: ponte Rio-Ni-
C) figurado, equivalendo a ave de rapina. terói, percurso Lisboa-Coimbra-Porto e nas combinações histó-
D) figurado, equivalendo a alimento. ricas ou ocasionais: Áustria-Hungria, Angola-Brasil, Alsácia-Lo-
E) figurado, equivalendo a predador. rena, etc.

06. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE- 6. Nas formações com os prefixos hiper-, inter- e super-
PESE quando associados com outro termo que é iniciado por r: hiper-
O termo (ou expressão) em destaque, que está empregado -resistente, inter-racial, super-racional, etc.
em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em:
A) Estou morta de cansada. 7. Nas formações com os prefixos ex-, vice-: ex-diretor, ex-
B) Aquela mulher fala mal de todos na vizinhança! É uma -presidente, vice-governador, vice-prefeito.
cobra. 8. Nas formações com os prefixos pós-, pré- e pró-: pré-na-
C) Todo cuidado é pouco. As paredes têm ouvidos. tal, pré-escolar, pró-europeu, pós-graduação, etc.
D) Reclusa desde que seu cachorrinho morreu, Filomena fi-
nalmente saiu de casa ontem.
9. Na ênclise e mesóclise: amá-lo, deixá-lo, dá-se, abraça-o,
E) Minha amiga é tão agitada! A bateria dela nunca acaba!
lança-o e amá-lo-ei, falar-lhe-ei, etc.

32
LÍNGUA PORTUGUESA

10. Nas formações em que o prefixo tem como segundo ter- 03.Assinale a alternativa incorreta quanto ao emprego do
mo uma palavra iniciada por “h”: sub-hepático, eletro-higróme- hífen, respeitando-se o novo Acordo.
tro, geo-história, neo-helênico, extra-humano, semi-hospitalar, A) O semi-analfabeto desenhou um semicírculo.
super- -homem. B) O meia-direita fez um gol de sem-pulo na semifinal do
campeonato.
11. Nas formações em que o prefixo ou pseudo prefixo termi- C) Era um sem-vergonha, pois andava seminu.
na na mesma vogal do segundo elemento: micro-ondas, eletro-ó- D) O recém-chegado veio de além-mar.
tica, semi-interno, auto-observação, etc. E) O vice-reitor está em estado pós-operatório.
Obs: O hífen é suprimido quando para formar outros termos:
reaver, inábil, desumano, lobisomem, reabilitar. 04.Segundo o novo Acordo, entre as palavras pão duro (ava-
rento), copo de leite (planta) e pé de moleque (doce) o hífen é
- Lembre-se: ao separar palavras na translineação (mudança obrigatório:
de linha), caso a última palavra a ser escrita seja formada por hí- A) em nenhuma delas.
fen, repita-o na próxima linha. Exemplo: escreverei anti-inflama- B) na segunda palavra.
tório e, ao final, coube apenas “anti-”. Na linha debaixo escreverei: C) na terceira palavra.
“-inflamatório” (hífen em ambas as linhas). D) em todas as palavras.
E) na primeira e na segunda palavra.
Não se emprega o hífen:
05.Fez um esforço __ para vencer o campeonato __. Qual
1. Nas formações em que o prefixo ou falso prefixo termina alternativa completa corretamente as lacunas?
em vogal e o segundo termo inicia-se em “r” ou “s”. Nesse caso, A) sobreumano/interregional
passa-se a duplicar estas consoantes: antirreligioso, contrarregra, B) sobrehumano-interregional
infrassom, microssistema, minissaia, microrradiografia, etc. C) sobre-humano / inter-regional
D) sobrehumano/ inter-regional
2. Nas constituições em que o prefixo ou pseudoprefixo ter-
E) sobre-humano /interegional
mina em vogal e o segundo termo inicia-se com vogal diferente:
antiaéreo, extraescolar, coeducação, autoestrada, autoaprendiza-
06. Suponha que você tenha que agregar o prefixo sub- às
gem, hidroelétrico, plurianual, autoescola, infraestrutura, etc.
palavras que aparecem nas alternativas a seguir. Assinale aquela
que tem de ser escrita com hífen:
3. Nas formações, em geral, que contêm os prefixos “dês” e
A) (sub) chefe
“in” e o segundo elemento perdeu o h inicial: desumano, inábil,
desabilitar, etc. B) (sub) entender
C) (sub) solo
4. Nas formações com o prefixo “co”, mesmo quando o se- D) (sub) reptício
gundo elemento começar com “o”: cooperação, coobrigação, co- E) (sub) liminar
ordenar, coocupante, coautor, coedição, coexistir, etc.
07.Assinale a alternativa em que todas as palavras estão
5. Em certas palavras que, com o uso, adquiriram noção de grafadas corretamente:
composição: pontapé, girassol, paraquedas, paraquedista, etc. A) autocrítica, contramestre, extra-oficial
B) infra-assinado, infra-vermelho, infra-som
6. Em alguns compostos com o advérbio “bem”: benfeito, C) semi-círculo, semi-humano, semi-internato
benquerer, benquerido, etc. D) supervida, superelegante, supermoda
E) sobre-saia, mini-saia, superssaia
Questões sobre Hífen
08.Assinale o item em que o uso do hífen está incorreto.
01.Assinale a alternativa em que o hífen, conforme o novo A) infraestrutura / super-homem / autoeducação
Acordo, está sendo usado corretamente: B) bem-vindo / antessala /contra-regra
A) Ele fez sua auto-crítica ontem. C) contramestre / infravermelho / autoescola
B) Ela é muito mal-educada. D) neoescolástico / ultrassom / pseudo-herói
C) Ele tomou um belo ponta-pé. E) extraoficial / infra-hepático /semirreta
D) Fui ao super-mercado, mas não entrei.
E) Os raios infra-vermelhos ajudam em lesões. 09.Uma das alternativas abaixo apresenta incorreção quan-
to ao emprego do hífen.
02.Assinale a alternativa errada quanto ao emprego do hífen: A) O pseudo-hermafrodita não tinha infraestrutura para re-
A) Pelo interfone ele comunicou bem-humorado que faria lacionamento extraconjugal.
uma superalimentação. B) Era extraoficial a notícia da vinda de um extraterreno.
B) Nas circunvizinhanças há uma casa malassombrada. C) Ele estudou línguas neolatinas nas colônias ultramarinas.
C) Depois de comer a sobrecoxa, tomou um antiácido. D) O anti-semita tomou um anti-biótico e vacina antirrábica.
D) Nossos antepassados realizaram vários anteprojetos. E) Era um suboficial de uma superpotência.
E) O autodidata fez uma autoanálise.

33
LÍNGUA PORTUGUESA

10.Assinale a alternativa em que ocorre erro quanto ao em-


prego do hífen. TESTES E RESPOSTAS
A) Foi iniciada a campanha pró-leite.
B) O ex-aluno fez a sua autodefesa. 1. (MAPA – AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO
C) O contrarregra comeu um contra-filé. – MÉDICO VETERINÁRIO – SUPERIOR – ESAF – 2017) Assinale
D) Sua vida é um verdadeiro contrassenso. a opção que apresenta desvio de grafia da palavra.
E) O meia-direita deu início ao contra-ataque. A acupuntura é uma terapia da medicina tradicional chinesa
que favorece a regularização dos processos fisiológicos do corpo,
GABARITO no sentido de promover ou recuperar o estado natural de saúde
01. B 02. B 03. A 04. E 05. C e equilíbrio. Pode ser usada preventivamente (1) para evitar o
06. D 07. D 08. B 09. D 10. C desenvolvimento de doenças, como terapia curativa no caso de
a doença estar instalada ou como método paliativo (2) em ca-
sos de doenças crônicas de difícil tratamento. Tem também uma
RESOLUÇÃO
ação importante na medicina rejenerativa (3) e na reabilitação.
O tratamento de acupuntura consiste na introdução de agulhas
1-)
filiformes no corpo dos animais. Em geral são deixadas cerca de
A) autocrítica
15 a 20 minutos. A colocação das agulhas não é dolorosa para os
C) pontapé
animais e é possível observar durante os tratamentos diferentes
D) supermercado
reações fisiológicas (4), indicadoras de que o tratamento está
E) infravermelhos
atingindo o efeito terapêutico (5) desejado.
2-)B) Nas circunvizinhanças há uma casa mal-assombrada.
Disponível: <http://www.veterinariaholistica.net/acupun-
tura-fitoterapia-e-homeopatia.html/>. Acesso em 28/11/2017.
3-) A) O semianalfabeto desenhou um semicírculo.
(Com adaptações)
4-)
a) (1)
a) pão-duro / b) copo-de-leite (planta) / c) pé de moleque
b) (2)
(doce)
c) (3)
a) Usa-se o hífen nas palavras compostas que não apresen-
d) (4)
tam elementos de ligação.
e) (5)
b) Usa-se o hífen nos compostos que designam espécies
animais e botânicas (nomes de plantas, flores, frutos, raízes, se-
2. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA
mentes), tenham ou não elementos de ligação.
ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) Respeitando-se as
c) Não se usa o hífen em compostos que apresentam ele-
normas de redação do Manual da Presidência da República, a
mentos de ligação.
frase correta é:
5-) Fez um esforço sobre-humano para vencer o campeona-
a) Solicito a Vossa Senhoria que verifique a possibilidade
to inter-regional.
de implementação de projeto de treinamento de pessoal para
- Usa-se o hífen diante de palavra iniciada por h.
operar os novos equipamentos gráficos a serem instalados em
- Usa-se o hífen se o prefixo terminar com a mesma letra
seu setor.
com que se inicia a outra palavra
b) Venho perguntar-lhe, por meio desta, sobre a data em
que Vossa Excelência pretende nomear vosso representante na
6-) Com os prefixos sub e sob, usa-se o hífen também diante
Comissão Organizadora.
de palavra iniciada por r. : subchefe, subentender, subsolo, sub-
c) Digníssimo Senhor: eu venho por esse comunicado, in-
-reptício (sem o hífen até a leitura da palavra será alterada; /
formar, que será organizado seminário, sobre o uso eficiente de
subre/, ao invés de /sub re/), subliminar
recursos hídricos, em data ainda a ser definida.
d) Haja visto que o projeto anexo contribue para o desen-
7-)
volvimento do setor em questão, informamos, por meio deste
A) autocrítica, contramestre, extraoficial
Ofício, que será amplamente analisado por especialistas.
B) infra-assinado, infravermelho, infrassom
e) Neste momento, conforme solicitação enviada à Vossa
C) semicírculo, semi-humano, semi-internato
Senhoria anexo, não se deve adotar medidas que possam com-
D) supervida, superelegante, supermoda = corretas
prometer vossa realização do projeto mencionado.
E) sobressaia, minissaia, supersaia
3. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014)
8-) B) bem-vindo / antessala / contrarregra Analise as assertivas abaixo:
9-) D) O antissemita tomou um antibiótico e vacina antir- I. O ladrão era de menor.
rábica. II. Não há regra sem exceção.
III. É mais saudável usar menas roupa no calor.
10-) C) O contrarregra comeu um contrafilé. IV. O policial foi à delegacia em compania do meliante.

34
LÍNGUA PORTUGUESA

V. Entre eu e você não existe mais nada. A palavra que NÃO está grafada corretamente é
A opção que apresenta vícios de linguagem é:
a) macro-história.
a) I e III. b) multicomunicações.
b) I, II e IV. c) tem.
c) II e IV. d) pôr.
d) I, III, IV e V. e) porque.
e) III, IV e V.
8. (LIQUIGÁS – PROFISSIONAL JÚNIOR – CIÊNCIAS CON-
4. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014) TÁBEIS – CEGRANRIO – 2014) O grupo em que todas as pala-
De acordo com a nova ortografia, assinale o item em que todas vras estão grafadas de acordo com a norma-padrão da Língua
as palavras estão corretas: Portuguesa é
a) autoajuda – anti-inflamatório – extrajudicial. a) gorjeta, ogeriza, lojista, ferrujem
b) supracitado – semi-novo – telesserviço. b) pedágio, ultrage, pagem, angina
c) ultrassofisticado – hidro-elétrica – ultra-som. c) refújio, agiota, rigidez, rabujento
d) contrarregra – autopista – semi-aberto. d) vigência, jenipapo, fuligem, cafajeste
e) contrarrazão – infra-estrutura – coprodutor. e) sargeta, jengiva, jiló, lambujem

5. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014) 9. (SIMAE – AGENTE ADMINISTRATIVO – ASSCON-PP –


O uso correto do porquê está na opção: 2014) Assinale a alternativa que apresenta apenas palavras es-
critas de forma incorreta.
a) Por quê o homem destrói a natureza?
b) Ela chorou por que a humilharam. a) Cremoso, coragem, cafajeste, realizar;
c) Você continua implicando comigo porque sou pobre? b) Caixote, encher, análise, poetisa;
c) Traje, tanger, portuguesa, sacerdotisa;
d) Ninguém sabe o por quê daquele gesto.
d) Pagem, mujir, vaidozo, enchergar;
e) Ela me fez isso, porquê?
10. (RECEITA FEDERAL – AUDITOR FISCAL – ESAF – 2014)
6. (TJ-PA – MÉDICO PSIQUIATRA – SUPERIOR – VUNESP
Assinale a opção que corresponde a erro gramatical ou de grafia
– 2014)
de palavra inserido na transcrição do texto.

A Receita Federal nem sempre teve esse (1) nome. Secre-


taria da Receita Federal é apenas a mais recente denominação
da Administração Tributária Brasileira nestes cinco séculos de
existência. Sua criação tornou-se (2) necessária para modernizar
a máquina arrecadadora e fiscalizadora, bem como para promo-
ver uma maior integração entre o Fisco e os Contribuintes, facili-
tando o cumprimento expontâneo (3) das obrigações tributárias
e a solução dos eventuais problemas, bem como o acesso às (4)
informações pessoais privativas de interesse de cada cidadão.
O surgimento da Secretaria da Receita Federal representou um
Assinale a alternativa que completa, correta e respectiva- significativo avanço na facilitação do cumprimento das obriga-
mente, as lacunas, de acordo com a norma-padrão da língua ções tributárias, contribuindo para o aumento da arrecadação a
portuguesa, considerando que o termo que preenche a terceira partir (5) do final dos anos 60.
lacuna é empregado para indicar que um evento está prestes a (Adaptado de <http://www.receita.fazenda.gov.br/srf/his-
acontecer torico.htm>. Acesso em: 17 mar. 2014.)

a) anúncio ... A ... Iminente. a) (1).


b) anuncio ... À ... Iminente. b) (2).
c) anúncio ... À ... Iminente. c) (3).
d) anúncio ... A ... Eminente. d) (4).
e) anuncio ... À ... Eminente. e) (5).

7. (CEFET-RJ – REVISOR DE TEXTOS – CESGRANRIO – 11. (ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO-SP –


2014) Observe a grafia das palavras do trecho a seguir. ANALISTA FERROVIÁRIO – OFICINAS – ELÉTRICA – IDERH –
A macro-história da humanidade mostra que todos enca- 2014) Leia as orações a seguir:
ram os relatos pessoais como uma forma de se manterem vivos. Minha mãe sempre me aconselha a evitar as _____ compa-
Desde a idade do domínio do fogo até a era das multicomunica- nhias. (mas/más)
ções, os homens tem demonstrado que querem pôr sua marca A cauda do vestido da noiva tinha um _________ enorme.
no mundo porque se sentem superiores. (cumprimento/comprimento)

35
LÍNGUA PORTUGUESA

Precisamos fazer as compras do mês, pois a _________ está 16. (ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CON-
vazia. (despensa/dispensa). TABILIDADE – IDECAN – 2014) Os vocábulos “cinquentenário”
e “império” são acentuados devido à mesma justificativa. O
Completam, correta e respectivamente, as lacunas acima os mesmo ocorre com o par de palavras apresentado em
expostos na alternativa:
a) prêmio e órbita.
a) mas – cumprimento – despensa. b) rápida e tráfego
b) más – comprimento – despensa. c) satélite e ministério.
c) más – cumprimento – dispensa. d) pública e experiência.
d) mas – comprimento – dispensa. e) sexagenário e próximo.
e) más – comprimento – dispensa.
17. (RIOPREVIDÊNCIA – ESPECIALISTA EM PREVIDÊN-
12. (TRT-2ª REGIÃO-SP – TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA CIA SOCIAL – CEPERJ – 2014) A palavra “conteúdo” recebe
ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2014) Está redigida com acentuação pela mesma razão de:
clareza e em consonância com as regras da gramática normativa
a seguinte frase: a) juízo
b) espírito
a) Queremos, ou não, ele será designado para dar a palavra c) jornalístico
final sobre a polêmica questão, que, diga-se de passagem, tem d) mínimo
feito muitos exitarem em se pronunciar. e) disponíveis
b) Consultaram o juíz acerca da possibilidade de voltar atraz
na suspensão do jogador, mas ele foi categórico quanto a impos- 18. (MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE – ICMBIO – CES-
sibilidade de rever sua posição. PE – 2014) A mesma regra de acentuação gráfica se aplica aos
c) Vossa Excelência leu o documento que será apresentado vocábulos “Brasília”, “cenário” e “próprio”.
em rede nacional daqui a pouco, pela voz de Sua Excelência, o
Senhor Ministro da Educação?
( ) CERTO ( ) ERRADO
d) A reportagem sobre fascínoras famosos não foi nada po-
sitiva para o público jovem que estava presente, de que se des-
19. (PREFEITURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ-SC –
culparam os idealizadores do programa.
GUARDA MUNICIPAL – FEPESE – 2014 – ADAPTADA) Assinale
e) Estudantes e professores são entusiastas de oferecer aos
a alternativa em que todas as palavras são oxítonas.
jovens ingressantes no curso o compartilhamento de projetos,
com que serão também autores.
a) pé, lá, pasta
13. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014) b) mesa, tábua, régua
A acentuação correta está na alternativa: c) livro, prova, caderno
d) parabéns, até, televisão
a) eu abençôo – eles crêem – ele argúi. e) óculos, parâmetros, título
b) platéia – tuiuiu – instrui-los.
c) ponei – geléia – heroico. 20. (ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CO-
d) eles têm – ele intervém – ele constrói. MUNICAÇÃO SOCIAL – IDECAN – 2014) Assinale a alternativa
e) lingüiça – feiúra – idéia. em que a acentuação de todas as palavras está de acordo com a
mesma regra da palavra destacada: “Procuradorias comprovam
14. (EBSERH – HUCAM-UFES – ADVOGADO – AOCP – necessidade de rendimento satisfatório para renovação do FIES”.
2014) A palavra que está acentuada corretamente é:
a) após / pó / paletó
a) Históriar. b) moído / juízes / caído
b) Memórial. c) história / cárie / tênue
c) Métodico. d) álibi / ínterim / político
d) Própriedade. e) êxito / protótipo / ávido
e) Artifício.
21. (PREFEITURA DE BRUSQUE-SC – EDUCADOR SOCIAL
15. (PRODAM-AM – ASSISTENTE – FUNCAB – 2014 – – FEPESE – 2014) Assinale a alternativa em que só palavras pa-
ADAPTADA) Assinale a opção em que o par de palavras foi acen- roxítonas estão apresentadas.
tuado segundo a mesma regra. a) facilitada, minha, canta, palmeiras
b) maná, papá, sinhá, canção
a) saúde-países c) cá, pé, a, exílio
b) Etíope-juízes d) terra, pontapé, murmúrio, aves
c) olímpicas-automóvel e) saúde, primogênito, computador, devêssemos
d) vocês-público
e) espetáculo-mensurável

36
LÍNGUA PORTUGUESA

22. (MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO – isso almejam à pílula da felicidade.


TÉCNICO EM AGRIMENSURA – FUNCAB – 2014) A alternativa c) À proporção que a tristeza se intensifica e se prolonga, po-
que apresenta palavra acentuada por regra diferente das demais de-se, à primeira vista, pensar em depressão.
é: d) À rigor, os especialistas não devem receitar remédios às
pessoas antes da realização de exames acurados.
a) dúvidas. e) Em relação à informação da OMS, conclui-se que existem
b) muitíssimos. 121 milhões de pessoas à serem tratadas de depressão.
c) fábrica.
d) mínimo. 27. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA
e) impossível. ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) É difícil planejar uma
cidade e resistir à tentação de formular um projeto de sociedade.
23. (PRODAM-AM – ASSISTENTE DE HARDWARE – FUN- O sinal indicativo de crase deverá ser mantido caso o verbo
CAB – 2014) Assinale a alternativa em que todas as palavras fo- sublinhado acima seja substituído por:
ram acentuadas segundo a mesma regra. a) não acatar.
b) driblar.
a) indivíduos - atraí(-las) - período c) controlar.
b) saíram – veículo - construído d) superar.
c) análise – saudável - diálogo e) não sucumbir.
d) hotéis – critérios - através
e) econômica – após – propósitos 28. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) A frase em que
24. (CORPO DE BOMBEIROS MILITAR-PI – CURSO DE há uso adequado do sinal indicativo de crase encontra-se em:
FORMAÇÃO DE SOLDADOS – UESPI – 2014) “O evento promo-
ve a saúde de modo integral.” A regra que justifica o acento grá- a) A tendência de recorrer à adaptações aparece com maior
fico no termo destacado é a mesma que justifica o acento em: força na Hollywood do século 21.
b) É curioso constatar a rapidez com que o cinema agregou
a) “remédio”. à máxima.
b) “cajú”. c) A busca pela segurança leva os estúdios à apostarem em
c) “rúbrica”. histórias já testadas e aprovadas.
d) “fráude”. d) Tal máxima aplica-se perfeitamente à criação de peças de
e) “baú”. teatro.
e) Há uma massa de escritores presos à contratos fixos em
25. (TJ-BA – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRA- alguns estúdios.
TIVA – MÉDIO – FGV – 2015)
Texto 3 – “A Lua Cheia entra em sua fase Crescente no signo 29. (PREFEITURA DE MARÍLIA-SP – AUXILIAR DE ESCRITA
de Gêmeos e vai movimentar tudo o que diz respeito à sua vida – MÉDIO – VUNESP – 2017) Assinale a alternativa em que o sinal
profissional e projetos de carreira. Os próximos dias serão óti- indicativo de crase está empregado corretamente.
mos para dar andamento a projetos que começaram há alguns
dias ou semanas. Os resultados chegarão rapidamente”. a) A voluntária aconselhou a remetente à esquecer o amor
de infância.
O texto 3 mostra exemplos de emprego correto do “a” com b) O carteiro entregou às voluntárias do Clube de Julieta uma
acento grave indicativo da crase – “diz respeito à sua vida pro- nova remessa de cartas.
fissional”. A frase abaixo em que o emprego do acento grave da c) O médico ofereceu à um dos remetentes apoio psicológico.
crase é corretamente empregado é: d) As integrantes do Clube levaram horas respondendo à di-
versas cartas.
a) o texto do horóscopo veio escrito à lápis; e) O Clube sugeriu à algumas consulentes que fizessem novas
b) começaram à chorar assim que leram as previsões; amizades.
c) o horóscopo dizia à cada leitora o que devia fazer;
d) o leitor estava à procura de seu destino; 30. (PREFEITURA DE SÃO PAULO-SP – TÉCNICO EM SAÚ-
e) o astrólogo previa o futuro passo à passo DE – LABORATÓRIO – MÉDIO – VUNESP – 2014) Reescreven-
do-se o segmento frasal – ... incitá-los a reagir e a enfrentar o
26. (PREFEITURA DE SERTÃOZINHO-SP – FARMACÊUTI- desconforto, ... –, de acordo com a regência e o acento indicativo
CO – SUPERIOR – VUNESP – 2017) O sinal indicativo de crase da crase, tem-se:
está empregado corretamente nas duas ocorrências na alterna-
tiva: a) ... incitá-los à reação e ao enfrentamento do desconforto,
...
a) Muitos indivíduos são propensos à associar, inadvertida- b) ... incitá-los a reação e o enfrentamento do desconforto,
mente, tristeza à depressão. ...
b) As pessoas não querem estar à mercê do sofrimento, por c) ... incitá-los à reação e à enfrentamento do desconforto,

37
LÍNGUA PORTUGUESA

... d) objeto direto/objeto indireto.


d) ... incitá-los à reação e o enfrentamento do desconforto, e) sujeito/objeto indireto.
...
e) ... incitá-los a reação e à enfrentamento do desconforto, 35. (CASAL-AL – ADMINISTRADOR DE REDE – COPEVE –
.. UFAL – 2014) No texto, “Arranca o estatuário uma pedra dessas
montanhas, tosca, bruta, dura, informe; e, depois que desbastou
31. (CONAB – CONTABILIDADE – SUPERIOR – IADES – o mais grosso, toma o maço e cinzel na mão para começar a
2014 – ADAPTADA) Considerando o trecho “atualizou os dados formar um homem, primeiro membro a membro e depois feição
relativos à produção de grãos no Brasil.” e conforme a norma- por feição.”
-padrão, assinale a alternativa correta. VIEIRA, P. A. In Sermão do Espírito Santo. Acervo da Acade-
mia Brasileira de Letras
a) a crase foi empregada indevidamente no trecho. A oração sublinhada exerce uma função de
b) o autor poderia não ter empregado o sinal indicativo de
crase. a) causalidade.
c) se “produção” estivesse antecedida por essa, o uso do b) conclusão.
sinal indicativo de crase continuaria obrigatório. c) oposição.
d) se, no lugar de “relativos”, fosse empregado referentes, o d) concessão.
uso do sinal indicativo de crase passaria a ser facultativo. e) finalidade.
e) caso o vocábulo minha fosse empregado imediatamente
antes de “produção”, o uso do sinal indicativo de crase seria fa- 36. (EBSERH – HUCAM-UFES – ADVOGADO – SUPERIOR
cultativo. – AOCP – 2014) Em “Se a ‘cura’ fosse cara, apenas uma pequena
fração da sociedade teria acesso a ela.”, a expressão em desta-
32. (SABESP-SP – ATENDENTE A CLIENTES – MÉDIO – que funciona como:
FCC – 2014 – ADAPTADA) No trecho Refiro-me aos livros que
foram escritos e publicados, mas estão – talvez para sempre – à a) objeto direto.
espera de serem lidos, o uso do acento de crase obedece à mes- b) adjunto adnominal.
ma regra seguida em: c) complemento nominal.
d) sujeito paciente.
a) Acostumou-se àquela situação, já que não sabia como e) objeto indireto.
evitá-la.
b) Informou à paciente que os remédios haviam surtido 37. (EBSERH – HUSM-UFSM-RS – ANALISTA ADMINIS-
efeito. TRATIVO – JORNALISMO – SUPERIOR – AOCP – 2014)
c) Vou ficar irritada se você não me deixar assistir à novela. “Sinta-se ungido pela sorte de recomeçar. Quando seu filho
d) Acabou se confundindo, após usar à exaustão a velha fór- crescer, ele irá entender - mais cedo ou mais tarde -...”
mula. No período acima, a oração destacada:
e) Comunique às minhas alunas que as provas estão corri-
gidas. a) estabelece uma relação temporal com a oração que lhe
é subsequente.
33. (TRT-AL – ANALISTA JUDICIÁRIO – SUPERIOR – FCC– b) estabelece uma relação temporal com a oração que a an-
2014) ... que acompanham as fronteiras ocidentais chinesas... tecede.
O verbo que, no contexto, exige o mesmo tipo de comple- c) estabelece uma relação condicional com a oração que lhe
mento que o da frase acima está em: é subsequente.
d) estabelece uma relação condicional com a oração que a
a) A Rota da Seda nunca foi uma rota única... antecede.
b) Esses caminhos floresceram durante os primórdios da e) estabelece uma relação de finalidade com a oração que
Idade Média. lhe é subsequente.
c) ... viajavam por cordilheiras...
d) ... até cair em desuso, seis séculos atrás. 38. (PRODAM-AM – ASSISTENTE DE HARDWARE – FUN-
e) O maquinista empurra a manopla do acelerador. CAB – 2014) O termo destacado em: “As pessoas estão sempre
muito ATAREFADAS.” exerce a seguinte função sintática:
34. (CASAL-AL – ADMINISTRADOR DE REDE – COPEVE –
UFAL – 2014) Na afirmação abaixo, de Padre Vieira, a) objeto direto.
“O trigo não picou os espinhos, antes os espinhos o picaram b) objeto indireto.
a ele... Cuidais que o sermão vos picou a vós” o substantivo “es- c) adjunto adverbial.
pinhos” tem, respectivamente, função sintática de, d) predicativo.
e) adjunto adnominal.
a) objeto direto/objeto direto.
b) sujeito/objeto direto.
c) objeto direto/sujeito. 39. (TRT-13ª REGIÃO-PB – TÉCNICO JUDICIÁRIO – TEC-

38
LÍNGUA PORTUGUESA

NOLOGIA DA INFORMAÇÃO – MÉDIO – FCC – 2014) Ao mesmo co, mas de toda a população. A vida do direito nos oferece, num
tempo, as elites renunciaram às ambições passadas... simples relance de olhos, o espetáculo de um esforço e de uma
O verbo que, no contexto, exige o mesmo tipo de comple- luta incessante, como o despendido na produção econômica e
mento que o grifado acima está empregado em: espiritual. Qualquer pessoa que se veja na contingência de ter
de sustentar seu direito participa dessa tarefa de âmbito nacio-
a) Faltam-nos precedentes históricos para... nal e contribui para a realização da ideia do direito. É verdade
b) Nossos contemporâneos vivem sem esse futuro... que nem todos enfrentam o mesmo desafio.
c) Esse novo espectro comprova a novidade de nossa situa- A vida de milhares de indivíduos desenvolve-se tranquila-
ção... mente e sem obstáculos dentro dos limites fixados pelo direito.
d) As redes sociais eram atividades de difícil implementação... Se lhes disséssemos que o direito é a luta, não nos compreende-
e) ... como se imitássemos o padrão de conforto... riam, pois só veem nele um estado de paz e de ordem.
(Rudolf von Ihering, A luta pelo direito)
40. (CIA DE SERVIÇOS DE URBANIZAÇÃO DE GUARAPUA-
VA-PR – AGENTE DE TRÂNSITO – CONSULPLAM – 2014) Quan- Assinale a alternativa em que uma das vírgulas foi empre-
to à função que desempenha na sintaxe da oração, o trecho em gada para sinalizar a omissão de um verbo, tal como ocorre na
destaque “Tenho uma dor que passa daqui pra lá e de lá pra cá” passagem – A espada sem a balança é a força bruta, a balança
corresponde a: sem a espada, a impotência do direito.

a) Oração subordinada adjetiva restritiva. a) O direito, no sentido objetivo, compreende os princípios


b) Oração subordinada adjetiva explicativa. jurídicos manipulados pelo Estado.
c) Adjunto adnominal. b) Todavia, não pretendo entrar em minúcias, pois nunca
d) Oração subordinada adverbial espacial. chegaria ao fim.
41. (ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CO- c) Do autor exige-se que prove, até o último centavo, o in-
MUNICAÇÃO SOCIAL – IDECAN – 2014) Acerca das relações sin- teresse pecuniário.
d) É que, conforme já ressaltei várias vezes, a essência do
táticas que ocorrem no interior do período a seguir “Policiais de
direito está na ação.
Los Angeles tomam facas de criminosos, perseguem bêbados na
e) A cabeça de Jano tem face dupla: a uns volta uma das
estrada e terminam o dia na delegacia fazendo seu relatório.”, é
faces, aos demais, a outra.
correto afirmar que
43. TJ-BA – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRA-
a) “o dia” é sujeito do verbo “terminar”.
TIVA – MÉDIO – FGV – 2015
b) o sujeito do período, Policiais de Los Angeles, é composto.
c) “bêbados” e “criminosos” apresentam-se na função de su-
Texto 2 - “A primeira missão tripulada ao espaço profun-
jeito. do desde o programa Apollo, da década 1970, com o objetivo
d) “facas” possui a mesma função sintática que “bêbados” e de enviar astronautas a Marte até 2030 está sendo preparada
“relatório”. pela Nasa (agência espacial norte-americana). O primeiro passo
e) “de criminosos”, “na estrada”, “na delegacia” são termos para a concretização desse desafio será dado nesta sexta-feira
que indicam circunstâncias que caracterizam a ação verbal. (5), com o lançamento da cápsula Orion, da base da agência em
Cabo Canaveral, na Flórida, nos Estados Unidos. O lançamento
42. (TJ-SP – ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – MÉDIO estava previsto originalmente para esta quinta-feira (4), mas de-
– VUNESP – 2015) Leia o texto, para responder às questões. vido a problemas técnicos foi reagendado para as 7h05 (10h05
O fim do direito é a paz, o meio de que se serve para conse- no horário de Brasília).”
gui-lo é a luta. Enquanto o direito estiver sujeito às ameaças da (Ciência, Internet Explorer).
injustiça – e isso perdurará enquanto o mundo for mundo –, ele
não poderá prescindir da luta. A vida do direito é a luta: luta dos “com o lançamento da cápsula Orion, da base da agência
povos, dos governos, das classes sociais, dos indivíduos. em Cabo Canaveral, na Flórida, nos Estados Unidos.” Os ter-
Todos os direitos da humanidade foram conquistados pela mos sublinhados se encarregam da localização do lançamento
luta; seus princípios mais importantes tiveram de enfrentar os da cápsula referida; o critério para essa localização também foi
ataques daqueles que a ele se opunham; todo e qualquer direito, seguido no seguinte caso: Os protestos contra as cotas raciais
seja o direito de um povo, seja o direito do indivíduo, só se afirma ocorreram:
por uma disposição ininterrupta para a luta. O direito não é uma
simples ideia, é uma força viva. Por isso a justiça sustenta numa a) em Brasília, Distrito Federal, na região Centro-Oeste;
das mãos a balança com que pesa o direito, enquanto na outra b) em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, região Sul;
segura a espada por meio da qual o defende. c) em Pedrinhas, São Luís, Maranhão;
A espada sem a balança é a força bruta, a balança sem a espa- d) em São Paulo, São Paulo, Brasil;
da, a impotência do direito. Uma completa a outra, e o verdadeiro e) em Goiânia, região Centro-Oeste, Brasil.
estado de direito só pode existir quando a justiça sabe brandir a
espada com a mesma habilidade com que manipula a balança.
O direito é um trabalho sem tréguas, não só do Poder Públi- 44. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO –

39
LÍNGUA PORTUGUESA

ÁREA ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) Está plena- 47. (SAAE-SP – FISCAL LEITURISTA – VUNESP – 2014)
mente adequada a pontuação do seguinte período:

a) A produção cinematográfica como é sabido, sempre be-


beu na fonte da literatura, mas o cinema declarou-se, indepen-
dente das outras artes há mais de meio século.
b) Sabe-se que, a produção cinematográfica sempre consi-
derou a literatura como fonte de inspiração, mas o cinema decla-
rou-se independente das outras artes, há mais de meio século.
c) Há mais de meio século, o cinema declarou-se indepen-
dente das outras artes, embora a produção cinematográfica te-
nha sempre considerado a literatura como fonte de inspiração.
d) O cinema declarou-se independente, das outras artes, há
mais de meio século; porém, sabe-se, que a produção cinemato-
gráfica sempre bebeu na fonte da literatura.
e) A literatura, sempre serviu de fonte inspiradora do ci-
nema, mas este, declarou-se independente das outras artes há
mais de meio século − como é sabido.

45. (CORREIOS – TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABA-


LHO JÚNIOR – MÉDIO – IADES – 2017 – ADAPTADA) Quanto
às regras de ortografia e de pontuação vigentes, considere o pe-
ríodo “Enquanto lia a carta, as lágrimas rolavam em seu rosto
numa mistura de amor e saudade.” e assinale a alternativa cor- Segundo a norma-padrão da língua portuguesa, a pontua-
reta. ção está correta em:
a) O uso da vírgula entre as orações é opcional.
b) A redação “Enquanto lia a carta, as lágrimas rolavam em a) Hagar disse, que não iria.
seu rosto por que sentia um misto de amor e saudade.” poderia b) Naquela noite os Stevensens prometeram servir, bifes e
substituir a original. lagostas, aos vizinhos.
c) O uso do hífen seria obrigatório, caso o prefixo re fosse c) Chegou, o convite dos Stevensens, bife e lagostas: para
acrescentado ao vocábulo “lia”. Hagar e Helga
d) Caso a ordem das orações fosse invertida, o uso da vírgu-
la entre elas poderia ser dispensado. d) “Eles são chatos e, nunca param de falar”, disse, Hagar
e) Assim como o vocábulo “lágrimas”, devem ser acentua- à Helga.
dos graficamente rúbrica, filântropo e lúcida. e) Helga chegou com o recado: fomos convidados, pelos
Stevensens, para jantar bifes e lagostas.
46. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS –
2014) Verifique a pontuação nas frases abaixo e marque a as- 48. (PREFEITURA DE PAULISTA-PE – RECEPCIONISTA –
sertiva correta: UPENET – 2014) Sobre os SINAIS DE PONTUAÇÃO, observe os
itens abaixo:
a) Céus: Que injustiça.
b) O resultado do placar, não o abateu. I. “Calma, gente”.
c) O comércio estava fechado; porém, a farmácia estava em II. “Que mundo é este que chorar não é “normal”?
pleno atendimento. III. “Sustentabilidade, paradigma de vida”
d) Comam bastantes frutas crianças! IV. “Será que precisa de mais licitações? Haja licitações!”
e) Comprei abacate, e mamão maduro. V. “E, de repente, aquela rua se tornou um grande lago...”

Sobre eles, assinale a alternativa CORRETA.

a) No item I, a vírgula isola um aposto.


b) No item II, a interrogação indica uma mensagem inter-
rompida.
c) No item III, a vírgula isola termos que explicam o seu an-
tecedente.
d) No item IV, os dois sinais de pontuação, a interrogação e
a exclamação, indicam surpresa.
e) No item V, as vírgulas poderiam ser substituídas, apenas,
por um ponto e vírgula após o termo “repente”.

40
LÍNGUA PORTUGUESA

49. (PREFEITURA DE PAULISTA-PE – RECEPCIONISTA – 52. (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL – MÉDICO DO TRA-
UPENET – 2014 – ADAPTADA) BALHO – CESPE – 2014 – ADAPTADA) A correção gramatical
“Já vi gente cansada de amor, de trabalho, de política, de do trecho “Entre as bebidas alcoólicas, cervejas e vinhos são as
ideais. Jamais conheci alguém sinceramente cansado de dinhei- mais comuns em todo o mundo” seria prejudicada, caso se inse-
ro.” risse uma vírgula logo após a palavra “vinhos”.
(Millôr Fernandes)
( ) CERTO ( ) ERRADO
Sobre as vírgulas existentes no texto, é CORRETO afirmar
que: 53. (PREFEITURA DE ARCOVERDE-PE – ADMINISTRA-
DOR DE RECURSOS HUMANOS – CONPASS – 2014) Leia o
a) são facultativas. texto a seguir:
b) isolam apostos. “Pagar por esse software não é um luxo, mas uma necessi-
c) separam elementos de mesma função sintática. dade”. O uso da vírgula justifica-se porque:
d) a terceira é facultativa.
e) separam orações coordenadas assindéticas. a) estabelece a relação entre uma coordenada assindética
e uma conclusiva.
50. (POLÍCIA MILITAR-SP – OFICIAL ADMINISTRATIVO – b) separar a oração coordenada “não é um luxo” da adver-
MÉDIO – VUNESP – 2014) A reescrita da frase – Como sempre, sativa “mas uma necessidade”, em que o verbo está subenten-
a resposta depende de como definimos os termos da pergunta. dido.
– está correta, quanto à pontuação, em: c) liga a oração principal “Pagar” à coordenada “não é um
luxo, mas uma necessidade”.
a) A resposta como sempre, depende de, como definimos d) indica que dois termos da mesma função estão ligados
os termos da pergunta. por uma conjunção aditiva.
b) A resposta, como sempre, depende de como definimos e) isola o aposto na segunda oração.
os termos da pergunta.
c) A resposta como, sempre, depende de como definimos os
54. (TJ-SP – ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – MÉDIO
termos da pergunta.
– VUNESP – 2017)
d) A resposta, como, sempre depende de como definimos
Há quatro anos, Chris Nagele fez o que muitos executivos
os termos da pergunta.
no setor de tecnologia já tinham feito – ele transferiu sua equipe
e) A resposta como sempre, depende de como, definimos
para um chamado escritório aberto, sem paredes e divisórias.
os termos da pergunta.
Os funcionários, até então, trabalhavam de casa, mas ele
queria que todos estivessem juntos, para se conectarem e cola-
51. (EMPLASA-SP – ANALISTA JURÍDICO – DIREITO –
VUNESP – 2014) Segundo a norma-padrão da língua portugue- borarem mais facilmente. Mas em pouco tempo ficou claro que
sa, a pontuação está correta em: Nagele tinha cometido um grande erro. Todos estavam distraí-
dos, a produtividade caiu, e os nove empregados estavam insa-
a) Como há suspeita, por parte da família de que João Gou- tisfeitos, sem falar do próprio chefe.
lart tenha sido assassinado; a Comissão da Verdade decidiu rea- Em abril de 2015, quase três anos após a mudança para o
brir a investigação de sua morte, em maio deste ano, a pedido escritório aberto, Nagele transferiu a empresa para um espaço
da viúva e dos filhos. de 900 m² onde hoje todos têm seu próprio espaço, com portas
b) Em maio deste ano, a Comissão da Verdade acatou o pe- e tudo.
dido da família do ex-presidente João Goulart e reabriu a inves- Inúmeras empresas adotaram o conceito de escritório aber-
tigação da morte deste, visto que, para a viúva e para os filhos, to – cerca de 70% dos escritórios nos Estados Unidos são assim
Jango pode ter sido assassinado. – e até onde se sabe poucos retornaram ao modelo de espaços
c) A investigação da morte de João Goulart, foi reaberta, em tradicionais com salas e portas.
maio deste ano pela Comissão da Verdade, para apuração da Pesquisas, contudo, mostram que podemos perder até 15%
causa da morte do ex-presidente uma vez que, para a família, da produtividade, desenvolver problemas graves de concentra-
Jango pode ter sido assassinado. ção e até ter o dobro de chances de ficar doentes em espaços
d) A Comissão da Verdade, a pedido da família de João Gou- de trabalho abertos – fatores que estão contribuindo para uma
lart, reabriu em maio deste ano a investigação de sua morte, reação contra esse tipo de organização.
porque, a hipótese de assassinato não é descartada, pela viúva Desde que se mudou para o formato tradicional, Nagele
e filhos. já ouviu colegas do setor de tecnologia dizerem sentir falta do
e) Como a viúva e os filhos do ex-presidente João Goulart, estilo de trabalho do escritório fechado. “Muita gente concor-
suspeitando que ele possa ter sido assassinado pediram a rea- da – simplesmente não aguentam o escritório aberto. Nunca se
bertura da investigação de sua morte, à Comissão da Verdade, consegue terminar as coisas e é preciso levar mais trabalho para
esta, atendeu o pedido em maio deste ano. casa”, diz ele.
É improvável que o conceito de escritório aberto caia em
desuso, mas algumas firmas estão seguindo o exemplo de Nage-
le e voltando aos espaços privados.

41
LÍNGUA PORTUGUESA

Há uma boa razão que explica por que todos adoram um


24 E
espaço com quatro paredes e uma porta: foco. A verdade é que
não conseguimos cumprir várias tarefas ao mesmo tempo, e pe- 25 C
quenas distrações podem desviar nosso foco por até 20 minutos. 26 C
Retemos mais informações quando nos sentamos em um
local fixo, afirma Sally Augustin, psicóloga ambiental e design de 27 E
interiores. 28 D
(Bryan Borzykowski, “Por que escritórios abertos podem
ser ruins para funcionários.” Disponível em:<www1.folha.uol. 29 B
com.br>. Acesso em: 04.04.2017. Adaptado) 30 A
31 E
Iniciando-se a frase – Retemos mais informações quando
nos sentamos em um local fixo... (último parágrafo) – com o ter- 32 D
mo Talvez, indicando condição, a sequência que apresenta cor- 33 E
relação dos verbos destacados de acordo com a norma-padrão
será: 34 C
35 E
a) reteríamos ... sentarmos
36 C
b) retínhamos ... sentássemos
c) reteremos ... sentávamos 37 A
d) retivemos ... sentaríamos 38 D
e) retivéssemos ... sentássemos
39 A
40 A
RESPOSTAS
41 D

1 C 42 E

2 A 43 A

3 D 44 C

4 A 45 D

5 C 46 C

6 A 47 E

7 C 48 C

8 D 49 C

9 D 50 B

10 C 51 B

11 B 52 CERTO

12 C 53 C

13 D 54 E

14 E
15 A
16 B
17 A
18 CERTO
19 D
20 C
21 A
22 E
23 E

42
MATEMÁTICA

Resolução de situações-problema, envolvendo: adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação ou radiciação com números
racionais, nas suas representações fracionária ou decimal; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Mínimo múltiplo comum; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Porcentagem; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Razão e proporção; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Regra de três simples; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Equação do 1.º grau; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Grandezas e medidas – quantidade, tempo, comprimento, superfície, capacidade e massa; Relação entre grandezas – tabela ou gráfi-
co; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Noções de geometria plana – forma, área, perímetro e Teorema de Pitágoras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
MATEMÁTICA

Exemplo 3
RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES-PROBLEMA, ENVOLVEN- 25-(50-30)+4x5
DO: ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO, MULTIPLICAÇÃO, DIVISÃO, 25-20+20=25
POTENCIAÇÃO OU RADICIAÇÃO COM NÚMEROS RA-
CIONAIS, NAS SUAS REPRESENTAÇÕES FRACIONÁRIA Números Inteiros
OU DECIMAL; Podemos dizer que este conjunto é composto pelos núme-
ros naturais, o conjunto dos opostos dos números naturais e o
zero. Este conjunto pode ser representado por:
Números Naturais Z={ . . .-3, -2, -1, 0, 1, 2, . . .}
Os números naturais são o modelo matemático necessário Subconjuntos do conjunto :
para efetuar uma contagem. 1)Conjunto dos números inteiros excluindo o zero
Começando por zero e acrescentando sempre uma unida- Z*={ . . .-2, -1, 1, 2, . . .}
de, obtemos o conjunto infinito dos números naturais
2) Conjuntos dos números inteiros não negativos
Z+={0, 1, 2, . . .}

- Todo número natural dado tem um sucessor 3) Conjunto dos números inteiros não positivos
a) O sucessor de 0 é 1. Z-={ . . .-3, -2, -1}
b) O sucessor de 1000 é 1001.
c) O sucessor de 19 é 20. Números Racionais
Chama-se de número racional a todo número que pode ser
Usamos o * para indicar o conjunto sem o zero.
expresso na forma , onde a e b são inteiros quaisquer, com b≠0
São exemplos de números racionais:
-12/51
- Todo número natural dado N, exceto o zero, tem um ante- -3
cessor (número que vem antes do número dado). -(-3)
Exemplos: Se m é um número natural finito diferente de -2,333 . . .
zero .
a) O antecessor do número m é m-1. As dízimas periódicas podem ser representadas por fração,
b) O antecessor de 2 é 1. portanto são consideradas números racionais.
c) O antecessor de 56 é 55. Como representar esses números?
d) O antecessor de 10 é 9.
Representação Decimal das Frações
Expressões Numéricas
Temos 2 possíveis casos para transformar frações em deci-
Nas expressões numéricas aparecem adições, subtrações, mais
multiplicações e divisões. Todas as operações podem acontecer
em uma única expressão. Para resolver as expressões numéricas 1º) Decimais exatos: quando dividirmos a fração, o número
utilizamos alguns procedimentos: decimal terá um número finito de algarismos após a vírgula.

Se em uma expressão numérica aparecer as quatro opera-


ções, devemos resolver a multiplicação ou a divisão primeira-
mente, na ordem em que elas aparecerem e somente depois a
adição e a subtração, também na ordem em que aparecerem e
os parênteses são resolvidos primeiro.

Exemplo 1

10 + 12 – 6 + 7
22 – 6 + 7 2º) Terá um número infinito de algarismos após a vírgula,
16 + 7 mas lembrando que a dízima deve ser periódica para ser núme-
23 ro racional
OBS: período da dízima são os números que se repetem, se
Exemplo 2 não repetir não é dízima periódica e assim números irracionais,
que trataremos mais a frente.
40 – 9 x 4 + 23
40 – 36 + 23
4 + 23
27

1
MATEMÁTICA

X=111/99
Números Irracionais
Identificação de números irracionais

- Todas as dízimas periódicas são números racionais.


- Todos os números inteiros são racionais.
- Todas as frações ordinárias são números racionais.
Representação Fracionária dos Números Decimais - Todas as dízimas não periódicas são números irracionais.
- Todas as raízes inexatas são números irracionais.
1ºcaso) Se for exato, conseguimos sempre transformar com - A soma de um número racional com um número irracional
o denominador seguido de zeros. é sempre um número irracional.
O número de zeros depende da casa decimal. Para uma - A diferença de dois números irracionais, pode ser um nú-
casa, um zero (10) para duas casas, dois zeros(100) e assim por mero racional.
diante . -Os números irracionais não podem ser expressos na forma
, com a e b inteiros e b≠0.

Exemplo: - = 0 e 0 é um número racional.

- O quociente de dois números irracionais, pode ser um nú-


mero racional.

Exemplo: : = = 2 e 2 é um número racional.

- O produto de dois números irracionais, pode ser um nú-


mero racional.

Exemplo: . = = 7 é um número racional.


2ºcaso) Se dízima periódica é um número racional, então
como podemos transformar em fração? Exemplo:radicais( a raiz quadrada de um número
natural, se não inteira, é irracional.
Exemplo 1
Números Reais
Transforme a dízima 0, 333... .em fração
Sempre que precisar transformar, vamos chamar a dízima
dada de x, ou seja
X=0,333 . . .
Se o período da dízima é de um algarismo, multiplicamos
por 10 .

10x=3,333...

E então subtraímos:

10x-x=3,333...-0,333...
9x=3
X=3/9
X=1/3

Agora, vamos fazer um exemplo com 2 algarismos de pe- Fonte: www.estudokids.com.br


ríodo .
Exemplo 2 Representação na reta

Seja a dízima 1,1212...

Façamos x = 1,1212...
100x = 112,1212... .
Subtraindo:
100x-x=112,1212...-1,1212...
99x=111

2
MATEMÁTICA

INTERVALOS LIMITADOS
Intervalo fechado – Números reais maiores do que a ou
iguais a e menores do que b ou iguais a b.
Intervalo:]a,+ ∞[
Conjunto:{x ∈R|x>a}

Intervalo:[a,b] Potenciação
Conjunto: {x ∈R|a≤x≤b} Multiplicação de fatores iguais

Intervalo aberto – números reais maiores que a e menores 2³=2.2.2=8


que b.
Casos
1) Todo número elevado ao expoente 0 resulta em 1.
Intervalo:]a,b[
Conjunto:{x ∈R|a<x<b}

Intervalo fechado à esquerda – números reais maiores que


a ou iguais a a e menores do que b.

2) Todo número elevado ao expoente 1 é o próprio nú-


mero.
Intervalo:{a,b[
Conjunto {x ∈R|a≤x<b}
Intervalo fechado à direita – números reais maiores que a e
menores ou iguais a b.

3) Todo número negativo, elevado ao expoente par, re-


sulta em um número positivo.
Intervalo:]a,b]
Conjunto:{x ∈R|a<x≤b}

INTERVALOS IIMITADOS

Semirreta esquerda, fechada de origem b- números reais


menores ou iguais a b. 4) Todo número negativo, elevado ao expoente ímpar, re-
sulta em um número negativo.

Intervalo:]-∞,b]
Conjunto:{x ∈R|x≤b}

Semirreta esquerda, aberta de origem b – números reais


menores que b. 5) Se o sinal do expoente for negativo, devemos passar o
sinal para positivo e inverter o número que está na base. 

Intervalo:]-∞,b[
Conjunto:{x ∈R|x<b}

Semirreta direita, fechada de origem a – números reais


maiores ou iguais a a.

6) Toda vez que a base for igual a zero, não importa o va-
lor do expoente, o resultado será igual a zero. 
Intervalo:[a,+ ∞[
Conjunto:{x ∈R|x≥a}

Semirreta direita, aberta, de origem a – números reais


maiores que a.

3
MATEMÁTICA

Propriedades

1) (am . an = am+n)  Em uma multiplicação de potências de


mesma base, repete-se a base e  soma os expoentes.

Exemplos:
24 . 23 = 24+3= 27
(2.2.2.2) .( 2.2.2)= 2.2.2. 2.2.2.2= 27

2) (am: an = am-n). Em uma divisão de potência de mesma


base. Conserva-se a base e subtraem os expoentes. 64=2.2.2.2.2.2=26

Exemplos: Como é raiz quadrada a cada dois números iguais “tira-se”


96 : 92 = 96-2 = 94 um e multiplica.

Observe: 1 1
1
3.5 = (3.5) 2 = 3 2 .5 2 = 3. 5
3) (am)n Potência de potência. Repete-se a base e multipli-
ca-se os expoentes.
Exemplos:
(52)3 = 52.3 = 56 De modo geral, se
a ∈ R+ , b ∈ R+ , n ∈ N * ,
então:

4) E uma multiplicação de dois ou mais fatores elevados a


n
a.b = n a .n b
um expoente, podemos elevar cada um a esse mesmo expoente.
(4.3)²=4².3² O radical de índice inteiro e positivo de um produto indica-
do é igual ao produto dos radicais de mesmo índice dos fatores
5) Na divisão de dois fatores elevados a um expoente, pode- do radicando.
mos elevar separados.
Raiz quadrada de frações ordinárias
1 1
2 2 2 2 2
2
=  = 1 =
Radiciação 3 3 3
Radiciação é a operação inversa a potenciação Observe: 32

De modo geral,

a ∈ R+ , b ∈ R *+ , n ∈ N * ,
se

então:

a na
n =
Técnica de Cálculo b nb
A determinação da raiz quadrada de um número torna-se
mais fácil quando o algarismo se encontra fatorado em números O radical de índice inteiro e positivo de um quociente in-
primos. Veja:  dicado é igual ao quociente dos radicais de mesmo índice dos
termos do radicando.

4
MATEMÁTICA

Raiz quadrada números decimais

Operações
2º Caso: Denominador composto por duas parcelas.

Operações

Multiplicação Devemos multiplicar de forma que obtenha uma diferença


de quadrados no denominador:

Exemplo
QUESTÕES

Divisão 01. (Prefeitura de Salvador /BA - Técnico de Nível Superior


II - Direito – FGV/2017) Em um concurso, há 150 candidatos em
apenas duas categorias: nível superior e nível médio.
Sabe-se que:

Exemplo • dentre os candidatos, 82 são homens;


• o número de candidatos homens de nível superior é igual
ao de mulheres de nível médio;
• dentre os candidatos de nível superior, 31 são mulheres.

Adição e subtração O número de candidatos homens de nível médio é

(A) 42.
(B) 45.
Para fazer esse cálculo, devemos fatorar o 8 e o 20. (C) 48.
(D) 50.
(E) 52.

02. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-


CURSOS/2017) Raoni, Ingrid, Maria Eduarda, Isabella e José
foram a uma prova de hipismo, na qual ganharia o competidor
que obtivesse o menor tempo final. A cada 1 falta seriam incre-
mentados 6 segundos em seu tempo final. Ingrid fez 1’10” com 1
falta, Maria Eduarda fez 1’12” sem faltas, Isabella fez 1’07” com
2 faltas, Raoni fez 1’10” sem faltas e José fez 1’05” com 1 falta.
Caso tenha: Verificando a colocação, é correto afirmar que o vencedor foi:
(A) José
(B) Isabella
(C) Maria Eduarda
Não dá para somar, as raízes devem ficar desse modo. (D) Raoni

Racionalização de Denominadores 03. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-


CURSOS/2017) O valor de √0,444... é:
Normalmente não se apresentam números irracionais com (A) 0,2222...
radicais no denominador. Ao processo que leva à eliminação dos (B) 0,6666...
radicais do denominador chama-se racionalização do denomi- (C) 0,1616...
nador. (D) 0,8888...
1º Caso:Denominador composto por uma só parcela

5
MATEMÁTICA

04. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017) 07. (ITAIPU BINACIONAL - Profissional Nível Técnico I - Téc-
Se, numa divisão, o divisor e o quociente são iguais, e o resto é nico em Eletrônica – NCUFPR/2017) Assinale a alternativa que
10, sendo esse resto o maior possível, então o dividendo é apresenta o valor da expressão

(A) 131.
(B) 121. (A) 1.
(C) 120. (B) 2.
(D) 110. (C) 4.
(E) 101. (D) 8.
(E) 16.
05. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) As expressões nu-
méricas abaixo apresentam resultados que seguem um padrão 08. (UNIRV/GO – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017)
específico:
Qual o resultado de ?
1ª expressão: 1 x 9 + 2
(A) 3
2ª expressão: 12 x 9 + 3 (B) 3/2
(C) 5
3ª expressão: 123 x 9 + 4 (D) 5/2

... 09. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor –


FGV/2017) Suponha que a # b signifique a - 2b .
7ª expressão: █ x 9 + ▲
Se 2#(1#N)=12 , então N é igual a:
Seguindo esse padrão e colocando os números adequados (A) 1;
no lugar dos símbolos █ e ▲, o resultado da 7ª expressão será (B) 2;
(C) 3;
(A) 1 111 111. (D) 4;
(B) 11 111. (E) 6.
(C) 1 111.
(D) 111 111. 10. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor –
(E) 11 111 111. FGV/2017) Uma equipe de trabalhadores de determinada em-
presa tem o mesmo número de mulheres e de homens. Certa
06. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) Durante um trei- manhã, 3/4 das mulheres e 2/3 dos homens dessa equipe saí-
namento, o chefe da brigada de incêndio de um prédio comer- ram para um atendimento externo.
cial informou que, nos cinquenta anos de existência do prédio,
nunca houve um incêndio, mas existiram muitas situações de Desses que foram para o atendimento externo, a fração de
risco, felizmente controladas a tempo. Segundo ele, 1/13 des- mulheres é
sas situações deveu-se a ações criminosas, enquanto as demais (A) 3/4;
situações haviam sido geradas por diferentes tipos de displicên- (B) 8/9;
cia. Dentre as situações de risco geradas por displicência, (C) 5/7;
(D) 8/13;
− 1/5 deveu-se a pontas de cigarro descartadas inadequa- (E) 9/17.
damente;
− 1/4 deveu-se a instalações elétricas inadequadas; RESPOSTAS
− 1/3 deveu-se a vazamentos de gás e
− as demais foram geradas por descuidos ao cozinhar. 01.Resposta: B.
150-82=68 mulheres
De acordo com esses dados, ao longo da existência desse Como 31 mulheres são candidatas de nível superior, 37 são
prédio comercial, a fração do total de situações de risco de in- de nível médio.
cêndio geradas por descuidos ao cozinhar corresponde à Portanto, há 37 homens de nível superior.
(A) 3/20. 82-37=45 homens de nível médio.
(B) 1/4.
(C) 13/60. 02. Resposta: D.
(D) 1/5. Como o tempo de Raoni foi 1´10” sem faltas, ele foi o ven-
(E) 1/60. cedor.

6
MATEMÁTICA

03. Resposta: B.
Primeiramente, vamos transformar a dízima em fração
X=0,4444....
10x=4,444...
9x=4 Dos homens que saíram:

Saíram no total

04. Resposta: A.
Como o maior resto possível é 10, o divisor é o número 11
que é igua o quociente.
11x11=121+10=131

05. Resposta: E.
A 7ª expressão será: 1234567x9+8=11111111

06. Resposta: D. MÍNIMO MÚLTIPLO COMUM;

Múltiplos

Gerado por descuidos ao cozinhar: Um número é múltiplo de outro quando ao dividirmos o pri-
meiro pelo segundo, o resto é zero.
Exemplo

Mas, que foram gerados por displicência é 12/13(1-1/13)

O conjunto de múltiplos de um número natural não-nulo


é infinito e podemos consegui-lo multiplicando-se o número
07.Resposta: C. dado por todos os números naturais.
M(3)={0,3,6,9,12,...}

Divisores

Os números 12 e 15 são múltiplos de 3, portanto 3 é divi-


sor de 12 e 15.
D(12)={1,2,3,4,6,12}
D(15)={1,3,5,15}
08. Resposta: D. Observações:

- Todo número natural é múltiplo de si mesmo.


- Todo número natural é múltiplo de 1.
- Todo número natural, diferente de zero, tem infinitos
múltiplos.
09. Resposta: C. - O zero é múltiplo de qualquer número natural.
2-2(1-2N)=12
2-2+4N=12 Máximo Divisor Comum
4N=12 O máximo divisor comum de dois ou mais números naturais
N=3 não-nulos é o maior dos divisores comuns desses números.
Para calcular o m.d.c de dois ou mais números, devemos
10. Resposta: E. seguir as etapas:
Como tem o mesmo número de homens e mulheres: • Decompor o número em fatores primos
• Tomar o fatores comuns com o menor expoente

7
MATEMÁTICA

• Multiplicar os fatores entre si.

Exemplo:

Devemos achar o mdc para achar a maior medida possível


E são os fatores que temos iguais:25=32

Exemplo2
(MPE/SP – Oficial de Promotora I – VUNESP/2016) No ae-
O fator comum é o 3 e o 1 é o menor expoente. roporto de uma pequena cidade chegam aviões de três com-
m.d.c panhias aéreas. Os aviões da companhia A chegam a cada 20
minutos, da companhia B a cada 30 minutos e da companhia C a
cada 44 minutos. Em um domingo, às 7 horas, chegaram aviões
das três companhias ao mesmo tempo, situação que voltará a se
Mínimo Múltiplo Comum repetir, nesse mesmo dia, às
O mínimo múltiplo comum (m.m.c) de dois ou mais núme- (A) 16h 30min.
ros é o menor número, diferente de zero. (B) 17h 30min.
Para calcular devemos seguir as etapas: (C) 18h 30min.
• Decompor os números em fatores primos (D) 17 horas.
• Multiplicar os fatores entre si (E) 18 horas.

Exemplo: Resposta: E.

Para o mmc, fica mais fácil decompor os dois juntos.


Mmc(20,30,44)=2².3.5.11=660
Basta começar sempre pelo menor primo e verificar a divi-
são com algum dos números, não é necessário que os dois sejam
1h---60minutos
divisíveis ao mesmo tempo.
x-----660
Observe que enquanto o 15 não pode ser dividido, continua
x=660/60=11
aparecendo.
Então será depois de 11horas que se encontrarão
Assim, o mmc
7+11=18h
Exemplo
QUESTÕES
O piso de uma sala retangular, medindo 3,52 m × 4,16 m,
será revestido com ladrilhos quadrados, de mesma dimensão,
01. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017)
inteiros, de forma que não fique espaço vazio entre ladrilhos
No depósito de uma loja de doces, há uma caixa contendo n
vizinhos. Os ladrilhos serão escolhidos de modo que tenham a
bombons. Para serem vendidos, devem ser repartidos em paco-
maior dimensão possível.
tes iguais, todos com a mesma quantidade de bombons. Com os
Na situação apresentada, o lado do ladrilho deverá medir
(A) mais de 30 cm. bombons dessa caixa, podem ser feitos pacotes com 5, ou com
(B) menos de 15 cm. 6, ou com 7 unidades cada um, e, nesses casos, não faltará nem
(C) mais de 15 cm e menos de 20 cm. sobrará nenhum bombom. Nessas condições, o menor valor que
(D) mais de 20 cm e menos de 25 cm. pode ser atribuído a n é
(E) mais de 25 cm e menos de 30 cm. (A) 280.
(B) 265.
Resposta: A. (C) 245.
(D) 230.
(E) 210.

8
MATEMÁTICA

02. (EMBASA – Agente Administrativo – IBFC/2017) Consi- (A) 8


derando A o MDC (maior divisor comum) entre os números 24 e (B) 6
60 e B o MMC (menor múltiplo comum) entre os números 12 e (C) 4
20, então o valor de 2A + 3B é igual a: (D) 2
(A) 72
(B) 156 07. (CELESC – Assistente Administrativo – FEPESE/2016)
(C) 144 Em uma excursão participam 120 homens e 160 mulheres. Em
(D) 204 determinado momento é preciso dividir os participantes em
grupos formados somente por homens ou somente por mulhe-
03. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO /2017) Em res, de maneira que os grupos tenham o mesmo número de in-
um determinado zoológico, a girafa deve comer a cada 4 horas, tegrantes.
o leão a cada 5 horas e o macaco a cada 3 horas. Considerando Neste caso, o número máximo de integrantes em um grupo
que todos foram alimentados às 8 horas da manhã de domingo, é:
é correto afirmar que o funcionário encarregado deverá servir a (A) 10.
alimentação a todos concomitantemente às: (B) 15.
(A) 8 horas de segunda-feira. (C) 20.
(B) 14 horas de segunda-feira. (D) 30.
(C) 10 horas de terça-feira. (E) 40.
(D) 20 horas de terça-feira.
(E) 9 horas de quarta-feira. 08. (PREF. DE GUARULHOS/SP – Assistente de Gestão Es-
colar – VUNESP/2016) Para iniciar uma visita monitorada a um
04. (EMBASA – Assistente de Laboratório – IBFC/2017) Um museu, 96 alunos do 8º ano e 84 alunos do 9º ano de certa es-
marceneiro possui duas barras de ferro, uma com 1,40 metros cola foram divididos em grupos, todos com o mesmo número de
de comprimento e outra com 2,45 metros de comprimento. Ele alunos, sendo esse número o maior possível, de modo que cada
pretende cortá-las em barras de tamanhos iguais, de modo que grupo tivesse somente alunos de um único ano e que não restas-
se nenhum aluno fora de um grupo. Nessas condições, é correto
cada pedaço tenha a maior medida possível. Nessas circunstân-
afirmar que o número total de grupos formados foi
cias, o total de pedaços que o marceneiro irá cortar, utilizando
(A) 8.
as duas de ferro, é:
(B) 12.
(A) 9
(C) 13.
(B) 11
(D) 15.
(C) 12
(E) 18.
(D) 13
09. (PREF. DE JAMBEIRO – Agente Administrativo – JOTA
05. (TJM/SP - Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017)
CONSULTORIA/2016) O MMC(120, 125, 130) é:
Em um pequeno mercado, o dono resolveu fazer uma promo-
(A) 39000
ção. Para tanto, cada uma das 3 caixas registradoras foi progra-
(B) 38000
mada para acender uma luz, em intervalos de tempo regulares:
(C) 37000
na caixa 1, a luz acendia a cada 15 minutos; na caixa 2, a cada
(D) 36000
30 minutos; e na caixa 3, a luz acendia a cada 45 minutos. Toda
(E) 35000
vez que a luz de uma caixa acendia, o cliente que estava nela era
premiado com um desconto de 3% sobre o valor da compra e,
10. (MPE/SP – Analista Técnico Científico – VUNESP/2016)
quando as 3 luzes acendiam, ao mesmo tempo, esse desconto
Pretende-se dividir um grupo de 216 pessoas, sendo 126 com
era de 5%. Se, exatamente às 9 horas de um determinado dia, as
formação na área de exatas e 90 com formação na área de hu-
luzes das 3 caixas acenderam ao mesmo tempo, então é verdade
manas, em grupos menores contendo, obrigatoriamente, ele-
que o número máximo de premiações de 5% de desconto que
mentos de cada uma dessas áreas, de modo que: (1) o número
esse mercado poderia ter dado aos seus clientes, das 9 horas às
de grupos seja o maior possível; (2) cada grupo tenha o mesmo
21 horas e 30 minutos daquele dia, seria igual a
número x de pessoas com formação na área de exatas e o mes-
(A) 8.
mo número y de pessoas com formação na área de humanas;
(B) 10.
e (3) cada uma das 216 pessoas participe de um único grupo.
(C) 21.
Nessas condições, e sabendo-se que no grupo não há pessoa
(D) 27.
com ambas as formações, é correto afirmar que, em cada novo
(E) 33.
grupo, a diferença entre os números de pessoas com formação
em exatas e em humanas, nessa ordem, será igual a
06. (PREF. DE PIRAÚBA/MG – Agente Administrativo – MS-
(A) 1
CONCURSOS/2017) Sabendo que a sigla M.M.C. na matemática
(B) 2
significa Mínimo Múltiplo Comum e que M.D.C. significa Máxi-
(C) 3
mo Divisor Comum, pergunta-se: qual o valor do M.M.C. de 6 e
(D) 4
8 dividido pelo M.D.C. de 30, 36 e 72?
(E) 5

9
MATEMÁTICA

RESPOSTAS 05. Resposta: D.

01. Resposta: E.

Mmc(15, 30, 45)=90 minutos


Ou seja, a cada 1h30 minutos tem premiações.
Das 9 ate as 21h30min=12h30 minutos
Mmc(5,6,7)=2⋅3⋅5⋅7=210

02. Resposta: E.
9 vezes no total, pois as 9 horas acendeu.
Como são 3 premiações: 9x3=27

06. Resposta: C.

Para o cálculo do mdc, devemos multiplicar os comuns:


MDC(24,60)=2²⋅3=12

Mmc(6,8)=24

Mmc(12,20)=2²⋅3⋅5=60
2A+3B=24+180=204
Mdc(30, 36, 72) =2x3=6
03. Resposta: D. Portanto: 24/6=4
Mmc(3, 4, 5)=60
60/24=2 dias e 12horas 07. Resposta: E.
Como foi no domingo às 8h d amanhã, a próxima alimenta-
ção será na terça às 20h.

04. Resposta: B.

MDC(120,160)=8x5=40

08. Resposta: D.
Mdc=5⋅7=35
140/35=4
245/35=7
Portanto, serão 11 pedaços.

10
MATEMÁTICA

MDC(84,96)=2²x3=12 Divisores
84/12=7
96/12=8 Os números 12 e 15 são múltiplos de 3, portanto 3 é divi-
E 7+8=15 sor de 12 e 15.
D(12)={1,2,3,4,6,12}
09. Resposta: A. D(15)={1,3,5,15}
Observações:

- Todo número natural é múltiplo de si mesmo.


- Todo número natural é múltiplo de 1.
- Todo número natural, diferente de zero, tem infinitos
múltiplos.
- O zero é múltiplo de qualquer número natural.

Máximo Divisor Comum


O máximo divisor comum de dois ou mais números naturais
Mmc(120, 125, 130)=2³.3.5³.13=39000 não-nulos é o maior dos divisores comuns desses números.
Para calcular o m.d.c de dois ou mais números, devemos
10. Resposta: B. seguir as etapas:
O cálculo utilizado aqui será o MDC (Máximo Divisor Co- • Decompor o número em fatores primos
mum) • Tomar o fatores comuns com o menor expoente
• Multiplicar os fatores entre si.

Exemplo:

Mdc(90, 125)=2.3²=18
Então teremos
126/18 = 7 grupos de exatas
90/18 = 5 grupos de humanas
A diferença é de 7-5=2

- eles são múltiplos de 2, pois terminam com números pa-


O fator comum é o 3 e o 1 é o menor expoente.
res.
m.d.c
E são múltiplos de 3, lembrando que para ser múltiplo de 3,
basta somar os números e ser múltiplo de 3.
36=3+6=9
90=9+0=9
Mínimo Múltiplo Comum
162=1+6+2=9
O mínimo múltiplo comum (m.m.c) de dois ou mais núme-
ros é o menor número, diferente de zero.
Múltiplos
Para calcular devemos seguir as etapas:
• Decompor os números em fatores primos
Um número é múltiplo de outro quando ao dividirmos o pri-
• Multiplicar os fatores entre si
meiro pelo segundo, o resto é zero.
Exemplo
Exemplo:

O conjunto de múltiplos de um número natural não-nulo


é infinito e podemos consegui-lo multiplicando-se o número
dado por todos os números naturais.
M(3)={0,3,6,9,12,...}
Para o mmc, fica mais fácil decompor os dois juntos.
Basta começar sempre pelo menor primo e verificar a divi-
são com algum dos números, não é necessário que os dois sejam
divisíveis ao mesmo tempo.

11
MATEMÁTICA

Observe que enquanto o 15 não pode ser dividido, continua Então será depois de 11horas que se encontrarão
aparecendo. 7+11=18h

Assim, o mmc QUESTÕES

Exemplo 01. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017)


O piso de uma sala retangular, medindo 3,52 m × 4,16 m, No depósito de uma loja de doces, há uma caixa contendo n
será revestido com ladrilhos quadrados, de mesma dimensão, bombons. Para serem vendidos, devem ser repartidos em paco-
inteiros, de forma que não fique espaço vazio entre ladrilhos tes iguais, todos com a mesma quantidade de bombons. Com os
vizinhos. Os ladrilhos serão escolhidos de modo que tenham a bombons dessa caixa, podem ser feitos pacotes com 5, ou com
maior dimensão possível. 6, ou com 7 unidades cada um, e, nesses casos, não faltará nem
Na situação apresentada, o lado do ladrilho deverá medir sobrará nenhum bombom. Nessas condições, o menor valor que
(A) mais de 30 cm. pode ser atribuído a n é
(B) menos de 15 cm. (A) 280.
(C) mais de 15 cm e menos de 20 cm. (B) 265.
(D) mais de 20 cm e menos de 25 cm. (C) 245.
(E) mais de 25 cm e menos de 30 cm. (D) 230.
(E) 210.
Resposta: A. 02. (EMBASA – Agente Administrativo – IBFC/2017) Consi-
derando A o MDC (maior divisor comum) entre os números 24 e
60 e B o MMC (menor múltiplo comum) entre os números 12 e
20, então o valor de 2A + 3B é igual a:
(A) 72
(B) 156
(C) 144
(D) 204
Devemos achar o mdc para achar a maior medida possível
E são os fatores que temos iguais:25=32 03. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO /2017) Em
um determinado zoológico, a girafa deve comer a cada 4 horas,
Exemplo2 o leão a cada 5 horas e o macaco a cada 3 horas. Considerando
(MPE/SP – Oficial de Promotora I – VUNESP/2016) No ae- que todos foram alimentados às 8 horas da manhã de domingo,
roporto de uma pequena cidade chegam aviões de três com- é correto afirmar que o funcionário encarregado deverá servir a
panhias aéreas. Os aviões da companhia A chegam a cada 20 alimentação a todos concomitantemente às:
minutos, da companhia B a cada 30 minutos e da companhia C a (A) 8 horas de segunda-feira.
cada 44 minutos. Em um domingo, às 7 horas, chegaram aviões (B) 14 horas de segunda-feira.
das três companhias ao mesmo tempo, situação que voltará a se (C) 10 horas de terça-feira.
repetir, nesse mesmo dia, às (D) 20 horas de terça-feira.
(A) 16h 30min. (E) 9 horas de quarta-feira.
(B) 17h 30min.
(C) 18h 30min.
04. (EMBASA – Assistente de Laboratório – IBFC/2017) Um
(D) 17 horas.
marceneiro possui duas barras de ferro, uma com 1,40 metros
(E) 18 horas.
de comprimento e outra com 2,45 metros de comprimento. Ele
pretende cortá-las em barras de tamanhos iguais, de modo que
Resposta: E.
cada pedaço tenha a maior medida possível. Nessas circunstân-
cias, o total de pedaços que o marceneiro irá cortar, utilizando
as duas de ferro, é:
(A) 9
(B) 11
(C) 12
(D) 13

05. (TJM/SP - Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017)


Mmc(20,30,44)=2².3.5.11=660 Em um pequeno mercado, o dono resolveu fazer uma promo-
ção. Para tanto, cada uma das 3 caixas registradoras foi progra-
1h---60minutos mada para acender uma luz, em intervalos de tempo regulares:
x-----660 na caixa 1, a luz acendia a cada 15 minutos; na caixa 2, a cada
x=660/60=11 30 minutos; e na caixa 3, a luz acendia a cada 45 minutos. Toda
vez que a luz de uma caixa acendia, o cliente que estava nela era

12
MATEMÁTICA

premiado com um desconto de 3% sobre o valor da compra e, 10. (MPE/SP – Analista Técnico Científico – VUNESP/2016)
quando as 3 luzes acendiam, ao mesmo tempo, esse desconto Pretende-se dividir um grupo de 216 pessoas, sendo 126 com
era de 5%. Se, exatamente às 9 horas de um determinado dia, as formação na área de exatas e 90 com formação na área de hu-
luzes das 3 caixas acenderam ao mesmo tempo, então é verdade manas, em grupos menores contendo, obrigatoriamente, ele-
que o número máximo de premiações de 5% de desconto que mentos de cada uma dessas áreas, de modo que: (1) o número
esse mercado poderia ter dado aos seus clientes, das 9 horas às de grupos seja o maior possível; (2) cada grupo tenha o mesmo
21 horas e 30 minutos daquele dia, seria igual a número x de pessoas com formação na área de exatas e o mes-
(A) 8. mo número y de pessoas com formação na área de humanas;
(B) 10. e (3) cada uma das 216 pessoas participe de um único grupo.
(C) 21. Nessas condições, e sabendo-se que no grupo não há pessoa
(D) 27. com ambas as formações, é correto afirmar que, em cada novo
(E) 33. grupo, a diferença entre os números de pessoas com formação
em exatas e em humanas, nessa ordem, será igual a
06. (PREF. DE PIRAÚBA/MG – Agente Administrativo – MS- (A) 1
CONCURSOS/2017) Sabendo que a sigla M.M.C. na matemática (B) 2
significa Mínimo Múltiplo Comum e que M.D.C. significa Máxi- (C) 3
mo Divisor Comum, pergunta-se: qual o valor do M.M.C. de 6 e (D) 4
8 dividido pelo M.D.C. de 30, 36 e 72? (E) 5
(A) 8
(B) 6
(C) 4 RESPOSTAS
(D) 2
01. Resposta: E.
07. (CELESC – Assistente Administrativo – FEPESE/2016)
Em uma excursão participam 120 homens e 160 mulheres. Em
determinado momento é preciso dividir os participantes em
grupos formados somente por homens ou somente por mulhe-
res, de maneira que os grupos tenham o mesmo número de in-
tegrantes.
Neste caso, o número máximo de integrantes em um grupo
é:
(A) 10.
(B) 15. Mmc(5,6,7)=2⋅3⋅5⋅7=210
(C) 20.
(D) 30. 02. Resposta: E.
(E) 40.

08. (PREF. DE GUARULHOS/SP – Assistente de Gestão Es-


colar – VUNESP/2016) Para iniciar uma visita monitorada a um
museu, 96 alunos do 8º ano e 84 alunos do 9º ano de certa es-
cola foram divididos em grupos, todos com o mesmo número de
alunos, sendo esse número o maior possível, de modo que cada
grupo tivesse somente alunos de um único ano e que não restas-
se nenhum aluno fora de um grupo. Nessas condições, é correto Para o cálculo do mdc, devemos multiplicar os comuns:
afirmar que o número total de grupos formados foi MDC(24,60)=2²⋅3=12
(A) 8.
(B) 12.
(C) 13.
(D) 15.
(E) 18.

09. (PREF. DE JAMBEIRO – Agente Administrativo – JOTA


CONSULTORIA/2016) O MMC(120, 125, 130) é:
(A) 39000 Mmc(12,20)=2²⋅3⋅5=60
(B) 38000 2A+3B=24+180=204
(C) 37000
(D) 36000 03. Resposta: D.
(E) 35000 Mmc(3, 4, 5)=60
60/24=2 dias e 12horas

13
MATEMÁTICA

Como foi no domingo às 8h d amanhã, a próxima alimenta- 07. Resposta: E.


ção será na terça às 20h.

04. Resposta: B.

MDC(120,160)=8x5=40

Mdc=5⋅7=35 08. Resposta: D.


140/35=4
245/35=7
Portanto, serão 11 pedaços.

05. Resposta: D.

MDC(84,96)=2²x3=12
84/12=7
96/12=8
E 7+8=15

Mmc(15, 30, 45)=90 minutos 09. Resposta: A.


Ou seja, a cada 1h30 minutos tem premiações.
Das 9 ate as 21h30min=12h30 minutos

9 vezes no total, pois as 9 horas acendeu.


Como são 3 premiações: 9x3=27

06. Resposta: C. Mmc(120, 125, 130)=2³.3.5³.13=39000

10. Resposta: B.
O cálculo utilizado aqui será o MDC (Máximo Divisor Co-
mum)

Mmc(6,8)=24
Mdc(90, 125)=2.3²=18
Então teremos
126/18 = 7 grupos de exatas
90/18 = 5 grupos de humanas
A diferença é de 7-5=2

- eles são múltiplos de 2, pois terminam com números pa-


res.
Mdc(30, 36, 72) =2x3=6 E são múltiplos de 3, lembrando que para ser múltiplo de 3,
Portanto: 24/6=4 basta somar os números e ser múltiplo de 3.
36=3+6=9
90=9+0=9

14
MATEMÁTICA

162=1+6+2=9 Lucro=preço de venda -preço de custo

Podemos expressar o lucro na forma de porcentagem de


PORCENTAGEM; duas formas:

Porcentagem  é uma  fração  cujo denominador é 100, seu


símbolo é (%). Sua utilização está tão disseminada que a encon-
tramos nos meios de comunicação, nas estatísticas, em máqui-
nas de calcular, etc.

Os acréscimos e os descontos é importante saber porque


ajuda muito na resolução do exercício. (DPE/RR – Analista de Sistemas – FCC/2015) Em sala de
aula com 25 alunos e 20 alunas, 60% desse total está com gripe.
Acréscimo Se x% das meninas dessa sala estão com gripe, o menor valor
Se, por exemplo, há um acréscimo de 10% a um determina- possível para x é igual a
do valor, podemos calcular o novo valor apenas multiplicando (A) 8.
esse valor por 1,10, que é o fator de multiplicação. Se o acrésci- (B) 15.
mo for de 20%, multiplicamos por 1,20, e assim por diante. Veja (C) 10.
a tabela abaixo: (D) 6.
(E) 12.
Acréscimo ou Lucro Fator de Multiplicação
Resolução
10% 1,10 45------100%
15% 1,15 X-------60%
X=27
20% 1,20 O menor número de meninas possíveis para ter gripe é se
47% 1,47 todos os meninos estiverem gripados, assim apenas 2 meninas
estão.
67% 1,67
 
    Exemplo: Aumentando 10% no valor de R$10,00 temos: 
Resposta: C.

QUESTÕES
Desconto
No caso de haver um decréscimo, o fator de multiplicação 01. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-
será: CURSOS/2017) Um aparelho de televisão que custa R$1600,00
    Fator de Multiplicação =  1 - taxa de desconto (na forma estava sendo vendido, numa liquidação, com um desconto de
decimal) 40%. Marta queria comprar essa televisão, porém não tinha con-
    Veja a tabela abaixo: dições de pagar à vista, e o vendedor propôs que ela desse um
cheque para 15 dias, pagando 10% de juros sobre o valor da ven-
Desconto Fator de Multiplicação da na liquidação. Ela aceitou e pagou pela televisão o valor de:
10% 0,90 (A) R$1120,00
(B) R$1056,00
25% 0,75 (C) R$960,00
34% 0,66 (D) R$864,00
60% 0,40 02. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) A equipe de se-
90% 0,10 gurança de um Tribunal conseguia resolver mensalmente cerca
de 35% das ocorrências de dano ao patrimônio nas cercanias
    Exemplo: Descontando 10% no valor de R$10,00 temos:  desse prédio, identificando os criminosos e os encaminhando às
autoridades competentes. Após uma reestruturação dos proce-
dimentos de segurança, a mesma equipe conseguiu aumentar
o percentual de resolução mensal de ocorrências desse tipo de
Chamamos de lucro em uma transação comercial de com- crime para cerca de 63%. De acordo com esses dados, com tal
pra e venda a diferença entre o preço de venda e o preço de reestruturação, a equipe de segurança aumentou sua eficácia no
custo. combate ao dano ao patrimônio em

15
MATEMÁTICA

(A) 35%. Para revender os materiais, Paulo decidiu acrescentar 30%


(B) 28%. sobre o valor que pagou por cada apostila. Nestas condições,
(C) 63%. qual será o lucro obtido por unidade?
(D) 41%. (A) R$ 4,20.
(E) 80%. (B) R$ 5,46.
(C) R$ 10,70.
03. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) Três irmãos, An- (D) R$ 12,60.
dré, Beatriz e Clarice, receberam de uma tia herança constituída (E) R$ 18,00.
pelas seguintes joias: um bracelete de ouro, um colar de pérolas 06. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) Joa-
e um par de brincos de diamante. A tia especificou em testa- na foi fazer compras. Encontrou um vestido de R$ 150,00 reais.
mento que as joias não deveriam ser vendidas antes da partilha Descobriu que se pagasse à vista teria um desconto de 35%. De-
e que cada um deveria ficar com uma delas, mas não especificou pois de muito pensar, Joana pagou à vista o tal vestido. Quanto
qual deveria ser dada a quem. O justo, pensaram os irmãos, se- ela pagou?
ria que cada um recebesse cerca de 33,3% da herança, mas eles (A) R$ 120,00 reais
achavam que as joias tinham valores diferentes entre si e, além (B) R$ 112,50 reais
disso, tinham diferentes opiniões sobre seus valores. Então, de- (C) R$ 127,50 reais
cidiram fazer a partilha do seguinte modo: (D) R$ 97,50 reais
− Inicialmente, sem que os demais vissem, cada um deve- (E) R$ 90 reais
ria escrever em um papel três porcentagens, indicando sua ava-
liação sobre o valor de cada joia com relação ao valor total da 07. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017)
herança. A empresa Alfa Sigma elaborou uma previsão de receitas trimes-
− A seguir, todos deveriam mostrar aos demais suas avalia- trais para 2018. A receita prevista para o primeiro trimestre é de
ções. 180 milhões de reais, valor que é 10% inferior ao da receita pre-
− Uma partilha seria considerada boa se cada um deles re- vista para o trimestre seguinte. A receita prevista para o primei-
cebesse uma joia que avaliou como valendo 33,3% da herança ro semestre é 5% inferior à prevista para o segundo semestre.
toda ou mais. Nessas condições, é correto afirmar que a receita média trimes-
As avaliações de cada um dos irmãos a respeito das joias foi tral prevista para 2018 é, em milhões de reais, igual a
a seguinte: (A) 200.
(B) 203.
(C) 195.
(D) 190.
(E) 198.

08. (CRM/MG – Técnico em Informática- FUNDEP/2017)


Assim, uma partilha boa seria se André, Beatriz e Clarice re-
Veja, a seguir, a oferta da loja Magazine Bom Preço:
cebessem, respectivamente,
(A) o bracelete, os brincos e o colar.
Aproveite a Promoção!
(B) os brincos, o colar e o bracelete.
Forno Micro-ondas
(C) o colar, o bracelete e os brincos.
De R$ 720,00
(D) o bracelete, o colar e os brincos.
Por apenas R$ 504,00
(E) o colar, os brincos e o bracelete.
Nessa oferta, o desconto é de:
04. (UTFPR – Técnico de Tecnologia da Informação – UT- (A) 70%.
FPR/2017) Um retângulo de medidas desconhecidas foi altera- (B) 50%.
do. Seu comprimento foi reduzido e passou a ser 2/ 3 do com- (C) 30%.
primento original e sua largura foi reduzida e passou a ser 3/ 4 (D) 10%.
da largura original.
Pode-se afirmar que, em relação à área do retângulo origi- 09 (CODAR – Recepcionista – EXATUS/2016) Considere
nal, a área do novo retângulo: que uma caixa de bombom custava, em novembro, R$ 8,60 e
(A) foi aumentada em 50%. passou a custar, em dezembro, R$ 10,75. O aumento no preço
(B) foi reduzida em 50%. dessa caixa de bombom foi de:
(C) aumentou em 25%. (A) 30%.
(D) diminuiu 25%. (B) 25%.
(E) foi reduzida a 15%. (C) 20%.
(D) 15%
05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017)
Paulo, dono de uma livraria, adquiriu em uma editora um lote 10. (ANP – Técnico em Regulação de Petróleo e Deriva-
de apostilas para concursos, cujo valor unitário original é de R$ dos – CESGRANRIO/2016) Um grande tanque estava vazio e foi
60,00. Por ter cadastro no referido estabelecimento, ele recebeu cheio de óleo após receber todo o conteúdo de 12 tanques me-
30% de desconto na compra. nores, idênticos e cheios.

16
MATEMÁTICA

Se a capacidade de cada tanque menor fosse 50% maior do 08. Resposta: C.


que a sua capacidade original, o grande tanque seria cheio, sem
excessos, após receber todo o conteúdo de
(A) 4 tanques menores
(B) 6 tanques menores Ou seja, ele pagou 70% do produto, o desconto foi de 30%.
(C) 7 tanques menores OBS: muito cuidado nesse tipo de questão, para não errar
(D) 8 tanques menores conforme a pergunta feita.
(E) 10 tanques menores 09. Resposta: B.
RESPOSTAS 8,6(1+x)=10,75
8,6+8,6x=10,75
01. Resposta:B. 8,6x=10,75-8,6
Como teve um desconto de 40%, pagou 60% do produto. 8,6x=2,15
X=0,25=25%
1600⋅0,6=960
Como vai pagar 10% a mais: 10. Resposta: D.
960⋅1,1=1056 50% maior quer dizer que ficou 1,5
Quantidade de tanque: x
02. Resposta: E. A quantidade que aumentaria deve ficar igual a 12 tanques
63/35=1,80 1,5x=12
Portanto teve um aumento de 80%. X=8

03. Resposta: D.
RAZÃO E PROPORÇÃO;
Clarice obviamente recebeu o brinco.
Beatriz recebeu o colar porque foi o único que ficou acima
de 30% e André recebeu o bracelete. Razão

04. Resposta: B. Chama-se de razão entre dois números racionais a e b, com


A=b⋅h b 0, ao quociente entre eles. Indica-se a razão de a para b por
a/b  ou a : b. 

Exemplo: 
Na sala do 1º ano de um colégio há 20 rapazes e 25 moças.
Portanto foi reduzida em 50% Encontre a razão entre o número de rapazes e o número de mo-
ças. (lembrando que razão é divisão) 
05. Resposta: D.
Como ele obteve um desconto de 30%, pagou 70% do valor:
60⋅0,7=42
Ele revendeu por:
42⋅1,3=54,60 Proporção
Teve um lucro de: 54,60-42=12,60
Proporção é a igualdade entre duas razões. A proporção en-
06. Resposta: D. tre A/B e C/D é a igualdade:
Como teve um desconto de 35%. Pagou 65%do vestido
150⋅0,65=97,50

07. Resposta: C.
Como a previsão para o primeiro trimestre é de 180 milhões Propriedade fundamental das proporções
e é 10% inferior, no segundo trimestre temos uma previsão de Numa proporção:
180-----90%
x---------100
x=200

200+180=380 milhões para o primeiro semestre Os números A e D são denominados extremos enquanto os


380----95 números B e C são os meios e vale a propriedade: o produto dos
x----100 meios é igual ao produto dos extremos, isto é:
x=400 milhões AxD=BxC

Somando os dois semestres: 380+400=780 milhões Exemplo: A fração 3/4 está em proporção com 6/8, pois:
780/4trimestres=195 milhões

17
MATEMÁTICA

   

Grandezas Diretamente Proporcionais


Exercício: Determinar o valor de X para que a razão X/3 es-
teja em proporção com 4/6.
Duas grandezas variáveis dependentes são diretamente
proporcionais quando a razão entre os valores da 1ª grandeza é
Solução: Deve-se montar a proporção da seguinte forma:
igual a razão entre os valores correspondentes da 2ª, ou de uma
maneira mais informal, se eu pergunto:
Quanto mais.....mais....

Exemplo
Distância percorrida e combustível gasto
.

Segunda propriedade das proporções Distância(km) Combustível(litros)


Qualquer que seja a proporção, a soma ou a diferença dos 13 1
dois primeiros termos está para o primeiro, ou para o segundo
termo, assim como a soma ou a diferença dos dois últimos ter- 26 2
mos está para o terceiro, ou para o quarto termo. Então temos: 39 3
52 4
   
Quanto MAIS eu ando, MAIS combustível?
  ou      Diretamente proporcionais
Se eu dobro a distância, dobra o combustível

Grandezas Inversamente Proporcionais

Ou Duas grandezas variáveis dependentes são inversamente


proporcionais quando a razão entre os valores da 1ª grandeza
é igual ao inverso da razão entre os valores correspondentes da
2ª.
Quanto mais....menos...
     ou   
Exemplo
velocidadextempo a tabela abaixo:
  
Velocidade (m/s) Tempo (s)
Terceira propriedade das proporções
5 200
Qualquer que seja a proporção, a soma ou a diferença dos
antecedentes está para a soma ou a diferença dos consequen- 8 125
tes, assim como cada antecedente está para o seu respectivo 10 100
consequente. Temos então:
16 62,5
20 50
    
Quanto MAIOR a velocidade MENOS tempo??
 ou     Inversamente proporcional
Se eu dobro a velocidade, eu faço o tempo pela metade.
  Diretamente Proporcionais
Para decompor um número M em partes X1, X2, ..., Xn direta-
Ou mente proporcionais a p1, p2, ..., pn, deve-se montar um sistema
com n equações e n incógnitas, sendo as somas X1+X2+...+Xn=M
e p1+p2+...+pn=P.
    

 ou  

18
MATEMÁTICA

02. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) Em uma empresa,


trabalham oito funcionários, na mesma função, mas com car-
gas horárias diferentes: um deles trabalha 32 horas semanais,
um trabalha 24 horas semanais, um trabalha 20 horas semanais,
três trabalham 16 horas semanais e, por fim, dois deles traba-
A solução segue das propriedades das proporções: lham 12 horas semanais. No final do ano, a empresa distribuirá
um bônus total de R$ 74.000,00 entre esses oito funcionários,
de forma que a parte de cada um seja diretamente proporcional
à sua carga horária semanal.
Dessa forma, nessa equipe de funcionários, a diferença en-
Exemplo tre o maior e o menor bônus individual será, em R$, de
Carlos e João resolveram realizar um bolão da loteria. Car- (A) 10.000,00.
los entrou com R$ 10,00 e João com R$ 15,00. Caso ganhem o (B) 8.000,00.
prêmio de R$ 525.000,00, qual será a parte de cada um, se o (C) 20.000,00.
combinado entre os dois foi de dividirem o prêmio de forma di- (D) 12.000,00.
retamente proporcional? (E) 6.000,00.

03. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017)


Para uma pesquisa, foram realizadas entrevistas nos estados da
Região Sudeste do Brasil. A amostra foi composta da seguinte
maneira:
– 2500 entrevistas realizadas no estado de São Paulo;
– 1500 entrevistas realizadas nos outros três estados da Re-
gião Sudeste.
Carlos ganhará R$210000,00 e Carlos R$315000,00. Desse modo, é correto afirmar que a razão entre o número
de entrevistas realizadas em São Paulo e o número total de en-
Inversamente Proporcionais trevistas realizadas nos quatro estados é de
Para decompor um número M em n partes X1, X2, ..., Xn in- (A) 8 para 5.
versamente proporcionais a p1, p2, ..., pn, basta decompor este (B) 5 para 8.
número M em n partes X1, X2, ..., Xn diretamente proporcionais (C) 5 para 7.
a 1/p1, 1/p2, ..., 1/pn. (D) 3 para 5.
A montagem do sistema com n equações e n incógnitas, as- (E) 3 para 8.
sume que X1+X2+...+ Xn=M e além disso 04. (UNIRV/60 – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017)
Em relação à prova de matemática de um concurso, Paula acer-
tou 32 das 48 questões da prova. A razão entre o número de
questões que ela errou para o total de questões da prova é de
(A) 2/3
(B) 1/2
cuja solução segue das propriedades das proporções: (C) 1/3
(D) 3/2

05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) José,


QUESTÕES pai de Alfredo, Bernardo e Caetano, de 2, 5 e 8 anos, respectiva-
mente, pretende dividir entre os filhos a quantia de R$ 240,00,
01. (DESENBAHIA – Técnico Escriturário - INSTITUTO em partes diretamente proporcionais às suas idades. Conside-
AOCP/2017) João e Marcos resolveram iniciar uma sociedade rando o intento do genitor, é possível afirmar que cada filho vai
para fabricação e venda de cachorro quente. João iniciou com receber, em ordem crescente de idades, os seguintes valores:
um capital de R$ 30,00 e Marcos colaborou com R$ 70,00. No (A) R$ 30,00, R$ 60,00 e R$150,00.
primeiro final de semana de trabalho, a arrecadação foi de R$ (B) R$ 42,00, R$ 58,00 e R$ 140,00.
240,00 bruto e ambos reinvestiram R$ 100,00 do bruto na socie- (C) R$ 27,00, R$ 31,00 e R$ 190,00.
dade, restando a eles R$ 140,00 de lucro. De acordo com o que (D) R$ 28,00, R$ 84,00 e R$ 128,00.
cada um investiu inicialmente, qual é o valor que João e Marcos (E) R$ 32,00, R$ 80,00 e R$ 128,00.
devem receber desse lucro, respectivamente?
(A) 30 e 110 reais. 06. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017)
(B) 40 e 100 reais. Sabe-se que 16 caixas K, todas iguais, ou 40 caixas Q, todas tam-
(C) 42 e 98 reais. bém iguais, preenchem totalmente certo compartimento, ini-
(D) 50 e 90 reais. cialmente vazio.
(E) 70 e 70 reais.

19
MATEMÁTICA

Também é possível preencher totalmente esse mesmo 10. (EMDEC – Assistente Administrativo – IBFC/2016) Paulo
compartimento completamente vazio utilizando 4 caixas K mais vai dividir R$ 4.500,00 em partes diretamente proporcionais às
certa quantidade de caixas Q. Nessas condições, é correto afir- idades de seus três filhos com idades de 4, 6 e 8 anos respectiva-
mar que o número de caixas Q utilizadas será igual a mente. Desse modo, o total distribuído aos dois filhos com maior
(A) 10. idade é igual a:
(B) 28. (A) R$2.500,00
(C) 18. (B) R$3.500,00
(D) 22. (C) R$ 1.000,00
(E) 30. (D) R$3.200,00

07. (IPRESB/SP – Agente Previdenciário – VUNESP/2017) A RESPOSTAS


tabela, onde alguns valores estão substituídos por letras, mos-
tra os valores, em milhares de reais, que eram devidos por uma 01. Resposta: C.
empresa a cada um dos três fornecedores relacionados, e os res- 30k+70k=140
pectivos valores que foram pagos a cada um deles. 100k=140
K=1,4
30⋅1,4=42
Fornecedor A B C 70⋅1,4=98
Valor pago 22,5 X 37,5
02. Resposta: A.
Valor devido Y 40 z Vamos dividir o prêmio pelas horas somadas
32+24+20+3⋅16+2⋅12=148
Sabe-se que os valores pagos foram diretamente proporcio- 74000/148=500
nais a cada valor devido, na razão de 3 para 4. Nessas condições, é O maior prêmio foi para quem fez 32 horas semanais
correto afirmar que o valor total devido a esses três fornecedores 32⋅500=16000
era, antes dos pagamentos efetuados, igual a 12⋅500=6000
(A) R$ 90.000,00. A diferença é: 16000-6000=10000
(B) R$ 96.500,00.
(C) R$ 108.000,00. 03. Resposta:B.
(D) R$ 112.500,00. 2500+1500=4000 entrevistas
(E) R$ 120.000,00.

08. (DPE/RS - Analista - FCC/2017) A razão entre as alturas de


dois irmãos era 3/4 e, nessa ocasião, a altura do irmão mais alto era
1,40 m. Hoje, esse irmão mais alto cresceu 10 cm. Para que a razão 04. Resposta: C.
entre a altura do irmão mais baixo e a altura do mais alto seja hoje, Se Paula acertou 32, errou 16.
igual a 4/5 , é necessário que o irmão mais baixo tenha crescido,
nesse tempo, o equivalente a
(A) 13,5 cm.
(B) 10,0 cm.
(C) 12,5 cm. 05. Resposta: E.
(D) 14,8 cm. 2k+5k+8k=240
(E) 15,0 cm. 15k=240
K=16
09. (CRBIO – Auxiliar Administrativo – VUNESP/2017) O trans- Alfredo: 2⋅16=32
porte de 1980 caixas iguais foi totalmente repartido entre dois veícu- Bernardo: 5⋅16=80
los, A e B, na razão direta das suas respectivas capacidades de carga, Caetano: 8⋅16=128
em toneladas. Sabe-se que A tem capacidade para transportar 2,2
t, enquanto B tem capacidade para transportar somente 1,8 t. Nes- 06. Resposta: E.
sas condições, é correto afirmar que a diferença entre o número de Se, com 16 caixas K, fica cheio e já foram colocadas 4 caixa,
caixas carregadas em A e o número de caixas carregadas em B foi faltam 12 caixas K, mas queremos colocar as caixas Q, então va-
igual a mos ver o equivalente de 12 caixas K
(A) 304.
(B) 286.
(C) 224.
(D) 216.
(E) 198. Q=30 caixas

07. Resposta: E.

20
MATEMÁTICA

REGRA DE TRÊS SIMPLES;

Y=90/3=30 Regra de três simples

Regra de três simples é um processo prático para resolver


problemas que envolvam quatro valores dos quais conhecemos
X=120/4=30 três deles. Devemos, portanto, determinar um valor a partir dos
três já conhecidos.

Passos utilizados numa regra de três simples:


1º) Construir uma tabela, agrupando as grandezas da mes-
ma espécie em colunas e mantendo na mesma linha as grande-
Z=150/3=50 zas de espécies diferentes em correspondência.
2º) Identificar se as grandezas são diretamente ou inversa-
Portanto o total devido é de: 30+40+50=120000 mente proporcionais.
3º) Montar a proporção e resolver a equação.
08. Resposta: E. Um trem, deslocando-se a uma velocidade média de
400Km/h, faz um determinado percurso em 3 horas. Em quanto
tempo faria esse mesmo percurso, se a velocidade utilizada fos-
se de 480km/h?

X=1,05 Solução: montando a tabela:


Se o irmão mais alto cresceu 10cm, está com 1,50
1) Velocidade (Km/h) Tempo (h)
400-----------------3
480---------------- x

X=1,20 2) Identificação do tipo de relação:


Velocidade----------tempo
Ele cresceu: 1,20-1,05=0,15m=15cm 400↓-----------------3↑
480↓---------------- x↑

Obs.: como as setas estão invertidas temos que inverter os


09. Resposta: E. números mantendo a primeira coluna e invertendo a segunda
2,2k+1,8k=1980 coluna ou seja o que está em cima vai para baixo e o que está em
4k=1980 baixo na segunda coluna vai para cima
K=495 Velocidade----------tempo
2,2x495=1089 400↓-----------------X↓
1980-1089=891 480↓---------------- 3↓
1089-891=198
480x=1200
10. Resposta: B. X=25

Regra de três composta


Regra de três composta é utilizada em problemas com mais
de duas grandezas, direta ou inversamente proporcionais.
A+B+C=4500
4p+6p+8p=4500 Exemplos:
18p=4500
P=250 1) Em 8 horas, 20 caminhões descarregam 160m³ de areia.
B=6p=6x250=1500 Em 5 horas, quantos caminhões serão necessários para descar-
C=8p=8x250=2000 regar 125m³?
1500+2000=3500
Solução: montando a tabela, colocando em cada coluna as
grandezas de mesma espécie e, em cada linha, as grandezas de
espécies diferentes que se correspondem:

21
MATEMÁTICA

Horas --------caminhões-----------volume 03. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-


8↑----------------20↓----------------------160↑ CURSOS/2017) Para a construção de uma rodovia, 12 operários
5↑------------------x↓----------------------125↑ trabalham 8 horas por dia durante 14 dias e completam exata-
mente a metade da obra. Porém, a rodovia precisa ser termina-
A seguir, devemos comparar cada grandeza com aquela da daqui a exatamente 8 dias, e então a empresa contrata mais
onde está o x. 6 operários de mesma capacidade dos primeiros. Juntos, eles
Observe que: deverão trabalhar quantas horas por dia para terminar o traba-
Aumentando o número de horas de trabalho, podemos di- lho no tempo correto?
minuir o número de caminhões. Portanto a relação é inversa- (A) 6h 8 min
mente proporcional (seta para cima na 1ª coluna). (B) 6h 50min
(C) 9h 20 min
Aumentando o volume de areia, devemos aumentar o nú- (D) 9h 33min
mero de caminhões. Portanto a relação é diretamente propor-
cional (seta para baixo na 3ª coluna). Devemos igualar a razão 04. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017
que contém o termo x com o produto das outras razões de acor- ) Um restaurante “por quilo” apresenta seus preços de acordo
do com o sentido das setas. com a tabela:
Montando a proporção e resolvendo a equação temos:

Horas --------caminhões-----------volume
8↑----------------20↓----------------------160↓
5↑------------------x↓----------------------125↓
Rodolfo almoçou nesse restaurante na última sexta-feira. Se
Obs.: Assim devemos inverter a primeira coluna ficando: a quantidade de alimentos que consumiu nesse almoço custou
R$ 21,00, então está correto afirmar que essa quantidade é, em
gramas, igual a
Horas --------caminhões-----------volume
5----------------20----------------------160 (A) 375.
8------------------x----------------------125 (B) 380.
(C) 420.
(D) 425.
(E) 450.

Logo, serão necessários 25 caminhões 05. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017


) Um carregamento de areia foi totalmente embalado em 240
QUESTÕES sacos, com 40 kg em cada saco. Se fossem colocados apenas 30
kg em cada saco, o número de sacos necessários para embalar
01. (IPRESB/SP - Analista de Processos Previdenciários- todo o carregamento seria igual a
VUNESP/2017) Para imprimir 300 apostilas destinadas a um cur- (A) 420.
so, uma máquina de fotocópias precisa trabalhar 5 horas por dia (B) 375.
durante 4 dias. Por motivos administrativos, será necessário im- (C) 370.
primir 360 apostilas em apenas 3 dias. O número de horas diá- (D) 345.
rias que essa máquina terá que trabalhar para realizar a tarefa é (E) 320.
(A) 6.
(B) 7. 06. (UNIRV/GO – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017)
(C) 8. Quarenta e oito funcionários de uma certa empresa, trabalhan-
(D) 9. do 12 horas por dia, produzem 480 bolsas por semana. Quantos
(E) 10. funcionários a mais, trabalhando 15 horas por dia, podem asse-
gurar uma produção de 1200 bolsas por semana?
02. (SEPOG – Analista em Tecnologia da Informação e Co- (A) 48
municação – FGV/2017) Uma máquina copiadora A faz 20% (B) 96
mais cópias do que uma outra máquina B, no mesmo tempo. (C) 102
A máquina B faz 100 cópias em uma hora. (D) 144
A máquina A faz 100 cópias em
(A) 44 minutos. 07. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) Du-
(B) 46 minutos. rante 90 dias, 12 operários constroem uma loja. Qual o número
(C) 48 minutos. mínimo de operários necessários para fazer outra loja igual em
(D) 50 minutos. 60 dias?
(E) 52 minutos.

22
MATEMÁTICA

(A) 8 operários. 10-------x


(B) 18 operários. X=50 minutos
(C) 14 operários.
(D) 22 operários. 03. Resposta: C.
(E) 25 operários ↑Operário ↓horas dias↑
12--------------8------------14
08. (FCEP – Técnico Artístico – AMAUC/2017) A vazão de 18----------------x------------8
uma torneira é de 50 litros a cada 3 minutos. O tempo necessá- Quanto mais horas, menos operários
rio para essa torneira encher completamente um reservatório Quanto mais horas, menos dias
retangular, cujas medidas internas são 1,5 metros de compri-
mento, 1,2 metros de largura e 70 centímetros de profundidade
é de:
(A) 1h 16min 00s
(B) 1h 15min 36s 8⋅18x=14⋅12⋅8
(C) 1h 45min 16s X=9,33h
(D) 1h 50min 05s 9 horas e 1/3 da hora
(E) 1h55min 42s 1/3 de hora é equivalente a 20 minutos
9horas e 20 minutos
09. (CRMV/SC – Assistente Administrativo – IESES/2017)
Trabalhando durante 6 dias, 5 operários produzem 600 peças. 04. Resposta:C.
Determine quantas peças serão produzidas por sete operários 12,50------250
trabalhando por 8 dias: 21----------x
(A) 1120 peças X=5250/12,5=420 gramas
(B) 952 peças
(C) 875 peças 05. Resposta: E.
(D) 1250 peças Sacos kg
240----40
10. (MPE/SP – Oficial de Promotoria I – VUNESP/2016) x----30
Para organizar as cadeiras em um auditório, 6 funcionários, to-
dos com a mesma capacidade de produção, trabalharam por 3 Quanto mais sacos, menos areia foi colocada(inversamente)
horas. Para fazer o mesmo trabalho, 20 funcionários, todos com
o mesmo rendimento dos iniciais, deveriam trabalhar um total
de tempo, em minutos, igual a
(A) 48.
(B) 50. 30x=9600
(C) 46. X=320
(D) 54.
(E) 52.
RESPOSTAS 06. Resposta: A.
↓Funcionários ↑ horas bolsas↓
01. Resposta: C. 48------------------------12-----------480
↑Apostilas ↑ horas dias↓ x-----------------------------15----------1200
300------------------5--------------4 Quanto mais funcionários, menos horas precisam
360-----------------x----------------3 Quanto mais funcionários, mais bolsas feitas

↑Apostilas ↑ horas dias↑


300------------------5--------------3
360-----------------x----------------4
X=96 funcionários
Precisam de mais 48 funcionários

07. Resposta: B.
900x=7200 Operários dias
X=8 12-----------90
x--------------60
02. Resposta: D. Quanto mais operários, menos dias (inversamente propor-
Como a máquina A faz 20% a mais: cional)
Em 1 hora a máquina A faz 120 cópias.
120------60 minutos

23
MATEMÁTICA

Uma raiz da equação ax+b =0(a≠0) é um valor numérico de


x que, substituindo no 1º membro da equação, torna-se igual ao
2º membro.
60x=1080
X=18 Nada mais é que pensarmos em uma balança.

08. Resposta: B.
V=1,5⋅1,2⋅0,7=1,26m³=1260litros
50litros-----3 min
1260--------x
X=3780/50=75,6min
0,6min=36s
75min=60+15=1h15min

09. Resposta: A.
↑Dias ↑ operários peças↑ A balança deixa os dois lados iguais para equilibrar, a equa-
6-------------5---------------600 ção também.
8--------------7---------------x No exemplo temos:
3x+300
Outro lado: x+1000+500
E o equilíbrio?
3x+300=x+1500
30x=33600
X=1120 Quando passamos de um lado para o outro invertemos o si-
nal
10. Resposta: D. 3x-x=1500-300
2x=1200
Como o exercício pede em minutos, vamos transformar 3 X=600
horas em minutos
Exemplo
3x60=180 minutos (PREF. DE NITERÓI/RJ – Fiscal de Posturas – FGV/2015) A ida-
↑Funcionários minutos↓ de de Pedro hoje, em anos, é igual ao dobro da soma das idades
6------------180 de seus dois filhos, Paulo e Pierre. Pierre é três anos mais velho do
20-------------x que Paulo. Daqui a dez anos, a idade de Pierre será a metade da
idade que Pedro tem hoje.
As Grandezas são inversamente proporcionais, pois quanto
mais funcionários, menos tempo será gasto. A soma das idades que Pedro, Paulo e Pierre têm hoje é:
Vamos inverter os minutos (A) 72;
↑Funcionários minutos↑ (B) 69;
6------------x (C) 66;
20-------------180 (D) 63;
20x=6.180 (E) 60.
20x=1040 Resolução
X=54 minutos A ideia de resolver as equações é literalmente colocar na lin-
guagem matemática o que está no texto.
“Pierre é três anos mais velho do que Paulo”
Pi=Pa+3
EQUAÇÃO DO 1.º GRAU;
“Daqui a dez anos, a idade de Pierre será a metade da idade
que Pedro tem hoje.”
Equação 1º grau
Equação é toda sentença matemática aberta representada
por uma igualdade, em que exista uma ou mais letras que repre-
sentam números desconhecidos.
Equação do 1º grau, na incógnita x, é toda equação redutí- A idade de Pedro hoje, em anos, é igual ao dobro da soma das
vel à forma ax+b=0, em que a e b são números reais, chamados idades de seus dois filhos,
coeficientes, com a≠0. Pe=2(Pi+Pa)
Pe=2Pi+2Pa

Lembrando que:

24
MATEMÁTICA

Pi=Pa+3

Substituindo em Pe
Pe=2(Pa+3)+2Pa
Pe=2Pa+6+2Pa
Pe=4Pa+6

Pa+3+10=2Pa+3
Pa=10
Pi=Pa+3
Pi=10+3=13
Pe=40+6=46
Soma das idades: 10+13+46=69

Resposta: B.

GRANDEZAS E MEDIDAS – QUANTIDADE, TEMPO, COMPRIMENTO, SUPERFÍCIE, CAPACIDADE E MASSA; RELAÇÃO


ENTRE GRANDEZAS – TABELA OU GRÁFICO;

Unidades de Comprimento
km hm dam m dm cm mm
Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro
1000m 100m 10m 1m 0,1m 0,01m 0,001m

Os múltiplos do metro são utilizados para medir grandes distâncias, enquanto os submúltiplos, para pequenas distâncias. Para
medidas milimétricas, em que se exige precisão, utilizamos:

mícron (µ) = 10-6 m angströn (Å) = 10-10 m

    Para distâncias astronômicas utilizamos o Ano-luz (distância percorrida pela luz em um ano):
Ano-luz = 9,5 · 1012 km

Exemplos de Transformação

1m=10dm=100cm=1000mm=0,1dam=0,01hm=0,001km
1km=10hm=100dam=1000m

Ou seja, para trasnformar as unidades, quando “ andamos” para direita multiplica por 10 e para a esquerda divide por 10.

Superfície
A medida de superfície é sua área e a unidade fundamental é o metro quadrado(m²).

Para transformar de uma unidade para outra inferior, devemos observar que cada unidade é cem vezes maior que a unidade
imediatamente inferior. Assim, multiplicamos por cem para cada deslocamento de uma unidade até a desejada. 

Unidades de Área
km2 hm2 dam2 m2 dm2 cm2 mm2
Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro

Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado


1000000m2 10000m2 100m2 1m2 0,01m2 0,0001m2 0,000001m2

25
MATEMÁTICA

Exemplos de Transformação

1m²=100dm²=10000cm²=1000000mm²
1km²=100hm²=10000dam²=1000000m²

Ou seja, para trasnformar as unidades, quando “ andamos” para direita multiplica por 100 e para a esquerda divide por 100.

Volume

Os sólidos geométricos são objetos tridimensionais que ocupam lugar no espaço. Por isso, eles possuem volume. Podemos encon-
trar sólidos de inúmeras formas, retangulares, circulares, quadrangulares, entre outras, mas todos irão possuir volume e capacidade.

Unidades de Volume
km3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3
Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro

Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico


1000000000m 3
1000000m 3
1000m 3
1m 3
0,001m 3
0,000001m 3
0,000000001m3

Capacidade
Para medirmos a quantidade de leite, sucos, água, óleo, gasolina, álcool entre outros utilizamos o litro e seus múltiplos e submúl-
tiplos, unidade de medidas de produtos líquidos. 
Se um recipiente tem 1L de capacidade, então seu volume interno é de 1dm³

1L=1dm³

Unidades de Capacidade
kl hl dal l dl cl ml
Quilolitro Hectolitro Decalitro Litro Decilitro Centilitro Mililitro
1000l 100l 10l 1l 0,1l 0,01l 0,001l

Massa

Toda vez que andar 1 casa para direita, multiplica por 10 e quando anda para esquerda divide por 10.
E uma outra unidade de massa muito importante é a tonelada
1 tonelada=1000kg

Tempo

A unidade fundamental do tempo é o segundo(s).


É usual a medição do tempo em várias unidades, por exemplo: dias, horas, minutos

26
MATEMÁTICA

Transformação de unidades Divisão

Deve-se saber:
1 dia=24horas
1hora=60minutos
1 minuto=60segundos 5h 20 minutos :2
1hora=3600s
Adição de tempo
1h 20 minutos, transformamos para minutos :60+20=80mi-
Exemplo: Estela chegou ao 15h 35minutos. Lá, bateu seu nutos
recorde de nado livre e fez 1 minuto e 25 segundos. Demorou 30 QUESTÕES
minutos para chegar em casa. Que horas ela chegou?
01. (IPRESB/SP - Analista de Processos Previdenciários-
VUNESP/2017) Uma gráfica precisa imprimir um lote de 100000
folhetos e, para isso, utiliza a máquina A, que imprime 5000 fo-
lhetos em 40 minutos. Após 3 horas e 20 minutos de funciona-
mento, a máquina A quebra e o serviço restante passa a ser feito
pela máquina B, que imprime 4500 folhetos em 48 minutos. O
tempo que a máquina B levará para imprimir o restante do lote
de folhetos é
Não podemos ter 66 minutos, então temos que transferir (A) 14 horas e 10 minutos.
para as horas, sempre que passamos de um para o outro tem (B) 14 horas e 05 minutos.
que ser na mesma unidade, temos que passar 1 hora=60 minu- (C) 13 horas e 45 minutos.
tos (D) 13 horas e 30 minutos.
(E) 13 horas e 20 minutos.
Então fica: 16h 6 minutos 25segundos
02. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017)
Vamos utilizar o mesmo exemplo para fazer a operação in-
Renata foi realizar exames médicos em uma clínica. Ela saiu de sua
versa.
casa às 14h 45 min e voltou às 17h 15 min. Se ela ficou durante
uma hora e meia na clínica, então o tempo gasto no trânsito, no
Subtração
trajeto de ida e volta, foi igual a
Vamos dizer que sabemos que ela chegou em casa as 16h 6
(A) 1/2h.
minutos 25 segundos e saiu de casa às 15h 35 minutos. Quanto (B) 3/4h.
tempo ficou fora? (C) 1h.
(D) 1h 15min.
(E) 1 1/2h.

03. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017)


Uma indústria produz regularmente 4500 litros de suco por dia.
Sabe-se que a terça parte da produção diária é distribuída em
caixinhas P, que recebem 300 mililitros de suco cada uma. Nes-
Não podemos tirar 6 de 35, então emprestamos, da mesma sas condições, é correto afirmar que a cada cinco dias a indústria
forma que conta de subtração. utiliza uma quantidade de caixinhas P igual a
1hora=60 minutos (A) 25000.
(B) 24500.
(C) 23000.
(D) 22000.
(E) 20500.

04. (UNIRV/GO – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017)


Multiplicação Uma empresa farmacêutica distribuiu 14400 litros de uma subs-
tância líquida em recipientes de 72 cm3 cada um. Sabe-se que
Pedro pensou em estudar durante 2h 40 minutos, mas de- cada recipiente, depois de cheio, tem 80 gramas. A quantidade
morou o dobro disso. Quanto tempo durou o estudo? de toneladas que representa todos os recipientes cheios com
essa substância é de
(A) 16
(B) 160
(C) 1600
(D) 16000

27
MATEMÁTICA

05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) 10. (DPE/RR – Auxiliar Administrativo – FCC/2015) Rai-
João estuda à noite e sua aula começa às 18h40min. Cada aula mundo tinha duas cordas, uma de 1,7 m e outra de 1,45 m. Ele
tem duração de 45 minutos, e o intervalo dura 15 minutos. Sa- precisava de pedaços, dessas cordas, que medissem 40 cm de
bendo-se que nessa escola há 5 aulas e 1 intervalo diariamente, comprimento cada um. Ele cortou as duas cordas em pedaços
pode-se afirmar que o término das aulas de João se dá às: de 40 cm de comprimento e assim conseguiu obter
(A) 22h30min (A) 6 pedaços.
(B) 22h40min (B) 8 pedaços.
(C) 22h50min (C) 9 pedaços.
(D) 5 pedaços.
(D) 23h
(E) 7 pedaços.
(E) Nenhuma das anteriores
RESPOSTAS
06. (IBGE – Agente Censitário Administrativo- FGV/2017)
Quando era jovem, Arquimedes corria 15km em 1h45min. Agora
01. Resposta: E.
que é idoso, ele caminha 8km em 1h20min.
3h 20 minutos-200 minutos
5000-----40
x----------200
Para percorrer 1km agora que é idoso, comparado com a x=1000000/40=25000
época em que era jovem, Arquimedes precisa de mais:
(A) 10 minutos; Já foram impressos 25000, portanto faltam ainda 75000
(B) 7 minutos; 4500-------48
(C) 5 minutos; 75000------x
(D) 3 minutos; X=3600000/4500=800 minutos
(E) 2 minutos. 800/60=13,33h
13 horas e 1/3 hora
07. (IBGE – Agente Censitário Administrativo- FGV/2017) 13h e 20 minutos
Lucas foi de carro para o trabalho em um horário de trânsito in-
tenso e gastou 1h20min. Em um dia sem trânsito intenso, Lucas
foi de carro para o trabalho a uma velocidade média 20km/h
maior do que no dia de trânsito intenso e gastou 48min.

A distância, em km, da casa de Lucas até o trabalho é:


(A) 36;
(B) 40;
(C) 48; 02. Resposta: C.
(D) 50; Como ela ficou 1hora e meia na clínica o trajeto de ida e
(E) 60. volta demorou 1 hora.

08. (EMDEC - Assistente Administrativo Jr – IBFC/2016) 03. Resposta:A.


Carlos almoçou em certo dia no horário das 12:45 às 13:12. O 4500/3=1500 litros para as caixinhas
total de segundos que representa o tempo que Carlos almoçou 1500litros=1500000ml
nesse dia é: 1500000/300=5000 caixinhas por dia
(A) 1840 5000.5=25000 caixinhas em 5 dias
(B) 1620
(C) 1780 04. Resposta:A.
(D) 2120 14400litros=14400000 ml

09. (ANP – Técnico Administrativo – CESGRANRIO/2016)


Um caminhão-tanque chega a um posto de abastecimento com
36.000 litros de gasolina em seu reservatório. Parte dessa ga-
solina é transferida para dois tanques de armazenamento, en- 200000⋅80=16000000 gramas=16 toneladas
chendo-os completamente. Um desses tanques tem 12,5 m3, e
o outro, 15,3 m3, e estavam, inicialmente, vazios. 05. Resposta: B.
Após a transferência, quantos litros de gasolina restaram no 5⋅45=225 minutos de aula
caminhão-tanque? 225/60=3 horas 45 minutos nas aulas mais 15 minutos de
(A) 35.722,00 intervalo=4horas
(B) 8.200,00 18:40+4h=22h:40
(C) 3.577,20
(D) 357,72 06. Resposta: D.
(E) 332,20
1h45min=60+45=105 minutos

28
MATEMÁTICA

15km-------105 -Complementar ou melhorar a visualização sobre aspectos


1--------------x descritos ou mostrados numericamente através de tabelas.
X=7 minutos -Utilizar escalas adequadas.
-Mostrar claramente as tendências existentes nos dados.
1h20min=60+20=80min
Tipos de gráficos
8km----80
1-------x
X=10minutos

A diferença é de 3 minutos
07. Resposta: B.
V------80min
V+20----48
Quanto maior a velocidade, menor o tempo(inversamente)

Barras- utilizam retângulos para mostrar a quantidade.

80v=48V+960 Barra vertical


32V=960
V=30km/h
Fonte: tecnologia.umcomo.com.br
30km----60 min
x-----------80 Barra horizontal

60x=2400
X=40km

08 Resposta: B.
12:45 até 13:12 são 27 minutos
27x60=1620 segundos

09. Resposta: B.
1m³=1000litros
36000/1000=36 m³
36-12,5-15,3=8,2 m³x1000=8200 litros

10.Resposta: E.
1,7m=170cm
1,45m=145 cm
170/40=4 resta 10
145/40=3 resta 25 Fonte: mundoeducacao.bol.uol.com.br
4+3=7
Histogramas
GRÁFICOS E TABELAS
São gráfico de barra que mostram a frequência de uma va-
Os gráficos e tabelas apresentam o cruzamento entre dois riável específica e um detalhe importante que são faixas de va-
dados relacionados entre si. lores em x.
A escolha do tipo e a forma de apresentação sempre vão
depender do contexto, mas de uma maneira geral um bom grá-
fico deve:
-Mostrar a informação de modo tão acurado quanto pos-
sível.
-Utilizar títulos, rótulos, legendas, etc. para tornar claro o
contexto, o conteúdo e a mensagem.

29
MATEMÁTICA

Pictogramas – são imagens ilustrativas para tornar mais fácil


a compreensão de todos sobre um tema.

Setor ou pizza- Muito útil quando temos um total e que-


remos demonstrar cada parte, separando cada pedaço como
numa pizza .

Da mesma forma, as tabelas ajudam na melhor visualização


de dados e muitas vezes é através dela que vamos fazer os tipos
de gráficos vistos anteriormente.

Podem ser tabelas simples:

Quantos aparelhos tecnológicos você tem na sua casa?

aparelho quantidade
televisão 3
celular 4
Geladeira 1

Até as tabelas que vimos nos exercícios de raciocínio lógico

QUESTÕES
Fonte: educador.brasilescola.uol.com.br
01. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Na Pesqui-
Linhas- É um gráfico de grande utilidade e muito comum sa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, realizada pelo
na representação de tendências e relacionamentos de variáveis Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foram ob-
tidos os dados da taxa de desocupação da população em idade
para trabalhar. Esses dados, em porcentagem, encontram-se in-
dicados na apresentação gráfica abaixo, ao longo de trimestres
de 2014 a 2017 .

30
MATEMÁTICA

O número médio de carros vendidos por dia nesse período


foi igual a
(A) 10.
(B) 9.
(C) 8.
(D) 7.
(E) 6.

04. (CRBIO – Auxiliar Administrativo – VUNESP/2017) Uma


professora elaborou um gráfico de setores para representar a
distribuição, em porcentagem, dos cinco conceitos nos quais fo-
Dentre as alternativas abaixo, assinale a que apresenta a ram agrupadas as notas obtidas pelos alunos de uma determi-
melhor aproximação para o aumento percentual da taxa de de- nada classe em uma prova de matemática. Observe que, nesse
socupação do primeiro trimestre de 2017 em relação à taxa de gráfico, as porcentagens referentes a cada conceito foram subs-
desocupação do primeiro trimestre de 2014. tituídas por x ou por múltiplos e submúltiplos de x.

(A) 15%.
(B) 25%.
(C) 50%.
(D) 75%.
(E) 90%.

02. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017)


A tabela seguinte, incompleta, mostra a distribuição, percentual
e quantitativa, da frota de uma empresa de ônibus urbanos, de
acordo com o tempo de uso destes.

Analisando o gráfico, é correto afirmar que a medida do ân-


gulo interno correspondente ao setor circular que representa o
conceito BOM é igual a
(A) 144º.
(B) 135º.
(C) 126º
(D) 117º
O número total de ônibus dessa empresa é (E) 108º.
05. (TCE/PR – Conhecimentos Básicos – CESPE/2016)
(A) 270.
(B) 250.
(C) 220
(D) 180.
(E) 120.

03. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017)


O gráfico mostra o número de carros vendidos por uma conces-
sionária nos cinco dias subsequentes à veiculação de um anún-
cio promocional.

Tendo como referência o gráfico precedente, que mostra os


valores, em bilhões de reais, relativos à arrecadação de receitas
e aos gastos com despesas do estado do Paraná nos doze meses
do ano de 2015, assinale a opção correta.

31
MATEMÁTICA

(A) No ano considerado, o segundo trimestre caracterizou- (A) Gráfico de Setores – Gráfico de Barras – Gráfico de Linha.
-se por uma queda contínua na arrecadação de receitas, situa- (B) Gráfico de Pareto – Gráfico de Pizza – Gráfico de Ten-
ção que se repetiu no trimestre seguinte. dência.
(B) No primeiro quadrimestre de 2015, houve um período (C) Gráfico de Barras – Gráfico de Setores – Gráfico de Linha.
de queda simultânea dos gastos com despesas e da arrecadação (D) Gráfico de Linhas – Gráfico de Pizza – Gráfico de Barras.
de receitas e dois períodos de aumento simultâneo de gastos e (E) Gráfico de Tendência – Gráfico de Setores – Gráfico de
de arrecadação. Linha.
(C) No último bimestre do ano de 2015, foram registrados
tanto o maior gasto com despesas quanto a maior arrecadação 07. (TJ/SP – Estatístico Judiciário – VUNESP/2015) A distri-
de receitas. buição de salários de uma empresa com 30 funcionários é dada
(D) No ano em questão, janeiro e dezembro foram os únicos na tabela seguinte.
meses em que a arrecadação de receitas foi ultrapassada por
gastos com despesas. Salário (em salários mínimos) Funcionários
(E) A menor arrecadação mensal de receitas e o menor gas-
to mensal com despesas foram verificados, respectivamente, no 1,8 10
primeiro e no segundo semestre do ano de 2015. 2,5 8

06. (BRDE – Assistente Administrativo – FUNDATEC/2015) 3,0 5


Assinale a alternativa que representa a nomenclatura dos três 5,0 4
gráficos abaixo, respectivamente.
8,0 2
15,0 1

Pode-se concluir que


(A) o total da folha de pagamentos é de 35,3 salários.
(B) 60% dos trabalhadores ganham mais ou igual a 3 salá-
rios .
(C) 10% dos trabalhadores ganham mais de 10 salários.
(D) 20% dos trabalhadores detêm mais de 40% da renda
total .
(E) 60% dos trabalhadores detêm menos de 30% da renda
total .

08. (TJ/SP – Estatístico Judiciário – VUNESP/2015) Conside-


re a tabela de distribuição de frequência seguinte, em que xi é a
variável estudada e fi é a frequência absoluta dos dados.

xi fi
30-35 4
35-40 12
40-45 10
45-50 8
50-55 6
TOTAL 40

Assinale a alternativa em que o histograma é o que melhor


representa a distribuição de frequência da tabela.

(A)

32
MATEMÁTICA

tentos no sistema penitenciário — registrado em todo o Brasil


foi superior a 38,7%, e, na média nacional, havia 277,5 detentos
por 100 mil habitantes.
Com base nessas informações e na tabela apresentada, jul-
(B) gue o item a seguir.
Em 2013, mais de 55% da população carcerária no Brasil se
encontrava na região Sudeste.

( )certo ( ) errado
10. (DEPEN – Agente Penitenciário Federal – CESPE/2015)

(C)

(D)

A partir das informações e do gráfico apresentados, julgue


(E) o item que se segue.
Se os percentuais forem representados por barras verticais,
09. (DEPEN – Agente Penitenciário Federal – CESPE/2015) conforme o gráfico a seguir, então o resultado será denominado
histograma.

Ministério da Justiça — Departamento Penitenciário Nacio-


nal
— Sistema Integrado de Informações Penitenciárias – In-
foPen, ( ) Certo ( ) Errado
Relatório Estatístico Sintético do Sistema Prisional Brasilei-
ro, RESPOSTAS
dez./2013 Internet:<www.justica.gov.br> (com adaptações)
01. Resposta: E.
A tabela mostrada apresenta a quantidade de detentos no 13,7/7,2=1,90
sistema penitenciário brasileiro por região em 2013. Nesse ano, Houve um aumento de 90%.
o déficit relativo de vagas — que se define pela razão entre o
déficit de vagas no sistema penitenciário e a quantidade de de- 02. Resposta:D

33
MATEMÁTICA

81+27=108 x----55%
108 ônibus somam 60%(100-35-5) x=305,25
108-----60 Está correta, pois a região sudeste tem 306 pessoas.
x--------100
x=10800/60=180 10. Resposta: ERRADO.
Como foi visto na teoria, há uma faixa de valores no eixo x e
03. Resposta: C. não simplesmente um dado.

Referências
http://www.galileu.esalq.usp.br
04. Resposta: A.

X+0,5x+4x+3x+1,5x=360 NOÇÕES DE GEOMETRIA PLANA – FORMA, ÁREA,


10x=360 PERÍMETRO E TEOREMA DE PITÁGORAS.
X=36
Como o conceito bom corresponde a 4x: 4x36=144° Ângulos

05. Resposta: B. Denominamos ângulo a região do plano limitada por duas


Analisando o primeiro quadrimestre, observamos que os semirretas de mesma origem. As semirretas recebem o nome de
dois primeiros meses de receita diminuem e os dois meses se- lados do ângulo e a origem delas, de vértice do ângulo.
guintes aumentam, o mesmo acontece com a despesa.

Ângulo Agudo: É o ângulo, cuja medida é menor do que


90º.

06. Resposta: C.
Como foi visto na teoria, gráfico de barras, de setores ou
pizza e de linha

07. Resposta: D.
(A) 1,8x10+2,5x8+3,0x5+5,0x4+8,0x2+15,0x1=104 salários
(B) 60% de 30=18 funcionários e se juntarmos quem ganha
mais de 3 salários (5+4+2+1=12)
(C)10% de 30=0,1x30=3 funcionários
E apenas 1 pessoa ganha
(D) 40% de 104=0,4x104= 41,6 Ângulo Obtuso: É o ângulo cuja medida é maior do que
20% de 30=0,2x30=6 90º.
5x3+8x2+15x1=46, que já é maior.
(E) 60% de 30=0,6x30=18
30% de 104=0,3x104=31,20da renda: 31,20

08. Resposta: A.
Colocando em ordem crescente: 30-35, 50-55, 45-50, 40-
45, 35-40,

09. Resposta: CERTA.


555----100%

34
MATEMÁTICA

Ângulo Raso:

- É o ângulo cuja medida é 180º;


- É aquele, cujos lados são semi-retas opostas.

Ângulo Reto: Altura de um triângulo é o segmento que liga um vértice a


um ponto da reta suporte do lado oposto e é perpendicular a
- É o ângulo cuja medida é 90º; esse lado.
- É aquele cujos lados se apoiam em retas perpendiculares.
Na figura, é uma altura do .

Um triângulo tem três alturas.

Triângulo

Elementos

Mediana Mediatriz de um segmento de reta é a reta perpendicular


Mediana de um triângulo é um segmento de reta que liga a esse segmento pelo seu ponto médio.
um vértice ao ponto médio do lado oposto.
Na figura, é uma mediana do ABC. Na figura, a reta m é a mediatriz de .
Um triângulo tem três medianas.

A bissetriz de um ângulo interno de um triângulo intercep-


ta o lado oposto

Bissetriz interna de um triângulo é o segmento da bissetriz


de um ângulo do triângulo que liga um vértice a um ponto do Mediatriz de um triângulo é uma reta do plano do triângulo
lado oposto. que é mediatriz de um dos lados desse triângulo.
Na figura, é uma bissetriz interna do . Na figura, a reta m é a mediatriz do lado do .
Um triângulo tem três bissetrizes internas. Um triângulo tem três mediatrizes.

35
MATEMÁTICA

Quanto aos ângulos

Triângulo acutângulo:tem os três ângulos agudos

Classificação

Quanto aos lados

Triângulo escaleno:três lados desiguais.


Triângulo retângulo:tem um ângulo reto

Triângulo isósceles: Pelo menos dois lados iguais.

Triângulo obtusângulo: tem um ângulo obtuso

Triângulo equilátero: três lados iguais.


Desigualdade entre Lados e ângulos dos triângulos
Num triângulo o comprimento de qualquer lado é menor
que a soma dos outros dois. Em qualquer triângulo, ao maior
ângulo opõe-se o maior lado, e vice-versa.

QUADRILÁTEROS
Quadrilátero é todo polígono com as seguintes proprieda-
des:
- Tem 4 lados.
- Tem 2 diagonais.
- A soma dos ângulos internos Si = 360º
- A soma dos ângulos externos Se = 360º

Trapézio: É todo quadrilátero tem dois paralelos.

36
MATEMÁTICA

- é paralelo a
- Losango: 4 lados congruentes
- Retângulo: 4 ângulos retos (90 graus)
- Quadrado: 4 lados congruentes e 4 ângulos retos.
Número de Diagonais

- Observações:

- No retângulo e no quadrado as diagonais são congruentes


(iguais)
- No losango e no quadrado as diagonais são perpendicula-
res entre si (formam ângulo de 90°) e são bissetrizes dos ângulos
internos (dividem os ângulos ao meio).
Ângulos Internos
Áreas A soma das medidas dos ângulos internos de um polígono
convexo de n lados é (n-2).180
1- Trapézio: , onde B é a medida da base maior, Unindo um dos vértices aos outros n-3, convenientemente
b é a medida da base menor e h é medida da altura. escolhidos, obteremos n-2 triângulos. A soma das medidas dos
2- Paralelogramo: A = b.h, onde b é a medida da base e h ângulos internos do polígono é igual à soma das medidas dos
é a medida da altura. ângulos internos dos n-2 triângulos.
3- Retângulo: A = b.h

4- Losango: , onde D é a medida da diagonal maior


e d é a medida da diagonal menor.
5- Quadrado: A = l2, onde l é a medida do lado.

Polígono
Chama-se polígono a união de segmentos que são chama-
dos lados do polígono, enquanto os pontos são chamados vér-
tices do polígono.
Ângulos Externos

Diagonal de um polígono é um segmento cujas extremida-


des são vértices não-consecutivos desse polígono.

37
MATEMÁTICA

A soma dos ângulos externos=360°

Teorema de Tales
Se um feixe de retas paralelas tem duas transversais, então
a razão de dois segmentos quaisquer de uma transversal é igual
à razão dos segmentos correspondentes da outra.
Dada a figura anterior, O Teorema de Tales afirma que são
válidas as seguintes proporções:

3º Caso: LLL(lado-lado-lado)
Se dois triângulos têm os três lado correspondentes propor-
Exemplo cionais, então esses dois triângulos são semelhantes.

2
Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo

Semelhança de Triângulos Considerando o triângulo retângulo ABC.


Dois triângulos são semelhantes se, e somente se, os seus
ângulos internos tiverem, respectivamente, as mesmas medi-
das, e os lados correspondentes forem proporcionais.

Casos de Semelhança
1º Caso:AA(ângulo-ângulo)
Se dois triângulos têm dois ângulos congruentes de vértices
correspondentes, então esses triângulos são congruentes.

Temos:

2º Caso: LAL(lado-ângulo-lado)
Se dois triângulos têm dois lados correspondentes propor-
cionais e os ângulos compreendidos entre eles congruentes, en-
tão esses dois triângulos são semelhantes.

38
MATEMÁTICA

O triângulo ABC é retângulo em A e seus elementos são:

a: hipotenusa
b e c: catetos
h:altura relativa à hipotenusa
m e n: projeções ortogonais dos catetos sobre a hipotenusa

Relações Métricas no Triângulo Retângulo


Fórmulas Trigonométricas Chamamos relações métricas as relações existentes entre
os diversos segmentos desse triângulo. Assim:
Relação Fundamental
Existe uma outra importante relação entre seno e cosseno 1. O quadrado de um cateto é igual ao produto da hipote-
de um ângulo. Considere o triângulo retângulo ABC. nusa pela projeção desse cateto sobre a hipotenusa.

2. O produto dos catetos é igual ao produto da hipotenu-


sa pela altura relativa à hipotenusa.

3. O quadrado da altura é igual ao produto das projeções


dos catetos sobre a hipotenusa.

Neste triângulo, temos que: c²=a²+b²


Dividindo os membros por c² 4. O quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadra-
dos dos catetos (Teorema de Pitágoras).

Posições Relativas de Duas Retas


Duas retas no espaço podem pertencer a um mesmo pla-
no. Nesse caso são chamadas retas coplanares. Podem também
Como não estar no mesmo plano. Nesse caso, são denominadas retas
reversas.

Retas Coplanares
a) Concorrentes: r e s têm um único ponto comum

Todo triângulo que tem um ângulo reto é denominado


triangulo retângulo.

39
MATEMÁTICA

-Duas retas concorrentes podem ser: (A) 100 m.


(B) 108 m.
1. Perpendiculares: r e s formam ângulo reto. (C) 112 m.
(D) 116 m.
2. Oblíquas:r e s não são perpendiculares. (E) 120 m.

02. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Considere


um triângulo retângulo de catetos medindo 3m e 5m. Um se-
gundo triângulo retângulo, semelhante ao primeiro, cuja área
é o dobro da área do primeiro, terá como medidas dos catetos,
em metros:
(A) 3 e 10.
(B) 3√2 e 5√2 .
b) Paralelas: r e s não têm ponto comum ou r e s são coin- (C) 3√2 e 10√2 .
cidentes. (D) 5 e 6.
(E) 6 e 10.

03. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Na figura


abaixo, encontra-se representada uma cinta esticada passando
em torno de três discos de mesmo diâmetro e tangentes entre
si.

QUESTÕES Considerando que o diâmetro de cada disco é 8, o compri-


mento da cinta acima representada é
01. (IPRESB/SP - Analista de Processos Previdenciários- (A) 8/3 π + 8 .
VUNESP/2017) Um terreno retangular ABCD, com 40 m de lar- (B) 8/3 π + 24.
gura por 60 m de comprimento, foi dividido em três lotes, con- (C) 8π + 8 .
forme mostra a figura. (D) 8π + 24.
(E) 16π + 24.

04. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Na figura


abaixo, ABCD é um quadrado de lado 10; E, F, G e H são pontos
médios dos lados do quadrado ABCD e são os centros de quatro
círculos tangentes entre si.

Sabendo-se que EF = 36 m e que a área do lote 1 é 864 m²,


o perímetro do lote 2 é

40
MATEMÁTICA

(A) 120 m²
(B) 90 m²
(C) 60 m²
(D) 30 m²

07 . (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017)


A figura, com dimensões indicadas em centímetros, mostra um
painel informativo ABCD, de formato retangular, no qual se des-
taca a região retangular R, onde x > y.

A área da região sombreada, da figura acima apresentada, é


(A) 100 - 5π .
(B) 100 - 10π .
(C) 100 - 15π .
(D) 100 - 20π .
(E) 100 - 25π .
05 . (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) No cubo de
aresta 10, da figura abaixo, encontra-se representado um pla-
no passando pelos vértices B e C e pelos pontos P e Q, pontos
médios, respectivamente, das arestas EF e HG, gerando o qua-
drilátero BCQP.
Sabendo-se que a razão entre as medidas dos lados corres-
pondentes do retângulo ABCD e da região R é igual a 5/2 , é
correto afirmar que as medidas, em centímetros, dos lados da
região R, indicadas por x e y na figura, são, respectivamente,

(A) 80 e 64.
(B) 80 e 62.
(C) 62 e 80.
(D) 60 e 80.
(E) 60 e 78.

08 . (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017)


A área do quadrilátero BCQP, da figura acima, é
O piso de um salão retangular, de 6 m de comprimento, foi total-
mente coberto por 108 placas quadradas de porcelanato, todas
(A) 25√5.
inteiras. Sabe-se que quatro placas desse porcelanato cobrem
(B) 50√2.
exatamente 1 m2 de piso. Nessas condições, é correto afirmar
(C) 50√5.
que o perímetro desse piso é, em metros, igual a
(D) 100√2 .
(A) 20.
(E) 100√5.
(B) 21.
(C) 24.
06. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-
(D) 27.
CURSOS/2017) O triângulo retângulo em B, a seguir, de vértices
(E) 30.
A, B e C, representa uma praça de uma cidade. Qual é a área
dessa praça?
09. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor –
FGV/2017) O proprietário de um terreno retangular resolveu
cercá-lo e, para isso, comprou 26 estacas de madeira. Colocou
uma estaca em cada um dos quatro cantos do terreno e as de-
mais igualmente espaçadas, de 3 em 3 metros, ao longo dos
quatro lados do terreno .
O número de estacas em cada um dos lados maiores do
terreno, incluindo os dois dos cantos, é o dobro do número de
estacas em cada um dos lados menores, também incluindo os
dois dos cantos.

41
MATEMÁTICA

A área do terreno em metros quadrados é: (A) 64,2 m


(A) 240; (B) 46,2 m
(B) 256; (C) 92,4 m
(C) 324; (D) 128,4 m
(D) 330;
(E) 372. Respostas

10. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário- VUNESP/2017)


A figura seguinte, cujas dimensões estão indicadas em metros, 01 . Resposta: D .
mostra as regiões R1 e R2 , ambas com formato de triângulos
retângulos, situadas em uma praça e destinadas a atividades de
recreação infantil para faixas etárias distintas.

Se a área de R1 é 54 m², então o perímetro de R2 é, em


metros, igual a

(A) 54.
(B) 48.
(C) 36.
(D) 40.
(E) 42.

11 . (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária – MSCON- 96h=1728


CURSOS/2017) H=18

Como I é um triângulo:
Seja a expressão definida em 0< x 60-36=24
< π/2 . Ao simplificá-la, obteremos: X²=24²+18²
X²=576+324
(A) 1 X²=900
(B) sen²x X=30
(C) cos²x Como h=18 e AD é 40, EG=22
(D) 0
Perímetro lote 2: 40+22+24+30=116
12 . (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária – MSCON-
CURSOS/2017) Fábio precisa comprar arame para cercar um 02. Resposta: B.
terreno no formato a seguir, retângulo em B e C. Consideran-
do que ele dará duas voltas com o arame no terreno e que não
terá perdas, quantos metros ele irá gastar? (considere √3 =1,7;
sen30º=0,5; cos30º=0,85; tg30º=0,57).

42
MATEMÁTICA

CQ=5√5
A área do quadrilátero seria CQ⋅BC
A=5√5⋅10=50√5
Lado=3√2
Outro lado =5√2 06. Resposta: C
Para saber a área, primeiro precisamos descobrir o x.
03. Resposta: D.
17²=x²+8²
Observe o triângulo do meio, cada lado é exatamente a 289=x²+64
mesma medida da parte reta da cinta. X²=225
Que é igual a 2 raios, ou um diâmetro, portanto o lado esti- X=15
cado tem 8x3=24 m
A parte do círculo é igual a 120°, pois é 1/3 do círculo, como 07. Resposta: A.
são três partes, é a mesma medida de um círculo.
O comprimento do círculo é dado por: 2πr=8π
Portanto, a cinta tem 8π+24
5y=320
04. Resposta: E. Y=64

Como o quadrado tem lado 10,a área é 100.


5x=400
X=80

08. Resposta: B.
108/4=27m²
6x=27
X=27/6

O perímetro seria

O ladao AF e AE medem 5, cada um, pois F e E é o ponto 09. Resposta: C.


Médio Número de estacas: x
X²=5²+5² X+x+2x+2x-4=26 obs: -4 é porque estamos contando duas
X²=25+25 vezes o canto
X²=50 6x=30
X=5√2 X=5
X é o diâmetro do círculo, como temos 4 semi círculos, te- Temos 5 estacas no lado menor, como são espaçadas a
mos 2 círculos inteiros. cada 3m
4 espaços de 3m=12m
A área de um círculo é Lado maior 10 estacas
9 espaços de 3 metros=27m
A=12⋅27=324 m²

10. Resposta: B.

A sombreada=100-25π
05. Resposta: C.
CQ é hipotenusa do triângulo GQC.
01. CQ²=10²+5²
CQ²=100+25
CQ²=125 9x=108
X=12

43
MATEMÁTICA

Para encontrar o perímetro do triângulo R2:

Y²=16²+12²
Y²=256+144=400 Classificação
Y=20 Reto: Um cilindro se diz reto ou de revolução quando as ge-
ratrizes são perpendiculares às bases.
Perímetro: 16+12+20=48 Quando a altura é igual a 2R(raio da base) o cilindro é equi-
11. Resposta: C. látero.
Oblíquo: faces laterais oblíquas ao plano da base.

1-cos²x=sen²x

12. Resposta: D.

Área
Área da base: Sb=πr²

X=6 Volume

Cones
Na figura, temos um plano α, um círculo contido em α, um
ponto V que não pertence ao plano.
A figura geométrica formada pela reunião de todos os seg-
mentos de reta que tem uma extremidade no ponto V e a outra
Y=10,2 num ponto do círculo denomina-se cone circular.
2 voltas=2(12+18+10,2+6+18)=128,4m

Cilindros
Considere dois planos, α e β, paralelos, um círculo de centro
O contido num deles, e uma reta s concorrente com os dois.
Chamamos cilindro o sólido determinado pela reunião de
todos os segmentos paralelos a s, com extremidades no círculo
e no outro plano.

44
MATEMÁTICA

Classificação
-Reto:eixo VO perpendicular à base;
Pode ser obtido pela rotação de um triângulo retângulo em
torno de um de seus catetos. Por isso o cone reto é também Prismas
chamado de cone de revolução. Considere dois planos α e β paralelos, um polígono R conti-
Quando a geratriz de um cone reto é 2R, esse cone é deno- do em α e uma reta r concorrente aos dois.
minado cone equilátero.

-Oblíquo: eixo não é perpendicular Chamamos prisma o sólido determinado pela reunião de to-
dos os segmentos paralelos a r, com extremidades no polígono
R e no plano β.

Área
Área lateral:

Área da base:

Área total:

Volume

Pirâmides
As pirâmides são também classificadas quanto ao número Assim, um prisma é um poliedro com duas faces congruen-
de lados da base. tes e paralelas cujas outras faces são paralelogramos obtidos
ligando-se os vértices correspondentes das duas faces paralelas.

Área e Volume
Área lateral:
Onde n= quantidade de lados

45
MATEMÁTICA

Classificação

Reto: Quando as arestas laterais são perpendiculares às ba-


ses
Oblíquo: quando as faces laterais são oblíquas à base.

Cubo é todo paralelepípedo retângulo com seis faces qua-


dradas .

Classificação pelo polígono da base

Prisma Regular
Se o prisma for reto e as bases forem polígonos regulares, o
prisma é dito regular.
As faces laterais são retângulos congruentes e as bases são
congruentes (triângulo equilátero, hexágono regular,...)
-Triangular
Área
Área cubo:
-Quadrangular
Área paralelepípedo:

A área de um prisma:

Onde: St=área total


Sb=área da base
Sl=área lateral, soma-se todas as áreas das faces laterais.

Volume
Paralelepípedo:V=a.b.c
Cubo:V=a³
Demais:

QUESTÕES
E assim por diante . . .
01 . (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Um cilindro
Paralelepípedos reto de altura h tem volume V. Para que um cone reto com base
Os prismas cujas bases são paralelogramos denominam-se igual a desse cilindro tenha volume V, sua altura deve ser igual a
paralelepípedos . (A) 1/3h.
(B) 1/2h.
(C) 2/3h.
(D) 2h.
(E) 3h.

46
MATEMÁTICA

02. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária – MSCON- 05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) Fre-
CURSOS/2017) Qual é o volume de uma lata de óleo perfeita- derico comprou um aquário em formato de paralelepípedo, con-
mente cilíndrica, cujo diâmetro é 8 cm e a altura é 20 cm? (use tendo as seguintes dimensões:
π=3)
(A) 3,84 l
(B) 96 ml
(C) 384 ml
(D) 960 ml

03. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017)


Inicialmente, um reservatório com formato de paralelepípedo
reto retângulo deveria ter as medidas indicadas na figura.

Estando o referido aquário completamente cheio, a sua ca-


pacidade em litros é de:
(A) 0,06 litros.
(B) 0,6 litros.
(C) 6 litros.
(D) 0,08 litros.
(E) 0,8 litros.

06. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017)


As figuras seguintes mostram os blocos de madeira A, B e C, sen-
do A e B de formato cúbico e C com formato de paralelepípedo
Em uma revisão do projeto, foi necessário aumentar em 1 m reto retângulo, cujos respectivos volumes, em cm³, são repre-
a medida da largura, indicada por x na figura, mantendo-se inal- sentados por VA, VB e VC.
teradas as demais medidas. Desse modo, o volume inicialmente
previsto para esse reservatório foi aumentado em
(A) 1 m³ .
(B) 3 m³ .
(C) 4 m³ .
(D) 5 m³ .
(E) 6 m³ .

04. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017)


A figura mostra cubinhos de madeira, todos de mesmo volume,
posicionados em uma caixa com a forma de paralelepípedo reto
retângulo. Se VA + VB = 1/2 VC , então a medida da altura do bloco C,
indicada por h na figura, é, em centímetros, igual a
(A) 15,5.
(B) 11.
(C) 12,5.
(D) 14.
(E) 16
07. (MPE/GO – Secretário Auxiliar – MPEGO/2017) Um re-
cipiente na forma de um prisma reto de base quadrada, com
dimensões internas de 10 cm de aresta da base e 25 cm de al-
tura, está com 20% de seu volume total preenchido com água,
conforme mostra a figura. (Figura fora de escala)
Se cada cubinho tem aresta igual a 5 cm, então o volume
interno dessa caixa é, em cm³ , igual a
(A) 3000.
(B) 4500.
(C) 6000.
(D) 7500.
(E) 9000.

47
MATEMÁTICA

Para completar o volume total desse recipiente, serão des- Sabendo que o raio da base do cone é o triplo do raio da
pejados dentro dele vários copos de água, com 200 mL cada um. base do cilindro, a altura do cilindro é:
O número de copos totalmente cheios necessários para comple- (A) 9 cm
tar o volume total do prisma será: (B) 30 cm
(A) 8 copos (C) 60 cm
(B) 9 copos (D) 90 cm
(C) 10 copos
(D) 12 copos Respostas
(E) 15 copos
01. Resposta:
08. (CELG/GT/GO – Analista de Gestão – CSUFG/2017) figu-
ra a seguir representa um cubo de aresta a. Volume cilindro=πr²h

Para que seja igual a V, a altura tem que ser igual a 3h

02. Resposta: D
V= πr²h
Considerando a pirâmide de base triangular cujos vértices V=3⋅4²⋅20=960 cm³=960 ml
são os pontos B, C, D e G do cubo, o seu volume é dado por
(A) a³/6 03. Resposta:E.
(B) a³/3 V=2⋅3⋅x=6x
(C) a³/3√3 Aumentando 1 na largura
(D) a³/6√6 V=2⋅3⋅(x+1)=6x+6
Portanto, o volume aumentou em 6.
09. (CRBIO – Auxiliar Administrativo – VUNESP/2017) De
um reservatório com formato de paralelepípedo reto retângulo, 04. Resposta:E.
totalmente cheio, foram retirados 3 m³ de água. Após a retirada, São 6 cubos no comprimento: 6⋅5=30
o nível da água restante no reservatório ficou com altura igual a São 4 cubos na largura: 4⋅5=20
1 m, conforme mostra a figura. 3 cubos na altura: 3⋅5=15
V=30⋅20⋅15=9000

05. Resposta: C.
V=20⋅15⋅20=6000cm³=6000ml==6 litros

06. Resposta:C.
VA=125cm³

VB=1000cm³

Desse modo, é correto afirmar que a medida da altura total


do reservatório, indicada por h na figura, é, em metros, igual a
(A) 1,8.
(B) 1,75.
(C) 1,7. 180h=2250
(D) 1,65. H=12,5
(E) 1,6.
07. Resposta: C.
10. (PREF. DE ITAPEMA/SC – Técnico Contábil – MSCON- V=10⋅10⋅25=2500 cm³
CURSOS/2016) O volume de um cone circular reto, cuja altura 2500⋅0,2=500cm³ preenchidos.
é 39 cm, é 30% maior do que o volume de um cilindro circular Para terminar de completar o volume:
reto. 2500-500=2000 cm³

48
MATEMÁTICA

2000/200=10 copos Consideremos o triângulo retângulo da figura.

08. Resposta: A.
A base é um triângulo de base a e altura a

a = medida da hipotenusa
b = medida de um cateto
c = medida do outro cateto

09. Resposta: E.
V=2,5⋅2⋅1=5m³ Observe, agora, os quadrados MNPQ e DEFG, que têm a
Como foi retirado 3m³ mesma área, pois o lado de cada quadrado mede (b+c).
5+3=2,5⋅2⋅h
8=5h
H=1,6m

10. Resposta: D.
Cone

Cilindro
V=Ab⋅h
V=πr²h - Área do quadrado MNPQ = área do quadrado RSVT + (área
Como o volume do cone é 30% maior: do triângulo RNS) . 4
117πr²=1,3 πr²h
H=117/1,3=90 - Área do quadrado DEFG = área do quadrado IELJ + área
do quadrado GHJK + (área do retângulo DIJH).2
TEOREMA DE PITÁGORAS
- Área do quadrado RSVT = a2
Em todo triângulo retângulo, o quadrado da medida da hi- b.c
potenusa é igual à soma dos quadrados da medida dos catetos. - Área do triângulo RNS =
2
- Área do quadrado IELJ = c2

- Área do quadrado GHJK = b2

- Área do retângulo DIJK = b.c

Como os quadrados MNPQ e DEFG têm áreas iguais, pode-


mos escrever:

Demonstrando o teorema de Pitágoras  bc  2 2 2


a2+  . 4 =c +b + (bc) . 2
Existem inúmeras maneiras de demonstrar o teorema de  2/ 
Pitágoras. Veremos uma delas, baseada no cálculo de áreas de
figuras geométricas planas. a2 + 2bc = c2 + b2 + 2bc

Cancelando 2bc, temos:

a2=b2+c2

49
MATEMÁTICA

A demonstração algébrica do teorema de Pitágoras será feita mais adiante.

Pense & Descubra

Um terreno tem a forma de um triângulo retângulo e tem rente para três ruas: Rua 1, Rua 2 e Rua 3, conforme nos mostra a figura.
Calcule, em metros, o comprimento a da frente do terreno voltada para a rua 1.

De acordo com os dados do problema, temos b = 96 m e c = 180 m.

Aplicando o teorema de Pitágoras:


a2 = b2 + c2 a2 = 41616
a2 = (96)2 + (180)2 a = 41616
a2 = 9216 + 32400 a = 204

Então, a frente do terreno para a rua 1 tem 204 m de comprimento.


Teorema de Pitágoras no quadrado

Aplicando o teorema de Pitágoras, podemos estabelecer uma relação importante entre a medida d da diagonal e a medida l do
lado de um quadrado.

d= medida da diagonal
l= medida do lado

Aplicando o teorema de Pitágoras no triângulo retângulo ABC, temos:

d2=l2+l2 d= 2l 2
d2=2 l2 d=l 2

50
MATEMÁTICA

Teorema de Pitágoras no triângulo equilátero

Aplicando o teorema de Pitágoras, podemos estabelecer uma relação importante entre a medida h da altura e a medida l do lado
de um triângulo equilátero.

l= medida do lado
h= medida da altura

^ e a mediana coincidem. Logo, H é ponto médio do lado BC .


No triângulo equilátero, a altura
No triângulo retângulo AHC, H é ângulo reto. De acordo com o teorema de Pitágoras, podemos escrever:

Exercícios resolvidos

1. O valor de x, em cm, no triângulo retângulo abaixo é:

a) 10
b) 11
c) 12
d) 13
e) 14
    
2. Uma empresa de iluminação necessita esticar um cabo de energia provisório do topo de um edifício, cujo formato é um re-
tângulo, a um determinado ponto do solo distante a 6 m, como ilustra a figura a seguir. O comprimento desse cabo de energia, em
metros, será de:
a) 28
b) 14
c) 12
d) 10
e) 8

51
MATEMÁTICA

a) 7,5
b) 14,4
c) 12,5
d) 9,5
e) 10,0

6. O valor do segmento desconhecido x no triângulo retân-


gulo a seguir, é:

3. (Fuvest) Um trapézio retângulo tem bases medindo 5 e 2


e altura 4. O perímetro desse trapézio é:
a) 17
b) 16
c) 15
d) 14
e) 13

4. (UERJ) Millôr Fernandes, em uma bela homenagem à Ma-


temática, escreveu um poema do qual extraímos o fragmento a) 15
abaixo: b) 14
c) 12
Às folhas tantas de um livro de Matemática, um Quociente d) 10
apaixonou-se um dia doidamente por uma incógnita. e) 6

Olhou-a com seu olhar inumerável e viu-a do ápice à base: Resoluções


uma figura ímpar; olhos romboides, boca trapezoide, corpo re-
tangular, seios esferoides. 1) Alternativa d
Fez da sua uma vida paralela à dela, até que se encontraram Solução: x é hipotenusa, 12 e 5 são os catetos, então:
no infinito. x2 = 122 + 52
“Quem és tu” – indagou ele em ânsia radical. x2 = 144 + 25
“Sou a soma dos quadrados dos catetos. x2 = 169
Mas pode me chamar de Hipotenusa.” x=
(Millôr Fernandes – Trinta Anos de Mim Mesmo) x = 13 cm

A Incógnita se enganou ao dizer quem era. Para atender ao 2) Alternativa d


Teorema de Pitágoras, deveria dar a seguinte resposta: Solução: como podemos observar na figura, temos um
a) “Sou a soma dos catetos. Mas pode me chamar de Hipo- triângulo retângulo cujos catetos medem 8 m e 6 m, chamando
tenusa.” o cabo de energia de x, pelo Teorema de Pitágoras:
b) “Sou o quadrado da soma dos catetos. Mas pode me cha-
mar de Hipotenusa.” x 2 = 62 + 82
c) “Sou o quadrado da soma dos catetos. Mas pode me cha- x2 = 36 + 64
mar de quadrado da Hipotenusa.” x2 = 100
d) “Sou a soma dos quadrados dos catetos. Mas pode me x=
chamar de quadrado da Hipotenusa.” x = 10 m

5. (Fatec) O valor do raio da circunferência da figura é: 3) Alterntiva b

52
MATEMÁTICA

Solução: temos que fazer uma figura, um trapézio retângulo Solução: aplicação direta do Teorema de Pitágoras:
é aquele que tem dois ângulos de 90°. x2 = 122 + 92
x2 = 144 + 81
x2 = 225
x=
x = 15

ANOTAÇÃO

————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
Perímetro é a soma dos quatro lados. Como podemos ob-
servar na figura acima, temos um triângulo retângulo cujos cate- ————————————————————————
tos medem 3 e 4 e x é a hipotenusa:
x 2 = 32 + 44 ————————————————————————
x2 = 9 + 16
x2 = 25
————————————————————————
x= ————————————————————————
x= 5
————————————————————————
Perímetro = 5 + 4 + 2 + 5 = 16
————————————————————————
4) Alternativa d ————————————————————————
Solução: de acordo com o Teorema de Pitágoras: “O qua-
drado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos.” ————————————————————————

5) Alternativa c ————————————————————————
Solução: na figura dada podemos observar dois triângulos ————————————————————————
retângulos iguais e com lados medindo:
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————

Sendo r a hipotenusa, 10 e r – 5 são catetos: ————————————————————————


r2 = 102 + (r – 5)2
————————————————————————
r2 = 100 + r2 – 2.5.r + 52
r2 = 100 + r2 – 10r + 25 ————————————————————————
r2 – r2 + 10r = 125
10r = 125 ————————————————————————
r = 125 : 10
————————————————————————
r = 12,5
————————————————————————
6) Alternativa a

53
MATEMÁTICA

———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————
———————————————————————— ————————————————————————

54
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Princípios da prática docente: sociológicos, filosóficos, antropológicos e éticos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


História da Educação Brasileira: Escola, Estado e Sociedade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Política educacional, estrutura e organização da educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Currículo: Ciclos de aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Currículo e os direitos dos educandos e dos educadores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Currículo e avaliação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Currículo e projeto pedagógico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Currículo e práticas pedagógicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Gestão Escolar Democrática. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Projeto Político Pedagógico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Avaliação Institucional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Avaliação do Processo de Ensino e Aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Educação e Cidadania. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Educação Ambiental. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Princípios e Fundamentos da Educação Inclusiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Diversidade e relações étnico-raciais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Escola para a educação integral. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
As dimensões da Tecnologia da Informação e Comunicação na educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

O objetivo geral é analisar a teórica aplicação e funcionali-


PRINCÍPIOS DA PRÁTICA DOCENTE: SOCIOLÓGICOS, dades nas instituições. E tendo como objetivos específicos, com-
FILOSÓFICOS, ANTROPOLÓGICOS E ÉTICOS. provar se as ações propostas nos documentos legais se fazem
cumprir, verificando o grau de conhecimento por parte dos pro-
1. RESUMO fessores e demais agente educacionais relativo à documentação
No desenvolvimento da educação muitos são os elemen- estudada, através de uma pesquisa de campo. No percurso do
tos, atores e situações envolvidas. Desde a elaboração de uma desenvolvimento da educação brasileira, houve e ainda há per-
proposta nacional, passando pelos pensadores de educação e calços e barreiras para que efetive de forma aceitável uma edu-
finalizando no fazer do profissional na sala de aula, onde se ma- cação que contribua de maneira justa na construção de um novo
terializa toda a teoria. No atual momento a educação está se modelo social, onde todos são iguais.
reformulando. A sociedade nos seus mais diferentes âmbitos ve- E isto só se conseguirá quando todos os benefícios que es-
rifica, examina-se o processo educativo está sendo feita de for- tiverem assentados no papel fizerem parte do cotidiano escolar.
ma aceitável. Os documentos principais ora em exame para este A lei e a Educação, no Brasil devem caminhar juntas obje-
trabalho são a historia da educação básica e as leis de Diretrizes tivando sempre uma melhoria, tanto da qualidade do ensino,
da Educação Básica e os Parâmetros Curriculares Nacionais. O como dos benefícios e ganho real dos educadores.
que se segue é um exame resistivo dos mesmos. A legislação Não há que se construir algo sólido e duradouro apenas
educacional, seu alcance e sua aplicação na educação básica com leis instituídas, mas sim com trabalho e estudo.
fundamentaram o trabalho hora apresentado. Com um relato 3. A HISTORIA DA HUMANIDADE RELACIONADA A HISTORIA
sobre as bases da própria legislação educacional e seu efetivo DA EDUCAÇÃO
desenvolvimento no percurso social do homem ocidental. Legis- A historia da humanidade está interligada a historia da edu-
lar sobre quem pode quem deve ser ensinado e educado é uma cação. Ao falarmos da historia da educação escolar, entende-se
das preocupações do indivíduo em todos os grupos. A legislação que a escola surgiu a partir de uma necessidade social. No sur-
brasileira atual tem seu nascimento nas primeiras visões do di- gimento da escola a partir dessa necessidade social, alguns con-
reito vigente no nosso país desde o descobrimento. teúdos, alguns currículos em algumas áreas dos conhecimentos
Palavras-chave:Legislação- educação básica- direito- peda- foram sendo pensados para serem trabalhadas dentro desse
gogia universo escolar. Dessa maneira podemos afirmar que a historia
da educação não esta desvinculada da historia do mundo, ou
2. INTRODUÇÃO seja, da historia desses seres humanos que construíram varias
No atual estagio do desenvolvimento da educação brasileira tecnologias, vários abtates e também vários valores. Esse estudo
muito foi acrescentado nos quesitos legislação, fundamentação é imprescindível para que possamos conhecer todo o processo
e procedimento da educação básica posto que o controle educa- em que se desenvolveu a educação e a própria sociedade.
cional seja feito pelas instituições publicas instituídas. Para o futuro educador é necessário que se tenha embasa-
E como é o proceder no que diz respeito à legislação e orga- mento, ferramentas a que recorrer para incrementarmos a prá-
nização da educação básica? tica pedagógica em sala de aula.
Como se desenvolve a educação na prática em relação à lei A história da educação subsidia, mostrando o que foi feito, o
e as diretrizes vigentes? que está sendo produzido, e possibilita pensar no que se fará no
É com intuito de desvelar e, é buscando acrescentar um campo educacional a partir do momento presente.
ponto a discussão sobre a educação básica, no que concerne Nesse contexto é importantíssimo identificar quais os prin-
a lei e ao proceder pela lei que o tema da fundamentação legal cípios que fluência o pensar sobre o processo educacional. O
deu azo a o trabalho ora apresentado. Levando em consideração ser humano sempre ira construir algo para suprir suas neces-
questionamentos pertinentes a educação e considerando sidades, no decorrer da historia da humanidade a qual sempre
a evolução do sentido da própria educação, escolheu-se foi construída através de uma determinada pessoa (mulher ou
como tema para o trabalho: Princípios, fundamentos legais e homem) em relação ao seu cotidiano.
procedimentos da educação básica. 3.1 Educação Primitiva
No desenvolvimento da educação muitos são os elemen- No período primitivo não havia escolas formais e tão pou-
tos, atores e situações envolvidas. Desde a elaboração de uma cos métodos de educação. Nessa época o conhecimento era
proposta nacional, passando pelos pensadores de educação e passado de geração para geração, mais não através da escrita e
finalizando no fazer do profissional na sala de aula, onde se ma- sim através da oralidade e também pela imitação.
terializa toda a teoria. Professores no período primitivo eram os chefes de família
Com o passar dos períodos ditos sócio históricos, muito se e em seguidas os sacerdotes, ou seja, eram professores leigos,
tem produzido em educação, um amalgama de teorias e ideias ao qual não existia formação alguma para o cargo.
permeia este ramo do conhecimento. Assim compreender e Para o filósofo Aristóteles, ele sustenta que para o ser hu-
conhecer estas teorias são fundamentais. Tanto para o cidadão mano saber alguma coisa, ele teria que imitar, por essa razão sua
enquanto membro de um determinado grupo, ainda mais para característica é a imitação.
profissionais ou futuros profissionais. [...] “A educação tem raízes amargas, mas os frutos são do-
ces”. (Aristóteles).
No período primitivo a educação dos jovens, torna-se a fer-
ramenta principal para a sobrevivência do grupo e alicerce para
pôr em ação a comunicação e prolongamento da cultura.

1
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Através da imitação, aprende-se ou ensina o manejo com as Entre outros deveres, o Diretor deve dar atenção à criação
armas, caças, colheita, a fala, cerimônia aos mortos, às técnicas das crianças e cuidar para que elas sejam deixadas o mínimo
de mudança e conhecimento do meio ambiente. possível com escravos. Pois até os sete anos de idade as crian-
3.2 Educação Oriental ças têm de viver em casa; e, por isso, mesmo nessa tenra idade,
A educação oriental foi trabalhada pela transição entre a so- tudo o que mesquinho e vil deve ser banido de suas vistas e de
ciedade primitiva, ou seja, iniciou-se a civilização. seus ouvidos.” (Mayer1976).
Nesse período surgiu à escrita com o domínio da linguagem A educação grega tinha como objetivo principal guiar os
na literatura, surgiram também cidades, estado e organização educandos, os jovens de modo que lês pudessem assumir o
politica. controle da sociedade vigente. Ela não se ocupava apenas de
Na região comumente chamada de Oriente, a educação se um conceito particular do homem, mas do desenvolvimento de
iniciava em casa com os entes mais velhos. O conhecimento, as todas as suas capacidades- físicas morais e intelectuais. Em seus
ideias e principalmente os conceitos que eram a base destas so- ideais, a educação grega dava ênfase à moderação e a uma con-
ciedades eram transmitidos oralmente. Na Índia, na China, ao cepção equilibrada do homem e de seus poderes intelectuais.
se fazer uma comparação com pensamento ocidental chega-se Valoriza a arte como corporificação concreta de alguma verda-
a conclusão que a educação oriental permite mais variedade e de, proporciona para o sujeito homem ou mulher a refletir so-
tolerância quando se trata de conclusões filosóficas. bre suas atitudes e sua também constituição de ser humano no
Dessa forma, os pensadores indianos não aceitam a conclu- contexto onde se está inserido.
são das ciências como verdade absoluta, pois nestas nações o Na Grécia não havia uma teologia infalível. Não havia um
misticismo e a ciências se alternavam e isto era plangente na padrão de moral e de religião. Os gregos acreditavam na livre
educação. As crianças eram ensinadas não só apenas tópicos indagação, dessa forma, lançaram as sementes de nosso próprio
práticos, conhecimentos úteis para realizar determinada tarefa desenvolvimento intelectual. Na educação grega eles defendiam
ou determinada função (oleiro, carpinteiro, cervejeiro...), mas o individual do ser humano como principio, e preparava a edu-
também, e mais importante à filosofia e a concepção de mundo, cação para a cidadania. Mais só era considerados cidadãos (ho-
vida, espírito e alma concebidos pelos mestres e pensadores, mens livres) quem fosse grego de verdade (apenas 10%) no mais
como Buda e Krishina. não era considerado cidadão (com 90%), com isso sem direto de
Na concepção educacional destes povos, havia um alto grau se posicionar.
de severidade. Um aluno tinha que obedecer e seguir a seu mes- Aqui surgiram grandes filósofos como Sócrates, Platão e
tre em todos os sentidos. Não eram incomuns os castigos físicos Aristóteles. Sócrates e Platão defendiam o saber o pensar. Ou
a que se submetiam os alunos, nesta concepção educacional. seja, a partir do entendimento que tenho em me relacionar com
Um número variado de escolas se desenvolveu nesta época, ha- outra pessoa eu aprendo, eu questiono, eu vivencio, nunca sa-
via escolas particulares fundadas por gurus. Neste contexto tam- bemos tudo, porque o conhecimento é algo que precisa apri-
bém se desenvolveu um modelo de ensino superior, que atraía morar reconstruir ao longo do tempo histórico. Já Aristóteles
aqueles que buscavam a elevação espiritual. traz a razão como elemento fundamental para organização da
3.3 Educação Grega sociedade.
Na Grécia Clássica, a educação era permitida somente aos 3.4 Educação Romana
indivíduos das classes ditas superiores. Do nascimento aos cin- No que tange a educação romana, sua melhor representati-
cos anos a criança era criada de maneira que pudesse desenvol- vidade temos na era de Quitiliano. Na época deste imperador a
ver um crescimento sadio, tanto físico, como espiritual. Dava- educação era dividida em três campos. Em primeiro lugar vinha
-se atenção especial ao desenvolvimento do corpo, para que a a Dialética (as leis do raciocínio), em segundo, a Ética (as leis da
criança estivesse pronta para tolerar os embates e as adversida- justiça) e em terceiro a Física. Na época de Quitiliano já havia
des de ordem física. uma pequena mudança na concepção de educação:
[..] “O período seguinte dura até a idade de cinco anos; du- [...] “Quanto ao menino que já adquiriu a facilidade na lei-
rante esse período não se deve fazer qualquer exigência de estu- tura e na escrita, o objetivo seguinte é a instrução ministrada
do ou trabalho a criança, para que seu crescimento não seja im- pelos gramáticos”...
pedido; e deve haver movimentação para impedir que os mem- Pois se trata não apenas da arte de escrever combinada
bros se tornem inativa. Isso só pode ser garantido, entre outras com a de falar, mas também a leitura correta precede a ilustra-
formas, através da diversão, mas não deve ser vulgar, cansativa ção e a essas estão ligado o exercícios do julgamento... “Tam-
ou descomedida. Os Diretores de Educação, como são chama- bém não basta haver lido apenas os poetas; todas as classes de
dos, devem ter cuidado aos contos ou histórias que as crianças escritores têm de ser estudadas, não apenas pelo assunto, mas
ouvem, pois as brincadeiras das crianças destinam a preparar pelas palavras que, frequentemente, recebem sua autoridade
o caminho para as ocupações posteriores da vida e devem ser, de escritores.”
em sua maioria, imitações das ocupações que as crianças terão O estudo da educação é imprescindível para que possamos
mais tarde, seriamente. Estão errados aqueles que (como Pla- conhecer todo o processo em que se desenvolveu no atual es-
tão), nas Leis, tentem impedir o choro e gritos altos das crianças, tágio a educação e a própria sociedade brasileira. (Mayer1976)
pois eles contribuem para seu crescimento e, e de certa forma, Aqui também a que se ressaltar que ao contrário dos gregos
exercitam-lhes os corpos. Forçar a voz tem efeito semelhante ao os romanos eram condicionados mais para assumir sua posição
produzido pela retenção do fôlego em esforços violentos. da máquina do estado, deixando em segundo plano o trabalho
com a preparação do corpo, como faziam, por exemplo, os es-
partanos.

2
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A grande preocupação dos romanos era a formação de em Roma só se pensava em formação de guerreiros, no período
guerreiros, forma para a prática. A intenção dos romanos era medieval o acesso aos conhecimentos intelectuais era exclusivi-
a conquista e para isso acontecer eles teriam que se preparar dade dos monges. A educação nesse período do renascimento
e essa preparação começava muito sedo, a criança (menino) ao era para a nobreza e também para pessoas com ligação a igreja.
completar os sete aos nove anos já começavam a ser preparado 3.7 Educação Burguesa
para ser guerreiro, afastando-o da mãe. Para eles eram através O conteúdo deste tipo de situação educacional era basea-
das lutas que eles conquistariam mais e mais coisas. Portando o do principalmente nas línguas e literaturas clássicas dos gregos
período romano começa a trabalhar a questão de politica e de e romanos, veio a ser designada educação burguesa. O termo
poder de estado. Surgindo então o curso de direito, justamente humanidades veio a significar as línguas e literatura dos antigos.
para se pensar o direito e o dever do cidadão. Como consequência, a finalidade da educação passou a ser con-
3.5 Educação Medieval siderada em termos de língua e literatura e não da vida.
No caminho da evolução da educação chegasse a Idade Mé- Outro aspecto muito importante da Educação Burguesa foi
dia, neste período a educação ficou exclusivamente nas mãos inclusão no ideal de educação, dos elementos comuns ao pe-
da igreja católica. Esta geria as escolas, organiza o que pode se ríodo clássico, excluídos da educação medieval, com exceção da
chamar de currículo e ministrava tanto os conhecimentos cientí- cavalaria. O primeiro destes elementos é o físico, e a par dele a
ficos, mas principalmente os conceitos morais retirados e inter- formação do caráter. Por este lado a educação burguesa repre-
pretados da doutrina cristã. sentou a fusão da educação da cavalaria e da educação literária,
Um grande acontecimento nessa época foi à criação da e teve um resultado muito superior ao das épocas anteriores e
companhia de Jesus, com isso começou-se a se preocupar a criar posteriores.
um currículo voltado a trazer informações a um determinado Outro elemento que foi trazido de volta à educação foi o
grupo de pessoas e também outro na formação de intelectuais. elemento estético. Este elemento tornou-se, na nova educação,
Sendo os monges (os intelectuais) os que teriam o acesso a esse uma grande inspiração. Esta acentuação de importância da ex-
conhecimento. pressão referia-se não só à perfeição da língua como também a
A educação era uma serva da igreja, sua meta principal era perfeição do caráter de conduta. Consolidou-se nesse período
inspirar os alunos, de maneira que estes aprendessem a levar capitalismo industrial finalizando o absolutismo. O absolutismo,
uma vida moral e obedecessem ao que pregavam os líderes re- o qual foi criado pelo pensador Jean Jacques Rousseau, que pro-
ligiosos. Era uma educação autoritária, tudo em nome de Deus. punha a liberdade e a autonomia como o principio de vida, sen-
O aprendiz ideal, o modelo de estudante ideal era o que se do a educação vista como alegria e prazer.
dedicava a uma vida de sacrifício e autonegação. Esse período A educação burguesa provoca uma separação entre estado
medieval traz consigo a educação espiritual, seu objetivo seria e igreja. Com isso possibilitando um desenvolvimento dos siste-
também com o poder, em outras palavras era catequizar mais mas públicos de educação.
também dominar. 3.8 A Educação no Brasil
Nesse período a educação tradicional fica no poder, por Após o descobrimento da terra nua, a qual se deu o nome
não aceitar outras culturas, outros conhecimentos, ela mesma de Terra de Vera Cruz, Terra de Santa Cruz e finalmente Brasil,
é quem produz e de maneira alguma aceita a reconstrução de começou-se a pensar em como se efetivar a posse dos europeus
uma determinada historia. sobre a terra e os povos aqui existentes. Com sutileza, os repre-
3.6 Educação no Renascimento sentantes da companhia de Jesus, planejaram incutir e difundir
Neste período da história humana, o novo método da ciên- a filosofia cristã entre os chamados gentios (nativos).
cia buscava confirmação nos fatos da natureza, não havia mais Esses (índios) tinham a natureza como lar e como escola.
ilusão ou alegoria, e sim a experiência. Enfatizavam-se os aspec- Na mata, no campo, nos vales e na correnteza dos rios, os mais
tos particulares em lugar das generalidades. Encontra-se aqui o novos eram instruídos pelos mais velhos. Ciências naturais, cos-
começo do método hipotético da ciência moderna. mologia, história e principalmente a língua, eram transmitidos o
A ciência começou a avançar de forma nunca antes vista tempo todo. Educar entre os índios era uma constante.
(desde a Grécia e Oriente), pois a fé começou a ser deixada de Os portugueses, que cruzaram o oceano em busca de no-
lado, sendo que esta já não respondia ás questões nascentes e vos mercados, trouxeram com eles os Jesuítas. Esses religiosos
pertinentes. eram os acólitos fiéis da igreja católica. Não respondiam se não
Nesta época se popularizou os novos ideais de educação. a Roma. Ao se fixarem nas novas terras, provavelmente com-
Ao aprendiz devia ser ensinada a virtude moral, bem como Hu- preenderam que a tarefa não era de todo fácil. Haviam de con-
manidades e as Ciências. As capacidades inatas tinham de ser verter e “educar” um povo que vivia nu e falava uma língua to-
estimulada, neste aspecto, a natureza devia ser o guia. A direção talmente desconhecida. O primeiro ato dos representantes da
do aluno tinha de ser consciente e o seu conhecimento tinha de companhia de Jesus foi fundarem uma escola elementar. Neste
ser posto em prática. A educação no renascimento foi o período estabelecimento eram educados juntamente os índios e os fi-
de repensar tudo que não foi pensado, ficando conhecido como lhos dos colonos que aqui nasceram. A estes aprendizes, eram
século das luzes por propor uma nova educação. transmitidas as noções básicas da língua portuguesa, história da
A educação no renascimento não foi diferente das de mais, civilização europeia, história cristã e a própria catequização. Ha-
em relação a quem pertencia o direito de adquirir conhecimen- via também o intuito de aumentar o contingente sacerdotal da
to. No período primitivo ela é fragmentada, ela é pautada no igreja romana. Há que salientar que neste período os educado-
momento de exclusão, na Grécia acesso era somente aos gregos, res eram exclusivamente homens.

3
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

As mulheres eram destinadas ao serviço doméstico. E estas Das lutas pelas eleições diretas a promulgação da nova
só podiam ser instruídas nos conventos. Caminhado um pouco constituição foi um salto. “Há um novo impulso, uma nova es-
mais no tempo à época da Marques do Pombal, figura de grande perança surge, no povo e nas instituições”. Na educação o esta-
destaque no que diz respeito à politica educacional em nosso do passa a ter mais responsabilidade, um poder (seja executivo,
país. legislativo ou judiciário) tem o poder de averiguar se o que se é
Com o Marques o ensino passa a ser responsabilidade da destinado à educação está sendo empregado de forma correta.
coroa Portuguesa sua ideia de educação consistia, não apenas No momento a educação está se reformulando. A socie-
catequizar, mas forma os grupos de indivíduos que não deixasse dade nos seus mais diferentes âmbitos verifica, examina-se o
o poder fugirem das mãos da elite. processo educativo (desde a liberação de verbas até a prática
Com a vinda e permanência da família imperial no Brasil, pedagógica) está sendo feita de forma aceitável.
inicia o conhecimento período imperial, a educação, assim com Com o “mover” LDB (leis de diretrizes e bases), o processo
outros setores da sociedade se viu sob um novo conceito, uma educacional é parte de algo maior e menos propenso a ideolo-
nova maneira de conceber o processo educacional. gias ocas e fragmentadas. Cada Estado, cada município e princi-
Nesta fase destaca-se o art. 179 da primeira constituição palmente cada escola trabalha visando atingir o meio sociocul-
brasileira, que pregava a “instrução primária e gratuita para to- tural de que faz parte. Relevantes, também, são as propostas
dos os cidadãos.”. de educação especial, a chamada “Educação inclusiva” e a tão
Outro ato do governo de D. Pedro I foi o decreto que insti- nova, mas já aceita e incorporada Educação à distância (EAD).
tuía quatro graus de instrução: Pedagogias (escolas primárias), Neste inicio do século cabe fazer uma reflexão. Como foi o pro-
Liceus, Ginásios e academias. cesso educacional brasileiro desde a descoberta aos nossos dias.
Mas, no que diz respeito à prática educacional, ela se diferia O que ficou de útil? O que foi descartado neste período de 509
pouco da época Jesuítica e Pombalina. Assim a educação conti- da sociedade brasileira?
nuava a ser um bem para poucos. Mudanças lentas e quase im- O que se pode afirmar é que a educação apresenta hoje
perceptíveis começam a acontecer com a chegada da República múltiplas facetas, e múltiplas maneiras de ser feita. Educar hoje
(1889 em diante). é preparar o individuo para que tenha ferramentas (intelectuais,
Aqui se destaca a Reforma Benjamim Constant, que tinha morais e espirituais) para se colocar no mundo, e neste cons-
como princípios, a liberdade à laicidade do ensino e a gratuida- truir a sua história e participar da construção, sócio – histórico
de da escola primária. No inicio da década de 30, do século xx,
- política de seu grupo. Ensinar a ler é o primordial assim como
uma revolução sócio-política colocara o Brasil em cheque e em
aprender a aprender, aprender a ser e aprender a conviver.
choque. Era o momento de os pais penetrarem de vez no modo
4. O SUPORTE LEGAL DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA
capitalista de se produzir e de se viver. Nesta fase destaca-se o
A partir do momento que o homem condicionou-se a viver
ministro Francisco Campos, homem que foi o primeiro a assumir
em sociedade ele percebeu que era necessário que se estabele-
o nascente ministério da educação e tomando posse iniciou-se
cesse regras, conceito a serem seguidos, ideais a serem levados
uma reforma em que até hoje se faz sentir na maneira de ver a
para todos os cantos do mundo social existente. Mas o que usar
educação brasileira. Dois anos após sua posse um grupo de edu-
para que estes conceitos e ideais fossem propalados e dispersos
cadores ladeado por Fernando de Azevedo lançou o conhecido
manifesto dos Pioneiros da Educação Nova. ao maior número possível de indivíduos e grupos sociais?
Neste documento propunham-se soluções para os proble- Que ferramenta escolher para que efetivamente o sucesso
mas que atravancaram o fazer educacional brasileiro. Com ter- desta empreitada fosse ao menos em parte alcançado?
mino da segunda guerra, inicia-se um processo político-social A resposta é; a educação. Com a educação a propagação de
denominado populismo, com ele a esperança no progresso e ideias que contribuíssem para a formação ética e política do su-
no desenvolvimento se faz presente em todas as camadas e em jeito educando. No decorrer do desenvolvimento sociohistórico
todos os setores. Na educação, havia uma forte tendência à in- do homem; como ser convivente com o outro; percebeu-se que
dustrialização. a educação era forte fio condutor de filosofias e ideologias.
A educação entra neste contexto como formadora de mão- Institucionalização da educação, o nascer da escola como a
-de-obra para a indústria nascente. Em 1961 foi criada a primeira conhecemos, veio ao encontro dos conceitos ético-políticos dos
Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a Lei nº 4024/61. dirigentes que conduziam a sociedade em que estão inseridos.
Está foi a primeira a arregimentar todos os níveis de ensino. A educação condiciona e tem como meta efetivar o que se
Nesta época educadores como Paulo Freire pensavam e co- produziu antes daquele momento em que está sendo trabalha-
laboravam métodos bastante discutidos de educação. Com um da. Os ideais éticos de determinada época e circunstância são
golpe politico-militar em 1964 é instituído no Brasil, o famigera- colocados pela escola, (seus condutores, idealizadores e regen-
do regime militar. O governo controlava a todos e a tudo. tes), com predefinições, com algo pronto. O “ethos” escolar está
Nesta fase da nossa história foi instituída a Lei 5692/71 imiscuído com a “ethos” social vigente.
(LDBEN) que tinha como característica principal a educação pro- Para que a sociedade não se desmorone, e que seus alicer-
fissionalizante. Esta lei era fundamentada em uma concepção ces não se desestabilizem o homem constituiu a escola para que
tecnicista, ou seja, era necessária forma, técnicos, para as diver- está afirmasse e reafirmasse o pensamento vigente.
sas áreas da economia. Com o fim de o governo militar os fatos Os documentos principais ora em exame para este trabalho
políticos e sociais se sucedem de maneira abrupta. são a lei de Diretrizes da Educação Básica e os Parâmetros Cur-
riculares Nacionais. O que se segue é um exame resistivo dos
mesmos.

4
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A educação básica se compõe da educação infantil, ensino VIII - piso salarial profissional nacional para os profissionais
fundamental e ensino médio. O que a lei de diretrizes da educa- da educação escolar pública, nos termos de lei federal. .
ção prega no seu corpo, significa que o cidadão tem o direito de Parágrafo único. A lei disporá sobre as categorias de
concluir seu processo educacional básico e consequentemente trabalhadores considerados profissionais da educação básica e
prosseguir para estudos em nível superior. sobre a fixação de prazo para a elaboração ou adequação de
[..] “A história possibilidade significa nossa recusa em acei- seus planos de carreira, no âmbito da União, dos Estados, do
tar os dogmas, bem como, nossa recusa em aceitar a domestica- Distrito Federal e dos Municípios. .
ção do tempo. Os homens e as mulheres fazem a história que é Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático-
possivel, não a historia que gostariam de fazer ou a história que, -científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial,
as vezes dizem que deveria ser feita.” (Paulo Freire). e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino,
4.1 A CONSTITUIÇÃO FEDERATIVA DO BRASIL pesquisa e extensão.
A constituição Federativa do Brasil passou a vigorar em 05 § 1º É facultado às universidades admitir professores,
outubro 1988. E o que venha a ser essa constituição? técnicos e cientistas estrangeiros, na forma da lei.(Incluído pela
“Constituição é a suprema Lei de um país. Fixa-lhe normas Emenda Constitucional nº 11, de 1996)
de governo, discrimina os direitos e os deveres, distribui as § 2º O disposto neste artigo aplica-se às instituições de
competências, limita a ação da autoridade e assegura ao povo pesquisa científica e tecnológica. .
o ambiente de ordem, indispensável ao processo e à paz na so- Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado
ciedade.” Também conhecida como “carta Magna”, “Lei maior”. mediante a garantia de:
Não dá para falar em formação de professores e em for- I -ensino fundamental, obrigatório e gratuito, inclusive para
mação de pedagogos sem falar nos documentos da educação, os que a ele não tiveram acesso na idade própria;
sendo eles: Constituição brasileira e na LDB (lei de diretrizes e II - progressiva extensão da obrigatoriedade e gratuidade
bases da educação nacional). A constituição como a lei maior e ao ensino médio;
a LDB é quem regulamenta os grandes princípios da nossa cons- I - ensino fundamental, obrigatório e gratuito, assegurada,
tituição brasileira. inclusive, sua oferta gratuita para todos os que a ele não
A luta da constituição é todos na escola, mais que ao chegar tiveram acesso na idade própria;(Redação dada pela Emenda
à escola, esses alunos encontrem condições físicas, material e Constitucional nº 14, de 1996)
também profissionais competentes. I - educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos
Artigos da Constituição educacional Brasileira: 17 (dezessete) anos de idade, assegurada inclusive sua oferta
Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado gratuita para todos os que a ela não tiveram acesso na idade
e da família, será promovida e incentivada com a colaboração própria;(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 59, de
da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu 2009).
preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o II - progressiva universalização do ensino médio gratuito.
trabalho. III - atendimento educacional especializado aos portadores
Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino;
princípios: IV - atendimento em creche e pré-escola às crianças de zero
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na a seis anos de idade;
escola; IV - educação infantil, em creche e pré-escola, às crianças
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o até 5 (cinco) anos de idade.
pensamento, a arte e o saber; V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e
III - pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e da criação artística, segundo a capacidade de cada um;
coexistência de instituições públicas e privadas de ensino; VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às
IV - gratuidade do ensino público em estabelecimentos condições do educando;
oficiais; VII - atendimento ao educando, no ensino fundamental,
V - valorização dos profissionais do ensino, garantido, na através de programas suplementares de material didático-
forma da lei, plano de carreira para o magistério público, com escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde.
piso salarial profissional e ingresso exclusivamente por concurso VII - atendimento ao educando, em todas as etapas da
público de provas e títulos, assegurado regime jurídico único educação básica, por meio de programas suplementares de
para todas as instituições mantidas pela União; material didático escolar, transporte, alimentação e assistência
V - valorização dos profissionais do ensino, garantidos, na à saúde. .
forma da lei, planos de carreira para o magistério público, com § 1º - O acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito
piso salarial profissional e ingresso exclusivamente por concurso público subjetivo.
público de provas e títulos;(Redação dada pela Emenda § 2º - O não - oferecimento do ensino obrigatório pelo
Constitucional nº 19, de 1998) Poder Público, ou sua oferta irregular, importa responsabilidade
V - valorização dos profissionais da educação escolar, da autoridade competente.
garantidos, na forma da lei, planos de carreira, com ingresso § 3º - Compete ao Poder Público recensear os educandos
exclusivamente por concurso público de provas e títulos, aos no ensino fundamental, fazer-lhes a chamada e zelar, junto aos
das redes públicas. pais ou responsáveis, pela frequência à escola.
VI - gestão democrática do ensino público, na forma da lei; Art. 209. O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as
VII - garantia de padrão de qualidade. seguintes condições:

5
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

I - cumprimento das normas gerais da educação nacional; § 3º - A distribuição dos recursos públicos assegurará
II - autorização e avaliação de qualidade pelo Poder Público. prioridade ao atendimento das necessidades do ensino
Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino obrigatório, nos termos do plano nacional de educação.
fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum e § 3º A distribuição dos recursos públicos assegurará
respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e regionais. prioridade ao atendimento das necessidades do ensino
Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;) obrigatório, no que se refere à universalização, garantia de
§ 1º - O ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá padrão de qualidade e equidade, nos termos do plano nacional
disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino de educação. .
fundamental. § 4º - Os programas suplementares de alimentação e
§ 2º - O ensino fundamental regular será ministrado em assistência à saúde previstos no art. 208, VII, serão financiados
língua portuguesa, assegurada às comunidades indígenas com recursos provenientes de contribuições sociais e outros
também a utilização de suas línguas maternas e processos recursos orçamentários.
próprios de aprendizagem. § 5º - O ensino fundamental público terá como fonte
Art. 211. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Muni- adicional de financiamento a contribuição social do salário-
cípios organizarão em regime de colaboração seus sistemas de educação, recolhida, na forma da lei, pelas empresas, que dela
ensino. poderão deduzir a aplicação realizada no ensino fundamental
§ 1º - A União organizará e financiará o sistema federal de seus empregados e dependentes.
de ensino e o dos Territórios, e prestará assistência técnica e § 5º O ensino fundamental público terá como fonte
financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios para adicional de financiamento a contribuição social do salário-
o desenvolvimento de seus sistemas de ensino e o atendimento educação, recolhida pelas empresas, na forma da lei. .
prioritário à escolaridade obrigatória. § 5º A educação básica pública terá como fonte adicional
§ 2º - Os Municípios atuarão prioritariamente no ensino de financiamento a contribuição social do salário-educação,
fundamental e pré-escolar.
recolhida pelas empresas na forma da lei.(Redação dada pela
§ 1º A União organizará o sistema federal de ensino e o dos
Emenda Constitucional nº 53, de 2006).
Territórios, financiará as instituições de ensino públicas federais
§ 6º As cotas estaduais e municipais da arrecadação da
e exercerá, em matéria educacional, função redistributiva e
contribuição social do salário-educação serão distribuídas
supletiva, de forma a garantir equalização de oportunidades
proporcionalmente ao número de alunos matriculados na
educacionais e padrão mínimo de qualidade do ensino mediante
educação básica nas respectivas redes públicas de ensino. .
assistência técnica e financeira aos Estados, ao Distrito Federal
Art. 213. Os recursos públicos serão destinados às escolas
e aos Municípios.
públicas, podendo ser dirigidos a escolas comunitárias, confes-
§ 2º Os Municípios atuarão prioritariamente no ensino
sionais ou filantrópicas, definidas em lei, que:
fundamental e na educação infantil. .
§ 3º Os Estados e o Distrito Federal atuarão prioritariamente I - comprovem finalidade não lucrativa e apliquem seus ex-
no ensino fundamental e médio. . cedentes financeiros em educação;
§ 4º Na organização de seus sistemas de ensino, os Estados II - assegure a destinação de seu patrimônio a outra escola
e os Municípios definirão formas de colaboração, de modo a comunitária, filantrópica ou confessional, ou ao Poder Público,
assegurar a universalização do ensino obrigatório.(Incluído pela no caso de encerramento de suas atividades.
Emenda Constitucional nº 14, de 1996) § 1º - Os recursos de que trata este artigo poderão ser
§ 4º Na organização de seus sistemas de ensino, a União, os destinados a bolsas de estudo para o ensino fundamental e
Estados, o Distrito Federal e os Municípios definirão formas de médio, na forma da lei, para os que demonstrarem insuficiência
colaboração, de modo a assegurar a universalização do ensino de recursos, quando houver falta de vagas e cursos regulares da
obrigatório. . rede pública na localidade da residência do educando, ficando o
§ 5º A educação básica pública atenderá prioritariamente Poder Público obrigado a investir prioritariamente na expansão
ao ensino regular. . de sua rede na localidade.
Art. 212. A União aplicará, anualmente, nunca menos de § 2º - As atividades universitárias de pesquisa e extensão
dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios vinte e poderão receber apoio financeiro do Poder Público.
cinco por cento, no mínimo, da receita resultante de impostos, Art. 214. A lei estabelecerá o plano nacional de educação, de
compreendida a proveniente de transferências, na manutenção duração plurianual, visando à articulação e ao desenvolvimento
e desenvolvimento do ensino. do ensino em seus diversos níveis e à integração das ações do
§ 1º - A parcela da arrecadação de impostos transferida Poder Público que conduzam à:
pela União aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, Art. 214. A lei estabelecerá o plano nacional de educação,
ou pelos Estados aos respectivos Municípios, não é considerada, de duração decenal, com o objetivo de articular o sistema nacio-
para efeito do cálculo previsto neste artigo, receita do governo nal de educação em regime de colaboração e definir diretrizes,
que a transferir. objetivos, metas e estratégias de implementação para assegurar
§ 2º - Para efeito do cumprimento do disposto no «caput» a manutenção e desenvolvimento do ensino em seus diversos
deste artigo, serão considerados os sistemas de ensino federal, níveis, etapas e modalidades por meio de ações integradas dos
estadual e municipal e os recursos aplicados na forma do art. poderes públicos das diferentes esferas federativas que condu-
213. zam a.

6
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

I - erradicação do analfabetismo; culpem apenas uma dimensão, mais todos sejam avaliados e os
II - universalização do atendimento escolar; procedimentos cabíveis sejam tomados, para que os problemas
III - melhoria da qualidade do ensino; possam desaparecer.
IV - formação para o trabalho; O ponto forte da lei é a qualidade de ensino. Com isso ficam
V - promoção humanística, científica e tecnológica do País. em evidencia alguns pontos da lei. Art.8º “A União, os Estados, o
VI - estabelecimento de meta de aplicação de recursos pú- Distrito Federal e os Municípios organizarão, em regime de cola-
blicos em educação como proporção do produto interno bruto. boração, os respectivos sistemas de ensino”. Quer dizer quando
4.2 A LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO o município não consegue resolver suas reivindicações ela deve
A lei de diretrizes e bases é quem organiza o processo, ob- se submeter ao estado, e o estado se não resolver passa para
tendo mudanças significativas na LDB 9394/96 aos níveis de en- união. Isso é o chamado de regime de colaboração, para que
sino. Hoje a educação é pautada em educação infantil, ensino o direito a educação seja garantido. A etapa chamada de edu-
fundamental e ensino médio. Mudanças também na compo- cação básica, e este direito são asseguradas pela constituição
sição dos níveis escolares; a educação básica, que se compõe nacional. O trecho examinado, visto na pratica, significa que os
da educação infantil e o ensino superior. Outra mudança foi o conhecimentos que o educando traz conseguem do meio em
aumento dos dias letivos de 180 para 200 dias letivos de aula. E que vive das situações sociais que participa devem ser valori-
também se tornou obrigatório o processo de recuperação. zados e colocados lado a lado com os conhecimentos escolares.
A idade de matricula nos anos iniciais do ensino fundamen- As diretrizes não são regras a seguir, são sugestões para de-
tal passou para seis anos, onde passaram o ensino fundamental senvolver o trabalho. Já os programas, trazem o estigma de se-
de oito para nove anos. Isso ocorreu através de um decreto pre- rem prontos onde nada pode ser modificado. Ao descentralizar
sidencial em 2005. e dar maleabilidade ao fazer educacional, distribui-se entre os
Outra questão foi à exigência de formação superior para os atores envolvidos no processo as responsabilidades e as conse-
professores da educação básica (sendo elas educação infantil, quências resultantes do que foi feito neste contexto, não há um
educação fundamental aos anos iniciais). Tratando-se também só proposito e não há uma só proposta, há uma variância de
como importante a educação física e artes para o currículo da conceitos e possibilidades. Por exemplos os PCNs (parâmetros
educação básica. curriculares nacionais), os DCNEF e também os RCN (referencial
[...]”Aos que nada vêem de bom na LDB, gostaríamos de curricular nacional) onde são documentos que parametrizam as
dizer que o esforço do senador Darcy Ribeiro não foi em vão,
decisões, eles vão articular em função normativa.
de um congresso vetusto como o nosso, só pode sair uma lei
Na republica federativa do Brasil, na união dos estados
antiquada. Mesmo assim, a Lei contém avanços ponderáveis,
brasileiros, temos a responsabilidade do estado, e da união de
que permitem, sobretudo em seu senso pela flexibilidade legal,
manter técnicas financeiras e estabelecer níveis nacionais às di-
rumar para inovações importantes” (DEMO, 1997, p.95).
retrizes.
A legislação traz um alto teor de autonomia, proporcionan-
A educação possui seu sistema de avaliação, possui parâ-
do avanços, mais também precisando de uma revisão para ver o
metros que organiza e também controla sendo elas a Provinha
que está sendo contemplados e concretizados nos termos da lei.
Brasil (é uma avaliação diagnóstica aplicada aos alunos matricu-
A legislação em educação ela caracteriza o que é o nosso espa-
ço, espaço esse o da escola constituído e instituído, por isso ser lados no segundo ano do ensino fundamental). Enem (provas do
professor não basta somente dar aula, fazer o cotidiano da sala Exame Nacional do Ensino Médio) e o Enade (“Exame Nacional
de aula, mais sim entender todo o sistema no qual trabalhamos. de Desempenho de Estudantes avalia o rendimento dos alunos
Conhecendo os atos legais que organizam e determinam as res- dos cursos de graduação, ingressantes e concluintes, em relação
ponsabilidades dentro da escola. aos conteúdos programáticos dos cursos em que estão matri-
O principio da flexibilidade tem como proposta, que os di- culados. O exame é obrigatório para os alunos selecionados e
rigentes escolares, em qualquer nível, devem fazer adaptações condição indispensável para a emissão do histórico escolar. A
no proceder da escola para que esta possa receber e trabalhar primeira aplicação ocorreu em 2004 e a periodicidade máxima
com todos os educandos que fazem parte do meio onde esta se com que cada área do conhecimento é avaliada é trienal”). Além
insere. No campo, nas aldeias indígenas, em época de colheita, disso, cada escola possui o seu processo de avaliação.
no período chuvoso tudo de ser colocado no calendário escolar. [..] “Temos ai uma novidade pertinente, que deixa o lingua-
Também deve se levar em conta o período de trabalho dos edu- jar aéreo de uma função que esta apenas no papel, para assumir
candos, tornando os horários de aula menores (como acontece o tom de principio fundamental da organização dos sistemas [...]
com a EJA) tendo em vista a dura rotina do educando que exerce não quer dizer que se cumpra, até porque as resistências são
algum tipo de trabalho. O Brasil por se extenso possui uma di- fantásticas”. (DEMO, 1997).
versidade cultural muito grande, por isso a importância da flexi- Entre as DCNEF´, os PCNs e as propostas das unidades de
bilidade, para que aja democracia. Mais isso não significa fazer ensino há uma consonância de ideias, onde não se exclui o que
o que quiser, e sim atender as peculiaridades onde as decisões prega os documentos oficiais, mas faz-se uma adaptação ao con-
serão tomadas de uma forma rápida. texto e ao momento em que se executa o fazer pedagógico. O
Ao elaborar Diretrizes os gestores da educação abrem as MEC vai instituir formas de regulação para que o currículo não
mais diversas possibilidades para que todos possam fazer uma seja alvo de deformações e inconstitucionalidades. Este setor
educação que preencha as necessidades do grupo onde ela se do governo verificara constantemente o desenvolvimento do
desenvolve. Com a LDB os professores e instituições de ensino trabalho desenvolvido através de pesquisas e consultas. São as
passaram a ser avaliados, onde os problemas detectados não seguintes as Diretrizes Curriculares Nacionais:

7
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

As escolas deverão estabelecer como norteadores de suas 3. A pratica deve elevar a percepção dos sujeitos envolvidos
ações pedagógicas: e de sua contribuição para o grupo.
• Os princípios éticos da autonomia, da responsabilida- 4. O acesso a todos aos conhecimentos da Base Nacional
de, da solidariedade e do respeito ao bem comum. comum é obrigatório.
• Os princípios dos direitos e deveres da cidadania, do 5. É dever de a escola estabelecer uma relação profícua en-
exercício da criticidade e do respeito à ordem democrática; tre o conhecimento estabelecido curricular mente a comunida-
• Os princípios estéticos da sensibilidade, da criatividade de local e o sujeito com sua maneira de ver e ser no mundo.
da diversidade de manifestações artísticas e culturais. 6. A RCN (Referencial Curricular Nacional) deve ser enrique-
Ao definir suas propositas pedagógicas, as escolas deverão cida com conhecimentos locais para uma efetiva assimilação dos
explicitar o reconhecimento da identidade pessoal de alunos, sujeitos e da comunidade.
professores e outros profissionais e a identidade de cada unida- 7. Há que se rever sempre o trabalho escolar. Necessitando
de escolar e de seus respectivos sistemas de ensino. assim de um processo permanente de avaliação dos caminhos
As escolas deverão reconhecer que as aprendizagens são seguidos.
constituídas pela interação dos processos de conhecimento com Nisto tudo temos que o fazer da educação ate o que prega
as de linguagens e os afetivos, em consequência das relações os documentos oficiais pressupõe um trabalho de compreensão
entre as distintas identidades dos vários participantes do con- dos conceitos legais. Assim se extrai o que é necessário para a
texto escolarizado; as diversas experiências de vida dos alunos, pratica pedagógica na história corrente da formação docente,
professores e demais participantes do ambiente escolar, expres- onde várias ciências têm, a sua contribuição. De forma direta,
sas através de múltiplas formas de dialogo, devem contribuir como por exemplo, a história da educação, a sociologia e a pró-
para a constituição de identidade afirmativas, persistentes e pria história social em si, ou de forma indireta como a matemáti-
capazes de protagonizar ações autônomas e solidarias em rela- ca, a estatística e a economia, vem, à medida que estas mesmas
ção a conhecimentos e valores indispensáveis a vida cidadã. Em
se desenvolvem e evoluem, aclarando e consubstanciando a
todas as escolas publicas devera ser garantida a igualdade de
formação docente ontem e hoje. Neste âmbito surgiu com uma
acesso para alunos a uma base nacional comum, de maneira a
gama variada de artifícios, o direto. Com o auxilio do direito os
legitimar a unidade e a qualidade da ação pedagógica na diver-
professores embasam suas descobertas e suas pesquisas junto
sidade nacional. Mas será que isto está se efetivando, visto que
aos educandos. Através desta ciência conhece-se o proceder
a todo o momento a mídia traz relatos de descasos em relação
do comportamento humano, que com outras ciências não seria
à oferta de vagas. A base comum nacional e sua diversidade de-
possível visualizar e examinar.
verão integrar-se em torno do paradigma curricular, que vise a
Os referenciais legais são fontes permanentes de pesquisas
estabelecer a relação entre a educação fundamental e:
e estudos por parte dos professores, em todos os seus níveis
o A vida cidadã através da articulação entre vários dos
seus aspectos como: de integração. Então temos que, o direito educacional é
• A saúde de importância valiosa, e contribui de forma efetiva para a
• A sexualidade construção de uma educação real.
• A vida familiar e social O profissional docente, bombardeado pelos mais diferentes
• O meio ambiente tipos de informação, precisa evidentemente, selecionar, penei-
• O trabalho rar toda essa mixórdia de conceitos. A legislação educacional
• A ciência e a tecnologia vem também ajudar nesta tarefa. Com sensatez e estudo, o pla-
• A cultura no legislativo serve de base para que se arregimente e organize
• As linguagens o insumo necessário para o trabalho do professor.
o As áreas de conhecimentos: Durante anos buscou se explicar conceitos educacionais
• Língua portuguesa baseados apenas em suposições primeiros religiosos, depois fi-
• Língua materna, para populações indígenas e migran- losóficas descambando em seguida para os planos sociais e eco-
tes. nômicos. Mas algo faltava algo que pudesse consubstanciar a
• Matemática prática docente de forma mais especifica, mas orientada.
• Ciências Neste contexto, um tanto o quanto conturbado, nasceu ou
• Geografia desvinculou-se das outras áreas, como acreditam alguns, o direi-
• Historia to. Ele sozinho não vem responder a todas as questões que ator-
• Língua estrangeira mentam o educador. Mas com ele pode-se pisar em um terreno
• Educação artística mais firme, menos carregado de suposições, e o que é muito
• Educação física perigoso, de ideologias com bases duvidosas.
• Educação religiosa na forma do art.33 da lei 9.394, de Sendo a sociedade regida e condicionada por leis que os
20 de dezembro de 1996. seus membros estabeleceram, houve a premente necessidade
Síntese das Diretrizes: de se transmitir estes códigos e normas para as gerações futu-
1. A escola deve pautar seu trabalho em princípios éticos, ras.
de cidadania e estéticos. O meio, a forma de atingir uma parcela maior de indivíduos
2. Na elaboração do plano pedagógico levar em conta o con- foi encontrada na educação. Este pensamento é uma constante
texto onde se insere a escola. Situar a pratica para sujeitos reais. na obra de Durkheim;

8
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

[...] “A construção do ser social, feita em boa parte pela edu- Nesta, concepção distanciada da realidade, do contexto so-
cação, é a assimilação pelo individuo de uma série de normas cial em que está inserido o educando, o currículo é algo frag-
e princípios – sejam morais, religiosas, éticas ou de comporta- mentado, fragmentário e deturpador do conhecimento. Assim
mento...” (Durkheim, 1978). o currículo tradicional não leva em consideração fatores diverso
Neste sentido, temos que a educação é algo condicionadora (como a pré-prepararão ou pré conhecimento do aluno) para
da sociedade e de seus preceitos. Quando este pensador ela- que se faça o trabalho de ensinar.
borou sua teoria sociológica, a sociedade estava passando por Esta maneira de conceber “o que ensinar” é resultado da
grandes transformações, tanto no que diz respeito à religião, a visão europeia medieval trazida pelos portugueses, que se afir-
moral e a economia entre outros. Na escola encontramos nor- mou na escola brasileira.
mas e procedimentos que devemos seguir. Com o desenvolvimento dos meios de comunicação da tec-
Estas normas configuram o sistema em que a escola está nologia de transmissão de informações começou-se a perceber
inserida, sendo que ela é um reflexo da sociedade. que o currículo instituído não mais satisfazia as necessidades
Hoje, na escola atual ainda a muito do pensamento de vigentes. “E, em se tratando de currículo escolar, temos mes-
Durkheim, pois mesmo com as constantes mudanças e evolu- mo uma grande margem de autonomia para incluir saberes e
ções da sociedade a escola continua a mesma. práticas mais convenientes aos projetos que formulamos ou
A atual prática pedagógica possui vários pontos que ligam elegemos. Se isso é possível, a escola não pode ser vista como
ao pensamento durkheiniano, pois no momento presente a es- instância reprodutora”
cola ainda é reprodutora do sistema social - político em que está Este currículo desfragmentado traz implícitos conhecimen-
inserida. tos que não poderiam ou não teriam como serem expostos. É
O trabalho didático formatizado, a avaliação classificatória o chamado currículo oculto. Neste currículo os conhecimentos
são apenas dois pontos que o educador usa para estabelecer a devem ser inferidos a partir de outros conhecimentos apresen-
sua prática, que nos remetem ao pensamento de Durkheim, ou
tados em sala de aula.
seja, a presença das ideias deste pensador ainda é muito corren-
Avançando um bom período no tempo e situando no mo-
te e enraizada na escola atual.
mento atual da educação brasileira, observa-se uma mudança
Não há uma abertura para novas ideias e as conseguem se
significativa na maneira de conceber o currículo e suas diferen-
sair no pensamento pedagógico são logo recicladas.
O novo na escola moderna, ainda é uma utopia. Mas uma tes nuances. Os estudos sociológicos e filosóficos apontam que
insistência por parte dos educadores. Eles querem que a escola o currículo deve ser condizente com a prática social do indivi-
seja mais que espelho, seja uma fonte de renovação. duo. Portanto “aprender a conhecer... Fundamenta-se no prazer
4.3 CURRÍCULO de compreender, de conhecer, de descobrir” (PROCAP).
Quando o homem se organizou em sociedades, grupos, tri- Isto sendo posto para apreciação descobre-se que quando o
bos, aldeias, começou a se produzir ciências, história, filosofias currículo caminha concernente dos anseios e questionamentos
entre outros conhecimentos. Na medida em que estes conhe- do educando e da sociedade em que este está inserido ele se
cimentos foram se acumulando e se desdobrando, aumentou torna mais que uma ferramenta, se torna um subsidio indispen-
também o número de interessados em usufruir destas ciências sável. Currículo não é apenas um documento que contemplam
e destas filosofias. Nisto a escola já estava (pelo menos no seu as disciplinas e sim toda a ação, todo o percurso percorrido por
arcabouço) já constituída. (deste contexto temporal e histórico o todos os envolvidos no sistema educacional, família, comuni-
do nascimento da escola veio à tona a dúvida que persegue até dade, professores, alunos, governo federal, governo estadual e
hoje as que lidam diretamente (e até indiretamente) com a edu- também os representantes municipais, todas as pessoas envol-
cação: O que ensinar?). Qual o valor de determinada informação vidas no processo educacional, de certa forma elabora, organiza
em relação à outra? Como estipular o nível de aprofundamento e legitima. Todos os saberes e conhecimentos estão ligados a
de determinado saber? O que preconiza a lei educacional? politica e a cultura, trabalhando o currículo, trabalha-se o saber
No momento atual da educação (tanto brasileira quanto do cotidiano onde se transforma em saber cientifico.
mundial), entende-se currículo com sistematização, organização Hoje o currículo ele é discutido em reuniões e amplos es-
e seleção dos conhecimentos e ciências vigentes que devem ser colares. E a partir dessa discursão aprendem-se os anseios as
transmitidas pela escola na busca, de uma formação geral míni- subjetividades, as vontades, os medos que permeiam o cotidia-
ma do educando, o currículo é novo na própria academia edu- no escolar com isso ele se torna vivo dentro do processo ensino
cacional, nas décadas de 50 e 60 essa área era ligada aos alunos aprendizagem.
que faziam pedagogia e optavam por uma habilitação chamada Ele hoje possui a opção de flexibilidade sendo ele de adap-
supervisão escolar. Atualmente percebeu a necessidade do pe- tação grande porte, e a adaptação de pequeno porte. Grande
dagogo, onde ele não poderia mais ter uma formação fragmen-
porte seria, quando a escola precisa fazer alguma manutenção,
tada sem conhecer a dimensão mais ampla do currículo. A partir
construir alguma coisa, reformar algo, enfim algo que não de-
da lei 9394/96 a disciplina do currículo passou a ser implantada
pende do professor em sala de aula, mais sim de uma estrutura
no curso de pedagogia. Nesta concepção o currículo é o arca-
ampla. Adaptação de pequeno porte significa, quando o profes-
bouço onde se aglomeram as outras nuances da educação.
Partindo de pressupostos já anteriormente estabelecidos, sor poderá fazer suas próprias adaptações curriculares no con-
os que controlam gerenciam o processo educacional (fala-se texto e no cotidiano de sala de aula.
aqui das esferas superior, secretários, coordenadores, ministros,
especialistas) estabelecem que, quando e como ensinar.

9
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A composição do currículo “traz uma base nacional comum, 5.1 TABELA DO PERCENTUAL DE RESPOSTA OBTIDAS
onde garante uma unidade nacional, para que todos os alunos
possam ter acesso aos conhecimentos mínimos”. Quer dizer, to-
dos os alunos independentemente de qual cidade, venham a ter Nº PERGUNTAS SIM NÃO
os mínimos conhecimentos. E a parte diversificada é a opção a
qual possa ser implantada a realidade regional e local. Você acompanha a execução
5. DEMONSTRATIVO DA PESQUISA REALIZADA COM DO- 1 das normas legais da educação 60 35
CENTES atual?
A pesquisa de campo iniciou-se com a preparação e escolha
das questões que seriam colocadas para os pesquisados. Com Você esta lendo ou leu algum
base na revisão bibliográfica e buscando uma consonância entre 2 tipo de publicação sobre a regu- 20 75
uma e outra parte do trabalho, passou a elaboração das per- lação da educação atual?
guntas.
O trabalho de questionamento foi realizado em uma insti- Existe da sua parte uma preo-
tuição escolar da rede municipal. Esta se situa no ambiente ur- cupação em se inteirar do que
3 64 31
bano, comportando no momento 128 funcionários e 600 alunos ocorre atualmente na educa-
divididos em três turnos. ção?
Esta instituição serve a um contexto social de famílias de Considera que as normas que
baixa renda, que tem na escola um apoio para suas crianças. vem sendo instituídas, ajudarão
4 50 45
Foram entrevistados profissionais dos mais diversos setores na melhoria da qualidade edu-
da instituição, entre eles o setor pedagógico e o setor adminis- cacional?
trativo.
No desenvolvimento do trabalho a participação dos entre- Considera positiva a inclusão,
vistados foi muito valiosa, pois se empenharam no questiona- a educação para a cidadania, a
mento e nos seus objetivos. 5 educação de gêneros, pontos ir- 50 45
relevantes para a construção de
conceitos éticos positivos?
Elementos pesquisados Total
O currículo atual pode ser con-
Docentes com mais de 20 anos de exercí- 6 siderado bom para a escola bra- 53 42
25
cio sileira?

Docentes entre 10 e 15 anos de exercício 25 No contexto atual, a educação é


7 a única solução para as questões 61 34
Estudantes de Pedagogia 25 atuais?
5.2 GRÁFICO DO PERCENTUAL DE RESPOSTA OBTIDAS
Outros profissionais ligados à educação 20

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS

10
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Conclui – se que a demanda pela informação é tão antiga


que desde a origem da humanidade, nós seres humanos nun- HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA: ESCOLA, ESTA-
ca paramos de levantar a história. Sempre haverá novidades a DO E SOCIEDADE.
serem desveladas. Com a nossa história da educação não seria
diferente, pois na antiguidade vimos que o ensinamento não se
concretizava nas escolas, o objetivo era adaptar as crianças ao A educação está presente em todas as sociedades e passa
meio social e físico, e os faziam através de aquisição de saberes por diversas mudanças ao longo do tempo. A sociedade, de uma
dos chefes de família, os quais foram os primeiros professores, forma ou de outra, se educa – e a educação molda o homem e,
professores e depois os sacerdotes. Não deixarei de relatar que a depender da finalidade dela na sociedade, pode ser utilizada
professores leigos, porque não existiam formações para eles, como forma de dominação ou de libertação. É necessário que
isso não significa que não possuía conhecimentos. haja educação para que a sociedade se desenvolva, tenha cida-
Descrevo a historia da educação básica, a fim de juntar dãos críticos. A evolução da educação está intrinsecamente liga-
ideias obtidas anteriormente para assim possuímos o conheci- da à evolução da sociedade. Segundo Gadotti (1999), a prática
mento do passado, com isso evitar cometer os mesmos erros. da educação é muito anterior ao pensamento pedagógico, que
Pois a influência do saber sobre a história educacional propor- surge com a reflexão sobre a prática, pela necessidade de siste-
ciona uma contestação a cerca da educação nos dias de hoje. matizá-la e organizá-la em função de determinados objetivos.
A educação brasileira é respeitada como um dos setores Como afirma Paulo Freire (1993), a educação como intervenção
com mais influência do pais. Vimos que a LDB foi à primeira lei a inspira mudanças radicais na sociedade, na economia, nas re-
proporcionar uma concepção de educação. Ao buscar transfor- lações humanas e na busca dos direitos, ou seja, uma socieda-
mar a escola em um espaço de atividades social. Onde também de sem educação não evolui. Diante da grande importância da
possa haver um ajustamento com os docentes e alunos, a fim educação, se torna necessário estudar a História da Educação
que o aluno possa conseguir facilitar aquisição de seus conhe- em seus mais diversos contextos, pois ela proporciona o conhe-
cimentos e também torna o professor um ajudante para a ob- cimento do passado da humanidade, criando assim novas pers-
tenção de novos conhecimentos e não a fim de ser um tirano pectivas. Para Aranha (2006, p. 24),
nós deveres. estudar a educação e suas teorias no contexto histórico em
É essencial mostrar que muita das finalidades delineadas na que surgiram, para observar a concomitância entre suas crises
constituição federal de 1988, a respeito da educação, até agora e as do sistema social, não significa, porém, que essa sincronia
não foram obtidas. Compreende – se que o apontamento desses deva ser entendida como simples paralelismo entre fatos da
alvos num documento com tanto prestigio a Constituição de um educação e fatos políticos e sociais. Na verdade, as questões de
país é sim uma melhoria considerável, ao ser percebido como a educação são engendradas nas reações que se estabelecem en-
educação foi vista aos prolongados últimos anos. tre as pessoas nos diversos segmentos da comunidade. A educa-
Cabe a nós, futuros pedagogos, obter em nossa práxis a ção não é, portanto, um fenômeno neutro, mas sofre efeitos do
permanente repercussão de que educação desejamos brindar jogo do poder, por estar de fato envolvida na política.
aos nossos alunos, com suporte nesse contesta mento, assinalar Logo, ao estudar a História da Educação podemos com-
objetivos apropriados a isso e que compete uma briga consis- preender que não há mudanças sem educação e podemos pen-
tente a obrigação exposta nas legislações em vigor, resultando sar os indivíduos como agentes construtores de história, ou seja,
em meios indispensáveis para que a tão esperada educação com podemos perceber a importância da educação na sociedade e na
qualidade possam de fato se realizar. formação cultural, social e econômica dela. O Brasil apresenta,
Com a soma de todos os elementos que foram aqui coloca- em cada período de sua história, realidades e contextos diferen-
dos, pode se inferir o seguinte. A consolidação do processo de tes, mas que, evidentemente, não difere o modelo de educação
implantação do sistema educacional brasileiro foi tortuosa e a destinado às classes populares: uma educação domesticadora,
que se admite que por vez houvesse retrocessos e discrepâncias elitista, reacionária, não raro às vezes, em precárias condições,
filosóficas. Mas baseado no que se tem em mãos até agora, não privando-as, assim, de uma educação democrática, libertadora,
será ousado afirmar que melhorias estão sendo implantadas e transformadora e realmente de qualidade. Por mais que as leis
implementadas no que concerne à educação. A sociedade, em elaboradas ao longo dos anos indicassem mudanças, a realidade
todos os seus setores, sociedade civil, industriais, aglomerações pouco mudava e, a educação, com toda a sua magnitude, se des-
filosófico – religiosas, empenham – se cada vez mais para fazer tinou a beneficiar a classe dominante em detrimento das classes
da educação a arma primordial contra a miséria, a pobreza e populares, contribuindo para formar “objetos”, quando deveria
principalmente a ignorância. formar sujeitos da história.
Há sim, com certeza, um caminho longo a se percorrer. Pois A educação durante o Período Colonial (1500-1822)
como já foi dito, retrocessos, atrasos, disputas políticos sociais, A história do Brasil é marcada preponderantemente pela
são os principais impe cílios para o desenvolvimento dos pais dependência, exploração, violência, desrespeito às diferenças
e consequentemente da nação. Mas se colocar toda a história culturais e privilégio de alguns em detrimento da grande maioria
educacional (principalmente a brasileira) verá que houve melho- da população. É com a chegada do elemento europeu a terras
rias significativas e proveitosas. brasileiras que essa situação inicia-se, provocando um choque
cultural que rebaixa o índio e, posteriormente, o negro e enalte-
ce o branco, seu projeto de colonização e seu desejo desmedido
de expandir-se territorial e economicamente.

11
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Nesse contexto, a Companhia de Jesus, que foi fundada A reforma pombalina dos estudos menores objetivou, se-
para contrapor-se ao avanço da Reforma Protestante, foi tra- gundo Laert Ramos de Carvalho,
zida para o Brasil para desenvolver um trabalho educativo e criar a escola útil aos fins do Estado e, nesse sentido, ao
missionário, com o objetivo de catequisar e instruir os índios e invés de preconizar uma política de difusão intensa e extensa do
colaborar para que estes se tornem mais dóceis e, consequen- trabalho escolar, pretenderam os homens de Pombal organizar
temente, mais fáceis de serem aproveitados como mão de obra. a escola que, antes de servir aos interesses da fé, servisse aos
“A organização escolar na Colônia está como não poderia deixar imperativos da Coroa (Piletti, 1992. p. 36).
de ser, estreitamente vinculada à política colonizadora dos por- Com a expulsão dos jesuítas, desmantelou-se toda uma es-
tugueses” (Ribeiro, 1986, p. 24). A obra educativa dos jesuítas trutura administrativa de ensino e o Estado passou a assumir
estava integrada à política colonizadora; durante pouco mais de pela primeira vez os encargos da educação. Com isso, mudou-se
dois séculos foi a responsável quase exclusiva pela educação no o quadro de professores e até rebaixou o nível de ensino, porém
período; além de ser um ensino totalmente acrítico e alheio à não houve ruptura em suas estruturas, pois os substitutos fo-
realidade da vida da colônia, foi aos poucos se transformando
ram pessoas preparadas pelos jesuítas e, aos serem recrutados,
em uma educação de elite e, em consequência, num instrumen-
passaram a dar continuidade à sua ação pedagógica. “O ensino
to de ascensão social. O ensino não poderia interessar à gran-
brasileiro, ao iniciar o século XIX, estava reduzido a pouco mais
de massa pobre, pois não apresentava utilidade prática, visava
que nada” (Piletti, 1991, p. 37), já que, com a reforma pombali-
uma economia fundada na agricultura e no trabalho escravo; o
ensino jesuítico só poderia interessar àqueles que não precisa- na, nenhum sistema educativo comparado ao jesuítico passou
vam trabalhar para sobreviver. A Companhia de Jesus, que tinha a existir.
inicialmente em seus objetivos catequisar e instruir o índio, de A educação no Período Imperial (1822-1889)
acordo com oRatio, foi aos poucos se configurando como forte Após a chegada da Família Real, em 1808, o Brasil apresen-
instrumento de formação da elite colonial, ficando os indígenas tou desenvolvimento cultural considerável, mas o direito à edu-
e as classes mais pobres à mercê da instrução. Segundo Piletti cação permanecia restrito a alguns. A vinda da Família Real e
(1991, p. 34), “os jesuítas responsabilizaram-se pela educação mais adiante a Independência (1822) fizeram com que o ensino
dos filhos dos senhores de engenhos, dos colonos, dos índios superior tivesse preocupação exclusiva, em detrimento de ou-
e dos escravos”. Ribeiro (1986, p. 29) elucida que “o plano legal tros níveis de ensino, evidenciando o caráter classista da educa-
(catequisar e instruir os índios) e o plano real se distanciaram. ção, ficando a classe pobre relegada a segundo plano, enquanto
Os instruídos eram descendentes dos colonizadores. Os indíge- a classe dominante expandia cada vez mais seus privilégios. O
nas foram apenas catequisados”. Nesse sentido, não só o índio objetivo fundamental da educação no Período Imperial era a
como todos aqueles que não faziam parte dos altos extratos da formação das classes dirigentes. Para isso,
sociedade (pequena nobreza e seus descendentes) estavam ex- ao invés de procurar montar um sistema nacional de ensino,
cluídos da educação. O sistema de ensino jesuítico apresentava integrado em todos os seus graus e modalidades, as autorida-
uma rede organizada de escolas e uniformidade de ação peda- des preocuparam-se mais em criar algumas escolas superiores e
gógica. Além das escolas de ler e escrever, ministrava o ensino em regulamentar as vias de acesso a seus cursos, especialmente
secundário e superior. através do curso secundário e dos exames de ingresso aos estu-
Todas as escolas jesuíticas eram regulamentadas por um dos de nível superior (Piletti, 1991, p. 41).
documento, escrito por Inácio de Loiola, oRatio at que Institu- Em 1823, foi instituído o Método Lancaster ou “ensino
to Studiorum, chamado abreviadamente deRatio Studiorum. Os mútuo”, em que, após treinamento, um aluno (decurião) fica-
jesuítas não se limitaram ao ensino das primeiras letras; além ria incumbido de ensinar a um grupo de dez alunos (decúria),
do curso elementar, eles mantinham os cursos de Letras e Filo- diminuindo, portanto, a necessidade de um número maior de
sofia, considerados secundários, e o curso de Teologia e Ciências professores. A primeira Constituição Brasileira, outorgada em
Sagradas, de nível superior, para a formação de sacerdotes. No
1824, garantia apenas, em seu Art. 179, “a instrução primária
curso de Letras estudava-se Gramática Latina, Humanidades e
e gratuita a todos os cidadãos”. No ano de 1827, uma lei de-
Retórica; no curso de Filosofia estudava-se Lógica, Metafísica,
terminou a criação de escolas de primeiras letras em todos os
Moral, Matemática e Ciências Físicas e Naturais. Os que preten-
lugares e vilas, além de escolas para meninas, nunca concreti-
diam seguir as profissões liberais iam estudar na Europa, na Uni-
versidade de Coimbra, em Portugal, a mais famosa no campo zadas anteriormente. O ato adicional de 1834 e a Constituição
das ciências jurídicas e teológicas, e na Universidade de Mon- de 1891 descentralizaram o ensino, mas não ofereceram con-
tpellier, na França, a mais procurada na área de medicina (Bello, dições às províncias de criar uma rede organizada de escolas, o
1992. p. 2). que acabou contribuindo para o descaso com o ensino público e
Em 1759, Sebastião José de Carvalho, o marquês de Pom- para que ele ficasse nas mãos da iniciativa privada, acentuando
bal, primeiro-ministro de Portugal, após entrar em conflito com ainda mais o caráter classista e acadêmico, gerando assim um
os jesuítas, os expulsou de todas as colônias portuguesas, supri- sistema dual de ensino: de um lado, uma educação voltada para
mindo todas as suas escolas. A razão para esse conflito apontada a formação das elites, com os cursos secundários e superiores;
por Piletti (1991) é o fato de os jesuítas se oporem ao controle de outro, o ensino primário e profissional, de forma bastante
do governo português. Com a supressão das escolas jesuíticas, precária, para as classes populares.
“a educação brasileira (...) vivenciou uma grande ruptura histó- O contexto educacional durante a Primeira República (1889-
rica num processo já implantado e consolidado como modelo 1930)
educacional” (Bello, 1992).

12
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A dualidade do sistema educacional brasileiro, que confe- A educação após a Revolução de 1930 (1930-1937)
ria ao povo uma educação dessemelhante daquela conferida A Revolução de 1930 criou uma efervescência ideológica
à elite, é herdada pela Primeira República juntamente com a que operou importantes discussões e transformações no campo
desorganização que se arrastou durante o período monárqui- educacional; parecia que o país tinha realmente acordado para
co. Surgiram inúmeras reformas para resolver a desorganização a importância da educação e para a necessidade de garantir a
do sistema educacional, entre elas a Benjamin Constant, a Lei todos esse direito. O Decreto nº 19.850, de 11 de abril de 1931,
Orgânica Rivadávia Corrêa, a Carlos Maximiliano, porém foram criou o Ministério da Educação e as secretarias de Educação dos
apenas reformas paliativas, pois não se buscava mudar a es- estados; em 1932, com o ideal de educação obrigatória, gratuita
trutura educacional. Mudava-se até o sistema, mas a base da e laica, entre outros, surgiu o Manifesto dos Pioneiros da Edu-
educação continuava. O modelo educacional que privilegiava a cação Nova, com o objetivo de tornar público o que era e o que
educação da elite, em detrimento da educação popular, é posto pretendia o Movimento Renovador. De acordo com Romanelli
em questão na Primeira República. Mas os ideais republicanos (1979, p. 147-148),
que pretensamente alimentavam projetos de ver um novo Brasil o manifesto sugere em que deve consistir a ação do Estado,
traziam, intrinsecamente, resquícios de um velho tempo, cujas reivindicando a laicidade do ensino público, a gratuidade, a obri-
bases erguiam as colunas da desigualdade social, em que, no ce- gatoriedade e a coeducação. Reconhecendo pertencer ao cida-
nário real, estava de um lado a classe pobre, sempre relegada a dão o direito vital à educação e ao Estado o dever de assegurá-la
e assegurá-la de forma que ela seja igual e, portanto, única, para
segundo plano; de outro, a classe dominante, expandindo cada
todos quantos procurarem a escola pública, é evidente que esse
vez mais os seus privilégios. O sistema federativo de governo,
direito só possa ser assegurado a todas as camadas sociais se a
estabelecido pela Constituição da República de 1891, ao consa-
escola for gratuita.
grar a descentralização do ensino, acabou construindo um sis-
Surgiram vários projetos, discussões importantes que de-
tema educacional pouco democrático, que privilegiava o ensino ram origem à Constituição de 1934, que visava à organização do
secundário e superior – responsabilidade da União –, em detri- ensino brasileiro e incluía um capítulo exclusivo sobre educação,
mento da expansão do ensino primário – que deve ser reser- no qual o Governo Federal passou a assumir novas atribuições
vado aos estados. A descentralização que conferia maior poder como:
aos estados podia representar, no plano das ideias, mudanças a função de integração e planejamento global da educação;
satisfatórias e significativas. Mas, na realidade, representou o a função normativa para todo o Brasil e todos os níveis educacio-
descaso e o abandono dos estados mais pobres, que se viam nais; a função supletiva de estímulo e assistência técnica e a fun-
cada vez mais à mercê da própria sorte. Isso se refletia no âmbi- ção de controle, supervisão e fiscalização (Piletti,1991, p. 81-82).
to educacional e relegava principalmente os menos favorecidos A educação durante o Estado Novo (1937-1945) e o governo
a uma educação precária ou ao analfabetismo, já gritante em populista (1945-1964)
nosso país. Romanelli (1978, p. 43) afirma: As discussões e reivindicações do período anterior e as con-
Vamos ver, assim, a educação e a cultura tomando impulso quistas do movimento renovador, expressos na Constituição de
em determinadas regiões do sudeste do Brasil, sobretudo em 1934, são consideravelmente enfraquecidas e até em alguns ca-
São Paulo, e o restante dos estados seguindo, “sem transforma- sos suprimidas pela Constituição de 1937. Segundo Ghiraldelli
ções profundas, as linhas do seu desenvolvimento tradicional, Jr. (1994, p. 81),
predeterminadas na vida colonial e no regime do Império”. o Estado Novo se desincumbiu da educação pública através
Como é evidente, o Estado de São Paulo se destacava pelo de sua legislação máxima, assumindo apenas um papel subsi-
maior investimento na área educacional. Porém é preciso ter em diário. O ordenamento relativamente progressista alcançado em
mente que a sua luta contra o analfabetismo, por meio da Liga 34, quando a letra da lei determinou a educação como direito de
de Defesa Nacional (1916) e da Liga Nacional do Brasil (1917), todos e obrigação dos poderes públicos, foi substituído por um
esta última com sede em São Paulo, representava consubs- texto que desobrigou o Estado de manter e expandir o ensino
tancialmente não o desejo de oferecer às camadas populares público.
oportunidades iguais de desenvolvimento, mas sim o desejo de Parafraseando Ghiraldelli Jr. (1994), o Estado estava pouco
parte da emergente burguesia de afrontar a enraizada política interessado em oferecer às classes populares educação pública
e gratuita, e isso ficou expressamente claro na Constituição de
oligárquica. Era preciso aumentar o contingente eleitoral, uma
1937, que pretendia contrariamente evidenciar o caráter dual
vez que o analfabeto era proibido de votar. Por essa razão, as
da educação, em que, para a classe dominante estava destinado
lutas contra o analfabetismo se intensificaram, pois ele era tido
o ensino público ou particular; ao povo marginalizado, deveria
como fator preponderante na perpetuação das oligarquias no
destinar-se apenas o ensino profissionalizante. Com o fim do Es-
governo; a alfabetização, então, era útil às transformações po- tado Novo, o país retornou à normalidade democrática e passou
lítico-eleitorais. Sem deixar de considerar que era necessário a adotar uma nova constituição. Na área educacional, o texto
também preparar as pessoas para a nova ordem econômica. de 1946 estabelecia alguns direitos garantidos pela Constituição
Contudo, não havia uma rede de escolas públicas organizada, de 1934 e suprimidos pela do Estado Novo. A educação como
respeitável; as poucas que existiam nas cidades, eram destina- direito de todos está claramente expressa em seu Art. 166. O
das ao atendimento dos filhos das classes abastadas. No interior Art. 167 afirma que o ensino deverá ser ministrado pelos pode-
do país, existiam algumas pequenas escolas rurais, funcionando res públicos, embora livre à iniciativa particular, respeitando as
em condições precárias, e o professorando não tinha qualquer determinações legais.
formação profissional.

13
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Para que o direito a educação fosse realmente assegurado, • Atendimento em creches e pré-escolas às crianças de
a Constituição destinava, em seu Art. 167, 10% do orçamento zero a seis anos;
da União e 20% dos estados, que, embora insuficientes, repre- • Valorização dos profissionais de ensino, com planos de
sentavam um avanço para que esse direito fosse assegurado. carreira para o magistério público.
Contudo, “apesar da mudança de regime e da nova constituição, Com base na nova Constituição, foi criada a nova Lei de
a legislação educacional herdada do Estado Novo vigorou até Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a Lei nº 9.394, pro-
1961, quando teve início a vigência da Lei de Diretrizes e Bases mulgada em 20 de dezembro de 1996. A Carta Magna e a nova
da Educação Nacional” (Piletti, 1991, p. 99). Até a aprovação da LDB dão suportes legais para que o direito a uma educação de
LDBEN de 1961, foram 13 anos (1948-1961). Durante esse pe- qualidade seja realmente consubstanciado, assegurando a for-
ríodo, a luta pela escola pública e gratuita intensificou-se. Nu- mação integral do indivíduo e a sua inserção consciente, crítica
merosas campanhas com participação popular reivindicavam a e cidadã na sociedade. Em 1996, o Governo Federal elaborou
ampliação e a melhoria do atendimento escolar para que, de os Parâmetros Curriculares Nacionais, estabelecendo diretrizes
fato, o direito constitucional “a educação é um direito de todos”, para estruturação e reestruturação dos currículos escolares de
fosse consolidado. todo o Brasil, em função da cidadania do aluno e de uma escola
A educação durante o Regime Ditatorial (1964-1985) realmente de qualidade. Contudo, ainda falta muito para que o
Se a educação antes do Período Ditatorial, com as ideias de texto legal realmente se consolide. Por mais que tenha evoluído,
universalização e democratização, nunca conseguiu consolidá- a educação brasileira ainda apresenta características reacioná-
-las, nesse período ela se distanciou mais desse ideal, pois se rias e alienantes, contribuindo para a formação de seres passi-
pautou na repressão, na privatização do ensino, continuou privi- vos, eximindo-se de compromisso de formar cidadãos ativos e
legiando a classe dominante com ensino de qualidade e deixan- conscientes. Como afirma Rodrigues (1991, p. 35),
do de fora as classes populares, oficializou o ensino profissiona- incapaz de ampliar e organizar a consciência crítica dos
lizante e o tecnicismo pedagógico, que visava unicamente pre- educandos, essa educação se converte em inutilidade formal,
parar mão de obra para atender às necessidades do mercado e ainda que recheada de discurso sobre a importância e o valor
desmobilizou o magistério com inúmeras e confusas legislações de conhecimento crítico e de atenções proclamada de se fazer
educacionais. A educação passou a atender ao regime vigente e, educação política.
de modo geral, visava transformar pessoas em objetos de traba- O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE),
lho, de lucro; seres passivos diante todas as arbitrariedades que criado em 1968, mantém vários programas que objetivam pro-
lhes fossem impostas. O ensino técnico oferecido para as classes porcionar mais autonomia às escolas, suprir as carências e ofe-
populares delineou muito bem a sua função na sociedade: aten- recer aos alunos melhores condições de acesso e permanência
der exclusivamente as necessidades do mercado, o que frearia
na escola e de desenvolvimento de suas potencialidades. Estes
as manifestações políticas, contribuindo para que o ensino su-
são alguns deles:
perior continuasse reservado às elites. Pela Lei nº 5.540/68, o
• Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE);
governo promoveu a Reforma Universitária:
• Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE);
• Instituiu o vestibular classificatório para acabar com os
• Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE);
‘excedentes’;
• Programa Nacional do Livro Didático (PNLD);
• Deu à universidade um modelo empresarial;
• Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Mé-
• Organizou as universidades em unidades praticamente
dio (PNLEM);
isoladas;
• Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetiza-
• Multiplicou as vagas em escolas superiores particulares
(Piletti, 1991, p. 16). ção de Jovens e Adultos (PNLA); e
A Lei nº 5.692/71 reformulou o ensino de 1º e 2º graus; foi • Programa Nacional de Transporte Escolar (PNTE), entre
aprovada sem participação popular, promoveu mudanças como: outros.
1º grau de 8 anos dedicado à educação geral; o 2º grau (3 a 4 Com a finalidade de democratizar o acesso ao Ensino Su-
anos) obrigatoriamente profissionalizante; até 1982, aumentou perior, em 2005 foi aprovada a Lei nº 11.096, que instituiu o
o número de matérias obrigatórias em todo o território nacio- Programa Universidade para Todos (ProUni), que concede bol-
nal, as disciplinas mais reflexivas deixaram de serem ministradas sas de estudos em instituições de ensino superior particulares a
no 2º grau. estudantes de escolas públicas de baixa renda e/ou estudantes
A educação brasileira de 1985 à atualidade de escolas particulares na condição de bolsistas utilizando como
Nos últimos 28 anos foram promovidas grandes modi- referência a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).
ficações na educação brasileira. Em 5 de outubro de 1988 foi As bolsas podem ser parciais, com descontos de 25% ou 50%,
promulgada uma nova Constituição, que “cuida da educação e e integrais. Também foi criado o Sistema de Seleção Unificada
do ensino de maneira especial com referência aos direitos, aos – Sisu, que visa substituir os exames tradicionais das universida-
deveres, aos fins e aos princípios norteadores” (Santos, 1999, des públicas; criado pelo Governo Federal, seleciona estudantes
p. 31). Dentre as principais mudanças no âmbito educacional, com base na nota do Enem, assim como o ProUni; dentro dele,
Aranha (1996, p. 223) destaca: as vagas estão divididas em ampla concorrência e as cotas para
• Gratuidade do ensino público em estabelecimentos estudantes de escolas públicas e de baixa renda, entre outros
oficiais; aspectos.
• Ensino Fundamental obrigatório e gratuito;

14
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Em 2007, foi promulgada a lei do Fundeb, que se caracte- Trazendo a memória alguns dos documentos que foram
riza como a maior fonte de recursos destinados para a educa- elementares a produção das Políticas Educacionais do nosso
ção; eles são distribuídos de acordo com o número de alunos país, faz-se presente e ainda atual às dificuldades educacionais
matriculados nas redes estaduais e municipais estabelecido pelo do Brasil o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova de 1932,
Censo Escolar. Em março de 2007 houve o lançamento do Pla- marco na definição de prioridades e metas educacionais que ne-
no de Desenvolvimento da Educação – PDE, que, por meio de cessitavam ser efetivadas. O documento, como o próprio título
inúmeros programas, objetiva suprir as deficiências e carências faz referência, foi o pioneiro e notável instrumento de regula-
da educação brasileira e superar um estágio de educação ainda mentação da situação educacional brasileira, não funcionando
limitado. Leis e projetos que visam sanar as deficiências da edu- apenas como um alerta a sociedade, mas também, como inspi-
cação brasileira não faltam. Falta efetivação séria, que de fato ração ao surgimento das Leis que regem a nossa educação.
minimize a distância entre o texto legal e o real. É sabido que
o processo é lento, e enquanto as leis não proporcionam mu- Principal fonte de implementação da educação nacional e
danças realmente satisfatórias as escolas públicas continuarão das políticas que assim as definem é a Lei de Diretrizes e Bases
apresentando sucateamento e condições de ensino e aprendi- da Educação Nacional (LDB), que no avanço dos anos foram re-
zagem decadentes. Falta estrutura física adequada das escolas, formuladas até o modelo atual datado de 1996 que sofreram
faltam recursos materiais e pedagógicos, falta valorização dos alterações de acordo com os governos.
professores, capacitação etc. Essas condições, entre tantas ou- Fonte: https://www.infoescola.com/educacao/politica-e-
tras, impedem que o Brasil suplante a herança de uma educação ducacional/
deficiente e excludente para enfim escrever a nova história de
uma educação libertadora, gratuita, universal, democrática e de
qualidade CURRÍCULO: CICLOS DE APRENDIZAGEM.
Fonte: https://educacaopublica.cederj.edu.br/arti-
gos/18/23/educao-e-histria-da-educao-no-brasil
Sistema concebido como alternativa ao tradicional sistema
de séries e na qual a avaliação é feita ao longo do ciclo – e não
POLÍTICA EDUCACIONAL, ESTRUTURA E ORGANIZA- ao fim do ano letivo. O sistema de ciclos tem base no regime de
ÇÃO DA EDUCAÇÃO. progressão continuada, uma perspectiva pedagógica em que a
vida escolar e o currículo são assumidos e trabalhados em di-
mensões de tempo mais flexíveis. Dessa forma, o aluno só pode-
A Política Educacional pertence ao grupo de Políticas Pú- ria ser reprovado no fim de cada ciclo.
blicas sociais do país. Este instrumento de implementação dos O sistema de ciclos tem origem nos termos da nova Lei de
movimentos e referenciais educacionais se faz presente através Diretrizes e Bases da Educação (LDB), de 1996, que concedeu
da Legislação Educacional. autonomia a Estados, municípios e escolas para adotar, ou não,
esse sistema. A LDB determina que, nos ciclos, a avaliação deve
Para que possamos compreender melhor o significado des- ser feita no dia-a-dia da aprendizagem, de diversas formas, in-
sa política, se faz necessário saber o que é Política Pública. Essa corporando-se à educação formal a experiência de vida trazida
Política é de responsabilidade do Estado, com base em organis- pelo aluno do seu universo familiar e social. De acordo com esse
mos políticos e entidades da sociedade civil, se estabelece um sistema, por exemplo, o ensino fundamental possui dois ciclos:
processo de tomada de decisões que derivam nas normatiza- um da primeira à quarta série e outro da quinta à oitava.
ções do país, ou seja, nossa Legislação. Diversos países da União Europeia adotam o sistema de ci-
As Políticas Públicas envolvem todos os grupos de necessi- clos com sucesso, tendo como base escolas com projeto peda-
dades da sociedade civil, que são as Políticas Sociais, estas de- gógico adaptado ao sistema – utilizando, por exemplo, sucessi-
terminam o padrão de proteção social implementado pelo Esta- vas verificações de assimilação das lições ministradas. No Brasil,
do, voltadas em princípio, à redistribuição dos benefícios sociais a introdução do sistema de ciclos no ensino fundamental é polê-
(INEP, 2006, p. 165), dentre eles o direito a educação. Para que mica: de um lado, é vista como tentativa de ocultar o problema
este direito seja garantido com qualidade e de forma universal é da repetência no país, e, de outro, como um avanço para garan-
implementada a Política Educacional. tir a permanência e o aprendizado dos estudantes na escola. A
organização por ciclos tende a evitar as frequentes rupturas e a
No decorrer dos anos no Brasil a Política Educacional fora excessiva fragmentação do percurso escolar, assegurando a con-
definida de formas diferentes, por ser um elemento de normati- tinuidade do processo educativo, dentro do ciclo e na passagem
zação do Estado e que envolve interesses políticos diversos, no de um ciclo ao outro.
entanto, a Política Educacional de um país deve ser guiada pelo De acordo com algumas pesquisas, são muitas as evidências
povo, respeitando o direito de cada indivíduo e assegurando o de que no Brasil, tanto no sistema de séries como no de ciclos,
bem comum. a maioria dos alunos que concluem o ensino fundamental é se-
Compreende-se, que de fato o exercício de construir uma mialfabetizada. No entanto, o sistema foi criado como medida
Política, não trata-se de um trabalho fácil de ser realizado, pois que procura também solucionar um dos problemas mais sérios
circunda uma nação, seus anseios, objetivos e valores, e estes do ensino básico brasileiro – a reprovação e a evasão dos alunos.
elementos não podem ser esquecidos por aqueles que assim fa- Fonte: http://www.educabrasil.com.br/sistema-de-ciclos/
zem nascer o molde da educação de um povo.

15
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

São igualitárias, democráticas, inspiradas no referente polí-


CURRÍCULO E OS DIREITOS DOS EDUCANDOS E DOS tico da garantia do direito de todos ao conhecimento, à cultura,
EDUCADORES. à formação como humanos?
São lógicas que permitem a humanização do trabalho dos
profissionais das escolas?
EDUCANDOS E EDUCADORES: SEUS DIREITOS E O Que igualam ou hierarquizam os docentes?
CURRÍCULO Para o autor, a reorientação curricular terá de propor a mu-
dar essas lógicas e valores.
A reflexão sobre o curriculo está instalada nas escolas. Du- Os educandos, sujeitos também centrais na ação educativa,
rante as últimas décadas, o currículo tem sido tema central nos são condicionados pelos conhecimentos a serem aprendidos e,
debates da academia, da teoria pedagógica, da formação docen- sobretudo, pelas lógicas e tempos predefinidosem que terão de
te e pedagógica. aprendê-los.
Miguel Arroyo indaga: Uma preocupação: é ter tantos alunos com problemas
Como está chegando o debate aos profissionais da educa- de aprendizagem e talvez muitos desses problemas sejam de
ção básica? aprendizagem nas lógicas temporais e nos recortes em que or-
Haverá um clima propício nas escolas ao repensar os cur- ganizamos os conhecimentos nos curriculos.
rículos?
Para o autor a resposta é sim,e nesse texto buscou-se focar mais indagações...
as indagações que partem dos sujeitos da ação educativa, dos
profissionais, educadores-docentes e dos educandos. Como os curriculos afetam o trabalho de administrar e de
ensinar e o trabalho de aprender dos educandos?
Educadores Indagam o currículo: Mudanças profissionais Os educandos nos obrigam a rever os currículos
vem ocorrendo na educação, a identidade profissional vem sen-
do redefinida, o que os leva a ter uma postura crítica sobre sua O curriculo vem conformando os sujeitos da ação educati-
prática e sobre as concepções que orientam suas escolhas. va - docentes e alunos. Conforme suas vidas, produz identida-
Arroyo nos convida a refletir diante dessa postura: des escolares: quem será o aluno bem sucedido, o fracassado, o
aprovado, o reprovado, o lento, o desacelerado, o especial.
Que indagações sobre currículo vem dessa nova identidade
profissional? Como essas tipologias de aluno são produzidas pelas lógicas
curriculares?
Pensemos em alguns núcleos de indagação que podem ser Como marcam as identidades das infâncias, adolescências
objeto de dias de estudo. e até da vida adulta?
Nossas vidas dependem do aluno que fomos, bem sucedi-
O currículo, seu ordenamento, suas hierarquias, a segmen- dos ou fracassados na escola.
tação dos conhecimentos em disciplinas, cargas horárias não
condicionam o nosso trabalho? O ordenamento curricular não é neutro, é condicionado por
Os esforços por formas de trabalho docente mais humano essapluralidade imagens sociais, são a matéria prima com que
não estão condicionados pelo ordenamento dos currículos? configuramos as imagens e protótipos de alunos.
Que mudar nesse ordenamento?
Ponto central> como condicionam nosso trabalho? Revendo os currículos no espelho dos educandos

Percebemos que a organização curricular afeta a organiza- Que faremos para alimentar o debate sobre os curriculos a
ção de nosso trabalho e do trabalho dos educandos. partir dos educandos?
O currículo, os conteúdos, seu ordenamento e sequencia- Podemos começar por levantar as concepções reducionis-
ção, suas hierarquias e cargas horárias são núcleo fundante e tas, fechadas dos educandos que ainda estão presentes quando
estruturante do cotidiano das escolas, dos tempos e espaços, preparamos as aulas ou as provas, quando pensamos a função
das relações entre educadores e educandos, da,diversificação social das escolas e da docência e quando são elaboradas políti-
que se estabelece entre os professores. cas e propostas curriculares.
A organização de nosso trabalho é condicionada pela orga-
nização escolar, que por sua vez, é inseparável da organização Empregáveis, mercadoria para o emprego?
curricular.
Essa uma das imagens mais reducionistas dos educandos e
Indaga-se: dos curriculos.
Como a organização curricular condiciona a organização da As reorientações curriculares ainda estão marcadas pelas
escola e por consequencia do nosso trabalho? novas exigências que o mundo do mercado impõe para os jo-
Que organização dos curriculos e da escola tornará nosso vens que nele ingressarão. As demandas do mercado, da socie-
trabalho mais humanos? dade, da ciência, das tecnologias e competências, ou a socieda-
Que lógicas concepções, valores regem, legitimam essa or- de da informática ainda são os referenciais para o que ensinar
ganização? e aprender.

16
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

“O mercado é pouco exigente em relação aos conhecimen-


tos dos seus empregados. O que valoriza é a eficácia do fazer.” CURRÍCULO E AVALIAÇÃO.

É sensato e profissional relativizar o papel das demandas do O currículo se configura como um plano para ajudar o alu-
mercado na hora de indagar e reorientar currículos, É urgente no a aprender e a escrever, e por isso deve manter uma certa
recuperar o conhecimento como núcleo fundante do currículo e unidade, promovendo a conexão dos diversos campos de co-
o direito ao conhecimento como ponto de partida para indagar nhecimento (interelacionamento horizontal). Numa sequência
os currículos. gradual, o currículo deve aos poucos, ir aprofundando os cam-
pos do conhecimento até se apresentar com as características
O Direito aos saberes sobre o trabalho nítidas de cada uma das ramificações desses campos (interela-
cionamento vertical).
Relativizando as demandas do mercado estaremos negando As autoras BOCHNIAK (1992), FAZENDA (1992), SAUL (1988)
aos educandos seu direito à preparação para o trabalho? e NELLI (1988) apresentam em comum, a concepção de educa-
Teremos de separar educação-docência-currículo e traba- ção enquanto conscientização, realizável mediante uma pedago-
lho? gia emancipadora, que tem como princípios norteadores:
O direito ao trabalho é inerente à condição humana, é um - a relação dialógica;
direito humano. Reconhecer o direito ao trabalho e aos saberes - a formação da consciência crítica;
sobre o trabalho terá de ser um ponto de partida para indagar - a desmistificação do saber;
os currículos. - a ênfase nos processos de produção do conhecimento
Portanto, equacionar o conhecimento, as competências e o mais que no seu produto;
currículo no referente do direito de todo ser humano, particular- - a pesquisa participante, entendida como criação cole-
mente das novas gerações à produção cultural da humanidade, tiva, com a flexibilidade metodológica que permita questionar
nos levará a um currículo mais rico, mais plural. o conhecimento e encontrar respostas a partir da vivência do
aluno.
“ Há muito conhecimento acumulado sobre os mundos do A partir desta concepção, defendem a construção do currí-
trabalho, sobre os processos de produção. Por que não abrir um culo na sala de aula, num processo permanente de descobertas (
debate sobre esses saberes e como os incorporar nos currícu- em que professores e alunos são pesquisadores), segundo prin-
los?” cípios da interdisciplinaridade.
No entanto, as modalidades de construção do currículo con-
A pedagogia crítica dos conteúdos contribuiu para enrique-
cerne à história da teorização educacional, na qual se identifica
cer os currículos com saberes sobre o direito à cidadania e sua
uma visão conservadora, liberal e uma versão crítica dialética.
negação, porém o direito ao trabalho, base da cidadania e de
Na vertente conservadora, o currículo tecnicista tem per-
todos os direitos humanos e os saberes sobre o trabalho não
manecido em evidência até os dias atuais. Entre os seus repre-
tem merecido ainda a devida atenção nos saberes curriculares.
sentantes pode-se citar Bobbit (1918), Charters (1923), Ralph
Tyler (1950), Popham (1969) e Mager (1979).
Perguntemo-nos o que impede que esses saberes sejam in-
Segundo esses autores, as relações entre educação e socie-
corporados para enriquecer os currículos?
dade são consideradas neutras, e as questões da ideologia, do
Desiguais nas capacidades de aprender? conhecimento e do poder são ignoradas, cedendo lugar ao me-
todológico e instrucional.
Outra imagem presente e determinante da docência e da Uma outra vertente retoma a relação da teoria com a práti-
administração escolar é ver os alunos como desiguais perante ca, tema de discussão filosófica, objeto de reflexão desde Sócra-
o conhecimento, ou catalogá-los em uma hierarquia de mais tes, Platão, Aristóteles, da qual surgiram as modernas ciências
capazes, menos capazes, sem problemas ou com problemas de do conhecimento com conteúdo social.
aprendizagem, inteligentes e acelerados ou lentos e desacelera- Surgem assim, teorias classificadas como teorias da repro-
dos, normais ou “deficientes”.As escolas não conseguem ver os dução social, que admitem a dependência da educação em re-
educandos como iguais perante os saberes e a capacidade de lação à sociedade.
aprendê-los. Os estudos recentes na área da análise do currículo mos-
Essa visão marcada pela desigualdade dos alunos perante o tram que é possível unir estruturas sociais e ação humanas
conhecimento é uma marca da cultura escolar. usando dialeticamente resistência e dominação para atingir a
emancipação. Entre os autores que defendem essa tese, temos
“ Para as ciências: Toda mente humana é igualmente capaz Michael Apple e Henry Giroux.
de aprender.” SILVA (1990) aborda o currículo sob duas perspectivas: o
Fonte: http://lubarrach.blogspot.com/2013/03/resumo-in- currículo como ciência natural e o currículo como ciência crítica.
dagacoes-sobre-curriculo.html O currículo como ciência natural tem como pressuposto a
possibilidade, a predeterminação e o planejamento a priori. O
planejamento curricular procura atingir requisitos científicos de
rigor, exatidão, objetividade e mensuralidade. É um currículo de-
nominado currículo-produto, pois resulta do técnico e racional.

17
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Os meios estão separados dos fins. O “o quê” deve ser en- O professor assim, tem condições de orientar suas ações
sinado é preestabelecido e o “como” ensinar é justaposto aos dentro da sala de aula, e o conhecimento deixa de ser reprodu-
objetivos e conteúdos propostos a priori. zido como ocorre no currículo como ciência natural.
Este torna-se um currículo fragmentado, pois, segue a ideo- As relações sociais dominantes tornam-se contestadas
logia da estratificação e da seletividade social. Dessa forma é um dentro da escola que é reconhecida não como uma instituição
currículo que tem que ser diversificado para atender as divisões totalmente determinada e as pessoas não são reprodutoras da
de trabalho exigidas pela sociedade industrial, com inúmeras es- economia, mas agentes ativos na produção da cultura e do co-
pecialidades e modalidades educacionais. nhecimento.
O currículo com base tecnicista, mais do que qualquer ou- O conhecimento, é portanto, processo que tem de ser al-
tro, possibilita a união do poder com o saber, isto é, o conheci- cançado na relação dialógica. Mais que aprender um conheci-
mento é distribuído e selecionado de forma a assegurar a repro- mento, é preciso concretizá-lo no cotidiano, questionando, res-
dução social. pondendo e avaliando.
O Estado tem papel importante na Educação, em que preva- No entanto, é passado no processo de ensino um conhe-
lece a hegemonia estatal do grupo no poder. cimento formal e um conhecimento informal denominado por
A tecnocracia na educação e no currículo produz o fortale- Apple (1992) de currículo manifesto e currículo oculto.
cimento do poder dos técnicos e consequente enfraquecimento O currículo manifesto e o discurso legitimador são trans-
do poder decisório do professor em sala de aula para orientar os mitidos no corpo formal do conhecimento escolar garantindo a
rumos da ação educativa. transmissão cultural e a seletividade social.
Assim, o professor tem pouco espaço para exercer sua au- O currículo oculto refere-se ao conjunto ideológico de re-
tonomia e criatividade. gras do senso comum que passaram a integrar o currículo, de-
O conhecimento, no currículo como ciência natural, é um terminando a seleção dos conteúdos a serem transmitidos e a
conhecimento objetivo e será transmitido ao aluno como mo- organização da experiência escolar.
delo de desempenho. A expressão, a experiência e vivências do Apple refere ainda que para atingir e desocultar o currícu-
aluno são ignoradas. lo é preciso que se responda: de onde vem, de quem é e para
O desinteresse dos alunos para com esse currículo, também quem é distribuído o conhecimento escolar.
é desconhecido, assim como a sua cultura e as diversidades so- Forma assim, o conceito de tradição seletiva que significa o
ciais. passado significativo (tradição) e passa à seletividade quando fil-
Um currículo nestas perspectivas antecipa os resultados tra determinados significados e práticas, e negligência ou excluí
do ensino, preestabelece o que deve ser ensinado, limitando o outros. As escolas ao desempenharem a função de agentes da
trabalho do professor à proposta exigida, impedindo resgatar a tradição seletiva, desempenham também um papel reprodutivo
cultura de que o aluno é portador. e de manutenção da hegemonia.
O currículo como ciência crítica é recente e surgiu da de- Henry Giroux (1986) contesta o papel reprodutivo da escola
núncia da ideologia e do poder que estão intrínsecos no conhe- e acredita que a construção da teoria crítica só é possibilitada
cimento escolar. Juntamente com a construção teórica é neces- nos momentos não-reprodutivos proporcionados pela autono-
sário o desenvolvimento de pesquisas que vão de encontro à mia relativa encontrada na cultura, na ideologia e na hegemonia.
realidade política e econômica das escolas, para obter subsídios Giroux tem uma preocupação com a cultura e a consciência,
que orientem a construção de um currículo como modelo críti- defendendo uma posição pedagógica na análise da escola e do
co. currículo, com uma visão de que a ação humana tem um papel
A estruturação desse tipo de currículo pressupõe uma pers- ativo na transformação da sociedade.
pectiva histórica e relacional para a análise do mesmo e sua in- Paulo Freire (educador brasileiro) também é adepto da vi-
vestigação é c centrada na sala de aula. Questões como: A quem são crítica do currículo e trabalha a questão epistemológica no
pertence esse conhecimento? Quem o selecionou? Porque é currículo, tentando compreender a produção do conhecimen-
organizado e transmitido dessa forma? E para que grupo deter- to, considerado como um ato de criar e recriar coletivo e não a
minado? simples transferência e reprodução do conhecimento existente.
Dessa forma é um trabalho que está firmado em pressu- Freire também valoriza a cultura geral e o senso comum,
postos, conceitos e terminologia próprios e que se volta para bem como a proposta de democratização do conhecimento.
a consciência crítica, e para a emancipação e humanização do Um currículo crítico necessita de criatividade dos professo-
homem. res e dos alunos para produzir um conhecimento emergente da
É um currículo que vai além das questões técnicas e cultura e da realidade que estiver inserida.
instrumentais, pois tem um enfoque relacional e estrutural Concluindo, a construção de um currículo crítico com sua
situando a escola e o currículo na totalidade das relações busca de concreticidade encontra resposta na cotidianicidade
sociais. O professor nesse sentido jamais será neutro, e sim do aluno, na sua cultura, que se constituem no caminho para
compromissado e impregnado de intencionalidade. a construção do conhecimento que seja transformador da rea-
A visão de homem passa a ser concreta e situado no tempo. lidade.
O planejamento educacional tem outra concepção porque Silva (1990), mostra os níveis do currículo numa perspectiva
procura responder as questões sobre quem planeja e com que crítica a partir do trabalho do pesquisador John Goodlad (1977)
finalidade, não sendo único objetivo os aspectos metodológicos. onde ele afirma que há:
a) “um currículo formal: o que foi prescrito como desejá-
vel por alguma organização normativa;

18
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

b) um currículo operacional: o que ocorre de fato, na sala Um trabalho crítico, como o proposto, não deve valorizar o
de aula. Em outras palavras, o que o observador vê quando está controle e o restabelecimento da ordem, mas sim as formas de
presente na sala de aula; expressão e interação que vão se construindo no cotidiano da
c) um currículo percebido: o que o professor diz que está sala de aula.
fazendo e o porquê dessa ação; Os comportamentos de oposição do aluno revela que esse
d) um currículo experienciado: o que os alunos percebem aluno está chamando para si uma parcela desse poder, o qual
e como reagem ao que está sendo oferecido”. ele exercita, violando as regras preestabelecidas e impondo
Resumidamente na visão de Goodlad o currículo forma; ou outras. Diante disso, o professor precisa aprender a trabalhar
manifesto numa perspectiva crítica não trabalha com propostas com o conflito, a compreender os limites da situação e trabalhar
abstratas de currículo, nem com programas padronizados que baseado neles. Fica em evidência um comportamento democrá-
acabam por reproduzir o conhecimento. Trabalha-se então, com tico que também é crítico, podendo recriar as relações entre o
a ideia de que o ensino e o currículo não comportam fórmulas conhecimento e a ideologia.
prontas e acabadas, sendo necessário atuar diretamente com a Partindo para a questão da estruturação do conteúdo, este
situação de realidade para atingir um trabalho integrado. enfoque crítico questiona a organização do conhecimento em
O nível operacional do currículo na visão crítica exige um disciplinas como um meio cômodo de facilitar a compreensão. A
reposicionamento quanto a sua aplicação em sala de aula. A sequência dos conhecimentos numa ordem pré-estabelecida é
questão metodológica é trabalhada exaustivamente e a instru- considerada inadequada pois a ciência não é vista como “estágio
mentação elaborada a priori pode ser reproduzida pelo profes- por estágio”. Surge assim, segundo FAZENDA (1992) a necessida-
sor. A técnica passa a ser um meio, e não um fim em si mesma. de do rompimento de barreiras entre as disciplinas, através de
A operacionalização numa metodologia crítica torna-se o uma abordagem interdisciplinar.
problema e é enfocado por alguns autores como: Paulo Freire, A interdisciplinaridade permite a passagem do saber seto-
Ira Shor, Antônio Faundez. Estes autores preocupam-se com o rizado a um conhecimento integrado. “Deve-se ter em vista, a
cotidiano do professor, pois numa educação libertadora o papel integração das disciplinas científicas, de seus conceitos diretri-
zes, de sua metodologia, de seus procedimentos, de seus dados
do professor é fundamental.
e da organização de seu ensino”, (Japiassu, Prefácio a FAZENDA,
Um método crítico, como o que está sendo proposto, não
1992: l4).
pode ser padronizado, mas sim criativo, experimental, situado,
A interdisciplinaridade, portanto, é uma forma de superar a
priorizando a interação e as atividades coletivas.
visão fragmentada do currículo como “somatório ou confluên-
As relações em sala de aula são dinâmicas, e o ensino é de-
cia de algumas poucas imbricações, formadas quase sempre em
terminado pela interação social, pelas relações que se formam
torno de disciplinas nucleares, que indiquem a espinha dorsal de
a partir dela, determinando os acontecimentos do dia-a-dia do
cada curso” (Bochniak, 1993:66).
ensino.
Podemos nos reportar ao currículo como ciência natural,
Shor defende que o professor não dirige os alunos, mas o
descrito no início deste texto, cuja forma de se estruturar o cur-
processo de ensino. rículo baseado nas divisões de trabalho exigido pela sociedade,
O currículo percebido pelo professor e pelos alunos assu- leva a uma elaboração fragmentada.
mem outro caminho na perspectiva crítica. O professor nesse Bochniak (1992) a interdisciplinaridade não é entendida
sentido crítico consegue fazer a ruptura com o senso comum e como “compatibilização de conteúdos de disciplinas em função
transcrever, pela ação e reflexão, a cotidianeidade rotineira, a de suas eventuais aproximações”. Também não significa a “jus-
crítica. taposição de conteúdos de disciplinas heterogêneas ou a inte-
É esta justamente uma das dificuldades de se colocar o gração de conteúdos numa mesma disciplina”(Fazenda, 1992).
currículo crítico em prática, a formação de professores que Para esta autora, a interdisciplinaridade é, acima de tudo,
exige uma movimentação permanente entre a ação e a reflexão. processo de coparticipação, reciprocidade, mutualidade, diá-
O currículo é influenciado pelo conhecimento que o profes- logo, que caracterizam a integração não apenas das disciplinas
sor tem da realidade e a sua posição em relação ao saber. É isso mas de todos os envolvidos no processo educativo.
que vai tornar um conhecimento reproduzido ou não. A interdisciplinaridade é vista então como uma questão
A forma de se trabalhar o currículo, revela o projeto políti- de atitude, pressupondo uma “intersubjetividade” e visando a
ca-pedagógico do professor. “uma mudança de atitude frente ao problema do conhecimen-
O ensino - pesquisa é um recurso útil para auxiliar o pro- to, uma substituição da concepção fragmentária para a unitária
fessor na construção do currículo em sala de aula, pois permite do ser humano”. (Fazenda, 1992).
que se investigue os alunos e colete elementos para a produção Segundo Bochniak (1992) e Fazenda (1992) abordar a inter-
de um conhecimento novo elaborado na análise e reflexão da disciplinaridade como atitude, supõe entender que ela exige, e
prática concreta de sala de aula. ao mesmo tempo, permite:
Assim é valorizado a Linguagem - pensamento do aluno e a) a superação de visões fragmentadas que colocam bar-
o currículo surgido dessa prática pode não pode condizer com reiras entre as disciplinas;
a posição oficial. b) a disposição de romper barreiras entre as pessoas nas
Pode ocorrer resistência por parte dos alunos quanto à essa suas diferentes funções;
prática crítica do professor. São estudantes presos à tradição da c) a modificação de hábitos estabelecidos;
transferência do conhecimento. d) o engajamento pessoal;

19
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

e) a aceitação dos limites do próprio saber e a abertura Os conteúdos para subsidiarem um currículo, devem ser es-
para acolher contribuições; tabelecidos em função de sua “relevância social”, selecionados
f) a convergência para objetivos mútuos; a partir do acervo cultural disponível” e convertidos em saber
g) a disposição de romper com o monólogo em favor de escolar. (Silva, 1988).
uma prática dialógica; Resumindo, a abordagem dos conteúdos na dimensão críti-
h) o exercício da dúvida, o cultivo da curiosidade, o desejo co-social implica:
da descoberta; a)o reconhecimento da objetividade e universalidade do
i) a valorização das experiências do cotidiano; conhecimento;
j) a preocupação com a visão de totalidade do homem como b)o reconhecimento do caráter de classe da produção, difu-
um “ser no mundo”. são e utilização do saber;
Por isso interdisciplinaridade não se ensina, nem se apren- c)o reconhecimento do caráter histórico (não estático nem
de, apenas vive-se, exerce-se”(Fazenda, 1992). definitivo) do saber;
Podemos pensar que para o exercício da interdisciplinari- d)a consideração do saber como socialmente construído e
dade, e da educação emancipadora nos seus diversos aspectos, em construção.
o compromisso político - pessoal e coletivo - é a principal mola e)a necessidade da socialização do saber sistematiza-
propulsora.
do como instrumento de emancipação das classes popula-
A valorização dos conteúdos escolares pressupõe o apri-
res;
moramento da prática pedagógica por meio do domínio dos co-
f)a necessidade da conversão do saber sistematizado em
nhecimentos e dos métodos adequados para garantir sua trans-
saber escolar;
missão - assimilação, passando pela criteriosa organização do
currículo (seleção, sequenciação e dosagem dos conhecimentos g)o acervo cultural como fonte do currículo escolar;
e habilidades de cada disciplina). h)o tratamento científico do conteúdo na organização da
Nessa perspectiva histórico-crítica são reconhecidos os limi- atividade cognoscitiva;
tes da escola, mas também as suas contradições e suas possibi- i)a vinculação dos conteúdos do ensino com as exigências
lidades. teóricas e práticas da formação dos alunos, em função da prática
Para a pedagogia crítico-social dos conteúdos, o processo social;
de assimilação do conhecimento através de uma elaboração ati- j)o necessário acesso ao conhecimento dominante, para
va do sujeito, em interação com o objeto e outros sujeitos, é o apreensão de suas distorções e produção de um saber de tipo
ponto-chave do processo de ensino. novo.
O conhecimento não se separa da vida material de socie- Cabe à escola então, ensinar propiciando às classes popu-
dade, é inerente à relação que os homens estabelecem entre si lares a conquista do saber sistematizado. Isto exige dos educa-
e com a natureza. É esta propriedade do homem de ser ativo e dores, um compromisso político, que deve se expressar na sua
consciente, e a possibilidade de desenvolver capacidade e forças capacidade de ultrapassar as aparências e captar distorções - o
reais que distingue o homem dos demais seres naturais. que é impossível sem o domínio do conteúdo a ser trabalhado e
Para Libâneo (1990) o conhecimento é ingrediente de toda dos métodos e técnicas que possibilitem sua transmissão - assi-
a educação. milação/apropriação.
O conhecimento não é produto da subjetividade, mas da Queluz (1984) propõe um currículo cujo objetivo é a forma-
realidade; não é neutro, mas histórica e socialmente determi- ção de pessoa. A formação da pessoa na escola se dá através de
nado. Ele compreende as esferas representativa (apreensão dos uma relação de ajuda entre facilitadores e alunos. Essa ajuda
dados objetivos) e imaginativa (criadora). Quando metódico, o será permitida no sentido de permitir à pessoa funcionar, inte-
conhecimento envolve regras, que determinam o raciocínio re- gralmente, e se auto-analisar.
ceptivo-indutivo (representativo) e o raciocínio operativo-dedu- A base para a construção desse currículo centrado na pes-
tivo (imaginativo). soa, é a concepção de uma educação humanista, apresentada
Estas esferas, contraditórias e complementares, formam a por Rogers.
unidade dialética.
O cerne da teoria curricular de Rogers até na forma como
Na perspectiva histórico-crítica, o ensino refere-se tanto ao
encaramos o homem, porque tudo o que fazemos em ensino
processo de busca, de descoberta, na apreensão da realidade
depende de como julgamos serem as pessoas.
objetiva, quanto à assimilação dos resultados das investigações -
O currículo centrado na pessoa terá como pressupostos as
o saber sistematizado - sem o qual é impossível a busca de novos
coordenadas traçadas por Rogers para uma educação centrada
conhecimentos.
no estudante: ser experimental, pessoal e em relação, onde o
A prática - bem como o conhecimento dessa prática - parte
professor está a serviço do aluno, possibilitando-lhe uma au-
de experiências e conhecimentos acumulados, e isto é condi-
to-aprendizagem, com vistas a uma aprendizagem que abranja
ção para posterior desenvolvimento do conhecimento (Libâneo,
sentimentos e ideias.
1990).
Para a realização deste currículo, deve existir uma esco-
É a partir dessa visão que se torna necessário a socialização
la aberta, que se constitui ambiente que suscite perguntas, ao
do saber elaborado. À escola cabe a conversão do saber
mesmo tempo que as responde. Sua organização física é moti-
sistematizado em saber escolar, em que “os conhecimentos
vadora e desperta a curiosidade da criança que encontra nela e
científicos são `pedagogizados’ de modo a converte-se em
dentro dela, respostas às suas dúvidas.
matérias de ensino”. (Libâneo, 1990).

20
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Isso ocorre na medida em que se deixando de lado as rígi- •O que é que o aluno vai saber e poder fazer no final desta
das organizações de sala de aula, cria na escola ambientes que unidade?
permitem o desenvolvimento de temas de interesse da criança, •Especificamente, o que é que o aluno vai aprender nesta
destinados à exploração e descoberta. unidade?
Vasconcello (1995) diz que o currículo deve estar atendo •Como é que o conhecimento e habilidades do aluno vão
para as necessidades das fases do processo de desenvolvimen- ser demonstrados?
to dos educandos e das demandas pedagógicas, ou seja, estar •Quais são os conceitos e generalizações mais importantes
atento à: a serem aprendidos?
1a. as necessidade básicas de ordem afetiva; •Quais são as habilidades específicas a serem demonstra-
2a. necessidades de atividades envolventes, significativas e dos?
participativas; •O aluno saberá que...
3a. necessidade de haver sentido nas atividades e na pró- •O aluno será capaz de... Quais são as atividades que facili-
pria escola. tarão o aluno aprender o conteúdo?
4a. necessidade de intervir nas decisões. •Quais são as atividades que darão prática e orientação
Um currículo que atente para essas questões contribui para para o aluno?
não gerar problemas de disciplina. •Quais são as atividades que o aluno necessita para esten-
É muito comum, no entanto, encontrarmos nas escolas der e refinar o conhecimento?
propostas curriculares que são anacrônicas, desarticuladas. •Quais são as atividades quer o aluno precisa para poder
Obviamente isto não favorece um ensino participativo e solucionar problemas e usar conhecimento significativamente?
significativo. Os programas têm funcionado, na prática, como Liste atividades que permite o aluno aprender.
verdadeiros dogmas, que precisam ser cumpridos “custe - Prática- Discussões
o que custar”, mesmo quando este custo implique na não - Projetos- Experimentos
aprendizagem por parte dos alunos... E aí as pressões vêm das - Simulações- Jornais escritos
mais diferentes direções: supervisão, direção, coordenação, - Solução de problemas- Artes
pais, vestibular, alunos, livro didático, colegas professores da - Apresentações orais-Pesquisas
mesma série (que já está em “tal ponto”) ou colegas das séries - Atividades escritos- Atividades de tomando de decisão
seguintes (que quer pegar os alunos “naquele ponto”). - Aprendizagem cooperativa- Organizadores gráficas
É preciso coragem, competência e trabalho coletivo para se
Para Libâneo a prática de avaliação em nossas escolas tem
rever as propostas e enfrentar as pressões, tendo em vista o
sido criticada, sobretudo, por reduzir-se à sua função de contro-
ensino transformador que se almeja.
le, mediante a qual se faz uma classificação quantitativa dos alu-
Na proposta da escola, deve ser levada em conta a neces-
nos relativa às notas que obtiveram nas provas. Os professores
sidade de atividade do educando. A criança, em fase de cres-
não têm conseguido usar os procedimento de avaliação - que,
cimento e desenvolvimento, precisa de participação ativa, de
sem dúvida, implicam o levantamento de dados por meio de
movimento. Como pode ser disciplinada, tendo que ficar 4, 5 ou
testes, trabalhos escritos etc. - para atender a sua função educa-
6 aulas sentadas, parada (muitas vezes apenas ouvindo o pro-
tiva. Em relação aos objetivos, funções e papel da avaliação na
fessor falar). Na medida que as aulas são mais participativas -
melhoria das atividades escolares e educativas, têm-se verifica-
diálogo, dramatização, trabalho de grupo, pesquisa -, ou que são do, segundo ele, na prática escolar alguns equívocos.
dadas em salas ambiente, laboratórios, bibliotecas, ateliê, ou o O mais comum, segundo ele, é tomar a avaliação unicamen-
simples trabalho no pátio, há maior possibilidade da criança se te como o ato de aplicar provas, atribuir notas e classificar os
envolver com o trabalho. alunos. O professor reduz a avaliação à cobrança daquilo que o
É fundamental que se desenvolva um currículo que aluno memorizou e usa a nota somente como instrumento de
contemple atividades diversificadas, como por exemplo, aulas controle. Continua ele, dizendo que, ainda hoje há professores
de educação artística, trabalhos manuais, teatro, educação que se vangloriam por deter o poder de aprovar ou reprovar.
física, jogos, excursões, campeonatos, olimpíadas, festivais, Quantas vezes se ouvem afirmações inteiramente falsas sobre
exposições, etc. o que deve ser um trabalho docente de qualidade, como por
Quando as atividades ficam todas concentradas na sala de exemplo: “O professor X é excelente, reprova mais da metade
aula e na passividade, a probabilidade de indisciplina é bem da classe”, “O ensino naquela escola é muito puxado, poucos
maior, em função do não atendimento de necessidades básicas alunos conseguem aprovação”.
da criança. Tal ideia é descabida, segundo o autor, primeiro porque a
A seguir temos um modelo para o desenvolvimento do atribuição de notas visa apenas ao controle formal, com objetivo
Currículo, como forma de exemplificar o que foi dito no texto, classificatório e não educativo; segundo, porque o que importa
podendo inclusive ser enriquecido com as reflexões do mesmo. é o veredicto do professor sobre o grau de adequação e confor-
Modelo para Desenvolvimento do Currículo midade do aluno ao conteúdo que transmite.
•Aprendizagem do Aluno
•Produto / Conteúdo
•Habilidades e Conhecimentos / Atividade de aprendiza-
gem
•Sugeridas e Estratégias

21
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Essa atitude ignora a complexidade de fatores que envolve Desse modo, a quantificação deve transformar-se em qua-
o ensino, tais como os objetivos de formação, os métodos e pro- lificação, isto é, numa apreciação qualitativa dos resultados ve-
cedimentos do professor, a situação social dos alunos, as condi- rificados.
ções e meios de organização do ensino, os requisitos prévios que Ele considera que a atitude de dar notas somente com base
têm os alunos para assimilar matéria nova, as diferenças indivi- em provas escritas tem limitações. As provas frequentemente
duais, o nível de desenvolvimento intelectual, as dificuldades de são empregadas apenas para medir capacidade de memoriza-
assimilação devidas a condições sociais, econômicas, culturais ção. Os livros didáticos e as tarefas dadas pelos professores es-
adversas dos alunos. Ao fixar critérios de desempenho unilate- tão repletos de exercícios desse tipo. Os professores, por sua
rais, o professor avalia os alunos pelo seu mérito individual, pela vez, têm dificuldades em avaliar resultados mais importantes do
sua capacidade de se ajustarem aos seus objetivos, independen- processo de ensino, como a compreensão, a originalidade, a ca-
temente das condições do ensino e dos alunos e dos fatores ex- pacidade de resolver problemas, a capacidade de fazer relações
ternos e internos que interferem no rendimento escolar. entre fatos e ideias etc.
O outro equívoco, segundo ele, é utilizar a avaliação como Entretanto, coloca ele, as provas escritas e outros instru-
recompensa aos “bons” alunos e punição para os desinteressa- mentos de verificação são meios necessários de obtenção de
dos ou indisciplinados. As notas se transformam em armas de
informação sobre o rendimento dos alunos. A escola, os profes-
intimidação e ameaça para uns e prêmios para outros. É comum
sores, os alunos e os pais necessitam da comprovação quantita-
a prática de dar e tirar “ponto” conforme o comportamento do
tiva e qualitativa dos resultados do ensino e da aprendizagem
aluno, ou a preocupação excessiva pela exatidão da nota, às
para analisar e avaliar o trabalho desenvolvido. Além disso, por
vezes reprovando alunos por causa de décimos. Nestas circuns-
tâncias, o professor exclui o seu papel de docente, isto é, o de mais que o professor se empenhe na motivação interna dos alu-
assegurar as condições e meios pedagógico-didáticos para que nos, nem sempre conseguirá deles o desejo espontâneo para o
os alunos sejam estimulados e aprendam sem necessidade de estudo. As crianças precisam de estimulação externa, precisam
intimidação. sentir-se desafiadas a fim de mobilizarem suas energias físicas e
O terceiro equívoco é o dos professores que, por confiarem intelectuais.
demais em seu “olho clínico”, dispensam verificações parciais no Portanto, se os objetivos e conteúdos são adequados às exi-
decorrer das aulas. Neste caso, o prejuízo dos alunos é grande, gências da matéria e às condições externas e internas de apren-
uma vez que o seu destino costuma ser traçado logo nos primei- dizagem dos alunos e se o professor demonstra um verdadeiro
ros meses do ano letivo, quando o professor estabelece quem propósito educativo, as provas dissertativas ou objetivas, o con-
passa e quem não passa de ano. Os condenados à repetência trole de tarefas e exercícios de consolidação e outros tipos de
são isolados no canto da sala de aula e, não raro, abandonam verificação são vistos pelos alunos como efetiva ajuda ao seu
a escola. desenvolvimento mental, na medida em que mostram evidên-
O quarto equívoco é daqueles professores que rejeitam as cias concretas da realização dos objetivos propostos.
medidas quantitativas de aprendizagem em favor de dados qua-
litativos. Consideram que as provas de escolaridade são preju- CARACTERÍSTICAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR
diciais ao desenvolvimento autônomo das potencialidades e da Com relação às características da avaliação escolar, o autor
criatividade dos alunos. Acreditam que, sendo a aprendizagem cita aquelas que considera principais, que estão listadas como
decorrente preponderantemente da motivação interna do alu- segue.
no, toda situação de prova leva à ansiedade, à inibição e ao cer- 1 - REFLETE A UNIDADE OBJETIVOS-CONTEÚDOS-MÉTODOS
ceamento do crescimento pessoal. Por isso, recusam qualquer Segundo o autor, a avaliação escolar é parte integrante do
quantificação dos resultados. processo de ensino e aprendizagem, e não uma etapa isolada. Há
Os equívocos apontados por Libâneo, mostram, segundo uma exigência de que esteja concatenada com os objetivos-con-
ele, duas posições extremas em relação à avaliação escolar: teúdos-métodos expressos no plano de ensino e desenvolvidos
considerar apenas os aspectos quantitativos ou apenas os qua- no decorrer das aulas. Os objetivos explicitam conhecimentos,
litativos. No primeiro caso, a avaliação é vista apenas como me-
habilidades e atitudes, cuja compreensão, assimilação e aplica-
dida e, ainda assim, mal utilizada. No segundo caso, a avaliação
ção, por meio de métodos adequados, devem manifestar-se em
se perde na subjetividade de professores e alunos, além de ser
resultados obtidos nos exercícios, provas, conversação didática,
uma atitude muito fantasiosa quanto aos objetivos da escola e à
trabalho independente etc.
natureza das relações pedagógicas.
O entendimento correto da avaliação, segundo ele, consiste Um aspecto que o autor considera relevante é a clareza dos
em considerar a relação mútua entre os aspectos quantitativos objetivos, pois os alunos precisam saber para que estão traba-
e qualitativos. A escola cumpre uma função determinada social- lhando e no que estão sendo avaliados.
mente, a de introduzir as crianças e jovens no mundo da cultura
e do trabalho; tal objetivo social não surge espontaneamente 2 - POSSIBILITA A REVISÃO DO PLANO DE ENSINO
na experiência das crianças e jovens, mas supõe as perspectivas O levantamento das condições prévias dos alunos para
traçadas pela sociedade e um controle por parte do professor. iniciar nova matéria, os indícios de progresso ou deficiências
Por outro lado, a relação pedagógica requer a interdependên- detectados na assimilação de conhecimentos, as verificações
cia entre influências externas e condições internas dos alunos; o parciais e finais são elementos que possibilitam a revisão do pla-
professor deve organizar o ensino, mas o seu objetivo é o desen- no de ensino e o encaminhamento do trabalho docente para a
volvimento autônomo e independente dos alunos. direção correta.

22
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Não apenas nas aulas, mas nos contatos informais na classe 7 - REFLETE VALORES E EXPECTATIVAS DO PROFESSOR COM
e no recreio, o professor vai conhecendo dados sobre o desem- RELAÇÃO AOS ALUNOS.
penho e aproveitamento escolar e crescimento dos alunos. Segundo Libâneo, os conhecimentos, as habilidades, as ati-
A avaliação, segundo o autor, ajuda a tornar mais claros os tudes e os hábitos, bem como a maneira de ser do professor,
objetivos que se quer atingir. No início de uma unidade didáti- indicam as crenças e propósitos em relação ao seu papel social
ca, o professor ainda não está muito seguro de como atingir os e profissional diante do alunos. Se o professor dá mostras de
objetivos no decorrer do processo de transmissão e assimilação. desatenção à criança pobre ou mal-sucedida, isso pode estar in-
À medida que vai conduzindo o trabalho e observando a reação dicando uma discriminação social com esta criança. Se não se
dos alunos, os objetivos se vão clarificando, o que possibilita to- empenha na organização dos alunos, nos hábitos de higiene, no
mar novas decisões para as atividades subsequentes. relacionamento entre as crianças, indica que não valoriza estes
aspectos. Atitudes de favoritismo por certos alunos, de precon-
3 - AJUDA A DESENVOLVER CAPACIDADES E HABILIDADES ceito social, de ironia em relação ao modo dos alunos se expres-
Segundo o autor, todas as atividades avaliativas concorrem sarem, etc. são antidemocráticas, portanto deseducativas.
para o desenvolvimento intelectual, social e moral dos alunos, A avaliação é um ato pedagógico. Nela o professor mostra
e visam a diagnosticar como a escola e o professor estão con- as suas qualidades de educador na medida que trabalha sempre
tribuindo para isso. O objetivo do processo de ensino e de edu-
com propósitos definidos em relação ao desenvolvimento das
cação é que todas as crianças desenvolvam suas capacidades
capacidades físicas e intelectuais dos alunos face às exigências
físicas e intelectuais, seu pensamento independente e criativo,
da vida social.
tendo em vista tarefas teóricas e práticas, de modo que se pre-
A avaliação escolar envolve a objetividade e a subjetivida-
parem positivamente para a vida social. A avaliação deve ajudar
todas as crianças a crescerem: os ativos e os apáticos, os esper- de, tanto em relação ao professor como aos alunos. Se somente
tos e os lentos, os interessados e os desinteressados. Os alunos levar em conta aspectos objetivos, acaba tornando-se mecânica
não são iguais, nem no nível socioeconômico nem nas suas ca- e imparcial; atendo-se somente às necessidades e condições in-
racterísticas individuais. A avaliação possibilita o conhecimento ternas dos alunos, pode comprometer o cumprimento das exi-
de cada um, da sua posição em relação à classe, estabelecendo gências sociais requeridas da escola.
uma base para as atividades de ensino e aprendizagem. Para superar criativamente essa aparente ambiguidade en-
tre o objetivo e o subjetivo, o professor precisa ter convicções
4 - VOLTAR-SE PARA A ATIVIDADE DOS ALUNOS éticas, pedagógicas e sociais e, ao fazer a apreciação qualitativa
A avaliação do rendimento escolar, segundo o autor, deve dos resultados escolares, deverá levar em conta os seus propó-
centrar-se no entendimento de que as capacidades se expres- sitos educativos.
sam no processo da atividade do aluno em situações didáticas. INSTRUMENTOS DE VERIFICAÇÃO DO RENDIMENTO ESCO-
Por esta razão, é insuficiente restringir as verificações a provas LAR
no final de bimestres. Quanto aos instrumentos de avaliação do rendimento esco-
lar o autor cita:
5 - SER OBJETIVA A prova dissertativa: compõe-se de um conjunto de ques-
Para o autor a avaliação deve ter caráter objetivo, capaz tões ou temas que devem ser respondidos pelos alunos com
de comprovar os conhecimentos realmente assimilados pelos suas próprias palavras, sendo que todas as questões pedidas de-
alunos, de acordo com os objetivos e os conteúdos trabalha- vem referir-se a objetivos e atividades que foram anteriormente
dos. Isso não significa excluir a subjetividade do professor e dos trabalhados durante as aulas.
alunos, que está sempre presente na relação pedagógica; mas A prova escrita de questões objetivas: em que se pede que
a subjetividade não pode comprometer as exigências objeti- o aluno escolha uma resposta entre alternativas possíveis de
vas - sociais e didáticas - inerentes ao processo de ensino. Para resposta.
garantir a exigência de objetividade, aplicam-se instrumentos e Questões certo-errado: em que o aluno escolhe a resposta
técnicas diversificadas de avaliação. entre duas ou mais alternativas onde cada item é uma afirmação
que pode estar certa ou errada.
6 - AJUDA NA AUTOPERCEPÇÃO DO PROFESSOR
Questões de lacunas (para completar): que são compostas
A avaliação é, também, um termômetro dos esforços do
por frases incompletas, deixando um espaço em branco (lacuna)
professor, segundo Libâneo. Ao analisar os resultados do ren-
para ser preenchido com uma só resposta certa.
dimento escolar dos alunos, obtém informações sobre o de-
senvolvimento do seu próprio trabalho. O professor pode per- Questões de correspondência: que são elaboradas fazen-
guntar-se: “Meus objetivos estão suficientemente claros? Os do-se duas listas de termos ou frases para que o aluno faça a
conteúdos estão acessíveis, significativos e bem dosados? Os correspondência certa.
métodos e os recursos auxiliares de ensino estão adequados? Questões de múltipla escolha: que são compostas de uma
Estou conseguindo comunicar-me adequadamente com todos pergunta, seguida de várias alternativas de respostas.
os alunos? Estou dando a necessária atenção aos alunos com Questões do tipo “teste de respostas curtas” ou de evoca-
mais dificuldades? Ou estou dando preferência só aos bem-su- ção simples: também chamados de provas objetivas, compõe-se
cedidos, aos mais dóceis e obedientes? Estou ajudando os alu- de testes que são respondidos na forma de dissertação, resolu-
nos a ampliarem suas aspirações, a terem perspectivas de futu- ção de problemas ou simplesmente de recordação de respostas
ro, a valorizarem o estudo?”. automatizadas.

23
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Estes instrumentos, entre tantos outros, devem ser utili- Por isso além de um planejamento, a escola necessita de
zados em conjunto com procedimentos auxiliares, como a ob- um projeto pedagógico que estabeleça um currículo e metodo-
servação e a entrevista. As observações dos alunos feitas pelos logia que leve em consideração todas as informações da socie-
professores visa a investigar, informalmente, as características dade que a escola irá atender e que serão aplicados de forma es-
individuais e grupais dos alunos, tendo em vista identificar fa- pecifica a este público para que os alunos atinjam as habilidades
tores que influenciam a aprendizagem e o estudo das matérias esperadas com êxito, fazendo a ligação dos conteúdos ensinos
e, na medida do possível, modificá-los. Já a entrevista é uma com a rotina diária do educando.
técnica simples e direta de conhecer e ajudar o aluno no seu
desempenho escolar e deve ter sempre um objetivo, que pode Como parte deste denso planejamento, o currículo escolar
ser o de ampliar os dados que o professor já tem, tratar de um é a parte que fundamenta o projeto político pedagógico,
problema específico detectado nas observações ou esclarecer pois o educador aplicando na sala de aula os conteúdos de
dúvidas quanto a determinadas atitudes e hábitos da criança. forma especifica e interativa com o meio em que o aluno está
inserido, consolida os objetivos implantados no projeto político
ATRIBUIÇÕES DE NOTAS OU CONCEITOS pedagógico.
Segundo o autor, a avaliação escolar tem também a função
de controle, expressando os resultados em notas ou conceitos No ambiente escolar, a aplicação do projeto político
que comprovam a quantidade e a qualidade dos conhecimentos pedagógico é fator importante para atingir as metas do
adquiridos em relação aos objetivos. A análise dos resultados processo ensino-aprendizagem, sua reflexão e ação periódica
de cada aluno e do conjunto dos alunos permite determinar a deve ser constante durante o processo evolutivo da escola,
eficácia do processo de ensino como um todo e as reorientações pela extensão e complexidade exigida e imputada no projeto
necessárias. político pedagógico, ele é composto por vários planejamentos,
Para Libâneo as notas ou conceitos traduzem, forma abre- currículo, plano de ensino, plano de aula entre outros, e todo
viada, os resultados do processo de ensino e aprendizagem. A planejamento requer avaliação, reflexão e ação
nota ou conceito não é o objetivo do ensino, apenas expressa Fonte: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/arti-
níveis de aproveitamento escolar em relação aos objetivos pro- gos/pedagogia/importancia-do-projeto-politico-pedagogico-e-
postos. -curriculo-escolar/64763

SUGESTÕES PARA TAREFAS DE ESTUDO


Dentre as perguntas sugeridas pelo autor para o trabalho CURRÍCULO E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS.
independente dos alunos, podemos citar: “Por que a avaliação
escolar é um processo contínuo?” e “Como deve ser efetivada,
na prática, a avaliação diagnostica?”. Enquanto processo político e sociocultural, o currículo es-
colar apresenta-se intimamente articulado às comunidades e/
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ou à sociedade com as quais interage mais de perto. Não só re-
Como bibliografia complementar, o autor cita, entre outras: produz como produz conhecimentos, valores, formas de pensar,
PILETTI, Claudino. Didática Geral. São Paulo, Ática, 1987 e VEI- sentir e agir. Mais do que isso, ele próprio exige mudanças para
GA, Ilma P. A . (org.). Repensando a Didática. São Paulo, Papirus, responder às exigências sociais e, por sua vez, produz inovações.
1988. Por isso, Sacristán (1998b, p. 207s), define o desenvolvimento
do currículo escolar na prática como indeterminado, passível
CURRÍCULO E PROJETO PEDAGÓGICO. de alterações e imprevisível antes de ser realizado. Nessa con-
cepção, não se admite a precisão de planos, nem de resultados
previstos, mas passamos a contar, para a tomada de decisões,
Toda instituição, organização ou empresa, tem que ter um com outros fatores que interferem na organização curricular, nas
objetivo para sua existência e desenvolvimento, para um melhor práticas pedagógicas e nos resultados. A prática educativa é uma
controle e segurança de atingir este objetivo se faz necessário realidade complexa e indeterminada em função de condições
um planejamento que determine as ações que serão realizadas como: multidimensionalidade, simultaneidade, rapidez nas de-
para alcançar este objetivo, neste planejamento também se faz cisões, não-previsibilidade, e até porque fica evidenciado que,
a previsão e levantamento dos obstáculos que possam surgir no […] por essa carência ou impossibilidade de regulação total
percurso até a meta. e determinante é que se diz que as atividades de ensino em ge-
ral – e o plano é uma – têm uma dimensão artística, o que não
A escola como uma das instituições essenciais para significa que sejam processos nos quais não se podem aplicar
o controle e formação da sociedade, devido sua tamanha certos princípios orientadores, observar algumas regularidades
importância e a quantidade de pessoas envolvidas em todo gerais, acumular experiência e aproveitar modelos que pare-
seu processo, precisa ter um planejamento que envolva toda cem dar bons resultados em outros casos (SACRISTÁN, 1998b,
a comunidade escolar, objetivos, ações e atribuições de cada p. 209).
grupo de participantes para que obtenha êxito em suas ações, Essa concepção da prática educativa como arte deve-se
ou diminua os riscos de errar. principalmente ao fato de que cada situação se configura como
única, tanto pelas pessoas e/ou profissionais envolvidos como
pelas circunstâncias, uma vez que,

24
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

[…] o ensino é artístico, pois os fins obtidos vão se origi- Além disso, enquanto ação, a sala de aula apresenta-se im-
nando ou adquirem significado no próprio processo de seu de- pregnada de desejos de transformação e busca de soluções cria-
senvolvimento prático, no sentido de que não se pode prever tivas para os problemas apresentados pela sociedade.
de antemão com um significado preciso, senão que, partindo de Nesse espaço, onde atuam forças, às vezes, antagônicas,
idéias e aspirações, encontramos seu valor quando se realizam insere-se o vídeo não só comotecnologia, mas também como
(SACRISTÁN, 1998b, p. 210). linguagem. Se hoje está presente na sala de aula, significa que
O ensino pode ser qualificado dessa forma, pois exige de existe uma necessidade de compreensão e adequação do currí-
quem o pratica intuição, criatividade, expressividade e organiza- culo escolar à forma de o vídeo produzir sentido, o que exigirá
ção. A cada instante, o docente lida com circunstâncias novas e da escola, dos docentes e discentes aprender como ele pode
imprevistas, que exigem dele múltiplos conhecimentos, incluin- integrar-se às propostas curriculares. A sua presença na sala de
do-se aí o bom senso: “Continuamos instalados na incerteza aula gera tensões, que precisam ser compreendidas, avaliadas e
como forma de pensar, o que não significa improviso, na qual os estudadas, até para compreendermos a abrangência das trans-
formações que ele pode impor aos outros elementos que fazem
protagonistas da prática se destacam por seu valor mediador”
parte do processo.
(SACRISTÁN, 1998b, p. 210).
Ao eleger o currículo escolar em ação como o ambiente mais
Na sua dimensão criativa, o currículo escolar e as práticas
propício para as transformações originadas em outros ambien-
de sala de aula são produzidas mais pelas circunstâncias, pelas
tes da sociedade e inseridas no processo educativo, também o
formas peculiares de cada docente e discente reagirem diante enfoco como um lugar privilegiado para o estudo e a pesquisa
do inesperado do que pelo plano elaborado a priori. Além do sobre que mediações ocorrem, como docentes e discentes se
mais, é essa dimensão do currículo que mais poderá interferir apropriam de suas linguagens, seu modo de produzir sentido, e
no sistema social em que está contextualizado e/ou inserido, quais desafios se apresentam diante dessas interações. Para tal,
rompendo com conhecimentos, valores e formas de agir, e, por preciso conhecer o vídeo como tecnologia e como ambiente de
isso, podemos atribuir-lhe um lugar especial para a mudança e múltiplas linguagens e possibilidades de aprendizagens formais
para a inovação, aceitando o novo. e informais, capaz de inserir o novo e/ou conservarem processos
Se, de um lado, algumas dimensões do currículo atuam que já não são mais significativos aos alunos e à sociedade, e até
como elementos de regulação e conservação como instâncias porque o mundo globalizado precisa urgentemente de profissio-
unificadoras das ações de ensino, apoiadas na regulamentação nais de qualquer área de conhecimento, inclusive na educação,
oficial, nos conteúdos dos livros-texto e materiais didáticos e que lutem para ter autoconhecimento, poder de imaginação,
dirigidas pelas avaliações externas, quer dos sistemas avaliati- foco na meta, atualização constante, aprendizado em equipe
vos oficiais, quer do mercado de outro lado, estão os docentes e e compreensão dos sistemas, onde deverá ter analise e com-
discentes a conviver e interagir em vários ambientes que se en- preensão para entender as inter-relações do sistema escolar, na
trelaçam em suas vidas, dentre os quais está o ambiente escolar, sala de aula e na comunidade, bem como se permitir mudanças
onde atua o currículo na sua dimensão em ação. Nesse espaço, constantes e com a maior agilidade possível, haja vista o uso das
onde o currículo é traduzido em atividades que configuram as tecnologias modernas na educação formal e informal.
práticas educativas, o docente insere o novo, o específico, o di- As novas tecnologias representadas pela televisão tradicio-
ferente, modificando as determinações de saberes curriculares nal, do vídeo, da televisão a cabo, dos computadores e da rede
e planos que vêm de fora:“[…] é que não se planeja esta prática mundial conhecida como internet, estão abertas plenamente
ex-novo, desde o nada, já que se desenvolve historicamente em para serem usadas em todos os níveis e graus de ensino em
circunstâncias determinadas; o professor não cria as condições qualquer parte do mundo, conforme Moran (1996), quando da
de ensino, muitas vezes vêm dadas”(SACRISTÁN, 1998b, p. 206). realização do XXVIII Seminário Brasileiro de Tecnologia Educa-
Os problemas, as inovações e as transformações que acon- cional, realizado no Rio de Janeiro.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
tecem, quer nos costumes, nas tecnologias, nos recursos e/
Em síntese, o homem da aldeia global do século XXI tem a
ou nas decisões políticas e/ou econômicas de uma sociedade,
televisão e a escola como parte integrante de sua história social
atingem as práticas educativas da sala de aula antes de atingir
e cultural. Os alunos de todos os níveis e graus de ensino ficam
as outras dimensões do currículo, pois é nelas que interagem
horas sem fins expostos aos programas de televisão com muita
os docentes e os discentes com os outros ambientes e/ou ins- satisfação e até porque faz parte do seu lazer e de sua forma-
tâncias sociais das quais participam. Por isso, o primeiro lugar ção cultural no sentido positivo e/ou negativo, advindo daí suas
onde atuam as mudanças é na prática, e na sala de aula, muitas mudanças de atitudes e de comportamentos diversificados, a
delas unem-se e/ou defrontam-se com mudanças propostas pe- começar pela reprodução de hábitos e costumes sociais trans-
los docentes, e/ou questionamentos e inovações trazidas pelos mitidos através da cultura midiática e o ambiente da educação
discentes a partir de sua própria cultura. formal e informal envolve as aprendizagens do ser humano em
Também é na sala de aula que constatamos a presença de sua totalidade.
determinações sociais, quer inovadoras, quer conservadoras, Fonte: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/edu-
dando significado às práticas pedagógicas. Convivem, portanto, cacao/o-curriculo-e-a-pratica-docente
as várias dimensões do currículo na sala de aula, mesclando-se
ora com predominâncias prescritivas, ora avaliativas, envolven-
do conhecimentos, crenças e valores a serem conservados e/ou
transgredidos.

25
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Aspectos da gestão democrática e os objetivos educacionais


GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA. na figura do diretor

A escola, antes vista como uma organização racional e pla-


Intencionalidade. nificada (cumpridora apenas de objetivos burocráticos), passa a
ser considerada como uma organização social, cultural e huma-
A gestão democrática da educação formal, permeada pela na, na qual podem ser tomadas importantes decisões educati-
autonomia, está associada ao estabelecimento de mecanismos vas, curriculares e pedagógicas. Cada personagem presente no
legais e institucionais e à organização de ações que desenca- seu interior — comunidade familiar, professores, alunos, gesto-
deiem a participação social: na formulação de políticas educa- res, dentre outros — tem importância fundamental, pois todos
cionais; no planejamento; na tomada de decisões; na definição fazem o cotidiano escolar acontecer.
do uso de recursos e necessidades de investimento; na execu- Para romper as relações de poder autoritárias, rígidas e bu-
ção das deliberações coletivas; nos momentos de avaliação da rocratizantes existentes durante anos na escola, o trabalho cole-
escola e da política educacional. Também a democratização do tivo torna-se condição sinequa non para a construção e recons-
acesso e estratégias que garantam a permanência na escola, trução do dia a dia escolar. O trabalho coletivo é o melhor meio
tendo como horizonte a universalização do ensino para toda a de atualização e reflexão sobre a ação educativa de seus profis-
população, bem como o debate sobre a qualidade social dessa sionais. Trabalhar coletivamente não significa, necessariamente,
educação universalizada. Portanto, todos trabalharem junto o tempo todo. Dependendo dos objeti-
A autonomia pedagógica diz respeito a um mínimo de li- vos comuns, é possível dividir responsabilidades e executar ati-
berdade que a escola precisa ter para escolher os conteúdos e vidades com subgrupos ou mesmo individualmente, desde que
os métodos de ensino, sem o qual fica comprometido o caráter se garanta a troca constante de informações e a continuidade do
pedagógico de sua intervenção escolar. Essa autonomia é reque- trabalho na direção dos objetivos estabelecidos de comum acor-
rida, por um lado, pela própria natureza da atividade pedagógica do. E para que haja essa participação, há que se ter consciência
que, por seu caráter de imprevisibilidade, não é suscetível de e responsabilidade, o que exigirá de todos, presença, reflexão e
uma completa e inflexível antecipação de suas ações, sem com- crítica constantes. A consolidação do trabalho coletivo na escola
prometer a necessária criatividade que se espera do processo resulta de um processo intencional e árduo na busca do rompi-
pedagógico (...). Com relação à autonomia administrativa, esta mento das relações de poder autoritário para um processo mais
significa a possibilidade de dispor de recursos e utilizá-los da for- democrático. As linhas de qualquer Projeto Político Pedagógico
ma mais adequada aos fins educativos. (...) Porém, também a devem refletir o desejo de um trabalho coletivo. O trabalho co-
autonomia administrativa da escola tem limites nas ações do Es- letivo não é meta fácil de atingir. Todavia, para uma escola que
tado, que não pode abrir mão de seu dever e de suas prerroga- deseja ser democrática, é o caminho para um processo pedagó-
tivas em matéria de ensino. Isso significa que gerir recursos com gico eficiente e para a qualidade de ensino desejada por todos.
autonomia não implica utilizá-los apenas de forma que profes-
O diretor da escola, como um líder, é peça fundamental
sores e diretores considerarem mais convenientes. Significa que,
no processo de trabalho coletivo, pois caberá a ele promover
a partir das diretrizes gerais traçadas pelo sistema, cada unidade
o clima de fraternidade, de respeito, de diálogo e de responsa-
escolar imprime à sua gestão uma forma mais adequada a suas
bilidade entre os educadores e, este mesmo clima, deverá ser
peculiaridades.
extensivo aos alunos. Estabelecer o permanente diálogo entre
Entende-se por autonomia da escola a capacidade de elabo-
a direção e todos os segmentos da escola é fundamental, pois
ração e realização de um projeto educativo próprio em benefício
neles repousa a possibilidade de viabilizar um ensino de qualida-
dos alunos e com a participação de todos os intervenientes no
de. O diretor da escola é também um educador, portanto cabe
processo educativo. A autonomia da escola é, pois, um exercício
de democratização de um espaço público: é delegar ao diretor e a ele a ação de garantir a execução da função educativa que é a
aos demais agentes pedagógicos a possibilidade de dar respos- razão primordial da escola. Sendo assim, a direção procura dar
tas ao cidadão a quem servem, em vez de encaminhá-lo para subsídios educacionais para que se dê e se permita a formação
órgãos centrais distantes onde ele não é conhecido e, muitas de alunos como sujeitos críticos e participativos em nossa so-
vezes, sequer atendido. O objetivo da autonomia é a busca da ciedade, pois a finalidade da escola é a busca de uma educação
qualidade com equidade enquanto meta e o fortalecimento da de qualidade, assegurando os objetivos que compõem o Projeto
escola enquanto meio. A autonomia coloca na escola a respon- Político Pedagógico da mesma, com o desenvolvendo de uma
sabilidade de prestar contas do que faz ou deixa de fazer sem política que visa formar cidadãos preparados para a vida.
repassar para outro setor essa tarefa e, ao aproximar escola e Considerando os princípios de uma gestão democrática, an-
família, é capaz de permitir uma participação realmente efetiva seia-se que o Diretor atue de forma efetiva, garantindo o acesso
da comunidade, o que a caracteriza como uma categoria emi- e a permanência das crianças e dos jovens em uma educação
nentemente democrática. básica de qualidade. Para tal, o trabalho coletivo com o envolvi-
mento de toda equipe torna-se fundamental para a construção
de estratégias de ação que favoreça a atuação em grupo, de for-
ma a diagnosticar a situação do estabelecimento, propondo en-
caminhamentos para melhoria do processo de ensino e apren-
dizagem, otimizando as tarefas administrativas e, sobretudo,
acompanhando e supervisionando este processo.

26
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Em suma, o objetivo principal do Diretor é dirigir um projeto Metas a serem atingidas pelo gestor na construção do pro-
educativo, politicamente comprometido com a transformação jeto educativo de qualidade
social da escola e da comunidade, visando: propiciar condições
para a prática docente e discente; possibilitar ao aluno com- Aspectos tecnológicos aplicados a educação
preender o mundo onde vive e apropriar-se de informações, Embora seja verdade que a tecnologia educacional não irá
estudar, pensar, refletir e dirigir suas ações segundo as neces- resolver os problemas da educação, que são muito mais profun-
sidades que são postas historicamente aos homens; assegurar dos, de natureza social, política, ideológica, econômica e cultu-
uma organização interna da escola em que os processos de ges- ral, elas auxiliam o desenvolvimento do trabalho do educador,
tão, administração e os de participação democrática de todos os pois proporcionam novas concepções de ensino e aprendiza-
elementos envolvidos na vida escolar estejam voltados para o gem. O uso das tecnologias de comunicação pode contribuir
atendimento da função básica da escola que é o ensino/apren- para o desenvolvimento de novas práticas pedagógicas, desde
dizagem; assegurar o desenvolvimento das capacidades e habi- que seu uso seja baseado em novas concepções de conhecimen-
lidades intelectuais sobre a base dos conhecimentos científicos, to, de alunos e de professor, transformando uma série de ele-
que formem o pensamento crítico e independente que permi- mentos que compõem o processo ensino-aprendizagem.
tam o domínio de métodos e o acesso ao conhecimento cientí- As tecnologias de informação e comunicação têm um pa-
fico; privilegiar a escola como local de apropriação sistemática e pel de destaque no momento atual que vivemos. O aluno de
organizado dos conhecimentos necessários à formação huma- hoje, independente do nível de ensino em que se encontra, tem
na, incentivando o uso dos espaços escolares como bibliotecas, acesso às tecnologias de informação e comunicação em seu co-
laboratórios de informática e de ciências; incentivar o uso das tidiano, e começa a desempenhar um novo papel no contexto
tecnologias de informação e comunicação visando contribuir escolar, apresentando vantagens em relação aos alunos de dez
para novas práticas pedagógicas, baseado em novas concepções anos atrás. Esse novo educando traz para a escola maior conhe-
de conhecimento, de aluno, de professor, transformando uma cimento factual, do mundo globalizado e demonstra maiores
série de elementos que compõem o processo de ensino apren- expectativas e objetivos quanto à sua formação.
dizagem; Aperfeiçoar as relações humanas dentro do ambiente A introdução de novas tecnologias na educação não implica
escolar para melhorar a qualidade de ensino; Garantir a efetiva- novas práticas pedagógicas, pois simplesmente utilizar as tecno-
ção da gestão democrática, incentivando o fortalecimento das logias pode significar vestir o velho com roupas novas. Portan-
instâncias colegiadas e promovendo reuniões periódicas com to, Moran (1998) considera que o ensino com as novas mídias
os mesmos. Garantir a participação efetiva dos funcionários, deveria questionar as relações convencionais entre professor e
técnicos e professores nas reuniões; Fortalecer a relação entre aluno. Para tanto define o perfil desse novo professor: ser aber-
escola e comunidade; Garantir a efetivação do Projeto Político to, humano, valorizar a busca, o estímulo, o apoio, e ser capaz de
Pedagógico e da Proposta Pedagógica Curricular, na perspectiva estabelecer formas democráticas de pesquisa e comunicação.
de uma escola inclusiva e que atenda às necessidades reais da Esse novo tempo em que estamos vivendo, o tempo da glo-
comunidade envolvida; Garantir a transparência da gestão dos balização do conhecimento, obriga o cidadão a dominar as tec-
recursos financeiros descentralizados através do orçamento par- nologias existentes, inclusive e, principalmente, o professor. As-
ticipativo; Proporcionar e garantir o fortalecimento da formação sim sendo, o uso das tecnologias educacionais é possibilidade de
continuada para todos os profissionais da educação do estabe- construir estratégias e habilidades necessárias para a compreen-
lecimento de ensino; Articular de forma permanente com todos são e inserção no mundo atual com novas formas de expressão
os órgãos públicos para suprir as demandas que surgirem no e comunicação. Neste enfoque as tecnologias são tratadas como
estabelecimento de ensino; Instituir uma avaliação qualitativa recurso e estratégia para garantir e ampliar a qualidade do pro-
para apreciação, análise e julgamento das práticas educacionais cesso ensino aprendizagem. A aprendizagem baseada no uso das
desenvolvidas no âmbito da escola, a partir de uma construção tecnologias educacionais enfatiza a interação do estudante com
coletiva de padrões que alicercem a tomada de decisões sobre o uma gama de recursos de aprendizagem como vídeos, internet,
que fazer para melhorar as ações pedagógicas. músicas, textos virtuais, dados eletrônicos, dentre outros, para
A concretização do trabalho coletivo na escola deriva de um resolver um determinado problema. A utilização das tecnologias
processo propositado e intenso na busca da quebra das relações educacionais deve ter como objetivo educacional muito mais do
de poder autoritário para a almejada democracia verdadeira. que a transmissão de informação, pois sua compreensão inclui
As fronteiras de qualquer Projeto Político Pedagógico devem a busca da informação, a análise, a avaliação e a organização da
raciocinar o desejo de um trabalho coletivo. Para isso, faz-se ne- mesma. É preciso que o professor ensine o educando a traba-
cessária a participação efetiva das Instâncias Colegiadas como: lhar com a informação que recebe, utilizando-a para colaborar
Conselho Escolar, APMF, Grêmio Estudantil, Conselho de Classe na solução dos problemas da realidade. Dessa forma, o uso das
e representantes de turma (ação esta que prepara o aluno para tecnologias educacionais possibilita ao professor ensinar de for-
atuar efetivamente de forma crítica na sociedade), além dos tra- mas diferentes transformando a aula em investigação.
balhadores da educação, Conselhos Tutelares e demais órgãos Mencionamos o quão importante é o uso das tecnologias
que defendem os direitos das crianças e adolescentes. de informação na prática pedagógica, mas devemos lembrar
que essas tecnologias devem se adequar ao Projeto Político Pe-
dagógico da escola, colocando-se a serviço de seus objetivos e
nunca os determinando, levando em conta a comunidade esco-
lar onde está inserida e qual o tipo de acesso à informação se
tem nesta comunidade e como é sua estrutura física para rece-

27
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

ber informações. É importante se lembrar também que o uso É no ato de planejar que relacionamos o Projeto Político Pe-
das tecnologias deve ser guiado pelas necessidades dos alunos dagógico (PPP) da escola, a sua Proposta Pedagógica Curricular
e professores calcados em abordagens teóricas sobre a natureza (PPC) e o Plano de Trabalho Docente. Todo projeto supõe ruptu-
do conhecimento e do processo ensino aprendizagem. ra com o presente e promessas para o futuro. Projetar significa
tentar quebrar um estado confortável para arriscar-se, atraves-
Aspectos dos recursos humanos sar um período de instabilidade e buscar uma estabilidade em
O que ocorre normalmente é que a pessoa que assume a função de promessa que cada projeto contém de estado me-
função de gestor escolar teve sua formação voltada para o ma- lhor do que o presente. Um projeto educativo pode ser tomado
gistério e, nos cursos dessa área, é comum não ensinarem con- como promessa frente a determinadas rupturas. As promessas
teúdos que tratem da legislação de pessoal. Então quando uma tornam visíveis os campos de ação possível, comprometendo
pessoa se depara no cargo de gestor escolar além das atividades seus atores e autores.
pedagógicas, ela deverá coordenar as atividades de pessoal da O ato de planejar faz parte da história do ser humano, pois
escola para que eles executem o projeto pedagógico e garantam o desejo de transformar sonhos em realidade objetiva é uma
uma educação de qualidade. Esse quadro de pessoal da escola é preocupação marcante de toda pessoa. Em nosso dia-a-dia,
formado principalmente pelos servidores públicos, pelo pessoal sempre estamos enfrentando situações que necessitam de pla-
do magistério e pelos agentes de apoio da educação. O gestor nejamento, mas nem sempre as nossas atividades diárias são
escolar é o responsável por eles e deverá, portanto, conhecer delineadas em etapas concretas da ação, uma vez que já perten-
muito bem os assuntos relacionados com a gestão de recursos
cem ao contexto de nossa rotina. Entretanto, para a realização
humanos na escola, pois ficará sob sua responsabilidade a obri-
de atividades que não estão inseridas em nosso cotidiano, usa-
gação de resolver os problemas dessa área.
mos os processos racionais para alcançar o que desejamos. Para
Somente para citar alguns exemplos de atividades que di-
oferecer um ensino adequado às necessidades de seus alunos,
zem respeito à gestão de recursos humanos e que o gestor deve
estar envolvido, temos: conhecer as atribuições de cada cargo a escola precisa saber o que quer, envolvendo a equipe peda-
que os servidores que estão sob sua coordenação têm que exe- gógica e a comunidade na definição das metas, por esse moti-
cutar e que estão definidas na legislação; saber qual a duração vo, dentro de uma instituição de ensino há os documentos que
da jornada de trabalho e qual o horário em que a jornada deve- organizam o processo de ensino e aprendizagem. Toda escola
rá ser cumprida pelos servidores na escola; conferir as tarefas tem objetivos que deseja alcançar, metas a cumprir e sonhos a
a serem executadas e as responsabilidades dos diferentes ser- realizar. O conjunto dessas aspirações, bem como os meios para
vidores; resolver problemas de licenças, suprimentos, cance- concretizá-las, é o que dá forma e vida ao chamado Projeto Po-
lamentos e substituição de professores e demais funcionários, lítico Pedagógico (PPP). Como parte integrante do PPP, temos a
faltas, não cumprimento de horários, afastamentos, encaminha- Proposta Pedagógica Curricular (PPC), que define os conteúdos
mentos de medidas disciplinares e muitas outras mais; conhecer básicos a serem trabalhados em cada disciplina conforme a le-
as resoluções de distribuição de aulas efetivas, extraordinárias e gislação vigente.
contratos temporários. Outro aspecto a ser destacado é a efetivação do Conselho
O gestor escolar precisa conhecer a Legislação relativa à de Classe como órgão de caráter consultivo e deliberativo, sen-
gestão de pessoal no serviço público e, mais especificamente, do uma instância de reflexão, discussão, decisão, ação e revisão
aquelas que tratam dos servidores na educação. Ver-se aí a ne- da prática educativa. Suas finalidades são analisar dados refe-
cessidade desse profissional desenvolver além da sua compe- rentes ao desenvolvimento ensino-aprendizagem, da relação
tência pedagógica a sua competência nos aspectos legais para professor-aluno, deve sugerir medidas pedagógicas a serem
poder programar uma gestão de mais eficiente. adotadas, visando superar as dificuldades detectadas e também
Aspectos pedagógicos deliberara a respeito da promoção final dos alunos. Sua finali-
Existe a gestão escolar como meio para a efetivação do en- dade é intervir em tempo hábil no processo ensino aprendiza-
sino aprendizagem. Sabemos que a gestão escolar é eficaz quan- gem e indicar alternativas que busquem sanar as dificuldades
do os dirigentes buscam uma visão global e abrangente do seu e garantir aprendizagem dos alunos. A coleta e organização dos
trabalho, em que venha a favorecer o desenvolvimento da es- dados a serem analisados durante a reunião do colegiado são de
cola e qualidade de suas ações. Escolas efetivas são capazes de responsabilidade da equipe pedagógica.
promover aprendizagem significativa na formação dos seus alu-
O Conselho de Classe deve suscitar as decisões a respeito da
nos e conseguem estabelecer metas para a melhoria objetiva da
recondução do processo ensino-aprendizagem. Como processo
aprendizagem, do desempenho de seus alunos e das condições
auxiliar de aprendizagem, ele deve refletir a ação pedagógica e
para promovê-la. Melhoram e aumentam a capacidade de mo-
não apenas se ater a notas e problemas comportamentais de
bilização de pessoas em torno da educação, sejam professores,
pais, alunos e/ou comunidade. Buscam comprometimento com determinados alunos. Deve ser encarado como um momento
o desenvolvimento de programas de alcance a médio e longo privilegiado para a realização de uma avaliação diagnóstica da
prazo. Melhoram a mobilização e utilização de recursos para a ação pedagógica educativa, em que professores, alunos e equi-
educação e desenvolvem sinergia coletiva e espírito de equipe. pe pedagógica participem ativamente. O conselho verifica se os
A preocupação com a melhoria da qualidade da Educação objetivos, processos, conteúdos e relações estão coerentes com
levantou a necessidade de descentralização, da democratização a proposta pedagógica da escola, sendo também um instrumen-
da gestão escolar e, consequentemente, sua participação tor- to de avaliação da mesma.
nou-se um conceito nuclear.

28
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Aspectos administrativos e financeiros vida escolar; aprofundar as reflexões sobre a função social da
A legislação brasileira tem como característica central na secretaria escolar; compreender o funcionamento da secreta-
política de financiamento da educação a previsão constitucio- ria e do seu papel enquanto setor de interação com o público;
nal de recursos para a educação. Esses recursos são aplicados conhecer a Estrutura e Funcionamento do Estabelecimento de
de forma centralizada pelas mantenedoras, como exemplo para Ensino, como Resoluções, Matrizes Curriculares, Atos Legais, Re-
pagamento da folha salarial, compra de materiais e/ou equipa- gimento, prazos para Tramitação de Processos; conhecer a legis-
mentos para distribuição às escolas, investimentos em infraes- lação pertinente no que tange o correto preenchimento do Livro
trutura e capacitação dos educadores; ou podem ser aplicados Registro de Classe; conhecer o Regimento escolar; conhecer a
de forma descentralizada pelo repasse de recursos para a escola Resolução que ampara o Calendário Escolar.
realizar as despesas.
Os recursos descentralizados para as escolas são uma parte Referência:
visível e concreta do financiamento da educação no cotidiano BORTOLINI, J. C. O Papel do Diretor na Gestão Democrática:
da escola. A importância do controle social sobre o uso destes Desafios e Possibilidades na Prática da Gestão Escolar. Interle-
recursos e a transparência na sua utilização é o fator primordial tras, volume 3, Edição número 17, abril 2013/ setembro.2013.
da democratização e do controle do financiamento público da
educação pela comunidade escolar. Ao acompanhar os gastos PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO.
descentralizados pais, alunos, professores e demais membros
podem familiarizar-se com as preocupações com a gestão corre-
ta dos recursos públicos e contribuir para o debate sobre como PROJETO POLÍTICO - PEDAGÓGICO DA ESCOLA:
e onde investir os recursos a fim de melhorar o processo ensino-
-aprendizagem no âmbito escolar. Fundamentos
A participação efetiva da comunidade escolar através das Até muito recentemente a grande questão da escola limi-
instâncias colegiadas- Associação de Pais Mestres e Funcionários tava-se a uma escolha entre ser tradicional ou experimental/
(APMF), Conselho Escolar e Grêmio Estudantil - é fundamental moderna. Essas categorias não desapareceram, mas já não res-
para a deliberação e fiscalização da aplicação dos recursos. Esta pondem todas as questões atuais da escola e, muito menos, à
é uma questão fundamental em termos de controle social do questão de seu projeto pedagógico.
recurso destinado a educação: a possibilidade de a comunidade O mundo de hoje ainda não esgotou as possibilidades pro-
escolar saber que os recursos de fato existem, sua quantidade e porcionadas pelos últimos avanços tecnológicos que tornaram
as possibilidades de uso. Portanto, a transparência nas informa- instantânea a comunicação no planeta e globalizaram a eco-
ções é imprescindível para que a aplicação dos recursos possibi- nomia em um grande mercado, onde o diferencial das nações
lite suprir as necessidades reais da escola e não apenas da lógica depende da educação e capacidade de iniciativa de suas popula-
geral da descentralização da política educacional e burocrática. ções. Aspectos como o pluralismo político, a emergência do po-
Também destacamos como importante função do gestor der local e a multiculturalidade passam a ser dominantes, o que
educacional, o conhecimento de outras fontes de recursos des- exige maior autonomia e novas formas de participação social.
centralizados provenientes do Ministério da Educação, além do
gerenciamento patrimonial, do conhecimento da rede física da Como tudo isso se traduz na escola?
escola e da logística educacional, bem como acompanhamento A escola no Brasil vem de uma longa tradição de saber enci-
e gerenciamento do programa de alimentação escolar. clopédico e acadêmico, sendo a educação que propicia mais um
Finalmente, para encerrar este panorama da gestão da ges- símbolo de status do que um mecanismo de redução das desi-
tão administrativa e financeira no âmbito escolar, enfatizamos gualdades sociais. Ela vem também de uma tradição autoritária
que a gestão democrática pode ser melhorada com a efetiva e de centralização administrativa. Mal se concretiza a universali-
participação da comunidade escolar nas atividades educacio- zação do acesso e a escola está sendo desafiada a implementar
nais, pois a presença e o envolvimento dos pais, alunos, profes- a autonomia e a gestão colegiada e a ser objeto de avaliações
sores, e de toda equipe técnico pedagógica da escola é princípio pelo Estado. É natural que a escola se pergunte sobre si mes-
fundamental para uma educação de qualidade e democrática. ma, sobre seu papel como instituição numa sociedade que se
Aspectos da legislação escolar democratizou recentemente e que passa por profunda reforma
Para um bom desempenho da escrituração e o arquivamen- do Estado.
to de documentos escolares, o gestor deve: Refletir sobre o pa- Não é sem motivo que as questões da autonomia, cida-
pel da secretaria no contexto escolar; conhecer o funcionamen- dania e participação no espaço escolar tenham se tornado te-
to da secretaria; refletir acerca das relações entre a secretaria mas marcantes do debate educacional brasileiro de hoje. Essa
e os outros setores da escola; dar subsídios ao profissional da preocupação tem-se traduzido na reivindicação de um projeto
secretaria para atuar na construção e implantação do Projeto político-pedagógico próprio a cada escola. O tema do Projeto
Político Pedagógico; conhecer a função social da secretaria esco- Político-Pedagógico é tratado aqui nesse contexto maior, por-
lar; dinamizar as relações entre a secretaria e os outros setores que é sob essa ótica que se pode avaliar sua importância como
da escola; analisar a LDB em seus principais artigos; desenvolver instrumento central de planejamento e implementação das ati-
habilidades e competências para atuar na organização de arqui- vidades de um ano escolar e, mais que isso, como uma etapa
vos e documentos da secretaria escolar, tendo como finalidade para a concretização da escola desejada por uma comunidade.
assegurar, em qualquer tempo, a verificação de identificação de Sublinharemos seu significado, bem como as dificuldades e obs-
cada aluno, regularidade de seus estudos, autenticidade de sua táculos e os elementos facilitadores de sua elaboração.

29
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Começaremos esclarecendo o próprio título. Entendemos A gestão democrática exige, em primeiro lugar, uma mudan-
que todo projeto pedagógico é necessariamente político. Pode- ça de mentalidade: deixar de lado o velho preconceito de que a
ríamos denominá-lo, portanto, apenas «projeto pedagógico». escola pública é apenas um aparelho burocrático do Estado e
Mas, a fim de dar destaque ao político dentro do pedagógico, não uma conquista da comunidade e um bem coletivo. A gestão
resolvemos desdobrar o nome em «político-pedagógico” . democrática convoca a comunidade e os usuários da escola a
Frequentemente se confunde projeto com plano. Certa- agir como co-gestores e não apenas como fiscalizadores e, me-
mente o plano diretor da escola - como conjunto de objetivos, nos ainda, como meros receptores dos serviços educacionais.
metas e procedimentos - faz parte do seu projeto, mas não é Na gestão democrática, pais e mães, alunas e alunos, professo-
todo o seu projeto. res e funcionários assumem sua parte de responsabilidade pelo
Isso não significa que objetivos, metas e procedimentos projeto da escola.
não sejam necessários. Mas eles são insuficientes pois, em ge-
ral, o plano fica no campo do instituído ou melhor, no campo do Há pelo menos duas razões que justificam a implantação de
cumprimento mais eficaz do instituído, como alguns discursos um processo de gestão democrática na escola pública:
em torno da «qualidade», e em particular da «qualidade total» 1ª) A escola deve formar para a cidadania e, para isso, ela
defendem hoje. Um projeto necessita sempre rever o instituído deve dar o exemplo. A gestão democrática da escola é um pas-
para, a partir dele, instituir outra coisa. Precisa tornar-se insti- so importante no aprendizado da democracia. A escola não tem
tuinte. Um projeto politico-pedagógico não nega o instituído da um fim em si mesma. Ela está a serviço da comunidade. Nisso,
escola que é a sua história e o patamar de onde pode mudar. O a gestão democrática da escola está prestando um serviço tam-
instituído é o conjunto de seus currículos, de seus métodos, o bém à comunidade que a mantém.
conjunto de seus atores internos e externos e o seu modo de 2ª) A gestão democrática pode melhorar o que é específi-
vida. Um projeto sempre parte do instituído e o confronta com co da escola; o seu ensino. A participação na gestão da escola
o instituinte. proporcionará um melhor conhecimento do funcionamento da
Não se constrói um projeto sem uma direção política, um escola e de seus atores; estreitando o contato entre professores
norte, um rumo. Por isso, todo projeto pedagógico da escola e alunos, o que aumentará o conhecimento mútuo e, em conse-
é também político. O projeto pedagógico da escola é, por isso quência, a aproximação entre as necessidades dos alunos e os
mesmo, sempre um processo inconcluso, uma etapa em direção conteúdos ensinados pelos professores.
a uma finalidade que permanece como horizonte da escola. A autonomia e a participação - pressupostos do projeto po-
lítico-pedagógico da escola - não se limitam à mera declaração
De quem é a responsabilidade da constituição do projeto de princípios consignados em algum documento.
da escola? Sua presença precisa ser mantida no Conselho de Escola
O projeto da escola não é responsabilidade apenas de sua ou Colegiado, mas também na escolha do livro didático, no pla-
direção. Ao contrário, numa gestão colegiada, a direção é esco- nejamento do ensino, na organização de eventos culturais, de
lhida a partir do reconhecimento da competência e da liderança atividades cívicas, esportivas, recreativas. Não basta apenas as-
de alguém capaz de executar um projeto coletivo. sistir às reuniões.
A escola, nesse caso, escolhe primeiro um projeto e só de- A gestão democrática envolve atitude e método. A atitude
pois, a pessoa que pode executá-lo. A eleição de um diretor ou democrática, que busca a participação e a transparência, é es-
de uma diretora deve se dar a partir da escolha de ideias nortea- sencial, mas não suficiente. Precisa de métodos democráticos,
doras de um projeto político-pedagógico e não a partir de afini- de efetivo exercício de participação consequente, que alcance
dades puramente pessoais. Ao se eleger um diretor de escola, o resultados. Nesse aspecto ela é um aprendizado, que deman-
que se está elegendo é um projeto para a escola. da tempo, atenção e trabalho. A gestão democrática deve estar
Não faz sentido buscar definições genéricas de projeto po- impregnada por uma atmosfera de ampla circulação das infor-
lítico pedagógico, pois não existem duas escolas iguais. Foi-se mações que facilite os processos de divisão do trabalho, esta-
o tempo da pretensão de saber de antemão qual é o projeto belecimento do calendário escolar, a distribuição das aulas, a
adequado para as escolas. Foi-se também o tempo em que se elaboração ou criação de novos cursos ou de novas disciplinas,
deixava ao diretor a responsabilidade de definir o projeto, sem a formação de grupos de trabalho, a capacitação dos recursos
ter incorporado as experiências, opiniões e aspirações daqueles humanos etc..
que vão realizá-lo (a equipe escolar) e daqueles para os quais o Existem, certamente, limitações e obstáculos à instauração
projeto é feito (alunos e suas famílias). O planejamento técnico- de um processo democrático de elaboração e execução do pro-
-racional deu lugar à responsabilidade compartilhada do diálogo jeto político-pedagógico da escola. Entre eles, podemos citar:
e da criatividade necessários à elaboração do projeto pedagógi- a nossa pouca experiência democrática;
co. A pluralidade de projetos pedagógicos faz parte da história a mentalidade de que só os técnicos têm capacidade de pla-
da educação da nossa época. nejar e governar e de que o povo é incapaz de exercer o governo
Não se entende, portanto, uma escola sem autonomia para ou de participar de um planejamento coletivo em todas as sua
estabelecer o seu projeto e sem autonomia para executá-lo e fases;
avaliá-lo. No entanto, o uso da autonomia não elimina a neces- a própria estrutura do nosso sistema educacional que é ver-
sidade de competência técnica e racionalidade. A diferença é tical;
que elas passam e ser empregadas em favor e sob a lógica da o autoritarismo que impregnou nossa política educacional;
articulação das experiências, opiniões e aspirações de todos os o tipo de liderança que tradicionalmente domina nossa ati-
envolvidos e interessados nos resultados da escola. vidade política no campo educacional.

30
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Um projeto político - pedagógico da escola apoia-se: 3º) Suporte institucional e financeiro, que significa vontade
no desenvolvimento de uma consciência crítica; política. Todos - principalmente dos dirigentes - devem ter pleno
no envolvimento das pessoas: comunidade interna e exter- conhecimento e os recursos financeiros devem estar claramente
na à escola; definidos;
na participação e na cooperação das várias esferas de go- 4º) Controle, acompanhamento e avaliação. Um projeto
verno; que não envolva constante avaliação, não permite que se saiba
na autonomia, responsabilidade e criatividade como pro- se seus objetivos estão sendo atingidos.
cesso e produto do projeto. 5º) Atmosfera ou ambiente favorável. Não se deve despre-
O projeto da escola depende, sobretudo, da ousadia de zar o componente mágico-simbólico, que contagia e cimenta a
seus agentes, da ousadia de cada comunidade escolar em assu- confiança de todos os que se envolvem no design e concretiza-
mir a sua “cara” tanto para dentro, nas menores manifestações ção de um projeto.
de seu cotidiano, quanto para fora, no contexto histórico em que 6º) Credibilidade. As ideias podem ser boas, mas se os que
ela se insere. as defendem não têm prestígio, comprovada competência e le-
Muito importante é também entender que o projeto políti- gitimidade, o projeto pode não deslanchar.
co-pedagógico tem natureza interdisciplinar e intersetorial. Não 7º) Referencial teórico que respalde os principais conceitos
se trata de trocar de teoria, como se ela pudesse salvar a escola. e a estrutura do projeto.
Pelo que foi dito até agora, a introdução do projeto pe-
dagógico em qualquer escola pode ser considerado como um A falta desses elementos dificulta a elaboração e implanta-
momento importante de renovação da escola. Isso porque ele ção de um projeto político - pedagógico novo para a escola. O
projeta um futuro coletivamente desejado e, projetar significa que é novo enfrenta sempre a descrença dos que pensam que
“lançar-se para a frente”, antever um futuro diferente do pre- de nada adianta projetar uma boa escola se não houver vontade
sente. Projeto pressupõe uma ação intencionada, com um sen- política dos «de cima». Contudo, o pensamento e a prática dos
tido definido, explícito, sobre o que se quer mudar. Além disso, «de cima» se modifica quando existe pressão dos «de baixo».
constitui um processo que com dois momentos distintos: Um projeto político - pedagógico da escola deve constituir-se
1º) o momento da concepção do projeto; num verdadeiro processo de conscientização e de formação cí-
2º) o momento da institucionalização e implementação do vica; deve ser um processo de recuperação da importância e da
projeto. necessidade do planejamento na educação.
Todo projeto supõe rupturas com o presente e promessas
para o futuro. Significa intenção ou coragem para arriscar que-
brar um estado confortável, atravessar um período de instabili- AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL.
dade em nome de um resultado, de um estado melhor do que
o presente.
Um projeto educativo é uma promessa frente a determi- A avaliação institucional é vista como instrumento de
nadas rupturas e, para ter sucesso; suas promessas devem ser melhoria e de qualidade acadêmica e cientifica. Ela busca uma
factíveis e tornar visíveis os campos de ação possível, motivando compreensão global das Universidades. Essa avaliação tem
seus atores e autores. Sem confiança na viabilidade do resulta- como objetivo compreender e avaliar todos os processo produ-
do e clareza em como fazê-lo acontecer, não se consegue reunir zidos pela Universidade, intervindo criticamente na comunidade
disposição para deslanchar uma mudança. acadêmica e científica. É preciso encarar a Universidade como
O êxito do projeto implica sobretudo uma noção de tempo: uma instituição com movimentos fortemente pedagógicos e plu-
a) Tempo político - o da oportunidade política de um deter- ralistas, já que seu cotidiano é feito de processos diferenciados
minado projeto. e convergentes. Cabe a ela encontrar caminhos que preservem
b) Tempo institucional - cada escola encontra-se num de- a pluralidade social, respeitando a igualdade de cada cidadão.
terminado tempo de sua história. Um projeto que é inovador e Deve contemplar as características individuais das instituições
contagiante para uma escola pode não ser para outra. que se fazem presentes nos diversos contextos do país. Dessa
c) Tempo escolar - o período do calendário da escola no forma, haverá a possibilidade de preservação da identidade de
qual o projeto é elaborado pode ser também decisivo para o cada uma.
seu sucesso. É preciso pensar numa avaliação capaz de identificar
d) Tempo para amadurecer as ideias - só os projetos buro- os pontos fracos para que, em seguida, os erros possam ser
cráticos chegam prontos e, por isso, se revelam ineficientes a corrigidos e possamos ter uma Universidade de qualidade.
médio prazo. Ideias novas precisam de tempo para serem se- De acordo com Sobrinho (1995) a avaliação da Universidade
dimentadas e amadurecidas, para serem discutidas e para per- deve ultrapassar a simples medição e quantificação e buscar
suadirem. compreender os significados das relações que constroem a
Como elementos facilitadores de êxito de um projeto, po- Universidade. O processo deavaliação da Universidaderequer
demos destacar: que a instituição tenha um julgamento de valores a respeito
1º) Comunicação eficiente. O projeto deve ser factível e seu dos resultados que se quer chegar do seu trabalho sistemático
enunciado facilmente compreensível; e contínuo.
2º) Adesão voluntária e consciente ao projeto. A correspon-
sabilidade é um fator decisivo no êxito de um projeto. Todos ou,
pelo menos, uma grande maioria, precisa estar envolvida;

31
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Através da avaliação institucional todos se tornam agentes Chega de confundir avaliação da aprendizagem com exa-
de mudanças e atuantes na gerência pelas prioridades sociais, mes. A avaliação da aprendizagem, por ser avaliação, é amoro-
pois a produção científica e a construção da cidadania são os sa, inclusiva, dinâmica e construtiva, diversa dos exames, que
elementos fundamentais a serem avaliados. Ela é uma exigência não são amorosos, são excludentes, não são construtivos, mas
da atual conjuntura que tem como principio uma sociedade de- classificatórios. A avaliação inclui, traz para dentro; os exames
mocrática. É uma forma necessária de administração do ensino selecionam, excluem, marginalizam.
e serve como melhoria da qualidade da instituição. No que se segue, apresento aos leitores alguns entendimen-
É por isso que ao mudar alguma coisa na instituição deve- tos básicos para compreender e praticar a avaliação da aprendi-
se estudar como se pretende investigar o que caracteriza um zagem como avaliação e não, equivocadamente, como exames.
processo de avaliação institucional de uma forma que permita Antes de mais nada, uma disposição psicológica necessária
a reformulação de princípios administrativos / pedagógicos e ao avaliador
que produza mecanismos para a efetivação de uma avaliação O ato de avaliar, devido a estar a serviço da obtenção do me-
democrática. lhor resultado possível, antes de mais nada, implica a disposição
A avaliação institucional ultrapassa as questões das apren- de acolher. Isso significa a possibilidade de tomar uma situação
dizagens individuais, buscando compreender as relações e as da forma como se apresenta, seja ela satisfatória ou insatisfató-
estruturas de caráter público e social das Universidades. Essas ria agradável ou desagradável, bonita ou feia. Ela é assim, nada
que tem devem ser avaliadas como forma de compreender e mais. Acolhê-la como está é o ponto de partida para se fazer
aprimorar seus compromissos com a sociedade. qualquer coisa que possa ser feita com ela. Avaliar um educando
Esta avaliação é dividida em duas modalidades: implica, antes de mais nada, acolhe-lo no seu ser e no seu modo
• Autoavaliação: Ela é Coordenada pela Comissão de de ser, como está, para, a partir daí, decidir o que fazer.
Avaliação de cada instituição, sendo orientada pelas diretrizes
Nacionais e por um roteiro da autoavaliação institucional da Co- A disposição de acolher está no sujeito do avaliador, e não
missão Nacional de Avaliação (CONAES). no objeto da avaliação. O avaliador é o adulto da relação de ava-
• Avaliação externa: Se baseia nos padrões nos ins- liação, por isso ele deve possuir a disposição de acolher. Ele é o
trumentos de avaliação e relatórios das autoavaliações, sendo detentor dessa disposição. E, sem ela, não há avaliação. Não é
orientada por uma visão que busca integrar uma natureza for- possível avaliar um objeto, uma pessoa ou uma ação, caso ela
mativa e de regulação a partir de uma visão globalizada. Ela é seja recusada ou excluída, desde o início, ou mesmo julgada pre-
Realizada por comissões constituídas por membros cadastrados viamente. Que mais se pode fazer com um objeto, ação ou pes-
e capacitados do Inep e do órgão do governo federal. soa que foram recusados, desde o primeiro momento? Nada,
com certeza!
Imaginemos um médico que não tenha a disposição para
AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E acolher o seu cliente, no estado em que está; um empresário
APRENDIZAGEM. que não tenha a disposição para acolher a sua empresa na si-
tuação em que está; um pai ou uma mãe que não tenha a dis-
posição para acolher um filho ou uma filha em alguma situação
O QUE É MESMO O ATO DE AVALIAR A APRENDIZAGEM? embaraçosa em que se encontra. Ou imaginemos cada um de
nós, sem disposição para nos acolhermos a nós mesmos no esta-
Cipriano Carlos Luckesi do em que estamos. As doenças, muitas vezes, não podem mais
sofrer qualquer intervenção curativa adequada devido ao fato
A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente na vida de que a pessoa, por vergonha, por medo social ou por qualquer
de todos nós que, de alguma forma, estamos comprometidos outra razão, não pode acolher o seu próprio estado pessoal, pro-
com atos e práticas educativas. Pais, educadores, educandos, telando o momento de procurar ajuda, chegando ao extremo de
gestores das atividades educativas públicas e particulares, ad- ‘já não ter muito mais o que fazer!’.
ministradores da educação, todos, estamos comprometidos A disposição para acolher é, pois, o ponto de partida para
com esse fenômeno que cada vez mais ocupa espaço em nossas qualquer prática de avaliação. É um estado psicológico oposto
preocupações educativas. ao estado de exclusão, que tem na sua base o julgamento pré-
O que desejamos é uma melhor qualidade de vida. No caso vio. O julgamento prévio está sempre na defesa ou no ataque,
deste texto, compreendo e exponho a avaliação da aprendiza- nunca no acolhimento. A disposição para julgar previamente
gem como um recurso pedagógico útil e necessário para auxiliar não serve a uma prática de avaliação, porque exclui.
cada educador e cada educando na busca e na construção de si Para ter essa disposição para acolher, importa estar atento
mesmo e do seu melhor modo de ser na vida. a ela. Não nascemos naturalmente com ela, mas sim a construí-
mos, a desenvolvemos, estando atentos ao modo como recebe-
A avaliação da aprendizagem não é e não pode continuar mos as coisas. Se antes de ouvirmos ou vermos alguma coisa já
sendo a tirana da prática educativa, que ameaça e submete a estamos julgando, positiva ou negativamente, com certeza, não
todos. somos capazes de acolher. A avaliação só nos propiciará condi-
ções para a obtenção de uma melhor qualidade de vida se esti-
ver assentada sobre a disposição para acolher, pois é a partir daí
que podemos construir qualquer coisa que seja.

32
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Por uma compreensão do ato de avaliar Como a qualificação, a tomada de decisão também não se
faz num vazio teórico. Toma-se decisão em função de um obje-
Assentado no ponto de partida acima estabelecido, o ato de tivo que se tem a alcançar. Um médico toma decisões a respeito
avaliar implica dois processos articulados e indissociáveis: diag- da saúde de seu cliente em função de melhorar sua qualidade
nosticar e decidir. Não é possível uma decisão sem um diagnósti- de vida; um empresário toma decisões a respeito de sua em-
co, e um diagnóstico, sem uma decisão é um processo abortado. presa em função de melhorar seu desempenho; um cozinheiro
Em primeiro lugar, vem o processo de diagnosticar, que toma decisões a respeito do alimento que prepara em função de
constitui-se de uma constatação e de uma qualificação do objeto dar-lhe o melhor sabor possível, e assim por diante.
da avaliação. Antes de mais nada, portanto, é preciso constatar Em síntese, avaliar é um ato pelo qual, através de uma dis-
o estado de alguma coisa (um objeto, um espaço, um projeto, posição acolhedora, qualificamos alguma coisa (um objeto, ação
uma ação, a aprendizagem, uma pessoa...), tendo por base suas ou pessoa), tendo em vista, de alguma forma, tomar uma deci-
propriedades específicas. Por exemplo, constato a existência de são sobre ela.
uma cadeira e seu estado, a partir de suas propriedades ‘físicas’ Quando atuamos junto a pessoas, a qualificação e a decisão
(suas características): ela é de madeira, com quatro pernas, tem necessitam ser dialogadas. O ato de avaliar não é um ato impo-
o assento estofado, de cor verde... A constatação sustenta a con- sitivo, mas sim um ato dialógico, amoroso e construtivo. Desse
figuração do ‘objeto’, tendo por base suas propriedades, como modo, a avaliação é uma auxiliar de uma vida melhor, mais rica
estão no momento. O ato de avaliar, como todo e qualquer ato e mais plena, em qualquer de seus setores, desde que constata,
de conhecer, inicia-se pela constatação, que nos dá a garantia de qualifica e orienta possibilidades novas e, certamente, mais ade-
que o objeto é como é. Não há possibilidade de avaliação sem quadas, porque assentadas nos dados do presente.
a constatação.
A constatação oferece a ‘base material’ para a segunda par- Avaliação da aprendizagem escolar
te do ato de diagnosticar, que é qualificar, ou seja, atribuir uma
qualidade, positiva ou negativa, ao objeto que está sendo ava- Vamos transpor esse conceito da avaliação para a com-
liado. No exemplo acima, qualifico a cadeira como satisfatória preensão da avaliação da aprendizagem escolar. Tomando as
ou insatisfatória, tendo por base as suas propriedades atuais. Só elucidações conceituais anteriores, vamos aplicar, passo a pas-
a partir da constatação, é que qualificamos o objeto de avalia- so, cada um dos elementos à avaliação da aprendizagem escolar.
ção. A partir dos dados constatados é que atribuímos-lhe uma Iniciemos pela disposição de acolher. Para se processar a
qualidade.
avaliação da aprendizagem, o educador necessita dispor-se a
acolher o que está acontecendo. Certamente o educador pode-
Entretanto, essa qualificação não se dá no vazio. Ela é es-
rá ter alguma expectativa em relação a possíveis resultados de
tabelecida a partir de um determinado padrão, de um determi-
sua atividade, mas necessita estar disponível para acolher seja
nado critério de qualidade que temos, ou que estabelecemos,
lá o que for que estiver acontecendo. Isso não quer dizer que ‘o
para este objeto. No caso da cadeira, ela está sendo qualifica-
que está acontecendo’ seja o melhor estado da situação avalia-
da de satisfatória ou insatisfatória em função do quê? Ela, no
da. Importa estar disponível para acolhê-la do jeito em que se
caso, será satisfatória ou insatisfatória em função da finalidade
encontra, pois só a partir daí é que se pode fazer alguma coisa.
à qual vai servir. Ou seja, o objeto da avaliação está envolvido
em uma tessitura cultural (teórica), compreensiva, que o envol- Mais: no caso da aprendizagem, como estamos trabalhando
ve. Mantendo o exemplo acima, a depender das circunstâncias com uma pessoa – o educando –, importa acolhê-lo como ser
onde esteja a cadeira, com suas propriedades específicas, ela humano, na sua totalidade e não só na aprendizagem específica
será qualificada de positiva ou de negativa. Assim sendo, uma que estejamos avaliando, tais como língua portuguesa, matemá-
mesma cadeira poderá ser qualificada como satisfatória para um tica, geografia....
determinado ambiente, mas insatisfatória para um outro am- Acolher o educando, eis o ponto básico para proceder ativi-
biente, possuindo as mesmas propriedades específicas. Desde dades de avaliação, assim como para proceder toda e qualquer
que diagnosticado um objeto de avaliação, ou seja, configurado prática educativa. Sem acolhimento, temos a recusa. E a recusa
e qualificado, há algo, obrigatoriamente, a ser feito, uma toma- significa a impossibilidade de estabelecer um vínculo de traba-
da de decisão sobre ele. O ato de qualificar, por si, implica uma lho educativo com quem está sendo recusado.
tomada de posição – positiva ou negativa –, que, por sua vez, A recusa pode se manifestar de muitos modos, desde os
conduz a uma tomada de decisão. Caso um objeto seja qualifica- mais explícitos até os mais sutis. A recusa explícita se dá quando
do como satisfatório, o que fazer com ele? Caso seja qualificado deixamos claro que estamos recusando alguém. Porém, existem
como insatisfatório, o que fazer com ele? O ato de avaliar não modos sutis de recusar, tal como no exemplo seguinte. Só para
é um ato neutro que se encerra na constatação. Ele é um ato nós, em nosso interior, sem dizer nada para ninguém, julgamos
dinâmico, que implica na decisão de ‘o que fazer’ Sem este ato que um aluno X ‘é do tipo que dá trabalho e que não vai mu-
de decidir, o ato de avaliar não se completa. Ele não se realiza. dar’. Esse juízo, por mais silencioso que seja em nosso ser, está
Chegar ao diagnóstico é uma parte do ato de avaliar. A situação lá colocando esse educando de fora. E, por mais que pareça que
de ‘diagnosticar sem tomar uma decisão’ assemelha-se à situa- não, estará interferindo em nossa relação com ele. Ele sempre
ção do náufrago que, após o naufrágio, nada com todas as suas estará fora do nosso círculo de relações. Acolhê-lo significa estar
forças para salvar-se e, chegando às margens, morre, antes de aberto para recebê-lo como é. E só vendo a situação como é
usufruir do seu esforço. Diagnóstico sem tomada de decisão é podemos compreendê-la para, dialogicamente, ajudá-lo.
um curso de ação avaliativa que não se completou.

33
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Isso não quer dizer aceitar como certo tudo que vem do instrumento inadequado ou defeituoso pode distorcer comple-
educando. Acolher, neste caso, significa a possibilidade de abrir tamente a realidade e, por isso, oferecer base inadequada para
espaço para a relação, que, por si mesma, terá confrontos, que a qualificação do objeto da avaliação e, consequentemente,
poderão ser de aceitação, de negociação, de redirecionamento. conduzir a uma decisão também distorcida.
Por isso, a recusa consequentemente impede as possibilidades Será que nossos instrumentos de avaliação da aprendiza-
de qualquer relação dialógica, ou seja, as possibilidades da práti- gem, utilizados no cotidiano da escola, são suficientemente
ca educativa. O ato de acolher é um ato amoroso, que traz ‘para adequados para caracterizar nossos educandos? Será que eles
dentro’, para depois (e só depois) verificar as possibilidades do coletam os dados que devem ser coletados? Será que eles não
que fazer. distorcem a realidade da conduta de nossos educandos, nos
Assentados no acolhimento do nosso educando, podemos conduzindo a juízos distorcidos?
praticar todos os atos educativos, inclusive a avaliação. E, para Quaisquer que sejam os instrumentos – prova, teste, reda-
avaliar, o primeiro ato básico é o de diagnosticar, que implica, ção, monografia, dramatização, exposição oral, arguição, etc. –
como seu primeiro passo, coletar dados relevantes, que configu- necessitam manifestar qualidade satisfatória como instrumento
rem o estado de aprendizagem do educando ou dos educandos. para ser utilizado na avaliação da aprendizagem escolar, sob
Para tanto, necessitamos instrumentos. Aqui, temos três pontos pena de estarmos qualificando inadequadamente nossos edu-
básicos a levar em consideração: 1) dados relevantes; 2) instru- candos e, consequentemente, praticando injustiças. Muitas ve-
mentos; 3) utilização dos instrumentos. zes, nossos educandos são competentes em suas habilidades,
mas nossos instrumentos de coleta de dados são inadequados e,
Cada um desses pontos merece atenção. por isso, os julgamos, incorretamente, como incompetentes. Na
Os dados coletados para a prática da avaliação da apren- verdade, o defeito está em nossos instrumentos, e não no seu
dizagem não podem ser quaisquer. Deverão ser coletados os desempenho. Bons instrumentos de avaliação da aprendizagem
dados essenciais para avaliar aquilo que estamos pretendendo são condições de uma prática satisfatória de avaliação na escola.
avaliar. São os dados que caracterizam especificamente o objeto
em pauta de avaliação. Ou seja, a avaliação não pode assentar- Ainda uma palavra sobre o uso dos instrumentos.
-se sobre dados secundários do ensino-aprendizagem, mas, sim,
sobre os que efetivamente configuram a conduta ensinada e Como nós nos utilizamos dos instrumentos de avaliação, no
aprendida pelo educando. Caso esteja avaliando aprendizagens caso da avaliação da aprendizagem? Eles são utilizados, verda-
específicas de matemática, dados sobre essa aprendizagem de- deiramente, como recursos de coleta de dados sobre a apren-
vem ser coletados e não outros; e, assim, de qualquer outra área dizagem de nossos educandos, ou são utilizados como recursos
do conhecimento. Dados essenciais são aqueles que estão defi- de controle disciplinar, de ameaça e submissão de nossos edu-
nidos nos planejamentos de ensino, a partir de uma teoria peda- candos aos nossos desejos? Podemos utilizar um instrumento
gógica, e que foram traduzidos em práticas educativas nas aulas. de avaliação junto aos nossos educandos, simplesmente, como
Isso implica que o planejamento de ensino necessita ser um recurso de coletar dados sobre suas condutas aprendidas
produzido de forma consciente e qualitativamente satisfatória, ou podemos utilizar esse mesmo instrumento como recurso de
tanto do ponto de vista científico como do ponto de vista políti- disciplinamento externo e aversivo, através da ameaça da repro-
copedagógicos. vação, da geração do estado de medo, da submissão, e outros.
Por outro lado, os instrumentos de avaliação da aprendiza- Afinal, aplicamos os instrumentos com disposição de acolhi-
gem, também, não podem ser quaisquer instrumentos, mas sim mento ou de recusa dos nossos educandos? Ao aplicarmos os
os adequados para coletar os dados que estamos necessitando instrumentos de avaliação, criamos um clima leve entre nossos
para configurar o estado de aprendizagem do nosso educando. educandos ou pesaroso e ameaçador? Aplicar instrumentos de
Isso implica que os instrumentos: a) sejam adequados ao tipo avaliação exige muitos cuidados para que não distorçam a reali-
de conduta e de habilidade que estamos avaliando (informação, dade, desde que nossos educandos são seres humanos e, nessa
compreensão, análise, síntese, aplicação...); b) sejam adequa- condição, estão submetidos às múltiplas variáveis intervenien-
dos aos conteúdos essenciais planejados e, de fato, realizados tes em nossas experiências de vida.
no processo de ensino (o instrumento necessita cobrir todos os
conteúdos que são considerados essenciais numa determinada Coletados os dados através dos instrumentos, como nós
unidade de ensino-aprendizagem; c) adequados na linguagem, os utilizamos? Os dados coletados devem retratar o estado de
na clareza e na precisão da comunicação (importa que o edu- aprendizagem em que o educando se encontra.
cando compreenda exatamente o que se está pedindo dele); Isto feito, importa saber se este estado é satisfatório ou
adequados ao processo de aprendizagem do educando (um não. Daí, então, a necessidade que temos de qualificar a apren-
instrumento não deve dificultar a aprendizagem do educando, dizagem, manifestada através dos dados coletados. Para isso,
mas, ao contrário, servir-lhe de reforço do que já aprendeu. Res- necessitamos utilizar-nos de um padrão de qualificação. O pa-
ponder as questões significativas significa aprofundar as apren- drão, ao qual vamos comparar o estado de aprendizagem do
dizagens já realizadas.). educando, é estabelecido no planejamento de ensino, que, por
Um instrumento de coleta de dados pode ser desastroso, sua vez, está sustentado em uma teoria do ensino. Assim, im-
do ponto de vista da avaliação da aprendizagem, como em qual- porta, para a prática da qualificação dos dados de aprendizagem
quer avaliação, na medida em que não colete, com qualidade, dos educandos, tanto a teoria pedagógica que a sustenta, como
os dados necessários ao processo de avaliação em curso. Um o planejamento de ensino que fizemos.

34
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A teoria pedagógica dá o norte da prática educativa e o pla- Concluindo


nejamento do ensino faz a mediação entre a teoria pedagógica
e a prática de ensino na aula. Sem eles, a prática da avaliação A qualidade de vida deve estar sempre posta à nossa fren-
escolar não tem sustentação. te. Ela é o objetivo. Não vale a pena o uso de tantos atalhos e
Deste modo, caso utilizemos uma teoria pedagógica que tantos recursos, caso a vida não seja alimentada tendo em vis-
considera que a retenção da informação basta para o desenvol- ta o seu florescimento livre, espontâneo e criativo. A prática da
vimento do educando, os dados serão qualificados diante desse avaliação da aprendizagem, para manifestar-se como tal, deve
entendimento. Porém, caso a teoria pedagógica utilizada tenha apontar para a busca do melhor de todos os educandos, por isso
em conta que, para o desenvolvimento do educando, importa a é diagnóstica, e não voltada para a seleção de uns poucos, como
formação de suas habilidades de compreender, analisar, sinteti- se comportam os exames. Por si, a avaliação, como dissemos,
zar, aplicar..., os dados coletados serão qualificados, positiva ou é inclusiva e, por isso mesmo, democrática e amorosa. Por ela,
negativamente, diante dessa exigência teórica. por onde quer que se passe, não há exclusão, mas sim diagnós-
Assim, para qualificar a aprendizagem de nossos educandos, tico e construção. Não há submissão, mas sim liberdade. Não
importa, de um lado, ter clara a teoria que utilizamos como su- há medo, mas sim espontaneidade e busca. Não há chegada
porte de nossa prática pedagógica, e, de outro, o planejamento definitiva, mas sim travessia permanente, em busca do melhor.
de ensino, que estabelecemos como guia para nossa prática de Sempre!
ensinar no decorrer das unidades de ensino do ano letivo. Sem
uma clara e consistente teoria pedagógica e sem um satisfató- Fonte: Disponível P