Você está na página 1de 3

Caso Prático nº 2

Um cidadão formulou uma reclamação à Ouvidoria da Polícia Militar do


Estado, questionando a atuação dos policiais que atuam em seu bairro e
que estariam adotando práticas violentas na abordagem dos suspeitos
colhidos durante a patrulha.
Aberta a apuração pela Ouvidoria, não foram obtidas provas que
confirmassem a reclamação formulada. Incomodado com aquela denúncia,
o Capitão que comandava a Posto da Polícia Militar em questão solicitou ao
Ouvidor que fosse revelado o nome do denunciante.
O Ouvidor recusou-se a fornecer a informação, alegando que o Decreto que
regulamentava a atividade das Ouvidorias protegia a identidade dos
denunciantes, caso assim o solicitassem.
Irresignado, o comandante ajuizou habeas data em face do Ouvidor,
alegando o direito de acesso à informação – art. 5º, XXXIII da CF – e seu
pedido foi acolhido pelo Juízo de Primeiro Grau.
Você, como Procurador do Estado, deve preparar a medida judicial cabível
para evitar que a identidade do denunciante seja revelada.
Gabarito

1 – Qual a peça apropriada para resolver o caso? Qual o fundamento legal para a
escolha?
R: Em vista da violação de direito líquido e certo de Fábio, de ter acesso à prova e de
apresentar recurso de seu resultado, deve ser ajuizado mandado de segurança, com
base no art. 5º, LXX da CF e art. 1º da Lei nº 12.016/2009
2 – Qual o endereçamento? Há prerrogativa de foro? É Justiça comum ou especial?
Estadual ou Federal? Qual a competência territorial? Qual a competência funcional?
R: Deve ser ajuizado o MS perante uma das Varas Cíveis da Justiça Federal – Seção
Judiciária de São Paulo, pois se trata de autoridade federal, sem prerrogativa de foro.
Não é cabível ajuizamento em Juizado Especial Federal, por força do art. 3º, § 1º, I
da Lei nº 10.259/2001 – Lei dos JEF.
3 – Quais os fatos relevantes que devem ser expostos na petição?
R: A recusa imotivada do pedido de vista da prova constitui violação ao direito
líquido e certo do demandante de ter acesso à correção de sua prova, de modo a
viabilizar o direito de recorrer administrativamente da correção.
4 – Quais os argumentos jurídicos relativos ao mérito devem ser desenvolvidos na
petição? Quais os fundamentos legais embasadores?
R: O ato coator deve ser questionado à luz do princípio da publicidade (art. 37,
caput) e do direito de acesso às informações (art. 5º, XXXIII), bem como do devido
processo legal (art. 5º, LIV) e da ampla defesa e do contraditório (art. 5º, LV). Deve
ser invocada a Lei de Processo Administrativo Federal – Lei nº 9.784/99, que dá ao
Fábio o direito de ter direito de vista aos documentos e decisões (art. 3º, II), de ter
uma resposta motivada a seus requerimentos (art. 50) e de poder recorrer das
decisões que afetem seus interesses (art. 56 a 65).

5 – Há necessidade de tutela de urgência? Se há, qual o embasamento legal para o


pedido de tutela de urgência?
R: Sim, pois o prosseguimento do concurso pode tornar prejudicado o direito de
Fábio de ser classificado entre os aprovados. O embasamento é baseado no art. 7º,
III da Lei nº 12.016/2009 c.c. art. 300 do CPC.

6 – Haverá necessidade de produzir provas? Há provas documentais acompanhando


a petição?
R: Não, pois no MS a prova é pré-constituída. A inicial deve ser acompanhada de
provas referentes à inscrição e resultado do concurso e a recusa da autoridade
coatora.

7 – Qual o pedido final a ser deduzido?


R: Deve se pedir:
a) a notificação do representante legal da União, para manifestar-se em 72 horas
(art. 22, § 2º da Lei nº 12.016/2009);
b) o deferimento de liminar, para dar imediato acesso à prova do impetrante e à sua
correção, nos termos do art. 7º, III da Lei nº 12.016/2009 c.c. art. 300 do CPC;
c) a notificação da autoridade coatora para fornecer informações, no prazo de 10
(dez) dias, nos termos do art. 7º, III da Lei nº 12.016/2009.
d) a concessão de segurança, para o fim de que seja: 1) franqueado o acesso à prova
e à sua correção; 2) seja processado recurso administrativo, a ser interposto no
prazo de dez dias, a partir do efetivo acesso à prova, nos termos do art. 59 da Lei nº
9.784/99.

Você também pode gostar