Você está na página 1de 20

NT Wright - Bibliografia

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

Ir para a navegaçãoIr para a pesquisa

O Reverendo Certo

N. T. Wright

Bolsista de Pesquisa Sênior [1]

da Universidade de Oxford

NTWright071220.jpg

Wright falando em uma conferência

em dezembro de 2007

No escritório 1 de setembro de 2010 - presente

Outras postagens

2003-10 Bispo de Durham

2000–03 Canon Teólogo, Abadia de Westminster

1994–99 Decano de Lichfield

Encomendas

Ordenação 1975

Consagração 2003

Detalhes pessoais

Nome de nascença Nicholas Thomas Wright

Nascermos 1 de dezembro de 1948 (70 anos)

Morpeth, Northumberland , Inglaterra

Nacionalidade britânico

Denominação anglicano

Residência

2003–1010 Castelo de Auckland


Cônjuge Maggie [2]

Crianças Quatro [2]

Alma mater

Exeter College, Oxford

Merton College, Oxford

Nicholas Thomas Wright FRSE (também N. T. Wright ou Tom Wright ; [3]


nascido em 1 de dezembro de 1948) é um estudioso inglês do Novo
Testamento , teólogo paulino e bispo anglicano aposentado . Entre 2003 e
2010, ele foi o bispo de Durham . Ele se tornou professor de pesquisa do Novo
Testamento e do cristianismo primitivo no St Mary's College, na Universidade
de St Andrews, na Escócia, até 2019, quando se tornou pesquisador sênior na
Universidade de Oxford . [4]

Ele escreve sobre teologia, vida cristã e o relacionamento dessas duas coisas.
Ele defende uma reavaliação bíblica de questões teológicas, como justificação ,
[5] ordenação de mulheres [6] e visões cristãs populares sobre a vida após a
morte. [7] Ele também criticou a idéia de um arrebatamento literal . [8] Autor de
mais de setenta livros, Wright é altamente considerado nos círculos
acadêmicos e teológicos por sua série "Origens cristãs e a questão de Deus".
[9] O terceiro volume, A ressurreição do Filho de Deus , é considerado por
muitos pastores e teólogos como um trabalho cristão seminal sobre a
ressurreição doJesus histórico , [10] [11], enquanto o quarto volume lançado
mais recentemente, Paulo e a Fidelidade de Deus , é aclamado como a
magnum opus de Wright . [12]

Conteúdo

1 Início da vida

2 Carreira

3 Exibições

3.1 Doutrina do Novo Testamento

3.2 Nova perspectiva sobre Paulo

3.3 Paulo e justificação


3.4 Utopismo secular

3.5 Jesus histórico

3.6 Homossexualidade na Comunhão Anglicana

3.7 Revisões do trabalho acadêmico de Wright

4 Honras

5 Trabalhos selecionados

5.1 Série "Origens cristãs e a questão de Deus"

5.2 Série "Para todos"

6 Veja também

7 Referências

8 Links externos

Início da vida

Wright nasceu em Morpeth, Northumberland . Em uma entrevista de 2003, ele


disse que nunca se lembrava de uma época em que não estava ciente da
presença e do amor de Deus e recordou uma ocasião em que tinha quatro ou
cinco anos quando "sentado sozinho em Morpeth e sendo completamente
vencido lágrimas, pelo fato de que Deus me amou tanto, ele morreu por mim.
Tudo o que aconteceu comigo desde então produziu onda após onda do
mesmo. " [13]

Ele foi educado na Sedbergh School, em Yorkshire Dales, e especializado em


clássicos. No final dos anos 1960, Wright cantou e tocou violão em um clube
folclórico no lado oeste de Vancouver. [19] De 1968 a 1971, ele estudou literae
humaniores (literatura clássica, filosofia e história) no Exeter College, Oxford ,
recebendo seu BA com honras de primeira classe em 1971. Durante esse
tempo, ele foi presidente da graduação Oxford Christian Inter-Collegiate. União
.

De 1971 a 1975, estudou para o ministério anglicano em Wycliffe Hall, Oxford ,


recebendo seu mestrado (Oxford) no final deste período. Mais tarde, ele
recebeu um diploma de Doutor em Divindade (DD) pela Universidade de
Oxford . [15]
Carreira

Em 1975, tornou-se pesquisador júnior no Merton College, Oxford e mais tarde


também capelão júnior. De 1978 a 1981, foi bolsista e capelão no Downing
College , Cambridge . Em 1981, ele recebeu seu D Phil do Merton College, cujo
tópico de tese era "O Messias e o Povo de Deus: um estudo em teologia
paulina, com referência particular ao argumento da epístola aos romanos".

Depois disso, ele atuou como professor assistente de estudos do Novo


Testamento na Universidade McGill , Montreal (1981–86), depois como
capelão, companheiro e tutor no Worcester College e professor de Novo
Testamento na Universidade de Oxford (1986–93).

Ele se mudou de Oxford para se tornar decano da Catedral de Lichfield (1994–


99) e depois retornou brevemente a Oxford como membro visitante do Merton
College, antes de assumir sua nomeação como teólogo canônico da Abadia de
Westminster em 2000.

Entre 1995 e 2000, Wright escreveu a coluna semanal de leituras de domingo


para o Church Times . Ele disse que escrever a coluna lhe deu a "coragem"
para embarcar em sua popular série de comentários ... for Everyone (SPCK)
sobre os livros do Novo Testamento. [16]

Em 2003, ele se tornou o bispo de Durham . Em 4 de agosto de 2006, foi


nomeado para o Tribunal de Causas Eclesiásticas Reservado por um período
de cinco anos. [17]

Aposentou-se da Sé de Durham em 31 de agosto de 2010 e foi nomeado


professor de pesquisa do Novo Testamento e do Cristianismo Primitivo no St
Mary's College, em St. Andrews, na Escócia, o que lhe permitiu se concentrar
em seu trabalho acadêmico e de radiodifusão. [18] [19]

Em 1 de outubro de 2019, Wright foi nomeado Pesquisador Sênior em Wycliffe


Hall, Universidade de Oxford, onde estudou originalmente para o ministério
anglicano em 1971-1973. [20]
Visualizações

Doutrina do Novo Testamento

Em seu popular livro Surprised by Hope, ele descreve a ênfase das escrituras
na ressurreição como a bendita esperança de todos os cristãos. Embora
critique a ênfase excessiva da igreja norte-americana em "ir para o céu quando
você morrer" e a ênfase insuficiente na ressurreição dos mortos, ele não nega
o ensinamento que a alma de uma pessoa vive após a morte. Ele defende uma
reunião de soteriologia e eclesiologia , comentando que essa conexão é
frequentemente negligenciada no protestantismo . Além disso, ele é crítico de
várias idéias teológicas populares, como a doutrina dispensacionalista do
arrebatamento . [21]

Nova perspectiva sobre Paulo

Wright segue a nova perspectiva sobre a interpretação de Paulo das letras


paulinas. [22] [23] Wright oferece que Paulo não pode ser ignorado por nenhum
cristão sério e que, através desse lugar central dentro do cânon do Novo
Testamento, Paulo passou a ser abusado, incompreendido, imposto e
abordado com perguntas incorretas ou inadequadas sobre a fé cristã. [24]
Wright oferece: "Paulo, no século XX, foi usado e abusado tanto quanto no
primeiro. Podemos, à medida que o século se aproxima do fim, escutar um
pouco mais de perto dele? Podemos, de alguma maneira, nos arrepender de
as maneiras pelas quais o manipulamos mal e respeitamos um pouco mais sua
maneira de fazer as coisas? " [25]

Esta pergunta reflete a consideração chave para a Nova Perspectiva sobre


Paulo e um objetivo fundamental da bolsa de estudos de Wright: permitir que o
apóstolo Paulo fale por si mesmo sem impor considerações e perguntas
modernas sobre ele e, ao fazê-lo, procurando determinar o que São Paulo era.
realmente tentando dizer às pessoas para quem ele estava escrevendo. [26] A
partir disso, Wright sustenta que, examinando o corpus paulino por essa
perspectiva única, passagens difíceis dentro do texto se iluminam de novas
maneiras, suas cartas ganham coerência tanto em suas particularidades
quanto entre si, e isso fornece uma visão geral. imagem do que Paulo tratava,
sem violentar os pequenos detalhes contidos nas cartas. [27]

O conteúdo dessa nova perspectiva pode ser atribuído ao trabalho de EP


Sanders e seu livro Paul and Judinianm Palestinian . [28] Neste trabalho de
1977, Sanders argumentou que a visão predominante do judaísmo do primeiro
século no Novo Testamento era imprecisa. Ele o descreveu como "nomismo da
aliança", que enfatizava a eleição de Deus de um povo e a adesão à Torá
como uma maneira de "permanecer" na religião (em vez de uma maneira de
"entrar"). Estudiosos paulinos como Wright, que aderem à leitura do judaísmo
por Sanders, veem o "problema" de Paulo com a adesão à lei, não como uma
rejeição da atitude de que o favor de Deus dependia do cumprimento dos
requisitos da lei, mas era uma rejeição da lei "

Paul e justificação

Ao falar sobre justificação, Wright sustenta que "as discussões sobre


justificação em grande parte da história da igreja, certamente desde Agostinho,
deram errado - pelo menos em termos de entendimento de Paulo - e
permanecem lá desde então". [29] Dessa forma, a Igreja, de acordo com
Wright, encerrou as discussões em torno da reconciliação do homem com
Deus sob o rótulo de justificação, que subseqüentemente deu ao conceito uma
ênfase bastante ausente daquilo que ele acredita ser encontrado no Novo
Testamento. . [29] Isso leva Wright a argumentar que essa percepção incorreta
da justificação causou violência ao texto por centenas de anos [30].e que o
próprio texto deve ser o ponto de partida para determinar o que Paulo procura
dizer sobre justificação. [31]

Por meio de sua tentativa de retornar ao texto para permitir que Paulo falasse
por si mesmo, como ele sugere, Wright oferece uma definição do que ele
acredita que o apóstolo quer dizer com "justificação", o que é contrário à crença
popular. Ao elaborar a referida definição, o intérprete identifica três peças, que
ele considera vitais para essa consideração: que a justificação depende da
linguagem da aliança, que utiliza a linguagem do tribunal, funcionando dentro
do cenário da aliança como uma forte metáfora explicativa da justificação, e
que não pode ser entendido dentro de um contexto paulino como separado da
escatologia. [32] Por meio da inclusão da linguagem da aliança, a justificação
alude à presença do pecado e da iniquidade no mundo e à maneira pela qual a
aliança foi instituída para trazer a salvação. Nesse contexto, a linguagem
metafórica do tribunal reconhece o papel de Deus como juiz que deve colocar o
mundo em direitos, lidar com o mal e restaurar a justiça e a ordem no cosmos.
Finalmente, a definição de Wright de 'justificação' nas cartas de Paulo
reconhece que o termo não está associado, como tem sido comumente
percebido, às necessidades pessoais necessárias para alcançar a salvação,
mas ao que marcou alguém como membro do povo de Deus.
Utopismo Secular

Em 2008, Wright criticou o "utopismo secular", acusando-o de defender "o


direito de matar crianças por nascer e exceder os idosos". [33] O colunista do
Times David Aaronovitch desafiou Wright a fundamentar especificamente sua
alegação de que qualquer grupo secular realmente defende a matança de
pessoas idosas, levando a uma troca contínua em que Wright manteve seu
ponto principal. [34] [35] [36] [37]

Jesus histórico

Em relação ao Jesus histórico , Wright segue a tradição de " escatologia


completa " de Albert Schweitzer contra o " ceticismo completo " de William
Wrede e do Jesus Seminar , [38] [39] a quem ele considera os colegas
modernos de Wrede. [38] [40] [41]Wright também defende um Jesus "muito
judeu" que, no entanto, se opunha a alguns aspectos de destaque do judaísmo
do primeiro século. Da mesma forma, Wright fala de Jesus como 'duplamente',
'multiplique', 'minuciosamente' e 'profundamente' subversivo, enquanto ao
mesmo tempo distancia Jesus de outros conhecidos movimentos sediciosos e
revolucionários na Palestina do primeiro século. [42] De certa forma, seus
pontos de vista são semelhantes aos de estudiosos como EP Sanders e o
menos conhecido Ben F. Meyer (a quem Wright chama de "o herói
desconhecido" dos estudos do Novo Testamento ).[44] Ele também defendeu
uma crença literal na Segunda Vinda e na ressurreição dos mortos como
central para o cristianismo. [7]

Wright é crítico de círculos teológicos mais liberais . O Seminário Jesus 's


Marcus Borg , com quem Wright compartilhada admiração e respeito mútuos,
em co-autoria com Wright o significado de Jesus: duas visões para elaborar as
suas opiniões contrastantes. [45] Em 2005, no Fórum Greer-Heard Point-
Counterpoint, Wright discutiu a historicidade da ressurreição de Jesus com o
co-fundador do Jesus Seminar John Dominic Crossan.. Wright e Crossan, que
também têm admiração mútua, têm opiniões muito diferentes sobre essa
doutrina cristã fundamental. Para Crossan, a ressurreição de Jesus é uma
interpretação teológica dos eventos pelos escritores do Novo Testamento. Para
Wright, no entanto, a ressurreição é um evento histórico - coerente com a visão
de mundo do judaísmo do Segundo Templo - fundamental para o Novo
Testamento. [46]

Com a publicação do livro de Wright de 2012, Como Deus se tornou rei: a


história esquecida dos evangelhos , Wright criticou algumas idéias sobre o
Jesus histórico na pregação evangélica americana e no trabalho de CS Lewis ,
que Wright admite ter sido uma grande influência em sua própria vida. Em uma
entrevista, [47] Wright resume esta crítica: "Um dos alvos deste livro são os
cristãos que dizem: Sim, a Bíblia é verdadeira. É inerrante e assim por diante.
Mas, então, eles não prestam atenção ao que a Bíblia na verdade, diz. Para
muitos cristãos, parece suficiente dizer que Cristo nasceu de uma Virgem,
morreu na cruz e ressuscitou - mas nunca fez mais nada no meio. Estou
dizendo: Essa não é a maneira de entender os Evangelhos ".

Homossexualidade na Comunhão Anglicana

Veja também: Homossexualidade e a comunhão anglicana

Wright foi o membro sênior da Igreja da Inglaterra da Comissão Lambeth criada


para lidar com controvérsias após a ordenação de Gene Robinson como bispo
da Igreja Episcopal nos Estados Unidos. [48] Em 2009, a Igreja Episcopal
autorizou o clero a celebrar liturgias de compromisso para pessoas em
relações entre pessoas do mesmo sexo. Wright descreveu a ação como "uma
clara ruptura com o resto da Comunhão Anglicana" em uma peça de opinião do
Times . [49]

Em dezembro de 2005, ele anunciou à imprensa, no dia em que ocorreram as


primeiras cerimônias de parceria civil na Inglaterra, que ele provavelmente
tomaria medidas disciplinares contra qualquer clero que se registrasse como
parceiro civil ou qualquer clero que abençoasse essas parcerias. [50]

Ele argumentou que "justiça nunca significa 'tratar todo mundo da mesma
maneira', mas 'tratar as pessoas de maneira apropriada'". [49] Em agosto de
2009, ele emitiu uma declaração dizendo:

... alguém, mais cedo ou mais tarde, precisa explicar mais (por mais cansativa
que seja) a diferença entre (a) a "dignidade humana e liberdade civil" daqueles
com instintos homossexuais e similares e (b) seus "direitos" , como praticar e
muito menos cristãos ordenados, para dar expressão física a esses instintos.
Como o Papa apontou, a linguagem dos "direitos humanos" foi agora rebaixada
no discurso público, com base nas alegações especiais de todos os grupos de
interesse. [51]
Revisões do trabalho acadêmico de Wright

O trabalho de Wright foi elogiado por muitos estudiosos de diferentes pontos de


vista, incluindo James Dunn , Gordon Fee , Richard B. Hays e Rowan Williams
, ex- arcebispo de Canterbury . Wright recebeu elogios de católicos, [52] como
o bispo Robert Barron , que citou a bolsa de estudos histórica de Wright em
várias ocasiões. [53] [54]

Críticos de seu trabalho também são encontrados em vários campos


teológicos. Alguns teólogos reformados, como John Piper , questionaram a
teologia de Wright, particularmente se ele nega ou não a doutrina protestante
da justificação somente pela fé . Embora Piper considere confusa a
apresentação de Wright, ele não descarta a opinião de Wright como falsa. Em
resposta, Wright declarou que deseja que Piper "exegete Paul de maneira
diferente" e que seu livro "nem sempre seja uma crítica do que estou realmente
dizendo". Wright também expressou como se aqueceu com Piper e o considera
um "irmão amado e bom em Cristo, fazendo um bom trabalho, edificando
pessoas na fé, ensinando-as a viver". [55]Desde 2009, Wright abordou a
questão em seu livro Justificação: O Plano de Deus e a Visão de Paulo . [56]
Ele procurou esclarecer sua posição ainda mais em uma entrevista à
InterVarsity Press . [57]

Muitos evangélicos conservadores também questionaram se Wright nega a


substituição penal , mas Wright afirmou que ele nega apenas sua caricatura,
mas afirma essa doutrina, especialmente dentro da estrutura geral do modelo
de expiação de Christus Victor . [58]

Apesar das críticas de alguns de seus trabalhos por teólogos reformados,


outros líderes reformados adotaram sua contribuição em outras áreas, como
Tim Keller, que elogiou o trabalho de Wright na ressurreição. [59]

Honras

Ele recebeu vários diplomas honorários de doutorado, [60] incluindo a


Universidade de Durham em julho de 2007, [61] o Centro John Leland de
Estudos Teológicos em abril de 2008, [62] a Universidade de St Andrews em
2009, [63] Heythrop College. , Universidade de Londres em 2010, e Instituto
Ecumênico de Teologia no St. Mary's Seminary & University em maio de 2012.
Em 2014, ele recebeu a Medalha Burkitt pela Academia Britânica 'em
reconhecimento ao serviço especial de Estudos Bíblicos'. [64] Foi anunciado
em março de 2015 que ele deveria ser nomeado membro da Royal Society of
Edinburgh (FRSE).

Trabalhos selecionados

Wright, NT (1991), O clímax da aliança: Cristo e a lei na teologia paulina ,


Fortress Press.

(1997), o que São Paulo realmente disse: Paulo de Tarso foi o verdadeiro
fundador do cristianismo? , Grand Rapids, MI: William B Eerdmans, ISBN 0-
80284445-6.

(1997b) [1994, Sociedade para a Promoção do Conhecimento Cristão ( SPCK


)], Seguindo Jesus: Reflexões Bíblicas sobre o Discipulado , Wm B Eerdmans.

———; Borg, Marcus J (1999), O significado de Jesus: duas visões , Nova


York: HarperCollins, ISBN 0-06-060875-7.

(2000), O desafio de Jesus: redescobrindo quem Jesus era e é , Downers


Grove, IL: InterVarsity Press.

———; Crossan, John Dominic (2006) [2005, Augsburg Fortress], Stewart,


Robert B (ed.), A ressurreição de Jesus: John Dominic Crossan e NT Wright in
Dialogue (edição de bolso), SPCK.

- (2005), Paul: In Fresh Perspective , Fortress Press ("Paul: Fresh


Perspectives" co-edição SPCK, 2005).

——— (2005), A Última Palavra: Além das Guerras da Bíblia, para um Novo
Entendimento da Autoridade das Escrituras , San Francisco: Harper.

- (2006), simplesmente cristão: por que o cristianismo faz sentido , SPCK co-
edição HarperCollins, 2006.

(2006), Judas e o Evangelho de Jesus: perdemos a verdade sobre o


cristianismo? , SPCK; Livros Baker, 2006.

——— (2006), O mal e a justiça de Deus , SPCK; Intervarsity Press, 2006.

- (2007), "As Razões para a Crucificação de Cristo", em Jersak, Brad; Hardin,


Michael (eds.), Atingido por Deus? Identificação não violenta e a vitória de
Cristo.

——— (2008), Surpreendido pela esperança: repensando o céu, a ressurreição


e a missão da igreja , SPCK, HarperOne.
———; Evans, Craig A (2009) [SPCK, 2008], Miller, Troy A (ed.), Jesus, os dias
finais: o que realmente aconteceu , Westminster John Knox.

——— (2009), Justificação: O Plano de Deus e a Visão de Paulo , SPCK.

——— (2010), Virtude Reborn , SPCK. Também depois de acreditar: Por que o
caráter cristão é importante , HarperOne North America, 2010.

——— (2011) [A Última Palavra, 2005], Escritura e Autoridade de Deus: Como


Ler a Bíblia Hoje (rev. E exp.), HarperOne, ISBN 978-0-06-201195-4.

——— (2011), Simplesmente Jesus: uma nova visão de quem ele era, o que
fez e por que é importante , Nova York: HarperOne, ISBN 978-0-06-208439-2.

——— (2012), Como Deus Se Tornou Rei: A História Esquecida dos


Evangelhos , Nova York: HarperOne, ISBN 978-0-06-173057-3.

——— (2013), O caso dos salmos: por que são essenciais , Nova York:
HarperOne, ISBN 978-0-06-223050-8, publicado na Grã-Bretanha no ano
seguinte como:

——— (2014), Encontrando Deus nos Salmos , Londres: SPCK, ISBN 978-0-
281-06989-7

——— (2013), Pauline Perspectives: Essays on Paul, 1978-2013 , Fortaleza de


Ausburg, ISBN 978-0-8006-9963-5.

——— (2014), Surprised by Scripture: Engaging Contemporary Issues , Nova


York: HarperOne, ISBN 978-0-06-223053-9.

——— (2014), Paul e seus recentes intérpretes , Ausburg Fortress, ISBN 978-
0-8006-9964-2.

——— (2015), Simply Good News: Por que o evangelho é notícia e o que a
torna boa , Nova York: HarperOne, ISBN 978-0-06-233434-3.

——— (2016), O dia em que a revolução começou: reconsiderando o


significado da crucificação de Jesus , Nova York: HarperOne, ISBN 978-
0062334381.

- (2018). Paul: Uma biografia . Nova Iorque: HarperOne. ISBN 978-0-06-


173058-0.

———; Bird, Michael F. (2019). O Novo Testamento em seu mundo: uma


introdução à história, literatura e teologia dos primeiros cristãos . Grand Rapids,
MI: Zondervan Academic. ISBN 9780310499305. OCLC 1090200946 .

———; Bird, Michael F. (2019). O Novo Testamento em sua Pasta de Trabalho


Mundial: uma introdução à história, literatura e teologia dos primeiros cristãos .
Grand Rapids, MI: Zondervan Academic. ISBN 9780310528708. OCLC
1090195011 .

Série "Origens cristãs e a questão de Deus"

Quatro volumes publicados, mais dois planejados:

(1992), O Novo Testamento e o Povo de Deus: Origens Cristãs e a Questão de


Deus , 1 , Augsburg Fortress.

(1996), Jesus e a vitória de Deus: origens cristãs e a questão de Deus , 2 ,


Fortaleza de Augsburgo, ISBN 978-0-8006-2682-2.

——— (2003), A Ressurreição do Filho de Deus: Origens Cristãs e a Questão


de Deus , 3 , Fortaleza de Augsburgo.

——— (2013), Paulo e a fidelidade de Deus: origens cristãs e a questão de


Deus , 4 , Fortaleza de Augsburgo.

Série "Para todos"

A série Para Todos , um comentário de Wright sobre o Novo Testamento, foi


concluída em 2011:

Matthew for Everyone , Parte 1: Capítulos 1–15 (2ª ed.), SPCK e Westminster
John Knox Press, 2004, ISBN 978-0-281-05301-8.

Matthew for Everyone , Parte 2: Capítulos 16–28 (2ª ed.), SPCK e Westminster
John Knox Press, 2004, ISBN 978-0-281-05487-9.

Mark for Everyone (2ª ed.), SPCK e Westminster John Knox Press, 2004, ISBN
978-0-281-05299-8

Luke for Everyone (2ª ed.), SPCK e Westminster John Knox Press, 2004, ISBN
978-0-281-05300-1.

John for Everyone , Parte 1: Capítulos 1–10 (edição de bolso), SPCK e


Westminster John Knox Press, 2004, ISBN 978-0-281-05302-5

John for Everyone , Parte 2: Capítulos 11–21 (2ª ed.), SPCK e Westminster
John Knox Press, 2004, ISBN 978-0-281-05520-3.

Atos para todos , parte 1: capítulos 1 a 12, SPCK, 2008, ISBN 978-0-281-
05308-7.
Atos para todos, Parte 2: Capítulos 13–28 . SPCK, 2008. ISBN 978-0-281-
05546-3

Paulo para Todos: Romanos, Parte 1: Capítulos 1–8 . 2nd ed. SPCK, 2004.
ISBN 978-0-281-05736-8

Paulo para Todos: Romanos, Parte 2: Capítulos 9–16 . 2nd ed. SPCK, 2004.
ISBN 978-0-281-05737-5

Paulo para todos: 1 Coríntios . 2nd ed. SPCK, 2004. ISBN 978-0-281-05305-6

Paulo para todos: 2 Coríntios . 2nd ed. SPCK, 2004. ISBN 978-0-281-05306-3

Paulo para todos: Gálatas e Tessalonicenses . 2nd ed. SPCK, 2004. ISBN 978-
0-281-05304-9

Paulo para todos: as cartas da prisão: Efésios, Filipenses, Colossenses e


Filêmon . 2nd ed. SPCK e Westminster John Knox Press, 2004. ISBN 978-0-
281-05303-2

Paulo para Todos: as Cartas Pastorais: Tito e 1 e 2 Timóteo . 2nd ed. SPCK,
2004. ISBN 978-0-281-05310-0

Hebreus para todos . 2nd ed. SPCK, 2004. ISBN 978-0-281-05307-0

Primeiras Cartas Cristãs para Todos: Tiago, Pedro, João e Judá . SPCK, 2011.
ISBN 978-0-281-06465-6

Revelação para todos . SPCK, 2011. ISBN 978-0-281-06463-2

James para todos . SPCK, 2012. ISBN 978-0-281-06859-3

Referências

https://www.wycliffe.ox.ac.uk/article/ntwright , Em falta ou vazio |title=( ajuda ) .

"Bispos" , Diocese de Durham , Anglicano

Consulte, no entanto, por exemplo, Amazon.co.uk . ASIN 0281064776 .e


Amazon.com . ISBN 0061551821.

"Wycliffe Hall anuncia a nomeação de NT Wright como seu pesquisador sênior


| WYCLIFFE HALL" . www.wycliffe.ox.ac.uk . Consultado em 8 de novembro de
2019 .

Wright, NT (2009). Justificação: O plano de Deus e a visão de Paulo . Londres:


SPCK. ISBN 0-83083863-5.
Serviço das mulheres na igreja: A base bíblica . Recuperado em 19 de abril de
2017 .

Van Biema, David (7 de fevereiro de 2008). "Cristãos estão errados sobre o


céu, diz bispo" . Hora . Recuperado em 19 de maio de 2010 .

Wright, NT, êxtase de adeusFonte alternativa: site da Fulcrum Arquivado em


20 de abril de 2012 na Wayback Machine .

Merritt, Jonathan. "NT Wright estende o debate com John Piper, lançando o
tomo do apóstolo Paulo" . Recuperado em 19 de abril de 2017 .

"Revisão de livro: A ressurreição do filho de Deus - apologética 315" .


Recuperado em 19 de abril de 2017 .

Kristof, Nicholas (23 de dezembro de 2016). "Sou cristão, pastor Timothy


Keller?" . Recuperado em 19 de abril de 2017 - via NYTimes.com.

FortressPress (28 de janeiro de 2014). "NT Wright sobre Paulo e a fidelidade


de Deus: uma conversa com Richard B. Hays" . Recuperado em 19 de abril de
2017 - via YouTube.

Amos, Michael 'Mike' (12 de fevereiro de 2003), "Our friend from the North",
Northern Echo

Wright, Tom (2013). Sabedoria do Novo Testamento para todos . Londres:


SPCK. p. 8. ISBN 978-0281069378.

"Bispo de Durham", Bispos em Lordes , Igreja da Inglaterra

Thornton, Ed, " Wright tem apelo de 'JK Rowling-plus', diz SPCK ", Church
Times, 22 de julho de 2011

"No. 58062" . The London Gazette . 4 de agosto de 2006. p. 10685

Notícias e eventos (notícias), Durham: Anglican

"Fé" , épocas (artigo), Reino Unido

"Wycliffe Hall anuncia a nomeação de NT Wright como seu pesquisador sênior


| WYCLIFFE HALL" . www.wycliffe.ox.ac.uk . Consultado em 1 de outubro de
2019 .

"Adeus ao arrebatamento" . Revisão da Bíblia . Página NT Wright. Agosto de


2001 . Consultado em 20 de novembro de 2011 . Cf. Wright, NT (2008).
Surpreendido pela esperança: repensar o céu, a ressurreição e a missão da
igreja . ISBN 978-0-06-155182-6. Quando Paulo fala de 'encontrar' o Senhor
'no ar', precisamente não é - como na teologia do arrebatamento popular - que
os crentes salvos ficariam no ar em algum lugar. O ponto é que, tendo saído
para encontrar o seu Senhor que retornou, eles o escoltam realmente para seu
domínio, ou seja, de volta ao lugar de onde vieram. Mesmo quando
percebemos que essa é uma metáfora altamente carregada, não uma
descrição literal, o significado é o mesmo do paralelo em Filipenses 3:20. Ser
cidadão do céu, como os filipenses saberiam, não significa que se espera voltar
à cidade mãe, mas sim que se espera que o imperador venha da cidade mãe
para dar à colônia toda a sua dignidade, para resgatar se necessário, para
subjugar os inimigos locais e colocar tudo em ordem

Allman, James (janeiro de 2013). "Ganhando perspectiva sobre a nova


perspectiva sobre Paulo". Bibliotheca Sacra . 170 (677): 51.

Stendahl, Krister (1963). "Paulo e a consciência introspectiva do Ocidente".


Harvard Theological Review .

Wright 1997 , p. 51

Wright 1997 , p. 23

Wright 1997 , p. 8)

Wright 1997 , p. 12)

Sanders, EP (1977). Paulo e judaísmo palestino . Fortaleza.

Wright 1997 , p. 115

Wright 1997 , p. 117

Wright 1997 , p. 113

Wright 1997 , p. 117-18.

"Nas citações: A ética dos embriões" . BBC News . 24 de março de 2008 .


Consultado em 11 de novembro de 2008 .

Aaronovitch, David (25 de março de 2008). "Inverdades iníquas da Igreja" . The


Times . Londres. Arquivado a partir do original em 9 de maio de 2008 .
Consultado em 11 de novembro de 2008 .

"Os bispos falam em embriões" . The Times . Londres. 26 mar 2008. Arquivado
do original em 12 de maio de 2008 . Consultado em 11 de novembro de 2008 .

Aaronovitch, David (31 de março de 2008). "Quem quer matar os idosos?" .


The Times . Londres. Arquivado do original em 16 de maio, 2008 . Consultado
em 11 de novembro de 2008 .

Wright, Tom (3 de abril de 2008). "Eutanásia - um mundo moral obscuro" . The


Times . Londres. Arquivado do original em 06 de julho de 2008 . Consultado em
11 de novembro de 2008 .
Stewart, RB (2008). A busca do Jesus hermenêutico: o impacto da
hermenêutica na pesquisa de Jesus de John Dominic Crossan e NT Wright .
University Press of America. p. 20. ISBN 978-0-7618-4096-1.

Johnson, LT (2013). Questões contestadas nas origens cristãs e no Novo


Testamento: ensaios coletados . Novum Testamentum, Suplementos. Brill. p.
53. ISBN 978-90-04-24290-6. Consultado em 22 de fevereiro de 2018 .

Wright 1996 , p. 21

Wilson, CA (2017). Inventando Jesus Crísticos, Volume 1: Regras e Mandados


de Teologia: Método . Livros em cascata. p. 204. ISBN 978-1-5326-3144-3.

Myles, Robert (2016). "O fetiche por um Jesus subversivo" . Jornal para o
Estudo do Jesus Histórico . 52–70.

Wright, NT (1997). O Jesus original: a vida e a visão de um revolucionário .


Grand Rapids, Michigan : Wm. B. Eerdmans Publishing Company . ISBN 0-
8028-4283-6. OCLC 38436317 .[ página necessária ]

Jesus e a vitória de Deus , 1996, pp. 376–383, ISBN 978-0800626822

Wright & Borg 1999 .

Stewart, Robert B (2007). Design inteligente: William A. Dembski e Michael


Ruse em diálogo . Minneapolis: Fortress Press. ISBN 0-8006-6218-0. OCLC
148895223 .[ página necessária ]

"Entrevista de NT Wright: Por que Left, Right e Lewis entendem errado" . Leia a
revista online The Spirit . 28 de março de 2012 . Consultado em 21 de
novembro de 2013 .

"Os membros da comissão de Lambeth" . O relatório de Windsor . Comunhão


Anglicana . Outubro de 2004 . Consultado em 11 de novembro de 2008 .

Wright, Nicholas Thomas 'Tom' (15 de julho de 2009). "Os americanos sabem
que isso terminará em cisma" . The Times . London . Recuperado em 19 de
maio de 2010 .Fonte alternativa: site da Fulcrum Arquivado em 20 de abril de
2012 na Wayback Machine .

"O vigário alegre despreza a regra da parceria" . BBC News . 21 de dezembro


de 2005 . Consultado em 11 de novembro de 2008 .

Reflexões de Rowan: desembalando a declaração do arcebispo , Anglican


Communion Institute, julho de 2009

"Dez perguntas para NT Wright sobre o romanismo, justificação e a Igreja" ,


convocadas para a comunhão , novembro de 2009.
Crossan, John Dominic (março de 2011), "Jesus Estranho" , Palavra escrita ,
Palavra em chamas, arquivada a partir do original em 9 de maio de 2011.

Agência de Notícias Católica.

Cera, Trevin (24 de abril de 2008). "Entrevista com NT Wright em Surprised by


Hope " . Consultado em 22 de setembro de 2011 .

Wright 2009 .

Wright, NT. "Entrevista sobre justificação: o plano de Deus e a visão de Paulo"


(PDF) . IVP Academic. Arquivado a partir do original (PDF) em 21 de maio de
2009 . Consultado em 3 de agosto de 2009 .

Cera, Trevin (18 de novembro de 2007), Wright na substituição penal

Keller, Timothy (25 de fevereiro de 2008), "An Interview" , First Things

Wright, Nicholas Thomas. "Curriculum Vitae" . Arquivado do original em 31 de


janeiro de 2009 . Consultado em 11 de novembro de 2008 .

"Elogios do aniversário para a realização principal" (liberação de imprensa).


Universidade de Durham . 8 de junho de 2007 . Consultado em 11 de
novembro de 2008 .

Branco, James 'Jim' (1 de maio de 2008). "O teólogo NT Wright embala a


casa" . Arauto religioso . Richmond, VA. Arquivado a partir do original em 21 de
julho de 2011 . Consultado em 14 de setembro de 2010 .

"Graus honorários" . Universidade de St. Andrews. 25 de junho de 2009.


Arquivado do original em 30 de junho de 2009 . Consultado em 29 de junho de
2009 .

"MEDALHA DE BURKITT PARA ESTUDOS BÍBLICOS 2014" . Prêmios e


medalhas . Academia Britânica. Arquivado a partir do original em 8 de
novembro de 2014 . Consultado em 9 de dezembro de 2014 .

Links externos

O Wikiquote tem citações relacionadas a: NT Wright

Página NT Wright , uma coleção de escritos.

NT Wright Entrevista detalhada sobre "Além do Evangélico"

Realismo crítico teológico

Da Wikipédia, a enciclopédia livre


Ir para a navegaçãoIr para a pesquisa

Na teologia , o termo realismo crítico é empregado por uma comunidade de


cientistas que se tornaram teólogos. [ citação necessário ] Eles são
influenciados pelo cientista que virou filósofo Michael Polanyi . As idéias de
Polanyi foram retomadas com entusiasmo por T. F. Torrance , cujo trabalho
nesta área influenciou muitos teólogos que se autodenominam realistas
críticos. Essa comunidade inclui John Polkinghorne , Ian Barbour e Arthur
Peacocke . [1] O objetivo do grupo é mostrar que a linguagem da ciência e da
teologia cristãsão semelhantes, formando um ponto de partida para um diálogo
entre os dois. Alister McGrath e Wentzel van Huyssteen (o último do Seminário
Teológico de Princeton) são colaboradores recentes dessa vertente. O bispo
anglicano e o estudioso do Novo Testamento N. T. Wright também escreve
sobre este tópico:

... Eu proponho uma forma de realismo crítico . Essa é uma maneira de


descrever o processo de "conhecimento" que reconhece a realidade da coisa
conhecida, como algo que não é o conhecedor (daí o "realismo"), enquanto
reconhece plenamente que o único acesso que temos a essa realidade está ao
longo da espiral. caminho do diálogo ou conversa apropriada entre o
conhecedor e o conhecido (daí "crítico"). [2]

O colega estudioso bíblico de Wright, James Dunn , encontrou o pensamento


de Bernard Lonergan mediado por Ben F. Meyer . Muito do realismo crítico
norte-americano - mais tarde usado a serviço da teologia - tem sua origem no
pensamento de Lonergan, e não de Polanyi.

Conteúdo

1 Veja também

2 Referências

2.1 Notas de rodapé

2.2 Bibliografia

3 Leitura adicional

Veja também
ícone Portal do cristianismo

Christian Smith (sociólogo)

Referências

Notas de rodapé

Losch 2009 , p. 85

Wright 1992 , p. 35)

Bibliografia

Losch, Andreas (2009). "Sobre as origens do realismo crítico". Teologia e


Ciência . 7 (1): 85-106. doi : 10.1080 / 14746700802617105 . ISSN 1474-6719
.

Wright, NT (1992). O Novo Testamento e o Povo de Deus . Origens cristãs e a


questão de Deus. 1 . Minneapolis, Minnesota: Fortress Press. ISBN 978-0-
8006-2681-5.

Leitura adicional

Losch, Andreas (2016). "Versão de Wright do realismo crítico". Em Heilig,


Christoph; Hewitt, J. Thomas; Bird, Michael F. (orgs.). Deus e a fidelidade de
Paulo: um exame crítico da teologia paulina de NT Wright . Tübingen,
Alemanha: Mohr Siebeck. 101-114.

McGrath, Alister E. (2001). Uma Teologia Científica . Londres: T&T Clark.

Meyer, Ben F. (1989). Realismo crítico e o Novo Testamento . San Jose,


Califórnia: Pickwick Publications. ISBN 978-0-915138-97-5.

Page, James S. (2003). "Realismo crítico e a ciência teológica de Wolfhart


Pannenberg: explorando as comunalidades" . Pontes: Um jornal interdisciplinar
de filosofia, teologia, história e ciência . 10 (1/2): 71–84 . Consultado em 16 de
novembro de 2017 .

Polkinghorne, John (1991). Razão e Realidade: A Relação entre Ciência e


Teologia . Londres: SPCK. ISBN 978-0-281-04487-0.

--- (2010). Oord, Thomas Jay (org.). O Leitor Polkinghorne: Ciência, Fé e a


Busca do Significado . Londres: SPCK. ISBN 978-0-281-06053-5.

Wright, NT (2016). "O desafio do diálogo: uma resposta parcial e preliminar".


Em Heilig, Christoph; Hewitt, J. Thomas; Bird, Michael F. (orgs.). Deus e a
fidelidade de Paulo: um exame crítico da teologia paulina de NT Wright .
Tübingen, Alemanha: Mohr Siebeck.