Você está na página 1de 21

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

Trabalho Elaborado por:


Alexandre Nogueira, nº 2171182
António Casimiro, nº 2171133
Bruno Pereira, nº 2171071
Luís Colaço, nº 2171185

Unidade Curricular: Marketing Estratégico

Professor Orientador: Joaquim Paulo Conceição


ÍNDICE
INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................ 2
IDENTIFICAÇÃO ...................................................................................................................................... 3
IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ........................................................................................................................... 3
HISTÓRIA DA JERÓNIMO MARTINS.................................................................................................................... 3
HISTÓRIA DA EMPRESA................................................................................................................................... 4
VARIEDADE DE SERVIÇOS ................................................................................................................................ 6
OPÇÃO ESTRATÉGICA ............................................................................................................................. 6
CLIENTES (CRITÉRIOS) .................................................................................................................................... 6
Nicho .................................................................................................................................................... 6
Massas ................................................................................................................................................. 7
VANTAGENS COMPETITIVAS............................................................................................................................. 7
Eficiência de Custos.............................................................................................................................. 7
Diferenciação ....................................................................................................................................... 7
Modelo de Fishbein .............................................................................................................................. 8
OPÇÃO ESTRATÉGICA DE PORTER...................................................................................................................... 9
CONCLUSÃO PARCIAL................................................................................................................................... 12
DIAGNÓSTICO ...................................................................................................................................... 13
VARIÁVEIS CONTROLÁVEIS............................................................................................................................. 13
Pontos fortes ...................................................................................................................................... 13
Pontos fracos ..................................................................................................................................... 13
VARIÁVEIS NÃO CONTROLÁVEIS ...................................................................................................................... 14
Oportunidades ................................................................................................................................... 14
Ameaças ............................................................................................................................................ 14
CONCLUSÃO PARCIAL................................................................................................................................... 14
PLANO DE AÇÃO .................................................................................................................................. 15
AÇÕES PARA VALORIZAR OS PONTOS FORTES:.................................................................................................... 15
AÇÕES PARA CORRIGIR OS PONTOS FRACOS: ..................................................................................................... 15
AÇÕES PARA APROVEITAR AS OPORTUNIDADES: ................................................................................................. 15
AÇÕES PARA ATENUAR AS AMEAÇAS................................................................................................................ 16
CONCLUSÃO PARCIAL................................................................................................................................... 16
CONCLUSÃO......................................................................................................................................... 17
ANEXOS ............................................................................................................................................... 18
ENTREVISTA - PERGUNTAS ............................................................................................................................ 18
OPINIÕES ONLINE DE FUNCIONÁRIOS/EX-FUNCIONÁRIOS ................................................................................... 19
Opinião I............................................................................................................................................. 19
Opinião II............................................................................................................................................ 19
Opinião III........................................................................................................................................... 19
GRAVAÇÃO DA ENTREVISTA........................................................................................................................... 20
Parte 1: .............................................................................................................................................. 20
Parte 2: .............................................................................................................................................. 20
SEGMENTOS DA ENTREVISTA UTILIZADOS NA APRESENTAÇÃO: .............................................................................. 20
Pingo Doce - Segmentação no Marketing Digital (Entrevista) .......................................................... 20
Pingo Doce – Ação Social (Entrevista) ................................................................................................ 20
Pingo Doce – Nova App Pingo Doce (Entrevista) ............................................................................... 20
Pingo Doce – Motivo do Retalho ser Ameaça (Entrevista) ................................................................ 20
Inquérito simples a um funcionário do Pingo Doce Local (Leiria) ...................................................... 20

1
INTRODUÇÃO
Somos um grupo de quatro alunos da Escola Superior de Tecnologia e Gestão, inserida
no Instituto Politécnico de Leiria. Frequentamos o curso de Marketing e, no âmbito da cadeira de
Marketing Estratégico, foi nos proposto um trabalho que consiste em escolher uma empresa e
analisá-la em diversos aspetos.
Para a realização deste trabalho, elegemos a empresa Pingo Doce, uma empresa
portuguesa que possui supermercados e hipermercados dispersos por todo o território nacional.
Começámos então por estudar a empresa, realizando um inquérito à mesma e efetuando
uma pesquisa pormenorizada sobre a mesma, com objetivo de recolher o maior número possível
de informação para que fosse possível proceder à análise da empresa. O primeiro passo será
identificar a empresa e tentar perceber a sua história. Vamos também analisar os critérios de
segmentação e as vantagens competitivas, identificar qual a opção estratégica da empresa e fazer
uma análise SWOT e o plano de ação da mesma. Estes componentes irão permitir-nos estudar
mais aprofundadamente a empresa.

2
IDENTIFICAÇÃO
Identificação da Empresa
Entidade: Pingo Doce (pertencente ao grupo Jerónimo Martins)

Morada: Rua Actor António Silva n.º7

Código-Postal: 1649-033 Lisboa

Horário: 09:00 / 21:00 (Horário Geral)

Tipo de Sociedade: Sociedade Anónima

Atividade: Distribuição Alimentar

Início da atividade: 1980

Capital social: 33.808.115,00€

Site Pingo Doce: https://www.pingodoce.pt/

Tel: 217 532 000 Fax: 217 526 174

História da Jerónimo Martins


A empresa Jerónimo Martins surge em 1792 quando
um imigrante galego abre no centro de Lisboa (chiado) uma
modesta casa de comércio de víveres. O negócio foi passando
de geração em geração. Com a crise da primeira guerra a
pequena mercearia foi vendida, tendo esta sido adquirida por
três sócios, entre eles Francisco Manuel dos Santos,
inaugurando assim a dinastia que ainda hoje controla a
empresa.
O grupo ficou especialmente marcado pela passagem
de Alexandre Soares dos Santos que desde 1996 até 2013
elevou a empresa até ao patamar em que hoje se encontra. Este
é considerado o segundo homem mais rico de Portugal desde
2012.
O grupo chegou a ter presença no Brasil ao adquirir
em 1997 os Supermercados Sé, porém devido a resultados
negativos no ano de 2001 vendeu os Supermercados Sé ao Mercearia Jerónimo Martins
Grupo Pão de Açúcar por 143 milhões de euros.

3
O grupo marca presença na Polónia desde 1997 com a insígnia Biedronka e na Colômbia
mais recentemente (desde 2013) com o nome Ara. Respetivamente com 2722 lojas (Polónia) e
221 (Colômbia). O grupo opera também no sector da indústria, com uma parceria com a Unilever.
De destacar ainda a chocolateria Hussel, a Caterplus, as lojas Jeronymo (uma rede de cafés), a
geladeira norte-americana Ben & Jerry's e as lojas e quiosques “Olá”.

Lojas do grupo Jerónimo Martins

Distribuição Alimentar do grupo Jerónimo Martins

História da Empresa
A cadeia de supermercados pingo doce é uma
sociedade anónima que foi criada em 1980, pelo grupo
Jerónimo Martins. Os seus proprietários são o Grupo
Jerónimo Martins com 51% da empresa e a Ahold
Delhaize (empresa belga holandesa) com 49%.
O Pingo doce conta com 415 lojas distribuídas
por todo o país e conta com cerca de 700mil visitas por
dia e 23mil colaboradores, sendo uma das 10 maiores
empregadoras do país.

Distribuição de Lojas Pingo Doce em Portugal

4
Informações relativas à empresa

Possuindo como especial foco a Marca Insígnia “Pingo Doce” e sobre a atual assinatura
“sabe bem pagar tão pouco”, o Pingo Doce tem como principal objetivo provar ao consumidor
que é possível obter a máxima qualidade aos preços mais baixos.
Em 1993, o Pingo Doce conquista a liderança na distribuição alimentar, no segmento de
supermercados.
Entre 2008 e 2010, o Pingo Doce veio a absorver a marca "Feira Nova", do mesmo
Grupo. Em 2010, o Pingo Doce lançou nos seus super e hipermercados o serviço de restauração
e Take-away.
Em 2015, abriu a primeira loja Pingo Doce & Go, um novo conceito de loja de
conveniência em parceria com os postos de abastecimento BP e que está aberta 24 horas por dia.
O Pingo Doce procura agora espalhar e levar este novo conceito de lojas de conveniência
por todas as regiões do país.
Em março de 2017, o Pingo Doce abriu a sua loja 414 em Terrugem.
Em junho de 2017 abriu a sua primeira loja em Elvas, chegando assim às 415 lojas.

Pingo Doce & GO inserido num posto de combustível da BP

5
Variedade de Serviços
• Take-Away
• Restaurante
• Café e Bolos
• Bem-Estar
• Vestuário
• Calçado
• Florista
• Estacionamento
Entregas ao Domicílio
• Postos de combustível
• Entregas ao Domicílio

OPÇÃO ESTRATÉGICA
Clientes (Critérios)

Nicho
O pingo doce investiu em dividir os mercados, tendo em conta a faixa etária. Para os
jovens-adultos e adultos, dado que a maioria tem um smartphone com Android ou iOS, criou a
app pingo doce que tem os mesmos produtos que aparecem no folheto.
Tanto o folheto como a publicidade televisiva estão assim a passar de um marketing de
massas a uma seleção segmentada, sobretudo mais virado para um publico mais idoso, pois as
outras faixas já não são tão influenciadas pelos anúncios televisivos pois consomem maior parte
do seu tempo no digital. É importante ainda mencionar que segundo a coordenadora de marketing
digital referiu que houve uma diminuição do investimento na publicidade televisiva e um
investimento no digital.

6
Massas

O pingo doce não tem um publico alvo propriamente concreto, pois é a população em geral.
Apesar da publicidade televisiva estar a tonar-se num segmento de mercado direcionado
sobretudo para a faixa etária idosa esta continua a ser uma das principais formas da empresa se
dirigir para um consumidor de massas em geral. Contudo hoje em dia os mercados apostam na
segmentação de mercado levando o marketing de massas a entrar em desuso devido às
necessidades múltiplas e distintas dos consumidores e só segmentando o mercado conseguimos
satisfazer as diversas necessidades dos consumidores.
Em suma, o principal meio de manter o marketing de massas atualmente é essencialmente
os folhetos apesar da tendência ser em recorrer ao marketing digital levando então à segmentação
dos consumidores.

Vantagens competitivas

Eficiência de Custos
Eficiência de custos não se consegue com mera redução de gastos.
É preciso cortar nos custos de produção tanto como de distribuição com sabedoria para
manter ou até ampliar os resultados. A empresa que possui estratégia de eficiência de custos, deve
produzir em grande volume para minimizar gastos de todo o processo de fabricação, divulgação
e distribuição do produto, tendo como principal atratividade, o preço.
A marca Pingo Doce usa maioritariamente esta estratégia de redução de custos para
conseguir obter os melhores produtos com um menor custo associado. E o exemplo perfeito são
os produtos da marca Pingo Doce que são os que estão maioritariamente expostos nas prateleiras.

Diferenciação
Desenvolvida por uma equipa multidisciplinar exigente, a Marca Própria Pingo Doce é,
há 25 anos, uma referência nacional. A aposta nas Marcas Próprias é
as principais áreas de diferenciação do Pingo Doce e é uma verdadeira história de
empenho reconhecida pelos portugueses, que a veem como a Marca Própria de maior qualidade
no mercado nacional. Preço e qualidade são as principais características que os clientes procuram
quando adquirem produtos e a marca Pingo Doce oferece-lhes esses atributos. A exigência de um
bom desempenho e interligação de equipas de profissionais de várias áreas é fundamental para
garantir um padrão de qualidade constante, que explica a base do sucesso da Marca Própria Pingo
Doce. Os requisitos estão sempre de acordo com as melhores práticas e exigências e ao longo das
várias fases de desenvolvimento do produto, tudo é feito para garantir a elevada qualidade, o preço
competitivo e a excelência de cada produto lançado.

7
Modelo de Fishbein

• Melhor decisão de compra: Continente


• Atributo mais importante: Qualidade
• Atributos em que o Continente se destaca: Diversidade e Instalações
• Atributos em que o Pingo Doce não se destaca: Diversidade e Instalações

Através do modelo de FishBein podemos concluir que para os consumidores de massa a


melhor decisão de compra para o consumidor é o Continente pois é o que apresenta a melhor
pontuação final. O Continente tem dois parâmetros avaliados com 5 valores (Diversidade e
Instalações) causando logo uma grande vantagem perante a marca Pingo Doce e a outra marca
rival LIDL. Os consumidores de um modo geral valorizam em primeiro lugar a Qualidade sendo
esta igual em todas em empresa. Com este modelo verificamos que o Pingo Doce deve melhorar
as suas instalações bem como a sua diversidade de produtos.

8
Opção estratégica de Porter
O modelo de cinco forças de Porter possibilita a análise do grau de atratividade de um
dado sector e tem como objetivo entender o ambiente competitivo identificando as ações
estratégicas futuras para se obter vantagem no mercado.
Este modelo identifica cinco forças que se inserem no sistema de competitividade, destas
uma força é interna sendo as restantes externas ao sector em que a empresa atua.

Concorrentes

1) Rivalidade dentro do mercado

Na industria dos Super e hipermercados portugueses destaca-se para além do pingo doce
a cadeia Sonae (Continente, MeuSuper, Bom Dia) e a cadeia do Intermarché, Lidl e Dia
(Minipreço).
Estes super/híper mercados possuem estratégias diferentes de atuar no mercado
O Pingo Doce bem como Lild e o Minipreço caracterizam-se por uma maior preocupação
com o preço e não tanto com a aparência, têm uma política ativa de preços sempre baixos e têm
uma elevada percentagem de produtos de marcas brancas sendo estes constituintes de uma cadeia
denominada de hard Discount. Contudo os restantes apostam numa estratégia de diferenciação do
seu produto e não tanto pela aplicação de descontos.
Uma outra dificuldade encontrada no interior do setor é a dificuldade de expansão. O
Grupo Jerónimo Martins tem vindo a ultrapassar essa mesma dificuldade com a expansão da
cadeia para a Polónia.

9
2) Poder negocial dos fornecedores

Os fornecedores de qualquer empresa são determinantes no seu sucesso. Se o seu poder


for demasiado elevado pode constituir um problema à rendibilidade da empresa. No caso do Pingo
Doce os fornecedores têm um papel determinante estando sujeitos a um regulamento especifico.
Entre as obrigações do fornecedor encontra-se por exemplo a obrigação de se responsabilizarem
por produtos que se estraguem, devoluções dos clientes ou produtos cuja data de validade
terminou e ainda não saíram das prateleiras. O Pingo Doce é frequentemente acusado de “obrigar”
os fornecedores a aderirem a promoções.
Na maioria das cadeias e distribuição os fornecedores (marcas) tem ainda de pagar um
montante para terem os seus produtos expostos nas prateleiras variando o preço com o lugar em
que o produto se encontra na prateleira (sendo na zona da altura dos olhos que se encontram os
produtos de valor mais elevado).
Desta forma o poder negocial dos fornecedores tem vindo a ser reduzido ao longo do
tempo, sendo no presente um poder fraco havendo várias queixas de produtores que se sentem
lesados por campanhas de promoções feitas pelo Pingo Doce.

3) Poder Negocial dos Clientes


Neste setor o cliente tende a ser pouco fiel à insígnia fazendo compras em vários
supermercados e aproveitando as promoções de cada cadeia devido à inexistência de um custo de
mudança. (O consumidor não se sente vinculado à cadeia de supermercados).

4) Ameaça de produtos substitutos

Devido à crise atual pode existir o reajustamento da procura para produtos primários, e
também a substituição de produtos comprados por produtos caseiros ou comprados em mercados
tradicionais que consigam preços mais competitivos (por exemplo: legumes e frutas nos mercados
tradicionais, vendedores ambulantes ou feiras).

10
5) Ameaça de novos concorrentes

O Pingo Doce encontra-se na atualidade bem posicionado no mercado juntamente com


outras cadeias, pelo que a entrada de novos concorrentes é complicada devido aos elevados custos
de produção pois como as suas quantidades de produção ainda são reduzidas equiparadas aos
concorrentes já presentes que ao produzirem grandes quantidades conseguem ter um custo
unitário de produção bastante menor.
Em Portugal há um forte controlo legislativo e são feitas muitas exigências,
nomeadamente ao nível da higiene alimentar pelo que há um difícil acesso aos canais de
distribuição.
Estas dificuldades não devem, no entanto, ser descuradas. No passado quando a cadeia
de hard discount Lidl entrou em Portugal foi um pouco subestimada pelas outras cadeias que
acharam que a felicidade dos consumidores às suas marcas era elevada e não as iam trocar por
outra marca que ainda por cima era desconhecida, mas mais barata. Para contradizer este
raciocínio os consumidores aderiram aos novos produtos e o Lidl adaptou-se a algumas marcas e
a assim sobreviveu, sendo atualmente uma das cadeias com maior volume de negócios do nosso
país.

11
Conclusão Parcial
O pingo doce tem que enfrentar vários concorrentes, e para se conseguir chegar a uma
estabilidade é necessário criar uma situação que seja vantajosa para a empresa. Têm de enfrentar
a concorrência para esta conseguir estar bem posicionada no mercado.
Por isso o Pingo Doce aposta mais no mercado de massas não tendo um público em
concreto, e onde o principal objectivo é ter um produto de qualidade com um menor custo
associado. Apesar de apostar mais no mercado de massas o pingo doce tentar dividir o mercado
tendo em conta as diferentes faixas etárias.
Outro fator em que o pingo doce aposta é na diferenciação onde implementa os produtos
da propria marca em que o preço é o factor diferenciação e que é associado á excelencia do
produto.
Na perpetiva de Porter a rivalidade entre concorrentes o Pingo Doce tem como “rivais” o
Continente, Lidl e o Intermache. Os fornecedores tem um papel determinante nas empresas e no
caso do Pingo Doce os fornecedores tem um regulamento especifico e onde têm algumas
obrigações como por exemplo a de se responsabilizarem por produtos que se estraguem,
devoluções dos clientes ou produtos cuja data de validade terminou e ainda não saíram das
prateleiras.
O poder negocial dos clientes afeta o desempenho porque o cliente não se sente fiel a
nenhuma cadeia de supermercados porque aproveita as promoções que cada cadeia faz. Outro
factor é a ameaça de produtos substitutos. Por fim a ameça de novos concorrentes que no caso do
pingo doce não estão muito preocupados porque estão bem posicionados no mercado.

12
DIAGNÓSTICO
Variáveis controláveis
Pontos fortes
• Elevada notoriedade da marca Pingo Doce.
• Proximidade dos clientes.
• Aposta nos frescos.
• Modelo de negócio adaptado às necessidades do cliente.
• Parceria com a BP, vantagens do cartão “Poupa +”.
• Forte investimento em publicidade. (meter vídeo)
• Preços (baixos) praticados.
• Política de formação dos funcionários.
• Fornecimento de vales de refeição aos funcionários.
• Pagamento aos funcionários dentro dos prazos estipulados.
• Nova App Pingo Doce.
• Website Pingo Doce

Pontos fracos
• Sortido focado não permite variedade. *
• Falta de atendimento personalizado.
• Falhas na integração de iniciantes relativo a certos setores (nomeadamente nas caixas e
nos setores mais diretamente ligados ao consumidor final).
• Reduzido número de caixas em funcionamento atrasa o processo de pagamento.
• Nível de remuneração avaliado pelos conhecimentos internos/afinidades e não pelo
desempenho e dedicação levando por vezes à falta de capacidade de chefia por parte das
equipas de gerência.
• Desorganização na disposição dos produtos nas prateleiras.
• Desmotivação de alguns dos funcionários.

*Sortido focado é quando não somos capazes de satisfazer as necessidades relevantes do cliente através de um
sortido completo, desde produtos de qualidade superior a outros produtos alimentares e à própria marca Pingo
Doce com preços competitivos mantendo uma ótima relação qualidade-preço, num ambiente de compra agradável
com a garantia de elevada segurança alimentar e de um bom serviço ao cliente.

13
Variáveis não controláveis
Oportunidades
• Tendência de crescimento do formato soft-discount parece manter-se/decréscimo da
procura pelo comércio tradicional.
• Adesão cada vez maior dos consumidores à compra de produtos portugueses.
• Crescente adesão dos consumidores a serviços take-away.
• Novos métodos de venda e novas tecnologias.
• Importância da ação social.

Ameaças
• Conjuntura económica desfavorável.
• Enfraquecimento do poder de compra e consequente moderação do consumo privado,
devido ao abrandamento económico.
• Fraca fidelização por parte dos clientes no setor retalhista.
• Concorrência intensa do setor, forte competitividade.
• Entrada de novos concorrentes.
• Aumento dos serviços por parte da concorrência.
• Aumento das grandes superfícies.

Conclusão Parcial
Ao concluir a análise SWOT, compreendemos que é fundamental dar a importância às
variáveis controláveis para que haja um equilíbrio organizacional, bem como dar a devida atenção
às variáveis não controláveis de modo a aproveitar as oportunidades e atenuar as ameaças. O
Pingo Doce acompanha de perto as necessidades dos seus clientes e aposta sobretudo numa
estratégia de proximidade em relação ao consumidor, dai a aposta nas pequenas superfícies.
Através da análise SWOT a empresa tem maior facilidade no planeamento de ações futuras de
forma a manter os pontos fortes, corrigir os pontos fracos, aproveitar as oportunidades e atenuar
as ameaças de forma a saber como lidar com os fatores externos nomeadamente as tendências dos
clientes e os concorrentes e a nível interno com os seus pontos fortes e fracos de forma a fazer a
empresa evoluir no sentido positivo. A empresa em estudo visa principalmente continuar a
expansão em Portugal (Pingo Doce) e marcar pela diferença, mas sobretudo liderar o setor de
mercado em que está inserido conquistado novos clientes não só pelos seus produtos, mas pela
proximidade empresa-clientes.

14
PLANO DE AÇÃO
Ações para valorizar os pontos fortes:
• Maior diversidade de produtos Marca Pingo Doce;
• Passatempos na página do Facebook;
• Manter a vasta de oferta de produtos frescos;
• Criar mais vantagens com o cartão Poupa+;
• Investir em cursos de formação profissional dos funcionários;
• Melhorias/ inovações na aplicação (como um dos exemplos dado na entrevista) ;
• Manter o Web site em constante atualização quer a nível de design e inventário.

Ações para corrigir os pontos fracos:


• Maior diversidade de produtos de outras marcas;
• Recorrer à APP para o cliente ter um serviço mais personalizado;
• Analise dos comportamentos dos funcionários no atendimento aos consumidores;
• Programa de incentivo a integração de novos funcionários;
• Caixas de pagamento autónomas;
• Maior rotação de funcionários nas caixas;
• Prémios de desempenho;
• Layout e gestão de loja que permitam uma melhor organização dos produtos
nomeadamente nas pequenas superfícies;
• Estratégias para melhorar união e motivação dos funcionários.

Ações para aproveitar as oportunidades:


• Continuar tendência dos soft-discount;
• Fazer uma campanha de consumo de produtos made in Portugal;
• Dar uma identidade ao restaurante self-service e take away;
• Incrementar uma nova e inovadora forma de fazer compras que permita ao
consumidor poupar tempo na fase de pagamento;
• Divulgar as suas ações no âmbito da ação social.

15
Ações para atenuar as ameaças
• Tentar adaptar-se o máximo possível à atual economia, de modo a minimizar as suas
ameaças;
• Optar por uma estratégia de eficiência de custos segundo a perspetiva de Porter,
aumentando as quantidades de produção de forma a ser possível praticar custos de
produção e distribuição mais baixos;
• Implementação de descontos nomeadamente na app recorrendo sobretudo à
segmentação individualizada;
• Aumentar a relação de proximidade com o consumidor final diferenciando os
produtos em relação à concorrência;
• Criar tendências de mercado no consumidor de forma a que os novos concorrentes
não tenham capacidade de resposta;
• Sendo o Pingo Doce uma marca que quer marcar pela diferença apostar sim na
qualidade dos seus serviços e não na quantidade dos mesmos.

Conclusão Parcial
Após a conclusão do plano de ação proposto ao Pingo Doce, verificamos que sendo uma
marca de prestigio, esta já desenvolveu métodos para combater os seus pontos fracos e as suas
ameaças, o que levou a uma analise bastante profunda no que toca a aspetos negativos, quer a
nível interno e externo. Atualmente e no futuro a empresa deve continuar a distinguir-se dos
concorrentes através da segmentação de mercado, recorrendo sobretudo ao marketing digital e ao
costumer care.
Neste plano de ação referimos ações para manter os pontos fortes e corrigir os pontos
fracos bem como ações relativas ao ambiente externo.
Concluímos que a nível interno a empresa tem mais pontos fortes do que fracos, mas na
vertente externa verificamos que os concorrentes se podem tornar numa grande ameaça tendo nós
assim verificado bastantes ameaças ao qual o plano de ação é difícil ser aplicado devido à empresa
se querer posicionar pela diferença.

16
CONCLUSÃO
Para concluir o pingo doce é uma das principais empresas Portuguesas que lidera na
distribuição alimentar, no segmento de supermercados tendo esta que enfrentar vários
concorrentes. Esta aposta sobretudo numa estratégia de massas mas utiliza o marketing digital
para tentar segmentar os seus consumidores (por exemplo recorrendo ao facebook).
Concluimos também que tanto a eficiência de custos bem como a diferenciação são
estratégias utilizadas pela empresa, sendo estas aplicadas tendo em conta as tendências do
consimidor em relação a cada produto.
Em suma, ficámos a conhecer outras perspetivas da empresa, nomeadamente a sua opção
estratégica, os seus critérios de segmentação, os seus pontos fortes e fracos, tal como as suas
oportunidades e ameaças bem como o planeamento de ações futuras de forma a manter os pontos
fortes, corrigir os pontos fracos, aproveitar as oportunidades e atenuar as ameaças ajudando esta
a lidar com os fatores externos e internos de forma a que todos os aspetos positivos não passem a
aspetos negativos e tentando converter os aspetos negativos em aspetos positivos.
Desta forma conseguimos perceber em que é que a empresa deve melhorar para vencer a
concorrência, sabendo que a estratégia da empresa atualmente pode não ser a mesma daqui a
algum tempo devido à constante mudança do mercado. Concluímos assim que este trabalho foi
enriquecedor no sentido em que conseguimos compreender melhor os conceitos da unidade
curricular, mas também pudemos experienciar o marketing da perspetiva de um gestor ao invés
da perspetiva a que estamos habituados, a do consumidor.

17
ANEXOS
Entrevista - Perguntas
Perguntas para fazer à Diretora de Marketing Digital

➢ Como é que tem sido a evolução da marca Pingo Doce nos últimos 10 anos?
➢ De que forma a área de comunicação acompanha a evolução e mudança do
mercado/consumidor?
➢ Qual a percentagem do orçamento que é aplicada na publicidade e de que forma?
➢ Qual é a estratégia adotada no marketing digital e de que forma esta é utilizada de
forma a beneficiar a empresa?
➢ Qual é a maior concorrência? De que forma se distingue o Pingo Doce dos
concorrentes?
➢ Na vertente da publicidade/marketing quais são as principais caraterísticas que
distinguem o Pingo Doce dos seus concorrentes?
➢ Que estratégias são adotadas a nível de comercial/publicitário de forma a fomentar
relação cliente-empresa?
➢ No âmbito social é ou não dada importância à associação a eventos? Qual o motivo
desta decisão?
➢ Que aspetos considera que devem ser melhorados ao nível do setor de
Comunicação/Marketing?
➢ De todo o trabalho feito pelo departamento de marketing qual/quais os que se
destacam?
➢ Como se tem notado o Pingo Doce deixou de apostar tanto na publicidade televisiva
e passado para o digital, não esta uma decisão que deixa de parte os clientes mais
idosos (sendo estes uma grande percentagem da população portuguesa)?
➢ Qual será a próxima grande aposta do Pingo Doce ao nível do Marketing?

18
Opiniões Online de Funcionários/Ex-Funcionários
Estas opiniões foram retiradas do website Indeed (Website de Ofertas de Emprego).

Opinião I

Opinião II

Opinião III

19
Gravação da Entrevista

Parte 1: (Escolher um dos links)

✓ https://drive.google.com/file/d/1jG2B5YcJlrdy-fBpd9PrXB48FKK-Yr4h/view
✓ https://drive.google.com/file/d/1WA2rMywWc3Nu5rSQe6peY4SiNxdM2MbW/view

Parte 2: (Escolher um dos links)

✓ https://drive.google.com/file/d/1h3oAcLQwslZ40Jqn1Cso_yAOblJv2FCw/view
✓ https://drive.google.com/file/d/1a9ACe08BacRRdIQG9UgEV0RmPn3LQn0Z/view

Segmentos da Entrevista utilizados na apresentação:

Pingo Doce - Segmentação no Marketing Digital (Entrevista)


✓ https://www.youtube.com/watch?v=lxXsV8VyUYg

Pingo Doce – Ação Social (Entrevista)


✓ https://www.youtube.com/watch?v=9MKrnjuWo10

Pingo Doce – Nova App Pingo Doce (Entrevista)


✓ https://www.youtube.com/watch?v=nN9PZxYKWIg

Pingo Doce – Motivo do Retalho ser Ameaça (Entrevista)


✓ https://www.youtube.com/watch?v=frJeuPFUHwk

Inquérito simples a um funcionário do Pingo Doce Local (Leiria)

Durante uma ida às compras pedimos a uma funcionária do Pingo Doce local que
avaliasse a empresa e a equipa numa escala de 1 a 5.
1 2 3 4 5
Localização do Estabelecimento X
Grau de Satisfação pessoal enquanto trabalhadora X
Grau de Qualificação da equipa em geral X
Qualidade dos produtos X
Organização de prateleiras X

Com base na análise desta funcionária comprovamos que a proximidade do cliente graças às
pequenas superfícies se torna numa grande vantagem bem como conseguimos perceber que a
funcionária se considera integrada na empresa de um modo geral.

20