Você está na página 1de 2

Quando Iglesias coloca que a intenção de “republicanizar a

republica teve seu momento auge em 1930”, ele consegue


sintetizar bem o ideal que impulsiono o movimento que se
concretizou em 1930, e foi uma das mais conturbadas sucessões.
O movimento de 1930 é o resultado e um grande número de
mudanças e crises sociais. No final de 1920 muitas da instituições
políticas e sociais estavam sendo severamente criticadas, e assim,
cada vez mais, alguns setores da sociedade se organizavam de
forma a fortalecerem movimentos da classe operária e o
tenentismo.
No entanto, a liderança de militares saídos do tenentismo
começou a pesar muito para a sociedade, tendo em vista que, a
pressão popular, principalmente das classes mais baixas , pelas
reformas sociais que clamavam a necessidade da industrialização,
achou voz às suas reivindicações no tenentismo, ou seja, por meio
do tenentismo os seus anseios ganhariam expressão (tornar-se-iam
vontade política).
O movimento tenentista que se opunha as idéias oligárquicas,
principalmente no que tange o desenvolvimento interno do país,
alegando que os oligarcas só investiam na agricultura para a
exportação, buscavam, também, introduzir um caráter mais
nacionalista ao Brasil, sendo caracterizados como nacionalista
liberais ou liberais conservadores, e defendiam a moralização
processo eleitoral, por meio da introdução do voto secreto e da
justiça eleitoral, que segundo eles, manteria a integridade das
eleições no Brasil. Suas propostas empolgaram a massa uma vez
que expressavam os anseios das camadas médias urbanas, dando,
assim, mais força ao movimento.
Foi a urgência de introdução de reformas sociais pelas classes
mais baixas que visavam um nível mais alto na vida, de forma mais
intensa do que nas outras classes, no entanto, que foi decisiva para
a convergência dos interesses dessa classe com o movimento
tenentista. As reformas sociais eram o ponto de partida para
industrialização, que por sua vez, necessitaria de uma estado forte
industrializador para encabeçar o movimento.
No campo político, no final da década, foi quando o
movimento começou a se modificar. Na sucessão do presidente
Washington Luís, eleito ainda pelo antigo esquema do café com
leite, segundo o acordo, o próximo presidente deveria ser um
presidente paulista. No entanto, o estado de Minas Gerais,
governada por Antonio Carlos, optou por apoiar, juntamente com o
Estado da Paraíba, um representante do Rio Grande do Sul, Getúlio
Vargas, candidato com uma visão mais conservadora da vida
politica; enquanto São Paulo se manteve com o plano e apoiava u
representante paulista, Júlio Prestes.
Durante a eleição houve a formulação da Aliança Liberal,
composta pelo candidato aliado a revolução, Vargas, e sua base de
apoio, uma estranha junção de políticos antigos e tenentes, que por
muitas vezes já bateram de frente, que se uniram por possuírem um
momentâneo interesse politico em comum.
A disputa foi acirrada, mas a vitória foi de Júlio Prestes,que
acabou sendo eleito, com certa ajuda da máquina governamental.
Com a vitória de Prestes, muitos dos políticos aliados a Aliança
Liberal, saíram, no entanto os tenentes permaneceram, juntamente
com os políticos menos cautelosos e começaram a se organizar
como oposição, resolvendo tomar o poder à forca com a morte de
João Pessoa, em Julho de 1930, por motivos nacionais, regionais e
pessoais.
E outubro do mesmo ano, no dia 23, a capital foi ocupada
pelos rebeldes, juntamente com a marcha vitoriosa das forças
ligada ao sul, cabeceada por Vargas, e depuseram Washington Luiz
22 dias antes do termino de seu mandato, colocando Getúlio Vargas
como governador provisório e impedindo a posse do candidato do
partido republicano, Prestes. Todo o restante do governo já havia se
demitido, seguindo o conselho do exército e da marinha, de
cardeais e de outros políticos, tendo em vista que a resistência seria
inútil.
O movimento visava introduzir uma política de consolidação
da base do estado (integrando a massa urbana à cena política),
provendo a centralização político administrativa, e impor o
intervencionismo econômico social (colocando os estados a frente
das classes), sendo que Vargas aliado aos tenentes, chefe de
governo e posteriormente presidente da república, correspondeu
fielmente ao ânimo intervencionista e industrialista da época.