Você está na página 1de 78

João Batista Gomes

REGÊNCIA
CRASE
Concursos e Vestibulares

SOUCONCURSEIRO
Linguativa
Manaus
2013
© 2013 by João Batista Gomes

Todos os direitos reservados e protegidos por lei. Proibida a duplicação ou a reprodução deste volum e ou de parte dele, sob
quaisquer meios, sem autorização expressa do autor.

Projeto gráfico
I lc ym a r Mo n te i ro M a rt in s
Arte capa
Je ss é E ste vam
Revisão técnico-gramatical
João Batista G ome s

http ://www. faceboo k.com/Pr of.J.Ba tista.G omes

LI NG UA T I V A
w ww .li n guativ a.co m .b r
Rua Ferreira Pena, 653 – Centro
Fone/fax: (92) 3633–6398
E-mail: linguativa@linguativa.com.br
69.010.140 – Manaus–AM
E Q UI P O L
w w w.cu rs o equ i p o l.co m.b r
Rua Ferreira Pena, 653 – Centro
Fone/fax: (92) 3232–5096
E-mail: equipolconcurso@gmail.com
69.010.140 – Manaus–AM

2 – João Batista Gomes


SUMÁRIO

REGÊNCIA ................................................................................................................................ 5
Definição .................................................................................................................................... 5
Nomenclatura ............................................................................................................................ 5
Tipos de regência ..................................................................................................................... 6
Classificação dos verbos quanto à predicação ....................................................................... 6
VERBO TRANSITIVO DIRETO ................................................................................................. 6
Definição .................................................................................................................................... 6
Objeto direto preposicionado ................................................................................................... 6
Aplicação 1 ................................................................................................................................ 7
Objeto direto x pronomes átonos ............................................................................................ 8
Verbo transitivo direto X lhe ...................................................................................................... 8
Aplicação 2 e 3 .......................................................................................................................... 8
Verbo transitivo direto x voz passiva ........................................................................................ 9
Verbo transitivo direto x oração substantiva objetiva direta ................................................... 9
Aplicação 4 e 5 .......................................................................................................................... 9
Verbo transitivo direto + se .................................................................................................... 10
Verbos transobjetivos ............................................................................................................. 10
Reforço 1 ................................................................................................................................. 10
Aplicação 6 e 7 ........................................................................................................................ 10
Principais verbos transobjetivos ............................................................................................. 11
Lista de verbos transitivos diretos .......................................................................................... 11
Reforço 2 ................................................................................................................................. 13
TESTES 1 ................................................................................................................................ 13
VERBO TRANSITIVO INDIRETO ........................................................................................... 16
Definição .................................................................................................................................. 16
Preposição obrigatória ............................................................................................................ 16
Aplicação 8 a 11 ...................................................................................................................... 16
Verbo transitivo indireto x pronomes ..................................................................................... 17
Aplicação 12 a 16 ................................................................................................................... 17
Verbo transitivo indireto x me, te, se, nos, vos ..................................................................... 18
Aplicação 17 a 21 ................................................................................................................... 18
Verbo transitivo indireto x voz passiva ................................................................................... 19
Transitivo indireto + se (pis) .................................................................................................. 19
Aplicação 22 a 25 ................................................................................................................... 19
Verbo transitivo indireto x oração substantiva objetiva indireta ........................................... 20
Aplicação 26 a 31 ................................................................................................................... 19
Lista de verbos transitivos indiretos ....................................................................................... 21
VERBO TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO ......................................................................... 22
Dois complementos ................................................................................................................ 22
Aplicação 32 ............................................................................................................................ 22
Combinação de pronomes ..................................................................................................... 23
Objeto indireto x predicativo do objeto .................................................................................. 23
Aplicação 33 e 34 ................................................................................................................... 23
Objeto indireto x adn............................................................................................................... 24
Lista de verbos transitivos diretos e indiretos ....................................................................... 24
Aplicação 35 ............................................................................................................................ 24
Aplicação 36 a 38 ................................................................................................................... 28
VERBO INTRANSITIVO .......................................................................................................... 29
Sem complemento .................................................................................................................. 29
Aplicação 39 a 43 ................................................................................................................... 29

Regência e Crase – 3
Intransitivo X transitivo indireto .............................................................................................. 30
Aplicação 44 a 47 ................................................................................................................... 30
Lista de verbos intransitivos ................................................................................................... 31
VERBO DE LIGAÇÃO ............................................................................................................ 34
Sem ação ................................................................................................................................ 34
Sentido dos verbos de ligação ............................................................................................... 34
Aplicação 51 ............................................................................................................................ 34
Lista de verbos de ligação ...................................................................................................... 35
TESTES 2 ................................................................................................................................ 37
VERBOS ESPECIAIS .............................................................................................................. 43
Assistir ..................................................................................................................................... 43
Aplicação 52 e 53 ................................................................................................................... 43
Aspirar ..................................................................................................................................... 44
Avisar, certificar, informar, notificar, proibir ............................................................................ 44
Aplicação 54 e 56 ................................................................................................................... 44
Chamar .................................................................................................................................... 45
Chegar, ir, voltar, retornar ...................................................................................................... 45
Aplicação 57 e 58 ................................................................................................................... 45
Estar, ficar, morar, residir ....................................................................................................... 46
Custar ...................................................................................................................................... 46
Aplicação 59 e 61 ................................................................................................................... 46
Esquecer, lembrar, recordar, admirar .................................................................................... 47
Preferir ..................................................................................................................................... 47
Aplicação 62 e 63 ................................................................................................................... 47
Querer ..................................................................................................................................... 48
Simpatizar, antipatizar ............................................................................................................ 48
Aplicação 64 e 65 ................................................................................................................... 48
Visar ......................................................................................................................................... 49
Aplicação 66 a 68 ................................................................................................................... 49
Abdicar ..................................................................................................................................... 50
Aborrecer-lhe ou aborrecê-la? ............................................................................................... 50
Aplicação 69 a 70 ................................................................................................................... 50
Implicar, pisar, a domicílio, em domicílio ................................................................................ 51
Aplicação 71 a 72 ................................................................................................................... 51
Ao telefone, a prazo, a vista, chutar, fazer que, dar-se o, dar à luz .................................... 52
Aplicação 73 a 74 ................................................................................................................... 54
CRASE ..................................................................................................................................... 55
Aplicação 1 e 2 ........................................................................................................................ 55
Aplicação 3 e 4 ........................................................................................................................ 56
Aplicação 5 a 7 ........................................................................................................................ 57
CASOS ESPECIAIS DE CRASE ............................................................................................. 57
Aplicação 8 a 12 ...................................................................................................................... 58
Aplicação 13 a 16 ................................................................................................................... 59
Aplicação 17 a 20 ................................................................................................................... 60
Aplicação 21 a 26 ................................................................................................................... 61
Aplicação 27 ............................................................................................................................ 62
TESTES 1 ................................................................................................................................ 65
RESPOSTAS (Regência) ....................................................................................................... 75
RESPOSTAS (Crase) ............................................................................................................. 76
REFERÊNCIAS ....................................................................................................................... 77

4 – João Batista Gomes


REGÊNCIA Vamos discutir novas construções:
a) Ela votou em Eduardo.
Note que “votar” exige a preposição “em”
para a eufonia da frase.
A expressão “em Eduardo” não pode ser
chamada de “adjunto adverbial”: não su-
gere tempo, lugar, modo, causa, etc.
1. Definição Conclusão: a expressão “em Eduardo”
é objeto indireto.
Regência é a relação de dependência ou
Classificação de “votar”: transitivo in-
de subordinação que as palavras têm direto.
entre si dentro da frase. Isso sugere que
b) Ela votou em Manacapuru.
uma palavra (a regida) completa o
Note que “votar” exige a preposição “em”
sentido da outra (a regente). Vejamos na
para a eufonia da frase.
prática:
A expressão “em Manacapuru” indica cir-
a) A criança nasceu. cunstância de lugar.
b) O vereador morreu. Conclusão: “em Manacapuru” é adjunto
c) O estudante desapareceu. adverbial de lugar.

Notamos que os verbos nascer, morrer e Classificação de “votar”: intransitivo.

desaparecer não precisam de com- c) Ela votou em branco.


plemento verbal, ou seja, não precisam Note que “votar” exige a preposição “em”.
de objeto direto ou de objeto indireto. A expressão “em branco” indica circuns-
tância de modo.
Importante: só existem dois comple-
Conclusão: “em branco” é adjunto
mentos verbais:
adverbial de modo.
a) objeto direto – completa o sentido do Classificação de “votar”: intransitivo.
verbo sem auxílio de preposição;
b) objeto indireto – completa o sentido 2. Nomenclatura
do verbo com auxílio de preposição. a) Transitivo – Verbo que exige comple-
mento (objeto direto ou indireto).
Vamos acrescentar mais palavras às
frases em discussão: b) Intransitivo – Verbo que não exige
complemento; pode vir sozinho ou
a) A criança nasceu à noite. acompanhado de adjunto adverbial
A expressão “à noite” sugere tempo, ou de predicativo do sujeito.
portanto é adjunto adverbial de tempo; c) Direto – Complemento sem preposi-
não é complemento verbal. ção.
d) Indireto – Complemento com preposi-
b) O vereador morreu no motel.
ção.
A expressão “no motel” sugere lugar, por- e) Circunstância – Condição de tempo,
tanto é adjunto adverbial de lugar; não lugar ou modo que cerca ou acom-
é complemento verbal. panha um fato ou uma situação que
lhes é essencial à natureza.
c) O estudante desapareceu na selva.
f) Predicação verbal – Particularidade
A expressão “na selva” sugere lugar, por-
de cada verbo (ou de suas diferentes
tanto é adjunto adverbial de lugar; não acepções) de aceitar ou não comple-
é complemento verbal. mento(s).

Regência e Crase – 5
3. Tipos de regência VERBO TRANSITIVO DIRETO
A regência pode ser verbal ou nominal.
1. Definição – Entende-se por transiti-
Os exemplos a seguir são esclare-
vo o verbo que precisa de comple-
cedores.
mento. Transitivo direto é, pois, o
verbo que exige complemento sem
a) Temos necessidade de paz. preposição.
O termo regente (que exige a preposição
Exemplos:
“de”) é um nome (necessidade = subs-
tantivo); portanto regência nominal. a) De repente, a vida exige pressa.
Função de “pressa”: objeto direto.
b) Pedro gosta de futebol.
Regência de “exigir”: verbo transitivo di-
O termo regente (que exige a preposição reto.
“de”) é um verbo (gostar); portanto re-
b) Os paramédicos assistiram as víti-
gência verbal.
mas do acidente.
c) Todos assistiram aos jogos.
Função de “as vítimas do acidente”: ob-
O termo regente (que exige a preposição jeto direto.
“a”) é um verbo (assistir); portanto re- Regência de “assistir”: verbo transitivo
gência verbal. direto.

d) Na reunião, fizeram alusão à mobili- c) Convém visar todos os documentos


dade urbana. antes da viagem.
O termo regente (que exige a preposição Função de “todos os documentos”: obje-
“a”) é um nome (alusão = substantivo); to direto.
portanto regência nominal. Regência de “visar”: verbo transitivo di-
reto.
4. Classificação dos verbos quanto d) Traição amorosa implica sofrimento
à predicação e decepção.
Quanto à regência (relação entre o ver- Função de “sofrimento e decepção”: ob-
bo e os termos ou expressões que lhe jeto direto.
completam o sentido ou a ele atribuem Regência de “implicar”: verbo transitivo
uma circunstância), podemos dividir to- direto.
dos os verbos da língua portuguesa em e) Na delegacia, pisaram seu corpo pa-
três categorias: ra que confessasse o delito.
a) transitivos (exigem complemento); Função de “seu corpo”: objeto direto.
b) intransitivos (sem complemento); Regência de “pisar”: verbo transitivo di-
c) de ligação (exigem predicativo). reto.

Os transitivos podem ser: 2. Objeto direto preposicionado


a) diretos; Se o verbo transitivo direto vier prepo-
b) indiretos; sicionado, com certeza a preposição não
c) diretos e indiretos. é exigida pelo verbo. O complemento
Importante: verbo de ligação serve para recebe, então, o nome de objeto direto
ligar o predicativo ao sujeito. preposicionado.
Exemplos:

6 – João Batista Gomes


a) Ela só ouve a mim. 3. Objeto direto x pronomes átonos
Regência de “ouvir”: transitivo direto. Ao lado de verbos transitivos diretos, na
Função sintática da expressão “a mim”: função de complemento, podem apare-
objeto direto preposicionado. cer os seguintes pronomes átonos:
Preposição “a”: exigida pelo pronome
tônico “mim”. a) o, a, os, as – Podem aparecer antes
(próclise), no meio (mesóclise) ou
b) Venceu ao pai o filho. depois (ênclise) do verbo, represen-
Regência de “vencer”: transitivo direto. tando pessoas ou coisas.
Função sintática da expressão “ao pai”:
Exemplos:
objeto direto preposicionado.
Preposição “a”: exigida pelo contexto – 1. Nos momentos difíceis, eu sempre a
a frase ficaria ambígua sem a preposi- apoio.
ção. Regência de “apoiar”: transitivo direto.

c) Em casa, ele não respeitava a nin- Função morfológica do “a”: pronome


guém. átono.
Função sintática do “a”: objeto direto de
Regência de “respeitar”: transitivo direto.
“apoiar”.
Função sintática da expressão “a nin-
guém”: objeto direto preposicionado. 2. Convivendo com ela, eu a mudei..
Preposição “a”: exigida pelo pronome Regência de “mudar”: transitivo direto.
indefinido “ninguém”. Função morfológica do “a”: pronome
d) Não devemos magoar as pessoas a átono.
quem amamos. Função sintática do “a”: objeto direto de
Regência de “amar”: transitivo direto. “mudar”.
Função sintática da expressão “a quem”: 3. Na entrada da fazenda, eu o avistei.
objeto direto preposicionado.
Regência de “avistar”: transitivo direto.
Preposição “a”: exigida pelo pronome
Função morfológica do “o”: pronome
relativo “quem”.
átono.
Função sintática do “o”: objeto direto
Aplicação 1
de “avistar”.
Escolha a letra com objeto direto
preposicionado. b) lo, la, los, las – Variantes de o, a, os,
as quando enclíticos (depois do ver-
a) Convém promover a devassa fiscal
bo) ou mesoclíticos (no meio do ver-
para combater a sonegação.
b) Ainda nesta semana, a Receita Fede- bo). Devem ser acrescentados a ver-
bos transitivos diretos que terminem
ral anuncia a lista de empresas deve-
doras. por r, s ou z.
c) O combate à sonegação tem a finali- Exemplos:
dade de coibir a evasão de divisas. 1. Vou ouvi-la nos momentos difíceis.
d) As corretoras devem demonstrar que Regência de “ouvir”: transitivo direto.
recolheram a contento os impostos Função morfológica do “la”: pronome
sobre os ganhos de capital. átono.
e) O passo seguinte do aperto planeja- Função sintática do “la”: objeto direto
do é chegar a pessoas físicas a quem de “ouvir”.
o leão não tem atacado ultimamente.

Regência e Crase – 7
2. Com o tempo, mudá-la-ei. 4. Verbo transitivo direto x lhe
Regência de “mudar”: transitivo direto. Se o pronome lhe estiver ao lado de ver-
Função morfológica do “la”: pronome bo transitivo direto, com certeza estará
átono. no papel de pronome possessivo: pode
Função sintática do “la”: objeto direto ser trocado por seu (dele), sua (dela),
de “mudar”. seus (deles), suas (delas). A função sin-
tática, nesse caso, é de adjunto adno-
b) no, na, nos, nas – Variantes de o, a, minal.
os, as quando enclíticos (depois do
Exemplos:
verbo). Devem ser acrescentados a
1. Ouço-lhe muito as opiniões.
verbos transitivos diretos que termi-
Ouço muito as suas opiniões.
nem por m, ão ou õe.
Regência de “ouvir”: transitivo direto.
Exemplos: Função de “as opiniões”: objeto direto.
1. Com relação ao dinheiro, ele repõe- Função morfológica do “lhe”: pronome
no ainda hoje. possessivo.
Regência de “repor”: transitivo direto. Função sintática do “lhe”: adjunto adno-
Função morfológica do “no”: pronome minal.
átono. 2. Amo-lhe muito o caráter.
Função sintática do “no”: objeto direto de Amo muito o seu caráter.
“repor”. Regência de “amar”: transitivo direto.
Função de “o caráter”: objeto direto
2. Lições de esperança? Eles dão-nas
Função morfológica do “lhe”: pronome
todos os dias.
possessivo.
Regência de “dar”: transitivo direto. Função sintática do “lhe”: adjunto adno-
Função morfológica do “nas”: pronome minal.
átono.
3. Em plena rua, roubaram-lhe a bolsa.
Função sintática do “nas”: objeto direto
Em plena rua, roubaram a sua bolsa.
de “dar”.
Regência de “roubar”: transitivo direto.
Aplicação 2 Função de “a bolsa”: objeto direto
Função morfológica do “lhe”: pronome
Julgue as frases seguintes quanto ao possessivo.
uso de pronomes. Função sintática do “lhe”: adjunto adno-
a. ( ) Reponho o dinheiro ainda hoje = minal.
Reponho-lhe.
b. ( ) Reponho o dinheiro ainda hoje = Aplicação 3
Reponho-o. Julgue as frases seguintes quanto ao
c. ( ) Transpomos com cautela o obstá- uso de pronomes.
culo = Transpomos-lhe.
a. ( ) Conheço-lhe de algum lugar.
d. ( ) Transpomos com cautela o obstá-
b. ( ) Conheço-a de algum lugar.
culo = Transpomo-no.
c. ( ) Conheço-lhe a família há muitos
e. ( ) Transpomos com cautela o obstá-
anos.
culo = Transpomo-lo. d. ( ) Conheço sua família há muitos
anos.
e. ( ) Se o vir hoje, talvez não lhe reco-
nheça.

8 – João Batista Gomes


5. Verbo transitivo direto x voz pas- 6. Verbo transitivo direto x oração
siva substantiva objetiva direta
Os verbos transitivos diretos aceitam mu- O complemento do verbo transitivo direto
dança da voz ativa para a passiva e vice- pode ser uma oração inteira: é a oração
versa. Os verbos transitivos indiretos, in- subordinada substantiva objetiva direta.
transitivos e de ligação não aceitam mu-
dança para a voz passiva. 1. Sinto que ela ainda me ama.
Sinto isso.
1. A empresa contratou novos operá-
Regência de “sentir”: transitivo direto.
rios. (voz ativa)
Objeto direto de “sentir”: “que ela ainda
Novos operários foram contratados
me ama”.
pela empresa. (voz passiva)
Função morfológica do “que”: conjun-
Regência de “contratar”: transitivo dire-
ção integrante.
to.
Classificação da oração subordinada:
Função de “novos operários”: objeto
substantiva objetiva direta.
direto (voz ativa) e sujeito (voz passiva).
Função de “a empresa”: sujeito (voz ati- 2. Não sei se a empresa ainda me acei-
va) e agente da passiva (voz passiva). ta.
2. Após a assembleia, os funcionários Não sei isso.
protocolizaram o pedido . (voz ativa) Regência de “saber”: transitivo direto.
Após a assembleia, o pedido foi pro- Objeto direto de “saber”: “se a empresa
tocolizado pelos funcionários (voz pas- ainda me aceita”.
siva) Função morfológica do “se”: conjunção
Regência de “protocolizar”: transitivo di- integrante.
reto. Classificação da oração subordinada:
Função de “o pedido”: objeto direto (voz
substantiva objetiva direta.
ativa) e sujeito (voz passiva).
3. Convém considerar que nada é eter-
Função de “os funcionários”: sujeito (voz
no.
ativa) e agente da passiva (voz passiva).
Convém considerar isso.
3. Ouviram-se as reclamações dos ope-
Regência de “considerar”: transitivo di-
rários. (voz passiva)
reto.
Ouviram as reclamações dos ope-
Objeto direto de “considerar”: “que nada
rários. (voz ativa)
é eterno”.
Regência de “ouvir”: transitivo direto.
Função morfológica do “que”: conjun-
Função de “as reclamações”: objeto dire-
ção integrante.
to (voz ativa) e sujeito (voz passiva).
Sujeito de “ouviram”: simples (voz passi- Classificação da oração subordinada:
va) e indeterminado (voz ativa). substantiva objetiva direta.

Aplicação 4 Aplicação 5

Escolha a alternativa em que o verbo Escolha a alternativa com objeto di-


admita mudança para a voz passiva. reto oracional.
a) Lembrou-se da infância e chorou. a) Elisa? Não a vejo desde o Carnaval.
b) Hoje, quem não gosta de futebol? b) Não convém desistir agora.
c) Precisamos de carpinteiros. c) Ocorre que não temos mais prestígio.
d) Ela se referiu ao marido com ironia. d) Entendeu que estava derrotado.
e) Apresentou as desculpas e saiu. e) Coube a mim denunciar o esquema.

Regência e Crase – 9
7. Verbo transitivo direto + se 8. Verbos transobjetivos
O se é a partícula formadora da voz pas- Alguns verbos transitivos diretos reque-
siva pronominal ou sintética. Nesse caso, rem um complemento após o objeto dire-
tem as seguintes características: to: é o complemento-predicativo (ou pre-
a) Vem sempre ligado a verbo sem pre- dicativo do objeto). São conhecidos co-
posição (transitivo direto ou transiti- mo transobjetivos.
vos direto e indireto). Predicado – Nesse caso, o predicado
b) O verbo apassivado pelo pronome “se” será verbo-nominal.
concordará normalmente com o seu 1. Julgamos Teotônio incapaz dessa
sujeito, que vem, quase sempre, pos- atitude.
posto. Regência de “julgar”: transitivo direto.
c) A mudança da frase para a voz ativa Objeto direto de “julgar”: “Teotônio”.
é feita com supressão do “se”; o ver- Função de “incapaz”: predicativo do ob-
bo irá obrigatoriamente para o plural jeto.
para que, na voz ativa, tenha sujeito Predicado: verbo-nominal.
indeterminado. 2. Elegeram-na vereadora.
d) O “se” não tem função sintática. Regência de “eleger”: transitivo direto.
Objeto direto de “eleger”: “na”.
Aplicação 6 Função de “vereadora”: predicativo do
objeto.
Julgue as frases seguintes quanto à Predicado: verbo-nominal.
correção gramatical.
3. Ele fez a criança feliz.
a. ( ) Conserta-se aparelhos eletrôni-
Regência de “fazer”: transitivo direto.
cos.
Objeto direto de “fazer”: “a criança”.
b. ( ) Consertam-se aparelhos eletrôni-
Função de “feliz”: predicativo do objeto.
cos.
Predicado: verbo-nominal.
c. ( ) Consertam aparelhos eletrônicos.
d. ( ) Aparelhos eletrônicos são con- 4. O povo chamava-o de corrupto.
sertados. Regência de “chamar”: transitivo direto.
e. ( ) Construiu-se, ultimamente, inú- Objeto direto de “chamar”: “o”.
meras creches na cidade. Função de “de corrupto”: predicativo do
objeto.
Aplicação 7 Predicado: verbo-nominal.

“Não se pode mudar as práticas de Reforço 1


produção sem educar devidamente
Conheça aqui as preposições:
as gerações”.
a) Acidental – Palavra que pode funcio-
No período acima:
nar como preposição: afora, confor-
a) O “se” indica sujeito indeterminado. me, consoante, exceto, fora, medi-
b) A troca de “Não se pode mudar” por ante, não obstante, salvo, trás.
“não se podem mudar” corrige erro
gramatical. b) Essencial – Palavra invariável que
c) O verbo “poder” é transitivo direto. sempre funciona como preposição: a,
d) Trata-se de período simples. ante, após, até, com, contra, de,
e) Trata-se de período composto com desde, durante, em, entre, para, pe-
três orações. rante, por, sem, sob, sobre.

10 – João Batista Gomes


9. Principais verbos transobjetivos NOMEAR
Nomearam meu primo inspetor-chefe.
Os verbos seguintes, quando emprega-
SABER
dos em sentido especial, são transob-
Ali, ninguém o sabia bandido.
jetivos: transitivos diretos (raramente in-
SUPOR
diretos) + predicativo. Vêm acompanha-
A família supunha-o íntegro.
dos de predicativo do objeto, formando
TACHAR
o predicado verbo-nominal.
Por causa da briga, tacharam-no de louco.
ACHAR
TER
Eu sempre a achei atraente.
Todos o tinham como doido.
ACLAMAR
Os funcionários aclamaram-no líder.
10. Lista de verbos transitivos diretos
ACUSAR
O povo acusava-o de corrupto. Listamos aqui os verbos transitivos diretos
CALCULAR mais empregados no dia a dia. Ao lado
Os familiares calculavam-na morta. deles, servindo-lhes de complemento, não
CHAMAR
se pode usar o pronome átono lhe(s).
Os moleques chamavam-na de galinha- ABENÇOAR
garnisé. Eu o abençoo, meu filho.
CONSIDERAR Antes de partir, abençoou todos os filhos.
Sempre a considerei infiel. ABORRECER
CONSTITUIR Os bêbados aborreciam-no, mas ele não se
No jornal, constituíram-no revisor-chefe. zangava.
De hoje em diante, vou procurar não mais
COROAR
aborrecê-la.
Coroaram-na rainha caipira.
ABRAÇAR
CRER
Abracei-a poucas vezes.
Na infância, todos me criam um santo.
Quando chegava, abraçava todos de casa.
DAR
ACHAR
Apesar das evidências, ele não se dava
Eu a achei meio gorda, mas bem interessante.
por vencido.
Na juventude, achamos tudo muito engraçado.
DECLARAR
ACOLHER
Depois dos testes, declararam-me habili-
O juiz acolheu o nosso pedido.
tado.
AMAR
DEIXAR
Amo-a muito.
Usaram o livro e deixaram-no rasgado.
Devemos amar a vida com muita intensidade.
ELEGER
CASTIGAR
O povo elegeu-o senador pelo Amazonas.
Castiguei-o poucas vezes quando era criança.
ENCONTRAR Ela o castiga, mas gosta dele.
Para minha decepção, fui encontrá-la muito
COLHER
feliz.
As mangas, colhi-as ainda meio verdes.
FAZER Meu tio Ananias ganha dinheiro colhendo milho.
A minha intenção era fazê-la secretária.
COMENTAR
IMAGINAR Essas decisões, devemos comentá-las em
Eu a imaginava menos gorda. reunião.
INTITULAR Na próxima aula, comentaremos a prova.
Os ribeirinhos intitularam-no herói. COMER
JULGAR As flores que você mandou? Comi-as no
Todos o julgavam culpado. almoço.

Regência e Crase – 11
COMPRAR MATAR
Frutas e verduras? Evite comprá-las em Podiam prendê-la, mas matá-la foi um erro.
excesso. Fazendo isso, vocês matarão as plantações.
Comecei a vida comprando dívidas dos outros. Vez por outra, matava serviço para passear.
CONTRARIAR
PERSEGUIR
Por causa do derrame, evite contrariá-la.
Não vou mais persegui-la.
Por qualquer besteira, contrariava pais.
Depois das eleições, os cabos eleitorais
CONVIDAR
deixaram de perseguir o deputado.
Eu estou convidando-a para um passeio de
barco. PRENDER
Fiz um grande festas, mas convidei só os Além de prendê-la, torturaram-na.
familiares. Fomos obrigados a prender três dos parti-

DESCULPAR cipantes.
Eu já a desculpei. Ela consegue prender a respiração por três
Antes de mais nada, quero dizer que já des- minutos.
culpei todos vocês. PREJUDICAR
ESTUPRAR Jamais o prejudicaria.
Estupraram-na antes do casamento. Fazia tudo para prejudicar os alunos.
Não apenas estupraram a moça: mataram-na. Tanto sol assim pode prejudicar sua beleza.
ESTIMAR RECEBER
Estimo-a muito, Cristina. Recebi-a em casa, à noite.
Dede cedo, aprendi a estimar os livros.
Tinha prazer em receber os amigos.
Estimo que estejas com saúde.
Depois de dois anos, conseguimos receber a
ESPERAR herança.
Espero-a na igreja, na parte de trás, é claro.
De manhã cedo, recebeu a má notícia.
Espero que você encontre logo um novo amor.
Da parte dela, nunca pude esperar aquele SAUDAR
comportamento. Saúdo-a pela coragem.
Todos saudaram as candidatas.
ELOGIAR
Eu já o elogiei mais do que devia. Os convidados saudaram-se.
Comprazia-se em elogiar os amigos. SOCORRER
Todos elogiaram muito o seu primeiro romance. Sem querer, eu a socorri.
ENCONTRAR Nosso trabalho era socorrer animais feridos.
Encontrá-la-ei na esquina, pode esperar. Um pequeno barco socorreu-nos.
Até que enfim encontrei alguém que me ama. TER
Não demore muito a encontrar uma solução.
Eu tive-a em meus braços.
FERIR Só vou ter férias em janeiro.
Jamais quis feri-la; foi um acidente. No passado, tive muitos cargos importantes.
Sem querer, feri um pássaro.
Ela não pode pegar chuva: tem asma.
Uma luz forte feriu-lhe os olhos.
VER
IMITAR
Vim vê-la.
No início, eu o imitava.
Pela primeira vez, vi o sol nascer quadrado.
Comecei minha carreira imitando os grandes
mestres. Antes de assumir, viu os prós e os contras da
Em sua arte, procure não imitar o real, mas repartição.
recriá-lo. Eu não os vejo há mais de dois anos.
LEVAR VISITAR
Se viajar, eu a levarei comigo. Visito-a todas as tardes.
Você pode partir, mas não permitirei que leve Elas se visitam com assiduidade.
as crianças. O fiscal visitou o nosso estabelecimento, mas
Partirei, mas levarei saudades. não o multou.

12 – João Batista Gomes


Reforço 2 TESTES 1
Vícios de linguagem:
a) Barbarismo – Qualquer erro grama-
tical que fira a norma culta da língua.
Pode ser:
1. Ortoépico (troca ou omissão de fo-
nemas, como a pronúncia aberta do
01. Nas frases com o verbo abençoar,
“o” tônico de “bolsos”, a pronúncia
indique a única com erro.
“poblema” em vez de “problema”, ou
ainda mudança da sílaba acentuada a) Sem autorização do bispo, não posso
“rúbrica” em vez de “rubrica”). abençoá-la.
2. Gráfico (troca de letras, como a b) Que Deus lhe abençoe os passos!
troca de “s” por “z”, “ss”, “ç”, etc.). c) Que Deus lhe abençoe!
d) Vamos pedir a Sua Santidade que nos
3. Gramatical (inadequação nas fle-
abençoe.  
xões, como em “quando eu ver” em
e) Meu pai já te abençoou; isso é o bas-
vez de “quando eu vir”, ou erro de
tante.
flexão de gênero, como “ela está meia
triste”, ou “coma menas farinha”). 02. Nas frases com o verbo aborrecer,
4. Semântico (emprego inadequado de indique a única com erro.
uma palavra ou locução, por não se a) Não adianta: hoje você não vai con-
conhecer seu sentido preciso, como seguir aborrecer-me. 
usar-se “ir de encontro a” [chocar-se b) Vovó, quem lhe aborrece tanto assim?
com] com o sentido de “estar con- c) Ele está ficando velho: qualquer bes-
forme, combinar” ou “ir ao encontro teira o aborrece. 
de” [combinar, estar conforme] com d) Não a queremos aborrecer.
o sentido de “chocar-se”). e) Viemos aborrecê-lo mais uma vez. 
b) Solecismo – Erro de sintaxe (concor-
03. Nas construções seguintes, as ex-
dância, crase, colocação pronominal,
pressões destacadas são respecti-
regência, etc.).
vamente: 
c) Cacofonia – repetição de sons (fone-
1. Admiro-lhe a capacidade de fingir. 
mas ou sílabas) considerada desa-
2. Todos lhe admiram o corpo esguio.  
gradável ao ouvido:
3. Até os treze anos, ninguém a admira-
1. Dei um beijo na boca dela. (cadela)
va.  
2. Vou-me já. (mijar)
3. Paguei por cada favor seu. (porcada) a) adjunto adnominal, adjunto adnomi-
nal e objeto direto.  
d) Pleonasmo vicioso – repetição des-
b) objeto indireto, objeto indireto e objeto
necessária, redundância de termos.
direto. 
1. É preciso encarar de frente o proble- c) adjunto adnominal, objeto indireto e
ma da violência urbana. objeto direto. 
2. Morreu de hemorragia sanguínea. d) objeto indireto, adjunto adnominal e
3. Entre para dentro, saia da chuva. objeto direto. 
4. Perdemos nosso elo de ligação com e) adjunto adnominal, objeto indireto e
os índios. objeto indireto. 

Regência e Crase – 13
04. Nas construções seguintes, as ex- 1. Apoiamos a tua decisão.  
pressões destaque são respectiva- 2. Apoiarei a tua decisão. 
mente: 
a) Apoiamo-la – apoiarei-a
1. Mesmo sem me conhecerem, eles aju- b) Apoiamo-la – apoiá-la-ei  
daram a mim.   c) Apoiamos ela – apoiá-la-ei  
2. São pessoas humildes que eu quero d) Apoiamos-lhe – apoiarei-a
ajudar por uma questão de humani-
e) Apoiamos-lhe – apoiá-la-ei  
dade.  
3. Quer ajudar-me? Então, comece pela 07. Nas construções seguintes, as ex-
limpeza dos livros.  pressões em negrito são respectiva-
a) objeto direto preposicionado, objeto mente: 
direto e objeto direto.  1. Conheço-te todas as tramas. 
b) objeto direto preposicionado, objeto 2. Sei que vocês não conhecem a mim,
direto e objeto indireto.  mas provarei que sou honesto. 
c) objeto indireto, objeto direto e objeto 3. As minhas dúvidas dissiparam-se
direto.  quando lhe conheci a família. 
d) objeto indireto, sujeito e objeto dire-
a) objeto direto, objeto direto e objeto
to. 
direto. 
e) objeto indireto, sujeito e objeto indi-
b) objeto direto, objeto direto preposi-
reto. 
cionado e objeto indireto. 
05. Nas construções seguintes, as ex- c) adjunto adnominal, objeto direto pre-
pressões em negrito são respectiva- posicionado e adjunto adnominal.
mente:  d) adjunto adnominal, objeto indireto e
adjunto adnominal. 
1. Que São Judas Tadeu te abençoe! 
e) objeto direto, objeto indireto e objeto
2. Que São Judas Tadeu te abençoe o
indireto.
caminho!
a) pronome pessoal oblíquo átono (ob- 08. Julgue as construções seguintes
jeto indireto) e pronome possessivo quanto ao emprego de pronomes.
(adjunto adnominal).  a. ( ) Saiba que errei, mas ainda lhe
b) pronome pessoal oblíquo átono (ob- amo muito.
jeto direto) e pronome pessoal oblí- b. ( ) Eu lhe admiro desde a época de
quo átono (objeto direto). colégio.
c) pronome pessoal oblíquo átono (ob- c. ( ) Por sua idade, ela devia respeitar-
jeto direto) e pronome possessivo lhe mais.
(adjunto adnominal).   d. ( ) Vou visitar-lhe no próximo fim de
d) pronome possessivo (adjunto adno- semana.
minal) e pronome possessivo (adjun- e. ( ) Antes de firmar compromisso, que-
to adnominal).  ro conhecer-lhe melhor.
e) pronome possessivo (adjunto adno-
minal) e pronome possessivo (objeto 09. Nas construções seguintes com o
direto).  verbo estimar, indique a única com
erro gramatical.
06. Nas construções seguintes, substitua
o complemento do verbo por um pro- a) Estimo-a muito, Cristina; sempre te vou
nome átono conveniente; depois, es- estimar.
colha a letra com a sequência cor- b) Por causa disso, vou estimar-te para
reta. sempre.

14 – João Batista Gomes


c) Enquanto viver, estimar-te-ei. a) Pronome oblíquo tônico / “mim” e
d) Eu sei que ela me trai; mesmo assim, “me”.
eu a estimo. b) Pronome oblíquo átono / “os meses
e) Com o tempo, passei a estimá-la mais. e os anos”.
c) Pronome possessivo / “mim” e “me”.
10. (CETRO–Pref Pinheiral-SP) Assinale a d) Pronome pessoal do caso reto / o
alternativa que possua, na mesma sujeito oculto da oração (eu).
ordem, dois verbos com a mesma e) Pronome demonstrativo / “os meses
transitividade dos grifados na oração: e os anos”.
“Um jogador que confunde o entre- 13. (CETRO–Pref. Cruzeiro) Assinale a
vistador, pois não corresponde à alternativa que apresenta o uso cor-
expectativa...” reto do pronome.
a) O rapaz agrediu o chefe, porque não a) Logo ao chegar, cumprimentou-lhe
tinha argumentos de defesa. pela vitória.
b) Embora gostasse de praia, preferiu o b) Forçou a visão, mas não avistou-o
campo. mais.
c) Jorge conversou com a filha e resol- c) Nunca lhe ocorrera uma sorte tão
veu as mágoas. grande.
d) Me comunicaram a chegada do navio
d) A atriz conquistou a plateia que ne-
ontem.
cessitava daquele humor.
e) Você venha logo, que te conto o que
e) O acidente provocou mortes e atrapa- ocorreu.
lhou o trânsito.
14. (FGV–IBGE) Assinale a opção em
11. (FEI-SP) Identifique a alternativa em que as duas frases se completam
que há objeto direto preposicionado: corretamente com o pronome “lhe”:
a) Passou aos alunos, para estudo, o a) Não ..... amo mais. / O filho não .....
texto impresso. obedecia.
b) Naquela época, era difícil viajar para b) Espero-..... há anos. / Eu já ..... co-
a Europa. nheço bem.
c) Em dias chuvosos, gosto de ler um c) Nós ..... queremos muito bem. / Nunca
..... perdoarei, João.
bom livro.
d) Ainda não ..... encontrei trabalhando,
d) Sentamo-nos numa das mesas e
rapaz. / Desejou-..... felicidades.
pedimos o jantar.
e) Sempre ..... vejo no mesmo lugar. /
e) Amou a João com o mais puro amor. Chamou-..... de tolo.
12. (CETRO–Pref Araçatuba-SP–2008) 15. (UFF–RJ) Assinale a frase em que
Leia a seguinte frase: está usado indevidamente um dos
“Que venham os meses e os anos, não pronomes seguintes: o, lhe.
conseguirão tirar mais nada de mim, não a) Não lhe agrada semelhante providên-
podem me tirar mais nada. Estou tão só cia?
e sem esperança, que posso enfrentá- b) A resposta do professor não o satis-
los sem medo.” fez.
c) Ajudá-lo-ei a preparar as aulas.
Assinale a alternativa que apresenta d) O poeta assistiu-a nas horas amar-
a classificação do pronome em des- gas, com extrema dedicação.
taque e o termo a que se refere. e) Vou visitar-lhe na próxima semana.

Regência e Crase – 15
VERBO TRANSITIVO INDIRETO 2. Preposição obrigatória
A preposição é obrigatória para verbos
1. Definição – É o verbo que exige
transitivos indiretos. É comum, na lingua-
complemento (objeto indireto) com gem popular, a construção de frases sem
preposição. o devido emprego da preposição,
a) Ela assistiu o filme de terror. (errado) principalmente no período composto por
Ela assistiu ao filme de terror. (certo) subordinação (oração substantiva e
Regência de “assistir”: transitivo indireto. oração adjetiva).
Função de “ao filme de terror”: objeto in-
direto. Aplicação 9
b) O trabalhador precisa assistência mé- Julgue os itens a seguir quanto à re-
dica. (errado) gência verbal.
O trabalhador precisa de assistência
a. ( ) O Brasil precisa este homem.
médica. (certo)
b. ( ) O Brasil precisa deste homem.
Regência de “precisar”: transitivo indire- c. ( ) Este é o homem que o Brasil pre-
to.
cisa.
Função de “de assistência médica”: ob-
e. ( ) Este é o homem de que o Brasil
jeto indireto.
precisa.
c) A assistência médica que o trabalha- e. ( ) Este é o homem de quem o Brasil
dor precisa deve ser custeada pela precisa.
empresa. (errado)
A assistência médica de que o traba- Aplicação 10
lhador precisa deve ser custeada pe-
Julgue os itens a seguir quanto à re-
la empresa. (certo)
gência verbal.
A assistência médica da qual o traba-
lhador precisa deve ser custeada pe- a. ( ) O filme que assistimos ganhou
la empresa. (certo) vários prêmios nacionais.
b. ( ) O filme que presenciamos ga-
Regência de “precisar”: transitivo indire-
nhou vários prêmios nacionais.
to.
Função morfológica do “que” (= da qual)
c. ( ) O livro que te referes pertence ao
pronome relativo.
Realismo brasileiro.
Função sintática de “de que / do qual”: d. ( ) O dinheiro que você necessita
objeto indireto. está aqui.
e. ( ) Esta é a mulher que gosto desde
Aplicação 8 a infância.

Escolha a alternativa com erro de Aplicação 11


regência verbal. Julgue os itens a seguir quanto à re-
a) A palestra a que assistimos terminou gência verbal.
tarde.
a. ( ) São poucas as mulheres porque
b) A palestra à qual assistimos termi-
me apaixonei de verdade.
nou tarde.
c) São poucas as pessoas em que con- b. ( ) São poucas as mulheres por que
fio. me apaixonei de verdade.
d) Casamento implica em filhos. c. ( ) São poucas as mulheres pelas
e) São muitas as pessoas a que amo. quais me apaixonei de verdade.

16 – João Batista Gomes


d. ( ) São poucas as mulheres por quem 3. Transitivo indireto x pronomes
me apaixonei de verdade.
Os verbos transitivos indiretos podem ter
e. ( ) São muitas as causas por que lu-
o objeto indireto representado pelos se-
tamos.
guintes pronomes:
Aplicação 12 a) lhe, lhes (para pessoas ou coisas);
(CONSULPLAN–2010) NÃO há erro só podem ser usados com verbos que
de regência verbal em: exijam preposição “a” ou “para”.

a) Altos salários são dados os jogadores, b) a ele, a ela, a eles, a elas, a isso
sem terem ficado nos bancos escola- (para pessoas ou coisas).
res. c) me, te, se, nos, vos (para pessoas).
b) Falta de punição implica violência.
c) Muitos preferem, como ídolos, pesso- Aplicação 15
as sem princípios morais do que pes- Julgue os itens a seguir quanto ao
soas honestas. uso de pronomes.
d) Todos assistem os programas de tele-
visão que só apresentam tragédias. a. ( ) Os trabalhadores assistiram a um
e) O povo esquece, rapidamente, dos debate sobre mobilidade urbana.
crimes que abalam a sociedade. Os trabalhadores assistiram-no.
b. ( ) Os trabalhadores assistiram a um
Aplicação 13 debate sobre mobilidade urbana.
Julgue os itens a seguir quanto à re- Os trabalhadores assistiram-lhe.
gência verbal. c. ( ) Os trabalhadores assistiram a um
debate sobre mobilidade urbana.
a. ( ) Os problemas que se referiu o
secretário afetam a todos. Os trabalhadores assistiram a
b. ( ) Os problemas à que se referiu o ele.
secretário afetam a todos. d. ( ) Muitos não obedecem às leis de
c. ( ) Os problemas a que se referiu o trânsito.
secretário afetam a todos. Muitos não lhes obedecem.
d. ( ) Os problemas aos quais se re- e. ) Muitos não obedecem às leis de
feriu o secretário afetam a todos. trânsito.
e. ( ) Os produtos que trabalhamos Muitos não obedecem a elas.
são perigosos.
Aplicação 16
Aplicação 14 Julgue os itens a seguir quanto ao
(CEPERJ–2008) “Refiro-me a esta uso de pronomes.
bula e não aquela poesia que rele- a. ( ) Os eleitores acreditam nos políti-
mos ontem.” cos.
Nesta frase, a falta de um acento Os eleitores acreditam-lhes.
gráfico indica erro de: b. ( ) Os eleitores acreditam nos políti-
cos.
a) concordância verbal;
b) regência verbal; Os eleitores acreditam neles.
c) concordância nominal; c. ( ) Os brasileiros creem nas empre-
d) regência nominal; sas do terceiro setor.
e) pontuação. Os brasileiros creem-lhes.

Regência e Crase – 17
d. ( ) Os brasileiros creem nas empre- 4. Transitivo indireto x me, te, se, nos,
sas do terceiro setor. vos
Os brasileiros creem nelas.
e. ( ) A maioria não gosta do horário Também podem representar o objeto in-
eleitoral gratuito. direto os pronomes me, te, se, nos, vos.
A maioria não lhe gosta.
Aplicação 20
Aplicação 17
Julgue os itens a seguir quanto ao
Julgue os itens a seguir quanto ao uso uso de pronomes.
de pronomes.
a. ( ) Na empresa, todos me obede-
a. ( ) Ao filme de ontem, assistimo-lo
cem.
pela tevê.
b. ( ) Na empresa, todos obedecem a
b. ( ) Ao filme de ontem, assistimos-lhe
mim.
pela tevê.
c. ( ) Ao filme de ontem, assistimos a c. ( ) Convém que te atendam primei-
ele pela tevê. ro.
d. ( ) São tantas as leis que fica difícil d. ( ) Convém que atendam primeiro a
obedecer-lhes na íntegra. ti.
e. ( ) São tantas as leis que fica difícil e. ( ) No primeiro dia de mandato,
obedecê-las na íntegra. ofereceram-nos propina.

Aplicação 18
Aplicação 21
Julgue os itens a seguir quanto à cor-
reção gramatical. (Cesgranrio–Petrobrás–2011) Subs-
tituindo o verbo destacado por outro,
a. ( ) À consagração do papa, não che-
a frase, quanto à regência verbal,
gamos a assisti-la.
b. ( ) À consagração do papa, não che-
torna-se INCORRETA em:
gamos a assistir-lhe. a) O líder da equipe, finalmente, viu a
c. ( ) À consagração do papa, não che- apresentação do projeto.
gamos a assistir a ela. O líder da equipe, finalmente, assistiu
d. ( ) Gosto-lhe muito, mas tenho ver- à apresentação do projeto.
gonha de lhe dizer isso.
b) Mesmo não concordando, ele acatou
e. ( ) A uma vida melhor? Sempre aspi-
as ordens do seu superior.
ramos a ela.
Mesmo não concordando, ele obede-
Aplicação 19 ceu às ordens do seu superior.
c) Gostava de recordar os fatos de sua
Julgue os itens a seguir quanto ao uso
infância.
de pronomes.
Gostava de lembrar dos fatos de sua
a. ( ) O filme era muito longo; não con- infância.
seguimos assisti-lo todo.
d) O candidato desejava uma melhor
b. ( ) O filme era muito longo; não con-
colocação no ranking.
seguimos assistir-lhe todo.
O candidato aspirava a uma melhor
c. ( ) O filme era muito longo; não con-
colocação no ranking.
seguimos assistir a todo ele.
d. ( ) O filme era muito longo; não con- e) Naquele momento, o empresário tro-
seguimos ver-lhe todo. cou a família pela carreira.
e. ( ) O filme era muito longo; não con- Naquele momento, o empresário pre-
seguimos vê-lo todo. feriu a carreira à família.

18 – João Batista Gomes


5. Transitivo indireto x voz passiva 6. Transitivo indireto + se (pis)
Os verbos transitivos indiretos não acei- Os verbos transitivos indiretos, quando
tam, em rigor, voz passiva. Alguns ver- acompanhados do pronome “se”, carac-
bos, porém, por força do uso, são apassi- terizam o sujeito indeterminado. Nesse
vados. É o caso de obedecer, desobe- caso, o verbo fica na terceira pessoa do
decer, atender e responder. Mas aten- singular.
ção: só aceitam a voz passiva analítica
1. Precisam-se de pedreiros. (errado)
(verbo “ser” + particípio).
Precisa-se de pedreiros. (certo)
Regência de “precisar”: vti.
Aplicação 22
Função do “se”: pronome que indeter-
Julgue os itens a seguir quanto à cor- mina o sujeito (pis).
reção gramatical. Sujeito da frase: indeterminado.
Função de “de pedreiros”: objeto indi-
a. ( ) O jogo foi assistido por todos
reto.
nós.
b. ( ) Todos nós assistimos ao jogo.
Aplicação 24
c. ( ) As viagens espaciais são muito
visadas pelos cientistas. Julgue os itens a seguir quanto à cor-
d. ( ) Os cientistas visam muito às via- reção gramatical.
gens espaciais. a. ( ) Obedecem-se aos princípios eco-
e. ( ) As leis foram feitas para serem lógicos.
obedecidas. b. ( ) Obedece-se aos princípios ecoló-
gicos.
Aplicação 23 c. ( ) Diariamente, assistem-se a cenas
A frase em que a forma destacada de violência contra as mulheres.
está apropriada às normas grama- d. ( ) Diariamente, assiste-se a cenas
de violência contra as mulheres.
ticais é:
e. ( ) Na política, devem-se visar às
a) O sucesso do projeto incentivou-lhes necessidades prementes do povo.
a continuar perseguindo as metas
iniciais. Aplicação 25
b) Apesar de o prefeito ter apoio popular, Julgue os itens a seguir quanto à cor-
a imprensa escrita resolveu ignorar- reção gramatical.
lhe. a. ( ) Nesse caso, não se tratam de sim-
c) Na administração pública, o bom- ples agressões ao meio ambiente.
senso manda confiar-lhe pouco. b. ( ) Nesse caso, não se trata de sim-
d) Para a conquista de um diploma em ples agressões ao meio
nível superior, a família incentivou-lhe ambiente.
muito. c. ( ) Ainda hoje, recorrem-se a méto-
e) Tinha consciência de sua condição dos violentos para combater o uso
subalterna; por isso, aos chefes ime- de drogas.
diatos, obedecia-lhes cegamente. d. ( ) Ainda hoje, recorre-se a métodos
violentos para combater o uso de
drogas.
e. ( ) Nas indústrias, necessitam-se mais
de técnicos que de engenheiros.

Regência e Crase – 19
Aplicação 26 7. Transitivo indireto x oração subor-
(EPCAR) O “que” devidamente em- dinada substantiva objetiva indi-
pregado só não seria regido de pre- reta
posição na opção: O complemento do verbo transitivo indire-
to (objeto indireto) pode ser uma oração
a) O cargo ....... aspiro depende de con-
inteira: é a oração subordinada subs-
curso.
tantiva objetiva indireta.
b) Eis a razão ....... não compareci.
c) Rui é o orador ....... mais admiro. Aplicação 29
d) O jovem ....... te referiste foi repro-
“Gostava de que todos a bajulas-
vado.
sem.”
e) Ali está o abrigo ....... necessitamos.
Sobre período acima, assinale a al-
Aplicação 27 ternativa incorreta.
(FGV–IBGE) Assinale a opção que a) A preposição “de” pode ser eliminada
apresenta a regência verbal incor- sem prejuízo à correção gramatical.
reta, de acordo com a norma culta b) Trata-se de período composto por su-
bordinação.
da língua:
c) O período contém objeto indireto ora-
a) Os sertanejos aspiram a uma vida cional.
mais confortável. d) O “que” é conjunção integrante.
b) Obedeceu rigorosamente ao horário e) O período contém dois pronomes.
de trabalho do corte de cana.
c) O rapaz presenciou o trabalho dos Aplicação 30
canavieiros. “Precisava de que ela estivesse sem-
d) O fazendeiro agrediu-lhe sem neces- pre ao seu lado.”
sidade.
e) Ao assinar o contrato, o usineiro vi- Sobre período acima, assinale a al-
sou, apenas, ao lucro pretendido. ternativa incorreta.
a) O verbo “precisar” é transitivo indi-
Aplicação 28 reto.
(FCC–TRT–20 reg–2011) “A leitura em b) Objeto indireto de “precisar” é oracio-
nal.
profundidade foi substituída pela
c) O “que” é conjunção integrante.
massa de informações, em sua maio- d) A preposição “de” é expletiva.
ria superficiais”. e) O período contém dois pronomes e
Com a transposição da frase acima uma conjunção.
para a voz ativa, o verbo passará a Aplicação 31
ser
Há erro de regência verbal em:
a) substituíram.
a) Lembro-me de que tudo não passou
b) substituiu.
de uma ilusão.
c) substituíra.
b) Lembro que tudo não passou de uma
d) tinham substituído.
ilusão.
e) substituiriam.
c) Nunca se esqueça de mim.
d) São muitas as leis que se obedece.
e) As posições a que aspiro são simples.

20 – João Batista Gomes


8. Lista de verbos transitivos indire- CONFIAR
tos Eu estava certo; não podíamos confiar neles.
São poucas as pessoas em que confiamos.
Listamos aqui os verbos transitivos indi- CONTENTAR-SE
retos mais empregados no dia a dia. Eu me contento com pouca coisa.
ABSTER-SE DEPARAR
A muito custo, absteve-se do álcool. Na rua, deparei (com) duas pessoas estranhas.
Os vícios de que me abstive são muitos. DESOBEDECER
ACENAR Quando adolescente, ela sempre lhe deso-
Finalmente, o governo acenou com a pos- bedecia.
sibilidade de renúncia. ESQUECER-SE
ACONTECER Jamais me esquecerei de você.
Aconteceu-nos, outrora, muito contratempo. São traumas de que jamais me esquecerei.
FALTAR
ADERIR
Muita coisa falta aos mais humildes.
Chegou a hora de aderirmos à proposta da
oposição. GOSTAR
O movimento a que os estudantes aderiram é São muitos os estilos de música de que gosto.
democrático. LEMBRAR-SE
Lembrei-me de minha infância e chorei.
ADMIRAR-SE
São muitas as coisas de que me lembro quando
Admiramo-nos de sua coragem.
penso na infância.
ALUDIR
NECESSITAR
No discurso, ela aludiu ao nosso passado.
Nessa campanha, vamos necessitar de todos.
Os problemas a que aludimos são sérios.
São poucas as coisas de que necessitamos
ANSIAR para viver bem.
Sempre ansiei por dias melhores. OBEDECER
Os ideais por que anseio são nobres. Depois de adulta, ela passou a lhe obedecer.
ANTIPATIZAR Os preceitos a que obedecemos devem ser
Sempre simpatizei com esse seu sorriso. justos.

APRAZER PENSAR
Apraz-me muito a tua presença. Da próxima vez, pense nas crianças pobres.

ARGUMENTAR PERTENCER
Temos motivos para argumentar contra suas Essa terra nos pertence.
Cada um deve voltar à região a que pertence.
atitudes.
PRECISAR
BASTAR
Desculpe, compadre, mas preciso destes
Pouca coisa basta ao homem sóbrio.
animais.
BATER Os trabalhadores de que preciso podem ser
Não se deve bater em mulheres. leigos.
Altas horas, bateu à porta.
PROCEDER
CABER Procederam contra o patrão e saíram vitoriosos.
Cabe ao povo o direito de controlar as ações A campanha a que procedemos incomoda
do governo. muita gente.
CARECER REAGIR
Esse seu argumento carece de prova. O povo precisa reagir contra as arbitrariedades
da polícia.
CEDER
O assalto a que ela reagiu terminou em
Fiz tudo para não ceder 6tentação.
tragédia.
CUSTAR Quando abordado, ele reagiu com socos e
Custou-lhe acreditar na derrota. pontapés.

Regência e Crase – 21
RECORDAR-SE VERBO TRANSITIVO DIRETO E
Recordar-me-ei sempre de você. INDIRETO
Um filme de cujo nome não me recordo mo-
tivou-me a continuar.
1. Dois complementos
RECORRER
Sempre que preciso, recorro aos meus pais. Há verbos que possuem dupla predi-
O médico a quem recorremos foi muito gentil. cação, exigindo dois complementos: um
REFERIR-SE sem preposição (objeto direto), outro
São coisas sem nexo a que estou sempre me com preposição (objeto indireto). São
referindo.
chamados de transitivos diretos e indi-
Refiro-me a situações vexatórias.
retos ou bitransitivos. Outros nomes:
RESISTIR
biobjetivos e transitivos relativos.
Só nos resta resistir à opressão dos poderosos.
São poucos os apelos publicitários a que o Exemplos:
consumir resiste.
a) Ele ofertou flores à sogra.
RESPONDER
Ele ofertou-lhe flores.
Convém responder às cartas.
As questões a que respondi são poucas. Regência de “ofertar”: vtdi.
Função de “flores”: objeto direto.
REVIDAR
Convém não revidarmos às agressões. Função de “à sogra / lhe”: objeto indireto.

SIMPATIZAR b) Deram muito carinho à criança.


Sei que ela não simpatiza comigo. Deram-lhe muito carinho.
As pessoas com quem simpatizo são poucas.
Regência de “dar”: vtdi.
SOBRESSAIR Função de “muito carinho”: objeto direto.
Eu nunca sobressaí em Química. Função de “à criança/lhe”: objeto indireto.
Ela sobressai a todos pela inteligência.
TELEFONAR
c) Enviaram fotos comprometedoras ao
Desculpe não ter telefonado antes para você.
marido traído.
Quando puder, telefone para mim. Enviaram-lhe fotos comprometedo-
TORCER
ras.
Nessa questão, estou torcendo por você. Regência de “enviar”: vtdi.
O time por que torço está perdendo. Função de “fotos comprometedoras”:
VACILAR objeto direto.
Eles não vacilavam em denunciar as irregu- Função de “ao marido traído/lhe”: objeto
laridades. indireto.
ZOMBAR
Aplicação 32
Os animais pareciam zombar de mim.
Julgue as frases seguintes quanto à
regência verbal.
a. ( ) Informaram aos moradores do rom-
pimento da adutora.
b. ( ) Informaram os moradores do rom-
pimento da adutora.
c. ( ) Informaram aos moradores o rom-
pimento da adutora.
d. ( ) Ela se deu o vexame de telefonar
para a amante do marido.
e. ( ) Ela se deu ao vexame de telefo-
nar para a amante do marido.

22 – João Batista Gomes


2. Combinação de pronomes 3. Objeto indireto x predicativo do
Com verbos transitivos diretos e indiretos,
objeto
pode ocorrer a combinação dos prono- Em construções com verbos transob-
mes átonos, incomum na língua coloqui- jetivos (achar, apelidar, chamar, fazer,
al brasileira, mas muito empregada pelos ter, xingar, etc.), o verbo não é transitivo
autores da literatura. direto e indireto: é apenas transitivo dire-
a) Ela me dizia coisas absurdas. to, acompanhado de “objeto direto + pre-
Ela mas dizia (me + as = mas). dicativo do objeto”. Nesse caso, a oração
Ela dizia-mas. tem predicado verbo-nominal.

Regência de “dizer”: vtdi. a) À frente de todas, ela chamou-o de


Função sintática do “mas”: objeto direto frouxo.
e objeto indireto. Regência de “chamar”: vtd (não vtdi).
Função sintática do “o”: objeto direto.
b) Ofertaram-lhe flores.
Função sintática de “de frouxo”: predi-
Ofertaram-lhas (lhe + as = lhas).
cativo do objeto (não objeto indireto).
Regência de “ofertar”: vtdi. Predicado: verbo-nominal.
Função sintática do “lhas”: objeto direto
b) À frente de todas, ela chamou-lhe de
e objeto indireto.
frouxo.
c) Os alunos deram-nos flores. Regência de “chamar”: vti (não vtdi).
Os alunos deram-no-las (nos + as = Função sintática do “lhe”: objeto indire-
no-las). to.
Regência de “dar”: vtdi. Função sintática de “de frouxo”: predi-
Função sintática do “no-las”: objeto cativo do objeto (não objeto indireto).
direto e objeto indireto. Predicado: verbo-nominal.

d) Eu lhes peço desculpas. c) Quando bebia, xingava a esposa de


Eu lhas peço (lhes + as = lhas). muitos nomes feios.
Regência de “pedir”: vtdi. Regência de “xingar”: vtd (não vtdi).
Função sintática do “lhas”: objeto direto Função sintática de “a esposa”: objeto
e objeto indireto. direto.
Função sintática de “de muitos nomes
Aplicação 33 feios”: predicativo do objeto (não objeto
indireto).
Assinale a letra errada quanto ao uso
Predicado: verbo-nominal.
de pronomes.
a) Enviamos flores à família Aplicação 34
= Enviamos-lhas.
Assinale a alternativa em que o ter-
b) Deram um presente à filha caçula.
mo sublinhado seja objeto indireto.
= Deram-lho.
c) Pediram desculpa aos funcionários. a) Chamaram-no de corrupto.
= Pediram-lhas. b) Durante muitos anos, fizeram-no de
d) Informaram o prazo aos clientes. bobo.
= Informaram-lho. c) Eu o considero honesto.
e) Disseram palavras doces à viúva. d) Rasgaram-lhe toda a roupa.
= Disseram-lhas. e) Convém adequar o vocabulário à
plateia.

Regência e Crase – 23
4. Objeto indireto x adn 5. Lista de verbos transitivos diretos
Em construções do tipo “Roubaram-lhe
e indiretos
o carro”, o verbo não é transitivo direto e Eis uma relação dos verbos transitivos
indireto: é apenas transitivo direto, com diretos e indiretos mais empregados no
o lhe (ou me, te, nos, vos) na função de dia a dia.
adjunto adnominal. Nesse caso, os pro-
ACARRETAR
nomes me, te, nos, vos e lhe são posses-
A decisão da diretoria acarretou prejuízos aos
sivos: correspondem a meu, teu, nosso, operários.
vosso e seu. A notícia nos jornais acarretou-lhe cons-
trangimentos.
a) Rasgaram-lhe a roupa.
ACOMODAR
Rasgaram a sua roupa.
É preciso acomodar as nossas ideias à
Regência de “rasgar”: vtd (não vtdi). formação de funcionários eficientes.
Função sintática de “a roupa”: objeto di- ACONSELHAR
reto. Neste caso, eu lhe aconselho prudência.
Função sintática do “lhe” / “sua”: adjunto Desde o início, eu aconselhei isso a você.
adnominal (não objeto indireto). O médico aconselhou-me repouso.
ADAPTAR
b) Doía-lhe a cabeça. Em pouco tempo, adaptei-me à nova função.
Doía a sua cabeça. Depois do acidente, demorei a adaptar-me à
Regência de “doer”: vi (não vtdi). nova realidade.
Função sintática de “a cabeça”: sujeito. Com o tempo, os alunos foram-se adaptando à
nova didática.
Função sintática do “lhe” / “sua”: adjunto
ADEQUAR
adnominal (não objeto indireto).
Sem dinheiro, fomos obrigados a adequar a
c) Amassaram-lhe o carro. casa aos novos membros da família.
Amassaram o seu carro. Procuro adequar o meu vocabulário à plateia a
quem me dirijo.
Regência de “amassar”: vtd (não vtdi).
ALIAR
Função sintática de “o carro”: objeto di-
Aliei o meu desejo à boa vontade dos pro-
reto. fessores e consegui formar-me.
Função sintática do “lhe” / “seu”: adjunto Além de tudo, ela sabe aliar beleza à dignidade
adnominal (não objeto indireto). de espírito.
APLICAR
Aplicação 35 Aplicou-lhe um golpe e fugiu pelos fundos.
Em um mês, aplicaram-lhe trinta injeções.
Assinale a alternativa em que o ter- Na cadeia, aplicaram-lhe chutes e pescoções,
mo sublinhado seja objeto indireto. mas não confessou nada.

a) Sempre lhe obedeci às ordens. APRESENTAR


Quando retornou, apresentei-lhe a dívida; ficou
b) Logo cedo, o público reconheceu-lhe
assustado.
o talento. Na mesma noite, apresentei-a aos meus pais.
c) Apesar da insistência, não lhe conce- Apresentei-lhe as minhas desculpas, mas ela
deram o aumento pleiteado. não aceitou.
d) A justiça confiscou-lhe todos os bens. ATRIBUIR
e) Traçaram um plano para subtrair-lhe Temos que atribuir o fracasso à ignorância do
a riqueza pouco a pouco. nosso líder.
O nosso erro foi atribuir-lhe muitos afazeres.
Na repartição, atribuíram-me funções ines-
peradas.

24 – João Batista Gomes


AUTORIZAR CONCILIAR
Estou fora do hospital porque me autorizaram a Foi preciso conciliar a família com o trabalho
sair. noturno.
Eu não lhe autorizei o empréstimo. Ela consegue conciliar ternura com um modo
Fui eu quem lhe autorizou a saída. severo de conduzir os negócios.

AVISAR CONDUZIR
Avisaram-me do acidente, mas não pude As más companhias conduziram-no à de-
comparecer. linquência.
Eu lhe avisei que a moça era casada, não Os amigos conduziram-no à posição de líder.
avisei? CONFERIR
Avisamo-lo da audiência, mas ele não com- Conferiram-lhe o título de baronesa.
pareceu. A escola conferiu o título de mestre a um aluno
BAIXAR superdotado.
O diretor baixou uma instrução para todos os Ela conferiu à banda um ar de solenidade.
professores de nível médio. CONFRONTAR
O ministro vai baixar normas para todos os Nosso trabalho é confrontar o texto atual com o
prestadores de serviços. antigo.
É possível confrontar as ideias de Machado de
BARATEAR
Assis com as de Lima Barreto.
Por causa da quantidade, baratearam-me a
cachaça. CONSENTIR
Diante da escassez, não quiseram baratear-lhe Não consinto esse tratamento desrespeitoso a
a carne bovina. mim.
A patroa não lhe consente uma horinha de
CAUSAR
descanso.
As chuvas causaram-nos enormes prejuízos.
Na cadeia, consentem maus-tratos aos presos.
O aspecto dele, todo maltrapilho, causava-nos
DAR
asco.
Na época de namoro, ele lhe dava toda a
Você pode ficar, desde que não me cause
atenção.
aborrecimentos.
Deram-lhe tudo, menos educação.
COLHER
Ela deu-se o direito de abandonar os estudos.
Disso tudo colhemos uma lição: todos podem
DEDICAR
errar.
Quando jovem, dediquei vários poemas ao
Desse episódio colhemos que a política é
demônio.
imprevisível.
Por tudo isso, vou dedicar-lhe o meu próximo
COMUNICAR livro.
Já era noite quando comunicaram-lhe o Os alunos dedicaram-me uma festa.
acidente.
DEFENDER
Já era noite quando comunicaram-no do
Os cães defenderam-nos dos ladrões.
acidente.
Quem nos defenderá contra os terroristas?
COMPARAR
DEMONSTRAR
É possível comparar os poetas com os loucos. Ela demonstra-me pouco o seu amor.
Graciliano ramos, comparamo-lo a Machado de Demonstramos-lhe a verdade, mas ele não nos
Assis. deu ouvidos.
CONCEDER Quis demonstrar a mim mesmo que a ilusão
Apesar da urgência, não me quiseram conceder pode virar realidade.
uma licença. DESTINAR
Seria possível conceder-lhe três dias para Destinei a ela a maior parte dos meus livros.
tratamento de saúde? Sempre destinamos uma parte dos lucros para
A muito custo, concederam-me permissão para assistência social.
falar de drogas nas salas de aula. Destinava a filha para uma carreira médica.

Regência e Crase – 25
DETERMINAR EXPLICAR
O professor determinou-lhes que estudassem Expliquei-lhe as minhas razões, mas não fui
toda a matéria. perdoado.
Reconhecendo o meu erro, determinei-lhe Deixe que lhe explico tudo mais tarde; agora,
metade dos meus bens. tenho de sair.
DIRIGIR EXPOR
Dirigiu a correspondência ao próprio ministro. Não exponha seu corpo ao sol do meio-dia.
No palanque, dirigiu palavras ásperas à O acontecido expôs-me aos superiores,
oposição. abalando minha posição de líder.
DISTRIBUIR Os novos produtos foram expostos ao público.
No fim da vida, distribuiu toda a riqueza aos EXPRIMIR
pobres. Esforcei-me, mas não consegui exprimir-lhe a
Em época de eleição, costuma distribuir minha ideia.
dinheiro a quem dele se aproxima. Com muita calma, ela exprimiu-me suas razões;
Precisamos distribuir melhor as tarefas entre eu concordei.
os funcionários. GUARDAR
DIVIDIR Guardei estes doces para você.
É hora de dividirmos as terras entre os pos- Guarde o que sobrou para os vaqueiros.
seiros. HABILITAR
O dinheiro do prêmio, vou dividi-lo entre nós Sua destreza habilita-o à prática de qualquer
três. arte marcial.
DIZER A maior missão é habilitar todo o grupo para a
Cristina, diga-me a verdade: você me trai? prova.
Já ouvi tudo; não me diga mais nada. HABITUAR
Não tivemos coragem de lhe dizer toda a Com muito esforço, conseguimos habituá-la às
verdade. aulas de religião.
EMPREGAR Habituei os meus filhos a defenderem-se dos
Empregava até madeira na construção de agressores das ruas.
automóveis. INDICAR
Hoje, emprego o meu tempo em ações sociais. Cheguei até aqui porque indicaram-me o
EMPRESTAR caminho.
Ela emprestava aos pobres o dinheiro que Por favor, indique-me um bom médico para
arrancava dos ricos. coceiras entre os dedos.
Muitas vezes, emprestei-lhe gêneros ali- Indiquei-a ao chefe, mas ele não a contratou.
mentícios. IMPRIMIR
O novo filho emprestou sentido à vida do casal. Quando falava, procurava imprimir um tom
ENSINAR austero às palavras.
Meus pais ensinaram-me os caminhos da vida. Procuramos imprimir velocidade às nossas
Era ainda criança quando me ensinaram o latim. ações.
Tento ensinar-lhes Português brincado. INFLIGIR
ENVIAR Costumava infligir aos filhos castigos corporais.
Só recentemente lhe enviaram os compro- Passaram a infligir aos motoristas faltosos
vantes. multas pesadas.
Enviamos-lhe os documentos pedidos. INFORMAR
Nunca lhe enviaram o dinheiro prometido. Informamos-lhe o resultado do concurso.
EXERCITAR Eles informaram o resultado aos alunos.
Na escola, procuro exercitá-los no manejo INTIMAR
correto da língua. O juiz intimou-os a comparecer.
Vou tentar exercitá-la no jogo do xadrez Foi preciso intimá-los a prestar esclarecimento.

26 – João Batista Gomes


INVESTIR OFERTAR
A posição política investia-o de certa autoridade Quando estava no governo, ofertei-lhe cargos
local. de chefia. 
Investiu metade do dinheiro do prêmio em Se vencer, ofertar-lhe-ei muitos presentes.
ações. ORDENAR
LANÇAR Com voz firme, ordenei-lhes que saíssem.
Antes de morrer, lançou um olhar de súplica à Com um gesto brusco, ordenou silêncio à
família. plateia.
Numa manifestação de raiva, lançou os PARTIR
documentos ao lixo. Ele tem mais de dez filhos com quem parte todo
LECIONAR o dinheiro que ganha.
Quando lhe lecionei o grego, ela dominou-o Na despedida, partiu a comida comigo.
com rapidez. PERMITIR
Ela foi minha aluna, mas lhe lecionei poucas Apesar da insistência, não nos permitiram
lições entrar.
Permitimos-lhe que saísse, mas sob vigilância.
LEVAR
Permitiram-me falar, desde que não difamasse
Acudiu-a um vizinho, levando-lhe água e
o colégio.
comida.
Levaram-lhe roupas e calçados, numa de- PREGAR
monstração de solidariedade. Procure pregar-lhes a verdade.
O meio em que vivia levou-o a proceder in- Dentro da igreja, pregou os olhos na freira como
corretamente. se a quisesse devorar.
À meia-noite, pregou-lhe um susto.
LIVRAR
Já o livrei várias vezes da cadeia. PREPARAR
Venho preparando-os, desde cedo, para
É bom que nos livremos do mal.
concursos públicos.
MANIFESTAR
Preparamos uma grande festa para a matriarca
No outro dia, manifestei-lhe a minha gratidão.
da família.
Estamos aqui para lhe manifestar agrade-
Preparamos os ânimos para uma derrota.
cimentos.
PREVENIR
MOSTRAR Quero preveni-los da chegada de um novo
Eles me mostravam a verdade, mas eu estava membro no grupo.
cego. Previno-os de que a narrativa é trágica.
NARRAR Conseguimos prevenir os pais em favor da
Em poucos minutos, narraram-me tudo, sem prisão da filha.
nada omitir. PRODUZIR
Começou a narrar aos pais toda a piada O emprego produz-lhe o sustento de duas
contada pelo professor. famílias.
NOTICIAR O livro não lhe produziu o prestígio esperado.
No mesmo dia, noticiaram-lhe a tragédia. PROIBIR
Noticiamos-lhe o ocorrido um dia depois. Hoje à noite, proíbo-a de sair.
NOTIFICAR Hoje à noite, proíbo-lhe sair.
Antes de partir, notifiquei-o da minha resolução. Proibimos-lhe falar sobre o ocorrido.
Antes de partir, notifiquei-lhe a minha resolução. PROVAR
Sentimos notificá-lo de tudo isso. Hei de provar a todos que sou inocente.
Sentimos notificar-lhe tudo isso. Provar-te-ei que o dinheiro foi desviado.
OFERECER Provamos a todos que a bondade traz felicidade.
Ela me ofereceu o carro, mas eu não aceitei. REMETER
Na época de namoro, ele me oferecia flores Em uma semana, remeteram-me milhares de
todos os dias. Hoje, nem os espinhos. e-mails.
Nada lhe ofereço porque nada tenho. Remeter-lhe-emos as boletos por e-mail.

Regência e Crase – 27
RENDER VALER
O processo contra o supermercado rendeu-lhe O seu modo agressivo valeu-lhe muitas
boa indenização. inimizades
O filho mais novo já lhe rendeu muitas dores de A obra satírica valeu-lhe críticas e xingamentos.
cabeça.
REPARTIR Aplicação 36
Em dado momento, fomos obrigados a repartir
os lucros entre os empregados.
Faça opção pela frase que contém ob-
A partir de hoje, vou repartir o meu dia em jeto direto interno.
obrigações mais leves.
a) Eles se amaram por toda a vida.
Se chegarmos a casar, repartirei meus bens com
b) Despede-se o amigo que muito o es-
você.
tima.
RESPONDER
c) Vivemos, por muitos anos, uma vida
Quanto questionada, respondeu-me que
estivera com a mãe. de sacrifícios.
Respondi-lhe que estava com fome. d) Para defender a família, ele pegou da
SALVAR arma disposto a matar.
Foi Deus quem o salvou da morte. e) Se fosse verdade, ela me diria a mim,
Fazendo isso, você o salvará das drogas. não aos outros.
SOLICITAR
Solicitaram-me que comparecesse ao quartel Aplicação 37
no outro dia.
Faça opção pela frase que contém
Diante das ameaças, solicitou proteção à
polícia.
objeto indireto pleonástico.
Solicito-lhe que remeta as encomendas ainda a) Quando estou na repartição, todos
hoje. atendem aos meus chamados.
SUSPENDER b) Às ordens do chefe, procuro obede-
Suspenderam-no da função de secretário.
cer a elas sem questionar.
As índias suspendiam às tetas seus filhos
c) Meus filhos, eles estimam a mim visi-
magros.
velmente.
TRANSMITIR
d) Quando moleque, chamavam-me de
Os mestres transmitiram-nos grandes lições.
Procuro transmitir-lhes ensinamentos práticos. tamanco.
A presença dela transmite-me paz. e) Pedimos a todos que fossem buscar
O mosquito transmitiu-lhe dengue. os livros.
TOMAR
Aplicação 38
Quando dei por mim, haviam tomado-me tudo.
No meio da rua, tomou-a nos braços. (CETRO–CRM-PB-2010) Assinale a
Depois do acidente, os filhos tomaram ódio ao alternativa cuja regência esteja correta.
pai.
UTILIZAR a) O país que nasci é muito frio. Prefiro
Os médicos utilizaram em mim uma técnica o Brasil.
nova. b) Passeava por entre as folhas quando
O governo vem utilizando na lavoura os o encontrei.
incentivos fiscais. c) Prefiro assistir televisão do que ler um
Utilizaram a mão-de-obra dos presidiários na
livro.
construção de casas populares.
d) Tenho de ir ao consultório hoje, não
VACINAR
há como ficar aqui.
Ainda criança, vacinaram-no contra a varíola.
e) Faltou-lhe encorajamento em conti-
A prefeitura exige que os cães sejam vacinados
contra a raiva. nuar o tratamento.

28 – João Batista Gomes


VERBO INTRANSTIVO Aplicação 39
Classifique os verbos em destaque
1. Sem complemento quanto à regência.
Os verbos intransitivos não precisam de a. ( ) Ele dormiu sozinho.
complemento, ou seja, não precisam de b. ( ) Ele dormiu bem.
objeto direto nem de objeto indireto. Mas c. ( ) Ele dormiu com a prima.
atenção: o verbo intransitivo pode vir acom- d. ( ) Ele se casou com a prima.
e. ( ) Ele disse que não se casa mais.
panhado de adjunto adverbial e/ou de
predicativo do sujeito. Aplicação 40
a) A criança nasceu. Classifique os verbos em destaque
Regência de “nascer”: verbo intransitivo. quanto à regência.
a. ( ) Ela sempre morou em Manaus.
b) A criança nasceu ontem.
b. ( ) Ela sempre morou sozinha.
Regência de “nascer”: verbo intransitivo.
c. ( ) Ela sempre morou com os pais.
Função de “ontem”: adjunto adverbial de
d. ( ) Eles não moram mais aqui.
tempo.
e. ( ) A casa em que moramos perten-
c) A criança nasceu ontem, no hospital. ce aos nossos avós.
Regência de “nascer”: verbo intransitivo.
Aplicação 41
Função de “ontem”: adjunto adverbial de
Classifique os verbos em destaque
tempo.
quanto à regência.
Função de “no hospital”: adjunto adver-
a. ( )
Ela está muito magra.
bial de lugar.
b. ( )
Ela está em casa.
d) A criança nasceu ontem, no hospital, c. ( )
Ela está com câncer.
sadia. d. ( )
Ele confessou que já esteve com
Regência de “nascer”: verbo intransitivo. muitos mulheres.
Função de “ontem”: adjunto adverbial de e. ( ) Não está em mim julgá-la.
tempo.
Aplicação 42
Função de “no hospital”: adjunto adver-
Classifique os verbos em destaque
bial de lugar.
quanto à regência.
Função de “sadia”: predicativo do sujeito.
a. ( ) Todos chegaram a casa, cansa-
e) Os eleitores votaram em Eduardo. dos.
Regência de “votar”: verbo transitivo indi- b. ( ) Chegamos à conclusão de que
reto. não houve intenção de matar.
Função de “em Eduardo”: objeto indi- c. ( ) Chegou, enfim, a hora da eleição.
reto. d. ( ) José de Alencar não conseguiu
chegar a senador.
f) Os eleitores votaram em Itacoatiara. e. ( ) Chega de reclamações.
Regência de “votar”: verbo intransitivo.
Função de “em Itacoatiara”: adjunto adver- Aplicação 43
bial de lugar. Assinale a alternativa errada.
g) Os eleitores votaram em branco. a) A conclusão a que chegamos é óbvia.
*b)A casa em que chegamos parecia
Regência de “votar”: verbo intransitivo.
abandonada.
Função de “em branco”: adjunto adver-
c) A situação em que estamos é triste.
bial de modo.
d) O prédio em que moro fica no Centro.
e) O drama que vivemos é surreal.

Regência e Crase – 29
2. Intransitivo x transitivo indireto Aplicação 44
A classificação do verbo quanto à pre- Classifique os verbos em destaque
dicação depende do sentido e do con- quanto à regência.
texto. Numa frase, o verbo pode ser in- a. ( ) O barco virou.
transitivo; em outra, pode ser transitivo b. ( ) O vento virou o barco.
indireto. O verbo transitivo indireto exige c. ( ) A lagarta virou borboleta.
preposição, mas a preposição não é “pro- d. ( ) O bêbado virou a mesa.
priedade” do verbo transitivo indireto. É e. ( ) O bêbado virou veado.
comum que um verbo intransitivo venha
acompanhado de preposição, introdu- Aplicação 45
zindo o adjunto adverbial. Classifique os verbos em destaque
a) Convém não ir para casa, agora. quanto à regência.
Regência de “ir”: verbo intransitivo. a. ( ) A filha virou-se contra o pai.
Função de “para casa”: adjunto adver- b. ( ) Maria passou toda a roupa.
bial de lugar. c. ( ) Maria passou mal.
b) Convém não ir ao ponto principal logo d. ( ) Maria passou a governanta.
no início. e. ( ) Maria passou em concurso.

Regência de “ir”: verbo transitivo indireto.


Aplicação 46
Função de “ao ponto principal”: objeto
indireto. Classifique os verbos em destaque
quanto à regência.
c) No início do ano, ela voltou para ca-
sa. a. ( )
Ela bebeu e caiu na calçada.
Regência de “voltar”: verbo intransitivo. b. ( )
Minha prima caiu na vida.
Função de “para casa”: adjunto adver- c. ( )
Caiu a cortina, e todos choraram.
bial de lugar. d. ( )
Durante o depoimento, caiu em
contradição.
d) No início do ano, ela voltou a praticar
e. ( ) Depois do carnaval, caiu doente.
esportes.
Regência de “voltar”: verbo transitivo indi-
Aplicação 47
reto.
Função de “a praticar esportes”: objeto Classifique os verbos em destaque
indireto oracional. quanto à regência.

e) Este procedimento não é ideal para a. ( ) Convém precisar a época em


você. que o fato aconteceu.
Regência de “ser”: verbo de ligação. b. ( ) Ele precisou a balança da mer-
Função de “ideal”: predicativo do sujeito. cearia conforme orientação do fis-
cal.
f) Este procedimento não é de pessoa
c. ( ) Ela cresceu e não precisa mais
séria.
de mim.
Regência de “ser”: verbo transitivo in- d. ( ) Os documentos de que precisa-
direto. mos podem ser obtidos pela
Função de “de pessoa séria”: objeto in- Internet.
direto. e. ( ) Ela trabalha porque precisa.

30 – João Batista Gomes


3. Lista de verbos intransitivos DESABAR
Por causa da chuva, várias casas desabaram.
Veja uma lista de verbos intransitivos em-
Um aguaceiro forte desabou sobre a cidade,
pregados no dia a dia. Depois deles, apa- causando pânico e prejuízo.
recem palavras ou expressões que tra-
DESAPARECER
duzem ideias adverbiais (tempo, lugar,
O gato pulou o muro e desapareceu na es-
modo, intensidade, companhia, condição, curidão.
causa, finalidade, etc.) ou atribuições do Os sintomas podem sumir, mas a doença não
sujeito (predicativo do sujeito). desaparece.
AGIR DESCER
Logo depois das ordens, procuramos agir. Desça daí, menino!
Aja com cuidado neste caso. Com a enchente, as canoas desceram e nunca
Agimos rapidamente, mas não conseguimos mais foram vistas.
salvá-la. As águas desciam de arrancada.

APROXIMAR-SE DORMIR
Quando o som foi ligado, alguns garimpeiros Depois de certa idade, muita gente não con-
se aproximaram. segue dormir.
Não tenha medo, aproxime-se. Na fazenda, dormíamos em rede, espalhadas
pela varanda.
ASSOMAR
Quando menos esperávamos, eles assomaram ENTRAR
no alto da serra. À meia-noite, ela entrou no bar disposta a tudo.
Quando a lua assomou, partimos para a cidade. Entramos na gruta, meio desconfiados.
Depois que os guardas foram embora, todos
BATER
nós entramos.
Ela é perversa, gosta de bater.
Quando venta muito, as janelas batem sem ESPLENDER
parar. Mal a lua esplendeu, o barulho recomeçou.
No meio da noite, os lampiões esplendiam, e a
BATUCAR
marcha continuava.
Aqui perto, os negros batucam a noite inteira.
Desde criança, ela gosta de batucar. ESTAR
Estávamos na varanda quando tudo aconteceu.
CAIR
Na juventude, estive muito tempo no interior.
Todos ficaram chocados quando o avião caiu.
Quando a procuro, ela nunca está.
Ela permaneceu no meio da chuva, indiferente
ESTUAR
aos pingos grossos que caíam.
A água estuava na panela, e as cozinheiras a
CHEGAR
depenar frangos.
Os convidados chegaram atrasados.
Ao sol, os corpos estuavam, e nada podíamos
A comitiva chegou à meia-noite.
fazer para amenizar o sofrimento.
Sempre procurei chegar a casa na hora certa.
FALHAR
CHORAR
Perdemos porque a nossa tática falhou.
Criança de barriga cheia não chora.
Falharam todas as promessas.
Você não precisa chorar; lágrimas não resol-
FALTAR
vem problemas.
O processo parou porque faltam provas para
CONVIR
incriminá-lo.
Essas coisas que estão acontecendo não De hoje em diante, prometemos não faltar mais.
convém.
GRITAR
CORRER No desespero, pôs-se a gritar no meio da noite.
Não podia ver carro de polícia que principiava Aqui, você pode gritar à vontade: ninguém vai
a correr. ouvir.

Regência e Crase – 31
IMPLICAR PISAR
Casamento implica responsabilidade. Não pise a grama.
INSTALAR-SE Convém não pisar os que estão por baixo.

A família instalou-se na praça. RABEAR


Fomos obrigados a nos instalar em uma casa Sempre que chegávamos, o cão rabeava em
abandonada. sinal de alegria.
No aquário, os peixinhos rabeavam com-
IR
Naquela noite, todos foram à festa. passadamente.

Fui a Manacapuru apenas três vezes. RELUZIR


Devemos ir atrás dos nossos sonhos. Mesmo quando está sem mandato político, ele

MEDRAR reluz.

Aqui, à beira-rio, as plantas medram a olhos Os olhos dela reluzem como estrela brilhante.

vistos. RESIDIR
Aos meus olhos, tua beleza medra mais a cada Por muito anos, residimos no interior.
dia. No início, residíamos na casa de nossos pais.
MORAR Já residi na cidade, no interior e até fora do
Aqui moro desde que nasci. Brasil.
Sempre moramos neste bairro. RETORNAR
A casa em que moro é alugada. Tente retornar o mais cedo possível.
MORRER Retornamos à fazenda, mas tudo estava
As esperanças, mesmo com a idade, não mudado.
morrem. Seguirei viagem, mas tenho certeza de que
Morreram em mim todas as crenças. jamais retornarei.

NASCER REUNIR-SE
Ela nasceu no Amazonas, mas estudou em São Depois da aula, reuníamo-nos nos fundos da
Paulo. escola.
Ainda criança, nasceu em mim o gosto pelos Os professores não se reuniram como estava
livros. prevista.
OCORRER RIR
Ocorreram coisas estranhas nesta casa. Depois da morte da esposa, ele não riu mais.
PARAR Quando tudo parece dar errado, ele estra-
Ela parou no meio da rua, desafiando a polícia. nhamente ri.
Pára aí, ladrão! RUGIR
PARTIR As águas rugiam, amedrontando os caboclos.
No meio da tarde, ele partiu para a fazenda. Ao longe, rugiam as cachoeiras com seu
E assim, partimos todos em direção ao mar. barulho abafado.

PEREGRINAR SECAR
Por muitos anos, peregrinei à procura de Deus. Por causa da agressão ao meio ambiente, os
Quem nunca peregrinou por terras distantes? buritizeiros secaram.
Peregrinamos pelo interior, mas nada des- As roupas secavam ao sol, como bandeiras ao
cobrimos. vento.
PIGARREAR SENTAR-SE
Antes de começar a história, o professor Depois do jantar, o velho veio sentar-se ao meu
pigarreou três vezes. lado.
Acordava cedo e ficava andando pela casa, Queiram sentar-se, por favor, nessas cadeiras
pigarreando, acordando a todos. rústicas.

32 – João Batista Gomes


SITUAR-SE Aplicação 48
A casa situa-se na beira da estrada.
(FUVEST) Indique a alternativa correta:
A mesa dela situava-se à direita de quem entra
na sala. a) Preferia brincar do que trabalhar.
SOPRAR b) Preferia mais brincar a trabalhar.
Um vento frio soprava, anunciando morte. c) Preferia brincar a trabalhar.
Aqui, a brisa sopra a noite inteira. d) Preferia brincar à trabalhar.
SUBIR e) Preferia mais brincar que trabalhar.
O sucesso subiu-lhe logo à cabeça.
Com apenas dezesseis anos, ele subiu à tribuna Aplicação 49
e impressionou a todos.
(CETRO–Pref Pinheiral-SP) Assinale a
Milagrosamente, o balão subiu.
alternativa cuja regência verbal esteja
SUMIR
de acordo com a norma culta.
Sem explicação, o dinheiro sumiu dos cofres
públicos. I. Quem assistiu a esse jogo viu que o
Ela sumiu da cidade e nunca mais foi vista. árbitro foi injusto.
Com a tempestade, vários barcos sumiram. II. Não assisto esse tipo de programa.
SURGIR III. O piloto precisou o local do pouso e
O palhaço surgiu no palco. aterrou.
O sol surgiu no horizonte.
IV. Visei ao alvo e atirei.
O viajante surgiu ao longe.
V. Se ele quer morrer, ele aspira a morte.
TREMER
De repente, a terra tremeu, com estrondo. a) Somente os períodos II, IV e V estão
Ela não conseguia falar nada, apenas tremia. corretos.
Ele tremeu de febre a noite toda. b) Todos os períodos estão corretos.
TREPIDAR c) Somente o período I está correto.
Não consegui dormir: o ônibus trepidava muito. d) Somente os períodos I e III estão
Esta máquina trepida muito. corretos.
URGIR e) Somente os períodos IV e V estão
Urge que se tomem providências. corretos.
O tempo urge; precisamos arranjar-lhe o
dinheiro. Aplicação 50
URINAR (CONSULPLAN–Pref Campo Verde-
Depois da operação, ela urina a todo instante. MT–2010) NÃO há erro de regência
Ela urinou na cama até os dezoito anos.
verbal em:
VIVER
Ele viveu sempre na maior credulidade. a) Altos salários são dados os jogado-
Ela sempre viveu para a família, sem pensar res, sem terem ficado nos bancos es-
em si própria. colares.
VIRAR b) Falta de punição implica violência.
Sem que ninguém nada entendesse, o barco c) Muitos preferem, como ídolos, pes-
virou.  soas sem princípios morais do que
Fiquei tonto, a cabeça virou e caí ao solo, pessoas honestas.
debatendo-me.
d) Todos assistem os programas de tele-
VOLTAR visão que só apresentam tragédias.
Sempre tive receio de voltar à minha terra natal.
e) O povo esquece, rapidamente, dos
O lugar a que voltamos parecia outro, tão
crimes que abalam a sociedade.
mudado estava.
Fica sossegada que eu voltarei.

Regência e Crase – 33
VERBO DE LIGAÇÃO 2. A crise passou, mas ela permanece
calada.
1. Sem ação Regência de “permanecer”: verbo de
ligação.
Os verbos de ligação não indicam ação.
Função de “calada”: predicativo do
Retratam o lado estático da vida, indican-
sujeito.
do o estado das pessoas ou coisas. Classificação do predicado: nominal.
O verbo de ligação entra na constituição
d) Mudança de estado:
do predicado nominal. Sua função é ligar
1. Marta tornou-se arquiteta.
ao sujeito um estado, uma qualidade,
uma condição. Regência de “tornar-se”: verbo de liga-
ção.
Os principais verbos de ligação são: ser,
Função de “arquiteta”: predicativo do
estar, parecer, permanecer, continuar, sujeito.
ficar. Mas atenção: mesmo esses verbos Classificação do predicado: nominal.
podem apresentar-se como intransitivos,
2. Com o casamento, a vida ficou insu-
e outros verbos, tidos como transitivos,
portável.
podem tornar-se de ligação.
Regência de “ficar”: verbo de ligação.
2. Sentido dos verbos de ligação Função de “insuportável”: predicativo
do sujeito.
a) Estado permanente:
Classificação do predicado: nominal.
1. João é estudioso.
e) Aparência:
Regência de “ser”: verbo de ligação.
Função de “estudioso”: predicativo do 1. Esta garota parece comportada.
sujeito. Regência de “parecer”: verbo de liga-
Classificação do predicado: nominal. ção.
Função de “comportada”: predicativo
2. Tatiane vive cansada. .
do sujeito.
Regência de “viver”: verbo de ligação. Classificação do predicado: nominal.
b) Estado passageiro:
Aplicação 51
1. Você agora está estudiosa.
(CETRO–Pref Manaus–Implurb–2012)
Regência de “estar”: verbo de liga-
Assinale a alternativa que apresenta a
ção.
Função de “estudiosa”: predicativo
mesma figura de sintaxe presente no
do sujeito. exemplo abaixo.
Classificação do predicado: nominal. Ex.: Prefiro cozinhar do que lavar a
2. Depois do fracasso da Seleção, o po- louça.
vo anda triste.
a) Subimos morro acima para encontrar
Regência de “andar”: verbo de liga-
um bom local para acampar.
ção.
b) Aguardamos o feedback da empresa
c) Continuidade de estado: em relação à reclamação que fize-
1. Pedro continua deprimido. mos.
Regência de “continuar”: verbo de liga- c) No pronto-socorro havia muitas pes-
ção. soas com hemorragia de sangue.
Função de “deprimido”: predicativo do d) Haviam muitos erros na prova.
sujeito. e) Pagaram por cada centavo que de-
Classificação do predicado: nominal. viam.

34 – João Batista Gomes


3. Lista de verbos de ligação PERMANECER
Durante todo o julgamento, ele permaneceu
Veja uma lista dos verbos de ligação mais
calado.
empregados no dia a dia. Depois deles,
A mulher vociferava, mas o marido permanecia
aparecem palavras ou expressões que
mudo.
indicam atribuições do sujeito (predica-
Para não complicar a situação, permanecemos
tivo do sujeito).
calados.
ACHAR-SE
RESULTAR
Ela não pôde vir porque se acha doente.
Queria corrigir a feiúra, mas a operação resultou
As matrículas acham-se abertas.
inútil.
Ele se acha o melhor da turma.
Os protestos, apesar de fortes, resultaram
ANDAR inúteis.
Ultimamente, você anda meio esquisita.
SAIR
Ando meio preocupado com você, minha filha.
Minha proposta saiu vitoriosa.
Na cidade, andávamos sobressaltados com a
Na eleição, ela saiu vencedora.
violência.
Na relação entre mim e ela, eu saí machucado.
Ando triste, e a culpa é sua.
SER
CAIR
João é estudioso.
Por causa da derrota no vestibular, ela caiu
Ela, desde criança, sempre foi atenciosa.
doente.
Maria, apesar da idade, é criança.
Depois das provas, Isabel caiu doente.
TORNAR-SE
CONTINUAR
Com os constantes assaltos, a vida tornou-se
Apesar da vitória, o povo continua deprimido.
insuportável.
Apesar dos mal-entendidos, continuaremos
Depois dos quarenta, ele tornou-se homos-
firmes.
sexual.
ENCONTRAR-SE
VIRAR
No meio do mato, ela se encontrava caída,
A lagarta virou borboleta.
semimorta.
Ninguém acreditava que ele, às sextas-feiras,
Pelo aspecto, ela encontra-se doente.
virava lobisomem.
A julgar pela cara, ele se encontra zangado.
Depois que foi abandonada pelo marido, ela
ESTAR virou santa.
Você, ultimamente, está mais bonita.
Cada vez mais, estamos solitários.
Se ele voltar e nos vir juntos, estaremos per-
didos.
FICAR
Sou meio esquisito, mas não fique zangada
comigo. 
Danielle, na faculdade, ficou estudiosa.
Sempre que chove, fico meio triste.
PARECER
Ultimamente, ela parece abatida.
É impressão minha, ou você parece aflita?
No meio da confusão, parecíamos doidos,
gritando coisas sem nexo.

Regência e Crase – 35
36 – João Batista Gomes
TESTES 2 05. (SANTA CASA) É tal a simplicidade
....... se reveste a redação desse do-
cumento, que ele não comporta as
formalidades ....... demais.
a) que – os
b) de que– dos
c) com que – para os
01. (FGV–IBGE) Assinale a opção em d) em que – nos
que todos os adjetivos devem ser e) a que – dos
seguidos pela mesma preposição:
06. (PUC–RS) Diferentes são os trata-
a) ávido / bom / inconsequente mentos ....... se pode submeter o tex-
b) indigno / odioso / perito to literário. Sempre se deve aspirar,
c) leal / limpo / oneroso no entanto, ....... objetividade cien-
d) orgulhoso / rico / sedento tífica, fugindo ....... subjetivismo.
e) oposto / pálido / sábio
a) à que –a – do
02. (FGV–BB) Regência imprópria: b) que –a – ao
a) Não o via desde o ano passado. c) à que –à – ao
b) Fomos à cidade pela manhã. d) a que –a – do
c) Informou ao cliente que o aviso che- e) a que –à – ao
gara.
07. (PUC-RS) Alguns demonstram ver-
d) Respondeu à carta no mesmo dia.
dadeira aversão ..... exames, porque
e) Avisamos-lhe de que o cheque foi pa-
nunca se empenharam o suficiente
go.
..... utilização do tempo ..... dispu-
03. (UNIFIC) Os encargos ....... nos obri- nham para o estudo.
garam são aqueles ....... o diretor se a) com – pela – de que
referia. b) por – com – que
a) de que – que c) a – na – que
b) a cujos – cujos d) com – na – que
c) por que – que e) a – na – de que
d) cujos – cujo
08. (FGV–BB) “Ele não ..... viu”. Não cabe
e) a que – a que
na frase:
04. (FTM-ARACAJU) As mulheres da a) nos
noite ....... o poeta faz alusão ajudam b) lhe
a colorir Aracaju, ....... coração bate c) me
de noite, no silêncio. d) te
e) o
A alternativa que completa corre-
tamente as lacunas da frase acima é: 09. (FGV–BB) Emprego indevido de “o”:
a) as quais / de cujo a) O irmão o abraçou.
b) a que / no qual b) O irmão o encontrou.
c) de que / o qual c) O irmão o atendeu.
d) às quais / cujo d) O irmão o obedeceu.
e) que / em cujo e) O irmão o ouviu.

Regência e Crase – 37
10. (UF–RS) Isso ..... autorizava ..... tomar 1. Assistimos à inauguração da piscina.
a iniciativa. 2. O governo assiste os flagelados.
3. Ele aspirava a uma posição de maior
a) o –à destaque.
b) lhe – de 4. Ele aspirava o aroma das flores.
c) o – de 5. O aluno obedece aos mestres.
d) o –a
a) lhe, os, a ela, a ele, lhes
e) lhe –a b) a ela, os, a ela, o, lhe
11. (CESESP-PE) "... trepado numa rede c) a ela, os, a, a ele, os
d) a ela, a eles, lhe, lhe, lhes
afavelada cujas varandas serviam-
e) lhe, a eles, a ela, o, lhes
lhe de divisórias do casebre".
Em qual das alternativas o uso de 14. (FCC) “…umas das poucas formas
de circulação da renda monetária
“cujo” não está conforme a norma
provém justamente do rendimento
culta?
daquelas duas categorias”.
a) Tenho um amigo cujos filhos vivem na
A frase cujo verbo exige o mesmo ti-
Europa.
po de complemento que o do grifa-
b) Rico é o livro cujas páginas há lições do acima é:
de vida.
a) Um dos resultados favoráveis da pes-
c) Naquela sociedade, havia um mito
quisa diz respeito ao aumento da ren-
cuja memória não se apagava.
da média do trabalhador.
d) Eis o poeta cujo valor exaltamos. b) Houve queda no nível de desigual-
e) Afirmam-se muitos fatos de cuja vera- dade nos rendimentos obtidos por
cidade se deve desconfiar. trabalhadores do sexo masculino e
naqueles obtidos por mulheres.
12. (CESGRANRIO) Assinale a opção
c) A pesquisa remete a conclusões oti-
cuja lacuna não pode ser preenchida mistas acerca da queda da desigual-
pela preposição entre parênteses: dade social no Brasil, apesar da per-
a) uma companheira desta, ..... cuja manência da violência urbana.
figura os mais velhos se comoviam. d) Os dados da pesquisa assinalam uma
recuperação significativa do rendi-
(com)
mento médio do trabalhador, especi-
b) uma companheira desta, ..... cuja
almente em algumas regiões.
figura já nos referimos anteriormente.
e) Os dados, apesar de positivos, mos-
(a) tram um quadro social ainda bastante
c) uma companheira desta, ..... cuja violento, contrário a qualquer come-
figura havia um ar de grande dama de- moração mais otimista.
cadente. (em)
d) uma companheira desta, ..... cuja 15. (CETRO–Pref Manaus–Implurb–
figura andara todo o regimento apai- 2012) De acordo com a norma-pa-
xonado. (por)
drão da Língua Portuguesa e em re-
lação à regência verbal, assinale a
e) uma companheira desta, ..... cuja fi-
alternativa incorreta.
gura as crianças se assustavam. (de)
a) É comum adolescentes viciados aban-
13. (UF-PR) Assinale a alternativa que donarem os estudos.
substitui corretamente as palavras b) Respondeu às perguntas dos jorna-
sublinhadas: listas de forma breve.

38 – João Batista Gomes


c) Assistiu, encantada, a peça encenada 18. (FUVEST) Assinale a alternativa gra-
por seu artista favorito. maticalmente correta:
d) Não se contentou em reclamar dos a) Não tenham dúvidas que ele vencerá.
serviços que a empresa oferecia. b) O escravo ama e obedece o seu se-
e) Chegamos, enfim, ao nosso destino. nhor.
c) Prefiro estudar do que trabalhar.
16. (ESAF–MDIC–2012) O texto abaixo
d) O livro que te referes é célebre.
foi transcrito com adaptações. Assi- e) Se lhe disserem que não o respeito,
nale a opção que corresponde a erro enganam-no.
gramatical.
19. (UF–UBERLÂNDIA) Assinale o perío-
Mais um setor pede proteção contra a do em que foi empregado o prono-
(1) concorrência externa: em resposta a me relativo inadequado:
pedido, de julho de 2011, de entidades
a) O livro a que eu me refiro é Tarde da
de produtores de vinhos finos, o Minis-
Noite.
tério do Desenvolvimento, Indústria e
b) Ele é uma pessoa de cuja honestida-
Comércio Exterior – MDIC abriu
de ninguém duvida.
investigação para decidir se (2) aplica
c) O livro em cujos dados nos apoiamos
restrições à (3) importação do produto. é este.
O MDIC vai apurar os motivos pela qual d) A pessoa perante a qual compare-
(4) a entrada do produto estrangeiro cemos foi muito agradável.
quase triplicou desde 2002, chegando a e) O moço de cujo lhe falei ontem é este.
72 milhões de litros em 2011. Caso
conclua que há prejuízo grave à (5)
20. (PUC) Assinale a alternativa que
preencha corretamente as lacunas
indústria brasileira, pode estabelecer
abaixo:
salvaguardas - a saber: cotas para a en-
trada de vinhos estrangeiros ou aumen- 1. Veja bem estes olhos ....... se tem ou-
to da alíquota do imposto de importação vido falar.
(hoje de 27%). (Editorial, Folha de S. Paulo, 28/3/2012) 2. Veja bem estes olhos ....... se dedi-
caram muitos versos.
a) 1 d) 4 3. Veja bem estes olhos ....... brilho fala
b) 2 e) 5 o poeta.
c) 3 4. Veja bem estes olhos ....... se extraem
confissões e promessas.
17. (CESGRANRIO) Assinale a opção
que completa corretamente as a) de que, a que, sobre o qual, dos quais
b) que, que, sobre o qual, que
lacunas da seguinte frase:
c) sobre os quais, que, de que, de onde
“Toda comunidade, ..... aspirações e d) dos quais, aos quais, sobre cujo, dos
necessidades devem vincular-se os quais
temas da pesquisa científica, possui e) em quais, aos quais, a cujo, que
uma cultura própria, ..... precisa ser 21. (CETRO–PMM–Implurb–2012) De
preservada.” acordo com a norma-padrão de
a) cujas – de que Língua Portuguesa e em relação à
b) a cujas – que regência nominal, assinale a alterna-
c) cujas – pela qual tiva incorreta.
d) cuja – que a) A diretoria era pouco acessível aos
e) a cujas – de que estudantes.

Regência e Crase – 39
b) Existe a necessidade, diante da atual b) construção de um diálogo (...) que as
conjuntura, em melhorar a qualidade novas tecnologias carecem
da educação. c) construção de um diálogo (...) a que
c) A estrutura do animal encontrado era as novas tecnologias procedem
análoga à de animais pré-históricos. d) construção de um diálogo (...) a que
d) Escreva uma carta referente à pro- as novas tecnologias se referem
posta de compra. e) construção de um diálogo (...) que as
e) Vivem em São Paulo, mas são natu- novas tecnologias atingem
rais de Manaus.
24. (ESAF–CGU–AFC–2008) As opções
22. (FCC–TC–SP–2012) A frase em que trazem propostas de continuidade
a regência está em conformidade ao trecho abaixo, diferentemente re-
com o padrão culto escrito é: digidas. Assinale a que contém erro
a) Em seu fingimento, só restou de que
de regência e/ou de concordância.
dissesse ao ex-sócio que sentia sau- Como ninguém quer falar em aumento
dades dele. de impostos, todos se aferram à expres-
b) Tudo isso considerado, é necessário são mágica: reforma tributária. O tema
fazer que ele sinta o peso da respon- evoca um país moderno, com distribui-
sabilidade. ção mais justa dos valores arrecadados.
(Krieger, Gustavo. “Agenda necessária e agenda possível”, Correio
c) Em atenção por seu talento indiscu-
Braziliense, 7/1/2008, p. 4)
tível, o pouparam as devidas multas.
d) Passou os documentos a mão do téc- a) Bonito na retórica. Quando o assunto
nico e não os perdeu de vista até ao chega à mesa de discussões, o clima
final da reunião. muda. O governo federal não quer
dividir seu caixa. Estados e Municípios
e) Inconformado de que eles propala-
sempre querem mais dinheiro.
vam injúrias a seu respeito, decidiu
b) É bonito até chegar à mesa de discus-
denunciá-los. sões. Aí ninguém quer perder. Ao
contrário: todos lutam para aumentar
23. (FGV–FNDE–2007) “Novas tecnolo-
sua fatia do bolo.
gias e novos desafios pela frente. O
c) Tudo vai bem até o assunto chegar à
cenário está montado. Emerge um mesa de discussões. União, Estados
espaço para construção de um diá- e Municípios se digladiam para não
logo contínuo por várias lentes e per- perderem nenhuma partezinha do
cepções das dinâmicas de conver- que arrecadam. O que querem mes-
sação, de desenvolvimento e ação mo é ganhar mais.
que as novas tecnologias permitem d) Todos concordam até se sentarem na
a partir da construção de novas for- mesa de discussões, quando se inicia
mas de redes sociais. os mais acalorados debates. Nin-
guém quer perder. Estados e Municí-
Assinale a alternativa em que, alte- pios buscam aumentar seu quinhão
rando-se o trecho “construção de um na nova divisão do dinheiro arreca-
diálogo (...) que as novas tecnolo- dado.
gias permitem”, não se obedeceu e) Falar em reforma tributária é bonito.
às regras gramaticais de regência O xis da questão é botá-la no papel,
verbal. Ignore as alterações de senti- quando os interesses da União, Esta-
do em relação ao texto original. dos e Municípios se chocam na busca
a) construção de um diálogo (...) a que de uma fatia maior do bolo para cada
as novas tecnologias aludem um.

40 – João Batista Gomes


25. (FGV-TRE-PA-2011) “Infelizmente, ain- d) O Estado à que Machado preferia...
da hoje assistimos no Brasil a fenô- e) O Estado que Machado se referia...
menos...”
28. (FCC–MP/RS–2010) A expressão
No trecho acima, foi empregada a re- pronominal “em que” preenche cor-
gência do verbo em completo acor- retamente a lacuna da frase:
do com a norma culta. Assinale a
a) O aumento da frota de veículos, evi-
alternativa em que isso NÃO tenha
dente em inúmeras cidades, pode
ocorrido. afetar a qualidade do ar ...... se respira
a) O povo aspira a governos menos cor- nessas regiões.
ruptos. b) O controle da poluição do ar nas gran-
b) Ele assiste em Belém. des cidades é um assunto ...... se trata
c) O combate à corrupção implica em em todas as discussões sobre o meio
medidas éticas por parte das empre- ambiente.
sas. c) Seria necessário propiciar transporte
d) As empresas pagaram aos funcioná- de qualidade ...... a população das
rios na data correta. grandes cidades deixe seu carro na
e) Muitas vezes o povo esquece o pas- garagem.
sado dos políticos. d) Nas grandes cidades, ...... os mora-
dores dependem de transporte cole-
26. (FCC–TC-SP–2012) A frase em que tivo eficiente, tem aumentado consi-
a regência está em conformidade deravelmente a frota de carros parti-
com o padrão culto escrito é: culares.
a) Em seu fingimento, só restou de que e) O carro próprio, ...... sonham muitos
dissesse ao ex-sócio que sentia sau- brasileiros, tornou-se possível com a
dades dele. oferta de crédito e a isenção de im-
b) Tudo isso considerado, é necessário postos.
fazer que ele sinta o peso da respon-
sabilidade.
c) Em atenção por seu talento indiscu-
tível, o pouparam as devidas multas.
d) Passou os documentos a mão do téc-
nico e não os perdeu de vista até ao
final da reunião.
e) Inconformado de que eles propala-
vam injúrias a seu respeito, decidiu de-
nunciá-los.

27. (FGV–SF–2008) “O Estado a que


Machado serviu...”
Assinale a alternativa em que, alte-
rando-se o trecho acima, manteve-
se adequação à norma culta.
a) O Estado que Machado necessitava...
b) O Estado de que Machado lembrava...
c) O Estado por que Machado ansiava...

Regência e Crase – 41
42 – João Batista Gomes
VERBOS ESPECIAIS O médico assiste os pacientes.
O médico assiste-os.
No âmbito da regência, especiais são os
Regência de “assistir”: vtd.
verbos que admitem mais de uma predi-
Função de “os doentes” / “os”: objeto
cação, quase sempre em função da mu-
direto.
dança de sentido.
d) Assistir = morar; estar presente
1. Assistir 1. É verbo intransitivo (vem acompa-
a) Assistir = ver nhado de adjunto adverbial de lugar,
regido pela preposição “em”).
1. É verbo transitivo indireto (pede com-
plemento com preposição “a”). Exemplo:
2. Admite construção com o pronome Depois de eleita, ala passou a assistir
lhe(s) ou com as formas tônicas a em Brasília.
ele(a), a eles(as). Regência de “assistir”: verbo intransitivo.
3. Não admite voz passiva. Função de “em Brasília”: adjunto
adverbial de lugar.
Exemplo:
Assistimos às mudanças políticas. Aplicação 52
Assistimos-lhes. Julgue as construções seguintes com
Assistimos a elas. o verbo assistir.
Regência de “assistir”: vti.
a. ( ) Nos últimos anos, a população ja-
Função de “às mudanças políticas” /
mais assistiu crimes tão bárba-
“lhes” / “a elas”: objeto indireto. ros.
b) Assistir = caber b. ( ) Nos últimos anos, a população ja-
mais assistiu a crimes tão bárba-
1. É verbo transitivo indireto (pede com-
ros.
plemento com preposição “a”).
c. ( ) Algumas famílias assistiam as-
2. Admite construção com o pronome sustadas ao espetáculo.
lhe(s) ou com as formas tônicas a d. ( ) Algumas famílias assistiam as-
ele(a), a eles(as). sustadas o espetáculo.
3. Não admite voz passiva. e. ( ) As cenas que agora vamos as-
sistir são desaconselhadas para
Exemplo:
crianças.
O direito de reclamar assiste aos alunos.
O direito de reclamar assiste-lhes. Aplicação 53
O direito de reclamar assiste a eles. Escolha a construção gramaticalmen-
Regência de “assistir”: vti. te correta.
Função de “aos alunos” / “lhes” / “a elas”:
a) A peça teatral foi assistida por todos
objeto indireto.
os alunos.
c) Assistir = ajudar; prestar socorro b) Ao jogo de ontem, assistimo-lo pela
1. É verbo transitivo direto (pede com- tevê.
plemento sem preposição). c) Queríamos ver o espetáculo ao vivo,
2. Não aceita para complemento o pro- mas só foi possível assisti-lo pela tv.
nome lhe(s). d) Logo depois do incidente, assistimos
a reportagem pela tevê.
3. Admite voz passiva.
e) Jogos de futebol? Gosto de assistir a
Exemplo: eles pela tevê.

Regência e Crase – 43
2. Aspirar 3. Avisar, certificar, informar, notifi-
a) Aspirar = desejar, pretender car, proibir
1. É verbo transitivo indireto (pede com- 1. São todos transitivos diretos e indi-
plemento com a preposição “a”). retos.
2. Admite construção com o pronome 2. pedem dois complementos: um com
lhe(s) ou com as formas tônicas a preposição (objeto indireto), outro
ele(a), a eles(as). sem (objeto direto). Um é pessoa, ou-
3. Não admite voz passiva. tro coisa.

Exemplo: 3. Não há vinculação obrigatória com


pessoa ou coisa. Há sempre duas ma-
Todos aspiram a um bom emprego.
neiras corretas para a construção de
Todos lhe aspiram.
frases.
Todos aspiram a ele.
4. Admitem voz passiva.
Regência de “aspirar”: vti.
Função de “a um bom emprego” / “lhe” / “a Exemplo 1:
ele”: objeto indireto. Proíbo-lhe de sair. (errado)
Proíbo-lhe sair. (certo)
b) Aspirar = inalar, inspirar, sorver
Proíbo-a de sair. (certo)
1. É verbo transitivo direto (pede com-
Regência de “proibir”: vtdi.
plemento sem preposição).
Função do “lhe” / “de sair”: objeto
2. Admite construção com os pronomes indireto.
o(s), a(as). Função do “a” / “sair”: objeto direto.
3. Admite voz passiva. Exemplo 2:
Exemplo: Avisei-lhe do perigo. (errado)
Todos aspiram o ar poluído das cida- Avisei-lhe o perigo. (certo)
des. Avisei-o do perigo. (certo)
Todos o aspiram.
Aplicação 55
Regência de “aspirar”: vtd.
Julgue as construções seguintes quan-
Função de “o ar poluído das cidades” / “o”:
to à regência verbal.
objeto direto.
a. ( ) Avisarei as moças de que não sai-
Aplicação 54 remos hoje.
Julgue as construções seguintes b. ( ) Avisarei às moças que não saire-
mos hoje.
com o verbo aspirar.
c. ( ) Avisarei às moças de que não sai-
a. ( ) Os políticos, no afã de se torna- remos hoje.
rem famosos, aspiram cargos pú- d. ( ) Certificar-lhe-ei de minha decisão.
blicos cada vez mais altos. e. ( ) Certificar-lhe-ei minha decisão.
b. ( ) Ele aspira a este pó de madeira
há muito tempo. Aplicação 56
c. ( ) Convém trabalhar, sempre aspi-
Julgue as construções seguintes
rando à posições nobres.
quanto à regência verbal.
d. ( ) Ser eleito governador do estado:
era essa a maior dignidade a que a. ( ) Informo-lhe de que cheguei.
aspirava. b. ( ) Informo-lhe que cheguei.
e. ( ) As mulheres brasileiras aspiram c. ( ) Informo-o de que cheguei.
cargos políticos compatíveis com d. ( ) Informo-o que cheguei.
o painel internacional. e. ( ) Informaram os alunos o resultado.

44 – João Batista Gomes


4. Chamar 5. Chegar, ir, voltar, retornar
a) Chamar = apelidar, xingar 1. Associados à ideia de lugar, são ver-
1. Admite qualquer construção. Pode bos intransitivos.
ser transitivo direto ou indireto indi- 2. Exigem adjunto adverbial de lugar
ferentemente.
regido pela preposição “a” e/ou “pa-
2. Vem acompanhado de predicativo ra”.
do objeto (com ou sem preposição).
3. Rejeitam a preposição “em”.
3. Tem predicado verbo-nominal.
4. Aceitam “aonde” e rejeitam “onde”.
Exemplo 1:
Todos chamam ao vereador de corrupto. Exemplo 1:
Todos lhe chamam de corrupto. Todos chegaram no mercado, atrasados.
Regência de “chamar”: vti. (errado)
Função de “ao vereador” / “lhe”: objeto in- Todos chegaram ao mercado, atrasados.
direto. (certo)
Função de “de corrupto”: predicativo do
Regência de “chegar”: verbo intransitivo.
objeto.
Função de “ao mercado”: adjunto adver-
Exemplo 2: bial de lugar.
Todos chamam o vereador de corrupto. Função de “atrasados”: predicativo do
Todos o chamam de corrupto. sujeito.
Regência de “chamar”: vtd.
Exemplo 2:
Função de “o vereador” / “o”: objeto direto.
Função de “de corrupto”: predicativo do ob- A casa onde chegamos parecia abando-
jeto. nada. (errado)
A casa aonde chegamos parecia aban-
b) Chamar = convidar, convocar
donada. (certo)
1. É transitivo direto (pede complemen-
A casa em que chegamos parecia aban-
to sem preposição).
donada. (certo)
2. O complemento pode vir representa-
A casa na qual chegamos parecia aban-
do pelos pronomes átonos o(s),
donada. (certo)
a(as), me, te, nos, vos.
Regência de “chegar”: verbo intransitivo.
3. Não aceita o pronome lhe(s) para
complemento. Função de “aonde” / “em que” / “na qual”:
adjunto adverbial de lugar.
4. Tem predicado verbal.
Classificação da oração “aonde chega-
Exemplo:
mos” / “em que chegamos” / “na qual che-
Chamei Cristina para almoçar.
gamos”: subordinada adjetiva restritiva.
Chamei-a para almoçar.
Regência de “chamar”: vtd. Aplicação 58
Função de “Cristina” / “a”: objeto direto.
Julgue as construções seguintes quan-
Aplicação 57 to à regência verbal.
Julgue as frases seguintes quanto à a. ( ) Até aonde você quer chegar?
regência verbal. b. ( ) Até onde você quer chegar?
a. ( ) O rei chamou-lhe à sua presença. c. ( ) Deixamos a cidade quando a
b. ( ) Chamamos-lhe de covarde. comitiva ia chegando na praça.
c. ( ) Chamamos-lhe covarde. d. ( ) Demoramos muito, mas
d. ( ) Chamaram-lhe de pretensiosa. chegamos no sopé da montanha.
e. ( ) À noite, chamava por ela aos gri- e. ( ) No mesmo dia, fizeram-no ir para
tos. o hospital.

Regência e Crase – 45
6. Estar, ficar, morar, residir, situar-se 7. Custar = ser difícil, demorar
1. Associados à ideia de lugar, são ver- 1. É transitivo indireto (exige comple-
bos intransitivos. mento com a preposição “a”).
2. Exigem adjunto adverbial de lugar re- 2. O complemento (objeto indireto) po-
gido pela preposição “em”. de vir representado pelos pronomes
3. Rejeitam a preposição “a”. átonos me, te, nos, vos, lhe(s), a
ele(s), a ela(s).
4. Aceitam “onde” e rejeitam “aonde”.
3. Só pode ser usado na terceira pessoa
Exemplo 1:
do singular, tendo como sujeito uma
Já moramos na Rua Silva Ramos. oração reduzida de infinitivo.
Regência de “morar”: verbo intransitivo.
Função de “na Rua Silva Ramos”: adjunto
Exemplo 1:
adverbial de lugar. Eu custei muito a acreditar em você. (er-
rado)
Exemplo 2:
Custou-me muito acreditar em você.
O lugar em que ficamos era úmido.
(certo)
O lugar no qual ficamos era úmido.
O lugar onde ficamos era úmido. Regência de “custar”: vti.

Regência de “ficar”: verbo intransitivo. Função do “me”: objeto indireto.


Função de “em que” / “no qual” / “onde: Sujeito de “custou”: “acreditar em você” =
adjunto adverbial de lugar. oração subordinada substantiva subjetiva
reduzida de infinitivo.
Aplicação 59
Exemplo 2:
Julgue as frases seguintes quanto à Nós custamos a pegar a um táxi. (errado)
regência verbal. Custou-nos pegar um táxi. (certo)
a. ( ) Para aonde você foi ontem à noi- Regência de “custar”: vti.
te? Função do “nos”: objeto indireto.
b. ( ) Para onde você foi ontem à noite? Sujeito de “custou”: “pegar um táxi” =
c. ( ) São muitos os lugares aonde oração subordinada substantiva subjetiva
moramos, todos em casas aluga- reduzida de infinitivo.
das.
d. ( ) O terreno de que falamos situa- Aplicação 61
se à beira da estrada. Julgue as construções seguintes
e. ( ) O casebre em que eles moravam quanto à regência verbal.
ficava na beira de um igarapé.
a. ( ) Maria custou a compreender os
Aplicação 60 meandros da política.
b. ( ) Custou à Maria compreender os
Assinale a alternativa que respeita a meandros da política.
norma culta da língua. c. ( ) A maioria dos candidatos custa a
a) Sempre residimos à Rua Aurora. perceber as armadilhas das
b) Elas residem à Praça da Bandeira. provas dos concursos públicos.
c) A casa que morava era de madeira. d. ( ) Custa à maioria dos candidatos
d) Recordo-me de todos os lugares em perceber as armadilhas das
que estivemos. provas dos concursos públicos.
e) As tribos em que fomos eram e. ( ) As pessoas custam a reconhecer
modernas. as boas ações.

46 – João Batista Gomes


8. Esquecer, lembrar, recordar, ad- 9. Preferir
mirar 1. É verbo transitivo direto e indireto:
1. Acompanhados de pronome átono exige dois complementos (objeto dire-
(me, te, se, nos, vos): são transitivos to e objeto indireto).
indiretos (preposição “de”). 2. A construção não admite as seguintes
2. Sem pronome átono: são transitivos palavras ou expressões: mais, me-
diretos (rejeitam a preposição “de”). nos, muito mais, muito menos, an-
tes, que, do que, mil vezes.
3. Função do pronome átono: pronome
que integra o verbo (piv). 3. Deve-se tomar especial cuidado quan-
to à presença (ou à omissão) da cra-
Exemplo 1: se.
Perdão, esqueci do seu aniversário. (er- 4. O adjetivo “preferível” segue a regên-
rado) cia de “preferir”.
Perdão, esqueci-me do seu aniversário.
Exemplo 1:
(certo)
Prefiro mil vezes morrer do que casar.
Regência de “esquecer”: vti. (errado)
Função de “do seu aniversário”: objeto in- Prefiro morrer a casar. (certo)
direto. Regência de “preferir”: vtdi.
Função do “me”: piv. Função de “morrer”: objeto direto.
Função de “a casar”: objeto indireto.
Exemplo 2:
Perdão, esqueci do seu aniversário. (er- Exemplo 2:
rado) É preferível antes perder do que vencer
Perdão, esqueci o seu aniversário. (cer- de modo desonesto. (errado)
É preferível perder a vencer de modo
to)
desonesto. (certo)
Regência de “esquecer”: vtd.
Regência de “preferível”: adjetivo transitivo
Função de “o seu aniversário”: objeto direto.
(exige preposição “a”).
Função de “perder”: sujeito.
Aplicação 62 Função de “a vencer”: complemento nominal
Julgue as construções seguintes de “preferível”.
quanto à regência verbal. Aplicação 63
a. ( ) Nunca me esqueci de minha pri- Julgue as construções seguintes
meira namorada.
quanto à regência verbal.
b. ( ) Nunca esqueci de minha primeira
namorada. a. ( ) Ele preferiu antes a morte do que
c. ( ) Nunca esqueci minha primeira enfrentar a violência na peniten-
ciária.
namorada.
b. ( ) Ele preferiu a morte a enfrentar
d. ( ) Tatisa e Lu, como esquecer essas
a violência na penitenciária.
personagens de Lygia Fagundes
c. ( ) Ele preferiu morrer a enfrentar a
Telles?
violência na penitenciária.
e. ( ) Esqueci-me do nome dele.
d. ( ) Ele preferiu morrer a entregar-se
à polícia.
e. ( ) Ele preferiu ser enterrado vivo do
que trabalhar.

Regência e Crase – 47
10. Querer 11. Simpatizar, antipatizar
a) Querer = desejar, ter intenção de A ideia lógica é simpatizar (ou antipati-
1. É verbo transitivo direto: exige com- zar) “com algo” ou “com alguém”.
plemento (objeto direto) sem prepo- 1. São transitivos indiretos: exigem com-
sição. plemento com a preposição “com”.
2. O complemento pode vir representa- 2. Não podem ser pronominais; rejeitam
do pelos pronomes átonos o, a, os, os pronomes átonos me, te, se, nos,
as. vos, lhe(s).
3. Rejeita o pronome lhe(s) para a fun- 3. O objeto indireto pode vir representa-
ção de complemento. do pelos pronomes tônicos comigo,
Exemplo 1: contigo, com ele, com ela, com você.

Ele não quer você para esposa. Exemplo 1:


Ele não lhe quer para esposa. (errado) Sempre me simpatizei com você. (erra-
Ele não a quer para esposa. (certo) do)
Regência de “querer”: vtd. Sempre simpatizei com você. (certo)
Função de “você” / “a”: objeto direto. Regência de “simpatizar”: vti.
Função de “com você”: objeto indireto.
b) Querer = amar, estimar, querer bem
1. É verbo transitivo indireto: exige com- Exemplo 2:
plemento (objeto indireto) com a pre- No ambiente de trabalho, são poucas as
posição “a”. pessoas com que me simpatizo. (erra-
2. O complemento pode vir representa- do)
do pelos pronomes átonos lhe(s), a No ambiente de trabalho, são poucas as
ele(s), a ela(s). pessoas com que simpatizo.(certo)
3. Rejeita os pronomes o(s), a(s) para Regência de “simpatizar”: vti.
a função de complemento. Função de “com que”: objeto indireto.
Classificação da oração “com que simpa-
Exemplo 2:
tizo”: subordinada adjetiva restritiva.
Quero muito a você, minha filha.
Quero-a muito, minha filha. (errado)
Quero-lhe muito, minha filha. (certo)
Aplicação 65
Regência de “querer”: vti. Julgue as frases seguintes quanto à
Função de “a você” / “lhe”: objeto indireto. regência verbal.
a. ( ) Há muito tempo, venho simpati-
Aplicação 64 zando você, Januária.
Julgue as construções seguintes b. ( ) Há muito tempo, venho simpati-
quanto à regência verbal. zando com você, Januária.
c. ( ) Há muito tempo, venho simpati-
a. ( ) Do filho que muito lhe quer.
zando-me com você, Januária.
b. ( ) Do filho que muito a quer.
c. ( ) Os pais queriam muito aqueles fi- d. ( ) Simpatizei-me contigo logo que
lhos. te vi.
d. ( ) Os pais queriam muito àqueles fi- e. ( ) Simpatizei contigo logo que te vi.
lhos.
e. ( ) Aquela é a mulher a quem quero
bem.

48 – João Batista Gomes


12. Visar Aplicação 66
a) Visar = dirigir o olhar, apontar arma; (Cesgranrio–Petrobrás–2011) Subs-
pôr o visto em, assinar tituindo o verbo destacado por outro,
1. É verbo transitivo direto: exige com- a frase, quanto à regência verbal, tor-
plemento sem preposição. na-se INCORRETA em:
2. O objeto direto pode vir representado a) O líder da equipe, finalmente, viu a apre-
pelos pronomes o(s), a(s) e suas va-
sentação do projeto.
riações lo(s), la(s), no(s), na(s).
O líder da equipe, finalmente, assistiu
3. Rejeita o pronome lhe(s) para a fun- à apresentação do projeto.
ção de complemento. b) Mesmo não concordando, ele acatou
Exemplo 1: as ordens do seu superior.
Convém visar aos passaportes. (errado) Mesmo não concordando, ele obede-
Convém visar os passaportes. (certo) ceu às ordens do seu superior.
c) Gostava de recordar os fatos de sua
Regência de “visar”: vtd.
infância.
Função de “os passaportes”: objeto direto.
Gostava de lembrar dos fatos de sua
Exemplo 2: infância.
Ele visava a mais bela jovem da festa. d) O candidato desejava uma melhor
Regência de “visar”: vtd. colocação no ranking.
Função de “a mais bela jovem da festa”: ob- O candidato aspirava a uma melhor
jeto direto. colocação no ranking.
e) Naquele momento, o empresário tro-
b) Visar = ter em vista, pretender
cou a família pela carreira.
1. É verbo transitivo indireto: exige com- Naquele momento, o empresário pre-
plemento com a preposição “a”. feriu a carreira à família.
2. O objeto indireto pode vir representa-
do pelos pronomes lhe(s), a ele(s),
Aplicação 67
a ela(s). (EJEF–TJ–MG–2008) Assinale a al-
Exemplo 1: ternativa que contém ERRO de re-
O ser humano sempre visa a liberdade.
gência verbal:
(errado) a) Não gosto de lembrar o passado.
O ser humano sempre visa à liberdade. b) Consta dos autos que José não com-
(certo) pareceu à audiência.
Regência de “visar”: vti. c) É preciso obedecer às leis.
Função de “à liberdade”: objeto indireto. d) Todos aspiram o progresso na vida.
Exemplo 2: Aplicação 68
A posição a que visamos depende de
(EJEF–TJ–MG–2008) Assinale a al-
conchavos políticos. (certo)
ternativa em que a regência verbal
A posição à qual visamos depende de
conchavos políticos. (certo) está CORRETA.
Regência de “visar”: vti. a) Assisti o filme de que você gostou.
Função de “a que” / “à qual”: objeto indireto. b) Prefiro mais a cidade do que o campo.
Classificação da oração “a que visamos” / c) Este é o museu de que mais gosto.
“à qual visamos”: subordinada adjetiva res- d) Finalmente chegamos em Diaman-
tritiva. tina.

Regência e Crase – 49
13. Abdicar ou abdicar de? Regência de “aborrecer”: vtd.
Função do pronome “a”: objeto direto.
No sentido de “renunciar, desistir de”,
abdicar é transitivo direto (abdicar algo) Aplicação 69
ou transitivo indireto (abdicar de algo)
indiferentemente. (COVEST–HC-UF–PE–2010) Assina-
le a única alternativa que está em
Exemplo 1:
desacordo com a norma padrão da
Abdicou os prazeres terrenos quando língua, no que se refere às regras de
entrou para a igreja. regência (verbal e nominal).
Regência de “abdicar”: vtd.
Função de “os prazeres terrenos”: objeto di- a) Os vários tipos de discriminação são
reto. atitudes contra as quais todos deve-
mos lutar.
Exemplo 2: b) O palestrante, de cujo nome me es-
Abdicou dos prazeres terrenos quando queci, enfatizou a necessidade de uma
entrou para a igreja. mudança ética.
Regência de “abdicar”: vti. c) Não sabia aonde se dirigir para de-
Função de “dos prazeres terrenos”: objeto nunciar as aplicações irresponsáveis
indireto.
da ciência e tecnologia.
d) O público perante o qual discursou
14. Abençoá-lo ou abençoar-lhe? ficou animado com a possibilidade de
mudanças éticas.
Abençoar (dar a bênção a; benzer) tran-
e) As autoridades prometem solucionar
sitivo direto: o complemento não pode vir
em breve o problema que todos es-
representado pelo pronome lhe(s).
távamos preocupados.
Exemplos:
Deus lhe abençoe, minha filha. (errado)
Aplicação 70
Deus a abençoe, minha filha. (certo) (FUMARC–CEMIG–2010) A mudança
Regência de “abençoar”: vtd. na regência verbal NÃO implica mu-
Função do pronome “a”: objeto direto. dança de sentido em:
Função de “minha filha”: vocativo.
a) O nome do funcionário não constou
Que Deus abençoe a este recém-nas- do relatório de atividades.
cido. (errado) O nome do funcionário não constou
Que Deus abençoe este recém-nascido. no relatório de atividades.
(certo) b) Segundo o chefe do cerimonial, pou-
Regência de “abençoar”: vtd. cos convidados beberam o vinho.
Função de “este recém-nascido”: objeto Segundo o chefe do cerimonial, pou-
direto. cos convidados beberam do vinho.
c) Conforme se comprovou posterior-
15. Aborrecê-la ou aborrecer-lhe? mente, os dois rapazes visavam os
Aborrecer (causar aborrecimento a; des- cheques.
gostar) é verbo transitivo direto: o com- Conforme se comprovou posterior-
plemento não pode vir representado pelo mente, os dois rapazes visavam aos
pronome lhe(s). cheques.
d) Durante a mesa-redonda, falou com
Exemplo: colegas do curso de Engenharia.
Vou tentar não lhe aborrecer. (errado) Durante a mesa-redonda, falou a cole-
Vou tentar não a aborrecer. (certo) gas do curso de Engenharia.

50 – João Batista Gomes


16. Implicar ou implicar em? Em domicílio – Usa-se com verbos a cu-
jo sentido se associe a ideia de “em al-
Implicar (ter como consequência, acarre-
tar, originar) é verbo transitivo direto: o gum lugar”. É o caso de “fazer entrega”:
complemento não pode vir acompanhado a ideia completa é “fazer entrega em
da preposição “em”. algum lugar”, ou seja, “fazer entrega em
domicílio”.
Exemplo:
Exemplo 1:
Casamento implica em chifres. (errado)
Casamento implica chifres. (certo) Fazem-se entregas a domicílio. (errado)
Regência de “implicar”: vtd.
Fazem-se entregas em domicílio. (certo)
Função do “chifres”: objeto direto. Regência de “fazer”: vtd.
Função de “entregas”: sujeito.
17. Pisar ou pisar em? Função de “em domicílio”: adjunto adver-
Pisar (andar, pôr os pés, calcar, passar bial de lugar.
por cima) é verbo transitivo direto: o com- Exemplo 2:
plemento não pode vir acompanhado da Dão-se aulas a domicílio. (errado)
preposição “em”. Dão-se aulas em domicílio. (certo)
Exemplo 1: Regência de “dar”: vtd.
Não pise na grama. (errado) Função de “aulas”: sujeito.
Não pise a grama. (certo) Função de “em domicílio”: adjunto adver-
bial de lugar.
Regência de “pisar”: vtd.
Função do “a grama”: objeto direto. Aplicação 71
Exemplo 2:
(Inst. Cidades–Unifesp–2009) “E não
Os objetos em que pisamos eram cor- esqueça de trazer força e magia.”
tantes. (errado)
Os objetos que pisamos eram cortan- Quanto à regência do verbo “Esque-
tes. (certo) cer” no verso destacado, é CORRE-
TO afirmar:
Regência de “pisar”: vtd.
Função do “que”: objeto direto. a) Seu uso está correto, visto que utiliza
Classificação da oração “que pisamos”: su- a preposição “de”.
bordinada adjetiva restritiva. b) Seu uso está correto, pois, como se-
gue em locução verbal, não poderia
18. A domicílio, em domicílio deixar de usar a preposição.
A domicílio – Usa-se com verbos intran- c) Seu uso está incorreto, pois deveria,
sitivos (dão ideia de movimento; pedem quando transitivo indireto, ser tam-
preposição “a”: chegar, ir, voltar, retornar). bém pronominal.
Função sintática da expressão “a domi- d) Seu uso está incorreto, pois é sempre
cílio”: adjunto adverbial de lugar. transitivo direto.

Exemplo: Aplicação 72
Depois de morar no exterior, ela voltou Há erro de regência em:
em domicílio. (errado)
Depois de morar no exterior, ela voltou a a) É bom pisar com cautela essas terras.
domicílio. (certo) b) Entregamos lanche em domicílio.
c) Casamento implica em filhos.
Regência de “voltar”: verbo intransitivo.
d) Em breve, voltaremos a domicílio.
Função de “a domicílio”: adjunto adverbial
e) Faz-se macumba em domicílio.
de lugar.

Regência e Crase – 51
19. Ao telefone, no telefone 22. Fazer que ou fazer com que?
O correto é estar, falar, conversar, namo- O correto é “fazer que”; nesse caso, “fa-
rar, brincar “ao telefone”. zer” significa “motivar”. Apesar de ser
construção popular, “fazer com que” fere
Exemplo:
a norma culta da língua.
Dormia pouco: passava a noite inteira no
telefone. (errado) Exemplo:
Dormia pouco: passava a noite inteira ao Isso fez com que ela desistisse. (errado)
telefone. (certo) Isso fez que ela desistisse. (certo)
Regência de “passar”: verbo intransitivo. Regência de “fazer”: vtd.
Função de “ao telefone”: adjunto adverbial. Função de “que ela desistisse”: objeto direto
oracional.
20. A prazo, a vista
Classificação da oração “que ela desistis-
As expressões “a prazo” e “a vista”, no se”: subordinada substantiva objetiva direta.
sentido de pagar, comprar, adquirir, não
admitem artigo (portanto sem crase). O
23. Dar-se o ou dar-se ao luxo?
“a” é apenas preposição. A locução “à A lógica do verbo dar é de bitransitividade
vista de” é automaticamente com crase. (dar alguma coisa a alguém). Por isso,
“dar-se ao luxo” não é construção com
Exemplo:
lógica gramatical. O correto é “dar-se o
Compramos os móveis à vista. (errado)
luxo”. O “se” (pessoa) é objeto indireto;
Compramos os móveis a vista. (certo)
a expressão “o luxo” (coisa), o objeto di-
Compramos os móveis a prazo. (certo)
reto.
Regência de “comprar”: vtd.
Exemplo:
Função de “os móveis”: objeto direto.
Função de “a vista” / “a prazo”: adjunto ad- Em pleno período letivo, ela deu-se ao
verbial de modo. luxo de viajar. (errado)
Em pleno período letivo, ela deu-se o luxo
21. Chutar em ou chutar a? de viajar. (certo)
O correto é “chutar a gol” ou “contra o Regência de “dar”: vtdi.
gol” ou “para o gol”, mas nunca “em gol” Função de “o luxo”: objeto direto.
ou “no gol”. Função do “se”: pronome reflexivo (objeto
indireto).
Exemplo:
Só naquele jogo, chutaram mais de dez 24. Dar luz a ou dar à luz?
vezes a bola na trave. (errado)
A ideia de “dar luz a alguém” não signi-
Só naquele jogo, chutaram mais de dez
fica “parir”. Para o ato de parir, a ideia é
vezes a bola à trave. (certo)
“dar alguém à luz” (“luz”, nesse caso,
Só naquele jogo, chutaram mais de dez
simboliza vida, mundo – eufemismo con-
vezes a bola contra a trave. (certo)
sagrado em nossa língua).
Sem querer, chutou a bola para o adver-
sário. (certo) Exemplo:
Regência de “chutar”: vtd. Ela deu luz a trigêmeos. (errado)
Função de “a bola”: objeto direto. Ela deu à luz trigêmeos. (certo)
Função de “à trave” / “contra a trave”: ad- Regência de “dar”: vtdi.
junto adverbial. Função de “trigêmeos”: objeto direto.
Função de “à luz”: objeto indireto.

52 – João Batista Gomes


25. Debater sobre Ela é bonita, mas defronte a Tatiane
aparenta feiura.
“Debater sobre” é expressão errada. De-
vemos “debater alguma coisa” (debater Classe gramatical de “defronte a, defronte
pacto salarial, debater a questão da re- de”: locução prepositiva.
forma agrária), e nunca “debater sobre Função de “defronte de Tatiane” / “defronte
alguma coisa”. a Tatiane”: adjunto adverbial.

Debater (examinar em debate; tratar de; 28. Deparar com


discutir) é verbo transitivo direto; o com-
Deparar (encontrar inesperadamente;
plemento não aceita preposição.
defrontar-se) pode ser transitivo direto ou
Exemplo: transitivo indireto (exige preposição “com”)
Na reunião, debatemos sobre o aumen- indiferentemente. Quando pronominal, é
to salarial dos empregados. (errado) apenas transitivo indireto.
Na reunião, debatemos o aumento sala-
Exemplo 1:
rial dos empregados. (certo)
Deparei com ela em frente ao correio; pa-
Regência de “debater”: vtd.
recia assustada.
Função de “o aumento salarial dos empre-
Deparei-me com ela em frente ao correio;
gados”: objeto direto.
parecia assustada.
26. Defender que Regência de “deparar”: vti.
Função de “com ela”: objeto indireto.
“Defender que” é expressão errada. De-
ve-se “defender alguma coisa” ou “al- Exemplo 2:
guém”. Deparei-a em frente ao correio; parecia
Defender (prestar socorro ou auxílio a; assustada.
proteger, amparar) é verbo transitivo di- Regência de “deparar”: vtd.
reto. O complemento não pode vir repre- Função do “a”: objeto direto.
sentado por oração substantiva objetiva
29. A princípio, em princípio
direta.
Em princípio – Em tese; teoricamente;
Exemplo:
antes de qualquer consideração.
Os funcionários defendem que os salá-
rios devem ser reajustados. (errado) A princípio – No começo; no início; ini-
Os funcionários defendem o reajuste sa- cialmente.
larial. (certo) Exemplo 1:
Regência de “defender”: vtd. Em princípio, o ser humano nasceu para
Função de “o reajuste salarial”: objeto direto. ser honesto.
Função de “em princípio”: adjunto adverbial.
27. Defronte a, defronte de
Exemplo 2:
As duas expressões são corretas, mas
A princípio, vendíamos livros de porta
prefira “defronte de”. Significa “em frente
em porta; depois, montamos a editora.
de”, “diante de”, “em comparação com”.
Função de “a princípio”: adjunto adverbial.
Pode-se dizer “em frente a” ou “em fren-
te de”, “junto a” ou “junto de”. 30. A rigor, em rigor
Exemplo: As duas expressões são corretas; pre-
Ela é bonita, mas defronte de Tatiane fira “em rigor”. Significa “na verdade;
aparenta feiura. rigorosamente falando; a bem dizer”.

Regência e Crase – 53
Exemplo: De acordo com a norma padrão da
A rigor, o casamento poda a liberdade língua, a regência verbal está correta
individual. em
Em rigor, o casamento poda a liberdade a) I.
individual. b) II.
Função de “a rigor” / “em rigor”: adjunto c) III.
adverbial. d) I e III.
e) II e IV.
31. Estimo em vê-lo
O correto é “estimo vê-lo”. Estimar, co- Aplicação 74
mo sinônimo de “alegrar-se”, não aceita (CESPE–ABIN–2010) “A delinquência
“em”. e a violência criminal afetam, em maior
A expressão “estimar em” existe: é ou menor grau, toda a população, pro-
sinônimo de calcular, avaliar. vocando apreensão e medo na
sociedade, e despertando o senti-
Exemplo:
mento de descrença em relação às
Estimo em vê-la com saúde. (errado)
instituições estatais responsáveis pe-
Estimo vê-la com saúde. (certo)
la manutenção da paz social”.
Regência de “estimar”: vtd.
Função da oração “vê-la com saúde”: objeto Estaria gramaticalmente correto o em-
direto. prego da preposição “a” antes de “to-
da a população” – a toda a popula-
32. Ficar de pé, ficar em pé ção – visto que a forma verbal “afe-
As duas construções são corretas. Mas tam” apresenta dupla regência.
“ficar de joelhos” e “ficar de quatro” não ( ) Certo ( ) Errado
têm variações.
Exemplo:
Fiquem todos de pé.
Fiquem todos em pé.
Regência de “ficar”: verbo intransitivo.
Função de “de pé” / “em pé”: adjunto ad-
verbial.

Aplicação 73
(VUNESP–TJ–SP 2011) Leia o que
segue.
I. Muitos dos que assistiram o simpósio
sobre reciclagem saíram desapon-
tados.
II. Muitos catadores antipatizam com os
projetos da prefeitura.
III. A comunidade visa uma política mais
eficiente para a destinação do lixo.
IV. Alguns moradores aspiram uma cida-
de mais limpa.

54 – João Batista Gomes


CRASE a) objeto indireto;
b) complemento nominal;
c) adjunto adverbial.
Com base no princípio sintático, a crase
passa a ser absurda com:
a) sujeito (não pode ser preposicionado);
1. Definição b) objeto direto.
A seguir, veja construções certas e erra-
Crase não é acento! O acento sobre o “à”
das:
denomina-se grave. Crase (do grego
krasis) é, portanto, fusão. É o fenômeno 1. Visitei à praia. (errado)
da contração da preposição a com, por Crase absurda porque a expressão “a
exemplo, o artigo a. praia” tem função de objeto direto do
verbo visitar.
2. Teste do artigo ou regra do “ao” 2. Você mesma viu à cena de terror. (er-
Emprega-se o acento grave para indicar rado)
crase sempre que, substituindo-se a pa- Crase absurda porque a expressão “a
lavra feminina por uma masculina, apa- cena” tem função de objeto direto do
verbo ver.
recer a contração ao. O vocábulo mascu-
lino não precisa ser sinônimo do feminino. 3. Você mesma assistiu à cena de terror.
Precisa, sim, fazer sentido para a frase (certo)
em que se está fazendo a substituição. Crase normal porque a expressão “à ce-
na” tem função de objeto indireto do
Aplicação 1 verbo assistir.

Complete as construções seguintes Aplicação 2


com “a” ou com “à”. Escolha, depois,
a alternativa com a sequência cor- Assinale a frase em que a expressão
reta. com crase não seja objeto indireto.
a) Prefiro isto àquilo.
1. Fomos .... fazenda.
b) Obedecemos às leis.
2. Ela era candidata .... vereadora.
c) Ele mandava flores às vítimas.
3. Obedecemos .... lei.
d) Refiro-me à Catiane, prima da Raquel.
4. Conhecemos .... lei.
e) Os índios têm amor à Amazônia.
5. Retornei .... praia.
a) à– a–à –a –à 4. Crase proibida
b) à– à–à –à –à Não ocorrerá crase quando o a estiver:
c) à– a–a –à –a
a) Antes de verbo (verbo não aceita
d) a– à–a –a –à
artigo; o “a” é apenas preposição):
e) a– a–à –à –a
Fomos obrigados a aceitar.
3. Princípios sintáticos da crase Desde criança, obrigaram-nos a traba-
lhar.
O fenômeno da crase está associado à
regência (nominal e verbal) e, portanto, b) Antes de palavra masculina (o “a” é
atrelado à estrutura sintática da frase. Den- apenas preposição):
tro da oração, os termos que admitem Na fazenda, andávamos a cavalo.
crase são os que exigem preposição “a”: Faz bem ao corpo andar a pé.

Regência e Crase – 55
c) Antes de pronomes pessoais (o “a” Aplicação 3
é apenas preposição):
(FCC–TJ-RJ–2012) “Ele chegou à con-
Não fiz referência a ela.
clusão de que o funcionário passou
Lá em casa, todos obedecem a mim.
o dia inteiro tomando café.”
d) Entre palavras repetidas (o “a” é ape-
nas preposição): Do mesmo modo que se justifica o
As lágrimas caíam gota a gota. sinal indicativo de crase em desta-
No comício, os inimigos ficaram face a que na frase acima, está correto o
face. seu emprego em:
e) Antes de pronomes de tratamento (o a) e chegou à uma conclusão totalmen-
“a” é apenas preposição): te inesperada.
Enviei o relatório a Vossa Senhoria. b) e chegou então à tirar conclusões pre-
Os dados foram enviados a Vossa Exce- cipitadas.
lência. c) e chegou à tempo de ouvir as conclu-
Exceções: dona, madama, senhora sões finais.
e senhorita (tornaram-se populares d) e chegou finalmente à inevitável con-
e passaram a admitir artigo). clusão.
Enviei o relatório à dona Cláudia. e) e chegou à conclusões as mais dis-
f) Antes de pronomes indefinidos (al- paratadas. a procura de outra mulher.
guém, alguma, nada, ninguém, nenhu-
Aplicação 4
ma, qualquer). O “a” é apenas prepo-
sição: (ESAF–CGU–2012) No que diz respei-
Não devo nada a ninguém. to ao uso do sinal de crase, assinale
Isso pode acontecer a qualquer pessoa. a opção que preenche corretamente
g) Antes de artigos indefinidos: as lacunas do texto abaixo.
Prestei socorro a uma mulher desco-
Uma mera observação __(1)__olho nu
nhecida.
já basta para constatar que parcela re-
Todos visam a uma vida melhor.
levante do spread está ligada direta ou
h) Antes dos demonstrativos esta(s), es-
indiretamente, __(2)__ políticas públicas,
sa(s), isto, isso (o “a” é apenas pre-
posição): sejam tributárias regulatórias ou de outra
natureza. Parece, pois, difícil avançar na
Nunca tive respeito a essa pessoa.
questão dos spreads, sem que tais polí-
i) Antes dos pronomes relativos que,
ticas sejam, no mínimo, reavaliadas, obvia-
quem, cujo(s), cuja(s):
mente não perdendo de vista os legítimos
A peça a que assisti terminou tarde.
objetivos de cada uma delas.
A peça à qual assisti terminou tarde.
Por outro lado, o aumento da eficiência
O debate a cuja parte final assisti termi-
do sistema bancário é igualmente rele-
nou tarde.
vante para __(3)__ queda dos spreads.
j) Não haverá crase quando o “a” es-
Isso sugere que “parte da bola”, pelo me-
tiver no singular, e a palavra seguinte
nos, está com os bancos, públicos e pri-
no plural (o “a” é apenas preposição):
vados, que devem se tornar cada vez mais
Fizeram referência a pessoas desapa-
eficientes nas funções de intermediários
recidas.
Fizeram referência às pessoas desapa-
financeiros. Em suma, é necessário um
recidas. permanente diálogo entre o setor bancá-
Já assistimos a cenas bem violentas. rio e o governo, com vistas __(4)__ imple-

56 – João Batista Gomes


mentação de medidas sustentáveis para CASOS ESPECIAIS DE CRASE
redução de spread, objetivo que deve
ser atingido sem ameaças __(5)__ esta- 1. Casa
bilidade financeira. (Adaptado de Gustavo Loyola, O
A fusão de a (prep.) + a (artigo) só ocorre
Estado de São Paulo, 21 de abril de 2012)
antes da palavra “casa” se houver uma
a) à– às –a –à –à expressão que a determine. Observe que
b) a– as –a –à –a “casa determinada” é casa que não é sua,
c) à– a –à –a –à mas de alguém, ou casa comercial.
d) a– às –a –à –à
e) a– a –à –a –a Exemplos comentados:
a) Voltou apressado à casa de Cristina.
Aplicação 5 A crase acontece porque voltar (intran-
(UGF) Assinale a opção em que o A sitivo) exige a preposição “a”, e a palavra
sublinhado nas duas frases deve re- casa (determinada) aceita o artigo “a”.
ceber acento de crase: Função de “à casa de Cristina”: adjunto
adverbial de lugar.
a) Os ecologistas se dispuseram a cola-
borar. b) Voltou apressado a casa para trocar
O viajante descansava a sombras do de roupa.
ipê.
A crase não acontece; voltar (intransitivo)
b) Ando a procura de uma guia florestal.
exige a preposição “a”, mas a palavra ca-
O caboclo está acostumado a uma vi-
sa (indeterminada) não aceita o artigo “a”.
da fácil.
Função de “a casa”: adjunto adverbial de
c) A caravana parou junto a velha ermi-
lugar.
da.
Irei a Amazônia em breve. c) Já completara dezoito anos e não co-
d) Ele atravessou o rio a cavalo. nhecia a casa paterna.
Ninguém se sujeita a ordens absur- A crase não acontece porque o verbo
das. conhecer é transitivo direto. Nesse caso,
e) Francisco é fiel a seus amigos. temos apenas o “a” artigo, exigido pela
Pouco a pouco, as nuvens cobriam o palavra casa, que está determinada.
céu. Função de “a casa paterna”: objeto direto
de conhecer.
Aplicação 6
Aplicação 7
(NCE–MPE–RJ–2007) Assim como
está adequado o emprego de À Assinale a opção em que há erro
antes de "responsabilidade" (L 42), quanto à presença ou à ausência do
também está correto o uso do acento acento grave.
de crase em:
a) Poucas vezes, nos últimos dez anos,
a) Solicitei à V. S.a a observância deste
visitei à casa dos meus avós.
dispositivo.
b) Sempre tive muito apego à casa em
b) Fomos chamados à prestigiar a sole-
que nasci.
nidade à toa.
c) Por uma questão de segurança, não
c) Para evitar à fraude, assinarei as car-
convém chegar a casa muito tarde.
teiras à mão.
d) Quando jovens, retornávamos a casa
d) Compram comida à quilo e querem
sempre depois da meia-noite.
comer à jato.
e) À uma hora, assistiremos à chegada e) Realizamos um sonho: conhecemos
do novo chefe. a casa em que viveram nossos pais.

Regência e Crase – 57
2. Distância 4. A vista, a prazo
A palavra distância só pode ser antece- A prazo – Sem crase por ser locução ad-
dida de “à” quando está determinada. verbial masculina. Note bem: a locução
Considera-se a distância determinada é “a prazo”, sem artigo (não “ao prazo”).
quando se conhece o seu tamanho, a sua Isso já é bastante para concluir que a
medida. Se a determinação não é clara, expressão “a vista”, no sentido de com-
prar, pagar ou vender, também não ad-
não há artigo, e o acento grave não deve
mite crase por falta de artigo.
ser usado.
À vista de – Assim mesmo, com crase. É
Aplicação 8 uma locução prepositiva. Significa “ten-
Assinale a opção em que há erro do em vista”.
quanto à presença ou à ausência do À vista – Locução que, fora do sentido
acento grave. de comprar, pagar ou vender, aceita cra-
a) Olhei de cima do barranco e enxer- se com normalidade.
guei o barco a distância.
Aplicação 10
b) Avistei-o à distância de dez metros.
c) Ponte quebrada à quinhentos metros. Julgue as frases seguintes quanto à
d) Ponte quebrada à distância de qui- crase.
nhentos metros. a. ( ) Compramos uma geladeira e um
e) Estava meio escuro, mas consegui fogão à vista.
avistá-la a certa distância, remando b. ( ) Compramos tudo a vista.
uma pequena canoa. c. ( ) Não vendemos à prazo.
d. ( ) Compramos carros à vista.
3. Terra e. ( ) Compramos carros a vista.
Não acontecerá o fenômeno da crase se Aplicação 11
a palavra terra estiver em oposição à
Julgue as frases seguintes quanto à
ideia de bordo, ou seja, se tivermos a
crase.
ideia de que alguma coisa (ou alguém)
a. ( ) Atenção: temos problemas à vista.
está na água (barco, navio) ou em um
b. ( ) À vista do que compramos, per-
avião ou nave espacial e vem à terra fir-
guntaram se íamos casar.
me. Fora disso, a palavra aceita artigo e,
c. ( ) O guia avisou: turbulência à vista.
consequentemente, crase.
d. ( ) Despediu-se com um “até à vista”.
Aplicação 9 e. ( ) Daqui, à vista é esplendorosa.

Assinale a opção em que há erro Aplicação 12


quanto à presença ou à ausência do (VUNESP–SAP–SP–2011 Assinale a
acento grave. frase em que o acento indicador de
a) Após navegar por três dias nas águas crase está empregado corretamente.
do Amazonas, dirigiram-se a terra. a) Vendemos CDs à partir de R$ 10.
b) O corpo do pobre mendigo desceu à b Todos nossos produtos podem ser
terra. comprados à prazo.
c) Ela voltará, em breve, à terra natal. c) Você será encaminhado à um de nos-
d) Os pescadores desceram a terra pa- sos gerentes.
ra reabastecer o navio-motor. d) As peças do mostruário também es-
e) Os astronautas, depois de muito sus- tão à venda.
pense, conseguiram chegar sãos e e) Você está convidado à conhecer nos-
salvos à Terra. so setor de eletrodomésticos.

58 – João Batista Gomes


5. Nome próprio geográfico Aplicação 14
Com nomes de lugar (cidade, estado, pa- (FGV–SEFAZ-RJ–2011) “Ratifica-se,
ís, continente, planeta), o fenômeno da assim, o conceito de que a conscien-
crase acontece quando a palavra admite tização tributária pode representar
artigo “a”. um ponto de partida para a formação
Teste prático – Para tirar dúvidas, faz-se cidadã como uma das formas
o seguinte teste prático, usando os ver- eficazes de atender às demandas
bos vir ou ser: sociais, com maior controle sobre a
a) Venho de ou venha da? coisa pública.”
b) Sou de ou sou da? No período acima, empregou-se cor-
Se o resultado for de, conclui-se que o retamente o acento grave para indicar
nome não admite artigo (portanto sem o fenômeno da crase. Assinale a alter-
crase); se o resultado for da, conclui-se nativa em que o acento grave tenha
que o nome admite artigo (o fenômeno sido empregado corretamente.
da crase pode ocorrer). a) Em visita ao Rio, fomos à Copacaba-
Observação – Se o nome da localidade na da Bossa Nova.
vier especificado, a lógica é que admita b) Esta prova vai de 13h às 18h.
artigo. c) Finalmente fiquei face à face com a
tão esperada prova.
Exemplos comentados: d) Os candidatos somente podem deixar
1. Nas férias, retornei a Itacoatiara. o local de prova à partir das 15h.
Sem crase porque Itacoatiara não admite e) Pedimos um bife à cavalo.
artigo (sou de Itacoatiara).
Aplicação 15
2. Nas férias escolares, conheci a Bahia
(Cesgranrio–Transpetro–2011) O si-
de Jorge Amado.
nal indicativo de crase é necessário
Sem crase porque, apesar de Bahia admi- em:
tir artigo (sou da Bahia), o verbo conhe-
cer (vtd) não admite preposição.
a) A venda de computadores chegou a
reduzir o preço do equipamento.
3. Nas férias, fui à Bahia.
b) Os atendentes devem vir a ter novo
Com crase porque Bahia admite natural- treinamento.
mente o artigo “a” (sou da Bahia). c) É possível ir as aulas sem levar o no-
Aplicação 13 tebook.
d) Não desejo a ninguém uma vida infe-
Julgue as frases seguintes quanto à liz.
crase. e) A instrutora chegou a tempo para a
a. ( ) À meia-noite, chegamos à Manaus. prova.
b. ( ) À meia-noite, chegamos à Manaus
Aplicação 16
da Zona Franca.
c. ( ) Meu maior desejo é visitar à Ar- (CESPE–Correios–2011) O emprego
gentina. do sinal indicativo de crase em “Su-
d. ( ) Nas férias, conheci à Bahia de jeitado a residência forçada” man-
Jorge Amado. teria a correção gramatical da ora-
e. ( ) Nas férias, retornarei à Bahia de
ção.
Jorge Amado. ( ) Certo ( ) Errado

Regência e Crase – 59
6. Nome de mulher 7. À moda (de), à maneira de
Para usar (ou não) crase com nome de As expressões à moda, à maneira de,
mulher, temos de considerar três condi- desde que sejam locuções adverbiais,
ções: provocam o fenômeno da crase, mesmo
estando subentendidas e antes de pala-
a) Pessoa determinada (íntima, familiar)
vra masculina.
– Admite artigo e, por isso, o fenôme-
no da crase pode acontecer. Sabe- Aplicação 19
mos se a pessoa é ou não de nosso
convívio pelas informações contidas Julgue as frases seguintes quanto à
na frase. crase.
b) Pessoa não especificada – Admite a. ( ) O jovem escritor tem estilo à Ma-
artigo facultativamente; por isso, o uso chado de Assis.
da crase também é facultativo. b. ( ) Ela escreve à Márcio Souza.
c) Nome histórico – Por não admitir ar- c. ( ) Ela escreve a Márcio Souza.
tigo, não admite crase. d. ( ) Quando sai à noite, ela se veste
Aplicação 17 à 1920, imitando alguma perso-
nagem da literatura.
Julgue as frases seguintes quanto à e. ( ) Sempre admirei à maneira como
crase. ela se veste.
a. ( ) Na reunião, fiz referência à Amé-
Aplicação 20
lia, minha prima.
b. ( ) Enderecei vários e-mails à Vitória, (TJ–SC–2010) Marque a proposição
namorada do Júnior. que contém erro no uso ou não do
c. ( ) Na aula de História, o professor acento indicativo de crase:
fez alusão à Helena de Troia. a) O mesmo mecanismo será aplicado
d. ( ) Aproveitei o feriado e fui ver à Ga- àqueles que quiserem utilizar bônus
briela, irmã do Tenório. antigos.
e. ( ) No seminário, fizeram uma home- b) Atendeu-se à maioria das exigências.
nagem à Helena. c) Servem refeições à base de frutos do
mar.
Aplicação 18
d) O desrespeito a lei desmoraliza o re-
(MPE–MS–2011) Assinale a alternati- gime democrático.
va em que o sinal indicador da crase e) Somos contrários a qualquer proi-
foi empregado incorretamente: bição.

a) Dirigimos até à Assembléia Legislativa


8. Bife a cavalo, à milanesa
para participarmos de uma solenidade
de posse. Bife a cavalo – Sem crase porque não
b) Ele não se referiu à ninguém da festa, se pode entender que o bife seja “à mo-
apenas comentou o caso para puxar da cavalo”. Convém lembrar que cavalo
assunto. é vegetariano.
c) Quanto àquela expressão, não deixe Bife à milanesa – Com crase porque se
de incluí-la no texto. pode entender “bife à moda de Milão”.
d) Fui à bela Veneza passar quinze dias Bife à Camões – Com crase porque se
de férias. pode entender “bife à maneira de Ca-
e) nenhuma das alternativas anteriores. mões”.

60 – João Batista Gomes


9. Locuções femininas (adverbiais, 11. Crase com pronomes relativos
conjuntivas, prepositivas) Para usar crase com pronomes relativos,
As locuções adverbiais, prepositivas e temos de dividi-los em dois grupos:
conjuntivas, desde que femininas, provo- a) Que, quem, cujo(a), cujos(as) – Ja-
cam o fenômeno da crase. mais admitem crase porque não ad-
Aplicação 21 mitem artigo.

Julgue as frases seguintes quanto à b) Qual, quais – Admitem crase (porque


crase. aceitam artigo) quando regidos por
a. ( ) Entrem e fiquem à vontade. um verbo (ou substantivo/adjetivo)
b. ( ) Sempre estivemos à espera de que exija a preposição “a”.
milagres.
Aplicação 24
c. ( ) Saímos à procura de emprego.
d. ( ) Acirrou-se à procura por empre- Julgue as frases seguintes quanto à
go na área técnica. crase.
e) ( ) À espera foi longa e demorada.
a. ( ) Esta foi a única conclusão à que
chegamos
10. Palavra oculta
b. ( ) Esta foi a única conclusão à qual
Entenda-se por palavra oculta aquela que chegamos.
está subentendida para evitar repetição c. ( ) Esta foi a única solução à qual
desnecessária.
encontramos.
Aplicação 22 d. ( ) Estão aqui as provas a que nos
referimos no processo.
Julgue as frases seguintes quanto à
e. ( ) Estão aqui as provas às quais nos
crase.
referimos no processo.
a. ( ) Vou à igreja de Santo Amaro, de-
pois à de Santo Antônio. Aplicação 25
b. ( ) Refiro-me à moça da esquerda,
Assinale a frase com erro de crase.
não à da direita.
c. ( ) O assunto vai da página 5 a 10. a) Ainda está em cartaz o filme à cuja
d. ( ) O assunto vai da página 5 à 10. parte final assisti.
e. ( ) Fizeram referência à atitude dela, b) São muitas as pessoas as quais ama-
não a do marido. mos.
Aplicação 23 c) São muitas as pessoas às quais esta-
mos dedicados.
(CEPERJ–DEGASE–2007) A frase
d) São muitas as pessoas a quem esta-
correta quanto à necessidade de uso
mos dedicados.
do sinal indicativo de crase é:
e) A reunião vai de 14h a 15h30.
a) Ele esperou de duas às três horas da
madrugada. Aplicação 26
b) Ele esperou das duas às três horas
Assinale a frase com erro de crase.
da madrugada.
c) Ele esperou das duas à três horas da a) Fomos convocados à toa.
madrugada. b) Retornamos à uma hora da manhã.
d) Ele esperou das duas as três horas c) Ele anda à procura de aventuras.
da madrugada. d) Estou aqui desde às dez horas.
e) Ele esperou de duas à três horas da e) Ficamos muito tempo à espera de
madrugada. socorro.

Regência e Crase – 61
12. Crase semântica 14. Crase com o demonstrativo “a”
Nos casos seguintes, a presença (ou a Os pronomes demonstrativos aquele(s),
ausência) da crase implica mudança de aquela(s) podem vir representados pelo
sentido. Não se trata, pois, ao pé da letra, monossílabo a(s). Quando isso se dá em
de crase facultativa. sintonia com exigência da preposição
1. Ele escreve à Luís Fernando Verís- “a”, a crase acontece com naturalidade.
simo.
Exemplos comentados:
Sentido: Ele escreve à maneira de Luís
1. Não me refiro a você, mas à que che-
Fernando Veríssimo.
gou atrasado.
2. Ele escreve a Luís Fernando Verís- Crase: fusão de “a” (preposição exigida
simo. pelo verbo referir-se) + “a” (demonstrativo
Sentido: Ele escreve para Luís Fernando que simboliza aquele).
Veríssimo (corresponde-se com ele). Função do “à” = “àquele”: objeto indi-
3. Ele sempre namorou às cegas. reto de “referir-se”.

Sentido: Ele sempre namorou sem medir 2. Na reunião, fez alusão às mulheres
consequências, adoidadamente. de hoje e às que lutaram pela igual-
Função da expressão “às cegas”: adjunto dade no passado.
adverbial de modo. Crase: fusão de “a” (preposição exigida
4. Ele sempre namorou as cegas. pelo substantivo alusão) + “as” (que
simboliza o demonstrativo aquelas).
Sentido: Ele sempre namorou mulheres
Função sintática do “às” = “àquelas”:
cegas.
complemento nominal de “alusão”.
Função da expressão “as cegas”: objeto
direto de “namorar”. 3. Esta blusa é semelhante à que você
me deu no Natal passado.
13. Crase com pronomes demonstra- Crase: fusão de “a” (preposição exigida
tivos pelo adjetivo semelhante) + “a” (que
Admitem crase os demonstrativos que simboliza o demonstrativo aquela).
têm letra “a” inicial: aquele(s), aquela(s) Função sintática do “à” = “àquela”: com-
e aquilo. Nesse caso, o fenômeno da plemento nominal de “semelhante”.
crase é a fusão de “a” (preposição) +
Aplicação 27
“a” (primeira letra dos pronomes demons-
trativos). (FCC–TRT–24R–2011) Justifica-se
plenamente o emprego de ambos os
Exemplos comentados:
sinais de crase em:
1. Estamos fazendo alusão àqueles que
enganaram o povo. a) Ela pode voltar à qualquer momento,
fiquemos atentos à sua chegada.
Crase: fusão de “a” (preposição exigida
b) Dispôs-se à devolver o livro, à condi-
por alusão) + “a” (de aquele).
Função de “àqueles”: complemento no-
ção de o liberarem da multa por atraso.
c) Postei-me à entrada do cinema, mas ela
minal de “alusão”.
faltou também à esse compromisso.
2. Remetemos esta mensagem àqueles d) Àquela altura da velhice já não assistia
que tudo perderam nas enchentes. à filmes trágicos, apenas aos de hu-
Crase: fusão de “a” (preposição exigida mor.
por remeter) + “a” (de aqueles). e) Não confie à priminha os documentos
Função de “ àqueles”: objeto indireto de que obtive à revelia do nosso advo-
“remeter”. gado.

62 – João Batista Gomes


15. Toa, à toa Exemplo:

Toa – Toa é substantivo. Significa corda Chegando a uma hora dessas, rapaz.
com que uma embarcação reboca outra Assim você vai perder o emprego.
que está à deriva. Regência de “chegar”: verbo intransitivo.
Função sintática de “a uma hora dessas”:
À toa – À toa (com crase e sem hífen) é
adjunto adverbial de tempo.
locução adverbial de modo ou adjetivo.
Dependendo do contexto, significa: 19. À zero hora
a) Ao acaso; a esmo; à doida. Na função de adjunto adverbial, a expres-
Depois da separação, pus-me a viajar à são “à zero hora” tem o “a” acentuado.
toa, sem me fixar em nenhum lugar. Pode-se também dizer “à hora zero”.
b) Sem razão, ou por motivo frívolo; irre- A expressão “ficar a zero” (ficar sem na-
fletidamente; inutilmente. da) é sem crase.
Quase sempre, ela briga com os filhos à Exemplos:
toa, à toa.
O desastre aconteceu à zero hora de on-
c) Impensado, irrefletido. tem.
Fez um gesto à toa, sem intenção de Regência de “acontecer”: verbo intransitivo.
ferir ninguém. Função sintática de “à zero hora de ontem”:
d) Sem préstimo; inútil; desprezível; fácil. adjunto adverbial de tempo.
Depois da morte do pai, virou um indiví- O voo atrasou; anunciaram que o avião
duo à toa. só chegaria à zero hora.

16. À uma Regência de “chegar”: verbo intransitivo.


Função sintática de “à zero hora”: adjunto
Com crase quando significa “ao mesmo
adverbial de tempo.
tempo; simultaneamente, juntamente”.
Exemplo: 20. Barco a vela
Todos, à uma, exceção feita ao gordo, Sem crase. Plural: barcos a vela. Nesse
se ergueram das cadeiras para bater pal- caso, se trocarmos a expressão “a vela”
mas. pela expressão “a álcool”, notaremos
Função sintática de “à uma”: adjunto adver- que não há artigo; o “a” é apenas pre-
bial de modo. posição.

17. À uma hora Exemplos:

Com crase. É uma locução adverbial Meu sonho é comprar um barco a vela.
feminina. Nesse caso, “uma” é numeral. Regência de “comprar”: vtd.
Exemplo: Função sintática de “um barco a vela”: obje-
to direto.
O avião só chegou à uma hora.
Função sintática de “a vela”: adjunto adno-
Regência de “chegar”: verbo intransitivo.
minal de “barco”.
Função sintática de “à uma hora”: adjunto
adverbial de tempo. Compramos um carro a gasolina.
Regência de “comprar”: vtd.
18. A uma hora dessas Função sintática de “um carro a gasolina”:
Sem crase. O demonstrativo dessas alte- objeto direto.
ra o sentido da locução original “à uma Função sintática de “a gasolina”: adjunto
hora”. Por isso, a crase é proibida. adnominal de “carro”.

Regência e Crase – 63
21. Bife a cavalo à medida em que;
A expressão “bife a cavalo” deve ser gra- à proporção em que;
fada sem crase. A ideia de bife à moda na medida que.
ou à maneira cavalo é absurda. Ra-
ciocinemos. Quando se diz “bife à por-
24. A partir de
tuguesa”, subentende-se à moda dos por- Sem crase com o “a” separado de
tugueses. E os portugueses têm capaci- “partir”. Significa “a começar de”.
dade para inventar bife. Mas imaginar bife Redundância – “Começar a partir de”,
à moda dos cavalos, quando cavalo é “ter início a partir de” são expressões
vegetariano, fica de uma incoerência sem condenadas pela norma culta da língua.
medida.
Entrar em vigor – As expressões “entrar
22. Locuções adverbiais femininas em vigor a partir de”, “entrar em opera-
ção a partir de” são erradas; “entrar”
Já nascem com crase. Veja as mais im-
pressupõe um dado momento e não uma
portantes:
ação continuada.
à altura à meia-luz
às apalpadelas à meia-noite Exemplos:
às avessas à milanesa 1. A partir da próxima sexta-feira, as
à baila à moda de tropas israelenses começarão a reti-
à beça à noite
rada da margem ocidental do Canal
à cata de à noitinha
de Suez. (errado)
às cegas às ocultas
às claras às ordens 2. Na próxima sexta-feira, as tropas
à direita à primeira vista israelenses começarão a retirada da
à escolha à procura de margem ocidental do Canal de Suez.
à escuta à proporção que (certo)
às escuras à queima-roupa 3. A partir da próxima segunda-feira,
à espera à revelia
terão início as provas para Supletivo
à espreita à risca
de Primeiro Grau. (errado)
à esquerda à semelhança de
à força de à toa 4. Na próxima segunda-feira, terão iní-
à José de Alencar à tona cio as provas para Supletivo de Pri-
à Luís XV à uma hora meiro Grau. (certo)
à Machado de Assis às vésperas de 5. Esta lei entrará em vigor a partir de
à maneira de às vezes sua publicação no Diário Oficial.
à medida que à vista de
(errado)
23. Marcha a ré 6. Esta lei entrará em vigor na data de
sua publicação no Diário Oficial.
Estudiosos renomados (Houaiss e Auré-
(certo)
lio) grafam a expressão sem crase.
7. A partir de amanhã, estaremos aten-
24. À medida que, na medida em que dendo no endereço abaixo. (certo)

Locuções conjuntivas corretas:


à medida que;
à proporção que;
na medida em que.
Locuções conjuntivas erradas:

64 – João Batista Gomes


TESTES 1 a) o/a/à
b) ao / /– / à
c) o / /– / a
d) ao / a / à
e) o/a/a

04. (CETRO–Pref Pinheiral-SP) Com-


plete os períodos abaixo de acordo
01. Identifique o item com erro grama- com a regência nominal correta.
tical. I. Ela possui ânsia ..... progredir.
a) Todos apoiam as nossas ideias. II. Prestem atenção ..... recomenda-
b) É bom que todos deem apoio às nos- ções.
sas ideias. III. Os alunos não têm acesso ..... notas.
c) Esta blusa é semelhante à que usei IV. Os heróis demonstram amor ..... Pá-
no Carnaval. tria.
d) O texto faz referência à inúmeras situ- a) I - de II - às III - as IV - à
ações em que o bom-senso teria evi- b) I - por II - às III - à IV- à
tado tragédias. c) I - por II - às III - às IV - pela
e) Sei que tu apoias outro candidato; as- d) I - em II - as III - à IV - para com
sim mesmo, vim reivindicar a tua aju- e) I - em II - nas III - das IV - à
da.
05. (CETRO–PRODESP) Assinale a alter-
02. (CETRO–CRM-PB-2010) Assinale a nativa que completa corretamente
alternativa em que a ocorrência de as lacunas.
crase é facultativa.
“....... uma semana atrás, .......
a) Lavou a mão, sorriu para a família e poesias de Bandeira, uma ....... uma,
sentou-se à mesa como se nada ti-
eram enviadas ....... gráfica.
vesse acontecido.
b) Vire à esquerda depois daquele cru- a) Há, às, a, a
zamento, por favor. b) A, as, à, a
c) Precisamos, sem falta, marcar a reu- c) A, às, à, à
nião com João às duas horas. d) Há, as, a, à
d) Depois de ter enviado flores à Renata, e) Há, a, à, a
percebi a mudança de comportamen- 06. (Convest–2006) Assinale a opção em
to.
que há erro no emprego do “a” acen-
e) Ela deu à luz um lindo menino, que
tuado:
vai se chamar Pedro.
a) O cortejo de dignitários da hierarquia
03. (CETRO–Pref Piracicaba-SP–2008) eclesiástica que abria as procissões,
Identifique a alternativa que comple- teria dado origem à comissão de fren-
ta corretamente a frase quanto à re- te das escolas.
gência verbal. b) Sem nenhum desrespeito, há quem
compare a estrutura das escolas de
“Sr. Vicente aspira ..... cargo de advo-
samba à das procissões.
gado. Para tanto, ele assiste ..... todas
c) Como é elevado, o custo das fanta-
as audiências. Ele visa ..... promoção
sias só é acessível à pessoas abasta-
imediata.
das.

Regência e Crase – 65
d) Quem assiste à passagem de uma es- 09. (Cesgranrio–TJ-RO–2010 Indique a
cola, verifica que o negro figura ape- opção em que o sinal indicativo de
nas nos setores que exigem talento. crase está corretamente usado.
e) À semelhança das procissões, que
a) Essa proposta convém à todos.
dispunham de uma pequena orques-
b) O governo aumentou à quantidade de
tra para acompanhar os hinos, as es-
subsídios.
colas contam com a bateria, os mú-
c) A empresa considerou a oferta infe-
sicos e os puxadores.
rior à outra.
07. (ESAF–SMF-RJ–2010) Assinale a op- d) Ele está propenso à deixar o cargo.
ção que preenche corretamente as e) Não vou aderir à modismos passagei-
lacunas do texto. ros.

De todo navio que aporta no país são 10. (Vunesp–TJ–SP–2010) Na expressão


exigidos, em média, 112 documentos, “distância a pé” não se emprega o
com __1__ obrigatoriedade de serem for- acento de crase no “a”. Isso aconte-
necidas 935 informações. É um calha- ce, pelo mesmo motivo, na alternati-
maço de formulários com diversas vias va:
__2__ serem remetidas__3__ órgãos dife-
rentes e em duplicidade. Apenas no porto a) É preciso comparecer a festas.
de Santos, o maior do país, __4__ buro- b) Vai pagar a perder de vista.
cracia exige, por ano, o preenchimento c) Gostava de andar a cavalo.
de 3.773.800 folhas, 17,4 toneladas de d) Viajou a Brasília.
papel, segundo estimativa do Serviço Fe- e) Vai começar a viajar.
deral de Processamento de Dados (Ser-
11. (Vunesp–CRM-SP – 2011) Assinale a
pro). Por ser de navio que qualquer país
faz __5__ maior parte das exportações e
alternativa correta quanto ao uso ou
importações, conclui-se que__6__ buro- não do acento indicativo da crase.
cracia é poderoso entrave ao comércio a) Doenças ocasionadas pelo uso de
exterior brasileiro. (O Globo, 27/7/2010, com pesticidas em alimentos podem levar
adaptações) a morte.
a) à– a– à–à –a –a b) As pessoas são obrigadas à parar de
b) a– à– a–à –à –a comer alimentos com agrotóxicos.
c) à– à– a–a –à –a c) Os dados da pesquisa da Anvisa refe-
d) a– a– à–à –a –à rem-se a alimentos in natura.
e) a– a– a–a –a –a d) A medida que as pesquisas avançam,
mais testes com animais são feitos.
08. (FGV–SEN FED–2008) Assinale a al- e) Os trabalhadores rurais devem se
ternativa em que se tenha optado cor- submeter à uma avaliação médica
retamente por utilizar ou não o acen- constante.
to grave indicativo de crase.
Leia o texto a seguir para responder
a) Vou à Brasília dos meus sonhos. à próxima questão.
b) Nosso expediente é de segunda à
sexta. Painel do leitor (Carta do leitor)
c) Pretendo viajar a Paraíba. Resgate no Chile
d) Ele gosta de bife à cavalo.
Assisti ao maior espetáculo da Terra
e) Ele tem dinheiro à valer.
numa operação de salvamento de vidas,

66 – João Batista Gomes


após 69 dias de permanência no fundo 14. (FCC–TRT-9.a Reg–2010) A erupção
de uma mina de cobre e ouro no Chile. de um vulcão provocou perdas ......
Um a um os mineiros soterrados foram economia europeia bem superiores
içados com sucesso, mostrando muita ...... trazidas pelos atentados terro-
calma, saúde, sorrindo e cumprimentan- ristas de 2001, fato que obrigou a
do seus companheiros de trabalho. Não ONU ...... criar um plano internacional
se pode esquecer a ajuda técnica e ma- de redução dos riscos de acidentes.
terial que os Estados Unidos, Canadá e
China ofereceram à equipe chilena de As lacunas da frase acima estarão
salvamento, num gesto humanitário que corretamente preenchidas, respec-
só enobrece esses países. E, também, dos tivamente, por:
dois médicos e dois “socorristas” que, de- a) a– aquelas – a
monstrando coragem e desprendimento, b) a– àquelas – à
desceram na mina para ajudar no salva- c) à– aquelas – a
mento. (Douglas Jorge; São Paulo, SP; www.folha.com.br – d) à– aquelas – à
painel do leitor – 17/10/2010)
e) à– àquelas – a
12. (FGV–DETRAN-RN–2010) No segun- 15. (Acafe–PC-SC–2010) Assinale a alter-
do parágrafo, em “ofereceram à equi- nativa correta que preenche as lacu-
pe chilena de salvamento”, o empre- nas da frase a seguir.
go do acento grave:
......................... muitas mudanças neste
a É justificado pela regência de “ofere- projeto a serem sugeridas ..... constru-
ceram” e pela presença de artigo de- tora, principalmente quanto ..... regras do
finido feminino antes de “equipe”. novo código de posturas municipais, mas
b) É considerado facultativo por estar di- o consenso entre você e o arquiteto pode
ante de substantivo coletivo. identificar rapidamente ..... adaptações
c) Tem a mesma função em: “Eu não ia necessárias.
perder tempo com quem ganhou mui-
a) Deve haver –a – as – às
to dinheiro à custa de mentiras”.
b) Deve haver –à – às – as
d) Antecede uma locução adverbial que
c) Devem haver –à – as – as
expressa uma circunstância.
d) Devem haver –a – às – as
e) Não se manteria caso “ofereceram”
e) Devem haver –à – às – as
fosse substituído por “deram”.
16. (Acafe–PC-SC–2010) Assinale a alter-
13. (FGV–DETRAN-RN–2010) Assinale a
nativa correta que preenche as lacu-
alternativa em que está correto o uso
nas da frase a seguir.
do acento indicativo de crase:
“O vereador que reside ...... Rua Miguel Deo-
a) O autor se comparou à alguém que
tem boa memória. doro corre o risco de ter seu ..................
b) Ele se referiu às pessoas de boa me- ................ assim que o processo chegar
mória. ...... mãos do Presidente.
c) As pessoas aludem à uma causa es- a) à – mandado caçado – as
pecífica. b) à – mandato caçado – às
d) Ele passou a ser entendido à partir
c) na – mandado cassado – as
de suas reflexões sobre a memória.
d) na – mandato cassado – às
e) Os livros foram entregues à ele.
e) à – mandato cassado – às

Regência e Crase – 67
17. (Sesgranrio–BNDS–2011) O sinal 20. (CESGRANRIO) “O homem está
indicativo da crase está empregado sendo obrigado a se adaptar à crise
de acordo com a norma-padrão em: permanente...”
a) Depois de aportar no Brasil, Cabral re- Assinale a opção cujas lacunas de-
tomou à viagem ao Oriente. vem ser preenchidas, respectiva-
b) O capitão e sua frota obedeceram às mente, por “a” (preposição) e “à”
ordens do rei de Portugal. (preposição e artigo), tal como na fra-
c) O ponto de partida da frota ficava no se anterior:
rio Tejo à alguns metros do mar.
a) A crise a obriga a comprar sempre .....
d) O capitão planejou sua rota à partir
prazo, fazendo-a voltar ..... loja para
da medição de marinheiros experien-
quitar as prestações.
tes.
b) Mesmo sem ..... ajuda financeira dos
e) Navegantes anteriores a Cabral ha-
pais, minha amiga vem-se dedicando
viam feito menção à terras a oeste do
..... dança.
Atlântico.
c) Ontem ..... médica custou ..... atender-
18. (Cesgranrio–Petrobras–2010) Em me.
“...inerentes a minha condição”, d) Só ..... noite decidimos faltar ..... reu-
segundo o registro culto e formal da nião do dia seguinte.
língua, o acento grave indicativo da e) Já comecei ..... ter problemas, mas
crase é facultativo. A crase também não estou disposto ..... desistir da luta.
é facultativa na frase 21. (PUC) Assinale a opção em que há
a) A ninguém interessam os meus erros. ERRO no emprego do acento grave,
b) Contou os seus problemas a um pro- indicativo da crase:
fissional especializado.
a) Quando iremos à Portugal?
c) Ele estava disposto a tentar de novo.
b) Terminei o trabalho às 11 horas da noi-
d) Correu até a amiga para pedir descul-
te.
pas.
c) Hoje distribuíram balas às crianças do
e) Fez, de caso pensado, críticas a ela.
bairro.
19. (Cesgranrio–FINEP–2011) O sinal in- d) Emprestei vários livros à secretaria.
dicativo da crase é necessário em: e) Ele não compareceu à reunião de sex-
ta-feira.
a) Os cartões-postais traziam as novas
notícias de quem estava viajando. 22. (PUC) “Eu solto aos ecos da serra /
b) Recife abriga a mostra de antigos car- Suspiros dessa saudade”.
tões-postais, fruto do esforço de um
colecionador.
Caso substituíssemos ECOS por BRI-
c) Reconhecer a importância de antigos SAS, nos versos acima, teríamos que
hábitos, como a troca de cartões-pos- usar a contração da preposição A
tais, é valorizar o passado. com o artigo definido AS, com o acen-
d) Enviar um cartão-postal aquela pes- to grave indicador de crase. Indique
soa a quem se ama era, nos séculos a opção em que, de acordo com a
XIX e XX, uma forma de amor. norma culta, NÃO ocorreria essa con-
e) Durante muito tempo, e em vários lu- tração e, consequentemente, não
gares do mundo, a moda de trocar apareceria o acento grave indicador
cartões-postais permaneceu. de crase:

68 – João Batista Gomes


a) Agora vamos .... últimas questões. cialistas têm recorrido até mesmo ......
b) Os parlamentares corresponderam táticas inovadoras.
.... expectativas dos seus eleitores.
As lacunas da frase acima estarão
c) Entregamos .... alunas as entradas
corretamente preenchidas, respecti-
para o espetáculo.
vamente, por
d) Anteriormente .... reclamações, o re-
paro do equipamento já havia sido a) as –a –à
providenciado. b) as –a –a
e) O guia lembrava .... crianças de que c) as –à –à
não deveriam afastar-se dele. d) às –à –a
e) às –a –a
23. (TIRADENTES) “Na cidade das Tar-
tarugas, os visitantes assistem .... 26. (FCC) A ocorrência do sinal de crase
postura dos ovos (de maio .... junho), justifica-se apenas na frase:
admiram os bebês de um .... três
a) Há máscaras que envergamos com
anos na enfermaria e veem a clínica,
relativa naturalidade e àquelas de que
o laboratório e as diferentes espécies
nos socorremos com grande constran-
doadas .... particulares. Depois de 5
gimento.
ou 6 anos, os pequenos animais são
b) As máscaras à que recorrem os ato-
soltos entre os adultos nas zonas de
res lembram as que também nós en-
repovoamento do maciço de Mau-
vergamos em nosso dia a dia.
res, na costa da Provença”. (Revista
c) Quando assistimos à uma peça tea-
Geográfica Universal)
tral, intensificamos nossa percepção
Assinale a opção que completa COR- das verdades simuladas.
RETAMENTE as lacunas do texto: d) As mentiras por vezes não se distin-
a) à –a –a – por guem das verdades, sobretudo quan-
b) à –à –à – por do se passa a considerar àquelas co-
c) a –à –à – de mo absolutamente necessárias.
d) a –a – aos – de e) O autor não se refere a um amigo qual-
e) a –à – aos –a quer, mas àquele a quem pedimos que
nos olhe nos olhos.
24. (UGF) Assinale a opção que preen-
che corretamente as lacunas da frase 27. (FCC) Muitos consumidores não se
a seguir: mostram atentos ...... necessidade
de sustentabilidade do ecossistema
“Quando o cidadão levar ..... frente tudo
e não chegam ...... boicotar empre-
aquilo ..... sonha, todo o grupo social .....
sas poluentes; outros se queixam de
ele pertence se movimentará em
falta de tempo para se dedicarem
.................”.
...... alguma causa que defenda o
a) à – com que – a que – ascenção. meio ambiente.
b) à – com que – a que – ascensão.
As lacunas da frase acima estarão
c) a – o qual – ao qual – ascenção.
corretamente preenchidas, respec-
d) em– que – que – ascensão. tivamente, por
e) a – que – ao qual – ascenção.
a) à-a -a
25. (FCC) Os elefantes apresentam ne- b) à-a -à
cessidades parecidas com ...... dos c) à-à -a
seres humanos e, para oferecer ...... d) a-a -à
eles os cuidados exigidos, os espe- e) a-à -à

Regência e Crase – 69
28. (FCC) Considere as frases abaixo. a) a –à –à
b) há –a –a
I. ...... quem não o podia pegar o grito
c) a –a –à
foi lançado. d) a –à –a
II. Aludiam ...... uma imensa tela doura- e) há –à –a
da os fios de sol que se cruzavam.
III. O resultado de seu trabalho foi com- 31. (FCC) Quanto à necessidade ou não
parado ...... luz da manhã. do sinal de crase, está inteiramente
correto o que se lê em:
Preenchem corretamente as lacu-
nas, respectivamente: a) Esse grande físico não pertenceu àque-
le grupo de cientistas que se manti-
a) A –a –à
nham a margem das contingências,
b) A –a –a
desatentos ao mundo à sua volta.
c) À –à –a b) Einstein não se limitou à escrever tex-
d) A –à –à tos científicos; lançou-se à roda dos
e) À –a –à grandes debates políticos internacio-
nais, à cuja órbita se prendiam as
29. (FCC) Há falta ou ocorrência indevi-
decisões cruciais do pós-guerra.
da do sinal de crase em:
c) O cerceamento à liberdade, nos regi-
a) Não é preciso agarrar-se à nenhuma mes totalitários, leva a indignação co-
teoria linguística para se chegar à con- letiva às alturas quando os que mais
clusão de que uma língua se constitui têm a dizer são intimados a calar-se.
a partir de muitos intercâmbios com d) Não cabe à qualquer pessoa levar a
outras. cabo uma experiência científica, mas
b) Ao se referir à língua de Cabral, o au- à toda gente cabe decidir sobre o
tor do texto lembra que, àquela épo- emprego que se dará às novas ferra-
ca, certas sonoridades não eram es- mentas da ciência.
tranhas às do português que se fala e) Com os nervos à flor da pele, assis-
hoje no Brasil. timos na TV à uma cena em que um
c) Assim, à primeira vista, não é fácil homem rude, promovido a condição
avaliar o que há de idêntico entre a
de milagreiro, dava início a tão anun-
prosódia brasileira e aquela que se
ciada intervenção cirúrgica.
verifica em Lisboa.
d) Tendo em vista a necessidade de se 32. (FCC) A população de miseráveis
preservar a estrutura de uma língua, não tem acesso ...... quantidade mí-
apela-se, com frequência, às sistema- nima de alimentos necessária ......
tizações da gramática normativa. manutenção de uma vida saudável,
e) Daqui a um bom tempo, o português equivalente ...... uma dieta de 2000
falado no Brasil poderá estar a uma
calorias diárias.
considerável distância do que se fala
hoje. A alternativa que preenche correta-
mente as lacunas da frase apresen-
30. (FCC) Busca-se ...... muito tempo tada é:
uma linguagem adequada ...... ex-
a) à –à –à
pressão das leis e ...... outras ques-
b) à –a –a
tões sociais.
c) a –a –à
As lacunas da frase acima serão cor- d) a –à –a
retamente preenchidas por e) à –à –a

70 – João Batista Gomes


33. (FCC) Justificam-se ambas as ocor- àquela participação maior no combate
rências do sinal de crase em: a criminalidade, falta à adolescência
pobre qualquer sinalização de efetiva
a) Na entrevista que concedeu à TV, a
dedicação das autoridades à solução
juíza recorreu à uma frase de Disraeli.
dos problemas.
b) A frase à que se reportou a juíza diz
respeito à distinções éticas. 35. (FCC) Justifica-se inteiramente o em-
c) Faltam audácia e iniciativa à quem de- prego do sinal de crase em:
veria propor-se às ações afirmativas.
a) À partir do momento em que não haja
d) Não se abra àqueles inescrupulosos
obediência à qualquer norma, estará
o campo favorável à impunidade.
comprometida a prática mesma da
e) A comunidade dos justos assiste à
liberdade.
obrigação de dar combate à tal ousa-
b) Não cabe às autoridades constituídas
dia.
definir o que seja liberdade, mas per-
34. (FCC) Quanto à observância da ne- mitir que todos tenham acesso às prá-
cessidade do sinal de crase, está in- ticas previstas em lei.
teiramente correto o seguinte perío- c) É preciso avaliar à distância que exis-
do: te entre a prática autoritária e àquela
que respeita um controle social de li-
a) Se à boa parte de nossa imprensa in-
berdade.
teressa a divulgação de crimes come- d) Não será permitido à ninguém recor-
tidos por jovens, somente a uma pe- rer a uma concepção de liberdade que
quena parcela dos jornalistas inte- venha a contrariar àquela que é de
ressa a discussão das questões que consenso social.
se ligam à essa faixa de delinquência. e) Os que reagem irritados à uma de-
b) Não convém à parcela mais privilegi- monstração prática de liberdade são
ada da sociedade imaginar-se imune os mesmos que aplaudem às medi-
à toda e qualquer modalidade de tra- das de força e de exceção.
gédia; a violência a atingirá, a despeito
das guaritas, dos portões eletrônicos, 36. (FCC) Está correto o emprego do si-
dos vigias a postos. nal de crase em:
c) Todo jovem infrator, tenha ou não cons- a) Não dá para ensinar jornalismo à todo
ciência disso, aspira à inclusão social, aquele que se dispõe à fazer o curso.
quer ascender a posições mais dig- b) Ocorrendo à falta de talento, um di-
nas, elevar-se a uma condição seme- plomado não terá acesso à nenhum
lhante àquela em que vivem os jovens órgão da imprensa.
da classe média. c) Instituindo-se à obrigatoriedade do
d) Muito se comenta, a boca pequena, diploma, muitos profissionais compe-
tentes poderão ficar à ver navios.
a respeito da vantagem da pena de
d) Deve-se à essa obrigatoriedade o fato
morte, extensiva a criminalidade juve-
de que muita gente se obrigou a fre-
nil, à despeito do que reza o Estatuto
quentar às faculdades de comunica-
da Criança e do Adolescente, que con- ção.
voca todos os setores sociais à tarefa e) Quem recorre às escolas de jorna-
da formação integral dos jovens. lismo deve saber que terá acesso
e) Não se impute a polícia à situação de apenas às informações básicas acer-
violência em que vivemos; se falta ca da profissão.

Regência e Crase – 71
37. (FCC) Quanto à ocorrência do sinal e) Trouxera a mão várias armas, que lan-
de crase, a frase inteiramente corre- çou as costas dos inimigos.
ta é:
40. (FGV 2002) Escolha a alternativa que
a) Se não puder ir amanhã à cidade, avi- preencha corretamente as lacunas a
se-me à tempo. seguir.
b) Quando o barco ficou à deriva, coube
à tripulação emitir um sinal de socor- 1. Nunca vi um acidente igual ............. .
ro. 2. Sempre vou ............. loja para com-
c) Se fosse a mim, e não à ela que você prar roupas.
devesse dinheiro, estaríamos às bo- 3. ............. hora, eu estava viajando para
as. o Rio de Janeiro.
d) Pretendi, à todo custo, que ela aderis- 4. Na audiência, diga a verdade, mas
se à nossa causa. limite-se ............. que lhe pergunta-
e) Àquela hora da noite, era impossível rem.
chegarmos à qualquer conclusão. 5. Quero uma moto igual ..... que estava
38. (FCC) Justifica-se o sinal de crase ..... venda na exposição.
em ambos os elementos sublinha-
a) àquele, àquela, àquela, àquilo, à, à
dos na frase:
b) aquele, aquela, aquela, aquilo, a, a
a) Opõe-se o autor àqueles fundamen- c) àquele, aquela, àquela, àquilo, a, à
talistas que não admitem rever os re- d) aquele, àquela, aquela, àquilo, à, a
sultados à que chegaram.
e) aquele, àquela, àquela, aquilo, a, à
b) Hawking dispôs-se à apresentar a um
plenário de cientistas correções à sua 41. (FGV 2001) Escolha a alternativa que
teoria dos buracos negros. completa corretamente o período:
c) A quem aspira às certezas dogmá-
ticas não satisfarão as hipóteses de “Marta acaba de receber ..... visita do pro-
trabalho, sempre sujeitas à alguma fessor de artes cênicas, que ..... convidou
revisão. para assistirem ..... peça teatral, em exi-
d) Hawking filia-se à tradição dos gran- bição ..... uma semana, ..... poucos me-
des cientistas, que sempre souberam tros de sua casa”.
curvar-se às evidências de um equí- a) a –à –à –a – há
voco. b) a –a –à – há –a
e) Fundamentalista é todo aquele que c) a –a –à –à – há
prefere às certezas dogmáticas às d) à –a –a – há –à
hipóteses sujeitas a verificação e a erro. e) a –a –à –a –a

39. (FGV 2003) Assinale a alternativa 42. (FCC) A frase inteiramente correta,
correta quanto à ocorrência ou não considerando-se a presença ou a au-
da crase. sência do sinal de crase, é:
a) Juliana enviou os papéis à Secretaria, a) A mentira, mesmo justificada por cer-
que os encaminhou à Gerência. tas circunstâncias, pode ser desmas-
b) Devido a morte do pai, deixou de com- carada à qualquer momento, à vista
parecer à solenidade. dos fatos apresentados.
c) Passaram-se três meses até que Lu- b) Submetida a avaliação da opinião po-
cas atendesse à qualquer cliente. pular, a política deve pautar-se pela
d) O médico costumava atender de se- lisura e pela veracidade voltadas para
gunda à sexta-feira, das 14 as 18h. à resolução de conflitos.

72 – João Batista Gomes


c) Quanto a defesa da ética, ela é sem- III. Ainda que com isso não se sintam à
pre necessária, à fim de que a ação vontade, os tímidos costumam captar
política seja vista como verdadeira a atenção de todos.
representação da vontade popular.
Justifica-se o uso do sinal de crase
d) Os governados, como preceituam as
SOMENTE em
normas democráticas, têm direito a infor-
mações exatas e submetidas à ver- a) I.
dade dos fatos. b) III.
c) II e III.
e) A verdade dos fatos políticos está su-
d) I e II.
bordinada, segundo pensadores, à
e) I e III.
uma lógica particular, à depender dos
objetivos do momento. 45. (FCC) A mandioca é bastante culti-
43. (FCC) Há rigorosa observância das vada no Nordeste, graças ..... resis-
normas que determinam o uso do si- tência ..... altas temperaturas e .....
nal de crase em: pragas.

a) A medida que afere o otimismo pode


Preenchem corretamente as lacunas
também avaliar o pessimismo, pois da frase acima:
àquela ou à esta sensação corres- a) à – às –a
ponde alguma dose de idealismo. b) a – às –à
b) O texto não nos leva à paradoxos gra- c) à – as –a
tuitos, mas à necessidade de reconhe- d) à – as –à
cer uma intersecção entre o otimismo e) a – as –a
e o pessimismo.
46. (FCC) Os povos indígenas brasilei-
c) Cabe às pessoas decidir, à cada ex-
ros começaram ...... registrar, ......
periência, se lhes convém entregar-
partir da década de 1990, um cresci-
se à determinada sensação, a deter-
mento demográfico superior ...... mé-
minado humor.
dia geral do país.
d) O otimismo não fica à léguas do pes-
simismo; tendem ambos à convergir, As lacunas da frase apresentada es-
conforme comprovam nossas próprias tão corretamente preenchidas por
experiências.
a) a –a –a
e) Não assiste às ciências positivas o b) a –à –à
direito de aspirar à definição cabal da c) a –a –à
fronteira entre o pessimismo e o oti- d) à –à –à
mismo. e) à –à –a

44. (FCC) Atente para as seguintes fra- 47. (FCC) O Brasil é um país favorável
ses: ...... ascensão social, ao contrário dos
I. Não é possível estabelecer à medida países ricos, onde quem chega ......
que distancia um notório tímido de um uma posição social de prestígio já
notório extrovertido. parte de condições favoráveis ......
II. Não assiste às pessoas extrovertidas essa situação.
o privilégio exclusivo de se fazerem As lacunas da frase apresentada aci-
notar; também as tímidas chamam a ma estão corretamente preenchidas
atenção. por

Regência e Crase – 73
a) a –a –à 50. (FCC) A presença de núcleos habita-
b) a –à –à cionais próximos ...... regiões cos-
c) à –à –à teiras oferece riscos ...... manutenção
d) à –a –a
do ecossistema marinho, com prejuí-
e) à –à –a
zos incalculáveis ...... diversas espé-
48. (ESAF) Ocorre crase da preposição cies.
“a” e do artigo “a(s)”, que deveria ter As lacunas da frase acima estarão
sido assinalada, nos seguintes perí- corretamente preenchidas, respecti-
odos do texto: vamente, por
I O reconhecimento da imunidade de
a) as –à –à
que trata o inciso III é subordinado a
b) as –a –a
efetiva observância dos seguintes re-
c) às –à –à
quisitos pelas entidades nele referi-
d) às –a –a
das.
e) às –à –a
II Não distribuírem qualquer parcela de
seu patrimônio ou de suas rendas, a 51. (FCC) Quanto à observância da ne-
título de lucro ou participação no seu cessidade do sinal de crase, a frase
resultado. inteiramente correta é:
III Aplicarem, integralmente, no País, os
seus recursos visando a manutenção a) Não falta à perspectiva adotada pelo
dos seus objetivos institucionais. autor o subjetivismo de quem se ape-
IV O disposto neste artigo não exclui a ga àquelas razões que a ciência não
atribuição, as entidades nele referidas, considera.
da condição de responsáveis pelos b) Os homens desconheciam, à prin-
tributos que lhes caiba reter. cípio, que o sol constituía o centro do
V O disposto neste artigo não as dispen- nosso sistema, que cabia à essa es-
sa da prática de atos previsto neste trela a primazia de protagonista.
Código. c) Na Antiguidade, àqueles astrônomos
a) em I, III e IV e teólogos que consideravam a Terra
b) em II, III e V como o centro do universo não se ofe-
c) em I recia à menor contestação.
d) em I, II e IV d) Sempre coube a grande poesia, co-
e) em III e IV mo no caso da de Fernando Pessoa,
celebrar às visões totalizadoras do
49. (FCC) Assinale, na folha de respos- nosso planeta.
tas, a alternativa que preenche corre- e) Uma à uma, as teorias da astrofísica
tamente as lacunas da frase apre- vão atualizando os conhecimentos
sentada. que se destinam à descrever o funci-
Diga ...... ela que esteja aqui ...... uma onamento do universo.
hora para conversarmos ...... respeito do
projeto.
a) a –a –à
b) a –à –a
c) à –a –à
d) à –à –a
e) à –à –à

74 – João Batista Gomes


RESPOSTAS Aplicação 51 D
Aplicação 52 a-F, b-V, c-V, d-F, e-F
REGÊNCIA Aplicação 53 E
Aplicação 54 a-F, b-F, c-F, d-V, e-F
Aplicação 1 E
Aplicação 55 a-V, b-V, c-F, d-F, e-V
Aplicação 2 a-F, b-V, c-F, d-F, e-V
Aplicação 56 a-F, b-V, c-V, d-F, e-F
Aplicação 3 a-F, b-V, c-V, d-V, e-F
Aplicação 57 a-F, b-V, c-V, d-V, e-V
Aplicação 4 E
Aplicação 58 a-F, b-V, c-F, d-F, e-V
Aplicação 5 D
Aplicação 59 a-F, b-V, c-F, d-F, e-V
Aplicação 6 a-F, b-V, c-V, d-V, e-F
Aplicação 60 D
Aplicação 7 B
Aplicação 61 a-F, b-V, c-F, d-V, e-F
Aplicação 8 D
Aplicação 62 a-V, b-F, c-V, d-V, e-V
Aplicação 9 a-F, b-V, c-F, d-V, e-V
Aplicação 63 a-F, b-F, c-V, d-V, e-F
Aplicação 10 a-F, b-V, c-F, d-F, e-F
Aplicação 64 a-V, b-F, c-V, d-V, e-V
Aplicação 11 a-F, b-V, c-V, d-V, e-V
Aplicação 65 a-F, b-V, c-F, d-F, e-V
Aplicação 12 B
Aplicação 66 C
Aplicação 13 a-F, b-F, c-V, d-V, e-F
Aplicação 67 D
Aplicação 14 B
Aplicação 68 C
Aplicação 15 a-F, b-V, c-V, d-V, e-V
Aplicação 69 E
Aplicação 16 a-F, b-V, c-F, d-V, e-F
Aplicação 70 A
Aplicação 17 a-F, b-V, c-V, d-V, e-F
Aplicação 71 C
Aplicação 18 a-F, b-V, c-V, d-F, e-V
Aplicação 72 C
Aplicação 19 a-F, b-V, c-V, d-F, e-V
Aplicação 73 B
Aplicação 20 a-V, b-V, c-V, d-V, e-V
Aplicação 21 C Aplicação 74 F
Aplicação 22 a-F, b-V, c-F, d-V, e-V
TESTES 1
Aplicação 23 E
Aplicação 24 a-F, b-V, c-F, d-V, e-F 01. C
Aplicação 25 a-F, b-V, c-F, d-V, e-F 02. B
Aplicação 26 C 03. A
Aplicação 27 D 04. A
Aplicação 28 B 05. C
Aplicação 29 A 06. B 
Aplicação 30 D 07. C
Aplicação 31 D 08. a-F, b-F, c-F, d-F, e-F
Aplicação 32 a-F, b-V, c-V, d-V, e-F 09. A
Aplicação 33 C 10. D
Aplicação 34 E 11. E
Aplicação 35 C 12. B
Aplicação 36 C 13. C
Aplicação 37 B 14. C
Aplicação 38 D 15. E
Aplicação 39 a-vi, b-vi, c-vi, d-vti, e-vi
Aplicação 40 a-vi, b-vi, c-vi, d-vi, e-vi TESTES 2
Aplicação 41 a-vl, b-vi, c-vti, d-vti, e-vti 01. D
Aplicação 42 a-vi, b-vti, c-vi, d-vti, e-vti 02. E
Aplicação 43 B 03. E
Aplicação 44 a-vi, b-vtd, c-vl, d-vtd, e-vl 04. D
Aplicação 45 a-vti, b-vtd, c-vi, d-vti, e-vti 05. B
Aplicação 46 a-vi, b-vti, c-vi, d-vti, e-vl 06. E
Aplicação 47 a-vtd, b-vtd, c-vti, d-vti, e-vi 07. E
Aplicação 48 C 08. B
Aplicação 49 D 09. D
Aplicação 50 B 10. D

Regência e Crase – 75
11. B 03. D
12. E 04. C
13. B 05. D
14. C 06. C
15. C 07. E
16. D 08. A
17. B 09. C
18. E 10. C
19. E 11. C
20. D 12. A
21. B 13. B
22. B 14. E
23. B 15. B
24. D 16. D
25. C 17. B
26. B 18. D
27. C 19. D
28. D 20. A
29. C 21. A
30. C 22. E
23. A
RESPOSTAS 24. B
CRASE 25. B
26. E
Aplicação 1 A
27. A
Aplicação 2 E
28. A
Aplicação 3 D
29. A
Aplicação 4 D
30. E
Aplicação 5 C
31. C
Aplicação 6 E
32. E
Aplicação 7 A
33. D
Aplicação 8 C
34. C
Aplicação 9 E
35. B
Aplicação 10 a-F, b-V, c-F, d-F, e-V
36. E
Aplicação 11 a-V, b-V, c-V, d-V, e-F
37. B
Aplicação 12 D
38. D
Aplicação 13 a-F, b-V, c-F, d-F, e-V
39. A
Aplicação 14 A
40. A
Aplicação 15 C
41. B
Aplicação 16 C
42. D
Aplicação 17 a-V, b-V, c-F, d-F, e-V
43. E
Aplicação 18 B
44. C
Aplicação 19 a-V, b-V, c-V, d-V, e-F
45. A
Aplicação 20 D
46. C
Aplicação 21 a-V, b-V, c-V, d-F, e-F
47. D
Aplicação 22 a-V, b-V, c-F, d-V, e-F
48. A
Aplicação 23 B
49. B
Aplicação 24 a-F, b-V, c-F, d-V, e-V
50. E
Aplicação 25 A
51. A
Aplicação 26 D

TESTES 1
01. D
02. D

76 – João Batista Gomes


REFERÊNCIAS
Adalberto Prado e Silva e outros
Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa
Melhoramentos, São Paulo, 1975.
Almeida, Napoleão Mendes de
Dicionário de Questões Vernáculas
Editora Ática, 3.a edição, São Paulo, 1996.
Almeida, Napoleão Mendes de
Gramática Metódica da Língua Portuguesa
Editora Saraiva, 35.a edição, São Paulo, 1988.
Aulete, Caldas
Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa
(Atualizado por Hamílcar de Garcia)
Editora Delta, 4.a edição, Rio de Janeiro, 1958.
Bechara, Evanildo
Lições de Português pela Análise Sintática
Editora Fundo de Cultura, Rio de Janeiro, 1960.
Bechara, Evanildo
Gramática Portuguesa
Editora Nacional, 31.a edição, São Paulo, 1987
Cegalla, Domingos Paschoal
Dicionário de Dúvidas da Língua Portuguesa
Editora Nova Fronteira, 2.a impressão, São Paulo, 1996.
Cegalla, Domingos Paschoal
Novíssima Gramática da Língua Portuguesa
Companhia Editora Nacional, 30.a edição, São Paulo, 1988.
Cunha, Celso e Cyntra, Lindley
Nova Gramática do Português Contemporâneo
Editora Nova Fronteira, 3.a edição, Rio de Janeiro, 1985.
Garcia, Othon M.
Comunicação em Prosa Moderna
Editora da Fundação Getúlio Vargas, 13.a edição, Rio de Janeiro, 1986.
Holanda, Aurélio Buarque de
Novo Dicionário da Língua Portuguesa
Editora Nova Fronteira, 2.a edição, Rio de Janeiro, 1986.
Houaiss, Antônio
Pequeno Dicionário Enciclopédico Koogan Larousse
Editora Larousse do Brasil, 2.a edição, Rio de Janeiro, 1979.
Kury, Adriano da Gama
Para Falar e Escrever Melhor o Português
Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1989.
Martins, Eduardo
O Estado de São Paulo - Manual de Redação e Estilo
Editora Moderna, 3.a edição, São Paulo, 1997.
Sacconi, Luiz Antonio
Não Erre Mais
Atual Editora Ltda, 19.a edição, São Paulo, 1995.
Serebrenick, Salomão
70 Segredos da Língua Portuguesa
Bloch, Rio de Janeiro, 1990.

Regência e Crase – 77
78 – João Batista Gomes

Você também pode gostar