Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS - ICE

EQ01- Engenharia Química


Professor: Alexandre Pirangy de Souza

Trabalho de Introdução de Administração

Revolução Industrial Inglesa

Aluno: Christian Kikeba Bande

MANAUS/AM

Outubro/2019
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL INGLESA

A Revolução Industrial foi um conjunto de mudanças que aconteceram na Europa nos


séculos XVIII e XIX. A principal particularidade dessa revolução foi a substituição do trabalho
artesanal pelo assalariado e com o uso das máquinas.

Até o final do século XVIII a maioria da população europeia vivia no campo e produzia
o que consumia de maneira artesanal o produtor dominava todo o processo produtivo.

Apesar que a produção é predominantemente artesanal, países como a França e a


Inglaterra, possuíam manufaturas. As manufaturas eram grandes oficinas onde diversos
artesãos realizavam as tarefas manualmente, entretanto subordinados ao proprietário da
indústria.

A Inglaterra foi precursora na Revolução Industrial devido a diversos fatores, entre eles:
possuir uma rica burguesia, o fato do país possuir a mais importante zona de livre comércio da
Europa, o êxodo rural e a localização privilegiada junto ao mar o que facilitava a exploração
dos mercados ultramarinos.

2
Como muitos empresários ambicionavam lucrar mais, o operário era explorado sendo
forçado a trabalhar até 15 horas por dia em troca de um salário baixo. Além disso, mulheres e
crianças também eram obrigadas a trabalhar para sustentarem suas famílias.

Diante disso, alguns trabalhadores se revoltaram com as péssimas condições de trabalho


oferecidas, e começaram a sabotar as máquinas, ficando conhecidos como “os quebradores de
máquinas“. Outros movimentos também surgiram nessa época com o objetivo de defender o
trabalhador.

O trabalhador em razão deste processo perdeu o conhecimento de todo a técnica de


fabricação passando a executar apenas uma etapa.

A PRIMEIRA ETAPA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

A Primeira Revolução Industrial teve início na Inglaterra no século XVIII e durou de


1750 a 1850. Essa fase foi caracterizada por diversas descobertas as quais favoreceram a
expansão das indústrias, o progresso técnico e científico e a introdução das máquinas.

Nesse ínterim, a passagem da manufatura para o sistema fabril foi impulsionada pelas
invenções da máquina de fiar, o tear mecânico e a máquina a vapor que resultou na mecanização
dos processos.

Foi assim que ocorreu a expansão das industrias têxteis, metalúrgica, siderúrgica e dos
transportes. O uso do carvão para alimentar as máquinas foi essencial nesse momento.

Como resultado, temos o aumento da produção, a substituição do trabalho manual pelo


industrial (da manufatura para a maquinofatura), o desenvolvimento do comércio internacional
e o aumento do mercado consumidor.

Quem estava a frente desse processo e contribuiu para sua expansão foi a classe
burguesa que detinha recursos e que ansiava pelo lucro. Nesse sentido, surgiu a classe operária
ou trabalhadora chamada de proletariado, mão de obra barata explorada nas fábricas. Entre 1760
a 1860, a Revolução Industrial ficou limitada, primeiramente, à Inglaterra. Houve o
aparecimento de indústrias de tecidos de algodão, com o uso do tear mecânico. Nessa época o
aprimoramento das máquinas a vapor contribuiu para a continuação da Revolução.

3
Vale lembrar que nessa época a Revolução Industrial ocorreu na Inglaterra, o que
transformou Londres na mais importante capital financeira internacional e o país numa grande
potência econômica dominante. Mais tarde, ela foi se expandindo para outros países europeus.

CONCLUSÃO

Concluímos que a Revolução Inglesa do século XVII representou a primeira


manifestação de crise do sistema da época moderna, identificado com o absolutismo. O poder
monárquico, severamente limitado, cedeu a maior parte de suas prerrogativas ao Parlamento e
instaurou-se o regime parlamentarista que permanece até hoje. As duas fazem parte de um
mesmo processo revolucionário, daí a denominação de Revolução Inglesa do século XVII. Esse
movimento revolucionário criou as condições indispensáveis para a Revolução Industrial do
século XVIII, abrindo espaço para o avanço do capitalismo.