Você está na página 1de 29

COTAGEM - 1

A representação de um desenho requer:

- A correta representação geométrica do objeto

- A definição exata das dimensões e posições dos diferentes elementos existentes no objeto, ou seja, a COTAGEM.

Saber cotar não significa apenas colocar as dimensões nos desenhos.

Requer, principalmente, o conhecimento de um conjunto de regras e princípios. A

norma brasileira que trata da cotagem em desenho técnico é a NBR 10126.

A aprendizagem da cotagem pode ser subdividida em três aspectos fundamentais:

Elementos da cotagem;

Seleção

devem ter em conta a função dos elementos ou das peças.

das

cotas

a

serem

inscritas

nos

desenhos.

As

cotas

Posicionamento das cotas. As cotas devem ser posicionadas no desenho de forma a definirem rigorosamente os objetos cotados, facilitando a sua leitura e interpretação.

Cotas (Definição) São números que indicam as dimensões lineares ou angulares do elemento.

Figura 1 - -
Figura 1 -
-

Se houver dúvidas em relação às unidades usadas, ou se forem usadas outras

unidades que não o milímetro, estas devem ser obrigatoriamente indicadas no campo

apropriado da legenda.

A unidade das cotas angulares é o grau independentemente da unidade usada nas

cotas lineares.

-

Linhas de chamada - linhas a traço contínuo fino, normalmente perpendiculares à linha de cota, que a ultrapassam ligeiramente, e que têm

origem no elemento a cotar.

Linhas

de

cota

-

linhas

retas

ou

arcos,

normalmente

setas

nas

extremidades,

a

traço

contínuo

fino,

paralelas

ao contorno do elemento.

Setas (ou flechas) como são normalmente

chamadas, são as terminações da linha de

cota. De acordo com a norma ISO 129:1985, as terminações podem ser dos tipos indicados na Figura 1.

Em Engenharia Mecânica devem ser

usadas preferencialmente setas cheias,

enquanto em Engenharia Civil se adotam os traços ou os pontos.

Em situações em que o espaço disponível

não seja suficiente para a colocação das

setas ou traços, usam-se pontos.

Em situações em que o espaço disponível não seja suficiente para a colocação das setas ou

As setas (normalmente duas) apontam da cota, colocada entre as linhas de chamada, para fora, de acordo com a Figura 3 (cota de 18mm).

Quando o espaço é reduzido, de tal modo que não é possível aplicar a regra anterior, as setas podem passar para fora dos limites das linhas de chamada (cota de 8 mm na Figura 3).

Observe que esta cota de 8 mm pode ser colocada entre as linhas de chamada, de acordo

com as normas em vigor, apesar da posição indicada na figura ser a recomendada.

No caso da cota de 4 mm, em que não é possível utilizar nenhuma das alternativas anteriores, as setas devem ser substituídas por pontos.

4 mm, em que não é possível utilizar nenhuma das alternativas anteriores, as setas devem ser

Em cotagem, existe um conjunto de símbolos, denominados símbolos complementares de

cotagem, que permitem identificar diretamente a forma de alguns elementos, melhorando a interpretação do desenho exemplo: Figura 4.

identificar diretamente a forma de alguns elementos, melhorando a interpretação do desenho – exemplo: Figura 4.
identificar diretamente a forma de alguns elementos, melhorando a interpretação do desenho – exemplo: Figura 4.

1 - As cotas indicadas nos desenhos são sempre as cotas reais do objeto,

independentemente da escala usada no desenho.

INSCRIÇÕES DAS COTAS NOS DESENHOS
INSCRIÇÕES DAS
COTAS NOS
DESENHOS

2

- Cor dos caracteres. Tal como para a representação em geral, os

elementos da cotagem devem ser apresentados em preto.

3 - Dimensão dos caracteres. As cotas devem ser apresentadas em

caracteres de dimensão adequada à sua legibilidade. Nos modernos

programas de CAD estas dimensões são escolhidas automaticamente,

em função do formato da folha de papel.

4 - Os algarismos das cotas devem obrigatoriamente ter sempre a mesma

dimensão num desenho. No esboço à mão livre, esta regra também deve

ser respeitada.

5 - Não pode ser omitida nenhuma cota necessária para a definição do

desenho.

6 - Os elementos devem ser cotados preferencialmente na vista que

mais informação em relação à sua forma ou à sua localização (Figura 5).

Obs.: A matéria sobre “Vistas” será abordada mais adiante.

7 - Devem ser evitados, sempre que possível, cruzamentos de linhas de

cota entre si ou com outros tipos de linhas, sobretudo linhas de chamada

Observe que as arestas podem ser usadas como linhas de chamada (como na Figura 8), mas nunca como linhas de cota (como na Figura 7).

ser usadas como linhas de chamada (como na Figura 8), mas nunca como linhas de cota

Figura 7

ser usadas como linhas de chamada (como na Figura 8), mas nunca como linhas de cota

Figura 8

8 - As cotas devem estar localizadas preferencialmente fora do contorno

dos desenhos (Figura 9). Porém, por questões de clareza e legibilidade,

estas podem ser colocadas no interior das vistas, como na cotagem

do furo indicado.

de clareza e legibilidade, estas podem ser colocadas no interior das vistas, como na cotagem do

Figura 9

9 - As cotas devem estar localizadas o mais próximo possível do detalhe a

cotar, embora respeitando todas as regras e recomendações anteriores

(Figura 10).

possível do detalhe a cotar, embora respeitando todas as regras e recomendações anteriores ( Figura 10

Figura 10

10

redundância

(Figura 11).

-

Deve-se

evitar

de

informações

10 redundância ( Figura 11 ). - Deve-se evitar de informações Figura 11 – cotas redundantes

Figura 11 cotas redundantes

11 - As cotas devem ser posicionadas sobre a linha de cota paralelas a esta

e, preferencialmente, no ponto médio da linha, de acordo com a Figura 12.

a linha de cota paralelas a esta e, preferencialmente, no ponto médio da linha, de acordo

Figura 12

12 - A norma ISO 129 também permite o posicionamento das cotas

sempre na horizontal, de tal modo que sejam lidas da margem inferior

da folha de desenho.

A Figura 13 apresenta a

aplicação desta técnica, a

qual obriga à interrupção

da linha de cota.

Num desenho, deve ser usada apenas uma das duas técnicas, sendo recomendada a primeira.

Figura 12
Figura 12
Figura 13
Figura 13

13 - Os algarismos da cota não devem ficar sobrepostos ou separados

com nenhum outro detalhe do desenho, sejam arestas, eixos etc. Esta situação é comum, por exemplo, quando as linhas de eixo separam os algarismos da cota. Portanto, pode-se “arrastar" os algarismos para a esquerda ou para a direita da linha (Figura 14).

14 Em um desenho, devem ser usadas sempre as mesmas unidades. As unidades não são indicadas nas cotas, podendo ser indicadas no campo apropriado da legenda, de forma a evitar más interpretações. Quando é

necessário indicar outro tipo de unidades, por exemplo, força, pressão,

etc, as unidades devem, obrigatoriamente, ser indicadas.

tipo de unidades, por exemplo, força, pressão, etc, as unidades devem, obrigatoriamente, ser indicadas. Figura 14
Figura 15 15 – As cotas podem ser indicadas junto a uma das setas e

Figura 15

15

As

cotas

podem

ser

indicadas

junto

a

uma

das

setas

e

linha

de

cota

interrompida,

de

modo

a

evitar

linhas

de

cota

longas, ou eventuais cruzamentos de linhas (Figura 15).

16 Quando o espaço necessário para a cota não é suficiente sequer para serem colocados pontos, a cota pode ser posicionada abaixo da linha de cota e ligada à linha de cota através de uma pequena linha de referência (Figura 16).

abaixo da linha de cota e ligada à linha de cota através de uma pequena linha

Figura 16

17 As cotas devem ser orientadas sempre em relação à legenda folha de

desenho, de tal modo que sejam lidas em duas direções perpendiculares

entre si, a partir do canto inferior direito da folha (Figura 17).

Figura 16
Figura 16

Figura 17

18 As cotas angulares devem ser orientadas de acordo com a Figura 18

18 – As cotas angulares devem ser orientadas de acordo com a Figura 18 Figura 18

Figura 18

19 COTAGEM DE FORMAS:

A cotagem de forma diz respeito às dimensões dos elementos nas

peças. Na Figura 19, apresenta-se a cotagem de um prisma retangular.

Note que uma cota, que diz respeito a um detalhe que é visível em duas ou mais vistas, deve estar localizada, preferencialmente, entre essas vistas. As cotas totais das peças devem estar localizada, de preferência, do mesmo lado.

entre essas vistas. As cotas totais das peças devem estar localizada, de preferência, do mesmo lado.

Figura 19

Na Figura 20 apresenta-se um exemplo da cotagem de forma de um cilindro. Note que, na vista em que é indicado o diâmetro, o respectivo símbolo pode ser omitido por ser evidente que é uma circunferência. A norma ISO 129 é omissa neste aspecto. No caso do diâmetro ser indicado

na outra vista, então é obrigatória sua indicação.

Os furos devem ser sempre cotados utilizando-se o valor do diâmetro e

não o do raio. Uma das razões para tal é que as brocas são catalogadas

de acordo com seus diâmetros (ex.: broca 6 mm, em que 6 é o valor do

diâmetro).

brocas são catalogadas de acordo com seus diâmetros (ex.: broca 6 mm, em que 6 é

Figura 20

A Figura 21 ilustra-se a cotagem de elementos de forma piramidal e

cônica.

A Figura 21 ilustra-se a cotagem de elementos de forma piramidal e cônica. Figura 21

Figura 21

Na cotagem de arcos, apenas é usada uma seta que toca o arco a ser cotado. A linha de cota deve estar orientada segundo a direção que liga ao seu centro, partindo ou não do centro. Quando o centro está a uma distância relativamente curta do arco, a linha de cota parte do centro e

liga-se à superfície. Quando o centro está a uma distância grande, a linha

de cota aponta na direção do centro fictício. O centro do arco só deve ser

indicado se for imprescindível na construção do arco. Na Figura 22

apresentam-se algumas situações de cotagem de arcos.

imprescindível na construção do arco. Na Figura 22 apresentam-se algumas situações de cotagem de arcos. Figura

Figura 22

COTAGEM DE POSIÇÃO

A cotagem de posição diz respeito à localização dos diferentes elementos

no desenho. Deve ser sempre indicada relativamente a detalhes,

elementos ou arestas de referência, a partir dos quais as dimensões ou

distâncias possam ser medidas. Na Figura 23 apresentam-se exemplos

da cotagem de posição de elementos.

distâncias possam ser medidas. Na Figura 23 apresentam-se exemplos da cotagem de posição de elementos. Figura

Figura 23

CRITÉRIO DE COTAGEM

A organização

das

cotas

num

desenho

está

intimamente

ligada

à

finalidade do desenho e controle utilizados.

aos métodos de fabricação (construção)

e

Cotagem em série

As cotas são dispostas em sucessão (Figura 24)

de fabricação (construção) e • Cotagem em série As cotas são dispostas em sucessão ( Figura

Figura 24

Cotagem em Paralelo

Essa técnica é usada quando um determinado número de cotas com a mesma direção, é definido em relação a uma origem comum. Na

cotagem em paralelo, as diferentes cotas são posicionadas com as linhas

de cota paralelas umas às outras (Figura 25).

paralelo, as diferentes cotas são posicionadas com as linhas de cota paralelas umas às outras (

Figura 25

Cotagem em Paralelo (continuação)

Na cotagem em paralelo, pode ser preferível, em algumas situações, por

uma questão de clareza e legibilidade, não colocar cotas ao meio da linha

de cota (Figura 26).

por uma questão de clareza e legibilidade, não colocar cotas ao meio da linha de cota

Figura 26

Cotagem em Paralelo (continuação)

Uma variante da cotagem em paralelo, e que pode ser considerada uma

simplificação, é a cotagem com linhas de cotas sobrepostas. É usada

sobretudo por limitações de espaço e quando sua aplicação não provoca problemas de compreensão e legibilidade. Nesta forma de cotagem, as cotas podem ser orientadas na vertical ou na horizontal. Um exemplo na Figura 27.

Nesta forma de cotagem, as cotas podem ser orientadas na vertical ou na horizontal. Um exemplo

Figura 27

Cotagem em Paralelo (continuação)

A cotagem com linhas de cota sobrepostas, também pode ser útil em situações de cotagem em duas direções. Um exemplo na Figura 28.

sobrepostas, também pode ser útil em situações de cotagem em duas direções. Um exemplo na Figura

Figura 28

COTAGEM POR COORDENADAS A cotagem por coordenadas é usada quando no desenho existem diversos elementos de forma e/ou dimensões idênticas. Neste critério de cotagem, constrói-

se uma tabela com as cotas de posição dos elementos e respectivas dimensões,

tal como indicado na Figura 29.

Note-se que este tipo de cotagem, que no desenho à mão livre pode ser

demorada, é fácil quando são usados programas de CAD paramétricos. Para a

definição da posição dos elementos é necessário indicar um referencial.

de CAD paramétricos. Para a definição da posição dos elementos é necessário indicar um referencial. Figura

Figura 29