Você está na página 1de 12

REVISTA DE APRENDIZAGEM CRIATIVA FABER-CASTELL

Edição Agosto/2019

Aprendizagem
Criativa e a BNCC
Aprendizagem Criativa Entrevistas: Anna Penido Fala, Professor:
e Currículo, por Leo Burd e Mitchel Resnick Débora Garofalo

Visite nosso
site e acesse a
versão digital
16 FALA, PROFESSOR

r
d e v e m esta
Vocês a
n do um
estr a n h a
m f o r mação
sora co
profes a s ensina
r
m a n lica
em Hu e s c o la púb
ica em
Robót h e cida pe
lo
c o n 9,
e ser r
e
e r P r ize 201
Teach o Nob
el
Global e r a d o
consid ma das
que é co m o u
a E d u cação, e ssoras
d p r o f
lhores
dez me éa
u n d o . Essa
do m a!
i n h a históri
m

DÉBORA
GAROFALO
Minha paixão em lecionar começa ainda na infância. Nossos alunos são outros, nasceram nessa era digital,
Construí meus estudos para seguir na profissão docente, estão acostumados a estímulos de aplicativos e platafor-
inicialmente com o Magistério, seguido pelas faculdades de mas digitais. Não se concentram mais nas aulas e nos con-
Letras, Pedagogia, a Especialização em Língua Portuguesa. teúdos expostos no quadro negro.
No momento estou cursando o Mestrado em Educação. Entender essa mudança e o quanto ela impacta a edu-
No meio desta trajetória, para custear os meus estudos cação é essencial para transformar o aprendizado, com-
e ajudar em casa, tive que largar a educação e trabalhar em preendendo os desafios, vencendo as dificuldades e alcan-
outros segmentos, como no ramo bancário e na indústria. E çando os benefícios – e a Aprendizagem Criativa é um dos
foi assim que adquiri minha segunda paixão, as Tecnologias. pilares dessa mudança. A Aprendizagem Criativa conside-
E foi trabalhando em uma indústria (que fabricava pla- ra que o aluno terá um aprendizado mais efetivo a partir
cas de circuito impresso) que percebi a dimensão da ne- do momento em que ele estiver engajado na construção
cessidade da tecnologia estar presente nas salas de aula. deste aprendizado, que se torna significativo para ele. O
estudante constrói sua aprendizagem a partir de uma ex-
ERA DIGITAL perimentação concreta.
Vivemos em um mundo totalmente tecnológico, com Foi com este olhar que me tornei professora de Tec-
a indústria 4.0, com tendências cada vez mais presentes nologias da rede pública de ensino, já com uma proposta
no cotidiano, como: Programação, Robótica, Inteligência ousada de ensinar Programação e Robótica, com a missão
Artificial, Internet das Coisas (IOT). É necessário levar essa de transformar a vida de crianças e jovens da periferia da
revolução para a sala de aula. Zona Sul da cidade de São Paulo, que residem em comuni-
FALA, PROFESSOR 17

dades de extrema pobreza, sem saneamento básico e com


alto índice de violência e tráfico de drogas.

NA PRÁTICA
No lugar da lousa, giz, mesas e cadeiras, a sala de aula
abre espaço para martelos, parafusos, furadeiras, compo-
nentes eletrônicos. Como principal atividade, a construção
de um protótipo que possua uma finalidade específica e
que esteja envolvido com a aprendizagem, ao possibilitar
que o estudante seja o centro do processo educacional.
O trabalho de robótica com sucata consiste em mesclar
ambientes de aprendizagens que reúnem materiais não
estruturados (que podem ser de sucata) e/ou kits de mon-
tagem compostos por diversas peças, motores, sensores,
controlados por uma placa com software que permite pro- mas, mão na massa1, criando atividades significativas com
gramar o funcionamento dos modelos montados, dando baixo custo, realizando atividades com suporte das meto-
ao aluno a oportunidade de desenvolver sua criatividade dologias ativas, desenvolvendo novas habilidades docen-
com a montagem de seu próprio projeto. tes, despertando o foco criativo no aluno e incrementando
No meu caso, o fio condutor foi um problema trazido o protagonismo juvenil.
pelos estudantes, o lixo. Os alunos relatavam dificuldades A chave para o sucesso na implementação de uma
em ir à escola em dias de chuva e problemas como dengue educação inovadora está na mudança do foco das pesso-
e leptospirose. as, além da criação de um ambiente que permita a parti-
Diante deste cenário, possibilitar novos caminhos e cipação dos atores envolvidos, para que conheçam o pro-
novas práticas educacionais, incluindo a robótica de baixo cesso e possam contribuir com ele. Além de estimular essa
custo, tornou-se essencial para o sucesso do trabalho e do colaboração, eles adquirem a sensação de pertencimento
aprendizado, possibilitando que crianças e jovens tivessem e de autoria, que visa tirá-los da passividade e os coloca no
acesso às aprendizagens criativas. centro do processo de aprendizagem.
Desta maneira, o trabalho de robótica com sucata con- O ponto de partida é lançar desafios para os alunos
siste em aulas públicas, com um percurso estabelecido pelos e agregar ao ensino as metodologias ativas, com ênfase
estudantes, incluindo conversa com a comunidade e fami- na resolução de problemas. Ao trabalhar desta forma, os
liares sobre sustentabilidade, reciclagem e recolhimento de alunos vão se sentir desafiados a encontrar soluções para
lixo (eletrônico e de sucata), pelas ruas da comunidade. No questões como acessibilidade, mobilidade, sustentabilida-
retorno à escola, lavagem e pesagem destes materiais. de, entre outras, exercitando o pensamento científico e
Na sequência, o exercício do pensamento científico, crítico, contribuindo para o desenvolvimento da empatia e
com pesquisas e construções dos protótipos. Para finalizar e o trabalho em colaboração.
compartilhar os aprendizados, realizamos uma feira de tec- Estas habilidades são importantes para resgatar o en-
nologias em que os alunos expõem os seus aprendizados e cantamento das aulas e desenvolver o espírito inovador e
os protótipos e ressaltam a importância da sustentabilidade. criativo. Com baixos recursos, é possível promover grandes
Este trabalho, que hoje é conhecido mundialmente, com- revoluções na educação!
bateu em 93% a evasão escolar, em 95% o trabalho infantil,
1
saltou do IDEB de 4.2 para 5.2 e retirou mais de uma to- Expressão que significa iniciar uma atividade, colocar algo em
prática.
nelada de lixo das ruas de São Paulo. E, mais do que isso,
devolveu altas expectativas para mais de duas mil crianças DÉBORA GAROFALO Assessora Especial de Tecnologias da
e jovens que atuam no trabalho e hoje será um dos aportes Secretaria Estadual de Educação de São Paulo (SEE-SP) e
professora da rede pública de ensino de São Paulo. Formada
do componente curricular de Tecnologia na Rede Estadual de em Letras e Pedagogia, mestranda em Educação pela
Ensino de São Paulo para beneficiar 2 milhões de estudantes. PUC-SP, vencedora na temática Especial Inovação na Educação
no Prêmio Professores do Brasil e uma das dez finalistas do
É necessário desenvolver uma cultura voltada para a
Global Teacher Prize, o Nobel da Educação.
inovação que priorize trabalhar com resoluções de proble-
APRENDIZAGEM CRIATIVA E CURRÍCULO 23

POR DENTRO DA APRENDIZAGEM


C R I T I V
LEO BURD
Pesquisador brasileiro do MIT (Massachusetts Institute of Technology) Media Lab e consultor para o Programa de Aprendizagem
Criativa Faber-Castell

Adotar a
Aprendizagem
Criativa é apostar no
protagonismo dos
alunos. Trabalhar
com o conceito de
Micromundos, em uma
abordagem embasada
nos Quatro Ps da
Aprendizagem Criativa,
traz resultados
surpreendentes. O
material do Programa
de Aprendizagem
Criativa Faber-Castell
explicita pontes com o
currículo e com a sala
de aula, e pode ser
adaptado à realidade
de cada escola.

Estudantes, pais, educadores e empresas reconhe- é muito triste. Os alunos acham as aulas uma chatice,
cem que o modelo antigo de escola, ainda hoje em e os professores enfrentam com temores e dificuldades
prática, não funciona mais. Existe a consciência de que mais um dia na sala de aula. Há muitos anos as em-
a escola, como ela é, não está funcionando. E não se presas percebem que as pessoas não estão preparadas
trata de a escola não formar pessoas para o futuro, mas para o mundo do trabalho. Boa parte das escolas mais
para o mundo de hoje. Vemos que, tanto para os alu- progressistas dos EUA foram criadas por empresas de
nos como para os professores, o caminho para a escola tecnologia que não conseguiam recrutar colaboradores
24 APRENDIZAGEM CRIATIVA E CURRÍCULO

de acordo com as necessidades da companhia – e aca- las de aula são transformadas em Micromundos de
baram criando escolas para suprir essa demanda. aprendizado e as crianças são expostas a novos ma-
Enfim, a escola não está alinhada com a necessida- teriais e têm liberdade de experimentar, de explorar,
de do mundo real. E, se por um lado há a percepção trocar ideias. É um ambiente novo, com uma nova
de que o antigo modelo de escola não está adequado, proposta: o que vamos fazer hoje? A criança ganha
por outro não se conhecem alternativas para mudar. autoconfiança, passa a se sentir à vontade fazendo
Há um desconhecimento sobre outros modelos de perguntas, pedindo ajuda para colaborar em um pro-
educação e quais seriam as diferenças entre eles. No jeto mais complexo ou para ir a fundo em um assunto,
meio do caminho ainda temos no Brasil um grande sem receio de manipular materiais de uma forma não
gargalo para os estudantes, o vestibular, que cobra esperada. Ela expõe suas ideias sem medo de ser cri-
muito conteúdo. Os pais precisam enfrentar com di- ticada. Todos esses são elementos básicos, até óbvios,
ficuldade essa dicotomia: querem ver os filhos felizes, para desenvolvermos pessoas criativas e confiantes,
mas sabem que precisam estar bem preparados para mas infelizmente no modelo de escola instrucional
o vestibular. Já vemos universidades mais modernas eles não são executados. Nos Micromundos procura-
fugindo do formato padrão de vestibular e abrindo os mos criar espaços que incentivem essa maior interação
exames de admissão para outras habilidades que não das crianças. O que não significa que outros modelos
são exigidas nas provas mais tradicionais. educacionais não consigam desenvolver essas habili-
Diante desse cenário, a Aprendizagem Criativa dades. Mas em ambientes onde todos sentam enfilei-
busca criar condições que incentivem a curiosidade rados, sem acesso a materiais diferentes, respondendo
natural do aluno com relação aos temas do currículo. a perguntas formuladas por outras pessoas, torna-se
Esperamos que pela curiosidade o aluno vá, atrás do mais difícil trabalhar de forma criativa.
conhecimento. O aprendizado será mais prático e terá O trabalho da Aprendizagem Criativa se baseia nos
mais sentido na vida do estudante. É como um resgate 4 Ps: Projetos, Paixão, Pares e Pensar brincando (play
do prazer em aprender. Em um mundo em que tudo em inglês, que também traduzimos por exploração
é incerto, onde as coisas se transformam, temos que livre, lúdica). Em minha opinião, o Pensar brincando
aprender constantemente e nos sentir confortáveis em é um dos elementos que mais diferencia a Aprendi-
situações inusitadas. zagem Criativa de outras abordagens educacionais,
Na Aprendizagem Criativa da Faber-Castell, as sa- principalmente da abordagem centrada em projetos.

RODA DE CONVERSA COM LEO BURD NO ESPAÇO DA


FABER-CASTELL EDUCAÇÃO NA BETT EDUCAR, EVENTO
REALIZADO EM MAIO DE 2019, EM SÃO PAULO.
APRENDIZAGEM CRIATIVA E CURRÍCULO 25

Em uma metodologia mais tradicional de proje- e orientar o uso de outros materiais. Às vezes o pro-
tos, esperamos que os alunos descrevam o projeto no fessor trabalha a exploração livre no recreio, ou na
início e que eles o implementem. Na Aprendizagem aula de Arte, o projeto na aula de projeto ou na aula
Criativa, muitas vezes, buscamos que os alunos explo- Maker, sem que esses pontos se combinem. A grande
rem os materiais, antes de definir o que será feito, e sinergia da Aprendizagem Criativa acontece quando
que se permita mudar de ideia no meio do caminho, conseguimos equilibrar os 4 Ps.
explorando novos caminhos não tão diretos para esse Para os professores, no início o trabalho como um
objetivo final. Às vezes essa segunda exploração pode mediador da Aprendizagem Criativa também pode
até ser melhor do que a primeira. Acreditamos que apresentar dificuldades. Um dos problemas é a falta de
a inovação surge justamente ao nos permitirmos ex- referências. A escola tradicional moderna é não cria-
plorar caminhos não trilhados anteriormente, ao usar tiva, a maior parte dos modelos que vemos ao nosso
objetos de forma não determinada. redor são muito tradicionais, e praticamente todos nós
Na Aprendizagem Criativa deve haver um equilí- fomos formados nesse formato de escola. Pedir para
brio entre os 4 Ps. Não trabalhamos simplesmente a nossos alunos criarem coisas diferentes, sem ter refe-
exploração livre por ela mesma, é importante existir rências, é mais difícil. Por isso uma das preocupações
uma intencionalidade. É importante que o projeto seja nos materiais que produzimos para o Programa de
pessoalmente significativo, e que seja permitida a co- Aprendizagem Criativa da Faber-Castell é dar muitos
laboração e a troca de ideias entre as pessoas. Deve exemplos, inclusive com fotos. Mas ao mesmo tempo
haver o equilíbrio entre o projeto e a exploração livre, não é um material para ser seguido passo a passo, mas
entre o individualismo da paixão com a colaboração e um modelo a ser adaptado no contexto de cada esco-
a troca de ideias dos pares. O professor, como desig- la, de acordo com o espaço, o tempo e a experiência
ner de uma atividade de Aprendizagem Criativa, pre- de vida de cada professor e de seus alunos.
cisa buscar esse equilíbrio da melhor forma possível. Outra dificuldade enfrentada pelos educadores é a
Em certos casos, se os alunos estão trabalhando muito pressão muito grande em explorar todo o currículo. É
colaborativamente, dificultando a identidade do aluno preciso explorar o currículo e trabalhar de forma cria-
no projeto, o professor pode incentivar iniciativas mais tiva. Como combinar esses dois mundos que parecem
individuais em alguns momentos. Se os alunos estão tão distintos um do outro? Mesmo com referências no
patinando demais nas explorações, ele pode propor material do Programa, o professor tem uma preocupa-
26 APRENDIZAGEM CRIATIVA E CURRÍCULO

ção: vai dar tempo? Não defendemos uma mudança


radical na rotina da escola. Acreditamos que alguns
pequenos momentos mais soltos, mais exploratórios,
mais criativos podem ter um impacto muito grande no
resto da semana dos alunos.
No caso dos Micromundos, incentivar o aluno a
fazer perguntas e explorações, a trabalhar com novos
projetos, gera uma energia que extrapola esses espa- PROGRAMA DE
ços. A experiência pode ir além, gerando ondas que APRENDIZAGEM
repercutem na rotina escolar e podem ser exploradas
de forma mais ou menos tradicional. Há uma energia
CRIATIVA
curiosa, com perguntas que vêm dos próprios alunos.
FABER-CASTELL
Assim, eles conseguem se identificar melhor com os
outros aspectos do currículo. É isso o que esperamos.
Mas esbarramos no currículo tradicional, muito conteu-
dista. Mesmo a Base Nacional Comum Curricular, que
Todo o Programa de Aprendizagem Criativa da
abre espaço para a criatividade e para aspectos mais
Faber-Castell é testado efetivamente nas mãos de
humanos da educação, apresenta bastante conteúdo.
crianças. Chegamos a propor ideias que, após serem
testadas com crianças, foram totalmente modifica-
das no Programa. Isso é muito importante porque
vemos materiais disponíveis no mercado que são
muito bonitos, em termos gráficos, mas que não
apresentam fotos dos projetos concluídos ou com as
crianças produzindo. Propõem exercícios com múl-
tipla escolha, uma ciência abstrata e conceitual, em
que todos os alunos repetem o mesmo exercício, ain-
da que tenha uma prática maker.
Como educadores, precisamos ter a humildade
de sermos pesquisadores, de experimentar. Até mes-
mo em sala de aula, com nossos alunos, se vamos
trabalhar pela primeira vez com um material, seja
tecido ou papelão, vamos primeiro criar um espaço
para que eles brinquem com esses materiais. Depois
partimos para uma atividade um pouco mais com-
É RECOMENDADO SEPARAR E IDENTIFICAR OS MATERIAIS
UTILIZADOS PELAS CRIANÇAS.
plexa, com duração de uma hora, por exemplo, e de-
pois um trabalho por algumas semanas. Nós, educa-
dores, ganhamos segurança no processo, e as crian-
Um dos grandes desafios quando criamos espaços e
ças se permitem atuar em um formato mais criativo.
atividades de Aprendizagem Criativa é tentar decifrar a
Na escola tradicional a criança deve ficar sen-
BNCC, identificando dentro dela elementos significati-
tada na carteira, não pode brincar com o colega
vos que se conectem mais diretamente com a vida, com
do lado nem mexer nos materiais. De repente, ela
os interesses e motivações dos nossos alunos. No nosso
escuta que pode e deve brincar com o colega, pode
material gastamos muitas e muitas horas para identi-
ficar de pé para juntar os materiais, pode experi-
ficar esse ponto de intersecção que ajude os alunos a
mentar. As crianças não estão acostumadas com
dar sentido no conteúdo. Precisamos criar contextos
isso e podem ficar um pouco atordoadas nas pri-
que façam surgir problemas, para que o estudante se
sinta naturalmente interessado na resposta, e para que
a partir daí o conteúdo faça sentido.
APRENDIZAGEM CRIATIVA E CURRÍCULO 27

meiras sessões. Mas depois que elas se acostumam tados de acordo com padrões europeus e brasileiros. É
a ser criativas, a se expressar, ninguém mais tira isso difícil passar por esses testes. São atitudes que nem nos
delas. Por isso reforço que nos preocupamos muito Estados Unidos vemos. É uma preocupação muito im-
em testar nossos materiais, em descrever o Guia do portante, tanto do ponto de vista da segurança para as
Professor numa linguagem que o ajude a arriscar, a crianças e jovens, quanto da sustentabilidade dos pro-
explorar, a ir cada vez mais a fundo. É claro que o pro- dutos. E essa qualidade se reflete no processo cognitivo
fessor precisa se interessar e se identificar com o pro- e de criação, não só do material usado, mas das ativi-
cesso, enxergando a ponte entre o que ele está pro- dades propostas. Todas são testadas antes, primeiro nos
duzindo na Aprendizagem Criativa e o currículo, além Estados Unidos e depois no Brasil em programas-pilotos
de contar com o apoio da direção da escola. Quando com as escolas.
todos esses elementos acontecem, temos muitos rela- Se o material pedagógico não é testado, por mais
tos no Brasil de resultados excelentes, seja no nível de bonito que pareça, é muito provável que não dê certo
engajamento dos alunos, na forma como eles se veem, ou seja mais superficial. Se estamos preocupados com a
como eles enxergam o aprender, a forma com que as qualidade do aprendizado, é preciso testar previamente.
crianças passam a falar, a se apresentar. Os pais perce- A abordagem dos Micromundos enfatiza o protagonis-
bem diferenças nos filhos, os professores se percebem mo dos alunos; é importante que suas produções sejam
diferentes como profissionais e os alunos se enxergam representativas deles mesmos, que não sejam projetos
outros. É uma aposta que vale a pena fazer. iguais aos dos outros. Acreditamos que os Micromun-
Na Aprendizagem Criativa o professor não é um dos podem ser adaptados à realidade de várias escolas,
mero replicador de conhecimento. E, para que a edu- com mais ou menos tempo de dedicação, que possam
cação seja inovadora, é importante que o espaço seja ir a fundo conforme a escola tenha disponibilidade. Os
inovador – em um espaço quadrado, robotizado, não Micromundos não morrem neles, são portas de entrada
iremos gerar novas ideias. Muitos ainda confundem para as mais diversas explorações. Pontes com a sala de
a Aprendizagem Criativa com uma aula de Arte. Mas aula e com o currículo são bem explícitas no Programa.
há aulas de Arte em que não se exercita a criatividade, É muito importante que os educadores que estão
os alunos apenas replicam obras de artistas conheci- buscando um material diferenciado para suas escolas
dos e se instrumentalizam com pincéis e tintas. Outros tenham um olhar cuidadoso para selecioná-lo. O mo-
confundem Aprendizagem Criativa com o movimento vimento Maker ainda é algo muito novo. Fazer ativi-
Maker, em que o aluno irá aprender a usar equipa- dades mãos na massa com os alunos, seja usando um
mentos como impressora 3D, cortadora laser e outros martelo, uma outra ferramenta ou o computador, de
aparatos tecnológicos. Acreditamos que é importante fato é uma novidade na escola. Mas é preciso avaliar
ter acesso a essas ferramentas, mas acreditamos prin- se os alunos estão fazendo os mesmos projetos ou algo
cipalmente que elas podem ser utilizadas em projetos significativo para eles. É uma necessidade social criar
pessoais significativos, integradas com outros materiais, ambientes educacionais que incentivem o protagonis-
como massinha de modelar, materiais naturais, sucatas. mo dos nossos alunos. Existe muita coisa no mercado e
E que os alunos percebam o mundo como um espaço esperamos que os pais e educadores se perguntem: isso
de criação, seja com tecnologia, com materiais diversos pode ser usado na minha realidade? Incentiva de fato o
ou com a integração entre os dois. protagonismo das crianças e jovens? Conecta-se com o
Um dos grandes diferenciais do Programa de Apren- currículo? É uma coisa da qual podemos nos apropriar e
dizagem Criativa Faber-Castell é a preocupação muito desenvolver ao longo do tempo? São perguntas funda-
grande com a segurança e a qualidade dos materiais. mentais a serem respondidas ao iniciarmos um trabalho
Todos os materiais vendidos pela Faber-Castell são tes- que terá um impacto de fato na vida dos nossos alunos.