Você está na página 1de 4

Página 1 de 4

Restaurando Atos 29

Por Sha'ul Bentsion

1 - Introdução

O livro de Atos, tendo 28 capítulos, termina abruptamente, deixando o leitor em suspense. É o único
livro que não tem uma finalização formal. Dos 27 livros dos Ketuvim Netsarim ("Novo"
Testamento), apenas dois não trazem um final explícito: Atos e a carta de Ya'akov (Tiago). A carta
de Ya'akov, contudo, possui recomendações finais aos leitores, demonstrando o seu final. Atos,
porém, e ao contrário das boas novas de Lucas (do qual é uma continuação), parece não ter fim.

2 - As Teorias sobre o Final de Atos

Além disto, o livro deixa de relatar muitos anos do ministério de Rav. Sha'ul (Paulo). O que terá
acontecido? Existem algumas linhas de pensamento a respeito da questão do final do livro de Atos.
Cito aqui as principais:

1 - Os estudiosos mais críticos crêem que o final original do livro de Atos teria se perdido;

2 - Alguns teólogos propõem que o livro de Atos não tem final porque os "crentes modernos"
estariam vivendo o seu final. A "igreja moderna" seria o capítulo 29 de Atos (existem inclusive

ministérios com este nome)

3 - Outros propõem que o livro de Atos teria sido escrito antes do martírio de Rav. Sha'ul, e portanto
Lucas não teria ainda tomado conhecimento dos últimos fatos sobre a vida dele

4 - Por fim, alguns sugerem que Lucas tenha compilado um terceiro volume, onde haveria contado
os relatos finais sobre a vida de Rav. Sha'ul

A tese número 2, infelizmente, não faz o menor sentido do ponto de vista teológico ou hermenêutico.
Embora as teses 3 e 4 sejam possíveis historicamente falando, elas não são suficientes para explicar o
porquê do livro terminar abruptamente. Uma coisa é não falar dos anos finais de Rav. Sha'ul, outra é
terminar de modo tão atípico. No seu relato das boas novas, Lucas encerra com um fim claro.
Mesmo que houvesse um terceiro volume, não haveria motivo para Lucas não ter encerrado Atos
com um fim claro.

Logo, poderíamos concluir que o final de Atos do manuscrito aramaico original de fato se perdeu.
Até que um manuscrito mudou tudo...

3 - A Descoberta de Sonnini

Durante o reinado de Luis XVI (1774 a 1793), um cientista francês de nome C.S. Sonnini viajou por
ordem do rei ao oriente médio. Durante sua passagem pelo império otomano, Sonnini recebeu um
presente do sultão Abdoul Achmet.

O presente recebido por Sonnini era uma verdadeira relíquia: uma cópia de um manuscrito em grego
do livro de Atos contendo o seu encerramento: o capítulo 29! O manuscrito fora descoberto nos idos
de 1780, nos arquivos de Constantinopla, no mesmo local onde o Didaquê havia sido encontrado.

Sonnini traduziu a parte final de Atos do manuscrito grego para o francês e para o inglês. A tradução
para o inglês foi encontrada em uma cópia do livro de Sonnini "Viagens na Turquia e na Grécia",
pertencente à família de Sir. John Newport, da Irlanda. O livro continha o brasão da família de Sr.

file://C:\Users\Jaciara\Sefer HaTeshuvá - Ketuvim Netsarim\at29.htm 23/10/2010


Página 2 de 4

Newport, e uma cópia da permissão do sultão da Turquia para que viajasse em partes do domínio
Otomano. O capítulo final de Atos foi publicado no inglês em 1799.

A medida em que avançamos em direção ao fim dos tempos, vemos que YHWH tem trabalhado
claramente no sentido da restauração de todas as coisas. Cremos que a restauração do capítulo 29 de
Atos não ocorre por acaso, e contribui para o processo da restauração da identidade de Efrayim. Este
estudo em 3 partes visa familiarizar o leitor com a problemática da parte final de Atos, descrever a
origem do manuscrito Sonnini, oferecer uma tradução do capítulo 29 de Atos, e encerrar com uma
coletânea de evidências que comprovam a autencidade do manuscrito Sonnini.

4 - O Cumprimento de uma Profecia Bíblica

Em Vayicrá (Levítico) 26, encontramos uma promessa de Elohim associada à maldição pela violação
da Torá. Uma vez que o povo entrasse na Terra Prometida, se O desobedecesse, Ele os puniria sete
vezes; sete vezes trezentos e sessenta, ou seja, dois mil quinhentos e vinte anos. Em 721 AC, temos a
história da queda de Israel pela mão do rei Assírio. Se levarmos em conta os 2520 anos, isso nos trás
a 1800 DC. Isto é, os 2520 anos de perda da identidade de Israel cessaria em 1800. Curiosamente, o
Manuscrito Sonnini que deixa bem clara a missão de Paulo foi encontrado entre 1774 e 1793, e
publicado pela primeira vez no final de 1799/início de 1899 - exatamente 1800 anos depois.

Se o manuscrito com o capítulo final do livro de Atos, que cita explicitamente a profecia de Hoshea
(Oséias) não tivesse ficado perdido por esse tempo, então a identidade das tribos perdidas teria sido
revelada de forma explícita, não mais dependendo de um estudo elaborado.

5 - Conexão com Outros Textos Bíblicos

Um fator muito interessante no Manuscrito Sonnini é a elucidação do que seria o cumprimento


profético de Yirmiyahu (Jeremias) 31:9 (ou 31:10 nas Bíblias cristãs). A passagem diz:

“Ouvi a palavra de YHWH, ó nações, e anunciai-a nas ilhas longínquas, e dizei: Aquele que
espalhou a Israel o congregará e o guardará, como o pastor ao seu rebanho.”

Outro dado importante que temos para legitimar o Manuscrito Sonnini é que de fato sabemos que a
viagem de Rav. Sha'ul (Paulo) à Espanha e possivelmente a outras regiões da Europa atual de fato
ocorreram.

A narrativa acerca da viagem de Rav. Sha'ul (Paulo), passando também pela Espanha, é coerente
com o que é relatado em Romanos 15:23-29:

"mas agora, não tendo mais o que me detenha nestas regiões, e tendo já há muitos anos grande
desejo de ir visitar-vos, eu o farei quando for à Espanha; pois espero ver-vos de passagem e por vós
ser encaminhado para lá, depois de ter gozado um pouco da vossa companhia. Mas agora vou a
Yerushalayim para ministrar aos santos. Porque pareceu bem à Macedônia e à Acaia levantar uma
oferta fraternal para os pobres dentre os santos que estão em Yerushalayim. Isto pois lhes pareceu
bem, como devedores que são para com eles. Porque, se os goyim foram participantes das bênçãos
espirituais dos judeus, devem também servir a estes com as materiais. Tendo, pois, concluído isto, e
havendo-lhes consignado este fruto, de lá, passando por vós, irei à Espanha."

Vemos aqui que Rav. Sha'ul (Paulo) de fato tinha a intenção de fazer a viagem descrita pelo
Manuscrito Sonnini.

6 - A Profecia de Rav. Sha'ul em Atos 29

Outra forte evidência a favor do Manuscrito Sonnini é a profecia dada por Rav. Sha'ul (Paulo) de que

file://C:\Users\Jaciara\Sefer HaTeshuvá - Ketuvim Netsarim\at29.htm 23/10/2010


Página 3 de 4

os israelitas que haviam migrado para a região da Bretanha teriam seus olhos abertos quanto à sua
identidade após "7 contagens".

O curioso é que o Manuscrito Sonnini é de 1799~1800. De fato, houve um sétimo censo na Grã-
Bretanha em 1860, isto é, de 60 a 61 anos APÓS a publicação do Manuscrito Sonnini. E foi
justamente por volta de 1860, com a descoberta e tradução das tábuas assírias (encontradas em
1847), e da pedra de behistun.

As tábuas assírias, em um dado momento, trazer orações ao deus-sol Shamash, contra um povo
chamado de "Iskuza". Sabemos por Amos 7:9,16 que os israelitas pouco antes do exílio
identificavam-se como "Casa de Yitschak". A conexão é clara - assim como é claro que desde a
antiguidade Israel tinha problemas com o deus-sol (soa familiar?) Os Iskuza teriam dado origem aos
ancestrais dos bretões.

Após tal evidência, é que alguns teólogos ingleses começaram a trabalhar com a teoria de que os
cristãos ingleses seriam descendentes das 10 Tribos de Israel - exatamente como previsto pelo
Manuscrito Sonnini!

7 - A Geografia de Atos 29

A geografia contida no Manuscrito Sonnini, além de perfeita (por exemplo: o lago mencionado,
conhecido atualmente como Lake Lucerne, de fato possui um formato que lembra uma antiga cruz
romana), é totalmente condizente com o mundo romano do primeiro século.

Um bom exemplo disso é o porto romano de Rafinus, conhecido na Inglaterra dos dias atuais como
"Sandwich" (em Kent). O mais impressionante é que há uma história corrente naquela região de que
Paulo teria de fato a visitado. Na época dos Saxões, havia uma casa naquele exato local que havia
sido chamada de "Casa dos Apóstolos." Tais evidências tornam muito improvável a não-autencidade
histórica do Manuscrito Sonnini.

Como já expressado anteriormente, temos uma menção ao lago Lucerne, que se situa na atual Suíça.
Helvetia, que seria um dos destinos de Rav. Sha'ul (Paulo) ficava justamente situada naquela região.

Outra curiosidade está no fato de que o monte Lud, também mencionado nesse manuscrito, é o local
onde atualmente situa-se a catedral anglicana de São Paulo, cuja tradição oral da região também
aponta para uma visita de Rav. Sha'ul (Paulo).

Há ainda a menção de Belgae, e Gaul, nomes romanos do primeiro século para as regiões da costa
central da Inglaterra e da França, respectivamente.

8 - As Objeções a Sonnini

Algumas pessoas levantam a hipótese de Sonnini ter forjado tal documento. Porém, uma das formas
de se legitimar a autencidade de um documento é o chamado "fator embaraço." O fator embaraço é
uma teoria que diz que dificilmente um grupo forjaria algo que lhes fosse embaraçoso de alguma
forma. Tal teoria é freqüentemente usada para defender a autencidade da Bíblia. Dentro deste
contexto, uma grande evidência a favor do Manuscrito Sonnini é o fato de Sonnini ser francês. Na
época, a França e a Inglaterra eram inimigas mortais (até hoje há grande rivalidade). Seria uma
grande improbabilidade que Sonnini, um francês, forjasse um documento que enaltecesse a
Inglaterra. Se, de fato, Sonnini conhecesse o grego koine o suficiente para forjar tal documento, por
que não fazê-lo enaltecendo a França?

A própria geografia descrita no item acima é outra evidência da antigüidade de Sonnini. Um dos
fatores mais evidentes para a rejeição de um pseudo-epígrafo (isto é, um escrito atribuído a uma

file://C:\Users\Jaciara\Sefer HaTeshuvá - Ketuvim Netsarim\at29.htm 23/10/2010


Página 4 de 4

pessoa, porém tido como forjado por outra) é a presença de anacronismos. Ou seja, elementos
textuais que não condizem com a realidade da época. Porém, neste ponto o Manuscrito Sonnini é
perfeito. A rica quantidade de referências geográficas (tal como ocorre no restante do livro de Atos)
certamente apresentaria uma grande chance de erro, caso o documento tivesse sido cunhado cerca de
17 séculos após a autorida do livro de Atos.

Outro elemento usado para determinar um pseudo-epígrafo é a diferença no estilo e na linguagem da


escrita. Neste ponto, porém, novamente o Manuscrito Sonnini não deixa furos – a linguagem é
exatamente a mesma usada em Atos, além de conter expressões e referências ao Eterno típicas da
época das narrativas bíblicas.

Talvez o principal argumento de quem questiona o Manuscrito Sonnini seja o fato do mesmo não ser
mencionado em lugar algum pelos chamados “pais da igreja”. Esse é o fator determinante para sua
rejeição pela grande maioria dos teólogos. Contudo, se analisarmos bem a situação cuidadosamente,
não é difícil de entendermos o porquê: este manuscrito não se propõe a ser um livro adicional, ou à
parte, mas trata-se da parte final de um manuscrito do livro de Atos encontrado por Sonnini em suas
viagens. Sonnini não encontrou Atos 29 em um manuscrito separado, mas sim como parte integrante
de um manuscrito completo de Atos. Nada mais natural, portanto, que não haja referências a tal
manuscrito como um livro à parte. Além disso, a possível perda de parte de um manuscrito não é
nenhuma novidade histórica – até hoje partes dos Ketuvim Netsarim (Novo Testamento), como o
trecho final de Marcus, são questionados por não figurarem em diversos dos principais manuscritos
antigos. Se analisarmos o Tanach (Primeiro Testamento), não é diferente: por muito tempo não
tínhamos um manuscrito antigo em hebraico do livro de Ester, sem contar que o livro de Ester que
aparece no texto massorético é em média 50% menor do que o original, que deu origem à sua
tradução na Septuaginta e na Peshitta. Portanto, o Manuscrito Sonnini não pode ser desprovado
nessas bases.

9 - Conclusão

Com base nos argumentos supracitados, é possível concluirmos que de fato o Manuscrito Sonnini é,
no mínimo, um texto contemporâneo à época dos manuscritos dos Ketuvim Netsarim (Novo
Testamento) e dos chamados apócrifos neo-testamentários. E, pelo que sabemos do livro de
Romanos e da tradição inglesa acerca de uma visita de Rav. Sha'ul (Paulo), podemos afirmar que há
grandes chances do relato ser verídico – o que o torna relevante para nossos estudos. As profecias
apresentadas e, em tese, cumpridas no Manuscrito Sonnini são também, no mínimo, curiosas. Agora,
como tudo o que diz respeito às nossas crenças, a idéia de que de fato o Manuscrito Sonnini seja o
capítulo perdido do livro de Atos, e portanto um texto inspirado, é uma questão de fé que cada um
deve responder por si mesmo, e o autor deste estudo propositadamente se exime de emitir aqui sua
opinião pessoal, encorajando o leitor a refletir acerca do estudo e tirar suas próprias conclusões.

file://C:\Users\Jaciara\Sefer HaTeshuvá - Ketuvim Netsarim\at29.htm 23/10/2010