Você está na página 1de 124

Prof.

José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Aula 08 – Sintaxe de
Regência e Emprego da
Crase
Língua Portuguesa p/ Auditor do TCU +
TCDF
1 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Prof. José Maria
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Olá, moçada!
Firmes e fortes?
Queridos, nosso curso está na reta final! É com muita satisfação que cumprimento vocês por terem
chegado até aqui! Não fraquejem! Continuem firmes! Falta muito pouco!
Nesta aula, trouxe assuntos espinhosos: Regência e Crase. Por saber que são assuntos entediantes por
natureza, esforcei-me ao máximo para tornar a abordagem leve e descontraída. Espero que vocês gostem do
formato adotado e que, sobretudo, fiquem afiadíssimos nesses dois importantes assuntos!

Um grande abraço a todos!


Professor José Maria

2 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Sumário
SINTAXE DE REGÊNCIA – CONCEITOS GERAIS .......................................................................................... 4

EMPREGO DAS PREPOSIÇÕES ANTES DE PRONOMES RELATIVOS ................................................................................. 6


PRINCIPAIS REGÊNCIAS ........................................................................................................................................ 11
Casos de Regência Verbal ............................................................................................................................... 11
Casos de Regência Nominal ........................................................................................................................... 30

CRASE..................................................................................................................................................... 31

NÃO OCORRE A CRASE ......................................................................................................................................... 35


... antes de verbo ........................................................................................................................................... 35
... antes de palavras masculinas ..................................................................................................................... 35
... antes de pronomes de tratamento, exceção feita a SENHORA, SENHORITA, DONA, MADAME, ...: .............. 35
... antes de pronomes em geral: ...................................................................................................................... 35
... em locuções formadas por palavras repetidas: ............................................................................................ 37
... quando o "a" vem antes de uma palavra no plural: ...................................................................................... 38
CASOS FACULTATIVOS DE CRASE ......................................................................................................................... 40
... antes de antropônimo (nome de pessoa) feminino: ...................................................................................... 40
... antes de pronome possessivo feminino: ...................................................................................................... 40
CASOS ESPECIAIS DE CRASE................................................................................................................................ 42
Crase nas locuções de base feminina (introduzidas por palavras femininas) ...................................................... 42
Crase antes de TOPÔNIMOS (nomes de lugar) ................................................................................................ 45
Crase em ÀQUELE (S), ÀQUELA (S), ÀQUILO ................................................................................................. 46
Crase diante de PRONOMES RELATIVOS ....................................................................................................... 47
Crase em CONSTRUÇÕES PARALELAS .......................................................................................................... 47

QUESTÕES COMENTADAS PELO PROFESSOR.........................................................................................49

LISTA DE QUESTÕES............................................................................................................................... 85

GABARITO ............................................................................................................................................ 105

RESUMO DIRECIONADO ....................................................................................................................... 106

3 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Sintaxe de Regência – Conceitos Gerais


Quando estudamos Sintaxe de Concordância, ficou clara a existência de um acordo bilateral: no caso da
concordância verbal, sujeito e verbo tinham de sentar à mesa para conversar; no caso da nominal, essa conversa
deveria ocorrer entre substantivo e palavra de função adjetiva. Ao final dessa conversa, estabelecia-se um
acordo: sujeito e verbo concordariam em número e pessoa; substantivo e palavra de função adjetiva
concordariam em gênero e número.

No caso da Sintaxe de Regência, não há acordo, moçada! Manda quem pode e obedece quem tem...
preposição! Como assim, professor? Moçada, verbo e nome vão requisitar algo para vocês. E vocês terão de
fornecer ao verbo ou ao nome exatamente o que eles querem, do jeito que eles querem. Vejam a tabela a seguir:

TERMO REGENTE PREPOSIÇÃO TERMO REGIDO

NECESSITAR DE AJUDA

CONFIAR EM VOCÊ

PREOCUPAR-SE COM O SENHOR

ELOGIAR Ø SEU TRABALHO

PREOCUPADO COM O SENHOR

CONFIANTE EM VOCÊ

NECESSIDADE DE AJUDA

ELOGIO A SEU TRABALHO

Vamos dar nome aos bois, moçada!

TERMO REGENTE é o que rege, ou seja, é aquele que comanda, que tem uma necessidade e precisa que
esta seja suprida. Os termos regentes, como podemos ver na tabela, são VERBOS – no caso, NECESSITAR,
CONFIAR, PREOCUPAR-SE e ELOGIAR - ou NOMES (substantivos, adjetivos ou advérbios) – no caso,
NECESSIDADE, CONFIANTE, PREOCUPADO e ELOGIO. O TERMO REGIDO é aquele que se subordina ao
regente, exercendo função de complemento – verbal ou nominal -, adjunto – adverbial ou adnominal -, ou
agente da passiva. A Sintaxe de Regência estuda, dessa forma, a relação existente entre os termos regentes e
regidos. Os primeiros mandam; os segundos obedecem.

4 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Notem que cada um desses termos regentes possui uma necessidade. Vocês devem se recordar da
famosa “conversa com o verbo”, que tivemos quando estudamos emprego dos pronomes pessoais e que nos
perseguiu por toda a análise sintática da oração e do período. É por meio dessa conversa que conseguimos
identificar a demanda específica do verbo ou nome. Vejam:

QUEM NECESSITA NECESSITA DE ALGO/ALGUÉM.

QUEM CONFIA CONFIA EM ALGO/ALGUÉM.

QUEM SE PREOCUPA SE PREOCUPA COM ALGO/ALGUÉM.


QUEM ELOGIA ELOGIA ALGO/ALGUÉM.
QUEM ESTÁ PREOCUPADO ESTÁ PREOCUPADO COM ALGO/ALGUÉM.

QUEM ESTÁ CONFIANTE ESTÁ CONFIANTE EM ALGO/ALGUÉM.


QUEM TEM NECESSIDADE TEM NECESSIDADE DE ALGO/ALGUÉM.

QUEM FAZ ELOGIO FAZ ELOGIO A ALGO/ALGUÉM.


Como eu havia dito, manda quem pode e obedece quem tem... preposição! Cada termo regente irá
solicitar ou um complemento ou um adjunto introduzido ou não por preposição. E não há como negociar!
Uma vez que o verbo “necessitar” pede complemento regido pela preposição DE, não se pode a ele ofertar
outra preposição que não seja esta, sob pena de se contrariar a vontade do verbo; uma vez que o verbo “elogiar”
pode objeto direto como complemento, estamos desautorizados a empregar preposição sob pena de se
contrariar a vontade do verbo; e assim sucessivamente.
Da forma como descrevo, a Regência parece ser algo inflexível – é assim e acabou! No entanto, existem
alguns termos regentes que admitem mais de uma regência, mantendo seu sentido original. É, por exemplo, o
caso do verbo ATENDER, que tanto pode ser TRANSITIVO DIRETO ou TRANSITIVO INDIRETO com objeto
indireto introduzido pela preposição A. É correto escrever “Atendemos o paciente”. Também é correto escrever
“Atendemos ao paciente”. Além disso, há termos regentes que admitem regências distintas para sinalizar
significados distintos. É o caso do verbo ASPIRAR – no sentido de INALAR, ABSORVER, é um verbo
TRANSITIVO DIRETO (Nós aspiramos o perfume das flores); já no sentido de ALMEJAR, DESEJAR, é um verbo
TRANSITIVO INDIRETO com objeto indireto introduzido pela preposição A (Nós aspiramos ao cargo público).
Isso posto, notem que não é necessário decorar todas as regências. Primeiramente, porque não temos
vida suficiente para mapear todas as regências! Rsrsrs. Elas são infinitas! Segundo, porque a simples “conversa”
com o verbo ou nome, muitas vezes, será mais que suficiente para identificar a regência do verbo ou do nome.
Obviamente, nem só de “conversa” vive o homem. Vamos precisar sim não só decorar algumas regências, mas
sobretudo entender sua função e sentido no contexto em que se inserem. As principais regências, aquelas
sempre presentes em provas, são previsíveis e serão detalhadas nas seções seguintes, não se preocupem!

5 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Antes de avançar, quero relembrar uma aplicação da Morfologia que dialoga com Sintaxe de Regência.
Lembram-se do emprego de preposições antes de pronomes relativos? Você, quando esse assunto estudou,
estava dialogando com Regência sem saber. Relembremos!

Emprego das Preposições antes de Pronomes Relativos


Moçada, sempre que verbo ou nome presentes numa oração adjetiva solicitarem preposição para se ligar
ao termo antecedente substituído pelo relativo, a preposição deve ser posicionada ANTES do pronome relativo!
Como assim, professor? Que negócio complicado!!!

Não é complicado não, jovens! Vejamos!

Notem, no primeiro quadrinho da tirinha, o fragmento “... todos os quatro livros que preciso...”. Moçada,
o “que” exerce a função de pronome relativo, retomando o termo anterior “livros”, concordam? Na oração
adjetiva “que preciso...”, o verbo PRECISAR requisita a preposição DE para ligá-lo a LIVROS, termo retomado
pelo relativo QUE. No entanto, na tirinha, assim como na nossa fala cotidiana, a preposição foi omitida.
Queridos, omitir a preposição é como arrancar um pedaço do verbo ou do nome que a solicitam. Não há
negociação! Em situações como essa, é necessário posicionar a preposição ANTES DO PRONOME RELATIVO
sob pena de contrariar a regência do verbo ou nome.

Logo, o correto seria “... todos os quatro livros DE QUE preciso...”


Vamos simular diversas situações a seguir, trazendo para o palco o pronome relativo QUE:

O professor ____ que gostamos pediu dispensa médica.

____ que costumamos tirar dúvidas está de férias.


____ que temos grande carinho está adoentado.
____ que confiamos divergiu do gabarito oficial divulgado.

____ que nos referimos ministra aulas no Direção Concursos.


____ que admiramos pediu para se aposentar.

Queridos, o primeiro passo é visualizar a presença do pronome relativo e identificar o termo antecedente
por ele retomado. Nas várias frases em questão, o QUE exerce a função de pronome relativo, o que fica evidente
com a substituição do QUE pela forma O QUAL. Também em todas as frases, o QUE relativo retoma o termo
antecedente PROFESSOR.

6 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

O professor ____ que gostamos pediu dispensa médica.


____ que costumamos tirar dúvidas está de férias.

____ que temos grande carinho está adoentado.

____ que confiamos divergiu do gabarito oficial divulgado.


____ que nos referimos ministra aulas no Direção Concursos.

____ que admiramos pediu para se aposentar.

Uma vez identificada a presença do pronome relativo, devemos analisar a oração adjetiva.

O professor ____ que gostamos pediu dispensa médica.

____ que costumamos tirar dúvidas está de férias.


____ que temos grande carinho está adoentado.

____ que confiamos divergiu do gabarito oficial divulgado.


____ que nos referimos ministra aulas no Direção Concursos.

____ que admiramos pediu para se aposentar.

Na sequência, devemos checar se há verbo ou nome na oração adjetiva solicitando preposição para se
ligar ao termo antecedente retomado pelo QUE. Reconstruindo as orações adjetivas, é possível identificar qual
a preposição solicitada pelo verbo ou nome. Vejamos:

Gostamos DO professor.
Costumamos tirar dúvidas COM o professor.

Temos grande carinho PELO professor.


Confiamos NO professor.

Nós referimos AO professor.


Admiramos o professor.

7 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Identificadas as preposições, elas devem ser posicionadas antes dos pronomes relativos. Observem:

O professor DE que gostamos pediu dispensa médica.

COM que costumamos tirar dúvidas está de férias.


POR que temos grande carinho está adoentado.

EM que confiamos divergiu do gabarito oficial divulgado.


A que nos referimos ministra aulas no Direção Concursos.

Ø que admiramos pediu para se aposentar.

É uma arte, moçada!

Além disso, percebamos que o termo antecedente PROFESSOR pode ser retomado pelos relativos O
QUAL ou QUEM, resultando nas também corretas construções:

O professor do qual (de quem) gostamos pediu dispensa médica.

com o qual (com quem) costumamos tirar dúvidas está de férias.

pelo qual (por quem) temos grande carinho está adoentado.


no qual (em quem) que confiamos divergiu do gabarito oficial divulgado.

ao qual (a quem) nos referimos ministra aulas no Direção Concursos.


o qual admiramos pediu para se aposentar.

Vejam mais exemplos:

Esse é o livro a que eu me referi. (referi-me ao livro)


Minha namorada é a menina com quem eu saí ontem. (saí com a menina)

O professor ao qual eu entreguei o livro não veio hoje. (entreguei ao professor)


Não cuspa no prato em que você comeu. (comeu no prato)

O filme a que você fez referência é muito bonito. (referência ao filme)

Os remédios dos quais temos necessidade foram entregues. (necessidade dos remédios)
A regra também é válida para o pronome relativo cujo(a)(s):

O professor a cuja aula faltei esclareceu muitas dúvidas. (faltei à aula do professor)

O técnico de cuja ajuda necessito está aqui. (necessito da ajuda do técnico)


O estagiário com cujo irmão falei acaba de chegar. (falei com o irmão do estagiário)
O presidente sobre cuja vida escrevi faleceu. (escrevi sobre a vida do presidente)

8 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Observação:

Alguns verbos podem ou não ser pronominais, o que impacta a regência.


Exemplos:
COMUNICAR – comunicar alguém/comunicar-se COM alguém;

ABORRECER – aborrecer alguém/aborrecer-se COM alguém;

ENTREGAR – entregar algo/entregar-se A algo;


DEFENDER – defender alguém/defender-se DE alguém.

...
Alguns verbos, usados sempre como pronominais, exigem em suas regências preposição.
Exemplos:
ARREPENDER-SE: arrepender-se DE algo;

INDIGNAR-SE: indignar-se COM algo;


QUEIXAR-SE: queixar-se DE algo/alguém;

ATREVER-SE: atrever-se A algo;

...

CUIDADO!
Alguns verbos são equivocadamente empregados no dia a dia como pronominais. É o caso dos verbos
SIMPATIZAR, ANTIPATIZAR, SILENCIAR, SOBRESSAIR, PROLIFERAR, ...

O funcionário se sobressaiu no projeto. (ERRADO)

O funcionário sobressaiu no projeto. (CERTO)


O candidato se silenciou diante da pergunta invasiva do repórter. (ERRADO)

O candidato silenciou diante da pergunta invasiva do repórter (CERTO)

Muitos se simpatizam com minhas ideias. (ERRADO)


Muitos simpatizam com minhas ideias. (CERTO)
É bastante comum a exploração desse tipo de erro com os verbos acima listados, em especial SIMPATIZAR e
SOBRESSAIR. Tomem cuidado! Eles não são pronominais!

9 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Caiu em prova!

Sou forçado, pois, a limitar-me aos elementos de que disponho, encerrando em desventuras as aventuras de
Viramundo em Ouro Preto, e dando viço às suas peregrinações.
A correção gramatical do texto seria prejudicada caso se substituísse “de que” por os quais.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:

Analisemos o trecho:

Sou forçado, pois, a limitar-me aos elementos de que disponho...

A forma “de que” consiste na união da preposição “de” – requerida pela regência da forma verbal “dispomos”
(dispomos de algo) – com o pronome relativo “que” – que retoma o termo anterior “elementos”.

Até podemos substituir o relativo “que” pelo também relativo “os quais”, mas precisamos manter a
preposição “de” posicionada antes do pronome, pois é uma exigência da regência do verbo “dispor”.

Dessa forma, seria correta a seguinte redação: Sou forçado, pois, a limitar-me aos elementos dos quais
disponho...

A ausência da proposição acarretaria prejuízo gramatical.

Resposta: CERTO

10 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Principais Regências
Nosso próximo passo é identificar as principais regências verbo-nominais. Por que principais? Porque não
são tão intuitivas e, muitas vezes, divergem do uso adotado no dia a dia. Como havia dito, Regência é um
assunto nem fácil, nem difícil, mas previsível! Sabemos exatamente quais são as regências com que precisamos
nos familiarizar. Já antecipo aqui algumas: ASPIRAR, ASSISTIR, OBEDECER, VISAR, PREFERIR,
LEMBRAR/ESQUECER, PERDOAR/PAGAR, AGRADAR, QUERER, etc.

Detalhemos a seguir casa uma delas de forma bem esquemática, para facilitar a compreensão de vocês.

Casos de Regência Verbal

AGRADAR

= no sentido de ACARICIAR, FAZER CARINHO, emprega-se como TRANSITIVO DIRETO.

Exemplo: O dono agradou seu cachorrinho no colo.

= no sentido de SATISFAZER, GERAR CONTENTAMENTO, emprega-se como TRANSITIVO INDIRETO,


com objeto introduzido pela preposição A

Exemplo: O discurso do ministro não agradou ao mercado, que reagiu ferozmente.

11 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

AGRADECER

= TRANSITIVO DIRETO, com OBJETO DIRETO nome de “COISA”

Exemplos:

Agradeci sua ajuda. (= Agradeci-a)

Agradecemos as doações. (= Agradecemo-las)

= TRANSITIVO INDIRETO com OBJETO INDIRETO nome de “PESSOA”

Exemplos:

Os internautas agradeceram ao apresentador. (= Os internautas lhe agradeceram).

O cliente agradeceu ao gerente pelo atendimento. (= O cliente lhe agradeceu... ou O cliente agradeceu
a ele...).

= TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO, sendo o OBJETO DIRETO nome de “COISA” e o INDIRETO nome
de “PESSOA”, introduzido pela preposição A.

Exemplos:

Agradeci ao apresentador o apoio.

Agradeci aos internautas as doações.

12 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

ASPIRAR

= no sentido de SORVER, INALAR, TRAGAR, constrói-se com OBJETO DIRETO.

Exemplo:

Marta aspirava o perfume das rosas.

= no sentido de DESEJAR, PRETENDER, constrói-se com OBJETO INDIRETO, com a preposição A.

Exemplo:

Ela aspirava a altos cargos.

Simulemos algumas situações:


Todos nós aspiramos ____ ar poluído.

____ cargo público.

____ carreira pública.

Na primeira construção, devemos apenas utilizar o artigo O, haja vista que o verbo ASPIRAR foi
empregado no sentido de INALAR.

Na segunda construção, devemos apenas utilizar a combinação AO, que consiste na fusão da preposição
A – requerida pela regência do verbo ASPIRAR no sentido de DESEJAR – com o artigo O – solicitado pelo
substantivo CARGO.

E atenção para a terceira construção!


Nela devemos apenas utilizar a contração À, que consiste na fusão da preposição A – requerida pela
regência do verbo ASPIRAR no sentido de DESEJAR – com o artigo A – solicitado pelo substantivo CARREIRA.
É a primeira (de muitas) beliscadas no assunto CRASE, subproduto da REGÊNCIA.

Vejamos mais simulações:


O ar ____ respiramos é impuro.
O cargo _____ aspiramos é muito disputado.

A carreira _____ aspiramos é muito disputada.

13 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Na primeira construção, devemos apenas utilizar os pronomes relativos QUE ou O QUAL, haja vista que
o verbo ASPIRAR foi empregado no sentido de INALAR. Tais pronomes relativos retomam o termo anterior
AR.

Na segunda construção, devemos apenas utilizar as combinações A QUE ou AO QUAL, compostas pela
preposição A – requerida pela regência do verbo ASPIRAR no sentido de DESEJAR – com os pronomes
relativos QUE ou O QUAL – que retomam o termo anterior CARGO.
E atenção para a terceira construção!

Nela devemos apenas utilizar as construções A QUE ou À QUAL – com crase -, compostas pela preposição
A – requerida pela regência do verbo ASPIRAR no sentido de DESEJAR – com os pronomes relativos QUE ou
A QUAL – que retomam o termo anterior CARREIRA.

Outra beliscada em crase, moçada! Já fica a dica: A + A = À.

ATENÇÃO!!!

O verbo ASPIRAR não admite o emprego do pronome LHE para substituir seu OBJETO INDIRETO. Seremos
obrigados a empregar as formas oblíquas tônicas A ELE, A ELA.

Todos nós aspiramos ao cargo.


= Todos nós lhe aspiramos. (ERRADO)

= Todos nós aspiramos A ELE. (CERTO)

Caiu em prova!

É de se supor que quem quer casar deseje que a sua futura mulher venha para o tálamo conjugal com a máxima
liberdade, com a melhor boa-vontade, sem coação de espécie alguma, com ardor até, com ânsia e grandes
desejos;...

Mantendo-se a correção gramatical e os sentidos originais do texto, a forma verbal “deseje” poderia ser
substituída por “aspire a”.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

O verbo “aspirar” pode ser usado no sentido de “desejar”. Nesse caso, ele rege a preposição “a”. Assim, na
questão, a forma verbal “deseje” pode ser corretamente substituída por “aspire a”, mantendo-se a correção
gramatical e o sentido original do texto.

Observação:

O verbo “aspirar” também pode significar “inalar”, “cheirar”. Nesse sentido, ele será transitivo direto.

Exemplo:
Nós aspiramos o doce perfume.

Resposta: CERTO

14 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

ASSISTIR

= no sentido de PRESTAR ASSISTÊNCIA, PROTEGER, SERVIR, constrói-se com OBJETO DIRETO.

Exemplo:

O enfermeiro assiste o paciente.

= no sentido de PRESENCIAR, ESTAR PRESENTE constrói-se com OBJETO INDIRETO, COM A


PREPOSIÇÃO A.

Exemplo:

Assisti ao jogo (e não “Assisti o jogo”, como se fala no cotidiano)

= no sentido de CABER, PERTENCER DIREITO OU RAZÃO A ALGUÉM, constrói-se com OBJETO


INDIRETO, COM A PREPOSIÇÃO A.

Exemplo:

Não assiste ao Judiciário legislar em prol dos indefesos.

= no sentido de MORAR, RESIDIR, constrói-se com ADJUNTO ADVERBIAL DE LUGAR, COM A


PREPOSIÇÃO EM.

Exemplo:

Ele assistia num sítio muito distante da cidade.

Sem a menor dúvida, a regência mais importante do verbo ASSISTIR é a referente ao seu sentido
mais popular, de VER, PRESENCIAR, ESTAR PRESENTE. É a mais importante, porque é a mais usada no
cotidiano, e de forma errada!

15 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Ora, em nosso dia a dia, é comum ouvirmos e falarmos.

Nós assistimos o jogo.

Nós assistimos o filme.


O filme que assistimos ganhou vários prêmios.
Devido ao fato de pouco conhecermos os outros sentidos do verbo ASSISTIR, empregamos essa forma
verbal equivocadamente como transitiva direta. O certo seria:
Nós assistimos Ao jogo.
Nós assistimos Ao filme.

O filme A que assistimos ganhou vários prêmios.

Fica o questionamento: Professor, por que a Gramática implica conosco assim? Por que ela propõe uma
norma que contraria o uso do cotidiano?
Galera, na verdade, não é uma implicação! Acontece que existem outros sentidos para o verbo ASSISTIR
não usados por nós no cotidiano. Por exemplo, dificilmente uma pessoa emprega no cotidiano ASSISTIR com
a significação de AJUDAR, PRESTAR ASSISTÊNCIA. Mas a Gramática previu esse uso e, para distingui-lo de
outros sentidos, estabeleceu uma regência específica.

Observem as duas frases a seguir:


Eu assisti o velhinho que estava atravessando a rua.
Eu assisti ao velhinho que estava atravessando a rua.
Queridos, notem que, na primeira frase, o verbo ASSISTIR está no sentido de AJUDAR. Já na segunda,
no sentido de VER. A presença ou a ausência da preposição faz uma tremenda diferença.

16 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Além desses dois clássicos sentidos, o verbo ASSISTIR também pode significar “MORAR”, situação em
que será INTRANSITIVO e terá a ele ligado um adjunto adverbial de lugar introduzido pela preposição EM –
Estamos assistindo atualmente em Brasília.

Por fim, podemos empregar o verbo assistir no sentido de CABER, SER OBRIGAÇÃO, situação em que
será transitivo indireto e solicitará preposição A – Assiste ao Executivo administrar; ao Legislativo assiste criar
as leis; ...

ATENÇÃO!!!

O verbo ASSISTIR, no sentido de VER, PRESENCIAR, não admite o emprego do pronome LHE para
substituir seu OBJETO INDIRETO. Seremos obrigados a empregar as formas oblíquas tônicas A ELE, A ELA.
Exemplo:
Nós assistimos AO FILME.

= Nós LHE assistimos. (ERRADO)


= Nós assistimos A ELE. (CERTO)

Professor, por que alguns verbos recusam o LHE como objeto indireto?

Meus amigos, aqui a Gramática nos impõe uma tradição, não havendo propriamente uma razão lógica.
No entanto, pode-se afirmar que o LHE é empregado GERALMENTE para substituir pessoas, não sendo
pertinente seu uso para substituir COISAS. Já as formas A ELE(S), A ELA(S), PARA ELE(S), PARA ELA(S) são
empregadas tanto para substituir PESSOAS como COISAS.

Tenham em mãos uma lista de verbos que recusam o emprego do LHE como objeto indireto: ASPIRAR (=
ALMEJAR), ASSISTIR (=VER), ALUDIR, PROCEDER, RECORRER, REFERIR-SE, VISAR (=ALMEJAR), etc.

17 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

CHAMAR

= no sentido de CONVOCAR, CONVIDAR, emprega-se como TRANSITIVO DIRETO.

Exemplo: Chamei o professor em minha sala para uma reunião urgente.

= no sentido de INVOCAR, PEDIR AUXÍLIO, emprega-se como TRANSITIVO DIRETO ou como INDIRETO,
COM OBJETO INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO POR.

Exemplo: Chamei (por) meu pai no momento de maior aflição.

= no sentido de NOMEAR, QUALIFICAR, ROTULAR, apresenta diversas possibilidades de construção.

Exemplos:

Chamei o Ministro idiota. (Chamei-o idiota.)

Chamei o Ministro de idiota. (Chamei-o de idiota.)

Chamei ao Ministro idiota. (Chamei-lhe idiota.)

Chamei ao Ministro de idiota. (Chamei-lhe de idiota)

O verbo CHAMAR é TRANSOBJETIVO nesse caso. Além disso, o PREDICATIVO DO OBJETO pode ou não
ser introduzido pela preposição DE.

18 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

CUSTAR

= no sentido de “VALER UM PREÇO”, “TER UM VALOR”, é INTRANSITIVO, acompanhado de ADJUNTO


ADVERBIAL DE PREÇO.

Exemplos:

O terno custou 10 mil reais.

Aquele carro custou seu salário anual.

Alguns gramáticos, no entanto, consideram “10 mil reais” e “seu salário anual” como objetos diretos. Há
divergências, portanto!

= no sentido de “SER DIFÍCIL, PENOSO, CUSTOSO”, é TRANSITIVO INDIRETO, com OBJETO


INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A.

Exemplos:

Custamos a acreditar no que estava ocorrendo.

Custamos a aprender com nossos erros.

= no sentido de “CAUSAR”, “ACARRETAR”, é TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO, com INDIRETO


INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A.

Exemplos:

A derrota no clássico custou o emprego ao técnico.

A prepotência custou-lhe (a ele) muitas amizades perdidas.

HAVER

= no sentido clássico de “EXISTIR”, “OCORRER”, “ACONTECER”, é IMPESSOAL E TRANSITIVO DIRETO.

Exemplos:

Havia problemas sérios na empresa.

Reclamações houve durante a operação.

19 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

= no sentido de “COMPORTAR-SE”, “DEPARAR-SE”, “CONFRONTAR-SE”, é PRONOMINAL.

Exemplos:

Ele se houve bem na cerimônia, não criando polêmicas. (= se comportou)

Eles se houveram com uma multidão furiosa. (se depararam)

= no sentido de “OBTER”, “CONSEGUIR”, é TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO, com INDIRETO


INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO DE.

Exemplos:

O Estado houve uma infinidade de recursos dos contribuintes.

Muitas instituições houveram doações de internautas promovidas nas redes sociais.

IMPLICAR

= TRANSITIVO DIRETO, no sentido de RESULTAR, ACARRETAR, TER COMO CONSEQUÊNCIA

Exemplos:

A despesa com elementos supérfluos implicará gastos desnecessários.

Maior consumo implica mais despesas por parte da empresa.

Algumas gramáticas mais modernas até admitem a presença da preposição “em”, fazendo menção ao
uso coloquial. Porém, o que notamos nas bancas é o emprego tradicional do verbo implicar. Repetindo:
transitivo direto, no sentido de resultar, acarretar.

= TRANSITIVO INDIRETO, no sentido de EMBIRRAR, TER IMPLICÂNCIA COM ALGUÉM

Exemplo:

Os alunos implicaram com o professor.

20 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

LEMBRAR/ESQUECER

= como VERBOS NÃO PRONOMINAIS, são construídos com OBJETO DIRETO.

Exemplo:

Esqueci o nome dela.

Lembrei o nome dela.

= como VERBOS PRONOMINAIS (ACOMPANHADOS DE PRONOME OBLÍQUO ÁTONO), são construídos


com OBJETO INDIRETO, INTRODUZIDOS PELA PREPOSIÇÃO A.

Exemplo:

Esqueci-me do nome dela.

Lembrei-me do nome dela.

É ERRADO DIZER:

Esqueci DO nome dela.

Lembrei DO nome dela.

= verbo TRANSITIVO INDIRETO, com OBJETO INDIRETO INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A

Exemplo:

Esqueceu-me a pauta da reunião.

Esqueceu a você o nome dele.

Trata-se de uma construção um tanto estranha, não é mesmo?

Nela, temos como sujeito a coisa lembrada ou esquecida. Já o verbo é acompanhado de objeto indireto
introduzido pela preposição A.

No caso da primeira frase, o sujeito é “a pauta da reunião” e o objeto indireto é representado pelo pronome
oblíquo ME (= A MIM).

No caso da segunda frase, o sujeito é “o nome dele” e o objeto indireto é representado pelo pronome oblíquo
VOCÊ (= A VOCÊ).

21 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

= no caso do verbo LEMBRAR, também é possível empregá-lo como TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO,
com OBJETO INDIRETO INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A OU DE.

Exemplo:

Lembrei meu chefe da reunião de logo mais.


O assessor lembrou vários números relevantes ao seu chefe durante a reunião.

São tantas já vividas


São momentos que eu não esqueci

Detalhes de uma vida

Histórias que eu contei aqui

Quando vocês estiverem cantarolando Roberto Carlos no banho, tomem cuidado com o verso destacado,
ok? Você pode usar o verbo “ESQUECER” como pronominal ou como não pronominal. Há duas construções
corretas, portanto!

São momentos que eu não esqueci...


São momentos DE que eu não ME esqueci...

ATENÇÃO!!!

Diante de uma oração subordinada substantiva objetiva indireta, é possível omitir a preposição DE exigida pela
forma pronominal “ESQUECER-SE” ou “LEMBRAR-SE”.

Exemplo:

Nós nos esquecemos (de) que não haveria aula.

22 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Caiu na prova!

No trecho “...devemos nos lembrar que a educação no trânsito é mais do que importante”, a ausência do pronome
oblíquo “nos” prejudicaria a correção gramatical.
( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

O verbo lembrar admite duas regências: como não pronominal, deve ser empregado como transitivo direto;
já como pronominal, deve ser empregado como transitivo indireto e deve ser acompanhado da preposição
DE.

Na redação original, tem-se: ...devemos nos lembrar (de) que a educação no trânsito...

Nela, o verbo lembrar foi empregado como pronominal, acompanhado do oblíquo átono “nos”. A preposição
DE, requerida nesse formato, está subentendida, pois, diante de orações subordinadas substantivas objetivas
indiretas ou completivas nominais, é possível omitir a preposição, sem gerar prejuízos gramaticais.

Na proposta de reescrita sugerida, tem-se: ...devemos lembrar que a educação no trânsito... .

Nela, o verbo lembrar foi empregado como não pronominal. Nesse formato, tem-se um verbo transitivo
direto.

A alteração proposta, portanto, não prejudica a correção gramatical.

Resposta: ERRADO

OBEDECER/DESOBEDECER

Trata-se de verbos TRANSITIVOS INDIRETOS, regidos pela preposição A.

Exemplos:

Obedecia ao mestre.

Obedecia à sinalização de trânsito.


Cuidado!
Em nosso dia a dia, é comum ouvirmos e falarmos.
Nós obedecemos o regulamento.

Nós obedecemos o patrão.


Eles desobedeceram a sinalização de trânsito.
O certo seria:
Nós obedecemos Ao regulamento.

Nós obedecemos Ao patrão.

23 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Eles desobedeceram À sinalização de trânsito.


Note que, no último caso, a crase é resultado da fusão da preposição A – requerida pela regência de
DESOBEDER – com a artigo A – requerido pelo substantivo SINALIZAÇÃO.

ATENÇÃO!!!
O verbo OBEDECER, embora seja TRANSITIVO INDIRETO, admite construção em voz passiva.
O agente público não obedeceu à decisão da Justiça. (VOZ ATIVA)

= A decisão da Justiça não foi obedecida pelo agente público. (VOZ PASSIVA)

Caiu em prova!
Obedecer às leis de trânsito somente por medo de multas é o símbolo do despreparo e a causa de tantas mortes.

A substituição de “Obedecer às leis de trânsito” por “Obediência a leis de trânsito” preservaria a correção
gramatical e não acarretaria mudança de sentido original.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:

No trecho original, o substantivo “leis” está determinado por artigo definido feminino. Afirma-se isso, pois
a forma “às” consiste na fusão da preposição “a” – requerida pela regência do verbo “obedecer” – com o
artigo “as” – solicitado pelo substantivo “leis”. Com a determinação por artigo, dá-se a entender que se está
falando de todas as leis de trânsito. A obediência se faz necessária para todas as leis, portanto.

No trecho reescrito, o substantivo “leis” não está determinado por artigo. O “a” que antecede “leis” é apenas
preposição “a”, requerida pela regência do nome “Obediência”. Sem o artigo, dá-se a entender que se está
falando de apenas algumas leis, não de todas. A obediência se faz necessária para algumas leis, portanto.

Resposta: ERRADO

24 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

PAGAR/PERDOAR

= TRANSITIVO DIRETO com OBJETO DIRETO DE “COISA”

Exemplos:

Perdoei suas dívidas (= Perdoei-as)

Paguei minhas constas (= Paguei-as)

= TRANSITIVO INDIRETO com OBJETO INDIRETO DE “PESSOA”

Exemplos:

O pai não perdoou ao filho (= O pai não lhe perdoou).

O cliente não pagou ao lojista (O cliente não lhe pagou).

= TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO, com o OBJETO DIRETO “COISA” e o OBJETO INDIRETO “PESSOA”,
introduzido pela preposição A.

Exemplos:

Perdoei ao jogador a ofensa.

Paguei ao funcionário a dívida.

25 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

PREFERIR

Trata-se de verbo TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO.

Diferentemente da linguagem coloquial, este verbo não se constrói com a locução DO QUE, e sim com
a preposição A.

Além disso, é errado dizer “preferir mais”, pois é um pleonasmo (redundância).

Exemplo:

Prefiro MAIS café DO QUE chá (ERRADO)

Prefiro café A chá (CERTO)

Olha o desafio aí, galera!

Galera, em hipótese alguma, use DO QUE.


Embora seja a construção mais comum no dia a dia,
ela contraria a regência do verbo PREFERIR, cujo
OBJETO INDIRETO requer preposição A.
E por que não usamos a crase?
A preposição A está com presença já
garantida, beleza? Para que houvesse a crase,
necessitaríamos do artigo A!
No entanto, vejam que não foi empregado
artigo O para PORTUGUÊS.

Por questões de simetria (paralelismo), não devemos empregar o artigo A antes de MATEMÁTICA.
Não faria sentido um ter artigo e o outro, não.
Dessa forma, a lacuna deve ser preenchida apenas com a preposição A.
Cuidado, portanto, com as questões que envolvem uso da crase e simetria (paralelismo).

Veja outros exemplos:


Vou estudar DE 2a A 6a. (sem artigo para 2a; sem artigo para 6a; somente há preposição A; não há crase)
Vou estudar DA 2a À 6a. (com artigo para 2a; com artigo para 6a; ocorre encontro da preposição A com
o artigo A; há crase)
Vou estudar DE 8h A 12h. (sem artigo para 8h; sem artigo para 12h; somente há preposição A; não há
crase)

26 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Vou estudar DAS 8h ÀS 12h. (com artigo para 8h; com artigo para 12h; ocorre encontro da preposição A
com o artigo AS; há crase)

PROCEDER

= no sentido clássico de “TER CABIMENTO”, “PORTAR-SE”, é INTRANSITIVO.

Exemplos:

Seus argumentos não procedem.

Ele procede com elegância diante de tantos insultos agressivos.

= no sentido de “ORIGINAR-SE”, é INTRANSITIVO e é acompanhado de ADJUNTO ADVERBIAL


INTRODUZIDO PLEA PREPOSIÇÃO DE.

Exemplos:

Tais informações procedem das mais diversas fontes.

O material apreendido procede da China.

= no sentido de “INICIAR”, “REALIZAR”, “EXECUTAR”, é TRANSITIVO INDIRETO, com INDIRETO


INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A.

Exemplos:

O relator do caso procedeu à leitura dos autos.

A comissão procedeu ao exame dos recursos impetrados.

ATENÇÃO!!!
O verbo “PROCEDER” é outro verbo que não admite o pronome LHE como objeto indireto. Deve-se empregar
no lugar a forma oblíqua tônica A ELE(S), A ELA(S).

O relator procedeu à leitura dos autos.


= O relator lhe procedeu. (ERRADO)

= O relator procedeu a ela. (CERTO)

27 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

QUERER

= é TRANSITIVO DIRETO no sentido de DESEJAR

Exemplo:

Eu quero meu quarto limpo imediatamente. (= Eu o quero limpo imediatamente)

= é TRANSITIVO INDIRETO no sentido de AMAR, QUERER BEM, pedindo OBJETO INDIRETO


INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A

Exemplo:

Juro que quero muito a você. (= Juro que lhe quero muito)

VISAR

= é TRANSITIVO DIRETO no sentido de MIRAR, APONTAR, PÔR VISTO EM.

Exemplo:

O caçador visou o alvo.

O inspetor visou todas as páginas do laudo técnico.

= é TRANSITIVO INDIRETO no sentido de TER EM VISTA, OBJETIVAR, EXIGINDO A PREPOSIÇÃO A.

Exemplo:

O pai trabalhava visando ao conforto dos filhos.

ATENÇÃO!
O pronome oblíquo LHE não é usado como objeto indireto do verbo VISAR. No lugar, deve-se empregar a
forma oblíqua tônica A ELE, A ELA.
Esta ação visa ao bem-estar social.
= Esta ação lhe visa. (ERRADO)
= Esta ação visa a ele. (CERTO)

Admite-se a omissão da preposição A antes de verbo no infinitivo.

Este relatório visa (a) esclarecer as causas do acidente aéreo.

28 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

ALGUNS VERBOS ADMITEM MAIS DE UMA REGÊNCIA MANTENDO O SENTIDO ORIGINAL.


Vejam a seguir exemplos dos principais casos:

ABDICAR DESFRUTAR

O rei abdicou o trono Desfrutemos a vida.


O rei abdicou do trono Desfrutemos da vida.

ATENDER USUFRUIR

O funcionário atendeu o cliente com gentileza. Usufruí o benefício.

O funcionário atendeu ao cliente com gentileza. Usufruí do benefício

ATENTAR GOZAR

Atente o que estiver escrito. Gozou a vida com intensidade.


Atente ao que estiver escrito. Gozou da vida com intensidade.
Atente para o que estiver escrito.

DEPARAR
ANSIAR Deparei com um gigantesco problema.

Anseio um mundo justo. Deparei um gigantesco problema.

Anseio por um mundo justo. Deparei-me com um gigantesco problema.

29 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Casos de Regência Nominal


A seguir, estão listadas as principais regências de nome. Obviamente vocês não precisam decorar todas
elas, mas é importante que tenham uma familiaridade.

Admiração a, por Devoção a, para, com, por Medo de


Aversão a, para, por Doutor em Obediência a
Atentado a, contra Dúvida acerca de, em, sobre Ojeriza a, por
Bacharel em Horror a Proeminência sobre
Capacidade de, para Impaciência com Respeito a, com, para com, por

Acessível a Entendido em Necessário a


Acostumado a, com Equivalente a Nocivo a
Agradável a Escasso de Paralelo a
Alheio a, de Essencial a, para Passível de
Análogo a Fácil de Preferível a
Ansioso de, para, por Fanático por Prejudicial a
Apto a, para Favorável a Prestes a
Ávido de Generoso com Propício a
Benéfico a Grato a, por Próximo a
Capaz de, para Hábil em Relacionado com
Compatível com Habituado a Relativo a
Contemporâneo a, de Idêntico a Satisfeito com, de, em, por
Contíguo a Impróprio para Semelhante a
Contrário a Indeciso em Sensível a
Descontente com Insensível a Sito em
Desejoso de Liberal com Suspeito de
Diferente de Natural de Vazio de

30 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

CRASE
Chegou a tão esperada hora de falar sobre um dos assuntos mais difíceis da humanidade! Estamos
falando da ... C R A S E.

Gente, muita calma nessa hora! Não há nada de sobrenatural nesse assunto! No entanto, a crase é um
fenômeno linguístico que pode ser facilmente identificado. Confiem em mim!
Primeiramente, vamos entender o CASO GERAL que rege o emprego do acento indicador de crase.
Queridos, o CASO GERAL abrange a maioria das questões relativas ao assunto. Se você o entender bem,
grande parte do trabalho estará feito!

Apresento, a seguir, um quadro resumo que consegue sintetizar muito bem esse raciocínio. Vejamos:

CASO GERAL
À = A (preposição) + A (artigo)
ÀS = A (preposição) + AS (artigo)
Vamos explicar um pouco esse quadro resumo?
Vejam bem, para se haver crase, é necessário se fazer uma soma: soma-se a preposição A - solicitada pela
regência de um verbo ou de um nome - com o artigo definido A ou AS - solicitado por uma palavra feminina.
Se um desses elementos estiver ausente, não faz sentido se falar em crase.
Observem a frase:

Fomos à piscina

A forma verbal “fomos” solicita a regência da preposição “a” – fomos a algum lugar. Além disso, o
substantivo feminino “piscina” solicita o artigo definido “a”. A soma da preposição A com o artigo A resulta na
forma À

As críticas às instituições brasileiras têm ganhado mais espaço na mídia.


A forma nominal “críticas” solicita a regência da preposição “a” – críticas a algo, a alguém. Além disso, o
substantivo feminino “instituições” solicita o artigo definido “as”. A soma da preposição A com o artigo AS
resulta na forma AS.

Para termos certeza de que ocorre a crase, podemos nos utilizar de algumas dicas, que nos possibilitam
um rápido diagnóstico. Elas estão sumarizadas no quadro abaixo:

31 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Se aparecer a forma AO ou AOS antes da


palavra masculina, é sinal de que haverá
crase antes da feminina.

Exemplos:

Temos amor À arte


(= Temos amor AO estudo).
Respondi ÀS perguntas.
(= Respondi AOS questionametos.)

Substituir a palavra
feminina por uma
masculina. Se NÃO aparecer a forma AO ou AOS antes
da palavra masculina, é sinal de que NÃO
haverá crase antes da feminina.

Exemplos:

Prefiro carro A moto.


(= Prefiro carro A ônibus).
Respondi A ela ontem.
(= Respondi A ele ontem.)
TESTE RÁPIDO
- Há crase? -
Se aparecer a forma PARA A, é sinal de que
haverá crase.

Exemplos:

Entreguei o presente À diretora.


(= Entreguei o presente PARA A diretora).
Fiz uma homenagem À professora.
(= Fiz uma homenagem PARA A professora)
Substituir a
preposição A por
PARA.

Se NÃO aparecer a forma PARA A, é sinal de


que NÃO haverá crase.

Exemplos:
Pedi A esta funcionária uma ajuda.
(= Pedi PARA esta funcionária uma ajuda.).
Contarei A você um segredo.
(= Contarei PARA você um segredo.)

32 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

É muito importante que estejamos muito afiados na constatação do CASO GERAL. Devemos sempre ter
em mente que a preposição é uma requerida por um TERMO REGENTE ou SUBORDINANTE - verbo ou nome
- e que o artigo é solicitado por um TERMO REGIDO ou SUBORDINADO – substantivo feminino.

Dessa forma, nosso discurso, moçada, já deve estar pronto!


Toda vez que uma questão solicitar de você a justificativa para emprego do acento indicador de crase,
nosso discurso deve ser:

“A crase é resultado da FUSÃO (CONTRAÇÃO) da preposição A – requerida pelo TERMO REGENTE


(SUBORDINANTE) (verbo ou nome) – com o artigo A(S) – solicitado pelo TERMO REGIDO
(SUBORDINADO) (substantivo feminino) .”

Muitas são as armadilhas aqui. Geralmente, as bancas tentam confundir o aluno, identificando
equivocadamente os termos regidos e os termos regidos. Fiquem espertos. Diagnostiquem quem solicita a
preposição – trata-se de um problema de regência – e quem está de fato solicitando o artigo – no caso, quem é
o substantivo feminino que está pedindo artigo.
Vejamos a seguir alguns exemplos de aplicação do CASO GERAL:

Caiu em prova!

Em “A OMS atribui mais de 7 milhões de mortes por ano à poluição do ar [...]”, a crase é resultante da contração
da preposição “a”, exigida pelo termo subordinante “ano”, com o artigo feminino “a”, reclamado pelo termo
dependente “poluição”.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:
O item está ERRADO.

Você percebeu a pegadinha? A preposição A foi requerida não pelo nome ANO, mas sim pelo verbo ATRIBUI.
Este é o termo subordinante, meus caros! Ele é que pede a preposição A (Quem atribui atribui algo A ALGO.).

Já o termo dependente (também chamado de regido ou subordinado) de fato é “poluição”, que solicita o artigo
A.
Dessa forma, o erro se deve à errada identificação do termo subordinante.
A redação do item estaria correta, se substituíssemos ANO por ATRIBUI.
Resposta: ERRADO

33 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Caiu em prova!

Leia o texto a seguir:

Quando o leitor se depara com o assomo de grandeza do romance de Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas,
é assaltado por enorme espanto e fascínio — intacto, há décadas — desde logo pelo idioma próprio em que foi
escrito, língua quase autárquica, alterada por construções sintáticas singulares e palavras novas. “Muita coisa
importante falta nome”, ensina o narrador do romance. Narrado em primeira pessoa, o personagem conta sua
história a um ouvinte silencioso, informando do seu saber e do não saber, na difícil tarefa de dar forma narrada
às coisas vividas.

O sinal indicativo de crase em “às coisas” justifica-se pela regência de “forma” e pela presença de artigo
feminino plural.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

O item está ERRADO! Novamente, a questão tenta confundir vocês! O termo regente, subordinante, ou seja,
aquele que pede a preposição, não é FORMA. É sim o verbo DAR (Quem dá dá algo A ALGO).

Tanto é verdade que o verbo DAR solicita preposição que conseguimos inverter a ordem dos complementos.
Como assim? É possível reescrever “... na difícil tarefa de dar forma narrada às coisas vividas.” da seguinte
maneira: “... na difícil tarefa de dar às coisas vividas forma narrada.”
Resposta: ERRADO

Caiu em prova!

Com a crescente industrialização do país, tornava-se cada vez mais importante a formação de profissionais para
suprir as demandas do mercado e, doze anos depois, as escolas de aprendizes e artífices de nível primário
foram transformadas em escolas industriais e técnicas, equiparando-se às de ensino médio e secundário.

No texto, o sinal indicativo de crase no trecho “equiparando-se às de ensino médio e secundário” foi
empregado porque a regência do verbo equiparar exige preposição “a”, e “escolas”, palavra que está
subentendida antes de “de ensino médio”, exige o artigo definido feminino plural as.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

De fato, é possível subentender o substantivo “escolas” antes de “de ensino médio”.

Observe: ... equiparando-se às (escolas) de ensino médio e secundário.

Expliquemos agora a crase: ela é resultado da fusão da preposição A - requerida pela regência do verbo
“equiparar-se” (quem se equipara se equipara A algo/alguém) - com o artigo definido “as” - requerido pelo
substantivo subentendido “escolas”.

O item, portanto, está CERTO!

Resposta: CERTO

34 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Da análise do caso geral, podemos tirar algumas conclusões acerca da necessidade do acento indicador
de crase. Primeiramente mapeemos as situações em que não ocorrerá crase.

Não ocorre a Crase


Como mencionado anteriormente, se não houver a preposição “a” ou o artigo “a”, não ocorrerá crase.
Vejam que tudo não passa de consequência do quadro resumo apresentado.

Diante disso, podemos concluir que não há crase...

... antes de verbo


Exemplos:

Voltamos a contemplar a lua.


Estou disposto a estudar.

... antes de palavras masculinas


Exemplos
Gosto muito de andar a pé.
Passeamos a cavalo.

... antes de pronomes de tratamento, exceção feita a SENHORA, SENHORITA, DONA, MADAME, ...:
Exemplos:
Dirigiu-se a V.Sa. com aspereza
Dirigiu-se à Sra. com aspereza.

Atenção!
Por que senhora, senhorita e dona aceitam crase?

Observemos a frase “Entregaram o convite à senhora.”.


Se substituirmos “senhora” por “senhor”, teremos “Entregaram o convite ao senhor”. Dessa forma, se
“senhor” solicita artigo definido, “senhora” também o deverá solicitar. O artigo solicitado por “senhora” se
contrai com a preposição solicitada pela forma verbal “Entregaram”, resultando, portanto, na forma “à”.

... antes de pronomes em geral:


Exemplos:
Não vou a qualquer parte.
Fiz alusão a esta aluna.

Por que não teremos crase nessas situações, professor?


Ora, meu querido aluno, porque não haverá ARTIGO feminino antes de verbo, palavras masculinas e
grande parte dos pronomes. Vamos tecer algumas considerações acerca da crase diante de pronomes, ok?

35 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Como dito, antes de grande parte dos pronomes, não se emprega acento indicador de crase. Por quê,
professor?
Isso ocorre porque grande parte dos pronomes não solicita artigo. Professor, mas quando o senhor fala
que grande parte dos pronomes não solicita artigo, dá a entender que alguns solicitam, certo? Como vamos saber
se o pronome pede ou não artigo?
Lembram-se do quadro que apresentamos para testar a aplicação do CASO GERAL?

É ele que vamos utilizar! Observem!

Fiz elogios ____ ela.


____ esta funcionária.
____ alguma pessoa.

____ mesma funcionária


____ própria diretora.

Nessas frases, substituiremos, meus amigos, a forma feminina do pronome pela masculina. Ora, se
aparecer AO diante do masculino, é sinal de que haverá À – com crase – antes do feminino. Vejamos:

Fiz elogios A ele.


A este funcionário.
A algum indivíduo.

AO mesmo funcionário
AO próprio diretor.
Note que não apareceu artigo masculino antes de ELE, ESTE, ALGUM, provando que, de fato, grande
parte dos pronomes não pedirá artigo e, por essa razão, não haverá crase. Já os demonstrativos MESMA (S) e
PRÓPRIA(S) são antecedidos por artigo definido feminino, pois suas formas masculinas são também
antecedidas por artigo definido masculino.
Dessa forma, na frase “Fiz elogios à mesma funcionária”, tem-se a incidência de crase, haja vista que
ocorre a contração da preposição “a” – solicitada por “elogios” – com o artigo definido “a” – solicitado pelo
pronome “mesma”. Substituindo-se “mesma funcionária” por “mesmo funcionário”, resulta a frase “Fiz elogios
AO mesmo funcionário”. Dessa forma, se “mesmo” solicita o artigo “o”, a forma feminina “mesma” solicita o
artigo “a”. O mesmo raciocínio é válido para PRÓPRIA (S).

36 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Resumindo:

Grande parte dos pronomes NÃO solicita artigo, exceção feita a MESMA (S), PRÓPRIA (S), SENHORA (S),
SENHORITA (S), DONA (S), MADAME (S).
Isso não significa que haverá crase obrigatoriamente antes dessas formas!

CUIDADO! Além do artigo, moçada, é necessário que haja uma preposição, certo? Não havendo preposição,
sem chance de haver crase, gente!

Não vão me pôr crase em “Observei a mesma cena!”, pelo amor dos meus filhinhos! Rs.

Ora, o verbo OBSERVAR não está regendo preposição A, meus amigos! Trata-se de um verbo TRANSITIVO
DIRETO! O A que antecede MESMA é apenas artigo.
E como diz o ditado, um artigo só não faz crase (Nossa! Essa foi péssima! Desculpem-me!).
Ainda falaremos da crase nos relativos A QUAL, AQUELE(S), AQUELA(S) e AQUILO. Também falaremos do
emprego facultativo do artigo antes de pronomes possessivos. Aguardem!

... em locuções formadas por palavras repetidas:


Estamos frente a frente.
Estamos cara a cara.
CUIDADO!
Estamos aqui falando de locuções, que são expressões que designam uma unidade de sentido. As palavras
componentes de uma locução são indissociáveis, pois elas compõem uma coisa só, ok?
Por que o meu alerta? Veja a seguinte frase:
Declarei guerra À guerra.
Nela, é necessário sim o emprego do acento indicador de crase!
Ué? Por quê, professor? O senhor havia dito que não ocorre crase quando temos palavras repetidas?
Calma, jovens! Falamos de locuções, correto? Não é o que ocorre no caso apresentado. Nele, temos o
OBJETO DIRETO “GUERRA” e o INDIRETO “À GUERRA”, ambos complementos do verbo DECLARAR. Não é,
portanto, uma locução, pois seus componentes são dissociáveis.
Fazend0-se o teste de verificação do CASO GERAL, se trocarmos o segundo GUERRA por CONFLITO,
obtemos a seguinte construção: “Declaramos GUERRA AO CONFLITO.”.
Ora, se antes do masculino aparece AO, antes do feminino aparecerá À – com crase.

37 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Observação:

Há divergências entre gramáticos acerca das locuções que expressam ideia de meio ou instrumento. Uns
apontam a necessidade do acento indicador de crase; outros já afirmam que não se deve empregar o acento.
Há, portanto, um impasse. O que se nota é que as bancas evitam dar destaque a essa polêmica em suas
questões.

Num caso raro de nos depararmos com essa polêmica, sugiro que façamos sempre uma análise comparativa
com as demais opções trazidas na questão. Antes de afirmar categoricamente que a crase em “Fiz a prova à
caneta.” – com a locução “à caneta” expressando a ideia de instrumento – está certa ou errada, compare-a com
as demais opções.

... quando o "a" vem antes de uma palavra no plural:


Não falo a pessoas estranhas.
Restrição ao crédito causa o temor a empresários.

Atenção!!!
Observe a seguinte construção:
Referi-me à cenas de terror (ERRADO)

O que está errado nessa frase? Prestem atenção! Tem-se a preposição “a”, solicitada pela regência da forma
verbal “Referi-me” (Quem se refere se refere A ALGO).
Porém, não temos a presença do artigo “a”, uma vez que o substantivo feminino “cenas” é plural.

Se este solicitar artigo, solicitará o definido plural “as”.


Corrigindo, teremos duas possibilidades de redação:

Referi-me a cenas de terror (CERTO)


Referi-me às cenas de terror (CERTO)

Imaginemos um enunciado assim redigido: “As duas frases acima estão corretas do ponto de vista gramatical
e possuem o mesmo sentido”. O que vocês marcariam? CERTO ou ERRADO?
Corretas do ponto de vista gramatical elas estão, mas não possuem o mesmo sentido.

Na construção “Referi-me a cenas de terror”, a ausência do artigo “as” (a forma “a” é apenas preposição) dá
entender que se trata de cenas de terror quaisquer. Já na construção “Referi-me às cenas de terror”, a presença
do artigo definido “as” especifica as cenas de terror, dando a entender que não se trata de quaisquer cenas.

38 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Caiu em prova!

Como educador, Teixeira viajou para a Europa e os Estados Unidos da América para observar os sistemas escolares.
No Brasil, defendeu o conceito de escola única, pública e gratuita como forma de garantir a democracia e foi o
primeiro a tratar a educação com base filosófica.
Instituiu na Bahia, em 1950, a primeira escola-parque, que procurava oferecer à criança uma escola integral, que
cuidasse da alimentação, da higiene, da socialização, além do preparo para o trabalho. Nas escolas-parques, os
alunos ainda tinham contato com as artes plásticas. Naquela época, essas aulas eram orientadas por profissionais
de renome, como Caribé e Mário Cravo.

Com base nas ideias e estruturas linguísticas do texto I, julgue o item subsecutivo.
Em “à criança”, caso o vocábulo “criança” fosse empregado no plural, o acento indicativo de crase deveria ser
mantido.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:

Fazendo-se a alteração sugerida, obteríamos: “... que procurava oferecer à crianças...”. Teríamos uma crase
singular antes de plural. Nem a pau!

Resposta: ERRADO

Galera, resumidamente...

Lembram-se da propaganda do presunto Sadia?

CRASE SINGULAR ANTES DE PLURAL?

NEM A PAU, JUVENAL!

39 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Casos facultativos de CRASE


A crase é facultativa, pois é facultativa a presença de artigo definido. E quais as situações em que é
facultativo o emprego do artigo, professor? Vamos enumerá-las!
A crase é facultativa...

... antes de antropônimo (nome de pessoa) feminino:


Refiro-me à (a) Juliana.

... antes de pronome possessivo feminino:


Dirija-se à (a) sua fazenda.
Veja que, nesses exemplos, ocorre a presença da preposição A. Sem esta, não é possível nem cogitar o
emprego do acento indicador de crase. Havendo a presença da preposição A e sendo o artigo definido feminino
facultativo, a crase se torna facultativa.

Além dos dois casos anteriores, existe o caso da preposição “até”, que pode ou não ser acompanhada
de preposição A, o que também torna facultativo o emprego do acento indicador de crase.
Exemplo:

Dirija-se até à (a) porta.

ATENÇÃO!!!

Há de se tomar cuidado também com a pegadinha da crase facultativa no “às”. Cuidado! Uma vez presente o
acento na forma plural “às”, não há como omitir esse acento sem que se façam outras alterações.
Muitas são as questões que vão afirmar ser facultativo o acento grave no “às” que antecede pronomes
possessivos plurais. Sem fazer quaisquer ajustes, não é possível omitir esse acento de forma alguma.

O exemplo de questão abaixo ilustra bem esse problema. Vejam!


***

Sou forçado, pois, a limitar-me aos elementos de que disponho, encerrando em desventuras as aventuras de
Viramundo em Ouro Preto, e dando viço às suas peregrinações.

É obrigatório o sinal indicativo de crase empregado em “às suas peregrinações”, de maneira que sua
supressão acarretaria incorreção gramatical no texto.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:
Analisemos o trecho:
... e dando viço às suas peregrinações.

A crase é resultado da fusão da preposição “a” – requerida pela regência do verbo “dar” – dar algo a alguém –
com o artigo definido “as” – requerido pelo substantivo “peregrinações”.
Não empregar o acento indicador de crase significaria assim escrever:

40 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

... e dando viço as suas peregrinações.

Nessa construção, haveria apenas o artigo “as” e a preposição “a” - de que não se pode abrir mão, por se
tratar de uma necessidade de regência – estaria ausente, o que resultaria em erro gramatical.
Dessa forma, é correto concluir que existe a necessidade da crase, para que se mantenha a correção
gramatical.

Atenção!
A grande dúvida que poderia surgir está relacionada aos casos facultativos de crase antes de pronomes
possessivos femininos e antropônimos (nomes de pessoa) femininos.

No entanto, é necessário atestar que, mesmo em casos de crase facultativa, há a necessidade da preposição
“a”. Sem ela, não faz sentido se falar em crase. A preposição é inegociável.
O que ocorre é que a crase é facultativa porque é facultativa a presença de artigo antecedendo pronome
possessivo feminino e antropônimo feminino. Tanto faz anteceder artigo ou não.

Seriam, portanto, corretas as seguintes construções:


... e dando viço a suas peregrinações.
(sem crase; tem-se apenas a preposição “a” e abriu-se mão do artigo, pois este é facultativo).

... e dando viço às suas peregrinações.

(com crase; tem-se a preposição “a” e o artigo facultativo “as”).


Estariam erradas as construções:
... e dando viço à suas peregrinações.

(há a presença de um artigo singular para um substantivo plural).


... e dando viço as suas peregrinações.
(a preposição está ausente).

41 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Casos Especiais de CRASE


Crase nas locuções de base feminina (introduzidas por palavras femininas)
Exemplos:
Chegou à tarde.
Falou à vontade.
O prédio estava às moscas.
Ele saiu à francesa.
À medida que o tempo avança, ele se torna mais habilidoso.
Posicionai-me à frente do palco.
Trata-se de um dos casos mais importantes de aplicação do acento indicador de crase. Veja que não
se trata mais do CASO GERAL estudado, que consistia na fusão de uma preposição com um artigo. O que
temos, na verdade, é a indicação de uma LOCUÇÃO, seja de que tipo for – adjetiva, adverbial, prepositiva,
conjuntiva, ... -, com o acento indicador de CRASE.
Por que isso se faz necessário?

Observem as seguintes construções:

I - Vamos estudar a noite.


II - Vamos estudar à noite.
Observe que, na primeira frase, “A NOITE” atua como OBJETO DIRETO do verbo ESTUDAR. Quer-se
dizer que a noite é o objeto de estudo. Já na segunda frase, “À NOITE” – com CRASE –, é uma locução
adverbial, sintaticamente um adjunto adverbial de tempo. Quer-se dizer que se vai estudar no turno da noite.

O que precisamos ter em mente é que, para que haja acento indicador de crase na locução, esta deve
ser introduzida por palavra feminina.

Cuidado para não inserir o acento grave em locuções


introduzidas por palavras masculinas, ok?
Nada de crase em “navio a vapor”, “fogão a gás”, “todos a bordo”,
etc.

42 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Como se pode ver, trata-se de um caso bastante rico em detalhes. Estejamos atentos às seguintes
locuções específicas.

Locuções formadas pelas palavras CASA, TERRA e DISTÂNCIA

Quando a palavra “casa” é empregada no sentido de “lar” e não vem especificada, não pede artigo. Se,
por sua vez, houver especificação da casa, haverá artigo.
O mesmo ocorre com a palavra “terra”, no sentido de “terra firme”. Só haverá artigo, se vier especificada.
Já a palavra “distância” somente será antecedida de artigo se vier quantificada ou especificada (a
distância de 100m, a distância de um palmo, etc.)
Esse artigo, ao se unir à preposição A, resultará na crase. Observe:
Regressaram a casa para almoçar. (SEM crase, haja vista que CASA não foi especificada)
Regressaram à casa de seus pais. (COM crase, haja vista que CASA foi especificada)
Regressaram a terra depois de muitos dias. (SEM crase, haja vista que TERRA não foi especificada)
Regressaram à terra natal. (COM crase, haja vista que CASA não foi especificada)
Observamos o acidente a distância. (SEM crase, haja vista que DISTÂNCIA não foi especificada)
Observamos o acidente à distância de um quarteirão. (COM crase, haja vista que DISTÂNCIA foi
especificada)

Locuções indicadoras de HORAS

Chegamos às nove horas.


Chegamos à 1h.
Chegamos à meia noite.
Atenção!!!
Observe o comparativo!

Chegamos às nove horas.


Chegamos após as nove horas.
Na segunda frase, não há crase, pois já ocorre a presença da preposição “após”, o que impede a presença de
uma outra preposição (no caso, a preposição “a”).
O mesmo ocorre em:
Marquei às 13h a reunião. (COM crase).
Marquei para as 13h a reunião. (SEM crase, pois já ocorre preposição PARA).

Com a preposição ATÉ, a crase é facultativa:


Fiquei até às 2h. (CERTO)

Fiquei até as 2h. (CERTO)

43 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Locução À MODA (DE)

Cuidado com a locução À MODA (DE).

Ela significa “EM IMITAÇÃO A PESSOA OU A LUGAR”.


Como assim, professor?

Trata-se de imitar o jeito de fazer de uma pessoa ou de um lugar.

Quando você a uma pizzaria (hum...) e pede no cardápio uma pizza à moda do chefe ou uma pizza à
moda da casa, trata-se da pizza que o chefe costuma fazer ou daquela que a casa costuma servir. É a pizza com
marca do chefe – em imitação ao jeito de fazer da pessoa - ou da casa – em imitação ao jeito de fazer de um lugar.
Entendem?

Mas, professor, qual diferença dessas locuções para as demais?


Exato! O ponto peculiar dessa locução é que ela muitas vezes está implícita nas frases. Vejam:
Fiz um gol no racha à CR7.

= Fiz um gol à (moda) CR7.


Notem a expressão “moda” subentendida antes de CR7. Quer-se dizer que o gol feito por mim foi em
imitação ao que o CR7 costuma fazer.

Preparei um delicioso virado à paulista.


= Preparei um delicioso virado à (moda) paulista.
Notem a expressão “moda” subentendida antes de “paulista”. Quer-se dizer que o virado foi feito em
imitação ao que costuma ser servido em São Paulo.

Dessa forma, a locução À MODA DE somente pode ser subentendida quando estiver associada a uma
ideia de lugar ou pessoa.
Bife à (moda) Oswaldo Antunes.

Feijoada à (moda) José Maria.


Tutu à (moda) mineira.

Atenção!!!

A pegadinha fica a cargo de FRANGO A PASSARINHO e BIFE A CAVALO.

Cuidado!
Não é possível subentender MODA, pois PASSARINHO e CAVALO nem são gente, nem lugar!

Portanto, não há crase em FRANGO A PASSARINHO e BIFE A CAVALO.

44 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Crase antes de TOPÔNIMOS (nomes de lugar)


Galera, trata-se de um interessante caso!
Com topônimos, ou seja, nomes de lugares – Bahia, Sergipe, Ceará, Holanda, Manaus, Paris, etc. -, não é
tão óbvia a presença do artigo definido. Não é direta aqui a aplicação do CASO GERAL. É preciso empregar
um artifício que dê cabo (fim) a essa dúvida.
E que artifício seria esse, professor?
Galera, raciocinem comigo!
No fragmento “Vou a Brasília...”, há acento grave ou não?
Notem que não é possível a troca por um equivalente masculino, como o fizemos no caso geral. Temos
aqui que usar outro artifício. Meus amigos, sem ter nem ido, vamos voltar: “Voltei DE Brasília”. O fato de
Brasília ser antecedida apenas pela preposição DE, evidencia que se trata de um topônimo que não requer
artigo.
Dessa forma, “Vou a Brasília” SEM CRASE, porque “Voltei de Brasília SEM ARTIGO”.
Vamos fazer outro teste?
No fragmento “Vou a Bahia...”, há acento grave ou não?
Notem que não é possível a troca por um equivalente masculino, como o fizemos no caso geral. Meus
amigos, sem ter nem ido, vamos voltar: “Voltei DA Bahia”. O fato de Bahia ser antecedida pela contração DA
(=DE + A), evidencia que se trata de um topônimo que requer artigo A.
Dessa forma, “Vou à Bahia” COM CRASE, porque “Voltei da Bahia COM ARTIGO”.

“Retornei a Zurique” sem crase, porque “Vim de Zurique” sem artigo.


“Retornei à Suíça” com crase, porque “Vim da Suíça” com artigo.

“Fui a Paris” sem crase, porque “Vim de Paris” sem artigo.


“Fui à França” com crase, porque “Vim da França” com artigo.

Resumindo, ao som de Beatles, ...


“VOU A sem crase porque VOLTEI DE sem artigo!”

“VOU À com crase porque VOLTEI DA com artigo!”

45 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Atenção!!!

O topônimo será necessariamente antecedido de artigo, caso venha especificado ou qualificado.


Vou a Paris (sem crase).
Vou à Paris, Cidade Luz. (com crase)

Vou a Fortaleza.(sem crase)

Vou à Fortaleza da minha infância. (com crase)

Crase em ÀQUELE (S), ÀQUELA (S), ÀQUILO


Diferentemente do CASO GERAL, aqui não temos a fusão de uma preposição e um artigo, mas sim...

ÀQUELE (S) = A (preposição) + AQUELE (S)


ÀQUELA (S) = A (preposição) + AQUELA (S)
ÀQUILO = A (preposição) + AQUILO
Galera, tenho uma dica bem legal para vocês matarem de primeira esse caso especialíssimo de crase. Na
dúvida se nessas formas pronominais demonstrativas incide o acento grave, faça o seguinte teste:

TROQUE A FORMA AQUELE(S),


AQUELA(S), AQUILO POR
ESTE(S), ESTA(S), ISTO

Se aparecer a forma A ESTE(S), A ESTA(S), A Se aparecer somente o demonstrativo ESTE(S),


ISTO, é sinal de que temos preposição A ESTA(S), ISTO, é sinal de que NÃO temos
acompanhando pronome demonstrativo. preposição A acompanhando o demonstrativo.

O resultado é o emprego de crase em


O resultado é o emprego das formas AQUELE(S),
ÀQUELE(S), ÀQUELA(S), ÀQUILO.
AQUELA(S), AQUILO sem crase.

Exemplos:
Exemplos:
Perguntaram, após a aula, ÀQUELE PROFESSOR
seu parecer sobre a polêmica questão. Homenagearam, ao final do cruso, AQUELE
(= Perguntaram, após a aula, A ESTE DEDICADO FUNCIONÁRIO.
PROFESSOR seu parecer sobre a polêmica (= Homenagearam, ao final do curso, ESTE
questão. DEDICADO FUNCIONÁRIO.)

AQUELA CIDADE visitamos nas férias.


ÀQUELA TURMA eu dediquei, como professor, (= ESTA CIDADE visitamos nas férias.)
muitas horas de trabalho.
(= A ESTA TURMA eu dediquei, como professor,
muitas horas de trabalho.)

46 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Crase diante de PRONOMES RELATIVOS


Observemos as frases a seguir:

Esta é a nação A QUE me refiro.

Não há crase antes do pronome relativo QUE, pois antes dele, há somente preposição A – requerida
pela forma verbal “me refiro”.
Para se certificar disso, substituam “nação” por “país”. Teremos a construção “Este é o país A QUE
me refiro”.
Vejam que não houve alteração na forma A QUE.
É sinal de que não há crase.

Esta é a nação À QUAL me refiro.

Há crase antes do pronome relativo, pois ocorre a fusão da preposição A – requerida pela forma verbal
“me refiro” – com o relativo A QUAL.
Para se certificar disso, substituam “nação” por “país”. Teremos a construção “Este é o país AO QUAL
me refiro”.
O fato de aparecer a forma AO QUAL é sinal de que ocorre crase, resultado da fusão da preposição A
com relativo A QUAL.

Houve uma sugestão anterior À QUE você me deu.

Substituindo “sugestão” por “palpite”, teremos: “Houve um palpite anterior AO QUAL você me deu”.
O fato de aparecer a forma AO QUE é sinal de que ocorre crase, resultado da fusão da preposição A
com o demonstrativo A (= aquela).

Crase em CONSTRUÇÕES PARALELAS


Numa enumeração ou comparação, devemos atentar para o PARALELISMO SINTÁTICO.

O que isso significa, professor? Significa que termos coordenados entre si (ligados por conjunção
coordenativa) devem ser construídos de forma similar.
Observe a seguinte frase:

Fizemos inúmeros elogios a localização, infraestrutura e atendimento do estabelecimento.

Note que nem “localização”, nem “infraestrutura”, nem “atendimento” foram antecedidos de artigo.

O que ocorre é a presença da preposição “a”, requerida pela regência de “elogios” (elogios a algo/alguém).
Essa preposição está explícita antes de “localização” e implícita antes de “infraestrutura” e “atendimento”.

Fizemos inúmeros elogios a localização, (a) infraestrutura e (a) atendimento do estabelecimento.


Uma alternativa de redação seria dar artigo para todos os elementos coordenados. Fazendo-se isso,
haveria contração ou combinação da preposição “a” – requerida por “elogios” – com cada um dos artigos
requeridos.

47 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Fizemos inúmeros elogios à localização, à infraestrutura e ao atendimento do estabelecimento.

Note, portanto, que, numa coordenação de termos, ou todos recebem artigo, ou ninguém recebe.

Caiu em prova!

Desde 2012, entre os projetos voltados à recuperação e à reinserção social, está a remição de pena por meio da
leitura. Desde 2012, entre os projetos voltados à recuperação e à reinserção social, está a remição de pena por
meio da leitura.

Sem prejuízo para a correção gramatical do texto, o sinal indicativo de crase poderia ser eliminado em
ambas as ocorrências no trecho “voltados à recuperação e à reinserção social” (l. 3).
( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

Note que os termos “recuperação” e “reinserção social” estão coordenados entre si pela conjunção “e”. Dessa
forma, é preciso atentar para o paralelismo sintático.

Temos no trecho a presença assegurada da preposição “a”, requerida pela regência de “voltados” – voltados A
ALGO.
Isso posto, temos duas opções.
A primeira é determinar cada termo por artigo, resultando na construção original “voltados à recuperação e à
reinserção social”.

Já a segunda opção é omitir o artigo antes de cada termo coordenado, permanecendo apenas a preposição.
Isso resulta na construção “voltados a recuperação e (a) reinserção social”.

Portanto, é possível omitir o sinal indicativo de crase, desde que isso se faça em ambos os termos coordenados.
Resposta: CERTO

48 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Questões comentadas pelo professor

1. CESPE – PRF - 2019


Dispor de tanta luz assim, porém, tem um custo ambiental muito alto, avisam os cientistas. Nos humanos, o
excesso de luz urbana que se infiltra no ambiente no qual dormimos pode reduzir drasticamente os níveis de
melatonina, que regula o nosso ciclo de sono-vigília.
No que se refere aos sentidos e às construções linguísticas do texto precedente, julgue o item a seguir

Sem prejuízo da correção gramatical e dos sentidos do texto, o primeiro período do terceiro parágrafo poderia
ser assim reescrito: Contudo, os cientistas avisam que ter tanta luz à nosso dispor custa muito caro ao meio
ambiente.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:

É incorreto o emprego do acento grave antes da expressão masculina “nosso dispor”. O emprego da
crase no trecho reescrito implica explícito equívoco gramatical.

Resposta: ERRADO

2. CESPE – SEFAZ/RS - Auditor - 2019


Mantendo-se a correção gramatical e o sentido original do trecho “O direito tributário brasileiro depara-se com
grandes desafios” (R. 1 e 2), do texto 1A1-I, o segmento “depara-se com” poderia ser substituído por

a) depara-se a.

b) confronta com.

c) depara-se diante de.

d) confronta-se a.

e) depara com.
RESOLUÇÃO:
De fato, as regências “depara com” e “depara-se com” estão corretas, pois são previstas na gramática
normativa (Cegalla, por exemplo). Trata-se de puro decoreba!
Deparei com um gigantesco problema. (CERTO)
Deparei um gigantesco problema. (CERTO)
Deparei-me com um gigantesco problema. (CERTO)

Resposta: E

49 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

3. CESPE – SEFAZ/RS - Auditor - 2019


Entre os maiores poderes concedidos pela sociedade ao Estado, está o poder de tributar. A tributação está
inserida no núcleo do contrato social estabelecido pelos cidadãos 4 entre si para que se alcance o bem comum.
Desse modo, o poder de tributar está na origem do Estado ou do ente político, a partir da qual foi possível que
as pessoas deixassem 7 de viver no que Hobbes definiu como o estado natural (ou a vida pré-política da
humanidade) e passassem a constituir uma sociedade de fato, a geri-la mediante um 10 governo, e a financiá-
la, estabelecendo, assim, uma relação clara entre governante e governados. A tributação, portanto, somente
pode ser 13 compreendida a partir da necessidade dos indivíduos de estabelecer convívio social organizado e
de gerir a coisa pública mediante a concessão de poder a um soberano. 16 Em decorrência disso, a condição
necessária (mas não suficiente) para que o poder de tributar seja legítimo é que ele emane do Estado, pois
qualquer imposição tributária 19 privada seria comparável a usurpação ou roubo.

Com relação às propriedades linguísticas do texto 1A3-II, julgue os itens a seguir.

I. O referente da forma verbal “passassem” (R.8) é o termo “as pessoas” (R.6).


II. As formas pronominais presentes em “geri-la” (R.9) e “financiá-la” (R.10) possuem referentes distintos no
texto.
III. O referente da forma pronominal “ele” (R.18) é a expressão “o poder de tributar” (R.17).
IV. A inserção do sinal indicativo de crase em “a usurpação” (R.19) não prejudicaria a correção gramatical do
texto.

Estão certos apenas os itens


a) I e III.
b) I e IV.
c) II e IV.

d) I, II e III.
e) II, III e IV.
RESOLUÇÃO:
I – O referente da forma verbal “passassem”…

A afirmação I está correta. Isso fica bem claro no trecho “… foi possível que as pessoas deixassem de
viver no que Hobbes definiu como estado natural … (as pessoas) passassem a viver…”
II – As formas pronominais em “geri-la” e “financiá-la”…

A afirmação II está incorreta. Trata-se do mesmo referente que, no caso, é “sociedade”.


III – O referente da forma pronominal “ele”…

A afirmação III está correta. Isso fica bem claro no trecho “… a condição necessária (mas não suficiente)
para que o poder de tributar seja legítimo é que ele (=o poder de tributar) emane do Estado…”.

IV – A inserção do sinal indicativo de crase…

50 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

A afirmação IV está incorreta, pois o trecho resultante “seria comparável à usurpação ou roubo” quebraria
o paralelismo sintático, haja vista que ocorre artigo antes de “usurpação” e não o ocorre antes de “roubo”. Para
que fosse possível a crase, o trecho deveria ser grafado assim: “seria comparável à usurpação ou ao roubo”.

A resposta é, portanto, a letra A: “I e III”.

Resposta: A

4. CESPE – MPE/PI – Técnico/2018

Eis que se inicia então uma das fases mais intensas na vida de Geraldo Viramundo: sua troca de correspondência
com os estudantes, julgando estar a se corresponder com sua amada. E eis que passo pela rama nesta fase de
meu relato, já que me é impossível dar a exata medida do grau de maluquice que inspiraram tais cartas:
infelizmente se perderam e de nenhuma encontrei paradeiro, por maiores que tenham sido os meus esforços
em rebuscar coleções, arquivos e alfarrábios em minha terra. Sou forçado, pois, a limitar-me aos elementos de
que disponho, encerrando em desventuras as aventuras de Viramundo em Ouro Preto, e dando viço às suas
peregrinações.
Fernando Sabino. O grande mentecapto. 62.ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

É obrigatório o sinal indicativo de crase empregado em “às suas peregrinações”, de maneira que sua
supressão acarretaria incorreção gramatical no texto.
( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

Analisemos o trecho:
... e dando viço às suas peregrinações.

A crase é resultado da fusão da preposição “a” – requerida pela regência do verbo “dar” – dar algo a alguém
– com o artigo definido “as” – requerido pelo substantivo “peregrinações”.
Não empregar o acento indicador de crase significaria assim escrever:

... e dando viço as suas peregrinações.


Nessa construção, haveria apenas o artigo “as” e a preposição “a” - de que não se pode abrir mão, por se
tratar de uma necessidade de regência – estaria ausente, o que resultaria em erro gramatical.
Dessa forma, é correto concluir que existe a necessidade da crase, para que se mantenha a correção
gramatical.
Atenção!

A grande dúvida que poderia surgir está relacionada aos casos facultativos de crase antes de pronomes
possessivos femininos e antropônimos (nomes de pessoa) femininos.
No entanto, é necessário atestar que, mesmo em casos de crase facultativa, há a necessidade da
preposição “a”. Sem ela, não faz sentido se falar em crase. A preposição é inegociável.
O que ocorre é que a crase é facultativa porque é facultativa a presença de artigo antecedendo pronome
possessivo feminino e antropônimo feminino. Tanto faz anteceder artigo ou não.

51 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Seriam, portanto, corretas as seguintes construções:


... e dando viço a suas peregrinações.
(sem crase; tem-se apenas a preposição “a” e abriu-se mão do artigo, pois este é facultativo).

... e dando viço às suas peregrinações.


(com crase; tem-se a preposição “a” e o artigo facultativo “as”).

Estariam erradas as construções:


... e dando viço à suas peregrinações.
(há a presença de um artigo singular para um substantivo plural).

... e dando viço as suas peregrinações.


(a preposição está ausente).
Resposta: CERTO

5. CESPE – MPE/PI – Analista/2018

Texto CB1A4-I
— Tinha vinte e cinco anos, era pobre, e acabava de ser nomeado alferes da Guarda Nacional. Não imaginam o
acontecimento que isto foi em nossa casa. Minha mãe ficou tão orgulhosa! Vai então uma das minhas tias, D.
Marcolina, que morava a muitas léguas da vila, num sítio escuso e solitário, desejou ver-me, e pediu que fosse
ter com ela e levasse a farda. Chamava-me também o seu alferes. E sempre alferes; era alferes para cá, alferes
para lá, alferes a toda a hora. Na mesa tinha eu o melhor lugar, e era o primeiro servido. Não imaginam. Se lhes
disser que o entusiasmo da tia Marcolina chegou ao ponto de mandar pôr no meu quarto um grande espelho,
naturalmente muito velho; mas via-se-lhe ainda o ouro.

— Espelho grande?

— Grande. E foi, como digo, uma enorme fineza, porque o espelho estava na sala; era a melhor peça da casa.
Mas não houve forças que a demovessem do propósito; respondia que não fazia falta, que era só por algumas
semanas, e finalmente que o “senhor alferes” merecia muito mais. O certo é que todas essas coisas, carinhos,
atenções, obséquios, fizeram em mim uma transformação, que o natural sentimento da mocidade ajudou e
completou. Imaginam, creio eu?
— Não.
— O alferes eliminou o homem. Durante alguns dias as duas naturezas equilibraram-se; mas não tardou que a
primitiva cedesse à outra; ficou-me uma parte mínima de humanidade. Aconteceu então que a alma exterior,
que era dantes o sol, o ar, o campo, os olhos das moças, mudou de natureza, e passou a ser a cortesia e os
rapapés da casa, tudo o que me falava do posto, nada do que me falava do homem. A única parte do cidadão
que ficou comigo foi aquela que entendia com o exercício da patente; a outra dispersou-se no ar e no passado.

52 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Vamos aos fatos. Vamos ver como, ao tempo em que a consciência do homem se obliterava, a do alferes
tornava-se viva e intensa. No fim de três semanas, era outro, totalmente outro.
(...)

— Convém dizer-lhes que, desde que ficara só, não olhara uma só vez para o espelho. Não era abstenção
deliberada, não tinha motivo; era um impulso inconsciente, um receio de achar-me um e dois, ao mesmo
tempo, naquela casa solitária; e se tal explicação é verdadeira, nada prova melhor a contradição humana,
porque no fim de oito dias, deu-me na veneta olhar para o espelho com o fim justamente de achar-me dois.
Olhei e recuei.

(...)
— De quando em quando, olhava furtivamente para o espelho; a imagem era a mesma difusão de linhas, a
mesma decomposição de contornos ... Subitamente, por uma inspiração inexplicável, por um impulso sem
cálculo, lembrou-me... vestir a farda de alferes. Vesti-a, aprontei-me de todo; e, como estava defronte do
espelho, levantei os olhos, e... não lhes digo nada; o vidro reproduziu então a figura integral; nenhuma linha de
menos, nenhum contorno diverso; era eu mesmo, o alferes, que achava, enfim, a alma exterior. Daí em diante,
fui outro. Cada dia, a uma certa hora, vestia-me de alferes, e sentava-me diante do espelho, lendo, olhando,
meditando; no fim de duas, três horas, despia-me outra vez. Com este regime pude atravessar mais seis dias
de solidão, sem os sentir...

Machado de Assis. O espelho. In: John Gladson (Org.). 50 contos de Machado de Assis. Cia. das Letras. Edição
eletrônica. Internet: (com adaptações).
É facultativo o emprego do acento indicativo de crase em “à outra” (R.26), de modo que sua supressão não
comprometeria a correção gramatical e os sentidos originais do texto.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

Analisemos o seguinte trecho:

O alferes eliminou o homem. Durante alguns dias as duas naturezas equilibraram-se; mas não tardou que a
primitiva cedesse à outra; ...

É inquestionável a presença da preposição “a”, requerida pela regência do verbo “ceder” (ceder a algo ou
a alguém).

A dúvida é relativa ao emprego do artigo definido antes de “outra”.


Note que temos a elipse de “natureza” em “...tardou que a (natureza) primitiva cedesse à outra
(natureza); ...”.
A natureza primitiva está especificada no texto como a natureza (essência) do homem.

Já a outra natureza está especificada no texto como a natureza (aparência) do alferes.


Dessa forma, “outra natureza” não é uma natureza qualquer, mas sim uma natureza bem definida no
texto, que é a do alferes. Como se trata de algo especificado, e não genérico, é necessário o emprego do artigo
definido “a” antes de “outra”.

53 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Portanto, o emprego do acento indicador de crase se faz necessário, pois ocorre a fusão da preposição
“a” com o artigo “a”.

Resposta: ERRADO

6. CESPE - PF/2018
A polícia parisiense — disse ele — é extremamente hábil à sua maneira. Seus agentes são perseverantes,
engenhosos, astutos e perfeitamente versados nos conhecimentos que seus deveres parecem exigir de modo
especial. Assim, quando o delegado G... nos contou, pormenorizadamente, a maneira pela qual realizou suas
pesquisas no Hotel D..., não tive dúvida de que efetuara uma investigação satisfatória (...) até o ponto a que
chegou o seu trabalho.
A supressão do sinal indicativo de crase em “à sua maneira” (R.2) manteria a correção gramatical do texto.

( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:
É facultativa a presença de artigo definido feminino antes de pronome possessivo feminino e de nome
próprio feminino.
Dessa forma, a crase na locução de base feminina “à sua maneira” é facultativa.
A ausência do sinal indicativo de crase preserva sim a correção gramatical.
Resposta: CERTO

7. CESPE - 1º Ten (PM MA)/PM MA/Cirurgião-Dentista/2018


Texto CG1A1BBB

Quando dizemos que uma pessoa é doce, fica bem claro que se trata de um elogio, e de um elogio emocionado,
porque parte de remotas e ternas lembranças: o primeiro sabor que nos recebe no mundo é o gosto adocicado
do leite materno, e dele nos lembraremos pelo resto de nossas vidas. A paixão pelo açúcar é uma constante em
nossa cultura. O açúcar é fonte de energia, uma substância capaz de proporcionar um instantâneo “barato” que
reconforta nervos abalados. É paradoxal, portanto, a existência de uma doença em que o açúcar está ali, em
nossa corrente sanguínea, mas não pode ser utilizado pelo organismo por falta de insulina. As células imploram
pelo açúcar que não conseguem receber, e que sai, literalmente, na urina. O diabetes é conhecido desde a
Antiguidade, sobretudo porque é uma doença de fácil diagnóstico: as formigas se encarregam disso. Há
séculos, sabe-se que a urina do diabético é uma festa para o formigueiro. Também não escapou aos médicos
de outrora o fato de que a pessoa diabética urina muito e emagrece. “As carnes se dissolvem na urina”, diziam
os gregos.

Moacyr Scliar. Doce problema. In: A face oculta — inusitadas e reveladoras histórias da medicina. Porto Alegre:
Artes e Ofícios, 2001 (com adaptações).
No que concerne às ideias e aos aspectos linguísticos do texto CG1A1BBB, julgue o item.

54 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Seriam mantidos a correção gramatical e os sentidos do texto caso o trecho “aos médicos” fosse reescrito
como “dos médicos”.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:
Seria mantida a correção gramatical, mas o sentido da frase seria alterado, caso o trecho “aos médicos”
fosse reescrito como “dos médicos”. A questão envolve a regência do verbo “escapar”. Como se observa no
texto, a ideia presente em “escapou aos médicos” sugere que determinado fato não passou despercebido a
eles. Com o uso da forma “escapou dos médicos”, a substituição da preposição “a” pela preposição “de” implica
que algo fugiu, retirou-se ou esquivou-se deles. Assim, percebe-se que a correção gramatical permanece com
essa substituição, no entanto o sentido do trecho não se mantém.

Resposta: ERRADO

8. CESPE - SM (PM MA)/PM MA/Combatente/2018


Texto CG2A1BBB

A respeito de aspectos linguísticos do texto CG2A1BBB, julgue o item.

A correção gramatical do texto seria mantida com a substituição da preposição para pela preposição a, em para
participar da solenidade de lançamento do Projeto Parceiros da Paz e da Campanha Maranhão na
Prevenção às Drogas.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

O verbo “convidar” pode reger tanto a preposição “a” quanto a preposição “para”. Assim, alguém pode
ser convidado “a participar de uma campanha” ou “para participar de uma campanha”. Portanto, a correção
gramatical do texto seria mantida com a substituição da preposição para pela preposição a, em para participar
da solenidade de lançamento do Projeto Parceiros da Paz e da Campanha Maranhão na Prevenção às Drogas. Vale
destacar que, geralmente, o verbo “convidar”, quando rege a preposição “para”, costuma ser empregado no

55 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

sentido de solicitar a presença ou chamar. Com a preposição “a”, costuma dar ideia de pedir, requerer. De
qualquer forma, a correção gramatical do texto se mantém.

Resposta: CERTO

9. CESPE - AJ (STM)/STM/Administrativa/2018
Texto CB1A1BBB

Esse rapaz que, em Deodoro, quis matar a ex-noiva e suicidou-se em seguida é um sintoma da revivescência de
um sentimento que parecia ter morrido no coração dos homens: o domínio sobre a mulher. Há outros casos.
(...) Todos esses senhores parece que não sabem o que é a vontade dos outros. Eles se julgam com o direito de
impor o seu amor ou o seu desejo a quem não os quer. Não sei se se julgam muito diferentes dos ladrões à mão
armada; mas o certo é que estes não nos arrebatam senão o dinheiro, enquanto esses tais noivos assassinos
querem tudo que há de mais sagrado em outro ente, de pistola na mão. O ladrão ainda nos deixa com vida, se
lhe passamos o dinheiro; os tais passionais, porém, nem estabelecem a alternativa: a bolsa ou a vida. Eles, não;
matam logo.

Nós já tínhamos os maridos que matavam as esposas adúlteras; agora temos os noivos que matam as ex-noivas.
De resto, semelhantes cidadãos são idiotas. É de se supor que quem quer casar deseje que a sua futura mulher
venha para o tálamo conjugal com a máxima liberdade, com a melhor boa- vontade, sem coação de espécie
alguma, com ardor até, com ânsia e grandes desejos; como é então que se castigam as moças que confessam
não sentir mais pelos namorados amor ou coisa equivalente?
Todas as considerações que se possam fazer tendentes a convencer os homens de que eles não têm sobre as
mulheres domínio outro que não aquele que venha da afeição não devem ser desprezadas. Esse obsoleto
domínio à valentona, do homem sobre a mulher, é coisa tão horrorosa que enche de indignação.
Todos os experimentadores e observadores dos fatos morais têm mostrado a insanidade de generalizar a
eternidade do amor. Pode existir, existe, mas excepcionalmente; e exigi-la nas leis ou a cano de revólver é um
absurdo tão grande como querer impedir que o Sol varie a hora do seu nascimento. Deixem as mulheres amar
à vontade.

Não as matem, pelo amor de Deus.


Lima Barreto. Não as matem. In: Vida urbana. São Paulo: Brasiliense, 1963, p. 83-5 (com adaptações).
Com relação aos sentidos e aos aspectos gramaticais do texto CB1A1BBB, julgue o item que se segue.

Mantendo-se a correção gramatical e os sentidos originais do texto, a forma verbal “deseje” (l.8) poderia ser
substituída por aspire a.
( ) CERTO ( ) ERRADO

56 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

RESOLUÇÃO:
O verbo “aspirar” pode ser usado no sentido de “desejar”. Nesse caso, ele rege a preposição “a”. Assim,
na questão, a forma verbal “deseje” (l.8) pode ser corretamente substituída por “aspire a”, mantendo-se a
correção gramatical e o sentido original do texto.

Resposta: CERTO

10. CESPE - AJ (STM)/STM/Apoio Especializado/Revisão de Texto/2018


Texto 6A1BBB
A humanidade não aceitará uma língua não natural para a comunicação natural. Isso é contra a tendência dos
seus instintos. Nenhum homem, “que seja homem”, achará natural conversar, aceitando ou recusando uma
bebida, em Volapuque, ou Esperanto, ou Ido ou em qualquer outra fantochada do gênero. Preferirá falar,
gaguejando, uma língua estranha, mas natural, do que falar, com relutante perfeição, uma língua
artificialmente construída. O homem é um animal apesar de muitos o esquecerem, ele ainda é um animal
irracional, como todos o são.

Fernando Pessoa. A Língua Portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
Com relação à variação linguística, aos fatores de textualidade e aos aspectos linguísticos do texto 6A1BBB,
julgue o item a seguir.
A regência do verbo preferir observada no quarto período do texto é típica da variedade culta do português
europeu, sendo pouco frequente na variedade brasileira do português, principalmente em textos informais.
( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

O trecho “Preferirá falar, gaguejando, uma língua estranha, mas natural, do que falar” fez uso de uma
regência muito típica no cotidiano dos usuários da língua portuguesa no Brasil. É fato que não existe uma única
forma de falar, visto que as variações linguísticas são uma realidade incontestável. No entanto, na sua regência
de acordo com o que se observa na gramática normativa, o verbo “preferir” não aceita as formas “que” ou “do
que”. Quando é transitivo direto e indireto, no objeto indireto, a preposição “a” introduz esse complemento
verbal. Portanto, é incorreto afirmar que o uso de “preferir”, conforme ocorreu no texto, é pouco frequente na
variedade brasileira do português. Sobretudo na informalidade, assim tem sido a norma por aqui.

Resposta: ERRADO

11.CESPE - AI (ABIN)/ABIN/2018
A atividade de inteligência é o exercício de ações especializadas para a obtenção e análise de dados, produção
de conhecimentos e proteção de conhecimentos para o país. Inteligência e contrainteligência são os dois ramos
dessa atividade. A inteligência compreende ações de obtenção de dados associadas à análise para a
compreensão desses dados. A análise transforma os dados em cenário compreensível para o entendimento do
passado, do presente e para a perspectiva de como tende a se configurar o futuro. Cabe à inteligência tratar

57 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

fundamentalmente da produção de conhecimentos com o objetivo específico de auxiliar o usuário a tomar


decisões de maneira mais fundamentada. A contrainteligência tem como atribuições a produção de
conhecimentos e a realização de ações voltadas à proteção de dados, conhecimentos, infraestruturas críticas
— comunicações, transportes, tecnologias de informação — e outros ativos sensíveis e sigilosos de interesse do
Estado e da sociedade. O trabalho desenvolvido pela contrainteligência tem foco na defesa contra ameaças
como a espionagem, a sabotagem, o vazamento de informações e o terrorismo, patrocinadas por instituições,
grupos ou governos estrangeiros.

Internet: <www.abin.gov.br> (com adaptações).


Julgue o item seguinte, relativo às ideias e aos aspectos linguísticos do texto.
O sentido do texto seria prejudicado, embora sua correção gramatical fosse preservada, caso a preposição
presente na expressão “contra ameaças” fosse substituída pela preposição de.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:
Sem dúvida alguma, o sentido do texto seria prejudicado, embora sua correção gramatical fosse
preservada, caso a preposição presente na expressão “contra ameaças” fosse substituída pela preposição “de”.
Com a preposição “contra”, há a ideia de oposição, de contrariedade. Nesse caso, as ameaças precisam ser
combatidas, por isso a necessidade de defesa contra elas. Coma preposição “de”, a ideia é o posto do que
afirmamos anteriormente, pois, agora, as ameaças estariam sob defesa, protegidas. Com essa alteração, a
defesa das ameaças é o que passa a ocorrer.

Resposta: CERTO

12. CESPE - Ana Port I (EMAP)/EMAP/Administrativa/2018


Serviço de tráfego de embarcações
(vessel traffic service – VTS)

O VTS é um sistema eletrônico de auxílio à navegação, com capacidade de monitorar ativamente o tráfego
aquaviário, melhorando a segurança e eficiência desse tráfego, nas áreas em que haja intensa movimentação
de embarcações ou risco de acidente de grandes proporções.
Internacionalmente, os sistemas de VTS são regulamentados pela International Maritime Organization, sendo
seus aspectos técnicos detalhados em recomendações da International Association of Maritime Aids to
Navigation and Lighthouse Authorities. No Brasil, cabe à Marinha do Brasil, autoridade marítima do país,
definir as normas de execução de VTS e autorizar a sua implantação e operação.

Uma estrutura de VTS é composta minimamente de um radar com capacidade de acompanhar o tráfego nas
imediações do porto, um sistema de identificação de embarcações denominado automatic identification
system, um sistema de comunicação em VHF, um circuito fechado de TV, sensores ambientais (meteorológicos
e hidrológicos) e um sistema de gerenciamento e apresentação de dados. Todos esses sensores operam
integrados em um centro de controle, ao qual cabe, na sua área de responsabilidade, identificar e monitorar o
tráfego marítimo, adotar ações de combate à poluição, planejar a movimentação de embarcações e divulgar

58 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

informações ao navegante. Adicionalmente, o Centro VTS pode fornecer informações que contribuam para o
aumento da eficiência das operações portuárias, como a atualização de horários de chegada e partida de
embarcações.

Internet: <www defensea com br> (com adaptações)


Com relação às ideias e às estruturas linguísticas do texto apresentado, julgue o item que se segue.
Seria preservada a correção gramatical do texto se, no trecho “composta minimamente de um radar”, fosse
empregada a preposição por, em vez da preposição “de”.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:
No trecho em análise, a substituição da preposição “de” pela preposição “por” preserva a correção
gramatical do texto. Observe que a frase está na voz passiva analítica (verbo SER + PARTICÍPIO). Nesse trecho,
o termo “de um radar”, que é agente da passiva, pode ser escrito “por um radar”, sem incorreção gramatical. É
importante lembrar que, na voz passiva, o agente da passiva pode ser iniciado por ambas as preposições (de ou
por).

Resposta: CERTO

13.CESPE - Ass Port (EMAP)/EMAP/Administrativa/2018


A crescente internacionalização da economia, decorrente, principalmente, da redução de barreiras ao comércio
mundial, da maior velocidade das inovações tecnológicas e dos grandes avanços nas comunicações, tem
exigido mudanças efetivas na atuação do comércio internacional.
A abordagem desse tipo de comércio, inevitavelmente, passa pela concorrência, visto que é por meio da
garantia e da possibilidade de entrar no mercado internacional, de estabelecer permanência ou de engendrar
saída, que se consubstancia a plena expansão das atividades comerciais e se alcança o resultado último dessa
interatuação: o preço eficiente dos bens e serviços.
Defesa da concorrência e defesa comercial são instrumentos à disposição dos Estados para lidar com distintos
cenários que afetem a economia. Destaca-se como a principal diferença o efeito que cada instrumento busca
neutralizar.
A política de defesa da concorrência busca preservar o ambiente competitivo e coibir condutas desleais
advindas do exercício de poder de mercado. A política de defesa comercial busca proteger a indústria nacional
de práticas desleais de comércio internacional.
Elaine Maria Octaviano Martins Curso de direito marítimo Barueri: Manoele, v 1, 2013, p 65 (com adaptações)
Acerca de aspectos linguísticos do texto precedente e das ideias nele contidas, julgue o item a seguir.

O emprego da preposição de introduzindo “das inovações” é exigido pela presença de “decorrente”, sendo as
inovações uma das quatro causas da crescente internacionalização mencionadas no texto.
( ) CERTO ( ) ERRADO

59 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

RESOLUÇÃO:
A questão precisa ser considerada sob dois aspectos:

1º) O emprego da preposição “de” introduzindo “das inovações” é exigido pela presença da palavra
“velocidade” (velocidade das inovações), e não pela presença de “decorrente”.
2º) O enunciado apresenta três causas, e não quatro, da crescente internacionalização mencionada no
texto, a saber:
I) redução de barreiras ao comércio mundial;

II) maior velocidade das inovações tecnológicas;


III) grandes avanços nas comunicações.

Resposta: ERRADO

14. CESPE - TMCI (CGM J Pessoa)/Pref João Pessoa/2018

Acerca das propriedades linguísticas do texto precedente, julgue o item subsequente.


No trecho “Diga não às ‘corrupções’ do dia a dia”, seria correto o emprego do sinal indicativo de crase no
vocábulo “a” em “dia a dia”.

( ) CERTO ( ) ERRADO

60 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

RESOLUÇÃO:
Não há crase entre palavras repetidas. Grave bem essa informação. É importante lembrar que crase é a
fusão da preposição a com o artigo a(s) e com o a dos pronomes demonstrativos aquela(s), aquele(s), aquilo.
Para indicar essa fusão, usa-se o acento grave ( ` ) - indicador de crase. Assim, como não há artigo entre palavras
repetidas, a fusão de A + A, portanto, não pode acontecer. Portanto, o acento grave ( ` ), indicador de crase,
não ocorre em “dia a dia”.

Resposta: ERRADO

15.CESPE - 1º Ten (PM MA)/PM MA/Cirurgião-Dentista/2018


Texto CG1A1AAA

Encontradas principalmente nos embriões, mas também em alguns tecidos adultos como o adiposo, as células-
tronco têm a capacidade de se transformar em células de diversos tipos. Embora a chamada plasticidade das
embrionárias seja maior, os desafios éticos de pesquisas com esse tipo de células levaram a atenção de muitos
cientistas às células-tronco adultas. Na virada do milênio, publicações científicas em periódicos importantes
sugeriam que ambas teriam propriedades equivalentes.
Esperava-se que, ao serem injetadas em órgãos danificados, como um coração infartado, as células-tronco
adultas pudessem originar vasos sanguíneos e células cardíacas. Teve início, então, uma série de ensaios
clínicos — testes em pessoas —, que foram amplamente noticiados.
Hoje, sabe-se que as células-tronco adultas não são tão versáteis quanto prometiam. Os resultados dos ensaios
não foram animadores. Mas isso não significa que tenham sido descartadas como possível tratamento ou que
os esforços tenham sido desperdiçados. Na ciência, o negativo também é um resultado; mesmo que não renda
prêmios ou resulte em publicações, contribui para o avanço do conhecimento.
Alexandra Ozorio de Almeida.D ois passos para trás, um para frente. In: Revista Pesquisa Fapesp 2,60.ª ed.,
out./2017, p. 7 (com adaptações).

Considerando as ideias e os aspectos linguísticos do texto CG1A1AAA, julgue o item que se segue.
O emprego do acento indicativo de crase em “às células-tronco adultas” é facultativo, dada a presença de termo
masculino na palavra composta “células-tronco”.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:
No trecho “os desafios éticos de pesquisas com esse tipo de células levaram a atenção de muitos cientistas
às células-tronco adultas”, o acento indicador de crase é obrigatório. Observe que existe a regência da
preposição A, que se soma ao artigo definido feminino AS. Assim, tem-se:
“...levaram a atenção de muitos cientistas às (A + AS) células tronco.” O primeiro A da fusão é uma
preposição regida pela forma verbal levaram; o segundo, um artigo feminino no plural que acompanha a palavra
células-tronco.

61 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Como crase significa fusão, soma de A+A(s), o que resultaria na forma À(s), nesse caso, a crase é
obrigatória, e não facultativa.

Resolução: ERRADO

16. CESPE - TJ (STM)/STM/Administrativa/"Sem Especialidade"/2018


Texto CB4A1BBB
O Zoológico de Sapucaia do Sul abrigou um dia um macaco chamado Alemão. Em um domingo de Sol, Alemão
conseguiu abrir o cadeado de sua jaula e escapou. O largo horizonte do mundo estava à sua espera. As árvores
do bosque estavam ao alcance de seus dedos. Ele passara a vida tentando abrir aquele cadeado. Quando
conseguiu, em vez de mergulhar na liberdade, desconhecida e sem garantias, Alemão caminhou até o
restaurante lotado de visitantes. Pegou uma cerveja e ficou bebericando no balcão.

Um zoológico serve para muitas coisas, algumas delas edificantes. Mas um zoológico serve, principalmente,
para que o homem tenha a chance de, diante da jaula do outro, certificar-se de sua liberdade e da superioridade
de sua espécie. Ele pode então voltar para o apartamento financiado em quinze anos satisfeito com sua vida.
Pode abrir as grades da porta contente com seu molho de chaves e se aboletar no sofá em frente à TV; acordar
na segunda-feira feliz para o batente.
Há duas maneiras de se visitar um zoológico: com ou sem inocência. A primeira é a mais fácil e a única com
satisfação garantida. A outra pode ser uma jornada sombria para dentro do espelho, sem glamour e também
sem volta.

Os tigres-de-bengala são reis de fantasia. Têm voz, possuem músculos, são magníficos. Mas, nascidos em
cativeiro, já chegaram ao mundo sem essência. São um desejo que nunca se tornará realidade. Adivinham as
selvas úmidas da Ásia, mas nem sequer reconhecem as estrelas. Quando o Sol escorrega sobre a região
metropolitana, são trancafiados em furnas de pedra, claustrofóbicas. De nada servem as presas a caçadores
que comem carne de cavalo abatido em frigorífico. De nada serve a sanha a quem dorme enrodilhado, exilado
não do que foi, mas do que poderia ter sido.
Eliane Brum. O cativeiro. In: A vida que ninguém vê. Porto Alegre: Arquipélago, 2006, p. 53-4 (com adaptações).

Com relação aos sentidos e aos aspectos gramaticais do texto CB4A1BBB, julgue o item que se segue.

Sem prejudicar a correção gramatical tampouco alterar o sentido do trecho, a expressão “serve para” poderia
ser substituída por convém à.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:

A expressão “serve para” não poderia ser substituída por “convém à”. Na frase em análise “Um zoológico
serve para muitas coisas”, após a preposição “para”, há um pronome indefinido (muitas). Nesse caso, a reescrita
do trecho (Um zoológico convém a muitas coisas) deveria ser sem o acento grave, indicador de crase, visto que
não há crase se existe um A no singular seguido de nome no plural. Nesse caso, faltou o artigo definido,
necessário para a ocorrência da crase. Assim, o sentido do texto seria mantido com a alteração, mas não a
correção gramatical.

Resposta: ERRADO

62 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

17.CESPE - Tec Enf (IHB DF)/IHB DF/2018


Texto CG2A1AAA

A vida de Florence Nightingale, a criadora da moderna enfermagem, daria um romance. Florence estava
destinada a receber uma boa educação, a casar-se com um cavalheiro de fina estirpe, a ter filhos, a cuidar da
casa e da família. Mas logo ficou claro que a menina não se conformaria a esse modelo. Era diferente; gostava
de matemática, e era o que queria estudar (os pais não deixaram). Aos dezesseis anos, algo aconteceu: Deus
falou-me — escreveu depois — e convocou-me para servi-lo.

Servir a Deus significava, para ela, cuidar dos enfermos, e especialmente dos enfermos hospitalizados. Naquela
época, os hospitais curavam tão pouco e eram tão perigosos (por causa da sujeira, do risco de infecção) que os
ricos preferiam tratar-se em casa. Hospitalizados eram só os pobres, e Florence preparou-se para cuidar deles,
praticando com os indigentes que viviam próximos à sua casa. Viajou por toda a Europa, visitando hospitais.
Coisa que os pais não viam com bons olhos: enfermeiras eram consideradas pessoas de categoria inferior, de
vida desregrada. Mas Florence foi em frente e logo surgiu a oportunidade para colocar em prática o que
aprendera. Sidney Herbert, membro do governo inglês e amigo pessoal, pediu-lhe que chefiasse um grupo de
enfermeiras enviadas para o front turco, uma tarefa a que Florence entregou-se de corpo e alma; providenciava
comida, remédios, agasalhos, além de supervisionar o trabalho das enfermeiras. Mais que isso, fez estudos
estatísticos (sua vocação matemática enfim triunfou) mostrando que a alta mortalidade dos soldados resultava
das péssimas condições de saneamento.

Isso tudo não quer dizer que Florence fosse, pelos padrões habituais, uma mulher feliz. Para começar, não
havia, em sua vida, lugar para ligações amorosas. Cortejou-a o político e poeta Richard Milnes, Barão
Houghton, mas ela rejeitou-o. Ao voltar da guerra, algo estranho lhe aconteceu: recolheu-se ao leito e nunca
mais deixou o quarto.

É possível, e até provável, que isso tenha resultado de brucelose, uma infecção crônica contraída durante a
guerra; mas havia aí um óbvio componente emocional, uma forma de fuga da realidade. Contudo — Florence
era Florence —, mesmo acamada, continuou trabalhando intensamente. Colaborou com a comissão
governamental sobre saúde dos militares, fundou uma escola para treinamento de enfermeiras, escreveu um
livro sobre esse treinamento.
Estranha, a Florence Nightingale? Talvez. Mas estranheza pode estar associada a qualidades admiráveis.
Grande e estranho é o mundo; grandes, ainda que estranhas, são muitas pessoas. E se elas têm grandeza, ao
mundo pouco deve importar que sejam estranhas.
Moacyr Scliar. Uma estranha, e admirável, mulher. Internet: <http://moacyrscliar.blogspot.com.br> (com
adaptações).

Acerca dos aspectos linguísticos do texto CG2A1AAA, julgue o item.


A correção gramatical do texto seria mantida se fosse inserido o acento indicativo de crase no vocábulo “a” no
trecho “destinada a”.
( ) CERTO ( ) ERRADO

63 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

RESOLUÇÃO:
A correção gramatical do texto não seria mantida se fosse inserido o acento indicativo de crase no
vocábulo “a” no trecho “destinada a”. É importante destacar que crase é a fusão da preposição a com o artigo
a(s) e com o a dos pronomes demonstrativos aquela(s), aquele(s), aquilo. Para indicar essa fusão, usa-se o
acento grave ( ` ) - indicador de crase. Nesse caso, como verbos não são precedidos de artigo, não há como
correr crase.

Resposta: ERRADO

18. CESPE - Auxiliar em Administração (IFF)/2018


Com a crescente industrialização do país, tornava-se cada vez mais importante a formação de profissionais para
suprir as demandas do mercado e, doze anos depois, as escolas de aprendizes e artífices de nível primário
foram transformadas em escolas industriais e técnicas, equiparando-se às de ensino médio e secundário.

No texto, o sinal indicativo de crase no trecho “equiparando-se às de ensino médio e secundário” foi
empregado porque a regência do verbo equiparar exige preposição “a”, e “escolas”, palavra que está
subentendida antes de “de ensino médio”, exige o artigo definido feminino plural as.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:
De fato, é possível subentender o substantivo “escolas” antes de “de ensino médio”. Observe:

... equiparando-se às (escolas) de ensino médio e secundário.


Expliquemos agora a crase: ela é resultado da fusão da preposição A - requerida pela regência do verbo
“equiparar-se” (quem se equipara se equipara A algo/alguém) - com o artigo definido “as” - requerido pelo
substantivo subentendido “escolas”.
O item, portanto, está CERTO!

Resposta: CERTO

19. CESPE - TJ STJ/STJ/Administrativa/2018

Texto CB4A1AAA
As discussões em torno de questões como “o que é justiça?” ou “quais são os mecanismos disponíveis para
produzir situações cada vez mais justas ao conjunto da sociedade?” não são novidade. Autores do século XIX já
procuravam construir análises para identificar qual o sentido exato do termo justiça e quais formas de promovê-
la eram possíveis e desejáveis ao conjunto da sociedade à época. O debate se enquadra em torno de três
principais ideias: bem-estar; liberdade e desenvolvimento; e promoção de formas democráticas de
participação. Autores importantes do campo da ciência política e da filosofia política e moral se debruçaram
intensamente em torno dessa questão ao longo do século XX, e chegaram a conclusões diversas uns dos outros.
Embora a perspectiva analítica de cada um desses autores divirja entre si, eles estão preocupados em
desenvolver formas de promoção de situações de justiça social e têm hipóteses concretas para se chegar a esse
estado de coisas.

64 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Para Amartya Sen, por exemplo, a injustiça é percebida e mensurada por meio da distribuição e do alcance
social das liberdades. Para Rawls, ela se manifesta principalmente nas estruturas básicas da sociedade e sua
solução depende de uma nova forma de contrato social e de uma definição de princípios básicos que criem
condições de promoção de justiça. Já para Habermas, a questão gira em torno da manifestação no campo da
ação comunicativa, na qual a fragilidade de uma ação coletiva que tenha pouco debate ou pouca representação
pode enfraquecer a qualidade da democracia e, portanto, interferir no seu pleno funcionamento, tendo, por
consequência, desdobramentos sociais injustos. Em síntese, os autores argumentam a favor de instrumentos
variados para a solução da injustiça, os quais dependem da interpretação de cada um deles acerca do conceito
de justiça.
Augusto Leal Rinaldi. Justiça, liberdade e democracia. In: Pensamento Plural. Pelotas [12]: 57-74, jan.-jun./2013
(com adaptações).
A respeito dos aspectos linguísticos do texto CB4A1AAA, julgue o item.
A correção gramatical do texto seria mantida caso se empregasse o acento indicativo de crase no vocábulo
“a” em “a esse estado de coisas”

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

A correção gramatical do texto não seria mantida caso se empregasse o acento indicativo de crase no
vocábulo “a” em “a esse estado de coisas”. Considerando que crase é a fusão da preposição a com o artigo a(s)
e com o a dos pronomes demonstrativos aquela(s), aquele(s), aquilo, no caso em análise, não ocorre crase pela
ausência do artigo antes de “esse”. Observe que a maioria dos pronomes não vem precedida de artigo, e o
pronome demonstrativo “esse” é um deles. Por essa razão, não ocorre crase em “a esse estado de coisas”.

Resposta: ERRADO

20. CESPE – IPHAN - 2018

Para fazer frente a essas transformações, é necessário um novo tipo de planejamento urbano. Conceitos rígidos
dão lugar à flexibilidade, à análise de cenários alternativos e à inclusão da sociedade na formulação das políticas.
No trecho “à análise de cenários alternativos e à inclusão da sociedade na formulação das políticas”, o
emprego do sinal indicativo de crase é obrigatório em ambas as ocorrências.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:
Observemos o seguinte trecho: ... dão lugar à flexibilidade, ... dão lugar à flexibilidade, À ANÁLISE DE
CENÁRIOS... E À INCLUSÃO DA SOCIEDADE...

Note que o trecho em destaque faz parte de uma enumeração. Isso posto, é necessário manter o
paralelismo sintático entre termos que compõem essa enumeração. O que isso significa? Significa que os
termos em enumeração devem ser construídos de forma similar. No caso, temos duas redações possíveis:

65 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

... dão lugar à flexibilidade, À ANÁLISE DE CENÁRIOS... E À INCLUSÃO DA SOCIEDADE...

ou

... dão lugar a flexibilidade, A ANÁLISE DE CENÁRIOS... E A INCLUSÃO DA SOCIEDADE...

Note que, na primeira construção, todos os termos são introduzidos por artigo, daí a necessidade da crase.

Já na segunda construção, nenhum dos termos que compõem a enumeração estão introduzidos por
artigo.
Ambas estão corretas e atendem ao paralelismo sintático. Observe que ou todos os termos são
introduzidos por artigo ou nenhum deles é.
Voltemos ao item: ele diz que a crase em À ANÁLISE DE CENÁRIOS... E À INCLUSÃO DA SOCIEDADE...
é obrigatória.
Ora, sem mexer no primeiro termo “À FLEXIBILIDADE”, que é introduzido por artigo, o artigo deve
introduzir ANÁLISE e INCLUSÃO, resultando, obrigatoriamente no emprego da crase antes dessas duas
ultimas palavras.
Para que a crase fosse facultativa, deveria o item ter proposto alteração no primeiro termo da
enumeração, construindo-o sem artigo.
O item, portanto, está CERTO!

Resposta: CERTO

21. CESPE – DEPEN - 2015


Desde 2012, entre os projetos voltados à recuperação e à reinserção social, está a remição de pena por meio da
leitura. Desde 2012, entre os projetos voltados à recuperação e à reinserção social, está a remição de pena por
meio da leitura.

Sem prejuízo para a correção gramatical do texto, o sinal indicativo de crase poderia ser eliminado em
ambas as ocorrências no trecho “voltados à recuperação e à reinserção social”.
( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

Termos coordenados entre si devem manter um paralelismo de construção, denominado de


PARALELISMO SINTÁTICO.
O que isso significa?

Significa que a maneira como os termos coordenados estão construídos precisa ser similar.
Analisemos o trecho original: “... voltados À recuperação e À reinserção social.”

66 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Note que “recuperação” e “reinserção” estão coordenados entre si, ligados pela conjunção E. Note que,
antes de cada um, há preposição A - requerida pela regência de “voltados” - com o artigo A.
A preposição é sagrada, não há como abrir mão dela, pois se trata de uma necessidade de regência. Mas
do artigo é possível sim abrir mão.

Como assim?
Uma outra redação possível seria omitir o artigo antes de cada termo, resultando na construção “...
voltados A recuperação e A reinserção social.” A palavrinha A destacada seria apenas uma preposição.

Dessa forma, visando à manutenção do paralelismo sintático, ou se dá artigo para todos os termos
coordenados, ou não se dá artigo para nenhum.
Outro exemplo:

Fiz elogios À LOCALIZAÇÃO, À INFRAESTRUTURA e AO ATENDIMENTO. >>> Note que todos os termos
coordenados estão introduzidos por preposição e artigo.
ou
Fiz elogios A LOCALIZAÇÃO, (A) INFRAESTRUTURA e (A) ATENDIMENTO. >>> Note que todos os termos
coordenados estão introduzidos apenas por preposição, não havendo artigo para ninguém.

Resumindo: ou todo mundo tem, ou ninguém pode ter artigo!

O item está, portanto, CERTO!

Resposta: CERTO

22. CESPE - TJ TRE GO/Administrativa/"Sem Especialidade"/2015


O Decreto n.o 1 21.076, de 24 de fevereiro de 1932, primeiro Código Eleitoral pátrio, instituiu a justiça eleitoral
no Brasil, com funções contenciosas e administrativas. Eram seus órgãos: um Tribunal Superior (de justiça
eleitoral — o decreto não menciona justiça eleitoral), na capital da República; um tribunal regional, na capital
de cada estado, no DF e na sede do governo do território do Acre, além de juízes eleitorais nas comarcas e nos
distritos. O Tribunal Superior — de justiça eleitoral — com jurisdição em todo o território nacional, compunha-
se de oito membros efetivos e oito substitutos, e era presidido pelo vice-presidente do Supremo Tribunal
Federal (STF). A ele se somavam dois membros efetivos e dois substitutos, sorteados dentre os ministros do
STF, além de dois efetivos e dois substitutos, sorteados dentre os desembargadores da Corte de Apelação do
DF. Por fim, integravam a Corte três membros efetivos e quatro substitutos, escolhidos pelo chefe do governo
provisório dentre quinze cidadãos, indicados pelo STF, desde que atendessem aos requisitos de notável saber
jurídico e idoneidade moral. Dentre seus membros, elegia o Tribunal Superior, em escrutínio secreto, por meio
de cédulas com o nome do juiz e a designação do cargo, um vice-presidente e um procurador para exercer as
funções do Ministério Público, tendo este último a denominação de procurador-geral da justiça eleitoral. Em
relação a esse cargo, nota-se uma peculiaridade, à época da criação do Tribunal Superior: o procurador-geral
da justiça eleitoral não era o procurador-geral da República, mas sim um membro do próprio tribunal.

As formas de composição do TSE: de 1932 aos dias atuais. Brasília: Tribunal Superior Eleitoral, Secretaria de
Gestão da Informação, 2008, p. 11. Internet: <www.tse.jus.br> (com adaptações).

67 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Com referência às estruturas linguísticas do texto, julgue o item a seguir.


Se a preposição a presente na contração “aos” fosse suprimida, a função sintática da expressão “requisitos de
notável saber jurídico e idoneidade moral” seria alterada, mas a correção gramatical do texto seria mantida.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:
No trecho original “que atendessem aos requisitos de notável saber jurídico e idoneidade moral.”, o termo
“aos requisitos de notável saber jurídico e idoneidade moral” funciona sintaticamente como objeto indireto.
Já na proposta de reescrita “que atendessem os requisitos de notável saber jurídico e idoneidade moral.”,
o termo “os requisitos de notável saber jurídico e idoneidade moral” funciona sintaticamente como objeto
direto.
Ambas as construções estão corretas, haja vista que o verbo “atender” admite duas regências.
Resposta: CERTO

23.CESPE - TJ TRT10/Administrativa/2013 (e mais 2 concursos)


A primeira ideia de criação de uma jurisdição trabalhista surgiu com a Lei n.º 1.637/1907, que previa em seu
artigo 8.º os conselhos permanentes de conciliação e arbitragem. Posteriormente, a Lei n.º 1.869/1922 criou
em São Paulo os tribunais rurais — os primeiros tribunais trabalhistas do país. Já existia o Patronato Agrícola,
ligado à Secretaria de Agricultura, o qual se ocupava de tais questões. À época, entendeu o governo estadual
de São Paulo que o modelo de solução entre trabalhadores e proprietários rurais era inadequado.
Também em 1922 foram instituídas no Brasil as convenções coletivas de trabalho como forma de composição
de interesses entre trabalhadores e empregadores, reflexo da forte influência italiana entre nós, estimulada
pela grande imigração de europeus — daí derivando a necessidade de um órgão com competência para
conhecer e dirimir eventuais conflitos decorrentes dessa prática coletiva. Com isso, surgiram então as
comissões mistas de conciliação, cuja função era conciliar os dissídios coletivos, e, no mesmo momento,
criaram-se as juntas de conciliação e julgamento, que conciliavam e julgavam os dissídios individuais do
trabalho.

Seguiram-se outras instituições extrajudiciais com funções semelhantes em setores localizados, como as juntas
de trabalho marítimo e o Conselho Nacional do Trabalho, ambos de 1933. Somente com o advento do Decreto-
lei n.º 9.797 é que foi organizada a justiça do trabalho como hoje ela funciona, integrada ao Poder Judiciário.

Internet: <www.trt10.jus.br> (com adaptações).


Julgue o item, relativo às ideias e estruturas linguísticas do texto acima.

O emprego do sinal indicativo de crase em “ligado à Secretaria de Agricultura” justifica-se porque o verbo ligar
exige complemento regido pela preposição a, e a palavra “Secretaria” é antecedida pelo artigo definido
feminino singular a.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:
De fato, a regência do verbo “ligar” solicita a preposição “a” (ligado A algo). Ademais, o nome “Secretaria
da Agricultura” solicita o artigo “a”. Para atestar este último, podemos constatar na frase “Voltei da Secretaria

68 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

de Agricultura” a presença da contração “da”, o que comprova a necessidade do artigo por parte do nome. Isso
posto, resulta daí o emprego do acento indicador de crase.

Resposta: CERTO

24. CESPE - Técnico Judiciário (TRE MS)/Administrativa/Contabilidade/2013/


Texto para a questão
Diversas são as naturezas dos instrumentos de que dispõe o povo para participar efetivamente da sociedade
em que vive. Políticos, sociais ou jurisdicionais, todos eles destinam-se à mesma finalidade: submeter o
administrador ao controle e à aprovação do administrado(b). O sufrágio universal, por exemplo, é um
mecanismo de controle de índole(c) eminentemente política — no Brasil, está previsto no art. 14 da Constituição
Federal de 1988, que assegura ainda o voto direto e secreto e de igual valor para todos —, que garante o direito
do cidadão(d) de escolher seus representantes e de ser escolhido pelos seus pares.

Costuma-se dizer que a forma de sufrágio denuncia, em princípio, o regime político de uma sociedade. Assim,
quanto mais democrática a sociedade, maior a amplitude do sufrágio. Essa não é, entretanto, uma verdade
absoluta. Um sistema eleitoral pode prever condições legítimas a serem preenchidas pelo cidadão para se
tornar eleitor, desde que não sejam discriminatórias ou levem em consideração valores pessoais. Segundo José
Afonso da Silva, considera-se, pois, universal o sufrágio quando se outorga o direito de votar a todos os
nacionais de um país(e), sem restrições derivadas de condições de nascimento, de fortuna ou de capacidade
especial. No Brasil, só é considerado eleitor quem preencher os requisitos da nacionalidade, idade e capacidade,
além do requisito formal do alistamento eleitoral(a). Todos requisitos legítimos e que não tornam inapropriado
o uso do adjetivo universal.
Internet: <http://jus.com.br> (com adaptações).

Assinale a opção correta em relação à regência e ao emprego do sinal indicativo de crase no texto apresentado.
a) A correção gramatical do texto seria mantida, apesar de haver alteração de seu sentido, caso o trecho “do
alistamento eleitoral” fosse substituído por para o alistamento eleitoral.
b) Sem prejuízo para a correção gramatical ou para o sentido original do texto, o trecho “submeter o
administrador ao controle e à aprovação do administrado” poderia ser reescrito da seguinte forma: submeter
ao administrador o controle e a aprovação do administrado.
c) A expressão “de índole” exerce a função de complemento de “controle” e, por isso, o emprego da preposição
“de” é exigido pela presença desse substantivo na oração.
d) Prejudicaria a correção gramatical do texto, assim como sua coerência, a substituição do trecho “que garante
o direito do cidadão” por que garante ao cidadão o direito.
e) Caso o trecho “todos os nacionais de um país” fosse substituído por todas as pessoas de um país, a partícula
“a” empregada imediatamente após “votar” deveria receber acento indicativo de crase.
RESOLUÇÃO:
ALTERNATIVA A - CERTO - De fato, é prevista a regência da preposição "para" diante do nome
"requisito" ("requisito para algo").
ALTERNATIVA B - ERRADO - Ocorreria nítida alteração de sentido: na redação original "submeter o
administrador ao controle e à aprovação do administrado”, o administrador se submete ao administrado; já na

69 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

redação proposta "submeter ao administrador o controle e a aprovação do administrado.", o administrado se


submete ao administrador.
ALTERNATIVA C - ERRADO - O termo “de índole” compõe o termo "de índole eminentemente política",
que desempenha função sintática de adjunto adnominal, caracterizando o tipo de controle.

ALTERNATIVA D - ERRADO - Não prejudicaria nem a coerência nem a correção do texto a alteração
proposta, haja vista que o verbo "garantir" admite as duas regências: "garantir algo" ou "garantir algo a
alguém".

ALTERNATIVA E - ERRADO - Com a alteração proposta, teríamos a construção "quando se outorga o


direito de votar a todas as pessoas de um país". A crase após "votar" continuaria a ser repelida, uma vez que
pronomes indefinidos, como "todos" e "todas", rejeitam ser antecedidos por artigo definido.

Resposta: A

25.CESPE - Analista Judiciário (TRE RJ)/Administrativa/"Sem Especialidade"/2012


Texto para o item
A instrumentalização da cidadania e da soberania popular, em uma democracia contemporânea, faz-se pelo
instituto da representação política. E a transformação da soberania popular em representação se dá, em grande
parte, por meio da eleição.

O povo a que remete a ideia de soberania popular constitui uma unidade, e não, a soma de indivíduos. Jurídica
e constitucionalmente, a representação "representa" o povo (e não, todos os indivíduos). Além disso, não há
propriamente mandato, pois a função do representante se dá nos limites constitucionais e não se determina
por instruções ou cláusulas estabelecidas entre ele (ou o conjunto de representantes) e o eleitorado. As
condições para o exercício do mandato e, no limite, seu conteúdo estão predeterminados na Constituição e
apenas nela. Estritamente, nem sequer é possível falar em representação, pois não há uma vontade pré-
formada. Há a construção de uma vontade, limitada apenas aos contornos constitucionais.

Eneida Desiree Salgado. Princípios constitucionais estruturantes do direito eleitoral. Tese de doutoramento.
Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2010. Internet: <http://dspace.c3sl.ufpr.br> (com adaptações).
Julgue o próximo item, referente à estrutura e à tipologia do texto em apreço.

A correção gramatical do texto seria mantida caso a expressão "aos contornos constitucionais" fosse
substituída por à legislação constitucional.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

A correção gramatical é plenamente atendida com a alteração proposta. Vale ressaltar o emprego da
crase: ela é justificada pela contração da preposição "a" - requerida pelo nome "limitada" (limitada a algo) - com
o artigo definido "a" - solicitado pelo substantivo feminino "legislação".

Resposta: CERTO

70 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

26. CESPE – PCDF/2012


Narrado em primeira pessoa, o personagem conta sua história a um ouvinte silencioso, informando do seu
saber e do não saber, na difícil tarefa de dar forma narrada às coisas vividas.
O sinal indicativo de crase em “às coisas” justifica-se pela regência de “forma” e pela presença de artigo
feminino plural.
( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

Observe o trecho: “... dar forma narrada às coisas vividas.”


A crase é resultado da fusão da preposição A - requerida pela regência não de FORMA, mas sim do verbo
DAR - com o artigo AS - solicitado pelo substantivo feminino COISAS.
Cuidado!

Muitas são as questões que confundem o aluno, indicando-lhe erradamente os termos regentes e os
termos regidos!
Tanto é verdade que DAR solicita a preposição A, que conseguimos reescrever o trecho destacado da
seguinte maneira:

“... dar ÀS COISAS VIVIDAS forma narrada.”


Isso ocorre, pois o verbo DAR é TRANSITIVO DIRETO e INDIRETO.
O item, portanto, está ERRADO!

Resposta: ERRADO

27.CESPE - Técnico Judiciário (TRE RJ)/Administrativa/2012


Terminou o prazo para eleitores que sabem de fatos que apontem para a inelegibilidade de algum candidato às
eleições de prefeito, vice-prefeito e vereadores informarem a irregularidade ao juiz eleitoral de sua cidade. Para
isso, quem usou desse direito precisou apresentar a informação com provas e estar em gozo dos direitos
políticos. São considerados inelegíveis os enquadrados nas restrições impostas pelas Leis Complementares
n.o64/1990 (Lei das Inelegibilidades) e n.o 135/2010 (Lei da Ficha Limpa), que consideram inaptos a exercer
cargo público os candidatos condenados em decisão transitada em julgado (sem possibilidade de recurso) pelos
crimes contra a economia popular, a fé e a administração pública; de lavagem de dinheiro e ocultação de bens;
de tráfico de entorpecentes, racismo, tortura e terrorismo; além de compra de votos e abuso do poder
econômico, entre outros. Esta é a primeira eleição em que prevalecerá a Lei da Ficha Limpa.
Editorial, Estado de Minas, 19/7/2012.

Com base nas ideias e estruturas linguísticas do texto acima, julgue o item a seguir.
O emprego do sinal indicativo de crase em "candidato às eleições" justifica-se porque a palavra "candidato"
exige complemento regido pela preposição "a", e a palavra "eleições" é antecedida por artigo definido feminino.

( ) CERTO ( ) ERRADO

71 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

RESOLUÇÃO:
A contração "às", em candidato às eleiçöes, resulta da fusão da preposição "a" com o artigo "as". A
preposição é requerida pela regência do nome "candidato" (candidato a algo), enquanto que o artigo definido
plural "as" antecede o substantivo "eleições", determinando-o.

Resposta: CERTO

28. CESPE - Técnico Judiciário (TRE ES)/Administrativa/"Sem Especialidade"/2011

Considerando que o item seguinte, na ordem em que esta apresentado, é parte sucessiva de um texto adaptado
do jornal Estado de Minas de 29/11/2010, julgue-o com referência à correção gramatical.
O empenho da Igreja Católica e de organizações não governamentais reunidas no Movimento de Combate a
Corrupção Eleitoral e o permanente acompanhamento da imprensa forçou a tramitação relativamente rápida
do projeto nas duas casas do Congresso.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:

Há dois equívocos: o primeiro está relacionado ao emprego do acento grave antes de "Corrupção",
resultado da contração da preposição "a" - exigida pela regência de "Combate" (Combate a algo) - com o artigo
definido "a" - solicitado pelo substantivo "Corrupção". Além disso, a forma verbal "forçou" deveria estar
conjugada no plural - "forçaram" -, para que houvesse a concordância com o sujeito composto de
núcleos "empenho" e "acompanhamento".

Resposta: ERRADO

29. CESPE - Técnico Judiciário (TRE ES)/Administrativa/"Sem Especialidade"/2011


Considerando que o item seguinte, na ordem em que esta apresentado, é parte sucessiva de um texto adaptado
do jornal Estado de Minas de 29/11/2010, julgue-o com referência à correção gramatical.

A lei impede a justiça eleitoral de conceder registro a candidatura à cargos eletivos dos condenados em decisão
colegiada por crimes contra a vida, o patrimônio e a administração pública, a economia popular, o meio
ambiente, a saúde pública e o sistema financeiro, assim como por abuso de autoridade, lavagem de dinheiro e
atentado à dignidade sexual, entre outros.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:
Há dois equívocos observados: é necessário haver crase antes de "candidatura", uma vez que ocorre a
fusão da preposição "a" - exigida pela regência de "conceder"(conceder algo a alguém) - com o artigo
definido "a" - solicitado pelo nome "candidatura"; é incorreto o emprego da crase antes de "cargos", haja vista
que este é substantivo masculino, não exigindo, portanto, o artigo "a".

Resposta: ERRADO

72 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

30. CESPE - Técnico Judiciário (TRE ES)/Apoio Especializado/Taquigrafia/2011


Convocada por D. Pedro em junho de 1822, a constituinte só seria instalada um ano mais tarde, no dia 3 de maio
de 1823, mas acabaria dissolvida seis meses depois, em 12 de novembro.
Os membros da constituinte eram escolhidos por meio dos mesmos critérios estabelecidos para a eleição dos
deputados às cortes de Lisboa. Os eleitores eram apenas os homens livres, com mais de vinte anos e que
residissem por, pelo menos, um ano na localidade em que viviam, e proprietários de terra. Cabia a eles escolher
um colégio eleitoral, que, por sua vez, indicava os deputados de cada região. Estes tinham de saber ler e
escrever, possuir bens e virtudes. Em uma época em que a taxa de analfabetismo alcançava 99% da população,
só um entre cem brasileiros era elegível. Os nascidos em Portugal tinham de estar residindo por, pelo menos,
doze anos no Brasil. Do total de cem deputados eleitos, só 89 tomaram posse. Era a elite intelectual e política
do Brasil, composta de magistrados, membros do clero, fazendeiros, senhores de engenho, altos funcionários,
militares e professores. Desse grupo, sairiam mais tarde 33 senadores, 28 ministros de Estado, dezoito
presidentes de província, sete membros do primeiro conselho de Estado e quatro regentes do Império.

O local das reuniões era a antiga cadeia pública, que, em 1808, havia sido remodelada pelo vice-rei conde dos
Arcos para abrigar parte da corte portuguesa de D. João. No dia da abertura dos trabalhos, D. Pedro chegou ao
prédio em uma carruagem puxada por oito mulas. Discursou de cabeça descoberta, o que, por si só, sinalizava
alguma concessão ao novo poder constituído nas urnas. A coroa e o cetro, símbolos do seu poder, também
foram deixados sobre uma mesa.

Laurentino Gomes. 1822. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010, p. 213-16 (com adaptações).
Com base nas estruturas linguísticas e semânticas do texto acima, julgue o item.
A mesma norma gramatical que estabelece a ocorrência do sinal indicativo de crase em "eleição dos deputados
às cortes de Lisboa" prescreve o emprego desse sinal em eleição dos deputados à todas as cortes de Lisboa.

( ) CERTO ( ) ERRADO
RESOLUÇÃO:
É equivocado o emprego do sinal indicativo de crase antes do pronome indefinido "todas", uma vez que
esse tipo de pronome repele o artigo definido "a". Sendo assim, o "a" antes de "todas as cortes" é somente
preposição e nele não incide acento grave.

Resposta: ERRADO

31.INÉDITA
Assinale a opção inteiramente de acordo com a norma culta no que se refere à regência e ao emprego do acento
indicador de crase.
a) Fizemos inúmeros elogios a localização, infraestrutura e atendimento do estabelecimento.
b) Pagamos os funcionários na data correta, cumprindo, assim, nossa promessa.

c) As mais monstruosas feras se iguala a mulher, ao saber que está sendo enganada pelas melhores amigas.

73 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

d) Todas as decisões de investimento tomadas pela diretoria do fundo de pensão implicaram em enormes
perdas para os seus segurados.
e) Os direitos que todos nós, durante tanto tempo, lutamos e conquistamos para as gerações atuais não
podem ser abolidos.
RESOLUÇÃO:
ALTERNATIVA A – CERTA - Observe que foi atendido na frase o critério do paralelismo sintático. O que
isso significa? Significa que termos coordenados entre si (ligados por conjunção coordenativa) devem ser
construídos de forma similar.

Note que nem “localização”, nem “infraestrutura”, nem “atendimento” foram antecedidos de artigo.
O que ocorre é a presença da preposição “a”, requerida pela regência de “elogios” (elogios a algo/alguém).
Essa preposição está explícita antes de “localização” e implícita antes de “infraestrutura” e “atendimento”.

Fizemos inúmeros elogios a localização, (a) infraestrutura e (a) atendimento do estabelecimento.


Uma alternativa de redação seria dar artigo para todos os elementos coordenados. Fazendo-se isso,
haveria contração ou combinação da preposição “a” – requerida por “elogios” – com cada um dos artigos
requeridos.
Fizemos inúmeros elogios à localização, à infraestrutura e ao atendimento do estabelecimento.
Note, portanto, que, numa coordenação de termos, ou todos recebem artigo, ou ninguém recebe.

ALTERNATIVA B – ERRADA – O verbo “pagar” pode pedir, em sua regência, tanto objeto direto como
indireto.
No entanto, impõe o verbo que seu objeto direto seja a “coisa” e o indireto, a pessoa. Além disso, o objeto
indireto deve ser introduzido pela preposição “a”.

Dessa forma, está errada a construção “Pagamos os funcionários...”. Deve-se corrigir para “Pagamos aos
funcionários...”.
ALTERNATIVA C – ERRADA – A primeira oração está fora de ordem. Colocando-a em ordem, temos que
o sujeito é “a mulher”; a forma verbal é “se iguala”; o objeto indireto é “às mais monstruosas feras”.

Sendo assim, é necessário o emprego do acento indicador de crase, resultado da fusão da preposição “a”
– requerido pela regência do verbo “igualar-se”(igualar-se a algo/alguém) – com o artigo definido “as” –
requerido pelo substantivo “feras”.

A frase corrigida seria: “Às mais monstruosas feras se iguala a mulher, ao saber que está sendo enganada
pelas melhores amigas.”
ALTERNATIVA D – ERRADA – Muito cuidado! O verbo “implicar”, no sentido de “acarreta”, “resultar”, é
transitivo direto.

Dessa forma, a redação correta seria:


Todas as decisões de investimento tomadas pela diretoria do fundo de pensão implicaram enormes perdas
para os seus segurados.

74 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

ALTERNATIVA E – ERRADA – O verbo “lutar” pede preposição “por”; já o verbo “conquistar” não pede
preposição. Fica errado assim coordenar dois verbos de diferentes regências.
A sugestão de redação que tornaria a frase correta seria:

“Os direitos que todos nós conquistamos para as gerações atuais e por que, durante tanto tempo, lutamos
não podem ser abolidos.”

Resposta: A

32.INÉDITA
Assinale a opção em que é obrigatória a presença do acento indicador de crase.
a) Posso dizer que aquela equipe confiei esta missão e, por isso, sinto-me responsável pela decisão tomada.
b) Preferimos carro a moto, devido aos perigos a que estão expostos os motociclistas.
c) Pedimos ajuda a sua família, por acreditar que a amizade de nossos pais superaria nossas desavenças.

d) Não acreditamos que, daqui a décadas, estejamos aptos a clonar todo e qualquer ser humano, tendo como
objetivo a perpetuidade da existência humana.

e) Costumo dizer que é você quem faz o seu caminho. Não a droga.

RESOLUÇÃO:

ALTERNATIVA A – CERTO – É obrigatório o emprego do acento indicador de crase em “àquela”, haja


vista que ocorre a fusão da preposição “a” – requerida pela regência da forma verbal “confiar” (quem confia
confia algo a alguém) – com o pronome demonstrativo “aquela”.

Uma dificuldade de empregar esse acento se dá devido ao fato de a ordem dos termos estar invertida.
Observemos:
Posso dizer que aquela equipe confiei esta missão...

= Posso dizer que (eu) confiei esta missão àquela equipe ...
ALTERNATIVA B – ERRADO – No trecho “Preferimos carro a moto...”, é proibido o emprego do acento
indicador de crase, haja vista que não se tem artigo masculino para o substantivo “carro” nem artigo feminino
para o substantivo “moto”.

Trata-se do paralelismo sintático, que consiste na semelhança de construção entre termos em


enumeração ou em comparação. Dessa forma, ou se dá artigo para todos ou não se dá artigo para ninguém.
Observemos:
Preferimos carro a moto...

>> sem artigo para “carro”; sem artigo para “moto”.


>> o “a” é apenas preposição, exigida pela regência de “preferir”.
Preferimos o carro à moto...

>> com artigo para “carro”; com artigo para “moto”.

75 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

>> o “à” é a fusão de preposição, exigida pela regência de “preferir”, com o artigo “a”, solicitado por “moto”.
Também é proibido o emprego do acento indicador de crase em “perigos a que estão expostos”. Na
verdade, tem-se apenas a preposição “a”, requerida pela regência da forma verbal “estar exposto” (quem está
exposto está exposto a algo). Não ocorre artigo.
ALTERNATIVA C – ERRADO – No trecho “Pedimos ajuda a sua família...”, o emprego do acento
indicador de crase é facultativo. Isso ocorre porque é facultativa a presença de artigo antes de pronome
possessivo feminino e antes de nomes próprios femininos (nomes de mulher).

Já no trecho “... por acreditar que a amizade...”, a crase não é permitida, haja vista que, antes do
substantivo “amizade”, temos penas artigo definido feminino “a”. Não há preposição.
ALTERNATIVA D – ERRADO – No trecho “... daqui a décadas...”, não ocorre crase, pois “décadas” está
no plural, sendo incabível o emprego de crase singular antes de palavra plural. Também não é possível o
emprego da crase em “...aptos a clonar...”, pois não ocorre crase antes de verbo. Por fim, no trecho “... tendo
como objetivo a perpetuidade da existência humana.”, também não ocorre crase, haja vista que o “a” antes de
“perpetuidade” é apenas artigo. Não há preposição.

ALTERNATIVA E – ERRADO – Interessante essa redação. Dá-se margem a uma redação com emprego
da crase e outra sem emprego.

Como assim?

Observemos:
Costumo dizer que é você quem faz o seu caminho. (Diga) Não à droga.

>> Aqui a crase se faz presente, pois é possível, segundo essa interpretação, subentender a forma verbal
“Diga” antes de “Não à droga”.

Costumo dizer que é você quem faz o seu caminho. Não (é) a droga.
>> Aqui não é possível o emprego da crase, pois é possível, segundo essa interpretação, subentender a
forma verbal “é” antes de “a droga”.
Não podemos, assim, dizer que se trata de um emprego obrigatório da crase, haja vista que tanto existe
uma interpretação com acento grave, como existe uma interpretação sem.

Resposta: A

33.INÉDITA
Assinale a opção cuja redação obedece às regras previstas na gramática normativa quanto à concordância,
regência, colocação pronominal e ao emprego do acento indicador de crase.
a) As cenas de corrupção as quais assistimos nos motivaram a tomar uma drástica atitude, hajam vistas as
consequências adversas a que se submetem parcela expressiva da população.

b) Repercutiu muito negativamente no mercado, o que foi agravado pela cobertura sensacionalista da mídia,
todas as declarações dos ministros que contrapunham-se a assinatura do acordo de negociação da dívida
pública.

76 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

c) Sabe-se que é necessário, dentro obviamente de certos limites morais, a negociação com partidos da base
aliada no Congresso, visando o estabelecimento de uma governabilidade razoável.
d) Não se cogita, nem mesmo diante da mais urgente situação fiscal, alterações que impliquem aumentos
substanciais de impostos.
e) Quando se analisa, de forma imparcial, a crise pela qual o país passa, constata-se que grande parte dos
problemas serão solucionados com a participação conjunta do empresariado e da massa operária
brasileiros.

RESOLUÇÃO:

ALTERNATIVA A – ERRADA – É preciso empregar a forma “às quais”, com acento indicador de crase,
tendo em vista que ocorre a fusão da preposição “a” – requerida pela regência do verbo “assistir”, no sentido
de “ver”, “presenciar” – com o pronome relativo “as quais”.

Além disso, está equivocado o emprego de “hajam vistas”. A expressão “haja vista” é invariável.
Dessa forma, a frase correta ficaria:
As cenas de corrupção às quais assistimos nos motivaram a tomar uma drástica atitude, haja vista as
consequências adversas a que se submetem parcela expressiva da população.
ALTERNATIVA B – ERRADA – Deve-se empregar a forma plural “Repercutiram”, para que haja
concordância com o sujeito “todas as declarações dos ministros”. Além disso, deve-se empregar o pronome
“se” antes da forma verbal “contrapunham”, pois o pronome relativo “que” atua como fator de próclise
(pronome antes do verbo). Por fim, deve-se empregar o acento indicador de crase antes de “assinatura”, haja
vista que ocorre a fusão da preposição “a” – requerida pela regência do verbo “contrapor-se” (quem se
contrapõe se contrapõe a algo) – com o artigo feminino singular “a” – solicitado pelo substantivo “assinatura”.

Dessa forma, a frase correta ficaria:


Repercutiram muito negativamente no mercado, o que foi agravado pela cobertura sensacionalista da mídia,
todas as declarações dos ministros que se contrapunham à assinatura do acordo de negociação da dívida pública.

ALTERNATIVA C – ERRADA – Deve-se empregar a forma “É necessária”, pois o substantivo


“negociação” está determinado pelo artigo “a”.
Sabe-se que as expressões é bom, é necessário, é proibido, é permitido são invariáveis, exceto se o sujeito
dessas expressões for determinado por artigos, pronomes, numerais, etc.

Além disso, está errado o emprego do verbo “visar”, pois este, no sentido de “ter como objetivo”, solicita
preposição “a”.

Dessa forma, a frase correta ficaria:


Sabe-se que é necessária, dentro obviamente de certos limites morais, a negociação com partidos da base
aliada no Congresso, visando ao estabelecimento de uma governabilidade razoável.
ou
Sabe-se que é necessário, dentro obviamente de certos limites morais, negociação com partidos da base
aliada no Congresso, visando ao estabelecimento de uma governabilidade razoável.

77 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

ALTERNATIVA D – ERRADA – Deve-se empregar a forma plural “Não se cogitam”, para que haja
concordância com o sujeito paciente “alterações”.
Não se cogitam ... alterações ... = Não são cogitadas ... alterações.

Observe que o “se” é uma partícula apassivadora, ladeada de um verbo que solicita objeto direto (quem
cogita cogita algo).
Dessa forma, a frase correta ficaria:

Não se cogitam, nem mesmo diante da mais urgente situação fiscal, alterações que impliquem aumentos
substanciais de impostos.
ALTERNATIVA E – CERTA – Está correto o emprego da forma verbal “se analisa”, concordando com o
sujeito paciente “a crise” (Quando se analisa... a crise = Quando é analisada ... a crise). Também é correto o
emprego da forma “pela qual”, resultado da fusão da preposição “por” – requerida pela regência do verbo
“passar” (quem passa passa por algo) – com o pronome relativo “a qual” – que substitui o termo antecedente
“crise”.
Por fim, nota-se a concordância com sujeito formado por expressões partitivas, admitindo-se duas
construções igualmente corretas: “grande parte dos problemas serão solucionados...” ou “grande parte dos
problemas será solucionada...”.

Resposta: E

34. INÉDITA

Assinale a alternativa em que a regência do verbo NÃO esteja de acordo com o padrão culto.
a) A função à qual os candidatos aspiram é muito disputada.
b) Ele assistiu, durante dez anos, em Belém.

c) O combate à corrupção implica em medidas drásticas a serem tomadas pelo Poder Judiciário.
d) As empresas pagaram aos funcionários na data acordada com o sindicato da categoria.

e) Não raro a população esquece o nome dos políticos por ela eleitos.
RESOLUÇÃO:

ALTERNATIVA A - CERTO - O verbo "aspirar", no sentido de "almejar", é transitivo indireto e é regido


pela preposição "a".
Essa preposição “a” deverá ser posicionada antes do pronome relativo “a qual”, que, por sua vez, substitui
o termo antecedente “função”.

A fusão da preposição “a” com o pronome relativo “a qual”


resulta em “à qual”.
ALTERNATIVA B - CERTO - O verbo "assistir", no sentido de "morar", "residir", é intransitivo e é regido
pela preposição "em".
ALTERNATIVA C - ERRADO - O verbo "implicar", no sentido de "acarretar", é transitivo direto. Assim, o
correto seria "implica medidas drásticas".

78 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

ALTERNATIVA D - CERTO - O verbo "pagar" é bitransitivo e solicita como objeto direto um nome de
coisa e como objeto indireto um nome de pessoa (pagar algo a alguém).
ALTERNATIVA E - CERTO - O verbo esquecer, quando não pronominal, é transitivo direto (Esquecer
algo). Quando pronominal, é transitivo indireto e é regido pela preposição "de" (Esquecer-se de algo).

Resposta: C

35.INÉDITA
....... inovadoras teorias, durante todo seu ano sabático, Stephen Hawking dedicou horas de estudo e reflexão
equivalentes .... que Einstein despendeu na época em que formulou a famosa Teoria da Relatividade sob ....
desconfiança da comunidade científica mundial.
Preenchem corretamente as lacunas da frase acima, na ordem dada:
a) Àquelas - à – a

b) Aquelas - as – à

c) Aquelas - às – à
d) Àquelas - às – a

e) Aquelas - às – a
RESPOSTA:
A primeira lacuna deve ser preenchida com a forma "Àquelas" - com crase -, haja vista que ocorre a
contração da preposição "a" - solicitada pela regência do verbo "dedicou” (dedicou algo a alguém/algo)" - com o
pronome demonstrativo "aquelas", modificador do substantivo “teorias”.
Observação:
Uma maneira prática de descobrir se ocorre a crase nas formas pronominais “àquele(s)”, “àquela(a)” e
“àquilo” é substituir os demonstrativos “aquele(s)”, “aquela(s)” e “aquilo” pelos também demonstrativos
“este(s)”, “esta(s)” e “isto”.
Se, nessa alteração proposta, aparecerem as formas “a este(s)”, “a esta(s)” e “a isto”, está provado que
ocorre a fusão da preposição “a” com o demonstrativo.

Veja um exemplo:

O professor perguntou àquele aluno se restava alguma dúvida.


Trocando o demonstrativo “aquele” por “este”, tem-se:
O professor perguntou a este aluno se restava alguma dúvida.

Viu? Como apareceu na troca a forma “a este”, é sinal de que ocorre a fusão da preposição “a” com o
demonstrativo “aquele”, resultando em “àquele”.
Reconstruindo o início do texto da questão, tem-se:

Stephen Hawking dedicou horas de estudo e reflexão ... àquelas inovadoras teorias...

79 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

= Stephen Hawking dedicou horas de estudo e reflexão ... a estas inovadoras teorias...
A segunda lacuna deve ser preenchida com a forma "às" - com crase -, haja vista que ocorre a contração
da preposição "a" - solicitada pela regência do nome "equivalentes" (equivalentes a algo) - com o pronome
demonstrativo "as" – que pode ser substituído por “aquelas".

Observação:
Fique atento à parceria do “o(s)”, “a(s)” com o “que”. Trata-se corriqueiramente do encontro de um
pronome demonstrativo – o(s) = aquele(s), aquilo; a(s) = aquela(s) – com o pronome relativo “que”.

Fiz o que pude


= Fiz aquilo que pude.

Comentei o que era necessário.

= Comentei aquilo que era necessário.


Esta camisa é igual à que vesti ontem.
= Esta camisa é igual àquela que vesti ontem.
Este tênis é igual ao que você calçou ontem.

= Este tênis é igual àquele que você calçou ontem.

Por fim, a terceira lacuna deve ser preenchida com o artigo definido "a", solicitado pelo substantivo
feminino "desconfiança". Fica bem evidente a necessidade do artigo, se fizermos uma substituição por um
substantivo masculino: se empregarmos "descrédito" em vez de "desconfiança", teremos a
construção "sob o descrédito", o que prova a necessidade de um artigo após a preposição "sob".

Resposta: D

36. INÉDITA
Está correto o emprego de ambos os elementos sublinhados na frase:

a) Os motivos nos quais se valeu o deputado baseavam-se numa equivocada comparação em cuja pretendia
iludir seus fiéis eleitores.

b) As profissões para cujo desempenho são exigidas muita concentração e paciência não são indicadas a
quem não dispõe de equilíbrio emocional.
c) Muitos eleitores preferem uma candidatura baseada em mentiras agradáveis do que uma apoiada em
verdades desagradáveis onde nem todos querem acreditar.

d) O mau juízo de que se imputa aos sindicatos é semelhante àquele em que se atribui aos partidos políticos.
e) A confiança de cuja não se afastam milhares de brasileiros é a de que a política possa ser exercida
segundo à natureza do interesse público.

80 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

RESOLUÇÃO
ALTERNATIVA A - ERRADO - Em lugar de "nos quais", deve-se empregar "dos quais", uma vez que a
forma verbal "se valer" solicita a regência da preposição "de" (quem se vale, se vale de algo). Além disso, não faz
sentido o emprego do pronome relativo "cuja", uma vez que não temos uma relação de posse.
O correto, então, seria: "Os motivos dos quais se valeu o deputado baseavam-se numa equivocada
comparação que pretendia iludir seus fiéis eleitores.".

ALTERNATIVA B - CERTO - O uso da preposição "para", antes do pronome relativo "cujo", é necessidade
requerida pela forma verbal "são exigidas" (são exigidas para algo). Além disso, a preposição "a" antes
de "quem" é necessidade da regência da forma verbal "são indicadas"(são indicadas a alguém).
ALTERNATIVA C - ERRADO - O uso de "do que" está equivocado, uma vez que a regência do verbo
"preferir" é dada pela preposição "a". É equivocado também o uso do pronome relativo "onde", uma vez que
este não indica lugar.

Assim, o correto seria: "Muitos eleitores preferem uma candidatura baseada em mentiras agradáveis a uma
apoiada em verdades desagradáveis em que nem todos querem acreditar.".

ALTERNATIVA D - ERRADO - O uso da preposição "de", entes do primeiro pronome relativo "que", é
equivocado, uma vez que a forma verbal "se imputa" não a solicita (se imputa algo a alguém = se imputa mau
juízo aos sindicatos).

Da mesma forma, o uso da preposição "em", antes do segundo pronome relativo "que", é equivocado,
uma vez que a forma verbal "se atribui" não a solicita (se atribui algo a alguém = se atribui juízo aos partidos
políticos).
Assim, o correto seria: "O mau juízo que se imputa aos sindicatos é semelhante àquele que se atribui aos
partidos políticos.”.
ALTERNATIVA E - ERRADO - O uso do pronome relativo "cujo" é inadequado, uma vez que não existe
uma relação de posse. É equivocado também o emprego da crase em "à", uma vez que é solicitado apenas o
artigo definido "a".

Assim, o correto seria: “A confiança de que não se afastam milhares de brasileiros é a de que a política possa
ser exercida segundo a natureza do interesse público.”

Resposta: B

37.INÉDITA
O sinal indicativo de crase pode ser corretamente suprimido, sem prejuízo para a correção e o sentido
original do texto, em:

a) Vários fanáticos religiosos se entregaram à opressão e ao obscurantismo em suas pregações.

b) Seus escritos e ensinamentos foram, sem sombra de dúvida, o mais belo legado do velho filósofo à
atualidade.

81 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

c) Suas ações governamentais não só não geraram uma justa distribuição de riqueza, como deram continuidade
à miséria galopante.
d) Não aceitamos que ninguém se submetesse à sua vontade.

e) As crises econômicas impõem à sociedade um rebaixamento de padrão de consumo.


RESOLUÇÃO:

ALTERNATIVA A – ERRADA – No trecho “se entregaram à opressão e ao obscurantismo em suas


pregações”, é obrigatório o emprego do sinal indicativo de crase, haja vista que se trata da fusão da preposição
“a” – requerida pela regência da forma verbal “se entregaram” (se entregaram a algo) – com o artigo “a” –
solicitado pelo substantivo feminino “opressão”. A presença do artigo se faz necessária, haja vista que todos os
elementos da enumeração requerem o artigo definido – é o caso de “opressão” e “obscurantismo”.

ALTERNATIVA B – ERRADA - É obrigatório o emprego da crase, haja vista que ocorre a fusão da
preposição “a” – requerida pela regência do substantivo “legado” (legado a algo) – com o artigo “a” – solicitado
pelo substantivo “atualidade”.
ALTERNATIVA C – ERRADA - É obrigatório o emprego da crase, haja vista que ocorre a fusão da
preposição “a” – requerida pela regência do substantivo “continuidade” (continuidade a algo) – com o artigo
“a” – solicitado pelo substantivo “miséria”.
ALTERNATIVA D – CERTA – É facultativo o emprego da crase no trecho. A preposição “a” é garantida
pela regência da forma verbal “submeter-se” (submeter-se a algo). Já a presença do artigo “a” é facultativa
antes do pronome possessivo feminino “sua”. Dessa forma, é possível dispensar o acento grave, sem qualquer
prejuízo à correção gramatical.
ALTERNATIVA E – ERRADA - É obrigatório o emprego da crase, haja vista que ocorre a fusão da
preposição “a” – requerida pela regência do “impor” (impor algo a alguém) – com o artigo “a” – solicitado pelo
substantivo “sociedade”.

Resposta: D

38. INÉDITA
O resultado prático das ações voltadas ...... um desenvolvimento sustentável depende, em larga escala, da
atuação firme e forte da comunidade internacional. São várias as ações que devem ser tratadas com prioridade,
entre as quais estão o estímulo ...... novas fontes de energia menos poluentes e o respeito ...... causas
ambientais.
Preenchem corretamente as lacunas da frase acima, na ordem dada:
a) a − à – as
b) a − a – às

c) à − a – as

d) a − à – às
e) à − à – as

82 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

RESOLUÇÃO
A primeira lacuna deve ser preenchida com a preposição "a", solicitada pela regência do nome "voltadas"
(voltadas a algo). Não é possível a crase, haja vista que estamos diante de palavra masculina - no caso,
"desenvolvimento". E já há um artigo posto, que é o indefinido "um".

A segunda lacuna deve ser preenchida com a forma "a" ou "às". No primeiro caso, trata-se da preposição
"a", exigida pela regência do nome "estímulo" (estímulo a algo). Já no segundo caso, trata-se da contração da
preposição "a" com o artigo "as", que pode ser solicitado pelo substantivo feminino "fontes".

Portanto, as duas redações atenderiam as prescrições da norma culta: "... estímulo a novas fontes de
energia ..." ou "... estímulo às novas fontes de energia...".
Por fim, a terceira lacuna deve ser preenchida com a forma "a" ou "às". No primeiro caso, trata-se da
preposição "a", exigida pela regência do nome "respeito" (respeito a algo). Já no segundo caso, trata-se da
contração da preposição "a" com o artigo "as", que pode ser solicitado pelo substantivo feminino "causas".

Portanto, as duas redações atenderiam as prescrições da norma culta: "... respeito a causas ambientais
..." ou "... respeito às causas ambientais...".

Dessa forma, é a letra B que traz a combinação adequada a essas necessidades.

Resposta: B

Trânsito mata mais do que assassinatos no Brasil


Quando a maioria da população, com razão, está escandalizada com a violência que impera nas cidades
do País, um outro número não recebe tanta atenção quanto os cerca de 60 mil assassinatos registrados
anualmente no Brasil. No trânsito, morrerão, neste ano de 2018, segundo estimativas oficiais, 80 mil pessoas.
A projeção está baseada no fato de que, nos primeiros meses do ano, os acidentes de trânsito já provocaram
19.398 mil mortes e 20 mil casos de invalidez permanente no País. Os dados são do Centro de Pesquisa e
Economia do Seguro, órgão da Escola Nacional de Seguros. As principais vítimas são homens de 18 a 65 anos e
motociclistas.
Além das mortes e sequelas as mais diversas, muitas deixando inválidos pelo resto da vida homens,
mulheres e crianças, pessoas jovens, ainda há um brutal prejuízo, calculado em torno dos R$ 96 bilhões pelas
faltas ao trabalho dos acidentados.

Ora, tantas vítimas mostram um quadro de insegurança que está presente e que vem ceifando, dia após
dia, vidas nas ruas, avenidas e, muito mais, nas rodovias da nação. Pois, da mesma forma que todos condenam
o grande número de mortes violentas por conta do tráfico de drogas, da disputa entre gangues, de desavenças
familiares, pouca atenção é dada para o massacre que ocorre no trânsito. Da mesma forma que se pede mais
educação, devemos nos lembrar que a educação no trânsito é mais do que importante.

Jornal do Comércio
(https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/opiniao/2018/09/648589-transito-mata-mais-
do-que-assassinatos-no-brasil.html)

83 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

39. INÉDITA

No trecho “...devemos nos lembrar que a educação no trânsito é mais do que importante”, a ausência do
pronome oblíquo “nos” prejudicaria a correção gramatical.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:

O verbo lembrar admite duas regências: como não pronominal, deve ser empregado como transitivo
direto; já como pronominal, deve ser empregado como transitivo indireto e deve ser acompanhado da
preposição DE.
Na redação original, tem-se:

...devemos nos lembrar (de) que a educação no trânsito...


Nela, o verbo lembrar foi empregado como pronominal, acompanhado do oblíquo átono “nos”. A
preposição DE, requerida nesse formato, está subentendida, pois, diante de orações subordinadas substantivas
objetivas indiretas ou completivas nominais, é possível omitir a preposição, sem gerar prejuízos gramaticais.
Na proposta de reescrita sugerida, tem-se:

...devemos lembrar que a educação no trânsito...

Nela, o verbo lembrar foi empregado como não pronominal. Nesse formato, tem-se um verbo transitivo
direto.

A alteração proposta, portanto, não prejudica a correção gramatical.

Resposta: ERRADO

40. INÉDITA

A substituição de “Obedecer às leis de trânsito” por “Obediência a leis de trânsito” preservaria


a correção gramatical e não acarretaria mudança de sentido original.
( ) CERTO ( ) ERRADO

RESOLUÇÃO:
No trecho original, o substantivo “leis” está determinado por artigo definido feminino. Afirma-se isso,
pois a forma “às” consiste na fusão da preposição “a” – requerida pela regência do verbo “obedecer” – com o
artigo “as” – solicitado pelo substantivo “leis”.
Com a determinação por artigo, dá-se a entender que se está falando de todas as leis de trânsito. A
obediência se faz necessária para todas as leis, portanto.
No trecho reescrito, o substantivo “leis” não está determinado por artigo. O “a” que antecede “leis” é
apenas preposição “a”, requerida pela regência do nome “Obediência”.
Sem o artigo, dá-se a entender que se está falando de apenas algumas leis, não de todas. A obediência se
faz necessária para algumas leis, portanto.

Resposta: ERRADO

84 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Lista de Questões
1. CESPE – PRF - 2019

Dispor de tanta luz assim, porém, tem um custo ambiental muito alto, avisam os cientistas. Nos humanos, o
excesso de luz urbana que se infiltra no ambiente no qual dormimos pode reduzir drasticamente os níveis de
melatonina, que regula o nosso ciclo de sono-vigília.

No que se refere aos sentidos e às construções linguísticas do texto precedente, julgue o item a seguir
Sem prejuízo da correção gramatical e dos sentidos do texto, o primeiro período do terceiro parágrafo poderia
ser assim reescrito: Contudo, os cientistas avisam que ter tanta luz à nosso dispor custa muito caro ao meio
ambiente.
( ) CERTO ( ) ERRADO

2. CESPE – SEFAZ/RS - Auditor - 2019


Mantendo-se a correção gramatical e o sentido original do trecho “O direito tributário brasileiro depara-se com
grandes desafios” (R. 1 e 2), do texto 1A1-I, o segmento “depara-se com” poderia ser substituído por
a) depara-se a.

b) confronta com.
c) depara-se diante de.

d) confronta-se a.

e) depara com.

3. CESPE – SEFAZ/RS - Auditor - 2019


Entre os maiores poderes concedidos pela sociedade ao Estado, está o poder de tributar. A tributação está
inserida no núcleo do contrato social estabelecido pelos cidadãos 4 entre si para que se alcance o bem comum.
Desse modo, o poder de tributar está na origem do Estado ou do ente político, a partir da qual foi possível que
as pessoas deixassem 7 de viver no que Hobbes definiu como o estado natural (ou a vida pré-política da
humanidade) e passassem a constituir uma sociedade de fato, a geri-la mediante um 10 governo, e a financiá-
la, estabelecendo, assim, uma relação clara entre governante e governados. A tributação, portanto, somente
pode ser 13 compreendida a partir da necessidade dos indivíduos de estabelecer convívio social organizado e
de gerir a coisa pública mediante a concessão de poder a um soberano. 16 Em decorrência disso, a condição
necessária (mas não suficiente) para que o poder de tributar seja legítimo é que ele emane do Estado, pois
qualquer imposição tributária 19 privada seria comparável a usurpação ou roubo.
Com relação às propriedades linguísticas do texto 1A3-II, julgue os itens a seguir.
I. O referente da forma verbal “passassem” (R.8) é o termo “as pessoas” (R.6).

II. As formas pronominais presentes em “geri-la” (R.9) e “financiá-la” (R.10) possuem referentes distintos no
texto.
III. O referente da forma pronominal “ele” (R.18) é a expressão “o poder de tributar” (R.17).

85 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

IV. A inserção do sinal indicativo de crase em “a usurpação” (R.19) não prejudicaria a correção gramatical do
texto.
Estão certos apenas os itens

a) I e III.
b) I e IV.

c) II e IV.
d) I, II e III.

e) II, III e IV.

4. CESPE – MPE/PI – Técnico/2018

Eis que se inicia então uma das fases mais intensas na vida de Geraldo Viramundo: sua troca de correspondência
com os estudantes, julgando estar a se corresponder com sua amada. E eis que passo pela rama nesta fase de
meu relato, já que me é impossível dar a exata medida do grau de maluquice que inspiraram tais cartas:
infelizmente se perderam e de nenhuma encontrei paradeiro, por maiores que tenham sido os meus esforços
em rebuscar coleções, arquivos e alfarrábios em minha terra. Sou forçado, pois, a limitar-me aos elementos de
que disponho, encerrando em desventuras as aventuras de Viramundo em Ouro Preto, e dando viço às suas
peregrinações.
Fernando Sabino. O grande mentecapto. 62.ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.
É obrigatório o sinal indicativo de crase empregado em “às suas peregrinações”, de maneira que sua
supressão acarretaria incorreção gramatical no texto.
( ) CERTO ( ) ERRADO

5. CESPE – MPE/PI – Analista/2018


Texto CB1A4-I

— Tinha vinte e cinco anos, era pobre, e acabava de ser nomeado alferes da Guarda Nacional. Não imaginam o
acontecimento que isto foi em nossa casa. Minha mãe ficou tão orgulhosa! Vai então uma das minhas tias, D.
Marcolina, que morava a muitas léguas da vila, num sítio escuso e solitário, desejou ver-me, e pediu que fosse
ter com ela e levasse a farda. Chamava-me também o seu alferes. E sempre alferes; era alferes para cá, alferes
para lá, alferes a toda a hora. Na mesa tinha eu o melhor lugar, e era o primeiro servido. Não imaginam. Se lhes
disser que o entusiasmo da tia Marcolina chegou ao ponto de mandar pôr no meu quarto um grande espelho,
naturalmente muito velho; mas via-se-lhe ainda o ouro.
— Espelho grande?

— Grande. E foi, como digo, uma enorme fineza, porque o espelho estava na sala; era a melhor peça da casa.
Mas não houve forças que a demovessem do propósito; respondia que não fazia falta, que era só por algumas
semanas, e finalmente que o “senhor alferes” merecia muito mais. O certo é que todas essas coisas, carinhos,
atenções, obséquios, fizeram em mim uma transformação, que o natural sentimento da mocidade ajudou e
completou. Imaginam, creio eu?

86 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

— Não.
— O alferes eliminou o homem. Durante alguns dias as duas naturezas equilibraram-se; mas não tardou que a
primitiva cedesse à outra; ficou-me uma parte mínima de humanidade. Aconteceu então que a alma exterior,
que era dantes o sol, o ar, o campo, os olhos das moças, mudou de natureza, e passou a ser a cortesia e os
rapapés da casa, tudo o que me falava do posto, nada do que me falava do homem. A única parte do cidadão
que ficou comigo foi aquela que entendia com o exercício da patente; a outra dispersou-se no ar e no passado.
Vamos aos fatos. Vamos ver como, ao tempo em que a consciência do homem se obliterava, a do alferes
tornava-se viva e intensa. No fim de três semanas, era outro, totalmente outro.
(...)
— Convém dizer-lhes que, desde que ficara só, não olhara uma só vez para o espelho. Não era abstenção
deliberada, não tinha motivo; era um impulso inconsciente, um receio de achar-me um e dois, ao mesmo
tempo, naquela casa solitária; e se tal explicação é verdadeira, nada prova melhor a contradição humana,
porque no fim de oito dias, deu-me na veneta olhar para o espelho com o fim justamente de achar-me dois.
Olhei e recuei.

(...)
— De quando em quando, olhava furtivamente para o espelho; a imagem era a mesma difusão de linhas, a
mesma decomposição de contornos ... Subitamente, por uma inspiração inexplicável, por um impulso sem
cálculo, lembrou-me... vestir a farda de alferes. Vesti-a, aprontei-me de todo; e, como estava defronte do
espelho, levantei os olhos, e... não lhes digo nada; o vidro reproduziu então a figura integral; nenhuma linha de
menos, nenhum contorno diverso; era eu mesmo, o alferes, que achava, enfim, a alma exterior. Daí em diante,
fui outro. Cada dia, a uma certa hora, vestia-me de alferes, e sentava-me diante do espelho, lendo, olhando,
meditando; no fim de duas, três horas, despia-me outra vez. Com este regime pude atravessar mais seis dias
de solidão, sem os sentir...
Machado de Assis. O espelho. In: John Gladson (Org.). 50 contos de Machado de Assis. Cia. das Letras. Edição
eletrônica. Internet: (com adaptações).

É facultativo o emprego do acento indicativo de crase em “à outra” (R.26), de modo que sua supressão não
comprometeria a correção gramatical e os sentidos originais do texto.
( ) CERTO ( ) ERRADO

6. CESPE - PF/2018
A polícia parisiense — disse ele — é extremamente hábil à sua maneira. Seus agentes são perseverantes,
engenhosos, astutos e perfeitamente versados nos conhecimentos que seus deveres parecem exigir de modo
especial. Assim, quando o delegado G... nos contou, pormenorizadamente, a maneira pela qual realizou suas
pesquisas no Hotel D..., não tive dúvida de que efetuara uma investigação satisfatória (...) até o ponto a que
chegou o seu trabalho.
A supressão do sinal indicativo de crase em “à sua maneira” (R.2) manteria a correção gramatical do texto.
( ) CERTO ( ) ERRADO

87 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

7. CESPE - 1º Ten (PM MA)/PM MA/Cirurgião-Dentista/2018


Texto CG1A1BBB

Quando dizemos que uma pessoa é doce, fica bem claro que se trata de um elogio, e de um elogio emocionado,
porque parte de remotas e ternas lembranças: o primeiro sabor que nos recebe no mundo é o gosto adocicado
do leite materno, e dele nos lembraremos pelo resto de nossas vidas. A paixão pelo açúcar é uma constante em
nossa cultura. O açúcar é fonte de energia, uma substância capaz de proporcionar um instantâneo “barato” que
reconforta nervos abalados. É paradoxal, portanto, a existência de uma doença em que o açúcar está ali, em
nossa corrente sanguínea, mas não pode ser utilizado pelo organismo por falta de insulina. As células imploram
pelo açúcar que não conseguem receber, e que sai, literalmente, na urina. O diabetes é conhecido desde a
Antiguidade, sobretudo porque é uma doença de fácil diagnóstico: as formigas se encarregam disso. Há
séculos, sabe-se que a urina do diabético é uma festa para o formigueiro. Também não escapou aos médicos
de outrora o fato de que a pessoa diabética urina muito e emagrece. “As carnes se dissolvem na urina”, diziam
os gregos.
Moacyr Scliar. Doce problema. In: A face oculta — inusitadas e reveladoras histórias da medicina. Porto Alegre:
Artes e Ofícios, 2001 (com adaptações).
No que concerne às ideias e aos aspectos linguísticos do texto CG1A1BBB, julgue o item.
Seriam mantidos a correção gramatical e os sentidos do texto caso o trecho “aos médicos” fosse reescrito
como “dos médicos”.

( ) CERTO ( ) ERRADO

8. CESPE - SM (PM MA)/PM MA/Combatente/2018


Texto CG2A1BBB
A respeito de aspectos linguísticos do texto CG2A1BBB, julgue o item.

A correção gramatical do texto seria mantida com a substituição da preposição para pela preposição a, em para
participar da solenidade de lançamento do Projeto Parceiros da Paz e da Campanha Maranhão na
Prevenção às Drogas.
( ) CERTO ( ) ERRADO

88 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

9. CESPE - AJ (STM)/STM/Administrativa/2018
Texto CB1A1BBB

Esse rapaz que, em Deodoro, quis matar a ex-noiva e suicidou-se em seguida é um sintoma da revivescência de
um sentimento que parecia ter morrido no coração dos homens: o domínio sobre a mulher. Há outros casos.
(...) Todos esses senhores parece que não sabem o que é a vontade dos outros. Eles se julgam com o direito de
impor o seu amor ou o seu desejo a quem não os quer. Não sei se se julgam muito diferentes dos ladrões à mão
armada; mas o certo é que estes não nos arrebatam senão o dinheiro, enquanto esses tais noivos assassinos
querem tudo que há de mais sagrado em outro ente, de pistola na mão. O ladrão ainda nos deixa com vida, se
lhe passamos o dinheiro; os tais passionais, porém, nem estabelecem a alternativa: a bolsa ou a vida. Eles, não;
matam logo.
Nós já tínhamos os maridos que matavam as esposas adúlteras; agora temos os noivos que matam as ex-noivas.
De resto, semelhantes cidadãos são idiotas. É de se supor que quem quer casar deseje que a sua futura mulher
venha para o tálamo conjugal com a máxima liberdade, com a melhor boa- vontade, sem coação de espécie
alguma, com ardor até, com ânsia e grandes desejos; como é então que se castigam as moças que confessam
não sentir mais pelos namorados amor ou coisa equivalente?
Todas as considerações que se possam fazer tendentes a convencer os homens de que eles não têm sobre as
mulheres domínio outro que não aquele que venha da afeição não devem ser desprezadas. Esse obsoleto
domínio à valentona, do homem sobre a mulher, é coisa tão horrorosa que enche de indignação.

Todos os experimentadores e observadores dos fatos morais têm mostrado a insanidade de generalizar a
eternidade do amor. Pode existir, existe, mas excepcionalmente; e exigi-la nas leis ou a cano de revólver é um
absurdo tão grande como querer impedir que o Sol varie a hora do seu nascimento. Deixem as mulheres amar
à vontade.

Não as matem, pelo amor de Deus.


Lima Barreto. Não as matem. In: Vida urbana. São Paulo: Brasiliense, 1963, p. 83-5 (com adaptações).
Com relação aos sentidos e aos aspectos gramaticais do texto CB1A1BBB, julgue o item que se segue.

Mantendo-se a correção gramatical e os sentidos originais do texto, a forma verbal “deseje” (l.8) poderia ser
substituída por aspire a.
( ) CERTO ( ) ERRADO

10. CESPE - AJ (STM)/STM/Apoio Especializado/Revisão de Texto/2018

Texto 6A1BBB

A humanidade não aceitará uma língua não natural para a comunicação natural. Isso é contra a tendência dos
seus instintos. Nenhum homem, “que seja homem”, achará natural conversar, aceitando ou recusando uma
bebida, em Volapuque, ou Esperanto, ou Ido ou em qualquer outra fantochada do gênero. Preferirá falar,
gaguejando, uma língua estranha, mas natural, do que falar, com relutante perfeição, uma língua
artificialmente construída. O homem é um animal apesar de muitos o esquecerem, ele ainda é um animal
irracional, como todos o são.
Fernando Pessoa. A Língua Portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

89 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Com relação à variação linguística, aos fatores de textualidade e aos aspectos linguísticos do texto 6A1BBB,
julgue o item a seguir.
A regência do verbo preferir observada no quarto período do texto é típica da variedade culta do português
europeu, sendo pouco frequente na variedade brasileira do português, principalmente em textos informais.
( ) CERTO ( ) ERRADO

11.CESPE - AI (ABIN)/ABIN/2018
A atividade de inteligência é o exercício de ações especializadas para a obtenção e análise de dados, produção
de conhecimentos e proteção de conhecimentos para o país. Inteligência e contrainteligência são os dois ramos
dessa atividade. A inteligência compreende ações de obtenção de dados associadas à análise para a
compreensão desses dados. A análise transforma os dados em cenário compreensível para o entendimento do
passado, do presente e para a perspectiva de como tende a se configurar o futuro. Cabe à inteligência tratar
fundamentalmente da produção de conhecimentos com o objetivo específico de auxiliar o usuário a tomar
decisões de maneira mais fundamentada. A contrainteligência tem como atribuições a produção de
conhecimentos e a realização de ações voltadas à proteção de dados, conhecimentos, infraestruturas críticas
— comunicações, transportes, tecnologias de informação — e outros ativos sensíveis e sigilosos de interesse do
Estado e da sociedade. O trabalho desenvolvido pela contrainteligência tem foco na defesa contra ameaças
como a espionagem, a sabotagem, o vazamento de informações e o terrorismo, patrocinadas por instituições,
grupos ou governos estrangeiros.

Internet: <www.abin.gov.br> (com adaptações).

Julgue o item seguinte, relativo às ideias e aos aspectos linguísticos do texto.


O sentido do texto seria prejudicado, embora sua correção gramatical fosse preservada, caso a preposição
presente na expressão “contra ameaças” fosse substituída pela preposição de.

( ) CERTO ( ) ERRADO

12. CESPE - Ana Port I (EMAP)/EMAP/Administrativa/2018


Serviço de tráfego de embarcações

(vessel traffic service – VTS)

O VTS é um sistema eletrônico de auxílio à navegação, com capacidade de monitorar ativamente o tráfego
aquaviário, melhorando a segurança e eficiência desse tráfego, nas áreas em que haja intensa movimentação
de embarcações ou risco de acidente de grandes proporções.
Internacionalmente, os sistemas de VTS são regulamentados pela International Maritime Organization, sendo
seus aspectos técnicos detalhados em recomendações da International Association of Maritime Aids to
Navigation and Lighthouse Authorities. No Brasil, cabe à Marinha do Brasil, autoridade marítima do país,
definir as normas de execução de VTS e autorizar a sua implantação e operação.

Uma estrutura de VTS é composta minimamente de um radar com capacidade de acompanhar o tráfego nas
imediações do porto, um sistema de identificação de embarcações denominado automatic identification
system, um sistema de comunicação em VHF, um circuito fechado de TV, sensores ambientais (meteorológicos

90 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

e hidrológicos) e um sistema de gerenciamento e apresentação de dados. Todos esses sensores operam


integrados em um centro de controle, ao qual cabe, na sua área de responsabilidade, identificar e monitorar o
tráfego marítimo, adotar ações de combate à poluição, planejar a movimentação de embarcações e divulgar
informações ao navegante. Adicionalmente, o Centro VTS pode fornecer informações que contribuam para o
aumento da eficiência das operações portuárias, como a atualização de horários de chegada e partida de
embarcações.
Internet: <www defensea com br> (com adaptações)

Com relação às ideias e às estruturas linguísticas do texto apresentado, julgue o item que se segue.

Seria preservada a correção gramatical do texto se, no trecho “composta minimamente de um radar”, fosse
empregada a preposição por, em vez da preposição “de”.

( ) CERTO ( ) ERRADO

13.CESPE - Ass Port (EMAP)/EMAP/Administrativa/2018


A crescente internacionalização da economia, decorrente, principalmente, da redução de barreiras ao comércio
mundial, da maior velocidade das inovações tecnológicas e dos grandes avanços nas comunicações, tem
exigido mudanças efetivas na atuação do comércio internacional.
A abordagem desse tipo de comércio, inevitavelmente, passa pela concorrência, visto que é por meio da
garantia e da possibilidade de entrar no mercado internacional, de estabelecer permanência ou de engendrar
saída, que se consubstancia a plena expansão das atividades comerciais e se alcança o resultado último dessa
interatuação: o preço eficiente dos bens e serviços.

Defesa da concorrência e defesa comercial são instrumentos à disposição dos Estados para lidar com distintos
cenários que afetem a economia. Destaca-se como a principal diferença o efeito que cada instrumento busca
neutralizar.

A política de defesa da concorrência busca preservar o ambiente competitivo e coibir condutas desleais
advindas do exercício de poder de mercado. A política de defesa comercial busca proteger a indústria nacional
de práticas desleais de comércio internacional.

Elaine Maria Octaviano Martins Curso de direito marítimo Barueri: Manoele, v 1, 2013, p 65 (com adaptações)
Acerca de aspectos linguísticos do texto precedente e das ideias nele contidas, julgue o item a seguir.
O emprego da preposição de introduzindo “das inovações” é exigido pela presença de “decorrente”, sendo as
inovações uma das quatro causas da crescente internacionalização mencionadas no texto.

( ) CERTO ( ) ERRADO

91 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

14. CESPE - TMCI (CGM J Pessoa)/Pref João Pessoa/2018

Acerca das propriedades linguísticas do texto precedente, julgue o item subsequente.

No trecho “Diga não às ‘corrupções’ do dia a dia”, seria correto o emprego do sinal indicativo de crase no
vocábulo “a” em “dia a dia”.
( ) CERTO ( ) ERRADO

15.CESPE - 1º Ten (PM MA)/PM MA/Cirurgião-Dentista/2018


Texto CG1A1AAA
Encontradas principalmente nos embriões, mas também em alguns tecidos adultos como o adiposo, as células-
tronco têm a capacidade de se transformar em células de diversos tipos. Embora a chamada plasticidade das
embrionárias seja maior, os desafios éticos de pesquisas com esse tipo de células levaram a atenção de muitos
cientistas às células-tronco adultas. Na virada do milênio, publicações científicas em periódicos importantes
sugeriam que ambas teriam propriedades equivalentes.
Esperava-se que, ao serem injetadas em órgãos danificados, como um coração infartado, as células-tronco
adultas pudessem originar vasos sanguíneos e células cardíacas. Teve início, então, uma série de ensaios
clínicos — testes em pessoas —, que foram amplamente noticiados.

92 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Hoje, sabe-se que as células-tronco adultas não são tão versáteis quanto prometiam. Os resultados dos ensaios
não foram animadores. Mas isso não significa que tenham sido descartadas como possível tratamento ou que
os esforços tenham sido desperdiçados. Na ciência, o negativo também é um resultado; mesmo que não renda
prêmios ou resulte em publicações, contribui para o avanço do conhecimento.
Alexandra Ozorio de Almeida.D ois passos para trás, um para frente. In: Revista Pesquisa Fapesp 2,60.ª ed.,
out./2017, p. 7 (com adaptações).
Considerando as ideias e os aspectos linguísticos do texto CG1A1AAA, julgue o item que se segue.

O emprego do acento indicativo de crase em “às células-tronco adultas” é facultativo, dada a presença de termo
masculino na palavra composta “células-tronco”.
( ) CERTO ( ) ERRADO

16. CESPE - TJ (STM)/STM/Administrativa/"Sem Especialidade"/2018


Texto CB4A1BBB

O Zoológico de Sapucaia do Sul abrigou um dia um macaco chamado Alemão. Em um domingo de Sol, Alemão
conseguiu abrir o cadeado de sua jaula e escapou. O largo horizonte do mundo estava à sua espera. As árvores
do bosque estavam ao alcance de seus dedos. Ele passara a vida tentando abrir aquele cadeado. Quando
conseguiu, em vez de mergulhar na liberdade, desconhecida e sem garantias, Alemão caminhou até o
restaurante lotado de visitantes. Pegou uma cerveja e ficou bebericando no balcão.

Um zoológico serve para muitas coisas, algumas delas edificantes. Mas um zoológico serve, principalmente,
para que o homem tenha a chance de, diante da jaula do outro, certificar-se de sua liberdade e da superioridade
de sua espécie. Ele pode então voltar para o apartamento financiado em quinze anos satisfeito com sua vida.
Pode abrir as grades da porta contente com seu molho de chaves e se aboletar no sofá em frente à TV; acordar
na segunda-feira feliz para o batente.

Há duas maneiras de se visitar um zoológico: com ou sem inocência. A primeira é a mais fácil e a única com
satisfação garantida. A outra pode ser uma jornada sombria para dentro do espelho, sem glamour e também
sem volta.

Os tigres-de-bengala são reis de fantasia. Têm voz, possuem músculos, são magníficos. Mas, nascidos em
cativeiro, já chegaram ao mundo sem essência. São um desejo que nunca se tornará realidade. Adivinham as
selvas úmidas da Ásia, mas nem sequer reconhecem as estrelas. Quando o Sol escorrega sobre a região
metropolitana, são trancafiados em furnas de pedra, claustrofóbicas. De nada servem as presas a caçadores
que comem carne de cavalo abatido em frigorífico. De nada serve a sanha a quem dorme enrodilhado, exilado
não do que foi, mas do que poderia ter sido.
Eliane Brum. O cativeiro. In: A vida que ninguém vê. Porto Alegre: Arquipélago, 2006, p. 53-4 (com adaptações).

Com relação aos sentidos e aos aspectos gramaticais do texto CB4A1BBB, julgue o item que se segue.

Sem prejudicar a correção gramatical tampouco alterar o sentido do trecho, a expressão “serve para” poderia
ser substituída por convém à.
( ) CERTO ( ) ERRADO

93 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

17.CESPE - Tec Enf (IHB DF)/IHB DF/2018


Texto CG2A1AAA

A vida de Florence Nightingale, a criadora da moderna enfermagem, daria um romance. Florence estava
destinada a receber uma boa educação, a casar-se com um cavalheiro de fina estirpe, a ter filhos, a cuidar da
casa e da família. Mas logo ficou claro que a menina não se conformaria a esse modelo. Era diferente; gostava
de matemática, e era o que queria estudar (os pais não deixaram). Aos dezesseis anos, algo aconteceu: Deus
falou-me — escreveu depois — e convocou-me para servi-lo.

Servir a Deus significava, para ela, cuidar dos enfermos, e especialmente dos enfermos hospitalizados. Naquela
época, os hospitais curavam tão pouco e eram tão perigosos (por causa da sujeira, do risco de infecção) que os
ricos preferiam tratar-se em casa. Hospitalizados eram só os pobres, e Florence preparou-se para cuidar deles,
praticando com os indigentes que viviam próximos à sua casa. Viajou por toda a Europa, visitando hospitais.
Coisa que os pais não viam com bons olhos: enfermeiras eram consideradas pessoas de categoria inferior, de
vida desregrada. Mas Florence foi em frente e logo surgiu a oportunidade para colocar em prática o que
aprendera. Sidney Herbert, membro do governo inglês e amigo pessoal, pediu-lhe que chefiasse um grupo de
enfermeiras enviadas para o front turco, uma tarefa a que Florence entregou-se de corpo e alma; providenciava
comida, remédios, agasalhos, além de supervisionar o trabalho das enfermeiras. Mais que isso, fez estudos
estatísticos (sua vocação matemática enfim triunfou) mostrando que a alta mortalidade dos soldados resultava
das péssimas condições de saneamento.

Isso tudo não quer dizer que Florence fosse, pelos padrões habituais, uma mulher feliz. Para começar, não
havia, em sua vida, lugar para ligações amorosas. Cortejou-a o político e poeta Richard Milnes, Barão
Houghton, mas ela rejeitou-o. Ao voltar da guerra, algo estranho lhe aconteceu: recolheu-se ao leito e nunca
mais deixou o quarto.

É possível, e até provável, que isso tenha resultado de brucelose, uma infecção crônica contraída durante a
guerra; mas havia aí um óbvio componente emocional, uma forma de fuga da realidade. Contudo — Florence
era Florence —, mesmo acamada, continuou trabalhando intensamente. Colaborou com a comissão
governamental sobre saúde dos militares, fundou uma escola para treinamento de enfermeiras, escreveu um
livro sobre esse treinamento.
Estranha, a Florence Nightingale? Talvez. Mas estranheza pode estar associada a qualidades admiráveis.
Grande e estranho é o mundo; grandes, ainda que estranhas, são muitas pessoas. E se elas têm grandeza, ao
mundo pouco deve importar que sejam estranhas.
Moacyr Scliar. Uma estranha, e admirável, mulher. Internet: <http://moacyrscliar.blogspot.com.br> (com
adaptações).

Acerca dos aspectos linguísticos do texto CG2A1AAA, julgue o item.


A correção gramatical do texto seria mantida se fosse inserido o acento indicativo de crase no vocábulo “a” no
trecho “destinada a”.
( ) CERTO ( ) ERRADO

94 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

18. CESPE - Auxiliar em Administração (IFF)/2018


Com a crescente industrialização do país, tornava-se cada vez mais importante a formação de profissionais para
suprir as demandas do mercado e, doze anos depois, as escolas de aprendizes e artífices de nível primário
foram transformadas em escolas industriais e técnicas, equiparando-se às de ensino médio e secundário.

No texto, o sinal indicativo de crase no trecho “equiparando-se às de ensino médio e secundário” foi
empregado porque a regência do verbo equiparar exige preposição “a”, e “escolas”, palavra que está
subentendida antes de “de ensino médio”, exige o artigo definido feminino plural as.

( ) CERTO ( ) ERRADO

19. CESPE - TJ STJ/STJ/Administrativa/2018


Texto CB4A1AAA

As discussões em torno de questões como “o que é justiça?” ou “quais são os mecanismos disponíveis para
produzir situações cada vez mais justas ao conjunto da sociedade?” não são novidade. Autores do século XIX já
procuravam construir análises para identificar qual o sentido exato do termo justiça e quais formas de promovê-
la eram possíveis e desejáveis ao conjunto da sociedade à época. O debate se enquadra em torno de três
principais ideias: bem-estar; liberdade e desenvolvimento; e promoção de formas democráticas de
participação. Autores importantes do campo da ciência política e da filosofia política e moral se debruçaram
intensamente em torno dessa questão ao longo do século XX, e chegaram a conclusões diversas uns dos outros.
Embora a perspectiva analítica de cada um desses autores divirja entre si, eles estão preocupados em
desenvolver formas de promoção de situações de justiça social e têm hipóteses concretas para se chegar a esse
estado de coisas.
Para Amartya Sen, por exemplo, a injustiça é percebida e mensurada por meio da distribuição e do alcance
social das liberdades. Para Rawls, ela se manifesta principalmente nas estruturas básicas da sociedade e sua
solução depende de uma nova forma de contrato social e de uma definição de princípios básicos que criem
condições de promoção de justiça. Já para Habermas, a questão gira em torno da manifestação no campo da
ação comunicativa, na qual a fragilidade de uma ação coletiva que tenha pouco debate ou pouca representação
pode enfraquecer a qualidade da democracia e, portanto, interferir no seu pleno funcionamento, tendo, por
consequência, desdobramentos sociais injustos. Em síntese, os autores argumentam a favor de instrumentos
variados para a solução da injustiça, os quais dependem da interpretação de cada um deles acerca do conceito
de justiça.
Augusto Leal Rinaldi. Justiça, liberdade e democracia. In: Pensamento Plural. Pelotas [12]: 57-74, jan.-jun./2013
(com adaptações).
A respeito dos aspectos linguísticos do texto CB4A1AAA, julgue o item.
A correção gramatical do texto seria mantida caso se empregasse o acento indicativo de crase no vocábulo
“a” em “a esse estado de coisas”
( ) CERTO ( ) ERRADO

95 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

20. CESPE – IPHAN - 2018


Para fazer frente a essas transformações, é necessário um novo tipo de planejamento urbano. Conceitos rígidos
dão lugar à flexibilidade, à análise de cenários alternativos e à inclusão da sociedade na formulação das políticas.
No trecho “à análise de cenários alternativos e à inclusão da sociedade na formulação das políticas”, o
emprego do sinal indicativo de crase é obrigatório em ambas as ocorrências.
( ) CERTO ( ) ERRADO

21. CESPE – DEPEN - 2015


Desde 2012, entre os projetos voltados à recuperação e à reinserção social, está a remição de pena por meio da
leitura. Desde 2012, entre os projetos voltados à recuperação e à reinserção social, está a remição de pena por
meio da leitura.

Sem prejuízo para a correção gramatical do texto, o sinal indicativo de crase poderia ser eliminado em
ambas as ocorrências no trecho “voltados à recuperação e à reinserção social”.

( ) CERTO ( ) ERRADO

22. CESPE - TJ TRE GO/Administrativa/"Sem Especialidade"/2015

O Decreto n.o 1 21.076, de 24 de fevereiro de 1932, primeiro Código Eleitoral pátrio, instituiu a justiça eleitoral
no Brasil, com funções contenciosas e administrativas. Eram seus órgãos: um Tribunal Superior (de justiça
eleitoral — o decreto não menciona justiça eleitoral), na capital da República; um tribunal regional, na capital
de cada estado, no DF e na sede do governo do território do Acre, além de juízes eleitorais nas comarcas e nos
distritos. O Tribunal Superior — de justiça eleitoral — com jurisdição em todo o território nacional, compunha-
se de oito membros efetivos e oito substitutos, e era presidido pelo vice-presidente do Supremo Tribunal
Federal (STF). A ele se somavam dois membros efetivos e dois substitutos, sorteados dentre os ministros do
STF, além de dois efetivos e dois substitutos, sorteados dentre os desembargadores da Corte de Apelação do
DF. Por fim, integravam a Corte três membros efetivos e quatro substitutos, escolhidos pelo chefe do governo
provisório dentre quinze cidadãos, indicados pelo STF, desde que atendessem aos requisitos de notável saber
jurídico e idoneidade moral. Dentre seus membros, elegia o Tribunal Superior, em escrutínio secreto, por meio
de cédulas com o nome do juiz e a designação do cargo, um vice-presidente e um procurador para exercer as
funções do Ministério Público, tendo este último a denominação de procurador-geral da justiça eleitoral. Em
relação a esse cargo, nota-se uma peculiaridade, à época da criação do Tribunal Superior: o procurador-geral
da justiça eleitoral não era o procurador-geral da República, mas sim um membro do próprio tribunal.

As formas de composição do TSE: de 1932 aos dias atuais. Brasília: Tribunal Superior Eleitoral, Secretaria de
Gestão da Informação, 2008, p. 11. Internet: <www.tse.jus.br> (com adaptações).
Com referência às estruturas linguísticas do texto, julgue o item a seguir.
Se a preposição a presente na contração “aos” fosse suprimida, a função sintática da expressão “requisitos de
notável saber jurídico e idoneidade moral” seria alterada, mas a correção gramatical do texto seria mantida.
( ) CERTO ( ) ERRADO

96 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

23.CESPE - TJ TRT10/Administrativa/2013 (e mais 2 concursos)


A primeira ideia de criação de uma jurisdição trabalhista surgiu com a Lei n.º 1.637/1907, que previa em seu
artigo 8.º os conselhos permanentes de conciliação e arbitragem. Posteriormente, a Lei n.º 1.869/1922 criou
em São Paulo os tribunais rurais — os primeiros tribunais trabalhistas do país. Já existia o Patronato Agrícola,
ligado à Secretaria de Agricultura, o qual se ocupava de tais questões. À época, entendeu o governo estadual
de São Paulo que o modelo de solução entre trabalhadores e proprietários rurais era inadequado.
Também em 1922 foram instituídas no Brasil as convenções coletivas de trabalho como forma de composição
de interesses entre trabalhadores e empregadores, reflexo da forte influência italiana entre nós, estimulada
pela grande imigração de europeus — daí derivando a necessidade de um órgão com competência para
conhecer e dirimir eventuais conflitos decorrentes dessa prática coletiva. Com isso, surgiram então as
comissões mistas de conciliação, cuja função era conciliar os dissídios coletivos, e, no mesmo momento,
criaram-se as juntas de conciliação e julgamento, que conciliavam e julgavam os dissídios individuais do
trabalho.
Seguiram-se outras instituições extrajudiciais com funções semelhantes em setores localizados, como as juntas
de trabalho marítimo e o Conselho Nacional do Trabalho, ambos de 1933. Somente com o advento do Decreto-
lei n.º 9.797 é que foi organizada a justiça do trabalho como hoje ela funciona, integrada ao Poder Judiciário.
Internet: <www.trt10.jus.br> (com adaptações).
Julgue o item, relativo às ideias e estruturas linguísticas do texto acima.

O emprego do sinal indicativo de crase em “ligado à Secretaria de Agricultura” justifica-se porque o verbo ligar
exige complemento regido pela preposição a, e a palavra “Secretaria” é antecedida pelo artigo definido
feminino singular a.
( ) CERTO ( ) ERRADO

24. CESPE - Técnico Judiciário (TRE MS)/Administrativa/Contabilidade/2013/


Texto para a questão
Diversas são as naturezas dos instrumentos de que dispõe o povo para participar efetivamente da sociedade
em que vive. Políticos, sociais ou jurisdicionais, todos eles destinam-se à mesma finalidade: submeter o
administrador ao controle e à aprovação do administrado(b). O sufrágio universal, por exemplo, é um
mecanismo de controle de índole(c) eminentemente política — no Brasil, está previsto no art. 14 da Constituição
Federal de 1988, que assegura ainda o voto direto e secreto e de igual valor para todos —, que garante o direito
do cidadão(d) de escolher seus representantes e de ser escolhido pelos seus pares.

Costuma-se dizer que a forma de sufrágio denuncia, em princípio, o regime político de uma sociedade. Assim,
quanto mais democrática a sociedade, maior a amplitude do sufrágio. Essa não é, entretanto, uma verdade
absoluta. Um sistema eleitoral pode prever condições legítimas a serem preenchidas pelo cidadão para se
tornar eleitor, desde que não sejam discriminatórias ou levem em consideração valores pessoais. Segundo José
Afonso da Silva, considera-se, pois, universal o sufrágio quando se outorga o direito de votar a todos os
nacionais de um país(e), sem restrições derivadas de condições de nascimento, de fortuna ou de capacidade
especial. No Brasil, só é considerado eleitor quem preencher os requisitos da nacionalidade, idade e capacidade,

97 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

além do requisito formal do alistamento eleitoral(a). Todos requisitos legítimos e que não tornam inapropriado
o uso do adjetivo universal.
Internet: <http://jus.com.br> (com adaptações).

Assinale a opção correta em relação à regência e ao emprego do sinal indicativo de crase no texto apresentado.
a) A correção gramatical do texto seria mantida, apesar de haver alteração de seu sentido, caso o trecho “do
alistamento eleitoral” fosse substituído por para o alistamento eleitoral.
b) Sem prejuízo para a correção gramatical ou para o sentido original do texto, o trecho “submeter o
administrador ao controle e à aprovação do administrado” poderia ser reescrito da seguinte forma: submeter
ao administrador o controle e a aprovação do administrado.
c) A expressão “de índole” exerce a função de complemento de “controle” e, por isso, o emprego da preposição
“de” é exigido pela presença desse substantivo na oração.
d) Prejudicaria a correção gramatical do texto, assim como sua coerência, a substituição do trecho “que garante
o direito do cidadão” por que garante ao cidadão o direito.
e) Caso o trecho “todos os nacionais de um país” fosse substituído por todas as pessoas de um país, a partícula
“a” empregada imediatamente após “votar” deveria receber acento indicativo de crase.

25.CESPE - Analista Judiciário (TRE RJ)/Administrativa/"Sem Especialidade"/2012


Texto para o item
A instrumentalização da cidadania e da soberania popular, em uma democracia contemporânea, faz-se pelo
instituto da representação política. E a transformação da soberania popular em representação se dá, em grande
parte, por meio da eleição.

O povo a que remete a ideia de soberania popular constitui uma unidade, e não, a soma de indivíduos. Jurídica
e constitucionalmente, a representação "representa" o povo (e não, todos os indivíduos). Além disso, não há
propriamente mandato, pois a função do representante se dá nos limites constitucionais e não se determina
por instruções ou cláusulas estabelecidas entre ele (ou o conjunto de representantes) e o eleitorado. As
condições para o exercício do mandato e, no limite, seu conteúdo estão predeterminados na Constituição e
apenas nela. Estritamente, nem sequer é possível falar em representação, pois não há uma vontade pré-
formada. Há a construção de uma vontade, limitada apenas aos contornos constitucionais.

Eneida Desiree Salgado. Princípios constitucionais estruturantes do direito eleitoral. Tese de doutoramento.
Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2010. Internet: <http://dspace.c3sl.ufpr.br> (com adaptações).
Julgue o próximo item, referente à estrutura e à tipologia do texto em apreço.

A correção gramatical do texto seria mantida caso a expressão "aos contornos constitucionais" fosse
substituída por à legislação constitucional.
( ) CERTO ( ) ERRADO

98 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

26. CESPE – PCDF/2012


Narrado em primeira pessoa, o personagem conta sua história a um ouvinte silencioso, informando do seu
saber e do não saber, na difícil tarefa de dar forma narrada às coisas vividas.
O sinal indicativo de crase em “às coisas” justifica-se pela regência de “forma” e pela presença de artigo
feminino plural.
( ) CERTO ( ) ERRADO

27.CESPE - Técnico Judiciário (TRE RJ)/Administrativa/2012


Terminou o prazo para eleitores que sabem de fatos que apontem para a inelegibilidade de algum candidato às
eleições de prefeito, vice-prefeito e vereadores informarem a irregularidade ao juiz eleitoral de sua cidade. Para
isso, quem usou desse direito precisou apresentar a informação com provas e estar em gozo dos direitos
políticos. São considerados inelegíveis os enquadrados nas restrições impostas pelas Leis Complementares
n.o64/1990 (Lei das Inelegibilidades) e n.o 135/2010 (Lei da Ficha Limpa), que consideram inaptos a exercer
cargo público os candidatos condenados em decisão transitada em julgado (sem possibilidade de recurso) pelos
crimes contra a economia popular, a fé e a administração pública; de lavagem de dinheiro e ocultação de bens;
de tráfico de entorpecentes, racismo, tortura e terrorismo; além de compra de votos e abuso do poder
econômico, entre outros. Esta é a primeira eleição em que prevalecerá a Lei da Ficha Limpa.
Editorial, Estado de Minas, 19/7/2012.
Com base nas ideias e estruturas linguísticas do texto acima, julgue o item a seguir.
O emprego do sinal indicativo de crase em "candidato às eleições" justifica-se porque a palavra "candidato"
exige complemento regido pela preposição "a", e a palavra "eleições" é antecedida por artigo definido feminino.
( ) CERTO ( ) ERRADO

28. CESPE - Técnico Judiciário (TRE ES)/Administrativa/"Sem Especialidade"/2011


Considerando que o item seguinte, na ordem em que esta apresentado, é parte sucessiva de um texto adaptado
do jornal Estado de Minas de 29/11/2010, julgue-o com referência à correção gramatical.
O empenho da Igreja Católica e de organizações não governamentais reunidas no Movimento de Combate a
Corrupção Eleitoral e o permanente acompanhamento da imprensa forçou a tramitação relativamente rápida
do projeto nas duas casas do Congresso.

( ) CERTO ( ) ERRADO

29. CESPE - Técnico Judiciário (TRE ES)/Administrativa/"Sem Especialidade"/2011


Considerando que o item seguinte, na ordem em que esta apresentado, é parte sucessiva de um texto adaptado
do jornal Estado de Minas de 29/11/2010, julgue-o com referência à correção gramatical.

A lei impede a justiça eleitoral de conceder registro a candidatura à cargos eletivos dos condenados em decisão
colegiada por crimes contra a vida, o patrimônio e a administração pública, a economia popular, o meio
ambiente, a saúde pública e o sistema financeiro, assim como por abuso de autoridade, lavagem de dinheiro e
atentado à dignidade sexual, entre outros.

99 de 124| www.direcaoconcursos.com.br
Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

( ) CERTO ( ) ERRADO

30. CESPE - Técnico Judiciário (TRE ES)/Apoio Especializado/Taquigrafia/2011


Convocada por D. Pedro em junho de 1822, a constituinte só seria instalada um ano mais tarde, no dia 3 de maio
de 1823, mas acabaria dissolvida seis meses depois, em 12 de novembro.

Os membros da constituinte eram escolhidos por meio dos mesmos critérios estabelecidos para a eleição dos
deputados às cortes de Lisboa. Os eleitores eram apenas os homens livres, com mais de vinte anos e que
residissem por, pelo menos, um ano na localidade em que viviam, e proprietários de terra. Cabia a eles escolher
um colégio eleitoral, que, por sua vez, indicava os deputados de cada região. Estes tinham de saber ler e
escrever, possuir bens e virtudes. Em uma época em que a taxa de analfabetismo alcançava 99% da população,
só um entre cem brasileiros era elegível. Os nascidos em Portugal tinham de estar residindo por, pelo menos,
doze anos no Brasil. Do total de cem deputados eleitos, só 89 tomaram posse. Era a elite intelectual e política
do Brasil, composta de magistrados, membros do clero, fazendeiros, senhores de engenho, altos funcionários,
militares e professores. Desse grupo, sairiam mais tarde 33 senadores, 28 ministros de Estado, dezoito
presidentes de província, sete membros do primeiro conselho de Estado e quatro regentes do Império.

O local das reuniões era a antiga cadeia pública, que, em 1808, havia sido remodelada pelo vice-rei conde dos
Arcos para abrigar parte da corte portuguesa de D. João. No dia da abertura dos trabalhos, D. Pedro chegou ao
prédio em uma carruagem puxada por oito mulas. Discursou de cabeça descoberta, o que, por si só, sinalizava
alguma concessão ao novo poder constituído nas urnas. A coroa e o cetro, símbolos do seu poder, também
foram deixados sobre uma mesa.
Laurentino Gomes. 1822. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010, p. 213-16 (com adaptações).

Com base nas estruturas linguísticas e semânticas do texto acima, julgue o item.
A mesma norma gramatical que estabelece a ocorrência do sinal indicativo de crase em "eleição dos deputados
às cortes de Lisboa" prescreve o emprego desse sinal em eleição dos deputados à todas as cortes de Lisboa.
( ) CERTO ( ) ERRADO

31.INÉDITA
Assinale a opção inteiramente de acordo com a norma culta no que se refere à regência e ao emprego do acento
indicador de crase.
a) Fizemos inúmeros elogios a localização, infraestrutura e atendimento do estabelecimento.

b) Pagamos os funcionários na data correta, cumprindo, assim, nossa promessa.


c) As mais monstruosas feras se iguala a mulher, ao saber que está sendo enganada pelas melhores amigas.

d) Todas as decisões de investimento tomadas pela diretoria do fundo de pensão implicaram em enormes
perdas para os seus segurados.
e) Os direitos que todos nós, durante tanto tempo, lutamos e conquistamos para as gerações atuais não podem
ser abolidos.

100 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

32.INÉDITA
Assinale a opção em que é obrigatória a presença do acento indicador de crase.

a) Posso dizer que aquela equipe confiei esta missão e, por isso, sinto-me responsável pela decisão tomada.
b) Preferimos carro a moto, devido aos perigos a que estão expostos os motociclistas.

c) Pedimos ajuda a sua família, por acreditar que a amizade de nossos pais superaria nossas desavenças.

d) Não acreditamos que, daqui a décadas, estejamos aptos a clonar todo e qualquer ser humano, tendo como
objetivo a perpetuidade da existência humana.

e) Costumo dizer que é você quem faz o seu caminho. Não a droga.

33.INÉDITA
Assinale a opção cuja redação obedece às regras previstas na gramática normativa quanto à concordância,
regência, colocação pronominal e ao emprego do acento indicador de crase.
a) As cenas de corrupção as quais assistimos nos motivaram a tomar uma drástica atitude, hajam vistas as
consequências adversas a que se submetem parcela expressiva da população.
b) Repercutiu muito negativamente no mercado, o que foi agravado pela cobertura sensacionalista da mídia,
todas as declarações dos ministros que contrapunham-se a assinatura do acordo de negociação da dívida
pública.
c) Sabe-se que é necessário, dentro obviamente de certos limites morais, a negociação com partidos da base
aliada no Congresso, visando o estabelecimento de uma governabilidade razoável.
d) Não se cogita, nem mesmo diante da mais urgente situação fiscal, alterações que impliquem aumentos
substanciais de impostos.
e) Quando se analisa, de forma imparcial, a crise pela qual o país passa, constata-se que grande parte dos
problemas serão solucionados com a participação conjunta do empresariado e da massa operária brasileiros.

34. INÉDITA
Assinale a alternativa em que a regência do verbo NÃO esteja de acordo com o padrão culto.
a) A função à qual os candidatos aspiram é muito disputada.
b) Ele assistiu, durante dez anos, em Belém.
c) O combate à corrupção implica em medidas drásticas a serem tomadas pelo Poder Judiciário.

d) As empresas pagaram aos funcionários na data acordada com o sindicato da categoria.


e) Não raro a população esquece o nome dos políticos por ela eleitos.

101 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

35.INÉDITA
....... inovadoras teorias, durante todo seu ano sabático, Stephen Hawking dedicou horas de estudo e reflexão
equivalentes .... que Einstein despendeu na época em que formulou a famosa Teoria da Relatividade sob ....
desconfiança da comunidade científica mundial.

Preenchem corretamente as lacunas da frase acima, na ordem dada:


a) Àquelas - à – a
b) Aquelas - as – à

c) Aquelas - às – à
d) Àquelas - às – a
e) Aquelas - às – a

36. INÉDITA
Está correto o emprego de ambos os elementos sublinhados na frase:

a) Os motivos nos quais se valeu o deputado baseavam-se numa equivocada comparação em cuja pretendia
iludir seus fiéis eleitores.
b) As profissões para cujo desempenho são exigidas muita concentração e paciência não são indicadas a
quem não dispõe de equilíbrio emocional.
c) Muitos eleitores preferem uma candidatura baseada em mentiras agradáveis do que uma apoiada em
verdades desagradáveis onde nem todos querem acreditar.

d) O mau juízo de que se imputa aos sindicatos é semelhante àquele em que se atribui aos partidos políticos.

e) A confiança de cuja não se afastam milhares de brasileiros é a de que a política possa ser exercida
segundo à natureza do interesse público.

37.INÉDITA
O sinal indicativo de crase pode ser corretamente suprimido, sem prejuízo para a correção e o sentido
original do texto, em:
a) Vários fanáticos religiosos se entregaram à opressão e ao obscurantismo em suas pregações.
b) Seus escritos e ensinamentos foram, sem sombra de dúvida, o mais belo legado do velho filósofo à
atualidade.

c) Suas ações governamentais não só não geraram uma justa distribuição de riqueza, como deram continuidade
à miséria galopante.
d) Não aceitamos que ninguém se submetesse à sua vontade.

e) As crises econômicas impõem à sociedade um rebaixamento de padrão de consumo.

102 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

38. INÉDITA
O resultado prático das ações voltadas ...... um desenvolvimento sustentável depende, em larga escala, da
atuação firme e forte da comunidade internacional. São várias as ações que devem ser tratadas com prioridade,
entre as quais estão o estímulo ...... novas fontes de energia menos poluentes e o respeito ...... causas
ambientais.
Preenchem corretamente as lacunas da frase acima, na ordem dada:
a) a − à – as

b) a − a – às
c) à − a – as

d) a − à – às
e) à − à – as

Trânsito mata mais do que assassinatos no Brasil


Quando a maioria da população, com razão, está escandalizada com a violência que impera nas cidades
do País, um outro número não recebe tanta atenção quanto os cerca de 60 mil assassinatos registrados
anualmente no Brasil. No trânsito, morrerão, neste ano de 2018, segundo estimativas oficiais, 80 mil pessoas.
A projeção está baseada no fato de que, nos primeiros meses do ano, os acidentes de trânsito já provocaram
19.398 mil mortes e 20 mil casos de invalidez permanente no País. Os dados são do Centro de Pesquisa e
Economia do Seguro, órgão da Escola Nacional de Seguros. As principais vítimas são homens de 18 a 65 anos e
motociclistas.

Além das mortes e sequelas as mais diversas, muitas deixando inválidos pelo resto da vida homens,
mulheres e crianças, pessoas jovens, ainda há um brutal prejuízo, calculado em torno dos R$ 96 bilhões pelas
faltas ao trabalho dos acidentados.
Ora, tantas vítimas mostram um quadro de insegurança que está presente e que vem ceifando, dia após
dia, vidas nas ruas, avenidas e, muito mais, nas rodovias da nação. Pois, da mesma forma que todos condenam
o grande número de mortes violentas por conta do tráfico de drogas, da disputa entre gangues, de desavenças
familiares, pouca atenção é dada para o massacre que ocorre no trânsito. Da mesma forma que se pede mais
educação, devemos nos lembrar que a educação no trânsito é mais do que importante.
Jornal do Comércio

(https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/opiniao/2018/09/648589-transito-mata-mais-do-
que-assassinatos-no-brasil.html)

39. INÉDITA

No trecho “...devemos nos lembrar que a educação no trânsito é mais do que importante”, a ausência do
pronome oblíquo “nos” prejudicaria a correção gramatical.

( ) CERTO ( ) ERRADO

103 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

40. INÉDITA

A substituição de “Obedecer às leis de trânsito” por “Obediência a leis de trânsito” preservaria a


correção gramatical e não acarretaria mudança de sentido original.
( ) CERTO ( ) ERRADO

104 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Gabarito
01 E 02 E 03 A 04 C 05 E

06 C 07 E 08 C 09 C 10 E

11 C 12 C 13 E 14 E 15 E

16 E 17 E 18 C 19 E 20 C

21 C 22 C 23 C 24 A 25 C

26 E 27 C 28 E 29 E 30 E

31 A 32 A 33 E 34 C 35 D

36 B 37 D 38 B 39 E 40 E

105 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Resumo Direcionado

PRINCIPAIS CASOS DE REGÊNCIA VERBAL

AGRADAR

= no sentido de ACARICIAR, FAZER CARINHO, emprega-se como TRANSITIVO DIRETO.

Exemplo: O dono agradou seu cachorrinho no colo.

= no sentido de SATISFAZER, GERAR CONTENTAMENTO, emprega-se como TRANSITIVO INDIRETO,


com objeto introduzido pela preposição A

Exemplo: O discurso do ministro não agradou ao mercado, que reagiu ferozmente.

AGRADECER

= TRANSITIVO DIRETO, com OBJETO DIRETO nome de “COISA”

Exemplos:

Agradeci sua ajuda. (= Agradeci-a)

Agradecemos as doações. (= Agradecemo-las)

= TRANSITIVO INDIRETO com OBJETO INDIRETO nome de “PESSOA”

Exemplos:

Os internautas agradeceram ao apresentador. (= Os internautas lhe agradeceram).

O cliente agradeceu ao gerente pelo atendimento. (= O cliente lhe agradeceu... ou O cliente agradeceu
a ele...).

106 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

= TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO, sendo o OBJETO DIRETO nome de “COISA” e o INDIRETO nome
de “PESSOA”, introduzido pela preposição A.

Exemplos:

Agradeci ao apresentador o apoio.

Agradeci aos internautas as doações.

ASPIRAR

= no sentido de SORVER, INALAR, TRAGAR, constrói-se com OBJETO DIRETO.

Exemplo:

Marta aspirava o perfume das rosas.

= no sentido de DESEJAR, PRETENDER, constrói-se com OBJETO INDIRETO, com a preposição A.

Exemplo:

Ela aspirava a altos cargos.

ASSISTIR

= no sentido de PRESTAR ASSISTÊNCIA, PROTEGER, SERVIR, constrói-se com OBJETO DIRETO.

Exemplo:

O enfermeiro assiste o paciente.

= no sentido de PRESENCIAR, ESTAR PRESENTE constrói-se com OBJETO INDIRETO, COM A


PREPOSIÇÃO A.

Exemplo:

Assisti ao jogo (e não “Assisti o jogo”, como se fala no cotidiano)

107 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

= no sentido de CABER, PERTENCER DIREITO OU RAZÃO A ALGUÉM, constrói-se com OBJETO


INDIRETO, COM A PREPOSIÇÃO A.

Exemplo:

Não assiste ao Judiciário legislar em prol dos indefesos.

= no sentido de MORAR, RESIDIR, constrói-se com ADJUNTO ADVERBIAL DE LUGAR, COM A


PREPOSIÇÃO EM.

Exemplo:

Ele assistia num sítio muito distante da cidade.

CHAMAR

= no sentido de CONVOCAR, CONVIDAR, emprega-se como TRANSITIVO DIRETO.

Exemplo: Chamei o professor em minha sala para uma reunião urgente.

= no sentido de INVOCAR, PEDIR AUXÍLIO, emprega-se como TRANSITIVO DIRETO ou como INDIRETO,
COM OBJETO INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO POR.

Exemplo: Chamei (por) meu pai no momento de maior aflição.

= no sentido de NOMEAR, QUALIFICAR, ROTULAR, apresenta diversas possibilidades de construção.

Exemplos:

Chamei o Ministro idiota. (Chamei-o idiota.)

Chamei o Ministro de idiota. (Chamei-o de idiota.)

Chamei ao Ministro idiota. (Chamei-lhe idiota.)

Chamei ao Ministro de idiota. (Chamei-lhe de idiota)

O verbo CHAMAR é TRANSOBJETIVO nesse caso. Além disso, o PREDICATIVO DO OBJETO pode ou não
ser introduzido pela preposição DE.

108 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

CUSTAR

= no sentido de “VALER UM PREÇO”, “TER UM VALOR”, é INTRANSITIVO, acompanhado de ADJUNTO


ADVERBIAL DE PREÇO.

Exemplos:

O terno custou 10 mil reais.

Aquele carro custou seu salário anual.

Alguns gramáticos, no entanto, consideram “10 mil reais” e “seu salário anual” como objetos diretos. Há
divergências, portanto!

= no sentido de “SER DIFÍCIL, PENOSO, CUSTOSO”, é TRANSITIVO INDIRETO, com OBJETO


INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A.

Exemplos:

Custamos a acreditar no que estava ocorrendo.

Custamos a aprender com nossos erros.

= no sentido de “CAUSAR”, “ACARRETAR”, é TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO, com INDIRETO


INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A.

Exemplos:

A derrota no clássico custou o emprego ao técnico.

A prepotência custou-lhe (a ele) muitas amizades perdidas.

HAVER

= no sentido clássico de “EXISTIR”, “OCORRER”, “ACONTECER”, é IMPESSOAL E TRANSITIVO DIRETO.

Exemplos:

Havia problemas sérios na empresa.

Reclamações houve durante a operação.

109 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

= no sentido de “COMPORTAR-SE”, “DEPARAR-SE”, “CONFRONTAR-SE”, é PRONOMINAL.

Exemplos:

Eles se houve bem na cerimônia, não criando polêmicas. (= se comportou)

Eles se houveram com uma multidão furiosa. (se depararam)

= no sentido de “OBTER”, “CONSEGUIR”, é TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO, com INDIRETO


INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO DE.

Exemplos:

O Estado houve uma infinidade de recursos dos contribuintes.

Muitas instituições houveram doações de internautas promovidas nas redes sociais.

IMPLICAR

= TRANSITIVO DIRETO, no sentido de RESULTAR, ACARRETAR, TER COMO CONSEQUÊNCIA

Exemplos:

A despesa com elementos supérfluos implicará gastos desnecessários.

Maior consumo implica mais despesas por parte da empresa.

Algumas gramáticas mais modernas até admitem a presença da preposição “em”, fazendo menção ao
uso coloquial. Porém, o que notamos nas bancas é o emprego tradicional do verbo implicar. Repetindo:
transitivo direto, no sentido de resultar, acarretar.

= TRANSITIVO INDIRETO, no sentido de EMBIRRAR, TER IMPLICÂNCIA COM ALGUÉM

Exemplo:

Os alunos implicaram com o professor.

110 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

LEMBRAR/ESQUECER

= como VERBOS NÃO PRONOMINAIS, são construídos com OBJETO DIRETO.

Exemplo:

Esqueci o nome dela.

Lembrei o nome dela.

= como VERBOS PRONOMINAIS (ACOMPANHADOS DE PRONOME OBLÍQUO ÁTONO), são construídos


com OBJETO INDIRETO, INTRODUZIDOS PELA PREPOSIÇÃO A.

Exemplo:

Esqueci-me do nome dela.

Lembrei-me do nome dela.

É ERRADO DIZER:

Esqueci DO nome dela.

Lembrei DO nome dela.

= verbo TRANSITIVO INDIRETO, com OBJETO INDIRETO INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A

Exemplo:

Esqueceu-me a pauta da reunião.

Esqueceu a você o nome dele.

Trata-se de uma construção um tanto estranha, não é mesmo?

Nela, temos como sujeito a coisa lembrada ou esquecida. Já o verbo é acompanhado de objeto indireto
introduzido pela preposição A.

No caso da primeira frase, o sujeito é “a pauta da reunião” e o objeto indireto é representado pelo pronome
oblíquo ME (= A MIM).

No caso da segunda frase, o sujeito é “o nome dele” e o objeto indireto é representado pelo pronome oblíquo
VOCÊ (= A VOCÊ).

111 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

= no caso do verbo LEMBRAR, também é possível empregá-lo como TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO,
com OBJETO INDIRETO INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A OU DE.

Exemplo:

Lembrei meu chefe da reunião de logo mais.


O assessor lembrou vários números relevantes ao seu chefe durante a reunião.

OBEDECER/DESOBEDECER

Trata-se de verbos TRANSITIVOS INDIRETOS, regidos pela preposição A.

Exemplos:

Obedecia ao mestre.

Obedecia à sinalização de trânsito.


Cuidado!
Em nosso dia a dia, é comum ouvirmos e falarmos.

Nós obedecemos o regulamento.


Nós obedecemos o patrão.
Eles desobedeceram a sinalização de trânsito.
O certo seria:

Nós obedecemos Ao regulamento.


Nós obedecemos Ao patrão.

Eles desobedeceram À sinalização de trânsito.

Note que, no último caso, a crase é resultado da fusão da preposição A – requerida pela regência de
DESOBEDER – com a artigo A – requerido pelo substantivo SINALIZAÇÃO.

PAGAR/PERDOAR

= TRANSITIVO DIRETO com OBJETO DIRETO DE “COISA”

Exemplos:

Perdoei suas dívidas (= Perdoei-as)

Paguei minhas constas (= Paguei-as)

112 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

= TRANSITIVO INDIRETO com OBJETO INDIRETO DE “PESSOA”

Exemplos:

O pai não perdoou ao filho (= O pai não lhe perdoou).

O cliente não pagou ao lojista (O cliente não lhe pagou).

= TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO, com o OBJETO DIRETO “COISA” e o OBJETO INDIRETO “PESSOA”,
introduzido pela preposição A.

Exemplos:

Perdoei ao jogador a ofensa.

Paguei ao funcionário a dívida.

PREFERIR

Trata-se de verbo TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO.

Diferentemente da linguagem coloquial, este verbo não se constrói com a locução DO QUE, e sim com
a preposição A.

Além disso, é errado dizer “preferir mais”, pois é um pleonasmo (redundância).

Exemplo:

Prefiro MAIS café DO QUE chá (ERRADO)

Prefiro café A chá (CERTO)

PROCEDER

= no sentido clássico de “TER CABIMENTO”, “PORTAR-SE”, é INTRANSITIVO.

Exemplos:

Seus argumentos não procedem.

Ele procede com elegância diante de tantos insultos agressivos.

113 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

= no sentido de “ORIGINAR-SE”, é INTRANSITIVO e é acompanhado de ADJUNTO ADVERBIAL


INTRODUZIDO PLEA PREPOSIÇÃO DE.

Exemplos:

Tais informações procedem das mais diversas fontes.

O material apreendido procede da China.

= no sentido de “INICIAR”, “REALIZAR”, “EXECUTAR”, é TRANSITIVO INDIRETO, com INDIRETO


INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A.

Exemplos:

O relator do caso procedeu à leitura dos autos.

A comissão procedeu ao exame dos recursos impetrados.

QUERER

= é TRANSITIVO DIRETO no sentido de DESEJAR

Exemplo:

Eu quero meu quarto limpo imediatamente. (= Eu o quero limpo imediatamente)

= é TRANSITIVO INDIRETO no sentido de AMAR, QUERER BEM, pedindo OBJETO INDIRETO


INTRODUZIDO PELA PREPOSIÇÃO A

Exemplo:

Juro que quero muito a você. (= Juro que lhe quero muito)

VISAR

= é TRANSITIVO DIRETO no sentido de MIRAR, APONTAR, PÔR VISTO EM.

Exemplo:

O caçador visou o alvo.

O inspetor visou todas as páginas do laudo técnico.

114 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

= é TRANSITIVO INDIRETO no sentido de TER EM VISTA, OBJETIVAR, EXIGINDO A PREPOSIÇÃO A.

Exemplo:

O pai trabalhava visando ao conforto dos filhos.

ALGUNS VERBOS ADMITEM MAIS DE UMA REGÊNCIA MANTENDO O SENTIDO ORIGINAL.


Vejam a seguir exemplos dos principais casos:

ABDICAR DESFRUTAR

O rei abdicou o trono Desfrutemos a vida.

O rei abdicou do trono Desfrutemos da vida.

ATENDER USUFRUIR

O funcionário atendeu o cliente com gentileza. Usufruí o benefício.

O funcionário atendeu ao cliente com gentileza. Usufruí do benefício

ATENTAR GOZAR

Atente o que estiver escrito. Gozou a vida com intensidade.

Atente ao que estiver escrito. Gozou da vida com intensidade.


Atente para o que estiver escrito.

DEPARAR
ANSIAR Deparei com um gigantesco problema.
Anseio um mundo justo. Deparei um gigantesco problema.

Anseio por um mundo justo. Deparei-me com um gigantesco problema.

115 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

PRINCIPAIS CASOS DE REGÊNCIA NOMINAL


A seguir, estão listadas as principais regências de nome. Obviamente vocês não precisam decorar todas
elas, mas é importante que tenham uma familiaridade.

Admiração a, por Devoção a, para, com, por Medo de


Aversão a, para, por Doutor em Obediência a
Atentado a, contra Dúvida acerca de, em, sobre Ojeriza a, por
Bacharel em Horror a Proeminência sobre
Capacidade de, para Impaciência com Respeito a, com, para com, por

Acessível a Entendido em Necessário a


Acostumado a, com Equivalente a Nocivo a
Agradável a Escasso de Paralelo a
Alheio a, de Essencial a, para Passível de
Análogo a Fácil de Preferível a
Ansioso de, para, por Fanático por Prejudicial a
Apto a, para Favorável a Prestes a
Ávido de Generoso com Propício a
Benéfico a Grato a, por Próximo a
Capaz de, para Hábil em Relacionado com
Compatível com Habituado a Relativo a
Contemporâneo a, de Idêntico a Satisfeito com, de, em, por
Contíguo a Impróprio para Semelhante a
Contrário a Indeciso em Sensível a
Descontente com Insensível a Sito em
Desejoso de Liberal com Suspeito de
Diferente de Natural de Vazio de

116 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

EMPREGO DO ACENTO INDICADOR DE CRASE

Se aparecer a forma AO ou AOS antes da


palavra masculina, é sinal de que haverá
crase antes da feminina.

Exemplos:

Temos amor À arte


(= Temos amor AO estudo).
Respondi ÀS perguntas.
(= Respondi AOS questionametos.)

Substituir a palavra
feminina por uma
masculina. Se NÃO aparecer a forma AO ou AOS antes
da palavra masculina, é sinal de que NÃO
haverá crase antes da feminina.

Exemplos:

Prefiro carro A moto.


(= Prefiro carro A ônibus).
Respondi A ela ontem.
(= Respondi A ele ontem.)
TESTE RÁPIDO
- Há crase? -
Se aparecer a forma PARA A, é sinal de que
haverá crase.

Exemplos:

Entreguei o presente À diretora.


(= Entreguei o presente PARA A diretora).
Fiz uma homenagem À professora.
(= Fiz uma homenagem PARA A professora)
Substituir a
preposição A por
PARA.

Se NÃO aparecer a forma PARA A, é sinal de


que NÃO haverá crase.

Exemplos:
Pedi A esta funcionária uma ajuda.
(= Pedi PARA esta funcionária uma ajuda.).
Contarei A você um segredo.
(= Contarei PARA você um segredo.)

117 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

CASO GERAL
À = A (preposição) + A (artigo)
ÀS = A (preposição) + AS (artigo)

“A crase é resultado da FUSÃO (CONTRAÇÃO) da preposição A – requerida pelo TERMO REGENTE


(SUBORDINANTE) (verbo ou nome) – com o artigo A(S) – solicitado pelo TERMO REGIDO
(SUBORDINADO) (substantivo feminino) .”

Não ocorre a Crase


... antes de verbo
Exemplos:
Voltamos a contemplar a lua.
Estou disposto a estudar.

... antes de palavras masculinas


Exemplos
Gosto muito de andar a pé.
Passeamos a cavalo.

... antes de pronomes de tratamento, exceção feita a SENHORA, SENHORITA, DONA, MADAME, ...:
Exemplos:
Dirigiu-se a V.Sa. com aspereza
Dirigiu-se à Sra. com aspereza.

Atenção!
Por que senhora, senhorita e dona aceitam crase?
Observemos a frase “Entregaram o convite à senhora.”.

Se substituirmos “senhora” por “senhor”, teremos “Entregaram o convite ao senhor”. Dessa forma, se
“senhor” solicita artigo definido, “senhora” também o deverá solicitar. O artigo solicitado por “senhora” se
contrai com a preposição solicitada pela forma verbal “Entregaram”, resultando, portanto, na forma “à”.

... antes de pronomes em geral:


Exemplos:
Não vou a qualquer parte.
Fiz alusão a esta aluna.

118 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Resumindo:

Grande parte dos pronomes NÃO solicita artigo, exceção feita a MESMA (S), PRÓPRIA (S), SENHORA (S),
SENHORITA (S), DONA (S), MADAME (S).
Isso não significa que haverá crase obrigatoriamente antes dessas formas!

CUIDADO! Além do artigo, moçada, é necessário que haja uma preposição, certo? Não havendo preposição,
sem chance de haver crase, gente!

Não vão me pôr crase em “Observei a mesma cena!”, pelo amor dos meus filhinhos! Rs.

Ora, o verbo OBSERVAR não está regendo preposição A, meus amigos! Trata-se de um verbo TRANSITIVO
DIRETO! O A que antecede MESMA é apenas artigo.

E como diz o ditado, um artigo só não faz crase (Nossa! Essa foi péssima! Desculpem-me!).

... em locuções formadas por palavras repetidas:


Estamos frente a frente.
Estamos cara a cara.

... quando o "a" vem antes de uma palavra no plural:


Não falo a pessoas estranhas.
Restrição ao crédito causa o temor a empresários.
Atenção!!!

Observe a seguinte construção:


Referi-me à cenas de terror (ERRADO)

O que está errado nessa frase? Prestem atenção! Tem-se a preposição “a”, solicitada pela regência da forma
verbal “Referi-me” (Quem se refere se refere A ALGO).
Porém, não temos a presença do artigo “a”, uma vez que o substantivo feminino “cenas” é plural.

Se este solicitar artigo, solicitará o definido plural “as”.

Corrigindo, teremos duas possibilidades de redação:


Referi-me a cenas de terror (CERTO)

Referi-me às cenas de terror (CERTO)

Imaginemos um enunciado assim redigido: “As duas frases acima estão corretas do ponto de vista gramatical
e possuem o mesmo sentido”. O que vocês marcariam? CERTO ou ERRADO?
Corretas do ponto de vista gramatical elas estão, mas não possuem o mesmo sentido.

Na construção “Referi-me a cenas de terror”, a ausência do artigo “as” (a forma “a” é apenas preposição) dá
entender que se trata de cenas de terror quaisquer. Já na construção “Referi-me às cenas de terror”, a presença
do artigo definido “as” especifica as cenas de terror, dando a entender que não se trata de quaisquer cenas.

119 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Casos facultativos de CRASE


A crase é facultativa, pois é facultativa a presença de artigo definido. E quais as situações em que é
facultativo o emprego do artigo, professor? Vamos enumerá-las!

... antes de antropônimo (nome de pessoa) feminino:


Refiro-me à (a) Juliana.

... antes de pronome possessivo feminino:


Dirija-se à (a) sua fazenda.
Veja que, nesses exemplos, ocorre a presença da preposição A. Sem esta, não é possível nem cogitar o
emprego do acento indicador de crase. Havendo a presença da preposição A e sendo o artigo definido feminino
facultativo, a crase se torna facultativa.

Além dos dois casos anteriores, existe o caso da preposição “até”, que pode ou não ser acompanhada
de preposição A, o que também torna facultativo o emprego do acento indicador de crase.
Exemplo:

Dirija-se até à (a) porta.

Casos Especiais de CRASE


Crase nas locuções de base feminina (introduzidas por palavras femininas)
Exemplos:
Chegou à tarde.
Falou à vontade.
O prédio estava às moscas.
Ele saiu à francesa.
À medida que o tempo avança, ele se torna mais habilidoso.
Posicionai-me à frente do palco.

Locuções formadas pelas palavras CASA, TERRA e DISTÂNCIA

Quando a palavra “casa” é empregada no sentido de “lar” e não vem especificada, não pede artigo. Se,
por sua vez, houver especificação da casa, haverá artigo.
O mesmo ocorre com a palavra “terra”, no sentido de “terra firme”. Só haverá artigo, se vier especificada.
Já a palavra “distância” somente será antecedida de artigo se vier quantificada ou especificada (a
distância de 100m, a distância de um palmo, etc.)
Esse artigo, ao se unir à preposição A, resultará na crase. Observe:
Regressaram a casa para almoçar. (SEM crase, haja vista que CASA não foi especificada)
Regressaram à casa de seus pais. (COM crase, haja vista que CASA foi especificada)
Regressaram a terra depois de muitos dias. (SEM crase, haja vista que TERRA não foi especificada)

120 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Regressaram à terra natal. (COM crase, haja vista que CASA não foi especificada)
Observamos o acidente a distância. (SEM crase, haja vista que DISTÂNCIA não foi especificada)
Observamos o acidente à distância de um quarteirão. (COM crase, haja vista que DISTÂNCIA foi
especificada)

Locuções indicadoras de HORAS

Chegamos às nove horas.


Chegamos à 1h.
Chegamos à meia noite.

Locução À MODA (DE)

Cuidado com a locução À MODA (DE).


Ela significa “EM IMITAÇÃO A PESSOA OU A LUGAR”.
Como assim, professor?

Trata-se de imitar o jeito de fazer de uma pessoa ou de um lugar.


Quando você a uma pizzaria (hum...) e pede no cardápio uma pizza à moda do chefe ou uma pizza à
moda da casa, trata-se da pizza que o chefe costuma fazer ou daquela que a casa costuma servir. É a pizza com
marca do chefe – em imitação ao jeito de fazer da pessoa - ou da casa – em imitação ao jeito de fazer de um lugar.
Entendem?
Mas, professor, qual diferença dessas locuções para as demais?
Exato! O ponto peculiar dessa locução é que ela muitas vezes está implícita nas frases. Vejam:

Fiz um gol no racha à CR7.


= Fiz um gol à (moda) CR7.

Notem a expressão “moda” subentendida antes de CR7. Quer-se dizer que o gol feito por mim foi em
imitação ao que o CR7 costuma fazer.

Preparei um delicioso virado à paulista.


= Preparei um delicioso virado à (moda) paulista.
Notem a expressão “moda” subentendida antes de “paulista”. Quer-se dizer que o virado foi feito em
imitação ao que costuma ser servido em São Paulo.
Dessa forma, a locução À MODA DE somente pode ser subentendida quando estiver associada a uma
ideia de lugar ou pessoa.
Bife à (moda) Oswaldo Antunes.

Feijoada à (moda) José Maria.


Tutu à (moda) mineira.

121 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

Crase antes de TOPÔNIMOS (nomes de lugar)

“Retornei a Zurique” sem crase, porque “Vim de Zurique” sem artigo.


“Retornei à Suíça” com crase, porque “Vim da Suíça” com artigo.

“Fui a Paris” sem crase, porque “Vim de Paris” sem artigo.


“Fui à França” com crase, porque “Vim da França” com artigo.

Resumindo, ao som de Beatles, ...


“VOU A sem crase porque VOLTEI DE sem artigo!”

“VOU À com crase porque VOLTEI DA com artigo!”

Atenção!!!
O topônimo será necessariamente antecedido de artigo, caso venha especificado ou qualificado.

Vou a Paris (sem crase).

Vou à Paris, Cidade Luz. (com crase)


Vou a Fortaleza.(sem crase)

Vou à Fortaleza da minha infância. (com crase)

Crase em ÀQUELE (S), ÀQUELA (S), ÀQUILO


Diferentemente do CASO GERAL, aqui não temos a fusão de uma preposição e um artigo, mas sim...

ÀQUELE (S) = A (preposição) + AQUELE (S)


ÀQUELA (S) = A (preposição) + AQUELA (S)
ÀQUILO = A (preposição) + AQUILO

122 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

TROQUE A FORMA AQUELE(S),


AQUELA(S), AQUILO POR
ESTE(S), ESTA(S), ISTO

Se aparecer a forma A ESTE(S), A ESTA(S), A Se aparecer somente o demonstrativo ESTE(S),


ISTO, é sinal de que temos preposição A ESTA(S), ISTO, é sinal de que NÃO temos
acompanhando pronome demonstrativo. preposição A acompanhando o demonstrativo.

O resultado é o emprego de crase em


O resultado é o emprego das formas AQUELE(S),
ÀQUELE(S), ÀQUELA(S), ÀQUILO.
AQUELA(S), AQUILO sem crase.

Exemplos:
Exemplos:
Perguntaram, após a aula, ÀQUELE PROFESSOR
seu parecer sobre a polêmica questão. Homenagearam, ao final do cruso, AQUELE
(= Perguntaram, após a aula, A ESTE DEDICADO FUNCIONÁRIO.
PROFESSOR seu parecer sobre a polêmica (= Homenagearam, ao final do curso, ESTE
questão. DEDICADO FUNCIONÁRIO.)

AQUELA CIDADE visitamos nas férias.


ÀQUELA TURMA eu dediquei, como professor, (= ESTA CIDADE visitamos nas férias.)
muitas horas de trabalho.
(= A ESTA TURMA eu dediquei, como professor,
muitas horas de trabalho.)

123 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893
Prof. José Maria
Língua Portuguesa para Auditor do TCU + TCDF Aula 08

FIM
NÃO DESISTA!
CONTINUE NA DIREÇÃO CERTA!

124 de 124| www.direcaoconcursos.com.br


Suzana Cristina Barbosa Fernandes - 32703965893