Você está na página 1de 226

IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS

A: Marcação do chassis
(Marcação a frio gravado na carroçaria).

B: Placa do construtor do veículo


(No pilar central do lado esquerdo)

C: Número APV/PS e código da cor da pintura PR.


(Etiqueta situada no pilar da frente no lado da porta do condutor).

D: Pressão de enchimento e referências dos pneus.


(Etiqueta situada no pilar da frente no lado da porta do condutor).

E: Número de série na carroçaria.

F: Referência da caixa de velocidades – Número de ordem de


fabrico.

G: Tipo regulamentar motor – Número ordem de fabrico.

E1AP09HD

OBSERVAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS C3.

1
IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS
Gasolina
TU
1
JP
1.1i
X - SX X
Norma de despoluição L4 IFL5 L4/INF K’
FN HFXC FC HFXC FC HFXB
Designação oficial FC HFXB/T FR HFXB FN HFXB FC HFXB FC HFX5
/IF /IF /D
Placa do motor HFX
Cilindrada (cm³) 1124
Potência fiscal (cv) 4
Tipo CV MA/5N
Placa CV 20 CF 14

OBSERVAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS .A8 FALTA A POTÊNCIA FISCAL.

2
IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS
Gasolina
TU
3
JP
1.4i

CVA CVA CVA

SX – Exclusive
Norma de despoluição L4 IFL5
Designação oficial FC KFVE FN KFVB FN KFVE FC KFVC/IF FC KFVF/IF FN KFVC/IF
Placa do motor KFV
Cilindrada (cm³) 1360
Potência fiscal (cv) 5
Tipo CV AL4 MA/5N AL4 MA/5N AL4 MA/5N
20 CF 15 20 CF 15 20 CF 15
Placa CV 20 TP 75
20 CF 16 (*)
20 TP 75 20 CF 16 (*)
20 TP 75 20 CF 16 (*)

(*) = Exportação.

OBSERVAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS. FALTA A POTÊNCIA FISCAL E PLACA CVA.

3
IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS
Gasolina
TU
3 5
JP JP4
1.4i 1.6i 16V

CVA

SX - Exclusive
Norma de despoluição IFL5 L4 L4/INF L4
Designação oficial FN KFVF/IF FC KFVB FC KFVB/D FC KFVE/D FN NFUB FC NFUB
Placa do motor KFV NFU
Cilindrada (cm³) 1360 1587
Potência fiscal (cv) 5 6
Tipo CV AL4 MA/5N MA/5S
Placa CV 20 TP 75 20 CF 15 20 CF 16 (*) 20 CN 40

(*) = Exportação.

OBSERVAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS. FALTA A POTÊNCIA FISCAL E PLACA CVA.

4
IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS
Diesel
DV
4
TD
1.4 HDi

X - SX
Norma de despoluição L4
Designação oficial FC 8HBXB/T FN 8HXB FC 8HXB FC 8HXB/MOD FC 8HXK FR 8HXB
Placa do motor 8HX
Cilindrada (cm³) 1398
Potência fiscal (cv) 4
Tipo CV MA/5O
Placa CV 20 CN 33 20 CN 36 (*)

(*) = Exportação.

OBSERVAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS. FALTA A POTÊNCIA FISCAL

5
IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS
Diesel
DV
4
TD TED4
1.4 HDi 1.4 HDi 16V

S - SX SX - Exclusive
Norma de despoluição L4
Designação oficial FN 8HWK FC 8HWB FN 8HVB FC 8HVB
Placa do motor 8HW 8HV
Cilindrada (cm³) 1398
Potência fiscal (cv) 4 5
Tipo CV MA/50 BE4/5
Placa CV 20 CN 33 20 CN 36 (*) 20 DM 25 20 DM 26

(*) = Exportação.

OBSERVAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS. FALTA A POTÊNCIA FISCAL

6
IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS
Diesel
DV
4
TED4
1.4 HDi 16V

SX - Exclusive SX SX - Exclusive
Norma de despoluição L4
Designação oficial FN 8HYB FC 8HYBFC 8HYB/MOD FC 8HYB/T FC 8HYK FR 8HYB
Placa do motor 8HY
Cilindrada (cm³) 1398
Potência fiscal (cv) 5
Tipo CV BE4/5
Placa CV 20 DM 25 20 DM 26

OBSERVAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS. FALTA A POTÊNCIA FISCAL

7
IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS
Placa do construtor.

A placa do construtor inclui as instruções seguintes:

(a) Número de recepção comunitário (*).

(b) Número na série do tipo.

(c) Peso total autorizado em carga (*).

(d) Peso total rolante autorizado (*).

(e) Peso máximo no eixo dianteiro (*).

(f) Peso máximo no eixo traseiro (*).

(g) Identificação do construtor.

(*) = Consoante o país de comercialização.

E1AP09JC

OBSERVAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS C3.

8
IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS
Tipo oficial.
Estrutura.
O tipo oficial é composto por 6 algarismos ou letras.
F = Família de veículo.
Exemplo: F.C.8.H.Y.B: . C = Silhueta.
8.H.Y = Motor.
B = Versão.
Família Silhueta
Referência Família Referência Silhueta
F CITROËN C3 C Berlina 5 portas
Motor N Berlina 5 portas (4 lugares)
Berlina 5 portas
Referência Cilindrada Tipo de motor R
(Furgão não convertível)
HFX 1124 TU1JP/L4/IFL5/L4 INF/K’ Versão (CV despoluição)
KFV 1360 TU3JP/L4/IFL5/L4 INF Referência Caixa de velocidades Despoluição
NFU 1587 TU5JP4/L4 B L4
Caixa de velocidades mecânica de 5
8HX-8HW DV4TD/L4 C Ifl5
1398 velocidades
8HY-8HV DV4TED4/L4 5 K’
E Caixa de velocidades automática de 4 L4
F velocidades IFL4
Velocidades do diferencial e / ou de caixa de L4
K
velocidades diferente da base.

OBSERVAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS C3

9
CARACTERÍSTICAS GERAIS: DIMENSÕES

E1AP09KD

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS GERAIS: DIMENSÕES

10
CARACTERÍSTICAS GERAIS: DIMENSÕES
Dimensões exteriores (mm)

Veículos Todos os tipos


Distância entre eixos A 2460
Comprimento total B 3850
Distância entre o eixo dianteiro e C 750
a parte da frente
Distância entre o eixo traseiro e a D 640
parte de trás
Via traseira em ODM E 1435
Via dianteira em ODM F 1438
Largura total G 1667
Altura total em ODM H 1521
ODM = Veículo em ordem de marcha (veículo vazio, atestamentos completos).
Dimensões e volumes interiores (mm)

Largura aos cotovelos à frente 1406


Largura aos cotovelos atrás 1402
Altura da mala sob a prateleira 585
Largura mínima no piso 1040
Comprimento de carga no piso 660
Volume do porta-bagagens sob a prateleira (dm³) 305
Volume em dm³ do porta-bagagens sob Moduboard (*). 282
(*). = Piso do porta-bagagens modulável e amovível.

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS GERAIS: DIMENSÕES

11
CARACTERÍSTICAS GERAIS: PESOS

Gasolina Diesel
CVM CVA CVM
Versões 1.1i 1 4i 1.6i 1.4i 1.4 HDi 1.4 HDi 16V
Placa do motor HFX KFV NFU KFV 8HX 8HW 8HY 8HV
Tipo de caixa de velocidades MA/5N AL4 MA/50 BE4/5
Carga útil 485 465 467 468 479 467
Peso em vazio em Sem opções 1053 1080 1133 1114 1097 1147
ordem de marcha Todas as opções 1138 1147 1200 1182 1177 1214
CEE
Peso total autorizado em carga CEE 1463 1470 1525 1507 1501 1539
Peso total rolante autorizado (PTRA) 2113 2370 2425 2407 2401 2439
Peso máximo rebocável sem travão 526 540 566 557 548 573
Peso máximo rebocável com travão
Inclinação 12% 926 1174 1176 1175 1176
Peso máximo sobre a lança 38 47 48 47 48
Peso máximo nas barras de tejadilho 60 kg

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS GERAIS: PESO GASOLINA

12
OPERAÇÕES A EFECTUAR: APÓS INTERVENÇÃO
IMPERATIVO: Todas estas operações devem ser realizadas após uma
ligação da bateria.

Função anti-scanning.
É necessário esperar 1 minuto depois de tornar a ligar a bateria para poder pôr o veículo a trabalhar novamente.

Tampa da mala.
A abertura da tampa da mala é neutralizada quando se torna a ligar a bateria.
Efectuar um fecho / abertura centralizada para activar a abertura da tampa da mala.

Controlo do excesso de velocidade.


Os valores de excesso de velocidade do veículo devem ser reinicializados.
O botão do comutador de limpeza dos vidros permite efectuar as seguintes funções:
- Activação da função de excesso de velocidade do veículo.
- Programação do alerta de excesso de velocidade.

Elevador eléctrico
É necessário proceder à reinicialização da função sequencial e anti-entalamento.
NOTA: Se o vidro estiver aberto na altura da ligação da bateria, accionar várias vezes o contactor para fechar o vidro e, em seguida, efectuar a operação de
reinicialização.
Descer completamente o vidro.
Accionar e libertar o contactor do elevador até que o vidro fique completamente fechado.
Esta operação deve ser efectuada em cada um dos elevadores eléctricos.

OBSERVAÇÕES: OPERAÇÕES A EFECTUAR: APÓS INTERVENÇÃO C3 (GAMA PORTA.J)

13
OPERAÇÕES A EFECTUAR: APÓS INTERVENÇÃO

Tecto de abrir.
É necessário proceder à reinicialização da função anti-entalamento.
Colocar o contactor do tecto de abrir na posição entreabertura máxima.
Manter premido o contactor do tecto de abrir até que o tecto de abrir pare.
Libertar o contactor do tecto de abrir antes de decorridos 5 segundos.
Manter o contactor do tecto de abrir premido até que termine a sequência de abertura do tecto.

Ecrã multifunções.
É necessário proceder à regulação da data, hora e temperatura exterior.
Efectuar a regulação do idioma de apresentação do ecrã multifunções sempre que desejar outro idioma que não o francês.
NOTA: Por defeito, o idioma de apresentação do ecrã multifunções é o francês.

Ajuda à navegação.
O sistema de localização só começa a funcionar depois de decorridos cerca de dez minutos.
Reprogramar os parâmetros dos clientes.

Autorádio.
Reprogramar as estações de rádio.

OBSERVAÇÕES: OPERAÇÕES A EFECTUAR: APÓS INTERVENÇÃO C3(GAMA PORTA.J)

14
CARACTERÍSTICAS GERAIS: REBOQUE DO VEÍCULO
Reboque à frente

ATENÇÃO: Quando o motor não está a funcionar, o


sistema de assistência da direcção e dos travões não
está activo.

Argola de reboque
Reboque atrás
(1) Argola de reboque

A argola de reboque está implantada na caixa de


protecção do macaco do pneu sobressalente

E2AP01KD E2AP01LC E2AP01MC

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS GERAIS: REBOQUE DO VEÍCULO C3 (GAMA PORTA.J)

15
CARACTERÍSTICAS GERAIS: REBOQUE DO VEÍCULO
Reboque do veículo: Precauções a tomar
Caixa de velocidades mecânica Caixa de velocidades automática AL4.

IMPERATIVO: Nunca rebocar o veículo com as rodas pendentes


(reboque pelas rodas)

Caixa de velocidades auto activa AL4.

Reboque.
No caso de ser impossível elevar a dianteira do veículo:
- Colocar imperativamente a alavanca de selecção na posição «N».
IMPERATIVO: Nunca rebocar o veículo com as rodas pendentes
- Não adicionar óleo.
(reboque pelas rodas)
- Não exceder a velocidade de 50 Km/h num percurso de 50 Km.

Condução.
- Nunca circular com a ignição desligada.
- Nunca empurrar o veículo para tentar que o motor arranque.

NOTA: A lubrificação da caixa de velocidades automática só é feita quando


o motor está a trabalhar.

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS GERAIS: REBOQUE DO VEÍCULO C3 (GAMA PORTA.J)

16
CARACTERÍSTICAS GERAIS: ELEVAÇÃO E CALÇAMENTO DO VEÍCULO
Elevação dianteira Elevação e calçamento do veículo Elevação lateral

Dianteira do veículo.

Os pontos autorizados para elevação da parte da frente situam-se nos parafusos de


fixação traseiros do berço, ponto «a».
A elevação da parte da frente é feita com apoio nos dois pontos de elevação «a» com
auxílio de uma travessa com calços.
A elevação lateral da parte da frente é feita com apoio no ponto de elevação «a».

IMPERATIVO:
Nunca fazer a elevação com apoios nos pontos da
fachada dianteira.
Elevação lateral.
Não instalar o macaco fora dos pontos de elevação
Não colocar os cavaletes sob as orelhas de
apoio do macaco.

Posicionamento do cavalete.

B3CP07KC E2AP016C E2P017C E2AP018C E2AP00GC

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS GERAIS: ELEVAÇÃO E CALÇAMENTO DO VEÍCULO C3 (GAMA


PORTA.J)

17
CARACTERÍSTICAS GERAIS: ELEVAÇÃO E CALÇAMENTO DO VEÍCULO
Elevação e calçamento do veículo (Continuação)
Elevação com elevador de oficina de duas colunas, pelos apoios do
Elevação dianteira com macaco do veículo
macaco

Elevação traseira com macaco do veículo Auxiliar de elevador de oficina com calços, pelos apoios do macaco

NOTA: O macaco é específico do seu veículo não devendo ser utilizado


para outras finalidades.
E2AP01NC E2AP01PC E2AP01QD E2AP01RD

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS GERAIS: ELEVAÇÃO E CALÇAMENTO DO VEÍCULO C3 (GAMA


PORTA.J)

18
CAPACIDADES (em litros)

Método para mudar o óleo.

As capacidades do óleo são definidas de acordo com o seguinte método.

1/ Veículo em piso horizontal (em posição alta, se possuir suspensão hidropneumática).

2/ Motor quente (temperatura do óleo a 80°C).

3/ Esvaziamento do cárter de óleo + desmontagem do filtro (duração do esvaziamento + escorrimento = 15 mn).

4/ Montagem do bujão + filtro.

5/ Enchimento do motor.

6/ Arranque do motor (permitindo o enchimento do filtro).

7/ Paragem do motor (estabilização durante 5 min.).

IMPERATIVO: Controlar sistematicamente o nível de óleo, utilizando a vareta manual.

OBSERVAÇÕES: CAPACIDADES (EM LITROS) C3

19
CAPACIDADES (em litros)
C3
Gasolina Diesel
1.1i 1.4i 1.6i 16V 1.4 HDi 1.4 HDi 16V

CVA

Placa do motor HFX KFV NFU 8HX 8HW 8HV 8HY


Esvaziamento por gravidade
2,9 3,75
motor com filtro
Entre mín. e máx. 1,5 1 2
Esvaziamento por aspiração
3,1
motor com filtro
Entre mín. e máx. 1,5 1
Caixa de 5 velocidades 2 2 1,9
Caixa de velocidades
automática (1)
após esvaziamento
0,7 Litros versão bomba de travão à frente Ø 48 / tambor traseiro
Circuito de travagem
0,8 Litros versão bomba de travão à frente Ø 54 / Disco traseiro
Circuito de arrefecimento 7 5,7 5,6
Depósito de combustível 45
IMPERATIVO: Controlar sistematicamente o nível de óleo, utilizando a vareta manual.
(1) = A caixa de velocidades não necessita de lubrificação adicional. (A título indicativo a capacidade TOTAL é de 5,85 litros e após esvaziamento 3
Litros)

OBSERVAÇÕES: CAPACIDADES (EM LITROS) C3


Modif de 20/03/2002 (G.P MARTIN).

20
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL
Norma S.A.E-Tabela de selecção dos tipos de óleos de motor

E4AP006D

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

21
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL
Evoluções montagem inicial (ano de 2001).
ATENÇÃO: No caso dos veículos com um intervalo de manutenção de
Na montagem inicial, os motores CITROËN são lubrificados com óleo 30.000 km (20.000 milhas), deverá ser utilizado exclusivamente um dos
TOTAL tipo S.A.E.5W-30. óleos TOTAL ACTIVA/QUARTZ 7000 ou 9000 ou qualquer outro óleo
O óleo TOTAL tipo S.A.E.5W-30 permite uma economia de combustível com características equivalentes.
(aproximadamente 2,5%). Estes óleos têm características superiores às definidas pela norma
ACEA A3/98 ou API SJ.
Particularidades do veículo CITROËN C5: Em caso de dúvida, é conveniente respeitar os planos de manutenção
Motorizações 2.0 e 2.2 HDi equipadas com filtro de previstos para condições de utilização rigorosas.
partículas.
O óleo 5W30 não é utilizado nos seguintes motores:
O intervalo de manutenção normal é de 30.000 km
Motor XU10J4RS: XSARA VTS 2.0i 16V (3 Portas).
(20.000 milhas) para as motorizações a gasolina. Motores SOFIM: JUMPER 2.8 D e 2.8 TD.
Motor 1580 SPI: JUMPY 1.6i.
ATENÇÃO: Os motores HDi são motores de alta tecnologia que Motorizações 2.0 e 2.2 HDI equipadas com filtro de
exigem a utilização de um óleo SINTÉTICO TOTAL ACTIVA partículas.
ou QUARTZ 5W40, para manterem os respectivos níveis de
performance. Todos os países europeus devem respeitar esta instrução. ATENÇÃO: Os motores CITROËN anteriores ao ano modelo 2000
não devem ser lubrificados com óleo que respeite as normas
NOTA: Apenas PORTUGAL e a GRÉCIA podem utilizar óleo semi- ACEA A1-98/B1-98 e API SJ/CF EC.
sintético 10W40.

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002

22
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL
Selecção dos tipos de óleos de motor preconizados em função das condições climatéricas do país de comercialização

Normas ACEA Normas API

A primeira letra corresponde ao tipo de motor em questão: A primeira letra corresponde ao tipo de combustível utilizado pelo motor:
A: motores a gasolina e bicarburação gasolina / GPL. S: motores a gasolina e bicarburação gasolina / GPL.
B: motores diesel. C: motores diesel.

O algarismo que se segue à primeira letra corresponde ao tipo de óleo. A segunda letra corresponde ao grau de evolução, por ordem crescente.
1: óleos muito fluidos, que reduzem os atritos e permitem um Exemplo: A norma SJ é mais rigorosa do que a norma SH e corresponde a
baixo consumo de combustível. um nível de performance mais elevado.
3: óleos de alta performance. A adição das letras EC indica que o óleo de motor em questão permite uma
O número seguinte (96 ou 98) corresponde ao ano de criação da norma. economia de combustível.
EC: Energy Conserving, redução do consumo de combustível.
NOTA: A partir de 01/03/2000, todos os óleos de motor deverão respeitar as Exemplos:
normas ACEA-98. API SJ / CF: Óleos mistos para todos os motores.
API CF / EC: Óleos específicos para motores diesel, que permitem uma
Exemplo: economia de combustível.
ACEA A1-98 / B1-98: Óleos mistos para todos os motores, que permitem API SJ / CF / EC: Óleos mistos para todos os motores, que permitem uma
uma economia de combustível (respeitando as normas ACEA 98). economia de combustível.

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

23
LUBRIFICANTES – PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL
Normas dos óleos de motor.
Normas em vigor.
A classificação destes óleos é estabelecida pelos seguintes organismos reconhecidos:
S.A.E: Society of Automotive Engineers.
API: American Petroleum Institute.
ACEA: Association des Constructeurs Européens d’Automobiles.
Preconizações.
Denominação dos óleos TOTAL, consoante os países de comercialização:
TOTAL ACTIVA (França apenas).
TOTAL QUARTZ (Fora de França).

IMPERATIVO: Para manter as performances dos motores, é imperativo utilizar óleos de motor de alta qualidade (óleos semi-
sintéticos ou sintéticos).

Recapitulativo
Normas a respeitar para os óleos de motor em AM 2001.
Ano modelo Tipos de motor Normas ACEA Normas API
Motores a gasolina e
A3-98 ou A1-98 (*) SJ ou SJ / EC (*)
AM 2001 Bicarburação gasolina / GPL
Motores diesel B3-98 ou B1-98 (*) CF ou CF / EC (*)
(*) = Os óleos que cumprem estas normas não devem ser utilizados nas motorizações.
XU10J4RS, 1580 SPI, SOFIM 2.8 D e SOFIM 2.8 TD.

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

24
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL
Tipos S.A.E Normas SPI Normas ACEA
Óleos mistos para todos os motores (gasolina, bicarburação gasolina /GPL e diesel)
TOTAL ACTIVA 9000
5W-40 SJ / CF A3-98 / B3-98
TOTAL QUARTZ 9000
TOTAL ACTIVA 9000. (*)
5W-30 SJ / CF EC A1-98 / B1-98
TOTAL QUARTZ 9000. (*)
TOTAL ACTIVRAC 10W-40 SJ / CF A3-98 / B3-98
(*) = Óleos mistos para todos os motores, que permitem uma economia de combustível.
Óleos específicos para motores a gasolina e bicarburação gasolina /GPL
TOTAL ACTIVA 7000
10W-40
TOTAL QUARTZ 7000
TOTAL QUARTZ 9000 0W-40 SJ A3-98
TOTAL ACTIVA 7000
15W-50
TOTAL QUARTZ 7000
Óleos específicos para motores diesel
TOTAL ACTIVA DIESEL 7000
10W-40
TOTAL QUARTZ DIESEL 7000
CF B3-98
TOTAL ACTIVA DIESEL 7000 15W-50
TOTAL ACTIVA DIESEL 9000 5W-40

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

25
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL
FRANÇA
Óleos mistos todos os motores em geral
FRANÇA metropolitana TOTAL ACTIVRAC Normas S.A.E: 10W-40

TOTAL ACTIVA TOTAL ACTIVA DIESEL


Óleos específicos para
Óleos mistos para Óleos específicos para
motores a gasolina e
todos os motores motores diesel
Bicarburação gasolina /GPL
9000 5W-40 7000 10W-40
FRANÇA metropolitana 7000 10 W-40
9000 5W-30 (*) 9000 5W-40
Nova Caledónia
Guadalupe
Saint-Martin
Reunião
Martinica 9000 5W-40 7000 15W-50 7000 15W-50
Guiana
Tahiti
Ilhas Maurícias
Mayotte
(*) = Óleos mistos para todos os motores, que permitem uma economia de combustível.

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

26
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL
EUROPA
TOTAL QUARTZ TOTAL QUARTZ DIESEL
(*) = Óleos mistos para todos os motores, Óleos específicos para
Óleos mistos para Óleos específicos para
que permitem uma economia de motores a gasolina e
todos os motores motores diesel
combustível Bicarburação gasolina /GPL
7000 10W-40
Alemanha 9000 0W-40
Áustria 7000 10W-40
7000 10W-40
Bélgica 9000 0W-40
Bulgária 7000 10W-40
7000.15W50
Chipre
Croácia 9000 5W-40 7000 10W-40 7000 10W-40
9000 5W-30 (*) 7000 10W-40
Dinamarca 9000 0W-40
7000 10W-40
Espanha 7000 15W-50

Estónia 7000.10W-40
7000 10W-40
Finlândia 9000 0W-40
Grã-Bretanha 7000 10W-40

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

27
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL
EUROPA (Continuação)
TOTAL QUARTZ TOTAL QUARTZ DIESEL
(*) = Óleos mistos para todos os motores, Óleos específicos para
Óleos mistos para Óleos específicos para
que permitem uma economia de motores a gasolina e
todos os motores motores diesel
combustível Bicarburação gasolina /GPL
7000 10W-40
Grécia 7000 15W-50
Holanda 7000 10W-40
Hungria 9000.0W-40
Itália
Irlanda 7000 10W-40
Islândia
Letónia 7000 10W-40
Lituânia 9000 5W-40 9000. 0W-40
7000 10W-40
Macedónia 9000 5W-30 (*) 7000 10W-40
7000 10W-40
Malta
7000 15W-50
Moldávia 7000. 10W-40
7000 10W-40
Noruega
9000 0W-40
Polónia
Portugal 7000 10W-40
República Eslovaca

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

28
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL
EUROPA (Continuação)
TOTAL QUARTZ TOTAL QUARTZ DIESEL
(*) = Óleos mistos para todos os motores, Óleos específicos para
Óleos mistos para Óleos específicos para
que permitem uma economia de motores a gasolina e
todos os motores motores diesel
combustível Bicarburação gasolina /GPL
7000 10W-40
República Checa 9000 0W-40
7000 10W-40
Roménia 7000 15W-50
7000 10W-40
Rússia 9000 0W-40
Eslovénia 7000 10W-40
9000 5W-40 7000 10W-40
Suécia 9000 5W-30 (*) 9000 0W-40
7000 10W-40
Suíça 7000 10W-40
7000 10W-40
Turquia 7000 15W-50
9000 0W-40
7000 10W-40
Ucrânia 9000 0W-40
Jugoslávia 7000.10W-40

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

29
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL

TOTAL QUARTZ TOTAL QUARTZ DIESEL


Óleos específicos para
Óleos mistos para Óleos específicos para
motores a gasolina e
todos os motores motores diesel
Bicarburação gasolina /GPL
Austrália
Nova Zelândia
OCEÂNIA 7000 10W-40

Costa do Marfim
Egipto
Gabão
Madagáscar ÁFRICA
Marrocos 9000 5W-40 7000 10W-40
Senegal
Tunísia 7000 15W-50
Argentina
Brasil - Chile
AMÉRICA
Cuba
DO SUL E
México
CENTRAL
Paraguai
Uruguai

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

30
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL

TOTAL QUARTZ TOTAL QUARTZ DIESEL


(*) = Óleos mistos para todos os motores, que Óleos específicos para
Óleos mistos para Óleos específicos para
permitem uma economia de combustível motores a gasolina e
todos os motores motores diesel
Bicarburação gasolina /GPL
7000 10W-40
China
7000 15W-50
Coreia do Sul 9000 5W-40 7000 10W-40
Hong-Kong
Índia 7000 15W-50
Indonésia
9000 5W-40 7000 10W-40
Japão
ÁSIA 9000 5W-30 7000 15W-50
7000 10W-40
Malásia DO SUDESTE
Paquistão
7000 15W-50
Filipinas
Singapura
9000 5W-40
7000 10W-40
Taiwan
7000 15W-50
Tailândia
7000 15W-50
Vietname

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

31
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL

TOTAL QUARTZ TOTAL QUARTZ DIESEL


Óleos específicos para
Óleos mistos para Óleos específicos para
motores a gasolina e
todos os motores motores diesel
Bicarburação gasolina /GPL

Arábia Saudita
Bahrein
Dubai
Emiratos Árabes Unidos
Irão
Israel MÉDIO
9000 5W-40 7000 15W-50 7000 10W-50
Jordânia ORIENTE
Kuwait
Líbano
Oman
Qatar
Yemen

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

32
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL
Óleos para caixa de velocidades
TOTAL TRANSMISSION BV
Normas S.A.E 75W-80
Caixa de velocidades mecânica Óleo especial distribuído pela CITROËN
(referência PR 9730 A2)
TOTAL FLUIDE ATX ou
Todos os países TOTAL FLUIDE AT 42.
Caixa de velocidades automática MB3
Óleo especial distribuído pela CITROËN
(Refª - PR: 9730 A3).
Óleo especial distribuído pela CITROËN
Caixa de velocidades automática 4 HP 20 e AL4 (Refª – PR: 9736 22).
Caixa de transferência e diferencial traseiro TOTAL TRANSMISSION X 4

Óleos para direcção assistida


Todos os países TOTAL FLUIDE ATX
Direcção assistida TOTAL FLUIDE DA
Países muito frios Óleo especial distribuído pela CITROËN
(referência PR 9730 A1)

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

33
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL
Líquido de arrefecimento do motor
Referência CITROEN
Embalagem
GLYSANTIN G 33 REVCOGEL 2000
Líquido CITROEN 2 litros 9979 70 9979 72
Todos os países
Protecção: - 35°C 5 litros 9979 71 9979 73
20 litros 9979 76 9979 74
210 litros 9979 77 9979 75
Líquido sintético para travões
Embalagem Referência CITROEN
0,5 litro 9979 05
Todos os países Líquido CITROEN
1 litro 9979 06
5litros 9979 07
Líquido do circuito hidráulico CITROEN
Norma Embalagem Referência CITROEN
ISO 7308-7309 ZCP 830 095
TOTAL LHM PLUS
Cor verde 1 litro 9979.20 (Escandinávia)
TOTAL FLUIDE LDS Cor de laranja 9979.69
Todos os países
ATENÇÃO: O óleo TOTAL LHM PLUS não pode ser misturado com o óleo TOTAL FLUIDE LDS.

ATENÇÃO: CITROËN C5: Utilizar exclusivamente fluido de suspensão TOTAL FLUIDE LDS
Líquido de lavagem - circuito hidráulico - cor verde
Todos os países TOTAL HYDRAURINCAGE

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002

34
LUBRIFICANTES - Preconizações da gama TOTAL
Líquido de lavagem dos vidros
Embalagem Referência CITROEN
Todos os países Concentrado: 250 ml 9980 33 ZC 9875 953 U 9980 56
Líquido pronto a usar: 1 litro 9980 06 ZC 9875 784 U
Líquido pronto a usar: 5 litros 9980 05 ZC 9885 077 U ZC 9875 279 U
Lubrificação
Normas NLGI (1)
TOTAL MULTIS EP2 2
Todos os países TOTAL MULTIS COMPLEX EP2 2
TOTAL MULTIS N4128 1
TOTAL PETITES MECANIQUES

(1) NLGI = National Lubrificating Grease Institute.

OBSERVAÇÕES: LUBRIFICANTES - PRECONIZAÇÕES DA GAMA TOTAL 2002.

35
CONSUMO DE ÓLEO DOS MOTORES

I / Os consumos de óleo são variáveis em função:


Dos tipos de motores.
Do respectivo estado de rodagem ou de desgaste.
Do tipo de óleo utilizado.
Das condições de utilização.

II / A RODAGEM de um motor pode estar concluída aos:


5 000 Km no caso de um motor a GASOLINA.
10 000 Km no caso de um motor DIESEL.

III / Com a RODAGEM do motor concluída, consumo de óleo MÁXIMO ADMITIDO.


0,5 litro aos 1 000 Km no caso de um motor a GASOLINA.
1 litro aos 1 000 Km no caso de um motor DIESEL.
NÃO EFECTUAR QUALQUER INTERVENÇÃO EM CASO DE CONSUMOS ABAIXO DESTES VALORES.

IV / NÍVEL DE ÓLEO: Depois de uma mudança ou reposição de nível de óleo, NUNCA ULTRAPASSAR a marca MAXI do indicador de nível.
Esse excesso de óleo será consumido rapidamente.
É prejudicial para o rendimento do motor e para o estado funcional dos circuitos de ar e de reciclagem dos gases do cárter.

OBSERVAÇÕES: CONSUMO DE ÓLEO DOS MOTORES 2002.

36
CARACTERÍSTICAS DOS MOTORES
Gasolina Diesel

1.1i 1.4i 1.6i 16V 1.4 HDi 1.4 HDi 16V

Placa do motor HFX KFV NFU 8HX 8HW 8HY 8HV


Cilindrada (cm³) 1124 1360 1587 1398
Diâmetro / curso 72/69 75/77 78/82 73/82
Taxa de compressão 10,5/1 11/1 17,9/1 18,25/1
Potência .ISO ou CEE
KW- rpm) 44-5500 54-5400 80-5800 50-4000 66-4000
Potência DIN (cv –rpm) 61-5500 75-5400 110-5800 70-4000 92-4000
Binário ISO ou CEE
(m.daN –rpm) 9,4-3400 12-3400 14,7-4000 15-2000 20-2000
Binário DIN (mkg –rpm) 9,8-3400 12,5-3400 15,3-4000 15,6-2000 20,8-2000
Regime máx. (rpm)

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DOS MOTORES

37
CARACTERÍSTICAS: MOTOR
Motores: HFX – KFV - NFU
Identificação dos motores

A = Motores: HFX – KFV

B = Motor: NFU.

Os motores são identificados por uma


gravação na zona «a», que inclui:

- A identificação do órgão.

- O tipo regulamentar.

- O número da ordem de fabrico.

B1BP10JC B1BP2GKC

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS: MOTOR C3. Desenho N° BBP2GKC a modificar.(Gama BACOU CL C3).

38
PONTOS ESPECÍFICOS: BINÁRIOS DE APERTO ( m.daN)
Conjunto móvel
Motores HFX KFV NFU
Poli de comando de acessórios 0,8 ± 0,2
Fixação do carreto na cambota 10 ± 1 2,5 ± 0,2
Cárter cilindro
Cárter inferior 0,8 ± 0,2
Rolete tensor da correia de distribuição 2 ± 0,2 2,2 ± 0,2
Rolete tensor de acessórios 2 ± 0,2 2,5 ± 0,2
Fixação do suporte do alternador 1,7 ± 0,3
Fixação do alternador no suporte 3,7 ± 0,3
Cabeça
Caixa de saída de água 0,8 ± 0,2
Tampa dos apoios da árvore de cames
Aperto 2 ± 0,2 2 ± 0,2
Aperto angular 44° ± 4° 50° ± 5°
Colector de admissão 0,8 ± 0,2
Colector de escape 1,7 ± 0,3 2 ± 0,2
Parafuso de regulação dos balanceiros 1,75 ± 0,25
Velas de ignição 2,75 ± 0,25
Parafuso de poli da árvore de cames 8 ± 0,8

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: BINÁRIOS DE APERTO ( m.daN) C3(GAMA BACOU.O)

39
PONTOS ESPECÍFICOS: BINÁRIOS DE APERTO ( m.daN)
Volante do motor - Embraiagem
Motores HFX KFV NFU
Volante do motor 6,7 ± 0,6 + LOCTITE FRENETANCH
Mecanismo de embraiagem 2 ± 0,2
Circuito de lubrificação
Mano contacto de pressão do óleo 2 ± 0,2
Bomba de óleo 0,9 ± 0,1
Circuito de arrefecimento
Bomba de água 1,4 ± 0,1
Caixa de saída de água 0,8 ± 0,1

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: BINÁRIOS DE APERTO ( m.daN) C3(GAMA BACOU.O)

40
CABEÇA
Motores: HFX – KFV - NFU
Identificação da junta da cabeça

Motorizações Espessuras (Série) Espessura (reparação) Marca da espessura


HFX 2
1,2 ± 0,1 1,4 ± 0,1
KFV 1
NFU 0,66 ± 0,04 4

Marcas

1,2,3,4 = Tipo de motor.

A,B,D = Fornecedores.

C = Matéria da junta.

R = Reparação.

B1BP10KC

OBSERVAÇÕES: CABEÇA TU C3.(GAMA BACOU O).

41
CABEÇA
Motores: HFX – KFV - NFU
Aperto da cabeça (m.daN) Parafusos da cabeça
HFX - KFV

Aperto 2 ± 0,2
Aperto angular 240° ± 5°

(Por ordem de 1 a 10)

NFU

Aperto 2 ± 0,2
Aperto angular 260° ± 5°

(Por ordem de 1 a 10)


NOTA:Lubrificar a rosca e a cabeça
dos parafusos da cabeça do motor. X =MÁX reutilizável
NOTA: É interdito o reaperto da cabeça (Óleo de motor ou Molykote HFX - KFV NFU
após uma Intervenção. G Rapid Plus). 175,5 ± 0,5 122 ± 0,3
B1BP10KC B1BP1DVC

OBSERVAÇÕES: CABEÇA C3.(GAMA BACOU O).

42
CARACTERÍSTICAS: MOTOR
Motores: 8HX – 8HW
Identificação dos motores

«a» Tipo regulamentar.

«b» Identificação do órgão.

«c» N° da ordem de fabrico

B1CP0BKD

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS: MOTOR 8HX – 8HW (GAMA SCHLOMKA.JF)

43
CABEÇA
Motores: 8HX–8HW
Aperto da cabeça (m.daN) Parafusos da cabeça
8HX–8HW

Pré-aperto2 ± 0,2 m.daN

Aperto 4 ± 0,4 m.daN

Aperto angular 230° ± 5°

(Por ordem de 1 a 10)


NOTA:
- Os parafusos deverão ter sido
cuidadosamente escovados com uma
escova metálica e secos.
- Lubrificar a rosca e a cabeça dos
parafusos. (Óleo de motor ou Molykote G
Rapid Plus).
- Passagem de um macho nas roscas do X =MÁX. reutilizável
A junta da cabeça é montada sem
bloco dos cilindros. 8HX–8HW
lubrificação.
NOTA: É interdito o reaperto da cabeça X = 149 mm
após uma Intervenção.
B1DP1CLC B1DP1DBC

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS: MOTOR 8HX – 8HW (GAMA SCHLOMKA.JF)

44
CARACTERÍSTICAS: MOTOR
Motores: 8HY – 8HV
Identificação dos motores

«a» Tipo regulamentar.

«b» Identificação do órgão.

«c» N° da ordem de fabrico

B1CP0BKD

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS: MOTOR 8HY – 8HV (GAMA ZAMMAR.A).

45
PONTOS ESPECÍFICOS: BINÁRIOS DE APERTO ( m.daN)
Conjunto móvel
Motores 8HY-8HV
Parafuso de fixação da tampa de apoio
Aperto 3 ± 0,3
Aperto angular 140° ± 1°,4’
Cubo da poli da cambota
Aperto 3 ± 0,3
Aperto angular 180° ± 5°
Cárter cilindro
Cárter de óleo 1 ± 0,1
Rolete tensor da correia de distribuição 4 ± 0,4
Rolete enrolador da correia de distribuição
2,5 ± 0,2
Suporte do rolete enrolador da correia de distribuição
Cabeça
Cárter das tampas dos apoios das árvores de cames
1 ± 0,1
Colector de admissão
Colector de escape 2,5 ± 0,2
Tampa da cabeça Os parafusos (M6) a 1 ± 0,2
Carreto da árvore de cames 4,3 ± 0,4
Carreto da bomba de alta pressão do combustível 5 ± 0,5

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: BINÁRIOS DE APERTO ( m.daN) 8HY – 8HV (GAMA


ZAMMAR.A).

46
PONTOS ESPECÍFICOS: BINÁRIOS DE APERTO ( m.daN)
Volante do motor - Embraiagem
Motores 8HY-8HV
Volante do motor 1,7 ± 0,2
Mecanismo da embraiagem 2 ± 0,2
Circuito de lubrificação
Conjunto da bomba de óleo 0,9 ± 0,1
Permutador térmico água / óleo 1 ± 0,1
Tubo de lubrificação do turbo compressor 2,2 ± 0,2
Circuito de injecção
Porca de brida de fixação do injector
Aperto 0,4 ± 0,1
Aperto angular 65° ± 5°
Uniões na rampa de injecção comum de alta pressão do
combustível
2,3 ± 0,2
Bomba de alta pressão do combustível
União no injector diesel
Carreto da bomba de alta pressão do combustível 5 ± 0,5
União na bomba de alta pressão do combustível 2,3 ± 0,2
Circuito de arrefecimento
Bomba de água 1 ± 0,2±

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: BINÁRIOS DE APERTO ( m.daN) 8HY – 8HV(GAMA


ZAMMAR.A).

47
CABEÇA
Motores: 8HY – 8HV
Identificação da junta da cabeça
Saliência Número de Número de
Espessuras
Motorizações Fornecedor dos pistões entalhes em entalhes em Tipo de junta: Metálica multi-folhas
(mm)
(mm) d e
0,675 a 0,725 1,25 1 «d» Marca da espessura.
0,726 a 0,775 1,30 2
8HY–8HV ELRING 0,776 a 0,825 1,35 3 2 «e» Marca do motor.
0,826 a 0,875 1,40 4
0,876 a 0,983 1,45 5

B1DP1CKD

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS: MOTOR C3 8HY – 8HV(Gama ZAMMAR.A C3).

48
CABEÇA
Motores: 8HY–8HV
Aperto da cabeça (m.daN) Parafuso da cabeça
8HY–8HV

Pré-aperto: 2 ± 0,2

Aperto : 4 ± 0,5

Aperto angular : 230 ° ± 5°

(Por ordem de 1 a 10)


NOTA:
- Os parafusos deverão ter sido
cuidadosamente escovados com uma
escova metálica e secos
- Lubrificar a rosca e a cabeça dos
parafusos. (Óleo de motor ou Molykote G
Rapid Plus). X =MÁX. reutilizável
A junta da cabeça é montada sem lubrificação. - Passagem do macho nos orifícios do 8HY–8HV
NOTA: É interdito o reaperto da cabeça cárter de cilindros.
149 mm
após uma Intervenção.
B1DP1CLC B1DP1DBC

OBSERVAÇÕES: CABEÇA DV4TD C3.(Gama ZAMMAR A).Desenho do parafuso idem DV4TD

49
ÁRVORE DE CAMES
Motores: 8HY – 8HV
Identificação da árvores de cames

(1)-Árvore de cames de admissão.

(2)-Árvore de cames de escape.

«f»: Zona de marcação.

B1EP18AD

OBSERVAÇÕES: ÁRVORE DE CAMES 8HY – 8HV (GAMA ZAMMAR.A).

50
TABELA DE CORRESPONDÊNCIA DE TENSÃO DA CORREIA/UNIDADES SEEM
Ð 4099-T (C.TRONIC 105) Í Ferramentas Î 4122-T (C.TRONIC 105.5) Ð

B1EP135D

OBSERVAÇÕES: TABELA DE CORRESPONDÊNCIA DE TENSÃO DA CORREIA/UNIDADES SEEM C3

51
CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS
Gasolina Diesel
TU DV
1 3 5 4
JP JP4 TD TED4

Placa do motor HFX KFV NFU 8HX 8HW 8HV 8HY

C3 X X X X X X X

Ver páginas: 53 a 54 55 a 56 57

OBSERVAÇÕES: CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS C3.

52
CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS
Motores: HFX – KFV - NFU

Ferramentas.

[1] Pinça para desmontar pitões de plástico : 7504-T.


[2] Aparelho de medição das tensões das correias SEEM : 4122-T.

Veículo sem refrigeração.

Desmontagem. Montagem.
Montar a correia.
Desapertar: Respeitar a ordem seguinte:
- Carreto da cambota.
- O parafuso (2). - Poli do alternador.
- O parafuso (3). Colocar a ferramenta [2] na correia
- O parafuso de tensão (1). Apertar o parafuso (1) para obter uma tensão de:
55 ± 3 unidades SEEM.
Empurrar o alternador na direcção do motor. Apertar:
Desmontar a correia. - O parafuso (3).
- O parafuso (2)
Desmontar a ferramenta [2] e terminar a montagem.

B1BP2LSC B1BP2LTC

OBSERVAÇÕES: CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS C3.(Gama CUI.T ).

53
CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS
Motores: HFX – KFV - NFU
Veículo com refrigeração.

Desmontagem
Desapertar:
- Os parafusos (6), (4) e (5).
- Aliviar completamente a correia accionando o rolete tensor.
- Desmontar a correia dos acessórios.

Montagem.
Respeitar a ordem seguinte:
- Carreto de cambota.
- Poli do compressor de refrigeração.
- Rolete enrolador.
- Poli do alternador.
- Rolete tensor.
Colocar a ferramenta [2] sobre a correia.
- Apertar o parafuso (5) para obter uma tensão da correia de:
120 ± 3 unidades SEEM.
- Apertar o parafuso (4) e (6)
- Desmontar a ferramenta [2].
- Terminar a montagem.

B1BP10VC B1BP10XC

OBSERVAÇÕES: CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS C3.(Gama CUI.T).

54
CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS
Com compressor e alternador Motores: 8HX – 8HW

Ferramentas
[1] Pinça para desmontar pitões de plástico : 7504-T.
[2] Alavanca de compressão do rolete tensor : (-).0194.E.
[3] Punção de afinação do rolete tensor Ø4 mm: (-).0194.F.
Desmontagem.

Desligar o cabo negativo da bateria.


Levantar e calçar o veículo com as rodas pendentes.
Desmontar a roda dianteira direita.
Afastar o resguardo de lama, ferramenta [1].

IMPERATIVO: Marcar o sentido de rotação da correia em


caso de uma reutilização. Se o índice do rolete tensor estiver
fora das marcas proceder à substituição da correia de
comando dos acessórios.

O alternador (1).
O compressor de refrigeração (2).
Aliviar o rolete tensor da correia dos acessórios, ferramenta [2].
Colocar o punção [3].
Desmontar a correia dos acessórios.

B1BP2MJD B1BP2MKC

OBSERVAÇÕES: CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS C3.(GAMA SCHLOMKA.JF C3).

55
CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS
Motores: 8HX – 8HW
Marcas no rolete tensor dinâmico.
«a» Posição «desgaste máximo» da correia de acessório.
«b» Posição normal.

Montagem

NOTA: Certificar-se de que o rolete tensor roda livremente (ausência de pontos


duros). Caso contrário, substituir o rolete tensor.

Respeitar o sentido de montagem da correia.

Terminar a colocação da correia, de ambos os lados, utilizando o rolete tensor.


Certificar-se de que a correia fica correctamente instalada nas gargantas dos
diversos «Vs».

Actuar com a ferramenta [2] no rolete tensor para desmontar o punção [3].

B1EP18UD

OBSERVAÇÕES: CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS C3.(GAMA SCHLOMKA.JF C3).

56
CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS
Motores: 8HY – 8HV

Ferramentas.

[1a] Alavanca do rolete tensor dinâmico : (-).0194-E1.


[1b] Acrescento da alavanca : (-).0194-E2.
[2] Punção de imobilização do rolete de acessórios Ø 4 mm : (-).0194-F

Desmontagem.
Rodar o suporte (1) do rolete tensor (sentido dos ponteiros do relógio), ferramenta [1a] e [1b] em
«a».
Desmontar a correia.
Imobilizar o suporte (1) do rolete tensor, ferramenta [2].
Desmontar a correia dos acessórios (2).

IMPERATIVO: Certificar-se de que os roletes enroladores rodam livremente


(sem folga e ausência de pontos duros).

Montagem.
Montar a correia.
Actuar com a ferramenta [1] no rolete tensor para desmontar o punção [2].

IMPERATIVO: Certificar-se de que correia está correctamente posicionada nas diversas


gargantas das polis.

B1BP2MYD B1BP2MZC

OBSERVAÇÕES: CORREIA DE COMANDO DOS ACESSÓRIOS C3.8HY – 8HV (GAMA ZAMMAR.A C3).

57
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Gasolina Diesel
TU DV
1 3 5 4
JP JP4 TD TED4

Placa do motor HFX KFV NFU 8HX 8HW 8HV 8HY

C3 X X X X X X X

Ver páginas: 59 a 68 69 a 76 77 a 85

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO MOTOR GASOLINA C3.

58
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: HFX – KFV - NFU
Ferramentas.
[1] Punção do volante do motor : 4507-T.A
[2] Punção da poli da árvore de cames : 4507-T.B
[3a] Punção da árvore de cames : 4533-TA.C1
[3b] Punção da árvore de cames : 4533-TA.C2
[4] Punção do rolete tensor dinâmico : 4200-T.H
[5] Gancho de suporte da correia : 4533-T.AD
[6] Pinça para desmontagem dos pitões de plástico : 7504-T.

Controlo da distribuição.
Motor HFX – KFV – NFU.
Elevar e calçar a dianteira direita do veículo.
Desligar o borne positivo da bateria.
Engrenar a 5ª velocidade.
Desmontar o filtro de óleo (1).
Motor HFX - KFV
Desmontar:
O cárter superior de distribuição (2).
Girar a roda para accionar o motor (sentido normal da rotação).
Puncionar a poli da árvore de cames, ferramenta [2].

B1BP2M7C B1BP2M8C B1BP2M9C

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO HFX – KFV - NFU.(GAMA CUI.T CL


C3).

59
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motor: NFU

Controlo da distribuição.(Continuação)

Motor: NFU

Colocar um macaco sob o motor, afinar o motor.


Desmontar:

- O suporte motor (4) completo.


- O cárter de distribuição (3)
- As velas de ignição. (facilita a rotação do motor).

Girar a roda para accionar o motor (sentido normal da rotação).


Colocar os punções [3a] e [3b].
Puncionar o volante do motor, ferramenta [1].
Se a afinação não estiver correcta, recomeçar a operação.
Desmontar as ferramentas [1], [2], [3a] e [3b].
Terminar a montagem.

B1BP2MAC B1EP18MC B1BP2MBC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO NFU.(Gama CUI.T CL C3).

60
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: HFX – KFV
Afinação da distribuição
Operação preliminar.
Elevar e calçar o veículo, rodas pendentes.
Desligar a bateria
Desmontar:
- A roda dianteira direita.
- O resguardo de lama, ferramenta [6]
- A correia dos acessórios (Ver operação correspondente).
- A poli da cambota.
- O filtro de óleo.
Colocar um macaco sob o motor, afinar o motor.

Desmontagem.
Motor HFX - KFV
Rodar o motor através do parafuso (1).(sentido normal da rotação).
Desmontar os cárteres da distribuição.
Puncionar o carreto da árvore de cames, ferramenta [2].
Puncionar o volante do motor, ferramenta [1].
Desmontar:
- Os parafusos de fixação (2).
- O suporte superior do motor (3).

B1BP2MCC B1BP2M9C B1BP2MBC B1BP2MDC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO HFX-KFV (GAMA CUI.T CL C3).

61
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: HFX - KFV

Afinação da distribuição (Continuação)

Motor HFX - KFV

Desapertar os parafusos (4) sem os desmontar.

Desmontar o conjunto do suporte inferior do motor (5), e os parafusos de fixação (4).

Desapertar a porca (6).

Aliviar completamente a correia accionando o rolete tensor (7).

Desmontar a correia de distribuição.

IMPERATIVO: Certificar-se de que o rolete tensor roda livremente. (ausência de pontos duros).

B1BP2MEC B1EP18NC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO HFX - KFV.(GAMA CUI.T CL C3).

62
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motor: NFU

Motor NFU.

Afinação da distribuição (Continuação)

Desmontar:

O cárter plástico inferior.

O suporte do motor (9).

O suporte intermédio.

O cárter de distribuição (8)

Puncionar o volante do motor, ferramenta [1].

Colocar as ferramentas [3a] e [3b].

B1BP2MFC B1BP2MBC B1EP18MC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO NFU (GAMA CUI.T CL C3).

63
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motor: NFU

Afinação da distribuição (Continuação)

Motor NFU.

Desapertar o rolete tensor.

Rodar o rolete tensor de forma a colocar a ferramenta [4], com a ajuda de uma chave colocar em «a».

Rodar o rolete tensor para a direita até que o índice «c» fique na posição «b».

Fixar o rolete tensor nesta posição para aliviar a correia de distribuição ao máximo.

IMPERATIVO: Nunca fazer rodar o rolete tensor dinâmico de uma volta completa.

Desmontar a correia de distribuição (8)

Certificar-se de que os roletes (9) e (10) rodam livremente (ausência de pontos duros).

B1EP18PC B1EP18QC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO NFU (GAMA CUI.T CL C3).

64
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: HFX - KFV

Afinação da distribuição (Continuação)

Motor HFX-KFV

Montagem.

ATENÇÃO: Respeitar o sentido de montagem da correia; (as setas «d» indicam o sentido de rotação da cambota

Montar a correia de distribuição.

Instalar a correia de distribuição, com o lado «e» bem esticado, pela ordem seguinte:

Carreto de cambota, manter a correia, ferramenta [5].


Poli da árvore de cames.
Poli da bomba de água.
Rolete tensor.
Desmontar os punções [1] e [2].

B1EP18QC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO HFX -KFV .(GAMA CUI.T CL C3).

65
CONTROLO E REGULAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: KFX – KFV - NFU
Afinação da distribuição (Continuação)
Motor HFX-KFV
Montagem.
NOTA: Verificar se os punções [1] e [2] estão correctamente instalados.
ATENÇÃO: Respeitar o sentido de montagem da correia da distribuição, as setas «d» indicam o sentido
de rotação da cambota.
Montar a correia de distribuição.
Instalar a correia de distribuição, com o lado «e» bem esticado, pela ordem seguinte:
- Carreto da cambota, manter a correia com a ferramenta [5].
- Poli da árvore de cames.
- Poli da bomba de água.
- Rolete tensor.
Desmontar as ferramentas [1], [2]
Motor NFU.
Colocar correctamente a correia de distribuição respeitando a ordem seguinte:
- Poli da árvore de cames de admissão.
- Poli da árvore de cames de escape.
- Rolete enrolador.
- Poli da cambota.
Instalar a ferramenta [5].
- Poli da bomba de água.
- Rolete tensor dinâmico.
Desmontar as ferramentas [1], [3] e [5].
B1EP18RC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO NFU.(GAMA CUI.T CL C3).

66
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motor: NFU

Sobretensão da correia de distribuição.

A: Motor HFX – KFV.


B: Motor NFU

Rodar o rolete tensor (7) utilizando uma chave sextavada em «a».

Posicionar o índice «c» na posição «f», esticar a correia ao máximo do intervalo


indicado para esticar a correia ao máximo.

Manter o rolete tensor (7), ferramenta [4].

Apertar a porca de fixação do rolete tensor, aperto 1 ± 0,1 m.daN

Rodar a cambota quatro voltas (sentido normal de rotação).

IMPERATIVO: Nunca fazer girar a cambota para trás.

Assegurar-se da afinação correcta da distribuição montando as ferramentas [1], [2] e


[3].
Desmontar as ferramentas [1], [2] e [3].

B1EP18SD

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO HFX – KFV – NFU.(GAMA CUI.T CL


C3).

67
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: HFX – KFV – NFU
Regulação da tensão de montagem da correia de distribuição

A: Motor HFX – KFV.


B: Motor NFU

Desapertar a porca mantendo a posição do rolete tensor, utilizando uma chave


sextavada em «a»..
Em seguida, levar o índice «c» até à sua posição de regulação «a».
O índice «c» não deve ultrapassar o entalhe «g».

ATENÇÃO: O índice «c» não deve ultrapassar o entalhe «g». Caso contrário,
reiniciar a operação de tensão da correia de distribuição.

Manter o rolete tensor (7) nesta posição, utilizando uma chave sextavada.
Apertar a porca de fixação do rolete tensor a:
2 ± 0,2 m.daN. (Motores HFX – KFV)
2,2 ± 0,2 m.daN. (Motor NFU)
IMPERATIVO: O rolete tensor não deve rodar durante o aperto da sua fixação.
Caso contrário, reiniciar a operação de tensão da correia de distribuição).
Terminar a montagem.

B1EP18TD

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO HFX – KFV – NFU.(GAMA CUI.T CL


C3).

68
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HX – 8HW
Ferramentas.
[1] Pinça para desmontagem dos pitões de plástico : 7504-T.
[2] Alavanca para aliviar o rolete tensor dinâmico : (-).0194.E
[3] Punção de afinação do volante do motor :.(-).0194.C
[4] Punção de afinação da árvore de cames : (-).0194.B.
[5] Punção de afinação da cambota e bomba de alta pressão : (-).0194.A.
Operações preliminares.
Desmontar:
- A roda dianteira direita.
- O resguardo de lamas dianteiro direito, ferramenta [1].
- Os grampos de fixação do ramal eléctrico ao cárter de distribuição superior.
- A correia de acessórios, ferramenta [2] (ver operação correspondente).
Controlo da afinação.
Desligar o cabo negativo da bateria.
Desmontar o cárter de distribuição superior (1).
Rodar o motor utilizando o parafuso (2) da poli da cambota.

NOTA: O orifício de bloqueio está situado debaixo do cárter na tampa da cambota.


Desapertar o parafuso (2).
Aliviar o rolete tensor dinâmico da correia de acessórios, ferramenta [2].

B1BP2LXC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 8HX – 8HW (GAMA SCHLOMKA.JF


C3).

69
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HX – 8HW
Controlo da distribuição (continuação)
Desmontar:
- A correia de acessórios.
- A poli de comando dos acessórios.
- O cárter de distribuição inferior (3).
IMPERATIVO: A banda magnética não deve apresentar nenhum indício de
danos e não deve ser aproximada de nenhuma fonte magnética.
Colocar novamente o parafuso (2).
Desmontar a ferramenta [3].
Rodar o motor pelo parafuso do carreto da cambota (2) (para a direita), até atingir a
posição de punção.
Posicionar a ferramenta [4].
Puncionar o carreto da cambota (1), ferramenta [5].
Puncionar o carreto da bomba de alta pressão, ferramenta [5]
NOTA: O índice «a» do tensor do rolete deve ficar centrado no intervalo «b».
Verificar o correcto posicionamento do índice «a».
Desmontar as ferramenta [4] e [5].
Rodar o motor dez voltas.
Montar as ferramentas [4] e [5].
Se for impossível puncionar, efectuar a operação de desmontagem/montagem da
correia de distribuição. (Ver operação correspondente).

B1JP03SC B1EP18DC B1EP18EC B1EP18FC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 8HX – 8HW (GAMA SCHLOMKA.JF


C3).

70
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HX – 8HW
Afinação da distribuição.

Desmontar o cárter de distribuição superior (1).


Rodar o motor pelo parafuso (2) da cambota.
NOTA: O orifício de bloqueio está situado debaixo do cárter na tampa da cambota.
Bloquear o volante do motor, ferramenta [3].
Desmontar o cárter inferior de distribuição (3).
Desacoplar a linha de escape do colector.

IMPERATIVO: Desacoplar a linha de escape para evitar deteriorar o tubo flexível dianteiro. Os esforços de
torção, tracção e flexão reduzem o tempo de vida útil do tubo flexível do escape dianteiro.
Desmontar:
- O captor de regime do motor (6).
- O batente anti-desafinação da correia (5).
- O parafuso (2).
- O carreto da cambota (4) (com a sua banda magnética em «a»).

IMPERATIVO: A banda magnética não deve apresentar nenhum indício de danos e não deverá ser
aproximada de nenhuma fonte magnética. Caso contrário será necessário proceder à substituição do carreto da
cambota.

Montar o parafuso (2).


B1BP2LXC B1EP18GC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 8HX – 8HW (GAMA SCHLOMKA.JF


C3).

71
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HX – 8HW

Afinação da distribuição (continuação).

Desmontar a ferramenta [3].

Rodar a cambota pelo parafuso do carreto da cambota (2) (para a direita), até atingir
a posição de punção.

Puncionar a poli da árvore de cames, ferramenta [4]

Puncionar:

- O carreto da cambota (6), ferramenta [5].


- O carreto da bomba de alta pressão, ferramenta [5].
Levantar o motor com um macaco de oficina equipado com um calço.

Desmontar:

- O suporte direito do motor (7).


- O suporte do motor intermédio direito (8).

B1JP03SC B1EP18DC B1EP195C B1BP2LYC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 8HX – 8HW (GAMA SCHLOMKA.JF


C3).

72
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HX – 8HW
Afinação da distribuição (continuação).
Manter o rolete tensor, utilizando uma chave sextavada em «b».
Desapertar o parafuso (9).
Desmontar a correia de distribuição (10).

Montagem.
IMPERATIVO: Verificar se o rolete tensor roda livremente assim como o rolete fixo
(ausência de pontos duros) caso contrário, substituir os roletes.
Montagem das polis.
- Poli da árvore de cames Aperto a 4,3 ± 0,4 m.daN.
- Poli da bomba de alta pressão do combustível Aperto a 5 ± 0,5 m.daN.
Carreto de cambota (instalação sem parafuso na extremidade da cambota)
Montagem dos roletes.

IMPERATIVO: Verificar se o rolete tensor roda livremente (ausência de pontos duros).


Verificar se o rolete fixo roda livremente (ausência de pontos duros). Caso contrário,
substituir os roletes.

- Rolete enrolador : Aperto a 4,5 ± 0,4 m.daN


- Rolete tensor : Pré-aperto a 0,1 m.daN

Verificar a estanquecidade das juntas ao nível da árvore de cames e do carreto da cambota.


B1EP18HC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 8HX – 8HW (GAMA SCHLOMKA.JF


C3).

73
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HX – 8HW
Afinação da distribuição (continuação).

NOTA: Parafuso (9) desapertado.

Instalar a correia de distribuição (10) respeitando a ordem seguinte:

Carreto da cambota (4).

Rolete enrolador (12).

Poli da árvore de cames (11), (verificar se a correia está bem apertada


contra o rolete).

Carreto da bomba de água (13).

Poli da bomba de alta pressão do combustível (15).

Rolete tensor (14).

B1EP18JD

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 8HX – 8HW (GAMA SCHLOMKA.JF


C3).

74
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HX – 8HW

Afinação da distribuição (continuação).

Rodar o rolete tensor para a direita até que o índice «c» fique na posição «d», utilizando uma chave
sextavada.
Apertar o parafuso (9) do rolete tensor aperto a 3 ± 0,3 m.daN.
Desmontar as ferramentas [4] e [5].

Rodar o motor dez voltas (verificar se o carreto de distribuição está bem apertado na cambota).

Controlar:

A punção da árvore de cames.


O carreto da cambota.
O carreto da bomba de alta pressão do combustível (15).
O correcto posicionamento do índice do tensor dinâmico.

Caso contrário, reiniciar a operação de instalação da correia de distribuição.

Montar:
O captador de regime do motor (6).
O batente anti-desvio da correia (5), aperto a 0,7 m.daN.

B1EP18KC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 8HX – 8HW (GAMA SCHLOMKA.JF


C3).

75
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HX – 8HW
Afinação da distribuição (continuação).

Montar:

O suporte do motor intermédio direito. Aperto dos parafusos (16) a 5,5 ± 0,5 m.daN.
O suporte direito do motor, apertar os parafusos (17) a 4,5 ± 0,4 m.daN.
O cárter de distribuição inferior (3).

Bloquear o volante do motor, ferramenta [3].


Desmontar o parafuso (2).
Montar a poli de comando dos acessórios e apertar a:
Pré-aperto : 3 ± 0,3 m.daN.
Aperto angular : 180° ± 1°8’
Desmontar a ferramenta [3]
Montar:
O cárter superior (1).
A correia de acessórios (ver operação correspondente).
A linha de escape (ver operação correspondente).
O resguardo de lama dianteiro direito.
A roda dianteira direita.

B1EP18LC B1BP2LZC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 8HX – 8HW (GAMA SCHLOMKA.JF


C3).

76
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HY – 8HV

Ferramentas.

[1] Punção volante do motor Ø 12 mm : (-).0194-C.


[2] Punção poli da árvore de cames Ø 8 mm : (-).0194-B.
[3] Punção poli da cambota Ø 5 mm : (-).0194-A.

Operações preliminares.

Desmontar:
- A roda dianteira direita.
- O resguardo de lama dianteiro direito.
- A correia de acessórios.(Ver operação correspondente).

Desacoplar:
- As uniões de alimentação (1).
- Os tubos de entrada e saída do permutador térmico ar/ar (3).
- A linha de escape (ao nível do tubo flexível).
Desligar o conector (2).
Elevar o motor com um macaco de oficina equipado com um calço.
Desmontar os suportes dos motores (4) e (5).

B1BP2N0C

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO C3. 8HY – 8HV (GAMA ZAMMAR A


C3).

77
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HY – 8HV

Controlo.

Rodar para accionar o motor (sentido normal de rotação).


Imobilizar o volante do motor em «a», ferramenta [1].
Afastar o ramal (6).

Desmontar:

- O suporte do motor (7).

- O parafuso (8).

- A poli (9).

- O cárter de distribuição inferior (10).

- O cárter de distribuição superior (11).

- A ferramenta [1].

B1BP2N1C B1BP2N2C

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO C3. 8HY–8HV (GAMA ZAMMAR A C3).

78
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HY – 8HV
Controlo (Continuação).

Montar o parafuso (8).


Rodar a cambota seis voltas (para a direita).

IMPERATIVO: Nunca voltar para trás.

Puncionar:
- A árvore de cames, ferramenta [2]. (Olear os punções)
- A poli da bomba de alta pressão do combustível (14), ferramenta [3] em
«c».

ATENÇÃO: A banda magnética não deve apresentar nenhum indício de


danos e não deve ser aproximada de nenhuma fonte magnética.

Puncionar a cambota em «b», ferramenta [3].

IMPERATIVO: No caso de ser impossível puncionar a árvore de cames,


controlar se a desafinação entre o orifício do carreto da árvore de cames
e o orifício de punção não é superior a 1 mm.
Caso contrário reiniciar a operação de instalação da correia de
distribuição. (Ver operação correspondente).

B1EP18YD

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO C3. 8HY – 8HV (GAMA ZAMMAR A


C3).

79
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HY – 8HV
Controlo (Continuação).
NOTA: O índice «e» do tensor dinâmico do rolete deve estar centrado no intervalo «d».
Verificar o correcto posicionamento do índice «e».
Caso contrário, reiniciar a operação de tensão da correia de distribuição. (ver operação correspondente).

Montagem.

Montar a ferramenta [1] em «a».


Desmontar o parafuso (8).
Montar:
- O cárter de distribuição superior (11).
- O cárter de distribuição inferior (10).
- A poli do acessório (9).
- O parafuso (8).
Binário de aperto:
- Parafuso (8):
Pré apertar a : 3 ± 0,3 m.daN.
Aperto angular de : 180° ± 5°.
Desmontar a ferramenta [1].

B1EP18ZC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO C3. 8HY – 8HV (GAMA ZAMMAR A


C3).

80
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HY – 8HV
Controlo (Continuação).

Montar:
- O suporte do motor (7), apertar a 1,5 ± 0,4 m.daN.
- O suporte do motor (4), apertar a 6,1 ± 0,6 m.daN.
- O suporte do motor (5), apertar a 6 ± 0,6 m.daN.
- O ramal eléctrico (6).

Acoplar:
- A linha de escape, apertar a braçadeira a : 2,5 ± 0,3 m daN
- As uniões de alimentação do combustível (1).
- Os tubos de entrada e de saída do permutador térmico ar/ar (3).
Ligar o conector (2).

Montar:
- A correia de acessórios (Ver operação correspondente).
- O resguardo de lama dianteiro direito. (Ver operação correspondente).

A roda dianteira direita, apertar a 9 ± 1 m.dan.

Ligar novamente a bateria.

B1BP2N0C

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO C3. 8HY – 8HV (GAMA ZAMMAR A).

81
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HY – 8HV
Afinação da distribuição.

Efectuar as operações preliminares do controlo da distribuição até à desmontagem da


ferramenta [1] em «a» da imobilização do volante do motor.

Montar o parafuso (8).


Rodar a cambota para deslocar a árvore de cames até ao ponto de punção.
Puncionar a árvore de cames, ferramenta [2]. (Olear os punções).

ATENÇÃO: Não apoiar nem danificar a pista do alvo do captador de regime do


motor (14).

Puncionar a cambota em «b», ferramenta [3].


Desmontar:
- A protecção da distribuição (13).
- O captador de regime do motor (14).
Desapertar o parafuso (12) do rolete tensor, retendo a sua mola utilizando uma chave
sextavada interior em «c».
Aliviar a correia fazendo pivotar o rolete tensor. (para a direita).
Desmontar a correia de distribuição, começando pelo carreto da bomba de água.
Puncionar a poli (15), utilizando um punção de diâmetro 5 mm em «d».

B1EP18VD

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO C3. 8HY – 8HV (GAMA ZAMMAR A


C3).

82
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HY – 8HV
Afinação da distribuição (continuação).

Controlo da afinação.

IMPERATIVO: Imediatamente antes da montagem, proceder aos seguintes


controlos:

Verificar:
- Se os roletes e a bomba de água rodam livremente
(sem folga e ausência de pontos duros).
- Ausência de vestígios de óleo (retentores da cambota e da árvore de cames).
- Ausência de fuga de líquido de arrefecimento (bomba de água).
- Se a pista do alvo do captador de regime do motor (14) está danificada ou
riscada.
(Se necessário, substituir as peças defeituosas).

Montagem
Montar a correia de distribuição no carreto da cambota.
Instalar a correia no rolete enrolador, correia bem esticada.

Montar:
- A protecção da distribuição (13).
- O captador (14).
B1EP18WD

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO C3. 8HY – 8HV (GAMA ZAMMAR A


C3).

83
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HY – 8HV
Afinação da distribuição (continuação).

Controlo.(continuação).

Instalar a correia de distribuição, lado «e» bem esticado, pela ordem seguinte:
- Rolete enrolador (17).
- Poli da árvore de cames (16).
- Poli da bomba de alta pressão do combustível (15).
- Carreto da bomba de água (18).
- Rolete tensor (19).
Desmontar o punção de diâmetro 5 mm em «d».
Regulação da tensão de montagem da correia.
Agir sobre o rolete tensor (19) para alinhar as referências «f» e «g» evitando aliviar a correia de
distribuição, utilizando uma chave sextavada interior, em «c».
Caso contrário, reiniciar a operação de tensão da correia.
Manter o rolete tensor (19).
Apertar a porca do rolete tensor, aperto a 3,7 ± 0,3 m.daN.
Controlar a posição do rolete tensor (o alinhamento das referências «f» e «g» deve estar correcto)
Desmontar as ferramentas [2] e [3].
Rodar a cambota seis voltas (para a direita).

B1EP18XC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO C3. 8HY – 8HV (GAMA ZAMMAR A


C3).

84
CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO
Motores: 8HY – 8HV
Regulação da tensão da correia de distribuição.(Continuação)

IMPERATIVO: Nunca voltar atrás.

ATENÇÃO: Nunca danificar nem exercer pressão sobre a pista do alvo do captador de regime do
motor (14).

Puncionar a cambota, ferramenta [3].


Controlar a posição do rolete tensor (o alinhamento das referências «f» e «g» deve estar correcto)
Caso contrário, reiniciar a operação de tensão da correia.
Puncionar a poli da árvore de cames, ferramenta [2].

IMPERATIVO: No caso de ser impossível puncionar a árvore de cames, controlar se a


desafinação entre o orifício do carreto da árvore de cames e o orifício de punção não é superior a
1 mm. Caso o valor não seja o correcto, reiniciar a operação.

Remover os punções [2] e [3].


Montar a ferramenta [1] em «a».
Desmontar o parafuso (8).

Terminar a montagem.

B1EP18XC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO C3. 8HY – 8HV (GAMA ZAMMAR A


C3).

85
PONTOS ESPECÍFICOS: SUSPENSÃO DO GRUPO MOTOPROPULSOR
Motores: HFX – KFV -NFU

Binários de aperto m.daN.

Suporte direito do motor.

(1) : 4,5 ± 0,4


(2) : 6,1 ± 0,6
(3) : 4,5 ± 0,4

Tirante anti-binário.

(4) : 6 ± 0,6
(5) : 6 ± 0,6

Suporte direito do motor

(6) : 3 ± 0,3
(7) : 6 ± 0,6
(8) : 5,5 ± 0,5

B1BP2NEP

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: SUSPENSÃO DO GRUPO MOTOPROPULSOR C3HFX – KFV -


NFU (GAMA BACOU.O).

86
PONTOS ESPECÍFICOS: SUSPENSÃO DO GRUPO MOTOPROPULSOR
Motores: 8HX – 8HW

Binários de aperto m.daN.

Suporte direito do motor.

(1) : 4,5 ± 0,4


(2) : 3 ± 0,3

Tirante anti-binário.

(3) : 6 ± 0,6
(4) : 6 ± 0,6

Suporte direito do motor

(5) : 5,4 ± 0,5


(6) : 6 ± 0,6
(7) : 5,5 ± 0,5

B1BP2LJP

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: SUSPENSÃO DO GRUPO MOTOPROPULSOR C38HX – 8HW


(GAMA SCHLOMKA.JF C3).

87
PONTOS ESPECÍFICOS: SUSPENSÃO DO GRUPO MOTOPROPULSOR
Motores: 8HY – 8HV

Binários de aperto m.daN.

Suporte direito do motor.


(1) Parafuso : 6 ± 0,6
(2) Parafuso : 6 ± 0,6

Suporte do motor inferior direito.


(3) Parafuso : 5,7 ± 0,9

Tirante anti-binário.
(4) Parafuso : 6 ± 0,6
(5) Parafuso : 6 ± 0,6

Suporte do motor inferior esquerdo.


(6) Parafuso : 5,4 ± 0,5

Suporte do motor superior esquerdo.


(7) Parafuso : 6 ± 0,6
(8) Parafuso : 5,5 ± 0,5

B1BP2MNP

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: SUSPENSÃO DO GRUPO MOTOPROPULSOR C3.8HV-8HY


(GAMA ZAMMAR.A C3).

88
CARACTERÍSTICAS DO ESCAPE
Motores: HFX – KFV - NFU

(1) (3) (5)


(2) (4)
Sonda de oxigénio a Sonda de oxigénio a Silenciador
Motorizações Catalisador Silenciador dianteiro
montante jusante traseiro
Aperto (m.daN) Aperto (m.daN)
HFX TR PSA K179 PSA 4173
KFV 4,7 ± 0,5 TR PSA K208 4,7 ± 0,5 PSA 4175 PSA 4174
NFU TR PSA K181 PSA 4176
B1JP03TD

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO ESCAPE C3 HFX -KFV-NFU(GAMAS BACOU.O).

89
CARACTERÍSTICAS DO ESCAPE
Motores: 8HX – 8HW

Reparação
Respeitar as precauções durante uma
intervenção no veículo.
O tubo flexível não deve entrar em contacto
com produtos corrosivos. Não dobrar o tubo
flexível com um ângulo superior a 20° (X),
20mm axial, 25 mm ao corte (Y) (Tubo flexível
instalado).
Não dobrar o tubo flexível com um ângulo
superior a 3° (X), 0 mm axialmente, 3 mm ao
corte (Y), (Tubo flexível instalado).

ATENÇÃO: O desrespeito por estas


precauções leva a uma diminuição do tempo de
vida útil do tubo flexível, o desligamento ou a
desmontagem da linha de escape é necessário
para todas as operações que obriguem à
elevação do Grupo Moto propulsor.

(1) (2) (3) (4)


Motorizações Catalisador Braçadeira Tubo intermédio Silenciador traseiro
Aperto 2,5 ± 0,3 Aperto 1,5 ± 0,1
8HX – 8HW TR PSA K213 PSA 4177

B1JP03PD B1JP02JC

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO ESCAPE C3 8HX-8HW(GAMAS SCHLOMKA.JF)

90
CARACTERÍSTICAS DO ESCAPE
Motores: 8HY – 8HV

«a»: Zona de corte (Marcada pelo picotado). Tubo flexível

Reparação
Respeitar as precauções durante uma
intervenção no veículo.
O tubo flexível não deve entrar em contacto
com produtos corrosivos. Não dobrar o tubo
flexível com um ângulo superior a 20° (X),
20mm axial, 25 mm ao corte (Y) (Tubo flexível
instalado).
Não dobrar o tubo flexível com um ângulo
superior a 3° (X), 0 mm axialmente, 3 mm ao
corte (Y), (Tubo flexível instalado).

ATENÇÃO: O desrespeito por estas


precauções leva a uma diminuição do tempo de
vida útil do tubo flexível, o desligamento ou a
desmontagem da linha de escape é necessário
para todas as operações que obriguem à
elevação do Grupo Moto propulsor.

(1) (2) (3) (4)


Motorizações Catalisador Tubo intermédio Silenciador traseiro Braçadeira
Aperto 2,5 ± 0,3 Aperto 2,5 ± 0,3
8HY–8HV TR PSA K 213 PSA 4177-PSA 4179
B1JP03ND B1JP02JC

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO ESCAPE C3 8HY-8HV (GAMAS ZAMMAR.A).

91
CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO
Motores: HFX – KFV – NFU

1.1i 1.4i. 1.6i 16V

Placa do motor HFX KFV NFU


Capacidade 7
Superfície do radiador 12 e 16 dm³
Pressurização 1,4 bars
Abertura do regulador
89°C/101°C
termostático
Moto Ventilador 100W (Sem refrigeração) 300W (Com refrigeração)
1ª velocidade
2ª velocidade
Alerta 118°C
Pós-arrefecimento Gerido pelo calculador

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO C3 HFX–KFV–NFU


(GAMA BACOU C3).

92
CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO
Motores: HFX – KFV – NFU
Caixa de velocidades manual

(1) Caixa de desgasificação.


(2) Bomba de água.
(3) Caixa do aérotermo.
(4) Parafuso de purga, caixa do termóstato.
(5) Caixa de saída da água (BSE)
(6) Parafuso de purga, Caixa de saída da água.
(7) Regulador termostático.
(8) Radiador de arrefecimento.
(9) Permutador térmico (para caixa automática).

Termistância.

Cor do conector : Azul.


Cor do casquilho : Amarelo.
Binário de aperto : 1,7 ± 0,2 m.daN.

B1GP09HP

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO C3 HFX–KFV–NFU


(GAMA BACOU C3).

93
CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO
Motores: HFX – KFV – NFU
Caixa de velocidades automática

(1) Caixa de desgasificação.


(2) Bomba de água.
(3) Caixa do aérotermo.
(4) Parafuso de purga, caixa do aérotermo.
(5) Caixa de saída da água (BSE)
(6) Parafuso de purga, caixa de saída da água.
(7) Regulador termostático.
(8) Radiador de arrefecimento.
(9) Permutador térmico (para caixa automática).

Termistância.

Cor conector : Azul.


Cor do casquilho : Amarelo.
Binário de aperto : 1,7 ± 0,2 m.daN.

B1GP09JP

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO C3 HFX–KFV–NFU


(GAMA BACOU C3).

94
CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO
Motores: 8HX – 8HW – 8HY – 8HV

1.4 HDi 1.4 HDi 16V

Placa do motor 8HX 8HW 8HY 8HV


Capacidade 5,7 Litros 5,6 Litros
Superfície do radiador 16 dm³
Pressurização 1,4 bar
Abertura do regulador
83°C
termostático
Moto Ventilador 1x300W
1ª velocidade 97°C
2ª velocidade
Corte de refrigeração 115°C
Alerta 118°C
Pós-arrefecimento 105°C 6 minutos

Termistância: Binário de aperto 1,7 ± 0,4 m.daN.

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO C3 8HX–8HW–8HY-8HV


(GAMA SCHLOMKA.JF C3).

95
CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO
Motores: 8HX – 8HW

(1) Parafuso de purga (com ou sem ar condicionado)

B1GP09MP

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO C3 8HX – 8HW(GAMA


SCHLOMKA.JF C3).

96
CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO
Motores: 8HY – 8HV

(1) Caixa de desgasificação.

(2) Parafuso de purga.

(3) Termistância.

B1GP09QP

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ARREFECIMENTO C3 8HY–8HV(GAMA


ZAMMAR.A C3).

97
FILTROS DE ÓLEO

Gasolina
TU
1 3 5
JP JP4

1.1i 1.4i 1.6i 16V

HFX KFV NFU


FILTRAUTO X X X

Diesel
DV
4
TD TED4

1.4 HDi 1.4 HDi 16V

8HX 8HW 8HV 8HY


MALHEX X X X X

OBSERVAÇÕES: FILTROS DE ÓLEO C3 (BOURGUELLE)

98
CONTROLO DA PRESSÃO DO ÓLEO
Motores Gasolina

1.1i 1.4i 1.6i 16V

Placa do motor HFX KFV NFU


Temperatura (°C) 90°C
Pressão (Bars) 3
Número rpm 2000
Motores Diesel
1.4 HDi 1.4 HDi 16V

Placa do motor 8HX – 8HW 8HV – 8HY


Temperatura (°C) 90°C
Pressão (Bars) >1,3
Número rpm 1000

Ferramentas:
Manómetro : 2279-T.Bis Caixa 4103-T.
Tubo flexível
União para tomada da pressão do óleo do motor (motor TU) : 7001-T Caixa 4103-T.
União para tomada da pressão do óleo (motor DV) : 9780-80-T
NOTA: Aperto do mano contacto de pressão do óleo 2 ± 0,2. (Junta nova).

IMPERATIVO: Respeitar as instruções de segurança e de limpeza.

OBSERVAÇÕES: CONTROLO DA PRESSÃO DE ÓLEO C3

99
FOLGAS NAS VÁLVULAS
As folgas nas válvulas devem ser controladas com o motor frio MÉTODOS POSSÍVEIS
Em motores de 4 cilindros em linha (1-3-4-2 )
Báscula Abertura total (Ech)
z Admissão ⊗ Escape
z Abertura
HFX – KFV 0,20 mm ± 0,05 0,40 mm ± 0,05 Báscula Afinar Admissão total da Afinar
válvula
1z ⊗1 4z ⊗4 ⊗ ⊗ 1 3z ⊗4
NFU 1 mm ± 0,05 1 mm ± 0,05
3z ⊗3 2z ⊗2 Escape ⊗ 3 4z ⊗2
8HX-8HW-8HY- 4z ⊗4 1z ⊗1 ⊗ 4 2z ⊗1
Recuperação hidráulica
8HV 2z ⊗2 3z ⊗3 ⊗ 2 1z ⊗3

O controlo da folga (J) é efectuado


em oposição com a came em todos
os motores que não têm recuperação
hidráulica.

B1DP13QC

OBSERVAÇÕES: FOLGAS NAS VÁLVULAS C3

100
ENCHIMENTO E PURGA DO CIRCUITO DE ÁGUA
Ferramentas
[1] Cilindro de carga : 4520-T
[2] Adaptador para cilindro de carga : 4222-T.

IMPERATIVO: Respeitar as instruções de segurança e de limpeza.

- As operações de esvaziamento e de enchimento podem ser efectuadas utilizando um aparelho de substituição do


líquido de arrefecimento WINN’S ou semelhante; utilizar imperativamente o método de utilização do
aparelho.
Enchimento e purga
- Montar o adaptador para cilindros [2] 4222-T e o cilindro de carga [1]. 4520-T.
- Utilizar o líquido de arrefecimento para assegurar uma protecção de - 15°C a - 37°C.
- Encher lentamente.
NOTA: Manter o cilindro de carga cheio (nível visível).
- Apertar todos os parafusos de purga assim que o líquido começar a escorrer sem bolhas de ar.
- Arrancar o motor: Regime do motor 1500 rpm.
- Manter este regime até ao primeiro ciclo de arrefecimento
(Accionamento e paragem dos moto ventiladores).
- Parar o motor e esperar que arrefeça.
- Desmontar o cilindro de carga [1]. 4520 e o adaptador [2] 4222-T.
- Encher o nível a frio até ao máx.
- Voltar a colocar o tampão.

B1GP00AC E5AP1GNC

OBSERVAÇÕES: ENCHIMENTO E PURGA DO CIRCUITO DE ÁGUA C3

101
RALENTI - ANTIPOLUIÇÃO
Regime ralenti
Tipo Norma % Teor
Marca (± 50 rpm)
Veículo regulamentar de
Tipo de injecção CVA: N
do motor despoluição CVM velocidade CO CO2
engrenada

L4
MAGNETTI MARELLI
1.1 i HFX
48P
IF/L5

L4
C3 1.4 i KFW SAGEM S2000 850 < 0,5 >9
IF/L5

BOSCH
1.6 i 16V NFU L4
M 7.4.4.

OBSERVAÇÕES: RALENTI – ANTIPOLUIÇÃO C3 (ZAMMAR.A).

102
INJECÇÃO DE GASOLINA
C3

1.1i 1.4i 1.6i 16 V

Tipo regulamentar do motor HFX KFW NFU


Norma de despoluição L4 / IFL5 L4 L4
Marca Tipo de injecção M. MARELLI 48P2 SAGEM S2000 BOSCH M.7.4.4.
Pressão da gasolina (bars) 3,5 3,5 3,5
Corte de sobre regime (rpm)
Regime de retoma (rpm) 5500 5500 5500
Resistência dos injectores
14,5 14,5 14,5
(ohms)
Resistência da sonda de
3 800 a 10°C 2500 a 20° C 800 a 50°C 230 a 90° C
temperatura da água (ohms)
Resistência E.V. de ralenti ou
Motor passo a passo: 53
motor passo a passo (ohms)
Resistência da sonda de
3 800 a 10°C 2500 a 20° C 800 a 50°C 230 a 90° C
temperatura do ar (ohms)

OBSERVAÇÕES: INJECÇÃO DE GASOLINA C3.(ZAMMAR.A)

103
NORMAS DE DESPOLUIÇÃO
DESIGNAÇÃO DA NORMA APLICAÇÕES OBSERVAÇÕES PARTICULARIDADE
S
PSA
C.E.E. Motores Veículos Validade
APV PR
Directiva de Bruxelas 83/351
Veículos particulares:
→ 06/89 → Excepto derrogações
> 2 litros
→ 06/92 específicas para certos veículos
• novas cil. < 2 litros
→ 12/92 particulares cilindrada > 2
• cil. existentes < 2 litros
litros
ECE K 15.04 Gasolina Com sonda de oxigénio
R 15.04 K’ 15.04 Diesel → Limites veículos utilitários Sem panela catalítica
= limites veículos particulares
Veículos utilitários: → 10/89 aumentados em 25 %
Todos os Tipos em curso → Para veículos particulares e
veículos utilitários Grand
Export
Veículos particulares: Directiva de Bruxelas 88/76
ECE > 2 litros 01/10/88 → «Acordos do Luxemburgo»
W vp 15.05 Gasolina
R 15.05 • novos modelos 01/10/89 → → Substituído por 89/458 +
• modelos existentes 91/441

OBSERVAÇÕES: NORMAS DE DESPOLUIÇÃO C3.(ZAMMAR.A)

104
NORMAS DE DESPOLUIÇÃO
PARTICULARIDADE
DESIGNAÇÃO DA NORMA APLICAÇÕES OBSERVAÇÕES
S
PSA
C.E.E. Motores Veículos Validade
APV PR
Directiva de Bruxelas 88/76 e
88/436
Veículos utilitários: → Limites veículos utilitários
01/10/88 →
ECE Gasolina Todos os Tipos = limites veículos particulares
W vu 15.05 01/10/89 →
R 15.05 Diesel • novos modelos da directiva de Bruxelas
→ 10/94
• modelos existentes 88/436
7 classes de limites em função
da inércia do veículo
Veículos particulares:
• certos países da Europa Com sonda de oxigénio
Gasolina
US 83 Z US 83 fora da UE Em vigor → Retoma da norma U.S. e panela catalítica para
Diesel
• certos países de gasolina
Exportação

OBSERVAÇÕES: NORMAS DE DESPOLUIÇÃO C3.(ZAMMAR.A)

105
NORMAS DE DESPOLUIÇÃO
PARTICULARIDADE
DESIGNAÇÃO DA NORMA APLICAÇÕES OBSERVAÇÕES
S
PSA
C.E.E. Motores Veículos Validade
APV PR
Veículos particulares:
• certos países da Europa
Com panela catalítica
US 87 Y US 87 Diesel fora da UE Em vigor → Retoma da norma U.S.
e EGR
• certos países de
Exportação
Veículos particulares:
Gasolina
US 93 Y2 US 93 • certos países de Em vigor → Retoma da norma U.S.
Diesel
Exportação
Veículos utilitários:
• certos países da Europa
US 84 Gasolina → Retoma da norma U.S.
X1 US 84 fora da UE Em vigor
LDT Diesel veículos utilitários ligeiros
• certos países de
Exportação
Veículos utilitários:
• certos países da Europa
US 87 Gasolina → Retoma da norma U.S.
X2 US 87 fora da UE Em vigor
LDT Diesel veículos utilitários ligeiros
• certos países de
Exportação

OBSERVAÇÕES: NORMAS DE DESPOLUIÇÃO C3.(ZAMMAR.A)

106
NORMAS DE DESPOLUIÇÃO
PARTICULARIDADE
DESIGNAÇÃO DA NORMA APLICAÇÕES OBSERVAÇÕES
S
PSA
C.E.E. Motores Veículos Validade
APV PR
Veículos particulares:
• certos países da Europa
US 90 Gasolina → Retoma da norma U.S.
X3 US 90 fora da UE Em vigor
LDT Diesel veículos utilitários ligeiros
• certos países de
Exportação
EURO 1 Veículos particulares: Directiva de Bruxelas 89/458
07/92 →
CEE Gasolina < 1,4 litros
L1 → 01/07/93
(EURO 19.5 Diesel • novos modelos → Alternativa possível ao
→ 31/12/94
93) • modelos existentes nível L de 1992 a 1994
Veículos particulares: Todos
Com sonda de oxigénio
EURO 1 os tipos 07/92 →
e panela catalítica para
CEE Gasolina • novos modelos 01/93 → Directiva de Bruxelas 93/59
L gasolina
(EURO 19.5 Diesel • modelos existentes → 01/96 (91/441)
Com panela catalítica e
93) • novos modelos → 01/97 EGR para diesel
• modelos existentes

OBSERVAÇÕES: NORMAS DE DESPOLUIÇÃO C3.(ZAMMAR.A)

107
NORMAS DE DESPOLUIÇÃO
PARTICULARIDADE
DESIGNAÇÃO DA NORMA APLICAÇÕES OBSERVAÇÕES
S
PSA
C.E.E. Motores Veículos Validade
APV PR
Veículos utilitários:
< 3,5 toneladas
• novos modelos 01/10/93 → Directiva de Bruxelas 93/59
EURO 1 • modelos existentes 01/10/94 → → 3 classes consoante a inércia
Com sonda de oxigénio
CEE Gasolina Classe 1: → 01/97 dos veículos:
W2 e panela catalítica para
(EURO W2 Diesel • novos modelos → 10/97 Classe 1 < 1250 kg
gasolina
93) • modelos existentes → 01/98 Classe 2: 1250/1700 kg
Classe 2/3: → 10/98 Classe 3 > 1700 kg
• novos modelos
• modelos existentes

Veículos particulares: Com sonda de oxigénio


EURO 2 < 6 lugares e Directiva de Bruxelas 94/12 e panela catalítica
Gasolina < 2,5 toneladas 01/96 →
L3 CEE 95 reforçada para gasolina
(EURO Diesel
• novos modelos 01/97 →
→ Nível EURO 1 rigoroso Com panela catalítica e
96)
• modelos existentes EGR para diesel

OBSERVAÇÕES: NORMAS DE DESPOLUIÇÃO C3.(ZAMMAR.A)

108
NORMAS DE DESPOLUIÇÃO
PARTICULARIDADE
DESIGNAÇÃO DA NORMA APLICAÇÕES OBSERVAÇÕES
S
PSA
C.E.E. Motores Veículos Validade
APV PR
Veículos utilitários:
< 3,5 toneladas Directiva de Bruxelas 96/69
Com sonda de oxigénio
Classe 1: 01/97 → → 3 classes consoante a inércia
EURO 2 Gasolina e panela catalítica
• novos modelos 10/97 → dos veículos:
W3 CEE 95 Diesel reforçada para gasolina
• modelos existentes 01/98 → Classe 1 < 1250 kg
(EURO 96) Gás Com panela catalítica e
Classe 2/3: 10/98 → Classe 2: 1250/1700 kg
EGR para diesel
• novos modelos Classe 3: 1700 kg
• modelos existentes
Com 2 sondas de
Directiva de Bruxelas 98/69 oxigénio e panela
EURO 3 Veículos particulares:
Gasolina catalítica para gasolina.
CEE Todos os tipos → 01/2000
L4 Diesel → Nível EURO 2 (L3) Com panela catalítica e
(EURO 2000 • novos modelos → 01/2001
Gás rigoroso EGR para diesel .Com
2000) • modelos existentes
→ Incitações fiscais sistema de diagnóstico
de bordo EOBD

OBSERVAÇÕES: NORMAS DE DESPOLUIÇÃO C3.(ZAMMAR.A)

109
NORMAS DE DESPOLUIÇÃO
PARTICULARIDADE
DESIGNAÇÃO DA NORMA APLICAÇÕES OBSERVAÇÕES
S
PSA
C.E.E. Motores Veículos Validade
APV PR
Directiva de Bruxelas 98/69 Com 2 sondas de
Veículos utilitários:
< 3,5 toneladas → Nível EURO 2 (L3) oxigénio e panela
rigoroso catalítica para gasolina.
EURO 3 Classe 1: → 01/2000
Gasolina
• novos modelos → Incitações fiscais Com panela catalítica e
→ 01/2001
W3 Diesel → 3 classes consoante a inércia EGR para diesel .
(EURO • modelos existentes → 01/2001
Gás dos veículos:
2000) Classe 2/3: →01/2002
Classe 1 < 1305 kg Com sistema de
• novos modelos diagnóstico de bordo
Classe 2: 1305/1760 kg
• modelos existentes EOBD
Classe 3: 1760 kg
Veículos particulares: Directivas de Bruxelas: 99/102 Com 2 sondas de
Todos os tipos oxigénio e panela
→ 01/2005 catalítica para gasolina.
EURO 4 IF / L5 Gasolina • novos modelos → Nível EURO 3 (L4)
→ 01/2006 Com sistema de
• modelos existentes rigoroso
diagnóstico de bordo
→ Incitações fiscais EOBD

OBSERVAÇÕES: NORMAS DE DESPOLUIÇÃO C3.(ZAMMAR.A)

110
NORMAS DE DESPOLUIÇÃO
PARTICULARIDADE
DESIGNAÇÃO DA NORMA APLICAÇÕES OBSERVAÇÕES
S
PSA
C.E.E. Motores Veículos Validade
APV PR
Com 2 sondas de
Veículos particulares: Directivas de Bruxelas: 2001/1 oxigénio e panela
Gasolina Todos os tipos → 01/2005 → Nível EURO 3 (L4) catalítica para gasolina.
EURO 4 IF / L5 Diesel
• novos modelos → 01/2006 rigoroso Com sistema de
Gás
• modelos existentes → Incitações fiscais diagnóstico de bordo
EOBD
Directivas de Bruxelas: 99/102
Veículos utilitários: e 2001/1 (Gás)
< 3,5 toneladas → Nível EURO 3 (L4) Com 2 sondas de
Classe 1: → 01/2005 rigoroso oxigénio e panela
Gasolina • novos modelos → 01/2006 → Incitações fiscais catalítica para gasolina.
EURO 4 IF / L5
Gás • modelos existentes → 01/2006 → 3 classes consoante a inércia Com sistema de
Classe 2/3: → 01/2007 dos veículos: diagnóstico de bordo
• novos modelos Classe 1 < 1305 kg EOBD
• modelos existentes Classe 2: 1305/1760 kg
Classe 3: 1760 kg

OBSERVAÇÕES: NORMAS DE DESPOLUIÇÃO C3.(ZAMMAR.A)

111
OPERAÇÕES INTERDITAS: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI SIEMENS
Motores: 8HX – 8HW

Limpeza.
- É proibida a utilização de um sistema de limpeza de "alta pressão".

Circuito de alimentação de combustível.

- Combustível preconizado: gasóleo.

Circuito eléctrico.

- A troca de um calculador de injecção entre dois veículos impossibilita o arranque dos motores de
ambos os veículos.
- É interdito alimentar um ou os injectores em 12 volts.

Bomba de alta pressão de combustível.

Não separar a bomba de alta pressão de combustível (1), dos seguintes elementos:
- Retentor «a» (Sem peças de substituição).
- União de saída de alta pressão «b» (Problema de funcionamento).

PS: HDI = Alta pressão injecção diesel

B1HP1K9C

OBSERVAÇÕES: OPERAÇÕES INTERDITAS: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI SIEMENS C3


8HX-8HW (GAMA SCHLOMKA.JF).

112
OPERAÇÕES INTERDITAS: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI SIEMENS
Motores: 8HX – 8HW

Injectores diesel.

ATENÇÃO: São proibidas as limpezas com gasóleo e ultra sons.

Não separar o porta -injector diesel (2), dos seguintes elementos:


Injector diesel «f» (Sem peças de substituição).

Elemento electromagnético «c» (Sem peças de substituição).

Não manobrar a porca «d» (Problema de funcionamento).

Não separar a união «e» de um injector diesel.

É interdita a limpeza da calamina na extremidade do injector diesel.

B1HP1KAC B1HP1KBC

OBSERVAÇÕES: OPERAÇÕES INTERDITAS: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI SIEMENS C3


8HX-8HW (GAMA SCHLOMKA.JF).

113
OPERAÇÕES INTERDITAS: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI
Motores: 8HY – 8HV

Limpeza.
- É proibida a utilização de um sistema de limpeza de "alta pressão".

Circuito de alimentação de combustível.

Combustível preconizado: gasóleo.

Circuito eléctrico.

- A troca de um calculador de injecção entre dois veículos impossibilita o arranque dos motores de ambos
os veículos.
- É interdito alimentar um ou os injectores em 12 volts.

Bomba de alta pressão de combustível.

Não separar a bomba de alta pressão de combustível (1), dos seguintes elementos:
- Retentor «a» (Sem peças de substituição).
- União de saída de alta pressão «b» (Problema de funcionamento).

PS: HDI = Alta pressão injecção diesel

B1HP1J6C

OBSERVAÇÕES: OPERAÇÕES INTERDITAS: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI C3 8HY-


8HV (GAMA ZAMMAR.A).

114
OPERAÇÕES INTERDITAS: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI
Motores: 8HY – 8HV

Rampa de injecção comum de alta pressão de combustível.

Não separar o regulador de pressão «c» da rampa de injecção


comum (2) (Problema de funcionamento).

Injectores diesel.

ATENÇÃO: São proibidas as limpezas com gasóleo e ultra sons.

Não separar o porta - injector diesel (3) dos seguintes elementos:

- Injector diesel «e». (Sem peças de substituição).

- Elemento electromagnético «d». (Sem peças de substituição).

- É interdita a limpeza da calamina na extremidade do injector.

B1HP1J8C B1HP1J7C

OBSERVAÇÕES: OPERAÇÕES INTERDITAS: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI C3 8HY-


8HV (GAMA ZAMMAR.A).

115
INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI
Motores: 8HX – 8HW – 8HY – 8HV
INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA
Preâmbulo.
Todas as intervenções no sistema de injecção devem ser realizadas em conformidade com as seguintes prescrições e regulamentações:
- Autoridades competentes em termos de saúde.
- Prevenção dos acidentes.
- Protecção do ambiente.
ATENÇÃO: As intervenções devem ser realizadas por pessoal especializado, que esteja a par das instruções de segurança e das precauções a tomar.

Instruções de segurança.
IMPERATIVO: Tendo em conta as pressões muito elevadas no circuito de alta pressão de combustível (1350 bars), devem ser respeitadas as
seguintes instruções:
- É proibido fumar nas proximidades imediatas do circuito de alta pressão, durante uma intervenção.
- Evitar trabalhar nas proximidades de chamas ou faíscas.
Motor em funcionamento:
- Não realizar qualquer intervenção no circuito de alta pressão de combustível.
- Permanecer sempre fora do alcance de um eventual jacto de combustível, que poderá causar queimaduras graves.
- Não aproximar as mãos de uma fuga no circuito de alta pressão de combustível.
- Após a paragem do motor, aguardar 30 segundos antes de realizar qualquer intervenção.
NOTA: O tempo de espera é necessário para permitir o retorno à pressão atmosférica do circuito de alta pressão de combustível.

OBSERVAÇÕES: INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI C3


8HX – 8HW – 8HY – 8HV

116
INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI
Motores: 8HX – 8HW – 8HY – 8HV
INSTRUÇÕES DE LIMPEZA.
Operações preliminares

IMPERATIVO: O operador deve realizar a operação com vestuário limpo.


Antes de efectuar uma intervenção no circuito de injecção, poderá ser necessário proceder à limpeza das uniões dos seguintes elementos sensíveis
(Ver operações correspondentes).
- Filtro de combustível.
- Bomba de alta pressão de combustível.
- Desactivador do terceiro pistão.
- Regulador de alta pressão
- Captador de alta pressão.
- Rampa de injecção comum de alta pressão de combustível.
- Canalizações de alta pressão de combustível.
- Porta Injectores diesel.
IMPERATIVO: Após a desmontagem, obturar imediatamente as uniões dos elementos sensíveis com tampões, para evitar a entrada de impurezas.

Área de trabalho.
- A área de trabalho deve estar limpa e desimpedida.
- As peças em reparação devem ser armazenadas ao abrigo das poeiras.

OBSERVAÇÕES: INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA: SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI


8HX – 8HW – 8HY – 8HV

117
CONTROLO: CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE COMBUSTÍVEL DE BAIXA PRESSÃO
Motores: 8HX-8HW
FERRAMENTAS
[1] União Ø 10 mm para tomada de baixa pressão : 4215-T.
[2] Manómetro de controlo da pressão de sobrealimentação : 4073-T.A Caixa 4073-T

IMPERATIVO: Respeitar as instruções de segurança e de limpeza específicas das motorizações de


alta pressão injecção diesel.

Ligar em derivação as ferramentas [1] e [2] entre a bomba de alta pressão de combustível e o filtro de
combustível.

IMPERATIVO: Certificar-se de que a ferramenta [2] está limpa.

Controlar a depressão de acordo com o quadro abaixo


Depressão Observações
Motor accionado com o motor de
± mmhg
arranque
± mmhg Motor rodando a plena carga
Circuito de alimentação obstruído (crivo
± mmhg do depósito de combustível, canalização,
filtro de combustível).

B1BP2NWC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO: CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE COMBUSTÍVEL DE BAIXA PRESSÃO


8HX-8HW (GAMA SCHLOMKA.JF)

CONTROLO: CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE COMBUSTÍVEL DE BAIXA PRESSÃO

118
Motores: 8HV-8HY
FERRAMENTAS
[1] União Ø 10 mm para tomada de baixa pressão : 4215-T.
[2] Manómetro de controlo da pressão de sobrealimentação : 4073-T.A Caixa 4073-T

IMPERATIVO: Respeitar as instruções de segurança e de limpeza específicas das motorizações de


alta pressão injecção diesel.

Desmontar a manga do filtro do ar.


Ligar em derivação a ferramenta [1] a jusante dos injectores, entre a bomba de alta pressão de
combustível e o filtro de combustível em «a» e «b».

ATENÇÃO: É interdito qualquer controlo de pressão a jusante do filtro de combustível.


Ligar a ignição.

IMPERATIVO: Certificar-se de que a ferramenta [2] está limpa.

Controlar a depressão de acordo com a tabela abaixo


Depressão Observações
Motor accionado com o motor de
10 ± 05 cmhg
arranque
20 ± 20 cmhg Motor rodando a plena carga
Circuito de alimentação obstruído (crivo
60 ± 05 cmhg do depósito de combustível, canalização,
filtro de combustível).

B1BP2PHC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO: CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE COMBUSTÍVEL DE BAIXA PRESSÃO


8HV-8HY (GAMA ZAMMAR.A)

CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE AR

119
Motores: 8HX – 8HW

Distribuidor de admissão de ar integrado superior.

O sistema de admissão integrado superior é constituído pelos seguintes


elementos:

(1) Tampa do filtro do ar.

(2) Cuba do filtro do ar.

(3) Debímetro.

(4) Cotovelo de entrada do turbocompressor.

(5) Ressoador.

(6) Cotovelo de saída do compressor.

B1HP1JMP

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE AR C3 8HX–8HW (GAMA


SCHLOMKA.JF).

120
CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE AR
Motores: 8HX – 8HW

Distribuidor de admissão de ar integrado inferior.

O sistema de admissão integrado inferior é constituído pelos seguintes


elementos:

(7) Tubo superior EGR.

(8).Distribuidor de admissão.

(9) Filtro de gasóleo com aquecedor e detector de água


(consoante o país).

(10) Suporte do filtro de gasóleo.

(11) Recuperador de óleo.

(12) Tampão de enchimento do óleo.

B1HP1JND

OBSERVAÇÕES:CARACTERÍSTICAS: CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE AR C3 8HX-8HW (GAMA


SCHLOMKA.JF).

121
CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE AR
Motores: 8HX – 8HW
Distribuidor de admissão de ar integrado inferior. Distribuidor de admissão de ar integrado superior.

ATENÇÃO: Após cada desmontagem, é necessário substituir as juntas dos elementos desmontados, e lubrificar as juntas novas na altura da
montagem.
Ordem de
Designação m.daN. Designação Marca m.daN
aperto
Parafuso de fixação do recuperador de óleo. 1a8 1 ± 0,1 Parafuso de fixação da cuba do filtro de ar. 13
Parafuso de fixação do suporte do filtro de
9 a 10 1 ± 0,1 Parafuso de fixação da tampa do filtro de ar 14 0,5
gasóleo.
Parafuso de fixação do suporte do filtro de
11 0,5 Parafuso de fixação da manga da entrada de ar 15
gasóleo.
Parafuso do distribuidor de ar integrado. 12 a 13 1 ± 0,1 Parafuso de fixação do ressoador no turbocompressor. 16
Parafuso de fixação do ressoador no recuperador de 0,75
17
óleo
B1HP1JPD B1HP1JQD

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS: CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE AR C3 8HX-8HW (GAMA


SCHLOMKA.JF).

122
CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE AR
Motores: 8HY – 8HV

(1) Conjunto do filtro do ar.

(2) Recuperador de óleo.

(3) Atenuador de ressonância do turbocompressor.

(4) Turbocompressor.

(5) Permutador ar/ar.

(6) Distribuidor de ar.

Filtro de ar : Refª : MARK 4.


Turbocompressor : Refª :RHF 3V.
(Fornecedor: «IHI»)

B1HP1JGP

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE AR C3 8HY–8HV(GAMA


ZAMMAR.A).

123
CONTROLO: CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE AR
Motores: 8HX – 8HW - 8HY – 8HV

Ferramentas

[1] Bomba manual com pressão-depressão FACOM DA 16.

Bomba de vácuo:

Ligar a ferramenta [1] na bomba de vácuo (1).

Colocar o motor em marcha.

Esperar 30 segundos.

O valor de depressão deve ser de 0,9 ± 0,1 bar no regime de ralenti.

B1HP1K8D

OBSERVAÇÕES: CONTROLO: CIRCUITO DE ALIMENTAÇÃO DE AR C3 8HX – 8HW - 8HY–HV (GAMA


SCHLOMKA.JF E ZAMMAR.A).

124
CONTROLO: CIRCUITO DE RECICLAGEM DOS GASES DE ESCAPE
Motores: 8HX-8HW Ferramenta
[1] Bomba manual com pressão-depressão : FACOM DA 16.

IMPERATIVO: Respeitar as instruções de segurança e de limpeza específicas das


motorizações de alta pressão injecção diesel (HDi)
Válvula EGR.
Ligar a ferramenta [1] na tomada da cápsula (1).
Aplicar várias vezes seguidas uma depressão de cerca de 0,6 bar para accionar a haste «a»
Suprimindo bruscamente a depressão, a válvula deve dar um estalido ao fechar-se no respectivo
compartimento.

Electroválvula de regulação (EGR).(Motor 8HX-8HW).


Motores: 8HV-8HY Controlo a efectuar entre a electroválvula (1) e a válvula EGR (2).
Ligar a ferramenta [1] em derivação, entre a electroválvula (1) e a cápsula (2).
Comparar os valores obtidos com os da tabela abaixo.

Electroválvula de regulação (EGR).(Motor 8HV-8HY).


Controlo a efectuar entre a electroválvula (2) e a válvula EGR (1).
Ligar a ferramenta [1] em derivação, entre a electroválvula (2) e a cápsula (1).
Comparar os valores obtidos com os da tabela abaixo.
Regime do motor (rpm) Valor da depressão
780 0,5 Bar
2500 0 Bar
B1HP15GD B1HP1K6D

OBSERVAÇÕES: CONTROLO: CIRCUITO DE RECICLAGEM DOS GASES DE ESCAPE C3 8HX-8HW-


8HV-8HY.(GAMA SCHLOMKA.JF E ZAMMAR.A).

125
CONTROLO: PRESSÃO DE SOBREALIMENTAÇÃO
Motores: 8HX – 8HW
Ferramentas.
[1] Manómetro de controlo da pressão de sobrealimentação : 4073-T.A
[2] Manga para controlo da pressão de sobrealimentação : (-).0171.F
Controlo
IMPERATIVO: Respeitar as seguintes condições de controlo:
- Motor à temperatura de funcionamento.
- Veículo em estado de marcha.
- Motor em plena carga.
Preparação.
Desmontar as braçadeiras (1).
Montar a ferramenta [2] em vez e no local do tubo (2).
Ligar a manga [2] ao manómetro [1] com o tubo «a».
Modo de operação.
Posicionar a ferramenta [1] no veículo.
Ligar o motor.
Engatar a primeira velocidade, e arrancar com o veículo.
Engatar as velocidades até à 3ª mudança.
Desacelerar até atingir um regime de 1000 rpm.
Controlar a pressão: 0,6 ± 0,05 bar (1500 rpm).
Acelerar a fundo em reprise (passagem da 4ª para a 3ª velocidade)
Controlar a pressão: 0,9 ± 0,05 bar (entre 2500 e 3500 rpm).
Desmontar as ferramentas [1], [2] e «a».
Reposicionar o tubo (2) e apertar as braçadeiras (1).

B1BP2NXD C5FP0F5C

OBSERVAÇÕES: CONTROLO: PRESSÃO DE SOBREALIMENTAÇÃO C3 8HX-8HW (GAMA


SCHLOMKA.JF).

126
CONTROLO: PRESSÃO DE SOBREALIMENTAÇÃO
Motores: 8HV – 8HY
Ferramentas.
[1] Manómetro de controlo da pressão de sobrealimentação : 4073-T.A
[2] Manga para controlo da pressão de sobrealimentação :
Controlo
Respeitar as seguintes condições de controlo:
- Motor à temperatura de funcionamento.
- Veículo em estado de marcha.
- Motor em plena carga.
Preparação.
Desmontar as braçadeiras (1).
Montar a ferramenta [2] em vez e no local do tubo (2).
Ligar a manga [2] ao manómetro [1] com o tubo «a».
Modo de operação.
Posicionar a ferramenta [1] no veículo.
Ligar o motor.
Engatar a primeira velocidade, e arrancar com o veículo.
Engatar as velocidades até à 3ª mudança.
Desacelerar até atingir um regime de 1000 rpm.
Controlar a pressão: 0,6 ± 0,05 bar (1500 rpm).
Acelerar a fundo em reprise (passagem da 4ª para a 3ª velocidade)
Controlar a pressão: 0,9 ± 0,05 bar (entre 2500 e 3500 rpm).
Desmontar as ferramentas [1], [2] e «a».
Reposicionar o tubo (3) e apertar as braçadeiras (1).

C5FP0EJC B1BP2NBD

OBSERVAÇÕES: CONTROLO: PRESSÃO DE SOBREALIMENTAÇÃO C3.8HV-8HY(GAMAS


ZAMMAR.A)

127
CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO MULTIPONTO
Sinóptica

(1) Captador de velocidade do veículo.


(2) Panela catalítica.
(3) Sonda de oxigénio a jusante.
(4) Sonda de oxigénio a montante.
(5) Electroválvula de purga do canister.
(6) Depósito do canister.
(7) Bomba de combustível, filtro de combustível, sonda,
regulador de pressão.
(8) Injectores.
(9) Bobina de ignição.
(10) Termo contacto -termistância da água do motor.
(11) Captador da temperatura da água do motor.
(12) Captador da pressão do pedal do acelerador.
(13) Caixa de borboleta.
(14) Captador de grilagem do motor.
(15) Captador do regime do motor.
(16) Captador da pressão do ar de admissão.
(17) Avisador de diagnóstico, calculador do motor.
(18) Calculador da injecção e ignição.

B1HP1K5P

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO MULTIPONTO C3 HFX –KFV -NFU


(GAMA BACOU.O).

128
CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO MULTIPONTO
Circuito do combustível
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
Combustível preconizado Super sem chumbo 95 RON ou 98 RON.
BOSCH
Pressão: 3,5 Bars.
(7) Regulador de pressão MAGNETTI
Fixação: Integrada no conjunto da bomba e sonda de combustível.
MARELLI
KFV
SAGEM
(1.4i)
MAGNETTI HFX Conector 2 vias Preto.
(8) Injector de gasolina
MARELLI (1.1i) Resistência: 14,5 Ohms.
NFU
BOSCH
(1.6i 16V)
EATON Conector 2 vias Castanho.
(5) Electroválvula de purga do canister
SAGEM Implantação à direita da rampa de injecção.
PLASTIC
Depósito de combustível Capacidade: 45 Litros.
OMNIUM
(6) Depósito do canister COUTIER Implantação ao lado do depósito de combustível.
Conjunto bomba, sonda e filtro da Tensão: 12 Volt.- Pressão: 3,5 Bars
(7) BOSCH
gasolina Bomba eléctrica submersa no interior do depósito.

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO MULTIPONTO HFX -KFV-NFU


(GAMA BACOU.O)

129
CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO MULTIPONTO
Circuito de admissão do ar
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
1.1i-1.4i
Captador de pressão do ar de 96.393.814.80 Conector 4 vias Preto.
(16) BOSCH
admissão 1.6i 16V Fixação no distribuidor de admissão do ar.
0261 230 043
Motor passo a passo de regulação do MAGNETI Conector 4 vias Preto
ralenti MARELLI Fixação na caixa de borboleta.
A caixa de borboleta inclui:
Caixa de borboleta SOLEX 1.1i Potenciómetro de borboleta
Motor passo a passo.
Conector 3 vias Preto.
(13) Potenciómetro de borboleta
Fixação na caixa de borboleta.
SIEMENS
Caixa de borboleta motorizada 1.4i Conector 6 vias Preto.
VDO
completa 96 407 962 80 Fixação na caixa de borboleta.
EGAST02
1.6i 16V Conector 6 vias.
Caixa de borboleta BOSCH
0 289 000 259 Fixação no colector de admissão.
Pedal do acelerador com captador
(12) 96 458 515 80 Conector 2 vias.
integrado

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO MULTIPONTO HFX -KFV-NFU


(GAMA BACOU.O).

130
CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO MULTIPONTO
Circuito eléctrico
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
MAGNETI 1.1i
MARELLI MM 48.P2
1.4i
Calculador de injecção e ignição SAGEM
(18) S2000 PM.1 Eprom de tipo ”Flash” (Eprom reprogramável).
1.6i 16V
BOSCH M7.4.4
261 204 707
(10) Termo contacto da água do motor Na cabeça, temperatura de fecho 118°C
SIEMENS Conector 2 vias Preto.
(14) Captador de grilagem do motor Fixação na parte traseira do bloco do motor
BOSCH
IMPERATIVO: Aperto 2 ± 0,5 m.daN
Conector 3 vias Azul.
Captador da temperatura da água do
(11) DAV 96 368 027 Fixação na caixa de saída da água.
motor
Aperto 1,7 ± 0,1 m.daN.
Conector 2 vias Preto.
(15) Captador de regime do motor ELECTRIFIL 96 399 998 Fixação no cárter da embraiagem.
IMPERATIVO: Aperto 0,8 ± 0,25 m.daN.
Conector 3 vias Branco.
(1) Captador de velocidade do veículo EATON PA66-GF 30
Fixação no cárter do diferencial da caixa de velocidades.

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO MULTIPONTO HFX -KFV-NFU


(GAMAS BACOU.O).

131
CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO MULTIPONTO
Circuito da ignição
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
SAGEM RFN 58 LZ
Folga dos eléctrodos: 0,9 mm.
Velas de ignição BOSCH FR 7 DE Aperto 3 m.daN
CHAMPION RC 8 YCL
BBC 2.2
SAGEM NDT
2 526 208
(9) Bobina da ignição Conector 4 vias Cinzento.
BBC 2.2
ELECTRIFIL NDT
C15 43 02
Conector 4 vias Verde.
(4) Sonda de oxigénio a montante Implantação no colector de escape.
Aperto 4,7 ± 0,7 m.daN
BOSCH
Conector 4 vias Azul.
(3) Sonda de oxigénio a jusante Implantação no tubo de escape.
Aperto 4,7 ± 0,7 m.daN

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO MULTIPONTO KFX –KFV -NFU


(GAMA BACOU.O).

132
CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI SIEMENS
Sinóptica

B1HP1JFP

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INJECÇÃO DIRECTA HDI SIEMENS


8HX-8HW (GAMA SCHLOMKA.JF).

133
CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI SIEMENS
Circuito eléctrico
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
1 Calculador de injecção diesel SIEMENS F217718001
2 Captador do regime do motor Binário de Aperto 5 mín. e 10 máx. m.daN-3 vias Preto
ELECTRIFIL
3 Captador da posição A.A.C Regulação do entreferro 1,2 mm-3 vias Cinzento
4 Sonda da T° da água ELTH No BSE
5 Captador de velocidade do veículo
6 Captador da pressão atmosférica. SIEMENS Integrado no calculador do motor.
7 Bateria 12 volts
8 Relés de dupla injecção SIEMENS Integrado no BSM.
9 Avisador de diagnóstico Integrado no quadro de bordo
10 Tomada de diagnóstico centralizada Interior do habitáculo
11 Anti arranque electrónico Integrado no transponder BSI, e calculador do motor.
12 Informações consumo
13 Conta-rotações Integrado no quadro de bordo.
14 Avisador de pré-aquecimento
NAGARES
15 Caixa pré-pós aquecimento
CARTIER
16 Velas de pré-aquecimento NGK
17 Captador do pedal do acelerador

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDi SIEMENS C3 8HX-8HW


(GAMA SCHLOMKA.JF C3).

134
CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI SIEMENS
Circuito do combustível
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
18 Combustível Gasóleo
Captador de alta pressão do
19 No filtro de combustível
combustível
20 Depósito do combustível Capacidade 45 Litros-Composição = polietileno.
21 Filtro de combustível
22 Regulador de baixa pressão
23 Arrefecedor de combustível
24 Aquecedor de combustível Integrado no filtro de gasóleo
Bomba de alta pressão do A bomba de alta pressão do combustível é accionada pela correia
25
combustível de distribuição
Rampa de injecção comum de alta
26
pressão do combustível SIEMENS
27 Injector diesel Injectores diesel com comando Piezo eléctrico
Regulador de alta pressão do
28 Fixado na bomba de alta pressão do combustível
combustível

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDi SIEMENS C3 8HX-8HW


(GAMA SCHLOMKA.JF C3).

135
CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI SIEMENS
Circuito de admissão do ar
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
29 Debímetro de ar 3907 LS.F Siemens no SCE
MECAPLAST
30 Filtro do ar 50557 LP.A Implantado no SAI
31 Turbo compressor KKK Tipo KP35
Válvula de reciclagem dos gases de
32 SAGEM 25801 32-A
escape EGR
Electroválvula de regulação da
33
reciclagem EGR
34 Linha de escape
35 Bomba de vácuo

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI SIEME 8HX-8HW


(GAMA SCHLOMOKA.JF).

136
CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI C6
Sinóptica

B1HP1JRP

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI C6 C3 8HY-8HV


(GAMA ZAMMAR A C3).

137
CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI C6
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
Bomba de alta pressão do
1
combustível
2 Captador de pressão do combustível
Rampa comum de alimentação de
3
alta pressão do combustível.
4 Injectores diesel.
5 Captador de velocidade do veículo.
6 Debímetro de ar. PIERBURG 238 342
Captador da temperatura da água do
7
motor.
8 Captador da temperatura do ar.
Captador da pressão do ar de
9 DENSO
admissão.
Potenciómetro do pedal do
10
acelerador.
11 Captador de fase da árvore de cames.
12 Captador de regime do motor.
13 Calculador de injecção do motor.
14 Depósito.
15 Filtro do combustível.
16 Conjunto bomba de combustível.
17 Regulador de pressão do combustível

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI C6 C3 8HY-8HV


(GAMA ZAMMAR A C3).

CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI C6

138
Circuito eléctrico
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
Conector 112 vias
13 Calculador de injecção do motor DELPHI C6
Injecção sequencial
11 Captador de fase da árvore de cames 14.43.22 Conector 3 vias Branco, na tampa da cabeça.
ELECTRICFIL
12 Captador de regime do motor 14.43.34 Conector 3 vias Preto
5 Captador de velocidade do veículo BITRON Conector 2 vias Cinzento, na caixa de velocidades
Captador da temperatura da água do
ELTH 269.414 Conector 2 vias Verde, na caixa de entrada da água
motor
Captador de grilagem do motor. SIEMENS 219.237 Conector 2 vias Cinzento, no cárter do cilindro.
Tomada de diagnóstico.
Indicador de pré-aquecimento
Avisador de diagnóstico
11 Potenciómetro do pedal do acelerador BOSCHG
Compressor de refrigeração
Conta-rotações
Grupo moto ventiladores
Bateria

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI C6 8HV-8HY


(GAMA ZAMMAR.A).

CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI C6


Circuito do ar

139
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
Conector 5 vias Preto.
6 Debímetro de ar PIERBURG 238 342
Na conduta de admissão do filtro do ar.
Captador de pressão do ar de Conector 3 vias Cinzento
9 DENSO
admissão No colector de admissão
Circuito do combustível
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
Rampa comum de alimentação de
2 LAJOUS RRT 2051 Volume: 14 cm³. Pressão: 1350 bars
alta pressão do combustível
3 Captador pressão combustível LUCAS 9307Z502A Conector 3 vias Preto, na rampa de alta pressão do combustível.
15 Filtro de combustível DELPHI R6356010
Aquecedor de combustível ELTH 2690362 Conector 2 vias Preto, no filtro de combustível.
4 Injectores diesel DELPHI 783DCC20 Conector 2 vias Cinzento
1 Bomba de alta pressão DELPHI Conector 2 vias Castanho
Conjunto da bomba de combustível
Conector 6 vias Cor de laranja, implantado sob o piso
16 Regulador da pressão do BOSCH
Pressão: 3,5 bars.
combustível.
Circuito da ignição
Marca Elemento Fornecedor Referência Observações
Caixa electrónica
CARTIER Conector 5 vias.
Pré-pós aquecimento
NAGARES
Folga dos eléctrodos: 1 mm.
Velas de ignição NGK YE04
Binário de aperto: 1 ± 0,1 m.daN.

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA INJECÇÃO DIRECTA HDI DELPHI C6 8HV-8HY


(GAMA ZAMMAR.A).

VELAS
Veículos – Modelos Placa do BOSCH CHAMPION SAGEM Folga dos Binário de

140
motor eléctrodos aperto
1.1i HFX
FR7DE RC8YCL
C3 1.4i KFV RFN58LZ 0.9 mm 2.5 mda.N
1.6i 16v NFU FR7ME

OBSERVAÇÕES: VELAS.C3.
(LE MARCHAND).

CARACTERÍSTICAS DA EMBRAIAGEM
Gasolina Diesel
1.1i 1.4i 1.6i 16V 1.4 HDi 1.4 HDi 16V

141
Placa do motor HFX KFV NFU 8HX – 8HW 8HV – 8HY
Tipo CV MA/5N MA/5S MA/50 BE4/5
Marca VALEO LUK
Mecanismo / Tipo 180 CP0 3400 200 P 3900 230 P 4700
Disco Cubo 11 R 10X
Identificação
4 Exteriores
Das 4 4
4 Interiores
Molas
Núm. de estrias
Ø, guarnição. Ext/Int 180/127 200/134 228/155
Qualidade da 408
Guarnição

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA EMBRAIAGEM C3

CARACTERÍSTICAS DA EMBRAIAGEM
Motores: HFX – KFV – NFU – 8HX – 8HW – 8HV – 8HY

142
NOTA:Todas as embraiagens são de tipo «carregar» com comando hidráulico.

Descrição.
O comando de desembraiagem está equipado com uma forqueta de desembraiagem montada na rótula.
(1) Rótula aparafusada ao cárter da embraiagem.
(2) Forqueta de desembraiagem.
(3) Cárter da embraiagem.
(4) Batente.
(5) Mecanismo da embraiagem.

O cilindro receptor do comando da embraiagem (7) está fixo por dois parafusos (6) na parte exterior do cárter da
embraiagem.

Binário de aperto (m.daN).

- Fixação mecanismo/ Volante do motor : 2 ± 0,2


- Fixação volante do motor/Cambota
Pré aperto : 1,7 ± 0,1
Aperto angular : 70° ± 5°

B2BP047C B2BP04QC

OBSERVAÇÕES: CONTROLO E AFINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO C3


(Gama PIQUET.A)

CARACTERÍSTICAS DA CAIXA DE VELOCIDADES E PNEUS


Gasolina
1.1i 1.4i 1.6i 16V

143
CVA

X – SX X – SX
Acabamento X – SX Exclusive X – SX Exclusive
Exclusive Exclusive
Placa do motor HFX KFV NFU
165/70 R14 185/60 R15 165/70 R14 185/60 R15
Pneus – Desenvolvimento
1,804 m 1,828 m 1,804 m 1,828 m
Tipo CV MA/5N AL4 MA/5S
Placa CV 20 CN 14 20 CF 15 ou 20 CF 16 (*) 20 TP 75 20 CN 40
Relação do diferencial 14x60 16x63 ou 14x60 (*) 21x73 17x64
Relação Taquimétrica 21x18 ?
Relação da descida CVA 52/67

(*) = Exportação

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA CAIXA DE VELOCIDADES E PNEUS C3

CARACTERÍSTICAS DA CAIXA DE VELOCIDADES E PNEUS


Diesel

144
1.4 HDi 1.4 HDi 16V

Acabamento X – SX - Exclusive
Placa do motor 8HX 8HW 8HV 8HY
Pneus – Desenvolvimento 165/70 R14 1,804 m 185/60 R15 1,828 m
Tipo CV MA/50 BE4/5
Placa CV 20 CN 33 20 CN 36 (*) 20 DM 25 20 DM 26
Relação do diferencial 17x61 16x65 (*) 19x72 19x77
Relação Taquimétrica 21x18 22x19

(*) = Exportação

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA CAIXA DE VELOCIDADES E PNEUS C3

145
CAIXA DE VELOCIDADES MA/5
Motores: HFX – KFV – NFU – 8HX – 8HW

«a» Etiqueta de identificação.

«b» Localização da gravação dos números da sequência e da caixa de


velocidades.

B2CP3HTC

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES MA/5 C3(GAMA PIQUET.A)

146
CAIXA DE VELOCIDADES MA/5
Motores: HFX – KFV – NFU – 8HX – 8HW

Esvaziamento – Enchimento - Nível

(1) Tampão de esvaziamento da caixa de velocidades.

(2) Tampão de enchimento e de nível.

Qualidade do óleo.

Consultar as preconizações do construtor.

Quantidade de óleo.

Após esvaziamento: 2 Litros.

Periodicidade dos esvaziamentos.

«Lubrificação vitalícia»
Controlo do nível do óleo: Todos os 60 000 Km.

B2CP3HWC

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES MA/5 C3(GAMA LE MARCHAND.D)

147
CAIXA DE VELOCIDADES MA/5
Motores: HFX – KFV – NFU – 8HX – 8HW
(1) Veio primário.
(2) Guia de batente.
(3) Cárter da embraiagem.
(4) Cárter da caixa de velocidades.
(5) Placa intermédia.
(6) Freio de paragem do rolamento (freio «narceja»).
(7) Carreto do motor (5ª).
(8) Veio secundário.
(9) Sincronizador (5ª).
(10) Carreto receptor (5ª).
(11) Carreto receptor (4ª).
(12) Sincronizador de 3ª e 4ª.
(13) Carreto receptor (3ª).
(14) Carreto receptor (2ª).
(15) Sincronizador de 1ª / 2ª e carreto receptor de marcha-atrás.
(16) Carreto receptor (1ª).
(17) Coroa do diferencial.
(18) Carretos satélites.
(19) Carretos planetários
(20) Carreto do contador.
(21) Parafuso taquimétrico.
(22) Caixa do diferencial.

B2CP167P

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES MA/5 C3(GAMA PIQUET.A)

148
CAIXA DE VELOCIDADES MA/5
Motores: HFX – KFV – NFU – 8HX – 8HW

Binário de aperto em m.daN.

(23) Guia do batente da embraiagem (3 parafusos de fixação) : 0,6 ± 0,15.

(24) Placa intermédia (11 parafusos de fixação) : 5 ± 0,5.

(25) Tampa traseira (3 parafusos de fixação) : 2,2 ± 0,2.

(26) Freio de paragem do rolamento (4 parafusos de fixação) : 1,8 ± 0,2.

(27) Porca do veio secundário (1 porca) : 14 ± 1.

(28) Cárter da caixa de velocidades (15 parafusos de fixação) : 1,8 ± 0,2.

(29) Tampão de nível (1) : 2,5 ± 0,5.

(30) Tampão de esvaziamento (1) : 2,5 ± 0,5.

(31) Contactor de marcha-atrás (1) : 2,5 ± 0,5.

B2CP3HUD

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES MA/5 C3(GAMA PIQUET.A)

149
CAIXA DE VELOCIDADES BE4/5
Motores: 8HV-8HY

(a) Zona de gravação (sequência e número de ordem).


(b) Localização da etiqueta de identificação.
B2CP3BNC B2CP3BPD

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES BE4/5 8HV-8HY (GAMA PIQUET.A-LE MARCHAND.D)

150
CAIXA DE VELOCIDADES BE4/5
Motores: 8HV-8HY

Esvaziamento – Enchimento - Nível

(1) Tampão de esvaziamento.

(2) Tampão de enchimento e de nível.

(3) Descarga para a atmosfera.

NOTA: O orifício de descarga para a atmosfera pode servir para o


enchimento.

Qualidade do óleo.
Consultar as preconizações do construtor.

Quantidade do óleo.
Caixa de velocidades vazia: 1,9 Litros.
Após esvaziamento: 2 Litros.

B2CP3BLD

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES BE4/5 C3(GAMA LE MARCHAND.D)

151
CAIXA DE VELOCIDADES BE4/5
Motores: 8HV-8HY

Descrição.

(1) Veio primário.


(2) Guia de batente.
(3) Cárter da caixa de velocidades.
(4) Cárter da embraiagem.
(5) Carreto móvel de marcha-atrás.
(6) Carreto motor (3ª).
(7) Sincronizador de 3ª/4ª.
(8) Carreto do motor (4ª).
(9) Carreto do motor (5ª).
(10) Sincronizador (5ª).
(11) Carreto receptor (5ª).
(12) Carreto receptor (3ª/4ª).
(13) Carreto receptor (2ª).
(14) Sincronizador (1ª/2ª).
(15) Carreto receptor (1ª).
(16) Veio secundário.
(17) Coroa do diferencial.
(18) Carretos satélites.
(19) Carretos planetários.
(20) Caixa do diferencial.
(21) Parafuso taquimétrico.
(22) Prolongador.
«c» calços de regulação: 0,7a 2,4 mm (de 0,10 em 0,10 mm).
«d» calços de regulação: 1,4 a 1,6 mm (0,10 em 0,10 mm).

B2CP3BQP

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES BE4/5 8HV-8HY.(GAMA PIQUET.A-LE MARCHAND.D)

152
CAIXA DE VELOCIDADES BE4/5
Motores: 8HV-8HY

Binários de aperto (m.daN).

(23) Guia de batente (3 parafusos) : 1,25 ± 0,2


(24) Cárter da embraiagem (13 parafusos) : 1,3 ± 0,2
(25) Porca do veio primário (1 parafuso) : 7,25 ± 0,5
(26) Porca do veio secundário (1 parafuso) : 6,5 ± 0,5
(27) Parafuso de manutenção do freio (2 parafusos) : 1,5 ± 0,2
(28) Parafuso da coroa do diferencial (2 parafusos) : 6,5 ± 0,5
Contactor de marcha-atrás (1 parafuso) : 2,5 ± 0,3
(29) Cárter do diferencial (4 parafusos) : 5 ± 0,5
(30) Respiradouro : 1,7 ± 0,2
(31) Parafuso do cárter traseiro da caixa (7 parafusos) : 1,25 ± 0,2
(32) Tampão de nível (1 parafuso) : 2,2 ± 0,2
(33) Parafuso do cárter do diferencial (4 parafusos) : 1,25 ± 0,2
(34) Tampão de esvaziamento (1 parafuso) : 3,5 ± 0,3

B2CP3BRD

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES BE4/5 8HV-8HY.(GAMA PIQUET.A-LE MARCHAND.D)

153
CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4
Motor: KFV

ATENÇÃO: Óleo especial CITROEN de base semi-sintética


não misturável com outro óleo.

A lubrificação da caixa de velocidades é vitalícia.

(a) Marca do elemento.

B2CP3H1D

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4 C3 (GAMAS COGNET.P)

154
CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4
Motor: KFV

Binário de aperto (m.daN).

(1) Fixação da electroválvula de modulação do débito do óleo


no permutador (EPDE) : 1 ± 0,2

(2) Fixação do permutador térmico do óleo :5±1

(3) Fixação do captador de velocidade de entrada da caixa de velocidades


: 1 ± 0,2

(4) Fixação do depósito e esvaziamento do óleo (X = 81 mm). : 4 ± 0,2

(5) Tampão de reposição do nível do óleo : 2,4 ± 0,4

(6) Fixação do captador de pressão do óleo : 0,8 ± 0,1

B2CP3H2D B2CP3H3D

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4 C3 (GAMAS COGNET.P)

155
CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4
Motor: KFV

Binário de aperto (m.daN).

(7) Fixação do tampão : 0,8 ± 0,2

(8) Fixação do conversor no diafragma do motor:

Pré aperto : 1 ± 0,1


Aperto : 3 ± 0,3

(9) Fixação da caixa de velocidades no motor : 5,2 ± 1

(12) Fixação do contactor de posição da alavanca de selecção : 1,5 ± 0,2

(13) Tampão de enchimento do óleo : 2,4 ± 0,4

B2CP3H4C B2CP3H5C

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4 KFV (GAMA COGNET.P)

156
CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4
Motor: KFV

Fixação do bloco hidráulico.

Centrar o bloco hidráulico utilizando os parafusos (10) e (11).

Pré-aperto : 0,9

Desapertar : Os parafusos (9).

Aperto : 0,75 (respeitar a ordem indicada)

NOTA: O parafuso (11) está rebaixado.

ATENÇÃO: Não desapertar o parafuso TORX (14), pois corre o


risco de deixar cair o comando de selecção interno da caixa de
velocidades.

B2CP3H6C

OBSERVAÇÕES: CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4 KFV (GAMA COGNET.P).

157
RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES (CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA - AL 4 )
Motor: KFV
PRECAUÇÕES A TOMAR
Reboque. Desmontagem - Montagem (caixa de velocidades automática).
Para rebocar o veículo, é necessário elevar a dianteira do veículo
Caso não seja possível elevar a dianteira do veículo: ATENÇÃO: Nunca apoiar a caixa de velocidades sobre o seu cárter
inferior.
IMPERATIVO: Colocar a alavanca de selecção na posição «N». (risco de deformação da tampa e de deterioração do bloco hidráulico).
- Não adicionar óleo. - Não utilizar as ligações como pega para levantar, rodar, segurar ou
- Não ultrapassar a velocidade de 50 Km /h num percurso máximo empurrar a caixa de velocidades.
de 50 Km.
IMPERATIVO:
Condução. - Colocar o punção de suporte do conversor quando a caixa de
- Nunca circular com a ignição desligada. velocidades for desmontada.
- Nunca empurrar o veículo para tentar que o motor arranque. - Colocar o punção de centragem para o encosto da caixa de
(impossibilidade com uma caixa de velocidades automática). velocidades no motor.
Lubrificação. (retirar o punção de suporte do conversor imediatamente antes
A lubrificação da caixa de velocidades automática só é assegurada quando o do encosto).
motor está a trabalhar.
ATENÇÃO: No programa de emergência, há um choque significativo
na passagem de «P» → «R» ou «N» → «R».

OBSERVAÇÕES: RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES (CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4)


C3. (GAMAS COGNET.P)

158
RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES (CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4
Apenas caixa de velocidades Motor: KFV
PROCEDIMENTO ANTES DA INTERVENÇÃO
Nível do óleo AL 4 (condições prévias).
- Veículo em posição horizontal.
- Controlar a ausência do modo degradado da caixa de velocidades.
AL 4 - Desmontar o tampão de enchimento (2)
- Adicionar 0,5 litros de óleo suplementar à caixa de velocidades.
- Carregar no travão, fazer uma passagem de todas as velocidades.
- Alavanca de velocidades na posição "P"
- Motor a funcionar ao ralenti.
- Temperatura do óleo: 60°C (+8°C; -2°C), medida com a ferramenta de diagnóstico.
- Desmontar o tampão de reposição do nível (3).
- Fio de óleo e depois gota a gota; colocar o tampão (3). Aperto 2,4 m.daN.
- Gota a gota ou nada: colocar o tampão (3).
- Desligar o motor.
- Adicionar 0,5 litros de óleo suplementar à caixa de velocidades.
- Retomar o procedimento de reposição de nível.
NOTA: O nível está correcto quando o fio de óleo passa a gota a gota.
- Colocar o tampão (3). Aperto 2,4 m.daN..
- Colocar o tampão de enchimento. Aperto 2,4 m.daN.
-Inicializar o contador de desgaste do óleo.(abrir o procedimento da ferramenta de
diagnóstico)
NOTA: A cota X: Motores TU = 81 mm

B2CP31FD

OBSERVAÇÕES: RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES (CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4)


C3 (GAMAS COGNET.P)

159
RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES (CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4 )
Motor: KFV
PROCEDIMENTO ANTES DA INTERVENÇÃO (Continuação)

Quando o calculador detecta um valor errado ou ausente numa das suas Leitura dos códigos de defeitos.
entradas ou saídas:
Efectuar uma leitura dos códigos de defeitos.
- Inscreve o defeito na memória. - Ausência dos códigos de defeitos.
- Para cada tipo de contexto associado, inscreve o contexto do defeito mais Efectuar uma avaliação dos parâmetros
antigo na memória.
- Inicia uma estratégia de modo degradado. Presença de anomalias constatadas:

Existem dois tipos de modos degradados: - SIM: Efectuar as reparações necessárias.


- NÃO: Efectuar uma leitura dos códigos de defeitos,
- O calculador dispõe de valores de substituição (impacto no calculador/motor.
conforto, qualidade de passagem das mudanças, perda de funções). Efectuar um ensaio em estrada.

- Passagem para o modo de refúgio (só estão disponíveis a 3ª velocidade e a Depois de realizar um procedimento de inicialização do calculador, durante
marcha-atrás) um determinado período de tempo, podem obter-se qualidades de passagem
mais ou menos boas (adaptação dos parâmetros do calculador à caixa de
velocidades).
Para tal, é necessário efectuar um ensaio em estrada que permita mudanças
de velocidades frequentes. (leis auto-adaptativas).

OBSERVAÇÕES: RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES (CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4


) C3.KFV (GAMA COGNET.P).

160
RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES (CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4 )
Motor: KFV
CALCULADOR: Telecarregamento
Actualização do calculador da caixa de velocidades por telecarregamento:
- Seguir o procedimento da ferramenta de diagnóstico.
A operação de telecarregamento permite actualizar o calculador da caixa de velocidades automática, ou adaptá-lo a uma nova versão do calculador do
motor.
Antes da operação de telecarregamento, é necessário verificar o valor do contador de desgaste do óleo apresentado no calculador da CVA.

Após a operação de telecarregamento é necessário efectuar:


Um apagamento dos defeitos.
Uma inicialização do pedal.
Uma inicialização das leis auto-adaptativas.
Um registo do valor do contador de consumo de óleo lido anteriormente.
Um ensaio de estrada.

IMPERATIVO: Cada actualização do calculador da caixa de velocidades automática deve ser acompanhada de uma actualização do calculador
do motor.

Actualização do valor do contador de desgaste do óleo.


Estação PROXIA Estação LEXIA e Caixa ELIT.
Pode aceder-se à leitura e ao registo do contador do óleo através do menu: Pode aceder-se à leitura e ao registo do contador do óleo através do menu:
«Telecodificação (botão circuito integrado) / Contador do óleo». «Contador do óleo».
A regulação do valor do contador do óleo é feita em passos de 2750 A regulação do valor do contador do óleo é feita introduzindo directamente
unidades. os 5 algarismos do contador do óleo.

OBSERVAÇÕES: RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES (CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4


) C3.KFV (GAMA COGNET.P)

161
RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES (CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4 )
Motor: KFV
CALCULADOR: Telecodificação, Inicialização (pedal). (Continuação)

Telecodificação Inicialização do pedal.

Procedimento de telecodificação do calculador: É necessário realizar uma inicialização do pedal nos seguintes casos:
- Seguir o procedimento da ferramenta de diagnóstico.
- Substituição do calculador da caixa de velocidades automática.
Um calculador novo ou acabado de telecarregar é sempre configurado com
as seguintes opções: - Substituição da caixa de velocidades automática.
- Bloqueio da alavanca de velocidades "shift lock".
- Saída OBD (despoluição L4). - Telecarregamento do programa do calculador.

Se o calculador se destinar a ser montado num veículo que não dispõe de - Regulação ou substituição do cabo do acelerador.
uma ou mais destas duas opções:
- Proceder a uma operação de telecodificação, que consiste em inibir o - Substituição do potenciómetro de borboleta.
diagnóstico das opções em questão.

- IMPERATIVO: Durante um determinado período de tempo, podem obter-se qualidades de passagem mais ou menos boas
(adaptação dos parâmetros do calculador à caixa de velocidades) pelo que será necessário efectuar um ensaio de estrada que permita mudanças de
velocidades frequentes (leis auto-adaptativas).

OBSERVAÇÕES: RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES (CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4


) C3. KFV (GAMA COGNET.P).

162
RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES ( CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4 )
Motor: KFV
SHIFT LOCK
- O «shift lock» é um sistema que bloqueia a alavanca de selecção na posição «P».

Desbloqueamento do «SHIFT LOCK». (Funcionamento normal)


- Ligar a ignição.
- Carregar no pedal do travão e mantê-lo nessa posição.
- Manobrar a alavanca de selecção de velocidades para abandonar a posição «P».

Desbloqueamento do «SHIFT LOCK» (Com anomalia).


Nota: Impossibilidade de desbloquear o «shift lock» utilizando o método «Funcionamento normal».
As causas de anomalia podem ser provenientes dos seguintes elementos:
- «Shift lock».
- Contactor de posição da alavanca de velocidades.
- Calculador da caixa de velocidades automática.
- Ramal eléctrico.
- Tensão da bateria.
Desmontar:
- A pega (1) da alavanca de velocidades (puxar para cima).
- A tampa (2) (Desencaixar).
- A parte superior da consola central (3).
Desbloquear o «shift lock» (4) utilizando uma chave de parafusos
Manobrar a alavanca de selecção de velocidades para abandonar a posição «P».

C5FP0ETC B2CP3GZC

OBSERVAÇÕES: RECOMENDAÇÕES - PRECAUÇÕES ( CAIXA DE VELOCIDADES AUTOMÁTICA AL 4


) C3. KFV(GAMA COGNET.P).

163
COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES MA/5
Motores: HFX-KFV-NFU-8HX-8HW

(1) Alavanca de comando das velocidades.

(2) Cabo de comando de passagem das velocidades.(*)

(3) Cabo de comando de selecção das velocidades.(*)

(*) Os dois cabos são indissociáveis.

B2CP3HXD

OBSERVAÇÕES: COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES C3.MA/5- HFX-KFV-NFU-8HX-8HW


(GAMA LE MARCHAND.D-PIQUET.A)

164
COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES MA/5
Motores: HFX-KFV-NFU-8HX-8HW

(4) Rótula de passagem das velocidades Ø 10 mm.

(5) Rótula de selecção das velocidades Ø 10 mm.

Comprimento
Comprimento C
D
Cabo de
comando de
1015 mm 790 mm
passagem das
velocidades (2)
Comprimento
Comprimento B
A
Cabo de
comando de
1093 mm 775 mm
selecção das
velocidades (3)

B2CP3HYC B2CP3HZD

OBSERVAÇÕES: COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES C3.MA/5- HFX-KFV-NFU-8HX-8HW


(GAMA LE MARCHAND.D-PIQUET.A)

165
COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES MA/5
Motores: HFX-KFV-NFU-8HX-8HW

Regulação.

ATENÇÃO: Não utilizar qualquer ferramenta


para soltar as rótulas.

Os cabos de comando de selecção e de passagem das


velocidades não podem ser regulados.

Para desbloquear a rótula, pressionar em «a» e, em


seguida, puxar a rótula para cima.

Para desbloquear os batentes da bainha, puxar as


agulhas «b», seguindo a seta e, em seguida, libertar os
batentes da bainha dos respectivos suportes.

B2CP3J0D B2CP3J1D

OBSERVAÇÕES: COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES C3.MA/5- HFX-KFV-NFU-8HX-8HW


(GAMA LE MARCHAND.D-PIQUET.A)

166
COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES BE4/5
Motores: 8HV-8HY

(1) Alavanca de comando das velocidades.

(2) Cabo de comando de passagem das velocidades


(*).

(3) Cabo de comando de selecção das velocidades (*).

(*) Os dois cabos são indissociáveis

B2CP3J3D

OBSERVAÇÕES: COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES C3.BE4/5- 8HV-8HY


(GAMA LE MARCHAND.D-PIQUET.A)

167
COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES BE4/5
Motores: 8HV-8HY

(4) Rótula de passagem das velocidades Ø 10 mm.

(5) Rótula de selecção das velocidades Ø 10 mm.

Comprimento
Comprimento B
A
Cabo de
selecção das 907 mm 645 mm
velocidades (5)
Comprimento
Comprimento C
D
Cabo de
selecção das 965 mm 610 mm
velocidades (4)

B2CP3J4C B2CP3J5D

OBSERVAÇÕES: COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES C3.BE4/5- 8HV-8HY


(GAMA LE MARCHAND.D-PIQUET.A)

168
COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES BE4/5
Motores: 8HV-8HY

Regulação.

Os cabos de comando de selecção e de passagem das


velocidades não podem ser regulados.

Para desbloquear a rótula, pressionar em «d» e, em


seguida, puxar a rótula para cima.

Desbloqueamento de um batente da bainha:

- Pressionar as linguetas do grampo (6) em «a».


- Libertar os batentes das bainhas dos respectivos
suportes.

B2CP3J6D

OBSERVAÇÕES: COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES C3.BE4/5-8HV-8HY


(GAMA LE MARCHAND.D-PIQUET.A)

169
COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES AL4
Motor: KFV

B2CP3H7D

OBSERVAÇÕES: COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES C3.AL4 KFV(Gama COGNET P)

170
COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES AL4

A alavanca de selecção de velocidades é guiada pela forma da grelha em escada e por uma mola de retorno que a mantém do lado esquerdo.
O comando de velocidades inclui 5 posições:
- «P» Estacionamento (bloqueio e imobilização do veículo).
- «R» Marcha-atrás.
- «N» Ponto morto ou neutro.
- «D» Drive (utilização das quatro velocidades da caixa de velocidades em função automática e auto adaptativa)
- «M» Manual (Esta posição permite ao condutor seleccionar as suas velocidades em modo impulsional ao puxar «M» ou ao empurrar «M+» na alavanca
de selecção das velocidades)
NOTA: Só as posições «P» ou «N» permitem o arranque do motor.
Na posição «M», a selecção é feita por um captador electrónico situado próximo da alavanca de velocidades.
A variação do fluxo necessário para o accionamento das células do captador é obtida por um magneto situado na alavanca em frente das células, provoca
alterações de estado.
As informações são transmitidas ao calculador da caixa de velocidades.
NOTA: Num veículo equipado com «shift lock», é necessário ligar a ignição e carregar no pedal do travão para desbloquear a alavanca de selecção da
posição «P».
Os dois interruptores instalados na grelha do comando de velocidades permitem ao condutor seleccionar um dos seguintes três programas de condução:
- Programa «normal» . O programa «normal» funciona na ausência de uma outra escolha. (modo auto adaptativo; lei eco).
- «a» programa «sport». O programa «sport» (desporto) permite uma condução mais dinâmica e privilegia as performances e reprises.
- «b» programa «neige». O programa «neige» (neve) facilita os arranques e a motricidade em terrenos com aderência reduzida.
Para regressar ao programa «normal» é necessário pressionar uma segunda vez o interruptor «sport» ou «neige».

OBSERVAÇÕES: COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES C3. AL4 KFV (Gama COGNET P)

171
COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES AL4
Motor: KFV

Lado da caixa de velocidades.

O comando da caixa de velocidades automática faz-se através de um cabo.

«c» Botão de pressão.

(1) Reenvio do comando com rótula.

(2) Regulação automática.

Puxar para fora o botão de pressão para regular o comando.

Empurrar o botão de pressão para bloquear a regulação do comando.

(3) Batente da bainha.

(4) Clip de bloqueio do comando de selecção (5), no batente da bainha (3).

B2CP3H8C

OBSERVAÇÕES: COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES C3. AL4 KFV (Gama COGNET P)

172
COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES AL4
Motor: KFV
Desbloqueamento: Função «shift lock».
NOTA: O «shift lock» é um sistema que bloqueia a alavanca de selecção de velocidades na posição «P».
Desbloqueamento do «shift lock». (Funcionamento normal).
Ligar a ignição.
Carregar no pedal do travão e mantê-lo nessa posição.
Manobrar a alavanca de selecção de velocidades para abandonar a posição «P».
Desbloqueamento do «shift lock». (Com anomalia).
NOTA: Impossibilidade de desbloquear o «shift lock» com o método «Funcionamento normal»
As causas de anomalia podem ser provenientes dos seguintes elementos:
- «Shift lock».
- Contactor de posição da alavanca de velocidades.
- Calculador da caixa de velocidades automática.
- Ramal eléctrico.
- Tensão da bateria.
Desmontar:
- A pega (1) da alavanca de velocidades (Puxar para cima).
- A tampa (2) (Desencaixar).
- A parte superior da consola central (3).
- Desbloquear o «shift lock» (4) utilizando uma chave de parafusos.
- Manobrar a alavanca de selecção de velocidades para abandonar a posição «P».

C5FP0ETC B2CP3GZC

OBSERVAÇÕES: COMANDO DA CAIXA DE VELOCIDADES C3. AL4 KFV (Gama COGNET P)

173
CARACTERÍSTICAS DAS TRANSMISSÕES
Motores: HFX – KFV – NFU – 8HX – 8HW - 8HV – 8HY

NOTA: Os cubos das rodas estão equipados com um rolamento com roda magnética integrada
destinada ao sistema ABS.

Particularidades.

As transmissões já não estão equipadas com coroa no sistema ABS


Esta função é assegurada pelos rolamentos da roda.

A fixação dos foles de transmissão é assegurada por anéis moldáveis.

Em caso de reparação das transmissões, anéis moldáveis são substituídos por braçadeiras.

Binário de aperto m.daN.

Porcas da transmissão : 24,5 ± 0,5.


Apoios da transmissão : 2 ± 0,2.

B2FP05CP

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DAS TRANSMISSÕES C3 (Gama PIQUET.A)

174
CARACTERÍSTICAS DAS TRANSMISSÕES
Caixa de velocidades Marcas
Veículos Motorizações Lado da caixa de
Tipo Ø Diferencial Lado da roda
velocidades
1.1i HFX MA/5N
MA/5N-MA/5L 68 AC/1700i
1.4i KFV
AL4 Gi 1700i
1.6i 16V NFU MA/5S AC 2000i
1.4 HDi 8HX-8HW MA/50 77 AC 1700i
1.4 HDi 16V 8HV-8HY BE4/5L AC 2000i Gi 2000i

Diâmetro da caixa (mm) Diâmetro do veio (mm) Foles das transmissões


Lado da roda Lado da CV Ø lado esquerdo Ø lado direito Lado da roda Lado da CV
1.1i HFX
75 72 22,8
1.4i KFV
31
1.6i 16V NFU 79 75 26,7 TP (1) C/C (2)
1.4 HDi 8HX-8HW 75 72 22,8
1.4 HDi 16V 8HV-8HY 79 75 26,7 36
(1) = Termoplástico.
(2) = Borracha.

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DAS TRANSMISSÕES C3(Gama PIQUET.A)

175
TRANSMISSÃO - CAIXA DE VELOCIDADES
Binários de aperto (m.daN) Ferramentas retentor CV
Caixa de Apoio da Porca da
Veículos Motores Direita Esquerda Caixa
velocidades Transmissão Transmissão
HFX - KFV
NÃO
MA/5 8HX – 8HW 24,5 ± 0,5 7114-T.W 7114-T.X 7116-T
NFU 2 ± 0,2

(-) 0338 J1 (-) 0338 H1


C3 AL4 KFV 1 ± 0,1 (-) 0338
+ (-)0338 J3 (-) 0338 H2
32,5 ± 1,5

BE4/5 8HV – 8HY 2 ± 0,2 7114-T.W 7114-T.X 7116-T

Binários de aperto dos parafusos das rodas (m.daN)

Chapa
CITROËN C3 9 ± 0,5
Alu

OBSERVAÇÕES: TRANSMISSÃO - CAIXA DE VELOCIDADES C3 (Gama PIQUET.A)

176
RODAS E PNEUS
Gasolina
1.4i
1.1i
CVM e CVA
X – SX - Exclusive X - SX Exclusive
Placa do motor HFX KFV
Pneus S 165/70 R14 81T XT1 – 1,804 m 165/70 R14 81T XT1 – 1,804 m 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
Desenvolvimento O 165/70 R14 81T XT1 – 1,804 m 165/70 R14 81T XT1 – 1,804 m 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
5.5J 14 H2.4.24 5.5J 14 H2.4.24 6J 15 H2.4.27
T
Roda Tampões Milan Tampões Milan Tampões Aigle
A 5.5 J14 CH.4.24-Tigre 5.5 J14 CH.4.24-Tigre 6J 15 CH.4.27-Lynx
Pressão Frente/ Atrás (1) 2,1 / 2,1
Pneus S 165/70 R14 81T XT1 – 1,804 m 165/70 R14 81T XT1 – 1,804 m 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
desenvolviment
Pneu o O 165/70 R14 81T XT1 – 1,804 m 165/70 R14 81T XT1 – 1,804 m 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
sobressal T 5.5J 14 H2.4.24 5.5J 14 H2.4.24 6J 15 H2.4.27
ente Roda
T 5.5 J14 CH.4.24 5.5 J14 CH.4.24 6J 15 H2.4.27
Pressão (Bars) 2,3

Símbolos e abreviaturas utilizados: S = Montagem série T = Roda em chapa. O = Montagem opção A = Roda em liga leve
(1) = Pressão normal de funcionamento (Máx. 4 pessoas e 40 kg no porta-bagagens).

OBSERVAÇÕES: RODAS E PNEUS C3 (GAMAS PIQUET.A).

177
RODAS E PNEUS
Gasolina
1.6i 16V

X-SX-Exclusive
Placa do motor NFU
S 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
Pneus
Desenvolvimento 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
O
185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
6J 15 H2.4.27
T
Tampões Aigle
Roda
6J 15 CH.4.27-Lynx
A
5.5J 14 CH 4.24 Tigre
Pressão Frente/ Atrás (1) 2,1 / 2,1
Pneus S 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
desenvolviment 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
o O
Pneu 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
sobressal T 6J 15 H2.4.27
ente Roda 6J 15 CH.4.27-Lynx
T
5.5J 14 CH 4.24 Tigre
Pressão (Bars) 2,3

Símbolos e abreviaturas utilizados: S = Montagem série T = Roda em chapa. O = Montagem opção A = Roda em liga leve
(1) = Pressão normal de funcionamento (Máx. 4 pessoas e 40 kg no porta-bagagens).

OBSERVAÇÕES: RODAS E PNEUS C3 (GAMAS PIQUET.A).

178
RODAS E PNEUS
Diesel
1.4 HDi 1.4 HDi 16V

X – SX - Exclusive X – SX - Exclusive
Placa do motor 8HX – 8HW 8HV – 8HY
S 165/70 R14 84H XH1 – 1,804 m 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
Pneus
Desenvolvimento 165/70 R14 84H XH1 – 1,804 m 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
O
185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
5.5 J14 H2.4.24 6J 15 H2.4.27
T
Tampões Milan Tampões Aigle
Roda
5.5 J14 H2.4.24-Tigre 6J 15 H2.4.27-Lynx
A
6J 15 H2.4.27-Coyote
Pressão Frente/ Atrás (1) 2,1 / 2,1
Pneus S 165/70 R14 84H XH1 – 1,804 m 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
desenvolviment 165/70 R14 84H XH1 – 1,804 m 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
o O
Pneu 185/60 R15 84H XH1 – 1,828 m
sobressal T 5.5 J14 H2.4.24 6J 15 H2.4.27
ente Roda 5.5 J14 H2.4.24 6J 15 H2.4.27
T
6J 15 H2.4.27
Pressão (Bars) 2,3
Símbolos e abreviaturas utilizados: S = Montagem série T = Roda em chapa. O = Montagem opção A = Roda em liga leve
(1) = Pressão normal de funcionamento (Máx. 4 pessoas e 40 kg no porta-bagagens).

OBSERVAÇÕES: RODAS E PNEUS C3 (GAMAS PIQUET.A).

179
RODAS E PNEUS
Identificação das pressões de enchimento

A etiqueta de preconização da pressão dos pneus está colada no forro e


da porta dianteira esquerda.

«a»: Preconizações das pressões de enchimento dos pneus.


(em vazio e em carga).

«b»: Tipo de pneus.

«c»: Preconização da pressão de enchimento do pneu sobressalente.

B2GP010D

OBSERVAÇÕES: RODAS E PNEUS C3 (GAMAS PIQUET.A).

180
RODAS E PNEUS
Identificação dos parafusos da roda.

(1) : Parafuso de roda.


(2) : Roda em liga leve.
(3) : Pneu sobressalente.

Roda em chapa.

Parafuso da roda com encosto cónico.

Roda de liga leve.

Os parafusos da roda com fixação mista permitem apertar os seguintes tipos


de rodas:

Roda de liga leve (com encosto plano).

Pneu sobressalente em chapa (com encosto cónico).

Binário de aperto

9 ± 1 m.daN.

B2GP00JD

OBSERVAÇÕES: RODAS E PNEUS C3 (GAMAS PIQUET.A).

181
GEOMETRIA DOS EIXOS
Condições de controlo e de regulação
Pressão dos pneus normalizados. Colocação em altura de referência do veículo.
Cremalheira da direcção bloqueada no seu ponto zero (Ver operação correspondente)
Alturas do veículo com nivelamento em altura de referência

Altura dianteira Altura traseira


L1 L2
H1 = R1 – L1 H2 = R2 + L2
H1 = Medida entre a zona de medição sob o berço dianteiro e o chão. H2 = Medida entre a zona de medição sob a longarina traseira e o chão.
R1 = Raio da roda dianteira sob carga. R2 = Raio da roda traseira sob carga
L1 = Distância entre o eixo da roda e a zona de medição sob o berço L2 = Distância entre o eixo da roda e a zona de medição sob a longarina
dianteiro traseira.
E1AP09MD

OBSERVAÇÕES: GEOMETRIA DOS EIXOS C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D)

182
GEOMETRIA DOS EIXOS

Medição altura dianteira Medição altura traseira


[1] Calibre para medição do raio da roda 4 Tocs, ferramenta 8006-T
Z1 = Zona de medição sob o berço dianteiro. Z2 = Zona de medição sob a longarina traseira
Medir o raio da roda dianteira R1-Calcular a cota H1 = R1 – L1 Medir o raio da roda traseira R2-Calcular a cota H2 = R2 + L2
Valor em altura de Todos os tipos Valor em altura de Todos os tipos
Veículos CRD (*) Veículos CRD (*)
referência (Excepto CRD) (*) referência (Excepto CRD) (*)
(+ 6 - 8 mm) L1 = 142,5 mm L1 = 132,5 mm (+ 10 - 6 mm) L2= 52 mm L2= 62 mm
(*) = CRD: Condições de Estrada Difíceis.
Definição para um tipo de veículos cujas transmissões e as suspensões foram estudados para circular em estrada degradada.
Comprimir a suspensão até obter os valores calculados.
A diferença de altura entre os dois lados do eixo deve ser inferior a 10 mm.
B3CP07SD

OBSERVAÇÕES: GEOMETRIA DOS EIXOS C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D)

183
GEOMETRIA DOS EIXOS
Eixo dianteiro Eixo traseiro
Dissimetria avanço inferior a 0° 30’.
Dissimetria inclinação inferior a 0° 18’
Dissimetria da inclinação inferior a 0° 18.
Repartir simetricamente, roda esquerda / direita, o valor do paralelismo
global
Todos os tipos (excepto CRD)
Ângulo
Veículo Paralelismo Avanço Inclinação Paralelismo Inclinação
De pivot
Regulável Não regulável Não regulável
Todos mm -2±1 - 5,5 ± 1
os
Tipos 0° 0° 19’±0°10’ 3°57’ - 0°28’ 11°24’ - 0°50’ ± 0°10’ - 1°30’
Veículo CRD
Ângulo
Veículo Paralelismo Avanço Inclinação Paralelismo Inclinação
De pivot
Regulável Não regulável Não regulável
Todos mm -2±1 - 5,2 ± 1
os
Tipos 0° 0° 19’±0°10’ 3°53 - 0°26 11°14 - 0°47’ ± 0°10’ - 1°30’

ATENÇÃO
A<B = Convergência positiva: + = CONVERGÊNCIA
A>B = Convergência negativa: - = ABERTURA

B3CP02UC

OBSERVAÇÕES: GEOMETRIA DOS EIXOS C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D)

184
EIXO DIANTEIRO
Binário de aperto (m.daN)
(1) Porca do amortecedor : 6,5 ± 0,6
(2) Elemento portador :
(3) Rótula do tirante estabilizador superior : 4,5 ± 0,5
(4) Pivot no elemento portador : 5,4 ± 0,5
(5) Rótula do tirante estabilizador inferior : 4,5 ± 0,5
(6) Fixação do apoio da barra estabilizadora : 8 ± 0,8
(7) Porca do cubo : 24,5 ± 0,5
(8) Parafuso da roda :9±1
(9) Parafuso de fixação do berço na carroçaria : 9,2 ± 0,9
(10) Barra estabilizadora :
(11) Fixação da rótula inferior do pivot : 14 ± 1,4
(12) Fixação da rótula no braço inferior : 4 ± 0,4
(13) Fixação da articulação FR e TR
do braço inferior : 14 ± 0,4
(14) Parafuso da barra anti-aproximação : 6,6 ± 0,7
Barra estabilizadora
Diâmetro (mm) Cor

HFX- KFV- NFU


8HX-8HW 19 Azul
8HV-8HY

B3CP07HP

OBSERVAÇÕES: EIXO DIANTEIRO C3 (GAMAS CUI.T)

185
EIXO TRASEIRO
Binário de aperto (m.daN)
(1) Parafuso de fixação traseiro : 10 ± 1
(2) Barra estabilizadora :
(3) Travessa do eixo traseiro :
(4) Chapa de articulação do braço da suspensão traseira :
(5) Articulação do braço da suspensão traseira : 7,6 ± 0,5
(6) Parafuso de fixação do braço da suspensão da chapa :±
(7) Braço da suspensão traseira :
(8) Porca de rolamento da manga do eixo : 20 ± 2
(9) Amortecedor :
(10) Fixação superior do amortecedor : 4,2 ± 0,4
(11) Fixação inferior do amortecedor : 10,6 ± 1
(12) Mola da suspensão :
(13) Fixação da travessa do eixo traseiro
do braço de suspensão : 13 ± 1,3
(14) Conjunto guia do cabo do travão
secundário e seu suporte :
(15) Batente de oscilação :
Barra estabilizadora
Diâmetro (mm)

HFX- KFV- NFU


8HX-8HW 25,5 (oca)
8HV-8HY

B3DP09GP

OBSERVAÇÕES: EIXO TRASEIRO C3 (GAMAS CUI.T)

186
SUSPENSÃO
Eixo dianteiro
(1) Porca de fixação do elemento portador na carroçaria : 6,5 ± 0,6
(2) Amortecedor :
(3) Rótula do tirante estabilizador superior : 4,5 ± 0,5
(4) Pivot no elemento portador : 5,4 ± 0,5
(5) Rótula do tirante estabilizador inferior : 4,5 ± 0,5
(6) Fixações de apoio da barra estabilizadora na carroçaria : 8 ± 0,8
(7) Porca do cubo : 24,5 ± 0,5
(8) Parafuso da roda :9±1
(9) Parafuso de fixação do berço na carroçaria : 9,2 ± 0,9
(10) Barra estabilizadora :
(11) Fixação da rótula inferior do pivot no braço inferior : 4 ± 0,4
(12) Fixações da rótula inferior do pivot : 6,6 ± 0,7
(13) Fixação da articulação FR e TR do braço inferior : 14 ± 1,4
(14) Parafuso da barra anti-aproximação : 6,6 ± 0,7
(15) Fixação da rótula da direcção : 8 ± 0,8
Barras estabilizadoras
Motores Diâmetro (mm) Cor
Todos os tipos 19 Azul
Pivot
Motores Diâmetro do rolamento Tipo
Todos os tipos 72 Em U (Fonte)
Amortecedor
Motores Lei amortecedor
Todos os tipos R 59 M

B3CP07RP

OBSERVAÇÕES: SUSPENSÃO DIANTEIRA C3 (GAMA CUI.T)

187
SUSPENSÃO
Eixo dianteiro

(1) Porca de fixação do elemento portador na carroçaria : 6,5 ± 0,6

(2) Amortecedor.

(16) Copela.

(17) Porca do amortecedor : 6,5 ± 0,6

(18) Copela do amortecedor.

(19) Rolamento de esferas.

(20) Copela de apoio da mola.

(21) Copela do batente de ataque.

(22) Mola da suspensão.

(23) Protector da haste do amortecedor.

(24) Batente de ataque.

B3BP180D

OBSERVAÇÕES: SUSPENSÃO DIANTEIRA C3 (GAMA CUI.T)

188
SUSPENSÃO
Eixo traseiro
(25) Parafuso de fixação DO eixo traseiro : 10 ± 1
(26) Barra estabilizadora :
(27) Travessa do eixo traseiro :
(28) Chapa de articulação elástica do braço da suspensão
traseira :
(29) Articulação elástica do braço da suspensão traseira :
(30) Parafuso de fixação do braço da suspensão na chapa : 7,6 ± 0,5
(31) Braço da suspensão traseira :
(32) Porca de rolamento da manga de eixo
:20±2(lubrificada).
(33) Amortecedor :
(34) Parafuso de fixação superior do amortecedor : 4,2 ± 0,4
(35) Parafuso de fixação inferior do amortecedor : 10,6 ± 1
(36) Mola da suspensão :
(37) Batente de oscilação :
(38) Suporte guia do cabo do travão secundário :
Barra estabilizadora
Motores Diâmetro (mm)
Todos os tipos 25,5 (Oca)
Amortecedor
Motores
1.4i (CVA)-1.6i 16V
F168K
1.4 HDi 16V
F77D
1.1i-1.4i (CVM)-1.4 HDi
F77B (*)
(*) = Para veículo CRD
B3DP09UP

OBSERVAÇÕES: SUSPENSÃO DIANTEIRA C3 (GAMA CUI.T)

189
CARACTERÍSTICAS DA DIRECÇÃO ASSISTIDA ELÉCTRICA
Motores: HFX – KFV – NFU – 8HX – 8HW – 8HY
Coluna da direcção

Binário de aperto em m.daN. Identificação

(1) Fixação do volante da direcção 2 ± 0,3 Está identificada pela cor do casquilho em «a».

(2) Fixação da coluna da direcção no suporte 2,2 ± 0,5. Direcção à esquerda : Casquilho AZUL.

(3) Fixação do cardan da direcção 2,2 ± 0,2. Direcção à direita : Casquilho BRANCO
B3EP13GD B3EP13HC

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA DIRECÇÃO DE TODOS OS TIPOS C3 (GAMA LOZAHIC C3).

190
CARACTERÍSTICAS DA DIRECÇÃO ASSISTIDA ELÉCTRICA
Motores: HFX – KFV – NFU – 8HX – 8HW – 8HY
Mecanismo da direcção

Binários de aperto m.daN

(4) Fixação da rótula no pivot : 3,5 ± 0,3

(5) Contra-porca do tirante da direcção : 5 ± 0,5

(8) Anilhas dentadas

(9) Perno : 0,8 ± 0,1

(10) Anilhas chatas

(11) Fixação do mecanismo no berço : 8 ± 0,8

KFV (CVA)
HFX–KFV–8HX-8HW
NFU-8HY-8HV
Motor eléctrico 60 A 65 A Conectores.
Curso da cremalheira 2x72 2x64
Relação de desmultiplicação 45,6/1 (6) Alimentação do motor eléctrico de assistência.
Número de voltas do volante da
3,2 2,8 (7) Sinais do captador de binário.
direcção
Ângulo de brecagem interior 38° 32°30’
Ângulo de brecagem exterior 32°24’ 28°42’
B3EP13JD

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA DIRECÇÃO DE TODOS OS TIPOS C3 (GAMA LOZAHIC C3).

191
CARACTERÍSTICAS DA DIRECÇÃO ASSISTIDA ELÉCTRICA
Motores: HFX – KFV – NFU – 8HX – 8HW – 8HY
Assistência da direcção

Calculador da direcção assistida eléctrica.


Fornecedor: KOYO. Uma única versão de calculador, independentemente da
sua motorização.
A assistência da direcção é obtida através do motor de assistência (12), comandado por um O calculador da direcção assistida eléctrica está ligado
calculador. aos seguintes conectores:
- (6) Alimentação do motor de assistência.
A intensidade da corrente através do motor de assistência (12) depende: - (13) Alimentação do calculador da direcção assistida
eléctrica.
- Da velocidade do veículo. - (14) Sinais de comando.
Após a substituição do calculador da direcção assistida
- Do binário aplicado no volante da direcção. eléctrica, efectuar uma telecodificação. (Ver operação
correspondente).
B3EP13KC B3EP13LC

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA DIRECÇÃO DE TODOS OS TIPOS C3 (GAMA LOZAHIC C3).

192
PONTOS ESPECÍFICOS: DIRECÇÃO
Motores: HFX – KFV – NFU – 8HX – 8HW – 8HY
Alinhamento do meio da cremalheira
Operação preliminar.

Elevar e calçar o veículo sobre um elevador de duas


colunas.
Desmontar o lado direito na cremalheira:
- A braçadeira (1).
- A braçadeira (2).

Desencaixar o fole de protecção da cremalheira.

Afinação
Manobrar a direcção virando para a esquerda até ao
batente.
Medir a cota X.
Manobrar a direcção virando para a direita até ao
batente.
Medir a cota Y.

Calcular a cota: L = (Y – X): 2.

Montar:
- O fole de protecção da cremalheira
- A braçadeira (1) e (2) nova.

B3EP13UC B3EP13VD

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DA DIRECÇÃO DE TODOS OS TIPOS C3(GAMA


BEAUCHEMIN.D).

193
CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES (SEM A.B.S)

1.1i 1.4i 1.4 HDi

Placa do motor HFX KFV 8HX 8HW


Cilindro principal 20,6
Amplificador 203,2
Ø Marcas /pistões das bombas LUCAS/TRW C48/13 48
mm dos travões
FR Não 266
Disco ventilado
Ventilado
Espessura do disco /espessura 13/11
mínima do disco
Qualidade das pastilhas TEXTAR T 4144

Ø Tambor 203
mm Espessura máxima 205
TR
Marca DON
Qualidade 8259

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES C3 SEM ABS.(GAMA BEAUCHEMIN D)

194
CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES (COM A.B.S)

1.6i 16V 1.4 HDi 16V

Placa do motor NFU 8HV 8HY


Cilindro principal 22,2
Amplificador 228,6
Ø Marcas /pistões das bombas LUCAS/TRW C54/22 54
mm dos travões
FR Não
Disco ventilado
Ventilado 266
Espessura do disco /espessura
22/20
mínima do disco
Qualidade das pastilhas TEXTAR T 4144
Cilindro ou bomba de
Ø travão LUCAS C38 HR 9/13
mm
Disco Ventilado 247
TR Espessura do disco /espessura
9/7
mínima do disco
Marca GALFER
Qualidade G 4554

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES C3 COM ABS.(GAMA BEAUCHEMIN D)

195
CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES
Circuito de travagem sem ABS - REF (Travões de tambores atrás) Características do sistema de travagem

- Circuito de travagem em «X».

- Travões de discos à frente: Discos dos travões


ventilados (*)

- Travões de discos ou tambores atrás (*).

- Alavanca do travão de mão com comando por cabos


que actua sobre as rodas de trás.

- As funções do compensador, limitador de travão


principal são asseguradas pelo sistema ABS REF (*).

NOTA: REF = Repartição electrónica de travagem

(*) = Consoante a versão

B3FP161D

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D)

196
CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES
Circuito de travagem com ABS - REF (Travões de tambores atrás)

B3FP162D

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D)

197
CARACTERÍSTICAS TRAVÕES
Circuito de travagem com ABS - REF (Travões de discos atrás)

B3FP163D

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D)

198
CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES
Diagrama do circuito de travagem com ABS/REF

(a) Circuito hidráulico.


(b) Circuito eléctrico.

(1) Cilindro principal do tandem.


(2) Amplificador de travagem.
(3) Bomba (ou tambor atrás) do travão.
(4) Cubo equipado com um rolamento com uma roda
magnética integrada (48 pares de pólos).
(5) Captador da roda.
(6) Captador de nível do líquido do travão.
(7) Bloco hidráulico mais calculador.
(8) Contactor de stop.
(9) Combinado.
(10) Tomada de diagnóstico.
(11) Caixa de serviço inteligente (BSI).

B3GP02RP

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D)

199
CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES
(7) Bloco hidráulico
Elementos Marca Fornecedor Referência Notas
ABS MK.60 Conector 47 vias.
Calculador
7 ESP -ABS Solitário no bloco hidráulico.
electrónico.
MK 60 A substituição do calculador apenas está interdita.
Conector 2 vias azul.
Captador da Os captador são do tipo indutivo.
roda 96 387 201 80 Montados no pivot.
dianteira TEVES Entreferro não regulável: 0,16 a 1,6 mm.
Binário de aperto: 0,8 ± 0,2 m.daN
Conector 2 vias azul.
Os captador são do tipo indutivo.
Captador da
96 385 307 80 Montados no braço da suspensão
roda traseira
Entreferro não regulável: 0,35 a 1,6 mm.
5 Binário de aperto: 0,8 ± 0,2 m.daN
Cubo de Cubo equipado com um rolamento com
4 SNR
rolamento. roda magnética integrada. (48 pares de pólos)
ABS MK.60
96 394 937 80 Implantado nas longarinas dianteiras do lado
Bloco
7 TEVES ESP ABS esquerdo
hidráulico.
MK.60 4 canais de regulação
96 418 772 80
B3FP12XC

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES C3 (GAMAS BEAUCHEMIN.D).

200
CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES
Pedal do travão Travões dianteiros Travões traseiros

Binário de aperto (m.daN).


(12) Fixação da bomba de travão no pivot (14) Fixação da bomba de travão traseira no braço
(16) Fixação do amplificador 2,2 ± 0,3. 10,5± 1 5,3±0,5
(17) Fixação do cilindro principal 2 ± 0,5. (13) Fixação da chapa na bomba de travão (15) Fixação da chapa na bomba de travão
3± 0,3 3,8±0,3
B3FP166D B3FP164C B3FP165C

OBSERVAÇÕES: CARACTERÍSTICAS DOS TRAVÕES C3 (GAMA BEAUCHHEMIN.D).

201
TRAVÃO DE MÃO (Regulação)
Regulação
Levantar e calçar o veículo.

Desmontar:
- A tampa de traseira (8)
- A porca (9)
- O embelezador do travão de mão (6).
- O fole da alavanca de velocidades (5).
- A tampa dianteira (3).
- Os parafusos (1).

Desligar os conectores dos seguintes elementos:


- Isqueiro (2).
- Os botões de comando dos elevadores dos vidros (4).
Desmontar a consola central (7).

ATENÇÃO: Verificar a passagem dos cabos dos travões por


baixo do veículo

Desengatar a alavanca do travão de mão.


Carregar ligeiramente no pedal dos travões (Repetir a operação
3 vezes seguidas).
Puxar energicamente 4/5 vezes a alavanca do travão de mão.

C5FP0ELD

OBSERVAÇÕES: TRAVÃO DE MÃO (REGULAÇÃO) C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D)

202
TRAVÃO DE MÃO (Regulação)
Regulação (continuação)
A: Travões de tambores
B: Travões de discos
(10) porca de regulação da tensão dos cabos.
Desmontar:
- As rodas traseiras.
- Os tambores (consoante a versão).
Desengatar o travão de mão.
Medir em «a» utilizando um apalpa-folgas o descolamento da
alavanca em relação ao seu batente.
Actuar na porca (10) para obter um descolamento inferior ou
igual a 1 mm em «a».
Montar os tambores do travão sem os apertar (Consoante a
versão).
Manobrar 8 vezes a alavanca do travão de mão com um esforço
de 40 daN.
Controlar, com o travão de mão desengatado, o descolamento
das alavancas em «a», utilizando um apalpa-folgas.
NOTA: O descolamento deve ser inferior a 1 mm e superior a
0,05 mm.
Montar:
- Os tambores de travão.
- As rodas.
- A consola central
Verificar a eficácia do travão de mão.
B3FP16ED

OBSERVAÇÕES: TRAVÃO DE MÃO (REGULAÇÃO) C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D)

203
PURGA E ENCHIMENTO DOS TRAVÕES
Ferramentas.
[1] Dispositivo para purgar de tipo : «LURO» ou semelhante.
Purga, enchimento.
Esvaziamento.
Esvaziar o depósito do líquido dos travões (1) ao máximo (se necessário, utilizar uma seringa limpa)
Desligar o conector (4).
Desacoplar o tubo (2).
Desaparafusar o eixo (3).
Desmontar o depósito (1).
Esvaziar o depósito do líquido dos travões (1).
Limpar o depósito do líquido dos travões (1).
Montar:
O depósito do líquido dos travões (1).
O eixo (3).
Acoplar o tubo (2).
Ligar novamente o conector (4).
Enchimento do circuito de travagem.
ATENÇÃO: Utilizar exclusivamente os fluidos hidráulicos homologados e recomendados.
Encher o depósito do líquido dos travões (1)
Purga do circuito de travagem.
ATENÇÃO: Durante as operações de purga, verificar se é mantido o nível do líquido dos travões no
depósito e o completá-lo. Utilize apenas líquido de travões limpo e não emulsionado.
B3FP15XC

OBSERVAÇÕES: PURGA E ENCHIMENTO DOS TRAVÕES C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D)

204
PURGA E ENCHIMENTO DOS TRAVÕES

Purga, enchimento (Continuação).

Purga do circuito de travagem primário.

ATENÇÃO: O dispositivo ABS não deve estar a funcionar


durante a operação de purga.

Bomba do travão dianteiro, parafuso de purga (5).


A: Bomba do travão traseiro
B: Tambor do travão traseiro

Parafuso de purga (6).

Purgar cada receptor de travão pela ordem seguinte:

Roda dianteira esquerda.


Roda dianteira direita.
Roda traseira esquerda.
Roda traseira direita.

B3FP15YC B3FP15ZD

OBSERVAÇÕES: PURGA E ENCHIMENTO DOS TRAVÕES C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D).

205
PURGA E ENCHIMENTO DOS TRAVÕES
Purga, enchimento (Continuação).
Com o aparelho de purga
- Ligar o aparelho de purga [1] ao depósito do líquido dos travões (1).
- Regular a pressão do aparelho para 2 Bars.
Para cada circuito de travão:
- Ligar um tubo transparente ao parafuso de purga, mergulhar a outra extremidade do tubo num recipiente limpo.
- Abrir o parafuso de purga, esperar até que o líquido escorra sem bolhas de ar.
- Fechar o parafuso de purga.
Retirar o aparelho de purga [1].
Verificar o nível do líquido dos travões (Entre o nível «MIN» e o nível «MAX»).
Encher, se necessário com o líquido de travões sintético homologado e recomendado.
Sem o aparelho de purga.
NOTA: São necessários dois operadores.
Para cada circuito de travão:
- Carregar no pedal do travão para colocar o circuito sob pressão.
- Ligar um tubo transparente ao parafuso de purga, mergulhar a outra extremidade do tubo num recipiente limpo.
- Abrir o parafuso de purga, esperar até que o líquido escorra sem bolhas de ar.
- Fechar o parafuso de purga.
- Desmontar a ferramenta [1].
NOTA: Se necessário, reiniciar o método uma segunda vez.
- Verificar o nível do líquido dos travões, ( Entre o nível «MIN» e o nível «MAX» ).
- Encher, se necessário, com o líquido de travões sintético homologado e recomendado.

B3FP160C

OBSERVAÇÕES: PURGA E ENCHIMENTO DOS TRAVÕES C3 (GAMA BEAUCHEMIN.D).

206
MOTORES DE ARRANQUE
Veículos / modelos Tipos de motor de arranque Classe Clima
VALEO D7E16
BOSCH A001 183 027F 1 C,T,F
1.1i
MELCO M002T 13081
VALEO D6RA572 3 GF
VALEO D7E16
1.1 i Refri
BOSCH A001 183 027F 1 C, T
1.4 i Refri
MELCO M002T 13081
1.6i 16v Refri
VALEO D6RA572 3 F, GF
VALEO D7E16
C3
BOSCH A001 183 027F 1 C, T
1.4 i MELCO M002T 13081
1.6 i 16v VALEO D7E23
2 F
BOSCH E OAL 101 390
VALEO D6RA572 3 GF
C, T,
1.4I CVA VALEO D6RA572 3
F, GF
1.4 HDi VALEO D6RA110 4 C, T
1.4 HDi 16v VALEO D7GP09 5 F, GF
CLIMA: T (Temperado), C (Quente), F (Frio), GF (Muito Frio)

OBSERVAÇÕES: MOTORES DE ARRANQUE C3 (GAMA O MARCHAND.D).

207
ALTERNADORES
Classes e tipos
Motor CV
Não Refri Clima Refri Clima
VALEO A11 VI 109 VALEO A11 VI 109
7 C,T,F,GF 7 F, GF
VALEO SG7 S016 VALEO SG7 S016
1.1i
VALEO A13 VI 282
8 C, T
VALEO SG8 B022
M VALEO A11 VI 109 VALEO A11 VI 109
7 C,T,F,GF 7 F, GF
VALEO SG7 S016 VALEO SG7 S016
1.4i
VALEO A13 VI 282
VALEO SG8 B022
8 C, T
VALEO A11 VI 109 VALEO A13 VI 282
7 C
VALEO SG7 S016 VALEO SG8 B022
1.4i A
VALEO A13 VI 282 VALEO A13 VI 283+
8 T, F, GF 9 F, GF
VALEO SG8 B022 VALEO SG 10 B023

OBSERVAÇÕES: ALTERNADORES C3 (GAMA O MARCHAND.D)

208
ALTERNADORES
Classes e tipos
Motor CV
Não Refri Clima Refri Clima
VALEO A11 VI 109 VALEO A13 VI 282
7 C,T 8 F, GF
VALEO SG7 S016 VALEO SG8 B022
1.6i 16 v
VALEO A13 VI 282 VALEOA13 VI 282+
F,GF 9 C, T
8 VALEO SG8 B022 VALEO SG8 B022
M VALEO A13 VI 282 DENSO SC2 F
C, T
1.4 Hdi VALEO SG8 B022
15 DENSO SC2 F,GF
VALEO A13 VI 282 DENSO SC2 C, T, F, GF
8 C
1.4 HDi 16v VALEO SG8 B022
15 DENSO SC2 T, F, GF

OBSERVAÇÕES: ALTERNADORES C3(GAMA O MARCHAND.D)

209
CIRCUITOS DE PRÉ-AQUECIMENTO E ARRANQUE
Pré / Pós-aquecimento
Veículos - modelos Velas de pré-aquecimento Caixa de pré-aquecimento
(tempo de pré-aquecimento a 20°C)
NGK YE04 NAGARES 960411-P
1.4 HDI 8HX
CARTIER 735068
NGK YE04 NAGARES 960411-P
1.4 HDI 8HW Comandado por calculador
C3 CARTIER 735068
Injecção diesel
NGK YE04 NAGARES 960411-P
1.4 HDI 16v 8HY NAGARES 960411-P
NAGARES 960411-P

OBSERVAÇÕES: CIRCUITOS DE PRÉ-AQUECIMENTO E ARRANQUE


(GAMA O MARCHAND.D).

210
CIRCUITO DE CARGA - ALTERNADOR COM REGULADOR MONO-FUNÇÃO
Controlo do débito de um alternador
Realizar a ligação ao lado, utilizando um amperímetro (A)
um voltímetro (V), e um reóstato ( R ) ou um combinado, composto
pelos três aparelhos mencionados.
Consultando a classe do aparelho, regular o regime do motor
(tabela de equivalências ao lado) e regular a carga do reóstato para
obter U=13,5, ler a intensidade. Débito sob 13,5 V
Intensidade (A)/ Velocidade do
Aviso: Com o alternador a ser excitado pela corrente que alternador
atravessa o avisador, certificar-se de que este se acende,
ligando a ignição o avisador deve apagar-se após o arranque Velocid 2000 3000 4000
(acelerar ligeiramente). ade rpm rpm rpm
Classe
Controlo do regulador de tensão.
5 29 A 39 A 43 A
Colocar o reóstato a zero e suprimir todos os consumidores. 7 42 A 54 A 59 A
Visualizar 5000rpm alternador U> 14,7 V o regulador está
defeituoso. 8 49 A 62 A 68 A

Nota: Estes ensaios devem ser realizados com o motor quente e a 9 62 A 76 A 83 A


bateria bem carregada. 12 72 A 90 A 100 A
15 99A 128A 140A
D1AP01SC

OBSERVAÇÕES: CIRCUITO DE CARGA - ALTERNADOR COM REGULADOR MONO-FUNÇÃO.C3

211
AR CONDICIONADO R 134 a (HFC)
Compressor
Carga
Veículo Motorização Data Cilindrada Quantidade Referência
frigorígena
Variável óleo cm ³ Óleo

C3 Todos os tipos 11/2001 Ä 625 + 0 - 50 gr SD 6 V 12 135 SP 10

GMV FAURE ECIA (250 Watts)

OBSERVAÇÕES: AR CONDICIONADO R 134 a (HFC).C3

212
PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a)
Compressor Condensador

O condensador (5) está equipado com um cilindro (6) que integra a função
do depósito do fluido refrigerante e munido de um cartucho filtrante
Manutenção do disco de comando (1) no eixo do compressor de
integrado neste.
refrigeração através de estrias.
Ferramenta
Nova ligação (2).
Ferramenta de montagem desmontagem FACOM : K .1702
Novas juntas de estanquecidade (3).(MANULLI).
A entrada (7) e a saída (8) do condensador (5) estão equipadas com novas
Etiqueta de identificação (4) do compressor de refrigeração.
juntas de estanquecidade (3).(MANULLI).
Condensador: MODINE 16 dm³
C5HP18UD C5HP18VD

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a) C3.

213
PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a)
Expansor Juntas de estanquecidade.

A entrada (10) e a saída (9) estão equipadas com novas juntas de Junta MANULLI calibrada (3)
estanquecidade (3).(MANULLI) Sentido de montagem da junta (3).
Expansor: TGK 2,02/2,7/2 Tons Antes da montagem da junta, lubrificar abundantemente a junta com óleo de
Evaporador: VALEO 60 mm. compressor de refrigeração (SP10).
Ponto específico: Pulsor
Os veículos C3 estão equipados com um fusível adicional de protecção do pulsor, que está situado no tablier no interior do veículo ao lado dos tubos
aerotérmicos até ¼ 04/2002
Consequentemente, se um cliente se queixar do não funcionamento do seu pulsor, é necessário verificar não apenas o fusível situado no BSM mas também
o fusível acima mencionado.
Depois de 04/2002 ¼ , o fusível seria integrado no pulsor.
C5HP18WC C5HP18XD

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a)C3.

214
PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a)
Filtro de pólen

Nota: O filtro de pólen está situado sob o capot do motor do lado direito.

Desmontagem

Desmontar:

- Os três parafusos (1).


- O cárter plástico (2).

Rodar a borboleta (3).

Desmontar o filtro de pólen (4)

Montagem.

Proceder de modo inverso à desmontagem.

C4AP169C C4AP16AC C4AP16BC

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a)C3.

215
PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a)
Substituição do cartucho filtrante e dessecante
Ferramentas.

[1] Estação de carga : (Consoante o equipamento da oficina)


[2] Ponta TORX : TORX 70 FACOM.
[3] Extractor de inércia :1671-T. Caixa 4114-T
[4] Ponta Ø 20 : 1671-T.D20.
[5] Kit de obturadores : (-).0188.T.
[6] Freios : FACOM.

Desmontagem.
Despressurizar o circuito de ar condicionado, ferramenta [1].
Desmontar a calandra.
Desmontar em «a» o pitão e a tampa em plástico.
Desencaixar o condensador em «b» e «c», utilizando uma chave de parafusos.
Inclinar o condensador para a frente.
Levantar e desencaixar o condensador.
Limpar a parte circundante do tampão (3).
Desmontar o tampão plástico (3), ferramenta [2].
Desmontar os freios (4) de segurança, ferramenta [6].
Posicionar a ferramenta [3] e [4] no orifício do cartucho (5).
Extrair o cartucho do depósito (6), ferramenta . [3] e [4]
Obstruir o depósito (6), ferramenta [5].

C4AP163C C4AP164C C4AP165C C4AP166C

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a) 2002.

216
PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a)
Substituição do cartucho filtrante e dessecante

Montagem.
Desembrulhar o novo cartucho.
Não sujar o cartucho, o filtro e as juntas.
Lubrificar ligeiramente as juntas (óleo do compressor).
Desmontar a ferramenta [5] do depósito (6).
Introduzir o cartucho novo (5) no depósito (6).
Montar os freios (4) de segurança, ferramenta [6].
Certificar-se de que os freios (4) ficam bem posicionados no seu local.

ATENÇÃO: Entre o momento em que desembrulha o cartucho (6) e a


montagem de mesmo não deixar que decorram mais de 5 minutos.

Montar:
- O tampão plástico (3), ferramenta [5]-Aperto 1,2 ± 0,1 m.daN.
- O condensador (fixar novamente empurrando em «b» e «c».
- A tampa plástica e os pitões em «a».
- A calandra (2).
- Os parafusos (1).
Proceder a:
- Uma recarga do circuito (ver operação correspondente).
- Uma verificação do correcto funcionamento do ar condicionado.
(ver operação correspondente).
C4AP167C C4AP165C C4AP163C C4AP164C

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a) 2002.

217
PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a)
Lubrificante do compressor.

IMPERATIVO: O lubrificante dos compressores é extremamente higroscópico; utilizar doses NOVAS nas intervenções.
Controlo do nível do óleo do compressor.
Devem distinguir-se três casos:
- 1/ Intervenção no circuito sem ter existido fuga.
- 2/ Fuga lenta.
- 3/ Fuga rápida.

1/Intervenção sem ter existido fuga.


a) - Utilização de uma estação de esvaziamento de recuperação não equipada com um decantador de óleo.
-Esvaziar o circuito através da válvula de BAIXA PRESSÃO, o mais lentamente possível, para que o óleo não saia do circuito.
-O enchimento do circuito com fluido R 134.a é efectuado sem adição de óleo.
b) – Utilização de uma estação de esvaziamento de enchimento equipada com um decantador de óleo.
-Esvaziar o circuito de fluido R 134.a respeitando as instruções de utilização da estação.
-Medir a quantidade de óleo recuperada.
-Introduzir a mesma quantidade de óleo NOVO, ao encher o circuito com fluido R 134.a.
c) - Substituição de um compressor.
-Desmontar o compressor antigo, esvaziá-lo e medir a quantidade de óleo.
-Esvaziar o compressor novo (fornecido com o nível de óleo atestado), para deixar uma quantidade de óleo NOVO idêntica à contida no compressor
antigo.
-O enchimento do circuito com fluido R 134.a é efectuado sem adição de óleo.

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a) 2002.

218
PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a)
Controlo do nível de óleo do compressor.(Continuação)

2/Fuga lenta.

- As fugas lentas não dão origem a perda de óleo, pelo que deverá ser adoptada a mesma estratégia que no caso das
intervenções sem ter existido fuga.

3/Fuga rápida.

Este tipo de incidente origina uma perda de óleo, assim como a exposição do circuito ao ar.

Assim, é necessário:

- Substituir o desidratador.
- Evacuar a maior quantidade de óleo possível. (Durante a substituição do elemento em causa).

Antes ou durante o enchimento do circuito com fluido R 134.a, introduzir 80 cm³ de óleo NOVO no circuito.

OBSERVAÇÕES: PONTOS ESPECÍFICOS: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO (R 134.a) 2002.

219
CONTROLO: EFICÁCIA DE UM CIRCUITO DE AR CONDICIONADO
CONTROLO DAS TEMPERATURAS

FERRAMENTA Controlo.

Dois termómetros. Uma vez reunidas todas estas condições, proceder pela seguinte ordem:

Condições prévias. - Ligar o motor sem refrigeração e aguardar o accionamento da primeira


velocidade dos moto ventiladores.
Posição dos comandos do ar condicionado: - Ligar a refrigeração e regular o regime do motor para 2500 rpm.
- Frio máximo.
- Pulsor de ar na posição máxima. NOTA: A uma temperatura exterior de 40°C, o regime do motor irá
- Distribuidor de ar na posição "ventilação", com os ventiladores do painel às 2000 rpm, para evitar o corte do compressor pela segurança de Alta
de bordo abertos. pressão (Pressóstato).
- Borboleta de entrada de ar na posição "ar exterior".
Após três minutos de funcionamento do ar condicionado:
Condições e equipamento do veículo. - Medir a temperatura ambiente da oficina.
- A temperatura do ar emitido pelos ventiladores centrais.
- Capot fechado.
- Portas e vidros fechados. Comparar os valores obtidos com a tabela da página seguinte.
- Colocar o veículo num local abrigado (vento, sol, etc)

OBSERVAÇÕES: CONTROLO: EFICÁCIA DE UM CIRCUITO DE AR CONDICIONADO 2002.

220
CONTROLO: EFICÁCIA DE UM CIRCUITO DE AR CONDICIONADO
CONTROLO DAS TEMPERATURAS (Continuação)

Veículo equipado com fluido R134.a (Compressor de cilindrada variável)


Temperatura exterior em °C 40 35 30 25 20 15
Veículo Motorização

Temperatura em °C
nos ventiladores centrais
C3 Todos os tipos 18,5 ± 2 15 ± 2 12,5 ± 2 10 ± 2 8,5 ± 2 6,5 ± 2

OBSERVAÇÕES: CONTROLO: EFICÁCIA DE UM CIRCUITO DE AR CONDICIONADO 2002.

221
CONTROLO: EFICÁCIA DE UM CIRCUITO DE AR CONDICIONADO
CONTROLO DAS PRESSÕES
FERRAMENTAS - A temperatura do ar emitido pelos ventiladores centrais
- 1 Estação de carga. (Ver tabelas).
- 2 Termómetros. - A Alta pressão.
De acordo com as condições prévias, equipamento do veículo e controlo - A Baixa pressão.
(Ver quadro.) abaixo: Comparar os valores obtidos com a tabela abaixo ou com as curvas.
Após três minutos de funcionamento da refrigeração, repor os parâmetros
seguintes:
Veículo equipado com fluido R134.a (Compressor de cilindrada variável)
Temperatura exterior em °C 40 35 30 25 20 15
Veículo Motores
Alta pressão (Bars) 14,5 ± 2 17,6 ± 2 20 ± 2 21,4 ± 2 23,6 ± 2 25,2 ± 2
C3 Todos os tipos
Baixa pressão (Bars) 2,4 ± 0,2 2,5 ± 0,2 2,8 ± 0,2 3 ± ,02 3,5 ± ,02

Nota: Para as RFTA (1), desligar o conector do motor da entrada de ar certificando-se de que este está na posição ar exterior.

Aviso: Os resultados indicados acima são expressos em bars absolutos, quando se utiliza um aparelho de medição com pressão relativa
(ex: colector), é conveniente fazer a correcção do valor lido para o converter em bars absolutos.

(1) RFTA = Refrigeração toda automática

OBSERVAÇÕES: CONTROLO: EFICÁCIA DE UM CIRCUITO DE AR CONDICIONADO 2002.

222
CONTROLO: EFICÁCIA DE UM CIRCUITO DE AR CONDICIONADO
CONTROLO DAS PRESSÕES (Continuação)

Baixa pressão Baixa pressão Baixa pressão


demasiado baixa normal demasiado elevada
- Carga de fluido demasiado fraca.
- Velocidade do grupo GMV não
Alta pressão - Estrangulamento no circuito de alta - Expansor defeituoso.
adaptada
demasiado baixa pressão. - Compressor defeituoso.
- Compressor defeituoso.
- Expansor sujo.
Alta pressão - Compressor defeituoso. - Velocidade do grupo GMV não
- Circuito normal.
normal - Evaporador sujo. adaptada
- Carga de fluido excessiva.
- Expansor defeituoso. - Presença de produtos não - Condensador sujo.
Alta pressão
- Entupimento no circuito. condensáveis. - Expansor defeituoso.
demasiado elevada
- Presença de humidade no circuito. - Condensador sujo. - Velocidade do grupo GMV não
adaptada.

Controlos das pressões a uma temperatura de 15°C a 35°C, a título indicativo.


De uma forma geral, as pressões devem ser da ordem de:
- No caso do fluido R134.a, inferiores a 2 Bars para Baixa pressão e de 13 a 24 Bars para Alta pressão.

OBSERVAÇÕES: CONTROLO: EFICÁCIA DE UM CIRCUITO DE AR CONDICIONADO 2002

223
CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO R 134.a

(1) Válvula de baixa pressão.

(2) Válvula de alta pressão

(3) Filtro.

(4) Pressóstato.

Binário de aperto m.daN

(a) : 0,6.
(b) : 0,6.
(c) : 0,6.
(d) : 0,6.
(e) : 0,6.
(f) : 0,6.

C5HP17SP

OBSERVAÇÕES: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO R.134 a C3

224
.CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO R 134.a
Procedimentos do ensaio.
Condições interiores do veículo
Posição dos comandos do ar condicionado: Ligar a refrigeração e regular o regime do motor para 2500 rpm. Para uma
Frio máximo. temperatura ambiente de 40°C, o regime motor deverá ser levado às 2000
Potência máxima do pulsor. rpm, a fim de evitar o corte do compressor ao atingir a soleira de segurança
Repartição do ar em «arejamento» com ventiladores abertos. da pressão.
Posicionar a borboleta de entrada de ar em ar exterior.
ATENÇÃO: Para as RFTA (1), desligar o conector do motor de entrada de Outras temperaturas/pressões nas tabelas das páginas 221 e 222.
ar certificando-se de que este está na posição ar exterior. Curva, página 226.
(1) RFTA = Refrigeração toda automática.
Após 3 minutos de funcionamento, verificar os 3 seguintes parâmetros:
Procedimento de ensaio. A temperatura do ar emitido à saída dos 2 ventiladores centrais.
Quando estiverem reunidas todas as condições, proceder pela ordem (Calcular a média).
seguinte: A alta pressão, por intermédio da união encaixável.
Medir a temperatura da oficina a cerca de um metro em frente à grelha de (Entrada do expansor)
entrada de ar do veículo. A baixa pressão, por intermédio da união encaixável.
Ligar o motor (sem a refrigeração, nem o pulsor), e aguardar o accionamento (Saída do expansor)
da primeira velocidade do GMV (caso a subida da temperatura do motor seja NOTA: As pressões baixas e altas são pressões absolutas.
difícil, é permitido aumentar o regime do motor para as 2000 rpm). Na altura da medição dos ares emitidos, evitar o contacto entre o termopar e
Uma vez bem quente o compartimento do motor, passar novamente o motor os ventiladores.
para o ralenti e começar o ensaio.
No final do ensaio aos veículos «RFTA», não esquecer de ligar novamente o
conector do motor da entrada de ar.

OBSERVAÇÕES: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO R 134.A C3.

225
CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO R 134.a
Controlos: Circuito do ar condicionado

Legenda.

T/P = Escala de: Temperatura.(C° ), média nos


ventiladores e de alta pressão (Bars).

P = Escala de baixa pressão (Bars).

Te = Escala da temperatura exterior (C° ).

HP = Pressão na saída do compressor (Bars).

BP = Pressão à entrada do compressor (Bars).

TA = Temperatura média do ar emitido à saída


dos ventiladores centrais.

C5HP18GD

OBSERVAÇÕES: CIRCUITO DE REFRIGERAÇÃO R 134.A C3.

226