Você está na página 1de 2

Ferramentas do Processo de Coaching

Assessment de Identificação de Perfil Comportamental

Jaqueline Da Selva

Nos processos de coaching são inúmeras as ferramentas utilizadas pelo


coach, o profissional que conduz o processo com o cliente, o coachee. Estas
ferramentas ou instrumentos vão desde as perguntas poderosas, que só
podem ser assim consideradas se conectadas ao momento do coachee, até
instrumentos que foram originalmente utilizados na engenharia, marketing,
administração de empresas, como por exemplo, técnicas de gerenciamento do
tempo, a análise SWOT e o 5W2H, bem familiares a muitos profissionais de
diversas áreas.

A análise de perfil comportamental é um instrumento bastante utilizado


nos processos de coaching. A busca de entendimento do comportamento
humano iniciou na antiga Grécia, onde os gregos relacionavam os diferentes
temperamentos aos quatro elementos da natureza. Modernamente, Jung
estudou os estilos psicológicos e os dividiu, também, em quatro tipos.

Em 1928, William Marston, um advogado com doutorado em Psicologia,


realizou pesquisas que reuniram conhecimentos de física, química, biologia,
fisiologia, psicologia, entre outras ciências, e escreveu uma obra chamada As
Emoções das Pessoas Normais, material que serviu de base para o
desenvolvimento da metodologia DISC, que são as iniciais de Dominância,
Influência, Estabilidade e Conformidade, os quatros estilos identificados por
Marston.

Desde então, com o desenvolvimento tecnológico, foram criadas


dezenas, talvez centenas de softwares pelo mundo que, com base na
metodologia DISC, visam identificar os perfis comportamentais. Além disto, há
treinamentos que replicam as técnicas de identificação de perfil através da
leitura corporal, das formas de organização dos ambientes, modo de agir no
trânsito, além de treinar os profissionais na correta interpretação dos relatórios
gerados pelos softwares e, fundamentalmente, na preparação de entrevistas
devolutivas, momento no qual o coach utiliza as ferramentas e técnicas para
ampliar o autoconhecimento do coachee, identificar potenciais, além de vários
fatores fundamentais ao processo de desenvolvimento.

Este manancial de instrumentos e técnicas, aplicadas no início do


processo de coaching, auxilia o coach no entendimento das tendências
comportamentais como relacionamento interpessoal e interação com o
ambiente profissional e social, áreas de talento, habilidades e competências de
seus clientes, o que torna a comunicação entre coach e coachee mais
assertiva, trazendo resultados mais rapidamente. O olhar treinado pode,
inclusive, identificar claramente o estilo preferencial antes mesmo da aplicação
de qualquer instrumento.

Entender e utilizar as técnicas de identificação de perfil é como aprender


uma nova língua, pois cada estilo tem preferências de vocabulário, tom de voz,
formas distintas de abordar assuntos mais delicados, tempo necessário para
estabelecer confiança e para tomada de decisão; alguns são mais racionais ou
emotivos, introvertidos ou extrovertidos, podem ser voltados a métodos e
resultados ou ainda valorizarem mais os relacionamentos dos que os
processos.

Um cuidado é fundamental. Assim como em qualquer técnica, deve


haver o cuidado de não rotular, julgar ou criticar os estilos, visto que algumas
das características são inatas e muito complexas para serem modificadas. O
reconhecimento é fundamental para que o coachee aprenda a aceitar-se e
modificar o que for necessário dentro do seu entendimento, não
necessariamente tudo que estiver rotulado como ponto negativo. Vale o bom
senso, preparo e sensibilidade do coach.

Tem grande relevância destacar que é responsabilidade do profissional


verificar a validação do instrumento, grau de acerto, tamanho da população
utilizada na validação, e instituições que chancelam os softwares, a fim de
trabalhar com instrumentos confiáveis.

Considerando os benefícios das ferramentas e técnicas de identificação


de perfil comportamental e os cuidados que o profissional precisa levar em
conta, este é instrumento de grande valor ao processo.

Referência Bibliográficas:

MARSTON, W. M. As emoções das pessoas normais. Success for you, São


Paulo, 2015.

SOLIDES. Formação de analista comportamental avançado. Solides, Belo


Horizonte, 2014.