Você está na página 1de 9

ANATOMIA ABDOMINAL E AFECÇÕES HEPÁTICAS

ANATOMIA ABDOMINAL POR IMAGEM (TOMOGRAFIA)


SITUAÇÕES EXPOSTAS NA AULA DE ANATOMIA ABDOMINAL
 Parede anterior do abdome:
 Reto abdominal lipossubstituído ~ não achei imagem;
 Seroma na parede anterior com reto abdominal segurando ~ não achei imagem;
 Hérnia umbilical encarcerada;
 Parede anterolateral do abdome:
 Hematoma na parede anterolateral, evidenciando sangue entre os mm. oblíquos;
 Hérnia de Spiegel, devido à fraqueza de músculos da PAL;

 Peritônio:
 Compartimentos supra e inframesocólico:

 Bolsa de Morison (recesso hepatorrenal): na imagem acima à direita; do lado esquerdo, a


penúltima setinha (de cima para baixo);
 Forame de Winslow: comunica espaços supra e inframesocólico;
 Carcinoma com implantação peritoneal:
 Goteiras paracólica esquerda (ligamento frenocólico) e direita;
 Tumor de ovário com implantação em músculos abdominais.
 Parede posterior:
 Abscesso no psoas: presença de cavidade cística com parede espessada e sinais inflamatórios;

 Gordura perirrenal;
 Adrenais:
 Direita  identificar fígado, VCI, crura direita;
 Esquerda  identificar fígado, polo superior do rim esquerdo;
 Ambas possuem formato em Y.
FÍGADO
 Anatomia:
 Morfológica: o órgão é dividido em 4 lobos (dois maiores e dois menores) – direito, esquerdo,
caudado e quadrado;
 Os lobos direito e esquerdo são divididos pela fissura umbilical inferiormente e pelo
ligamento falciforme anterossuperiormente;
 Na face inferior do lobo direito, a fissura hilar delimita os lobos quadrado (anteriormente)
e caudado (posteriormente).

 Funcional: o órgão é dividido em dois hemisférios – fígado direito e esquerdo; estes por sua vez
são divididos em setores e segmentos, tendo como elementos de definição os pedículos portais e
veias hepáticas;
 Os lobos funcionais são individualizados no que diz respeito aos fluxos portal e arterial,
drenagem biliar e drenagem venosa;
 A divisão entre direito e esquerdo segue o curso da veia hepática média.
 Os fígados direito e esquerdo, por sua vez, são divididos em duas porções cada um, pelas
cisuras direita e esquerda, respectivamente; na intimidade do parênquima, as cisuras
correspondem ao trajeto das veias hepática direita e esquerda;
 As relações anatômicas das veias hepáticas e de outras estruturas determinada divisão do
fígado em quatro setores, que são subdivididos em segmentos; estes são numerados de 1 a
8 em sentido horário;
 A segmentação imagenológica do fígado é bem realizada por meio da tomografia
computadorizada, visto que é difícil ao US;
 Observando a imagem, pode-se ter em mente que os segmentos superiores são 1, 2, 4, 7, 8,
enquanto os inferiores são 3, 4, 5 e 6; a divisão em superior e inferior é realizada a partir
da ramificação da veia porta em ramos direito e esquerdo;
 A vesícula biliar encontra-se em íntimo contato com o segmento 5, enquanto o rim direito
encontra-se em íntimo contato com o segmento 6.

 Metástases:
 98% dos casos são múltiplas e 2%, únicas;
 São representadas no exame de imagem por nódulos hipoecoicos de contornos regulares.

 Quando as lesões apresentam caráter infiltrativo, deve-se suspeitar de linfoma.


 Curvas de contraste hepáticas: ocorrem à medida que o sangue trafega pelos vasos hepáticos;
 Sem contraste  Artéria hepática  veia porta  equilíbrio.

 O contraste máximo é obtido entre 60 e 120 segundos, sendo este tempo correspondente à
passagem da solução pela veia porta e seus ramos – o maior aporte sanguíneo do fígado deriva da
veia porta.
 Hemangioma: canais vasculares interconectados e revestidos por endotélio, confinados em um estroma
fibroblástico frouxo; é uma alteração benigna;
 Representado na imagem por nódulo hiperecoico < 3 cm e homogêneo, com contrastação positiva
em fase portal;
 Deve ser realizado diagnóstico diferencial com metástase.

 Esteatose:
 No US: som perde força e causa diminuição da definição posterior  “queda de sinal”;
 Na RM: quando realiza-se supressão de sinal da gordura, há evidenciação da esteatose.
 Condições que aumentam a densidade hepática: deficiência de α-1-glicogenase, hemocromatose, etc;

Fígado com hemocromatose (tomografia computadorizada)


 Cirrose: visualização de superfície nodular; + ascite, retração do órgão, vasos de circulação colateral;

 Hepatocarcinoma x cirrose: 10% dos quadros de cirrose levam ao HC, contudo, 70% dos casos de HC
derivam de cirrose;
 O hepatocarcinoma apresenta o chamado washout tumoral (in e out), no qual há rápido e intenso
aparecimento do realce do contraste (realce arterial), seguido de rápida lavagem do mesmo, em
tempo menor que órgãos normais;
 Esta neoplasia acomete principalmente homens (2,5H:1M) durante 7ª e 8ª décadas de vida; 90%
dos casos são sintomáticos;
 Esquistossomose: irregularidade de contornos, tropismo pelo lado direito , alargamento de fissuras,
nódulos sideróticos esplênicos;

 Trauma hepático:
 Laceração: sangue, descontinuidade da cápsula;

 Hematoma subcapsular: contusão hepática;