Você está na página 1de 14

ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

FLEXICOTTON – AUMENTO SUBESTAÇÃO


BR 282, Km 32, s/n - Poço Fundo
Santo Amaro da Imperatriz – SC

ESTUDO DE PROTEÇÃO
PROJETO EXECUTIVO
Florianópolis, novembro de 2019

1
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

SUMÁRIO
1. OBJETO...................................................................................................................................................... 3
2. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES ...................................................................................................... 3
3. DIMENSIONAMENTO DO CONDUTOR DE PROTEÇÃO ..................................................................... 3
3.1.1. Aterramento do neutro da Subestação (SE) ........................................................................................................3

4. CÁLCULO DE CURTO CIRCUITO........................................................................................................... 4


4.1. Dados Celesc ........................................................................................................................................... 4
4.2. Dados Cliente ........................................................................................................................................... 4
4.3. Estudo de curto-circuito ........................................................................................................................... 5
4.3.1. Diagrama de impedâncias...................................................................................................................................6

4.3.2. Dados Celesc.......................................................................................................................................................6

4.3.3. Dados Cliente .......................................................................................................................................................7

4.3.4. Corrente de curto circuito na barra de média tensão ..........................................................................................7

4.3.5. Estudo de Seletividade ........................................................................................................................................7

4.3.6. Corrente de partida do relé ..................................................................................................................................8

4.3.7. Corrente de magnetização dos transformadores................................................................................................8

4.3.8. Ajuste da função instantânea de fase (50) ..........................................................................................................9

4.3.9. Ajuste da função temporizada de fase (51) e de neutro (51N) .........................................................................10

4.3.10. Resumo de ajustes da proteção secundária ...................................................................................................13

4.3.11. Conclusão do estudo de proteção ..................................................................................................................13

2
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

1. OBJETO
O Objetivo deste documento é apresentar o ESTUDO DE PROTEÇÃO que descrevem o Projeto
Elétrico Executivo da subestação da Flexicotton.

2. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES
Este capítulo tem o objetivo de apresentar o estudo de proteção do projeto de instalações elétricas
do da Flexicotton localizada na BR282 próxima a chave fusível 74086.

3. DIMENSIONAMENTO DO CONDUTOR DE PROTEÇÃO

3.1.1. Aterramento do neutro da Subestação (SE)


A corrente de projeto será:
I= potência do trafo/ (1,73 * tensão de baixa)
I = 2000000/ (1,73 * 380) = 3038 A
O disjuntor projetado será de 3500 A com corrente de ajuste de 3100 A, o condutor projetado
será de 6x4#240mm2, cujo o método de instalação é o F, com isolação EPR, portanto sua
capacidade de corrente em solo é de 6x607 = 3642 A.

3.1.1.1. Dimensionamento do terra segundo tabela 44 da norma NBR-14039

O condutor fase da instalação é de 240 mm2 portanto:


240/2 = 120 mm2
No entanto afim de garantir que este será o cabo de aterramento utilizado, necessita-se calcular o
condutor de proteção de acordo com a falta presumida na subestação.

3.1.1.2. Dimensionamento do terra segundo item 6.4.3.1.1 da NBR-14039

Onde S é seção do condutores;


I é o valor eficaz da corrente de falta que pode circular pelo dispositivo de proteção, para uma falta
direta em ampéres;
t é o tempo de atuação do dispositivo de proteção responsável pelo seccionamento automático em
segundos;
k = é um fator que depende do material do condutor de proteção, de sua isolação e outras partes, e
das temperaturas inicial e final do condutor.
I= 34 kA

3
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

T= 1 s
K = 176 da tabela 41
Jogando os valores na fórmula chegamos ao resultado de 193 mm2, como não existe esse valor
comercialmente, teremos um cabo de 240mm2, para fins de segurança,
Confirmar-se desta maneira que o cabo de 240 mm² suporta a corrente de curto circuito, sendo
em nossa malha de aterramento será utilizado cabo de cobre nú de 240mm² .

4. CÁLCULO DE CURTO CIRCUITO

4.1. Dados Celesc


Impedâncias
Z1 = 1,794 + j 4,309 (rede)
Z0 = 3,537 + j 17,311 (terra)
RF = 40 Ω (7,56 pu)
Curto circuito
Trifásica = 896 A
Trifásica assimétrica = 960 A
Fase terra = 467 A
Fase terra assimétrica = 544 A
Fase terra mínimo = 168 A
Ajustes de proteção
Partida de fase: 450 A
Curva de fase: NI-IEC
Partida de neutro: 70 A
Curva de neutro: NI-IEC

4.2. Dados Cliente


Cabo de entrada = 70mm² – tripolar – 8,7/15kV – Eprotenax
Z1 = 0,359 + j 0,134 Ω/KM
Comprimento = 50m
Trafo = 2000 kVA com impedância de 5,81%

4
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

4.3. Estudo de curto-circuito

Fig. 1: Diagrama simplificado

5
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

4.3.1. Diagrama de impedâncias

Fig.1.2: Diagrama de sequência positiva

Fig.1.3: Diagrama de sequência negativa Fig.1.4: Diagrama de sequência zero

4.3.2. Dados Celesc


Impedâncias
Z1 = 1,794 + j 4,309 (rede)
Z0 = 3,537 + j 17,311 (terra)
RF = 40 Ω (7,56 pu)
Curto circuito PONTO A
Trifásica = 896 A
Trifásica assimétrica = 960 A
Fase terra = 467 A

6
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

Fase terra assimétrica = 544 A


Fase terra mínimo = 168 A
Ajustes de proteção
Partida de fase: 450 A
Curva de fase: IEC NI
Partida de neutro: 70 A
Curva de neutro: IEC NI

4.3.3. Dados Cliente


Cabo de entrada = 70mm² – tripolar – 8,7/15kV – Eprotenax – condutor em alumínio
Z1 = 0,359 + j 0,134 Ω/KM
Comprimento = 50m
Trafo = 2000 kVA com impedância de 5,81%

4.3.4. Corrente de curto circuito na barra de média tensão


Impedâncias
Z1 = 1,81 + j 4,31 pu (rede + cabo)
Curto circuito PONTO B
Trifásica = 895 A
Trifásica assimétrica = 957A
Fase terra = 466A
Fase terra assimétrica = 543 A
Fase terra mínimo = 168 A

4.3.5. Estudo de Seletividade

4.3.5.1. Dados do sistema


Demanda contratada = 2000 kVA
Tensão nominal =13,8 kV
Fator de potência = 92%
Curva = NI - IEC
Dial de Tempo = 0,1 s
Potência de transformação = 2000 KVA

Corrente nominal
In = 2000 / (1,73 x tensão )
In = 2000 / (1,73 x 13,8)
In = 83,67 A

7
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

4.3.6. Corrente de partida do relé


Ip fase = In x 1,15
Ip fase= 83,67 x 1,3= 108,77 A
Ip neutro = Ip fase x 0,3
Ip = 108,77 x 0,3= 32,63 A

4.3.7. Corrente de magnetização dos transformadores


Corrente nominal transformador de 2000 kVA
In = 2000 / (1,73 x tensão)
In = 2000 / (1,73 x 13,8) = 83,67 A
Corrente de magnetização
Im = 8 x In (maior corrente nominal dos transformadores)
Im = 8 x 83,67 = 670 A
Corrente Inrush
Inrush = Im + Intotal (trafos restantes)
Inrush = 670 A

4.3.7.1. Ponto ANSI dos Transformadores


Transformador de 2000 kVA
I fase ANSI= (100/z%) x In
I fase ANSI = (100/5,81) x 83,67
I fase ANSI= 1440 A
I neutro ANSI= (100/z%) x In x 0,58
I neutro ANSI= (100/5,81) x 83,67x 0,58
I neutro ANSI= 835,26 A
Tansi = (Z%²)/8 = 5,81²/8 = 4,21 s

4.3.7.2. Dimensionamento TC de Proteção


Corrente nominal do TC de proteção
Com a demanda máxima de 2000 kVA, utilizando o critério da corrente nominal, o TC deve ter
corrente primária nominal de 100 A. Abaixo é apresentado o cálculo da corrente nominal prevista
para a instalação:
In = demanda / (1,73 x tensão)
In = 2000 / (1,73 x 13,8) = 83,67 A

Corrente de saturação do TC de proteção


Para garantir a não saturação dos TC's durante o maior curto-circuito possível na instalação,
eles devem ser dimensionados de modo que esta corrente não ultrapasse 20 vezes a sua corrente
nominal. A maior corrente de curto-circuito calculada é 945 A na barra de média tensão da
subestação

8
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

ITC > ICC/ 20


ITC > 945/20
ITC > 47,25 A
Logo a corrente nominal do primário dos TC's de proteção deve ser superior a
47,25 A .
Nesse caso, a relação adotada dos TC's de proteção será de 100/5 (RTC= 20:1), uma vez que a
corrente de saturação será menor que a corrente nominal do primário do TC.

Carga nominal TC
Zcarga TC = Zfiação + Σzrelés
Sendo:
Σzrelés = 0 Ω
Zfiação = Pcobre x (l/Scobre)
Pcobre = 1158,82
l=6m
Scobre = 2,5 mm²
Portanto:
Zcarga TC = Zfiação = 0,0408 Ω
A carga nominal é dada pela equação abaixo:
PcargaTC = Zcarga TC x Isec²
Sendo:
Isec² = 5² A
Portanto:
Pcarga TC = 1,12 VA
Desta forma,a carga nominal do TC deverá estar entre o valor de 1,12VA a 3 VA.
Conforme as definições padrões da ABNT, a classe de exatidão do TC será de 10%.
Especificação do TC
Relação de transformação = 100/5 A
Nível de isolamento = 13,8kV
Frequência = 60Hz
Classe de exatidão = 12,5 VA com erro de 10%
Fator térmico = 1,2
Corrente térmica = Ith = 25 kA
Corrente dinâmica = 62,5 kA
Classe B de baixa impedância
Vmáx = (ICC3FA/RTC)x0,33 = (945/20)*0,33 = 15,59V
Exatidão conforme NBR6856 = 10B20 ABNT

4.3.8. Ajuste da função instantânea de fase (50)

I instantânea fase = 1,05 x Inrush

9
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

I instantânea fase = 1,05 x 670 = 703,5 A


Ajuste da função instantânea de neutro (50 N)
I instantânea neutro = 1/3 x I instantânea fase
I instantânea neutro = 1/3 x 703,5 = 234,5 A

4.3.9. Ajuste da função temporizada de fase (51) e de neutro (51N)

Para o traçado do gráfico foi utilizado a equação abaixo:

Sendo:
DT = Dial de tempo, ou seja o tempo de atuação em segundos (foi utilizado o valor de 0,1 s)
IL = Corrente de entrada, valor estimado, este tem que ser maior que a corrente de partida do
relé;
Ip = Corrente de partida do relé
α = 0,02 para curva normalmente inversa
k = 0,14 para curva normalmente inversa

Segue abaixo os resultados finais, plotados no gráfico, e resultados nas tabelas seguintes.

10
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

4.3.9.1. Gráficos de proteção

Coordenograma tempo x corrente - FASE

100

Corrente inrush
Tempo de atuação (s)

ICC3F Ass

Consumidor 50 FASE
1
Consumidor 51 FASE

Ansi Fase Trafo

86518

572

PLA 12

ICC3F Ass CELESC

0,01
1,00 10,00 100,00 1000,00 10000,00
I (A)

11
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

Coordenograma tempo x corrente - NEUTRO

100

Corrente inrush NEUTRO


Tempo de atuação (s)

ICCmin terra

Consumidor 50 NEUTRO

Consumidor 51 NEUTRO

Ansi Neutro Trafo


1 86518 NEUTRO

572 NEUTRO

PLA 12 NEUTRO

0,01
1,00 10,00 100,00 1000,00
I (A)

12
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

4.3.10. Resumo de ajustes da proteção secundária

Ajustes do relé Valor Unidade


Corrente instantânea de fase 703,69 A
Corrente instantânea de 234,56 A
neutro
Corrente temporizada de fase 96 A
Corrente temporizada de 29 A
neutro
Curva de fase NI-IEC -
Curva de neutro NI-IEC -
Dial Time de fase – multiplo 0,1
de tempo
Dial time de neutro – multiplo 0,1
de tempo
TC a ser utilizado 100/5 A
Corrente de magnetização - 670 A
INRUSH

Transformador Corrente ANSI de Corrente ANSI de Tempo ANSI (s)


Fase (A) Neutro (A)
2000 kVA 1441,88 836,29 4,21

CURTO CIRCUITO
Trecho 3Ø (A) 3Øassim ØT (A) Øtassim Øtmin (A) Ponto
(A) (A)
Celesc 896 960 467 544 168 A
Barra de 895 957 466 543 168 B
média
tensão
subestação

4.3.11. Conclusão do estudo de proteção

Neste estudo foi considerado um relé de proteção digital que apresenta os valores de corrente, no dial,
já referido a alta tensão em Amper.
Primeiramente busca-se na parametrização deste relé, escolher o dial de tempo (D.T.) inferior ao ponto
ANSI dos trafos e com a diferença de tempo 0,1 segundos para a curva de fase da proteção da
concessionária.

13
ESTUDO DE PROTEÇÃO ‘’

No dimensionamento do TC foi considerado que este não deverá exceder 20 vezes sua corrente
nominal durante o curto-circuito, no entanto sua corrente nominal é maior que saturação por curto
circuito.
Posteriormente considera-se que o instantâneo do relé, deve permitir a magnetização dos trafos
(inrush), assim verifica-se neste estudo que a atuação do relé de proteção para partida será 15% acima
da corrente nominal, ou seja, é garantida a seletividade e não atuação do relé nos casos de corrente de
magnetização, acima desse valor de ajuste. Acima deste percentual de corrente de partida, já não se
garante a seletividade das proteções
Para a corrente temporizada foi utilizado valor com 5% acima da corrente de inrush, pois assim evita-se
o acionamento desnecessário do relé, devido à alta corrente inrush.
Utiliza-se a curva normalmente inversa do padrão IEC, e apenas esta garante a seletividade das
proteções 86518, 572 e PLA12.

14